Page 1

ATRIZ BRILHA COMO A ESPEVITADA JAQUELINE E EMPRESTA COR A “TI-TI-TI”, DA GLOBO Depois de passar por poucas e boas, a personagem de Claudia Raia em “Ti-ti-ti” começou, nesta semana, sua retomada à ascensão. Sempre luminosa, a atriz assume mais um papel marcante em sua carreira na pele de Jaqueline, a perua que diverte o público com seus surtos. “Ela é bipolar”, diverte-se Claudia, que define a personagem como “tarja preta”. Em entrevista ao Agora, ela ainda revela novidades para a TV e o teatro. (Eduardo Ribeiro) Agora - Como você enxerga a sua personagem? Claudia Raia - Ela é tragicômica. Falta estrutura emocional para ela se adequar ao mundo. Olha, é difícil interpretar essa doida! Ela faz milhões de coisas ao mesmo tempo. Ela é bipolar, né? Agora - Nas gravações, você fica o tempo todo para lá e para cá. Como relaxa após um dia de Jaqueline? Claudia Raia - Está muito puxado! Quando eu chego em casa, tenho que decorar tudo para o dia seguinte. É uma personagem que contracena com muitos núcleos. Mas eu adoro, porque é um exercício enorme. Faço drama, tragédia, comédia, tudo! Estou ralando muito. Agora - A Jaqueline tem uma relação de cumplicidade com a filha, apesar das diferenças? Claudia Raia - Eu acho um absurdo a maneira como a Jaqueline trata a Thaísa [Fernanda Souza]. Eu sou completamente diferente, sou uma mãe zelosa. A Jaqueline faz tudo errado, sem maldade, é claro, mas ela não sabe ser mãe. É até bom que as pessoas vejam a novela e prestem atenção para não fazerem isso com seus filhos. A menina acabou crescendo toda perturbada. Agora - Falando nisso, como foi atuar com sua filha em “Passione”?

Claudia Raia - Foi uma participação movida pela afetividade. Eu fiquei feliz por ela, mais do que por mim. Porque ela adora o Silvio de Abreu [autor]... Meus filhos chamam ele de vovô. Ali estava toda a turma reunida. A Sofia queria muito aparecer comigo na novela dele. Foi muito bom. Agora - Você acha que a Jaqueline termina a novela com o Jacques? Claudia Raia - Eu acho que ela abre concessões que jamais abriria. O que ele fez para ela já foi muito. Perdoar é algo que pode acontecer, todas as relações podem ser recomeçadas, e acho que o perdão está no meio disso. Mas tem que zerar tudo. Até porque o que ela já se humilhou para esse homem não foi pouco. Ela é carente e tem medo da solidão. É uma mulher tarja preta. Mas é adorada pelo público, vai entender! Agora - Você já tem planos para a TV depois de “Ti-ti-ti”? Claudia Raia - Estou escalada para fazer o remake de “A Guerra dos Sexos”, em 2012. O Silvio está reescrevendo. Eu e o Reynaldo Gianecchini faremos os papéis que eram do Tarcísio Meira e da Glória Menezes. Agora - E o musical que você está preparando? Claudia Raia - É um sonho antigo encenar “Cabaret”. A história vem de um filme dos anos 1970, que também é um musical, e tem a Liza Minelli como protagonista. Desde os anos 1980 que quero levar para o palco esse espetáculo. Agora, estreamos em outubro, em São Paulo.

26AS301 1.0 21.0

26AS303 2.0 15.0

CARAS E BOCAS

Na pele de Jaqueline, Claudia Raia já passou por poucas e boas. No alto, a personagem declara seu amor pelo Corinthians e se veste de faxineira em um dos momentos cômicos ao lado de Jacques Leclair. Entre as aventuras da personagem, ela já foi parar na cadeia e decidiu se dedicar à vida religiosa

26AS304 2.0 17.0

26AS302 1.0 21.0

Quarta-feira, 26/1/2011 C-3

Agora

C APA

As mil e uma faces de Claudia Raia

Fotos Divulgação

Entrevista Claudia Raia  

Ping-pong com a atriz, sobre a personagem Jaqueline, de "Ti-ti-ti"