Issuu on Google+

ANO III - N° 13

© Revista kommandos -2013

OPERAÇÃO OVERLORD

1


OFICINA TÉCNICA E MANUTEÇÃO PREVENTIVA PARA AIRSOFT E PAINTBALL.

CAPACETE E GOOGLES DE PROTEÇÃO

ACESSÓRIOS PARA COMUNICAÇÃO

MOCHILAS E SISTEMAS DE HIDRATAÇÃO

COLETES E CHEST RIG

SISTEMAS AEG / GBB E PAINTBALL

UNIFORMES E SUITS TÁTICOS E DIVERSAS CAMUFLAGENS

IMAGENS MERAMENTE ILUSTRATIVAS

LUVAS TÁCTICAS

COTOVELEIRAS E JOELHEIRAS

DIVERSOS BOTAS TACTICAS E COTURNOS CONVENCIONAIS

2

© Revista kommandos -2013


Mensagem do Editor aros amigos e leitores da Revista Kommandos, já estamos no terceiro mês do ano de 2013 e como o tempo voa, mas nossa revista é assim, porque sempre estamos a ouvir analisar e observar os fatos que nos circundam. Sim temos algumas novidades em nosso visual e muito ainda está por vir, nesta edição conversamos com o Dep. Federal Alexandre Leite, sobre sua proposta de lei que promete dar um norte ao nosso esporte, tiramos algumas dúvidas e tivemos alguns esclarecimentos, e voltaremos a falar sobre este mesmo assunto em outras matérias. Abrimos com mais uma Modalidade que tem muito em crescer a DMR-1, fomos conhecer as meninas EOPES paintball RA, visitamos o interior paulista e apresentamos o WAFFEN-BR times muito bem formados e estruturados, pena que não deu tempo de preparar uma ultima matéria sobre o UNITAS 2013, mas preparamos um menção a nosso amigos Chilenos. Conversamos também com nossos amigos sobre o WAR-III um evento que promete ser um dos melhores eventos dirigidos ao Airsoft em Portugal. Participamos da missão resgate do rio seco, mini evento promovido pelo FARPA. E em nossas colunas o Lima conclui a segunda parte sobre os modos de jogos e dicas importantes de saúde passadas pelo Prof. Wili um veterano do Paintball e pelo nosso novo colunista o Prof. Luiz Américo que tem uma visão de fora, mas clinica de quem pratica o MILSIM no Brasil. Também não deixaríamos de fora nossos Amigos da Reencenação Histórica com a Vitória da FEB em FORNOVO na Itália. Embora todas estas boas noticias, tem uma ainda que me deixa um pouco preocupado. Recentemente o Exercito Brasileiro em conjunto com as Polícias do estado de São Paulo prenderam um sujeito na região de Taubaté, que se passara por militar, e revendia sistemas sem a documentação necessária a pessoas que queriam ingressar no Airsoft. Saliento que tal conduta não ajuda e só tem a prejudicar nossa sociedade, então fica aqui um apelo a quem quer ver um dia o Airsot e o Paintball, reconhecido como um esporte no Brasil, Não compre em local ou de vendedor suspeito, use a ponta laranja e faça a sua parte como cidadão de bem pratique o fair play e até a próxima edição da Kommandos.

C

© Revista kommandos -2013

Bolívar Filho Editor Revista Kommandos

Alex Viana

Coeditor Revista Kommandos

3


ÍNDICE Galeria de Fotos -

Pg 08

Modalidade DM-R1 -

Pg 16

Internacional - WAR III -

Pg 22

Especial Um Norte para o Airsoft e Paintball -

Pg 26

Mini Evento Resgate no Rio Seco -

Pg 30

Coluna do Lima -

Pg 36

Airsoft Team - Waffen BR -

Pg 58

Loadout - The Nam -

Pg 44

Customização -

Pg 46

Saúde e Fisica -

Pg 48

Review - M 1918 A2 BAR -

Pg 50

Paintball RA - 1° Torneio Cenário

Pg 52

Ra Paintball Team - EOPE Legionarios

Pg 54

Eventos - Operação Overlord -

Pg 62 © Revista kommandos -2013

4


nOSSA cAPA

Expediente KOMMANDOS

REVISTA ELETRÔNICA DE DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DISTRIBUIÇÃO TRIMESTRAL COORDENNAÇÃO E EDIÇÃO BOLIVAR F. FILHO ALEX VIANA EDITORAÇÃO ALEX VIANA SUB COORDENAÇÃO GRUPO AV DE PRODUÇÃO

Nome: Alexandre Leite Idade: 23 Time: Ninjinhas Posição: x Cidade: São Paulo Profissão: Deputado Federal Foto Capa: Montagem ao Fundo Deivis ( Alpha Dog ) S.J.C. Airsoft . Carlos André Silva Paintball

COLABORADORES REINCENAÇÃO HISTÓRICA Mauro S. Orui FICÇÃO Carlos David MATERIAS Alex Viana ToTa Cantalice II COLUNISTA AIRSOFT Leonardo S Grimaldi COLUNISTA SÁUDE E FÍSICA Prof. ESP. Douglas Wili Polanowski Prof. Luiz Américo Bravo CREF 03740/GSP

COLABORADOR Eduardo Primo - DM-R1 COLABORADOR RA Sergio Lasclota Sr. Aivi FélixSr. Aivi Félix CONTATO revistakommandos@gmail.com SITE www.revistakommandos.com BLOG revistakommandos.blogspot.com

O CONTEUDO DA REVISTA KOMMANDOS E PERMETIDO SUA COPIA DEDES QUE SEJA INFORMADO A FONTE.

Nossa responsábilidade, é levar a você leitor a melhor informação sobre o AIRSOFT e PAINTBALL. JOGUE SEMPRE COM

FAIR PLAY © Revista kommandos -2013

A revista Kommandos é uma publicação com distribuição via internet, As Matérias aqui expostas e divulgadas, bem como seus acessórios, uniformes, símbolos logos, insígnias e armas são meramente representativos a revista Kommandos bem como seus integrantes associados e colaboradores, não apoia e não faz e modo algum apologia ou incentiva, qual quer forma de regime politico, ideologia, pensamento, filosofia ou discriminação de qualquer natureza, nenhuma forma ou natureza de fanatismo ou ódio racial é tolerada sendo que quaisquer destas atitudes são repudiadas por nossos colaboradores e editores as armas aqui representadas não são armas reais e sim de brinquedos, replicas, e ou simulacros, são de uso para atividades lúdicas e representações cenográficas como as atividades relacionadas ao hobbie esportivo Airsoft e Paintball. As atividades relacionadas tem suporte baseando na PORTARIA N º 02-COLOG, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Nossa Missão Capacitar informar e fomentar de maneira aberta e livre a mensagem do Airsoft milsim e Paintball Real Action, a instruir e espalhar a informação correta; Com o objetivo de orientar a todos a boa pratica deste magnifico hobby.

5


6

Š Revista kommandos -2013


Š Revista kommandos -2013

7


“ E a minha voz nascerá de novo, talvez noutro tempo sem dores, e nas a

Jaspampa, Zombie, Zeus, Husar, Zorro, R Enfermero, Marshelo, Parron, Cano, D Hunter, Punisher, Atila, Lord Malos

8

© Revista kommandos -2013


alturas arderá de novo o meu coração ardente e estrelado” Pablo Neruda

Rapaz, Chumay, Agaa, Cap. Lagarto, Spider, Darigaz, Fenix, Nelko, Condor, Ramses, so, Vector, Mano Hot, Asaad, Maciver

© Revista kommandos -2013

9


GALERIA D

Pedro marques , Cesar S. Salayarán, Giorge Restelli, Alejandro Braganca, Martin Arrarte e Eduardo Jara em Unitas - Iquique / CH.

Acampamento infernal-- 16 e 17 de Fev. 2013 — com Ulisses Filho, Iohhanes Gonçalves Do Rêgo, Tiago Bertoldo, Stone Crowes e Brigoviros Toudārterios.

10

© Revista kommandos -2013


DE FOTOSS

Clube Airsoft Rio das Pedras e Piracicaba - JOGO NO MANICOMIO (em PIRACICABA) 10/02/13

Ricardo Reis-Reishi Kitamura, Leandro Saito e Fellipe Pimentel--Desert Storm Kawagoe / JP Š Revista kommandos -2013

11


GALERIA D

Raul Valle, Gabriel Carrasco, Sebastian Geilton Sena e Smilys W. Rocha.

Marcia de Carvalho - SP

12

Pedro Freitas Treino Basico GOAT

Š Revista kommandos -2013


DE FOTOSS

Granada - Iquique - Unitas / CH Antonio M. Xavier- Airsoft Farropilha Muy lindo juego!! — com Carlos Rivero, Claudio Valdeolmillos, Raul A. Lopez, Diego Grimalta, Ruben Bencho Garcia, Diego Corvalan, Maximo Decimo Meridio e Gerardo Maure.

Š Revista kommandos -2013

13


GALERIA D

Black OPS - com - Marcelo Gadagnoto, Antonio C. Dutra e Alexandre Coveiro.,

Hudson Silva.

14

William T. Livia.

Š Revista kommandos -2013


DE FOTOSS

COMANDO DELTA AIRSOFT TEAM com Russio , Alessio, Vicente, Wallace, Renato Perez, André Sniper,Gabriel Lopes, Obelix, Fabio e mais 2 T.A.S. com Ricardo Insano e Vaine Snakee na Operação Blackout / SP

© Revista kommandos -2013

Sergio - Pé Vermeio...Em visita a uma das paraias do dia D

15


Novas modalidades e novos horizontes para o Airsoft, não é de hoje que modalidades de tiro fazem parte de esportes olímpicos, com um desafio em mente e foco no futuro, um grupo de praticantes deu o pontapé inicial. O desafio dos metais pode se tornar uma modalidade de alto teor e competição entre equipes centradas no tiro ao alvo com custos mais baixos que os praticados com armas de fogo real a pratica com pistolas preparadas já conhecidas como raceguns, sendo GBB e ou AEP, podem dar um up que faltava na modalidade no Brasil, e arrebanhar muitos interessados e novatos além de trazer de volta aqueles que estão longe dos estandes e competições de tiro ao alvo e nos ensinar o que existe além do simples ato e apertar o gatilho 16

© Revista kommandos -2013


MODALIDADE

Por: Eduardo Primo

Š Revista kommandos -2013

17


MODALIDADE ecebi com satisfação a incumbência de preR parar esta pequena resenha sobre o DMR1 (Desafio dos Metais com Airsoft), não objetivo de forma alguma exaurir o assunto, tenho tão somente a intenção de clarificar esta novidade que o nosso querido Airsoft nos proporciona. Sem tentar me enredar em divagações, é importante observarmos o contexto onde nosso esporte está inserido no Brasil, sendo ainda pouco conhecido dentro de nossa sociedade, mas que tem angariado a passos largos uma base sólida de adeptos, geralmente movidos pela paixão pelas armas, militaria e a camaradagem proporcionada pela confiança nos seus colegas. O Airsoft é um esporte que nos capacita a simular treinamentos e operações policiais e militares, e que também nos habilita a praticar esportes antes restritos ao mundo das armas de fogo, como aqueles relacionados ao tiro prático. Ao transportarmos esportes de armas de fogo para o Airsoft, a primeira e inexorável vantagem que nos vem a cabeça é o montante financeiro a ser investido para mantermos um nível mínimo de treino, entretanto existem vantagens mais amplas para o esporte, como por exemplo: a desmistificação do Airsoft, a criação de uma nova base de adeptos do esporte que mantenham os valores cultivados pelos atuais adeptos e garantam a perenidade do esporte e a possibilidade da identificação de novos talentos que podem migrar para o mundo das armas de fogo.

As Origens O Desafio dos Metais é uma prova de tiro prático realizada com armas de fogo e alvos metálicos em posições fixas rearrumados em diferentes posições chamadas pistas. A prova foi originalmente concebida pela SCSA, Steel Challenge Shooting Association na Califórnia em 1981. A prova é realizada uma vez por ano na cidade de Piru e recebia um grande contingente de atletas de Tiro Prático de todos os cantos do mundo. Com o crescimento do Steel Challenge surgiu a demanda de que a prova fosse realizada em outros Estados o que levou a SCSA a ser comprada pela USPSA - United States Practical Shooting Association, e que hoje é responsável pela organização e prática da modalidade não só na prova de Piru na Califórnia quanto nas edições feitas por outros Estados americanos. Com o advento do airsoft, os países que tem mais restrições a propriedade de armas de fogo, em alguns casos de armas curtas (Reino Unido, Filipinas, China) e em 18

outros o total banimento de propriedade de armas de fogo ( Japão), aproveitaram a oportunidade e estabeleceram competições de Tiro Prático com airsoft, uma vez que este é permitido e bastante difundido nestes países. Em 2003 criou-se a IAPS - International Airsoft Practical Shooting, órgão que adaptou muitas das provas de tiro prático para o Airsoft incluindo a prova de Steel Challenge (SC).

Desafio dos Metais no Brasil

A idéia de executar provas de tiro prático com Airsoft é uma idéia recorrente no Fórum Airsoft Brasil (ASB), que é o local onde a comunidade ligada ao esporte troca informações, existindo uma área específica do fórum, que é bem frequentada e ativa. Nesse ambiente de constantes idéias, um grupo de pessoas resolveu traçar um plano simples de produção de um regulamento para a modalidade mais simples de Tiro Prático, nascendo assim aí o embrião do Desafio dos Metais (DM) com Airsoft no Brasil. O DM foi escolhido para início das provas de Tiro Prático com Airsoft por um grande motivo, sua simplicidade. Essa simplicidade se reflete na baixa quantidade de equipamentos necessários para entrar no esporte, o preço acessível destes equipamentos e a possibilidade de que um atirador poderá treinar em casa com seus próprios alvos, os quais podem ser produzidos de forma artesanal com pouco esforço. Na execução da prova, a simplicidade está na existência de um conjunto de regras simples, na forma de contagem, que é baseada exclusivamente no tempo do atirador somado as suas penalidades, sendo as penalidades óbvias para © Revista kommandos -2013


grande parte das pessoas habituadas ao manuseio seguro de armas de Airsoft. O grupo de colaboradores do forum ASB fez a tradução do regulamento original de SC do IAPS, e na sequência, adequou este regulamento, de modo ue ele fosse aderente a regulamentação do IPSC e da Confederação Brasileira de Tiro Prático (CBTP), em um trabalho conjunto que durou 6 meses e contou com a ajuda de muitos membros que contribuíram através do forum ASB, tínhamos aí a intenção de facilitar a promoção do esporte em bases sólidas e estruturadas dentro de uma regulamentação normativa, que pode ser assumida por qualquer das entidades citadas, quando isso for conveniente para o esporte. Ao novo regulamento produzido chamamos de Desafio dos Metais (DM) e após muitos testes, estamos agora nos preparando para as primeiras etapas de um torneio com abrangência Estadual e que acontecerá nos estados do RJ e SP, possivelmente neste mês de março. Esperamos que, com as lições aprendidas neste primeiros eventos e com o crescimento da base de atiradores, possamos organizar eventos em outros estados.

Os Equipamentos Com relação aos equipamentos necessários para participar de uma etapa de DM, existe a necessidade de aquisição obrigatória de alguns equipamentos, dependendo da divisão na qual o atirador pretende atuar, mas de modo geral resume-se a: FOTOS PAGINA 10 E 11 - RED WOLFE AIRSOFT-POPULAR AIRSOFT * PAI E FILHO EM TORNEIO NA MALASIA.-

DM-R1 São previstas as seguintes divisões no DM:

Gas Open: É a categoria onde são aceitas a inclusão de acessórios, extensores de cano, miras óticas e modificações diversas. As armas são obrigatoriamente propelidas a Gás e podem modificadas de acordo com as necessidades do atirador para a obtenção de máxima velocidade na execução das provas. Para participar desta categoria, as armas devem possuir blowback e é obrigatório o uso de coldre de saque rápido pelo atirador. Gas Production: Nesta categoria as armas são obrigatoriamente propelidas a gás, e não são aceitas modificações ou acessórios de qualquer natureza. Deve-se utilizar mira aberta e com relação ao coldre são aceitos coldres de saque-rápido, polímero com trava do gatilho ou cordura desde que possua trava de pino ou velcro. Elétrica Open: É a categoria onde são aceitas a inclusão de acessórios, extensores de cano, miras ótica e modificações diversas. As armas são obrigatoriamente elétricas, sem blowback e podem modificadas de acordo com as necessidades do atirador para a obtenção de máxima velocidade na execução das provas. Para participar desta categoria é obrigatório o uso de coldre de saque rápido pelo atirador. Elétrica Production: Nesta categoria as armas são obrigatoriamente elétricas, sem blowback e não são aceitas modificações ou acessórios de qualquer natureza. Deve-se utilizar mira aberta e com relação ao coldre são aceitos coldres de saque-rápido, polímero com trava do gatilho ou cordura desde que possua trava de pino ou velcro.

As Pistas O DM é composto por 6 pistas, com 5 alvos metálicos cada, os alvos metálicos possuem formatos circular e retangular posicionados na altura de 1 metro do solo e em distâncias variadas do posto de tiro. O posto de tiro é o local delimitado por um quadrado de 1 x 1 metro no solo, de onde o atirador deve fazer seus disparos.

© Revista kommandos -2013

As pistas possuem desenhos padronizados em arranjos diferentes de distâncias e tipos de alvos que testam diferentes capacidades dos atiradores para obter a máxima velocidade na execução dos disparos. O atirador pode disparar em qualquer seqüência nos alvos das pistas desde que atire por último no “Stop Plate“, que costuma ser um alvo pintado de amarelo. Ao atingir o “Stop Plate“ a contagem do tempo é concluída. 19


DM-R1 Seguem alguns exemplos esquemáticos das duas primeiras pistas do DM.

Para finalizar gostaria de dizer que esta é uma modalidade de tiro prático que pode ser facilmente adotada e praticada, em resumo por que: 1. Possui um grupo simples de regras; 2. Não exige muita infraestrutura para treino ou competições; 3. O material que viabiliza o esporte, como por exemplo, suportes e alvos é barato e pode ser facilmente produzido por processos artesanais e em sua própria residência; 4. As armas, coldres e munição tem custo baixo e exigem pouca manutenção. Caso desejam maiores informaçòes, visitem o site http://desafiodosmetaisairs.wix.com/dmas e façam contato através do e-mail desafiodosmetaisairsoft@ gmail.com . Brevemente serão colocadas as datas das etapas do RJ e SP neste site. Uma outra fonte de informações sobre o Airsoft é o Fórum Airsoft Brasil ( http://www.airsoftbrasil.com ) onde você vai poder encontrar muita gente boa para conversar sobre o nosso esporteA 20

© Revista kommandos -2013


Coturno tático de alta performance confeccionado em couro hidrofugado e Cordura, desenvolvido para atividades especiais, sem quaisquer metais que possam prejudicar o desempenho em operações táticas, palmilha especial anti-perfuração não metálica.

© Revista kommandos -2013

21


INTERNACIONAL

Foto ao Pagina ao Lado: Pachts das Facções/ Times de cima para baixo WAR-III Valor / Raven / S.V.E.R / Expendables 22

© Revista kommandos -2013


K- Como surgiu a ideia do WAR III? WIII: O World War III surgiu depois do lider da nossa equipa, KSA, ter tido um grave acidente de viação que o enviou para o hospital por longos 3 meses, e logo uma semana depois do acidente decidimos que deveriamos fazer algo pela pessoa que nos inseriu no airsoft, que nos manteve motivados, que nos manteve na linha, que nos treinou e ensinou para os jogos, que nos puxou as orelhas nas falhas e que sempre viveu e vive o airsoft, então decidi-mos criar um evento para o homenagear e decidimos que deveria ser o maior evento possivel, fizemos uns contactos e mão a obra. Em novembro surgiu o primeiro reconhecimento oficial por parte da comunidade ao terem reconhecido todo o projecto publico como um projecto de confiança e de boa organização, e a ALA (Associação Lusitana de Airsoft) enderecou-nos um convite para juntarmos a marca registada deles “OscarMike” ao nosso jogo, esta marca foi regista como padrão de qualidade de um jogo internacional em Portugal, esta marca teve o 1º evento em 2012 com outra comissão organizadora e em 2013 foi nos porposto seguirmos esse projecto. K- Sendo mais fácil a compra dos sistemas na Europa o evento se tornou internacional com a publicidade na internet, qual a previsão de participantes para o WARII e quais países confirmados? WIII: A ideia do jogo sempre foi um jogo internacional, nós inicialmente quizemos ter mais jogadores nacionais pelo motivo que já foi referenciado para o homenagear com colegas de campo, mas o que vai suceder e que vamos ter um jogo com mais internacionais que jogadores portugueses. Temos de momento uma previsão de fechar o jogo com 800 jogadores sendo que 70% serão internacionais, podemos confirmar a inscrição certa de paises como a Espanha, França, Itália, Belgica, Holanda, Grecia, Reino Unido e tentamos ter uma equipa do Brasil. K- Uma dica do que esta sendo preparado para o WAR III? WIII: De momento ainda nao podemos revelar muito mas temos feito contactos com a Força Aerea Portuguesa de modo a colocar alguns operacionais efectivos no evento, bem como alguns meios reais, mas para já ainda nada esta confirmado. Confirmamos sim a existencia de viagens helitransportadas, saltos de tendem para o terreno de jogo para missoes de infiltração e recon avançado, a existencia de veiculos militares operacionais, uma safezone totalmente equipa para que uma das partes importantes do jogo (convivio) possa ocurrer tranquilamente. Em termos de meios logisticos já ultrapassamos qualquer evento realizado e ainda iremos trabalhar no sentido de proporcionar ainda mais coisas, temos já garantido tambem a realização de 3 Tiros praticos (Sniper, AEG, e pistola a Gas) a realização de 1 workshop de defesa pessoal e krav maga e a realização de 1 workshop de sobrevivencia realizado por um ex militar das forças especiais espanholas.

Apesar de ser mais interessante colocar um jogo de 72h seguidas para os jogadores de milsim, decidimos efectuar uma pausa a meio dos confrontos dividindo o jogo em 2 jogos de 30 a 35 horas cada um, pois o terreno é bastante duro, estamos a falar em terreno com base em areia o que vai ser bastante exigente para as articulações. K- Conte-nos um pouco como é o Airsoft em Portugal e como são as regras e suas leis? WIII: O airsoft em Portugal tenta ser um bocado identico a outros paises, somos descriminados pela sociedade como noutros paises, so se fala de reproduções de airsoft nos assaltos que meia duzia de delinquentes executam, é uma modalidade que não é facil de explicar mas que depois de se conhecer todos aceitam, o trabalho deverá partir de todos de acções de sencibilização junto das comunidades, e dos meios de comunicação social e este e um dos objectivos do evento dar a conhecer a sociedade que o airsoft e mais do que meia duzia de amigos a juntarem se para andar aos tiros uns aos outros. Do ponto de vista de regras Portugal e um bocado mais rigido, temos por lei que pintar a frente da arma (5cm armas pequenas e 10cm armas grandes) e pintar a coronha das armas de amarelo ou laranja florescente, segundo o legislador o objectivo é diferenciar para as autoridades se é ou nao uma arma real, mas nem a PSP está de acordo com isso, por varios motivos, em 1º lugar ninguem se tiver uma arma mesmo que esteja toda pintada a si vai querer testar se é ou nao de airsoft, em 2º quem quer as reproduções para a criminalidade não as vai ter pintadas, 3º quem quiser ludibriar as autoridades com uma arma real pintando-a também o consegue fazer por isso achamos esta lei fora de contexto, mas sendo uma lei temos de a cumprir, lutando apenas que ela seja alterada e ai temos todas as APD’s (Associações promotoras de desporto) a lutar nesse sentido. Outro ponto muito importante nas nossas regras/leis e a potencia de disparo, esta limitado a 1.3 J ou 374 FPS para todas as reproduções, este valor e suficiente para as AEG, mas achamos que para as Snipers de Bolt accion deveria ser um bocado elevado e aumentar a distancia minima de disparo de 5 metros para 10 metros.

K- O WAR III será um jogo MILSIM no modo LARP(RolePlay) ou somete MILSIM? W III: O WorldWar III/OM será um jogo de milsim para uns e de RolePlay (LARP) iremos conjugar ambas as vertentes e ainda acrescentar umas missoes de Skirmish para os jogadores que preferem essa vertente de modo a tentar agradar a todos. Temos a missões programadas para as de skirmish terem durações maximas de 2 horas e as de milsim de 6 a 8 horas dependendo da missão. © Revista kommandos -2013

23


K- Fale-nos um pouco como está sendo a organização e os preparativos? WIII: A organização está a correr dentro dos previstos, e com os prazos a que nos previamos, queremos ter toda a logistica afinada para Abril, e deixar o mes de Maio para construções fisicas no terreno. Queremos apenas lamentar que por parte de algumas pessoas, mal formadas, que tem tentado boicotar este evento denegrindo a imagem de toda a organização, e inscluisive tentando junto dos sponsors que este deixem de acreditar, mas como todo o nosso trabalho junto quer dos jogadores quer dos sponsor e transparente e honesto estas tentativas tem saido furadas.

Foto a baixo: *Luis Silva e Krom Mac(

*Pres. da Associação Lusitana de Airsoft

Ao lado Material cenografico para ser utilisado no evento WAR-III Abaixo e centro a Esq. Ferret Mk 2 Scout Car - 1952 que sera utilisado no evento e a Direita Land Rover que tambem serão utilisadas

K- Como será feito o traslado dos participantes até a área de jogo? WIII: A safezone é posicionada ao lado do terreno de jogo, sendo os jogadores transportados pelos veiculos militares da APVM ou os Jipes da Land Rover os Defenders. Gostaria ainda de realçar que graças a parceria efectuada com as “Viagens Abreu” conseguimos arranjar preços low cost para todos os jogadores e a parceria com a “Imagine&Go” conseguimos arranjar autocarros directos para o evento e de regreço provenientes de Sul de França, Barcelona, Corunha, Sevilha, Madrid. K- A idéa do WARIII terá uma sequencia, e qual previsão desta sequencia? WIII: O WorldWar III / OscarMike 2013 será uma sequencia de acontecimentos que irão fazer o jogo evoluir (Roleplay) mas não iremos divulgar ainda nada. Em relação a sequencia de organização é já uma realidade o WorldWar III irá ser um jogo internacional que irá tambem ser organizado pelo mesmo Staff em 2014, e que o anuncio oficcial do mesmo será efectuado no mes de Junho logo depois da 1ªEdicção.

Foto: -João Fernandes e Nblueskies N Aeródromo Municipal Bissaya Barreto Salto tande para videi promocional do

24

© Revista kommandos -2013


INTERNACIONAL K- Apesar dos valores de uma viagem internacional ser alto aqui no Brasil, qual a expectativa de brasileiros no WARIII? WIII: De momento temos conhecimento que o evento chegou ao conhecimento de equipas brasileiras, gostariamos de poder contar com a presença de pelo menos 1 equipa brasileira iremos esperar para ver se conseguem realmente vir. K- Fale-nos mais um pouco sobre á área de jogo e as novidades ali aplicadas? WIII: A nossa area de jogo é um terreno de 700 hectares liniares, onde iremos ter varios adereços de jogo, iremos voltar a ter missoes helitransportadas, iremos agora efectuar incorções em terreno de jogo atraves de saltos de tandem e paraquedismo, isto será uma novidade, iremos ter ao dispor dos jogadores 6 equipamentos explosivos totalmente funcionais e pela 1ª vez um LAW funcional, vamos ter algumas novidades tambem desde Drones militares, e alguns Veiculos não tripulados, mas também nao podemos revelar para já tudo. K- Qual a diferença entre WARIII e os outros eventos similares na Europa? WIII: A primeira diferença esta nos valores, mesmo antes da proposta de fusao entre o WorldWar III e o Oscar Mike nos decidimos não subir valores, abdicando de margens de lucro, este evento todo o valor de receitas proveniente das inscrições esta a ser usado para adereços de jogo e meios logisticos. Outra das diferenças e a incorporaçao da safezone comunitária, isso nao acontece no Berget, o airsoft nao é so estar no mato 5 dias, é tambem o convivio colectivo entre todos, a partilha de experiencias. Apesar de ser o nosso 1º evento internacional iremos continuar este projecto por mais alguns anos, tendo já recebido convite para realizar uma edição do mesmo no Brasil, em Espanha e França, colocando esta marca cada vez mais internacional.

N Blue Skies no o. minutos antes do o WAR-III

© Revista kommandos -2013

K- Uma palavra para os leitores da Kommandos que estão ingressando no AIRSOFT? WIII: Experimentem sem receio, no fim podem opinar A

Foto: Colete CIRAS de Filipe Serafim

25


ESPECIAL

Dep. Alexandre Leite , autor da PL4546-2013; Acompanhado plenĂĄria no Senado em Brasilia. 26

Š Revista kommandos -2013


Por Alex Viana

A revista kommandos entrevistou o Dep. Fed. Alexandre Leite, que além de participar de um time de paintball é autor da pl-4546/2012, que promete dar um horizonte ao Airsoft e Paintball no Brasil, em nossa entrevista abordamos assuntos importantes e algumas questões relacionadas a pratica deste esportes que atualmente são considerados hobbies esportivos a proposta de lei ainda passara por alterações e debates de seu conteúdo e muito ainda temos por fazer para que um dia possamos ter uma regra que conduza o Airsoft e Paintball a um bom caminho em nosso país. K - O senhor jogava PAINTBALL ou AIRSOFT antes de ser DEPUTADO e qual o time ou local que o senhor jogou e por quanto tempo?

K - Dep. Alexandre Leite, quando o senhor elaborou sua proposta no inicio dela o senhor chegou a conversar com alguns praticantes de AIRSOFT ou PAINTBALL e quem foram eles e como eles serviram de consultores ao senhor?

Dep.Alexandre.. - Sim, comecei a jogar Paintball aos 14 Dep.Alexandre anos no campo chamado Play Paintball, e depois no Megaplay Morumbi, já passei por vários times até chegar onde estou hoje (Ninjinhas), quanto ao Airsoft, sempre gostei muito porém sempre joguei entre amigos sem nenhum time ou local específico.

Dep.Alexandre.. - Sim, tive diversas conversas com alguns jogaDep.Alexandre dores e comerciantes tanto de paintball como airsoft, assim como tive grande respaldo da FPESP-Federação de Paintball do Estado de São Paulo nas pessoas do Ex-presidente Alexandre Castilho e o atual Presidente Eduardo.

K- Porque elaborar um projeto de lei que abordasse AIRSOFT e PAINTBALL ? Dep.Alexandre.. - Ambos são esportes em ascensão no Brasil e Dep.Alexandre que se utilizam de marcadores ou simulacros de armas de fogo, ambos necessitam de legislação própria pela dificuldade de aquisição pelo motivo exposto a cima “simulacro de armas de fogo” logo, sofrem com o excesso de controle sobre estes equipamentos , assim como a unidade de pessoas em prol de um bem comum terem maiores chances de conseguirmos um bom resultado. K - A seu ver quais os benefícios que o atual texto da PL 4546/2012 oferece ao Paintball e ao AIRSOFT qual a possibilidade dela colaborar e transformar os dois em esportes reconhecidos pelo governo federal no BRASIL? Dep.Alexandre.. - Os benefícios serão percebidos ao longo do tempo, mais Dep.Alexandre pela questão do reconhecimento destas práticas, como esporte no país, e a desburocratização para a compra e importação dos equipamentos. © Revista kommandos -2013

(Para citar os nomes dos jogadores precisaria de prévia autorização dos mesmos para cita-los, se fizer questão posso consulta-los, o mesmo se daria com o comerciante, acabaria sendo um merchandising para os mesmos, e o intuito do PL é tutelar os jogadores e não o comércio.) K - Em sua PL o senhor deixa obrigatório o CR para importação pessoa física e a não necessidade para compra em lojas no Brasil, o senhor não acha que esta parte tende ser protecionista com as lojas e deixa o praticante a mercê de preços altos ou mesmo monopólio? Dep.Alexandre.. - Muito pelo contrário é uma proteção e Dep.Alexandre desburocratização para o jogador que quer somente comprar seu equipamento, e não se preocupar com a aquisição de CR e esperar meses pelo mesmo, assim como não há monopólio nem haverá, se o jogador tiver interesse em ter vários equipamentos ele pode fazer seu próprio CR e importa-los. 27


ESPECIAL

K - Muitos dos praticantes quando leem sua proposta ficam apreensivos em relação a este quesito que em muitos pontos tende a dificultar mais do facilitar. O que o senhor acha disso?

Dep.Alexandre. - Alguns pontos desta pergunta já foram respondidos nos questionamentos anteriores, vou me ater apenas a questão de Deputados a favor da extinção destes esportes: Eu acredito em um sentimento positivo quando ao apoio ao nosso projeto e nosso esporte, o que ocorre, alguns Deputados em regra os desarmamentistas se preocupam muito com o controle dos equipamentos ou a sua burocratização excessiva, mas nenhum sentimento especifico ou repudioso ao nosso esporte.

Dep.Alexandre. - A lei pode não ser perfeita, porém, sejamos realistas, acreditar que uma lei sem controle nenhum sobre os equipamentos, principalmente os simulacros, transitaria de forma pacífica pelo Congresso Nacional é pura ilusão, alguns males vem para o bem, logo, se eu não fizesse outro faria; Fiz uma lei com potencial de ser K - Em dois anos teremos copa do mundo e olimpíadas, aprovada e não rejeitada, eu diria aos jogadores que não e uma enxurrada de turistas no BRASIL muitos com se preocupem a lei vem para ajudar e não certeza praticam o PAINTBALL e o atrapalhar, se queremos o reconhecimento AIRSOFT em seus pais de origem como e crescimento destes esportes teremos de lei pode não ser estamos em uma curva ascendente e fazer alguns sacrifícios, aqui não se aplica a crescendo neste segmento; Como o perfeita, porém, senhor vê está etapa em seu propolitica do quanto pior melhor e nem a do “ah deixa como está” faremos tudo o que sejamos realis- jeto como DEPUTADO uma vez for possível para de fato “Existirmos” e que as eleições estão chegando? tas, acreditar sair do anonimato, tanto para a segurança jurídica dos que comerciam quanto para que uma lei sem con- Dep.Alexandre. - Eu citei a cima que os que praticam, e a partir daí pleitearmos a nossa principal meta é insenovas demandas, como por exemplo reque- trole nenhum sobre os rir o Paintball, modalidade Speedrer redução dos impostos para o fomento equipamentos, princi- Ball, nas Olimpíadas, e com grande destes esportes no país, ou até mesmo a chances de ganhar notoriedade apenas por inserção dos jogos mais dinâmicos como o palmente os simulacros, pleitear esta questão, quanto aos turistas “Speedball” nas Olimpíadas, tudo isso só transitaria de forma principalmente quanto a copa do mundo é possível se existirmos de fato, ou seja, ter de futebol, acredito que não terão granpacífica pelo Congresso de relevância no cenário nacional voltado esta lei em aprovada e em vigor. a este tema, e em relação as eleições não Nacional é pura ilusão. K - Sobre as entidades e federações o me preocupo até porque meu segmento senhor diz que seremos obrigados a nos de atuação política não é nem nunca fofiliar e muitos praticantes acham isso inram Paintball e Airsoft, faço trabalhos justo já que muitas não oferecem benefícios sociais em regiões carentes e é nisto que algum ao praticante e outros acham que confio minha reeleição, está causa eu abraisso fere seu direito de livre escolha, além de cei por amor e conhecimento de causa. acharem que podem virar uma nova corrida do ouro, já que federações têm custos e quem arcará com estes custos K - Dep. Alexandre Leite temos uma linha fina que serão os federados; Outra questão é como isto seria separa nosso mundo em relação às armas reais e se controlado, como seria auditado e por quem? tratando de controle hoje o exercito faz um excelente trabalho de fiscalização; Porem cada dia a mais vemos Dep.Alexandre. - Neste ponto os jogadores tem razão e já um numero cada vez maior de iniciantes que compram estou tomando as providências necessárias, não só neste lá fora devido aos preços exorbitantes cobrados aqui no como em outros pontos. Brasil e trazem ilegalmente para o Brasil. O que o senhor pretende fazer para ajudar o lojista e o praticante ? K - Sua PL em vista pode elitizar o esporte se seguir o texto atual, o que o senhor pretende fazer? Ouvir os pra- Dep.Alexandre. - Já o fiz, o próprio projeto em questão visa ticantes e fazer alterações seguindo esta linha ou manter o regularizar toda esta situação. texto atual? E em se tratando de Brasil existem outros deputados que querem acabar de vez com o PAINTBALL e K - Muitos praticantes de AIRSOFT e PAINTBALL o AIRSOFT no Brasil qual seria sua atitude em relação acham interessante que exista uma documentação oficial a está hipótese? que registre o jogador, mas a maioria deles concorda que o

A

28

© Revista kommandos -2013


CR não tem este fim, muitos alegam que se é para ter um CR, que seja um CR diferenciado e que traga benefícios diferenciados do CR que existe hoje. O que o Sr. pensa disso? Dep.Alexandre. - Exatamente neste intuito criei no projeto uma nova categoria de CR “Desportista de Jogos de Ação”, visa distinguir os que fazem outros usos e tornar mais célere a sua emissão e se possível de valores reduzidos. K - Sobre a questão das GBB’s ou o famoso gás BLOWBACK além de serem as preferidas de muitos, hoje é necessário ter o CR, para compra-las e usalas. Como o senhor pensa uma vez que em sua PL tende de liberá-las do CR, mas acho que neste quesito o EB tende a não ceder como será resolvida esta questão, já que ela contraria a R-105? Dep.Alexandre. - As portarias são regulamentações complementares normativas, as leis específicas tem preferência sobre qualquer outra lei genérica e principalmente mera de regulamentação (R-105), se aprovarmos a lei não resta opção ao exército brasileiro se não a de cumpri-la.

ESPECIAL K - A revista Kommandos esta querendo intermediar e promover um encontro com o senhor e um grupo de praticantes de todos os estados, pessoalmente para debater a PL e sugerir alterações o senhor gostaria falar com este grupo estaria disposto a ouvi-los pessoalmente em São Paulo em data e local determinado? Dep.Alexandre. - Claro, seria uma grande honra, vejamos uma data apropriada e se possível em algum campo onde eu possa levar meu equipamento e fazermos um jogo após os debates. K - A revista e seus leitores o agradecen sua diponibilidade e tão logo voltaremos a bordar este e outros assuntos em matérias futuraso

Da mesma forma que a pergunta anterior, os marcadores de PAINTBALL agora necessitam de CR para a aquisição e utilização, portando quase sua totalidade está irregular, o que o senhor pensa em fazer para resolver este problema? Uma anistia seria o caminho? O que a PL tem a oferecer para estes praticantes que estão ilegais? Um dos últimos artigos do PL-4546/2012, trata da anistia e regularização de todos os marcadores irregulares.

Dep. Federal Alexandre Leite Praticante de esportes de Aventura e Ação como oPaintball e Airsoft.

K - Deputado como fica a questão dos outros calibres um exemplo é o 8mm para Airsoft e .43 para paintball? Dep.Alexandre. - Todas as alterações e providências já foram tomadas a respeito deste tema, não só através do PL, mas em outra alteração que sugeri ao Ministério da Defesa no R-105, ambos os calibres serão legalizados. obs. O Ministério da Defesa já acatou a alteração, aguardamos somente a publicação no Diário Oficial da União. K - Uma questão delicada, em muitos países é a questão de segurança, muitos países possuem leis rígidas que demarcam os limites máximos e mínimos na pressão das armas e outras regras de segurança, como equipamentos obrigatórios e etc. Da mesma forma, nestes países como Inglaterra, Japão e outros, existem multas severas para quem descumpre as leis de segurança básica. A PL não aborda esses assuntos, porque? Será que não deveria abordar? Dep.Alexandre. - As punições administrativas são pautadas no PL e deixadas a cargo c do Exército, quanto as de caráter penal já existe previsão de caráter genérico no Código Penal Brasileiro, assim como, se inseríssemos matéria penal neste projeto, o tramite legislativo se complicaria tanto para a aprovação como para morosidade, matéria Penal tem rito diferenciado de tramitação por isto evitei abordar o tema, talvez em no futuro em um PL distinto, tratar deste tema em separado. © Revista kommandos -2013

29


mini evento

30

Š Revista kommandos -2013


FARPA - BRASIL

Š Revista kommandos -2013

31


Mini evento MISSÃO RESGATE DO RIO SECO (EVENTO FARPA) 03-02-2013 •••

As missões estão se convencionando cada vez mais no nordeste brasileiro, e partem do principio de um jogo com um único contexto que dura o dia todo com intervalo para almoço. Com o crescimento dos participantes de airsoft no eixo de Estados no leste nordestino, como Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, as equipes de maior engajamento uniram-se e formaram a Aliança Nordeste, que nada mais é do que uma comissão de Conselheiros (FARPA-PE, COVA-PB, TAT-PB, CAVEIRA-RN, CRATE-PE) unidos para organizar missões dessa natureza (que acontecem de 2 em 2 meses) e as regras de engajamento e penalidades da área. Nesse ínterim já foram organizados três jogos, um em Serraria-PB, um em João Pessoa-PB e um em Recife-PE denominado a Missão do Rio Seco, organizado pela equipe FARPA, e analisada a fundo nesse artigo•

O LOCAL: A área do evento foi numa fazenda utilizada para treinamentos de mata do FARPA, que possui um trecho de rio seco numa espécie de cordilheira em forma de Y, o local é úmido e escuro, caracterizado como área de preservação de remanescente de mata atlântica. Para a descida da planície da safe zone para a área de combate o terreno é tão íngreme que muitas vezes faz-se necessária a utilização de cordas para descida e subida, devidamente fornecida pela organização do evento. O CONCEITO: O conceito trabalhado para a missão foi o de praxe: Soldados Americanos no Afeganistão, no entanto, a estrutura da missão foi pensada de forma a conferir maior MilSim para o evento através de inúmeras variáveis envolvendo as três forças em combate (Exercito Americano, Exercito Afegão e Insurgentes) e os coadjuvantes civis . Alem disso a missão contou com sistemas de ferimento, médicos e armeiros, bem como outros operadores que possuíam especialidades e que somente eles podiam analisar dados ou fazer certas ações• 32

© Revista kommandos -2013


FARPA As forças do EXERCITO AMERICANO descerão de paraquedas em território neutro e terão de invadir o Afeganistão por terra para localizar e recuperar Gerard, um importante repórter de guerra que foi sequestrado pelos INSURGENTES afegãos, no entanto, para eles chegarem ao território dos INSURGENTES terão que transpassar as colinas do rio Seco, que são dominadas pelo EXERCITO AFEGÃO que o policiam de forma voraz devido a forte ocorrência de conflitos na área. Alem disso os INSURGENTES são facilmente confundíveis com habitantes do vilarejo de Kabul, que faz limite a oeste com a trilha do rio seco. AS VARIAVEIS: Como o FARPA incentiva a fundo o MilSim, cada equipe possuía uma serie de afazeres ocultos que as outras equipes não tinham conhecimento, podendo tentar uma aliança com a outra equipe caso fosse necessário, barganhar por alguma ação ou equipamento e etc. Essa situação geraria: prisioneiros de guerra, interrogatórios, troca de favores, e principalmente o complicado jogo psicológico da conversação sobre perigo de fogo. Alem disso, no jogo existiam alguns civis afegãos, que podiam ser confundidos por Insurgentes por serem da mesma área. Essa situação de conversação e o fato de ‘não’ se saber se um outro soldado a sua frente é inimigo ou não confere mais realidade a situação, e sempre faz com que o jogo se desenrole com dinâmicas totalmente diferentes, a missão poderia ser jogada repetidas vezes, e mesmo assim o jogo não seria igual. No entanto, uma coisa é certa, a maturidade dos operacionais, com certeza mudaria no decorrer do jogo. Um aspecto bastante interessante da dinâmica do jogo de conversação foi relacionada ao momento que o exercito americano adentrou em Kabul, na área dos Insurgentes, nesse momento foi proposta uma conversação, e ao se aproximar o primeiro insurgente, ele explodiu e levou com ele 3 soldados americanos, ferindo mais 4 que estavam nas proximidades. A explosão marcou tanto os Americanos que as negociações seguintes passaram a ser conduzidas com extremo cuidado e distancia a pena de fogo, aproximando-se cada vez mais de uma abordagem real, o medo da explosão era clara em cada soldado, depois de terem parte do pelotão atingido pela bomba.

© Revista kommandos -2013

33


Mini evento

O jogo em si correu muito bem em relação aos objetivos, todos os grupos conseguiram vitoria parcial e voltaram para suas casas satisfeitos após o combate, e o repórter que deveria ser resgatado, bom, o repórter foi morto em combate, vitima de trocasSAT-LINK de tiro e explosões. ON- E não é dessa forma na vida real?

PASTA DA MISSÃO: EXERCITO AMERICANO OBJETIVOS: O exercito americano está ali para recuperar seus dados perdidos e o seu repórter, dessa forma, seu primeiro contato com tudo será amistoso. Avançar atravessando o rio seco até Kabul, a fim de recuperar Gerard, e descobrir onde ele escondeu os documentos com os dados de inteligência; Levar Gerard para a sua base e mantê-lo em segurança; Retirar uma foto da cacimba Afegã, dessa forma os americanos poderão manter dados atualizados do Exercito Afegão, (essa foto depois de analisada pelo Of. Sat. -Oficial Responsável pelo Satélite- corrobora se o Exercito Afegão esta de posse de um item especifico); Capturar os sequestradores ainda vivos (se possível) para interrogatório em relação ao Exercito Afegão, e ao que eles sabem de Gerard; Recuperar os dados da inteligência e verificar seu conteúdo. BENEFICIOS: 1- Os americanos tem direito a quatro fotos de satélite, que mostrará a concentração de pessoas em determinada área. Para conseguir esses dados o Of.Sat. (Oficial Responsável pelo Satélite) deverá entregar um código de acesso a um civil qualquer, e o civil estimara onde existem pessoas e concentração de pessoas no mapa do Of.Sat. 2- Alem disso, os americanos possuem um respawn móvel, e poderão localiza-lo onde quiser dentro do território do rio seco (o respawn não pode ser em Kabul, nem nas proximidades da cacimba). 34

EXERCITO AFEGÃO OBJETIVOS: O exercito Afegão está ali p segurar seu urânio na base, com os civis da cidade de Kab desconfiarem que eles são de um ta Insurgente, vão tentar, se rar para obter informações. tolera a passagem em paz do porem o olha com desconfiança Policiar a área, e garantir por lá seja verificado; O Exercito afegão tolera a p cano e não faz questão do ci de que, qualquer movimento sus ou civis correndo (civis não estarão com traje afegão ou n tranho em mãos é motivo para direito a ‘revista’; Tudo de estranho que seja abor vado para o comando (base afeg o item ou pessoa. O exercito afegão deverá prot que está escondido na cacimba ger essa área para que ningué fiquem próximo ao urânio. BENEFICIOS: 1- Os Afegãos são normalment civis, que normalmente entreg mação em troca de água, leite abundancia em posse do exerci 2- Alem disso, o afegão pos metralhadora RPK com o magaz izada na trilha do rio seco, um Operador (somente um), pod automático em rajadas curtas os demais devem atirar em sem

© Revista kommandos -2013


pra policiar e aseles são amistosos bul, no entanto, se ma célula terrorise possível, captuO Exercito Afegão Exercito Americano a. que tudo que passe

passagem do Amerivil afegão, apesar speito de soldados usarão camufladonormal) ou item esuma abordagem com

rdado, deve ser legão), que analisará

teger o seu urânio, , ele deverá proteém, nem mesmo civis

e auxiliados pelos gam qualquer infore ou fumo (itens em ito). ssuirá o bunker da zine tambor local, onde nessa área, derá atirar em modo de 5 tiros (todos mi).

© Revista kommandos -2013

INSURGENTES OBJETIVOS: Seu objetivo é pegar os dados da inteligência, e vingar a morte de uma célula inteira insurgente que foi enganada e envenenada a 5 anos pelo medico do Exercito afegão. Os Afegãos e os Americanos não são inimigos até então. Se ficar 25min em posse do sequestrado, através de tortura conseguirá a informação e poderá liberta-lo se quiser; A informação do repórter será a localização de onde ele escondeu os dados de inteligência que o Exercito americano está a procura, que os terroristas deverão recuperar; Os terroristas deverão sequestrar o medico do Exercito Afegão, e leva-lo para sua base e o torturar durante 20min, para somente depois matalo. Pois somente assim, se vingarão da destruição da célula insurgente. Uma vez que os Insurgentes cubram seu propósito, eles continuaram sua procura por chacina, inicialmente dos Americanos, e só depois dos demais que se oporem a seus princípios. BENEFICIOS: 1- O insurgente pode se passar por civil facilmente, pois suas vestimentas e costumes são idênticos aos dos civis. 2- Possuirão também, um respawn diferenciado, que permitirá demonstrar que soldados insurgentes aparecem de todos os lados em guerra civil. 3- Alem disso, os insurgentes possuirão o homem bomba, que carregará a bomba em seu corpo, e quando soltar o gatilho de ação, ou for alvejado segurando o gatilho, gritara mostrando a bomba, e explodira matando todos num raio de 5 metros e ferindo nas pernas aqueles que estão até 10 metros de raio. (o barulho da bomba ecoara por todo o território e todos devem ter ciência). 35


Modos de Jogo parte 2 A segunda e última parte do tema Modos de Jogo é para mim o tema mais importante para o Airsoft, pois o jogador só pode jogar algo que foi criado, planejado ou simplesmente montado, pois alguém em algum momento deve ter “Plotado” este jogo.

A

simplicidade de uma plotagem, ou seja, a simplicidade de um jogo como por exemplo o mais básico de todos que é o bom e velho mata-mata, ainda depende de uma plotagem básica apresentada pela organização da partida, do jogo, do evento. Neste modo simples, por mais que sejam poucas, devem estar claras para todos como funcionam as regras, que são a base de uma plotagem. Plot é um termo utilizado na indústria do entretenimento para designar o enredo e a estrutura mecânica de uma obra como um filme, um jogo, uma novela, peça de teatro e assim por diante.. Logo de cara é preciso diferenciar o Plot do que conhecemos como Roteiro. Roteiro sem Plotagem não dá jogo e Plotagem sem roteiro torna o jogo uma partida em Modo Core, já que a principal característica de um Modo HARD ou HARDCORE é justamente a história do jogo apresentada em forma de roteiro que ‘justifica’ as ações apresentadas na plotagem. Em um modo Core mata-mata, por exemplo, por parecer tudo tão óbvio, os jogadores muitas vezes nem se preocupam em saber com detalhes coisas como, onde é exatamente o respawn do time, se tem respawn e quanto tempo leva este respawn. Se é bate-volta ou é como nos jogos que joguei recentemente em minha cidade com uma turma veterana do paintball e que tem a estrutura de respawn diferenciada em sua mecânica; só podem renascer três jogadores juntos, ou seja, quem chega ao local e está vazio precisa esperar mais dois jogadores para que os três possam voltar juntos. O fato de o primeiro esperar um montão e o último só chegar e sair com todos faz parte dos elementos de vantagem e desvantagem de cada parte da estrutura de regras utilizadas naquele jogo/evento. 36

Falemos então sobre elas, as polêmicas e imprescindíveis regras que se dividem em dois tipos, as regras de Segurança, que são gerais (ao menos deveriam ser) para todos os modos, locais de jogo, região geográfica, times, eventos e etc. Regras de segurança são imutáveis e não podem abrir exceções, pois lidam com a saúde e integridade dos jogadores. Elas devem ser claras e objetivas. Já as regras de jogabilidade são regras específicas para cada caso, pra cada plotagem por se conectarem diretamente ao roteiro, ao estilo de jogo, ao campo e suas limitações e recursos. É à partir delas que se plota e depois produz um bom jogo. A criação da regra de jogabilidade pode nascer à partir da plotagem, da criação de um jogo inédito ou pode ser criada sem vínculo com uma plotagem específica. Por exemplo, o uso de médico. Não é todo jogo que tem médico. A forma como se usa o médico varia, às vezes pouco, às vezes muito em relação a como ele atua, quais suas limitações e como o jogador ‘ferido’ deve atuar em conjunto pra que a regra funcione e o jogo tenha seu sabor característico, sua dificuldade e seu grau de desafio e diversão proporcional.

© Revista kommandos -2013


Vale ainda a máxima de que o simples pode ser ótimo e o complexo pode ser chato. Mas o contrário disto é que tende a ser mais comum de acontecer. O simples, logo se torna chato porque é como a mente funciona. O combate simulado, tanto em airsoft quanto paintball são jogos que entram na categoria de ‘esportes radicais’. Com isso, nós jogadores, assim como um saltador paraquedista, ou um praticante de Bunge-jump, queremos mais adrenalina correndo nas veias. Enjoar do local, da altura do salto, ou do estilo de jogo Core é consequência da bioquímica do cérebro que não recebe mais a mesma carga de Dopamina que é exatamente o que precisam estes esportistas. Quando dizemos que queremos adrenalina, na verdade queremos mesmo a Dopamina que é o hormônio do prazer e satisfação, recompensa pela ação que fez uso da adrenalina, hormônio de fuga ou luta, que te põe em modo de total prontidão, modo de ação iminente. A adrenalina fortifica os músculos, aguça a visão e audição, mascara qualquer sensação de dor, por mais forte que seja e se mantem em fluxo até que o cérebro receba uma mensagem de que o perigo acabou. É quando recebemos a recompensa por sobreviver e ganhamos o presente Dopamina. Nosso vício é sobre a Dopamina que vai diminuindo na medida em que o esporte deixa de ser algo intenso e perigoso e na medida em que o esportista se especializa e se torna capaz de fazer coisas que pra muitos é considerado super radical. Em resumo, o cérebro acostuma com aquela quantidade de dopamina e quer mais e pra isso é preciso maiores desafios que proporcionem mais adrenalina, maior nível de tensão para resultar no relaxamento antagônico que nos oferece a satisfação e o prazer. Por isso que importante uma plotagem cuidadosa e uma grande variedade de modos de Jogo nas categorias Core, HARD e HARDCORE, com suas subdivisões como Core+, HARD Plus, Super HARDCORE que seriam modos extremos que ainda nem existem. E uma plotagem cuidadosa depende de uma ótima e variada carta de regras gerais de segurança e jogabilidade, além de uma boa produção que coloca toda a ideia do Plot em prática, compra elementos de cena, monta tudo em campo, faz divulgação intensa e tudo mais.

© Revista kommandos -2013

COLUNA DO LIMA A Produção trabalha em conjunto com a Organização que se encarrega de lidar com listas de jogadores, pagantes, distribuição e cobrança de regras, briefing e debriefing, local de jogo e assim por diante. Um jogo, por mais simples que seja, por mais rápido que aconteça, depende sempre de um grupo ou na maioria de alguém que se encarrega de produzir, organizar, plotar, roteirizar e ainda por cima depois de tudo isso, ao som do início da partida, alguém que ainda parte para o combate com toda a garra. Torne - se então um Produtor, um Organizador, um Plotador, um Roteirista que tanto precisamos para nossa diversão ou então se você não for nada disso e for ‘apenas’ um jogador, valorize o trabalho destes que fizeram acontecer o que lhe proporciona sua dose de adrenalina e dopamina que é o que todos, sempre buscamos. Urra!

Dedico este artigo ao meu primeiro instrutor tático do combate simulado que proporcionou a mim e a muitos enxergar o este nosso esporte com outra perspectiva, pois acredito que nada seja tão realista quanto atirar taticamente e receber tiros, se camuflar completamente quando bem feito e ainda poder voltar pra casa salvo e com a melhor sensação de satisfação possível.6

. o r a c u e m Semper Fi

37


airsof-team

Foto dos Integrantes do Waffen BR: Eliazer Berzotti, Matheus Sisdeli, Ícaro Peron, Felipe Anthony, André Campos, William Peron, Marcelo Lemos, Raphael Jacintho, Bruno Colu, Rafael Massa, Tiago Jacintho, Daniel Galhardo, Guilherme Araújo, Marcos Moretti, Márcio Buzoli, Walcris Souto, Richard Machado, Cláudio Roselli, Alex Faria, Roger Zanela, Rodrigo Persin, Márcio Miranda, Vanessa Roma, Leomar Pereira, Yuri da Rocha, Breno Pincel, Fábio Leônidas, Rubens Andreoli, Leandro lança, Thiago Martinez

38

© Revista kommandos -2013


BRASIL

Š Revista kommandos -2013

39


airsof-team

C

ada vez mais times do interior do estado de São Paulo, se capacitam treinam e tocam jogos, inter times regionais, em locais tão bons quanto os próximos a capital do estado.; O Waffen-BR se tornou um deles juntamente com a criação do O.C.I. Operações conjuntas do interior, que vamos abordar em outra edição da revista. O time em questão além de bem organizado e tem um grupo de reencenação histórica Ainda pouco conhecido e divulgado no Brasil mas com grande potencial de crescimento. K - Qual a filosofia do time e quando ele foi criado? WBR - No início de 2004 alguns amigos com interesses em comum formaram um grupo que tinha como objetivo inicial fundar uma equipe para competição de esportes cibernéticos. O maior desafio, porém, não foi construir uma equipe campeã repleta de bons jogadores mas sim uma equipe dedicada, sólida, fraterna, honesta, repleta de pessoas de fibra, honra, caráter e lealdade. A vitória, acreditavam eles, deveria ser a consequência e não o propósito de sua existência. Foi dessa forma que em 30 de abril daquele mesmo ano surgiu na cidade de Ribeirão Preto o Waffen-BR. Em nossos primeiros anos, o Waffen-BR foi um notável clã de jogos eletrônicos no país, sempre tendo como foco não a vitória, mas sim o companheirismo do grupo em prol de algo maior. A linha de ação deu certo e fomos vitoriosos em diversos aspectos, muitos deles extrapolaram o limitado círculo dos jogos e se estenderam pela vida dos seus integrantes. Com o tempo, o que deveria ser apenas um grupo de jovens se divertindo de maneira organizada, tornou-se um clube de amigos verdadeiros e não apenas colegas de competição. Os membros possuem laços pessoais muito fortes, frequentamos as casas uns dos outros, somos padrinhos de casamento de outros membros, temos entre nós irmãos, filhos e até companheiras. Diante desse contexto de companheirismo e colaboração, quando descobrimos o airsoft, de imediato percebemos que o esporte cairia como uma luva para nossos membros. Sendo assim, em 21 de abril de 2011, iniciamos operacionalmente a divisão voltada à prática de airsoft com 4 membros veteranos da divisão Battlefield. Atualmente, temos 26 operacionais na ativa, alguns provenientes de outras divisões existentes no grupo e outros novos amigos que ingressaram no grupo recentemente.

K - Porque o nome Waffen-BR? WBR - A época de sua criação, buscávamos um nome que atendesse a alguns critérios: 1 - Coerência com a proposta do grupo (companheirismo), 2 - Feferência ao nosso país de origem, 3 - Relação com o tema militar (interesse comum aos membros), 4 - Termo incomum que possibilite uma significação própria. Entre as sugestões, o Waffen-BR foi a que atendeu melhor aos critérios:

FLEC KTARN

UCP/ACU

K - Como é o centro de comando dentro do time? WBR - Fora de campo não existe cadeia de comando, desde o princípio do sodalício adotamos um regime democrático e isso foi mantido na divisão de airsoft. Já em combate, a dinâmica é determinada pela meritocracia. Tentamos atribuir tarefas de acordo com o perfil do operacional: alguns possuem melhor percepção tática, outros estratégica, outros melhor preparo físico, outros mais precisão etc. Esse sistema funciona bem e quando existe divergência, por bom senso, seguimos a opinião dos veteranos. Devido a esse modelo, não adotamos patentes. 40

© Revista kommandos -2013


1 - Irmãos de Armas (Waffen BRüder, em alemão) 2 - A abreviação BR é também sigla para Brasil 3 - A arma é considerada o espírito do guerreiro 4 - O termo em alemão (língua pouco difundida) permitiu essa significação. K - O time já participou de algum evento considerado grande no Brasil? WBR - Infelizmente a divisão de airsoft do Waffen ainda não teve a mesma oportunidade das demais. K - Como é feita a captação de novos integrantes? WBR - O foco do Waffen sempre foi o companheirismo, sendo assim, não fazemos campanha de alistamento. Os interessados devem entrar em contato com a equipe ou serem indicados por membros. A seleção sempre ocorre pelo perfil do candidato que, para isso, deve conviver com o grupo por alguns meses para que possa ser avaliado (e não apenas dentro de campo). K - Qual o principal loadout do time? WBR - Como padrão primário adotamos o Vegetata. Utilizamos o uniforme fabricado pela SBB, fornecedor das forças armadas italianas, e que está em uso no Afeganistão hoje.

VEGETATA

BRASIL K - O time tem um segundo loadout ou como e feito isto dentro da estrutura do grupo? WBR - Na verdade adotamos três padrões. Além do apelo MilSim, essa foi uma necessidade encontrada pelo grupo. A princípio buscamos uma farda multiterreno, no entanto, apesar da eficácia da Vegetata ser superior à Multicam nesse quesito, na prática percebemos que a ideia de um padrão único ainda é algo utópico. Por isso adotamos como padrão secundário o Flecktarn (para matas) e como terceira opção o UCP (para cenário urbano). K - O time tem um local especifico para treino, e com qual frequência junta os integrantes para jogo ou treino? WBR - Temos hoje 7 campos, sendo 2 em Ribeirão Preto, 4 em cidades vizinhas e um na divisa do estado com Minas Gerais. Treinamos em 3 deles devido à proximidade e variedade de cenário (CQB, Mata etc), os demais utilizamos para jogos com outras equipes por serem maiores. Temos frequência quinzenal de eventos em campo. K - Qual a preferência de jogo dos integrantes do time? WBR - Nesse aspecto o grupo é extremamente coeso, só participamos de eventos MilSim. K - Qual a visão do time para o futuro do grupo? WBR - Esse ano o Waffen completará nove anos de existência! Temos hoje mais de 50 membros entre ativos e inativos, a maioria tem laços de carinho que vão muito além do esporte que praticam ou da divisão que participam. A nossa visão é a de uma família que se formou por opção, que cresce ancorada no respeito e cumplicidade mútuos, que tem como única intensão reunir pessoas honradas, dedicadas e sinceras para que possamos aproveitar a vida ao lado de quem vale a pena se doar. K - O que o time mudaria na atual legislação se tivesse a oportunidade? WBR - A maioria escolheria a liberação do uso de GBB sem necessidade de CR, tanto para o proprietário quanto para o local 6

© Revista kommandos -2013

41


Em cima a Diretira: Matheus Sisdeli durante reencenação da FEB no encontro nacional de reencenadores em São Vicente / Em Cima a Esquerda: Integrantes do Waffen-BR com a bandeira do time. / No Centro: Integrantes da divisão de reencenação histórica do Waffen-BR (6º R.I.) prestam homenagem aos pracinhas brasileiros durante o desfile de 7 de setembro. / Em baixo a Direita: Adaliza Prandi (P.W.A.T.) e Vanessa Roma (Waffen), as duas primeiras mulheres do grupo Operações Conjuntas do Interior / Em Baixo a Esquerda: Rafael Souza e Roger Zanela durante amistoso entre equipes do interior de São Paulo.

42

© Revista kommandos -2013


Š Revista kommandos -2013

43


AEG - M14 - Rifle 1954 1964

AEP/GBB - COLT 1911 CLASIC

TROPICAL COMBAT JACKT (TOP) 1962

COLDRE EM COURO COM MARCA ‘US’

SUSPENSÓRIO M1954

CAPACETE M1 REPLICA + Camo Mitchell

PORTA CARREGADOR DUPLO 1911 CLASIC x2

NAME TAB/ USARMY BORDADO PATENTE SARGENTO M 1956 BOLSO PORTA CARREGADOR 2° Ge. x4

BORDADO INSIGNIA 1° DIV CAVALARIA AERO RANSPORTADA

TROPICAL COMBAT CALÇA (6°Geração )

M1956 Bolso para kit primeiro socorro ou Bussola M 1961 BOLSA DE COMBATE

COTURNO COM ONA P/ SELVA ARROYO

CINTO DE CAMPANHA (NA)

BOLSA E CANTIL DE ÁGUA x2

LANTERNA COTOVELO

44

© Revista kommandos -2013


loadout

V

oltamos a 1962 em algum lugar do Vietnam, um conflito marcado na história Americana, uma época com cenas e imagens que apenas vimos nos filmes de Hollywood. Vivenciamos esta época hoje através de épicos como Apocalipse Now Platoon, Humburger Hill e clássicos como Bradock e Rambo e períodicos como o The Nam Sim Clássicos, mas uma época que até hoje tem historias para nos contar, missões especiais, ataques, casos de Honra e Horror sim uma Gerra, que povoa a mente dos amantes da aventura os Sonhos de um garoto que jovem foi levado ao Vietnam. Hoje mostramos o Loadout de um de nossos colaboradores o Mauro Ouri que praƟca a reencenação, uma das modalidades do AirsoŌ; Mas que legal seria um jogo aqui no Barsil aos modos de 1960 em.g

Foto: Mauro Ouri © Revista kommandos -2013

45


Q

uem não quer ter sua Aeg ou GBB, com sua cara ou do jeito que sonhou seu equipamento com acessórios e a aquela pintura impecável ou mesmo o jeitão destruído e velho isso é fácil só ter um tempinho e paciência que logo vai ficar igual a sua imaginação desejar, pode ser camuflada ou tons pasteis verde ou deserto, não importa a arte de customizar é natural em cada um de nós. Hoje estamos disponibilizando o tutorial com a AMOEBA digital camo que a Kommandos desenvolveu para você clique no link faça o download do arquivo de recorte e boa pintura Para Customizar a pintura de seu sistema, recomendamos o uso de tinta automotiva Acrílica, e diluente Thinner 2800, para minimizar o brilho adicione pasta fosque ante, a tinta ou passe o verniz fosco no final do trabalho. Depois nos envie uma foto com o resultado final.

46

© Revista kommandos -2013


Cutomização

PASSO A PASSO

BAIXE A MASCARA E FAÇA UM PLOTER DE RECORTE APLIQUE A COR MAIS CLARA COMO BASE APÓS A SECAGEM APLIQUE A MASCARA SEGUINDO O SEU ESTILO

TINTA AUTOMOTIVA ACRILICA

APÓS A PASSAR A 2° CAMADA DE COR APLIQUE A SEGUNDA CAMADA DE MASCARA E SEGIDAMENTE A TÉ A ULTIMA CAMADA DE COR DEIXANDO SEMPRE A MAIS ESCURA POR ULTIMO.

OBS.: AGUARDE A TINTA SECAR ENTRE AS CAMADAS . APÓS UM PERIODO DE SECAGEM EM MÉDIA 4 HORAS POR CAMADA RETIRE COM CUIDADO A MASCARA SE NESSEÇARIO UTILIZE UM ESTILETE OU BISTURI PARA A REMOÇÃO DO ADESIVO. PRONTO AGORA SÓ VER O RESULTADO FINAL. NOTA: MANIPULE COM CUIDADO OS PRODUTOS INDICADOS CASO TENHA ALGUMA DÚVIDA PROCURE UM PROFISSINAL PARA AJUDA=LO COM A PINTURA. PARA ESTE PROCESSO RECOMENDADOS USO DE ESTEULAS OU AEROGRAFOS. © Revista kommandos -2013

47


saúde PROF. ESP. DOUGLAS WILI POLANOWSKI CREF 03740/GSP

em dia se olharmos para os campos de pratica, tanto de como de Airsoft podemos notar que a procura por HojePaintball estes esportes vem aumentando e muito.

Entretanto, notamos também que poucos praticantes tem o cuidado devido com sua alimentação e ainda mais com a hidratação corporal. Muitas vezes um jogador chega a ficar até 6 horas jogando sem se alimentar ou mesmo sem parar pra se hidratar, o que é ainda pior. Parar para tomar agua ou as bebidas isotônicas do mercado é uma ação bastante importante para a manutenção da saúde, portanto do seu jogo, pois não é muito incomum observarmos praticantes com tonturas, anciã de vomito, dores de cabeça e até cansaço precoce devido a hipoglicemia (falta de glicose no sangue por ma alimentação) ou desidratação. Portanto guerreiros, nunca se esqueçam, BBs e paint balls alimentam nossos marcadores, agua e comida alimentam nosso corpo. Um bom jogo a todos e a todas.

48 48

© Re Revista R evviisstta ta kommandos kkoom om mm m man aanndo dos -2013 -2201 013


Saúde

lá pessoal, tudo bem? O Já estamos no terceirom mês do ano... e como estão nossas metas em relação a nossas promessas de final de ano? Será que estamos a caminho delas, ou será que apenas foram outras metas de ano novo engavetadas? Inicialmente temos que entender a diferença entre atividade física, exercício e esporte: •Atividade Física: são todos os movimentos que fazemos durante nosso dia a dia, como ir à padaria a pé, levar o cachorro para passear, evitar elevadores e escadas rolantes, esconder o controle remoto da televisão, evitar pegar o carro, andar de bicicleta, enfim, todo movimento estimulado pelo nosso cotidiano.

estar bem preparados fisicamente para evitar o risco de algum tipo de lesão. O que temos que ter a mente é o que queremos e se nosso organismo está preparado para tal escolha. Se não estivermos preparados, correremos um sério risco de lesões, que podem ser musculares, articulares e podendo chegar a situações mais sérias como traumas, estresse por esforço, hipoglicemias, infarto, etc. Porém, o mais importante, é que uma vez escolhido, façamos com prazer sabendo que nosso organismo deve se preparar para tal modalidade e consequentemente nos levar a um melhor rendimento e desempenho.

Um Grande Abraço a todos e até a proxima. •Exercício: atividades tendo como estímulo um objetivo ou meta e orientada por um profissional de educação física com o intuito de melhorar nossa condição física geral ou específica, através de exercícios que envolvam força, coordenação, agilidade, ritmo, equilíbrio, etc.; utilizando . ou não equipamentos de ginástica. •Esporte: atividade que envolve esforço físico mais exacerbado, muitas vezes com contato físico, quase sempre visando desempenho e resultado. Quando praticamos algum esporte devemos ter consciência de que temos que

© Revista kommandos -2013

Luiz Americo Bravo Profissional de Educação Física Coord. Do Dpto. De Atividade Física da ANAD Coord. Da QUALITE VIE-Gestão em Qualidade de Vida Membro do Comitê Especial de Saúde do CREF-SP

49 9


M1918A2 – Browning Automatic Rifle Uma lenda viva a famosa Browning M1918-A2 –BAR é uma das mais raras armas de airsoft produzidas, difícil de achar é quase impossível achar uma em alguma loja nos EUA. Porem um sonho para muitos; A lendária Arma que lutou nos campos da Normandia e a preferida Bonnie and Clyde e imortalizada na história. Produzida em liga de Alumínio e empunhaduras de madeira em cal.: 6mm com gear box variantes de AK’s adaptadas ainda assim é um sonho para os amantes do Airsoft no Brasil mas não impossível. Com preços acima de U$ 1200,00 dólares no mercado Características * Handguard / Stock em Madeira Real * Partes e Cano em Alumínio * AEG Especificações Gear Box - ( ak v2.0) Magazine - 190 BB’s Comprimento - 1200mm Velocidade - 280-300FPS com BBs 0.2g Comprimento do cano - 502 milímetros Peso - 4,9Kg Bateria - 12V Tipo M16 - Plug tipo Mini 50

© Revista kommandos -2013


P

ouco conhecemos sobre o conflito, na peninsula Coreana e poucos são os filmes mas um mostra em requintes de detalhe uma parte destes acontecimentos. Em 1950, na Coréia do Sul, o jovem sapateiro, Jin-tae Lee, em seus 18 anos de idade e seu irmão Jin-seok Lee, formam uma família simples, com sua mãe, Jin-tae e suas irmãs mais jovens. Jin-tae e sua mãe trabalham duro, e se sacrificam para enviar Jinseok para a universidade. Quando a Coréia do Norte invade o Sul, a família foge para casa de um parente no país, mas ao longo de sua jornada, Jin-Seok é forçado a se juntar ao exército para lutar no fronte, e Jintae pede também para proteger seu irmão mais novo. Seu comandante promete aJin-tae que, se ele recebe uma medalha que ele iria libertar seu irmão, e Jin-tae tornase o mais valente soldado de seu pelotão. Ao longo da sangrenta guerra entre irmãos, à relação de Jin-seok com seu irmão mais velho se deteriora levando a um final dramático e trágico.

© Revista kommandos -2013

51


Paintball ra

o dia 09 de Dezembro de 2012 aconteceu o primeiro Torneio Oficial de Paintball cenáN rio e RA organizado pela FPESP – Federação de Paintball do Estado de São Paulo, nas instalações do Delta Paintball localizado na cidade de Vargem Grande Paulista (Grande SP).

O objetivo do torneio é classificar as equipes Federadas do Estado de São Paulo através de um rank, e elevar o nível de seus praticantes e organizadores, assim, gerando uma competição saudável e principalmente mantendo a boa relação entre as equipes. O Cenário escolhido para esta competição foi em área demarcada em ambiente semi-confinado, (Formato CQB) mais as áreas externas das casas, o e através da pontuação foram classificadas do 1º ao 6º lugar. O objetivo de cada jogo foi único para todas as equipes, capturar a sua bandeira no campo adversário e traze-la até sua base dentro do tempo estipulado, os participantes utilizarão equipamentos destinados à prática da modalidade Cenário e/ou RA. O confronto entre as equipes foram acirradas e a disputa foi “ponto-a-ponto”, pois todo o desempenho das equipes foi considerado, jogadores adversários abatidos, menor tempo, estratégia e agilidade dos jogadores foram considerados na hora de pontuar as equipes participantes. como a obrigatoriedade de padrões e itens de segurança. Todos os participantes concorreram a sorteios oferecidos pelos patrocinadores, sendo, que as 03 (três) primeiras equipes no ranking dividiram o premio recorde de mais de R$ 7.000,00 entre produtos e pagamento em dinheiro. Entre os sorteios e a premiação aos três (03) primeiros colocados o torneio disponibilizou mais de R$ 12.000,00, saldo este, nunca vista na modalidade cenário.

Ao final do dia o resultado do 1º Torneio Oficial e Rank da FPESP/2012 ficou da seguinte forma: 1º - CHERNOBYL 1 2º - FANTASMAS ALPHA 3º - M.O.K. 4º - PELOTÃO BABILÔNIA 5º - CHERNOBYL 2 6º - PATHFINDER 1 7º - O.N.E. 8º - MARINNERS 9º - SPORT PAINTBALL 10º-M.3.R.C.5.

(Campinas) (São Jose do Rio Preto) (São Paulo) (Campinas) (Campinas) (Vargem Grande Paulista) (São Paulo) (Ilhabela) (Campinas) (São Paulo)

11º-K2 PAINTBALL 12º-FANTASMAS BETA 13º-COSA NOSTRA 14º-PATHFINDER 2 15º-SENTA A PÚA

(Vargem Grande Paulista) (São Jose do Rio Preto) (Cosmopolis) (Vargem Grande Paulista) (São Paulo)

A FPESP agradece: ao Delta Paintball por sediar e patrocinar o 1º Torneio, as equipes participantes, os parceiros, juízes e principalmente aos patrocinadores: AZBrasil Paintball, Mathis do Brasil, Rap4 Brasil, Infantaria Paintball, Try Paintball, Teca Fotografia e Dragon Paintball. Agora o desafio das equipes é manter e melhorar suas posições no Rank em 2013, pois a 1ª Etapa será em Março/2013 em Campinas, aguardem divulgação no site da FPESP. 52

© Revista kommandos -2013


Š Revista kommandos -2013

53


R.A.- TEAM

54

Š Revista kommandos -2013


.A. B Time R P s io r á n Legio Release: : Sr. Aivi Félix dor Colabora lex Viana s: A Pergunta

© Revista kommandos -2013

eita o escudo ara a dir Da esq p unz : Em Salto n K Jackeline urães: ETEC D A Walquiria ndrade: MÉDIC O A a e E n H li GEN IR Caro jala : EN A la ie z Gra ER a : SNIP Dani Lim

55


ROSA AQUI SÓ NO DETALHE DO PACHT OU NA COR DO SMALTa Da UNHA.

O

Paintball esta ficando mais rosa. Exatamente rosa... com maquiagem, perfumes, acessórios e tudo mais... cada vez mais as mulheres estão praticando esse esporte de “homens” formando esquadras composta somente de mulheres, Aliás de companheirismo a cada uma das missões e muitas vêm se destacando e superando vários “machões” nos campos de batalha. A esquadra feminina LEGIONÁRIOS foi formada no intuito de proporcionar mais afinidade entre as integrantes do grupo. Sendo assim formada a EOPE (Esquadra de Operações Especiais), que nasceu no dia 15 de junho de 2012, com a formação inicial na modalidade REAL ACTION. (RA) Teve sua primeira participação mais importante no mundo do REAL ACTION, o evento que teve a duração de 24hs conhecido como CAVALO DE AÇO organizado por ASSAULT SCENARIO PAINTBALL, sendo que quatro integrantes da esquadra participaram, sendo dois destaques no evento entre dezenas de combatentes homens. Tendo como: Carolinea conquistado o troféu de destaque MÉDICO e Jackeline que no evento assumiu a função de COM (comunicações) conquistando o troféu do mesmo... K - Porque usar preto e não uma camuflagem especial? EOPE - O preto é a 1°farda da equipe, mas também usamos camuflagem dependendo da missão. K- De quem saiu a iniciativa para iniciar a esquadr? EOPE - Da esquad Jackeline e leader Wagner.

56

© Revista kommandos -2013


Us Army WoodLAnd 1981 = 2° Geração até 1995 +Decomissionada em 2000

R.A.- TEAM

K - Sobre o futuro quais são os planos da Esquadra? EOPE - Aperfeiçoamento e divulgação do esporte! K - Em uma votação única qual o marcador sonho da esquadra? EOPE - Aquele que todas deveriam ter um? X7 Phennon menos da esquad que é amante da tm15le. K - Agora em vez de ficar no Pretinho básico, qual a ideia e possibilidade de um segundo ou terceiro loadout para o time. Não vale a camo do EB? EOPE - Nossa segunda opção é a farda Woodland.

Tippmann X7 Phenom Assaut Edition

K - Para finalizarmos, sabemos que em muitos estados tem se aumentado a participação de mulheres em esportes de ação, mas na modalidade RA ainda é uma presença tímida o que a Esquadra tem a dizer para quem ainda está de fora só acompanhando o marido ou namorado e uma mensagem para as futuras guerreiras? EOPE - Paintball é um esporte sensacional com um certo receio ‘preconceito’ por ser um esporte digamos que “bruto” mas os campos estão tendo uma maior presença feminina. As mulheres estão perdendo o medo, marcando presença em tudo o que acontece. Enfim MULHERES paintball é um esporte maravilhoso uma dose de adrenalina perfeita para dar uma abalada em nossas rotinas.

Da esq para a direita Jackeline Kunz : SQUAD LEADER Walquiria Durães: ETEC Carolinea Andrade: MÉDICA Graziela Ajala : ENGENHEIRO

© Revista kommandos -2013

57


Reencenação

T

odos os anos o 6º BIL (Batalhão de Infantaria Leve) sediado na cidade se Caçapava – SP comemora o aniversario da vitoria da FEB (FORÇA EXPEDICIONARIA BRASILEIRA) em Fornovo di Taro Itália em Abril de 1945, com cerimônia militar com participação de ex-combatentes e encenação da batalha sobre as tropas alemãs. Em 2012 a convite do comandante da unidade o grupo de pesquisa e reencenação histórica ¨DOGS OF WAR¨, participaram fazendo a reencenação da rendição da 148º DIVISÃO ALEMA as tropas do exercito brasileiro, participaram também a APVMA (ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE VEÍCULOS MILITARES ANTIGOS) entre outras associações de veteranosd

58

© Revista kommandos -2013


A cima: Os generais Otto Fretter-Pico e Mario Carloni entregando-se a FEB, após a Batalha de Fornovo di Taro.

Ao lado: 3° Sargento Otaviano da Silva vigia prisioneiros alemães. © Revista kommandos -2013

59


FEB EM FORNOVO

Ao Lado Gen. Otto Fretter-Pico No meio Prisioneiros Alemães Vigiados pela FEB, após a rendição Em Baixo

H

ISTÓRIA

No final do mês de Abril de 1945 o mundo já antevia a derrota das forças do Eixo, muitas de suas tropas já não combatiam, embora vários de seus comandantes se recusassem a se render aos aliados. A 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária em face desta situação, estendeu suas tropas ao longos de 70 km, vigiando todos os pontos por onde os alemães tentassem passar rumo ao Norte da Itália. Informações passadas pelo IV Corpo do Exército Americano, informavam a presença de cerca de 2 mil homens e 40 blindados na região de Fornovo e era imprescindível evitar que eles atravessassem esta linha. O Coronel Nelson de Melo então, dispôs duas baterias de Artilharia , uma Companhia de Engenharia e uma Companhia de Tanques nesta posição atuando sobre Fornovo, nas direções de Montecchio-Gaiano(I/6º RI), San MichelleRespiccio(II/6ºRI), Bosconcello-Felegara(III/6ºRI), e tendo o lado oeste protegido pelo Esquadrão de Reconhecimento, enviou mensagem ao inimigo que se rendesse, mesmo após terem tentado por 2 vezes romper a barreira, procurando alcançar o vale do Rio Taro.

Vigário Negocia Rendição Alemã Na tarde de 27 de abril, um dia antes da ofensiva contra Fornovo, o major Cordeiro Oeste persuadiu o vigário de uma aldeia a levar aos alemães a sugestão de que se rendessem. O vigário caminhou 6 km até Respício, perto de Fornovo, e aí falou com oficiais alemães. Perguntado sobre o poderio e a localização das forças brasileiras, o vigário disse que os alemães estavam cercados e deviam se render. Um dos mais velhos desses oficiais, que aprimorara o seu italiano durante um período em que servira como Embaixador da Alemanha em Roma, pediu ao vigário que obtivesse por escrito condições para a rendição e voltasse com elas. Como resultado disso, na manhã do dia 28, muito cedo, antes de ser desfechado o ataque do 6º RI, Nelson de Mello, redigiu um ultimato de rendição incondicional e, através de Castelo Branco, pediu a aprovação de Mascarenhas aos seus termos. O vigário levou esse ultimato aos alemães e voltou com uma mensagem, assinada pelo major Kuhn, chefe do Estado-Maior da 148ª Divisão, dizendo que a resposta seria dada depois de consulta a seus superiores. 60

© Revista kommandos -2013


Ao Lado Veteranos da FEB

Reencenação R ee

(Infelismente não recebemos os nomes)

A

rendição:

Enquanto os alemães adiavam a decisão, o 6º RI procedeu de acordo com o plano. Então, às 10h30 da noite, depois que os homens de Gross repeliram forte contra-ataque inimigo, o major Kuhn e dois outros oficiais alemães cruzaram as linhas brasileiras para negociar os pormenores da rendição. Gross os conduziu ao posto de comando do 6º RI, em Collecchio. Nelson de Melo, sabedor de que a missão dos três alemães fora autorizada pelo comandante da 148ª Divisão, general Otto Fretter-Pico, dirigiu-se rapidamente a Montecchio para falar com Mascarenhas. Este ordenou a Brayner e Castelo que se entendessem com os negociadores alemães. Por isso, sob a chuva, os dois oficiais foram levados a Colecchio. Castelo Branco descreve: “numa sala de uma vivenda de campo, fui apresentado a três oficiais alemães do EstadoMaior de uma Divisão. Pediram condições para a rendição. Dissemos que só podia ser incondicional. Falaram em honra militar e em princípios de humanidade… e aceitaram a rendição! “São alguns milhares de homens, dois generais e etc. Como resultados dos termos impostos na reunião de Collecchio, que durou toda a noite, que foram modificados apenas pela insistência de Mascarenhas de que depusessem imediatamente as armas (a 29 de abril e não a 30), a primeira Divisão germânica a capitular na Itália se rendeu aos brasileiros.

R

eencenação:

Conforme as datas da historia no dia 27 uma coluna de veículos militares da época saíram do 6ºBIL em desfile pela cidade até a estação ferroviária de Caçapava para então recepcionar a chegada de vários ex-combatentes da FEB os conduzindo em escolta a unidade onde iriam participar das homenagens. Deu-se inicio a reencenação do encontro do então Vigário italiano Dom Alessandro Cavalli com o Coronel Nelson de Mello onde por intermédio do vigário levaria o ultimato as tropas alemães. Após todos se dirigiam ao pátio de manobras onde se deu inicio a encenação da batalha das tropas da FEB, toda ela executada pelos militares do 6º BIL utilizando explosões e recursos pirotécnicos. Na manhã do dia 28 na presença de autoridades civis e militares reencenou-se a rendição da 148º divisão alemã as tropas brasileiras, seguido de desfile militar e almoço de confraternização L

“Nada menos de 14.779 alemães e italianos se tornaram prisioneiros em dois campos próximos, instalados pelos brasileiros. O general alemão Otto Fretter-Pico e o general italiano Mario Carloni foram escoltados até Florença pelo general Falconiere e general Zenóbio, que os entregaram ao 5º Exército norte-americano, juntamente com 6 milhões de liras também tomados pelos brasileiros.” Numa luta, nos arredores de Fornovo, cinco brasileiros foram mortos e cerca de 50 foram feridos. O que tinha sido conseguido era notável em operações de guerra: a rendição de uma Divisão alemã a uma única Divisão aliada, a brasileira. © Revista kommandos -2013

61


Com muito jogo de cintura uma ideia na ca que era muito difícil fazer no Brasil um ev algumas novidades além de analisar e subtrai

N

o ano de 2012 tivemos a ideia de fazer uma clinica com o intuito de promover jogos milsim em uma nova área no estado de São Paulo batizada inicialmente de base São Roque, estávamos lá para avaliar e promover está clinica e desenvolver jogos para Airsoft e seus participantes. Após um período de conversas entre Paulo Bertoni, Alex Viana e Alexandre Cardenuto, Saíamos com um questionamento e sabíamos que poderíamos melhorar a qualidade e aproveitas está nova área para mais jogos de airsoft. Então começamos a conversar sobre como poderíamos desenvolver estás novas operações, e promover uma analise dos perfis de jogadores seus modos e sua conduta; Mudamos o nome da base para Base Araçá, e lançamos as operações OVERLORD com tema voltado para a segunda guerra, porem estávamos preparados para fazer cinco grandes jogo; Um por mês com data prevista para final de novembro de 2012, fizemos um adiamento para ceder espaço a outro evento, adiando o termino pra dezembro do mesmo ano. Estes jogos foram elaborados novos tipos de missões e modos operativos que seriam aplicados ao decorrer dos games, resolvemo-nos batizar os jogos em homenagem às praias da Normandia, e fomos escolhendo os nomes de acordo com a proximidade das praias e desenvolvido um *pacht para cada jogo. Com os temas definidos lançamos as companhas e foram horas de trabalho e motivação.

62

Assim foram os seguintes : (OPERAÇÃO OVERLORD JOGO 01) UTHA – BATALHA POR CARENTAN (OPERAÇÃO OVERLORD JOGO 02) GOLD – BATALHA DE CAEN (OPERAÇÃO OVERLORD JOGO 03) SWORD – FALAISE POCKET (OPERAÇÃO OVERLORD JOGO 04) JUNO – LIBERTAÇÃO DE PARIS (OPERAÇÃO OVERLORD JOGO 05) HOMAHA – WAR IS OVER (HOMAHA) Com isso criei os comics para dar um ar mais tranquilo as chamadas usando piadas de humor negro, situações raras e engraçadas captadas durante os eventos. Mas o mais importante foram os participantes que entenderam o espirito das Overlord’s; Com isto tivemos uma media 1.2 participantes, por jogo tivemos um nível alto de comprometimento e respeito aumentando a qualidade e fayplay entre os operadores.

O que descobrimos com isso.

Em muitas das missões também erramos algumas vezes, e a comunicação foi fundamental, para que tudo pudesse sair como planejado.

© Revista kommandos -2013


Evento 2012

abeça, um grupo de três pessoas conseguiu o vento com cinco etapas e colocar em pratica ir as boas experiências de um jogo de Airsoft. As missões também tiveram um ponto chave, muitos dos integrantes se desempenharam para conclui-las, aplicamos situações exclusivas para Snipes e Recons como atividades para Pelotões e outras de demolição e sabotagem, introduzimos a modalidade paraquedistas com suporte de veiculo, *canhões de artilharia e *base de lançamento de misseis ( *FEIQUE) Introduzimos o Platoon leader e leader Squad nos games, aumentamos a comunicação de radio, e mapeamento.

Com tudo isso acontecendo tivemos situações cômicas e muito serias, aplicamos o veiculo para remoção e transportes. Mas também erramos algumas vezes fizemos o respawl móvel e tivemos a utilização de regras de médico e artefatos pirotécnicos *confesso que me empolguei no primeiro jogo. (*Risos)Mas mantivemos em alta a segurança para com todos e não permitindo discussões e fazendo no final dos jogos uma conversa para avaliarmos o resultado do dia com a aprovação de 100% dos participantes, além de uma espécie de tribunal para com os Higlanders que servia mais como informação e doutrina do que punição.

Sobre os Jogadores

Muitos estavam ali para se descontrair e gastar suas energias em uma atividade física porem muitos também só queriam saber do combate em si. Percebemos que muitas das complexidades do milsim

© Revista kommandos -2013

ainda não devem ser aplicadas devido a falta de preparo emocional e físico, mas mesmo assim fomos adiante com os planos. No ato do brifing uma parcela mínima não prestava atenção as informações ali passadas com isso durante o jogo fora resolvido e as missões feitas nada fugiu muito do roteiro É obvio mesmo em uma guerra tudo pode ficar confuso e destorcido, mas há sempre um foco e norte a ser seguido criamos uma regra especifica para o CQB promovendo situações inusitadas aos jogadores que se adaptavam a cada situação. Outro fato ainda é o (post commad) somete uma parcela o seguia e outra parcela queria mesmo era lutar sozinha a introdução do post command era vital onde ali sairia às ordens de combate para o jogo o resultado final era simples porem eficiente quem seguia as ordens tinha combate quem não seguia tinha pouco combate, pois iria parar no respawl muito rápido. Outro detalhe era a participação de novatos e iniciantes durante o teatro a integração entre novato e veterano logo não se percebia, esta transição se tornava muito rápida. Um resumo final todos os operadores tiveram um papel excelente em seus papéis durante o jogo.

63


Evento 2012 Os uniformes e divisões.

Entendemos que ainda por ser uma questão financeira e cada individuo ter seu estilo pessoal insistimos em não usar as faixas porem era quase inevitável, durante as operações já que cada time ou individuo tinha o seu próprio. Tinhas as capas dos paraquedistas que usavam se definiam visualmente durante o jogo e como de comum um pouco de fogo amigo. Observamos também que a cor do colete também é importante uma vez que muitos têm somente um colete e normalmente ele é preto. Isto gerava uma confusão visual, mas logo era resolvida já que tínhamos separado por dois grupos de camuflagens predominantes exemplo: juntamos os verdes com o woodland e tiguer mais as capas sem faixa no braço já o exército B usava o PMC, multicam, atacs, tan mas usavam a faixa no braço. esta divisão ajudou muito mas evolui muito até o ultimo jogo. Nossa meta é ainda de fazer um evento somete com dois ou três tipos de uniformes, e observamos que muitas das equipes se conscientizaram de que devem ter no mínimo dois tipos de loadouts para grandes jogos.

O Campo

A base Attack ARAÇA, sem duvidas é um dos melhores locais para jogos próximos a cidade de São Paulo são 3.000.000m² onde só usamos metade de 1/3 dela ainda não usamos partes inéditas, sim ainda precisamos fazer algumas coisas, mas isto só sedara com o tempo. Hoje a base tem WC com chuveiro e um local limpo para safe zone e se localiza a uma média de 50 km do centro de São Paulo pela Rod. Castelo. O local contem estruturas e ruinas de uma antiga instalação industrial e um CQB gigante. Ruas e área de combate rural, suas cota esta dividida em 4 níveis onde a maior é mais alta é o ninho da águia, também temos dois lagos e um pântano que durante o verão pode ser atravessado. O local durante o ano apresenta características únicas e cada vez que se vai jogar la esta de uma maneira diferente, outras secas e quentes outra com mata alta as vezes úmido frio e chuvoso. Mas jogar lá é uma experiência única e no final extasiante além de precisar de muita energia. e o que é jogar milsim em sim é estar o mais próximo de uma situação real mas controlada e segura para promover o entretenimento e aproveitarmos o máximo as experiências ali tiradas.

fechado com cara de mau encarado,... fomos abençoados por Odim ...) Podemos dizer que tivemos e tudo um pouco e fizemos um show à parte mesmo com as tentativas de pessoas externas e não muito felizes com nossas ações e não muito menos ligadas a nos fomos em frente. Obtivemos um coro de participantes único dentro do estado de São Paulo com uma contagem final de próxima de 600 participantes contando as obviamente as cinco operações um numero divido entre veteranos e novatos. Chegamos à conclusão de que é possível fazer um evento maior ainda com um numero maior de participantes; Parai isso agora estamos ainda avaliando todos os parâmetros para fazer memoravelmente mais um evento com o nome Overlord.

Considerações finais.

Aconteça o que acontecer nunca cancelaremos um jogo. O milsim ainda tem muito a melhorar no Brasil e o nível de jogo também, o operador de AIRSOFT é uma peça importante para que isso aconteça. E eventos mais elaborados com mais conteúdo estão por acontecer ainda, muitas novidades estão por vir... Mais uma vez obrigado a todos os participantes que transformaram a operação Overlord um evento Único e histórico no Airsoft brasileiro. Até a próxima missão

Do primeiro ao ultimo jogo.

Uma realidade as Overlord’s entraram para a historia do Airsoft no Brasil quem jogou as primeiras hoje é veterano e tem em seu loadout um pacht único e comemorativo não importa se foi uma duas ou as cinco missões o que importa é que você foi e fez parte da História um fato sobre o ultimo jogo como disse em post anterior no Facebook ( as condições não poderiam ser a melhores, céu 64

© Revista kommandos -2013


Š Revista kommandos -2013

65


Valores destinados a manutenção da revista Kommandos.

66

Š Revista kommandos -2013


Š Revista kommandos -2013

67


68

Š Revista kommandos -2013


ENVIE SUA SUGESTÃO Ã OU SUA SU MENSAGEM PARA NOSSA REDAÇÃO

REVISTAKOMMANDOS@GMAIL.COM

FARPA Stephan Monte FARPA! Dragunov famosa!!

Danilo Ferreira show de bola...!!!

Tota Cantalice II Muito bom PlatoonEvents Pco!!! A odisseia pelos Tota Cantalice II Vamo eventos ficou muito boa!!!!! E o que vamo!!! Muito bom artigo com a dragunov ficou muito velho!! Valeu PlatoonEvents show!!!! Parabens!!! Pco!!!!!

Comentários do Facebook Paulo Aganetti via Cesar Augusto Paludo top!!! Matheus Sisdeli Para todos da OCI, nessa edição o pessoal da KOMMANDOS publicou uma foto nossa da Missão Conjunta 13! É o interior ganhando projeção nacional e levando o nome das suas equipes pioneiras para todo o Brasil! Parabéns por esse primeiro ano de OCI, e que os próximos sejam maiores e melhores, com dezenas de novos operacionais.

Claudio Coutinho Muito bom!!! Ronkalle Morais Tota Cantalice II não entendo esta revista, cansei de insistir pra o editor ao menos comentar sobre a OVT2 e nada viste, a gente só ve eventos do sul, ainda bem que pelo menos ele abriu um espaço pro Farpa. Alexandre Federico hurraaa! belo trabalho! Rubem Remanescente Gontijo Rachei de rir do Luk Luciano com charutao!!!

Douglas Wili Polanowski Parabéns galera, continuem assim. Davi Maia Massa! Mas o Davi Maia é da ASF - CE não PE! abraços! Eduardo Proença Show de bola! Menção honrosa ao Jerri Masson e ao Victor Martins pelo patch do Close Quarters no “Lágrimas do Sol”! Jerri Masson Opa valeu obrigado na foto eu não to kkkk mas na pagina do lagimas estão lá os dois patchs do G.S,A e do Close Quarters é isso ai valeu

Alexandre Federico A foto da pagina noventa é nois jogando em Luk Luciano Haha... olha eu ali... Itabirito, o Vagner e seu pacote de boa!!! Não é atôa que é a melhor biscoito! kkkkkk revista de airsoft.

comics

© Revista kommandos -2013

69


70

Š Revista kommandos -2013


CRÉDITOS DO SELO BRUNO PALUMBO

NÃO JOGUE SUJO, JOGUE LIMPO QUEM GANHA É VOCÊ!

JUNTE-SE A NÓS NESTA CAMPANHA SOLICITE UMA COPIA DO SELO TEREMOS PRASER EN ENVIAR A SUA COPIA É GRATIS © Revista kommandos -2013

71



Revista Kommandos - edição nº 13 de Abril de 2013