Page 1

janeiro 2009

Belém - Pará - Brasil

www.paramais.com.br

ISSN 16776968

Edição 86

3,00

O FÓRUM SOCIAL MUNDIAL OS 393 ANOS DE BELÉM NOVA DIRETORIA DO SEBRAE


o m o c a i n ô z a ! m u A i A u n ca v n ê v oc áNAS

J ANCAS B


0S 393 ANOS DE BELÉM UM BOM PROGRAMA EM BELÉM

INVESTIMENTOS NO TERRITÓRIO DO FSM 2009

Pág. 20 por MARCIA GOMES

Pág. 16

Pág. 10 CAIXA REDUZ AINDA MAIS OS JUROS NO CRÉDITO COMERCIAL

ANIVERSÁRIO DE BELÉM

A partir deste janeiro de 2009, a Caixa Econômica Federal passa a operar com novas taxas nas modalidades de crédito comercial. O banco irá reduzir os juros de 21 linhas de empréstimo para pessoas físicas e jurídicas, com base na previsão de redução do seu custo de captação projetado para o ano de 2009. Para a superintendente regional da CAIXA no Pará "As taxas oferecidas pela CAIXA já eram as mais baixas do mercado e agora os juros ficaram ainda melhores.

A NOVA DIRETORIA DO SEBRAE A nova diretoria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará – SEBRAE, para o biênio 2009/2010, tomou posse no auditório do Cepam – Centro de Educação Profissional de Empreendedor da Amazônia, em solenidade bastante prestigiada com a presença de grande número de autoridades, entre elas, a governadora Ana Júlia Carepa...

Pág. 32

Pág. 31 Pág. 26 GUERRA SOMBRA E ÁGUA FRESCA

A EPIDEMIA DE LAPTOPIROSE

Gênesis 1: No princípio criou Vendedor o silêncio e o marasmo. E a área de vendas era cinza e quieta; e havia vendedores que tinham medo de falar ao telefone ao lado de outros vendedores; e o espírito da chatice se movia sobre a marca da empresa. E disse Alguém: Haja sino, e houve um sino. E viu os Vendedores que era bom o sino; e fez os Vendedores a separação entre ser proativo e ser passivo”...

por RICARDO JORDÃO

Pág. 36

Editora Círios SS Ltda CNPJ: 03.890.275/0001-36 Inscrição (Estadual): 15.220.848-8 Rua Timbiras, 1572A - Batista Campos Fone: (91) 3083-0973 Fax: (91) 3223-0799 ISSN: 1677-6968 CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil www.paramais.com.br revista@paramais.com.br

ÍNDICE

PUBLICAÇÃO

por SÉRGIO PANDOLFO

Pág. 42

Foto: Fernando Araújo

DIRETOR e PRODUTOR: Rodrigo Hühn; EDITOR: Ronaldo Gilberto Hühn; COMERCIAL: Alberto Rocha, Augusto Ribeiro, Rodrigo Silva, Rodrigo Hühn; DISTRIBUIÇÃO: Dirigida, Bancas de Revista; REDAÇÃO: Ronaldo G. Hühn; REVISÃO: Paulo Coimbra da Silva; COLABORADORES: Acyr Castro, Camillo Martins Vianna, Garibaldi Nicola Parente, Marcia Gomes, Ricardo Jordão Magalhães, Sérgio Martins Pandolfo; FOTOGRAFIAS: Armando Fonseca, Carlos Sodre, Eunice Pinto/Ag Pa; Alzyr Quaresma, Elivaldo Pamplona, João Rodrigues/Comus; Maria S. Fresy; Marcelo Martins, Lúcio Mauro e Jeziel Rodrigues/Pará+; Beto Carvalho, Vantuir Souza e Zilma Dias; DESKTOP: Mequias Pinheiro; EDITORAÇÃO GRÁFICA: Editora Círios

OS ARTIGOS ASSINADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES

ANATEC ASSOCIAÇÃO DE PUBLICAÇÕES


O acesso ao

FSM

38

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r


Fórum de Autoridades Locais da Amazônia

C

om o objetivo comum de discutir alternativas para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, representantes de governos de todo o mundo participarão do Fórum de Autoridades Locais da Amazônia (FALA) e Fórum de Autoridades Locais (FAL), nos dias 30 e 31 de janeiro de 2009, em Belém. Os principais temas em debate nos eventos serão: políticas públicas (educação, saúde e segurança), cidadania, democracia participativa, inclusão social, desenvolvimento sustentável e ciência e tecnologia. O Fórum de Autoridades Locais chegará a sua oitava edição em 2009. O primeiro encontro ocorreu em 2001, paralelamente à inauguração do Fórum Social Mundial (FSM), em PortoAlegre. Já o Fórum amazônico terá a sua primeira Assembléia no próximo ano. Proposto pela Governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, no Encontro de Governadores da Frente Norte do Mercosul, em dezembro de 2007, o FALA pretende ser um espaço para a troca de experiências entre prefeitos, governadores e lideranças locais em busca de soluções à redução da pobreza e à conservação dos recursos naturais da região. “Governos de todo o mundo terão ótimas oportunidades para dividir experiências positivas e buscar soluções para problemas comuns. O Governo do Pará se orgulha de ser anfitrião e líder deste processo”, considera Nazaré Imbiriba, SecretáriaChefe da Cooperação Internacional. Promovidos pelo Governo do Pará, através da Cooperação Internacional (CIDS), e pelo grupo promotor da Red FAL, os eventos serão realizados no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

Autoridades já confirmadas nos eventos: Ana Júlia Carepa, Governadora do Estado do Pará; Janete Capiberipe, Deputada Federal, Presidente da Comissão da Amazônia, Integração Nacional e Desenvolvimento Regional, Câmara dos Deputados, Brasil; Fernando Lugo, Presidente do Paraguai; Rocio Casco, Vereadora em Asunción pelo P-MAS, Paraguai; Fabiola Morales Castillo, Vicepresidente do Congresso Nacional do Peru; Mavis Demon, Embaixadora do Suriname no Brasil; Francisco

06

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Rangel Gómez, Governador do Estado de Bolívar, Venezuela; Alberto Acosta, Deputado e ex-Presidente da Assembléia Constituinte do Equador; Geovanny Celis, Secretário de Desenvolvimento Social de Medellin. Jorge Alperovich, Governador de Tu c u m a n , A rg e n t i n a ; A l b e r t o Hernandez Rodriguez, Secretaria de Desenvolvimento Social – Chiapas, México; Claire Villiers, vicepresidente do Conselho Regional de Île-de-France, Departamento da França no qual está situada a capital, Paris; Patrick Jarry, Prefeito de Nanterre, França; Antonio Carlos Zurita Contreras, Responsável de Cooperação Descentralizada da Articulação de Redes Territoriais do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento para Espanha e América Latina; Mario Conejo, Prefeito de Otavalo, cidade da região andino-amazônica do Equador; Helder Vaz Lopes, Diretor-Geral da Comunidade dos Países de Língua

Portuguesa (CPLP); Jehad K. Suleiman Rashid, Presidente-Executivo da Associação Européia de Cooperação com a Palestina; Luizianne Lins, Prefeita de Fortaleza, Ceará, Brasil; Jacques Wagner, Governador da Bahia; Francisco Mabjaia, Secretário Geral da Associação Nacional de Municípios de Moçambique; Sara Lopes, Ministra de Descentralização, Habitação e Descentralização do Território, Cabo Verde e Jean Pierre Elong Mbassi, Sec. Geral da CGLU (Cidades e Governos Locais Unidos), África. Cerca de 500 representantes de governos, entre governadores, prefeitos e presidentes devem participar dos dois eventos, em Belém, discutindo alternativas ao desenvolvimento.


Fotos Eunice Pinto/Ag Pa

A Governadora do Pará e o FSM

E

m audiência realizada no Centro Integrado de Governo (CIG), a governadoraAna Júlia Carepa reafirmou aos coordenadores locais do Fórum Social Mundial o total apoio do governo estadual ao evento, que acontecerá em Belém de 27 de janeiro a 1º de fevereiro de 2009, reunindo cerca de 100 mil pessoas. Na audiência, os coordenadores apresentaram à governadora os preparativos para o FSM. Participaram da reunião oito pessoas, que formam o grupo facilitador do FSM em Belém: Aldalice Otterloo, diretora nacional da Abong (que congrega as organizações não governamentais); Graça Costa, do Fórum de Mulheres; Nilma Bentes, do movimento negro; Rosa Azevedo (Unamaz); José Selmo, do GT Urbano, e Joana Mota, da Economia Solidária. Também compareceram Denoilson Benassule, do

Aldalice Oterloo e José Selmo, do GT de Reforma Urbana

Comitê Dorothy, e Luiz Paulo, do Sindicato dos Bancários, além dos integrantes da equipe de governo, como Ana Cláudia Cardoso, secretária de Governo, Paulo Cunha, chefe de gabinete da governadora, e Helena Nahum, do Núcleo de Relações com a Comunidade.

Afinidade Segundo Aldalice Otterloo, o FSM é um evento da

Durante a reunião com os facilitadores locais do Fórum Mundial Social, no Centro Integrado de Governo (CIG)

sociedade civil, mas conta com o apoio de governos afinados com os princípios do Fórum. “O Fórum Social Mundial é um espaço de diálogo criado pela sociedade civil, mas não pode prescindir do apoio dos governos, principalmente dos governos que têm afinidade com a carta de princípios do FSM”, disse ela. “Encontramos na governadora (Ana Júlia Carepa), uma porta aberta ao diálogo”, completouAldalice. A governadora expôs todos os projetos que estão sendo executados em preparação ao Fórum Social Mundial. Um deles é o terminal de passageiros, construído no portão 3 da Universidade Federal do Pará UFPA), um dos locais do evento. “O governo do Pará compreende que o FSM é uma organização da sociedade civil e cabe ao governo contribuir com a infra-estrutura do evento”, ressaltouAna Júlia Carepa. O diálogo entre a governadora e os coordenadores locais do FSM serviu para mostrar o reconhecimento do governo à importância do movimento. Além de reforçar a segurança e garantir a infra-estrutura para a realização dos trabalhos durante os dias do evento, o governo acredita que o Fórum deixará grandes benefícios aos paraenses.


Carta a Pan-Amazônia

Estimados Amigos dos Países Pan-Amazônicos

P

or considerar a Pan-Amazônia uma região estratégica para toda Humanidade, o Conselho Internacional do FSM decidiu realizar a 8ª edição do Fórum Social Mundial, na nossa região, mais especificamente na cidade de Belém, capital do estado do Pará, Brasil. O FSM-2009 – Amazônia deve ser precedido de um processo que tenha como protagonistas os povos, movimentos sociais e organizações da Pan-Amazônia que terão a oportunidade de reverberar mundialmente suas lutas, além de tecer alianças continentais e planetárias. Foi com este objetivo que a reunião de outubro de 2007, do Conselho Internacional do FSM, realizada em Belém, acordou dedicar o primeiro dia do FSM-2009 exclusivamente à AMAZÔNIA, com temas, relatos de experiências e apresentação de alternativas vivenciadas pelos povos panamazônicos. Além deste primeiro dia, o universo de sonhos e lutas pan-amazônicas estará presente em todo transcorrer do FSM 2009, através de debates, oficinas e a Casa PanAmazônica, espaço de diálogos e convivência que será construído no interior do território do Fórum O FSM-2009-Amazônia será uma grande oportunidade para as organizações e movimentos sociais da Pan-Amazônia reatarem e fortalecerem seus laços. Não por acaso, as entidades dos povos pan-amazônicos que fazem parte do Conselho Internacional do FSM concordaram em realizar unificadamente com VIII FSM, o V Fórum Social da Pan-Amazônico, cujas primeiras edições

08

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

foram realizadas no período 2002-2005, duas vezes em Belém, em Ciudad Guayana (Venezuela) e Manaus (Brasil). Para os movimentos e entidades da Pan-Amazônia, o VIII FSM é uma oportunidade e também uma responsabilidade. Sem a participação intensa dos atores sociais da região, não lograremos nossos objetivos. E esta participação começa agora, nos seguintes níveis.


Fotos Carlos Sodré / Ag Pa

O FSM e as políticas públicas

F

ortalecimento dos movimentos sociais e oportunidade para mostrar as políticas públicas do Governo do Estado. Essa é a importância política do Fórum Social Mundial (FSM), na opinião da governadora do Pará,Ana Júlia Carepa. Para o governo Ana Júlia, o FSM é a oportunidade de apresentar ao mundo as ações que são executadas no segundo maior território da Amazônia: – o Planejamento Territorial Participativo, exemplo de gestão do seu governo popular, e o Bolsa Trabalho, como maior programa de capacitação de jovens do país. Ambos vão ser divulgados intensamente durante o fórum. A participação da sociedade nas decisões governamentais é um ponto a ser considerado. A parceria com o governo federal garantiu maiores recursos ao FSM. A maior parte dos R$ 129 milhões, que o governo vai injetar no evento, será aplicada em obras para a população de baixa renda. Mas a governadora não está preocupada apenas em mostrar obras físicas. Ela espera que os participantes do FSM conheçam as belezas naturais do Estado, além da cultura e das tradições religiosas, como o Círio de Nazaré.

Belém diversos políticos ou até chefes de Estados afinados aos princípios do FSM, essa discussão sobre o meio ambiente será debatida. Para o governo Ana Júlia, o FSM é a oportunidade de apresentar ao mundo as ações que são executadas no segundo maior território da Amazônia. A participação da sociedade nas decisões governamentais é um ponto a ser considerado. Ana Júlia Carepa destacou o Planejamento Territorial Participativo, como exemplo de gestão do seu governo popular, e o Bolsa Trabalho, como maior programa de capacitação de jovens do país. Ambos vão ser divulgados intensamente durante o fórum. A parceria com o governo federal garantiu maiores recursos ao FSM. A maior parte dos R$ 129 milhões, que o governo vai injetar no evento, será aplicada em obras para a população de baixa renda.

O FSM O FSM é uma união de nações e raças que acreditam num mundo melhor, por meio de discussões que fortalecem a integração da Amazônia com os demais países. Será um grande encontro em prol da construção de um mundo de paz e justiça. Uma outra Amazônia é possível.

Meio ambiente Um dos temas que vão permear as discussões no Fórum Social Mundial, em Belém, é a preservação da floresta amazônica – o governo do Pará fomenta um novo modelo de desenvolvimento, que garante a produção econômica, sem a destruição da mata. O novo modelo, segundo a governadora, tem de aliar a atividade produtiva com a sustentabilidade ambiental e social. Ela enfatizou ainda que, no Fórum de Autoridades Locais – FALA, que deverá trazer para

Durante a reunião com o Conselho Internacional do FSM

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

09


Fotos Eunice Pinto/Ag Pa

Investimentos no território do FSM 2009

A Governadora Ana Júlia Carepa, durante a reunião com a Secretaria Geral da Presidência da República

I

nvestimentos de R$ 338 milhões na área do território do Fórum Social Mundial 2009, em Belém, vão mudar sensivelmente, nos próximos anos, a realidade de dois dos bairros mais carentes da capital paraense Terra Firme e Guamá. O anúncio das obras foi feito pela governadora Ana Júlia Carepa, no Centro Integrado de Governo (CIG). A governadora reuniu a imprensa para uma entrevista coletiva, depois de um encontro com o Conselho Internacional do FSM, e anunciou o detalhamento de ações, captação e investimentos próprios do governo do estado para o Fórum Social Mundial, que acontece em Belém de 27 de janeiro a 1º de fevereiro de 2009.

Gerson Almeida, secretário Nacional de Articulação Social da Secretaria Geral da Presidência da República e Wagner Caetano, secretário Nacional Político Institucional da Presidência da República

10

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Também participaram dessa reunião Gerson Luiz de Almeida Silva e Wagner Caetano, ambos da Secretaria Geral da Presidência da República. Ana Júlia Carepa apresentou os projetos de construção de um terminal hidroviário, terminal de integração de ônibus urbano, de duplicação da Avenida Perimetral, construção de um centro de seleção de resíduos recicláveis e mais os projetos de capacitação humana. No total, essas ações, que já estão sendo executadas, devem totalizar investimentos dos governos estadual e federal de quase R$ 129 milhões.

Em execução “Estamos falando apenas dos projetos que estão em execução ou com captação garantida. O projeto da biblioteca virtual, por exemplo, é um projeto que ainda não foi registrado aqui porque não está em execução”, explicou a governadora. Depois de apresentar as ações especificas para o FSM, Ana Júlia Carepa anunciou ações que vão ao encontro das diretrizes do FSM nos bairros da Terra Firme e Guamá, território do Fórum. Somente o Residencial Liberdade, um grande projeto para construção de 2.352 unidades habitacionais numa área vizinha à Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), terá R$ 112,5 milhões em


investimentos. O residencial vai atender às famílias que serão remanejadas da área da Macrodrenagem do Tucunduba e da duplicação da Perimetral. A Macrodrenagem do Tucunduba é outra das ações previstas no plano para longo prazo para o território. Juntos, os projetos de macrodrenagem, o residencial, a rede Metrobel (que viabiliza o projeto NAVEGAPARÁ, de inclusão digital), a biblioteca virtual, a construção do Parque Tecnológico do Guamá e a duplicação da Perimetral representarão investimentos de R$ 338 milhões e vão beneficiar 4.813 famílias.

sociedade civil e instrumento de construção de um mundo melhor e, ao mesmo tempo, como evento de divulgação da cultura e das belezas da Amazônia para o mundo. “São milhares de pessoas que também vão conhecer a cidade com olhos de turistas”, disse ela. A governadora ressaltou que, entre os dois grandes

Impacto “Vai ser uma ação de grande impacto para melhorar a qualidade de vida da população daquela área”, afirmou a governadora, que ainda ressaltou a importância do FSM como elemento articulador da

Ana Júlia Carepa informou aos conselheiros internacionais do FSM o total de investimentos já assegurados para a infra-estrutura do evento

Com a duplicação da avenida Perimetral, localizada no território do FSM, Guamá e Terra Firme ganham novo corredor de tráfego

blocos de investimentos que estão em curso, um deles atenderá a demandas específicas do evento, mas as benfeitorias ficarão para a população. Algumas obras não deverão estar prontas completamente antes do FSM, como o terminal hidroviário. “Mas vai ser concluído e também servirá para criar, durante o evento, alternativas de transporte entre os locais de concentração do Fórum”, explicou. O bloco maior de investimentos deve ser executado nos próximos anos e inclui demandas históricas das comunidades de entorno do território do FSM 2009.

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

11


por GARIBALDI NICOLA PARENTE

Belém de

S

aúdo Belém movido pela força da sua juventude, pela jovialidade das suas origens, pelo vigor das suas águas sustentadas pelos braços e antebraços do Tocantins entrelaçados em abraços amazônicos. Todo rio que é rio tem sua nascente, seus afluentes por mais que mudem de nome de estirão em estirão. Saúdo Belém movido pelo tropicalismo do seu sol clemente no azul celeste do céu cumulado por nuvens benfeitoras da fertilidade.

12

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Belém Ponho os olhos além das nuvens e deixo chover, as chuvas fazem bem, elas são eternamente sagradas. Sinto na chuva o sortilégio de um ósculo repleto de aspiração e nele liames que nos unem a um passado que também é presente porque dele/ nele vivemos e usufruímos desse fluente lapidar, os abraços íntimos de um tempo citadino que não tem tempo porque o tempo é sempre tempo de revigoramento sensual do sentimento de harmonia diante das transformações na dimensão fisionômica das nossas relações com o ambiente sob a luz do eu- que- somos- nós. Memória carnal sem mágoas seiva anatômica do ritmo amoroso, perfil de erva cheirosa sem receio de desagradar. Vejo e revejo nesse caminhar transeunte que nada existe de casual. O fio que teço tem um berço, tem acalantos, tem lemes mágicos e velas arquitetônicas de indelével eternidade. Quero recompor a memória de Belém traçando de leve minha visão sobre quatro personalidades que esticaram o fio da meada da Belém faceira de hoje:


Giuseppe Landi

Governadores Gerais do Grão Pará e outras obras aqui não relacionadas.

Giuseppe Landi, italiano de Bolonha (1713-1791) veio para o Brasil como membro de uma comissão chefiada por Francisco Xavier de Mendonça Furtado, português, governador nomeado do Grão Pará e Maranhão, com o objetivo especifico de demarcar os limites entre os domínios de Castela e Portugal, na America – o tratado de Tordesilhas. Landi é o “riscador” do mapa desses limites, chegou a Belém em 1753 e imediatamente viajou para o Rio Negro. Lá permaneceu até meados de 1759 e retornou no mesmo ano a Belém. Nesse momento começou a trabalhar na sua profissão de arquiteto e construtor e revelou-se um genial artista do estilo neoclássico. Logo participou das obras de conclusão da igreja da Sé cuja pedra fundamental foi lançada em 3/5/1748. Construiu as igrejas de Santana da Campina, de São João Batista, a Capela Pombo, projetou a remodelação da casa de Domingos da Costa Bacelar e sua adaptação a Hospital Real (atual casa das onze janelas) em 1767. Decorou a Capela Mor de Santo Alexandre. Finalizou a construção da Igreja do Carmo (1777). Foi também construtor da Capela da Ordem Terceira do Carmo, da nave central do convento dos Carmelitas (hoje colégio do Carmo). Participou da construção do palácio dos

Dom Marcos de Noronha e Brito Dom Marcos de Noronha e Brito, o Conde dos Arcos (1771-1828), português de Lisboa foi Governador Geral do Grão Pará e Maranhão no período de 18031806. No seu governo ordenou a exsicação do Grande Lago do Piry e alagados visinhos. Obra monumental para a época por conta da inexistência de máquina, equipamentos de engenharia e sem terra laterítica às proximidades. Próximo, no único teso ou outeiro existente, já erguia-se a igreja da Trindade. O aterramento desse grande pântano, também chamado Alagadiço da Juçara possibilitou o surgimento de largas estradas.

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

13


Sobre o Igarapé da Comedia do Peixe Boi surgiram a atual Arcipreste Manoel Teodoro, a rua são Mateus (Trav. Pe. Eutíquio),a estrada de São José (av. 16 de novembro), a Av. almirante Tamandaré. Portanto, o conde dos arcos foi o primeiro governante a promover a reforma urbanística de Belém, com a preocupação, inclusive, de buscar a salubridade com o plantio de muitas arvores de diferentes espécies amazônicas como defesas contra os constantes surtos de doenças endêmicas.

Engenheiro Percival Farquhar

Empresário norte americano nascido na Pensilvânia em 1864, foi o maior incentivador privado no Brasil entre os anos de 19051918. Um homem de muita visão e empreendedor otimista. Após vencer a concorrência pública para a construção do porto de Belém organizou a Companhia Port of Pará em 1906. E m 1 9 0 9 é inaugurada a primeira fase do porto com 120 m de extensão e um armazém de 20 x 100m e em 1914 o porto estende- se mais 1869m com 13 armazéns e guindastes, 6.500m de vias férreas, iluminação, sinalização marítima do canal de acesso. Em conseqüência surge o primeiro aterramento da atual Avenida Boulevard Cartilhos França. Este fato constituí a antese de Belém para a Amazônia e para o mundo.

Antonio José lemos Maranhense (1843-1913) foi intendente em Belém por 14 anos (1897-1910). Desencadeou um longo processo de urbanização, ordenação estética do espaço público. Alçou o embelezamento urbanístico de Belém desde o centro até São Braz, com praças dotadas de lagos, chafarizes, jardins e monumentos aos vultos históricos, quiosques art -noveau, calçamento das ruas com paralelepípedos, passeios com pedras de lioz, arborização das vias com as famosas mangueiras. Medidas de proteção ao meio ambiente, reaparelhamento do Horto Municipal, reforma e ampliação do Bosque Rodrigues Alves. Ampliou a cidade com novos bairros bem traçados, de ruas largas e

14

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

definidos (Marco, P e d r e i r a ) . Construiu o Mercado de Ferro do Ver- o-Peso, o Quartel dos Bombeiros, o Asilo da Mendicidade, o Necrotério Público. Dotou a cidade de luz elétrica com criação da Pará Elétric. Implantou as linhas de bondes elétricos. Ampliou e sistematizou a distribuição de água potável. Tomou medidas saneadoras visando melhorar a saúde da população mediante a construção de redes de esgoto, drenagem dos pântanos, aterramento das baixadas, limpeza pública sistemática com usina de incineração do lixo. Implantou uma política sanitarista e educativa com a retirados de cortiços e higienização de estabelecimentos públicos e privados. Protegeu as artes, o teatro, as letras, a cultura, os eventos sociais, o lazer. Todos ganharam relevo e sensibilidade. Assim Belém renasceu de modo suntuoso e aristocrático em observância a nova concepção de modernidade e prosperidade e o bem- estar da sua população. É evidente que não existe nenhuma cidade modelo de perfeição, todas têm suas mazelas que vão de encontro a qualquer ordenamento idealista. Nestes fragmentos não tento justificar o que disse. Emito uma opinião plausível. Devemos àqueles homens e ao povo de Belém, a dignidade de metrópole de vulto no cenário nacional. Porto das águas, porta da floresta, ponto de referimento cultural, emblema de desenvolvimento econômico e social da imensa Hiléia amazônica.


por

MÁRCIA GOMES

Um bom programa

em

O

Ver-o-Peso é uma experiência de cores, gostos e sons. Lá está um dos cartões postais de Belém, o Mercado de peixes, prédio azul claro, de ferro e torres inglesas oferece os mais variados espécimes da água doce é uma atração especial. As barracas repletas de produtos – os mais variados possíveis – das verduras e legumes, às ervas aromáticas, afrodisíacas e medicinais com poções mágicas, milagrosas, garrafadas e afins. As frutas são um espetáculo à parte, não só pela cores, pelo exotismo, como pelos sensacionais sabores, que nos remete imaginar a pujança da biodiversidade da

16

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Belém

floresta amazônica. As peças de artesanato apresentam belas peças diversas, do barro às fibras e madeiras nobres. Animais de pequeno porte como galinhas d'Angola, ficam expostos também. As bancas de comida são as mais pitorescas e servem peixe frito, tacacá e o açaí com


Tacacá, peixe frito e açaí vendidos na feira do Ver-o-Peso

Cheiros do Pará, ervas medicinais e cerâmicas regionais

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

17


diferentes acompanhamentos – da tapioca, farinha d'água, ao camarão seco.

O ENTORNO O complexo do Forte do Castelo, a poucos quarteirões do Ver-o-Peso – dá para ir a pé: você atravessa o porto, tipo de marina cabocla, com as canoas e seus velames, onde pescadores-fornecedores do mercado ficam atracados. O cheiro é que não é muito agradável. O Forte do Castelo, ou do Presépio, marca a fundação de Santa Maria de Belém, no século 17, há 329 anos. A

18

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

fortaleza foi construída pelos portugueses para proteger a região contra corsários holandeses e ingleses. Na mesma área Theatro da Paz d o f o r t e , formando um quadrilátero, ficam a Igreja de Santo Alexandre o Museu de Arte Sacra, a Casa das Onze Janelas e a


As frutas são um espetáculo à parte

Tucupi

Catedral da Sé. A região ganhou uma reforma em 2000 - a igreja ainda está fechada para reparos. A Casa das Onze Janelas, construída no século 18. Hoje, o belo prédio amarelo abriga interessantes exposições de artistas locais e um gostoso restaurante. Repare também nas construções de dois andares dos arredores, algumas bem preservadas e com as fachadas azulejadas. Dali, para o centro, onde estão o Theatro da Paz e o Museu Emílio Goeldi, de 1866, uma das instituições de pesquisa mais respeitadas do País, com uma louvável coleção de botânica e zoologia. Bom para passar o fim de tarde - e se abrigar da pontual e famosa pancada de chuva vespertina de Belém.

Casa das Onze Janelas

Museu de Arte-sacra

Mangal das Garças

Museu Emílio Goeldi

Serviço: Forte do Castelo: Praça Frei Caetano Brandão, 117; Fone: 4009-8828. Entradas a R$ 2,00; grátis às terças Casa das Onze Janelas: Fone: 4009-8823. Museu de Arte Sacra: Fone: (91) 4009-8802. Entradas: R$ 4,00; grátis às terças Museu Emílio Goeldi: Rua Magalhães Barata, Fone: 3219-3369/ 3312. Entradas a R$ 3,00

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

19


FOTOS: Antonio Silva, Alzyr Quaresma e João Gomes/Comus

Bolo de 15 metros preparado pela Panificadora Versailles

OS 393 ANOS DE BELÉM

A

programação começou às 8h, com missa na igreja da Trindade celebrada pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Orani João Tempesta, com a presença de servidores, comunidade, autoridades e a governadora do Estado,

20

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Ana Júlia Carepa. Na celebração Dom Orani falou sobre o nascimento da cidade de Belém e o Círio de Nazaré: "A cidade está se evoluindo nos últimos anos. Há melhorias para a população e isso é natural. Mas a sociedade deve se perguntar de que forma pode ajudar a melhorar essa


O plantio da muda de mangueira

cidade, seja na sua rua, na sua comunidade ou no seu bairro", conclamando a população a participar mais ativa e decisivamente para o crescimento e desenvolvimento de Belém. A missa foi acompanhada pelo Coro Municipal de Belém. Em seguida todos foram à Praça da República, para o plantio da 393ª muda de mangueira feito ao longo da semana do aniversário da cidade pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A governadora Ana Júlia Carepa, já em frente ao Theatro da Paz disse : “Estamos aproveitando a oportunidade e entregando simbolicamente para Belém 70 novas viaturas com sistema de localizador por satélite para uso das Polícias Civil e militar, além de 14 câmeras para monitoramento. Além disso, garantiu o reforço do efetivo policial em 565 homens, que atuarão apenas na capital, e ainda equipamentos de resgate para o Corpo de Bombeiros e duas ambulâncias” . As viaturas saíram em comboio pela cidade para serem apresentadas à população. O vice-prefeito Anivaldo Vale, agradeceu os presentes oferecidos pela governadora e ressaltou, em seu discurso, a importância do trabalho feito em parceria com o governo do estado para garantir que a cidade avance cada vez mais em todas as frentes, especialmente nas consideradas essenciais, como a

A Metrópole da Amazônia completou 393 anos no dia12 p.p, com a expectativa de novos e prósperos tempos. No dia do seu aniversário, a capital paraense recebeu de presente cinco mil novas mudas de mangueira, árvoresímbolo da cidade. A Prefeitura de Belém organizou espetáculos culturais, homenagens na Praça da República

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

21


A chegada do capitão-mor da coroa portuguesa Francisco Caldeira Castelo Branco às terras paraenses

saúde, a segurança e a educação. "Hoje é um dia de comemoração. Aproveitamos a oportunidade para agradecer todos os presentes. Isso mostra o carinho e a dedicação que todos possuem com esta cidade, que cujo desenvolvimento deve ser sempre a nossa prioridade", ressaltou. Para finalizar, o vice-prefeito

Na celebração Dom Orani falou sobre o nascimento da cidade de Belém e o Círio de Nazaré

22

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

O vice-prefeito Anivaldo Vale, agradeceu os presentes oferecidos pela governadora


Cine Olympia repleto vive noite de festa com a entrega do Mérito Castelo Branco

Os Agraciados com a Medalha Francisco Caldeira Castelo Branco

cantou os parabéns à Belém junto ao bolo de 15 metros de comprimento, preparado pela Panificadora Versailles, daAssociação dos Panificadores. Em seguida, ainda na Praça da República, palco de diversas atrações culturais e também de demonstrações de cidadania. A manhã começou com a apresentação da Banda da Guarda Municipal, que atraiu um grande público. Com 17 anos de estrada, tempo de criação da existência da própria corporação, a banda representa um orgulho para os músicos que a integram.

Houve também a apresentação do Coral da Semad e de alunos do projeto "Anjos da Guarda", da Guarda Municipal de Belém (Gbel), a entrega de títulos de posse de terra para os moradores do bairro de Fátima e plantio de mangueiras nos conjuntos Orlando Lobato e Tapajós, avenidas Antônio Verdosa, Julio César, Magalhães Barata, João Paulo II, Rua Nova, entorno do Mangueirão e rodovia Transmangueirão. Também estiveram presentes, abrilhantando as comemorações pelos 393 anos de Belém, os grupos de dança folclórica da Casa do Idoso e do Centro de

Parteiras de Cotijuba foram agraciadas

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

23


Convivência Zoé Gueiros, formado por idosas atendidas nesses espaços. Lá elas participam de diversas atividades que têm como objetivo aumentar a auto-estima, a desenvoltura e estimular o convívio social na "melhor idade". Para presentear Belém, as idosas dançaram um carimbó coreografado, ao som da música 'Metrópole da Amazônia', de autoria de Mestre Guru e Wady Khayat, composta especialmente para o aniversário da capital paraense. O ponto alto da programação foi a cerimônia de entrega da mais alta honraria do município, a Medalha Francisco Caldeira Castelo Branco, instituída em 1978 pelo prefeito Ajax de Oliveira, com o propósito de homenagear todos aqueles que tiveram um destaque em suas áreas de atuação e ajudaram, de alguma forma, a promover o desenvolvimento da cidade. Nesta edição, a medalha contemplou 25 agraciados, entre os quais, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), escolhido em razão da liberação do maior financiamento direto obtido pelo município em toda a sua história para as obras de macrodrenagem da Bacia da Estrada Nova, que vai reurbanizar 10 importantes bairros da cidade, como Jurunas, Cidade Velha, Guamá, Terra Firme, Batista

O vice-prefeito Anivaldo Vale e Zeno Veloso

Dança folclórica apresentada pelos idosos

Campos, Nazaré e outros. Três parteiras que atuam na Sala Parto da ilha de Cotijuba também estão na lista de agraciados com a comenda. São mulheres que com a experiência e a orientação de médicos exercem o nobre papel de trazer ao mundo as crianças das ilhas de Belém e até mesmo do Marajó. Da praça da República as comemorações seguiram para a Cidade Velha. Comerciantes, turistas e freqüentadores da Feira do Açaí foram expectadores e figurantes da encenação teatral da fundação da cidade, o Auto "Belém do Grão Pará", que percorreu as ruas do velho centro. O auto foi dividido em três estações. A primeira foi marcada pela chegada do capitão-mor da coroa portuguesa Francisco Caldeira Castelo Branco às terras paraenses, exatamente no local onde hoje funciona a Feira do Açaí. Caldeira Castelo Branco, acompanhado por religiosos, escravos, soldados e representantes da coroa, foram recebidos por um grupo de escravos e, na versão de aniversário, essa miscigenação foi representada por um grupo de capoeira. Houve queima de fogos no mais importante cartãopostal da capital, a Feira do Ver-o-Peso, e uma lavagem especial e o um banho de cheiro do Pará, para celebrar a data. O cortejo seguiu pela Ladeira do Castelo rumo à segunda estação, o Complexo Feliz Lusitânia. Em frente à Igreja de Santo Alexandre, os

Fone: 91 3344-2100 BR-316 KM 04 Rua Ricardo Borges, 1855 Bairro da Guanabara - Ananindeua-PA

A sua marca em transportes. www.racatransportes.com.br

24

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

belem@racatransportes.com.br


atores mostraram a importância da construção do Forte do Presépio e o combate aos franceses e holandeses que queriam tomar a região e colonizá-la. Ainda em frente à igreja, elenco e público assistiram à apresentação do Coral Municipal "Arte Popular", que cantou músicas de compositores paraenses e executou o Hino Oficial de Belém. Na terceira e última estação, os personagens passearam pelo Bondinho. Em um palco montado em frente à sede da Executivo Municipal, no Palácio Antônio Lemos, mais apresentações de danças indígenas, roda de capoeira, coral e a bateria da Escola de Samba Racho Não Posso Me Amofiná, que acompanhou o poeta Dilermando Nascimento, em composição feita especialmente para o aniversário de Belém, com a música "Passeio pela Belém Turística". Na sequência, a bateria da Escola de Samba Império Pedreirense fez a sua apresentação sob uma salva de fogos, anunciando a chegada do Carnaval 2009. Para a garotada, a Fumbel disponibilizou as atividades do Ônibus-Biblioteca "Levy Hall de Moura", com contação de histórias, confecção de marca página, além do acervo da biblioteca itinerante, que conta com mais de três mil exemplares entre revistas, livros e jornais. A programação contou com a participação da

Federação Estadual de Atores, Autores e Técnicos de Teatro (Fesat). Com texto de Dody Amâncio e direção de Nilson Reis, o Auto "Belém do Grão Pará" contou com a participação de 100 atores que ensaiaram por 30 dias pelas ruas da Cidade Velha. "Foram feitas várias pesquisas com historiadores locais, além de estudos sobre as cartas escritas por Pero Vaz de Caminha à Coroa Portuguesa e também o "Tratado da Terra do Brasil", documento de Pero Magalhães Gândavo". O Auto Belém do Grão Pará

Fone: (91) 3248-5651 EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

25


Fotos: David Alves, Elcimar Neves e Rodolfo Oliveira/Ag Pa

Belém é a segunda cidade mais populosa da região Norte e a maior região metropolitana da Amazônia

Aniversário de Belém

I

nvestimentos em pavimentação asfáltica (recursos transferidos à Prefeitura de Belém para execução da obra) e a inscrição de mais 10 mil jovens no Bolsa Trabalho, um dos maiores programas de capacitação da juventude na América Latina, foram alguns dos presentes do governo do Estado à capital paraense nos 393 anos de sua fundação. «Consertamos, reformamos e fizemos em dois anos o que não foi feito em 12 anos de governo passado", afirmou a governadora Ana Júlia Carepa ao anunciar

Há + de 128 Anos no mercado

26

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

as obras e serviços em um palco armado ao lado do Teatro Experimental Waldemar Henrique, na Praça da República, centro de Belém. Ana Júlia Carepa anunciou 13 ações em várias áreas para Belém, além dos outros investimentos que a cidade vem recebendo do governo do Estado. Só em recursos são R$ 18 milhões, além de 7 mil jovens já beneficiados pelo Bolsa Trabalho, com qualificação profissional e acesso ao mercado de trabalho. Para a segurança pública, a governadora entregou viaturas para as polícias Civil e Militar, mais 15


câmeras de monitoramento de rua, além de 10 pickups para o Corpo de Bombeiros, uma ambulância e roupas de combate a incêndio. "Podemos contratar médicos, engenheiros e professores de forma emergencial, mas força de segurança depende de concurso público e capacitação. Dos 12 anos do governo passado, durante 10 anos não houve concurso público nesta área. O nosso governo já colocou nas ruas 1.500 policiais militares e o segundo concurso público para mais 2.200 já encerrou as inscrições", enfatizou. Ela ressaltou que para melhorar a segurança pública no Estado são necessárias políticas sociais em áreas como educação, cultura e lazer. "Um dos presentes para

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

27


A governadora Ana Júlia Carepa participou da festa em comemoração ao aniversário de Belém

Cumprimentando os vendedores da Praça da Republica

Plantando uma muda de mangueira em comemoração ao aniversário de Belém Durante a celebração da missa em comemoração ao aniversário da cidade de Belém

Belém é a entrega de 46 escolas reformadas. Essas escolas foram praticamente reconstruídas, porque estavam caindo na cabeça das pessoas", observou. A governadora adiantou que o governo do Estado está implantado o novo conceito de Segurança Cidadã e Polícia Comunitária, que privilegia a prevenção.

Fórum Social Mundial Ana Júlia Carepa destacou ainda as obras do governo do Estado para dar condições a Belém de sediar o Fórum Social Mundial, como a construção do terminal de ônibus urbano e a duplicação da avenida Perimetral. "Tudo o que estamos conseguindo para o Fórum, como os equipamentos de segurança pública, por exemplo, ficarão para beneficiar a população", enfatizou. Ela informou que a Força de Segurança Nacional,

28

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r


Dom Orani João Tempesta, arcebispo de Belém, na celebração em comemoração ao aniversário da cidade de Belém

A governadora Ana Júlia Carepa entregou três novos sinos para a catedral de Belém, durante a celebração

solicitada para o evento, já está em Belém integrada às polícias. "Eu me solidarizou com as famílias das vítimas da violência. Infelizmente, pagamos o preço de 12 anos de um governo irresponsável. Agora, o Pará tem uma mulher que não tem medo de enfrentar os desafios de governar esse Estado", afirmou. A governadora frisou que o Pará entra num novo ciclo de desenvolvimento, com justiça social, cidadania,

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

29


paz e democracia. "Esses são os pilares de uma sociedade melhor e desse governo. Parabéns a Belém e a seu povo. Juntos estamos fazendo a verdadeira mudança", ressaltou. Ana Júlia Carepa cortou o bolo de aniversário ao som dos parabéns.

Aniversário As comemorações pelos 393 anos de fundação de Belém começaram com muito carnaval, na manhã do domingo dia 11. Logo cedo, na programação realizada pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura (Secult), integrantes de escolas de samba do grupo especial se concentraram na escadinha do Cais do Porto, próximo à Estação das Docas, de onde saíram em cortejo até a Praça da República,

Ana Júlia joga banho de cheiro nas pessoas que estiveram na Praça

A animação foi constante

apresentando os sambas-enredo deste ano. Além da apresentação das escolas de samba, a programação contou ainda com a participação do grupo de carimbó O Uirapuru e das bandas Cristal Reggae e Suzana Flag. Na 2ª feira, dia 12, houve apresentação da Orquestra de Música Latina da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (UFPA), no Theatro da Paz, com participação especial dos artistas Ney Conceição, Olivar Barreto e Andréa Pinheiro. A governadora Ana Júlia Carepa acompanhada dos secretários de Estado anunciou 13 presentes para cidade de Belém

30

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r


Caixa reduz ainda mais os juros no crédito comercial

A

partir deste janeiro de 2009, a Caixa Econômica Federal passa a operar com novas taxas nas modalidades de crédito comercial. O banco irá reduzir os juros de 21 linhas de empréstimo para pessoas físicas e jurídicas, com base na previsão de redução do seu custo de captação projetado para o ano de 2009. Para a superintendente regional da CAIXA no Pará "As taxas oferecidas pela CAIXA já eram as mais baixas do mercado e agora os juros ficaram ainda melhores.Com essa medida a expectativa da CAIXA é promover a expansão do crédito, tanto para pessoas físicas quanto jurídicas". No Penhor, por exemplo, a taxa de juros passou de 2,99% ao mês para 2,25%, um ajuste de 24,75%. No cheque especial, a taxa mínima foi de 1,47% ao mês para 1,37% a.m. e a taxa máxima reduziu de 7,98% a.m. para 7,49% a.m. No consignado, a CAIXA reduziu em 16,38% a taxa de 2,99% ao mês, que passará para 2,50%. Para se ter uma idéia da economia para o consumidor, num empréstimo de R$ 1.000 e pagamento em 24 meses, a prestação diminuiu de R$ 60,68 para R$ 57,6, que representa 5,63% de redução. Vale destacar que a instituição trabalha com as menores taxas do INSS, dentre os maiores bancos. Para pessoa jurídica, a redução em algumas operações pode ultrapassar a 12% das taxas de juros. Exemplo são o BNDES Automático e o Finame, cujas taxas passaram de 6,7% para 5,84% a.a., na máxima, acrescidas de TJLP. Já no CRED Frota, elas foram de 1,36% para 1,28% (mínima) e de 1,93% para 1,85% (máxima), uma redução de 5,88%. No BCD Investimentos, direcionado para compra de bens de consumo durável, o banco reduziu as taxas maiores de 4,07% + TR para 1,95% + TR e a menor de 3,18% mais TR para 1,10% mais TR, um ajuste que chega a 43,58%. Na Conta Garantida para Micro e Pequena Empresa, que funciona como um cheque especial, as novas condições apresentam uma alteração de taxa de juros máxima de 3,10%

50 45 40 35

Banco lidera pesquisa do Procon com as menores taxas por 11 meses seguidos. Redução será em 21 operações; no Penhor chega a 24,7%

30 25 20 15 10 5

para 2,60% a.m, que gerou redução de mais de 16%. Até o final de novembro, somente n o estado do Pará, a CAIXA já liberou recursos da ordem de R$ 76 milhões em crédito comercial, um crescimento de 719% em relação ao mesmo período do ano passado. Somente para pessoa física, os recursos somam R$ 47 milhões, ante R$ 5,8 milhões em 2007, o que corresponde a 513% de crescimento. A meta é fechar o ano com R$ 55 milhões em empréstimos. Para pessoa jurídica, o banco desembolsou na região R$ 29 milhões, 426% a mais do que os resultados obtidos no ano passado e a expectativa é alcançar a marca de R$ 31 milhões até o final de 2008. Em novembro, pesquisa da Fundação ProconSP, vinculada à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, classificou pelo 11º mês consecutivo a CAIXA como a instituição financeira com as menores taxas de juros do cheque especial pessoa física. A meta da CAIXA para 2009 é atingir aumento de 24% nos empréstimos para pessoa física e 35% para jurídica, que resultará em um montante de R$ 91 bilhões em crédito. A expectativa é crescer 50% acima do mercado em crédito comercial no próximo ano. EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

31


Fotos: Eunice Pinto/Ag Pa

A mesa oficial da cerimônia de posse da nova diretoria do Sebrae no Pará

A nova diretoria

A

nova diretoria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará – SEBRAE, para o biênio 2009/2010, tomou posse no auditório do Cepam – Centro de Educação Profissional de Empreendedor da Amazônia, em solenidade bastante prestigiada com a presença de grande número de autoridades, entre elas, a governadora Ana Júlia Carepa.

A nova direção Ítalo Ipojucan de Araújo Costa, baiano, empresário do ramo de hotelaria e logística de transportes, é exdiretor da Associação Comercial de Marabá e também ex vice-prefeito do município, assumiu a presidência do Conselho Deliberativo. O ex-prefeito (2 mandatos)de Marabá, Sebastião Miranda Filho, como diretor superintendente. No cargo de diretora técnica,

32

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

do Sebrae

a economista Cleide Cilene Tavares Rodrigues e o economista Vando Vidal de Oliveira como diretor administrativo.

Os discursos Os ex-gestores do SEBRAE, Hildegardo Nunes e Fernando Yamada, destacaram os inúmeros avanços alcançados pelos pequenos e microempresários paraenses ao longo dos últimos dois anos e agradeceram o apoio recebido. A governadora Ana Júlia Carepa saúda os novos dirigentes do Sebrae


O novo presidente do Conselho Deliberativo, Ítalo Ipojucan, enfatizou as principais metas serem atingidas: proporcionar maior acessibilidade ao crédito e à inovação tecnológica, intensificar a aproximação junto às prefeituras municipais, aumentar investimento junto aos pequenos agricultores e estabelecer uma relação mais próxima das instituições bancárias, visando o aumento do microcrédito, esses serão os principais objetivos e preocupações da nova diretoria. A governadora Ana Júlia Carepa elogiou a diretoria anterior e foi Ítalo Ipojucan de Araújo Costa, assina elogiada pelos ex-gestores por nunca ato de posse como presidente do terem sofrido pressão política. Conselho Deliberativo do Sebrae Enfatizou que uma das principais missões do SEBRAE é buscar parcerias para solucionar os gargalos econômicos do Hildegardo Nunes também recordou os progressos na Estado.Augurou sucesso total à nova diretoria. interiorização, inovação e integração. Sebastião Miranda Filho, o novo diretor superintendente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará

O auditório do Cepam – Centro de Educação Profissional de Empreendedor da Amazônia, estava lotado

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

33


Acyr CASTRO

Chegou 2009

N

unca um ano novo foi aguardado com tanta ansiedade e esperança. Nunca. Tais o tamanho e a extensão da crise que se abateu sobre todos na maior parte de 2008, em temporada marcada por uma palavra-chave: crise. E em todos os níveis e em todas as ocasiões, marcando o tempo que enfim partiu. Os Estados Unidos, que realmente centralizam as decisões do planeta, ganharam um novo Presidente, O jovem democrata Barak Obama, cuja marca enfatiza o segredo da solidariedade, da fé e da mudança. Mais de século depois se cumpre uma profecia estampada em romance pelo paulista Monteiro Lobato, “O Presidente Negro”, que os leitores mais antigos leram e jamais esqueceram. A hora, agora, sobretudo para nós, paraenses de nascimento ou de coração, é a de sempre: aguardar para ver e confiar. Sabemos muito bem o que isso representa. A partir de tantas experiências quase todas amargas e algumas nem tanto graças ao nosso senhor Jesus Cristo. E não há como fugir a essa realidade: Aguardar é o que de melhor sabemos fazer. Vivemos

Os Estados Unidos, que realmente centralizam as decisões do planeta, ganharam um novo Presidente, O jovem democrata Barak Obama

34

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

e sofremos num estado carente num Pais definido como em processo de desenvolvimento. Com relação á América cremos que afinal será de lá que poderá surgir luz no final do túnel. Obama está imbuído dos melhores propósitos. Sua carreira de homem público o credencia a tornar-se capaz de equacionar, para poder resolver, as questões a partir do Capitólio e da Casa Branca, um raio de luz que nasce das crenças humanas e psicológicas sem as quais ninguém conseguiria viver em meio a uma depressão nunca antes alcançada desde 1929. Toda a ajuda que vier do governo mais poderoso do globo será bem-vinda e, acreditamos, justa e necessária do norte, ao sul, ao leste, a oeste. Esta nossa Santa Maria das Graças de Belém do Grão – Pará antecipadamente agradece quer aos poderes governamentais quer á iniciativa privada. Aproveito a generosidade dos queridos amigos e editores Ronaldo e Rodrigo Hühn a dizer aquilo que me vai na alma na aurora do Ano Novo, um alvorecer que leio nos olhos de cada irmão e de cada irmã, numa onda de fraternidade e de amor. Acho que fui direto ao ponto e ir além seria supérfluo e a nada levaria. Boas festas e até a próxima oportunidade. (*) Jornalista e Escritor


Instituto HSBC Solidariedade

Abre inscrição para apoio a projetos que beneficiem crianças de rua

O

Instituto HSBC Solidariedade, que representa o pilar social da sustentabilidade do Grupo HSBC no Brasil, tendo como responsabilidade gerir o investimento social, está com inscrições abertas, até 17 de fevereiro, para Seleção Future First: projetos que ofereçam abrigo e educação formal ou informal a crianças em situação de rua ou moradoras em instituições de abrigamento (casas lares, repúblicas ou albergues). O Future First é um programa global do grupo HSBC, com duração de 5 anos (2007 a 2012), e investimento total de U$ 10 milhões, que visa atender 1milhão de crianças nesse perfil, beneficiando projetos nos 85 países nos quais o banco está presente e que vivenciam essa realidade. O Instituto HSBC Solidariedade é o coordenador do processo para a América Latina e responsável pela validação das inscrições dessa região. Para garantir a alta qualidade dos projetos selecionados, o processo – de rigorosa avaliação - é feita de forma individual e única em todo mundo. Para isso, a primeira etapa acontece na Índia e é finalizada no Reino Unido, matriz do banco. Por tais motivos, o formulário de inscrição deve ser escrito em inglês, impreterivelmente. O orçamento por projeto é de até U$25 mil/ano. O apoio pode acontecer de 01 a 03 anos, dependendo do que a organização solicitar e o Comitê considerar adequado. No entanto, a liberação da 2º e 3ª parcela/anos estão vinculadas aos resultados do ano anterior.

Serão aceitos projetos sob responsabilidade de organismos não governamentais e comunitários, legalmente constituídos no país, sem fins lucrativos, que atuem no Terceiro Setor. Organismo governamentais podem apresentar projetos por meio de suas fundações e associações. O regulamento completo e o formulário de inscrição estão disponíveis no site e os projetos devem ser e n v i a d o s p a r a o e - m a i l hsbc.solidariedade@hsbc.com.br, assunto "Projeto Seleção Future First 2009", impreterivelmente até às 17h do dia 17/02/09 (horário de Brasília). O resultado da seleção será divulgada no dia 30 de março de 2009 no site do Instituto HSBC Solidariedade: www.porummundomaisfeliz.org.br. De acordo com a UNICEF, é difícil pesquisar o número de crianças em situação de rua, mas estima-se que se aproxime dos 100 milhões em todo o mundo. A iniciativa de incentivo a projetos por parte do Instituto HSBC Solidariedade faz parte da política da organização e do Grupo HSBC no Brasil e no Mundo, que prima pela realização de ações relacionadas aos seus três focos de atuação: Educação, Meio Ambiente e Geração de Renda para Comunidade. Seu objetivo primordial é de contribuir efetivamente para melhorar a formação integral do ser humano, valorizando ações que promovam a ética, a autonomia, o conhecimento, a liderança, a solidariedade e a sustentabilidade. Instituto HSBC Solidariedade: transformando vidas e lugares por um mundo mais feliz. Para mais informações visite o site: www.porummundomaisfeliz.org.br EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

35


serpan@amazon.com.br

Sérgio PANDOLFO

36

A EPIDEMIA DE

LAPTOPIROSE “Cada um dá o que tem, ah! Que verdade!”

N

ão, caro leitor! Nada a ver com “cochilo” ortográfico ou doença causada por contaminação por urina de ratos. Queremos nos referir, sim, à verdadeira “epidemia” que hoje assola nossa terra brasilis de cidadãos que “não saem de casa sem ele”: o laptop (ou notebook), ambos abomináveis designativos ingleses, sem significados lógicos em nosso belo e sonoroso idioma camoniano. Por favor, senhores, não nos julguem mal. Também nós, por força das atividades que desempenhamos, temos que recorrer aos préstimos insuperáveis da computação e também possuímos um modesto indigitado “compumóvel” ou “datamóvel” (por que não? - à semelhança de telemóvel, como são chamados em Portugal, que zela por nossa língua comum, os celulares), mas, nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Os brasileiros, por via de regra, são vidrados em coisas que sugiram “sinais exteriores de riqueza”. Assim, já tivemos a febre das “capangas” (de couros autóctones e/ou exóticos, quase sempre associadas a jaquetas idem); a das pastas 007 (lembram-se?), nacionais ou importadas, de feitios e acabamentos de fina estampa. Sucedeu-a a dos telemóveis (celulares), com a inefável utilização em lugares os mais inconvenientes e impróprios possíveis, feita alto e bom (??) som (hoje tão banais e acessíveis a toda gente, que já não incitam o exibicionismo). A atual é a do laptop, esses mirabolantes equipamentos de telecomunicação on-line e outras feituras, que (ainda) impressionam a maior parte da plebe rude, daí cunharmos o neo-ilogismo (sim, porque um neologismo maroto, ilídimo) que encima este escrito, advindo por contração de laptop (ingl.) = computador portátil + “pirose” (Bras. Gír.) = estado de

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Antônio Tavernard, poeta paraense

Espremido entre a janela e o passageiro do lado, o incontido aeronauta tenta compatibilizar sua ciberviagem com o serviço de bordo

“piração” (Bras. Gír.), arroubamento, alienação. O que mais se vê hoje são cidadãos, pelo geral “de alta linha”, a sobraçarem, compenetrados e chibantes, seus acalentados “objetos de desejo” involucrados em pastas ou revestimentos, preferentemente de elevado custo e, à mais sutil oportunidade, como alguns minutos de aguardo nos desvãos dos aeroportos, abrirem-nos e deliciarem-se a manipulá-los, embevecidos, deixando embasbacados e cobiçosos os anônimos e despossuídos cidadãos comuns. Um espanto! Quanta cultura! Quanto poder! Em recente viagem aérea que empreendemos ao Rio de Janeiro constatamos que entre 10 a 15 aeronautas “viajavam” a bordo de suas máquinas de felicidade, como crianças entretidas com seus brinquedos infantis. Sejamos sensatos: em duas a três horas de vôo, imprensado na poltrona e com os atropelos dos “serviços de bordo”, será realmente imprescindível a utilização


da tal engenhoca em detrimento, por exemplo, de saudável, proveitosa e reconfortante leitura de um bom livro? Senão vejamos: hoje, qualquer hotel nem tão estrelado quanto nosso emblemático e celestial Cruzeiro do Sul, disponibiliza a seus hóspedes, por preços módicos, a utilização de terminais de computadores ligados à rede universal (internet), dispensando, destarte, a incômoda (e pesada) necessidade do transporte de equipo próprio. Também, em cada esquina se pode encontrar, e utilizar, os terminais desses centros de informática Uma ciberviagem enquanto seu vôo não vem

(cyberpoints para os anglófilos). Ah! Mas não tèm os arquivos coletados em “Meus documentos” para manipulação. Leve-os no bolso (ou pendurados ao pescoço, a modo de cordão e pendentif [pingente], que também é chique e moderno, dá status), naquele miraculoso e até bonitinho berloque 3-B (bom, barato e bastante) chamado pendrive (de novo o termo espúrio, impreciso para nossa língua), que pode levar toda a memória de seu PC e ainda conter espaço vago, para divagações lúdicas e acréscimos. Eis razões, prezados leitores, por que o MS (modus sensatus) adverte e a comunidade agradece: laptopirose é prejudicial à saúde. Os mais impensados e recônditos lugares são usados pelos viciados na NET

*Médico e escritor – SOBRAMES

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

47


Porquê LCD ?

A

lém de ser muito mais bonito e de economizar espaço na mesa do escritório, você sabia que um monitor de LCD pode trazer vantagens para seu bolso, em comparação a um monitor convencional CRT (o famoso monitor de tubo)? Hoje já é difícil encontrar computadores com monitor CRT à venda, porém se formos comparar seu custo no médio e longo prazo, podemos perceber que o LCD é um bom investimento, pois seu consumo de energia chega a ser 25% mais econômico do que o monitor de tubo. Vamos supor que o preço de um monitor CRT de 17” é de R$295,00 e um LCD de 15” é de R$376,00, até aí parece desvantagem desembolsar quase cem reais a mais pelo modelo fininho, porém, se você usar o monitor 8 horas por dia, e levar em conta que o CRT consome por hora 68w contra 17w do LCD, a um preço de R$0,31 Kw/h, você vai descobrir que o monitor LCD sai mais barato do que um monitor CRT.

INFORMAÇÕES GERAIS Indicadores

CRT 17

LCD 15

Custo Monitor

R$ 295,00

R$ 376,00

Consumo por hora (W)

68

17

Consumo standby

4

1

38

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r


CONSUMO TOTAL (KW/HORA AO ANO) Perfil de uso

CRT 17

LCD 15

8 horas/dia

141,984

35,496

14 horas/dia

248,472

62,118

24 horas/dia

425,952

106,488

CUSTO ELETRICIDADE/ANO Perfil de uso

CRT 17

LCD 15

8 horas/dia

R$ 44,02

R$ 11,00

14 horas/dia

R$ 77,03

R$ 19,26

24 horas/dia

R$ 132,05

R$ 33,01

CUSTO EM 3 ANOS Perfil de uso

CRT 17

LCD 15

8 horas/dia

R$ 132,05

R$ 33,01

14 horas/dia

R$ 231,08

R$ 57,77

24 horas/dia

R$ 396,14

R$ 99,03

Parece pouco, mas além de dar um visual hi-tech para seu escritório, motivar seus funcionários, poupar a vista, pois o LCD não é nocivo aos olhos como o CRT, e poupar a natureza, pois o consumo de energia será bem menor, a longo prazo você economiza dinheiro optando por monitores de LCD.

LCD 15

Perfil de uso

CRT 17

8 horas/dia

R$ 427,05

R$ 409,01

14 horas/dia

R$ 526,08

R$ 433,77

24 horas/dia

R$ 691,14

R$ 475,03

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

39


Camillo VIANNA

De Gaulle ás avessas

A

saborosa sabedoria popular aqui do Reino da Cobra Grande, costuma afiançar que quando a situação de um índígitado cidadão está indo de mal a pior, o interessado estaria serrando de baixo. E há explicação para a validade da expressão: depois de conv enientemente derrubada a tora da madeira é colocada em cima de uma armação feita de troncos finos e que pode receber as denominações de mutá ou dique, conforme, naturalmente, a região considerada. Com um serrote de avantajadas proporções e por isso mesmo denominada serrotão, dá-se seqüência ao processo de transformação da madeira. Para desmancha-la, como se diz, em tábua, pernamanca, barrote ou outra utilidade, trabalham dois homens para manobrar o tal serrotão, ficando um na parte do mutá e outro, naturalmente, na de baixo, que se alternam, pois quem fica na parte inferior, recebe nos olhos, nariz, ouvido, boca e etc. a serragem que resulta do processo. O problema agora é como encaixar o irascível General de Gaulle no contexto e o que é pior, de revestrés. A História poderá nos ajudar, pois no decorrer do que se convencionou denominar de 2ª Grande Guerra Mundial não resta dúvida que a França serrou de baixo e o referido general, numa espécie de mudança de turno, bradou aos quatro cantos e para quem quisesse ouvir: “A França perdeu uma batalha mas não perdeu a guerra”. Realmente, o próprio tempo se encarregou de dar certeza ao cabo

General de Gaulle

de guerra da doce França. Ninguém, em sã consciência, poderá dizer a mesma coisa em termos de preservação da Amazônia. Desde quando os índios se recusavam a embarcar, o que séculos depois seria denomi-nados de toras, a natureza amazônica vem serrando de baixo e por mais esforço que se faça, não é possível arrolar fatos ou acontecimentos em contrário. A predação vem sendo continuada, sofisticada e, modernamente, acelerada. A transformação da grande região bragantina, abarcando ai por volta de seis milhões de hectares, em reles capoeira de quinta classe, é fato consumado. O projeto Radam detectou áreas de desequilíbrio ecológico no sul do Pará, ao longo de toda pioneira Belém-Brasília e informes asseveram ser a devastação galopante as margens das todapoderosas transrodovias. De todos os quadrantes a Amazônia, só se faz referências a batalhas perdidas e no setor animal, tirando naturalmente a tartaruga, todas as demais espécies da fauna silvestre parecem estar com os seus dias contados. E por aí a coisa vai, num ritmo impressionante, impossível de ser computado, tal a diversificação dos meios de agressão. A conclusão dessa história toda de Gaulle, França e Amazônia é mais simples e bisonha possível: o General francês representava o combativo espírito dos guerreiros gauleses. E nós, não sabemos, quem possa representar o das valorosas guerreiras silvestres. Marco Zero. 1970

*SOPREN/SOBRAMES


Gu

por RICARDO JORDÃO MAGALHÃES

42

Gênesis 1: No princípio criou Vendedor o silêncio e o marasmo. E a área de vendas era cinza e quieta; e havia vendedores que tinham medo de falar ao telefone ao lado de outros vendedores; e o espírito da chatice se movia sobre a marca da empresa. E disse Alguém: Haja sino, e houve um sino. E viu os Vendedores que era bom o sino; e fez os Vendedores a separação entre ser proativo e ser passivo” EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

uerida(o)Amiga(o), Se você for um bom marketeiro, você é daqueles que circulam pela área de vendas uma vez por dia; se você for um excelente marketeiro, você é daqueles que sentam ao lado do vendedor por um dia inteiro na semana; agora, se a última vez que você passou pela área de vendas da sua empresa foi há um ano ou há um mês, então, você é um péssimo profissional de marketing. Eu sou um tipo de marketeiro que acredita que o único marketing que funciona é aquele feito através das pessoas. O vídeo institucional, o folheto impresso em seis cores e o anúncio de oito páginas podem até chamar a atenção dos mais desavisados, mas são os vendedores e os revendedores que irão fazer a coisa realmente acontecer, ou não. Por conta disso, durante toda a minha carreira de executivo marketeiro, eu sempre estive colado em vendas. "Colado demais", diriam os chefes de vendas que me conheceram. Eu sabia que o resultado do envio do catálogo de produtos ou e-mail marketing, iriam para o vinagre se a equipe de vendas não fizesse um número X de ligações ativas todos os dias - email, messenger ou blackberry não contam, tem que usar o telefone! Entretanto, infelizmente, a realidade é diferente. "No princípio criou Vendedor o silêncio e o marasmo."


erra,

combinar uma coisa entre nós vendedores: vamos dar risada dos foras que levamos no telefone. Vamos relembrar do nosso tempo de moleques, quando apostávamos quem tomaria mais foras em uma única noite. Eu me lembro certa vez quando que eu tomei 19 foras no período de quatro horas, e um amigo 21 (e olha que nós não somos feios!). Apesar da rejeição, nós ríamos da situação. Ao invés de fechar a cara e ir tomar uma cervejinha, nós ficávamos conversando sobre os "xavecos" furados e bolando novas idéias sobre como chegar lá. Muito provavelmente, se eu estivesse sozinho, sem alguém para trocar experiências, eu teria desistido no início da noite, mas, quando trabalhamos em equipe, e temos alguém em quem confiar para trocar idéias, a energia de um inflama o sangue do outro, e juntos atingimos o objetivo de cada um. Detalhe: apesar do alto índice de negativas, aquela noite terminou no super positivo para ambos. Fazer ativo e falar com outras pessoas é super importante para os resultados da empresa, mas é igualmente importante para a autoestima e amor próprio de uma pessoa. A melhor

sombra e

água fresca E a partir daí, por alguma razão espírita contrária as leis da metafísica interplanetária, 95% dos vendedores tem medinho de falar ao telefone na frente de outras pessoas. Daí, se um vendedor não tiver coragem para passar a mão no telefone e ligar para um cliente, o outro também não faz. Daí, ficam os dois, os três, os quatro, os cinco "vendedores" o dia inteiro olhando para as telas de seus computadores sem falar com uma única viva alma. Importante: ativo é vender algo novo para um novo cliente, e não vender algo novo para alguém que te conhece. Se existe um problema desse tipo na sua empresa - e com certeza existe em 95% das empresas - vamos

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

43


maneira de manter-se motivado é falar com outra pessoa. Simples assim. Quando você estiver desmotivado, reflita, 99,99% dos casos é porque você está há 60 minutos sem falar com uma pessoa. Quando você encontrar alguém super desmotivado, é porque - muito provavelmente - esse alguém não tem uma conversa produtiva com outro ser humano há mais de 3 horas. E quando você encontrar alguém super hiper desmotivado, é porque essa pessoa está mais de um dia sem ter uma conversa decente com outro ser humano. É por isso que o pior castigo que existe para um prisioneiro é ser confinado a uma solitária, ser afastado do convívio inteligente de outras pessoas, ficar sozinho; o isolamento mata, literalmente. Porém, mesmo falando tudo isso, eu sei que 90% dos vendedores não vão se mexer. É preciso fazer mais. É preciso balançar, arrepiar, tumultuar e bagunçar a zona de conforto do vendedor. Para tanto, eu recomendo o BOM HUMOR, o recurso mais prático e eficaz do mundo contra o marasmo e a apatia. A minha invasão à área de vendas começou anos atrás quando eu lancei uma campanha chamada UTI. A campanha, na tentativa de inflamar o sangue dos vendedores (no final foi exatamente isso que aconteceu), cercava o salão de vendas com várias cópias daquela famosa foto onde você tem uma enfermeira de hospital com o dedo indicador sobre os lábios pedindo silêncio para todos. A revolta dos vendedores foi imediata, "Vendas não é um hospital, a nossa área de vendas não é silenciosa, nós falamos com os clientes, fechamos negócios blá, blá, blá". Eu conquistei alguns inimigos naquele dia, mas no final, o resultado foi extremamente positivo. A partir desse momento, aliados conquistados, um calendário de campanhas de incentivo que não dava espaço para o vendedor respirar foi implementado.

44

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

Todos os dias, o vendedor encontrava na sua mesa um bom motivo para renovar sua energia e sua coragem. O desafio passou a ser criar campanhas matadoras, uma vez que o nível de e x i g ê n c i a e expectativa de todos por algo sofisticado e muito bem executado crescia vertiginosamente. Entre as idéias mais ousadas que fizemos, eu lembro de: Praia na empresa, janeiro, mês de férias, clima de praia, pequenos montes de areia espalhados pelo chão, mini-coqueiros nas mesas dos vendedores, o som do barulho do mar intercalado com música havaiana, rock de praia, reegae tocando o dia inteiro nas pequenas c a i x a s d e s o m permanentemente instaladas na área de vendas e uma super mega lousa com o quadro de metas e resultados cercada por múltiplas fotos de gente bonita na praia, sorrindo e feliz para lembrar a todos que nada daquilo era brincadeira. Além dos


grandes prêmios do mês, prêmios menores eram distribuídos para a mesa mais bem decorada e enfeitada. Cada vendedor teve a liberdade para fazer o quê quiser com o seu espaço na empresa. Teve vendedor que trouxe prancha de surf, armou barraca para vender côco, alugou carrinho para vender sorvete de praia, até jogo de frescobol rolou durante o dia entre os vendedores. A vestimenta estava completamente liberada (sempre com bom senso), bermuda, chinelo, saída de banho, as sextas-feiras, o clima atingia o ápice em confraternização e resultados. Humor para atingir objetivos e diversão para energizar as metas. Cada um dos doze meses do ano ganhou um tema. Doze meses, doze decorações diferentes da empresa, doze campanhas de 30 dias, non-stop, um ano marcante para nunca mais esquecer. Outros temas: Survival, Rally, Festa Junina, Carnaval (com direito a invasão de Drag Queens para estimular os mais tímidos a trabalhar mais), Mês das Bruxas (incluindo 4 dias que se permitia trabalhar vestido de monstro com maquiagem e roupa a cárater), Torneio de Futebol, Rodeio (com direito a touro mecânico), Mês das Crianças, Natal, Guerra (com direito a contratação de

tanques de verdade instalados do lado de fora da empresa, tendo a sua mira voltada para área de vendas) entre muitas outras coisas. A lista de brincadeiras é imensa, o efeito instantâneo. Tudo sempre regado a muita música, vibração e liderançaadulta dos gerentes para manter o barco rumo ao norte desejado. No final, 120 pessoas, 500 milhões em vendas. O melhor remédio para quem está com medo, sozinho ou triste, é o contato com outras pessoas; o melhor remédio para forçar as pessoas a se encontrar é a diversão. E tudo isso, tem tudo a ver com business. Diversão muda o mundo, e o mundo muda com diversão. QUEBRA TUDO! Foi para isso que eu vim! E Você? Na água de côco. ricardom@bizrevolution.com.br

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

45


Mundo está mais pessimista O ano de 2009 é esperado com mais pessimismo do que otimismo, segundo a pesquisa de fim de ano Voice of the People (Voz do Povo), do instituto Gallup International, que entrevistou 45,7 mil pessoas em mais de 40 países entre os meses de outubro e dezembro. O levantamento, graças a Deus, não inclui o Brasil.

C

om a pergunta "para você, o ano de 2009 vai ser melhor ou pior do que 2008?", o resultado apontou que 35% dos entrevistados esperam um ano pior, enquanto apenas 27% esperam um ano melhor. Ao tratar especificamente de economia, 52% dos entrevistados afirmam que 2009 será um ano de dificuldades econômicas, e 66% prevêem aumento do desemprego. No ano passado, a mesma pesquisa apontou mais gente

otimista em relação a 2008 (38%) do que pessimista (24%). Entre os otimistas, Kosovo está no topo da lista, com 60% dos entrevistados esperando um ano melhor. Os kosovares têm aparecido entre os mais otimistas desde o começo do novo século. Em segundo lugar estão os chineses das grandes cidades (53%). Esses, no entanto, são os únicos locais onde mais da metade dos entrevistados se declarou otimista em relação ao ano que vem. Austrália, Líbano, Colômbia, Nova Zelândia, Rússia, Índia, Barein e Macedônia completam a lista dos dez lugares mais otimistas.

Economia Por outro lado, entre os dez países que aguardam 2009 com mais pessimismo do que otimismo, a proporção foi de mais da metade dos entrevistados. O local que encabeça a lista de pessimistas neste ano é Hong Kong, onde 67% dos entrevistados esperam que 2009 seja pior. No ano passado, Hong Kong liderava a lista dos lugares mais otimistas. Islândia (67%), Cingapura, Grécia, Irlanda, GrãBretanha, Holanda, Croácia, Sérvia e Ucrânia


para 2009 completam a lista. Em quase todos os países pesquisados, a proporção de pessimismo em relação ao ano seguinte foi maior do que em 2007. O instituto Gallup International afirma que a economia influencia diretamente as expectativas. Apenas um em cada dez entrevistados (13%) afirma que 2009 será um ano de prosperidade econômica, enquanto a maioria dos entrevistados (52%) prevê dificuldades. Em todos os países, a proporção de entrevistados que espera um aumento do desemprego foi mais alta do que a dos que esperam melhoras.

O temor é maior em países europeus. Na Islândia, na Dinamarca, em Luxemburgo e na Grã-Bretanha, nove em cada dez entrevistados esperam um aumento na taxa de desemprego. Em Hong Kong, Noruega, Bélgica, Áustria, Grécia, Irlanda, Rússia, China, Cingapura, Holanda, Suíça e Filipinas, cerca de oito dos dez entrevistados afirmam que o desemprego vai aumentar. Os entrevistados ainda responderam a uma pergunta sobre a paz mundial e os conflitos.Amaioria (45%) diz que a situação vai permanecer a mesma, enquanto 36% esperam um ano conturbado. Apenas 11% afirmam que 2009 será um ano pacífico.

EDIÇÃO 86 [JANEIRO 09]

p a r a m a i s . c o m . b r

47


Agenda Cultural

Programação PROGRAMAÇÃO dos Palcos Forum Social Mundial

25/01 - Início do Credenciamento (UFRA) 24/01 - Marcha de Abertura (tarde) 28/01 - Dia da Pan-Amazônia: 500 Anos de resistência, conquistas e perspectivas afro-indígena e popular. 29 a 31/01 - Demais atividades auto-gestionadas. 01/02 - Encerramento do FSM - Dia das Alianças (Manhã: ações descentralizadas e autogestionadas onde serão apresentados os acordos e alianças construídos no decorrer do FSM; Tarde: ação centralizada com uma celebração geral e encerramento do FSM. Há também uma programação paralela de fóruns que serão realizados simultânea ou anteriormente ao do Fórum Social Mundial 2009. Esses eventos, entretanto, possuem dinâmica, organização e metodologia autonômas. Fórum de Autoridades Locais e Fórum de Autoridades Locais da Amazônia: dias 30 e 31 Fórum Social Pan-Amazônico: 28 de janeiro Fórum Mundial de Educação: 26 e 27 de janeiro Fórum Mundial de Mídia Livre: 26 e 27 de janeiro Fórum de Ciência e Democracia: 26 e 27 de janeiro V Fórum Mundial de Juízes: 23 e 25 de janeiro Fórum Mundial de Teologia e Libertação: 21 e 25 de janeiro Fórum Mundial do Trabalho: dia 29 de janeiro Fórum Parlamentar Mundial: 28 e 30 de janeiro


Agenda Cultural

Programação dos Palcos No Forum Social Mundial (UFRA e UFPA) PALCO UFRA- 28 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 28

16h30

DIA 28 DIA 28

APRESENTAÇÃO

GRUPO

Projeto Pau e Lata

Danúbio Gomes (Natal-RN)

17h

Banda Nêgo Bode (Belém-PA)

Neuton Vieira Martins Filho

18h

O Desterro: Boi de Mamão Raiz

Ricardo Rocha Passos (Santa Catarina-Brasil)

DIA 28

19h

Banda Núcleo Base

José Lucas Sarmanho Monteiro (Belém)

DIA 28

20h

Cia. Compassos da Dança Construção

Fernanda Smith (Belém-PA)

DIA 28

21h

Banda Bris Zaboa (Belém-PA)

Damião Negri da Silva

PALCO UFRA- 29 DE JANEIRO

DIA

ATIVIDADE

HORA

RESPONSÁVEL

DIA 29

16h30

“Uma luta para através do nosso ritmo resgatarmos os jovens para a dança”

DIA 29

17h30

The Forget Zis Experimen

Bembo Davis (Bergen-Norway)

DIA 29

18h30

Uma missa profana dos seis sentidos

Companhia de Teatro Madalenas e Novos Gatos do Trovão Belém-PA

DIA 29

19h30

Banda Choke

Octavio Lourenço (Curitiba-PR)

DIA 29

20h30

Trio Manari

Trio Manari (Belém-PA)

DIA

HORA

ATIVIDADE

DIA 30

10h30

Massacre, a História Que Não Foi Contada

Haroldo França (Belém-PA)

DIA 30

11h30

Ervas da loresta, Cheiros do Pará são Magia na Deixa Falar

Jânio Miglio (Belém-PA)

Banda Revolutions (Terra Firme-Belém-PA)

PALCO UFRA- 30 DE JANEIRO

RESPONSÁVEL

DIA 30

16h

Fragmentos do Cotidiano da Mulher

Norma Soely Guimarães Rocha (Teresina-PI)

DIA 30

17h30

O Tao cultural de Marituba

O Tao cultural de Marituba (Marituba-PA)

DIA 30

19h

Intervenção artística: GOG e Ellen Oléria, A Familia e Actitud Maria Marta (Arg)

Articulação Latino-Americana: Cultura e Política ALACP (Brasilia-DF)

DIA 30

21h

Caravana Laborarte

Nelson Santos de Brito (São Luís-MA)

PALCO UFRA- 31 DE JANEIRO

DIA

ATIVIDADE

HORA

DIA 31

9h30

DIA 31

10h30

A Amazônia em prosa e verso: Histórias da Tatá: brincando de contar Surreal Circo Fábrica de sueños” y taller para niños de 8 a 12

RESPONSÁVEL Mariza Andrade Guedes Alves (Belém-PA) Diana Lopez (Bogotá-Col)

DIA 31

16h45

Terra Viva

Fernando Cavallieri (Santo André-SP)

DIA 31

17h30

Arte na Lata e Dj Roger Flex

Andrea de Araújo (Rio de Janeiro-RJ)

DIA 31

18h10

Moniya Amena-El Árbol de La Abundancia

Javier Gámez Teatro de Títeres (Bogotá-Col)

DIA 31

19h30

Afoxé Ita Lemi Sinavuru

Edson Silva Barbosa (Belém-PA)

20h30 09] Maracatu Vigna Vulgaris 31 86 [JANEIRO 38DIA EDIÇÃO

Brenner Marques da Silva (Fortaleza-CE)


PALCO UFPA 1 (CAMPUS PROFISSIONAL) 28 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 28

18h

APRESENTAÇÃO

RESPONSÁVEL

Acauã – Um Conto Amazônico Belém-PA

Grupo de Produção Cênica “Oficina de Sonhos”

DIA 28

19h

Acrobracia Dança/Circo Paraná-Brasi

Associação Espaço Cultural Arte & Vida - ECAEV

DIA 28

20h

Tabacaria: Violão, Voz & Poesia

Mário Sérgio Barroso (São Paulo)

DIA 28

20h45

Banda Plantae firme como Rocha

Cauan Ferreira Araújo (Niterói-RJ)

PALCO UFPA 2 (CAMPUS BÁSICO) 28 DE JANEIRO

DIA

HORA

APRESENTAÇÃO

RESPONSÁVEL

DIA 28

18h30

Espetáculo - “Contando e Cantando Lendas” (São Luís-MA)

DIA 28

19h45

Companhia de Dança Expressões Culturais Terra Cabocla (Belém-PA)

Josenilda Santos Silva

20h30

Teatro de Bonecos (Porto Alegre-RS)

Grupo Atimonautas Kakuma, teatro de Bonecos

DIA 28

Raimunda Nonata Mesquita Bezerra

PALCO UFPA 1 (CAMPUS PROFISSIONAL) 29 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 29 DIA 29

18h 19h

Cantos e Desencantos da Transxingu Desperta Amazônia (Belém-PA)

Josimar Olavo Dantas (Belém-PA) Sinval Correa

DIA 29

20h

Fogo: A Criação do homem segundo a mitologia e o mito de Prometeu

Rejane de Fátima G. Costa (Belém-PA)

Os curupiras Show

Cléber Augusto Costa de Melo (Belem-PA)

DIA 29

20h45

APRESENTAÇÃO

RESPONSÁVEL

PALCO UFPA 2 (CAMPUS BÁSICO) 29 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 29 DIA 29

19h 20h 21h

DIA 29

APRESENTAÇÃO Brasil de Todas as Raças Marujada dos Timbiras Espetáculo Mundiasmundo

RESPONSÁVEL Elza Monteiro Magalhães (Ananindeua-PA) Walmeire Alves de Melo Costa (Capanema-PA) Malta de Poetas Folhas & Ervas (Belém-PA)

PALCO UFPA 1 (CAMPUS PROFISSIONAL) 30 DE JANEIRO

DIA DIA 30 DIA 30 DIA 30

HORA

APRESENTAÇÃO

18h30 19h30 20h30

Bafafá do Pará Mestre Ginja e Coletivo da Terra Banda Txai

RESPONSÁVEL Paulo Martins (Belém-PA) José Luís Duarte da (Costa Belém-PA) Txai (São Paulo)

PALCO UFPA 2 (CAMPUS BÁSICO) 30 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 30 DIA 30

19h 20h 21h

DIA 30

APRESENTAÇÃO Banda Zueira de Fumanchú Banda Nego Junkie Banda Los Parias

RESPONSÁVEL André Miranda (Belém-Pa) Monique Malcher de Carvalho (Belém-PA) José Alejandro Gil (Bogotá-Col)

PALCO UFPA 1 (CAMPUS PROFISSIONAL) 31 DE JANEIRO

DIA

HORA

DIA 31 DIA 31

18h30 19h

Grupo de Expressões Culturais Encanto Marajoara Todo o Nada

DIA 31

19h45

Moniya Amena – El Árbol de La Abundancia

DIA 31

20h45

Show for the World

APRESENTAÇÃO

RESPONSÁVEL Elen Ciane Brito Pinheiro (Belém-PA) Jorge Uzcátegui (Mérida-Venezuela) Javier Gámez Teatro de Títeres (Bogotá-Col) Mamadou Gningue (Dakar-Senegal)

PALCO UFPA 1 (CAMPUS PROFISSIONAL) 01 DE FEVEREIRO

DIA

HORA

ATIVIDADE / OFICINAS

DIA 01

17h30

DIA 01

18h30

Show “Veredas do Amor” Rosa Helena Pimentel-Trio Banda Trégua

DIA 01

19h30

La Gran Fiesta

RESPONSÁVEL Comitê Mineiro FSM (Belo Horizonte-MG) Octavio Trepus (Paují-Venezuela) Decora and DJ H20 of The ReadNex Poetry Squad (Newburgh-US)


Pará+ 86  

O Fórum Social Mundial Os 393 anos de Belém

Advertisement