Page 1

E M R E V I S TA

AS S OCIAÇÃO DE ARQUITE TOS DE INTER IORES DO BRASIL / R S A AI EM REVISTA - ARQUITE TOS 2014


editorial Originalidade. Essa palavra sintetiza a tônica dos trabalhos apresentados nesta 11ª edição do AAI em revista – arquitetos. Na criatividade empregada na composição dos espaços e nas soluções técnicas adotadas para viabilizar os desejos dos seus clientes, os arquitetos e urbanistas participantes apresentam propostas personalizadas adequadas às necessidades únicas e anseios de quem os contratou.   Esse também é um termo possível de ser empregado na definição da AAI Brasil/RS, por ser a primeira e única entidade que atua no campo da Arquitetura de Interiores do País. Com voz ativa em fóruns regionais e nacionais do setor, representa o segmento em todos os âmbitos, defendendo princípios solidificados em seus mais de 25 anos de história.  O exercício profissional é a nossa maior bandeira e é por empunhá-la sempre que a Associação conquistou credibilidade junto aos mais diferentes órgãos, aos profissionais e ao mercado. Os eventos realizados, as revistas e livros publicados, as viagens técnicas promovidas –­ todas essas ações são desenvolvidas com foco no profissionalismo e na originalidade.   Contribuir para o constante aprimoramento da prestação de serviço dos arquitetos e urbanistas associados é nossa meta. E o desafio é acompanhar o dinamismo do mercado e a velocidade do fluxo de informações, características marcantes dos dias atuais. É preciso ser ágil, sem ser fulgaz; ser eloquente, mas conciso; ser denso, porém leve; apostar em estratégias eficientes; ter a ética como principal virtude; aproveitar as oportunidades; alimentar as relações pessoais; e nunca perder de foco a própria essência. Esse pensamento conduz o planejamento da AAI Brasil/RS, sempre com um olhar no futuro sem esquecer do passado. A ampliação do quadro de associados e a diversificação dos serviços oferecidos são metas constantes, assim como o reposicionamento com ercial da Entidade, iniciado em 2013. Institucionalmente, a AAI Brasil/RS é sólida e representativa do setor em que atua, fruto de uma trajetória intensa, movida a paixão, coerência, dedicação e firmeza de propósitos.     

Arq. Silvia Barakat Presidente da AAI Brasil/RS Gestão 2012/2013

DIRETORIA - Gestão 2012/2013 Presidência Silvia Monteiro Barakat

Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil – Seccional Rio Grande do Sul Rua Edu Chaves, 125 Porto Alegre/RS CEP 90240-620 (51) 3228.8519 www.aaibrasilrs.com.br

CONSELHO EDITORIAL

E M R E V I S TA

Vice-Presidência Cármen Lila Gonçalves Pires

EDITORAÇÃO E TRATAMENTO DE IMAGENS

Relações Acadêmicas Maria Bernadete Sinhorelli

JORNALISTA RESPONSÁVEL

Exercício Profissional Andres Luiz Fonseca Rodrigues

Letícia Wilson (Reg. 8.757) aaiemrevista@aairs.com.br

Eventos Flavia Bastiani Marketing Ana Paula Bardini Tesouraria Elisabeth Sant´Anna

Arq. e urb. Gislaine Saibro Letícia Wilson André Nery

COLABORAÇÃO

Tatiana Gappmayer (Reg. 8.888) TIRAGEM

3.000 exemplares

André Nery PUBLICAÇÃO DIGITAL

André Nery COMERCIALIZAÇÃO

Arte Sul Marketing & Comércio (51) 3228.0787 - 9981.3176 artesul@artesul.net

Conceitos e opiniões emitidas por entrevistados e colaboradores não refletem, necessariamente, a opinião do informativo e de seus editores. Todos os direitos são reservados. Edição especial da AAI em revista - arquitetos com distribuição dirigida a arquitetos, entidades de classe, instituições de ensino e empresas do setor. Órgão oficial da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil - Seccional RS.

3


ARQUITETOS E URBANISTAS 4

30

Aclaene de Mello

90

Karen Feldman

34

Adriana Coradini

94

Letícia Reginato

38

Ana Lore Burliga Miranda

98

Lisete Jardim

42

Angela Limberger

46

Beatriz Cherubini Bebel Grazziotin

Carlos Jardim 102 Lisiane Rodrigues Milena Cavalli 106 Luana Mundstock

50

Carla Regina Stumpf

54

Cíntia Aguiar

58

Clarice Gehrke Gus

110 Máira Ritter

62

Clarice Mancuso

114 Marcelo John

Daisy Dias

118 Márcia Heck

66

Cristiana Brodt Bersano

122 Maria Cilésia Meira Decker

70

Cristina De Lorenzi Campello

74

Débora S. Noronha

126 Marie Hellen Mafaldo Böttcher

Maria Alice B. Carvalho

130 Miriam Runge

78

Elisabeth Sant’Anna

134 Sandra Nara Kury Berthier

82

Fernanda Amorim

138 Tania Bertolucci Delduque de Souza

86

Gislaine Saibro

142 Zaira Tirelli

Lisandra Mundstock

Milena Meira Decker

5


ARQUITETura de interiores 6

CONHECER PARA PROJETAR O FUTURO A Arquitetura de Interiores vem ampliando, ao longo dos anos, seu espaço de atuação e sendo ainda mais valorizada pela sociedade e pela categoria As perspectivas de crescimento para o setor de arquitetura são positivas na opinião dos 83.749 entrevistados da área que responderam ao Censo do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil - CAU/BR, lançado em junho deste ano. Com o terceiro maior número de profissionais na ativa (9.695), atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro, o Rio Grande do Sul conta também com a taxa mais elevada de pessoas que realizaram projetos de Arquitetura de Interiores nos últimos dois anos. Isso demonstra, na visão da presidente da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil/RS - AAI Brasil/RS, Silvia Barakat, a relevância que o segmento vem conquistando e a necessidade constante por aprimoramento. “Esse é um nicho que tem muito para expandir e contribuir para o fortalecimento da arquitetura gaúcha e brasileira”, assinala. Ao traçar um panorama nacional da classe, o levantamento revelou uma preocupação constante com a atualização e formação e sinalizou a falta de valorização da sociedade como o principal obstáculo para a ampliação do segmento, seguida pela má remuneração e dificuldade de acesso ao mercado de trabalho. Para o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do RS - CAU/RS, Roberto Py Gomes da Silveira, a plena regularidade das ações desenvolvidas pelos arquitetos e urbanistas – prevista na Lei nº 12.378/2010 – é fator essencial para alcançar a consideração que a profissão merece por seu significado e relevância. Py argumenta que os Registros de Responsabilidade Técnica - RRT são, além de importantes, indispensáveis para a legitimidade das atividades. “Antecedendo a fiscalização por parte do Conselho, cabe eticamente aos arquitetos e urbanistas colaborar para a qualificação profissional. E seguir o caminho da legalidade é a forma de dominar esse mercado com grande potencial de crescimento”, aponta. Mas, para isso, acrescenta o presidente, é preciso atuar - Conselho e arquitetos e urbanistas - de forma convergente para o benefício de todos, clientes e profissionais. Com relação à Arquitetura de Interiores, que constitui “campo significativo de trabalho dos nossos colegas”, ele salienta que a prática também deve ser efetuada com os devidos RRT, tirando a atuação neste campo de um aspecto de anonimato por falta de formalização.  A forma como os profissionais organizam-se no meio de trabalho foi outro item avaliado através do Censo. Segundo os dados apurados, 92,30% dos que responderam ao questionamento no País está na

área de Arquitetura e Urbanismo (no Estado o percentual é de 93,41%), a maioria de forma autônoma ou como contratada nos setores público ou privado. Os índices daqueles que apostam na constituição de empresas ou voltam-se para a docência ainda são pequenos. O presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil/Departamento Rio Grande do Sul - IAB/RS, Tiago Holzmann da Silva, afirma que é preciso aproveitar as oportunidades que se apresentam no cenário atual para qualificar a profissão e aperfeiçoar ou corrigir práticas tradicionais da categoria. “Os arquitetos e urbanistas têm conseguido ampliar sua participação em várias áreas – desde a Arquitetura de Interiores ao Planejamento Urbano – e o nosso trabalho vem ganhado mais reconhecimento da sociedade”, reforça.   Entretanto, pondera ele, para poder continuar o processo de expansão e de valorização é necessário colocar em curso uma série de medidas como profissionalização da atuação, formalização das empresas, adoção de uma tabela de honorários, respeito ao salário mínimo da categoria, fim da chamada “reserva técnica” e a regularização do trabalho assalariado nos escritórios. Assim como se configuram como desafios para aprimorar, como classe profissional, os serviços prestados e a relevância da profissão, é preciso rechaçar as licitações de preço, incentivar a realização de concursos públicos e incorporar efetivamente o Código de Ética da categoria. “A AAI Brasil/RS tem agido com energia nessa direção, representando o segmento com uma atitude elogiável e pode seguir contando com o apoio e com a parceria do IAB/RS”, destaca o seu presidente. A pesquisa apurou ainda que, em sua maioria, a classe é formada por mulheres (60,59%) na faixa dos 30 aos 35 anos e que as regiões Sudeste e Sul concentram os maiores grupos de profissionais do Brasil, respectivamente com 45.057 (53,80%) e 18.935 (22,61%) arquitetos e urbanistas. Esse é, inclusive, o perfil dos mais recentes associados da AAI Brasil/RS. As informações do Censo permitem à Associação analisar o mercado da Arquitetura e observar dados sobre o seu campo específico de atuação e, dessa forma, traçar estratégias para ampliar a sua abrangência, buscando fortalecer o espaço da Arquitetura de Interiores em todo o País.

7


MAIOR

thcrs.com.br


Ambientes Bortolini: inovação para todos os setores da empresa.

Triarii - Concebida para reuniões privadas dentro do gabinete diretivo, destaca-se pela forma prismática de sua estrutura. AirPad - Assento confortável e leve, premiado internacionalmente. Apresenta uma membrana altamente tecnológica.

representante

exclusiva dos assentos

representante

exclusiva

assentos Legale - Premiada por sua ecoeficiência. Versátil, é capaz de compor home offices, bibliotecas e complexas estações dedos trabalho. MOVYis3 - Assento que visa atender a todas as áreas de uma empresa. Certificado internacionalmente por sua excelência ergonômica.

representante

exclusiva

Agregue valor à sua empresa e utilize nossas linhas produzidas a partir de madeira de florestas com manejo ecologicamente adequado, certificadas pelo FSC . Consulte-nos para conhecer as linhas certificadas.

Pluri - Linha projetada com foco na integração entre equipes e uso racional dos espaços, sem deixar de valorizar a área individual. Hero - Assento que possui tecnologia de regulagem de acordo com o peso de cada usuário.

representante

exclusiva www.bortolini.com.br


tem gente achando que existem casas pequenas. talvez eles não percebam isso: casa é o ponto de partida e chegada. todos os dias. é bem mais. onde você é chef, humorista e inventor. onde você é demais. na casa não existe moda: shorts com pantufas são uma delícia. e só a casa tem o sofá da sala, aquele pedacinho do céu. estar em casa, um evento: descansando sozinho ouvindo jazz, recebendo os antigos colegas da faculdade, jantando com os filhos.

toda casa é grande.

porque casa é templo, é clube, é cinema, e é amor. em casa você vê seu mundo: seus amigos, sua família, seu amanhã. é por isso que casas são imensas. porque lá sua vida nunca deixa de crescer.

Construa bem com 51.3349.0200 | www.elevato.com.br | fb.com/elevatocabamentos


1

2

6

3

7

11

8

12

16

20

21

26

27

5

9

13

10

14

18

17

22

1. Aclaene de Mello 2. Adriana Coradini 3. Ana Lore Burliga Miranda 4. Angela Limberger 5. Beatriz Cherubini e Bebel Grazziotin 6. Carla Regina Stumpf 7. Cíntia Aguiar 8. Clarice Gehrke Gus 9. Clarice Mancuso e Daisy Dias 10. Cristiana Brodt Bersano 11. Cristina De Lorenzi Campello 12. Débora S. Noronha e Maria Alice B. Carvalho 13. Elisabeth Sant’Anna 14. Fernanda Amorim 15. Gislaine Saibro

28

4

23

15

19

24

28

25

29

16. Karen Feldman 17. Letícia Reginato 18. Lisete Jardim e Carlos Jardim 19. Lisiane Rodrigues e Milena Cavalli 20. Luana Mundstock e Lisandra Mundstock 21. Máira Ritter 22. Marcelo John 23. Márcia Heck 24.Maria Cilésia Meira Decker e Milena Meira Decker 25. Marie Hellen Mafaldo Böttcher 26. Miriam Runge 27. Sandra Nara Kury Berthier 28. Tania Bertolucci Delduque de Souza 29. Zaira Tirelli

29


Arquiteta e urbanista Praticidade e conveniência. Com a intenção de aproveitar melhor o tempo, a arquiteta e urbanista Aclaene de Mello decidiu otimizar sua rotina e transformou seu novo apartamento em um home office, na região do Centro Histórico de Porto Alegre. Antes de ocupar o imóvel, planejou a reformulação dos espaços, com maior atenção à área social, a qual atenderia a família, nos momentos de lazer, e os seus clientes durante o horário de trabalho. Em 30m2, criou ambiente de estar e cozinha integrada com o jantar. Configurou, assim, um espaço gourmet para poder oferecer um almoço, por exemplo, durante a apresentação do projeto aos clientes. “Sou despojada e conservadora: gosto de ambientes descontraídos, mas que cada um tenha a sua função”, argumenta a profissional, ao explicar suas decisões. O ponto de partida foi realizar as intervenções estruturais necessárias para colocar em prática um projeto de cunho autoral, baseado em seu próprio gosto e livre de qualquer tendência. “Eu pensei: tenho que mostrar quem sou, o que sei fazer e como sei fazer, sem contradições de conceitos e técnicas e sem ferir meus princípios quanto ao modo de viver, pois estaria exposta tanto no meu gosto pessoal quanto na minha intimidade”, reforça. Considerando sua alimentação natural, dispensou a instalação de uma coifa na cozinha. “Não faço frituras”, enfatiza. O azul predominante é o que mais gosta, apesar da tradicional associação da cor a espaços masculinos. Aclaene combinou elementos de acabamento amadeirado e outros com variações da cor marrom para transmitir a sensação de aconchego. Na composição, a profissional aproveitou materiais que usou em ambientes de mostras de arquitetura das quais participou recentemente. “Seria muito desperdício colocar tudo fora e decidi dar uma segunda vida a eles”, justifica. A arquiteta projetou todo o mobiliário para ser executado sob medida, incluindo a mesa de jantar, em vidro. A ela, associou cadeiras giratórias de bases cromadas, estofadas com tecidos adquiridos na Arábia Saudita, “pelo inusitado das estampas”. Outras lembranças de viagens foram utilizadas como elementos decorativos, imprimindo claramente sua personalidade ao local.

Rua Lima e Silva, 757 / 410 - Porto Alegre / RS (51) 3232.4700 / 9969.2429 aclaene@aclaene.com.br www.aclaene.com apoio: Estofados Germânia fotografia: Claudio Fonseca

30

31


Nesse projeto, Aclaene de Mello admite ter enfrentado o seu maior cliente: ela mesma. “Eu desejava unir o útil ao agradável e sempre com a lembrança que seria um local onde a intimidade não poderia imperar”, enfatiza a arquiteta. Afinal, o espaço fora criado para a profissional atender seus clientes. “E mostrar a eles tudo o que eu e meus fornecedores sabemos fazer e tudo o que aprendemos ao longo destes 23 anos de carreira e parceria”, complementa Aclaene. A iluminação é outro elemento que destaca em seus trabalhos. Assim, desenvolveu um elaborado projeto luminotécnico, com muitas variações de tons e nuances de luz. “Amo a luz, gosto do efeito dela sobre nosso humor e nossas emoções”, reforça.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Ulbra, em 1991, Aclaene de Mello especializou-se em arquitetura de interiores e comerciais de uso público, e a sua atuação está dirigida aos projetos de interiores residenciais. Com um trabalho de êxito voltado para esse nichos, em duas décadas como profissional, Aclaene conquistou, por três anos consecutivos, o prêmio de “Montagem Nota Dez” da mostra Casa Cor RS, além de ter recebido, por dois anos consecutivos, o de “Assiduidade no Evento” na mostra Casa&Cia.

32

33


Construída em 1986, esta residência em Caçapava do Sul vem passando por reformulações pontuais nos últimos seis anos, todas conduzidas pela arquiteta e urbanista Adriana Coradini. “Começamos pela área externa, ampliando a edificação, seguindo pela área íntima, depois social, até que, no ano passado, chegara a hora de reformar a cozinha”, detalha a profissional. Os proprietários – um casal de empresários com cerca de 50 anos de idade – desejavam uma completa transformação do espaço, incluindo a substituição de revestimentos e do mobiliário. Os móveis ainda eram os mesmos da época da construção da casa. Os clientes almejavam uma cozinha funcional e moderna, com o uso de tons claros e visual limpo. “Solicitaram a aplicação de revestimentos de fácil manutenção e detalhes coloridos para dar vida ao ambiente”, acrescenta Adriana. A inclusão de azulejos em patchwork ou de ladrilhos hidráulicos no projeto também era uma prerrogativa. A cerâmica antiga do piso foi substituída por porcelanato retificado 60X60cm e os azulejos das paredes foram removidos e deram lugar à massa corrida e pintura. Junto à bancada, a arquiteta aplicou revestimentos cerâmicos coloridos, 20X20cm, para formar um painel patchwork. Algumas peças também formam um detalhe decorativo na porta. Uma intervenção importante foi a mudança da posição da porta para que o acesso à cozinha passasse a ser pelo espaço do jantar e não mais pelo estar, como originalmente projetado. Com essa alteração, Adriana conseguiu melhorar a circulação no ambiente e garantiu área suficiente para inserir uma mesa de refeições, como era desejo do casal. A mesa e a porta foram projetadas em madeira natural, de cinamono, para tornar o local mais aconchegante. Os móveis, de MDF, receberam revestimento em lâminas de fórmica e vidro branco, “o que dá maior resistência ao mobiliário e facilita, também, a manutenção e limpeza”, argumenta a profissional. Como não seria possível projetar um forro, em gesso, Adriana teve de utilizar os pontos de luz originais para iluminação geral, com luminárias para lâmpadas fluorescentes. E incluiu fitas de LED no mobiliário aéreo para garantir iluminação nas bancadas de trabalho e destacar elementos decorativos nas prateleiras.

Arquiteta e urbanista 34

Rua Tobias da Silva, 137 / 201 - Porto Alegre / RS (51) 3209.9304 / 8182.6215 adriana@adrianacoradini.com.br www.adrianacoradini.com.br www.facebook.com/adrianacoradini fotografia: Vanessa Bohn

35


Na composição, Adriana preferiu os tons claros, para o acabamento em fórmica do mobiliário, e detalhes em madeira escura, na mesa e porta. Para dar continuidade à escolha, o revestimento do piso, a cor das paredes e a cortina são em variações de bege. Em contraste, escolheu azulejo decorado em tons de amarelo e marrom para a área sobre a bancada, executada em granito.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS, em 2007, Adriana também tem formação em Administração de Empresas, pela FARGS - Faculdades Riograndenses. Atuando nos segmentos de arquitetura de interiores comercial e residencial, tem seu foco em projeto, com atendimento personalizado. Seu objetivo “atender as necessidades dos clientes com projetos que expressem a personalidade de cada indivíduo, família ou empresa e, ainda, que tenham funcionalidade e beleza”.

36

37


Quando a família decidiu adquirir um novo apartamento, na cidade de Taquara, a filha adolescente de 14 anos, tratou logo de fazer um pedido aos pais: “quero uma suíte só para mim”. Sua necessidade tornou-se uma das prioridades do projeto de arquitetura de interiores contratado à arquiteta e urbanista Ana Lore Burliga Miranda, que já atendia os proprietários desse imóvel há alguns anos. Aproveitando-se que o empreendimento ainda estava sendo construído, a profissional determinou alguns ajustes na planta do apartamento durante as obras, respeitando o projeto estrutural e as instalações hidrossanitárias previstas.

Arquiteta e urbanista

Na definição do espaço, a jovem relacionou seus interesses: frigobar, TV, internet e acomodações para jogos eletrônicos, pranchas de surfe, skate e diversos instrumentos musicais, como teclado, guitarra e violão. Uma bancada de estudos também era importante. Para criar um clima despojado e garantir espaço para acomodar todos os itens solicitados, a cama foi criada com um colchão disposto sobre um deck em madeira de reflorestamento, que serve como apoio e banco. “Com um espaço reduzido, optei por um colchão de casal para que ela possa receber as amigas, já que não seria possível prever uma cama auxiliar”, explica a arquiteta. Ana Lore projetou, também, para execução em marcenaria, painel, prateleiras e armários integrados. Como acabamentos, optou por selador incolor e sem brilho para a madeira de pinus autoclavado, natural; melamina branca; MDF com pintura PU amarela alto brilho; e perfis de alumínio para as portas. Algumas delas receberam espelhos e outras vidros reflecta, na cor bronze. A iluminação em LED decorativa abaixo do deck permite um efeito delicado à noite, assim como as lâmpadas embutidas nos nichos do volume na lateral da cama. Cores claras foram especificadas para tecidos e cortina, a fim de manter a proposta leve pretendida. A TV foi instalada em um suporte giratório, em frente à cama, junto à bancada de trabalho, permitindo o direcionamento do aparelho em diversos ângulos e, ainda, liberando espaço para circulação no ambiente.

Rua Emilio Lúcio Esteves, 1131 / 107 - Taquara / RS (51) 3542.1192 analore@analore.com.br www.analore.com.br www.facebook.com/analore.burligamiranda apoio: Moviere Móveis sob Medida fotografia: Giselle Sauer

38

39


No planejamento do espaço, a arquiteta e urbanista Ana Lore priorizou a criação de um ambiente feminino, jovial e descontraído. O uso da cor amarela colaborou para essa proposta jovial. A bancada de estudos, disposta na parede em frente à cama, foi projetada com bancada lateral para apoio do suporte da TV e para acomodação do frigobar solicitado pela menina.

Com 28 anos de atuação no mercado, Ana Lore Burliga Miranda comanda escritório próprio que atende uma construtora com foco no setor residencial. A profissional formou-se em Arquitetura e Urbanismo em 1985, pela UniRitter, e fez pósgraduação em Iluminação e Design de Interiores no IPOG, o que lhe garantiu maior conhecimento para dedicar sua carreira à arquitetura de interiores, aos projetos arquitetônicos residenciais e comerciais, além dos luminotécnicos, e de estudar a viabilidade para projetos de arquitetura e engenharia. Ana Lore atua, especificamente, na região do Paranhana e na Serra gaúcha e vem, também, desenvolvendo projetos em Florianópolis, Santa Catarina.

40

41


Casal de aposentados, sem filhos, que tem por hábito almoçar em restaurantes e receber os amigos para um churrasco. Ele, casual, apaixonado por futebol; e ela, mais formal, interessada em suas atividades sociais, artesanais e na comunicação virtual com amigas de diferentes grupos. Ao traçar o perfil dos clientes, a arquiteta e urbanista Angela Limberger idealizou uma proposta descontraída e elegante para o projeto de arquitetura de interiores da área social do novo apartamento do casal, no bairro Higienópolis, em Porto Alegre. O foco estava na criação de ambientes amplos, funcionais e confortáveis. A retirada das paredes de um dormitório e de parte da circulação íntima garantiu a ampliação da área social, totalizando 40 m2. No novo espaço, a profissional criou o escritório, integrado ao living, como desejado. A intervenção também permitiu a disposição de um “enxuto” móvel voltado para o ambiente do home theater, com armário e adega climatizada embutida na lateral. O mobiliário apresenta bancada e módulos fechados para organizar livros e outros materiais. Nichos aéreos e prateleiras expõem fotografias e muitas lembranças das diversas viagens realizadas em 30 anos de casamento. O uso de mesas de apoio, laterais, objetivou a liberação do espaço central nos ambientes, resultando na amplitude desejada pelos clientes. A ausência de tapetes também atende a uma solicitação do casal, determinando a instalação de um revestimento de piso que permitisse “colocar o pé no chão”, como gostaria o proprietário do imóvel. Angela optou por um laminado de madeira em réguas, com efeito de taco e junta seca, cuja textura e veios remetem ao freijó. Tais nuances buscam harmonizar com a lâmina gianduia eleito para os acabamentos. Junto ao espaço da churrasqueira, o ambiente do jantar recebeu mesa em madeira imbuia maciça e cadeiras de assentos em veludo listrado, em variações de azuis e cinzas. O estar foi composto por sofá em linho cinza e poltronas com tecido de textura aveludada, colorido, reforçando o caráter despojado da proposta. Para cobrir as amplas aberturas, filtrar o calor externo sem impedir o privilegiado visual do pôr-do-sol, Angela especificou persianas com lâminas de PVC, para facilitar a manutenção, com possibilidade de motorização.

Arquiteta e urbanista 42

Praça Julio de Castilhos, 20 / 202 - Porto Alegre / RS (51) 3311.0913 / 9969.5447 arq.angelalimberger@hotmail.com apoio: JCR Persianas e Cortinas fotografia: André Nery

43


O mobiliário, executado sob medida, em MDF, apresenta acabamento em lâmina gianduia, com painéis de textura líneo. As portas receberam perfis metálicos bronze, com frentes em espelho e vidro argentato, para facilitar a limpeza. No novo espaço criado a partir da incorporação de um dos dormitórios, a arquiteta e urbanista Angela Limberger posicionou as duas poltronas existentes, em linho com debrum vermelho, de forma a propiciar um “recanto de bate-papo em família”. É onde a cliente costuma receber a irmã e sua mãe.

Dedicada a projetos de arquitetura residencial e de interiores, com enfoque no detalhamento de marcenaria sob medida, Angela Limberger formou-se na década de 1980 em Arquitetura e Urbanismo pela Unisinos; e em Desenho, pela Faculdade de Belas Artes na UFSM (Universidade Federal de Santa Maria). Há 26 anos o seu escritório trabalha, basicamente, com profissionais liberais que buscam um atendimento personalizado. O respeito às individualidades e a valorização de objetos pessoais norteiam as propostas desenvolvidas por Angela.

44

45


Um imóvel amplo e com instalações adequadas às necessidades do jovem casal de empresários, com dois filhos pequenos. A planta apresentava hall, lavabo, jantar, estar e churrasqueira bem distribuídos em 40 m2. Indicadas por outro morador do mesmo condomínio, as arquitetas e urbanistas Beatriz Cherubini e Bebel Grazziotin assumiram o projeto de arquitetura de interiores do apartamento para estabelecerem um layout que integrasse harmonicamente os ambientes. Área de estar com home theater, jantar com mesa para seis lugares e armários para guardar louças e cristais foram as principais solicitações dos clientes. No ambiente da churrasqueira, as arquitetas deveriam prever espaço para uma adega, para os espetos e demais utensílios próprios para uso do local.

Arquitetas e urbanistas

Assim que a distribuição do espaço foi definida, as profissionais projetaram o forro, em gesso, ocultando as vigas aparentes, criando sancas para setorizar os ambientes e distribuindo a iluminação. Todo o mobiliário foi projetado pela dupla, em laca branca acetinada, incluindo o móvel divisório com gavetas e armários do tipo cristaleira no espaço da churrasqueira. No ambiente com a TV, painel e gaveteiro, envolvido por bancada de vidro. Prateleiras laterais do mesmo material receberam iluminação com fitas de LED, para um efeito diferenciado. A mesa de jantar, com tampo em laca e vidro pintado de branco, recebeu cadeiras estofadas em tecido de linho, compondo com o sofá bege. Para romper com a monocromia, poltrona na cor verde com estampa geométrica. A proposta contemporânea adotada é percebida na escolha das cores, dos acabamentos, do desenho do mobiliário e dos objetos de decoração, assim como nos efeitos de luz, pontuais e eficientes. “O padrão de cor foi de acordo com a proposta do conceito que daríamos para o desenvolvimento do projeto. Cores aconchegantes e claras conferem a sensação de um ambiente maior, com harmonia”, enfatizam as arquitetas. Assim, especificaram branco para o mobiliário, nude para a pintura das paredes e tons pastéis para os papéis de parede. Cortinas de seda branca, com filtro solar, quadros e poucos objetos decorativos completam a composição.

Rua Felipe Neri, 428 / 302 - Porto Alegre / RS (51) 3332.0989 / 3061.0189 contato@arquitetandosonhos.com.br www.arquitetandosonhos.com.br www. facebook.com/arquitetandosonhos.com.br apoio: Centenarte Móveis e Decorações fotografia: Eduardo Liotti

46

47


Uma abertura na parede da cozinha permitiu a integração dos espaços. A bancada criada recebeu revestimento de porcelanato rústico, o mesmo aplicado na parede da churrasqueira, conferindo unidade visual. A mesa de jantar foi disposta entre os dois ambientes, conquistando ainda mais assentos do que os solicitados pelos clientes, e sem prejuízo da área de circulação. A iluminação é concebida por meio de luminárias embutidas no forro, em gesso, à exceção do lustre diferenciado que pende sobre a mesa de jantar.

Projetos nas áreas de arquitetura civil, de interiores, comercial e de paisagismo são parte do trabalho desenvolvido pela dupla Beatriz Cherubini e Bebel Grazziotin, graduadas em Arquitetura e Urbanismo pela Unisinos em 1980 e 1981, respectivamente. Elas também prestam consultorias nesses mesmos segmentos. Segundo as profissionais, seus projetos são elaborados a partir de um “profundo” diálogo com os clientes e uma detalhada observação dos espaços físicos, com foco em objetividade, compromisso e qualidade. “Transformamos ideias em espaços personalizados e sustentáveis”, defendem.

48

49


Uma região arborizada de São Francisco de Paula, próxima ao lago São Bernardo. Esse é o endereço da residência de um casal de empresários da cidade. Diante de privilegiada localização, eles decidiram manter a casa existente, térrea, feita de tijolo maciço. Porém, a edificação possuía 127 m2 de área útil, aquém do que desejavam para viverem ali confortavelmente com o filho, adolescente. Decidiram pela ampliação do imóvel e, para tanto, contrataram a arquiteta e urbanista Carla Regina Stumpf, que já havia trabalhado para eles em outros projetos. Ampla cozinha, com área de churrasqueira e área de jantar; sala de estar com lareira, integrada com espaço de jogos; duas salas íntimas; três dormitórios; dois banheiros; duas suítes; a suíte princial com ofurô; espaço para elevador; área de serviço e lavabo. Esse foi o programa de necessidades apresentado à profissional. A lista ainda foi acrescida de pedidos especiais, como criação de sacadas em todos os ambientes íntimos, utilização de paredes duplas e instalação de sistema de aquecimento em todos os compartimentos. A amplitude e o aproveitamento da iluminação natural eram importantes. “A principal intenção do projeto era não agredir o entorno do lote e a imensa arborização existente. Então, decidimos verticalizar a residência em três pavimentos, o que exigiu uma escadaria central aberta, para integrar os espaços”, explica a arquiteta. A intervenção, que demandou reforço estrutural, resultou em uma casa de 600 m2. Entre os desafios de projeto esteve a criação de um ambiente de estar externo conectado tanto com o interior da residência como com a natureza abundante. Para atender essa proposta, Carla utilizou vidros para a vedação do espaço, com esquadrias em madeira nobre, seguindo o padrão adotado para toda a edificação. No mesmo sentido, especificou tijolos de demolição para o revestimento do piso, também aplicado em toda a fachada da casa. “O uso desse material conferiu rusticidade ao projeto e integrou a edificação com o entorno”, avalia a arquiteta. A maior parte do mobiliário e dos objetos de decoração do estar é proveniente de antiquários, preservados em seu estado original, com a intenção de resgatar o passado, conforme solicitação dos proprietários.

Arquiteta e urbanista 50

Rua São Pedro, 373 - Sapiranga / RS (51) 3599.2103 / 9963.0516 carla@carlastumpf.arq.br www.carlastumpf.arq.br www.facebook.com/carlaregina.stumpf fotografia: Thaís Stumpf Trenz

51


A proposta para esse projeto foi a integração da arquitetura com a natureza. Para tanto, a arquiteta e urbanista Carla Regina Stumpf optou por utilizar materiais em tonalidades naturais e vidro que, através de sua transparência, une os ambientes internos com o externo. As esquadrias, a escadaria e o piso de toda a parte íntima são de madeira nobre, material natural, de grande duração, que transmite “uma sensação de aconchego”. As paredes de contenção são todas em pedra e os acabamentos, como pingadeiras e soleiras, são em granito. Assim como toda a edificação, a maior parte do mobiliário é em madeira ou possui padrões amadeirados.

Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Unisinos em 1984, Carla Stumpf tem pós-graduação em arquitetura comercial pela mesma instituição. Em seu escritório, dedica-se ao desenvolvimento e execução de projetos de edificações e de arquitetura.

52

53


Arquiteta e urbanista Nada convencional, o projeto de interiores do quarto do bebê foi desenvolvido pela arquiteta e urbanista Cintia Aguiar com foco na originalidade. Os pais da futura usuária do espaço são jovens, com cerca de 35 anos, e desejavam um ambiente moderno e inovador para a filha, que estava prestes a nascer – uma composição atemporal, que acompanhasse o crescimento da menina. Para ela foi reservado um dormitório de 10m2 no apartamento do casal, localizado no bairro Mont’Serrat, em Porto Alegre. “Os clientes queriam um quarto animado, aconchegante, fugindo do tradicional e que emitisse personalidade”, afirma Cintia. O programa de necessidades, no entanto, seguia o básico para um ambiente com essa função: berço, cama auxiliar e trocador. A disposição de uma TV no local também tinha de ser prevista no projeto. Privilegiando o conforto do bebê, a arquiteta preservou o laminado de madeira do piso existente e projetou todo o mobiliário, para aproveitar o espaço disponível ao máximo. O formato em L do armário atende a esse objetivo. Duas portas receberam espelhos e outras duas ganharam melamina amadeirada brilho como acabamento. Esse mesmo material foi aplicado no painel junto ao berço, onde a arquiteta instalou a TV, e na parte externa dos nichos decorativos instalados na parede oposta. A escolha estabeleceu uma composição harmoniosa com a cor criada pela arquiteta exclusivamente para o berço, totalmente personalizada. Na lateral, um móvel com gavetas e nichos, e acabamento em laca, serve de trocador e de apoio para os artigos de higiene e outros acessórios do bebê. Nichos de formato arredondado, em laca brilho off-white se destacam, valorizados pelas fitas de LED aplicadas na circunferência. O painel junto à cama auxiliar ganhou o mesmo tipo de iluminação, reforçando a luz suave necessária ao ambiente, assim como as luminárias de teto, que receberam dimmers. No centro do ambiente, Cintia instalou um lustre branco de estilo clássico. A cor lilás, com nuance acinzentada, foi pontuada em tecidos e elementos decorativos, resultando em uma composição delicada e feminina.

Rua Coronel Bordini, 1665 / 5 - Porto Alegre / RS (51) 3346.1121 / 9955.2828 cintia@cintiaaguiar.arq.br www.cintiaaguiar.arq.br www.facebook.com/cintia.aguiar.arquitetura fotografia: André Bastian

54

55


O objetivo principal do projeto elaborado pelas arquiteta Cintia Aguiar era fugir dos tradicionais quartos de bebê, atendendo aos interesses dos clientes. Por se tratar de um casal jovem, a proposta deveria ser moderna e contemporânea, mas sem deixar de pensar no conforto e na segurança do bebê. O mobiliário foi todo feito sob medida para que o espaço pudesse ser melhor aproveitado. Os tecidos, escolhidos um a um junto com a cliente, conferiram ainda mais personalidade ao espaço.

Especializada em Arquitetura de Interiores, Cíntia Aguiar formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), em 1999. Três anos mais tarde obteve o título de Mestre em Construção Civil pela Escola de Engenharia da UFRGS. Possui experiência nos segmentos residencial, comercial e paisagismo. No entanto, seu foco principal de atuação é arquitetura de interiores, desenvolvendo projetos personalizados, inclusive de mobiliário.

56

57


Um projeto de arquitetura de interiores planejado para muitos usuários, com perfis, estilos e gostos diferenciados. Esse é sempre o maior desafio assumido pelos arquitetos e urbanistas que criam áreas comuns em edificações. “O espaço tem de ser flexível, nunca ‘engessado’. O morador deve poder modificar livremente a disposição do mobiliário, bem como o tipo de iluminação e obter diferentes ambientações”, ensina a arq. e urb. Clarice Gehrke Gus, referindo-se a este salão de festas projetado em um condomínio residencial no bairro Rio Branco, em Porto Alegre. O relacionamento profissional mantido há anos com os proprietários da construtora facilitou o planejamento, considerando o fato de que Clarice já conhecia bem suas necessidades e expectativas. Sua missão era criar ambientes práticos, de fácil manutenção, prevendo o maior número de acomodações possível, além de um ambiente de estar. “O salão de festas do prédio é um prolongamento do espaço de estar de diversos proprietários e, por isso, deveria ser aconchegante”, pontua. Para tanto, enfrentou condicionantes como a altura elevada do pé-direito, as diversas aberturas de acesso ao jardim e a existência de um pilar praticamente no centro da área, além de uma viga de grande altura, os quais poderiam provocar a divisão dos ambientes. A saída foi rebaixar bastante o forro, em gesso, e revestir o pilar com espelhos, para não chamar a atenção. A iluminação se dá por lâmpadas halógenas instaladas em diversos pontos. Clarice dispensou o uso de pendentes para não tornar fixa a distribuição das mesas. Cordas de LED nas sancas e o abajur no estar propiciam um ambiente intimista para uma festa. Aproveitando o pilar central, a arquiteta estabeleceu uma sequência de ambientes, com diferentes usos. Na entrada, dispôs a chapelaria e o acesso aos lavabos. Em seguida, duas linhas de mesas em diagonal contribuem para o entrosamento dos convidados. No fundo, a parede de trabalho que recebe destaque com tampos e mobiliário sob medida, pintura e iluminações especiais. Porcelanato bege no piso, mobiliário em melamina, sofás em couro ecológico e tapete de sisal atendem ao objetivo de facilitar a manutenção. As paredes receberam pintura acrílica semibrilho nas cores branco e verde, “como uma extensão do jardim”.

Arquiteta e urbanista 58

Rua Eng Ildefonso Simões Lopes, 201/9 - Porto Alegre / RS (51) 3029.6033 clarice@mgus.com.br fotografia: André Nery

59


”Uma hierarquia de alturas foi estabelecida: na entrada, nada atrapalha o acesso; no meio, as mesas com altura média promovem a transição para a parede do fundo, que funciona como ponto focal. A concentração de informações acontece ali, com cores, texturas e materiais diversos”, descreve Clarice Gus. A grande prateleira que apoia utensílios e objetos, esconde a iluminação de trabalho, feita com lâmpadas fluorescentes. Os aparadores servem de anteparo à zona de trabalho e os bancos de bar proporcionam um aumento de lugares para sentar.

A filosofia da arq. e urb. Clarice Gehrke Gus é atender a todos os desejos dos clientes, criando espaços viáveis, acolhedores e sustentáveis. Formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS, em 1988, dedica-se a projetos arquitetônicos, em especial às reformas, interiores e paisagismo. Com experiência na área há mais de 24 anos, participou de projetos em condomínios residenciais, residências unifamiliares, escolas, clínicas e consultórios médicos, e empreendimentos imobiliários.

60

61


As arquitetas e urbanistas Clarice Mancuso e Daisy Dias foram indicadas por uma amiga para desenvolverem o projeto de interiores do apartamento de uma médica, cujos filhos tinham acabado de se mudar. O interesse dela era renovar os espaços, especialmente a área social, já que gosta de reunir os amigos nos momentos de lazer. Ao visitarem o imóvel, no bairro Três Figueiras, em Porto Alegre, as profissionais depararam-se com uma sala de estar de formato linear, com móveis antigos e pouco funcionais. A cozinha era isolada e a sacada raramente era utilizada. De imediato, as profissionais sugeriram a abertura da parede da cozinha, para integrar os ambientes; porém, tiveram que vencer a resistência inicial da cliente àquela solução. “Ela ficou ansiosa, mas depois foi a opção que mais gostou”, conta Clarice.

Arquitetas e urbanistas

Outra intervenção importante para ampliar o living foi a remoção da porta de vidro da sacada, integrando o ambiente a partir do nivelamento do piso, o qual recebeu laminado de PVC no padrão amadeirado. A proposta exigiu, ainda, a uniformização do forro, com rebaixo de gesso no ambiente de estar. A dupla também projetou mobiliário em MDF para o home theater, com portas em laca e painel com acabamento linho, e para a cozinha, em melamina no padrão amadeirado e vidro acidato bronze nas portas e gavetões. Elas incluíram um braço articulado no suporte da TV para atender a cliente, tanto em seu “canto do notebook”, junto à janela, como na cozinha. A ampla abertura ganhou cortina motorizada em tela rolô com tecido solar, para filtrar a abundante luz natural sem bloquear a vista privilegiada. As arquitetas também especificaram móveis soltos novos e a reforma do sofá, revestindo-o em chenile cinza, e da poltrona junto ao jantar, que recebeu o mesmo tecido, mas em listras coloridas nas cores roxo e azul turquesa. Esses tons, aliás, foram empregados em diversos elementos, estabelecendo unidade visual entre os ambientes. O maior desafio de Clarice e Daisy, nesse projeto, foi a inclusão de uma mesa de jantar com seis lugares no espaço sem comprometer a circulação. Decidiram por um modelo quadrado, disposto entre o hall e a cozinha, em conjunto com um grande espelho de moldura amadeirada.

Clarice Mancuso Rua Fernandes Vieira, 637 / 402 - Porto Alegre / RS (51) 3330.7488 / 8119.5830 arquitetura@claricemancuso.com.br www.claricemancuso.com.br www.facebook.com/clarice.mancuso Daisy Dias Rua Fernando Gomes, 128 / 603 - Porto Alegre / RS (51) 9327.5541 contato@destudioarquitetura.com www.destudioarquitetura.com www.facebook.com/destudioarquitetura apoio: Belavista Cortinas - Luxaflex fotografia: Eduardo Liotti

62

63


No projeto luminotécnico, as arquitetas Clarice e Daisy priorizaram a criação de pontos de destaque com lâmpadas dicróicas, “como o banho de luz atrás do sofá”. A iluminação nas prateleiras do espaço do estar e os pontos centrais são todos dimmerizados, para permitir diferentes composições. Dicróicas também foram instaladas sobre a bancada da cozinha. O destaque fica por conta do pendente sobre a mesa do jantar. O piso cerâmico da cozinha apresentava bom estado de conservação e, por isso, foi mantido pelas profissionais.

Com 34 anos de mercado, Clarice Mancuso atua hoje como Consultora de Negócios em Arquitetura, englobando projetos, assessorias a novos profissionais, consultoria e realização de cursos e palestras. Formou-se em Arquitetura e Urbanismo na UFRGS, em 1979, e fez pós-graduação na USP, em 1982. Em 1994, assumiu a presidência da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil/RS (AAI Brasil/RS). Daisy Dias concluiu a faculdade de Arquitetura e Urbanismo em 2010, também na UFRGS, e participou de cursos de extensão em Hotelaria e Arquitetura Efêmera na Unisinos. O foco principal de sua atuação está na elaboração e execução de projetos de arquitetura de interiores, residenciais e comerciais. Dedica-se, ainda, a consultorias na área.

64

65


Este apartamento, no bairro Bela Vista, em Porto Alegre, é “curtido ao máximo” por seus moradores aos finais de semana. É quando o casal se encontra, depois de passarem cinco dias separados – ela, arquiteta, trabalha em Porto Alegre; ele, economista, atua no mercado de São Paulo. Dedicam essas horas juntos para a prática de ciclismo, durante o dia, e para receber os amigos em casa, à noite, especialmente para jantares e degustações de vinhos especiais. Essa dinâmica familiar determinou a reformulação da área social do apartamento do casal, de 120 m2 – amplo como a maioria dos imóveis construídos na mesma época, na década de 1970. A primeira decisão da arquiteta e urbanista Cristiana Bersano foi ampliar o espaço, incorporando o terceiro dormitório ao living. O pilar estrutural revelado no centro do vão aberto na parede de divisa recebeu revestimento em espelhos, reduzindo a sensação da sua presença. Duas portas de correr, com acabamento também em espelhos, permitem o isolamento do ambiente criado para leitura. A profissional também eliminou a parede de divisa com a cozinha, substituindo-a por portas de correr, de madeira, e bancada executada sob medida com caixas de vinhos – um desejo do cliente. Com essa intervenção, o casal conquistou um amplo espaço, de 40m2, com ambiente de jantar, estar com TV, sala de leitura e cozinha. A integração exigiu o projeto de um novo forro, em gesso, e a complementação do piso original, em tabuão de madeira sucupira. A bancada da pia em silestone vermelho estelar era uma prerrogativa. Por isso, a cor foi adotada em diversos elementos decorativos, estabelecendo a unidade visual. Móveis antigos da família foram aproveitados, revitalizados com pintura em laca, com nuances de bege e cinza. Dentre o mobiliário novo, destaque para as peças de design solicitadas pelos clientes, como a poltrona Barcelona com banqueta disposta no estar e as cadeiras Tulipa escolhidas para o jantar. Um desafio de Cristiana foi prever acomodação para os dois mil livros herdados da biblioteca do pai. Como solução, projetou uma estante, em melamina branca, com três níveis de prateleiras, instalada sob as janelas da sala. O móvel ocupa toda a extensão dos nove metros lineares das paredes, incluindo as do ambiente de leitura que foi criado.

Arquiteta e urbanista 66

Avenida Iguassu, 119 / 205 - Porto Alegre / RS (51) 3334.4981 cbersano@terra.com.br www.bem.arq.br apoio: Art Persianas fotografia: Marcelo Donadussi

67


“Uma casa que tem alma”. Essa frase resume o conceito do apartamento, na opinião da arquiteta Cristiano Bersano. ”Acredito que o projeto buscou acomodar a mobília e utilizar cores e texturas para garantir aconchego”, avalia. A exposição de fotografias, quadros, esculturas e objetos trazidos de viagens, revela um pouco da personalidade do casal. Na cozinha, o granito existente deu lugar ao porcelanato na cor cimento, no formato 120 X 60 cm. A preferência dos clientes pela bancada em silestone vermelho determinou a adoção da mesma cor para a pintura do móvel de apoio existente, em madeira e ferro.

Formada em Arquitetura e Urbanismo em 1997, pela UFRGS, Cristiana Bersano obteve na mesma universidade o título de Mestre em Engenharia Civil. Comanda escritório próprio – Bem Arquitetura – e, nos projetos que assina, dedica-se a todas as fases, do projeto e definição de materiais à execução das obras, com foco voltado, principalmente, para planejamento de interiores residenciais. A arquiteta diz buscar resultado que tenha a identidade do cliente e atender às diversas demandas da arquitetura com “paixão, entusiasmo e profissionalismo”.

68

69


Para o projeto do hall de entrada do empreendimento residencial de alto padrão que seria erguido pela construtora em Porto Alegre, os empresários foram bastante específicos: linhas clássicas, mobiliário de design nobre, cores neutras, armações leves e mínimas interferências estéticas, com poucos objetos de decoração. As recomendações foram feitas à equipe da empresa Souza & Campello Arquitetos Associados, responsável pelo projeto de arquitetura de toda a edificação. “O desafio, durante a execução do projeto, foi criar ambientes sofisticados, valorizando os espaços de convivência com conforto, beleza e sobriedade”, afirma a arquiteta e urbanista Cristina De Lorenzi Campello, sócia e coordenadora de projetos da empresa, que trabalha com essa construtora há mais de dez anos.

Arquiteta e urbanista

O projeto de arquitetura de interiores priorizou uma linguagem contemporânea, traduzida no seu traçado linear, presente no layout, nos volumes de pedras brancas e pretas, assim como nos demais materiais utilizados. Cristina explorou texturas e transparências através do uso de espelhos, madeira e pedra. Predominam as cores neutras, como o branco, o bege e o preto, em todo o ambiente. A grande parede revestida em mármore branco carrara recebeu tratamento de obra de arte, com mosaico executado no próprio local. O piso também foi revestido com esse material, com detalhes em mármore nero marquina na paginação. Painéis executados em marcenaria na cor preta cobrem os pilares, formando uma espécie de moldura para a composição de poltronas e mesa junto à área dos elevadores. “As linhas clássicas do mobiliário são atemporais e dão um ar de sobriedade ao ambiente”, enfatiza a arquiteta. O mesmo conjunto foi repetido em outro local, com tapete e uma tela com pintura abstrata, configurando um aconchegante ambiente de estar. Grandes lustres de cristal escolhidos para o hall iluminam o espaço e, também, cumprem a função de “marcar” o ambiente principal destinado à recepção do empreendimento, “vestindo” o pé-direito de mais de quatro metros de altura. “Eles são importantes objetos cenográficos desse espaço imponente”, considera Cristina. O desenho do forro, em gesso, colabora para o “clima” desejado, com volume valorizado pela iluminação embutida nas sancas.

Rua José Scutari, 154 - Porto Alegre / RS (51) 3061.1391 / 3019.3257 c.campello@scarq.com.br www.scarq.com.br www.facebook.com/souzaecampeloarquitetosassociados apoio: Basalto Santo Antônio fotografia: Vanessa Bohn

70

71


No projeto do hall de entrada do empreendimento de alto padrão, a arquiteta e urbanista Cristina optou pelas cores branco e preto para produzir a atmosfera de imponência desejada. Para os revestimentos de paredes e piso, especificou o mármore, em diferentes cores e texturas, pela “sofisticação, durabilidade e facilidade de manutenção do material”. A iluminação marca os espaços de circulação e contracena com o pé-direito duplo do ambiente. Nas demais áreas, o projeto luminotécnico privilegiou a funcionalidade e flexibilidade do mobiliário, racionalizando gasto de energia e proporcionando cenários.

Arquiteta e urbanista com formação pela UFRGS, em 1992, Cristina Campello fez também especialização em Tecnologia de Edificações na Faculdade de Arquitetura de Delft University, na Holanda, em 1994, e em Design de Interiores no Westminster College, em Londres, em 1998. Há 15 anos é sócia e coordenadora de projetos, da empresa Souza & Campello Arquitetos Associados. O escritório desenvolve projetos de arquitetura comercial, residencial e institucional, além de projetos de arquitetura de interiores e design de mobiliário.

72

73


Dois médicos ortopedistas que atuavam em diferentes consultórios em Porto Alegre decidiram formalizar uma parceria de trabalho com a inauguração de uma nova clínica. Para tanto, alugaram um conjunto comercial em um prédio no coração do bairro Moinhos de Vento. O espaço já havia sido ocupado e apresentava ambientes compartimentados por alvenarias, forro de gesso, luminárias e dutos de ar condicionado central; porém, inadequados às exigências dos profissionais. O lavabo e o piso existente igualmente estavam totalmente fora dos padrões desejados. Um dos médicos já conhecia bem o trabalho das arquitetas e urbanistas Débora Noronha e Maria Alice Carvalho, das quais era cliente antigo. Então, decidiram acioná-las para dar vida à nova clínica. Nos 50m2 de área, eles desejavam a criação de dois consultórios de iguais dimensões, com ambiente para exames e lavatórios auxiliares; sala de espera ampla; recepção; copa; local para armazenamento de materiais; e lavabo. Todos os ambientes deveriam aproveitar a iluminação natural e permitir acessibilidade. A pedido dos clientes, parte de uma parede existente seria preservada, assim como o forro, prevendo apenas a sua restauração. Piso, paredes e luminárias foram removidos e o lavabo foi totalmente refeito. Pontos hidráulicos tiveram de ser criados, nos dois lavatórios auxiliares e na copa. O projeto de arquitetura de interiores buscou configurar um espaço contemporâneo e elegante, com layout eficiente. As profissionais utilizaram gesso acartonado com isolamento acústico para as paredes internas. Na sala de espera, uma divisória em vidro translúcido proporciona sensação de leveza ao ambiente e confere certa privacidade aos consultórios. Para destacar o balcão da recepção, foi projetado um elemento em nanoglass branco sobreposto ao laminado escuro. Os dois consultórios receberam as mesmas soluções de acabamentos e mobiliário, sendo que um deles apresenta, ainda, um armário com espaço para livros, fichários, radiografias e cabides para casacos e jalecos dos médicos. Painéis móveis em marcenaria delimitam parcialmente as áreas de exame.

Arquitetas e urbanistas 74

Rua Lucas de Oliveira, 505 / 1210 - Porto Alegre / RS (51) 3337.6783 / 8149.5666 / 9976.4204 carvalhonoronha.arq@gmail.com www.carvalhonoronha.arq.br apoio: Marcenaria Oliveira e Costa fotografia: André Nery

75


Em todos os ambientes, as arquitetas empregaram revestimentos de fácil manutenção, como porcelanato no piso, tinta acrílica nas paredes, laminados nas portas e no mobiliário, e nanoglass e quartzito nas bancadas. Optaram por cores neutras e claras no piso e paredes, valorizando a marcenaria sob medida, em melamínico amadeirado escuro e branco. Na área de espera, adotaram dois modelos de cadeiras, configurando ambientes diferentes, com poltronas em couro ecológico na cor fendi e cadeiras em couro sola marrom. Adotaram luminárias embutidas no forro, em função do pé-direito reduzido em algumas áreas, mesclando lâmpadas dicróicas, PAR 20 e fluorescentes, adequadas a cada função, no projeto luminotécnico.

Maria Alice Bojunga Carvalho concluiu a graduação em Arquitetura e Urbanismo na UFRGS em 1980, dois anos depois de Débora Schmitt Noronha formar-se pela mesma instituição. Débora ainda cursou especialização em Arquitetura Paisagística na PUCRS entre 2007 e 2008. Ambas já fizeram parte da diretoria da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil/RS (AAI Brasil/RS): Maria Alice em 1994 e Débora em 1996. Com uma parceria profissional de 20 anos, procuram satisfazer as necessidades e desejos de seus clientes, “com respeito, dedicação e atenção aos detalhes, em sintonia com as tendências atuais”. Desenvolvem projetos de arquitetura de interiores residenciais e comerciais, paisagísticos, consultoria e orientação técnica em arquitetura.

76

77


Arquiteta e urbanista O tapete de lã produzido especialmente para o ambiente de estar deste apartamento, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre, determinou as cores a serem adotadas no projeto de arquitetura de interiores da área social. Tons de beringela, marrom e variações do bege estão também em tecidos, móveis e acabamentos. A disposição de um grande tapete no ambiente do estar, exatamente no estilo preferido pelo casal de proprietários estava na lista de pedidos entregue por eles à arquiteta e urbanista Elisabeth Sant´Anna, responsável pelo projeto. Outras solicitações foram a previsão de acomodações para o máximo de pessoas no estar com TV, a preservação de uma boa área para circulação no espaço do jantar e a criação de um ambiente para trabalho junto ao living. Com 55 m2, a área social permitiu a configuração de três ambientes: estar, jantar e churrasqueira, todos integrados. A partida da retirada da parede do dormitório de serviço, Elisabeth conquistou mais 6 m2 para a criação do escritório desejado pelos clientes, incorporando-o ao ambiente original. Uma porta de correr em madeira laqueada e vidro leitoso garante privacidade ao local. A arquiteta escolheu piso de porcelanato no tom off- white para o revestimento de toda a área social. Na área da churrasqueira, especificou réguas de madeira de demolição para as paredes e bancada em granito marrom imperador, atendendo ao estilo rústico desejado pelos clientes para esse espaço. Para a parede principal, projetou uma grande estante, com painel para a TV na porção central, executada em madeira com aplicação de couro nas portas. Para a outra extremidade, preferiu criar um móvel em madeira natural com acabamento em laca branca e vidro nas portas das cristaleiras. O contraste, no entanto, fica por conta do aparador de madeira em laca vermelha que envolve o sofá, reforçando o caráter contemporâneo da ambientação. Elisabeth adotou uma iluminação pontual, com uso de luminárias embutidas, e, também, suave, com o uso de lâmpadas em sancas de gesso. Sobre a mesa de jantar, o rebaixo valoriza a luminária pendente. Cortinas em tecido leve cobrem as amplas aberturas sem impedir a contemplação do belo visual dessa charmosa região da capital gaúcha.

Rua Cel. Lucas de Oliveira, 649 - Porto Alegre / RS (51) 3328.3478 / 9283.4534 bethsantanna@terra.com.br www.bethsantanna.com.br www.facebook.com/elisabeth.deazevedosantanna apoio: Mistura de Pisos fotografia: André Nery

78

79


Réguas de madeira de demolição revestem todas as paredes do espaço da churrasqueira, conferindo rusticidade ao local, como era interesse dos proprietários – ele agropecuarista e ela empresária. Bancada em granito marrom imperador, com iluminação embutida, e banquetas de fibra natural completam a composição. A proximidade da fazenda de propriedade da família com o Uruguai fez com que muitas peças de decoração utilizadas fossem originárias daquele país.

Elisabeth Sant’Anna formou-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS em 1976 e, desde então, desenvolve projetos, execução de obras e consultoria na área de arquitetura de interiores. A profissional também atua pelo interesse da classe, respondendo como diretora da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil/RS (AAI Brasil/RS) desde 1994.

80

81


A grande família se reúne na área social desta residência, localizada em um condomínio no bairro Belém Novo, em Porto Alegre. É nesse espaço que o casal passa a maior parte do tempo com os filhos e suas famílias quase todos os finais de semana. Com 130 m2, o local precisava ser atualizado e ter seu layout reconfigurado para um melhor aproveitamento. A distribuição do mobiliário deveria ser adaptada, preservando as peças existentes e inserindo novos móveis, sem interferir no estilo adotado. “A iluminação também não estava adequada. Era insuficiente e apresentava poucas opções de circuitos”, acrescenta a arquiteta e urbanista Fernanda Amorim, que assumiu o projeto de arquitetura de interiores do espaço. Priorizando o conforto da família, Fernanda reorganizou os espaços para facilitar o convívio entre as pessoas e criou um confortável ambiente de estar, com TV, junto a uma das lareiras – o qual se tornou o “canto” preferido do casal no dia-a-dia. O móvel projetado em madeira cerejeira recebeu pintura no mesmo tom da tinta aplicada nas paredes, ambos com textura escovada. A outra lareira, no estar social, teve seu volume valorizado pelo revestimento com pastilhas de madeira. No detalhamento do mobiliário, Fernanda previu o aproveitamento total dos móveis pertencentes à família há gerações e, também, os lustres e luminárias existentes. “As estrelas da casa são os móveis antigos, todos em madeira maciça e com entalhes raros de se fazer hoje em dia”, pontua a arquiteta. Por isso, especificou acabamentos neutros e linhas retas para o mobiliário projetado para que não “roubassem a cena”. Todos os quadros foram restaurados e ganharam novas molduras. Para valorizar o da Santa Ceia, por exemplo, esculpido em mármore, Fernanda projetou um grande painel que cobre toda a parede do espaço do jantar, com iluminação embutida. Os estofados receberam novos revestimentos, com tecidos em camurça e chenille. Para qualificar a iluminação do espaço, a arquiteta trocou os dois lustres existentes de lugar, utilizando o de maior dimensão sobre a mesa de jantar e o outro sobre a mesa de apoio no hall. Ainda adicionou abajures e criou novos circuitos para luminárias, com lâmpadas dicróicas e PAR 20, dispostas nos trilhos instalados nos caibros de madeira.

Arquiteta e urbanista 82

Avenida Nilo Peçanha, 1851 / 304 - Porto Alegre / RS (51) 3388.5437 / 3407.5447 / 9971.8683 fernanda@fernandaamorim.arq.br www.fernandaamorim.arq.br apoio: Formallar Móveis fotografia: André Nery

83


As lareiras existentes foram valorizadas no projeto desenvolvido pela arquiteta e urbanista Fernanda Amorim. No estar com TV, a profissional precisou reformular a própria estrutura, pois o volume de pedra não permitia a instalação da TV em uma altura confortável para a família. A marcenaria projetada pela arquiteta unificou o conjunto dos espaços e valorizou o quadro de acervo do casal. No estar social, Fernanda revestiu o volume com madeira, aplicando pastilhas do mesmo material na parte frontal.

Voltada para projetos de interiores residenciais e comerciais, as atividades profissionais da arquiteta e urbanista Fernanda Amorim começaram em 1991, quando formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela UniRitter. Segundo ela, o perfil do seu escritório é o atendimento personalizado aos clientes, procurando conhecer e respeitar seus anseios, particularidades e necessidades. “E adaptando os recursos técnicos e as diversas possibilidades de distribuição de espaços e acabamentos à personalidade de cada um”, reforça a profissional.

84

85


Arquiteta e urbanista Um casal-chave para uma família numerosa de ascendência italiana, com filhos casados, netinhos, muitos irmãos e sobrinhos. A união em volta da mesa e de uma grande parrilla é algo muito valorizado por todos, ainda mais que a carne faz parte dos negócios da família. Assim, a área social do novo apartamento do casal, na Zona Sul de Porto Alegre, deveria refletir essa característica e “esbanjar” acolhimento. O projeto de arquitetura de interiores iniciou, justamente, pela discussão da relação do casal com a parrilla. “A dúvida era se a estrutura deveria ficar dentro da cozinha ou voltada para o living”, explica a arquiteta e urbanista Gislaine Saibro, que atende esses clientes há muitos anos. A decisão foi por estabelecer um espaço de transição, entre a cozinha e o ambiente do jantar, delimitado por bancada e com os apoios necessários. As banquetas aproximam os convidados do dono da casa, que costuma comandar a preparação da carne. A mesa de jantar foi posicionada logo na entrada da grande sala de formato quadrado. Um rebaixo no forro, em gesso, com revestimento em papel, estabelece a setorização, sendo valorizada pelo lustre de cristais escolhido especialmente para o local. Uma discreta porta de vidro com película branca, de correr, permite o isolamento da cozinha. Quando aberta, percebe-se a integração visual promovida a partir do mobiliário de acabamento amadeirado branco, executado por marcenaria, e das bancadas, em granito preto absoluto. As chapas de aço inox que marcam a estrutura da parrilla, e também revestem parte da parede da cozinha, compõem com os eletros instalados e com as pastilhas ali aplicadas, em vidro, pedra e aço. A iluminação em LED, embutida sob os armários aéreos, prioriza a área de trabalho. Toda a área recebeu piso em porcelanato, na cor fendi. Um espaço de copa foi criado na cozinha – outro coração dessa família –, pontuado por lustre de desenho atual. A mesa, também em granito preto, forma conjunto com cadeiras em laca branca e assentos revestidos em tecido cru. Persianas brancas “nada convencionais” vedam a entrada excessiva de sol.

Rua Jacinto Gomes, 657/301 - Porto Alegre / RS (51) 9985.6927 gislainesaibro@uol.com.br apoio: La Provence Móveis fotografia: André Nery

86

87


Um projeto de arquitetura de interiores de certa forma despojado, “limpo” e tratado com sobriedade em tonalidades neutras, era o desejo do casal de empresários para o apartamento ensolarado e de amplos espaços. A iluminação artificial deveria ser “clara”, o que foi previsto por meio de sancas e de embutidos com lâmpadas econômicas, PAR 20 e dicróicas de LED foram utilizadas para destaque dos objetos que seriam adquiridos especialmente para o imóvel.

Diplomada em 1984 na UFRGS, Gislaine Saibro atua em arquitetura de interiores há mais de 20 anos, com destaque para os empreendimentos residenciais. Além de dedicar-se à atividade profissional, foi diretora e presidente da AAI Brasil/RS e, atualmente, é conselheira do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/ BR. Acredita que “junto à qualidade e competência técnicas, é preciso entender a função da profissão e praticar a coerência na prestação de serviço aos clientes”.

88

89


Quando os proprietários deste apartamento, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre, contrataram a arquiteta e urbanista Karen Feldman, eles sabiam exatamente o que queriam para cada ambiente da residência. Eles conheceram o trabalho da profissional em uma mostra de arquitetura da cidade, identificaram-se com a proposta apresentada e logo passaram a detalhar, ao máximo, a relação das suas necessidades para os espaços. Na cozinha, de 10m2, a praticidade e a leveza visual deveriam prevalecer. E foram ainda mais específicos: cores claras, mas nada de tons amadeirados ou terrosos; eletros em inox, cooktop, coifa, forno elétrico, forno de microondas, máquina de lavar louças, triturador, cuba dupla, lixeira de bancada e geladeira grande. “Uma tarefa difícil para o pouco espaço que tínhamos”, enfatiza Karen. Na definição do layout, a profissional tinha, ainda, de considerar o interesse dos clientes por uma área para refeições e a incorporação do espaço da churrasqueira. Para promover tal integração, Karen planejou a unificação dos forros, em gesso, na mesma altura. No entanto, durante a retirada de uma parte do forro existente, a viga que dividia os ambientes revelou-se mais baixa do que era esperado. A solução da profissional foi tomar partido dessa irregularidade para setorizar os ambientes, projetando um forro mais baixo para a área de refeições e outro mais alto para a área de trabalho. O piso de cerâmica original foi substituído por porcelanato na cor fendi, estabelecendo continuidade com o material aplicado na área social, adjacente. Já os azulejos brancos aplicados nas paredes foram mantidos. Apenas o volume da churrasqueira recebeu revestimento diferenciado, em tecnocimento. Seguindo essa tonalidade, Karen especificou silestone cinza claro para tampos e bancadas, compondo com o mobiliário em laca branca alto brilho. O toque de cor ficou restrito a banquetas, panelas e acessórios. Fitas de LED foram embutidas no mobiliário, possibilitando a criação de um “clima” mais intimista para um jantar a dois. A persiana rolô, com tela solar, também desempenha um papel importante, filtrando a entrada de luz direta sem impedir a claridade natural na cozinha. Uma porta painel integra o ambiente com o living, quando necessário.

Arquiteta e urbanista 90

Rua Padre João Batista Reus, 496 - Porto Alegre / RS (51) 3269.0586 / 9901.3646 karen@karenfeldman.com.br www.karenfeldman.com.br fotografia: Carlos Edler

91


Uma cozinha funcional, contemporânea e minimalista. Esse foi o conceito adotado por Karen nesse projeto. “Linhas retas e cores claras ‘ampliam’ o ambiente”, reforça a profissional. No projeto do mobiliário, seguiu a solicitação dos clientes e evitou o uso de nichos e prateleiras. O interesse deles era por um visual limpo, colaborando para a organização do espaço. A iluminação foi definida pela arquiteta com vários circuitos, para proporcionar as soluções mais adequadas às diversas funções do ambiente: cozinhar, churrasco com amigos e jantar a dois.

Formada em 1997 em Arquitetura e Urbanismo pela UniRitter, Karen Feldman tem pós-graduação em iluminação e design de interiores pelo IPOG. Seus trabalhos são voltados para projetos de interiores, incluindo os hospitalares. Em 2007, o espaço criado por ela para a edição daquele ano da Mostra Casa&Cia foi eleito o “Melhor Ambiente Temático” da exposição.

92

93


Arquiteta e urbanista No projeto de arquitetura de interiores deste apartamento, no bairro Jardim Europa, em Porto Alegre, o dormitório do filho do casal de clientes recebeu atenção especial da arquiteta e urbanista Letícia Reginato. Com 9,10m2, o ambiente conta com espaços específicos para estudos, para receber amigos e para o descanso do garoto, de 12 anos. Ele mesmo definiu grande parte do programa de necessidades com a profissional. “Um dos pedidos especiais era de que o dormitório deveria ter o uso de três cores: cinza, preto e vermelho”, revela a arquiteta. Essa última tinha de estar em destaque, por ser a cor do seu time do coração. Referências ao bicicross, outra das suas paixões, igualmente eram desejadas. No planejamento do ambiente, o primeiro passo de Letícia foi analisar a melhor forma de aproveitamento do espaço, priorizando a criação de uma área para estudos e outra específica para os jogos de vídeo-game. Ao definir esses setores, posicionou a cama box, com cama auxiliar, de forma a não interferir na circulação. Na distribuição do mobiliário, todo executado em marcenaria, optou por uma composição compacta e funcional. O roupeiro, com três portas deslizantes, conjugado com a bancada para estudos, ocupa todos os 3,52 metros de extensão da parede. A arquiteta escolheu a laca branca fosca para o acabamento desse móvel, de forma a não interferir, visualmente, com o uso do adesivo de vinil fosco nas cores preferidas pelo garoto, de desenho exclusivo assinado por Letícia. O material foi aplicado no painel da TV e em parte do teto, na área onde foi idealizado um rebaixo do forro, em gesso. A persiana branca, do tipo romana, igualmente colabora para a formação de um fundo neutro para destacar o volume colorido. A parede oposta recebeu pintura na cor cinza, a mesma utilizada para os nichos decorativos, com acabamento em laca alto brilho. Na composição, uma prateleira aérea estabelece o arremate, servindo de expositor para objetos importantes para o menino, os quais foram valorizados pela iluminação fornecida por embutidos com LED. O bicicross também está presente na ambientação, através dos adesivos aplicados de forma aleatória nas paredes junto à cama. Piso laminado de tom amadeirado garante a sensação de conforto necessária a esse tipo de espaço.

Rua Honório Silveira Dias, 838 - Porto Alegre / RS (51) 9323.6580 arquitetura@leticiareginato.com www.leticiareginato.com www.facebook.com/Leticiareginatoarquitetura apoio: Bang Impressões fotografia: Luiz Meurer

94

95


A iluminação do dormitório foi planejada pela arquiteta e urbanista Letícia Reginato de forma racional. O ponto central é uma luminária em acrílico na cor vermelha, com luz incandescente. Uma fileira de embutidos com LED sobre a prateleira completa a iluminação do ambiente e garante a condição adequada às atividades realizadas pelo garoto no espaço. Na bancada de estudos, o painel metalizado expõe fotografias e recados do garoto. Na parte de baixo do móvel, junto à parede, a profissional projetou um painel com a profundidade necessária e com duas portas com abertura do tipo fecho-toque para a passagem da fiação da luminária e do computador, garantindo praticidade, organização e um visual limpo no local.

Letícia Reginato atua nos segmentos de arquitetura residencial, comercial e de interiores.Concluiu a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo pela PUCRS em 2012 e logo increveu-se no curso de pós-graduação MBA em Gestão de Escritórios de Arquitetura oferecido pela Fundação Getúlio Vargas, em andamento.

96

97


Para renovar os espaços da empresa, especialmente aqueles onde os seus clientes são recebidos, o advogado apostou em um novo projeto de arquitetura de interiores. Sua intenção era a reformulação dos ambientes a partir de uma proposta capaz de transmitir os conceitos de profissionalismo, segurança e suporte ético característicos do escritório de advocacia corporativa. Os arquitetos e urbanistas Lisete Jardim e Carlos Jardim foram contratados para a missão, que previa intervenções em 85,40 m2. O programa de necessidades exigia a criação de uma nova recepção, uma sala de espera e uma sala de reuniões. No contrato também constava um projeto paisagístico no exterior e o tratamento da fachada, com uma linguagem contemporânea com visual mais limpo e despojado. A solicitação mais importante, no entanto, era o respeito à arquitetura original do prédio, uma antiga e bem preservada residência da Av. Dom Pedro II, na Capital.”O projeto procurou preservar os elementos internos mais significativos, como o piso de tacos de madeira original, a escada com seu belo guarda-corpo de ferro fundido e madeira e as portas internas, de correr, com os vidros facetados em esquadrias de madeira”, detalha Lisete. A lareira revestida de mármore, existente na sala de espera, deveria ser mantida. Antes pouco atraente, a estrutura foi valorizada com a aplicação de painéis de madeira, solução que também conferiu certo aconchego ao ambiente. As arandelas e o lustre colaboram para um visual elegante e refinado, assim como as lâmpadas embutidas nas sancas de gesso, originais da construção. No planejamento do mobiliário, os arquitetos buscaram promover uma integração formal com os detalhes construtivos da antiga residência. “Essa intenção fica evidenciada na escolha de um laminado de madeira natural com tonalidades se aproximando das madeiras existentes”, enfatiza Carlos. Na sala de reuniões, a solução adotada para os móveis e os painéis que revestem as paredes eliminou a visibilidade de da fiação necessária para os equipamentos eletrônicos do sistema de áudio visual instalado. Externamente, a edificação recebeu pintura nas paredes e um novo telhado. Na fachada, substituíram a antiga grade de ferro por um gradil de lâminas de vidro temperado 10mm engastado em uma estrutura de alumínio com pintura epóxi branca.

Arquitetos e urbanistas 98

Rua Mariante, 288 / 1301 - Porto Alegre / RS (51) 3346.5715 / 9966.2287 jardimarquitetura@terra.com.br www.jardimarquitetura.com.br www.facebook.com/jardimarquitetura apoio: Redsplay fotografia: Mariano Czarnobai

99


A logotipia e identificação da empresa ganhou destaque no painel de madeira com a iluminação focada e letras-caixa com acabamento em inox polido. Nos ambientes onde há maior trânsito de clientes, optou-se por revestir o piso de tacos com um carpete, de 9mm, com a intenção de transmitir as sensações de conforto e segurança.

Carlos Jardim é arquiteto e urbanista formado pela UFRGS em 1980 e Lisete Jardim pela Uniritter, em 1984. Dedicam-se a concepção e execução de projetos de arquitetura de interiores para espaços comerciais, residenciais e corporativos e ao design. Em 2012, pelo conjunto de seu trabalho, foram homenageados como “Arquitetos Destaque” pela AAI Brasil/RS.

100

101


Quando decidiu adquirir um outro apartamento, em Porto Alegre, o jovem casal temia ter de abrir mão de um amplo dormitório como o que tinham no antigo imóvel. Analisando a planta do futuro empreendimento em questão, a nova suíte seria menor, fato que poderia ser um grande problema. Como eles já conheciam o trabalho das arquitetas e urbanistas Milena Cavalli e Lisiane Rodrigues, decidiram contratá-las para o projeto de arquitetura de interiores de todo o apartamento, incluindo o mobiliário sob medida. “O desafio era a criação de um espaço agradável como o que eles tinham na outra suíte e que conseguisse acomodar todos seus pertences”, revela Milena.

Arquitetas e urbanistas

Por iniciarem os trabalhos ainda durante o período de obras da edificação, as arquitetas puderam projetar uma ampliação da suíte – “o que exigiu uma marcenaria adicional considerável”, diz Lisiane. A conquista de mais área garantiu espaço suficiente para incluir uma cama no formato king size, como era desejo dos clientes. “Realizamos, também, algumas intervenções quanto à parte elétrica, prevendo instalações que se concretizariam após a montagem das marcenarias”, acrescenta Lisiane. Entre as demais solicitações dos clientes estavam a criação de um closet, a instalação de um frigobar e a garantia de uma boa área de circulação no ambiente. Como o casal possuía um grande volume de roupas e acessórios, era preciso planejar os armários de forma que tudo pudesse ser acomodado de maneira organizada e funcional. A solução foi apostar no detalhamento minucioso do projeto de mobiliário sob medida para um amplo armário para a parede lateral, com portas de correr, e um pequeno closet na área adicional conquistada pela dupla com a intervenção no layout. Esse recebeu porta com espelho, para conferir sensação de amplitude. Com esse mesmo objetivo, as arquitetas optaram por utilizar materiais claros, no revestimento do piso e das paredes. Nas marcenarias, especificaram acabamento em laca branca off-white para a maior parte dos móveis sob medida. O objetivo foi alternar, de forma equilibrada, com a lâmina natural de tom escuro e peças em laca cinza alto brilho. Para as profissionais, tal composição conferiu modernidade ao espaço.

Avenida Taquara, 146 / 402 - Porto Alegre / RS (51) 3557.2724 voxelarquitetura@hotmail.com www.voxelarquitetura.com.br www.facebook.com/www.voxelarquitetura.com.br apoio: Barzotto Artefatos em Madeira fotografia: Luciana Ribeiro

102

103


Atendendo ao pedido do casal, as arquitetas projetaram móvel especial para acomodar um fribogar, com bancada para bar. Nichos receberam cestas para armazenar, com praticidade, itens variados. Acima, um armário, com portas espelhadas, oferece mais espaço para acomodação da rouparia. Na lateral, a porta de acesso ao pequeno closet que foi criado também recebeu espelhos. Em frente à cama, móvel suspenso em lâmina de madeira escura serve de apoio para a TV e ainda dispõe de gaveteiros para melhor organização dos itens pessoais dos clientes.

Milena Cavalli é graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), em 2008, e, atualmente, cursa pós-graduação em Marketing na Faculdade de Administração da UFRGS. Lisiane Rodrigues tem formação em Arquitetura e Urbanismo pela PUCRS, em 2006, e hoje participa de pós-graduação em Empreendedorismo e Novos Negócios na Faculdade de Administração da mesma universidade. Ambas têm experiência em projetos de edificações residenciais e comerciais e, juntas, dedicam-se ao segmento de arquitetura de interiores, “buscando mudar a vida das pessoas através da arquitetura, transformando suas relações com os espaços criados e satisfazendo suas diversas expectativas”.

104

105


A chegada do primeiro bebê do jovem casal de empresários exigiria mais mudanças do que aquelas já esperadas com o nascimento da filha. Era preciso transferir a “suíte máster” da casa onde moram, em um condomínio na zona Sul de Porto Alegre, para o mesmo pavimento no qual criaram o quarto da criança, para que ficassem próximos da mesma. “O ambiente mais adequado na casa para fazer a suíte do casal tinha o pé-direito baixo, com muitas tubulações passando na parte superior. Outro ponto negativo era a janela que abria para um pátio interior da casa, sem um visual interessante”, detalha a arquiteta e urbanista Luana Mundstock, que assumiu a missão ao lado da irmã Lisandra Mundstock, sua sócia na empresa Mundstock Arquitetura. A dupla teria de aproveitar a área do que era um quarto de visitas, um depósito e um pequeno banheiro. Integrados, os antigos cômodos resultaram em um ambiente de 29m2, onde as arquitetas conseguiram criar um amplo dormitório e um espaçoso banheiro, com uma grande bancada e banheira de hidromassagem com cromoterapia. Para garantir bastante área para circulação, como desejavam os clientes, Luana e Lisandra posicionaram a cama no centro do quarto, ocupando a lateral com o armário, sem configurar um closet. As portas do móvel, com perfis metálicos champanhe, receberam tratamentos diferenciados, combinando espelhos, vidro com película jateada floral e laca alto brilho, mesmo acabamento utilizado no painel da TV, em frente à cama. A cabeceira recebeu forração em seda sintética, valorizada pelo grande painel de espelhos que cobre toda a parede. Sobre o piso vinílico, acrescentaram tapete de poliéster com algodão na cor champanhe. “O desenho do forro confere aspecto limpo, ocultando as interferências das tubulações”, explica Lisandra. A iluminação se dá em circuitos independentes, na sanca, abajures, lustre e painel. Os tons pastéis foram sugeridos pelos clientes, que queriam um ambiente que transmitisse tranquilidade, calma e que fosse muito confortável. No banheiro, destaque para o revestimento das paredes, em placas de mosaicos de formato arredondado. Piso, rodapés e bancadas foram executados em mármore crema marfil polido.

Arquitetas e urbanistas 106

Rua 24 de Outubro, 1681 / 710 - Porto Alegre / RS (51) 3519.0419 contato@mundstockarquitetura.com.br www.mundstockarquitetura.com.br www.facebook.com/MundstockArquitetura apoio: Casamassima Tecidos e Decoração fotografia: Marcelo Donadussi

107


Neste projeto, as arquitetas objetivaram a criação de um ambiente bastante harmônico, moderno, arrojado e, principalmente, confortável. Praticamente todos os produtos foram adquiridos na região, com exceção de alguns acessórios, trazidos pelo cliente de Dubai, para onde viaja constantemente a trabalho. Cortinas em tafetá, com barra de cor diferenciada, foram instaladas em toda a extensão das paredes em frente à cama.

Na Mundstock Arquitetura, as irmãs envolvem-se em todas as etapas, desde a concepção do projeto, desenvolvimento, gerenciamento, até a execução da obra, “dando ênfase sempre à estética e ao bem-estar do cliente”. O escritório é dedicado a projetos de arquitetura residencial, comercial e corporativa. Luana formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS, em 2001. Lisandra concluiu a graduação em Arquitetura e Urbanismo em 2007, pela UniRitter, e atualmente cursa MBA de Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil na Fundação Getúlio Vargas.

108

109


Arquiteta e urbanista Como uma joia, simples, elegante, mas rica em detalhes. Esse conceito norteou o trabalho da arquiteta e urbanista Máira Ritter para o projeto do ambiente de uma mostra de arquitetura realizada em Gramado. O espaço incluía hall com escada, estar íntimo, no mezanino, e lavabo, totalizando 39 m2 de área. A profissional optou por trabalhar com as mesmas cores nos diversos ambientes – grafite, preto, verde e fendi predominam. “Desenhos geométricos e a adoção de uma arquitetura minimalista também fizeram com que eles ‘conversassem’, tivessem uma mesma identidade”, complementa Máira. Tratando-se de um local por onde muitas pessoas circulariam, a arquiteta revestiu parte das paredes do hall com espelhos, para multiplicar visualmente o espaço. A parede principal, no entanto, recebeu painel em réguas de madeira canela, empregado, também, no forro, para acolher os visitantes da exposição. Duas poltronas, forradas em tecido na cor fendi, completam a composição. Destaque para o grande painel geométrico de madeira, com acabamento em laca preta fosca e iluminação indireta na cor âmbar, projetado por Máira. Para a área da escada, optou por papel de parede e placas cimentícias de desenhos geométricos para minimizar o grande vão do mezanino. Os degraus foram executados em madeira canela, contrastando com o porcelanato instalado no piso de todo o espaço. O guarda-corpo, em vidro, apresenta tratamento diferenciado, com uma face refletiva e outra pintada de preto. O estar íntimo apresenta a mesma linguagem, em materiais e cores. O forro, pintado de preto, recebeu luminárias específicas para a iluminação bem focada, valorizando obras de arte e mobiliário. Na parede, marcenaria projetada por Máira, com nichos e iluminação com fita de LED, expõe os objetos decorativos. No lavabo, a arquiteta instalou painéis em laca bege estanho, com acabamento em pintura eletrostática, e papéis de parede com padrões geométricos, nas cores fendi e grafite. Em composição, escolheu o tom “cemento” para a bancada da pia, em silestone, com cuba incrustrada na própria pedra. O vitrô de uma das janelas da casa que abrigou a exposição de arquitetura foi transformado no detalhe principal da iluminação do forro.

Rua Mostardeiro, 123 / 502 - Porto Alegre / RS (51) 3019.9688 / 9322.9753 contato@mairaritter.com.br www.mairaritter.com.br www.facebook.com/maira.ritterarquitetura apoio: Broilo Iluminação fotografia: Cláudio Fonseca

110

111


Na definição dos materiais, Máira combinou elementos naturais, como a madeira, com outros “tecnológicos”, como as placas cimentícias e silestone. A profissional apostou no “movimento” proporcionado pelas geometrias e adotou essas formas no projeto do mobiliário e nas estampas de papéis de parede e tecidos. No estar íntimo, dispôs tapete shaggy sobre o piso de madeira canela, sofá do tipo namoradeira e cortinas em tecidos do mesmo tom. Espelhos cobrem a parede. No lavabo, parte do ambiente exposto, a iluminação pontual e indireta, atrás dos painéis de espelhos, valoriza o espaço.

Arquiteta e urbanista graduada pela Uniritter em 2002, Máira Ritter tem pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores e atualmente custa MBA em Gestão de Escritórios de Arquitetura na Fundação Getúlio Vargas. O foco de seu trabalho é a realização de projetos de arquitetura de interiores para residências, comércio e ambientes institucionais. Além de atuar em seu Escritório de Arquitetura com sua equipe, Máira desenvolve atividades de consultorias para shoppings. Há oito anos, é a arquiteta responsável pelo Departamento de Apoio ao Lojista de um shopping center da Capital. Atualmente atua, também, na coordenação do departamento de apoio ao lojista de um novo shopping center na cidade de Gravataí.

112

113


Uma mesa em laca vermelha no espaço do jantar. Essa frase ecoava na mente do arquiteto e urbanista Marcelo John enquanto analisava as diversas possibilidades oferecidas pela ampla e vazia área social do apartamento, em Porto Alegre. Afinal, essa era uma das únicas solicitações feitas pela cliente para o projeto de arquitetura de interiores do imóvel que acabara de adquirir. Todo o planejamento, então, partiu desse desejo e de outras condicionantes: a falta de integração entre a cozinha e o ambiente do estar e a grande incidência solar na área em virtude das “generosas” aberturas – que, entretanto, oferecem uma privilegiada vista da zona norte da cidade e do lago Guaíba ao fundo. O interesse por ambientes confortáveis e práticos, para atender ao dia-a-dia dinâmico da empresária e do seu filho, já adulto; e a necessidade de empregar materiais resistentes aos dois gatos da família, igualmente nortearam as decisões de Marcelo John. A substituição dos revestimentos originais, entregues pela construtora, também deveria ser considerada no projeto. “A cliente confiou plenamente em todas as propostas e na concretização de um apartamento personalizado”, conta o arquiteto. A integração da cozinha com a área social foi a primeira medida adotada, para facilitar o convívio e o uso dos espaços, que totalizam 40 m2. Em composição com a mesa em laca vermelha pretendida pela cliente, Marcelo especificou a mesma cor para o silestone do tampo de apoio, para a persiana e para elementos decorativos, estabelecendo unidade visual entre os espaços. Os revestimentos de piso foram substituídos por porcelanato, na cozinha, e por material vinílico, na cor ebanizada, com os veios marcados, com rodapés brancos, de 15cm de altura. No ambiente de estar, estofado e cadeiras de espaldar baixo, em frente às janelas, oferecem conforto sem impedir o visual da cidade. Com o mesmo objetivo, especificou persianas com tela solar. Na parede em frente, o painel do home theater, com faixas laterais em espelhos. Em laca cinza, a estrutura compõe com móvel baixo branco, projetado para acomodar equipamentos e apoiar objetos decorativos.

Arquiteto e urbanista 114

Av. Guarani, 20 / 202 – Canoas / RS (51) 3463.6077 / 9826.0912 marcelojohn@marcelojohn.com.br www.facebook.com/marcelojohn.john www.marcelojohn.com.br apoio: Laboratório da Luz fotografia: Eduardo Liotti

115


O ambiente da churrasqueira promove a transição entre os espaços da cozinha e o de jantar. O volume foi parcialmente revestido por placas de madeira em laca preta, mesmo acabamento utilizado nos móveis projetados para a cozinha e no balcão de apoio que promove a setorização dos ambientes. Em gesso, o forro apresenta um desenho limpo, valorizando o projeto luminotécnico. Em circuitos independentes, os diversos pontos de luz permitem iluminação adequada às atividades de cada ambiente.

O arq. e urb. Marcelo John atua nas áreas de arquitetura de interiores residencial, comercial e coorporativa, desenvolvendo projetos completos, consultoria e gerenciamento de obra. Formado em Arquitetura e Urbanismo em 2004, pela Ulbra, tem pós-graduação em Arquitetura de Interiores pela UniRitter; Especialização em Arquitetura Hospitalar, pela Feevale; e curso de Extensão em Decoração de Interiores, pela Escola de Artes Yedda Montano Diffini.

116

117


Arquiteta e urbanista O desejo dos moradores deste apartamento de cobertura, no bairro Mont´Serrat, em Porto Alegre, era atualizar o espaço externo, criando um local mais confortável para a família utilizar nos finais de tarde e em comemorações. Os proprietários não gostavam do deck existente, pintado de branco, e queriam mais ambientes para receber os amigos. As vegetações encontravam-se em vasos soltos, em sua maioria quebrados. O piso de caxambu, igualmente, não agradava mais por estar manchado e por aquecer nos dias de sol, impedindo suas filhas de permanecerem descalças sobre o mesmo. Era esse o dilema do jovem casal ao contratar a arquiteta e urbanista Márcia Heck para reformular a área, de 73m2. Logo nas primeiras reuniões de trabalho, foi definido o programa de necessidades, que incluía a configuração de áreas de estar, de refeições, piscina com deck, vegetação, horta e iluminação que valorizasse o ambiente, além da utilização do pergolado, da mesa e das cadeiras existentes e da correção do caimento do piso. “O primeiro passo foi a retirada do deck e a correção do piso, seguido pela instalação de sistema de aquecimento da piscina, que ganhou nova pintura”, conta Márcia. A profissional especificou piso cimentício para o local, por sua característica atérmica, e combinou réguas amadeiradas e placas de aparência similar a do mármore carrara na paginação, incluindo a aplicação de ladrilhos hidráulicos decorados. No projeto do novo deck, Márcia decidiu por reduzir seu tamanho, liberando mais espaço de circulação para as crianças brincarem. Nele, inseriu floreiras para estabelecer um “contorno verde” na piscina, de fibra, assim como nas demais áreas, associadas a bancos com futtons junto à mesa de refeições. A solução disfarçou os limites originais do terraço, conferindo a impressão de maior espaço útil. “A marcenaria foi executada totalmente in loco, em madeira Ipê Champagne”, frisa a profissional. A arquiteta complementou a vegetação existente com novas plantas, valorizadas pela iluminação. Espetos com lâmpadas LED coloridas nas floreiras e luminárias de cerâmica, como arandelas nas paredes e painéis, foram as suas escolhas. Para o mobiliário, elegeu peças de madeira e de fibras sintéticas, próprias para áreas externas.

Rua João Abbott, 451 / 301 - Porto Alegre / RS (51) 3024.2636 / 9805.8960 marcia@marciaheck.com.br www.marciaheck.com.br www.facebook.com/mharquitetura apoio: Madeireira Fontana fotografia: André Nery

118

119


Na definição do projeto, Márcia decidiu pela execução da marcenaria no próprio local, para melhor aproveitamento de cantos e de ângulos propostos. Para o acabamento, optou pelo tom de madeira natural, atendendo ao “rústico moderado” por ela adotado. A profissional projetou um painel ripado em madeira Grápia para abrigar vasos pendentes com as plantas preferidas da moradora, valorizado pela iluminação proporcionada pelas luminárias de cerâmica. Ao planejar o paisagismo, incluiu espaço para horta com temperos e chás diversos, aproveitou plantas existentes e incluiu espécies novas, que florescem em diferentes épocas do ano e não exigem muita manutenção.

Márcia Heck formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS há três anos e, atualmente, cursa especialização em Arquitetura Hospitalar no Instituto de Administração Hospitalar e Ciências da Saúde (IAHCS). Atua no mercado de arquitetura de interiores, projetando ambientes residenciais, comerciais e hospitalares, “sempre buscando a melhor integração entre os desejos dos clientes, estética, funcionalidade e bem-estar.”

120

121


A varanda com churrasqueira, originalmente projetada neste apartamento em Porto Alegre, tornou-se um local pouco utilizado pela família com o passar dos anos. Enquanto sobrava área naquele espaço, faltava espaço na área social para criação de ambientes para estar e para home theater. A solução adotada pelo jovem casal, com filho adolescente, foi contratar um projeto de interiores às arquitetas e urbanistas Maria Decker e Milena Decker, indicadas por amigos em comum. Ao analisar o imóvel, a dupla logo concluiu que o ideal seria eliminar a churrasqueira, reconfigurar o espaço do jantar para acomodar um número maior de pessoas, projetar um novo ambiente para home theater e, também, desenvolver móveis com linguagem contemporânea. Para a cliente, era fundamental a exposição destacada das telas pintadas por seu irmão e a inserção de um relógio cuco antigo entre os objetos de decoração. O revestimento de piso, em porcelanato, deveria ser preservado. “Esse foi um dos desafios do trabalho, assim como a execução de um projeto luminotécnico para a área da televisão em um ambiente de pé-direito baixo”, revela Milena. A saída foi prever rasgos no forro, em gesso, para instalar a iluminação, totalmente dimerizada. “No jantar, embutidos com lâmpadas dicróicas foram posicionados para dar destaque a objetos de arte. Partindo de uma proposta com linhas retas, sem excesso e tons claros, as arquitetas iniciaram a intervenção pela remoção da churrasqueira, permitindo espaço para a criação de um novo móvel, em MDF com acabamento em laca branca acetinada. Esse serve de apoio à TV e equipamentos, forma uma galeria para exposição de elementos decorativos e esconde a parte do piso inexistente onde havia o volume da churrasqueira. O desenho do móvel para a TV alterna cheios e vazios com o objetivo de disfarçar as duas colunas da edificação que se destacavam naquela parede. Na parte superior, a aplicação de espelhos atenuou a estrutura original. Para a área do jantar, o uso da mesa quadrada encostada na parede, em conjunto com um aparador garantiu mais espaço para convidados sem reduzir a circulação entre os ambientes. Os tons de cinza predominam, em diferentes nuances, proporcionando um fundo neutro e sofisticado.

Arquitetas e urbanistas 122

Rua José de Alencar, 207 / 402 - Porto Alegre / RS (51) 3233.2267 mmdecker@terra.com.br facebook.com/milena.decker.7 www.arqmilenadecker.blog.terra.com.br apoio: Móveis Parthenon fotografia: André Nery

123


Sofás, poltronas e pufes receberam tecidos em diferentes padronagens dentro de uma mesma paleta de cores, ora mais neutra, ora mais vibrante. Nas paredes foi aplicada tinta acrílica em suave tom de cinza em conjunto com papel de parede com grafismos nas cores cinzas e pretos. A lareira recebeu novo revestimento, com o mármore Carrarinha, eleito pela beleza dos veios naturais da pedra. Persianas tipo rolô com tela solar protegem o ambiente da forte incidência solar. Tapetes personalizados, feitos sob medida e no padrão de cores escolhido para o projeto delimitam os espaços e proporcionam aconchego. No home theater, a iluminação dimerizada de embutidos em um rasgo de gesso permite diferentes cenas de iluminação e conforto visual ao assistir TV.

Maria Decker formou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Unisinos em1988. Já Milena Decker, concluiu a mesma graduação na UniRitter, em 2006, especializando-se, mais tarde, em Arquitetura Comercial, pela Unisinos. A atuação da dupla é focada em projetos arquitetônicos residenciais e de arquitetura de interiores, residencial e comercial. “Desenvolvemos trabalhos na área da arquitetura de interiores desde a concepção do projeto até a conclusão da obra, com planejamento e foco nas demandas do cliente, apresentando soluções personalizadas e de qualidade”, detalha Maria Decker.

124

125


A lareira era o elemento principal da renovação da sala de estar desta casa, em Porto Alegre. Uma transformação fazia-se necessária para que ela assumisse uma identidade nova no ambiente, de 25 m2. A arquiteta e urbanista Marie Hellen Mafaldo Böttcher dedicou-se a realizar esse desejo dos clientes, com os quais já havia trabalhado. “Essa era a minha segunda intervenção na casa”, revela a profissional, responsável pelo projeto de arquitetura de interiores de outros ambientes do imóvel e, também, pelo de paisagismo. Além da lareira, era preciso, ainda, melhorar a iluminação e substituir alguns móveis, considerados “ultrapassados” pelos moradores. A estética era um aspecto importante para eles, que priorizavam materiais de impacto visual e sofisticados.

Arquiteta e urbanista

O piso de porcelanato existente deveria ser mantido, assim como a sanca no forro de gesso. Essas restrições, no entanto, não foram empecilhos para Marie Hellen. “A satisfação de ver tudo pronto foi ainda maior”, argumenta. Preservando as linhas originais da lareira, a arquiteta especificou porcelanato de padrão amadeirado para o seu revestimento, com detalhes em granito. Na sua opinião, tratou-se de uma nova leitura para o volume, conferindo elegância e suavidade ao ambiente. Com o mesmo objetivo, a profissional escolheu cores neutras para a pintura das paredes e para os tecidos do sofá e das cadeiras – de tom lavanda. Essas peças,”mais contemporâneas e charmosas”, substituíram as existentes, de design superado. O recamier pertencente à família foi transferido para outro ambiente por não fazer parte da nova composição planejada por Marie Hellen para o estar, recebendo novo estofamento. A mesa de centro, em aço e vidro, e o tapete igualmente foram adquiridos especialmente para o local. A iluminação foi renovada a partir da execução de um novo projeto luminotécnico, com a instalação de mais quatro circuitos. Marie Hellen escolheu lâmpadas de LED para proporcionar economia de energia elétrica, garantindo maior eficiência. Lâmpadas halógenas foram combinadas, “para equilibrar as sensações e proporcionar o impacto estético almejado”.

Rua Presidente Juarez, 21 / 207 - Porto Alegre / RS (51) 3340.8596 / 9829.6913 hellenbottcher@terra.com.br www.mariehellen.arq.br www.facebook.com/marie.bottcher.77 apoio: Gobbi Novelle fotografia: Ricardo Calovi

126

127


A arquiteta adotou uma proposta focada em elegância e no convívio familiar. Como já existe, na casa, um espaço específico para home theater, projetado também por Marie Hellen, esse ambiente foi planejado para receber os amigos e reunir a família em torno da lareira.

Marie Hellen Mafaldo Böttcher é arquiteta e urbanista graduada em 2001, pela Ulbra. Além da atividade voltada para os projetos de interiores, se destaca por criar planos de estruturação e ambientes em hospitais, resultado da pós-gradução em Arquitetura Hospitalar.

128

129


As crianças cresceram e passaram a utilizar os espaços sociais do apartamento, em Porto Alegre. Era chegada a hora de qualificar a área social, tornando-a mais ampla, funcional e, ao mesmo tempo, aconchegante para a família. Os proprietários do imóvel solicitaram à arquiteta e urbanista Miriam Runge, contratada para o projeto de arquitetura de interiores, a integração da sacada, a criação de um ambiente confortável para assistir TV, a valorização da lareira existente e a manutenção do piso de madeira, da mesa de jantar e, principalmente, do grande e antigo relógio. “Os tons claros foram a base do projeto, com escolhas que potencializassem a iluminação natural”, explica a arquiteta, que setorizou os espaços conforme os usos: lareira e home theater; jantar e espaço para louçaria, e sacada com home office – outro ambiente solicitado pelo casal. O primeiro passo foi a retirada de duas esquadrias para integração da sacada. A seguir, Miriam determinou a remoção do forro de madeira escura existente para execução de um novo, em gesso, de desenho liso e poucos detalhes, conferindo unidade visual; e especificou o polimento do piso de madeira. Todas as paredes foram revestidas com papel listrado, para “o toque mais clássico”. Para o mobiliário, Miriam projetou móveis com acabamento em laca fendi. E aplicou travertino na base e na moldura da lareira. No ambiente para assistir TV, dispôs sofá e pufe em camurça e poltronas em linho. As cadeiras do jantar ganharam novo estofamento, em seda sintética. “Esse tecido é muito resistente a manchas e ao uso diário”, argumenta a arquiteta. A iluminação do espaço ocorre de forma setorizada, podendo ser dimerizada para aumentar a sensação de aconchego. Lâmpadas PAR 20 fornecem luz geral, enquanto dicróicas focam quadros e objetos de valor. Sobre a mesa de jantar, destaque para o imponente lustre, com pingentes em cristal, duplicado pelo espelho disposto junto ao móvel bufê. A proposta de projeto partiu de cores neutras, do branco ao fendi, com leves toques de azul claro. O objetivo da arquiteta, ao apostar nessa paleta de cores, foi conferir “suavidade” aos ambientes.

Arquiteta e urbanista 130

Rua Dona Laura, 45 / 504 - Porto Alegre / RS (51) 3028.0338 arquitetura@runge.arq.br www.runge.arq.br apoio: Gobbi Novelle foto pessoal: Eduardo Liotti fotografia: André Nery

131


No espaço ocupado pela antiga sacada, a arquiteta e urbanista Miriam Runge criou um ambiente de estar, com pequeno home office, a partir da disposição de uma mesa de trabalho. O design da peça segue as linhas retas do restante do mobiliário projetado pela profissional, como o móvel que serve de apoio aos equipamentos de áudio e vídeo e o conjunto de bufê e espelho que atende o espaço do jantar.

Miriam Runge é diplomada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS, em 1993. Tem pós-graduação em Design de Mobiliário, pela UCS, em 2003. Dedicada à arquitetura de interiores residenciais e comerciais, destacam-se os projetos nas regiões do Litoral e Serra do Rio Grande do Sul. Dentre as premiações recebidas estão “Melhor Banho da Casa Cor”, pela Deca, em 2001; “Melhor projeto de uso público”, pelo Lounge de Eventos da Casa Cor 2011; e segundo lugar no “Melhor Projeto de Casa Cor”, pelo Studio Lazer & Hobby, na edição 2012. É docente na UniRitter; na Unifra, de Santa Maria; e no IPOG, em disciplinas de pós-graduação, e ministra, junto ao IAB-RS, curso de gestão de escritório de arquitetura.

132

133


A criação deste espaço de lazer é mais que um detalhado projeto de arquitetura de interiores. A arquiteta e urbanista Sandra Nara Kury Berthier teve de ampliar a área existente a partir de uma complexa intervenção na estrutura da casa, implantada em um terreno em aclive, em Porto Alegre. A decisão tomada pela profissional foi escavar o terreno sob a edificação. “Um projeto bastante arriscado, que exigiu um minucioso cálculo estrutural e estudo das condicionantes do terreno”, enfatiza Sandra.

Arquiteta e urbanista

Uma empresa especializada foi contratada para a execução da obra. No total, 164 caçambas de terra foram retiradas do local ao mesmo tempo em que eram feitas as sustentações da casa com colunas e vigas de ferro. A solução garantiu 90 m2 de área para disposição de ambientes específicos para home theater, adega e cozinha gourmet, além de lavabo e despensa. O jovem casal de moradores recebe, frequentemente, um grande número de amigos em casa. Por isso, solicitaram a criação de um espaço de lazer amplo e integrado. Apenas a cozinha e a churrasqueira não poderiam estar interligadas, pois os clientes queriam ambientes independentes para cozinhar. A utilização de madeiras nobres e uma mesa de jantar para doze pessoas foram outras exigências. A madeira natural é o material mais evidente – ela reveste as colunas de aço e a parede que protege visualmente a entrada do lavabo. Uma cortina d´água sobre um pano de vidro setoriza os espaços da adega e o do home theater. As paredes de sustentação limítrofes da casa foram mantidas, e algumas não foram rebocadas a fim de preservar a natureza do material e ainda trazer maior aconchego ao ambiente. Com esse mesmo objetivo, desenvolveu o projeto luminotécnico com o emprego de vários tipos de lâmpadas e acendimentos diferenciados. O mobiliário foi projetado por Sandra, com destaque para o móvel que abriga a TV. “Com pintura automotiva, seus módulos retangulares alternam portas e nichos em um jogo de volumes bastante interessante”, detalha a profissional. A mesa de centro, de ipê gaúcho, também é modular, com gavetas nas laterais. Poltronas na cor vinho e pufes com tecidos listrados rompem com a monocromia.

Rua Primeiro de Janeiro, 150 - Porto Alegre / RS (51) 3557.1021 / 9950.7065 snkb@terra.com.br www.facebook.com/sandraberthier.arquitetura apoio: Pires Weschenfelder Construções fotografia: Eduardo Liotti

134

135


Para atender à necessidade dos clientes, Sandra projetou uma ampla mesa de jantar, em madeira de demolição cabriúva, com dimensões de 4,00m x 1,10m. A peça foi disposta entre a cozinha e o espaço da churrasqueira, para atender a todas as ocasiões. Na cozinha, o mobiliário recebeu acabamento amadeirado e bancadas em granito branco marfim. As vigas reveladas a partir da intervenção realizada foram recobertas pelo detalhado projeto de forro, em gesso.

Formada em Arquitetura e Urbanismo em 1993 pela UniRitter, Sandra Berthier é Pós-graduada em Arquitetura de Interiores Comercial e Residencial. Atua com mais destaque nas áreas de arquitetura civil e de interiores. Tem como filosofia de trabalho “traduzir os desejos, realizar os sonhos e superar as expectativas dos clientes”. Sandra foi diretora de eventos da AAI Brasil/RS entre os anos de 2008 e 2011.

136

137


A ansiedade do casal aumentava a medida que o elevador se aproximava do 180 andar do edifício, no Centro Histórico de Porto Alegre. Quase no topo da edificação, o apartamento que visitariam só poderia apresentar uma bela vista da cidade. Ao abrirem a porta, suas expectativas foram confirmadas: o lago Guaíba, o cais do porto e diversos prédios históricos podiam ser deslumbrados em quase todos os ambientes. A paixão foi imediata e a aquisição do imóvel logo foi decidida. Estavam cientes de que precisariam executar muitas obras, considerando o estado de conservação do apartamento, com meio século de existência. No entanto, como atuava há anos no setor da construção civil, o empresário reconheceu o potencial do que seria o novo lar da família. O projeto de arquitetura de interiores ficou a cargo da equipe da arquiteta e urbanista Tania Bertolucci Delduque de Souza, recomendada por uma amiga do casal, cliente da profissional.“Desenvolvemos um projeto que homenageia a cidade, permitindo que a vista maravilhosa seja alcançada de todos os espaços do apartamento”, resume Tania. Além da modernização de todas as instalações elétricas e hidrossanitárias, dos revestimentos e das esquadrias, paredes foram derrubadas e grandes circulações foram extintas para ampliar os espaços e potencializar o visual. O terceiro dormitório foi transformado em closet e escritório, e integrado à suíte máster. Portas de correr inseridas em painéis de madeira laqueada permitem o isolamento dos ambientes. A cozinha recebeu bancada com tampo de madeira de demolição e bancos altos para melhor acesso à janela, a qual ganhou vidros transparentes e cortina em tela solar. Para manter a coerência do projeto, as duas paredes revestidas com patchwork de azulejos usaram peças antigas, garimpadas nos “cemitérios” de cerâmicas e cuidadosamente selecionados pelos clientes para garantir a unidade de cores e tamanhos. Para o mobiliário, melaminas amadeirada e branca ou vidro branco, em função da resistência desses materiais. Em relação às cores, a preferência foi por um tom fendi claro. “Os revestimentos deveriam ser coadjuvantes do ator principal: as visuais da cidade”, reforça Tania.

Arquiteta e urbanista 138

Av. Taquara 586 / 602 - Porto Alegre / RS (51) 3333.3061 arquitetos@tania.arq.br www.tania.arq.br www.facebook.com/arquitetura.taniabertolucci apoio: D’ KAZA Móveis fotografia: Carlos Edler

139


Como o casal possui dois cachorros, todos os materiais utilizados deveriam ter características de fácil manutenção e resistência aos animais. Por isso, a arquiteta escolheu porcelanato natural para toda área social e copa/cozinha, e piso de PVC para os dormitórios e escritório. Na cozinha foi criado um painel de fotos de Porto Alegre justamente para homenagear e declarar o amor do casal à cidade, que passou a fazer parte da ambientação do apartamento. “Os clientes queriam apreciar os prédios históricos durante o café da manhã, na cozinha, e dormir sob a luz da lua, refletida no Guaíba”, conta Tania.

Atualização constante e reciclagem de ideias conduzem a carreira de Tânia Bertolucci Delduque de Souza. Formada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS em 1977, seu escritório é voltado para arquitetura de interiores nos segmentos residencial, comercial e corporativo. Em 2007, seu espaço na mostra Casa & Cia foi escolhido o “Melhor Ambiente” - dormitórios e closet – do evento. “Projetamos diversos consultórios médicos, psiquiátricos e odontológicos, além de muitos escritórios dentro e fora do Estado”, detalha a profissional.

140

141


Arquiteta e urbanista A cor branca forma a base do espaço social deste apartamento em Porto Alegre, reforçando a integração dos ambientes do estar com o de home theater e o do jantar. Cada um, no entanto, foi personalizado a partir da especificação de tecidos e papéis de parede diferenciados. Essa foi a proposta adotada pela arquiteta e urbanista Zaira Tirelli no projeto de arquitetura de interiores do imóvel de um jovem casal, estabelecendo um evidente contraste entre os ambientes. Todas as paredes foram cobertas por tecidos, papéis ou painéis de marcenaria, esses com negativos e molduras e acabamento em laca branca. O estilo clássico predomina, mas alguns elementos conferem caráter contemporâneo à composição, como a mesa de jantar em aço inox e tampo de vidro, a luminária de piso de design moderno, o colorido dos tecidos e o vidro diamond preto com mosaicos geométricos facetados utilizado no home theater. No projeto desse ambiente, o tratamento deveria ser o “de cinema”, com a implantação de sistemas de automação e tecnologias de som e imagem de alto desempenho. O desafio de Zaira foi implementar tais sistemas sem alterar os forros de gesso existentes. “Ou seja, o mínimo de intervenção”, complementa, reforçando o pedido expresso dos clientes. Nas modificações de layout, Zaira integrou o ambiente utilizado como escritório e a área da churrasqueira, transformada em um minipub, com ampla sacada aberta e paisagismo diferenciado. A profissional também qualificou o estar social e o estar com lareira, contíguos. Os espaços foram preparados para o casal reunir os amigos e familiares. “Integrado aos demais ambientes de estar, o home theater transformou-se em uma pequena ‘célula’ com o máximo de acomodações para a família”, diz a arquiteta. No conjunto do jantar, Zaira substituiu as cadeiras das cabeceiras por pufes e preferiu utilizar uma bombê no lugar do tradicional aparador, para garantir áreas adequadas para circulação. Tapetes persas, espelhos e selecionados objetos decorativos completam a composição. A cristaleira foi embutida no móvel projetado para abrigar a despensa em um amplo corredor adjacente, que liga o espaço do jantar à cozinha. A solução conferiu leveza à estrutura.

Av. Taquara, 446 / 202 e 204 - Porto Alegre / RS (51) 9963.4140 zaira@tirelli.arq.br www.tirelliarquitetura.arq.br www.facebook.com/zaira.tirelli fotografia: Eduardo Liotti

142

143


A pedido dos clientes, a arquiteta e urbanista Zaira Tirelli adotou o estilo clássico na composição dos ambientes. A decisão fica evidenciada pela adoção da cor branca, pela utilização de espelhos e elementos em cristais, e pela llinha tradicional do detalhamento da marcenaria, para os painéis, projetados para revestirem a maior parte das paredes da área social. A iluminação foi projetada para permitir opções, com destaque para as fitas de LED inseridas junto ao espelho, no jantar, e na cristaleira.

Voltada para a arquitetura de interiores comercial e edificação focada na construção de grandes marcas e sua identidade arquitetônica, a trajetória profissional de Zaira Tirelli começou em 1991, quando se formou em Arquitetura e Urbanismo na UFRGS, onde também obteve título de especialização. Coordena em seu escritório, junto com o filho, uma equipe de arquitetos e urbanistas, designers de marcas e superfícies, programadores para sites e revistas eletrônicas e consultores de negócios. Nesses 20 anos de atuação, contabiliza diversos projetos desenvolvidos e implantados em diversos estados brasileiros e no exterior

144

145


SOFTWARES

TAMPOS E SUPERFÍCIES

TAPETES

VIDROS

TOLDOS

PUXADORES

REFORMAS

MÓVEIS - PEÇAS E ACESSÓRIOS

PISCINAS

PISOS

MÁRMORES E GRANITOS

DIVISÓRIAS E FORROS

CORRIMÃO

MÓVEIS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MÓVEIS

ESTOFADOS

CORTINAS E PERSIANAS

ACABAMENTOS

MÓVEIS PARA ESCRITÓRIOS

FERRAGENS

ILUMINAÇÃO

MARCENARIAS

AR CONDICIONADO

AUTOMAÇÃO

BANHEIROS - ARTIGOS

PRODUTOS & SERVIÇOS


E M R E V I S TA


E M R E V I S TA

www.aaibrasilrs.com.br

Profile for Santa Editora

AAI em revista 2014 - arquitetos  

Edição n11 do anuário da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil - seção Rio Grande do Sul. A jornalista Letícia Wilson é uma das i...

AAI em revista 2014 - arquitetos  

Edição n11 do anuário da Associação de Arquitetos de Interiores do Brasil - seção Rio Grande do Sul. A jornalista Letícia Wilson é uma das i...

Advertisement