Page 1

O

A jogadora de Xadrez, Vanessa Feliciano nasceu em Rio do SulSul-SC em 1990, filha de Nilo Feliciano, campeão catarinense em 1985. Com 8 anos teve seu primeiro título: venceu o Campeonato Catarinense Feminino subsub-10 e logo, vicevice-campeã Brasileira Feminina subsub-10. Confira mais na entrevista indicada pelo jornalista Frederico Gazel sobre a carreira da enxadrista - na coluna Xadrez.

Produto Interno Bruto (PIB) nacional terá o pior desempenho dos últimos 5 anos com 0,28%. Especialistas afirmam que, por causa da Copa do Mundo e eleições, em 2015 ele não vai passar de 1%. De acordo com dados divulgados pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Confira mais na matéria do jornalista Felipe de Jesus em Economia.

fotografia de New born já é conhecida nos Estados Unidos há mais de 10 anos e está em constante crescimento no Brasil. O sucesso desse novo segmento devedeve-se ao fato de registrar detalhes do início de vida do bebê. Leia mais sobre este novo nicho de mercado na fotografia na matéria exclusiva da jornalista Karine Alonso, na coluna - Imagem em Pauta. Confira!

A massa atleticana sempre esteve acostumada com a presença de um grupo de músicos animando as arquibancadas nos jogos. Desde o velho Mineirão, como atualmente nas partidas na nova casa alvinegra, o estádio Independência, a Charanga do Galo embala os 90 minutos de bola rolando. Conheça mais sobre a Charanga no artigo especial da jornalista Jô Amaral na coluna - Em Campo. Confira!

Leia na página 4

Leia na página 5

Leia na página 6

Leia na página 10

A

Edição 27 - ANO 5 - Novembro e Dezembro de 2014 -

R$ 1,00

Publicação da Agência de Comunicação e Publicidade Correio Eletrônico (ACPCE) www.jornalcorreioeletronico.com.br Todos os Direitos reservados

Revista

Foto da cantora Hannah Quaresma: Fred Chalub/Divulgação

SUCESSO

Hannah Quaresma

P

resença de palco, talento e voz afinada. Estes são alguns dos adjetivos que classificam a cantora mineira, Hannah Quaresma. Com apenas 22 anos, ela conquistou o Brasil durante as apresentações no quadro ‘Mulheres que Brilham’, do programa Raul Gil (SBT). Por sua brilhante participação ela já foi convidada para integrar a 4ª temporada do ‘Mulheres que Brilham’ em 2015 e, além disso, já prepara seu primeiro EP. Confiram mais sobre a carreira, os planos e as expectativas da cantora na entrevista cedida a RCE!

Leia mais:

Página

8

.

U2 lança “Songs Of Innocence” e Itunes compra 500 milhões de cópias digitais e distribui para seus assinantes gratuitamente

Foo Fighters: “Sonic Highways” supera as vendas de “The Endless River” do Pink Floyd

M Página 7

Página 2

Divulgação site banda U2

Divulgação site banda Foo Fighters

uitas pessoas não acreditam, mas o fato é que deixar os aparelhos eletrônicos ligados na tomada em stand by pode encarecer a conta de luz. Prova disso, foi que recentemente um engenheiro da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), Leonardo Resende Rivetti teve um artigo publicado no jornal Diário do Comércio a respeito do tema. Deixar tomadas em stand by é como uma torneira pingando durante 24 horas diz o especialis ta da Cemig. Confira mais sobre o tema no Editorial do jornalista - Felipe José de Jesus.

Página 9


Revista

Editorial

2

Felipe de Jesus

Deixar aparelhos em stand by pode encarecer conta de luz em até 20%

M

uitas pessoas não acreditam, mas o fato é que deixar os aparelhos eletrônicos ligados na tomada em stand by pode encarecer a conta de luz. Prova disso, foi que recentemente um engenheiro da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), Leonardo Resende Rivetti teve um artigo publicado no jornal Diário do Comércio a respeito do tema. Entre os pontos abordados em seu artigo, o especialista afirmou que deixar as tomadas ligadas sem o uso dos aparelhos, é como se fosse uma torneira pingando durante 24 horas. No dia 29 de outubro, o jornal Hoje Em Dia, também publicou uma matéria descrevendo que os vilões do desperdício são: o receptor de TV por assinatura, computadores, televisores e etc. Se os aparelhos forem mais velhos pior ainda, é o que afirma o especialista Rivetti, da Cemig. “Se você deixa um equipamento ligado desnecessariamente, está desperdiçando energia é como uma torneira pingando 24 horas”, afirmou o especialista. A melhor forma de evitar o desperdício da energia é mudando as atitudes. “A mudança de hábito pode ajudar, ou seja, esquecer a TV ou aparelho de celular conectado à tomada devem ser atitudes abolidas”, conclui o especialista. São com estas atitudes que começaremos a ajudar o planeta, então faça a sua parte!!

Fala leitor.. Este espaço é para os leitores da ‘Revista Correio Eletrônico’ deixarem seus comentários sobre as nossas matérias, artigos e capa preferida . Participe, o seu comentário pode sair na próxima edição!

Felipe de Jesus Editor Geral E-mail: jornalcorreioeletronico@gmail.com

Presidente /Jornalista e Design Responsável Felipe José de Jesus Jornalista (JP) - (FENAJ:15.263-MG - SJPMG) - (Federação Nacional dos Jornalistas - Brasília) Design - (APPB:3.040- RP/SP) - (Associação dos Profissionais de Propaganda do Brasil - RP- SP) Editor Geral do JCE: Diretor de Redação / Editor de Economia e Finanças e Entretenimento Extensão Universitária: Comunicação Empresarial Pós graduado (Lato Sensu) em Administração e Marketing Mestrando em Comunicação Social: Especialização em Jornalismo e Ciências da Informação TI Bacharelando em Teologia - (Teologia) - Faculdade Esabi/BH/MG

Conselho Editorial RCE - Jornalistas (JP) Karine Alonso Jornalista (JP) - (FENAJ:16.315.MG - SJPMG) - (Federação Nacional dos Jornalistas - Brasília) Diretora / Editora de Esportes e Fotografia (Imagem em Pauta) Pós graduando em Jornalismo Esportivo Frederico Gazel Jornalista (JP) (FENAJ:15.423-MG - SJPMG) - (Federação Nacional dos Jornalistas - Brasília) Diretor / Editor de Xadrez - (Xadrez) Mestre FIDE (Mestre da Federação Internacional de Xadrez)

Parceiros/ Colunistas Jô Amaral - Jornalista - (Coluna: Em Campo)

Comercial JCE (Marketing - Publicidade) Felipe de Jesus - Jornalista (JP) e Design (P) Karine Alonso - Jornalista (JP)

Distribuição da Revista e Diagramação Jornalista (JP) e Design: Felipe de Jesus

Fotografia: Equipe da RCE e Divulgação Assinatura da revista e anúncio (Anuncie na revista e ganhe sua publicidade no site do JCE) agenciadecomunicacaocorreio@gmail.com e jornalcorreioeletronico@gmail.com

https://www.facebook.com/pages/Jornal-eRevista-Correio-Eletr%C3%

Site do Jornal Correio Eletrônico www.jornalcorreioeletronico.hol.es

31- 8561– 5255

Impressão: Gráfica IMAGE - Artes Gráficas - Belo Horizonte - Minas Gerais Uma publicação da Agência de Comunicação e Publicidade (ACP Correio Eletrônico) Contatos: OI (031) 8561 - 5255 - OI:8570-7347 (BH-MG) e CLARO: (031) 8254 - 5811

CNPJ: 17.169.522/000117.169.522/0001-14 - MEI (ATIVO) Todos os Direitos Reservados - 2012

G

osto muito do Jota Quest e quando vi eles na capa eu fiquei extremamente feliz. A RCE vem se intensificando cada vez mais e prova disso está nas capas e nas matérias. Já vi aqui: Capital Inicial, Victor e Leo, Paula Fernandes e outros artistas ao qual eu admiro demais. A capa em questão, do Jota já tem quase um ano, mas até hoje acho lindo o rosa da capa e a forma ao qual vocês trabalharam a edição. O disco está maravilhoso e as canções Dentro de Um Abraço e Realinhar foram as que mais me chamaram a atenção no disco. Acho de extrema importância ainda existir uma revista que se preocupe em fazer matérias com cantores renomados e artistas que estão começando. Parabéns para toda a equipe e aguardo as novidades da próxima edição. Roberto Silva de Rezende - Administrador

FilieFilie-se e adquira a carteira de associado - Contato BH: (031) 82548254- 5811 / 85618561-5255


Saúde em Foco.... Jornalistas (JP) Felipe José de Jesus e Roberto Silva

A

gravidez após os 40 anos de idade tem se tornado cada vez mais, uma decisão complicada para as mulheres. Isso em detrimento da carreira profissional, relacionamentos instáveis, condição financeira ou por não saberem quais são os riscos e mitos da gestação. O especialista em Fertlização In Vitro (FIV), mestre e doutor em Ginecologia e diretor cientifico da Pro-Criar Medicina Reprodutiva, Ricardo Mello Marinho, explica que a gravidez nesta fase não é necessariamente complicada. Ele ainda reforça que o medo de ter um bebe com síndrome de Dow preocupa muitas mulheres, mas ele lembra que existem exames, fora isso, tratamentos específicos para ajudar na gravidez. “A saúde da mulher é o fator decisivo. Nenhuma mulher saudável deve desistir de um filho por medo. As chances de o bebê nascer com alguma alteração cromossômica, como a síndrome de Down, é de 1%. Já aos 45 anos, as estatísticas chegam a 4%, ou seja, um filho a cada 25 nascimentos. Hoje já existem exames feitos na criança ainda no útero da mãe capazes de detectar alterações genéticas. Porém, não é possível corrigi-las. Fora isso, existem tratamentos para dar um empurrãozinho na gravidez com a inseminação artificial e indução de óvulos”, explica. Qual o limite de idade para a mulher ter um filho? Primeiro as mulheres devem ser avaliadas do ponto de vista clínico antes de tentarem engravidar, para identificar algum fator que contra indique ou aumente o risco na gravidez. Independente da sua condição de saúde, o Conselho Federal de Medicina (CFM) contra indica o tratamento de mulheres com mais de 50 anos. Isso é um sério risco, então, até os 45 anos de idade é mais indicada à gestação. Quanto mais avançada à idade feminina, maior a exposição a fatores que podem comprometer a fertilidade, como Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), inflamação nas trompas, aparecimento de miomas ou endometriose. Quais as principais implicações dessa escolha a partir dos 40? As principais têm sido a profissão, situação econômica e problemas de relacionamento. Fora isso, tem a questão da diminuição da fertilidade que se inicia em torno dos 35 anos, pois após os 40 anos esta queda é mais acentuada, sendo raras as gestações após os 45 anos. Também aumentam os riscos de aborta-

Foto: Clínica Procriar

3

Gravidez é contra indicada para mulheres acima dos 45 anos Inseminação artificial e indução de óvulos não garantem gestação Ginecologista Ricardo Mello Marinho: “O Conselho Federal de Medicina contra indica o tratamento de mulheres acima de 50 anos”

acima de tudo, fazer um bom pré-natal. A vida estressante e corrida de hoje vêm ajudando nesta escolha? A vida estressante contribui e muito para este adiamento, por isso muitas acabam tendo filhos nesta idade, ou tentando. Nestes casos, o tratamento acaba sendo uma saída, uma tentativa para os casais. mento e de alterações cromossômicas (genéticas) nestas gestações. Este fato ocorre porque as mulheres só produzem óvulos ainda dentro do útero materno; até a metade da gestação. Muitas mulheres acabam desistindo de ter um bebê com o receio da síndrome de Down. É mais comum ter um filho assim nesta faixa? Quando a mãe tem 20 anos, apenas um bebê em cada 1.500 tem síndrome de Down. Em filhos de mães de 35 anos, a ocorrência é seis vezes maior: uma criança a cada 250 nascimentos. Aos 40 anos, a chance de se gerar de um filho com síndrome de Down é de 1%. Já aos 45, as estatísticas chegam a 4%, ou seja, um filho a cada 25 nascimentos. Hoje já existem exames, feitos na criança ainda no útero da mãe, capazes de detectar alterações genéticas. Porém, não é possível corrigi-las. Por isso, as mulheres que desejam engravidar devem estar conscientes do risco. E,

Assine a ‘Revista Correio Eletrônico’ Uma publicação mineira de cultura, lazer, xadrez, fotografia, eventos, finanças-economia e turismo.

Peça já a sua pelo:

Quais são os tratamentos mais indicados? Temos a indução da ovulação. Ela consiste no uso de medicamentos, sob a forma de comprimidos ou injeções, para estimular a ovulação. A fecundação (encontro do óvulo com o espermatozóide) pode acontecer dentro ou fora do organismo feminino. Estima-se que 60% das mulheres conseguem engravidar com esse tratamento. As chances diminuem com o passar dos anos. Temos também a inseminação artificial. Consiste em facilitar o encontro entre óvulo e espermatozóides, evitando que estes precisem percorrer todo o caminho entre o fundo da vagina (onde são depositados) e a parte final da trompa. Mulheres de até 35 anos têm entre 15 e 20% de chances de engravidar através de inseminação artificial, em cada tentativa. Quando são feitas de três a cinco tentativas, as chances aumentam para 50%. Para as mulheres de 40, as chances são menores, de 5 a 10%. O casal que não consegue ter filhos nesta idade pode sofrer alguma frustração mesmo fazendo o tratamento? Bom, quando o casal, no entanto, opta por fazer o tratamento e tentar uma gravidez com um empurrãozinho médico, seja com indução da ovulação ou inseminação artificial, é preciso estar preparado emocionalmente para enfrentar angústia e frustração. Quanto mais avançado o tratamento, maior a exigência financeira e emocional. Poucos casais se dão conta realmente de que ao fazer um tratamento estão fazendo uma tentativa de gravidez. Não há garantia de que terão um bebê nos braços após nove meses. Pode ter, mas não é certo.

agenciadecomunicacaocorreio @gmai.com

Ou pelos telefones: (031) 8561-5255 (031) 8570-7347

Receba a revista em sua residência e ganhe também a

Apenas: R$ 50 por ano

Podemos dizer então que a medicina está conseguindo ajudar as mulheres a terem filhos a partir dos 40? Em parte está ajudando nas chances de gravidez, mas o número e a qualidade dos óvulos são o limite para os tratamentos. O uso de óvulos doados seguindo as normas do CFM pode ser uma opção para muitas mulheres, levando a boas chances de gestação.


Foto: Divulgação

Xadrez...

4

Vanessa Feliciano: A musa do Xadrez feminino brasileiro Indicação de entrevista:

Vanessa Feliciano

Jornalista (JP) Frederico Gazel

A

WIM (Mestra Internacional ou Mestre Internacional Feminino (WIM ou MIF) Vanessa Feliciano nasceu em Rio do SulSC em 1990, filha de Nilo Feliciano, campeão catarinense em 1985. Com apenas um ano e oito meses, já montava a posição inicial das peças no tabuleiro. Com 8 anos teve seu primeiro título: venceu o Campeonato Catarinense Feminino sub-10 e logo, vice-campeã Brasileira Feminina sub-10. Seu último feito foi na Olimpíada Internacional de Xadrez realizada em Istambul no ano passado, onde venceu 5 partidas e obteve 4 empates, um deles com a russa e, agora GM, Valentina Gunina (ELO 2514). Assim, Vanessa conseguiu norma dupla de WGM. Hoje, ocupa o posto de número 1 do ranking feminino brasileiro na FIDE. Em entrevista, a enxadrista fala sobre o início da sua carreira e também sobre o Xadrez feminino. Como começou a sua carreira? Comecei a jogar xadrez com 7 anos, foi meu pai quem me ensinou e me treinou por 10 anos. Ele é meu grande incentivador. No final de 2007 comecei a treinar com o MF Álvaro Aranha que me ajudou muito a evoluir.

Como é sua rotina de treinamento? Como é sua preparação préevento? Treino todos os dias por cerca de 3 horas. Antes de algum torneio tento estender esse tempo de estudo e direcionar o treinamento para revisão das minhas aberturas.

“Treino todos os dias por cerca de 3 horas”

Você é detentora de uma vasta lista de conquistas. Qual você considera a mais importante? Tem algumas conquistas importantes, mas acredito que as duas normas de WGM conquistadas nas Olimpíadas de 2012 foi mesmo especial, pela dificuldade, pelo desempenho e pelas partidas que acho que foram boas. Além de grande jogadora, você também é reconhecida pelo carinho e atenção que dá aos seus fãs, como é isso? Fãs?! Rs. Acho que muitas pessoas torcem e acompanham, e é muito bom receber o carinho das pessoas e saber que elas estão e continuam torcendo, mesmo quando o resultado não é dos melhores.

De uma maneira geral, incluindo premiações, incentivos, eventos, etc., como você vê o xadrez feminino no Brasil? Acho que melhorou muito para o xadrez feminino, as oportunidades, incentivos. Em consequência disso, acredito que o nível das jogadoras tem melhorado claramente. Espero que isso possa continuar e até melhorar. Você acha que ainda existe preconceito com o xadrez feminino, algo do tipo, “Não admito perder para uma mulher”? Acho que sim. Mas com o tempo isso vai acabar, pois estamos muito bem, conquistando espaço e mostrando que podemos encarar os homens de igual para igual!


S

Foto: Assessoria - FIEMG

5

Economia... PIB registra queda de 2,5% em Minas Gerais Faltando apenas 1 mês para o encerramento do ano, as notícias não são estimulantes o suficiente para alavancar a economia do Brasil

Jornalista (JP) Felipe José de Jesus

O

Produto Interno Bruto (PIB) nacional terá o pior desempenho dos últimos 5 anos com 0,28%. Especialistas afirmam que, por causa da Copa do Mundo e eleições, em 2015 ele não vai passar de 1%. De acordo com dados divulgados pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), por meio do Monitor Econômico, em Minas Gerais, o cenário não será muito diferente. A performance da economia mineira no 2º trimestre de 2014 foi marcado pela redução de 2,5% no nível de atividade, se comparado ao 1º trimestre do ano. Para a Fiemg, não há uma expectativa de crescimento do PIB e 2014 vai fechar com um saldo negativo de aproximadamente (-1%). A economista e analista econômica da Fiemg, Erika Cristina Mendes Amaral, comenta que os dados não são animadores e que 2,5% para esse trimestre não era o esperado. “Mesmo estando em um ano de recessão, não esperávamos que de janeiro a julho tivéssemos um índice nesse patamar. A agropecuária caiu 0,5% e a indústria 5%, afetando a construção civil e a de transformação. No setor de serviços tivemos uma queda de 1,1%”, detalha. Ela diz que uma prova desse cenário delicado é o setor automobilístico. “A nossa maior fábrica de veículos teve uma baixa, já que o comprador, a Argentina, também passa por um período de recessão. Já na indústria extrativa (minério), as notícias não são as melhores. As exportações aumentaram, mas o preço da tonelada despencou. Antes ela custava US$ 120, mas pelo alto estoque da China, ela caiu para US$ 90. Ou seja, a China está determinando o nosso preço”. Segundo a economista, a queda no consumo interno também tem atrapalhado o avanço do PIB em Minas. “As altas taxas de juros e o corte de crédito por causa da alta inadimplência registrada no Estado são um dos principais problemas enfrentados. As contratações diminuíram em diversos setores. Se comparado ao 1º trimes-

Economista Erika Cristina Mendes: “Não temos um cálculo preciso para o fechamento do PIB no Estado, mas ele deve ficar em -1%”

tre do ano, a área mais atingida foi à fabricação de veículos, que teve queda de (17,9%). Em seguida vêm os setores de máquinas e equipamentos (- 6,8%), de fabricação de minerais não metálicos (6,3%), metalurgia (- 5,2%), produtos têxteis (- 5,1%), produtos de metal (- 2,2%) e fabricação de celulose e papel (- 0,9%)”, enumera. IPI e demissões >> Recentemente o governo federal anunciou uma medida para ajudar o setor automobilístico (que é um dos que mais emprega) e que desde março de 2014 amarga queda nas vendas e estoques elevados. Os bancos Pan (antigo Panamericano) e a Caixa Econômica Federal (CEF) vão oferecer taxas de juros mais baixas para estimular as vendas neste fim de ano. No entanto, para a analista econômica, isso não vai amenizar as possíveis demissões no setor. A especialista acrescenta que como estamos tendo redução de consumo no geral, pode haver mais demissões no setor, apesar de que no acumulado do ano, o segmento, na pesquisa feita, está positivo. “Manter o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) pode diminuir os impostos, mas ele não deveria ser somente um beneficio para o consumidor, mas também uma medida para estimular as vendas. O fato é que o IPI não fará tanta diferença, pois os juros acabaram de aumentar e os bancos estão travando o crédito. Dois meses não vão salvar a economia. Não é uma medida tão interessante”, dispara.

Expectativas e saídas >> Questionada se mesmo com esses índices negativos, poderá haver uma melhora no consumo, já que em novembro e dezembro os trabalhadores receberão o 13° salário, Erika diz que o período é curto. “Já estamos fechando os dados de setembro e, no acumulado do ano, a produção física e o faturamento estão negativos.” Ela afirma que, contudo não teremos uma queda tão expressiva, porque o PIB nacional poderá fechar 2014 com 0,28%. “O que preocupa é que o PIB Industrial vai encerrar com (-2,16%). Em Minas, não temos um cálculo preciso, mas ele deve ficar em (-1%). Inverter isso para positivo seria extremamente complicado, já que de janeiro a agosto, a produção foi negativa”, conclui.


6

Imagem em pauta .......

Fotos: Felipe Luiz de Jesus

Fotografia ‘Newborn’: O estilo que conquistou o Brasil

Jornalista (JP) Karine Alonso

A

fotografia de ‘Newborn’ já é conhecida nos Estados Unidos há mais de 10 anos e está em constante crescimento no Brasil. O sucesso desse novo segmento deve-se ao fato de registrar detalhes do início de vida do bebê, momento esse que às vezes fica esquecido devido ao rápido crescimento da criança. O book Newborn tem como principal objetivo mostrar através das fotos, a maneira como o bebê se comportava dentro da barriga da mamãe. A fotografia tem como objetivo enfatizar uma continuidade da vida uterina: detalhes de pés, pernas, mãos e penugem são as poses de carro-chefe, escolhida pelos fotógrafos. As feições e os comportamentos vêm a reforçar a personalidade do bebê. O ensaio com o recém-nascido deve ser feito com bebês entre 5 a 10 dias de vida. É preciso que o bebê seja novinho porque é o período

que ele dorme mais, sendo assim, há uma flexibilidade maior para realizar as poses e que ainda não apareçam as cólicas que atrapalham o processo do ensaio. O fotógrafo Felipe Luiz de Jesus atua no mercado há mais de três anos e tornou-se referência em fotografia Newborn. Sempre em busca de novos desafios, realizou trabalhos para grandes marcas e com influência de fotógrafos renomados começou a interessar pela fotografia infantil com ensaios externos, aniversários e books. Foi convidado por um casal de amigos a fotografar a filha recémnascida e a partir daí descobriu o dom para esse tipo de trabalho. Felipe explica passo a passo como são feitas as fotos e o processo para a realização dos ensaios: “Informo sempre os cuidados que tomamos como as fotos serão realizadas. É muito importante o colo da mãe e do pai no momento em eles sentirem cansadinhos, pois mudamos muitas vezes as posições. Manter a calma e amamentação também são fatores relevantes durante o ensaio para manter a criança tranquila e assim realizar um trabalho perfeito”, conta. Os cuidados são importantíssimos para a credibilidade do trabalho do fotógrafo. A limpeza e os acessórios devem ser pontos a serem observados pelos clientes para a contratação do ensaio. Felipe dá dicas para a escolha do melhor lugar. “O

ensaio é feito em Stúdio ou na casa do cliente quando solicitado por ele. Em qualquer lugar que o ensaio for realizado, buscamos sempre o melhor para a saúde e a vida da criança. Os cuidados com a limpeza dos equipamentos, roupinhas a serem usadas e higienização das mãos, fazem parte de uma rotina de extremo cuidado e dedicação ao cliente. No estúdio trabalhamos com luz natural, sempre mantendo o neném muito bem aquecido. Observando durante todo ensaio a temperatura do local para que não fique frio e nem muito aquecido. Escolhemos sempre tecidos macios e roupinhas que não o aperte tanto, buscando sempre o conforto no bebê.”, conta. O mercado para Newborn está em alta no Brasil e várias empresas e fotógrafos estão se preparando para encarar o desafio de registrar os primeiros passos das crianças quando chegam ao mundo. Cursos, palestras e estudo são prérequisitos para o sucesso. Para que o trabalho seja reconhecido e com qualidade é preciso conhecer cada dia mais o universo infantil, gostar de crianças e acima de tudo, amar a fotografia não só como um registro e sim, uma arte.


Foto: Divulgação banda

7

Sucesso mundial...

Foo Fighters dá o troco no Pink Floyd na parada americana “Sonic Highways” supera “The Endless River”

Da revista - Rolling Stone Brasil

O

novo álbum do Foo Fighters, “Sonic Highways”, vendeu 190 mil cópias na semana de lançamento nos Estados Unidos e chegou ao segundo lugar no top 200 da parada da Billboard. O número foi suficiente para deixar para trás o novo álbum do Pink Floyd, “The Endless River”, que entrou em terceiro, com 170 mil cópias vendidas na mesma semana. Assim, o grupo liderado por Dave Grohl deu o troco, já que, na parada britânica, deu “The Endless River” em primeiro e “Sonic Highways” em segundo (saiba mais). No topo da parada americana está o álbum “1989″, de Taylor Swift”. “Sonic Highways” é o oitavo disco do Foo Fighters e foi gravado em oito cidades americanas, em estúdios icônicos, com participações de músicos de cada região. O processo foi registrado em uma série de TV de mesmo nome dirigida por Dave Grohl e que está sendo exibida nos Estados Unidos. No Brasil, estreia no final do mês; mais detalhes aqui.

No ranking:

Destaques de Sonic Highways:

“The Endless River” tem 18 faixas com material da época das gravações do álbum mais recente do Pink Floyd, “The Division Bell”, que saiu em 1994. O disco traz além das faixas instrumentais, a música “Louther Than Words”, a única do disco com letra. Os integrantes já disseram que este será o último.

O novo disco do Foo Fighters pode ser tocado facilmente nas rádios, pois todas as suas faixas trazem um pouco do Pop mesclado com o mais puro Rock. Destaque para: Congregaion, What Did I Do, In The Clear, Subterranean e I Am River. Vale a pena conferir o disco. O CD físico está saindo por R$27,90 nas lojas de BH.

Capa do CD - Sonic Highways: O disco vendeu somente na primeira semana de lançamento, mais de 170 mil cópias físicas


S

Foto: Fred Chalub/Divulgação

8

Capa RCE... Hannah Quaresma se destaca na TV e prepara primeiro disco Cantora já está garantida na 4ª temporada do Mulheres que Brilham no Raul Gil

Jornalista (JP) Felipe José de Jesus

P

resença de palco, talento e voz afinada. Estes são alguns dos adjetivos que classificam a cantora mineira, Hannah Quaresma. Com apenas 22 anos, ela conquistou o Brasil durante as apresentações no quadro ‘Mulheres que Brilham’, do programa Raul Gil (SBT). Por sua dedicação, chegou à final, onde teve a oportunidade dividir palco com ninguém menos que a musa da MPB, Ivete Sangalo. Por sua brilhante participação ela já foi convidada para integrar a 4ª temporada do ‘Mulheres que Brilham’ em 2015 e, além disso, já prepara seu primeiro EP. Em entrevista a ‘Revista Correio Eletrônico’, Hannah Quaresma fala sobre sua entrada no mercado musical e, além disso, comenta que foi um uma emoção conhecer o apresentador Raul Gil, ícone da TV. “Entrei na música por meio do teatro, ou seja, cresci neste meio artístico. Já tinha algumas músicas prontas, daí veio à percepção instrumental e resolvi me profissionalizar. Participar do Mulheres que Brilham foi uma surpresa e fiquei muito grata, pois fui me superando a cada etapa e confesso que nem eu esperava que chegasse tão longe na competição. Ela foi um divisor de águas e minha vida. Quanto ao Raul Gil, estar ao lado dele é surreal, principalmente para quem acompanha o programa desde criança , assim como eu. Ele é muito legal” relata. Durante a sua participação no Mulheres que Brilham, Quaresma foi elogiada pela cantora Valesca Popozuda. Fora isso, conseguiu emplacar a música 'Amizade Colorida', no youtube, o hit já tem mais de 10 mil visitas. “Não esperava esse sucesso na internet. Agora vamos torcer para que cada vez mais pessoas vejam o clipe e que Amizade Colorida vire um ícone da internet. Ser elogiada pela cantora Valesca Popozuda na minha interpretação da canção ‘Beijinho no Ombro’ foi demais. Confesso que fiquei muito surpresa quando ela compartilhou meu vídeo no Instagram dela. Receber elogios pesso-

Hannah Quaresma: “Estou planejando músicas inéditas e grandes sucessos do sertanejo universitário para meu primeiro EP”

almente dela foimagnífico”, comemora. Nova temporada Depois da sua participação no programa do Raul Gil no quadro Mulheres que Brilham, Quaresma foi convidada para a 4ª temporada do talk show. Segundo ela, as expectativas só aumentaram. “Fiquei mega empolgada quando me procuraram para essa edição, pois formamos uma família nos bastidores e será uma oportunidade para rever as candidatas deste ano. Além disso, conhecer as novas que participaram nos dois anos anteriores. Será outra experi-

ência maravilhosa, da qual todas nós voltaremos mais maduras e preparadas para aquele palco, o que tornará a disputa acirrada”, comenta. EP Hannah aposta na nova temporada e tem planos de novas canções para gravar um CD. “Além da canção ‘Amizade Colorida’, os fãs podem aguardar que novidades virão por aí. Estou planejando músicas inéditas e algumas versões únicas dos grandes sucessos do sertanejo universitário para produzir meu primeiro EP,” conclui.


Foto: Site oficial U2

U2 lança “Songs Of Innocence” e 500 milhões de cópias digitais são doadas gratuitamente para os fãs Disco do grupo foi distribuído para os assinantes do ITunes e somente o CD físico, na versão simples e deluxe já vendeu quase 200 mil cópias em apenas três meses de lançamento

Songs Of Innocence: O novo álbum está disponível na versão simples (1 CD), deluxe (CD duplo) e em vinil (duplo). O vinil pode ser encontrado apenas em lojas especializadas.

Jornalista (JP) Matéria especial: Felipe José de Jesus

C

om a possibilidade de baixar um CD com apenas um clique na internet, muitas bandas estão tendo que renovar a forma de lançar e distribuir os seus discos e foi exatamente isso que o U2 fez ao lançar “Songs Of Inoccence”. No fim de setembro, a banda aproveitou o evento de lançamento do Iphone 6 da Apple e em uma jogada de marketing, distribuiu gratuitamente 500 milhões de discos para os assinantes e não assinantes do Itunes. A atitude do U2 incomodou os “não” seguidores da banda, mas encheu de alegria os milhões de fãs que esperam há praticamente seis anos um novo álbum. Além de alegrar os seguidores, o disco foi considerado

uma ‘revolução’ no mundo fonográfico por ser distribuído primeiramente na internet e não nas lojas como fazem as bandas. A conceituada revista - Rolling Stone - reconheceu a atitude e imediatamente fez uma matéria de capa com eles em outubro. 500 milhões de discos sem esforço É fato que poucas bandas e artistas da notoriedade do U2 podem tentar algo desse tipo. Eles foram privilegiados, já que a Apple pagou US$ 100 milhões de dólares no marketing e distribuição de 500 milhões de cópias do CD (digital), fora isso, um terço desse valor só para a banda entrar na ação. Quanto o U2 precisaria vender de CDs, LPs e arquivos digitais para receber US$ 100 milhões? Qual disco na história já vendeu 500 milhões de cópias? “Thriller”, do Michael Jackson, de 1983, vendeu até hoje 65 milhões de cópias. “The Dark Side Of The Moon”, do Pink Floyd, de 1973, chegou a 45 milhões de cópias. O U2, sem fazer esforço algum, chegou a venda de 500 milhões de CD´s (digitais) e a boa notícia é que só na primeira semana de distribuição, cerca de 33 milhões de fãs escutaram e armazenaram o álbum.

Grande estratégia da Apple >> Sendo assim, estrategicamente para uma marca como a Apple, faz todo sentido dar um disco de brinde pra seus clientes, pois hoje discos não valem muito, mas de graça, chama a atenção e atrai o cliente para outros produtos. O que o U2 fez foi só tomar um atalho. Ao invés de ter que prensar o disco nos formatos físicos, trabalhar as músicas e torcer pra algumas delas virarem sucesso o suficiente para impulsionar as vendas do CD físico, o U2 deixou o gostinho de quero mais com a distribuição gratuita por meio do Itunes. Os fãs adoraram, tanto que os outros discos da banda voltaram a vender bem por conta da ação de “Songs Of Innocence”. Lojas em Belo Horizonte/MG estão vendendo os antigos álbuns da banda por R$19,90 e os preços podem baixar ainda mais por causa do Natal. Nada inocente >> As canções do novo disco, de Bono, The Edge e companhia podem ser sobre a inocência, mas o que ficou claro é que, quando se trata de negócios, eles não são inocentes. De qualquer forma, o U2 volta as paradas com muita ‘pompa’ mostrando que nem mesmo a internet, meio que tem desvirtuado a música e feito as vendas de discos caírem, foi capaz de abalar uma das maiores bandas do mundo. Songs Of Innocence é um presente para os fãs, pois trás ótimos hits, mas infelizmente, muito incomodo para os grupos que ainda não tinham pensado em uma estratégia de marketing tão lucrativa com apenas um CD.

9


10

Em Campo... Abram alas, a Charanga

do Galo pede passagem Fotos: Divulgação Charanga

As histórias de paixão, convívio e embalo da banda de músicos do Atlético Mineiro

A Charanga do Galo nos tempos de ouro do futebol no Mineirão

A

massa atleticana sempre esteve acostumada com a presença de um grupo de músicos animando as arquibancadas nos jogos do Atlético Mineiro. Desde o velho Mineirão, como atualmente nas partidas na nova casa alvinegra, o estádio Independência, a Charanga do Galo embala os 90 minutos de bola rolando. Sambas, marchinhas e o famoso hino do time fazem com que torcedores de todas as idades acompanhem os lances do jogo com mais emoção.Há 45 anos, completados em setembro deste ano, a Charanga cumpre rigorosamente esse compromisso com a torcida e com o time. Nascida da união dos amigos atleticanos de uma escola de samba em Belo Horizonte, a banda, no início chamada de Charanga do Bororó, foi criada juntando o útil ao agradável, ou seja, samba e futebol. Entre a turma, destacava um comerciante do centro da capital, Júlio Firmino ou mais conhecido como Júlio o mais amigo, que resolveu patrocinar a ideia e colocar em prática o sonho de embalar os jogos do Galo. Bororó foi outro atleticano convidado por Júlio a se juntar ao grupo e a co-

mandar os músicos, cerca de 45 integrantes na década de 60, daí o nome dado à banda. A ideia deu certo e por 10 anos seguidos a Charanga animou os jogos do time atleticano dentro e fora do Beagá. Como toda a história, a Charanga também enfrentou um tempo de vacas magras para se manter e diante do problema financeiro do fundador Júlio, a banda passou a contar com o apoio da diretoria do Clube. Os integrantes então obtinham ingressos, locomoção e uma ajuda de custo nos dias de jogos. Atualmente a Charanga do Galo atua sob o comando de Daniel Morais. Funcionário público, hoje com 59 anos, começou a acompanhar a banda aos 11, levado pelo tio Bororó. Se naquela época foi o braço direito do tio, agora conta com o filho Reginaldo Willian que aos 30 anos administra a Charanga. Reginaldo cuida da agenda seja nos jogos ou nos diversos eventos em que os músicos são contratados para marcar presença. A velha e conhecida paixão pelo time do Atlético proporcionou ao grupo ir além dos estádios. E foi da ideia inusitada de um integrante que quis surpreender um amigo atleticano no seu casamento, que a Charanga deu as caras na festa

e se tornou a sensação da noite de matrimônio.Depois disso não teve jeito, a Charanga do Galo passou a ser requisita e a cobrir todo tipo de festa, desde aniversários e casamentos, como recepções em clubes, feiras, eventos empresariais. Nos dias atuais, a famosa banda tem uma agenda concorrida. Com uma média de 400 eventos por ano, a Charanga chega a fazer nove por final de semana. << Momentos marcantes, fatos inusitados >> A história da Charanga do Bororó e depois do Galo é recheada de fatos curiosos, muitos deles bastante inusitados, como a partida em que os jogadores atleticanos atuaram mal e a Rádio Itatiaia, acostumada a cobrir e escolher o melhor jogador em campo, através do comentarista Oswaldo Faria,acabou por eleger a Charanga como melhor na partida daquele dia. Com direito a premiação recebida por integrante na cabine da rádio no estádio e depois sorteado entre o grupo de músicos, a Charanga se destacou mais que os protagonistas em campo. Outro a-


11

contecimento marcante se deu no convite feito pelo então presidente Elias Kalil, pai falecido do atual dirigente Alexandre Kalil, que na época convidava a Charanga para qualquer evento do clube, a um jantar em homenagem ao Governador de Minas Gerais, Hélio Garcia numa churrascaria da cidade. A Charanga deveria receber os convidados na porta, tocando suas conhecidas marchinhas e animando a entrada do local. O proprietário do restaurante, não simpatizante da banda, proibiu que a mesma permanecesse no local, até que o presidente chegou e sentiu falta dos músicos convidados e sabendo do feito, exigiu a presença da Charanga, condicionando a sua constante ida ao local como cliente. A banda não só animou a recepção como após a participação, foi servida com um jantar pelo próprio dono que se opôs à presença, como forma de desculpa pelo ocorrido aos integrantes presentes.

<< Animação a toda prova, violência >> Se a animação embalada ao Hino do Atlético agrada a maioria da massa presente nos jogos, em alguns momentos desagradou a outros, sobretudo a uma torcida organizada, que demonstra certa diferença para com o grupo de músicos. Na opinião do atual diretor da Charanga do Galo, o fato se deve ao mero ciúmes pelo tratamento que a banda recebe da diretoria alvinegra. E mesmo diante de alguma ponta de estresse ocorrido entre os dois grupos, Daniel garante que a Charanga entoa o tema da tor-

Casamento alvinegro tem animação Charanga

cida organizada várias vezes durante a partida. O hino atleticano é tocado ao menos seis vezes no mesmo jogo e isso ajuda a embalar os torcedores nos momentos em que o time ataca para cima do adversário. Para o comandante da Charanga do Galo, a filosofia que busca implantar junto a animação nos estádios, vai além das músicas executadas ao som de instrumentos de percussão e sopro. Ele destaca a necessidade de se criado um ambiente sem violência, baseado no respeito inclusive ao time rival. E isso é notório quando inúmeras vezes a Charanga do Galo é contratada por torcedores cruzeirenses e em meio a festa, as provocações são sadias e divertidas. Daniel ressalta ainda que, após o surgimento das torcidas organizadas, o futebol perdeu muito do encanto, pois relatos de brigas violentas dentro e fora dos estádios são rotineiramente mostradas nos jornais e com isso o afastamento de milhares de torcedores acostumados a frequentar os jogos com seus familiares foi ocorrendo naturalmente. Já a Charanga do Galo não perdeu o brilho antigo, mas entre seus 30 integrantes há de se ter em mente que os dirigentes dos clubes busquem formas conscientizar melhor os torcedores antes que o futebol se torne um espetáculo de rádio e televisão. E para a alegria e animação da massa atleticana a festa não pode parar, abram alas para a Charanga do Galo passar.

Jô Amaral

Charanga nos tempos atuais de Horto

Colunista Esportiva e Editora da coluna ‘Em Campo’ no JCE


Divulgação

O jornalismo se modificou, as máquinas de escrever foram trocadas pela tecnologia. Os computadores e a Internet, hoje reinam no século 21. Porém, algo ainda continua o mesmo: jornalismo sério com profissionalismo e credibilidade, poucos conseguem oferecer para os leitores. (Felipe José de Jesus)

Revista

Conheça também o site do jornal: www.jornalcorreioeletronico.com.br E-mail: jornalcorreioeletronico@gmail.com

Revista Correio Eletrônico 27ª Edição - Novembro e Dezembro de 2014  

Revista Correio Eletrônico 27ª Edição Novembro e Dezembro de 2014. Uma publicação de entretenimento: Cultura, Xadrez. Fotografia, Futebol,...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you