Issuu on Google+

Outubro 2008

1


Acessórios para limpeza ..................................6,10,12 Acolchoados para elevador .......................................12 Alarmes .......................................................2ª capa,32 Antena coletiva .........................................................32 Armário de aço .........................................................25 Armário ....................................................................25 Arquivo de aço ..........................................................25 Artigos esportivos ...........................................3ª capa Aspirador de pó ..........................................................6 Audiovisual ..............................................................23 Audiovisual: locação .................................................23 Balde espremedor .....................................................10 Banco lápis ..........................................................19,24 Baterias ....................................................................21 Bebedouro ...............................................................33 Bicicletário ..................................................................6 Bloqueador de ar p/ hidráulica .....................................8 Brinquedos ................................................8,19,24,25 Cadeira de praia ........................................................18 Cadeira para portaria ..........................................6,8,25 Caixas de correio ........................................................6 Cama elástica ...........................................................19 Câmera de documentos ............................................23 Câmera de segurança ............................2ª capa,32,33 Câmera fotográfica digital .........................................23 Cantoneira ...................................................1ª capa,20 Capacho ............................................................6,8,12 Capas para Piscinas .................................................12 Carpete .....................................................................31 Carrinho de compras..............................................6,12 Carro funcional .......................................................... 6 Carteirinha de estudante............................................25 Casinha de boneca ............................................ 19,24 Cerca elétrica .......................................................32,33 Circuito fechado de TV .................................2ª capa,32 Claviculário ..........................................................21,25 Cobertura ...........................................................22,23 Cobertura em policarbonato/vidros ......................22,23 Cofre .......................................................................25 Colchonete ...............................................................24 Coletor de copos .......................................................10 Construtora................................................28,29,30,31 Conteiner ..............................................................6,10 Controlador de iluminação para garagens ..................32 Controle de acesso ..............................................32,33 Cortina rolo...............................................................22 Crachá ......................................................................25 Desentupimento: máquinas .......................................24 Dispenser para papel higiênico ............................10,12 Dispenser para papel toalha..................................10,12 Dispenser para sabonete liquido ..........................10,12 Economizadores de água ............................................8 Elevador: equipamentos .............................16,17,18,19 Elevador: manutenção ................................16,17,18,19 Enceradeira ........................................................6,8,10 Engenharia ................................................................28 Envidraçamento de sacadas ......................................23 Filmadora ..................................................................23 Filtro .........................................................................33 Flip Chart ................................................................21 Grama sintética ..............................................19,24,31 Guarda sol ...............................................................18 Iluminação ......................................................21,32,33 Impermeabilização ................................24,28,29,30,31

Interfonia digital ........................................................32 Jardinagem ..........................................................33,34 Lâmpada p/ projetor .................................................23 Lavadora automática de piso ................................10,21 Lavadora de alta pressão ....................................6,8,21 Limitador de vaga ........................................1ª capa,20 Limpeza de caixa d’agua ...........................................24 Lixeira ..............................................................6,10,12 Lombada ecológica ......................................1ª capa,20 Lousa ......................................................................21 Manutenção predial .........................................28,29,30 Máquinas para limpeza...........................................6,21 Mármores / Granitos .................................................30 Mesa de futebol de botão ..........................................19 Mesa de pebolim / Totó ............................................19 Mesa de ping pong....................................................19 Mesa de snooker ......................................................19 Módulos psicomotores..............................................24 Móveis de aço .........................................................25 Móveis para biblioteca ..............................................25 Móveis para escritório ...............................................25 No break ...................................................................21 Notebook ..................................................................23 Ombrellones ...........................................................18 Persianas ................................................................. 25 Pintura predial ...........................................28,29,30,31 Piscina de bolinhas ..............................................19,24 Piso de borracha .........................................31,4ª capa Piso esportivo ....................................19,24,31,3ª capa Piso social ................................................................31 Piso vinílico .............................................................31 Piso: restauração ......................................................30 Placas sinalizadoras ....................................6,10,12,25 Playground em madeira ...........................................25 Playground em plástico ..................................8, 19,24 Portaria................................................................33,34 Projetor multimídia ...................................................23 Protetor de coluna p/ garagem......................1ª capa,20 Protetor de pára-choque ...............................1ª capa,20 Protetor de parede........................................1ª capa,20 Protetor de porta ..........................................1ª capa,20 Protetor perimetral .......................................1ª capa,20 Purificador de água ..................................................33 Quadra poliesportiva .........................................3ª capa Quadro branco / magnético .......................................21 Quadro branco: digital ...............................................21 Quadro de aviso .......................................................21 Radiocomunicação: assistência técnica.....................31 Radiocomunicação: locação .....................................31 Radiocomunicação: venda ........................................31 Rede de proteção ................................................ 30,3ª Restauração de fachadas ...........................28,29,30,31 Segurança/Medicina no trabalho ...............................24 Sensores ..................................................................33 Sinalização: de solo ....................................................6 Sinalização: viária .......................................................6 Sistema de segurança: projeto .....................2ª capa,32 Tapete personalizado ...........................................6,8,12 Tela de projeção ..................................................21,23 Terceirização de serviço .......................................33,34 Toldos.......................................................................22 Triturador de alimentos ..............................................12 Vidros: proteção........................................................23


Esp e c i a l

Férias escolares

Férias escolares no cond ser divertidas!

Quando aumenta o número de crianças brincando pelos corredores, escadas, playgrounds, piscinas e quadras, é sinal de que o período de férias escolares está a todo vapor. E é justamente nessa época do ano que surge um grande problema a ser solucionado pelos condomínios: o que fazer para entreter a criançada que está à procura de diversão? Pa r a r e s o l v e r e s s e dilema, alguns síndicos têm optado pela contratação de empresas especializadas em recreação infantil, que podem oferecer diversas atividades durante o dia, de forma organizada, supervisionada e segura – para alívio dos pais.

4

Outubro 2008

A Agility, assessoria esportiva especializada em recreação infantil, atende cerca de 50 crianças num condomínio que fica em Santana do Parnaíba, município de São Paulo. Segundo Marcelo Toshio Koba, professor de educação física e sócioproprietário da empresa, o local possui boa infraestrutura para que as aulas possam ser realizadas com qualidade. “Para melhor organizar as tarefas, dividimos as turmas por faixa-etária, entre meninos e meninas. Os pequenos com idade entre quatro e seis anos participam de atividades recreativas, com brincadeiras no playground, salão de jogos e

na brinquedoteca, utilizando joguinhos educativos. Já para as crianças entre sete e dez anos temos escolinha de esportes com diversas modalidades, entre elas futebol, basquete, handebol e vôlei. Já os maiores de 13 anos podem iniciar também atividades na sala musculação, com exercícios leves e específicos, pois como eles estão em fase de crescimento, não podem fazer muito esforço”, indica Koba, lembrando ainda que caso o condomínio tenha piscina, a empresa conta com professores que dão aulas nesse espaço também. O professor de Edu-


domínio também podem cação Física ressalta que as atividades são elaboradas dependendo das condições que o condomínio dispõe e que – apesar de contar com um quadro pré-definido de tarefas - a empresa costuma ouvir os pedidos dos pequenos, caso eles peçam alguma outra brincadeira específica. “Estamos abertos a sugestões, pois, afinal de contas, eles é que vão participar”, comenta. Especialistas da área esportiva afirmam que a mescla de exercícios lúdicos e esportivos ajuda no d e s e n v o l v i m e n t o m o t o r, além de proporcionar às crianças um crescimento saudável.Para o gestor da RM Fitness, Ricardo Morra, a prática esportiva é importante em todas as fases da vida, sobretudo quando pequeno. “Num mundo cada vez mais virtual em que vivemos, é essencial estimular o contato entre os colegas moradores, pois isso cria aspectos sociais, afetivos e cognitivos, além de desenvolver as qualidades físicas e tirar as crianças do sedentarismo, criando novos hábitos. A sociedade moderna tem abandonado esses fatores”, lamenta. E esse foi um dos motivos que levaram Marcelo Ferreira de Castro, pai de Joana,

de quatro anos, a colocá-la para brincar com outros moradores mirins do prédio onde moram, na região do Jaguaré, zona oeste de São Paulo. “Ela é hiperativa e vive bagunçando a casa. Como é filha única, resolvi levá-la a fazer as atividades com outras crianças do condomínio. Assim, ela convive com os coleguinhas e melhora o lado da sociabilização, aprendendo a respeitar limites também. Sem contar que ela chega em casa exausta e dorme rapidamente”, comemora Castro. Fique atento para não criar problemas ao condomínio Segundo o Diretor do Sindicato de Habitação e Condomínios de São Paulo – SECOVI/SP – Sérgio Meira de Castro Neto -, com o aumento da procura por este tipo de serviço, os empreendimentos intitulados condomínios-clubes precisam tomar alguns cuidados para não gerar futuros transtornos aos condôminos. A revista Supra Condomínio fez uma lista de itens que devem ser pontuados antes de contratar os serviços de recreação infantil: •Como nem todos os condôminos têm filhos é

necessário oficializar uma assembleia para que a vontade da maioria prevaleça; •Caso a decisão seja favorável à recreação infantil, defina quais serão as áreas utilizadas, período, bem como a quantidade de aulas e custos. Falando em valores, é importante definir como será feita a forma de pagamento aos profissionais: contrato com vínculo empregatício ou por meio de RPA (Recibo de Pagamento Autônomo). •O mais recomendado é que o responsável por intermediar a contratação da empresa fique encarregado pelo rateio do valor do serviço a ser pago pelas famílias participantes. •O regulamento interno deve ser respeitado e cumprido com rigor. •Faça uma pesquisa profunda sobre a empresa que será contratada; confira se ela tem CNPJ, se está regular e não tem nenhum tipo de queixa contra ela. Verifique se realmente atende as condições que o condomínio busca, ou seja, se é verdadeiramente uma empresa de recreação infantil. •Verificar se cada profissional possui registro no Conselho Regional de Educação Física - CREF. Rafael Dantas

Outubro 2008

5


6

Outubro 2008


E sp ec ial

Lei 15.442



Sua calçada está em ordem? Saiba os cuidados para não infringir a lei 15.442 circulação incorrerá em multa de R$ 300 por objeto. Calçadas com buracos ou ondulações, que impeçam a circulação de pedestres com segurança, terá o imóvel enquadrado em mau estado de conservação e estão sujeitas a penalidade de R$ 300 por metro linear. Porém há um fator, previsto no artigo 9º do capítulo III, que impede que o proprietário do imóvel ou condomínio seja autuado. Mesmo que a calçada tenha problemas estruturais, caso seja em decorrência de espécie arbórea, o condomínio não será multado, porém, terá que providenciar a remoção da árvore ou aguardar a ação Administração Municipal. A partir do corte, o responsável pelo imóvel terá 30 dias para consertar a calçada e deixá-la dentro dos padrões exigidos pela Prefeitura. Muitos condomínios da cidade de São Paulo possuem lixeiras construídas diretamente na calçada em frente ao prédio, o que para a Prefeitura, que sancionou a lei nº 15.442/2011, em 09 de setembro de 2011, está proibido desde então. A lei atinge a todos os imóveis e terrenos da Capital e determina que toda calçada tenha, no mínimo, 1,20m de largura, livres para a locomoção de pedestres. Quem não cumprir a determinação terá o imóvel passível de multa, que varia R$ 4 a R$ 300 por metro quadrado (confira tabela ao lado). De acordo com a Prefeitura, os fiscais da Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras já estão aplicando multas desde novembro. E não é só a invasão das calçadas o alvo dos fiscais. A limpeza e conservação dessas áreas são de responsabilidade do condomínio e a falta de asseio começa com multa de R$ 4 por metro quadrado, como prevê o artigo 1º da lei, disponível no Diário Oficial. Além das lixeiras, qualquer outro tipo de equipamento ou objeto que bloqueie ou dificulte a livre Outubro 2008

7


8

Outubro 2008


E sp e c ial

Limpeza



Limpeza: faça sua parte e melhore o visual do condomínio Você se preocupa com a conservação da limpeza de seu prédio? Normalmente o condomínio dispõe de apenas um auxiliar para esta tarefa, o que, dependendo das dimensões da área comum, pode ser um imenso gigante para que uma única pessoa dê conta de deixá-la limpa e agradável. Você, morador, está fazendo a sua parte?

Supervisor de limpeza, André Silva coordena cerca de 40 auxiliares e enxerga as dificuldades com bom humor. “Procuro descontrair o ambiente de trabalho, ponho a mão na massa quando posso e faço cobranças, mas sem exagerar, porque já tomei conta de um prédio sozinho e sei que não é fácil”, ensina. Mas a árdua tarefa de conservar um condomínio pode ser facilitada se os moradores colaborarem no dia-a-dia. Evitar recostar-se na parede enquanto aguarda o elevador é uma delas. “As pessoas nem percebem, mas a

parede em frente aos elevadores suja com facilidade porque todo mundo gosta de se apoiar enquanto espera. Se evitasse, seria um serviço a menos, principalmente nos halls”, comenta Silva. Outro problema muito comum, recorrente em prédios residenciais, é o uso inadequado do carrinho de compras. “Muitas vezes a pessoa que utiliza não tem cuidado para locomover e acaba batendo nas paredes e elevadores, o que provoca riscos que dará muito trabalho para o faxineiro remover”, conta José Eduardo, zelador há seis anos. Geralmente, uma família que possui crianças, acaba se descuidando na hora de usar, seja pela desatenção ou pelo simples fato de permitir que o condutor seja a própria criança. “A gente sempre orienta e pede para que não deixe as crianças no controle do carrinho, mas nem sempre somos atendidos e o batebate nas paredes e portas é inevitável”, reclama Eduardo. Convocar a participação dos moradores na conservação da limpeza é fundamental para que o serviço do auxiliar de limpeza tenha visibilidade. “De nada adianta o faxineiro se esforçar durante sua jornada e em poucos minutos, alguém jogar lixo no chão ou não se preocupar em esfregar a mão suja na parede”, receita André Silva. Um outro exemplo é o espelho do elevador. É comum você entrar e se deparar com marcas de dedos ou manchas no local. E o problema se assemelha ao ato de aguardar o elevador. A pessoa simplesmente aciona a botoeira se encosta nas paredes do elevador, sem se preocupar em tocar o espelho. “Oriento o faxineiro a limpar o elevador logo na primeira hora do dia, mas não demora muito e ele precisa deixar a atividade seguinte para retocar o local, porque rapidamente o elevador parece que nem foi limpo. E isso se repete várias vezes no dia”, ilustra Eduardo. Se o seu condomínio passa por problemas parecidos no dia-a-dia, não

custa redigir uma cartilha de boas maneiras, orientando o moradores a mudarem o comportamento nas dependências do prédio e afixá-la nos elevadores ou na portaria. Dicas simples, mas que podem fazer a diferença tanto na estética como na economia do consumo de materiais de limpeza e todos só terão a ganhar com isso. Invista no ambiente de trabalho e tenha ótimos resultados A rotina do auxiliar de limpeza consiste em deixar o condomínio limpo e agradável para a circulação de moradores. A supervisão da zeladoria é de vital importância para que o asseio tenha bons resultados. Da escolha de materiais de qualidade à orientação nas tarefas diárias, apontando pontos críticos e definindo prioridades, o sucesso da limpeza depende também da ação deste profissional. Por outro lado é preciso estimulá-lo a executar a limpeza com qualidade, já que o serviço é volumoso e se não sair bem feito, o faxineiro perderá tempo para refazer. A dica é acompanhar de perto, elogiá-lo com frequência e procurar manter o ambiente de trabalho harmonioso, descontraído e leve. Nestas horas, cobranças exageradas, como o famoso “faça o que estou mandando” pode e tende a despertar má-vontade por parte do faxineiro, que trabalhará descontente e o clima ruim pode desencadear um fraco desempenho. Muitas vezes um elogio no decorrer do dia a uma tarefa bem executada o impulsionará a fazer cada vez melhor e o principal beneficiado é o condomínio, que terá um funcionário motivado e disposto a trabalhar com excelência.

Outubro 2008

9


10

Outubro 2008


E sp e c ial

Vandalismo



Vandalismo nos condomínios: de quem é a culpa?

No dia-a-dia dos condomínios é comum encontrar algum tipo de depredação ou vandalismo, das mais variadas formas. Os mais comuns, que podemos considerar de natureza leve, partem dos moradores adolescentes, pelo simples prazer de desafiar e contrariar as regras do condomínio. Jogar bola em local inadequado, pisotear o jardim que acabou de passar por manutenção ou apertar todos os botões do elevador, são alguns exemplos. O primeiro passo para minimizar esses problemas é tentar identificar os agressores, e o quanto antes, notificarem os responsáveis. Síndico, zelador ou porteiro devem evitar ao máximo se indisporem com os adolescentes, caso contrário a tendência é de que o problema se agrave. Uma vez avisados, os pais certamente tomarão providências junto aos seus filhos, e se mesmo assim os atos de vandalismo persistirem, o condomínio pode pensar em algum tipo de multa aos

responsáveis pelo infrator. Há também casos mais graves, que geram prejuízos aos moradores, e posteriormente, ao condomínio, que precisará ressarcir aos prejudicados. Carros arranhados propositalmente, pichações, danificação aos extintores, são algumas das ocorrências consideradas graves e que precisam ser coibidas depressa. “Trabalhei num prédio e aconteceu de roubarem as tampas dos hidrantes, que são de alumínio. Num belo dia, demos falta em um andar e fomos verificar, sumiram todas”, afirma o ex-porteiro José Valdélis, hoje supervisor numa empresa terceirizada. Este tipo de depredação, porém, se esconde no anonimato e exige investigação para se encontrar o verdadeiro culpado, que nem sempre está por trás da rebeldia juvenil. “Tempos depois, após análise das imagens gravadas, descobrimos que o furto partiu de um motoboy, que visitou uma empresa. Na saída, ele desceu pelas escadas e pegou uma a

uma. Dias depois, a empresa dele o fez devolver as tampas dos hidrantes”, conta Valdélis. As consequências, no entanto, além de causar a ira de quem teve o carro riscado num primeiro momento, pode significar a necessidade de um rateio entre os condôminos, exclusivamente para a indenização de quem teve o prejuízo do bem material. “Uma saída para evitar este tipo de aborrecimento pode estar na instalação de câmeras, já que o agressor se sentirá inibido ao saber que está sendo filmado”, alerta Arlindo Alves, zelador de um prédio comercial no Itaim. “Um outro problema que enfrento é a falta de cuidados com as antecâmaras. Seja condômino ou visitante, eles costumam soltar a porta corta-fogo e o estrondo é grande no prédio, sem contar o desgaste provocado pela batida, que cedo ou tarde, acarretará na troca ou manutenção das portas”, reclama Alves. Esse descuido não deixa de ser uma forma de depredação, já que o equipamento sofrerá as consequências deste bate-bate com o passar do tempo, e automaticamente, mais despesas para o condomínio. Se o seu condomínio sofre agressões deste tipo com frequência, o assunto deve ser debatido sempre que possível, principalmente para orientar os pais a conscientizarem seus respectivos filhos a não danificarem o próprio patrimônio, no caso dos prédios residenciais. Nos edifícios comerciais, o ideal é redobrar os cuidados com o controle de acesso e estar atento à circulação de pessoas nas áreas comuns. Nestes, o monitoramento por câmeras deve ser intensificado para que os vândalos sejam detectados e não circulem livremente para destruírem o patrimônio alheio. Evandro Barbosa

Outubro 2008

11


12

Outubro 2008


E sp e c ial

Drogas



Drogas: como manter seu filho longe delas

O assunto a seguir é recorrente e certamente, ou você já passou diretamente por problemas em virtude dos malefícios, ou tem algum parente ou amigo que já sofreu na pele as consequências drásticas do vício em drogas. Por mais que se façam campanhas contra o uso através dos meios de comunicação, a droga sempre arrumará espaço na sociedade e espalhará o seu alto poder de destruição, física e psicológica. E o que fazer para não correr o risco de perder um parente ou amigo para as drogas? Educar, conscientizar e vigiar. As formas de se evitar que esse mal acometa sua família ou seus amigos começam em casa, na educação e cuidados para com seu filho. Muitos relatos de viciados, geralmente culpam a falta de atenção dos pais, a rejeição na escola ou a falta de perspectiva na vida. Desculpas simples e fáceis

para justificar o erro de cair no vício, mas muitas vezes, com fundamento. Acompanhá-lo nas tarefas escolares, participar do cotidiano da criança com mais proximidade, certamente influenciará nas escolhas futuras. A conscientização dos malefícios provocados pelo uso de drogas deve começar cedo, para que a criança saiba que não está imune de ser apresentada a este mundo, e precisa estar preparada para dizer “não” quando isso acontecer. Nenhum traficante força ninguém a fazer uso de drogas. Ele sabe o quanto o seu “produto” é sedutor e o poder de atração que exerce sobre as pessoas. Deixar o seu filho ciente disso é fundamental para que ele saiba lidar com a situação na hora em que a oportunidade de experimentar lhe bater à porta. Mas de nada vai valer essa conscientização, se não houver vigilância. Tão logo seu

filho passe a andar sozinho, sair com os amigos, o cuidado deve ser redobrado. Deixá-lo à vontade, confiando somente na base que você ofereceu ao longo da infância e adolescência pode funcionar, mas as chances dele pensar em conhecer essa ‘liberdade’ que supostamente as drogas oferecem são bem maiores, já que o pai ‘parou de pegar no pé há algum tempo’. E uma vez que o primeiro contato aconteceu, o trabalho de reversão dessa experiência nefasta pode significar um longo caminho de dor e sofrimento, para os dois lados. Por mais que os pais se sintam no controle da situação, a tarefa de recuperação é lenta e muitas vezes traumática. Tratar o filho como doente e interná-lo numa clínica de recuperação pode potencializar o vício, já que a pressão psicológica aumenta e o tratamento oferecido nesses locais nem sempre condiz com a necessidade do interno, sem contar a convivência com outros viciados, e as diversas maneiras de burlarem as regras destes lugares. Não existe uma receita infalível para se recuperar um viciado, porém, além da vontade própria de largar o vício, o apoio da família neste momento delicado pode trazer resultados muito mais satisfatórios do que jogá-lo numa clínica ao lado de estranhos. Qualquer atividade que ocupe o tempo, o faça gastar energia e estimule o raciocínio pode auxiliá-lo no distanciamento das drogas, até a completa superação do vício. Evandro Barbosa Outubro 2008

13


Esp e c i a l

ď Ž

Fachadas

Fachadas: atente para a e evite prejuĂ­zos

14

Outubro 2008


a manutenção adequada Volta e meia nos deparamos com notícias de desabamento de fachadas e, geralmente, essas ocorrências se deram por falta de manutenção. Seja residencial ou comercial, o prédio precisa passar por inspeção periódica para avaliar as condições da fachada. Muitas vezes, o problema estrutural só é descoberto com os destroços no chão. Prédios que possuem pastilhas na fachada precisam redobrar os cuidados, já que, qualquer falha na aplicação pode deixá-la vulnerável ao descolamento, até mesmo em condomínios novos. Se isso acontecer precocemente, é necessário uma inspeção geral no prédio, para descobrir pontos com barulhos ocos e reaplicá-los corretamente. Nos condomínios mais antigos, com fachadas rebocadas, estes costumam apresentar infiltrações e umidades com a deterioração natural, e é preciso estar

atento na manutenção já que o reboco começar a descascar e aparecer rachaduras na parede, provocando desabamentos parciais nos locais que retém maior umidade. Em prédios comerciais, há uma tendência para as fachadas de vidro. Esteticamente mais bonitas que as convencionais, a desvantagem aparece quando o assunto é absorção de calor, no entanto, já existem soluções no mercado para diminuir este impacto. A Abravidro – Associação Brasileira de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos mostra que os vidros Low-e (low emissivity glass), que barram a radiação solar e impedem a transferência térmica entre dois ambientes pode resolver a questão com eficiência. O sistema prioriza a máxima utilização da luz do dia e reduz a concentração de calor, graças a duas camadas de vidros, que absorvem o calor e o ar quente que

fica entre as peles de vidro sobe e se dissipa. Além da vantagem do maior aproveitamento da luz solar, os condomínios que adotam este tipo de fachada reduzem cerca de 30% no consumo de energia, 75% menos resíduos gerados na obra e 40% em custos de condomínio e manutenção. Independente do seu tipo de fachada, fique atento e faça uma escolha criteriosa na hora da manutenção. Existem no mercado empresas especializadas neste tipo de prestação de serviços, que além da verificação, oferece pessoal capacitado para realizar reparos em pontos isolados e limpeza adequada, com segurança na execução, já que o serviço requer cuidados especiais, sobretudo neste quesito. A dica é pesquisar não só o preço, mas também o grau de satisfação de condomínios atendidos por estas empresas, para que surpresas desagradáveis não despenquem como uma fachada mal conservada.

Outubro 2008

15


16

Outubro 2008


Informe publicitário

ELEVADORES X SEGURANÇA Qual o preço mínimo para se fazer Uma boa manutenção no seu elevador?

Para que possamos responder esta pergunta, precisamos ter em mente as considerações abaixo relacionadas: Uma empresa de manutenção de elevadores necessita contar, obrigatoriamente, no mínimo, com as seguintes condições estruturais: • 01 (um) engenheiro mecânico devidamente registrado no CREA; • Obter a concessão da PMSP CONTRU-5 para atuar no mercado, obedecendo ao disposto na lei 10.348/87 e Decretos 33.948/94 e 34.179/94 da PMSP, que implica em possuir, além dos itens anteriores, os seguintes; • Oficina com área mínima, com equipamentos em quantidade e qualidade adequadas; • Linhas telefônicas de acordo com o número de elevadores que a empresa conserva; • Veículos conforme o número de elevadores que a empresa conserva; •Técnicos mecânicos, devidamente registrados de acordo com a CLT, em quantidade que atenda a legislação de acordo com o número de elevadores que a empresa conserva; • Manutenção preventiva mensal; • Atendimento 24 horas por dia, 365 dias por ano; • Comunicação via rádio e ou celular entre a empresa e os colaboradores de campo; • Seguro de responsabilidade civil e seguro dos colaboradores; • Sistemas gerenciais informatizados para o controle efetivo dos diversos tipos de ocorrências, sem os quais se torna impossível prestarem um bom serviço. Estas exigências são necessárias para garantir a segurança dos usuários de elevadores. No entanto, gera custos adicionais, que se somam as despesas com manutenção e renovação da frota de veículos, combustível, treinamento dos técnicos, reposição de ferramentas, paga-

mento de hora extra e adicional noturno, em função do atendimento 24 horas, impostos, entre outros gastos diretos. Dentro deste enfoque, o SECIESP, através da contratação de profissionais capacitados, elaborou um estudo técnico com o objetivo de sinalizar para o mercado, qual o valor mínimo para se prestar um bom serviço de manutenção de elevadores, que proporcione segurança aos usuários e retorno sustentável para as empresas. Este estudo resultou nos seguintes preços mínimos: • Contrato de Manutenção Básica (Não incluso peças e componentes): R$ 480,00 por elevador. • Contrato de Manutenção Total (incluso peças e componentes): R$ 1.100,00 por elevador. Para pensar... O valor acima é caro ou barato? Se considerarmos que, em média, 1 prédio possui 48 apartamentos, temos: R$ 480,00 ÷ 30 dias no mês = R$ 16,00 por dia. R$ 16,00 por dia ÷ 48 apartamentos = R$ 0,33 por família (por elevador). Menos que o valor de um cafezinho para transportar com segurança você e sua família. Dê preferência às empresas associadas ao SECIESP, pois a entidade zela pelo bom funcionamento do mercado de elevadores, tendo, entre outras funções, balizar as ações de seus associados, por intermédio de seu código de ética. Acesse WWW.seciesp.com.br e confira. Mais informações no site www.seciesp.com.br Lembre-se! A manutenção ou a reforma do seu elevador não é uma exclusividade da montadora

Outubro 2008

17


18

Outubro 2008


Outubro 2008

19


20

Outubro 2008


Outubro 2008

21


22

Outubro 2008


Outubro 2008

23


24

Outubro 2008


Outubro 2008

25


26

Outubro 2008


Outubro 2008

27


28

Outubro 2008


Outubro 2008

29


30

Outubro 2008


Outubro 2008

31


32

Outubro 2008


Outubro 2008

33


34

Outubro 2008


Outubro 2008

35


36

Outubro 2008


Revista Supra Condomínio