Issuu on Google+


ANÁLISE DE VALOR AGREGADO

Valor agregado_00.indd I

28/4/2011 14:08:38


ANÁLISE DE VALOR AGREGADO Revolucionando o Gerenciamento de Prazos e Custos

5a Edição

Prefácio de Wayne F. Abba Past President, PMI College of Performance Management Vice President of Dekker, Ltd. Retired Senior Program Analyst - Office of the Secretary of Defense of USA

Valor agregado_00.indd III

28/4/2011 14:08:38


Copyright© 2011 por Ricardo Viana Vargas Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, sob qualquer meio, especialmente em fotocópia (xerox), sem a permissão, por escrito, do autor e da editora. 1a edição: 2002 Reimpressão: 2002 2a edição: 2003 3a edição: 2005 Reimpressão: 2006 4a edição: 2008 5a edição: 2011 Editor: Sergio Martins de Oliveira Diretora: Rosa Maria Oliveira de Queiroz Gerente de Produção Editorial: Marina dos Anjos Martins de Oliveira Revisão: Maria Inês Galvão Editoração Eletrônica: Abreu’s System Ltda. Capa: Designlândia Técnica e muita atenção foram empregadas na produção deste livro. Porém, erros de digitação e/ou impressão podem ocorrer. Qualquer dúvida, inclusive de conceito, solicitamos enviar mensagem para brasport@brasport.com.br, para que nossa equipe, juntamente com o autor, possa esclarecer. A Brasport e o(s) autor(es) não assumem qualquer responsabilidade por eventuais danos ou perdas a pessoas ou bens, originados do uso deste livro.

CIP–Brasil. Catalogação na fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ. Viana Vargas, Ricardo Análise de valor agregado : revolucionando o gerenciamento de prazos e custos / Ricardo Viana Vargas ; prefácio de Wayne F. Abba. -- 5. ed. -- Rio de Janeiro : Brasport, 2011. Bibliografia. ISBN 978-85-7452-469-6 1. Administração de projetos 2. Valor agregado – Análise I. Abba, Wayne F.. II. Título. 11-04204

CDD-658.4040151 Índices para catálogo sistemático: 1. Gerenciamento de projetos : Utilização de análise de valor agregado : Administração 658.4040151 2. Valor agregado : Análise : Utilização em gerenciamento de projetos : Administração 658.4040151

BRASPORT Livros e Multimídia Ltda. Rua Pardal Mallet, 23 – Tijuca 20270-280 Rio de Janeiro-RJ Tels. Fax: (21) 2568.1415/2568.1507 e-mails: brasport@brasport.com.br vendas@brasport.com.br editorial@brasport.com.br site:

www.brasport.com.br

Filial Av. Paulista, 807 – conj. 915 01311-100 – São Paulo-SP Tel. Fax (11): 3287.1752 e-mail: filialsp@brasport.com.br

Valor agregado_00.indd IV

28/4/2011 14:08:38


Ă€ minha mĂŁe Marly, responsĂĄvel por todos os valores morais e pessoais que tenho perseguido ao longo dos anos.

Valor agregado_00.indd V

28/4/2011 14:08:38


Agradecimentos Este trabalho é fruto da cooperação de várias pessoas. Gostaria de agradecer – à editora Brasport, pela confiança e interesse em meu trabalho; – ao Dr. Wayne Abba, por ter se prontificado a apresentar este livro; – ao meu orientador do mestrado Gustavo Guzman, que suportou e me apoiou generosa e afetuosamente; – aos professores membros da banca examinadora, pela delicadeza em aceitarem o convite para avaliar meu trabalho e contribuírem de modo significativo no aprimoramento deste livro; – ao Project Management Institute Global Operations Center pelo apoio na obtenção da bibliografia e na solução de inúmeras dúvidas; – ao Microsoft Project User Group, pela disponibilização das informações relativas ao uso da análise de valor agregado no Microsoft Project; – aos meus queridos alunos de graduação e pós-graduação, colegas nesta jornada de trabalho; – aos meus irmãos, tias, tios e sogros, que me deram apoio e afeto, entre mil outras coisas; – a toda a comunidade de gerenciamento de projetos do Brasil e de outros países e a todos os membros do PMI por acreditarem em meu trabalho.

Valor agregado_00.indd VII

28/4/2011 14:08:38


Sobre o Autor Ricardo Viana Vargas é especialista em gerenciamento de projetos, portfólio e riscos. Foi, nos últimos 15 anos, responsável por mais de 80 projetos de grande porte em diversos países, nas áreas de petróleo, energia, infraestrutura, telecomunicações, informática e finanças, com um portfólio de investimentos gerenciado superior a 18 bilhões de dólares. Foi o primeiro voluntário latino-americano a ser eleito para exercer a função de presidente do conselho diretor (Chairman) do Project Management Institute (PMI), maior organização do mundo voltada para a administração de projetos, com cerca de 500 mil membros e profissionais certificados em 175 países. Ricardo Vargas escreveu dez livros sobre gerenciamento de projetos, publicados em português e inglês, com mais de 200 mil exemplares vendidos mundialmente. Recebeu em 2005 o prêmio PMI Distinguished Award pela sua contribuição para o desenvolvimento do gerenciamento de projetos e o PMI Professional Development Product of the Year pelo workshop PMDome®, considerado a melhor solução do mundo para o ensino do gerenciamento de projetos. É professor de gerenciamento de projetos em diversos cursos de MBA, participando do conselho editorial de revistas especializadas no Brasil e nos Estados Unidos. Vargas é revisor reconhecido da mais importante referência no mundo sobre gerenciamento de projetos, o PMBOK Guide. Foi também chair da tradução oficial do PMBOK para o português. Engenheiro químico e mestre em Engenharia de Produção pela UFMG, Ricardo Vargas tem também o Master Certificate in Project Management pela George Washington University, além de ser certificado pelo PMI como Project Management Professional (PMP), como Certified Scrum Master (CSM) pela Scrum Alliance e Microsoft Certified Technical Specialist (MCTS) em Microsoft Project 2010 pela Microsoft. Foi também certificado pela International Project Management Association como IPMA-B. Participou do programa de negociações para executivos da Harvard Law School e tem formação executiva de estratégia e inovação pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT). Durante onze anos, a partir de 1995, desenvolveu em conjunto com dois sócios um dos mais sólidos negócios de tecnologia, gerenciamento de projetos e terceirização do mercado brasileiro, que contava com 4.000 colaboradores e gerava uma receita anual de 50 milhões de dólares em 2006, quando Ricardo Vargas vendeu sua participação para se dedicar integralmente à internacionalização de seus trabalhos em gerenciamento de projetos.

Valor agregado_00.indd IX

28/4/2011 14:08:38


X

Anรกlise de Valor Agregado

ร‰ membro da Association for Advancement of Cost Engineering (AACE), da American Management Association (AMA), da International Project Management Association (IPMA), do Institute for Global Ethics e da Professional Risk Management International Association (PRMIA). Para contato com o autor, utilize os seguintes endereรงos: ricardo.vargas@macrosolutions.com.br www.ricardo-vargas.com Skype: ricardo.vargas Twitter: rvvargas IM: rvvargas@hotmail.com LinkedIn: http://www.linkedin.com/in/ricardovargas

Valor agregado_00.indd X

28/4/2011 14:08:39


Nota do Autor à 5ª Edição Com o retorno cada vez mais intenso desde que lancei a primeira edição deste livro, estamos agora disponibilizando a quinta edição, apresentando diversas melhorias e algumas atualizações importantes. As principais alterações desta edição são: – atualização do livro para o PMBOK 4ª Edição; – atualização do capítulo inicial sobre gerenciamento de projetos; – atualização das referências aos padrões desenvolvidos para o PMI de EVMS e WBS, dentre outros; – atualização do capítulo sobre a Análise de Valor Agregado no Microsoft Project, que passa da versão 2007 para a versão 2010; A todas essas pessoas, o meu muito obrigado, na certeza de que continuarão contribuindo. Boa leitura a todos! Ricardo Vargas

Valor agregado_00.indd XI

28/4/2011 14:08:39


Prefácio da Primeira Edição A técnica de gerenciamento agora conhecida como “valor agregado” foi introduzida no governo dos Estados Unidos contratado pelo Departamento de Força Aérea nos anos 60. O escritório da Secretaria de Defesa adotou uma abordagem pioneira da Força Aérea em 1967 para uso de todas as agências contratadas do Departamento de Defesa. Desde então, “valor agregado” tornou-se uma das mais importantes técnicas de gestão em contrato de defesa. O Escritório Executivo do Presidente, Escritório de Gestão e Orçamento exigem que outras agências do Governo utilizem a análise em projetos de investimento. 35 anos é um longo tempo para que qualquer política de gestão se mantenha ativa e é ainda mais impressionante que a política se mantenha fundamentalmente imutável. Na verdade, muitas outras “melhorias” de gestão vêm e voltam. Sistema de elaboração de orçamento de base zero, pacote de aquisição total e outras inovações, introduzidas pelos reformistas políticos e burocráticos onda por onda, estão enterradas ou sobrevivem como meras sombras dos conceitos originais. O que fez com que “valor agregado” crescesse não apenas no governo dos Estados Unidos, mas também em outros países e no setor privado?

Valor Demonstrado A resposta para esta pergunta tem várias partes. Se olharmos por uma ordem lógica, a primeira é o seu “valor demonstrado”. A análise de valor agregado provou seu valor intrínseco sendo aprovada pelo maior laboratório de gerenciamento de projetos do mundo – milhões de projetos de defesa dos EUA, que custam centenas de milhões de dólares dos contribuintes americanos. Muitos projetos de defesa são extremamente arriscados e caros porque ultrapassam o estado da arte e desenvolvem novas tecnologias – sempre sendo examinados de perto pelos americanos e seus representantes eleitos.

Falha A segunda parte é o projeto “falha”. Durante os anos 80 e início dos anos 90, muitos projetos de defesa passaram por orçamentos ultrapassados. Em cada caso, análises mostraram que informações de “valor agregado” poderiam ter disponibilizado uma visibilidade antecipada dos problemas, mas a indústria e gerentes governamentais não usaram as informações como suporte gerencial. A poderosa combinação de “valor demonstrado” e “falha” fez com que os gerentes de projetos de defesa começassem a viabilizar e utilizar os relatórios de “valor agregado” de seus contratadores, levando-os a melhores formas de gerenciamento e menos “surpresas” desagradáveis.

Aceitação A terceira parte é “aceitação” além da contratação do governo. Em tempo, contratadores de defesa americanos adaptaram as técnicas de “valor agregado” para suas linhas de negó-

Valor agregado_00.indd XIII

28/4/2011 14:08:39


XIV

Análise de Valor Agregado

cios comerciais. Empresas como Boeing, Lockheed Martin, Northrop Grumman e Raytheon acham que os conceitos fundamentais são os mesmos para qualquer tipo de projeto, apesar de processos de registros e requisições de relatórios serem diferentes em negócios comerciais. Outros países descobriram “valor agregado” também. Seus motivos incluem pesquisas por melhores formas de gerenciar advindas de problemas em projetos governamentais e um desejo de fazer com que suas indústrias tornassem-se mais competitivas numa economia global. O Grupo Internacional cresceu e atualmente inclui Austrália, Canadá, Japão, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos da América. Os seus requerimentos de contratos nacional e internacional procuram por usos de práticas efetivas de gerenciamentos mais abrangentes dentro e fora do país. Para este fim, esses governos assinaram acordos de cooperação com a indústria, academia e associações profissionais, para compartilharem melhor as práticas e lições aprendidas. Instituições acadêmicas e associações profissionais também contribuem consideravelmente para a crescente aceitação do “valor agregado” através da pesquisa, conferências e publicações. Um importante passo ocorreu em 1999, quando a ex-associação de Gerenciamento de Projetos e Desempenho se juntou ao Instituto de Gerenciamento de Projetos, tornando-se a Faculdade de Gerenciamento e Desempenho. A Faculdade está trabalhando para fazer o “valor agregado” acessível a gerentes numa escala global, visando o desenvolvimento de um padrão de prática e a cooperação entre organizações profissionais e nacionais em vários países.

Constância de Propósito A última parte da pergunta é a “constância de propósito” – a habilidade de manter o objetivo, trabalhar através da resistências e da reação “não inventada aqui” que acompanha qualquer mudança maior. No Departamento de Defesa, as carreiras dos funcionários públicos proporcionaram a continuidade do progresso sustentado, de uma administração política para outra. Campeões semelhantes surgiram em outros países. Quando eles encontravam resistência burocrática e industrial, eram capazes de pedir sugestão e apoio a seus colegas internacionais.

Valor Agregado no Brasil Os leitores que estão começando a conhecer o gerenciamento de “valor agregado” acharão que os conceitos explicados aqui são intuitivos e fáceis de entender. Umas reação comum a todos é: “Quais seriam as outras formas de gerenciar um projeto?”. A história tem mostrado que existem muito menos formas efetivas. E enquanto nenhum sistema de gerenciamento por si só pode garantir que um projeto terminará com sucesso dentro de uma agenda e orçamento previstos, equipes de projeto que usam “valor agregado” podem ter certeza que a ferramenta de gerenciamento integrado (custo/planejamento/técnico) mais poderosa do mundo os ajudará a alcançar seus objetivos. Este novo livro é uma valiosa contribuição à literatura de “valor agregado”. A pesquisa minuciosa do autor, e “insights” sobre o gerenciamento prático de valor agregado, disponibiliza um guia útil para o governo brasileiro e organizações industriais. A jornada não é fácil – ela geralmente requer novas formas de pensar e gerenciar – mas pode ser feita de uma maneira mais suave se anteciparmos e evitarmos erros cometidos pelos outros.

Wayne F. Abba President, PMI College of Performance Management Vice President of Dekker, Ltd. Retired Senior Program Analyst - Office of the Secretary of Defense of USA

Valor agregado_00.indd XIV

28/4/2011 14:08:39


Área Exclusiva do Leitor Uma das principais novidades deste lançamento é a área exclusiva do leitor no site ricardo-vargas.com. A área vai permitir que você interaja e troque experiências com outros leitores do livro, e também com o autor e tenha acesso a vários materiais exclusivos. Principais vantagens da área exclusiva do leitor: • Arquivos de apoio – O leitor poderá fazer download de exercícios, modelos de projeto e artigos técnicos, entre outros, que serão atualizados periodicamente. • Ver as imagens que aparecem no livro em tamanho original – Na área exclusiva, o leitor terá acesso à versão digital de todas as imagens de tela capturadas no livro, facilitando o estudo. • Fórum do Leitor – Lista de discussão onde o leitor poderá postar dúvidas e trocar experiência com outros leitores, bem como acessar e discutir diretamente com Ricardo Vargas as principais questões envolvendo os assuntos tratados no livro. • Softwares – O leitor poderá realizar download das cópias de avaliação de diversos softwares de gerenciamento de projetos diretamente dos links disponibilizados na área exclusiva do leitor. • Sorteios e Convites – O leitor cadastrado na área participará de sorteios exclusivos, bem como receberá em primeira mão convites para eventos relacionados aos assuntos do livro. Acesse a área exclusiva do leitor http://leitor.ricardo-vargas.com e cadastre-se usando o código de acesso contido no cartão que acompanha o livro.

Valor agregado_00.indd XV

28/4/2011 14:08:39


Lista de Abreviaturas

AC – Actual Cost ou Custo real (CR) ACWP – Actual cost of work performed ou custo real ou custo real do trabalho realizado ANSI – American National Standard Institute BAC – Budget at completion ou orçamento no término (ONT) BCWP – Budget cost of work performed ou Valor agregado ou Custo orçado do trabalho realizado BCWS – Budget cost of work scheduled ou Custo orçado ou Custo orçado do trabalho agendado C/SCSC – Cost/Schedule Systems Control Criteria ou Sistema de Controle de Critérios de Custo e Prazo CAPs – Cost Account Plans, célula inferior na EAP onde o trabalho a ser realizado é alinhado com o orçamento e o prazo especificado no PMS. COTA – Custo orçado do trabalho agendado ou Budget cost of work scheduled ou Custo orçado COTR – Custo orçado do trabalho realizado ou Valor agregado ou Budget cost of work performed CPI – Cost Performance Index ou Índice de desempenho de custos (IDC) CPM – College of Performance Management CPM – Critical Path Method ou Método do caminho crítico CR – Custo real ou Actual Cost (AC) CV – Cost variance ou Variação de custos (VC) DAC – Delay at completion ou Variação na duração prevista e projetada para o projeto DOD – United States of America Department of Defense ou Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América EAC – Estimated at completion ou estimativa no término EAP – Estrutura analítica do projeto ou Work Breakdown Structure (WBS) EMVS – Earned Value Management Systems do Departamento de Defesa Americano ENT – Estimativa no término ou Estimated at completion (EAC) EPT – Estimativa para terminar ou Estimated to complete (ETC)

Valor agregado_00.indd XVII

28/4/2011 14:08:39


XVIII Análise de Valor Agregado

ETC – Estimated to complete ou estimativa de esforço necessária para completar no prazo EV – Earned Value ou Valor Agregado (VA) EVMS – Earned value Analysis ou Análise de Valor Agregado IDC – Índice de desempenho de custos ou Cost Performance Index IDCR – Índice de desempenho de custos de recuperação (IDCR) ou To complete Cost Performance Index IDP – Índice de desempenho de prazos ou Scheduled Performance Index NDIA – National Defense Industry Association ONT – Orçamento no término ou Budget at completion (BAC) PAC – Plan at completion ou duração planejada para o projeto PERT – Program Evaluation and Review Technique PMA – Performance Management Association atualmente reconhecida como College of Performance Management ou CPM PMB – Performance Measurement Baseline - centro de referência para todo o processo de avaliação dos resultados encontrados no projeto PMBOK – A guide to the Project Management Body of Knowledge. Newtown Square: Project Management Institute, 2004 PMI – Project Management Institute PMS – Project Master Schedule ou agenda principal do projeto onde os prazos do projeto são especificados PV – Planned Value ou Valor planejado (VP) SCI – Scheduled Cost Index ou índice composto de prazo e custo (SPIxCPI) SPI – Scheduled Performance Index ou índice de desempenho de prazos SV – Scheduled Variance ou Variação de prazos (em termos financeiros) TAC – Time at completion ou Duração projetada para o projeto TCPI – To complete Cost Performance Index ou Índice de desempenho de custos de recuperação (IDCR) TV – Time variation ou Variação nos prazos (em termos de tempo) VA – Valor Agregado ou Earned Value (EV) VAC – Variation at completion ou Variação no término (VNT) VC – Variação de custos ou Cost Variance VNT – Variação no término ou Variation at completion (VAC) VP – Variação de prazos ou Scheduled Variance WBS – Work Breakdown Structure ou Estrutura Analítica do Projeto (EAP)

Valor agregado_00.indd XVIII

28/4/2011 14:08:39


Sumário 1. Introdução .................................................................................................................. 1 2. Definição de Gerenciamento de Projetos .................................................................... 3 2.1 O que é um Projeto? ......................................................................................... 3 2.2 Características dos Projetos .............................................................................. 5 2.3 Definindo o Sucesso dos Projetos ..................................................................... 6 2.4 Estimulando o Sucesso do Projeto .................................................................... 7 2.5 Benefícios do Gerenciamento de Projetos ......................................................... 8 2.6 Principais Causas de Fracasso em Projetos ...................................................... 8 2.7 Ciclo de Vida de um Projeto ............................................................................ 10 2.8 As Fases do Ciclo de Vida do Projeto.............................................................. 12 2.9 Principais Áreas do Gerenciamento de Projetos (PMI) ..................................... 13 3. Análise de Valor Agregado ........................................................................................ 16 3.1 Conceito de Valor Agregado............................................................................ 16 3.2 Terminologia para Orçamento, Custos Reais e Valor Agregado ....................... 18 3.3 Terminologia para Variação de Custos e Prazos .............................................. 20 3.4 Terminologia para os Índices de Desempenho ............................................... 21 3.5 Retrospectiva do Valor Agregado .................................................................... 22 4. Planejamento do Projeto para o Emprego da Análise de Valor Agregado .................. 25 4.1 Planejamento do Projeto ................................................................................. 25 4.2 Definição de Escopo ....................................................................................... 26 4.3 Desenvolvimento do Cronograma ................................................................... 28 4.4 Cost Account Plans (CAPs) e Orçamentação ................................................. 29 4.5 Estabelecendo a Linha de Base (Baseline) e o Custo Previsto (BCWS) ............ 32 5. Execução e Acompanhamento de Projetos Utilizando a Análise de Valor Agregado ..................................................................................................................... 34 5.1 Medição e Cálculo do Valor Agregado (BCWP) ............................................... 35 5.1.1 Marcos com Valores Ponderados .................................................... 36 5.1.2 Fórmula Fixa por CAP ..................................................................... 36 5.1.3 Percentual Completo....................................................................... 37

Valor agregado_00.indd XIX

28/4/2011 14:08:39


XX

Análise de Valor Agregado

5.1.4 Percentual Completo com Marcos de Controle ............................... 37 5.1.5 Unidades Equivalentes .................................................................... 38 5.1.6 CAPs com Características Compartilhadas ..................................... 38 5.1.7 Nível de Esforço (Level of Effort) ...................................................... 39 5.1.8 Melhor Método para a Determinação do Valor Agregado ................ 40 5.2 Medição e Cálculo do Custo Real (ACWP) ...................................................... 40 6. Previsões e Forecasting com Valor Agregado ........................................................... 43 6.1 Terminologia para Previsões e Forecasting de Custos e Prazos Utilizando a Análise de Valor Agregado ................................................................................... 43 6.2 Índices Utilizados para Projeção dos Custos Finais do Projeto ....................... 45 6.2.1 ETC através do Índice de Desvio Constante ................................... 45 6.2.2 ETC através do Índice de Desempenho de Custos ........................ 46 6.2.3 ETC através do Índice de Desempenho de Prazos ......................... 46 6.2.4 ETC através do Índice Futuro de Prazo e Custo SCI ....................... 47 6.2.5 ETC através do Índice Composto.................................................... 47 6.2.6 TCPI como Ferramenta de Projeção do Custo Restante ................. 48 6.3 Tipos de SPI e CPI para Composição dos Índices para Projeção dos Custos e Prazos Finais do Projeto ........................................................................ 49 7. Análise de Valor Agregado como Ferramenta de Controle ....................................... 52 8. Análise de Valor Agregado com o Microsoft Project 2010 (Earned Value) .................. 59 8.1 Terminologia para Orçamento, Custos Reais e Valor Agregado ....................... 59 8.2 Terminologia para Variação de Custos e Prazos .............................................. 60 8.3 Terminologia para os Índices de Desempenho ............................................... 62 8.4 Terminologia para os Orçamentos e as Projeções .......................................... 62 8.5 Preparando o Projeto para Utilizar a Análise de Valor Agregado ...................... 64 8.6 Atualizando o Projeto através do Valor Agregado ............................................ 65 Referências Bibliográficas ............................................................................................. 69 Anexo I - Estudos Comparativos sobre Projeção de Custos (EAC) ............................... 75 Anexo II – Earned Value Management System in the Control of Projects: Success or Failure?......................................................................................................................... 83 Anexo III – Earned Value Probabilistic Forecasting Using Monte Carlo Simulation.................................................................... 90 Anexo IV – Using Earned Value Management Indexes as a Team Development Factor and a Compensation Tool ................................................................................ 103 Índice Remissivo......................................................................................................... 115

Valor agregado_00.indd XX

28/4/2011 14:08:39


1

Introdução

Nos últimos trinta anos, o mundo tem enfrentado um considerável dinamismo em suas relações intra e interempresariais. As empresas passam agora a ser reconhecidas por sua flexibilidade e capacidade de atender a seus clientes. Com equipes de trabalho flexíveis, recursos e esforços com foco nas necessidades organizacionais e planejamento baseado em projetos, as corporações de sucesso percebem que o uso dos conceitos de gerenciamento de projetos é amplo e multicultural, onde as necessidades de sobrevivência competitiva estão presentes. A área de gerenciamento de projetos é uma das áreas de conhecimento que mais cresce em utilização no mundo, sendo, hoje, objeto de investimento em capacitação e metodologia pela maioria das empresas. A crescente demanda no mercado por profissionais atuantes na área, o aumento significativo das publicações e artigos, bem como o crescimento das associações e entidades de classe no mundo na área podem comprovar o destaque atualmente dado ao gerenciamento de projetos. Em todo projeto, é senso comum que uma das principais dificuldades está na medição e na avaliação dos resultados obtidos, sejam eles resultados finais ou parciais (durante sua execução) nos prazos, custos, qualidade, escopo, riscos e outros. A necessidade do estabelecimento de previsões confiáveis faz com que diversos estudos a respeito de medição de desempenho e resultados de projetos sejam realizados. Esses fatores podem diferenciar projetos bem-sucedidos de malsucedidos e, consequentemente, destacar organizações com resultados diferenciados de organizações que têm dificuldades até mesmo de sobreviver às injunções do mercado competidor. Uma dessas ferramentas é denominada Análise de Valor Agregado1 (Earned Value Analysis), amplamente utilizada nos projetos desenvolvidos nos Estados Unidos, porém com utilização ainda bastante limitada no Brasil. 1

O termo Valor Agregado passou, a partir de 2004, a ser reconhecido oficialmente pelo PMI como a tradução mais adequada para o termo Earned Value. Neste livro optou-se por priorizar a nomenclatura original estabelecida pelo governo norte-americano para os elementos integrantes da análise. Para complementar a nomenclatura apresentada neste livro com proposta pelo PMI no PMBOK Guide 4ª Edição, optou-se por apresentar todas as versões de tradução das siglas quando cada um dos termos da técnica for definido.

Valor agregado_01.indd 1

28/4/2011 14:08:04


2

Análise de Valor Agregado

A Análise de Valor Agregado tem como foco a relação entre os custos reais consumidos e o produto físico obtido no projeto através de uma quantidade específica de trabalho, ou seja: o que foi obtido pelo projeto em relação à quantidade de capital consumida para atingir esse resultado. O conceito de Valor Agregado requer que as medidas de despesa-produto sejam estabelecidas dentro de um cronograma físico do projeto. Então, através da relação entre o Valor Agregado e o valor planejado do trabalho no tempo, pode-se ter uma maior precisão no controle do que o tratamento isolado desses fatores. O Valor Agregado funciona como um tipo de “alarme”, permitindo ao gerente de projeto avaliar se está consumindo mais dinheiro para realizar uma determinada tarefa ou se está apenas gastando mais naquele momento porque o desenrolar do projeto está sendo acelerado, permitindo que sejam tomadas ações corretivas e preventivas com a devida antecedência. O Valor Agregado da forma como se conhece hoje teve sua origem no Departamento de Defesa Americano (DOD) em 1967 para controlar e administrar riscos e custos de grandes projetos e programas. Foi inicialmente denominado Sistema de Controle de Critérios de Custo e Prazo (C/SCSC). A partir daí, diversas reformulações e adaptações transformaram o modelo no que se conhece hoje. Com isso, um aspecto a ser abordado neste livro é em quais condições e tipos de projetos a Análise de Valor Agregado produz melhores resultados e em quais ela não produz resultados satisfatórios ou é inviabilizada.

Valor agregado_01.indd 2

28/4/2011 14:08:06


2

2

Definição de Gerenciamento de Projetos

2.1 O que é um Projeto? Nos últimos trinta anos, o mundo tem enfrentado um incrível dinamismo em suas relações intra e interempresariais. As empresas passam, agora, a ser reconhecidas por sua flexibilidade, capacidade de atender a seus clientes e profissionalismo. Com equipes de trabalho flexíveis, recursos e esforços focados nas necessidades organizacionais e planejamento baseado em projetos, as corporações de sucesso percebem que o uso dos conceitos de gerenciamento de projetos é universal, genérico, rompendo todas as barreiras culturais, nacionais e regionais, onde as necessidades de sobrevivência competitiva também são universais. O gerenciamento de projetos é um conjunto de ferramentas gerenciais que permitem que a empresa desenvolva um conjunto de habilidades, incluindo conhecimento e capacidades individuais, destinados ao controle de eventos não repetitivos, únicos e complexos, dentro de um cenário de tempo, custo e qualidade predeterminados. Para se entender o que é gerenciamento de projetos, é importante que se saiba com clareza o que é um projeto. Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetros predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade.

Para Cleland, um projeto é uma combinação de recursos organizacionais, colocados juntos para criarem ou desenvolverem algo que não existia previamente, de modo a prover um aperfeiçoamento da capacidade de desempenho no planejamento e na realização de estratégias organizacionais.

2

Este capítulo foi baseado em VARGAS, R. V. Gerenciamento de Projetos: Estabelecendo Diferenciais Competitivos, 7ª Ed., Brasport, Rio de Janeiro: 2009.

Valor agregado_01.indd 3

28/4/2011 14:08:06


4

Análise de Valor Agregado

Já para Meredith, um projeto é uma atividade única e exclusiva com um conjunto de resultados desejáveis em seu término. É também complexo o suficiente para necessitar de uma capacidade de coordenação específica e um controle detalhado de prazos, relacionamentos, custos e desempenho. Nesse contexto, pode-se concluir que projeto é um conjunto de ações, executado de maneira coordenada por uma organização transitória, ao qual são alocados os insumos necessários para, em um dado prazo, alcançar o objetivo determinado. O conceito de organização transitória está diretamente relacionado a um esquema organizacional particular e temporário que somente existe para tornar o trabalho com projetos mais eficiente e intuitivo por parte da organização. Os projetos atingem todos os níveis da organização. Eles podem envolver uma quantidade pequena de pessoas, ou milhares delas. Podem levar menos de um dia ou vários anos. Os projetos, muitas vezes, extrapolam as fronteiras da organização, atingindo fornecedores, clientes, parceiros e governo, fazendo parte, na maioria das vezes, da estratégia de negócios da companhia. Como exemplos de projetos, podemos citar os seguintes: • instalação de uma nova planta industrial; • redação de um livro; • reestruturação de um determinado setor ou departamento da empresa; • elaboração de um plano de marketing e publicidade; • lançamento de um novo produto ou serviço; • informatização de um determinado setor da empresa; • construção de uma casa; • realização de uma viagem. Como exemplos reais de projetos, podemos citar os seguintes:3 • construção das pirâmides no Egito; • construção da muralha da China; • reconstrução dos campos de petróleo do Kuwait devastados pela Guerra do Golfo; • planejamento e preparação para os jogos olímpicos de Sydney e Pequim; • preparação para a copa do mundo de futebol em 2014 no Brasil; • construção das usinas hidroelétricas de Belo Monte, Jirau e Santo Antônio no Norte do Brasil; • desenvolvimento de respostas aos tremores de terra no estado da Califórnia, EUA; • campanha presidencial norte-americana; • estudo do desastre aéreo do ônibus espacial Challenger; • construção do novo edifício do congresso nacional da Austrália; • sistema de vigilância da Amazônia (SIVAM);

3

Cleland, David. Project management Casebook, Project Management Institute, Philadelphia: 1997 e MEREDITH, Jack R. & MANTEL JR., Samuel J. Project Management: A Managerial Approach. New York: John Wiley and Sons, 1995 e exemplos do autor.

Valor agregado_01.indd 4

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

5

• exploração da área de Pré-Sal pela petrolífera brasileira Petrobras. Os projetos podem ser aplicados em praticamente todas as áreas do conhecimento humano, incluindo os trabalhos administrativos, estratégicos e operacionais, bem como a vida pessoal de cada um. Podemos destacar as seguintes áreas de aplicabilidade como os principais utilizadores da técnica de gerenciamento de projetos: • engenharia e construção civil; • desenvolvimento de programas de computador; • estratégia militar; • política; • administração de empresas; • marketing e publicidade; • pesquisa e desenvolvimento; • manutenção de planta e equipamentos.

2.2 Características dos Projetos As principais características dos projetos são a temporariedade, a individualidade do produto ou serviço a ser desenvolvido pelo projeto, a complexidade e a incerteza. Temporariedade significa que todo projeto possui um início e um fim definidos, ou seja, é um evento com duração finita, determinada em seu objetivo. Wideman afirma que o ciclo de vida do projeto caracteriza a sua temporariedade, partindo de um processo de trabalho estratégico inicial até atingir um topo de trabalho executivo de produção que antecede o seu término. Individualidade do produto ou serviço produzido pelo projeto, conforme o guia de conhecimento de gerenciamento de projetos do PMI, significa realizar algo que não tinha sido realizado antes. Como o produto de cada projeto é único, suas características precisam ser elaboradas de maneira progressiva de modo a garantirem as especificações do produto ou serviço a ser desenvolvido. A partir dessas duas principais características, é possível descrever as demais. • Empreendimento não repetitivo - É um evento que não faz parte da rotina da empresa. É algo novo para as pessoas que o irão realizar. • Sequência clara e lógica de eventos - O projeto é caracterizado por atividades encadeadas logicamente de modo a permitir que, durante a execução, o acompanhamento e o controle sejam precisos. • Início, meio e fim - Todo projeto respeita um determinado ciclo de vida, isto é, tem uma característica temporal. Muitas vezes, o término de um projeto coincide com o início de outro. Ter início, meio e fim não significa ser longo ou curto em duração. Podem existir projetos de 1 dia ou de 10 anos. Porém, um projeto que não tem término não é um projeto, é rotina. • Objetivo claro e definido – Todo projeto tem metas e resultados bem estabelecidos a serem atingidos em sua finalização.

Valor agregado_01.indd 5

28/4/2011 14:08:06


6

Análise de Valor Agregado

• Conduzido por pessoas - O cerne fundamental de qualquer projeto é o homem. Sem ele, o projeto não existe, mesmo que se disponha de equipamentos modernos de controle e gestão. • Projetos utilizam recursos – Todo projeto utiliza recursos especificamente alocados a determinados trabalhos. • Parâmetros predefinidos - Todo projeto necessita ter estabelecidos valores para prazos, custos, pessoal, material e equipamentos envolvidos, bem como a qualidade desejada para o projeto. É impossível estabelecer, previamente, com total precisão, esses parâmetros. Todos eles serão claramente identificados e quantificados no decorrer do plano do projeto. Entretanto, os parâmetros iniciais vão atuar como referências para o projeto e sua avaliação.

2.3 Definindo o Sucesso dos Projetos É de fundamental importância que se saiba o que é um projeto bem-sucedido. Muitas vezes, ao avaliar o projeto, a equipe e até mesmo os patrocinadores são levados a analisar apenas partes de um conceito muito mais amplo. As questões a seguir são alguns exemplos de aspectos que apenas aparentemente indicam resultados de sucesso. Algumas questões comuns não necessariamente descrevem o que faz um projeto ser bem-sucedido, como se tem a seguir. • O projeto ficou abaixo do orçamento previsto? • O projeto terminou mais rápido? • O projeto consumiu menos materiais e pessoas? • O cliente foi surpreendido pela qualidade do resultado do projeto? Na verdade, nenhuma dessas respostas descreve um projeto bem-sucedido SOB A ÓTICA DE PLANEJAMENTO E PROJETO. Um projeto bem-sucedido é aquele que é realizado conforme o planejado. O sucesso é colher o que se plantou. Nem mais nem menos. Muitas vezes a organização avalia como sucesso o fato de um determinado projeto superar o plano, ou seja, consumir menos recursos que o previsto. Isso é um erro de percepção, uma vez que, sob a ótica de gerenciamento de projetos, houve uma falha no planejamento que permitiu que os recursos fossem superestimados, e não uma vitória ou economia. Imagine que uma empresa lance uma campanha publicitária de um novo produto e planeje uma venda de 10.000 unidades do produto em uma semana. Após uma semana, foram solicitadas 1.000.000 de unidades. Isso seria um tremendo sucesso ou um grande problema, uma vez que a empresa não tem estrutura e capacidade para atender a tal demanda? Guss, por meio de uma revisão bibliográfica detalhada da literatura disponível sobre sucesso de projetos, concluiu que menos de 25% dos estudos se propõem a responder a seguinte questão: O que é sucesso de projetos? Através dos anos, conforme propõe Kerzner, o conceito do sucesso em projeto mudou significativamente. Na década de 60, o sucesso de projeto estava vinculado diretamente a termos técnicos ou ao funciona-

Valor agregado_01.indd 6

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

7

mento de um produto ou serviço desenvolvido por ele. Atualmente, o sucesso de um projeto pode ser definido através de resultados obtidos no prazo, no custo e na qualidade desejados, sem deixar de atentar para outros parâmetros, que podem até mesmo ser chamados de sucesso organizacional, descritos adiante. Ao se detalharem os quesitos para considerar um projeto como bem-sucedido, tem-se a seguinte listagem: • ser concluído dentro do tempo previsto; • ser concluído dentro do orçamento previsto; • ter utilizado os recursos (materiais, equipamentos e pessoas) eficientemente, sem desperdícios; • ter atingido a qualidade e o desempenho desejados; • ter sido concluído com o mínimo possível de alterações em seu escopo; • ter sido aceito sem restrições pelo contratante ou cliente; • ter sido empreendido sem que ocorresse interrupção ou prejuízo nas atividades normais da organização; • não ter agredido a cultura da organização.

2.4 Estimulando o Sucesso do Projeto Para estimular o sucesso do projeto, várias ações podem ser tomadas pelo gerente de projeto e seu time nos âmbitos técnico, organizacional e até mesmo comportamental. O sucesso dos projetos também está diretamente relacionado com a capacidade que a organização tem de favorecer o ambiente para os projetos, uma vez que, muitas vezes, o gerente/coordenador do projeto não dispõe de autoridade suficiente para influenciar o sucesso dos resultados. Essas ações incluem: • selecionar corretamente os membros-chave do time do projeto; • desenvolver um senso de comprometimento em toda a equipe; • buscar autoridade suficiente para conduzir o projeto; • coordenar e manter uma relação de respeito e cordialidade com o cliente, os fornecedores e outros envolvidos; • determinar quais processos precisam de melhorias, especialmente os mais importantes; • desenvolver estimativas de custos, prazos e qualidade realistas; • desenvolver alternativas de backup em antecedência aos problemas; • manter as modificações sob controle; • dar prioridade à missão ou meta do projeto; • evitar o otimismo ou o pessimismo exagerado; • desenvolver e manter estreitas linhas de comunicação informal; • evitar um número excessivo de relatórios e análises; • evitar excessiva pressão sobre o time durante períodos críticos.

Valor agregado_01.indd 7

28/4/2011 14:08:06


8

Análise de Valor Agregado

Tudo isso torna óbvia a necessidade de um perfeito relacionamento entre o gerente do projeto, sua linha intermediária e os executantes, para que a execução corra em conformidade com o que foi previsto e planejado. Outra característica fundamental é o desenvolvimento da habilidade dos funcionários responsáveis pela execução do projeto para reportar corretamente os fatos acontecidos aos escalões superiores, de forma que esses possam tomar as providências preventivas ou corretivas que se fizerem necessárias. Finalmente, é preciso que se compreenda que o sucesso de um projeto não implica que uma organização está completamente bem-sucedida em relação às fronteiras do gerenciamento de projetos. Conforme Kerzner (1998a), a excelência em gerenciamento de projetos é definida como um fluxo contínuo de sucessos em projetos.

2.5 Benefícios do Gerenciamento de Projetos O gerenciamento de projetos proporciona inúmeras vantagens sobre as demais formas de gerenciamento, tendo se mostrado eficaz em conseguir os resultados desejados dentro do prazo e do orçamento definido pela organização. A principal vantagem do gerenciamento de projetos é que ele não é restrito a projetos gigantescos, de alta complexidade e custo. Ele pode ser aplicado em empreendimentos de qualquer complexidade, orçamento e tamanho, em qualquer linha de negócios. Dentre os principais benefícios, destacam-se os seguintes: • evita surpresas durante a execução dos trabalhos; • permite desenvolver diferenciais competitivos e novas técnicas, uma vez que toda a metodologia está sendo estruturada; • antecipa as situações desfavoráveis que poderão ser encontradas, para que ações preventivas e corretivas possam ser tomadas antes que essas situações se consolidem como problemas; • adapta os trabalhos ao mercado consumidor e ao cliente; • disponibiliza os orçamentos antes do início dos gastos; • agiliza as decisões, já que as informações estão estruturadas e disponibilizadas; • aumenta o controle gerencial de todas as fases a serem implementadas devido ao detalhamento ter sido realizado; • facilita e orienta as revisões da estrutura do projeto que forem decorrentes de modificações no mercado ou no ambiente competitivo, melhorando a capacidade de adaptação do projeto; • otimiza a alocação de pessoas, equipamentos e materiais necessários; • documenta e facilita as estimativas para futuros projetos.

2.6 Principais Causas de Fracasso em Projetos Por que os projetos falham? Mesmo com a grande quantidade de benefícios gerados pelos projetos, boa parte deles falha ou não atinge o resultado esperado. Muitas falhas são decorrentes de obstáculos naturais ou externos que estão completamente fora do controle da organização e que, muitas vezes, somente podem ser minimizados ou evitados através de um gerenciamento de riscos eficiente. São eles os seguintes:

Valor agregado_01.indd 8

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

9

• mudança na estrutura organizacional da empresa; • riscos elevados no meio ambiente; • mudanças na tecnologia disponível; • evolução nos preços e prazos; • cenário político-econômico desfavorável. Mas a maioria dos insucessos é decorrente de outros tipos de falhas, também chamadas falhas gerenciais, que podem perfeitamente ser evitadas, tais como: • as metas e os objetivos são mal-estabelecidos, ou não são compreendidos pelos escalões inferiores; • há pouca compreensão da complexidade do projeto; • o projeto inclui muitas atividades e muito pouco tempo para realizá-las; • as estimativas financeiras são pobres e incompletas; • o projeto é baseado em dados insuficientes ou inadequados; • o sistema de controle é inadequado; • o projeto não teve um gerente de projeto, ou teve vários, criando círculos de poder paralelos aos previamente estabelecidos; • criou-se muita dependência no uso de softwares de gestão de projetos; • o projeto foi estimado com base na experiência empírica, ou feeling dos envolvidos, deixando em segundo plano os dados históricos de projetos similares, ou até mesmo análises estatísticas efetuadas; • o treinamento e a capacitação foram inadequados; • faltou liderança do gerente de projeto; • não foi destinado tempo para as estimativas e o planejamento; • não se conheciam as necessidades de pessoal, equipamentos e materiais; • fracassou a integração dos elementos-chave do escopo do projeto; • cliente/projeto tinham expectativas distintas e, muitas vezes, opostas; • não se conheciam os pontos-chave do projeto; • ninguém verificou se as pessoas envolvidas nas atividades tinham conhecimento necessário para executá-las; • as pessoas não estavam trabalhando nos mesmos padrões, ou os padrões de trabalho não foram estabelecidos. Muitas vezes também é difícil distinguir entre fracasso, fracasso parcial e sucesso de um determinado projeto. Isso implica no fracasso em um determinado ponto do projeto poder ser um sucesso sob outro ponto de vista, tornando ainda mais difícil a avaliação dos resultados do projeto. Cabe, então, ao gerente de projeto e à sua equipe controlar as possibilidades de insucessos mencionadas. Não se pode criar a ilusão de que o projeto é algo que não se pode controlar, chegando à frustrante definição de projeto proposta por Kerzner de que “gerenciamento de projetos é a arte de criar a ilusão de que todos os resultados obtidos pelo projeto foram previamente previstos e planejados quando, na realidade, não passaram de uma sequência absurda de pura sorte.”

Valor agregado_01.indd 9

28/4/2011 14:08:06


10

Análise de Valor Agregado

2.7 Ciclo de Vida de um Projeto Todo projeto pode ser subdividido em determinadas fases4 de desenvolvimento. O entendimento dessas fases permite ao time do projeto um melhor controle do total de recursos gastos para atingir as metas estabelecidas. Esse conjunto de fases é conhecido como ciclo de vida. O ciclo de vida possibilita que seja avaliada uma série de similaridades que podem ser encontradas em todos os projetos, independentemente de seu contexto, aplicabilidade ou área de atuação. O ciclo de vida pode ser dividido em um conjunto de fases, normalmente fixas para todos os tipos de projeto, contendo uma série de passos principais do processo de contextualizar, desenhar, desenvolver e colocar em operação uma determinada necessidade do projeto. Essas fases, por sua vez, são subdivididas em estágios, ou etapas específicas, de cada natureza de projeto (construção, desenvolvimento de produtos, etc.). Esses estágios são, então, subdivididos em atividades, ou tarefas específicas de cada projeto.

Figura 2.1 – Visão do ciclo de vida do projeto

Conhecer as fases do ciclo de vida proporciona uma série de benefícios para quaisquer tipos de projetos. Dentre eles, podem ser destacados os seguintes: • a correta análise do ciclo de vida determina o que foi ou não feito pelo projeto; • o ciclo de vida avalia como o projeto está progredindo até o momento; • o ciclo de vida permite que seja indicado qual o ponto exato em que o projeto se encontra no momento. Ao longo do ciclo de vida, diversas considerações podem ser feitas, principalmente: • as características do projeto tendem a mudar com a conclusão de cada fase do projeto; • a incerteza relativa aos prazos e custos tende a diminuir com o término de cada fase.

4

Existem, em muitos casos, diferentes interpretações do conceito de fase e de grupo de processos. Neste livro, o conceito de fase será utilizado para significar tanto os grupos de processo do PMBOK® Guide quanto os conceitos de fases específicas de um projeto (por exemplo: design, construção, testes). Portanto, os termos “Grupo de Processos de Iniciação” e “Fase de Iniciação” são considerados sinônimos neste livro.

Valor agregado_01.indd 10

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

11

A descrição do ciclo de vida do projeto pode ser genérica, representada por um único gráfico, ou detalhada, incluindo vários gráficos, fluxogramas e tabelas, específicos de cada atividade. Com relação à velocidade de desenvolvimento, Meredith afirma que o ciclo de vida dos projetos pode ser caracterizado, na maioria das vezes, por um início lento seguido de um progresso acelerado até atingir um pico e, logo em seguida, um desaceleramento até atingir seu término.

Figura 2.2 – Ciclo de vida do projeto segundo critérios de velocidade de desenvolvimento.

Outra consideração a ser analisada no ciclo de vida do projeto é o nível de esforço. O nível de esforço destinado ao projeto inicia-se em praticamente zero e vai crescendo até atingir um máximo e, logo após esse ponto, reduz-se bruscamente até atingir o valor zero, representante do término do projeto. Entende-se por esforço a quantidade de pessoas envolvidas no projeto, o dispêndio de trabalho e dinheiro com o projeto, as preocupações, as complicações, as horas extras etc. A localização do valor máximo do gráfico pode variar de projeto para projeto. No entanto, esse máximo de esforço sempre vai existir em algum momento do projeto. A suavidade desse ponto de esforço máximo está diretamente relacionada à qualidade com que o planejamento foi realizado. Quanto melhor é o plano, mais suave é a transposição do ponto de esforço máximo.

Valor agregado_01.indd 11

28/4/2011 14:08:06


12

Análise de Valor Agregado

Figura 2.3 – Variação do esforço com o tempo para o projeto.

2.8 As Fases do Ciclo de Vida do Projeto As fases do ciclo de vida do projeto dependem, intimamente, da natureza do projeto. Um projeto é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo para um plano que, por sua vez, é executado e concluído. Cada fase do projeto é caracterizada pela entrega, ou finalização, de um determinado trabalho. Toda entrega deve ser tangível e de fácil identificação, como, por exemplo, um relatório confeccionado, um cronograma estabelecido ou um conjunto de atividades realizado. Genericamente, o ciclo de vida de um projeto pode ser dividido em fases características, conforme ilustrado a seguir.

Figura 2.4 – O ciclo de vida do projeto subdividido em fases características.

Fase de Iniciação - É a fase inicial do projeto, quando uma determinada necessidade é identificada e transformada em um problema estruturado a ser resolvido por ele. Nessa fase, a missão e o objetivo do projeto são definidos, bem como as melhores estratégias são identificadas e selecionadas.

Valor agregado_01.indd 12

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

13

Fase de Planejamento – É a fase responsável por detalhar tudo aquilo que será realizado pelo projeto, incluindo cronogramas, interdependências entre atividades, alocação dos recursos envolvidos, análise de custos, etc., para que, no final dessa fase, ele esteja suficientemente detalhado para ser executado sem dificuldades e imprevistos. Nessa fase, os planos auxiliares de comunicação, qualidade, riscos, aquisições e recursos humanos também são desenvolvidos. Fase de Execução - É a fase que materializa tudo aquilo que foi planejado anteriormente. Qualquer erro cometido nas fases anteriores fica evidente durante essa fase. Grande parte do orçamento e do esforço do projeto é consumida nessa fase. Fase de Controle - É a fase que acontece paralelamente ao planejamento operacional e à execução do projeto. Tem como objetivo acompanhar e controlar aquilo que está sendo realizado pelo projeto, de modo a propor ações corretivas e preventivas no menor espaço de tempo possível após a detecção da anormalidade. O objetivo do controle é comparar o status atual do projeto com o status previsto pelo planejamento, tomando ações corretivas em caso de desvio. Fase de Encerramento - É a fase quando a execução dos trabalhos é avaliada através de uma auditoria interna ou externa (terceiros), os livros e documentos do projeto são encerrados e todas as falhas ocorridas durante o projeto são discutidas e analisadas para que erros similares não ocorram em novos projetos (aprendizado).

2.9 Principais Áreas do Gerenciamento de Projetos (PMI) As áreas do gerenciamento de projetos descrevem o gerenciamento de projetos em termos de seus processos componentes. Esses processos podem ser organizados em nove grupos integrados, como descrito na figura a seguir.

Figura 2.5 – Processo integrado de gerenciamento de projetos.

Cada um desses processos tem um detalhamento específico e uma abrangência própria, porém está integrado, a todo o momento, com os demais, formando um todo único e organizado.

Valor agregado_01.indd 13

28/4/2011 14:08:06


14

Análise de Valor Agregado

Gerenciamento da Integração do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para assegurar que todos os elementos do projeto sejam adequadamente coordenados. Gerenciamento do Escopo do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos necessários para assegurar que, no projeto, esteja incluído todo o trabalho requerido, e somente o trabalho requerido, para concluí-lo de maneira bem-sucedida. Gerenciamento de Tempo do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos necessários para assegurar a conclusão do projeto no prazo previsto. Gerenciamento de Custos do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para assegurar que um projeto seja concluído de acordo com seu orçamento previsto. Gerenciamento da Qualidade do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para assegurar que os produtos ou serviços do projeto irão estar em conformidade com o solicitado pelo cliente ou contratante. Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para fazer uso mais efetivo do pessoal envolvido com o projeto. Gerenciamento das Comunicações do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para assegurar que as informações do projeto sejam adequadamente obtidas e disseminadas. Gerenciamento de Riscos do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos envolvidos com a identificação, a análise e as respostas ao risco do projeto. Gerenciamento de Aquisições do Projeto – Subconjunto do gerenciamento de projetos que engloba os processos requeridos para adquirir bens e serviços de fora da organização promotora. No PMBOK Guide 4a Edição (PMI, 2008)5 são abordados quarenta e dois processos divididos nas nove áreas de conhecimentos apresentadas anteriormente, formando um fluxo contínuo de processos, como o descrito na figura a seguir.

5 © Project Management Institute, A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK® Guide) – 4a Edição. Material Reproduzido com autorização e permissão do PMI.

Valor agregado_01.indd 14

28/4/2011 14:08:06


Definição de Gerenciamento de Projetos

15

Figura 2.6 – Quarenta e dois processos do PMBOK Guide 4a Edição subdivididos nos grupos de processo.

Valor agregado_01.indd 15

28/4/2011 14:08:06


Para maiores informações e aquisição do livro, por favor procure a livraria mais próxima ou compre online através das lojas citadas em www.ricardo-vargas.com

For more information and acquisition, please look for the nearest bookstore or buy it online at the online bookstores listed at www.ricardo-vargas.com


Valor agregado_01.indd 114

28/4/2011 14:08:17


Índice Remissivo A

F

ABBA 25, 69, 84, 85 ARCHULETA & BALASSI 53

FLEMING & KOPPELMAN 22, 28, 30, 35, 84, 85

B baseline. Ver Linha de base; Ver Linha de base BRANDON 18, 28, 70

C CAPs 29, 30 CHRISTENSEN 54, 55, 70, 78, 79, 80, 81, 83, 84, 85 Cleland 3 CLELAND 27, 70 Control Account Plan. Ver CAPs; Ver CAPs Cost Account Plans. Ver CAPs; Ver CAPs CPI 22

G Gerenciamento da Integração 13 Gerenciamento da Qualidade 13 Gerenciamento das Comunicações 14 Gerenciamento de Custos 13 Gerenciamento de Recursos Humanos 14 Gerenciamento de Riscos 14 Gerenciamento de Tempo 13

H HARROFF 35, 72

I Instrução 5000.2R 26, 28, 30, 32

Tipos 48

C/SCSC 2, 70, 72 Custo Real Medição 40

Custos reais Tipos 40

CV 19, 20, 43, 61

K Kerzner 6, 8, 9 KERZNER 27, 72

L Linha de base 20, 21, 28, 32, 56

D DAC 43 DENG & HUNG 52, 53

E EAC 42 Escopo Tipos 26

ETC 43 Desvio Constante 44

EVMS 28, 72, 74

Valor agregado_01.indd 115

M Meredith 3 MEREDITH 28, 73 Monte Carlo 53

N Nível de esforço 35, 39

O obstáculos 8

28/4/2011 14:08:17


116

Análise de Valor Agregado

P PAC 42 Performance Measurement Baseline. Ver Linha de Base; Ver Linha de Base PMB. Ver Linha de Base; Ver Linha de Base PMI 5, 14, 26, 27, 34, 73 Projeto 3 Causas de Fracasso 8 Exemplos de 4

Projetos Ciclo de Vida 5 Fases 8 Sucesso 3, 6, 7, 8, 9

S SPI 21, 22, 42, 44, 48, 49, 50, 55, 74, 77, 78, 79, 80, 81 Tipos 48

SV 20, 43

T

Temporariedade 5 THAMHAIN 51, 52, 74 TV 20, 43

V VAC 42 Valor Agregado Análise de viabilidade 51, 54 Cronograma 28 Definições 59 Execução do Projeto 34 Medição 35 Obstáculos 56 Previsões e forecasting 42 Terminologia 59

VARGAS 74

W WBS 26, 27, 55, 56 Wideman 5 WIDEMAN 54, 75

TAC 42

Valor agregado_01.indd 116

28/4/2011 14:08:17


Valor agregado_01.indd 117

28/4/2011 14:08:17


Valor agregado_01.indd 118

28/4/2011 14:08:17


Últimos Lançamentos

Metodologia Simplificada de Gerenciamento de Projetos – Basic Methodware® Carlos Magno da Silva Xavier / Luiz Fernando da Silva Xavier

200 pp. - R$ 69,00

(Série Gerenciamento de Projetos sem Complicação) Pensando nos projetos menos complexos é que desenvolvemos a Basic Methodware®, uma abordagem prática e simplificada de como iniciar, planejar, executar, monitorar, controlar e encerrar projetos. Esperamos que, com a metodologia descrita neste livro, os seus projetos possam ser gerenciados sem engessamento ou burocracia.

Gerenciamento de Portfólio Norberto de Oliveira Almeida

204 pp. - R$ 55,00

Este livro é para quem deseja alavancar os resultados obtidos com o gerenciamento de portfólio nas suas empresas e elevar o grau de conhecimento no assunto. Enriquecido com os resultados da pesquisa realizada com dezenas de respondentes de empresas de diversos setores de atividade, fornece ao leitor a oportunidade de analisar dados qualitativos importantes para a tomada de decisão.

Gerenciamento de Projetos através da extraordinária expedição de Shackleton à Antártida Sergio Luiz Marques Filho

124 pp. - R$ 49,00

Existem livros que abordam os aspectos de liderança de Shackleton, mas aqui, além de liderança, o leitor entenderá como Shackleton gerenciava os riscos da expedição, como a comunicação com as partes interessadas era tratada, como a qualidade influenciava a expedição, como lidava com os recursos humanos, qual o planejamento de custos e o cronograma da expedição, entre outros assuntos relacionados a Gerenciamento de Projetos.

Gerenciamento de Projetos para a Construção Civil Maury Melo

522 pp. - R$ 148,00

Visando a colaborar com os profissionais da construção civil na gestão de seus empreendimentos, este livro aborda a teoria e a prática em gerenciamento de projetos de acordo com os padrões do Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos – PMBOK® 4ª Edição. Acompanha o livro um CD-ROM com vários arquivos de apoio, inclusive versão completa do MS Project 2007 válida para utilização por 60 dias. www.brasport.com.br

Valor agregado_01.indd 119

brasport@brasport.com.br

28/4/2011 14:08:17


Gerenciando Projetos com PMI, RUP e UML 5ª edição 316pp. - R$ 85,00

José Carlos Cordeiro Martins

Este livro propõe a combinação de duas conhecidas metodologias de gerenciamento de projetos: o RUP e a abordagem do PMI. Nesta quinta edição a obra foi revisada segundo a quarta edição do PMBOK, principalmente a Parte I, sobre Gestão de Projetos. As demais partes sofreram pequenas correções e ajustes, seguindo propostas e críticas de leitores.

Gestão Pública Margareth Fabíola dos Santos Carneiro

440 pp. - R$ 110,00

Formato: 21 x 28 Esta obra é indispensável aos profissionais do setor público, mas também é uma referência atual e relevante para profissionais da iniciativa privada e do terceiro setor, bem como para os estudantes de pós-graduação de projetos ou administração. Os casos apresentados estão restritos a três países das Américas: Brasil, Canadá e Uruguai. Conta com a participação de pessoas envolvidas com o PMI GovSIG e com profissionais que fazem parte do grupo brasileiro de PMO no setor público.

Assim Nasce uma Empresa 290 pp. - R$ 59,00

Vicente Sevilha Júnior

Neste livro envolvente, o autor apresenta a história de três pessoas que se veem diante da oportunidade de abrir sua própria empresa e, no desenrolar da trama, apresenta as pesquisas que fizeram para basear a decisão que tomarão. Esta obra é destinada a empresários, empreendedores, administradores, contadores e todos os que, de alguma forma, participam ou pretendem participar das atividades de gestão de uma empresa.

Aprimorando Competências de Gerente de Projetos – Vol. 1: O Sucesso no Desempenho Gerencial Lélio Varella / Graciele Moura / Cirléa Aniceto

236 pp. - R$ 69,00

(Série Aprimorando Competências) A obra está dividida em dois volumes, totalmente compatível com os padrões do PMI para a Certificação PMP. Neste volume 1 tratamos do aprimoramento das Competências de Atuação Gerencial. Nele você encontra um roteiro detalhado de tudo o que precisa fazer para gerenciar um projeto – todas as fases, atividades e resultados gerenciais que devem ser cumpridos para alcançar o alto nível de desempenho de um Gerente Competente.

Coaching – Caminhos para transformação da carreira e da vida pessoal Anna Zaharov

196 pp. - R$ 49,00

Este livro é para quem deseja alavancar sua carreira com reflexos positivos também na vida pessoal. Construir os caminhos que irão transformar sua carreira e sua vida pessoal é o desafio proposto nesta obra, que aborda temas complexos da vida profissional e do comportamento humano de forma prática, funcional e realista. Enriquecido com casos reais e resultados que prosperaram, fornece ao leitor estratégias e estímulos para a criação de suas próprias respostas www.brasport.com.br

Valor agregado_01.indd 120

brasport@brasport.com.br

28/4/2011 14:08:18


Qualidade – Fundamentos e Práticas Marco Antonio Lucinda

180 pp. - R$ 48,00

Atualmente as organizações tanto públicas como privadas buscam uma nova postura gerencial na qual o foco é o cliente. A sociedade cada vez mais pressiona as organizações para que ofereçam seus produtos e serviços com elevados padrões de qualidade. Este livro procura apresentar de forma simples e didática os fundamentos e aspectos práticos das principais ferramentas e técnicas utilizadas pelas organizações para a melhoria de sua performance e competitividade.

Experiências em Gestão de Projetos – Diário de Bordo Alfredo José Lopes R$ 59,00

216 pp.

No livro o autor apresenta dicas relacionadas a metodologia de projeto, estratégias de comunicação, discussões sobre aspectos de governança, gestão de equipe e vários tópicos práticos tais como lidar com consultores, reuniões de projeto, gestão de riscos, processos de “escalation”, “Issues Log” etc. Pode ser utilizado como material de referência para tomada de decisão.

Falir Jamais! – Gestão Correta x Crise Henrique Montserrat Fernandez

152pp. - R$ 49,00

Neste livro o autor aborda alguns dos desafios normalmente encontrados nas organizações, qualquer que seja seu porte e que são responsáveis por enfraquecer as bases empresariais, podendo naufragar o negócio. O uso das técnicas aconselhadas no livro auxilia os gestores a superar os desequilíbrios naturais do negócio de forma mais tranquila.

40 + 4 Ferramentas e Técnicas de Gerenciamento 3ª edição Merhi Daychoum

284 pp. – R$ 71,00

Este livro apresenta de forma clara e objetiva Ferramentas e Técnicas de aplicabilidade comprovada para o apoio e melhoria do Gerenciamento. Nesta terceira edição foram acrescentadas duas novas ferramentas de estratégia: Matriz de Priorização de Projetos e Investimentos e Janela de Johari. Essas ferramentas enriquecem e contribuem para melhor aproveitamento do que o autor pretende passar aos seus alunos, leitores e profissionais da área.

Análise de Risco em Gerência de Projetos 2ª edição Antonio Juarez Alencar / Eber Assis Schmitz

256 pp. – R$ 78,00

Este livro vai ajudá-lo a coordenar as atividades de projetos que são entregues no prazo, dentro do orçamento, de acordo com o fluxo de caixa e em sintonia com os objetivos que se propôs atingir. Nesta segunda edição, além de sofrer uma revisão minuciosa de fórmulas e texto, o livro ganha um novo capítulo sobre correlação, provavelmente um dos tópicos mais importantes de modelagem quantitativa de riscos. www.brasport.com.br

Valor agregado_01.indd 121

brasport@brasport.com.br

28/4/2011 14:08:19


Metodologia de Gerenciamento de Projetos – Methodware 2ª edição Carlos Magno da Silva Xavier / Flavio Ribeiro Vivacqua / Otualp Sarmento de Macedo / Luiz Fernando da Silva Xavier

344 pp. – R$ 95,00

O livro é voltado para a prática e, por isso, utiliza o projeto de um treinamento para exemplificar os procedimentos de cada processo da metodologia. A metodologia apresentada foi elaborada em 2003 e desde então tem sido implantada em diversas organizações. Apresenta um capítulo em que é sugerido como a metodologia deve ser implantada, sob a forma de projeto, e inserida em um contexto mais amplo de melhoria da maturidade em gerenciamento de projetos da empresa.

Manual Prático do Plano de Projeto 4ª edição 252 pp. – R$ 85,00

Ricardo Vargas

O mais prático e didático livro sobre o plano de um projeto. Através de um exemplo simples e dirigido, você irá conhecer os principais documentos e relatórios das áreas de um empreendimento. O CDROM que acompanha o livro contém plano completo de projeto e modelos de documentos.

Gerência de Projetos aplicada à Gestão do Conhecimento 162 pp. – R$ 45,00

Nihad Faissal Bassis

Este livro tem como base a aplicação dos padrões de projeto em iniciativas de Gestão do Conhecimento voltadas para a formação de Culturas de Inteligência Organizacional como fator diferencial de competitividade. É uma ponte que une estrategicamente GP e GC. Também poderá ser utilizado nas disciplinas de graduação e pós-graduação.

Gerenciamento de Projetos 7ª edição Ricardo Vargas

264 pp. – R$ 84,00

Um dos maiores sucessos editoriais na área de projetos chega à 7ª edição. O livro apresenta os conceitos de projetos e gerenciamento de projetos de uma maneira prática e direta, partindo desde os conceitos fundamentais até atingir aspectos mais complexos, como a análise de valor agregado e o gerenciamento de riscos. Nesta nova edição, todos os processos estão compatíveis com o novo PMBOK Guide 4th Edition.

BRASPORT LIVROS E MULTIMÍDIA LTDA. RUA PARDAL MALLET, 23 - TIJUCA – RIO DE JANEIRO – RJ – 20270-280 Tel. Fax: (21) 2568.1415/2568-1507 – Vendas: vendas@brasport.com.br

Valor agregado_01.indd 122

28/4/2011 14:08:20


Para maiores informações e aquisição do livro, por favor procure a livraria mais próxima ou compre online através das lojas citadas em www.ricardo-vargas.com

For more information and acquisition, please look for the nearest bookstore or buy it online at the online bookstores listed at www.ricardo-vargas.com


NOVO: Análise de Valor Agregado - 5a Edição