Page 1

Ano 1 • # 03 • 2011 • Distribuição Gratuita www.paratyemrevista.com.br

em revista

Mergulho em Paraty Uma experiência que você não pode perder!

Diving in Paraty. An experience you can not miss! by Ana Maria Pavão

Cia imperial

Imperial Company pg 14

CARNAVAL em Paraty

MAPA DA ORLA

CARNIVAL in Paraty

COASTLINE MAP

pg 08

pg 30


A Bella oferece a você uma linha completa de cortinas e persianas na mais alta qualidade e sofisticação.

Fabricação própria. Produzimos todos os tipos de cortinas e persianas. Atendemos qualquer parte do Brasil.

(12) 3832-4239 www.bellapersianas.com.br

n Sapere (12) 3833-9035

contato@bellapersianas.com.br Rua Capitão Felipe, 158 - loja 4 Itaguá - Ubatuba - SP


Conheça e descubra porque essa é a casa mais visitada de Paraty Cozinha internacional combinada com as delícias brasileiras, trazendo o ano inteiro o melhor da MPB e Bossa Nova.

Bandas exclusivas e DJs renomados da noite carioca e paulista.

Rua Maria Jácome de Mello, 357 - Centro Histórico - Paraty - RJ - (24) 3371-7311 - www.paraty33.com.br


EDITORIAL

Paraty, no fundo do mar Paraty, on the seabed

PARATY em Revista Ano 1 • #03 • 2011 CNPJ 09.492.465/0001-81 A Paraty em Revista é uma publicação bimestral da Sapere Editora. É distribuída gratuitamente nas cidades: Ubatuba, São José dos Campos, Taubaté, Campinas, Itu, São Paulo, Campos do Jordão e Paraty.

Direção GERAL Andreza Pavão Ana Maria Pavão Luis Pavão

Editora Chefe Ana Maria Pavão

Jornalistas Responsáveis Ana Maria Pavão • MTB: 54599 ana@sapereeditora.com.br Luis Pavão • MTB: 54602 luispavao@sapereeditora.com.br

aos peixes de Paraty, sabe do que nossa matéria de capa vai tratar. Aqui, temos uma opção imperdível, tanto para quem já é praticante do mergulho, quanto para quem nunca se aventurou no fundo do mar. A operadora Adrenalina Mergulho convidou a equipe da Paraty em Revista para conhecer o chamado batismo, o mergulho de quem nunca mergulhou (nem fez o curso). Fomos então conferir de perto essa modalidade, muito interessante para quem nunca pensou em fazer um curso de mergulho, mas tem curiosidade pelos encantos do mar. Partimos, acompanhando um casal que faria seu primeiro mergulho. Acompanhamos as explicações do atencioso instrutor, e conferimos de perto as emoções de quem vive esse primeiro contato com o fundo do mar. O fato é que, se mergulhar já é uma experiência inesquecível, o mar de Paraty torna tudo ainda mais especial. Águas cristalinas, rica vida marinha e mar calmo. Uma combinação que em Paraty beira a perfeição. Tanto, que esta acabou por ser eleita nossa matéria de capa. E certamente é apenas a primeira de uma série de matérias sobre os encantos do mar de Paraty.

Who has been down there, next to the fishes in Paraty, you know what our cover story will deal with. Here we have an absolute must for both those who are already practicing diving, and for those who never ventured into the sea. The operator Adrenalin Dive invited the Paraty Em Revista’s staff to know the “baptism”, a dive for those who have never dived before (nor did the course). We then closely check this modality which is very interesting for those who have never thought of doing a diving course, but is curious about the charms of the sea. We left, following a couple who would make their first dive. We followed the instructor’s explanations friendly, and checked closely the emotions of those living this first contact with the seabed. The fact is that if diving is already an unforgettable experience, the sea of Paraty makes it even more special. Crystal clear waters, rich marine life and calm seas, are a combination that in Paraty is near perfection. So that, it ended up being elected as our cover story. And it is certainly only the first of a series of stories about the delights of Paraty’s sea. Photo: Luis Pavão

Quem já esteve lá embaixo, junto

Ana Maria Pavão Editora Chefe ana@sapereed itora.com.br

ESCREVEM AQUI

CAPA Alcides Falanghe - Arquivo Adrenalina

Revisão: Ana Corbisier TRADUÇÃO: Adriana Menezes Contatos (12) 3833-9035 / (12) 7814-8966 contato@sapereeditora.com.br

financeiro andreza@sapereeditora.com.br

ANUNCIE (12) 3833-9035 / (12) 7814-8966 (24) 9913-9797 / ID 82*131536 comercial@paratyemrevista.com.br

ASSINE www.ubatubaemrevista.com.br/assinatura

Carlos Rizzo augriz@yahoo.com.br É ornitólogo amador e fundador do Ubatubabirds (www.ubatubabirds.com.br). Pesquisa e mantém atualizada a lista das aves de Ubatuba, trabalha na Secretaria Municipal de Meio Ambiente com observação de aves na Educação Ambiental e na capacitação do receptivo da cidade para o turismo de observação na baixa temporada. He is an amateur ornithologist and the founder of the Ubatubabirds (www.ubatubabirds.com.br). He researches and keeps updated the birds list from Ubatuba, works for the Environment Municipal Secretary, with birds watching in the Educação Ambiental and the capacitation of the city for the bird watching tourism in low seasons. Luis Pavão luispavao@sapereeditora.com.br Um paulistano com alma caiçara. A 12 anos, cansado da agitação na capital, resolveu mudar definitivamente para o litoral. É um dos diretores da Paraty e Ubatuba em Revista, atuando também como jornalista e fotógrafo. A man from Sao Paulo with a “caiçara” soul. At 12, tired of the bustling city life, decided to move permanently to the coast. He is one of the Ubatuba and Paraty em Revista’s directors, also acting as a journalist and photographer.

TIRAGEM 10.000 exemplares - Auditados pela ACIU

4

MARÇO/ABRIL 2011

Ana Maria Pavão ana@sapereeditora.com.br Trabalha na área editorial desde 2004. Em 2008 realizou o lançamento da Ubatuba em Revista e, posteriormente, da Paraty em Revista, juntamente com Luis Pavão e Andreza Pavão. Ana é jornalista e editora chefe das publicações. Além dessas funções, também é designer, redatora, diagramadora e diretora de arte das publicações. She has worked in publishing since 2004. In 2008 held the launch of Ubatuba em Revista, and later of, Paraty em Revista, along with Luis Pavão and Andreza Pavão. Ana is a journalist and chief editor of the publications. Besides these functions she is also a designer ,writer, graphic designer and art director of publications . JORGE MARTINS bemjorge@ig.com.br

Jorge Martins é jornalista e mora atualmente em Paraty. Já trabalhou no Jornal do Comércio e Jornal do Brasil, ambos no Rio de Janeiro. Atualmente se dedica a produção musical, ganhou recentemente o Grammy com o Cd Sambolero de João Donato. O jornalismo sempre foi sua paixão e se sente muito feliz em colaborar com a Paraty em Revista. Jorge Martinez is a journalist living today in Paraty. He has worked in the Jornal do Comércio and Jornal do Brasil, both in Rio de Janeiro. Currently he is dedicated to producing music receand recently won a Grammy with the Cd Sambolero de João Donato. Journalism has always been his passion and he feels very happy to collaborate with Paraty em Revista.


ÍNDICE 06 • Projeto Barco Solar / Solar Boat Project 08 • Carnaval em Paraty / Carnival in Paraty 10 • Mergulho em Paraty / Diving in Paraty 14 • Cia. Imperial de Paraty / Imperial Company of Paraty 20 • Observar com os sentidos / Observing with the senses 22 • Praia dos Antigos / Antigos’ Beach 24 - Guia de Hospedagem / Book Your Trip

Photo: Giancarlo Mecarelli

26 • Cachaça de Paraty / Cachaça of Paraty

MARÇO/ABRIL 2011

5

Praça do Porto, loja 4 (em frente ao Cais do Porto) Centro - Paraty / RJ (24) 3371-2447 www.eco-paraty.com/refugio refugio@paratyweb.com.br


MEIO AMBIENTE

by Ana Maria Pavão ana@sapereeditora.com.br

Projeto Barco Solar

Photo: Divulgação

Solar Boat Project

Um rali de barcos movidos a energia solar. Mais do que

um evento inusitado, o Desafio Solar Brasil é principalmente uma oportunidade para testar projetos de instituições e universidades brasileiras que pesquisam uma tecnologia que, no futuro, possa assegurar embarcações não poluentes. Foi dai que nasceu o Projeto Solar do Instituto Náutico Paraty (INP), criado após um convite do Polo Náutico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para que o INP participasse do primeiro Desafio Solar Brasil, realizado em Paraty, em outubro de 2009. Os membros voluntários do INP comprometeram-se prontamente com o projeto, trabalhando na construção do barco solar, batizado de VDC1. Os motores desse tipo de embarcação são movidos pela energia solar captada em placas fotovoltaicas. Os barcos chegam a uma velocidade de 5 a 6 milhas por hora (entre 8 e 9,6 km/h), com uma autonomia de até oito horas, sempre variando conforme as condições do mar. Os moldes dessa competição foram bastante similares ao “Frisian Solar Challenge” realizado na Holanda, ao “SolarSplash”, competição realizada nos EUA, que é referência nesse tipo de evento competitivo entre barcos movidos a energia solar. A diferença entre as duas competições e o Desafio Solar Brasil é que, pela primeira vez, as regatas foram realizadas no mar e não em rios, lagos ou canais. Segundo Allan Reid, diretor do projeto solar do INP, a disputa estimula a troca de experiências entre universitários e engenheiros do setor. Explica que, apesar de existirem diversos projetos para construção de barcos solares, nem todos são concluídos, devido ao custo elevado da tecnologia, fator considerado pelos especialistas como o maior entrave para a produção de barcos elétricos. “Cada placa com um 1 m² não sai por menos de R$ 1,5 mil, o que torna a tecnologia limpa ainda muito cara no Brasil”, disse. “Mas os projetos são interessantes, não agridem o meio ambiente e poderão tornar-se viáveis no futuro”. P 6

MARÇO/ABRIL 2011

A rally of solar energy powered boats. More than one unusual event, Brazil Solar Challenge is mainly an opportunity to test designs of Brazilian universities and institutions researching a technology that, in future, can ensure non-polluting vessels. That is where the Solar Project of Paraty Nautical Institute (INP) was born, created after an invitation from the Nautical Pole of the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), so that INP could participate in the first Brazil Solar Challenge, held in Paraty, in October 2009. Volunteers Members of INP readily committed themselves to the project, working in the construction of the solar boat, named VDC1. The engines of this type of boat are powered by solar energy captured in photovoltaic panels. The boats reach a speed of 5 to 6 miles per hour (between 8 and 9.6 km / h), with a range of up to eight hours, always varying according to the sea conditions. The molds of this competition were very similar to the “Frisian Solar Challenge” held in the Netherlands and to the “SolarSplash” competition held in the U.S., which is a benchmark in this type of competitive event of boats powered by solar energy. The difference between the two competitions and the Solar Challenge is that, for the first time in Brazil the races were done on the sea and not in rivers, lakes or canals. According to Allan Reid, director of the INP’s solar project, the contest encourages the students and engineers’ exchange of experiences in the industry. He explained that although there are several projects to build solar boats, not all are finalized because of the high cost of technology, a factor considered by experts as the greatest obstacle to the production of electric boats. “Each plate with 1 m² does not come out for less than R$ 1.5 mil, which makes the clean technology still very expensive in Brazil,” he said. “But the projects are interesting, do not harm the environment and may become viable in the future.” P


“Você imagina, a gente faz acontecer!”

O Itamambuca Eco Resort pode realizar seu evento em diversos ambientes. A beira-mar, a beira-rio, junto às piscinas, no restaurante, salas de estar e onde mais sua imaginação alcançar. Tudo com muita flexibilidade de arranjos, espaços e decorações. Você imagina, a gente faz acontecer. www.itamambuca.com.br | eventos@itamambuca.com.br | (12) 3834-3000


CARNAVAL

by Ana Maria Pavão ana@sapereeditora.com.br

Carnaval em Paraty

O Carnaval em Paraty começa cedo. Quem chega

à cidade, um mês antes da data, já aproveita o clima e a programação das festas de rua, como o pré-Carnaval, com shows gratuitos na Praça da Matriz, sempre a partir das 21h. Em meio às muitas comemorações, dois eventos merecem destaque: o Carnamar e os blocos de rua. O auge do pré-Carnaval é o Carnamar. Uma competição temática entre embarcações, como escunas, baleeiras e barcos de pesca, que tem como critério de avaliação a ornamentação, animação e a originalidade de cada participante. A folia no mar começa no cais da cidade e segue em procissão marítima em direção à Praia Vermelha, onde são julgados os mais belos barcos em cada categoria.

• • • • •

Locação de balsas Transporte de carga em geral Locação de equipamentos Locação de barcos Coleta de lixo insular

The Carnival begins early in Paraty. Who comes to town one month before the date, already takes advantage of the climate and the programming of street parties like the pre-carnival,with free concerts in the Matriz Church Square, always starting at 9 p.m. Among many celebrations, two events are worth highlighting: the Carnamar and the street blocks. The peak of the pre-Carnival is the Carnamar, a competition between thematic vessels, such as schooners, dinghies and fishing boats, which has as an evaluation criteria, ornamentation, animation and originality of each participant. The fun on the sea begins on the docks of the city and goes the maritime procession towards Red Beach, where the most beautiful boats in each category are judged.

CARGOMARINE TRANSPORTE

M AR ÍT IM O

A Cargomarine tem a solução ideal para transporte marítimo em toda a Costa Verde. Tel: (24) 3371-7032 Nextel: 55*83*37800 contato@cargomarine.com.br Rua A, s/n sala 02 Vila Colonial Paraty/RJ

8

MARÇO/ABRIL 2011

Photo: Fabio Oliveira

Carnival in Paraty


Photo: Giancarlo Mecarelli

Acima: O tradicional “Bloco da Lama” Above: The traditional “Bloco da Lama”

Below: Carnamar, a competition between thematic vessels

Photo: Fabio Oliveira

For those who pass the carnival in Paraty can not miss the carnival blocks: “Os Paulos”, “Vamos Que Tô”, “Meninos do Pontal”, “Paraty do Amanhã”, “Acadêmicos da Patitiba”, “Parque da Mangueira”, “Tribo do Samba” e “Velha Guarda de Paraty” that parade and entertain the people at the Historic Centre and at Roberto Silveira Avenue. The traditional “Bloco da Lama”, one of the most famous, will go on Saturday of Carnival. Created in order to ward off evil spirits and attract joy to the celebrations, the “Bloco da Lama” has increasingly attended by tourists and resident areas, who walk the city streets with the body completely muddy, wearing rags, carrying skulls and bones and shouting “uga, uga, ha, ha. “ The path takes place in the main avenue of Jabaquara, ending with the bath on the beach that sends away any trace of negative energy. P

Abaixo: Carnamar, uma competição temática entre embarcações

Já quem passa o Carnaval em Paraty não pode deixar de ver os blocos carnavalescos: “Os Paulos”, “Vamos Que Tô”, “Meninos do Pontal”, “Paraty do Amanhã”, “Acadêmicos da Patitiba”, “Parque da Mangueira”, “Tribo do Samba” e “Velha Guarda de Paraty”, que desfilam e divertem no Centro Histórico e na Avenida Roberto Silveira. O tradicional “Bloco da Lama”, um dos mais famosos, sai no sábado de Carnaval. Criado com o objetivo de espantar os maus espíritos e atrair alegria para as comemorações, o “Bloco da Lama” conta cada vez mais com a participação de turistas e moradores da região, que saem pelas ruas da cidade com o corpo completamente enlameado, vestindo trapos, carregando caveiras, cipós e ossadas e aos gritos de “uga, uga, rá, rá”. O percurso acontece na avenida principal do Jabaquara, terminando com o banho na praia que manda para longe qualquer vestígio de energia negativa. P

Pense em lazer. Deixe o resto por nossa conta.

Segurança 24 horas • Heliponto • taxiboat (traslados) apoio de marinheiro embarque/desembarque internet access gratuito 24 horas internet wireless connection • estacionamento Rod. BR 101 km 589 - Paraty / RJ - www.faroldeparaty.com.br - contato@faroldeparaty.com.br - (24) 3371-1933 - 55*83*42685 MARÇO/ABRIL 2011

9


CAPA

Mergulho em Paraty Uma experiência que você não pode perder

by Ana Maria Pavão ana@sapereeditora.com.br

Diving in Paraty An experience you can not miss

Quem pratica o mergulho, certamente já conhece o fascinante mundo

submerso de Paraty. Longe dos olhos de quem passeia pela costa, o mar de Paraty é um dos mais belos lugares para a prática de mergulho autônomo (modalidade que utiliza equipamento com cilindro de ar comprimido). As condições das águas favorecem a prática do esporte: o mar abrigado e praticamente sem correntezas faz de Paraty uma preferência tanto para os mais experientes, quanto para os que estão começando. Certamente por isso, diversas escolas de mergulho de São Paulo e de várias partes do Brasil optam por realizar o primeiro mergulho de seus alunos em Paraty. Os mergulhos autônomos são realizados entre as 65 ilhas do município, rodeadas de intensa vida marinha, como garoupas, badejos, estrelas do mar, algas, arraias, moréias verdes, crustáceos e diversos cardumes de peixes tropicais. Formações de corais enfeitam ainda mais a paisagem submersa. 10

MARÇO/ABRIL 2011

Those who practice diving, surely knows the fascinating underwater world of Paraty. Out of sight of who walks along the coast, the sea of Paraty is one of the most beautiful places to practice scuba (sport that uses equipment with compressed air cylinder). The water conditions promote the practice of the sport: the sheltered sea and pratically no currents makes of Paraty a preference for both the experienced ones, and for those who are starting. Certainly because of that, several diving schools of Sao Paulo and from different parts of Brazil choose to hold the first dive of their students in Paraty.


MARÇO/ABRIL 2011

11 Photo: Leo Leibovice


Photo: Leo Leibovice Acima: Mergulho de “Batismo”, onde um instrutor conduz o participante, monitorando todos os instrumentos necessários. A esquerda: Luis Pavão, diretor da Paraty em Revista, durante a Aventura Submarina.

Above: Dive “Baptism,” where an instructor leads the participant, monitoring all the necessary instruments.

Somente quem já mergulhou nas águas claras, límpidas e calmas de Paraty pode entender de fato o que significa estar lá embaixo. Quem ainda não mergulhou, pode aproveitar qualquer final de semana em que esteja na cidade para experimentar esta, que é uma das mais indescritíveis experiências de contato com a natureza: explorar o maior, mais desconhecido e intrigante hábitat, o marinho. Mesmo quem ainda não fez um curso de mergulho, pode ter a oportunidade - e o privilégio - de conhecer esse lado encantador de Paraty. Trata-se de uma prática conhecida como “batismo”, que possibilita a quem ainda não realizou o curso, apreciar o fundo do mar com total segurança. A operadora Adrenalina Mergulho, localizada em Paraty, convidou nossa equipe a conhecer de perto esse processo, chamado por eles de “Aventura Submarina”. Acompanhamos os preparativos para o primeiro mergulho do casal Barbara Andrade e Eduardo Amorim, moradores de São Paulo que visitavam a cidade e se encantaram com a possibilidade de realizar o mergulho. Ainda na própria embarcação, um instrutor explicou os conceitos básicos do mergulho aos participantes do batismo. Mas calma, não é preciso aprender detalhes técnicos, nem se preocupar demais, pois cada participante do batismo mergulha acompanhado por um instrutor exclusivo, que fica em contato intermitente, realizando todas as regulagens e todos os controles necessários durante a atividade. Como bem explicou o instrutor que nos acompanhou, Olivier Fontaine “basicamente, você só precisa se preocupar em respirar e mexer os pés”. Olivier enfatizou a necessidade de realizar a chamada “compensação”, para equalizar a pressão dos ouvidos, técnica que deve ser cumprida com rigor, mas que não apresenta dificuldades para os iniciantes. 12

MARÇO/ABRIL 2011

Beside: Luis Pavão, director of “Paraty iem Revista”, during the Underwater Adventure.

The scuba diving are made between the 65 islands of the city, surrounded by rich sea life such as snappers, groupers, sea stars, algae, stingrays, green moray eels, crustaceans and many shoals of tropical fishes. Coral formations adorn the even more submerged landscape. Only those who have dove into the clear and calm Paraty’s waters, can actually understand what it means to be down there. Who has not done it, can take any weekend while you are in town to try this, which is one of the most unspeakable experiences of contact with nature: exploring the biggest, most unknown and intriguing marine habitat, the marine. Even those who have not made a diving course may have the opportunity - and privilege - to know this lovely side of Paraty. It is a practice known as “baptism”, which allows those who have not done the course, to safely enjoy the sea. The Adrenalin Dive operator, located in Paraty, invited our staff to know more about this process, which they called “Underwater Adventure. We followed the preparations for the first dive of the couple Barbara Andrade and Eduardo Amorim, Sao Paulo residents who visited the city and were fascinated by the possibility of diving. Still in his own boat, an instructor explained the basics of diving to the baptism participants.


Photo: Arquivo Adrenalina

Photo: Paulo Ricardo Duarte

O ponto escolhido pela equipe da Adrenalina Mergulho foi a Ilha dos Ratos, um dos principais destinos para mergulho de Paraty. A profundidade é de até 10 metros e a vida marinha intensa. Mergulhamos em meio a cardumes que passavam por nós parecendo não se importar com nossa presença. Alguns minutos lá em baixo e já estávamos no meio de centenas de peixes e animais marinhos. A advogada Barbara, que realizou seu primeiro mergulho com sucesso na “Aventura Submarina”, ficou encantada com a experiência. “Foi muito bom, já me sentia em casa lá embaixo”. O comentário de Barbara coincidiu com a impressão de nossa equipe, e pelo visto, é uma unanimidade entre os participantes da atividade. Pois é interessante que o Mergulho autônomo, ao contrário de diversas atividades de contato com a natureza, oferece a inusitada sensação de estar fazendo parte de um hábitat (e não sendo um mero espectador). Talvez por isso, a maioria das pessoas que realiza seu primeiro mergulho, acaba decidindo fazer o curso, e nunca mais deixa o esporte. P

Acima: Mergulho na Ilha dos Meros, um dos melhores locais para mergulho em Paraty. Ao lado: Barbara Andrade, após sua primeira experiência de mergulho, na “Aventura Submarina”.

Above: Diving in Meros Island, one of the best diving spots in Paraty. There is a Cristo Redentor submerged there. Beside: Barbara Andrade, after his first diving experience in the “Underwater Adventure.”

“Batismo” ou mergulho para não credenciados “Baptism” or diving for a not certified person O que é? Uma maneira de mergulhar sem ter de fazer o curso de mergulho.

What is it about? A way to make scuba diving without needing a diving course.

Como funciona? O participante é acompanhado por um instrutor que passa algumas noções técnicas necessárias ao mergulho e faz o monitoramento e o controle de todos os instrumentos necessários. O mergulho dura em torno de 40 minutos.

How does it work? The participant is followed by an instructor who teaches some concepts and techniques needed to dive, making monitoring and controling of all the necessary instruments. The dive lasts around 40 minutes.

O que inclui? Todos os equipamentos necessários, uma saída de lancha ou barco, lanche e bebidas a bordo e o acompanhamento de um instrutor treinado.

What is included? All necessary equipment, a boat launch, snacks and drinks on board and a trained instructor monitoring.

Com quem mergulhar? Adrenalina Mergulho www.adrenalinamergulho.com.br (24) 3371-2991 Una Tour e Dive www.unatouredive.com.br/mergulho.htm (24) 3371-8623

Who to dive with? Adrenalina Mergulho www.adrenalinamergulho.com.br (24) 3371-2991 Una Tour e Dive www.unatouredive.com.br/mergulho.htm (24) 3371-8623

But wait, there is no need learn technical details nor to worry too much, because each participant’s baptism is accompanied by an exclusive dive instructor, who is in intermittent contact, performing all the adjustments and all necessary controls during the activity. Like well explained the instructor that accompanied us, Olivier Fontaine “basically, you only need to worry about breathing and moving your feet.” Olivier emphasized the need for so-called “compensation” to equalize the pressure in the ears, a technique that should be properly enforced, but that presents no difficulty for beginners. The point chosen by the team at Adrenalin Dive was the Rat Island, one of the top destinations for diving in Paraty. The depth is up to 10 meters and the marine life intense. Diving into the middle shoals that passed by us seeming not to care about our presence. A few minutes down there and we were in the middle of hundreds of fishes and marine animals. Barbara, a lawyer who took his first dive successfully in the “Underwater Adventure”, was delighted with the experience. “It was great; I was already feeling myself at home down there.” Barbara’s comments coincided to our staff’s impression, and apparently, it is a consensus among the participants of the activity. For it is interesting that the Scuba diving, unlike many activities of contact with nature, offers the unusual feeling of and being part of a habitat (rather than being a mere spectator). Perhaps this is why most people who make their first dive, eventually decide to take the course, and never leave the sport. P

MARÇO/ABRIL 2011

13


ARTE

Cia. Imperial de Paraty Imperial Company of Paraty

Trata-se de um tipo de city tour no Centro Histórico de Paraty ‘guiado’ por

pessoas trajando vestimentas de época, representando personagens que lá viveram e fazem parte da história local. Apesar de terem vivido em séculos diferentes, neste tour os visitantes de hoje e os personagens de ontem convivem. Falam não só da história, mas também do modo de vida ali, nos séculos XVII, XVIII e XIX. As ruas, o casario, as igrejas, as praças são o cenário. O passeio leva aproximadamente uma hora, começando na Praça da Matriz, seguindo para a Casa da Cultura, Igreja Santa Rita, Rua do Comércio, Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito e terminando em frente à Igreja Matriz. Em 2008 o idealizador do projeto, Diuner Mello, historiador da cidade, autor de seis livros sobre a história local e atual presidente da Casa da Cultura de Paraty, escreveu o roteiro do tour e, junto com três guias de turismo atuantes na cidade, foi vendo como colocar o projeto em prática, o que há muito era esperado. Sibele, Sonia e Sylvia organizaram o elenco, conseguiram recursos para confeccionar as roupas, o sistema de some a divulgação. Nos ensaios de texto deram-se conta da necessidade de uma direção artística que foi assumida pela atriz Ana Rocha, e ‘lá fomos nós!’ Depois de muitos ensaios, o ‘espetáculo de rua’ foi apresentado uma vez por mês em 2009. Em 2010 foi difícil conseguir financiamento, mas, mesmo assim, o grupo se manteve. Passou a ter um nome: ‘Cia. Imperial de Paraty’. Compõe-se de 20 pessoas, de diferentes lugares, idades e profissões.

14

MARÇO/ABRIL 2011

by Ana Maria Pavão ana@sapereeditora.com.br Photos by Giancarlo Mecarelli


It is a kind of city tour in the Historical Center of Paraty ‘guided’ by people dressed in period costumes, representing characters who lived there and who are part of the local history.Despite having lived in different centuries, on this tour today visitors and yesterday’s characters live together. They speak not only of history but also about the way of life there, in the seventeenth, eighteenth and nineteenth centuries. The streets, the houses, churches and squares are the background. The ride takes about one hour, starting at Matriz Square, passing by the Culture House, St. Rita Church, Main Street, Church of Our Lady of the Rosary and Saint Benedict and finishing in front of the Matriz Church. In 2008 the creator of the project, Diuner Mello, a town historian, author of six books on local history and current president of the House of Culture of Paraty, wrote the script for the tour and, along with three tour guides working in the city, started to think about how to put the project into practice, which was long expected. Sibele, Sonia and Sylvia organized the cast, managed resources to manufacture the clothes and for the promotion. MARÇO/ABRIL 2011

15


Personagens: / Characters:

Maria Jácome de Melo Uma Senhora do século XVI que doou parte de suas terras - entre os rios Pereque açu e Mateus Nunes - para a construção do segundo vilarejo (o primeiro foi no Morro do Forte e se chamava São Roque). Muito devota de Nossa Senhora dos Remédios.

Domingos Gonçalves da Abreu Um militar do século XVI porta uma lança espanhola. Na lança, um estandarte com o brasão de Paraty, o dos Remédios. Em 1667, foi responsável pela elevação de Paraty à categoria de Vila.

A sixteenth century Lady who donated part of her land - between Pereque Açu and Matheus Nunes rivers - for the construction of the second village (the first one was in Fort Hill and was called San Roque). Very devoted to Our Lady of Remedies.

A soldier of the sixteenth century - who carries a Spanish spear. In this spear there is a banner with the coat of Paraty, the “Remedios” one. In 1667, he was responsible for the rise of the status of Paraty Village.

Rei e Rainha de São Benedito Presidem a festa do Rosário e falam da vida dos negros.

Menino Imperador do Divino Representação de D. Pedro II, preside a festa do Divino - fecha o tour, trazendo a história até o presente;

King and Queen of São Benedito - preside over the Rosary party and talk about black people life.

Emperor of the Divine Child - the representation of D. Pedro II, the chairman of the Divine party - closes the tour, bringing history to the present;

s os/queijo s i r f e d r Seto portado m i e s i a nacion 16

MARÇO/ABRIL 2011

e Buffet de sopas diariament a partir das 18hrs

n Sapere (12) 3833-9035

Rua Estados Unidos, 1645 - Jd. América São Paulo / SP - Tel. (11) 3064-5900 www.galeriadospaes.com.br

Adega com ma 1.300 rótu is de los


Dona Geralda Maria da Silva Senhora do século XIX, riquíssima e beata, que custeou e administrou a construção da igreja matriz; Lady of the nineteenth century, rich and blessed, who funded and managed the construction of the Matriz Church.

Guardas - Usam trajes da milícia de Paraty no século XVIII; portam uma lança, semelhante à dos Dragões da Independência - têm a função de apresentar o tour, citar os patrocinadores e manter os assistentes afastados dos personagens, permitindo que todos vejam o espetáculo. Guards - wear militia clothes of Paraty in the eighteenth century; carry a spear similar to the Dragons of Independence - are meant to present the tour, mention the sponsors and keep the crowd away from the characters, allowing everyone to see the show.

Roque, marinheiro e Chiquinha Francesa, moça do povo. Roque, sailor and Chiquinha Francesa, a girl from the people.

Capitão Lourenço Carvalho Rico senhor de engenho e comerciante, dono de tropas de carga. Rich plantation owner and trader, owner of loading troops.

MARÇO/ABRIL 2011

17


O Espetáculo As apresentações são abertas ao público, com data e horários agendados previamente. Duração: 1 hora Itinerário: Saída da Praça da Matriz, seguindo para a Casa da Cultura, Igreja Santa Rita, Rua do Comércio, finalizando na Praça da Matriz. The Show The presentations are open to the public, with date and time previously scheduled. Duration: 1 hour Itinerary: Departure from Matriz Church Square, passing by the Culture House, St. Rita Church, Main Street, ending at the Matriz Church Square.

18

MARÇO/ABRIL 2011


Agora a Cia. Imperial está torcendo para encontrar patrocínio para o ‘passeio’, para poder assim dar continuidade ao projeto. A boa notícia é que o projeto está entre os 10 finalistas do Prêmio Rio Sociocultural 2010; no final de março será realizado o evento de premiação dos cinco finalistas. Estes serão contemplados com 3.000 reais, sendo que os vencedores receberão mais 5.000 reais. No entanto, o projeto já é um vencedor por conseguir manter-se com o mesmo grupo de pessoas com vontade de crescer e fazer muito pela divulgação do patrimônio material e imaterial P

In the text rehearsals they realized the need for an artistic direction that was taken over by the actress Ana Rocha, and ‘”here we went!”After many trials, the street spectacle “was presented once per month in 2009. In 2010 it was difficult to get financing, but even so, the group remained. Now it has a name: ‘ Paraty Imperial Company ‘. It consists of 20 people from different places, ages and professions. Now the Imperial Co. is hoping to find sponsorship for the ‘ride’, in order to be able to continue the project. The good news is that the project is among 10 finalists for the 2010 Rio Sociocultural Award, which in late March award the ceremony of the five finalists will be held. These will be contemplated with 3.000 reais, and the winners will receive over 5.000 reais. However, this project is already a winner for being able to keep up with the same group of people willing to grow and do much for the dissemination of tangible and intangible heritage of Paraty. P

A data e a hora das apresentações são anunciadas no site: www.ciaimperial.com.br The date and time of the performances are announced on the website www.ciaimperial.com.br

MARÇO/ABRIL 2011

19


BIRDWATCHING

by Carlos Rizzo

Ornitólogo amador e fundador do Ubatubabirds. Amateur ornithologist and the founder of the Ubatubabirds. augriz@yahoo.com.br

Observar com os sentidos Observing with the senses

Observar está além do simples olhar. Observar envolve o sentir, o escutar,

o esperar, o aguardar, e também o olhar. Ser cego, míope, estrábico, cadeirante, surdo ou qualquer outra “deficiência”, nada impede a observação. Para nós que temos o privilégio da visão, observar aves é quase uma tortura. Fomos educados no sentido de que tudo se restringe ao alcance do nosso campo visual. Ninguém nos ensina que podemos “ver” com a nossa pele, com o nosso nariz, com os nossos ouvidos. Isso é observar. Sentir, entender, respirar, sentir-se parte integrante do ambiente onde estamos, também é ver. Tive o privilégio de acompanhar deficientes visuais em observação de aves. Garanto que, ainda que “pleno” em todos os meus sentidos, senti-me inferior. Para não dizer humilhado. Procurando corujas em plena noite escura, dependente de lanterna e tropeçando em todas as pedras e raízes do caminho, vi o “cego” andando sem tropeços. Aprendi que ele vive a noite 24 horas por dia e eu, deficiente, vivo o dia com sol e luz. Não sou capaz de viver, andar, e o mais importante, interpretar sem medos e temores o escuro da noite. Esta é a melhor maneira de entender a diferença entre ver e observar aves. Depois de um tempo de prática em observação de aves aprendemos que 99% das vezes primeiro ouvimos e depois, num lance de sorte, temos a oportunidade de ver. Ver é natural (senão obrigatório) neste mundo em que vivemos, mas é um verdadeiro castigo quando estamos longe dos recursos e avanços tecnológicos, observando no meio do mato. Lá não existe controle remoto ou mouse para aumentar o volume, mudar de tela ou selecionar o interesse. A mata é cruel para os tecnodependentes. Lá vale e se impõe a sensibilidade, o sentir as diferenças de temperatura, o ouvir todos os sons e o sentir-se um privilegiado ao ver uma nova espécie. Quem observa sente-se acolhido pela mata. Vivi alguns momentos inesquecíveis com a fugaz oportunidade de ver uma ave na hora certa e no lugar correto. Nada se compara com as grandes conquistas que tive a partir de um simples ouvir. Escutar, procurar a ave, localizar e confirmar sua identificação. Aprendendo a observar, você só tem a ganhar. P

A mata é cruel para os tecnodependentes. Lá vale e se impõe a sensibilidade, o sentir “ as diferenças de temperatura, o ouvir todos os sons e o sentir-se um privilegiado ao ver uma nova espécie. Quem observa sente-se acolhido pela mata. ”

“The forest is cruel to tecnodependents. The sensitivity is imposed there, such as feeling the differences of the temperature, hearing all the sounds and feel privileged to see a new species. Who observes feel welcomed by the forest.”

20

MARÇO/ABRIL 2011


Observing is beyond the simple look. Ob-

serving involves feeling, listening, waiting and also looking. Being blind, myopic, squint, wheelchair user, deaf or any other “disability” does not prevent any observation. For us who have the privilege of viewing, bird watching is almost a torture. We were educated in order that everything is limited to the scope of our visual fields. Nobody teaches us that we can “see” with our skin, our nose with our ears. This is to observe. Feel, understand, breathing, feeling part of environment where we are also seeing. I had the privilege to monitor blind people in bird watching. I guarantee that even feeling “full” in all my senses, I felt inferior. Not to mention humiliated. Looking for owls in the night dark, depending on flashlight and stumbling over rocks and roots all the way, I saw the “blind” going without stumbling. I learned that he lives at night 24 hours a day and I, deficient, living the day with sunshine and light. I am not able to live, walk, and most importantly, play the dark of night without fear and fear. This is the best way to understand the difference between seeing and bird watching. After a while of birdwatching practice we learned that 99% of the time we first hear and then in a lucky thing, we have the opportunity to see. Seeing is natural (but required) in this world we live in, but it is a real punishment when we are away resources and technological advances, watching in the woods. There is no remote control or mouse to increase the sound, change the screen or select interest there. The forest is cruel to tecnodependents. The sensitivity is imposed there, such as feeling the differences of the temperature, hearing all the sounds and feel privileged to see a new species. Who observes feel welcomed by the forest. I have lived some unforgettable moments with a fleeting chance to see a bird at the right time and right place. Nothing compares to the great achievements we have had from a single listening. Hear, look for the bird, find and confirm your identification. Learning to observe, you just have to gain. P

MARÇO/ABRIL 2011

21


TURISMO

by Jorge Martins

Praia dos Antigos Antigos’ Beach Trata-se de destino muito especial para quem

está em Paraty e deseja conhecer Trindade. Considerada uma das praias mais bonitas do Brasil, a Praia dos Antigos é uma praia selvagem e deserta. Cercada por morros altos e vegetação nativa, possui amendoeiras que fornecem sombra a quem se aventura para chegar até lá. Para ir por água, é preciso condições especiais de tempo e marés, pois o trajeto é feito em mar aberto. Já para quem vai por terra, o acesso é feito por uma trilha de 3 km de extensão que se inicia na Praia do Sono, com uma caminhada de, aproximadamente, 25 minutos, em ladeira íngreme que atravessa o morro. Apesar do esforço para chegar lá, a beleza do lugar faz valer à pena: As areias, finas e brancas, são praticamente intocadas e contrastam com as águas esverdeadas e transparentes. A

22

MARÇO/ABRIL 2011

Jornalista, mora atualmente em Paraty. Journalist, living today in Paraty. bemjorge@ig.com.br

praia, apesar de pequena, atende a variados gostos. Suas ondas são ótimas para a prática de surf, entretanto, quem gosta de águas calmas, pode relaxar ou praticar mergulho com snorkel em pontos de piscina natural, formados pelas pedras que desenham o lugar. Um ponto de apoio para quem se aventura a ir até lá, é o tradicional Ancoras Bar, que fica na praia do Rancho, bem ao lado da saída dos barcos. Carlinhos, o proprietário, dá todas as dicas para um translado seguro e sem imprevistos. Além de fornecer aquelas coisinhas básicas como biscoitos, água e cerveja. É legal ir preparado, pois a Praia dos Antigos, não possui nenhuma infraestrutura. Os 400 metros da praia fazem parte da Área de Proteção Ambiental do Cairuçu. A praia dos Antigos é realmente um paraíso para poucos, mas um passeio que, certamente, vale à pena. P


Photos: Jorge Martins

GPS: 23º20’40’’S / 044º37’25’’W

COMO CHEGAR: Próximo a Trindade, na região de “Laranjeiras”, encontra-se uma trilha de dificuldade mediana. Em duas horas de caminhada você chegará à praia do Sono. De lá, outra trilha que leva mais ou menos 20 minutos, dá acesso a praia dos Antigos.

How to Get There: Near the Trindade in the region of “Laranjeiras”, is a trail of average difficulty. In two hours of walking you will reach the Sono’s beach. From there, another trail that takes about 20 minutes, gives access to the Antigos’ beach.

This is a very special destination for those who are in Paraty and want to know Trindade. Considered one of the prettiest beaches of Brazil, Antigos’ Beach is a wild and deserted beach. Surrounded by high hills and native vegetation, has the almond trees that provide shade for those who venture to get there. To arrive by water, it takes special conditions of time and tides, because the trajectory is done in the open sea. But for those going by land, the access is by a 3 km trail which begins at Sono’s Beach, with a walk of about 25 minutes, crossing the steep hill. Despite the effort to get there, the beauty of the place makes it worth: The sands, thin and white, are practically untouched and contrast with the greenish and transparent waters. The

beach, though small, caters to varied tastes. Its waves are great for surfing, however, those who like calm, relax or enjoy snorkeling at points of natural pools formed by rocks that draw the place. A senew for those who venture to go there, is the traditional Ancoras Bar, located at at Rancho beach, right next to the boats departure. Carlinhos, the owner, gives all the tips for a safe and not unexpected transfer. In addition to providing those basic things like cookies, water and beer. You should get prepared, because the Ancients beach has no infrastructure. The 400 meters from the beach are part of the Environmental Protection Area of Cairuçu. The Antigos’ beach is truly a paradise for the few, but a ride that certainly worth it. P

Curiosidade: O nome da praia faz alusão às inscrições e sinais encontrados em rochas próximas que, não identificados, são atribuídas aos antigos visitantes de períodos remotos que ali teriam deixado suas marcas.

Trivia: The beach’s name refers to the signs and inscriptions found on rocks near that, not identified, are assigned to remote periods of previous visitors who have left their marks there.

MARÇO/ABRIL 2011

23


GUIA DE HOSPEDAGEM Book Your Trip

Verifique as facilidades de cada meio de hospedagem: Check the facilities over every lodge:

Meia Pensão

Pensão Completa

Quartos com facilidades para defincientes físicos

Wireless

Ofurô

Hidromassagem

Fitness

Ar Condicionado

Cartão de Crédito

Sauna

Sala de Internet

Mini-golf

Telefone

TV

TV a Cabo

Frigobar

Observação de Aves

Salão de Jogos

Playground

Cavalgada

Restaurante

Manobrista

Serviço de Praia

Tênis

Piscina

Piscina aquecida

Guias para passeios

Estacionamento

Garagem

Área para Camping

Aceita animais de pequeno porte

24

MARÇO/ABRIL 2011

Pesca


Book Your Trip GUIA DE HOSPEDAGEM Pousada Aldeia Antiga Com muito verde e a 2 minutos a pé das praias e cachoeiras, você desfruta de conforto e economia, com a facilidade de estar pertinho de tudo. Venha nos conhecer. Suítes com ventilador, TV e frigobar. Onde: Rua das Flores, S/N - Trindade - Paraty/RJ Reservas: (24)3371-5246 ou (12) 3883-2413 http://www.paraty.com.br/trindade/aldeiaantiga.htm

Não aceita cartões de crédito

Pousada Dois Irmãos Indicada desde 2002 pelo Guia Quatro Rodas, também é credenciada pelo MTur, no programa “VIAJA MAIS MELHOR IDADE”. Localizada em local seguro e tranquilo na Mata Atlântica, é muito próxima às praias. Prima pelo conforto e higiene e serve um delicioso café da manhã. Onde: Rua Pedro Rosa, S/N - Trindade - Paraty/RJ Reservas: (24)3371-5124 - doisirmaos@trindade.tur.br www.trindade.tur.br/doisirmaos.htm

Não aceita cartões de crédito

Pousada Villa Harmonia Estar próximo ao animado Centro Histórico de Paraty, é somente um dos atrativos de nossa pousada. A Villa Harmonia traz o sossego e a paz que uma área de 1700 m2 oferece, dos quais 600 m2 em jardins e gramados. Verifique em nosso site as inumeras parcerias que poderão lhe dar descontos. Onde: Rua das Acácias, 07- Caborê - Paraty/RJ Reservas: (24)3371.2334 reservas@pousadavillaharmonia.com.br Aceita: Master, Visa, Amex e Diners www.pousadavillaharmonia.com.br

Pouso Trindade Inn A Pousada Pouso Trindade abriu suas portas para o turismo no ano de 1992, sendo a primeira opção de hospedagem na Vila de Trindade. Até hoje, é reconhecida e apreciada por muitos frequentadores da vila, pelo seu clima calmo, pelo aconchego, pelo conforto e pela privacidade. Onde: RuaSobral Pinto, 10 - Trindade - Paraty/RJ Reservas: (24)3371-5121 - pousotrindadeinn@hotmail.com http://www.pousotrindadeinn.com.br

MARÇO/ABRIL 2011

Não aceita cartões de crédito

25


CULTURA

by Lúcio Gama Freire

“Sentaram-se à mesa. Quaresma agarrou

Cachaça de Paraty

“They sat at the table. Quaresma grabbed a small crystal bottle and served two glasses of Paraty.”

luciogamafreire@oi.com.br

Cachaça from Paraty

a pequena garrafa de cristal e serviu dois cálices de paraty.”

Photo Luis Pavão

Foto: Arquivo APACAP

O município de Paraty é a região produtora de cachaça mais antiga e renomada do Brasil. Durante o período colonial e império, Paraty se destacou no volume de produção e na qualidade da bebida produzida, sendo o principal fornecedor da família real. Neste período o município chegou a ter 12 engenhos de açúcar e 150 alambiques. O renome da cachaça produzida transformou Paraty em sinônimo de cachaça de qualidade e virou referência em composições musicais e literárias. Nas composições literárias, em importantes obras da literatura brasileira e nas composições musicais, são inúmeras as referências ao nome da cidade como referencia à bebida. Antes da segunda guerra mundial, em 1935, Assis Valente fez sua parte pela reabilitação da cachaça no Brasil compondo Camisa Listrada, o samba-crônica gravado por Carmem Miranda, um sucesso. No carnaval de 2001, a Escola de Samba Campeã Imperatriz Leopoldinense, venceu o desfile com um enredo cujo o tema era a cachaça. Hoje, Paraty não se destaca mais como grande produtor, existem 7 alambiques em atividade no município. Entretanto, continua sendo reconhecida pela qualidade, renome, tradição e cultura da bebida que representa o espírito do Brasil, a verdadeira cachaça artesanal.

26

JANEIRO/FEVEREIRO MARÇO/ABRIL 2011 2011

Policarpo Quaresma, de Lima Barreto

The municipality of Paraty is the oldest rum producer and renowned region in Brazil. During the colonial and the empire period, Paraty was pointed out in volume production and in the quality of beverage produced and was the main supplier of the royal family. During this time the city grew to 12 sugar mills and 150 distilleries. The reputation of the produced cachaça turned Paraty into a synonym of quality liquor and became a reference in literary and musical compositions. Literary compositions in significant Brazilian literature and the musical compositions as well, , there are countless references to the city’s name as a reference to the drink. Before the second world war in 1935, Assis Valente did his part for the rehabilitation of the cachaça in Brazil composing “camisa listrada”, a successful samba-chronic recorded by Carmen Miranda.


“Vestiu uma camisa listrada e saiu por aí. Na Europa em geral, além de países da América do norte e Ásia, o reconhecimento de indicações geográficas que atestam a procedência de bebidas com características e qualidade diferenciadas pela região produtora é mais difundido, o Champagne e o Cognac na França e o vinho do Porto em Portugal são exemplos bem conhecidos. No Brasil estas indicações de procedência são mais recentes, até o momento, no setor de bebidas, foram reconhecidas duas regiões produtoras de vinhos finos, o Vale dos Vinhedos e Pinto Bandeira, ambos na região sul e Paraty é a única região produtora de cachaça reconhecida até o momento. O selo de Indicação de Procedência da cachaça de Paraty, além de atestar a qualidade e a tradição da bebida servirá como proteção contra fraudes e piratarias. O consumidor saberá que somente as garrafas “carimbadas” com este selo são de fato produzidas, envelhecidas e engarrafadas pelos alambiques do município, seguindo as normas e características seculares da cachaça de Paraty. Todos os alambiques podem ser visitados, facilitando os turistas e apreciadores da cachaça de qualidade no conhecimento do processo de produção e na degustação da cachaça mais tradicional do Brasil. Não se deixe enganar, a verdadeira cachaça de Paraty tem como identidade o selo da Indicação de Procedência. Peça a garrafa, identifique o selo e deguste o sabor da bebida que é a cara do Brasil. P

Em vez de tomar chá com torrada, ele bebeu parati.”

Samba de Assis Valente, “Camisa Listrada” , gravado por Carmem Miranda

“He wore a striped shirt and walked around. Instead of taking tea with toast, he drank Parati.” “Camisa Listrada” samba of Assis Valente, recorded by Carmen Miranda

Today Paraty does not stand out as a major producer anymore; there are seven distilleries in operation in the municipality. However, it continues to be recognized for the quality, reputation, tradition and culture of the drink that represents the spirit of Brazil, the real craftwork. In Europe in general, besides countries from North America and Asia, the recognition of geographical indications which attest to the merits of drinks with different characteristics and quality by producing region is more widespread, Champagne and Cognac in France and the port wine in Portugal are well known examples. In Brazil these indications are more recent , so far, in the beverage sector, two fine wine producing regions were recognized, thre eso far, in the beverage sector, two of fine wine producing regions were recognized, the Vinhedos Valley of and Pinto Bandeira, both in south, and Paraty is the only rumproducing region known to date. An origin Indication Stamp of Paraty’s rum, besides attesting the quality and tradition of the drink will serve as protection against fraud and piracy. The consumer will know that only the bottles “stamped” with this label are actually produced, aged and bottled by the municipality’s stills, following the rules and secular characteristics of Paraty rum. All stills can be visited facilitating tourists and quality rum lovers in the production process knowledge and in the most traditional cachaça tasting in Brazil. Do not be fooled, the real Paraty rum has the stamp of identity as origin indication. Ask for the bottle, identify the seal and taste the flavor that is the Brazil’s face. P

Cachaça Coqueiro Fazenda Cabral - Cabral - Paraty - RJ (24) 3371-0016 www.cachacacoqueiro.com.br

Cachaça Pedra Branca Estrada da Pedra Branca, km 1 - Ponte Branca Paraty - RJ - (24) 7835-4065 www.chacacapedrabranca.com

Cachaça Corisco Estrada do Corisquinho s/nº - Corisco Paraty - RJ (24) 3371-0894

Cachaça Maré Cheia Estrada do Jacú, s/nº – Morro do Jacú Paraty – RJ - (24) 3371-9377 www.cachacamarecheia.com.br

Cachaça Maria Izabel Sítio Santo Antônio - Corumbê - Paraty - RJ (24) 9999-9908 www.mariaizabel.com.br

Cachaça Engenho D’Ouro Estrada Paraty - Cunha, km 8 - Penha Paraty - RJ - (24) 9905-8268 www.engenhodouro.com.br

Cachaça Paratiana e Labareda Estrada da Pedra Branca, km 1 - Ponte Branca Paraty - RJ (24) 3371-6329 - cachacaparaty@hotmail.com

MARÇO/ABRIL 2011

27


INFORMAÇÕES ÚTEIS AEROPORTO DE PARATY Administração: Prefeitura de Paraty/ Consórcio iosfera e Helpjet Endereço: Av. Aeroporto s/nº - Vila Colonial Fone: (24) 3371-4030 – (24) 9841-9215 - ID Nextel 81*31939 Horário de Funcionamento: Horário Diurno (do nascer ao pôr-do-sol) ICAO - SDTK Latitude: 23º 13’ 28’’ S - Longitude: 044º 43’ 13’’ W Tipo de Operação: VFR diurno Altitude: 10 ft Pista Dimensões(m): 920 X 23 Designação da cabeceira: 10/28 Tipo de Piso: ASPH (asfalto) Resistência do Piso (PCN): 8/F/B/X/T Abastecimento Combustível disponível: AVGAS-100 e JET A-1

Photos by Arquivo Help Jet

Helicharter Helicópteros (12) 3833-2471 - (12) 9149-4695 Auxílios operacionais Frequência do Aeródromo: 126.02 Sinais de Guia de Táxi: Biruta Sinais de Eixo de Pista - Sinais Indicadores de Pista Sinais de Cabeceira de Pista Circuito de Tráfego Aéreo: Padrão Câmeras ao vivo pelo site: http://www.helpjet.com.br/

Emergência: 190 - Polícia Militar 153 - Guarda Municipal 191 - Polícia Rodoviária Federal 198 - Polícia Rodoviária Estadual 192 - Ambulância 193 - Corpo de Bombeiros 199 - Defesa Civil Telefones Úteis: Santa Casa – Hospital: (24) 3371-1623 ou 3371-2954 Corpo de Bombeiros: (24) 3371-1193 Defesa Civil - (24) 3371-1168 Polícia Militar: 190 Delegacia de Polícia: (24) 3371-1252 Guarda Municipal: (24) 3371-8484 Policia Rodoviária Federal: (24) 3371-2330 Fórum: (24) 3371-1184 Secretaria de Turismo - (24) 3371-1222 Casa da Cultura - (24) 3371-2325 Prefeitura Municipal: (24) 3371-9900 Câmara Municipal: (24) 3371-1424 Paraty Convention & Visitors Bureau - (24) 3371-2669 Associação Comercial - (24) 3371-2095

Ampla (luz e energia): 196 Água e Esgoto: (24) 3371-1787 Cetesb - 0800-113560 Bancos: Casa de Câmbio - (24) 3371-1295 Banco do Brasil - (24) 3371-1379 Bradesco - (24) 3371-1533 Caixa Econômica Federal - (24) 3371-8100 Itaú - (24) 3371-1546 Pontos de Táxi: Rodoviária - (24) 3371-2411 Moto Taxi - (24) 9815-8023 Chafariz – (24) 3371-6919 Ônibus: Terminal Urbano - (24) 3371-1238 Viação Costa Verde - (24) 3371-1326 Viação Reunidas Paulista - (24) 3371-2090 ou 0300-210-3000 Viação Útil - (24) 3371-2090 Viação São José - (24) 3371-2090

MARÇO/ABRIL 2011

29

Paraty em Revista #03  

Paraty em Revista #03

Paraty em Revista #03  

Paraty em Revista #03

Advertisement