Page 1

fevereiro 2007

Belém Pará - Brasil

www.paramais.com.br

ISSN 16776968

Edição 61

3,00

Aline Reis

Rainha das Rainhas

Evelyn dos Santos Musa de Belém


ense!

ra Orgulhosamente pa

CARNAVAL DA AMAZÔNIA PROGRAMAÇÃO OFICIAL

A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2007

RAINHA DAS RAINHAS DO CARNAVAL 2007

Pág. 16

Pág. 12 D. Orani

+UMA VEZ, NOSSA PARÁ+ A REVISTA DO ANO

Pág. 06

O CARNAVAL DE BRAGANÇA

O CARNAPAUXIS 2007

SALVATERRA 17 a 20

Pág. 26

Pág. 20

A AMAZÔNIA: GURUS, ADIVINHOS, FUTURÓLOGOS E ARÚSPICES

Republicado por erro de paginação na edição 59.

Pág. 36

Editora Círios SS Ltda CNPJ: 03.890.275/0001-36 Inscrição (Estadual): 15.220.848-8 Rua Timbiras, 1572A - Batista Campos Fone: (91) 3083-0973 Fax: (91) 3223-0799 ISSN: 1677-6968 CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil www.paramais.com.br revista@paramais.com.br

Pág. 40

Í N D I C E

PUBLICAÇÃO

O editor

TIMOR LESTE

matérias

Bragança ficou durante muito tempo sem o seu carnaval, com tradicionais escolas de samba, bailes municipais, blocos de sujos, entre outros. A atual administração está querendo resgatar o carnaval bragantino...

O carnaval obidense, denominado CARNAPAUXIS, é um dos maiores eventos culturais do Oeste do Pará, tendo como referência o Mascarado Fobó, é uma pessoa que busca um nova identidade para brincar... Pág. 22 Leocila Araújo

O amor... não cansa, nem se cansa Josina Rodrigues

08

Correios homenajeiam e incentivam a cultura do Pará Panorâmica do carnaval de Belém

10

Carnaval garantido com R$ 70 mil para agremiações A Palavra Carnavália

18

14

Acyr Castro

28

Realmente “Pai d’égua”

29

A hora de parar

30

Tom Coelho

Orkut Marco André Vizzortti

A Amazônia e a Mama Àfrica

35

Camillo Vianna

38

Limão (Citrus limonum)

44

DIRETOR e PRODUTOR: Rodrigo Hühn; EDITOR: Ronaldo Gilberto Hühn; COMERCIAL: Alberto Rocha, Augusto Ribeiro, João Modesto Vianna, Rodrigo Silva, Rodrigo Hühn; DISTRIBUIÇÃO: Dirigida, Bancas de Revista; REDAÇÃO: Ronaldo G. Hühn; REVISÃO: Paulo Coimbra da Silva; COLABORADORES: Acyr Castro, Camillo Martins Vianna, D. Orani João Tempesta, Josina Rodrigues, Leocila Araujo, Luís Almeida, Marco André Vizzortti, Ricardo Jordão Magalhães, Sérgio Martins Pandolfo, Tom Coelho; FOTOGRAFIAS: Adilson Moraes, Arquivo Fumbel, Carlos Silva-IMA, Claudio E. Souza, Francisco Vasconcelos, Josilene Casseb, Leonardo Nascimento, Sonia Travassos; DESKTOPING: Mequias Pinheiro; EDITORAÇÃO GRÁFICA: Editora Círios

*Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores

ANATEC ASSOCIAÇÃO DE PUBLICAÇÕES


A Campanha da Fraternidade 2007

O

lançamento da Campanha da Fraternidade na Ilha do Combu, em Belém do Pará, no próximo dia 21 de fevereiro, marca um momento impor tante do ano para a Igreja. A Quaresma, enquanto tempo de preparação para a Páscoa, de renovação da vida cristã apr ovei tando o “tempo favorável”, é uma ótima opor tunidade p a r a s e r epensar a própria vida. Temos muitos aspectos de nossas vidas para nos

conver termos. Esse é um apelo sério e impor tante que a Igreja estará fazendo para todos os cristãos e pessoas de boa vontade. Diante dos apelos para uma vida cristã consciente e coerente deve vir junto também a transformação da sociedade. As bases em que está assentado o nosso tempo nós o sabemos e também estão claras as conseqüências. O relatório sobre o aquecimento global, apresentado nestes últimos dias, demonstra até onde vai o egoísmo humano: o homem é capaz de destruir o único lugar conhecido onde ele pode morar fisicamente. A Campanha da Fraternidade sobre a Amazônia poderá nos ajudar a estabelecer novos tipos de relacionamentos com a natureza ao nosso redor. A exploração desenfreada e inconseqüente do meio ambiente poderá levar-nos à

06

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

autodestruição. Infelizmente, muitas conseqüências já estão em curso, e não há retorno! Quando criança ouvia a minha catequista dizer que “Deus perdoa sempre; os homens às vezes, a natureza, nunca!” Constatamos agora que, além do aumento do nível da água do mar, também os outr os fenômenos da natureza têm mais de 90% de r esponsabilidade humana (furacões, mar emotos, etc

.). Em boa hora sur ge a Campanha da Fraternidade 2007, que será aber ta da Região Nor te para o Brasil com uma audiência coletiva à impr ensa nacional, através dos representantes em Belém com o Secretário Geral da CNBB, que estará em nossa Capital para esse ato. Neste tempo em que precisamos nos conver ter, também precisamos reaprender com a Amazônia e com os amazônidas a viver em harmonia com o meio ambiente e nos penitenciarmos sobre os males que já causamos. Durante a gravação de uma mini-série na região amazônica, algumas repor tagens divulgaram que a


dificuldade era a fumaça das queimadas ao redor. Além da conversão pessoal e religiosa, precisamos nos conver ter para a fraternidade e Amazônia, e, principalmente, para aquilo que significa a Amazônia como questão de vida, respeito à natureza, ecologia etc. E, para isso, como lembra o tex to base da CF, uma das atitudes é conhecer para amar, com a conseqüência de nos responsabilizarmos em divulgar essas conclusões, a fim de chegarmos a ações práticas num agir concreto em cada situação que vivemos. Essa é uma nova maneira de viver e caminhar, ter outras bases, buscar novos horizontes! Dizia-se que com os ideais da Revolução Francesa, a única coisa que não se conseguia colocar em decreto era justamente a fraternidade. É aí que nos situamos enquanto pessoas que acreditam! Somos chamados a viver a fraternidade e dar testemunho de que ela é possível! Conver ter-se na Quaresma é mudar de vida, de mentalidade; fazer uma boa confissão, penitência, viver em oração mais intensa, mas é também pr ocurar descobrir como, pessoalmente, comunitariamente e socialmente poder emos nos conver ter para essa fraternidade que nos é anunciada neste tempo. Na próxima Quar ta-feira de Cinzas, a imprensa nacional está convidada para a entrevista coletiva de aber tura da Campanha da Fraternidade 2007, que neste ano acontecerá em Belém do Pará, com transmissão por rádio e televisão para todo o Brasil entre as 11 e 12 horas (12 e 13 horas pelo horário de Brasília), unindo os três regionais da CNBB (Nor te 1, Nor te 2 e Noroeste). Escutaremos também o Presidente da CNBB ler a mensagem do Papa para essa ocasião. O outro momento com a par ticipação do povo será a Missa da Quar ta-feira de Cinzas no Santuário da Rainha da Amazônia, a Basílica de N. Sra. De Nazaré, às 18 horas (19 horas de Brasília), com a presidência da CNBB e os Bispos do Regional Nor te 2. Após a missa serão inaugurados os arcos na Praça do Santuário, com temas alusivos à Campanha deste ano.

A aber tura popular Arquidiocesana ocorrerá no domingo, dia 25, às 07:00 horas da manhã, com a celebração da santa Missa na “escadinha” das Docas, concluindo com uma caminhada Mariana com a Rainha da Amazônia até o seu Santuário. Estes são momentos impor tantes e significativos para a Igreja e para todos nós, e esperamos que tenham conseqüências na mudança de mentalidade e na construção de um mundo novo, r econstruído com o Cristo Ressusci tado, formando a “civilização do amor”.

D. Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo Metropolitano EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

07


Em homenagem ao Dia do Amor

O amor... não cansa, nem se cansa por Josina Rodrigues e Luís Almeida

A

palavra é uma exigência, para não dizermos, uma segregação, natural do pensamento. Se o homem não fosse um ser pensante, não seria um ser que fala. Conhecemos as coisas quando as nomeamos. A palavra evoca a idéia, e esta por sua vez, habita na palavra. Se quiséssemos resumir numa simples palavra - mas, a maior delas todas as infinitas condicionantes da felicidade, diríamos a palavra AMOR. Na verdade, o homem realiza-se em felicidade, simplesmente amando. João evangelista diz-nos que o que não ama permanece na "morte". O amor é a essência da vida. Não admira que nenhum ser humano consciente possa furtar-se à fatalidade do amor. Criado à imagem de Deus, que é só e só

08

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

amor, o homem é radicalmente amor, isto é, desejo de tudo o que ele julga torná-lo feliz. Assim não fica insensível a toda a beleza com que tropeça no seu percurso evolutivo, porque este é o catalisador da sua vida. Encarnação do Criador no homem, da eternidade no tempo, o Amor é surpreendente, sendo a arma mais portentosa, criadora e transformadora do Universo. À medida que se vai desabrochando, vai-se revelando a ânsia mais profunda do ser humano, genialmente expressa neste soneto:

“Amar”

“Eu quero amar, amar perdidamente! Amar só por amar: Aqui... Além... Mais este e aquele, o outro e toda a gente... Amar! Amar! E não amar ninguém! Recordar? Esquecer? Indiferente!... Prender ou desprender? É mal? É bem? Quem disser que se pode amar alguém Durante a vida inteira é porque mente! Há uma primavera em cada vida; É preciso cantá-la assim florida, Pois se Deus nos deu voz, foi para cantar! E, se um dia, hei de ser pó, cinza e nada Que seja a minha noite uma alvorada, Que se saiba perder... pra me encontrar...” * Florbela Espança


À medida que o tempo passa, vai tomando novas formas, dando a sensação que nasce em cada dia um amor novo. Aparecendo multifacetado, aberto à pluridimensionalidade de todos os seres. Umas vezes terno como a noite, outras caloroso como o dia. Ora branco, intensamente brilhante, e quente como o astro-rei, ora azul, sereno e refrescante como as águas tranqüilas de um lago. Umas vezes, exuberante como uma grande alegria, outras, silencioso como uma saudade gostosa. Tímido e pacífico como olhar de uma pomba, outras tão ousado, que supera todos os desafios e obstáculos. Amor é vida! Amor é sonho, que tornar-seá realidade! Amor é esperança, porque projeto de conquistas do passado, do presente com destino ao futuro mais sublime. Amor é êxtase! Sintonia de almas e palpitar de corações! Amor é entrega, doação de todo o potencial! É deveras espantoso, quando descoberto. Umas vezes sorriso carinhoso; outras lágrimas silenciosas. Porque compreensão, transforma o mal recebido com o bem; perdoa, esquece, e desculpa incondicionalmente as ofensas alheias, com enorme ternura, afecto e confiança. Esquece-se de si próprio e sempre pronto a sacrificar-se pelo bem-estar e felicidade de seus irmãos que ainda desconhecem esta preciosidade, pois aspira arduamente, mas com enorme tranqüilidade e confiança, a ser puro amor. Lembramo-nos de lord Byron, um poeta inglês do século passado, transmitindo-nos, "Só temos alegrias se as

repartimos: a felicidade nasceu gêmea". Como o coração e o sangue, assim o amor e o sacrifício são indissociáveis. Quem não compreende, nem sente, nem exerce, ainda não chegou a conhecer o amor. O grande encanto do amor é a fecundação de novos amores, que por indução, deste único e majestoso gerador do campo eletromagnético. Como é contagiante...! Devidamente orientado, o amor fará dos lares santuários das virtudes mais formosas, fontes de novas vidas e de novas gerações. Quando o amor se generalizar, os corações humanos serão templos da felicidade humana. Tudo nos diz que saber amar será o nosso "fim". Difícil? Custoso tudo isto? Sem dúvida alguma. Mas... como diz Fernando Pessoa, "Tudo vale a pena quando a alma não é pequena". E como é gostoso saber amar...

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

09


Correios

homenageiam e

incentivam a

Diante da grandeza e do valor referencial para a cultura brasileira, os Correios registram e reconhecem em selo postal e reconhecem o valor histórico e artístico-cultural das danças Carimbó e Frevo e dos seus trajes típicos festivos, promovendo um processo ativo de valorização e divulgação em âmbito nacional e internacional.

A

conteceu na última sexta-feira (09), no Teatro Estação Gasômetro, do Parque da Residência, o lançamento do selo Trajes Típicos, com a presença de mestres do ritmo e do grupo Parafolclórico Tribo dos Carajás. O evento contou também com a presença da SECULT e em nome da Diretoria Regional dos Correios agradeceu pelo apoio ao lançamento deste selo de tamanha importância para a cultura paraense. Para a realização das obliterações das cartelas de lançamento, foram convidados o Secretário de Estado de Cultura Edílson Moura da Silva, Augusto Gomes Rodrigues o Mestre Verequete, Aurino Pinduca Quirino Gonçalves o Rei do Carimbo Pinduca, o Prof. Edson Castro- autor do edital “Carimbó” e para representar os filatelistas paraenses,

10

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

cultura do Pará

Manoel Mavez Gonzáles- “Manolo”. Com uma tiragem de dois milhões e quatrocentos mil selos e valor facial de cinqüenta e cinco centavos, com impressão na casa da moeda do Brasil. O selo está sendo comercializado desde o dia 09 de fevereiro, em todas as agências dos Correios do país. Os Correios sempre perpetuaram por meio da emissão de selos postais, as datas e os eventos relevantes no contexto das instituições nacionais. Desta forma o selo Trajes Típicos do Carimbó e do Frevo, passa a fazer parte do acervo iconográfico, bibliográfico e histórico dos Correios, além de compor coleções importantes de filatelistas de todo Brasil. O selo comemorativo retrata o desenvolvimento de um país, além de homenagear pessoas que se destacaram ao longo da nossa história. Ele documenta, com riqueza de detalhes, personagens, fatos e realizações que por sua importância, formam a vida nacional em seus diversos aspectos. Segundo o secretário estadual da cultura, Edílson Moura, a iniciativa dos Correios foi muito importante, pois a cultura popular deve ser


O Mestre Verequete oblitendo o selo juntamente com sua esposa

mais divulgada e, assim, mais conhecida no mundo inteiro. “O carimbó faz parte da cultura paraense, mas infelizmente, não recebe estímulo do Poder Público. Essa é a nova oportunidade. O que os Correios estão fazendo é manter viva na memória do povo paraense o que é sagrado para ele”, disse. Em seu pronunciamento, Carlos Roberto D´Ippolito, falou da honra em estar lançando o selo no Pará, como também da importância da cultura. “Hoje está sendo comemorado 100 anos de Frevo, que é patrimônio cultural do Brasil e do Pará”. Os selos focalizam, em primeiro plano, os casais em movimento de dança, vestidos com trajes típicos das modalidades enfocadas. Ao lado dos dois dançarinos vê-se, em cada selo, a representação rítmica, demonstrando a integração existente entre os dançarinos e os tocadores. Ao fundo, numa referência ao estado em que ocorrem à dança, vê-se a bandeira do estado do Pará e o mercado municipal do ver-o-peso, no selo carimbó. O nanquim, a aquarela e o lápis de cor foram os recursos utilizados pelo ilustrador Jô Oliveira nas composições dos selos.

Carimbó

O diretor regional dos Correios Carlos Roberto D´Ippolito e o Secretário de Estado de Cultura Edílson Moura da Silva procedendo a obliteração do selo Pinduca marcou presença...

É a mais ex traordinária manifestação da criação artística do povo paraense. Foi criada pelos índios Tupinambás, mas aperfeiçoada pela influência africana, tornando a dança mais vibrante como uma espécie de variante do batuque. Inicialmente, a denominação Carimbó foi dada aos tambores que são feitos de troncos de árvores escavadas e r ecobertos, em uma de suas ex tremidades, com pele de animal silvestre. Posteriormente, esta denominação estendeu-se à música, à dança e ao próprio grupo que a executa. O Carimbó caracteriza-se como uma dança de pares soltos, é a manifestação do povo simples, sem enredo verbal, mas de ritmo contagiante. Toma outras denominações tais como: Curimbó, Corimbó e Curimã. Todos os dançarinos apresentam-se descalços, com mulheres trajando saias coloridas, franzidas e bem rodadas. Blusas de cor lisa, pulseiras e colares feitos de sementes da região e tendo nos cabelos ramos de rosas ou jasmins de Santo Antônio. Os homens apresentam-se de calças escuras e camisas de florão com as pontas amarradas à altura do umbigo. Prof. Edson Janary Padilha Castro Folclorista, Pesquisador e Diretor-Presidente do Grupo Parafolclórico “Os Baioaras” de Belém do Pará.

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


Rainha das Rainhas do Carnaval 2007

A

pós o desfile vibrante das 18 concorrentes, os apresentadores Ismaelino Pinto e Layse Santos, anunciaram as quatro princesas eleitas do Rainha das Rainhas do Carnaval 2007, no evento mais tradicional da época carnavalesca, realizado pelo 61º ano consecutivo, em uma festa esplendorosa em todos os sentidos Aline Reis é a Rainha das Rainhas do Carnaval 2007 com a fantasia "Do esplendor das festas de deus Baco ao fascínio da terra do samba". Com 19 anos, 1,68 m de altura e 58 quilos, representou a A ABB. A primeira princesa: Camila Gemaque da Assembléia Paraense, com a fantasia inspirada na mitologia celta "Rainha Elfa: A Mensageira da Luz". A segunda princesa: Cássia Mota do Clube do Remo com a fantasia “Scorpion -Sedução Violenta”. A terceira princesa: Fabíola Pires do Bancrevea com a fantasia "Carmen de Bizet - A ressurreição de Wizkaya". A quarta princesa: Isabela Ribeiro do Pinheirense com a fantasia “Meyen Zen - A metamorfose indiana”. Aline ganhou um Fox zero quilômetro

12

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

1ª Princesa

Assembléia Paraense

2ª Princesa

Clube do Remo

3ª Princesa Bancrevea

4ª Princesa Pinheirense

Aline Reis, da AABB a grande campeã ofertado pelo Cartão Yamada. As quatro princesas Camila Gemaque (Assembléia Paraense), Cássia Mota (Clube do Remo), Fabíola Pires (Bancrévea) e Isabela Araújo (Pinheirense) receberam passagens com destinos nacionais e internacionais ofertadas pela CVC. Ao todo 18 candidatas participaram do concurso este ano. A Amazônia e o Pará foram temas recorrentes. Os estilistas abusaram da criatividade para mostrar facetas ainda pouco exploradas da cultura paraense, tais como a Marujada e as manifestações indígenas da região do Xingu. Uma inovação no que diz respeito a escolha dos temas foi a presença de fantasias inspiradas em óperas famosas como Carmen de Bizet e Turandot do italiano Giacomo Puccini. Ao contrário de anos anteriores em que as candidatas traziam para a passarela fantasias com pirotecnia, este ano, as fantasias vieram com menos recursos tecnológicos, com o desfile mais focado nas candidatas e nas coreografias escolhidas. O Concurso teve a presença de 2,5 mil pessoas no salão de festas da Assembléia Paraense.


Aline no seu desfile de campeã

Yunichiro Yamada com a rainha

Guarany Jr., Aline Reis, Clara Pinto e o coordenador Adenirson Lage O público e as candidatas

Os apresentadores Ismaelino Pinto e Layse Santos Asbep

Asalp

Tuna

Fone: (91) 3248-5651 EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

13


Rei Momo

Panorâmica do Evelyn de Souza

14

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Carnaval em

Belém


Rainha das Rainhas

Concurso Musa de Belém

Carnaval fluvial

Arraial do Pavulagem Cordão do Peixe-Boi

Na Cidade Velha a animação é geral

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

15


PREFEITUR A MUNICIPAL DE BELÉM

FUNDAÇÃO CULTUR AL DO MUNICÍPIO DE BELÉM

Carnaval da Amazônia 2007 Concurso de Escolas de Samba do 1º Grupo de Belém

ORDEM DO DESFILE

Local: Aldeia Amazônica Davi Miguel

16 (sex ta-feira) 18,30hs 1ª - Escola de Samba “Mocidade Unida do Benguí”. Enredo: Lendas e mitos da Amazônia; Autor do Enredo: Edy Colorido e Fábio Moreno; Autor do Samba: Edy Colorido, Diamante Negro, Fábio Moreno e Joelmer; Intérprete: Fábio Moreno e Carlos Diamante Negro. Nº de brincantes: 1500 2ª - Agremiação Carnavalesca “Academia de Samba Jurunense”. Enredo: Belém vem Ver-o-Peso de nossa ar te; Autor do Enredo: Walter Viegas; Autor do Samba: Plínio, Edy Colorido, Luiz Leite e Tiaguinho; Intérprete: Plínio e Edy Colorido. Nº de brincantes: 1000 3ª - Associação Carnavalesca “Xodó da Nega”. Enredo: Xodó da Nega celebra o Auto do Círio no drama, na fé e no carnaval; Autor do Enredo: Miguel Santa Brígida; Autor do Samba: Alcir Guimarães; Interprete: Antonio Carlos; Nº de brincantes: 1000 4ª - Grêmio Recreativo Cultural e Social “Acadêmicos de Samba da Pedreira”. Enredo: Belém dos grandes carnavais; Autor do Enredo: Carlos Henrique Santana; Autor do Samba: João de Jesus Paes Loureiro e Edmundo Souto; Intérprete: Wanderley Explosão. Nº de brincantes: 1200 5ª Grêmio Recreativo Cultural e Carnavalesco “Deixa Falar”. Enredo: Vem viver Chaves: O Paraíso de Analáu Ychynkáku; Autor do Enredo: Cláudio Palheta e Eduardo Gonçalves; Autor do Samba: Alcyr Barão, Mário Santos, e Silva Jr.; Intérprete: Arlen, Silvinho, José Henrique, Sandro e João Marques; Nº de brincantes: 900 6ª - Sociedade Cultural Recreativa e Carnavalesca. “Império do Samba Quem São Eles” . Enredo: Theatro da Paz, cem anos de ar te no Pará; Autor do Enredo: Fernando Luis Pessoa; Autor do Samba: David Miguel; Intérprete: Gersinho do Império, Rui Melodia, Jorge da Doninha, Dito e Hélio Vitor; Nº de brincantes: 1500 7ª - ONG “Tradição Guamaense”. Enredo: Enredo: Fiiiiiiiiuuu!... adivinha quem vem lá? É Matinta Perêra ... É tradição, é Guamá; Autor do Enredo: Hélio Mar tins; Autor do Samba: Vetinho; Intérprete: Vantuir da Tijuca; Nº de brincantes: 1500

17 (sábado) 19,00hs 1ª - Agremiação Carnavalesca Beneficente e Cultural “Coração Jurunense”. Enredo: Em solo Tupinambá floresce a flor do Grão Pará: Belém, Metrópole da Amazônia, em cada canto um encanto; Autor do Enredo: César Dantas; Autor do Samba: Moacir, Neno e Ademir do Cavaco; Intérprete: Mariozinho e Jacaré; Nº de brincantes: 1200 2ª - Escola de Samba da “Matinha”. Enredo: Luta, poder, ostentação, manifestação popular. quem por aqui não passou, vai passar av. Presidente Vargas; Autor do Enredo: João Guilherme; Autor do Samba: Dio - Magé - Ademar Carneiro - Toninho Alegria; Intérprete: Toni Melodia; Nº de brincantes: 1200 3ª - Grêmio Recreativo Social e Cultural “Mocidade Olariense”. Enredo: De alfama à Cidade Velha, herança do Tejo em terras da Amazônia; Autor do Enredo: José Fragoso; Autor do Samba: Bosco Guimarães; Intérprete: Cleber, Manoel Ribeiro, Abil e Alessandro (Jacaré); Nº de brincantes: 1000 4ª - Associação Carnavalesca “Bole-Bole”. Enredo: Mestre Lucindo: Estrela no céu de Marapanim; Autor do Enredo: Vetinho; Autor do Samba: Vetinho; Intérprete: Ademar Carneiro; Nº de brincantes: 2000 5ª - Embaixada de Samba do “Império Pedreirense”. Enredo: O Bar nosso de todo Parque; Autor do Enredo: Jorge Bit tencour t e Evaldo; Autor do Samba: Dio, Magé e Flávio Rober to; Intérprete: Carlinhos Sábia, Mauricio, Marcos , Ray e Baia; Nº de brincantes: 1600 6ª - Associação Carnavalesca “A Grande Família”. Ennredo: A Pérola que brilha no Caete é Bragança resplandecendo no carnaval. Autor do Enredo: Silas Nascimento; Autor do Samba: Florentino Brito, Haroldo Cunha, Jurandir (Muka) Marcio Paz.; Intérprete: André, Afonso, Neguinho, Laurinda.; Nº de brincantes: 1500 7ª - Grêmio Recr eativo e Beneficente Jurunense “Rancho Não Posso Me Amofina”. Enredo: Manbazan, Mangai da Índia ao Pará cheguei pra ficar; Autor do Enredo: Andrei; Autor do Samba: Bosco Guimarães,Walter A zulay, Roosevelt Pantoja e Nonato; Intérprete: Fernando Gogó de Ouro; Nº de brincantes:1800


Carnaval da Amazônia 2007 - Programação oficial DATA

17 fev. sab.

18 fev. dom.

HORA

EVENTO

22h

Concurso da Rainha das Rainhas do Carnaval do Mosqueiro

11h

Banho à Fantasia

17h

Desfile de Blocos Carnavalescos

16h

Desfile de Escolas de Samba

19h

Conc. de Rainha do Carnaval Mirim

18h

Concurso de Escolas de Samba do 2º Grupo 1)Ass. Carnav. Cacareco; 2)Grêmio Recreativo Escola de Samba da Pratinha; 3)Associação Recreativa Beneficente Carnavalesca Rosa de Ouro; 4)Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas da Batucada; 5)Grêmio Recreativo Beneficente Carnavalesco ParangolÉ Do Samba; 6)Escola de Samba O Grito da Liberdade; 7)Ass. Carnav. Nova Mangueira; 8)Grêmio Social e Recreativo Escola de Samba O Habitat do Boto

19h

19 fev. seg.

LOCAL

Mosqueiro Praça da Matriz Mosqueiro Praia do Chapéu Virado / Outeiro Estacionamento da Praia Grande / Cotijuba Praia do Farol Cotijuba - Rua Jarbas Passarinho Mosqueiro - Rua Nossa Senhora do Ò (Vila) Mosqueiro Praça da Matriz

Outeiro: Estacionamento da Praia Grande

Baile na Ilha Concurso de Blocos Carnavalescos do 2º Grupo

19h Concurso de Escolas de Samba do 3º Grupo

Blocos Carnavalescos (2º Grupo) 1)Bloco Carnavalesco Sapo Muiraquitã; 2)Ass. Carnav. e Cultural Acadêmicos de Samba da Terra Firme; 3)Agremiação Carnavalesca Mocidade Independente MISA; 4)Grêmio Social Carnavalesco Quem É Quem na Folia Escolas de Samba (3º Grupo) 1)Real Sociedade Cultural Carnavalesca Por tela; 2)Ass. Carnav. Alegria-Alegria 3)Grêmio Recreativo Escola de Samba UniÃO Montenegrense; 4)Grêmio Recreativo Cultural Unidos da Osvaldo; 5)Ass. Carnav. Mocidade Botafoguense 5)Sociedade Cultural do Pará Escola de Samba Embaixadores Azulinos

Concurso de Blocos Carnavalescos e Escolas de Samba - Icoaraci

19 fev. seg.

18h 30m

Rua 15 de Agosto (4ª Rua) Blocos carnavalescos: 1)Bloco Carnavalesco Bafo da Onça; 2)Ass. Carnav. Unidos da Vila Izabel; 3)Associação Beneficente Cultural Os Gaviões da Vila; 4)Ass. Carnav. Unidos da Tarumã; 5)Ass. Carnav. Mocidade Independente da Vila Sorriso; 6)Associação Recreativa Beneficente Cultural Tradição da Vila; 7)Associação Carnavalescos Unidos da Mangueira ACUM; 8)Associação Cultural Bloco Carnavalesco Unidos do Paracurí / Escolas de Samba: 1)Ass. Carnav. Canal 19; 2)Associação Unidos da Baixada; 3)Ass. Carnav. Boêmios da Vila Famosa; Par ticipação especial - Escola de Samba Mocidade Olariense Mosqueiro Rua Nossa Srª do Ò Vila

16h

Desfile de Blocos Carnavalescos

16h

Conc. Rainha das Rainhas das Bonecas

Mosqueiro Praça da Matriz

19 fev. seg.

20h

Baile na Ilha

Mosqueiro Praça da Matriz

19 fev. seg.

21h

Concurso de Drag Queens

Mosqueiro Praça da Matriz

20 fev. ter

16h

Portal da Folia

20 fev. ter

16h

Desfile de Escolas de Samba

20 fev. ter

17h

20 fev. ter

19h

20 fev. ter

16h

Cotijuba - Rua Jarbas Passarinho Mosqueiro - Rua Nossa Senhora do Ò (Vila)

Concurso de Blocos Carnavalescos do 1º Grupo 1)Associação Recreativa Cultural e Carnavalesca Os Gaviões do Samba; 2)Ass. Cultural Recreativa Carnavalesca Mocidade Alegrense da Pedreira; 3)Grêmio Recreativo Beneficente Carnavalesco Estação Terceira; 4)Grêmio Recreativo Cultural Bloco Carnavalesco Pressão Jurunense; 5)Associação Bloco Carnavalesco Chupicopico; 6)Associação Cultural e Carnavalesco Mexe-Mexe; 7)Ass. Carnav. Império Jurunense; 8)Ass. Carnav. Caprichosos da Cidade Nova; 9)Agremiação Carnavalesca Unidos da Pedreira; 10) Ass. Carnav. Mocidade Unida do Umarizal Concurso de Blocos Carnavalescose Escolas de Samba Outeiro - Av. Beira Mar 1)Ass. Carnav. Encanto da Ilha ACEI; 2)Gr. Rec. Bem. Cult. GaviÕEs do Samba; 3)Grêmio Recr. e Carnav. Coringa do Samba; 4)Ass. Carnav. Arco-ÍRis do Outeiro; 5)Ass. Carn. e Cultural O Sindicato; 6)Grêmio Recreativo e Cultural Arrastão da Ilha / Escolas de Samba: 1)Ass. Recr. e Carn. Escola de Samba UniÃO da Ilha; 2)Grêmio Benef. Cult. Recr. e Carnavalesca Parafuseta de Caratateua; 3)Ass. Carnav. Raio X; 4)Grêmio Recr. Benef. Cult. EstaÇÃO 1ª Do Samba Desfiles de Blocos Carnavalescos

Mosqueiro Rua Nossa Srª do Ó Vila

20 fev. ter

18h

Baile na Ilha

Mosqueiro Praça da Matriz

21 fev. qua.

10h

Apuração do Concurso em Icoaraci

Icoaraci - Agência Distrital

21 fev. qua.

12h

Apuração do Concurso em Outeiro

Outeiro - Avenida Beira Mar

22 fev. qui. 24 fev. sab.

15h 20h

Apuração do Concurso de Escolas de Samba e Blocos Carnavalescas de Belém Baile das Campeãs

Aldeia Amazônica Davi Miguel

Aldeia Amazônia Davi Miguel

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

17


Carnaval garantido com R$ 70 mil para agremiações

O

carnaval 2007 terá 43 agremiações carnavalescas em Belém. Desta vez, a discussão sobre a programação e o repasse da subvenção garante o retorno das escolas que, no ano passado, boicotaram o evento oficial por causa da falta de incentivos e discordâncias com os temas. As novidades serão os bailes voltados para os públicos infantis e de terceira idade, além de exposições que resgatarão a história do carnaval. A programação oficial foi apresentada no Memorial dos Povos, onde aconteceu o lançamento do Carnaval 2007 pela Prefeitura de Belém. Teve também apresentações das baterias de algumas escolas de samba, do “Rei Momo” e da “Rainha Gay”, além da assinatura simbólica do convênio para repasse das subvenções de R$ 40 mil (primeiro grupo), R$ 18 mil (segundo grupo) e R$ 12 mil (terceiro grupo). Heitor Pinheiro, o presidente da

18

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Fundação Cultural de Belém (Fumbel), explicou que a liberação do dinheiro está sendo efetuado à medida que as agremiações apresentarem a documentação exigida pela prefeitura. Segundo Heitor, a condição de apresentarem os projetos sociais, exigência feita deste o último carnaval, está sendo cumprida, algumas vezes com a criação de cursos para confecções de peças utilizadas pelos brincantes, por exemplo. Para ele, a nova fórmula está se consolidando, inclusive, com a descentralização da programação.


O prefeito saúda a bandeira

O carnaval 2007 terá desfile dos grupos 1 e 2 na Aldeia Cabana, na Pedreira. O terceiro grupo e os blocos já estão se apresentarão nos bairros. Está havendo também bailes a fantasia nas orlas dos distritos de Mosqueiro, Outeiro, Icoaraci e Cotijuba. E, para resgate da história do Carnaval, exposições estão havendo, no Solar da Beira e mostras de filmes no Cine Olímpia desde janeiro e neste fevereiro. Para o prefeito Duciomar Costa, as mudanças além de necessárias buscam a nossa valorização cultural. Com o entendimento entre a prefeitura e as escolas, a expectativa é que Belém retome sua importância nos eventos carnavalescos. Estamos torcendo para que isso se torne realidade.

"Blocos, escolas, agremiações carnavalescas interessadas em participar da folia deste ano, devem apresentar, entre outros documentos, cer tidão negativa expedida pela Receita Federal, comprovante de prestação de contas junto ao TCM, RG e CPF do presidente da agremiação, As escolas devem apresentar ainda indicação dos projetos ou atividades de caráter social, artístico ou cultural a serem implementados com apoio da Prefeitura a partir de janeiro".

Em Mosqueiro a animação impera

AV. GENTIL BITENCOURT N° 694, ENTRE RUI BARBOSA E QUINTINO. EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

19


O Carnaval de Bragança B

Homenagem aos 60 anos da Banda Cantídio Gouvêa

ragança ficou durante muito tempo sem o seu carnaval, com tradicionais escolas de samba, bailes municipais, blocos de sujos, entre outros. A atual administração está querendo resgatar o carnaval bragantino, e por isso a Secretaria de Turismo e Secretaria de Cultura e Desportos preparou uma vasta programação voltada para o carnaval tradicional, de marchinhas e bailes. Este ano o tema do carnaval bragantino é "Furiosa na Folia - Homenagem aos 60 anos da Banda Cantidio Gouvêa". A banda Cantidio Gouvêa, mais conhecida como Banda Furiosa, tem historia e tradição no município. Nos anos passados era ela quem fazia acompanhamento em todas as festividades de Bragança, mas foi nos antigos carnavais que ela se destacou, por ser uma banda de fanfarra caiu no esquecimento do povo durante alguns anos. Mas este ano ela será a homenageada e fará parte da programação no Circuito Corredor do Riozinho, na Orla do Rio Caeté e a A alegoria é 10

Bragança - Pará Em Bragança o carnaval é muito animado

20

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


Desde cedo na folia

Este ano o carnaval em Bragança será ótimo

Recordação do carnaval em Bragança

abertura no Largo de São Benedito já no dia 03 com: Baile Municipal, Show: Furiosa e Cia Pai D'Égua, Lançamento da Musa dos Blocos e Rei Momo, a presença das candidatas bragantinas a Rainha das Rainhas 2007 e com a Escola de Samba “A Grande Família”. No Circuito Corredor do Riozinho e na Orla do Rio Caeté a programação será bastante eclética com vários Arrastões da Folia e diversas atrações: Carroça do Caju-açu, Boi Carnavalesco Veludinho, Blocos de Bragança, Bandas Furiosa e Cia Pai D'Égua, Passeio ciclístico - Bike Folia - Ruas da cidade, o Baile Infantil (Sede do Time Negra) - 17:00h, o Show: Banda Furiosa e Cia Pai D'Égua (Palco) - Depois da Missa, o Show: Carnaval do Pinduca (Palco) - Depois da Missa,

o Carnaval do Caeté - Folia nas Águas, eleição do Barco mais animado e decorado (Porto de Bacuriteua), o Baile Infantil (Lions Club), Eleição da Musa do Carnaval, Show: Programação do Rex Bar, o Baile Leão Negro na Folia (Sede do Time Negra). No dia 20/02, as atrações serão na Avenida Nazeazeno Ferreira, com o Desfile Oficial de Blocos, Desfile Oficial de Escolas de Samba, Show: Banda Todos Nós, Pé-de-Cana, Banda Furiosa e o Desfile Oficial Escola de Samba “A Grande Família”com Tema: “A pérola que brilha no Caeté: É Bragança resplandecendo no carnaval”. Será um desfile para mostrar aos bragantinos o show exibido em Belém. No Largo de São Benedito, haverá o Show Cia Pai D'Égua (Palco) às 21:00h

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

21


O Carna 2007

Mascarado Fobó

22

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

O carnaval obidense, denominado CARNAPAUXIS, é um dos maiores eventos culturais do Oeste do Pará, tendo como referência o Mascarado Fobó, é uma pessoa que busca um nova identidade para brincar e vencer todas as barreiras do preconceito, o folião não tem idade nem raça, todos indistintamente, crianças, jovens, adultos e os que fazem parte da terceira idade são contagiados pela alegria, e caracterizam-se de Mascarado Fobó para melhor brincar.


O

por Leocila Araújo

que seria do carnaval de Óbidos sem essa figura que tem como objetivo brincar, dançar e fazer graça? Os blocos não teriam a mesma animação sem o Fobó, que procura a todo custo esconder sua identidade, temendo ser manjado (reconhecido); provocando apostas entre os brincantes que tentam adivinhar quem se esconde por detrás de uma máscara, às vezes com semblante de paz e às vezes de horror e medo. O obidense afirma que, Mascarado que se preza, veste-se com Dominó (macacão de chita, bastante folgado e colorido), Capacete - confeccionado em papel de saco de cimento, arame e papel de seda em cores diversas; Máscara - confeccionada artesanalmente pelos senhores Dídimo Ferreira e Waldir Matos, Apito vibrante pendurado no pescoço e, nas mãos , a Bexiga e a caixa com Maizena, produto indispensável em sua indumentária, pois é com ela que sai sujando os foliões. Não podemos precisar na história quando e onde surgiu

a figura do Mascarado Fobó. O que se conta é que as pessoas contagiadas pela efervescência do carnaval, porém envolvidas pelo acanhamento, resolveram esconder-se sob veste e máscara, para que não fossem identificadas e, assim, brincar descontraidamente. Desde que se sabe, o Mascarado Fobó, aparece no carnaval obidense como personagem principal e, é através dessa figura divertida e irreverente que mantemos nossa tradição. Ora causando espanto às crianças que o temem por suas bexigadas, ora causando o riso incontido de todos, ora despertando a ira das donzelas que descuidadas no umbral das janelas, são surpreendidas pelo Fobó e suas polvilhadas de maizena. Soberbo e altivo o mascarado Fobó representa parte de nossa cultura e orgulha-se de ser o centro das atenções. Hoje, o carnaval não mais brilha sem ele, pois é considerado o símbolo maior do CARNAPAUXIS. Neste ano Óbidos te espera querido leitor, para a “Festa do Mascarado Fobó”. Existem 06 (seis) blocos oficiais que são: O Carnapauxis é pura animação

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

23


A animação é geral

01-BLOCO MIRIM UNIDOS DO UMARIZAL

fundado em 20 de fevereiro de 1998, pela Srª. Eliete Salgado Vieira, com o apoio é incentivo da comunidade e da Prefeitura, através da SECTUMA Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Meio Ambiente. - surgiu em 1988, quando um grupo de amigos encontravam-se reunidos naquele bate-papo sobre os blocos carnavalescos que embelezavam o Carnapauxis, a partir daí criaram o bloco carnavalesco “Serra da Escama” com o objetivo de elevar o ponto turístico natural do mesmo nome. - fundado em 31 de janeiro de 1988, por Jorge Alvarenga Rodrigues, Lucimar do Amaral Rodrigues, Nilton Selmo Soares e Rosiete Nunes Ferreira, surgiu com o intuito de animar o carnaval do bairro Cidade Nova e homenagear o Clube Vila Nova, clube do coração dos moradores deste bairro, um dos maiores da cidade. - iniciou-se dentre um grupo de amigos, encabeçado por Gracivaldo Feitosa Batista, Pedro Paulo Picanço de Amorim e Nilson Andrade da Rocha no Carnaval de 1994, numa forma de brincadeira em uma disputa de virgens. É o bloco que faz o arrastão do “Mascarado Fobó”, que

02-BLOCO SERRA DA ESCAMA

03-BLOCO ÁGUIA NEGRA

04-BLOCO UNIDOS DO MORRO

24

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

homem/mulher fantasiados de dominó, máscara, bexiga, referil e capacete, a pessoa busca uma nova identidade de brincar o CARNAPAUXIS. O nome Unidos do Morro, tem a origem do antigo nome do bairro, devido as ladeiras nele existente lembrarem a corcova de um camelo. - é o bloco mais badalado de nossa cidade, originou-se de uma brincadeira de rapazes reunidos no bar do mochila no bairro de Santa Terezinha numa terça-feira gorda de carnaval, dia 23 de fevereiro de 1993, onde as mulheres não podiam participar do bloco, para que as “virgens” (homens

05-BLOCO DAS VIRGENS


vestidos de mulheres), não tivessem concorrência. Os foliões de outros blocos se juntaram ao das “virgens”. - a idéia de organizar um bloco de carnaval de rua, surgiu da Srª. Silvia Doriam Ferreira, ganhando vários adeptos, dentre eles, os excomponentes do extinto bloco “Barreirão”, que antigamente existia na Praça de Sant'Ana, no centro da cidade que vieram juntamente com outro. Somar e trazer mais brilho para o melhor carnaval de rua do Oeste do Pará, o Carnapauxis. Foi fundado em 01 de fevereiro de 1997, por Ronaldo Simões, Ary Ferreira, Silvia Ferreira, Idilamar Aquino, Regina Figueira e Marlize Costa Lopes. O Xupa Osso é o bloco que faz o arrastão do povão é reconhecido como o bloco mais animado do povo obidense.

Macacão, Cuieira, Flamengo, Pau-Te-Acha, Dedão e Blocos das Virgens.

Blocos que desfilam pelas ruas de Óbidos

Dias Oficias do Carnapauxis 2007

Bloco Serra da Escama e Unidos do Umarizal, Bloco Águia Negra, Bloco Unidos do Morro, Bloco da Virgem, Bloco Mirim Unidos do Umarizal, Bloco Serra da Escama, Tubos e Conexões e Macacão, Bloco Águia Negra e Cabeça do Padre, Macacão, Bloco Xupa Osso e Macacão, Bloco Unidos do Morro, Tinga,

15/02 - Bloco Mirim,16/02 - Bloco Serra da Escama,17/02 - Bloco Águia Negra, 18/02 - Bloco Xupa Osso, 19/02 - Bloco Unidos do Morro, 20/02 Bloco das Virgens e Blocos dos Alhos.

06-BLOCO XUPA OSSO

Até o Lula

*Biblioteca Pública Municipal de Óbidos

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

25


Prêmio

TOPP BR ASIL

+ uma vez,

nossa Pará+,

a revista do ano

A

Topp Brasil Marketing e Comércio Ltda, à frente Lídia Morais, sua presidente, e com coordenação de Francisco Gomes, realizou pesquisas e levantamento de opinião publica em todos os bairros de Belém para aferir a vontade e opinião popular, sobre quais as Empresas e Profissionais Liberais, que mas se destacaram, na sua área de atuação e serviços prestados à comunidade e à população belenense em 2006, para o desenvolvimento do estado do Pará.

Wilson Portela da Gil Marcas E Patentes

Resultado: Com expressiva votação nossa Pará + foi considerada a revista do ano. Assim, por se destacar na sua área de atuação em 2006, novamente a nossa revista Pará+ foi escolhida como a Revista do ano de 2006, após as pesquisa de opinião pública efetuadas. Em concorrida e animada solenidade no Hilton Belém Hotel, foi procedida a entrega dos Diplomas e Troféus do Prêmio TOPP BRASIL, e + uma vez, foi ressaltada a atuação da Pará + no seu ramo de atividade. Nosso diretor Rodrigo Hühn foi muito aplaudido e parabenizado pelos presentes. Após a entrega do Prêmio TOPP BRASIL aos

Walter Guimarães e sua esposa Nazaré

26

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Ayame da Ek y Churrasquinho

profissionais liberais e às empresas houve uma bela festa de congraçamento com um saboroso jantar padrão Hilton, oferecido aos presentes. Outras empresas que se destacaram também foram agraciadas com o Topp Brasil e receberam seus prêmios, entre os quais Labodental Importadora, Freqüência Liberal, Just For Doctros, Depil Soft Centro De Depilação, Visuarte Comunicação Visual, Eky Churrasquinho, Winner's Course, Rádio Rauland Fm, Tv Rauland Canal 14, Jefferson Lima, , Cemed, Consórcio Remaza Nova Terra, Retifica De Motores Cidade Nova,Transcobras, Grama Pedras, Gráfica Alves, Colunista Walter Guimarães, Escola De Dança Clara Pinto, Escorpion, Dra. Elza Brito, O Fantástico Tupinambá, Ideal S. Francisco, Amazon Moveis, Panificadora Versailles, Art's Cores, Centro Educacional Olimpus, Gil Marcas E Patentes, Sônia's Cabeleireiros, Densimagem S/S Ltda, Restaurante Kamicase Suchi, Dr. Armando Costa Ferreira, Clinica Perfecta, Buffet De Caldos, Instituto De Angiologia Do Pará , Urocenter Clinica De Urologia, Eletrônica Universal, Clinica De Estética Avançada, Ritmocor Centro De Cardiologia, Interton, Auto Socorro Magela, Iob Instituto De Olho De Belém, Faci Faculdade Ideal, Programa Planeta Gospel, MM Do Brasil, Paramazonia Viagens E Turismo e Transporte Belém Lisboa.


Rodrigo Hühn, nosso diretor recebe o Prêmio TOPP BRASIL por nossa Pará + ter sido considerada a revista do ano

Dra. Elza Brito

Cleonice Aguiar recebeu o prêmio em nome da Escorpion Seguranla Eletrônica

Jacilene da Retifica de Motores Cidade Nova

Antonio Carlos Moraes da Faci Faculdade Ideal

Carlos da Casa dos Pisos

Fabricia Herzens ao centro, da Depil Formen, Rose Kelly e Orlandina Mamed

Jorge da Winner's Course

Dr. Armando Costa Ferreira da CRODE

O médico Silvio Rabelorecebeu em nome da Clínica Perfecta

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

27


Acyr Castro 28

A Palavra

Carnavália evereiro é o mês da alegria, carnaval a todo vapor, mês da graça e da beleza, de uma dada tristeza também. Mês em que veio ao mundo a melhor das mães, Neuza Cecília, a minha Neucília, de frutos doces e fraternos, a Cecy, a Tunica, a Suely, o João Luiz, a Nina Rosa e a Marilda, irmãos meus de alma e de corpo. E mês em que nos deixou um mundo inteiro de literatura: Mário Raul de Morais Andrade, o ano bom todo ano renovado de poesia, de romance, de conto, de crítico de arte, de musicólogo, de folclorista, criador do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Neuza Cecília nasceu, no 1912 em que nasceu o Cinema Olympia e em que o Titanic naufragou, filha de Manuel Luiz de Paiva que tantas vezes tocou no Olympia na época da cena Muda. Ela a Neucília adorada, que me levou a descobrir o cinema, tinha eu 8 anos de idade, e logo através de um dos ícones cinematográficos mais pertinentes, o Hitchcock de “Rebeca”, o inglês Alfred Hitchcock (1899 / 1980) que deu à cinemagia duas fases soberbas: a londrina, 1921 / 1939, e a hollywoodiana, aberta em 1940 exatamente com “Rebeca”, afinal encerrando a carreira maravilhosa em 1976, “Trama Macabra”. Na descoberta, afora o cineasta dono de grife, e o “hitch-touch”, inigualável, atores absolutamente singulares, de Joan Fontaine a Laurence Olivier, de Judith Anderson a George Sanders. Nunca fui muito de carnaval mas do prazer, das delícias, da melancolia da carnavália sou e bastante. Não sei se por causa do começo, o fato é que na minha carreira de cinéfilo e curtidor de estórias, custei a aderir à comédia (mesmo Carlitos, personagem cuja filosofia lenitiva pouco me agrada até hoje) preferindo de Charles Chaplin o dramático a partir de “Monsieur Verdoux”, “Tempos Modernos”, as luzes tanto as da cidade quanto as da ribalta, Chaplin (1889 / 1977) um símbolo da perenidade do cinefazer. Sou mais da turma de Orson Welles, 1915 / 1985, apaixonado pelos faroestes de John Ford (1895 / 1973), o irlandês que nasceu nos Estados Unidos, de William Wyler (1902 / 1981, de John Huston (1906 / 1987), de Robert Aldrich (1918 / 1983), e dos austríacos Otto Preminger e Billy Wilder que vieram do jornalismo para os filmes, centenários ambos no 2006 passado. Os artistas a quem amo passam a imagem de cultura diversificada, plural,

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Neuza Cecília, filha de Maneco Paiva, dança com Carlinhos de Jesus da Rede Globo de Televisão

coletiva, subversiva, humaníssima, desde o vovô Maneco Paiva cuja música ilustrou minha posse na Academia Paraense de Letras em 1981. A arte que procuro realizar guarda essas característica fragmentárias de hai-kai, é da minha natureza, acredito. Não me conformo com o previsível, quero o suspense da novidade, sei da ansiedade de que me formo enquanto homem. Longe de mim o ser tranqüilo. Não é que não dê, é que não dá. Quem se acerca de mim, observa o quão me torno ansioso à medida em que o dia transcorre. A forma estética caminha para o sagrado, que é o máximo e o mínimo. Fico por aqui: quem delimita seu preço, não vale nada. Belém aniversariou, e continua linda, e é o que importa. *Jornalista e Escritor


Realmente "Pai d'égua”

O

sistema de telecomunicações do governo do Estado vai passar por uma revolução tecnológica com a entrada da administração pública estadual na Rede Metrobel, uma rede metropolitana dedicada a educação, que utiliza fibra ótica própria e que, no Pará, interliga 13 instituições de ensino e pesquisa e 29 sites. O uso da rede pela estrutura do Estado possibilitará não apenas uma economia para os cofres públicos como a melhoria substancial de serviços à população, viabilizando a inclusão digital. A Rede Metrobel é um projeto da Universidade Federal do Pará (UFPA), financiado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, que surgiu em 2004 com o objetivo de facilitar o intercâmbio de informações entre instituições públicas de ensino superior na Região Metropolitana de Belém (RMB). Hoje, com 40 quilômetros de cabos lançados, a rede interliga também faculdades e organismos como o Museu Paraense Emílio Goeldi e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). "Um dos maiores problemas do Estado na área da tecnologia da informação são as telecomunicações. Pagamos muito caro para as concessionárias de telefonia por um serviço que quase sempre é ruim", analisa o presidente da Empresa de

Processamento de Dados do Pará (Prodepa), Renato Francês. O governo do Estado foi convidado ano passado para integrar a Rede Metrobel modelo que o governo federal já replicou em 17 capitais brasileiras das regiões Sul e Sudeste -, mas, curiosamente, o convite foi declinado. O governo já recebeu os equipamentos que ficarão nos quiosques mul timídia e telecentros que serão instalados em escolas, postos de saúde e órgãos da administração pública, onde o público terá acesso aos serviços oferecidos pelo Estado. A política de inclusão digital terá o nome de Programa de Interação e Desenvolvimento Guiado à Universalização do Acesso, cuja sigla é uma expressão bem regional: "Pai d'égua". Inicialmente, serão instalados 20 quiosques, em cidades-pólo. A entrada do governo na Metrobel também vai garantir qualidade superior aos serviços de telecomunicações de toda a máquina administrativa, levando benefícios para os funcionários e para a população. O acesso a internet ganhará em velocidade e a comunicação de órgãos estaduais localizados no interior será facilitada. Isso sem falar nos serviços à população, como emissão de documentos, educação à distância, telemedicina e sistemas de segurança eletrônica, que poderão ser feitos em tempo real.


A Hora de

Parar

Por um cravo, perde-se a ferradura, por uma ferradura, um cavalo, e, por um cavalo, o cavaleiro.” Frei Luis de Granada

por Tom Coelho

A

mbição é uma coisa boa. Ela nos desperta desejos, promove o comprometimento, estimula a perseverança. Torna-nos mais fortes e nos faz buscar a superação. Pela ambição conquistamos mais posses e mais poder. Sentimo-nos mais ricos, mais bonitos e até mais livres. O que a estraga é a ganância. Como tudo na vida que desgarra da ponderação do equilíbrio, a ambição desmedida evolui feito um pokémon para a ganância. Neste estágio, o desejo vira cupidez; o comprometimento, obsessão; a perseverança, teimosia. As posses denotam opulência e, o poder, prepotência. A liberdade se esvai e renasce como fênix, enjaulada. O problema é uma questão de medida. Na escalada para o progresso, não sabemos ou não aceitamos - a hora de parar. Tome como exemplo o mundo corporativo. Uma empresa lança um

30

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

produto ou serviço que é bem aceito pelo mercado. Realiza um lucro considerável e resolve reinvesti-lo. E, ao prosseguir sucessivamente neste processo, eleva ainda mais seu volume de vendas e faturamento. Mas também seus custos. A cada nova rodada mais matériaprima e mais mão-de-obra são necessárias. Os investimentos em marketing e infra-estrutura, entre outros, são igualmente crescentes. O que muitas vezes não se observa é que há um determinado momento em que o processo deve ser interrompido sob pena de se ingressar no que a teoria econômica chama de “deseconomia de escala”. A matemática tem uma imagem singular para ilustrar isso: o ponto de inflexão. Num gráfico cartesiano, é o momento em que a curva muda sua concavidade, ou seja, se a linha era crescente, passa a ser decrescente. Em suma, isto significa que mais faturamento não representará indefinidamente mais lucro. Ou seja, trabalha-se mais para ganhar-se menos! E tudo porque


a ambição, antes saudável e responsável pela prosperidade do negócio, visita o reino da ganância e não aceita simplesmente o momento de parar quando o ótimo foi atingido. Na vida pessoal não é diferente. Defendo a tese de que relacionamentos amorosos, por exemplo, têm prazo de validade. E me alinho aos votos sagrados de “até que a morte os separe” juramentados na celebração dos casamentos. O ponto é: de qual morte estamos falando? As pessoas imaginam tratar-se da morte física. Prefiro interpretar como a morte do sentimento. Todo início de relacionamento é mágico. é quando se pratica o jogo da conquista e da sedução. Nossas ações são orquestradas e as palavras escolhidas meticulosamente. Mostramos o que temos de melhor: nossa vida é virtuosa, nossos valores são nobres e nossos feitos são admiráveis. Vestimos as melhores roupas, usamos os mais agradáveis perfumes. A pele tem viço; o olho, brilho; o sorriso, autenticidade. Os ambientes por onde circulamos são aconchegantes. A bebida parece sempre gelada, mesmo que seja um conhaque, e a comida sempre saborosa, mesmo que não seja consumida. Tudo isso acontece porque estamos envoltos numa atmosfera de encantamento e sinergia, embevecidos pela eficiência do diálogo, que corre fácil posto que há muito por se falar, anos para se compartilhar. Queremos em um par de horas nos desnudar, não apenas das roupas, mas de nossa história pessoal, mostrando quem somos, de onde viemos e para onde queremos ir e o destino reserva lugar ao seu interlocutor, a figura amada, quase inanimada, que lhe sorri. O processo é o mesmo para homens e mulheres. Diferem as estratégias, as táticas, mas não os propósitos. Transcorrida esta etapa consuma-se a conquista. Bocas que se encontram, braços que se enlaçam, corpos que se aquecem. E então, vive-se o romance que nutre e

cega. O horizonte se retrai. A estabilidade leva a relação a mares calmos e a ausência de ondas revela o que a n t e s n ã o s e p o d i a e n x e r g a r. Descobrimos e revelamos que virtudes carregam consigo defeitos, que amabilidade é temperada com eventual intolerância e que gentilezas são bonificadas com fleuma. é neste momento que se estabelecem os limites entre paixão e amor. é quando a união amadurece. é quando percebemos que o beijo ardente e o sexo prazeroso são imprescindíveis, mas não únicos. O diálogo ganha novos temas, mas não se perde. E notamos, como bem pontuou Gabriel Garcia Márquez, que amamos quem está conosco não por quem a pessoa é, mas por quem nos tornamos na presença dela. Agora, trata-se de manutenção. De conquistar um pouco mais a cada dia. Ou tudo novamente. Mas a natureza nos reservou um mundo dual. Dia e noite, quente e frio, yin e yang. E, não raro, os relacionamentos não apenas se desgastam, mas se esgotam. Não há mais calor no beijo, os olhares se desviam, os diálogos são fúteis. Primeiro, a discórdia. Depois, o conflito. Por fim, o confronto. Transformamos nossas cabeças num cemitério de lembranças e passamos a cultivar toda ordem de sentimentos negativos. O pacote vem completo, com mágoas, ressentimentos, infidelidade, desamor e tristeza. Esperamos resolutamente que um extremo seja alcançado para tomar a decisão da separação que poderia ter florescido quando ainda havia respeito e admiração mútuos. Não sabemos terminar. Tom Coelho! com formação em Economia pela FEA/USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela MMS/SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela FIAFEA/USP, é empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp. tomcoelho@tomcoelho.com.br

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

31


O sonho brasileiro The Brazilian Dream por Ricardo Jordão Magalhães

Q

uerida(o) Amiga(o), São Francisco, 9 de Janeiro de 2007, Steve Jobs de calça jeans surrada e camiseta preta barata, assombra o mundo dos negócios ao anunciar a reinvenção do telefone: o iPhone. Uma semana, 45 capas de revistas e 104 milhões de páginas na internet depois, o iPhone é o mais falado, comentado, blogado, aguardado, badalado, idolatrado, e muito provavelmente, o mais pré-vendido produto do ano. O iPhone da Apple vai vender muito, mas MUIIITOOOOO, mas não porque ele tem algum novo fantástico recurso tecnológico, ou porque ele oferece uma nova, maravilhosa, ultra-moderna e revolucionária interface de comunicação entre o consumidor e a máquina, o iPhone vai ARREBENTAR porque é um símbolo máximo do American Dream. “Se você trabalhar duro, muito duro, levar uma vida frugal, economizar o máximo que puder, você certamente conseguirá atingir o sucesso, a fama e a riqueza." Você não precisa fazer politicagem, dar dinheiro para o bispo, puxar saco do chefe, fingir ser alguém que não é, enganar o cliente, roubar o fornecedor, matar o concorrente, sacanear o sistema, vender sem nota fiscal ou fazer buraco na rua para vencer na Vida. No American Dream você depende apenas do seu suor, sangue e lágrimas. Você depende apenas da sua dedicação, preparação e CRIATIVIDADE. Você depende apenas de Você. Steve Jobs fundou a Apple na garagem da casa dele. Ralou muito. Quando a coisa ficou grande mandaram ele embora. A coisa degringolou e o chamaram de volta. Jobs começou tudo de novo. Novo iMac, novo Mac OS, novo iPod, novo iPhone. Desde o seu retorno a Apple, Steve Jobs é conhecido mundialmente como o Presidente com o salário mais baixo da história do

32

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

mundo dos negócios. Desde 2000, o salário de Steve Jobs é oficialmente 1 dólar por ano. Steve Jobs entrou no Guinesss Book of Records por isso. Steve Jobs é um ex-hippie dos anos 70 que conquistou o mundo a partir do zero. Um pacifista que está mudando o mundo através dos negócios, um revolucionário que nasceu para apavorar o universo complacente das mega-corporações com seus produtos ousados. A postura, atitude e discurso de Steve Jobs ao anunciar o iPhone na semana passada faz qualquer um que seja apaixonado pelo American Dream a se apaixonar pela Apple e pelo iPhone. Ele chama as grandes corporações de celulares para a briga com desdém, "Ontem existiam apenas esses tais de Blackberrys, BlackJacks, Smartphones e suas interfaces arcaicas e ultrapassadas. Hoje existe o iPhone, simples e objetivo", "Ontem existiam esses aparelhos rudimentares. Eles dizem que você consegue acessar o seu web site preferido ao utilizá-los. Não sei como alguém consegue fazê-lo com essas interfaces arcaicas. Agora existe o iPhone onde você realmente consegue acessar a world wide web a partir do seu telefone." Steve Jobs ama tanto o que faz, acredita tanto no seu produto, que sua maneira de falar deve soar arrogante para algumas pessoas. Steve Jobs é tudo menos arrogante. Jobs tem autoestima e amor próprio. Os pilares do American Dream. O iPhone hipnotizou tanto a atenção das pessoas durante o seu lançamento, que o movimento mais RADICAL da história da Apple passou desapercebido para muita gente. O iPhone não é um produto ou uma aposta da Apple

Se você viver cada dia como se fosse o último, um dia ele realmente será o último. Se hoje fosse o último dia da sua Vida, você gostaria de fazer o que você faz hoje?


em um novo segmento de mercado. A Apple está mergulhando de corpo e alma em um novo mundo. No dia 9 de Janeiro Jobs anunciou que a Apple está mudando de nome. A empresa deixa de se chamar Apple Computer para ser apenas Apple Inc. O iPhone e a Apple TV são as armas que a Apple vai usar para entrar na briga e vencer as gigantes Sony, Samsung, LG, Nokia, Motorola e todos os outros mega fabricantes de celulares e eletrônicos. Apple voltou a ser pequena se comparada com essa turma. A Apple voltou a ser um Davi no mundo dos Golias. A Apple voltou a ter 1% de participação de mercado. Quem se importa com o tamanho ou posição quando se acredita no American Dream? Sempre que eu viajo para os EUA um sonho passa pela minha cabeça: colocar toda a brasileirada da classe A,B,C, D até XYZ que ainda não teve a oportunidade de viajar para os States dentro de 100 aviões fretados da Boeing e levá-los para uma turnê de uma semana pelas principais cidades americanas. Eu tenho certeza que todos voltarão para a brasilândia transformados. INFLAMADOS da crença no TRABALHO DURO como única e verdadeira fonte de criação de sonhos e riquezas para a sociedade em que vivem.

Eu estava nos EUA visitando a CES - maior feira de produtos eletrônicos e informática do mundo - quando Jobs anunciou o iPhone. No mesmo dia em que Jobs fazia o seu discurso, eu assistia a uma pequena futura Apple fazer história ao ter o seu produto escolhido como o melhor produto da CES frente aos gigantes como Nokia, Motorola, Samsung e HP. Visivelmente emocionado ao ser escolhido, o Presidente da pequena empresa subiu ao placo e agradeceu a platéia formada por milhares de pessoas com a seguinte frase, "Muito obrigado a todos pelo reconhecimento. Muito obrigado ao meu país. Quem venceu essa competição não foi a minha equipe. Quem venceu essa competição foi o American Dream. Parabéns a todos que ainda acreditam no American Dream e no poder de um único Indivíduo em realizar seus sonhos." A CES reuniu esse ano em Las Vegas 2.700 fabricantes de produtos de tecnologia espalhados em 2 milhões de metros quadrados de exposição. Pergunta: Quantas empresas brasileiras você pensa que eu encontrei expondo seus produtos em Las Vegas?

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

33


empresa emergente de Petrópolis no Rio de Janeiro não apenas reinventar o telefone, mas INVENTAR uma nova e fantástica maneira de vivermos melhor. NADA MENOS QUE ISSO INTERESSA. QUEBRA TUDO!!! Foi para isso que eu vim! E Você? *American Dreamer BIZREVOLUTION ricardom@bizrevolution.com.br EU SOU FÃ DO SER HUMANO!

Apenas uma, a Bravox. Cadê a Gradiente? Cadê a CCE? Por que não sustentar o sonho de criar algo REALMENTE inovador que o MUNDO INTEIRO queira comprar? Por que em 40 anos de existência essas empresas ainda não foram capazes de CRIAR algo DRAMATICAMENTE diferente que o mundo inteiro queira comprar? Eu me RECUSO a acreditar que não somos capazes de inventar o iPhone. Eu me RECUSO a aceitar a mediocridade do brasil. Eu prefiro acreditar que ainda não acordamos. Eu prefiro acreditar que vivemos uma situação TEMPORÁRIA de pensar pequeno, pensar medíocre, pensar no próprio umbigo e no curto prazo. Eu acredito que é uma questão de estar amarrado ao Brazilian Dream e sua mentalidade extrativista de tirar para si o máximo dos outros. Eu acredito na CCE e na Gradiente. Eu acredito que conseguir pagar a casa própria, conseguir ter um bom carro, conseguir guardar um certo dinheiro para pagar a faculdade dos filhos, conseguir ter dinheiro para o happy hour, conseguir descer para a praia de vez em quando fazem parte dos sonhos dos medíocres, e que um dia, eu verei a CCE, a Gradiente, ou uma pequena

34

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Steve Jobs


ORKUT

Dêem uma pausa e reflitam na verdade do que está escrito abaixo por Marco André Vizzortti ORKUT apareceu como uma forma de reaver amigos, saber notícias de quem estava distante e mandar recados, e hoje esta sendo utilizado com o propósito para que, creio, o seu maior trunfo, obtenção de informações sobre uma classe privilegiada da população brasileira. Por que será que só no Brasil teve a repercussão que teve? Outras culturas hesitam em participar sua vida e dados de intimidade, de forma tão irresponsável e leviana. Foi por acaso você já recebeu um telefonema que informava que seus filhos estavam sendo seqüestrados? Sua mãe idosa já foi seguida por uma quadrilha de malandros? Já te abordaram num barzinho dizendo que te conheciam faz tempo? Já foi pra festas armadas para reencontrar os amigos de 30 anos atrás e não viu ninguém? Pois é. Tá tudo lá. no ORKUT. Com cinco minutos de navegação eu sei que você tem dois filhos, tem um namorado, estuda no colégio tal, freqüenta cinemas. E o melhor de tudo, com uma foto na mão, identifico seu rosto em meio a multidões, na porta do seu trabalho, no meio da rua. Afinal, já sei onde você esta. É só ler os seus recadinhos. Faço um pedido: quem quiser se expor assim, faça-o de forma consciente e depois não lamente, nem se desespere, caso seja vítima de uma armação, mas poupe seus filhos, poupe sua vida Íntima. O bandido te ligou pra te extorquir dinheiro também porque você deixou. A foto dos meninos estava lá. Teu local de trabalho

tava lá. A foto no hotel 5 estrelas na praia tava lá. A foto da moto que esta na garagem estava lá. Realmente, somos um povo muito inocente e deslumbrado. Por enquanto, temos ouvido falar de ameaças a crianças e idosos. Até que um dia a ameaça será fato real. Tarde demais. Se você me entendeu, Ótimo! Reveja sua participação no ORKUT ou ao menos suprima as fotos e imagens de seus filhos menores e parentes que não merecem passar por situações de risco que você os coloca. Se acha que não tenho razão, deve se achar invulnerável. Informo que pessoas muito próximas a mim e queridas, já passaram por dramas gratuitos, sem perceber que foram vítimas da própria imprudência. A falta de malícia para a vida nos induz a correr riscos desnecessários. Não só de Orkut vive a maioria dos internautas. Temos uma infinidade de portas abertas e que por um descuido colocamos uma informação que pode nos prejudicar. Não conhecemos a pessoa ou as pessoas que estão do outro lado da rede. O papo pode ser muito bom, legal. Mas disponibilizar informações a nosso respeito pode se tornar p e r i g o s o o u desagradável. Portanto cuidado ao colocar certas informações na Internet. *o autor é Professor de Informática da USP EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

35


(Para nos recordarmos durante a Campanha da Fraternidade)

A Amazônia: gurus, adivinhos,

futurólogos e arúspices

N

um país de memória curta talvez muitos se tenham esquecido do alvitre da construção na Amazônia, de um grande lago artificial, represando águas fluviais, no centro da região, plano este elucubrado pelo futurologista Herman Kahn (1922-1983), fundador do Hudson Institute. A idéia era transformar a região da Amazônia em um imenso lago para que as nações pudessem usufruí-lo como patrimônio da humanidade. Já era fortíssima tendência à internacionalização da nossa região. Hermann Kahn, também resolveu arriscar e previa que, em 1990, a humanidade já seria capaz de controlar os elementos da Natureza, tais como, o calor e as chuvas. Sem comentários! De Nostradamus a Herman Kahn, o homem nunca resistiu à curiosidade de querer conquistar, no presente, um conhecimento que só o

Darcy Ribeiro Em 1966 o governo brasileiro seguindo os interesses nor te-americanos é envolvido na discussão de transformar a região da Amazônia em um imenso lago para que as nações pudessem usufruí-lo como patrimônio da humanidade. Segundo Darcy Ribeiro esse interesse em alagar a Amazônia se explicava: “Fala-se muito, à boca pequena, do mirabolante Projeto Amazônico do Instituto Hudson. O plano, aparentemente visionário, é criar um lago imensíssimo - seiscentos mil quilômetros quadrados, que inundara de Manaus a Santarém - para produzir quantidades astronômicas de energia elétrica. O projeto de Herman Kahn e Rober t Paneiro, apoiado por Rober to Campos Junto a Castelo Branco, só não foi aprovado pela rejeição que provocou nos meios civis e militares. Tratava-se, hoje se sabe, da alternativa de fuga dos nor te-americanos para o caso de um ataque nuclear”. O futurologista Herman Kahn, conhecido internacionalmente, havia feito prognósticos bastante sombrios para o Brasil. Prêmio Esso de Fotografia 1970 Fotógrafo: Darcy Trigo


futuro, de fato, outorgará. Com exceção de Nostradamus, cujo vaticínio parece ter sido o mais certeiro de todos os tempos (o vidente francês contabiliza em seu favor o sucesso de ter previsto a ocorrência de duas guerras mundiais e uma explosão atômica), de Leonardo da Vinci e Júlio Verne; todas as previsões realizadas pelos grandes futurólogos, principalmente do século XX foram para o beleléu. No mais, os futurólogos de plantão deveriam ter dado ouvidos à prédica de Santo Agostinho, para quem o tempo pertence senão a Deus. Ainda continua fortíssima a tendência à internacionalização da Amazônia! O editor Santo Agostinho: O tempo pertence senão a Deus. Tela de Sandro Botticelli

Lucas Mendes do Manhatan Conection, em 23/06/2003 “Sergio Alber to da Cunha era o correspondente do grupo Bloch em Nova York e um dia foi entrevistar o Dr. Herman Kahn, o homem que tinha o Q.I. mais alto do mundo e pensava no impensável, lá no Instituto. Na saída, Sergio viu um mapa do Brasil na parede com um borrão azul na Amazônia. O repór ter quis saber do que se tratava e o pensador explicou que era um projeto para inundar a região. Sergio fotografou e pegou mais alguns detalhes. Na semana seguinte, a revista Manchete deu um furo mundial e desper tou os brasileiros sobre o abandono e a vulnerabilidade da região. Logo depois surgiram os megaprojetos de colonização da Amazônia pelo governo militar. A resposta à gritaria indignada foi, primeiro, a criação da Sudam (que deveria conceder incentivos fiscais para projetos de desenvolvimento)”.

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

37


Camillo Vianna

AMAZÔNIA

O

e a Mama África

quilombo de Nova Zâmbia, no rio Sucurijuquara, somente agora identificado, situado na Ilha de Mosqueiro, área metropolitana de Belém, manteve-se isolado, até sua abordagem pela professora Maria da Paz Araújo Cardoso da Universidade Federal do Pará, faz parte dos 380 existentes no Pará, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Caso semelhante aconteceu com o quilombo de Vila Bela da Santíssima Trindade de Mato Grosso, no rio Guaporé, em Rondônia, onde seus componentes deixaram por longo tempo de apresentar suas manifestações culturais por pressão dos colonizadores lusitanos e dos missionários católicos. Atualmente, chegou a vez dos evangélicos, antigamente chamados de protestantes, imporem essa restrição. A operação Mama África desenvolvida pela Sociedade de Preservação ao Recursos Naturais e Culturais da Amazônia (SOPREN) consiste na distribuição de mudas de baobá (Adansonia digitata) fornecidas pelo ambientalista Edizio Cabral Guerra, originárias de matriz plantada em praça pública de Recife, pelos nossos ancestrais africanos, plenamente aclimatada à região, que ofertou, igualmente, 60 mudas a pessoas interessadas. No dia do plantio na comunidade negra de Intancoan, no município de Acará, próximo à Belém, em ramal da Alça Viária que liga a capital do Pará a vários municípios do interior, grupo cultural local apresentou danças trazidas da Mãe Negra,

Baia de Marajó

Frente à residência do autor (quartel general da operação Mama África), Camillo Vianna e Walter Chile, membros da SOPREN, com mudas de baobá prontas para distribuição

inteiramente recuperadas, valendo acreditar que o mesmo vem ocorrendo em outros quilombos. Sendo de escasso conhecimento, somente recentemente foi comunicada a existência do quilombo São Pedro, muito bem organizado, situado em Castanhal, na extrema com o município de Inhangapi, ambas na região bragantina paraense. Quando ministrava treinamentos sobre alimentação alternativa, em Baião, a Vice-Presidente da Sopren Maurila Irene de Freitas identificou fato interessante em uma das 3 comunidades quilombolas trabalhadas. Uma delas diferia do que acontece com a maioria, a mistura com cabocos e com os chamados brancos. A miscigenação aconteceu também com remanescentes de tribo de índios que escaparam ao genocídio praticado na Amazônia pelos nossos descobridores.

Plantio de muda de Baobá no Bosque da Federação Educacional Infanto Juvenil (FEIJ) em Belém-PA

38

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


O baobá (Adansonia digitata) adulto

Em reunião realizada em Belém, com representantes de 12 quilombos, principalmente da zona bragantina, mudas de baobá ou imbondeiro, como ainda é chamado pelo menos em Angola, onde é considerada árvore sagrada de grande importância mítica e cultural, foram doadas. O soprenista e artista plástico Wagner Ribeiro levou para o Amapá, exemplar para ser plantado em um dos mais importantes quilombos da Amazônia Oriental, o de São Jorge. Em Abaetetuba, no baixo Tocantins paraense, na região das ilhas, nesse mesmo rio, a existência de engenhos da cana-de-açúcar trabalhados por mão de obra trazida da África deu origem a vários quilombos. Recentemente, os Engenheiros Agrônomos Flávio Vianna, Reginaldo Passos, Francisco Macedo e Sérgio Maués, da Secretária Executiva de Estado de Agricultura (SAGRI) e a pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (EMBRAPA) Noemi Leão, distribuíram 20 mudas nos quilombos remanescentes. A teia hidrográfica dessa região é composta por grande número de furos, paranás, igarapés e baías e, segundo tradição que vem de muito longe, grande número deles são denominados de rios, e algumas vezes de igarapés. Nessa região concentram-se as atividades da Sopren há mais de 20 anos e por iniciativa do Presidente da entidade e dos Agrônomos acima citados o boabá foi indicado para marcar a presença dos africanos em suas comunidades, como homenagem à pátria longínqua. A notícia veiculada pelo autor na revista Pará+, edição 55, dá conta da não existência dessa árvore na Amazônia Clássica e necessita ser corrigida, pois bem perto de Belém, no município de Marituba, que foi sede da extinta Estrada de ferro Belém-Bragança, é possível identificar exemplar plantado há 25 anos, adquirido em São Paulo e faz parte das 506 espécies diversificadas de essências Notícia veiculada pelo autor na revista Pará+, edição 55

florestais e frutíferas, no Bosque do Carneiro. Em Taciateua, distrito do município de Santa Maria do Pará, o maior e mais antigo centro de produção de mudas da região, foram plantados 5 baobás e distribuídos 2 para lavradores. Em Belém foram plantados na Federação Educacional Infanto Juvenil (FEIJ) em bosque ali existente; no Campus da Universidade Federal do Pará e entregue um exemplar ao General de Divisão Jeannot Janasen da Silva Filho, Comandante da 8ª Região Militar e 8ª Divisão de Exército para ser plantado em área do quartel do Exército. No bosquejo histórico de autoria do cronista sobre a árvore sagrada dos africanos, consta a informação de que esta foi escolhida como símbolo da 4ª Amazoníada em Defesa da Amazônia realizado pelo Congresso Internacional Israelita da Sociosfera da Amazônia (CISA), em setembro de 2006. As classes média e alta foram influenciadas pela leitura de O Pequeno Príncipe, de autoria do piloto do Correio Aéreo Francês, Saint Exupery que atuou em nosso país, onde fala da importância do boabá, tecendo loas ao portentoso exemplar da flora africana e mundial. Vale ressaltar que o livro era leitura obrigatória entre as jovens candidatas a concursos de beleza, desfiles de rainhas e misses e, sempre que interrogadas sobre sua preferência literária, o citavam, sistematicamente. Entre nós, a árvore trazida pelos africanos chegou a concorrer, quanto ao seu conhecimento, com outro exemplar vindo igualmente, do Continente Negro, desta vez pelos colonizadores portugueses, ou seja, a mangueira, cujo nome de batismo Mangifera indica mostra claramente sua proveniência. Diferindo de sua companheira é encontrada em qualquer ermo do Brasil, sendo considerada por muitos, árvore tipicamente nacional. A Operação Mama África, da Sopren, busca introduzir um exemplar do de imbondeiro em cada quilombo existente no Pará. Que essa operação possa atingir o maior número de comunidades negras da região. Em homenagem a um dos formadores da nossa nacionalidade.

A operação Mama África, da Sopren, busca introduzir um exemplar de imbondeiro em cada quilombo existente no Pará

Mangifera, a nossa mangueira

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

39


TIMOR-LESTE

Um pequeno grande país

Iniciou-se, então, um longo período de sofrimento, perseguição, morte e genocídio do bravo povo maubere, que resistiu, heróica e estoicamente, à invasão e usurpação de seu território, recém-independentizado de Portugal. ilha do Timor tem minúsculas dimensões.. A repressão indonésia, calcula-se, resultou na morte de 200 a 300 mil Oblonga como uma baguete (pão francês), tem timorenses, afora grande número de outros que de lá apenas 473 km de comprimento e 106 km em fugiram para escapar da fúria genocida do governo de sua parte mais larga, cobrindo uma superfície Jacarta. Proibiram a fala e o ensino do português, total de somente 33.917 km². Faz parte do Arquipélago de impingindo ao povo seu idioma dialetal o bahasa indonésio Sonda, na Insulíndia, integrando o conglomerado insular (crioulo malaio-holandês); tentaram proibir, com notável do sudeste asiático, no oceano Índico, próxima e a norte reação dos autóctones, a religião católica e impor o da Austrália. islamismo (a Indonésia, veja-se, é o maior país A ilha, assim como a maior parte do complexo insular que muçulmano do mundo), transformando igrejas em hoje compõe a Indonésia, foi descoberta pelos mesquitas; mudaram nomes de ruas e instituições e portugueses, que lá chegaram em 1512 em busca de implantaram o regime do terror e da delação, pelo que sândalo, madeira nobre usada em movelaria fina e muitos timorenses foram sumariamente mortos, num perfumaria, que abundava em praticamente toda a verdadeiro morticínio étnico. Uma política de genocídio que superfície da insula, e tinha enorme valor comercial. Camões, Os Lusíadas, I-1 culminou com a destruição de centenas de aldeias pelos Em 1651 os holandeses apossaram-se da metade oeste bombardeamentos do exército indonésio, que utilizou da ilha, assestando em Kupang o centro das atividades administrativotoneladas de napalm contra a resistência timorense, defensivas para a Companhia das Índias Orientais, o que somente bem implicando a destruição (queima) de boa parte das florestas do mais tarde, mediante sucessivos tratados assinados às arrecuas, entre país, a fim de impedir o refúgio dos guerrilheiros na densa vegetação local. Portugal e Holanda, veio a sancionar a ocupação, com a divisão da ilha Durante anos o Timor-Leste permaneceu totalmente fechado ao mundo, a em duas metades: Timormodo esconder as vergonhas infamantes das atrocidades cometidas e Oeste ou Timor Holandês e Ilha do Timor promover a lenta dizimação de seu povo e o soçobro irresignado dos que (Oeste e Leste) Timor-Leste ou Timor sobrassem. Português, situação que em foto de Tão logo consumada a invasão indonésia, Portugal encetou renhida e satélite perdurou inalterada até implacável luta diplomática junto à ONU que nunca reconheceu a anexação 1975, aquando da pelo regime expansionista de Jacarta para garantir o direito de descolonização das antigas independência de sua ex-colônia, que infelizmente pouco ou quase nada Províncias Ultramarinas sensibilizou as potências dominantes, as quais se mantiveram lenientes e portuguesas, ocorrida após a silentes, incluindo os EUA, aliados da Indonésia. Nosso país, igualmente exRevolução dos Cravos, em colônia lusa, também lusoparlante e ostentando papel de destaque no Portugal, em 25 de abril de contexto das nações e enorme responsabilidade geoestratégica, conquanto 1974, que redemocratizou o tenha votado e assinado a resolução da ONU muito pouco se empenhou para país. Impõe-se frisar que, em a validação prática, real, dela, emanada de deliberação soberana desse foro 1945, sob o comando do general Sukarno, a Indonésia veio a obter a supranacional, que mais não fosse, pelo menos em defesa da elevação e independência da Holanda, constituindo-se em uma república, com difusão da lusofonia, de que é a maior expressão. sede em Jacarta, que abrangia todo o território da ex-colônia, incluindo o Um único país, a Austrália, reconheceu de pronto a anexação do Timor-Leste Timor-Oeste, mas não manifestou qualquer pretensão sobre o à Indonésia, e diga-se já por que: em troca da concessão, pelo governo de território português de Timor-Leste. Jacarta, da exploração pelas companhias prospectivo-extrativas Formalizada a descolonização, Portugal retirou a administração da ilha, australianas, do riquíssimo lençol petrolífero suboceânico do Mar de Timor, passando o poder à Frente Revolucionária de Timor-Leste - FRETILIN, vigente até hoje. que proclamou a república em 28 de novembro do mesmo ano (1975). A Em 1999 os governos de Portugal e Indonésia começaram, então, a negociar independência, porém, foi efêmera, eis que o governo da Indonésia, já a realização de um referendo sobre a independência do território, sob a sob as ordens do general Suharto, invadira a ilha, anexando-a como a supervisão de uma missão da ONU. A percepção, por parte da ala radical do 27ª província Indonésia, ação que foi imediata e veementemente exército indonésio, de que era iminente a conquista da independência pelo repudiada pela Assembléia Geral da ONU, em resolução aprovada aos 12 Timor-Leste, levou-a a recrutar e treinar milícias armadas locais que de dezembro de 1975.

A

por Sérgio Pandolfo*

Entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram

40

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


espalharam o terror entre os habitantes, o que não impediu que, em consulta plebiscitária, quase 80% da população votassem pela independência. Com o recrudescimento das ações violentas de terrorismos e assassinatos, a ONU decide criar força de paz internacional e intervir na região, forças essas que foram comandadas com excepcional habilidade e bom êxito pelo diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello (já falecido). Em vista do fato consumado, o parlamento indonésio, em sessão de 19 de outubro de 1999, viu-se forçado a homologar o referendo popular e anular a anexação de Timor-Leste. Durante as lutas de resistência à ocupação muitos nomes se destacaram, quer pela bravura, resignação, resiliência, quer pelo enfrentamento e liderança que assumiram no aceso dos combates, bastando por citar os do bispo Carlos Ximenes Belo e do jornalista José Ramos Horta, galardoados com o Prêmio Nobel da Paz, em 1996, e o do líder maior inconteste do movimento de resistência maubere, José Alexandre “Xanana” Gusmão. Preso em 1991 e condenado à prisão perpétua pelo regime opressor, Xanana cumpriu nas masmorras de Jacarta, com invulgar sobranceria e firmeza, à distância, o seu papel de comandante, até sua libertação, ocorrida logo após a entrada das forças de paz. Adite-se, aqui, que Xanana, além de líder carismático do povo do Timor-Leste é , homem de grandes estudos e cultura, poliglota, escritor e poeta reconhecido. Travou Moedas de centavos já duros combates com o fuzil e com a circulam e equivalem-se ao pena. par com as de dólar Ao entrar em Dili, a capital, os soldados da força de paz

encontraram um país totalmente incendiado e devastado, com a maior parte de sua infra-estrutura (bancos, escolas, repartições, delegacias, igrejas, mercados transportes, iluminação, abastecimento d'água, hospitais) e conjuntos arquitetônicos inteiros, alguns de belíssima e histórica feitura, herdados do período colonial, queimados, saqueados, Xanana Gusmão, 1º arruinados, a ponto de Xanana Gusmão, Presidente Constituatual presidente do país, ao entrar em Dili, cional de Timor-Leste após libertado da prisão, haver exclamado, entre estupefacto e resoluto: “Eu achei que íamos ter que começar do zero. Mas é muito pior do que eu pensava.”. Mas não há bem que sempre dure ou mal que nunca se acabe, diz o brocardo popular, e em abril de 2001 os timorenses elegem, em pleito livre e liso, o novo líder do país, consagrando Xanana Gusmão como o primeiro presidente timorense e, ainda em 2001, é eleita a Assembléia Constituinte. Em 20 de maio de 2002 Timor-Leste tem sua independência oficialmente reconhecida, colimando objetivos tão duramente alcançados e tão longamente anelados. Nascia, assim, o mais novo país “deste rotundo Globo”, a redizer Camões, tomando o nome em tétum de Timor Lorosae (Timor do Sol Nascente). O mais jovem país do mundo ocupa, como já visto, a metade oriental da ilha de Timor, além do encrave de Ocussi-Ambeno, na costa norte da banda ocidental (indonésia), a ilha de Ataúro, a norte, e mais algumas ilhotas ao largo da ponta leste da ilha. Suas fronteiras terrestres com a atual Indonésia foram fixadas em definitivo, em 1914, em tratado firmado

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

41


Timor-Leste situa-se 550 km a norte da Austrália, mantendo com ela fronteira marítima a meio do Mar de Timor

entre Portugal e Holanda. Mantém fronteira marítima com a Austrália no Mar de Timor. Constitui-se em território de grande importância estratégica, dada sua situação entre influentes nações, tais: Austrália, Indonésia e Filipinas, além de dar acesso à China. Mas, para muito mais além disso, eis “que outro valor mais alto se alevanta” (ainda a redizer o poeta-mor da língua portuguesa) nos dias correntes!: sua imensa riqueza em petróleo, elemento essencial no diaa-dia das sociedades. Costumamos dizer, e já o inscrevemos algures , que o “Mar de Timor sobrenada um mar de petróleo”, o que faz voltar para ele os olhos cobiçosos e sôfregos das grandes potências, que vêemno, assim, com indisfarçável má-vontade e até ímpetos de detenção de seu desenvolvimento e crescimento. Estado independente, democrático, soberano e progressista, seus interesses, por óbvias razões, colidem, frontalmente, com ambições e interesses imperialistas da grande potência regional, a Austrália (e de seus aliados, os EUA e Inglaterra) recorde-se : o único país a reconhecer a anexação - e da própria Indonésia. As tarefas e desafios são gigantescos mas não inalcançáveis. Negociar acordos bilaterais com a Austrália e internacionais com outras potências para a correta e auspiciosa exploração de petróleo e gás é uma delas. Neste ponto, defendemos a ampliação dos laços de fraternidade, amizade e idioma comum que historicamente mantém com o Brasil, visando à entrada da Petrobrás na disputa pela prospecção petrolífera, sabido de todos ser nossa estatal do ramo a que detém maior conhecimento e experiência em extração de óleo em águas profundas. Mas não nos parece haver grande movimentação nesse sentido, o que é uma lástima. O Timor-Leste é hoje um país pobre e destroçado pela crueldade de seus vizinhos-algozes, porém detentor de riqueza incalculável, representada Manifestação festiva de pelos recursos naturais que comemoração da independência detém, máxime de petróleo e gás, que, se bem explorados e conduzidos o farão um país rico e respeitado em muito pouco tempo, como já anteviu o Secretário Geral da ONU, Kofi Annan. Um outro aspecto que

queremos ressaltar é o da escolha soberana e igualmente por consulta popular, do idioma de Camões como língua oficial, juntamente com o tétum, língua nacional, refutando ofertas e facilidades oferecidas pela Austrália, caso viesse a optar pelo inglês como língua oficial, fazendo, simultaneamente, algumas veladas cominações ao novo país, em caso contrário. É o único país de língua oficial portuguesa no Novíssimo Casa sagrada construção Continente. tradicional, evocativa dos Para finalizar, alguns dados relativos a ancestrais e crenças familiares, inteiramente artesanal dos essa jovem nação, que já integra a Comunidade dos Países de Língua habitantes nativos timorenses. Portuguesa-CPLP, desde sua independência. Capital: Dili. Área total 18.615 km². Regime político: república parlamentarista. Situação geográfica: essencialmente sob esse aspecto o país enquadra-se no chamado sudeste asiático, porém, sob o prisma bioétnico mais se aproxima das ilhas vizinhas da Melanésia, razão porque hoje se o considera como parte integrante da Oceania e, por conseguinte, uma nação transcontinental. O país é muito montanhoso e tem clima tropical. Sua população é hoje estimada em derredor de um milhão de habitantes. Há um grande esforço governamental para avivar e incentivar a educação e a cultura no país, para o que participam ativamente Portugal, principalmente, com o envio de centenas de professores da língua portuguesa, assim como o Brasil, em menor proporção, estimando-se que em quatro anos todo o ensino oficial em Timor-Leste será feito em português. Amplia-se o número de escolas e a Universidade Nacional do Timor é uma realidade em crescente expansão. É cada vez maior o interesse pela Língua Portuguesa no país. A religião dominante é o catolicismo, que se expande e incrementa após a independência. Moeda corrente: é o dólar americano, mas já se cogita, em curto espaço de tempo, criar uma moeda nacional. Além do petróleo e do gás, são também elementos da economia timorense o café (de excelente qualidade), coco, trigo, arroz, soja, mandioca, manga, milho, pesca e outras culturas de subsistência. Exportações: café, sândalo, copra (amêndoas de coco secas de que se extrai o copraol, usado em medicina e cosmética) e mármore. Grande é a expectativa de excelente potencial turístico, que já começa de se insinuar e que poderá vir a ser, num futuro não tão distante, um dos sustentáculos econômicos do novel país. *Médico e Escritor. SOBRAMES E-mail: serpan@amazon.com.br

42

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


o ã iCm s u rei r t i

dos ) temperos e m u

( n o lim

Composição: calorias, água, carboidratos, lipidios, cinzas, vitaminas A, B1, B2 e vitamina C, além de potássio, cálcio, fósforo e ferro. Cura mais de 150 doenças. Medicinal: purifica o sangue, ajuda no metabolismo em todos os órgãos do corpo. Cura doenças respiratórias, do baço, tosse, bronquites, gases, infecções hepáticas, hidropsia, é tônico, sudorífero e anti-escorbútico. Uso: De preferência utilize o suco ou a casca seca. Fazer um copo de chá durante 4 dias por uma semana. Intercale dois dias e repita a dose, por várias vezes. Seu ácido é natural, chamado Ácido Ascórbico ou vitamina C; tem o poder de eliminar a acidez estomacal, as azias, o ácido úrico e tem um grande poder alcalinizante. Nosso sangue precisa ser alcalino, pois é justamente no sangue que se situam a maior parte das doenças. O limão é um poderoso depurativo (purificador do sangue).

44

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

Éo

ocampeão dos remédios


Sobre a crença popular de que o limão corta o sangue: o limão faz o contrário; afina e fortifica o sangue, limpando-o. Por isso é tão re c o m e n d a d o p a r a quem sofre de varizes e pressão alta. O limão é um poderoso bactericida, uma espécie de antibiótico natural. Pode acontecer que i n i c i a l m en t e o l i m ã o prenda um pouco o intestino; resolve-se isso tomando uma colher de mel puro de abelha num copo de água ao deitar ou em jejum e também comer verduras cruas. O limão esquenta o nosso organismo, pois tem cerca de 44 calorias em 100 gramas de suco, sendo por isso muito indicado juntamente com o alho e o mel para combater gripes, pois elas são desequilíbrios de temperatura. O limão também é um p o d e r o s o cicatrizante.

!

Provavelmente, o limão é a fruta mais conhecida e usada no mundo. São tantas suas aplicações na vida doméstica que fica difícil enumerá-las.

Indicações de uso Interno Asma; Enfisema (paralelamente com a terapia do limão, deve e r r a d i c a r- s e o s re g i m e s hiperprotéicos). Infecções pulmonares, Tuberculose pulmonar e óssea, Bronquite crônica, Constipações e Gripes. Afecções Cardiovasculares, Varizes e Flebites Fragilidade capilar; Dermatites várias, Prurido, Eczema e Despigmentação. Hiperviscosidade sanguínea

curiosidades: - Para o tratamento da acne, faça uma pasta de suco de limão e açúcar e aplique sobre o rosto. A mesma pasta também serve para eliminar o excesso de oleosidade da pele. - Antes de fazer as unhas, amacie as cutículas endurecidas com um pouco de suco de limão. -Elimin e a caspa e a oleosidade do couro cabeludo, massageando-o com suco de limão. - Aproveite o bagaço do limão para eliminar o cheiro de peixe dos talheres e panelas. É só esfregar. - Use o bagaço do limão para clarear e amaciar as mãos. Coloque um pouquinho de açúcar na mão e esfregue o limão. - Melhore seu hálito fazendo gargarejos com 1 copo de água morna e o suco de 1/2 limão. - Na índia, a mulher escolhia o futuro marido fazendo-lhe uma estranha declaração de amor: atirava-lhe um limão. - A itália é o maior produtor de limão do mundo. - O limão-galego foi o primeiro cítrico introduzido na europa. - O maior limão conhecido pesava 2,83 kg. - Foi Colombo quem trouxe o limão para a américa. - Se o móvel de madeira manchou com tinta de caneta, lave imediatamente com água fria e depois esfregue com suco de limão. - Para limpar os objetos de prata, esfregue com cinza de cigarro misturada com suco de limão. - Se num tecido lavável aparecer uma mancha de ferrugem, elimine-a da seguinte maneira: esfregue com limão e sal e coloque a peça no sol até secar. Depois, lave normalmente com água e sabão. - Nunca use limão na pele quando for expor-se ao sol. EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r


DICAS CULINÁRIAS: ®Para dar um gosto especial aos bolos, basta acrescentar raspa de casca de limão. ®O limão é o melhor tempero para ostras. ®Para acompanhar legumes cozidos,peixes e assados, experimente o seguinte creme: misture 5 colheres (sopa) de suco de limão, 1 lata de creme de leite, um pouco de sal e pimenta-do-reino. ®As bebidas alcoólicas, os refrescos e os chás ficam excelentes quando são temperados com umas gotas de limão. ®Para conservar a metade de um limão que ainda não foi usada, coloque num pires com água, com a par te cor tada para baixo, e leve à geladeira. ®Um pouco de suco de limão acrescido à água de cozimento dos frutos do mar deixa as carnes mais brancas e firmes. ®Se for usar apenas algumas gotas de suco de limão, não desperdice a fruta toda. Faça um buraquinho com um palito e esprema a quantidade desejada. Depois volte a guardar o limão na geladeira. ®Para conservar o limão por mais tempo, guarde em um vidro bem fechado. ®Para obter mais suco do limão, bata a fruta com um mar telinho antes de cor tar. ®Após ter espremido um limão para usar seu suco, embrulhe a casca em papel de alumínio e congele. Use em receitas que pedem casca de limão. ®Quando for usar a casca de limão ralada, tome cuidado para não ralar junto a par te branca, porque ela amarga a receita. ®Para que o doce de casca de limão fique bem verde, ferva em tacho de cobre.

46

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

(fluidificante sanguíneo). Doenças infecciosas (coadjuvante no tratamento de mononucleoses, l e u c o c i t o s e s , blenorragias, sífilis, etc.). Paludismo e Piorréia alvéolo dental. Febres (infusão de folhas de limoeiro e/ou cascas do fruto, podendo juntar-se o suco). Gastrites, Dispepsias e Aerofagias (também se podem mastigar finas lascas da casca do citrino). Úlceras de estômago e do duodeno, Esofagite de refluxo. Insuficiência hepática e pancreática; Icterícia e congestão hepática (utilização e quantidades adaptados a cada caso). Desinteria, Diarréias, Febre tifóide e Hemorróidas. Colites, Meteorismo e Parasitas intestinais (ralar a casca do limão e fervê-la em água, com ou sem açúcar). Fortalecedor da visão, Glaucoma e Hipertensão ocular. Hemorragias, Hemofilia e Escorbuto. Astenia, Anemias e Desmineralizações (aumenta a capacidade imunológica). Amamentação, Obesidade e Disfunções metabólicas (reequilibrante). Hipertensão arterial; hipotensão arterial (regulador da pressão). Afecções do sistema nervoso (fortalece e equilibra. As flores do limoeiro são também muito benéficas). Diabetes, Leucemia (preventivo), Cancro (preventivo), Enfarte (preventivo) e Tromboses; embolias (preventivo). Escleroses, Arteriosclerose, Doenças reumáticas e Artrites. Descalcificações, Linfatismo e Ascites. Retenções urinárias e Litíase urinária e biliar. Prevenção de epidemias, Antitóxico; Antivenenos.

Indicações de uso Ex terno Conjuntivites; Fortalecedor da visão (gota do suco utilizada como colírio) e Tonificante ocular (banhando os olhos, de manhã, ao levantar, com água acidulada por algumas gotas de limão). Cefaléias (neste caso, colocar compressas embebidas em sumo na fronte e nas têmporas).


Febre do feno, Sinusites e Anginas. Hemorragias nasais (epistaxis) e Otites. Estomatites, Glossites, Aftas e Sifílides bucais. Blefarites, Terçóis e Herpes. Dermatoses (erupções, furúnculos, etc), Feridas infectadas e Picadas de insetos. Verrugas, Seborréia facial, Tônico e adstringente facial. Unhas quebradiças e Pés sensíveis (friccionar com sumo ou polpa). Queda do cabelo (fazer lavagens e fricções do couro cabeludo com o sumo puro). Tonificante corporal (juntando suco de limões espremidos à água do banho) Cuidado: ao usar a essência (ou qualquer parte - o suco) de limão na pele, não se exponha ao sol ou poderá sofrer queimaduras sérias (mesmo pequenos respingos do suco podem manchar a pele). Variedades: limão siciliano, limão-de-cascafina, limão-galego, limão-cravo, limãotahiti, limão-rosa, limão-bravo, etc. Todos são bons para a cura de enfermidades. Composição: polpa pouco ácida. O suco contém ácido cítrico, ácido málico, citratos de potássio e de cálcio, cerca de 8% de glucídios, matérias pécticas,

mucilagem, sais minerais, oligoelementos e vitamina C. Fonte: Agenda da Pastoral da Saúde. Porto Alegre/RS.

Com casca e tudo A entrecasca - aquela “pele” branca que fica entre os gomos e a casca - contém boa concentração de pectina, uma fibra solúvel que auxilia o organismo a dirigir lipídios e proteínas, impedir o acúmulo excessivo de gordura, diminuir a sensação de fome e regular os níveis de açúcar. Excelente para o intestino, ajuda a melhorar seu funcionamento e contribui para a eliminação de toxinas. Estudos também confirmam que as cascas das frutas cítricas contém flavona, substâncias muito eficiente para reduzir o mau colesterol, prevenir câncer, doenças cardiovasculares e inflamações. Uma forma saborosa de consumir a casca e a entrecasca do limão é fazer um suco usando-o por inteiro: lave muito bem 1 limão grande (ou 2 pequenos), cor te-o em pedaços, retire as sementes e bata no liquidificados com 200ml de água gelada e 1 colher (sobremesa) rasa de açúcar mascavo. Coe antes de beber. Se preferir, em vez de açúcar, adicione leite condensado a gosto.

EDIÇÃO 61 [FEVEREIRO] p a r a m a i s . c o m . b r

47


BREU BRANCO 04 e 05

Trilha de motocross “Ou vai ou racha” Trilhas da cidade e Praça da Bíblia FONE: (94) 9136-1606 / 3786-1392 cultura@breubranco.net

BELÉM 09

Rainha das Rainhas do Carnaval Assembléia Paraense -Sede Campestre FONE/FAX: (91) 3213-1168 ribeirojr@tvliberal.com.br

CAMETÁ 16 a 20

Carnaval 4 Praças, Clubes e Praias da cidade FONE: (91) 9162-3630 / 9182-5448 / 8131-0341 secultd@yahoo.com.br

BAGRE 10 e 11

Ilha Folia Calçadão da Av. Barão do Rio Branco FONE: (91) 9155-9404 / 9155-9404 FAX: (91) 3606-1219 prefeituradebagre@yahoo.com.br

ÓBIDOS 16 a 20

Carnapauxis Praça do Sesquicentenário FONE: (93) 3547-1766 sectuma.cultura@bol.com.br

ALTAMIRA 17 a 20

BARCARENA 17 a 20

Altafolia 2007 Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes FONE/FAX: (93) 3593-0499 culturaxingu@yahoo.com.br altafolia@yahoo.com.br

Carnaval 2007 Corredor da folia FONE: (91) 3753-1717 / 3753-1751 FAX: (91) 3753-1717 seculd@vco.com.br

ABAETETUBA 16 a 20

Carnaval 2007 Avenida do Samba FONE/FAX: (91) 3751-2022 abaetur@ig.com.br

VIGIA DE NAZARÉ 16 a 20

Carnaval de Vigia Centro da cidade FONE/FAX: (91) 3731-1247 pmvn@ig.com.br

BRASIL NOVO 17 a 20

BN Folia Principais rua da cidade FONE/FAX: (93) 3514-1164 / 3514-1165 /3514- 1167 adm@brasilnovo.pa. municipio.org.br

CASTANHAL 04

11º Folia do Aleixo Camping Ibirapuera FONE: (91) 3721-7309 / 3711-7137 / 9977-3338 www.campingibirapuera.com.br

BELÉM 16 a 20

Carnaval de Belém Aldeia Amazônica FONE: (91) 4008-9423 fumbel@cinbesa.com.br

CANAÃ DOS CARAJÁS 17 a 20 Carnaval Ginásio Poli-esportivo FONE: (94) 3358-1655 FAX: (94) 3358-1771 turismo@canaadoscarajas.pa.gov.br

BRAGANÇA 17 a 20

Carnaval Bragantino Avenida Nazareno Ferreira FONE: (91) 8134-6805 FAX: (91) 3425- 2028 seturbraganca@hotmail.com


AS ILUSTRAÇÕES USADAS NESTAS PÁGINAS SÃO MERAMENTE ILUSTRATIVAS

COLARES 17 a 21

Carnaval de Colares Principais ruas da cidade FONE: (91) 3341-7290 / 8831-0604 secdetcolares@yahoo.com.br / princealmeida@bol.com.br

MARABÁ 17 a 20

Carnaval - Corredor da Folia Orla Sebastião Miranda FONE: (94) 3321-2243 / 3322-3594 FAX: (94) 3321 - 1829 deturmaraba@yahoo.com.br

PEIXE BOI 17 a 20

II Peixe Boi Folia Orla Beira Rio FONE: (91) 3821-1145 FAX: (91) 3821-1171 leilapst@yahoo.com.br

SANTARÉM 17 a 21

Cristoval Estádio Municipal Jader Barbalho FONE: (93) 3523-0663 / 3523-1946 FAX: (93) 3523-2434 semtur@netsan.com.br

CURUÇA 17 a 20

FLORESTA DO ARAGUAIA 17 a 20

Carnaval Curuçaense Principais ruas da cidade FONE: (91) 9913- 3989 / 9179- 9706 / 9905- 1434 tizaturcuruca@hotmail.com

Carnaval 6 Principais ruas da cidade FONE/ FAX: (94) 3432-1305 www.pmflorestadoaraguaia.com.br

MARAPANIM 17 a 20

OURÉM 17 a 20

Carnarimbó Avenida Rio Branco FONE/FAX: (91) 3723-1170 ranilsontrindade@click21.com.br

SALVATERRA 17 a 20

Carnaval Ourém 2007 Complexo Cultural e Turístico FONE/FAX: (91) 3467-1140

REDENÇÃO 17 a 20

Carnaval na Ilha Praça das Comunicações FONE: (91) 9166-9723 FAX: (91) 3765-1533 dariomarajo@yahoo.com.br

Carnaval 8 Espaço Cultural FONE:(94) 3424-1850 / 3491-0482

SANTARÉM 17 a 21

SANTARÉM NOVO 17 a 20

Carnalter Vila Balneária de Alter do Chão de Chão FONE: (93) 3527-1271 / 9131-2279 / 3523-2434 / 9656-4041 FAX: (93) 3523-2434 semtur@netsan.com.br secretario@netsan.com.br

Carnarém Quadra de Esportes Rogerão FONE: (91) 3484-1197/ 9905-5732 / 8844-4725 FAX: (91) 3484-1198

IGARAPÉMIRI 17 a 21

Carnaval 2007 Centro Cultural FONE/FAX: (91) 3755-1495 / 3755-1380 / 8142-7389 kureka@hotmail.com

PARAUAPEBAS 17 a 20 Carnaval 7 Praça de Eventos FONE: (94) 3346-1633 / 3346-3979 FAX: (94) 3346-1037 franciscoseden@yahoo.com.br goreteturismo@hotmail.com

SALINÓPOLIS 17 a 20

Salfolia - Carnaval Orla do Maçarico e Praia do Atalaia FONE: (91) 3423-5353 pmsturismo@hotmail.com

SÃO CAETANO DE ODIVELAS 17 a 20

Carna Odivelas Praça Central FONE: (91) 3767-1150 / 9158-4147


SÃO FRANCISCO DO PARÁ 17 a 20

SÃO MIGUEL DO GUAMÁ 17 a 20

TUCURUÍ 17 a 20

BREJO GRANDE DO ARAGUAIA 18 a 20

Carnaval Principais ruas da cidade FONE/FAX: (94) 3337-1201 brejograndedoaraguaia@hotmail.com 10ª Folia Carnavalesca Francisca Av. Barão do Rio Branco FONE: (91) 3774-1224 FAX: (91) 3774-1195 pmsfpa@linknet.com.br

IGARAPÉ-AÇÚ 18 a 20

Carnaçu Praça Nações Unidas FONE: (91) 3441-1203 (ramal 225)

BELTERRA 19 e 20

Belterra Folia Praça Brasil FONE/ FAX: (93) 3558-1177 / 3558-1178

BELÉM 22 a 24/04 Rally Les Iles Du Soleil e VII Rally Transamazone Navegando pelo Rio Guamá, Rio Pará, Rio Tapajós, Rio Amazonas, Baía do Marajó, Baía do Guajará FONE: (91) 3201- 2300 FAX: (91) 3201 - 2319 www.seelpara.com.br

III Carnaval do Povo Beira-Rio FONE: (91) 3446-1822 FAX: (91) 3446-1887 secretariadeculturasmg@ yahoo.com

ITAITUBA 18 a 20

Carnaval 2007 Escadaria da Rua Santo Antônio FONE: (94) 3787-2838 / 3787-2822 FAX: (94) 3787-2822 / 3787-3880 seturtuc@yahoo.com.br

OEIRAS DO PARÁ 18 a 20 Carnaval Oeirense Arena de Eventos FONE: (91) 3661-1486 FAX: (91) 3661-1258 paulinho_oeiras@yahoo.com.br

Carnaituba Av. Getúlio Vargas FONE/FAX: (93) 3518-3029 semtic_turismo@hotmail.com

SÃO DOMINGOS DO CAPIM 19 e 20

Carnaval 9 Ruas e Orla da Cidade FONE/FAX: (91) 3483-1431 pedrojunior.sodre@bol.com.br

BELÉM 22

Apuração do Concurso deEscolas de SambaBlocos carnavalescos de Belém Aldeia Amazônica Davi Miguel

INHANGAPÍ 20

VII Inhangapí Folia Principais ruas da cidade FONE: (91) 3809-1159 FAX: (91) 3809-1160

BELÉM 24

Baile das Campeãs Aldeia Amazônica Davi Miguel

SOURE 18 a 21

Concurso Carnavalesco de Escolas de Samba Sambódromo FONE: (91) 9626-6310 / 9119-6848 FAX: (91) 3741-2223 / 3741-1275 helomartins16@ hotmail.com

SÃO JOÃO DO ARAGUAIA 20

Carnaval de São João Praça São João Batista FONE/FAX: (94) 3379-1180

BREVES 25 a 28

Breves Folia 2007 Av. Rio Branco FONE/FAX: (91) 3783-1109 vanda_turismologa@hotmail.com


TM

erpa

Pará+ 61  
Pará+ 61  

Carnaval 2007

Advertisement