Page 1

ANO 3 #05 | 2015 | R$15,00

05

ROMEROBRITTO O ARTISTA QUE ESPALHA CORES E ALEGRIA


2 Cidadelle


Cidadelle 3


// EDITORIAL #05

SEMPRE EM FRENTE

Diretor Comercial Diretor Técnico Diretora Administrativa

ANO 3 #05 | 2015 | R$15,00

Denis Guimarães André Luís Guimarães Eliana Guimarães

Assistente de Marketing

Jamilly Nunes jamilly.nunes@cidadelle.com.br

Estagiária de Marketing

Paloma Leão paloma.leao@cidadelle.com.br

Estagiária de Marketing

Carla Maciel carla.maciel@cidadelle.com.br

Colaborador

Ramiro Aquino

05

ROMEROBRITTO O ARTISTA QUE ESPALHA CORES E ALEGRIA

Presidente Diretor Geral

1 Cidadelle

Não há segredo. O sucesso é resultado de muito trabalho. Eu agradeço diariamente a Deus pela oportunidade de acordar respirando, com saúde, junto com os meus quatro filhos que amo, e podendo trabalhar. São coisas simples, mas são essas pequenas atitudes do dia a dia que nos motivam a ir em busca dos nossos sonhos. Herdei de meu pai e minha mãe a oportunidade de trabalhar com a construção civil. Para mim, ver cada projeto concretizado é algo mais do que gratificante. O meu sonho é feito do sonho de muitas pessoas. Cada morador, cada fornecedor, cada colaborador, enfim, são inúmeras pessoas que compõem cada empreendimento. Hoje, apresentamos o Cidadelle

Rubem Passos Segundo rubem.passos@grupobmais.com.br Renato Simões Filho renatosimoesfilho@grupobmais.com.br

Diretor de Publicações

Claudio Vinagre claudio.vinagre@grupobmais.com.br

Diretora de Marketing

Bianca Passos bianca.passos@grupobmais.com.br

Gerente de Planejamento

Rafael Abreu rafael.abreu@grupobmais.com.br

Gerente Comercial

Ana Beatriz Sampaio bia.sampaio@grupobmais.com.br

Coordenador Comercial

Athos Cunha athos.cunha@grupobmais.com.br

REDAÇÃO Editora-Chefe

Patrícia Magalhães patricia.magalhaes@grupobmais.com.br

Diretor de Arte

Leandro Maia leandro.maia@grupobmais.com.br

nado a continuar nesse caminho. Não vou falar que não existam obstáculos, pois eles

Editora Adjunta

Luciana Silva luciana.silva@grupobmais.com.br

existem, principalmente no nosso país. Ser empresário, investir no Brasil é muito difícil.

Jornalista

Tede Sampaio ted.sampaio@grupobmais.com.br

Com tantos impostos, tanta corrupção, falta de incentivo e investimento, nasce em mim

Designer

Cacá Ponte caca.ponte@grupobmais.com.br

Designer

Gabriel Cayres gabriel.cayres@grupobmais.com.br

House! Cumprimos o nosso prazo, lema e objetivo, e mais uma vez me sinto impulsio-

o sentimento de revolta, mas uso essa raiva e esses obstáculos como combustíveis para continuar construindo e realizando sonhos. Esta edição permeia esse meu sentimento de realização e vitória, mas sem perder o nosso papel de cidadãos e, como tais, parte

Revisão

Cristiane Sampaio

importante da transformação social. Realização Editora Sopa de Letras Ltda. Av. ACM, 2671, Ed. Bahia Center, sala 1101, Loteamento Cidadela, Brotas CEP: 40.280-000 - Salvador - Bahia Tel.: 71 3012-7477 CNPJ 13.805.573/0001-34

Tiragem Auditada 12.000 exemplares

PARA ANUNCIAR (71) 3012-7477 – publicidade@grupobmais.com.br

Denis Guimarães Diretor comercial

Acompanhe-nos nas redes sociais:


COLABORADORES

LEANDRO MAIA

PATRÍCIA MAGALHÃES

LUCIANA SILVA

TEDE SAMPAIO

Nina Simone inspira as artes desse paulista. Há 15 anos no mercado editorial, sendo cinco na Bahia, o publicitário e diretor de arte tem passagens por grandes editoras como Abril, Símbolo e United Magazines. As capas da Cidadelle são uma pequena amostra do seu talento.

Editora das revistas Metro Quadrado, Alpha Fitness, Cidadelle, Azulina e, agora, B+, sua função primordial é ser mãe de Máximus, hoje com seis meses. Assim, entre fraldas, mamadeiras e revistas, ela vai equilibrando essa vida louca da maternidade e do jornalismo.

Apaixonada por viagens, vinhos e seu noivo, a jornalista baiana é especialista em Comunicação Organizacional e Novas Tecnologias. Atuou em radio, TV, jornal impresso, sites e hoje é editora adjunta das Revistas Metro Quadrado, Alpha fitness, Cidadelle e Azulina.

Jornalista apaixonado por literatura e cultura popular. Começou a carreira como assessor de imprensa, mas logo se rendeu à produção de textos, onde pôde explorar o seu lado criativo. Para ele, escrever representa a percepção da realidade.

GABRIEL CAYRES

CACÁ PONTE

MATHEUS CALMON

RICARDO PRADO

“Carros antigos, ilustração, design e fotografia”, esbravejou, como que de imediato, o designer ao ser indagado sobre suas paixões. Com essa mesma objetividade, Gabriel desenha as páginas da revista com muita qualidade e perfeccionismo.

Com a arte estampada no próprio corpo, esse aquariano, paciente e visionário, é um apaixonado por tatuagens, picolé de amendoim e pelo flamengo. A edição conta com seu autógrafo nas matérias Alquimistas do Sabor, Nova Zelândia, entre outras.

Humildade é a sua principal característica. Ávido por aprender cada vez mais, o estudante de Jornalismo não mede esforços para fazer sempre o seu melhor. Como todo estagiário, também gosta de servir cafezinhos e bajular os seus superiores.

Mineiro radicado na Bahia, fotógrafo desde 95, ama fotografia documental, mergulho em águas azuis e cinema, não necessariamente nesta ordem. Atualmente trabalha como pai de Cora.

Cidadelle 5


// ARTIGO RUBEM PASSOS

ENQUANTO ISSO, NO CIDADELLE I...

N

foto divulgação

o meio de tantas más notícias, leio, voltando dos Estados

centro médico-empresarial em início de construção. Não te-

Unidos, sobre a compra da Kraft Foods – uma das maiores

nho dúvida alguma de que a valorização desses lotes, e do

empresas do mundo – pelo Grupo 3G, formado pelos brasi-

bairro, terá um desempenho totalmente diferente do resto do

leiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira. Isto

mercado. Bem maior, com certeza. Mesmo no momento atu-

depois da aquisição feita pelos empresários com a Ambev, a

al. Novamente: este é o Brasil que dá certo!

Burger King e a Heinz. E penso: este é o Brasil que dá certo!

A partir de agora, clientes, arquitetos, engenheiros, deco-

Lembro o lançamento do Bairro Residencial Cidadelle I, lo-

radores, pedreiros, encanadores, eletricistas, pintores, comer-

calizado na Rodovia Itabuna-Ilhéus, do qual participei como

ciantes do setor de construção e de decoração, etc., vão dar

convidado. Me assustei quando vi a maquete exposta no es-

novo rumo aos negócios da região sul da Bahia. Sobretudo

tande de vendas. Pensei: este Denis é um cara muito ousado!

com o ritmo da consolidação do bairro planejado Cidadelle

Os três, na verdade, que são responsáveis por este lançamen-

I, que com certeza contribuirá, junto com outras iniciativas,

to: Denis, André Luiz e Eliana, sócios e diretores do Grupo An-

como a Fiol, o Porto Sul, o novo aeroporto de Ilhéus, a dupli-

dré Guimarães. Enquanto alguns se recolhem, tremem, os ou-

cação da BR-415, a nova Ponte do Pontal e o Cidadelle Praia,

tros seguem em frente, e fazem, acontecem e empreendem.

para que a região se destaque e sirva de exemplo positivo

Imagino a felicidade das famílias que adquiriram lotes e

para todo o Brasil.

que, agora, poderão construir a casa dos seus sonhos, num bairro fantástico. Único no Brasil sendo entregue com todos os benefícios prometidos, um excelente clube equipado e um

6 Cidadelle

RUBEM PASSOS SEGUNDO


Cidadelle 7


// CONTENTS CIDADELLE MAGAZINE ANO IV • Nº 05 • cidadelle.com.br

10.

CIDADELLE HOUSE

Concluída a primeira etapa do único bairro planejado do eixo Ilhéus/Itabuna

16.

EM GRANDE ESTILO

Diretoria da Cidadelle comemora término das obras do clube e do condomínio ao lado dos clientes, parceiros, autoridades e imprensa

18.

WHERE DREAMS COME TRUE O fantástico mundo de Walt Disney

24.

DESBRAVANDO IBIRATAIA

Um recanto de harmonia entre a natureza e os homens

28.

CAPA

Romero Britto: o artista brasileiro que conquistou o mundo

34.

DE VOLTA À PRAÇA

Requalificação do ambiente promove volta das pessoas ao espaço público em Ilhéus

36.

NOVA ZELÂNDIA SOBRE RODAS Conhecendo o país a bordo de um motorhome

40.

CIDADELLE OFFICE

Confira os depoimentos de profissionais que acreditaram na ideia e já fazem parte do empreendimento

42.

TRÂNSITO NOS ARES

Helicópteros se firmam como alternativa aos engarrafamentos nas vias urbanas

46.

A CORRUPÇÃO É CULTURAL?

Sociólogo explica como o Brasil perde com esta prática

50.

HELITOWER

O prédio comercial sinônimo de sofisticação e funcionalidade

8 Cidadelle


+

trends

41. Carteira 61. Bolsa 75. Sapatos 79. Licores

54.

SEM CHANCE PARA A CALVÍCIE

Técnicas de implante que evitam a queda de cabelo no futuro

56.

FUTEBOL BAIANO NA CORDA BAMBA

Inferno astral dos times baianos parece estar longe de acabar

coluna

60. Economia pulsante em Ilhéus e Itabuna por Erika Nabuco

62.

REMANDO NO PARAÍSO

Grupo navega pelos rios baianos praticando SUP

68.

IMORTALIZANDO O MOMENTO

A história contada através das câmeras fotográficas

72.

SOMBRA E ÁGUA FRESCA

Alternativas sustentáveis para afastar o medo da falta d’água

76.

ESPAÇO RELAX

Uma sala inspirada na cultura indiana para a prática de yoga

80.

EXCÊNTRICA E MAJESTOSA

Um convite aos olhos para a beleza das orquídeas

84.

PERFUME

A história do cosmético que conquistou o mundo

88.

TALENTOS LAPIDADOS

O sucesso de empresárias baianas no mundo das joias

92.

GASTRONOMIA CONTEMPORÂNEA Apresentação e sabores de encher os olhos

98.

CUIDADO COM A CONTA

Aumento da conta de energia obriga consumo consciente

Cidadelle 9


// EMPREENDIMENTO

OVIROU Sonho REALIDADE COM O TÉRMINO DAS OBRAS DO CIDADELLE HOUSE E DO CLUBE DA ASSOCIAÇÃO DO BAIRRO CIDADELLE, ESTÁ CONSOLIDADA A PRIMEIRA ETAPA DO ÚNICO BAIRRO PLANEJADO DO EIXO ILHÉUS- ITABUNA por celina santos

10 Cidadelle


E

nquanto caminha pelas ruas, devidamente pavimentadas, do condomínio Cidadelle House, o empresário Eduardo Carqueija vê os quiosques em torno do lago; passa pela pista onde poderá fazer o habitual cooper matinal; aprecia a exuberância das árvores típicas da mata atlântica em volta e se dirige aos dois lotes que adquiriu, logo no lançamento do empreendimento. Visivelmente encantado, ele define: “Aqui é um recanto de lazer”. Carqueija está no rol de proprietários dos 510 lotes – de 405m² a 2 mil m² – que integram a obra construída no km-24 da rodovia Ilhéus-Itabuna. O empresário revela que iniciará a construção da casa tão logo seja autorizada. Ele planeja se mudar com a esposa, acordar ao som dos passarinhos e, nos finais de semana, trazer os netos para aproveitar a nova moradia. “Muito bonito! Já vou contratar um arquiteto para compor o projeto, quero aproveitar o espaço para fazer uma casa bem grande. Vai ser uma morada muito agradável, em contato com a natureza”, afirma animado o empresário. Igualmente cheios de expectativas para morar no Cidadelle estão a psicóloga Mariana Alcântara e seu marido, o odontólogo Pery Amorim Teixeira. O casal sonha com a residência já projetada para ocupar o lote adquirido. Todos os planos têm um motivo especial: a chegada da primeira herdeira, Lara, ansiosamente aguardada. “A vontade de ir morar em uma casa é desde quando saímos das casas de nossos pais, pois sempre fomos criados com muito espaço. Apartamento nos limita, e o condomínio traz a possibilidade de morarmos e criarmos a nossa filha em um ambiente saudável, seguro e apropriado para criança”, relata Mariana, que

O empresário Eduardo Carqueija já planeja uma nova vida com a moradia no Cidadelle

já visitou três vezes o futuro “ninho” da família e constata: “O Cidadelle House é bem o que a gente esperava”. A mesma satisfação é visível na arquiteta paulista Mariana Corbucci, que também adquiriu lote no condomínio. Ela confessa estar ávida por elaborar o projeto da nova casa, citando os itens conforto e segurança entre os principais atrativos. “A cidade não oferece nenhum espaço como esse que o bairro Cidadelle tem aqui. Além da qualidade de vida, também é inovador. O primeiro nesse nível”, ressalta. Corbucci, inclusive, é um dos 22 arquitetos que atuaram no megaprojeto do Cidadelle. Ela assina a Garage Band, espaço vol-

A arquiteta Mariana Corbucci lembra o quanto é inédita a estrutura do Cidadelle na região

tado para música e integração que faz parte do Clube da Associação do Bairro Cidadelle. “Fiquei encantada ao ver, pela primeira vez, tudo pronto”, recorda.

Cidadelle 11


UMA VERDADEIRA CIDADE A estrutura do bairro planejado, cuja primeira etapa traz o Clube da Associação do Bairro Cidadelle e o “House” (nome já carinhoso entre os futuros moradores), permitirá dizer: “Moro no Cidadelle”. Embora geograficamente situado no território ilheense, o lugar pode ser comparado (simbolicamente, é claro) a uma terceira cidade entre os municípios de Ilhéus e Itabuna. Especificamente no condomínio, estamos falando de uma área com 368 mil m², onde foram abertas 14 ruas. Nos arredores das vias, começarão a ser erguidas as residências. O alvará de “Habite-se”, inclusive, já foi liberado. A proposta é disponibilizar ao morador a possibilidade de só sair do bairro, para ir às cidades vizinhas, se quiser. Isto porque já começou a construção de mais um núcleo – o Cidadelle Office, centro odontomédico-empresarial que oferecerá uma teia de serviços, a exemplo de clínicas, escritórios, lojas, praça de alimentação e teatro (com 196 lugares). Em termos de mão de obra, a construção do condomínio e do Clube da Associação do Bairro Cidadelle demandou, aproximadamente, 400 colaboradores (engenheiros, arquitetos, paisagistas, pedreiros, eletricistas etc.) – entre funcionários e terceirizados. Foram requisitados serviços de profissionais da região e também de Salvador. No aspecto segurança, uma das principais preocupações de quem vive no meio urbano, o Cidadelle também tem o seu diferencial: a guarita será um ambiente blindado, monitorado e gravado com câmeras estrategicamente instaladas. Já que todo modelo de cidade requer gestão, com o Cidadelle House não é diferente. Os moradores elegeram, em assembleia, o advogado Marcelo Pessoa como síndico. Ele possui um lote e aposta que será o melhor lugar para se morar em Itabuna (afirmação em referência à proximidade com o município). “Estamos caminhando para realmente termos um condomínio num padrão jamais visto em nossa região”, assegura. Especificamente sobre a função de síndico, reconhece que administrar um condomínio do porte do Cidadelle requer uma dose extra de profissionalismo. Porém demonstra saber o caminho para um trabalho bem-sucedido. “Acredito que, com uma gestão pautada na transparência e na integração com os moradores, certamente faremos do nosso condomínio uma referência”, conclui. Já a administradora escolhida para gerir o condomínio foi

12 Cidadelle


o Grupo Solução & Cia. Atuando a mais

rio buscar um equilíbrio entre as diferentes opiniões de quem residir lá. “Com bom senso,

de três décadas no segmento, a empresa

vai ser possível levar da melhor maneira possível. O papel do gestor é tomar decisões que

possui na sua equipe de colaboradores,

reflitam o pensamento comum. Mas a estrutura do condomínio foi bem pensada, de

profissionais treinados e qualificados nas

modo a facilitar o gerenciamento”, argumenta.

áreas: administrativa, financeira, jurídica,

A receptividade do público regional ao projeto é confirmada pelo corretor Joel Ar-

ambiental e tecnológica. Dentre os princi-

golo, coordenador de vendas do Cidadelle. Ele enfatiza que dois dias após o lança-

pais clientes, estão: Complexo Horto Bella

mento, já tinham sido vendidos 390 lotes. “O resultado foi excelente; foi o que nós

Vista, Le Parc Residential Resorts, Costa

buscávamos. É um empreendimento único no sul da Bahia e a entrega é um sonho

España, Complexo Manhanttan, Busca

realizado”, assinala.

Vida, Villa Privilege e Le Duc. O arquiteto Bruno Santa Fé, esco-

UM CLUBE SEM COMPARAÇÃO

lhido subsíndico, é proprietário de dois

Vamos promover aqui, nas páginas da revista, um encontro entre os futuros moradores

lotes e revela que, desde o início, a di-

e os também encantados engenheiros que trabalharam neste megaprojeto. Um deles é

mensão do projeto chegou como um

Sérgio Mota, coordenador de empreendimentos do Grupo André Guimarães. “Ter parti-

convite para que as pessoas almejassem

cipado desde a idealização, a aprovação do projeto na prefeitura, nos órgãos ambientais,

morar naquele bairro planejado. “Tem

no lançamento e na entrega final é uma gratidão muito grande. É como um filho, que a

lazer, segurança, conforto, além de o

gente viu desde a gestação até o nascimento”, compara.

local ser bastante privilegiado com re-

Para começar, Mota nos acompanha num verdadeiro passeio pelo Clube da As-

cursos naturais tanto na área como nas

sociação do Bairro Cidadelle. O espaço de lazer do megaempreendimento revela di-

proximidades”, afirma.

mensões ainda não vistas no Brasil. E mais: o local já fica à disposição dos clientes

Falando da administração do “House”, Santa Fé lembra o quanto é necessá-

enquanto acontece a construção das casas. Um atrativo e tanto para o povoamento do local.

Cidadelle 13


Numa área de 39 mil m², foram

sagem, espaço para ioga, enfermaria e sala salva-vidas. A área externa do megaclube

construídos dois prédios. No pavimento

da Associação Cidadelle conta com piscinas descobertas rodeadas de quiosques; pista

superior da torre número 1 estão locali-

de cooper para adulto e criança; pista de patinação e quadras (de tênis, vôlei de praia,

zados dois salões de festa e um espaço

campo society, infantil e poliesportiva). Um anfiteatro ao ar livre também faz parte do

gourmet. “Aqui poderá haver três festas

conjunto de “mimos” do local.

diferentes ao mesmo tempo ou uma enorme”, exemplificou o engenheiro.

TÉRMINO NO PRAZO

No térreo, há a Garage Band (já citada);

O coordenador do Cidadelle House, engenheiro Sérgio Barroso, deixa claro o contenta-

sala de cinema em 3D (24 lugares);

mento por ver a obra concluída dentro do cronograma previsto. Ele menciona as adequa-

brinquedoteca e salões de jogos (adulto

ções que foram necessárias para superar as dificuldades, sobretudo climáticas, ao longo

e infantil).

de dois anos e quatro meses de trabalho. “É um momento de realização, principalmente

O prédio número 2, circundado por um espelho d’água e algumas palmei-

profissional. Não só nós, os coordenadores, mas a gente vê, na equipe toda, o prazer de ver o empreendimento no estágio em que está”, declara.

ras, é voltado para a saúde e bem-estar

Semelhante demonstração de “dever cumprido” vem do engenheiro Sandro Mace-

dos condôminos. O espaço abriga um

do. Ele compara a implantação do Cidadelle, literalmente, ao surgimento de uma cida-

SPA, academia, salas de ginástica e pila-

de. “Por ser um bairro planejado, tem todas as fases. Desde a terraplenagem, drenagem,

tes, squash, piscina aquecida, coberta e

pavimentação, infraestrutura, estação de tratamento de esgoto e de água, tubulações

com raias semiolímpicas, saunas (seca e

de dados, iluminação pública e distribuição de energia elétrica subterrânea. Trata-se de

úmida), ofurôs, banheiras de hidromas-

um empreendimento bastante completo do ponto de vista de engenharia”, justifica.

14 Cidadelle


NOVA REALIDADE O entendimento de que o Cidadelle ilustra uma nova fase no sul da Bahia é consenso entre autoridades políticas, assim como entre especialistas da área socioeconômica. O vice-prefeito e secretário de Planejamento de Itabuna, Wenceslau Augusto Júnior, por exemplo, comemora o fato de mais de 90% dos lotes terem sido adquiridos por clientes itabunenses. “Isso demonstra a força da economia do município. Cada vez mais, a nossa cidade se consolida como um centro regional na oferta de serviços e comércio”. E completa: “A localização do Cidadelle simboliza a necessidade de institucionalizarmos a Região Metropolitana do Sul da Bahia”. Nas palavras do sociólogo Agenor Gasparetto, “o empreendimento, enquanto espaço residencial e de serviços, representa um ato de ousadia e de confiança no futuro de Itabuna e da região; (...) marcará presença e será um diferencial, em relação a projetos anteriores e mesmo contemporâneos, especialmente pela sua amplitude em termos regionais”. A mesma posição tem o professor Carlos Eduardo Drumond, doutor em Economia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), que leciona no mestrado em Economia Regional e Políticas Públicas da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). “Empreendimentos deste tipo certamente têm efeitos muito positivos para a região, especialmente os indiretos, que são sentidos por bastante tempo”, avalia. Em relação ao contexto que levou à vinda do Cidadelle, ele pondera: “É preciso reconhecer que não se trata de um movimento isolado, o país inteiro passou recentemente por uma grande expansão imobiliária e é natural que as cidades médias passem a ser atrativas para as empresas do ramo. Neste sentido, muito mais que a causa de um novo ciclo econômico, a vinda deste empreendimento é o resultado da existência de uma dinâmica econômica que já opera na região, permitindo que exista um público com renda suficiente para consumir produtos imobiliários de padrão mais alto”.

Cidadelle 15


// COMEMORAÇÃO

CIDADELLE Com muito orgulho, alegria e champagne, a diretoria da Cida-

denominando-o “Atacadão Cidadelle”, devido a integração do

delle, representada pelos sócio-diretores Denis, Eliana e André

bairro com o empreendimento. Já o Vice-Prefeito de Ilhéus

Guimarães, se reuniram com clientes, parceiros, autoridades e

Carlos Machado e o Prefeito de Itabuna Claudevane Leite des-

imprensa para comemorar o término das obras do Clube e do

tacaram a contribuição que a Cidadelle vem trazendo à região

Condomínio. O evento aconteceu no dia 24 de abril, no próprio

com a interação com os poderes públicos e com a comunidade.

salão de festas do clube da Associação do Bairro Cidadelle. Di-

Representando os profissionais encarregados da construção, os

versas autoridades e empresários passaram pelo palco e sauda-

engenheiros Sérgio Mota e Sérgio Barroso salientaram aspectos

ram os presentes, apontando a importância do empreendimen-

técnicos e a história da obra. O encontro entrou pela madrugada

to para a região. O presidente nacional do Atacadão, Roberto

com um show internacional do cantor Dan Torres e sua banda.

Mussmich fez uma brincadeira com o nome do supermercado,

PÚBLICO

16 Cidadelle ENTRADA DO PRÉDIO 01 DO CLUBE

PRESIDENTE DO ATACADÃO, FAMÍLIA GUIMARÃES, ARQUITETO FLÁVIO RÉGIS E O ENGENHEIRO SÉRGIO MOTA


VICE-PREFEITO DE ITABUNA, WENCESLAU GUIMARÃES E SUA ESPOSA MÁRCIA ROSELY

COORDENADOR DA POLÍCIA CIVIL EVY PATERNOSTRO E SUA ESPOSA MÔNICA PATERNOSTRO

PREFEITO DE ITABUNA CLAUDEVANE LEITE, PRESIDENTE DO ATACADÃO ROBERTO MUSSMICH, DIRETOR DA CIDADELLE DENIS GUIMARÃES E CARLOS MACHADO, VICE-PREFEITO DE ILHÉUS

ENGENHEIRO RESPONSÁVEL PELO CLUBE CIDADELLE, SÉRGIO MOTA

ENGENHEIRO SÉRGIO BARROSO

FABIANA ROCHA E O SÍNDICO DO CIDADELLE HOUSE MARCELO PESSOA

RAFLE SALUME, COM ESPOSA SORAIA E FILHA| RAFAELLA SALUME

PASTOR MARCOS LOPES

SHOW DE DAN TORRES

Cidadelle 17

DENIS, ANDRE LUIS E ELIANA GUIMARÃES


// VIAGEM

O MUNDO ENCANTADO DE walt WALT disney DISNEY O CRIADOR DO MICKEY TORNA A FANTASIA DE MUITA GENTE REALIDADE. COM AS DICAS DA CONSULTORA DE VIAGENS KIKA MAMEDE VAI FICAR AINDA MAIS Fテ,IL REALIZAR A VIAGEM DOS SONHOS por luciana silva

18 Cidadelle


V

fotos divulgação

“ocê pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo... mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade!”. Esta frase do produtor, diretor, roteirista e criador do parque de diversões mais fascinante do mundo, Walt Disney, comprova que ele sabia como ninguém despertar a fantasia das pessoas. Uma viagem para a Disneylândia faz qualquer um se sentir em um conto de fadas, com a presença de heróis, príncipes, princesas, envolvendo histórias de amor, encanto, e muita emoção durante o passeio. É de fato um destino mágico! E o melhor, não tem idade. Adultos viram crianças... Lá

Assista a um trecho do incrível show do clássico Disney – O Rei Leão, um marco da Broadway

no mundo encantado a diversão não para. Castelos e personagens, como a Cinderela, a Bela e a Fera, o Mickey, a Minnie, o Pateta e muitos outros, dão vida ao parque da fantasia. Sem contar os shows musicais e as atrações fantásticas que também fazem parte de um mundo inteirinho de sonhos.

Cidadelle 19


“SE PODEMOS SONHAR, TAMBÉM PODEMOS TORNAR NOSSOS SONHOS REALIDADE”

fotos divulgação

WALT DISNEY

20 Cidadelle


CURIOSIDADES

• Orlando, apelidada de capital mundial da diversão, recebe por ano mais de 60 milhões de turistas de vários países • O tamanho total do Walt Disney World é de mais de 100 km², equivalente, por exemplo, à área da cidade de San Francisco • O parque é o maior empregador num único local nos Estados Unidos, concentrando cerca de 62 mil pessoas • A Disney Wilderness Preserve, a 25 km de Disney World, é uma área de preservação de 50 km² comprada na década de 90. A responsabilidade pela conservação do local fica por conta da Disney, como uma forma de “compensar” os danos causados ao meio ambiente com a construção do complexo em Orlando.

Cidadelle 21


VIAGEM DOS SONHOS Tum-tum-tum... O coração começa a acelerar! Para algumas crianças e adolescentes, a realização de um sonho e a primeira viagem sem a mamãe e o papai. Para os pais, a preocupação de deixar seus pequenos viajarem sem eles. É aí que entram as assessorias e consultoras em viagens de lazer. No intuito de facilitar a vida de seus clientes, eles preparam excursões, oferecem atendimento alegria da garotada. Segundo Kika Mamede, consultora de viagens que está há mais de 24 anos no ramo, os pais a procuram com um ano de antecedência para resolver a viagem dos filhos. “Eu coordeno aqui na Happy Tour o setor Disney. Dos 700 adolescentes desacompanhados que levamos, a maioria está viajando pela primeira vez sozinha. Mas nossos monitores prestam toda assistência. Eles não ficam sozinhos hora nenhuma. Podem até se sentir, mas não ficam. Por isso temos uma estrutura com 80 profissionais (médicos, advogados, coordenadores, monitores, entretenimento, equipe de mídia) e proporcionamos lazer com segurança e conforto”, conta. A animação é garantida! Durante a viagem, os adolescentes participam de várias festas. Para Kika, ao contrário do que muita gente pensa, as viagens não são todas iguais. Ela garante que um detalhe pode torná-la totalmente incrível. “Proporcionamos uma festa para 15 anos, festa à fantasia (um lugar que a gente fecha só para a Happy Tour), no parque aquático, no Hard Rock Café, um luau no hotel. Contratamos um grupo para animar ainda mais”.

22 Cidadelle

fotos divulgação

personalizado e organizam toda a viagem para a tranquilidade dos pais e a


CONFIRA AS DICAS DE KIKA MAMEDE PARA APROVEITAR A VIAGEM SEM PREOCUPAÇÃO: • Procure com antecedência uma

• Procurar se informar sobre os costumes do local. ‘Furar fila’, por

empresa que trabalhe com me-

exemplo, é uma mania de brasileiro. Lá os americanos são mais

nores desacompanhados. Afinal,

exigentes e não admitem esse tipo de coisa. A criança ou adolescen-

trabalhar com crianças e adoles-

te que esconder algum objeto de brincadeira vai ter de responder.

centes é muita responsabilidade. O

Lá não tem proteção ao menor de idade. Ele pode ser preso. Então

investimento vai valer a pena se o

a gente pede muito que os pais conversem com eles sobre o que é

seu filho for bem cuidado.

certo e o que é errado, porque é um país desconhecido.

• Providencie a parte de documenta-

• Evitar comer fast-food todos os dias. É preciso se alimentar bem

ção: passaporte e visto americano.

para não ter problemas de saúde. Existem restaurantes brasileiros

Aconselho que os pais também

que oferecem opções mais saudáveis.

tirem os seus vistos, por precaução. • Preencha a ficha médica e um termo de responsabilidade de

• Não deixar objetos visíveis, no carro por exemplo. Mesmo sendo uma cidade tranquila, temos que ter toda uma preocupação • Para quem quiser se divertir fora dos parques, uma boa dica é ir ao

comportamento da criança e dos

Downtown Disney. O centro de compras possui inúmeras lojinhas

pais. Afinal de conta, são muitos

para todos os gostos, um Cirque de Soleil, cinemas e várias opções

adolescentes sem os pais.

de alimentação.

Cidadelle 23


// VIAGEM

Um paraíso

EM IBIRATAIA CIDADE CONHECIDA POR SUA GENTE CALMA E HOSPITALEIRA AINDA REVELA OPÇÕES PERFEITAS PARA QUEM BUSCA TRANQUILIDADE E CONTATO COM A NATUREZA por tede sampaio fotos celina santos

24 Cidadelle


“O

contato com a natureza é inevitável. Ao se aproximar do espa-

Logo ao lado são vistas as hortas naturais, cujos produtos servi-

ço já se pode perceber que aquele não é um local como outro

rão como ingredientes para a confecção dos pratos servidos no

qualquer. A estrada de acesso é cercada por árvores, entre elas o

restaurante. Tem um local que é o meu favorito, um cantinho

cacau, símbolo da região. A grama cobre o chão como se fosse

fechado de garrafas recicladas com duas poltronas com enormes

um grande tapete verde e os pássaros levantam voo ao verem

almofadas e um espaço para apoiar os pés. O canto dos pássaros

o carro passar, abrilhantando ainda mais o cenário. O casarão

nos faz esquecer de tudo”.

ainda preserva as características originais de construção e abriga

Assim a turismóloga baiana Agnes Grace, 29 anos, descre-

também o restaurante. Redes de balanço e bancos de madeira

ve o Espaço Beija Flor, localizado na zona rural de Ibirataia. Um

estão espalhados pelo ambiente à disposição dos visitantes. Nas

exemplo claro de que o homem e a natureza podem conviver em

mesas, as flores naturais que são utilizadas para a decoração

harmonia. Agnes costuma frequentar o local quando quer fugir

chamam também a atenção dos beija-flores, que não se impor-

do dia a dia da cidade grande. Segundo ela, esse é o diferencial

tam com a presença do homem. Pelo contrário, parecem dançar

do local, pois, além da tranquilidade, ainda une a simplicidade

no ar, como se estivessem se apresentando para uma plateia.

do campo e o requinte de um eco resort no mesmo lugar.

Cidadelle 25


Localizada a 356 km de Salvador, a cidade de clima quente e úmido carrega a fama de calma e hospitaleira, combinação perfeita para quem quer relaxar com tranquilidade e segurança

INSPIRAÇÃO QUE VEM DA NATUREZA O idealizador desse projeto é o empresário Jocelino Fair Filho, de 57 anos. Ele conta que a ideia de criar o horto florestal surgiu na época de crise da produção cacaueira na Bahia e que tinha a intenção de adaptar o trabalho à floresta nativa. O Espaço Beija Flor está incrustado no meio de uma das últimas reservas de mata atlântica da região de Ibirataia. Jocelino revela que é apaixonado por paisagismo e afirma que toda a inspiração para decorar o ambiente veio da própria floresta. “Utilizamos os recursos locais. As mesas e os bancos, por exemplo, são todos feitos a partir de madeira morta que reaproveitamos”. Segundo ele, o espaço se preocupa em modificar o mínimo possível do ambiente em volta e conta com três chalés para hospedar os visitantes, que de antemão devem ser avisados: o empresário só recebe os hóspedes com reserva, que pode ser feita por telefone*. * ESPAÇO BEIJA FLOR: CONTATOS (73) 9978-2517

26 Cidadelle


DELÍCIAS DA FAZENDA Com o passar do tempo, o projeto cresceu e ganhou ainda mais destaque por oferecer verdadeiras obras de arte da gastronomia local, a exemplo do pirarucu, especialidade da casa. O peixe é criado na própria fazenda e todo o processo de preparo pode ser acompanhado pelo visitante. Agnes conta que durante a sua passagem pelo Espaço Beija Flor teve a oportunidade de degustar essa especiaria da casa, que obteve, em sua opinião, cem por cento de aprovação. “O sabor realmente surpreende. A textura e a forma que é servido o peixe fazem a degustação ser uma experiência incrível”, afirma a turismóloga. Jocelino revela que o segredo para adquirir o sabor descrito por Agnes é a paixão que ele desenvolveu pela gastronomia local. O empresário conta, ainda, que todos os ingredientes utilizados para cozinhar o peixe são orgânicos e coletados no próprio espaço. “Para preparar o pirarucu, nós nos inspiramos na cultura local, acho que isso agrada os visitantes. Para isso, usamos, por exemplo, a banana e o próprio cacau, encontrado aqui no sítio”, revela. Todo o preparo do prato é feito de forma artesanal, com direito a forno a lenha e panelas de barro. Além do pirarucu, são servidas saladas diversas com ingredientes colhidos da própria horta. Também merecem destaque os sucos e drinques variados, que valorizam as frutas locais, bem como os vinhos finos, charu-

PIRARUCU, O PEIXE DE SABOR INIGUALÁVEL

Ibirataia hoje é reconhecida no mundo do agronegócio não apenas pelas fazendas de cacau, mas também pela criação de peixes, com destaque para o pirarucu. Original da Bacia Amazônica, esse peixe é criado em barragens e tanques das fazendas da região. O pirarucu também é conhecido como o bacalhau brasileiro, por apresentar sabor e textura de altíssima qualidade, além de quase não possuir espinhas. A espécie representa um dos maiores peixes de água doce do mundo. Na natureza, pode atingir na fase adulta até três metros de comprimento e pesar quase 200 kg. Além da carne, a espécie também é cobiçada por sua pele e escamas, que são utilizadas como matérias-primas para a confecção de bolsas e calçados, entre outros acessórios de alto valor.

tos e cervejas artesanais.

Cidadelle 27


// CAPA

O ARTISTA DA ALEGRIA CORES VIBRANTES E MUITA PERSONALIDADE DEFINEM A OBRA DO ARTISTA BRASILEIRO QUE CONQUISTOU O MUNDO COM O SEU TALENTO por tede sampaio

28 Cidadelle


Em cada traço um sorriso, em cada cor um encanto. Esta poderia facilmente ser a descrição do trabalho de Romero Britto, o brasileiro que vem conquistando o mundo através da sua arte. Criador de um dos maiores acervos de pinturas, esculturas e serigrafias contemporâneas, o artista, que nasceu no Recife, Pernambuco, é reconhecido pela influência da estética cubista e principalmente pelas cores vibrantes das suas obras. A cada criação, ele afirma que pretende sempre repassar para as telas e objetos uma sensação de aconchego e esperança. Esse estilo peculiar, entretanto, não rende apenas bons frutos para o pernambucano radicado nos Estados Unidos.

GANHANDO O MUNDO Morando em Miami desde 1988, Romero já é considerado uma celebridade da cidade localizada no estado da Flórida, principal porta de entrada de brasileiros nos Estados Unidos. Ao desembarcar no aeroporto internacional, logo se percebe que a influência do artista está presente na cultura local. No duty free, objetos como malas de viagem, canecas e relógios são alguns dos inúmeros itens que carregam a marca do artista. Romero conta que desde que chegou a Miami sentiu-se acolhido. Segundo ele, as pontes, o sol e a proximidade com o mar lembram muito o Recife, sendo este um dos fatores que fizeram com que escolhesse a cidade como o novo lar. Para essa casa ele trouxe mais que sonhos, trouxe inspiração. Depois de mais de 20 anos desde a sua chegada a Miami, a cidade se apresenta hoje como uma galeria a céu aberto para as obras do pernambucano. Ao caminhar um pouco pelos parques e ruas da cidade não é difícil encontrar esculturas e pinturas do artista.

Just for you é uma escultura em ferro e esmalte de alumínio criada em 2011 por Romero Britto que expressa a proposta aconchegante do artista

Cidadelle 29


// CAPA

Children Of The World, Miami A escultura monumental criada por Romero para o Museu das Crianças de Miami pode ser contemplada por milhares de pessoas que passam pelo local todos os dias

A intenção das obras de Britto sempre foi transmitir felicidade àqueles que prestigiam o seu trabalho

Antes de entrar para o circuito das galerias de Miami, Romero fala que nem tudo foi fácil. Quando chegou aos EUA, ele enfrentou dificuldades e trabalhou em outras áreas para se manter enquanto pintava. O reconhecimento veio depois de muito trabalho, e o artista ganhou o mundo Na Dadeland North Metrorail Station o “Mr. Welcome” abraça a cidade em sinal de aco-

em 1989, quando foi escolhido ao lado de

lhimento e boas-vindas. Na entrada do Miami Childrens’s Museum outra escultura do

Andy Warhol e Keith Haring para repaginar

artista deixa o cenário descontraído. Todos esses trabalhos, conta Britto, têm a função

a garrafa da Vodka Absolut. A campanha

de passar sempre alegria para aqueles que os contemplam.

intitulada “Absolut Art” foi a primeira ex-

As obras do artista, entretanto, não se resumem aos Estados Unidos. Romero possui

posição global do brasileiro. Hoje, suas

esculturas e telas espalhadas por mais de 125 países, entre eles França, Reino Unido,

artes estampam produtos licenciados de

Egito, Rússia e China.

gigantes, como Coca-Cola e Disney.

30 Cidadelle


Real Love – Entre as celebridades retratadas nas obras de Romero está o casal real britânico formado pelo príncipe William e Kate Middleton

dos casarões antigos no centro da cidade também influenciaram Romero, que tem como marca registrada do seu trabalho a capacidade de brincar com as cores. Miami, no entanto, não foi a primeira experiência internacional de Britto. Ao trancar a faculdade de direito no Recife, ele juntou o dinheiro que ganhou com a venda de pequenas obras e mudouse para a Europa. De volta ao Brasil, depois de cinco anos na Europa, logo aceitou convite de um amigo que se mudava para Miami e lá, na terra do Tio Sam, o artista ganhou fama e conquistou o mundo.

MADE IN BRAZIL Engana-se, porém, quem pensa que o sucesso na carreira do artista surgiu da noite para o dia. Desde os 8 anos de idade a arte faz parte da sua vida. Durante a infância em Prazeres, bairro humilde de Jaboatão dos Guararapes, cidade localizada na região metropolitana do Recife, ele costumava pintar em jornais ou qualquer outra superfície que lhe permitisse traçar um desenho. A inspiração sempre esteve presente na vida de Romero, desde quando passeava pelo Recife e podia apreciar uma infinidade de obras de Francisco Brennand espalhadas pela cidade. Brennand, como é conhecido o artista pernambucano, é criador do parque das esculturas no Marco Zero, região turística do Recife antigo. Além disso, as fachadas coloridas

A realeza britânica também foi retratada por Romero na tela The Queen, na qual o artista homenageou a rainha Elizabeth II

Cidadelle 31


// CAPA

Em seu estúdio em Miami, Romero chega a passar o dia inteiro pintando. Apesar da dedicação, a fila de espera para adquirir uma obra exclusiva do artista pode durar até um ano

O PROCESSO CRIATIVO Como todo artista, Romero também tem a sua excentricidade aflorada durante o processo de criação. Quando está pintando, ele gosta sempre de ouvir música eletrônica e não permite ser incomodado por ninguém. O estúdio não possui janelas, e o contato com a luz do sol é inexistente, fazendo com que Romero, às vezes, perca a noção do tempo. Além do estúdio, os escritórios de administração, jurídico, entregas, licenciamento e relações públicas fazem parte dos 15 mil metros quadrados do galpão localizado no bairro de Wynwood.

A pop arte de Romero também pode ser encontrada em pelúcia, como o Leonardo Lion

32 Cidadelle


DE OBAMA A DONA MARIA E não são poucas as pessoas que já tive-

último amigo de Britto, são alguns exemplos de personalidades mundialmente

ram algum tipo de contato com a arte de

reconhecidas para quem o artista já produziu telas. Mas a lista de famosos não para por

Romero Britto. Durante as mais de duas

aí, ele também já produziu telas para nomes como Dilma Rousseff, Bill Clinton, Neymar

décadas de carreira, o artista já vendeu

e o casal real príncipe William e Kate Middleton. Nas paredes do seu estúdio em Miami,

milhares de obras, que variam de cha-

fotografias também lembram encontros marcantes em sua carreira, a exemplo do

veiros a esculturas enormes, proporcio-

príncipe Charles e do papa Francisco.

nando, assim, acesso para as pessoas de todas as classes sociais às suas obras. Celebridades como Madonna, Michael Jackson e Arnold Schwarzenegger, este

Algo é inegável na carreira de Romero Britto, o seu sucesso. O artista hoje é internacionalmente reconhecido por irradiar a sua arte e alegria em todos os locais contemplados por suas obras e seu estilo icônico, que nas palavras do jornal americano The New York Times: “Irradia calor, otimismo e amor”.

Com um estilo inconfundível, Romero tenta sempre transmitir alegria e amor em seus trabalhos. A tela So much love too é um exemplo claro da proposta do artista

Cidadelle 33


// SOCIAL

TUDO NOVO

NA PRAÇA! A ROTINA EUROPEIA DE CURTIR PRAÇAS TEM, CADA DIA MAIS, CONQUISTADO BRASILEIROS. EM ILHÉUS, A REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA SÃO JOÃO BATISTA TROUXE NOVAS OPÇÕES DE LAZER E DIVERSÃO por celina santos

N

uma manhã tranquila, a garotinha sorridente desbrava de bicicleta o cenário

eucalipto tratado, com um controle de reflores-

bucólico da praça. Perto dela, enquanto seu papai e mamãe aproveitam os

tamento e toda uma preocupação ambiental”,

charmosos quiosques para um “comes e bebes”, o jovem desportista exerci-

comenta o engenheiro Manoel Nabuco, respon-

ta os músculos. Famílias, amigos e enamorados, simplesmente sentados nos

sável pela obra.

banquinhos, apreciam a paisagem, cuidadosamente reforçada com gramas e

Outro diferencial do projeto está na cons-

bromélias aliadas a grandes árvores. A cena, muito comum na Europa, agora

trução onde funcionam os quiosques, que

passa a fazer parte da rotina de baianos. Em Ilhéus, a revitalização da Praça São

têm um formato peculiar de saveiro (tipo de

João Batista, no bairro Pontal – realizada pela parceria público-privada entre

embarcação) estilizado, numa homenagem

a Prefeitura e o Grupo Cidadelle – tem possibilitado que moradores e turistas,

aos pescadores que sempre foram persona-

assim como os franceses, desfrutem das delícias de uma praça.

gens marcantes na Baía do Pontal. “A ideia

A reconstrução teve projeto assinado pelos arquitetos Simone Flores e Bruno

tomou forma ao longo do desenvolvimento

Sitta. O trabalho, numa área de 3.200 m², resultou em cantinhos especiais para

do projeto, nas pesquisas sobre a história do

moradores de todas as idades. Os amantes de esporte, por exemplo, podem suar

bairro e conversas com pessoas envolvidas na

a camisa na quadra – com direito a piso e alambrado novos – ou no “Espaço

revitalização”, explica Simone Flores. A profis-

Fitness”, que dispõe de aparelhos feitos com eucalipto. Já os pequenos podem

sional revela que “o projeto arquitetônico teve

se divertir no “Espaço Kids”, onde os brinquedos, também feitos com eucalipto,

como base proporcionar modernidade aos

fazem esquecer o tempo calculado por “gente grande”. “Foi tudo refeito; nós

múltiplos espaços, em melhores condições

entregamos uma praça completamente nova. No projeto predominou a ideia de

para as diversas atividades já desenvolvidas

circulação, movimentação. Tivemos o cuidado de manter a originalidade, pre-

anteriormente na praça, além de valorizar o

servando, por exemplo, a cruz, apenas substituindo por outra. Trabalhamos com

espaço verde”. E completa: “A importância

34 Cidadelle


foto celina santos

foto divulgação

foto divulgação

de esse equipamento ter sido devolvido de forma renovada é imensa. O bairro é um vetor de participação único e especial no município”.

FAMÍLIAS DE VOLTA Ao lado da praça fica a tradicional Igreja de São João Batista, erguida em 1916. O padre Jarmil Sarmento, que respondeu por aquela paróquia durante oito anos, sempre foi um entusiasta da revitalização. A praça, diga-se de passagem, nasceu a partir dos eventos promovidos pela igreja. “Vejo que ficou bastante agradável. É um convite para que as famílias voltem e se encontrem, como acontecia antes”, declara. O religioso aproveitou para conclamar o poder público a zelar pela segurança, juntando-se à comunidade na manutenção daquele ponto de convivência. O historiador José Rezende Mendonça, integrante do movimento “Pontal Criativo”, não tem dúvidas: “É a praça mais bonita da cidade!”. Ele já planeja a realização constante da “Feira Criativa” naquele lugar. A mostra, sob o slogan “Compre de quem faz”, celebra o talento dos artesãos locais. “Vai ter atrações todos os dias; a praça vai se tornar um point”, aposta, animado. foto celina santos

Cidadelle 35


A BORDO DE UMA “CASA SOBRE RODAS”, A FAMÍLIA MARTINS DESBRAVA A BELEZA EXUBERANTE DA NOVA ZELÂNDIA

DE MOTOHOME

por patrícia magalhães e zuba ortiz

NOVA ZELÂNDIA

// VIAGEM

36 Cidadelle


U

ma terra de natureza impressionante, que para conhecer é

de cor única e animais raros são apenas alguns dos atrativos

necessário, literalmente, dar a volta ao mundo numa viagem

das ilhas que compõem o país. Por saber que iria se deparar

que pode durar até 24 horas. A Nova Zelândia está à nossa

com tamanha riqueza e na tentativa de guardar o máximo

frente no relógio e no mapa. Quando aqui no Brasil é noite,

de lembranças possíveis do lugar, a empresária Gisela Garcia

lá surgem os primeiros raios de sol do dia seguinte. Os cená-

criou um diário de viagem, quando com o marido, Hamilton

rios estonteantes do arquipélago, que fica no meio do oceano

Martins, filhos e sobrinha foi para a Nova Zelândia. A família

Pacífico, impressionaram aqueles que assistiram à trilogia “O

visitou o país de norte a sul, passando por diversas cidades.

Senhor dos Anéis”. Vulcões, fiordes de eras glaciais, monta-

Em vez de viagens de avião, carro ou ônibus, o trajeto foi fei-

nhas geladas, paredões rochosos cobertos por uma vegetação

to a bordo de um motorhome, a famosa “casa sobre rodas”.

PÉ NA ESTRADA, COM O MOTORHOME Gisela não poupa elogios ao país e aconselha a todos, principalmente os que gostam de esportes radicais, que experimentem a sensação de viajar nesse veículo, uma vez que permite aos passageiros o contato com a natureza. Ela complementa a dica, sugerindo a filiação a um clube, que dá direito a usar todos os campings pertencentes ao grupo. Segundo a empresária, esses campings estão localizados em cada cidade ao longo do percurso e oferecem toda a infraestrutura para os motorhomes. “Nos deram um mapa com a localização dos campings e fizemos nosso trajeto incluindo sempre essa comodidade. Dependendo da cidade, eles se diferem em modernidade e conforto, mas todos oferecem banheiros, cozinhas, churrasqueiras, água e luz”, revela e complementa elogiando os banheiros do país: “É incrível você chegar numa praia deserta, ir ao banheiro e encontrá-lo limpíssimo”, ressalta. A família só abandonou o motorhome quando chegou a Auckland, maior cidade da Nova Zelândia e principal centro comercial do país. “Devido às dimensões e por conta da circulação e do trânsito do local era mais indicado se locomover com o auxílio de um carro convencional”, aconselha Gisela.

Cidadelle 37


A BORDO DE UMA “CASA SOBRE RODAS”, A FAMÍLIA MARTINS DESBRAVA A BELEZA EXUBERANTE DA NOVA ZELÂNDIA

CUSTOS DA VIAGEM Como alugaram um motorhome e não ficaram em hotel, o custo da viagem foi reduzido, ficando em torno de R$ 5.500 por pessoa. As comidas eram compradas no mercado e preparadas por eles, no próprio motorhome ou nas cozinhas dos campings. Os gastos maiores ficaram por conta dos passeios e prática de esportes. Em Queenstown, por exemplo, considerada a capital dos esportes radicais da Nova Zelândia, é possível praticar milhares de atividades, como bungee jump, rafting, canoagem,

fotos arquivo pessoal

mountain bike, caiaque, trilhas, tanto para caminhadas quanto para off-road, parapente, asa-delta, paraquedismo, e se for inverno, esqui e snowboarding. “Queenstown chamou bastante a nossa atenção justamente por ter a presença de muitos esportistas”, conta a empresária. A família optou pelos mais clássicos. “Não fizemos o sobrevoo de helicóptero, nem fomos às regiões mais frias, pois, além de serem muito caros, não tinham muito a ver com o momento em que estávamos. Só o passeio à noite com trenós e acampamento, que ficamos sentidos por não ter feito”, lamenta a empresária.

38 Cidadelle


POR DENTRO DA NOVA ZELÂNDIA: Um lugar onde é possível respirar, ver e sentir a natureza em sua essência. Cheiros, como o do orvalho, vindo das florestas cinematográficas de pinheiro, ou de enxofre, devido à proximidade dos vulcões, são comuns em diversas regiões do país. Montanhas verdes, picos brancos cobertos de neve, mar de um azul espetacular, praias de areias douradas, árvores gigantescas, animais incomuns, imagens que fazem os olhos não acreditarem que tal cenário exista. Lá, é possível nadar entre os mais raros golfinhos em seu habitat, admirar as gigantes baleias-cachalotes, que inspiraram a história de Moby Dick, conhecer o poder e o calor de um vulcão, sentir muita adrenalina com as opções de esportes radicais ou simplesmente passear pelos parques nacionais ou navegar de caiaque pelos lagos.

Moeda: dólar neozelandês

O santuário intocado do país é formado por duas ilhas prin-

Idioma: inglês e maori são

cipais: a do Sul e a do Norte. A Ilha do Norte, mais povoada,

as línguas oficiais

tem clima subtropical e é onde se situam a capital, Welling-

Documentos: passaporte com

ton; Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia; e graciosas

validade mínima de seis meses

pequenas cidades, como Napier ou Rotorua, onde se pode ter

Fuso horário: + 12 horas

uma ideia de como era a paisagem do planeta há quatro bi-

Capital: Wellington

lhões de anos. Já a Ilha do Sul tem clima temperado e menor

Animal típico: Quivi

densidade populacional. Lá ficam cidades como Christchurch e Queenstown e atrações, como o principal ponto turístico natural do país, o fiorde Milford Sound, localizado no Parque Nacional de Fiordland e os Alpes neozelandeses. A cultura Maori é parte integrante da vida neozelandesa. Trata-se do povo nativo, que chegou lá há mais de mil anos. Hoje, os maoris compõem 14% da população e sua história, língua e tradições são preservadas e fazem parte da identidade do país. Tal essência e acrescido o contato com a natureza fazem do neozelandês um ser diferenciado. “Eles são muito cordiais. Você tem uma receptividade agradápelo turista”, conta Gisela. Com tantos encantos é impossível não se apaixonar pelo país. “O mais peculiar foi o acolhimento, a sensação de estar em casa. É um lugar que dá muita tristeza ao ter que partir. Fica aquela sensação de querer voltar, com

fotos arquivo pessoal

vel, mas nada exagerado. Eles têm muita educação e respeito

certeza”, sonha Gisela.

Cidadelle 39


// EMPREENDIMENTO fotos divulgação

COMPLEXO ODONTOMÉDICO

EMPRESARIAL

“Acreditei no Cidadelle pela qualidade, solidez no mercado, infraestrutura maravilhosa e uma visão promissora de futuros empreendimentos para o desenvolvimento da região” BERNARDINO MONTEIRO DEL REY, MÉDICO

preendimento comercial do Cidadelle, já pode ser considerado o mais com-

“Trata-se de um prédio moderno, estrutura diferenciada, localização acessível para clientes da região e, além de tudo, perto de onde pretendo morar”

pleto da região. Esse novo conceito de integração proporcionado pelo com-

HARRISON FERREIRA LEITE, ADVOGADO

Com características modernas e funcionais, o Cidadelle Office, primeiro em-

plexo residencial e empresarial permite aos condôminos a oportunidade de morar bem, trabalhar perto de casa e ter à disposição serviços essenciais,

tos e desenvolvimento para a região. Confira o depoimento de profissionais

“Acredito ser um bom investimento para o futuro, além de ser um projeto fantástico para se trabalhar com elegância e conforto”

que acreditaram na ideia e já fazem parte do Cidadelle Office.

GUSTAVO ALMEIDA, DENTISTA

como hipermercados, hospitais e consultórios odontomédicos. A busca por melhor qualidade de vida é um dos motivos para muita gente participar deste projeto, que vem atraindo cada vez mais investimen-

40 Cidadelle


// DESEJO

TRAVELWALLET COM O ACESSÓRIO CERTO VAI SER MAIS FÁCIL GUARDAR TODOS OS DOCUMENTOS EM UM SÓ LUGAR DURANTE A VIAGEM

ESTA CARTEIRA PARA VIAGEM DA ETTINGER LONDON, FEITA EM COURO, É IDEAL PARA QUALQUER VIAJANTE DE NEGÓCIOS. COMPORTA PASSAPORTE, CALCULADORA, TELEFONE, CANETA, CARTÃO DE CRÉDITO, DINHEIRO, MOEDAS, CARTÕES, TICKETS DE PASSAGEM E BAGAGEM. £ 512.50

Os produtos da Ettinger são feitos à mão com couro de luxo e os desenhos são clássicos

Cidadelle 41


// MOTOR

MODERNIDADE

NAS NUVENS TRABALHAR, VIAJAR E CURTIR OS FINAIS DE SEMANA FICARAM MAIS SIMPLES COM O COMPARTILHAMENTO DE HELICÓPTEROS por taiane nazaré fotos ricardo prado

42 Cidadelle


S

air de casa para trabalhar todos os dias é um sufoco nas grandes cidades brasileiras. E nem pense em marcar reuniões logo pela manhã sem a obrigação de sair cedo de casa para evitar os longos congestionamentos. Ou quando se trata do lazer nos finais de semana com a família, o planejamento e a paciência dobram, contando os problemas e riscos das estradas. Para quem não aguenta mais gastar horas do seu tempo dirigindo, uma solução que está se tornando comum no Brasil é o compartilhamento de helicóptero. Em São Paulo, esse meio de transporte é tão frequente que já existe um engarrafamento nas nuvens, por causa do tráfego aéreo intenso. A cidade paulista é considerada a capital mundial dos helicópteros, com mais de 400 aeronaves registradas, passando cidades como Nova Iorque (Estados Unidos) e Tóquio (Japão), que ocupam a segunda e

HOJE, VOCÊ ADQUIRE HELICÓPTERO COM O MESMO PREÇO DE UM CARRO DE LUXO”

a terceira posições no ranking. Na Bahia, o segmento vem crescendo, com empresas que gerenciam, compram e alugam esses brinquedos dos ares.

Cidadelle 43


NEGÓCIO ENTRE OS AMIGOS. DIVERSÃO PARA A FAMÍLIA Que tal dar um pulinho em Ilhéus e voltar em poucas horas? Ou, quem sabe, sair do aeroporto de Salvador para a orla da cidade em cinco minutos? Rapidez, sofisticação e conforto são pontos essenciais dos usuários de helicóptero, que na maioria são executivos fugindo do trânsito. O que antes era um luxo para milionários, agora, as asas rotativas estão mais acessíveis quando se dividem custos e manutenção entre amigos e familiares. “Virou uma tendência compartilhar bens de grande valor. As pessoas compartilham carros, bolsas, joias, casas de praia e espaços empresariais. Com os helicópteros isso não seria diferente”, afirma Jorge Cirne, que, junto

CUSTO

com mais dois sócios, investe nesse modelo de negócio

A manutenção de uma aeronave varia entre R$ 8 mil e R$ 10 mil por mês

na Bahia e atende clientes com o helicentro mais moderno do Norte-Nordeste.

44 Cidadelle


AS PESSOAS COMPARTILHAM CARROS, BOLSA, JOIAS, CASAS DE PRAIA E ESPAÇOS EMPRESARIAIS. COM OS HELICÓPTEROS ISSO NÃO SERIA DIFERENTE” Localizada em Simões Filho, a 11 km do aeroporto de Salvador, a estrutura da Helicia garante serviços como manutenção, contratação de pilotos, consultoria para compra de helicóptero, abastecimento e gerência do compartilhamento. “Identificamos o tipo de aeronave que o cliente quer (dois, três ou cinco lugares, com bagageiro ou sem) e vamos atrás do produto, seja no mercado nacional ou internacional. Hoje, você adquire helicóptero

por isso não podem ficar parados. Quando os proprietários não estão

com o mesmo preço de um carro de luxo”, comenta o em-

voando, alugamos as máquinas. Essas horas de locação são abatidas

presário com mais de 30 anos na área de aviação.

nos custos mensais das aeronaves, o que fica muito mais barato para

Jorge cresceu acompanhando seu pai no avião mo-

os donos”, comenta Jorge.

nomotor na fazenda da família, no Mato Grosso. Depois

Segundo dados da Abraphe (Associação Brasileira de Pilotos de He-

de conseguir a sua carteira privada de pilotagem, o que

licóptero), o setor cresce, em média, 10% ao ano no Brasil. Para Jorge,

era um lazer familiar acabou se tornando uma atividade

a expectativa para o Nordeste é promissora nesse segmento. Só na ca-

comercial. Cirne relata que veio pilotando, dos Estados

pital baiana, o empresário pretende construir 17 novos helipontos e já

Unidos, o primeiro helicóptero que chegou à Bahia. “Eu

existe fila de espera de anos para alguns modelos, revendidos por ele,

voo porque gosto. Meus filhos também pilotam e eu

da marca Robinson. “Estamos criando uma estrutura moderna, com

faço isso por prazer”, diz com satisfação.

uma escola de formação de pilotos, sala VIP de embarque/desembarque, além de toda a assessoria que um proprietário de helicóptero ne-

NORDESTE É A BOLA DA VEZ NO MERCADO DE AERONAVES

cessita”, diz o empresário, que administra 11 aeronaves.

Os clientes da Helicia vão desde famosos a empresá-

TENDÊNCIA

rios que usam esse meio de transporte no dia a dia dos

As construtoras baianas que buscam um diferencial estão atentas a

negócios. Para aqueles que utilizam os helicópteros de

essa realidade e passam a investir em helipontos. “Em Salvador, os no-

vez em quando, apenas para lazer, o helicentro oferece

vos empreendimentos comerciais são lançados com essas estruturas,

o serviço de aluguel para não deixar as asas paradas.

tornando o uso dessas aeronaves uma tendência para os negócios”,

“Esses equipamentos têm uma validade de 12 anos,

explica Jorge Cirne.

Cidadelle 45


// ENTREVISTA

CORRUPÇÃO O QUE VOCÊ TEM A VER COM ISSO? por taiane nazaré ilustrações bcayres

N

unca se ouviu falar tanto em corrupção no Brasil. Os canais de notícias mostram diariamente escândalos como as operações Lava-Jato e Zelotes e o caso internacional Swissleaks – com vazamentos de dados do Banco HSBC, na Suíça. Desviar dinheiro público e subornar fiscais e representantes da lei geram uma descrença na administração pública em todas as instâncias. Mas não é preciso ocupar um cargo público para ser um corrupto. Instituições privadas e até pessoas físicas não estão isentas de envolvimentos em operações inidôneas. O sociólogo, doutor em ciências sociais, autor de cinco livros e atualmente professor e pesquisador da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) Antônio Mateus Moraes explica como a corrupção é um problema complexo, que precisa ser tratado e discutido em todos os setores da sociedade.

46 Cidadelle


100

100

A corrupção no Brasil é um problema cultural? A formação da sociedade brasileira foi marcada por múltiplas formas de expropriação que contribuíram para a deformação de comportamentos sociais, sobretudo os ligados ao senso coletivo. No processo de colonização, a moral do português era condicionada a retirar de nós todas as vantagens materiais possíveis. Somos filhos do estupro do português em relação às índias; somos oriundos das hipocrisias familiares e religiosas da casa-grande e senzala, onde se constituiu a estrutura patriarcal; o trabalho escravo durou por quase 400 anos, e nele o desejo do acúmulo e do enriquecimento ilícito através da exploração do trabalho de uma coletividade. A corrupção é um vício, é uma deformação de comportamento. Não é natural! É culturalmente reproduzida e danifica o projeto democrático. Dizer que a corrupção é cultural não minimiza seus efeitos perversos na sociedade brasileira, até porque a cultura é dinâmica e pode mudar através da incorporação de novos dispositivos e valores apreendidos, o que não foi feito neste caso. A corrupção como apropriação do público para atender ao interesse privado se manifesta na política, rebate no estado, mas tem origem na família, que é a base da sociedade. Muitos pais criam seus filhos para serem “espertos”, o ideal de “esperto” em uma sociedade capitalista é o acúmulo de bens materiais, e para atingir tal fim você tem que aprender a negociar tudo, inclusive o seu voto, abrindo assim uma complexa cadeia de interesses: alguns rompem os cofres públicos para se manter com mandato. Tudo isto é algo hediondo!

foto claudenilton machado

eleitores vendem seu voto; alguns políticos compram voto, cor-

Cidadelle 47


Hoje, no Brasil, os escândalos de corrupção envolvendo os três poderes do governo estão em destaque na imprensa. Mas a corrupção pode ser vista em ações individuais do cidadão na vida ordinária. Qual o papel da educação no combate à corrupção?

instituições básicas no processo educacional, estão em crise. No

A Holanda foi um dos primeiros países a usar a internet como janela de transparência para as contas públicas. Por que no Brasil a política da transparência não tem eficácia?

labor da manutenção material da prole, a família apresenta fa-

A falta de eficácia dos mecanismos de combate à corrupção

lhas na reprodução dos ensinamentos éticos, o pouco tempo que

está associada à falta de participação da população. Em nosso

resta para os filhos é utilizado para o entretenimento consumis-

processo de formação social não fomos preparados para parti-

ta e para ensinar o filho a “negociar”; a escola contemporânea,

cipar. Não queremos participar nem da reunião do condomínio,

em seu reprodutivíssimo para fazer com o que o aluno acerte

achamos um “saco” os espaços coletivos de decisões partilha-

o (X) no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), não conse-

das, o que repercute em uma falta de estímulo para fiscalizar

gue realizar uma formação crítica para a efetiva transformação

as instituições públicas, mesmo sabendo que elas são mantidas

social. Assim, a educação é comprometida por um conjunto de

com nosso dinheiro. O problema da corrupção historicamente

distorções e não consegue atingir seu objetivo, que seria educar

implantado na sociedade brasileira não se encontra apenas no

para a alteridade e para uma sociabilidade ética e responsável,

político que rouba, mas em nós enquanto cidadãos coniventes.

pois uma vez internalizando os preceitos da alteridade e da ética,

Alguns poucos se manifestam, mas no geral continuamos a vo-

conseguiríamos combater a corrupção, o que não acontece.

tar em políticos corruptos.

Esperamos da educação a nossa salvação! Mas nos frustramos quando comprovamos que ela não atende a nossas expectativas de formação ética e política. Tanto a família como a escola,

48 Cidadelle


foto claudenilton machado

“A CORRUPÇÃO É UM VÍCIO, É UMA DEFORMAÇÃO DE COMPORTAMENTO. NÃO É NATURAL”.

A presidente Dilma Rousseff lançou este ano um pacote anticorrupção. As leis são a última saída para prevenir a corrupção no sistema público? Não! Aprendemos desde cedo que no Brasil “há leis que pegam e leis que não pegam”, tudo depende a quem é aplicada. Sempre adotamos uma maneira para driblar o que de certa forma nos enquadra,

ção de comportamento social, que não é fácil. Mesmo com os avanços

100

país não será resolvida apenas com leis, mas através de uma altera-

100

mosa sensação de impunidade. A prevenção da corrupção em nosso

100

colocando em prática o nosso “jeitinho brasileiro”, o que gera a fa-

que tivemos nos últimos anos, ao que se refere à criação de regulamentações e instrumentos fiscalizatórios, a exemplo do Lei Complementar 135/2010, da Ficha Limpa, que torna inelegíveis por oito anos

quanto com seus eleitores. E na operacionalização de tal negociação,

100

não ter medo da Justiça, ele aprendeu a negociar tanto com a Justiça,

100

de nossos representantes pouco mudaram. Político corrupto parece

100

candidatos com comprovação de corrupção, percebemos que a prática

novamente ele realiza práticas ilícitas. Mesmo com os avanços dos mecanismos legais de controle da corrupção, o que certamente ao longo do tempo vai se aperfeiçoar e minimizar a incidência destas práticas, percebemos que a sensação de banalização deste ato ainda persiste.

Cidadelle 49


// HELITOWER

Com localização estratégica e fácil acesso, o Helitower destaca-se como um dos mais completos prédios comerciais da região

50 Cidadelle


foto divulgação

SIMPLESMENTE MODERNIDADE, FUNCIONALIDADE E SOFISTICAÇÃO SÃO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS QUE TÊM ATRAÍDO EMPRESÁRIOS PARA UM DOS MAIORES PRÉDIOS COMERCIAIS DA BAHIA por tede sampaio

crescente busca por salas em imóveis comerciais de alto padrão tem levado as construtoras a investirem cada vez mais em comodidade e sofisticação para agradar esse público extremamente exigente que está disposto a pagar pelo que houver de melhor no setor. Na maioria das vezes, esse tipo de espaço é utilizado por empresários já consolidados nos seus respectivos mercados, que desejam mudar para um local que lhes ofereça mais espaço. Além disso, apresentam uma arquitetura moderna que possibilita diversas adaptações na estrutura física, para melhor atender a algumas necessidades específicas dos locatários.

DIFERENCIAL Localizado na Estrada do Coco, em Lauro de Freitas, o Helitower é um exemplo de modernidade e funcionalidade na área de empreendimentos comerciais. O prédio é o primeiro do litoral norte da Bahia a contar com um heliponto equipado com sala vip para espera e, tendo em vista a falta de tempo que acomete grande parte dos empresários, ainda oferece uma sala de reuniões próxima ao heliponto. Este espaço permite que o empresário de

Cidadelle 51


sembarque diretamente para o seu compromisso profissional e

se aproximou dos requisitos estabelecidos pela Receita Federal,

retorne em seguida para o helicóptero à sua espera.

como localização, facilidade de acesso para o cidadão e área útil

Segundo Sérgio Mota, engenheiro responsável pelo empreendimento, o espaço foi pensado para oferecer o máximo de

capaz de suportar o funcionamento de um órgão que é bastante demandado pela sociedade”.

conforto aos empresários que fazem uso do local. “Na cober-

No novo endereço foi implantada toda a estrutura interna

tura funciona o Espaço Business, onde o empresário tem à sua

para oferecer serviços como as seções de fiscalização, de arre-

disposição um escritório virtual com todos os elementos de um

cadação e controle tributário, de logística e de tecnologia da

ambiente de trabalho: computadores, impressoras, telefone e

informação. A única área que ainda não está funcionando na

até mesmo uma secretária para otimizar as tarefas”, afirma.

nova unidade é o atendimento ao contribuinte. Santos explica que a ideia é levar para Lauro de Freitas um CAC (Centro de

NOVA UNIDADE DA RECEITA FEDERAL

Atendimento ao Contribuinte) acompanhado de uma estrutu-

O forte crescimento da região metropolitana de Salvador em

ra completa de delegacia, a exemplo do que há em Salvador.

direção ao litoral norte é mais um dos fatores que têm atraído

“Esse formato amplia a rede de atendimento da Receita Fede-

grandes empresas e autarquias para essa região. No primeiro tri-

ral, oferecendo mais comodidade ao contribuinte”. Entretan-

mestre de 2015, o Helitower passou a abrigar a Delegacia da Re-

to, ainda não há previsão de inauguração do CAC em Lauro

ceita Federal em Lauro de Freitas. Hilton Santos, assessor de im-

de Freitas, mas a Receita Federal afirma estar empenhada

prensa da 5ª Região Fiscal da Receita (Bahia e Sergipe), afirma

em acelerar o máximo possível a implantação. Assim, o con-

que a escolha do imóvel buscou preencher requisitos necessários

tribuinte de Lauro de Freitas continua sendo atendido como

à implantação da unidade. “O Helitower foi o edifício que mais

antes, no CAC de Salvador.

O Helitower foi o edifício que mais se aproximou dos requisitos estabelecidos pela Receita Federal, como localização, facilidade de acesso para o cidadão e condições das instalações físicas”. Hilton Santos

52 Cidadelle


Cidadelle 53


// SAÚDE

postiços CABELOS

SAIBA COMO A MEDICINA PODE CONTORNAR A CALVÍCIE E REPARAR A QUEDA DE CABELO por matheus calmon

C

acheado, crespo, liso, ondulado. Seja qual for o tipo de cabelo, essa

fazer a cirurgia para evitar que o problema se agravas-

parte é uma das mais visadas do corpo humano, tanto por mulheres

se. Procurei medicações para resolver, mas poderiam

quanto por homens, que visitam cada vez mais os salões de bele-

ter efeitos colaterais, alguns até desconhecidos, então

za. Seja por questões naturais ou por descuido, as madeixas podem

preferi não utilizá-las”, comenta o empresário, que foi

começar a cair e fazer falta no couro cabeludo. Além de provocar o

atraído por um procedimento diferente do convencio-

envelhecimento precoce, a calvície está diretamente ligada à auto-es-

nal em Miami. O método que ele conheceu nos EUA é

tima. Esta relação é comprovada por meio de pesquisas realizadas

menos ofensivo ao couro cabeludo, visto que não deixa

pela empresa de cosméticos Seda e também pela companhia far-

marcas ou cicatrizes.

macêutica Galderma Brasil para o instituto Ipsos. Os levantamentos

No Brasil, Dr. João Carlos Pereira, membro da Socie-

comprovaram que a maioria dos entrevistados se sente incomodada

dade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, foi um dos

quando não está satisfeita com seus cabelos, e apenas 33% dos par-

primeiros a trazer a novidade: “Iniciamos uma nova era

ticipantes conseguem encontrar o visual que lhes agrade. Além de

na cirurgia do transplante de cabelos. Em meados de

mostrar que o cabelo é o principal reflexo do estilo e da identidade,

2010, iniciei no país uma nova técnica chamada FUE

o estudo revelou que a queda dos fios é um problema que assusta a

(Follicular Unit Extration), em que as unidades folicula-

maioria dos brasileiros.

res passaram a ser colhidaspor meio de um microapa-

Mas nem tudo está perdido. A medicina pode entrar em cena e

relho americano. A principal vantagem dessa técnica

ajudar a resolver este problema com a cirurgia de transplante capilar,

está no fato de que na FUE as unidades foliculares são

que preenche os espaços vazios com cabelos do próprio paciente. O

colhidas uma a uma diretamente do couro cabeludo

empresário Denis Guimarães estava prestes a entrar para o clube dos

sem deixar cicatrizes”, conta.

carecas. Aos 44 anos resolveu se esquivar desta condição que geneti-

O especialista explica que, após a extração, os folí-

camente herdaria do seu pai e buscou a ciência para prevenir a calví-

culos capilares passam por inspeção e preparo micros-

cie. “Quando vi que estava começando a ter queda de cabelo, resolvi

cópico antes de ser transplantados para as regiões cal-

54 Cidadelle


vas do couro cabeludo e que os benefícios vão além do

e o cantor Elton John também se submeteram a este método para

processo cirúrgico. “A eficiência, rapidez e precisão na

driblar a calvície.

extração dos enxertos foliculares minimizam os danos aos folículos e o tempo da cirurgia”.

PROCESSO CONVENCIONAL O método mais conhecido no Brasil consiste em transplantar fios sau-

HALL DA FAMA

dáveis da parte de trás da cabeça e implantar nos espaços afetados

Quem passou por este processo também foi o jogador

pela calvície. A cirurgia começa com a colheita destes fios, e o cirur-

inglês Wayne Rooney. Em sua conta no Twitter ele publi-

gião demarca a área que receberá a cabeleira nova, onde faz diversos

cou que a calvície o pegou de surpresa, principalmente

furinhos e insere os fios na mesma direção em que nascem. Como

por ter apenas 25 anos de idade na época. No mesmo

eles são implantados com músculos e glândulas, o processo de cresci-

ano, o ator Marcos Pasquim aderiu ao procedimen-

mento continua normalmente, como se sempre estivessem no local.

to para contornar a falta de cabelo, que já era visível

O cabelo implantado cai pouco a pouco após a operação e nasce no-

quando tinha 32 anos. O apresentador Gugu Liberato

vamente depois de alguns meses.

Confira algumas dicas para manter os fios sempre bonitos e saudáveis: Alimentação: para garantir beleza e força aos fios, alimentar-se bem é essencial. Ingerir ácidos graxos, como ômega 3, e vitaminas D e E ajuda o cabelo a ficar mais forte e hidratado. Peixes e sementes oleaginosas são bons aliados das madeixas. Lavagem: lavar os cabelos duas vezes por semana é o ideal, exceto para cabelos oleosos, que necessitam de uma frequência maior. A temperatura da água deve ser de aproximadamente 38o C.

foto divulgação

Corte: as pontas duplas fazem com que o cabelo cresça mais lentamente, então renovar os fios cortando-os periodicamente é de suma importância para o crescimento saudável do cabelo.

Cidadelle 55


foto divulgação

// ESPORTE

O CALVÁRIO DOS TIMES BAIANOS DA CAPITAL OU INTERIOR, TIMES BAIANOS LUTAM PARA SE DESTACAR NO CENÁRIO NACIONAL por zuba ortiz

56 Cidadelle


É

foto bcayres

“É vergonhoso o futebol baiano hoje”. Esta foi a frase do pen-

sentimento de Felipe Liu, torcedor do Bahia, 30 anos, que

tacampeão mundial com a seleção brasileira em 2002 Júnior

também sofreu com o rebaixamento do seu time do coração.

(em entrevista ao Portal da Band), e de muitos torcedores

“Falta prestígio justamente pela má gestão, fazendo com

baianos sobre a atuação dos dois principais times do estado –

que os melhores jogadores não queiram atuar nos times da

Bahia e Vitória – no Campeonato Brasileiro em 2014. As duas

Bahia”, lamenta.

equipes frequentaram a zona do rebaixamento durante todo o campeonato e chegaram à última rodada brigando com o

O CAMPEONATO BAIANO: BA-VI X INTERIOR

Palmeiras para se manter na Série A. Os dois times baianos

Enquanto sofrem nos campeonatos nacionais, Bahia e Vitória

não fizeram o dever de casa, foram derrotados por Coritiba

ainda são destaques quando o assunto é o campeonato esta-

e Santos e acabaram rebaixados para a segunda divisão do

dual. Como são os únicos clubes com calendário para o ano

Campeonato Brasileiro. “Nos últimos dois anos o futebol baia-

todo, os dois times possuem mais investimento e, graças a

no está decadente. As equipes não apresentam boa gestão. A

isso, têm uma distância muito grande em relação aos times do

torcida está descrente, menos apaixonada por conta desses

interior. Esses, por sua vez, precisam, literalmente, suar a cami-

desgostos. Tudo é meio empurrado com a barriga, meio ‘ar-

sa, fazendo uma boa campanha no estadual e buscando uma

mengado’. O rebaixamento é apenas uma consequência dis-

vaga na Série D do Brasileiro, para manter o time ativo depois

so tudo”, afirma a torcedora do Vitória Ludmila Bathomarco

do final do Baianão. Quando isso acontece, a maioria dos ti-

Lemos, 28 anos, que sempre foi ao Barradão, mas que tem

mes do interior vende suas revelações para manter as contas

perdido um pouco do encanto pelo futebol. Esse é o mesmo

em dia e fazer caixa para disputar os próximos campeonatos.

Cidadelle 57


Apesar de todas as dificuldades, times do interior, como o Colo-Colo, de Ilhéus, têm se destacado no Campeonato Estadual. Para o torcedor do Vitória Tiago Ferreira Bittencourt, a evidência dos clubes interioranos no Baianão se deve ao fato da queda da qualidade do futebol do Bahia e do Vitória. “Seria ótimo se esse crescimento dos clubes do interior nas fases finais do Campeonato Baiano fosse pelo crescimento técnico e desenvolvimento das gestões das agremiações. Na verdade, isso aconteceu porque o Vitória teve uma queda vertiginosa e o Bahia já vinha de alguns anos difíceis”, comenta o torcedor.

58 Cidadelle

PROGRAMA SÓCIO TORCEDOR Em 2015, o que chama a atenção no cenário futebolístico brasileiro é o crescimento dos programas de sócio-torcedor, a exemplo do Palmeiras, que conseguiu entrar no top-10 do mundo e já ultrapassou 100 mil associados. Os times baianos também possuem programas para incentivar a adesão de novos associados. O Colo-Colo mantém o “Sou + Colo Colo”, e qualquer pessoa pode ser tornar um sóciotorcedor. Os associados podem assistir às partidas pagando apenas R$ 10 em qualquer setor, além de desconto na compra da camisa oficial do clube, seja ela masculina ou feminina.


EM BUSCA DA SÉRIE D A má qualidade do futebol baiano também é refletida nos campeonatos das séries B, C e D. Desde que o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado por pontos corridos, nunca um time do interior da Bahia esteve na Série B. Nesse período, apenas um time teve chance de conquistar o acesso, o Jacuipense chegou perto da Série C no ano passado. Entre os times que buscam uma vaga na Série D está o Colo-Colo, que conseguiu, no ano passado, acesso à elite do Campeonato Baiano. Um dos responsáveis pela boa campanha do time de Ilhéus é o apoio da Cidadelle, que patrocina o clube desde o ano passado e manteve a parceria neste ano fotos jaqueline santana

– com um detalhe, o valor do patrocínio foi dobrado para 2015. Para o diretor de marketing do clube, Hermano Fahning, o apoio da Cidadelle foi importante nessa retomada do futebol de Ilhéus. “Foi gerada uma grande expectativa dessa volta do Colo-Colo à elite do futebol baiano, e a confiança da Cidadelle em nosso projeto foi demonstrada com a renovação do patrocínio”, afirma. Por sua vez, o diretor comercial da Cidadelle, Denis Guimarães, também associa a nova fase do Colo-Colo ao processo de desenvolvimento social e econômico que está ocorrendo em Ilhéus e em toda a região devido à chegada de novos empresários com mentalidade sustentável.

A COPA DO NORDESTE E O DESENVOLVIMENTO DO FUTEBOL NORDESTINO Enquanto boa parte do país aposta apenas nos campeonatos estaduais e as competições regionais vão chegando ao fim, como, por exemplo o Torneio Rio-São Paulo e o Torneio Sul-Minas, a região Nordeste fez o contrário: resgatou a Copa do Nordeste e vem ampliando mais o número de participantes, fortalecendo o futebol dessa região. A prova de que isso vem dando resultado é que, apesar de ter apenas o Sport/PE na Série A, a região Nordeste possui oito clubes na Série B em um total de 20 clubes, o que representa 40% da Série B. Além disso, o público dos jogos de times nordestinos continua batendo recordes a cada ano. Uma prova de que coração de torcedor é mesmo forte e, apesar de sofrer muito, não desiste jamais.

Cidadelle 59


// ARTIGO ERIKA NABUCO

BONS VENTOS SOPRAM NO SUL DA BAHIA

m alguns momentos, podemos apenas, ao olhar para o céu,

nalmente pelas ricas histórias de Jorge Amado, Adonias Filho,

prever o tempo. Assim, se configura o crescimento no sul da

entre outros.

Bahia. Hoje, atuando no mercado imobiliário e publicitário,

Daqui também saem produtos criados e produzidos para

diante do atual cenário e dos projetos que se configuram, não

todo o Brasil e exterior, como chocolates finos, produtos deri-

há como não ter certeza de que o futuro da região é promissor.

vados do cacau (AMA, Sagarana, Chocolate Caseiro de Ilhéus

O crescimento é inevitável e indelével.

e outros), aromatizantes, produtos de bem-estar (Avatim),

Vamos a uma breve retrospectiva e panorama. A micror-

frutas e flores tropicais, calcário, confecções, piaçava e cacau.

região Ilhéus e Itabuna é composta por 41 municípios. Situa-

Enfim, com uma economia pulsante, a região possui um mer-

da na região cacaueira, sul da Bahia, possuem área total de

cado propício para o setor imobiliário e construção civil tam-

21.308,944 km² e população estimada em 2007 pelo IBGE, de

bém. E foi esse crescimento imobiliário e essa renovação da

1.081.347 habitantes. Isso faz dela a microrregião com o maior

economia que levaram à região investidores fortes, como a

número de cidades do estado da Bahia. Tanto Ilhéus quanto

Cidadelle (que logo se posicionou e abraçou nossa região), e

Itabuna se destacaram no cenário nacional pela era áurea do

outros de porte nacional, dando maior visibilidade de negó-

cultivo do cacau, que foi um aliado importante na conservação

cios para o consumidor e investidor.

da mata atlântica.

Por fim, os projetos do novo porto, a duplicação da estrada

Ilhéus se destaca pela sua beleza particular, belas praias,

que liga ambas as cidades, a construção de pontes, ferrovia,

com excelente estrutura hoteleira, que propicia um turismo

universidade federal e mais investimentos… Não tem como não

exuberante. Já Itabuna caracteriza-se pelo seu anel rodoviário,

visualizar e acreditar que ainda se tem muito a fazer, investir e

pelo forte centro comercial e excelência em saúde. Ambas se

crescer. Estamos no caminho certo e logo seremos o foco da

destacam na microrregião, pois alimentam as cidades circun-

economia baiana. Ganhará mais quem chegar primeiro!

vizinhas nos setores educacional, imobiliário, habitacional, construção civil, hoteleiro e nos já citados turístico, comercial

*Erika Nabuco, 35 anos – Núcleo Soluções Imobiliárias e Núcleo

e saúde. São também conhecidas nacionalmente e internacio-

Soluções Estratégicas

60 Cidadelle


// DESEJO

UNIVERSO CHANEL A ELEGANTE BOLSA DA MARCA FRANCESA FAZ A CABEÇA DE QUEM REALMENTE ENTENDE DO ASSUNTO!

ESTA BOLSA GRANDE PRODUZIDA PELA GRIFE FRANCESA CHANEL FOI FEITA EM COURO DE NOVILHO, FINALIZADA COM COSTURA CHEVRON. A ELEGÂNCIA DESTACA ESTA PRODUÇÃO DA DESIGNER KARL LAGERFELD, QUE MERGULHOU NO UNIVERSO DA ARTE PARA CRIAR A PEÇA. US$ 5.500

foto divulgação

A marca, criada por mademoiselle Coco Chanel, assume o primeiro lugar quando o assunto é luxo. A produção e a criação são quase feitas manualmente e fazem com que o preço da peça aumente consideravelmente.

Cidadelle 61


// ESPORTE

EXPE DIÇÃO

SUP CONHEÇA AS AVENTURAS DE UM GRUPO DE AMIGOS QUE RESOLVEU DESBRAVAR AS BELEZAS DA BAHIA A BORDO DE UMA PRANCHA

por zuba ortiz fotos arquivo pessoal/goca moreno

62 Cidadelle


E

nfrentar situações difíceis, superar medos e limites, estar em contato com a natureza, sentir-se vitorioso. Foi em busca dessas sensações que um grupo de remadores se reuniu em Ilhéus para realizar expedições a bordo de uma prancha, tendo como motor, apenas, o vento e um remo. Os aventureiros e amigos Paulo Larika e Goca Moreno resolveram criar o ExpedSUP, num bate-papo, em setembro de 2014. Para o primeiro desafio, juntou-se à dupla o geólogo Isidoro Gesteira e a empresária Ana Paula Araújo. Juntos, o quarteto enfrentou 69 km de remada por paredões de rocha e pôde desfrutar de toda a paisagem exuberante de Paulo Afonso até o Xingó. Sabendo das dificuldades que encontrariam na expedição, Paulo Larika e companhia começaram a organizar a viagem cerca de 40 dias antes. “Pesquisamos o local de acampamento, o que levar e comer”, detalha Larika. No entanto, nem mesmo uma expedição organizada com antecedência está livre de sofrer imprevistos, e essa ida ao Xingó não foi diferente. O segredo dos remadores foi driblar as adversidades com muito bom humor, fazendo a irritação se transformar em risadas e em histórias engraçadas. Ana Paula conta que o maior imprevisto foi em relação ao guia. “Só durante a expedição que soubemos que ele não conhecia o trajeto completo. Isso nos deixou tensos e acabamos nos rendendo a fazer uma pequena parte do percurso com o auxílio da lancha”, revela. O acampamento do primeiro dia seria na Ilha de Ninguém – uma ilhota localizada entre Bahia, Sergipe e Alagoas, que não pertence a nenhum destes estados, o que justifica o nome. “Saímos da usina e fomos rumo a essa ilha. Remamos por horas e nada... Nosso guia não sabia exatamente o quilômetro do acampamento”, lembra Goca. A situação rendeu boas risadas para Larika: “No primeiro dia, Goca não parava de perguntar onde era a Ilha de Ninguém e o guia não sabia informar. A noite foi chegando e ele ficando preocupado. Quando viu a lancha apontar, abriu um grande sorriso, pegamos carona na lancha com bebidas e um espaguete à carbonara merecido”, relembra. No segundo dia, os ventos mudaram, literalmente: ficaram mais fracos e ajudaram os remadores a contemplar mais o visual. “O ponto alto ficou por conta do Talhado. Seus paredões estreitos e altos nos possibilitaram remar junto aos catamarãs que fazem os passeios turísticos no São Francisco. O lugar é in

Cidadelle 63


DICAS Para quem se interessa pelo esporte e pretende começar a praticar, colhemos algumas dicas com nossos desbravadores. Para Ana Paula, é importante não ter medo de cair da prancha, sentir as ondas e se equilibrar para conseguir remar. A musculação é indispensável para fortalecer a musculatura e prevenir lesões. “Gostar e respeitar o rio/mar/mangue é fundamental para o bom relacionamento com a atividade. E a dica principal é aproveitar o momento, curtir o visual e se sentir parte do ambiente, que é lindo”, finaliza. Para Goca Moreno, qualquer pessoa pode começar no SUP, basta ter os equipamentos. “É um esporte para todas as idades, muito fácil de se adaptar”, explica. Já para Paulo Larika, a dica é simples: “É só comprar uma prancha, um remo e se jogar”.

finitamente bonito e transmite uma sensação de paz e proteção pelos san-

que essa cachoeira é a única de água doce que

tos que ficam espalhados naquele local”, conta Ana. Para Isidoro, a expedição

deságua no mar. “Já tinha feito esse trajeto da

foi um desafio por se tratar de uma remada longa e exigir muita preparação

Baía de Camamu de lancha, mesmo assim, ao

dos participantes. Além disso, a chegada ao Xingó presenteou o grupo com um

começar a remar, estando em uma cachoeira,

belo espetáculo da natureza, o pôr do sol no São Francisco. “A melhor parte da

foi um momento mágico”, conta Larika.

primeira expedição foi quando avistamos o Xingó no pôr do sol, após 69 km de remada, foi uma sensação de dever cumprido”, conta Larika.

Isidoro Gesteira teve uma companhia especial nesse trajeto, o filho Matheus, que chegou de São Paulo às 2h da manhã e às 7h já estava

NA BAÍA DE CAMAMU

no carro para enfrentar o desafio de mais de 43

Com a bagagem da primeira aventura, os desbravadores partiram rumo à se-

quilômetros de remada junto ao grupo.

gunda expedição. O lugar escolhido chama a atenção por alguns motivos: tra-

As dificuldades do primeiro dia foram gran-

ta-se da terceira maior baía do Brasil em volume de água e a única no país que

des. Além da distância, os remadores ainda

nasce de uma cachoeira, a do Tremembé. Outro ponto que chama a atenção é

enfrentaram o vento e a maré contra. Foram

64 Cidadelle


24,5 km de exaustivas remadas, a metade do caminho, até a parada na Ilha do Tatu. Como se não bastassem as dificuldades no caminho, os remadores ainda enfrentaram muita chuva e vento forte durante a noite. Mesmo assim, logo cedo, o acampamento foi levantado para continuar a remada rumo a Barra Grande. No segundo dia, a chuva e o vento não deram trégua e dificultaram ainda mais a aventura. O grupo, então, resolveu fazer uma parada em Taipu de Fora para descansar. “Aproveitamos e comemos caranguejos. A chuva e ventos fortes foram a pior parte, não dava para ver nada”, conta Larika. O tempo melhorou e o sol voltou a aparecer. Com os ventos mais fracos, os desbravadores conseguiram terminar o trajeto, passando pela Ilha do Goió, para um lanche e banho, depois pela Ilha do Sapinho, Pedra Furada, Porto de Campinho, indo

Cidadelle 65


até a Ponta do Mutá, em Barra Grande, onde terminaram a remada, chegando aos 43 km.

DA COSTA DO CACAU À COSTA DO DESCOBRIMENTO O grupo já começou a organizar a nova expedição, mas ainda não definiu a data. O plano é fazer o trajeto entre a Costa do Cacau (Canavieiras) até a Costa do Descobrimento (Belmonte). Por ser mais perto de Ilhéus, Goca acredita que podem levar um grupo um pouco maior que nas outras expedições, chegando quem sabe até ao dobro de remadores. Além do grupo de expedição, existe, há mais de um ano, em Ilhéus, o de remadores. “Hoje somos mais de 50. No ano passado, organizamos vários passeios com remadas longas e sempre nos encontramos para remadas na Baía do Pontal”, conta Goca Moreno. Por conta do transporte dos equipamentos, da preparação física e da dificuldade de locomoção, o grupo de remadores nas expedições é muito menor que os que se encontram para remadas mais curtas. “O grupo é sempre nós três – eu, Isidoro e Paulo – e mais dois ou três amigos convidados”, revela Goca.

SUP NA VEIA O SUP surgiu no Havaí. É uma prática antiga de surf e apareceu como uma forma de os professores mostrarem os movimentos para seus alunos e, por isso, ficavam em pé para que os iniciantes pudessem vê-los com mais facilidade. Podendo ser praticada por todas as idades, a atividade física ajuda na parte cardiorrespiratória, no equilíbrio, na resistência e no fortalecimento muscular, sendo considerado um exercício completo, quando feito de maneira correta. O contato com a natureza serve, ainda, como uma terapia para a mente. No Brasil, o SUP tem se tornado moda, já que é uma forma de esporte ao ar livre e combina com o clima tropical das cidades litorâneas. Além disso, o fato de não precisar de ondas para ser praticado e não ter uma faixa etária recomendada também ajuda na disseminação do esporte.

66 Cidadelle


Cidadelle 67


// CULTURA

REGISTRO

de um instante

A HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA CONTADA ATRAVÉS DA EVOLUÇÃO DAS CÂMERAS FOTOGRÁFICAS por tede sampaio

S

alvar uma imagem para a posteridade. Esta talvez não tenha sido a intenção do francês Joseph Niépce ao realizar a primeira fotografia ainda no século XIX, mas, segundo o semiólogo Roland Barthes, com certeza foi um dos motivos que inspiraram inúmeros inventores a trabalhar em grupo ou paralelamente em busca de um objetivo comum: desenvolver a técnica e obter imagens fotográficas com cada vez mais perfeição e nitidez. O processo consiste, basicamente, na criação de imagens através da exposição luminosa, fixando-as em uma superfície sensível. À primeira vista a explicação não é tão atrativa, mas a busca pela subjetividade de cada momento ou um detalhe de humor presente em cada rosto leva o fotógrafo, profissional ou amador, a se apaixonar cada vez mais pela fotografia. Essa sensação só é possível, entretanto, porque o também francês Daguerre conseguiu criar uma câmera escura capaz de capturar imagens através da luz. Esse aparelho ficou conhecido como daguerreótipo e leva o título de primeira câmera fotográfica da história.

68 Cidadelle


Criamos uma linha do tempo baseada

gens. Variados modelos de máquinas fotográficas foram criados, com tamanhos e custos

nos grandes momentos da fotografia a

menores. Tais características permitiram que esses objetos fossem comercializados e se tor-

partir da evolução desses aparelhos que

nassem acessíveis a um número muito grande de usuários. Hoje, parece ser mais fácil encon-

muitos consideram ser um pincel na mão

trar alguém que possua uma câmera fotográfica em seu celular do que quem não a tenha.

do pintor:

IP

O

–1

T

Desde então, muito se investiu em tecnologias que melhoraram a qualidade das ima-

839

fotos divulgação

A história da fotografia está intimamente ligada à câmara escura.

ER R

O daguerreótipo foi o primeiro equipamento fabricado em escala

DAG U

comercial capaz de reproduzir e fixar uma imagem em uma superfície sensível. O aparelho criado por Jacques Mandé Daguerre e fabricado por Alphonse Giroux foi apresentado publicamente em 1839, na França. No mesmo ano o governo do país declarou a invenção de domínio público e, em contrapartida, ofereceu uma pensão vitalícia para Daguerre, que também manteve o seu nome na invenção.

uma chave-borboleta que tinha a função de enrolar o filme até a posição adequada para a próxima fotografia. Depois que o filme chegava ao fim, a

KN

botão na parte superior do equipamento, onde também se podia encontrar

88

KO DA

primeiro a utilizar filme de rolo. A fotografia era tirada após pressionar um

O. 1

Esse equipamento marcou a evolução das câmeras fotográficas, pois foi o

18

câmera era encaminhada ao fabricante, que revelava as fotografias que em seguida eram devolvidas junto com o equipamento para o dono. Um único filme tinha espaço para cerca de 100 negativos redondos, com diâmetro de 65 milímetros. A opção pelo formato arredondado das imagens se dava pela

P O LA

RO

ID

1

pouca qualidade nos cantos das fotografias.

98

0 Apesar da popularização dos filmes fotográficos, as fotografias ainda levavam muito tempo para ser reveladas. Pensando nisso e a partir de um questionamento de sua filha sobre essa demora, o inventor estadunidense Edwin Land enxergou uma nova possibilidade para a fotografia. A Polaroid não utiliza negativos. A luz entra em contato direto com o papel sensibilizado com sais de prata e a câmera expele uma foto preta, que após 60 segundos revela a imagem (posteriormente esse tempo caiu para 10 segundos). As fotografias criadas por esse equipamento eram únicas e não podiam ser reproduzidas.

Cidadelle 69


1

991 Foi a primeira câmera SLR digital que surgiu. Inicialmente era voltada

CS

00

–1

KD

ao fotojornalismo, pois permitia acelerar a transmissão de imagens

KO D A

para estúdio ou redação. As fotos possuíam 1,3 megapixel e eram salvas em uma unidade de armazenamento digital separada que era ligada à câmera por de um cabo. A maior novidade nesse modelo era que as imagens podiam ser visualizadas logo após o disparo, como acontece com as câmeras digitais modernas. Além disso, um teclado na unidade de armazenamento permitia a inclusão de legendas e informações das imagens.

97

um aparelho verdadeiramente digital e com possibilidade de armazenamento em disquetes. Esse equipamento produzia imagens

M AV I C

A câmera Mavica, lançada pela Sony, representou a criação de

AF

D9

1

9 –1

com resolução de até 1024 x 768, variação de abertura e velocidade. O sucesso foi tão grande que na época a Mavica representava 40% das

– -P 9 C S

20 02

CY B E R

SH

OT

D

vendas de câmeras digitais nos Estados Unidos.

No final do século XX as câmeras digitais já eram comercializadas por diversas empresas, com destaque para a Nikon, Cannon e Sony, mas ainda com preços nada agradáveis. A Sony lança então a CyberShot, um dos modelos de câmeras compactas mais vendidos no mundo. A DSC-P9, por exemplo, tem um design que foi superpopular no começo do século

mercado atual por grande parte dos fotógrafos profissionais, esse equipamento possui capacidade para capturar imagens de 22,3 megapixels a 6 fps (fotogramas por segundo) e filmes full HD de alta qualidade. O modelo também possui controle manual de todas as funções, desde o intervalo dos fotogramas ao áudio.

70 Cidadelle

CANO

Considerada uma das melhores câmeras fotográficas do

NE

OS

5

XXI. Esta câmera tem 4MP de resolução e 3x de zoom óptico.

D

M

K AR

I II – 2 0 1 2


Cidadelle 71


// SUSTENTABILIDADE

ÁGUA EM ABUNDÂNCIA

CIDADELLE INVESTE EM ALTERNATIVA DE PONTA PARA ANULAR A POSSIBILIDADE DE FALTA D’ÁGUA NO CONDOMÍNIO por celina santos e tede sampaio

Q

uantas vezes você já ouviu falar que água é fonte de vida? Pois bem, por mais que essa afirmação pareça clichê, é a mais pura verdade. E por falar em pureza, poucas coisas dão mais prazer que a sensação de beber água fresca e de boa qualidade. Pensando nisso, grandes empresas têm promovido uma busca constante por alternativas sustentáveis, segundo pesquisa realizada pelo Massachusetts Techology Intitute (MIT) e pelo Boston Consulting Group (BCG), que entrevistaram 2.300 executivos de grandes corporações. O sul da Bahia, ao contrário de tantas regiões brasileiras que experimentam uma crise hídrica, é um dos recantos mais abundantes no volume de chuva (índice pluviométrico de 1.800 milímetros por ano, segundo o Institudo do Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Inema). Para se ter uma ideia, a última estiagem prolongada foi há 19 anos, em 1996. Naquele ano, até o mês de agosto, o índice pluviométrico na região estava na casa dos 150 mm, contra os 600 mm do ano anterior (1995), segundo dados da Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira). De acordo com o engenheiro e atual gerente regional da Embasa (Empresa Baiana de Águas e Saneamento), Cláudio Fontes, nesse verão de 2015 não foi necessário acionar nenhum sistema alternativo

72 Cidadelle

para dar conta do abastecimento.


CONSUMO CONSCIENTE

Especialista em meio ambiente, Campos alerta, com base

A abundância, pondera Fontes, não afasta a preocupação com

em dados sobre o uso irracional dos recursos hídricos: “Temos

um problema real enfrentado pelas concessionárias de sanea-

uma relação muito errada com a água, existe um desperdí-

mento: as perdas. Ele computa que Ilhéus perde 35% da água

cio muito grande. Mesmo que haja chuva suficiente, a água

distribuída. O cenário também não é diferente em Itabuna, cida-

nunca dá para o consumo”. A preocupação do presidente é

de vizinha com 218 mil moradores. Por lá, computa o engenhei-

que as pessoas, por saberem que não enfrentam os mesmos

ro Ricardo Campos, presidente da Emasa (Empresa Municipal de

problemas de escassez das demais regiões do país, utilizem

Águas e Saneamento), o percentual perdido chega a 50% – dos

esse recurso de forma irresponsável, e completa: “O uso não

quais, 32% por causa de desperdícios e ligações irregulares (os

é consciente; as pessoas usam como se fosse um bem infinito

populares “gatos”).

e não escasso”.

Um terço da água apropriada para o consumo humano é desperdiçado em Ilhéus. Em Itabuna, os números são ainda mais alarmantes e atingem metade do volume total da água disponível à população.

50% 35% 21%

32%

Cidadelle 73


ALTERNATIVAS BIOSSUSTENTÁVEIS Garantir o abastecimento de água sem depender unicamente da

escasso em outras regiões do Brasil. Para realizar o tratamen-

incidência de chuvas. Esta é uma realidade no Cidadelle House. O

to de esgoto, o condomínio conta com uma estação dotada de

empreendimento localizado nas margens da rodovia que liga Ita-

refino com cloração e filtragem, o que posibilita a reutilização

buna e Ilhéus desenvolveu seu próprio sistema de abastecimento

dessa água. “Estamos preferindo fazer essa reutilização exclu-

de água com tratamento. Segundo o engenheiro Sérgio Barroso,

sivamente na irrigação. Esse é um processo opcional”, afirma o

coordenador do complexo residencial, o condomínio conta com

engenheiro Sérgio Barroso. Barroso esclarece que “o projeto de

uma estação de tratamento de água (ETA) própria, que contem-

distribuição de água do Cidadelle foi concebido para alimen-

pla todas as etapas do sistema convencional. Para começar, a

tação através de uma das concessionárias ou sistema próprio.

captação se dará a partir do lençol subterrâneo, através de poços

No entanto, inicialmente deverá ser através de sistema pró-

devidamente respaldados por geólogos.

prio”. O bairro planejado fica mais próximo de Itabuna, mas

Mais do que tornar a água potável (nos padrões estabele-

geograficamente está no território de Ilhéus. Por isso, caberia

cidos pelo Ministério da Saúde), a referida estação dispõe de

à Embasa o abastecimento; entretanto, a empresa não dispõe

posterior refino, por meio de um método chamado osmose re-

de estrutura momentânea para alcançar o km-24 da rodovia –

versa. “É um processo de filtragem, onde se retiram as mínimas

onde está situado o condomínio.

partículas, para oferecer uma água pura”, define Barroso. Devido aos resultados de excelência da osmose reversa, ela também é usada por algumas cervejarias para processo de fabricação de seus produtos, que requer água de excelente qualidade. Jorge Neves, engenheiro químico e ambiental da Hidroquími-

DICAS PARA EVITAR DESPERDÍCIO • Torneiras com sensores que controlam a saída

ca – empresa responsável pelo projeto e implantação da estação

de água de acordo com a aproximação das mãos

de tratamento – destaca a sofisticação da ETA do Cidadelle e a

reduzem o consumo entre 35% e 80%

qualidade da água fornecida. “Os moradores contarão com uma

• Prefira o serviço de lavagem a seco para o seu

água sem sal. A pessoa que for lavar o cabelo nessa água vai

carro. Caso não seja possível, substitua a manguei-

vê-lo mais solto, mais viçoso. Isso irá agradar, sobretudo, à mu-

ra convencional por aquelas que apresentam bicos

lherada”, exemplifica. Já o sócio dele, o engenheiro civil Marcos

para regular a vazão da água

Habib, lembra que o processo de dessalinização faz com que a

• Deixe o gramado crescer pelo menos quatro cen-

água no Cidadelle House tenha qualidade superior àquela – um

tímetros. A grama alta retém mais umidade. Essa

tanto salobra – distribuída em algumas localidades. “É uma das

providência evitará a aparição de trechos resseca-

águas de melhor qualidade, sem desmerecer o padrão seguido

dos e diminuirá a necessidade de regar

pelas concessionárias. A estação adota tecnologia e equipamen-

• As máquinas de lavar louça são ótimas opções

tos importados”, completa.

para economizar água. Segundo a Sabesp uma

Além da ETA, o Cidadelle mantém um sistema de captação

torneira semiaberta por 15 minutos consome 117

de água de chuva que poderá ser utilizada para irrigação das

litros de água, enquanto a lava-louça consome 20

áreas verdes do condomínio, como explica o engenheiro e co-

litros para lavar a mesma quandidade de pratos

ordenador do empreendimento Sérgio Mota: “A captação da água que escoa pelos telhados de algumas edificações é reunida, contando com a facilidade para distribuição nos jardins.” Além do aproveitamento da água da chuva, o Cidadelle também investiu no reaproveitamento desse bem cada vez mais

74 Cidadelle


RIQUEZA DE DETALHES

// DESEJO

HÁ QUEM DIGA QUE A PAIXÃO DE TODA MULHER COMEÇA PELOS PÉS. IMPONDO PERSONALIDADE, OS FAMOSOS SAPATOS DE CHRISTHIAN LOUBOUTIN PASSAM UMA SENSAÇÃO DE PODER

foto divulgação

“TOP VAGUE” O SOFISTICADO SAPATO POSSUI DETALHES EM CRISTAIS EMBUTIDOS E PODE SER UTILIZADO EM OCASIÕES MAIS SOFISTICADAS, COMO CASAMENTOS, FESTAS E FORMATURAS. US$ 2.995

Dos mais básicos aos mais diferenciados, os sapatos Louboutin não passam despercebidos! Os modelos vêm superdelicados e trabalhados, além de ricos em detalhes e com tecidos maravilhosos. Difícil mesmo é escolher o mais bonito, não é mesmo?

Cidadelle 75


// DECORAÇÃO

inspiração

INDIANA A ARQUITETA E URBANISTA, MARIANA CORBUCCI, DECIDIU INOVAR. UM VÃO DE 115 M2 FOI TRANSFORMADO EM UMA SALA DE YOGA ELEGANTE, SOFISTICADA E BEM ACONCHEGANTE por luciana silva

76 Cidadelle

foto divulgação


R

eformar uma sala de yoga pode não ser tarefa fácil nem usual,

cliente exigente e muito cuidadosa. Escolhi esse projeto por ser

mas a arquiteta e urbanista Mariana Corbucci mostrou que o seu

um desafio maior do que o projeto de uma residência. E foi ne-

principal desafio foi alcançado: criar um lugar confortável para

cessário conhecer ‘yoga’ para desenvolvê-lo”, explica.

os alunos que fossem praticar a meditação em Itabuna. “Quan-

Aconchegante ou requintado? O estilo pode variar de acordo

do fui chamada para fazer o projeto de uma sala de yoga, um

com a necessidade de cada um. Inspire-se nesse projeto e veja

espaço vazio era só o que tínhamos. E o desafio era atender uma

como deixar o seu ambiente mais harmônico. Namastê!

Cidadelle 77


PROJETO MARIANA CORBUCCI ARQUITETA E URBANISTA / ITABUNA-BA

78 Cidadelle

Ambiente para relaxar

Sensação de conforto

A arquiteta optou por utilizar materiais

A cor e a intensidade da luz podem tornar

que proporcionassem o tão esperado

um espaço mais aconchegante. O proje-

resultado: comodidade. Pedras, revesti-

to de iluminação de Mariana foi pensado

mentos madeirados e papel de parede

para trazer leveza e valorizar ainda mais

dão um tom a mais na decoração. A

o ambiente.

pedra portuguesa remete a rusticidade.

Para Mariana, a escolha das cores dos

O papel de parede e as poltronas Sierra

materiais de trabalho contribuiu de for-

Retrô dão sofisticação e elegância ao am-

ma significativa para a decoração. E as

biente, e a madeira e as cortinas de linho

plantas foram escolhidas para humanizar

transmitem aconchego.

o ambiente.


// DESEJO BEBIDAS LICOR LUXUOSO Uma mistura especial de uisques de 40 anos resulta no Royal Salute 62 Gun Salute. A garrafa desse licor é coberta com ouro 24 quilates, além de uma tampa de cristal lapidada. O produto pode ser adquirido por R$ 10 mil. A quantidade é limitada devido à idade e raridade da obra.

fotos divulgação

5 ESTRELAS “Difícil de encontrar, impossível de pronunciar e proibitivamente caro”. Esse era o slogan do melhor licor da Grand Marnier: Cuvée du Centenaire. Premiado diversas vezes, o licor feito com conhaques de até 50 anos de idade custa em média 220 dólares.

LICOR 43: MISTURA DE SENSAÇÕES O tradicional licor espanhol possui uma fórmula secreta e milenar. São 43 ingredientes naturais e toda uma preparação. Pode ser consumido em diferentes combinações. Na sua forma mais simples, apenas com gelo, adicionado a algum outro destilado ou como ingrediente de drinques. Use a criatividade! R$ 125.

Eles são servidos em uma pequena taça, mas fazem toda a diferença após uma boa refeição. Apreciar uma boa bebida é uma arte! Existem várias marcas desse sofisticado aperitivo, mas algumas, sem dúvida, merecem a nossa atenção. Está servido? por luciana silva

VALE MAIS DO QUE OURO Todos os olhares se voltam para ele: o Chambord, licor francês em uma versão luxuosa. O licor se diferencia dos demais por conta da embalagem, que tem um design decorado com diamantes, ouro e pérolas. A garrafa foi feita toda à mão pelo joalheiro Donald Edge. O Chambord custa dois milhões de dólares.

Cidadelle 79


// LUXO

A MAJESTADE DAS

ORQUÍDEAS A MAIS NOBRE DAS FLORES TEM 36 MIL TIPOS CONHECIDOS; NO SUL DA BAHIA, A FAZENDA YRERÊ ABRIGA UM ORQUIDÁRIO QUE MOSTRA O QUÃO DESLUMBRANTE É O UNIVERSO DA PLANTA por celina santos

80 Cidadelle


foto celina santos

Orquidário na Fazenda Yrerê, no Km-11 da bucólica rodovia Ilhéus-Itabuna

fotos divulgação

O mundo das flores sempre pede passagem para uma rainha: a orquídea. Com inúmeras cores, formatos e tamanhos, ela encanta pelo visual, textura suave e, num tipo específico, também pelo cheiro. “Ela é considerada a flor mais nobre e mais bela. É um destaque que não tem comparação com as demais”, atesta o orquidófilo Marcos Fraga, responsável pelo orquidário situado na Fazenda Yrerê, localizada no Km-11 da rodovia Ilhéus/Itabuna. Outro diferencial que torna a bela ainda mais excêntrica é a variedade. De acordo com Marcos, há 36 mil tipos de orquídea mencionados na literatura. Desse número, estima-se que 20 mil são plantas naturais e o restante produzido em laboratório por meio do cruzamento de espécies variadas, chamadas de híbridas. Sua paleta de cores vai muitíssimo, além das cores do arco-íris, por conta das misturas. Já os tamanhos, há desde espécies minúsculas, que para admirá-las é preciso usar lente de aumento, a gigantes, que crescem na floresta tropical da Indonésia e podem pesar quase 500 quilos. Por isso, a rainha atrai tanto os olhares de colecionadores. A natureza foi generosa ao brindar os olhos do mundo com a beleza das orquídeas. Afinal, elas estão presentes em quase todos os continen

Cidadelle 81


tes – exceto a Antártida, com predominância nas áreas tropicais. O Brasil está entre os países mais ricos em orquídeas: possui uma média de 3,5 mil espécies naturais. Dessa imensidão, na Fazenda Yrerê são cultivados 15 tipos, entre espécies nativas e híbridas, distribuídos em três mil vasos. O orquidófilo explica que a Phalaenopsis é o tipo que se encontra fartamente nas floriculturas. “Ela tem flores grandes e leva beleza ao ambiente”, justifica. Característica semelhante, no que se refere a diversidade e tamanho, tem a Denphal, de menor custo. Já a orquídea Oncidium, mimosa, colorida e pequena, tem um brilho especial pela delicadeza. Ainda segundo Fraga, um tipo bastante procurado é a Cattleya, por ter apenas uma ou duas floradas num ano e pelo cheiro que exala. “Essa é a mais nobre, devido ao perfume que deixa no ambiente. Nem as fragrâncias francesas são como essa orquídea”, derrete-se e continua: “Já não se fala em raridade, mas sim naquela de custo mais elevado, que é a Vanda, de origem asiática, importada da Tailândia. Ainda não há produtores dela no Brasil”, informa.

PEÇA MAIS QUE DECORATIVA Por conta de sua variedade e aparência peculiar, a orquídea é utilizada principalmente como flor ornamental em eventos no dia a dia. “É uma flor bela, exótica e sofisticada. Toda decoração tem que ter vida; e nada melhor do que ter uma orquídea”, observa a empresária Rose Habib. No ramo de decoração há 16 anos, ela recomenda que a flor esteja

foto divulgação

presente nas casas, independentemente do

82 Cidadelle

estilo – do clean ao rústico. “Qualquer espaço pede orquídea. Além de passar beleza, ela traz paz”, completa.


LENDAS DA PAIXÃO A quantidade de lendas associadas à flor é quase tão vasta quanto à diversidade de espécies até hoje computada. Grande parte de tais histórias está ligada a um tripé que interessa – e muito – à humanidade: amor, paixão e sexo! A seguir, dois dos mitos mais comuns: remonta à Idade Média a crença de que as orquídeas possuem propriedades afrodisíacas. Por isso, elas se tornaram símbolos de fertilidade e virilidade, e vem desta época o costume de preparar poções especiais com as raízes tuberosas e as folhas carnosas de algumas espécies. A mistura funcionaria como estimulante sexual capaz de contribuir com a concepção de bebês do sexo masculino. De acordo com outra lenda, igualmente surreal, as bruxas usariam raízes tuberosas de orquídeas (semelhantes a testículos humanos) para a preparação de poções ditas mágicas. As frescas estimulariam (ou até promoveriam) o amor, enquanto que as secas despertariam paixões.

DICAS DE CUIDADOS: Para quem deseja exibir o luxo de uma orquídea por mais tempo – algumas duram até 70 dias –, Marcos Fraga sugere alguns cuidados: • Não mudar de vaso • Não colocar terra • Molhar só duas vezes por semana (exceto a Vanda, que tem raízes aéreas e não é cultivada em vasos) • Não deixar exposta ao sol • Deixá-la em ambiente ventilado • Depois de molhar, não deixar o vaso em cima de um prato, para não ter acúmulo de água.

Cidadelle 83


// LUXO

ARTE DE sedução NÃO DUVIDE DO PODER DE UM BOM PERFUME. CONHEÇA A HISTÓRIA DESSE COSMÉTICO QUE HÁ MILHARES DE ANOS CAUSA BOAS PRIMEIRAS IMPRESSÕES EM HOMENS E MULHERES por luciana silva e matheus calmon

O

perfume pode fazer muito por você na hora da sedução. Já imaginou encantar a pessoa desejada com apenas algumas borrifadas estratégicas? Acredite! Essa tática já vem sendo utilizada há muito tempo. No Antigo Egito, a rainha Cleópatra, por exemplo, foi uma das primeiras mulheres a utilizar o perfume para seduzir seus parceiros. O general romano Marco Antônio e o imperador Júlio César não resistiram ao cheiro de flores de henna, açafrão, menta e zimbro da rainha. Assim como Cleópatra, a musa de Hollywood nos anos 50, Marilyn Monroe, sabia ser sensual como ninguém. Ela era uma fervorosa utilizadora de perfumes e declarou que até na hora de dormir usava duas gotinhas de seu aroma preferido, Chanel No5. Os homens também não ficam de fora. Eles sabem ser sensuais! Famosos como o jogador de futebol inglês David Beckham, o príncipe William e o ator e cantor Justin Timberlake não dispensam um bom perfume.

84 Cidadelle


HISTÓRIA DO PERFUME A arte da perfumaria começou a surgir na pré-história, quando o homem primitivo aprendeu a fazer fogo e descobriu que algumas plantas quando queimadas causavam fragrâncias agradáveis. Logo, passaram a utilizar esta prática para agradar aos deuses com aquela fumaça que eles acreditavam chegar aos céus. Surgiam ali as primeiras noções de aromaterapia, utilizada na época principalmente para disfarçar os fortes odores dos animais mortos nas caçadas. Na Idade Antiga, os egípcios “esfumaçavam” os ambientes e produziam óleos perfumados para honrar seus deuses nas cerimônias religiosas. Eles acreditavam ter suas preces atendidas com mais agilidade se suas orações chegassem aos deuses embaladas com os vapores aromáticos levados às nuvens pela incineração de certas árvores. Já os gregos utilizavam perfumes também para fins medicinais. Na Idade Média não foi diferente. Além de produzirem fotos divulgação

perfumes para uso medicinal, os árabes começaram a produzi-los para uso pessoal. Em 1370, surge o primeiro perfu-

Channel nº 5 -

me alcoólico, lançado especialmente para a rainha Eliza-

Este é um clássico! Tornou-se um perfume feminino atemporal,

beth, da Hungria. Enquanto na Idade Moderna, perfumes

com sua fragrância floral e marcante. Composto por mais de 65

europeus eram sinônimos de nobreza, sendo consumidos

substâncias, incluindo rosas, jasmins-de-grasse, sândalo, flores

apenas por reis, rainhas e os mais nobres da corte, na ida-

raras do oriente e pau-rosa, o perfume Chanel Nº 5 foi o primei-

de contemporânea os perfumes passaram a ser utilizados

ro a ser intitulado com o nome de um designer.

pela classe média.

212 Sexy Carolina Herrera – Para quem gosta dos cítricos, o 212 Sexy é uma ótima opção. Floral oriental, possui notas de bergamota, tangerina, pimenta-rosa, pétalas de flores, gardênia, algodão-doce, sândalo, almíscar-branco e baunilha. Expressa a sensualidade. Para mulheres que sabem o poder que têm. Cidadelle 85


AS MATÉRIAS-PRIMAS NATURAIS MAIS COMUNS NA INDÚSTRIA DA PERFUMARIA SÃO: Flores (jasmim, laranjeira, rosa, lírio e outras) Ervas aromáticas (alecrim, menta, tomilho e outras) Frutas cítricas (limão, laranja, bergamota e outras) Madeiras (canela, bétula, misore, sândalo e outras) Folhas (patchouli, vetiver e outras) Resinas (mirra, gálbano, incenso e outras) Além das naturais, existem diversas outras criadas em laboratórios

OS MELHORES PERFUMES... NOS MENORES FRASCOS

Acqua di Gio – Giorgio Armani – Um per-

Assim como as roupas, os perfumes podem ser desenvolvidos

fume masculino leve, ideal para o dia a

sob medida para quem deseja exclusividade, não sendo, portan-

dia. Uma mistura fresca e sensual que se

to, comercializados na indústria da perfumaria. São fragrâncias

tornou um clássico na perfumaria. Uma

exclusivas, produzidas com matérias-primas raras ou materiais

combinação irresistível de acordes marí-

sintéticos e, claro, com altíssima qualidade. As atrizes Sharon

timos, vibrantes notas cítricas, almíscar e

Stone e Cameron Diaz exalam fragrâncias não encontradas em

cedro amadeirado.

nenhuma outra pele, mas esta particularidade não é específica das hollywoodianas e cada vez mais vem sendo solicitada aos perfumistas. Existem, entretanto, fragrâncias de luxo produzidas em pouca quantidade, como o Hermès Perfume 24 Faubourg, possuído por apenas mil pessoas no mundo, e o Clive Christian Perfume, encontrado apenas em 10 frascos em todo o planeta.

CURIOSIDADE Em Paris, no século XIII, surgiram as primeiras escolas e centros de pesquisas onde os profissionais especializados criaram a maioria das essências conhecidas hoje, tornando a França referência nesta arte para todo o mundo. O perfume diz muito sobre a personalidade. Para saber qual é o aroma que casa perfeitamente bem com seu estilo, selecionamos os seis perfumes mais desejados. Qual deles é a sua cara?

86 Cidadelle


J’Adore – Dior – É um perfume floral, com notas orientais que combinam mandarina, flor-de-champaca, orquídeas, rosas, violetas, ameixa de damasco e madeira de amarante. Está disponível nas versões: Eau de Parfum e Eau de Toilette. É sofisticado e marcante para Polo – Ralph Lauren – Perfume forte

mulheres glamourosas, audaciosas e

e supermarcante. Uma fragrância ex-

absolutamente femininas.

tremamente masculina que combina essências raras e amadeiradas. Com notas de pinho-do-canadá, eucalipto, coriandro, lavanda, pimenta, artemísia, cedro, vetiver, patchouli, musgo de carvalho, couro e tabaco.

Azzaro Pour Homme – Azzaro – É um dos perfumes masculinos mais vendidos pela Azzaro. Essa fragrância é justamente voltada para o homem sedutor. Um clássico para homens mais maduros. São cerca de 320 elementos, dos quais mais da metade de origem natural.

Cidadelle 87


// LUXO

JOIAS

RARAS

CONHEÇA AS EMPRESÁRIAS QUE ENCANTAM O MERCADO DE JOIAS NA BAHIA por taiane nazaré

88 Cidadelle


O filme Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany’s, 1961) conta a história de Holly, uma moça que não sabia bem o que queria da vida, mas seus olhos brilhavam ao ver as peças de sua joalheria preferida na vitrine. A personagem interpretada por Audrey Hepburn não é muito diferente das brasileiras. Colares, brincos, anéis e pulseiras se tornaram acessórios indispensáveis na composição do vestuário no dia a dia. Segundo o Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM), hoje o Brasil é responsável por aproximadamente 1/3 do volume de produção de gemas em todo o mundo. Entre os principais produtores mundiais de esmeraldas, o país é o único que produz topázio-imperial e turmalina-paraíba, além de fornecer citrino, ágata, ametista, turmalina, água-marinha, topázio e cristal de quartzo. Na terra do dendê existe um mercado aquecido de gemas e pedras preciosas com mulheres empresárias movimentando essa economia na região. As joalherias são para todos os gostos, e o que as administradoras revelam em comum é a preferência das baianas por fotos divulgação

joias versáteis, com design arrojado e elegância, que sirvam para um casamento durante o dia ou um jantar de gala noturno. Para entender melhor o que é tendência em joias na Bahia, conheça duas mulheres poderosas que brilham nesse segmento. Dois estilos em um setor do mercado de luxo com clientes cada vez mais exigentes. Andressa Ferreira fez da Bahia sua casa e trouxe uma marca queridinha entre os famosos. Já Graça Valadares mostra sua experiência e bom gosto eternizando momentos em gerações de famílias com suas pedras preciosas.

Cidadelle 89


joia

ANDRESSA FERREIRA

Na segunda oportunidade para morar na Bahia, a capixaba veio com a família para Salvador e decidiu vender peças da Emar Batalha, famosa designer brasileira de joias. Andressa tinha uma relação muito próxima de amizade com a dona da marca e trouxe para as soteropolitanas essas preciosidades do Espírito Santo. “Sou formada em administração, mas atuei na área de comunicação, com uma agência de publicidade. Conheci a Emar quando ela tinha uma loja muito pequena em Vitória e fui a primeira assessora dela. Me apaixonei pelas peças”, diz. Andressa e a sócia Ticyana Carvalho abriram a primeira

joalheria da Emar na Bahia. A marca, que caiu nas graças de atrizes e celebridades em todo o Brasil, agora tem uma loja

“TODAS AS PEÇAS SÃO MUITO COLORIDAS E TÊM PEDRAS. ESSA MISTURA OUSADA DE CORES E A TECNOLOGIA DE PONTA NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DEIXAM AS JOIAS ÚNICAS”

física no Jardim Apipema, na capital baiana. Atualmente as empresárias atendem a toda a região Nordeste e fazem tanto sucesso que realizam eventos da empresa no Rio de Janeiro. Para Andressa, o ponto forte da Emar é o extremo cuidado com o acabamento e exclusividade dos produtos. “Todas as peças são muito coloridas e têm pedras. Essa mistura ousada de cores e a tecnologia de ponta no processo de produção deixam as joias únicas”, comenta Andressa, que também confessa: “Eu abracei a ideia da Emar Batalha. Hoje trabalho em algo que amo”.

90 Cidadelle


as raras GRAÇA VALADARES

Um sonho com persistência e muito trabalho pode virar realida-

de. Essa é a prova da dedicação da empresária Graça Valadares,

que começou a vida profissional como vendedora da H. Stern, considerada uma das maiores joalherias do país. Vendia principalmente para clientes estrangeiros na franquia do aeroporto de Salvador, até que despertou o interesse por uma clientela permanente. Com mais de 20 anos na área, abriu sua loja própria em um shopping da capital baiana e, com o tempo, percebeu a necessidade de um trabalho que preza pela discrição e um atendimento mais personalizado. “Com o passar dos anos, o cliente exigiu um estilo de negócio com máximo conforto e requinte, que o joalheiro vá aonde o consumidor está”, comenta a empresária, que atende por hora marcada. Uma expert quando se fala em consultoria de joias na Bahia, Graça diz que suas peças atraem mulheres e homens também. “Para elas, a turmalina-paraíba e a tanzanita são as principais tendências. Já as pulseiras de prata com um tipo de borracha com acabamento diferenciado é o que mais está saindo entre os homens”, fala. Sua maior satisfação agora é vender para as novas gerações das famílias dos clientes. “Passei a orientar os filhos e netos dos meus principais consumidores. Isso mostra a confiança das pessoas com o meu trabalho”, finaliza.

fotos divulgação

“PASSEI A ORIENTAR OS FILHOS E NETOS DOS MEUS PRINCIPAIS CONSUMIDORES. ISSO MOSTRA A CONFIANÇA DAS PESSOAS COM O MEU TRABALHO”

Cidadelle 91


// GASTRONOMIA

do sabor

ALQUIMISTAS OS SEGREDOS DA COZINHA CONTEMPORÂNEA QUE ESTÁ CONQUISTANDO DIVERSOS PÚBLICOS AO REDOR DO MUNDO por tede sampaio fotos ricardo prado

O chef utiliza o pescado mais fresco que tem na sua cozinha e contrasta o escuro do arroz negro com o fundo branco do prato, criando uma boa apresentação

92 Cidadelle


A

expressão “comer com os olhos” muitas vezes é utilizada para se referir àqueles que sentem vontade de devorar o prato por causa da sua aparência. Esse comportamento é um efeito da característica que, talvez, melhor defina a gastronomia contemporânea, a apresentação. O conceito ainda engloba outras particularidades que completam os pilares desse estilo: harmonização e flexibilidade no preparo dos pratos. Numa perspectiva atual, a cozinha contemporânea é aquela que busca a utilização dos ingredientes clássicos, transformando-os com técnicas modernas e muitas vezes tecnológicas. “Ser contemporâneo hoje corresponde ao resgate do clássico. A forma com que o prato é apresentado é aquela que pretende causar aquele tipo de ‘uau’ no momento em que é servido”, afirma o chef Fabrício Lemos, responsável pela cozinha do restaurante Amado em Salvador-BA. Apesar da busca de inspiração nas receitas clássicas, a cozinha contemporânea sempre pretende ser inovadora e criativa, numa recorrente busca por superação. Assim pensa Edinho Engel, chef consultor e criador do restaurante Amado. Para ele, essa escola gastronômica não pretende apenas alimentar as pessoas, ela quer criar uma experiência enquanto se prova o que foi servido. “Esse experimento começa pelo visual e segue com as sensações durante a degustação. Então, o que melhor a define é essa sensação de inovação”, explica.

Cidadelle 93


Entrada: para a entrada, os chefs recomendam a “torre de carne-seca com musseline de aipim e queijo coalho com calda picante de banana-da-terra”

TECNOLOGIA A FAVOR DO SABOR As cozinhas clássicas que mais influenciaram a contemporânea

vido aos avanços nas mais diversas áreas, desde a produção da

foram a francesa, a italiana, a oriental, a espanhola, a ára-

matéria-prima à finalização dos pratos nos restaurantes. Hoje,

be e a brasileira. Além de reunir elementos das mais diversas

alimentos específicos podem ser produzidos em praticamente

tradições culinárias, o estilo busca o melhor de cada cultura,

todas as regiões do planeta, além de permitir que esses tam-

adaptando à praticidade dos dias atuais e à disponibilidade

bém sejam conservados por mais tempo sem perder o frescor.

dos ingredientes em cada região e estação do ano. Pôr em

Dessa forma, os cardápios contam sempre com a variedade de

prática o modelo contemporâneo só é possível, entretanto, de-

produtos e pratos.

94 Cidadelle


O GLAMOUR DO DÓLMÃ

é que um reflexo do momento de admiração que a profissão

O glamour em torno da profissão de chef também é um fenô-

se encontra. O chef Fabrício reconhece que na última década

meno recente. Aos poucos, velhos personagens, como Ofélia

a profissão deu um “boom”. “Assim como em qualquer profis-

Anunciato e Palmirinha Onofre, ícones da culinária na televisão,

são, os bons profissionais, aqueles que realmente se dedicaram

perderam espaço para programas que tendem a apresentar o

àquilo e fizeram disso uma meta de vida, nada mais justo que

conceito contemporâneo em seus pratos, a exemplo do reality

eles queiram o reconhecimento. Esse glamour em torno da pro-

show MasterChef, na TV Bandeirantes. Essa mudança nada mais

fissão sempre faz bem para o ego do profissional”, comenta.

Sobremesa: a sobremesa indicada pelos chefs para compor essa experiência na cozinha contemporânea é o “cappelletti de banana-da-terra com sorvete”. A mistura valoriza a tradição italiana das massas com ingredientes tradicionalmente brasileiros

PÚBLICO BAIANO Além de ajudar na conservação dos ingredientes, o avanço da tecnologia também tem auxiliado na propagação das receitas de forma quase que instantânea, através das redes sociais ou sites na internet. “Atualmente, um chef posta a foto de um prato no Instagram lá na Indonésia e eu vejo aqui com a mesma velocidade. Por causa dessa globalização, não só a Bahia, mas todo o público do mundo evoluiu de alguma forma”, conta Fabrício. Segundo Edinho Engel, os baianos, tradicionalmente conservadores, têm mudado o seu comportamento nessa última década. “O público baiano não aceitava muitas inovações, resistia a novas experiências, hoje ele se abriu para o mundo”, comenta. Para ele, os soteropolitanos estão se permitindo cada vez mais experimentar coisas novas, e isso é ainda mais nítido quando se fala de gastronomia. “Eles estão mais curiosos com as novidades. Acredito que é um público que está topando o desafio da cozinha contemporânea”, completa.

Cidadelle 95


Conheça abaixo um pouco da história dos chefs que abriram as portas das suas cozinhas para a Revista Cidadelle:

Edinho Engel: desde criança, o mineiro fazia da cozinha a

Fabrício Lemos: a história dele na cozinha também começou

parte preferida de sua casa, mas foi cerca de 20 anos de-

muito cedo. Quando ainda era criança, costumava ajudar a

pois dessa época que ele fundou seu primeiro boteco em

mãe a preparar o almoço. Além disso, gostava de cortar fo-

São Paulo. O local se chamava Fazenda Mineira, e ali per-

lhas para simular saladas e fazia bolinhos de areia como se

cebeu que gostava de trabalhar com comidas, bebidas

fossem acarajés. O contato real com a profissão só come-

e pessoas, e essa era a carreira que ele queria trilhar. As

çou aos 17 anos, quando Fabrício se mudou para os Estados

dificuldades para seguir na profissão foram muitas, a co-

Unidos. Para pagar as contas e conseguir se manter no novo

meçar pela falta de oportunidades para adquirir o conhe-

país, ele começou a lavar pratos em um restaurante e, uma

cimento técnico. Naquela época, não existiam escolas de

vez inserido no ambiente, se apaixonou pela vida na cozi-

gastronomia no Brasil, apenas cursos técnicos do Senac.

nha. A partir daí, iniciou um curso na Le Cordon Bleu, esco-

Os livros também eram escassos e os poucos que se encontra-

la francesa de culinária referência na área gastronômica.

vam eram escritos em línguas como francês e inglês. Hoje,

O chef conta que uma das principais dificuldades enfrentada

com 60 anos de idade e 34 anos de profissão, Edinho revela

nos 17 anos de profissão foi o cansaço físico. Fabrício chegava

que se tornou chef “por acaso” e parte das ideias para os pra-

a ficar 15 horas em pé dentro da cozinha. Nessa época, ele tra-

tos vinha a partir de conversas com cozinheiros e da busca por

balhava em dois locais para pagar os cursos de especialização

técnicas que lhe permitissem produzir algo diferente.

que desejava.

96 Cidadelle


Edinho Engel e Fabrício Lemos somam juntos meio século de história ligada à gastronomia e são responsáveis pelo novo cardápio do Restaurante Amado em Salvador

Cidadelle 97


// BUSINESS

AO SAIR, APAGUE A LUZ! AS CONTAS DE ENERGIA ESTÃO MAIS CARAS EM TODO O BRASIL. VEJA DE QUANTO FOI O REAJUSTE EM SETE ESTADOS!

$

por taiane nazaré

D

epois que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determi-

mente dos consumidores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, que

nou uma revisão extraordinária nas contas de luz do país, os bra-

vão passar dessa média, com alta de 28,7% em tarifas. O mo-

sileiros passaram a pagar mais pela energia. O reajuste aconteceu

tivo da desigualdade entre as regiões é a distribuição dos cus-

nas 58 das 63 distribuidoras de energia, atingindo uma média

tos. Mesmo a Hidrelétrica de Itaipu atendendo a todo o país,

nacional de 23,4% de aumento. A Bahia apresenta a energia mais

quem paga mais tarifas no final do mês são os moradores de

barata do país, em relação a outros estados (ver tabela). Mas, na

São Paulo, Rio Grande do Sul e do Distrito Federal, por exem-

atual crise econômica, qualquer aumento pesa no bolso.

plo. E a conta vai ficar maior quando sair o reajuste ordinário

Os cidadãos que vivem nas regiões Norte e Nordeste adicionam 5,5%, em média, nas contas de energia, diferente-

da energia elétrica de 2015, que é previsto pelo menos uma vez ao longo do ano.

ESTADO

DISTRIBUIDORA

AUMENTO NA TARIFA

REAIS POR QUILOWATT-HORA

RIO GRANDE DO SUL PARANÁ SÃO PAULO MINAS GERAIS RIO DE JANEIRO BAHIA PERNAMBUCO

AES SUL COPEL ELETROPAULO CEMIG LIGHT COELBA CELPE

39,5% 36,4% 31,9% 28,8% 22,5% 5,4% 2,2%

0,46030 R$/kWh 0,43037 R$/kWh 0,37182 R$/kWh 0,48122 R$/kWh 0,46858 R$/kWh 0,35195 R$/kWh 0,35565 R$/kWh

98 Cidadelle


assine e receba os melhores conteúdos em sua casa O melhor conteúdo sobre decoração, arquitetura, construção e mercado imobiliário no Nordeste

A revista de negócios da Bahia, escolhida o veículo impresso N/NE de 2014*

* Eleita pelo Prêmio Colunistas Norte e Nordeste 2014

*

>> Revista [B+]

• Assinatura 6 edições • Bimestral • Investimento: R$ 60,00 (em até 6 x no cartão)

Combo Especial

+ • Investimento: R$ 90,00 (em até 6 x no cartão)

>> Revista Metro Quadrado • Assinatura 6 edições • Bimestral • Investimento: R$ 60,00 (em até 6 x no cartão)

Assinaturas:

(71) 3012-7477

assinatura@grupobmais.com.br

Cidadelle 99


100 Cidadelle

Em conformidade com a lei número 4.591-64, informamos que as fotos e ilustrações desta peça publicitária têm caráter exclusivamente promocional, por tratar-se de um bem a ser construído. As condições de comercialização de cada unidade constam nos contratos a serem firmados com seus adquirentes. CIDADELLE PRAIA DO SUL: Responsável Técnico: Sérgio Mota – CREA Ba nº 24.165-D; Projeto Arquitetônico – Carlos Campelo – CAU4559-4. O Cidadelle II Praia do Sul House Empreendimentos Imobiliários SPE LTDA foi aprovado pelo município de Ilhéus-BA consoante Alvará de Construção nº 16574001, expedido em 14/03/2014; RI 26.138, registrado no livro 02 de Registro Geral, no Cartório de Registro de Imóveis e Hipotecas – 1º Ofício da Comarca de Ilhéus-Bahia.

Revista Cidadelle - Ed.05  

Esta edição da Cidadelle está bem colorida. O artista plástico Romero Britto estampa nossa capa com sua arte inconfundível. O conteúdo apres...

Advertisement