__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

43ª Edição - Ano XII - R$ 15,00 revistazelo.com.br

Moda

Atualizado com tecidos inovadores, Animal Print segue como tendência

Casa Cor Goiás

Mostra traz ambientes que prezam pela sofisticação, sem deixar de lado a sustentabilidade

Tênis

Adolescentes goianos estão entre os 15 melhores na modalidade infantojuvenil


S

U

A

M

Uma localização ímpar em Goiânia. Um residencial de altíssimo padrão da exclusiva linha LuxuryStyle. O maior e mais luxuoso apartamento já construído pela EBM. Um empreendimento para ressignificar o luxo e design.

A

N

S

Ã

SUÍTES 445 M2*

O


B

R

E

V

E

L

A

N

Ç

A

M

E

N

T

O

*Medida aproximada. Empreendimento em fase de aprovação junto à Prefeitura Municipal. É proibida a comercialização de unidades sem a devida aprovação do Registro da Incorporação Imobiliária. Órgão fiscalizador: CRECI/GO - fone (62) 3224-2299.


SINTA-SE

Imagem ilustrativa


Piscina Adulto – Pôr do Sol

Club House – Cabanas

Cozinha

PERMITA-SE VIVER UMA EXPERIÊNCIA DE FÉRIAS EM FAMÍLIA. Sua residência de férias com atendimento e serviços exclusivos de um resort.

SA I BA M A IS E M I NC A SA R ESIDE NCECLU B.COM .BR


6

ZELO


7

ZELO


SUMÁRIO

24

42

74

Nelson Motta Jornalista, compositor, escritor e produtor, ele fala sobre família, amores e carreira em entrevista exclusiva à Zelo

Referência Arquiteto Arthur Casas apresenta detalhes de empreendimento com sua assinatura na Capital

Chef Desde

criança apreciador da gastronomia, Pedro Ernesto investe em cardápio afetivo que remete à infância

26

Arte Traços

de brasilidade estão presentes nas obras do artista chinês Tai Hsuan, que há 40 anos fixou residência em Goiânia

Casa Cor Goiás

43

Mostra reune ambientes que

apostam na funcionalidade e ainda contemplam aconchego, requinte e sustentabilidade

77

Alimentação Vegetarianismo e veganismo

atraem público avesso à exploração de animais e a favor da preservação ambiental

8

ZELO

30

70

94

Tênis Adolescentes

goianos dividem o tempo entre estudos e a prática do esporte e já despontam entre os 15 melhores do País

Xbody Tecnologia que promete estimular 350 músculos ao

mesmo tempo ganha adeptos na cidade. Zelo testou a novidade

Destino Famoso pelas praias, o Ceará

abriga roteiro que resgata a história do ciclo do café, em meio a trilhas com matas e cachoeiras


C O N D O M Í N I O H O R I Z O N TA L

EXCLUSIVIDADE É VIVER COM TUDO AO SEU REDOR.

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA DA IMPLANTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

Uma experiência inovadora em convivência e conveniência, um empreendimento único e inédito no Brasil. Viva sua sofisticação em um residencial de altíssimo padrão, com lotes a partir de 600 m² e a comodidade do exclusivo hub humano – uma infraestrutura completa ao redor do condomínio que conecta você a serviços, comércio, saúde, educação e cultura em um só lugar. Tenha tudo ao seu alcance.

DESIGN INTERNACIONAL:

WWW.PLATEAUDOR.COM.BR 9

ZELO


DIRETORA DE CONTEÚDO Rosângela Motta EDITORA EXECUTIVA Hannah Motta EDITORA Carla Guimarães REPORTAGEM José Augusto Julie Tsukada Lucas Pereira Marcela Figueiredo Victor Lisita

ROSÂNGELA MOTTA

HANNAH MOTTA

atitudes conscientes

EDIÇÃO DE FOTOGRAFIA Ângela Motta FOTOGRAFIA Fábio Lima Rafael Manson Tobias Ragonesi DIAGRAMAÇÃO Gabriel Evan Borba TRATAMENTO DE IMAGENS Joãozimar Oliveira REVISÃO Fátima Tolêdo JORNALISTA RESPONSÁVEL Astero Motta (JP - 2233) ZELO EM BRASÍLIA Kell Motta (61) 9 9915-5115 IMPRESSÃO Gráfica Formato Mota Editora Ltda CNPJ 02.589.924/0001-09 Telefone: (62) 3259-6510 / (62) 985010333 www.revistazelo.com.br redacao@revistazelo.com.br Rua C-148 esq. C-136, Qd 304, Lt 12 Nº 868 - CEP: 74.250-010 Jardim América - Goiânia-GO

A Revista Zelo não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nas colunas e artigos assinados por seus colaboradores e não tem vínculo empregatício com os mesmos.

CAPA

ÂNGELA MOTTA

QUÉREN RIBEIRO (MEGA MODELS) VESTE SKAZI COM EXCLUSIVIDADE. FOTOGRAFIA DE RAFAEL MANSON, PRODUÇÃO DA SOMMOS IMAGEM E ESTILO E BELEZA DE JESUS LOPES

A sustentabilidade passa por aproximadamente todos os aspectos da vida. Atitudes simples como usar racionalmente os recursos naturais, utilizar o resíduo orgânico como compostagem e fazer compras conscientes ajudam a preservar e, desse modo, garantir a sobrevivência das próximas gerações. O conceito de desenvolvimento sustentável foi aprovado em 1987, por um relatório da ONU, com a seguinte definição: “Forma como as atuais gerações satisfazem as suas necessidades sem, no entanto, comprometer a capacidade de as gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades.” Aqui, na Zelo, esse tema permeia a maioria das nossas edições. Na Zelo 43, trazemos o especial Casa Cor Goiás 2019, que tem a sustentabilidade como um dos pilares do tema Planeta Casa, mote que guiou a produção dos profissionais durante a mostra. O conceito foi criado na tendência do lar como universo particular de cada indivíduo, onde as mudanças e conexões surgem e transformam o entorno e a comunidade. Nesta mesma linha de atitudes, trazemos uma matéria sobre vegetarianismo e veganismo, movimentos que estendem o olhar para a sustentabilidade, saúde e preservação ambiental, contra a exploração e crueldade aos animais. A aposta é compartilhada também por empresas, fabricantes e associações. Nesta edição, a Zelo visitou a Serra de Baturité, no Ceará, que desde 2013 vem desenvolvendo – em parceria com o Sebrae – o Projeto Rota do Café Verde, com foco no desenvolvimento sustentável da cafeicultura local. O mercado de beleza também tem se mostrado cada vez mais consciente. Depois da ascensão dos cosméticos veganos, orgânicos e naturais, marcas como a Biossance estão investindo em cosméticos “verdes”. Na seção arte, a fauna e flora brasileiras ganham formas na obra do artista plástico Tai Hsuan, entrevistado desta edição. Seu trabalho passeia pelo Cerrado e Pantanal. Na seção de moda, o Animal Print vem em forma de saias, vestidos, macacões atualizados com tecidos inovadores. O editorial, fotografado por Rafael Manson, beleza de Jesus Lopes e produção da Sommos Imagem e Estilo, ilustra bem essa tendência, que segue forte. Força também é o que não falta para um grupo de adolescentes goianos que une estudos e paixão pelas quadras de tênis. Ainda no universo dos esportes e do bem-estar, testamos a técnica XBody na TecFit, primeira academia do Brasil exclusivamente dedicada à modalidade. A técnica utiliza uma roupa especial de neoprene com eletrodos e um aparelho que envia estímulos elétricos para o corpo. Tudo isso você confere nas próximas páginas, que trazem ainda uma conversa com o jornalista, compositor, escritor e produtor Nelson Motta, um dos principais nomes do cenário cultural brasileiro. Espero que aprecie cada matéria e se inspire com as imagens lindas desta edição. Boa leitura! ROSÂNGELA MOTTA

10 ZELO


11 ZELO


Colaboradores

CARLA GUIMARÃES

EDITORA

@carla_guimas

LEO ROMANO

@leoromanoarquitetura

JOSÉ AUGUSTO

@josef_augusto

TOBIAS RAGONESI

@tobiastopfilms

RAFAEL MANSON

@rafamanson

COLUNISTA

COLUNISTA

FOTÓGRAFO

FOTÓGRAFO

GABRIEL EVAN

@evanborba

LUCAS PEREIRA

@outlucas

SANDRO TÔRRES

@sandrotorres23

@jesuslopes

JORNALISTA

MAKEUP ARTIST

FÁTIMA TOLÊDO

REVISORA

JULIE TSUKADA

JORNALISTA

@mfatimatoledo03

COLUNISTA

@marcelafigueiredop

JORNALISTA

@lisitavictor

JORNALISTA

MARCELA FIGUEIREDO

JESUS LOPES

VICTOR LISITA

JORNALISTA

@julietsukada

ALEXANDRE LOZI

@alexandrelozi

COLUNISTA

ANTONIO TOMTOM

STYLIST

@antoniotomtom

12 ZELO

ASTERO MOTTA

JORNALISTA

KELL MOTTA

FOTÓGRAFA

@asterofontenelle

@kelldamotta

RODOLPHO RODRIGO

@rodolphorodrigo

PRODUTOR


13 ZELO


De onde

você vem?

ÇÃO

ILUSTRAÇÃO: DIVULGA

C

erta mãe, em seus 40 e poucos anos, me contava que seus filhos, já grandinhos, estavam dormindo no mesmo quarto com ela e o marido havia algum tempo. Ela relatava o fato com um quê de desconforto, mesmo sem perceber. Disse ter pena de tirar as crianças de lá. Por fim, com um ar explicativo, concluiu: – Mas eu mesma fiz isso, dormi no mesmo quarto com meus pais até ficar mocinha. Essa pequena história familiar é um retrato bastante honesto de como somos e nos formamos a partir do que recebemos e damos nas mais fortes relações que vivenciamos no início da vida, e essa se torna uma sequência infinita, do que recebemos e do que passamos para a frente, mais simplesmente absorvida que verdadeiramente compreendida pela maioria de nós. A mãe que contava essa história cuidava dos filhos ou de si mesma? Podemos aqui lembrar o que diz o psicanalista Jacques Lacan em Duas no-

tas sobre criança, ao tratar das funções materna e paterna na constituição subjetiva da criança. Ele diz da mãe que seus cuidados portam a marca de um interesse particularizado, fosse ele pela via de suas próprias faltas. É assim que entendemos por qual motivo os pesquisadores afirmam que, ao maternarmos um bebê, é a nós mesmos que o fazemos. Que uma boa maternagem, ou seja, o cuidar bem de um bebê, proporciona certo brilho no olhar, um estado de tranquilidade e até mesmo leva um viço especial à pele. Nossa química interna está o tempo todo a demonstrar seu poder – basta levar um pequeno susto para que a adrenalina seja sentida em cada pelo da pele, que se eriça, nos batimentos cardíacos e na pupila, entre outras emissões visíveis a qualquer um que observe. Portanto, não pode causar estranhamento que exista uma química envolvendo também as relações pais-bebê. Para além da química, há o vir-a-ser, a constituição de alguém a partir do nada. Desde o início, onde há o sonhar, o desejar, o falar de um ser que ainda está por vir, como bem relatou uma amiga que perdeu

seu bebê nos primeiros meses de gestação – ele já existia em seu corpo e em sua mente, portanto, ela já era mãe. E o será para sempre. Então, para a pergunta do título deste texto (De onde você vem?), qual seria a sua resposta? Na clínica psicanalítica se sucedem as sessões em que os analisantes afirmam ser isto ou aquilo, que algo existe neles de certa forma desde sempre, portanto é o que são, por livre escolha. Mas, não! Algo está ali, na história de cada um, e na história da história dos que vieram antes dele, constituindo aquela pessoa a partir de pedaços reunidos em um corpo só. E essas partes trazem alegrias, dores, emoções, ruídos e sintomas no corpo. E, de novo, de onde você vem? Ao responder a essa pergunta, você pode estar mais próximo de um encontro com aquele que é você, passível de ser remontado, fazendo algo novo desse corpo que é seu por uma escolha, essa sim, escolhida.

LUCIENE GODOY E VALERIA BELÉM LUCIENE GODOY É PSICANALISTA, PESQUISADORA E ESCRITORA; VALÉRIA BELÉM É PSICANALISTA, ESCRITORA E JORNALISTA

14 ZELO


Monick Camargo Paciente Rildo Lasmar Foto: @fabriciocardosofotografo

15 ZELO

15 ZELO


opinião

EU QUERIA SER O WANDO Por Sandro Tôrres

N

a verdade, eu queria mesmo era ser o Sidney Magal. O sujeito, nos anos 1970, personificava o símbolo sexual ou algo bem próximo disso, com a cabeleira vasta, a venta aberta e o esgar inindentificável nos lábios – algo entre languidez e a lascívia –, ostentados em mais de 1,90m de altura. Compositor de sucessos atemporais, que mexem com a imaginação e os quadris das gerações desde então, independente da idade. Quem nunca teve que se conter para não atacar de dançarino flamenco ao som de cigana Sandra Rosa Madalena que atire a primeira camisa bufante de cetim. Aquele Magal de outrora era o próprio estereótipo do “amante latino”. Não por acaso, no auge do sucesso, em 1979, o cantor deu vida ao protagonista de um filme com exatamente esse título (Amante Latino). Em resumo, Magal é esse cara que irrompeu por méritos próprios, incluindo a originalidade na temática gipsy e a falta de pudor, num cenário musical que rotulava seus representantes. Tínhamos os contornos muito bem definidos do que era, dentre outros poucos estilos, a MPB, o samba, a bossa nova e, lá, a uma distância abissal, a música chamada de brega, que, com o advento dos programas de auditório e uma demanda por atrações popularescas, e também graças a apresentadores vanguardistas como Chacrinha, Bolinha e até mesmo Silvio Santos, ganhou espaço. Mas Sidney Magal não ergueu sozinho essa ponte do status de brega para o popular admissível nos lares brasileiros. Junto dele, vários artistas tiveram essa coragem de sair do armário das tradições estilísticas musicais e se jogar nos repertórios escancaradamente ordinários e piegas, nos figurinos fantasiosos, nas interpretações histriônicas. Rapidamente nos lembramos da rebolativa (e eterna) Gretchen; dos ultrarromânticos Odair José e Amado Batista, com suas composições que contemplavam temas e personagens até então relegados à obscuridade ou ao tabu; dos bregas-de-uma-música-só Jane e Herondy, Ovelha, Marquinhos Moura, Bia-

fra e Diana e tantos outros que crivaram em pedrarias fosforescentes e franjas de couro seus nomes na história da verdadeira música popular brasileira. Preciso admitir que sempre tive uma inclinação para o brega. Mas, quando eu digo brega, quero dizer brega de raiz e não apenas na música, mas das estampas, temas e composições kitsches, do conceito “quanto pior, melhor”. Conceito esse que contempla até a pornografia, passando pelos quadrinhos, literatura, cinema trash, alcançando sua mais plena forma de manifestação na música. E é nessa que entram o Wando e o motivo da minha identificação. Wando foi uma espécie de Magal torto, improvável. Eu explico: o cara era feioso, as melodias das suas músicas, simplistas, mas assumiu um caráter de patifaria e cafajestagem na sua persona artística, atingindo um ápice nessa modalidade jamais visitado por nenhum outro artista brasileiro. Um bom exemplo disso foi a Rede Globo, outro dia desses, admitir despejar centenas de calcinhas vermelhas fio dental numa atração em homenagem ao cantor no programa do Faustão em pleno domingo da família, às 19 horas. Fala se esse cara não quebrou paradigmas! E munido de quê? Apenas carisma, uma beiçola avantajada, cara de pau e um canhestro remexer de ombros. Nem de longe tinha o sex appeal natural típico do Magal, Márcio Greick ou Ronnie Von. O Wando representava – e ainda representa – o desvio para o impuro e na embalagem mais ordinariamente cafona. Até seu nome era brega. Infelizmente, nos deixou cedo demais, mas o legado ficou pra quem quiser e souber saborear os indefectíveis versos carregados de “iaiá” e “ioiô”. Esses profissionais e seus despudores fizeram com que fosse possível vivenciarmos os tempos atuais, cujo contexto pega tudo que é estilo, artista e figurino, enfia numa grande cumbuca, sacode, embaralha, mistura e devolve para a sociedade nas formas amorfas, sem limites, fronteiras ou rótulos. A música é tudo que pode ser porque diz respeito, principalmente, às pessoas, e 16 ZELO

elas são assim: diversificadas, imperfeitas, ternas, tolas, contraditórias, singelas, afetuosas... E, nesse mundo atual, é possível admitir a singularidade e a raridade das personalidades. Nessa de relacionar passado e futuro, me ocorrem dois pensadores das artes: Aby Warburg e Georges Didi-Huberman. O primeiro legou seu projeto Atlas Mnemosyne, um estudo de imagens montadas em painel para pensar as artes visuais, isso há quase 200 anos. O segundo, um filósofo moderno. Em sua obra, é recorrente o uso de temas como sintomas, fantasmas, restos, sobrevivência, resíduos, palavras e conceitos associados ao tipo de ideia de sobreposição não cronológica de imagens. Olhando com acuidade, nos interstícios e detalhes, percebemos o que há de comum, o que fica impregnado entre uma manifestação artística na outra, mesmo com diferença de décadas entre elas. E assim vemos as personas, performances e epifanias artísticas se repetirem e os conceitos a que estejam atribuídas se perpetuarem. Em resumo, hoje os jovens ouvem Jaloo, Letrux, Gabriel Diniz, Duda Beat, Varal de Cabaré, Banda Djavú, Gaby Amarantos, Johnny Hooker e tantos outros bregas com uma facilidade quase familiar. É como se sempre tivesse sido natural a mistureba musical e a pulverização de conceitos. Mas, no desenrolar do aprimoramento humano, pra quem, porventura, ainda não sabe do que estou falando, minha dica é pra que se ‘sidneymagalize-se’ quando possível e ‘wande-se’ de uma vez por todas. Enquanto isso não acontece, trate de fruir sem moderação do que a criatividade pode oferecer enquanto entretenimento, enquanto cultura e/ou enquanto reflexão sobre os tempos vividos. Saúde e uma boa dose de catuaba selvagem com gelo a todos!

Sandro Tôrres é artista visual e mestre em História


Av. Transbrasiliana, Qd 11 Lote 19 Setor Serrinha - Goiânia - GO

(62) 3541-3202 valeriajunqueiraeventos@gmail.com


SÓPARAHOMENS LUCAS PEREIRA @outlucas FOTOS: DIVULGAÇÃO

Botox para homens, sim! A aplicação de toxina botulínica, o chamado botox, tem se popularizado e vem ganhando o status de tendência entre o público masculino. Tanto para fins estéticos quanto de saúde, a técnica colabora para amenizar o efeito do tempo e garantir uma aparência mais rejuvenescida. Injetada intramuscularmente, a toxina bloqueia os impulsos que fazem os músculos se contraírem, eliminando as linhas de expressão. O dermatologista Paulo Fernando Andrade, do Espaço Bel Lasmar de Estética, esclarece algumas dúvidas sobre o tema. No que a aplicação da toxina se diferencia para homens e mulheres? Paulo Andrade – A aplicação de botox em homens busca suavizar os efeitos do tempo, mas sem exagero. Manter um pouco desses sinais e linhas de expressão está relacionado à virilidade, então não existe a proposta de deixar a testa inteiramente lisa, por exemplo. Uma região que se evita tratar é a área dos olhos, porque alguns sinais suaves nessa parte dão credibilidade para a mímica facial, característica do rosto

masculino. Ainda é importante ter cuidado com o reposicionamento das sobrancelhas, para não deixá-las muito arqueadas. Os pontos de aplicação e a quantidade de toxina em cada ponto são planejados individualmente, a partir do padrão de contração e da força de cada paciente. Quais os cuidados que a aplicação requer? Paulo Andrade – Os cuidados são os mesmos para homens e mulheres. Indicamos que o paciente não se deite nas primeiras quatro horas após a aplicação, não faça exercícios físicos e evite locais com temperaturas muito elevadas, para não ocorrer uma difusão da toxina para além da região desejada. Para quais regiões do corpo há indicação de botox para homens? Paulo Andrade – Um tratamento muito procurado pelo sexo masculino é o caso de hiperidrose, o suor excessivo. Podemos utilizar o botox para o controle desse suor durante atividades físicas ou mesmo diárias mais comumente na região da axila.

Back to 90’s Uma mania dos anos 1990 está de volta com tudo! A Reebok Classic relançou o Reebok Aztrek, um dos modelos da marca que viraram febre na década. A criação de Christian Tresser, em 1993, tem um layout com biqueira assimétrica e a sola de borracha cravejada, o que garante maior estabilidade e tração. O modelo retornou com o mesmo visual e todo o perfume típico da época, mas com algumas novidades, como tecnologia de amortecimento no calcanhar. O item pode ser encontrado no site oficial da grife: www.reebok.com.br.

Aviator by Vivara A Vivara lançou recentemente o relógio Aviator III com a função Navytime, que é capaz de medir distâncias, converter as mesmas em unidades de medidas diferentes, calcular o gasto de tempo para percorrê-las e o gasto de combustível, entre outras métricas possíveis, além do cronógrafo tradicional. O design do modelo tem inspiração no universo militar, que traz conforto, funcionalidade e a tecnologia como premissas. A coleção possui dois modelos em couro, nos tons preto e marrom. Em aço inoxidável cromado, o diâmetro da caixa é de 45,2 cm.

18 ZELO


19 ZELO

19 ZELO


S.O.S.CERIMÔNIA ALEXANDRE LOZI alexandre@grupolozi.com.br

Sobre o casamento, você sabia? FOTOS: DIVULGAÇÃO

Buquês Os primeiros buquês de noiva incluíam não apenas flores, mas também ervas e temperos. Os mais populares, geralmente com cheiro mais forte, como alho, eram usados para espantar os maus espíritos. As flores tinham, cada uma, seu significado: hera representava fidelidade; lírio, a pureza; rosas vermelhas, o amor; violetas, a modéstia; flores de laranja davam fertilidade e alegria ao casal. Hoje os buquês podem ser de três tipos: franceses (redondos), cascata ou braçadas. O hábito de jogar o buquê surgiu na França, no século 14. Como é hoje em dia, dizia-se que a mulher que pegasse o buquê seria a próxima a se casar.

Aliança O uso da aliança de casamento vem da tradição cristã, desde o século XI, e era colocada no terceiro dedo da mão esquerda, pois acreditavam que nesse dedo havia uma veia que ia direto para o coração. Aliás, ainda hoje esse costume é praticado nos casamentos islâmicos. Atualmente usada no dedo anelar da mão esquerda, é, geralmente, de ouro e representa a lealdade.

Amêndoas Os italianos acreditam que as amêndoas trazem felicidade aos noivos e na Itália é tradição os familiares comerem essa castanha às vésperas do casamento dos filhos. Aqui no Brasil, os italianos ou seus descendentes oferecem as amêndoas no final da cerimônia, ou enfeitadas na forma de lembrancinha. Segundo a tradição, elas simbolizam os votos que os convidados desejam aos noivos. Frequentemente são entregues a cada convidado cinco amêndoas confeitadas. Cada uma representa um voto ao casal. Os votos tradicionais são: felicidade, fertilidade, longevidade, riqueza e saúde.

Véu Arroz

O uso do véu pela noiva era um costume da antiga Grécia e foi criado para protegêla de mau olhado e também dos seus possíveis admiradores. Outra teoria diz que era apenas utilizado pelas mulheres nobres, normalmente com a pele muito clara, e que tinha como principal função proteger a pele e os cabelos delas. Além disso, trazia desde essa época o símbolo de pureza que a mulher devia transparecer para o casamento. Hoje o acessório pode ser curto (pouco usado) ou longo. Muitas optam pela mantilha.

Na China Antiga, mais de 2.000 anos antes de Cristo, o arroz já era tido como símbolo de fartura. O hábito de atirar alguns grãos sobre os noivos, após a cerimônia nupcial, data da Antiguidade. A tradição teve origem na China, onde um Mandarim poderoso quis dar prova de vida farta e fez com que o casamento de sua filha se realizasse sob uma “chuva” de arroz.

20 ZELO


LOJA 01 Av. T-4, 399, Qd 123 Lote 08 - Setor Bueno (62) 3091-2244 / 3091-2266

LOJA 02 AV. Transbrasiliana, Qd 11 Lote 19 - Setor Serrinha (62) 3922-4433 / 3281-1071

21 ZELO


FOTO: HENRIQUE ISHIBE

discotecagem

talento na Música

Com apenas 17 anos, DJ Bllini já desponta no cenário musical goianiense e se prepara para voos mais altos Victor Lisita

C

hris Lake, Fisher e Alesso. Três produtores musicais. Três formas diferentes de fazer música. A semelhança? Simpatia, humildade e alegria no palco para tirar a galera do chão. Atributos que são pilares para Pedro Bllini, jovem DJ goiano que tem construído um caminho de aprendizado e inovação na discotecagem. Antenado aos novos estilos, ele pretende voltar do curso de Música Eletrônica na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, preparado para projetar sua pegada tech house e groove no cenário musical nacional. Com apenas 17 anos, Bllini começou a se destacar durante a formação em discotecagem e produção musical pela Music Lab, renomada academia para profissionais de música eletrônica. À frente dos conteúdos, foram a paixão e a curiosidade pela arte que o fizeram investigar outros produtores e encontrar um caminho: inovação com

pegada familiar. “É muito importante estar sempre antenado aos novos estilos. O gosto das pessoas está em constante mudança e não basta apenas seguir as influências. É preciso ser um dos influenciadores.” Focado na projeção para os palcos, todo o caminho dos últimos meses culminou na primeira apresentação para grande público. Realizada no aniversário dele, no Vilão Premium, o DJ sentiu-se em casa entre as 1.200 pessoas nos dois dias de festa. “Me preparei por muito tempo. Não tem nada melhor do que ver as pessoas, muitos deles meus amigos, alegres e se divertindo com o som”, conta. E ele não vai parar até a mudança para São Paulo, em agosto. Ainda no primeiro semestre, Bllini participou como warm up no show da DJ Juliana Barbosa. Noites em claro e fins de semana com apresentações. A rotina de DJ não o assusta. Tendo a mãe como maior apoiadora, ele 22 ZELO

frisa que ainda não tem “muita noção de como é rodar o Brasil. Mas como qualquer outro trabalho, a gente pega o jeito com o tempo”. Inclusive, se apresentar fora de Goiânia já é uma meta. Focado em voltar do curso e produzir por um tempo, Bllini pretende abrir o próprio festival depois de alavancar seus projetos. Ao estilo do Só Track Boa, do DJ Vintage Culture, “a ideia é fazê-lo crescer e então transformá-lo em um club, fixo em um local, como o Green Valley ou o Laroc”. Ansioso para se apresentar em festivais como Tomorrowland e Ultra Music Festival, ele está focado em um projeto autoral para lançar antes de começar o curso. Fã de reggae, do grupo Natiruts e do cantor Gabriel, o Pensador, Bllini também não deixa de ouvir desde o mais underground até o pop para se inspirar. “A música eletrônica é muito orgânica. Ela permite a movimentação e referência entre vários gêneros.”


23 ZELO


entrevista

NELSON MOTTA, JORNALISTA, COMPOSITOR, ESCRITOR E PRODUTOR

Bate-papo com

Nelson Motta José Augusto

Carreira, amores e família são pauta de conversa exclusiva com a Revista Zelo

J

ornalista, compositor, escritor e produtor, Nelson Motta é um dos principais nomes do cenário cultural brasileiro. Em entrevista exclusiva à Revista Zelo, concedida ao jornalista e amigo pessoal José Augusto de Souza, o colunista do Jornal da Globo e apresentador do programa radiofônico Sintonia Fina divide histórias sobre amores, a família e a carreira, sempre ligada à música. Leia abaixo: José Augusto: Você teve duas irmãs, três filhas e duas netas. O universo feminino domina sua vida? Nelson: Meu universo é todo feminino, 24 ZELO

eu digo que sou feminista desde sempre, porque eu não vou ser contra as minhas filhas [Esperança, Joana e Nina]. É um absurdo, como que pode? Falei até na palestra, sou um feminista radical, me intitulo um feministo. A Dilma não pode se chamar de presidenta? Então eu sou um feministo. Me concedo esse direito de me dizer um feministo radical, porque eu tenho três filhas e duas netas, então eu não quero que tratem minhas filhas e netas diferente das filhas e netas dos outros, né? A pessoa não pode querer que trate bem as suas filhas e tratar as filhas dos outros feito puta, va-


FOTO: LEO AVERSA

gabunda, objetos. Você não quer que trate sua filha assim. José Augusto: No meio disso tudo, como um Oxóssi guerreiro, você teve o primeiro neto homem, que foi o Joaquim. Nelson: Que foi uma surpresa pra mim. Falei: “Agora eu tô ferrado.” Não tenho a menor experiência com menino. José Augusto: E como foi a experiência? Nelson: No começo foi um pouco difícil pra mim, estreando como avô. [Mas] foi uma onda muito boa, porque era uma outra forma de relacionamento. José Augusto: Atrevo-me a fazer uma pergunta: quantas esposas? Nelson: [pensa por um tempo] Defina esposa [risos]. José Augusto: Mais de um ano morando sob o mesmo teto.

Nelson: A princípio, Mônica (Silveira), que é minha grande amiga até hoje, querida, e uma avó espetacular. Eu fiquei pouco tempo casado com a Mônica, uns dois anos e pouco, mãe da Joana. Com a Mônica, eu casei na igreja. José Augusto: O estereótipo do casamento foi cumprido com a Mônica? Nelson: Totalmente. E depois, com a Marília Pêra, nunca casei no papel. Então, há controvérsias, como a gente separou umas 200 vezes, definitivas foram umas 200, que eu saía de casa e não sei o quê... José Augusto: É verdade que uma vez, num flashback, veio a Nina? Nelson: Exatamente. Num flashback ali, depois ela ficou grávida... vamos em frente. E foi a melhor decisão da minha vida, minha filha linda, caçula, muito especial, que é atriz, que é superligada comigo. Eu adoro. A Nina é minha alegria. Então, com a Marília, eu tive a Esperança e a Nina. [Também] fui casado com a Constanza Pascolato, na igreja do Harlem, em Nova York. Com a Constanza, eu fiquei uns três, quatro anos. José Augusto: Vamos dizer que mais umas seis esposas? Nelson: Depois teve a Adriana Pena, quando voltei ao Brasil, que é minha amicíssima também. A Adriana era bem mais jovem que eu. Eu ia fazer uns 60 e ela, 30. A grande maioria [das esposas] era mais velha que eu. José Augusto: Eu me atrevo a perguntar: foi muito difícil isso de o pai segurar a onda de duas filhas que perderam a mãe? Nelson: Muito duro, porque elas sofreram bastante. José Augusto: Porque a Marília tinha aquele perfil de uma mulher que você acha que não vai morrer nunca... Nelson: Exatamente, uma mulher tão forte, e ao mesmo tempo de uma fragilidade... A Marília, ela se deixou morrer ali, não entendo direito as coisas, não queria tomar os remédios, questionou o diagnóstico... Foi um pesadelo. E eu não vi a Marília. Nas vésperas de morrer, ela estava trabalhando, foi o jeito que ela encontrou de lidar com isso. Eu queria vê-la, mas ela não queria. “Não quero que seu pai venha aqui, eu tô muito feia.” É uma coisa inesquecível. Porque no dia do meu aniversário, ela sempre foi uma das primeiras a ligar. Daí ela ligou de manhã: “Feliz aniversário, aquela coisa e não sei o quê”, perguntei: E você, como é que está? “Eu estou ótima, o médico me deu três meses de vida.” Falou na minha cara, na lata. Não sabia o que falar. Eu falei milagres acontecem né, Marília. Uma 25 ZELO

idiotice. E ela não durou nem três meses. O médico foi grosseiro e brutal, falou na lata para ela, ela ficou puta. Não ficou puta com o médico, mas com o diagnóstico. Foi um sofrimento só. José Augusto: Dessas experiências com amor, eu me atrevo a perguntar para você: o que é mais forte: ser pai, filho ou avô? Nelson: Depende bastante, porque depende de quem você é filho. No meu caso, foi o privilégio dos privilégios, não me canso de agradecer a Deus por ter tido o pai e a mãe que eu tive, e ainda de ele ter durado 92 anos e ela, 93. O que mais eu posso querer? Pude desfrutar deles. Quando eles morreram, eu tinha 70 anos. Já tinha netos de 18. E eles viram tudo isso, participaram. Como eram eles, eles que agregavam a família, aqueles almoços de sábado. Eles ficaram casados 70 anos. Avô, eu amo [ser]. José Augusto: Convivi com dois artistas que sempre me falavam uma coisa engraçada. Gugu Liberato me dizia: “Não, José, todo mundo tem um grupo musical pra me apresentar”; e o Clodovil: “Todo mundo tem uma irmã precisando de um vestido meu.” Eu pergunto: todo mundo tem uma cantora para te apresentar? Nelson: Todo mundo tem, meu Deus do céu, isso é um karma, né? Qualquer lugar que eu vou... José Augusto: Hoje em dia não é mais CD, então entrega pen drive... Nelson: Nem mais pen drive, já põe no meu WhatsApp direto: “Escuta aí.” Pior é quando chegam produtos físicos lá em casa, discos, DVDs, tudo continua. Vai chegando, vai saindo, nem para. José Augusto: Bom, Nelsinho, para encerrar, eu queria saber o seguinte: você acha que ainda há espaço para um grande poeta lançar grandes letras na música popular brasileira? Nelson: Com certeza. Acho até mais fácil, menos difícil, um grande poeta do que um grande músico. A música já está mais desgastada, no caso, as palavras são inesgotáveis, as combinações de palavras... e tem letristas novos muito bons também, rappers incríveis, coisas muito boas. Emicida é sensacional, esse cara é um letrista padrão A. O Marcelo D2 é um letrista padrão A, gênio. José Augusto: Nelsinho, muito obrigado, de coração, por esta entrevista e deixa para nós a última consideração: nessas pilhas de músicas que recebe, você ainda tem esperança de receber uma joia rara? Nelson: Ah, volta e meia aparece uma, porque tem muito compositor de várias gerações que, de repente, acerta uma hora lá e vende.


perfil FOTOS: REPRODUÇÃO

ATRAÇÃO PELA FRAGRÂNCIA, OBRA EM 210 X 90

A arte de Tai Hsuan-An

em solo goiano

Com residência fixa em Goiânia há mais de 40 anos, o artista chinês Tai Hsuan acumula obras que aliam a cultura do país de origem a traços de brasilidade

26 ZELO


FOTO: VÂNIA BUENO

TAI HSUAN-AN, ARTISTA PLÁSTICO, PROFESSOR DE DESIGN

Julie Tsukada

D

écada de 1950, China. Em um pequeno povoado no sul do país, um menino se aventurava por troncos, galhos e cipós. O objetivo era encontrar um riacho, com a água agitada – um detalhe importante, que não passava despercebido pelo garoto. Ele agachava, se apoiava com as mãos na terra e colocava o barco de papel que havia feito. O rio levava, em sua corrente rápida, e o menino corria, ria, as pernas finas desviando de um obstáculo ou outro. A cena, mesmo anos depois, não desaparecia da memória de Tai Hsuan-An – nem mesmo do outro lado do mundo. Viraria pintura em seu ateliê em Goiânia, cidade que escolheu para ser seu novo lar há mais de 40 anos. Professor de Design na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) e de mandarim no Espaço Cultural Milagre

dos Peixes, seu trabalho produzido na capital goiana durante as últimas décadas rendeu a exposição Diáspora, Convergência e Conexões, que esteve exposta no início deste ano no Museu de Arte Contemporânea de Goiás (MAC) do Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON). A mostra, sob curadoria e produção de PX Silveira, reuniu 180 obras, entre esculturas, pinturas, desenhos e outros trabalhos produzidos por Tai desde 1977. O INÍCIO A arte não é novidade de Tai – sempre esteve com ele, desde criança. “Meu pai era fotógrafo e minha mãe era professora, adorava arte e música. Nesse ambiente que eu cresci”, explica. Desde os 3 anos, ele já desenhava e pintava. Era o início da carreira como artista. Tai entra para o grupo de pintores da 27 ZELO

escola primária em 1961 e começa a participar dos concursos anuais de pintura. Em 1961, ganha a medalha de ouro em uma competição regional, com a pintura “As maçãs”. No ano de 1962, se forma no ensino básico e recebe do professor de arte He Zhang a mensagem que lhe seguiria para toda a vida: “A maior felicidade é o resultado obtido pelo seu próprio esforço contínuo. Espero que se esforce, com a sua inteligência, para se tornar um grande pintor do século XXI e, com seus pincéis, traçar uma esplêndida vida.” Tai levou as palavras de He Zhang para além da China. A bordo do navio holandês Tjitjalenica, ele, aos 15 anos, a mãe e os irmãos desembarcam no Brasil em agosto de 1965, no porto de Santos (SP). Aqui, se reúnem ao pai e começam a trabalhar em fazendas no Rio Ribeira de Iguape, em São Paulo, e em Rolândia, no Paraná.


sol maravilhoso, esse povo completamente diferente, e a minha pintura está totalmente fora do contexto’. Senti um impacto. Eu queria mudar”, recorda. Decidido, Tai começa a ter mais contato com a natureza e a população local. Com artistas goianos, ele sai e vai para a periferia de Goiânia. Lá, descobre um novo mundo. As roupas nos varais, os gatos dormindo nas soleiras das portas, as galinhas e as bananeiras no fundo das casas, tudo fascina e vira arte, em tinta acrílica sobre tela. As novas pinturas fazem parte da fase Fundos de Quintal, que reúne as novas experimentações de Tai a partir deste encontro com um novo lado da Capital. Mesmo com as mudanças no estilo, o uso de novos materiais e a abundância de cores, a pintura de Tai não perde a essência da cultura chinesa. “Na minha pintura, você vê algo que tem essa estética chinesa. Isso está presente no modo de traçar um galho, de pintar uma folha”, explica o artista. “A pintura tradicional chinesa é feita com pincéis utilizados para fazer caligrafia. Então, o traço, cada linha, tem a ver com a escrita. Não é simplesmente traçar uma linha e fazer um traço, mas tem todo o uso da energia, que os chineses chamam de ‘chi’ ou ‘qi’, que nasce do interior e tem

VIDA DE LUTAS, OBRA EM 170 X 170

ÀS CORES DAS LUZES E SOMBRAS, TELA EM 390 X 130

A arte e a cultura chinesas continuavam presentes em sua vida. Nas horas livres, Tai produzia pequenas obras e começava a se interessar pela pintura tradicional chinesa. Em 1968, depois de a família viver um tempo em Londrina, no Paraná, ele e a irmã se mudam para São Paulo, onde começam a trabalhar em uma floricultura. Nessa época, volta a pintar mais e começa a vender seus trabalhos na Feira Hippie da Praça da República. Lá, fica conhecido como o pintor de cavalos, devido à maior parte de suas pinturas na época serem dos equinos. A guinada na carreira vem quando Tai se torna aluno de Sun Jiaqin, então um dos discípulos do grande mestre Zhang Daqian, considerado o maior artista moderno chinês. Ele viveu no Brasil, em Mogi das Cruzes, de 1953 a 1972. “Ele era tão renomado que era conhecido como o Picasso do Oriente”, lembra Tai. Com ele, o adolescente Tai começa a aprender e a ter mais contato com a arte de seu país natal. Depois, entra na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), onde conhece novas técnicas e linguagens de pintura. Além das técnicas chinesas, agora se familiariza

mais com a arte e a cultura ocidentais. GOIÂNIA Graduado, Tai chega a Goiânia em 1977, depois de receber um convite para substituir Frei Nazareno Confaloni, artista italiano radicado em Goiás, como professor nas aulas de desenho e pintura no curso de Arquitetura e Urbanismo na atual PUC Goiás. Desde então, Tai faz parte do corpo docente da universidade. Nos últimos 15 anos, somente leciona para o curso de Design. É também em 1977 que Tai realiza sua primeira exposição individual. O trabalho presente na mostra, realizada no antigo Hotel Bandeirantes, era apenas de pinturas tradicionais chinesas, a guohua. Com pincel chinês, tinta nanquim e traços precisos, suas obras conquistaram a sociedade goiana. “Foi o maior sucesso. A repercussão foi enorme, porque ninguém conhecia pintura chinesa, chamou muita atenção. Vendi praticamente toda a exposição”, comenta. Mesmo com tamanho êxito na primeira exposição individual que havia feito na vida, Tai não estava feliz. “Cheguei em casa e pensei: ‘Nossa, tem algo errado. Eu estou em Goiânia, no Centro-Oeste, com esse 28 ZELO


todo um sentimento envolvido. É muito característico do Oriente”, completa. O pensamento confucionista, taoísta e budista, que constituem a cultura chinesa, também continua sempre presente na obra de Tai. A natureza, a temática mais presente nas obras de Tai, é um reflexo dessas filosofias. “O pensamento taoísta fala da integração da humanidade com o meio ambiente. É por isso que os chineses dão importância à natureza”, afirma. Depois do Fundos de Quintal, Tai decide se aventurar agora pelos biomas brasileiros. O primeiro é o Cerrado, depois, o Pantanal, e assim o artista passa a conhecer não só a fauna e flora brasileiras, mas também outras regiões do País. Esta segunda fase de sua carreira é denominada Natureza Silvestre. Na terceira fase, Tai se propõe a pensar: o que seria a natureza ideal? Aqui, ele deixa a imaginação aflorar e não se prende ao real para criar as paisagens figurativas de Natureza Imaginária. No mesmo rumo, ele resgata e se inspira em suas memórias, na China e no Brasil, e parte para a mais recente fase, Sonhos e Fantasias. Nela, ele mistura técnicas orientais e ocidentais e cria obras fantásticas – os bambuzais retratados têm várias cores, as folhas das plantas podem ser roxas… “Nada disso existe, mas eu tenho vontade de expressar a emoção desse modo”, opina.

PAPAGAIO PEITO-ROXO, EM 50 X 70

OUTROS TRABALHOS A natureza e seus mais mínimos detalhes também ganham forma nas esculturas de Tai. A atuação como designer e os conhecimentos de arquitetura somam ao trabalho dele como escultor em obras inventivas, feitas em papelão, que não têm o propósito de ser realistas. Dentre as várias, o destaque fica para as inspiradas no Cerrado e na infância, em trabalhos com um tom mais lúdico. Crítica social também aparece nas obras de Tai. A coleção de pinturas Relações, exposta e vencedora do primeiro lugar na Bienal Nacional de Arte Contemporânea em Goiânia, em 1993, traz a estética da pintura tradicional chinesa com uma outra expressão. Nelas, Tai retrata ratos como seres humanos. Os diferentes tons de preto dos roedores simbolizam as diferentes raças, que, na tela, revelam o racismo presente na população brasileira. Em outra obra, eles seguem, desenfreados, um outro rato, que assume a liderança. “Na nossa sociedade, isso é muito comum. Existe um líder e as pessoas seguem, vão atrás, sem nem saber o que é”, comenta. 29 ZELO


esporte FOTOS: LUÍS CÂNDIDO

Jovens

Estrelas do Tênis Entre os 15 melhores do Brasil, adolescentes goianos aliam estudos e a paixão pelas quadras

ISABELLA DAHER

30 ZELO


Victor Lisita

A

sorte está do lado de quem pratica tênis atualmente. Antes das raquetes existirem, o esporte era jogado apenas com a palma da mão. Já imaginou o quanto os atletas se machucariam? Ainda que jogos similares, realizados apenas com uma bola e o membro, sejam datados do Egito Antigo à Europa do século V, o tênis, aos moldes do que conhecemos hoje, surgiu somente no século XII, quando monges praticavam atividade semelhante na Itália e França. Foi na Inglaterra, em 1877, que o esporte teve o primeiro torneio realizado, agora com regras definidas e entidades nacionais organizadas. Com troféus por sete anos, o britânico W. Ravenshaw foi o primeiro jogador a conquistar um circuito, sendo o responsável por incorporar uma técnica muito comum atualmente: o voleio. Tendo ganhado popularidade no Brasil no meio do século XX, o tênis cresce a cada dia pelo País e está com uma geração muito boa de crianças, segundo o treinador João Neto Soares. “Tem tudo para crescer. Goiânia possui muitos pequenos jogando e a tendência é que todos continuem melhorando e trabalhando firme em 2019.” Pai da tenista Mariana Soares, João é sincero quando o assunto é a ligação da filha com o esporte. Aos 12 anos, a jovem já é dona da 2ª colocação na categoria 12

Anos Simples no ranking da Confederação Brasileira de Tênis (CBT). “É um pouco complicado conciliar os estudos com o treino. Viajamos muito e isso faz com que ela falte aulas. Ao retornar, a gente diminui o treino para recuperar na escola”, explica. A expectativa dos dois é que Mariana seja convocada este ano para o Sul-Americano, realizado na Colômbia. Fã do tenista suíço Roger Federer, a jovem Maria Flor Palazzo também passa por contratempos para conciliar a carga horária de treino com outros afazeres. Com a mesma idade de Mariana e dona da 9ª posição também na categoria 12 Anos Simples, todo seu caminho no esporte já lhe ensinou muito sobre disciplina, alimentação e resiliência. O pai, o cirurgião-dentista Cassiano Medeiros, não mede elogios quando comenta sobre a trajetória da filha. “Desde mais nova, ela já despontava em esportes no geral. No nível que ela joga hoje, acho que seria aceita em um dos maiores centros de tênis do mundo, caso escolha fazer faculdade fora.” PRIMEIROS PASSOS Vendo os pais jogarem desde quando tinha 3 anos, Filipe Saback aprendeu cedo a gostar e admirar o esporte. Após frequentar a escolinha por dois anos, decidiram trocar a atividade para que ele tivesse

MARIANA SOARES

31 ZELO

outras experiências. Não deu outra: dois meses depois, Filipe já pedia para voltar ao tênis. “Tinha que brigar com ele para sair da quadra”, brinca a mãe, a arquiteta Gabriella Saback. “Gostava de tudo e assistia sempre na TV. Às vezes, eu ia dormir e, ao invés de colocar musiquinha de criança, deixava uma partida passando”, conta o jovem de 13 anos. O caso de Mariana também é semelhante com o de Filipe. Aos 5 anos, ao acompanhar as aulas do pai, eles sempre brincavam cerca de 30 minutos por dia ao final do expediente. Ainda que no começo a atleta não gostasse muito, com o passar do tempo “ela tomou gosto pelo esporte. Aos 7, já competia em nível nacional, com as meninas da mesma idade. Eram partidas em quadra dividida e bola laranja, que é o terceiro tipo de bola quando se é criança”, explicou João. Acompanhando a filha em Assunção, no Paraguai, para o Pascuas Bowl, a odontopediatra Anelise Daher também falou à Revista Zelo sobre os primeiros passos dos jovens no esporte. Com treinos desde os 9 anos, Isabella Daher se interessou pelo tênis após assistir à participação da mãe em um torneio. Atualmente, é a 12ª na categoria 14 Anos Simples no ranking da CBT. “Acho que o início da grande maioria das crianças vem por vivência familiar. Minha


FOTO: LUIZ CÂNDIDO

filha começou me assistindo e, desde os 11 anos, ela tem uma rotina de atleta de competição”, conta a mãe orgulhosa. EVOLUÇÃO São vários estágios que as crianças costumam passar para evoluir no tênis. Com 5 anos, por exemplo, elas começam com uma bola de espuma, sem peso – para não machucar –, e raquete de plástico. Em seguida vêm as bolas vermelha, laranja, verde, amarela com pingo verde e, finalmente, a bola dura, com a qual só se é permitido treinar a partir dos 11 anos. Promovidos pela CBT, todas as fases possuem campeonatos para os atletas acumularem pontos em suas respectivas categorias. Além de apenas estar em quadra, como explica Anelise, a evolução no tênis requer uma boa base de formação. “É um processo lento e todo treinamento é a longo prazo. Envolve técnica, tática e a parte física, que é muito importante para competições.” Mesmo que um atleta treine todos esses aspectos, concentração e paciência são dois pontos cruciais para fazer uma boa partida. João afirma que o trabalho feito em cima disso pode até transformar a personalidade. “Mariana era muito tímida no começo, tinha até medo de jogar. Com a prática, ela se tornou estrategista nos jogos. Se a situação não estiver boa, ela fica centrada e busca uma saída.” Com um caminho similar ao dos outros jovens, Maria Flor reconheceu no pai e no irmão o gosto pelo esporte. Hoje, ela treina de segunda a sexta-feira, cerca de uma hora e meia por dia, sendo quatro vezes na escolinha e uma vez na quadra do condomínio onde mora. “Para a formação dela, acho que o tênis é espetacular! Prepara muito para a vida e ajuda no aprendizado de uma série de características, como a ideia de que é preciso se esforçar muito para alcançar os objetivos”, explica Cassiano. Sem rodeios, o pai afirma que o estudo do adversário em quadra também traz percepções sobre o caráter das pessoas, assim como molda o próprio. Dedicação é a palavra-chave para o sucesso no tênis. O próprio Filipe, que ocupa a 12ª colocação na categoria 14 Anos Simples, afirma que ter maturidade e saber ouvir o treinador são diferenciais, tanto para um bom jogo quanto para a vida. “Se perco um ponto, respiro e vou para o próximo. É preciso fazer uma coisa de cada vez.” Fã de Novak Djokovic, atual número um do ranking mundial masculino na categoria simples, o jovem participa com frequência de campeonatos, tendo uma carga horária

FILIPE SABACK

32 ZELO


MARIA FLOR PALAZZO

de duas horas diárias de treino na semana. No geral, o que costuma dificultar uma grande ascensão no esporte é ter que viajar com frequência. “Para estar sempre em alto nível, é necessário participar de torneios grandes, campeonatos em outras cidades, e muitas vezes os jovens não têm condições. Essa movimentação permite conhecer novos estilos de jogar”, revela João. A própria Mariana está muito empolgada com o próximo ano, quando ela começará a participar de torneios fora do Brasil. ADIANTE Um passo de cada vez é quase uma norma para as crianças do tênis. Sabendo que, com o passar dos anos, a rotina torna-se cada vez mais pesada, sendo necessário dedicação integral ao esporte, os pais dos jovens atletas fazem questão de manter as portas abertas para os filhos através dos estudos. Gabriella anseia que Filipe consiga uma bolsa de estudos no exterior, assim ele poderá estudar em alguma

universidade enquanto joga tênis. “É complicado. Boa parte dos meninos acima dele no ranking já largaram a escola. Ainda que ele não saiba qual curso fazer, não queremos fechar portas”, planeja a mãe. Ainda que não tenha chegado à final em Assunção, Isabella não perde tempo e, assim que voltou ao Brasil, se tornou campeã de simples e dupla, categoria 14 anos, durante o Torneio Nacional da CBT G1, em Brasília. “Ainda que criemos objetivos para cada ano, não dá para falar se o tênis vai fazer parte da vida adulta dela. Nós apoiamos enquanto ela gosta e concilia a vida estudantil com o esporte. É uma criança que treina e estuda todos os dias”, se orgulha Anelise. Dentre as modalidades de torneios, o G1 pontua 130 pontos ao vencedor. Os outros, G3, G2, GA e GA+, marcam 60, 80, 250 e 350 pontos, respectivamente. Com uma rotina de treino de três horas diárias e partidas aos fins de semana, Mariana diz que quer o esporte para o futuro. Fã da tenista Serena Williams, a jovem 33 ZELO

participou de mais de cinco torneios só no primeiro semestre de 2019, além de já se preparar para mais três, incluindo a Copa Guga, em outubro. Ainda assim, João acredita que é necessário “saber dosar”. “Competições podem ser estressantes. Quando não há torneios no sábado ou domingo, ela fica em casa para descansar ou brincar com os amiguinhos.” “É dar tempo ao tempo”, acredita Cassiano. Sem pressões a respeito das decisões de Maria, ele continua dando apoio para o caminho que ela escolher. “Wakeboard e futebol estão na lista dos esportes que ela já praticou. E se destacou nos dois! Talvez seja um sonho jogar como profissional. Mesmo no segundo ano da categoria, ela já acumula vitórias em circuitos.” Apesar da incerteza quanto ao futuro, ver a filha em um ambiente repleto de crianças dedicadas e com convívio saudável já tira um sorriso no rosto do cirurgião-dentista. “Esses detalhes já fariam com que eu repetisse todo o sacrifício para vê-la treinar.”


P

L A M I AN T N RI

MODELO: QUÉREN RIBEIRO (MEGA MODELS) FOTOS: RAFAEL MANSON PRODUÇÃO DE MODA: SOMMOS IMAGEM E ESTILO BELEZA: JESUS LOPES

VESTIDO SKAZI, SAPATOS OLIVE SHOES E JOIAS PAULO TEIXEIRA

34 ZELO


VESTIDO SKAZI, SAPATOS OLIVE SHOES, JOIAS PAULO TEIXEIRA E CINTO WANESSA LOPEZ CLOSET

35 ZELO


VESTIDO SKAZI, SAPATOS OLIVE SHOES E JOIAS PAULO TEIXEIRA

36 ZELO


MACACÃO SKAZI E JOIAS PAULO TEIXEIRA

37 ZELO


VESTIDO EM TRICOT SKAZI, SAPATOS OLIVE SHOES E JOIAS PAULO TEIXEIRA

38 ZELO


VESTIDO (BY ENCANTARE) E CASACO SKAZI, SAPATOS OLIVE SHOES, JOIAS PAULO TEIXEIRA E MEIA BY WANESSA LOPEZ CLOSET

39 ZELO


CARROS

ASTERO FONTENELLE astero@revistazelo.com.br FOTOS: DIVULGAÇÃO

Lamborghini Huracán Evo Revelado no Salão de Detroit, o novo Lamborghini Huracán EVO 2019 chega com novo design e melhoria na aerodinâmica. A potência do motor V10 do superesportivo subiu para 640 cv, 30 a mais do que na versão anterior. O Evo acelera de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos, com isso alcança velocidade máxima de 325 km/h.

Bolt – Carro elétrico da GM A General Motors confirmou: outubro é o mês previsto para o início das vendas do Bolt EV, o primeiro carro elétrico da marca no País. O modelo 100% elétrico da Chevrolet chega por R$ 175 mil e será ofertado no Brasil na versão Premier. O Bolt EV ainda oferece 203 cv de potência com um alto torque de 36,7 kgfm. A recarga das baterias é feita em tomadas e há opções que combinam com diferentes necessidades de deslocamento do usuário.

Tecnologia contra perigos A Mitsubishi Electric Corporation e a HERE Technologies anunciam que testaram um novo sistema que permite que veículos avisem automaticamente, e com grande precisão, sobre os perigos e riscos das estradas. Chamada de Lane Hazard Warning, a tecnologia foi testada na Califórnia, Estados Unidos e Tsukuba, no Japão. Com o sucesso nas avaliações, as empresas agora pretendem disponibilizar a tecnologia para os fabricantes de automóveis testarem em seus veículos.

Novidade Jaguar

Novo 2019 Ram 1500

O Jaguar I-PACE, totalmente elétrico, ganhou o prêmio de Melhor Motor Elétrico e Melhor Motor no Prêmio International Engine + Powertrain of the Year. O veículo tem 440 cv e dois motores elétricos compactos e eficientes que geram uma potência combinada de 470 km com uma carga da bateria. A velocidade é limitada a 250km/h. Valor a partir de R$ 437 mil.

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) anunciou que o novo Ram 2019 chegará ao Brasil no segundo semestre. Mais leve, mais comprida e mais larga, a picape terá motor V6 Turbodiesel de 264 cv no País. Além do novo pacote 4x4, off-road inclui suspensão com elevação de uma polegada e eixo traseiro de travamento eletrônico. 40 ZELO


Casa Cor 2019 STUDIO BOSSA - NANDO NUNES

COZINHA CORAL - REGINA AMARAL

(62) 3945-4455 Av. D, nº 150, Setor Oeste - Goiânia - GO @projetoluz /projetoluziluminacao

SALA DE JANTAR - MAYARA OLIVEIRA

41 ZELO


arquitetura FOTO: CRISTIANO BORGES

O DNA Casas

Em visita a Goiânia, Arthur Casas apresenta detalhes do empreendimento com sua assinatura na Capital e fala sobre seu trabalho, que preza pela contemporaneidade

ARTHUR CASAS

Julie Tsukada

Arquitetura é um serviço para as pessoas – para quem vai morar no local e para a cidade”, afirma o arquiteto Arthur Casas logo nos primeiros minutos da apresentação do novo empreendimento que leva a assinatura de seu estúdio. A máxima foi o pilar de mais de 30 anos de carreira, em projetos no Brasil e no mundo, do paulistano que é referência absoluta quando se fala em arquitetura contemporânea. Para ele, nada de modismos, excessos e tendências passageiras, que em poucos anos se tornam obsoletas. Nos projetos de Arthur Casas, tons neutros, linhas retas e sofisticadas e o design cuidadoso, que zela pelos mínimos detalhes, são primordiais. De passagem por Goiânia, o arquiteto desembarcou e logo foi para o Infinity Hall, local que sediou a apresentação do Epic City Home, empreendimento da City Soluções Urbanas em parceria com a OM

Incorporadora e que leva a assinatura do Studio Arthur Casas. O edifício, primeiro projeto do arquiteto em Goiás, ocupará uma das áreas mais cobiçadas da capital goiana: a esquina da Avenida T-5 com a T-61, no Setor Bueno, único local disponível para construção em frente ao Parque Vaca Brava. Tamanha exclusividade reflete no projeto luxuoso do empreendimento, com as maiores metragens da cidade, green building e espaço de lazer único na região. O Epic City Home tem o DNA Casas, ou seja, um estilo mais conceitual do que comercial. É um trabalho mais elaborado e, por isso, mais caro, ao qual nem todas as incorporadoras têm interesse. No entanto, o arquiteto nota que essa mentalidade tem mudado. “Os incorporadores atuais são uma nova geração. Eles estão entendendo que você pode colocar preço, mas que não é para ganhar mais no produto, é para você poder pagar aquilo que vai custar, que é 42 ZELO

melhor. O consumidor também vai perceber esse produto como algo melhor.” O INDIVÍDUO COMO CENTRO Para o empreendimento em Goiânia, Arthur trouxe a fachada cheia de plantas, que dialogam com o Parque Vaca Brava, logo em frente. “Com todo aquele volume verde, o Epic vai ter uma relação mais suave com a cidade”, explica. A ideia de um espaço prazeroso, que privilegia a experiência humana, prioridade dos projetos de Arthur, reflete a forma como as pessoas enxergam o lar. “O consumidor jovem passa até 14 horas dentro de casa. O mais velho, 20 horas. É muito tempo. Então, se você pensar direito, vê que a qualidade do espaço é muito importante. Eu sou o tipo de pessoa que prefere habitar em um local com 50 metros quadrados com muita qualidade do que habitar em 120 com uma qualidade mais ou menos.”


Casa Cor Goiás 2019

Profissionais investem na criação de ambientes que convidam ao aconchego do lar

Revestimentos

FOTO: JOMAR BRAGANÇA

Acabamentos em madeira e pedras naturais ganham espaço em projetos com apelo à sustentabilidade

Milão

Feira do Móvel na cidade italiana traz uma explosão de cores, para deleite do arquiteto Leo Romano 43 ZELO


FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

acolhimento

Portos Seguros CASA DA GIRAFA, DO ARQUITETO LEO ROMANO

Ambientes da Casa Cor Goiás 2019 incentivam a sustentabilidade e estimulam a sensação de lar através dos detalhes

R

Victor Lisita

espiro, descanso e conforto. Quantas vezes buscamos tudo isso no dia a dia? Somos pessoas diferentes tentando encontrar equilíbrio entre as atividades, contratempos e surpresas. Ao mesmo tempo que ações exteriores nos afetam, nossas atitudes refletem nos outros. E dependendo do que vier, existe um instinto que sempre separa um porto seguro. Um lugar, uma pessoa ou um trabalho. E em casa, ainda que não passemos a maior parte do tempo por lá, é natural nos sentirmos mais livres. Passar a sensação de conforto e acolhimento é um dos pilares da arquitetura, do design e do paisagismo. E a partir dessa base, a maior mostra do segmento das Américas, a Casa Cor Goiás 2019, escolheu uma forma de atingir seu público: transformando ambientes no universo particular de cada indivíduo. O tema Planeta Casa surge para expandir a ideia. É em casa onde podemos 44 ZELO

expressar, de forma genuína, afetividade e conexão com outras pessoas e a sociedade. A mostra ocupou espaço em frente ao Parque Vaca Brava, no terreno de quase 3 mil metros quadrados que irá abrigar o edifício Epic City Home, assinado pelo renomado arquiteto Arthur Casas. Nela, os 40 ambientes, projetados por 61 renomados profissionais, trabalharam a individualidade, a partir das tendências deste universo oscilante. Todos apostaram em mudanças de atitude. Ainda que seja dada atenção para a importância de um avanço ecológico, faltam etapas. São as pequenas atitudes e iniciativas que são capazes de empregar sustentabilidade ao nosso planeta. Atenta a isso, a Casa Cor Goiás apostou na tecnologia como parte fundamental desse processo. Presente em oito dos espaços, a Cinex Arch chegou a Goiânia em 2018 e demonstra seu diferencial pelos produtos exclusivos,


LOFT PET FRIENDLY, DE LARISSA LEITE

COMIDA, DIVERSÃO E ARTE, DE GENÉSIO MARANHÃO

REFÚGIO URBANO, DE EDMARA CAVALCANTE

CLUBE DO ÓCIO, DE PATRÍCIA NETO

desde esquadrias, portas, mesas, painéis e estantes. Tudo trabalhado com as tecnologias e design desenvolvido em laboratórios na Itália e no Brasil. Na Casa da Girafa, do arquiteto, designer de interiores e artista plástico Leo Romano, a franquia imprimiu autonomia e funcionalidade ao toque lúdico proposto: uma atmosfera onírica que convida a um novo olhar sobre a vida. No Clube do Ócio, Patrícia Neto ofereceu tranquilidade e bons momentos com amigos em um espaço versátil. Dedicado à música, um minipalco centralizado convidava a todos para um pocket show. A poltrona Mole, ícone de Sérgio Rodrigues, seduzia para o relaxamento com leitura. Os módulos da marcenaria, a iluminação em LED e o painel em aço corten, do artista plástico Davi Sabino, reforçaram a sustentabilidade. A iluminação natural e o jardim vertical do Refúgio Urbano, da arquiteta Edmara Cavalcante, complementaram a ideia de descan-

so físico e mental. Para pessoas que respeitam o “tempo das coisas”, o ambiente íntimo buscou mais leveza e menos excesso, em meio a uma aproximação com a natureza e a própria essência. A cantora Simone, da dupla Simone & Simaria, foi a homenageada do espaço assinado pelo arquiteto e designer Alexandre Milhomem, o Studio AM. Inspirado pela coleção Natureza Foliage, da Donatelli Tecidos, o espaço misturou estilo clássico e contemporâneo, apostando nas peças de mobiliário e no resgate do tecido como revestimento nas paredes. Moldes eternizados que também apareceram no projeto Sob o Olhar Grego, de Carine Rocha. A cultura e arquitetura da Grécia detalharam o espaço, com arcos, grandes janelas para a entrada de luz, pedras naturais e madeira. Materiais de reflorestamento e luzes de LED compuseram a sustentabilidade da Clínica Anis, ambiente futurista do arquiteto Rodrigo Ferreira, inspirado nas novidades 45 ZELO

tecnológicas e feito para instigar sobre o belo na atualidade. Ao mesmo tempo, o Loft Pet Friendly, da designer de interiores Larissa Leite, trabalhou elementos vintage e móveis que se transformam em espaços de descanso e higiene para o pet, como o criado-mudo que também é uma casinha. Comida, Diversão e Arte em 91 metros quadrados. Uma forma de desfrutar os bons momentos. Assim pensou o designer de interiores Genésio Maranhão para sua vigésima edição na mostra. O mobiliário, referência aos anos 1950 e 1960, agregado a degustações gastronômicas, tornou o espaço ideal para reunião de familiares e amigos. Da tranquilidade à seriedade. A transição para o ambiente Go Big Or Go Home poderia ser assim se não fossem as arquitetas Alessandra Nahas e Vanessa Graner. A natureza foi integrada a um escritório humanizado. Combinação certeira para estimular a sensação de lar.


FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

proposta sensorial

AO LADO, PAPEL DE PAREDE COM ESTAMPA TROPICAL E VASOS SUSPENSOS. ABAIXO, DESTAQUE PARA A HARMONIZAÇÃO DE ELEMENTOS EM PRETO COM O CORAL

Coração que pulsa Veterana na mostra, designer de interiores Regina Amaral leva conceito de cozinha com vida para a Casa Cor Goiás 2019

uito mais do que uma cozinha, um verdadeiro coração que pulsa. Essa é a ideia que foi transmitida pelo ambiente assinado pela designer de interiores Regina Amaral na Casa Cor Goiás 2019. Na sua décima sétima participação na mostra, a veterana levou uma proposta sensorial e muito artística, com um ambiente vivo. Os 53 metros quadrados da Cozinha Coral foram tomados por energia e intensidade com toques sensíveis e saudosistas. “O tom de coral foi escolhido para remeter às chamas do fogão a lenha das cozinhas mais antigas e transmitir a ideia de que a cozinha funciona como o coração que pulsa vivacidade para os demais ambientes de uma casa”, conjectura. Todo o layout foi pensado para ser agradável e receptivo. Para isso, a designer

optou por uma grande mesa com cadeiras confortáveis. Vasos coloridos feitos de corda, com o uso de tachos de cobre, todos suspensos nos detalhes em metal instalados no teto, roubaram a atenção. “A ideia surgiu a partir da panela de ferro, também remetendo às cozinhas antigas”, explica. Ao fundo, um papel de parede de estampa tropical, com muitas folhas e pássaros, dialogava com a atmosfera calorosa do espaço. O preto entrou com certa sobriedade, harmonizando com o coral. O piso recebeu um revestimento avermelhado e a coluna da bancada foi inteiramente revestida com azulejos. “Quando olhamos o conjunto, é uma explosão de cores vivas e vibrantes”, cita. “Ela (a cozinha) estimula todos os nossos sentidos, com seus cheiros, sabores, sensações e visual.” 46 ZELO

FOTO: TOBIAS RAGONESI

M

Lucas Pereira

REGINA AMARAL WWW.REGINAAMARAL.COM.BR REGINAAMARAL.DESIGN@GMAIL.COM (62) 3609 6962/ 9 9977 2037 / 9 9828 2333


conforto FOTOS: ELTON ROCHA

MIX DE TEXTURAS COMPÔS AMBIENTE DE 50 METROS QUADRADOS

OFF WHITE PRESENTE NO MOBILIÁRIO E REVESTIMENTOS

REQUINTE GREGO Projeto de Carine Rocha alia sofisticação e tranquilidade em uma atmosfera intimista Marcela Figueiredo

A

ssim como na arquitetura grega, o ambiente de Carine Rocha foi banhado de simetria e harmonia. Em sua sexta participação na Casa Cor Goiás, a arquiteta e urbanista apostou em um espaço minimalista e confortável ao mesmo tempo. A inspiração partiu de uma viagem que a profissional fez à Grécia para renovar seus votos de matrimônio. Sob O Olhar Grego foi um ambiente de cores claras e com um mix de texturas. O espaço de 50 metros quadrados era um open house com living e sala de jantar que, de mãos dadas com a sofisticação, transmitiu tranquilidade com um clima intimista. Quem entrou no ambiente foi recebido por grandes janelas que permitiam a entrada de luz natural que conectava o lugar à natureza das floreiras presente no muro de pedras externo. 47 ZELO

Trazendo o clima sereno da Grécia para o seu projeto, a profissional optou pelos arcos característicos da arquitetura do país. Além disso, o off white marcou presença no mobiliário e revestimentos, dando identidade ao local. O mar grego também foi refletido na escolha dos muranos, na fotografia e telas fixadas nas paredes. Já no mobiliário, Carine optou pela madeira, que conferiu aconchego e requinte. Entre as escolhas da arquiteta, destacaram-se a cadeira Bossa, de Jader Almeida; o aparador Copacabana, de Arthur Casas, e a escultura de Demétrius Coelho.

CARINE ROCHA CARINEROCHAARQUITETA@GMAIL.COM (62) 3092 5987/ (62) 99847 8218


sofisticação FOTO: JOMAR BRAGANÇA

ESPAÇO TRAZ PAINEL DE MADEIRA E FOCOS DE COR EM PONTOS ESTRATÉGICOS

FOTO: TOBIAS RAGONESI

Lar do aconchego Projeto assinado por Fabíola Naoum e Wilker Godoi na Casa Cor Goiás reúne peças clássicas e contemporâneas em ambiente familiar Lucas Pereira

A

WILKER GODOI E FABÍOLA NAOUM FABIOLA@TGS.COM.BR WILKERGODOI@HOTMAIL.COM (62) 3099 5575

proposta da dupla de arquitetos Fabíola Naoum e Wilker Godoi para a edição 2019 da Casa Cor Goiás esteve pautada no aconchego familiar. Na entrada do ambiente, intitulado Home Family, os visitantes foram recepcionados por um grande painel de madeira que envolvia todo o espaço. “A madeira acolhe, e foi uma forma que pensamos de instigar as pessoas a descobrirem o restante do projeto”, afirma a dupla, que já contabiliza seis participações na mostra. Além do acolhimento, conceitos como sofisticação e requinte estiveram presentes na atmosfera do espaço. A paleta de cores que predominaram levou neutralidade em primeiro plano, com focos de cor em pontos estratégicos. A madeira também ganhou destaque no mobiliário, dando continuidade ao painel da entrada e dialogando tanto com o quartzito Mont Blanc quanto 48 ZELO

com o paisagismo. Nesse quesito, as plantas inseridas pelos profissionais atraíram a atenção com charme, mesclando-se ao tom de verde dos tecidos nas paredes. A junção de peças clássicas e contemporâneas ainda propiciou dinamismo ao projeto. Entre os itens, a presença da Poltrona 400, de 1936, concebida pelo arquiteto finlandês Alvar Aalto, se sobressaiu, convidando ao relaxamento com elegância. “O uso da poltrona antiga agrega valor ao ambiente tanto por sua assinatura como também pela prática sustentável da reutilização de peças de época”, garantem. O arremate da atmosfera sinestésica do ambiente ficou por conta da vista direta para o Parque Vaca Brava, o que aproximou ainda mais o verde da natureza à essência do espaço. Assim, interior e exterior confundiram-se, garantindo que a serenidade fosse sentida como um elemento vivo no projeto.


studio off

Casa com calma, e alma Relaxamento e reconexão pessoal compõem ambiente de estética feminina assinado por Mariana Mendonça na Casa Cor Goiás 2019 FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

SOFÁ PAUSA, EM TOM CORAL, É PONTO DE LUZ EM AMBIENTE COM PALETA DE CORES NEUTRAS

CENÁRIO INTIMISTA INCLUI REDE DE CORDAS

Lucas Pereira com as cortinas e o papel de parede Chevron Fendi, ambos da Summerflex, ainda propiciou mais suavidade. O paisagismo foi outro destaque do Studio Off. “A presença do verde agrega mais frescor e vida para o projeto”, diz. A iluminação seguiu o mesmo propósito, com focos pontuais e luzes indiretas, compondo um verdadeiro cenário intimista. Uma rede criada artesanalmente com cordas pela designer e artista mineira Elisa Atheniense convidava ao relaxamento, arrematando o tom de serenidade do ambiente. “Espero que as pessoas entendam que é preciso, muitas vezes, nos desconectar do mundo lá fora e da rotina estressante para podermos nos conhecer melhor e valorizar pequenos detalhes”, afirma.

MARIANA MENDONÇA ARQ.MARIANAMENDONCA@GMAIL.COM (62) 99244 0469

49 ZELO

FOTO: VANESSA GRANER

O

refúgio de uma mulher madura, um cantinho aconchegante onde ela pode ter seu momento particular e desfrutar dos seus hobbies, inteiramente off das atribulações do dia a dia. Essa foi a atmosfera que a arquiteta Mariana Mendonça concebeu com o Studio Off, seu ambiente na Casa Cor Goiás 2019. “Ali ela se distrai, canta, ouve uma boa música, lê um bom livro e toma um bom vinho. Ela se desconecta do mundo e se volta para si, em um momento pessoal”, explica a profissional. O espaço de 40 metros quadrados investiu em uma paleta de cores predominantemente neutras, tendo como ponto de luz o Sofá Pausa, em tom coral, assinado pela designer gaúcha Rejane de Carvalho Leite. De forma geral, o mobiliário levou um diálogo fluido entre curvas e linhas contemporâneas. O mix de materiais naturais, como madeira e pedras, ainda promoveu um acolhimento ímpar. A harmonização


contemporaneidade FOTO: JOMAR BRAGANÇA

MOBILIÁRIO CONTEMPORÂNEO E PEÇAS DE DESIGN SE MISTURAM

Funcionalidade

que encanta

Em sua quarta participação na Casa Cor Goiás, Mayara Oliveira desenvolveu sala de jantar que alia sensibilidade e praticidade

D

espertar a liberdade de interagir foi parte da essência da sala de jantar assinada pela designer de interiores Mayara Oliveira na Casa Cor Goiás 2019. Com 58 metros quadrados, o espaço contou com uma atmosfera de contemporaneidade convidativa, desde a paleta de tons até os elementos decorativos que chamaram a atenção por toda parte. O layout contou com a área da mesa de jantar, desenhada pela profissional especialmente para a mostra. Logo em frente, o piano convidava a celebrar a vida e, ao lado, uma adega evocava o espírito de boemia com requinte. “Procurei compor um ambiente sofisticado e intimista para promover a interação entre as pessoas”, explica Mayara. O mobiliário contemporâneo misturou-se às peças de design e elementos que remetem ao clássico. “Para tornar o ambiente

delicado, ponderei bem a mistura entre o clássico e o moderno. Um exemplo é minha mesa de jantar, que tem o tampo no mármore quartzito maldivas muito elegante, em composição com uma base moderninha”, cita. O sofá em tom de azul-marinho atraiu os olhares em composições com tons neutros, e a presença da madeira aqueceu o layout. Frases de efeito, instigando a positividade e os bons pensamentos, estiveram espalhadas pelo ambiente, dialogando com os visitantes que adentraram o espaço. A maioria das obras e peças de design foi assinada por goianos, como as telas criadas pela artista Eloisa Loba. São obras que, com linhas que se confundem, retrataram a sensibilidade e poesia dos movimentos e da vida. “Eu queria algo funcional e exclusivo. É uma sala de jantar para se viver momentos únicos”, arremata. 50 ZELO

FOTO: TOBIAS RAGONESI

Lucas Pereira

MAYARA OLIVEIRA WWW.MAYARAOLIVEIRA.COM.BR MAYARA_ROLIVEIRA@HOTMAIL.COM (62) 99607 5261


FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

publizelo

CORES NEUTRAS E TONS AMADEIRADOS AJUDAM A CRIAR UMA ATMOSFERA DE ACONCHEGO

Belo e Contemporâneo Pela segunda vez consecutiva, Clínica Anis é o único centro de estética com ambiente na Casa Cor Goiás MÁRMORE E MOBILIÁRIO SÃO BRASILEIROS

M

inimalista, futurística e atemporal. Em busca de exaltação da sustentabilidade, tecnologia e afeto, temas da Casa Cor Goiás 2019, o espaço da Clínica Anis na mostra se aproveitou de contrastes verticais e horizontais para enaltecer o meio ambiente e a diversidade que há nele. O mobiliário e acabamento, inteiramente nacionais, se unem ao biombo de madeira reflorestada, aos cactos e ao grande painel vermelho, que remete a um fluxo sanguíneo, para compor um espaço fluido e aconchegante. Posicionado na entrada, um grande tapete vermelho recepciona os clientes com luxo e energia. Dentre os 40 ambientes da mostra, e

pelo segundo ano consecutivo, a Clínica Anis é o único centro de estética com espaço na exposição. Tanto em diferentes eventos quanto em propostas regionais e nacionais, a empresa busca sempre estar presente em meio ao público. Bem-estar, autoestima e promoção dos cuidados para além do corpo são o foco. Destaque para o lifestyle, um estilo de vida direcionado à estética, ao glamour, beleza, saúde, autenticidade e conceito. Um espírito único, inspirado no belo da contemporaneidade e na flor de anis, cujo aroma adocicado, sabor intenso e picante suscita o humor, desperta a intuição e reverbera as energias positivas. 51 ZELO

Desde o atendimento inicial e execução ao acompanhamento do tratamento estético, a Clínica Anis proporciona uma experiência única, entregando elegância, sofisticação e alegria. É com classe, luxo e exclusividade que a empresa se fortalece no mercado. E é por meio dessas caracterís-

ticas que vida e amor-próprio são entregues aos clientes.

CLÍNICA ANIS SAÚDE ESTÉTICA ED NEW TIMES SQUARE, SALA 1013, AV T 10, 208, SETOR BUENO (62) 9 9652 3500 (62) 3622 3280 @CLINICAANIS


revestimentos

segurança com sustentabilidade FOTOS: JOMAR BRAGANÇA

LAVABO INVERNAL, DE RUBYA ZOTTELE

ESTAR JUNTOS, AMBIENTE ASSINADO POR ALINE ALBIÉRI, FÁTIMA MESQUITA E MÁRCIA ALBIÉRI

Victor Lisita

Madeira e pedras naturais se destacam entre os acabamentos usados na Casa Cor Goiás 2019

N

as paredes ou nos pisos, os revestimentos são parte fundamental em qualquer projeto de arquitetura e design. São cruciais para gerar experiências e essenciais em uma primeira impressão do ambiente. Mas ao contrário do que se pensa, as funções deles vão além de meramente decorar o espaço e deixá-lo mais elegante e bonito. Os azulejos, pedras, madeiras, cerâmicas, pastilhas e argamassas também preservam as alvenarias e a estrutura da construção contra fatores externos e internos. Quanto melhor for um revestimento, mais segura estará a edificação durante uma anormalidade. Na maior mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas, a Casa Cor Goiás 2019, eles se juntaram ao tema Planeta Casa para entregar projetos sustentáveis e ligados com a subjetividade 52 ZELO

dos indivíduos. Em 40 espaços, idealizados por 61 profissionais renomados, a madeira foi uma das estrelas da mostra. Responsável pela sensação de bem-estar, o material combina com as diferentes texturas para promover sensações únicas. Do aconchego à tecnologia, do equilíbrio à sobriedade, são opções que envolvem. A mistura dos estilos clássico e contemporâneo no Studio AM, do arquiteto e designer Alexandre Milhomem, construiu uma atmosfera ideal para agregar a coleção Natureza Foliage, da Donatelli Tecidos. O resgate do tecido como revestimento nas paredes, ao lado do piso em mármore e painel em laca, levou a força do meio ambiente ao projeto. Sensações similares às da Aldeia Sala de Banho, de André Brandão e Márcia Varizo. Com ripas de madeira teca e painéis inspirados na


tele também fez uso de pedras naturais, como o mármore dolomítico e cimento queimado, no Lavabo Invernal. Escolhas específicas para criar uma atmosfera sofisticada com toque industrial. Longe das tendências, Andréia Rocha Lima apostou em itens tecnológicos e modernos no espaço Entre Nós e Fialdini. Nas colunas de sustentação, a arquiteta também fez uso de pedras naturais para combinar com os revestimentos cimentícios de aspecto rústico e com o piso, talhado artesanalmente e disposto em escamas de peixe.

técnica japonesa Shou Sugi Ban, que preserva a madeira através da carbonização, o espaço fez alusão ao Cerrado e às queimadas, sem deixar de passar a sensação de renovação. Fabíola Naoum e Wilker Godoi também escolheram a madeira ripada para decorar o espaço Family Home. Como sustentação para a adega vertical, o painel contrastou com a madeira natural do mobiliário, o quartzito Mont Blanc e o tecido verde das paredes. No ambiente Estar Juntos, de Aline Albiéri, Fátima Mesquita e Márcia Albiéri,

foi possível encontrá-la, em conjunto com o revestimento em pedra natural e cores quentes, no painel rústico e nos móveis, que também possuem linho, metal e laca. Além de usar tintas à base de água, pedra natural no piso e madeira na parede do Go Big Or Go Home, as arquitetas Alessandra Nahas e Vanessa Graner empregaram sustentabilidade ao revestir o local com os itens colors da Gauss, em que pequenos tijolos são compostos de materiais descartados. Em meio a toda a diversidade, Rubya Zot-

FAMILY HOME, DE FABÍOLA NAOUM E WILKER GODOI

ALDEIA SALA DE BANHO, PROJETO DE ANDRÉ BRANDÃO E MÁRCIA VARIZO

STUDIO AM, POR ALEXANDRE MILHOMEM

ENTRE NÓS E FIALDINI, POR ANDRÉIA ROCHA LIMA

53 ZELO


FOTOS: DIVULGAÇÃO

tendência

IN SCENA, DE PAOLA LENTI

Milão

a vez das cores

Leo Romano

S

empre fui fã de cores. No começo da minha carreira, talvez por também ter formação em artes plásticas, abusei delas e quase as transformei em meu maior recurso em projetos. Era simples: a maioria dos meus clientes queria uma mudança de astral e tinha restrição orçamentária. Era batata: coloria as paredes, teto, móveis, tudo. Minha própria casa tornou-se meu laboratório para infinitas composições. De lá para cá, muito tempo se passou. Nesses mais de 20 anos, acompanhei a dança das cores e o sobe e desce dos tons nas paletas. Mas confesso que foi na última Feira do Móvel de Milão que revivi a cor como liberdade de expressão, longe da timidez.

O que se viu foi uma explosão. Era de se esperar a presença do coral, eleita como a cor do ano para 2019. E ela estava lá, mas não mais importante do que uma cartela variada e calorosa. Até parece que o mundo entendeu que a gente precisa de alegria. Talvez porque 2019 tenha sido muito duro, ou talvez por instinto e necessidade de se fazer feliz. Teve verde, amarelo e vermelho. Listras e muito geométrico. Mas, para mim, a cor que mais se destacou foi o azul e as variações dele. Ainda que tenha passeado pelos tons claros, foi no azul profundo que se confirmou sua força. Nos ambientes da marca Paola Lenti, grande referência no mobiliário indoor e outdoor, a cor dividiu espaço com 54 ZELO

vermelho e verde. Na Louis Vuitton, serviu de base para o contraste com os fluorescentes dos móveis. Contudo, foi a italiana Cassina que “chutou o balde” e fez gol de placa. Nela, o azul saiu do chão, subiu as paredes e invadiu os estofados. CHUVA DE ALEGRIA Se as cores vão bater por aqui com tanta propriedade, a gente não sabe. Apesar de nossa tropicalidade, ainda temos resistência para esse uso mais corajoso. Não importa. Milão se mostrou caliente. Enquanto as formas do design caminharam para volumes mais delicados e sinuosos, a cor se fez protagonista e, apesar de “velha”, foi a grande novidade.


COLEÇÃO OBJETOS NÔMADES, DA LOUIS VUITTON

COCOONS E BOMBOCA SOFA POR FERNANDO & HUMBERTO CAMPANA PARA LOUIS VUITTON

THE CASSINA PERSPECTIVE

55 ZELO

THE CASSINA PERSPECTIVE


versatilidade

BEM-ESTAR E SOFISTICAÇÃO Grupo Toctao inaugura projeto de condomínio horizontal em Goiânia

FOTOS: DIVULGAÇÃO

CONDOMÍNIO FICA EM ÁREA DE MAIS DE 1,6 MILHÃO DE M²

PROJETO DO PLATEAU D’OR FOI DESENVOLVIDO PELA EMPRESA INGLESA BROADWAY MALYAN

MOBILIDADE URBANA PRIVILEGIADA

Marcela Figueiredo

S

egurança e versatilidade são a proposta do Plateau D’or, projeto desenvolvido pela empresa inglesa Broadway Malyan. A área, de mais de 1,6 milhão de metros quadrados, fica localizada na região sudeste da cidade, no local da antiga Fazenda Gameleira. Com um conceito diferente para os condomínios horizontais de Goiânia, o investimento oferece serviços que visam diminuir distâncias. Implementado pelo Grupo Toctao, o projeto tem como inspiração os princípios de walkability e placemaking, que buscam tornar a vida do morador mais agradável e sustentável. A ideia central é desenvolver

a mobilidade urbana com ruas que incentivam e facilitam a caminhada. O condomínio também conta com um planejamento de espaços públicos que visa promover uma vida melhor em comunidade. “Todo o projeto está ancorado nos princípios que estimulam a mobilidade do pedestre e o sentimento de pertencimento a um lugar com o objetivo de se criar um cenário onde se possa viver em comunidade, em maior harmonia com a natureza, com equipamentos possíveis de serem acessados a pé, diminuindo distâncias e excluindo congestionamentos”, afirma o diretor do Grupo Toctao, engenheiro Maurício Menezes. 56 ZELO

A grande aposta do projeto está em sanar dificuldades de distâncias com a instalação de espaços comerciais dentro do condomínio. A proposta prevê a presença de lojas, escritórios, restaurantes, serviços na área de beleza, academia e centros médicos. Além desses, o foco da empresa é implantar duas escolas de nível fundamental e médio. “A ideia é de que as crianças e adolescentes possam ir para a escola a pé na companhia dos colegas, sem a preocupação de distância e com a máxima segurança necessária”, explica o também diretor do Grupo Toctao, Alan de Alvarenga Menezes.


57 ZELO


apartamento

FOTOS: MARCUS CAMARGO

LUMINÁRIAS DE GUILHERME WENTZ COMPÕEM ESPAÇO DA SALA DE JANTAR, INTEGRADA AO LIVING E À VARANDA GOURMET

Pronto para receber Com ambientes integrados e amplos, unidade com vista para o Parque Flamboyant ganha nova cara com projeto do arquiteto Giovanni Borges Julie Tsukada

P

ara um casal com filhos já crescidos e que adora receber convidados, o projeto original do apartamento de 270 metros quadrados, com quatro suítes, já não era mais o ideal. Os moradores queriam um lar amplo, arejado, com um espaço social agradável e no qual pudessem aproveitar a excelente vista que dispõem do Parque Flamboyant. Para a tarefa, chamaram o arquiteto Giovanni Borges, que se encarregou das mudanças. As quatro suítes foram reduzidas para três, enquanto a quarta deu espaço para um escritório e para ampliar a área social. O living, sala de jantar e a varanda gourmet foram integrados, o que favoreceu a interação entre os moradores e convidados. “O mobiliário foi distribuído de maneira a privilegiar a circulação e a integração dos ambientes. Assim, eles não ficam muito subcompartimentados”, explica Giovanni.

Na área social, o painel em madeira feito pela Bontempo envolve toda a parte da TV e do hall de entrada. Com nichos iluminados por LED, ele ganha ainda mais evidência e destaca a decoração do móvel. Também no espaço, as luminárias de Guilherme Wentz, dispostas em fileira, chamam atenção para a mesa da sala de jantar. Na cozinha, o tom avermelhado no armário dá um toque descolado para o ambiente. A cristaleira da copa, executada pela Bontempo, tem moldura em madeira e também iluminação de LED. Os móveis da empresa ainda estão presentes em outros ambientes, como closet dos quartos, armários dos banheiros, escritório e varanda gourmet. “Escolhemos a Bontempo por ela ter um padrão de acabamento refinado, com grande variedade de lâminas e acabamentos, e seriedade na entrega, montagem e no atendimento ao cliente”, finaliza Giovanni. 58 ZELO

GIOVANNI BORGES


TONS TERROSOS TAMBÉM NO QUARTO

DISTRIBUIÇÃO DO MOBILIÁRIO PRIVILEGIA CIRCULAÇÃO ENTRE OS ESPAÇOS

MÓVEIS EM MADEIRA OCUPAM VARANDA GOURMET E COZINHA

TV: PAINEL TEM NICHOS ILUMINADOS POR LED

59 ZELO


estúdio diversidade

ESPELHO CRIA SENSAÇÃO DE AMPLITUDE E TV EM BASE GIRATÓRIA PODE SER VISTA DE QUALQUER AMBIENTE

Conforto Integrado FOTOS: FÁBIO LIMA

Privilegiando a fácil circulação, a designer Alessandra Gomes entrega projeto autoral para espaço de 47 metros quadrados ALESSANDRA GOMES

Victor Lisita

A

comodar todos os pertences da moradora de maneira funcional em um espaço de 47 metros quadrados. Esse foi o desafio que a designer de interiores Alessandra Gomes aceitou em um projeto no Residencial Lounge 22, em Goiânia. Sem realizar qualquer mudança na planta original do estúdio, foram utilizados recursos voltados ao planejamento mobiliário e à decoração. O trabalho teve como foco a ambientação, com uma marcenaria planejada para promover efeitos estéticos agradáveis e a sensação de conforto. Junto com a parceira, a arquiteta Lívia Miszura, Alessandra explica que foram levados em conta, essencialmente, critérios de funcionalidade e aproveitamento do ambiente, além de soluções que não deixassem o espaço “entulhado” ou “claustrofóbico”.

Para privilegiar uma fácil circulação, móveis com tamanhos convencionais foram dispostos de forma a proporcionar uma sensação de amplitude no local. Recursos de decoração, como o uso de espelhos, valorizam o ambiente e fazem com que pareça maior. Era necessário, ainda, transportar a impressão de unidade, visto que o espaço é totalmente integrado. “As escolhas de tecidos, tapete, persianas, iluminação, mobiliário e ornamentos foram todas direcionadas para esse objetivo”, conta. A instalação de uma TV em base giratória no meio do ambiente permite que ela seja vista de qualquer lugar, desde a cama ao sofá, na sala, e até em uma das cadeiras na varanda. “Também combinamos as cores, como a cor do aço com ouro rosé, acrescentamos papel de parede e utiliza60 ZELO

mos peças versáteis, a exemplo de duas mesinhas que viram assentos.” As pastilhas autoadesivas de inox na parede da cozinha agregam, como cita Alessandra, a decoração afetiva. Quanto à iluminação, em LED, a designer conta que pode ser encontrada tanto geral quanto pontual e decorativa. A profissional também afirma que “as cores suaves, em que predominam matizes neutras como base, nuances terrosas e detalhes em azul, foram pensadas de modo a se compatibilizarem com o gosto da cliente e com ambientes calmos, tranquilos”.

ALESSANDRA GOMES | DESIGNER DE INTERIORES @ALESSANDRAGOMESDESIGNER (62) 9 9957 0590


FOTOS: TOBIAS RAGONESI

clínica

MÓVEIS PERSONALIZADOS SÃO MULTIFUNCIONAIS

RECEPÇÃO GANHOU LUZ AMARELA E ESPELHOS

Funcional e Compacta Sofisticada, unidade com 60 metros quadrados propicia conforto e aconchego a médico, paciente e funcionários

Victor Lisita

Q

ualquer procedimento cirúrgico é rodeado por expectativas e sentimentos, tanto do médico quanto por parte do paciente. Um ponto importante que pode estimular segurança ou desconforto é o lugar. Quem nunca teve receio de ir a um consultório por lembrar-se de um equipamento ou simplesmente imaginar toda a extensão da cor branca? Para evitar qualquer ligação entre o ambiente e emoções desagradáveis, a engenheira civil Maria Ilidya Soter Martins precisou trabalhar os mínimos detalhes em uma clínica de 60 metros quadrados. Posicionado no Órion Business & Health Complex, no Setor Marista, o espaço pertence a um endocrinologista que realiza o procedimento de balão gástrico em pessoas com sobrepeso. Com um consultório, sala de cirurgia, de esterilização, recuperação, administração, recepção, copa e depósito de material de limpeza (DML), o desafio foi

agregar conforto ao médico, funcionários e, principalmente, ao paciente. Maria Ilidya conta que tudo foi organizado para que o ambiente estivesse adequado às normas médicas e da vigilância sanitária. A marcenaria, toda desenvolvida pela NL Móveis Planejados, foi trabalhada de maneira multifuncional, com mesas móveis que se transformam em espelhos. Além da rapidez e excelente logística, o diferencial em trabalhar com a NL Móveis Planejados, segundo ela, foi que a empresa “praticamente adotou o projeto”. “As ideias que colocamos em prática em um espaço tão pequeno não são fáceis. A aventura não foi só nossa, mas também deles.” Pensando em uma bela vista, a sala de cirurgia foi posicionada ao lado de uma janela. Madeira pode ser encontrada em todos os ambientes e espelhos dão a sensação de amplitude. A luz amarela, na recepção e consultório, influencia no acolhimento. 61 ZELO

NL MÓVEIS PLANEJADOS @NLPROJETOSDEINTERIORES (62) 98187-5096/(62) 3432-7900 MARIA ILIDYA SOTER MARTINS (62) 9 9602 2241


Rua 87, nº 553, Qd. F 27, Lt. 65 - Setor Sul - Goiânia - GO (62) 3945-9652 | (62) 3281-9652 (62) 99135-0376 contato@monalizaesquadrias.com.br www.monalizaesquadrias.com.br monalizaesquadrias


funcionalidade FOTOS: WELLINGTON ARAÚJO

MATERIAL VAZADO EM METAL DOURADO FOI USADO NA VITRINE

PROJETO INCLUI ARARAS METÁLICAS SUSPENSAS

MOLDURA ILUMINADA REALÇA REVESTIMENTO UTILIZADO NO PAINEL DA TV

FUGINDO DO CONVENCIONAL Aliando cores e formas personalizadas, designer cria identidade visual ousada para loja de roupas de 12 metros quadrados

C

om o desafio de transformar um pequeno espaço em uma loja confortável, atendendo às necessidades da proprietária, que recebe centenas de pessoas diariamente, a designer de interiores Érika Pitanga, em parceria com o também designer Reydner Morais, traz uma proposta funcional, charmosa e exclusiva para a marca Dolce Helena. Painéis cortados a laser com desenhos criados pela própria designer e iluminados com perfis de LED criam uma moldura na vitrine e entrada da loja. O piso vinílico amadeirado, com sua paginação em chevron,

cria uma sensação convidativa e oferece mais profundidade visual ao projeto. As araras metálicas foram projetadas para serem suspensas e o acabamento gold matte dá o toque de sofisticação desejado ao ambiente. Nas paredes, a pintura em formas geométricas cria movimento, além de trazer cores que retratam a personalidade da marca. Os projetos de gesso e luminotécnico proporcionam uma iluminação aconchegante que mescla cores quentes e neutras, trazendo a funcionalidade sem abrir mão do conforto. “É importante aliar as duas necessidades”, afirma Érika. 63 ZELO

ÉRIKA PITANGA ERIKAPITANGA.DESIGNER@HOTMAIL.COM EDIFÍCIO METROPOLITAN MALL AV. DEPUTADO JAMEL CECÍLIO, 2.690, JD. GOIÁS (62) 9 9241 1087


inspiração

Ambientes VIVOS Destaque na Mostra Kzulo 2019, o arquiteto e urbanista Lucas Machado emprega a paixão pela profissão nos projetos dos clientes

FOTO: TOBIAS RAGONESI

ARQUITETURA CLEAN APOSTA EM CORES SUAVES E NEUTRAS

LUCAS MACHADO

Victor Lisita

A

mante de viagens e arte, o arquiteto e urbanista Lucas Machado encontrou em Goiânia a possibilidade de construir um sonho. Nascido e criado em Palmeiras de Goiás, o profissional não só é apaixonado pela profissão como acha extremamente importante entregar esse sentimento em cada projeto. Expoente na área, Lucas foi destaque na Mostra Morar Mais 2017 com o ambiente “Studio Container” e, para 2019, prepara um projeto especial para a terceira edição da Mostra Kzulo, em Anápolis. O arquiteto trabalha com a honestidade para entender o que de fato o cliente quer e precisa. “Quando me apaixono pelo projeto e vejo que realmente mexeu comigo, enfim

tenho certeza de que posso apresentá-lo ao meu cliente”, conta. Interessado em exposições e mostras desde o início dos estudos, ele passou a observar o que as pessoas mais gostavam e a desenvolver o próprio estilo para seu escritório, o Studio Lucas Machado Arquitetura. Aço, vidro, madeira, pedra e vegetação são abundantes nos espaços, materiais que, segundo Lucas, trazem vida, a principal característica com que ele se preocupa. O uso moderado de cores é outra marca. “Minha arquitetura é bastante clean, com cores suaves e neutras. E trabalho menos tonalidades possíveis, pois considero que o uso exagerado pode deixar o ambiente cansativo”, diz. No “Studio Container”, da Mo64 ZELO

rar Mais, essa personalidade esteve à mostra, com bastante branco nas paredes e amarelo e azul espalhados em cadeiras, utensílios de cozinha, na luminária e almofadas. Inspirado pelas viagens que faz, Lucas retornou de Nova York pronto para, em parceria com a arquiteta Isabella Gondim, projetar o “Espaço Tecnológico” na Mostra Kzulo. “Nova York é quase outro mundo e cheguei da viagem cheio de ideias. Tudo lá casa muito bem com nossa ideia de agregar tecnologia para fazer um quarto ousado e diferente, em memória ao jovem muito à frente de seu tempo que morava lá.” ARQLUCASMACHADO@GMAIL.COM @STUDIOLUCASMACHADO (62) 9 9620 8455


匀䤀䴀伀一䔀 匀䔀䈀䈀䄀 䐀䄀䠀䔀刀   匀䤀䴀伀一䔀匀䔀䈀䈀䄀䐀䄀䠀䔀刀   㘀㈀㈀  㤀 㤀㠀㈀㘀㘀㤀㤀㠀㠀

䄀䰀䔀匀匀䄀一䐀刀䄀 䬀伀匀吀䤀䬀   䄀䰀䔀䔀䬀伀匀吀䤀䬀 䬀㘀㈀㈀ 㤀 㤀㠀㈀㄀㈀㈀㐀㠀㠀㔀


ZELOBELEZA HANNAH MOTTA hannah@revistazelo.com.br

Lancôme x Chiara Chiara Ferragni, a mais poderosa influenciadora de moda segundo a Forbes, é a nova personalidade no time de colaboradores para a Lancôme. Ela acaba de lançar sua linha com a gigante dos cosméticos fazendo referência aos olhos de sua própria label. A collab conta com paleta para olhos e boca, uma edição limitada do queridinho rímel Hypnôse e três cores exclusivas do batom Rouge Absolut: Girl Next Door, Power Talk e Sweet Mom.

Winter Is Coming O inverno finalmente chegou! Não só nos sete reinos, mas aqui nos trópicos também. Pensando nisso, a Urban Decay lança uma coleção em edição limitada com Game Of Thrones. São batons, lápis de olhos, pincel, um híbrido blush & cheek e uma paleta que é o próprio trono de ferro. À venda na Sephora!

Trio 212

A Simple Organic, brasileira de cosméticos orgânicos, veganos, naturais, cruelty-free e sem gênero, apresenta seu trio de máscaras faciais de origem mineral. Nomeadas como Young, Wild e Free, cada máscara é uma experiência diferente para um momento relaxante no fim de semana ou naqueles dez minutos que sobram antes da correria cotidiana. Cada vidrinho vem com a medida certa para duas pessoas, para compartilhar com quem se ama. True love!

O clássico 212 VIP Rosé ganha uma nova versão, 212 VIP Rosé Extra. O frasco, um charme à parte, foi inspirado na cápsula 212, desenvolvida em 1997. O mais interessante? Ele muda de cor: de rosa brilhante para rosa purpurinado. Na fragrância, notas de amêndoa amarga, peônias e íris se misturam com baunilha e fava tonka.

66 ZELO


Parfum O Boticário buscou na Índia o segredo para lançamento de Elysée Blanc. Elaborada a partir das perfumadas flores de Jasmim Sambac, a fragrância se abre com notas de chypre floral e saída de frutas como pera, pêssego, ameixa, damasco e framboesa. Seu corpo é composto por flores nobres que vão do Jasmim Sambac à Rosa Damascena. Para finalizar, âmbar, musk, cedro, patchouli, sândalo, açúcar mascavo e vetiver.

Make intacta A Vult apresenta seu inovador pó Finalizador Matificante, que promete ser praticamente invisível e controlar a oleosidade, reduzindo a aparência dos poros. Também ajuda a fixar a make, proporcionando um acabamento matte na pele com naturalidade. É ideal para manter a maquiagem intacta ao longo do dia.

Cute A Foreo acaba de lançar no Brasil o Luna Fofo, primeiro massageador de limpeza facial com inteligência artificial do mundo. Como todos os outros produtos da linha Luna, o gadget é feito de silicone ultrahigiênico, é hipoalergênico e limpa até 99,5% das impurezas da pele com a ajuda das pulsações T-Sonic. A novidade? Com sensores de pele avançados e tecnologia Bluetooth, ele analisa a pele e oferece sugestão de rotina de limpeza personalizada para cada usuário.

Calmante Fleurs de cerisier Cerejeira Irisé é a nova fragrância da linha Flor de Cerejeira, da L’Occitane en Provence. A Eau de Toilette Cerejeira Irisé é uma fragrância floral e frutada, que agrada com suas notas de cereja e grapefruit, coração floral, rosado e transparente, e rastro amadeirado e almiscarado. A intenção é de que a fragrância transporte para Provence, onde as cerejeiras reluzem ao sol da primavera.

A queridinha The Body Shop leva ao mercado brasileiro sua Loção em Gel Calmante para Olhos e Lábios Aloe Vera. Indicado para peles sensíveis, tem fácil absorção, hidrata e reduz o ressecamento. Formulado especialmente para a região dos olhos e lábios e enriquecido com aloe vera, o produto busca restaurar a função da barreira da pele, recuperando e fortalecendo o seu sistema de defesa natural. Não contém álcool, corantes, fragrância e conservantes.

Skincare high-tech A norte-americana Biossance, marca de beleza que usa a biotecnologia para desenvolver produtos totalmente sustentáveis, traz ao Brasil a coleção Tea Tree, composta por gel de limpeza, óleo facial e máscara detox. Os produtos são infundidos em Esqualano, ingrediente ícone da marca que mantém a hidratação essencial da pele, o que proporciona ao Tea Tree um poder de purificação e desintoxicação ainda maior. É aquele must have essencial no nécessaire de cuidados com a pele! 67 ZELO


bem-estar

Rotina de beleza Biossance une tecnologia e sustentabilidade para tratar a pele com consciência e usando produtos amigos da saúde e do planeta

Hannah Motta

E

ntra inverno, sai inverno e um novo componente se torna o queridinho dos apaixonados pelo skincare. Seja para equilibrar a barreira de proteção, auxiliar na antioxidação e hidratação, promover e reparar linhas de expressão e rugas, iluminar e dar aquele glow tão desejado, uniformizar a tonalidade ou aumentar a elasticidade e a firmeza, quem cuida da pele está sempre renovando os produtos. A Biossance, marca que nasceu na Califórnia e chegou este ano às terras canarinhas com uma gama de opções para não sair mais da penteadeira, revolucionou o mercado da beleza ao usar como base para seus produtos o esqualano. O ingrediente é produzido pelo nosso corpo até, mais ou menos, os 20 anos e é importante para manter a hidratação e a retenção da umidade na pele. A partir da biotecnologia, a Biossance conseguiu que o esqualano fosse reproduzido em laboratório de maneira sustentável, sem utilizar recursos do meio ambiente. O ingrediente é velho conhecido do skincare, mas originalmente era extraído do fígado de tubarões, o que não é nada sustentável, e, posteriormente, da oliva, que é uma forma pouco estável do produto para a absorção da pele.

ÓLEO FAZ BEM PARA A PELE? Um dos carros-chefes da Biossance é o 100% Óleo Esqualano, um único ingrediente, um óleo leve e polivalente que hidrata instantaneamente enquanto mantém a umidade essencial da pele. Tem textura, mas é bem leve, e rende muito. Duas ou três gotinhas na face já fazem milagre. Ele pode ser aplicado no rosto, no corpo e até no cabelo como finalizador. Ana Lia explica que aquelas que têm pele oleosa sempre têm receio de utilizar óleo, seja por medo de deixar a pele ainda mais oleosa ou por dar mais espinhas, mas que isso não acontece com o esqualano. “Como ele é um produto que a pele produz até uma idade, ela o reconhece como algo natural e o absorve imediatamente, ilumina e hidrata.” Portanto, pode se jogar

sem medo! PARA AS GOIANAS A Biossance tem hoje em seu portfólio 13 produtos, todos com o esqualano na composição. Nosso clima goiano, quente e pouco úmido quase que o ano todo, não colabora para a hidratação e retenção da umidade na pele. A profissional acredita que, para as goianas, a aposta fica por conta da recém-lançada linha de Tea Tree, com o famoso óleo de melaleuca na composição, que traz máscara detox de argila, gel de limpeza e óleo facial equilibrante. Além do gel hidratante com probiótico, ingrediente que auxilia na restauração e também reduz os efeitos dos agressores diários ao devolver saúde à pele, deixando-a mais brilhante e equilibrada.

DO LABORATÓRIO PARA A NOSSA PELE A Zelo conversou exclusivamente com a gerente de Educação América Latina da Biossance Brasil, Ana Lia Vandoni, durante o Sephora The Sound Of Beauty. Ela explicou que, assim como os produtos, as embalagens da marca são todas feitas com a fibra da cana-de-açúcar e não são utilizados corantes, alvejantes ou papel alumínio. As caixas são tree-free, ou seja, livres de celulose, sem a necessidade de utilizar qualquer tipo de material oriundo da madeira, e os frascos são recicláveis. O compromisso com a sustentabilidade é pra valer! ANA LIA VANDONI, GERENTE DE EDUCAÇÃO AMÉRICA LATINA DA BIOSSANCE BRASIL

68 ZELO


伀 䔀猀瀀愀漀 匀愀戀漀爀 搀攀 嘀椀搀愀 漀昀攀爀攀挀攀 猀攀爀瘀椀漀 搀攀 攀砀挀攀氀渀挀椀愀  攀洀 氀漀挀愀氀 愀洀瀀氀漀Ⰰ 挀漀洀瀀漀猀琀漀 瀀漀爀 甀洀 猀愀氀漀 挀漀戀攀爀琀漀  挀氀椀洀愀琀椀稀愀搀漀 攀 爀攀愀 攀砀琀攀爀渀愀 挀漀洀 樀愀爀搀椀洀⸀ 䄀 ǻ洀 搀攀  瀀爀漀瀀漀爀挀椀漀渀愀爀 洀漀洀攀渀琀漀猀 切渀椀挀漀猀 愀 猀攀甀猀 挀氀椀攀渀琀攀猀 攀  挀漀渀瘀椀搀愀搀漀猀Ⰰ 瀀漀猀猀甀椀 攀猀琀爀甀琀甀爀愀 挀漀洀瀀氀攀琀愀 瀀愀爀愀 愀琀攀渀搀攀爀  琀漀搀漀猀 漀猀 琀椀瀀漀猀 搀攀 攀瘀攀渀琀漀猀㨀 挀愀猀愀洀攀渀琀漀猀Ⰰ 愀渀椀瘀攀爀猀爀椀漀猀Ⰰ  挀漀渀昀爀愀琀攀爀渀椀稀愀攀猀 攀 攀瘀攀渀琀漀猀 挀漀爀瀀漀爀愀琀椀瘀漀猀⸀ 䌀漀渀栀攀愀 攀 猀攀 猀甀爀瀀爀攀攀渀搀愀℀

                   圀圀圀⸀匀䄀䈀伀刀䐀䔀嘀䤀䐀䄀䔀嘀䔀一吀伀匀⸀䌀伀䴀⸀䈀刀

䀀猀愀戀漀爀搀攀瘀椀搀愀攀瘀攀渀琀漀猀

⠀㘀㈀⤀ ㌀㈀㄀㠀ⴀ㔀 ㄀㤀 ⼀ 㤀㠀㄀㈀㈀ⴀ㠀㤀 㤀

69 ZELO

刀甀愀 ㌀㈀Ⰰ 渀먀 㘀㈀㌀Ⰰ 儀搀⸀ 䄀ⴀ㈀  䰀琀⸀ ㄀㜀Ⰰ 䨀愀爀搀椀洀 䜀漀椀猀⸀ 䜀漀椀渀椀愀ⴀ䜀伀


FOTOS: DIVULGAÇÃO

xBody

TECNOLOGIA INCLUI USO DE COLETE DE NEOPRENE COM ELETRODOS

Exercício Tecnológico Novidade em Goiânia, Zelo testou método que trabalha 350 músculos em treinos de 20 minutos Victor Lisita

E

stimular 350 músculos ao mesmo tempo não é uma tarefa simples. Ainda mais se entrar nessa equação o detalhe de que todo o trabalho deve ser feito em 20 minutos. Claudia Raia, Bruna Marquezine, Adriana Galisteu, DJ Alok e até mesmo o ex-velocista Usain Bolt podem atestar: é possível! Recém-chegada a Goiânia, a tecnologia XBody revolucionou a concepção de atividades físicas para quem busca ganho de massa, perda de peso e definição corporal. Presente na academia TecFit, no Setor Marista, a Zelo testou o método e conta todos os detalhes. Criado na Alemanha e fabricado na Hungria, o equipamento possui adeptos ao redor do mundo, todos em busca de uma maneira rápida e eficaz para transformar o

corpo sem prejuízos à saúde. O curto treino equivale a dois de musculação em uma academia convencional – o que não quer dizer que você não vá terminar as atividades cansado ou suado. Em conjunto com exercícios funcionais, como agachamento, remada, abdominal e crucifixo, os alunos vestem um colete – quase como uma armadura – de neoprene, repleto de eletrodos em meio a água quente, ligado a uma máquina XBody Newave Med, utilizada para controlar a intensidade e a frequência de estímulos simultâneos. “Enquanto a pessoa realiza a contração voluntária dos músculos, o colete provoca a involuntária, através da eletroestimulação. A água faz com que a corrente de energia passe com mais facilidade, permitindo 70 ZELO

maior contração”, explica a profissional de educação física Thais Guimarães. Certificado pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), como a instrutora frisa, o equipamento é colocado nas costas, abdômen, pernas, glúteos, ombros e braços, sendo possível acrescentar em outras partes, como na panturrilha. São indicados, no máximo, três treinos por semana. Assim como o equipamento pode estimular vários músculos simultaneamente, é possível programá-lo para dar ênfase apenas ao grupo muscular correspondente ao exercício que será feito. Durante o treino, sob uma blusa e legging de malha especial, feita de algodão e elastano, disponibilizada


ACADEMIA NO SETOR MARISTA OFERECE A NOVIDADE

pela TecFit, é possível sentir onde terá mais vibrações, específicas para cada exercício, mesmo que não deixem de continuar trabalhando no restante do corpo. Ainda que a pele fique vermelha devido às contrações, o resultado pode ser percebido imediatamente após a atividade: barriga mais definida e músculos tonificados. Em mente que os simpatizantes da técnica não permanecem da mesma forma que chegam, e, provavelmente, saem de lá direto para outros compromissos, a TecFit disponibiliza um banheiro com ducha e itens para os frequentadores cuidarem da aparência. Além da rapidez e benefícios estéticos para o corpo, o método trabalha a musculação mais profundamente que o convencional. A partir da oitava aula, como garante Thais, os resultados serão visíveis. “Chegar na contração que temos em 20 minutos é o mesmo quando falamos de ‘treinar até a falha’, ou seja, não conseguir realizar mais repetições. E é muito difícil naturalmente.” Vale lembrar que o procedimento não atrapalha outras atividades, podendo ser feito em conjunto com esportes e, até mesmo, com treinos em academias convencionais. TECFIT MARISTA R. 1129,LT 04, QD 234, ST. MARISTA (62) 3609 1661

MÉTODO É ALIADO A EXERCÍCIOS FUNCIONAIS

71 ZELO


publizelo

ELIANE TEODORO SAMPAIO

72 ZELO


LIFESTYLE:

o estilo de vida único DA CLÍNICA ANIS Com foco nos clientes especiais, campanha destacou a rotina da fashion assistant Eliane Teodoro

C

om quase três anos no mercado, inaugurada em setembro de 2016, a Clínica Anis passa por constante processo de crescimento e inovação. Além de desenvolver protocolos exclusivos na área de estética e ter em seu quadro de profissionais uma equipe de extremo conhecimento teórico e prático, este ano nasceu a inspiração para uma campanha que valoriza os seus clientes. Intitulada como Lifestyle, a ação possui como ideia principal representar a marca Clínica Anis e promover o seu público. Iniciada em fevereiro, durante um ano, 12 clientes (seis homens e seis mulheres) serão contemplados com o destaque nas redes sociais e veículos de comunicação de massa. O objetivo é capturar, de forma descontraída e autêntica, a rotina dos clientes da clínica, mulheres e homens únicos e, tudo isso, por meio de um clique, ilustrando todo o conjunto de emoções, ideias e experiência que um Lifestyle vivencia. ESPELHO DE MAIO: ELIANE TEODORO No mês de maio, quem ilustrou a Lifestyle Clínica Anis foi Eliane Teodoro Sampaio. A fashion assistant é um exemplo da mulher moderna. E, de estilo, Eliane conhece bem. Seu trabalho consiste em criar looks, transformar o comum de personalidades e pessoas simples em novas experiências. 73 ZELO

Apaixonada em moda desde a adolescência, a profissional ressalta que o incentivo de seguir a carreira veio com afinco depois do apoio do filho mais velho. “Nunca é tarde para fazer o que se ama”, destaca. O amor aos filhos, assim como o de tantas mães, está estampado no brilho dos olhos ao falar dos herdeiros. Portanto, o Lifestyle de mês das mães não poderia ser melhor representado. Os cuidados com o corpo também fazem parte da lista de afazeres diários de Eliane. Malhar, andar de bike e praticar luta são alguns dos seus hobbies. Conciliando a rotina intensa de trabalho, agenda lotada e família com uma boa alimentação e os cuidados estéticos, a fashion assistant trata sua saúde e bem-estar. Além do mais, com o apoio da Clínica Anis, seus dias são cheios de classe, luxo e exclusividade.

CLÍNICA ANIS SAÚDE ESTÉTICA ED NEW TIMES SQUARE, SALA 1013, AV T 10, 208, SETOR BUENO (62) 3622 3280

FOTOGRAFIA: LUCIANO DOURADO @DOURADOMKT MAQUIAGEM: ONE BEAUTÉ FLAMBOYANT @ONEBEAUTEOFICIAL ELIANE TEODORO: @ELIANETEODOROSAMPAIO


raízes FOTO: TOBIAS RAGONESI

PEDRO ERNESTO

Gastronomia Afetiva Chef de cozinha Pedro Ernesto resgata o passado, com receitas que remetem à infância, para agradar o público

74 ZELO


Victor Lisita

FETTUCINE AO CREME DE COCO E PUPUNHA

PESCADA AO CREME DE ERVAS

75 ZELO

PURÊ DE CENOURA COM GRANOLA DE AÇAÍ

FOTO: TOBIAS RAGONESI

PAIXÃO PELA GASTRONOMIA Criado em Goiânia, o chef cresceu sem imaginar que pequenas atividades culinárias feitas na companhia da avó materna, dona Luiza Rosa, e da vizinha Joventina

Maria serviriam como inspiração de vida. As lembranças mais antigas de cozinha são com elas: enquanto a mãe trabalhava, ele transitava entre as receitas bem temperadas da avó e o hábito de assistir aos programas culinários na TV com a vizinha. Em seu tempo livre, ainda mais nas férias, selecionava ingredientes e colocava em prática as receitas saborosas que havia aprendido. Pedro gostava de comer de tudo, principalmente coisas diferentes e saborosas. Entre os pratos que mais se destacaram na infância, ele cita farofa de fava patacão, almôndega de capivara, bolacha de prato, rosca de sol e paçoca de semente de abóbora. Marcado por essas primeiras experiências, seu trabalho se conecta diretamente com o conceito de comida afetiva. Nas entrevistas com seus clientes para decidir o cardápio, Pedro busca saber não apenas o que gostam de comer, mas também de onde vem o gosto. “A resposta que mais ouço é ‘gostaria de um prato com sabor que lembre a comida da minha mãe’. Cada pessoa tem sua memória gustativa. Isso é natural, e eu tento resgatar. É comum até chegarem para mim com a receita pronta.” Durante parte da infância e adolescência, a vontade de ter uma renda própria levou Pedro a produzir pães para vender no hospital em que a mãe trabalhava. A partir dos 15 anos, com início de estágio em um banco da Capital, a gastronomia ficou um pouco de lado, mas ele garante que “a paixão sempre esteve presente”.

FOTOS: MAP ARTES VISUAIS/BISPO

A

preciador de cervejas especiais e amante da gastronomia, o chef de cozinha Pedro Ernesto não nega as raízes ao planejar um trabalho. Também formado em Engenharia da Computação, o profissional deixou para trás a área e decidiu seguir carreira com o que mais ama e está conectado desde criança: a cozinha. Graduado em Gastronomia e alta cozinha, com pós-graduação em Docência Universitária, ele passa seus conhecimentos para toda pessoa que, assim como ele, ama cozinhar. Consultor gastronômico de alguns restaurantes em Goiânia, incluindo o Restaurante Catarina, onde coordena a equipe e cozinha, Pedro já prestou serviços para o Bar e Restaurante Floresta, além do Restaurante Rosas Cozinha e Sentimento. O chef também é parceiro de alguns espaços de festa na Capital, como o Sabor de Vida Eventos e Espaço 82. Nos dois, ele oferece o próprio buffet, criado há oito anos. Em um futuro próximo, Pedro sonha em abrir um restaurante para continuar levando o “gostinho de casa de vó” ao paladar do público. “Cada ingrediente, prato e combinação são planejados para entregar ao cliente esse sabor”, comenta.

Ingresso no curso de Engenharia da Computação aos 17 anos, o chef por pouco não cursou Gastronomia logo de início. “Com o preço muito alto, tentei novos horizontes, mas não me desconectei do meu grande sonho. Inclusive, trabalhei na área e fiz até intercâmbio”, conta. Na Inglaterra, Pedro trabalhou em um restaurante e aproveitou a oportunidade para acrescentar um pouco da culinária brasileira no cardápio, com pastéis, coxinhas e empadas. Aos 24 anos, o chef finalmente realizou o sonho de estudar o que sempre amou. “Engordei 10 quilos”, diz ele sobre os dois primeiros semestres na faculdade de Gastronomia. Já na conclusão do curso, a oportunidade de trabalhar em restaurantes o pegou e não largou mais. Com a filosofia da dona Luiza de que “pode-se passar vontade de tudo na vida, menos de comer”, Pedro quer seguir a vida levando alegria às pessoas que o rodeiam através da comida.


flores

Delicadeza e Imaginação FOTOS: GUILHERME DOS REIS

Sócios da “Art Fleur” apostam em canal no YouTube para expandir confecção de arranjos

VARIADAS ESPÉCIES COMPÕEM ARRANJOS

FOTO: TOBIAS RAGONESI

ORIGINALIDADE EM CADA PROJETO

APOSTA NA DIVERSIDADE DE TIPOS E CORES

COR ROSA É PRESENÇA FREQUENTE NA DECORAÇÃO DE CASAMENTO

GUILHERME DOS REIS E ALVARO FERREIRA

o canal Art Fleur, no YouTube, para ensinar o manuseio de flores em decoração. Tanto para eventos quanto em locais de trabalho, casa, hotéis e restaurantes, a dupla mostra o passo a passo do processo de criação, tendo 119 vídeos publicados, sendo alguns feitos ao vivo ou logo antes das cerimônias. Com o crescimento do canal, hoje com mais de 22 mil inscritos e 1,3 milhão de visualizações, os dois realizaram parceria com uma floricultura para disponibilizar sua arte pela cidade. No ramo há quase dez anos, Alvaro costuma se inspirar em um exemplo levado pelo cliente para criar algo novo e original a cada projeto. “Ainda que eles escolham as flores para os arranjos, nós sempre acrescentamos algumas mais nobres, como lírio, rosa, tulipa e hortênsia, o que funciona como um enchimento para o produto final”, explica o empresário.

Pela diversidade de cores e disponibilidade durante todo o ano, a astromélia é uma das mais pedidas. “Trabalhamos com as tonalidades conforme o evento, sendo que alguns escolhem a cor do ano para dar destaque. Se for uma formatura, costuma-se utilizar vermelho e amarelo. Festas infantis optam pelo azul e bastante lilás. Em casamentos, mais branco e rosa”, conta. Mesmo que a elaboração dependa da demanda do cliente, podendo começar com uma semana ou um ano de antecedência, os sócios dizem ser possível entregar tudo montado em uma hora ou até menos. O horário de início depende do evento. “Não podemos montar muito tempo antes porque as flores possuem um prazo de validade.”

Victor Lisita

C

apazes de dar mais vida, cor e aconchego, são infinitas as possibilidades para se trabalhar com flores em qualquer tipo de espaço. Juntas, delicadeza e imaginação se completam em meio a variadas espécies florais, que se renovam a cada estação. Você consegue imaginar um casamento, formatura ou festa de debutante sem um sensível toque da natureza nos espaços? Seja nas mesas, entrada ou salão principal, os arranjos completam a experiência de cada pessoa. Trabalho que requer atenção aos detalhes e à época do ano, a montagem dos arranjos pode ser aprendida por todos que se interessem e não demanda uma vasta gama de produtos. Antes mesmo de cair no gosto do público de Goiânia, os sócios Alvaro Ferreira e Guilherme dos Reis decidiram colocar o conhecimento em prática e abriram

76 ZELO

ART FLEUR @ARTFLEURYT /ARTFLEURYT


alimentação

Além do prato Contra a exploração e crueldade aos animais, vegetarianismo e veganismo estendem o olhar à saúde, sustentabilidade e preservação ambiental

FOTO: TOBIAS RAGONESI

SALADA É ITEM PRESENTE NO MENU

77 ZELO


FOTO: TOBIAS RAGONESI

GEOVANNA APOLINÁRIO

Julie Tsukada

E

ra uma viagem de amigos. Em uma cidade litorânea, no interior do País, a arquiteta Karla Bittar, junto com o grupo, resolve passar em um açougue para comprar a carne do churrasco que fariam mais tarde. Na hora de cozinhar, o susto: “O frango estava de um tamanho que não era normal. Eu tive muito nojo. Ali, decidi que não comeria mais carne”, lembra. A mudança na alimentação só foi corroborada quando, no mesmo período, Karla assistiu ao documentário A Carne é Fraca, no qual são abordados os impactos causados ao meio ambiente pelo consumo de carne. O filme, lançado pelo Instituto Nina Rosa, organização não governamental brasileira voltada à defesa animal, é referência quando se trata do assunto no Brasil e foi o primeiro contato de Juliana Brockestayer e Camila Pires com as crueldades dessa indústria. Na época adolescentes, as duas viram o filme durante o ensino médio e, desde então, começaram a repensar seus hábitos alimentares. Foi só ao assistirem Terráqueos, documentário estadunidense que segue o

mesmo tema, que veio a decisão definitiva de pararem com o consumo de carne. Da mudança na alimentação, a dupla foi além. Em 2016, as duas criaram o Guia Vegetariano, perfil no Instagram em que dão dicas e informações para vegetarianos e veganos em Goiânia. Karla, Juliana e Camila fazem parte de um número crescente de brasileiros que pararam com o consumo de carne. Segundo pesquisa Ibope de 2018, cerca de 14% dos brasileiros são vegetarianos – número que corresponde a cerca de 29,2 milhões de pessoas, se considerada a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Comparado a outros anos em que o questionário foi aplicado, nota-se como o aumento foi significativo: em 2011, primeira vez em que ele foi realizado, havia 17,5 milhões de brasileiros vegetarianos. Em 2012, o número caiu para 15,2 milhões. Em menos de dez anos, houve um aumento de mais de 10 milhões. UM OLHAR SOBRE O TODO Assim como a opção pelo vegetaria78 ZELO

nismo ocorre por questões subjetivas, a mudança na alimentação varia de um indivíduo para o outro. No caso da arquiteta Geovanna Apolinário, o processo aconteceu de forma gradual. Desde a infância, ela já não comia muita carne. Foi só adulta, depois de uma viagem para a Chapada dos Veadeiros, que parou de vez com o consumo. “Retornei com a decisão de que, pelos animais e por uma vida mais saudável, seria vegetariana”, afirma. Para Thalita Godoi, professora de Yoga, esse processo ainda não terminou. Há cerca de um ano, quando foi fazer sua formação de yoga na Índia, ela parou de consumir carne. Lá, ficou dois meses em uma dieta vegana. Depois de finalizar o curso, seguiu viajando pelo continente asiático por cinco meses, quando voltou com o consumo, mas de forma reduzida. De volta ao Brasil, Thalita seguiu com a carne reduzida na dieta. Hoje, com uma alimentação balanceada e orientada por uma nutricionista, ela ainda consome peixe, devido ao ômega 3, já que também precisa fazer suplementação. “Eu ainda estou no processo, mas o dia em que eu não vou comer nenhuma carne ainda vai chegar”, diz, confiante. Algumas pessoas ainda vão além do não consumo de carne. Camila, por exemplo, decidiu parar de consumir qualquer produto de origem animal. Ela é adepta do veganismo, uma das derivações do vegetarianismo, ao qual Karla Escoda, nutricionista clínica funcional, também segue. Karla se tornou vegana quando começou a estudar Oncologia, depois que trabalhou no Hospital de Câncer de Barretos. Lá, segundo a nutricionista, membro da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), ela deparou com a relação que produtos de origem animal têm com a inflamação e o câncer. “Depois, fui entender o processo da produção industrial, que me fez tomar a decisão de não ser mais cúmplice de toda a maldade e descaso com nosso planeta”, declara. Se para alguns uma dieta vegetariana já é extrema, o veganismo, que exige um consumo mais consciente em todas as esferas da vida, pode parecer ainda mais. Afinal, não se trata apenas de uma dieta alimentar ou de um modo de vida, mas, sim, de um movimento político, que luta contra a exploração animal e em prol de um estilo de vida mais sustentável e saudável, que preserve e não prejudique o meio ambiente. É com este propósito em mente que Camila e Juliana, além de darem dicas relacionadas à alimentação, também pro-


FOTO: TOBIAS RAGONESI

duzem conteúdo no Guia Vegetariano, de forma a ajudar as pessoas a adotarem hábitos mais sustentáveis. Em feiras e lojas colaborativas de Goiânia, elas vendem cosméticos veganos, além de canudos e copos reutilizáveis, sacos para compras a granel, entre outros produtos. Este ano, criaram o primeiro bioglitter genuinamente goiano, um sucesso de vendas no carnaval. A dupla é expositora recorrente da Go Vegan, principal evento voltado para o público vegetariano e vegano em Goiânia. A feira, que surgiu em 2016, a partir de uma festa junina beneficente e vegana, reúne produtores locais e atividades variadas, como oficinas e bate-papos, e é aberta a toda a comunidade. A longevidade da feira, que chega a seu terceiro ano, comprova o interesse do público por produtos que não envolvam crueldade ou exploração animal. Na pesquisa Ibope, foi identificado como o veganismo tem ganhado a simpatia dos brasileiros. 55% dos entrevistados disseram que consumiriam mais produtos veganos se houvesse uma sinalização melhor nas embalagens. Se o preço deles fosse o mesmo dos produtos comuns, 60% optariam por aqueles que não envolvem crueldade animal. Para Nayara Assunção, empresária responsável pela curadoria e gestão da Go Vegan, a feira oferece acesso a uma variedade de produtos exclusivos que não são encontrados diariamente em Goiânia. Além disso, o evento também tem caráter informativo e social. “A feira é uma porta de entrada para mostrar o que é o vega-

THALITA GODOI

FOTO: MARCEL GNAUK/PIXABAY

VEGETAIS E LEGUMINOSAS SÃO ALGUNS DOS INGREDIENTES QUE COMPÕEM PRATOS VEGETARIANOS

79 ZELO


FOTO: CONSTANZE RIECHERT-KURTZE/PIXABAY

te, legumes, castanhas, verduras, cereais e grãos para montar um único prato. Apenas dentro dessas opções, já são cinco versões vegetarianas de um estrogonofe.” Mais vitalidade e energia são alguns dos resultados que os novos vegetarianos ou veganos afirmam perceber depois de um período com a nova dieta. Também há melhora da microbiota intestinal, digestão, qualidade de sono, e a prevenção das principais doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes, hipertensão e doença cardiovascular, e outras, como câncer, depressão e doenças autoimunes. Para uma alimentação vegetariana ou vegana saudável, é preciso incluir alimentos dos grupos dos vegetais, cereais, tubérculos, raízes, leguminosas, oleaginosas e sementes – ou seja, comida de verdade, não produtos alimentícios. Se aventurar e consumir as plantas alimentícias não convencionais (PANC’s), estar atento aos rótulos dos alimentos e optar por vegetais e frutas da estação, preferencialmente orgânicos, são outras recomendações.

EXPLOSÃO DE CORES E SABOR EM TACO RECHEADO COM VEGETAIS

FOTO: TOBIAS RAGONESI

nismo e como as opções livres de testes e origem animal podem ser interessantes. É mais uma estratégia para o público vegano apresentar seu estilo de vida à comunidade geral”, destaca. MUDANÇA DE HÁBITO Para quem deseja seguir uma alimentação vegetariana ou vegana, Karla Escoda explica que não existem restrições. Desde que haja um planejamento adequado, com acompanhamento profissional, é apropriada para todas as fases da vida, como gravidez, lactação, infância, adolescência, adultos, idosos e atletas, sem risco de deficiência nutricional. Certa de que não existem limites para o trabalho na cozinha sem a carne, a chef e proprietária do bistrô Armazém Frida, Erika Borba, percebe grande engajamento das pessoas vegetarianas e veganas em colocar outras opções como protagonistas. “As duas formas de alimentação têm se popularizado, tanto por curiosidade quanto por consciência. Vejo muita gente começando aos poucos. Ainda comem carne, mas procuram outras opções”, afirma. Explorar é a chave. Ao mudar o estilo de vida, o que antes era considerado acompanhamento agora torna-se foco. Erika dá o exemplo da versatilidade de um estrogonofe, prato amplamente conhecido por ser preparado com carne de frango ou bovina. “Também é possível utilizar, separadamen-

CHEF ERIKA BORBA

80 ZELO


“Estabeleça uma relação com a comida. Sinta o cheiro, aprecie sua refeição e cada nutriente que coloca em seu organismo. Deixe de olhar apenas para você, sua fome, e olhe além, saiba de onde vêm os alimentos e descubra como foram criados até chegar a sua mesa”, complementa a nutricionista. A transição pode vir aos poucos. O movimento Segunda sem carne, popularizado por artistas como Paul McCartney, promove a substituição da proteína animal pela vegetal às segundas-feiras e é uma ótima maneira de começar. Depois, pode-se cortar a carne do cardápio em mais dias da semana, em determinadas refeições, até completar a mudança. Há mais de 15 anos vegetariana, Karla Bittar nota que a alimentação está melhor. “Eu preparo muita comida em casa, tenho uns fornecedores orgânicos e troco muitas receitas com algumas amigas vegetarianas”, conta. Para Geovanna, disposição e metabolismo também melhoraram. O bônus foi a maior organização, por causa do planejamento que a alimentação exige, com marmitas e restaurantes previamente pesquisados, para conferir se há opções sem carne no cardápio. “Ser vegetariana me tornou uma pessoa mais disciplinada, o oposto do que eu era”, ressalta. Thalita, que, além da yoga, corre e faz

crossfit, também nota que, mesmo ainda na transição, parar com o consumo de carne bovina, suína e de frango a fez ter mais disposição. “Eu almoço e fico disposta, leve”, destaca. Com a orientação da nutricionista, ela passou a investir mais em certos alimentos e conhecer outros novos. “É muito feijão, lentilha, grão de bico... Descobri o tofu agora, que era uma coisa que eu não comia”, conta. Ainda é comum esbarrar em questionamentos, preconceitos e mitos. “O que eu mais me deparo é com as pessoas perguntando: ‘Mas você come o quê? Por que você parou de comer carne?’. Elas ficam curiosas, às vezes, também julgam”, relata Thalita. No entanto, a professora de Yoga encara as questões com tranquilidade. “Cada um tem seu processo e suas escolhas. Mas eu acho que se as pessoas experimentassem parar de comer carne, elas iam curtir”, comenta. Hoje, com a facilidade do acesso à informação, a ideia do vegetarianismo e do veganismo vai, aos poucos, deixando de ser radical e inacessível. “A gente sabe que é possível viver bem sem carne. E agora, três anos depois do vegetarianismo e do Guia, percebemos que as pessoas estão mais abertas a conhecer um novo estilo de vida e as novas alternativas que ele tem para oferecer”, finaliza Camila.

ENTENDA A DIFERENÇA VEGANO Pessoa que não consome produtos de origem animal ou que envolvam animais em sua cadeia de produção. Ou seja, além de não comerem carne, veganos não incluem leite, ovos ou mel em sua dieta. No dia a dia, também não compram ou usam cosméticos que sejam testados em animais e roupas de couro e lã.

VEGETARIANO Não inclui nada em sua alimentação que seja de origem animal, desde a carne até os laticínios, como leite e queijo.

OVOLACTOVEGETARIANO É quem não consome carne, inclusive frutos do mar, mas não exclui ovos e laticínios. Pode-se subdividir em ovovegetarianos – aqueles que ainda comem ovo, mas excluem os outros produtos de origem animal da dieta – e os lactovegetarianos – que, de origem animal, só consomem leite.

FOTO: TOBIAS RAGONESI

KARLA BITTAR

FOTO: DIVULGAÇÃO/FACEBOOK

JULIANA BROCKESTAYER E CAMILA PIRES

81 ZELO


FOTO: ANDRÉ CIWYSKI

bem-estar

Saúde e Confiança Victor Lisita

Conforto passa a ser o foco dos pacientes em busca de cuidados bucais, segundo a odontóloga Sabrina Santos

DRA. SABRINA G. SANTOS - CRO-GO 6720 ESPECIALISTA COM 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA EM REABILITAÇÃO ORAL, PRÓTESE DENTÁRIA, ESTÉTICA, OCLUSÃO, ATM E IMPLANTODONTIA PELA ABO-GO. AV. T4, 619, 8º ANDAR, SL 814, ED. BUENA VISTA OFFICE DESIGN - ST. BUENO - GOIÂNIA-GO (62) 9 8140 0256 / (62) 4101 3962 DRA.SABRINASANTOS @DRA.SABRINASANTOS WWW.SABRINA.ODO.BR

E

m meio a um cenário de busca por princípios estéticos, quando o assunto é odontologia, o amadurecimento dos pacientes tem mudado, consideravelmente, para o intuito de preservar a saúde. Não apenas pelo contexto de problemas econômicos enfrentados pelos brasileiros, a mudança de pensamento chega em uma época em que se valoriza mais o conforto, em termos de promoção da saúde bucal, do que a beleza. Tal conjuntura não deve ser adotada apenas pelos pacientes, mas também, e principalmente, pelos profissionais da área odontológica, que percebem que a entrega de saúde permite bem-estar e, consequentemente, promove o belo, o que gera confiança e desmistifica os preconceitos. Especialista em Reabilitação Oral, a odontóloga Sabrina Santos entende como necessário agregar seu trabalho à promoção de saúde, estabilidade funcional, conforto e beleza como resultado final. Com o aumento de pacientes em busca de soluções para dores, por variados problemas, a profissional nota que o mercado não possui subsídios para criação de conteúdo, informações e tratamentos nos quais poderiam prever e ou antecipá-los, “levando as pessoas a passarem por situações de ordem simples e ou grave, a ponto de procurarem uma resolução apenas tempos depois”. 82 ZELO

Determinados receios para muitas pessoas, como “os dentes do siso”, por exemplo, ainda que comumente relacionados a incômodos e dores, não são tratados com a seriedade necessária. Por serem os últimos molares a nascer, é normal não haver espaço na boca para comportá-los. Além de poder prejudicar os outros dentes, essa situação também “faz com que possibilitem uma má oclusão, provocando uma rotação errônea da mandíbula que levará a uma disfunção de ATM, denominada DTMs”, explica a cirurgiã-dentista. “Neste caso, a indicação é extraí-los para que o maxilar inferior retorne à posição correta.” Afetada pela carência de divulgação sobre tratamentos, a relação dos pacientes com os odontólogos pode ser composta tanto por preconceito quanto pela falta de confiança. Para Sabrina, um entendimento real e completo de cada caso, com um diagnóstico preciso dos problemas e soluções, promove a confiança para que tudo ocorra bem. “A partir de comparativos de exames, eu não só falo para o paciente, mas também comprovo as informações dadas. Mediante isso, o paciente se sente seguro, perde o medo do tratamento odontológico propriamente dito e passa a preocupar-se apenas com o problema, o que permite a solução. O retorno e indicações só tendem a aumentar nos consultórios odontológicos.”


social FOTOS: FÁBIO LIMA

Inauguração sofisticada Referência no setor de móveis planejados da América Latina, a Todeschini inaugurou sua primeira franquia em Goiânia, administrada pela sócia Fernanda Braga. Arquitetos, designers de interiores e outros profissionais da área foram recebidos pela empresária em um brunch de inauguração. O evento foi embalado pela música da banda Yas and The High Groove e aos convidados foi oferecido menu assinado pelo Hanna Buffet.

ANTÔNIO MIGUEL E FERNANDA BRAGA

DANIEL ALMEIDA

VANESSA GRANER, ALESSANDRA NAHAS, MARIANA MENDONÇA E ROSE PINHEIRO

RUBIANA TEIXEIRA

PEDRO PAULO LUNA E MARCOS LULA

ANDRÉ LENZA, SIMONE LOURENÇO E ALEXANDRE MILHOMEM

FÁBIO ATAIDE E WILLIAM HANNA

CLÁUDIA OLIVEIRA, SÉRGIO SARMENTO E TAYANE MENDONÇA

EDMARA CAVALCANTE E GENÉSIO MARANHÃO

GUSTAVO RIBEIRO, ANTÔNIO MIGUEL, FERNANDA BRAGA, NEREU CONZATTI E DENIS RODRIGUES

83 ZELO


FOTOS: TOBIAS RAGONESI

social

ANDRÉ BRANDÃO, MÁRCIA VARIZO, EDNARA BRAGA E PATRÍCIA GUIMARÃES

LÍVIA AZEVEDO E JOÃO NELSON AZEVEDO

SILVIA HERINGER, ALEXANDRE MILHOMEM E SILVINHA HERINGER

Planeta Casa

FOTO: CRISTIANO BORGES

FOTO: CRISTIANO BORGES

Em meio a muita inovação e sofisticação, o Epic City Home recebeu convidados em um coquetel de abertura da Casa Cor Goiás 2019. Quem passou por lá pôde conferir os 40 ambientes que mergulharam no conceito Planeta Casa, tema da edição. Entre os convidados, o evento recebeu a primeira-dama do Estado, Gracinha Caiado.

ADRYANNA MELO CAIADO, ELIANE MARTINS E GRACINHA CAIADO

VINÍCIUS MONTREZOL E ANA FLÁVIA CANEDO MONTREZOL

GIOVANNI BORGES E DORISELMA MARIOTTO

CRISTIAN ROBERT E ADRIANE GOUVEIA

ALESSANDRA NAHAS E VANESSA GRANER

84 ZELO

FERNANDO PARRODE E SIMONE LOURENÇO


social

RAUL FILHO E CARINE ROCHA

FOTO: CRISTIANO BORGES

WILDER MORAIS E ANA LUIZA FLEURY

ELIANE MARTINS E SHEILA DE PODESTÁ

JOÃO GABRIEL TOMÉ, ARYANE OLIVEIRA, MARIA JÚLIA VULCANO E VICTOR TOMÉ

ALEXANDRE PEDREIRA E RUBYA ZOTELLE

MÁRCIA SIMONSEN

RODRIGO FERREIRA

LARISSA LEITE E ROGÉRIO ROCHA

85 ZELO

WILKER GODOY E FERNANDO MATEUS


social FOTOS: ANDRÉ CIWYSKI

Glamour Uma noite de muita animação agitou o decorado do Miami One LifeStyle, empreendimento da EBM Desenvolvimento Imobiliário. O coquetel para convidados foi promovido pela EBM, Instituto Rildo Lasmar, VR Imóveis e Instituto Tatiana Dias e reuniu um time de peso, com a presença do ex-jogador Kaká e sua noiva, Carol Dias. A ocasião ainda contou com o talento da cantora e compositora Mayah, que embalou a festa.

KAKÁ, CAROL DIAS, BEL E RILDO LASMAR

KAKÁ, KAROL MENEZES, CAROL DIAS E ALEXANDRE MONTES

TATIANA DIAS, ESTELA DAIA E GRAZY DANTAS

FABÍOLA DIAS E CAROL DIAS

LUCAS VELOSO, BEL LASMAR E LILI VELOSO

HELENA RIBEIRO E LUIS ANTÔNIO RIBEIRO

WILLIAM HANNA, ÂNGELA MOTTA, FÁBIO ATAIDES E ROSÂNGELA MOTTA

ROBERTA VALERO E NEURIVALDO AMARAL

IGOR LOBO E EDNA OLIVEIRA

86 ZELO


social FOTOS: ROBSON NASCIMENTO

Matrimônio à beira-mar Em frente à beleza da praia de Itacimirim, na Bahia, a nutricionista Marcella Naoum e o empresário Gustavo Naoum oficializaram o matrimônio em cerimônia íntima na pousada B Blue Beachouses. Repleto de flores, o espaço projetado pela Perpétua Decorações deixou o casamento ainda mais charmoso. O vestido de noiva da marca Rosa Clará, feito exclusivamente para a loja Marie Blanc, e o buffet Rosa Amarela foram os destaques da ocasião.

MARCELLA E GUSTAVO NAOUM

FOTOS: FÁBIO LIMA

GEORGES, MARCELLA, JOÃO VICTOR E FABÍOLA NAOUM

NEANDER COELHO E CARLA NAOUM, GUSTAVO E MARCELLA NAOUM E GEORGES E FABÍOLA NAOUM

Parceria de sucesso O arquiteto Alexandre Milhomem e a Cinex Arch Goiânia receberam ilustres parceiros da marca para fortificar relações e celebrar cada projeto. A noite contou com menu assinado pelo também arquiteto William Hanna, que elaborou opções exclusivas para a ocasião. No cardápio, tartare, risoto e cesta de parmesão. Alexandre Milhomem comandou a trilha sonora do evento.

ALEXANDRE MILHOMEM E WILLIAM HANNA

NANDO NUNES E RODRIGO FERREIRA

ARYTANA STEFENONI

DUDU LIMA E FELIPE FÉLIX

87 ZELO


FOTOS: TOBIAS RAGONESI

social

Parceria triunfal Em conjunto com o arquiteto Leo Romano, a Cinex Arch Goiânia realizou evento com o tema Fazer o Bem Faz Bem. A ação, que incentivou a solidariedade por meio de pequenos gestos, ocorreu no loft Casa da Girafa/Cinex, na Casa Cor Goiás 2019. Os convidados conferiram alguns cases de obras projetadas pelo profissional, assim como conceitos e experiências sobre o assunto. Quem esteve presente curtiu o som animado do DJ Thiago Jesus.

PEDRO PAULO ESTRADA E LEO ROMANO

MARIA ABADIA, SOFIA E DANIELA HAICH

WILLIAM HANNA E REGINA LORENTZ

ALESSANDRA NAHAS E VANESSA GRANER

RÚBIA FRANÇA, AMANDA AYRES NASCIMENTO E CARLOS CARDOSO DO NASCIMENTO

PEDRO PAULO ESTRADA E MEIRE SANTOS

GENÉSIO MARANHÃO E FREDERICO ADEJAR

88 ZELO

MÁRCIA ALBIÉRI, ALINE ALBIÉRI E BÁRBARA NEUMA

ROSE CAMPOS VAZ E CRISTIANE MOUSSA


social FOTOS: FÁBIO LIMA

Celebração da arte Os empresários Filipe e Johana Câmara receberam arquitetos, designers e parceiros durante brunch em comemoração ao primeiro ano da franquia goiana da Urban Arts. Ao som do DJ Thiago Jesus, os convidados puderam conferir o acervo de 4 mil artistas catalogados e 80 mil obras disponíveis na galeria, que apresenta um jeito mais acessível de se consumir arte.

FOTO: RAFAEL MANSON

LARA BERALDO E ISABELA GONDIM

FILIPE E JOHANA CÂMARA

ARTHUR FLEURY, DUDU LIMA E FELIPE FÉLIX

FREDERICO GIACOMO E CÉSAR NETO

LUISA MACEDO

Realização A Sommos Imagem e Estilo trabalha moda e beleza a partir das particularidades dos indivíduos Victor Lisita

ANTONIO TOMTOM E RODOLPHO RODRIGO

Construção de estilo é o alvo da Sommos Imagem e Estilo. Designers de moda, os sócios Antonio Tomtom e Rodolpho Rodrigo garantem que a beleza passa do contexto físico. É ampla, mutável e se relaciona também com a educação, caráter, bom senso e atitudes. Não é à toa que muitas celebridades do mundo da música e da moda escolheram a visão da empresa para que os detalhes fossem trabalhados. Através dessa diversidade, a marca entra no mercado como resposta às particularidades de cada um. “O nome Sommos é abrangente e representa muito bem tudo o que vivemos dentro e fora da moda. Sommos é o novo, o inesperado, o que você precisa e deseja. A 89 ZELO

Sommos é a realização”, detalham Tomtom e Rodolpho quanto ao porquê do nome escolhido. Eles garantem que quem os procura em busca de construção de imagem e estilo sai com a certeza de que a empresa possui um conceito único de moda, autenticidade e modernidade. Com elaborações personalizadas para cada cliente, os designers de moda não atuam com fórmulas específicas e asseguram que moda e beleza são inseparáveis. Os sócios afirmam ainda que é preciso trabalhar com identidade. “Atendemos pessoas do mundo artístico e também aqueles que buscam abrir o guarda-roupa e se encontrar dentro dele. É um encontro de espírito que reflete na forma de viver”.


social social

Música e arquitetura

FOTOS: TOBIAS RAGONESI

O ambiente Clube do Ócio, da Casa Cor Goiás 2019, foi palco para quatro noites musicais durante a mostra. A arquiteta Patricia Neto não deixou o espaço parado e convidou para animar o público a cantora Ellen Aguiar e banda, o violoncelista Nilson Magalhães e as bandas Pryori e Vertize. Os convidados ainda conferiram as delícias do chef Fernando Hanna.

ANDREIA ROCHA LIMA, PATRICIA NETO E LARISSA MAFFRA

PATRICIA NETO E LEO ROMANO

BRUNO MORAIS, ISADORA MORAIS, PATRICIA NETO, ANA PAULA CASTRO E SANDERSON PORTO

GABRIELA SABACK E ANA PAULA MUNHOZ

VICTOR LEAL, RUBIANA TEIXEIRA E PATRICIA NETO

PEDRO PAULO LUNA E PATRICIA NETO

MÁRCIA VARIZO E ANDRÉ BRANDÃO

FERNANDO PARRODE E EDMARA CAVALCANTE

MEIRE SANTOS E PATRICIA NETO

90 ZELO


FOTOS: TOBIAS RAGONESI

social

Congresso dermatológico O dermatologista Rogério Ranulfo realizou o Jantar do Presidente, que marcou a abertura do 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica. A confraternização ocorreu no Palácio da Música, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, e contou com apresentações exclusivas de Zeca Baleiro e da Orquestra Filarmônica de Goiás. Quem esteve presente pôde conferir as delícias do chef Ian Baiocchi.

ROGÉRIO RANULFO

ZECA BALEIRO

ROSSANA MAGALHÃES

MEIRE PARADA, ELIANDRE PALERMO, PATRÍCIA ORMIGA, MARIA CLÁUDIA ISSA E MÔNICA AZULAY

LUIZ ROBERTO TERZIAN, SÍLVIA ZIMBRES E GAVLBIANO LEAL

ISMAEL ALEXANDRINO E FERNANDA LIMA

JOAQUIM MESQUITA, PATRÍCIA ORMIGA E SÉRGIO SERPA

RÔMULO LISBOA, ANA CLÁUDIA ROCHA E ÂNGELA MOTTA

91 ZELO


FOTOS: TOBIAS RAGONESI

social

Celebração Exemplo para toda a família, a matriarca Motta não nega o nome. No Espaço Sabor de Vida e Eventos, Diva Motta comemorou seus 80 anos rodeada por familiares e amigos ao som do sertanejo Renato Camargo. A celebração teve arranjos da Art Fleur, bolo da Sonhomeu Chocolates, móveis da Festivita Locação e um buffet com toques caseiros do chef Pedro Ernesto. As fotos do dia são de Tobias Ragonesi.

DIVA MOTTA

DIVA E OS FILHOS: ASTERO, KELL, ÂNGELA E ROSÂNGELA MOTTA

BOLO DA SONHOMEU CHOCOLATES

EVANIR, JOICE, DIVA, GERALDA E MARIA DA PAZ MOTTA

HANNAH, PEDRO HENRIQUE, DIVA E ANDRESSA MOTTA

MÓVEIS DA FESTIVITA LOCAÇÃO

ASTERO, ROSÂNGELA, ÂNGELA E HANNAH MOTTA

ASTERO MOTTA E A VEREADORA CRISTINA LOPES

FOTOS: SOLIMAR OLIVEIRA

DIVA MOTTA ENTRE OS IRMÃOS LUZIENE, JOANA, INÁCIO, EURIVAL, DINAIR, EURISTON, DINORÁ E EUCLIDES

Reconhecimento Em comemoração ao Dia da Comunicação Social, profissionais da área em Goiás foram homenageados em sessão especial na Câmara Municipal de Goiânia. Proposta pela vereadora Drª Cristina Lopes, a solenidade teve a presença do presidente da Casa, vereador Romário Policarpo. Da Zelo, quatro profissionais receberam o tributo: Hannah, Rosângela, Ângela e Astero Motta.

92 ZELO


social FOTOS: EVELLYNE FERREIRA

ANA PAULA MUNHOZ E EDUARDO CUSTÓDIO

Casamento dos sonhos

LUCIANA PENA, TULIO PIEROBON, ANA PAULA E EDUARDO, GABRIELLA SABACK, CRISTIANO COSTA, KARINE E LEANDRO FERREIRA

A arquiteta Ana Paula Munhoz e o médico Eduardo Custódio realizaram o sonho de se casarem em frente ao lago do condomínio Alphaville Flamboyant, no Deck Clube Alphaville. Amigos e familiares foram acolhidos em um ambiente projetado pela Ipê Paisagismo e Criativa Decorações. A ocasião contou ainda com buffet assinado pelo renomado chef Ian Baiocchi e os deliciosos doces da Confeitaria Sonhomeu.

ANA PAULA MUNHOZ

FOTOS: TOBIAS RAGONESI

Dupla comemoração O empresário Gláucio Rocha, da GR Exxxperience Group, comemorou a participação da empresa em dez ambientes da Casa Cor Goiás 2019 e seu aniversário na praça de eventos da mostra. A ocasião foi animada pelo quarteto GR Jazz Exxxperience e pelo DJ Thiago Jesus. Para lá de animada, a noite ainda contou com as delícias do Hanna Buffet.

FERNANDO ROCHA GALVÃO, ADRIANA MUNDIM, MEIRE SANTOS E ELIANE MARTINS

GLÁUCIO ROCHA E PATRÍCIA LEITE

JOÃO FILHO, AMANDA RASSI E ROGÉRIO BORGES

GLÁUCIO ROCHA, CRISTIANE MOUSSA E LUCAS MACHADO

ROSE PINHEIRO E LUIZ EDUARDO PINHEIRO

93 ZELO


turismo

FOTO: ABIC

MUITO MAIS

QUE PRAIAS

Região serrana do Ceará abriga a Rota do Café, repleta de atrativos naturais e fazendas históricas

94 ZELO


Rosângela Motta

H

á quem vá para o Ceará para curtir as praias, dunas e falésias. Mas também há os que vão para desfrutar das temperaturas, que chegam a 16ºC na Serra do Baturité, região serrana do Ceará. Lá, a natureza parece nos presentear a todo instante. Florestas, cachoeiras, matas, trilhas e montanhas comprovam essa impressão. Uma estrada sinuosa leva os visitantes à Rota do Café Verde, em um tour pelos principais pontos de produção do café sustentável da serra. Desde que surgiu a rota, antigas fazendas – referências em produção cafeeira – abrem suas propriedades para vivências guiadas. Dos 12 municípios localizados no entorno, quatro fazem parte da rota: Baturité, Mulungu, Guaramiranga e Pacoti. A convite da Secretaria de Turismo do Ceará, a Zelo visitou dois destes sítios. Um deles é o Sítio Águas Finas, em Guaramiranga, onde se produz o Café Guará, pelas mãos da Família Uchôa. Quem nos recepcionou foi o coronel Francisco Uchôa, que contou sobre o plantio, a secagem e a moagem dos grãos do café arábica. “A colheita é seletiva, com a captação somente dos grãos maduros, e a secagem é feita em solo suspenso para que o café conserve-se bem longe da umidade do solo”, informa. Outra característica da Serra do Baturité é o café sombreado, cultivado à sombra da mata – protegido dos raios intensos do sol –, conservando, assim, o solo rico em nutrientes e umedecido pelas folhas das ingazeiras. O resultado é um grão livre de produtos químicos, pois o café é colhido de forma artesanal, em modelo de prática sustentável.

FRANCISCO UCHÔA: SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA, NO SÍTIO ÁGUAS FINAS

Logo após as explicações, numa conversa com um quê de aula de História, o senhor Uchôa nos conduz a uma trilha de sete hectares destinada ao plantio do café, onde pudemos conhecer (e degustar) variações da fruta. A trilha revela ainda o encontro da Mata Atlântica com a Floresta Amazônica. No percurso, uma das atrações é a Barriguda, árvore de 200 anos que merece registro fotográfico. Ao final do trajeto, uma despedida poética. O adeus veio com um menino tocando flauta. Uma experiência sensorial de arrepiar. A próxima parada foi no Sítio de São Luís, da Família Goes, na charmosa Pacoti. Lá, somos recebidos pela proprietária, Laura Goes, que nos relata sobre o casarão colonial, que chama atenção pelos seus ar-

SÍTIO DE SÃO LUÍS: EM PACOTI, CASARÃO COLONIAL ABRIGA OBJETOS QUE RECONTAM OS TEMPOS ÁUREOS DO CICLO DO CAFÉ

95 ZELO

cos brancos e imponentes. No interior da fazenda centenária, fotos e objetos nos dizem muito sobre os tempos áureos do Ciclo do Café, quando as plantações do grão mandavam na economia. O espaço já foi cenário de filmes – entre eles, Bezerra de Menezes – Diário de um Espírito. No final, Laura nos convida para provar o famoso bolo de café, de receita centenária, ricota fresca e geleia, ao som de um bolero de vinil. Mais do que o café, no Sítio São Luís semeia-se um modo de vida agradável, que nos faz voltar no tempo. Uma experiência que vale cada segundo. SÍTIO ÁGUAS FINAS (85) 9 8898 3233 SÍTIO SÃO LUÍS (85) 9 8729 0099


FOTO: DIVULGAÇÃO

GRAN MAREIRO Localizado na Praia do Futuro, o Gran Mareiro se destaca por sua infraestrutura e localização privilegiada, próximo ao Crocobeach e à barraca Órbita Blue. Em ambiente requintado e climatizado ou na bela varanda de clima tropical, tendo o oceano como cenário, você pode desfrutar dos mais variados pratos da cozinha regional e internacional. O hotel conta ainda com ampla área de lazer, piscina com espelhos-d’água, duas hidromassagens, bar molhado, salão de jogos, sauna, academia e kids club. É o lugar para se descansar sem medo do tédio. Site: www. granmareiro.com.br

FOTO: CONHECENDOOCEARA.COM.BR

CEARÁ CANOA QUEBRADA Situada no município de Aracati, a 160 quilômetros da capital, Fortaleza, a praia de Canoa Quebrada encanta com suas belas falésias, dunas e jangadas. É também lugar para os amantes de aventura. Perto da praia, atrás das falésias, as dunas brancas oferecem aos aventureiros fortes emoções em passeios de buggy. A vegetação, formada de alagados em meio a coqueiros, e a cor da areia em contraste com os diferentes tons das falésias, do céu e do mar fazem bem para os olhos e para a alma. Uma lua e uma estrela esculpidas nas falésias dão um charme especial ao lugar. Outra opção para os aventureiros é a tirolesa de aproximadamente 25 metros de altura. Sites: www.ernanitur.com.br, www.descubraoceara.com.br e www.arrieguaadventure.com.br

FOTO: WWW.DECUBRAOCEARA.COM.BR

CEARÁ SHOW MUSICAL O espetáculo Ceará Show é uma viagem lúdica pela história do Ceará. O musical conta a história do menino Moa, um jovem rapaz que decide fugir de casa após Cecilia, o seu par de infância, partir para o Sudeste com os pais. Pela narrativa, dá para saber da história do Ceará, do vocabulário e conhecer personalidades emblemáticas do Estado, como o Padre Cícero, Dragão do Mar e Iracema. O evento – com lindos cenários e figurino – garante bons momentos de entretenimento. Site: www.cearashow.com.br

FOTO: VOE NEWS

96 ZELO


FOTO: DIVULGAÇÃO

Moleskine Gastrobar Inspirado em gastrobares dos Estados Unidos, Canadá e Europa, o Moleskine é lindo e despojado. Os drinques são espetaculares. Destaques para o Pineapple Gold, que leva tequila, vodca importada, licor de cassis, mel e blend de chás e o Moscow Mule, composto por vodka, suco de limão, cerveja com aroma de gengibre e creme. Site: www.moleskinegastrobar.com.br

Com mar verde, de águas mornas e ventos litorâneos intensos, o Ceará possui uma grande diversidade espalhada em 573 quilômetros de praias. Os atrativos locais ainda estão à mostra em espetáculos culturais e na gastronomia

FOTO: SECRETARIA DO TURISMO DO CEARÁ (SETUR)/JADEQUEIROZ

CALDEIRÃO CRIATIVO O espaço cultural Dragão do Mar é formado por teatro, cinema, salas de exposição, dois museus (o da Cultura Cearense e o de Arte Contemporânea do Ceará), planetário e auditório. O ambiente funciona desde 1998, levando arte das mais variadas, parte delas com acesso gratuito. Site: www.dragaodomar.org.br

FOTO: DIVULGAÇÃO

BEACH PARK À beira-mar, o parque aquático Beach Park tem diversão para toda a família, com atrações leves, moderadas e radicais, em seus mais de 7 mil litros de água em todo o parque. Entre tantos toboáguas, o Insano ainda é o campeão da adrenalina: a descida de 41 metros de altura atinge a velocidade de 105 quilômetros por hora. Na descida do escorregador aberto, as costas desgrudam do plástico e a sensação é de queda livre. Site: www.beachpark.com.br

97 ZELO


//

PORQUE O MERCADO EXIGE GRANDES PROFISSIONAIS

FAÇA PÓS-GRADUAÇÃO NA CAMBURY E DESTAQUE-SE NO MERCADO! Gastronomia e Negócios | MBA em Finanças | Estética e Negócios Direito Tributário e Empresarial | Marketing Digital e E-Commerce | Design de Interiores

37º Círculo do Conhecimento e Práticas Cambury

32º Aluno Gourmet Cambury

Multicidadania 2019

A última edição do evento, que aconteceu entre os dias 06, 07 e 08 de junho, integra e consolida o modelo de ensino da Cambury com foco em inovação e empregabilidade foi um sucesso.! Na foto, os grandes vencedores da noite!

O jantar que já faz parte do calendário gastronômico de Goiânia, reuniu no dia 09 de maio alunos do 3° e 4° períodos do curso de Gastronomia na preparação de pratos da alta gastronomia. O evento teve como tema “Uma noite portuguesa”.

Nesse semestre, o maior evento social da Faculdade Cambury, o Multicidadania, aconteceu no dia 01/06 em Santo Antônio de Goiás. Todos os serviços prestados foram inteiramente gratuitos. Os alunos realizaram oficinas e diversos atendimentos para a comunidade.

XII Saber Jurídico Cambury

Feira de Estética Cambury 2019

Semana da Psicologia Cambury

“Direito Ambiental e Sustentabilidade” foi o tema do XII Saber Jurídico – principal evento da Escola de Direito da Faculdade Cambury. Foram 10 palestras da área jurídica, que abordaram assuntos contemporâneos sobre meio ambiente. O evento ocorreu nos dias 7 e 8 de maio.

A Escola de Estética e Beleza da Faculdade Cambury realizou nos dias 13 e 14/05, a Feira de Estética 2019. O evento aberto ao público, tem por objetivo gerar novos conhecimentos científicos e tecnológicos na área de beleza. Além da feira, workshops e palestras completaram a programação.

A Faculdade Cambury realizou entre os dias 28 e 31 de maio a Semana de Psicologia. Onze palestrantes trataram de assuntos como Esquizofrenia, Psicodrama, Paciente Borderline, Psicologia Forense, entre outros. O evento é voltado para acadêmicos de psicologia e aberto à toda comunidade.

Unidade Goiânia

(62) 3236-3020 Av. T-2 n°3531. St. Sol Nascente, Goiânia - GO

Unidade Formosa

(61) 3631-1010 Rua Manuel Alves Ferreira, n°404, Formosinha - Formosa - GO


@i.lobocollection 100ZELO

Profile for Revista Zelo

Zelo 43  

Quadragésima terceira edição da Revista Zelo.

Zelo 43  

Quadragésima terceira edição da Revista Zelo.

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded