Issuu on Google+

al ci a e p ri Es st ão dú iç in Ed ro Ag

Especial | Nº 5 | 2012

Agroindústrias movimentam pequenos negócios da Bahia


Adriano AraĂşjo, proprietĂĄrio da Aerocargas

Quer ter boas ideias para 20 12? > Baixe o aplicativo do Sebrae na App Store.


Há 40 anos, o Sebrae escreve histórias de sucesso. É hora de escrever a sua.


sumário |

Programa Vida Melhor Rural na Bahia será referência para 6 outros estados

Sul da Bahia produz um dos melhores pólens do Brasil

9

Com tecnologia, produção 11 de leite aumenta 9,5%

endereços ÚTEIS Ministério da Fazenda – Delegacia da Receita Federal em Salvador | Rua Alceu Amoroso Lima, Nº 862, 9º Andar, Caminho das Árvores | Tel (71) 3416-1301 | Segunda a sexta, das 7h às 18h | www.receita.fazenda.gov.br

expediente |

Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia – INFAZ Iguatemi | Av. Juracy Magalhães, n°1790 - Rio Vermelho. Cep 41940-060 | Segunda a sexta, das 8h30min às 12h e das 13h30min às 18h | Tel.: (71) 3115-8897 / 8763 - 0800 071 0071 | www.sefaz.ba.gov.br Secretaria Municipal da Fazenda | Rua das Vassouras nº 1 - Centro, Salvador/BA. Cep 40020-020 | Tel.: (71) 2101-8200 www.sefaz.salvador.ba.gov.br JUCEB – Junta Comercial do Estado da Bahia | Rua Miguel Calmon, 28 – Bairro do Comércio – Salvador/BA. CEP 40015-010 | Segunda a sexta, das 9h às 16h | Tel. (71) 3326-8004 / 8080 - www.juceb.ba.gov.br SUCOM – Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município | Av. Mário Leal Ferreira nº1975 - Bonocô - Salvador/BA. Cep 40252-390 | Tel.: (71) 2201-6900 - www.sucom.ba.gov.br Sebrae – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado da Bahia | Rua Horácio César, 64 – Bairro Dois de Julho - Salvador/BA. Cep 40060-350 - PABX (71) 3320-4300 | www.ba.sebrae.com.br CARTÓRIOS DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS 1º Ofício | Rua Arquimedes Gonçalves, 113 - Jardim Baiano - Salvador/BA | 8h30min às 12h - 13h30min às 18h | Tel.: (71)3322-5092. 2º Ofício | Rua Conselheiro Dantas, 22/24, Edf. Bradesco, 7º andar, salas 705 e 706 - Comércio - Salvador/BA | Tel.: (71) 32410612 | 8h30min às 18h. Registro de empresas O registro das empresas comerciais, exceto Sociedade Simples, poderá ser feito no SAC EMPRESARIAL - Salvador/Multishop Boca do Rio | Av Otávio Mangabeira s/nº, Bairro Boca do Rio – Salvador/BA | Tel.: 3281-4141 (Administração) e 3281-4142 (Sebrae).

Publicação filiada à Aberje


editorial |

Produção Agroecológica beneficia 560 famílias na Bahia 17

Assistência Gerencial e Tecnológica aumenta em 139% produtividade de 12 ovinos e caprinos

Secretário da Agricultura, Eduardo Salles, explica como agroindústrias combatem as 21/22 desigualdades sociais

Publicação do Sebrae/BA Revista Conexão Especial Agroindústria nº 5, Setembro de 2012 Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Bahia

João Martins da Silva Júnior Diretor-Superintendente

Edival Passos Souza Diretores

Lauro Alberto Chaves Ramos e Luiz Henrique Mendonça Barreto Coordenação da Unidade de Marketing e Comunicação:

Cássia Montenegro DRT 1052 Edição

Fátima Emediato

Reportagens

Carla Fonseca, Carlos Baumgarten, Cristhiane Castro, Débora Vicentine, Fátima Emediato, Juliana Souza, Laiana Menezes, Maurício Maron, Renata Smith, Nara Zanelli, Silvia Torres, Tamara Leal e Verena Santana

Revisão

Marta Erhardt

Marketing

Alice Vargas, Mauro Viana, Priscila Mafra, Rafael Pastori e Vanessa Câmera

Estagiários

João Aguiar Neto, Ceres Martins, Nayane Oliveira e Daniele Silva

Colaboração

Unidade de Agronegócios e Coordenações Regionais do Sebrae Bahia

Capa

Ilustração - Pedro Minho

Projeto e Editoração Gráfica

Autor Visual Design Gráfico Telefax: (71) 3232-2722

Tiragem

15.000 exemplares

E-mail

comunicacao.sebrae@ba.sebrae.com.br

Cartas

Unidade de Marketing e Comunicação Rua Horácio Cézar, nº 64, Bairro Dois de Julho, Salvador-BA CEP: 40060-350

Telefones

(71) 3320-4558 / (71) 3320-4367

Fax

(71) 3320-4496

Agência Sebrae de Notícias

www.ba.agenciasebrae.com.br


Cafeicultura |

Programa para capacitar agroind na Bahia será referência para outros Foco é melhorar a gestão dos cooperados e acessar novos mercados

“A

economia do Estado e com grande potencial. Por isso, partir de agora só faremos novos projetos estamos entrando nessa parceria trabalhando dentro de com capacitação em gestão e capital de giro nossa expertise para aprimorar a gestão desses empreinicial”. A afirmação foi feita pelo secretário endimentos”, disse o diretor. da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia, O Programa Vida Melhor Rural, do Governo da Bahia Eduardo Salles, ao assinar no dia 7 de fevereiro deste atua em três eixos: fortalecimento da Rede Pública de ano, com o Sebrae, Secretaria Estadual de DesenvolviAssistência Técnica e Extensão Rural, requalificando sua mento e Integração Regional (Sedir), e o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), um termo de coopeatuação; fomento às atividades da agricultura familiar; e a ração para qualificar a gestão de 275 agroindústrias da Agroindústrialização com apoio à gestão e comercialização. agricultura familiar na Bahia. O termo O convênio define a atuação do Sefoi assinado durante o II Encontro de brae Bahia no terceiro eixo do programa Cooperativas da Agricultura Familiar “Nossos agricultores no apoio à Estruturação da Gestão e no Acesso a Mercado das unidades Agroinda Bahia, no Centro de Treinamento da familiares sabem dustriais atendidas pelo programa. Empresa Baiana de Desenvolvimento produzir e fazem Para assegurar o cumprimento das Agrícola (EBDA), em Salvador. ações, os dirigentes do Sebrae, o secreO superintendente do Sebrae-BA, isso com muita tário de Agricultura do Estado, Eduardo Edival Passos, destacou o acordo assideterminação” nado como um momento histórico para Salles, e o superintendente da Suaf, a agricultura familiar. “Trata-se de uma ação pioneira, Wilson Dias assinaram um termo de cooperação técnica. que se configura no processo de construção de parcerias No campo de atuação do Sebrae, Eduardo Salles destacou institucionais, voltadas para o repasse de conhecimento que a garantia de funcionamento de um empreendimento técnico e gerencial para empreendimentos agrícolas. está numa gestão aprimorada. “O Sebrae é uma instituição O mais importante é que esse processo contou com a que sabe fazer gestão. Aliando os conhecimentos que participação ativa de todos, inclusive de vocês, producada parceiro tem para passar, podemos contribuir com tores”, apontou. o fortalecimento da agricultura familiar”, destacou. No Reforçando as palavras de Edival, o diretor-técnico mesmo ato, foi assinado também o primeiro convênio, integrante do termo de cooperação, para qualificação do Sebrae, Lauro Ramos, chamou a atenção para o gerencial das primeiras 53 agroindústrias. momento ímpar que a agricultura familiar na Bahia está “Este termo de cooperação que celebramos com o passando. “Temos um objetivo claro, com foco em reSebrae é um convênio “guarda-chuva”, com duração de sultados. Trata-se de um segmento importante para a 6 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5


Agroindústria

Fotos: Fátima Emediato

Bahia

dústrias familiares estados quatro anos, no valor de R$ 20 milhões, dos quais R$ 10 milhões serão do Estado, através da Seagri/EBDA e Sedir/ CAR, e os outros R$ 10 milhões será a contrapartida do Sebrae. O MDA, que também participa do projeto, fará as chamadas públicas”, explica Wilson Dias, superintendente de Agricultura Familiar da Seagri, que coordena o programa. Ele explicou que as agroindústrias atendidas são das sete cadeias priorizadas pelo programa: apicultura, aquicultura e pesca, ovinocapricultura, mandioca, leite, fruticultura e oleaginosas. Em nome do então ministro Afonso Florence, o secretário de Desenvolvimento Territorial do MDA, Jerônimo Rodrigues, elogiou a iniciativa, afirmando que “é um projeto inovador e de grande importância”, acrescentando que “vai ser referência para as ações do Ministério em outros estados”. Já o superintendente da Suaf, Wilson Dias, destacou a capacidade da agricultura familiar, afirmando que “nossos agricultores familiares sabem produzir e fazem isso com muita determinação”. Ele disse ainda que a assistência técnica e a capacitação da gestão são fundamentais para o fortalecimento desse segmento. De acordo com o superintendente da Suaf, Wilson Dias, o Sebrae está capacitando 44 consultores, que vão apoiar os administradores das agroindústrias, orientando-os quanto ao estudo do mercado, viabilidade econômica, definição de procedimentos internos de boas práticas de fabricação, definição de pessoal, utilização de equipamentos, rótulos e embalagens. “Reconhecemos que nossos técnicos são excelentes da porteira para dentro. Eles estão preparados para avaliar o sistema de produção, orientar

|

na prevenção e combate às doenças dos animais e das plantas, preparação do solo, e avaliação das questões climáticas. Mas, a nossa expertise não é a gestão, área na qual o Sebrae é especialista e tem técnicos de excelência”, afirmou Wilson Dias, acrescentando que “por isso estamos fazendo o convênio com o Seabre, para que daqui por diante todas as agroindústrias, as atuais e as futuras, do Programa Vida Melhor Rural, tenham essa parceria com esta valiosa instituição”. A capacitação de gestão inclui também os frigoríficos abatedouros que estão sendo construídos pela Seagri e que serão geridos por cooperativas.

Agroindústrias competitivas O trabalho do Sebrae busca dar condições de competitividade às agroindústrias atendidas, desenvolvendo nos seus gestores competências gerenciais, mercadológicas e de operação da agroindústria, contribuindo assim para a agregação de valor dos produtos e para o incremento de renda dos agricultores familiares. Para isso, cada agroindústria está recebendo assessoramento especializado para estruturar um plano de negócios e analisar o que precisa ser feito em termos de investimentos e de gestão do empreendimento. Estas ações vão possibilitar que cada agroindústria tenha resultados econômicos positivos. Algumas agroindústrias, inclusive, já finalizaram seus planos de negócios e estão recebendo consultorias na estruturação dos seus setores em técnicas eficientes de produção e no acesso a mercados.

Trabalho monitorado De acordo com a coordenadora da Unidade de Agronegócios, Célia Fernandes, a estratégia do Sebrae é dar condições aos gestores das agroindústrias, de conduzir com eficiência e eficácia a unidade, desenvolvendo neles a capacidade de Planejar, Dirigir, Executar e Avaliar processos e decisões. Para planejar, monitorar e avaliar as ações e resultados foi criado um comitê gestor do Programa Vida Melhor Rural, formado por técnicos do Sebrae e do Governo do Estado que se reúne mensalmente e delibera sobre os ajustes e correções que serão feitas. “O trabalho tem buscado desde o seu início contribuir para o desenvolvimento de competências gerenciais nos empreendedores rurais atendidos a avaliar constantemente a viabilidade econômica do empreendimento, definindo parâmetros de receitas, custos, despesas e monitorando esses parâmetros”, informou Célia Fernandes, destacando que os empreendedores podem identificar, mês a mês, a capacidade de geração de lucro, ou prejuízo, e o que deve ser feito para melhorar esses parâmetros. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 7


Fruticultura |

Agroindústria Bahia

|

Abacaxi desidratado é alternativa de renda para produtores de Itaberaba Agroindústria já vende para o Sul e Sudeste do País

A

qualidade do abacaxi de Itaberaba, na mesorregião centro norte da Bahia, já pode ser encontrada nas barras de cereais consumidas por baianos, mineiros e cariocas. A produção do abacaxi desidratado, que teve início em junho de 2011 na agroindústria da Cooperativa dos Produtores de Abacaxi de Itaberaba (Coopaita), já é comercializada no Sul e Sudeste do País. Para o presidente da Coopaita, Valdomiro Vicente Victor, com as frutas desidratadas os produtores de abacaxi da região de Itaberaba passaram a ter uma nova alternativa de renda. “Isso vai atrair novos cooperados. Hoje a Coopaita reúne 75 associados”, informa Valdomiro. A agroindústria, que hoje processa cerca de 30 toneladas de fruta in natura por mês, foi construída com recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza em convênio com a Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), e emprega diretamente 10 funcionários. O consultor do Sebrae, Pedro Meloni, elaborou o projeto de captação dos recursos não reembolsáveis e capacitou funcionários da agroindústria. Ele explica que o abacaxi, utilizado na desidratação, tem menos de 1 kg e 100 gramas e era comercializado pelos produtores para atravessadores ou indústrias de polpas a preços muito baixos, que variavam entre 8 e 12 centavos o quilo. Ao

Fruticultura |

O

ser desidratado na agroindústria, o abacaxi é vendido entre 40 e 50 centavos o quilo. “Como a desidratação é feita próxima às lavouras de abacaxi, os produtores passaram a ter um melhor preço de venda. Hoje 50% do abacaxi desidratado é vendido para indústrias do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e Bahia, que usam em barras de cereais e granolas; 45% são vendidas para embaladores/atacadistas do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, que compram para revenda e para empacotar em embalagens, com marca própria, e 5% vão para o mercado local e regional”, informou Meloni. Agroindústria Bahia

Certificação de orgânico amplia mercado de frutas do sertão

apoio do Sebrae nos processos de certificações orgânica e de agricultura familiar, e na participação em feiras tem ajudado a ampliar o mercado para os produtores da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), que reúne 204 cooperados e 450 famílias da região. Eles cultivam frutas como maracujá, umbu, acerola e manga e produzem geleias, doces e polpas. A Cooperativa ainda recebe apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, para o desenvolvimento sustentável no sertão, em parceria com o Sebrae, por meio do Programa Progredir. A participação em feiras resultou, por exemplo, na primeira venda da Coopercuc para uma grande rede de 8 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

supermercados, o Grupo Pão de Açúcar. Doces e receitas de umbu também levaram a Coopercuc, pela quinta vez, ao maior evento de orgânicos do mundo: a Biofach 2012, na Alemanha. “O Sebrae nos ajudou na conclusão do processo de certificação orgânica, nacional e internacional, com a contratação da empresa Ecocert. Também já garantimos a certificação de agricultura familiar nacional e estadual. Todas essas certificações facilitam nossas vendas”, conta o presidente da Coopercuc, Adilson Santos.

|


Apicultura |

Agroindústria Bahia

|

Federal (S.I.F), informações nutricionais, código de barras, data de envasamento, prazo de validade, número do lote e peso. Hoje, a produção média da Coaper é de três toneladas/mês, 40% da sua capacidade. Até 2014, a meta é aumentar esta capacidade e inclusive o número de cooperados de 23 para 150. Para o atendimento aos apicultores o Sebrae conta com a parceria da Secretaria Estadual de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri) através da Superintendência de Agricultura Familiar (Suaf), Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) e Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA); Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional (Sedir) através da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR); Ceplac-Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Universidade de Taubaté/SP (Unitau).

Apicultura |

Agroindústria

Profissionalização na produção do mel no Velho Chico aumenta as vendas em 80%

C

apacitações tecnológicas de higienização e manipulação de alimentos, cursos de gestão do empreendimento e principalmente ações de acesso ao mercado. Estes foram os pontos fundamentais que levaram a Cooperativa Regional dos Apicultores do Médio São Francisco (Coopamesf) a aumentar em 80% a venda do mel de abelha produzido por 42 cooperados, em 17 municípios da região. Com um trabalho iniciado pelo Projeto APIS São Francisco e prosseguido pelo Território do Velho Chico, a Coopamesf existe desde 2005, com sede no povoado de Itapeba, município de Ibotirama, e com certificação do Serviço de Inspeção Federal (SIF). De acordo com o coordenador técnico de apicultura do Território Velho Chico, Gilmário Mendes, graças ao trabalho dos apicultores, dos parceiros como Sebrae, e aos programas de compras governamentais, houve uma evolução do negócio. “Saímos de um volume de comer-

Bahia

|

cialização, em 2008, de quatro mil quilos de mel, para 50 toneladas, em 2011,” comemora Mendes. Hoje, os cooperados da Coopamesf contam com a parceria do Sebrae, da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), Fundação do Desenvolvimento Integrado do São Francisco (Fundifran), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Superintendência de Agricultura Familiar (Suaf), Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA), Rede Sabor Natural do Sertão e União Nacional de Cooperativas de Agricultura Familiar e Economias Solidárias (Unicafes). A gerente da Coopamesf, Marciana Pedro, conta que, aposta em um salto maior na divulgação e comercialização do produto, pela dedicação e profissionalização dos cooperados. Entre as metas da Cooperativa estão aumentar a produtividade de 13,5 kg/colmeia/ano para 30 kg/colmeia/ano. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 9

Fotos: divulgação

O

pólen é considerado o alimento mais completo da natureza porque é composto por elementos essenciais à vida como vitaminas B, C, D e E, potássio, ferro, iodo e selênio. Hoje, a Unidade de Beneficiamento de Pólen de Canavieiras, administrada pela Cooperativa dos Apicultores de Canavieiras (Coaper), é uma das mais promissoras do Brasil. Devido ao sabor palatável e as técnicas de beneficiamentos, o pólen da região foi considerado o melhor pelo II Congresso Nordestino de Apicultura e Meliponicultura. A premiação foi entregue ao presidente da Coaper, Alexsandro Correia. Com o apoio do Sebrae os apicultores melhoraram a gestão administrativa e financeira na Coaper, formada pelos integrantes da Associação Canavieirense de Apicultores (ACAP). Consultores do Sebrae ainda desenvolveram a marca. O rótulo tem o Selo de Inspeção

Fotos: divulgação

Apicultura no Sul da Bahia produz um dos melhores pólens do Brasil


Agroindústria Bahia

| Fotos: divulgação

Mandiocultura |

Projeto de Mandiocultura melhora a renda de quilombolas

I

naugurada em fevereiro de 2011, a “Casa de Farinha” da Associação Quilombola do Bom Jardim e Monteiro (Aquibom) está melhorando a renda de cerca de 400 empreendedores rurais nos Territórios do Piemonte da Chapada e do Piemonte da Diamantina, no norte da Bahia. O Projeto da Cadeia Produtiva da Mandiocultura, uma demanda natural da região, envolve os municípios de Caém, Pindobaçu, Senhor do Bonfim, Filadélfia e Ponto Novo. As ações do projeto são desenvolvidas em parceria pelo Sebrae, Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Caém, prefeitura de Caém, Empresa Baiana de Desenvolvimento Agropecuário (EBDA) e a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR). O gestor do Sebrae, Jonilson Lima, explica que o projeto já ofereceu aos produtores a profissionalização em gestão, fortalecimento da cultura da cooperação, agregação de valor, acesso a tecnologia e abertura de novos mercados, ações que proporcionaram mudanças nas comunidades atendidas, como o aumento da renda e na produção dos derivados da mandioca. Até o momento foram investidos no projeto R$ 1,2

Mandiocultura |

milhão para capacitação gerencial e tecnológica, aquisição de máquinas e equipamentos, construção de novas unidades produtivas e desenvolvimento de marca e embalagens. Na época da inauguração da Casa de Farinha o presidente da Aquibom, Miguel dos Santos, disse que as casas de beiju iriam proporcionar mais qualidade ao alimento produzido e mais comodidade para as famílias. As normas que estabelecem as Boas Práticas de Fabricação, oferecidas aos produtores, envolvem condições fundamentais tanto para a prevenção de acidentes, como para evitar contaminações e outros prejuízos à qualidade do que é fabricado. Através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e do Programa Nacional de Aquisição de Alimento (PNAE), os governos estadual e federal adquiriram dos produtores da Aquibom R$ 1,5 milhão em sub-produtos da mandioca (farinha, biscoito, mingau e beiju), destinados a merenda escolar e para 2.400 famílias do Programa de Combate a Desnutrição.

Agroindústria Bahia

Cândido Sales é o terceiro maior produtor de mandioca do Brasil Mais de 2.000 cooperados são beneficiados com capacitações Foto: Laiana Meira

A

Bahia vem se destacando na produção de mandioca no Brasil, sendo o município de Cândido Sales, no Sudoeste do estado, o terceiro maior produtor do alimento no País. Atento a importância do cultivo da mandioca para o desenvolvimento da agricultura familiar na região, o Sebrae desenvolve em parceria com a Cooperativa Mista Agropecuária de Pequenos Agricultores do Sudoeste da Bahia (Coopasub) projetos voltados para a mandiocultura. “O Sebrae é nosso parceiro desde o início da cooperativa em 2005, disponibilizando capacitações para os produtores, com cursos sobre cooperativismo, associativismo e gestão”, 10 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

revela o diretor presidente da Coopasub, Izaltiene Rodrigues. Com 2.330 cooperados em 18 municípios baianos, a Cooperativa conta com um Complexo Industrial de Fecularia e Unidade de Empacotamento de Farinha de Mandioca, em uma área de 10 hectares e com capacidade para empacotar 60 toneladas de farinha e beneficiar até 100 toneladas de mandioca por dia. “Contribuímos para a criação, desenvolvimento, organização e gestão desse empreendimento, que hoje está funcionando e interferindo positivamente, para influenciar o custo da raiz de mandioca, em prol do produtor rural”, conta o gestor do projeto Lívio Muniz.

|


Ovinocaprinocultura |

Agroindústria Bahia

|

Qualidade de caprinos e ovinos garante vendas

A

comunidade rural de Cacimba do Silva, no distrito de Itamotinga, em Juazeiro, realizou em maio de 2012 a 1ª Exposição de Caprinos e Ovinos. O evento integrou dezenas de produtores compradores e ofertantes de animais de diversas raças. O produtor Gregório Quintino que tem um rebanho de 50 ovinos foi à feira para trocar um animal reprodutor. Ele comprou um macho mestiço da raça Dorper do produtor Hélcio Souza, de Senhor do Bonfim. Os dois produtores recebem orientações técnica e gerencial, através do Programa Agetec (Assistência Gerencial e Tecnológica), mantido pelo Sebrae em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia(Faeb) e Serviço Nacional de Aprendizagem na Bahia (Senar/BA). Enquanto Gregório tem foco na produção de animais para produção de carne, Hélcio cria animais melhorados geneticamente, que dão maior produtividade a rebanhos mestiços. “O produtor Gregório ampliou a área de pastagem e trocou o sistema de irrigação através de sulcos pelo de aspersão, que consome menos água”, explica

Carlos Alexandre Oliveira e Álvaro Araújo (técnicos da Agetec) e o produtor Gregório Quintino

o técnico em agropecuária, Carlos Alexandre Oliveira, que acompanha o produtor na consultoria do Programa Agetec. As pequenas feiras de animais em localidades da zona rural são a alternativa para muitos produtores que não participam de grandes exposições, com altos valores de animais de excelência. A avaliação é do gestor do projeto de Caprinocultura e Ovinocultura do Sebrae, Robério Araújo. “Em pequenos eventos como esse, a gente consegue uma boa integração com tecnologias para a convivência com a seca”, disse o gestor, referindo-se ao dia de campo, realizado pelo Programa Agetec na abertura da Feira de Cacimba do Silva, quando dezenas de produtores participaram de experiências demonstrativas sobre sistemas de produção, seleção de matrizes, confinamento e produção de forragem.

Ovinocaprinocultura |

Agroindústria Bahia

|

Produtores aumentam renda em 15% Fotos: Agência Sebrae de Notícias

“A

Assistência Gerencial e Tecnológica (Agetec)

Banco do Brasil, O Centro de Referência, Integração e

de qualidade e intensificada, via uma relação

Afirmação do Semi-Árido (Criar), a Empresa Baiana de

mais justa entre técnico de campo e unidade

Desenvolvimento Agrícola (EBDA), com a produção e

famíliar atendida, com proporção de um por 20, possi-

divulgação da cartilha com orientações sobre técnicas da

bilitou um melhor acompanhamento das propriedades e

produção de caprinos e ovinos; o Sebrae com a Assistên-

respectivos rebanhos, resultando no aumento de 15% na

cia Gerencial e Tecnológica (Agetec), inovação e acesso

renda das famílias”. A afirmação é do técnico Yuri Lyra,

a tecnologias, gestão e empreendedorismo e promoção

da Riocon-Fazendas Reunidas Rio de Contas, uma das

do associativismo; o Instituto de Desenvolvimento Sus-

empresas parceiras do Sebrae no projeto de Caprinocultura

tentável do Semiárido (IDAN); a União das Associações

na região de Vitória da Conquista, onde 103 famílias são

do Médio Rio das Contas (Unirio), para a formação da

atendidas. “A visão empreendedora e o Pacote Tecnológico

Central de Compras e Serviços e o Frigorífico Baby Bode,

adequado a cada realidade de propriedade, elevaram os

parceiro Agroindustrial/Frigorífico de integração produtiva.

Índices de produtividade e foi possível aumentar em 15%

Além da geração de emprego e melhoria da renda dos

a renda dos produtores”, destaca Yuri.

produtores, o projeto prevê para até 2015 o atendimento

Também são parceiros neste projeto o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/BA), a Fundação

de demanda atual instalada do Frigorífico Baby Bode de 36.000 animais/ano. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 11


Agetec - Assistência Gerencial e Tecnológica |

Produtores e gestores comemoram resultados da Agetec Assistência Gerencial e Tecnológica promove melhoria na renda familiar

U

ma parceria de sucesso entre o Sebrae Bahia, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-BA), a Assistência Gerencial e Tecnológica (Agetec) está melhorando a qualidade da bovinocultura leiteira e da ovinocaprinocultura na Bahia, trazendo com isso mais produção, com qualidade, e resultando em melhoria na renda de centenas de agricultores familiares na Bahia. De outubro de 2011 até agosto de 2012 a Agetec bovinocultura de leite atendeu 297 produtores. Neste período foram realizadas 5.217 visitas gerenciais e tecnológicas e 2.460 visitas de consultoria na área de reprodução e sanidade animal. O resultado disso foi o aumento médio de 9,5 % na produção leiteira. Medida em kg/vaca/ano a produção passou de 1.600 Kg em 2011 para 1.750 Kg em 2012. Hoje, depois da Agetec é possível registrar uma margem bruta de R$ 2.827,00 ao mês por produtor. Outro ponto importante neste trabalho foi o crescimento de 15% no nível gerencial e tecnológico nas propriedades atendidas pela Agetec, que aumentou de 314 para 361 pontos. As avaliações seguem parâmetros Tecnológicos: produção pecuária, nutrição do rebanho,

infraestrutura e controle sanitário e gerenciais: administração, manejo da propriedade, conservação do meio ambiente e gestão da qualidade.

Agetec dobra produção leiteira em Miguel Calmon O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Miguel Calmon, Humberto Miranda Oliveira, é um dos produtores beneficiados com a Assistência Gerencial e Tecnológica (Agetec). Segundo ele, a Agetec mostrou mais uma vez a sua eficácia mesmo com a seca que muitos produtores enfrentaram na região. “Os avanços foram enormes e nós sentimos isso principalmente durante a seca, onde a assistência técnica foi muito eficaz. A minha produção dobrou. Ela era de 300 litros e cheguei a mais de 600 litros por dia. Nós tivemos casos de produtores com propriedade menor que passou de 50 litros para 200 litros diários”, comemora Humberto Miranda, ressaltando ainda que a Agetec garantiu mais qualidade, exigida pelos laticínios. “A gente passou a fazer a higiene da ordenha com frequência, garantindo qualidade na nossa produção”, explicou Humberto. Francisco Benjamim Carvalho Filho, gerente de Programas do Senar/BA

Aumento da Produção Leiteira (Bovinocultura) Meta de 2012: 1.750kg

Aumento do Nível Gerencial e Tecnológico das Propriedades (G-Sat)* (Bovinocultura de Leite)

5.217 visitas Ago/2012

361 Pontos Ago/2012

9,5%

15% 314 Pontos Out/2011

1.606kg Out/2011

Visitas Gerenciais e Tecnológicas (Bovinocultura de Leite)

(*) G-Sat, Sistema de Avaliação Gerencial e Tecnológico, tem como base de suas avaliações os parâmetros abaixo: Tecnológicos: Produção Pecuária, Nutrição do Rebanho, Infraestrutura e Controle Sanitário; Gerenciais: Administração, Manejo da Propriedade, Conservação do Meio Ambiente e Gestão da Qualidade.

1.758kg Ago/2012

12 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

49,87%

Meta de 2012: Elevar em 10%

3.481 visitas out/2011


|

Agroindústria Bahia

Comercialização aumenta 9,9%

D

e setembro de 2010 até agosto de 2012 a Assistência Gerencial e Tecnológica (Agetec) Ovinocaprinocultura atendeu 408 produtores e realizou 6.909 consultorias gerenciais tecnológicas. O gerente de Programas do Senar/BA, Francisco Benjamim Carvalho Filho, explica que neste período de implantação da Agetec os resultados mais importantes dizem respeito aos indicadores zootécnicos, que possibilitou o aumento em 9,9% na comercialização dos animais. “Antes o animal era vendido aos 13 meses com 29 kg e agora conseguimos comercializar aos 10 meses com 31 kg. E mais ainda, o número de cria vendida por matriz/ ano era só de 0,6%, porque 0,4% morria. Agora eu estou conseguindo vender 1 animal. Então estamos aumentando o peso de cada animal, estamos reduzindo o tempo dele na fazenda, abatendo mais animais e vendendo mais”, ressaltou Benjamim. O programa também implantou a Central de Processamento de Dados da Agetec, tanto para a Bovinocultura de Leite como para a Ovinocaprinocultura. Francisco Benjamim explica que esta Central permite monitorar, on line, as ações de assistência técnica e de capacitação gerencial. O Serviço de Inteligência Técnica e Gerencial (Sitag) é mais uma ferramenta Agetec que funciona como uma rede de inteligência para apoiar os conteúdos e as normativas técnicas dos processos produtivos. “No Sitag nos aproximamos principalmente da Embrapa Semiárido de Petrolina e trouxemos profissionais para servir como um serviço de inteligência. Por exemplo, registramos uma doença em uma determinada região. Através do Sitag o técnico agrícola passa esta informação para o veterinário, que leva para a Embrapa, que encaminha para uma Faculdade que traz a solução. Além da Embrapa, temos nesta rede a Codevasf-Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba”, informou o gerente do Senar/BA. Outro ponto importante da Agetec é o G-Sat (Sistema de Avaliação Gerencial e Tecnológico) da propriedade, Aumento da Produtividade na Ovinocaprinocultura (Carne Produzida/Matriz/Ano)

Foto: Ascom Faeb (Marilda Negreiros)

onde um questionário mede, a cada seis meses, o nível de gerenciamento e de aplicação de tecnologia em cada propriedade.

Ovinocaprinocultura, geradora de emprego e renda no Semiárido Na avaliação do presidente da Faeb, João Martins da Silva Junior, o aumento do peso da carcaça ao abate, com redução da idade de abate, aliada a um aumento da taxa de desfrute, é um grande avanço na ovinocaprinocultura, pois a atividade na Bahia ainda tem o foco social, de sobrevivência do pequeno produtor no Semiárido. “Este avanço sinaliza que é possível reverter a atividade para que a mesma seja geradora de emprego e renda no Semiárido”, ressalta João Martins. Sobre a continuidade da Agetec, João Martins informou que a parceria Sistema Faeb/Senar e Sebrae vai buscar nos próximos anos trabalhar o agronegócio, transformando o pequeno produtor em um empreendedor rural, com o auxílio de diversas ferramentas que o Sebrae dispõe, como o Negócio Certo Rural,  que serão elementos transformadores de cultura.

Resultados - Ovinocaprinocultura INDICADORES Peso Vivo ao Abate

16,07kg Set/2012

139%

Ago/2012

%

29 kg

31 kg

6,9 % -23%

Idade Média ao Abate

13 meses

 10 meses

Crias Comercializadas

0,6 Unidade

1,02 Unidade

23,5%

 33,4%

9,9%

181 Pontos

221 Pontos

22%

Taxa de Desfrute

(1)

Nível Tecnológico e Gerencial (G-Sat)*

38,46kg Ago/2012

Set/2012

70%

(1) Total de animais vendidos durante o ano dividido pelo total do Rebanho menos o nº de crias do período * G-Sat, Sistema de Avaliação Gerencial e Tecnológico, tem como base de suas avaliações os parâmetros abaixo: Tecnológicos: Produção Pecuária, Nutrição do Rebanho, Infraestrutura e Controle Sanitário; Gerenciais: Administração, Manejo da Propriedade, Conservação do Meio Ambiente e Gestão da Qualidade.

Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 13


Superbahia |

Fotos: Gilberto Silva

Agroindústria Bahia

Superbahia aproxima agroindústrias de compradores

U

ma das ações do Sebrae em 2012 com o objetivo de ampliar as vendas de agricultores familiares e das agroindústrias para o mercado de Salvador e de outros estados foi a participação de produtores do interior da Bahia na Rodada de Negócios durante a Superbahia, a maior feira supermercadista do norte e nordeste, de 14 a 18 de julho, no Centro de Convenções, em Salvador. Durante a Superbahia o Sebrae apoiou a participação de 14 empreendedores rurais, entre produtores, associações e cooperativas dos setores de Apicultura, Suinocultura, Mandiocultura, Leite e Fruticultura. Destes, 11 participaram da Rodada de Negócios. Foi o caso do gerente da agroindústria de abacaxi desidratado, Gleidson Rocha dos Ramos. Segundo ele, a Superbahia foi a oportunidade de restaurantes e distribuidores de produtos naturais de Salvador conhecerem o abacaxi desidratado feito em Itaberaba. “Fizemos ótimos contatos na Superbahia, deixamos amostras e depois do evento garantimos dois novos clientes em Salvador”, comemorou Gleidson. O gerente comercial do Fribarreiras, Rogério Silva, participou pela primeira vez da Superbahia, onde teve a oportunidade de fazer os primeiros contatos com potenciais compradores da carne suína produzida na Bahia. Mábia Matos, na época, gestora executiva da Associação Baiana de Suinocultura, explicou que em parceria com o Sebrae foi elaborado Fotos: divulgação um livro de receitas com pratos feitos com a carne suína, além de ações em qualificação profissional, para melhorar a produção. “Participamos de palestras, mostrando que a carne suína é saudável e de eventos como a Superbahia, onde mantemos contato direto com os compradores”, destacou Mábia Matos. 14 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

Suinocultores fortalecem associação para ampliar mercado O projeto Suinocultura na Bahia, que tem por referência o PNDS (Projeto Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura) da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), somente em 2011, desenvolveu 45 ações com empresários do setor. Foram 22 municípios beneficiados, colocando a Bahia como um dos estados que mais colaborou para o montante de ações desenvolvidas em 2011 no Brasil. No total foram capacitadas 1.002 pessoas e 50.515 sensibilizadas. “Até o final de 2012 esperamos conseguir novos associados. O importante é conscientizar os que já estão para que nos ajudem a divulgar o projeto e assim aumentar o associativismo e a qualificação dos produtores”, ressalta o presidente da Associação Baiana de Suinocultores (ABS), Marcelo Plácido. O PNDS é estruturado em três pilares: produção, gestão e comercialização. A meta em até o final do ano é aumentar o consumo de carne suína no Brasil de 13 kg para 15 kg per capita. Para isso a gestora de projetos do Sebrae em Feira de Santana, Lúcia Leite, explica que o Sebrae apóia várias ações como a estruturação e sustentabilidade da ABS; consultorias na área gerencial para granjas e agroindústrias; disseminação de informações tecnológicas, promoção e apoio em eventos com foco na comercialização, palestras sobre a qualidade da carne suína, oficinas gastronômicas conceituais e na Campanha “Um Novo Olhar sobre a Carne Suína”. As ações são realizadas pelo Sebrae em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/BA) e Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS). “Estas ações atendem a toda cadeia produtiva do setor, onde trabalhamos desde a produção e gestão das granjas, das agroindústrias, até as ações de comercialização”, conclui a gestora Lúcia Leite.

Fotos: Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS)

|


Cafeicultura |

Agroindústria Bahia

Parceria com Abic vai contribuir na gestão e tecnologia nas agroindústrias de café

E

m reunião realizada no dia 30 de agosto de 2012 na sede da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), em Salvador, os dirigentes do Sebrae Nacional, Sebrae Bahia, do Sindicafé, do Banco do Nordeste, do Sistema Fieb, da Caixa Econômica Federal, da Seagri e da Assocafé iniciaram os primeiros acertos para fechar uma parceria entre as entidades, que vai beneficiar as agroindústrias de café na Bahia, levando melhoria na gestão e tecnologia para aprimorar a qualidade do produto. Marcaram presença na reunião o secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia, Eduardo Seixas de Salles, o diretor-técnico do Sebrae Bahia, Lauro Ramos, o gerente de agronegócio do Sebrae Nacional, Enio Queijada, o gerente executivo do Banco do Nordeste, José Meneses Junior, o presidente da Abic, Américo Takamitsu Sato, o diretor executico da Abic, Nathan Herszkowicz e o presidente da Associação dos Produtores de Café da Bahia (Assocafé), João Lopes Araújo. Também presente no encontro, a coordenadora da Unidade de Agronegócio do Sebrae Bahia, Célia Fernandes, explicou que a parceria que está sendo negociada com

Foto: João Alvarez/Sistema Fieb

a Abic teve início com o Sebrae Nacional e está sendo discutida regionalmente, com o objetivo de trabalhar a gestão, mercado e desenvolvimento tecnológico, das cerca de 40 micro e pequenas torrefadoras de café na Bahia, oferecendo a elas soluções como os programas Sebrae Mais e Sebraetec. “Estes programas de melhoria na gestão e de acesso à tecnologia vão ajudar as agroindústrias de café a terem um desenvolvimento sustentável, agregando valor ao produto, oferecendo mais qualidade e com isso aumentando o consumo e aumentando a renda das famílias ligadas ao setor”, destaca Célia.

Cafeicultura |

Agroindústria Foto: Fátima Emediato

U

|

Bahia

|

Café orgânico é o novo Diamante da Chapada Diamantina Melhoria na gestão ajuda a aumentar a produção

m grupo de produtores precisava viabilizar a comercialização e conseguir a certificação do café da Chapada. Surgiu assim a Cooperativa de Produtores Orgânicos e Biodinâmicos da Chapada Diamantina (Cooperbio) que, em parceria com o Sebrae, capacita os produtores de café da região. Dentro do Projeto de Desenvolvimento de Oportunidades de Negócios do Sebrae muitas ações estão sendo realizadas como a capacitação de cooperados no Empretec (Seminário que desenvolve, nos participantes, características de comportamentos empreendedores), no Encomex (Encontro de Comércio Exterior), no Einne (Encontro Internacional de Negócios do Nordeste) e em rodadas de negócios nos eventos de

café como o Agrocafé e o Encontro de Cafés Especiais. “O Sebrae nos ensinou a importância da união, do cooperativismo e a melhorar a gestão. Com esta união conseguimos triplicar o preço do café orgânico. Antes vendíamos a saca do café por 280 reais. Hoje chegamos a vender a 700 reais. Também participamos de encontros, feiras e capacitações promovidos pelo Sebrae que garantem visibilidade e credibilidade ao nosso café, aumentando assim as vendas”, comemora a presidente da Cooperbio, Brígida Salgado. Para o gestor do Sebrae, Magno Calazans, essa atividade econômica gera resultados positivos e faz com que a Chapada Diamantina se destaque também no setor agrícola. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 15


Cacauicultura |

Foto: Mauricio Maron

Agroindústria Bahia

|

Agricultores familiares reescrevem história do cacau com produção de chocolates finos

A

história econômica do Sul da Bahia pode ser dividida em antes e depois da vassoura-de-bruxa, uma doença que em apenas 20 anos dizimou milhões de cacaueiros produtivos e transformou a região, que já foi a maior produtora de cacau do mundo, em importadora do mesmo produto. Durante anos, o cacau chegou a ser visto como um negócio que tinha chegado ao fim. Mas, graças a um modelo sustentável de agricultura tropical, o cacau-cabruca, a lavoura está se redescobrindo. O cabruca é uma forma de plantio que valoriza a exuberância do verde e a fartura dos recursos hídricos. O resultado é um cacau mais resistente e que é usado na produção de chocolates finos na região. No município de Ibicaraí, por exemplo, funciona a

primeira fábrica de chocolate da agricultura familiar do Brasil, beneficiando 300 famílias de pequenos produtores de cacau de Coaraci, Buerarema, Itajuípe, Uruçuca e Floresta Azul. A iniciativa tem o apoio da Regional do Sebrae, em Ilhéus, que está integrada ao Programa Vida Melhor Rural para execução do Projeto “Chocolate de Qualidade da Agricultura Familiar do Sul da Bahia”. O Sebrae entende ser importante este movimento que está acontecendo na região de Ilhéus para a produção de chocolate de qualidade e de forma sustentável. A primeira fábrica de chocolate fino da agricultura familiar vem desmistificar a concepção de que o chocolate fino não estaria ao alcance do pequeno produtor, que aprendeu a agregar valor ao cacau.

Cacauicultura |

“O

Agroindústria

Evento mundial aproximou produtores de amêndoas e chocolatiers

desafio do Sebrae é contribuir para que a produção de amêndoas e chocolates tenha uma boa gestão e com muita qualidade na produção”. As palavras foram do superintendente do Sebrae Bahia, Edival Passos, na abertura do Salon du Chocolat, maior evento mundial do setor que aconteceu pela primeira vez no Brasil, no Centro de Convenções, em Salvador, de 5 e 8 de Julho de 2012. Segundo Edival, a qualidade na gestão e produção das amêndoas e chocolates interfere na economia do País. Durante o evento, o Sebrae organizou a Rodada de Negócios, que reuniu 15 chocolatiers de vários países e 10 produtores de amêndoas da Bahia e do Espírito Santo. Eleonora Gedeon Lucas, que produz cacau em Floresta Azul, sul da Bahia, participou da Rodada de Negócios. “Já estive em três edições do Salon Du Chocolat na França e, em nenhuma delas, consegui contato direto com os chocolatiers. Nesta edição, levei três chocolatiers, um francês e dois japoneses, para conhecer a minha propriedade. Eles gostaram muito, principalmente na parte que se refere à responsabilidade social. Para esses compradores, a qualidade é importante, mas as boas práticas de gestão e a oferta de trabalho decente são, igualmente, fundamentais”, conta a produtora. 16 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

Bahia

Fotos: Robson Nascimento

|


PAIS – Produ​ção Agroecológ​ica Integrada e Sustentáve​l |

Fotos: Divulgação

Agroindústria Bahia

|

Produção Agroecológica beneficia 560 famílias na Bahia Agricultores aumentam em 30% valor de venda de verduras

C

riada pelo agrônomo senegalês, Aly N´diaye, a tecnologia social do PAIS (Produção Agroecológica Integrada e Sustentável) é disseminada pelo Sebrae desde 2004 em parceria com várias instituições. No modelo do PAIS cada unidade, onde vive uma família, conta com um galinheiro na área central, canteiros de hortaliças em volta do galinheiro, além de um quintal de frutas orgânicas para pastagem das aves. A família recebe um kit contendo todo o material e os animais para iniciar a produção sem o uso de agrotóxico. Na Bahia são mais de 560 unidades do PAIS em plena produção. A gestora do Sebrae na Regional de Vitória da Conquista, Mônica Rizério, atua na cidade de Brumado e mais 18 municípios da região, onde o Sebrae acompanha 132 unidades do PAIS, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate a Pobreza (Sedes), em Territórios do Brumado e Jiquiriçá do Consórcio de Segurança Alimentar e Desenvolvimento Local (Consad). Mônica explica a parceria com as prefeituras para ampliar a comercialização dos produtos do PAIS. “É importante que os parceiros entendam que o PAIS, além de uma produção social, seja pensado como uma produção para mercado, e não apenas para consumo das famílias. As prefeituras são importantes porque podem comprar

verduras do PAIS para serem usadas na merenda escolar através do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)”, ressalta Mônica. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes) a agricultora Zuleide Barreto, por exemplo, do distrito de Água Branca, em Mutuípe, comemorou a aquisição de uma unidade do PAIS, onde a família produz feijão, coentro, couve, aipim, alface, frutas, galinha e ovos de quintal que são vendidos nas feiras livres e para a cooperativa local, que repassa para a merenda escolar. “Estou empenhada em aumentar a nossa produção, para minha família ser independente e o auxílio que recebemos do bolsa família poder atender outras pessoas em situação de risco”, afirma. Segundo o coordenador do Programa de Aquisição de Alimentos da Sedes, Cleiton Kesler, o programa possibilita a compra dos produtos orgânicos com um acréscimo de 30% acima do valor de referência estabelecido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). “Essa ação favorece a oferta de alimentos saudáveis, proporciona geração de renda para os agricultores e amplia a produção de alimentos nos municípios” garante. Para o agricultor Gilfredo Maia, morador de Amargosa, a iniciativa já melhorou a qualidade de vida da família. “Antes, eu não tinha nada. Com o projeto, aumentou a minha renda mensal para R$ 450 e também melhorou a qualidade nutricional das refeições da minha família”. No município de Maracás, o agricultor Genival Novaes Santos, conta que a grande vantagem de trabalhar com o PAIS é que tudo é orgânico, sem adubo químico e é saúde para quem compra. Na feira onde vendemos nossos produtos a clientela está aumentando porque estamos colocando o banner do PAIS e as pessoas sabem que são produtos saudáveis, sem agrotóxicos”, comemora Genival. A produção das hortaliças ajuda Genival no sustento da esposa e de dois filhos. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 17


Parceria Grupo Votorantim |

Agroindústria

Fotos: divulgação

Bahia

Apicultura associada ao turismo ganha mercado no Recôncavo Parceria com o Grupo Votorantim beneficia comunidades quilombolas

A

qualificação de apicultores na produção de mel

de antigos quilombos. O entreposto é gerenciado pela

é uma das ações do Projeto de Produção

Associação de Apicultores do Recôncavo e o objetivo do

Associada ao Turismo, uma parceria do Sebrae

projeto é tornar o entreposto auto-sustentável de forma

com o Instituto Votorantim e Votorantim Energia, assina-

que possa beneficiar o máximo de apicultores na região,

da em março de 2012. A ideia é fazer a comercialização

agregando valor a seu produto e consequentemente

do mel durante o roteiro turístico na região onde vivem

ampliando sua renda.

os quilombolas. Um entreposto de mel já está sendo

De acordo com o consultor do Sebrae, Mychel

montado na cidade de Cachoeira e vai beneficiar 65 famí-

Oliveira, atualmente o entreposto encontra-se em fase

lias de apicultores, a maioria quilombolas, descendentes

de certificação junto ao Ministério de Agricultura para obtenção do Serviço de Inspeção Federal (SIF). Em setembro, os consultores do Sebrae orientam os apicultores em algumas áreas para agilizar este processo de certificação, como capacitação em Boas Práticas, e estão intermediando parceria com a Universidade Federal do Recôncavo Baiano para realização de análises, exigidas pelo Ministério da Agricultura, no mel que será processado no entreposto. O Plano de Negócio do entreposto está sendo concluído pelos consultores do Sebrae, segundo metodologia de intervenção em agroindústrias, desenvolvida pela instituição, com Plano de Ação para garantir sua viabilidade. Este ano a safra de mel deve chegar a 1.500 Kg, mas com o acompanhamento técnico a ideia é aumentar esta produção no próximo ano.

18 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

|


Parceria Fundação Odebrecht |

Agroindústria Bahia

|

Capacitações vão ampliar produção de amido modificado Fotos: Divulgação

Parceria com Fundação Odebrecht objetiva aumentar número de associados A capacidade da indústria é de processar 200 toneladas de mandioca por dia, mas hoje são processadas cerca de 50 toneladas por dia. A parceria entre o Sebrae, a Fundação Odebrecht e a Coopamido é para ajudar a aumentar a capacidade de produção dos agricultores familiares de Laje, Conceição de Almeida, Valença e Sapeacú que abastecem a Bahiamido. Na parceria com a Coopamido, o Sebrae realizou uma série de cursos do Programa de Redes Associativas

“A

s capacitações do Sebrae Despertando para o associativismo e para o cooperativismo, consolida melhor o entendimento do cooperado do que vem a ser o cooperativismo”. A afirmação foi feita pelo diretor presidente da Cooperativa de Produtores de Amido de Mandioca do Estado da Bahia (Coopamido), Jairo Souza Santos, durante a visita do presidente do Sebrae, Luiz Barreto, à Cooperativa e à Bahiamido em abril de 2012. Com cerca de 200 cooperados, a Coopamido, através da Aliança Cooperativa do Amido, idealizada pela Fundação Odebrecht, implantou a Bahiamido, uma das maiores indústrias de beneficiamento de amido de mandioca modificado, usado na indústria petrolífera, de cosméticos e de plásticos, localizada no município de Laje, no Recôncavo Baiano.

(Despertando para o Associativismo e Praticando o Associativismo) para cerca de 60 pessoas. “O que vemos aqui é um grande projeto multissetorial, que envolve desde o homem do campo até a indústria, o gestor público e a governança local. Este projeto pode ser referência para outros estados”, disse o gerente da Unidade de Desenvolvimento Territorial do Sebrae Nacional, André Spínola. O gestor de projetos do Sebrae, Raul Magno de Souza Pinto, explicou que através do Projeto da Cadeia Produtiva da Mandioca, cerca de 60 cooperados da Cooperativa de Produtores Rurais de Presidente Tancredo Neves (Coopatan), também participaram do programa Redes Associativas e os alunos da Casa Familiar Rural, da Coopatan participaram do curso Aprendendo a Empreender.

Sebraetec pode ajudar a transformar resíduo da pupunha em alimento

“O

Sebraetec pode ser um veículo de ligação entre a tecnologia e a nossa necessidade de transformar o resíduo da pupunha (palmito) em alimento”. A afirmação é de Carlos Rabello, administrador da Aliança Palmito, que abriga a Cooperativa de Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm), com 577 cooperados no município de Ituberá. O Sebraetec, que subsidia o acesso a tecnologias, para melhoria de produtos nos pequenos negócios, é uma das propostas do diagnóstico feito pela consultora do Sebrae, Letícia Lisboa, que aplica na Coopalm o Programa Vida Melhor Rural, em parceria com a Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri). “Com o Sebraetec podemos transformar o resíduo da pupunha, que representa gastos de 6 mil reais por mês

em transporte, em farelo e creme de palmito”, explica Rabello. O diagnóstico do Sebrae também prevê ações na área de marketing (pesquisas, trabalho no ponto de venda, logística e ação comercial na Copa do Mundo) e no campo com suporte técnico e de melhoria da qualidade de vida das unidades familiares, para que exista matéria prima suficiente para aumento nas vendas e renda dos cooperados. O Sebrae já atua junto aos cooperados da Coopalm com capacitações sobre empreendedorismo, associativismo e melhoria de gestão. O coordenador regional do Sebrae, Carlos Henrique Nunes, informou que o projeto já está sendo concluído para início ainda em 2012 e terá articulação com todos os empreendimentos apoiados pela Fundação Odebrecht. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 19


Piscicultura |

Agroindústria Bahia

Terminal Pesqueiro de Ilhéus tem modelo de gestão cooperativista

O

Terminal Pesqueiro de Ilhéus tem uma locamos pra frente e cada dia vai ser melhor”, afirma. lização privilegiada. Está bem ao centro da O gestor do Sebrae em Ilhéus, Eduardo Benjamin faixa litorânea do Brasil, em uma área de pesca Andrade, explica que a partir do funcionamento do abundante a poucos quilômetros da costa, e na rota de Terminal, a ideia é atrair diversos setores da economia regional e agregar valor à cadeia produtiva. “Isso inclui passagem de uma grande quantidade de barcos de pesca. desde a chegada de modernas estruturas de logística, A construção do terminal é a oportunidade de dotar o sul da Bahia com mais um grande modelo de negócio, que fabricação de embalagens até o fornecimento de insumos pode ir muito além do que um simples estímulo ao setor para produção de sapatos e bolsas com a pele retirada do pesqueiro e aquícola. Por enquanto, sem o terminal em peixe”, destaca. O Sebrae terá participação decisiva na funcionamento, como dizem os pescadores, “o peixe é capacitação dos moradores na região, visando beneficiar baiano, mas não tira carteira de identidade na Bahia, já cerca de 10 mil pessoas. “Queremos que o terminal não seja que ele é descarregado no Espírito Santo, Rio de Janeiro visto apenas como ponto de apoio logístico a pescadores e Santa Catarina”. e embarcações que navegam no Litoral Sul da Bahia, mas Ledinaldo Souza da Conceição, o Leleco, é pestambém como oportunidade de grandes negócios para a cador profissional há 35 anos. Para ele, com o terminal região e o estado”, afirma Eduardo Andrade. funcionando os pescadores artesanais poderão comercializar seus produtos, em condições de igualdade, com as grandes empresas. “Hoje somos engolidos por peixes O terminal terá uma unidade de beneficiamento dotada graúdos. Os grandes têm os próprios barcos e levam de câmaras e túneis de espera, congelamento e estocagem uma vantagem sobre a gente. Temos que negociar a de iscas e refrigerados, sala de higienização, pátios de produção diária entre atravessadores e consumidores caminhões, vestiários, sanitários e casa de máquinas. Na do varejo, lembrando que a pesca é o nosso único unidade, os pescadores terão commeio de sobrevivência”, ressalta. O bustível subsidiado, fábrica de gelo pescador elogia a ação do Sebrae, “Queremos que o terminal com capacidade para 50 mil quilos a quem considera “um parceiro por dia, central de fornecimento de permanente” dos pescadores de não seja visto apenas como energia, boxes de vendas, oficina Ilhéus. “Por isso acredito que ponto de apoio logístico a de manutenção de embarcações, com a inauguração do terminal pescadores e embarcações” central de higienização de caixas, e com a ajuda do Sebrae valanchonete e estacionamento. Fotos: Maurício Marom O investimento é de R$ 10 milhões. Em uma audiência pública foi definido, junto às Colônias de Pescadores de Ilhéus e Itacaré, marisqueiras e aquicultores do sul da Bahia, que o modelo de gestão a ser implantado no terminal será o cooperativismo. O presidente da Bahia Pesca, Isaac Albagli, estima que existam no estado mais de 1,8 mil embarcações de pesca motorizada. A Bahia é o terceiro maior produtor de pescados do Brasil, com cerca de 80 mil toneladas por ano, número que poderia ser bem mais significativo, não fosse a inexistência, até aqui, de uma eficiente infraestrutura portuária. O objetivo do terminal é melhorar a qualidade e a produtividade do pescado local, e reduzir o custo do peixe para os moradores da cidade e região.

Cooperativismo

20 | Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5

|


Entrevista |

Agroindústria Secretário | Eduardo Salles

|

“Com as agroindústrias agregamos valor, aumentamos a renda dos agricultores e combatemos as desigualdades sociais”

E

ngenheiro agrônomo formado pela Universidade Federal de Viçosa/MG e mestre em Engenharia Agrícola o secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia, Eduardo Seixas de Salles, também foi gestor de empresas agroindústrias nacionais e multinacionais. Em entrevista exclusiva para a Revista Conexão Especial, o secretário Eduardo Salles explica como o Programa Vida Melhor Rural está combatendo as desigualdades sociais na Bahia.

1

Como foram definidos os setores beneficiados pelo Programa Vida Melhor Rural?

Escolhemos sete cadeias produtivas, a partir de reuniões das 22 câmaras setoriais, com a participação de pequenos, médios e grandes produtores, além de comerciantes. Estamos estruturando cada uma das sete cadeias: Aquicultura e Pesca, Bovinocultura de Leite, Fruticultura, Mandioca, Mel, Ovinocaprinocultura e Oleaginosas. Elas foram escolhidas por terem maior capilaridade com os agricultores familiares da Bahia. A mandiocultura, por exemplo, é a única cultura que está em todos os municípios baianos e é sempre realizada por agricultores familiares.

2

Como o Programa Vida Melhor Rural trabalha esta verticalização da produção para combater as desigualdades sociais? Trabalhamos toda a estrutura de cada cadeia. Na mandiocultura trabalhamos desde a semente, que a gente chama de maniva, fazendo a parceria com a Embrapa, a Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária e a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional. Escolhemos os melhores materiais genético, reproduzindo e doando para os produtores que estão próximos de uma agroindústria. Assim, a gente faz a cadeia acontecer, onde o produtor tenha onde vender ou fazer a farinha, a fécula de mandioca ou o amido modificado. Nas outras seis cadeias fazemos a mesma coisa. Com a estruturação temos mais produtividade, melhoramos a condição de comercialização e assim sobra mais recurso no bolso do agricultor familiar, que agrega valor ao seu produto, reduzindo assim as desigualdades sociais.

Foto: Heckel Junior

Em Vitória da Conquista, por exemplo, montamos a Cooperativa Mista Agropecuária de Pequenos Agricultores do Sudoeste da Bahia, com recursos do Banco do Brasil. A Cooperativa faz o beneficiamento da mandioca e a fécula da mandioca. Antes dessa indústria, os produtores vendiam a tonelada da mandioca por 140 reais e hoje por 220 reais. É uma diferença grande que foi conseguida graças a estruturação da cadeia.

3

Qual a estratégia do governo para fomentar a agroindustrialização e fortalecer as principais cadeias produtivas? No caso da fruticultura, estamos buscando uma grande indústria que venha para a Bahia e compre das indústrias satélites, em cada região da Bahia com sua expertise. No Vale do São Francisco, que produz muito bem a manga e a uva, temos pequenas indústrias que possam fornecer para uma grande indústria varejista. Na região Sul tem uma produção significativa de graviola, então lá tem uma indústria de suco de graviola e em Itaberaba temos uma produção de abacaxi, e tem indústria de suco. Essas indústrias satélites serão fornecedoras de uma grande indústria de suco. Assim, a gente está bolando uma rede, porque muitas vezes a pequena indústria não consegue competir no varejo com outras multinacionais. Estas pequenas podem vender para a Companhia Nacional de Abastecimento Conab, através do Programa de Aquisição de Alimentos, e vender para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Unidas elas podem vender mais para o setor público e privado. Revista Conexão Especial • 2012 • Nº 5 | 21


Entrevista |

Agroindústria Secretário | Eduardo Salles

4

Qual o papel da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) nesse processo e como o Estado está ampliando e qualificando o trabalho de assistência técnica?

giro para as pequenas agroindústrias. Só assim ele pode se desenvolver porque o pequeno produtor tem que pagar as contas do dia a dia com a venda da produção dele, ou seja, ele não pode colocar essa venda para o capital de giro, se não ele não se sustenta. Nós estamos fazendo esta proposta ao Fundo de Desenvolvimento Social e Econômico (Fundese), da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia).

A Ater é fundamental. Em anos anteriores a falta de Ater chegou a causar uma inadimplência de 220 mil agricultores familiares na Bahia, segundo dados do Banco do Brasil e Banco do Nordeste. Já conseguimos reduzir a inadimplência para 140 mil agricultores familiares. O caminho para reduzir a inadimplência é dar sustentabilidade para esta cadeia através da assistência técnica.

6

Em parceria com Sebrae, Banco do Nordeste e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural o programa crédito assistido coloca um coordenador em cada cadeia produtiva que capacita os produtores antes deles receberem o recurso do banco. O programa visa direcionar, orientar e acompanhar o crédito. Por exemplo, o crédito para a poda do café acompanhamos o uso do recurso do início até o final da poda.

O Sebrae tem nos ajudado nesse trabalho da cultura do associativismo e do cooperativismo junto ao agricultor familiar. A gente estava vendo que as agroindústrias estavam com problema de gestão e buscamos com o Sebrae mudar esta gestão e consequentemente fazendo com que o produtor tenha lucro.

Na apicultura, por exemplo, a cada 50 apicultores fazemos uma casa de mel e a cada 10 casas de mel, um entreposto. A cada 50 apicultores tem um técnico agrícola, de moto, que dá assistência. A gente trabalha toda a cadeia, na casa de mel, onde faz a centrifugação das colmeias e no entreposto, onde é feito o rótulo.

5

Uma das principais demandas das agroindústrias no Programa é o crédito para capital de giro. Como o governo pode ajudar a resolver esse problema já que os bancos exigem garantias reais, que a maioria das agroindústrias não consegue oferecer?

|

No Programa Vida Melhor Rural o Sebrae tem a missão de qualificar a gestão das agroindústrias, melhorando o nível de competitividade. Como o senhor avalia esse trabalho para o alcance dos resultados do Programa?

Esse trabalho do Programa tem sido desenvolvido com a expertise do Sebrae na gestão. Por exemplo, estamos montando uma agroindústria de cebola na cidade de Sento Sé, porque a Bahia é o terceiro maior produtor de cebola e não processa a cebola. Com esta fábrica sendo finalizada o Sebrae está treinando, capacitando, dizendo quais os equipamentos que os produtores precisam. Estamos nos respaldando na expertise que o Sebrae tem neste segmento porque a Seagri não teria condições de fazer isso sozinho. O agricultor familiar é empreendedor e deve buscar cada vez mais capacitação e mecanizar. Hoje temos condições, por exemplo, de pensar o Programa Mais Alimento, que tem juros zero, onde o produtor pode comprar até um trator. Nós conseguimos sensibilizar o agricultor através desta assistência técnica. Cabe a assistência técnica levar a novidade ao agricultor que ainda está muito distante das novidades.

Estamos criando um fundo de aval, com recursos da Seagri e da Car e dos bancos. Seria uma proposta 3 por 1, ou seja, os bancos oferecem três vezes mais do que o recurso do governo. Com isso a gente consegue ter um fundo de aval garantidor do capital de Foto: Heckel Junior

| veja o sebrae mais próximo de você SEDE SEBRAE BAHIA Rua Horácio César, 64, Dois de Julho - Salvador, Bahia. CEP 40.060-350. Tel.: 3320-4301, 0800 570 0800 UNIDADE REGIONAL 1 Salvador / Centro de Atendimento ao Empreendedor - Av. Sete de Setembro nº 261- Mercês -  Salvador, Bahia. CEP 40060-035. Tel: 71 3320-4526 Salvador / Itapagipe - Rua Direta do Uruguai nº 753, Bahia Outlet Center, Lojas 134 / 135 – Uruguai - Salvador, Bahia. CEP 40454-260. Tel: 71 3312-0151 Salvador / Liberdade - Estrada da Liberdade nº 26 Lojas 13 E 26, Liberdade - Salvador, Bahia. CEP 40375-016. Tel: 71 3241-8126 Salvador / Pelourinho – QUALICULTURA - Rua das Laranjeiras, 02, Terreiro de Jesus, Pelourinho. CEP 40026230. Tel: 71 3321-9509 Salvador / Sac Empresarial - Av. Otávio Mangabeira nº 6929 – Multishop - Boca do Rio - Salvador, Bahia. CEP 41706-690. Tel: 71 3281-4154 Camaçari - Rua do Migrante s/nº, Centro, CEDAP Casa do Trabalho – Camaçari, Bahia. CEP 42800-000. Tel: 71 3622-7332 Lauro de Freitas - Loteamento Varandas Tropicais nº 279, Q.3, Lote 16, Rua A, Galpão 01 – Pitangueiras – Lauro de Freitas, Bahia. CEP 42700-000. Tel: 71 3378-9836

Alagoinhas - Rua Rodrigues Lima nº 126-A – Centro de Alagoinhas - Alagoinhas, Bahia. CEP 48010-040. Tel: 75 3422-1888 UNIDADE REGIONAL 2 Barreiras - Av. Benedita Silveira nº 132, Ed. Portinari, Térreo, Centro – Barreiras, Bahia. CEP 47804-000. Tel: 77 3611-3013/4574 UNIDADE REGIONAL 3 Feira de Santana - Rua Barão do Rio Branco nº 1225, Centro – Feira de Santana, Bahia .  CEP 44149-999. Tel: (75) 3221-2153 Ipirá - Praça Roberto Cintra nº 400-A – Centro – Ipirá, Bahia. CEP 44600-000. Tel: (75) 3254-1239, Euclides da Cunha - Rua Oliveira Brito nº 404 – Centro – Euclides da Cunha, Bahia. CEP 48500-000. Tel: (75) 3271-2010 Itaberaba - Rua Rubens Ribeiro Nº 253, Ed. Tropical Center, Salas 22 / 23 -  Centro – Itaberaba, Bahia. CEP 46880-000. Tel: (75) 3251-1023 UNIDADE REGIONAL 4 Ilhéus - Av. Dois de Julho nº 1039 Térreo, Centro – Ilhéus, Bahia. CEP 45653-040. (73) 3634-4068 Itabuna - Av. Francisco Ribeiro Júnior nº 198, Edifício Atlanta Center -  Centro – Itabuna, Bahia. CEP 45600-921. (73) 3613-9734

22 | Revista Conexão Especial • Setembro de 2012 • Nº 5

UNIDADE REGIONAL 5 Jacobina Coordenação - Rua J. J. Seabra nº 69 Bairro Estação – Jacobina, Bahia. CEP 44700-000. (74) 3621-4341 Jacobina - Rua Senador Pedro Lago nº 100 – Salas 01 / 02 – Centro – Jacobina, Bahia. CEP 44700-000. (74) 3621- 4342 Senhor do Bonfim - Rua Benjamim Constant nº 12 Centro – Senhor do Bonfim, Bahia. CEP 48970-000. (74) 3541-3046

UNIDADE REGIONAL 9

UNIDADE REGIONAL 6 Juazeiro - Praça Dr. José Inácio da Silva nº 15 – Centro – Juazeiro, Bahia. CEP 48903-430. Tel: (74) 3612-0827 Paulo Afonso - Rua Amancio Pereira nº 60 – Centro – Paulo Afonso, Bahia. CEP 48602-110. Tel: (75) 3281-4333

– Eunápolis, Bahia. CEP 45820-041. Tel: (73) 3281-1782

UNIDADE REGIONAL 7 Santo Antonio de Jesus - Rua Ruy Barbosa, Salas 22 / 26, Ed. Saene, Loja 3, Sala 104 – Centro – Santo Antonio de Jesus, Bahia. CEP 44572-000. Tel: (75) 3631-3949 Valença - Rua Barão de Jequiriçá nº 297 – Galeria Central – Centro – Valença, Bahia. CEP 45400-000. Tel: (75) 3641-3293 UNIDADE REGIONAL 8 Irecê - Rua Coronel Terêncio Dourado nº 161 – Centro – Irecê, Bahia. CEP 44900-000. Tel: (74) 3641-4206 Seabra - Rua Horácio de Matos Nº 25 - Centro, Salas 01 / 02 – Seabra, Bahia. CEP 46900-000. Tel: (75) 3331-2368

Teixeira de Freitas - Av. Presidente Getúilio Vargas nº 3986, Centro – Teixeira de Freitas, Bahia. CEP 45995-002. Porto Seguro - Praça Acm nº 55 – Centro – Porto Seguro, Bahia. CEP 45810-000. Tel: (73) 3288-1564 Eunápolis - Rua 5 de Novembro nº 66 -  Térreo – Centro UNIDADE REGIONAL 10 Vitória da Conquista - Rua Coronel Gugé nº 221 – Centro – Vitória da Conquista, Bahia. CEP 45000-510. Tel: (77) 3424-1600 Brumado - Rua Dr. Mário Meira nº 79 – Centro – Brumado, Bahia. CEP 46100-000. Tel: (77) 3441-3543 Guanambi - Av. Barão do Rio Branco nº 292 – Centro – Guanambi, Bahia. CEP 46430-000. Tel: (77) 3451-4557 Itapetinga - Av. Itarantimnº 178 – Centro – Itapetinga, Bahia. CEP 45700-000. Tel: (77) 3261-3509 Jequié - Rua Felix Gaspar nº 20 – Centro – Jequié, Bahia. CEP 45200-350. Tel: (73) 3525-3552/3553 Ipiaú - Praça João Carlos Hohllenwerger nº 39 – Centro – Ipiaú, Bahia. CEP 45570-000. Tel: (73) 3531-6849/5696


EMPRESA DE PEQUENO PORTE:

O SEBRAE TEM AS SOLUÇÕES PARA VOCÊ CRESCER.

EMPRESA DE EMPRESA EMPRESADE DE PEQUENO PORTE: PEQUENO PEQUENOPORTE: PORTE: O SEBRAE TEM AS O OSEBRAE SEBRAETEM TEMAS AS SOLUÇÕES PARA SOLUÇÕES SOLUÇÕESPARA PARA VOCÊ CRESCER. VOCÊ VOCÊCRESCER. CRESCER.

EMPRESADE DE EMPRESA PEQUENOPORTE: PORTE: PEQUENO OSEBRAE SEBRAETEM TEMAS AS O SOLUÇÕESPARA PARA SOLUÇÕES VOCÊCRESCER. CRESCER. VOCÊ Programa Sebrae Mais oferece soluções para O Programa Sebrae Mais oferece soluções para OO Programa Sebrae Mais oferece soluções para empresas que buscam evolução de seus negócios. empresas que buscam aaa evolução de seus negócios. empresas que buscam evolução de seus negócios. Muitas vezes, uma empresa cresce eoo dono não tem Muitas vezes, uma empresa cresce ee o dono não tem Muitas vezes, uma empresa cresce dono não tem tempo para planejar seu futuro, tem dificuldade em tempo para planejar ooo seu futuro, tem dificuldade em tempo para planejar seu futuro, tem dificuldade em delegar tarefas, sente sozinho, deseja trocar delegar tarefas, se sente sozinho, deseja trocar delegar tarefas, sese sente sozinho, deseja trocar experiências com outros empresários enecessita necessita de experiências com outros empresários ee necessita de experiências com outros empresários de soluções práticas eimediatas imediatas para seu negócio. soluções práticas ee imediatas para seu negócio. soluções práticas para seu negócio.

Com Sebrae Mais, você terá oportunidade de Com ooo Sebrae Mais, você terá oportunidade de Com Sebrae Mais, você terá oportunidade de Programa Sebrae Mais oferece soluções para OOO Programa Sebrae Mais oferece soluções para Programa Sebrae Mais oferece soluções para conhecer modelos avançados de gestão empresarial, conhecer modelos avançados de gestão empresarial, conhecer modelos avançados de gestão empresarial, empresas que buscam evolução de seus negócios. empresas que buscam aaa evolução de seus negócios. empresas que buscam evolução de seus negócios. ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias Muitas vezes, uma empresa cresce dono não tem Muitas vezes, uma empresa cresce eee ooo dono não tem Muitas vezes, uma empresa cresce dono não tem para estimular inovação na sua empresa, analisar para estimular aaa inovação na sua empresa, analisar os para estimular inovação na sua empresa, analisar osos tempo para planejar seu futuro, tem dificuldade em tempo para planejar ooo seu futuro, tem dificuldade em tempo para planejar seu futuro, tem dificuldade em FALTA ANÚNCIO aspectos fundamentais da gestão financeira emelhorar melhorar aspectos fundamentais da gestão financeira ee melhorar aspectos fundamentais da gestão financeira delegar tarefas, sente sozinho, deseja trocar delegar tarefas, sese sente sozinho, deseja trocar delegar tarefas, se sente sozinho, deseja trocar processo de tomada de decisões gerenciais. ooo processo de tomada de decisões gerenciais. processo de tomada de decisões gerenciais. experiências com outros empresários necessita de experiências com outros empresários eee necessita de experiências com outros empresários necessita de soluções práticas imediatas para seu negócio. soluções práticas eee imediatas para seu negócio. soluções práticas imediatas para seu negócio. Com Sebrae Mais, você terá oportunidade de Com ooo Sebrae Mais, você terá oportunidade de Com Sebrae Mais, você terá oportunidade de conhecer modelos avançados de gestão empresarial, conhecer modelos avançados de gestão empresarial, conhecer modelos avançados de gestão empresarial, ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias para estimular inovação na sua empresa, analisar os para estimular aaa inovação na sua empresa, analisar os para estimular inovação na sua empresa, analisar os aspectos fundamentais da gestão financeira melhorar aspectos fundamentais da gestão financeira eee melhorar aspectos fundamentais da gestão financeira melhorar processo de tomada de decisões gerenciais. ooo processo de tomada de decisões gerenciais. processo de tomada de decisões gerenciais.

Estratégias Estratégias Estratégias Estratégias Empresariais Empresariais Empresariais Empresariais

Gestão Financeira Gestão Financeira Gestão Financeira --- Gestão Financeira do Controle do controle do controle ààdecisão do controle àdecisão decisão

Encontros Encontros Encontros Encontros Empresariais Empresariais Empresariais Empresariais

Estratégias Estratégias Estratégias Empresariais Empresariais Empresariais

Gestão Financeira Gestão Financeira -- Gestão Financeira controle à decisão do controle ààdecisão dodo controle decisão

Encontros Encontros Encontros Empresariais Empresariais Empresariais

Empretec Empretec Empretec Empretec

Consultoria Sebrae Consultoria Sebrae Consultoria Consultoria Sebrae

Atendimento Atendimento Atendimento Atendimento Especializado Especializado Especializado Especializado

Com o Programa Sebrae Mais, você terá oportunidade de conhecer modelos avançados de gestão empresarial, ampliar sua rede de contatos, implantar estratégias para estimular a inovação na sua empresa, analisar os aspectos fundamentais da gestão financeira e melhorar o processo de tomada de 0800 570 0800||www.ba.sebrae.com.br |www.ba.sebrae.com.br www.ba.sebrae.com.br 0800 570 0800 decisões 0800 570 0800 Empretec Consultoria Sebrae Atendimento Empretec Sebrae Atendimento Empretec gerenciais.Consultoria Consultoria Sebrae Atendimento Especializado Especializado Especializado

0800 570 0800 0800 570 0800 0800 570 0800||www.ba.sebrae.com.br |www.ba.sebrae.com.br www.ba.sebrae.com.br

0800 570 0800 / www.ba.sebrae.com.br



Especial Conexão Bahia - informe 05 // Sebrae