Page 1

Revista abril 2008

Belém - Pará - Brasil

ISSN 16776968

Edição 76

3,00

EDUCAÇÃO r o ser humano Para formar O LOJISTA DO ANO A PARÁ+ É TOPP

www.paramais.com.br


A EDUCAÇÃO PARA FORMAR O SER HUMANO

raense! osamente pa

orgulh

LOJISTA DO ANO 2007 PRÊMIO TOPP BRASIL MARKETING

Pág. 14 Pág. 06 Pág. 05

AMAZÔNIA. AS CINZAS DO INFERNO VERDE

DIA INTERNACIONAL DA TERRA ARTE PARA CRIANÇAS

A data foi proclamada anteriormente a 21 de Março de 1970 na cidade norte americana de São Francisco, tendo mudado para 22 de Abril passados 34 anos. É hoje celebrado por todo o mundo, em nome da reverência e da proteção da natureza...

É uma exposição eclética, em todos os sentidos e para todos os gostos. Um presentão da Fundação Vale à Belém... A R T E

P A R A

C R

I A N Ç A S

por CAMILLO VIANNA

Pág. 32

Pág. 19

EMPREGADO DOMÉSTICO

E A COBRA FUMOU!

O empregado doméstico é regido pela Lei 5.859/1972, regulamentada pelo Decreto 71885/1973, tendo seus direitos previstos na Constituição Federal/1988 no parágrafo único do artigo 7º, bem como sua integração à Previdência Social...

Pág. 36

Museu do Marajó O Museu do Marajó vai inaugurar no dia 27 de abril (dia de nascimento do saudoso Padre Gallo), domingo às 10 horas, uma moderna Reserva Técnica onde ficará armazenado o acervo que não está em exposição. O prédio foi construído especialmente para tal fim e possui laboratório para recebimento e curadoria das peças, recepção onde ficarão registrados os dados das peças, e um salão apra abrigar o acervo com controle de umidade e temperatura. A responsável pelo projeto é a Dra. Franciza Toledo, especialista em conservação. O projeto é patrocinado pela Petrobrás com apoio à Lei de Incentivo á Cultura - Lei Rouanet do Ministério da Cultura.

Contatos: (91) 3758-1102 ou (91) 9994-4027

Editora Círios SS Ltda CNPJ: 03.890.275/0001-36 Inscrição (Estadual): 15.220.848-8 Rua Timbiras, 1572A - Batista Campos Fone: (91) 3083-0973 Fax: (91) 3223-0799 ISSN: 1677-6968 CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil www.paramais.com.br revista@paramais.com.br

Í N D I C E

PUBLICAÇÃO

por DULCE ROCQUE

Pág. 46

Pág. 38

*Cobertura completa na revista Amazônia de maio.

DIRETOR e PRODUTOR: Rodrigo Hühn; EDITOR: Ronaldo Gilberto Hühn; COMERCIAL: Alberto Rocha, Augusto Ribeiro, Rodrigo Silva, Rodrigo Hühn; DISTRIBUIÇÃO: Dirigida, Bancas de Revista; REDAÇÃO: Ronaldo G. Hühn; REVISÃO: Paulo Coimbra da Silva; COLABORADORES: Acyr Castro, Camillo Martins Vianna, Dulce Rosa Rocque, Hélio Rodrigues Titan, Sérgio Martins Pandolfo, Virginia Origuela; FOTOGRAFIAS: André Soares, Antonio Barauna, Antonio Fagundes, Cléia Moscoso, Daniel Silva, Irineu Mendonça, Ivan Rodrigues, Julio Castro, Mario Crispin, Myrian Costa, Mirtes C. Souza, Walter Moraes; DESKTOP: Mequias Pinheiro; EDITORAÇÃO GRÁFICA: Editora Círios OS ARTIGOS ASSINADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES

ANATEC ASSOCIAÇÃO DE PUBLICAÇÕES


Prêmio TOPP Brasil Marketing

E

m seu sétimo ano consecutivo, a Brasil Marketing Comercial, premiou empresas e profissionais liberais que mais se destacaram e colaboraram para o desenvolvimento do Estado do Pará, em seus ramos de atividades, com o Prêmio TOPP Brasil Marketing. A escolha dos vencedores ocorreu após pesquisa de opinião pública em todos os municípios do Estado do Pará. Francisco Gomes, da Brasil Marketing Comercial, fez a entrega dos certificados e prêmios aos agraciados em bonita solenidade no Salão Karajás do Hilton Belém Hotel. Após a solenidade de entrega dos prêmios foi oferecido aos presentes um jantar onde houve a confraternização dos premiados com os diretores da Brasil Marketing Comercial. Entre os agraciados nossa revista Pará+, como a melhor revista de 2007, pelos relevantes serviços prestados à população paraense.

Rodrigo Hühn, diretor da nossa revista Pará+, agradecendo a premiação

Maria Pompeu recebeu seu prêmio pelo melhor Tacacá do Pará

Representante da Faculdade Ideal de Belém Hérica Elykan, recebeu o prêmio do nosso amigo Walter Guimarães

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

05


Lojista do Ano 2007 Fotos: Ray Nonato

Afonso Monteiro, Jaime Pontes, Fernando e Celia Yamada e Alvaro Cordoval

F

ernando Yamada empresário, diretor e vice-presidente administrativo-financeiro do grupo Y. Yamada, recebeu o título de Lojista do Ano 2007, do estado do Pará, da Câmara de Diretores Lojistas (CDL) em cerimônia solene realizada na sede campestre da Assembléia Paraense. A Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Belém concede a honraria ao associado que mais se destaca ao longo de cada ano. Em nossa edição 70, a 2ª de outubro, anunciamos a eleição do empresário Fernando Yamada , durante a Assembléia Geral da Câmara dos Dirigentes Lojistas em 12 de setembro, com a presença de todos seus membros e através de voto secreto. O título reflete o reconhecimento não somente da categoria lojista como também da sociedade paraense a todos os esforços envidados pelo grupo Y. Yamada, em gerar desenvolvimento e renda ao Estado do Pará. Segundo o presidente da CDL Belém, Álvaro Cordoval de Carvalho, um dos principais objetivos do título é incentivar a classe lojista a melhorar seu desempenho empresarial. Para Afonso Monteiro, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Pará (FCDL/Pa), esse título é o reconhecimento a um grupo que há décadas vem gerando desenvolvimento ao Estado, através da

06

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

geração de emprego, renda e serviços À solenidade da entrega do título, compareceram empresários, políticos e representantes de entidades de classe, foram cerca de duas mil pessoas incluindo seus familiares e amigos. Em seu discurso de agradecimento, o empresário Fernando Yamada fez questão de dedicar o título recém-recebido a todos os diretores, colaboradores e aos 1,2 milhão de clientes da Y. Yamada. Segundo ele, o cartão Yamada, por exemplo, é um dos maiores do

Herança forte até hoje é a de investir, acima de tudo, na terra que nos acolheu


O Grupo Yamada com autoridades, amigos e familiares na bela festa do Lojista do Ano 2007

Brasil, com mais de 1,2 milhão de usuários. “Foi pensando em toda essa gente boa que o cartão Yamada acaba de ampliar ainda mais os benefícios oferecidos. Trata-se do programa Fidelidade Yamada, que só tem vantagens para oferecer aos clientes” anunciou aos presentes, o recém “Fidelidade Yamada”, que desde 2 de abril, todos os usuários do cartão Yamada poderão acumular pontos a cada compra. Os pontos acumulados poderão ser trocados por qualquer mercadoria das lojas e supermercados Yamada. A partir de 10 pontos, ele já pode efetuar a troca. Fernando Yamada, agradeceu também à governadora Ana Júlia Carepa, na ocasião representada pelo seu vice Odair Corrêa, por ela reafirmar nossa crença no futuro do Estado. Ele dedicou também, pelo seu trabalho de reordenar o centro comercial. Siga em frente, prefeito. Não desista. O senhor tem nosso apoio porque este é um benefício para toda a cidade e a população. Fernando Yamada também relembrou um pouco da história do grupo Y. Yamada, a maior empresa comercial da região Norte e uma das maiores do País. “Os princípios plantados pelos nossos fundadores, o meu avô Yoshio Yamada, a minha avó Aky Yamada, e meu pai Junichiro Yamada, estão até hoje firmemente enraizados

Fernando e Severa Yamada

Celia Yamada,Orlando Rodrigues, Ana Santiago, Fernando e Severa e Jose Figueiredo

nas nossas empresas como nossa filosofia. Princípios fortes baseados na cultura japonesa, como honra, trabalho, ética e respeito às pessoas. Outra herança que permanece forte até hoje é a de investir, acima de tudo, na terra que nos acolheu”, frisou. A Y. Yamada ocupa a 12ª posição no ranking dos supermercados do Brasil, sendo a maior do Pará. Atualmente o grupo Yamada gera mais de sete mil empregos diretos em 33 lojas nos estados do Pará e Amapá. O Grupo Yamada completará 60 anos em 2010. O Fidelidade Yamada só tem vantagens para oferecer

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

07


O Comitê de apoio ao FSM 2009 Fotos: Cláudio Santos/Ag Pa

J

á está funcionando na Almirante Wandenkolk, 1847, esquina com a avenida Governador José Malcher, no bairro do Umarizal, o comitê estadual de apoio ao Fórum Social Mundial (FSM), que acontecerá em janeiro do ano que vem, em Belém. O local abrigará a equipe de governo que vai se ocupar dos eventos referentes. O governo do Estado investirá, até janeiro de 2009, R$ 195 milhões em ações preparatórias ao Fórum. Grande parte desse recurso irá para a melhoria da malha viária da Grande Belém, por onde devem transitar os mais de 120 mil participantes esperados para o FSM. O esforço será no sentido de garantir a Belém a infra-estrutura necessária para receber um evento dessa magnitude. Segundo a governadora Ana Júlia Carepa, o papel do governo não é o de organizar o FSM, e sim o de apoiálo e agir na retaguarda, oferecendo condições para que ele aconteça. “O Fórum Social Mundial é uma conquista da sociedade, dos movimentos sociais, e cabe a eles coordenar o evento. Mas o governo do Estado, assim como o governo federal, comunga da filosofia que o evento professa, o que faz com que abracemos as mãos nessa causa”, disse.

08

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

A Governadora do Estado Ana Júlia Carepa, o secretário de Estado de Governo Cláudio Puty, o secretário Nacional de Econômia Solidária do Ministério do Trabalho Paul Singer e o assessor especial da secretária geral da Presidência da República Renato Martins, durante a inauguração do Comitê de Apoio ao Fórum Social Mundial No interior do Comitê de apoio ao FSM do Governo do Estado


O secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho, Paul Singer, que participou da inauguração do comitê, lembrou que o Fórum, enquanto espaço de interlocução e conhecimento, terá um apogeu em sua próxima edição, já que acontecerá em plena região amazônica. “Nada mais oportuno do que virar as atenções do mundo para essa região e conclamar a necessidade de revermos o modelo de desenvolvimento dominante”, asseverou. Para o assessor especial da Secretaria Geral da Presidência

2009

Histórico

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

09


da República, Renato Martins, o momento é histórico e emblemático para o País e o mundo. Ele garantiu que, como aconteceu nos fóruns realizados no Brasil, o presidente Lula deve prestigiar o de Belém. “Todas as nossas políticas públicas dialogam com as diretrizes perpassadas pelo Fórum, que, na verdade, é a prova da força dos movimentos sociais na decisão dos rumos de uma humanidade justa e igualitária”, afirmou.

Obras A construção de um novo terminal hidroviário de passageiros, a duplicação da rodovia TransMangueirão e a reforma de dez prédios históricos no bairro da Cidade Velha fazem parte das obras que o governo do Estado deverá concluir até o FSM como ações preparatórias para o evento. Segundo o secretário estadual de Governo, Cláudio Puty, o objetivo é dar suporte ao Fórum e, também, dotar a cidade de equipamentos que vão garantir mais qualidade de vida à população.

Renato Martins, assessor especial da Secretária Geral da Presidência da República

Um deles é a biblioteca digital que será instalada no bairro da Terra Firme, a primeira do Pará. Depois de servir aos participantes do encontro, ela funcionará como um centro de capacitação profissional a jovens carentes. A Companhia de Habitação do Pará (Cohab), por sua vez, deverá assumir os prédios históricos que serão reformados para oferecer moradia à população de baixa renda, numa área que será totalmente urbanizada. Na área do Aeroclube – cedida para o Estado – o governo pretende criar espaços para anel viário, parques, jardins e bosques, além de ampliar a esplanada do Hangar - Centro de Convenções & Feiras da Amazônia. No local serão destinadas áreas para quilombolas e acampamentos da juventude.

Incremento

Paul Singer, secretário Nacional de Econômia Solidária do Ministério do Trabalho

10

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

Além dos recursos estaduais, o governo federal deverá liberar para o Estado montante de R$ 66 milhões como forma de apoio ao FSM. “Muitas dessas obras já estão licitadas e outras até começaram. Queremos garantir a melhoria da malha viária em Belém e dar à cidade a


2009

Ana Júlia Carepa, Cláudio Puty, Paul Singer e Renato Martins

infra-estrutura necessária para que o Fórum aconteça aqui”, disse o secretário, lembrando que grande parte dos investimentos irá para a área da segurança pública. Do recurso federal que será liberado pela União, grande parte será destinada a projetos de economia solidária, capacitação de voluntários e reabilitação do mercado de peixe do complexo Ver-o-Peso e do Solar da Beira. Também haverá apoio aos Fóruns de Autoridades Locais. Cláudio Puty, secretário de Estado de Governo

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

11


Paulo Rocha é o novo coordenador da bancada da Região Norte

Paulo Rocha com membros da bancada da Região Norte

A

lém de coordenar a bancada do Pará no Congresso Nacional, o Deputado Paulo Rocha assume uma nova tarefa no Parlamento. Ele foi aclamado como o novo coordenador da bancada da Região Norte no Congresso, formada por 86 parlamentares – 65 deputados e 21 senadores. "A primeira ação será entregar nas mãos do presidente Lula, por meio de audiência, as reivindicações contidas no relatório do I Simpósio Amazônia e Desenvolvimento Nacional, realizado em novembro de 2007 na Câmara dos Deputados", disse o deputado. Paulo Rocha argumenta que chegou a hora de transformar o conjunto de estratégias e orientações estabelecidas no PAS, Plano Amazônia Sustentável, em projetos e ações concretas para a região que deverão estar inseridas no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), já nomeado PAC Amazônico. "O grande desafio é unir a bancada em

12

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

torno dos temas que envolvem a Amazônia. É incluir o Norte do País na pauta nacional, como por exemplo, na proposta de reforma tributária.


Tasso de Azevedo, diretor do Serviço Florestal Brasileiro, deputado Paulo Rocha e Valmir Ortega, secretário de Estado de Meio Ambiente do Pa

C

Ações do governo para conter o desmatamento

omo coordenador da bancada do Pará, deputado Paulo Rocha, fez questão de promover um encontro entre parlamentares e o secretário de Estado de MeioAmbiente, Valmir Ortega, além de contar com a presença de Tasso de Azevedo, diretor do Serviço Florestal Brasileiro, órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. A pauta ficou por conta do decreto assinado pelo presidente Lula, que cria mecanismos para inibir o avanço do desmatamento ilegal na Amazônia, especialmente nos municípios onde essa prática é mais acentuada, a chamada Operação "Arco de Fogo". De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente, Valmir Ortega, a primeira etapa do Zoneamento Ecológico e Econômico, que define o melhor uso das áreas já desmatadas, deve ser concluída

em um ano e meio. "Já temos R$ 15 milhões para zonear a BR-163 e já contratamos o zoneamento de toda a borda leste do Pará", informou. Paulo Rocha ressalta a união de forças entre os governos federal e estadual que resultou numa das maiores operações contra o desmatamento já realizadas na Amazônia. Exemplo disso, foram as ações adotadas pela governo do Pará que prevêem investimentos de cerca de R$ 12 milhões em Tailândia, que também foi incluída no Programa Pará Rural. As ações do governo do Pará pretende ainda regularizar o sistema fundiário; licenciamento ambiental dos imóveis; geração e distribuição de renda, dentro dos princípios do desenvolvimento sustentável da região, entre outras iniciativas.

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

13


A Educ

para formar o ser humano "...a boa educação é a base de uma nação consciente de seus direitos e deveres, que é capaz de construir o melhor para si e seu país, contribuindo para uma sociedade mais justa e com alta qualidade de vida". Segundo o Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, educação é: "Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual ou moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social".

14

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

A Família O processo de educação começa ou deveria começar com a família, quando os pais ensinam a seus filhos o que julgam ser certo, como devem se comportar, a respeitar as outras pessoas. Ou seja, é o início da formação da criança, que aos poucos vai sendo preparada para a vida individual e em sociedade.


ção

A Escola

Num segundo momento, entra em cena a Escola. Tem início a etapa da instrução da criança, onde ela vai

adquirir conhecimentos referentes a áreas do saber específicas: Língua Portuguesa, Matemática, Geografia, História, entre outras. Mas o papel da escola na formação do indivíduo não fica restrito a esse tipo de informação. De certa forma, a escola vai dar continuidade ao processo que foi iniciado (deveria) pela família, educando a criança e o adolescente também para a vida, através da disciplina, das responsabilidades, do estímulo ao exercício da cidadania.

O Professor Dai caberá ao professor, transmitir conhecimentos e estimular o raciocínio lógico e a visão crítica dos

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

15


estudantes, ajudando-os no desenvolvimento de habilidades para entrar no mercado de trabalho e assumir seu papel de cidadão. O professor atuará em todos os níveis da educação, do ensino infantil ao superior. Poderá lecionar disciplinas específicas nos cursos profissionalizantes, nas classes de alfabetização, de educação especial (para portadores de deficiência) ou para jovens e adultos (antigo supletivo). Pela Lei de Diretrizes e Bases de 1996, todos os professores, de qualquer nível de ensino, devem ter formação superior partir de 2007. Para lecionar em faculdade, é preciso, ainda, ter pósgraduação.

a

Como está a Educação no Brasil? Hoje em dia é grande a importância dada à educação. O número de analfabetos no país vem caindo a cada ano e praticamente todas as crianças com idade entre 7 e 14 anos estão matriculadas na escola. E também há um

16

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

esforço para colocar na pré-escola as crianças com menos de seis anos de idade. Outra preocupação atual é com a repetência. Professores e o Ministério da Educação buscam formas de evitar a repetência dos alunos para que eles não desanimem e acabem abandonando a escola. Mesmo assim, muitas crianças e jovens têm que deixar


SOLIDÁRIA

D

esde 1997, a Universidade do Estado do Pará (UEPA) leva para os municípios de Paragominas, Moju e Tomé-Açu as ações do projeto de extensão Alfabetização Solidária, desenvolvido em parceria com a ONG paulista homônima, de sigla Alfasol, e que, em Belém, conta com o apoio de fomento da Vale. Recentemente, o representante institucional da Organização, Marcos Galine, esteve na Universidade para acompanhar o andamento das atividades e ainda reafirmar a parceria, que se estende, a partir de 2008, também para os municípios paraenses de Ficou confirmada a formação de 344 turmas com até 25 alunos cada, que iniciaram os estudos em abril. A alfabetização chegou também à Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE), que já ganhou sua primeira turma. Na APAE, será uma parceria firmada com a UEPA que garantirá a manutenção de uma turma de 15 alunos, com estudantes e pais de matriculados na Associação. A UEPA oferecerá um professor e monitores para acompanhar a turma, que ainda terá assessoramento pedagógico. A nova turma surgiu de uma necessidade da Associação que por já conhecer o trabalhado de alfabetização realizado pela universidade - por meio da Proex -, propôs a parceria. Ao término dos oito meses se a instituição ainda apresentar uma demanda, a UEPA oferecerá nova turma. As aulas iniciaram no dia 1 de abril, na própria sede da APAE, à Avenida Generalíssimo Deodoro, no bairro do Umarizal. Na UEPA, o projeto tem como gestora a administradora Eneida Lobato, da Pró-Reitoria de Extensão da UEPA, e é coordenado

pelos professores Antônio Paraense e Jessiléia Eiró, que orientam um grupo de alunos dos cursos de Letras e Matemática no trabalho de capacitação dos alfabetizadores locais - eles recebem bolsas-auxílio de R$ 600 mensais. Os alunos passam até cinco dias em cada município treinando aqueles chamados professores "leigos", que tem apenas o Ensino Fundamental ou Médio, e depois passam a fazer visitas mensais acompanhando a evolução dos módulos. O curso de alfabetização é destinado a pessoas a partir de 16 anos, dura oito meses e trabalha um modelo mais dinâmico de Educação, já que o público alvo é formado por pessoas que abandonaram a escola há bastante tempo ou que nunca frequentaram uma. "Eu mesmo passei por esse processo como capacitador e aprendi muito", contou Marcos aos alunos da UEPA durante o encontro. "No entanto, é muito comum nos depararmos com as dificuldades das políticas públicas, que não alcançam a todos e dificultam, por muitas vezes, a continuação da formação. Por isso, é muito importante a constante revisão do projeto pedagógico", alertou. A Alfabetização Solidária (Alfasol) é uma organização da sociedade cívil sem fins lucrativos e de utilidade pública, que adota um modelo de alfabetização inicial de baixo custo, baseado no sistema de parcerias com os diversos setores da sociedade. A Organização trabalha desde janeiro de 1997 pela redução dos altos níveis de analfabetismo no Brasil (da ordem de 13,6% segundo o censo de 2000 do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e pelo fortalecimento da oferta pública de Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil.

Alfabetização

Solidária

APAE

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

17


de estudar porque precisam trabalhar. A qualidade do ensino também é um ponto importante para se pensar. Pouco adianta completar séries e ganhar um diploma se não aprendermos de verdade. Por tudo isso, estudar com prazer e buscar compreender o mundo através do que aprendemos é uma boa forma de comemorar o Dia da Educação.

Ler e escrever Mais brasileiros sabendo ler e escrever. O mundo moderno exige das pessoas uma preparação cada vez melhor para o exercício de suas tarefas. Ler e escrever, além de serem formas de se comunicar com o mundo, são atividades básicas para o desempenho de muitas outras funções. Sob esse aspecto, a população brasileira vem conseguindo alguns avanços. Segundo a Síntese de Indicadores Sociais 2004, que traz os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2003 (PNAD), do IBGE, o crescimento contínuo da taxa de escolarização vem reduzindo o analfabetismo, elevando o nível de instrução da população em todo o país e diminuindo, gradativamente, as grandes diferenças entre as regiões. A taxa de escolarização dos jovens de 15 a 17 anos, por

18

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

exemplo, aumentou cerca de 33% nos últimos 10 anos e atingiu, em 2003, 82,4% desses jovens. Não houve grandes variações entre as taxas regionais e a taxa média nacional.

Sobe o nível de instrução da população, cai o analfabetismo São considerados analfabetos todos aqueles que possuem mais de 15 anos de idade e não sabem ler nem escrever. A diminuição das taxas de analfabetismo no Brasil deve-se ao maior acesso da população carente ao ensino fundamental e aos programas de alfabetização de adultos. A crescente escolarização vem impulsionando a elevação do nível de instrução da população.


Arte para

Crianças A R T E

P A R A

C R

I A N Ç A S

É

uma exposição eclética, em todos os sentidos e para todos os gostos. Um presentão da Fundação Vale à Belém. Engana-se quem pensa que as obras são voltadas somente para o público infantil, o “Arte para Crianças” também pretende despertar o lado mais jovem dentro de cada adulto. "O espaço está pronto para receber um público de todas as idades, o objetivo é democratizar a arte e mostrar que qualquer pessoa é capaz de viver a arte mais complexa de maneira mais plena", reforça Evandro. A arquitetura e design da mostra foram pensados para proporcionar a melhor aproximação possível entre a arte e o visitante, seja ele criança ou adulto. As crianças e adultos que foram apreciar e conferir, se deram bem. Uma ótima, no dizer de várias pessoas que contatamos. A exposição, que tem curadoria de Evandro Salles, foi EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

19


A exposição permanece no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e Galeria Fidanza, na Praça Frei Caetano Brandão s/nº Cidade Velha, até 27 deste mês, de 10h às 18h com entrada franca

inaugurada no Museu Vale, em Vila Velha, Espírito Santo, apresenta um importante recorte da produção brasileira, mostrando diferentes gerações e expressões artísticas. Obras inéditas de destacados artistas do cenário contemporâneo, como Ernesto Neto, Mariana Manhães, Rubem Grilo, Eduardo Sued, Eder Santos, Tunga, Emmanuel Nassar e ainda Yoko Ono. Rubem Grilo, por exemplo, criou um conjunto de 381

20

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

xilogravuras de tamanhos pequenos, de um a dez centímetros, e, em meio a esses trabalhos, emoldurado como uma das gravuras, está num monitor com uma animação dos desenhos do artista, surpreendendo o público. Mariana Manhães mostra sua adorável pesquisa que mistura robótica com a coleção de porcelanas de sua mãe, no trabalho 'Buliçosos' (2007). Eder Santos projeta imagens em um aquário e em uma gaiola vazia nos vídeos "Baixa Pressão" (2006) e "Chamada em Espera" (2006), criando uma ilusão entre o real e o virtual.


Yoko Ono disponibilizou para a exposição às obras: 'Árvores do Desejo', em que o visitante escreve um pedido e o coloca em uma árvore; 'Evento Sala Azul', instruções para o espectador manuscritas em português, cheias de absurdos poéticos; 'Jogue com Confiança' (1997), que se trata de mesas de xadrez, onde todas as peças são brancas, e a ideia de oponente se dissolve; 'Onochord' (2005), vídeo em que pede para que o visitante envie mensagens de 'Eu te amo' usando a pequena lanterna Onochord e uma série de nove pinturas onde as palavras são o objeto representado. A idéia que norteia a exposição parte do conceito de que é a na infância o momento em que o aparato de linguagem está em formação e pronto para incorporar conhecimento. "Arte é linguagem em construção, e, portanto, a infância contém as condições ideais para o

usufruto pleno da arte, sem barreiras ou preconceitos", explica Evandro Salles. O curador faz questão de reforçar que, no entanto, a exposição não terá, um caráter didático nem reducionista. "Não se buscará explicar a arte, mas levar o público diretamente a uma experiência estética, e ter essa vivência por meio de obras de grande valor artístico, e que representam um importante recorte da produção brasileira", afirma Evandro.

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

21


Dia Internacional do Museu

Inscrições para o concurso de redação "Meu Círio, minha fé"

O

Governo do Estado do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Museu do Círio, abre, desde o dia 1º de abril, as inscrições para o II Concurso de Redação do Projeto "O Círio que eu Conto e Encanto", de textos sobre o Círio de Nazaré 2008. O II Concurso premiará as melhores redações apresentadas por alunos da 8ª série do Ensino Fundamental e do Ensino Médio das escolas da rede pública e particular da cidade de Belém. Este ano, a redação terá como título "Meu Círio, minha fé". O concurso faz parte da comemoração do Dia Internacional do Museu, dia 18 de maio. Segundo Jeam Carlos Lopes, diretor do Museu, o objetivo é incentivar a produção artística e literária sobre a data e aumentar a produção de textos sobre a festividade. "A nossa intenção é de interagir com a comunidade estudantil, e também divulgar o museu como modelo de preservação da cultura paraense", afirmou. "Queremos incentivar esse adolescente para expor sua experiência pessoal sobre o grande evento paraense que é o Círio de Nazaré". Este ano, o projeto conta com o apoio de empresas e órgãos de governo. Cada participante poderá apresentar uma redação de no mínimo 15 (quinze) e no máximo 30 (trinta) linhas, escrita em língua portuguesa. A Comissão avaliadora será composta por dois professores de Língua

22

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r


As inscrições poderão ser feitas de 1º a 30 de abril de 2008 no Museu do Círio, que fica na Rua Padre Champagnat, S/N. Cidade Velha (Complexo Feliz Lusitânia). O resultado será divulgado no dia 12 de maio e a premiação será feita no dia 14 do mesmo mês. O edital do Concurso está disponível no próprio museu e no site: www.secult.pa.gov.br . O Museu do Círio é órgão integrante do Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIM), da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), e tem como finalidade resgatar, guardar e divulgar a memória do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, patrimônio imaterial do povo paraense.

Portuguesa e Redação. Os três primeiros colocados serão premiados. O primeiro lugar ganhará uma câmera digital; o segundo, um aparelho de MP4 e o terceiro colocado, um aparelho celular.

Serviço: Rua Padre Champagnat, S/N. Cidade Velha (Complexo Feliz Lusitânia). O edital do Concurso está disponível no próprio museu e no site: www.secult.pa.gov.br Realização: Governo do Estado do Pará, Secretaria de Estado de Cultura e Museu do Círio

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

23


A Importância

dos Livros por Virgínia Origuela egundo consta no dicionário, o Livro, nada mais é que um conjunto de folhas impressas ou manuscritas reunidas num só volume, obra científica ou literária de certa extensão, divisão de uma obra...etc. Aos olhos da maioria tudo não passa de arquivos póstumos, retratos de tempos passados, histórias de vida...São diversos os estilos, gêneros e obras já publicadas, cada qual leva consigo suas preferências,

S 24

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

gostos, opinião própria. Os livros ultrapassam fronteiras, eles agem de forma direta na consciência humana, no imaginário das crianças, na esperança dos “desesperados”, ele projeta no âmago um mundo novo, o qual o leitor cria e recria novas formas, finais, a criatividade dispersa quaisquer expectativa humana...Ela vai além da simples leitura, ela impulsiona bons leitores, torna crianças felizes, aprendizado,


conceitos pré-estabelecidos, conhecimento humano e em prol de amplos aspectos, temas e situações. A leitura é uma viagem sem fim, que o tempo jamais é capaz de apagar! Na infância eles agem de forma mágica, porém instrutiva. Na adolescência eles servem como meios de se auto-descobrir...De criar. Para os estudantes são ferramentas que projetam teorias antigas x novas, livros didáticos...Simulados... Todas escolas possuem seus livros, porém são “raros” os alunos que tem acesso...Há tempos atrás, o sistema era falho, hoje já nem tanto, é possível encontrar e ter acesso a bons livros, em escolas, faculdades, bibliotecas, a leitura é motivada por milhões e praticada por poucos. Crescemos o equivalente há 10 anos em menos de 48 horas...Principal meio educacional, eles educam por si só, desenvolvem de forma direta a linha do raciocínio humano, a consciência, o desempenho social, sociocultural, socioeconômico... Conheço pessoas que foram descobrir esse mundo, depois dos 40 e hoje servem de exemplo pra sociedade em si. Quando se tem vontade em aprender...As limitações não nós impedem de crescer, evoluir...Elas fogem por entre as mão.

Começando a entender a importância dos livros

O acervo das bibliotecas obtém anualmente novos livros...De diferentes aspectos...A procura por eles tem aumentado, é necessário fazer reservas para ter acesso aos livros novos. Autores consagrados, livros de renome...Inúmeros os tipos, quantidade. Ela é rica em informação, pois além dos livros, possui computadores, revistas, jornais, gibis, literatura infantil. O que a minoria sequer imagina é que muitos exemplares somem...Uma pena! *Jornalista

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

25


Voz e Silêncio

O

lançamento do livro Voz e Silêncio, de Maria José Carepa, reuniu os amantes da boa leitura, na sede social da Assembléia Paraense. “Estou muito emocionada e feliz”, disse a autora, que autografou mais de cem exemplares na noite. Maria José Carepa, é mãe da governadora do Pará, Ana Júlia Carepa. A professora de literatura Amarílis Tupiassu foi a orientadora da obra.

Maria José Carepa, no lançamento de seu livro, na AP, ladeada por AmarilisTupiassu e Laís Zumero

Ela conta que sempre discutiu com a autora a produção do texto e que, às vezes, discordava do conteúdo. “Dizia para ela (Maria José), 'eu trocaria essa palavra'. Ela dizia: "Eu não trocaria", recorda Amarílis. Em seis anos de conversas e discussões saudáveis, o resultado foi além da expectativa. A obra é o resultado de seis anos de uma produção literária construída aos poucos com a ajuda da A autora e seus familiares

26

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r


família, de Lais Zumero e Amarílis Tupiassú, que inclusive faz uma bela introdução do livro, onde diz “Ela (Maria José), pertence ao rol, em suma, dos que sabem falar com segurança, elegância e apuro”. O trabalho de Maria José Carepa recebeu vários elogios dos presentes que estiveram presentes ao lançamento. “Nunca e tarde para fazer poesia”, disse o escritor Denis Cavalcante. “Gostei muito e, diga-se de passagem, das fotografias que ilustram o livro”, comentou o empresário João Augusto Rodrigues. Sua amiga Elsa Barbosa, adorou os poemas. O jornalista e escritor João Carlos Pereira na orelha do livro escreveu que “aos sentimentos que povoam a alma do ser humano, ela (a autora), deu um status de poesia”. Na opinião dele, Maria José produziu um lirismo puro, autêntico, que brota do coração. A poesia lírica da autora resultou em um “belo trabalho”. Voz e Silêncio contém 42 poemas. O projeto gráfico inclui fotos do tempo em que a autora era jovem. O evento conseguiu reunir os Carepa, além de amigos, professores e escritores de Belém. “Nunca pensei que aos 74 anos pudesse lançar um livro”, disse a escritora. Luiz Roberto (Beto) Carepa foi o maior incentivador do trabalho da mãe. ”Ela produzia os poemas e lia para mim por telefone”, conta. “Eu dizia que estava bom e a estimulava”, disse Beto.

Maria José Carepa autografou mais de cem exemplares Ana Júlia, nossa governadora, não poderia deixar de prestigiar sua genitora. Na foto, também com seu pai Arthur Carepa

Odair Correa, o vice governador, cumprimenta a autora

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

27


O Livro é um amigo Com ele viajamos sem cessar. Além do horizonte, além do mar...

o r v i L O

Ao ler um livro, Posso ser nuvem que flutua no céu, Ou barco que corta as ondas de um sereno mar...

A voar, a flutuar, Ou a cantar, ao lermos um livro Percorremos um arco-íris nas asas da imaginação!... Um livro pode relatar uma vida De amor ou de tristeza Para sempre marcada no nosso coração... Um livro pode também Informar-nos da injustiça, Da angústia, da tristeza Que rodeia o mundo. Como névoa Que se não dissipa!... Afinal, o livro é um amigo... o amigo...

28

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

* João André Soares


notícias da assembléia legislativa

CRIANÇAS DA CRECHE SÃO ATENDIDAS PELO PROJETO “CRIANÇA SAUDÁVEL”

Fotos Ozéas Santos/Alepa

“Criança Saudável” atenda todos os alunos.

Pediatria Até o mês de março, cerca de 50 crianças envolvidas no “Criança Saudável” foram atendidas pelas pediatras Suzana Aparecida Salgueiro, Maria de Fátima Souza Villacorta e Maria do Perpetuo Socorro Correa. Não conta ainda, registrado de atendimento psicológico.

Criança Saudável 2ª Etapa A meta do projeto é atender até o final deste ano, todas as 160 crianças da creche, de 2 a 6 anos

H

á menos de um ano, em fase de execução, o projeto “Criança Saudável”, desenvolvido pelos profissionais da área de saúde do Departamento de Bem-Estar Social–DBES, que atende crianças da creche Valdemar Chaves da Assembléia Legislativa, já colhe frutos positivos. Até o mês, de fevereiro, o projeto já atendeu somente no serviço de odontologia, 20 (vinte) crianças – sendo 14 (catorze) da turma de alfabetização de 2006 e 6 que ainda estão em fase de tratamento, explica a odontopediatra Alessandra Amaral de Souza, que trabalha em parceria com a odontopediatra Margarida Souza, no atendimento das crianças da creche. Para conscientizar as crianças sobre a importância da escovação, as odontopediatras, no início do projeto, no mês de novembro, realizaram várias atividades envolvendo palestras educativas voltadas à prevenção, escovação supervisionada com aplicação tópica de flúor gel neutro realizado no próprio escovodromo da creche – e a distribuição de 62 (sessenta e duas) escovas de dente para as crianças. De acordo com a odontologa Alessandra A. de Souza, além de prestar atenção nos ensinamentos sobre a importância do cuidado com saúde bucal, as crianças também vêm seguindo corretamente a orientações profissionais. “Notamos que as crianças estão escovando os dentes todos os dias – três vezes ao dia. Elas estão realmente fazendo tudo que nós ensinamos”, enfatizou a odontologa, ao considerar que o projeto vem obtendo resultado positivo, pois há o comprometimento dos pais, quanto à saúde bucal dos filhos. Porém, a dentista alerta que a má escovação tem sido o maior “inimigo” dos dentes; das crianças até 6 anos de idade atendidas pelas odontopediatras do DBES, foram constatadas, em média 4 (quatro) cáries por boca. Durante o período de tratamento foram realizadas extrações de dente, profilaxia, raspagem de placa e tártaro e aplicação de flúor. A expectativa das odontopediatras é que o atendimento direcionado ao

De acordo com a diretora do Departamento de Bem-Estar Social, Dra. Márcia Rita Rossini Costa, a segunda etapa do projeto reinicia a partir do mês de abril. A meta é aumentar a demanda de atendimento, uma vez que o projeto iniciou no final do mês de 2007, e foi interrompido pelas férias e feriados escolares. 'No dia 25 de março, a diretora do DBES se reuniu, no auditório João Batista, com os pais dos alunos para conversar sobre o “ Criança Saudável”. “Nós esperamos a participação de todos para que o projeto continue dando certo. Disponibilizamos nossos serviços, mas a participação dos pais é fundamental para obtenhamos êxito”, disse Márcia.

O Projeto O “Criança Saudável”, lançado no ano passado pela diretoria do DBES, consiste num verdadeiro “mutirão” solidário dos profissionais de saúde lotados no Disa e Diseso - visando à saúde física e mental das crianças atendidas pela creche Valdemar Chaves da Alepa - assim como de seus familiares, uma vez que, requer também a participação dos pais dos menores. A meta do projeto é atender até o final deste ano, todas as 160 crianças da creche, de 2 a 6 anos, nas diversas áreas de saúde oferecidas por este departamento médico, psicológico e odontológico. Notamos que as crianças estão escovando os dentes todos os dias – três vezes ao dia


DEPUTADOS DO PARÁ E AMAPÁ DISCUTEM PARLAMENTO AMAZÔNICO Domingos Juvenil recebendo o presidente da Assembléia Legislativa do Amapá, Jorge Amanajás e os deputados amapaenses Heider Pena, Manoel Brasil e os deputados paraenses Luiz Cunha, Carlos Martins e César Colares

P Viemos aqui convidar os deputados paraenses... explicou o deputado Amanajás

Domingos Juvenil foi convidado e aceitou presidir o Parlamento Amazônico

arlamentares paraenses e amapaenses reuniram-se na tarde de segunda-feira (31/03/08) na sede da Assembléia Legislativa do Pará, em Belém. Na pauta, a consolidação do Parlamento Amazônico e o encontro deste grupo marcado para acontecer na segunda semana de abril em Macapá, no Amapá. No dia 01 de abril, terçafeira, a comitiva esteve visitando o plenário e as dependências da Assembléia Legislativa do Pará. O presidente da Assembléia Legislativa do Amapá, Jorge Amanajás (PSDB); os deputados amapaenses Heider Pena (PDT) e Manoel Brasil (PMN), foram recebidos pelo presidente da Assembléia Legislativa do Pará, Domingos Juvenil (PMDB). A reunião foi acompanhada pelos deputados paraenses Luiz Cunha (PDT), Carlos Martins (PT) e César Colares, atual presidente da Comissão de Estudos sobre o Desmatamento da Alepa. “Viemos aqui convidar os deputados paraenses para que, juntos com parlamentares de todos os Estados do norte brasileiro e ainda do Maranhão e Mato Grosso, possamos discutir assuntos como agricultura, pecuária, soberania e desmatamento”, explicou o deputado Amanajás, lembrando do encontro do grupo, marcado para os dias 10 e 11 na capital amapaense, que terá como pauta o parlamento frente aos desafios da Amazônia: meioambiente, desenvolvimento e soberania. “Nada melhor do que parlamentares desta região discutir soluções para seus problemas, afinal sabemos como ninguém nossas fragilidades e potencialidades”, completou o deputado Heider Pena.


O presidente da ALEPA com a comitiva amapaense

“É muito importante podermos levar toda esta problemática para uma discussão mais ampla. Afinal, apesar de discutirmos de forma ampla e profunda, aqui no Pará, questões como o desmatamento, esta pauta é amazônica, enfrentada diariamente pelos milhões de habitantes que vivem nesta parte do país”, explicou o deputado Colares. “O Brasil não é só centro-sul. Todo o planeta depende dos recursos da Amazônia. Nada mais justo do que pensarmos juntos, de que forma explora-los de forma sustentável, respeitando o meio ambiente e as populações que vivem neste local”, concluiu o deputado Domingos Juvenil.

Domingos Juvenil marcando a data da posse

Domingos Juvenil, Jorge Amanajás, Heider Pena e Manoel Brasil

Presidência do Parlamento Amazônico No início de março, o presidente da Alepa, deputado Domingos Juvenil foi convidado para presidir, também, o Parlamento Amazônico. O convite foi aceito e a posse acontecerá brevemente, no Amapá. O Parlamento Amazônico é a esfera nacional que congrega parlamentares de todos os estados localizados na Amazônia Legal brasileira.

12

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

31


Dia Internacional da

A

TERRA

data foi proclamada anteriormente a 21 de Março de 1970 na cidade norte americana de São Francisco, tendo mudado para 22 de Abril passados 34 anos. É hoje celebrado por todo o mundo, em nome da reverência e da proteção da natureza. A idéia de criar esta data surgiu da importância de relembrar a população mundial da sua responsabilidade na proteção do planeta. John McConnell foi o autor da ideia, que em 1969 a apresentou na conferência da UNESCO sobre o Ambiente. O primeiro Dia Mundial da Terra foi

32

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

celebrado em 21 de Março, visto ser visto ser também o primeiro dia de Primavera e face ao interesse de McConnell na exploração espacial e no Equinócio de Março, considerado o dia do “equilíbrio global”. Sabe-se que a Terra tem em torno de 4,5 bilhões de anos e existem várias teorias para o “nascimento” do planeta. A Terra é o terceiro planeta do Sistema Solar, tendo a Lua como seu único satélite natural. A Terra tem 510,3 milhões de km2 de área total, sendo que aproximadamente 97% é composto por água (1,59 bilhões de km3). A quantidade de água salgada é 30


vezes a de água doce, e 50% da água doce do planeta está situada no subsolo. A atmosfera terrestre vai até cerca de 1.000 km de altura, sendo composta basicamente de nitrogênio, oxigênio, argônio e outros gases. Há 400 milhões de anos a Pangéia reunia todas as terras num único continente. Com o movimento lento das placas tectônicas (blocos em que a crosta terrestre está dividida), 225 milhões de anos atrás a Pangéia partiuse no sentido leste-oeste, formando a Laurásia ao norte e Godwana ao sul e somente há 60 milhões de anos a Terra assumiu a conformação e posição atual dos continentes.

O relevo da Terra é influenciado pela ação de vários agentes (vulcanismo), abalos sísmicos, ventos, chuvas, marés, ação do homem) que são responsáveis pela sua formação, desgaste e modelagem. O ponto mais alto da Terra é o Everest no Nepal/ China com aproximadamente 8.848 metros acima do nível do mar. A Terra já passou por pelo menos 3 grandes períodos glaciais e outros pequenos. A reconstituição da vida na Terra foi conseguida através de fósseis, os mais antigos que conhecemos datam de 3,5 bilhões de anos e constituem em diversos tipos de pequenas células, relativamente simples. As primeiras etapas da evolução da vida ocorreram em uma atmosfera anaeróbia (sem oxigênio). As teorias da origem da vida na Terra, são muitas, mas algumas evidências não podem ser esquecidas. As moléculas primitivas, encontradas na atmosfera, compõe aproximadamente 98% da matéria encontrada nos organismos de hoje. O gás oxigênio só foi formado depois que os organismos fotossintetizantes começaram suas atividades. As moléculas primitivas se agregam para formar moléculas mais complexas. A evidência disso é que as mitocôndrias celulares possuam DNA próprio. Cada estrutura era capaz de se satisfazer suas necessidades energéticas, utilizando compostos disponíveis. Com este aumento de complexidade, elas adquiriram capacidade de crescer, de se reproduzir e de passar suas características para as gerações subseqüentes.

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

33


A população humana atual da Terra é de aproximadamente 6 bilhões de pessoas e a expectativa de vida é em média de 65 anos. Para mantermos o equilíbrio do planeta é preciso consciência dessa importância, a começar pelas crianças. Não se pode acabar com os recursos naturais, essenciais para a vida humana, pois não haverá como repô-los. O pensamento deve ser global, mas a ação local.

oxigênio que vem das plantas, usamos o solo para plantar, bebemos água, comemos plantas e animais. Então, que tal repensar o seu dia-a-dia para ver até onde o seu modo de vida não está agredindo a natureza? Em casa, na escola, no trabalho e na rua há sempre algo que você pode fazer para ajudar a proteger o nosso planeta. Os esforços que cada um de nós faz, por menores que possam parecer, contribuem para a defesa da natureza no mundo.

Curiosidades

Pequenos cuidados domésticos ajudam a preservar o meio ambiente

O planeta Terra é cem vezes menor que o Sol, mas abriga mais de seis bilhões de pessoas, muita água, plantas, animais e uma variedade de construções feitas pelo homem. Estudos demonstram que a Terra tem cerca de cinco bilhões de anos. Ela leva 365 dias e 6 horas para dar uma volta ao redor do Sol, período que corresponde a um ano de nosso calendário. Já a rotação da Terra sobre si mesma dura 24 horas, ou seja, um dia e uma noite. Toda a grandeza de nosso planeta está seriamente ameaçada por causa das agressões ao meio ambiente causadas pelo homem. A cada dia contaminamos mais nossos rios, lagos e oceanos; devastamos nossas florestas, poluímos o ar e exterminamos muitas espécies de animais. Isso sem falar do efeito estufa e da destruição da camada de ozônio. O que fazer diante desse triste quadro? Aproveitando as comemorações do Dia Internacional da Terra, você pode tomar algumas medidas para poluir menos o planeta. Para isso, basta mudar alguns hábitos em casa e na escola. É simples!

Vamos mudar de atitude? Não importa se moramos na cidade ou no campo, sem natureza não há ser humano. Respiramos o

34

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

A preservação do meio ambiente pode começar em casa, com alguns cuidados simples. Na hora de ir às compras, por exemplo, prefira os produtos de limpeza biodegradáveis ou de embalagens retornáveis. Assim, você contribui com a diminuição do acúmulo de resíduos tóxicos nos rios e mares e, principalmente, evita atirar fora um material como o plástico, que demora centenas de anos para se decompor. Além disso, leve seus próprios sacos para carregar as compras, pois você estará levando menos plástico para casa. Para a limpeza limite o uso do detergente. Uma solução de vinagre ou limão diluídos em água serve para limpar vidros e tirar gordura. No forno, basta uma mistura de água quente com bicarbonato de sódio, que deve ser passada com um pano fino. Em lugar da naftalina, que afeta o fígado e os rins, utilize sachês com flores de lavanda. Já o desodorizante de ambiente pode ser substituído por uma solução de ervas com vinagre ou sumo de limão. Além de gastar menos dinheiro, você estará evitando produtos responsáveis pelo aumento de doenças respiratórias e alergias.


E-mail: serpan@amazon.com.br

Sérgio Pandolfo

TROVAS. TEMÁTICA:

VER-O-PESO/MULHER

E

m janeiro recebemos a auspiciosa notícia da eleição de nossa feira do Ver-o-Peso como uma das sete maravilhas do Brasil. A 8 de março comemoramos, festivamente, o Dia Internacional da Mulher. Em homenagem a essas duas celebrações, para nós gratíssimas, elaboramos as trovas que vão abaixo transcritas. A mulher é da Natura o ser mais belo e amado; tal divina criatura foi de Deus labor sagrado

Ver-o-Peso Maravilha com seus barcos multicores que vão das velas à quilha transportando mil valores

No seu Dia Universal, a mulher faz jus à fama, de num modo sem igual ser esposa, mãe e dama.

Peixes, frutos e salgados utensílios populares pra ver o peso e aviados a preços bem singulares

Como ferro de engomar – -liga em cima esquenta em baixo – mulher foi feita pra amar só o amor lhe acende o facho

Ver-o-Peso, cais histórico onde aportam as vigilengas cos tripulantes eufóricos e as frutas verdoengas

Da mulher é hoje o Dia Universal; festejar 8 de março e alegria a todas ela levar

Ver-o-Peso de Belém o mais completo cartãopostal que retrata bem seu povo, cheiros e chão

*Médico e escritor – SOBRAMES

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

35


Camillo Vianna

Amazônia As Cinzas do Inferno Verde. té recentemente, o fumaceiro vem sendo uma constante em todos os quadrantes do formidável e verdadeiro Apuhi Hídrico como é conhecida a Soberba Cobertura Verde dos Trópicos Úmidos. O autor destas mal digitadas linhas ao longo de varias décadas vem escarafunchando em andanças, avoanças, naveganças e, principalmente, leituranças de calhamaços enfurnados em verdadeiros esconderijos, que sabe-se lá por que cargas d'água, escaparam da voracidade dos cupins, baratas, traças e de vorazes saqueadores que não sabem preservar e muito menos defender esse patrimônio aberto ao saque dos gringos. Se associarmos o componente hídrico com a parte sólida do Continente Verde e Amarelo, teremos um primoroso acervo de verbetes, apelidos, denominações, e impossível de ser encontrado em qualquer fim de mundo desse velho e maltratado planeta em que pese ser o único habtáculo do até agora maior predador de todos os tempos. Isso, sem contar com a Amazônia Azul, muito maior que a sua congênere de terra firme, onde a fumaça é uma verdadeira pira fúnebre, em que vem se transformando a Região Malsinada. Por falar em queimadas, completamente descontroladas com a

A

36

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

chegada em numero cada vez maior do intruso impertinente do mestre Euclydes que invadem desordenadamente o que seria a Ultima Conquista da Humanidade, é difícil aceitar que, mesmo usando equipamentos de alta tecnologia não se possa pelo menos frear o fogaréu que está transformando em cinzas o antigo Inferno Verde ! . Em suas infindáveis andanças, foi extremamente fácil ao autor identificar o imenso fumaceiro que se alastra por toda região, obstaculizando a movimentação do homem em qualquer meio de transporte. O fio da meada começa nas serrarias que sucedem a derrubada das árvores. Estatisticamente desconhecido o número delas, às vezes pode alcançar centenas em uma mesma área. Em Paragominas, no século passado, trabalhava-se dia e noite em busca de madeira muitas vezes localizada a mais de 1000 quilômetros no rumo da fronteira do Maranhão. A serragem era queimada diuturnamente, trazendo como conseqüência severos problemas de saúde, principalmente em crianças, jovens e idosos. Carvoeiras aos milhares e gigantescos montes de serragem eram facilmente encontrados em Tailândia no Pará. Hoje, representa, na opinião internacional padrão de ocupação condenado pela devastação quase completa da cobertura vegetal, que só agora, como é usual, as autoridades locais e nacionais começaram a


tomar alguma providência, mesmo que tardia, e sem nenhum resultado prático. Nas noites de lua cheia, como resultante das queimadas, o céu toma coloração avermelhada, impedindo o trânsito de caminhões toreiros, carvoeiros e de transporte os mais diversos. Montoeiras de resto de madeira das serrarias situam-se à margem do antigo rio das Trombetas, quase na ilharga do município de Oriximiná, também no Pará. Em determinadas ocasiões o transito das embarcações não pode ser realizado. Fato novo é que na região bragantina, na extrema com Maranhão, a fumaceira resulta não mais da incineração da

floresta, e corre por conta das capineiras para a alimentação do gado, problema seriíssimo em toda a Amazônia, acompanhado de atividades espúrias, como contrabando de drogas, armas, biopirataria entre outras. Em vôos noturnos, é possível ter idéia do número de queimadas, uma vez que o fogaréu diurno dificulta a avaliação. Será que vale a pena, em espécie de cantochão monótono, enumerar, ou pelo menos tentar relacionar a riqueza perdida com a madeira transformada em serragem, e daí em cinzas ou carvão, não esquecendo a fauna silvestre que acaba esturricada? Despreparados para combater a queima da floresta e seus resíduos, é praticamente impossível controlar o fogo. Não esquecendo a agricultura predatória itinerante e incendiária, praticamente ignorada, muitas vezes incentivada pelo próprio governo. Só Deus sabe o que acontecerá com o Paraíso Amazônico submetido a insensatez dos devastadores incendiários que não tem escrúpulos em abater e queimar o Maior Patrimônio do Povo Brasileiro, reduzindo a cinzas, em espécie de furor piromaníaco, que cada vez mais o violenta, transformando a integração da Amazônia em verdadeiro inferno, tornando realidade o parecer de autor oriundo da Mãe-Pátria que classificou a região como Inferno Verde. *SOPREN/SOBRAMES

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

37


E a cobra fumou! ste mês se comemora outro aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. Alguém irá depor flores e acender velas no "Monumento aos Pracinhas" da Praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, aqueles jovens brasileiros que, como tantos outros estrangeiros, foram morrer na Itália. Com certeza, também no Apenino Tosco-Emiliano, nas províncias de Modena e Bolonha, será lembrada a contribuição dos brasileiros à vitória na luta contra o nazi-fascismo.. Parece que isso aconteceu tanto tempo atrás e que é um fato histórico de pouca importância pois se estuda pouco até na escola. O que sabe a juventude de hoje sobre a contribuição de tantos povos aquela guerra? O que sabem sobre os sacrifícios, sobre as vidas perdidas e sobre as razões que levaram à Europa vários grupos de estrangeiros a participar daquela guerra. Hoje é importante, mais do nunca, lembrar que as Forças Aliadas eram formadas por tantas nações: tinham contingentes indianos, sulafricanos, neozelandeses, canadenses e, mesmo se com pequenas formações, gregos, hebreus, etc., logicamente, além dos ingleses e dos norte-americanos. Podemos até entender que os países da área de influência inglesa (colônias ou não) fossem presentes, mas o Brasil não sendo, ao menos oficialmente, uma colônia americana, inglesa ou soviética, porque entrou no conflito? Para ter uma idéia desse motivo precisa voltar atrás de alguns anos. Antes de tudo, é interessante lembrar que nos anos trinta, surgia no Brasil a exigência da industrialização do país: reclamava-se o nascimento de uma siderurgia nacional; proferiam-se conferências públicas sobre isso onde denunciavam também a obra de sabotagem da parte do capital estrangeiro. Este pedido virou desejo nacional e o governo dos Estados Unidos, sabendo dos contactos estabelecidos pelo governo brasileiro com a Alemanha (que já fazia

E

Recordações

por Dulce Rosa Rocque

grandes investimentos na rede ferroviária), em troca do apoio bélico do país, oferece o financiamento necessário para desenvolver a indústria siderúrgica nacional (ler Volta Redonda). Muitos eram incrédulos sobre uma tal opção da parte do Presidente da República, tanto que um jornalista carioca escreveu "é mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar em guerra". O porquê de tanta perplexidade era baseado no fato que, desde novembro de 1937, ou seja, quando o Presidente Vargas fechou o Congresso Nacional, o Brasil era governado por uma ditadura populista, chamada "Estado Novo", que mantinha ótimas relações com a Itália, Alemanha e Japão. Aliás, durante os anos 30, as trocas comerciais (matérias primas por armas) eram ja muito freqüentes, mas aumentaram e se tornaram regulares com o advento do regime autoritário de Getulio Vargas, a versão cabocla do integralismo, tão similar ao fascismo. As autoridades americanas sabiam que, uma vez iniciada a guerra, o norte e o nordeste do Brasil se tornariam um ponto fundamental para a defesa do continente e também para a movimentação das tropas Uma patrulha brasileira

Força Expedicionária Brasileira

para o norte da África, portanto, era mais do que necessário uma política de aproximação entre os dois países a fim de tratar, inclusive, a construção de bases navais e aéreas naquelas regiões. O Brasil começou a se afastar diplomaticamente dos países do Eixo, mantendo uma aparente posição de neutralidade, depois do ataque japonês a Pearl Harbour e da conseqüente entrada dos Estados Unidos na guerra. Somente depois de terem sido torpedeados 35 navios mercantes brasileiros (com cerca de 1000 mortos) da parte de submarinos alemães e italianos ocupados em paralisar a navegação no Atlântico, o Brasil rompe oficialmente as relações com esses países. Dia 31 de agosto de 1942 è declarado guerra à Itália e Alemanha; com esta medida, o Brasil de Vargas abre os braços as subvenções americanas (20 milhões de dólares) e também às ações da chamada "quinta coluna", organização de espias e sabotadores. Da-se início a venda dos "bônus de guerra" com o fim de ajudar na aquisição de quanto era necessário à


Brasileira" (FEB), que foi fazer campanha. As contribuições parte do IV Corpo do V Exército podiam ser feitas por qualquer Norte-americano e que integrava o pessoa, mas era obrigatória para os XV Grupo do Exército Aliado. funcionários públicos (3% do Iniciam, então, os preparativos com salário). Nas grandes cidades do a "chamada às armas" do povo. A litoral como Rio de Janeiro (então extração social dos componentes capital do Brasil), Recife, Salvador, das tropas brasileiras (pracinhas), por exemplo, inicia o 'black-out' a formada principalmente por fim de evitar possíveis voluntários, era muito baixa; a bombardeamentos da parte dos A FEB em Montese composição variava do desocupado alemães. ao pequeno comerciante, do camponês ao bancário. Os Nesse meio tempo, as vitórias aliadas no norte da África, militares de carreira, por sua vez, tiveram que cancelar o em novembro de 1942, reduzem consideravelmente a que tinham aprendido - segundo a escola francesa - e importância estratégica do nordeste do Brasil e a Gran recomeçar tudo de novo - segundo a tradição americana. Bretanha inicia a fazer resistência à presença de uma Dia 2 de Julho de 1944, os Pracinhas, em navios força brasileira no Mediterrâneo. Enquanto isso americanos, começam a partir para a Itália. O primeiro acontecia, na Itália, a censura fascista evitava dar escalão composto de mais de 5.000 homens informações sobre o torpedeamento de navios desembarca, totalmente desarmado, em Nápoles no dia brasileiros. A entrada do Brasil na guerra era 16 de julho e, somente entre os dias 5 e 18 de agosto, a ridicularizada com ataques, não somente à atitude do Tarquinia, receberiam seus armamentos e os governo, mas também ao povo brasileiro. Para equipamentos necessários à missão. De Nápoles à alimentar a hostilidade davam constantemente Livorno são transferidos em barcos LCI (Landing Craft informações desastrosas sobre a situação de milhões de Infantry) cada um levando aproximadamente o efetivo imigrantes italianos que - segundo o regime - sofriam de uma companhia; essa viagem durava 36 horas. nas prisões e nos campos de concentração brasileiros. A Sobem a península para se máquina propagandistica de Mussolini concentrarem na zona do Apenino procurava incutir ódios e paixões Tosco-emiliano, ficando a maior parte guerreiras, proibindo a verdade e do tempo ao longo de 18 km da Estrada espalhando mentiras. Estadual 64, mais conhecida como Os nazi-fascistas das comunidades do "Porrettana". E' porém dia 16 de sul do país (S.Paulo, Santa Catarina, setembro, em Monte Bastione, que foi Paraná e Rio Grande do Sul), contrários atirada a primeira bala por parte dos à declaração de guerra, procuravam de brasileiros contra o inimigo. todos os modos minar a aliança feita O segundo e o terceiro escalão de com os EEUU. Utilizavam para isso a Quinta Coluna, estrutura muito potente Monumento aos Pracinhas na Praia do Flamengo brasileiros, partem nos navios americanos General Mann -que levava 5.075 homens- e que chegou a compreender os níveis máximos do poder General Meigs -com 5.239 - no dia 22 de setembro e nacional. O centro das operações de espionagem estava desembarcam em Nápoles dia 6 de outubro. na verdade representados pelas empresas aéreas LATI, Sucessivamente partem, sempre de navio, outros dois italiana, e CONDOR, alemã, as quais foram interditadas grupos com 4.591 e 8.002 componentes após a declaração de guerra aos países do Eixo. Seus respectivamente; por via aérea seguem somente 111 componentes, nazi-fascistas, converteram-se, então, em pessoas. sabotadores. As primeiras prisões de espiões A Força Aérea Brasileira (FAB) também participou das aconteceram em abril de 1942 no Rio de Janeiro, quando batalhas. O 1° Grupo de Caça da FAB (Senta a Pua) foi descoberta uma central de radio equipada com embarcou para a Itália no navio americano Colombie modernos aparelhos alemães que passava informações em setembro de 1944. sobre a rota dos navios que se dirigiam para o norte da Eram 199 Pracinhas, África. No mês de setembro foram descobertas bombas168 sub-oficiais, 6 relógio em pontos estratégico da cidade com o fim de enfermeiras e 75 sabotar o desfile das Forças Armadas no aniversário da oficiais, dos quais 41 Independência. As constantes ingerências das eram pilotos. comunidades italiana e alemã retardaram a participação Estabeleceram sua base efetiva dos brasileiros na guerra, que só aconteceu dois em Pisa sob o 22° anos mais tarde. Comando Aéreo Tático Resultado: a cobra fumou e, com o Decreto Presidencial Americano, que dava do dia 24/12/1942, foi criada a "Força Expedicionária Pracinhas fizeram muito bonito na Itália


suporte aéreo ao V Exército. Berna, Madona dell'Acero, Quando os pracinhas chegaram no Montilocco, Mazzancana, Ca Apenino, totalmente despreparados d'Orsino, Ronchi di Sopra, inclusive ao clima, muitos deles Bombiana, Guanella, Vidiciatico, adoeceram dos pulmões e também Cravullo, Castellaccio, tiveram pleurite; o equipamento Montaurigola, Gaiano, etc e fornecido pelos EEUU (roupas, Pracinhas sendo homenageados atravessaram cidadezinhas como acessórios, etc.) revelou-se inadequado e os Lizzano in Belvedere, Gaggio Montano, Marano, armamentos, pareciam fazer parte de um estoque muito Sassuolo, Vignola, S. Ilario d'Enza, Montecchio, velho. Ainda mais, encontraram, além dos alemães, Neviano, etc. Os habitantes daqueles lugares, naquele outros dois inimigos: o frio (-20) e as adversidades do tempo, agradeciam como podiam, e ofereciam... ovos, terreno montanhoso. Os brasileiros, e não somente, unico alimento que tinham a disposição. chegavam assim do outro lado do mundo para lutar por Examinando, de um outro ponto de vista, a permanência uma causa nota a todos, mas contra a qual não tinham, das tropas aliadas naqueles lugarejos, vamos notar que além de tudo, uma verdadeira motivação ideológica. aconteceu, também, uma autêntica revolução étnica, Na ordem, as vitórias da FEB foram: Camaiore no dia cultural e por muitos aspectos política. Esse longo 18/09/1944, Monte Prano dia 26/09, Monte Castelo dia contacto com povos diferentes não levou somente 21/02/1945, Castelnuovo dia 05/03, Montese dia 14/04, destruição aqueles lugares, onde a guerra tinha mudado Zocca dia 20/04, Collecchio dia 26/04, o modo de vida, de trabalho, insuma, o Fornovo dia 28/04 e, prosseguindo para dia-a-dia. Nas retrovias e mesmo ao Turim, ocuparam Alexandria. Dia 29 de lado das linhas de combatimento, a abril foi dado o ultimo tiro pelos convivência entre habitantes e militares pracinhas da FEB. Seguem depois para -uma vez que estes se estabeleciam nas Susa, já libertada, onde estabelecem casas que não tinham sido derrubadascontacto com os franceses: dia 18 de levou ao nascimento de amizades e, em Julho de 1945, o navio Gal. Meigs os alguns casos, de algo mais do que isso. trás de volta ao Rio de Janeiro. Os homens que alí se encontravam Foram exatamente 25.334 brasileiros eram, ou idosos ou crianças, assim mobilizados para o conflito, dos quais sendo, nos meses em que eram menores 15.069 combateram. As duas batalhas os números de operações, entre jovens mais importantes, aquela de Monte estrangeiros e moças daqueles lugares Castelo, entre as montanhas nasceram relações de afeto que, em bolonhesas, e aquela da entrada de certos casos, depois do fim da guerra, Montese, na província de Modena, deram em casamento. Uns quarenta só constituíram - não somente para os Pracinhas recebidos em festa no Apenino bolonhes e muitas centenas brasileiros - o ultimo e decisivo de milhares desde o desembarque dos combate entre tropas aliadas e o exército nazista. Aliados na Sicília em 1943 até a partida das tropas de Terminada a guerra, o balanço foi: 239 dias de batalha ocupação no início dos anos cinqüenta. Este aspecto de 6 de setembro de 1944 até dia 2 de maio de 1945-; 457 particular da guerra, pelo contrário, não registra mortos e desaparecidos em combate, 16 dispersos, cerca casamentos com alemães, os quais, mesmo se do lado de de 2.720 feridos e 38 prisioneiros de guerra. Em lá da barricada, transcorreram igual período de tempo na compensação, porém, fizeram 20.573 prisioneiros de Itália. Na ampla "amostra" de estrangeiros , os guerra e prenderam 80 canhões de diferentes calibres, preferidos foram: norte-americanos (principalmente os 1.500 viaturas e 4.000 cavalos. A FEB travou combate italo-americanos), sul-africanos, ingleses, poloneses e com treze grandes unidades inimigas (três fascistas brasileiros. Divisão Itália, Divisão Monte Rosa e Divisão San Em clima de festa, todos os anos em Montese, única Marco- e dez divisões alemãs). A cidade no mundo a ter vários espaços FAB, em vez, naqueles poucos dias dedicados ao Brasil (uma praça, uma fez 1.738 vôos sobre territórios rua, dois monumentos e uma sala do inimigos (Passo Brenner e sul da Museu Histórico), chegam brasileiros Áustria, principalmente), 445 para participar das comemorações missões e 2.456 decolagens para relativas à liberação. Hoje, aquele povo, ofensivas. não oferece mais ovos e sim Os pracinhas com a "cobra fumando" hospitalidade... mas esta è outra história. passaram por aldeias que nem se encontram nos mapas, como: Ca Homenagem aos pracinhas mortos em combate

40

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r


ESPAÇO MUNICIPAL

CINEOLYMPIA PROGRAMAÇÃO DE 15 À 27/04/08 (exceto dia 21/04) COMEMORANDO O ANIVERSÁRIO DE 96 ANOS DO CINE OLYMPIA E O ANO DO INTERCÂMBIO JAPÃO-BRASIL/CENTENÁRIO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL

“A MÚSICA DE GUION” Direção : Kenji Mizoguchi Horário: 18:30 h - Gênero: Drama Inadequado para menores de 12 anos Entrada Franca Sinopse - Miyoharu, uma gueixa conhecida em Guion, um bairro de Quioto, aceita Eiko como sua discípula para treinamento. Após um ano, Eiko apresenta-se em público pela primeira vez. Sobre o cineasta : Nascido em Tóquio, em 1898, Kenji Mizoguchi levou para as telas de cinema temas da história de seu país e da vida cotidiana de sua época: a repressão feminina no sistema feudal; a oposição entre a vida da cidade e a vida no campo e as conseqüências do feudalismo no Japão contemporâneo. Sempre com preocupações sociais e políticas, realizou filmes aclamados pelo público e crítica, mas considerados "perigosos" pela censura, por sua visão progressista. Foi um cineasta que viveu um importante período de transição no cinema, passando dos filmes mudos par a os falados, do branco-e-preto para o colorido. Av. Presidente Vargas, 918, Fone: 3223-1882, e-mail:cinemaolympiafumbel@ibest.com.br

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

41


helio.titan@ig.com.br

Hélio R. Titan

AS REAÇÕES CONTRA A

MAÇONARIA C

omo existem Maçons que são leitores de PARÁ+ , em Belém e outras cidades paraenses, resolvemos abordar referido tema nesse artigo. A Maçonaria sempre foi e é perseguida pelos governos totalitários e diversas ordens religiosas. É acusada de subversão à ordem pública e culto ao demônio. O antimaçonismo é antigo, singular e fantasioso e há muito é público, meus amigos leitores! Na História surgiram poderosos detratores da Ordem Maçônica, imbuída de preconceitos dissimulados, aproveitando-se do nível de ignorância e crendices, como meio de gerar adeptos às suas inverdades. O método antigo, mas que infelizmente ainda existente.

O anti-maçonismo religioso Sustentam os antimaçons religiosos, que a tolerância religiosa é incompatível com a respectiva doutrina. Outros, sob alegação de combate ao "culto às imagens", acusam a maçonaria de culto a símbolos demoníacos. Mas, o pano de fundo do anti-maçonismo religioso surge com o anglicanismo. Henrique VIII, rei da Inglaterra, desobedeceu ao Papa e divorciou-se de sua primeira mulher, casando-se com Ana Bolena, sendo excomungado. Posteriormente, em 1534, numa disputa de poder com o Papa, o Parlamento inglês aprovou o Ato de Supremacia, que, colocou a Igreja sob a autoridade real: nascia a igreja anglicana. A Maçonaria especulativa sempre foi aceita pelo catolicismo. Tanto é que era o maçom operativo quem construíam as antigas Igrejas e Catedrais, adornadas com inúmeros símbolos maçônicos. Posteriormente, de iniciativa dos pastores protestantes ingleses James Anderson e J. T. Desaguliers surge a Grande Loja da Inglaterra. No ano de 1723, Anderson elabora a primeira Constituição maçônica. Criava-se um sistema de regularidade para a Maçonaria e só quem fosse reconhecido pela Grande Loja da Inglaterra pudesse ser considerado maçom regular. Para tanto era preciso ter como Ruy Barbosa, jurista, político, diplomata, escritor, filólogo, tradutor, orador e maçon

42

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

princípio, dentre outros, a tolerância religiosa. Por isso mesmo, o conflito entre anglicanos e católicos, num movimento de contra-reforma da Igreja Católica, fez com que a intolerância religiosa transpirasse para a Maçonaria. Em 24 de abril de 1738, o papa Clemente XII condenou abertamente a maçonaria pela primeira vez (encíclica In Eminenti). A partir dessa palavra oficial da Igreja, foi proibido aos católicos pertencer á maçonaria. A questão se agravou com o movimento da Reunificação da Itália (período que foi de 1848-1870). O governo da Itália estava fragmentado e dividido entre bispos católicos, que eram proprietários de grandes propriedades de terras. Esse governo se via envolvido em escândalos e corrupção, e se sustentava explorando o misticismo medieval e no fundamentalismo religioso. O movimento iluminista que combatia o misticismo, aproveitando-se do segredo e sigilo maçônico, reunindo-se em segredo nas Lojas Maçônicas, coordenou uma verdadeira revolução que retomou as propriedades das mãos da Igreja, destacando-se dentre eles Giuseppe Garibaldi, que dedicou sua vida à luta contra a tirania. Esse episódio despertou o ódio do clero católico contra a maçonaria, a ponto do papa Leão XIII (1846), redigir a encíclica HUMANUM GENUS, dizendo: "a Igreja católica e a maçonaria são como dois reinos em guerra" e que "a finalidade da maçonaria é destruir toda ordem religiosa e política do mundo inspirada pelos ensinamentos cristãos e substituí-las por uma nova ordem de acordo com suas idéias", estimulando "o sincretismo religioso, isto é, a mistura das mais diferentes crenças".

O anti-maçonismo político Conhecedores da história e da participação da Maçonaria no processo da Reunificação da Itália, inúmeros os governantes, tanto de direta quanto de esquerda, se tornaram antimaçons. O caráter discreto e sigiloso das reuniões maçônicas causou sempre o temor da "conspiração" e "subversão política" e estimulou a fantasia popular acerca do "culto ao demônio".


A Maçonaria e Arquimedes

do novo Palácio Maçônico de Brasília do Grande Essas sempre foram às acusações Oriente do Brasil, compareceram 120 dissimuladas de seus perseguidores, parlamentares, além do então Ministro da aproveitando-se da ignorância de muitos e justiça, Maurício Correia. Mas o antida crendice popular. Todavia, os ideais maçonismo não desiste. Além do antimaçônicos de liberdade de expressão do maçonismo religioso e político, uma nova ordem pensamento e a liberdade de crença de antimaçons surge no sistema democrático: o religiosa, sempre foram os reais motivos antimaçom degenerado. Esse grupo é composto pelos pelos de sua perseguição e de seus membros. descontentes com resultados políticos ou jurisdicionais e quando Com a expansão do comunismo no início do século XIX, a vencidos em suas pretensões, como último recurso, acusam as maçonaria foi proibida na Rússia (1917) e na Hungria (1919). A autoridades de favorecimento maçônico. Polemizam o ingresso de reação ao comunismo fez surgir o nazismo e fascismo, que juízes, delegados, políticos e outras autoridades na maçonaria, também proibiram a Maçonaria (Mussolini na Itália-1925, Hitler argumentando que a fraternidade se incompatibiliza com tais na Alemanha-1933, Salazar em Portugal - 1935, Getúlio Vargascargos, que requerem imparcialidade, mas a maçonaria Brasil, 1937, Franco na Espanha-1940). pressupõe o favorecimento, a parcialidade. É verdade que o General Francisco Franco, ditador espanhol, decretou em 1940, maçom tem o dever de socorrer todos os necessitados, todos Maçons de seu país estavam condenados a 10 anos de especialmente membros da prisão. Joseph Goebbels, ministro fraternidade. Isso não pode ser da propaganda regime nazista, A Maçonaria não é uma sociedade beneficente ou confundido com favoritismo, pois inaugurou em 1937 uma securitária e não visa lucro. Todavia são imensuráveis esse dever significa dever de "Campanha Anti-Maçônica", sob os serviços caritativos prestados por ela, no esforço caridade para com o próximo. alegação de as Lojas Maçônicas comum de todos os homens pela solidariedade entre Antes de tudo, o Maçom faz estavam impregnadas de irmãos, mesmo fora de seus quadros. Ela prega a juramento solene de obedecer às judaísmo. Outro apóstolo nazista, fraternidade e o auto-desenvolvimento e, através da leis, agir sempre com ética e com Alfred Rosenberg, exaltando a exemplificação dos princípios e preceitos da ordem os bons costumes, amar a família superioridade da raça alemã, maçônica, almeja-se tornar melhores os homens bons. e defender a pátria com a própria acusou a Maçonaria de vida. A corrupção permeia todas disseminadora da idéia de as instituições sejam religiosas, igualdade. Os maçons sempre políticas ou associativas e necessita ser combatida. Isso porque a ignoraram seus detratores achando que o silêncio era a melhor corrupção é vício humano, tão combatido pela maçonaria. Apesar arma. Lamentavelmente esse silencio muitas vezes foi usado disso, a maçonaria não está imune a ela. Todavia, possui contra a Fraternidade. Durante Segunda Guerra Mundial, as mecanismos de se livrar dos corruptos e desonestos. Consta das tropas nazistas que ocuparam a Bélgica, pilhariam as Lojas normas internas, que aquele que estiver envolvido em corrupção Maçônicas e destruíram o que eles não puderam roubar. ou desonestidade, será processado internamente, previsto como Entre os reféns tomados nos povoados, na média 15%, eram pena, a exclusão da ordem, com sua inscrição no "Livro Negro", Maçons, que era uma proporção enorme consideram isso há só impedindo definitivamente seu retorno. um Maçom a cada mil habitantes em Bélgica! (Revista de Philalethes, 1947 de maio)

Conclusão

*Medico Escritor Cosmologo Historiador; Membro da Sociedade Brasileira de Cosmologia

Dois fatos determinaram a ruptura entre a Igreja e a Maçonaria, dando origem ao anti-maçonismo. O primeiro foi a disputa política entre o papa e o rei da Inglaterra (século XVIII), o segundo a disputa de terras entre bispos católicos e italianos (Século XIX). Maçons envolvidos nesses dois episódios determinaram a ruptura entre a Maçonaria e a Igreja Católica. Nem o antimaçonismo religioso, nem o político foram capazes de acabar com a Maçonaria. Mesmo perseguida, a influência da maçonaria na história tem sido grande. Hoje são cerca de 6 milhões de maçons, em mais de 164 países, sendo cerca de 150 mil no Brasil. Há grande quantidade de parlamentares, altos funcionários do governo, líderes religiosos, muitos empresários e membros de outras elites. Vivemos atualmente um regime democrático, e por isso, a Maçonaria sobrevive abertamente. Por exemplo, na inauguração

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

43


Acyr Castro

Neste Abril de 2008

final, T. S. Eliot estará certo? Será abril um mês divida externa, coisa inédita nos anais da nossa História. Cabe, no cruel? Nem sempre os poetas acertam, ainda entanto, uma simples pergunta, a dívida interna, razão da cidadania, que haja algumas provas da assertiva de Eliot: direito que tem o povo brasileiro de norte a sul, quando será saldada? A a Espanha sob a ditadura do generalíssimo igualdade econômica deve vir junto com autonomia, sem opressão de Francisco Franco e “a volta aos quadros constitucionais nenhuma qualidade, sem nenhum tipo de submissão quer Estado quer à vigentes” da fraude militarista brasileira de 1964. iniciativa privada. O Capital deve tanto ao trabalho quanto o trabalho ao Há os fatos e as conexões. Não tem que teme-los e inclusive há capital, sem nada de abstrato, o “nós” nascendo do “eu”, o Ser gerando o de enfrenta-los de frente, corajosamente, crente nas lições do Ter e o Fazer, numa unidade primeiramente natural e posteriormente Cristo universal que a todos abriga e transcendente. rejuvenesce. A razão tem, ensinou Michel A tradição serve ao moderno: este o significado de Montaigne, tantas formas que nem perfeito da contemporaneidade, ouso crer, ainda que sabemos o que pensar. Pascal garantiu que alimentemos a sensação absurda e entretanto tão “há razões que a própria razão dura quão efetiva, concreta, feito o universo estivesse desconhece”. Nada mais igual que a aos poucos e inesperadamente enlouquecido. A diferença, seja individual, seja a coletiva. liberdade prossegue e as praias permanecem Dizia o padre Antônio Vieira: “Deu o vento, distantes, porém, contudo, em aberto. São estas eis o pó levantado; parou o vento, estes verdades ou mentiras (Orson Welles) que nos são, caídos, os mortos”. ensinam, a duras penas que, se viver é perigoso, urge Estive com a Lana, a jornalista e professora navegar. Quem se define dono da verdade (e Jesus Elanir Gomes da Silva em Cuba e no Peru. negou-se a Pôncio Pilatos atento ao Pai todo Na Ilha de Fidel, visitamos as províncias da poderoso) está mentindo de cara, e, pior, reconhece Pinar del Rio e a praia de Varadeiro. Que que está mentindo. A coisa é tão complicada que povo tão parecido com nosso paraense, exista mergulhado na contradição que se intitular embora a Revolução Cubana haja obtido social-democrata: como, onde? Democracia já não conquistas nas áreas de Educação e social desde que governo do povo, para o povo e com o Saúde; pelo menos, assim era em 1984, Neuza e Acyr Castro em Ouro Preto povo? Deus é benevolente mas, julgo eu, em alguns não sabemos a quantas andam aquelas assuntos ELE prefere não intervir. Perdoem-me, se me paragens agora comandadas ditatoriamente por Raul Castro. faço sobressaltado neste texto entrecortado de emoções. Minha Neuza Tanto que fazer na Ilha, democratizando-a, resgatando-lhe a Cecília chega ao quinto ano de sua viagem para um outro plano, estou deformação copiada de Stalin na extinta União das Repúblicas desabrigado daquela árvore frondosa e única que partiu sem conseguir, Socialista Soviéticas. Falei democratizar e não redemocratizar, sequer, se despedir. E saudade é uma palavra que só tem no idioma já que Castro sucedeu a um regime também pré-fidelista que português, não tem tradução. nem o do sargentão Fulgêncio Batista. Há que mudar o que tem Neste abril de 2008, espero que minha escrita não esteja se tornando para ser mudado, parafraseando o Senador Barak Obama, insensata; as palavras jorram, todavia, do fundo d'alma; só deixarei de candidato democrata às eleições presidenciais dos Estados ser assim até um dia, mas, repetindo Santo Agostinho, reafirmo que isso Unidos e em quem o colunista votaria se houvesse nascido na aconteça não já. Desses descampados, de um quarto andar de velho América do Norte: Caminhar sempre para frente, que não prédio da nossa indormida e insofrida cidade, é que passo a estes meus somos caranguejos. Questão não apenas de ótica, igualmente sentires como notícia aos prováveis ou possíveis leitores. Que todos de ética. tenham tido uma abençoada Samana Santa, desejando Feliz Páscoa, Sou assim e me orgulho de manter viva esta idéia, descanso da com toda a minha família, a todos os leitores, a quem me telefona crítica literária e cinematográfica nesta cidade de Santa Maria elogiando esta prestigiosa revista, dirigida sabiamente pela família das Graças de Belém do Grão Pará, que Sérgio Pandolfo me Hunn, símbolo da família paraense. corrija se eu estiver incorrendo em erro. Falo com pensamento voltado para Joaquim Maria Machado de Assis, “até onde a (*) Poeta, jornalista, escritor, membro da Academia Paraense de água e o céu dão um abraço infinito”. Acredito que a dignidade Letras, de Instituto Histórico, antigo Secretário de Cultura Desportos nunca sairá da moda, uma rosa em cada peito e um pão em e Turismo e integrante da União Brasileira de Escritores e da cada boca. Associação Paraense de Escritores. Faz parte dos quadros do Fico feliz ao ler na grande imprensa que o Brasil saldou a sua Sindicato Paraense de Jornalistas Profissionais

A

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

44


o o m o m c o c a i a n i ô n z ô a z a m AA AAmnunnccaa vviiuu!! u n ê c ê vvooc S A C N A B S A JÁ N


Empregado Doméstico O

empregado doméstico é regido pela Lei 5.859/1972, regulamentada pelo Decreto 71885/1973, tendo seus direitos previstos na Constituição Federal/1988 no parágrafo único do artigo 7º, bem como sua integração à Previdência Social. Entende-se por empregado doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família no âmbito residencial destas. Deste conceito, destacamos os seguintes elementos: a) prestação de serviço de natureza não lucrativa; b) à pessoa física ou à família, no âmbito residencial das mesmas; c) continuadamente.

Empregador Doméstico Considera-se empregador doméstico a pessoa ou família que admita a seu serviço empregado doméstico.

Direitos Trabalhistas O doméstico faz jus: a) ao salário-mínimo ou ao piso estadual, fixado em lei; b) irredutibilidade do salário; c) décimo terceiro salário;

46

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

Santa Zita Padroeira da Empregada Doméstica (1218-1278)


d) repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; e) férias anuais, acrescidas de 1/3 constitucional; f) vale transporte, nos termos da lei; g) FGTS, se o empregador fizer a opção; h) seguro-desemprego, se o empregador fizer opção pelo FGTS; i) aviso prévio; j) licença-maternidade de 120 dias; j) licença-paternidade. No que se refere às férias proporcionais quando o doméstico for demitido sem justa causa ou quando pedir demissão com mais de 1 (um) ano, o empregador, por cautela, deverá pagar, uma vez que há controvérsias a respeito do assunto e algumas jurisprudências têm se manifestado neste sentido; no caso também deverão ser acrescidas de 1/3 constitucional. Também deverá pré-avisar o empregado doméstico quando sairá de férias, assim como anotar na CTPS o período referente ao gozo das férias.

Repouso Semanal Remunerado Com o advento da Constituição Federal/88, os empregados domésticos fazem jus ao repouso semanal remunerado; para isto, o empregado deverá cumprir a jornada semanal integral.

Homologação Não há necessidade de homologar-se as rescisões contratuais de Empregados Domésticos, por não estarem sujeitos às disposições sobre o assunto contidas na Consolidação das Leis do Trabalho - CLT. * Homenagem a Todas as Empregadas Domesticas e em especial a Laudelina Campos Melo sua extraordinária Lider e Ícone Nacional que viveu de 1904 a 1991.Laudelina Criou em Campinas Um Sindicato Escola de Empregadas Domésticas, que forma Mulheres conscientes e admiráveis que organizam os encontros da categoria a nivel Nacional.

Empregada Doméstica * Azuir Filho e Turma do Social da Unicamp

Uma categoria explorada, uma gente decisiva. Sua tarefa é dobrada, nem por isso se esquiva. Faz um trabalho fundamental, que não é reconhecido. Trabalha sem igual, faz seu viver ser querido. Seus trabalhos são pesados, sérios e extenuantes. Aos familiares dedicados, são obrigações desgastantes. Voluntárias e conscienciosas, intensas na atenção. Todo instante habilidosas, no cumprimento da missão. Em 27 de abril aniversaria, Santa Zita sua Padroeira. A exemplo de toda Maria, é uma Santa Guerreira. Consciente das desigualdades, Consciente do Social. Comprometida com Humanidade,com sonho e com ideal. Tão antiga profissão, especialista na família tratar. Trabalha com o coração, se duplica pra ajudar. Faz papel de mãe e amiga, conselheira e guardiã. Inicia tantos jovens na lida, Professora e Cidadã. Compreende a Sociedade, sabe que existe a exploração. Se posiciona com seriedade, não admite discriminação. Com a velhice é respeitosa, tem o amor filial. Com as crianças é carinhosa, possui o dom maternal. De tudo é reconhecida, exigente em Justiça e Direito. Sua glória é merecida, atende no mais bem feito. Tem a visão do futuro, acompanha todo acontecer. Tem o pensamento maduro, luta, por amor ao viver. Humilde e esforçada, todo tempo a se dar. Consciente e determinada, sempre pronta pra lutar. Trabalha no seu total, uma só em todos os lugares. Mulher muito especial, porque cuida de dois lares. Plenamente companheira, tem consciência da História. Mãe, irmã, amiga e Guerreira, tão maravilhosa trajetória. Ela sabe que faz seu caminho, de razão tem o coração cheio. Por trabalhar com amor e carinho, tornou-se Rainha do Lar Alheio.

EDIÇÃO 76 [ABRIL 08] p a r a m a i s . c o m . b r

47


Estresse de pais ocasiona doenças em crianças Uma pesquisa conduzida por pesquisadores americanos sugere que filhos de pais estressados ou deprimidos são mais vulneráveis a doenças e a infecções

O

s especialistas, da Universidade de Rochester, acompanharam 169 crianças ao longo de três anos durante os quais os pais registravam a incidência de doenças nos filhos, reportando-as a psiquiatras a cada seis meses. Os pesquisadores, coordenados pela médica Mary Caserta, observaram que a ocorrência de doenças era maior entre as crianças cujos pais tinham altos níveis de “estresse emocional”. A equipe ainda avaliou amostras de sangue das crianças e verificou que as que tinham pais estressados apresentavam maiores níveis de células imunológicas, que viajam pelo corpo combatendo organismos estranhos. A relação entre estresse e baixas no sistema imunológico já era conhecida, mas os pesquisadores americanos foram além ao trazer evidências que mostram que o problema pode ser transmitido dos pais para os filhos. Os pesquisadores reconheceram, no entanto, que ao permitirem que os pais medissem o grau de doenças dos filhos poderiam mascarar os resultados, já que os pais mais ansiosos poderiam ter mais tendência a achar que seus filhos sofriam do mesmo mal.

Forte ligação entre estresse dos pais e saúde das crianças

Ainda assim, sustentam que os resultados sugerem uma forte ligação entre estresse dos pais e saúde das crianças. O trabalho foi publicado na revista especializada Brain, Behavior and Immunity.


ABRI

Prêmio José Márcio Ayres para Jovens Naturalistas - Inscrições de trabalhos Av. Magalhães Barata, 376, Bairro de São Braz FONE: (91) 3219-3312 / Fax: (91) 3249.8923 www.museu-goeldi.br

L

SÃO CAETANO DE ODIVELAS 04 a 06 Torneio de Pesca Esportiva Rio Mojuin FONE/FAX: (91) 9155-0049 r.rodrigues@hotmail.com

VIGIA DE NAZARÉ 12 e 13 8º Bacufest Orla do Rio Açaí no Bairro do Arapiranga FONE/FAX:(91) 3731-1247 pmvn@ig.com.br

CURUÇÁ 14 a 18 II Semana de Turismo Escola Candorina Campos FONE/FAX: (91) 3722-1569 3722-1370 / 9196-4615 tizaturcuruca@hotmail.com

BELÉM 07 a 07/05

BELÉM até 19/09

BREVES 11 e 12 EXPOCANTAPARÁ Orla da cidade FONE/FAX:(91) 3083-8008 8119-4801 www.expocantapara.com.br centrocasa@click21.com.br dantas.selva@hotmail.com

BRASIL NOVO 13 Festa do Milho Verde Parque de Exposições FONE/FAX:(93) 3514-1164/ 3514-1165 www.brasilnovo.pa.gov.br adm@brasilnovo.pa.municipio.org.br

TUCURUÍ 25 a 04/05 Festividade de São José Salão de São José, Praça Jarbas Passarinho e principais ruas da cidade FONE/FAX: (94) 3787- 1156 psaojose@mconline.com.br seturtuc@yahoo.com.br

Pauta Anual do Espaço Cultural Banco da Amazônia Inscrições Edital no site www.bancoamazonia.com.br

ALMEIRIM 12 e 13

COLARES 11

Festival da Castanha de Arumanduba e Região Comunidade de Nova Arumanduba FONE/FAX: (93) 3737-1313 dcultalmerim@hotmail.com

Seminário Ufológico Sede Social Luzir FONE/FAX: (91) 3461-7143 / 8126-3445 idaliacei@hotmail.com

CACHOEIRA DO ARARI 14 a 15

AFUÁ 14 a 20

I Expedição e Passeio Ecológico Fluvial no Lago Arari Lago Arari FONE/FAX:(91) 3758-1461 coopeturgmarajo@yahoo.com.br

VII HallyTransamazone Quadra de esporte e Praça Albertino Baraúna FONE/FAX: (96) 3689-1122 / 3689-1140

MARABÁ 25 e 26

ALTAMIRA 21

EXPOCANTAPARÁ Ginásio de Esporte da Folha 16 FONE/FAX: (91) 3083-8008 / 8119-4801 www.expocantapara.com.br centrocasa@click21.com.br

VIII Torneio de Pesca do Pacu de Seringa Xingu Praia Clube FONE/FAX:(93) 3515-3081 / 3515-2855 / 3515-3088

R T E

BELÉM 26 a 09/05 Campanha Nacional de Vacinação de Idosos Prefeitura Municipal de Belém-Secretaria Municipal de SaúdeSESMA/SESPA

BRASILIA 02 à 08/06 Prêmio VIVALEITURA 2008 Regulamento, Inscrições e Resultado Em breve, estará disponível no site da premiação www.premiovivaleitura.org.br

BELÉM até 30 Inscrições para o I Jirau da Literatura Paraense Hall Ismael Nery (Térreo do CENTUR) FONE: (91) 3202-4375 dli@fcptn.pa.gov.br

P A R A

C R

I A N Ç

BELÉM até 27 Exposição “Arte para Crianças” Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e Galeria Fidanza 10h às 18h Entrada gratuita


Pará+ 76  

Educação para formar o ser humano

Advertisement