Page 1

Foto: Cássio Fotografias

EDIÇÃO 68 - ANO 6 - JULHO / 2017 - UBÁ - MG / R$ 9,90

Um leque de OPORTUNIDADES

Casal vira exemplo de empreendedorismo após ingressar na Hinode e traz ex-BBB e Duplo Diamante Dhomini em treinamento para consultores FATO ESPECIAL

Alunos da Rede Sagrado realizam experiência marcante no projeto Missão Jovem SCM

COMPORTAMENTO

Vovôs e Vovós revelam a emoção de ter um neto

ABRINDO O CLOSET

A elegância e o estilo particular de Kukula Pereira


Índice Cássio Fotografias

Moda 12 – Aconteceu: Arraiá Solidário arrecada aproximadamente R$12 mil em sua primeira edição. Verba é doada à Apae Ubá 18 – Fato Especial: Projeto da Rede Sagrado leva alunos e colaboradores a mergulhar em realidades sociais distintas

60

A EXUBERÂNCIA DAS SEMIJOIAS

24 – Cartão de Embarque: Conheça o destino de Punta Cana sob os olhos de Edivania Costa 32 – Capa: Casal vira exemplo de empreendedorismo após ingressar na Hinodê e traz ex-BBB e duplo diamante Dhomini em treinamento para consultores

36 – Arquitetura e Urbanismo: Maikyanne Sudré visita a Casacor São Paulo 2017 e dá dicas das principais tendências expostas em 71 ambientes 40 – Trend: Confira a gama de produtos para o universo pet 48 – Por Toda a Minha Vida: Quando um contratempo é também uma nova chance 52 – Prata da Casa: Cantor e compositor Rodrigo Leite fala sobre sua bagagem com a música e o projeto carreira solo 54 – Abrindo O Closet: O carisma e elegância de Kukula Pereira 72 – Comportamento: Vovôs e vovós revelam a emoção de ter um neto 08

Revista Fato - Julho 2017


Editorial / Expediente Cássio Fotografias

J

ulho reúne várias datas: o dia dos avôs, do homem, do futebol e especialmente para nós, ubaenses, o aniversário de nossa Cidade Carinho! Tão especial quanto, o mês também celebra o nascimento de uma figura admirável: Mário Quintana. O escritor e jornalista gaúcho faleceu há mais de 20 anos, mas sua sabedoria o tornou imortal. Embora seu talento fosse evidente, ele nunca foi aceito na Academia Brasileira de Letras. Uma pena e uma perda para a ABL! Mas como diria Sandroni, “títulos são apenas títulos”, Quintana era bem maior que isso. Quintana é atemporal. “O poeta das coisas simples”, como era conhecido, não acumulou bens durante a sua vida, mas distribuiu o bem com maestria através de suas obras. Tal qual abriu meu convite de formatura com um de seus dizeres, achei injusto que o escritor não pudesse abrir um de meus editoriais em nome da Revista Fato!. Portanto, trago a luz a seguinte reflexão de Mário: “uma vida não basta ser apenas vivida: também precisa ser sonhada”, afinal, este projeto que chega a suas mãos todos os meses há quase 6 anos é sim a realização de um sonho. Sonho que teve início com o casal, Juliana Campos e Bráulio de Paula, e continua se realizando a cada dia. Aproveito a ocasião para confessar-lhe que compor esta equipe é, da mesma forma, a realização de um sonho pessoal meu como jornalista, e todas as manhãs, fecho os olhos e agradeço a Deus por essa oportunidade. Porém, vamos logo ao motivo que lhe trouxe até aqui: nossa 68ª edição! Desta vez, perpassamos assuntos variados que vão da moda pet a experiências marcantes de vida. Uma boa pedida é começar a leitura viajando

quase que literalmente. A querida Edivania nos leva ao incrível destino de Punta Cana em “Cartão de Embarque”. Depois sugiro que dê um pulo em “Cidade” e confira os clicks que realizamos no Camarote Amigos do Núcleo no aniversário de 160 anos de Ubá. Outra dica é conhecer a história de Rodrigo Leite em “Prata da Casa”. Depois de conferir o texto, corre lá no YouTube e da um like no som desse super artista! Os amantes de moda sempre têm lugar especial em nossas edições, e nesta trouxemos muito glamour em um editorial com semijoias incríveis. E o estilo também chegou ao mundo animal! Se você curte o seu cãozinho, dê uma passada em “Trend” e escolha os itens para o seu melhor amigo. Já que estamos falando em tendências, vale ler também a coluna da talentosa arquiteta Maikyane Sudré com um resumo dos principais lançamentos da Casa Cor 2017. Aproveite e confira os quadrinhos lindos que trouxemos para você se inspirar da MagnaDecor. E como estamos no mês dos vovôs e das vovós, eles abriram o coração em “Comportamento” para falar sobre seus netinhos. Uma fofura só! Já em “Fato Especial” você é nosso convidado a conhecer o projeto super bacana da Rede Sagrado chamado Missão Jovem. Uma experiência linda explicada cautelosamente pelo mestre Evandro Albuquerque, vale a pena conferir (principalmente por quem atua na área da educação). Por fim e não menos importante, na capa trazemos um treinamento promovido por consultores da Hinode no espaço Villaggio. Além disso, aproveitamos para falar sobre o trabalho dessa empresa que tem crescido cada vez mais. Se você quer crescer junto, corre lá! Só não termine a leitura desta publicação sem antes visitar a nossa nova colunista, Ivi Monteiro,

Vanessa Santos é Jornalista da Revista Fato!

que traz uma reflexão muito interessante sobre o poder e o significado das palavras. Seja bem-vinda ao nosso time, Ivi! Em resumo, essa é mais uma edição que preparamos com todo o carinho para você. Leia, viaje, inspire-se e trazendo a tona o saudoso Quintana mais uma vez, acredite, sonhe, realize, afinal “se as coisas são inatingíveis... Ora! Não é motivo para não querê-las... Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!”

67

Revista Fato! (32) 3531-2335

Colaboradores Ricardo Silva | Michele Marques | Miguel Batista Pedro Roque | Mari Patrício Paulo Marcos Marques César Campos Lara Anderson Moreira Wanderson Produções Alexandra C. Peron Servando Lopes | Kelvin Tomaz Mário Coelho | Fabiano Araújo | Vanessa Santos Rafaela Namorato | Cássio Cândido | Michel Pires Camila Pontes | Maikyanne Sudré | Natália Meireles.

10

Nota: Os textos escritos por colunistas, profissionais convidados e empresas que divulgam seus trabalhos em nossas páginas são de total responsabilidade de seus autores originais.

(32) 9 8868-2335

revistafato@gmail.com CNPJ: 14205614/0001-14 Rua Tenente Pedro Batalha, n°439, Caxangá - Ubá - MG @revistafatouba www.revistafato.com facebook.com/RevistaFato

Revista Fato - Julho 2017


Aconteceu

PORTAL DAS MANGUEIRAS Ralph Flash

Evento filantrópico arrecada aproximadamente R$12 mil reais em sua primeira edição

O

mês de julho começou celebrando solidariedade na Cidade Carinho. No 1º dia do mês, aconteceu no Condomínio Residencial Portal das Mangueiras o Primeiro Arraiá Solidário, cuja verba arrecadada foi doada para a Apae Ubá. Aproximadamente 350 pessoas compareceram ao evento e puderam saborear as tradicionais comidas típicas de festa junina e uma boa moda de viola. A iniciativa de realização deste evento aconteceu através da dupla de empresárias Eliana Gonçalves Carneiro, proprietária da loja Dalí e de Geisa Almeida Sardinha, Advogada e empresária responsável pelo Centro Médico de Ubá. Segundo Eliana, Geisa sempre teve vontade de realizar um evento beneficente em nossa cidade: “(...) e foi através dela que colocamos o 1º Arraiá Solidário do Portal das Mangueiras em prática” destaca. De acordo com Eliana a quantidade de pessoas no evento foi limitada entre os moradores do condomínio, seus familiares e amigos, além de contar também com a participação dos patrocinadores. “Agradecemos a Deus por ter nos dado coragem e força para fazer o evento e por ter dado tudo certo, à nossa família por abraçar e respeitar a causa. Nosso muito obrigada aos moradores do Condomínio por todo apoio, gratidão também aos nossos patrocinadores, aos artistas, funcionários da APAE que cuidaram da belíssima decoração, bem como àqueles que fizeram questão de prestigiar a festa” ressaltam Geisa e Eliana. A dupla de empresárias e realizadoras deste evento ainda afirmam que o resultado da festa foi muito satisfatório: “Arrecadamos aproximadamente 12 mil reais e por ser a primeira edição do evento, podemos dizer, com toda certeza, que nossas expectativas foram correspondidas” declaram. Como em todo arraiá não poderia faltar à costumeira quadrilha, e quem brilhou foi à criançada. Apresentaram-se no evento o cantor Wellington Netto, a dupla de sucesso em toda a região, Dennis e Cristiano, o sanfoneiro Saulo Basques, o cantor Sérgio Vitor e os irmãos Ana Mel e José Neto. 12

Revista Fato - Julho 2017


Arquivo Pessoal

OS DESCENDENTES DOS

CARNEIRO DE BARROS CELEBRAM O 25º ENCONTRO DE FAMÍLIA

Q

uando os descendentes de José Soares de Barros e Odília Carneiro de Barros se reúnem, eles estão realizando muito mais do que um grande encontro de família: estão dando continuidade a uma tradição e, principalmente, contribuindo para preservar a memória de seus antecessores; bem como possibilitar o estreitamento afetivo dos laços familiares entre os filhos do Casal com os membros das novas gerações dos Carneiro de Barros. Os descendentes dos saudosos Vovô Juquinha Barros e vovó Odília – , estiveram reunidos em Ubá, no feriado de Corpus Christi (dias 16/17 e 18 de Junho), para participarem do tradicional ENCONTRO da FAMÍLIA CARNEIRO de BARROS. Em 2017, os membros da Família Carneiro de Barros comemoraram “Bodas de Prata” (25 anos) de Encontros de Família. O 25º Encontro de Família traduziu-se em três dias de momentos alegres e inesquecíveis! Momentos de celebração do Amor, da União, de Respeito, de raízes Cristãs e de humildade.

A Festa dos 25 anos de Encontro de Família foi aberta, oficialmente, na sexta-feira (dia 16/06), com a brincadeira: “NOITE do OSCAR da Família Barros”. Com direito até a tapete vermelho, a festa Noite do Oscar teve como objetivo homenagear os tios e tias com a famosa estatueta do Oscar hollywoodiano. A Família Carneiro de Barros se encontrou novamente, no sábado (dia 17/06), no Sítio “RANCHO FUNDO”, localizado na comunidade rural da Barrinha, para o tradicional Churrasco da família. No Domingo (dia 18 de Junho), os Carneiro de Barros acordaram cedo para participarem de uma Missa em Ação de Graças, na Matriz de São Januário, celebrada pelo Padre Roberto (Beto) Peluso, que elogiou os descendentes do Vovô Juquinha e da Vovó Odília pela união familiar durante 25 anos de Encontros. Após a Missa, fomos até a escultura do compo-

sitor Ary Barroso, localizado na Praça São Januário, para registros fotográficos com o ilustre compositor brasileiro, autor de “Aquarela do Brasil”, o cidadão Ubaense Ary Barroso. A programação oficial terminou com um delicioso almoço de confraternização, no Restaurante Del Fiori. O 25º Encontro da Família Carneiro de Barros foi uma benção de Deus e uma GRATIDÃO aos nossos antepassados (meus avós, meus tios falecidos, meu saudoso pai Rubens Carneiro de Barros, meus tios vivos, meus primos). Não foi simplesmente um encontro; foi uma Celebração. Celebrar cada momento. Celebrar o que se conquistou. E o que não se conquistou. Celebrar o que se tem. E o que se quer. Celebrar quem somos! Celebrar a Vida, dom de Deus! Celebrar! Esta é uma bela forma de agradecer! Gratidão, Família Carneiro de Barros! Até 2018, com grandes Emoções!


o

ae

ta n

o

Design

Fo to :

T hi

ag

C

Mari Patrício

Designer especialista em interiores, Design de Serviços, UX Design e Usabilidade e Arquitetura da Informação, professora da UEMG-Ubá, Mestranda em Arquitetura na UFV. Apaixonada por design, criatividade e inovação. Contato: marianapatricio@gmail.com; facebook: mari patricio.

Texturas e matérias que convidam ao toque

O

Design de Superfícies é uma atividade técnica e criativa cujo objetivo é a invenção de imagens bidimensionais e tridimensionais (texturas visuais e tácteis), projetadas para a constituição e tratamento de superfícies, apresentando soluções estéticas e funcionais adequadas aos diferentes materiais e processos de fabricação artesanal e industrial. É um dos segmentos mais vastos do design, uma vez que pode ser aplicado sobre praticamente qualquer formato, de inúmeras maneiras. As áreas de atuação são: têxtil (estamparia, tecidos planos, malharia, rendas, tapeçaria, tecelagem), papelaria (papéis de parede, papéis de embrulho), cerâmica, vidros, materiais sintéticos e imagens digitais (games, sites, vídeos, etc.).

ESTAMPARIA Uma estampa pode ser reproduzida sobre quase todo tipo de material. Embora a associação com moda seja praticamente imediata, estamparia é uma técnica largamente utilizada no design.

Imagens meramente ilustrativas

CONSTRUÇÃO CIVIL Outra aplicação bem ampla é na cerâmica. Não só em utensílios, mas nas peças de revestimento. Hoje em dia existe uma variedade gigantesca de cerâmicas e porcelanatos no mercado, sendo essa uma área interessante de ser explorada por designers. Os referidos materiais reproduzem com perfeição o efeito estético da ação do tempo sobre as placas metálicas, as texturas de madeira, os imponentes formatos das pedras gigantes e a tradicional geometria do décor português, além do brilho do ouro ou da prata.

DESIGNER DE SUPERFÍCIE Quem se dedica no design de superfícies precisa ter muita técnica e criatividade. Isso é necessário para que o profissional faça das superfícies escolhidas verdadeiras obras de arte! 16

Revista Fato - Julho 2017


va

Lo p

es

:S

er

o nd

Fato Especial

Espaço Psi Saúde Natalia

F oto

Brick Ribeiro

Psicóloga Clínica, Doula parto e pós-parto, orientadora de aleitamento materno, facilitadora da técnica Shantala, Terapeuta Holística e Perita de Trânsito. Contato: nataliabrick@outlook.com. (32)9 9839-0928 / (31)9 9881-4016

TERAPIA PARA QUEM?

M

uitos de nós já tivemos aquele desejo de procurar um terapeuta no intuito de se conhecer melhor, entender o quão somos ansiosos, saber dos nossos limites pessoais e psicológicos ou esclarecer aquele sonho estranho recorrente há anos, e por aí vão os questionamentos conscientes que temos ao longo de nossas vidas. As necessidades de se fazer terapia são amplas, haja vista que o tratamento também se tornou um leque de escolas de pensamento e uma área cheia de novidades. Mas afinal, terapia é para quê? É para quem? Você já parou para analisar isso? A psicologia surgiu há mais de um século através de Freud e seus estudos cuja maioria das terapias acontecia dentro de hospitais psiquiátricos ou em consultórios particulares, mas a medida que os profissionais da área foram ganhando campo e visão, surgiram dezenas de teorias e métodos pelo mundo inteiro. A Psicoterapia é para todas as idades e para todos os tipos de demandas. A Psicologia Analítica, por exemplo, conhecida também como Psicologia Junguiana, surgiu no inicio do séc. XX com as ideias do suíço Carl Gustav Jung e seus estudos sobre o inconsciente. Seu interesse pelos sonhos e pelas profundezas da alma humana levou-o a descobertas surpreendentes que revelam um universo simbólico de uma riqueza inigualável. A Psicoterapia pode ajudar o cliente a se desligar do sofrimento desnecessário e a lidar com aquele que é inevitável. A Terapia Analítica tem como desejo de trabalho o processo de individuação, como a busca do próprio self, a Psicoterapia Junguiana ainda nos faz perceber que a sabedoria humana é conquistada através das vivências, da alteridade e da percepção de que o mundo e as pessoas que nos cercam compõem um universo único, ampliando assim nossa consciência e as possibilidades de transformação. O psicanalista não é juiz, não vai falar o que está certo ou errado. O paciente é livre e por meio do corte do psicanalista ele se confronta com suas questões, ideologias e, ao se desvincular, às vezes irá perder certezas subjetivas e se questionará mais. Tudo depende do querer continuar, ter responsabilidade própria nas suas escolhas e saber bancá-las. Terapia é o espaço para compartilhar dificuldades, promover reflexões, resolver problemas e buscar soluções. Além do compromisso com o sigilo, conversar com um terapeuta é bem diferente de conversar com você mesmo ou apelar para seu ciclo de conhecidos, amigos e parentes que certamente interagem com você conduzidos por afetos, desejos, expectativas a seu respeito e falam a partir do ponto de vista deles, e não de um profissional. 18

u

M I S S Ã O

a

l ção de implicidade olidariedade

o e

val

res

Maria Eduarda Vieira, aluna do Ensino Médio do Colégio Sagrado auxiliando na limpeza urbana durante a Missão Jovem.

Projeto da Rede Sagrado leva alunos e colaboradores a mergulhar em realidades sociais distintas

S

e queres transformar o mundo, comece transformando-se a si mesmo”, já dizia Padre Gailhac, quem ao lado da irmã Saint Jean, fundou o Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, o qual mais tarde, daria origem ao colégio. Esse admirável homem faleceu no ano de 1890, mas seu legado de generosidade, amor e fidelidade ao projeto de Jesus Cristo continua vivo na memória e nos princípios de todos que compõe a Rede Sagrado. Com base nesses ideais, há 16 anos surgiu a Missão Jovem SCM - Intercâmbio Solidário. A iniciativa tem como objetivo proporcionar aos estudantes e colaboradores da escola uma experiência em uma realidade totalmente distinta do padrão com a qual estão acostumados. Durante onze edições o projeto foi direcionado para o Norte de Minas onde os missionários eram carinhosamente acolhidos por famílias da região por uma semana a fim de partilhar histórias e conhecer as tradições e hábitos do local. O coordenador do SOR - Serviço de Orientação Religiosa e professor do Sagrado há

23 anos, Evandro Albuquerque de Andrade, conta como tudo começou. “Nós tínhamos o costume de fazer retiros anuais com os nossos jovens, e em um deles, surgiu uma provocação dos integrantes: ‘a gente está sempre se reunindo e pensando, que horas que vamos partir pra ação?’ Incomodado com esse questionamento, o colégio abraçou uma filosofia que é o JPIC - Justiça, Paz e Integridade da Criação, uma rede composta por pessoas do mundo inteiro dispostas a promover tais valores. E essa filosofia nos interpelou muito junto ao que a juventude já estava interpelando que era a ação. Então em 2001 nasceu a Missão Jovem” – explica. O programa se desenvolve da seguinte maneira: os alunos da instituição se candidatam para ser um missionário, passam por um processo de seleção e os escolhidos começam a se preparar para a experiência. São meses de encontros e reuniões entre o grupo a fim de amadurecer a ideia e entender a fundo o objetivo do projeto para depois se unir aos estudantes do Sagrado de outras regiões do país e partir para a prática. No entanto, após mais de 10 anos de Revista Fato - Julho 2017


trabalho e muitas indagações, a proposta começou a se modificar. “A gente ia lá para o Norte de Minas, fazia um monte de coisa, voltava e não dava continuidade exatamente porque era longe, cerca de 18 horas de viagem, e alguns pais diziam assim ‘pra que que vocês estão levando esses meninos para tão distante se têm problemas sociais aqui, do lado de vocês?’ Logo, a vinda do Papa Francisco ao Brasil nos fez refletir sobre muita coisa, quando decidimos mudar a roupagem da Missão e fazer a Missão local” – revela. Desde então o programa se regionalizou em todas as Redes Sagrado. Os integrantes ficam durante três dias em funções sociais dentro da própria cidade. Eles trabalham na limpeza urbana, visitam entidades como a APAE, creches e casas de apoio onde lavam banheiro, arrumam cozinha, dão comida às crianças e almoçam com elas. Ao final do dia eles se reúnem no colégio para partilhar a experiência vivida, no entanto, a Missão não para por aí. Terminado o cronograma, os alunos desenvolvem um plano de ação a fim de continuar os atuando nos lugares que mais precisam ao longo do ano. “Importante desenvolver a atividade que desenvolvemos no Norte de Minas? Importantíssimo! Os jovens da escola de Ubá construíram quatro casas lá só com vaquinha e trabalho, foi muito bonito, foi muito relevante, mas a gente sentia falta de Ubá.

Patrícia Silveira Sartori, ex-aluna do Colégio Sagrado em Missão na comunidade Atrás dos Morros em Pai Pedro-MG.

Nossa cidade tem muita coisa cujo jovem ou adulto podem intervir, então o programa tomou uma configuração diferente. Começou a acontecer aqui e foi ficando cada vez mais claro para nós que esse projeto é diagnóstico, trabalho de campo. Quando termina a

Missão a gente volta, reúne, decide e cria estratégias que duram 1 ano até a próxima Missão” – comenta Evandro. Para o professor, finalmente foi possível chegar a um formato ideal de atuação: “hoje o propósito


Fato Especial está no ponto que a gente queria, pois é uma experiência que não se esgota nela mesma, há um desdobramento posterior, e é isso que é importante no nosso entender, afinal ninguém consegue ser cidadão pleno se conhece a sua cidade, mas não interfere nela. Quantas pessoas sabem da obra da dona Maria do Sopão, mas só de ouvir falar? Os nossos alunos não, eles conhecem, eles vão lá, eles comem lá, eles ajudam a abastecer a dispensa”. “Nessa edição os missionários vão repetir uma experiência que foi feita no ano passado que é varrer as ruas da cidade; acordar as 5h00min, pegar na vassoura com o funcionário da limpeza urbana, andar no caminhão de lixo e ver o que é ser gari. Foi frustrante para eles da última vez olhar um carro abrir o vidro e jogar lixo no chão onde eles tinham acabado de limpar. Foi impactante para eles ouvir de um varredor de rua que quando se pede água em uma casa, os donos tiram da torneira do jardim para oferecer. São coisas que mexem com categorias da subjetividade humana que a gente precisa mexer porque este é um mundo de muita indiferença. E quando a Missão consegue tirar o sujeito da indiferença ela já cumpriu o seu papel” – completa. Em sua 16ª edição, o programa já proporcionou a inúmeros alunos, religiosas e colaboradores da Rede Sagrado experiências inesquecíveis, cujos mo-

Patrícia Silveira em Missão na comunidade Atrás dos Morros em Pai Pedro-MG.

20

Ana Júlia Gonçalves, aluna do Ensino Médio do Colégio Sagrado em sua primeira experiência na Missão Jovem.

mentos ficaram guardados na fotografia e no coração. Maria Eduarda Vieira é prova disso. A estudante da 2ª série do Ensino Médio se prepara para viver seu 4º desafio como missionária. “Costumo dizer que esse projeto muda muito a gente, independentemente de quantas vezes você já participou. Ao ir pela primeira vez, essa será a principal mudança em você, e depois a prática te moldará nas pequenas coisas. Eu mesmo ingressei por curiosidade, não com o intuito de me envolver com a situação. Mas logo depois do primeiro dia já estava entregue ao propósito e não parei mais, fui a todos os retiros” – conta a adolescente. A poucos dias da próxima experiência, Duda nos conta que vai ficar sem acesso a redes sociais como forma de viver intensamente a Missão. “Eu me preparo ficando sem internet, tento me desligar um pouco do mundo em que vivo a fim de aproveitar essa oportunidade de maneira abundante... Todo ano é diferente, acho que desta vez vai ser muito bom, algo surpreendente de novo, embora a gente repita alguns destinos nunca é igual, vamos ter contato com pessoas novas, conhecer mais as pessoas que já conhecíamos antes, e isso só alimenta o nosso interior” – diz. Sobre o significado do programa, Maria Eduarda afirma: “eu enxergo como uma iniciativa muito positiva que o Sagrado oferece pra gente, porque estudo

aqui tem 10 anos e além do acadêmico é muito bom ter uma visão do social, afinal a gente precisa olhar mais para os outros, o mundo não gira em torno do nosso umbigo, e a Missão é isso, viver a realidade do outro, acreditando que o projeto possa se espalhar e formar pessoas melhores no futuro”. A ex-aluna do colégio e acadêmica de medicina, Patrícia Silveira Sartori de 22 anos, também passou por essa experiência. No entanto, a jovem desfrutou de uma das últimas edições da Missão Jovem no Norte de Minas Gerais. “Fui para a cidade de Pai Pedro-MG e ‘Atrás dos Morros’ é uma pequena comunidade carente onde fui acolhida com muito carinho no ano de 2011” – conta. “O projeto é um espaço para cultivar a semente da solidariedade. Sempre gostei de participar de encontros de jovens e diante a oportunidade abracei a causa de poder vivenciar e construir conhecimentos em outras realidades e costumes. Minha preparação foi através de grupos de oração, dinâmicas e entretenimentos que despertavam a caridade e a necessidade de se ser solidário” – revela. Para ela, a mudança no roteiro da Missão foi de extremo significado: “achei válida e interessante a ida do programa para as cidades em que ficam os colégios da Rede Sagrado e tenho certeza de que a iniciativa acrescenta valores assim como aconteceu na região do Norte de Minas, possibilitando a ex-

Revista Fato - Julho 2017


Revista Fato

periência da partilha e aprendizado junto à juventude local”. Sobre os aprendizados durante esse período, ela ressalta. “A partir da experiência tive a oportunidade de vivenciar simples ações como o momento do banho e ceia, as precárias condições de água potável e entre outras, que para nós passam despercebidas e para aqueles que necessitam é de tamanha importância. Acrescentei e aprendi valores fundamentais que professam a fé em um mundo melhor” – encerra. E como estreante na Missão, a simpática Ana Júlia Gonçalves, aluna da 1ª série do Ensino Médio, revela que já tinha o desejo de participar do projeto, mas não conseguiu passar pela seletiva. “Desde o ano passado eu tive interesse em ir, entretanto não estava preparada, então não fui aceita, aí este ano eu decidi me inscrever de novo, fui selecionada e agora serei missionária nessa iniciativa que é tão bonita” – conta a adolescente de 15 anos. Como forma de se preparar para a sua primeira Missão, a estudante tem procurado ser melhor a cada dia. “Venho tentando mudar minhas atitudes, pois mesmo se policiando, a gente acaba fazendo algumas coisas que não condizem com o projeto. Estou muito animada e desejo que supere minhas expectativas já que todo mundo fala tão bem dessa experiência que é um diferencial do colégio Sagrado” – conclui.

Evandro Albuquerque, Coordenador do SOR em reunião com os missionários.

Como algo com um grande potencial de transformação na vida do discente, a Missão Jovem traz a tona valores substancias que têm sido esquecidos por muitas instituições, conforme ressalta o coordenador do SOR. “É preciso que as escolas, nós entendemos assim, não se preocupem só com a formação de bons cérebros, pois não são só cérebros, são corações também. É preciso educar os corações, como fala o Dalai Lama. Porque o excesso de ciência tem provocado

arrogâncias de todo o tipo, as vezes é preciso humanizar, não importa a quantidade de diploma, um grama de bondade vale mais. O importante não é o jaleco branco, o estetoscópio, o doutor, o terno, o fórum, o concurso, e sim o que eu trago dentro de mim como profissional, o caráter, porque diploma está até acessível hoje em dia, agora de caráter a gente anda muito carente. E a Missão é uma experiência formadora de caráter” – encerra Evandro.


Decoração

TENDÊNCIA:

QUADROS DECORATIVOS Arquivo Pessoal Magnacor

O

s quadros são artigos decorativos que colaboram para dar um up no visual dos ambientes. Inclusive, demarcam o estilo do lugar ajudando os moradores com questões funcionais como a acústica ou mesmo contribuindo para o humor de quem partilha o recinto. Entretanto, é preciso que esteja condizente com a temática do cômodo que você pretende decorar com esse recurso. Os quadros não precisam necessariamente serem pinturas famosas ou feitas sobre óleo seja em tela ou madeira. Pendurar quadros de artes diversas como pinturas, gravuras, fotografias ou desenhos, com certeza elevam o décor do cômodo da sua casa no qual a peça for instalada. Assim, a MagnaDecor traz ideias e sugestões em opções de quadros. Confira e fique por dentro dessa tendência incrível para deixar o visual do seu lar cheio de charme.

(32) 3531.2179 (32) 9 9974.6881 Magnacor @magnacor_ Loja Virtual: www.schaf.com.br

22

Revista Fato - Julho 2017


si o

to

gr a

fia s

Gestão e Negócios

F ot o

:C

ás

Fo

Alexandra C. Peron

Graduada em Processos Gerenciais. MBA em Liderança e Coaching para Gestão de Pessoas. Membro da Abracem (Associação Brasileira de Consultores Empresariais). Nº Registro: A50629. Contato: alexandraperon@yahoo.com.br

Líder MESMO de si

V

ocê já se deu conta de que muitos gestores, por mais que sejam chefes, não são líderes? Essa situação é mais comum do que se possa imaginar! Quando isso acontece, os funcionários até atendem aos comandos, porém, apenas por uma imposição hierárquica, e não por acreditarem e confiarem no que o dirigente diz. E a verdade é que isso ocorre muitas vezes porque o próprio administrador não se sente um líder. Assim, é natural que as pessoas sob seu comando também não o identifiquem como tal. Mas a boa notícia é que idem a diversas outras habilidades, a liderança também pode ser desenvolvida! E o primeiro passo, antes de mais nada, é transformar-se em um líder de si mesmo. Dessa forma, você passará a vislumbrar um futuro melhor, definir objetivos significativos e persegui-los de maneira obstinada; fatores substanciais na composição de um bom gestor. Ademais é importante ter em mente que coordenar exige a tomada de decisões difíceis ao longo de sua trajetória e o único meio de se manter firme nessa estrada, com inspiração, motivação e energia em alta, é liderando com o coração e se dedicando. O indivíduo que é líder de si mesmo não perde o rumo porque sabe muito bem aonde quer chegar, tendo traçado um plano de ação para alcançar sua meta. Ao sentir confiança nos objetivos apresentados, a equipe passa a seguir o profissional não por uma questão de hierarquia, mas por realmente acreditar no plano e por desejar, tanto quanto o líder, atingir o propósito estabelecido. Ao gerir com amor, o diretor consegue motivar sua equipe, estimulando os colaboradores a enfrentarem as adversidades e perseguirem o alvo definido até o fim. Agindo com a cabeça ele segue um caminho completamente racional, lógico e ordenado, usando um conjunto de ferramentas administrativas. No entanto, tornar-se um líder de si mesmo exige mesclar dois rumos, equiparando coração e cérebro. Assim, quando se deparar com uma decisão difícil, especialmente no campo ético, o segredo é buscar o equilíbrio se fazendo três perguntas: (Ver box 1) O líder de si mesmo sabe o que quer fazer, por que quer fazer e como chegará lá. Isso porque, ao ter um propósito, é possível coordenar a equipe em um trajeto alinhado com a visão, a missão e os valores da

• Qual o risco de seguir determinado caminho? • A escolha é consistente com meus valores pessoais e com os valores que compartilho com a equipe? • Minha consciência ficará tranquila? Com essas respostas em mãos, você certamente se sentirá mais seguro para escolher a melhor direção a seguir. 1

empresa. Ele usa esse objetivo para estimular o grupo a dar seu melhor para uma causa em comum, afinal, o sucesso não é uma questão de sorte, e sim, de dedicação. Por isso, para se tornar um líder de si mesmo, tenha em mente três pontos: • Sem esforço nada pode ser alcançado; • O sucesso como líder só é atingido com uma mente calma e equilibrada; • A concentração (em pensamentos e ações) é o “pulo do gato” para alcançar uma meta. 2

Você sabe que se tornou líder de si mesmo quando consegue ser paciente, calmo e focado, demonstrando tolerância e dando aos membros do seu grupo o tempo que eles precisam para alcançar seus passos. A essa altura da caminhada, você diminui o ritmo quando identifica que, apesar de querer resultados rápidos, seu time e os próprios processos precisam de um tempo para amadurecer. O segredo está em ter autocontrole. Quando o líder alcança a habilidade de se manter sereno, tende a passar essa sensação de tranquilidade para seus funcionários, o que só ajuda no processo de busca pelos objetivos, com foco, produtividade e dedicação. Já o gestor que se desespera quando um problema acontece, definitivamente não é líder de si mesmo e, por isso, não tem a habilidade necessária para orientar mais ninguém. Ao identificar que você não é mais um empecilho para sua liderança, chegou a hora de liderar os demais. Avante! Revista Fato - Julho 2017


Cartão de Embarque

UM TOUR POR PUNTA CANA O Paraíso Tropical da República Dominicana

Isla Saona, onde foi gravado o filme Piratas do Caribe. Foto: Benger Ancion.

F

alar dessa viagem é uma emoção muito grande, afinal pude realizar um de meus grandes sonhos! Sempre quis conhecer as belas praias do Caribe, mas não imaginava que seria de forma tão especial, com companhias tão maravilhosas. Éramos um grupo de 23 integrantes, formado por pessoas de diferentes cidades, mas que se tornaram amigas antes mesmo do passeio. Nosso agente de viagem, o querido Bráulio Lopes da Agência Easy Turismo de Viçosa-MG, foi quem nos proporcionou 6 dias inesquecíveis em Punta Cana, na República Dominicana. No intuito de facilitar todo o processo de preparação para a nossa ida, Bráulio criou um grupo no WhatsApp com toda a turma que ia ao referido destino, o que tornou mais ágil a comunicação e acabou estimulando a aproximação entre aqueles que ainda não se conheciam pessoalmente. No meu caso foi mais fácil, pois nosso agente da viagem é também meu grande amigo, sem contar que dividi essa experiência com os companheiros de trabalho: Philip, decorador e produtor de eventos do grupo “Philip Costa Produções” da cidade de Rodeiro, e Fábio, da equipe “Fábio Paiva Assessoria e Cerimonial para Eventos”, também de Rodeiro. Estar ao lado deles foi substancial para completar a alegria desses dias. O cenário escolhido foi o Vista Sol Punta Cana Beach Resort e Spa, que fica na praia de Bávaro, área nobre de La Altagracia, a província mais oriental da República Dominicana. Embarcamos no Rio de Janeiro, fizemos conexão em Lima, capital do Peru, onde tivemos o privilégio de sobrevoar a Cordilheira 24

dos Andes, foi incrível! De Lima embarcamos para a tão sonhada Punta Cana, onde fomos recepcionados no aeroporto pela guia Paula, carioca que nos recebeu de braços abertos. Muito simpática conosco, ela nos acompanhou até o hotel e nos deu suporte durante toda a viagem. Ao chegar no Belo Vista Sol fomos recepcionados com um delicioso coquetel de boas vindas. Já no início os caribenhos demonstraram toda atenção e carinho com a gente, pois éramos os únicos brasileiros hospedados no local. Eles ficaram encantados com o alto astral do nosso grupo, afinal já chegamos fazendo a festa! O resort é perfeito, há tantas opções lá dentro que fica até difícil sair para conhecer outros pontos. O Vista Sol dispõe de várias piscinas, academia, bangalôs, teatro, restaurantes de comida italiana, japonesa e francesa, ficando a gosto de cada um, podendo escolher qual tipo de prato deseja. A noite sempre procurávamos ficar no próprio hotel, que tem uma balada chamada “Koko Loco”, onde tentamos aprender vários “pacitos”, quase conseguimos. Durante o dia, quando não ficávamos na piscina, íamos para a praia de Bávaro em frente ao resort. O que não falta em Punta Cana são os programas opcionais, como o nado com golfinhos no Dolphin Island Park. Confesso que esse passeio foi a realização de um sonho, tudo que eu mais queria na viagem era nadar com esses animais encantadores, foi emocionante! Quando avistei ainda bem longe os golfinhos presos dentro de uma plataforma, não pude me conter, lágrimas rolaram... Pensar que esperei tanto por aquele momento e faltava tão pouco para realizá-lo... Mas, antes disso, passamos por outra

experiência, uma volta de lancha em alta velocidade, adrenalina pura. Logo, mergulhamos com tubarões e arraias, admito que tive um pouco de medo no início, depois fui me acostumando com a ideia. No entanto, o que eu queria mesmo era o Odrin, o golfinho que já estava esperando por nós dentro da plataforma, esse sim me fez chorar como criança. Odrin nos recepcionou com palmas e cantos, fazendo a festa para os brasileiros. Uma doçura de mamífero, fiquei apaixonada! Além do nado com esse simpático animalzinho, pude também realizar um passeio incrível

No Aeroporto Internacional de Punta Cana com Philip Costa, Fábio Paiva, Ludmila Costa, Rosilda Costa, Vanda Ferrari e amigos.

Visita ao Museu Piratas do Caribe com o amigo Philip Costa. Revista Fato - Julho 2017


para conhecer lugares ainda mais paradisíacos. Um deles foi a Isla Saona, um dos destinos mais famosos em Punta Cana. Ela é a maior ilha adjacente à República Dominicana e faz parte do Parque Nacional del Este. Lá encontrei praias com areia fina, mar azul turquesa e de água morna com belíssimos coqueiros; componentes que fazem do espaço um verdadeiro paraíso. O passeio começa com uma viagem de ônibus, veículo que nos buscou no hotel e nos levou até a praia de Bayahibe, para então embarcarmos na lancha. No caminho fizemos uma parada em uma piscina natural de água cristalina para nadar e tirar fotos com as estrelas do mar, onde havia um fotógrafo chamado Benger Ancion, também conhecido por “Chocolate”, um jamaicano que fica na região exclusivamente para esse serviço. Chocolate fazia parte da Photos Vista Alegre, uma empresa de alto nível de profissionalismo a qual indico para quem for conhecer o lugar. Confesso que fiquei na dúvida na hora da escolha das fotos, acabei comprando todas! Em seguida fomos para a ilha, onde foi servido o almoço e as bebidas, já incluídos no preço. Tudo ao som de salsa, merengue e bachata, regado a rum e vislumbrando uma praia belíssima. Retornamos para Bayahibe a bordo do modelo de barco chamado “catamarã”, onde continuaram servindo bebidas de

nossa preferência. O roteiro é ideal para relaxar, mas também oferece muita animação para quem quiser se juntar aos dançarinos e aprender alguns passos do ritmo caribenho. Eu, é claro, entrei no clima! Os tripulantes são simpáticos, passam oferecendo rum com refrigerante, te puxam para bailar e quando você vê já entrou no compasso e está dançando despacito, bachata e o merengue, algumas das músicas mais tocadas no catamarã, além de “Aí se eu te pego” do Michel Teló, é impressionante como o cantor brasileiro faz sucesso no Caribe com essa canção e eles sabem a coreografia direitinho. É preciso ter disposição, acordar cedo e se preparar para ficar o dia inteiro rodando. Vale a pena, pois a beleza da ilha é realmente indescritível. Um tour que não dá para perder, são 12 horas de pura emoção, super recomendo! Aliás, recomendo uma visita em cada ponto turístico em que estive, é extremamente satisfatório ver de perto as maravilhas da natureza e, ao mesmo tempo, conviver com uma cultura tão diferente. Agradeço muito ao meu amigo Bráulio Lopes e a Agência Easy Turismo por esses dias maravilhosos. Foi uma viagem inesquecível que vou guardar para sempre na memória e no coração! Arquivo Pessoal

Passeio de lancha no Dolphin Sland Park.

Nado com os golfinhos no Dolphin Sland Park.

Tripulante ensinando os brasileiros os “pacitos” das músicas caribenhas.

Tô de férias.

Tô de CVC. APROVEITE NOSSAS OFERTAS PARA VIAJAR O ANO TODO

MILHARES DE OFERTAS NOS MELHORES DESTINOS DO bRASIL

PORTO SEGURO

O pacote de 8 dias inclui passagem aérea voando LATAM, transporte aeroporto/hotel/ aeroporto, 7 diárias de hospedagem com café e passeio da manhã no Hotel Tuareg pela cidade. De:

Por:

998 reais

798 reais

MACEIÓ

O pacote de 8 dias inclui passagem aérea voando AZUL, transporte aeroporto/hotel/ aeroporto, 7 diárias de hospedagem com café da manhã no Hotel Lagoa Mar Inn Hotel e passeio pela cidade. De:

Por:

1.398 reais

NATAL

O pacote de 8 dias inclui passagem aérea voando AZUL, transporte aeroporto/hotel/ aeroporto, 7 diárias de hospedagem com café e da manhã no Hotel Natal Praia passeio pela cidade.

1.188 reais

De:

Por:

1.598 reais

1.398 reais

Loja Exclusiva CVC Ubá....................................................(32) 3532-3157 Rua Treze de Maio, 85 - Loja 10 | Centro (Em frente ao Ubá Tênis Clube)

Prezado cliente: preço por pessoa, em apartamento duplo, com saídas de Belo Horizonte, em voo classe econômica. Preços e datas de saída sujeitos a reajuste e disponibilidade. Ofertas válidas até um dia após a publicação deste anúncio. Taxas de embarque cobradas pelos aeroportos não estão incluídas nos preços e deverão ser pagas por todos os passageiros. Condições de pagamento com parcelamento 0+12 vezes sem juros no cartão de crédito CVC, 1+10 vezes sem juros no cartão de crédito ou 1+8 no boleto bancário. Sujeito a aprovação de crédito. Cartão de crédito CVC: sujeito a análise de crédito e critério de elegibilidade pelo banco emissor. Preços válidos para saídas: Porto Seguro: 24/setembro; Maceió: 30/setembro; Natal: 21/outubro.


ra

fe

Espaço Jurídico

Fot

o:

Fo

t

og

César Campos Lara

OAB/MG 108.555; pós-graduado em Direito Tributário, Direito Militar e pós-graduando em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera. Advogado membro do escritório Pacheco & Sousa, Assessoria Jurídica e Empresarial. E-mail: camppss@bol.com.br

Divulgação

Lei de Migração Nova lei está de olho nos benefícios que o estrangeiro pode trazer ao país

O

Brasil, com sua dimensão continental, recebe pessoas de todos os países do mundo, africanos, asiáticos, europeus e latinos. Apesar disso, milhares de estrangeiros estão irregulares em nosso território, realidade muito triste para essas pessoas que necessitam de um acolhimento e de uma vida digna. Em destaque, é possível citar os vindos da Síria, Haiti, Venezuela, Cuba e Bolívia. No dia 25 de maio, foi sancionada a nova Lei de Migração (Lei 13.445/2017), que reduz a burocracia e facilita vida dos indivíduos que buscam viver no Brasil, substituindo o antigo Estatuto do Estrangeiro, conferindo a eles direitos semelhantes aos nossos, fazendo previsão, inclusive, acerca de diversos dispositivos que já foram assunto de tratados internacionais, sendo um grande avanço, também caracterizada de forma humanitária e visando os benefícios que o imigrante pode trazer ao país. Todavia, ressalto que referida lei, apesar de sancionada, depende de um decreto para regulamentar muitas de suas lacunas. O objetivo de tal norma é acolher o estrangeiro e considerá-lo um ser com direitos e deveres e a promoção do desenvolvimento econômico nacional, diferentemente do obsoleto Estatuto que encarava os migrantes como uma ameaça ao país. Ao contrário do que muitos podem estar se perguntando, a lei em questão não garante a esses indivíduos o direito ao voto e o preenchimento de cargos destinados aos brasileiros natos, até porque, ela busca dar força às obrigações assumidas pelo Brasil em acordos internacionais e na observância aos preceitos constitucionais. A política migratória brasileira rege-se pela universalidade, indivisibilidade e interdependência dos 26

Ao contrário do que muitos podem estar se perguntando, a lei em questão não garante a esses indivíduos o direito ao voto e o preenchimento de cargos destinados aos brasileiros natos, até porque, ela busca dar força às obrigações assumidas pelo Brasil em acordos internacionais e na observância aos preceitos constitucionais. direitos humanos; repúdio e prevenção à xenofobia, ao racismo e a quaisquer formas de discriminação; não criminalização da migração; não discriminação em razão dos critérios ou dos procedimentos pelos quais a pessoa foi admitida em território nacional; promoção de entrada regular e de regularização documental; acolhida humanitária; desenvolvimento econômico, turístico, social, cultural, esportivo, científico e tecnológico do Brasil; garantia do direito à reunião familiar; igualdade de tratamento e de oportunidade ao migrante e a seus familiares; inclusão social, laboral e produtiva do migrante por meio de políticas públicas; acesso igualitário e livre do migrante a serviços, programas e benefícios sociais, bens públicos, educação, assistência jurídica integral pública, trabalho, moradia, serviço bancário e seguridade social; promoção e difusão de direitos,

liberdades, garantias e obrigações do migrante; diálogo social na formulação, na execução e na avaliação de políticas migratórias e promoção da participação cidadã do migrante; fortalecimento da integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, mediante constituição de espaços de cidadania e de livre circulação de pessoas; cooperação internacional com Estados de origem, de trânsito e de destino de movimentos migratórios, a fim de garantir efetiva proteção aos direitos humanos do migrante; integração e desenvolvimento das regiões de fronteira e articulação de políticas públicas regionais capazes de garantir efetividade aos direitos do residente fronteiriço; proteção integral e atenção ao superior interesse da criança e do adolescente migrante; observância ao disposto em tratado; proteção ao brasileiro no exterior; migração e desenvolvimento humano no local de origem, como direitos inalienáveis de todas as pessoas; promoção do reconhecimento acadêmico e do exercício profissional no Brasil, nos termos da lei; e repúdio a práticas de expulsão ou de deportação coletivas. O apátrida (aquele que, tendo perdido sua nacionalidade de origem, não adquiriu outra) teve atenção especial, de forma que foi simplificado o processo de naturalização. Revista Fato - Julho 2017


Meu Dia D Por Juliana Campos Hernani Barroca

O

dia 02 de julho foi uma data muito especial para Dayanna de Paula Gregório, proprietária da Fiber Piscinas. Acompanhada de seu esposo, Cristiano Jesus dos Santos, e de aproximadamente 300 convidados entre amigos e familiares, a empresária celebrou a vida do amado filho Pedro no primeiro aniversário que ambos puderam comemorar juntos. Em uma super produção que encantava crianças e adultos, o pequeno festejou seus 3 aninhos no Sítio Rancho Fundo com direito a muita diversão. Segundo Dayanna, a emoção ao ver o brilho nos olhos de seu filho foi indescritível: “adotei o Pedro há pouco tempo e logo fiquei imaginando como seria sua festa de aniversário. Os preparativos foram intensos e carregados da mais pura emoção de mãe”, declara. A comemoração do garoto, desde cada detalhe, passando pela recepção de convidados até o momento de soprar as velinhas, foi marcante para toda a família: “O sorriso de satisfação do Pedro é algo que encanta e não tem nada que pague ver uma criança feliz no seu grande dia. Quando fazemos as coisas com amor, nada é obstáculo. Correu tudo conforme planejado, apesar da alta dose de ansiedade que tomou conta de nós. Agradeço a Deus pela oportunidade de reunir familiares e amigos para festejar a vida do meu filho. Foram momentos inesquecíveis”, revela emocionada. Com o tema inspirado na famosa animação “Minions”, o décor de Marlize Talma ganhou vida e encantou a todos os convidados que chegavam ao Sítio Rancho Fundo. Além do impecável paladar do Buffet Phartenon, outro profissional que agregou presença e eternizou essa data especial para Dayanna, Cristiano e Pedro, foi o renomado fotógrafo Hernani Barroca. A propósito, convidamos vocês para apreciarem alguns registros. Confira! 28

OS 3 ANINHOS DE

PEDRO LUCAS MARTINS GREGÓRIO

Aniversariante: Pedro Lucas Martins Gregorio; Idade: 03 anos; Data de nascimento: 30/06/2014; Data da festa: 02/07/2017; Pais: Dayanna de Paula Gregorio e Cristiano Jesus dos Santos; Local da festa: Sitio Rancho Fundo; Tema da Festa: Minions; Decoração: Marlize Festas; Fotógrafo: Hernani Barroca; Atração musical: Banda Tiago Borges; Buffet: Parthenon; Demais fornecedores: Atelier Artes da Vovó , Dj Antônio , Happy Day , Toca do Teatro , Art Foto e Marcela Dias de Souza. Revista Fato - Julho 2017


Social Foto: Revista Se Liga

Arquivo Pessoal

A Aciubá promoveu seu 1º Jantar Empresarial dia 29 de junho no Braúna’s Grill. O evento contou com a presença de diversos empreendedores da Cidade Carinho. Na foto, o presidente do Intersind, Áureo Barbosa, o proprietário da Contabiliza e presidente da Aciubá, Miguel Batista, a supervisora administrativa do Senai, Leandra Pinheiro e o presidente da Adubar, Carlos Marques.

E quem ganhou uma merecida festa surpresa foi o cantor Bráulio Hilário. No dia 08 de julho, ao chegar no Restaurante Del Fiori, ele se deparou com amigos de longa data e familiares entoando um grande parabéns. A comemoração ainda contou com o tema: “Boteco do Bráulio, 50 anos de Tradição”. Receba nossas felicitações, afinal você merece tudo de melhor na vida, Bráulio!

Que orgulho! Nosso conterrâneo e colega de profissão, o jornalista Guilherme Bonissate, foi convidado para compor a equipe da TV Integração em um projeto que visa valorizar e aproximar mais a emissora de cidades do interior. Estamos bem representados não é mesmo?! Sucesso, Gui!

O casal, Magali Antoniol e Artur Moreira, curtiu mais um show do O Rappa dia 08 de julho no Terrazzo em Juiz de Fora. Como fãs da banda, eles não podiam perder a oportunidade, pois o grupo anunciou que fará uma pausa na carreira sem previsão de volta, mas irá cumprir suas apresentações com a turnê “Nunca tem fim” até fevereiro de 2018. Uma pena, não?! Esperamos que eles retornem com tudo!

Em comemoração aos seus 30 anos, João Batista realizou um evento no estilo Boteco em um dos locais mais bonitos da região, o sítio São João em Visconde do Rio Branco. A festa, celebrada no dia 23 de junho, reuniu amigos e familiares que o prestigiaram em mais um ano de vida.

Sonho realizado! O casal, Patrícia e Willian, trocou alianças em uma bela cerimônia realizada dia 17 de junho na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário. Em seguida, eles receberam amigos e familiares no Espaço Vital em uma comemoração elegante e animada. Que Deus abençoe os pombinhos!

30

Foto: Servando Lopes

Foto: Fotografe

Foto: Oberdan Reis

No dia 1° de julho, quem fez um super show em Juiz de Fora foi o cantor Ney Mato Grosso. Os Ubaenses: Juliana Campos, Mônica Januzzi, Darciana Paschoalino, Adriano, Greisse Dias Duarte, Bráulio de Paula e Wagner Crispi, marcaram presença no espetáculo que abrilhantou o Centro de Eventos Capitólio.

Dia 03 de julho rolou o divertido ensaio fotográfico de 15 anos de Júlia Arruda, filha da proprietária da unidade Kumon Ubá, Waléria Arruda, e do representante comercial Paulo Furtado. Os clicks ficaram por conta do nosso amigo Servando Lopes e o teaser foi realizado pelo expert Carlos Rocha da Provídeo.

A proprietária da empresa Embarque Viagens e Turismo, Martha Pereira, curtiu uma badalada semana de férias passando por Porto de Galinhas e Recife em Pernambuco. Ela também aproveitou para aterrizar no fantástico município de Porto Moniz, na Ilha de Madeira em Portugal. Adoramos o roteiro! Revista Fato - Julho 2017


Capa

Um leque de OPORTUNIDADES

Casal vira exemplo de empreendedorismo após ingressar na Hinode e traz ex-BBB e Duplo Diamante Dhomini em treinamento para consultores

H

á quase 30 anos no mercado, a Hinode vem conquistando inúmeros adeptos por todas as regiões do país. A marca, originalmente brasileira, contempla cinco segmentos: bem-estar, cosméticos, higiene pessoal, maquiagem e perfumaria. Ao se tornar um consultor da empresa, é possível progredir graças a seu plano de negócios que permite ao indivíduo ascender de acordo com a sua pontuação. Funciona da seguinte forma: quanto mais o distribuidor vende, mais pontos ele acumula. Esses pontos irão classificá-lo em categorias que vão de Master a Titan. Logo, de acordo com essa classificação, os consultores são reconhecidos com prêmios, viagens e dinheiro. Isso sem falar no sistema de marketing multinível em que quanto mais distribuidores uma pessoa cadastra na sua equipe, mais ela e a equipe ganham. Foi observando todas essas vantagens que há mais de 2 anos o casal, Fernanda de Oliveira Másala e Fausto Ribeiro Másala, decidiu ingressar no empreendimento. “Mesmo com pouca escolaridade, nunca vi nisso empecilho para ser um homem de sucesso, 32

pelo contrário, sempre sonhei em ser dono do meu próprio negócio e enxerguei na Hinode essa chance, pois poderia obter produtos de qualidade a preço de fábrica, lucro na revenda e formar uma rede de consumidores com potencial de ganhos extraordinários” – conta Fausto. Atualmente classificados como Diamante, eles

revelam como prosperaram após apostarem no negócio: “muitas coisas mudaram, a Hinode nos abriu um horizonte de oportunidades. Conquistamos o nível de Diamante na empresa, já fizemos uma viagem de cruzeiro, adquirimos estabilidade financeira e também grandes amigos. Sobretudo, aprendemos uma lição muito importante; se você não fizer al-


Cássio Fotografias

guma coisa hoje no intuito de construir os seus sonhos, sempre terá alguém para te contratar a fim de construir os dele”. E foi pensando em celebrar esse momento de ascensão assim como otimizar os resultados da equipe que o casal decidiu promover um super evento em Ubá no domingo dia 25 de junho no espaço Villagio. “Nós convidamos o ex-BBB e Duplo Diamante Dhomini para conduzir tal ação por se tratar de uma pessoa que inspira sucesso dentro e fora dessa grande empresa que é a Hinode. Ele realizou um mega treinamento acrescentando aos presentes conhecimento sobre o que se deve ou não fazer para vencer” – explica Másala. Sobre o feedback da tarde de capacitação, ele ressalta: “já tivemos resultados nos últimos dias do mês de junho com vários distribuidores qualificados e ainda com a certeza de que teremos um grande retorno nos próximos meses. O evento foi realmente satisfatório, nosso palestrante, com muito carinho, nos passou uma mensagem de incentivo cumprindo a sua missão no treinamento”. O empreendedor aproveita para externar sua gratidão a todos que compareceram ao local. “Deixo aqui meus agradecimentos, sendo primeiramente a Deus, que nos proporcionou um dia incrível, com pessoas maravilhosas e muito aprendizado. Também agradeço ao meu patrocinador Diamante, Marcelo Santos, que esteve conosco nessa ação. Aos nossos consultores, amigos, familiares, e ao ilustre palestrante, Dhomini, que fizeram desse evento um grande sucesso, o meu muito obrigado!” – diz. Como pessoas que se dedicam verdadeiramente ao negócio, Fernanda e Fausto já atraíram até um de seus filhos, o adolescente Ótavio Másala, de 17 anos, para fazer parte do projeto. “Nosso filho mais velho já alcançou a categoria Ouro desenvolvendo um trabalho de forma bastante profissional, o que nos deixa cada dia mais orgulhosos. Temos convicção de que a carreira dele na empresa será brilhante” – enaltecem. Embora já tenha dado grandes saltos dentro do empreendimento, o casal almeja ir além. “Nosso intuito é apresentar essa grande oportunidade a muitas outras pessoas juntamente com a equipe, construindo novos masters, pratas, ouros, diamantes e imperiais, cumprindo a missão dos fundadores da empresa, Sr. Francisco Rodrigues e Dona Adelaide Rodrigues, que é oferecer a sociedade uma chance para mudar de vida. Viva dias de alegria, viva Hinode!” – encerram.

POR QUE ENTREI PARA A HINODE? CONSULTORES FALAM SOBRE A EXPERIÊNCIA DENTRO DA EMPRESA “Entrei para a Hinode em outubro de 2016 após ter conhecido a marca através de parentes e amigos. No inicio eu tinha certo receio com o projeto, pois era algo novo para mim, diferente de tudo que eu já havia trabalhado, entretanto, quando comecei a conhecer mais sobre a proposta e vi os resultados extraordinários de meus colegas, resolvi me cadastrar. Desde então passei a viajar mais, ter contato com mais pessoas e conseguir um rendimento muito maior do que eu tinha nos trabalhos tradicionais antes desenvolvidos. Sobre a palestra com o Dhomini, foi um treinamento motivacional, ele nos mostrou métodos que o fizeram alcançar o sucesso nesse grupo tão maravilhoso do qual faço parte. Seguindo o exemplo do ex-BBB, meu plano no momento é me tornar um Diamante na empresa, porém vou trabalhar muito forte para atingir o nível de Triplo Diamante, no qual como premiação recebo uma BMW (um sonho de consumo bem antigo)”. (Iury Lamblet Doriguêtto, 24 anos, Consultor Categoria Ouro)

“O que despertou meu interesse na empresa foi o plano de marketing bem elaborado, a qualidade e as diversas opções de produtos, além de ser uma renda extra. A partir do momento em que me tornei um consultor, até minha autoestima mudou, fiquei mais vaidoso, mais dedicado a família, conheci pessoas, e passei a ter muitos sonhos para o futuro. Após 8 meses dentro da Hinode sinto que minha história se transformou. Quanto ao evento do qual tive o privilégio participar no espaço Villaggio, foi algo maravilhoso! Um treinamento baseado em marketing multinível, motivação e aprendizado. Com certeza foi de muito valor, cada palavra ficou bem guardada para ser colocada em prática diariamente”. (Cirenio Rejaino Morais, 49 anos, Consultor Categoria Prata)

“Comecei indiretamente na Hinode com meus pais, Fernanda e Fausto, mas me convenci de que era realmente bom algum tempo depois, quando pude contemplar resultados e números que me chamaram atenção. Aí decidi me cadastrar como um distribuidor, afinal enxerguei dentro do negócio o canal para construir um plano de carreira e garantir um futuro de sucesso. Como um dos treinamentos dos quais pude participar, a presença do Duplo Diamante Dhomini em Ubá foi uma experiência fantástica, pois ele nos trouxe de uma maneira resumida sua trajetória para chegar onde está na empresa. Espero poder trilhar esses passos e influenciar muitas pessoas a fazer o mesmo”. (Otávio Másala, 17 anos, Consultor Categoria Ouro)

Revista Fato - Julho 2017

33


Capa


Thiago Caetano


ra

fe

Arquitetura e Urbanismo

F ot

o:

Fo

t

og

Maikyanne Sudré

Arquiteta e Urbanista, Pós-graduanda em Design de Interiores, cursos extensivos nas áreas de arquitetura de interiores, decoração residencial, gestão para escritórios de arquitetura, engenharia e design. Contato: msudrearquiterura@hotmail.com

CASACOR

Divulgação

TENDÊNCIAS

SÃO PAULO 2017

P

ara quem não conhece, a tradicional Casa Cor acontece anualmente em várias capitais com o intuito de apresentar tendências e mostrar o trabalho de grandes profissionais da área da arquitetura, paisagismo e design, sempre com um assunto em ênfase. O evento em São Paulo este ano acontece nos dias 23 de maio a 23 de julho no Jockey Club e vem com o tema “Foco no Essencial”, buscando apresentar pontos indispensáveis no viver bem com os espaços. São 71 ambientes entre casas, lofts, lounges, salas, banheiros, estúdios, apartamentos e restaurantes com chefs e gastronomia sofisticada. Como de costume, visitei a feira no início do mês passado a procura de inspirações além de novas aplicações tecnológicas e fiquei apaixonada pelos detalhes, logo, fiz uma análise dos conceitos em destaque. Determinados tópicos sempre estão na moda como a sustentabilidade, que aparece como uma preocupação cada vez maior, jardins como o de Alex Hanazaki também chamavam a atenção em alguns ambientes. O jardim reunia sistema e reuso de água, iluminação em LED, madeira de reflorestamento, além de louças de banheiro que seriam descartadas. A mostra veio com foco em economizar recursos naturais e evitar a poluição; hortas aparecem integradas a vários espaços, com temperos naturais e instaladas de diversas maneiras, demonstrando que dá para fazer em casa, com uma boa escolha do local, trazendo o verde, que ganhou ênfase nesta temporada. Ambientes integrados continuam, assim como o uso de madeira, colocando em evidência os elementos naturais em paredes, pisos e tetos, reconhecendo seu requinte e qualidade de conforto acústico. Lâmpadas com filamento de carbono caíram no gosto dos modernos; em estilo retrô com vários formatos, elas deixam o espaço bem aconchegante e podem ser usadas junto a luminárias geométricas que entram como obra de arte. As cores, azul (em diferentes nuances) e rosa (tons envelhecidos e clarinho) aparecem em paredes, tetos, cortinas e móveis, do tipo candy colors e trazem a emoção de forma neutra. Utilização de decoração efetiva, ao longo dos anos, a tendência é apostar em objetos que ocupem posições privilegiadas na decoração. Artes manuais também foram muito vistas nos ambientes, grafites, desenhos e peças feitas à mão são destaque e acabam trazendo uma preocupação maior com a identidade do usuário no espaço, tudo isso atrelado a uma pegada industrial, com a utilização de móveis e acessórios de ferro e alumínio. Grande variedade de aplicações como o vidro (seja ele de diversas maneiras, inclusive modelos antigos, manuseados nas residências dos séculos passados) e as pedras naturais (pedras, granitos e mármores) foram aplicados em móveis, portas, bancadas, banheiros e acessórios. Em resumo, a grande preocupação com o aconchego e principalmente com a maneira de morar do cliente recebeu atenção exclusiva dos profissionais das áreas; um décor autêntico para atender as novas demandas. 36

Revista Fato - Julho 2017


Trend

Filtro Truqys Pets: R$75,00

Sim, o mundo também é dos pets! Os animais, e principalmente os cãezinhos, vêm ganhando espaço na vida dos donos e no mercado. A gama de produtos feita especialmente para “o melhor amigo do homem” cresceu, por isso, nós separamos algumas novidades para fazer a alegria do seu pet! As opções vão desde uma caminha bem aconchegante até a Dog Beer: a primeira cerveja da América Latina desenvolvida exclusivamente para cachorros. Confira!

Chaveiro R$8,50

Coruja Pawise R$21,00

Cama Grande R$145,00

Chaveiro R$8,50

Caminha R$24,00

Capuz R$25,00 Roupinha R$42,90

Pão de Queijo R$16,80 Roupinha R$15,50

Cerveja Dog Beer: R$10,00

40

Cama Girassol nº01: R$35,00

Girafinha Keldog R$20,00 Revista Fato - Julho 2017


Roupinha R$20,00

Coleira R$35,00

Ratinho R$4,50

Mamadeira especial para filhote: R$16,90

Recipiente de Alumínio:R$19,30 Roupinha R$36,00

Casinha R$60,00

Fotos: Cássio Fotografias; Modelo: Ziggy; Mamãe: Flávia de Paula; Produção: Vanessa Santos; Look Modelo: Amor Animal; Acessórios: Amor Animal.


ro

ue

Fotografia

Fo to

:P

ed

q Ro

Cidade

Gestando Com Amor Fernanda

Cristine Franklin Psicóloga, Doula, Instrutora de Shantala e Gestora de Recursos Humanos. fernandafranklinpsi@hotmail.com (32)98816-4004 / (32)99834-8274.

UBÁ de

A importância da PRESENÇA DO PAI durante e pós PARTO

A

participação do pai do bebê no decorrer do trabalho de parto é imprescindível, afinal, a gestante está no momento em que mais necessita de apoio e acolhimento, são períodos intensos nos quais todo auxílio é bem-vindo. Logo, a presença do pai é crucial, tanto para ele, quanto para a mãe e para o filho. Ter informação também é importante no intuito de manter a calma no dia, por isso, procure referências desde o início do período gestacional. Cursos para pais são valiosos, pois são discutidas e trabalhadas todas as etapas da gravidez. Participar do pré-natal e acompanhar o plano de parto é outra forma de se preparar para o grande momento, haja vista que durante os encontros todas as dúvidas poderão ser sanadas.

Camarote Amigos do Núcleo promove a solidariedade no aniversário da Cidade Carinho

ALGUMAS DICAS: • No momento do trabalho de parto fique com a gestante todo o tempo possível. Talvez você não saberá o que falar ou fazer, mas a sua presença já é o suficiente. Tente demonstrar gestos de carinho com um abraço ou um beijo. As fotos e vídeos são bacanas como um instrumento de recordação, mas busque focar no que está acontecendo ao seu redor. • Procurar manter a calma é a melhor maneira de poder ajudar quando não se sabe como agir. Alguns parentes costumam apavorar e acabam tumultuando o andamento do processo, por isso, conversar e acalmar os familiares é de substancial. Se o parto ocorrer em ambiente hospitalar – ainda existem equipes médicas que provocam a violência obstétrica – faça o possível para estar sempre presente e acompanhar os procedimentos realizados. Se algo estiver errado, comunique a diretoria do hospital imediatamente. • As palavras têm poder, portanto fale como a mamãe o quanto ela está linda afirmando que está tudo certo, que ela está sendo forte e logo vocês terão o bebê no colo. Não deixe de aproveitar cada parte da gestação. É uma chance única de vivenciar verdadeiramente tudo isso e com certeza você vai se lembrar desse dia para o resto da vida. • A doula (assistente) não substitui a presença do pai, pois cada um tem o seu papel. No momento do trabalho de parto, temos que focar no bem-estar da parturiente e observar suas necessidades a fim de que a mamãe não se sinta desamparada. Lei Federal nº 11.108, de 7 de abril de 2005 Art. 19-J. Os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde - SUS, da rede própria ou conveniada, ficam obrigados a permitir a presença, junto à parturiente, de 1 (um) acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. § 1o O acompanhante de que trata o caput deste artigo será indicado pela parturiente.

42

D

urante o aniversário de 160 anos de Ubá, várias atrações passaram pelo Horto Florestal a fim de agitar o evento. Ao longo dos quatro dias de comemoração, além dos shows nacionais, houve também atrações com bandas locais em forma de valorizar os artistas da cidade. De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura, não foi registrada nenhuma ocorrência de grande porte dentro da festa. Na sexta-feira, dia 30, nem o frio intenso desanimou o público. Segundo informações do Sanatório Geral, cerca de 35 mil pessoas compareceram ao Horto para prestigiar a dupla João Neto e Frederico. E este ano o evento contou com uma novidade: o Camarote Amigos do Núcleo. Toda a renda alcançada com a venda de convites foi destinada ao Núcleo Regional de Voluntários de Combate ao Câncer - NRVCC. Para o presidente da instituição, Guilher-

me Guilhermino, a iniciativa foi extremamente positiva como forma de disseminar os projetos da entidade. “A ideia surgiu através de uma conversa com o vice-prefeito, Vinícius Samôr, que nos deu total apoio por meio da administração municipal, e o retorno foi muito bacana para a imagem do Núcleo, pois tivemos a oportunidade de divulgar o nosso trabalho em diversos veículos de comunicação presentes” – afirma. Os ingressos para acesso ao Camarote foram vendidos a R$30,00 por dia. “Nosso intuito era arrecadar fundos e fornecer informações sobre o NRVCC através do estande que colocamos no Galpão. Gostaria de agradecer ao Sanatório Geral pela ajuda na montagem da estrutura no Horto e Prefeitura de Ubá pela força que nos tem concedido” – agradece Guilherme. Como apoiadora da referida entidade, a Revista Fato! marcou presença no Camarote Amigos do Núcleo durante o primeiro dia de festa. Confira os cliks! Revista Fato - Julho 2017


Revista Fato


Convidado Especial Servando Lopes

“21 anos de muito trabalho e dedicação”

É

com muito orgulho que nós, Cláudia Reis Pereira e Carla Reis Pereira Bressan, proprietárias da Escola de Natação “Água Viva”, comemoramos neste ano de 2017, 21 anos de muito trabalho e dedicação a este esporte que tantos benefícios traz para a saúde e o bem estar. Vamos aproveitar essa matéria para fazermos um breve relato sobre a nossa trajetória. Formamos em Educação Física na UFJF e começamos dar aula em escolas da cidade, e também algumas aulas de natação, onde fomos adquirindo experiências enquanto crescia a vontade de termos nosso próprio negócio na área. Resolvemos então, juntar nossas economias e construir, no terreno cedido por nossos pais, a tão sonhada escola de natação! Em 12 de fevereiro de 1996 inauguramos a Escola de Natação “Água Viva”, com uma piscina de tamanho médio para atender a crianças, adultos e bebês. Logo no primeiro inverno tivemos um desafio: a falta de aquecedor acabou afetando nosso número de alunos. Vimos então a necessidade de melhorar a estrutura física. No ano seguinte, já preparadas para uma estação fria, as coisas foram melhorando. Em 2001, resolvemos que era hora de ampliar novamente nossa estrutura física. Construímos outra piscina, de tamanho maior, situada na mesma rua, para podermos atender o fluxo de alunos. Investimos nesse esporte por nos identificarmos muito com ele, e pelo prazer de vermos as pessoas conseguirem vencer seus medos e pânicos. Além disso, saber nadar é um quesito de segurança e desenvolvimento, principalmente para crianças. Oferecemos também a hidroginástica, exercício feito dentro da água, que 44

também traz muitos benefícios para a saúde, atende jovens, adultos, pessoas que precisam de reabilitação física e a terceira idade, que sentem um prazer enorme de poderem estar neste meio líquido. Hoje a Água Viva conta com as duas piscinas em funcionamento, cobertas e aquecidas. A piscina maior possui cobertura móvel, dando oportunidade aos alunos de desfrutarem do sol da manhã, além de mais duas profissionais atuando conosco. Agradecemos a todos que sempre confiaram no nosso trabalho, àqueles que estão conosco desde o início da jornada, aos que foram alunos e hoje retornam trazendo seus filhos e netos, deixando-nos imensamente satisfeitas por vermos nosso trabalho reconhecido. Estamos de portas abertas para receber novos alunos que queiram conhecer nosso trabalho e dedicação. Pessoas que sonham em aprender a nadar e, com isso, aproveitar todas as delícias que o meio aquático proporcionar. Cláudia Reis Pereira e Carla Reis Pereira Bressan são proprietárias da Escola de Natação Água Viva.

(32) 3532-2552

Travessa Luis Fontes, 33 A / 45, Centro, Ubá/MG.


d

Ro

que

Palavra do Vet

F ot

o:

Pe

ro

Dr. Ricardo Silva e Dra. Michele C. Marques

C

Médico Veterinário formado pela UFV e especializado em Oftalmologia Veterinária pelo Instituto Qualittas. Médica Veterinária formada pela UFV e apaixonada por Dermatologia Veterinária. Divulgação

omo escolher a melhor COLEIRA para o meu cachorro?

Muita gente tem dúvidas ou comete erros na hora de escolher a melhor coleira para passear com o cachorro. Hoje em dia, com o desenvolvimento de novos produtos, essas dúvidas ficam mais complexas. Vamos conhecer alguns modelos e falar sobre as indicações de cada um. Coleira de pescoço: o modelo mais antigo e comum. Feita de couro, nylon, ou outros materiais. Não é muito indicada para passeios, pois pode permitir a fuga do cão, dependendo dos movimentos que fizer. Contraindicada para cães com pescoço delicado. Esta é mais aconselhada para deixar no pescoço com uma plaquinha de identificação, contendo seu nome e seu telefone, caso o pet se perca. Coleira peitoral: indicada para cães pequenos, pois não força o pescoço delicado quando eles puxam. Porém, não deve ser utilizada em cães de porte maior, pois eles possuem mais força e se sentem à vontade para sair arrastando o dono por aí. Existe também o modelo peitoral em X, que é colocado no corpo pelas patas dianteiras e não se apoia em nada na região do pescoço e garganta. Este modelo é o ideal para cães pequenos e aqueles que tossem quando andam de coleira. Algumas possuem o formato de um colete, normalmente acolchoadas, permitindo mais conforto ao cão. Para cães que puxam muito existem modelos educativos, nos quais a guia se engata na frente do cão, ao invés de ficar nas costas. Desta forma, se torna desconfortável para ele te puxar. Coleira enforcador: apesar do nome assustador para quem a não conhece, esta coleira tem a função de conter aquele cão que puxa muito, por apertar o pescoço o suficiente para se tornar desconfortável cada vez que o cão tentar puxar para frente. É a mais segura, pois quanto mais o animal puxa, em qualquer direção, mais ela se ajusta ao pescoço, evita que o cão consiga tirar pela cabeça e fugir. Os modelos com pinos devem ser abolidos, pois podem perfurar e machucar o pescoço. Prefira os modelos de nylon ou seda aos de corrente, pois são mais leves e confortáveis ao cão. Coleira cabresto: essa é a mais indicada para cães de grande porte ou que puxam muito na hora do passeio. Parecida com o cabresto utilizado em cavalos, este modelo de coleira tem duas alças, sendo que uma delas passa atrás da cabeça e outra acima do focinho. A guia é engatada em uma argola que fica abaixo do queixo. Dessa forma, quando o cão tenta te puxar para a frente, a coleira exerce uma pressão na cabeça que direciona o focinho do cão para baixo. Assim, ele não consegue te puxar, pois fica difícil olhar para frente. Além disto, ela não atrapalha a respiração e não machuca a região do pescoço. Algumas pessoas costumam confundi-la com uma focinheira, mas a coleira cabresto não prende em nada a boca do animal, não prevenindo ataques ou mordidas. Além da coleira correta, outro fator importantíssimo é o seu comportamento durante o passeio. Você deve levar o cão para passear, e não o contrário. O líder é aquele que anda na frente, os outros o seguem. Se você permite que seu cão ande na sua frente durante o passeio, está dando a entender que ele é quem manda. Isto vai se refletir em todo o restante do comportamento dele. Sempre que o cão te puxar, você deve dar um tranco na guia e parar até que ele entenda que precisa andar ao seu lado. Guias mais curta auxiliam nessa hora, dando menos liberdade. Evite também pegar aqueles mais manhosos no colo, ou fará isso sua vida toda. E lembre-se, passeio só após o animal estar devidamente vacinado. No mais, bom passeio! 46

Mande sua dúvida ou sugestão para: cacovet@gmail.com ou michelecmarques@gmail.com Revista Fato - Julho 2017


Por Toda a Minha Vida

R A Z Õ E S

PA R A

RECOMEÇAR Quando um contratempo é também uma nova chance

A

ssim é a vida: um recomeçar contínuo quando tudo parece perdido”. Maria Sueli de Paiva Rodrigues levava uma rotina como a da maioria dos brasileiros: muito trabalho, má alimentação, vícios e pouco lazer. Manicure requisitada, fazia unha das 6h30min às 23h00min. Dormia por um período curto e parava para comer raramente. Até que seu próprio corpo parou. A máquina que parecia incansável de repente começou a apresentar sinais de fragilidade. Há 10 anos Sueli desenvolveu um problema no útero, quando passou a ter hemorragia e os médicos identificaram a presença de um mioma, então decidiram retirar o órgão. A cirurgia foi bem sucedida, mas no dia seguinte, tomando café da manhã, a moça sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ela foi levada as pressas para o hospital onde ficou internada 48

Sueli recebe a equipe de reportagem da Fato! em sua casa.

por cerca de 30 dias. A manicure teve todo o lado esquerdo do corpo comprometido, quando enfrentou momentos desafiadores. “No início dependia da cadeira de rodas e comecei a ficar depressiva. Meu filho, Makley, tinha apenas 10 anos de idade e ajudava a colocar fralda em mim. Eu chorava muito, tinha me divorciado há pouco tempo e na época estava namorando. Durante 4 meses meu namorado me acompanhou, cuidou de mim e dormiu comigo quando preciso, mas depois passou a me deixar de lado. No fundo eu sabia que estávamos juntos porque ele tinha dó da situação em que me encontrava. Criei coragem e resolvi terminar o relacionamento, aí veio a depressão” – relata. A partir desse momento Sueli decidiu procurar auxílio de um profissional e recompor sua autoestima. Onde havia motivos para desanimar, ela viu uma oportunidade. “Meu ex tinha muito medo de que eu pudesse passar mal ou até mesmo morrer ao lado

dele e isso acabou sendo um incentivo para mim. Fui até um psicólogo e falei ‘vou dar a volta por cima’, queria mostrar para ele que eu ainda ia ficar boa. E assim aconteceu” – diz. Depois de alguns meses na cadeira de rodas, 3 anos de muleta e muita fisioterapia, a moça começou a andar sozinha, mesmo com parte do corpo não respondendo, ela se esforçava para se locomover. Dentro dessas mudanças, os velhos hábitos foram deixados para trás. “Hoje eu faço tudo ao contrário do que fazia. Não fumo, não bebo, não como fritura nem carne de porco. Vivo de dieta, ando muito e estou sempre tomando água. Até minha pressão estabilizou, haja vista que cuido de mim realmente, costumo dizer que eu quero ficar uma ‘velha nova’; saudável e bonita” – afirma. Se “há males que vêm para o bem”, essa mulher de fibra é prova disso. “Hoje sou muito mais feliz. Falo com Deus que se tivesse adoecido antes, talvez eu


Revista Fato

seria alegre assim há mais tempo. Tudo que ocorreu mudou a minha mente, eu era uma pessoa triste, não tinha amor próprio, era totalmente tímida. Hoje em dia sou alto astral, gosto de conversar. As vizinhas falam que antigamente não agradavam de mim porque eu era muito antipática, agora sou simpática até demais” – brinca. 10 anos após o AVC não há nada que pare Sueli. Ela se casou novamente, voltou a fazer unhas e mesmo com as limitações, acorda com total disposição e sai para caminhar toda manhã. “Gosto de andar, adoro passear, visitar os amigos, viajo... Meu marido, Mário, trabalha a noite, e quando fomos casar logo, avisei que detesto que me prendam. Fui para Vitória-ES sozinha, minhas irmãs ficam doidas. De fato eu adoeci, só que passou, já estou boa, estou torta, mas estou normal” (Risos). Depois de ter enfrentado com valentia todas as dificuldades impostas por essa enfermidade, Sueli passou a ter um novo olhar sobre a sua própria existência. “Aprendi a valorizar mais a minha vida, minha saúde. Hoje eu tenho vontade. Aprendi que meus hábitos faziam mal e que não preciso de vícios para ser feliz. Esse tempo que eu tenho atualmente é para cuidar de mim, coisa que eu nunca fiz antes” – revela. Sobre os sonhos e planos futuros, essa mulher radiante nos conta: “quero renovar minha carteira e dirigir muito, além de ser uma manicure cada vez melhor. Sonho em ter netos e vê-los crescer. Levo uma vida salutar e busco passar isso para todo mundo que não o faz. Eu sou a mais animada do grupo de exercícios, tento incentivar a galera. Não quero ficar aleijada com pernas e braços finos, pelo contrário, procuro evoluir estética e espiritualmente. Não sinto que tenho 53 anos de jeito nenhum, sinto que tenho uns 30 e poucos, 40 no máximo. Acho que nesses 10 anos eu só renovei”. “Quero agradecer quem me indicou para participar da matéria, porque todo mundo que me viu e me vê fala que me admira. Há muitas pessoas deficientes abandonadas por aí. Desde que tudo isso aconteceu eu falei que parada eu não fico! Gosto de me sentir útil. Anseio ter bem-estar, tomo Ômega 3 direto, não quero ficar idosa com a memória defasada. Vou envelhecer em forma e ajudar a criar meus netinhos. Sei que em Deus posso tudo que almejo” – encerra. E você pode Suely. Pode tudo que fizer por merecer, pode tudo que sonhar, pode tudo que acreditar. Você é um exemplo de força, de superação, de vontade de viver. Que você nunca mais perca o brilho nos olhos e o sorriso no rosto, pois essa pode ser a inspiração que muita gente precisa para recomeçar, assim como você o fez.

Maria Sueli de Paiva Rodrigues 10 anos após o AVC. Revista Fato - Julho 2017


Utilidade Pública

MÃE SOLIDÁRIA

“Quando somos bons para os outros, somos ainda melhores para nós”. (Benjamin Franklin)

M

ãe Solidária é um grupo sem fins lucrativos que tem como objetivo orientar e ajudar as mamães e gestantes sobre a sua saúde e a do bebê. O trabalho consiste em informar, com o auxílio de profissionais voluntários especializados na área, sobre a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, amamentação e aleitamento materno. Além de servir de suporte na aquisição de enxovais e fraldas. De acordo com a voluntária e idealizadora da iniciativa, Sônia Barbosa, o projeto foi iniciado em 29 de janeiro de 2017 devido ao grande número de mães que se manifestaram para participar e receber instruções. Ela nos conta o motivo que a fez empenhar-se nessa ação solidária foi apenas promover o bem. “O grupo é uma forma de me sentir útil como ser humano nos dias de hoje, pois nesse mundo estamos de passagem, e a única coisa que fica nessa vida são as boas obras que realizamos”, comenta. A equipe dispõe de uma comissão filantrópica de mães que apoiam nos serviços prestados. São elas: Aline Aparecida Rufino, Andréia Zague, Camila 50

Mussi, Elisa Teixeira, Indiara Martins, Lucinéia Condé, Marisa Filgueira, Michele Coelho e Sônia Barbosa, além da psicóloga Marcela Corbelli, que atende a mães e gestantes que necessitam de um acompanhamento após passarem pela triagem, “o atendimento da psicóloga é feito de forma gratuita, inclusive agradecemos a ela por sua disponibilidade e carinho, abrindo vagas em sua agenda para nos receber em seu

consultório”, explica Sônia. Há também colaboradores e entidades que ajudam nas doações como a Padaria Alvorada, Papão Lanches, Supermercado Vieirão, Supermercado Fortaleza, Supermercado Nova Era, Açougue Louriçal, Tabajara Esporte Clube, Faculdade Governador Ozanam Coelho (FAGOC), Prefeitura Municipal de Ubá, Associação Comercial e Industrial de Ubá

Revista Fato - Julho 2017


Arquivo Pessoal

(ACIUBÁ), Mauad Kids, Ecer Cabeleireira e direção e funcionários do Hospital Santa Isabel. O projeto ainda não tem uma sede própria, os contatos com os participantes são realizados via telefone, facebook e whatsapp. Porém a comissão se reúne mensalmente em um espaço emprestado no trailer do Guinin, que é localizado na Rua Santo Antônio, no Centro de Ubá. E para quem tem a necessidade dessa ajuda, a coordenadora explica, “basta entrar em contato conosco através dos telefones: (32)9.9956-2615/(32)9.8840-0696, ou facebook pelo Grupo Mães Solidárias. É feito um cadastro em que são colhidas todas as informações necessárias para conhecer um pouco da associada e também para melhor organização interna”, esclarece Sônia. Uma vez ao mês é promovida a festa de aniversariantes sócios da equipe. “Através das fichas dos integrantes temos o controle de todos que irão soprar velinhas mensalmente. Com esses dados, 15 dias antes do evento é feita uma reunião e o comitê solidário busca angariar doações para realizar a comemoração que ocorre no Tabajara Esporte Clube em virtude de um ofício encaminhado a diretoria do local solicitando o empréstimo do referido para o acontecimento”, conta. Na ocasião também é montado um balcão com roupas de recém-nascidos, gestantes e crianças para que o público carente possa ter acesso às doa-

Da esquerda para direita Aline, Andreia, Camila, Elisa, Indiara, Lucinéia, Marisa, Michele e Sônia.

ções.

“Gostaríamos de agradecer a todos os voluntários, que sem medir esforços, nos apoiam de bom coração fazendo com que nosso grupo, que é considerado uma família, receba todos os tipos de informação, lazer, orientações e acompanhamentos. Pedimos a Deus que abençoe cada um de vocês e

seus familiares a fim de que continuem sempre pensando no amor ao próximo, pois sabemos que essa ajuda não é feita somente para nós, mas para todas as pessoas que vêm à procura de auxílio. Parabéns a todos e nosso muito obrigado”, encerra.


Prata da Casa

RODRIGO

Cantor e compositor ubaense fala sobre sua bagagem com a mĂşsica e o projeto carreira solo

52

Revista Fato - Julho 2017


A

inda criança, com influência da família e dom natural para aprender, Rodrigo Leite, nossa Prata da Casa desta edição deu início à sua carreira musical. Recorda-se dos tempos da infância que ouvia no rádio os memoráveis clássicos de sucesso das duplas Zezé de Camargo e Luciano e Chitãozinho e Xororó, além das inesquecíveis letras da banda Legião Urbana. Aos 7 anos de idade nosso entrevistado ganhou de presente como um simples gesto de carinho de seus pais o seu primeiro instrumento musical, um teclado. Ele relata que ficou muito feliz, afinal, foi a partir daí tudo começou: “Não demorou muito tempo e eles viram a necessidade de me dar outro instrumento” relembra saudoso. Rodrigo iniciou suas aulas de teclado com seu Tio Everaldo, pessoa que contribuiu e muito para que o seu amor pela música crescesse dia após dia. Nas festas de família seu tio tocava os clássicos sertanejos, músicas de serestas e boleros que hoje ele se vê interpretando em seus shows: “Minha primeira apresentação foi no Box 7, no centro de Ubá. Na época eu era tecladista e segunda voz. Me recordo de que na ocasião eu tinha um amigo e vizinho que veio de São Paulo. Ele abriu uma cervejaria e foi ali que tive a minha primeira oportunidade” relata e ainda revela que mesmo com sua timidez ficou muito feliz e grato por esta primeira porta que se abriu. Com uma trajetória musical carregada de experiências e boas amizades conquistadas ao longo da sua jornada, o músico nos conta que já atuou em bandas e duplas. Ele diz que o primeiro trabalho em conjunto foi através de uma banda que surgiu entre amigos, chamada “Grupo Imagem” onde os ensaios eram realizados no seu quarto. Após essa experiência, o cantor viveu a bagagem de cantar pela primeira vez como dupla, surgindo aí “Zezé e Rodrigo”: “Após o fim da deste projeto fiquei sozinho por um tempo, momento em que elaborei um trabalho em parceria com o Valmir, de Visconde do Rio Branco. Logo depois, lançamos à dupla “Rodrigo e Daniel”, até que surgiu “Sérgio e Rodrigo”, época que fizemos muitas festas e bailes” conta. Com o fim da dupla Rodrigo Leite ingressou

Servando Lopes

no projeto de outra banda, chamada “Os caras” onde apresentou-se por várias cidades da região. Encerrado este ciclo ele deu início a uma linha de trabalho diferente, momento em que mais uma dupla nascia, desta vez, em parceria com Sandro Schiavon Sanfoneiro: “Estive também, por aproximadamente dois anos na banda “Ziriguidum”, período em me aprimorei. Ao me despedi deste trabalho, iniciei os planos de carreira solo, que hoje, Graças a Deus, estão se concretizando” complementa. Aos 34 anos o cantor e também compositor introduziu suas apresentações como cantor solo. Ele afirma que o objetivo deste trabalho é trazer para o palco as canções que sempre fizeram parte da sua história, criando assim para os seus shows a sua identidade. Através disso muitas oportunidades surgiram e Leite já se apresentou por diversas cidades e estados, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais. Das cidades de Minas em que se apresenta ele destaca Presidente Bernardes, Guarani, Tocantins, Rodeiro e Ubá, locais de muitos shows realizados pelo cantor. Questionado da apresentação mais marcante da carreira na Cidade Carinho, ele pontua a “Noite do Cabaré”, organizada por ele e pela sua família: “O público de Ubá tem prestigiado e apoiado os nossos eventos, nos dando força para que esse projeto continue e cresça”, conta. A rotina de Rodrigo e sua esposa Marina Schiavon, seu braço direito nesta caminhada é repleta de compromissos e desafios. Ele afirma que além das funções como músico se divide também à ocupação de pai carinhoso e marido dedicado: “Trabalhamos nos shows aos finais de semana, saímos de casa cedo para as montagens e passagens de som, deixando tudo preparado para as apresentações. Em outros dias nos dividimos em vendas de shows, reuniões com contratantes, atendimentos especiais a noivas e noivos. Visitamos Prefeituras e clubes, sem contar os ensaios e reuniões com músicos, marketing, imprensa e divulgações. Temos uma preocupação também em atender as pessoas que participam ativamente nas redes sociais, não deixando de lado a vida de casal e pais dos nossos amados filhos Ruan e Raissa”, explica sobre a rotina. Sobre os planos para o futuro o cantor preten-

de continuar se aprimorando na música, seguir com seu projeto “Noite no Cabaré”, que em 2018 chegará à sua terceira edição, realizar o sonho de gravar uma música autoral, um vídeo clipe e o seu primeiro DVD. “Não consigo me imaginar vivendo sem música, ainda mais nesse momento que estou envolvido em vários projetos e ensaios. Música para mim é tudo e para sempre”, encerra.


Abrindo o Closet Fotos: Thiago Caetano; Beleza: Kelvin Tomaz.

Kukula

Ficha Técnica Nome: Maria Imaculada Pereira; Idade: 66 anos; Profissão: Enfermeira – Aposentada; Signo: capricórnio; Cor favorita: amarelo; Valores: caráter, cumprir com as palavras, bom humor, alegria de viver e saúde; Um sonho: morar na praia; Um destino de viagem: Itália.

54

Revista Fato - Julho 2017


Thiago Caetano

Entrevista Como você define o seu estilo: básico, clássico ou mais despojado? Defino meu estilo como bem despojado. O que mais preza na hora de adquirir suas roupas? Qual peça lhe chama mais atenção em uma loja? Prezo sempre pelo conforto, uma peça pode ser linda, mas se não for confortável, não levo. Você se inspira em alguém para se vestir? Não, procuro ter um estilo próprio para me vestir, algo que revele a minha identidade. Possui algum hobby? Como curte passar as horas vagas do cotidiano? Gosto de praticar atividades físicas como ginástica e ioga. Também curto as redes sociais quando posso e sempre procuro desenvolver trabalhos voluntários. Você não é muito adepta de maquiagem, certo? Sempre gostou de uma pele mais natural? Sim, não gosto de nada muito carregado, acho que me descaracteriza. Falando em natural, por que decidiu deixar os cabelos branquinhos?


Deixei meu cabelo chegar nesse tom à procura de uma identidade mais natural e de um estilo próprio. Quais são as peças favoritas do seu closet? Meus vestidos longos são os meus xodós, com certeza! Qual estação do ano é a sua preferida para se vestir? Por quê? A primavera é minha época preferida para me vestir, pelas cores que a referida estação traz. O que mais tem usado neste inverno? Sou super adepta de cachecóis, lenços, casacos... A Kukula usa tudo que é tendência? Não, uso apenas o que me faz sentir bem. O que é ser chique para você? Considera-se uma pessoa elegante? Ser chique para mim é ter estilo próprio, autenticidade. Eu me considero uma pessoa elegante, pois gosto de me cuidar e faço isso sem me prender a padrões. “Não é a aparência, é a essência. Não é o dinheiro, é a educação. Não é a roupa, é a classe”. Você concorda com a afirmação da esti56

lista francesa Coco Chanel? Sim, inclusive assino embaixo, na realidade é isso que conta: a essência, a educação e a classe.


ra

fe

F ot

o:

Fo

t

og

Patrimônio Cultural Anderson Moreira

Professor de História das redes municipal e estadual de ensino; Especialista em História do Século XVIII. Contato: andersonmv1@yahoo.com.br

Divulgação

A política de patrimônio e os

UBÁ U

bá está comemorando 160 anos! Em se tratando de patrimônio cultural há, logicamente, motivos para a população se orgulhar ao celebrar essa data. Mas também existe o outro lado da moeda, que merece atenção por parte dos ubaenses e dos governantes. O município avançou bastante na política pública patrimonial. Desde 1996, quando foi instituída a lei de proteção ao patrimônio, o trabalho dos agentes públicos resultou no zelo de bens culturais importantes. Atualmente temos 10 bens protegidos na cidade, sendo o primeiro deles o Torreão de Cesário Alvim, que se localiza nos arredores da estação ferroviária do centro e que foi tombado por um decreto em 1963, quando o município era governado por Francisco Defilippo. Mais tarde, em 1997, foi a vez do Ginásio “São José”, que hoje funciona como museu. Seu tombamento ocorreu há exatos 20 anos, quando Ubá era administrada pelo ex-prefeito Narciso Michelli. Na gestão de Antônio Carlos Jacob houve uma verdadeira corrida preservacionista: Paço Municipal “Governador Ozanam Coelho” (Prefeitura de Ubá), prédio da Escola Estadual “Cel. Camilo Soares”, Piano de Ary Barroso, Estação Ferroviária da Praça Guido Marlière, até a manga e a mangada foram itens cuja proteção se deu entre 2001 e 2004. O registro dos Congados “Nossa Senhora do Rosário” e da Banda “22 de Maio” ocorreu na gestão do ex-prefeito Dirceu Ribeiro. Por último, a Fazenda das Palmeiras foi tombada no início da administração do ex-prefeito Vadinho Baião. Vale lembrar que tombamento significa proteção dos bens edificados e o registro é a proteção

dos bens imateriais. Todo esse trabalho de salvaguarda em relação ao patrimônio cultural ubaense é motivo para comemoração, sem dúvida. A grande questão é a forma pela qual se deu essa política pública, ou seja, o que estava por trás dos interesses de preservação? Quais grupos estavam sendo beneficiados com essas ações de tombamento ou de registro? Será que a maioria da população se via representada nessas “escolhas” dos agentes do patrimônio? Não podemos esquecer que esse é um campo de conflitos, pois à medida que as atenções se voltam para determinado pertence, outros ficam esquecidos. Tal situação impede que as ações de zelo satisfaçam a todos os segmentos sociais, principalmente os menos favorecidos. Uma análise sobre o modelo de patrimonialização realizado em Ubá nos leva a perceber que manifestações culturais ligadas às populações de baixa renda receberam menos importância ao longo do tempo. Isso significa que não foi ouvida a voz da maioria da população. Por outro lado, esse processo suscitou uma discussão bastante louvável sobre o assunto na região, o que proporcionou a inserção de Ubá na lei do ICMS Patrimônio Cultural, que distribui recursos para as cidades mineiras que atuam em favor da preservação dos bens tombados ou registrados. Entretanto, onde estão sendo gastas as verbas que o município recebe mensalmente? Vamos esperar que a atual administração possa dar conta da destinação dos repasses. Assim, teremos mais motivos para comemorar o aniversário de nossa Cidade Carinho. Revista Fato - Julho 2017


Acessรณrios: Samantha Esser Smijoias.


Acessórios: Anna’s Semijoias.


Acessórios: Anna’s Semijoias.


Acessórios: Samantha Esser Smijoias.

FICHA TÉCNICA Fotografia: Cássio Fotografias; Beleza: Kelvin Tomaz: Modelo: Luana Candian; Acessórios: Anna’s Semijoias Samantha Esser Smijoias; Looks: Arsenal | Inspire; Agradecimentos: Camila Pontes e Leandra.


an

Lo

p es

PA LAVRA

Fo to :

Se

rv

do

Ivi Pereira Monteiro

Graduada em Comunicação Social – Jornalismo, e em Letras. Mestre em Comunicação e Tecnologia. Doutoranda em Educação Professora Integral na Fagoc. Mãe do Lucas e da Maria Clara Contato: prof.ivimonteiro@gmail.com Divulgação

a PA que LAVRA

R

eligiosos e estudiosos da Física Quântica, da Neurociência, da Noética, da Lei da Atração (etc.) já concordam que a palavra tem o poder de transformar uma vida. Seja pela oração, que é a crença daqueles, ou pela educação do pensamento, como defendem estes; Fato! é: a palavra move o universo! É a chamada “conspiração universal”. “Quando você quer alguma coisa, todo o universo conspira para que você realize o seu desejo” (Paulo Coelho). Os fenômenos defendidos pela física quântica ainda não ganharam total credibilidade da população por serem tratados como fantásticos, pois operam além da intelectualidade. Mas até eles reconhecem o que a bíblia escreve: “No princípio era o Verbo.” (João 1:1). Verbo é um vocábulo com origem no termo em Latim “verbum”, que significa “palavra”. Se Deus criou o mundo através da palavra – não vou entrar aqui no mérito das crenças, trabalhemos, democraticamente, com a maioria –, por que não poderíamos criar a nossa vida por ela(s)? Somos autores, responsáveis pela nossa história, automaticamente de como a construímos. O que reforça, assim, que é pela palavra que tudo acontece. É com essa “pá” que lavramos nossa essência e, consequentemente, como o ser humano nos percebe e nos conhece. Por vezes, já ouvi pessoas se queixarem de fatos na rotina, mas não param para refletir quais foram as 66

primeiras palavras usadas no dia... Tampouco, quais foram as últimas ditas antes de dormir. E ignoram a ideia de quem em volta de si existe uma “nuvem energética” que faz o registro desses seus pensamentos (positivos ou negativos – qual você quer registrar?). E, assim, surge a proposta desta coluna: trazer

à luz a reflexão acerca de algumas palavras da Língua Portuguesa e como elas têm sido empregadas na rotina e, quiçá, promover uma mudança em suas aplicações em prol da prosperidade do nosso público leitor. A exemplo, trago a palavra SENHOR ou SENHORA. Quantas vezes um aluno já me disse: “se eu chamar minha mãe de senhora, ela briga!” Digo: explique a ela que, pelo português, existem duas formas de senhora: o substantivo e o pronome de tratamento. O primeiro é trazido pela história, classificando que é proprietário, dono absoluto, possuidor de algum Estado, território ou objeto. O segundo é forma de tratamento entre pessoas que não têm intimidade e não se tratam por você; ou ainda quando se deseja demonstrar respeito. Já ouvi por várias vezes pessoas queixarem de falta de respeito; mas já pensaram sobre com qual pronome de ‘tratamento’ são tratadas? Após 15 anos trabalhando com a palavra, no princípio com o jornalismo e, posteriormente, com a Língua Portuguesa em sala de aula; hoje, senti a necessidade de fazer registros, particulares, mas que podem ser interessantes a alguém. Se for a você, peço, gentilmente, que me conte através do email na descrição desta coluna. Até breve!


ra

fe

Conectados

F ot

o:

Fo

t

og

Rafaela Namorato

Jornalista, especialista em Assessoria de Comunicação, Gestão da Comunicação nas Organizações e pós-graduanda em Gestão de Pessoas e Coaching. É uma verdadeira apaixonada por internet e pelas mídias sociais. Além disso, é dona do Boteco Feminino (www.obotecofeminino.com.br)

Divulgação

quanto tempo você passa nas redes sociais?

Q

ue navegar pela internet já é um vício mundial todo mundo sabe. Mas, você sabia que acessar a internet em excesso provoca graves danos à saúde mental, principalmente dos jovens? Foi o que mostrou um estudo realizado pelo Instituto de Política de Educação, no Reino Unido. A pesquisa, embora ainda não conclusiva, apontou alguns problemas que envolvem a saúde mental, principalmente em adolescentes que utilizam a internet demasiadamente, sobretudo as redes sociais. Para que se tenha uma ideia da situação, jovens que passam três horas ou mais conectados, mesmo nos dias de escola, tendem duas vezes mais a desenvolver algum tipo de transtorno mental. Nestes casos, o estudo mostrou que o uso extremo das redes sociais indica que o usuário possui grandes chances de ter algum tipo de insatisfação pessoal. Outro dado apontado na pesquisa mostrou que entre os usuários considerados extremos, ou seja, aqueles que passam mais de seis horas conectados, o número de casos de bullying sobe para aproximadamente 18%, o que é o triplo dos casos entre os usuários considerados moderados. Recentemente, outra pesquisa também realizada no Reino Unido pelo Royal Society for Public Health, em parceria com o Movimento de Saúde Jovem, mostrou o destaque do Instagram entre as redes sociais mais nocivas para a saúde mental dos adolescentes. De acordo com a pesquisa realizada com 1.479 jovens entre 14 e 24 anos, o compartilhamento

de fotos pelo Instagram afeta negativamente o sono, a autoimagem e aumenta o medo dos jovens em ficar por fora das tendências – fenômeno conhecido como fear of missing out (FOMO). De cada 10 voluntários que participaram desse estudo, sete afirmaram que o aplicativo faz com que eles se sintam piores em relação à própria imagem. Se somarmos apenas o público feminino, essa média sobe para nove garotas a cada dez. Elas alegaram que não se sentem satisfeitas com a autoimagem e pensam, inclusive, em passar por procedimentos cirúrgicos. Ainda de acordo com a pesquisa do Royal Society for Public, os jovens estão cada vez mais ansiosos, deprimidos, com autoestima baixa e sem sono. Isso complementa os dados que dizem que as taxas de ansiedade e depressão, nessa parcela da população, aumentaram em 70% nas últimas duas décadas. É importante salientar que outras redes sociais também foram citadas ao longo da pesquisa como sendo prejudiciais à saúde mental dos jovens. Entre elas estão o Snapchat e o Facebook, sendo este considerado o mais cruel entre os entrevistados quando o assunto é cyberbulliyng. Entre as redes sociais tidas menos prejudiciais está o Youtube, seguido pelo Twitter. A ideia desse artigo não é pedir a ninguém que abandone as redes sociais, mas conscientizar sobre a necessidade da cautela e o respeito aos limites de tempo e também do corpo. Ele também serve como um alerta para que os pais procurem acompanhar mais de perto a atividade de seus filhos na internet evitando assim danos futuros. Até a próxima! Revista Fato - Julho 2017


a

o

Lo p

es

Economia

F oto:

Se

rv

nd

Michel Pires

Diretor da Modecor; Vice-presidente do Intersind. mhp@modecor.com.br; www.modecor.com.br

Divulgação

Mais notícias

DESAGRADÁVEIS

para o PAÍS

C

omo se não bastasse termos a pior recessão da história, um índice enorme de demissões, além de um alto número de inadimplência e nomes no SPC - SERASA, surgem mais notícias negativas, justo agora, quando a economia dava os primeiros sinais de melhora; taxa de contratações maior que a de demissões pelo segundo mês consecutivo, uma leve recuperada do PIB e o dólar começando a baixar, vem a crise política do presidente Michel Temer e joga tudo por “água abaixo”. Perdeu-se apoio no Congresso, a Reforma Trabalhista foi derrotada na comissão do Senado, a alta do dólar foi estimulada, o que potencializa o aumento de preços dos produtos importados e a maioria dos nacionais também, haja vista que hoje até os itens fabricados aqui têm matérias primas importadas ou com valores dolarizados. Tudo isso como resposta aos escândalos governamentais. O problema é que o Brasil vive amarrado pelos partidos, não interessa se este ou aquele projeto vai beneficiar a população, o que interessa realmente é se o partido está ou não em harmonia com o governo, se não estiver, vai votar contra, pelo simples fato de que um país em crescimento dará mais votos para quem está no poder e todos querem estar lá. É engraçado observar que quando um partido está no governo, os deputados e senadores brigam pelo “SIM” das reformas colocadas em votação, mas ao passarem para a oposição, lutam pelo “NÃO”, sendo que aquela proposta é a mesma que foi almejada meses atrás. Se haverá ou não alívio para a nossa economia não 68

importa, o importante é quem é o mentor daquele projeto. Na maioria dos países hoje existem dois grandes partidos, nos EUA, por exemplo, só existem dois; Democratas e Republicanos. Em contrapartida, há 35 partidos políticos no Brasil, exagero? Sim, mas ter uma “sigla” na nação verde e amarela dá dinheiro. Para conseguir um grupo político a seu favor, o governo precisa oferecer benefícios, estes podem ser em cargos, vantagens e até dinheiro, como vimos agora na delação da JBS que comprou o apoio de grupos dentro do Congresso. É inútil boicotarmos determinada marca como tenho visto nas redes sociais dizendo “não comprem produtos da fabricante TAL”. Não defendendo empresas que agiram com ilegalidade, mas infelizmente era a regra do jogo: ou dava propina ou fechava as portas. E no mínimo ficariam como a maioria de nossos negócios, crescem, reduzem, contratam, demitem e vamos vivendo de acordo com o mercado, lutando para pagar as contas do dia a dia, tendo problemas consecutivos e tentando sobreviver sem os financiamentos generosos do BNDES e sem as isenções de impostos. Somos dependentes de nomes como Odebrecht, JBS, OAS, Camargo Corrêa, as automotivas e outras grandes, pois só assim nossa economia cresce e gera a entrada de dinheiro externo no país, movimentando o capital, e essas instituições são pressionadas a fazerem acordos para “sobreviver”. Já escrevi antes sobre o quanto sai mais caro uma obra aqui que em qualquer outro lugar do mundo, que pagamos valores salgados demais. Não

O problema é que o Brasil vive amarrado pelos partidos, não interessa se este ou aquele projeto vai beneficiar a população, o que interessa realmente é se o partido está ou não em harmonia com o governo, se não estiver, vai votar contra, pelo simples fato de que um país em crescimento dará mais votos para quem está no poder e todos querem estar lá. Michel Pires

acredito que isso irá se resolver, mas tenho certeza de que vai melhorar bastante. Sonhamos com um Brasil mais justo, afinal temos minérios, matas, praias, clima tropical, tudo para ser um excelente lugar para viver, mas os problemas políticos, saúde, violência, outras questões sociais e altas taxas de impostos, acabam fazendo com que nossos dilemas se tornem maiores que nossas qualidades e a cada dia mais pessoas saem daqui em busca de ter segurança e respeito, querem apenas viver tranquilas e deixarem de ser feitas de palhaças.


ra

fe

Contabilize

Fot

o:

Fo

t

og

Paulo Marcos

Contador; consultor tributário; professor de graduação no curso de Ciências Contábeis. Site: www.pmrassessoria.com.br; E-mail: pm@pmrassessoria.com.br

Marques Roque

Divulgação

Consultoria

Empresarial

E

m um ambiente de negócios, que enfrenta um desmoronamento de práticas tradicionais de gestão empresarial, a instituição muitas vezes não sabe mais como sair desse impasse. Várias entidades fracassam por mera falta de clareza das ações administrativas relevantes. Mesmo tendo conhecimento, volta e meia não se consegue implementá-lo. O saber, em função da velocidade das mudanças, tende a se tornar obsoleto ou desatualizado cada vez mais rápido. A alta direção acha que chegou no limite de sua competência e precisa de práticas novas, mas não sabe por onde começar. Por isso, os profissionais que não se adaptarem a essa realidade, colocarão a carreira da empresa e, por conseguinte, a própria carreira em xeque. Novos gestores ou gestores em novas funções precisam frequentemente de um Consultor ao seu lado, para aprenderem a gerar resultados rápidos e sustentáveis. Muitas vezes, as soluções não estão dentro da instituição; soluções de fora podem ajudar a gerar retornos de impacto. Algumas citações:

Se tudo parece estar andando bem, é porque você não olhou direito.” (Prof. Murphi – Universidade de Yale)

será que é uma solução?

Em que situações se deve pensar em uma “Consultoria Empresarial”? O mercado em que a entidade atua sofre mudanças significativas e seus diretores precisam de ajuda externa para melhor avaliar os efeitos sobre o empreendimento, que por sua vez almeja se preparar para novos saltos (qualitativos e/ou quantitativos) e deseja ter um Planejamento Estratégico seguro. A alta gerência tem projetos de expansão, diversificação, introdução de lançamentos em tecnologias e/ou processos, mas não conta com pessoal capacitado para conduzi-los. Há fortes divergências sobre o modelo de gestão a seguir. Os líderes estão preocupados com resultados, mas não sabem como alcançá-los. A empresa quer o colaborador “ideal”, mas não tem clareza de como desenvolvê-lo. A alta gerência descobriu a opção de exportar, mas não sabe por onde começar. O negócio precisa de uma ferramenta administrativa para aumentar a lucratividade. O que é uma “Consultoria Empresarial”? A Consultoria Empresarial é um serviço que orienta o diretor a estruturar a administração, auxiliando-o na análise e na solução de problemas de ordem prática bem como na implantação de técnicas de gestão empresarial bem-sucedidas. Tais serviços podem ser prestados por entidades ou por profissionais autônomos, desde que estejam capacitados a oferecer contribuições específicas para o cliente, seja ele empresa ou gestor atual ou potencial.

Mais importante do que corrigir distorções é fazer a ‘medicina preventiva’, que ajude a reorientar a empresa.” (Prof. Murphi – Universidade de Yale)

Fato é: Consultoria Empresarial é um processo interativo entre um consultor externo e um empreendimento com a responsabilidade de resolver ou evitar um problema administrativo e/ ou operacional.

Autor e Fonte: Werner Kugelmeier, wkprisma@ wkprisma.com.br, texto adaptado por Paulo Marcos. Revista Fato - Julho 2017

69


Meu Dia D O SOFISTICADO DEBUT DE

Bruno Guedes

E

stilo, atitude e elegância definem esta noite. No dia 10 de junho, Fayla Silva Leitão celebrou seus 15 anos no salão do Cerimonial Parthenon em uma festa temática inspirada na grife de joias Tiffanny & Co. “Eu adoro azul. Procurando as tonalidades, me deparei com a cor que a joalheria criou, o azul turquesa, que estampa todas as coleções da marca. Além de ter gostado do tom, a Tiffany é a cara de um debut em virtude do brilho e glamour de suas peças, exatamente o que eu queria; algo tradicional e chique”, conta a aniversariante. Filha única do casal, Tania Fernandes Silva e Fabiano Moreira Leitão, a família da adolescente teve o zelo em preparar tudo com o máximo de antecedência e carinho a fim de que o grande dia saísse perfeito. “Eu e meus pais planejamos essa comemoração há mais de 1 ano, por isso não tivemos nenhuma dificuldade em organizá-la. Além do mais, também contamos com ótimos profissionais que nos deixaram despreocupados”, ressalta. Ela afirma não ter ficado ansiosa a princípio, mas a medida que a data se aproximava, não houve como conter as expectativas. “Embora tivéssemos programado todos os pormenores, senti a semana que antecedeu o evento passar muito rápido, era uma correria para experimentar os vestidos, acertar os últimos detalhes com o Orlando, o DJ, o coreógrafo e os demais fornecedores, no entanto, ao mesmo tempo era uma correria prazerosa, uma sensação única”, recorda. Fayla confessa que desde o começo ficou dividida entre fazer a festa ou viajar. “Minha mãe e avó Piguinha sempre sonharam com os meus 15 anos e eu fiquei muito tempo em conflito entre celebrar a data ou ‘fazer as malas’ literalmente, até que minha mãe disse: ‘a viagem você pode fazer a qualquer momento, mas 15 anos você só fará uma vez’. Logo, embora eu não estivesse totalmente convencida da ideia, minha família optou pelo baile. Mas confesso que ao chegar o grande dia, entrar no salão e ver tudo o que planejamos com tamanha dedicação se realizar foi algo mágico. Estava tudo tão lindo que o

70

que não era um encantamento para mim acabou se tornando um sonho no momento em que cheguei no Parthenon”, explica. Com a presença de aproximadamente 300 pessoas entre familiares e amigos, a aniversariante comemorou seus debut com muita elegância e animação ao som do DJ Bruno Oliveira. Durante o acontecimento ela apostou em um delicado dress branco para recepcionar seus convidados, e na valsa tradicional, usou um vestido longo estilo princesa na cor azul tiffany, peça que se transformou em um modelo curtinho para a “valsa maluca”, coreografada por Romário Moreira. A debutante também destaca suas maiores recordações do dia. “As homenagens que minha amigas e meus familiares fizeram com tanto carinho foram inesquecíveis, dançar a valsa com meu pai, avó, tios e primo também foi emocionante, e o teto de aço feito pelos oficiais da Marinha parecia coisa de filme. Isso sem falar da valsa maluca em que me diverti muito com meus amigos e da surpresa feita pelo Grupo de Rap Eloquência Clã”, comenta. “É quase impossível descrever como me senti, a emoção era imensa. Foi um misto de ansiedade e felicidade completar os tão sonhados 15 anos. Quando somos crianças pensamos em como seria ser adulto, e a cada aniversário aumenta essa expec-

tativa... Complexa essa fase, não é? Os anseios para as mudanças do corpo, a escolhas que temos que fazer e de repente precisamos ser mais maduros. Foi muito gratificante poder celebrar essa passagem ao lado das pessoas que amo, completar 15 anos é um sentimento difícil de transcrever em palavras” encerra Fayla.


ra

fe

Moda Festa

F ot

o:

Fo

t

og

Mário Coelho

Estilista e Proprietário do Ateliê Mário Coelho Moda, Festa, Noiva e 15 Anos

Vestidos

Os vestidos de festa com manga longa já foram adotados como uma excelente opção de trajes para eventos em dias mais frios. Como eles tendem a ser mais fechados, apostar nos detalhes transparentes é uma excelente maneira de deixar o look descontraído. Normalmente a transparência pode se concentrar no colo, costas e manga, e, para dar um charme a mais, vale investir em rendas e brilhos sobre o local, entretanto a harmonia deve estar presente na composição das peças.

Foto: Servando Lopes; Make Hair: Roberta Rodrigues; Vestido: Mário Coelho; Modelo: Milena Rodrigues.

Revista Fato - Julho 2017

71


q

Ro ro

Fo to: P e d

ue

Fo

tog

rafia

Karen Verazani

Blogueira e influenciadora digital, estudante de Marketing; Adepta e incentivadora de vida saudável, praticante de atividade física (Musculação e Crossfit). Site: www.madameverazani. com.br; Contato: karen@ madameverazani.com.br

O R GA N IZAÇÃO

DOMÉSTICA Que tal otimizar o ambiente da sua casa? Além de trazer mais harmonia ao local, a organização doméstica pode interferir diretamente na sua vida. Confira os benefícios: • Economia de até 30% no orçamento do lar; • Aumento do espaço útil; • Facilidade na manutenção da limpeza da casa; • Rapidez na busca por objetos e materiais; • Desperdício zero; • Maior durabilidade e conservação em todos os aspectos; • Tempo para projetos pessoais e familiares; • Qualidade de vida. Ou seja, organizar é preciso! E especialmente para que você pensa: “vou levar dias fazendo isso”, saiba que colocar a casa em ordem (literalmente) pode ser muito mais simples do que se imagina. Uma boa dica é começar separando um ambiente de cada vez; sugiro que escolha aquele em que mais se guarda entulhos e quinquilharias, toda residência tem. Feito isso, reserve um dia da semana para começar a se organizar, ligue o som e mãos a obra! 1º) Em nosso primeiro passo, precisamos apenas de um saco de lixo grande, vamos considerar que nesta fase, tudo o que não foi usado nos últimos 24 meses pode e deve ser descartado. Ou vai para o lixo ou será doado, ok? Desapegue! 2º) Caixas e embalagens organizadoras são necessárias para manter o espaço em ordem, entretanto, se a grana está curta para investir nesses itens, não vá deixar de coordenar seu espaço por isso! Vidros, potes, camisas e caixas de sapatos poderão lhe ajudar. Papel de presente, durex, etiquetas e um toque de criatividade deixarão sua arrumação linda e personalizada. Separe por seguimentos: acessórios, aviamentos, documentos, remédios... 3º) Estabeleça disciplina. Tire diariamente pelo menos 30 minutos para um cômodo específico da casa e 10 minutos para os demais, criando um rodízio semanal. Assim não acumula sujeira e nem bagunça. Desse jeito ficou fácil manter a casa organizada, não é mesmo?! Comece fazendo o simples e de repente seu lar se transformará em um novo local para ser desfrutado com qualidade por você e sua família.

Fonte: decoreprojetos.blogspot.com.br

72

Comportamento

Moda, Saúde e Beleza

O

DOM AVÓS

de ser

(E ter o melhor colo do mundo)

R

aquel de Queiroz já dizia: “netos são como heranças: você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu. Sim, tenho certeza de que a vida nos dá os netos para nos compensar de todas as mutilações trazidas pela velhice. São amores novos, profundos e felizes que vêm ocupar aquele lugar vazio, nostálgico, deixado pelos arroubos juvenis. Aliás, desconfio muito de que netos são melhores que namorados, pois que as violências da mocidade produzem mais lágrimas do que delícias”. Embora não tenha sido avó por laços sanguíneos diretos, mas pelo coração que é o mais importante, a célebre escritora e jornalista Ra-

chel parecia entender do assunto. Os netos são mesmo uma dádiva. Não deve haver nada mais gracioso do que ver seu próprio filho conceber a vida a outra pessoa. E convenhamos que para os pequenos, não há nada melhor do alguém que possa mimá-los. Quem não ama passar aquela tarde gostosa na casa dos avós? Comer várias guloseimas que os pais não deixam, fazer “arte” ou ouvir a mesma história pela milésima vez são programas que só se fazem no lar desses amados velinhos (as vezes nem tão velinhos assim). Tal qual é maravilhoso para o neto ter alguém que possa lhe dar colo, os avós são maravilhados com o dom que Deus lhes concedeu.


AMÉLIA ROSA MEIRELES CANDIAN, 52 ANOS: A VOVÓ SURPRESA

Pedro Roque Fotografia

Amélia se tornou avó aos 45 anos, ela conta que tomou um susto quando recebeu a ligação da cidade onde seu filho João Paulo morava. Ao telefone estava a namorada dele, Poliana, quem lhe deu a notícia sobre a gravidez. Apesar de a novidade ter sido bastante inesperada, a então futura vovó deu todo o apoio necessário, acompanhando a gestação à distância. “Participei de tudo e a cada notícia era uma emoção diferente. Comprava coisas diversas para o Cauã e quando ele nasceu fiz questão de levar o enxoval. Eu estava em êxtase, como se estivesse sendo mãe outra vez”, revela. Anos depois os filhos Monique e Rafael disseram à Amélia que também seriam pais simultaneamente, uma surpresa dobrada! Os netos nasceram com pouco tempo de diferença, sendo Matheus no dia 03 e a Alicia dia 11 de março. De repente a família aumentou de maneira impactante e especial. “Não se explica essa sensação de prazer e alegria. É um sentimento maior, um amor incomparável”, diz. Aos 52 anos ela cuida dos netos para os pais trabalharem, e sempre que pode busca o mais velho que mora com a mãe em outra cidade. A vovó diz que quando Cauã, Matheus e Alicia se juntam é uma festa e fica contente de vê-los brincando unidos. “Adoro ir com eles para o clube, a gente se diverte muito junto, estar com esse trio é meu melhor passeio”, revela. “Ser avó é amar em dobro, cuidar em dobro e desejar o bem a família. Amar todas as horas do dia, preocupar e receber todo o carinho que eles têm a nos oferecer. É uma sensação de muito orgulho ter meus netos por perto e sermos tão felizes. É um sentimento recíproco munido de cuidados e muito carinho”, encerra.

FRANCISCO MARINO DE AZEVEDO, 75 ANOS: O VOVÔ CORUJA Tem vovô de primeira viagem na área! Francisco ganhou seu primeiro netinho há 11 meses. A novidade veio através do telefonema de seu genro Luciano dizendo que sua esposa, Marina, estava grávida. Apesar da distância, ele acompanhou tudo, algumas vezes de perto e outras via telefone ou internet pelo fato da filha morar em Belo Horizonte e Marino em Ubá. “A emoção foi tamanha que não me contive, as lágrimas brotaram, faltou fôlego. Foi a melhor notícia que eu poderia ter recebido, um grande sonho que se tornou real”, comenta. A ansiedade se instalava, Francisco andava sempre de olho nas vitrines das lojas infantis almejando que o tempo passasse rapidamente a fim de que pudesse conhecer o bebê. Meses depois o pequeno veio ao mundo trazendo uma emoção que segundo o avô é indescritível. “Ter aquele pacotinho, todo embrulhadinho nos braços, realmente é mágico. A preocupação com o jeito de pegar para não machucá-lo e todos os demais cuidados eram substanciais, porém o mais importante naquele momento era agradecer a Deus pela chegada do meu João”, explica. Para o administrador de empresas e estudante de Direito, a distância é o que mais machuca. Ele conta que quando não pode estar perto do neto, tenta se contentar com fotos e vídeos enviados por sua filha. “Sou avô coruja, confesso. Do tipo babão mesmo. O pensamento fica voltado direto para ele. Uma vontade grande de ver e ter notícias frequentemente. As preocupações são constantes e não vejo como ser diferente. Melhor seria estar perto o tempo todo”, confessa. Marino se recorda do grande dia em que João veio ao mundo. “Nada é tão especial quanto o primeiro contato. A primeira vez que o vi, que peguei no colo, senti o seu cheirinho e escutei o chorinho... Isso tudo fez com que o momento se tornasse único. Uma lembrança que ficará congelada na memória para sempre. Quando eu achava que já havia recebido tudo de Deus, Ele me fez avô!”, ressalta. Francsico se emociona ao falar sobre a sensação de ter um neto. “Ser avô é voltar ao passado, viajar a um tempo gostoso, buscar na memória momentos encantadores vividos com os filhos e, com certeza, realizar muitas coisas que não foram concretiadas. Quero adoçar a minha vida e a do João, andar de quatro só para vê-lo sorrir e voltar a ser criança para quem sabe, satisfazer alguma vontade dele. Amo intensamente meu neto”, conclui. Revista Fato - Julho 2017

73


Comportamento

EMÍLIA MARIA AZEVEDO DA SILVA, 53 ANOS: A VOVÓ JOVEM O nascimento da primeira neta de Emília aconteceu quando ela tinha apenas 37 anos. Segundo a avó foi uma surpresa para a família toda, pois sua filha Samantha ainda era nova, mas mesmo assim todos ficaram felizes e emocionados com a chegada da pequena Júlia. Ela acompanhou toda a gravidez ao lado da filha e ressalta que o sexo do bebê não era relevante naquele momento, o mais importante era que a criança viesse com muita saúde. “E então chegou o tão esperado momento. Segurá-la no colo e ter o privilégio de dar o primeiro banho foram as emoções mais maravilhosas que senti. A sensação de carregar um neto nos braços é maior do que a de carregar um filho. São poucas mulheres que têm o privilégio de ser avó na minha idade”, revela. Logo vieram outros netos para alegrá-la. Segundo Emília sua relação com eles é muito boa, logo tenta passar bastante tempo ao lado de todos e aproveitar esses momentos especiais. Aos 53 anos a vovó é contemplada com Júlia, a mais velha, que fez 16 anos recentemente e Henrique de 12 anos que são filhos da Samantha. Já Lucas de 2 anos e a pequenina Manuella de apenas 5 meses são filhos do Celso. Seu filho Francisco ainda não é papai. Com o interior repleto de gratidão e a presença de quatro vidas especiais em sua existência, Emília encerra: “agradeço a cada dia pelos queridos netos que tenho. Amo muito vocês!”

RONALDO MAZZEI, IDADE SECRETA. O VOVÔ POETA Ronaldo se tornou vovô há apenas 12 meses, mas ele revela que desde o casamento de seu filho Rodrigo e sua nora Paula, estava aguardando a notícia. E não demorou muito para ser premiado com o neto Rafael, tão esperado por toda a família. Nesse período, a sua outra filha Renata já comprava várias roupinhas para o sobrinho. Ronaldo nos conta que não há como descrever a sensação de pegar um neto no colo. “Queria ser um Drumonnd ou um Vinicius de Moraes para empunhar a pena e escrever algo assim – O brinquedo mais simples, aquele que qualquer menino é capaz de fazer funcionar, chama-se Avô”, diz. O então aposentado que está concluindo o curso de Jornalismo fala que o neto o aciona como uma espécie de pilha, interagindo como se ambos fossem da mesma idade. “Sou sim, um avô coruja assumido! Recomecei, em todos os sentidos. Sou outro homem, a felicidade, esta coisa inexplicável, bateu à minha porta, e chegou como um vinho do Porto, do qual tomo um cálice a cada dia. Vou prolongando essa alegria com o Rafa indefinidamente, depois vou dividir com o segundo, o terceiro, o quarto neto e por aí em diante”, comenta. O sentimento e a emoção de ter uma nova geração em sua família, Ronaldo chama de “indescritível” e fala também da satisfação em ver todos reunidos tomando um bom vinho e jogando conversa fora na mesa de jantar. Além é claro, do grande amor que tem pelo bebê que acabou de completar 1 aninho. “São inúmeras as definições que afloram nesta cabeça, mas digo que ser avô é dar carinho em dobro, em triplo, carinhos mil ou sem fim”, revela. “Os pais criam nossos netos repassando os ensinamentos que receberam. E acredito que tanto eu como a Bibi – minha falecida mulher que sonhava em ser uma vovó corujíssima – e os outros avós, a Lucia e o Zé Aroldo, criamos o Rodrigo e a Paula orientando-os para seguir os caminhos da retidão. O resultado dessa receita é que eles criam e nós colaboramos (e atrapalhamos um pouco, é claro) fazendo escondido as vontades dos netos”, encerra. 74

Revista Fato - Julho 2017


Revista Fato!  

Edição 68

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you