Page 1

dezembro 2008

Belém - Pará - Brasil

www.paramais.com.br

ISSN 16776968

Edição 85

3,00

FELIZ NATAL 2009 DE REALIZAÇÕES


ENCONTRO DE NOVOS GESTORES MUNICIPAIS

DEPUTADOS REELEGEM DOMINGOS JUVENIL POR UNANIMIDADE

CAMPANHA PAPAI NOEL DOS CORREIOS BUSCA RESGATAR O ESPÍRITO NATALINO

Participaram da eleição 40 deputados, apenas André Dias não compareceu por problemas de saúde. Juvenil recebeu 39 votos, somente um voto em branco, de autoria do próprio presidente, para evitar eventuais especulações em torno do nome de outros deputados, disse o presidente...

A proximidade do Natal nos remete ao antigo mistério que ronda a imaginação das crianças: - Afinal, Papai Noel existe?

Pág. 12

Pág. 10

Pág. 06 CASTANHAL GANHA MEGA YAMADA PLAZA

IV FITA - TURISMO E SUSTENTABILIDADE A quarta edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), promovida pela Paratur, no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, teve como temática "Turismo e Sustentabilidade"...

O grupo Yamada movimentou grande parte dos municípios do nordeste paraense com a inauguração de seu mais novo e maior empreendimento, o Yamada Plaza Castanhal, o maior centro de compras e lazer da região...

PARATUR HOMENAGEIA CAMILLO VIANNA Por seus inúmeros serviços prestados e determinada dedicação em prol das causas amazônicas, a Companhia Paraense de Turismo (Paratur) homenageou o professor Camillo Vianna, no último sábado (06), durante a quarta edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), no Hangar...

Pág. 28 por ISRAEL PEGADO

Pág. 26

Pág. 18 OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DO NASCIMENTO DE JESUS MENINO À VISITA DOS REIS MAGOS No século IV quando o imperador romano Constantino se converteu ao catolicismo, transformou a religião do Império. Os cristãos deixaram de ser perseguidos...

Pág. 38

Pág. 30

Editora Círios SS Ltda CNPJ: 03.890.275/0001-36 Inscrição (Estadual): 15.220.848-8 Rua Timbiras, 1572A - Batista Campos Fone: (91) 3083-0973 Fax: (91) 3223-0799 ISSN: 1677-6968 CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil www.paramais.com.br revista@paramais.com.br

ÍNDICE

PUBLICAÇÃO

por ANETE FERREIRA COSTA

DIRETOR e PRODUTOR: Rodrigo Hühn; EDITOR: Ronaldo Gilberto Hühn; COMERCIAL: Alberto Rocha, Augusto Ribeiro, Rodrigo Silva, Rodrigo Hühn; DISTRIBUIÇÃO: Dirigida, Bancas de Revista; REDAÇÃO: Ronaldo G. Hühn; REVISÃO: Paulo Coimbra da Silva; COLABORADORES: Acyr Castro, Camillo Martins Vianna, Celeste Vidigal, Jailson Souza da Siva Vieira, Seir, Israel Pegado, Anete Ferreira Costa, Carolina Rocha, Manoel Rezende, Ricardo Jordão Magalhães, Sérgio Pandolfo; FOTOGRAFIAS: Cláudio Santos, David Alves, Eliseu Dias/AgPa, Jeziel Rodrigues, José Cruz/ABr, Lúcio Mauro, Manoel Souza, Marta Cruz, Mirian Couto, Oséas Santos/Alepa, Raimundo Silveira; DESKTOP: Mequias Pinheiro; EDITORAÇÃO GRÁFICA: Editora Círios

OS ARTIGOS ASSINADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES

ANATEC ASSOCIAÇÃO DE PUBLICAÇÕES


Selos Comemorativos

Natal de 2008

A

por Celeste Vidigal

Basílica de Nossa de Nazaré foi o palco para o lançamento dos Selos Comemorativos alusivos ao Natal de 2008. A missa em que ocorreu o evento aconteceu no dia 28 de novembro às 18 e teve como celebrante o Arcebispo Metropolitano de Belém, D. Orani João Tempesta. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos foi representada pelo Diretor Regional Adjunto do Pará, Antonio José Menezes Vieira. A igreja estava lotada de fiéis e convidados que participaram da missa e do lançamento, transmitidos ao vivo para todo o Estado pela TV Nazaré. Nos selos deste ano estão representados elementos que focalizam o Convento de Santo Antônio, localizado no Rio de Janeiro, que, neste ano, comemora seus 400 anos de existência, e o 8º Centenário do Movimento Franciscano. O presépio é um arranjo composto por

A solenidade foi transmitidos ao vivo para todo o Estado pela TV Nazaré

O Arcebispo Metropolitano de Belém mostra o Selo Obliterado na presença do Diretor Regional Adjunto dos Correios, Antonio José Menezes Vieira D. Orani João Tempesta, oblitera um dos Selos Comemorativos ao Natal de 2008

um conjunto de peças avulsas da Natividade, São Francisco, e estatuetas em terracota policromada e dourada. Todas as imagens, exceto a de São José, são do século XVIII, citadas por Frei Apolinário da Conceição no seu livro “Epítome”, sendo indefinidas a origem e autoria. A imagem de Santo Antônio tem história rica e controversa, detalhada no livro “Convento de Santo Antônio do Rio de Janeiro – a história, memórias, tradições” do Frei Basílio Röwer. Para a criação dos selos o artista empregou as técnicas de fotografia e de computação gráfica, utilizando o acervo do próprio Convento.

Assessora de Comunicação DR/PA EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

05


Campanha Papai Noel dos Correios busca resgatar o espírito natalino

A

proximidade do Natal nos remete ao antigo mistério que ronda a imaginação das crianças: - Afinal, Papai Noel existe? Enquanto alguns insistem em negar a existência do bom velhinho; na ECT o mito serviu como ponto de partida para o lançamento de mais uma edição da campanha Papai Noel dos Correios, que visa atender às cartas, com pedidos diversos, enviadas no período natalino por crianças de comunidades carentes. Surgida há mais de duas décadas, como iniciativa dos próprios empregados dos Correios que se sensibilizavam com os pedidos contidos nas cartas

endereçadas ao Papai Noel, a campanha se tornou um projeto institucional em 1994. Desde então, abriu suas portas para a sociedade, que passou a poder colaborar tanto como voluntária para auxiliar na leitura e triagem das cartas, como para adotar um pedido. Embora não seja meta dos Correios, o número de correspondências recebidas vem aumentando a cada ano. Somente em 2007, foram mais de 790 mil cartas recebidas em todo o Brasil, das quais metade foi adotada - possibilitando que a criança recebesse o presente - e mais de 200 mil foram respondidas pelos Correios. A carta-resposta é formatada em um padrão onde Papai Noel aparece como remetente, desejando à criança e à sua família um feliz Natal. O “Papai Noel dos Correios” é uma das ações sociais mais reconhecidas pela sociedade brasileira, tendo recebido, em 2001, o Prêmio Top Social pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), um importante divulgador das iniciativas de organizações que promovem o bem-estar social como parte de suas atividades. Mais do que promover o nome da ECT, o grande intuito da campanha é resgatar o espírito natalino presente em cada um de nós, contribuindo, assim, para a própria melhoria das condições de vida do País. Portanto, nos Correios, Papai Noel existe.

Muitas pessoas escolhem entre as cartas selecionadas uma ou mais para adoção

06

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Como funciona O destinatário do projeto é a criança (até 12 anos) que envia pelos Correios uma cartinha ao Papai Noel. As cartas que partem das comunidades carentes em todo o País são separadas e colocadas à disposição de quem quiser adotá-las. Ou seja, nem todas as crianças carentes serão necessariamente atendidas. No Pará, foram recebidas cerca de 7500 cartas em 2007, das quais 4 mil foram cadastradas por atenderem as orientações do projeto. Dessas, 2750 foram adotadas por pessoas da comunidade, funcionários dos Correios e de outras empresas públicas e privadas interessadas em atender os pedidos das crianças. Inicialmente são descartadas as correspondências que não contêm remetentes ou com endereços repetidos e incompletos . Assim, é importante o correto preenchimento do nome e endereço do destinatário, com CEP. Cartas de adultos não são atendidas, bem como pedidos de medicamentos, celular, MP3, DVD, notebooks , e afins. Todas as pessoas podem colaborar, tanto como voluntários para auxiliar na leitura e triagem das cartas, como para adotar um pedido. Para isso, basta entrar em contato com a “Casa do Papai Noel” de sua região. Em

Papai noel lendo as cartinhas que lhe são endereçadas com pedidos

Belém as atividades serão concentradas na Agência Central dos Correios naAv. Presidente Vargas, 498. Nas duas primeiras semanas da campanha, já foram recebidas em Belém cerca de cinco mil cartinhas.

Fone: (91) 3248-5651 EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

07


O Natal está

chegando por Jailson Souza da Silva Vieira

E

stamos há alguns dias desta data tão especial para muitas pessoas. Alguns, a esperam por causa do misericordioso clima que toma conta do coração da maioria das pessoas já na véspera desta comemoração. Outros, principalmente as crianças, esperam a vinda do Bom Velhinho com seus presentes para todos aqueles que se comportaram bem. E existem também aqueles que não dão a mínima para o dia, “é um dia como outro qualquer”, dizem. Quanto ao sistema capitalista implantado para aproveitar dessas situações, nem precisa falar. Tá na cara que o sistema se aproveita de todas as brechas. Por outro lado, muitas pessoas fazem as pazes, reatam antigos relacionamentos que estavam quase destruídos, festejam, bebem, comem, dançam, ajudam os necessitados, distribuem comida, roupas, agasalhos, se abraçam, se amam como verdadeiros irmãos, vão para a casa dos parentes que moram longe, trocam presentes e tudo isso é muito prazeroso e bonito… É o espírito do Natal. Mas não é o bastante. Quem dera tivéssemos Natal os 365 dias do ano, para podermos dançar, festejar e ajudar os nossos semelhantes que tanto sofrem. A mídia nos convence de que o Natal é o dia para todas essas formas de alegria e ternura, mas essa é uma verdade que poderia existir todos os dias de nossas vidas. Por que esperar o dia 25

08

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

de dezembro para fazer o bem, se existem pessoas sofrendo todos os dias do ano? Não seria uma hipocrisia de nossa parte fecharmos os olhos durante 363 dias do ano e fazer o bem somente nos dias 24 e 25 de dezembro? O próprio nascimento do Menino Jesus já aconteceu e não acontecerá de novo. Nós celebramos a recordação deste dia. Jesus pediu que amássemos a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos e não citou uma data para isso. Então podemos supor que Ele quer que façamos isso todos os dias. Isso sim, a meu ver, é o Verdadeiro Espírito Natalino: “Amar a Deus sobre todas as coisas e aos nossos semelhantes, (e a tudo o que Deus criou), como a nós mesmos durante todos os dias de nossas vidas.”


o m o c a i n ô z a ! m u A i A u n ca v n ê v oc áNAS

J ANCAS B


noticias da assembléia legislativa Seu voto em branco demonstrou sua convicção na reeleição

Deputado Estadual Domingos Juvenil, acabava de ser reeleito como presidente da Assembléia Legislativa do Pará

Deputados reelegem Domingos Juvenil por unanimidade articiparam da eleição 40 deputados, apenas André Dias não compareceu por problemas de saúde. Juvenil recebeu 39 votos, somente um voto em branco, de autoria do próprio presidente, para evitar eventuais especulações em torno do nome de outros deputados, disse o presidente. O deputado Domingos Juvenil (PMDB) foi reeleito por unanimidade para o biênio 2009/2011. Indagado pela imprensa sobre o relacionamento com o PT, após especulações de racha no acordo entre os dois partidos, Juvenil negou veementemente que houvesse

P

Os vencedores

tal desentendimento. Disse que as legendas têm uma convivência na Casa, mas mantêm suas respectivas identidades partidárias, sendo natural que haja momentos difíceis e até mais tensos. “Mas o bom senso põe no lugar a coerência e a naturalidade. Eu não creio que haja nenhum rompimento nem por parte do PMDB nem por parte do PT”. O deputado disse que a prova de que prevalecia a aliança entre PT e PMDB foi a sua eleição e o acordo, que naquele momento, estava em andamento para a composição de uma chapa única. “Uma chapa que corresponda aos interesses de todas as


Fotos: Eliseu Dias e Lucivaldo Sena /Ag Pa e Oseás Santos/ Alepa

Domingos Juvenil já reeleito, saúda seus companheiros

O presidente Domingos Juvenil se comprometeu a manter a gestão da Casa, pautada no consenso, ouvindo todos os partidos e correntes que atuam no Legislativo. “Trata-se de uma Casa pluripartidária, portanto precisa de um relacionamento baseado no respeito e na tolerância”, afirmou. Juvenil agradeceu sua reeleição a todos os deputados e servidores da Alepa, partidos com assento na Casa e, em especial, à Governadora Ana Júlia Carepa (PT) e ao presidente regional do PMDB, deputado federal Jader Barbalho

correntes e que tenha, de alguma maneira, uma composição como fruto do consenso entre todos os partidos com assento no Poder Legislativo”. Os servidores da Alepa acompanharam a eleição de Juvenil voto a voto nas galerias do Plenário Newton Miranda. Depois do processo eleitoral que escolheu o presidente a Mesa Diretora, os servidores fizeram uma festa para Juvenil, nas escadarias do Palácio Cabanagem. Foi a primeira vez em que um presidente recebeu esse tipo de homenagem de servidores da Alepa. A Bíblia por testemunho

A nova Mesa Diretra

Diretoria da Alepa para o biênio 2009/2011

João Salame (PPS): 1ª Vice-presidência; Ítalo Mácola (PSDB): 2ª Vice-Presidência; Miriquinho Batista (PT): 1ª Secretaria; Adamor Aires (PR): 2ª Secretaria; Haroldo Martins (DEM): 3ª Secretaria, e Deley Santos (PV): 4ª Secretaria

Durante a sessão de votação no Plenário da Assembléia Legislativa

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

11


I Encontro de Novos Gestores Municipais Encontro reúne 104 prefeitos eleitos ou reeleitos no último pleito por Seir

Fotos: David Alves e Eliseu Dias/Ag Pa

papel do novo governo é uma ação republicana. Compreendemos que, no período eleitoral, é natural a disputa, Cada um defende o seu projeto político. Mas diferente de outros governos, para nós, as eleições acabaram. Eu jamais prejudicaria um cidadão ou cidadã do Pará, porque o prefeito não é da minha base", ressaltou a governadora Ana Júlia Carepa, na abertura do I Encontro de Novos Gestores Municipais. Do encontro, participam 104 prefeitos eleitos ou reeleitos no último pleito. Eles receberam informações e orientações sobre as possibilidades de parcerias com os governos estadual e federal.

Na abertura, também estiveram presentes o sub-chefe de Assuntos Federativos da Presidência da República, Alexandre Padilha; o secretário de Estado de Integração Regional, André Farias; o presidente da Assembléia Legislativa, deputado estadual Domingos Juvenil; e o prefeito de Palestina do Pará, Walcinei Gomes, também presidente da Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará – FAMEP, que representou todos os gestores municipais. A governadora acrescentou ainda que a página das eleições já está virada e os palanques acabaram. O que interessa ao governo do Estado é o desenvolvimento dos 143 municípios. "Fico feliz também com a parceria

O

O I Encontro de Novos Gestores Municipais reuniu no Hangar, 104 prefeitos municipais


Para Alexandre Padilha, Sub-chefe de Assuntos Federativos do Governo Federal, a crise financeira internacional mostra que os agentes públicos são fundamentais para sustentação do crescimento no país O importante para o Governo do Estado é o desenvolvimento dos 143 municípios

do governo federal em obras de infra-estrutura para o novo modelo de desenvolvimento, como porto de Vila do Conde e Transamazônica". Sem essas, segundo ela, não seria possível, por exemplo, ter uma siderúrgica no Pará. "Aproveitem a lua-de-mel, que é este momento, porque governar e resolver problemas é ter bons momentos de alegria", acentuou. Para concretizar as relações de parceria entre Governo do Estado e prefeituras, ela enfatizou que já foram instalados Centros de Integração Regional (CIR), em Marabá e Santarém, que disponibilizam informações sobre ações e serviços disponíveis. "Vamos marcar reuniões com os prefeitos nesses centros. Com isso, cumprimos o nosso compromisso de integrar o Estado do Pará", afirmou. O secretário André Farias acrescentou que a determinação do Governo do Estado é fazer uma administração diferente, que atenda todos os municípios e todas as regiões. "Ao final das eleições, chamamos os 143 prefeitos para discutir um novo ciclo de fortalecimento da gestão municipal e da relação com os governos estadual e federal", disse, exemplificando com a Sala das Prefeituras, ambiente em que os prefeitos acessam e trocam informações sobre programas e recursos disponíveis. Para o prefeito Walcinei Gomes, a presença de grande parte dos gestores no encontro representa a vontade dos municípios de se aproximarem do Governo do Estado. "Se não houver esta parceria, não há como se desenvolver. A situação dos municípios é um desafio muito grande. Estamos acompanhando atentamente os esforços desse governo para fazer chegar as políticas públicas a todo o Estado. Mas ainda temos municípios sem médicos, sem delegados de polícia, sem comarcas, com juízes e promotores", observou o prefeito de um dos menores municípios do Pará. "Alerto que

A mesa oficial do I Encontro de Novos Gestores Municipais, promovido pela Secretaria de Estado de Integração Regional – SEIR

precisamos continuar avançando, porque os problemas não são só deste governo, mas de décadas", lembrou. Para ele, é fundamental que os prefeitos estejam reunidos em consórcios públicos e associações para melhorar a organização municipalista. De um grupo de prefeituras, a regularização fundiária é a principal demanda para a sustentabilidade do Pará. O sub-chefe EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

13


Alexandre Padilha adiantou que, nos dias 10 e 11 de fevereiro, em Brasília, o presidente Lula reunirá com prefeitos, secretários municipais e assessores, quando será discutido este tema.

Domingos Juvenil, presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Pará

Regularização fundiária Por Medida Provisória, o governo federal pretende repassar todas as terras do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em núcleos urbanos para as prefeituras. "Para isso, os prefeitos precisam se capacitar, fazer os planos diretores e zoneamento econômico-ecológico. Por outro lado,

Walciney Gomes, presidente das Associações de Municípios do Estado do Pará, prefeito de Palestina do Pará, e também presidente da Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará – FAMEP

Cássio Alves Pereira, secretário de Estado da Agricultura

14

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

vamos reduzir a burocracia para regularização de propriedades de, no máximo, quatro módulos, que são 90% das terras federais na Amazônia", informou Padilha. Ele lembrou ainda que o Pará foi o primeiro Estado a criar uma sala de prefeituras, o primeiro Estado a ter aprovada uma lei estadual dos consórcios públicos e de criar uma estrutura própria no governo para se relacionar com as prefeituras, que é a Secretaria de Integração Regional – SEIR. "Aqui estão fazendo não André Farias, secretário de Estado de Integração Regional – SEIR


O foco do encontro foi o Fortalecimento da Gestão Municipal e Integração Regional, que promoveu o debate sobre a importância da qualificação dos gestores, da transição democrática, construção de uma nova relação institucional federativa, ampliação do controle social nas ações de políticas públicas e maior integração e articulação das ações no âmbito territorial. Os prefeitos receberam informações e orientações sobre as possibilidades de parcerias com os governos estadual e federal, bem como sobre mecanismos para a captação de recursos públicos. Os Novos Gestores Municipais estavam atentos

só um bom governo, mas uma nova história no Pará, diferente da relação de tutela de governos passados, mas uma relação democrática, de reunir neste auditório prefeitos – todos – do Pará, independentemente de partido político", ressaltou. Ele completou que o governo federal dispõe de uma Agenda Nacional de apoio à gestão dos municípios, um instrumento legal e jurídico de formação e troca de informações para transição das gestões municipais.

Ações concretas Ana Júlia Carepa destacou que é desafiador à equipe do Governo do Estado superar entraves como o abastecimento de água, educação/profissionalização e saúde. Até 2010, serão 200 mil novas ligações no Pará e 30 escolas técnicas de ensino médio - hoje, são 12. "O Pará foi o primeiro Estado a acessar recursos do programa Brasil Alfabetizado para esta ação. Queremos fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS); o Governo do Estado vai retomar o compromisso de repassar os recursos fundo a fundo e não mais por convênios, mas as prefeituras assinarão metas e prazos. Na minha campanha, prometi dobrar o percentual de cobertura do programa Saúde da Família; em dois anos, saltou de 21% para 38%. Por

O chefe da Casa Civil, Cláudio Puty, secretárias de estado de Saúde, Laura Rosseti, e de educação, Iracy Gallo e José Sales, da Segup

isso, não vamos apenas dobrar, mas chegar a 52%. E faremos isso junto com prefeitas e prefeitos", afirmou. Para saúde, também está prevista a conclusão do hospital regional de Breves, do hospital geral de Tailândia e a construção de três hospitais de urgência e emergência, além do novo hospital da Santa Casa. Na área de segurança pública, a governadora frisou que a contratação emergencial de policiais militares não se dá como nas profissões de médico, enfermeiros ou EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

15


Na entrada do plenário vários estandes foram montados

professores. Eles precisam estar qualificados, após seleção por concurso público, para ser efetivados. "Este mês, dia 15 provavelmente, serão incluídos 1.500 novos policiais no efetivo da Polícia Militar do concurso que realizamos. E já lançamos edital para outro concurso público para 2.200 novas vagas, que serão distribuídos em todas as regiões do Estado", informou. Paralelamente, o governo do Estado tem implantado políticas públicas que ofereçam oportunidade à juventude, como o Bolsa Trabalho, programa premiado, recentemente, pelo governo federal como uma das quatro melhores práticas sociais do país.

Ele mostrou esses resultados para afirmar que a crise financeira não afetará os investimentos do governo federal em obras estruturantes importantes para o desenvolvimento. Continuam garantidos os recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) R$ 2 bilhões em saneamento e urbanização - para conclusão da BR-163, eclusas de Tucuruí e Transamazônica, assim como o PAC Funasa - R$ 200 milhões - para os municípios menores e as obras do projetoAlvorada, paradas em governos anteriores.

Prefeitos no 2º painel A prefeita Maria do Carmo e os prefeitos Iran Lima e Mazinho falaram sobre suas experiências como gestores reeleitos, mostrando os desafios que enfrentaram para adequar as contas municipais e conseguir recursos. Outro painel foi sobre Gestão Municipal e as Políticas Sociais Básicas: Saúde, Educação e Segurança, tendo como moderador o chefe da Casa Civil, Cláudio Puty e como palestrantes as secretárias de Educação, Iracy Gallo, de Saúde, Laura Rosseti e o secretário adjunto de Segurança, José Sales.

Crise financeira Para Alexandre Padilha, a crise financeira internacional tem mostrado que os agentes públicos serão fundamentais para sustentação do crescimento no país, que seja justo e com distribuição de renda. O Brasil, segundo ele, enfrenta a crise com reservas internacionais e comércio exterior em condições de se desenvolver. "Em 2003, 34% do que o Brasil vendia era para os Estados Unidos; hoje são 14%. Antes, 65% eram comercializados com Estados Unidos, União Européia e Japão; hoje, é o inverso: 65% são vendidos a países em desenvolvimento ou emergentes, que não sofreram a crise", disse.

André Luís Assunção de Farias, secretário de Estado de Integração Regional SEIR, fazendo o encerramento do I Encontro de Novos Gestores Municipais

André Farias, fez a saudação de boas-vindas aos prefeitos e disse que a determinação do governo do estado é fazer uma administração que atenda todos os municípios e todas as regiões. "Chamamos os 143 prefeitos para discutir um novo ciclo de fortalecimento da gestão municipal e da relação com os governos estadual e federal", explicou, apresentando como um dos mecanismos desse relacionamento a Sala das Prefeituras, onde os gestores acessam e buscam informações sobre programas e recursos disponíveis. Falou também sobre o funcionamento dos Centros de Integração Regional de Marabá e Santarém, que além de escritórios da Seir, das secretarias de Meio Ambiente, de Administração e de Projetos Estratégicos, também serve para que a população tire documentos, através do projeto "Tá na Mão". Além desses dois centros e o da Região Metropolitana, que funciona no Centro Integrado de Governo (CIG), estão sendo implantados nove núcleos regionais, onde os agentes de integração atendem os gestores. Ele explicou o funcionamento das Salas das Prefeituras no CIG e nos centros de integração, explicando que a regionalização leva em consideração o respeito ao povo e as potencialidades e diversidades regionais. Em seguida, ele falou sobre o funcionamento da Seir. Para ele, a grande participação dos prefeitos no encontro mostra que há um engajamento político tanto do governo do Estado quanto das prefeituras para que as políticas públicas cheguem na ponta, para quem realmente precisa.


O 3º painel O terceiro painel tratou da Gestão Municipal e da Política de Apoio ao Desenvolvimento Rural do Estado e contou com a moderação do secretário de Transportes, Valdir Ganzer e representante da Secretaria de Projetos Estratégicos; do secretário de Agricultura, Cássio Alves Pereira; da diretora do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará, Raimunda Monteiro e do secretário de MeioAmbiente, Valmir Ortega. A Gestão Municipal e as Políticas Sociais e Cidadania: Proteção Social, Desenvolvimento Urbano, Cultura e Participação Popular foram as discussões do painel de

Valmir Ortega, secretário de Meio Ambiente

Do total de 143 municípios paraenses, 119 prefeitos, eleitos e reeleitos, participaram na quarta e quinta-feira (3 e 4), no Hangar - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, do 1º Encontro de Novos Gestores Municipais, promovido pelo governo do estado, por meio da Secretaria de Integração Regional (Seir). Os demais gestores mandaram representantes.

encerramento, que teve a secretária de Governo, Ana Cláudia Cardoso como moderadora dos palestrantes Eutália Barbosa Rodrigues, secretária de Assistência e Desenvolvimento Social; Suely Oliveira, secretária de Desenvolvimento Urbano e Regional; Edilson Moura, secretário de Cultura e José Júlio Ferreira Lima, secretário de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças. O enconto foi encerrado com coquetel e apresentação cultural dos Baioaras - grupo folclórico regional.

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

17


FEIRA INTERNACIONAL DE TURISMO DA AMAZÔNIA 2008

FITA

Turismo e Sustentabilidade

por Israel Pegado

A abertura da IV FITA

18

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Fotos: Cláudio Santos, David Alves/Ag Pa e Jeziel Rodrigues


quarta edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), promovida pela Paratur, no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, teve como temática "Turismo e Sustentabilidade". O evento, uma promoção do governo do Pará, por intermédio da Companhia Paraense de Turismo (Paratur), com apoio do Ministério do Turismo, buscou promover a integração dos Estados e países que compõem a Pan-Amazônia, na ampliação, fortalecimento e comercialização dos produtos e serviços turísticos ofertados pela região amazônica. Incluiu palestras, mesas-redondas, oficinas, workshops e bolsa de negócios, além da feira de produtos e serviços turísticos. Foram debatidas, questões relevantes para o meio ambiente e a Amazônia, tais como: água, desenvolvimento sustentável, turismo rural, ética nos negócios e cultura indígena.

A

Iniciando os trabalhos...

Valorizando a cultura amazônica A programação cultural da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), buscou valorizar os ritmos, as danças e as músicas típicas da região amazônica, com apresentações de nomes consagrados da cultura local e também de grupos folclóricos garantindo a animação e diverção do público presente.

Ann Pontes assinando convênio “Viva o Pará”

A solenidade de abertura Contou com a presença da governadora do Estado, Ana Júlia Carepa; da presidente da Paratur, Ann Pontes; do deputado federal, Wladimir Costa; do presidente do Banco da Amazônia, Abdias de Souza Júnior; do coordenador municipal de Turismo de Belém, Wady Khayat; do presidente do Belém Conventions & Visitors Bureau, Orlando Rodrigues; do presidente do Sindicato das Empresas de Turismo (Sindetur-Pa), Joacyr Rocha, entre outras autoridades e empresários do trade turístico. “Falar e conhecer o mundo pode parecer mais fácil. Hoje, com um simples clique de mouse você vai a qualquer lugar. Mas, isso não diminui a curiosidade, nem o valor do contato próximo, do real”, comentou a governadora Ana Júlia Carepa. “Ações de infraestrutura de recepção, a construção de estradas e terminais hidroviários, a qualificação de mão-de-obra são exemplos de condições para que o turista possa conhecer nossas maravilhas, nossas belezas, nossa rica cultura e a diversidade de nossa culinária”, completou. Ana Júlia Carepa ainda mencionou o trabalho que vem sendo realizado para incremento do turismo e cumprimento da meta de crescimento de 11,73% do turismo no Estado no quadriênio 2008-2011, que

Abidias José de Sousa Júnior, presidente do Banco da Amazônia assina o convênio “Viva o Pará” com a nossa Governadora

Eduardo Barretto, ministro do Turismo e a governadora Ana Julia Carepa na entrevista coletiva com os jornalistas


possibilite um aumento de 18% na geração de empregos. Ao falar da recente missão à China, que contou com a presença da Paratur, a governadora ainda brincou: “Se vier ao menos 1% da população chinesa, já virá muita gente”. Ann Pontes falou do sentimento de satisfação pela abertura e realização da 4ª FITA. “Essa é uma oportunidade para discutirmos a atividade turística e suas variáveis sociais, ambientais e econômicas. Em se tratando da Amazônia, o turismo requer um cuidado todo especial”, afirma. A presidente da Paratur também

Nossos irmãos indigenas na FITA

O caprichoso foi muito requisitado

destacou a importância do papel que o evento exerce na integração dos destinos e atrativos turísticos da região para o desenvolvimento do Estado e fortalecimento conjunto da região. Já o deputado federal Wladimir Costa, autor da emenda parlamentar que destinou R$ 2 milhões para realização do evento e desenvolvimento do turismo no Estado, enfatizou a conscientização para a importância da atividade turística tanto no Estado quanto no país. Ele ainda destacou “a potencialidade turística visível de nossas praias, natureza, fauna e flora”.

Viva o Pará Quem mora no Pará tem agora um incentivo a mais para fazer turismo dentro do próprio Estado. Por meio do programa Viva o Pará, criado pelo governo do Estado para estimular o turismo nos municípios paraenses, inclusive nos meses de baixa temporada, os

20

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Muitos jovens na abertura da IV FITA

viajantes locais terão acesso a descontos e facilidades no uso de serviços e equipamentos turísticos, a partir de uma rede credenciada. O programa foi lançado pela governadora Ana Júlia Carepa, na abertura da FITA, e será desenvolvido pela Companhia Paraense de Turismo (Paratur), em parceria com o Banco da Amazônia, a partir de convênio assinado durante a solenidade. O Viva o Pará foi inspirado no programa federal de estímulo ao turismo Viaje Mais. Funcionará como uma espécie de clube de descontos, na qual o associado terá o diferencial de receber até 40% de desconto na compra de passagens, em diárias de hotéis e pousadas e


outros serviços. "Vamos começar a credenciar a rede de serviços. De início, os correntistas do banco já terão acesso também ao cartão do programa", informou o presidente do Banco da Amazônia, Abidias José de Souza. Para a governadora Ana Júlia Carepa: "Temos o privilégio de ter uma diversidade natural e cultural imensa. Quando o presidente Lula lançou o Programa Nacional de Turismo, me disse que tínhamos que mostrar o Pará para o Brasil e para o mundo, mas também temos que mostrar o Estado para os paraenses. Imagine uma praia de rio como a deAlter do Chão, com água transparente, o rio Xingu, a praia de Conceição do Araguaia, as praias da região do Salgado, o Marajó, Belém, que é a porta da Amazônia. Vamos transformar essas belezas em oportunidades, e ao mesmo tempo ajudar no desenvolvimento local, ampliando a taxa de ocupação desses locais na baixa temporada".

Ministro do Turismo ressalta investimentos O ministro do Turismo, Luiz Barreto, na 47ª Reunião do Fornatur (Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo), ressaltou os principais investimentos realizados no Pará, visando o desenvolvimento da atividade turística e incremento

do fluxo de visitantes ao Estado. De acordo com Luiz Barreto, o Ministério do Turismo (MTur) tem investido entre R$ 30 milhões e 35 milhões no Pará ao ano. Ele citou recursos destinados em virtude do Fórum Social Mundial 2009 e da Copa do Mundo de 2014, além do repasse de verbas oriundas do Prodetur (Programa de Desenvolvimento do Turismo)

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

21


e da parceria com Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). “Estamos em parceria com a prefeitura de Belém, prefeitura dos demais municípios do Estado e com a governadora Ana Júlia Carepa, por meio da Paratur. Acabamos de liberar o montante de R$ 6 milhões para um conjunto de ações de infra-estrutura visando à realização do Fórum Social Mundial, que ocorre em Belém, no próximo mês de janeiro. Também ajudamos com recursos para o Círio, para a FITA e para urbanização da orla do Guamá (Portal da Amazônia). São ações para consolidar a marca do Pará como porta de entrada do turista no Brasil”, afirmou Barretto. O ministro também falou sobre a importância da realização da Copa do Mundo no país. “A Copa de 2014 é a maior oportunidade do século para o Brasil, visto que a sua realização vai antecipar obras de infraestrutura que levariam de 30 a 40 anos para serem executados. Ela irá acelerar esse processo”, comentou. Questionado sobre a situação econômica que hoje o mundo atravessa, Luiz Barretto foi enfático: “A crise também é geradora de oportunidades. Essa é uma grande chance para o turismo ganhar no curto prazo. Segundo informações que recebi do Banco Central haverá uma diminuição em 30% dos gastos de turistas brasileiros no exterior. Assim, temos uma conjuntura favorável para estimular o turismo interno.Além disso, Produto Brasil ficou muito mais barato, devido a desvalorização do real frente ao dólar, o que favorece a vinda de visitantes estrangeiros ao nosso país”, explicou. Ele ainda destacou o trabalho realizado pela Companhia Paraense de Turismo (Paratur) junto ao BID. “A parceria do Ministério do Turismo com o BID prevê 1 bilhão de dólares em recursos disponíveis para que os Estados apresentem suas propostas, sendo que 60% são repassados pelo próprio banco e o os outros 40% ficam a cargo do governo federal. O Pará tem se

Wady Kkayat, coordenador municipal de Turismo visitou nosso stand

22

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

destacado com a habilitação de uma carta consulta aprovada no valor de US$ 44 milhões, que serão utilizadas num conjunto de projetos de infra-estrutura nos pólos Belém, Marajó e Tapajós”, declarou. A presidente da Paratur, Ann Pontes, esclareceu que os recursos serão destinados a estes três pólos após rigorosos critérios de seleção adotados, onde prevaleceram: destinos com vocação natural para fluxo de visitantes, estar entre os 65 destinos selecionados pelo MTur como indutores da atividade turística (casos de Belém e Tapajós), além da melhoria da qualidade de vida e aumento do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). A governadora Ana Júlia Carepa, que participou de


O arraial do Pavulagem

almoço com o ministro Luiz Barreto e a presidente da Paratur, Ann Pontes, fez questão de mencionar o convênio firmado entre Paratur e Banco da Amazônia, visando a implementação do Programa Viva-O-Pará, que fortalecerá o turismo interno no Estado. Além disso, Ana Júlia Carepa ressaltou as obras de infraestrutura. “Estamos construindo terminais hidroviários em 6 cidades e ainda dois novos centros de convenções, sendo o primeiro deles em Santarém e o outro em Marabá”.

Pará é o mais avançado nas ações de turismo na Região Norte

Mestre Curica

"Na Região Norte, o Pará é o estado que está mais avançado neste processo", afirmou Edmar Gomes da Silva, coordenador nacional do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), do Ministério do Turismo. Os debates sobre o Prodetur aconteceram na programação da IV FITA. O Prodetur Nacional já tem previstos US$ 1,6 bilhão para o desenvolvimento do turismo no Brasil. Atualmente, na Amazônia Legal quatro estados estão formalizados no Prodetur Nacional: Pará, Amapá, Tocantins e Roraima. O programa do governo federal tem como objetivo desenvolver o turismo nas diversas regiões brasileiras, com o aval do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), garantindo ao governo local e à população instrumentos adequados para manter e incrementar as ações turísticas. "O programa é a grande oportunidade de alavancar o turismo no país", afirmou Edmar Gomes da Silva. "Nós sabemos da dificuldade de desenvolver o turismo na região amazônica, por conta da própria formação histórica do Brasil. Não é possível fazer aqui um turismo de massa, como ocorre, por exemplo, no nordeste. Estudos que fazemos têm mostrado isso, principalmente, pelo relevante componente da questão ambiental. Portanto, a entrada tem de ser feita de forma organizada e viável economicamente para a

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

23


Reunião de trabalho na IV FITA, na 47ª Reunião do Fornatur (Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo)

população, que precisa ser incluída nesse processo", esclareceu o coordenador do programa.

para a execução total das ações propostas é de quatro anos, a partir da assinatura do empréstimo.

Multiplicadores

As apresentações

O workshop realizado na programação da FITA teve por objetivo dirimir todas as dúvidas dos participantes envolvidos neste processo, para que sejam multiplicadores do programa. "As comunidades inseridas nesta construção precisam enxergar o Prodetur Pará como algo que lhes pertence. Para que haja, de fato, a melhoria da qualidade de vida da nossa população", explicou. No Pará, o Prodetur abrange três pólos turísticos: Belém, Marajó e Tapajós. Estas regiões foram priorizadas devido aos roteiros internacionais definidos a partir do Programa de Regionalização Turística do Ministério do Turismo (PRT-MTur): "Amazônia Quilombola", que inclui os municípios de Belém, Acará e Ponta de Pedras; "Amazônia do Marajó", incluindo Belém, Soure e Salvaterra, e "Tapajós: Amazônia, Selva e História", abrangendo as cidades de Belém, Santarém e Belterra. Ao todo, o Prodetur/PA conta com US$ 44 milhões para investimentos, sendo que US$ 26,4 milhões são oriundos do BID e os US$ 17,6 milhões restantes repassados pelo Governo do Pará. O prazo previsto

Na abertura do evento, a programação iniciou com o show "Pará". À tarde, apresentaram-se o grupo folclórico da ABCMI e a Associação dos Grupos Folclóricos, em seguida, as duas grandes atrações do evento: a banda La Pupuña e oArraial do Pavulagem. Na sexta-feira, a banda Os Linguarudos de Santana, seguido pela Associação dos Grupos Folclóricos e o som da Amazônia Jazz Band. Fechando a noite o rei do carimbó, Pinduca, cantou seus grandes sucessos como "Sinhá Pureza", "Tia Luzia, Tio José", "Dança do Carimbó", "Garota do Tacacá", entre outros. No sábado, a quadrilha junina Rainha da Juventude e o Grupo Folclórico do Moju foram os aperitivos para a principal atração da noite, o Guitarradas do Pará. Na última noite da IV FITA, houve apresentação do Boi Veludinho, Palhaços Trovadores, grupo folclórico Sabor Marajoara e grupo cultural Tucuxi. As bandas Tecnoshow e Sayonara encerraram a programação de espetáculos da FITA2008. Mais de 20 mil visitantes visitaram a IV Feira Internacional do Turismo da Amazônia, durante os quatro dias de evento.

24

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Os presépios do

Ir. Afonso Haus

Ir. Afonso Haus está expondo seus trabalhos no Colégio Nazaré

omo já tradicional o Ir. Afonso Haus está expondo seus trabalhos no Colégio Nazaré. São 13 presépios, na exposição de Belém. No total, este ano, irmão Afonso montou 150 presépios, com pedaços de madeira, sementes, galhos e tudo que acha aproveitável da natureza, além de produtos recicláveis. Para a montagem ele utiliza cola e pó de giz. As imagens da Sagrada Família: José,

C

Maria e o Menino Jesus, são imprescindíveis, junto com os pastores e os animais, quase todas as miniaturas são de origem alemã, enviados para o Brasil pela irmã do Ir.Afonso. Afonso Haus se dedica há 56 anos na criação e montagem de miniaturas de presépios, com o objetivo da recristianização do Natal em sua essência. Comecei a perceber que o Papai Noel estava monopolizando toda a festa e decidi fazer algo para chamar a atenção da sociedade. O Natal não deve ser somente mais um momento para o consumo, e sim uma época onde realmente as pessoas lembrem dos preceitos de Cristo. As peças em exposição, encontram-se à venda no Colégio Nazaré, a preços que variam entre R$ 10 e R$ 160, e podem ser visitados diariamente durante o horário comercial. A renda obtida com a venda dos presépios será revertida para instituições de caridade.

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

25


Castanhal ganha mega Yamada Plaza O

grupo Yamada movimentou grande parte dos municípios do nordeste paraense com a inauguração de seu mais novo e maior empreendimento, o Yamada Plaza Castanhal, o maior centro de compras e lazer da região. A solenidade de inauguração foi no dia 29 de novembro, com a presença dos diretores do Grupo Yamada, além da governadora do Estado Ana Júlia Carepa, do prefeito de Castanhal Hélio Leite, da cantora e garota propaganda do supermercado da Yamada Fafá de Belém, moradores de Castanhal e região, clientes Yamada, entre as demais autoridades que também prestigiaram a inauguração da loja, estavam o vice-presidente da Associação Paraense de Supermercados Carlos Limão, o superintendente do SEBRAE -PA Hildegardo Nunes, além dos prefeitos de Bragança, Inhangapi, Santa Izabel, deputados e empresários locais. Localizado no Km 68 da BR-316, em Castanhal, o mais novo Yamada Plaza ocupa posição estratégica para toda a região, atendendo além do município modelo, vários outros, como Inhangapi, São Francisco do Pará, Santa Izabel, Vigia entre outros. O Yamada Plaza Castanhal é uma loja de departamento completa e moderna de acordo com as exigências da população do município, é a segunda maior loja do Grupo, e conta com moderno supermercado, mazagine completo, três salas de cinema, restaurante, revistaria, lanchonete,

26

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


chopperia, chaveiro, farmácia, pizzaria, sorveteria, parque infantil, ótica, perfumaria, bancos eletrônicos, além de lojas como o Boticário, Yoga Modeladores, Yamada Fashion e Villa Country, com artigos típicos para passeio na área rural entre outras, um estacionamento com capacidade para 500 veículos e 71 check out distribuídos na loja. A mão-de-obra contratada para a nova loja é 100% local e contabiliza mais de 650 funcionários diretos. o Cartão Yamada possui 92 mil clientes, só na cidade modelo, as vantagens para os "clientes gente boa" são muitas: crédito imediato, programa fidelidade Yamada, descontos especiais, seguro Proteção Total, entre outros benefícios. O grupo Yamada também está colocando em prática ações de responsabilidade ambiental, que visam minimizar a poluição e desperdício dos recursos naturais, por isso adotou projetos como a utilização de luz natural, reduzindo o consumo de energia, a captação de água pluvial e o uso de sacolas oxibiodegradáveis. "Mais uma vez a Yamada dá provas de que nada vence o trabalho. Através do Yamada Plaza Castanhal, nós interagimos com o mundo por meio dos produtos por ela comercializados, mas sempre valorizando o que o nosso Estado tem de melhor, assim como todas as lojas do Grupo", valorizou a cantora Fafá de Belém, garota propaganda do Supermercado do Grupo, que emocionou a todos cantando os hinos do Pará e do Brasil. Fafá ficou emocionada com o carinho de milhares de clientes, distribuiu autógrafos e conheceu as instalações da loja, que reputa entre as melhores, mais completas e mais modernas do Brasil Após uma benção, os diretores do grupo desamarram a fita e o maior centro de compras e lazer da região nordeste do Pará estava inaugurado.

Trajetória Vale ressaltar que, só no Pará o Grupo Yamada mantém mais de oito mil postos de trabalho. O Grupo possui 34 lojas, sendo 32 no Pará e duas no Amapá, e configura-se como o maior grupo varejista e supermercadista da região Norte do Brasil. Ocupa a 11ª posição no ranking oficial da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e o 12º lugar entre as melhores empresas do Brasil no segmento de comércio varejista — Possui + de 1.400,000 clientes do cartão Yamada, comercializa cerca de 100 mil produtos e serviços que vai de alimentos a consórcio de veículos. Os próximos investimentos no interior serão Bragança, Vigia e na Capital.

Serviço Grupo Yamada Rodovia BR-316, KM 68 Fone: 91 – 3311 - 4100 Horário de funcionamento em Dezembro: Supermercado e Magazine: 8 as 20h – 2ª a Dom Lojas terceiros: 8 as 20h – 2ª a Dom Pç de Lazer e Alimentação: 10 a 22h – 2ª a Dom

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

27


Ann Pontes, presidente da Paratur destacando a homenagem prestada a Camillo Martins Vianna

Paratur homenageia Camillo Vianna durante a FITA Fotos: Lúcio Mauro

por Israel Pegado

P

or seus inúmeros serviços prestados e determinada dedicação em prol das causas amazônicas, a Companhia Paraense de Turismo (Paratur) homenageou o professor Camillo Vianna, no último sábado (06), durante a quarta edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), no Hangar – Centro de Convenções e Feiras daAmazônia. Camillo Vianna recebeu a homenagem das mãos da presidente da Paratur, Ann Pontes, contendo uma cesta com materiais regionais e cerâmicas. Durante a entrega, o professor confessou estar muito Ronaldo Hühn, Ann Pontes, Camillo Vianna e Fernando Ribeiro

Ronaldo Hühn, Ann Pontes, Camillo Vianna e Fernando Ribeiro

emocionado e lembrou daqueles que o ajudaram em diversas questões ambientais da Amazônia, na luta pela preservação da grande floresta e pelo respeito aos povos da região. "Eu estaria sendo muito vaidoso se não lembrasse aqueles que estiveram ao meu lado por todos estes anos", declarou. Formado pela Faculdade de Medicina e Cirurgia do Estado do Pará, Camillo Vianna atuou no ensino de

Camillo e Norma com filhos e o neto ...

28

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Com o netinho querido


Amigos de Camillo foram também lhe homenagear

Logo após a homenagem

Com parentes e amigos Rodrigo e Ronaldo Hühn, com seus amigos Camillo e sua esposa Norma, no stand da Editora Círios

medicina e em diversos conselhos, como o Municipal e Estadual de Medicina. Seu primeiro emprego foi no Museu Goeldi, onde Camillo trabalhou para custear seus estudos na antiga Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará. A partir de 1952 coordenou o setor de interiorização da Universidade Federal do Pará, na área da saúde. Já em 1968, atuou como Coordenador de Educação, Saúde e Ação Comunitária, nas bases físicas do Ministério da Agricultura no Rio Tapajós. Essa atividade de Camilo Viana resultou na consolidação da Sociedade de Preservação aos Recursos Naturais e Culturais da Amazônia (SOPREN), da qual é presidente até hoje. Uma de suas mais importantes ações na Amazônia Oriental foi a Coordenação do Projeto Rondon, levando estudantes universitários para atuação em localidades ribeirinhas. Camillo Vianna se notabilizou por várias viagens em diversos pontos da Amazônia,

levando a mensagem da preservação ambiental, reanimação cultural e valorização dos habitantes da região. Em 1990, foi eleito Vice-Reitor da Universidade Federal do Pará. No ano seguinte, realizou várias palestra em Universidades alemãs sobre a problemática amazônica. Atualmente, Camillo Vianna coordena projetos de reflorestamento comunitário e educação ambiental, além de participar de grupos vinculados a SOPREN. A iniciativa de homenagear o professor partiu da servidora aposentada Paratur, Lindalva Godinho. Na empresa, a missão de organizar a merecida homenagem coube aos turismólogos Cleber Castro e Rita Moreira. "Por incentivar as práticas sustentáveis no turismo, e pelo histórico de intensa e vasta produção na Amazônia, tomamos a decisão de homenageá-lo", explicou Cleber. Assessoria de Imprensa da Paratur EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

29


Do Nascimento de Jesus Menino à Visita dos Reis Magos

por Anete Costa Ferreira o século IV quando o imperador romano Constantino se converteu ao catolicismo, transformou a religião do Império. Os cristãos deixaram de ser perseguidos pelo governo e pelos pagãos, passando a dar continuidade as tradições e as festas pagãs que estavam arraigadas na cultura romana, dando-lhes porém um novo significado. Há uma série de estudos importantes mostrando a controvérsia ainda existente sobre a precisão de ter sido o nascimento de Jesus ocorrido no dia 25 de dezembro. Como a Igreja se ressentia da falta de documentos na qual pudesse se basear, fixou a data de 25 de dezembro como o Dia do Nascimento de Cristo, aliando o culto pagão ao nascimento do Sol. Propagada entre os fiéis, afirma-se a idéia de que o Filho de Deus era a luz que se acendia para iluminar o Universo. No ano de 353, o Papa Libério determina em Roma que a celebração do Natal devia se dar no dia 25 de dezembro. Inicialmente, alguns países se recusaram a adotar a ideia. Ainda nos

N

30

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

dias atuais os arménios monofisistas mantêm a data de 6 de janeiro como o dia do Nascimento de Jesus, uma vez que se firmam no princípio de que Jesus Cristo tinha duas naturezas: a humana e a divina. É uma doutrina que reconhece unicamente a natureza divina de Jesus Cristo. Observa-se que nos relatos evangélicos há descrição de que os pastores se achavam no campo, guardando seus rebanhos, na noite em que Cristo nasceu. Analistas contestam a opinião, dizendo que Jesus jamais poderia ter nascido em dezembro, uma vez que na Judeia, os pastores recolhiam as ovelhas do campo em outubro, a fim de protegê-las da chuva e do frio do inverno. Só retornavam na primavera, entre abril e maio. Outro fator a considerar é que os evangélicos Lucas e Mateus, tidos como os responsáveis pelas proclamações do nascimento de Jesus não presenciaram as cenas que descrevem a Sagrada Família, na manjedoura. Para muitos pesquisadores falar do Filho na sua origem e das condições em que nasceu era de suma importância para fortalecer a Fé


das primeiras Comunidades Cristãs. Afinal, o filho de Deus, como qualquer outro ser humano, havia nascido de uma mulher. Era considerado uma grande personagem, pois tinha origem importante; descendia de David, um rei judeu sábio e famoso; e por falta de espaços nas hospedarias de Belém, José e Maria tinham se abrigado em um estábulo onde Jesus nasceu. No ano de 1223, surge um dado novo impulsionando a concepção do Nascimento de Jesus. São Francisco de Assis organizou pela primeira vez a reconstituição da natividade de Cristo conforme a descrição constante nos evangelhos. Na Igreja de Greccio foi reproduzido o estábulo com a manjedoura, local onde Maria colocou o recém nascido. O autor depositou o boi e o burro ao lado de Cristo, esclarecendo que o Natal deveria ser o momento para todos se alegrarem. A partir de então ficou introduzido na cultura cristã o hábito de montar o presépio durante o período das festas natalinas. Em Portugal, no Natal de 1502, surge o primeiro auto pastoril, a pedido da Rainha D. Beatriz, mulher do Rei D. Manuel - O Venturoso. Foi a constatação do talento artístico de Gil Vicente, na arte cénica. Provavelmente, foi nos finais do século X ou XII, que a Folia de Santos Reis ou Reisado ou ainda Folia de Reis, como auto popular ou teatro do povo haja surgido na Espanha, onde durante a Idade Média, aparecem as obras dramáticas. A primeira solenidade de que se tem notícia neste âmbito é o “Auto de Los Reys Magos”, comprovando que todo folguedo popular tradicional tem cunho religioso. A Folia dos Santos Reis, é uma história contada à luz da cultura popular tradicional sendo ao mesmo tempo um

ato religioso, sagrado e folclórico, não figurando oficialmente na parte litúrgica. No Brasil, a folia chega no século XVIII, levada pelos portugueses com caráter mais religioso do que de diversão. Atualmente, reveste-se de características próprias com manifestações de rara beleza. De 24 de dezembro Véspera de Natal até 6 de janeiro, Dia de Reis, grupos de cantadores e instrumentistas percorrem as ruas, entoando cânticos relativos à visita dos Reis Magos ao Jesus Menino, os quais são preservados pelas gerações via tradição oral. Há celebrações por todo o país onde a viola, violão, sanfona, reco-reco, chocalho, cavaquinho, triângulo e o pandeiro dentre outros, acompanham e regem os doze personagens integrantes do grupo que com seus trajes fulgurantes, dividemse entre mestre, contra- mestre, palhaço, os três Reis Magos e os foliões, enriquecendo os desfiles. A cantoria ecoa nos bairros mais longínquos, anunciando o Nascimento de Cristo e a visita dos Reis Magos a Jesus. Segundo a superstição ou crendice, a Folia jamais deve regressar pelo mesmo caminho onde já tenha passado. O povo brasileiro incorporou várias outras manifestações de caráter religioso para celebrar o Nascimento de Jesus Cristo. Promove anualmente festas e danças populares como as Pastorinhas, os Reisados e a Folia de Reis, numa demonstração de reverência à herança missionária e colonizadora deixada pelos portugueses. Correspondente da Pará+ em Portugal

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

31


Quanto dar de gorjeta e caixinha de Natal ?

C

por Carolina Rocha

hegou a época de abrir o coração - e a carteira e presentear aqueles que nos ajudam nas tarefas mais difíceis durante o ano. A caixinha de Natal é esperada por porteiros, lixeiros, balconistas do comércio entre outros prestadores de serviços que nos atendem. Mas para não passar por pão duro ou acabar estourando seu orçamento, é preciso saber quanto gastar com cada um dos presentinhos. Na tarefa de decidir o quanto ou o que dar para cada pessoa, escolha o critério da proximidade: quanto mais próximo, maior o valor da gorjeta ou o presente a ser escolhido. O que não vale é ficar endividado por causa das caixinhas de Natal. O primeiro passo é fazer uma listinha das pessoas que mais o ajudaram no ano e, ao lado, uma previsão dos valores das gorjetas. Assim, você consegue ter a noção do valor total que vai gastar nestes presentes.

Manicures e cabeleireiros Em alguns casos é melhor dar um presente que dinheiro, como para manicures e cabeleireiros, que têm contato mais próximo. "Pode ser uma bijuteria, uma camiseta. É mais fácil saber as preferências dessas pessoas", aconselha a consultora de etiqueta e autora do livro Claudia Matarazzo. Se você quiser presentear várias pessoas em seu salão, opte por lembrancinhas fofas e baratas. Pode ser presilhas de cabelo, chaveiros ou outras coisinhas com valores reduzidos.

Porteiros "Para os funcionários do prédio, normalmente é feito um rateio entre os moradores e é dado dinheiro”, diz Claudia. Escolher um presente para o porteiro ou faxineiro do prédio demonstra que você se preocupou com a pessoa. É possível gastar pouco com presentes legais. “Se você tiver mais proximidade pode dar um panetone ou um vinho", diz Claudia.

32

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

No caso dos zeladores que vivem com a família, é simpático, mas não obrigatório, presentear também a família. Mas ai vale a regra da proximidade e da disponibilidade financeira de quem dá a caixinha. Se os moradores do condomínio são unidos, uma boa opção é juntar todas as gorjetas e comprar um presente mais caro ou até algo que o funcionário precise.

Empregadas domésticas e diaristas A empregada doméstica é um caso mais complexo, pois envolve grande proximidade e direitos trabalhistas. Além disso é a pessoa mais próxima de sua casa, depois da sua família. Elas merecem um bom presente de Natal. Mas atenção ao orçamento. Nada de estourar suas contas. Afinal, se sua empregada é próxima, ela sabe de sua situação financeira. Você pode sondar um presente que a empregada gostaria de receber. Já pensou em comprar algo que ela nunca poderia comprar? Bom, mas se você quiser ficar no habitual, supermercados fazem cestas de Natal por preços reduzidos, algo em torno de R$ 20,00 a R$ 30,00. É uma boa opção. Você também pode montar a sua cesta. É só usar a criatividade e comprar os alimentos comuns nesta época como frutas secas, nozes, panetones ou vinhos.


Sinos de De cristal são meus sinos Que tocam neste Natal, De crista em minha retina Que me enobrece o olhar, De cristal ouve-se um canto De um coral de amor plangente Sinos tocam, alegremente, Perene canção de Amor. Rendem graças a Deus Um pastor e quatro Reis, No fulgor de um Pastoreiro Pastavam mansos cordeiros, Envoltos em focos de luz, Flauta doce interrogava: Quem tocava aqueles sinos Naquele recanto de Amor?

De cristal são meus sinos Que tocam neste Natal. De cristão são meus ouvidos Ouvindo sons angelicais, Quem nasceu na estrebaria? Foi mesmo Nosso Senhor? O nosso Eterno Pastor Que dormia sobre o feno? Não sei. Não sabes? Hosanas, Senhor meu Deus! Foi o manso Nazareno. Que toquem todos os sinos, Que toquem todas as flautas, Sinos vindos de Belém De cristal são meus sinos, Que tocam neste Natal.

Manoel Rezende


Congresso reúne 150 Papais Noéis em Berlim

O

encontro é organizado anualmente por uma agência ligada às universidades berlinenses e tem o objetivo de treinar e motivar quem visita as casas alemãs como Papai Noel. Durante o evento, a agência ainda avalia a vestimenta usada por cada participante. Por isso, os participantes que não comparecem com a fantasia completa são obrigados a retornar no próximo dia.

O evento reuniu cerca de 150 Papais Noéis

Entre os quesitos obrigatórios, estão a roupa vermelha e branca, feita de seda, malha ou pelúcia, um saco com presentes e um “livrinho de ouro”, com canções de Natal e conselhos para as crianças. Pelo padrão adotado pela agência, o Papai Noel sem muitos cabelos brancos deve usar uma peruca. Além disso, eles não devem usar celulares, tênis, ou relógios de pulso e precisam bater na porta três vezes antes de entrar nas casas. A performance também inclui leitura de versos e canções para as crianças. Prática Entre os participantes da reunião deste ano estavam não só estudantes, mas pessoas de todas as idades,

34

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

O evento anual em Berlim, na Alemanha, reuniu cerca de 150 Papais Noéis para estimular e padronizar a atividade de quem trabalha como "bom velhinho".

entre homens, mulheres e até crianças. As meninas podem acompanhar os Papais Noéis como anjos. Durante o encontro, os Papais Noéis entoaram canções tradicionais de Natal e ouviram conselhos dos instrutores sobre como devem proceder durante suas visitas. Entre os exercícios, o grupo simulou situações no palco com a ajuda de voluntários da platéia e de um boneco. Segundo dados da Studentenwerk de Berlim – agência ligada às faculdades de Berlim que oferece o serviço de Papai Noel – apenas na capital alemã, cerca de cinco mil famílias contratam anualmente os serviços dos


Papais Noéis no período natalino. Cada visita dura cerca de 20 minutos e custa aproximadamente 30 euros, caso não inclua a presença de anjinhos. Os Papais Noéis de Berlim conseguem ganhar entre 300 e 400 euros durante um dia de trabalho, indo de casa em casa. Neste mês, nove agências de Papais Noéis da capital se reuniram para convencionar um código de conduta da categoria, com os mandamentos e proibições da classe. O documento, que proíbe que seus membros fumem e blasfemem durante o trabalho, visa criar um 'selo de qualidade' e preservar as tradições na prestação de serviços natalinos.

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

35


Acyr Castro

36

Feliz Natal

N

ovamente com os leitores dos amigos Ronaldo e Rodrigo Huhn, agora para festejarmos juntos e com o coração voltado para Deus, o nascimento de Jesus, o nosso amado Senhor, diante de quem nos curvamos reverentes e humildes. Não é fácil falar d'Ele, mas inexplicavelmente, também não é difícil, desde que o tenhamos dentro de nós fiéis aos seus ensinamentos, fonte de toda santidade. Veio a este mundo, como um humano comum, cercado de animais, num estábulo, quem é o Messias de cuja sabedoria e amor não há como duvidar. Entretanto rezamos, todos com a maior fé e justeza, “Pai eu creio, mas aumentai a minha fé”. E que assim se faça, até o cumprimento da nossa permanência na terra em que nascemos, vivemos e, a dado instante desencarnamos, para sem a falta de um só, encararmos a sua face e a de todos os Santos. Para mim, afinal, olhar enfim a face de minha madrinha de batismo, Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos, madrinha por iniciativa de minha tiaavó Santa Paiva com aceitação plena dos meus saudosos pais, João Rocha Pereira de Castro e Neuza Cecília Paiva de Castro amorosamente apelidada por mim de Neucília. Estes votos de alegria e felicidade eu o faço pensando igualmente nas minhas manas de sangue e de fervor cristão e evangélico: Cecília, Antonica, Suely, Nina Rosa e Marildinha com que divido o pão, cheios de fé, esperança e caridade de quem adora a Jesus o Cristo de Deus e os faço por quantos não possuem nem voz nem tribuna, muitos abaixo da linha da miséria. Nós, paraenses, vivemos num estado continental, onde ricos e pobres dividem os frutos (nem sempre consentidosou ou à altura do bolso de tantos) dados de graça pro uma natureza farta e que não discrimina ninguém. Que neste Natal esqueçamos os contos de fadas e de bruxas, lembrando o tempo inteiro de comemoramos a festa do nascimento de Jesus e nunca, jamais, de fantasiosos bonecos de ilusão tipo “papai noel” e outras lendas sem base cultural

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

nossa nem brasileira nem (muito menos) parauara. Há quem se interesse somente pelo lado pecuniário da existência, troca de presentes, os cambau, deslembrados de que o fundamental , o básico, é sorrir uns para os outros, irmãos na fé e no amor fraterno. Quem nos dera que o ano inteiro passasse como se fosse natal. Trata-se de um momento em que as pessoas se tratam como Jesus quer que nos tratemos diariamente pelo mesmo ideal católico de igualdade social, política, espiritual, não obstante as naturais diferenças que devem e podem ser observadas já que a criação divina. Amigas, amigos, estes são os desejos de alguém que sente orgulho integrando a mesma comunidade fincada nos luminosos ideais de servir e não apenas de sermos servidos. Que a Sagrada Família abençoe a cada um de nós pertencentes às famílias particularmente as mais carentes e necessitadas. Obrigado por tudo, Senhor. Feliz Natal a todos. E até janeiro com a permissão desta bela revista que generosamente me acolhe entra mês e sai mês. Um beijo no coração de cada um de vocês. (*) Jornalista e Escritor


Camillo Vianna

Anjo de presépio O

já falado e muito famoso I Simpósio Internacional sobre Fauna Silvestre e Pesca Fluvial e Lacustre Amazônica, levado a efeito na cidade de Manaus, tida e havida como coração da também denominada terra sem entranhas, apresentou certas peculiaridades que estão a merecer cuidadoso e apurado estudo dos especialistas, avaliados como tais. Obviamente, muito embora tendo ocorrido tudo na Santa Paz do Senhor, algumas facetas mereceram o nosso depoimento. Diga-se, a bem da verdade, duas correntes se digladiaram com as armas e bagagens da ciência. A dos preservadores preservacionistas e as dos preservadores alimentacionistas, ou explicando melhor, os primeiros buscam a conservação de um todo e os segundos, mais que obviamente, visam interesses gastronômicos. Diga-se de passagem, e pela rama, que os dois lados estão absolutamente certos. A parte a discordância maior, a tal das duas correntes em ver o mesmo problema, houve unanimidade em tudo o mais. Reforçando o parecer do experimentado delegado do Brasil, todo mundo, mas todo mundo mesmo, ficou radical, consciente e incisivamente contra o emprego do chamado agente laranja, usado e abusado pelas forças

americanas no Vietnã e condenado por todos os países. Uma das recomendações do Simpósio, abrange esse mortífero agente que, diga-se, foi depois proibido pelo exército americano, assim como o seu emprego na república irmã. Muito bem. Notícias publicadas em Belém dão conta, na mais inocente das canduras, que o famigerado biocida está sendo usado em experiências ditas científicas aqui no Estado do Pará, por órgão tido e havido como de pesquisas agrícolas. Das duas uma. Ou se quer tocar fogo no presépio ou tal experimento está sendo feito por aprendiz de feiticeiro. *SOPREN/SOBRAMES

Em Manaus, de 26/11 à 01/12 de 76, no I Simpósio Internacional Sobre Fauna Silvestre e Lacustre Amazônica EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

37


Olimpíada de Língua Portuguesa

N

enhum ser humano se movimenta se não tiver motivação e esperança. As palavras do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, representam o que alunos e professores vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro vivenciaram durante todo o ano. Vindos das mais diversas localidades, situações e condições de vida, esses adultos, jovens e adolescentes puderam ver caminhos abertos por meio de algo presente em seu cotidiano: a língua portuguesa. Os premiados na etapa final da olimpíada em Brasília: 15 alunos e 15 professores de quarta, quinta, sétima e oitava séries (quinto, sexto, oitavo e nono anos) do ensino fundamental e segundo e terceiro anos do ensino médio. Os cinco ganhadores de cada categoria – poesia, memória e artigo de opinião – receberam medalhas de ouro, entregues pelo próprio presidente da República, além de computadores e impressoras. “O que vimos hoje é a maior demonstração de que, para o povo brasileiro, a única coisa necessária é uma pequena provocação, uma pequena oportunidade”, disse Lula. A exemplo do que já ocorre com a língua portuguesa e a matemática, o presidente incentivou a criação de uma olimpíada em cada área do saber.

Fotos: Jose Cruz/ABr

Para o ministro da Educação, Fernando Haddad, talento não escolhe lugar para nascer. “Não há relação entre renda, riqueza e talento. Uma atividade como a Olimpíada de Língua Portuguesa nos permite identificar esses talentos”, afirmou.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, discursa durante premiação da Olimpíada de Língua Portuguesa

Haddad ainda destacou que a olimpíada proporcionou uma mobilização intensa em torno da língua portuguesa. “Temos 15 vencedores, mas o Brasil todo ganhou com essa olimpíada, pela aproximação que esses alunos tiveram com a língua, pelo trato que tiveram com o texto escrito e com a leitura.”

Final Durante premiação da Olimpíada de Língua Portuguesa, o presidente Lula prometeu realizar competições de outras matérias escolares

38

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Os 150 alunos finalistas, cada qual com seu professor, passaram por quatro etapas seletivas ao longo do ano. Eles concorreram com outros cerca de seis milhões de estudantes de todo o país. Todos os finalistas


Histórias de alunos de todo o país são premiadas

As ciências precisam de uma olimpíada, depois a fìsica até que a gente tenha mais público participando das olimpíadas de matérias escolares do que participando do Brasileirão, disse Lula

receberam medalhas de prata e aparelhos de som. As escolas onde os 15 vencedores estudam vão receber laboratórios de informática com dez computadores e uma impressora e livros para a biblioteca. Na cerimônia da final, todos cantaram juntos a música Nossa Casa, de Arnaldo Antunes – que também participou do evento.A canção fez parte das oficinas de produção de textos e virou uma espécie de hino entre os estudantes, já que remete ao tema central da olimpíada: O Lugar onde Vivo. A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é fruto de parceria entre o Ministério da Educação e a Fundação Itaú Social, sob a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). A próxima ocorrerá em 2010.

Evento de premiação da Olimpíada de Língua Portuguesa

A preservação da floresta Amazônica, as memórias de um filho de ex-escravos e o trabalho dos cortadores de cana transformados em texto. A primeira edição de Olimpíada da Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro reuniu poesias, pontos de vista e memórias vivas de seis milhões de alunos dos ensinos fundamental e médio de escolas públicas de todo o país. Cento e cinqüenta deles participaram da etapa final do programa em Brasília, nesta segunda-feira, 1º. Foram ganhadores15 ganhadores na última etapa. Carolina Lopes, da 4ª série da Escola Benício Rodrigues Pena, em Boca do Acre, no Amazonas, não imaginava que chegaria tão longe. “Eram seis milhões de alunos”, espanta-se.Aos dez anos de idade, Carolina já revela em seu poema a preocupação com “o amanhã da floresta”, conforma denota o título do trabalho. “Boca doAcre Vive um contraste Tem que crescer e progredir Mas não pode se destruir Algumas perguntas vou deixar Rio Purus RioAcre Vão Continuar a respirar?” “Muita gente quis destacar as belezas do seu lugar, mas eu quis falar dos problemas, da sobrevivência do caboclo, do desmatamento. A vida não é só maravilhas”, resume Carolina.


No texto de Érika Fernandes, aluna da 7ª série da Escola Tiburtino Pena, as lembranças de um senhor de 107 anos, filho de ex-escravos, revelam, em primeira pessoa, as mudanças por que passaram a cidade mineira de Francisco Sá. “Negro naquela época não tinha vez; não podíamos estudar... O mundo para mim, hoje, cabe na palma da minha mão, o mundo ficou pequeno na minha cabeça de velho. Tudo é perto e fácil.” Para Mariane Cheli de Oliveira, que estuda no 3º ano do ensino médio, em Tamboara, Paraná, falar do lugar onde vive – tema da olimpíada – era expressar em palavras a lida diária do pai, um cortador de cana. “Devido ao trabalho árduo e estafante, podemos chamá-los de cavaleiros da cana, pois levantam de

madrugada, vestem suas armaduras e saem para a luta com a determinação de guerreiros.” A determinação que diz ter aprendido com o pai leva Mariane a se dividir entre o trabalho como costureira industrial e a escola. Para escrever o artigo de opinião premiado hoje, a menina estudou nos horários de almoço e nos finais de semana. “Com a professora que me recebia na casa dela até no domingo, eu aprendi a deixar a minha opinião clara no texto”, revela. A olimpíada teve como tema O Lugar onde Vivo, desenvolvido em três gêneros textuais: poesia, pelos alunos de 4ª e 5ª séries do ensino fundamental; memória, pelos alunos de 7ª e 8ª séries; e artigo de opinião desenvolvido por estudantes de 2º e 3º anos do ensino médio. Os Vencedores Categoria: Poesia

Carolina Lima Lopes, Professora Adriana Losano Onofre, Escola Benicio Rodriguês Pena, Boca do Acre, AM. Yan Roberto Lima Silva, Professora Iza Cristina Batista de Souza Xerfan, Escola Estadual Santa Maria, Macapá, AP. Carlos Victor Dantas Araújo, Professora Maria Giselia Bezerra Gomes, EMEF Urcesina Moura Cantidio, Alto Santo, CE. Bruna Villa Lopes da Silva, Professor Geraldo Bassani, EMEF Eber Louzada Zippinotti, Vitória, ES. Vania Nogueira de Lara, Professora Mirian Hammes, C. Educ. Mul. Criança Esperança I, Rio Brilhante, MS Categoria: Memória Érika Lays Cardoso Fernandes, Professora Verônica Cristina Azevedo Rodrigues, Escola Estadual Tiburtino Pena, Francisco Sá, MG Gustavo França Maia, Professora Sônia Regina Bazalia Pereira, Escola Estadual, Profª. Nair Palácio de Souza, Nova Andradina, MS Sheron Ribeiro, Professora Sueli Terezinha Ferreira, C. E Sagrada Familia, Campo Largo, PR. Thaís de Sá Fravoline, Professora Maria de Lourdes Pereira Costa Alberoni C.E Ary Parreiras, Laje do Muriaé, RJ Gabriela Ricardo Vaz Professora Daniela Fornel Teles EMEF Antonio Francisco D´avila, Ipuã, SP. Categoria: Artigo de Opinião Abraão da Silva Lima, Professora Maria de Fátima do Monte Souza, Escola Flodoardo Cabral, Cruzeiro do Sul, AC. Francisco Eugênio de Vasconcelos Filho, Professora Hildenize Andrade Laurindo, Colégio Militar de Fortaleza, Fortaleza, CE. Carolina Aparecida da Silva Alves, Professora Rosa Maria Mendes de Lima, Escola Estadual Dona Inda, Alpinópolis, MG. Mariane Cheli de Oliveira, Professora Vanicléia de Oliveira Sousa Rebelo, Escola Duilio T. Beltrão C E Dr e Fund Médio, Tamboara, PR. Merlim Miriane Malacoski, Professora Soleima Aparecida Oliveira, EEB Luiz Davet, Major Vieira, SC.

40

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


21ª Missão Falar a Verdade “Esqueça a concorrência externa; o seu pior inimigo é a maneira como vocês se comunicam uns com os outros internamente.” por Ricardo Jordão Magalhães* Querida(o) Amiga(o), A 21a Missão entende que você vai falar a verdade doa a quem doer. Você promete que vai experimentar a Verdade? Por favor?! Quando eu era moleque, a coisa que eu mais ouvia dizer era que mulher adorava homem que fosse SINCERO. É claro que era mentira. Mulher não gosta de sinceridade, nem os homens gostam de sinceridade, NINGUÉM gosta de sinceridade ou ouvir a verdade. A verdade dói, machuca. Se uma mulher gostasse de homens sinceros, não perguntava como ficou o seu cabelo depois de uma tarde no salão de beleza. Entretanto, a franqueza leva à vitória: - A franqueza permite que mais pessoas tomem parte do diálogo e, quando há mais pessoas conversando, há uma maior riqueza de idéias. - A franqueza acelera o ritmo. As idéias podem ser

A franqueza leva à vitória


A boca da verdade

discutidas rapidamente, expandidas, ressaltadas e transformadas em ação. - A franqueza reduz os custos – e muito – embora seja impossível atribuir uma cifra exata para ela. Mas nem sempre existe franqueza nas empresas. Confira alguns indicadores de falta de franqueza: - As pessoas não fazem comentários ou críticas. - As pessoas adoçam as más notícias a fim de manter as aparências. - Existe burocracia, politicagem, falsa cortesia. - As decisões são tomadas atrás de portas fechadas. Mas quando existe franqueza em ação as coisas são diferentes: - Existe comunicação honesta e sincera. - Existe avaliação conscienciosa do desempenho. - Existem muitas pessoas participando da conversa. - Existem sessões de trabalho estimulantes.

Como acabar com o ambiente de máscaras e cinismo que rodeia a sua empresa? 1. Premie os 20% melhores funcionários da empresa na frente de todos, diga que ESSES são os modelos que todos devem seguir. Qual foi a última vez que a empresa bateu palmas para um funcionário tendo o endosso do Presidente da empresa? 2. Reúna as pessoas cara-a-cara com freqüência e consistência. Faça as pessoas exporem suas dores e medos. Se não o fizeram, provoque. Faça perguntas difíceis, pegue as pessoas pelas palavras vazias que geralmente pronunciam. 3. Desenvolva placares de resultados visíveis para todos. Crie e-mails diários, intranets, blogs que exponham os números individuais de cada pessoa para todos saberem.

42

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

4. Compartilhe os números de toda a empresa com todos. Deixe que todo mundo saiba o que todo mundo faz, quanto custa cada pessoa, cada departamento, cada custo por menor que seja. 5. Crie momentos de educação provocativa. Jogue um episódio recente que aconteceu na empresa (ou mesmo fora dela) na mesa e faça todos discutirem o que aconteceu, quem estava certo ou errado, o que poderia ter sido feito de maneira diferente. 6. Estabeleça um manual interno de "melhores práticas e boas tentativas". A comunicação livre entre todos em uma empresa é que nem a livre circulação de sangue nas suas veias. É SINAL VITAL DE VIDA!!! 7. Crie uma maneira de obter feedback de clientes e funcionários, crie a figura de um Ombudsman, ou melhor, mantenha contato direto com os clientes. Quantas maneiras existem na sua empresa para o Falar a Verdade

cliente entrar em contato com vocês? 8. A verdade demora em vencer o cinismo. FALAR UMA VEZ NÃO É O SUFICIENTE para alguém entender. Você precisa falar DEZ VEZES A MESMA COISA, de diferentes maneiras, até que os


Verdade

Os filósofos gregos Platão e Sócrates em pintura de Rafael

O que é a verdade? Quantas vezes já acreditamos em coisas que mais tarde descobrimos serem bem diferentes daquilo que pensávamos? Quantas vezes a “ciência” nos provou por meio de estudos e experimentos “científicos” que certas coisas seriam improváveis e até impossíveis de acontecer e errou? O conceito da “verdade” vem desafiando a humanidade por milhares de anos. Filósofos da antiga Grécia debatiam a natureza da verdade. Eles discutiam se ela era real e absoluta, ou relativa e ilusória. Suas dúvidas podem ter sido refletidas numa questão de Pilatos: “Que é a verdade?” (João 18,38).

cabecinhas comecem a entender o que você está falando. 9. Promova os melhores, mova os melhores para as melhores oportunidades. Deixe que todos saibam que você realmente privilegia quem traz resultados e se engaja com a empresa. Os medíocres vão dizer que você promove quem você gosta, deixe eles falarem, depois mande-os embora! 10. Premie as pessoas que trazem notícias ruins antes que elas estourem e piorem as coisas. Premie as pessoas Falar dez vezes a mesma coisa

Fale a verdade, nada menos que a verdade, não importa o que os medíocres do mundo pensem!!! Vá e cumpra a 21ª missão!!! Nada menos que isso interessa. Quebra tudo! Foi para isso que eu vim! E Você? Aquele que fala a verdade até para as mulheres ricardom@bizrevolution.com.br

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

43


Cientistas criam ranking dos alimentos nutritivos

C

ientistas americanos afirmam que os alimentos incluídos no primeiro grupo apresentam a pontuação máxima em uma lista que classifica o valor nutricional dos alimentos em escala de 1 a 100 - ou seja, estão entre os mais nutritivos e saudáveis que existem. Os alimentos do segundo grupo, por outro lado, ocupam os últimos lugares na lista. Picolés e refrigerantes ganham apenas 1 ponto; o chocolate ao leite ganha 3 pontos e o pão branco, 9 pontos. Liderada pelo especialista em nutrição David Katz, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, uma equipe com profissionais de diversas instituições criou o ranking de classificação NuVal System (Overall Nutritional Quality Index, ou Índice Geral de Qualidade Nutricional). Os criadores do índice dizem esperar que o NuVal

Cientistas americanos criaram o ranking de classificação NuVal System

44

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

passe a ser usado por milhares de supermercados nos Estados Unidos como um ponto de referência para orientar o consumidor na compra dos alimentos necessários para uma dieta saudável.

Informações confusas Katz e seus colegas argumentam que as informações incluídas hoje em embalagens de produtos são confusas e afirmam que o NuVal System pode resolver o problema. Cada produto recebe uma pontuação. Quanto maior ela for, maior o valor nutritivo do alimento. Segundo o site do NuVal System, ao aplicar os mesmos critérios para todos os produtos, o índice permite comparações entre alimentos de categorias diferentes. Ou seja, se você estiver em dúvida entre chupar um picolé ou uma laranja, poderá saber, sem sombra de dúvidas, que a laranja vai deixá-lo melhor alimentado de acordo com a tabela dos cientistas. O ranking se baseia em uma fórmula que mede a qualidade nutricional de alimentos e bebidas com base em critérios já estabelecidos por profissionais de nutrição, saúde pública e médicos. Os critérios são, por exemplo, a tabela de doses recomendadas de nutrientes - do Institute of Medicine, nos Estados Unidos - e o guia para dieta dos americanos - adotado pelo Departamento de Saúde do país. Informações sobre como bons hábitos alimentares podem auxiliar a saúde e evitar riscos de doenças crônicas divulgadas pelo governo americano também foram levadas em consideração.


Bons hábitos alimentares podem auxiliar a saúde e evitar riscos de doenças crônicas

Combinadas, essas diretrizes foram usadas para quantificar a presença de mais de 30 componentes como vitaminas, minerais, fibra e anti-oxidantes, açúcar, sal, gorduras trans, gordura saturada e colesterol - nos alimentos. O sistema também mede a qualidade da proteína, da gordura e do carbohidrato, assim como as calorias e a presença de gorduras ômega-3. Índice NuVal Segundo a fórmula, se um alimento é rico em componentes considerados favoráveis à saúde, sua posição no índex NuVal sobe. Os componentes "bons" são, entre outros, fibras, vitaminas A, C, D, E, B12, B6, potássio, cálcio, zinco e ferro. Açúcar, colesterol, sal, gordura saturada e gordura trans, quando presentes em um alimento, baixam sua posição no ranking. Para os carnívoros, a tabela NuVal indica que uma costelinha de porco soma 25 pontos, mas o peito de peru sem pele alcança quase o dobro, com 48 pontos. Apesar do índice baixo do chocolate ao leite, que tem 3 pontos, o meio-amargo tem desempenho melhor, com 10 pontos. A tabela no site do NuVal System não menciona a pontuação de alguns favoritos na dieta dos brasileiros, como o pão de queijo e o brigadeiro.

ÍNDICE NUVAL DOS ALIMENTOS Damasco: 100 Aspargo: 100 Vagem: 100 Blueberry (vacínio): 100 Brócoli: 100 Repolho: 100 Couve-flor: 100 Kiwi: 100 Alface (verde e roxa): 100 Quiabo: 100 Laranja: 100 Espinafre: 100 Morango: 100 Cenoura: 99 Toranja (grapefruit): 99 Abacaxi: 99 Ameixa: 99 Manga: 93 Batata: 93 Cebola roxa: 93 Tangerina: 93 Banana: 91 Milho: 91 Uva: 91 Maracujá: 78 Coco: 24 Fonte: NuVal System

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

45


E-mail: serpan@amazon.com.br

Sérgio Pandolfo

MAUS EXEMPLOS PRIMEIRO-MUNDISTAS

P

rimeiro Mundo não significa, necessariamente, primeiro lugar global, máxime no que respeita às relações e políticas sociais humanas. Vê-se isso clara e cotidianamente confirmado quando se acompanha o noticiário que emana dos órgãos de informação de massa, os chamados mass media, ou, para nós, simplesmente mídia (rádio, jornais revistas, TV e outros). Opulência econômico-financeira nem sempre reflete sadia convivência étnico-racial e harmonia ou satisfação populacional, com equânime distribuição das riquezas e das ações sociais. A morte da Sra. Rosa Parks, ocorrida em 24 de outubro de 2005, uma humilde, mas respeitável costureira negra, aos 92 anos, que no nem tão distante ano de 1955, ao se recusar a ceder seu lugar num ônibus para um passageiro branco,

forma nunca devidamente esclarecida, em 1968. O sempre lembrado e querido presidente John Fitzgerald Kennedy é outro exemplo categórico da intolerância e do racismo do big brother de cima: o dinamismo e a firmeza de sua política interna em favor da igualdade racial (fim do apartheid) e de sua diplomacia anti-“guerra fria” fê-lo igualmente mártir dessas causas: foi assassinado em Dallas, em 1963, em circunstâncias outrossim nunca perfeitamente desvendadas. Foi uma luta árdua e sempre tinta de sangue, até culminar com a revogação dessa “excrescência legal” que excluía os negros de várias atividades e locais públicos (escolas, cinemas, transportes coletivos e outros), além do livre direito de ir e vir, substituída pela Lei dos Direitos Civis, sancionada em 1964 e posta a viger em 1965. Isto mesmo! Há tão-somente pouco mais de 40 anos nossos

“Quem grã-verdade, “Quemquiser quiser negar negar aa grã-verdade, neguetambém também ao ao Sol negue Sol aaclaridade claridade e certifique-semais mais que frio” e certifique-se queoofogo fogoé é frio” Luís de Camões

pelo que foi imediatamente presa e multada por infringir as leis americanas vigentes, fez deflagrar, de forma incontida e crescente, a insurgência das comunidades negras daquele país contra a abominável “lei do apartheid”, que se iniciou com um boicote de mais de um ano ao serviço de transportes urbanos, robustecida pelas concentrações e pregações promovidas por um jovem pastor protestante negro, Martin Luther King, discípulo de Gandhi e, portanto, partidário da não-violência, que viria, anos mais tarde, a receber o Prêmio Nobel da Paz (1964), até vir a ser assassinado, de

46

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

vizinhos “do andar superior” abjuraram conduta tão vergonhosa e abjeta. E são exatamente esses que se arvoram, hoje, a impositores e guardiões dos direitos humanos pelo mundo em fora, mesmo que, para tal, tenham que usar a força das armas – de que dispõem como ninguém! – como acabamos (a rigor ainda nem acabamos) de ver no Afeganistão e no Iraque. Ainda há pouco, uma dessas revistas de circulação nacional, trouxe à baila, em reportagem ilustrada, a perversa e triste situação vivida pelos desgraçados presos que têm a


desdita de ser encarcerados nas lúgubres masmorras de Guantánamo, eis que ali são submetidos a tratamento desumano e cruel, incluindo minguada e péssima ração alimentar, acorrentamento dos pés a bolas de ferro e outros maltratos que tais, tal-qualmente era correntio ao tempo da escravidão de séculos passados. E lá, a predominância absoluta é de “gente de cor”, diz o artigo. Estuda-se a melhor forma de fechar essa mal-cheirosa masmorra, engastada em um pedaço de Cuba, onde cerca de 250 detentos continuam detidos e apenas 20 deles foram indiciados, símbolo dos excessos da “guerra contra o terrorismo” deslanchada pelo governo Bush e acerbamente criticada pela comunidade internacional. Lá estariam “os piores terroristas” (leia-se: estrangeiros, em flagrante xenofobia) segundo o atual governo e sua possível extinção deverá ser objeto de melhores estudos por parte do governo que virá. Será? Esses episódios, aliás, nos trazem à memória fatos “de triste memória”. Foram seus avoengos, os empertigados súditos do intangível Império Britânico (no qual, jactavam-se eles, “o Sol nunca se punha”) que deram partida ao odioso tráfico/tráfego negreiro mundial, aprisionando negros africanos para levá-los a servir como escravos nas cortes européias, a serviço dos nobres e lords e, depois, para suas inúmeras colônias espalhadas pelo mundo, para manterem ativas e rentáveis as plantações de chá e cana-de- açúcar, inclusive aqui perto, na América Central, e na do Sul, na ex-Guiana Inglesa, hoje simplesmente Guiana. Detiveram a primazia desse execrável comércio humano secularmente, porém, aquando da revolução industrial inglesa, por não lhes ser mais interessante e até se lhes configurar danosa aos objetivos a mão-de-obra escrava, passaram a policiar os sete mares como repressores e inibidores do tráfico negreiro, apresando barcos de outras nações que se atreviam ou aventuravam a desafiar a marinha de sua majestade, surgindo, aos olhos (cegos ou, no mínimo, estrábicos) do mundo, como grandes defensores e libertadores de nossos irmãos de cor, malversando a verdade dos fatos. Mais recentemente, uma eminência do alto escalão governamental do império hegemônico setentrional do Novo Mundo externou sua “luminosa idéia”, a fim de fazer cair os índices de criminalidade e pobreza da mais rica nação do planeta: o impedimento coercitivo da procriação dos elementos negros daquele portentoso e “avançado” país. Agora, um senador negro teve a “petulância” de se lançar candidato à presidência da ponderosa nação (ora vejam só!) e já os ferrenhos defensores da “brancura” racial puseram-se em campo para impedir tal “desastre”, intentando matá-lo!! A tentativa felizmente fracassou e o democrata Barack Obama foi eleito até com expressiva diferença. Logo o diretor da famigerada Ku Klux Klan, a associação racista mais radical do planeta, apressou-se a dizer que o presidente eleito “é só metade negro”, fazendo publicar em um site do grupo extremista branco que “Barack Obama se tornou o primeiro presidente mulato dos Estados Unidos”, e não negro, “já que ele

não foi criado em um ambiente negro”. “Ele foi criado por sua mãe (branca)”. O intolerante diretor da KKK foi mais adiante: “o povo branco” dos EUA vai logo perceber que é chegada a hora de se unir contra aqueles que odeiam seu modo de vida. E agora? Tristes exemplos! Péssimos exemplos desses senhores do “civilizado” Primeiro Mundo. Mundo cão! O próprio Obama, aliás, quando ainda em campanha (vai ver que visando a neutralizar em parte a pressão racista), admitiu ser mulato (menos mal!). Quem sabe o futuro ocupante da Casa Branca não se sairia ainda melhor se adotasse a mesma “coloração” criada e adotada pela nossa queridíssima e esplêndida cantora maranhense Alcione (a cada dia melhor), que para seu grande e fiel público se declara “marrom”? Queira Deus possa o recém-eleito presidente da rica nação norteamericana realizar um governo de pacificação e prosperidade econômica (apesar da aguda crise que sobre ela se abate), de modo a favorecer o gradual desfazimento do arraigado racismo que por lá impera. Amém. *Médico e escritor – SOBRAMES

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

47


Falta de sono deixa funções cerebrais instáveis

U

m estudo conduzido por pesquisadores americanos e cingapurianos apontou que a falta de sono torna as funções cerebrais instáveis. Os pesquisadores, da Duke University e da Universidade Nacional de Cingapura, afirmaram que mesmo estando privado de sono, o cérebro pode operar normalmente por certo tempo, mas em seguida responde lentamente diante de estímulos que requerem atenção e interpretações visuais. "Os períodos de funcionamento aparentemente normal

do cérebro podem dar falsa idéia de competência e segurança, quando, de fato, a inconstância cerebral pode ter conseqüências horrendas", disse o coordenador da pesquisa, Michael Chee. Segundo os especialistas, quando privado de sono, o cérebro pode processar processos visuais simples, como enxergar painéis luminosos. No entanto, as "áreas visuais maiores" do órgão – responsável por dar sentido ao que vemos - não funcionam muito bem. "É aí que reside o perigo da abstinência do sono", acrescentou o pesquisador.

Apagão Para testar a teoria, os especialistas usaram uma técnica de ressonância magnética que mediu o fluxo sangüíneo cerebral de um grupo de voluntários. Essa medida serviu como um termômetro da atividade cerebral. Parte dos participantes teve boa noite de sono enquanto a outra passou a noite em claro. Eles tinham de identificar letras maiúsculas e minúsculas que piscavam em um painel. Os pesquisadores observaram que voluntários de ambos os grupos viam as letras, mas os que estavam

48

EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


sem dormir tiveram mais dificuldades de identificar as diferenças de tamanho. Os pesquisadores acreditam que os resultados têm implicações diretas nas rotinas de pessoas que trabalham durante a noite, como motoristas de caminhão e médicos. "A maior descoberta é que o cérebro de um indivíduo privado de sono pode trabalhar normalmente, mas algumas vezes sofre de algo parecido com um apagão", disse Clifford Saper, da Universidade de Harvard. A pesquisa foi publicada na revista especializada Journal of Neuroscience.

Técnica de ressonância magnética que mediu o fluxo sangüíneo cerebral de um grupo de voluntários

A abstinência do sono é um perigo

Desejamos aos nossos anunciantes, leitores, colaboradores, funcionários e amigos, um Feliz Natal e um 2009 de sucesso, pleno de realizações.

www.paramais.com.br EDIÇÃO 85 [DEZEMBRO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

49


SENADOR JOSÉ PORFÍRIO 20 a 31

DEZE

Projeto S.O.S tartarugas da Amazônia postura, eclosão e soltura de tartarugas no Rio Xingu Tabuleiro do Embaubal - Praia Juncal FONE/FAX: (91) 3556-1251 semecsenador@yahoo.cmo.br

MBR

BELÉM 25

O QUATIPURU 26 a 01/01

Natal - Festival de Luzes Natalinas Vila do Mosqueiro FONE/FAX: (091) 3771-1264 / 3771-3150 / 3771-1755 tony_russo_mo@hotmail.com

Festa da Marujada Barracão de São Benedito FONE/FAX: (91) 3822-2058 antoniorenan@correios.net.br

PEIXE-BOI 30

BELÉM 31

IV Natal Ecológico e IV Reveillon das Águas Orla Beira-Rio FONE/FAX: (91) 3821-1177 / 3821-1281 leilafast@yahoo.com.br

Reveillon Orla de Icoaraci FONE/FAX: (091) 3073-7620 rmacedo_guru@yahoo.com.br

PACAJÁ 31 Mini-maratona Avenida Principal FONE/FAX: (91) 3798-1230 / 3798 -1248 administração@pacaja.pa.gov.br

SALVATERRA 31 Reveillon Praia Grande FONE/FAX: (91) 8801- 8284 / 3765-1207 / 3765-1595

CAMETÁ 24 a 26 Festividade de Nossa Senhora do Rosário Vila de Juaba FONE/FAX: (91) 81468375 / 9181-6761 secultd@yahoo.com.br

SALINÓPOLIS 26 a 28

SANTA MARIA DO PARÁ 29

Circuito Amador de Surf e Esportes Radicais Praia do Atalaia FONE/FAX: (91) 8114 -6065

Feira da Cultura Estádio João Rabelo e Espaço Cultural FONE/FAX: (91) 3442-1726 pmsmpa@hotmail.com

MARAPANIM 31

MELGAÇO 31

Reveillon no Atlântico Orla da praia de Marudá FONE/FAX: (91) 8116-9055 / 81653996 / 3723-1253 / 3723-1170 marapanimturismo@ig.com.br

Reveillon Praça João XXIII FONE/FAX: (91) 3636-1378 / 3637-1272

SÃO DOMINGO DO CAPIM 31

URUARÁ 31

Reveillon na Orla Orla Municipal FONE/FAX: (91) 3483-1431 / 9166-0246 pedrojunior.sodre@bol.com.br

Enduro da Virada Trilhas e Vicinais FONE/FAX: (93) 3532-1237 www.uruara.pa.gov.br pmuprefeito@novopara.com.br


Pará+ 85  

Feliz Natal 2009 de Realizações

Advertisement