Page 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA

FICHA DE AVALIAÇÃO SUPLEMENTAR – 8º ano (assinatura do professor)

Junho 2013

(avaliação)

Nome: _____________________________________________________________ N.º _____ Turma: ______

I Das afirmações abaixo apresentadas, distingue as verdadeiras (V) das falsas (F). Atenção: Deverás assinalar, no mínimo, três de cada. [ [

] O verbete de enciclopédia é composto por dois elementos: a entrada e o artigo. ] O verbete de enciclopédia é composto por três elementos: o título a entrada e o artigo. [ ] Num verbete de enciclopédia, o artigo corresponde à informação disponibilizada para cada entrada. [ ] Num verbete de enciclopédia, o artigo corresponde às questões “Quem?” e “O quê?”. [ ] A reportagem é geralmente assinada pelo seu autor. [ ] A reportagem nunca é assinada pelo seu autor. [ ] A reportagem apresenta uma linguagem subjetiva, evidenciando as opiniões do seu autor. [ ] A reportagem apresenta uma linguagem objetiva, não evidenciando as opiniões do seu autor. [ ] A imagem e o slogan são elementos essenciais de um anúncio publicitário. [ ] A imagem e o slogan são elementos secundários de um anúncio publicitário. [ ] A notícia, a reportagem e a crónica são textos que pertencem ao protótipo narrativo. [ ] A notícia, a reportagem e a crónica são textos que pertencem ao protótipo argumentativo. [ ] Uma notícia deve ser uma narração ordenada, objetiva e sem comentários. [ ] Uma notícia deve ser uma narração ordenada, subjetiva e com comentários. [ ] O lead corresponde ao primeiro parágrafo de uma notícia. [ ] O lead corresponde ao desenvolvimento de uma notícia. [ ] O lead de uma notícia deve responder às questões “Quem?”, “O quê”, “Onde?” e “Quando?”. [ ] O lead de uma notícia deve responder às questões “Como?” e “Porquê?”. [ ] Numa notícia, as informações são dadas segundo a técnica da pirâmide invertida. [ ] Numa notícia, as informações são dadas iniciando-se pelo menos importante. [ ] Geralmente, as notícias não são assinadas pelos seus autores. [ ] Geralmente, as notícias são assinadas pelos seus autores. [ ] A linguagem de uma notícia é essencialmente objetiva. [ ] A linguagem de uma notícia é essencialmente subjetiva. [ ] O artigo de apreciação crítica é um texto que expõe a opinião de quem o assina. [ ] O artigo de apreciação crítica é um texto que apenas expõe factos objetivos. [ ] No artigo de apreciação crítica, o seu autor inicia geralmente por uma breve apresentação do objeto da crítica (facto/acontecimento/produto cultural, etc.). [ ] No artigo de apreciação crítica, o seu autor inicia geralmente pelos argumentos. [ ] No artigo de apreciação crítica, o seu autor apresenta os argumentos que permitem fundamentar as opiniões emitidas. [ ] No artigo de apreciação crítica, o seu autor nunca apresenta argumentos. [ ] O artigo de apreciação crítica é geralmente escrito na terceira pessoa gramatical, com os verbos no presente do indicativo. [ ] O artigo de apreciação crítica é geralmente escrito na primeira pessoa gramatical, com os verbos no presente do indicativo. [ ] No âmbito dos media, os artigos científicos e técnicos, pelo caráter heterogéneo do público a que se destinam, adquirem uma configuração mais informativa e didática. [ ] No âmbito dos media, os artigos científicos e técnicos, pelo caráter homogéneo do público a que se destinam, adquirem uma configuração mais informativa e didática. [ ] O entrevistador deve evitar influenciar as respostas do entrevistado. [ ] O entrevistador deve influenciar as respostas do entrevistado. [ ] É necessário adequar as perguntas ao entrevistado (personalidade, nível etário, nível sociocultural...) e à situação (momento e lugar). [ ] Não se deve adequar as perguntas ao entrevistado. [ ] O nome corresponde a seres, objetos ou outras entidades que sabemos que existem. [ ] O nome serve para caracterizar seres, objetos ou outras entidades que sabemos que existem. [ ] Um nome pode ser comum ou próprio. [ ] Um nome pode ser comum ou incomum. [ ] O nome comum pode ser coletivo ou não, contável ou não contável.


[ ] O nome comum é sempre contável. [ ] O adjetivo atribui uma característica/propriedade a um nome ou indica a ordem em que este se encontra em relação a outros nomes. [ ] O adjetivo atribui uma característica/propriedade a um verbo. [ ] O adjetivo relacional geralmente não aceita flexão em grau ou ser colocado antes do nome e não tem antónimo. [ ] O adjetivo relacional aceita flexão em grau e tem antónimo. [ ] O adjetivo numeral indica a ordem em que se encontra um nome em relação a outros nomes. [ ] O adjetivo numeral dá-nos informações sobre a quantidade. [ ] O verbo conjuga-se, isto é, flexiona-se, por exemplo, em modo, tempo, pessoa e número. [ ] O verbo conjuga-se, isto é, flexiona-se, por exemplo, em grau. [ ] Quanto à subclasse do verbo, existem verbos copulativos, principais e auxiliares. [ ] Quanto à subclasse do verbo, existe, por exemplo, os modos indicativo e conjuntivo. [ ] Um verbo principal transitivo pode ser direto, indireto ou ainda direto e indireto em simultâneo. [ ] Um verbo principal transitivo nunca pode ser direto e indireto em simultâneo. [ ] O verbo transitivo direto seleciona (exige) um complemento direto. [ ] O verbo transitivo direto seleciona (exige) um complemento oblíquo. [ ] Um verbo impessoal ou defetivo é um verbo cujo sujeito é inexistente. [ ] Um verbo impessoal ou defetivo é um verbo cujo sujeito se desconhece. [ ] Os verbos auxiliares acompanham verbos principais ou verbos copulativos, formando com eles complexos verbais. [ ] Os verbos auxiliares só acompanham verbos principais. [ ] O determinante acompanha e determina o nome, com o qual concorda em género e número. [ ] O determinante substitui o nome. [ ] O pronome pode substituir um nome, um adjetivo ou uma oração. [ ] O pronome substitui sempre um nome. [ ] Há pronomes possessivos, indefinidos, demonstrativos, interrogativos, pessoais e relativos. [ ] Há pronomes possessivos, definidos, demonstrativos, interrogativos, pessoais e relativos. [ ] O quantificador diferencia-se do determinante por apresentar informações sobre quantidade ou número. [ ] O quantificador diferencia-se do determinante por apresentar informações relativas à ordem. [ ] O quantificador pode ser numeral, interrogativo, existencial ou universal. [ ] O quantificador pode ser numeral, relacional, existencial ou universal. [ ] A preposição, a interjeição, a conjunção e o advérbio são classes de palavras invariáveis. [ ] A preposição, a interjeição, a conjunção e o advérbio são classes de palavras variáveis. [ ] A preposição e a conjunção têm a função de ligar elementos de uma frase. [ ] A preposição e a conjunção têm a função de modificar o sentido de elementos de uma frase. [ ] A preposição é a única classe de palavras que permite ligar umverbo a um nome ou grupo nominal. [ ] A conjunção é a única classe de palavras que permite ligar umverbo a um nome ou grupo nominal. [ ] A interjeição serve para expressar emoções, sentimentos ou sensações e encontra-se sempre separada do resto da frase por um sinal de pontuação. [ ] A interjeição serve para modificar os elementos de uma frase. [ ] O advérbio modifica a frase ou elementos da frase – geralmente, a frase continua com sentido se o eliminarmos. [ ] O advérbio serve para ligar elementos de uma frase. [ ] O sujeito é sempre o elemento da frase do qual se diz alguma coisa (do qual se fala). [ ] O sujeito é tudo o que se diz sobre o predicado. [ ] O sujeito pode ser simples, composto ou nulo. [ ] O sujeito pode ser simples, composto ou duplo. [ ] O predicado corresponde a tudo o que se diz do sujeito. [ ] O predicado corresponde a tudo o que se diz do complemento direto. [ ] Podemos identificar os elementos que compõem o predicado, “colocando questões” ao verbo. [ ] Podemos identificar o modificador de frase, “colocando questões” ao verbo. [ ] O complemento direto é o elemento da frase que sofre a ação mencionada pelo verbo e responde às questões “Quem?” ou “O quê?”. [ ] O complemento direto é o elemento da frase que sofre a ação mencionada pelo verbo e responde às questões “A quem?” ou “O quê?”. [ ] O modificador do grupo verbal pode ser um grupo adverbial, um grupo preposicional ou uma oração. [ ] O modificador do grupo verbal pode ser um adjetivo. [ ] O complemento agente da passiva é o elemento da voz passiva que pratica a ação e responde geralmente à questão “Por quem?”. [ ] O complemento agente da passiva é o elemento da voz passiva que sofre a ação e responde geralmente à questão “Por quem?”. [ ] O vocativo é o elemento da frase, separado por vírgulas dos outros elementos, que corresponde a um chamamento. [ ] O vocativo é o elemento da frase que dá informações sobre o tempo, o modo e o lugar.


[ ] O modificador da frase é o elemento que, não pertencendo ao predicado, fornece informações sobre o modo como o falante encara aquilo que diz (opinião, ponto de vista) ou sobre o domínio ou a área do saber a que se refere o enunciado. [ ] O modificador da frase é o elemento que, pertencendo ao predicado, fornece informações sobre o modo como o falante encara aquilo que diz (opinião, ponto de vista) ou sobre o domínio ou a área do saber a que se refere o enunciado. [ ] O modificador do nome pode ser apositivo ou restritivo. [ ] O modificador do nome pode ser regular ou irregular. [ ] A prefixação consiste na associação de um prefixo antes de uma forma de base. [ ] A prefixação consiste na associação de um sufixo antes de uma forma de base. [ ] A sufixação consiste na associação de um sufixo a seguir a uma forma de base. [ ] A sufixação consiste na associação de um sufixo antes de uma forma de base. [ ] A prefixação e sufixação consiste na associação de um prefixo e de um sufixo a uma forma de base. É possível associar ou retirar apenas um dos afixos, originando palavras com sentido. [ ] A prefixação e sufixação consiste na associação de um prefixo e de um sufixo a uma forma de base. Não é possível associar ou retirar apenas um dos afixos, originando palavras com sentido. [ ] A derivação não afixal consiste na criação de nomes a partir de um radical verbal. [ ] A derivação não afixal consiste na criação de nomes a partir de um radical nominal. [ ] A composição morfológica consiste na associação de um ou mais radicais ou associação de um ou mais radicais e de uma palavra. A associação é feita, geralmente, através de uma vogal de ligação (-i- ou -o-). [ ] A composição morfológica consiste na associação de duas palavras. A associação é feita, geralmente, através de uma vogal de ligação (i- ou -o-). [ ] Uma sigla é uma palavra formada pelas letras iniciais de um conjunto de palavras e que se pronuncia segundo a designação de cada letra. [ ] Uma sigla é uma palavra formada pelas letras iniciais de um conjunto de palavras e que se pronuncia como uma palavra. [ ] O acrónimo é uma palavra formada a partir da união de uma ou mais letras ou de sílabas iniciais de um grupo de palavras. É pronunciada como uma única palavra. [ ] O acrónimo é uma palavra formada a partir da união de uma ou mais letras ou de sílabas iniciais de um grupo de palavras. É pronunciada letra a letra. [ ] A onomatopeia é uma palavra formada com o objetivo de reproduzir um som natural ou produzido tecnicamente. [ ] A onomatopeia é uma palavra formada a partir de um verbo. [ ] Um empréstimo consiste na importação de palavras de outras línguas. [ ] Um empréstimo consiste na mudança de classe de uma palavra. [ ] A truncação consiste na criação de uma nova palavra, omitindo parte da palavra da qual deriva. [ ] A truncação consiste na criação de uma nova palavra, através da junção de duas palavras. [ ] As orações coordenadas mantêm entre si uma certa autonomia. [ ] As orações coordenadas mantêm entre si uma relação de subordinação. [ ] As orações coordenadas copulativas expressam ligação ou adição de afirmações. [ ] As orações coordenadas copulativas expressam oposição entre afirmações. [ ] Uma oração coordenada adversativa estabelece uma oposição (contraste) em relação ao que é afirmado na oração anterior. [ ] Uma oração coordenada adversativa estabelece uma ideia de adição entre duas orações. [ ] As orações coordenadas disjuntivas estabelecem uma alternância ou alternativa entre si. [ ] As orações coordenadas disjuntivas estabelecem uma ideia de ligação entre afirmações. [ ] Uma oração coordenada conclusiva indica uma conclusão a partir do conteúdo da primeira oração. [ ] Uma oração coordenada conclusiva indica uma explicação relativamente ao conteúdo da primeira oração. [ ] Uma oração subordinada adverbial causal surge como a causa do que é referido na oração a que está ligada. [ ] Uma oração subordinada adverbial causal surge como consequência do que é referido na oração a que está ligada. [ ] Uma oração subordinada adverbial comparativa estabelece uma comparação relativamente ao que é dito na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial comparativa estabelece uma conclusão relativamente ao que é dito na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial condicional exprime uma condição ou hipótese relativamente à oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial condicional exprime uma finalidade relativamente à oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial consecutiva surge como uma consequência do que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial consecutiva surge como uma condição relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial final surge como uma finalidade relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial final surge como uma conclusão relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] No texto narrativo, podemos encontrar narração, descrição, diálogos e monólogos. [ ] No texto narrativo, encontramos sempre narração, descrição, diálogos e monólogos. [ ] A narração corresponde a um relato de ações e acontecimentos reais ou imaginários. [ ] A narração corresponde a uma descrição do espaço onde decorre a ação.


[ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [

] A descrição consiste na caracterização, com algum pormenor, de objetos, ambientes, pessoas ou personagens. ] A descrição consiste na apresentação de uma opinião com argumentos. ] O monólogo é a reprodução do pensamento de uma personagem ou, eventualmente, da sua fala consigo própria. ] O monólogo é um diálogo com mais de três personagens. ] O texto narrativo tem uma extensão muito variável. ] O texto narrativo tem sempre uma grande extensão. ] A acção consiste nos acontecimentos produzidos ou sofridos pelas personagens. ] A acção fechada revela-nos o destino das personagens. ] A acção fechada não nos revela o destino das personagens. ] A acção é constituída por sequências de acontecimentos. ] A acção é constituída por diálogos e descrições. ] A ação principal é constituída pelos acontecimentos mais relevantes. ] A ação principal é constituída pelos acontecimentos menos relevantes. ] A ação secundária é constituída pelos acontecimentos menos relevantes. ] A ação secundária é constituída pelos acontecimentos mais relevantes. ] As sequências narrativas podem ser organizadas por encadeamento, alternância ou encaixe. ] As sequências narrativas podem ser organizadas por encadeamento, alternância ou coordenação. ] Existe encaixe quando uma ou mais sequências narrativas surgem inseridas noutra sequência. ] Existe encaixe quando as sequências narrativas são apresentadas alternadamente. ] O narrador pode ser uma personagem. ] O narrador é sempre uma personagem. ] Quanto à presença, o narrador pode ser autodiegético, homodiegético ou heterodiegético. ] Quanto à presença, o narrador pode ser objetivo ou subjetivo. ] Quanto à presença, o narrador autodiegético participa na história como personagem principal. ] Quanto à presença, o narrador autodiegético participa na história como personagem secundária. ] Quanto à presença, o narrador heterodiegético não participa na história que narra. ] Quanto à presença, o narrador heterodiegético participa na história que narra. ] Quanto ao ponto de vista, o narrador subjetivo apresenta os factos de forma parcial, expressando o seu ponto de vista. ] Quanto ao ponto de vista, o narrador objetivo apresenta os factos de forma parcial, expressando o seu ponto de vista. ] Quanto ao relevo, a personagem pode ser principal (protagonista), secundária ou figurante. ] Quanto ao relevo, a personagem pode ser redonda ou plana. ] A personagem principal é aquela que desempenha o papel central da ação e em torno de quem giram os acontecimentos. ] A personagem principal é aquela que nunca se relaciona com as personagens secundárias. ] O figurante é uma personagem normalmente irrelevante para o desenrolar da ação, mas importante como elemento

caracterizador do espaço social. [ ] O figurante é uma personagem essencial para o desenrolar da ação, mas importante como elemento caracterizador do espaço social. [ ] A personagem redonda (ou modelada) revela densidade psicológica, isto é, revela-se capaz de alterar o seu comportamento e os seus sentimentos ao longo da narrativa. [ ] A personagem redonda (ou modelada) não revela densidade psicológica, isto é, revela-se capaz de alterar o seu comportamento e os seus sentimentos ao longo da narrativa. [ ] As personagens podem ser caracterizadas direta e/ou indiretamente. [ ] As personagens só podem ser caracterizadas indiretamente. [ ] Na caracterização direta, as características de uma personagem são fornecidas por si próprio ou por outra personagem. [ ] Na caracterização direta, as características de uma personagem são fornecidas pelo seu comportamento. [ ] Na caracterização indireta, as características de uma personagem são deduzidas pelo leitor, a partir das suas atitudes, comportamentos, gestos, falas... [ ] Na caracterização direta, as características de uma personagem são deduzidas pelo leitor, a partir das suas atitudes, comportamentos, gestos, falas... [ ] O espaço físico é constituído pelo conjunto de locais onde decorre a acção. [ ] O espaço físico corresponde ao conjunto de características físicas do protagonista. [ ] As atitudes das personagens são, geralmente, condicionadas pelo espaço social. [ ] As atitudes das personagens nunca são condicionadas pelo espaço social. [ ] Numa narrativa, podemos distinguir diferentes tipos de tempo. [ ] Numa narrativa, referimo-nos sempre a um único tempo.


[

] O tempo histórico é o referente histórico que serve de enquadramento à ação, isto é, refere-se à época em que a ação tem

lugar.

[ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [

] O tempo histórico corresponde à ordem pela qual os acontecimentos são narrados. ] O tempo do discurso corresponde à ordem pela qual os acontecimentos são narrados. ] O tempo do discurso corresponde é o referente histórico que serve de enquadramento à ação. ] O tempo do discurso pode não ser linear, isto é, pode sofrer prolepses, analepses, elipses e resumos. ] O tempo do discurso é sempre linear. ] O texto poético tem essencialmente uma intenção estética. ] O texto poético tem essencialmente uma intenção informativa. ] O ritmo de um poema depende essencialmente do número de sílabas métricas dos versos e da sua acentuação. ] O ritmo de um poema depende essencialmente do número de estrofes. ] As estrofes classificam-se em função do número de versos que as compõem. ] As estrofes classificam-se em função do número de sílabas que as compõem. ] Uma estrofe de dois versos designa-se por dístico. ] Uma estrofe de dois versos designa-se por terceto. ] Uma estrofe de três versos designa-se por terceto. ] Uma estrofe de três versos designa-se por quintilha. ] Uma estrofe de quatro versos designa-se por quadra. ] Uma estrofe de quatro versos designa-se por quadrado. ] Uma estrofe de cinco versos designa-se por quintilha. ] Uma estrofe de cinco versos designa-se por pentassílabo. ] Uma estrofe de sete versos designa-se por sétima. ] Uma estrofe de sete versos designa-se por heptassílabo. ] Uma estrofe de oito versos designa-se por oitava. ] Uma estrofe de oito versos designa-se por terceto. ] Uma estrofe de nove versos designa-se por nona. ] Uma estrofe de nove versos designa-se por eneassílabo. ] Uma estrofe de dez versos designa-se por décima. ] Uma estrofe de dez versos designa-se por decassílabo. ] Uma estrofe com mais de dez versos designa-se pelo número de versos que tiver. ] Uma estrofe com mais de dez versos designa-se pelo número de sílabas que tiver. ] Dizemos que há rima perfeita (ou soante) quando a correspondência de sons é total a partir da vogal tónica da última palavra. ] Dizemos que há rima perfeita (ou soante) quando a correspondência de sons entre dois versos não é total. ] Dizemos que há rima imperfeita (ou toante), quando a correspondência de sons entre dois versos não é total. ] Dizemos que há rima imperfeita (ou toante), quando a correspondência de sons é total a partir da vogal tónica da última palavra. ] Existem diferentes tipos de rima, mas a cruzada, a interpolada e a emparelhada são as mais frequentes. ] Existem diferentes tipos de rima, sendo a encadeada a mais frequente. ] Existe rima cruzada quando os versos rimam intercaladamente (encontram-se separados por um verso de rima diferente), geralmente

segundo o esquema rimático ABAB. [ ] Existe rima cruzada quando os versos rimam intercaladamente (encontram-se separados por um verso de rima diferente), geralmente segundo o esquema rimático ABBA. [ ] Quando os versos de uma estrofe têm a mesma rima, designam-se por monorrimos. [ ] Quando os versos de uma estrofe têm a mesma rima, designam-se por monossilábicos. [ ] Os versos que não rimam com outros designam-se por versos brancos ou soltos. [ ] Os versos que não rimam com outros designam-se por versos perdidos [ ] As contagem das sílabas métricas faz-se até à sílaba tónica da última palavra do verso. [ ] As contagem das sílabas métricas faz-se sempre até à última sílaba da última palavra do verso. [ ] Um verso de uma sílaba métrica designa-se por monossílabo. [ ] Um verso de uma sílaba métrica designa-se por monóstico. [ ] Um verso de duas sílabas métricas designa-se por dissílabo. [ ] Um verso de duas sílabas métricas designa-se por dístico. [ ] Um verso de três sílabas métricas designa-se por trissílabo. [ ] Um verso de três sílabas métricas designa-se por terceto. [ ] Um verso de cinco sílabas métricas designa-se por pentassílabo ou redondilha menor. [ ] Um verso de cinco sílabas métricas designa-se por redondilha maior.


[ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [ [

] Um verso de seis sílabas métricas designa-se por hexassílabo ou heroico quebrado. ] Um verso de seis sílabas métricas designa-se por sextilha. ] Um verso de oito sílabas métricas designa-se por octossílabo. ] Um verso de oito sílabas métricas designa-se por oitava. ] Um verso de nove sílabas métricas designa-se por eneassílabo. ] Um verso de nove sílabas métricas designa-se por hendecassílabo. ] Um verso de onze sílabas métricas designa-se por hendecassílabo. ] Um verso de onze sílabas métricas designa-se por eneassílabo. ] Um verso de doze sílabas métricas designa-se por dodecassílabo ou alexandrino. ] Um verso de doze sílabas métricas designa-se por dodecassílabo ou heroico quebrado. ] O soneto é uma composição poética composta por catorze versos, duas quadras e dois tercetos. ] O soneto é uma composição poética composta por catorze versos, duas quadras e dois dísticos. ] Os versos do soneto são geralmente decassilábicos. ] Os versos do soneto são geralmente dodecassilábicos. ] As quadras do soneto apresentam geralmente os esquemas rimáticos ABBA ou ABAB.

[ ] As quadras do soneto apresentam geralmente os esquemas rimáticos ABBA ou CDDC.

NÍVEL 4 [ ] A reportagem pode incluir “caixas”, onde se abordam assuntos complementares. [ ] A reportagem pode incluir “caixas”, onde se colocam as entrevistas. [ ] Numa reportagem, a entrada corresponde ao 1.º parágrafo, onde se apresenta um apontamento impressivo do sentido do texto. [ ] Numa reportagem, a entrada corresponde ao desenvolvimento, onde se apresenta um apontamento impressivo do sentido do texto. [ ] Os artigos científicos e técnicos pertencem ao protótipo explicativo (expositivo-explicativo). [ ] Os artigos científicos e técnicos pertencem ao protótipo conversacional. [ ] Uma notícia é a narração oral ou escrita de uma situação ou um acontecimento verdadeiro e atual. [ ] Uma notícia é a narração oral ou escrita de uma situação ou um acontecimento verdadeiro ou fictício. [ ] O título de uma notícia deve levar o recetor a interessar-se pelo conteúdo da notícia. [ ] O título de uma notícia não pode revelar o conteúdo da mesma. [ ] No corpo da notícia, encontramos geralmente a resposta às questões “Como?” e “Porquê?”. [ ] No corpo da notícia, encontramos geralmente a resposta às questões “Quem?”, “O quê?”“Onde?” e “Quando?”. [ ] O artigo de apreciação crítica é um texto que visa essencialmente influenciar a opinião pública sobre um determinado tema. [ ] O artigo de apreciação crítica é um texto que visa essencialmente informar. [ ] No artigo de apreciação crítica, encontramos as apreciações pessoais (avaliação) do seu autor (qualidades técnicas; aspetos mais positivos; aspetos mais negativos...). [ ] No artigo de apreciação crítica, encontramos sempre apreciações objetivas do seu autor. [ ] O artigo científico e técnico é um texto produzido por especialistas em determinadas áreas do saber – investigadores, cientistas, etc. – e tem por objetivo divulgar os resultados de estudos em matérias específicas. [ ] O artigo científico e técnico tem por objetivo influenciar. [ ] Às vezes, a pessoa a entrevistar não se escolhe pelo tema, mas por ter sido protagonista de algo que interessa conhecer. [ ] A pessoa a entrevistar escolhe-se sempre pelo tema. [ ] O nome, o adjetivo, o verbo, o determinante, o pronome e o quantificador são classes de palavras variáveis. [ ] O nome, o adjetivo, o verbo, a interjeição, o pronome e o quantificador são classes de palavras variáveis. [ ] O verbo principal pode ser transitivo ou intransitivo. [ ] O verbo auxiliar pode ser transitivo ou intransitivo. [ ] O verbo transitivo indireto seleciona (exige) um complemento indireto ou um complemento oblíquo. [ ] O verbo transitivo indireto seleciona (exige) um complemento direto ou um complemento indireto. [ ] O determinante pode ser indefinido, relativo, interrogativo, possessivo, demonstrativo, ou artigo (definido ou indefinido) [ ] O determinante pode ser indefinido, relacional, interrogativo, possessivo, demonstrativo, ou artigo (definido ou indefinido) [ ] O quantificador universal refere um valor absoluto, que representa a totalidade dos elementos de um conjunto. [ ] O quantificador universal refere um valor relativo, que representa a totalidade dos elementos de um conjunto. [ ] A conjunção liga orações ou palavras da mesma classe. [ ] A conjunção liga verbos a nomes. [ ] O advérbio de frase desempenha a função sintática de modificador de frase. [ ] O advérbio de frase desempenha a função sintática de modificador de grupo verbal.


[ ] O complemento indireto é o elemento da frase a quem é dirigida a ação mencionada pelo verbo e responde à questão “A quem?”. [ ] O complemento direto é o elemento da frase a quem é dirigida a ação mencionada pelo verbo e responde à questão “A quem?”. [ ] O modificador do grupo verbal é um elemento não selecionado (não é exigido) pelo verbo que fornece informações sobre o espaço (valor locativo), o tempo (valor temporal) e o modo (valor modal). [ ] O modificador do grupo verbal é um elemento selecionado (não é exigido) pelo verbo que fornece informações sobre o espaço (valor locativo), o tempo (valor temporal) e o modo (valor modal). [ ] O predicativo do sujeito é o elemento da frase que completa o seu sentido, atribuindo uma característica, uma propriedade ou uma localização ao sujeito. [ ] O predicativo do complementodireto é o elemento da frase que completa o seu sentido, atribuindo uma característica, uma propriedade ou uma localização ao sujeito. [ ] A parassíntese consiste na associação obrigatoriamente simultânea de um prefixo e de um sufixo a uma forma de base. Retirando um dos afixos, ficamos com uma palavra sem sentido. [ ] A parassíntese consiste na associação de duas ou mais palavras. [ ] A composição morfossintática consiste na associação de duas ou mais palavras. [ ] A composição morfossintática consiste na criação de uma nova palavra a partir da união de partes de duas ou mais palavras. [ ] A amálgama consiste na criação de uma nova palavra a partir da união de partes de duas ou mais palavras. [ ] A amálgama consiste na associação de duas ou mais palavras. [ ] Uma oração subordinada adverbial concessiva surge como uma concessão relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial concessiva surge como uma consequência relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada substantiva completiva é sujeito ou complemento de um verbo, pode ser substituída pelos pronomes “isto” ou “isso” e é geralmente introduzida pelas conjunções “que” e “se”. [ ] Uma oração subordinada adverbial condicional completiva é sujeito ou complemento de um verbo, pode ser substituída pelos pronomes “isto” ou “isso” e é geralmente introduzida pelas conjunções “que” e “se”. [ ] O diálogo corresponde a uma conversa entre personagens. [ ] O monólogo corresponde a uma conversa entre personagens. [ ] O texto narrativo é construído pela existência de personagens e de uma acção. [ ] O texto narrativo é construído pela existência de descrição e diálogos. [ ] A acção aberta não apresenta um desenlace definitivo. [ ] A acção fechada não apresenta um desenlace definitivo. [ ] Existe alternância quando duas ou mais narrativas são narradas de forma intercalada. [ ] Existe encadeamento quando duas ou mais narrativas são narradas de forma intercalada. [ ] Quanto à presença, o narrador homodiegético participa na história como personagem secundária. [ ] Quanto à presença, o narrador homodiegético participa na história como personagem principal. [ ] A personagem plana não revela densidade psicológica, comportando-se de forma previsível ao longo da narrativa. [ ] A personagem plana revela densidade psicológica, comportando-se de forma imprevisível ao longo da narrativa. [ ] O espaço social é o meio social / ambiente em que as personagens se movimentam. [ ] O espaço social é o espaço/atmosfera que evidencia e revela as reflexões e os pensamentos de uma personagem. [ ] O espaço psicológico é o espaço/atmosfera que evidencia e revela as reflexões e os pensamentos de uma personagem. [ ] O espaço psicológico é o meio social / ambiente em que as personagens se movimentam. [ ] O tempo cronológico é assinalado através de indicadores temporais. [ ] O tempo cronológico é assinalado através de indicadores espaciais. [ ] Ao tempo subjetivo, vivido pelas personagens, chama-se tempo psicológico. [ ] Ao tempo subjetivo, vivido pelas personagens, chama-se tempo do discurso. [ ] No texto poético, está presente a subjetividade e o mundo interior do sujeito poético. [ ] No texto poético, está presente a objetividade e o mundo interior do sujeito poético. [ ] No texto poético, encontramos uma linguagem denotativa e plurissignificativa. [ ] No texto poético, encontramos uma linguagem conotativa e plurissignificativa. [ ] Existe rima interpolada quando os versos rimam dois a dois (não se encontram separados por versos de rima diferente), geralmente segundo o esquema rimático AA, BB, CC. [ ] Existe rima emparelhada quando os versos rimam dois a dois (não se encontram separados por versos de rima diferente), geralmente segundo o esquema rimático AA, BB, CC. [ ] A metrificação (ou escansão) de um verso consiste na contagem das suas sílabas métricas. [ ] A metrificação (ou escansão) de um verso consiste na contagem das suas sílabas gramaticais. [ ] Um verso de sete sílabas métricas designa-se por heptassílabo ou redondilha maior. [ ] Um verso de sete sílabas métricas designa-se por heptassílabo ou redondilha menor. [ ] Um verso de dez sílabas métricas designa-se por decassílabo. [ ] Um verso de dez sílabas métricas designa-se por décima.


[ ] A “chave de ouro” de um soneto surge como uma conclusão do que foi dito nas estrofes anteriores. [ ] A “chave de ouro” de um soneto surge como uma introdução do poema.

NÍVEL 5 [ ] Num verbete de enciclopédia, a entrada corresponde à palavra ou expressão acerca da qual se fornece a informação. [ ] Num verbete de enciclopédia, a entrada corresponde à informação fornecida. [ ] Um anúncio publicitário é um texto essencialmente argumentativo. [ ] Um anúncio publicitário é um texto essencialmente informativo. [ ] Nem todos os textos comunicacionais têm a mesma intencionalidade comunicativa. [ ] Todos os textos comunicacionais têm a mesma intencionalidade comunicativa. [ ] O artigo de opinião e o artigo de apreciação crítica (ex. crítica de cinema) são textos que pertencem ao protótipo argumentativo. [ ] O artigo de opinião e o artigo de apreciação crítica (ex. crítica de cinema) são textos que pertencem ao protótipo explicativo. [ ] A entrevista pertence ao protótipo conversacional. [ ] A entrevista pertence ao protótipo argumentativo. [ ] O título de uma notícia deve ser breve, sugestivo, interessante, original e apelativo. [ ] O título de uma notícia deve dar resposta às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”. [ ] Numa notícia, as informações são dadas segundo uma ordem decrescente de importância e de interesse. [ ] Numa notícia, as informações são dadas segundo uma ordem crescente de importância e de interesse. [ ] No artigo de apreciação crítica, a linguagem deverá ser valorativa ou depreciativa, dependendo da opinião que se pretende formular (de agrado ou desagrado). [ ] No artigo de apreciação crítica, a linguagem deverá ser sempre objetiva. [ ] O questionário de uma entrevista deve ser elaborado de acordo com o tema, os objetivos da entrevista, as expectativas do entrevistador e de possíveis leitores/ouvintes. [ ] O questionário de uma entrevista deve apenas ser elaborado de acordo com o tema. [ ] Na entrevista, é hábito redigir-se uma introdução e um parágrafo final (despedida, síntese, agradecimento...). [ ] Na entrevista, não é hábito redigir-se uma introdução e um parágrafo final (despedida, síntese, agradecimento...). [ ] O adjetivo pode ser qualificativo, relacional ou numeral. [ ] O adjetivo pode ser qualificativo, universal ou numeral. [ ] Os modos da conjugação verbal são cinco: o indicativo, o conjuntivo, o imperativo, o condicional e o infinitivo. [ ] Os modos da conjugação verbal são quatro: o indicativo, o conjuntivo, o condicional e o infinitivo. [ ] O quantificador precede o nome e acrescenta informações sobre a quantidade, o número ou a parte daquilo que é designado. [ ] O quantificador precede o nome e acrescenta informações sobre o lugar, o tempo e o modo. [ ] O quantificador existencial apresenta um valor relativo, dependente do ponto de referência adotado. [ ] O quantificador universal apresenta um valor relativo, dependente do ponto de referência adotado. [ ] O advérbio de predicado exerce a função sintática de complemento oblíquo, predicativo do sujeito ou modificador do grupo verbal. [ ] O advérbio de frase exerce a função sintática de complemento oblíquo, predicativo do sujeito ou modificador do grupo verbal. [ ] O sujeito nulo pode ser indeterminado, subentendido ou expletivo (inexistente). [ ] O sujeito nulo pode ser determinado, subentendido ou composto. [ ] O complemento oblíquo é um elemento selecionado (exigido) pelo verbo desempenhado por um grupo adverbial, um grupo preposicional, ou a coordenação dos dois. [ ] O complemento oblíquo é um elemento facultativo desempenhado por um grupo adverbial, um grupo preposicional, ou a coordenação dos dois. [ ] O predicativo do complemento direto é o elemento da frase que completa o seu sentido, atribuindo uma característica ao complemento direto. [ ] O predicativo do complemento indireto é o elemento da frase que completa o seu sentido, atribuindo uma característica ao complemento direto. [ ] O modificador do nome acrescenta informações sobre o nome a que está associado. [ ] O modificador do nome acrescenta informações sobre o tempo, o modo e o lugar. [ ] A conversão (ou derivação imprópria) consiste na integração de uma palavra de uma classe ou subclasse noutra diferente, sem que haja alteração na sua forma. [ ] A conversão (ou derivação imprópria) consiste na atribuição de um novo significado a uma palavra já existente. [ ] A extensão semântica consiste na atribuição de um novo significado a uma palavra já existente. [ ] A extensão semântica consiste na integração de uma palavra de uma classe ou subclasse noutra diferente, sem que haja alteração na sua forma. [ ] Uma oração coordenada explicativa apresenta uma justificação em relação ao que é afirmado na oração a que está ligada. [ ] Uma oração coordenada explicativa apresenta uma conclusão em relação ao que é afirmado na oração a que está ligada.


[ ] Uma oração subordinada adverbial temporal exprime uma ideia de tempo relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] Uma oração subordinada adverbial temporal exprime uma ideia de finalidade relativamente ao que é referido na oração subordinante. [ ] O relato de acontecimentos caracteriza o texto narrativo. [ ] O relato de acontecimentos caracteriza o texto descritivo. [ ] A acção pressupõe a existência de uma situação inicial, peripécias e um desenlace. [ ] A acção pressupõe a existência de figurantes. [ ] Existe encadeamento das sequências narrativas quando estas surgem ordenadas temporalmente. [ ] Existe alternância das sequências narrativas quando estas surgem ordenadas temporalmente. [ ] Quanto ao ponto de vista, o narrador objetivo apresenta os factos de forma imparcial. [ ] Quanto ao ponto de vista, o narrador pode ser participante ou não participante. [ ] A personagem secundária assume um papel de menor importância que o do protagonista, com quem interage (enquanto adjuvante, oponente, etc.) [ ] O figurante assume um papel de menor importância que o do protagonista, com quem interage (enquanto adjuvante, oponente, etc.) [ ] Quanto à composição, uma personagem pode ser redonda, plana ou tipo. [ ] Quanto ao relevo, uma personagem pode ser redonda, plana ou tipo. [ ] A personagem-tipo representa um grupo social ou profissional. [ ] A personagem secundária representa um grupo social ou profissional. [ ] O espaço social serve, muitas vezes, uma intenção crítica [ ] O espaço psicológico serve, muitas vezes, uma intenção crítica. [ ] O tempo cronológico (ou da história) corresponde à sucessão cronológica (temporal) dos acontecimentos. [ ] O tempo cronológico (ou da história) não corresponde à sucessão cronológica (temporal) dos acontecimentos. [ ] O tempo psicológico corresponde à forma como as personagens sentem a passagem do tempo. [ ] O tempo psicológico corresponde corresponde à sucessão cronológica (temporal) dos acontecimentos. [ ] Uma estrofe de um verso designa-se por monóstico. [ ] Uma estrofe de um verso designa-se por monossílabo. [ ] Uma estrofe de seis versos designa-se por sextilha. [ ] Uma estrofe de seis versos designa-se por hexassílabo. [ ] A rima corresponde a uma (maior ou menor) correspondência de sons entre dois versos. [ ] A rima corresponde sempre a uma total correspondência de sons entre dois versos. [ ] Existe rima interpolada, por exemplo, quando o primeiro verso rima com o quarto (esses versos encontram-se separados por dois ou mais versos de rima diferente), geralmente segundo o esquema rimático ABBA. [ ] Existe rima cruzada, por exemplo, quando o primeiro verso rima com o quarto (esses versos encontram-se separados por dois ou mais versos de rima diferente), geralmente segundo o esquema rimático ABBA. [ ] As sílabas métricas raramente correspondem às sílabas gramaticais. [ ] As sílabas métricas correspondem sempre às sílabas gramaticais. [ ] Um verso de quatro sílabas métricas designa-se por tetrassílabo. [ ] Um verso de quatro sílabas métricas designa-se por quadra.

Ficha de avaliação sumativa suplementar afirmações verdadeiras e falsas  

Lista com afirmações verdadeiras e falsas.

Advertisement