Page 1

Projecto de Educação Sexual da Turma - 8.º ano -

“Compreensão da Fisiologia Geral da Reprodução Humana”

Projecto realizado no âmbito da ACÇÃO DE FORMAÇÃO F2F / 2011: “Actuação Docente na Educação para a Sexualidade na Aplicação do Programa PRESSE (2º e 3º Ciclos) ”

Elaborado por: Cecília Glória de Sousa Vivas


Este trabalho resulta da oficina de formação “ Actuação Docente na Educação para a Sexualidade na Aplicação do Programa PRESSE (2º e 3º Ciclos), promovida pelo centro de Formação de associação de escolas Braga Sul. O PRESSE é o Programa Regional de Educação Sexual em Saúde Escolar, promovido pela Administração Regional de Saúde do Norte, I.P (ARSN) através do seu Departamento de Saúde Pública (DSP) em parceria com a Direcção Regional de Educação do Norte (DREN). Este programa tem como finalidade incluir, nos projectos educativos e nos currículos das escolas básicas e secundárias (Lei nº 60/2009, de 06 de Agosto Artigo 1.º), um programa de educação sexual estruturado e sustentado, para aumentar os factores de protecção e para diminuir os comportamentos de risco dos alunos em relação à sexualidade. Este trabalho, realizado no âmbito do PRESSE e de acordo com a Lei nº 60/2009, irá constituir o Projecto de Educação Sexual das turmas do oitavo ano. Este será o primeiro ano de implementação da Educação Sexual em Meio Escolar. Este trabalho consta de uma planificação de quatro aulas de 45 minutos sobre a Compreensão da Fisiologia Geral da Reprodução Humana que incluirá o Projecto de Educação Sexual da Turma, de uma turma de oitavo ano. A Lei nº60/2009 de 6 de Agosto (artigo 7º) determina a elaboração do Projecto de Educação Sexual da Turma, no qual devem constar os conteúdos e temas que, em concreto, serão abordados, as iniciativas e visitas a realizar, as entidades, e técnicos e especialistas externos à escola a convidar. A Portaria nº196A/2010 de 9 de Abril, determina os conteúdos curriculares a implementar por anos de escolaridade (nº1 do artigo 3º) e no Projecto Curricular do Agrupamento de Escolas estão definidos os temas a abordar nos diferentes anos de escolaridade.


A Sexualidade Humana é um conceito que abrange várias dimensões do ser humano: orgânicas, fisiológicas, emocionais, afectivas, sociais e culturais. Está marcada pela história, cultura, ciência, assim como pelos afectos e sentimentos, expressando-se com singularidade em cada indivíduo. A sexualidade é algo inerente ao desenvolvimento do ser humano e manifesta-se desde o momento do nascimento até à morte, em cada etapa da vida. As crianças, os adolescentes, os adultos e os idosos são sexuados; têm interesses sexuais e expressam a sua sexualidade através de diferentes comportamentos. O desejo, os interesse sexuais e a capacidade de enamoramento permanecem ao longo do ciclo vital. Segundo a Organização Mundial de Saúde OMS 1975, a sexualidade é: “ Uma energia que nos motiva a procurar Amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; ela influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso influencia também a nossa saúde física e mental.”

Segundo um consenso de especialistas da OMS 2002, a sexualidade é: “… é uma dimensão da vida de todo o ser humano que engloba o sexo, a identidade de género, a orientação sexual, o erotismo, o prazer, a intimidade e a reprodução. Ela é vivida e manifesta-se através de pensamentos, fantasias, desejos, crenças, atitudes, valores, comportamentos, práticas, regras e relações interpessoais. A Sexualidade é influenciada pela interacção com factores de ordem biológica, psicológica, social, económica, política, cultural, ética, legal, histórica, religiosa e espiritual.” Ao longo do ciclo de vida, todos nós fazemos aprendizagens em diversos domínios, sendo um desses domínios a sexualidade, pois como área de desenvolvimento humano que é, implica aprendizagem. Essa aprendizagem faz-se de uma forma informal, determinada pelas experiências do quotidiano, mas também formal/intencional com recurso a profissionais, assumindo a escola e o professor um meio educativo por excelência. “A escola e os professores são o contexto e os agentes privelegiados para intencionalizar processos de análise, consciencialização e mudança ao nível de


conhecimentos, sentimentos e comportamentos em termos de sexualidade humana” (Júlio machado Vaz, 1996). ADOLESCÊNCIA E PUBERDADE

A adolescência é caracterizada por um período conturbado, pleno de ansiedades, tensões e conflitos, dependentes de condicionantes sociais, culturais ou familiares, é “um período de vida que exige ao indivíduo capacidade de adaptação às exigências sociais no momento em que está a sofrer transformações biológicas e psicológicas” (Anastácio, 2010). A puberdade delimita o início da adolescência e caracteriza-se por um conjunto de transformações biológicas em que o formato do corpo e do rosto mudam e os órgãos reprodutores ou sexuais crescem e se desenvolvem. Implica diferentes mudanças corporais nos rapazes e nas raparigas, nomeadamente, a primeira menstruação nas raparigas e a primeira ejaculação no rapaz. É importante preparar os adolescentes para estas alterações, assim como é necessário, nesta altura, a aquisição de noções básicas, e adequadas, sobre os processos de reprodução, fecundação e contracepção (Machado Vaz, 1996). Este período é ainda caracterizado por uma relativa estabilidade emocional assim como pelas mudanças que ocorrem nas percepções que os rapazes e raparigas têm de si e dos outros e pelas relações que estabelecem entre si e com os adultos (Frade e col., 2006; Ministérios da Educação e da Saúde & APF, 2000). Na esfera individual, no domínio da intimidade, assiste-se frequentemente ao desenvolvimento de sentimentos mais ou menos novos de pudor, timidez e vergonha face ao corpo e até ansiedade, nomeadamente em casa, junto dos pais e irmãos e na escola, junto dos colegas e das colegas (Ministérios da Educação e da Saúde & APF, 2000; Frade e col., 2006). Segundo Frade e colaboradores (2006), as relações entre os dois sexos também vão sofrer alterações importantes. É frequente os professores e pais relatarem situações de afastamento e mesmo hostilidade entre rapazes e raparigas na escola, em casa ou em grupos de amigos. Os mesmos autores referem que outra destas manifestações é a constituição de grupos e de espaços ferozmente monossexuais (proibição absoluta dos rapazes entrarem nos grupos das raparigas e vice-versa). É como se houvesse um período em que se torna interiormente muito importante mostrar claramente, a si mesmo e aos outros, que se pertence a um sexo bem definido, com características muito específicas e opostas ao outro sexo. Todavia, esta relação é ambivalente. São frequentes as queixas, principalmente por parte das raparigas, dos “apalpões”, do “levantar as saias” ou dos “beijos roubados”. Existe um misto de hostilidade e de jogo de


provocação e sedução. Há um não querer e querer, um não precisar e precisar, um não gostar e gostar (Ministérios da Educação e da Saúde & APF, 2000). As paixões profundas existem, mesmo nesta idade; rapazes e raparigas têm os seus amores inconfessados, muitas vezes escondidos por um aparente afastamento, desdém e troça (Frade e col., 2006). Em termos de comportamentos sexuais, Frade e colabores (2006) apontam, para além destes jogos entre os dois sexos, a existência de brincadeiras entre jovens do mesmo sexo, nomeadamente os jogos masculinos e femininos de comparação do corpo. Outro comportamento importante que estes autores mencionam, em alguns dos rapazes e raparigas pré-adolescentes, é a masturbação. Esta funciona como uma descoberta do corpo e de novas sensações e pode ser vivida com um misto de prazer e de curiosidade, mas também com muitas dúvidas ou culpabilidades, dados os comentários negativos ou o silêncio dos adultos sobre este assunto. FISIOLOGIA DA SEXUALIDADE

A sexualidade está ligada aos sentimentos e às emoções. Também ao corpo, à forma de estar em relação a ele e aos prazeres que ele proporciona. A capacidade de sentir prazer não está reduzida aos órgãos genitais mas aos cinco sentidos do corpo humano. Existem zonas erógenas em todo o corpo. As zonas erógenas são partes do corpo que, ao serem estimuladas produzem uma resposta sexual. REPRODUÇÃO HUMANA

As formas de vida mais avançadas reproduzemse sexualmente, ou seja, o material genético do novo indivíduo resulta da junção de material genético de dois indivíduos diferentes. O material genético é o que defina as características de cada indivíduo, nomeadamente cor do cabelo, dos olhos, tamanho dos dedos, tipo de feições…, e está contido numas estruturas denominadas cromossomas. Cada progenitor doa 23 cromossomas, de tal forma que o novo ser fica com 46 cromossomas que contêm todas as informações e instruções genéticas para se desenvolver. Todos os homens e mulheres produzem células reprodutoras, que diferem das outras células do organismo (pulmões, músculo, baço…), por apenas conter metade do número de cromossomas (23). Para que se dê a reprodução é necessário que uma célula reprodutora feminina (óvulo) se una com uma célula reprodutora masculina (espermatozóide), quando um homem e uma mulher têm relações sexuais, designando-se este processo fecundação. Assim a mulher só produz um óvulo de 28 em 28 dias (em média) e só a partir da puberdade até à menopausa. Nos


ciclos com duração variável, que não os 28 dias, a fecundação também é possível desde que exista ovulação. A fecundação é definida como a união entre o óvulo e o espermatozóide. Este processo ocorre, habitualmente, na Trompa de Falópio e o ovo, produto da fecundação, migra para o interior do útero e, se as condições forem adequadas, implantase no endométrio – a este fenómeno chamase nidação. Iniciase aqui um processo que vai durar cerca de 40 semanas: a gravidez. (Pereira & Freitas, 2002) GRAVIDEZ

A gravidez é o período que vai desde a fecundação, na trompa de Falópio, até ao parto, passando pela nidação e todo o processo de desenvolvimento do feto. Quando a nidação se dá em local que não o útero chama-se gravidez ectópica, e se não houver remoção do embrião atempadamente, pode levar à morte da mãe. Após a nidação, o ovo dá origem ao embrião, desenvolve um sistema sanguíneo e o útero fornece alimento e oxigénio através do cordão umbilical. O sangue do feto não se mistura com o da mãe. Alguns medicamentos e vírus, no entanto, podem atravessar a placenta e atingir o feto. Por isso desaconselha-se o uso de medicação sem ser por prescrição médica. A gravidez desenvolve-se durante cerca de 40 semanas e divide-se por três trimestres: no primeiro (até às 12 semanas) a mulher suspeita de gravidez pela ausência de menstruação, aumento dos seios e podem ocorrer enjoos e/ou vómitos; no segundo trimestre (entre as 13 e as 28 semanas) o útero aumenta de volume, os mamilos ficam mais escuros. A partir da oitava semana a mãe pode sentir o bebé a mexer. No terceiro trimestre (da 29ª à 40ª semana) pode aparecer uma linha escura desde o umbigo até aos pêlos púbicos. Algumas mulheres iniciam a produção de colostro (líquido muito nutritivo para a alimentar o bebé). O parto é o processo através do qual o feto sai do útero para o exterior. A altura do parto é anunciada com umas dores, tipo cólicas, que são provocadas pela contracção dos músculos do útero. Estas dores ocorrem a intervalos cíclicos, inicialmente mais espaçados, mas com a aproximação da expulsão vão ficando mais fortes e mais próximas umas das outras. O colo do útero dilata-se cada vez mais e acaba por se extinguir. Rompe-se o saco amniótico e o líquido que envolvia o bebé sai, estando este em condições de ser expulso, com a ajuda da mãe.


GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

“ Uma gravidez não planeada é sempre uma possibilidade, quando existe uma vida sexual activa. No caso de esta acontecer durantre a adolescência, acrescem um conjunto de riscos físicos e psicossociais.” (Vilar & Gaspar, 1997 cit in Pais, 2000)

Propostas que podem ser apresentadas à adolescente, face a uma gravidez indesejada:

Riscos associados à gravidez na adolescência: Riscos físicos Riscos psicológicos    

O corpo da adolescente ainda não atingiu o desenvolvimento completo; Maior probabilidade de problemas no parto e depois do parto, com a mãe e o bebé; Maior probabilidade de depressão pós-parto; Bebés com baixo peso à nascença.

   

 

Não conclusão do percurso académico; Perda de identidade; Perda de relacionamentos afectivos com o grupo de pares, significativos para o adolescente; Excessiva responsabilidade, que se pode reflectir, posteriormente, na relação com a criança; Falta de conhecimentos para tratar do bebé; Falta de apoio do pai da criança, da família, dos colegas.

Existem vários locais nos quais os adolescentes podem procurar apoio se uma gravidez acontecer: centros de saúde, médicos de família, consulta de planeamento familiar, apoio psicológico, entre outras associações. Sempre que possível, é muito importante ter a ajuda da família. É essencial relembrar aos jovens que uma gravidez é sempre responsabilidade de duas pessoas. Assim, não é só a rapariga que se tem de preocupar neste sentido, mas também o rapaz. Assim, tanto o rapaz como a rapariga devem tomar todas as medidas para se protegerem, tanto para que não aconteça uma gravidez indesejada como uma infecção sexualmente transmissível.


De acordo com as orientações dadas / quadro de conteúdos definidos no âmbito do PESES/PRESSE para o Agrupamento, é apresentada, de seguida, a planificação para as 12 horas (equivalentes a 16 tempos de 45 min) sobre a “Compreensão da Fisiologia geral da Reprodução Humana”. A riqueza de significados da sexualidade humana engloba naturalmente o conceito de reprodução, mas não se limita a este aspecto, embora seja fundamental o seu conhecimento (Dias, Ramalhete, Marques, Seabra, & Antunes, 2002). Para que haja reprodução humana é necessário que se processe a fecundação do óvulo com o espermatozóide, ou seja, a união das células sexuais feminina e masculina. O conhecimento dos aparelhos reprodutores, feminino e masculino, e em particular das diversas fases do ciclo menstrual da mulher, permite compreender o processo de fecundidade. Serão apresentados, para a concretização desta planificação, apresentações em PowerPoint, vídeos, actividades com recursos materiais como fichas de trabalho e jogos. Será necessário ainda, a existência de equipamento multimédia com acesso à internet para a visualização de imagens, documentos ou vídeos online. As temáticas em estudo, serão sempre acompanhadas de reflexão/diálogo e esclarecimento de dúvidas, com a finalidade de criar meios para levar aos jovens a adopção de comportamentos responsáveis e a tomada de decisões assertivas nas diversas interacções sociais.


TEMAS/CONTEÚDOS

- Aceder às concepções prévias dos alunos.

SEXUALIDADE HUMANA 

Conceito de Sexualidade

Masturbação

Sexo e Género

OBJECTIVOS

- Aumentar e consolidar conhecimentos. - Rever e sedimentar o conceito abrangente de Sexualidade Humana nas várias dimensões. - Compreender o significado da palavra Sexo

I. Saúde Sexual e Reprodutiva (FISIOLOGIA GERAL REPRODUÇÃO HUMANA)

Conceito de Saúde Sexual

Conceito de Saúde Reprodutiva

- Desmistificar a “Masturbação".

METODOLOGIA/ACTIVIDADES

TEMPO

 Apresentação do PowerPoint (do Diapositivo Projector nº 1 até ao nº 15): Multimédia  Como motivação para a temática, colocar a Computador seguinte Questão: “Como falar de Sexo e Sexualidade?” Explorar os Diapositivos nºs 3, 4 e 10, salientando a dificuldade que (ainda)  Tela existe em se falar sobre sexo e sexualidade (seja em que idade for…); e enfatizando a Colunas de importância de se falar sobre este tema. som  ACTIVIDADE I - Apresentação dos Vídeos: “Virgem” e “Como explicar a masturbação ao seu  Quadro branco e filho”, seguida de debate devidamente marcadores orientado.

DA

- Compreender a noção de Saúde Sexual e Reprodutiva

RECURSOS

 Através da exploração dos Diapositivos do nº 11 ao nº 15, esclarecer os alunos sobre a definição de Saúde Sexual e de Saúde Reprodutiva.

(1ª AULA) 45`


TEMAS/CONTEÚDOS II. Saúde Sexual e Reprodutiva (FISIOLOGIA GERAL REPRODUÇÃO HUMANA)

O Corpo Humano transformação * As semelhanças e as diferenças entre o corpo feminino e o corpo masculino * A Puberdade * A Adolescência * A Idade Adulta

DA

em

OBJECTIVOS - Compreender a fisiologia geral da reprodução humana - Perceber quais as diferenças entre a Infância e a Adolescência - Identificar,

aceitar e compreender as mudanças e alterações corporais na Puberdade - Compreender/aceitar os diferentes ritmos de crescimento - Apreender o conceito de Adolescência e de Idade Adulta - Reconhecer a importância do crescimento saudável - Valorizar

os hábitos de higiene pessoais

METODOLOGIA/ACTIVIDADES  Apresentação do PowerPoint (do Diapositivo nº 16 ao nº 32):  Através da exploração dos Diapositivos nºs 16 e 17, chamar a atenção para as mudanças que ocorrem nos corpos entre os nove e os quinze anos.  ACTIVIDADE II - Apresentação da Música: “Cinderela”, de Carlos Paião, cuja letra será previamente distribuída aos alunos. Recorrer ainda, ao Diapositivo nº 18. De seguida, os alunos deverão identificar as características físicas e emocionais do corpo humano até aos 10 anos.  Para se conhecerem as mudanças físicas e emocionais da adolescência, explorar os Diapositivos: do nº 19 ao nº 25.  ACTIVIDADE III – Trabalho de Grupo: “O diário de um adolescente com borbulhas”, onde os alunos terão que responder a questões relacionadas com as características emocionais da adolescência. Será distribuída a cada grupo uma cartolina com um excerto do respectivo diário (do 1º Acto ao 5º Acto). Recorrer à projecção do Diapositivo nº 26 para orientar a tarefa. Posteriormente, recorrer-se-á, também, aos Diapositivos do nº 27 ao 31. Concluir esta actividade com a exploração do Diapositivo nº 32 e a reprodução da Música: “Estou além”, de António Variações. A letra da música será distribuída previamente a cada aluno.

RECURSOS

TEMPO

Projector Multimédia Computador  Tela Colunas som

de

 Fotocópias (2ª AULA)  Cartolinas 45`  Material escolar (caderno, esferográfica ou lápis, …)

 Quadro branco e marcadores


TEMAS/CONTEÚDOS

OBJECTIVOS

III. Saúde Sexual e Reprodutiva

- Aumentar e consolidar os conhecimentos sobre o corpo sexuado e o funcionamento dos seus órgãos internos e externos

 Apresentação do PowerPoint (Diapositivos do Projector nº 33 ao nº 77): Multimédia  ACTIVIDADE IV - Apresentação do Vídeo: “As novas toalhas do IKEA” Promoção do Computador debate, devidamente orientado, sobre morfologia masculina e feminina. Recorrer à projecção do Diapositivo nº 33. Explorar,  Tela ainda, os Diapositivos: do nº 34 até ao nº 71.

* O Ciclo Sexual Feminino (ou Ciclo Menstrual)

- Identificar os órgãos dos aparelhos reprodutores masculino e feminino

A Morfofisiologia do Sistema Reprodutor Masculino

- Aprofundar os conhecimentos sobre o ciclo menstrual

 ACTIVIDADE V - Projectando o Diapositivo nº 72, fornecer aos alunos uma Ficha de Colunas de som Trabalho, intitulada “Faz a legenda…”. Nesta ficha, os alunos deverão legendar os esquemas de ambos os Sistemas Reprodutores (Feminino  Fotocópias e Masculino). Para a sua correcção, recorrer ainda aos Diapositivos: do nº 73 ao nº 76.

(FISIOLOGIA GERAL REPRODUÇÃO HUMANA)

DA

A Figura Corporal

A Morfofisiologia do Sistema Reprodutor Feminino

- Desenvolver o autoconhecimento e a noção de valorização do corpo - Uniformizar e adoptar terminologia sexual adequada

METODOLOGIA/ACTIVIDADES

RECURSOS

 ACTIVIDADE VI: Projectando o Diapositivo nº 77,  Quadro branco e organizar a turma para a concretização de um marcadores Jogo: “O Bingo”. Distribuir por cada dois alunos um Cartão do Bingo. Retirar de um saco uma bola numerada e efectuar a pergunta correspondente.  Jogo: “ O Cada grupo deverá indicar no cartão, o número da Bingo” (e pergunta e a respectiva resposta. Repetir este respectivo procedimento, até que um grupo complete o material) cartão e diga “Bingo”!

TEMPO

(3ª AULA) 45`


TEMAS/CONTEÚDOS

OBJECTIVOS

METODOLOGIA/ACTIVIDADES

IV. Saúde Sexual e Reprodutiva

- Aumentar e consolidar conhecimentos sobre os mecanismos de Reprodução Humana, compreendendo os elementos essenciais acerca da Fecundação, da Gravidez e do Parto

 Apresentação do PowerPoint (os Diapositivos nº 78 até ao nº 82):

(FISIOLOGIA GERAL REPRODUÇÃO HUMANA)

● A Fecundação ● A Gravidez

*A Gravidez na Adolescência ● O Parto

DA

- Compreender os riscos físicos e psicológicos de uma Gravidez na Adolescência - Discutir as repercussões da Gravidez na Adolescência - Desenvolver atitudes de prevenção face a riscos para a saúde, nomeadamente na esfera sexual e reprodutiva - Compreender a importância da Contracepção

 ACTIVIDADE VII: Recorrendo aos Diapositivos nºs 78 e 79, apresentar a história “Para onde foi o Zezinho…”, referindo que a mesma relata, de uma maneira simples, a forma como somos concebidos, como nos desenvolvemos dentro do útero materno e como nascemos. Projectar e explorar o PowerPoint “Para onde foi onde foi o Zezinho…” Posteriormente, recorrer à projecção e exploração do PowerPoint “Da fecundação ao desenvolvimento de um novo ser”. Finalizar esta actividade, com a projecção do Vídeo: “Fecundação”, da Nacional Geographic. Promover o levantamento de questões e o esclarecimento de dúvidas.

RECURSOS Projector Multimédia Computador

 Tela

Colunas som

de

 Quadro branco e marcadores  ACTIVIDADE VIII: Através da exploração dos Diapositivos nºs 81 e 82, chamar a atenção para os riscos físicos e psicológicos de uma gravidez na adolescência. Posteriormente, projectar dois Vídeos, intitulados “Gravidez na Adolescência”. Promover a discussão dos mesmos, efectuando um “Brainstorming”, em que as reflexões/conclusões deverão ser registadas no quadro branco. Finalizar com apresentação do Diapositivo nº 82.

TEMPO

(4ª AULA) 45`


A avaliação dos alunos será realizada com base nos seguintes parâmetros:    

Trabalhos realizados Empenho demonstrado na concretização das actividades Grelhas de observação Ficha de auto-avaliação

 Luís, Mª da Paz e outros, Guião PRESSE – Formação de Professores, ARS Norte, I.P., Outubro 2010.  Luís, Mª da Paz e outros, Guião PRESSE – Formação de Professores do 5º ano, ARS Norte, I.P., 2008.

ANEXOS

Como “anexos” são consideradas as pastas, devidamente identificadas, com as respectivas aulas, actividades, PowerPoint, fichas de trabalho, entre outros.


Actividade VII (B)- Apresentação DA FECUNDAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO SER


presse coiso e tal  
presse coiso e tal  

adadrawdafadasdtaeqwadw

Advertisement