__MAIN_TEXT__

Page 1

Revista do Turismo

|1


2 | Revista do Turismo


Revista do Turismo

|3


Sumário ............................................................................................................

Novos caminhos N

ada como o sabor da missão cumprida, após o labor. E podemos dizer que estamos felizes. Agora, realizando a importante etapa de aprimoramento e renovação de nossa revista nos meios de compartilhamento de informações: as redes sociais. A velocidade do compartilhamento chegou a patamares imensuráveis em função das redes sociais. Em segundos, é possível atingir milhões de pessoas no planeta. Mas o feito tem seu lado nebuloso: a partilha de informações falsas (fake news), muitas vezes, de origem desconhecida. Frente ao desafio de garantir segurança e credibilidade às informações recebidas, a Revista do Turismo lança suas redes na internet, respaldada em quase 20 anos de experiência – criada em 1999 –, para alcançar milhões de leitores no mundo inteiro. Novos ares. E nessa inesquecível viagem sua presença, caro leitor, é fundamental. Contamos com você. Conte também conosco! Modesto Gomes Lopes Presidente da Revista do Turismo

6 Turismo abre negociação com investidores internacionais motivados em investir US$ 2,3 bilhões no Brasil

8

10

12 - Artigo

13 - Artigo

Coluna Passaporte, com Arnaldo Martins

Alfredo Lopes: não se promove competitividade sem equiparação fiscal

445 mil brasileiros embarcaram em cruzeiros marítimos em 2017

Fernando Blower: para chegar aonde queremos

Expediente Presidente: Modesto Gomes Lopes • Diretor Geral: Vagner Lopes • Diretor Executivo: Arnaldo Martins • Editora: Akiko Tanabe • Redação: Andreia Nascimento e Isabelle Machado • Design: Marcelo Fraga • Consultores: Gilson Campos, Sávio Neves, Carlos Lacerda • Assistente: Daniela Azevedo • Redação: (21) 2466-0404 / 98087-0143 – redacao@revistadoturismo.com.br • Publicidade: (21) 2466-0404 / 98201-8529 – comercial@revistadoturismo.com.br – Os artigos publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Preços e tarifas contidos nas matérias ou anúncios estão sujeitos a alteração sem aviso prévio.

4 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

14

18 Cristina Bocayuva

Ministério do Turismo prevê a criação de dois milhões de empregos

30

Campismo: Camping Clube do Brasil preserva a natureza com aulas ao vivo Alexandre Sampaio defende diálogo com plataformas digitais

21 - Artigo

Marcelo Veloso: Por uma viagem mais segura

22

Chapada Diamantina: da cultura garimpeira ao turismo de aventura

24

8 piscinas naturais no Brasil e no Mundo para visitar ao menos uma vez antes de morrer

32 - Artigo

Luciano Barreto: Brasil, meu Brasil brasileiro!

34

Estrangeiros superam gastos com viagens pelo Brasil

36 Turismo Religioso: segmento movimenta 15 bilhões anuais no Brasil

37

Pestana Porto - A Brasileira inicia operações, em Portugal, em regime soft opening

39 - Artigo

Cristina Fritsch: O eterno potencial do Rio

40

Bruges, a cidade medieval mais preservada da Bélgica

42

Brasil bate recorde e conquista, cada vez mais, turistas internacionais

44

Transilvânia: cidade marcada por lendas e arquitetura medieval na Romênia

46

Visite e conheça a Rússia de forma econômica

48

28

Conservatória: palco iluminado das maravilhosas serestas

38

O farol abandonado que virou torre de igreja

Uma viagem à terra da Tequila no México: vulcões, costumes e a marca de Patrimônio da Humanidade pela UNESCO

Revista do Turismo

|5


Investimento.......................................................................................................

Turismo abre negociação com investidores internac motivados em investir

US$ 2,3 bilhn 6 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

cionais r

hões no Brasil

R

epresentantes do governo brasileiro iniciaram, em março, negociações com empresários internacionais interessados em investir no Brasil. Coordenados pelo Ministério do Turismo, representantes de diversos estados brasileiros apresentaram, durante o principal evento mundial do setor imobiliário, o Mipim, em Cannes, na França, uma cartela de US$ 2,3 bilhões em projetos em desenvolvimento no Brasil. Na lista estão hotéis, parques temáticos, marinas e centro de convenções. Como resultado de edições anteriores do MIPIM, o Brasil conseguiu captar o primeiro empreendimento da rede hoteleira internacional Six Senses na América do Sul. O projeto de US$ 1,5 bilhão será construído no Rio Grande do Norte, a 90 quilômetros da capital, Natal, em uma área de 2,5 mil hectares. "Com certeza teremos outros investimentos no Brasil. Temos analisado algumas opções no Rio e Janeiro e em São Paulo. O Brasil tem uma série de áreas que se encaixam no nosso perfil de investimento. É nossa prioridade para os próximos sete anos", afirmou o presidente da Six Senses, Wolf Hengst. "Este é o melhor momento para se investir no Brasil. Após uma longa crise, o país registra desde o segundo semestre

‘‘

do último ano sinais claros e incontestes de recuperação", afirmou o secretário nacional de Estruturação do Turismo, José Antônio Parente. Ele ressaltou que o Brasil é a sétima maior economia do mundo, tem um mercado consumidor de turismo com mais de 60 milhões de pessoas e dispõe de linhas de crédito para boas iniciativas. "O Brasil despertou para as suas potencialidades e promoveu reformas estruturantes capazes de desatar nós que travavam o desenvolvimento do país há décadas", completou o secretário. As reformas promovidas pelo governo e o pacote de medidas voltadas para melhorar o ambiente de negócios do turismo no Brasil também foram abordados. Os representantes do governo brasileiro enfatizaram a redução da inflação e crescimento do PIB para estimular os investidores a apostarem no país. Especificamente no turismo, destaque para a implantação do visto eletrônico para o Japão, Austrália, Canadá e Estados Unidos, dentro do Brasil + Turismo, que tem a meta de inserir 40 milhões de brasileiros no mercado de viagens e promover um salto na chegada internacional dos atuais 6,6 milhões para 12 milhões de turistas estrangeiros até 2022.

Este é o melhor momento para se investir no Brasil. Após uma longa crise, o país registra desde o segundo semestre do último ano sinais claros e incontestes de recuperação Revista do Turismo

|7


Arnaldo Martins Passaporte................................................................................................ E-mail para esta coluna: arnaldomartins@revistadoturismo.com.br

Aerolíneas Argentinas lança rota Rosário-Rio em outubro A Aerolíneas Argentinas realizará uma apresentação oficial de seu novo voo para o Brasil, trecho RosárioRio de Janeiro, no dia 05 de setembro, às 9:00 horas da manhã. A cerimônia acontecerá no consulado da Argentina, na Praia de Botafogo, Rio de Janeiro. 0s vôos serão di-

retos de Rosário para o Rio, a partir da noite do dia 1 de outubro, retornando à cidade argentina de madrugada. Serão três frequencias semanais, que aumentam para quatro em novembro e para cinco em dezembro de 2018. O equipamento será um Embraer 190.

Homenagem ao jornalista Gilson Campos

O jornalista Gilson Campos, assessor de imprensa da Infraero durante anos, foi homenageado recentemente por um grupo de jornalistas, ex-funcionarios e amigos no restaurante Veleiro, no Iate Clube Jardim Guanabara. Recepcionado pelo jornalista Alzir Rabello, diretor de Comunicação do clube e diretor-editor do jornal Golfinho, dedicado à Ilha do Governador. Entre os presentes, Eliane Marques de Souza Ramos e marido, o advogado José Carlos Motta, o empreendedor e diretor do facebook.com/galeãoilha, Alexandre Oliveira. Arnaldo Martins representou a RT, de onde Gílson integra o Conselho Editorial. Gilson atuou em vários jornais do país (Correio da Manhã, Última Hora, Estado de São Paulo).

Hotel Malibu a dez passos da praia O Malibu Palace, quatro estrelas de Cabo Frio, na Região dos Lagos, tem além de sua ampla estrutura um grande apelo: os hóspedes já podem sair preparados para um belo banho na badalada Praia do Forte, a cerca de dez passos da entrada do sol às suas brancas areias. Na foto, sua Gerente Geral, Mere Thomas, recepcionando Alexandre Oliveira, um dos criadores do facebook.com/galeão ilha.

8 | Revista do Turismo

Camping Clube do Brasil festeja seus 52 anos O Camping Clube do Brasil, a maior rede do País, completou, em julho, 52 anos de atividades. Com várias unidades no Rio – capital e Estado – cobre também destinos importantes como o Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas, Alagoas, Rio grande do Norte. Veja como participar dessa bela atividade em www.campingclube.com.br. Ademar Moésia, diretor executivo, é um dos grades entusiastas pelo pioneirismo do campismo na preservação do meio ambiente no Brasil. NOTA 10, professor. ••••

Campismo, uma hospedagem econômica

Na hora de viajar, vale a pena planejar-se para as alegrias do passeio não pesarem no orçamento do casal e/ou da família. O campismo, nos tempos atuais, continua sendo, mais do que nunca, uma forma agradável de viver o melhor da natureza e ainda dispor dos meios básicos para bons momentos de compras e diversão. Basta uma boa barraca, um trailler ou um moto-home. Aí, a festa está completa. Campos do Jordão (SP) pode ser uma boa opção. O Camping Clube do Brasil mantém na cidade um acampamento que possibilita um excelente fim de semana. Quem é sócio ou convidado, ainda, pode curtir o frio da montanha e o delicioso sabor de um chocolate bem quente. Quem gosta do melhor da natureza pode se associar, se hospedar pelo país com hospedagem bem econômica e, se quiser, dormir em um confortável trailer. Consulte o Disque-Camping: (21) 25320203 / 3549-4978 ou acesse: www.campingclube.com.br.


Revista do Turismo

|9


Cruzeiros ...........................................................................................................

445 mil brasileiros embarcaram em cruzeiros

marĂ­timos em 2017

10 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

A

unidade brasileira da Cruise Lines International Association (CLIABrasil) fechou um relatório que analisa o perfil de cruzeiristas no Brasil. De acordo com a entidade, 445 mil brasileiros embarcaram em navios de cruzeiros em 2017. Apesar do número ser 4,2% menor em relação a 2016, a entidade avalia que o setor navegou em linha com a reação da economia nacional. “Seguindo o crescimento econômico do Brasil, tivemos um primeiro trimestre de 2017 fraco (230 mil cruzeiristas) com queda de 28% em relação a 2016 (318 mil). A partir do segundo trimestre, com a economia brasilei ra também avançando, já tivemos um aumento de 26% (69 mil cruzeiristas) e no terceiro crescemos 17% (35 mil). No quarto trimestre os números realmente mostram um forte resultado, aumento de 79% (111 mil) em relação ao ano anterior”, explica Marco Ferraz, presidente da CLIA-Brasil. “O fato do total de passageiros de 2017 ser apenas 4,2% inferior em relação a 2016 reflete um quadro estável, porém o crescimento expressivo do

quarto trimestre nos dá uma grande expectativa para 2018”, completa Ferraz, amparado também pela oferta de 430 mil leitos da temporada 2017/ 2018, com fechamento agora em abril, considerando apenas os destinos brasileiros. A previsão para o próximo período 2018/2019, com início em novembro desse ano, prevê um aumento de 13% apenas nos itinerários nacionais. Outra análise que traz o relatório é em relação aos destinos mais procurados pelos brasileiros em 2017. No ano passado, 105 mil viajantes saíram do país a bordo de um cruzeiro com destino ao Caribe (aumento de 4,4% – 2016), mas os destinos mais procurados foram Panamá e América do Sul, com 278 mil passageiros. “Podemos observar também uma procura relevante por cruzeiristas brasileiros por águas europeias, considerando o Mediterrâneo, Países Bálticos, Ilhas Canárias e norte europeu”, destaca Ferraz. Somados esses destinos do velho continente receberam 39 mil turistas brasileiros no ano passado.

O estudo mostra ainda uma mudança no comportamento do brasileiro em busca de novidades quando o assunto são destinos de cruzeiros. Pela primeira vez no período 2016 e 2017 foi percebido uma procura pelo Alaska e pela África do Sul, com quatro mil cruzeiristas. Ainda no mesmo documento, é possível afirmar também que apesar da idade média de viajantes (44 anos) ter ficado estável, houve um crescimento na taxa que mede o número de dias a bordo de um navio, de 6,8 para 6,9 dias. “Isso mostra que o mercado de cruzeiros no Brasil amadureceu em termos de público frequente, que busca itinerários mais longos”, afirma Marco Ferraz. Também é evidente que roteiros de menos de 13 dias são mais requisitados por cruzeiristas de menos de 48 anos e pacotes acima de 14 dias são procurados por viajantes com mais de 56 anos.

Fonte: Clia Brasil /ABAV Nacional

Revista do Turismo

| 11


Alfredo Lopes* Artigo.......................................................................................................

Não se promove competitividade sem equiparação fiscal

I

mpulsionado pelo maior evento esportivo do mundo, o Rio de Janeiro chegou a 2017 reposicionado no cenário turístico mundial e renovado para receber visitantes de todo o mundo. A infraestrutura de transportes públicos nunca esteve tão boa. Há novos museus e novas opções de entretenimento. Os serviços foram qualificados e testados maciçamente durante as Olimpíadas. E, especialmente no segmento de hospedagem, há novas e renovadas opções para todos os perfis de viajantes. O cenário, porém, é desafiador. Especialmente para a hotelaria, que trabalha com ocupação na casa de 50%, pelo ajuste natural do incremento da oferta, mas também pelo novo momento que político e econômico que vive o Brasil e o Rio de Janeiro. Diante desta baixa ocupação, uma prática polêmica no setor de acomodações voltou a ganhar as manchetes após o Sebrae, em concordância com os pleitos das lideranças nacionais do turismo

e hotelaria, voltar atrás em convênio realizado com a plataforma de hospedagem. A empresa, de origem norte americana, alegou que o Sebrae agiu por pressão de grandes empresários do ramo, prejudicando pequenos comerciantes e empreendedores, e acusou a ABIH Nacional de estar praticando reserva de mercado. No Rio de Janeiro, onde a rede hoteleira investiu mais de 10 bilhões de reais e dobrou a oferta de 30 mil para 60 mil quartos, em função dos esforços para sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas 2016, o tema ganha ainda mais evidência. Por aqui, investimos pesado para atender a uma demanda da ampliação da oferta de leitos e chegar ao que podemos seguramente chamar de ‘A rede hoteleira mais moderna do país’. A cidade tem, atualmente, 855 estabelecimentos de hospedagem, sendo 45 mil quartos em hotéis, flats e motéis, e cerca de 15 mil leitos em albergues, pousadas e pensões. São números impressionantes em um espaço tão curto de tempo, o que mostra a enorme mobilização e investimento privado no turismo receptivo. Segundo estimativa recente do Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro, o setor de hospedagem ocupa atualmente o sexto lu-

gar em arrecadação de ISS, ficando atrás, somente da educação, saúde, informática, construção civil e mercado financeiro. Em 2016 a hotelaria gerou 130 milhões de ISS para os cofres públicos. Em 2015 foram 125 milhões. O pico de arrecadação de ISS pelo setor hoteleiro ocorre nos meses de julho e agosto e, também, no mês de janeiro, refletindo a sazonalidade natural do setor decorrente dos períodos de alta temporada e férias. Em arrecadação de IPTU, o setor recolheu 88,8 milhões em 2016 para o município, também em sexto lugar na posição de maiores contribuintes. Não é pouco. Temos uma carga tributária altíssima e geramos, somente no Rio de Janeiro, pelo menos 180 mil postos de trabalho. O cálculo leva em consideração que cada quarto de hotel gera cerca de 3 empregos, sendo um direto e dois indiretos para o setor. Somos uma cidade de vocação turística que, mesmo em um cenário de crise acentuada, continua gerando emprego e renda para milhares de família. Diante de toda crise política e financeira, onde o setor registra baixa ocupação média e altíssima ociosidade de leitos, ainda precisamos enfrentar essa concorrência desleal de uma plataforma milionária, que reúne imóveis que não recebem nenhuma fiscalização e não representa segurança e garantia de bons serviços ao seu público, além de, tampouco, gerar emprego e capacitação para a população onde estão instalados. Nossa indústria não briga por “reserva de mercado” e sim por equiparação fiscal. Não se promove competitividade fomentando atividades informais. * Alfredo Lopes é presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro – ABIH-RJ

12 | Revista do Turismo


Fernando Blower* Artigo.......................................................................................................

Para chegar aonde queremos C

rise econômica, impostos altos, desemprego. Não é de hoje que o SindRio chama a atenção para problemas que afetam a população, o turismo e o segmento de alimentação. Os assuntos não são novos, mas persistem e nos incomodam bastante, já que a cidade tem um potencial enorme. Há áreas que fortalecem a imagem turística do Rio e os bares e os restaurantes espalhados pelo município estão entre elas. E não é apenas no turismo. O setor é fundamental para a economia da cidade. Em 2017, o segmento no Rio movimentou R$ 8,5 bilhões, mesmo com todos os percalços e problemas que vêm enfrentando ao longo dos últimos anos. Não é fácil chegar à casa dos bilhões em meio a um cenário econômico que não é bom e sem receber incentivos. Não foram todos os setores que conseguiram ter resultados semelhantes. Isso

prova a força do nosso segmento. De botequins a restaurantes refinados – todos já fazem parte da cultura da cidade. Investir na existência deles deveria estar entre as prioridades. No ramo fiscal, por exemplo, grandes estabelecimentos – as empresas de Lucro Presumido – lutam para reduzir o ICMS, que está em 12%. Já em outros estados a taxa é de até 3,5%. O alto custo impacta diretamente na receita e é um dos fatores que faz com que muitas casas tenham dificuldades para fechar o mês no azul. Pequenos, médios e micro estabelecimentos são afetados de outras formas. E tudo isso impacta, sim, na empregabilidade. Demitir pessoal é o que nenhum empresário quer, porém muitas vezes não há saída. Entre janeiro de 2017 e abril de 2018, o total de empregos com carteira assinada gerados em bares e restaurantes na cidade diminuiu em 1.463 vagas. O desemprego traz consequências diretas na

economia, reduzindo sobretudo o consumo de forma geral. Mas observamos um dado curioso: no mesmo período, para micro negócios, de até nove empregados, houve saldo positivo de 7.243 postos. Esse crescimento trouxe mais uma pontinha de esperança. Ainda sobre empregabilidade, o cenário pode ser duro, mas para nós está muito claro que quem se qualifica pode sair na frente. Para se fortalecer no mercado de trabalho, é preciso investir em si e no próprio negócio. O SindRio vem se dedicando na reformulação da sua grade de cursos para se adaptar à nova realidade. O Programa de Gestão e Carreira é o resultado disso. É muito importante que a cidade tenha projetos nessa linha, que capacitem, qualifiquem e especializem mais ainda nosso setor. Sabemos que há pontos negativos, mas temos a certeza da força do segmento de bares e restaurantes para a cidade e do potencial do Rio para o turismo. O município também tem condições para ter uma economia mais sólida. Querer é o primeiro passo. De nossa parte, continuaremos a lutar pelo nosso setor, por melhorias e por boas notícias. Do que foge a nossa alçada, é nosso dever sinalizar e cobrar soluções. Unir forças é um caminho para chegar aonde queremos. * Fernando Blower é presidente do SindRio – Sindicato de Bares e Restaurantes do Município do Rio de Janeiro.

Revista do Turismo

| 13


Desenvolvimento.................................................................................................

Ministério do Turismo prevê a criação de dois milhões de

empregos

O

Ministério do Turismo lançou no dia 27/3 o Plano Nacional do Turismo 2018-2022, instrumento que estabelece diretrizes e estratégias para a implementação da Política Nacional de Turismo até 2022, durante a 51ª reunião do Conselho Nacional de Turismo (CNT). O documento traz como metas a criação

14 | Revista do Turismo

de novos dois milhões de empregos, o aumento do número de turistas nacionais e internacionais, além da ampliação da receita gerada pelo setor. “O Plano Nacional do Turismo 20182022 foi construído de forma coletiva. Temos em mãos um instrumento que direciona políticas efetivas, orienta os

gestores sobre as prioridades do setor e traz metas factíveis para o Brasil se tornar uma potência mundial no mercado de viagens”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão. A base do PNT 2018-2022 foi construída dentro de Câmara Temática constituída para este fim, no âmbito do


..........................................................................................................................

ESTRUTURA DO PNT 2018-2022 Com base no diagnóstico do setor, o PNT adota diretrizes voltadas para o fortalecimento da regionalização, melhoria da qualidade e competitividade do setor, passando pelo incentivo à inovação e promoção da sustentabilidade. A partir dessas diretrizes, foram traçadas cinco linhas de atuação que vão nortear a atuação sinérgica entre os entes públicos nas esferas federal, estadual e municipal para o alcance das metas propostas no documento. São elas o Ordenamento, gestão e monitoramento; Estruturação do turismo brasileiro; Formalização e qualificação no turismo; Incentivo ao Turismo Responsável; e Marketing e apoio à comercialização.

Foram propostas, também, 17 iniciativas e 44 estratégias que poderão ser adotadas para consecução do PNT. METAS O novo Plano Nacional de Turismo prevê ampliar, até 2022, o número de empregos gerados pelo setor, passando de 7 milhões para 9 milhões de postos de trabalho. Também foram traçadas metas para o turismo doméstico – com a inserção de 39,7 milhões de brasileiros no mercado consumidor de viagens; aumento no número de turistas internacionais no país, passando de 6,6 milhões para 12 milhões; e da receita advinda desses turistas, saindo dos atuais US$ 6,6 bilhões para US$ 19 bilhões em 2022.

Elevador Lacerda, um grande símbolo de Salvador-BA

Conselho. Estruturada as diretrizes, as técnicas responsáveis por cada tema dentro do MTur trabalharam no desenvolvimento das linhas mestras, iniciativas e estratégias para conquista das metas apresentadas. Para o coordenador da Câmara Técnica do PNT e presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, Alexandre Sampaio, o Plano Nacional de Turismo 2018-2022 norteia as ações do setor, dando caminhos e orientações para o Brasil avançar no mercado de viagens. ''O documento foi construído como uma proposta nacional para o setor de turismo, propondo caminhos modernos para alcançarmos, de forma célere, nossos objetivos. É um Plano amplo e propositivo, que pode ser ajustado ao longo dos anos para se adequar à realidade de nosso setor'', disse Sampaio.

O documento traz um panorama do mercado de turismo hoje no Brasil e no mundo, identifica os gargalos e elenca as iniciativas e estratégias prioritárias. Como novidade, o PNT 2018-2022 aborda temas como o incentivo a soluções de segurança pública que envolvam o setor turístico e integrem os planejamentos estaduais e municipais, como uma das estratégias fundamentais para a qualidade da experiência no país; a instituição de uma rede nacional de observatórios de turismo; o fortalecimento do trabalho compartilhado em redes de conhecimento; o estímulo ao desenvolvimento de destinos turísticos inteligentes, com foco na inovação e tecnologias interativas e criativas; e a elaboração de um Plano Integrado de posicionamento da imagem do Brasil. Fonte: Mtur

Corcovado, boas vindas do Rio e do Brasil

Revista do Turismo

| 15


16 | Revista do Turismo


Revista do Turismo

| 17


Mercado ...........................................................................................................

Edson Chaves Filho

Alexandre Sampaio defende diálogo entre redes hoteleiras e plataformas digitais

Alexandre Sampaio defende diálogo com plataformas digitais 18 | Revista do Turismo

Para o presidente da ABIH-RJ, é necessário que atividades ligadas às novas tecnologias sejam reguladas pelo Estado e recolham tributos


..........................................................................................................................

O

presidente da Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (FNHRBS), Alexandre Sampaio, defendeu a ampliação do diálogo entre redes hoteleiras e plataformas digitais de hospedagem como forma de conquistar um acordo que traga equilíbrio aos negócios do segmento. Para isso, sustentou, é necessário que todas as atividades ligadas às novas tecnologias sejam reguladas pelo Estado e recolham os tributos devidos. Ele participou em 21 de março, na Câmara dos Deputados, de audiência pública que debateu o tema Aplicativos de Tecnologia em Turismo, na Comissão Especial do Marco Regulatório da Economia Colaborativa, presidida pelo deputado Herculano Lopes (PSD-SP). A Comissão Especial, de acordo com Sampaio, que também é presidente do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), tem um papel fundamental por colocar em debate uma questão muito delicada: o uso exponencial da tecnologia nos negócios. “Essas atividades empresariais se desenvolvem muito rapidamente, numa velocidade que, infelizmente, o Legislativo e o Executivo não têm condições de acompanhar para poder contemplar as mudanças necessárias”, justificou. “Países com melhor organização administrativa e/ou tributária têm mais agilidade e os municípios têm grande força política para lidar com o problema. No Brasil, ao contrário, as plataformas digitais navegam de forma fluida e muito informal, aproveitando o vácuo da Lei de Locações”, observou. O que defende a federação Durante a audiência, o dirigente listou o que defende a FNHRBS. É preciso pôr no projeto de modernização da Lei Geral do Turismo a questão das plataformas de

‘‘

Essas atividades empresariais se desenvolvem muito rapidamente, numa velocidade que, infelizmente, o Legislativo e o Executivo não têm condições de acompanhar para poder contemplar as mudanças necessárias

hospedagem sendo reconhecidas como tal. Sampaio considera isso fundamental, bem como a adequação à legislação de segurança do empreendimento e respeito à Lei do Consumidor. Além disso, é importante modificar artigos do Projeto de Lei Complementar nº 116/2003 (dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, de competência dos municípios e do Distrito Federal), com a incidência do tributo passando à responsabilidade das plataformas digitais no local da hospedagem. E, finalmente, tributação de 5% do montante arrecadado por elas. Diante da queixa dos representantes das plataformas digitais na reunião, Alexandre Sampaio argumentou que a despesa gerada pela tributação será repassada para quem adquire a hospedagem. Então, o anfitrião vai continuar determinando qual valor quer receber, ou seja, o custo da tributação será repassado ao cliente. O presidente da federação dos hotéis reconheceu, porém, um pequeno conflito. A locação não regulamentada em 90 dias incorre numa dualidade dentro dos Secovis, que também são representados pela CNC. Os Secovis reúnem incorporadores, vendedores, intermediários de serviços e lo-

cadoras, o que torna complexo um acordo diante da disparidade de interesses. “Defendemos a alteração da Lei de Locações, fixando um período mínimo de 30 dias para a locação por temporadas, o que permitiria não competir com os Secovis, os quais continuariam com uma margem de comercialização nesse segmento acima desse prazo. Creio que esse é o caminho do consenso.” Outra questão é conseguirmos uma redução dos tributos incidentes sobre os hotéis. Mas, infelizmente, o tema cai na tão adiada reforma tributária. Apesar do otimismo com o diálogo e os avanços prováveis nas negociações entre representantes das redes hoteleiras e plataformas digitais de hospedagem, Alexandre Sampaio não acredita em acordo este ano. “Nesta legislatura não há mais clima por que o foco daqui pra frente são as eleições, que mobilizarão deputados, senadores e o Executivo”, afirmou. Participantes Além de Herculano Lopes, que também preside a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo, participaram da audiência o relator da Comissão, deputado Thiago Peixoto (PSD-GO), e parlamentares que integram o colegiado. Representantes de várias empresas e segmentos deram depoimento: Larissa Peixoto, coordenadora de Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo; Flávia Matos, gerente de Políticas Públicas da Airbnb no Brasil; Manoel Cardoso Linhares, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis; e Gustavo Dias, diretor Jurídico para a América Latina da Expedia Inc. Também presente à reuniã o, o representante da Decolar.com, Wagner Martin, abriu mão de falar. Fonte: CNC.ORG.BR

Revista do Turismo

| 19


20 | Revista do Turismo


Marcelo Veloso* Artigo.......................................................................................................

Por uma viagem mais segura

V

amos falar de forma dinâmica, de uma modalidade de Seguro, que às vezes não é percebida pelo viajante na hora de planejar sua viagem, principalmente em vôo doméstico e até mesmo quando os destinos são os países da América do Sul. O Seguro Viagem é obrigatório na grande maioria dos Países e tem como finalidade garantir a tranquilidade e segurança frente aos riscos e imprevistos que podem ocorrer antes e durante sua viagem. Para alguns destinos, a contratação do Seguro Viagem é obrigatória. Por exemplo, o tratado de Schengen, assinado pela maioria dos membros da União Européia, estabelece a obrigatoriedade da assistência médica para turistas no valor mínimo de EUR 30mil, visando garantir eventuais gastos médicos em caso de doenças ou acidentes. O acordo conta com a adesão de mais de 30 países, como: França, Alemanha, Bélgica, Espanha, Itália, Portugal, entre outros.

A contratação do Seguro Viagem nas viagens nacionais tem sido procurado principalmente por pessoas que possuem Planos de Saúde Regional e aquelas que já estão “calejadas” com extravio de malas, possibilidade de perda de documentos, além de atraso do vôo. A grande vantagem do Seguro Viagem está em sua ampla cobertura, como: despesa médicas hospitalares e odontológica,

perda de bagagem, atraso de vôo, documentos (extravio/furto), despesas farmacêuticas, além do seguro de vida do segurado. Vale esclarecer ao viajante a diferença entre o Seguro Viagem do Cartão de Crédito e o Seguro Viagem. O Seguro Viagem do Cartão de Crédito exige que a passagem seja comprada via cartão de crédito e atua com serviço de reembolso, ou seja, em caso de qualquer necessidade o viajante terá que desembolsar dinheiro frente às eventualidades ou imprevistos, como despesas médicas por exemplo, normalmente possuem valores elevados. Já o Seguro Viagem, as Seguradoras atuam com Rede Conveniada e funcionamento 24 horas para prestar toda assistência contemplada na apólice do Segurado dentro dos limites contratados. Por isso, ao planejar sua viagem, inclua o Seguro Viagem, por uma viagem sem preocupações extras, mais tranquila e com segurança. * Marcelo Veloso é Consultor Executivo da Veja Consultoria e Corretora de Seguros, com mais de 32 anos de carreira no mercado financeiro e securitário

Revista do Turismo

| 21


Ecoturismo.........................................................................................................

Chapada Diamantina: da cultura garimpeira ao turismo de aventura A

Chapada Diamantina, localizada no coração da Bahia, foi uma importante área de extração de diamantes. O território contém inúmeras grutas alagadas, cachoeiras, cânions e mirantes naturais. Considerada um oásis no sertão nordestino, possui temperaturas amenas e reduto para as nascentes. Da exploração de minérios às mais diferentes formas de turismo, a Chapada ficou conhecida mundialmente pela sua beleza cênica. A cultura garimpeira mar-

22 | Revista do Turismo

cou a sua história junto com tantas outras, dando ainda mais sentimento, sabor e identidade ao local. Com uma rica arquitetura, sendo grande parte, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o lugar é um reduto de ligação cultural entre nativos e turistas de todos os cantos. A Chapada Diamantina é a Sede do segundo maior parque nacional do Brasil e também o berço para espécies de plantas e animais exclusivas. O destino

recebe milhares de visitantes todos os anos, ansiosos por experimentar os diferentes atrativos das localidades que compõem a região, com direito a uma bela dose de adrenalina, afinal, não é à toa que a Chapada Diamantina é referência no turismo de aventura no Brasil. Agora é hora de viajar para este lugar incrível e conhecer sua cultura e história. Programe sua viagem e desfrute do que há de melhor desse belíssimo destino.


..........................................................................................................................

‘‘

A Chapada Diamantina é a Sede do segundo maior parque nacional do Brasil e também o berço para espécies de plantas e animais exclusivas

A Chapada Diamantina possui uma enorme área silvestre. Por isso, é necessário que o viajante esteja acompanhado por alguém que conheça bem cada lugar e que tenha treinamento em primeiros socorros. Em vista da dimensão do território da Chapada Diamantina e das grandes distâncias que existem entre os principais atrativos naturais e as cidades turísticas, programar uma viagem para a região requer uma atenção especial. Confira abaixo: Escolha da cidade A infraestrutura turística está instalada nos municípios de Lençóis, Mucugê, Andaraí, Ibicoara, Palmeiras, Rio de Contas e nas vilas de Igatu e Vale do Capão. Por isso, é indicado escolher essas localidades para ficar hospedado e a partir daí se organizar para conhecer os atrativos, espalhados de norte a sul.

tos com passeios e hospedagem, podem ser adquiridos pela internet no site das agências ou quando o visitante chega ao destino. Quanto ao esforço físico Na Chapada Diamantina, os passeios tendem a diferentes níveis de esforço, podendo ainda ser adequados ao perfil de cada pessoa. Os guias turísticos garantem que quem decide o ritmo da caminhada é o próprio turista e nas trilhas de percurso mais longo, são disponibilizadas a contratação de uma pessoa capacitada para levar as bagagens. Melhor época para viagens Devido ao clima semiárido, o sol é predominante durante todo o ano, com poucos períodos de chuva, contribuin-

do para o viajante escolher a época mais conveniente para si. Tempo indicado para visitas O tempo mínimo recomendado para visitar a região é de quatro dias e o ideal é pelo menos sete, período imprescindível para conhecer os pontos turísticos mais famosos. Para quem vem de ônibus ou avião Para se deslocar de uma cidade para outra não é aconselhado contar com transportes intermunicipais, pois eles não possuem um horário regular. A melhor opção é alugar um carro ou fechar um pacote com uma agência. Para quem vem de carro Nesse caso, o turista tem mais liberdade para se organizar e também programar o próprio roteiro. Antes de viajar de carro, o ideal é procurar estudar o que mais gostaria de fazer para traçar melhor o seu itinerário.

Dica para evitar problemas ao conhecer os lugares Para evitar perda de tempo nas estradas, o ideal é pesquisar o que deseja conhecer antes de reservar sua hospedagem. O que fazer na região Atualmente, diversas agências oferecem opções de roteiros para que os turistas desfrutem dos atrativos. Os roteiros variam de um a oito dias e oferecem pontos turísticos localizados no entorno do Parque Nacional da Chapada Diamantina. Pacotes compleRevista do Turismo

| 23


Lugares IncrĂ­veis .................................................................................................

8no Brasil piscinas natu e no Mundo para visitar ao menos uma vez antes de morrer 24 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

1

urais Imagens com alto grau de beleza Esqueça o conceito tradicional de piscina. Nesta seleção não se aplicam piscinas com bordas de azulejo ou água com cloro. Aqui as sugestões partem do que é belo e natural ao exótico e radical. Confira!

Piscinas naturais do Pratagy Beach, em Maceió - Alagoas Em Maceió, na exuberante Praia de Pratagy, uma das mais belas e tranquilas da região, as exclusivas e inexploradas piscinas naturais do Pratagy Beach All Inclusive Resort – Wyndham se destacam pela sua excepcional beleza. Pontuadas por peixinhos coloridos, a atração ganha forma nos arrecifes de corais nos períodos de baixa maré, que ocorrem em horários específicos e é perfeita para todas as idades. O intenso amarelado do sol, presente de janeiro a janeiro e a incrível tonalidade azul turquesa do mar de Pratagy completam o cenário dos sonhos para relaxar e curtir este imprescindível passeio.

Revista do Turismo

| 25


..........................................................................................................................

4

2 Devil’s Pool, Livingstone, Zâmbia - Zimbábue Para bom entendedor, meia palavra basta! A Devil’s Pool (Piscina do Diabo) não é para qualquer um. Cravada no alto das cataratas de Victoria Falls, fronteira entre a Zâmbia e o Zimbábue, a atração está a cerca de 100 metros de altura do chão e é considerada uma das “piscinas” mais perigosas do mundo. Para se aventurar na Devil’s Pool é preciso esperar a baixa do rio, que é entre setembro e dezembro e seguir as orientações de guias especializados.

3

Gruta do Lago Azul Bonito - Mato Grosso do Sul

Cartão postal de Bonito, no Mato Grosso do Sul, a Gruta do Lago Azul faz jus a fama e é simplesmente deslumbrante. O lago, que tem cara de piscina, oferece águas incrivelmente azuladas e com profundidade estimada de 90 metros. Durante o passeio é possível contemplar as rochas e as formações geológicas datadas de milhares de anos, mas não é permitido mergulhar. O local é preservado para o estudo de paleontólogos, que investigam a existência de um crustáceo pré-histórico na gruta.

Cenote IkKil Iucatã - México

5

Muito populares em todo o México, as cenotes – espécie de gruta d’água – são importantes elementos da cultura e história mexicana. Acreditase que essas depressões geológicas constituídas a partir de calcário poroso tenha sido a principal fonte de água doce para a civilização Maia. Hoje em dia essas exuberantes “piscinas” são muito procuradas por turistas de todas as partes do mundo. A mais bela e relevante de todo o México está localizada no Parque Eco-ArqueológicoIkKil, em Iucatã. Destaque para a luz natural do sol, que dá a impressão de um imenso holofote na cristalina água.

6 Piscinas Naturais do Monte Roraima - Brasil No alto do Monte Roraima, um dos picos mais altos do país, é possível encontrar algumas das piscinas naturais mais gélidas e desafiadoras do país. Formadas a partir da água da chuva, que se acumula nas crateras cobertas por quartzo, a atração é restrita aos corajosos e aventureiros, já que o acesso à montanha não é para qualquer um e a água, apesar de límpida e cristalina, é muito gelada. O Monte Roraima está situado no extremo norte do estado, na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana.

26 | Revista do Turismo

Fervedouros do Jalapão, Tocantins - Brasil O estado do Tocantins esconde muitas belezas naturais, mas os fervedouros do Jalapão são o maior atrativo da região. São pequenas piscinas naturais de águas cristalinas que não permitem que você afunde dentro deles, apenas flutue. A experiência é muito parecida com aquela vivenciada no Mar Morto, onde a grande quantidade de sal promove tal fenômeno. Aqui a explicação está na pressão exercida pela água que jorra do lençol freático.


..........................................................................................................................

7

Great Blue Hole Great Blue Hole, Belize - América Central A imagem pode até assustar, mas este intrigante “buraco” aquático, situado em Belize, chama a atenção tanto pela beleza das cores quanto pela deliciosa sensação de desafio que proporciona aos turistas e entusiastas. Cercado por uma belíssima ilha de corais, o Great Blue Hole tem cerca de 300 metros de largura em círculo perfeito e atinge 124 metros de profundidade, sendo, assim, a maior cavidade do gênero do mundo. A atração é muito procurada por mergulhadores e turistas e a visibilidade dentro do buraco é boa, mas requer cuidados. Mergulhadores inexperientes podem ter problemas. Há, inclusive, quem mergulhe por lá saltando de pára-quedas. E aÍ, teria coragem?

8 To Sua Ocean Trench, Lotofaga - Samoa Samoa é uma pequena ilha banhada por praias paradisíacas entre o Havaí e a Nova Zelândia, bem no meio do Oceano Pacífico. Na costa sul do país, na aldeia de Lotofaga, fica a belíssima piscina natural To Sua OceanTrench. O local é cercado por uma densa floresta e por vários animais selvagens. A única forma de acessar a convidativa piscina é por meio de uma minúscula plataforma de madeira, instalada entre as pedras.

Revista do Turismo

| 27


Destino .............................................................................................................

Conservatória: palco iluminado das maravilhosas serenatas Pedacinho do céu, desse modo, é conhecida a “Cidade da Seresta” e terra de OVNIS no Rio de Janeiro 28 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

O

s compositores Silvio Caldas e Orestes Barbosa começavam, assim, os versos de Chão de Estrelas: “Minha vida era um palco iluminado... A lua salpicava de estrelas nosso chão... A ventura desta vida é a cabrocha, o luar e o violão...” Parece, até, que ao escreverem a letra estavam sob a inspiração do céu e do som de Conservatória, o pequeno e

famoso distrito musical, localizado no município de Valença no estado do Rio de Janeiro, que atrai centenas de turistas, principalmente das regiões mais próximas. Está a cerca de 142 km da capital fluminense e 370 km de São Paulo e Belo Horizonte, numa área de aproximadamente 240 km² no vale da Serra do Rio Bonito. O local se tornou bastante conhecido por suas serestas e serenatas – cantoria de músicas sentimentais, no caso das serenatas, ao ar livre, ao sereno –, durante todo o ano, e por ser considerado um dos pontos de maior observação de OVNIS (Objeto Voador Não Identificado) – até os ETs apreciam a boa música do lugar. Dentre os motivos de tanta musicalidade, diz-se que o passo inicial foi dado pelo professor de violino Andreas Schmidt que, numa noite enluarada, resolveu sair tocando pelas ruas e atraiu a atenção de todos. A coisa pegou a ponto de muitas casas não terem números mas, sim, o nome das canções preferidas dos moradores. Dentre os motivos de tanta musicalidade, diz-se que o passo inicial foi dado pelo professor de violino Andreas Schmidt que, numa noite enluarada, resolveu sair tocando pelas ruas e atraiu a atenção de todos. A coisa pegou a ponto de muitas casas não terem números mas, sim, o nome das canções preferidas dos moradores. Além da cantoria, muitos são atraídos pela curiosidade e a possibilidade de ver de perto um OVNI, após relatos sobre o fenômeno na Serra da Beleza, que chamou a atenção de pesquisadores e chegou a ser citada em jornais, em revistas e no Canal History.

A bucólica e pacata Conservatória é tudo isso e muito mais. Dona de deslumbrante paisagem, vales, cachoeiras e rica história secular. Durante o ciclo do café, a partir do século 19, o atual distrito de Valença se destacava na produção e teve importante papel no transporte do produto pela via ferroviária, para comercialização. Um de seus mais antigos patrimônios é a “Maria Fumaça”, da Rede Mineira de Viação, na antiga estação inaugurada por Dom Pedro II em 1883. Do Museu da Seresta às centenárias construções, há muito o quê ver. Um passeio de charrete pode levar ao tour pelas principais atrações deste polo turístico do Rio de Janeiro: Igreja Matriz de Santo Antonio, Ponte dos Arcos (construída com técnica egípcia de blocos de pedra presos por tração), Túnel que Chora das gotas que escorrem de uma nascente, Galeria de Arte, museus de diversos compositores ilustres, antigas fazendas de café, Cachoeira da Índia e Cachoeira do Ronco D’Água. Ainda, ao Cine Centímetro, uma réplica do Cine Metro Tijuca de 1941 – demolido em 1977 no Rio de Janeiro –, que apresenta musicais americanos das décadas de 1950 e 1960. Durante a estadia em Conservatória, a opção são os confortáveis hotéis-fazenda ou aqueles próximos ao centro. Os restaurantes, muitos especializados em massas e comida mineira, se encontram no calçadão em torno da estátua do seresteiro. Na partida, não esqueça as lembranças. As mais populares são os xales e chapéus de crochê, doces de goiabada cascão, licores caseiros e artesanatos feitos de papel kraft. Algumas lojas vendem trajes de época. Revista do Turismo

| 29


Campismo ................................................................................................

CCB preserva a natureza com aulas ao vivo para mais de 4 milhões de campistas

H

á alguns anos, ouve-se pregar muito, no Brasil e no mundo, a importância do respeito ao meio ambiente. Quer dizer, vida mais segura e saudável para o ser humano, o mundo animal, as florestas, os rios, os mares, as montanhas, as geleiras e, por aí vai. Não descartar na natureza plásticos, garrafas, canudos, até cadeiras e poltronas que, dia-a-dia, poluem e matam quem tem vida. As aves são as principais vítimas dessa insensatez. Neste ano de 2018, quando o CCB Camping Clube do Brasil - comemora 52 anos de fundação, podemos estimar que mais de quatro milhões de pessoas já acamparam neste país, usando barracas, traillers e moto-homes, em unidades organizadas de camping. Avôs, pais, filhos, parentes e amigos viveram aulas práticas de amor às dádivas da criação. Aulas repassadas, dia-a-dia, aos associados e aos seus convidados. É hora de festejar e viver esse legado. Que os nossos santuários, como a Amazônia, o Pantanal, os parques florestais e as reservas naturais, não sejam destruídos pelo próprio homem. Abrace você, também, esta causa com o CCB. Ela é de todos nós, moradores do Rio de Janeiro e de todo o Brasil. É da humanidade. Parabéns ao CCB pela sua parte!

30 | Revista do Turismo


Revista do Turismo

| 31


Luciano Barreto* Artigo.......................................................................................................

Brasil, meu Brasil brasileiro! T

emos praias, montanhas, arquipélagos e até neve no Brasil. Uma imensidão de destinos turísticos para serem explorados pelos próprios brasileiros e por viajantes do mundo todo. Há muitas oportunidades e com a chegada de novos players no país com uma visão de oferecer ao viajante experiências únicas podemos atrair atenção de cada vez mais pessoas. Para tanto, precisamos entender as particularidades dos viajantes para, então, desenvolver maneiras mais simples de pesquisas que sejam totalmente customizáveis. É importante lembrar que o turismo representa uma fatia crescente na economia global. Apenas na América Latina, as viagens constituem 9% do PIB. No Brasil, o setor gera sete milhões de empregos, um faturamento de R$ 520 bi-

32 | Revista do Turismo

lhões e proporciona mais de 200 milhões de viagens domésticas. Desse modo, é possível notar que o brasileiro visita e aprecia as belezas de seu próprio país. Esse número tende a crescer ainda mais se observarmos a abertura de novas rotas aéreas, pacotes com preços atrativos, aumento do dólar e impulso do ecoturismo e do turismo regional, que vem oferecendo a muitas pessoas a possibilidade de visitar destinos locais até então desconhecidos, como parques estaduais, serras e pequenas cidades. Segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC), o Brasil é o décimo país que mais depende do turismo para o crescimento de seu PIB. Esse dado evidencia ainda mais a necessidade de investimento nesse campo, visto que 94% dessa

participação é composta por viagens domésticas. Já os gastos dos brasileiros no exterior cresceram 31% em 2017, chegando a US$ 19 bilhões, de acordo com o Banco Central. Nesse ponto, a Europa bateu os Estados Unidos como destino favorito: foram 345 mil embarques para o Velho Continente, contra 273 mil para a América do Norte. Por essa razão é tão importante mostrar outras possibilidades que podem, muitas vezes, estar ao nosso lado. Prova disso é o já tradicional ranking anual dos melhores lugares para viajar do jornal The New York Times, que elegeu a Colômbia como o segundo destino mais atrativo do mundo em 2018. O país sulamericano superou, de longe, destinos tradicionais, como Paris, Itália, Espanha e Austrália. Na mesma lista, Chile, Peru, Bolívia e México também tiveram posições de destaque. Essa realidade mostra como as empresas do setor precisam unir inovação e tecnologia para oferecer serviços exclusivos e que incentivem cada vez mais as visitas domésticas e, também, proporcionem aos brasileiros a oportunidade de desbravar novos horizontes. *Luciano Barreto é Country Manager da Almundo no Brasil, plataforma de viagens multicanal com forte presença na América Latina e operações na Argentina, México, Colômbia e Brasil.


Revista do Turismo

| 33


Turismo ....................................................................................................

Estrangeiros superam gastos com viagens pelo Brasil

A

vinda de turistas internacionais, monopolizou gastos com viagens para diversos destinos brasileiros, em torno 19,6% em abril passado, ou seja, um total de US$ 499 milhões que os visitantes deixaram através do turismo aqui no Brasil. Um salto considerável em vista que a receita cambial do turismo alcançou US$ 417 milhões. No primeiro quadrimestre, os turistas de fora injetaram US$ 2,43 bilhões, representando o aumento de 7,52% na comparação com o mesmo período do ano passado.

34 | Revista do Turismo

No acumulado do ano, o resultado também foi positivo com crescimento de 7,52%. A soma das receitas de janeiro a abril foram de US$ 2,43 bilhões, frente a US$ 2,26 bilhões registrados no mesmo período do ano anterior. O percentual de aumento da receita no mês de abril, representa o maior percentual anual, superando os meses de janeiro, fevereiro e março. “Termos resultados melhores que o ano passado é um bom indicativo, já que 2017 foi um ano de recorde no número de estrangeiros em visita ao

Brasil”, comenta o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz. Os dados do Banco Central mostram também que houve aumento no gasto do brasileiro lá fora, equivalente a US$ 1,53 bilhão, de mais 16% comparando com abril de 2017. A despesa cambial do turismo subiu de US$ 5,79 bilhões para US$ 6,47 bilhões, acréscimo de 11,58% no acumulado do ano passado. Estes números referem-se aos consumos, gerando gastos com cartão de crédito e trocas oficiais de moeda.


Revista do Turismo

| 35


Turismo Religioso .......................................................................................

O

Turismo Religioso, movido pela fé e devoção dos fiéis, vem sendo importante cada vez mais no mercado deste segmento no Brasil. São 15 bilhões de reais que o país arrecada por ano, segundo dados do Ministério do Turismo, em 2017. Neste ano, a Feira Internacional de Turismo em Gramado aposta neste segmento. Com isso, foi criado o Espaço Cultural e Religioso em 2006, buscando estimular esse nicho de mercado, que a cada ano registra o crescimento na participação dos expositores. Neste ano, o evento ocorre de 08 à 11 de novembro, no Serra Park, em Gramado, no Rio Grande do Sul. “O Brasil é um dos países mais religiosos do mundo. Por isso, apostamos neste segmento para o FESTURIS. O turismo religioso é uma grande potência e um dos nichos de mercado que mais tem crescido. Além da fé, os peregrinos que visitam o Brasil encontram belas paisagens e um

36 | Revista do Turismo

Diego Santos/EstratégiaCom

Turismo Religioso: segmento movimenta 15 bilhões anuais no Brasil

contexto cultural muito forte. Estamos projetando para a 30ª edição do FESTURIS ótimos resultados para o Espaço Cultural e Religioso e muitas novidades”, destaca Eduardo Zorzanello, diretor do FESTURIS Gramado. O Turismo Religioso não movimenta somente o turismo nacional, nos últimos anos o Brasil tem registrado a presença de peregrinos estrangeiros motivados pelo turismo religioso, sendo que no ano passado foram cerca de 30 mil visitantes estrangeiros interessados na religiosidade e atrativos do país. Os peregrinos buscam por igrejas, templos, roteiros e monumentos históricos, movimentando a economia local como hotéis, pousadas, bares, restaurantes, entre outros estabelecimentos, principalmente em épocas de Páscoa e Natal. Na feira realizada em Gramado, alguns destinos postam como Santuário de Caravaggio, Paróquia São Pedro, Santuário de Aparecida, Igreja Nossa Senhora

de Lourdes, Santa Maria, Missões, Espaço Pacha-Mama, entre outros. O turismo religioso é um conceito mundial, que agrega pessoas de todas as idades e potencializa o mercado do turismo, além de contribuir positivamente para a economia da região, seja internacional ou nacional. A fé é a maior motivadora no aumento deste segmento. Fonte: Festuris

Serviço Espaço Cultural e Religioso FESTURIS O Espaço será palco de negócios e informações sobre o segmento. Marcas e destinos interessados em participar do Espaço Cultural e Religioso do FESTURIS, potencializando a marca e promovendo a geração de negócios podem entrar em contato com o Núcleo FESTURIS, pelo telefone: (54) 3295-8509 e falar com Paola Schommer Benevenuto.


História.....................................................................................................

O farol abandonado que virou torre de igreja © Elena Dijour I Shutterstock

O riquíssimo simbolismo do farol e do mar, muito presente na história cristã, se une aqui a outro símbolo poderoso: o dos sinos!

L

iteralmente de pés na água, a igrejinha francesa de Notre-Dame des Anges (ou Nossa Senhora dos Anjos) é a protagonista de uma rica e peculiar história. Construída a partir de 1684, ela é cercada de mar por dois lados. Mas por que foi construída praticamente dentro da água? Na realidade, a sua torre é um antigo farol medieval, construído originalmente para indicar a posição do porto de

Collioure, na Costa Vermelha da região francesa dos Pirineus Orientais. Entre os séculos XV e XVII, a cidade trocou de mãos sucessivamente, ora ficando sob a ocupação dos franceses, ora dos espanhóis. Em 1642, Collioure voltou às mãos da França e teve as suas fortificações modificadas por razões estratégicas. Infelizmente, as mudanças na configuração da cidade levaram à destruição da igreja medieval de Santa Maria, localiza-

da no topo de uma colina. Sem igreja, os habitantes pediram permissão para construir um novo edifício, quase ao mesmo tempo em que as autoridades decidiam suprimir o porto de Collioure e dar preferência ao de Port-Vendres, a três quilômetros dali, por ser mais profundo. O farol de Collioure, nesse contexto, acabou ficando abandonado. Foi assim que, engenhosamente, a cidade aproveitou esse abandono para dar ao farol uma nova e nobre função: o povoado construiu a nova igreja contígua ao velho farol, que foi logo em seguida transformado na torre do sino. Em 1809, o município decidiu dotá-lo de uma cúpula em estilo toscano. Apesar da aparência sóbria, a igrejinha de Notre-Dame des Anges tem uma decoração interior excepcional, que inclui um grande retábulo no estilo barroco catalão, esculpido em madeira e adornado com folha de ouro por Joseph Sunyer. O simbolismo do farol e do mar é muito presente na história cristã, evocando a luz da fé que ilumina o nosso peregrinar em meio às ondas do mundo rumo ao porto seguro da vida plena em Deus. A linda e singela igreja de Notre-Dame des Anges reúne num mesmo e fascinante cenário toda a riqueza desses dois símbolos, unidos, além do mais, ao dos sinos, que nos chamam à união com Deus. Fonte: Ptaleteia.org

Revista do Turismo

| 37


Hotelaria ....................................................................................................

Pestana Porto A Brasileira inicia operações em regime soft opening

N

ovidades na cidade do Porto! O Pestana Hotel Group anunciou a abertura da sua mais nova unidade, o Pestana Porto - A Brasileira City Center &Heritage Building. O novo empreendimento da rede hoteleira portuguesa levará a assinatura Pestana Collection Hotels, marca premium do grupo caracterizada pela recuperação e adaptação de edifícios

38 | Revista do Turismo

e patrimônios históricos em hotéis. Esta é a segunda inauguração do Pestana Hotel Group em 2018. Em janeiro a rede deu início às atividade comerciais do Pestana Amsterdam Riverside Hotel & National Monument, primeiro hotel da marca Pestana Collection fora de Portugal. A nova unidade de luxo conta com 90 quartos e suítes, distribuídos em andares

temáticos alusivos a especiarias importadas nos séculos XV e XVI durante a expansão marítima portuguesa. Os temas abordados são Café, Chá, Cacau, Pimenta, Canela e Anis. O hotel situa-se junto ao Teatro Sá da Bandeira e da famosa Estação de São Bento, a 50 metros da Avenida dos Aliados e a 10 minutos da zona histórica da Ribeira, nomeada pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade. Além da inauguração do hotel, aconteceu também a reabertura da Cafetaria Portuense, que preserva seus mais de 115 anos de história acolhendo os visitantes com o seu velho slogan “O melhor café é o da Brasileira”. O Pestana Porto - A Brasileira é a 7ª unidade da marca Pestana Collection Hotels. O hotel se junta ao recém augurado Pestana Amsterdam Riverside e ao futuro Pestana Plaza Mayor, em Madri e aos portugueses Pestana Palace Lisboa, Pestana Vintage Porto, Pestana Cidadela Cascais e Pestana Palácio do Freixo.


Fernando Cristina Blower* Fritsch* Artigo.......................................................................................................

eterno

O potencial do

D

ia desses, conversei com uma amiga sobre as motivações de um turista na escolha de um determinado destino para viajar. Falamos em cultura, boa gastronomia, atrativos naturais, serviços oferecidos e hospitalidade e foi inevitável pensar no potencial do Rio de Janeiro. Nós temos tudo isso! Temos um povo simpático e atrativos para todos os gostos: turismo cultural, gastronômico, religioso ou ecológico, ecoturismo e uma natureza exuberante. Oferecemos ao viajante a oportunidade de ir do mar para a serra e de viver novas experiências em outros destinos que estão a menos de três horas da capital. Contamos com empresários comprometidos com o turismo e que investem do próprio bolso para atrair turistas e eventos para a cidade. Mas não temos o mais importante: segurança. Segurança e Turismo estão diretamente ligados numa forte relação de interdependência. O destino pode ser

‘‘

Rio

Temos um povo simpático e atrativos para todos os gostos: turismo cultural, gastronômico, religioso ou ecológico, ecoturismo e uma natureza exuberante

o mais incrível, oferecer as melhores experiências, ter o melhor serviço, mas se o turista não se sentir seguro, ele não virá. E é isso que está acontecendo com nossa cidade. Já provamos durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos que temos total capacidade de garantir a tranquilidade de turistas e de cidadãos em mega eventos. Mas precisamos ter essa competência no dia-a-dia.

Ainda que o Rio de Janeiro não apareça na lista das cidades mais violentas do mundo, ainda que o Secretário de Segurança Pública do Estado, General Richard Nunes, afirme que o índice de roubos a turistas caiu drasticamente no último ano, fato é que estamos vendo o turismo receptivo minguar. Como empresária, sou testemunha de grupos que deixaram de vir ao Rio, de eventos que não aconteceram, de investimentos que foram cancelados, de hotéis com taxa de ocupação baixíssimas. E isso não se resolverá apenas com aportes financeiros na promoção do destino em eventos no exterior ou com campanhas publicitárias. O Rio se vende por si só! O que acontece aqui, naturalmente, é replicado no mundo. O que precisamos é de uma cidade segura e de boas notícias. *Cristina Fritsch é presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Rio de Janeiro / ABAV-RJ

Revista do Turismo

| 39


Destino ............................................................................................................. Lara Di Luccio Sabato

Bruges, a cidade medieval mais preservada da BĂŠlgica 40 | Revista do Turismo


.......................................................................................................................... Bruges, que é um dos pontos turísticos mais procurados e visitados do país. Conhecida por ser a cidade medieval mais bem preservada da Bélgica, é uma parada obrigatória para aqueles que estão de passagem pela região. Essa cidade possui uma combinação de prédios antigos com canais que encantam seus visitantes. Ao passear por Bruges, a sensação do viajante é como se os relógios estivessem parados no tempo. A praça central iluminada com candelabros, carruagens, ruelas estreitas com calçamento em pedras e canais bucólicos agregam essa cidade medieval e romântica. Seu centro histórico foi tombado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em 2000 e logo depois, em 2002 ganhou o título de Capital Europeia da Cultura. Entre os séculos, XII e XV, Bruges chegou a ser uma das principais economias da Europa. A cidade tinha vários comerciantes vindos dos quatro cantos do mundo, até que o rio, que ligava a cidade ao mar, foi assoreado e os navios ficaram sem acesso. Durante esse período, a cidade viveu “adormecida”, recuperandose 400 anos depois recebendo uma leva de turistas, até os dias atuais.

A

Bélgica, localizada do centro da Europa, é o país certo para turistas que apreciam não só os deliciosos e famosos chocolates belgas, cervejas e batatas fritas, como também é palco de importantes eventos históricos, como Batalha de Waterloo e as Guerras Mundiais. Existem lugares incríveis em diversos pontos da Bélgica, como por exemplo,

A Cidade A praça central, Markt, é o coração da cidade e até hoje preserva grande parte do seu traçado original. O local presenciou cenas da história do povo belga, desde suas festas populares até as grandes batalhas. Cada lado da praça é cheio de prédios em diferentes estilos, construídos ao longo dos séculos. De um lado o Palácio Provincial e o antigo correio ocupam edificações neogóticas. Na outra calçada da praça, há uma sequência de casas coloridas de quatro andares. As casas parecem ser de brinquedos. Nos dias de hoje funcionam restaurantes e cafés, preservando

‘‘

Entre os séculos XII e XV, Bruges chegou a ser uma das principais economias da Europa. A cidade tinha vários comerciantes vindos dos quatro cantos do mundo

sua arquitetura. Outro atrativo localizado na praça central é o Campanário de Bruges, símbolo da cidade. Se quiser subir, o turista terá de encarar uma escadaria de 366 degraus para chegar ao topo, ter uma vista para lá de privilegiada e ver de perto o carrilhão e seus 47 sinos. Andando um pouco mais, chegamos até Burg, que é outra praça com um conjunto arquitetônico fantástico. O prédio maior é o da prefeitura – Stadhuis – e foi feito no auge de Bruges. A prefeitura foi construída em estilo gótico flamejante, entre os anos de 1376 e 1420, mostrando o poder que a cidade ostentava na Idade Média. Ao lado da prefeitura, a Velha Casa dos Arquivistas dá os ares da Renascença. Foi feita em 1534. Ainda na praça Burg, o santuário Heilig Bloedbasiliek que fica numa entrada pequena. O acesso é discreto, mas o interior da Basílica do Sangue Sagrado guarda uma relíquia poderosa: um frasco com o sangue de Cristo. Todos os anos há um procissão em Bruges em homenagem à Ressurreição de Cristo. Por último, a rua Breidelstraat, que liga as duas principais praças da cidade. Ela é cercada de lojas que vendem chocolates, souveniers e as famosas rendas da cidade. É hora de se programar e fazer as malas para conhecer esse lugar histórico e marcante! Revista do Turismo

| 41


Turismo .............................................................................................................

Brasil bate recorde e conquista, cada vez mais, turistas internacionais 42 | Revista do Turismo

V

iajar pelo Brasil superou em cerca de 90% as expectativas dos turistas internacionais, que visitaram o país, no ano passado. O resultado foi obtido a partir de estudo realizado pelo Ministério do Turismo (MTur). É o maior índice, desde 2013, e a experiência satisfatória fez com que 95,6% dos turistas entrevistados declarassem a intenção de retornar ao Brasil. Em 2017, o país recebeu 6.588.770 de visitantes, um recorde histórico, chegando a superar a soma dos números de turistas estrangeiros na Copa do Mundo de 2014 e na Olimpíada de 2016. Em termos de infraestrutura e de serviços turísticos, as categorias com maior percentual de avaliação por parte dos visitantes foram: hospitalidade (98,1%), alojamento (96,4%), gastronomia (95,7%) e restaurantes (95,5%). Esses critérios tiveram mais de 70% de aprovação pelos entrevistados.


.......................................................................................................................... Pedro Kirilos/Riotur

‘‘

Não podemos negar nossa vocação para o turismo baseado em nossos recursos naturais. Não é à toa que somos o número um nesse quesito.”

de pessoas, um aumento de 14% em relação a 2016. Em segundo lugar, vêm os Estados Unidos, com 475.232 turistas, seguido do Chile com 342.143, Paraguai com 336.646 e Uruguai com 328.098. Quase metade desses (49%), ou seja 2.017.264 de visitantes sul-americanos, escolhem as vias terrestres para cruzarem as fronteiras e ingressarem em território brasileiro. Nos demais continentes, segundo a pesquisa, a preferência dos que viajam para o Brasil é pelo transporte aéreo (63,5%). O Verão também foi motivo de levantamento do Ministério do Turismo, que registrou aumento de turistas em direção ao litoral devido a maior expectativa por

Alexandre Macieira/Riotur

Segundo o Ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, “o forte investimento na infraestrutura e qualificação turística tem intuito de preparar, cada vez mais, o país para desenvolver sua vocação no ramo do turismo. Com isso, os índices positivos da pesquisa mostram, de forma clara, que o Brasil caminha com vigor.” Foi realizada, ainda, uma avaliação nos aeroportos que passaram de 89,9% para 92% de aprovação. Também a sinalização turística subiu de 80,6% para 83,3% em eficiência. De acordo com a demanda turística internacional, os vizinhos da América do Sul são os que mais têm aproveitado as atrações do Brasil, sendo que 4.112.327 – dos 6.588.770 de turistas internacionais em 2017 –, eram sulamericanos. Os argentinos são os primeiros na lista dos maiores emissores de turistas para o Brasil, com 2.622.327

conta das altas temperaturas e às praias brasileiras. “Não podemos negar nossa vocação para o turismo baseado em nossos recursos naturais. Não é à toa que somos o número um nesse quesito, segundo o Fórum Econômico Mundial, mas queremos, ainda mais, que o turista conheça toda a variedade de atrativos que temos a oferecer como a cultura e a gastronomia, sem esquecer nosso potencial para o turismo de negócios”, defende Vinicius Lummertz. O estudo feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) foi realizado com base na entrevista de 35.550 turistas, ouvidos em 25 locais de pesquisa, sendo 15 aeroportos internacionais e 10 fronteiras terrestres.

Revista do Turismo

| 43


Turismo ............................................................................................................. Fotos: Divulgação

Transilvânia:

‘‘

O Turismo na Transilvânia tem mais a oferecer do que as lendas sobre vampiros. Região histórica, situada na atual Romênia, abriga patrimônios históricos, culturais e atrativos para turistas do mundo todo.

44 | Revista do Turismo

F

alar sobre a Romênia, sem citar a famosa Transilvânia, conhecida por lendas seculares e medievais é impossível. A região contribui para o turismo da Romênia, através de lendas e mistérios cercando suas cidades medievais e abriga construções marcantes que mexem com o imaginário da população. Ao longo de sua história, aristocratas ergueram mais de cem castelos tão atraentes quanto assustadores. Não é

cidade marca arquitetura me

à toa que o turismo local é marcado por esses pontos turísticos, repletos de toques medievais e bucólicos. Sobre a atmosfera do local, paira um ar mal assombrado no estilo dos filmes de terror, mas apesar disso, há diversas paisagens cercando a cidade através da Cordilheira dos Cárpatos, com vilas rurais e montanhas. Esse contraste, só aumenta os atrativos da terra do Conde Drácula, o vampiro mais famoso do mundo e também cidade cená-


..........................................................................................................................

ada por lendas e edieval na Romênia rio de filmes de Hollywood. São diversos os locais para visitação na turística cidade romena. Uma das opções de visita na cidade é o Bran Castle, na fronteira com a Valáquia, que potencializa o turismo local. Para chegar até a construção, é necessário subir uma escadaria situada em meio a floresta. A neblina presente no lugar aumenta a sensação de estar dentro da obra de Bram Stocker, romancista, poeta e contista irlandês, mais conhe-

cido por seu romance gótico Drácula. Outro ponto para visitas é a Igreja de Biertan, considerada a mais bela entre as igrejas da Romênia, com arquitetura marcante que impressiona os turistas e lhe rendeu o título de Patrimônio Mundial da Unesco. Em Sinaia, outra cidade, o Castelo de Peles, considerado pelos visitantes o mais bonito de toda a Europa. A cidade e o castelo localizam-se ao pé das Montanhas Bucegi e o lugar foi construído a mando do principal governante da monarquia romena, o Rei Carol I. A construção começou em 1873 e terminou em 1883, servindo de residência oficial de verão da família real até 1947.

Já em Sighisoara, a Torre do relógio, que foi construída para proteger o portão principal da cidade e hospedar o Conselho local, arquivos e tesouros valiosos. Se o desejo do turista é buscar conhecimentos e “matar a curiosidade” referente à Idade Média, o Museu de Armas Medievais, também em Sighisoara, localizado na praça central da cidade, com diversos artigos e armas utilizadas na época, permitem ao visitante, uma viagem histórica no tempo. A Transilvânia reserva muito mais do que lendas e mistérios, a cidade abriga uma rica história e cultura, proporcionando ao turista, conhecimentos esclarecedores, além de registros incríveis. Revista do Turismo

| 45


Turismo .............................................................................................................

Visite e conheça a Rússia de forma econômica C

onhecer e pesquisar lugares para viajar são umas das maneiras de conhecer novas culturas e costumes. Com a chegada da Copa do Mundo de Futebol, este ano, realizada na Rússia, a procura pelo turismo local teve aumento considerável. De acordo com o Voopter,

46 | Revista do Turismo

um aplicativo brasileiro de comparação de passagens aéreas, houve um aumento de 83% na busca por passagens na plataforma para o país entre junho de 2017 e março de 2018. Muitas vezes, surgem fatores que acabam atrapalhando os planos de viagem,

sendo o fator principal, o orçamento. Por conta disto, foram criadas algumas formas de conhecer outros destinos sem ter que arcar com todos os gastos, sendo uma delas, por meio do Turismo de Propósito. O Turismo de Propósito foi desenvolvido pela Worldpackers, que é uma pla-


.......................................................................................................................... Divulgação NR-7 Comunicação

Outro empreendimento é o Safari Hostel, que está localizado na capital, Moscou, e dispõe de acomodação, café da manhã gratuito, lavanderia e dois dias livres na semana. São 22 horas semanais para a troca de experiências e o viajante pode atuar como guia turístico, na promoção de eventos e realizar apresentações musicais para entreter os convidados. Neste hostel, a estadia mínima é de quatro semanas e a máxima de treze.

NR-7 Comunicação

taforma que conecta anfitriões e viajantes que têm interesse em trocar habilidades como acomodações, e visa, através das viagens, adquirir desenvolvimento pessoal e inspiracional das pessoas. A empresa liga seus mais de 1 milhão de viajantes cadastrados a cerca de 4 mil anfitriões de hostels, hotéis, pousadas, ONGs e casas de famílias em mais de 170 países, dos quais trocam acomodações por demandas, como produção de conteúdos de marketing, cuidados com crianças, serviços de voluntariado, cuidados com animais, recepção de hóspedes, cozinha, organização de festas e eventos, ensino de idiomas, entre várias outras aptidões.

Localizado em São Petersburgo, o Kitchen Hostel, oferece para o viajante a acomodação, o uso da cozinha para preparar e fazer suas respectivas refeições, desconto em restaurantes locais, lavanderia, carona gratuita do aeroporto até a hospedagem, bicicletas à disposição e dois dias de folga por semana para explorar o país. A experiência que o viajante deve dividir por apenas 25 horas na semana é ser guia turístico, agenciar eventos e realizar apresentações musicais para os visitantes. O local tem um tempo de permanência de no mínimo duas semanas e no máximo cinco.

Saiba mais sobre a Worldpackers A empresa foi fundada em 2014 por Eric Faria, Ricardo Lima e João Machini, a Worldpackers, com intuito de ampliar a conexão entre anfitriões e viajantes interessados em trocar suas habilidades por meio de acomodação, e visa, através das viagens, promover o desenvolvimento pessoal e inspiracional das pessoas. A Worldpackers é líder na América Latina, com presença em 170 países, mais de 1 milhão de viajantes cadastrados e possui mais de 4 mil parceiras pelo mundo.

Revista do Turismo

| 47


Destino ............................................................................................................. Fotos: Divulgação

Uma viagem à terra da Tequila no México: vulcões, costumes e a marca de Patrimônio da Humanidade pela UNESCO 48 | Revista do Turismo


..........................................................................................................................

E

ngana-se quem pensa que tequila é apenas o nome da bebida mais famosa do México. Localizada a cerca de 60 quilômetros de Guadalajara, está a pequena cidade de Tequila, na base de um vale de terras vulcânicas e repleta de plantações de agave azul. Nesse cenário de belas paisagens nasceu e se consolidou a primeira marca de tequila Premium do mundo, a 1800. Para quem deseja se aprofundar nesse universo, a 1800 oferece visitação guiada a todos os processos de elaboração da bebida ícone de cultura mexicana. As plantações de agave azul aos pés do vulcão se enchem de atividade já bem cedo. Os chamados “jimadores”, profissionais responsáveis pela colheita, pas-

sam as primeiras horas da manhã nas plantações para aproveitar os momentos em que as temperaturas são mais amenas. Eles são responsáveis pela extração da pinha do agave, única parte usada para produção da bebida. Depois de colhidas, as pinhas passam por um processo de cozimento em enormes fornos de onde é extraída a seiva, matéria prima de todo o processo. Então, após um período de fermentação, o líquido é destilado antes que esteja pronto para ser armazenado em barris ou garrafas e consumido. O município de Tequila foi fundado em 1530 e é um dos “pueblos mágicos” do México, onde tradições e costumes são

muito bem preservados. Alegre e movimentada, a cidade é a maior produtora e exportadora da bebida no país, por isso, em 2006, suas terras e suas destilarias receberam o selo de Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Durante a visita não se pode deixar de ir ao Museu Nacional da Tequila, que fica numa antiga casa do século 19 e conta a história do destilado. Outros destinos como as cidades de Arenal, Amatitán, Magdalena, Teuchitlán, Etzatlán e San Juanito também fazem parte do roteiro e são lugares igualmente encantadores. Fonte: Diego Vieira (LPB)

Revista do Turismo

| 49


50 | Revista do Turismo

Profile for Revista do Turismo

Revista do Turismo  

Revista do Turismo. Há 19 anos levando o trade para o trade.

Revista do Turismo  

Revista do Turismo. Há 19 anos levando o trade para o trade.

Advertisement