Page 1


SALテグ DE ABRIL

De casa para o mundo. Do mundo para casa. 1980 - 2009

Herbert Rolim | Org. |


Realização:

Produção:

Apoio:

Patrocínio:


09

Apresentação

14

Prefácio

22

Homenageados

31

UM DEDO DE PROSA História e Antecedentes

Luizianne Lins Fátima Mesquita Maíra Ortins Estrigas João Jorge

Herbert Rolim

93

ANOS OITENTA Entre o sonho e a razão Herbert Rolim

145

ANOS NOVENTA Eu, eu e o(s) outro(s) Herbert Rolim

181

ANOS DEZ Deslocamentos e transitoriedades Herbert Rolim

227

Fortaleza, em tempos de guerra, sempre Ricardo Resende

235

Carta de uma curadora não tão jovem a uma jovem artista do Nordeste do Brasil Cristiana Tejo

245

Entre tempos e histórias – dos processos iniciais Bitu Cassundé

255

Tempo, performance e lugar da arte Ana Valeska Maia

263

O Vídeo no Salão de Abril Nílbio Thé

279

Referências Bibliográficas


Arte e cidade O Salão de Abril, tradicional e principal mostra de artes visuais de Fortaleza, é uma obra em processo, aberta e multifacetada, que legitima a dimensão estética, como uma das formas possíveis de apreender e pensar criticamente a cidade. No atual cenário de megalópoles saturadas de imagens, os trabalhos artísticos que problematizam ou extrapolam o espaço convencional da galeria são sinais de um tempo onde uma nova cultura política abre passagem para as tensões e diálogos que permeiam o cruzamento de ideias, ligadas as políticas públicas, artes e processos urbanos contemporâneos. Promovido pela Prefeitura de Fortaleza, através da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor), o Salão de Abril conquistou prestígio e respeitabilidade junto a artistas, curadores e críticos de todo o Brasil por insistir em se manter vivo, crítico, auto-crítico e inquieto, interrogando o público e o privado sobre a capacidade coletiva que buscamos desenvolver para irmos além dos limites da chamada “sociedade do espetáculo”. Através das artes, Fortaleza quer ser mais do que a cidade do cartão-postal. Quer abrir brechas nos territórios da macro e da micropolítica para experimentar novos olhares sobre o cotidiano e novas formas de convivência, menos superficiais e mais intensas. O Salão de Abril e a cultura de forma geral são essas linhas de fuga necessárias no contexto da globalização para ativarmos os processos subjetivos que também governam e desenham um sonho feliz de cidade pretensamente mais justa e fraterna. Luizianne Lins Prefeita de Fortaleza

11


Um desenho para as artes visuais A história das artes visuais se confunde com a história da própria humanidade e diz muito sobre a necessidade orgânica do ser humano em atribuir valor simbólico para seus pensamentos e as múltiplas formas de estar no mundo. Do escuro das cavernas até a luz iridescente da contemporaneidade, os traços, cores, gestos e interfaces do campo de visualidades e visibilidades se renovam e se reinventam na mesma intensidade em que percebemos e celebramos a diversidade cultural do planeta e o entrecruzamento de culturas diversas. A sexagésima primeira edição do Salão de Abril é uma peça singela mas original nesse quebracabeça atemporal e sem fronteiras, abrindo janelas para a produção de diversas gerações de artistas e contribuindo nacionalmente para a projeção da multiplicidade dos horizontes de linguagens e conceitos estéticos. A partir de 2007, quando pela primeira vez ampliou seu raio de alcance, abrindo inscrições por todo o território nacional, o Salão também se tornou um espaço permanente de compartilhamento de idéias e experiências, uma rede de amigos da arte e da vida. De caráter não-competitivo, veio ainda valorizar bem mais os processos do que os resultados em si, centrando foco, em paralelo, no potencial formador de uma mostra de artes, através de ações educativas junto a professores e alunos da rede pública municipal de ensino. Em 2010, na sua sexagésima primeira edição, o Salão de Abril reitera a interrogação: qual o lugar da arte? E assim nos desloca e nos descola de nossos territórios reais e imaginários. No fundo, essa é a pergunta que também permeia o desafio maior de consolidação de uma política pública para as artes visuais. Através de um Sistema Municipal de Cultura em formação, que visa dar legitimidade a uma política de Estado e não de governos, algumas respostas começam a ser esboçadas de forma participativa e colaborativa, junto à sociedade civil organizada. Desde já, percebemos que o conceito de cidadania cultural é o pano de fundo dessa tela. E que são muitas as camadas de tinta até a cristalização de um ambiente sólido para dar sustentabilidade às artes nas suas vertentes simbólicas e econômicas. Mas o desenho será feito. Com esmero e a muitas mãos. Fátima Mesquita Secretária de Cultura de Fortaleza

13


Um fio de prumo “O espelho aprisiona em si um segundo mundo que lhe escapa, no qual ele se vê sem poder se tocar e que está separado dele por uma falsa distância, que pode diminuir mas não transpor.” A água e os sonhos, Gaston Barchelard.

Sem método que se conheça, o artista devaneia com um fio de prumo a calcular a verticalidade do tempo. Este tempo, por sua vez, é um espaço povoado de sonhos, um pequeno trecho, talvez, ou um lugar de passagem, que pode ser representado por uma “porta” aberta, pela qual, entramos e saímos sem perceber. Da outra extremidade, que só alcançamos se atravessarmos essa “porta”, a nossa imagem espelhada nos indaga sobre o sentido desta outra imagem que agora nos vê. Dá-se, dessa maneira, o encontro entre a obra, o artista e o espectador. Lugar imensurável e de infinitas possibilidades interpretativas, onde as imagens se multiplicam em sentidos, a medida em que, cada agente, a seu modo, observa o “objeto” sob um ponto de vista diferente. Diria então, citando Foucault, que se trata da ordem do discurso. “A imaginação, mais que a razão, é a força de unidade da alma humana” (BACHELARD, p. 153). E é a busca por esta unidade que nos inquieta, que nos faz indagar o sentido das coisas, à procura de uma matéria sólida em que possamos nos fiar. Entretanto, se na arte tentamos buscar um caminho seguro, logo desanimamos ao perceber que nesta arena de discursos, todo caminho é um caminho possível, fragmentado e ao mesmo tempo contraditório. É a liberdade inerente à arte que faz dela este campo aberto de significações e que, por isso mesmo, a torna fascinante. Partamos, assim, dessa liberdade para refletir sobre o papel da arte no contexto atual. A forma como esta se comporta diante do homem contemporâneo, imerso no duro cotidiano dos grandes centros urbanos; sobre como a produção contemporânea dialoga com o mundo e como ela opera, filtra, interpreta e transforma os comportamentos sociais, políticos e econômicos. 15


Um vão “Cuidado com o vão entre o trem e a plataforma”

O trem, linha nervosa e histérica, fio condutor no tempo presente, do homem do presente, das coisas atuais, já faz parte do cotidiano de muitos viandantes. A ele, e a todos nós, pertence este vão. Lugar simbólico, porque desencadeia outros sentidos além do imediato, é, primeiramente, um espaço que não pode ser habitado. Para além, é um espaço proibido. Entre este ir e vir diário, grande parte das pessoas, “habitam” um tempo/espaço outro, que poderia se assemelhar a este “vão” entre o trem a e plataforma. Trata-se, portanto, de um lugar da não-permanência, do não-repouso, porque é a motivação pelo desejo de chegar a um lugar fixo, que permita a estabilidade do corpo, que nos instiga a este constante movimento.

16

Por que Salão de Abril? “Quando assumi a curadoria do Salão de Abril em 1986, a convite do presidente da Funcet Dr. Claudio Pereira, ele atravessava uma de suas mais difíceis fases”. João Jorge Arquiteto, artista e curador

À arte cabe captar este momento, filtrando desta realidade o particular para melhor evidenciálo. As artes visuais, por meio de sua pluralidade de linguagens, nos permitem abordar de forma crítica o nosso comportamento automatizado, desencadeado pela necessidade diária de sobrevivência. Dá-se uma nova compreensão do público, no tocante à recepção da arte contemporânea. Um mundo virtualizado se abre, multiplicam-se formas e meios de comunicação,propiciando um campo novo de experimentação para os artistas.

O processo de decadência e a crise do formato “salão” também contribuíram, certamente, para a fase difícil a que se refere a citação acima. Os artistas, em plena geração oitenta, no Brasil, buscavam outras formas de incentivo às artes, visto que, em parte, aquele formato possuía um ranço herdado dos salões franceses do século XIX, e, portanto, não era suficiente para suprir as demandas de uma nova consciência artística. Havia um desejo crescente em enterrar velhos formatos, extinguir fórmulas ultrapassadas de classificação, tais como o conceito de categoria como veículo de entendimento do fazer artístico. Para permanecer e continuar fazendo sentido o Salão de Abril precisou reformular seu formato e conceitos. Por isso, resistência ainda é a palavra que melhor o define, posto que, desde sua criação, passou por vários percalços e crises no âmbito institucional.

Do outro lado deste processo, as instituições, em sua maioria, tentam buscar fórmulas e sistemas que sejam capazes de absorver o rápido e contínuo transformar da arte. Criam-se editais, eventos abertos, debates, cursos, bienais e salões que recebem e compartilham com o público o que, dentro da esfera do oportuno, é passível de apreciação. Mas a qualidade inerente à arte é a transgressão, a negação ao sistema e a não-linearidade. É a partir das tensões que a obra se reinventa.

Assim, o salão iniciou seu processo de transformação, que ao longo dos anos teve períodos de ápice e decadência, numa instabilidade natural de qualquer evento organizado e financiado por uma instituição pública. Tal evento passou a compreender os mecanismos acionados pelo circuito da arte, bem como a engrenagem da produção artística das gerações subsequentes, embora, dentro ainda da esfera municipal desta produção, visto que o salão só passaria a ser nacional em 2007.

Inserido num contexto de tensões políticas, à sua época, posto que, estamos fazendo referência ao ano de 1943, um grupo de artistas criava o Salão de Abril. Naquela época, o mundo vivia um momento particularmente difícil, a Segunda Guerra Mundial, que acelerou o processo de transformação do homem e dos parâmetros sociais vigentes da época, favorecendo, desta forma, cada vez mais a individualização em contraposição ao senso de coletividade. Dava-se a fragmentação do eu. Como um prisma, o homem se apresenta agora formado por muitas superfícies fragmentadas em si. Não há mais espaço para certezas e totalidades, passamos, mais uma vez, a duvidar de tudo. Cabe aqui, uma citação de Montaigne: “o campo de batalha final entre a certeza e a incerteza é o próprio eu”.

Contudo, é preciso continuar (...) “é preciso pronunciar palavras enquanto as há, é preciso dizê-las até que elas me encontrem, até que me diga – estranho castigo, estranha falta, é preciso continuar” (...). (FOUCAULT, p. 6.). É certo que não há precisão no descrever da razão pela qual o Salão de Abri, apesar de todas as adversidades históricas e territoriais de seu tempo/espaço, permanece cravado na história da cidade de Fortaleza e agora caminha, cada vez mais acelerado, no sentido de, juntamente com outros mecanismos de ação cultural, contribuir para o mapeamento de jovens artistas, ao absorver uma produção que ainda está em processo de amadurecimento e que não é conhecida pela crítica nacional. Desta forma, funciona como veículo de aproximação entre a crítica e a produção de jovens artistas em todo o Brasil. 17


O Salão atual busca constantemente um fazer sucessivo, num processo de apreender leituras e conceitos, que a cena artística nacional aponta, a cada segundo, pois esse processo de transformarse é contínuo e segue um pulsar eterno, cíclico e, por isso, de retorno. Dessa maneira, o resgate histórico do salão se apresenta fundamental para a estruturação de um passo firme para o futuro, principalmente, porque, inclusive, este resgate histórico, com fundamentação teórica e pesquisa de campo é um dado recente.

Uma opção política “Porque se a Estética fundamenta a Arte, é a Política que fundamenta a Cultura.” Cildo Meireles

Entre o limiar da corrente inquietação do papel da arte na sociedade e, no tocante a estética, de como esta se relaciona diretamente com o espaço é que fomos instigados a levar o Salão de Abril também para o espaço de rua. Um espaço para um salão, a rua como um lugar do possível. No que se refere à questão do acesso, de como um salão de arte pode propor um formato que se disponha a pensar a descentralização do circuito fechado da arte, levando esta produção para um público que, normalmente não tem acesso a determinados bens culturais foi que, primeiro ocupamos os terminais de ônibus mais movimentados da cidade, para depois abraçarmos o centro, o coração de Fortaleza. Um mapeamento sentimental surge da mão do artista, que ao pisar no território, repensa a obra, calcula o passo e prepara o alcance de sua ação. Todo artista, como toda pessoa, faz opções políticas diante da vida e do mundo. E mesmo quando tais opções não são aparentes ou declaradas, elas estão ali presentes nas entrelinhas do discurso. Notadamente, a arte em seu movimento circular, como um pêndulo, oscila entre uma postura declaradamente panfletária diante de um fato ou acontecimento histórico ou deixa-se levar por questões intrinsecamente estéticas e conceituais da forma. Mas, sem dúvida, sempre está a costurar um discurso político, que confronte ou não o cenário político e social. Se passarmos a observar o movimento do salão a partir desta perspectiva política, notaremos que ao longo de suas sessenta e duas edições, com maior ou menor intensidade, o salão possui uma marca de contestação, inquietação e questionamento sobre si mesmo. Esta pode ser uma “linha”, um “fio” condutor de sua história, bem como, do comportamento dos artistas locais em relação 18

às transformações sociais do Brasil. As mudanças são evidentes e, é claro que ao observar o desenrolar da história sob o prisma da arte, é, por consequência, ter acesso a um ponto de vista filtrado, particular e que, em sua maioria, irá evidenciar o lugar pouco comum. Assim, a meu ver (modo particular e simples expressão de um pensamento livre), observo, com maior frequência, na nova produção, um silêncio longo, um gesto intimista. E no espaço da obra que duas vezes cega, sigo tateando no escuro, as paredes, os objetos, formas e linhas de um silêncio absurdo, como em Drummond (1985, p. 196. ): E como eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, e no fecho da tarde um sino rouco se misturasse ao som de meus sapatos que era pausado e seco; e aves pairassem no céu de chumbo, e suas formas pretas lentamente se fossem diluindo na escuridão maior, vinda dos montes e de meu próprio ser desenganado, a máquina do mundo se entreabriu para quem de a romper já se esquivava e só de o ter pensado se carpia. Abriu-se majestosa e circunspecta, sem emitir um som que fosse impuro nem um clarão maior que o tolerável pelas pupilas gastas na inspeção contínua e dolorosa do deserto, e pela mente exausta de mentar(...) (...)A treva mais estrita já pousara sobre a estrada de Minas, pedregosa, e a máquina do mundo, repelida, se foi miudamente recompondo, enquanto eu, avaliando o que perdera, seguia vagaroso, de mãos pensas.

19


Eis a Máquina do mundo, a que Drummond se referia e a que tento sobre ela refletir. Este silêncio amordaçado, sem forma precisa, não leva transparência do pensar. Então, me parece que a angústia, sentimento contíguo que nos abraça devagar, é quem dá o tom das nossas narrativas contemporâneas. Quase um desabafo, vejo na obra de alguns artistas, um silêncio oco, um vácuo de emoções. Quiçá a existência do “vão” entre o trem e a plataforma seja o mesmo espaço que, encurralados, habitamos diariamente, sem perceber, como a possível “porta” aberta, que nos dá passagem? Esse anti-espaço é, então, medido com um fio de prumo, que calcula, planeja, detalha e informa que poderia ser diferente, que poderia ser esta, uma outra realidade a que nos cerca, uma outra verticalidade, a que vivemos.

Maíra Ortins Coordenadora de Artes Visuais da SECULTFOR Artista visual

20

21


Salão de Abril em Pesquisa O nosso tradicional e mais antigo Salão de Abril foi concebido e iniciado em 1943, pela União Estadual dos Estudantes (UEE) com prosseguimento em 1946, pela SCAP e conduzido posteriormente pela Prefeitura Municipal de Fortaleza. Após tantos anos sendo o termômetro dos vários momentos de nossa manifestação artística, mostra-se agora em livro, no seu aspecto revelador de transições artísticas acontecidas ao longo de sua existência. E quem analisa essas transformações é o professor Herbert Rolim, avançando mais um passo no estudo desse Salão, que já apresentou em suas edições, o que nós tivemos de mais significativo em termos de arte e artistas, de figuras locais e nacionais que dele participaram. Um salão com tanto tempo de existência, com tantos altos e baixos, que representa grande parte da história de nossa arte é, sem dúvida, uma fonte imprescindível para a apreciação sobre transições durante seu percurso em confronto com o meio. Estabelecer transições é caracterizar épocas e momentos que reúnem e separam gerações, é resgatar fim e começo, pausas e recomeços, elos construtivos que se reajustam no tempo em busca de nova identidade. O Salão de Abril é rico em seu veio de propostas, interrogações e respostas. É um Salão descritivo, interpretativo, e exposto para a resposta crítica. Herbert recolhe seu material e o mostra em livro. O Salão está aberto. Estrigas 23


Estrigas | Fortaleza, CE, Brasil, 1919 | Sem título, 1985 Óleo sobre tela - 40 x 50 cm Coleção Sr. Rogério Torres


Quando assumi a curadoria do Salão de Abril em 1986, a convite do presidente da Funcet Dr. Claudio Pereira, ele atravessava uma de suas mais difíceis fases. Os próprios artistas plásticos reuniram-se na galeria Antônio Bandeira, na época no subsolo da Praça do Ferreira, em deprimente e inesquecível tarde, propondo a extinção dessa importante mostra de artes plásticas. Atônito, conseguimos junto à administração municipal, o apoio necessário para não deixar esse movimento desaparecer. Assim, naquele ano, tivemos um grande Salão de Abril. Enfrentamos resistências internas externas para realizar o salão, na definição clara de seus propósitos a fim de atender às necessidades transformadoras da sociedade moderna. Assim, mantivemos o salão numa nova dimensão, garantindo sua continuidade histórica e avançamos para alcançar sua contemporaneidade. Estive na coordenação até o ano de 2003. Ao longo desses anos, ele vem se fazendo, deixando sempre um saldo positivo, acrescentando mais alguma coisa no nosso panorama artístico. Mostrando como ele é, como se apresenta, como evoluiu, e, até mesmo, como decaiu - o que não deixa de ser positivo, porque é um sinal para reformulação para reencetar a marcha ascendente ou rever a qualidade dos trabalhos que se apresentam e, ainda, as condições que são oferecidas para sua apresentação. Na sua atual edição, o Salão significa a permanência de uma das mais longas tradições cearenses no campo das artes visuais. A persistência e a resistência revelam um significado muito maior: apresenta artistas de varias gerações e reúne linguagens e tendências diversas. Sua organização é um processo aberto à participação de artistas de todo o Brasil. O salão, por tradição, permanece, mas quem o quer além dos artistas e instituições? Uma ampla discussão precisa ser promovida em torno da fórmula “salão”. De fato, ele tem sido um ponto de contato do artista com a instituição pública, mas não foi e nunca será o melhor e mais adequado processo para engendrar esse relacionamento. Precisamos confrontar os argumentos e, sobretudo, analisar sua natureza e medir sua adequação ao tempo em que vivemos.

Fazer arte é mexer com emoções, é refazer conceitos, é traduzir sentimentos. O salão será sempre aquele atribuído pela sociedade e, em particular, pelos artistas, pois a ele cabe determinar os rumos da cultura e da arte no Ceará. João Jorge 27


João Jorge | Tauá, CE, Brasil, 1947 | Canoa Quebrada à Noite, 1977 Óleo sobre tela - 50 x 60 cm Coleção particular


herbert rolim

UM DEDO DE PROSA História e Antecedentes

A proposta desta publicação sobre o Salão de Abril limita-se a perscrutar-lhe o recorte de tempo dos anos 1980 até a primeira década deste século, no entanto, sem a pretensão de extenuar o assunto em sua complexidade. Talvez, antes de avançarmos, seja prudente expor a maneira pela qual sistematizamos nossa abordagem, pautamos os objetivos e estruturamos o método de trabalho. Isto para que, numa espécie de pacto com o leitor, fique claro que não temos a intenção de tratar o assunto pelo viés descritivo, sobretudo, circunscrito ao relato dos fatos, mesmo porque a 2ª edição do livro de Estrigas1 O Salão de Abril: 1943 a 2009 inteira esse hiato na bibliografia cearense. É necessário ainda salientar que o Salão de Abril não se resume aos artistas e obras aqui discutidos 2, uma vez que não existe a preocupação de alcançar o assunto em sua totalidade, como já frisamos, motivo pelo qual poderá acontecer de um ou outro nome não configurar nesta breve investigação, sem que por isso lhe seja imputado a falta de reconhecimento artístico. Nele, há casos de artistas premiados que, nem por isso, fazem parte do nosso foco de atenção, uma vez que priorizamos aqueles cuja produção de alguma maneira se estendeu para além do território local, em consonância com o circuito artístico brasileiro,

Edição prefaciada por Gilmar de Carvalho: Estrigas (revista e ampliada por Flávia Jordana e Janaína Muniz). Salão de Abril: 1943 a 20009. 2. ed. Fortaleza: Lumiar Comunicação: La Barca Editora, 2009. 360 p. 1 

Também lembramos que nossa investigação acompanha uma exposição no Museu de Arte Contemporânea do Centro Dragão do Mar de Arte Cultura, em Fortaleza, com curadoria de Herbert Rolim, que se articula a outra mostra referente às trinta primeiras edições do Salão de Abril, curada pela pesquisadora Kadma Marques, em 2009, numa parceria da Secretaria de Cultura do Município com o Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil.

2 

acompanhando questões levantadas por salões, mapeamentos e bolsas de residências nacionais e/ou bienais internacionais. Também procuramos destacar aqueles que, não obstante suas trajetórias passadas, salvo exceções, continuam Herbert Rolim: graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará, mestre em Literatura pela Universidade Federal do Ceará, doutorando em Arte-Educação pela Universidade de Lisboa (Portugal); professor do Curso de Licenciatura em Artes Visuais do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará, autor do livro Arte Anfíbia: o Caso Otacílio de Azevedo. Como artista plástico foi premiado no Salão de Abril (2002, 2001, 2000, 1995 e 1994); participou, entre outras exposições, do Salão Nacional MAM Bahia (1997 e 1994), do Panorama da Arte Brasileira no Museu de Arte Moderna de São Paulo (1997), do Rumos Visuais - Itaú Cultural - São Paulo-SP (2000) e da Bolsa Residência Faxinal das Artes - Curitiba-PR (2002).

pesquisando. Dessa forma, nos restringimos aos últimos trinta anos, concentrando nossos interesses nos acontecimentos e naqueles que surgiram e firmaram suas poéticas neste período, ajudando-nos a refletir o Salão de Abril dentro do processo de contemporaneidade da Arte Brasileira. Diga-se que o termo arte contemporânea aqui empregado condiz com o pensamento de David Thistlewood (2001, p 115) herbert rolim |

33


para quem este vocábulo “é usualmente aplicado para a arte que ainda não ori-

encontrar novos meios de expressar, no campo simbólico, seus posicionamentos

ginou opiniões assentadas. Esta não é vista claramente como a “moderna” pois

críticos face às desigualdades sociais e insatisfações políticas e culturais que

ainda não foi suficientemente trabalhada por críticos e teóricos”.

colocavam a modernização do Ceará, naquela época, à margem dos eixos hege-

Em outras palavras, objetivamos nos debruçar sobre a inserção do Salão de Abril no panorama da arte cearense em concordância com a trajetória do con-

Estamos falando de uma geração que, embora afastada dos horrores da guer-

temporâneo, rastreando indícios, ao longo de suas trinta edições, que se pauta-

ra, deixava-se inquietar pelos acontecimentos que abalavam o mundo, quase

ram em algumas demandas e questões emergentes de âmbito nacional.

sempre discutidos nas mesas de café da Fortaleza descalça, no dizer de Otacílio

Considerando esse pressuposto, a título de problematizar, podemos fazer as seguintes indagações: Quais acontecimentos ligados ao Salão de Abril contribuí-

de Azevedo, como podemos observar nas palavras de Fran Martins (Revista CLÃ, no 27, p. 14-15) acerca do que conversavam:

ram para sua transformação de acordo com os paradigmas atuais da arte? Quais

Os assuntos diziam respeito a todos: a política, a administração, os problemas

artistas e obras, nestas três últimas décadas, concorreram para uma compreen-

econômicos, as grandes dificuldades que o mundo sofria então e que nós, bon-

são da arte contemporânea cearense? Quais os pontos de intersecção entre a

dosamente, desejávamos resolver. Havia de tudo nessas reuniões: comunistas e

produção cearense e o contexto histórico, social, político e econômico do país?

católicos praticantes, poetas e antipoetas, silenciosos, como o Aluízio Medeiros,

Optamos, assim, por uma linha de observação mais interessada na revisão da produção das artes visuais expostas no Salão de Abril, levando em conta sua

e exuberantes, como o Eduardo Campos. E havia os estrangeiros de além-mar como o Howard Hill e o Charles Pomerat, ou de além-fronteira, como o Da Costa e Silva Filho, o Osvaldo Peralva, o José Sarney. No meio ou no fim das conversas

realização (limitações e potencialidades) e seus desdobramentos no período,

desordenadas vinham as ideias: fazer uma revista, montar uma livraria, editar um

do que colocar em análise a validade de seu modelo, opinar sobre se o mesmo

jornal, criar uma associação para defender os interesses dos escritores, inclusive

tem ou não correspondido às expectativas dos artistas locais ou mesmo buscar

obrigando aos jornais ao pagamento de direitos pela publicação de nossos arti-

referências elogiosas e biográficas de seus participantes e patrocinadores, o que

gos, ou contos ou poesias.

não nos levaria para um desfecho conclusivo.

34

mônicos do país, ou seja, Rio de Janeiro e São Paulo.

Além do interesse do grupo pelo que acontecia na cidade e no mundo, cha-

A título de introdução, ainda que não faça parte deste estudo um olhar re-

mamos atenção para dois pontos acima mencionados. O primeiro deles, a pre-

trospectivo histórico que anteceda a década de 1980, consideramos relevante

sença, nas rodas de conversas, de membros de diferentes origens e culturas;

observar que esta vocação do Salão de Abril de gerar diálogos com outros cen-

depois, a multiplicidade de ideias engendradas por suas necessidades, o que

tros de potencial econômico e cultural mais desenvolvido (e com isso não só

denotava uma predisposição do grupo em acompanhar as transformações polí-

incorporar novas idéias em sua estrutura, mas também se fazer presente nos

ticas, econômicas e culturais de seu tempo.

rumos da arte brasileira), parece premente desde sua origem, talvez até como

Já antes da criação do salão, um grupo de amigos, em 1942, resolveu rece-

forma compensatória pelo atraso a que as artes plásticas cearenses estiveram

ber o poeta Girão Barroso, recém chegado do Rio de Janeiro, com um animado

subjugadas.

almoço no sítio do jornalista H. Firmeza, em Mondubim. Vale ressaltar que, para

Diante das injunções da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) com reflexos

presentear cada amigo, o poeta trouxera em sua bagagem livros que então

no governo ditatorial de Getúlio Vargas (1930-1945), forjaram-se entre os jo-

circulavam na capital do país. Esse festivo reencontro contribuiu para a forma-

vens artistas e intelectuais cearenses certo inconformismo e uma necessidade de

ção do Clube de Literatura e Arte (CLÃ), segundo podemos conferir na fala de

| UM DEDO DE PROSA | História e Antecedentes

herbert rolim |

35


Depoimento de Eduardo Campo in 50 anos de Ceará Rádio Clube, transcrito do Catálogo Fortaleza Tempos de Guerra, 1989.

3

Eduardo Campos 3, em que menciona o discurso de Mário Sobreira de Andrade:

retomou suas atividades em 1946, depois de dois anos de sua primeira edição,

“Vamos fazer uma editora, um clube, um atelier, um teatro - tudo com o sinete

assumindo-o anualmente até 1958, quando a Prefeitura Municipal de Fortaleza

da mocidade imoávida e ardorosa de vocês...”.

passou a gerenciá-lo.

Queremos dizer com isso que havia uma atmosfera convidativa para que o

Antes, porém, de avançarmos em direção ao nosso foco propriamente dito,

Salão de Abril se instaurasse, tanto que, um ano mais tarde, coube a um desses

reforcemos essa inclinação do Salão de Abril, desde seu início, de se inserir nos

jovens escritores, o “silencioso” Aluízio Medeiros, como disse Fran Martins, a

meandros da arte brasileira, sublinhando a presença de alguns artistas, partici-

ideia de instituir um salão de arte. Com efeito, graças ao ambiente agitado do

pantes de sua primeira edição, que se enquadram no contexto nacional e, até

movimento estudantil, organizado e mobilizado pela União Estadual de Estu-

mesmo, internacional.

dantes (UEE), da qual era diretor, aquele encontrou terreno fértil para lançar as

É o caso, por exemplo, de Raimundo Cela, formado no Rio de Janeiro (RJ)

sementes do salão, com o aval e entusiasmo do presidente desta agremiação,

pela Escola Nacional de Belas Artes, laureado com Pequena Medalha de Prata,

Raimundo Ivan Barros de Oliveira, e do diretor, Antonio Girão Barroso, este últi-

em 1916, e com Prêmio de Viagem ao Exterior, em 1917, no Salão Nacional de

mo responsável pela sugestão do nome Salão de Abril, com que ficou conhecido

Belas Artes. Consideremos, ainda, que ele recebeu a Medalha de Ouro no Salão

desde sua primeira edição, em 1943, até os dias de hoje.

Paulista de Belas Artes, em 1943, portanto, no mesmo ano que expôs no I Salão

Curiosamente, a procedência do Salão de Abril deve-se muito à iniciativa dos

de Abril. Ademais, dentro dessa linha de pensamento, chama atenção sua pre-

escritores, semelhante ao que aconteceu com a Semana de Arte Moderna de

sença na exposição “A Europa na Arte Brasileira”, em 1954, no Museu Nacional

São Paulo, em 1922, a partir da presença crítica e literária de Mário de Andrade,

de Belas Artes, no Rio de Janeiro.

Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, entre outros, e onde se deu a base do movimento modernista, inspirador do nosso Salão.

tou o Ceará e tornou-se um dos principais agitadores da cena artística e cultural

Aliás, neste ponto, é bom lembrar que as primeiras leituras críticas a respeito

de Fortaleza (CE), liderando a formação do Centro Cultural de Belas Artes –

do Salão de Abril foram generosamente exercidas por escritores e poetas cea-

CCBA, em 1941, e da SCAP, em 1944, como já frisamos. A propósito, há pouco

renses, consortes da revista CLÃ, de tal forma que não seria exagero relacioná-

tempo de sua participação no I Salão de Abril, recebeu Medalha de Bronze no

las, guardadas as singularidades, com a crítica de arte francesa do século XIX e

Salão Paulista de Belas Artes, em São Paulo (SP).

o Salon Annuel de Peinture de Paris, protagonizadas por escritores como Baudelaire, Marcel Proust, Zola e outros.

36

Há também o exemplo do carioca Mário Barata, figura emblemática que ado-

Outro nome que merece ser mencionado é o de Antônio Bandeira, salientando sua Menção Honrosa no 9º Salão Paulista de Belas Artes, em São Paulo

No Ceará, essa prática se tornou mais visível com a fundação da Sociedade

(SP), no mesmo período do I Salão de Abril. Depois, ganhou bolsa de estudos em

Cearense de Artes Plásticas (SCAP), em 1944. Atente-se que a comissão de ela-

Paris, foi vencedor do Prêmio Fiat de Viagem à Itália na Bienal Internacional de

boração dos estatutos e diretoria desta entidade contou com a participação do

São Paulo, em 1953, participou de algumas Bienais Internacionais de Veneza,

romancista Fran Martins, primeiro vice-presidente desta instituição, acompanha-

na Itália, projetando-se mundialmente como um dos contemporâneos do abs-

do por personalidades da literatura cearense, como Artur Eduardo Benevides,

tracionismo lírico informal.

Cláudio Martins e Antônio Girão Barroso, que chegaram a ocupar sua presidên-

Temos ainda a figura de Aldemir Martins, várias vezes premiado na Bienal

cia (ROLIM, 2009). E foi exatamente pelo esforço da SCAP que o Salão de Abril

Internacional de São Paulo, destacando-se entre estes o Prêmio de Viagem ao

| UM DEDO DE PROSA | História e Antecedentes

herbert rolim |

37


País, em 1957 e o Prêmio de Viagem ao Exterior, em 1959. Distinguiu-se prin-

critos e publicações, no qual se manteve ligado desde sua primeira participação,

cipalmente na técnica do desenho, com o qual foi premiado na XXVIII Bienal

em1952, data da VII edição, acompanhando-o de perto até o início deste século,

Internacional de Veneza.

algumas vezes participando como artista e mais frequentemente presidindo-lhe

Por último, sublinhamos a presença do suíço Jean-Pierre Chabloz, cuja formação passou pela Escola de Belas Artes em Genebra, Suíça, e pela Academia Brera

O outro artista se trata de João Jorge Marques Melo que, a partir de 1986,

em Milão, Itália. Sua vinda para Fortaleza (CE) deu-se no mesmo ano do I Salão

assume a coordenação do Salão, num momento em que o então Departamento

de Abril, quando se engajou ativamente na cena artística e cultural da cidade.

Municipal de Cultura passa a Fundação Cultural de Fortaleza, permanecendo no

Além de várias exposições no exterior, no Rio e em São Paulo, encontramos seu

cargo até 2004, período de “conflitos submersos”, para usar de uma expressão

nome como verbete no “Dicionário das Artes Plásticas no Brasil”, de Roberto

do artista e historiador Roberto Galvão (2001) ao se referir às diferenças entre

Pontual, e no “Dicionário Crítico da Pintura no Brasil”, de José Roberto Teixeira

acadêmicos e modernos nas artes plásticas em Fortaleza (1924-1958). Neste

Leite.

caso, por empréstimo, pode ser igualmente empregada, uma vez que havia um

Todas estas observações se configuram como ponto de partida para nossa

clima de desconforto entre estes últimos e as novas gerações em presença do

discussão. Atente-se que, dos artistas citados, três deles (Cela, Barata e Bandei-

que se convencionou chamar de pós-modernidade, a partir dos deslocamentos

ra) participaram do Salão Paulista no mesmo ano de fundação do Salão de Abril,

da sociedade industrial para a tecnológica.

1943, caracterizando, desse modo, o trânsito de informações de que falamos no circuito das artes local em relação com o do país.

38

o júri de seleção e premiação.

Feitas estas colocações, nomeamos os capítulos seguintes por décadas, com uma breve revisão do contexto internacional, brasileiro e local, a que o Salão de

Pois bem, dessas considerações históricas iniciais, num arremesso de tempo,

Abril esteve atrelado, sob a perspectiva política, econômica e social. A intenção

saltamos para os artistas que tiveram uma atuação significativa nos anos 70 e,

é a de interligá-lo com a produção artística referente, seja citando artistas e

de certa maneira, criaram condições para as transformações que iriam marcar

obras, quer levantando questões e tendências, atribuindo-lhe assim uma dimen-

a arte das próximas décadas: Aderson Medeiros, Batista Sena, Bené Fonteles,

são histórica e relacional frente às articulações de idéias caracterizadoras desse

Carlinhos Moraes, Descartes Gadelha, Gilberto Cardoso, Hélio Rola, Heloisa Ju-

período.

açaba, Kleber Ventura, Luís Hermano, Marcus Francisco, Roberto Galvão, Tarcísio

Para dar maior visibilidade e expansão crítica, finalizamos esta publicação

Félix, Sérgio Lima, Sérgio Pinheiro, Sérvulo Esmeraldo e Zé Tarcísio. Todos eles

convidando Ricardo Rezende e Cristiana Tejo, curadores e críticos representa-

com participação no Salão de Abril e inseridos, de uma forma ou de outra, no cir-

tivos do circuito da arte nacional, a uma incursão pela idéia de Salão e sua

cuito nacional de arte, portanto, dentro do que nos propomos abordar a seguir.

representatividade nos dias de hoje. Ao lado destes, convocamos Bitu Cassundé,

Quanto à ordem de apresentação dos assuntos aqui focalizados, anteceden-

Ana Valeska e Nílbio Thé, nomes da cena local, para se debruçarem sobre alguns

do esta introdução, prestamos homenagens a dois artistas responsáveis pela

aspectos de mudança na trajetória do Salão de Abril, como sua alteração de ca-

condução do Salão de Abril, apesar das tantas crises de percurso, mantendo-o

ráter local para nacional e penetração das categorias vídeo e performance . Com

obstinadamente vivo, em meio a críticas ou elogios, ao longo de sua história,

isso, esperamos ampliar o espaço de debate sobre as questões processadas pela

como um dos mais antigos do país. O primeiro deles é Nilo de Brito Firmeza

arte contemporânea e contribuir para uma compreensão da presente produção

(Estrigas) a quem devemos a memória deste Salão, tema preferido de seus es-

visual cearense, intermediada pelo Salão de Abril.

| UM DEDO DE PROSA | História e Antecedentes

herbert rolim |

39


Raimundo Cela | Sobral, CE, Brasil, 1890 – Niterói, RJ, Brasil, 1954 | Jangadeiro Tecendo o Samburá, 1942 Óleo sobre madeira - 85 x 95 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Jean-Pierre Chabloz | Lousanne, Suiça, 1910 – Fortaleza, CE, Brasil, 1985 | Menina Sentada, 1943 Lápis sobre papel mongolfier - 66 x 49 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Antônio Bandeira | Fortaleza, CE, Brasil, 1922 – Paris, França, 1967 | Figura Sentada, 1945 Carvão sobre papel - 63 x 43 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Aldemir Martins | Ingazeiras, CE, Brasil, 1922 – São Paulo, Brasil, 2006 | Sem título, 1947 Óleo sobre tela - 100 x 81 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Mário Barata | Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1914 – Fortaleza, CE,Brasil, 1983 | Sem título, 1948 Óleo sobre madeira - 60 x 55 cm Coleção Oboé


Heloisa Juaçaba | Guaramiranga, CE, Brasil, 1926 | Telhado de Guaramiranga, 1969 Óleo sobre tela - 73 x 59 cm Coleção Dr. Maurício Oliveira Assunção


Hélio Rola | Fortaleza, CE, Brasil, 1943 | Da Série Casinhas, 1972 Guache sobre papel - 60 x 50 cm Coleção do artista


Bené Fonteles | Bragança, PA, Brasil , 1953 | Sem título, 1980 Colagem com Xerox papel - 71,2 x 50,2 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Sérgio Lima | Fortaleza, CE, Brasil, 1946 | Da série paisagem InterFERIDA, 1976 Acrílica sobre tela - 38 x 46 cm (cada) Coleção do Artista


Kleber Ventura | Itapipoca, CE, Brasil, 1950 | Sem tĂ­tulo, s.d. Gravura - 45 x 55 cm Acervo Sr. Fernando Marques


Carlinhos Moraes | Fortaleza, CE, Brasil, 1951 | Sem título, s.d. Tecido em Cetim Sisal - 182 x 133 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Zenon Barreto | Sobral, CE, Brasil, 1918 – Fortaleza, CE, Brasil, 2002 | Sem título, 1964 Aguada de nanquim sobre papel mongolfier - 68 x 54 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Sérvulo Esmeraldo | Crato, CE, Brasil, 1929 | Sem título, 1970 Gravura em metal sobre papel- 38 x 28,5 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Sérgio Pinheiro | Jaguaribe, CE, Brasil, 1949 | Segmento periférico verde, 1984 Acrílica, esmalte sobre caixas - 109 x 38 cm Segmento periférico vermelho, 1984 Acrílica, esmalte sobre caixas - 109 x 38 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Roberto Galvão | Fortaleza, CE, Brasil, 1950 | Sem título,1974 Acrílica sobre tela - 38 x 59 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Zé Tarcísio | Fortaleza, CE, Brasil, 1941 | Poluição, 1974 Litografia sobre papel - 50 x 67,5 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Gilberto Cardoso | Fortaleza, CE, Brasil, 1951 – Fortaleza, CE, Brasil, 1996 | Sem título, 1977 Grafite sobre papel - 49,5 x 70,2 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Marcus Francisco | Fortaleza, CE, Brasil, 1950 – Fortaleza, CE, Brasil, 1980 | Prateleira de Anjos, 1970 Bico de Pena sobre papel - 29 x 38 cm Coleção Dra. Márcia Alcântara


Batista Sena | Camocim, CE, Brasil 1952 | Sem título, s.d. Bico de pena com nanquim sobre papel mongolfier -29 x 20 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Descartes Gadelha | Fortaleza, CE, Brasil, 1943 | Redeiros, 1975 Óleo sobre tela - 45 x 65 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Aderson Medeiros | Fortaleza, CE, Brasil, 1948 | Escultura Mãe e Filha, 1976 Tecido e ex-voto - 111 x 44 x 26 cm Coleção Centro Cultural BNB


Tarcísio Felix | Granja, CE, Brasil, 1953 | Sem título, 1973 Óleo sobre tela - 50 x 60 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Luís Hermano | Preaoca, CE, Brasil, 1954 | Sem título, 1979 Aquarela sobre papel - 38 x 107 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Siegbert Franklin | Fortaleza, CE, Brasil, 1957 | Série Luzes do Equador, 1978 Colagem mista s/papel - 25 x 20 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


herbert rolim

ANOS OITENTA Entre o sonho e a razão

Devemos começar este texto pelas razões que motivaram a escolha dos anos 80 como referência de um olhar diligenciador acerca do Salão de Abril, em Fortaleza, Ceará, nestes trinta últimos anos. A primeira delas, sem dúvida, tem a ver com as significativas transformações com que essa década marcou o mundo e por efeito político, econômico e social acabou afetando também nossa cultura. Sobretudo, graças ao ritmo acelerado e vertiginoso das redes de telecomunicações, um dos principais avanços desse período, que nos remete à idéia de que somos realmente parte da Aldeia Global. Baseado em tal ponto de vista, numa perspectiva internacional, podemos citar como dado relevante para nossa marcação de tempo o enfraquecimento do poder soviético, ao longo dessa década, culminado com a queda do Muro de Berlim, símbolo da “guerra fria”, em 1989, e a reunificação das duas Alemanhas, socialista e capitalista, no ano seguinte. Para a pesquisadora em Ciências Sociais Maria Cristina C. Costa (1991, p. 9) outro marco nesse contexto globalizante seria a conquista da Democracia Social e do Liberalismo, “modelo político, econômico e ideológico aplicável em qualquer parte do mundo”, inclusive o nosso. Nada disso teria um desencadeamento maior, para além do seu lugar de origem, se não considerássemos que a expansão das informações pelos meios de comunicação de massa nessa década, de modo concomitante e universal, tivesse contribuído consideravelmente para introjeção de ideias e valores entre os mais longínquos territórios, contaminando, por assim dizer, a natureza geopolítica e cultural dos diferentes sítios mundo afora, até chegar próxima de nós outros. Curiosamente, na contramão desse fenômeno de ordem global, presenciamos outra tendência, esta de feição nacionalista, de valor identitário, numa atitude de confirmação da tradição e formação histórica, caracterizadora de cada região, contudo, sem se manter indiferente às demandas de caráter universal. herbert rolim |

95


Aparentemente contraditórios, na verdade, são processos complementares na

de 1985), Imagens de Segunda Geração (1987) e, finalizando, BR 80 Pintura

medida em que intercambiam visões de mundo particulares e, ao mesmo tempo,

Brasil Década 80 (1991) foram exemplos significativos de ações artísticas de

questões de interesse da humanidade.

uma pintura que se pretendeu livre de temas, suportes e materiais.

Esses fatos, naturalmente, repercutiram no Brasil, o que contribuiu para im-

Estamos também falando de um circuito de arte que, para além das exposi-

primir à década de 80, no campo institucional, os sentidos de redemocratização

ções, ansiava por um grande público, pela cidade, pelo mercado e que, de modo

e de luta pelas liberdades individuais, perdidos durante o regime militar (1964-

particular, prezava por um senso coletivo, como se podia ver no meio estudantil

1985) que por sua vez apoiava-se nas ideias imperialistas da “guerra fria”. Aos

da Faculdade Armando Álvares Penteado – FAAP (São Paulo) e da Escola de

poucos, os movimentos da sociedade civil organizada ganharam as ruas em

Artes Visuais do Parque Lage (Rio de Janeiro), na reunião de artistas em ateliês

busca de seus direitos civis, num clima de esperança e otimismo, acabando por

e na formação de grupos a exemplo da Casa 7, em São Paulo e Ateliê da Lapa,

atingir também as artes de um modo geral.

no Rio de Janeiro, entre tantos outros espalhados pelo país. De forma surpreen-

Todo esse movimento, como não poderia deixar de ser, favoreceu uma ruptura no sistema da arte, agenciada tanto pelo processo de globalização (internet, antenas parabólicas, satélites) como pela necessidade, segundo o crítico Marcus de Lontra Costa (2006, p. 166) “de sonhar com a democracia, com uma terra morena e democrática, com eleições livres, sonhar com a ‘arte por toda parte’, pelas ruas e pelas praças, a criar com formas, cores, gestos e figuras esse novo e colorido país que emerge da escuridão”. Nesse sentido, a circulação de publicações internacionais, antes limitada pelo regime militar, nos aproximou dos neo-expressionistas alemães, da trans-

pelo tecido urbano. Muito embora tenhamos chegado ao final dessa década com o abatimento do Regime Militar e a promulgação da Constituição de 1988, mesmo assim, podemos dizer que o entusiasmo dos primeiros anos, movido pela euforia política das “Diretas já”, deu lugar a um sentimento de vazio com o agravamento da crise econômica, o aprofundamento das diferenças sociais, a presença de velhas lideranças políticas, o discurso demagógico, as promessas assistencialistas e o descaso do poder público para com as atividades artísticas - motivos pelos quais foi chamada, por alguns, de “década perdida”. A disseminação da AIDS (Síndro-

vanguarda italiana, da arte povera e da “bad painting” (má pintura), estilos e

me da Imunodeficiência Adquirida) que chega ao Brasil em 1983, encerrando a

movimentos caracterizados pela diversidade de materiais, retorno da figuração,

década com significativas perdas no mundo artístico, também concorreu para

obras de grandes dimensões, subjetividade e, principalmente, cores fartas e pra-

este estado de espírito.

zer de pintar. De tal forma que aqui, no Brasil, assumiu “alguns aspectos críticos

96

dente, a grafite ganha as ruas e o status de linguagem pictórica, expandindo-se

Em relação à arte, a falta de uma sustentação conceitual que desse apoio as

e afetivos da arte pop dos anos 60 que a ditadura brasileira transformara em

suas ações, bem como o excesso de subjetivação que a levou ao “vale tudo”,

contundência e denúncia” (COSTA, 2006, p. 166), em oposição ao rigor da arte

por conseguinte, a sua saturação; as concessões feitas ao mercado de arte, des-

construtiva dos anos 50 e/ou ao intelectualismo, de tendência conceitual, da

velando para uma crise depois do oba-oba dos galeristas e a mudança de foco

arte dos anos 70.

da imprensa em busca de novas tendências, tudo isso contribuiu para que esse

No que acabamos de ver, as exposições À Flor da Pele – Pintura & Prazer;

ciclo chegasse ao fim de forma melancólica. Não sem antes deixar como legado,

A Pintura como Meio; Pintura Pintura; Pintura Brasil (todas datadas de 1983);

é bom que se diga, a liberdade estética e as bases para uma arte aberta e plural,

Como Vai Você, Geração 80? (1985), Grande Tela (dentro da Bienal de São Paulo

tão diversa como a formação da cultura brasileira.

| ANOS OITENTA | Entre o sonho e a razão

herbert rolim |

97


É dentro desse panorama que nos interessa situar o Salão de Abril. E a pri-

Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP, Re-

meira mudança a ser ressaltada, na década de 80, em Fortaleza, diz respeito à

gina Silveira, e do crítico de arte Casimiro Xavier. Um número inexpressivo, se

criação da Fundação de Cultura, Esporte e Turismo (FUNCET) em 1985, respon-

levarmos em conta que se trata de um somatório de dez anos.

sável pelo gerenciamento do Salão, durante a gestão municipal de Barros Pinho

Outra forma de manter contato com o circuito nacional partia dos próprios

(1985-1986). Pouco antes, portanto, da eleição da primeira mulher prefeita da

artistas. Nomes representativos da década de 80, como Barrinha, Carlos Cos-

cidade (1986 – 1989), Maria Luiza Fontenele, marcando a experiência inaugural

ta, Eduardo Eloy, Herbert Rolim, José Guedes, Maurício Coutinho, Sebastião de

do chamado “governo popular” do Partido dos Trabalhadores, entre as capitais

Paula, Siegbert Franklin e Vidal Junior, além de submeterem suas obras à crítica

do país.

especializada nos dois principais salões da cidade (Salão de Abril e UNIFOR Plás-

Diante de um quadro de falência econômica da cidade, a começar pela folha de pagamento, a nova administração imprimiu práticas políticas diferentes da

o Ceará na rota da arte contemporânea brasileira.

tradição “coronelista”. Para tanto teve que enfrentar bloqueios federais e esta-

Mesmo sendo a pintura o carro chefe dessa geração, novas modalidades fo-

duais, antes da Constituição de 1988, responsável pelo impulso da democracia

ram absorvidas. A categoria performance, enquanto tal, apareceu pela primeira

nos diversos segmentos e maior autonomia aos municípios.

vez nos registros do Salão de Abril em 1986 com o trabalho de Júlio Maciel,

Não seria diferente com o setor da cultura. Em 1986, o XXXVI Salão de

depois, encontrando em Júlio Silveira um dos seus principais representantes.

Abril, sob a coordenação do presidente da FUNCET, Claudio Pereira, “realizou-

Também nesse período, aos poucos, a fotografia foi se enquadrando na modali-

se impregnado desse sentido novo, mas contando com as velhas dificuldades e

dade de artes visuais pelas lentes de José Albano, Gentil Barreira, Tiago Santana

se fazendo, também, com as velhas soluções”, como lembra Estrigas (2009, p.

e outros, para se firmar de vez na década seguinte.

210). Ou seja, não obstante o clima democrático, nesse setor não havia muito que comemorar.

98

tica), também as sujeitavam a exames nos mais importantes do país, colocando

Em concordância com o que vimos no plano nacional, Roberto Galvão (1991, p. 33) fez a seguinte observação na publicação BR 80 Pintura Brasil Década 80,

Assinaladas estas observações no campo político, em conformação com o

referente à exposição homônima: “Hoje o artista do Nordeste tem um olhar mais

sentimento nacional e seus reflexos na arte cearense, chamamos atenção para

voltado para o mundo, tem mais laços com a Europa e mais consciência de sua

os vínculos com os quais o Salão de Abril, timidamente, procurou manter com o

condição de cidadão do mundo”, para em seguida comentar os trabalhos de

circuito brasileiro de arte, aproximando os críticos mais influentes da produção

Eduardo Eloy, Maurício Coutinho e José Guedes.

local. No que se refere ao recorte em foco, podemos citar como exemplo a pre-

Neste mesmo livro/catálogo o crítico Frederico Morais (1991) assinala: “Ou-

sença do jornalista, crítico e curador Frederico Morais (mineiro radicado no Rio

tro fato marcante na gênese da pintura dos anos 80 foi a reunião dos artistas

de Janeiro) no XXX Salão de Abril, já no ano de 1980, ocasião em que lançou seu

em ateliês, encarados como locais de trabalho e discussão”. E cita como exem-

livro Artes Plásticas na América Latina: do Transe ao Transitório. E, mais adiante,

plo - ao lado do Casa 7 (São Paulo), Ateliê da Lapa (Rio de Janeiro) e Carapa-

na “administração popular” de Maria Luiza, de que falamos há pouco, mesmo

ranambuco (Recife), entre outros - o grupo Aranha de Fortaleza, formado por

considerando a crise financeira municipal, a comissão julgadora do XXXVI Salão

Eduardo Eloy, Hélio Rôla, Sérgio Pinheiro, Kazane, Alano de Freitas e Maurício

de Abril, este de 1986, contou com as participações da artista e professora da

Cals, que teve participação especial no XXXIX Salão de Abril, em 1989, no seg-

| ANOS OITENTA | Entre o sonho e a razão

herbert rolim |

99


mento “arte nos muros”. Aliás, na edição do ano anterior, juntaram-se ao Salão

celeiro do que se convencionou chamar “Geração 80”, também contribuiu para

os grupos ITI e Interferência, este último composto por Barrinha, Renato Soares

movimentar a cena local e ampliar os espaços de discussões estéticas, sobres-

e Lilian Moema, com o mérito de ser o primeiro a receber o Prêmio de Instalação

saindo-se, por iniciativa dele, a criação da Oficina de Gravura e Papel Artesanal

- categoria recém criada, dando lugar ao que antes chamavam de “propostas

da UFC, em 1988.

experimentais”. Ainda com relação ao surgimento de grupos nessa década, mesmo que não

lizava, de certa forma, esta disposição da arte cearense para arte de rua, que

participando do Salão de Abril como coletivo, mas contando com o nome de

vem desde os murais de Chico da Silva, entre os anos de 1937 e 1943, na Praia

seus integrantes em várias edições, o Grupo Fratura Exposta (1985) não poderia

Formosa. A partir do final dos anos 70, com a expansão da cidade de Fortaleza

deixar de ser mencionado. Sobretudo, se considerarmos as palavras do crítico

e sua especulação imobiliária, principalmente em torno da orla marítima, alguns

Cassimiro Xavier de Mendonça (membro do júri do Salão de 1986) a respeito de

artistas passaram a ocupar o espaço urbano como meio de expressão. Zé Tarcísio

três de seus membros (Cardoso Jr., Jorge Luiz e Mário Sanders):

é um exemplo e, como ele mesmo nos lembra, havia Kléber Ventura e Gilberto

Quase da mesma maneira como surgiu em São Paulo o Grupo Casa 7 ou no Rio

Cardoso, também com incursão nessa prática. Todos estes são nomes significa-

o Atelier da Lapa, em Fortaleza um grupo de artistas começou a trabalhar em

tivos que ajudaram a consolidar o referido Salão.

conjunto, dividiu por algum tempo o mesmo espaço e lançou como bandeira o nome do grupo – “Fratura Exposta”. [...] O caso desses três artistas é um bom exemplo para quem trabalha no circuito periférico do eixo Rio-São Paulo. Pois

A grafite tornou-se um fenômeno das grandes cidades, encontrando na retomada da pintura dos anos 80 e nos valores neo-expressionistas (grandes for-

em vez de tentar atualizar uma linguagem em relação às capitais conhecidas,

matos, generosidade no uso das cores e pinceladas largas) o ambiente propício

preferiram trabalhar a partir das influências que tinham à mão. O resultado é

para sua realização. Vale lembrar aqui as pinturas de Leonilson, conhecido artista

uma curiosa dosagem de imagens que devem ter partido da cultura de massas,

cearense, radicado em São Paulo, que nas suas vindas a Fortaleza, segundo de-

dos quadrinhos, de alguma informação de revistas de arte, mas que ao mesmo

poimento do artista plástico Maurício Coutinho, costumava pintar nas calçadas

tempo guarda uma ironia e uma referência de arte popular.

da Praia de Iracema. Para Leda Catunda (ca. 2004, p. 25), pintora que participou

As observações de Cassimiro Xavier se encaixam muito bem para o que des-

da exposição emblemática Como Vai Você, Geração 80?, “sua pintura parecia

tacamos em relação ao entrecruzamento do que é próprio da nossa cultura e de

carregada por uma influência com ícones da cultura de massa, inspiração em

sua atualização no campo da arte, capaz de se colocar lado a lado dos grandes

quadrinhos de símbolos e cores fortes”.

centros. Reconhecemos esse potencial, por exemplo, quando artistas cearenses,

Mesmo diante destes fatos, a arte urbana precisou de quase mais trinta anos

juntamente com outros de várias partes do mundo, integram as Exposições In-

para ser reconhecida como categoria e ter seu lugar de destaque no Salão de

ternacionais de Esculturas Efêmeras (1986 e 1991), em Fortaleza, idealizadas e

Abril, suscitando, inclusive, o tema “Qual o lugar da Arte?”, de que trataremos

organizadas por Sérvulo Esmeraldo e Dodora Guimarães – um dos marcos da

mais adiante ao abordarmos a primeira década deste século.

cena artística desse período.

100

A passagem do Grupo Aranha pelo Salão de Abril com pintura mural oficia-

Merece ainda atenção a importância das galerias e do mercado de arte nesse

O retorno de Eduardo Eloy à cidade de Fortaleza, no final dos anos 80, depois

panorama dos anos 80, muitas vezes assumindo o lugar das instituições estatais

de sua passagem pela Escola de Artes Visuais do Parque Laje (Rio de Janeiro),

como patronos da nova produção. Em Fortaleza, como noutros centros urbanos,

| ANOS OITENTA | Entre o sonho e a razão

herbert rolim |

101


havia uma correlação entre os novos empreendimentos imobiliários e o aque-

RELAÇÃO DE ARTISTAS

cimento do mercado de arte que se dava, sobretudo, por meio das galerias,

Aderson Medeiros, Airton, Alano de Freitas, Alberon de Sousa Soares, Alberto Alves Vieira,

concentradas principalmente no bairro de maior poder aquisitivo da cidade: Al-

Alberto de Melo Pinho, Alcides Freira Melo, Alcides M. Coelho, Almir, Aluísio Cassiano, Amílcar S.

deota. Nesse âmbito, podemos citar as galerias Inês Fiúza, Tukano, Panorâmica,

Rosas, Ana Maria, André Luiz, Ângela Moraes , Ângelo Cabral de Carvalho, Anselmo de Medeiros,

LM – Escritório de Arte, Dualibe e Arte Galeria como espaços de legitimação do

Antonio Buca, Antonio Eduardo P. Lima, Antonio Lúcio da Silva Leite, Antonio Milton de Amorim, Antonio Novaes Neves, Antonio Vieira Ferreira, Armindo L. Marques, Artur Pontes Bezerra, Artur

circuito comercial e de viabilização dos produtos de arte. Os artistas balizados

Santos Lima (Jorge Passaro), Átila Silva Calvet (Ascal), Audifax Rios, Áurea Freire Castelo Branco,

pelo Salão de Abril encontravam nesses espaços oportunidades de escoarem

Barrinha, Bia Sampaio, Calima, Cardoso Júnior, Carlos Alberto Farias Costa, Carlos Colombo,

suas produções, muitas vezes adequando-se às exigências de mercado, o que

Carlos Harle, Carlos Morais, Carlos Otávio, Carmelita Fontenele, Celso Oliveira Silva, César Autran, Chelli, Colombo, Cristina Gaspareto, Daisy Grieser, Dante Diniz, Darcílio Paula Lima,

acabou corroborando para o desgaste da pintura no final da década, assim

Dario Lopes de Castro Alves, David Bezerra de Menezes, Diana, Digeorgia Gadelha Bezerra,

como aconteceu com o restante do país, pressionado pela crise econômica.

Diniz Grilo, Domingos Adamian Costa, E.A. Pereira, Edmar Gonçalves de Alencar, Edmilson Alves

De qualquer maneira, ainda que sujeito à hegemonia da pintura, pressiona-

Pereira, Edson Landim, Edson Moreira, Eduardo de Almeida, Eduardo Eloy, Elizabeth Gomes Queiroz, Elizabeth Guabiraba, Elizeu Joca, Ferrnanda Pereira, Estanislau Ferreira Bié, Euclides

do por conflitos modernistas e contemporâneos, dividido entre selecionados e

Neto, Eugênio Franco, Eurico Bivar, Evandro Silva de Castro, Evilázio Moreira Bezerra Filho, F.

recusados, com momentos de crise e consolidação, o Salão de Abril terminou os

Machado, Fernando Hugo , Portela Pimentel, Figueiredo Pereira, Firmino, Flávia Portela, Flávio

anos 80 cedendo espaço para novas modalidades de arte tais como instalação,

Abuahb, Flávio Urquizah, Fran M. Ferreira, Francisca Souto Ribeiro, Francisco Barbosa de Oliveira, Francisco Cardoso, Francisco Clébio Carneiro dos Santos, Francisco Cleoman Fontenele, Francisco

performance e arte de rua, ao lado de categorias tradicionais já reconhecidas

das Chagas Siqueira, Francisco Das chagas, Francisco de Assis P. Costa, Francisco de Assis Pinheiro

como pintura, desenho, gravura e escultura, e daquelas em expansão a exem-

de Holanda, Francisco de Assis Vidal Junior, Francisco Erisvaldo Melo Lima, Francisco José Chaves

plo da arte conceitual, objetual e fotográfica, justificando o motivo pelo qual

da Silva, Francisco Kunha, Francisco Magalhães Barbosa, Francisco Pedro Abreu Viudez, Francisco Ribeiro de Almeida, Francisco Sebastião de Paula, Francisco Siegbert Franklin de Oliveira,

situamos essa década como ponto de referência para situar o Salão de Abril na

Francisco Sousa Ferreira, (Fransoufer), Francisco Wagner Nepomuceno dos Santos, Fuji No, Gentil

contemporaneidade.

Barreira, Gifoni, Gilberto Machado, Gilberto Oliveira Cardoso, Giovani Pacelli, Glícia, Gonzaga Filho, Grupo Aranha, Grupo ITI, Guillermo Juan, Gurgel Mendes, Hauser, Helena Ferreira Sampaio, Heliana Almeida Goia, Hélio Rôla, Hemetério Rufino C. Neto, Henrique Sérgio de Araújo Batista, Heráclio, Herbert Rolim, Hermes, Idelena Trefiglio, Irma Corecco, Isa Magalhães Barreira, Isaias, Ivan de Assis, Ivan Pereira Cunha, Ivany Gomes, J. Batista Sena, Jackson Luís Barbosa de Araújo, Jacques Martins Antunes, Jair Tadeu Romualdo, Janice Maia Pacheco, Joacilo Miranda Ponte, João Batista Bezerra de Queiroz, João Bosco, João Jorge Marques Melo, João Lopes, João Monteiro da Cunha Salgado Neto, Joca, Jorge Luís, Jorge Luiz Silveira de Araújo, José Airton Montezuma, José Aluízio Cassiano Barbosa, José Benedito Fonteles, José de França Amora, José Francisco Pinheiro de Sousa, José Gilberto Maia, José Guedes Martins Neto, José Hélio de Oliveira Ferreira, José Lacerda Viana Mesquita, José Leite Mesquita, José Luciano Pereira, José Lúcio Lima Pontes, José Mário de Castro Sanders, José Maurício Silva, José Moreira Sales (Sallyn), José Nobre Filho, José Ribamar Fernandes da Silva, José Tarcísio, José Válber de Sá, Benevides, Jotonio, Júlio César Fernandes Mesquita , Júlio César Maciel, Júlio Silveira, Juscelino Ferreira Ramos, Kazane, Kélson César M. Teles, Kunha, L. de Rossi, Lacet, Laura Heloisa Morais da Silva, Laurentícia, Lauro Sérgio, Líbia Ximenes Cabral, Lilair, Lilia Moema, Liliar Peixoto Falcão, Lincoln Aragão, Lourdes

102

| ANOS OITENTA | Entre o sonho e a razão

herbert rolim |

103


Cedran, Luís Antonio G. da Silva, Luís Felipe Viteli, Luiz Iraldo Nunes, Luiz Massague Karimai, M. Argente, Magno Vanderley Figueiredo, Mano Alencar, Manoel Neto, Márcio Augusto de F. Pereira, ,Márcio Marques, Marcos Alberto de Oliveira Vieira, Marcos Levy Maia Chaves, Marcus Francisco Cavalcante Alcântara, Marcus Heleno, Marcus Jussier, Maria José Melquíades Dias, Maria Luiza Mesquita, Maria Nair Machado Vieira, Maria Salete Rocha, Marinaldo, Mário Roque, Mário Wilson Costa Filho, Marta Silva Calíope Mendes, Maurício Coutinho, Mauro Ramalho, Maynard Sobral, Mesquita, Messias Braga B. Sousa, Michel Oka Elias, Micheline Broutout, Miguel Ferrão, Murilo René Junior, Murilo Ribeiro, Neide Molinari, Neusa Mari A. Rodrigues Dias, Newton Dias Silva, Nobre, Nogueira, Olga Maria Pamplona Miranda, Osvaldo Neto, Otacílio Camilo, Paulo César A. Carvalho, Paulo Ess, Paulo Frota, Paulo Sérgio, Pedro Alcântara, Pedro Rodrigues Mota, R. Marques, Raimunda Alves de Sousa (Mundinha), Raimundo da Silva Belarmino, Raimundo de Sousa Neto, Raimundo Júnior, Raimundo Mateus de Oliveira, Raimundo Nonato Barbosa, Renato Soares, Renê Rabelo Castro Junior, Renildo Soares, Riba, Ricardo Augusto Rocha Pinto, Ricardo Bisio, Ricardo Mendes Nobre, Ricardo Nobre, Ricardo Rodrigues, Roberta Rosa Boris, Roberto Galvão, Rodolfo Flávio da Silva (Rodolfo Markan), Rogério Albuquerque, Rômulo Batista do Nascimento, Ronaldo Cavalcante, Ruth Schnneider, Sandra Burgos, Sandra Santabaia, Sara Carmo, Sebastião Vanderley Jambara, Sérgio Lima, Sérgio Marques, Sérgio Pinheiro, Sidio, Sílvio Porto, Simone Leão Castro, Socorro Dutra, Sousa, Spinosa, T. Silva, Tadeu Bittencourt, Tamara Roman, Tania Madruga, Tania Maria G. de Menezes , Tarcísio B. Hissa, Tarcísio Félix de Oliveira, Tarcísio Garcia, Temístocles , Thadeu Nobre Rodrigues, Tiago Sobreira Santana, Titã, Tota, Vagner, Válber Benevides, Valdenora de Sousa Lima, Vanessa Maria de Almeirda Brígido, Vera Vidal, Vicente de Paula, Vidal Junior, Villé Magalhães, Viudez, Waldizar Viana, Wanderley, William Padilha , Wiron Batista, Yolanda Bournelle, Zé Beto, Zé Pinto e Zélio.

104

| ANOS OITENTA | Entre o sonho e a razão


Heloisa Juaçaba | Guaramiranga, CE, Brasil, 1926 | Da Série Arquitetema, déc. 80 Punho de rede sobre duratex - 83 x 83 cm Coleção Salet Rocha


Sérvulo Esmeraldo | Crato, CE, Brasil, 1929 | Prisma Vermelho, 1989 Aço soldado e pintado - 101 x 80 x 44 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Zenon Barreto | Sobral, CE, Brasil, 1918 – Fortaleza, CE, Brasil, 2002 | Suporte com Ancinhos, s.d. Objeto - 93 x 22 x 15cm Coleção Centro Cultural BNB


Carlos Costa | Fortaleza, CE, Brasil, 1952 | Nunca Más, 1989 Pigmento, carvão e pastel seco sem papel - 45 x 55 cm Coleção do artista


Eduardo Eloy | Fortaleza, CE, Brasil, 1955 | Sem título, 1980 Mista sobre papel - 68 x 62 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Herbert Rolim | Parnaíba, PI, Brasil, 1958 | Da Série Verbovocovisual, 1983 Mista sobre tela - 70 x 90 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


José Guedes | Fortaleza, CE, Brasil, 1958 | Barco, 1983 Óleo sobre tela - 100 x 80 cm Coleção Centro Cultural BNB


Jorge Luís | Fortaleza, CE, Brasil, 1959 | Sem título, s.d. Mista sobre tela - 130 x 131 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Cardoso | Fortaleza, CE, Brasil, 1966 | Da Série Mais Uma de Amor, s.d. Tinta acrílica, esmalte sintético sobre tela recortada - Dimensões variáveis Coleção do artista


Sebastião de Paula | Morada Nova, CE, Brasil, 1961 | Sem título, 1993 Xilogravura sobre papel - 116 x 92 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Hélio Rola | Fortaleza, CE, Brasil, 1943 | Da Série Bichos, déc. 80 Alumínio recortado, dobrado e pintado em acrílica - Dimensões variáveis Coleção do artista


Fco. Vidal Júnior | Fortaleza, CE, Brasil, 1954 | Imagem 1, 1983 Desenho com caneta esferográfica sobre papel - 26 x 26 cm Coleção do artista


Mário Sanders | Aquiraz, CE, Brasil, 1960 | Espírito Porco 1, 1988 Nanquim e aquarela sobre papel - 30 x 30 cm Coleção do artista

Espírito Porco 2, 1988 Nanquim e aquarela sobre papel - 36 x 40 cm Coleção do artista

Espírito Porco 3, 1988 Nanquim e aquarela sobre papel - 30 x 30 cm Coleção do artista


Maurício Coutinho | Fortaleza, CE, Brasil, 1960 | Mulher, s.d. Tinta esferográfica negra sobre papel - 35 x 47 cm Coleção Centro Cultural BNB


Júlio Silveira | Fortaleza, CE, Brasil, 1956 | O Corte da Melancia, 1989 Performance Coleção do artista


José Albano | Fortaleza, CE, Brasil, 1944 | Buda e Daniel, s.d. Fotografica - 50 x 70 cm Coleção do artista


Gentil Barreira | Fortaleza, CE, Brasil, 1953 | Diante da Luz, 2004 Fotografia Coleção do artista


Tiago Santana | Crato, CE, Brasil, 1966 | O Chão de Graciliano, 2004 Impressão com pigmento mineral em papel de algodão - 50 x 70 cm Coleção do artista


Barrinha | Fortaleza, CE, Brasil, 1961 | Dá Série Sinto Muito (São Sebastião, Santa Edwirgens, Santo Expedito), 2004 Objetos: Câmaras de pneus de carro; cintos de couro; imagens de santos - 73 cm x 36 cm (cada) Coleção do artista


herbert rolim

ANOS NOVENTA Eu, eu e o(s) outro(s)

Está cada vez mais difícil ter uma visão de movimentos ou tendências que caracterizem determinada época ou período sob a perspectiva do que conhecemos hoje como pós-modernidade, quer seja no sentido cronológico, dentro daquilo que se produziu da segunda guerra mundial para cá, quer seja de acordo com as questões estilísticas: quebra do suporte tradicional, transformações nas relações de espaço e tempo, rompimento dos limites de autoria e de aproximação da realidade, ou seja, dos estreitamentos entre arte e vida. Esse grau de dificuldade acentuou-se nos anos 90 e diz respeito ao modo como estão imbricados os procedimentos artísticos e as relações contextuais e históricas que as incitaram, de tal ordem que podemos dizer, por exemplo, que a pluralidade de linguagens, complexidade de formas e variedades de motivos sem estilos ou cânones demarcados estiveram (e continuam estando) sob influência do que chamamos de “revolução tecnológica”, impulsionada pelas demandas de TVS por assinatura, comercialização de processadores Pentium, ampliação de redes da Internet, circulação de DVDs, etc., para citar algumas entre tantas, o que acelerou, em muito o processo de globalização já em andamento desde a década anterior. Do mesmo modo, as experiências no campo científico, como a clonagem (o caso da ovelha Dolly), os alimentos geneticamente modificados e outros tantos avanços, entraram indiretamente (ou diretamente) na relação de fatores inovadores da arte e cultura contemporâneas. Isso sem falar nas questões políticas e econômicas, marcadas pela reunificação das Alemanhas, fim da “guerra fria”, início da guerra do Golf, falência do regime apartheid na África do Sul, impulso do neoliberalismo e criação da Organização Mundial do Comércio – OMC, etc., que se somaram a muitos outros fatores com reflexos na arte. No Brasil, os anos 90 se iniciaram com o Governo Collor, escolhido por voto direto. Esse período foi assinalado por uma hiperinflação, frente a qual se deram o confisco da poupança, congelamento de preços e salários, demissão em herbert rolim |

147


massa do funcionalismo público, privatização de estatais, desmantelamento do

gularidades desse período é o gosto por uma linguagem da individualidade,

setor cultural, enfim, crise do mercado de arte. Note-se que em presença desse

como podemos observar neste seu comentário: “na arte atual é impressionante

quadro o povo, notadamente os jovens com as caras pintadas, se manifestou

a presença de mitologias individuais. Findas as grandes utopias, o artista volta-

pelo impeachment do presidente, levando-o a cabo em 1992, quando o então

se para si mesmo em busca de um parâmetro possível para a construção de sua

vice-presidente Itamar Franco assumiu interinamente o governo.

obra...”. Em outras palavras, o artista é senhor e tema de sua própria lingua-

Aos poucos, a retomada da economia com o Plano Real do Governo Fernando Henrique, seu sucessor, foi abrindo espaço para um reaquecimento do mer-

Por outro lado, um aspecto a ser considerado, de acordo com Laymert Garcia

cado, motivado pelo aumento de vendas das estatais e reforma monetária como

dos Santos (2002, p. 222), é o modo como “para os artistas brasileiros dos anos

medida transitória para o “real”. Tais mudanças se fizeram notar no território

90, as técnicas tradicionais, as ferramentas, os materiais e o savoir-faire que

das artes visuais, de maneira especial no que se referem às megas exposições cenográficas de caráter espetacular, abertura de galerias e centros culturais, institucionalização do mercado, aumento de público, formação de arte-educadores, razoável aumento nas publicações de livros de arte e conquista de novos espaços internacionais, em processo gradativo de expansão. Do ponto de vista da produção, e nisso parece haver um consenso entre críticos e historiadores, a nova geração de artistas dos anos 90 voltou-se para as duas décadas anteriores, repaginando as questões que lhe pareciam de maior interesse. Nesse sentido procurou avançar no que Glória Ferreira (2002, p. 124) chamou de “interpelação sistemática de valores estéticos, éticos e políticos”, de ordem conceitual, com a qual ficaram marcados os anos 70, com suas trans-

148

gem.

vinham sendo questionados desde os 60 deixaram de vez de fazer sentido”. Nesse caso, frente à desestruturação do que se tinha por convencional na arte, e em movimento contrário àquela vertente mais intimista, subjetiva e recurvada para dentro, de que ressaltamos há pouco, surge uma outra, que abdica “de seu estatuto privilegiado” de artista, ao mesmo tempo em que potencializa seus interesses por “arte-pública”, a partir da qual se imanizam valores estéticos e questões de ordem sócio cultural, fenômeno este que se intensificará na década seguinte com a multiplicação de coletivos. Eis aí pontos que se contrapõem, mas que também se complementam. De um modo geral, é possível que o mais significativo da década de 90 tenha sido potencializar os meios de eliminar o isolamento cultural a que estávamos destinados, razão pela qual, como disse Luiza Interlenghi (2006, p. 195),

gressões e experimentações; muito embora, abdicando agora do tom de enga-

“O linear horizonte das paisagens locais vai sendo deslocado pela esférica e

jamento ideológico e do clima marginal, sobre os quais se assentaram os ideais

deslizante curvatura do global”. E é dentro desse contexto cambiante que le-

sóciopolíticos daquela geração. Já da geração 80, que a antecedeu, herdou o

vamos em conta o nosso Salão de Abril na última década do século XX, tendo

interesse pela liberdade de expressão, de pensamento e experimentação me-

como foco a cena artística da cidade de Fortaleza.

nos intolerantes e mais diversificados, além de tentar reafirmar seu espaço no

Talvez seja pertinente começar pelo tradicional conflito entre o pensamento

mercado e na circulação de arte, no entanto, com a diferença de não perder o

moderno, ainda arraigado na nossa cultura, com suas plataformas estéticas esta-

controle de produção.

belecidas, de um lado, e a complexidade das experimentações contemporâneas

Dessa convergência de valores emerge uma variedade de vertentes, nos anos

flutuantes, de outro, ainda presente nos nossos dias, cuja natureza é herdeira de

90, de natureza contraditórias. Para Tadeu Chiarelli (1998, p.7), nessa época

uma tradição que tem na célebre frase de Marx “tudo que é sólido desmancha

diretor curador do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM, uma das sin-

no ar” uma referência pontual.

| ANOS NOVENTA | Eu, eu e o(s) outro(s)

herbert rolim |

149


Este mal estar, entre nós, fica patente nas palavras do artista e historiador

Cláudio Tozzi e Aline Tortosa. Era uma forma de fazer conhecer a produção local,

cearense Estrigas (2002, p. 158), ao revelar no seu livro A Arte na Dimensão do

estreitar laços de afinidades e traçar paralelos com o que acontecia no circuito

Momento o seguinte comentário acerca do XLIV Salão de Abril, em 1993:

de arte contemporâneo do país.

Juntamente com os críticos de arte Rodrigo Naves e Paulo Estelita Herknhoff,

A presença da jornalista e crítica de arte Sheila Leirner na comissão julgadora

vindos do sul, fomos ao MAUC 4, à tarde, ao Passeio Público (Pavilhão Antônio

do Salão de Abril, abrindo os anos 90, exemplifica bem a inclinação deste de

Bandeira). No primeiro vimos desenho, pintura, gravura, etc. e no segundo a parte de escultura. [...] Nenhum trabalho que apresente qualidade artística de maior expressão. E, como sempre, quando os trabalhos são julgados por críticos

4

  Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará.

5   MEstrigas se refere aos críticos Rodrigo Naves (autor de A forma difícil; Farnese de Andrade; Goeldi; Nelson Felix; editor da revista Novos estudos, da Cebrap, entre 1987 e 1995) e Paulo Herkenhoff (autor de vários livros, foi curador da Fundação Eva Klabin Rapaport, consultor da Coleção Cisneros (Caracas) e da IX Documenta de Kassel, em 1991, curador da Bienal de São Paulo de 1998, diretor do Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 2008, etc.,). 6

  Carlos Fajardo: conceituado artista plástico e Professor Doutor pela USP-São Paulo.

tica pelo fato de ter sido curadora das 18ª e 19ª Bienais Internacionais de São

do sul 5, que são marcados pelo “padrão bienal”, os trabalhos, nessa linha, têm

Paulo (1985 e 1987), com destaque para a primeira delas que ficou conhecida

a preferência, e o mais inexpressivo é o mais bem colocado.

como a bienal da “Grande Tela”, quando apresentou em longos corredores uma

O mesmo tipo de comentário se repete em relação ao XLV Salão de Abril, no ano seguinte, em que Estrigas (op. cit., p. 164) mais uma vez, como membro do júri, na condição de representante do Ceará, ao lado do crítico Paulo Herkenhoff, do Rio de Janeiro, e do artista Carlos Fajardo 6, de São Paulo, revela suas impressões a respeito dos trabalhos selecionados: Com a predominância, já constante, no júri, de dois elementos, geralmente do Rio e S. Paulo, comprometidos com o momento atual, a norma é, sempre, dar os melhores prêmios aos trabalhos que mantenham pontos de contato com traba-

sequência de pinturas, uma ao lado da outra, configurando-se num marco histórico da hegemonia da pintura nos anos 80 e, ao mesmo tempo, de seu esgotamento, a partir da qual entrou em declínio. Pois bem, quanto a seus critérios como examinadora do Salão significou “realçar uma linguagem verdadeira e espontânea e adotar como critério fundamental uma ampla abertura em relação a tendências e estilos”, nas palavras de Estrigas (2009, p. 229), de acordo com o depoimento da mesma para o jornal O Povo de 1º de maio de 1990. O segundo aspecto a ser considerado diz respeito ao conflito de linguagens,

lhos considerados como mais representativos do momento, que, quase sempre,

nos moldes do que aconteceu na primeira metade dos anos 50, no século pas-

têm o lampejo da inexpressividade e cai no vazio. É a decadência jovem que não

sado, entre os modernos e acadêmicos, superado apenas em 1958, no XIV Salão

mostra nada para que os outros imaginem o que eles não souberam fazer. E já

de Abril, levando em conta que entre as obras expostas havia “uma pluralidade

que os trabalhos não dizem nada, os jurados ativam a imaginação e projetam no

mais efetiva em termos de estilos modernistas: impressionismo, expressionismo,

trabalho, passando o mesmo, assim transfigurado, a ser escolhido para premia-

abstracionismo e concretismo” (GALVÃO, 2004, p. 163). Daí, trazendo para os

ção. É o jurado votando em si mesmo.

150

manter aproximações com outros centros. Sua participação tornou-se emblemá-

anos 90, as oposições de forças se dão agora entre estes últimos, modernos, e

Por este depoimento podemos assinalar dois aspectos que devem ser con-

as complexas redes das linguagens contemporâneas. É nesse âmbito, portanto,

siderados quando tratamos da década de 90, em Fortaleza, pelo viés do Salão

que podemos contextualizar as observações de Estrigas, como remanescente

de Abril. O primeiro deles é a presença, num crescente, de críticos e curadores

da Sociedade Cearense de Artes Plásticas – SCAP, cuja formação deve-se a tal

vindos de outros estados, isso tanto no júri de seleção e premiação como nas

movimento de importante atuação entre os anos de 1944 e 1958, justificando

atividades paralelas (cursos, palestras, lançamentos de livros...), algo que na

assim seus posicionamentos.

década anterior já dava sinais de preeminência. Além dos críticos e curado-

O curioso é que nestas edições a que se refere Estrigas encontramos artistas

res mencionados, também passaram pelo Salão: Sheila Leiner, Sônia Goldberg,

veteranos do alcance histórico de um Sérvulo Esmeraldo, José Tarcísio e Hélio

| ANOS NOVENTA | Eu, eu e o(s) outro(s)

herbert rolim |

151


Rola, ao lado de alguns nomes representativos da década passada como José

Rola, Roberto Galvão, Sérgio Lima, Nauer Spíndola e Sebastião de Paula, como

Guedes e Maurício Coutinho, mais os que se iniciavam no Salão de Abril e que se

“algo pautado por um significado que transcende mesmo a identificação esté-

firmariam ao longo dos anos 90 a exemplo de Francisco de Almeida, Nauer Spín-

tica que caracteriza uma noção corriqueira dos movimentos artísticos. O único

dola, Solon Ribeiro e Zanazanan. Acrescente-se ainda o artista Eduardo Frota

ponto de conjunção entre esses artistas é sua admirável vontade de reunir forças

que, embora com um caminho traçado na década antecedente e com passagens

em benefício comum” (MARTINS, 2001). Sua importância não reside apenas no

pela Escolinha de Arte do Brasil – EAB e a conhecida Escola de Artes Visuais

fato da participação de seus componentes no Salão de Abril, mas diz respeito

– EAV do Parque Laje, ambas no Rio de Janeiro, participa pela primeira vez do

também às oficinas de gravura, de onde saíram artistas por este assimilados.

Salão de Abril em 1993.

Antes de encerramos este capítulo sobre a década de 90, dentro do que

Completam a lista de artistas que passaram pelo Salão de Abril e emergiram

nos propomos abordar quanto ao Salão de Abril e suas ligações com o circuito

nos anos 90, com certo trânsito no circuito nacional, os nomes de Jared Domício

nacional, cabe salientar o itinerário de algumas de suas edições por diversos

e dos fotógrafos Tibico Brasil, Celso Oliveira, Jarbas Oliveira e Nicolas Gondim,

pontos do Brasil e até fora deste, conforme anotações de Estrigas (2009): 1992

etc.. Como se vê, a fotografia, que já vinha dando sinais de força no decênio an-

- Galeria de Arte da ECT, Brasília-DF; Casa das Rosas, São Paulo-SP e Galeria

terior, passa a ocupar mais espaços no Salão, aos poucos mudando seu caráter

Metropolitana de Arte Aloísio Magalhães, Recife-PE; 1993 - Biblioteca Estadual

de fotojornalismo para uma produção mais experimental (HERKENHOFF, 1996),

Celso Kely, Rio de Janeiro-RJ; 1994 - diversas capitais; 1996 - Montevidéu - Uru-

desse modo acompanhando uma tendência que parecia generalizar-se, presente

guai, Cannes e Paris - França.

tanto nos principais salões da cidade (Salão Norman Rockwell e UNIFOR Plástica) quanto nas mais importantes exposições do país.

Se os anos 90, no Ceará, não tiveram a mesma efervescência da década que os antecedeu, de sobremaneira em relação ao surgimento de novos artistas, e

Outro aspecto a ser apontado, numa vertente menos intimista, é a presença

mantendo-se a cidade fora do circuito, como de costume, das grandes exposi-

de grupos no Salão de Abril. Na verdade, uma tendência nacional que se forta-

ções que circulavam pelo país, podemos dizer que uma verdadeira mudança se

leceu nos anos 80 e que se prolonga até os dias de hoje. Na edição de 1995, a

operou a partir de 1999, depois da fundação do Centro Dragão do Mar de Arte e

menção honrosa recebida pelo Galpão de Artes (Aldemar de Barros, Ana Cos-

Cultura – CDMAC, quando passamos a fazer parte da rota nacional. Neste mes-

ta Lima, Antônio Formiga, Francisco Bandeira, Jorge Luis, Julio Silveira, Renato

mo ano, a criação do Curso Superior de Tecnologia em Artes Plásticas do Centro

Soares e Salet Rocha) pode configurar como um exemplo. Há também o caso

Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – CEFETCE (hoje Instituto

da “polêmica” participação do grupo Soho (Cláudio Cesar, Emília Porto, Hílton

Federal – IFCE) também contribuiu para se criar uma expectativa de oxigenação

Queiroz, Mano Alencar, Marcus Jussier e Vando Figueredo) na programação ofi-

da cena artística local e, por conseguinte, das potências estéticas do Salão de

cial do XLVII Salão de Abril, em 1996, com a instalação Eu,Tu, Ele, Nós, Vós, Eles

Abril, frente ao novo século que se avizinhava promissor.

em que o espectador se via refletido nos espelhos emoldurados por tampas de vasos sanitários pintados. Ainda, em se tratando de coletivo nesse período, devemos mencionar as atividades no âmbito da gravura do Grupo Tauape, formado por Eduardo Eloy, Hélio

152

| ANOS NOVENTA | Eu, eu e o(s) outro(s)

herbert rolim |

153


RELAÇÃO DE ARTISTAS Abraão Linco Silva de Vasconcelos, Aderson Medeiros, Adriano Jorge Martins, Adriano Martins de Paiva, Agripino Neto, Alano Aguiar de Freitas, Alba Alves de Barros, Alberto Barros, Alcides Freire Melo, Alcides M. Coelho, Alexandre Henrique, Alexandre Linhares Rangel, Alexandre Sobreira, Amílcar Silva R. Galeno, Ana Carolina Póvoas Corrêa, Ana Costa Lima, Anastácia Helena Ribeiro, Anderson Medeiros, André Luis Garcia Nunes, André Rôla, Ângela Maria da C. Araújo, Antenor Lago Costa, Antonio Ferreira Farias Filho, Antônio Formiga, Antonio Francisco da Costa (Antunes), Antônio Hilton de Souza Machado, Antônio Osmar Ribeiro Julião, Aredilson Freitas, Arnaldo Fontenele, Atila Silva Calvet (Ascal), Audifax Rios, Bartolomeu da Costa Guilherme, Beatriz Helena F. Sampaio, Bernando Fernandes, Bezerra, Bia Hoppe, Botocello, Caetano, Cardoso Júnior, Carlito, Carlos Alberto C. de Lima, Carlos Augusto Amaral de Moura, Carlos Costa, Carlos Eduardo de Sena Figueiredo, Carlos Harle, Carmelita Fontenele de Lima, Carnem Larazi, Cecília Castelini, Celso Oliveira, Cesar Cantídio Brasil, Chico Gadelha, Cícero Simplício do Nascimento, Cláudio César, Cláudio Dourado, Cláudio Lima, Cláudio Mattos, Cláudio Medina, Cleoman Fontenele, Cristiane Pessoa, Dante B. Diniz, Descartes Gadelha, Di Georgea, Drawlio Joca, Edson Almeida Pereira, Edson Landim, Edson Nogueira Vasconselos, Eduardo Frota, Eduardo Freire, Eduardo Soares Queiroz, Efimia Rola, Elda Batista, Elias Gomes e Silva, Eliseu Joca, Éric Marc Deckers, Ernani Pereira, Estrigas, Eurico Bivar, Evaldo Miranda, Expedito Landim, Expedito Luz, F. Bandeira, Jared Domício, João Bosco Lima Moraes, Joelson Gomes, Jorge Luiz Silveira de Araújo, José Barreto Nero, José Carlos Augusto Dias Vital, José Carlos Marinho Cirino, José Cláudio de Lima, José Cláudio Medina Filho, José Cordeiro Albano, José Evaldo Oliveira de Mirada, José Guedes, José Hamilton Gondim, José Leite de Oliveira Júnior, José Lourenço Gonzaga, José Moreira Barreto Neto, José Moreira da Silva (J. Oliveira), José Nobre, José Ribamar Fernandes da Silva, José Tarciso, José Valber de Sá Benevides, Júlio Cláudio César de Campos Marques, Júlio Silveira, Kazane, Kelson C. Montenegro Teles, Klauber Bezerra Rocha, Laura Heloisa Moraes (Loinha), Linco Vasconselos, Luiz de Araújo Barbosa, Luiz Gonzaga R. Filho, Luiza Mesquita, Mano Alencar, Manuel Neto, Marcelo Ferreira da Silva, Marcelo Santiago Mendes, Marcos Alberto de Oliveira Vieira, Marcos Antônio Gonçalves, Marcos Guilherme, Marcos Venício Studart Filho, Margareth G. M. Calvacanti, Maria Ester Diligenti, Maria Mariene Guerra de A. Maia, Maria Tereza S. da A. Pinto, Mariene Guerra, Mário Gomes, Marta Cândido Lopes, Maura Regia de Sousa Ribeiro, Maurício Cals, Maurício Coutinho, Messias Batalha, Mivando Peixoto Torres, Moreira Neto, Murilo Teixeira, Nauer Espíndola, Nelson Figueiredo Bezerra, Nelson Jorge M. da Silva, Nelson Zaquira, Nely Rosa, Nice Firmeza, Nogueira, Omar de Albuquerque, Patrícia Al´Kary, Patrícia Ary, Paulo Alencar, Paulo Ayriaman, Paulo Fraga, Perigo Neto, Raimundo Garcia de Araújo, Raimundo Nonato, Raquel Vasconselos, Renato Soares, Rian Fontenele, Ricardo Amorim, Roberto Galvão, Roberto Pamplona Moura Júnior, Rubens Martins de Albuquerque, Salet Rocha, Sandra Montenegro, Sérgio Helle, Sérgio Lima Bezerra, Sérgio Pinheiro, Sérvulo Esmeraldo, Siegbert Franklin, Silas José de Paulo, Silvana Tarelho, Solon Ribeiro, Sônia Maria, Tânia Kacelnik, Tiago Santana, Tibico Brasil, Vamirez Argemiro Gonçalves, Vando Figueiredo, Vicente de Paula Pinheiro, Vicente de Paulo Furtado Filho, Wiron Bastista, Yuri Yamamoto, Zanazanan Queiroz, Zé Pinto, Zenon Barreto.

154

| ANOS NOVENTA | Eu, eu e o(s) outro(s)


Maurício Coutinho | Fortaleza, CE, Brasil, 1960 | Sem título, 1995 Objeto alumínio torneado - Dimensões variáveis Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Eduardo Frota |Fortaleza, CE, Brasil, 1959 | Sem título, 2003 Madeira queimada - 84 x 700 x 124 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Zanazanan | Fortaleza, CE, Brasil, 1972 | Sem título, 2003 Desenho - 50 x 50 cm Coleção Sr. Roberto Pamplona Jr. Foto: Zanazanan


Jared Domício | Fortaleza, CE, Brasil, 1973 | Da Série Projeto de Mutilação Vassoura, 2002 Objeto - Dimensões variáveis Coleção do Artista


Nauer Espíndola | São Bernardo, MA, Brasil, 1960 | Sem título, 1999 Xilogravura sobre papel - 83 x 73,5 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Sérgio Helle | Crato, CE, Brasil, 1964 | Acqua IX, 2009 Infogravura - 80 x 110 cm Coleção do Artista


Solon Ribeiro | Crato, CE, Brasil, 1960 | Da série mitos vádios, 1978/2008 Fotografia p&b sobre P.V.C. - 169,5 x 89,3 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Nicolas Gondim | Fortaleza,CE, Brasil, 1972 | Da Série Papangus, 2010 Fotografia - 70 x 50 cm Coleção do artista


Celso Oliveira | Rio de Janeiro, RJ, Brasil 1957 | Quem somos nós?, déc. 90 Fotografia - 70 x 50 cm Coleção do artista


Jarbas Oliveira | Cedro, CE, Brasil, 1962 | Memória da cor, 2006 Fotografia - 70 x 110 cm Coleção do artista


Francisco de Almeida | Cratéus, CE, Brasil, 1962 | Olhando o Eclipse II, 1995 Xilogravura sobre papel - 110 x 180 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Tibico Brasil | Fortaleza, CE, Brasil, 1966 | As Vacas, déc. 90 Fotografia - 100 x 70 cm Coleção do artista


herbert rolim

ANOS DEZ Deslocamentos e transitoriedades

Certamente nenhum acontecimento chamou mais atenção no início da primeira década do terceiro milênio do que o atentado aéreo que destruiu, em 2001, as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova Iorque. Esse fato marcou profundamente não só o plano político internacional, repercutindo em todo o mundo, mas atingiu diversos setores com forte efeito nos campos da economia e cultura. Os temores da “Guerra Fria”, que em outros tempos afligiram a humanidade, ressurgiam agora com a “Guerra ao Terrorismo” como estratégia global na luta contra os atentados terroristas. Em outra escala, mais um episódio histórico desse período foi a oficialização do euro (€) com a circulação de notas e moedas na maioria dos países da União Européia a partir de janeiro de 2002. Quanto ao mercado de arte houve um reaquecimento, depois da retração em relação ao boom dos anos 80, introduzindo no circuito novos compradores chineses, sudestes asiáticos e russos. De um modo geral a economia alcançou seu período mais longo de estabilidade e prosperidade, sem maiores sobressaltos até 2007, quando aconteceu a crise financeira causada pela derrocada das instituições de crédito dos Estados Unidos, responsáveis pelos empréstimos hipotecários. Naturalmente que nesses anos os avanços tecnológicos continuaram a passos largos, impulsionados pelos lançamentos do You Tube, iPhone,Wikipédia,Orkut,

Facebook e Twitter, ampliando conceitos de multimédia e hipermédia, com reflexos em todas as áreas, sistematizando-as e interconectando-as. Na América Latina o destaque ficou para o crescimento da esquerda e o sentimento de antiamericanismo fortemente representado pelos posicionamentos políticos de Hugo Chaves, presidente da Venezuela, e Evo Morales da Bolívia. Na contramão deste panorama, o regime socialista de Cuba, liderado por Fidel Castro, entrou em franca decadência. herbert rolim |

183


Em relação à economia, nas mais importantes regiões deste continente, hou-

Cabe aqui uma referência especial ao surgimento da ONG Alpendre – Casa

ve crescimento considerável, o que significou diminuição dos índices de pobreza,

de Arte, Pesquisa e Produção que, ao lado desses equipamentos e das institui-

no entanto, sem alterar o quadro de agravamento da desigualdade social.

ções de ensino, teve um papel importante na oxigenação do cenário artístico

Acompanhando a tendência de alguns países (Rússia, Argentina, China e

local, ao longo desta década, antes caracterizado pela aparente apatia dos anos

parte da Europa), em sentido contrário aos anos 90, as privatizações no Brasil

90. Com uma significativa biblioteca, considerável fluxo de artistas, programa-

deram lugar às estatizações, com isso enfraquecendo a força do neoliberalismo,

ção de exposições, cursos e espetáculos esse espaço tornou-se um verdadeiro

sistema político que encontrou nos dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula

centro de fusão cultural de artes visuais, literatura e dança de onde emergiu

da Silva (2002 a 2010) seu principal opositor.

uma geração que ajudou a escrever um novo capítulo da arte contemporânea

Entre as tantas novidades tecnológicas surgidas no plano nacional, destacamse a rapidez e potência das conexões de banda larga, além de sua amplitude,

De modo mais alternativo e experimental o grupo de intervenção urbana

acompanhada da tecnologia de telefonia via Internet (VOIP), através do Skype.

Transição Listrada (Renan Costa Lima, Vitor César e Rodrigo Costa Lima) tam-

Isto sem falar no poder aquisitivo de compra do brasileiro, cujas facilidades aju-

bém fez parte desse quadro animador. Entre suas ações de maior repercussão,

daram a popularizar o celular, os laptops e as câmeras digitais. O mundo nunca

chamamos atenção para o projeto BASE pelo caráter de diligência com que

pareceu tão pequeno, mais ainda com a enciclopédia eletrônica Google Knol e o

ativou o circuito de arte local. Fixando-se numa pequena casa, o grupo criou um

programa Google Earth que trouxe nosso planeta para dentro de casa.

ponto de encontro, discussão e intercâmbio entre artistas locais e de fora, com

Em se tratando do Ceará, entramos no terceiro milênio consolidando uma

foco em trabalhos que dialogavam com o cotidiano da cidade.

subtração no fluxo migratório de cearenses, com uma reversão de dados entre

Com efeito, juntamente com esses espaços antes mencionados, os cursos de

os anos de 2001 a 2006, em parte graças aos programas sociais voltados para

arte das instituições de ensino, Faculdade Gama Filha - FGF e Centro Federal de

a fixação do homem no seu lugar de origem e, por outro lado, ao crescimento

Educação Tecnológica do Ceará – CEFETCE, recém criadas no início da década,

da economia. Nesse ponto, em 2008, superaram-se os índices econômicos com

ajudaram a transformar o perfil paroquial do nosso sistema artístico cultural.

um aumento acima da média nacional, impulsionado por incrementos no setor

Mais ainda, vale sublinhar que a prática dos editais de incentivo às artes con-

agropecuário e na produção industrial, nem por isso tampouco se alteraram os

solidou-se, nesses anos, como meio democrático e socializante de gerir os recur-

indicadores de concentração de renda.

sos públicos e fomentar a produção e circulação dos bens materiais e imateriais

Destacamos também o impulso que o setor cultural teve no Ceará, seguindo

184

cearense com inserção no Salão de Abril.

da cultura cearense, mesmo sendo alvo de restrições por parte de alguns.

uma tendência nacional de construção de grandes centros culturais, motivada

Enfim, pontuamos todos esses fatores de mudança da primeira década do

por leis de incentivo à cultura e pelo apoio dos bancos à arte brasileira, algo

século XXI, desde as injunções internacionais até os efeitos transformadores lo-

que já vinha acontecendo desde a década anterior. Nesse contexto surgiram o

cais, com a finalidade de situar o Salão de Abril nesse contexto. Claro que todos

Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura e o Centro Cultural Banco do

esses acontecimentos afetaram o perfil do Salão, sublevando os critérios de sele-

Nordeste, como já frisamos no capítulo anterior, dando lugar às grandes expo-

ção e premiação, espaço e tempo, exposição e recepção, categorias e vertentes,

sições nacionais e estrangeiras, assim como acolhendo a produção de artistas

intercâmbio e formação, etc., para os quais, desde os anos 80, os caminhos já

cearenses, cujo percurso profissional, via de regra, se fez pelo Salão de Abril.

vinham apontando.

| DÉCADA DE 10 | Deslocamentos e transitoriedades

herbert rolim |

185


A presença da tecnologia, por exemplo, como meio produtivo na sociedade

os nomes de Dodora Guimãres e de Bitu Cassundé (atualmente curador e dire-

contemporânea, segundo vimos, afetou extraordinariamente o modelo artesa-

tor do Museu Murillo La Greca, em Recife-PE), ambos integrantes do programa

nal com que as categorias tradicionais da arte se assentavam. Sem esquecer

Rumos Visuais do Banco Itaú, responsável pelo mapeamento de artistas emer-

as cópias xerográficas dos anos 70, nessa nova situação podemos citar a obra

gentes do Brasil. Lembrando que o artista Eduardo Frota também foi um dos

Paixão do artista Sérgio Helle, merecedora do Prêmio de Gravura, em 2001,

curadores assistentes desse projeto.

como o primeiro caso de infogravura (criação por meio da computação gráfica) que aparece nos registros do Salão de Abril, reconhecido como categoria. Outro exemplo é a penetração do vídeo na edição de 2003, nas mesmas condições de ruptura, conforme podemos evidenciar na vídeo-instalação Em Uma Hora da artista Bia Cordovil, detentora do Prêmio Antônio Bandeira, ou no vídeo de Jussara Correia que recebeu elogios do crítico belga Philippe van Cauteren, curador da Bienal das Américas (2002). Outra coisa, no LV Salão de Abril, essa modalidade de arte, uma vez por todas, haveria de firmar seu espaço, senão vejamos o que diz Estrigas (2009, p 279): Na mostra competitiva, o Salão contou com 238 inscrições que culminaram com 57 selecionados e 73 obras, sendo possível perceber, a partir do panorama das obras apresentadas, como a mídia eletrônica e a instalação despontaram como novos suportes para artistas do circuito.

Lembramos que contribuiu para tal injunção a presença de Daniela Buosso (diretora do Paço das Artes – São Paulo) no júri de seleção daquele ano, sustentando a tendência do Salão de Abril de provocar interlocuções com os mais expressivos historiadores, críticos e curadores do país. Nestes últimos anos, por sinal, passaram pela sua comissão julgadora Moacir dos Anjos, Leonor Amaren-

Salão de Abril, composta por Tadeu Chiarelli, José Guedes e Dodora Guimarães, em 2002, tenha registrado em ata a orientação para que fossem oferecidos cursos sobre arte contemporânea, com a ressalva de serem dirigidos tanto aos artistas selecionados como àqueles que se interessassem pelo assunto, justamente pautando-se na necessidade premente de surgirem daí um novo quadro de artistas e futuros curadores e críticos de arte locais. Entretanto, somente na edição de 2006, sob a coordenação do artista Jared Domício, foi que o Salão de Abril passou a oferecer atividades dessa natureza, trazendo nomes consagrados como o de Rubem Grilo e Paulo Bruscky, juntamente com outros artistas de fora e da cidade, para ministrarem oficinas de performance, pintura, escultura, audioinstalação, xilogravura, instalação, desenho e fotografia. Vejam bem que temas referentes à crítica e à mediação de arte, entrementes, não foram aí contemplados, de tal forma que se precisou esperar pela edição de 2007 para que acontecessem os primeiros passos nessa direção, no momento em que Ana Valeska e Maíra Ortins, à frente do Salão, colocaram na sua pauta as palestras O Espaço da Arte Contemporânea no Museu Histórico de Arte e

te, Tadeu Chiarelli, Leda Catunda (artista), Iracema Salgado, Cauê Alves, Cristi-

Crítica da Crítica da Arte, pronunciadas por Ivo Mesquita (curador da 28ª Bienal

na Tejo, Ricardo Resende, Andrés Hernandes, Olívio Tavares, Suely Rolnik e Ivo

de São Paulo) e por Fábio Cypriano (crítico e repórter do jornal Folha de S. Paulo)

Mesquita.

respectivamente, além das oficinas Imagem e Ação, dirigida pelo artista Bruno

Contudo, no tocante aos críticos e curadores locais, com passagem pela banca examinadora do Salão de Abril, não podemos dizer o mesmo, ou seja, foram

186

A partir de uma visão mais crítica, é possível que a banca de seleção do LIII

Faria, e Iniciação à Crítica de Arte, conduzida pela jornalista Juliana Monachesi. Interessante que nesta mesma edição, após um tempo de discussão com os

poucos os que trilharam o caminho de dentro para fora, caracterizando uma la-

artistas locais, o Salão de Abril passou a ser Nacional, ampliando-lhe as poten-

cuna nesse processo de diálogo do Ceará com o circuito nacional. Primeiro pelo

cialidades e dificuldades.

número reduzido de representantes habilitados na área, depois dada à ausência

Em face dessas mudanças, pressionado por novas categorias de arte, o Salão

de ações que atentassem nesse sentido. Entre os escassos exemplos pontuamos

de Abril não mais cabia nos modelos oficias, ressentindo-se de expansão para

| DÉCADA DE 10 | Deslocamentos e transitoriedades

herbert rolim |

187


além do espaço tradicional, pouco a pouco, migrando das salas institucionais

convidada a arte-educadora Joana D’Arc Sousa Lima, especialista em Mediação

para as ruas da cidade, não como evento paralelo, mas como categoria de arte

Cultural pela Escola Agecif (Paris) e História da Arte pela École du Louvre (Paris),

pública. Num exame mais atento, encontramos no LIV Salão de Abril, em 2003,

que, oportunamente, proferiu a palestra Qual é o Lugar da Arte para a (na) Edu-

ainda sob a denominação de Manifestação Artística Cultural Contemporânea,

cação?. Depois, ocorreu que no ano subsequente o mesmo tema manteve-se em

o trabalho Frases-Instantes, da artista Érica Zíngano, em que ela se utilizou do

pauta, de onde concluímos sua ingerência no meio artístico local em conformi-

aparelho urbano (sinais luminosos de trânsito) para realização de sua obra, ins-

dade com outros centros urbanos do país e exterior.

talada numa das avenidas mais movimentadas da cidade. Mesmo levando em conta tal singularidade e conquanto a edição de 2006

escolha pretensiosa, diante de um vasto quadro de artistas igualmente legiti-

apresentasse sinais de abertura de espaços para esse fenômeno, por exemplo, ao

mados pelo Salão de Abril, justificamos nossas indicações (Bosco Lisboa, Diego

dispor de um ônibus itinerante para que o público percorresse galerias e ateliês

de Santos, Érica Zíngano, Grupo Acidum, Jacqueline Medeiros, Júlio Lira, Jussara

de artistas da cidade, dentro de sua programação oficial, foi apenas em 2007

Correia, Marina de Botas, Milena Travassos, Murilo Maia, Simone Barreto, Sérgio

que o Salão de Abril passou a reconhecer intervenção urbana como modalidade

Helle, Ticiano Monteiro, Valéria Américo, Victor César, Weaver Lima e Yuri Firme-

específica em suas fichas de inscrição, destacando-se neste ano a participação

za) não como meros fazedores de obra de arte, mas levando em conta valores

do Grupo Acidum.

dessa década que lidam com a desconstrução da imagem de artista padrão; que

Uma vez reconhecida a categoria de arte urbana, no ano seguinte, com o

acionam sobreposições de camadas curatoriais, discursivas e coletivas; que pes-

tema “Arte: Desejo e Resistência”, o LIX Salão de Abril passou a operar suas

quisam e experimentam meios, materiais e suportes variados; que repaginam ca-

edições utilizando equipamentos da cidade, aproveitando os espaços públicos

tegorias tradicionais; que ampliam repertórios e expandem o campo da arte; etc.

dos terminais de ônibus Siqueira e Papicu, numa ação provocativa mais contun-

O certo é que os deslocamentos e as transitoriedades, caracterizadoras da

dente entre arte e espectador. Para Estrigas (2009, p. 290) “Dessa maneira, o

arte de nossos dias, levaram alguns desses artistas a transitarem por fronteiras

Salão transcenderia a proposta de ser uma ocasião específica para o ofício e o

de intersecção para as quais as artes visuais têm convergido juntamente com

profissional e tornaria o público um elemento da própria composição artística

outras linguagens como aconteceu com o Festival Nordestino de Teatro de Gua-

através de seus olhares, ressignificações...”, em outras palavras, os receptores

ramiranga e a Bienal Internacional de Dança do Ceará ao longo dessa década.

seriam co-autores das obras e parte integrante do que poderíamos chamar de estética relacional.

No decorrer da história do Salão de Abril todas essas transformações foram paulatinamente acontecendo desde a aparição do termo “pesquisa artística”

Dada a essa penetração da mostra nas camadas populares, os organizadores

(1972) ou a primeira vez que se falou em “arte conceitual” (1976); passando

do 58 Salão de Abril investiram na criação de uma Coordenação de Ação Edu-

pela “performance” inaugural de Julio Maciel (1986); alcançando as várias no-

cativa, dirigida pela historiadora pernambucana Carolina Ruoso com a colabo-

meações como “proposições contemporânea” (1979), “propostas experimen-

ração de 36 mediadores universitários, devidamente instruídos para esse fim, a

tais” (1983), “categoria arte livre” (1985) e “arte no muro” (1989) até não

exemplo do que já acontecia nas grandes mostras do país.

comportar mais categorizações, dadas às complexidades, hibridismos e produ-

0

Chegou-se, com isso, a um ponto de interesse que, em 2009, o LX Salão de Abril adotou como tema Qual o lugar da Arte?. E para debater este assunto foi

188

Por fim, respeitando o recorte inicialmente proposto e sem arvorar-se de uma

| DÉCADA DE 10 | Deslocamentos e transitoriedades

ções multifacetadas com que se impõe a arte de nossos dias, num movimento contínuo e sem horizonte definido, aberto para as próximas décadas. herbert rolim |

189


RELAÇÃO DE ARTISTAS A. Rocha , Aberlado Brandão, Adélia L.S. Klinke, Adriane Hernandez, Alex Benedito dos Santos,

Nonato da Costa, Olivia Niemeyer, Paulo Frota, Paulo Mauricio, Paulo Mendes Faria, Pedro David

Alexandre B., Alexandre P. Frangioni, Alice Lara, Amalia Giacomini, Amanda Mei, Ana Aita, Ana

De O.C. Branco, Pedro Meyer, Priscila Oliveira Guimarães, Rafael Limaverde, Rafael RG, Raoni M.

Beatriz Elorza, Ana Luiza Kalaydjian Sanazar, Ana Valeska Maia,, Anapio Holanda Garcia, André

R. de Albuquerque, Regina Márcia Pinheiro, Renan Costa Lima/ Rodrigo Costa Lima/ Vitor Cesar,

de Barros, André Luiz, Anne Cartault d’Olive, Anthony Alemany, Antonio Elias de Barcellos Vieira,

Rian Fontenele, Ricardo Aderaldo, Ricardo Damito, Ricardo E. Machado, Ricardo Gomes da Silva,

Antonio Fábio C. Magalhães, Antonio Francisco da Costa Antunes, Antonio Marcos de Almeida,

Ricardo Schmitt, Robézio Marques, Rodrigo Lourenço da Silva, Rogério da Silva Dias, Romar,

Antonio Rocha, Arquivo Vivo (Italo Rodrigues), Aurileide, Barrinha, Beatriz Pontes, Beth da Matta,

Rosangela de Melo, Sergio Allevato, Sérgio Carvalho de Santana, Sergio Helle, Sérgio Lima,

Bia Cordovil, Bianca Kovach , Bosco Lisboa, Bruno Faria, Bruno Vieira de Britto, Caio Danieli

Sérgio Moraes, Sérgio Nobrega, Sérgio Pinheiro, Silânia Cavalcante da Silva, Silvano Tomaz,

de Araújo, Camila Barbosa, Cardoso Jr., Carlos A. Alves Filho, Carlos Augusto Dias, Carmelita

Simone Barreto, Solange Pompeu, Solon Ribeiro, Sônia Guralh, Steves Pierre, Tainá Azeredo,

Fontenele, Cecília Bedê, Celestino Ramalho, Célia Macedo, Célia Pontes, Celina C. Des. Portella,

Talita Caselato, Tarcisio Felix, Tatuméia, Telmo Valença, Themis Memória, Thiago Primo, Ticiano

Celso Oliveira, Charles Kltzke, Chico Gomes, Chico Rabelo, Chico Togni, Cizin, Clara Urbinatti,

Monteiro, Vando Figueiredo, Vara Dewachter, Victor de Castro, Vidal jr., Viviane Gueller, Vlamir

Clarice Lima, Claudia Sampaio, Claudia Sandoval, Claudio Rocha, Daniel Maillet, Daniel Timbó,

Silva, Waléria Américo, Weaver Lima, Wilson Neto, Yukie Hori, Yuri Firmeza, Zé Antonio Lacerda.

Danilson Vasconcelos, Dario Gabriel G. Amorim, David Santos da Paz, Diana Medina, Diego de Sousa Santos, Ding Musa, Domingos Ambrosio, Drawlio Joca, Edla Maia, Ednalda Celho, Eduardo Jorge, Egon Pacheco, Elciclei Araújo, Elton Lúcio dos Santos, Elvis Freitas Lima, Erica Ferrari, Érica Zíngano, Estevão Machado Gontijo, Eurico Bivar, Euzébio Zloccowich, Evandro Prado, Expedito Lima, Fabiano de A.Araruna Silva, Fabio Tremonte, Fabíola de A. Salles Mariano, Fabricio da Silva T. Carvalho, Fernanda Oliveira, Fernando França, Fernando Viana, Firmino da Silva, Flávia Bertinato, Flávia Pedrosa, Flávio Cerqueira, Francesca Novicelli, Francisco Bandeira, Francisco de Almeida, Francisco Hélio Silva Alves, Francisco José, Francisco Zanazanan, Gaio, Galba Sanders, Galba Sandras, Gentil Barreira, Geraldo Zamproni, Gerardo Domingos da Silva, Gerson Ipirajá, Gilberto Gomes de Carvalho, Gilio Mialichi, Gilles W. Robert, Glauco Sobreira, Gracielly Dias, Grupo Acidum, Grupo Mesa de Luz, Gustavo Vidal, Heldon Pedrosa, Heloísa Etelvina, Heloisa Juaçaba, Henrique Torres, Herbert Rolim, Hugo Houayek, Igor Camara, Íris Helena, Isabel Cristina, Isabella Costa Lima, Ivanize Braga, Ivonete Maciel, J. Marques , Jacqueline Medeiros, Janaina B e Natália M, Janaina Teles Barbosa, Janio Ferreira, Jarbas Oliveira, Jared Domicio, João Justino Vieira, Joao Neto, João Teixeira Castilho, Joaquim Fernandes Silva, Jônia Tércia Rios Bezerra, Jorge da Silva, José Maringille, José Stênio Silva Diniz, Juan Arriaga, Julio Cesar Fernandes Lira, Julio Cesar Leite Imperiano, Junior Pimenta, Junko Tokeshi, Jussara Correia, Karina Liliane Zen, Katia Sousa de Oliveira, Kelson Teles, Klauber Rocha, Laerte Ramos, Layne Chaves, Leonardo Moreira, Leontino Eugenio, Leticia Rita Souza Reis, Liara, Lilia Moema Rezende Santana, Linco Vasconcelos, Lira Juraci, Luciana Falcão, Luciana Guidorzi, Luiz Sales, Maira das Neves, Marcelo Fortuna, Marcelo Gandhi, Marcelo Nabor, Marcelo Santiago, Marcia Belchior, Márcia Helena Santos, Marcia Moura, Marcos Guilherme V. Santos, Marcos Lopes, Marcos Martins, Maria Denize Fernandes Oliveira, Maria Ida Francisca R. de C. Rocha, Maria Marlene Bezerra Almeida, Mariana Mifano Galender, Marina Soares, Marina Barreira, Mario Sanders, Mary Ann Nóbrega, Maura castanheira Grimaldi, Mauricio Adinolti, Mauricio Coutinho, Meire Guerra, Mey Leyendeeker, Michel Zózimo, Milena Travassos, Murilo Maia, Nara Amélia Melo da Silva, Nauer Spindola, Nelson Pellens, Nelson Zakira, Nicolas Gondim, Nilvan Auad, Nivardo Victoriano, Nonato Araujo,

190

| DÉCADA DE 10 | Deslocamentos e transitoriedades

herbert rolim |

191


Júlio Lira | Fortaleza, CE, Brasil, 1959 | Não Humanos, 2009 Vídeo - 10 min Coleção do artista


1.

3.

From:”yurifirmeza”yurifirmeza@hotmail.com To: tiagothemudo@hotmail.com Subject: Invasor 1 Date: Fri, 02 Dec 2005 10:02:41 -0300

From:”yurifirmeza”yurifirmeza@hotmail.com To: tiagothemudo@hotmail.com Subject: Invasor 1 Date: Fri, 02 Dec 2005 22:16:50 +0000

E aí, Tiago? Blz? Cara, não deu certo ir para o grupo de estudo hoje, acabei de chegar do Dragão do Mar. Fui conversar com o novo diretor no MAC, na verdade, fui mostrar meu portfólio. Ele pareceu interessado pelos trabalhos e me convidou para ser o “artista invasor” nos meses de janeiro e fevereiro. Me passa aê os textos trabalhos hoje no grupo,beleza? Falow.

E aí, Tiago, massa? Você entendeu o projeto “Artista Invasor”? No e-mail anterior, eu falei sobre o convite que recebi, mas não falei exatamente sobre o que se trata, né? É o seguinte, o Ricardo convida um artista para ocupar, paralelo à exposição em cartaz, uma sala do museu. No meu caso, a invasão acontecerá concomitantemente à exposição do acervo e à exposição coletiva das meninas ( Walerinha, Milena, Érica...). Na conversa que tive com ele, ficou decidido que não irei ocupar um espaço especifico no museu: penso em realizar “Ações” por todo o seu território.Tenho pensado em algumas performances que, de certa forma, têm uma relação direta com o que venho pesquisando e produzindo. A presença do corpo como lugar de trocas, a relação deste com o espaço, com o outro. Isso fica claro nas “Ações” anteriores que realizei copo/muro,corpo/árvore... O que acontece é que, no caso do “Artista invasor”, o espaço com o qual estarei dialogando é uma instituição. Não posso pensar, em hipótese alguma, somente nos aspectos físicos/ formais do museu. Da mesma forma que o muro e a árvore, por suas características próprias, conferiram ao corpo uma potência outra, e vice-versa, o museu tem também suas peculiaridades: o fardo histórico, a sua condição institucional, o fato de ser um elemento “imprescindível” à legitimação da arte e do artista... Como pensar esse corpo dentro da instituição/museu? Como estabelecer uma relação de troca com os visitantes? Acho que a urgência de ter o corpo como objeto de pesquisa, aqui no caso, vai mais ou menos por aí...Esse corpo que não deixa de ser um produto de inúmeras transformações:estéticas, culturais, sociais, e econômicas. Tenho alguns projetos ainda no plano das idéias. Falo com você na seqüência. Valeu... Abraço!

2. From:”Tiago Seixas Themudo”< tiagothemudo@hotmail.com> To: yurifirmeza@hotmail.com Subject: RE: Invasor 1 Date: Fri, 02 Dec 2005 12:41:35 -0300 Fala, Yuri, beleza? Não esquenta não, cara. Terminamos o primeiro capítulo do livro do Deleuze sobre Nietzsche, que trata do problema da tragédia e da transformação desse tipo de arte e, imagem do pensamento. Semana que vem, começamos o capítulo sobre o corpo. Quero saber mais sobre a tua conversa com o Ricardo, o que você está pensando em fazer? Como pretende relacionar sua obra com o Dragão do Mar?Abraços, Tiago

Yuri Firmeza | São Paulo, SP, Brasil, 1982 | Souzousareta Geijutsuka, 2007 Arte Conceitual - Dimensões variáveis


Victor César | Fortaleza, CE, Brasil, 1978 | Centro é Cultural, 2009 Instalação - Dimensões variáveis Coleção Centro Cultural BNB


Érika Zíngano | Fortaleza, CE, Brasil, 1980 | Frases-Instantes, 2003 Arte Pública (Registro Fotográfico) Coleção do artista


Grupo Acidum | Fortaleza, CE, Brasil, 2006 | Propagando, 2009 Intervenção Urbana Coleção do grupo


New Orleans - USA - Verão de 1999 Hotel Hilton Riverside - Quarto 915

Florensa - Italia - Inverno de 2000 Hotel Bijou - Quarto 5

Juazeiro do Norte - Brasil - Verão de 2003 Hotel Municipal - Quarto 329

Jacqueline Medeiros | Fortaleza, Ce, Brasil 1965 | Da Série Conexões, 2004 Fotografia Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Waléria Américo | Fortaleza, CE, Brasil, 1979 | Acima do Nível do Mar, 2007 Intervenção urbana Coleção da artista


Jussara Correia | Barbalha, CE, Brasil, 1965 | Da Série Lygia, 2009 Vídeo performance: texto e direção Jussara Correia. 30 min Coleção da artista


Ticiano Monteiro | Fortaleza, CE, Brasil, 1982 | Espuma e Osso, 2007 Vídeo: Ticiano Monteiro e Gustavo Parente (Direção), 20 min Coleção da artista


Marina de Botas | São Paulo,SP, Brasil 1975 | O Reandrógino 7581, 2008 Vídeo: Marina de Bostas e Eduardo Escarpinelli (narração). Trecho do poema “Antopolítica de entrega em profundidade” (Livro Coxas,1979) de Roberto Piva. Música: Marina de Botas (voz), Eduardo Escarpinelli (violão), passando por letra de Sulivan e Massada. 21 min 23 seg Coleção da artista


Milena Travassos | Recife, PE, Brasil, 1976 | A Observadora, 2006 Fotografia sobre veludo e debrum de fio metálico - 70 x 50 x 93 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


José Guedes | Fortaleza, CE, Brasil, 1958 | Olhos (Peirre Restany), 2001 Fotografia plotagem - 70 x 80 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC

Olhos (Harald Szeemann), 2001 Fotografia plotagem - 70 x 80 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC

Olhos (Jan Hoet), 2003 Fotografia plotagem - 70 x 80 cm Coleção Museu de Arte Contemporânea do CDMAC


Weaver Lima | Fortaleza, CE, Brasil, 1973 | O Que o Povo Diz Não se Olha os Dentes, 2003 Acrílica sobre tela - 150 x 250 cm Coleção da artista


Simone Barreto | Fortaleza, CE, Brasil, 1984 | O Carregador de Pedra, 2009 Desenho - 20 x15 cm Coleção da artista


Diego de Santos | Caucaia, CE, Brasil, 1984 | Sem título, 2010 Caneta esferográfica e grafite sobre papel - 96,5 x 66,55 cm Coleção do artista


Bosco Lisboa | Juazeiro do Norte, CE, Brasil, 1963 | O Executivo, s.d. Escultura em cerâmica - Dimensões variáveis Coleção da artista


Murilo Maia | Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1978 | Série limpeza, 2004 Sabonetes com giletes, escova com pregos - Dimensões variáveis Coleção da artista


ricardo resende

Fortaleza, em tempos de guerra, sempre

Foi por esse tempo que aportou por aqui, como “ave de arribação” fugidia dos rigores do inverno, o suiço Jean Pierre Chabloz. Este nome logo estaria ligado a tudo o que acontecia por cá em se trantando de artes plásticas, de música, cultura, de um modo geral, Chabloz trouxe consigo ideias e o charme europeu para a atividade artística da província. Surgiram então a SCAP – Sociedade Cearense de Artes Plásticas, centros literários, clubes de cinema, salões musicais. Nas letras, na pintura, na música, a “guerra” aconteceia em Fortaleza de outra forma, arrancando do bojo do anonimato figuras do porte de um Antônio Bandeira ou de um Aldemir Martins. Estava, com Chabloz, “declarada a guerra” cultural que se agrupava, como um exército um tanto indisciplinado, no “Clã”. Estrigas 1

Passados 67 anos do I Salão de Abril e depois de lermos o texto acima, afirmar diante da inércia ou mesmo da inexistência de instituições locais sólidas, que o

  “A Guerra - O Ceará – A Arte”, no catálogo Fortaleza Tempos de Guerra. SECULTFortaleza, 1989.

1

Salão de Abril não seria uma mostra importante para a inserção de artistas cearenses no contexto nacional da arte contemporânea, parece-me um equívoco. Aquela guerra declarada continua, mais do que nunca nos tempos atuais, que têm ainda o Salão de Abril como um baluarte para a arte no Ceará. Nos anos 40, foi a maneira de apresentar a arte moderna, que ainda causava estranheza no país. Mas deve-se observar, nas palavras do artista Estrigas, que o Salão de Abril nada devia aos salões oficiais. Ele foi criado por um grupo de artistas. Nasceu de artistas para artistas. E não poderia se dizer que suas edições eram submissas Ricardo Resende: mestre em História da Arte pela Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo; foi educador, difusor cultural, produtor, museógrafo, curador assistente e curador do Museu de Arte Moderna de São Paulo e do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo; diretor do Museu de Arte Contemporânea do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza-CE); participou da diretoria do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional das Artes (Funarte), do Ministério da Cultura; atualmente é diretor do Centro Cultural São Paulo.

aos princípios estéticos em vigor, em suas diversas fases ou épocas. Passaram pelas edições do Salão, os artistas cearenses mais relevantes, com projeção nacional. Cabe destacar o grupo formado por Antônio Bandeira, Raimundo Cela, o mineiro Inimá de Paula e Mário Baratta que, insatisfeitos com a inércia do cenário artístico cearense do início dos anos quarenta, tiveram na figura de Pierre Chabloz, o incentivo para criar o Centro Cultural de Belas Artes, ricardo resende |

229


em 1941. O espaço que serviria de sala de exposições permanentes e cursos de

recentes, as exposições do Salão de Abril chegaram aos terminais de ônibus da

arte, três anos depois de ser criado viria a se transformar na Sociedade Cearense

cidade de Fortaleza, quebrando a sisudez e mesmo as paredes do cubo branco

de Artes Plásticas – SCAP, que, por sua vez, viria dar origem ao salão.

que predominaram na arte do Século XX, como um invólucro seguro e consa-

Depois de uma certa acomodação entre as linguagens tradicionais e o forma-

  Joseph Kosuth, artista norteamericano, ao dar entrevista para o jornal Folha de São Paulo, edição do dia 27/09/2010, por ocasião da Bienal Internacional de Arte.

2

230

grado.

to de exposições nas últimas décadas (o que passou a se criticar nestes salões

No entanto, em certas gerações de artistas ou em determinadas épocas, per-

de arte oficiais), o evento tem tomado novo formato, abrindo-se para a produ-

cebe-se uma maior potência da arte. E é inegável, neste sentido, o que ocorreu

ção artística experimental em suas últimas edições. Hoje, como à época de sua

nos anos 60, no Brasil e no mundo. Foram momentos políticos difíceis de repres-

criação, as exposições são marcadas pelo experimentalismo.

são social e cultural. Mas o que emergiu daqueles anos sombrios foram artistas

O que se tem visto é a arte fora dos padrões que se exibe em salas de expo-

e uma arte que transformaram nossas vidas. Foram daqueles anos que eclodiram

sições de galerias de arte comercial ou que se pendura nas paredes brancas e

entre nós artistas da envergadura de Lygia Clark, de Hélio Oiticica, de Ligia Pape,

seguras dos museus. O Salão de Abril passa a desempenhar o papel de espaço

de Nelson Leirner, de Wesley Duke Lee, de Carmela Gross, de José Tarcisio, de

para reflexão sobre a produção artística contemporânea.

Cildo Meireles, entre muitos outros de igual relevância.

Vemos o resultado daquela inovação vista nos idos 1943, que na sua primei-

Na década seguinte, os anos foram bastantes sisudos e marcados por uma

ra edição teve a participação do artista Aldemir Martins, um dos cearenses de

arte pautada nas ideias, com predominância da arte conceitual e experimental,

maior projeção nacional. Cabe lembrar sua participação para dar a medida da

oriunda de uma resistência cultural à ditadura. A situação política era pior do

importância da exposição à época e também na atualidade.

que na década anterior, com muito mais censura e violência contra quem “pen-

A primeira edição apresentou a arte moderna para os cearenses e, desde

sava” e refletia sobre arte.

então, continua causando a mesma estranheza quando apresenta a arte atual

A década seguinte, os anos 80, foi marcada por uma oxigenação causada

no seu caráter mais experimental. A situação da arte contemporânea à época

pelo iminente fim da ditadura militar. Os artistas cearenses pareciam aflorar da-

continua a mesma na atualidade, não mudou. A arte que lida com o novo está

queles anos, vindos à luz através dos Salões de Abril, o mais tradicional evento

sempre um passo adiante de nossa comprenssão comum, do que entendemos

das Artes Visuais no Ceará, que passou pelos anos 60 e 70, mantendo a sua

por arte. Por isso o seu estranhamento natural. Estamos à época da arte con-

periodicidade. A geração 80 trouxe suas cores e a vontade de se expressar como

ceitual, da arte de rua, da arte do cotidiano, da arte como documento, da arte

uma forte energia artística, que explodiu por todos os cantos do país.

relacional, da arte como autoetnografia, da arte como processo, da arte como

Em Fortaleza, não foi diferente. José Tarcisio recém chegado de sua fase ca-

arquivo, da arte como memória viva, da arte como documento, da pós-produção

rioca, que durou 30 anos, ficou definitivamente no Ceará, a partir de 1982. Le-

na arte e da arte que beira o “nada”.

onílson, que vivia em São Paulo, era um assíduo frequentador da cidade. Alguns

Mas fazer arte ou “ser artista, é mais simples, é fazer perguntas sobre o

artistas se aventuravam para outras regiões, como Eduardo Eloy, que foi para o

significado da arte e estar engajado na produção de significados, isso deve ser

Rio de Janeiro. Sigbert Franklin, Mauricio Coutinho e Luiz Hermano se dirigiram

a tarefa sempre”2. Neste sentido, os salões como exposições de arte deveriam

para São Paulo. Este último tinha passado antes pelo Rio de Janeiro e depois se

dar lugar para o artista se questionar, arriscar e, de tempos em tempos ou de

fixou na capital paulista. E muitos outros artistas, como Baptista Senna, Sérgio

gerações em gerações, permitir as mudanças no curso da arte. Nas edições mais

Pinheiro e, principalmente, Sérvulo Esmeraldo (estes dois últimos viveram em

| Fortaleza, em tempos de guerra, sempre

ricardo resende |

231


Paris), animavam a cena nas galerias de arte de Dodora Guimarães, que apre-

Barreto, os artistas Robézio Marques, Jabson, Rafael Limaverde e Leonardo, que

sentou artistas locais e de fora, na Galeria Inez Fiuza, na Dualibi Galeria e na

formam o Grupo Acidum, entre outros.

L.M. Escritório de Arte. Ainda no ano de 1986, Sérvulo Esmeraldo realiza a I Exposição Internacional

Abril, as galerias de arte comerciais, o Museu Universitário (que não cumpria o

de Esculturas Efêmeras 3, no Parque do Cocó e na Casa Raimundo Cela. Foi uma

papel que poderia desempenhar) e, talvez seja bom lembrar, da UNIFOR Plástica,

iniciativa inovadora e de sucesso, com a participação de 71 artistas do Brasil

do Salão Norman Rockwell, do IBEU Art Gallery, mostras que também agitaram

e do exterior. A exposição permitiu que experimentassem uma relação aberta

o circuito de arte local nesse período. O Museu de Arte Contemporânea do

entre o espaço e meio ambiente, no parque. Tinham a ideia central da perecibi-

Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura só veio a ser aberto tardiamente para

lidade dos materiais e esculturas. A mostra possibilitou uma intensa troca entre

o público, em 1998.

os artistas locais e os de fora.

3

  JA II EIEE foi realizada em 1991.

Mas o interessante é se observar que neste ambiente da cidade insuficiente

Como visto em outras épocas, era um momento de ir e vir intenso. O Rio de

dos anos 80, ainda sim, o Ceará tem se destacado, quando pensamos ou o com-

Janeiro, que tinha na Escola do Parque Laje um celeiro natural de artistas, conta-

paramos com outros estados da nação. O Ceará tem sido um celeiro natural de

va com importantes nomes já consagrados à frente dos cursos, como Anna Bella

importantes artistas na cena brasileira da arte contemporânea. Desde os tempos

Geiger - artista que se formou na escola de arte do Museu de Arte Moderna do

do primeiro Salão de Abril, o estado vem oferecendo ao país nomes importantes

Rio de Janeiro, nos anos 50. Entre os artistas que saíram desta escola naquele

como os já alencados aqui, num período que inclui duas ou três fases ou gera-

período, destacamos Eduardo Eloy, Beatriz Milhazes e Ernesto Neto.

ções que fizeram diferença para as Artes Visuais cearenses.

Em São Paulo, a Fundação Armando Alvares Penteado, a FAAP, e o curso da

É só conferir a sala de dois cearenses que, pela primeira vez, vieram juntos

Escola de Comunicação e Arte da USP, que se firmava, foram os responsáveis por

num mesmo espaço, lado a lado, na Bienal de São Paulo de 2010. Os curadores

uma leva de artistas como Iran do Espírito Santo, Leda Catunda, Edgard de Sou-

Agnaldo Farias e Moaciar dos Anjos colocaram juntos, para o delírio dos nossos

za, entre muitos outros. Também como na cena do Rio de Janeiro, importantes

olhos e “distúrbio” de nossas mentes, os artistas Efrain de Almeida e Leonilson.

artistas sempre estiveram adiante da formação de jovens talentos. Nesta função

Ambos egressos da geração 80, trazem em suas obras a catarse do homem ce-

pedagógica, ressaltamos nomes como Regina Silveira, Evandro Carlos Jardim,

arense, da cultura nordestina.

Carmela Gross e Nelson Leirner.

Ambos migraram na mesma saga que caracteriza os cearenses, aqueles que

Fortaleza, por sua vez, ainda carecia de um museu de arte de porte, para

saíram a povoar o Brasil. Ambos levam a poesia árida do agreste e das dunas

mostrar a arte contemporânea local. Tão pouco tinha cursos universitários de

de areia do litoral como uma relação inter-humana ao mesmo tempo trágica e

arte e formassem os jovens artistas. Um problema que persistiu até o final da

amorosa com a natureza. E o artista Leonilson, desprovido de suas utopias, nos

década 90, quando foi criado o Curso Superior de Tecnologia em Artes Plásticas,

diz melancolicamente, com uma certa dose de desilusão em uma tela dependu-

no então Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - CEFET,

rada, solitariamente, em uma parede branca naquela exposição:

hoje Instituto Federal, IFCE. Atualmente, o curso passou a ser de Licenciatura em Artes Visuais. É importante ressaltar sua contribuição à cena artística local e nacional, de onde sairam artistas como Ticiano Monteiro, Marina de Botas, Simone

232

O cenário institucional em Fortaleza era frágil: contava-se com o Salão de

| Fortaleza, em tempos de guerra, sempre

“Leo não consegue mudar o mundo”… São Paulo, Outubro de 2010. ricardo resende |

233


cristiana tejo

Carta de uma curadora não tão jovem a uma jovem artista do Nordeste do Brasil Recife, outubro de 2010

Querida Paula, Escrevo-lhe em resposta a tantas questões e afirmações trazidas por você em nossos encontros no Facebook e nos encontros presenciais que temos tido nos últimos meses. Seu entusiasmo para adentrar no campo da arte é contagiante. Há uma entrega, um frescor nesta aproximação, que revigoram minha crença no poder da arte. Entretanto, eu me sinto impelida a sensibilizá-la para algumas perspectivas do sistema da arte no Nordeste e também no Brasil, na primeira década do século XXI. Eu realmente gostaria que você se iniciasse tendo uma boa dimensão do que a espera. Talvez esta tentativa de “ambientá-la”, de alertá-la sobre as pedras do caminho, seja uma forma um tanto onipotente minha, já que não tenho como proteger você ou mesmo guiar seu trajeto, e não sou mesmo a dona da verdade, mas é maior do que minha racionalidade. Eu realmente preciso partilhar com você alguns pensamentos e reflexões que tenho tido como agente ativo deste sistema que não é perfeito, mas que está em vias de aperfeiçoamento. Eu queria começar perguntando: como e quando você sentiu este chamado da arte? Pergunto isto porque tenho a impressão de que muitos jovens aspiCristiana Tejo: curadora e jornalista; bacharel em Comunicação, especialista em Filosofia e mestre em Comunicação, Mídia e Cultura – todos pela Universidade Federal de Pernambuco; membro do IKT (International Association of Curators of Contemporary Art); coordenou por quase cinco anos o setor de Artes Plásticas da Fundação Joaquim Nabuco; foi diretora do Museu de Arte Moderna Aluísio Magalhães (Recife-PE); atualmente é coordenadora-geral de Capacitação e Difusão Científico-Cultural da Diretoria de Cultura da Fundação Joaquim Nabuco; curadora do projeto Made in Mirrors, de intercâmbio entre Brasil, China, Holanda e Egito; autora do livro Arte em Todos os Sentidos; mentora do projeto Pensamento Emergente, voltado para a situação da curadoria nos anos 2000.

rantes enxergam mais o lado romântico ou glamouroso da arte do que propriamente as contingências do trajeto de formação, legitimação e profissionalização de um artista na atualidade. Não se iluda, são muitas as formas de entrada no sistema da arte. Aliás, não param de aparecer projetos voltados para o descobrimento de novos talentos. Sangue novo é o combustível do capitalismo avançado e não seria diferente no campo da arte. A questão, minha querida, não é tanto o começo, mas a jornada. Muitos vão ficando pelo caminho, pois o funil é cruel. cristiana tejo |

237


A tendência, ao deixar de se enquadrar no rótulo “jovem artista”, é o arrefeci-

gras do jogo e jogue cautelosamente. Saiba dizer não a oportunidades de salões

mento de oportunidades para a maioria. São poucos os prêmios, galerias e pro-

e exposições que aparentemente são ótimas entradas no campo, mas que são

jetos para os artistas que não alcançaram o primeiro escalão do mundo da arte e

promovidas por instituições ou profissionais compromissadas com tudo, menos

se internacionalizaram nos seus dez primeiros anos de carreira. Há uma espécie

com o artista.

de limbo que torna invisível talvez a maior parte dos artistas. Não que figurar

Sei que, para iniciantes, é difícil discernir o joio do trigo, mas o tempo vai

no jet set internacional seja a ambição de todos e é justamente por isso que fiz

ajudá-la a entender os sinais. Em geral, são instituições que não oferecem in-

a pergunta acima. Mas, em geral, o desejo de reconhecimento e de visibilidade

terlocução crítica e nem estrutura mínima para se mostrar decentemente os

é marcante em quase todos os jovens artistas. Não sei, sempre me lembro do

trabalhos. Não têm constância e nem consistência em seus projetos e trazem

caso do futebol, que apesar de não ter nada a ver diretamente com as regras

um longo currículo de atrasos de pagamento, gambiarras curatoriais e falta de

da arte, fornece-me uma bela metáfora do afunilamento do sistema. Eu observo

transparência com os artistas. São muitas vezes gerenciadas por pessoas não

a devoção de muitas pessoas ao futebol. Vejo crianças que sonham em jogar

qualificadas ou com pouco grau de profissionalismo, que conseguem a posição

futebol profissionalmente. Ou até mesmo um ícone da música popular brasileira

por motivações políticas, de parentesco ou mesmo por pura amizade. Não à toa,

como Chico Buarque dizer que uma de suas maiores frustrações é não ter sido

estas instituições mais parecem movidas por uma imposição burocrática do que

um jogador de futebol de verdade. De fato, por mais talentoso na música que

propriamente pela consciência de seguirem políticas culturais dinâmicas e escla-

ele seja, não há ressonância de seu dom nos gramados. Parece haver uma ma-

recidas. Também sei que na realidade brasileira e mais especificamente na nossa

temática meio misteriosa entre talento, dedicação, condições dadas e gana para

realidade do Nordeste, o compadrio ou sua expressão mais recente a brodagem,

que um jogador dê certo. Por mais que haja jogadores fantásticos espalhados

o paternalismo, o coronelismo e o assistencialismo são ainda muito presentes.

pelos clubes nacionais, serão poucos os que vestirão com dignidade a camisa da

Entretanto, já notamos algumas mudanças. Os editais públicos, por mais que

seleção brasileira. Veja bem, não estou eximindo de culpa os técnicos teimosos

não sejam o modelo ideal de seleção, tornam mais acessível o espaço àqueles

que insistem em não coroar o talento de alguns jogadores ou por vezes a falta

que têm qualidade artística, mas que não fazem parte da esfera afetiva do ges-

de maturidade de alguns jogadores para receberem a fama. Por conta de muitas

tor. A busca pelo consenso numa comissão oferece múltiplas possibilidades de

variáveis, dos milhares de aspirantes, poucos ganharão o reconhecimento e o

resultado a partir dos perfis de seus componentes e do conjunto de trabalhos

sustentarão no tempo. Por isso pergunto sobre sua expectativa e seu comprome-

apresentado, além de evitar dirigismos pessoais. O meio artístico está mais aten-

timento com a arte. Se seu interesse for majoritariamente pautado no vislumbre

to e vem se tornando mais intolerante aos desmandos políticos.

de uma carreira de sucesso, você tem grande probabilidade de frustração.

238

Como consequência, tem sido mais ouvido na construção das políticas pú-

Eu não acho que o desejo pela fama e pelo reconhecimento seja restrito

blicas para a cultura. As pessoas envolvidas na gestão cultural têm buscado

à atualidade. Ele sempre foi inerente ao fazer artístico, desde que este fazer

aperfeiçoamento profissional, mesmo se tratando de um processo longo, contí-

passou a ser de fato artístico e não místico ou religioso. O que proponho é uma

nuo e rigoroso de lapidação. Acredito que todos estão se sentindo pressionados

reflexão sobre a voracidade de nosso sistema, que se baseia numa especulação

a estudar mais formalmente, mesmo que isso não seja historicamente parte

de novos talentos cada vez mais forte. Tenha cuidado com isso. Aprenda as re-

do modus operandi artístico nordestino. Noto, com muito mais propriedade e

| Carta de uma curadora não tão jovem a uma jovem artista do Nordeste do Brasil

cristiana tejo |

239


proximidade em Pernambuco, uma certa resistência de parte dos artistas locais

sileiros, era pernambucano, apesar de quase todos acharem que ele era carioca.

pela pesquisa seja na História da Arte, na Teoria da Arte ou mesmo na Filosofia

Seu trajeto profissional e intelectual não ocorreu de fato em seu estado natal.

justificada como uma forma de não se “ influenciarem”, não perderem sua ori-

Podemos nomear muitos outros críticos nordestinos que tiveram condições de

ginalidade - uma forma equivocada de se compreender a construção de conhe-

estruturar seus pensamentos e suas vidas apenas no então eixo Rio-São Paulo.

cimento. Não caia nesta estratégia que soa tão anacrônica. Estude muito sobre

De fato, atualmente, morar no Nordeste ou mesmo nas demais regiões que

tudo. Aos poucos, seus próprios interesses vão lhe levar a se localizar em sua

não as cidades supracitadas, é um ponto positivo na hora de ser convidado para

frondosa árvore genealógica artística. Nela, estarão seus antepassados estran-

os mais variados projetos. Isso vale tanto para artistas quanto para curadores

geiros, brasileiros e locais. Você não está inventando a roda, Paula! Você a está

e críticos. A questão delicada nisso tudo é não se tornar refém de sua origem.

reconfigurando, partindo dela para se posicionar no mundo.

Preencher cotas é muito redutor e pode ser uma armadilha para seu trabalho,

Neste sentido, lembre-se da famosa obra de Cícero Dias: Eu vi o mundo,

que pode passar apenas a ilustrar a nordestinidade esperada pelos grandes cen-

ele começava no Recife. Na verdade, o mundo começa onde estamos. Somos

tros. É difícil não se autoexoticizar, especialmente numa época em que o mundo

impregnados dos lugares por onde passamos e onde escolhemos viver. No en-

é assimilado como um grande supermercado étnico movido por desfiles das

tanto, o mundo não acaba no Recife. Para onde você for ele estará em você. Por

diferenças. Tradições são inventadas para marcar estas diferenças e abocanhar

isso não tenha medo de transitar, de se contextualizar em várias paragens pelo

nichos de mercado. Você deve aprender a estar entre isso tudo. Opere as estra-

mundo. Estamos num momento histórico em que o capital geográfico tem se

tégias a seu favor de maneira consciente e crítica. Fale fluentemente a língua da

modificado. As margens, os emergentes, a periferia, enfim, o que até há algumas

arte contemporânea. Você levará seu sotaque, é claro, mas não deixe que seu

décadas estava fora da radial de alcance primeiro do interesse do poder, está

sotaque solape seu trabalho, ganhe a preponderância.

ganhando evidência.

240

Para gerações anteriores, abraçar integralmente a regionalidade era a única

O Nordeste é um desses lugares que ganharam pontos em seu capital geo-

forma de distinção. Porém, Paula, o que notamos na marcha econômica da re-

gráfico na globalização avançada. Fique atenta também a isto. Por já termos uma

gião é uma mudança substancial de seu perfil. Não estamos mais no tempo em

cena artística pulsante e visível, incrustada num contexto que equilibra diversas

que Casa Grande & Senzala era uma resposta pertinente ao que era o Brasil.

temporalidades, que por sua vez, gera uma espécie de fonte inquestionável de

A realidade se complexificou. Por que seu trabalho haveria de apontar respostas

material para a criação, estamos na mira. Além de ser um local interessante para

simplórias sobre o nosso lugar? O melhor lugar do mundo é aqui e agora, para

ser visitado ou residido, o Nordeste tem sido espaço de experimentação, em

parafrasear o músico Gilberto Gil. Mas o pior lugar do mundo também pode ser

muitos sentidos. A produção, que sempre despontou no cenário nacional como

aqui e agora. Não tenho como neste momento perfilar todas as transformações

uma das mais importantes, ganhou ainda mais condições de desenvolvimento,

sócio-político-econômico-culturais, mas lhe prometo destrinchá-las numa próxi-

de reflexão, de circulação e de inserção nos últimos 15 anos. Talvez o mais sinto-

ma ocasião.

mático seja o aparecimento de uma massa crítica local (mais marcadamente em

Por fim, pois não quero que você fique exausta com minha missiva, eu queria

Pernambuco) que tem reconhecimento nacional, sem ter migrado ou saído de

que você pensasse muito quando expor. Falamos muito sobre onde. Mas quando

sua terra. Como você bem sabe, Mário Pedrosa, um dos grandes pensadores bra-

você deve se expor ou expor seus trabalhos? Eu não tenho nada preciso para lhe

| Carta de uma curadora não tão jovem a uma jovem artista do Nordeste do Brasil

cristiana tejo |

241


aconselhar. Você vai saber a hora em que o trabalho estiver no ponto, ou seja, em que sua intenção ou ideia tenha se concretizado. O tempo, como já conversamos antes, é um quesito de grande importância hoje em dia. Já pontuei sobre a voracidade e a especulação do mercado, mas quero voltar a ressaltá-las. Dê tempo ao tempo. Já vi em minha curta trajetória de curadora, artistas se deslumbrarem pelos seguidos convites para fazer o mesmo trabalho, às vezes até mesmo no exterior, e ficarem conhecidos como aquele artista que faz tal coisa e sumirem do mapa poucos anos depois. Não que eles tenham parado de produzir, mas foram seduzidos pela ascensão rápida e entraram numa via que requer do artista mais produção do que ele é capaz de oferecer. Eles ainda não tinham fôlego suficiente, o trabalho era promissor, mas ainda em estado de amadurecimento. Outros, na ânsia de circulação e de visibilidade, foram cooptados por circuitos periféricos e se acomodaram em suas prerrogativas, gerando uma espécie de platô de questões tratadas superficialmente com uma roupagem de “arte contemporânea”, atendendo em cheio a uma vasta gama de consumidores de arte sem grande repertório e discernimento. O Nordeste oferece portas para entrar e sair da voracidade. Aqui você pode ter tempo e espaço para crescer. Você pode viajar bem muito pelo mundo, fazer residências fora, comprar livros e ver exposições e voltar para digerir tudo com calma aqui. Fora que por aqui temos tido cada vez mais circuitos que possibilitam a circulação de pessoas interessantes. Eleja suas interlocuções entre aqueles que de fato são relevantes e você poderá se desenvolver bem no Nordeste. Aliás, em qualquer lugar... Bem, eu acho que deixei muitas coisas de fora, mas o básico parte nesta carta. Eu espero que ela seja útil a você. E espero também continuar a troca de impressões sobre o mundo com você. Estarei, como sempre, por aqui. Um beijo grande e muita resiliência em seu caminho, Cristiana Tejo

242

| Carta de uma curadora não tão jovem a uma jovem artista do Nordeste do Brasil


bitu cassundé

Entre tempos e histórias – dos processos iniciais

Simulacro dos modelos europeus vigentes no século XVIII e XIX, os salões cumpriram um importante papel num Brasil que aspirava impulsionar uma produção estética local. Essa história tem início em 1816, com a vinda da missão artística francesa para o Brasil. Chefiada por Joaquim Le Breton, era composta ainda por Jean Baptiste Debret e Marc Ferrez. Nesse período, D. João VI cria a Escola Real das Ciências, Artes e Ofícios, inspirada nos moldes da academia francesa. Uma década depois, é inaugurada a Academia Imperial de Belas Artes, que em 1829 organiza sua primeira exposição. Sob a direção de Felix-Émile Taunay, a Academia elabora um processo de concursos e premiações, sendo o mais cobiçado o Prêmio de Viagem ao Exterior. Instituído em 1845, o prêmio oferecia uma viagem de estudos à Europa, o que contribuía para o acesso a novas escolas e tendências, além de possibilitar a criação de um repertório visual mais sofisticado. Em 1890, a Academia passa a ser chamada de Escola Nacional de Belas Artes (ENBA) e, alguns anos depois, as exposições elaboradas pela Escola passam a ser conhecidas como “salões” nomenclatura que seria oficialmente adotada somente em 1934. Esse modelo de salão, de caráter academicista, teve seu apogeu nos séculos XVIII e XIX. Com o surgimento das vanguardas estéticas européias, ocorre um processo de readequação espacial da arte, decorrente das obras que migravam para estruturas tridimensionais, encontrando no espaço novas possibilidades de interação. Assim, as obras dos salões também se modificam. No Brasil, um forBitu Cassundé: graduado em Letras pela Universidade Federal do Ceará, mestrando em Crítica de Arte pela Universidade Federal de Minas Gerais; foi curador assistente, coordenador da reserva técnica e pesquisa no Museu de Arte Contemporânea do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza-CE); integrou o Panorama do Pensamento Emergente no Museu de Arte Moderna Aluisio Magalhães (Recife-PE); atualmente é curador e diretor do Museu Murillo La Greca (Recife-PE).

te marco desse embate é a Semana de Arte Moderna de 1922, momento de ruptura com estruturas acadêmicas e agente mobilizador de um pensamento nacionalista legitimado na arte. Os salões vão se adequando a diversas especificidades e se reinventando entre tradições e culturas locais. Modelos estruturais que contagiaram o Brasil Bitu Cassundé |

247


com vigor se adequaram a algumas realidades. Nessas ambiências, os salões

Essa primeira edição apresentava um precioso panorama de uma arte cearen-

foram importantes marcos na formação, divulgação e disseminação de tradições

se que já se destacava no cenário nacional. Raimundo Cela era a maior referên-

visuais locais e nacionais. Funcionaram, também, como agentes fundamentais

cia no estado. Em 1917, ganhara viagem ao exterior no Salão Nacional de Belas

na formação de acervos quando dispunham de prêmios aquisitivos. Também

Artes, produzia uma figuração que registrava personagens e paisagens locais.

operaram como difusores de tendências e estéticas, aproximando e desenvol-

Antonio Bandeira e Aldemir Martins eram jovens pintores que se destacavam e

vendo o olhar dos artistas e dos espectadores. As premiações foram importantes

que logo trilhariam uma trajetória de sucesso, tanto nacional quanto internacio-

agentes de deslocamento dos artistas, no sentido de um aperfeiçoamento e,

nalmente. Outro nome importante nesse grupo é o do Suiço Jean Pierre Chabloz,

principalmente, da construção de novos repertórios por meio das viagens ofere-

que trará rica contribuição para a arte local, introduzindo referências e estimu-

cidas, que permitiam acesso ao novo, à troca de informações e a construções de

lando novas produções, como a de Chico da Silva. Com uma pausa provocada

novas paisagens e expectativas.

pelas movimentações políticas nacionais e por dificuldades da UEE em repetir

Essas estruturas de agrupamento de um recorte visual também permitiram

o Salão, sua segunda edição somente aconteceria em 1946, já promovida pela

criar processos educacionais, ou seja, atuaram como meios educativos de forma-

Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP). Nessa segunda edição teria início

ção de uma compreensão plástica. Mesmo que não se evidenciassem ainda es-

uma importante prática: a composição de um júri para a escolha das obras.

tratégias educativas de mediação, os salões representaram relevantes modelos

A sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP) coordenou a viabilização do

embrionários de projetos educacionais na arte. Por longo tempo, foram agentes

Salão de Abril de 1946 até 1958, quando a mesma deixou de existir. Um terceiro

atuantes na formação e divulgação das artes visuais no Brasil. Agentes legiti-

momento do Salão se dá em 1964, após uma longa pausa, já capitaneado pela

madores da produção, em muitos momentos foram os principais articuladores

Prefeitura de Fortaleza e regido pela Secretaria de Cultura, que até hoje movi-

das estratégias de movimentação de um circuito de arte, mesmo que tímidos ou

menta políticas para as artes visuais, inclusive o próprio Salão. Foi papel da Pre-

restritos à cena local, os salões cumpriram o seu papel.

feitura resgatar ações que revitalizassem e apoiassem, com uma infraestrutura

Dos processos locais – O Salão de Abril.

mais adequada, a continuação desse importante marco visual cearense.

O Brasil atravessava um período bastante conflituoso, regido por uma guerra mundial e uma ditadura nacional, e é nesse terreno fértil para as ideologias florescerem e as ousadias estéticas se legitimarem que, em 1943, é articulada a primeira edição do Salão de Abril. Organizado pela União Estadual de Estudantes (UEE), entidade estudantil que movimentava o cenário político e cultural da cidade naquele período, e que encontrava na arte uma forma de gerar pensamento e divulgar a produção estética de então. A primeira edição do Salão

248

É impossível pensar a visualidade cearense sem se deparar com o Salão de Abril. Ele faz parte da construção genética da nossa recente história da arte, servindo como importante espaço de experimentação e formação para os artistas e o público. Foi catalisador de estéticas e movimentos, viu o deslocamento da forma para o pensamento, abrigou a arte contemporânea e hoje é terreno fértil para as diversas pesquisas que utilizam como meio justamente a fuga à necessidade de classificação.

foi composta por oito artistas cearenses e um suíço (Raimundo Cela, Antonio

Classificar ou julgar esse espaço é tarefa que não me interessa. O que me

Bandeira, Mário Baratta, Aldemir Martins, Afonso Bruno, João Maria Siqueira,

empolga é a possibilidade proposta de um meio que se abre para o novo, a atua-

Rubens, Fonsek e o suíço Jean Pierre Chabloz).

lidade, a renovação, a busca de novos modelos e propostas, que faça pulsar algo

| Entre tempos e histórias – dos processos iniciais.

Bitu Cassundé |

249


que as terras alencarinas sabem compor com muita precisão e requinte: pensar

que já são de grande significação para a cidade e o estado. Apesar de ainda não

plasticamente e visualmente o mundo, traduzindo-o em poética com vigor e

contarmos com uma estrutura de galerias privadas que articulem comercialmen-

maestria. O Salão de Abril é agente desse processo, parceiro de uma visualidade

te a arte contemporânea, conseguimos desenvolver respeitadas produções, que

que soube ser maior que descasos políticos, pausas ou metodologias equivoca-

têm se legitimado no circuito nacional.

das. É ambiente vivo que se reinventa e vai trilhando caminhos. Caminhos de

atenção em importantes mostras, dinamizando com vigor o potencial da visua-

A dinâmica da arte e o circuito local.

lidade cearense. Grande parte desses artistas teve o Salão de Abril como porta

A arte contemporânea dinamizou a arte e propôs diálogos com diversos meios e linguagens. Aproximações foram feitas – apropriações, citações, releituras, processos de contextualização. Práticas regeram novas dinâmicas em que o corpo, o ambiente, a vida foram colocados em primeiro plano e explorados por poéticas que os tiveram como protagonistas. O espectador foi deslocado de um papel melancólico/contemplativo diante da obra para ser convidado a interagir, a ser um observador/fruidor participativo, integrante de uma composição, através da interação física ou mental. O circuito da arte é o ambiente onde a arte se localiza, age, se movimenta. É o espaço em que o poético e o mercado atuam. Fazem parte desse circuito museus, galerias, universidades, centros culturais, feiras, salões, bienais etc. É nesse campo que ações voltadas para as artes visuais fazem o circuito se movimentar,

250

A recente produção contemporânea do estado tem recebido significativa

sobrevivências, lutas e alegrias.

de entrada para o circuito. Utilizaram-no como instrumento de experimentação e espaço de exposição para seus trabalhos. O Salão foi, portanto, um relevante colaborador na construção desse recente circuito.

O LVIII Salão de Abril. Esse breve relato não tem a intenção de traçar um panorama complexo do Salão de Abril, mas de indicar momentos significativos dentro de um panorama nacional e local que contribuíram para um processo que foi e é de singular importância para a compreensão e legitimação de um campo para a arte produzida no Ceará. Dentro dos esforços perpetrados em todas as edições do Salão, um em especial parece bastante importante para a vitalidade do Salão, sua LVIII edição, no ano de 2007.

tornando-se vigoroso, ágil, dinâmico. Um circuito dinâmico é aquele em que as

A edição rompeu com a hegemonia local e expandiu o evento nacionalmen-

políticas voltadas para a visualidade agem com liberdade e precisão, atuando

te. Artistas de todo Brasil puderam se inscrever e, caso selecionados, participar.

em ações continuadas e colocando em primeiro plano fatores que contribuirão

Essa nova condição do Salão, anteriormente restrito aos artistas locais, dina-

para uma dinâmica global em detrimento de interesses individuais ou políticas

mizou bastante o projeto, que recebeu 520 inscrições e se tornou uma mostra

que remetem a práticas clientelistas.

nacional de arte. Foram 30 artistas selecionados. O júri foi composto por mim

Pensar um circuito de arte mais ativo para Fortaleza é se remeter a uma

(Bitu Cassundé, CE), Cauê Alves (SP) e Cristiana Tejo (PE). O Salão ainda contava

temporalidade bastante recente, em que ações foram fundamentais para esse

com uma programação de formação em arte, composta por oficinas e palestras

fim, como a construção do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, do Centro

sobre crítica de arte, além de uma exposição específica para os artistas premia-

Cultural Banco do Nordeste, de políticas de editais desenvolvidas tanto pela

dos que, naquela edição, foram Daniel Murgel (RJ), Francisco Zanazanan (CE) e

Secretaria de Cultura do Estado como pela Prefeitura. Avaliando toda essa di-

Thiago Honório (SP). Os artistas tiveram o acompanhamento crítico de Cristiana

nâmica, percebemos sua circunscrição a apenas 10 anos de movimentação, mas

Tejo, e o resultado compôs a mostra dos três, que ocorreu em 2008.

| Entre tempos e histórias – dos processos iniciais.

Bitu Cassundé |

251


Divisor de águas dentro de todo o processo do Salão de Abril, a condição de se tornar uma mostra nacional ampliou sua potência, expandiu seu alcance e deu fôlego para novas experimentações. A possibilidade de troca de conhecimento com produções artísticas de outras localidades, aproximando artistas de diferentes partes do Brasil, enriqueceu o campo da arte de Fortaleza, oferecendo ao artista local a possibilidade de conhecer o que se produz em outros circuitos. É a possibilidade de construção de novos repertórios e diálogos. Desde o ano de 2007, o Salão permanece como mostra nacional e vem procurando novos caminhos e modelos para sua vitalidade, buscando na contemporaneidade caminhos poéticos que o revigorem e que o impulsionem a continuar contribuindo para a movimentação da cena artística de Fortaleza e, agora, do Brasil. Recife, Novembro de 2010.

252

| Entre tempos e histórias – dos processos iniciais.


ana valeska maia

Tempo, performance e lugar da arte “A um passo de meu próprio espírito A um passo impossível de Deus. Atenta ao real: aqui. Aqui aconteço.” Orides Fontela.

Todo lugar esconde segredos. O nascer do dia sempre chega com muitas promessas, com mistérios que estão à espera de revelação. Entretanto, quantos segredos habitam o lugar que estamos e escapam de nossa percepção apenas no dia de hoje? Ou durante os dias e as noites que vivemos, os meses que passamos, os anos que perdemos? “Se o mundo fosse compreensível não existiria a arte”, afirma o cineasta Domingos de Oliveira (2010). O mundo é uma obra em aberto, carente de encontros, de construções, de afetos, de olhares que possam ver o que não se vê em um primeiro momento. O olhar que vê além do que está posto é, como sabemos, o olhar da arte. Este olhar está à procura de descobrir e revelar segredos. Quando falamos em arte, também tratamos do artista, do ser que age no mundo injetando outros significados à compreensão do existir, do agente que simboliza, que cria códigos e sentidos para a dinâmica das relações sociais e ambientais tradutoras do viver. Dialogamos com espaços, presenças, ausências e tempos. Nesse sentido, podemos viajar pela estrada do tempo à caça de algum segredo, à procura de uma ancestralidade pulsante em nossa contemporaneidade, que grita, sussurra, camufla ou esconde-se de nós. A performance pode tecer essa liga de tempos, gerações e encontros. Ana Valeska Maia de Aguiar Pinheiro: graduada em Direito, Artes Visuais e Mestre em Políticas Públicas e Sociedade. Foi coordenadora de Artes Visuais da SecultFor. É autora dos livros “Pulsão - Irrefreável: arte contemporânea no feminino” e “Tessituras: em contos, crônicas, poesias e imagens”. Atualmente é professora titular de várias disciplinas da Fanor e mantém o blog http//:oseremmovimento.blogspot.com.

(...) Há uma corrente ancestral da performance que passa pelos primeiros ritos tribais, pelas celebrações dionisíacas dos gregos e romanos, pelo histrionismo dos menestréis e por inúmeros outros gêneros, calcados na interpretação extrovertida, que vão desaguar no cabaret do século XIX e na modernidade. (COHEN, 2004, p. 41). ana valeska maia |

257


Orides Fontela lança em sua poesia a indagação: Deste tempo múltiplo, o

que nascerá? Portanto, antes da performance como ação ou afeto, quero falar

trabalho de Luciana Guidorzi, com “A pessoa busca seu lugar”.

do tempo que envolve e conduz o rumo, o fluir desse jorro expressivo. De uma

Relembro as performances e pergunto: quando um segredo é revelado?

percepção previsível do tempo do calendário, com passado, presente e futuro

A arte que toca o outro, quer seja espectador intencional de uma obra disposta

correndo linearmente para um destino, ou quem sabe, para um lugar, encontra-

na galeria ou museu ou um transeunte desavisado, que em sua caminhada ro-

mos no agora um tempo outro, rugoso, estriado, líquido, complexo, imprevisível,

tineira diária se depara com uma performance no espaço público e de repente

surpreendente. O tempo possui uma característica cheia de espanto e encanto:

aquele espaço já não é mais o mesmo e a pessoa também não é mais a mesma.

ele determina o sentido do que vivemos. Na interpretação deste tempo múltiplo

Isso é muito forte. Sabermos que uma palavra, um som, uma imagem, um gesto

apontado por Fontela (2006) podemos falar de encontros, de temporalidades

ou uma construção efetivada com tantos recursos que atualmente possuímos

longas, médias e curtas que são aparentemente distintas, mas que se relacio-

(vídeo, programas de computador, redes interativas, enfim) um trabalho, uma

nam.

obra de arte, nos colocam diante da possibilidade de construção de mundos Há um tempo longuíssimo que é o do universo, de 15 bilhões de anos, e há um

novos.

bem mais curto que é o tempo do aparecimento da vida. Existe um mais curto

Entretanto, essa construção está entregue ao mistério do tempo.

ainda, que é o do aparecimento da humanidade; outro bem mais curto, que é

Volto às indagações sobre a busca do lugar da arte, da maneira como as

o da nossa história; e outros bem mais curto que é o da nossa vida individual. No entanto, nós pertencemos a todos eles. (D’AMARAL, 2010, p.22)

258

no Mercado dos Pinhões, impulsionada por Rodrigo Lourenço e, finalmente, o

vivenciamos. Elas passeiam no tempo e integram os movimentos inquietos de um grupo de estudantes, que em 1943 organizam a primeira edição do Salão

Pertencemos a todos esses tempos, eles se entrecruzam e nos constituem.

de Abril. “(...) O fim / limite íntimo/ nada é além de si mesmo / ponto último.

Posso, então, afirmar que foi o tempo quem autorizou a pergunta-tema do Salão

A saída / é a volta.” (“Caramujo”, Orides Fontela). Nos caminhos que tecemos,

de Abril em suas mais recentes edições? Qual o lugar da arte? Do convencional

o tempo permite mapear o que percorremos na trajetória da vida, na imbricada

cubo branco passamos ao território da cidade como espaço de apropriação dos

teia dos afetos. Enquanto na estruturação do Salão de Abril, depois de 1943, já

artistas. Um lugar que recebeu, na 60º edição do Salão, a cidade como percurso

comandado pela Sociedade Cearense de Artes Plásticas – SCAP, eram obedeci-

e cenário de intervenção. Como na performance “Reflexão sobre a Arquitetura

das as regras clássicas das linguagens artísticas, baseadas nos moldes acadêmi-

da Solidão”, realizada pelo coletivo Curto Circuito, evidenciando uma questão

cos, em outras partes do mundo existia uma agitação que fazia tremer as bases

humana fundamental na contemporaneidade: estamos sós em meio à multi-

do que convencionalmente era compreendido como arte e as regras passaram a

dão?

ser ditadas a partir do solo ordenador do novo.

A cidade continua como um lugar de encontro do sentido nas várias perfor-

A action paiting, desenvolvida por Jackson Pollock, lança a ideia de que

mances que aconteceram no 61º Salão de Abril. “Lygia”, de Jussara Correia,

“o artista deve ser sujeito e objeto da obra”. O ato de pintar, o ritual, o gestual,

realizada no coreto do Passeio Público; a miscelânea de sons e imagens do

passa a ser fundamental na construção do trabalho artístico. A partir desse mo-

Grupo Mesa de Luz, com o trabalho “Cotidiano”; o deslocamento de espaços

mento um campo relacional é ampliado, o processo ganha complexidade. Afinal,

e conceitos na performance de Eduardo Jorge, com “Aula 1 (Sopro)” e “Aula 2

falamos de algo novo e ancestral ao mesmo tempo! Happening, body art, per-

(Resíduo)”; a pulsão das trocas na “Desvenda – Feira de Arte Contemporânea”,

formance art. A performance como linguagem artística, inclusive a performance

| Tempo, performance e lugar da arte

ana valeska maia |

259


O que é a arte, para que serve? Foi um performance realizada por Paulo Bruscky, no Recife, nas décadas de 1970 e 1980. O artista interferia no espaço urbano, utilizando uma placa presa ao pescoço com os dizeres: o que é a arte, para que serve? 1

nas Artes Visuais, integra uma teia como uma categoria aberta e sem Limites

abre para relacionarmos as teias do passado e do futuro na dimensão do agora.

(Melim, 2006). A performance compreendida numa perspectiva de alargamento,

Permanecer pode ser considerada uma maneira de resistir, no sentido foucaul-

de libertação de amarras condicionantes e de espaços delineados e determina-

tiano, de ser capaz de exercitar a autonomia e a liberdade, mesmo diante de um

dos por um sistema de convenções e consensos. (Cohen, 2004). No Brasil, são

cenário que force a uniformização dos comportamentos, que produza uma ética

referências fundamentais os trabalhos desenvolvidos pelos artistas Flávio de

do consenso e dos conceitos pré-fabricados sobre o mundo e sobre o humano.

Carvalho, Hélio Oiticica e Lígia Clark. Esses nomes influenciaram a construção

Resistir a uma vida opaca. Aderir a uma vida que cintila a cada passo dado. Qual

do fazer artístico dos artistas daqui, quando desenvolviam a pesquisa autônoma

caminho melhor de resistência do que o da arte e do desejo 2?

de sua linguagem ou quando os cursos de graduação em Artes Visuais passaram

Quantas estradas se abrem diante de nós na trajetória da vida? Somos todos

a enriquecer o cultivo do território da arte em Fortaleza, a partir do início de

viajantes em Cidades Invisíveis, tal qual Marco Pólo na narrativa desenvolvida

nosso século.

por Ítalo Calvino? Qual Kublai Khan nos vigia e desconfia de nossas histórias,

Em 1964, o Salão de Abril passa a ser administrado pela Prefeitura de For-

mas mesmo assim, quer, ansioso, ouvi-las? “A cidade não é feita disso, mas

taleza. No desenrolar das décadas que se sucederam até o momento presente,

das relações entre as medidas de seu espaço e os acontecimentos do passado”

gerações de artistas habitaram o Salão em seu espaço físico e simbólico. Como

(Calvino, p. 14). Em um determinado momento da obra Alice no País das Ma-

não lembrar da lendária performance de Júlio Silveira e seu convidado inusitado,

ravilhas, de Lewis Carroll, Alice pergunta ao Gato qual o caminho que ela deve

um porco, célebre presença transgressora no Salão? Ou a performance de Bia

seguir para ir embora dali, e o gato responde: “isso depende muito: para onde

Cordovil, realizada no 54º Salão, intitulada “Em uma hora”, corpo delicado e

você quer ir?”.

resistente simbolizado pela seda em contato com o ritmo frenético da cidade,

Sabemos para onde queremos ir? Nesse diálogo de tempos foi possível

atravessado por carros, motos, bicicletas e pedestres? O tempo dilatado nos

constatar movimentos e mutações nos processos criativos, de tendências lo-

vídeos que registram a performance de Milena Travassos, musa diáfana em seu

cais enraizadas, presas ao espaço do museu ou da galeria, abrindo espaços

hipnótico balançar? Ou o ritmo da cidade frenética, captada pelo artista Roma-

capilarizados para um diálogo global, que ultrapassa fronteiras a caminho de

no, na performance “Falante”, em 2007, ano em que o Salão, após um longo

territórios desconhecidos. O tempo mapeado nos espaços de nossas trajetórias

período aberto apenas para artistas locais, passa a ser nacional?

prova que, apesar de tudo, do todos os contratempos, o Salão de Abril resiste.

Qual o lugar da arte? Para onde queremos ir, o que ansiamos habitar, qual o nosso lugar? O que é a arte, para que serve? 1 Edgar Morin (2003) evidencia,

  O “Arte, Desejo e Resistência”, foi tema do Salão de Abril, em sua 59ª edição.

2

Qual o segredo que o lugar da arte esconde? É uma pergunta sempre aberta e isso é muito bom.

no pensamento da complexidade, o reconhecimento de que as coisas são tecidas juntas. Entretanto, o autor destaca que a compreensão de nossa busca não deve ser direcionada para uma solução definitiva, muito menos encontraremos uma fórmula ideal para nossas questões. O importante na busca é o caminho. No processo da busca dos segredos podemos construir portas, janelas, castelos, vilas, amores, afetos, entradas para o que queremos conhecer e saídas do lugar que nos tributam e no qual não queremos mais ficar. O espaço do tempo se

260

| Tempo, performance e lugar da arte

ana valeska maia |

261


nílbio thé

O Vídeo no Salão de Abril

A videoarte surge no final dos anos 50 com uma paternidade dividida entre três artistas, o norteamericando Andy Warhol, o alemão Wolf Vostell (o mais “oficiosamente” assumido) e o sul coreano Nam June Paik (o mais famoso de todos). No entanto, a videoarte, essa senhora já de 60 e poucos anos, só apareceu no Salão de Abril pela primeira vez no ano de 2003, como mostra um rápido levantamento histórico. A demora, entretanto, foi relativamente compensada, pois, logo de cara, seis artistas apresentaram cinco vídeos no salão - fosse como recurso principal, fosse como assessório: Jussara Correia, Bia Cordovil (artista premiada da edição), Robézio Marques, Rosângela Melo e a dupla Zakira e Sônia Guralh. O número de seis artistas seria alto, já que o Salão tinha, até o momento, o máximo de vinte artistas por edição. Mas o LIV Salão de Abril foi um dos mais peculiares de todos, sobretudo pela grande quantidade de artistas selecionados: 66. Sem dúvida, uma das maiores participações já registradas, se não a maior. Seis artistas, portanto, seria uma quantidade pequena, mas não é para uma primeira participação de trabalhos em vídeo. É essencial ressaltar que estes cinco trabalhos foram os vídeos oficiais, porque o ano de estreia do vídeo no Salão foi, também, não só o ano com a maior quantidade de artistas, mas também com a

  No ano do XLIX Salão de Abril simplesmente o salão não existiu, pelo menos não da forma competitiva de sempre, já que alguns artistas locais (dez para ser exato) foram convidados a expor paralelamente à exposição “oficial” O Brasil de Portinari, em homenagem a um dos mais importantes pintores nacionais. De acordo com ESTRIGAS, (p. 263, 2009), uma das manchetes do jornal O Povo era “Cadê o Salão de Abril?”. A organização alegou estar fazendo mudanças em sua estrutura e que a partir do ano seguinte, 1999, o Salão seria uma bienal de arte de alcance nacional, algo que nunca foi feito. A despeito de toda a polêmica, houve catálogo e também homenagem à cearense Sinhá D’Amora, que recebeu a medalha Jean-Pierre Chabloz. 1

maior quantidade de polêmicas desde 1998 1 ou ainda de todas as suas edições ocorridas. E o interessante é que muitas dessas polêmicas decorreram do vídeo e de seus aparatos técnicos, ou indiretamente se relacionam com ele. Nílbio Thé: técnico em Realização em Audiovisual, graduado em Artes Plásticas e especialista em Arte Educação pelo Instituo Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará; mestrando em Políticas Públicas & Sociedade; trabalhou no Museu de Arte Contemporânea e no Núcleo de Capacitação em Audiovisual do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza-CE); foi assistente de curadoria de Luiza Interlenghi do núcleo de videoarte da exposição Experimental; trabalhou e pesquisou intervenção videográfica em teatro e dança. Atualmente é professor dos cursos de Belas Artes e Audiovisual & Novas Mídias da Universidade de Fortaleza.

A despeito das inúmeras denominações que um trabalho de videoarte pode ter (vídeo-poesia, videoinstalação, vídeo-dança...), o fato é que existem básica e muito genericamente falando, três maneiras de se usar o vídeo em uma obra artística. Tais possibilidades não são fechadas e podem se misturar entre si, criando novas categorias se necessário for, mesmo considerando que essas três são bem abrangentes: nílbio thé |

265


Como registro do efêmero. Intervenções urbanas que podem durar dias, sema-

60m² somados aos 6m x 4,2m utilizados na rua, marcados e sujos, representan-

nas, horas e às vezes minutos são exemplos do que pode ser registrado por vídeo.

do aquilo que a cidade nos dá, ficaram na Galeria Antônio Bandeira do Centro

Assim, o vídeo é utilizado de maneira “passiva”, na falta de um termo mais apropriado. Não é rigorosamente videoarte, já que não passa de um registro, embora essa seja uma afirmação altamente controversa.

Como parte integrante de um conjunto. Uma instalação que tem dentre seus elementos constitutivos um vídeo ou uma performance, que comporte e/ou de-

uma televisão, que exibia todos os 60 minutos de intervenção. Essencialmente, é uma intervenção urbana, efêmera, que só se pode conhecer por foto ou vídeo. Um especialista mais ortodoxo não classificaria tal trabalho como videoarte,

penda do vídeo para acrescentar a ele significado, uma pintura ou um objeto que

já que não existe intervenção direta do vídeo. Contudo, se alguns cientistas e

tenha seu sentido e função modificados a partir da interação com um vídeo ou

filósofos da ciência crêem que a mera observação de um fato modifica o pró-

interferência dele.

prio fato 2, que dirá o seu registro em vídeo, que tem a mediação dupla de um

O vídeo como recurso único. É o vídeo, e nada mais, o suporte poético, estético,

dispositivo técnico e de seu operador humano. Assim, o registro da intervenção

conceitual e/ou criativo da obra. Não há necessidade de aparato externo a ele, de

não corresponde à realidade imediata e é, ele próprio, interferência no fato,

modo que o vídeo tem sua unidade significativa integrada, podendo ser assistido

ainda que não seja intencional modificar (ainda mais) aquilo que foi o cerne

em qualquer forma e ambiente, com pouca perda ou ganho de sentido.

O Ano I do Vídeo no Salão de Abril (2003), apesar de contar com cinco trabalhos em vídeo, constam no catálogo apenas dois: o de Jussara Correia (que,

266

de Referência do Professor, onde se realizou o Salão. Foram expostos ao lado de

de seu registro. Sendo assim, não é incoerente afirmar que o trabalho de Bia é videoarte. Jussara Correia também registrou um momento do cotidiano. No entanto,

aliás, é a artista que mais participou do Salão com vídeos), devido ao fato de

não foi uma interferência planejada e também não houve preocupação, a exem-

se restringir unicamente ao registro videográfico, e o de Rosângela Melo, que

plo do trabalho de Bia, com macro história ou determinadas reverberações so-

também conta com uma instalação e um vídeo que a contextualiza. Os traba-

ciais. Assim, atendo-se ao microcosmo de sua cozinha e de seu próprio univer-

lhos de Bia, Robézio e da dupla Zakira & Sônia foram classificados apenas como

so, encontrou poesia feita em seu bicho de estimação: o papagaio que dormia

instalação e não como videoinstalação (o que é, aliás, uma classificação correta,

agarrado a um relógio cuco. O vídeo, que não tem título, também não possui

embora o trabalho de Bia seja uma instalação, sim, mas é essencialmente inter-

nenhuma narração, exceto aquela que é contada pelo andar dos ponteiros do

venção urbana).

relógio e pela ave que, de quando em vez, acomoda-se melhor no objeto. É um

Bia Cordovil utilizou o vídeo como registro de uma intervenção urbana (clas-

vídeo bastante curioso. Nele não existem efeitos aparentes de edição ou foto-

sificada como instalação, no catálogo oficial). Seu trabalho Em uma hora con-

grafia, sendo uma gravação crua de algo que existe (ou existiu) na realidade,

sistiu em estender um pano branco de seda pura no movimentado cruzamento

dentro do universo da artista. De uma delicadeza ímpar, o vídeo em questão é

das ruas Barão do Rio Branco e São Paulo, no centro da cidade. O pano ficou lá

o tipo de obra que não exige ser assistida por inteiro. Pode-se percorrer toda

por uma hora (daí o título), no asfalto da faixa de pedestres. Alguns perceberam,

a galeria, e voltar para conferir o que o papagaio aprontou ou não depois. No

outros ignoraram e muitos, sobretudo os automóveis, passaram por cima dele.

catálogo desta edição, a página que contém o trabalho de Jussara também tem

Tudo que ocorreu ali, em cima do pano, no espaço de uma hora, foi registrado

o seguinte texto, que se propõe a dar pistas sobre a temática da obra, que é

em vídeo por Ediliza Peixoto e contou com o apoio da ONG Alpendre. Cerca

muito mais do que o próprio tempo: “O agora vindo do passado onde nem mes-

| O Vídeo no Salão de Abril

nílbio thé |

  Vide o Efeito Zenão, já confirmado cientificamente na Física Quântica.

2

267


mo sei explicar... o que há dentro do ser. Fica a sensação de lembranças vindas

mance, na medida em que a criação (ou instalação) da própria instalação foi

de algumas vidas presentes na natureza, existentes desde sempre, onde tudo

registrada em vídeo. O trabalho intitulado Gaiola é um cubículo, cujo esqueleto

se transforma e multiplica-se e, através disso, muda o próprio ciclo da vida e do

foi feito em madeira e coberto por um plástico transparente, que no dia da aber-

pensamento.”

tura foi pintado pelos dois artistas “trancafiados” dentro de sua própria prisão,

Robézio Marques inaugura não somente o segundo tipo de utilização do

transformando o ato de pintar em performance. A pintura de um colorido explo-

vídeo na arte, como parte integrante de um ambiente externo ao elemento vi-

sivo ficou exposta ali, naquele suporte não usual e o registro de sua finalização,

deográfico, como também o uso do som de forma decisiva em seu trabalho

a pintura no dia da vernissage foi registrada em vídeo. O espectador que por lá

(recurso naturalmente audiovisual e, portanto, inerente ao vídeo), ao montar um

passasse poderia entrar no cubo plástico e assistir ao vídeo da customização do

verdadeiro cenário, ainda que pequeno para sua instalação-denúncia O Próximo.

espaço. Exibir a construção, os bastidores da obra, é uma das várias característi-

Robézio insere o espectador literalmente dentro da obra, cercando-o por um

cas que a arte contemporânea assume para si.

pequeno amontoado de lixo cenográfico. Sons de choro e de batidas de coração

Além destes cinco trabalhos “oficiais” é preciso dizer que em 2003 o Salão

direcionam o olhar até um latão enferrujado. Dentro dele, o espectador se depa-

deixou de fora outros quatro artistas. A querela iniciou-se em duas frentes di-

ra com um aparelho de tevê voltado para cima com o vídeo da ultrassonografia

ferentes e ambas foram relacionadas a equipamentos de projeção de vídeo e

de um feto.Também existe, no catálogo, um texto que acompanha as fotos:

slides fotográficos. Um dos problemas foi com a artista Mariana Smith e seu

“O Próximo explora o caráter inconveniente e excessivo do real. No foco prin-

trabalho Flutívago, que necessitava, como toda obra, de um espaço que pos-

cipal da obra está o processo desumanizador das sociedades contemporâneas,

sibilite sua exposição. Da mesma forma que é praticamente impossível expor,

processo esse que se dá através da inversão de valores e da banalização do indi-

tradicionalmente falando, quadros onde não se tenha parede, é impossível exibir

víduo (o próximo,) estando também em pauta todas as forças contraditórias, que

uma projeção num espaço intensamente iluminado.

se alternam dentro do cotidiano, contribuindo para essa perigosa situação.” Rosângela Melo, em seu trabalho Sem Medo, acerca da delicada condição fe-

uma série de slides com fotografias de espumas do mar, projetadas sob um

minina atacada por um câncer de mama, também utilizou o vídeo como recurso

tecido translúcido perpendicular a duas paredes em ‘V’. A projeção vazava para

de contextualização de sua obra. Sem Medo é um conjunto de uma instalação

as paredes ao fundo, nas quais estavam palavras soltas, adesivadas em vinil

que consistia numa arara com cinco camisetas brancas penduradas e um vídeo.

fotorreator, que acendiam conforme a incidência de luz de cada imagem e a

Em cada camiseta, a estampa de um busto feminino nu. Todos eles com marcas,

localização do espectador. Como o tecido em que a imagem era projetada era

no caso, cicatrizes de mastectomia. Um televisor ao lado das camisetas exibia o

translúcido, víamos as palavras acendendo no meio da imagem em combinações

vídeo, onde cinco mulheres diferentes mostram os seios saudáveis. Em seguida,

diferentes e aleatórias. As pessoas também podiam entrar no meio da projeção,

cada uma delas veste uma camiseta pós-cirurgia, promovendo um chocante

entre a parede e o tecido, o que dava a sensação de imersão nesse espaço meio

contraste e fazendo com que o espectador, por alguns instantes, vislumbre parte

de sonho das espumas. Na montagem, ele precisaria de um espaço um pouco

do sofrimento de cada uma ali exposta.

mais reservado, pois a matéria principal do trabalho era a luz em nuances de

A dupla Zakira & Sônia Guralh criou uma instalação, que também é perfor-

268

De acordo com a própria Mariana: “Era um trabalho com projeção de slides,

| O Vídeo no Salão de Abril

branco e azul. A coordenação prometeu, depois de muitas negociações, cobrir nílbio thé |

269


o espaço em que ficaria o trabalho, pois estava montado na área exterior da

Soluções Versáteis Para Um Mundo Moderno, feito pelos irmãos Thaís e Ticiano

galeria Antonio Bandeira. No entanto, depois de adiarem isso até o último mo-

Monteiro. O trabalho era simples: uma câmera escondida registrava o passeio

mento, faltando pouco mais de trinta minutos para a abertura, o coordenador

dos dois irmãos pelo supermercado onde roubavam algumas coisas e escondiam

do salão, simplesmente disse que não seria possível a adequação do espaço.

na mochila, junto à câmera. Segundo Ticiano, como o trabalho ficaria exposto

“O trabalho perdia muita daquela maneira e resolvi retirá-lo da exposição”, dis-

fora da Galeria, havia necessidade de um aparato de segurança que garantisse

se a artista. A declaração dada por João Jorge Marques Melo, curador do Salão,

não somente que o projetor não fosse roubado, vandalizado, mas também que

para o repórter André Marinho, do Diário do Nordeste (02/05/2010), foi de que

não estragasse frente às intempéries do tempo, algo que a organização do Salão

“pelo regulamento o artista é que deveria trazer o material ao local”.

não conseguiu garantir.

Mas da mesma forma que um pintor não necessita levar paredes para pendu-

Os problemas gerados a partir organização do Salão em relação aos dois

rar seus quadros (pressupõe-se que elas já estarão lá), um artista que trabalha

trabalhos e a amizade entre os artistas na época motivaram um protesto. Quatro

com luz não deveria, por conseguinte, levar a escuridão para destacar seu ma-

artistas, os irmãos Monteiro, Mariana Smith e Rodrigo Costa Lima, que também

terial. Se o trabalho foi selecionado, é porque havia potencial para ser exibido.

participava do Salão como integrante do grupo Transição Listrada, retiraram seus

O que seria de Julio Le Parc, o principal nome da arte cinética (que foi por mui-

trabalhos. Ticiano que, aliás, também tinha outro trabalho que apresentara so-

to tempo considerado, como o vídeo, um tipo de arte tecnológica) tivesse que

zinho, sem participação da irmã Thaís, no Salão de 2003, aproveitou o protesto

pedir encarecidamente que os diretores dos museus e galerias que exibem suas

organizado por Mariana (que no dia da abertura tocava agogô com um nariz de

obras se conscientizassem de apagar suas luzes e acender seus trabalhos? Seria

palhaço no rosto) e o mote de sua obra sobre furtos e roubou sua própria obra,

necessária a conscientização do que seria óbvio? Os slides fotográficos não são

retirando-a do salão. No entanto, o Salão não ficou de todo desfalcado...

vídeo, todavia, a dependência para projeção ser bem sucedida e a obra poder de

Marina Barreira, aproveitando toda a confusão gerada na abertura com pes-

fato acontecer com um bom equipamento e um ambiente adequado relaciona-

soas retirando obras, fez justamente o contrário: colocou exposta, clandestina-

se com muitas questões e problemas da videoarte.

mente, a obra objeto Sala de Pensar: 121 dias sem imaginação no espaço vazio

A grande questão é que as novas tecnologias rompem certos paradigmas.

deixado pela obra de Ticiano. O interessante é que ela virou a “única artista

E aquele ano de 2003 foi o primeiro a ter vídeos no salão, de modo que ainda

convidada do 54º Salão de Abril” (ESTRIGAS, 2009, p. 277), apesar de seu nome

não era praxe o modus operanti da videoarte no Salão. A “culpa”, no caso, não

(nem dos artistas que se retiraram) não constar no catálogo oficial.

foi de ninguém, mas de uma conjuntura desfavorável gerada por inexperiência

O fato foi tão marcante, que muitos artistas tinham receio de apresentar

do próprio Salão em lidar com um trabalho diferente do que estava acostumado.

trabalhos em vídeo no Salão devido à estrutura precária. Isso fez com que caísse

Se a galeria se revolucionou (desde Duchamp) e quebrou com a máxima “qua-

drasticamente o número de participantes que se utilizavam dessa linguagem ou

dro na parede, escultura no chão”, permitindo todo tipo de trabalho, o mesmo

de qualquer outro suporte que necessitasse de projeção luminosa ou sonora.

não ocorreu com o Salão de Abril, que naquele ano foi terrivelmente anacrônico,

O artista Júlio Lira, que participou de várias edições do Salão e que tem diver-

em certos aspectos.

sos trabalhos em vídeo, afirma que “a possibilidade de projeção era bastante

Problema semelhante em relação ao ambiente de projeção enfrentou o vídeo

270

| O Vídeo no Salão de Abril

restrita, pois não havia pro-labore, projetores eram caros e aluguel de máquinas nílbio thé |

271


nem pensar, pois o Salão sempre durou mais de um mês!” Ainda segundo Lira,

videografismo executado, mas também pela beleza exalada pela paisagem e

da maneira que tudo se colocava, a relação entre o Salão de Abril e o artista era

pela própria artista. O trabalho remete aos filmes da vanguarda impressionista

como se “o artista estivesse financiando eventos do estado”.

dos anos 20 e 30, devido à similitude dos recursos usados, como a fotografia

A obra em vídeo retirada do evento pelos irmãos Monteiro, apesar da estreia atribulada, teve boa repercussão, tendo circulado em eventos diversos, como a

Também em 2006, houve nova participação de Jussara Correia com vídeo.

mostra internacional de curtas de Belo Horizonte e do Vídeo-Brasil, que promo-

O trabalho intitulado Só Agora Maria tem o estilo já consolidado de Jussara,

veu mostras itinerantes, fazendo com que fosse exibido até no México.

que usa o vídeo “cru”, com poucos ou nenhum recurso de edição. É a situação

Hoje em dia, Ticiano é um artista de relativo renome, inclusive (e sobretudo) internacional. Participou com O Mundo, um desdobramento de um trabalho performático e de intervenção em que ele “montava” seu quarto em lugares públicos/inusitados com cama, lençóis, travesseiro, criado mudo e um cabide vertical, de uma mostra de cinema experimental brasileira no New Museum de Nova Iorque. Esta mostra contou com a exibição de Limite, de Mário Peixoto, além de trabalho do renomado Cão Guimarães, cujos trabalhos ficam entre o filme narrativo, a videoarte e os filmes plásticos e conceituais. No trabalho em questão, Ticiano “monta” seu quarto em meio a um alagado no mangue da Sabiaguaba.

posta ali que importa, mas se não fosse pelo vídeo, não existiria. Apesar de “simplório”, é perceptível o avanço técnico da artista em relação ao seu instrumento de trabalho. Não que ela já não tivesse esse domínio, mas seu primeiro trabalho, apesar de muito interessante, não exigia isso. Só Agora Maria tem pouco mais de sete minutos, é extremamente feminino, muitíssimo simples e ao mesmo tempo impressionante, evocando algo de Frida Kahlo, Clarice Lispector e Pedro Almodóvar, numa atmosfera kitsch com planos e enquadramentos trabalhados, que contam indícios de uma história. Uma edição incrivelmente pensada e contrastante e uma arrebatadora trilha sonora concomitantemente fantástica e angustiante, calcada num trecho da Bachiana nº5 de Villa-Lobos, repetido à exaustão. A essência da obra é estruturada numa montagem paralela entre uma

Na edição de 2004, em contraponto com a de 2003, apenas um trabalho que

mulher, a própria Jussara, arrumando-se para sair num verdadeiro ritual, que

se utilizava da “nova” (ao menos para o Salão de Abril) tecnologia: Devir Folhas,

incluiu passar perfume e ouvir Chico Buarque e imagens de panos de prato ba-

um vídeo-objeto (no catálogo, arte eletrônica) de Maria Denize Fernandes Oli-

ratos com estampas de figuras femininas pendurados ao vento ao som do verso

veira que, aliás, ganhou o prêmio do Salão na categoria de manifestação artísti-

“Cadê Maria?”, da bachiana acima.

ca cultural contemporânea. No ano de 2005 não teve nenhum vídeo exposto.

272

delicada e a câmera lenta, e é entrecortado por silêncios e pequenos ruídos.

Em 2007, ocorreu a edição que teve o maior número de trabalhos de vi-

Em 2006, Milena Travassos expôs o performático Vertigem. Não se trata, no

deoarte no Salão. O fato de ter ocorrido no Museu de Arte do Ceará (Mauc) da

entanto, do registro “passivo” de uma performance, mas de videoperformance,

Universidade Federal do Ceará (UFC), ao invés da já tradicional Galeria Antônio

pois o vídeo acrescenta delicadeza à ação da artista, com a utilização de efeitos

Bandeira, que não tem uma estrutura adequada para muitas obras em vídeo,

de fotografia e edição. Poucos cortes e movimentos extremamente suaves de

talvez tenha influenciado nisso. Outro ponto importante é que os trabalhos fo-

câmera dão o tom para as imagens levemente borradas e enevoadas de Mile-

ram muito diversificados entre si e vinham de várias partes do Brasil. A edição

na, balançando-se num banquinho pendurado sobre um poço largo cercado de

contou com nove artistas de diversos lugares do país (São Paulo, Rio Grande do

grama bem alta, cravado no meio de um “lugar improvável”, certamente num

Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás além de artistas cearenses), expondo

sítio ou fazenda. É um trabalho extremamente belo, não só pelo requinte do

oito obras com vídeo.

| O Vídeo no Salão de Abril

nílbio thé |

273


Uma delas é Acima do Nível do Mar de Waléria Américo, classificada como

dar mais significado a ele, permitindo uma interação maior com o espectador,

intervenção “urbana”. Ponho o termo entre aspas por acreditar que não seja

que assistia às imagens de cima para baixo: o vídeo passava em uma mesa e o

lá muito apropriado, pois mesmo que acabe fazendo, de forma muito indireta,

espectador direcionava o olhar para baixo. Júlio trabalhou com sons e imagens

referência à questão da urbe, é um trabalho que se passa em um ambiente

provenientes do Voyager Golden Record ou o Disco de Ouro da Voyager, um dis-

natural. Uma praia, por mais que esteja inserida no ambiente de cidade, não é

co de cobre banhado a ouro com sons (amostras de música e sons da natureza)

algo criado, já que a cidade sim, cresce e surge a partir dela, e não o contrário.

e imagens diversas (como o DNA, imagens da anatomia humana e esquema

A obra é o registro em vídeo do poético ato de construção de uma pequena

de reprodução) que representam uma tentativa de “legado cultural humano”,

murada de tijolos onde, depois de terminada, Waléria sobe para admirar a paisa-

lançado ao espaço sideral com a probabilidade de ser encontrado por algo ou

gem cerca de dois metros acima do mar (daí o título). Trabalho interessante e até

alguém... não humano. A partir da ideia de estabelecimento de contato com nós

certo ponto lúdico, engraçado e divertido – por ser também um flerte com o non

mesmos, humanos, no futuro, ou com alguma outra civilização extraterrena, o

sense, - que nos faz pensar nossa relação com o espaço geográfico. Interessante,

vídeo se desenvolve fazendo com que formigas interagissem com o vídeo num

sobretudo, a maneira como se dá a edição do registro, promovendo elipses de

grande impacto audiovisual e não-humano, ao mesmo tempo em que é extrema-

tempo suaves, que sintetizam o trabalho para o espectador de modo que ele

mente humano, fazendo- nos entrar em contato com nossa própria fugacidade

possa, em cerca de 13 minutos, vislumbrar o produto final de um trabalho que

e petulância.

certamente durou horas. E deve ter contado com ajuda de outras pessoas, o que

Em 2010, três trabalhos foram classificados oficialmente como videoarte:

é muito importante para que a obra não perdesse seu sentido e sua mensagem

dois de Ricardo E. Machado, artista do Paraná Elevando e Aquela Vaga, e Tatu-

final.

méia, do Distrito Federal com Caixa de Fósforo - uma interessante vídeoinstala-

Na edição de 2008, novamente Waléria Américo apresentou Gangorra, utilizando vídeo. Era um objeto-brinquedo, uma gangorra muito bem construída

274

ção com vários pequenos monitores incrustados que interagem com aplicações retangulares na parede, dando a ideia de caixas de fósforos abertas.

(e muito bonita, também), que convidava o espectador a interagir com ela de

Entretanto, nesse mesmo salão, houve muitas performances e intervenções.

duas maneiras: brincando na própria gangorra ou assistindo, já que a alguns

Os registros de várias foram feitos em fotografia, mas uma especificamente,

metros da gangorra de madeira havia uma mesa com dois banquinhos, também

uma ação extremamente reflexiva, foi exposta e explicada ao público, através

de madeira, com dois pequenos televisores. A gangorra, equipada com câmeras,

de uma instalação com vídeo. Trata-se de Mapa do Medo, do grupo Arquivo

mandava a imagem para a mesa, de modo que se assistia a quem brincava.

Vivo (composto por Júlio Lira e Ítalo Rodrigues). Misto de mapa com “manual

A mesa e os banquinhos tinham o mesmo design e o mesmo tipo de madeira

de instruções”, a instalação consiste num mapeamento empírico e informal da

que a gangorra, de modo que havia uma conexão visual, a ponto de se perceber

violência na cidade. Júlio e Ítalo passearam à noite pelo centro de Fortaleza,

que, mesmo separadas por alguns metros, tudo aquilo era o conjunto de uma

uma zona temerosa e tenebrosa para muitos moradores da capital cearense, que

só obra.

cada vez mais são assolados pela violência explícita ou apenas pelo medo apa-

Júlio Lira, na edição de 2009, participou com Aos Não Humanos, uma “ins-

rente dela. Dependendo da situação encontrada em cada rua, paravam e faziam

talação mínima” em vídeo, que se sustenta por si só. Mas o artista optou por

desenhos no local, usando as seguintes cores de “legenda”: azul para zonas de

| O Vídeo no Salão de Abril

nílbio thé |

275


segurança, verde para instáveis, preto para desconhecidas, vermelho para áreas que apresentaram de risco e amarelo para aquelas que, embora não tenham apresentado risco explícito, exigem que se permaneça em alerta. O trabalho de “mapeamento” foi registrado em vídeo, e não acabou por aí, tendo sido realizada uma convocação para uma caminhada noturna coletiva nos espaços mapeados (pelos menos os que não apresentaram risco aparente!). Trata-se de um trabalho de cunho político, sociológico, psicológico e urbano muito profundo e importante, mostrando como a arte reflete a situação de seu tempo. Tenho a dizer, para finalizar, que embora tenha tido um começo atravancado no salão, o vídeo já fez história, nesse curto espaço dos últimos sete anos de Salão de Abril (dos quais o vídeo teve participação em seis). A cada edição, ele consegue mais espaço, de maneira que já está virando uma linguagem “tradicional” (ou rotineira), no bom sentido do termo. A intenção deste modesto texto, como disse antes, não foi nem de longe fazer uma análise de todos os trabalhos, mas apenas passear e sobrevoar por um breve panorama dessa linguagem artística tão interessante, tão nova, tão instigante e com tanto tempo pela frente. Impressionante perceber que, se não presenciamos o nascimento de tecnologias e as artes advindas dela como a escrita, a pintura, a música, o teatro e mesmo o cinema, ainda tão jovem, com pouco mais de cem anos, o mesmo não ocorre, com o vídeo. E sobre isso, talvez seja um privilégio indescritível (que não cabe e tampouco poderia ser descrito nessas poucas páginas) testemunhar o nascimento e o desenvolvimento de algo que, tudo indica, veio pra ficar.

276

| O Vídeo no Salão de Abril


Um fio de prumo | Maíra Ortins | BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 2002. BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 1990. FOULCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996. MEIRELES, Cildo. Coleção Arte brasileira contemporânea. Rio Janeiro: FUNARTE, 2009. ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia poética. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1978. Salão de Abril: de casa para o mundo, do mundo para casa | Herbert Rolim | CAMPOS, Eduardo. O “clima” de Fortaleza naqueles tempos de guerra. In: Governo do Estado do Ceará, Secretária de Cultura, Turismo e Desporto do Estado do Ceará. Catálogo Fortaleza Tempos de Guerra. Fortaleza: Governo do Estado do Ceará, 1989. Transcrição do depoimento de Eduardo Campo in 50 anos de Ceará Rádio Clube. CATUNDA, Leda. Muitas oportunidades. Revista Discutindo Arte. Ed. 2. São Paulo: Oceano Ind. Gráfica. [Ca. 2004]. CHIARELLI, Tadeu. A propósito da produção de Herbert Rolim. In: Governo do Estado Ceará, Secretaria de Cultura e Desporto. Catálogo Projeto Abolição 97. Fortaleza: Governo do Estado do Ceará, 1997. COSTA, Marcos de Lontra. Anos 80: um sonho sonhado no Brasil. In: COUTINHO, Fábio (concepção e coordenação geral). Um século de arte brasileira: coleção Gilberto Chateaubriand. Realização TEKNE Produções Culturais. [Ca. 2006]. COSTA, Maria C. Castilho. BR/80 – Cenário Social da Década. In: Instituto Cultural Itaú (idealização e organização) . BR 80 pintura Brasil década 80. Apresentador Ernest Robert de Carvalho Mangue. São Paulo, 1991.

280

FERREIRA, Glória. Inserções experimentais. In: COUTINHO, Fábio (concepção e coordenação geral). Um século de arte brasileira: coleção Gilberto Chateaubriand. Realização TEKNE Produções Culturais. [Ca. 2006]. GALVÃO, Roberto. O conflito submerso: o moderno e o acadêmico nas artes plásticas em Fortaleza (1924-1958). 2001. Monografia apresentada ao Departamento de História da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2001. _____. Da figuração à construção. In: Instituto Cultural Itaú, idealização e organização. BR 80 pintura Brasil década 80. Apresentador Ernest Robert de Carvalho Mangue. São Paulo, 1991. _____. A escola invisível: artes plásticas em Fortaleza 1928-1958. 1ª. Ed. Fortaleza: Quadricolor Editora, 2008. HERKENHOFF, Paulo. Jornal Diário do Nordeste. 1996, 16 de abr. Caderno 3. INTERLENGHI, Luiza. (N)o lugar da cabeça, o mundo. In: COUTINHO, Fábio, (concepção e coordenação geral). Um século de arte brasileira: coleção Gilberto Chateaubriand. Realização TEKNE Produções Culturais. [Ca. 2006]. MARTINS, Floriano. Os métodos da ruptura: a propósito da criação de um instituto da gravura no Ceará. Revista de Cultura, n. 17, Fortaleza, São Paulo, out. 2001. Disponivel em: http://www.revista.agulha.nom.br/ag17martins.htm> Acesso em: 08 nov. 2010. MARTINS, Fran. Depoimentos do grupo. Revista Clã. Fortaleza, v. 27, p. 14-15, mar. 1981. MENDONÇA, Cassimiro Xavier de. Triângulo Cearense. Revista Galeria, no. 7, p. 42, 1987.

ESTRIGAS. O salão de abril. 2. Ed. Revista e ampliada por Flavia Jordana e Janaína Muniz. Fortaleza: Lumiar Comunicação: La Barca Editora, 2009.

MORAIS, Frederico. Anos 80: a pintura resiste. In: Instituto Cultural Itaú, idealização e organização. BR 80 pintura Brasil década 80. Idealização e organização Instituto Cultural Itaú. Apresentador Ernest Robert de Carvalho Mangue. São Paulo, 1991.

ESTRIGAS. A arte na dimensão do momento. Fortaleza: Imprensa Universitária UFC, 2002, vol. II.

ROLIM, Herbert. Arte anfíbia: o caso Otacílio de Azevedo. Fortaleza: Edições UFC, 2009.

281


SANTOS, Laymert Garcia dos. Anos 90: Rotas de Fuga. In: CAVALCANTI, Lauro, editor. Caminhos do Contemporâneo 1952/2002. Rio de Janeiro: Editora Eventual, 2002. TISTHIEWOOD, David. “Arte contemporânea na Educação. Construção, Desconstrução, Re-construção, Reações dos Estudantes Britânicos e Brasileiros ao Contemporâneo”. In: BARBOSA, Mae (org.). Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo, MAC/USP, 1990. Tempo, performance e lugar da arte | Ana Valeska Maia | CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. CARROLL, Lewis. Alice no País das Maravilhas. São Paulo: Martin Claret. 2005. COHEN, Renato. Performance como linguagem. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2004. FONTELA, Orides. Poesia Reunida (1969 – 1996). São Paulo: Cosac Naify: Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006. D’AMARAL, Marcio Tavares. História e Sentido. In: PERDIGÃO, Andréa Bonfim. Sobre o tempo: um livro de entrevistas com vários autores. São Paulo: Pulso, 2010. MELIN, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. MORIN, Edgar. O X da questão: o sujeito à flor da pele. Porto Alegre: Artmed, 2003.

282


SALÃO DE ABRIL HISTÓRICO

SALÃO DE ABRIL EXPOSIÇÃO HISTÓRICA - 1980-2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA Luizianne Lins – PREFEITA DE FORTALEZA

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA Luizianne Lins – PREFEITA DE FORTALEZA

SECULTFOR SECRETARIA DE CULTURA DE FORTALEZA Fátima Mesquita – SECRETÁRIA MUNICIPAL DE CULTURA

SECULTFOR SECRETARIA DE CULTURA DE FORTALEZA Fátima Mesquita – SECRETÁRIA MUNICIPAL DE CULTURA

Coordenadora de Artes Visuais Maíra Ortins

Coordenadora de Artes Visuais Maíra Ortins

Coordenação de Comunicação da SECULTFOR Ethel de Paula

Coordenação de Comunicação da SECULTFOR Ethel de Paula

Coordenação de Projetos Emídio Sanderson

Coordenação de Projetos Emídio Sanderson

Coordenação Geral do Salão de Abril Histórico Maíra Ortins

Coordenação Geral do Salão de Abril Histórico Maíra Ortins

Organização Herbert Rolim

Curador Herbert Rolim

Textos Ana Valesca Maia

Coordenação de Produção Dora Freitas

Bitu Cassundé Cristiana Tejo Estrigas Herbert Rolim João Jorge Nilbio Thé Ricardo Resende Pesquisadores Simone Barreto Paulo Henrique Leitão Alexandre Mourão Catalogação na Fonte Bibliotecária: Perpétua Socorro T. Guimarães C.R.B. 3/ 801 Salão de Abril 1980-2009: de Casa para o Mundo do Mundo para Casa./ Herbert Rolim [organizador]; Textos de Ana Valesca Maia, Bitu Cassundé et al .- Fortaleza: Lumiar Comunicação e Consultoria, 2010. ____ p. : ilust. (Homenagem à Nilo de Brito Firmeza-Estrigas e João Jorge) 1. Artes Visuais I. Rolim, Herbert II. Maia, Ana Valesca III. Cassundé, Bitu IV. Título CDD: 709

Coordenação Editorial Dora Freitas Produtora Assistente Calanta Viana Revisão de textos e Assessoria de Imprensa Ana Karla Dubiela Design Gráfico Naldo Rodrigues Webdesing Ricardo Batista Fotografia Jarbas Oliveira

Produtora Assistente Calanta Viana Assessoria de Imprensa Ana Karla Dubiela Webdesing Ricardo Batista Expografia ARTZ Iluminação/Eletricistas Antônio Cristiano Tavares da Silva Antônio Flávio Silva de Sousa Antônio José Ribeiro da Silva Francisco Fernando da Silva João Augusto Sousa Barros Coordenação Ação Educativa Mariana Ratts Ação Educativa Felipe Araújo Francisco Carlos Batista de Sousa Jr. Helena Colores Henrique Pinho Bonfim Paula Machado Robert Veras Sara Vasconcelos Cruz Thais Yuli Ualisson Santos


Este livro foi produzido em dezembro de 2010. Textos compostos em Frutiger Lt Std e Garamond Premier Pro. Impressão Gráfica Santa Marta. Papel couché matte 120g/m2, papel pólen rustic 100g/m2 (miolo) e cartão kraft 350g/m2 (capa).


Produção:

Apoio:

Patrocínio:

Realização:


Livro Salao Historico  

Livro do Salao Historico 2010

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you