Page 1

Revista março 2008

Belém - Pará - Brasil

ISSN 16776968

Edição 75

3,00

PARÁ USINA SIDERÚRGICA NOOSQUEIRO TROMBA D’ÁGUA NO MÀ CULTURA EDITAIS DE INCENTIVO

www.paramais.com.br


OS 391 ANOS DO VER-O-PESO

raense! osamente pa

orgulh

FORUM PARAENSE DE COMPETITIVDADE

USINA SIDERÚRGICA DA VALE NO PARÁ

Guardião de um rico patrimônio histórico e arquitetônico, o Ver-o-Peso completa 391 anos de fundação no dia 27 de março. Sua arquitetura, característica da segunda metade do século XVII, é herança da belle époque, quando a influência européia, em especial da França e Portugal, se acentuou graças aos lucros obtidos com o Ciclo da Borracha...

Pág. 20 por BENIGNA SOARES E IEDA FERREIRA

Pág. 13 Pág. 06 ACONTECEU NO MOSQUEIRO

FALTA DE ÁGUA LIMPA ATINGE MAIS DE UM BILHÃO DE PESSOAS

...não tinha ninguém na orla a não ser um senhor idoso que estava pescando e que ficou muito admirado também. Nos disse nunca ter nem ouvido falar duma coisa dessas antes no Mosqueiro. Estávamos presenciando a uma "tromba d'água", pela primeira vez na vida...

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que esse número pode dobrar até 2025, quando dois terços da população mundial pode estar sofrendo com problemas ligados à escassez de água limpa...

por ANNA CIONI

Pág. 38

Í N D I C E

PUBLICAÇÃO

Um estudo publicado pela universidade de Los Angeles, Califórnia, indica que a amizade entre mulheres é verdadeiramente especial. Descobriu-se que as amigas contribuem para o fortalecimento da identidade e da proteção de nosso futuro. Constituem um remanso no meio do mundo real cheio de tempestades e de obstáculos...

Pág. 34

www.paramais.com.br revista@paramais.com.br

Pág. 26

AMIZADES CURAM

O QUE SÃO CÉLULAS TRONCO?

Editora Círios SS Ltda CNPJ: 03.890.275/0001-36 Inscrição (Estadual): 15.220.848-8 Rua Timbiras, 1572A - Batista Campos Fone: (91) 3083-0973 Fax: (91) 3223-0799 ISSN: 1677-6968 CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), lançou no Espaço São José Liberto, dez editais de Incentivo para o ano de 2008, direcionados aos artistas paraenses e contemplando as mais diversas áreas, como música, teatro, artes plásticas, literatura, audiovisual, fotografia, pesquisa, manifestações tradicionais, entre outras. O lançamento foi feito pela governadora Ana Júlia Carepa e pelo secretário de Cultura, Edílson Moura...

Pág. 30

Pág. 24

por HÉLIO TITAN

EDITAIS DE INCENTIVO PARA PROJETOS DA ÁREA DA CULTURA

PUBLICAÇÃO DIGITAL Aos Leitores, A partir deste mês a nossa Revista Pará+ pode e deve ser folheada na internet. Todas as publicações da Editora Círios estarão disponiveis gratuitamente. Acesse www.paramais.com.br

DIRETOR e PRODUTOR: Rodrigo Hühn; EDITOR: Ronaldo Gilberto Hühn; COMERCIAL: Alberto Rocha, Augusto Ribeiro, Rodrigo Silva, Rodrigo Hühn; DISTRIBUIÇÃO: Dirigida, Bancas de Revista; REDAÇÃO: Ronaldo G. Hühn; REVISÃO: Paulo Coimbra da Silva; COLABORADORES: Acyr Castro, Ana Marilia Cioni, Anete Costa Ferreira, Benigna Soares, Camillo Martins Vianna, Garibaldi Nicola Parente, Hélio Rodrigues Titan, Ieda Ferreira, Sérgio Martins Pandolfo; FOTOGRAFIAS: Adriano Machado, Arlindo Carvalho, Antônio Cruz, Carlos Ivan, Eliseu Dias, Eunice Pinto/AgPa, Katia Souza, Marcelo Ferreira, Ray Nonato, Silas Rocha; DESKTOP: Mequias Pinheiro; EDITORAÇÃO GRÁFICA: Editora Círios OS ARTIGOS ASSINADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES

ANATEC ASSOCIAÇÃO DE PUBLICAÇÕES


Central de Atendimento

(91) 3204-8200


E

m Brasília, no Palácio do Planalto, o presidente Lula em conjunto com o presidente da Vale, Roger Agnelli, e da governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, anunciou a construção de uma usina siderúrgica no Pará. Até 2009 deverão iniciar as obras da siderúrgica com capacidade para produzir cerca de 3 milhões de toneladas de placas de aço por ano. O investimento será de R$ 6 bilhões. Além do presidente da República, da governadora e do presidente da Vale, participaram da reunião a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef; o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento; e o secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Pará, Maurílio Monteiro.

3 milhões de toneladas de aço por ano no Pará

Fotos: Antonio Cruz/Abr, Eunice Pinto/Ag Pa e Adriano Machado

Agenda de investimentos A Vale deve investir R$ 5 bilhões no projeto, enquanto que os governos federal e do Pará garantiram um investimento público de aproximadamente R$ 1,5 bilhão em infra-estrutura. “Com esse projeto vamos fortalecer o desenvolvimento do Pará", disse a governadora. Ela observou que a usina não apenas vai trazer benefícios para a produção local - agregando valor ao minério retirado no Estado, que detém a maior província mineral do planeta - mas também vai oferecer a possibilidade de um desenvolvimento integrado, uma vez que o governo do Estado atrelou ao projeto uma agenda de investimentos em ciência e tecnologia, planejamento urbano, ampliação da

06

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

competitividade do parque industrial paraenses e capacitação de mão de obra. Nessa agenda, o governo paraense solicitou à Vale um investimento de R$ 80 milhões no parque tecnológico de Marabá, por um período de quatro anos, e de outros R$ 130 milhões em projetos de capacitação de recursos humanos, inclusive concessão de bolsas de mestrado e doutorado. "Tudo isso vai favorecer o desenvolvimento do Estado em bases sólidas", comemorou a governadora. Ela disse, ainda, que essa reunião assinala um novo padrão de negociação com as grandes empresas instaladas no Pará.

Estudos de logística Ana Júlia Carepa estima que, no prazo de um ano, será


Lula dá a boa nova: A VALE vai produzir 3 milhões de toneladas de aço por ano no Pará

definido o local da nova usina. Até lá, serão feitos os estudos de logística, localização, financiamento e mão de obra. "Vamos começar a construir essa usina ainda no governo do presidente Lula e no meu governo", garantiu a governadora. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será parceiro na iniciativa. A Casa Civil da Presidência da República vai monitorar todo o projeto: tanto as demandas relacionadas à implantação da siderúrgica como o atendimento dos compromissos solicitados à Vale pelo governo do Pará.

Ciência e Tecnologia & Inovação O titular da Sedect também esclareceu que a siderúrgica não concorrerá com a produção das guseiras, cujo pólo também fica no sul do Pará: "São produtos diferentes, destinados a mercados diferentes, com processos de produção e insumos também diversos". A nova fonte de energia (carvão mineral) é que poderá servir de alternativa às guseiras, hoje dependentes de carvão vegetal para produzir, numa quantidade cuja origem não pode ser comprovada, o que deve determinar uma redução na produção. "Por determinação da SEMA, a cada três meses as guseiras precisam comprovar a origem da biomassa; como grande parte do carvão é produzida de forma ilegal, a

Presidente Lula recebe a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, em reunião com ministros e empresários

tendência é uma redução na produção de algumas dessas indústrias", disse Maurílio. Com a entrada do carvão mineral e a ampliação do porto de Barcarena para suportar a importação, este carvão servirá como uma alternativa ao pólo produtor de ferro-gusa, que poderá, por exemplo, dividir o consumo de carvão, metade para o vegetal e metade para o mineral, sem interferir na competitividade. Quanto à questão do enraizamento do desenvolvimento, Maurílio Monteiro informou que o governo do Estado pretende induzir investimentos, em média, R$ 110 milhões/ano em ciência e tecnologia, num total de R$ 440 milhões em quatro anos. É dentro desta estimativa que a governadora Ana Júlia Carepa mudou a relação com as grandes empresas que atuam EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

07


Ana Júlia, o Presidente Lula, a Ministra Dilma Roussef, e o presidente da Vale do Rio Doce Roger Agnelli

sociais das regiões de instalação). no Estado (as mineradoras são as maiores), visando a Foi também dentro desse contexto que a governadora um efeito de transbordamento, sobretudo de Ana Júlia Carepa reivindicou, no tecnologia. Palácio do Planalto, um "Convidamos as grandes empresas investimento da Vale de R$ 80 para participarem dos grandes milhões, num período de R$ 4 investimentos do governo nessa anos, para o parque de ciência e área, como na construção de três tecnologia de Marabá, e outros parques de ciência e tecnologia", R$ 130 milhões em projetos de disse Maurílio Monteiro. (Os capacitação de recursos parques serão construídos em humanos, como a concessão de Belém, Marabá e Santarém e terão bolsas de mestrado e doutorado. foco de pesquisa de acordo com as vocações econômicas e demandas Ampliação do porto de Barcarena "Também reivindicamos e

Fone: 91 3344-2100 BR-316 KM 04 Rua Ricardo Borges, 1855 Bairro da Guanabara - Ananindeua-PA

A sua marca em transportes. www.racatransportes.com.br

08

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

belem@racatransportes.com.br


Siderurgia com enraizamento social Para Maurílio Monteiro, Secretario de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), "A intenção do governo do Estado é não apenas produzir e exportar aço, mas enraizar o desenvolvimento na forma da produção de conhecimento e exportar não apenas commodities, mas também tecnologia e conhecimento sobre a melhor forma de extrair e processar alumínio, ferro, aço e outros minérios . Disse mais: "As condições de construção e da participação do governo do Estado se pautaram por um projeto mais amplo de indução de um novo modelo de desenvolvimento no Pará, a partir da articulação de crescimento econômico com proteção ambiental e ganhos sociais. É no contexto do cumprimento dessa meta e desses objetivos sociais que entra a construção da siderúrgica no Pará . O secretário disse ainda que, pelo compromisso assumido e anunciado no Palácio do Planalto, a Vale apresentará, no prazo máximo de um ano, um estudo de viabilidade econômica e ambiental, que determinará o local da construção da siderúrgica (o local mais provável é o município de Marabá, no sul do Estado) e os prazos estimados de conclusão, bem como o número de empregos a ser gerados. Já o governo federal se compromete a concretizar, até 2010, as obras na hidrovia do Tocantins e a ampliação do porto de Barcarena. "O que foi exigido pelo presidente Lula é que a siderúrgica comece a ser construída ainda no governo dele e de Ana Júlia Carepa", afirmou Maurílio. "Ou seja, até 2010.

Maurílio Monteiro, em entrevista coletiva à imprensa esclareceu informações sobre a construção da siderúrgica pela Companhia Vale do Rio Doce junto ao governo do Estado e do governo Federal

conseguimos do governo federal uma nova universidade federal no Estado, no oeste do Pará, que permitirá a atração de 500 doutores, e reivindicamos uma para o Sul, nessa perspectiva de produzir conhecimento, de promover no Pará não uma competitividade baseada na dotação de recursos, mas no conhecimento, na pesquisa e na inovação, como forma de aumentar a produtividade média da população e distribuir renda".

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

09


notícias da assemb

ALEPA HOMENAGEIA AS MULHERES

Fotos Carlos Ivan

A

sessão solene em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres aconteceu no plenário da Assembléia Legislativa. As representantes de diversos setores foram convidadas, numa demonstração de como as mulheres conquistaram espaços na

sociedade. A deputada Bernadete Ten Caten (PT) se pronunciou pelo parlamento estadual. Ela destacou que as mulheres não querem ser mais importantes que os homens ou ocupar o lugar deles. As mulheres querem apenas a igualdade a que têm direito na sociedade . A sessão foi prestigiada por vinte parlamentares. O presidente Domingos Juvenil (PMDB) prestou uma homenagem especial às deputadas Ana Cunha (PSDB), Bernadete Ten Caten (PT) Tetê Santos (PSDB), Suleima Pegado (PSDB), Simone Morgado (PMDB), Josefina Carmo (PMDB) e Regina Barata (PT). Elas receberam rosas pelo Dia da Mulher. A senhora Ruth Souza, esposa do presidente Domingos Juvenil, também foi presenteada com uma rosa, representando todas as funcionárias do Poder Legislativo. Em seguida foram entregues as medalhas Isa Cunha , comenda criada em fevereiro de 2004 para homenagear as mulheres que se destacam nos vários setores da sociedade paraense. Foram agraciadas as senhoras Carmelita Barros, Elma Bezerra, Francilda Pereira da Silva, Ana Ferreira To, Laura Rosseti, Oro Serruya, Sílvia Cristina Santos e Vera Lúcia Tavares, indicadas pelas bancadas dos partidos que integram a Assembléia Legislativa. A sessão solene foi encerrada com uma apresentação da pianista Ana Maria Addário e da cantora lírica Dione Colares, do Conservatório Carlos Gomes.

A Mesa Oficial da sessão solene em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres

Representantes de diversos setores foram convidadas, numa demonstração de como as mulheres conquistaram espaços na sociedade

As mulheres querem apenas a igualdade a que têm direito na sociedade


léia legislativa

APROVADO PROJETO QUE CRIA PROGRAMA BOLSA TALENTO

O

s deputados aprovaram por unanimidade de votos o projeto de lei, de autoria do executivo estadual, que cria o Programa Bolsa Talento, destinado a atletas, para-atletas, técnicos e guias de 36 modalidades esportivas. A votação teve o acompanhamento, nas galerias do plenário Neuton Miranda, do secretário-adjunto da Secretaria de Esportes SEEL, José Otávio Vasconcelos Carepa, pelos presidentes e representantes de 14 federações desportivas paraenses e ainda por atletas de diversas modalidades. A secretária de esportes Lúcia Penedo participou como convidada da mesa diretora dos trabalhos durante a votação da mensagem. O projeto de lei, antes de vir a plenário, teve a intermediação de uma Comissão de Parlamentares, composta pelos deputados Airton Faleiro (PT), líder do governo, Robgol (PTB), Arnaldo Jordy (PPS), Carlos Martins (PT), Simone Morgado (PMDB) e Suleima Pegado (PSDB), que contou ainda, com o assessoramento de técnicos da SEEL e da presença na O presidente Domingos Juvenil com a secretária de esportes Lúcia Penedo que acompanhou a aprovação por unanimidade o Programa Bolsa Talento

mensais para as categorias que competem na esfera estadual e de 700 reais nas de categoria nacional , explicou Penedo. Para o presidente da Federação de Atletismo, Rogério Vieira, a aprovação do projeto significa uma evolução e um apoio significativo ao esporte paraense em todas as suas modalidades. Além de manter os grandes atletas no Estado, não deixando que eles procurem outros centros por causa da falta de apoio financeiro, incentiva à criação e estimula o surgimento de novos atletas , comemora.

O projeto foi aprovado com onze emendas acordadas entre os parlamentares presentes no plenário

reunião da secretária estadual de esportes, Lúcia Penedo. A comissão atuou no sentido de compatibilizar as modificações e acréscimos apresentados , explicou a deputada Suleima Pegado, escolhida para explicar, em plenário, o trabalho realizado. O projeto foi aprovado com onze emendas acordadas entre os parlamentares presentes no plenário. A secretária Lúcia Penedo explicou que o programa Bolsa Talento, vai apoiar o desenvolvimento integral de atletas de rendimento, com a concessão de recursos financeiros a título de incentivo através do Governo do Estado. No primeiro ano de implantação do programa serão concedidas 137 bolsas para os atletas, para-atletas, técnicos e guias, sendo 500 reais

Robgol participou da Comissão de Parlamentares de intermediação antes de ir a plenário o Bolsa Talento EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

11


ALEPA E GOVERNO DISCUTEM AÇÕES PARA TRAZER COPA AO PARÁ

O Comitê da FIFA elogiou a defesa de Belém como sede da Copa em 2014, na oportunidade a Secretária de Esporte e Lazer do Pará, Lúcia Penedo, defendeu a candidatura de Belém

Além do segmento governamental, outros Assembléia Legislativa do setores como o da hotelaria e construção civil Pará e o Governo do Estado também serão convidados para participar começam a articular ações das ações com a finalidade de trazer a Copa a para tornar Belém sub-sede Belém. "Vamos envolver também jogadores, da Copa do Mundo de Futebol, que será associações desportivas e a sociedade como disputada no Brasil em 2014. A primeira um todo, para fazer do Pará um Estado ainda reunião de trabalho acontece na próxima mais atrativo aos olhos dos organizadores da sexta-feira, 14, na sede da Secretaria competição", explicou Ferrari. Estadual de Esporte e Lazer (Seel). Outras articulações, em esfera federal, A reunião servirá para discutir ações já também serão feitas pela comissão programadas tanto pela Secretaria de parlamentar paraense. "Mais adiante, vamos Esporte e Lazer do Pará quanto por ao Rio de Janeiro para nos reunir com a parlamentares estaduais para garantir Segundo o arquiteto Alcyr Meira o Mangueirão necessita Confederação Brasileira de Futebol - CBF, e que o Estado receba partidas da maior de poucas adaptações para cumprir as exigências da FIFA em seguida pretendemos dialogar com o ministro dos Esportes. Tudo isto competição esportiva do planeta. "Esta conversa com a Seel será o pontapé vai nos ajudar a alcançar nosso objetivo", completou Ferrari. inicial de nossos trabalhos para trazer jogos da Copa ao Estado", explicou o A comissão de deputados foi criada para analisar, acompanhar e deputado Júnior Ferrari (PR), presidente da comissão formada na Alepa apresentar contribuições às atividades relacionadas à aprovação do Pará para acompanhar as ações governamentais que visam incluir o Pará no como um dos estados a receber jogos da Copa de 2014. calendário da competição. O Pará disputa provável única vaga da Amazônia com os estados do Além de Ferrari, devem participar da reunião a secretária de Esporte e Amazonas e Acre. Doze cidades devem ser escolhidas para sediar o maior Lazer, Lúcia Penedo; o vice-presidente da comissão parlamentar, Carlos evento futebolístico mundial. A divulgação dos estados contemplados está Bordalo (PT); o relator, Martinho Carmona (PMDB) e o presidente da prevista para acontecer até o fim de 2008. comissão permanente de Esportes da Alepa, deputado Robgol (PTB).

A

12

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


FÓRUM PARAENSE DE

Competitividade Fotos: Eliseu Dias/Ag Pa

A governadora Ana Júlia Carepa presidiu a solenidade de Instalação do Fórum Paraense de Competitividade, no Hangar, com a participação de autoridades estaduais, municipais e classe empresarial

N

o Hangar, nossa governadora Ana Júlia Carepa recebeu: cinco secretários de Estado; os presidentes da Sudam, Banco da Amazônia e Banpará; o diretor de Energia da Companhia Vale, Tito Martins; presidentes de federações de classe e sindical; prefeitos, deputados e empresários. Estas autoridades deram e dão a medida da importância do evento de que participavam: a instalação, pelo governo do Estado, do Fórum Paraense de Competitividade (FPC), que reúne 28 membros representantes de diversos setores produtivos e instituições públicas e de fomento, com o fim de identificar e eliminar gargalos da economia paraense, para tornar nossos produtos mais competitivos. A governadora Ana Júlia Carepa destacou, em seu discurso, o desafio de conciliar crescimento

econômico com distribuição de renda, e que todas as ações do atual governo convergem para atingir este objetivo "de forma sustentável, sem destruir nossos recursos naturais". Ana Júlia Carepa falou ainda do zoneamento territorial que norteia as ações de desenvolvimento no Estado e a valorização do capital humano como agente essencial de desenvolvimento. "Assim é que conseguimos, junto ao presidente Lula, a construção de mais uma universidade federal do Pará, no oeste do Estado". Na questão da infra-estrutura educacional e tecnológica, Ana Júlia Carepa destacou a construção, pelo governo do Estado, de três parques de ciência e tecnologia (Belém, Marabá e Santarém) e o programa NavegaPará, que, por meio de convênio com a rede de fibra ótica Metrobel e com a Eletronorte, vai levar EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

13


internet de alta velocidade a dois milhões de pessoas em 15 municípios, até agosto próximo, e a 60 cidades até o final do ano. A governadora também anunciou que o novo presidente da Eletrobrás, José Antônio Lopes, recentemente empossado, anunciou uma agência da empresa em Belém, fazendo jus aos investimentos em energia programados para o Estado.

Convênios Como parte das ações ligadas ao desenvolvimento, Ana Júlia Carepa assinou dois decretos: um que permite às pequenas e médias empresas venderem para o governo do Estado; e outro que cria uma comissão que elimine os impedimentos para que estas empresas sejam incluídas no programa de compras governamentais do Pará. Além disso, a governadora assinou uma mensagem à Assembléia Legislativa, em que retira a Companhia de Desenvolvimento Industrial

O titular da Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), Maurílio Monteiro, destacou que o Fórum se insere num projeto amplo de implantar no Pará um novo modelo de desenvolvimento, e que, para isso, é preciso que o Estado cresça mais do que a média nacional. Maurílio lembrou que, entre 2007 e 2011, a expectativa de crescimento anual do PIB brasileiro é de 5% ao ano. Para embasar este crescimento, é necessário investir pesado na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a média de FBCF no Brasil deverá ser de 22% do PIB nacional. "Para crescer acima da média nacional, e considerando que o PIB paraense, em 2008, alcançará R$ 47 bilhões, necessitamos que R$ 11,75 bilhões sejam destinados à Formação Bruta de Capital Fixo", destacou o secretário. Para tanto, o governo do Estado focará os investimentos na indústria extrativa mineral; na indústria de transformação; na infra-estrutura; na construção residencial e em programas governamentais. Maurílio Monteiro também destacou que, entre 2007 a 2010, os investimentos em extração mineral deverão atingir R$ 52,7 bilhões no Brasil; destes, R$ 21,4 bilhões devem ser no Pará. Na questão da infra-estrutura, o Pará receberá, no âmbito do PAC, investimentos necessários à conclusão das eclusas de Tucuruí (R$ 0,6 bilhão), viabilização da Hidrovia do Tocantins (R$ 110 milhões); a ampliação dos portos de Barcarena (42 milhões); pavimentação asfáltica da Rodovia Transamazônica entre Marabá e Rurópolis (R$ 950 milhões) e o asfaltamento da rodovia BR-163 (R$ 1,5 bilhão). Em infra-estrutura energética, somente nas ações preparatórias para a Construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte até 2010 deverão ser investidos R$ 2,2 bilhões. Para a construção da Linha de Transmissão Interligando Tucuruí a Macapá e Manaus, serão investidos R$ 2,26 bilhões e, para a linha de transmissão de Interligação Norte-Sul (que cortará os Estados do Pará e Tocantins) serão investidos R$ 458 milhões. Com as obras de saneamento e construção residencial, estes valores ganham mais cerca de R$ 3 bilhões, o que desenha um cenário privilegiado para o desenvolvimento do Pará nos próximos três anos. "É com base na ampliação das taxas de crescimento econômico, na ampliação da Formação Bruta de Capital Fixo, elevação do capital humano e o capital social - aliado a uma estratégia de exploração dos recursos naturais mais qualificada e sustentável - que se pode elaborar um programa duradouro de criação de vantagens competitivas. Não se pode estabelecer tal interação sem que se coloquem os agentes locais como atores privilegiados do processo de desenvolvimento econômico e social", destacou Maurílio.

Ana Júlia Carepa, com o superintendente da Sudam, Djalma Bezerra de Melo, secretário de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia - SEDECT, Maurílio de Abreu Monteiro, superintendente do Banco da Amazônia, Abdias José de Sousa Júnior, presidente do BNDS, Ricardo Figueiró Silveira e a presidente da CDP, Maria do Socorro Pirâmides Soares

14

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


(CDI) da condição de "em liquidação" e garante a atuação da empresa como órgão de fomento por meio de distritos industriais. No ato da assinatura, Ana Júlia Carepa anunciou a construção do Distrito Industrial de Santarém, que terá recursos iniciais de R$ 3,6 milhões; a conclusão da segunda fase do Distrito Industrial de Marabá (R$ 7,2 milhões), obras de reforma emergencial do centro de convenções do Distrito de Ananindeua (R$ 3 milhões) e obras no Distrito Industrial de Barcarena no valor de R$ 6,3 milhões. Entre os membros do Fórum Paraense de Competitividade, falaram empresários e presidentes de bancos e instituições de fomento. Os empresários destacaram a necessidade das obras em infra-estrutura, como ampliação dos portos, e o Basa, BNDES e Sudam destacaram os investimentos programados para o Pará, principal Estado da Amazônia Legal e que concentra a maior parte dos recursos.

Eny Miranda

Tito Martins, diretor Executivo de Assuntos Corporativos e Energia da VALE

Tito Martins, diretor-executivo de assuntos corporativos e energia da Vale, destacou que o Pará deverá ser o Estado brasileiro que mais vai crescer nesta década e na próxima. "O Estado tem uma economia pujante e visibilidade internacional. É uma oportunidade histórica, e, para tanto, é preciso que haja uma maior rapidez nos processos e nas decisões". O diretor da Vale destacou os gargalos fundamentais para garantir o crescimento nas taxas projetadas: infra-estrutura e logística, energia e treinamento e capacitação de mão-de-obra. "Está claro que o Pará e o Brasil vão precisar de fontes alternativas de energia; só Belo Monte não vai resolver. Além disso, é um enorme desafio treinar e qualificar a mão-de-obra demandada para o Pará nos próximos três anos, como correspondência aos mais de R$ 20 bilhões de dólares programados para investimentos só no setor mineral". Autoridades estaduais, municipais e classe empresarial na solenidade de Instalação do FPC

Ana Júlia, chancela um dos decretos, Abdias José de Sousa Júnior observa

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

15


"MARIA DO PARÁ"

Fotos: Eliseu Dias/Ag Pa

Ana Júlia, Cláudio Put y secretário de Estado de Governo, e Socorro Gomes, secretária de Estado de Justiça e Direitos Humanos, durante a inauguração Centro Maria do Pará

Centro “Maria do Pará” - Referência Especializada de Atendimento a Mulheres em Situação de Violência, foi inaugurado no Dia da Mulher, pelo governo do Estado, na região metropolitana de Belém, localizado na avenida Serzedêlo Corrêa. A governadora Ana Júlia Carepa descerrou a placa comemorativa e desfez o laço da fita de inauguração, acompanhada da secretária de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Socorro Gomes; da coordenadora do Centro, Jureuda Guerra; do secretário de Estado de Governo, Cláudio Puty, e de sua mãe Maria José Carepa. Em seguida, conheceu as instalações da casa preparada especialmente para receber as mulheres. Na ocasião, também foram assinados os convênios com as prefeituras de Abaetetuba, Altamira, Capanema, Santarém e Xinguara para a instalação de EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

espaços semelhantes, no total de R$ 1,6 milhão, em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para Mulheres da Presidência da República, outros órgãos governamentais e movimentos sociais de defesa dos direitos das mulheres. “Mais do que parabenizar as mulheres do Pará no dia 08 de março, é preciso exaltar suas conquistas. O Centro representa concretamente esta luta, porque é um espaço que demonstra o respeito que este governo tem às mulheres e homens, que viemos para mudar esta relação”, afirmou a governadora.

Cidadania Ana Júlia citou outros avanços do gênero, como a sanção da Lei Maria da Penha, e enfatizou que não serão cometidos erros do passado, quando as políticas


públicas eram dispersas e centralizadas na região metropolitana, sem resultados à população. “Trabalhamos de forma integrada e nas diversas regiões. Não podemos esquecer de irmãs e irmãos desse imenso Pará. E este Centro já é uma ação integrada de governo, o que não é simples fazer porque não é essa a cultura do poder público”, disse. A governadora ressaltou o atendimento sistematizado e feito por uma equipe multidisciplinar da casa. “Queremos trabalhar essas mulheres para que saiam daqui de cabeça erguida e tenham outra postura na sociedade e não permitam a reincidência da violência”, concluiu. “Vou ficar feliz no dia em que esse espaço de atendimento sirva para a capacitação das mulheres, que não tenham mais vítimas da violência”, acrescentou, informando que 84% das ocorrências nas Delegacias Especializadas de Mulheres são de agressões físicas, psicológica ou morais cometidas por companheiros, maridos, namorados e amantes. A secretária Socorro Gomes destacou que o governo do Estado, quando tem a sua primeira mulher governadora, “dá um claro entendimento de que lado Mais de 1 milhão será investido na construção de espaços semelhantes em Abaetetuba, Altamira, Capanema, Santarém e X inguara

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Socorro Gomes, o prefeito de X inguara, José Davi Passos e a nossa Governadora

Equipe A equipe técnica e de apoio é formada por psicólogas, assistentes sociais, defensoras públicas, pedagogas, sociólogas, arte educadoras, enfermeiras, secretárias, recepcionistas, motoristas e auxiliares de serviços gerais.

está ao inaugurar o Centro 'Maria do Pará', do lado do combate às injustiças, de quem está sendo oprimido”. Ela também lembrou a participação da É que os Centros “Maria do Pará” s o c i e d a d e o rg a n i z a d a n a prestem atendimento integral às construção do novo espaço, “além mulheres com acompanhamento e da equipe aguerrida, contamos com a estudos psicológicos, sociais, solidariedade e parceira das demais secretárias do governo do pedagógicos e jurídicos, voltados à Estado. Essa forma de governar concentra energias para superação de traumas emocionais, construirmos o que é um direito do povo”, afirmou. Segundo ela, os convênios assinados com as prefeituras é um resgate da auto-estima e de compromisso assumido durante a II Conferência Estadual de autonomia pessoal. Políticas para Mulheres. “Hoje são cinco municípios, mas queremos chegar em todo o Estado do Pará com a execução de obras para construção dos centros de referência às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar”, garantiu.

Objetivo

CHURRASQUINHOS E PIZZAS COM SABORES VARIADOS

Promoção Pizza Grande

+

Refrigerante 2L

R$ 18,00 telões. com 02 biente e qualidade m a a d ic Mús ndimento puro lazer Ate m² de 500 ALMOÇO AOS DOMINGOS

Feijoada e carangueijo

Rua Veiga Cabral, 450 Cidade Velha (Esquina com Bom Jardim)

Fone: 3222-3957

Funcionamos: Terça a Domingo a partir das 18h. EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


VIII Rally Tranzamazone Iles du Soleil Fotos: Ray Nonato

“Rallye Transamazone" com 35 veleiros e 135 velejadores de diversas nacionalidades, entre franceses, ingleses e suíços, estiveram em Belém, em busca de turismo, aventura, de conhecer a diversidade da natureza e das culturas do mundo e conhecer a natureza brasileira. O Rallye teve início em outubro, nas Ilhas Canárias, depois fez parada em Cabo Verde e Senegal. Entrou no Brasil por João Pessoa e chegou no Pará onde fez a primeira parada em Soure, ilha do Marajó, aonde tiveram a oportunidade de conhecer parte da cultura local.

Veleiros no Marajo

Em Belém recebeu uma grande homenagem com direito à queima de fogos na Escadinha do Cais do Porto. "A recepção foi muito boa, as pessoas foram muito simpáticas", lembra o velejador Fraçois Valentin. Segundo o velejador francês Thierry Graff, esse Rallye vai muito além das expectativas, pois com as viagens mundo afora, existe a oportunidade de ir a lugares ímpares, como o Pará. "Gostamos muito dos locais turísticos que são coisas muito novas para gente, como os animais e a flora", afirma Thierry Graff. "Aqui a arquitetura e a natureza

se unem ao clima ameno e tranqüilo", completa. Com o intuito de dar todo o apoio aos velejadores, a Companhia Paraense de Turismo (Paratur), Coordenadoria Municipal de Turismo (Belemtur) e Secretaria de Esporte e Lazer (Seel), montaram uma infra-estrutura que vai desde a distribuição de materiais promocionais com informações sobre os atrativos turísticos do Estado até a realização de um coquetel no último dia dos velejadores em Belém. O próximo destino do Rallye Tranzamazone foi a ilha de Cotijuba. Seguindo após o roteiro de viagem: São Sebastião da Boa Vista, Araras, Breves, Tajapuru, Moju, Macacos, Porto de Moz, Almerim, Novo Horiz, Novo Horizonte, Fouro Out, Monte Alegre, Alter do Chão, Santarém, Outeiro, Jurupari, Moju, Serraria eAfuá última escala no Pará e no Brasil. “Por tratar-se de um evento internacional, o Rallye divulga bastante o nome do Pará e o seu potencial turístico, além de aquecer a economia local”, disse Lúcia Penedo, secretária de Estado de Esporte e Lazer. Os integrantes do Rallye se despediram de Belém com um coquetel de despedida promovido pela Companhia Paraense de Turismo (Paratur), Coordenadoria Municipal de Turismo – Belemtur, no Hotel Beira-Rio. O Rally Lês lles Du Soliel é um turismo náutico realizado pelo Clube Rilles Du Soleil, com sede na região de Montplier, sul da França.

Belémtur EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

19


o d s o n a o s 1 9 e 3 P Os -o-

Fernando Araújo

r e V

Uma das Sete Mar 20

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Elivaldo Pamplona/Comus

G

uardião de um rico patrimônio histórico e arquitetônico, o Ver-o-Peso completa 391 anos de fundação no dia 27 de março. Sua arquitetura, característica da segunda metade do século XVII, é herança da belle époque, quando a influência européia, em especial da França e Portugal, se acentuou graças aos lucros obtidos com o Ciclo da Borracha. Com o látex que jorrava das seringueiras também jorrava a fortuna que permitia importar do outro lado do mundo o ferro, as pedras, as lajotas e o estilo que mudou a imagem e a história de Belém. Os traços dessa herança podem ser vistos em todo o centro histórico. Já o mercado, até hoje a céu aberto, foi construído para fortalecer o controle alfandegário na

Cristino Martins/Comus

por Benigna Soares e Ieda Ferreira

Feira do Açai no Ver-o-Peso

Mercado de peixe

Amazônia, com o nome de "A Casa do Haver-o-Peso", além de posto de fiscalização e tributos. Com o passar do tempo foi agregando outras funcionalidades, passando por um processo de hibridez cultural e arquitetônica. O Ver-o-Peso também se reflete na economia da região e no movimento de pessoas no local. Cerca de R$ 1,3 milhão são injetados diariamente na economia paraense na comercialização de diversos tipos de produtos. Em volume de pessoas, em torno de um milhão e meio, entre consumidores e trabalhadores circulam no local por mês, 50 mil/dia. Os dados são da Secretaria Municipal de Economia (Secon), responsável pelo gerenciamento do espaço. O Complexo é formado pelas feiras livres do Açaí e do Ver-o-Peso, Pedra do Peixe, os mercados de Peixe e de Carne, além do estacionamento. Para o secretário municipal de Economia, João Amaral, o Ver-o-Peso representa a própria alma do paraense. "Um povo muito simples, hospitaleiro, mas

avilhas Brasileiras EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

21


Crisino Martins/Comus Crisino Martins/Comus Antonio Silva/Comus

Banca de ervas

muito trabalhador. O Ver-o-Peso não dorme nunca, o trabalho é ininterrupto. É de madrugada, quando chega o grande volume de pescado e de outras mercadorias como frutos regionais, que o fluxo de trabalhadores do setor atacadista e varejista é maior. Mas em qualquer horário que passarmos por lá veremos movimento. Se formos de madrugada, o grande fluxo de pessoas é na Feira do Açaí e na Pedra do Peixe; se for pela manhã é na Feira do Ver-o-Peso; no final da tarde o movimento é na orla, nas barracas de artesanato. Mas sempre há alguém trabalhando no local", explica. O Complexo do Ver-O-Peso é considerado o maior

22

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

entreposto de pescado e de açaí do Pará. A Feira do Açaí recebe o maior volume do fruto na região, algo em torno de 5 milhões de toneladas/mês, grande parte vindos da região ribeirinha e Arquipélago do Marajó. Em 2007 foram comercializados na feira mais de 51 milhões de toneladas do fruto. Cerca de 80 toneladas/dia de diversos tipos de pescado desembarcam na Pedra do Peixe. O local é o maior entreposto de pescado fluvial e marítimo da região Norte e está entre os mais movimentados do país. O peixe vendido na Pedra é oriundo principalmente da região do Baixo-Amazonas, área costeira paraense e Marajó. Somente na Feira do Ver-o-Peso trabalham mais de cinco mil pessoas, em 1.250 barracas, distribuídas em


19 setores, que vão desde hortifrutigranjeiros, importados, mercearia, refeição, a peixe seco, artesanato e ervas medicinais. A capital paraense possui, ao todo, 42 feiras livres, 18 mercados e quatro portos.

O chef de cozinha Paulo Martins foi um dos primeiros paraenses a exportar a imagem do Ver-oPeso associando à riqueza gastronômica. O criador do Projeto Ver-o-Peso da Cozinha Paraense, maior evento de gastronomia da Amazônia, comemora a escolha pela Revista Caras. "Acho mais do que justo. O Ver-o-Peso desperta hoje a atenção do meio gastronômico internacional por uma curiosidade: é um espaço aberto, com uma das maiores variedades de peixes e frutos e temperos. Em tempos de badalação da Amazônia, ele ocupa uma posição de destaque e desperta a atenção do mundo já que a Amazônia é a bola da vez", comemora Paulo Martins, que já confirmou a próxima edição do Vero-Peso da Cozinha Paraense para 22 a 29 de abril, quando a cidade receberá os melhores chefs do Brasil e do mundo.

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

23


Falta de água limpa atinge mais de um bilhão de pessoas

A

Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que esse número pode dobrar até 2025, quando dois terços da população mundial pode estar sofrendo com problemas ligados à escassez de água limpa. Atualmente, 2,6 bilhões de pessoas – metade da população dos países em desenvolvimento – vivem em locais sem condições básicas de saneamento. Os problemas relacionados à falta de acesso à água adequada matam mais de 1,6 milhões de pessoas todos os anos. Segundo a OMS, 90% das mortes ocorrem entre

24

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

crianças menores de cinco anos, principalmente em países mais pobres. “Para cada criança que morre, inúmeras outras sofrem de problemas de saúde, produtividade reduzida e perda de oportunidades de educação”, disse a diretorageral da OMS, Margareth Chan. Doenças A água contaminada pode causar doenças com febre tifóide, cólera, malária, dengue e febre hemorrágica. Segundo Chan, muitas das doenças e mortes poderiam ser prevenidas com o uso de conhecimentos e tecnologias básicas que já existem há anos. “A melhoria da administração ambiental pode tornar mais difícil a sobrevivência e reprodução de transmissores de doenças, como mosquitos”, disse. "A água é um assunto de todos. Nós deveríamos aprender uns com os outros." A OMS alerta também que as mudanças climáticas podem piorar ainda mais a situação, ao aumentar os


Escassez artificial Frank Rijsberman, diretor-geral do IWMI – International Water Managment Institute (Instituto Internacional de Gerenciamento de Água) afirma que há uma tendência alarmante na criação artificial de escassez de água, mesmo em áreas onde a água é aparentemente abundante. Isto ocorre principalmente devido ao uso exagerado do recurso. A agricultura usa 70 vezes mais água para produzir alimentos do que as residências, incluindo a água usada para cozinhar, beber, lavar e banhos. Os resultados deste consumo são rios secos e poluídos, declínio nos níveis de águas subterrâneas e problemas de distribuição, que geram problemas como um grupo de pessoas tendo acesso mais fácil à água do que outro.

O diretor-geral do IWMI

períodos de seca, alterar os padrões de chuva e derreter parte das geleiras do planeta. “No (hemisfério) norte, a quantidade de chuva está aumentando, enquanto no sul os períodos de seca estão ficando mais longos”, disse a OMS. “Conflitos relacionados à água podem surgir em áreas atingidas entre a comunidade local e também entre países, porque dividir um recurso essencial e limitado é extremamente difícil.”

Demanda crescente

A avaliação afirma que a urbanização e o crescimento econômico significam que a demanda per capita por alimentos vai aumentar, além da demanda por alimentação mais rica e variada. A produção de leite, carne, açúcar, óleos e vegetais exige mais água que a produção de cereais além de um gerenciamento diferente dos recursos hídricos. O total de água usada na produção agrícola a cada ano pode subir dos 7,2 mil quilômetros cúbicos para 13,5 mil quilômetros cúbicos até 2050. Segundo o pesquisador David Molden, do IWMI, que liderou a avaliação, destinar mais água para agricultura e expandir a área total de cultivo e criação, para responder ao crescimento na demanda por alimentos, pode significar um preço alto demais para o ambiente. O relatório pede que agricultores cultivem mais alimentos sem pressionar ainda mais o ambiente. Pesquisador David Molden, do IWMI

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

25


Aconteceu no Mosqueiro Foi no dia 28 de dezembro passado na bucólica É destaque promovendo qualidade no Estado do Pará

por Anna Marilia Cioni im da Itália passar as festas de fim de ano com minha família em Belém. Como sempre, trouxe alguém para conhecer este pedaço da Amazônia. Ansiava para mostrar o "rio que faz ondas" a Filippo Stella, meu primo italiano e a Alida Salam, amiga francesa que tinham vindo para o reveillon. Os dois primeiros dias serviram para mostrar o que Belém tem. Finalmente, no terceiro dia, fui apresentar a "bucolica" para eles. Chegamos no Mosqueiro umas 10 horas da manhã. A maré não estava tão cheia assim

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

para ver suas verdadeiras ondas. O sol estava timidamente escondido atrás de nuvens que se tornavam cada vez mais escuras. Tentamos "pegar sol", mergulhamos, nos revestimos e deixamos a areia para trás. O tempo piorava rapidamente. O dia estava nublado mais ainda não chovia. Caminhávamos pela orla, era mais ou menos 17,45 horas, fotografando e apreciando aquelas nuvens negras quando, a um determinado momento vimos ao longe uma coisa estranha: das nuvens começou a aparecer uma ponta escura que parecia descer. Como aquilo era muito estranho, ficamos parados olhando, e aquela ponta continuou descendo e formando como um fio grosso que das nuvens descia para a água. Aos poucos notamos que na água do rio, debaixo daquela ponta, algo parecia se mexer para cima; era a água puxada pelo vortex da tromba. A causa da distancia não dava para ver muito claramente e entender o que se passava. O "fio" foi ficando cada vez mais grosso e desceu até a altura da água e depois se dissolveu. Tudo durou uns 20 minutos. Não tinha ninguém na orla a não ser um senhor idoso que estava pescando e que Anna Marilia Cioni e Filippo Stella na orla do Mosqueiro, no início do paseio


As figuras acima e de baixo mostram nuvens cumuluninbus , causando grande instabilidade na atmosfera , e possivelmente associado aintensa variação de pressão e temperatura , constata-se uma nuvem em formade coluna que se estende da base nuvem cumulunimbus , girando em redemoinhos atingindo a água, causando a aspiração da água, que e denominado de Tromba d' Água. A tromba d'água tem mesmas características de um tornado somente que o ultimo acontece na terra Anna Marilia e Alida Salam apreciam o fenômeno raro

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Tromba

José Raimundo Abreu de Sousa, Coordenador do INMET/2º DISME, mostrando o local onde ocorreu a Tromba d'água

ficou muito admirado também. Nos disse nunca ter nem ouvido falar duma coisa dessas antes no Mosqueiro. Estávamos presenciando a uma "tromba d'água", pela primeira vez na vida. Acompanhamos com a maquina fotográfica esse "evento". Esquecemos as "ondas" e fomos almoçar. Comentamos como foi bacana ter visto aquele fenômeno raro, mas também que teria sido muito perigoso se tivesse se aproximado mais da ilha. A chuva não permitiu que apreciássemos tudo o que Mosqueiro oferece. Fotografamos alguns chalés da orla e voltamos pra Belém sem tomar banho nas ondas altas do rio. Porém tomamos banho de chuva, afinal de contas estavas num distrito de Belém De qualquer jeito, valeu. Todos adoramos a experiência.

Fenômeno que consiste de um turbilhão de vento em geral violento, cuja presença se manifesta por uma coluna de nuvens ou corre invertido de nuvens (nuvem funil) projetando-se da base de um cumulo-nimitos e por um tufo composto de gotas d'água levantadas da superfície do mar. Podem ser formados em uma depressão com formato oval e originados pelo desvio brusco do vento no interior. São perturbações atmosféricas violentas, não detectadas nas cartas sinóticas, imagens de satélite ou outros meios possíveis para realizar previsão. Ocorre em um curto período de tempo e também poucos quilômetros em nossa região e resultado de uma instabilidade da atmosfera devido ao gradiente vertical de temperatura.

Tromba D'água Este fenômeno se apresenta partindo de uma nuvem em forma de coluna, que se estende geralmente da base de um CB. Quando o extremo atinge o solo suga a água. Fenômeno em tudo semelhante ao tornado, apenas que ocorre sobre uma superfície de água. Nestes casos, a sucção no centro da tempestade eleva para os ares a água da superfície. Uma Tromba d'água em geral desaparece quando encontra a terra.

Filha da nossa Amiga e Colaboradora Dulce Roque EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Na imagem do Satélite Goes – Este, no dia e hora do acontecido: 28/12/2007, às 17,45 horas. Observam-se nuvens variáveis na Região Norte constata-se aglomerados de nuvens cumulus e cumuloninbus em toda a região, as nuvens localizadas no Sul e sudeste do Pará, estão associadas a instabilidades provocadas pela frente fria e circulação de altos níveis (Alta da Bolívia) ,também verifica-se faixa de nuvens no Nordeste do estado , e Ilha do Marajó , são linhas de instabilidades , formadas pela circulação de altos níveis e convergência de umidade do Atlântico associados a temperaturas altas do continente. Na seqüência de imagens aumenta a nebulosidade com o decorrer da tarde para noite , verifica-se nuvens de grande intensidade vertical nas diversas camadas da atmosfera , e atingem temperaturas frias de ate 60 graus negativos, estas nuvens ao atingir estagio de cumulunimbus , provocam tempestades com raios , trovões e chuva de forte intensidade


Água, gota divina Água é gota benzida, é gota saída do seio da terra, no meio da serra, p'ra vida trazer. Água, qu'é gota divina, que rega a campina, que molha a serra, fecunda a terra, p'ra vida viver. É gota tão pura, que faz a fartura nas plantas, no chão. É gota, é vigor, que abranda o calor do sol de verão. É água do céu, da núvem em véu, que vem p'ra formar os rios e vazantes, os lagos brilhantes, as ondas do mar. Oh água, se és gota divina, que a todos fascina, se és vida do ser. Por que? O homem maldoso,

voraz, ambicioso, não pára p'ra ver, que um dia, que logo virá e tu partirás sem nada dizer. E o homem, voraz, sem clemência na própria indolência irá perecer. Oh água, que és gota divina, acorda, ilumina, os homens de bem! Lhes rega o chão da consciência, desfaz a indolência, a incúria, o desdém! Lhes abra, oh gota benzida, os olhos p'ra vida, que vai muito além! Faz qu'eles, qual guardas da vinha, te salvem, gotinha; se salvem, também!!! *J. P. Chacon

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

29


Mais de R$ 2 milhões de reais serão investidos pelo Governo para incentivo de projetos

O

Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), lançou no Espaço São José Liberto, dez editais de Incentivo para o ano de 2008, direcionados aos artistas paraenses e contemplando as mais diversas áreas, como música, teatro, artes plásticas, literatura, audiovisual, fotografia, pesquisa, manifestações tradicionais, entre outras. O lançamento foi feito pela governadora Ana Júlia Carepa e pelo secretário de Cultura, Edílson Moura. A política de editais foi pensada dentro das novas metas de governo, que é promover a integração entre os órgãos estaduais que lidam com cultura. Além disso, a própria gestão da Secult está ocorrendo de forma integrada, através da criação e reestruturação de sistemas que lidam com aspectos culturais específicos,

EDITAIS DE INCENTIVO PARA PROJETOS DA ÁREA DA CULTURA como o Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIM) e o Sistema Integrado de Teatros (SIT). Todas as medidas buscam a implementação do Plano Estadual de Cultura (PEC). De acordo com o Secretário Edilson Moura, o Plano detalhará os programas para a área da cultura a serem desenvolvidos como políticas públicas transversais, compreendendo a ação cultural como vetor de desenvolvimento. "A política de editais da Secretaria de Cultura é o resultado de um amplo debate entre artistas de diversos segmentos culturais e o Governo do Estado e se consolida, hoje, como um instrumento indispensável ao incentivo e à circulação da produção cultural paraense. Dessa forma, estamos garantindo a democratização dos recursos públicos investidos, a transparência no seu uso e a divisão equilibrada do orçamento", ressaltou o secretário. Essa forma de distribuir os recursos e os projetos culturais tem outra característica, talvez a mais importante, que é a regionalização do apoio à cultura, dentro de um processo de construção participativa com

30

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Fotos: Eunice Pinto/Ag Pa

os movimentos sociais culturais do Estado, realizado a partir da 1ª Conferência Estadual de Cultura (CEC) e do Planejamento Territorial Participativo (PTP). A 1ª CEC foi precedida de Conferências Intermunicipais e contou com a participação de 107 municípios de todas as regiões do Pará. E o PTP visitou todos os 143 municípios do Estado. "Foram eventos históricos para o Pará, pois os representantes dos municípios puderam expor e discutir suas necessidades e, a partir dessas demandas, é que serão norteados todos os investimentos em Cultura para os próximos anos", afirmou Edilson. "Assim, o Governo dá oportunidade para a Cultura praticada em todo o Estado, mostrando a rica diversidade cultural dos 143 municípios, sem privilégios apenas à capital paraense".

Resumo de cada Edital lançado: 1 - Selo Imagina Só! - Consiste na publicação de duas (02) obras inéditas de Literatura Infanto-Juvenil, com temática Livre. Poderão participar artistas residentes e


domiciliados no Pará há mais de dois anos. As obras devem ser inéditas, não sendo aceita a veiculação anterior das mesmas, no todo ou em parte, por qualquer meio ou forma e para qualquer público. 2 – Prêmio Sim de Artes Visuais - Com objetivo de fomentar a área das artes visuais, a Secretaria de Estado de Cultura do Pará (Secult), por meio de seu Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIM), lança o Edital "Prêmio Sim de Artes Visuais", no qual o artista ou o curador que tiver seu projeto. As inscrições ao Edital "Prêmio Sim deArtes Visuais" serão gratuitas e estão abertas desde o dia 11 de fevereiro até 31 de março. O Edital selecionará e premiará 16 projetos de artistas visuais e curadores que realizarão exposições individuais e coletivas no exercício de 2008, nos

espaços do SIM sendo seis projetos para o Laboratório das Artes e quatro para a Sala Gratuliano Bibas do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, dois projetos para a Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra e qautro projetos para a Sala Manoel Pastana do Museu do Estado do Pará. 3 - Edital de Estímulo a Realização de Curta Metragem - O objetivo do concurso público é selecionar projetos de filmes de curta metragem, para fins de concessão de apoio na forma de prêmio para sua realização, nos gêneros: ficção, documentário e animação. Serão selecionados 03 (três) projetos para premiação. Cada projeto selecionado receberá o prêmio no valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais), totalizando R$ 300.000,00 (trezentos mil reais). 4 - Edital Estadual de Fomento às Artes Cênicas – "Prêmio Augusto Rodrigues" (Dança) e "Prêmio Cláudio Barradas" (Teatro) – O objetivo é apoiar a criação de projetos de pesquisa e produção de montagem de espetáculos, visando o desenvolvimento do teatro e da dança e o melhor acesso à população às artes cênicas no Pará. O edital contemplará todas as regiões de integração do Estado, tanto para projetos provenientes dos territórios urbanos como rurais. O orçamento para o edital tem valor inicial de R$ R$

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

31


autor a cota de 250 exemplares (25% da tiragem).

314.000,00 (trezentos e quatorze mil reais). 5 - Edital Prêmio Fotografia – O edital resultará na premiação de três (03) fotógrafos paraenses e na publicação de um (01) livro com o trabalho dos fotógrafos vencedores. O prêmio é direcionado para o registro e documentação do trabalho realizado pelos fotógrafos paraenses ou radicados no Estado do Pará, assim como o incentivo aos melhores projetos que tenham como foco temas diversos ou préestabelecidos pelo edital a cada ano. O edital terá temática LIVRE. Podem participar fotógrafos nascidos ou radicados no Estado do Pará há mais de cinco (05) anos. O Governo do Estado Estamos garantindo a democratização dos recursos públicos investidos financiará a publicação de um livro com o trabalho dos três (03) fotógrafos vencedores deste edital, assim como oferecerá a premiação de R$ 10.000,00 mil (dez mil reais) ao primeiro colocado, R$ 6.000,00 mil (seis mil reais) para o segundo e R$ 4.000,00 (quatro mil reais) para o terceiro melhor projeto. 6 - Edital Projeto Uirapuru – O Canto da Amazônia Edital de seleção de compositor para a gravação do 20º volume do Projeto Uirapuru – O Canto da Amazônia. O projeto da Secretaria de Estado de Cultura do Pará tem como finalidade realizar o registro e a divulgação de compositores de reconhecida importância para a produção artística do Estado. Poderão participar compositores residentes e domiciliados no Estado do Pará, há mais de 10 (dez) anos, que ainda não tenham CD (compact disc) gravado pela Secretaria de Cultura do Estado. O Governo financiará a produção, gravação em estúdio, prensagem e o show de lançamento do CD com 12 músicas do projeto selecionado. A tiragem inicial será de 1.000 (mil) exemplares, cabendo ao

32

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

7 - Edital Projeto Pará Musical – Edital o concurso do Projeto Pará Musical - 2008, para seleção e gravação de um (01) CD de uma Banda de Rock paraense. O objetivo é focalizar o trabalho dos instrumentistas e intérpretes paraenses que se dedicam aos mais diversos estilos musicais. A cada volume, o projeto contemplará um estilo diferenciado para unificar o processo de seleção e contemplar a maior diversidade de músicos possível, sendo que em 2008 o estilo escolhido será o rock. A Secult financiará a produção do projeto vencedor em todas as etapas de gravação de um CD (pré-produção, gravação em estúdio, mixagem e masterização), assim como promoverá um show de lançamento da obra e se responsabilizará pela divulgação e distribuição da mesma. A tiragem inicial será de 1.000 exemplares. 8 - Edital Projeto Música Livre – Edital para o concurso do Projeto Música Livre - 2008, para premiação de projetos relativos a shows de Banda(s) M u s i c a l ( i s ) , intérprete(s) ou compositor(es). O projeto tem como objetivo incentivar os artistas locais, assim como divulgar e difundir a sua arte no cenário estadual, através do apoio financeiro para a realização de shows musicais de grupos, Ann Pontes afirma que o Turismo interpretes ou será fortemente beneficiado compositores. Serão contemplados aqueles profissionais que apresentem projetos que nunca tenham sido realizados pelos mesmos. Poderão participar da seleção grupos musicais, intérpretes e(ou) compositores em geral, de qualquer gênero musical com atuação no Estado do Pará. A Secult financiará a produção do projeto O Espaço São José Liberto estava lotado


vencedor deste Edital, na isenção total de pauta nos seguintes espaços: Teatro Estação Gasômetro (Parque da Residência); Maria Sylvia Nunes (Estação das Docas) e Margarida Schivasappa (Centur); ajuda de custo para pagamento dos cachês dos técnicos de palco e músicos convidados; material gráfico de divulgação e passagens rodoviárias ou aéreas, além de hospedagem para os grupos de outros municípios. 9 - Edital Projeto Música Livre Interior – Edital para o concurso do Projeto Música Livre Interior- 2008 que visa premiar projetos relativos a shows de Banda(s) Musical(is), intérprete(s) ou compositor(es) nos municípios paraenses. O objetivo é incentivar os artistas locais, assim como divulgar e difundir a sua arte no cenário estadual, através do patrocínio de show's musicais de grupos, interpretes ou compositores fora da capital paraense. Serão contemplados aqueles profissionais que apresentem projetos que nunca tenham sido realizados pelos mesmos. O Governo apoiará a produção do projeto vencedor deste Edital, através da produção de um (01) show musical nos municípios paraenses e em espaços a serem definidos de comum acordo com os artistas selecionados; ajuda de custo para pagamento dos cachês dos técnicos de palco e músicos convidados; material gráfico de divulgação e passagens rodoviárias ou aéreas, além de hospedagem para os grupos de outros municípios. 10 - Edital Projeto Adelermo Matos – Edital do Projeto Adelermo Matos - 2008,

No lançamento dos dez editais de Incentivo para o ano de 2008, direcionados aos artistas paraenses e contemplando as mais diversas áreas

A rica diversidade cultural do Pará será beneficiada

que tem como finalidade promover a manutenção das tradições paraenses e apoiar festividades e grupos culturais em todo o Estado. O objetivo do projeto é aproximar as ações da secretaria dos diversos grupos da cultura popular que hoje atuam no Estado. O edital terá como finalidade apoiar manifestações e grupos culturais que representem as tradições de sua região e/ou município de origem, assim como incentivar as diversas formas de expressão, seja através de apoio às festividades regionais e a manutenção de grupos culturais.

S U

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

33


helio.titan@ig.com.br

Hélio R. Titan

s amigos leitores dessa conceituada revista, PARÁ+ e a área de saúde de nossa cidade, já devem estar familiarizados com o assunto a que se refere o título deste artigo em decorrência de ser em seu substrato científico, médico, religioso e de natureza ética e comportamental, um dos mais discutidos temas da atualidade, inclusive com muita oportunidade, dado o assunto estar rolando nas esferas governamentais a fim de sua aprovação na pratica médica, além de debates nos centros culturais, pesquisas de opinião, e na mídia em todas as formas de comunicação. Vamos, portanto tentar abordar o assunto no sentido de melhor entender a natureza deste fenômeno, que na realidade é um acontecimento biológico que acontece não só no ser humano, mas em todos os seres vivos multicelulares da vida animal em nosso planeta. Nossa intenção não é polemicar o aspecto ético, moral ou religioso do assunto, mas sim, dentro de uma comunicação suave e cristalina, expor de uma maneira um tanto superficial, para que todos nós tenhamos uma idéia razoável, e daí tirarmos nossas próprias conclusões. Vamos lá: O que são células tronco? De modo bem simplificado, células tronco são células primitivas, desenvolvidas durante a formação do individuo e que mais tarde vão se diferenciar a fim de dar origem aos vários tecidos que compõem os órgãos deste novo ser em desenvolvimento. No meu ponto de vista, acredito que para melhor compreensão do referido processo, devemos conhecer um pouco a gênese da fecundação e os primeiros momentos da célula gerada que vai dar prosseguimento evolutivo do embrião, que podemos tomar como referencial, o humano. No momento da fecundação, que consiste na união e penetração do Células-tronco embrionárias

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

As células-tronco, também conhecidas como célulasmãe ou células estaminais, são células que possuem a capacidade de se dividir dando origem a células

espermatozóide no óvulo feminino, é dado à partida para a formação de o novo ser humano. As três formas iniciais são a Mórula (primeiro estágio do embrião), a Blástula (segundo estágio) e a Gástrula (terceiro estágio). Daí em diante a reprodução do já embrião evolui rapidamente pela divisão

CONSIDERAÇÕES DA IGREJA SOBRE A UTILIZAÇÃO DAS CÉLULAS TRONCO EMBRIONÁRIAS A Santa Sé declara que promove e sempre promoveu as pesquisas científicas em benefício da humanidade. Por isso, a Santa Sé encoraja as referidas pesquisas que estão sendo realizadas nos campos da Medicina e Biologia, com o objetivo de curar doenças e melhorar a qualidade de vida da humanidade, contanto que sejam respeitadas as dignidades da vida e do ser humano em sua plena existência e consciência. A Santa Sé é frontalmente contra, porém, a clonagem de embriões humanos, com o propósito de destruí-los com a finalidade de obter células tronco, ainda que a causa seja nobre, pelo simples motivo de serem atos incompatíveis com o fundamento e os motivos da investigação biomédica humana, ou seja, o respeito da dignidade da vida do ser humano. Por outro lado, a Santa Sé aplaude e encoraja a pesquisa com células tronco adultas, pois é compatível com a doutrina da Igreja pela preservação da vida, respeito e dignidade


humana”. Refere ainda a Igreja, que os experimentos com células embrionárias, ainda não produziram nem um único êxito, nem sequer em modelos animais, acentuando ainda, o fato que as células tronco embrionárias, causaram tumores em referidas experiências em animais, podendo inclusive provocar câncer na espécie humana. Deve-se levar também em consideração, que as células tronco embrionárias poderão manter possíveis “defeitos epigenéticos”, transmitindo parte destes defeitos às células “filhas”. Os cientistas, filósofos, e humanistas, são na maioria contra estes procedimentos com fins reprodutivos, que não teriam a “mescla” usual de genes, que faz um individuo desprovido de um genoma único, com conseqüências genéticas imprevisíveis para a humanidade. Finalmente, afirma a Santa Sé, que os benefícios terapêuticos são hipotéticos, uma vez que o próprio método ainda é uma hipótese e que as afirmações hiperbólicas podem acabar minando a causa a que pretende servir. celular em escala geométrica e numa diferenciação celular de velocidade espantosa! Nesta evolução amigos leitores, são quando as células tronco (primitivas, idênticas), começam o processo seletivo de diferenciação a fim de criar células específicas dos tecidos que vão compor todos os órgãos do corpo humano. Nos temos vários tipos de células troncos: As chamadas

Totipotentes, que podem produzir células embrionárias e extras embrionárias; as Pluripotentes, que podem produzir todas as células do embrião; as Multipotentes, que podem produzir células de várias linhagens; as Oligopotentes produzem células de uma só linhagem; finalmente as Onipotentes, que produzem um único tipo celular. As células embrionárias são consideradas pluripotentes, porque Células-tronco embrionárias podem produzir células de qualquer tecido humano! Daí a importância do embrião na produção de tecidos humanos para substituir tecidos lesados, constituindo uma terapia médica revolucionaria em várias patologias, como o Mal de Parkinson, Alzheimer, infarto do miocárdio, queimaduras, diabetes, doenças dos ossos (artrites) etc. Os leitores poderão perguntar: Onde podemos encontrar as células tronco? Em embriões recentemente fecundados (blastócitos) in vitro ; aqueles que não serão usados para tratamento da infertilidade; células germinativas, ou órgãos de fetos abortados, e também em células maduras de uma pessoa adulta, como na medula óssea, fígado, tecido adiposo. A utilização para fins terapêuticos dessas células ainda é alvo de questionamento e estudo. A bióloga Milene Araújo, da fundação

Fone: (91) 3248-5651 EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Pele humana em células-tronco

Oswaldo Cruz da Bahia, faz uma analogia interessante: As células tronco, são como um tronco de uma árvore, que pode gerar os ramos, as flores, os frutos etc; ou seja, são células precursoras de outros tipos celulares! . As células tronco adultas, amigos leitores de PARÁ+, têm uma potencialidade diferente das embrionárias, pelo fato dessas serem mais jovens e, portanto mais eficientes no processo de diferenciação, mas por outro lado elas têm mais risco de produzir rejeição e formação de tumores. Ao contrario, as células tronco adultas, o risco de rejeição é praticamente nulo. A utilização de células tronco adultas, já é uma realidade no Brasil! O nosso país é pioneiro no tratamento de algumas doenças como a Doença de Chagas, o acidente vascular cerebral, o infarto e a fibrose do pulmão. Com a aprovação da Lei de Biossegurança, será possível iniciar pesquisas em células tronco embrionárias. O mecanismo biológico do uso das células tronco é mais ou menos o seguinte: Depois que o óvulo é fecundado, começa a divisão celular (vide acima); quando o

numero de células chega a ser de aproximadamente 140 células, algumas ficam separadas, como um pêndulo no meio das outras células. Estas são as células tronco, indiferenciadas, pluripotencias, portanto. Usando-se uma dessas células tronco no implante em um coração, ela sofrerá uma mutação transformando-se em uma célula cardíaca. Da mesma maneira, colocada em um fígado ela se tornará uma célula hepática! E assim por diante, o mesmo mecanismo em todos os órgãos do corpo. É importante assinar outra característica das células tronco; por exemplo: Uma célula tronco cerebral pode tornar-se uma célula do sangue, para alguém que tenha uma patologia na medula óssea, mostrando com isso a grande potencialidade deste tipo de célula. Elas podem ser implantadas em um órgão, e amadurecer como células deste órgão hospedeiro! *Medico Escritor Cosmologo Historiador; Membro da Sociedade Brasileira de Cosmologia

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Palavras da presidente do Supremo Tribunal Federal u sou católica, estudei em colégio de freiras. Mas não sou juíza do Supremo para expressar minhas crenças religiosas e sim para analisar as leis à luz da Constituição e do estante do sistema jurídico. Sobre a lei que autoriza o uso de embriões humanos na pesquisa científica eu a considero constitucional. Eu não enxerguei, nos artigos da Lei de Biossegurança que falam sobre embriões, nada que ferisse a ordem constitucional. Meu raciocínio, parte do princípio de que nosso sistema jurídico protege duas entidades, o “nascituro” e a “pessoa”. Esses conceitos têm um significado muito preciso no direito. O nascituro, a criança que aguarda o nascimento no ventre da mãe, tem algumas expectativas de direito – no campo da herança, por exemplo. Já a pessoa, do ponto de vista do nosso ordenamento, só passa a existir no instante do nascimento com a vida. É aí que surge a personalidade a personalidade jurídica, segundo o nosso Código Civil. Ora, o embrião criado in vitro não é nascituro, pois não foi implantado no útero da mãe, nem pessoa, no sentido técnico. Ele não desfruta as garantias que se aplicam aos dois casos. Quanto ao princípio constitucional do direito à vida, eu creio que ele não é ferido no caso das pesquisas com embriões que seriam descartados ou permaneceriam congelados indefinidamente. Essas pesquisas, a médio ou longo prazo, devem resultar em benefício para um grande número de pessoas. Elas também têm o objetivo de proteger a vida – uma vida íntegra e saudável para portadores de doenças.

E

Ellen Gracie Northfleet


E-mail: serpan@amazon.com.br

Sérgio Pandolfo

Trovas Temática Vária II

E

sta seleção que preparamos para a edição de março de Pará+ acrescenta, à que apresentamos na edição novembrina de 2007, mais oito trovas sobre temas variados, que nos dizem, um pouco mais, da amplitude temática do “quarteto mágico” trovadoresco. Ver-o-Peso de Belém maravilha brasileira feira que “de um tudo” tem és paraura faceira

São a peste, fome e guerra mazelas-mores do mundo; que haja um dia na terra calma, pão, amor profundo.

São esquecer e lembrar, falhanças do dia-a-dia; esquecer de não lembrar lembrar de esquecer... varia.

Papai Noel já me deu bom presente de Natal: você bem embrulhadinha num pacote especial

Que o amor seja cantado nas esquinas da cidade e que Deus seja louvado pra total felicidade.

Quando jovem e espigado fui das mulheres querido; hoje velho e alquebrado sou por elas preterido.

A mulata é mulher bela que tem a cor do café a sutil mistura dela resultou nisto que é (Nicolle Pandolfo)

Estou prestes a chegar àquela obscena idade logo, logo vão sobrar chistes de obscenidades. Nunca mais!”

*Médico e escritor – SOBRAMES

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


s e d a m z i a m r A cu

her

ul da M l a ion r nac e t n aI o Di a em enag m o h Em

Interessante descoberta:

Um estudo publicado pela universidade de Los Angeles, Califórnia, indica que a amizade entre mulheres é verdadeiramente especial. Descobriu-se que as amigas contribuem para o fortalecimento da identidade e da proteção de nosso futuro. Constituem um remanso no meio do mundo real cheio de tempestades e de obstáculos.

A

s amigas ajudam encher os vazios emocionais de nossas relações com os homens e ajudamnos recordar quem nós somos realmente. Após 50 anos das investigações, identificou-se que existem substâncias químicas produzidas pelo cérebro que ajudam a criar e manter os laços de amizades entre as mulheres. Os pesquisadores, homens em sua maioria, foram surpreendidos com os resultados dos estudos. Quando o hormônio OXITOCINA é liberado como a parte da reação das mulheres ao stress , elas sentem a necessidade de proteger suas crianças e de agrupar-se com outras mulheres; quando acontece isso, uma quantidade ainda maior é produzida de oxitocina que reduz o stress agudo e causa um efeito tranqüilizante. Estas reações não aparecem entre os membros do sexo masculino porque a testosterona que os homens produzem em quantidades elevadas, tende a neutralizar os efeitos da oxitocina; visto que os estrógenos femininos aumentam a produção deste hormônio Depois de estudos repetidos, demonstrouse que os laços emocionais existentes

38

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


entre as mulheres que são amigas verdadeiras e leais, contribuem para uma redução dos riscos das doenças relacionadas à pressão arterial e ao colesterol. Acredita-se que esta pode ser uma das razões por que geralmente as mulheres vivem mais do que os homens. As mulheres que não estabelecem relações do amizade com outras mulheres, não mostram os mesmos resultados em sua saúde. Assim, ter amigas ajuda-nos não só a viver mais, como também a viver melhor. O estudo sobre a saúde indica que quanto mais amigas têm uma mulher, maior é a probabilidade de que chegue à velhice sem problemas físicos e levando uma vida plena e saudável Neste mesmo estudo observou-se como as mulheres superam os momentos críticos (como a morte do esposo ou dos pais) e percebeu-se também que as mulheres que podem confiar em suas amigas reagem às doenças sérias e recuperam-se em um lapso de tempo menor do que aquelas que não têm em quem confiar. O estudo concluiu que a amizade entre as mulheres constitui uma fonte de força, bem estar, alegria e saúde. Para essa razão e por muito mais: Vivam asAmigas!! QueridasAmigas por esta e por tantas outras coisas: Obrigada! Muitas benções para vocês...

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

39


A LUZ DA MAMORANA por Garibaldi Nicola Parente

noite aproximava-se. Um escuro-escuro já se amoitava na despedida anuviada dos últimos raios mortiços do sol nos confins do rio. Aristeu preparava-se resoluto para passar mais uma noite no breu da madrugada. Êta pescador de coragem! -Mulher, faz um chá de vence-tudo, tira-teima e abrecaminho; põe também cidreira, uma pitada de mel de abelha. Traz bem quente! -Onde tu já viste isso? Teu estômago é de bacu, é? -Não vi nada. Estou vendo! -Desarvorado! -Só menas! -Hum... paresque até passamento! -Te aquieta. Faz a embolada! -Desconjuro! Mofento, desvanecido! -Esta noite eu vou pegar uma baita piraíba. Cairara! -Onte-onte não puxaste nada. Só bafo! Não me vem abanando o remo de novo! -Traste! -Isto?! É atordoamento, coisa feita pelo espirito do cururu. -Não dá piteco que eu estou muito bem! Estou inteirado da pândega dessa piraíba que faz rebujo no estirão do rio. -Atina, viste?Atina! Dona Matilde foi ao jirau fazer o chá estúrdio. Pôs carvão no fogão de latão, borrifou um pouco de querosene e triscou o fósforo. Soprou, soprou até aparecer as chispas, as primeiras fagulhas do carvão esbraseante. Pegou um cucumelo de barro, tipo caçarola, nele derramou um pouco de água do pote. Em

A

40

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

seguida, colocou a folhagem e o mel. Abanou. As chamas crepitaram e a água ferveu emitindo um cheiro nunca cheirado. -Hum... Que diacho isso vai dar? Tirou a cucuma do fogo. Deixou esfriar um pouco e passou o conteúdo para um antigo cantarelo de louça esmaltada. -Inté parece coisa esconsa, de pajé! Enquanto isso, Aristeu já preparara o casco, munira-se dos apetrechos indispensáveis: dois remos, cuia, poronga, fósforo, porronca, espinhel e fundeador. -Vombora, mulher! Que a maré já está enchendo! -Taí. Bem quente! Com sofreguidão, ele pegou o canecão e deu uma seqüência de sopros bem fortes para quebrar um pouco a quentura. Começou a sorver o chá pausadamente e depois, a guti-guti. Bebeu tudo. O líquido descia numa zoadeira de cachoeira, ia queimando todos os parasitas que se escondiam nas criptas do labirinto visceral do pescador. A mulher, que ainda não entendera tanta consumição, olhava com aquele olhar de incredulidade, desconfiança e certa pena. Algo estava pairando naquele ar de inspirar coisas medonhas, coisas do demônio. -Já vou! Disse o pescador dando uma olhada comprida na direção do rio acima. -Vai, mas volta! Na escuridão tirou o rumo provável de acordo com a sua tarimbada experiência de muitas pescarias para garantir a minguada sobrevivência da família. Além da casa e do rio. Uma outra realidade revolvia-se na mente do pescador. Talvez uma legenda de outras dimensões visionárias. É certo que o futuro está irremediavelmente ligado ao passado de todos nós. O remo foi feito para remar. Rema, rema, pescador... Remou e remou até chegar às proximidades da boca fechada de outro rio, o Jurupariquara. Ali estava o segredo, guardado pelo sonho de Orellana. Aristeu estava vestido com uma roupa escura, não queria aparecer naquele lugar soturno, tinha medo que o Jurupari saísse daquele rio, lugar preferido desse malino. Ali nunca deu piraíba, não tinha porque lançar o espinhel. Deitou o fundeador. Ficou imóvel, apenas movimentava o remo para manter a canoa embicada na direção da margem esquerda da pequena embocadura.


Árvore de mamorana, flores purpúreas

Depois de algum tempo e muito custo, resolveu acender a poronga. Algo se iluminou na ribanceira em reflexos cambiantes entre o esbranquiçado e o dourado. Isto moveu os préstimos do pescador que rapidamente puxou o fundeador e mergulhou o remo com azáfama, remadas fortes e velozes na direção do brilho rico. Ao aproximar-se, o lume de trêmulas cintilações tornou-se esmaecido até perdê-las por completo. Apagou a poronga e voltou ao mesmo lugar de antes. Quietou-se por uns instantes sempre olhando naquela direção. Acendeu novamente a poronga, e a fonte luminosa fulgurou no mesmo lugar. Tocou remadas mais velozes,esforço hercúleo de conquistador tenaz. Pertinho, o lumiar bruxuleante deixou de rutilar. Depois de várias tentativas infrutíferas de alcançar aquela coisa de acender e apagar, Aristeu perdeu as forças. A maré começara a vazar. Extenuado por completo, deitou-se no fundo do casco e veio levado pelos braços da correnteza até

passar em frente ao mará da sua morada. O dia já clareava. Sua mulher preocupada estava esperando-o na beira quando viu a canoa sozinha de bubuia. Foi acudir. Aristeu ainda estava de piripaque. Dona Matilde deulhes tapinhas no rosto e jogou uma cuiada de água na cabeça para despertá-lo. -Hum, hum... O que foi? -Foi o chá! Não te avisei? No local das cintilações, margem esquerda da embocadura do Jurupariquara, viceja altaneira e esplendorosa uma árvore de mamorana. Insigne, distinta entre as demais, assinalada por uma linguagem silenciosa, mas grandiloqüente. É compreensivel que suas flores purpúreas queiram dizer que apesar daquela realeza, seu poder não tem o trono da opulência, somente o assento da dignidade. Uma realeza tão simples, tão simples, que na base do seu tronco bem fincados proliferam miçangas parasitas de cogumelos fosforescentes a pouca luz.

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

41


Camillo Vianna

ANARQUIZANDO

A GUERRA

P

rimeiramente, o cidadão deve arvorar-se a defensor intransigente da Amazônia, começando por reduzir o IBDF a coisíssima nenhuma de nada, porém na hora de mostrar alguma coisa objetiva, sempre encontrar pretexto e tirar o corpo fora. Combater tenazmente a poluição, onde ela possa ser identificada, Mediterrâneo, Guanabara, Cubatão, Mar Cáspio, Danúbio, no cosmos e jogar restos de civilização, ou seja, bagana de cigarro, garrafa vazia, pau de picolé, e o mais, em qualquer lugar que se encontre. Criticar duramente os que desrespeitam as leis de Criticar duramente os que desrespeitam as leis de preservação da fauna

preservação da fauna, saqueando os tabuleiros de tartaruga ou as áreas de ocorrências de mussuã, entre outras, e comemorar datas festivas saboreando esses animais. Estar na linha de frente da floresta amazônica, desde que as árvores não fiquem à frente da garagem, no local do campo de futebol ou impedindo o visual da casa nova.

42

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


Anunciar aos quatro cantos da comunidade postura firme e decidida contra a agressão ambiental e cultural, mas na hora h, pretextar falta de tempo, passar mal, ocupação inadiável, ter mais o que fazer e o que possa inventar na hora. Sob nenhum pretexto aceitar a descaracterização de nossa cultura e dar maior valor aos enlatados de importação. Criticar a falta de interesse, o total desconhecimento dos problemas relacionados à região e jamais se comprometer nos debates que buscam soluções para esses mesmos problemas. Autonomear-se paladino na defesa de nossas coisas e justificar a não participação, afiançando não se responsabilizar pelas severas conseqüências das resultantes. Desaprovar a interferência dos raros preservacionistas, uma vez que eles são incapazes de executar às mirabolantes idéias que têm na cabeça. Em relação a essas mesmas pessoas, afiançar que são exibicionistas, caçadores de votos,

malucos e se manter de braços cruzados. Acreditar piamente ser um dos defensores da fauna, da flora e da tradição, com alto espírito democrático e que os outros não possam de alienados, subversivas ou agitadores. Propagandear em alto e bom Combater tenazmente a poluição som ser a floresta amazônica a maior do mundo e que não acabará jamais, além de ser o pulmão do universo. Aceitar com tranqüilidade que a integração está sendo feita de maneira harmoniosa e que somente uma fração da floresta já foi devastada, assim como só os grandes projetores serão os responsáveis pelo desenvolvimento da região. Finalmente, ter a convicção de que os outros é que devem fazer alguma coisa. Em Fevereiro de 1984 *SOPREN/SOBRAMES

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

43


A Lenda Chinesa dos

Doze animais S egundo uma antiga lenda chinesa, Buda convidou todos os animais da criação para uma festa de Ano Novo, prometendo uma surpresa a cada um dos presentes. Apenas doze animais compareceram e ganharam um ano de acordo com a ordem de chegada: o Rato ou Camundongo; O Boi ou Búfalo (Vaca, na Tailândia); o Tigre (Pantera, na Mongólia); O Coelho ou Lebre (Gato, na Tailândia ); o Dragão (Crocodilo, na Pérsia); a Cobra ou Serpente (Pequeno Dragão, na Tailândia ); o Cavalo; a Cabra ou Carneiro; o Galo ou Galinha; o Macaco; o Cão; o Porco ou Javali. O Cavalo de Fogo rege a cada 60 anos. De acordo com um antigo texto budista, quando os animais terminam suas meritórias tarefas, fazem um juramento solene perante os budas de que um deles estará sempre, por um dia e por uma noite, pelo mundo, pregando e convertendo, enquanto os outros onze ficam praticando o bem em silêncio. O Rato inicia sua jornada no primeiro dia da sétima Lua; procura persuadir os nativos do seu signo a praticarem boas ações e a corrigirem os defeitos de seus temperamentos. Os demais bichos fazem o mesmo, sucessivamente, e o Rato reinicia seu trabalho no 13º dia. Assim, graças ao trabalho constante dos animais, os budas garantem uma certa ordem no universo.

Descubra qual é o seu signo chinês e o elemento correspondente! Rato (SHU) Jan 31, 1900 a Fev 18, 1901 - Metal Fev 18, 1912 a Fev 05, 1913 - Água Fev 05, 1924 a Jan 24, 1925 - Madeira Jan 24, 1936 a Fev 10, 1937 - Fogo Fev 10, 1948 a Jan 28, 1949 - Terra Jan 28, 1960 a Fev 14, 1961 - Metal Fev 15, 1972 a Fev 02, 1973 - Água Fev 02, 1984 a Fev 19, 1985 - Madeira Fev 19, 1996 a Fev 06, 1997 - Fogo Fev 06, 2008 a Jan 25, 2009 - Terra

44

Bufalo (NiU)

Fev 19, 1901 a Fev 07, 1902 - Metal Fev 06, 1913 a Jan 25, 1914 - Água Jan 24, 1925 a Fev 12, 1926 - Madeira Fev 11, 1937 a Jan 30, 1938 - Fogo Jan 29, 1949 a Fev 16, 1950 - Terra Fev 15, 1961 a Fev 04, 1962 - Metal Fev 03, 1973 a Jan 22, 1974 - Água Fev 20, 1985 a Fev 08, 1986 - Madeira Fev 07, 1997 a Jan 27, 1998 - Fogo Jan 26, 2009 a Fev 13, 2010 - Terra


Dragao (LONG) Fev 16, 1904 a Fev 03, 1905 - Madeira Fev 04, 1916 a Jan 22, 1917 - Fogo Jan 23, 1928 a Fev 09, 1929 - Terra Fev 08, 1940 a Jan 26, 1941 - Metal Jan 27, 1952 a Fev 13, 1953 - Água Fev 13, 1964 a Fev 01, 1965 - Madeira Jan 31, 1976 a Fev 17, 1977 - Fogo Fev 17, 1988 a Fev 05, 1989 - Terra Fev 05, 2000 a Jan 23, 2001 - Metal Jan 23, 2012 a Fev 09, 2013 - Água

Cavalo (MA)

Jan 25, 1906 a Fev 12, 1907 - Fogo Fev 11, 1918 a Jan 31, 1919 - Terra Jan 30, 1930 a Fev 16, 1931 - Metal Fev 15, 1942 a Fev 04, 1943 - Água Fev 03, 1954 a Jan 23, 1955 - Madeira Jan 21, 1966 a Fev 08, 1967 - Fogo Fev 07, 1978 a Jan 27, 1979 - Terra Jan 27, 1990 a Fev 14, 1991 - Metal Fev 12, 2002 a Jan 31, 2003 - Água Jan 31, 2014 a Fev 18, 2015 - Madeira

Tigre (HU)

Fev 08, 1902 a Jan 28, 1903 - Água Jan 26, 1914 a Fev 13, 1915 - Madeira Fev 13, 1926 a Fev 01, 1927 - Fogo Jan 31, 1938 a Fev 18, 1939 - Terra Fev 17, 1950 a Fev 05, 1951 - Metal Jan 05, 1962 a Fev 24, 1963 - Água Fev 23, 1974 a Jan 10, 1975 - Madeira Fev 09, 1986 a Jan 28, 1987 - Fogo Jan 28, 1998 a Fev 15, 1999 - Terra Fev 14, 2010 a Fev 02, 2011 - Metal

Serpente (SHE) Fev 04, 1905 a Jan 24, 1906 - Madeira Jan 23, 1917 a Fev 10, 1918 - Fogo Fev 10, 1929 a Jan 29, 1930 - Terra Jan 27, 1941 a Fev 14, 1942 - Metal Fev 14, 1953 a Fev 02, 1954 - Água Fev 02, 1965 a Jan 20, 1966 - Madeira Fev 18, 1977 a Fev 06, 1978 - Fogo Fev 06, 1989 a Jan 26, 1990 - Terra Jan 24, 2001 a Fev 11, 2002 - Metal Fev 10, 2013 a Jan 30, 2014 - Água

Cabra (YANG) Fev 13, 1907 a Fev 01, 1908 - Fogo Fev 01, 1919 a Fev 19, 1920 - Terra Fev 17, 1931 a Fev 05, 1932 - Metal Fev 05, 1943 a Jan 24, 1944 - Água Jan 24, 1955 a Fev 11, 1956 - Madeira Fev 09, 1967 a Jan 29, 1968 - Fogo Jan 28, 1979 a Fev 15, 1980 - Terra Fev 16, 1991 a Fev 03, 1992 - Metal Fev 01, 2003 a Jan 21, 2004 - Água Fev 19, 2015 a Fev 07, 2016 - Madeira

Lebre (TU) Jan 29, 1903 a Fev 15, 1904 - Água Fev 14, 1915 a Fev 02, 1916 - Madeira Fev 02, 1927 a Jan 22, 1928 - Fogo Fev 19, 1939 a Fev 07, 1940 - Terra Fev 06, 1951 a Jan 26, 1952 - Metal Jan 25, 1963 a Fev 12, 1964 - Água Fev 11, 1975 a Jan 30, 1976 - Madeira Jan 29, 1987 a Fev 16, 1988 - Fogo Fev 16, 1999 a Fev 04, 2000 - Terra Fev 03, 2011 a Jan 22, 2012 - Metal

45


Elementos METAL: são pessoas decididas e fortes, dispostas a enfrentar qualquer tipo de batalha para atingir seus objectivos. São sujeitas a paixões e emoções fortes. ÁGUA: são conduzidas pela emoção, revelando muita sensibilidade e percepção. Altamente espiritualizadas, são capazes de captar subtilezas na natureza e nas pessoas, tornando-as profundas conhecedoras da alma humana. MADEIRA: são privilegiadas mentalmente, pertencendo à categoria dos intelectuais, filósofos e pensadores, preocupados com a moral e com a ética em seus relacionamentos. FOGO: governam pessoas e demonstram muita segurança e poder de decisão. São emocionalmente instáveis, podendo explodir com relativa facilidade, revelando um temperamento colérico e inflamado. TERRA: pessoas voltadas para as questões práticas e funcionais da vida, um tanto passivas em relação ao mundo a sua volta, sofrendo influências e pouco influenciando, mas marcando sua passagem pelo esforço e pelo trabalho.

Macaco (HOU) Fev 02, 1908 a Jan 21, 1909 - Terra Fev 20, 1920 a Fev 07, 1921 - Metal Fev 06, 1932 a Jan 25, 1933 - Água Jan 25, 1944 a Fev 12, 1945 - Madeira Fev 12, 1956 a Jan 30, 1957 - Fogo Jan 30, 1968 a Fev 16, 1969 - Terra Fev 16, 1980 a Fev 04, 1981 - Metal Fev 04, 1992 a Jan 22, 1993 - Água Jan 22, 2004 a Fev 08, 2005 - Madeira Fev 08, 2016 a Jan 27, 2017 - Fogo

Cao (GOU) Fev 10, 1910 a Jan 29, 1911 - Metal Jan 28, 1922 a Fev 15, 1923 - Água Fev 14, 1934 a Fev 03, 1935 - Madeira Fev 02, 1946 a Jan 21, 1947 - Fogo Fev 18, 1958 a Fev 07, 1959 - Terra Fev 06, 1970 a Jan 26, 1971 - Metal Jan 25, 1982 a Fev 12, 1983 - Água Fev 10, 1994 a Jan 30, 1995 - Madeira Jan 29, 2006 a Fev 17, 2007 - Fogo Fev 16, 2018 a Fev 04, 2019 - Terra

46

Galo (JI) Jan 22, 1909 a Fev 09, 1910 - Terra Fev 08, 1921 a Jan 27, 1922 - Metal Jan 26, 1933 a Fev 13, 1934 - Água Fev 13, 1945 a Fev 01, 1946 - Madeira Jan 31, 1957 a Fev 17, 1958 - Fogo Fev 17, 1969 a Fev 05, 1970 - Terra Fev 05, 1981 a Jan 24, 1982 - Metal Jan 23, 1993 a Fev 09, 1994 - Água Fev 09, 2005 a Jan 28, 2006 - Madeira Jan 28, 2017 a Fev 15, 2018 - Fogo

Porco (ZHU) Jan 30, 1911 a Fev 17, 1912 - Metal Fev 16, 1923 a Fev 04, 1924 - Água Fev 04, 1935 a Jan 23, 1936 - Madeira Jan 22, 1947 a Fev 09, 1948 - Fogo Fev 08, 1959 a Jan 27, 1960 - Terra Jan 27, 1971 a Fev 14, 1972 - Metal Fev 13, 1983 a Fev 01, 1984 - Água Jan 31, 1995 a Fev 18, 1996 - Madeira Fev 18, 2007 a Fev 06, 2008 - Fogo


Acyr Castro

Março de 2008

ASSUNTO NOSSO V ocês lembram daquele programa de TV, Meu personagem Inesquecível ? Tenho vários personagens assim. Um deles possui uma profissão difícil, específica, e se chama Wilson

de Moura. Não é paraense porém das Alterosas, mais precisamente de Uberaba. Isso me lembra saudoso amigo que brincava: você sabe quais são as três cidades que começaram com a letra B? Ele próprio respondia: Beraba, Berlândia e Belzonte. Parece que fica claro ter ele se referido a Uberaba, Uberlândia e Belo Horizonte. Belos tempos em que vivíamos todos em São Paulo e o amigo em questão estava entre nós. Essa parte ninguém nos ensinou, nem o papai (no foto com parte da família) nem mamãe, hoje um e outra mais pertos de Deus. O futuro a Ele pertence e a mais ninguém. Pois voltemos ao personagem inesquecível acima referido: Wilson de Moura: o mais antigo massoterapeuta do Pará, e aposto que pouca gente por estas bandas é mais paraense, já que paraense, mineiro ou não, é aquele que vem e fica. Caso do personagem mencionado que aqui veio pela primeira vez, aos 26 anos. Nasceu em 1944, toda uma década antes do colunista. Antes do Pará exerceu sua profissão, de suporte medicinal em Brasília, São Paulo, Paraná, Pernambuco e até no exterior operando em

Papai e parte da família P. de Castro

departamentos médicos de clubes esportivos e em centro hospitalares. O que vem a ser massoterapia? Ela trata de praticamente tudo quanto é trauma físico usando apenas os toques das mãos. Reduz dores e situações traumáticas corpóreas, com base em técnicas milenares a partir do contato sobretudo com cavalos. Wilson deve ter mais de Wilson de Moura 10 mil clientes, acredito espalhados aqui, ali e acolá. Por tais benfeitorias ganhou prêmios: a Medalha de Honra ao Mérito da Cabanagem e a Medalha de Cidadão de Belém, unindo no reconhecimento de serviços prestados os poderes legislativo e executivo que nos regem. Há histórias nunca divulgadas, tipo a do atleta nosso, que teve um AVC em campo e passou a idéia de que nada mais nada menos que, uma lesão de músculos. Wilson Correa de Moura carrega respeitável bagagem curricular de sustentação a diversas especialidades da medicina tradicional. Foi enfermeiro da Santa Casa de Misericórdia de São José dos Campos e chegou a dirigir associações hípicas de norte a sul de leste a oeste. Fundou a Confederação Internacional das Associações de Medicinas Ancestrais Naturais em Madrid na Espanha. Seria um nunca acabar se me botasse a desafiar um rosário de informações, ainda que importantes, já que o papel do jornalista, naturalmente do escritor, seja este, exatamente este, o de contar, o de cantar, o de escrever. Wilson de Moura casou-se com uma paraense e teve 3 filhas, uma delas, sua caçula Karen, muito especial , paulista de nascimento, terminou vitima de acidente fatal. Bem, ou menos mal, fiz meu papel: pôr na página em branco o que me sacudia a alma. A publicação desta matéria, a meu ver, necessária e oportuna, depende dos caros amigos Ronaldo e Rodrigo Huhn. Eles decidem se me dão guarida ou não. Passo-lhes a deixa. Com a palavra os editores desta bela revista que é, patrimônio de todo o povo, com o mais que sugestivo nome de Pará+ .

(*) Poeta, jornalista, escritor, membro da Academia Paraense de Letras, de Instituto Histórico, antigo Secretário de Cultura Desportos e Turismo e integrante da União Brasileira de Escritores e da Associação Paraense de Escritores. Faz parte dos quadros do Sindicato Paraense de Jornalistas Profissionais

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


A tradição medieval dos Sete Passos por Anete Costa Ferreira

bonita Freixo de Espada à Cinta situada ao sul do Nordeste Transmontano, na fronteira com Salamanca, é considerada a Vila mais Manuelina de Portugal. A população fiel à tradição medieval comemora a Quaresma com a procissão dos Sete Passos de forma sui generis, em diversos pontos da região. De origem pagã caracteriza-se pela cerimônia de recomendação das almas. É um ato de devoção e crença manifestado no encontro que se realiza todas as sextas-feiras desde o término do Carnaval até a festa da Ressurreição. À meia noite com a cidade às escuras e partindo de frente da Igreja Matriz segue a procissão. Exatamente, ao soar as 12 badaladas do relógio da Torre Heptagonal, dois homens com hábitos negros e encapuchados arremessam com grande força no piso de granito diversos ferros unidos a uma corrente, e, em seguida vão arrastando-os ao compasso certo sete vezes. Este movimento no silêncio noturno provoca um eco estrondoso, tornando a via-sacra ainda mais penitente. Na trajetória um outro homem com vestimenta idêntica caminha vagarosamente vergado sobre si mesmo, é a chamada “Velhinha”. Leva na mão esquerda uma lamparina acesa, alimentada com azeite; na direita um bastão de apoio, e pendurado ao pescoço um vasilhame em forma de bota, contendo vinho que é A “Velhinha” leva na mão esquerda uma lamparina acesa, alimentada com azeite; na direita um bastão de apoio...

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r

Igreja da Matriz

oferecido aos devotos que ajoelham-se pelo caminho, pedindo respeitosamente o sangue de Cristo. Durante o itinerário param em frente aos Cruzeiros, quando piedosamente ouvem os cânticos sacros entoados em português e em latim pelos grupos das igrejas da cidade. Todas as personagens integrantes da procissão são masculinas. Daí a expectativa dos curiosos na última noite dos Sete Passos, postarem-se para assistir o ato receptivo das mulheres conhecidas por Três Marias. Outro ponto importante é ser o percurso entre a Igreja da Matriz até à Igreja da Misericórdia apenas de 100 metros, e o cortejo durar duas horas. Justifica-se pelo fato da procissão ser em ritmo moderado de “sete passos”, medidos e cronometrados a rigor. No domingo de Páscoa, já em pleno dia realiza-se a procissão do Senhor Morto. Em determinado trecho é pendurado numa árvore um boneco representando Judas. No seu interior é colocado um explosivo que ao final do cortejo é acionado, estorando-o, causando alegrias ao povo que festeja desta forma o Cristo Ressuscitado. O evento constante do calendário turismo-religioso atrai à Vila visitantes que nesta época procuram conhecimentos históricos desta festa que tem um mixto de religião e paganismo, juntando a devoção e a crença nos Sete Passos.


A origem do nome está envolto em lendas e histórias. Para uns, a cidade nasceu, por um fidalgo falecido em 977. Para outros foi um nobre godo chamado Espadacinta que batizou-a com esta toponímia. Entretanto, há quem sublinhe haver sido El Rey D. Dinis que deu este nome à Vila. O certo é que o povo venera a velha árvore de freixo existente no lugar do extinto castelo medieval por considerá-lo a origem dos mitos que deram nome a este local do nordeste transmontano. Durante esta quadra, muitos devotos imploram a Deus perdão pelos pecados cometidos por seus entes queridos já falecidos. Este e outros atos piedosos propiciam que seja mantida a tradição medieval dos Sete Passos. Representante da Pará+ em Portugal

Entre a Igreja da Matriz até à Igreja da Misericórdia

“Sete Passos” “O ritual, único em todo o País, tem uma organização que passa de pais para filhos, não havendo espaço para a entrada de pessoas estranhas. Quando o relógio da Torre Heptagonal, assinala o primeiro batimento das 12 badaladas, altura em que a iluminação pública da vila se apaga, ficando todo o percurso escuro como o breu. Dá-se então início à procissão que vai percorrer as principais ruas da localidade, que são escolhidas ao acaso, para ver passar o ritual de Encomendação da Almas. O percurso tem início junto à por ta principal da Igreja Matriz e demora cerca duas horas. Sons das peças de ferro, presas à perna de duas pessoas tornam a viasacra ainda mais penitente”.

EDIÇÃO 75 [MARÇO 08]

p a r a m a i s . c o m . b r


MAR

ÇO

XINGUARA 15 a 16

BELÉM 17 e 19

Trilha da Serra Praça Vitória Régia - chegada e saída FONE/FAX: (94) 8113-6645 / 8119-5592 / 3426-1030 / 3426-1566 ailsonp_gomes@yahoo.com.br

Inscrições abertas para II Simpósio Paraense de Semiologia Coordenação de Medicina da Universidade do Estado das 17h30 às 22h30 FONE/FAX: (91) 8101-1087 (Marcelo Ferrate)

SÃO CAETANO DE ODIVELAS 19 a 21

BARCARENA 20 a 23

Auto da Paixão de Cristo Ruas de prédios públicos FONE/FAX: (91) 9904-2009 / 9155-0049 palha78@yahoo.comm.br

Paixão de Cristo Centro de Exposição Cultural Maria Siqueira dos Santos Dias FONE/FAX: (91) 3753-1751 / 3753-1717 glarocque@oi.com.br /

SÃO MIGUEL DO GUAMÁ 21

VITÓRIA DO XINGÚ 21

Via Sacra Dramatizada Largo de Nazaré. FONE/FAX: (91) 3446-1822 secretariadeculturasmg@ yahoo.com.br

Paixão de Cristo - Via Sacra Estádio Padre João FONE/FAX: (93) 35211122 pmvxingu@bol.com.br

RURÓPOLIS 22 Feira de Arte e Cultura Praça Cívica FONE/FAX: (93) 3543-1618 / 3543-1912 andreiasantana.m@hotmail.com

CASTANHAL 28 e 29 EXPOCANTAPARÁ SESC FONE/FAX: (91) 3083-8008 / 8119-4801 www.expocantapara.com.br centrocasa@click21.com.br

BELÉM 10 a 30

BELÉM 12 a 12/04

Inscrições para o programa de PósGraduação em Educação - Mestrado UepaInscrições só por via internet na página www.uepa.br/mestradoeducacao

Outros Portos CCBEU De Terça a Sexta de 9h às 12h 13h às 19h30m - Sáb. de 9h às 13h FONE/FAX: (91) 3242-9455

ORIXIMINÁ 19 a 21 Encomendação das Almas Ruas da zona urbana e comunidades rurais FONE/FAX: (93) 3544 -2072 / 8113-8338 sematur_pmo@yahoo.com.br

BELÉM 21 a 21/04 Festival das Águas Belém e Mosqueiro FONE / FAX: (91) 3771-1264 3771-1755 / 3771-3150 tony_russo_mo@hotmail. com

BELÉM 17 Programa Inclusão Digital Inscrições Sede do Fundo Ver-o-Sol, Rua Cipriano Santos, n°40 FONE: (91) 3073-3400 ou 3073-3414

PRAINHA 21 Encenação da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo Praça da Matriz FONE/FAX: (93) 3534 -1145 / 3534 -1128 maumau.mabo@hotmail.com

BREU BRANCO 22 e 23

CACHOEIRA DO ARARI 22 a 23

IV Trilha de Motocross “Ou vai ou racha” Trilhas do município com encerramento na praça da Bíblia FONE/FAX: (94) 3786-1150 / 9134-1533 agricultura@breubranco.net

XIII Festival do Tucumã Praça da Independência (em frente ao Palácio Municipal) FONE/FAX: (91) 3758-1461 coopeturgmarajo@yahoo.com.br

CURUÁ 30 e 31 Festival do Mapará Quadra do Realy - Macurá FONE/FAX: (93) 3563-1149

BELÉM até 27/04 Exposição “Arte para Crianças” Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e Galeria Fidanza das 10h às 18h Entrada gratuita Promovida pela Fundação Vale


Pará+ 75  

Usina siderúrgica no Pará Tromba d'água no Mosqueiro

Advertisement