Page 1

Apenas Um Vampiro Obrigaçþes Tribais 01


Electus Luca Ucathya esperou centenas de anos para encontrar seu anamchara, sua alma gêmea. Rowan Connelly não é o que ele esperava. Por um lado, o homem não tem um osso submisso em seu corpo. Pior ainda, Rowan é um lobo, um dos inimigos mais perigosos e odiados de um vampiro. Mas negar Rowan não é uma opção. Descobrir que ele é o companheiro de um vampiro não é tão ruim para Rowan, mas a coisas necessárias dele como o companheiro do líder de uma tribo de vampiros só poderia ser mais do que ele pode manipular. Quando Rowan é sequestrado, não uma, mas duas vezes, Luca sabe que ele tem que fazer tudo em seu poder para manter seu companheiro seguro, algo que seria muito mais fácil se Rowan aceitasse seu lugar como o companheiro de um vampiro e se comportasse. Em vez disso, Rowan está atraindo a Luca em mais problemas com cada respiração. E Luca apenas não pode entender.


Capitulo Um Cabelo loiro suficientemente fosco e incrementado? Confere. Delineador preto habilmente aplicado para realçar o verde nos meus olhos? Confere. Os lábios, brilhante, e parecendo como se eu pudesse chupar uma bola de golfe através de uma centena de metros de mangueira de jardim? Confere. Camiseta apertada sobre o peito e curto o suficiente para mostrar o meu anel de umbigo? Confere. Calças baixas em meus quadris e minha bunda abraçando tão apertado que eu nem posso respirar? Confere. Rowan Connelly riu de si mesmo no espelho do banheiro. Ele


conseguia respirar, mas apenas mal. Se ele se sentou, suas calças de couro pretas estavam em sério risco de dividir as costuras e talvez uma bola ou duas fosse esmagadas no processo. Mas desde que pendurou baixo sobre seus quadris e abraçou o seu traseiro, quem deu uma porcaria? Sua mãe sempre dizia que ser bonito tinha um preço, e se ele esperava obter sorte esta noite, o preço era respirar. Inferno, a respiração foi altamente superestimada de qualquer maneira. Sexo, agora era o material e, infelizmente, era algo que estava faltando no momento em sua vida. Felizmente, ele parecia bom o suficiente para conseguir alguém interessado e que cuidasse disso. Ele afagou seus cabelos uma última vez, em seguida, entrou em seu quarto e pegou uma tira de preservativos - sim, ele estava excessivamente otimista - e o pequeno lubrificante de sua mesa de cabeceira e empurrou-os no bolso da frente. Ele empurrou a sua identificação no bolso de trás junto com algum dinheiro, em seguida, dirigiu-se para sua sala de estar para esperar por sua carona. Vinte minutos de andar pra frente e para trás em frente à janela da frente e ele estava prestes a ir por conta própria. Seu irmão Seth nunca foi bom em chegar a qualquer lugar a tempo, mas isso era ridículo. Rowan tinha a sensação de que Seth chegaria tarde para seu próprio funeral maldito. Só quando ele estava pronto para puxar seu cabelo para fora em frustração, o telefone tocou. Rowan saltou em direção a ele. ― Já era maldita hora ― retrucou, não à espera de alguém para dizer qualquer coisa. ― Eu estive esperando por...


― Rowan. Porcaria em um biscoito. Rowan segurou a bancada com tanta força que as pontas de seus dedos começaram a arder. Ele podia sentir a animosidade que vinha através do telefone a partir da simples menção do seu nome. Rowan respirou fundo e preparou-se. ― Olá, Carlton. ― Eu enviei um carro para você. Vou esperar você no Briarwood em uma hora. Rowan respirou fundo. Seus dedos seguraram a bancada ainda mais. ― Sinto muito, Carlton. Fiquei com a impressão de que você tinha me banido das terras do bando. Lembro-me a dizendo-me para nunca mais pôr os pés em Briarwood novamente. ― Rowan! Rowan segurou o telefone longe de seu ouvido quando Carlton gritou ao telefone. Se o homem nunca falou uma palavra suave em sua vida? A cabeça de Rowan começou a latejar. Ele já podia sentir a dor de cabeça chegando. Ele sabia de fato que seria uma enxaqueca pelo tempo que ele desligasse Carlton. ― Eu não tenho tempo para a sua loucura ― Carlton agarrou. ― Esteja pronto quando o carro chegar. Os dedos de Rowan apertaram em torno do telefone. Ele sabia que tinha de parar de deixar seu ex-alfa ditar suas ações, especialmente porque ele havia sido expulso do bando há seis meses e teve que aprender a viver por conta própria, sem matilha para chamar de sua. E apenas irritou que sua família tinha sofrido o mesmo destino, porque ele recusou os avanços do alfa. ― Eu realmente sinto muito, Carlton. ― Certo. Rowan revirou os


olhos. Mesmo que ele não acreditasse. ― Eu tenho outros planos hoje à noite. Talvez possamos nos ver no domingo. E talvez eles precisassem congelar o inferno. ― Eu não dou a mínima para o que você tem planos, Rowan. Você vai esperar pelo carro e voltar para Briarwood. Rowan encolheu quando a dor martelando em sua cabeça com a raiva Carlton. Ele esfregou o templo, até que a dor diminuiu e então suspirou profundamente. ― Não, você nunca se importou com o que eu queria, e eu posso ver que não mudou. ― Chega Rowan! ― Eu tenho que ir, Carlton. ― Uma emoção inexplicavelmente perversa de repente o encheu. ― Eu estou indo para o bar para encontrar um pau grande para foder minha bunda. Eu não posso dizer que foi bom falar com você, mas tem sido interessante. ― Deus queria que ele fosse uma mosca na parede para ver a reação de Carlton às suas palavras grosseiras. Rowan podia ouvir o alfa gritando ao telefone quando ele a pôs de volta. Ele não tinha ideia do que tinha o feito dizer o que ele tinha dito para o homem. Carlton tinha certeza de ser puto além da razão. Rowan sabia que haveria repercussões as suas palavras, a começar pela enxaqueca que ele sabia que estava por vir. Ele simplesmente não se importava no momento. Ele tinha parado de cuidar seis meses atrás, quando seu alfa chutou para fora da única casa que ele já tinha conhecido porque ele não acasalou com o homem. Um acasalamento que Rowan não sabia nada sobre, havia sido anunciado em sua festa de vigésimo quinto aniversário. Quando Rowan soube que sua cerimônia de acasalamento com Carlton estava programada para o mês seguinte, ele sabia que não poderia ficar de boca fechada. A expressão de raiva incontrolável no rosto de Carlton, quando ele


recusou o acasalamento ainda estava presa em sua mente. Ele simplesmente não ligava. Ninguém lhe perguntara se ele queria ser acasalado ao alfa. Carlton tinha acabado de anunciar como se fosse que ele aceitaria qualquer migalha pequena que o alfa jogasse em seu caminho. Ele podia não ser tão alto ou tão bonito como os seus três irmãos, mas ele tinha curvas em todos os lugares como a sua mãe gostava de lhe dizer. Curvas que Rowan estava muito orgulhoso de mostrar. Soou um pouco estranho quando referenciado a um homem, mas ele tinha muita bunda. Ele tinha cabelos loiros e marcante maçãs do rosto altas de sua mãe, juntamente com o corpo de uma dançarina, pequena e compacta. Houve dias que ele amou as linhas finas e músculos tensos em seu corpo e a forma como seus quadris balançavam quando ele entrou em uma sala. Houve outros dias em que ele odiava o fato de que ele tinha herdado os bons dotes nórdicos do resto de sua família. Muitas vezes, chamou todo o mal nas pessoas, como o Alfa Carlton Gregory. Rowan estava tão profundamente em seus pensamentos sobre Carlton ligando que ele pulou quando alguém bateu na sua porta da frente. Ele mordeu o lábio inferior, enquanto olhava para a porta, rezando para que não fosse um dos capangas de Carlton. Contando a seu ex-alfa ao telefone era muito diferente do que escapar dos numerosos executores da matilha que trabalhavam para Carlton. Rowan havia tentado, sem sucesso, escapar deles mais de uma vez. ― Ro, dane-se, abra a porra da porta ― gritou uma voz do outro lado da porta. ― Nós iremos chegar atrasados. Rowan deu um suspiro de alívio e foi deixar seu irmão entrar. Ninguém o chamou de Ro, exceto Seth, nem mesmo sua mãe. Rowan supunha que Seth tinha o direito. Eles eram os mais próximos em idade, mesmo que


Rowan fosse o nanico da ninhada. ― Ei, ― Rowan disse quando ele abriu a porta para Seth ― Você está pronto para ir? ―Seth perguntou. ― Se chegarmos atrasados, todos os caras quentes já terão sido tomados. A pequena incursão de hoje à noite para a Caverna de Cristal, o clube mais quente da cidade, foi para comemorar o fim de um longo projeto de trabalho. Seu irmão queria ajudá-lo a comemorar. Rowan estava apenas esperando para encontrar alguém para tomar sua mente fora de sua solidão por algumas horas. Rowan sorriu. ― Pronto, disposto e capaz. Seth riu. ― Não estamos todos? O caminho que Seth havia escolhido para o clube foi relativamente curto. Foi apenas alguns quilômetros de distância, e o tráfego era leve. Encontrar um lugar para estacionar era algo completamente diferente. A fila para entrar no clube exclusivo virava a esquina. ― Nós nunca vamos entrar ― Rowan sussurrou enquanto olhava para a longa fila, enquanto caminhavam pela calçada em direção ao clube. ― Claro que vamos. Rowan piscou surpreso quando Seth o agarrou pelo braço e arrastouo para frente da fila. Eles poderiam fazer isso? Seus olhos quase saltaram para fora de sua cabeça quando o segurança na porta da frente apenas acenou para eles e baixou a corda vermelha que guardava a entrada para o clube. ― Seth ― o guarda disse quando ele acenou para eles entrar. ― Tiny1 ― Seth acenou de volta. 1 - Tiny - Minúsculo – Tradução de Tiny


Minúsculo? Sério? Não era um clichê? Um homem alto, musculoso chamado minúsculo? Bem, talvez eles fossem todos nomeados de Tiny. O que ele sabia? ― Como você se organiza para nos fazer entrar assim? ― Rowan perguntou quando ele seguiu Seth para o clube e por um longo corredor em direção barulho e luzes piscando. ― Eu projetei o site para a Caverna de Cristal, no mês passado. O proprietário gostou tanto que ele me deu passe livre. ― Maldição! ―Por que ele não sabia sobre isso? ― Certo? ― Seth sorriu por cima do ombro. Seth era dono de uma pequena empresa de design de web sites e software de computador. Seth viveu e respirou computadores desde que ele era velho o suficiente para saber o que era um computador. Rowan não tinha percebido que havia tantos benefícios para criação de web sites. ― Ele precisa de mais trabalho de web? Ou seu carro lavado? ― Nós podemos sempre perguntar. Rowan tropeçou para uma parada, quando chegaram ao final do corredor e a sala principal veio à tona. Era enorme. Quem projetou o lugar tinha que ter sido um gênio. Cada centímetro do espaço estava sendo utilizado para o seu pleno potencial. E pelo potencial, Roman significava que estava lotado com belíssimos, seminus... Porra! A grande sala estava dividida em dois andares. O piso principal tinha um bar de um lado, uma pista de dança no meio, e as mesas que rodeavam a pista

de

dança.

O

nível

superior

era

uma

sacada

que

parecia

ser


principalmente de mesas com exceção de uma cabine de DJ no canto mais distante e uma plataforma de ver através no meio do caminho até que teve algum pequeno jovem em shorts mínimo dançando sobre ele. Luzes estroboscópicas piscaram sobre cada parte da sala, e tocavam música alta. Corpos quentes estavam pressionados juntos na pista de dança, não deixando espaço entre eles. E era uma graça de homens excitados. Rowan estava ficando quente apenas observando os dançarinos. ― Quer pegar uma mesa por aqui ou na pista de dança? ― Seth gritou por cima da música. Rowan sorriu já sentindo seu corpo começar a se mover para o ritmo da música. ― Pista de Dança. Rowan não perdeu tempo para chegar à pista de dança. Ele adorava dançar, movendo o corpo para a batida da música se era real ou imaginado em sua cabeça. Ele tinha o dom como sua mãe o chamou. Rowan entrou na multidão de dançarinos e começou a mover seu corpo, balançando os quadris para trás e para frente enquanto ele levantou as mãos para o ar e deixou a música afasta-lo de todas as suas preocupações. Ele estava tão envolvido na música, que nem sequer se importou quando Seth se afastou e alguém tomou seu lugar. Rowan viveu para dançar. Quando ele sentiu um conjunto de mãos grandes em sua cintura e um corpo pressionar por trás dele, Rowan recostou-se em seu parceiro de dança sem rosto. O corpo do homem moveu-se habilmente a música, balançando para a direita junto com Rowan. Sua pele começou a formigar quando as mãos segurando seus quadris começaram a se mover lentamente até seu abdômen nu como uma carícia suave. Rowan foi surpreendido quando as mãos fortes não se moveram


sob sua camisa curta, mas moveu-se sobre ela até que chegou aos seus braços. Foi somente quando seus braços foram empurrados por cima da sua cabeça e incentivados a envolver em torno do pescoço do homem que Rowan percebeu exatamente quão alto o homem realmente era. Os dedos de Rowan nem sequer se tocaram. Ele só poderia chegar para os músculos dos ombros do homem. Rowan quase parou de dançar quando o choque o atravessou. Ele inclinou a cabeça para trás e viu um par de olhos escuros olhando de volta para ele. Havia tanta fome neles que a boca de Rowan, de repente ficou seca. Ele teve alguém alguma vez olhado para ele assim alguma vez? O desejo ardente nos olhos do homem era escaldantes. Rowan

estremeceu

assustado

quando

as

juntas

do

homem

arrastaram para o lado do rosto. Para um homem tão grande, ele tinha um toque muito suave. Isso foi surpreendente em alguém tão grande. E ele era grande. Os ombros do homem eram tão amplos que bloqueou a luz escorrendo do teto. Quando um braço enrolou na sua cintura e de repente ele foi puxado de volta contra o corpo rígido do homem, Rowan gemeu na apreciação do pau pressionado contra o seu traseiro através calças do homem. O comprimento duro se sentia tão grande como o resto do homem pressionado contra ele. Rowan sabia que vir para este clube foi uma ótima ideia. Empurrouse tanto para trás como ele poderia ir e continuou a balançar os quadris de um lado para outro, sorrindo, em deleite quando o estranho combinou e moveu-se junto com cada movimento, mostrando que mesmo um homem tão grande quanto ele era capaz de dançar ao ritmo da música como se ele nasceu para isto.


Quando a música morreu, Rowan começou a se afastar, mas o braço em volta da cintura dele o impediu de se mover até um centímetro de distância. Ele olhou para trás por cima do ombro em confusão. A música acabou. Mas a próxima estava apenas o começo, uma música lenta significava para os amantes. Olhos de Rowan se arregalaram quando ele de repente virouse e envolto em grossos braços musculosos. Ele não podia levar-se a queixarse quando o seu traseiro foi agarrado e apertado. Sentia-se muito bem. Ele nem sequer reclamou quando aquelas mãos grandes ficou em sua bunda enquanto ele foi lentamente balançado para trás e para frente. A respiração de Rowan pegou na garganta quando ele olhou para cima para encontrar os olhos escuros ainda olhando para ele. O homem nem olhou para longe dele, afinal? Foi intensa e mais quente do que merda. A força do olhar desse homem fez a pele de Rowan formigar. As ondas da luxúria fluindo para fora do cara quase trouxe Rowan de joelhos. Ele podia ser capaz de gozar apenas a partir daí. O ar mudou de repente ao seu redor, tornando-se eletrificado. Um pulso de energia encheu a sala. Rowan, de repente sentiu que estava sendo caçado. Ele estava preso. E ele sabia que o caçador estava enrolado em torno dele. Rowan não sabia se ficava animado com o interesse do homem ou com medo de sua mente pirar. Ele estava inclinado a correr para fora. Rowan não podia negar o quanto ele desejava ser pressionado contra o homem bonito ou a emoção que corria através dele sabendo que ele tinha sido a causa da ereção dura presa atrás do zíper do homem. Isso ainda não significa que ele não estava nervoso. Ele estava em território desconhecido. ― Você está com sede? Rowan estremeceu como a voz do profunda do homem deslizou por


sua pele. ― Eu-eu poderia usar uma bebida. ― Ou um oceano inteiro. Sua garganta estava seca como o Saara. Rowan lambeu os lábios secos, sorrindo quando os olhos do homem instantaneamente estreitaram-se sobre eles, e ele gemeu. ― Eu tenho uma mesa particular, anamchara. Rowan piscou. E o que diabos um anamchara significava? Rowan nunca tinha ouvido esse termo. Antes que ele pudesse perguntar, seu braço foi agarrado e ele foi escoltado passando os outros dançarinos e subindo as escadas para uma varanda privada com vista para a pista de dança abaixo. Foi só quando ele entrou na área VIP e se sentou no sofá em forma de meia-lua que ele conseguiu seu primeiro olhar bom em seu parceiro de dança. Ele era quente com o inferno. E ele parecia delicioso em suas apertadas calças pretas e camisa de seda preta que incharam sob o músculo em seus braços. Porra. ― O que você gostaria de beber, anamchara? ― Água― disse Rowan rapidamente. Ele não precisa de nenhum álcool nublando seu julgamento no momento. Manter a cabeça clara era definitivamente em ordem. Ele já estava sentindo um pouco tonto só de olhar para o homem. O álcool não iria ajudá-lo a qualquer. ― Mann ― o homem sentado ao seu lado disse sem olhar para longe de Rowan, ― busque para meu anamchara um pouco de água. Rowan começou a morder nervosamente em seu lábio inferior quando o olhar do homem tornou-se muito intenso. As ondas de luxúria saindo o cara estavam fazendo Rowan sentir muito quente e só um pouco dolorido. Ele olhou


rapidamente para fora só para ter o queixo agarrado e puxado de volta. ― Não, anamchara, você olha apenas para mim. Rowan franziu a testa. ― Quem é você? ― Ele sabia que havia algo diferente sobre este homem, mas ele não conseguia descobrir o que era. Ele escorria poder como uma segunda pele. Era tão forte, Rowan foi realmente surpreso que ninguém mais poderia sentir. ― Você pode me chamar Luca. O sorriso de Rowan balançou. ― Rowan ― Sobrenomes não eram necessários, se ele queria ficar longe do alto, sombrio e perigoso. E ele não tinha certeza se queria isso. ― Sim, eu sei. ― A pele ao redor dos olhos de Luca preguearam nos cantos quando ele sorriu. ― Eu perguntei o seu nome no momento que te vi. Rowan piscou surpresa. ― Sério? Isso foi ruim. ― Eu não poderia deixar você fugir de mim sem saber tudo sobre você. Wow! Obcecado muito? Rowan franziu a testa. ― Você sempre persegue pessoas que você acabou de conhecer? ― Só você, anamchara. ― Sorte a minha. ― Isso tudo foi ficando um pouco estranho. ― Não, anamchara, eu sou o sortudo, tanta sorte que o deus concebido poderia conceder-me com um presente tão bonito. Rowan tentou não se afastar quando os dedos deslizavam para baixo ao lado de seu rosto, mas levou todo o seu controle. As coisas estavam ficando mais estranhas a cada minuto. Ele só queria sair e ter um bom tempo, talvez encontrar alguém para passar a noite com ele.


Rowan tinha apenas arranjar uma boa fodida em mente quando ele saiu de seu apartamento. Ele não tinha a intenção de encontrar um Deus Grego. Talvez fosse hora de ir. ― Fique anamchara ― disse Lucas como se estivesse lendo a mente de Rowan, que foi irritante em si. ― Deixe-me beijar-te. Rowan engoliu em seco enquanto seus olhos caíram para os lábios cheios de Luca. Talvez não. Não era como ele tinha outras ofertas, e que poderia ferir um pequeno beijo? Porque beijar Luca seria como beijar o homem mais quente que já tinha visto em sua vida. E então ele poderia ir. Realmente. Juro. ― Tudo bem ― sussurrou Rowan. Ele não conseguia tirar os olhos longe dos lábios de Luca quando o homem se inclinou mais perto. Ele viu até que desapareceu de vista, em seguida, olhou para cima nos olhos escuros de Luca, inalando bruscamente quando ele percebeu que haviam escurecido ainda mais. Diferentes tons de vermelho escuro pareciam girar em torno de suas obscuras profundezas douradas, hipnotizando Rowan até que sentiu o toque dos lábios de Luca contra os dele e então ele gemeu. Beijar Luca era sugar até a última gota de ar direito para fora dos pulmões de Rowan. Seus lábios vibravam de tanto prazer preenchendo todas “células do seu corpo”. Rowan gemeu contra os lábios de Luca e aproximou-se, pressionando seu corpo contra o maior homem. Ele precisava de mais.


Quando a língua de Luca tocou em seus lábios, Rowan ansiosamente abriu a boca e deixou o homem vir dentro. Um sabor almiscarado doce explodiu

em

seus

sentidos

quando

suas

línguas

se

encontraram

e

entrelaçaram. Rowan não poderia ter evitado o som miado suave que deixou a sua boca se sua vida dependesse disso. Sua ereção dura latejava em suas calças, ameaçando romper seu zíper em uma necessidade de chegar a Luca. Rowan não conseguia se lembrar de estar tão excitado em sua vida. Era quase mais imperativa do que respirar para se aproximar do homem. Rowan passou a perna sobre as coxas de Luca e levantou-se para escarranchar colo do homem. Quando ele se estabeleceu e se sentiu pau duro de Luca pressionar-se contra ele através de suas camadas de roupa, a mente de Rowan fragmentou. Ele estremeceu de prazer quando sentiu as unhas arrastar para baixo sobre sua pele. Ele começou a se mover, pressionando-se para baixo no comprimento rígido de Luca. Ele pensou que poderia ter ofendido Luca quando o homem rosnou de repente, até que sentiu as mãos de Luca pegar o seu traseiro e empurrá-lo para baixo até que eles estavam moendo um contra o outro. ― Por favor ― sussurrou contra os lábios de Luca. Os ruídos em torno dele desapareceram. As luzes estroboscópicas entorpeceram como as cores douradas que rodavam nos olhos de Luca se aprofundaram. Nada importava, apenas sentir o corpo de Luca pressionado contra o seu enquanto os lábios do homem o devorou. ― É isso aí, meu anamchara. ― Rowan ouviu as palavras sussurradas em sua mente, mas era longe demais para pensar por que ele estava ouvindo elas. Rowan gritou em êxtase quando ele sentiu uma das mãos de Luca movimentar seu corpo para pressionar contra o seu pau dolorido através de


suas calças de couro. Eles estavam tão apertados que ele podia sentir todos os simples toques dos dedos de Luca. Sua cabeça caiu para trás sobre seus ombros enquanto ele movimentou seus quadris, tentando criar ainda mais atrito. Ele estava tão perto de explodir, ele quase podia sentir o gosto. Rowan estava tão enredado na corrida do prazer através do seu corpo que ele nem percebeu a calça desabotoada até que a pele quente da mão nua de Luca estava em volta do seu pênis. No mesmo momento, por outro lado Luca deslizou para baixo a parte de trás da calça, e um dedo espesso do homem se movendo para baixo entre o vinco da sua bunda, levemente vibrando sobre a sensível abertura de Rowan. Rowan começou morder baixo em sua garganta, o prazer ameaçando afogá-lo. Ninguém nunca tinha tocado nele de tal maneira. Ninguém jamais fez sentir o êxtase assim como antes. Rowan sentiu que estava em chamas e Luca foi uma adição de combustível para o fogo a cada toque macio. ― Luca! ― Sim, anamchara, é isso ― Rowan ouviu em sua mente novamente. ― Goze para mim. Mostre a seu mestre quanto você gosta de minhas mãos em você, o quanto você gosta de eu tocar em você. Palavras de Luca inflamou Rowan. Ele revisitaria o comentário sobre mestre mais tarde, muito tarde. Ele estava muito ocupado no momento de sair de sua mente. Cada sensação requintada fluindo através de seu corpo se reuniu em uma grande explosão súbita. O sentimento de Luca morder a pele macia entre o ombro e o pescoço era tudo que Rowan precisava cair sobre a borda do abismo. Gritos macios de Rowan de alegria encheram a sala VIP assim que seu sêmen encheu a mão de Luca. Pontos dançavam na frente de seus olhos,


sua visão flutuava dentro e fora de foco, antes de finalmente desaparecendo ao preto. A última coisa que Rowan viu foi o olhar de satisfação no rosto bonito de Luca e suas presas?

Capitulo Dois Luca olhou com descrença absoluta para o homem aninhado contra seu peito. Após centenas de anos a procura de seu anamchara, sua alma gêmea, o homem estava em seus braços. Luca nunca pensou em ver este dia. Ele havia desistido. E Rowan era lindo, a mais bela criatura que Luca nunca tinha posto os olhos. Com ele, sendo mais de 700 anos de idade, disse muita coisa. Ele tinha visto um monte de belas criaturas, mas nenhum como o homem em seus braços. Rowan tinha uma luz interior que brilhou através de sua própria alma. Quem olhasse para ele saberia a natureza doce do homem. Rowan seria perfeito enrolado a seus pés ou na cama de Luca. Luca não podia esperar para levar Rowan de volta para seu apartamento de cobertura onde ele poderia explorar plenamente as delícias do belo corpo de


Rowan prometia. ― Ele é lindo, Luca. ― Sim, ele é. ― Luca olhou para cima, dando a seu segundo em comando-algo que ele não havia sentido em anos, um sorriso verdadeiramente genuíno. Ele não foi surpreendido em pelo menos quando Mann inalou agudamente. A felicidade não era algo geralmente associado com Luca. Ele tinha um pouco de uma reputação de ser um vampiro, cruel e sanguinário. Foi uma fama que tinha cuidadosamente cultivado. Aqueles que atravessaram ele tinham ido para baixo sob sua ira sobre suas cabeças. Não muitos tentaram. ― Estamos indo até a cova, Mann ― Luca disse quando ficou de pé, levantando Rowan em seus braços. Ele ficou encantado quando Rowan sorriu e se aconchegou contra ele. ― Quero que todo mundo conheça o meu anamchara. ― Não direto para o apartamento, Luca? ―Não, eu quero que todos saibam que meu anamchara foi encontrado. ― É sábio, Luca? Ira tomou conta de Luca. Ele equilibrado seu anamchara com um braço e agarrou Mann em torno da garganta com o outro, levantando o grande homem do chão por vários centímetros. ― Você se atreve a questionar-me? ― Ele rosnou, expondo suas presas para o homem. ― N-Não, m-meu E-E Electus ― Mann engasgou quando ele agarrou a mão em volta do seu pescoço. ― N-Nunca. Luca soltou sua presa e permitiu Mann tirar do ar muito necessário. ― Fala. ― Ele é humano ― Mann disse enquanto esfregava sua garganta


machucada. ― Se você levá-lo em um covil de vampiros não reclamados, eles vão enlouquecer. Eu sou seu irmão, seu segundo em comando, e mesmo eu estou tendo dificuldade em controlar-me ao seu redor. Ele cheira muito bem. Você deve reclamar ele primeiro. Luca olhou para Rowan, levantando o homem de volta em ambos os braços. Talvez Mann tivesse um ponto. Rowan realmente cheirava maravilhoso ― Muito bem. Vamos ir direto para a noite na cobertura e desceremos à cova amanhã. ― Obrigado, meu Electus. Luca levantou uma sobrancelha para o homem. Mann foi o seu segundo em comando por mais anos do que Luca se importava de lembrar. Só quando eles estavam na companhia de outros que ele se referia a Luca como Electus. Só não estava no homem se curvar para ninguém. Mann apenas sorriu. Luca sacudiu a cabeça e partiu para o elevador que o levaria à seu apartamento no último piso. Ele fez uma pausa nas portas metálicas duplas, em seguida, virou-se para Mann. ― Rowan veio com alguém. Veja que ele saiba que Rowan esta ocupado e será para o resto de sua vida. Mann balançou a cabeça e apertou o botão para chamar o elevador. ― A menos que seja uma emergência, eu não quero ser incomodado até que eu chame por você na parte da manhã. ― Ele terá que comer Luca. Luca resmungou. Ele não precisava de ninguém lhe dizendo como cuidar de seu anamchara, especialmente alguém que não tinha um. Mann ergueu as mãos e deu um passo para trás. ― Basta lembrar


que ele é humano, Luca. Ele tem necessidades humanas. Luca não gostou de ser questionado, e não quando se tratava de seu anamchara. Ele manteve as mãos cuidadosamente acondicionadas em torno de Rowan. Foi a única coisa impedindo-o de alcançar e atacar Mann. Ele sabia que o homem não tinha a intenção de ameaçar seu território, mas era o que parecia que ele estava fazendo. ― Rowan é meu! ― Luca estalou. ― Tudo o que ele precisa, vou dar. Mann se afastou do perigo. No momento em que o elevador chegou e as portas se abriram, Luca entrou. Ele manteve uma estreita vigilância sobre Mann enquanto as portas se fecharam. No momento em que a ameaça se foi, a raiva furiosa dentro de Luca desapareceu. Ele respirou fundo só para ter seus sentidos cheios do doce aroma de Rowan. Luca gemeu e estremeceu com o desejo que atravessou seu corpo ao sentir o cheiro simples de seu anamchara. Se apenas um cheiro o fez tão duro como pregos, ele não poderia conter alem de se perguntar o que seria quando verdadeiramente reivindicasse Rowan. Ele tinha sido atraído para Rowan desde o momento em que o viu em uma foto no escritório de Seth Connelly. Luca tinha feito tudo ao seu alcance para atrair Rowan para seu clube, mesmo oferecendo a Seth uma sociedade para o seu clube se ele concordasse em levar Rowan junto com ele. E agora ali estava ele. Luca não queria nem começar a definir as emoções que estava sentindo, enquanto ele carregava Rowan fora do elevador e em seu apartamento de cobertura. Ele só sabia que segurando Rowan em seus braços o fez mais feliz do que ele poderia lembrar de sentir. Luca carregou Rowan através da cobertura e direto para seu quarto.


Quando ele chegou à sua cama, ele gentilmente colocou Rowan para baixo com a cabeça no travesseiro e seu corpo estendido ao longo do edredom cobrindo o colchão. Este era o lugar onde Rowan pertencia, em sua cama e ao seu lado. Luca sentou-se no lado da cama ao lado de Rowan e estendeu a mão para acariciar seu dedo ao longo de sua face. ― Rowan ― ele sussurrou baixinho, ― abra os olhos, meu amorzinho. As pálpebras de Rowan vibraram e levantaram lentamente, revelando belos olhos claros verde-musgo. Luca sorriu quando uma carranca pequena desenhou. As sobrancelhas loiras de Rowan se juntando para baixo sobre a testa. Era um olhar adorável sobre o homem. ― Olá, anamchara. Rowan olhou em volta, claramente confuso. ― Onde estou? ― Você está seguro, anamchara. ― Rowan era a mais segura pessoa no

mundo.

Luca

mataria

qualquer

um

que

tentasse

prejudicar

seu

companheiro. ― Estamos na suíte do Hotel Electus. ― O Hotel Electus? ― O clube caverna de Cristal é no primeiro andar do Hotel Electus. ― Luca era muito orgulhoso do seu clube e hotel. Tinha estado no negócio por mais de cem anos. Passou de um buraco de água e bordel antes da virada do século, para uma casa e embarque clandestino durante a Lei Seca para um salão de dança e hotel após a Segunda Guerra Mundial, em seguida, ao hotel resort de cinco estrelas de hoje. E durante todo esse tempo, era um local de férias para os vampiros em toda parte. As sobrancelhas de Rowan franziram novamente. ― Fui dançar com meu irmão Seth e... ― Sua voz foi sumindo lentamente quando a consciência encheu seus olhos, e eles se arregalaram quando eles atiraram para atender Luca. ― Você, você me mordeu.


O canto da boca de Luca levantou em um meio sorriso, revelando uma presa branca. ― Eu fiz. Espero fazê-lo muitas vezes. Seu sangue tem gosto divino. Rowan olhou por um momento, em seguida, estendeu a mão para o dedo na presa de Luca. Luca gemeu com o toque erótico. Ele não tinha ideia de que suas presas seria uma zona erógena. Parecia que Rowan estava acariciando seu pau. ― Você realmente tem dentes. ― Claro anamchara. ― Luca riu do espanto no rosto de Rowan. ― De que outra forma eu poderia beber o seu sangue? ― Você é um vampiro. Luca soltou uma gargalhada, outro som que não tinha ouvido vir de sua própria boca, em eras. ― Sim, anamchara, eu sou. Mas não se preocupe. Você não pode ser transformado em um vampiro. Você tem que nascer um. Você continuará a ser humano. Rowan inclinou ligeiramente a cabeça. Ele parecia mais curioso do que com medo. Luca esperava que sim. Ele nunca quis Rowan tendo medo dele. Luca sabia que a maioria dos humanos congelou de medo com a ideia de vampiros, mesmo que a maior parte do mundo sabia que eles existiam. ― O que faz você pensar que eu sou humano? Houve momentos na existência de Luca quando ele sabia que sua vida estava prestes a mudar de maneira que ele nunca esperou. Ele sempre soube quais aqueles momentos eram quando eles aconteceram. Um arrepio correu pela espinha acima terminando nos cabelos em pé, na nuca de seu pescoço dizendo-lhe que isso era apenas um destes momento. ― O que quer dizer que você não é humano? ― Luca perguntou cuidadosamente. Seus músculos tensos quando Rowan revirou os olhos.


― Duhh... Eu sou um lobo. ― Você não pode ser. ― O coração de Luca começou a bater mais rápido em seu peito. Não havia nenhuma maneira que o amor de sua vida era um shifter lobo. Só não foi possível. Ele saberia. Ele iria cheirá-lo em Rowan. ― Você tem cheiro humano. O rosto de Rowan virou quase cômico quando ele riu. ― Você é um vampiro. Eu estaria disposto a apostar que o que você realmente sabe sobre lobos não iria encher um dedal. Luca teve a nítida sensação de que Rowan estava rindo dele. Ele lentamente empurrou-se para fora da cama e se levantou. Não importava o que disse Rowan, ele cheirava humano. Luca teria sabido se Rowan era um shifter, não iria? ― Por que você não cheira como um shifter? Rowan encolheu os ombros. ― Ninguém na minha família cheira. Tem algo a ver com a nossa linha genética. Nós sempre cheiramos humanos. É uma das maneiras que a minha família tem sido capaz de se misturar com os humanos durante tantos séculos. Luca empurrou a mão pelo cabelo enquanto ele começou a andar ao redor do quarto. A agitação correndo solto por meio de seu corpo era como uma entidade viva respirando. Seu anamchara não poderia ser um shifter. Era inédito. Os vampiros e shifters lobo não se misturavam. Eles não tinham em séculos. ― Isso significa que você não vai me morder de novo? Luca se virou para olhar para Rowan. Será que Rowan ser um shifter significa que ele não morderia o homem de novo? Ou reclamaria ele? Apenas o pensamento de se afastar de Rowan fez seu peito doer.


Mas um shifter? Quando Luca não disse nada, Rowan suspirou e saiu de cima da cama. Ele parecia um pouco incerto por um breve momento, em seguida, endireitou os ombros e respirou fundo. ― Ok, bem, era uh... Reunião interessante que você, Luca. Luca cerrou o maxilar enquanto observava Rowan atravessar o quarto. Ele o seguiu, parando na sala de estar quando Rowan foi até o elevador e apertou o botão para chamá-lo. Quando as portas do elevador se abriram, Rowan entrou e virou o rosto para Luca. ― Você sabe, é realmente muito ruim que você é um idiota. ― Rowan balançou levemente a cabeça enquanto olhava outro lado da sala de Luca. ― Nós poderíamos ter sido bem juntos. A mandíbula de Luca caiu enquanto as portas do elevador deslizaram fechadas e seu anamchara foi levado. Ele não conseguia se lembrar da última vez que alguém lhe tinha falado de tal maneira. Ele certamente não tinha esperado do homem destinado a ser sua alma gêmea. Ele não sabia se ficava insultado ou intrigado. Ele decidiu que ele estava indo ir com intrigado. Luca riu para si mesmo quando ele se aproximou e pegou o telefone, discando a seu irmão. Ele ainda não sabia como ele estava indo reivindicar seu anamchara, mas ele não estava deixando ele ir. ― Mann, meu anamchara está descendo. Por favor, veja que ele chegue em casa com segurança, em seguida, vigie-o. Guarde-o com a sua vida. ― Ele está saindo? ― Mann parecia chocado. ― Parece que há mais para o meu amor que só a aparência.


― Ah? Luca não podia esperar para ouvir reação de Mann às notícias de Rowan. ― Ele é um shifter. O silêncio veio em toda a linha durante vários segundos, em seguida, Mann riu. ― Tente novamente, Luca. Se ele tivesse sido nada, além de humano, teríamos descoberto quando o investigamos. Inferno, nós teríamos cheirado ele quando ele entrou no clube. Todo mundo teria. O cheiro de um shifter não pode ser falsificado. ― Você não pensa, mas de acordo com Rowan, é algo em sua composição genética. Ninguém na sua família tem cheiro de lobo. ― Luca segurou a respiração enquanto ele esperava. ― Lobo! ― Mann gritou. Bingo. ― Sim ― Luca suspirou. ― Parece que os deuses acharam por bem me cruzar com um de nossos inimigos mais ferozes e mais odiados.

Rowan gemeu quando ele rolou. Sua discussão com Carlton estava voltando para mordê-lo na bunda. Sua cabeça latejava e tinha sido desde que deixou Luca na cobertura. Oh, espere, era a porta da frente. Rosnando baixinho sobre as pessoas estando acordadas antes do humanamente possível, Rowan virou as


cobertas e saiu da cama. Ele tropeçou pelo corredor até a porta da frente e abriu-a, mesmo não tendo tempo para ver quem era primeiro. Ele só queria que a batida parasse. ― O quê? ― Ele resmungou em voz alta, em seguida, desejou que ele não tinha feito quando a batida em sua cabeça aumentou. Rowan gemeu e agarrou sua cabeça. Ele sabia que ia pagar por irritar Carlton ontem à noite, e agora ele estava. Ele só não esperava que doesse muito malditamente. Ele deveria ter pensado melhor. ― Oh, meu anamchara, o que há de errado? Rowan piscou e olhou para cima. ― Luca? Ele mal teve tempo de registrar a poderosa presença do homem diante de dois braços fortes enrolados em torno dele e levantando-o no ar. Ele sabia que era uma má ideia, mas ele não podia impedir-se de inclinar-se no peito de Luca e enterrando o rosto no pescoço do homem. O Cheiro forte de Luca instantaneamente encheu seus sentidos. Ele teceu em torno dele, infundindo em suas próprias células. Curiosamente, quanto mais o cheiro forte de Luca que ele inspirava, mais a palpitação na cabeça diminuía. Rowan gemeu quando ele foi deitado em sua cama e Luca se afastou dele. Ele queria manter o homem próximo, para manter a dor sob controle. Quando Luca levantou-se, Rowan tentou alcançá-lo e puxá-lo de volta. ― Eu volto logo, anamchara ― Luca sussurrou suavemente. Rowan choramingou quando a dor em sua cabeça começou a latejar novamente. Ele rapidamente fechou os olhos contra a luz da manhã brilhante vindo através da janela. Ele odiava manhãs apenas por este motivo. ― Aqui, meu doce.


Oh. Rowan suspirou de alívio, quando um pano frio e úmido foi pressionado contra a sua testa. ― Cubra as janelas, Mann. Um momento depois, o quarto escureceu. Rowan pode ter tido os olhos fechados, mas nem mesmo ele poderia dizer quando a luz da manhã já não brilhava através das janelas. Esperou um momento e depois cautelosamente rachou os olhos abertos. ― Luca ― ele sussurrou. ― Aqui, anamchara ― Luca disse quando estendeu a mão. ― Estes devem ajudar. Rowan franziu a testa em confusão, até que viu as duas pequenas pílulas brancas na palma da mão de Luca. Infelizmente, ele sacudiu a cabeça. ― Eu não tomo pílulas. ― Por que não? ― A sobrancelha de Luca arqueou. ― Eles são analgésicos. E devem ajudar. Rowan balançou a cabeça. ― Meu metabolismo só queimaria. O rosto de Luca escureceu. ― Então, você só tem que sofrer? ― Basicamente. ― Você estar com dor não é aceitável, Rowan. Rowan riu, em seguida, desejou que ele não tivesse quando cacos de dor o apunhalaram no seu templo. Ele fechou os olhos e arrastou para baixo o pano para cobri-los. ― Eu não tenho certeza até mesmo você pode controlar isso, Luca.


― O inferno que não posso. Rowan levantou a toalha e abriu os olhos para olhar para cima em Luca. ― Exatamente o que você está fazendo aqui? ― Eu vim para te levar para casa. Rowan olhou para Luca por um momento. O homem parecia completamente sério. Seus braços estavam cruzados sobre o peito, e ele tinha uma sobrancelha levantada, como se atrevesse Rowan a discutir com ele. Rowan gemeu e deixou cair a toalha de volta sobre seus olhos. Macho alfa no mínimo. ― Vá para casa, Luca. ― Sua cabeça doía demais para lidar com esta merda agora. ― Eu não vou embora sem você, Rowan . ― Tanto faz. Rowan acenou Luca a distância. Ele queria discutir com Luca, mas sua cabeça estava começando a latejar novamente. Ele cegamente estendeu a mão para o homem, querendo inalar seu cheiro forte novamente para que a dor na cabeça abaixasse mesmo se apenas um pouco. Quando Luca segurou a mão dele, Rowan puxou até que o homem subiu na cama com ele. Rowan não compreendia por que Luca cheirava assim e a presença diminuía sua dor, mas ele não estava indo combatê-la também. Tudo o que tirou a agonia na cabeça valeu a pena ter o vampiro dominante em sua cama. Rowan rolou para o lado dele e puxou o braço de Luca em torno de seu peito. Luca hesitou por um momento e depois enrolou em torno dele. Rowan suspirou profundamente enquanto o cheiro de Luca o rodeava. Ele lidaria com o homem controlador mais tarde. Agora, ele só queria dormir até


que ele não sentisse que a cabeça ia explodir. ― Você dorme anamchara. Eu vou cuidar de tudo.

Rowan abriu os olhos. Sua cabeça já não estava latejando de dor, mas ele ainda ouviu a batida. Felizmente, ela parecia vir de outro lugar e não dentro de sua cabeça. Rowan levantou-se em uma posição sentada e olhou em torno de seu quarto, confusão florescendo dentro dele. Ele franziu a testa. Era seu quarto, certo? Parecia o quarto dele, mas tudo o que tinha foi embora, exceto a cama que ele estava deitado e a cômoda no canto, e até mesmo o guarda-roupa estava vazio, as gavetas puxadas para fora e empilhadas no chão ao lado dele. Rowan empurrou quando ouviu um estrondo do outro quarto. Ele se levantou e correu em sua sala de estar, chegando a um ponto insuportável quando viu todas as caixas empilhadas perto da porta da frente e da multidão de desconhecidos embalando ainda mais caixas. Ele estava sendo roubado? Ele nunca tinha ouvido falar de um assaltante que embalasse ordenadamente as coisas de uma pessoa em caixas antes de roubar os itens. Será que os ladrões educados existiam? ― Que diabos está acontecendo aqui? ― Rowan gritou antes que pudesse impedir a si mesmo. Quando todos os olhos na sala se partiram em sua direção, Rowan a sério gostaria que ele tivesse ficado de boca fechada. Inferno, ele desejava que ele ainda estivesse de volta em seu inconsciente no


quarto. Em qualquer lugar teria sido melhor do que uma sala cheia de vampiros.

Capitulo Tres

Luca riu quando ele saiu da cozinha e encontrou Rowan enfrentando uma sala cheia de vampiros. Seu pequeno anamchara era tão feroz. Ele provavelmente irá obter sua bunda chutada se ele tentasse tirar os vampiros, mas ele tinha o espírito de um guerreiro. Ele passou os braços em torno de Rowan e se inclinou para beijar o lado do pescoço. ― Olá, anamchara. Como está sua cabeça? ― Luca ― Rowan estalou quando ele se virou e empurrou-se dos braços de Luca. Uma de suas mãos pousou em seu quadril. A outra acenou de volta para a sala cheia de vampiros. ― Quem diabos é que todas essas pessoas, e que diabos eles estão fazendo no meu apartamento? Luca rosnou pelo veneno escorrendo de Rowan. Ele estava à beira de lembrar a Rowan do seu lugar quando ele viu o medo espreitando silenciosamente nos olhos de Rowan. Seu coração derreteu instantaneamente.


seu anamchara estava assustado e, obviamente, tornou-se desagradável quando ele estava com medo. Luca teria apenas que garantir a Rowan que nunca devia ter medo ou bater em sua bunda. ― Eles são simplesmente da minha tribo e estão aqui para ajudar a embalar as suas coisas. ― Luca estendeu a mão para Rowan, puxando o homem de volta em seus braços. ― Acalme-se, anamchara ― ele sussurrou baixinho contra templo de Rowan. ― Eles não vão machucá-lo. ― Luca, o ... ― Confusão guerreou com o medo nos olhos de Rowan, quando ele olhou para Luca. ― Por que eles estão arrumando minhas coisas? Luca passou os dedos pelo rosto pálido de Rowan. ― Eu disse que iria cuidar de tudo, anamchara. ― Então você está embalando minhas coisas? Luca não poderia deixar de sorrir na indignação na voz de Rowan. ― Sim. Rowan franziu a testa. ― Por quê? ― Rowan, seu apartamento é muito bom, mas não é grande o suficiente. Rowan olhou ao redor por um momento antes de seu olhar voltar para Luca. ― Suficientemente grande para quê? ― Para minha tribo. ― A sua tribo? ― A Mandíbula de Rowan caiu. ― Que diabos é que a sua tribo tem a ver com o meu apartamento? ― Bem, eu não posso muito bem comandar a minha tribo a partir daqui, agora eu posso? ― Luca acenou com a mão ao redor da sala, sem entender por que Rowan não compreendia a situação. ― Há espaço, mas


apenas não basta, Rowan. Os olhos de Rowan se estreitaram. ― Você não está trazendo aqui a sua tribo, Luca. ― Isso é exatamente o que eu venho dizendo, Rowan. Não há espaço suficiente aqui. Movendo à minha casa é uma solução muito melhor. Luca arqueou uma sobrancelha quando Rowan bateu o pé. ― Você não está me ouvindo, Luca. ― Eu ouvi cada palavra que você disse anamchara. ― Então, dê o fora da minha casa. Luca cerrou o maxilar e tentou não deixar de ir a raiva súbita esmagadora que teve em cima de Rowan. Ele sabia que seu anamchara precisava de um tratamento especial, mas se ele permitisse que este desrespeito acontecesse na frente dos membros de sua tribo, eles começam a pensar que eles poderiam fazer o mesmo e isso levava a desafios. Desafios levaram à morte de alguém, e Luca não podia permitir isso. ― Não se esqueça de si mesmo, Rowan. As sobrancelhas de Rowan dispararam. ― Desculpe-me? ― Não se esqueça de onde você está ou quem você está falando. Rowan olhou ao redor da sala, quase como se ele estivesse tentando tranquilizar-se que ele ainda estava de pé no meio do seu apartamento. Quando ele olhou para Luca, ele abriu bem os braços, apontando para a sala ao seu redor. ― Estou em meu apartamento, Luca. ― Cercado por membros da minha tribo. O rosto de Rowan drenou de todas as cores quando ele rapidamente


olhou para os outros na sala de novo. Luca sabia que os membros de sua tribo estavam

prestando

atenção

na

conversa,

mesmo

que

não

estavam

completamente a observá-los. Rowan apertou as mãos em um punho ao seu lado quando ele olhou para Luca. Seus olhos pareciam estar olhando para o peito de Luca, e não seu rosto, como se ele tivesse medo de levantá-los. ― Minhas desculpas, Luca. Isso não vai acontecer novamente. Luca sacudiu a cabeça, rindo um pouco. ― De alguma forma eu duvido disso. ― Posso voltar para o meu quarto agora? Luca inclinou ligeiramente a cabeça, enquanto olhava para seu anamchara. O comportamento e tom de voz de Rowan eram de alguém muito subserviente. Ele havia conhecido Rowan a vinte e quatro horas, mas mesmo ele sabia que Rowan não era submisso, que foi por isso que a atitude de Rowan o confundiu tanto. ― Rowan ... ― Por favor? ― Claro. ― Obrigado. Os olhos de Luca se estreitaram, enquanto observava Rowan passar por ele de volta para o quarto. A porta se fechou silenciosamente atrás do homem. Apesar da madeira sólida entre eles, Luca sentia o cheiro do medo saindo de Rowan. Era como um cheiro azedo no ar. E ele não gostou, não quando ele veio de Rowan. ― Isso não está indo tão bem, não é? Luca se virou para olhar para Mann, sentindo-se mais confuso a cada


segundo. Ele acenou com a mão em direção à porta do quarto. ― Você sabe o que aconteceu aqui? Mann bufou. ― Você não ? Luca rosnou e mostrou uma presa, a ameaça que pairava no ar entre ele e Mann. ― Luca, você só assustou Rowan. ― O inferno se eu fiz! ― Luca estalou. Ele nunca iria assustar Rowan. O homem era sua alma gêmea. Agora que ele havia encontrado seu anamchara, Rowan era o seu mundo. ― Quer apostar? Luca resmungou novamente, apertando as mãos em punhos. ― Diga o que você quer dizer, Mann, antes que eu precise de um novo segundo comandante. Mann revirou os olhos, em seguida, apontou para os outros vampiros no quarto. ― Você basicamente disse a ele que era melhor ele assistir a boca ao falar com você, porque ele estava em uma sala cheia de vampiros sedentos de sangue. ― E? A mandíbula de Mann caiu. ― Você não viu, não é? ― Ver o quê? ― Ele é um lobo, Luca. ― Estou plenamente consciente disso, Mann. ― Em uma sala cheia de vampiros. Luca franziu a testa. ― E? ― E você só ameaçou.


― Eu não fiz isso! ― Luca gritou. ― Eu disse a ele que ninguém iria machucá-lo. ― E? ― Mann disse, jogando a própria palavra de Luca de volta para ele. Luca esfregou a ponta de seu nariz, ele respirou fundo e tentou não pensar em como bom sua vida seria se ele rasgasse a garganta Mann agora. ― Mann, você não está fazendo sentido. ― Um lobo simples em uma sala cheia de vampiros que gostaria nada mais do que a sugá-lo seco e você se pergunta por que ele disse exatamente o que você queria ouvir? Eu imagino que ele teria concordado com o céu estar roxo se você lhe pediu. Ele estava apavorado. ― De quê? ― De você . Luca piscou quando um frio o atravessou. Ele começou a abanar a cabeça. ― Não, ele é meu companheiro. Eu nunca ... ― Será que ele sabe disso? Luca franziu a testa. ― Sabe o quê? ― Que ele é seu companheiro? ― Claro. Ele ... ― a testa de Luca vincou enquanto ele considerava a possibilidade de que Rowan podia não saber que eram companheiros. Se Rowan era um lobo, ele teria sentido a mesma atração que Luca. Rowan tinha de saber. Será que não sabia? Luca se virou sem uma palavra e correu em direção ao quarto. De alguma forma, ele não estava surpreso ao encontrar a porta do quarto trancada. Ele agarrou a manivela e apertou-o até que ele ouviu um estalido


quando a fechadura quebrou, então a empurrou para abrir. Levou um momento para Luca para se ajustar à escuridão no quarto. Quando o fez, um rosnado baixo começou a construir em seu peito. O quarto estava vazio. Tá certo, a cama ainda permanecia no meio do quarto, mas não havia nenhum Rowan sobre ela, apenas uma cortina soprando contra uma janela. Luca correu até a janela. O cheiro de seu companheiro estava desaparecendo na brisa suave, mas estava lá. Luca segurou o parapeito da janela até que ela se dividiu e cedeu sob suas mãos. Ele jogou a cabeça para trás e rugiu com a dor preenchendo cada célula em seu corpo. Rowan tinha corrido dele. ― Luca! ― Mann gritou enquanto corria para o quarto, uma arma em cada mão. Vários soldados mais vindo atrás dele. Luca se virou bem a tempo de ver o homem fazer a varredura do espaço para uma ameaça, em seguida, olhar para Luca em confusão. ― O que é isso, meu Electus? ― Rowan foi embora . ― Ele foi levado? Luca cerrou os punhos. ― Dele é o único aroma. O entendimento encheu os olhos de Mann. ― Vou organizar uma caçada ― Mann disse quando começou a virar longe. ― Não. ― Não? ― Mann perguntou quando ele olhou para trás por cima do ombro. ― Se o meu anamchara não quer ficar comigo ―, Luca estava tenso ao empurrar as palavras abomináveis pelos lábios ― Não vou forçá-lo.


Mann abriu a boca, em seguida, parou para encarar os outros soldados no quarto. ― Deixe-nos ― retrucou. Assim que todos foram para fora do quarto, Mann fechou a porta e voltou para Luca. ― Não faça isso, Luca. ― Não fazer o quê? ― Luca perguntou quando ele se virou para olhar pela janela aberta novamente. Sentia-se como o seu coração tivesse sido arrancado de seu peito e até agora percorriam as ruas, desprotegidos e perdido para ele. ― Não se faça de idiota, Luca. Não fica bem em você. Luca resmungou. Ele estava do outro lado do quarto com as mãos envolvidas em torno da garganta de Mann no instante seguinte. Cada gota de agonia que fluía através dele, a deserção seu anamchara, saiu enquanto ele batia seu irmão contra a parede. ― Você se atreve a falar-me de tal maneira? ―Luca. ― Mann tossiu enquanto ele segurava nos dedos enrolados em torno de sua garganta. ― P... por favor. ― Eu sou o seu Electus! ― Você também é uma dor na bunda. Luca inalou agudamente quando ouviu a voz de Rowan atrás dele. Ele soltou Mann e ouviu-o bater no chão enquanto ele se virava. Algo semelhante a alegria encheu Luca quando ele viu Rowan subir de volta na janela. ― Você voltou. Rowan revirou os olhos. ― Olá! Lobo aqui. ― Rowan agitou as mãos para baixo em seu corpo nu. ― Eu fui dar uma corrida para limpar a minha cabeça. Nós fazemos isso. Luca correu pelo quarto e puxou Rowan em seus braços. Ele enterrou o rosto no pescoço de Rowan e respirou profundamente enquanto ele


esmagava o corpo do homem ao seu. Rowan não o tinha deixado. Ele tinha acabado de ir dar uma corrida. Luca não sabia se sacudia Rowan por ser irresponsável com a sua segurança ou beijava-o por voltar, até que ambos desmaiassem. ― Você voltou ― Luca sussurrou novamente. A sensação de Rowan de volta em seus braços deixou Luca tonto. Proteção o encheu beirando com obsessivo. Rowan tinha pensado que ele era um perseguidor da noite que se conheceram. Seu anamchara não tinha ideia. ― Uh, duhh ― Rowan riu. ― Eu moro aqui. ― Não. ― Luca sacudiu a cabeça quando ele levantou-se para olhar para seu companheiro. ― Você vive comigo agora. Rowan piscou. ― Eu posso falar? ― Sim, e você nunca vai sair do meu lado novamente se tenho algo a dizer sobre isso. ― Luca ... ― Não. ― Luca sacudiu a cabeça com firmeza. ― Não é motivo de debate. Como você quer decorar o apartamento está em debate. O que você quer no menu está em debate. Quem quiser ser convidado a nossa cerimônia de compromisso está em debate. Deixando meu lado não está. ― Luca ... ― Não! ― Luca agarrou os braços de Rowan e sacudiu-o enquanto o desespero começou a ultrapassá-lo. Ele não podia viver sem Rowan. Aqueles poucos momentos de partir o coração quando ele se foi, mostrou a Luca isso. ― Não, você não vai sair do meu lado novamente. ― Você quer calar a boca e deixar-me falar? ― Rowan disparou. Luca arqueou a sobrancelha para o fogo começava a arder nos olhos


verdes. Em vez de irritá-lo como teria feito com alguém, exceto Rowan, a raiva nos olhos de Rowan fez o seu pau duro como uma rocha. ― Sim, anamchara? ― Este é um apartamento mobiliado de aluguel ― disse Rowan. ― Nem tudo precisa ir. Luca piscou. ― Nós vamos fazer uma lista do que não ir mais tarde. ― Luca puxou Rowan contra seu peito. Ele ouviu um grunhido pequeno vindo de seu anamchara seguido de uma risada pequena. Luca sorriu e abraçou Rowan mais apertado. ― Mann, vá embora. ― Sim, Electus. Luca podia ouvir a diversão na voz de Mann, mas ele não se importava. Ele pegou Rowan em seus braços e o levou para a cama. Ele comeu avidamente feições delicadas Rowan com seus olhos quando ele deitou no colchão, em seguida, subiu para pairar por cima dele. ― Eu quero dizer, Rowan, ― Luca sussurrou. ― Você nunca está deixando meu lado de novo. O rosto de Rowan se iluminou quando ele sorriu. A Respiração de Luca ficou presa em sua garganta quando Rowan abriu as pernas. Luca gemeu quando ele caiu entre elas e sentiu o roçar de paus duros um contra o outro através de suas calças. Sabendo que Rowan estava tão excitado como ele o encheu com ainda mais necessidade. ― É hora de eu reivindicar você corretamente, anamchara. ― Você sabe que eu tenho que reivindicar você, também, certo? ― Sim ― Luca sorriu quando algo semelhante a alegria o encheu. Rowan sabia que eles eram companheiros. Isso foi uma coisa boa. Significava


que Luca não teria que convencer seu companheiro que pertenceriam juntos. ― Eu tenho que morder-lhe, Luca, para que o nosso laço possa se formar. ― O elo entre nós já começou a se formar. Tudo começou com o nosso primeiro beijo. Rowan mordeu o lábio inferior por um momento, franzindo a testa. ― Eu ser um lobo nunca vai mudar, Luca. ― Eu ser um vampiro não vai mudar tanto, anamchara. ― Precisamos discutir o que significa ser acasalado a um shifter lobo, Luca. ― Rowan parecia hesitante. ― Eu não tenho certeza que entendeu o que isso significa. ― Não vai mudar nada, Rowan. ― Ele prenderia Rowan a sua cama, se ele tivesse que fazer. ― Você é meu anamchara. Eu não vou desistir de você.

Rowan abriu a boca para argumentar que era importante para Luca saber o que significava ser acasalado a ele, mas Luca capturou seus lábios naquele momento, roubando todos os pensamentos da cabeça de Rowan enquanto ele roubava o fôlego dos pulmões de Rowan. Ele gemia no beijo quando o cheiro de Luca encheu todos os poros em seu corpo.


Para um homem grande, os lábios de Luca eram suaves amanteigado. Rowan poderia tornar-se rapidamente viciado em beijar o homem durante todo o dia, a cada dia. Era muito bom. Ele choramingou quando sentiu uma mão grande, lisa e fria roçar o peito até que a mão de Luca estava envolta em torno da garganta de Rowan. Ele deveria ter medo de ter um vampiro enorme pairando sobre ele com presas afiadas brilhando na luz baixa e uma mão em volta do seu pescoço, mas por incrível que pareça, Rowan não estava. Estava excitando-o em vez disso. ― Submeta para mim, Rowan. ― Luca resmungou na boca de Rowan enquanto sua língua seguia ao longo dos lábios de Rowan para o fundo, fazendo tremer o corpo inteiro de Rowan. ― Você deseja ... ― Rowan sussurrou de volta antes de sugar língua de Luca para o fundo da garganta. Ele sorriu ao redor da boca de Luca, quando ouviu um rosnado baixo, gutural vindo de seu companheiro. Não havia nenhuma maneira de Luca fazer Rowan se submeter. Só não estava nele. Luca precisava aprender isso. Ele mexeu em Luca quando sentiu seu companheiro abrir as calças. Rowan estava desesperado para sentir um grande pau duro no traseiro dele, e ao inferno com quem estava na outra sala. Eles estavam prestes a ouvir alguns gritos altos e o balanço do quarto. Rowan não era um amante calmo. Nu-uh. Ele era muito vocal, e Luca estava prestes a descobrir o quão alto ele realmente era. ― Eu preciso de pele. ―A voz de Luca foi tensa, quase como se ele estivesse tão desesperado como Rowan estava para sentir sua pele colidir.


Rowan estendeu a mão, puxando a calça jeans de Luca. Luca apenas recostou-se e permitiu que Rowan o despisse. Quando ele puxou as calças para baixo de Luca, Rowan engoliu o caroço seco na garganta. Quem sabia que os vampiros eram assim bem dotado? Ou era apenas Luca? Rowan não se importava desde que ele chegou a provar o comprimento rígido. Ele poderia provar seu companheiro na boca antes mesmo de Rowan se inclinar e passar sua língua na cabeça úmida. ― Chupe, anamchara ― Luca gemeu. Oh, ele planejava fazer isso e muito mais. O corpo de Luca era algo a ser adorado e explorado. As linhas finas que corriam ao longo do abdômen de seu companheiro estavam definitivamente merecendo sua atenção. Rowan ia adorar cada centímetro do corpo maldito de Luca. Sua língua girava ao redor do pênis, lambendo o líquido transparente que parecia ter multiplicado enquanto sua outra mão alcançou debaixo de Luca e suavemente massageou as bolas do homem. Rowan se inclinou um pouco mais perto, tomando o pau de seu companheiro ainda mais em sua boca enquanto sua língua achatava e corria o comprimento do pênis de Luca. ― Sim, anamchara. Não pare de chupar-me. Rowan rastejou de quatro, praticamente empurrando o rosto na virilha de Luca quando ele o levava para o fundo da garganta. Pelos pubianos de Luca fazendo cócegas no rosto de Rowan enquanto ele respirava pelo nariz, usando os músculos de sua garganta para ordenhar o eixo de seu companheiro. ― Não assim ... ― Luca resmungou, puxando para fora da boca de Rowan. Bem maldição, ele estava se divertindo também. Rowan balançou o seu traseiro, sorrindo para Luca. ― Então, como? Luca chegou por trás de Rowan e bateu no seu traseiro, fazendo-o


queimar com a lembrança da mão que tinha acabado de conectar-se com a sua pele. ― Eu vou te ensinar sobre ser um moleque. Rowan riu enquanto puxava camisa de Luca sobre sua cabeça e atirou-a de lado. Ele se virou, dando Luca uma bela vista de sua bunda. ― Eu já sei como ser um. Você não precisa perder as suas aulas em mim. ― Não é isso que eu quis dizer. Rowan enfiou a bunda mais no ar, tentando desesperadamente tentar o seu companheiro para fodê-lo e calar a boca. ― Você vai me reclamar ou o quê? ― Ele gritou quando outra mão voou pelo ar, acertando sua bunda de novo. ― Eu vejo que você tem muito a aprender ― disse Luca enquanto seus dedos roçaram sobre seu buraco enrugado. Rowan gemeu, não se importando em continuar a conversa. Ele queria ser fodido. Sua cabeça rolou para frente quando Luca cobriu suas costas, os dedos alcançando abaixo enquanto Luca beliscava seus mamilos . Ele podia sentir seu pau crescendo mais enquanto Luca habilmente dominava seu corpo. Rowan gritou quando sentiu uma seu dedo roçar seu ânus. Uma pressão

ligeira

aplicada,

e,

em

seguida,

o

dedo

de

Luca

afundou

profundamente. Ele arquejou, querendo sentir mais, mas precisando de um minuto para ajustar. Ele não tinha certeza se gritava ou balançava para trás e para frente sobre a invasão. O balanço venceu quando Rowan começou a balançar para trás e para frente em sua mão e joelhos, gritando alto quando Luca adicionou um segundo dedo. Ele se sentiu tão pleno e maravilhoso. ― Vejo que tenho um anamchara muito barulhento ― comentou Luca quando ele torceu o pulso, passando sobre a próstata de Rowan. Seu pênis


disparou um surto de sêmen quando Rowan gritou mais alto. Ele podia ouvir movimento no outro quarto, mas Rowan rapidamente bloqueou o ruído de sua mente. Ele estava se concentrando em Luca e só nele. Foda-se todos os outros. Rowan chegou em cima dele e agarrou a cabeceira da cama quando sentiu a cabeça do pau de Luca empurrando a sua entrada. Rowan estava tão excitado que ele caiu para trás, espetando seu corpo no pau de Luca. ― Anamchara! Rowan ignorou o protesto de Luca quando ele bateu de volta mais uma vez. Sua voz elevado a um grito tão alto que os vizinhos provavelmente acharam que alguém estava matando Rowan. Mas, novamente, seus vizinhos estavam acostumados a voz de Rowan. Não que ele trouxe para casa muitos homens. Eles só estavam sendo usado. O desejo estourou em todo o corpo de Rowan quando a mão de Luca serpenteou até o pescoço e sobre o seu couro cabeludo, Luca pegou um punhado de cabelo de Rowan e deu um puxão. Rowan ergueu a bunda maior e gritou seu prazer. ― Porra, você é realmente um amante excelente. Tão sensível ― Luca cantarolava. ― Só me foda mais duro, Luca, ― Rowan gritou enquanto seu companheiro começou a bater na sua bunda tão duro que a cabeceira da cama foi bater na parede, deixando todos em um raio de dez quilômetros saberem exatamente o que estava acontecendo no quarto de Rowan. Rowan gritou no topo de seus pulmões quando Luca se inclinou e mordeu seu pescoço. Sua mente se dividiu enquanto seu pau explodiu, puxando o saco dele tão apertado ao seu corpo que, Rowan pensou que eles


iriam ficar assim permanentemente. Luca resmungou ao redor do ferimento no pescoço de Rowan enquanto seu pau martelava na bunda de Rowan. Rowan não se lembrava de já estar com um amante tão habilidoso e especialista antes. O homem era muito cuidadoso quando se tratava de foder. Rowan gritou em desaprovação quando Luca tirou os dentes, e seu pau, até que Rowan viu o que seu companheiro estava fazendo. Luca capotou Rowan sobre suas costas e depois mergulhou seu pau em seu buraco inchado. ― Morda-me, Rowan, ― Luca disse e inclinou a cabeça para o lado. Rowan não precisava ser dito duas vezes. Ele pulou para Luca, afundando seus caninos profundamente na carne de seu companheiro enquanto Luca gritava. Bem, ele não era o único que gostava de ser vocal. Isso foi bom saber. Ele arquejou em torno da marca de mordida quando sentiu as fitas de ligação atarem no lugar. Parecia uma peça de Luca foi estava entrando dentro de si, tendo a residência permanente. Rowan soltou Luca, lambendo a ferida antes de gritar o seu segundo orgasmo. Luca jogou as pernas de Rowan em suas costas enquanto ele batia contra ele e depois enrijeceu, com a cabeça caindo para trás quando ele rugiu. Rowan podia sentir seu companheiro no meio de seu orgasmo enquanto ele estava ali tentando desesperadamente recuperar o fôlego. Não foi fácil. Luca tinha lhe dado um imenso prazer. O vampiro sexy poderia ter uma chance de o manter com ele afinal de contas.


Capitulo Quatro

Lucas sorriu quando Rowan aconchegou mais perto dele durante o sono, cavando seu lado. Ele enrolou um braço mais firmemente em torno de seu companheiro e tomou um longo gole de uísque do copo na mão. Foi suave, deslizante abaixo pela sua garganta. Graças aos deuses vampiros ainda podiam beber álcool, mesmo que eles não poderiam ficar bêbados. ― O carro deve chegar em breve, Luca ― Mann disse se sentando na cadeira em frente de Luca. ― O Material de Rowan foi carregado no caminhão e deve chegar ao apartamento antes de nós. ― Obrigado, Mann. ― Ele está bem? ― Mann apontou para Rowan. ― Acredito que sim. ― Luca sorriu quando ele olhou para baixo em seu anamchara. ― Ele só precisa de algum descanso. Ele vai ficar bem quando eu chegar de volta para casa. ― Você já o alimentou?


Luca revirou os olhos, recusando-se a ficar irritado com o seu segundo em comando e afastar o sentimento tranquilo que havia habitado o seu corpo desde a chegada de Rowan. Ele não conseguia se lembrar de se sentir tão em paz por muito tempo antes. Rowan parecia acalmá-lo. ― Ele comeu um pouco mais cedo. ― Luca fez uma careta ao lembrar-se de Rowan contando a ele sobre pegar um coelho, enquanto corria mais cedo. Ele não podia negar abertamente a Rowan sua caça, mesmo que ele achou de mau gosto. Ele bebeu sangue para viver. Era melhor? Eles iriam ter que se acostumar com cada esquisitice um do outro. ― Ele alimentou você? Luca sorriu para a memória de como Rowan havia alimentado ele. Mann riu. ― E como ele reagiu? ― Surpreendentemente bem. ― Luca acariciou seus dedos através do cabelo sobre a testa de Rowan. ― Estou surpreso que você não o ouvi-o. ― Oh, eu o ouvi, muito bem. ― Mann riu. ― Eu não tinha certeza se você estava matando-o ou ele estava matando você. Luca saltou quando Rowan de repente bufou e abriu os olhos. ― Eu acho que foi um empate sobre quem estava tentando matar quem. ― Ei, anamchara, você obteve suficiente descanso? Os cílios de Rowan vibraram quando ele olhou para Luca. ― Isso depende do que você tem em mente. A Mente de Luca instantaneamente deslizou no pensamento de entrar nas calças de Rowan, de qualquer maneira. Ele sentiu seu rosto corar quando Rowan sorriu conscientemente. Os olhos de Luca estalaram para Mann quando o homem riu novamente. Rubor era novo para ele, mas dane-se se ele permitiria que qualquer pessoa se divertisse dele.


Luca abriu a boca para dar a Mann alguma tarefa por fazer brincadeira dele, mas em vez de palavras de raiva, um gemido longo caiu de seus lábios quando sentiu a mãos de Rowan segurar seu pau duro. ― Você não joga limpo, anamchara. Rowan deu a seu pau outro aperto que quase fez os olhos de Luca saltar em êxtase, em seguida, sentou-se. ― Eu nunca jogo limpo, querido. Qual seria a graça disso? ― Rowan olhou pela janela da frente por um momento, então virou para olhar para Luca. ― Então, quando vamos sair? ― Nós estaremos indo para casa em breve, anamchara. ― Okkk, e onde seria isso? Luca sorriu. Ele poderia dizer que Rowan ia ser um punhado. ― O Hotel Electus. Rowan piscou. ― O hotel? É onde você mora? ― Minha tribo decidiu há muito tempo que queria um lugar para chamar de nosso, um lugar onde os seres humanos tinham plena consciência de quem e o que somos e não tentassem nos caçar e apunhalar-nos através dos corações. Assim comprei o Hotel Electus e todas as propriedades circundantes. Claro, isto era antigamente, antes do bairro se tornar o que é hoje. ― Sério? ― Estou perfeitamente sério, anamchara. Nós possuímos mais de vinte quarteirões quadrados em torno do hotel. Temos uma população crescente de mais de 200 vampiros nessa área e uma atividade turística próspera no hotel que está crescendo a cada dia. Temos muita sorte. As sobrancelhas de Rowan dispararam. ― Você tem turistas? ― Sim.


― Será que eles sabem sobre você todos são vampiros? ― Surpreendentemente, eles fazem, mas eu acredito que é parte do fascínio de férias em nosso hotel. ― Luca esticou o braço e agarrou a mão de Rowan, segurando-o firmemente mesmo quando Rowan começou a rosnar baixo em sua garganta. ― Você tem que entender anamchara, existe aqueles que veem os vampiros na mesma luz como estrelas do rock. Eles seguem-nos em torno como fãs, competindo por nossa atenção. Com cada palavra que Luca falou o rosnado de Rowan ficou mais alto. Luca estava fascinado. Ele arqueou uma sobrancelha quando lábio superior de Rowan enrolou para trás e um pequeno canino branco brilhou. Luca podia ver que ele deveria ter explicado as coisas de forma diferente quando viu o fogo queimando nos olhos de Rowan. Luca levantou a mão quando Rowan ficou tenso. ― Agora, Rowan ... Luca caiu no chão quando Rowan saltou dele. Rowan rosnou e avançou, afundando seus dentes no pescoço de Luca. Luca gritou de dor e de prazer um lutando contra o outro dentro dele. O Prazer venceu. Os olhos de Luca reverteram

em

sua cabeça quando um

orgasmo de proporções

alucinantes rolou por meio dele. Luca ofegava fortemente enquanto seu pau estremecia e dava espasmos em sua calça enquanto ele enchia-os de seu orgasmo inesperado. O quanto mais Rowan chupava o pescoço de Luca, mais o seu pau derramava até que houve uma grande mancha molhada na frente de suas calças. Rowan finalmente extraiu os dentes e lambeu a marca da mordida, em

seguida,

ergueu

a

cabeça.

O

fogo

queimando

neles

diminuiu

gradativamente. ― Meu ― disse Rowan. ― Seu ― Luca estendeu a mão e acariciou seus dedos através de


pequenos cachos loiros. ― Sempre seu, anamchara. As palavras de Luca pareciam apaziguar lobo de Rowan suficiente para sair do chão e volta em suas cadeiras. Rowan ainda estava apertado contra ele, mas Luca não se importava. Ele tinha dito que ele nunca quis Rowan deixasse seu lado. Ele simplesmente não estava imaginando isso. Luca tinha sonhado sobre o que sua vida seria quando ele encontrasse o seu anamchara. Nunca, em qualquer de suas fantasias tinha fantasia alguém como Rowan em sua mente. Um anamchara que estava sentado a seus pés e servido à seus caprichos era o que ele viu em seus sonhos. Não Rowan. Rowan foi oh, muito melhor. Rowan foi uma maravilha. Ele era contrário e sarcástico. Luca não poderia imaginar o pequeno homem sentado a seus pés, não importava o quanto Luca podia desejá-lo. Rowan simplesmente não tinha o que era preciso para ser submisso. Esse foi um sonho, Luca sabia que ele teria que desistir. Mas ter Rowan em sua vida, e feliz, valeria a pena desistir do sonho. Luca fez uma careta quando o tecido molhado frio da calça roçou contra a sua pele. Ele olhou para baixo, franzindo a testa ainda mais profunda quando notou a grande mancha molhada na frente de suas calças. Perfeito. Ele ia parecer ridículo quando ele chegasse de volta para casa. Rowan riu. Os olhos de Luca estalaram até o homem. ― Algo engraçado, anamchara? Rowan estava olhando para a mancha com um largo sorriso no rosto. Luca poderia dizer que ele estava orgulhoso de si mesmo. ― Pelo menos todo


mundo vai saber que você pertence a mim. ― Eu tenho certeza que a marca da mordida no pescoço de Luca teria alcançado o mesmo objetivo, Rowan ―, disse Mann. ― Ele estaria coberto de meu cheiro se eu tivesse meu caminho ―, Rowan resmungou. Luca

piscou

de

surpresa

quando

seu

pau

empurrou

naquela

declaração e tentou voltar à vida. Por que o pensamento de ser coberto pelo cheiro de Rowan o excitava tanto? Ele nunca gostou de amantes possessivos no passado, sempre se sentindo sufocado quando chegaram muito perto. Por que Rowan era tão diferentes? Foi porque eles eram almas gêmeas? “Eu gozaria em cima de você e esfregaria-o em sua pele, se eu pensasse que pudesse fugir de mim. “ A mandíbula de Luca caiu para as palavras faladas baixinho. Ele sabia que ele seria capaz de falar com Rowan através do vínculo entre eles. Ele já tinha feito isso. Ele só não sabia que Rowan seria capaz de falar de volta para ele através do mesmo vinculo. “ Rowan?” Rowan inclinou a cabeça para trás para olhar para Luca. “Sim?” “Como você pode falar comigo desse jeito?” Rowan bufou. “Duh, nós somos companheiros.” “É algo normal para shifters lobo?” “Não, apenas uma linha na minha família.” ― O que mais está apenas em sua linhagem familiar? ― Luca perguntou em voz alta. Luca saltou para trás quando Rowan trouxe a mão na frente dele. Longas, e de aparência letal garras cresceram fora de seus dedos


em um piscar de olhos. Rowan sorriu maliciosamente enquanto ele balançava suas garras. ― Porra! ― Você pode fazer isso à vontade? ― Mann perguntou quando ele se sentou em frente, um brilho em seus olhos fascinados. ― Claro ― disse Rowan quando as garras nas pontas dos dedos recuaram tão rápido como haviam aparecido. ― Todos na minha família pode. Luca engoliu em seco. Seu anamchara era uma arma letal disfarçada de homem bonito. Quem desconfiava disso?

Luca suspirou profundamente enquanto observava Rowan se curvar para subir na limusine. Seu companheiro tinha a bunda perfeita, arredondado e grande o suficiente para caber nas mãos de Luca. Ele estava pensando sobre isso desde que Rowan havia tentado subir em seu colo quando soube que eles estariam em uma limusine. Aparentemente, Rowan não gostava de ser confinado em um carro. ― Eu posso sentir você me olhando ― disse Rowan. Luca riu. ― Você tem uma bunda muito agradável, anamchara. Eu teria que estar morto para não perceber isso. ― Bem, já era hora. ― Rowan bufou. ― Eu tenho tentado levá-lo a


perceber há muito tempo. Luca fez uma pausa. Ele olhou para Rowan, em seguida, engoliu em seco quando viu o convite que mostrava claramente nos olhos de Rowan. Foda! Rowan era um homem muito atraente. Rowan estava excitado. ― Mann, sente na frente. ― Luca fechou a porta na limusine antes de Mann poder argumentar. Um momento depois, ele ouviu a porta da frente bater fechada, e o carro começou a se mover. ― Temos cerca de dez minutos, anamchara. ― Perfeito! Luca quase engoliu a língua quando Rowan enfiou as calças para baixo de suas pernas. Ele chutou para fora, em seguida, mudou-se para ajoelhar no chão entre as pernas de Luca. ― Lubrificante? Luca balançou a cabeça e alcançou às cegas para o pequeno console escondido no braço. Atrapalhou-se em torno um momento até que seus dedos pousaram na pequena garrafa de lubrificante ele guardava lá para emergências. Esta era uma emergência. Luca entregou a garrafa para Rowan, em seguida, recostou-se no assento. Sua respiração ficou presa na garganta, quando abriu o zíper de suas calças. Seu pau duro saltou batendo livre contra o seu abdome, deixando uma pequena mancha de pré-sêmen contra a pele. ― Oh chupe, anamchara, ― Luca gemeu quando Rowan engoliu todo o comprimento do seu pênis em um gole. Tinha alguma coisa que nunca sentiu tão bom como a boca de Rowan em torno de seu pênis? Tão perfeito? Luca queria a bunda de Rowan. Ele adorava ter a boca de Rowan em


volta dele, mas ele realmente queria sentir Rowan envolvido em torno dele. ― Anamchara. Luca engoliu em seco nos suaves pálidos olhos verdes que olharam para ele. Não havia um pingo de medo naqueles olhos. Sem receio ou hesitação, apenas a necessidade pura e desejo. E puxou a alma de Luca e enviou apenas uma pequena parte do medo por meio dele. Rowan podia se tornar seu mundo inteiro, se ele não tomasse cuidado. Rowan, de repente soltou o pau de Luca com um pequeno estalo e começou a subir em seu colo. “Ok, eu estou pronto.” As sobrancelhas de Luca dispararam. “Mas ...'” Rowan sorriu. “Estendi-me enquanto eu estava chupando você.” Ok, Rowan poderia se tornar seu mundo inteiro. O homem era perfeito para ele. Luca pegou Rowan por seus quadris e abaixou o homem em seu pênis. O ajuste foi um pouco apertado, e Luca, de repente ficou preocupado que ele podia ter machucar Rowan até que ele viu a cabeça do homem recair sobre os ombros e um gemido baixo sair de seus lábios. ― Oh sim, isso é bom ― Rowan sussurrou. ― Você gosta disso, anamchara? ― Luca perguntou quando ele empurrou na bunda de Rowan. ― Você gosta de um pouco de dor com o seu prazer? ― As unhas Rowan escavaram nos ombros de Luca, enviando faixas de êxtase para baixo nos braços e peito. Talvez ele gostasse um pouco de dor com o seu prazer também. ― Sim ― Rowan gemeu quando ele começou a saltar para cima e para baixo, espetando-se uma e outra vez no pau duro de Luca. Os olhos de Luca vibraram fechados quando o prazer o inundou.


―Foda no meu pau, anamchara. Pegue o que você precisa. Luca choramingou no sorriso feral que Rowan lhe deu. Suas mãos apertaram contra os seus quadris quando Rowan levou a sua palavra e começou a mostrar-lhe o quanto ele precisava. No momento em que pararam em frente da casa dez minutos depois, Luca estava bem dobrado para trás em suas calças. Rowan estava vestido de novo e calmamente sentado ao lado dele. Não havia sinal de que o mundo de Luca havia sido abalado por um pequeno shifter lobo, além do cheiro persistente de sexo no ar e um sorriso muito satisfeito na face. Rowan riu quando ele pegou a mão de Luca e saiu da limusine. Luca ficou preocupado quando Rowan, de repente parou de rir, logo que ele se levantou e olhou o grande edifício na frente deles. ― Anamchara? ― Isto é realmente onde você mora? ― Este é o lugar onde vivemos. ― Aqui? ― o rosto de Rowan estava doente quando ele se virou para olhar para Luca. ― Em um hotel? Luca apenas sorriu. ― Nosso conjunto é no ultimo cima. As sobrancelhas de Rowan dispararam. ― O ultimo andar inteiro? Luca balançou a cabeça. ― Num apartamento. ― Oh, é melhor você ter uma frota de pessoas para limpar o lugar porque eu não sei se daria conta de fazê-lo. Eu levaria um ano. ― Não, anamchara, eu nunca iria lhe pedir para limpá-lo. Seu único dever é para comigo. ― Luca piscou então olhou de volta para a limusine com um carinho. Ele nunca iria montar em outro carro com Rowan novamente. Apenas na limusine. ― E eu acho que você vai dar conta disso muito bem.


Capitulo Cinco

Rowan engoliu em seco e se aproximou de Luca enquanto se dirigiam em direção ao elevador privativo que iria levá-los para a cobertura. Sentiu-se extremamente nervoso enquanto ele caminhava ao lado de Luca. Ele estava prestes a conhecer a tribo de Luca. As coisas poderiam ter sido um pouco diferentes se ele não fosse um lobo shifter ou se Luca não era o Electus de sua tribo. Mas ele era um lobo e Luca era o líder. Que tornaram as coisas um pouco estressantes para todos. Rowan poderia mesmo agora sentir Luca enrijecer ao lado dele. ― Luca. ― Rowan desacelerou e depois parou, esperando. ― Sim, anamchara? ― Luca perguntou quando ele olhou por cima do ombro. Rowan torcia as mãos juntas quando ele olhou para os elevadores novamente. Odiava sentir-se nervoso. Ele não gostava de andar em situações que ele não estava preparado. ― Posso falar com você por um momento antes de ir para cima?


As sobrancelhas de Luca reuniram, mas ele balançou a cabeça e acenou aos outros na frente dele. Rowan percebeu que todos, menos Mann, foram para dentro dos elevadores. Mann fez uma pausa na entrada e se encostou à parede, esperando. ― O que há de errado, Rowan? Rowan engoliu o nó na garganta. ― Como você quer que eu me comporte quando vemos a sua tribo? Luca franziu a testa por um momento e depois estendeu a mão e passou a mão no lado do rosto de Rowan. ― Eu quero que você seja você, anamchara. Rowan bufou. ― Não, você não faz. ― Anamchara... ― Lembro-me muito corretamente, de você me dizendo para não esquecer de onde eu era ou com quem eu estava falando. ― Ele tinha ficado com medo por um momento, quando ouviu aquelas palavras, com medo dos outros vampiros e medo de Luca. Somente depois de pensar que ele tinha sido capaz de resolver as coisas na sua cabeça e descobrir que Luca estava lembrando-lhe que ele estava sendo desrespeitoso em uma sala cheia de vampiros que podiam ver as suas palavras como um desafio. Rowan era um lobo. Ele cresceu em uma matilha de lobos. Mesmo ele, entendia um desafio. Sabendo que ele tinha sido o errado foi uma das coisas que tinham feito ele voltar para Luca. Isso, e o fato de que ele tinha que acreditar que Luca sentiu o vínculo de acasalamento, tanto quanto ele sentiu, mesmo que eles não estivessem totalmente ligados no momento. ― Rowan, eu admito que eu não sei tudo sobre como as coisas são feitas em uma matilha de lobos, mas de uma tribo de vampiros, quando um de


nós acasala com um humano, que o humano é um … ― Luca lambeu os lábios.― Bem, eles são ... ― Animais de estimação? ― Rowan sorriu. Lembrou-se de Luca referindo-se a si mesmo como mestre antes do vampiro saber que ele não era humano. Ele ainda não tinha perguntado a Luca sobre isso, mas isso não ia acontecer.

Ele

não

chamaria

de

mestre

ninguém,

nem

mesmo

seu

companheiro. Os olhos de Luca arremessaram longe, mas não antes de Rowan ver o pânico em suas profundezas dourados. Luca estava apavorado. Rowan podia sentir o cheiro do medo saindo do homem em ondas. Não era um medo por sua segurança embora. Luca temia perder Rowan. A dor que acompanhava o medo em Luca era quase palpável. ― Luca, olhe para mim ― Rowan disse suavemente. Quando Luca olhou para ele por apenas um breve momento, então, rapidamente longe de novo, Rowan se adiantou até que seus corpos se apertaram e pegou o rosto de Luca entre as mãos. Ele trouxe o rosto de Luca até o seu e então colocou um beijo nos lábios duros de Luca. Rowan inclinou a cabeça para frente até sua testa descansar contra a boca de Luca. Ele sorriu quando sentiu um pequeno beijo sendo pressionado contra sua pele. ― Eu não posso prometer ser perfeito, Luca, mas vou tentar ser o que quiser. ― Oh, anamchara. ― Rowan pressionou mais perto de Luca quando sentiu os braços de seu companheiro em torno dele. ― Eu não quero fazer você ser em algo que você não é. ― Luca ... ― Você não é o tipo submisso, Rowan.


― Eu posso ser. Luca riu. ― Não, você não pode. Você poderia tentar, mas no minuto que você abrisse a boca ... bem ... ― Luca deu de ombros. Rowan mordeu o lábio para não rir. Luca estava começando a conhecê-lo muito bem em um curto espaço de tempo. Rowan teve uma longa história de tentar manter a boca fechada, mas nunca realmente funcionou. ― Por você, eu iria tentar, Luca. ― Rowan, eu ... Rowan apertou o dedo sobre a boca de Luca. ― Apenas me diga o que eu deveria fazer, e eu vou ver se consigo fazê-lo. Não posso prometer que vou ser capaz de fazer nada disso, mas eu gostaria que a chance de tentar. Luca respirou instável. ― Você não vai gostar. ― Tenho certeza que você está certo, mas diga-me de qualquer maneira. Se eu tenho alguma esperança de me dar bem em sua tribo, eu tenho que aprender alguns dos seus costumes. ― Sendo meu anamchara, meu animal de estimação, o coloca em uma posição única, Rowan, mas muito mais se espera de você, onde seu comportamento estará em cheque por causa de sua posição. ― Porém ...? ― Rowan sabia que havia um porém. O canto da boca de Luca inclinou para cima. ― Porem, existem certos comportamentos que são esperados de você, e muitos não vão entender se eles não acontecem. Rowan arqueou uma sobrancelha. ― Como? ―Ninguém

está

autorizado

a

tocá-lo

sem

minha

autorização

expressa. Eles não conseguem nem apertar sua mão. O toque de um anamchara sem autorização é estritamente proibido.


― Ok. ― Ele pode lidar com isso. Rowan duvidava que ele quisesse que alguém, além de Luca tocá-lo de qualquer maneira. Apenas a ideia fez sua pele arrepiar. ― Vá em frente. ― Você não tem permissão para ir a qualquer lugar sem um guarda, e que é especificamente para sua própria proteção. Mesmo que eu queira que seja uma prática. ― Nós não estamos falando do banheiro aqui, somos estamos? ― Não! ― Ok, então eu acho que posso lidar com isso também. O que mais? ― A maioria dos animais de estimação... uh... senta aos pés de seus mestres. Os olhos de Rowan se estreitaram. ― Tenho que chamá-lo de senhor? Luca assentiu. Rowan recuou e cruzou os braços sobre o peito. ― Sim, eu duvido que vá acontecer. Os lábios de Luca contraíram com diversão. ― Eu não pensei que iria. ― Eu concordo com ninguém me tocar e ter um guarda onde quer que eu vá. Vou até sentar-me aos seus pés se isso vai fazer você feliz. Mas fique atento, Luca, se alguém me der alguma merda, eu vou alimentá-los com as suas entranhas. Luca sorriu como se estivesse orgulhoso das palavras de Rowan. ― Isso não te incomoda? ― Nem um pouco. ― Então, você também precisa saber que, como meu companheiro, é meu dever protegê-lo de qualquer ameaça que vejo, e eu não me importo


quem ele é. Se eu acreditar que alguém está tentando prejudicá-lo de qualquer forma, eu não vou fazer perguntas. Rowan levantou uma sobrancelha quando o sorriso de Luca cresceu mais amplo. Ele não tinha certeza se Luca realmente compreendia o que significava ser acasalado a um shifter lobo. Não estava em qualquer lugar perto do que sendo acasalado a um humano como teria sido. Luca teria uma surpresa se ele esperava que Rowan agisse como um companheiro humano. ― Uma vez por mês, eu vou entrar em calor, um dia antes da lua cheia, no mesmo dia, e no dia seguinte. Eu não serei capaz de manter minhas mãos longe de você, e eu não me importo de quem nos ver. Eu vou ter de foder e se fodido com frequência. A respiração de Luca gaguejou em seu peito alto o suficiente para Rowan para ouvi-lo. ― E... E se você não faz? ― Você realmente quer saber o que vai acontecer se eu não conseguir o que eu preciso uma vez por mês? Ou você prefere apenas transar comigo até que meus olhos virem? Luca piscou por um momento. ― Então, um festival de fodida por três dias uma vez por mês, então? Devo agendá-lo em meu calendário? Rowan riu. ― Você pode querer. ― Existe alguma coisa que eu preciso me preocupar? ― Apenas uma. ― Rowan franziu a testa. ― Esta era a única coisa que ele não queria dividir considerando o que ele tinha ouvido falar sobre vampiros. ― Os lobos são criaturas muito possessivas, Luca. Se alguém tentar tirar você de mim, eu vou matá-los, e não vou sentir um pingo de remorso quando eu fizer.


Luca engoliu em seco. ― Ok. Mais alguma coisa? Rowan ergueu a mão e estendeu suas garras. ― Eu não iria levar muito bem se estiver sendo infiel a mim em qualquer pensamento ou ação.― Rowan olhou para o pau duro nas calças de Luca, em seguida, piscou e acendeu suas garras. ― Você não quer descobrir o que eu faria para as suas bolas, se você fez. ― Entendido . ― Bom . Rowan começou a se virar quando Luca agarrou e puxou-o para trás. Rowan quase ronronou, e ele ronronou quando Luca pegou um punhado de seu cabelo e puxou a cabeça para trás. Havia um brilho feroz nos olhos dourados de Luca que emocionou Rowan da cabeça à ponta de seus dedos do pé. Ele rapidamente sentiu seu pau pressionando-se contra Luca. ― Vampiros são tão possessivo como os lobos, meu doce anamchara. ― Luca resmungou. ― Eu nunca tocaria num cabelo em sua cabeça bonita, mas eu mataria qualquer um que tentasse tirar você de mim, assim como você faria. ― Entendido. Luca sorriu. ― Bom. Rowan não conseguiu manter o sorriso do seu rosto, enquanto Luca segurou sua mão e caminhou com ele em direção aos elevadores. Mann acenou para os dois, em seguida, aproximou-se para apertar o botão para chamar os elevadores até o primeiro andar. Assim que chegou, Mann verificou dentro, em seguida, acenou para Luca. Rowan engoliu em seco e seguiu Luca e Mann para o elevador. Parecia demorar uma eternidade para chegar ao seu andar, e nenhuma hora em tudo. Rowan mantinha as costas retas e a cabeça erguida, quando ele saiu


do elevador e no chão logo abaixo da cobertura. Ele se sentiu tentado a se aconchegar a Luca, mas ele recusou-se a ser intimidado por ninguém. Tanto quanto ele gostava de ser dominado pelo seu maior companheiro, e ele o fez amá-lo, ninguém mais tinha esse direito. Foi reservado estritamente para o seu companheiro. ― Bem-vindo a sua nova casa, Rowan. Rowan sorriu para Luca, em seguida, virou-se para ver tudo enquanto seu coração batia um pouco mais rápido quando viu todos os vampiros na grande sala principal olhando para ele. Alguns pareciam aceitar. Alguns estavam mesmo curiosos. Outros eram hostis. E alguns tinham ódio vívido em seus olhos. Um chamou a atenção de Rowan. Ele não conseguia identificar exatamente quem era exatamente, mas ele podia sentir o mal que emanava de alguém na sala. Estava frio e malicioso. E não foi destinado totalmente à Rowan. Rowan inalou agudamente e aproximou-se de Luca. Alguém na sala queria seu companheiro morto. Ele só sabia disso. Ele podia sentir as intenções vis como um vício em sua cabeça, fazendo-o começar a doer. Rowan estendeu a mão e esfregou seu templo, tentando fazer a dor ir embora. Mas os sentimentos de puro ódio batiam contra ele, como um tambor. ― Anamchara? Rowan sentiu os braços de Luca em torno dele. Ele baixou a cabeça contra o peito de Luca e foi imediatamente cercado pelo forte odor do homem. No momento em que o cheiro de Luca encheu ele, a dor começou a diminuir até que Rowan pode levantar a cabeça, sem agonia. ― Você está bem, anamchara? ― Podemos discutir isso mais tarde? ― Rowan pediu baixinho.― Em


privado? “Claro” respondeu Luca através de seu vinculo. Rowan estremeceu quando ele levantou a cabeça, a dor não completamente desaparecida. Mas pelo menos tinha abrandado o suficiente para ele funcionar. Rowan estava começando a descobrir que o cheiro de Luca deteve a dor, então ele ficou mais perto do lado do vampiro quando eles se viraram para a multidão. ― Este é o meu anamchara ― disse Luca ― Rowan Connelly. Várias pessoas se adiantaram e inclinaram suas cabeças para Rowan. Ninguém tocou nele. Rowan ficou colado ao lado de Luca enquanto ele era escoltado ao redor da sala e apresentado a várias pessoas. Finalmente, pararam diante de um homem que se parecia com uma versão antiga do Luca, apenas com cabelos de prata em vez de preto. ― Rowan, este é o meu pai, o Élder Qeb Ucathya ― Luca disse quando ele fez um gesto para o homem. ― Pai, meu anamchara, Rowan Connelly. Rowan baixou a cabeça respeitosamente. Ele não tinha ideia de como o velho levaria Luca acasalando com ele. Quando Qeb só continuou a fitá-lo por mais tempo sem dizer uma palavra, Rowan começou a ficar nervoso. Ele não queria se indispor qualquer membro da família de Luca ou tribo, mas eles já haviam acasalado. Ele não estava deixando Luca, não para qualquer um. ― É bom que você o trouxe para casa, meu filho ― Qeb finalmente disse. ― Ele vai trazer a vida nova em nossa tribo. A mandíbula de Rowan caiu. Sério? Essa era sua resposta? Ele


realmente estava de bem com isso? ― Obrigado ― respondeu Rowan, embora Qeb não estivesse falando com ele. O que mais havia para dizer? Ele não tinha certeza de que ele sabia o que significava trazendo vida nova. Ele tinha medo de perguntar. ― Vamos conversar mais tarde, pai ― disse Luca quando ele puxou Rowan a distância. Rowan deu um último olhar sobre o ombro para ver o pai de seu companheiro de olhar para eles. Rowan engoliu em seco e virou-se para cumprimentar a pessoa seguinte. Sim, isso era de dar cabo nos nervos. Conforme a noite avançava, Rowan se esgotou. Tinha sido um turbilhão o dia para ele. Poderia ter uma boa noite de sono em uma cama. Luca deve ter sentido o cansaço quando ele desculpou-se com o homem que estava falado e andou até onde Rowan estava de pé. ― Está o meu anamchara com sono? ― Ele perguntou pondo seu grande braço em volta da cintura de Rowan. ― Talvez um pouquinho. ― Rowan sorriu para Luca enquanto subiam uma escada em caracol grande para o nível de cobertura. Rowan nunca tinha andado tantos degraus em sua vida. Parecia mil anos antes de finalmente chegar ao topo. Rowan estava sem fôlego. ― Por favor, me diga que acamos de subir as escadas. Luca riu quando ele apertou a mão de Rowan. ― Sim, nossos quartos estão apenas no final do corredor. Rowan olhou para o corredor e fez uma careta. A maldita coisa continuou por milhas. Ele orou que o quarto de Luca fosse o primeiro, porque se tivesse que fazer tudo isso todos os dias pelos dois últimos andares do hotel, seu companheiro iria precisar instalar um elevador maldito em vez das


escadas.

Rowan ficou sentado aos pés de Luca, enquanto observava os vampiros se misturarem. Sentar-se aos pés de seu companheiro não foi tão ruim quanto ele achava que seria quando Luca descreveu no dia anterior. Foi realmente muito confortável. Ele sentou-se em grandes almofadas de pelúcia que eram macias e perfeitas. Para um mestre, Luca não era meio ruim. Rowan revirou os olhos para a palavra mestre. Como se ele já tivesse chamado Luca ou alguém assim. Rowan olhou em volta, querendo saber se todos os vampiros aqui eram idiotas. Ele já sentia falta de seu irmão. Seth sabia como ter um bom tempo. Esses vampiros não sabiam. Quem só ficou em torno de bate-papo em uma festa? O que aconteceu com a dança e a bebida? Inferno, neste momento, Rowan tomaria até suco. Ele estava saindo de sua mente. ― Tente não parecer tão entediado. ― Luca riu enquanto ele se levantava. ― Eu já volto. Eu tenho que falar com Mann. Rowan acenou com a cabeça enquanto observava Luca se levantar. Ele havia dormido como um zumbi na noite passada, não acordando para nada. E agora ele se sentou aqui contando os ladrilhos do piso. Se as coisas


não animarem em breve, Rowan estava saindo fora de sua mente. ― Olá! Rowan olhou para a direita para ver um vampiro de cabelo escuro lá sorrindo para ele. Bem, ele estava sorrindo ou mostrando Rowan seu trabalho dental. Não importava. Qualquer coisa aceitava em vez de apenas ficar sentado aqui sem fazer nada. ― Oi ― respondeu ele, enquanto observava o homem desconfiado. Quando ele não sentiu nenhuma dor de cabeça, ele sabia que o homem era bom. ― Eu sou Rowan. O vampiro balançou a cabeça enquanto ele se sentou no chão perto de Rowan. ― Eu sei quem você é. Todo mundo sabe quem você é. Meu nome é Casem. Rowan quase estendeu a mão até que se lembrou de que ele não tinha permissão para tocar em ninguém. Ele deu um leve aceno vez disso. ― É bom conhecê-lo, Casem. ― Você está tão entediado quanto eu? Pois ele estava mais do que nunca. Se ele ficasse mais aborrecido, ele estaria morto. ― Deus, sim ― Rowan gemeu. Casem olhou em volta antes de abaixar a voz para um sussurro quase inaudível. ― Alguns dos outros vampiros têm um jogo de cartas acontecendo em um dos outros quartos. ― Qual é o quarto? ― Rowan olhou ao redor. Havia milhares deles. Ele não viu Luca em qualquer lugar, e ele não podia ficar apenas sentado ali sem fazer nada. Era muito chato maldito ficar sentado em sua bunda. ―


Apenas me diga qual quarto. Casem enrijeceu enquanto ele estreitava os olhos para Rowan. ― Eu vou dizer-lhe qual o quarto, mas de nenhuma maneira que eu estou convidando você. O Electus vai rasgar minha bunda e depois entregá-lo para mim. ― Casem piscou para ele. Ele entendeu o recado alto e claro. Ele viu Casem quando o vampiro afastou-se, observando o quarto que ele desapareceu. Rowan lentamente se levantou, disfarçadamente olhando e vendo que ninguém estava assistindo ele muito de perto enquanto avançava seu caminho para fora da sala e no corredor. Sentia-se como se pudesse gritar de liberdade, tanto que ele deu uma risadinha para si mesmo. Ora, isso era mais parecido com ele. Ele entrou na sala onde todos estavam sentados em uma mesa redonda, fichas de poker espalhados por toda parte. ― Que porra é essa? ― Um dos vampiros falou. ― Você não deveria estar aqui. Rowan acenou o homem fora quando ele se sentou em um assento vazio. O vampiro ao lado dele deslizou sua cadeira longe de Rowan. Ele sabia que ninguém deveria tocá-lo, mas ele não fedia. ― Joga ― disse Rowan ignorando os olhares de todos ao seu redor. O inferno se ele estava voltando para sentar sobre um travesseiro . ― Você ... ― Olha, joga comigo ou eu toco em cada um de vocês. ― Ele levantou uma sobrancelha finamente arqueada, enfiando a mão para o homem que havia se afastado, o dedo avançando lentamente em direção ao cara. ― Joga! ― O homem gritou, ele engoliu em seco e deslizou a cadeira mais um centímetro.


Rowan sorriu para os outros na sala, enquanto as cartas voaram em sua direção. O que ele não contou a ninguém era que ele não sabia absolutamente nada sobre como jogar poker. Ele nunca jogou em sua vida, mas ele poderia disfarçar. Rowan brincava com as suas cartas até chegá-los em uma ordem que ele gostava, então olhou para o homem ao lado dele. ― Você tem um rei? O vampiro se abriu para ele enquanto os seus dedos tremiam, entregando a Rowan um rei. ― Não é assim que o poker é jogado ―

o vampiro outro lado da

mesa gritou. Era o mesmo que disse a Rowan, que ele não podia estar aqui. ― Isso não é paciência. Rowan encolheu os ombros quando ele colocou seus três reis em cima da mesa. ― É agora. ― Mas …. ― Ou jogue paciência... ― Rowan não terminou enquanto ele começou a empurrar o ar na frente do falastrão. ― Ótimo! ― O homem agarrou. ― Paciência será ― ele resmungou e a sala inteira gemeu. Rowan realmente não estava tentando ser um idiota, mas esses homens precisavam se soltar. Eles estavam tão tensos que estavam cagando diamantes grandes fora de suas bundas. Ficou claro para Rowan que ele teria que animar as coisas um pouco. Rowan sorriu para os vampiros petrificados. De quem é a vez?


Capitulo Seis

Luca ficou furioso quando ele procurou os dois primeiros andares do hotel. Como diabos tinha seu companheiro desaparecido e nem uma única pessoa viu o que aconteceu? Rowan não estava respondendo a ele através de seu vínculo, o que fez Luca temer o pior. ― Encontre-o! ― Ele rosnou para Mann que foi de sala em sala, à procura de seu companheiro. Seu coração parecia que estava a ser arrancado do peito o quanto mais ele procurou e veio de mãos abanando. Se alguém tivesse prejudicado seu companheiro, Luca ia acabar com suas espécies inteiras. E isso era malditamente sério. Ele disparou pelo corredor quando Mann acenou para ele. Rowan estava na sala ao fundo do corredor todo esse tempo? Os Músculos de Luca enrolaram com a tensão quanto mais perto ele se aproximou, temendo o pior, até que ele ouviu o riso vindo da sala. A bela voz de seu companheiro fez seu coração bater mais uma vez. ― Você tem um oito? Que diabos?


Luca se acalmou enquanto ele estava na porta e viu seu anamchara jogar cartas com outros vampiros de sua tribo, parecendo como se ele estivesse tendo o momento de sua vida. Luca não fez um movimento para entrar na sala. Ele estava curtindo a pura alegria no rosto de Rowan. ― Você está roubando! ― Jackson gritou para seu companheiro. Luca soltou um rosnado baixo, e entrou na sala. Ninguém falava com seu companheiro assim. Ninguém. ― Oh merda ― gritou Jackson quando ele saltou de sua cadeira. ― Eu disse que ele não deveria estar aqui, Electus. Ele insistiu em jogar. De alguma forma, Luca sabia que seu companheiro faria exatamente isso. Mas isso ainda não desculpou o jeito que Jackson tinha falado com Rowan. ― Você vai me encontrar no meu escritório. Jackson concordou balançando a cabeça, deixando cair rapidamente os olhos em sua apresentação. ― Sim, Electus. ― Quanto a você ― ele disse enquanto Rowan levantou-se para enfrentá-lo. O sorriso foi embora no rosto de seu companheiro. A trepidação nos belos olhos verdes de Rowan puxou Luca, mas não o suficiente para deixálo fora do gancho. ― Siga-me. Luca saiu da pequena sala e seguiu pelo corredor em direção as escadas que levavam para a cobertura. Ele sabia que Mann iria escoltar Rowan, por isso ele nem esperou pelo homem. Ele sabia que Mann iria manter Rowan seguro. E ele precisava de alguns momentos para se recompor antes de falar com Rowan. ― Luca, eu posso explicar― entrou no quarto.

Rowan começou no segundo que ele


Luca levantou a mão. ― Você não pode explicar isso, Rowan. Nós discutimos a necessidade de um guarda-costas quando você chegou. Você concordou em aceitá-lo. ― Bem, sim, mas ... ― Não há desculpa, Rowan. ― a voz de Luca era severa quando ele falou, e ele queria que fosse. Rowan precisava entender como isso era importante. Sua proteção veio antes de qualquer coisa. Rowan cabeça caiu. ― Sinto muito, Luca. Luca soltou um profundo suspiro enquanto esfregava a nuca. Havia muita tensão no pescoço criado por não saber onde seu anamchara estava num único segundo. Rowan estava seguro com ele novamente, mas aqueles momentos em que ele não sabia se Rowan estava vivo ou morto iria assombrar Luca pelos próximos anos. E disse a ele quando Rowan veio a significar para ele em apenas uma questão de dias. ― Rowan, você precisa entender que sua segurança vem antes de qualquer outra coisa. Há aqueles que não pensariam duas vezes antes de usálo contra mim. Cabeça de Rowan levantou. Lágrimas começaram a se formar em seus olhos. ― Eu nunca trairia ... Luca passou por cima e agarrou o rosto de Rowan entre as mãos. ― Rowan, eu sei que você nunca iria me trair. Você é a única pessoa no mundo que eu sei que posso confiar antes de mais ninguém. Mas se você me for tirado, eu daria tudo para ter você de volta. ― Eu seria uma arma que poderia ser usado contra você? O rosto de Rowan empalideceu. Parecia angustiado por essa ideia.


Luca colocou um pequeno beijo nos lábios de Rowan para suavizar as suas palavras. ― Sim, anamchara. Não há nada no mundo que eu não daria para ter você de volta. É por isso que você precisa ter um guarda-costas. Eu preciso de você estando seguro. Rowan engoliu em seco. Ele deu apenas aceno de cabeça. ― Eu não tinha entendido Luca. Sinto muito. Eu pensei que estaria a salvo em sua casa. ― Nossa casa, e você está seguro aqui, na sua maior parte. Há sempre um perigo, especialmente considerando quem você é. Como o anamchara do Electus, está em perigo ainda mais. Há aqueles que veem como um meio para controlar a minha tribo. ― Oh, Luca. Luca sorriu e deslizou sua mão ao longo do rosto pálido de Rowan. ― Eu daria o mundo para mantê-lo seguro― ele sussurrou. ― Eu faria qualquer coisa para você. Rowan engoliu novamente. Seus dedos puxaram o tecido da camisa de Luca. ― Eu não queria fazer você se preocupar. ― Eu estava tão entediado, e então eu ouvi sobre o jogo de poker e... Luca soltou uma gargalhada. ― É isso que você estava jogando? ― Não exatamente. ― Rowan corou. ― Eu realmente não sei como jogar poker. Eu meio que convenci todo mundo a jogar paciência. Luca ficou boquiaberto. ― Você teve alguns dos meus mais ferozes soldados jogando paciência? Rowan acenou timidamente. Luca tentou segurar o riso. Ele gaguejava enquanto tentava mantê-lo, mas assim que a barragem rompeu, o som de seu divertimento encheu o quarto. Rowan apenas olhou para ele.


Após alguns minutos, Luca finalmente foi capaz de enxugar as lágrimas de riso de seus olhos, mesmo que ainda era difícil parar de rir. Ele abraçou Rowan em seu peito. ― Esta é uma verdadeira delícia, anamchara. ― Isso significa que você não está mais com raiva de mim? Luca ficou sóbrio instantaneamente. ― Eu nunca fiquei com raiva de você, Rowan, apenas preocupado. Você precisa entender a gravidade de ter um guarda-costas onde quer que vá. Eu não posso te perder. ― Eu faço, e eu sinto muito. Eu não vou a lugar nenhum sem um guarda-costas de novo. ― Rowan levantou dois dedos. ― Eu prometo. Luca arqueou uma sobrancelha. ― Você nunca foi um escoteiro, Rowan. ― Luca teria apostado seu hotel sobre ele. Rowan ergueu um pequeno tubo de lubrificante em sua mão livre. ― Não, mas eu venho sempre preparado. Luca sorriu e estendeu a mão para o lubrificante. ― Isso você faz anamchara. Que você faz. Vinte minutos e um orgasmo alucinante depois, Luca saiu do quarto e levou Rowan pelo corredor até seu escritório, localizado no topo da escada. Ele ainda tinha de lidar com Jackson, e Luca tinha certeza de que ele teve a punição ideal em mente para o vampiro. ― Sente-se, animal de estimação― Luca dirigiu, apontando para as almofadas ao lado de sua cadeira. Rowan lhe lançou um olhar descontente que prometeu

vingança,

mas

foi

sentar-se

sobre

as

almofadas,

sem

um

comentário. Luca sabia que ele estaria pagando por essa declaração mais tarde. Ele se sentou em sua cadeira e acariciou a mão pelo cabelo macio de


Rowan enquanto ele considerava o vampiro em pé no outro lado da mesa. ― Fala, Jackson. Jackson engoliu em seco. ― Sim, senhor, Electus. Eu estava jogando cartas com vários outros quando o seu anamchara entrou na sala. Eu sei que é proibido tocá-lo, e não o fizemos, mas fizemos jogar cartas com ele. ― Eu vejo ― Luca olhou para baixo a tempo de ver Rowan revirar os olhos. Ele torceu os lábios tentando não rir. Luca podia ver que Rowan ia ser um punhado, e estranhamente, ele estava ansioso por isso. ― Você foi um dos meus soldados, por quanto tempo agora, Jackson? ― Quinze anos, Electus. ― Ainda jovem, e inexperiente. Jackson sabia que ele faria. Nenhum soldado vampiro queria ser chamado de jovem e inexperiente, mas era a verdade. A maioria dos soldados mais durões, tinha estado com ele há décadas. Luca acariciou a mão pelo cabelo de Rowan mais uma vez, em seguida, cruzou as mãos juntas enquanto ele considerava Jackson. ― Meu problema com você não é que você jogava cartas com o meu anamchara. É com a maneira que você estava falando com ele. Você gritou com ele. Isso não é permitido. ― Minhas desculpas, Electus ―

disse Jackson. ― Isso não vai

acontecer novamente. ― Eu sei. No entanto, eu não posso deixar esta infração ficar impune. Se eu fosse deixá-lo deslizar sobre isso, então os outros pensariam que poderiam gritar com Rowan e fugir sem castigo. Não posso permitir, Jackson. Jackson engoliu em seco. ― Não, Electus. ― Como castigo por gritar com Rowan estou atribuindo-lhe como seu


guarda-costas pessoal. ― Luca mergulhou a cabeça para esconder o seu sorriso quando Jackson choramingou. Havia medo puro naquele som. ― Sua vida e segurança serão da sua exclusiva responsabilidade. Se ele for prejudicado de alguma forma, você vai me responder. Se ele for prejudicado, vou deixá-lo viver. Jackson fez uma careta. ― Senhor? Luca arqueou uma sobrancelha. ― Se você permitir que o meu anamchara se machucar, você preferiria morrer rapidamente ou viver para cumprir a minha ira, Jackson? Jackson empalideceu. ― Eu prefiro morrer, Electus. Luca balançou a cabeça. ― Então eu sugiro que você assegure que nenhum mal vem ao meu anamchara, ou eu vou deixá-lo viver. ― Sim, Electus. ― Enquanto nós nos entendemos. Jackson balançou a cabeça. ― Então vá ver Mann e adequar-se. Bata na porta quando você voltar, e então você pode esperar lá fora por Rowan. ― Sim, Electus. ― Jackson se curvou, em seguida, saiu da sala. O momento em que a porta se fechou atrás Jackson, Rowan bateu na coxa de Luca. Luca sorriu quando ele olhou para o homem, totalmente não se incomodando com pequeno show de violência de Rowan. ― Você tem algo a dizer, anamchara? ― Você não tem que fazer isso um castigo, Luca. Luca deu uma gargalhada quando ele agarrou Rowan e levantou o homem em seu colo. Rowan se aconchegou no peito direito de Luca, enterrando o rosto no


pescoço de Luca. ― Jackson precisa compreender o quão importante é a sua segurança. Agora ele sabe. ― Estávamos jogando cartas, Luca. ― Como eu disse a Jackson, eu não tenho nenhum problema com você jogando cartas. Eu, entretanto, tenho um problema com alguém gritando com você. ― Além de você, você quer dizer. Luca sorriu. ― Sim, além de mim. ― Posso te perguntar uma coisa? ― Claro, anamchara. Você pode me perguntar qualquer coisa. ― Vou transformar-me em um vampiro agora que você me mordeu? Luca começou a rir novamente. ― Não, anamchara, você não pode ser transformado em um vampiro. Eu lhe disse isso já. Você já nasce um vampiro ou você não é. Você, meu amorzinho ― Luca bateu o dedo na ponta do nariz de Rowan ―Você é um lobo, e você vai ficar um lobo. Rowan inclinou a cabeça ligeiramente. ― Mas eu pensei... ― Ele franziu a testa. ― Eu pensei que você se tornou um vampiro quando foi mordido por um. Luca sacudiu a cabeça. ― Mito de Hollywood. Rowan piscou. ― A luz do sol, então? ― Nocivo para os vampiros mais jovens, os mais velhos podem suportar mais luz solar . ― Você tem idade suficiente para lidar com o sol? ― Bem, eu não gostaria de estar nas praias do Taiti, mas eu posso


lidar com a luz do sol pela manhã e dias nublados. ― Prata? ― Isso é uma coisa de lobo, não é? As sobrancelhas de Rowan dispararam. ― Uh... não na minha família. ― Você pode lidar com prata? Rowan ergueu a mão e balançou a pulseira de prata simples em seu pulso. Luca franziu a testa e segurou o pulso de Rowan. ― Onde você conseguiu isso? Ele não gostava da ideia de seu anamchara usando algo dado por ninguém, além dele. ― Foi da minha avó. Eu comecei a usar quando ela faleceu há alguns anos atrás. ― Então eu acho que lhe permitirei mantê-lo. ― Luca riu do sorriso no rosto de Rowan. Talvez seu anamchara estivesse vindo a conhecê-lo um pouco bem demais. Sua família parece ter algumas anomalias genéticas muito interessantes. Rowan fez uma careta. ― Então, eu entendo. E sobre o alho? ― Rowan perguntou, obviamente mudando de assunto. Luca deixá-lo ir por agora. ― Você é alérgico a ele? Luca balançou a cabeça. ― Infelizmente, isso é um mito que Hollywood acertou. Alho, em baixas concentrações, vai me fazer mal. Em altas concentrações, vai me matar. É como um veneno. Mesmo que seja em seu sangue e bebo de você, ele vai me prejudicar. Portanto, não mais italiano para você. As sobrancelhas de Rowan se reuniram em uma pequena careta que Luca estava começando a adorar. Ela disse-lhe que Rowan estava pensando muito sobre algo. Luca apenas esperou. Ele sabia Rowan diria tudo o que ele


tinha a dizer, quando ele estivesse pronto, e não no momento que ele quisesse. Luca não apenas convidaria Rowan ao seu clube e esperaria o melhor. Ele tinha exaustivamente investigado e assistido Rowan no último mês. Ele provavelmente sabia mais sobre Rowan do que ninguém. Ele queria saber tudo o que havia para saber sobre o seu futuro companheiro. ― Então eu não posso ter mais alho porque você quer me morder? Luca riu. ― Eu quero fazer muito mais do que morder você, Rowan. Um rubor suave encheu o rosto de Rowan, mesmo quando seus olhos se arregalaram. Luca arqueou uma sobrancelha quando Rowan repente balançou ao redor. ― Você quer me morder agora? Luca abriu a boca para dizer a Rowan que sim quando houve uma batida repentina na porta. Luca gemeu e baixou a cabeça para a frente para descansar contra Rowan. ― Talvez mais tarde, se você for realmente bom, anamchara. Agora, desça sobre o seu travesseiro e fique quieto. Rowan bufou, mas desceu do colo de Luca e se sentou em seu travesseiro ao lado da cadeira de Luca. ― Eu acho que eu deveria avisá-lo agora, o tédio me deixa em apuros. Talvez devêssemos falar de um iPad ou algo assim. ― Vamos discutir isso. ― Luca riu enquanto agitava o topo da cabeça de Rowan. ― Agora, para baixo, e calmo, anamchara. Rowan inclinou a cabeça para trás e mordiscou os dedos de Luca. Luca sacudiu a cabeça e gritou para quem estava fora para vir dentro, o sorriso desapareceu de seus lábios, e ele deslizou para o modo de Electus quando Darius entrou, ― Darius, o que posso fazer por você?


Luca não gostava de Darius. O vampiro o deixou frio. Ele teria preferido afastar o homem de sua tribo, mas mesmo ele, como Electus, tinha que ter uma boa razão. Até agora, ele não tinha uma. Até que ele fez, Darius ficou. ― Eu tenho uma reunião de negócios amanhã com algumas distribuidoras ― disse Darius. ― Eu me perguntei se havia uma maneira que eu poder reservar uma das salas VIP no Caverna de cristal para minha reunião. Se tudo correr como eu quero, deve trazer um lucro elevado para todos nós durante um longo período de tempo. Luca franziu a testa quando sentiu um puxão na perna da calça. Ele não olhou para baixo, principalmente porque ele não queria tirar os olhos de Darius. Ele também não achava que Darius sabia que Rowan estava na sala seu anamchara foi deslizado sob a borda da mesa. “ Ele está mentindo, Luca” Rowan sussurrou através de seu vínculo. “Eu posso senti-lo. Eu não sei o que ele está fazendo, mas ele está mentindo através de seus dentes.” "Como você sabe?” Luca perguntou de volta. “Minha cabeça dói.” Luca acariciou os dedos pelo cabelo de Rowan. Ele imediatamente sentiu a tensão deixar Rowan. “Fique quieto. Eu não acho que ele sabe que você está aqui, e eu prefiro que ele não faça. Vamos discutir isso depois que ele sair.” Rowan permaneceu quieto. Luca manteve a mão no cabelo de Rowan enquanto ele considerava as palavras de Darius e possíveis motivos para mentir. ― Com quem você está encontrando-se? ― Há uma nova linha de rum saindo da Jamaica. Até agora, ele tem uma reputação como sendo top de linha. Embora seja uma empresa nova, se é


tão bom quanto eu acho que vai ser, eu gostaria de entrar no piso térreo. Como eu disse, em longo prazo, pode ser benéfico para a tribo. Infelizmente, Luca não conseguia pensar em uma única razão para dizer não. ― Muito bem, eu vou ligar e ter uma das salas VIP reservada para você. ― Obrigado, Electus. ― Darius fez uma mesura e saiu da sala. Luca esperou um momento depois que a porta se fechou em seguida, puxou Rowan de volta em seus braços. ― Agora, me diga o que você sabe. ― Não muito ― confessou Rowan. ― Só sei quando alguém está mentindo, e ele estava mentindo entre os dentes para você. ― Como você sabe? ― Você sabe das dores de cabeça que recebo? Luca balançou a cabeça. ― Eu posso sentir mentiras e emoções fortes, como o ódio. Eles fazem minha cabeça doer. ― Rowan fez uma careta. ― Quando chegamos, senti alguém na sala, um de seus vampiros. O ódio era tão forte que quase me fez desmaiar, e não foi destinado apenas para mim. Alguém estava odiando você também. ― É este outro dos traços de sua família? Rowan assentiu. ― Eu nunca encontrei nada para combatê-la até que eu conheci você. As sobrancelhas de Luca dispararam. ― Eu? ― Bem, mais especificamente, o seu cheiro. ― o Rosto de Rowan corou. ― Por alguma razão, o seu aroma acalma a dor na minha cabeça quando eu sinto forte emoção. ― Então, vamos garantir que eu estou sempre perto do seu lado se


você conseguir outra dessas dores de cabeça. ― Você ainda precisa se preocupar com esse cara. ― Ele é o que você sentiu na sala principal quando chegamos? ― Eu não posso dizer. Eu sei que ele não gosta de você e sei que ele está mentindo, mas não posso dizer se ele era o mesmo que eu estava sentindo na sala principal. ― A carranca franzia o rosto de Rowan. ― Pode ter sido porque estávamos sentados muito juntos e seu cheiro era tudo ao meu redor. Talvez isso era só ele, também. ― Eu não vou testar sua teoria, Rowan. ― O simples pensamento fez Luca querer rosnar. ― Nós vamos manter um olho nele e ver quando e onde isso acontece. De acordo? Rowan assentiu. ― Concordo, acredite em mim. Eu odeio essas dores de cabeça. Luca pegou o telefone, discando do telefone celular de Mann. Ele precisava de alguém para seguir Darius e descobrir o que ele estava realmente fazendo. Ele não gostava de ser enganado, e não gostava de se sentir como se algo de sinistro estava se formando. Este era o seu território, e Luca planejava mantê-lo em paz. Talvez se Mann pegasse Darius no ato de algum tipo de traição, ele poderia finalmente chutar o traseiro do bastardo de sua tribo. Depois de emitida a ordem para Mann seguir Darius, outra batida soou na porta. Luca soltou Rowan e gritou para quem estava ali entrar. Era Jackson, parecendo um pouco sem jeito. ― Eu vim para o meu cargo, Electus. Com Darius aprontando algo e Luca não tinha dúvida sobre as intenções do vampiro, ele queria manter seu anamchara ao seu lado. Mas,


como Rowan havia afirmado, o tédio igualava a problemas. Luca balançou a cabeça quando ele bateu Rowan em seu ombro e, em seguida, olhou para Jackson. ― Com sua vida, Jackson. ― Sim, Electus ― respondeu Jackson enquanto ele inclinava. De alguma forma, Luca sabia que este era um jogo feito no inferno. Rowan estava indo deixar Jackson maluco. O jovem vampiro não saberia o que o atingiu.

Capitulo Sete Rowan não sabia o que dizer para Jackson. Ele se sentiu um pouco mal que ele tinha colocado o homem em apuros, mas como ele pensava


anteriormente, esses vampiros precisavam desprender-se. Jackson era um exemplo perfeito do que uma pessoa constipada parecia. Seu rosto parecia apertado enquanto caminhava com Rowan pelos corredores. ― Então o que você faz por aqui para se divertir? ― Rowan estava pronto para sair para dançar. Ele não estava acostumado a ficar preso dentro de casa. Ele era um lobo, afinal de contas. Ele precisava de ar livre não de pisos de mármore e elevadores. ― Jogamos Malha ― Jackson cortou. Os passos de Rowan vacilaram enquanto olhava para seu guardacostas com a boca aberta. ― Diga que não é verdade? ― O cara estava falando sério ? Rowan sabia que ele iria subir pelas paredes, se alguém jogasse uma bola de fios para ele. Ele era um lobo, não um gatinho maldito. ― Sim, nós também jogamos quebra cabeça. Rowan estava prestes a ter um ataque no corredor até que ele viu o lado dos lábios de Jackson se contraírem. O filho da puta! Ele tinha enganado Rowan por um minuto. Dois poderia jogar aquele jogo. ― Meu bando gosta de canto tirolês. Acho que vou sugerir isso para Luca. É um tipo de coisa de grupo. O que você acha? Rowan teve que morder de volta o riso quando Jackson ficou ainda mais pálido que sua pele já pálida. O homem virou sua cabeça em torno de enquanto ele visivelmente engoliu em seco. ― Você está brincando, certo? ― E você não estava? ― Rowan o alfinetou. Jackson deu um suspiro alto e, em seguida, resmungou. ― Você é muito pequeno para ser tão mal. Rowan não tinha certeza se ele deveria ser ofendido por isso ou não.


Ele decidiu não ser. ― Eu sabia que você estava puxando meu rabo. ― Como? ― Jackson perguntou andando com Rowan para a cozinha. Não se pensaria que um hotel de vampiro veio equipado com uma cozinha totalmente equipada, mas eis que aqui estava. ― Porque eu nasci em um domingo, mas nunca fui lançado sobre minha cabeça. ― Isso não faz muito sentido ― afirmou Jackson quando ele entrou para o lado do balcão e viu Rowan preparar algo para comer. ― Fique perto de mim, Jack, meu filho, e você estará fazendo tanto sentido quanto eu. Jackson começou a esfregar as têmporas. Rowan riu. Ele estava sendo um idiota, e ele sabia disso. Foi tão fácil mexer com o cara. Ele planejou divertir-se com Jackson até o vampiro se soltar. ― Existe algum lugar para correr por aqui? ― Rowan perguntou, em seguida, começou a morder seu sanduíche. ― Correr ? ― Sim, você sabe, se exercitar, correr. O nariz de Jackson enrugou. ― Você não é um daqueles loucos por saúde, não é? ― Uh, não. ― Os olhos de Rowan quase rolaram. ― Mas mesmo um lobo tem que sair de vez em quando e sentir a terra sob seus pés. ― Lobo? ― As sobrancelhas de Jackson reuniram. O que fez Rowan abaixar o sanduíche para a bancada quando ouviu um assobio baixo encher a sala. Um nó formou em sua garganta quando ele olhou para cima e viu Jackson agachado no chão, seus dentes brancos piscando na luz da cozinha.


― Uh, Jackson, o que você está fazendo? Rowan começou a recuar quando os olhos de Jackson ficaram vermelhos. Isso não era bom. Rowan sabia que movimentos bruscos seriam mais do que provável de fazer o vampiro atacar. Ele simplesmente não sabia o que fazer. ― Você é um lobo! ― Jackson gritou. ― Tudo o que você está pensando em fazer, Jackson, você não quer fazê-lo. Luca sabe exatamente quem e o que eu sou. Não faça algo que você não pode pegar de volta. ― Rowan ergueu as mãos em frente a ele para afastar Jackson fora. Ao mesmo tempo, ele silenciosamente gritou para Luca. “É melhor você começar a mover o seu traseiro aqui antes que eu tenha de ferir meu novo guarda-costas!” Rowan bateu na porta da cozinha. Antes que ele pudesse voltar através dela, Jackson atacou. Rowan mal sentiu falta de ter sua garganta cortada por esquivando-se fora do caminho e girando ao redor até que ele ficou no lado oposto de Jackson. Infelizmente, ao fazer isso, ele cortou-lhe a rota de fuga. Não era a jogada mais inteligente que ele poderia ter feito. ― Você realmente não quer fazer isso, Jackson. Luca não irá apreciálo se você me machucar. ― Rowan tentou evitar outro golpe letal de Jackson, mas senti-o raspar para baixo ao seu lado. Os cortes não eram profundos, mas doeu como o inferno. “Luca, estou avisando. Se você não chegar aqui e parar Jackson, eu vou.” “O que está acontecendo, anamchara?” Diversão veio através de seu vínculo. “Será que Jackson se recusa a jogar paciência?” “Não, seu espertinho” Rowan gritou de volta. “Ele está tentando rasgar minha garganta. Aparentemente, você esqueceu de


dizer a ele que eu sou um lobo.” “Merda!” Rowan revirou os olhos quando sentiu o pânico de Luca. “Vou tentar não machucá-lo demais.” Mas isso era tudo Rowan podia prometer. Ele não ia deixar ninguém rasgar sua garganta para fora, nem mesmo o guarda-costas dele. A próxima vez que Jackson aproximou-se dele, Rowan estendeu suas próprias garras e atacou no peito de Jackson. Parecia ser o suficiente para o vampiro recuar e olhar em confusão. ― Fique bem longe de mim, Jackson. Eu não quero te machucar. ― Você é um lobo! Rowan revirou os olhos. ― Eu tenho certeza que nós estabelecemos isso já, Jackson. ― Você tem que morrer! A cabeça de Rowan inclinou. ― Sério? Isso é o que você está tentando fazer? ― Você é nosso inimigo. ― Eu sou companheiro de Luca. Jackson rosnou. ― Eu não vou deixar você prejudicar meu Electus. ― E é isso o que você acha que eu faria? ― Os olhos de Rowan se estreitaram. Ele retraiu suas garras e se aproximou de Jackson até que ele estava dentro do espaço dele e, em seguida, inclinou a cabeça para trás, expondo sua garganta para o vampiro. ― Se você realmente acredita que eu iria prejudicar um fio de cabelo na cabeça de meu companheiro, então vá em frente. Rasgue minha garganta. Rowan engoliu em seco quando viu Jackson tencionar o corpo. Ele


fechou os olhos, esperando o golpe fatal a qualquer segundo. Ele mesmo sentiu as garras de Jackson raspar contra sua garganta. Quando o golpe mortal não veio, Rowan abriu os olhos para encontrar Jackson olhando para ele em completa confusão. ― Por que você me oferece sua garganta? ― Jackson sussurrou. ― Você tem que saber que eu posso te matar com um golpe da minha mão. ― Eu sei. ― Então por quê? ― Porque você acha que eu iria prejudicar Luca. ― Você é um lobo. ― Eu sou. Eu nasci um lobo, assim como você nasceu um vampiro. Eu não posso mudar isso. ― Mas ...― Jackson balançou a cabeça, como se estivesse tentando limpá-la de anos de ódio. ― Isso não faz sentido. Os lobos e vampiros são inimigos mortais. ― Por quê? Os olhos de Jackson quebraram a partir de onde ele estava olhando para garganta exposta de Rowan para olhar em seus olhos. ― Por quê? ― Por que são os lobos e vampiros inimigos mortais? ― Eu não sei. ― Jackson deu de ombros. ― Eles simplesmente são. Eles sempre foram. ― Eu não o considero meu inimigo. A cabeça de Jackson inclinou para o lado, seus olhos vasculhando o rosto de Rowan. ― Mas eu sou um vampiro. ― E eu sou um lobo. ― Rowan encolheu os ombros. Ele realmente


não entendia a animosidade entre muitas das espécies diferentes no mundo paranormal. ― Então, que diabos o quê? ― Eu não … ― Jackson recuou, olhando para Rowan como se ele nunca havia visto antes. Seus olhos começaram a ir para baixo do corpo de Rowan quando de repente parou e se arregalou. ― Oh merda! ― Jackson sussurrou. ― Você está ferido. ― Ah, isso? ― Rowan olhou para as quatro marcas de arranhões longos do seu lado. Ele fez uma careta quando percebeu que sua camisa estava além do reparo. ― Não, eles vão curar em breve, mas você me deve uma camisa. E é melhor não ser um daquelas imitações baratas também. Paguei um bom dinheiro por esta camisa. ―

Oh inferno. ― Jackson caiu de joelhos diante de Rowan,

inclinando a cabeça para frente até a nuca nua estava exposta para Rowan. ― Mate-me, Rowan. Mate-me agora. Rowan piscou. ― Uh, porque eu iria querer matá-lo, Jackson? Eu apenas lhe disse que eu não considero-o um inimigo. ― Você ouviu Luca. Eu lhe causei dano, Rowan. O que você acha que ele vai fazer comigo assim que ele descobrir isso? ― A cabeça de Jackson de repente levantou-se. Ele agarrou o braço de Rowan. ― Por favor, me mate. Eu vi o que ele faz com aqueles que ele pune. Eu prefiro morrer! ― Jackson, Luca não vai matar você. ― Não! ― Jackson gritou. ― Ele vai me torturar. Rowan bufou e sentou-se na cadeira mais próxima. ― Jackson, Luca não vai matá-lo. Não posso prometer que não vai torturá-lo, no entanto. Ele te atribuiu como meu guarda-costas. Isso é tortura bastante. ― Rowan, por favor. ― Jackson inclinou a cabeça para frente de novo


até que ele estava quase tocando os joelhos de Rowan. Rowan suspirou e estendeu a mão para acariciar a parte superior da cabeça de Jackson. Sentiu-se horrível. Ele culpou Luca e ele próprio para esta situação mais do que qualquer coisa. Um deles deveria ter dito Jackson desde o início, especialmente considerando o homem deveria estar guardando ele. Rowan olhou para cima quando ouviu a porta da cozinha abrir. Ele ergueu a mão livre quando viu Luca e Mann correr e derrapar para uma parada. “Eu não vou permitir você machucá-lo” disse Luca através de seu vinculo. “Ele cometeu um erro honesto, nós dois somos responsáveis”. “O que aconteceu?” Luca perguntou. “Ele descobriu que eu era um lobo.” Rowan fez uma careta quando ele ergueu o braço e mostrou os cortes rasos a Luca sobre seu lado. “Ele não levou bem.” ― Eu vou matá-lo ― Luca resmungou em voz alta. Rowan sentiu Jackson estremecer. Ele afagou a cabeça de Jackson novamente. ―

Não, você não vai. Nem você, nem Mann teve tempo para

informar a Jackson que eu era um lobo. Ele estava apenas tentando protegê-lo e sua tribo de uma ameaça percebida. ― Ele te feriu! ― Eu também o feri, e eu suspeito que as feridas infligidas a ele são muito piores do que os pequenos arranhões que ele deixou em mim. ― Rowan brilhou nas garras de um lado. ― Minhas unhas são mais longas. ― Rowan revirou os olhos quando Luca resmungou novamente. ― fizemos as pazes. Supere isso já. ― Pô, Rowan!

Nós lutamos. E


Rowan apenas arqueou uma sobrancelha. Luca encarou por mais tempo. Rowan sabia que seu companheiro quis rasgar Jackson. Ele simplesmente não podia permitir isso. ― Por favor, Luca? , Pediu ele baixinho. ― Tudo bem . ― Luca suspirou profundamente. ― Ele pode viver. ― Ele precisa de cuidados médicos. Luca balançou a cabeça e acenou com a mão em Mann. ― Veja que ele recebe cuidados médicos, em seguida, atribuía a Rowan um guarda-costas novo. ― Não! ― A mão de Rowan apertou no cabelo de Jackson. ― Eu não quero outro guarda-costas. Eu quero Jackson. Luca e Mann olharam para Rowan como se ele tivesse perdido a cabeça. Mesmo Jackson ergueu a cabeça para olhar para ele. Rowan revirou os olhos. ― Olha, Jackson cometeu um erro, mas nós também. Eu não tenho quaisquer maus sentimentos em relação a Jackson. Luca abriu a boca, e Rowan sabia que seu companheiro estava prestes a discutir com ele. Rowan sorriu. ―

Além disso, você pode pensar em uma melhor tortura que ser

meu guarda-costas? Eu posso prometer a você, não vai ser fácil. ―

Rowan

piscou para seu companheiro. ― Eu aposto que ele estará lhe implorando para matá-lo dentro de uma semana. ―

Rowan sabia que ele tinha ganhado

quando os cantos da boca de Luca começou a se contorcer. ― Você precisa decidir se você quer que o resto de sua tribo saiba o que eu sou, Luca. Nós dois sabemos que não vão cheirar-me, mas serão


obrigados a encontrar-me eventualmente. Escondendo a minha existência não vai ganhar pontos de fadinha. ― É por isso que eu não sabia? ― Jackson perguntou. ― Rowan não tem o cheiro de lobo. Ele cheira totalmente humano. Jackson arregalou os olhos quando ele olhou para Rowan. ― Como isso é possível? Rowan encolheu os ombros. ― Eu sou único. ― Como você ficou sabendo que Rowan era um lobo, afinal? ― Luca perguntou a Jackson. ― Ele disse que queria ir para uma corrida. Uma das sobrancelhas de Luca disparou. ― Não foi para uma corrida um par de dias atrás? ― Luca, quantas vezes você precisa beber sangue? ― Velho como eu sou, uma vez por semana. ― E quando você era tão jovem como eu? ― Rowan estava muito curioso para descobrir o quão velho era seu companheiro, mas agora não era o momento de perguntar isso. ― Talvez duas ou três vezes por dia. ― Luca franziu a testa. ― Por quê? ― Rowan se levantou e caminhou lentamente em direção ao seu companheiro. Ele viu Luca endurecer quando ele mostrou ao homem um sorriso perverso. Ele parou bem na frente de Luca e arrastou o dedo no peito firme do homem. ― Eu sou jovem, Luca. Eu tenho um monte de excesso de energia para queimar. Agora, você pode transar comigo até que eu fique exausto, ou você pode me deixar correr e queimar o excesso de energia. ― Rowan torceu o nariz em Luca. ― Acredite-me bebê, você não quer descobrir o que acontece


quando eu tenho muita energia ou muito tempo em minhas mãos. Não é nada bonito. Seus olhos se estreitaram. Sua mandíbula se apertou. Suas mãos enrolaram em punhos. Ele obviamente não estava feliz. ― Eu poderia apenas o amarrar em nossa cama. O riso surpreendido de Rowan encheu a sala. ― Você poderia tentar. ― Oh homem ―

Jackson sussurrou atrás de Rowan. ―

Estamos

fodidos.

Capitulo Oito Luca olhou para cima da lista de inventário que ele estava


trabalhando quando Mann entrou na sala. ― Será que você encontrar alguma coisa? Mann se sentou na cadeira junto a mesa de Luca e balançou a cabeça. ― Não, e é isso que me preocupa. ― Você está preocupado porque você não pegou Darius fazendo nada de errado? ― Luca franziu a testa. ― Isso não seria uma coisa boa? ― Não! ― Mann agarrou. ― Ele é sujo. Você sabe disso, e eu sei disso. Eu apenas não posso prová-lo. A menos que ele abertamente desafie você, não há maneira de tirar esse idiota da tribo, se não conseguirmos pegálo em alguma coisa. Luca acenou o seu acordo. ― Você assistiu as fitas de segurança do seu encontro? ― Sim, ele realmente parecia acima da placa, e que ali me preocupa. Darius e seus interesses de negócios sempre patinou no limite do que é legal. Assim que você trouxe para casa Rowan, Darius de repente parece estar a jogar pelo lado da lei. Luca se recostou na cadeira e bateu sua caneta contra seus lábios. Ele não gostava da ideia de que Darius poderia estar planejando algo envolvendo Rowan. ―

Nós nunca fomos capazes de provar que Darius está

fazendo nada de errado no passado, mas sabemos que ele tem. Darius tem agindo todo inocente agora, é suficiente para levantar bandeiras vermelhas para mim. ― Exatamente. ― Ok, eu quero ele vigiado. Nesse meio tempo, eu vou ter alguém passar por cima as suas finanças. Tem que haver alguma maneira de provar que ele está tramando algo. Eu quero saber todos os seus movimentos, para onde está indo, e com quem ele está se reunido. Darius está aprontando algo.


― Eu vou atribuir a alguém a ele imediatamente. ― Eu também quero Jackson reforçando a segurança de Rowan. Se os planos de Darius tem algo contra Rowan, eu não quero que haja uma chance para ele chegar a ele. Mann ficou em silêncio por um momento. Luca apenas esperou. ― Você realmente vai confiar Rowan aos cuidados de Jackson? Luca suspirou em frustração e jogou sua caneta sobre a mesa. ― Eu não acho que tenho muita escolha. ―

Você é o Electus. ―

Mann bufou. ―

Você sempre tem uma

escolha. ― Olá, você já conheceu meu anamchara? ―

É preciso obter um controle sobre ele, Luca. A tribo está

começando a falar. Luca olhos se estreitou. ― Falando? ― É apenas sussurros, mas não entendem por que ele não segue as regras. Até que você anunciar que ele é um lobo, eles vão continuar a se perguntar por que você está deixando um mero humano fazer o que quiser. Luca passou a mão sobre o rosto. Rowan estava se transformando em uma dor enorme na minha bunda quando ele veio a aceitar seu papel como o anamchara do Electus. ― Ele não tem um osso submisso em seu corpo. ― Por outro lado, a raia selvagem nele estava fascinando Luca cada vez mais e mais a cada dia. Luca ficou fascinado por Rowan. Seu companheiro era um homem selvagem na cama e fora dela. Nunca houve um momento de tédio. E estranhamente, Luca amou cada minuto disso. Ele não queria esmagar o espírito de Rowan.


― Ok, eu vou pedir-lhe que se contenha, mas eu não estou fazendo nenhuma promessa. ― Por que você não apenas conta a tribo que ele é um lobo? ― Porque eu quero a tribo a conhecê-lo primeiro, para saber que tipo de homem ele é. Rowan é diferente de qualquer lobo que já encontrei, e eu não acredito que ele é uma ameaça para nós. Assim que a tribo souber, eu estou esperando que eles vão aceitá-lo, não importa o que ele é. ― Você sabe que isso vai se voltar contra você, certo? Luca sorriu tristemente. ― Sim, provavelmente você está certo. ― Basta ter cuidado, Luca. Luca balançou a cabeça. Ele sabia que devia dizer-lhes, mas ele estava esperando que o tempo e a aceitação antes de deixar cair a bomba proverbial em sua tribo. Ele apenas orou, que estava tomando a decisão certa. A cabeça de Luca estalou quando ouviu uma batida forte na porta e um dos seus guardas correu para dentro. ― Temos problemas, Electus. A limusine de Daniel Everson tem sido visto na área. Nossos olheiros dizem que ele está vindo para cá, e ele tem dois carros cheios de soldados com ele. O coração de Luca trovejou no peito quando ele chegou para o seu telefone. ― Mann, tenha uma unidade de soldados com você e vá encontrar Rowan. Ele está fora em uma corrida com Jackson. Eu quero que ele volte para casa o mais rápido possível. Electus Everson não pensaria duas vezes em sequestrar Rowan e usá-lo como moeda. Encontre-o!


― Então, como vamos fazer isso? ― Jackson perguntou quando eles estavam na esquina em frente ao hotel. Carros passando, buzinando seu caminho através de tráfego enquanto as pessoas passaram por eles na rua. Rowan olhou em volta, não gostando do que estava vendo. Havia muito tijolo e cimento. E as árvores estúpidas bem cuidados que estavam em grandes plantadores na frente de vários edifícios nem sequer qualificava-se como arbustos. Rowan não estava exatamente certo do que eram. ― Você não tem nenhuma floresta por aqui? Por favor? Jackson deu de ombros. ― É a cidade. ― Eu estou bem ciente disso ― Rowan resmungou. ― A menos que você queira que as pessoas me vejam correndo em minha forma de lobo e assustando a merda deles, uma área agradável e arborizada seria uma boa ideia. Jackson coçou a cabeça por um momento, e então seus olhos se iluminaram. ―

Temos o parque a poucos quarteirões daqui. Tem arvoredo.

Eles não são tão espessos como uma floresta, mas é espaço suficiente para você correr. ― Perfeito ― Rowan disse quando ele bateu palmas em antecipação e, em seguida, esfregou-os para frente e para trás. ― Mostre-me o parque. Levou dez minutos de caminhada pelas ruas da cidade antes de Rowan ver um parque na frente. Jackson estava certo. Era um espetáculo


lamentável em comparação com a floresta densa a que ele estava acostumado, mas ele estava em apuros por isso tinha que bastar. Ele podia sentir o burburinho de sua pele com a ideia de correr pela floresta, a terra sob seus pés e o vento em sua pele. Rowan já podia sentir o cheiro do musgo úmido e sujeira. Deuses, ele sentiu falta de sua antiga terra da matilha. ― Você não me disse como isso vai funcionar ― disse Jackson à medida que atravessava o campo e passava por um parque infantil e alguns bancos, em direção às árvores. ― Como o que está indo funcionar? ― Rowan perguntou. ― Como é que eu vou guardá-lo enquanto você está correndo? Rowan pensou nisso por um momento e, em seguida, a solução veio à mente. Ele sorriu maliciosamente. ― Vampiros são rápidos. Me acompanhe. ― Você quer que eu corra com você? ― Jackson perguntou com incredulidade em sua voz. ― Duhh, de que outra forma você vai me proteger? Voando ao meu lado em seu tapete mágico? Jackson apertou os dentes, olhando à direita para Rowan. ―

Você

realmente tem uma pequena raia desagradável em você, não é? ― Você não viu a metade. Jackson gemeu. ― Você estava certo. ― Sobre o quê? ―

Rowan perguntou quando eles entraram nos

bosques. ―Vou pedir para a morte, não vou? Rowan riu quando ele olhou em volta, vendo se a sua presença na


floresta seria detectado por alguém passando. ― Provavelmente. ―Rowan acenou com a mão em um movimento circular. ― Agora, vire-se. ― Para quê? ― Eu não vou estragar minhas roupas mudando com elas, e você não tem permissão para ver os meus presentinhos. Jackson resmungou quando ele deu a Rowan suas costas. Rowan rapidamente despiu-se, tremendo um pouco na expectativa de sua corrida. Não havia nada no mundo, em comparação com a corrida em sua forma de lobo. Ok, talvez sexo com Luca vencia, mas correr foi um segundo próximo. Ele dobrou suas roupas e, em seguida, colocou-as atrás de um arbusto. Ele estaria irritado se alguém roubasse suas roupas. Elas não eram baratos, afinal de contas. Rowan mudou e depois bateu a cabeça em sua perna. Seu guardacostas se virou e inalou agudamente. ― Porra, você é realmente um lobo. Rowan revirou os olhos enquanto ele trotou para longe. O homem era um gênio invertido. Rowan parou na beira de uma clareira e coçou a pata contra a terra, olhando para Jackson antes de disparar. ― Trapaceiro! ― Jackson gritou quando ele deu a perseguição. Rowan adorava a sensação de sua pequena corrida. Era maravilhoso deixar seus músculos esticar e correr a certa distância. Ele estava se divertindo um pouco demais, mas quem se importava. Colocando uma explosão de velocidade, Rowan se recusou a deixar Jackson pegá-lo. Ele poderia alfinetar seu guarda-costas por um tempo muito longo sobre não ser capaz de manter-


se com um lobo se Rowan mantivesse seu ritmo atual. E não era que apenas a cereja no seu bolo? Rowan podia ouvir Jackson correndo atrás dele enquanto ele corria em um amplo círculo através das árvores. Ele não poderia muito bem fazer uma corrida em linha reta porque ele iria ficar sem árvores e coberto demasiado longo. Voltas na floresta fariam muito bem por agora. Rowan correu e correu e correu, a alegria enchendo-o com cada toque da terra macia contra suas patas. Eventualmente, ele viu Jackson sentar em um pedaço de terra e encostar contra uma árvore. Rowan latiu para ele enquanto ele corria rápido, certificando-se de seus círculos tornavam-se menor para o guarda-costas poder mantê-lo à vista. Ele realmente não queria colocar Jackson em apuros depois de tudo. Ele só queria fazer sua vida um inferno. Grande diferença. Rowan abrandou quando seus pés começaram a protestar. Ele voltou para Jackson e caiu no chão ao lado do homem, descansando o focinho sobre as patas. Rowan quase saltou quando sentiu Jackson passar a mão pelo espesso pelo de suas costas. ― Sua pele é muito macia ― disse Jackson. ― Eu acho que eu pensei que seria grosso ou algo assim. Rowan bufou. ― É normal ser todo branco os lobos? Todos os que tenho visto são cinzentos. Rowan balançou a cabeça. Somente os lobos em sua família eram o branco puro. Foi uma das coisas que os fizeram excluídos desse tipo em seu bando anterior. Eles destacaram-se como diferente. Não era algo que poderia se esconder.


Diferente não foi bom em um bando... Ou pelo menos sua matilha. Ele franziu a testa sobre essa individualidade. Rowan poderia se importar menos, mas doeu que não tinha sido aceito por quem ele era. ― Você não acha que eu posso ter problemas com o Electus por tocálo desta forma, não é? Rowan não se preocupou em levantar a cabeça quando ele soltou um grunhido pequeno. Ele entendeu a necessidade por trás da coisa de não tocar, mas a sério, como poderia Jackson guardá-lo sem tocá-lo? Foi ridículo, estúpido, e simplesmente ridícula, e oh tão Luca. ― Ok, só queria ver. ― Jackson riu. ― Está satisfeito de correr agora? Tenho certeza de que Luca está mordendo fora todas as unhas até agora. Quanto mais cedo voltar, o mais rápido eu posso tranquilizá-lo que eu não perdi você. Rowan bufou quando ele se levantou e começou a voltar para onde suas roupas estavam escondidas. Tinha feito tudo o que podia fazer para convencer Luca deixá-lo ir nesta corrida em primeiro lugar. O homem estava abusando sobre a proteção de Rowan. Se algo acontecesse a ele, Rowan sabia que ele nunca veria a luz do dia novamente. Chegaram

a

suas

roupas,

poucos

minutos

depois.

Jackson

obedientemente virou as costas e permitiu a Rowan mudar e se vestir. Rowan estava amarrando os sapatos, quando ouviu um grito fraco. Ele olhou e viu Mann do outro lado da clareira, acenando com as mãos freneticamente no ar. Rowan estava confuso. Tentáculos de apreensão começou a enfiar seu caminho através de seus sentidos quanto mais ele assistia. Algo não estava certo. ― Jackson, o que ... ― O resto das palavras de Rowan foram perdidos no grito que saiu de sua boca quando Jackson balançou e caiu no chão, uma mancha grande vermelha aparecendo em suas costas.


― Jackson! Rowan caiu de joelhos ao lado de seu guarda-costas e freneticamente começou a procurar um pulso. Será que os vampiros têm mesmo pulsos? O pânico encheu Rowan quando ele foi capaz de responder a essa pergunta. Jackson estava vivo, mas obviamente ferido. Alguém havia atirado nele. Oh diabo, alguém tinha uma arma! A cabeça de Rowan estalou quando ele ouviu um estalo no galho das árvores próximas. Seus sentidos lhe disseram para correr para longe e correr rápido. O que quer que estivesse chegando para ele não seria agradável. Mas ele não podia deixar Jackson caído alí. Rowan se levantou e agarrou pelos braços Jackson. Ele começou a puxar o homem em direção à clareira com toda sua força. Não foi fácil. Jackson não era um homem pequeno. O rastro de sangue deixado no rastro fez o estômago de Rowan apertar e rolar. Ele tinha que levar os dois para segurança e Jackson a algum tratamento médico. Rowan podia ouvir Mann gritando no fundo, o som aproximando-se dele, então ele sabia que Mann estava vindo ajudar. Mas quando vários homens romperam a linha das árvores, Rowan não achou que Mann ia chegar a tempo. Ele olhou para Jackson novamente. O homem ainda estava deitado imóvel no chão, seu sangue esvaindo na terra abaixo, deixando uma grande mancha molhada atrás que fez Rowan querer vomitar. Não havia nenhuma maneira que poderia ter Jackson para Mann ou Mann alcançá-los a tempo. Rowan tomou uma decisão dividida. Ele deixou cair os braços de Jackson e moveu-se entre seu guarda-costas e os homens que avançam sobre


eles. Jackson não estava em condições de protegê-los. Rowan teria que fazêlo. Os três homens grandes pararam assim que eles estavam perto de Rowan. Um deles, um homem alto, de cabelos escuros, olhou Rowan de cima a para baixo. O sorriso intrigado apareceu em seu rosto e fez Rowan se sentir como um lado da carne. ― Então é por isso Luca aumentou sua segurança ―, disse o homem. ― Eu posso ver por que. Você é um homem muito bonito. ― Você não é. Ok, talvez ele não devesse ter dito isso, mas Rowan estava com medo, e quando ele estava com medo, ele nem pensava. Mesmo Luca sabia disso. Mas Luca apreciava isso. A vermelha raiva que encheu o rosto do outro homem disse que não fez. Quando os homens de ambos os lados do primeiro homem se espalharam e, lentamente, começou se posicionar em torno de Rowan e Jackson, Rowan balançou a cabeça. ― Vocês realmente não querem fazer isso. Estou o anamchara de Luca, e ele fica muito irritado quando as pessoas fode comigo. ― Ah, mas eu desejo... Uh, foder com você, como você tão delicadamente colocou. ― O homem de cabelos escuros sorriu. ― Saber que você é anamchara de Luca só torna ainda mais perfeito. Rowan não conhecia esses homens além do fato de que ele sabia que eles estavam onde não deveriam estar. Ele também sabia que eles eram vampiros. Se ele estendesse suas garras, eles saberiam que ele não era totalmente humano. Se ele não o fez, ele e Jackson poderiam ser feridos. Decisões, decisões. Quando os dois homens que circularam Rowan de repente saltou em


direção a ele, a decisão foi tomada. Rowan estendeu suas garras e enfiou no homem mais próximo a ele. Ele riu de alegria quando ouviu o homem gritar e empurrar, o sangue cobrindo o peito da camisa. Rowan passou por cima de Jackson e bateu em alguém que chegou muito perto. Após diversos momentos, os dois homens atacam foram ofegante e sangrando ainda mais pesado. Rowan olhou para o homem de cabelos escuros quando ele começou a bater palmas. ― Muito impressionante anamchara. Rowan rosnou. De alguma forma, a palavra que ele havia chegado a amar tanto se tornou suja quando saindo da boca deste homem. Ele estava desconfiado do estranho, embora ele tivesse certeza de que ele poderia levá-lo em uma luta justa. Ele só não achava que esse cara iria jogar justo. ― Enquanto eu aplaudo a sua técnica de luta, eu me canso disso. ― Os olhos do homem de cabelos escuros desviaram além de Rowan por apenas um momento, e Rowan sabia que ele estava olhando para o campo em direção a Mann, que não tinha chegado ainda. ― Infelizmente, temos companhia vindo, e eu não estou vestido para receber os convidados. Rowan franziu a testa em confusão quando o homem acenou com a cabeça. Ele se virou para ver quem o homem estava acenando quando de repente sentiu uma dor aguda no pescoço. Rowan piscou quando ele puxou um dardo vermelho pequeno de seu pescoço. ― Seu filho da puta ―, Rowan sussurrou bem antes dele cair de joelhos. Ele olhou para o homem de cabelos escuros enquanto sua cabeça começou a nadar, e sua visão turvou. ― Você realmente vai se odiar por isso. O homem riu quando viu Rowan cair no chão. ― Eu duvido seriamente disso. Rowan gemeu antes de sua visão escurecer. ― Eu aposto que sim!


Capitulo Nove Luca bateu as mãos sobre a mesa grande diante dele. ― Vê-lo por algumas horas não é bom o suficiente. Eu quero o Hotel de Everson sob 24 horas de vigilância. Ele tem Rowan. Eu sei que ele tem. Mann o viu atirar em Jackson e Rowan com seus próprios olhos. Ele viu os soldados de Everson levá-los embora. ― Sinto muito, Electus ― disse Nanem. ― Nós não podemos manter o Hotel de Everson sob vigilância vinte e quatro horas por dia. Não podemos estar em seu território por muito tempo. É contra nosso acordo de paz. ― Como é sequestrar meu anamchara. ― Luca resmungou. ― Como Everson quebrou esse acordo, eu já não detenho o tratado de paz em qualquer sentido. ― Ouça o que você está dizendo, Luca, ― Nanem disse. ― Você tinha de bom grado quebrado um acordo de paz com outra tribo por um lobo? Luca rugiu. Ele agarrou Nanem pela garganta e bateu-o sobre a mesa. Documentos voaram por toda parte. Luca se inclinou até que estivessem cara a cara, rosnando enquanto ele arreganhava os dentes para seu irmão mais novo. ― Rowan é o meu anamchara, minha alma gêmea. Eu não dou a


mínima que ele é um lobo. Ele é meu, e eu vou buscá-lo de volta, ou eu vou rasgar a tribo de Daniel Everson parte por parte até que Rowan volte para mim são e salvo. ― Sim, Electus. ― Nanem engoliu em seco. Luca levantou Nanem pela garganta e jogou o homem do outro lado da sala. Ele ouviu um estrondo quando Nanem bateu na parede e deslizou até o chão. Ele não se importava, e não quando seu coração estava sendo arrancado de seu peito. ― Encontre-o! ― Luca. ― O quê? ― Luca gritou. Quando ele se virou e viu seu pai de pé atrás dele, ele se sentiu mal por ter gritado. Ele respirou fundo e tentou recuperar o controle de suas emoções caóticas. ― Sim, Pai? ― Electus Everson está no telefone pedindo para falar com você. Luca começou a chegar para o telefone, então pensou melhor. Ele não estava em condições para cuidar da liberdade de Rowan, não naquele momento. Ele estava muito zangado, com muito medo. Ele era susceptível a levar sua tribo inteira para Everson para obter o seu anamchara volta. ― Pegue a mensagem. Qeb piscou por um momento depois, lentamente, balançou a cabeça. ― Como você quiser. Luca cerrou os dentes quando ele se sentou em sua cadeira. Ele segurou os braços na sua cadeira para se manter de atender ao telefone e rasgá-lo fora da mão de seu pai. E matou-o deixar Rowan nas garras de Everson, quando ele não sabia se seu companheiro estava sendo torturado ou


não, mas ele não tinha outra escolha. Não até que um plano de resgate pudesse ser feito. E então ele esfolaria a pele de Daniel Everson de seu corpo, um centímetro de cada vez. Luca franziu o cenho quando seu pai cobriu o telefone com a mão e se virou para olhar para ele. ― O quê? ― Ele diz que é muito importante. Luca arqueou uma sobrancelha. ― Ah? ― Ele diz que diz respeito à seu anamchara. As mãos de Luca apertaram em torno dos braços. ― Eu sei disso ― ele retrucou. ― O filho da puta tirou em Rowan . Qeb segurou o telefone fora. ― Você quer falar com ele? ― Luca, pode ser a única maneira de resgatar Rowan ― disse Mann. ― Talvez ele não vá pedir resgate demais. Luca tinha sérias dúvidas disso. Segurando seu anamchara significava que Everson tinha um trunfo muito maior. Ele daria tudo para ter Rowan de volta, tudo. E ele sabia que Everson sabia disso. ― Tudo bem, me deixe falar com ele, mas eu quero o telefonema gravado. Everson quebrou nosso acordo de paz. Esta será a prova. Mann balançou a cabeça e correu para o armário para pegar um objeto preto pequeno. Quando ele voltou, ele conectou ao telefone, em seguida, assentiu. Luca pegou seu copo de uísque de sua mesa e bebeu toda a coisa antes de bater o copo sobre a mesa. Ele respirou fundo e pegou o telefone. ― Everson … ― disse ele com a voz mais calma e mais controlada que conseguiu reunir.


― Luca, olhe ... ― Não, olha você... ― Luca resmungou. ― Você quebrou o nosso acordo de paz por sequestrar meu anamchara, e eu ... ― Eu vou dar-lhe qualquer coisa para você vir buscá-lo. A mandíbula de Luca caiu. ― Desculpe-me? ― Eu vou dar-lhe qualquer coisa que você quiser se você só vir buscá-lo. Você quer dinheiro? Território? Um novo acordo de paz? O quê? Apenas nomeie e ele é seu ― Daniel Everson parecia que estava indo quebrar em lágrimas. ― Por favor, estou implorando. Venha buscá-lo. Luca podia ver a confusão sobre os rostos de todos olhando quando ele começou a sorrir. ― Quanto dinheiro estamos falando aqui? ― Um milhão de dólares? ― Cinco milhões e eu quero todo o território entre Fifth Street e Ferguson West, incluindo cada centímetro de Forest Park. ― Mas isso é mais de dez quarteirões da cidade ― protestou Daniel. ― Ótimo, então não temos nada para discutir. ― Luca podia ouvir Everson gritando para ele no fundo quando ele abaixou o telefone e desligou. Luca sorriu amplamente enquanto ele cruzava os braços sobre o peito e esperou. Ele sabia Everson estaria chamando de volta. ― Luca ― Qeb perguntou ― o que aconteceu? ― Rowan aconteceu. ― O que ... Luca levantou a mão quando o telefone tocou novamente. Ele esperou até que o telefone tocou mais duas vezes depois calmamente pegou. ― Electus Luca Ucathya.


― Ok, você tem um acordo ― Everson disse rapidamente ― mas só se você prometer que Rowan nunca pisará no meu território, novamente, não enquanto ele viver. ― Feito . ― Então, vêm buscá-lo antes que ele destrua a todos nós. ― E os Termos? ― Termos? ― Everson gritou. ― Eu não me importo que termos de merda que você deseja. Basta vir buscá-lo. ― Quantos homens posso levar comigo? ― Eu não me importo se você levar sua tribo de merda toda! Luca sorriu. ― Eu estarei lá. ― Só se apresse, por favor. Luca teve um momento muito difícil de manter uma cara séria quando ele desligou o telefone e olhou para cima. A sala inteira estava olhando para ele em confusão. ― Electus Everson concordou em nos pagar cinco milhões de dólares e nos dar todo o território entre Fifth Street e Ferguson West, incluindo Forest Park, se irmos buscar Rowan e jurar que ele nunca porá os pés no território de Everson novamente. ― Que diabos Rowan fez? Luca sacudiu a cabeça.

― Eu não tenho ideia, mas se eu conheço

meu anamchara, ele assustou o diabo fora de Electus Everson. Rowan não têm a amabilidade com as pessoas o irritam. ― Luca sorriu enquanto esfregava as mãos. ― E só acho que, eu fui capaz de obter um parque para Rowan correr neste negócio. Rowan ficará feliz. ― Parece que seu anamchara é um homem de muitas surpresas, meu filho.


Luca sorriu para o pai. ― Você não tem ideia.

Luca podia sentir os olhares dos soldados de Everson como insetos que rastejam sobre a sua pele enquanto saia de seu SUV e caminhou até o Grand Hotel, sede do Electus Everson. Alguns dos soldados estavam olhando ele com cautela, outras com distancia sem rodeios. Luca fez com que ele mante-se sua expressão em branco. Não deixaria ninguém saber como ele estava ansioso para obter o seu anamchara de volta. Agora que ele estava mais perto de Rowan, ele podia sentir o homem em sua cabeça novamente. Ele simplesmente não conseguia falar com ele através de seu vínculo. Por mais que ele queria gritar para o seu anamchara, ele precisava realmente ver o homem com os seus próprios olhos antes de ele se sentir como seu coração estivesse batendo novamente. ― Por favor, venha por aqui ― disse um soldado enquanto ele se adiantou. Ele parecia muito nervoso, ele parou na presença dos seis guardas que estavam atrás de Luca. ― Electus Everson está esperando por você. ― Onde está meu anamchara? ― Ele está com o Electus, senhor. Luca arqueou uma sobrancelha pelos modos impecáveis do homem. Everson soldados nunca tinha feito nada mais do que olhar em sua direção. Este soldado estava olhando para Luca com admiração em seus olhos. Foi muito intrigante. ― Por favor, Electus se apresse. Eu não tenho certeza quanto tempo


ele pode aguentar. Luca resmungou e agarrou o braço do soldado, apertando até que o homem fez uma careta. ― Se um único fio de cabelo da cabeça de meu anamchara foi ferido, então me ajude, eu vou rasgar ... ― Não, não! ― O soldado balançou a cabeça rapidamente. ― Seu anamchara não foi prejudicado, mas não posso dizer o mesmo para o meu Electus. ― O que você quer dizer? ― Luca perguntou quando ele largou a mão. ― Seu anamchara está tentando destruí-lo uma peça de cada vez. Luca olhou para Mann só para ver seu irmão pressionando os lábios firmemente juntos. A diversão de Mann mostrou claramente em seus olhos, no entanto. Luca revirou os olhos. ― Só me mostre onde está meu anamchara. Luca e seus soldados foram levados até o elevador para a cobertura. Luca ficou tenso quando as portas se abriram para revelar um corredor cheio de vampiros. Ele saiu para a entrada grande e enquadrou os ombros. Vários vampiros rapidamente correram para fora do seu caminho, revelando um conjunto de grandes portas duplas. Luca avançou e empurrou as portas abertas. Seu queixo caiu quando viu Rowan drapejado sobre um trono de ouro colocado em um estrado do outro lado da sala. Ele estava sentado sobre ele, recostando-se contra um lado com as pernas jogadas sobre o outro. Ele estava alimentando-se de uvas. ― Rowan . ― Luca . ― Rowan se levantou e correu pela sala, atirando-se para


os braços à espera de Luca. O Coração de Luca finalmente começou a bater de novo enquanto ele passava os braços em volta de seu companheiro. Ele enterrou o rosto no pescoço de Rowan e inalou profundamente. O doce aroma exclusivo para Rowan encheu seus sentidos. ― Olá, anamchara.

― Um momento depois, Luca resmungou e

agarrou o ombro depois que Rowan bateu-lhe. ― O que foi isso? ― Demorou muito tempo para chegar aqui ― retrucou Rowan. ― O que atrasou você? O Almoço? Luca sorriu, apesar da raiva no rosto de Rowan.

― Lamento

anamchara. Nós não estamos autorizados a passar para o território de outro Electus sem permissão. Eu não tinha permissão. ― Bem, nem ele. ― Rowan acenou com a mão atrás dele. Foi só então que Luca viu o homem sentado no canto com a cabeça enterrada nas mãos. Ele viu os cacos de lâmpadas e móveis, os papéis espalhados no chão. O lugar parecia que um furacão havia soprado através dele. Luca ficou impressionado. Mas isso não parecia detê-lo. ― Electus Everson. Daniel Everson levantou a cabeça. Luca inalou agudamente quando o homem se levantou com as pernas trêmulas. Ele parecia devastado. Longos arranhões desfiguravam o rosto pálido. Sua camisa e calças estavam em frangalhos e pendurado seu corpo. Quando ele começou a andar para frente, Luca percebeu um rasgo pronunciado na perna esquerda do Electus. ― O que você fez para ele, Rowan? ― Eu avisei a ele que não deveria raptar-me. Ele não acreditou em mim. ― Rowan encolheu os ombros. ― Agora que ele faz.


Luca piscou. ― O que você fez em sua perna? ― Ele tentou fazer um passe em mim. Luca resmungou seus músculos juntos, enquanto ele ficava tenso. ― Ele fez o quê? O riso musical de Rowan encheu a sala. ― Não se preocupe querido, eu mostrei-lhe o erro de seu caminho.

― Rowan tinha um sorriso em seu

rosto quando ele se virou para olhar Electus Everson, recostando-se contra o peito de Luca. ― Eu duvido seriamente que ele estará fazendo um passe com alguém tão cedo. ― Você não …

― Luca engoliu em seco enquanto seus olhos,

desceram as calças rasgadas do Electus Everson. Rowan riu. ― Suas bolas que ainda estão presas, mas apenas porque ele pula muito rápido. Luca não poderia dizer que ele estava chateado sobre como Rowan teve de se defender. Era apenas raiva que Rowan teve de se defender em primeiro lugar. Isso não era aceitável. . O que lembrou Luca ... ― Onde está o Jackson? Rowan rosnou, os ombros tensos. ― Ele foi baleado por homens de Daniel quando me raptou. O médico está olhando ele agora. ― E o quarto? ― Luca perguntou quando ele acenou com a mão a destruição ao seu redor. ― Ele não queria deixar-me ir com você

― disse Rowan como se

deveria ter sido óbvio. Luca rapidamente passou os braços em volta da cintura de Rowan quando parecia que seu companheiro poderia ir atrás do Electus novamente. Queria sorrir pelo o medo no rosto de Electus Everson. Ele realmente fez. Mas


ele também queria o controle de uma situação que poderia rapidamente sair fora de controle. Luca acenou para o outro vampiro. ― Electus Everson. Everson engoliu em seco e esfregou a perna. ― Electus Ucathya. ― Eu suponho que você tem o meu dinheiro e os documentos que me dão o território que eu quero? Everson assentiu. ― Você vai assinar algo que afirma que ele nunca vai entrar no meu território de novo? Luca sorriu, mas balançou a cabeça. ― Eu vou . ― E você pode aplicá-la? As sobrancelhas de Luca se abaixaram quando ele franziu a testa. ― Você está me questionando? ― Não, não! ― Everson às pressas balançou as mãos na frente dele. ― Eu só quero ter certeza que eu nunca vá vê-lo novamente. Ele é uma ameaça. Luca apertou os braços em volta de Rowan quando sentiu o solavanco e o rosnar. Rowan claramente queria ir a Everson novamente.

― Basta,

anamchara. Rowan imediatamente acalmou e encostou-se Luca como se ele não quisesse estar em qualquer outro lugar do mundo. Ele mesmo começou a esfregar o lado do rosto no braço de Luca. A mandíbula de Everson caiu. engasgou.

― Como você faz isso?

― Ele

― Eu o ameacei com tudo o que eu sabia, e ele continuou

atacando. Como você o controla? Luca sorriu quando os guardas em volta dele começaram a rir. ― Eu não o controlo, Everson. Ninguém o faz.


― Mas... ― Everson acenou com a mão em Rowan. Ele parecia tão confuso. ― Ele é um lobo. Você não está preocupado que ele irá atacá-lo em seu sono? Ou... Ou... ― Anamchara, você vai me atacar no meu sono? Rowan tinha um sorriso em seu rosto quando ele inclinou a cabeça para trás para olhar para Luca. ― Só se você pedir muito bem.

Luca manteve seu braço com firmeza em volta da cintura de Rowan, enquanto esperava por Jackson ser carregado em um dos SUS. Ele não estava tomando nenhum risco com seu anamchara. Toda vez que alguém chegava perto demais, Rowan começou a rosnar e espantando eles. Rowan estava, obviamente, ainda chateado, e Luca não podia culpá-lo. Mas esperava que, quando a história saiu sobre o que havia acontecido com Electus Everson, iria impedir os outros de tentar levar Rowan. ― Ele vai ficar bem, Rowan ― disse Luca quando Rowan olhou para Jackson e choramingou. Ele sabia que Rowan teve uma estranha amizade com Jackson que o fez se preocupar com o outro homem. ― Ele vai estar de pé e de volta para guarda-lo em um par de dias. ― Eu consigo ficar com ele? ― Rowan piscou para Luca. ― Eu sei que isso não era culpa de Jackson. Jackson foi baleado e desacordado. Ele teria te defendido se ele pudesse. Além disso, ele não tentou


estrangulá-lo ainda. Eu não vou recompensar a sua lealdade, tirando sua posição longe dele. Rowan suspirou de alívio óbvio. ― Ele realmente fez o seu melhor, Luca. Se ele não tivesse levado um tiro... ― É por isso que quando você sair, mais guardas serão atribuídos a você. Se alguém for baleado, espero que outro possa levá-lo para casa em segurança. ― Mas ... Luca levantou a mão para silenciar Rowan.

― Não é motivo de

debate, anamchara. Jackson pode guardá-lo quando estiver em casa, mas nas ruas, você terá mais guardas. Não vou me sentir confortável com você correndo no seu novo parque, a menos que seja devidamente protegido. As sobrancelhas de Rowan ugaram. ― Meu novo parque? ― Eu esqueci de mencionar isso? ― Hum, sim. Luca riu. ― Electus Everson me pagou cinco milhões de dólares e me deu uma parte de seu território se eu concordasse em vir buscá-lo. Isso inclui um grande parque arborizado onde você pode correr o quanto quiser. ― Ele fez o quê? ― Rowan disparou. Uma luz feral acendeu em seus olhos quando ele se virou e começou a voltar o caminho por onde viera. ― Rowan! Quando Rowan começou a lutar contra o domínio que Luca tinha sobre ele, vários guardas de Everson saltaram para trás, o medo os fazendo tremer. Luca pegou Rowan apertado contra seu corpo e afundou os dedos no cabelo do homem. Ele puxou a cabeça para trás e reivindicou seus lábios em um beijo profundo, ele tinha estado dolorido desde que ele pôs os olhos sobre


Rowan novamente. Até o momento que Luca levantou os lábios momentos mais tarde, Rowan estava caído contra ele, um desejo brilhando em seus olhos. Luca sorriu e traçou o contorno suave dos lábios gordos de Rowan.

“Senti sua falta,

anamchara” ele sussurrou através de seu vínculo. “Eu senti sua falta também” respondeu Rowan. Sua cabeça se inclinou para trás quando ele se virou para olhar para o SUV preto. ― Eu não creio que a coisa tem uma tela de privacidade como a limusine? Luca riu. ― Não, não tem. Rowan gemeu. Luca podia ver a fome nos olhos de Rowan. Ele combinava com a sua própria. Ele olhou para trás por cima do ombro para onde o Electus ainda estava de pé, cercado por seus guardas. ― Eu não suponho que podemos emprestar sua limusine? Everson fez uma careta e jogou um conjunto de chaves para Luca. ― Pode ficar com ela. Luca pegou as chaves e acenou para o Electus antes de voltar para Rowan. ― Vamos, anamchara. Nossa limusine nos aguarda.


Capitulo Dez ― Hey, querido ― disse Rowan quando ele passeou no escritório de Luca ― Eu preciso usar o telefone. Luca arqueou uma sobrancelha. ― Rowan, você pode usar qualquer telefone que você desejar. Você não tem que me pedir permissão. Você não é um prisioneiro aqui. ― A carranca escureceu as características de Luca. ― Eu pensei que você sabia disso. Rowan se aproximou e jogou-se no colo de Luca, balançando no local até encontrar o ponto exato que ele queria-o onde ele podia sentir o pau duro de Luca pressionando-se contra sua bunda. Era realmente o local perfeito para ficar. ― Eu sei disso, mas eu preciso chamar e conversar com a minha família. Eu estava esperando que você estivesse junto para essa conversa. ― Rowan começou a alisar as bordas da camisa de seda de Luca. Ele seria o primeiro a admitir que ele estava nervoso sobre ligar para seus pais. ― Eu não contei a eles sobre nós ainda. ― Você está preocupado que eles vão ficar chateados? ― Sim e não. ― Rowan encolheu os ombros. Eu acho que eles serão felizes que eu encontrei meu companheiro, mas ... ― É porque eu sou um homem? Uma explosão de riso caiu dos lábios de Rowan. ― Não, eles sabem


que eu sou gay, e eles não têm problema com isso. ― É a coisa toda vampiro? ― Novamente, sim e não. Eu acho que eles vão se preocupar até conhecê-lo e ver o quanto você me ama, mas ... Luca arqueou a sobrancelha. ― Você acha que eu te amo, então? ― Duh. ― Rowan revirou os olhos. ― Eu sei que você me ama. ― E como você chegou a essa conclusão? ― Se você não me ama, você não iria atribuir-me tantos guardacostas. Você só protege as coisas que você gosta e se preocupa. ― Rowan olhou para Luca através de seus cílios. O homem parecia um pouco atordoado. Rowan não podia ajudar, mas se perguntar se Luca sabia que ele também foi amado. ― Eu também te amo. ― Você tem certeza, Rowan? ― Luca sussurrou. ― Eu sei que o acasalamento é uma coisa muito grande para os lobos, mas você tem certeza que não é o vínculo que você sente? Sua resposta parecia ser realmente importante para Luca, de modo Rowan tomou um momento para pensar sobre isso antes de falar. ― Bem, eu sinto uma ligação com você. Eu tenho, desde o início. É por isso que eu o deixei quando você ficou chateado que eu era um lobo. Eu senti como se minha alma estivesse sendo esmagada. ― Oh, anamchara. ― Luca parecia tão contrito. ― Eu sei que não tomei bem a notícia no início. Eu estava tão chocado. E juro que nem sequer me incomoda agora. Rowan deu um tapinha no peito de Luca. ― Eu sei . ― Rowan sorriu. ― E é por isso que você ainda tem suas bolas . ― Rowan, você tem que parar de ameaçar levar minhas bolas .


― Não ― Rowan torceu o nariz para Luca. ― Te mantem na linha. ― Só porque eu tenho medo que você vai realmente fazê-lo. ―

Não

se

preocupe,

querido.

Acontece

que

eu

gosto

delas

exatamente onde estão. ― Se eu não te chatear. ― Luca resmungou. Rowan arqueou uma sobrancelha. ― Então não me irrite. ― Rowan. Rowan sorriu e começou a alisar o tecido do peito de Luca novamente. Não é que a camisa estava enrugada, mas o que Rowan realmente gostava era tocar seu companheiro. ― Agora, como eu ia dizendo, eu sinto o vínculo com você. Mas sentindo o vínculo de acasalamento não significa que automaticamente os lobos se apaixonam por nossos companheiros. Isso leva um pouco mais de trabalho. ― É preciso trabalhar para se apaixonar por mim? ― O inferno, sim! ― Rowan começou a rir na carranca descontente no rosto de Luca. ― Você, meu amor, não é um homem fácil de se conviver. Você é egoísta, arrogante e muito teimoso para seu próprio bem. ― Hey! ― Você também é protetor, possessivo e dominador. ― Eu não tenho certeza se isso é melhor, Rowan. ― Ah, é, acredite em mim. ― Rowan se mexeu ao redor até que ele pode balançar a perna no colo de Luca, em seguida, sentou-se novamente, de frente para Luca. ― Você é egoísta, porque você tem o direito de ser. Você lidera uma grande quantidade de pessoas, e você faz isso muito bem. ― Obrigado.


Não me agradeça ainda. Eu não terminei. ― Rowan sorriu. ―

Você é arrogante e teimoso, mas eu acho que você precisa ser para estar na posição que você está. Mas você é protetor daqueles que você lidera e aqueles que você gosta. Eu sei que você daria sua vida para manter qualquer um de nós seguros. ― É meu dever como Electus. ― É mais do que um dever para você, Luca. É quem você é. ― Rowan se inclinou para frente e roçou nos lábios de Luca. ― Você é possessivo das pessoas que você gosta, daqueles que você ama, porque você quer mantêlos seguros. Perder um de sua tribo iria machucá-lo. Perder alguém que você ama o destruiria. O corpo de Luca tornou-se mais rígido com cada palavra Rowan falou. Rowan começou a plantar beijinhos ao longo da linha da mandíbula com cada frase para facilitar-lhe. ― Sua família é tudo para você, mas eu sou seu anamchara. Quero dizer mais. Eu sou o coração que bate em seu peito, o sangue em suas veias. Você poderia me envolver em algodão para me manter seguro, se você pensasse que eu o permitiria. ― Eu faria ― Luca sussurrou sem fôlego. ― Eu faria qualquer coisa para mantê-lo seguro. ― Eu sei, e é por isso que eu não discuto quando você dobrou os meus guarda-costas. A necessidade que você tem para me manter seguro só me diz o quanto você me ama. ― Pode parecer que eu só estou tentando controlá-lo. Rowan riu. ― Eu não tenho dúvida de que você está tentando me controlar. Está em sua natureza. Você é um vampiro afinal de contas. No entanto, eu acho que sou lobo o suficiente para mantê-lo em linha quando


você ultrapassar. A boca de Luca começou a cair aberta, de repente, se fechou. Suas sobrancelhas escuras arquearam para cima. ― Você acha que pode me controlar, não é? ― Eu vou tentar, e você sabe disso. É uma das coisas que você ama sobre mim. Eu me recuso a ser um tapete debaixo dos seus pés. No entanto, quando se trata de coisas importantes, como o nosso amor um pelo outro, eu nunca vou usá-lo contra você para conseguir o que quero. Isso é algo importante demais para mexer. Luca ficou pensativo, a carranca no rosto aliviando devagar. ― Você parece ter isso tudo planejado. ― Oh, não inferno. Eu estou tão perdido quanto você. Mas a única coisa que eu sei de fato é que você me ama e eu amo você. Nós vamos descobrir o resto à medida que avançamos. ― Você acha isso, hein? ― Eu achei sim ― Rowan respondeu sem hesitação. ― Então eu acho que você pode estar certo. ― Você acha? ― Rowan franziu a testa. ― Eu vou ganhar esse argumento, Luca. ― Tudo bem, anamchara, eu vou deixar você ganhar. ― Luca sorriu. ― Desta vez. ― Promessas, promessas, ― disse Rowan levianamente quando ele se virou e pegou o telefone. Ele podia sentir as mãos de seu companheiro correndo sobre seu corpo, em movimentos suaves e curtos. Ele sabia exatamente o que Luca queria, mas Rowan precisava fazer seu telefonema.


Quando a mão de Luca mergulhou entre as pernas de Rowan, massageando sua furiosa ereção ele largou o telefone e agarrou a mesa, gemendo quando ele balançou sua bunda contra o bojo grande. ― Eu pensei que você estava chamando a sua família? ― Luca resmungou baixinho no ouvido de Rowan, apoiando a sua pergunta com um toque de sua língua. Rowan estremeceu. ― Você sabe muito bem que eu não estou falando com minha mãe, enquanto você me fode. ― Quem disse alguma coisa sobre eu te foder? ― Luca perguntou. ― Eu fiz. Agora me fode. ― Rowan escorregou do colo de Luca enquanto ele chutava as calças livre. Ele queria sentir Luca em cima dele, marcando-o, ser fodido por ele até a mesa desabar no chão. Ele subiu na mesa, balançando a bunda para trás e para frente enquanto Luca lambeu os lábios, olhando para buraco exposto de Rowan. ― Você vai se sentar lá e admirar minha bunda ou foder-me? Luca saltou para os pés, as calças caindo a seus tornozelos, em segundos, enquanto ele puxava uma gaveta aberta e extraía um tubo de lubrificante. Ele colocou o tubo sobre a mesa enquanto suas mãos exploravam o corpo de Rowan, suas unhas raspando suavemente contra a carne de Rowan. Seus dedos acariciaram os montes de Rowan, e então ele sentiu úmidos dedos molhados entrar nele. Rowan balançou para trás, espetando-se nos longas e ágeis dedos de Luca, enquanto ele abaixava os ombros para a madeira de mogno. A frieza da mesa sentia muito bem contra o seu rosto aquecido. Quando Luca puxou a mão livre, Rowan inalou drasticamente à medida que ele se sentiu o grande pau de Luca roçar nele. Bom Deus, o homem foi abençoado no departamento de pau!


Fez Rowan um lobo muito feliz. Tomando o lábio inferior entre os dentes, Rowan montou a dor sabendo que ia se transformar em prazer inacreditável. E ele estava certo. Rowan gritou alto quando Luca levou-o com força brutal. Seus pulmões expandiram enquanto seus gritos ecoaram por todo o escritório. Ele sabia que ele era um amante vocal e não poderia se importar menos quando Luca bateu o seu pau na bunda de Rowan, fazendo-o gritar como se estivesse sendo assassinado. ― E você o ama! ― Rowan cantou quando ele bateu de volta para Luca. Ele podia sentir cada centímetro do pau de seu companheiro em sua bunda enquanto seus dedos cavavam na madeira, deixando marcas de garras para trás. Luca ia ficar puto com isso quando os visse. Rowan não se importava no momento. A única coisa que o preocupava era ser fodido pelo homem mais bonito andando na face da terra. Ele chegou debaixo de seu corpo, enrolando os dedos ao redor de seu pênis e, em seguida, começou a acariciá-lo ao ritmo de Luca. Sua libertação estava próxima. Rowan podia senti-la agarrando o seu caminho até sua espinha. Suas bolas estavam situadas bem grudados ao seu corpo enquanto ele trabalhou o seu eixo. ― Estou gozando ― gritou tão alto que as janelas vibravam. Rowan viu estrelas enquanto as bolas se esvaziavam, derramando seu sêmen sobre a mesa abaixo dele. Luca bateu no seu traseiro duro, sons rudes vindo de seu companheiro antes de Luca empurrar o pau profundamente dentro de Rowan enquanto ele rugia. Rowan piscou algumas vezes e depois caiu contra a mesa, o coração batendo fora de controle. Rowan ficou lá com um sorriso bobo no rosto grande


enquanto Luca deslizou de seu corpo. ― Você está pronto para fazer aquele telefonema? ― Cinco minutos, Mamãe. ―

Rowan riu enquanto ele rolou de

costas, sorrindo para a pessoa mais importante em sua vida. Ele ganiu quando Luca bateu no quadril nu. ― O que foi isso? ― Nunca me chame de sua mãe quando tivermos acabado de ter sexo. O visual não está certo. Rowan riu quando ele empurrou para longe da mesa, agarrando suas calças e deslizando-as. Ele sentou no colo de Luca enquanto seu companheiro usava um tecido para limpar a mesa fora. ― Você arranhou! Rowan assobiou quando ele olhou ao redor da sala, olhando para todos os lugares, menos em Luca. ― Não sei o que você está falando. Luca

resmungou

quando

ele

abraçou

Rowan,

abraçando-o

fortemente. ― Eu aposto que você não faz. Vou ter que ter alguém entrando e consertar isso. ― Reparar o quê? Rowan riu quando Luca mordiscou seu ombro. ― Faça a sua chamada de telefone maldita. Rowan revirou os olhos quando ele pegou o telefone e discou para sua mãe. Ele estava animado por ouvir a voz dela. Fazia algum tempo desde que falou com ela, e ele sabia em seu coração que ela aceitaria Luca. Depois de uma dose de uísque. ― Olá? ―

Mãe, sou eu, Rowan ― ele cantou para o telefone, sentindo

saudades da voz familiar de sua mãe. Deus, ele sentia falta dela. Ele sentia falta de toda a sua família. Eles eram muito próximos. Inferno, quando Rowan


havia sido banido de seu bando, toda a sua família tinha feito as malas e partido com ele. Eles eram leais assim. ― Hey, Martha. Eu não posso falar muito. Eu preciso manter a linha telefônica livre em chamadas para caso Rowan ligue . Rowan puxou o telefone de volta e olhou para ele por um momento, se perguntando o que diabos sua mãe estava falando. Martha? Tia Marta? Tinha sua mãe ficado senil em pouco tempo que ele já tinha saído? Não tinha sido por muito tempo. Teve? ― Não, mãe ― ele disse quando ele colocou o telefone de volta ao seu ouvido ― sou eu, Rowan . ― Não, eu ainda não ouvi nada de Rowan. Tem sido doloroso não saber onde ele está. Todo mundo está tão preocupado. Rowan coçou a cabeça. Que porra é essa? ― Mãe, você está bem? Onde está o papai? ― Ele precisava falar com alguém e descobrir por que sua mãe estava tomando uma longa caminhada na mata sem uma bússola. Ela estava perdendo isso. ― Não, não é como Rowan fosse de desaparecer assim. Estou preocupada que ele está em apuros. Rowan estava ficando assustado. Sua mãe estava mais estranha do que o costume. Ela sempre tinha sido. Ouvindo-a falar assim era enervante. Rowan olhou para Luca quando o homem bateu-lhe no ombro. ― Pergunte a ela quem está lá ― Luca sussurrou. ― Mãe, quem está na casa com você? ― Não, Marta, você não tem que vir. Alfa Carlton Gregory ouviu falar sobre o súbito desaparecimento de Rowan, e ele foi bom o suficiente para vir para nos ajudar a procurar Rowan. Ele não deixou nosso lado, o homem


querido. Rowan sentiu o coração falhar em seu peito. Carlton estava em sua casa! Rowan sentiu pânico o envolver. Normalmente ele não deu a mínima para o lobo, mas o homem estava na casa de sua mãe! ― Ajuda está a caminho, mamãe. Vamos parar ele. ― Tudo bem, querida. Tome cuidado. Rowan

colocou

o

telefone

no

gancho,

a

mão

tremendo

incontrolavelmente. ― Carlton está na casa da minha mãe ― Rowan sussurrou enquanto olhava para o telefone como se fosse oferecer uma resposta. ― Quem é Carlton? ― Luca perguntou com um rosnado. Rowan virou, agarrando a frente da camisa do seu companheiro, enrolando os dedos no tecido. ― Nós temos que ajudá-los! Luca pegou os dedos de Rowan e, em seguida, beijou os nós dos dedos. Rowan podia dizer que o seu companheiro estava tentando acalmá-lo, mas nada além de Carlton morto a seus pés faria isso. Ele queria Carlton morto! ― Diga-me quem ele é, anamchara. Rowan ingeriu quando ele empurrou à franja livre dos olhos. ― Ele é o alfa da minha matilha. ― Rowan encolheu os ombros. ― Ou ele era. Luca sentou-se um pouco mais reto, com o corpo tenso. ― O que quer dizer foi? ― Ele... Uh... ele tentou me acasalar. Quando eu me recusei, ele me chutou para fora da matilha. Rowan encolheu-se quando Luca rugiu tão alto que as paredes tremeram. Os olhos de Luca mudaram para um vermelho profundo, as narinas dele inflaram enquanto ele curvava o lábio para trás, expondo suas presas. Ah sim, ele estava chateado.


― Eu vou matar ele! Rowan saltou do colo de Luca, e apontou o dedo para seu companheiro. ― Não antes de eu fazer! Ele está segurando a minha família de refém. Eu sou o único que vai rasgar sua garganta. Rowan foi atrás de Carlton. Ele estava prestes a mostrar ao alfa que ele

falava

sério.

Foi

uma

coisa

mexer

com

ele,

mas

era

um

jogo

completamente diferente quando o rato desgraçado seguiu a sua família. Ele estava indo arrancar as bolas do homem fora! ― Você não vai a lugar algum. Os meus homens e eu vamos cuidar dele, Rowan . Como se isso fosse acontecer! ― Claro que não! Você não vai me roubar de minha vingança ― Rowan gritou enquanto ele deixava suas garras estender, acenando-os ameaçadoramente em Luca. Ele teve que dar um ponto ao seu companheiro. Luca nem sequer pestanejou. ― Nem mesmo a ameaça de perder minhas bolas vai me fazer deixar você ir, Rowan ― Luca rosnou. ― Não, e essa é a minha palavra final. Os olhos de Rowan se estreitaram. ― Sua palavra final? ― Rowan fervia de raiva, enquanto observava Luca sair do escritório. ― Como se atreve Luca! ― Rowan estava indo encontrar um caminho para a casa de sua mãe, se tivesse de pegar uma carona. Não havia como ele estar indo sentar-se em torno de seu polegar e esperar por notícias de segurança da sua família. Uh-uh. Isso não iria acontecer. Rowan invadiu o escritório de Luca, enquanto ele dirigiu-se para seu quarto. Ele teve que pensar em alguma maneira de obter a sua família. Eles significavam o mundo para ele, e ele não ia sentar sem fazer nada.


Um plano começou a se formar na cabeça de Rowan enquanto subia as escadas. Ele estava errado, e provavelmente iria fazer Luca chutar sua bunda, mas Rowan não conseguia pensar no momento. Ele tinha que salvar sua família. Com ou sem a ajuda de Luca. Rowan apenas rezou que seu companheiro não acabasse com su traseiro. Ele gostou do que ele já tinha. Seria um desperdício.

Capitulo Onze Luca contou até dez. E quando isso não funcionou, ele contou até 20. Ele estava indo chutar o traseiro de Rowan todo o caminho de volta para o hotel quando ele colocasse as mãos sobre ele. Como se atrevia a ir para Electus Everson e exigir ao líder da tribo para ajudá-lo. E puto era além da crença de que Rowan tinha encontrado uma maneira de fugir, mas o que doía mais era o fato de que seu anamchara tinha ido para outro para obter ajuda. Ele estava fervendo pelo tempo que ele apareceu no hotel de Everson. Ele podia ver o curioso e assustado olhar no rosto da tribo, enquanto


caminhava para o elevador e esperou para ser levado para a cobertura. Ele bateu o pé enquanto ele esperava. Se ele não amasse tanto Rowan, ele o trancaria para longe por um tempo muito longo. O homem merecia. Ele saiu do elevador e foi direto para o escritório do Electus Everson. Ele gemeu quando entrou pelas portas duplas e viu Everson olhando para ele de trás da escrivaninha. Rowan estava do outro lado gritando com ele. Isso foi se transformando em uma verdadeira dor de cabeça. Talvez ele poderia algemar o seu companheiro para a cama. Era um pensamento. ― Você me arrancou cinco milhões de dólares, Ucathya! ― Electus Everson rosnou quando Rowan rodopiou e estreitou os olhos para Luca. ― Você denunciou-me? ― Ele girou em torno de volta, acusando Everson quando começou a tempestade em torno da mesa. Ele teve morte e desmembramento escrito por todo o rosto. Luca rapidamente pegou seu companheiro em torno da cintura e puxou-o de seus pés antes dele fazer mais danos para o alfa. Se ele não fez exatamente um vampiro descobrir uma maneira de sair desta, Luca ia dever a Everson por um tempo grande. Ele podia até mesmo perder a sua tribo e território. ― Você assinou um acordo que ele nunca iria mostrar a sua cara por aqui de novo ― Everson gritou para Luca. ― Mas eu não ― respondeu Rowan para ele. Luca olhou seu rosto e lentamente arrastou sua mão para baixo. Agora, por que ele não tinha pensado nessa brecha estúpida? Electus Everson


poderia ter sua bunda em uma tipoia por permitir Rowan em seu território após a assinatura desse acordo. Ele simplesmente não poderia fazer nada para Rowan. Luca começou a rir baixinho, o som cada vez mais alto enquanto a hilaridade da situação o tomou. Ele sabia que Rowan estava indo para dar-lhe um tapa, mas isto foi além do que ele imaginava. Luca resmungou, mas manteve rindo quando Rowan bateu para trás com o cotovelo. Ele simplesmente não conseguia parar. Lágrimas começaram a rolar pelo seu rosto. Talvez tenha sido a tensão da situação ou quase perder Rowan. Talvez tenha sido anos de emoção reprimida, finalmente cedendo. Luca não sabia. Ele só sabia que ele não conseguia parar. ― Não foi tão engraçado, Luca. ― Eu sei, anamchara, eu só … ― Luca sacudiu a cabeça. Luca piscou surpreso quando de repente Rowan pegou o rosto e puxou-o para um beijo. A cada toque da língua de Rowan contra o seu, sobre os lábios, e dentro de sua boca, o riso Luca caiu longe para ser substituída por uma fome tão grande que quase levou Luca de joelhos. Quando Rowan finalmente se afastou, Luca gemeu e tentou seguir, com os lábios franzidos para outro beijo, até que ele ouviu o riso do outro lado da sala. Os Lábios de Luca rapidamente se transformaram num rosnar para Electus Everson. ― Você tem algo a dizer, Electus? ―

Oh, como caíram os valorosos. ― Everson riu quando ele se

sentou na cadeira atrás de sua mesa. ― Eu estive esperando décadas para ver o grande Electus Luca Ucathya caindo de joelhos, e só precisou de um pequeno


shifter lobo para fazê-lo. As mãos de Luca apertaram Rowan quando ele rosnou. ― Se eu soubesse que era tudo o que precisava, eu o apresentaria aos lobos anos atrás. ― Rowan não é qualquer lobo, Electus Everson. Ele é meu anamchara. Um outro lobo poderia ter feito isso, exceto ele. ― Luca sabia que ele

estava

admitindo

uma

fraqueza,

mas

ele

não

permitiria

Everson

menosprezar o que ele tinha com Rowan. ― Ele é uma arma contra você ― Everson estalou quando ele saltou para seus pés ― e você sabe disso. Veja como facilmente você veio correndo quando soube que ele estava aqui. Ele vai fazer o seu império ruir em torno de você. ― O que você deixou de perceber aqui, Everson, é que eu daria de bom grado o meu império por Rowan. Eu faria isso sem um único pensamento. Eu daria a minha posição, minha tribo, e mesmo a minha vida. A bravata de repente caiu do rosto de Everson para ser substituído por um olhar curioso ainda triste. ― Você abriria mão de tudo para ele? ― Num piscar de olhos. ― Luca não hesitou na sua resposta. E ele não hesitaria em dar tudo por Rowan . ― Rowan é o meu mundo. ― Isso não deixa muito espaço para sua tribo, Electus. ― Hey! ― Rowan disparou. ― Você não consegue falar com Luca dessa forma. Ele é tão fiel à sua tribo como ele é para mim. Ele nunca iria traílos. Everson arqueou a sobrancelha. ― Mesmo você? ― escolher.

Eu nunca iria colocar Luca em uma posição onde ele teria que


Luca gemeu. Ele sabia qual era a resposta que Everson teria, e temeu. ― Você fez exatamente isso ao entrar em meu território após Luca assinar um acordo em seu nome. Rowan calou em seguida, lentamente olhou para Luca. Seus olhos estavam brilhando com lágrimas não derramadas. ― É verdade, Luca? ― Rowan ... Os olhos de Rowan arredondaram enquanto ele inalava bruscamente. ― É verdade. ― Rowan, você não entendeu as regras do contrato que assinei. ― O que é que isto vai significar para você e sua tribo? Luca olhou para Everson apenas para encontrar o homem sorrindo presunçosamente para ele. Luca suspirou e olhou para trás para Rowan. ― Everson pode trazer-me perante o conselho por quebra de contrato. Eu posso ser punido. ― Mas você não vai fazer isso ― gritou Rowan. ― Se alguém deve ser punido, deveria ser eu. ― Anamchara, você se lembra de quando nós acasalamos e eu lhe disse que iria ser esperar do seu comportamento como o companheiro do Electus? Rowan assentiu. ― Como o Electus da minha tribo e seu companheiro, eu sou o responsável pelo seu comportamento, assim como eu sou o responsável pelo comportamento de cada membro da minha tribo. ― Mas isso não está certo. Eu fiz isso, não você. ― Eu sei anamchara. ― Luca sorriu fracamente enquanto ele alisava


a mão para o lado do rosto de Rowan. ― Mas você não sabia. Foi a minha responsabilidade garantir que você soubesse as regras. Eu estava tão feliz em ter você de volta que eu nunca tive o tempo para explicá-las para você. Isso não é culpa sua. ― Eu deveria ter ficado em casa como você disse. ―A Cabeça de Rowan se aninhou na mão de Luca. ― Se eu tivesse, nada disso teria acontecido. Eu deveria ter escutado. E agora ...― Rowan balançou a cabeça, tristeza e arrependimento preenchendo seus olhos. ― Vai ficar tudo bem, anamchara. Eu juro. ― Basta! ― Electus Everson de repente gritou. ― Os dois estão cada um pronto para jogar-se em suas espadas pelo outro que eu vou ficar doente. Por favor. Eu juro que não trarei sanções contra qualquer um de vocês, se vocês só calarem a boca. Luca se virou para olhar para o Electus. Ele ficou surpreso ao ver a sinceridade no rosto do homem. Estava tingido por um pouco de inveja. ― Vou devolver os cinco milhões de dólares, mas eu gostaria de manter o parque. A cabeça de Everson inclinou para o lado um pouco. ― Apenas o parque? ― Rowan precisa de um lugar para correr. ― Tudo bem ― suspirou o Electus e depois apontou o dedo para Rowan, ― mas desta vez, ele assina algo que diz que não vai entrar em meu território sem você. A cabeça de Rowan levantou. ― Você não quer que eu assine algo que diz que eu não viria aqui, afinal? ― Será que você seguiria-o?


Rowan riu. ― Provavelmente não. ― Luca parece ter algum tipo de controle estranho sobre você ― disse Everson. ― Se você concordar em não vir sem ele, então temos um acordo. ― Você ainda vai nos ajudar a salvar a minha família? ― Rowan perguntou. Luca gemeu e enterrou o rosto no cabelo de Rowan. ― Porque você não pode deixar para lá? ― Ele perguntou ao seu companheiro baixinho. ― Ele está nos deixando sair ilesos quando ele poderia estar pregando minhas bolas à parede. Rowan rosnou e deslizou sua mão para baixo ao longo da virilha de Luca. ― Essas são as minhas bolas que você está falando. Ninguém pode mexer com elas, além de mim. Everson apenas riu. ― Sim, eu vou. Luca ficou surpreso. ― Você vai? Everson deu de ombros. ― Ele meio que cresceu em mim. Luca não podia deixar de rir com o olhar de satisfação no rosto de Rowan. O homem merecia. Ele tinha dois lideres poderosos na palma da sua mão. ― Sim. ― Rowan sorriu quando ele se inclinou para trás nos braços de Luca. ― Eu sou um fungo.


Capitulo Doze

Rowan rosnou e cruzou os braços sobre o peito. Sentado na limusine não era exatamente o que ele tinha em mente quando ele veio com o seu plano brilhante para salvar sua família. Luca e Everson não quiseram saber de outra coisa. Eles tinham até trancado dentro da limusine. Rowan estava pronto para gritar, ou mutilar. A espera foi de matar. Não só era a sua família sendo mantido em cativeiro por um alfa vingativo que queria comer o seu traseiro, mas agora seu companheiro estava correndo de cabeça na briga. Se isso não rasgasse seus nervos, Rowan não sabia o que faria. Rowan era perfeitamente capaz de se proteger, mesmo sem Jackson ao seu lado. Rowan só queria entender Luca. Ele não estava indefeso. Além disso, ele tinha mais experiência com Carlton do que Luca ou Everson. Ele havia sobrevivido em viver na matilha do alfa durante anos. Quando Rowan ouviu a limusine ligar de repente e depois decolar na velocidade da luz, ele agarrou o lugar, preocupação preenchendo cada centímetro dele. Havia algo de errado?


Alguém foi ferido? Eles estavam levando-o para a segurança? Rowan queria respostas. Ele se inclinou para frente e apertou o botão para abaixar a tela de privacidade entre ele e o motorista para que ele pudesse obter suas respostas. Ele franziu a testa quando não diminuiria. Isso não estava certo. Os controles para a tela de privacidade devia ter trabalhado no banco de trás. Isso foi o que eles estavam lá. Talvez eles fossem quebrados ou algo assim? Rowan bateu os punhos contra a janela, mas não obteve resposta. ― Ei, abaixe a janela ― ele gritou. Ainda nada. Rowan estava começando a ficar nervoso. Ele sabia que havia pessoas na tribo de Luca que não gostava dele, mas ele ainda era o anamchara. Eles não deviam ignorá-lo. Luca estaria chateado. Rowan queria saber que diabo estava acontecendo, especialmente porque a limusine parecia estar dirigindo pelas ruas como os cães do inferno estivessem perseguindo ele. Rowan grunhiu quando de repente teve uma curva fechada e ele foi jogado contra a porta. Tão logo a limusine se endireitou, ele subiu de volta para o banco e colocou o cinto de segurança. Ele agarrou o lugar para um bom apoio. “Luca, o que diabos está acontecendo?” Perguntou ele através de seu vínculo. “Não agora, anamchara” Luca respondeu da mesma maneira. Sua voz era fraca, mas estava lá, fazendo Rowan dar um suspiro de alívio. “Nós estamos apenas nos preparando para ir para dentro atrás de sua família. Preciso me concentrar.” Rowan cerrou os dentes. Ele queria fazer mais perguntas, mas ele não queria interferir com a sua família ser resgatado. Se Luca não tivesse sua mente completa sobre o que estava fazendo, ele poderia ser gravemente


ferido. “Tenha cuidado” ele sussurrou. “Sempre, anamchara.” “Eu te amo.” “Te amo, muito, Rowan.” Rowan esperou por Luca dizer mais, mas, aparentemente, ele havia sido cortado. Um profundo sentimento de pavor começou a encher Rowan. Algo estava muito errado. Ele simplesmente não conseguia colocar o que era. Ele sabia que estava preocupado com Luca e sua família, mas parecia ser mais do que isso. Quando a cabeça de Rowan começou a doer, sua preocupação voltouse para o medo imediato. Algo definitivamente estava acontecendo. Rowan esfregou as têmporas quando a dor parecia ser pior e tentou aliviar a dor. Quando isso não funcionou, ele agarrou casaco de Luca do chão e segurou-o até o nariz. Alívio encheu-o instantaneamente quando o cheiro de Luca o rodeou e a dor começou a diminuir. Isso só podia significar uma coisa. Rowan estava em uma profunda encrenca.

Luca ouviu quando ele se escondeu na lavanderia fora do pátio traseiro. Ele não conhecia a voz Carlton, mas ele precisava encontrar a posição


de todos. Everson estava ao lado dele, uma firme determinação em seu rosto quando ele acenou para Luca. Eram só eles. Luca não trouxe ninguém, exceto o motorista. Eles não precisavam de ninguém. Eram dois Electus e se não pudessem derrubar um único lobo alfa, eles não mereciam seus títulos.

Ele acabou de sair daqui,

ele ouviu uma mulher dizendo. Luca deduziu

que ela era a mãe de Rowan. O tom de sua voz deu a sua idade.

Ele não deixou nosso lado desde que ele soube que Rowan estava faltando, e agora ele corre para fora daqui como o seu traseiro estivesse pegando fogo. Eu não entendo,

um homem mais jovem, em torno da idade de

Rowan, talvez alguns anos mais velho falava. Luca olhou para Everson, as sobrancelhas puxado para baixo em uma careta enquanto ouvia atentamente. De quem eles estavam falando? Carlton? Luca tinha uma sensação apertando na boca do estômago, como se tivesse engolido um balde de gelo. “Rowan?” Ele sussurrou através de seu vínculo. “Anamchara?” Nada. Nem um pio de merda. Luca tentou mais uma vez para conversar com seu companheiro através de seu vínculo, mas Rowan não lhe respondeu. Ele deixou rapidamente a ocultação da lavanderia e correram para fora. Luca rugiu quando ele veio correndo ao redor do canto da casa, sentindo como se seu mundo inteiro estivesse desmoronando ao redor dele quando ele olhou para o lugar vazio onde a limusine deveria ter sido estacionado. ― Você acha que Carlton o levou? ― Everson perguntou quando ele se juntou a Luca.


― Eu sei que ele o tomou. ― Luca resmungou enquanto caminhava de volta para a casa onde uma mulher estava atordoada e pasmada olhando para ele, então, rapidamente se afastou. ― Volte ― um homem de cabelos escuros gritou enquanto ele deixou suas garras estender ao seu comprimento total. ― Eu vou matar você. ― Eu sou Electus Luca Ucathya. ― Você é um vampiro. ― O homem rosnou quando seus olhos verdes brilhavam na iluminação de baixo da casa. Luca achou que ele era irmão de Rowan. Eles tinham os mesmos olhos. ― Você está morto se você chegar perto de minha mãe! ― Eu sou companheiro de Rowan. Ele observou enquanto o homem jovem, de frente da mãe caiu. Ele não tinha certeza se era de choque ou decepção, mas Luca não se importava agora sobre ser aceito pela família de seu companheiro. ― Quem acabou de sair daqui? ― Alfa Carlton Gregory. Luca amaldiçoou. Suas garras estenderam, querendo afundar na carne do alfa e rasgar seus membros. ― Você sabe onde ele pode ir? Rowan estava na limusine e o alfa só roubou. A Mãe de Rowan cobriu a boca quando um grito caiu de seus lábios. ― Meu Rowan estava aqui? ― Minha senhora, por favor. ― Por mais que Luca queria consolar a mãe de Rowan, ele não teve tempo. Seu companheiro estiva em risco, e ele teve um alfa para matar. ― Você pode pensar em qualquer lugar que ele iria? ― Ele pegaria Rowan de volta para seu bando ― um outro jovem ofereceu quando ele se adiantou. Ele parecia vagamente familiar.


― Eu conheço você? O jovem balançou a cabeça. ― Eu desenhei seu site para o Caverna de Cristal. ― Certo, eu me lembro. ― Luca balançou a cabeça. Seth tinha sido muito útil na obtenção de Rowan para ele. Ele teria que se lembrar de agradecer ao homem. Mais tarde. ― Você pode me levar para o território Alfa Carlton? ― Eu posso te levar lá. Segue-me. Luca sorriu quando Seth levou-os fora de volta para um Hummer. Ele olhou para Everson, logo que viu o veículo macho. ― Eu estou dirigindo. ― Everson gritou quando ele saltou para o assento do passageiro dianteiro. ― Uh, não importa que eu tenha a maldita coisa? ― Seth perguntou quando ele entrou no banco de trás, colocando o cinto de segurança. Luca olhou para o interior e soube imediatamente que ele tinha que pegar um desses bebês. ― Não, agora me diga onde vive Carlton. Luca se afastou da casa e para o leste enquanto Seth informava o destino. A preocupação encheu quando ele pensava no que seu companheiro lhe contou sobre Carlton. ― Ele realmente tentou acasalar Rowan? Seth estreitou os olhos enquanto seus lábios torciam em uma careta de nojo. ― Sim, e quando Rowan recusou, Alfa Carlton o baniu. Eu acho que ele estava tentando forçar a mão de Rowan, deixando-o sem um bando ou algo assim. Ele não esperava que o resto de nós fosse com Rowan. ― Sua família inteira saiu com Rowan? ― Luca ficou chocado. Seth deu de ombros. ― Família é família. ― Inferno Santo. Como louco é Carlton? ― Ele iria descobrir logo


quando Seth apontou para uma estrada de terra. ― É mais 1 quilômetro por essa estrada. Luca fez a volta, jurando vingar-se do desgraçado psicótico se o cabelo estivesse fora de lugar na cabeça do seu anamchara. Ele estava ficando muito cansado das pessoas raptar seu companheiro. Estava se tornando um hábito ultimamente. Mas era um hábito que ele estava prestes a quebrar, juntamente com os ossos de Carlton. ― Ok, desacelere. Estamos na periferia do território do Alfa Carlton agora ― Seth disse quando soltou o cinto de segurança e se inclinou para frente entre Luca e Everson. ― Ele tem shifters como vigias. Ele diz que eles são protetores, mas tão fodido como ele é, eu chamo-os vigias. Não há como dizer que ele está fazendo. Tão mal como Luca queria dirigir-se para o centro da matilha, e matar o alfa, ele sabia que precisava de um plano. Nada jamais foi tão simples. Ele diminuiu o Hummer e estacionou atrás de algumas árvores e depois saiu. ― Ok, então você pode entrar e distraí-lo enquanto encontramos Rowan ― Everson disse quando ele saiu do Hummer. ― Eu? ― Seth perguntou em voz alta num guincho. ― Por que eu tenho que ser a cobaia? Everson sorriu. ― Você nunca ouviu falar de pessoal descartáveis? ― Mas eu não trabalho para você! ― Seth disse com indignação. ― Tente essa merda em outra pessoa. ― Então, pense em algo melhor, gênio. Luca estava recebendo uma enorme dor de cabeça. Ele estava feliz pelos dois estarem se dando tão bem, mas ele precisava encontrar Rowan.


Enquanto os dois homens brigavam, Luca se afastou. ― Espere! ― Seth chamou. ― Ele é meu irmão. Eu deveria ajudar. ― Você pode ajudar ficando fora do caminho. ― Luca resmungou quando ele entrou nos bosques delineando as casas. Ele sabia que shifters tinha um grande senso de cheiro, assim ele precisava ser rápido antes que ele fosse detectado. ― O que ele não daria por uma tempestade de inverno muito boa. Haveria muitos aromas que sopravam através do ar para encobrir os lobos. ― Será que todos os vampiros tão arrogantes malditos? ― Seth agarrou. ― Eu posso ver o meu irmão tem seu trabalho cortado com vocês. Luca olhou para Seth como se o homem fosse louco. Seth aparentemente não conhecia seu irmão muito bem. Foi os vampiros que tinham o seu trabalho cortado quando se tratava de Rowan, e não o contrário. ― Lá está ele ― Seth sussurrou quando ele agarrou o braço de Luca e se abaixou. Luca olhou através dos arbustos. Ele podia ver a abundância de shifters, mas ele não poderia escolher qual deles era o alfa. Não importava muito para ele de qualquer maneira. O que importava, e preocupava ele, foi o fato de que ele não viu Rowan em qualquer lugar. ― Onde é a casa de Carlton? Seth apontou uma casa amarela fora das outras casas vizinhas. Foi a coisa mais feia e maior que Luca já tinha visto. Sua mandíbula travou em determinação enquanto ele contornava as outras casas, ainda escondido no mato enquanto ele fazia seu caminho de volta para casa do alfa. ― Merda, temos companhia ― disse Everson de trás dele.


Luca virou a cabeça para ver, pelo menos, seis shifters vindo em sua direção. Todos eles tinham olhares letais em todos os seus rostos. ― Cuide deles ― disse ele antes de disparar em direção a casa amarela. ― O quê! ― Seth gritou. Luca ignorou. Ele tinha um companheiro para salvar, e ninguém iria detê-lo. Nem mesmo o irmão de Rowan. Ele arrastou-se até a porta de trás da casa, dois dedos girando a maçaneta silenciosamente enquanto ele a empurrava. Ele ouviu vozes do outro quarto, mas nenhum era de Rowan. Ele estava em algum tipo de cozinha. Luca silenciosamente caminhou até o arco na parede distante e olhou em torno do canto. Dois homens situavam-se no final do corredor na frente de um conjunto de grandes brancas portas duplas. Eles pareciam estar discutindo, um deles empurrando o dedo no peito do outro. Ele suspeitava que um deles era Alfa Carlton. Ele só não tinha certeza de qual. Na outra extremidade do corredor levou a uma área aberta, a porta da frente, e a borda de algumas escadas. Outros dois homens ficaram em cada lado da porta da frente, os braços cruzados sobre o peito. Luca reconheceu sentinelas quando os viu. Ele também reconheceu o fato de que uma ou outra maneira, que ele fosse, ele seria visto. No entanto, os dois homens no final do corredor discutindo tinha mais interesse para ele. Se um deles era de fato Alfa Carlton, e Luca poderia alcançá-lo a tempo, ele só poderia ter uma chance de sair dessa vivo com seu companheiro. Luca venceu o seu caminho mais perto da porta, esperando o momento perfeito, quando o som da abertura da porta da frente fez-lhe correr


para se esconder. Ele se escondeu no lado de um móvel grande, pressionandose de volta contra a parede. Dois homens ele poderia ter sido capaz de lutar contra o suficiente para vencer. Mais do que isso e ele teria que se concentrar mais em sobreviver e menos em fazer um refém para trocar. ― Olhe o que encontramos rastejando no mato, Alfa. Luca gemeu baixinho quando ouviu um estrondo e um gemido. ― Não era Electus Everson. Ele o conhecia muito. Everson teria rosnado e atacado. Devia ser Seth, irmão de Rowan. ― Seth, meu rapaz ― outro homem disse ― você veio para me dizer que Rowan foi encontrado? Espere. Era Seth . Merda. ― Do que você está falando?― Seth gritou. ― Você pegou Rowan. ― Tentei salvar Rowan! ― Ao sequestra-lo? Luca ouviu um grito e uma queda repentina. Ele saiu do canto e espreitou ao virar a ombreira. Luca queria rosnar de frustração. Seth estava no chão. O homem não estava ajudando assim a situação. Especialmente desde que ele era irmão de Rowan, o que significava que Luca teve de ajudar o cara. Quando Alfa Carlton chegou para Seth novamente e bateu-lhe na parede, Luca sabia que tinha de intervir. Rowan nunca o perdoaria se algo acontecesse com seu irmão se Luca poderia ter parado. ― Onde diabo está Rowan? ― Alfa Carlton rosnou quando ele balançou Seth pelo colarinho. ― Eu sei que você está escondendo-o de mim.


Eu quero saber onde ele está. Luca descobriu que essa pequena informação era muito interessante, se não um pouco peculiar. Ele pensou que Alfa Carlton havia sequestrado Rowan. Agora ele não tinha tanta certeza. Mas se não foi Carlton, então quem tinha Rowan? Suas entranhas torceram com o pensamento de algum desconhecido ter seu companheiro. Ele tentou mais uma vez conversar com seu companheiro através de seu vínculo, mas não ouviu nada em troca. Ele estava preocupado, irritado além da crença, e pronto para matar todos na sala. ― Por que está tão interessado em meu companheiro, Alfa Carlton? ― Luca perguntou quando ele saiu da cozinha. Alfa Carlton resmungou e jogou Seth de lado quando ele se lançou para Luca, mas Luca estava pronto para ele. Ele pegou Carlton pelos braços e jogou o homem sobre sua cabeça. Carlton poderia ter sido um shifter lobo, mas Luca era um vampiro puto com um companheiro ausente. Luca se virou e agachou-se, estendeu suas garras, e antes de Carlton ainda bater no chão duro de madeira. ― Onde está o meu companheiro? Carlton rolou de suas mãos e joelhos, em seguida, saltou para a frente, um rosnado longo caindo de seus lábios. Ele colidiu com Luca com o peso de um trem de carga. Juntos, ambos foram cair no chão. Luca estremeceu quando Carlton enfiou um golpe forte de garras ao seu lado. Ele empurrou a dor na parte traseira de sua mente e lutou com o alfa até que ele o tinha preso ao chão. Ele podia ouvir os rosnados dos lobos em torno dele. Fixando o seu


alfa para o chão não era a mais inteligente jogada de Luca, mas ele precisava de respostas e apenas um homem o tinha. ― Onde está Rowan, Alfa Carlton? ― Luca estalou quando ele olhou para baixo para o homem abaixo dele. ― Onde está o meu companheiro? ― Rowan é meu ― Carlton rosnou. ― Ele sempre foi meu. Luca rosnou e levantou seu punho no ar, pronto para conduzi-lo na cara de Carlton. Quando alguém agarrou seu pulso antes que ele pudesse balançar o braço para baixo, Luca arreganhou os dentes. ― Everson? ― Luca franziu a testa. ― Que diabos você está fazendo? Luca estava ainda mais confuso quando notou vários vampiros em pé ao redor, tanto de sua tribo e de Everson. Seth estava sendo ajudado a levantar por um outro vampiro. Os lobos que estavam com Carlton ajoelhou-se ao lado da porta, as mãos cruzadas atrás das suas cabeças. ― Luca ― Everson disse ― você precisa sair dele. ― Não seja ridículo, Everson ― Luca disse enquanto olhava para baixo em Carlton. ― Ele sabe algo sobre Rowan, e eu quero saber o que. Eu vou tirar dele, se tiver que fazer. Luca foi levantar o punho no ar novamente quando ouviu um rosnado baixo do lado dele, que fez os cabelos na parte de trás do seu pescoço arrepiar. Ele se virou para olhar para Everson em estado de choque total. ― Você está fora de sua mente? ― Saia dele, Luca, agora. Havia algo na voz de Everson, que lhe disse que a única maneira que ele ia ficar com sua cabeça presa a seus ombros era fazer exatamente o que disse Everson. Tanto devagar que pôde, Luca levantou-se e afastou-se de


Carlton. ― O que está acontecendo aqui, Everson? Angústia e resignação marcavam o rosto de Electus Everson, enquanto ele olhava de Luca até o lobo alfa ainda deitado no chão. Ele suspirou profundamente, e os ombros caíram como se o peso do mundo tivesse apenas sendo colocado sobre eles. ― Ele é meu companheiro ― Everson sussurrou. Luca fechou os olhos por um momento, em parte porque ele não aguentava mais ver a angústia no rosto de Everson, mas também em parte porque ele sabia que não poderia arrancar a verdade de Carlton agora. ― Ele ainda sabe alguma coisa sobre Rowan ― disse Luca. ― Eu preciso saber o que ele sabe. Everson assentiu. ― Vou obter suas respostas. Luca piscou em choque quando Everson estalou os dedos e quatro soldados vampiros se aproximaram e puxou Carlton aos seus pés. Quando Carlton começou a lutar, Everson simplesmente tirou uma arma preta para fora do paletó e atirou em Carlton com um dardo de pena de ponta vermelha. Carlton caiu quase instantaneamente, com a cabeça caindo para a frente. As sobrancelhas de Luca dispararam quando Everson adiantou-se e arrancou o dardo do pescoço de Carlton, então, alisou a mão pelo rosto do lobo alfa antes acenando para seus homens. Os soldados vampiros levaram um Carlton inconsciente para fora da porta da frente. Luca ficou olhando para eles, seu coração afundando enquanto eles desapareceram de vista. Ele se virou para rosnar para Everson, acenando com a mão em direção à porta. ― Como diabos você está indo obter qualquer resposta dele quando ele está inconsciente?


Everson arqueou uma sobrancelha e virou-se para olhar para os três lobos ajoelhados no chão perto da porta. Ele estalou os dedos novamente, em seguida, apontou para o chão. Os três lobos foram levados para os seus pés e empurrados toda a sala, em seguida, empurrados de volta para os seus joelhos em frente de Everson. A mandíbula de Luca caiu. ― Eu tenho que aprender a fazer isso ― ele sussurrou para si mesmo. Everson deve ter ouvido ele, porque o homem arqueou uma sobrancelha para ele antes de virar para enfrentar os lobos. ― Você sabe quem eu sou? ― Everson perguntou, com as mãos entrelaçadas na frente dele. Ele era a própria imagem da calma, letal, e recolhida. Foi assustador como o inferno. Dois dos lobos assentiram. O terceiro, aparentemente, perdeu a cabeça porque ele se inclinou para frente e cuspiu nos sapatos de Everson. O vampiro segurando ele começou a sacudi-lo de volta quando Everson balançou a cabeça. E foi aí que Luca começou a ficar preocupado. Ele não conhecia Electus Daniel Everson tão bem. Eles haviam sido adversários por mais anos do que ele quisesse contar, lutando por cada centímetro de território entre eles. Eles tinham ainda lutaram entre si, às vezes,

mão a mão. Ao longo dos anos, Luca tinha aprendido a respeitar o

outro Electus, se não temer um pouco. Mas ele nunca tinha visto a calmaria nos olhos de Everson como ele fez agora. E enviou um arrepio de medo frio na sua espinha. Luca olhou rapidamente ao redor. Metade dos soldados vampiros na sala pertencia a ele. Ele sabia que ele estava relativamente seguro. Ele não podia dizer o mesmo para qualquer membro lobo do bando de Alfa Carlton.


― Isso não foi muito inteligente de você, agora foi? ― Everson perguntou quando ele passou por cima para ficar na frente do lobo que tinha cuspido em seu sapato. ― Porque você é um membro do bando de Carlton, agora estou obrigado a não matá-lo. Isso não significa, no entanto, que não posso fazer você querer que você estivesse morto. Everson assentiu. A Mandíbula de Luca caiu novamente quando um dos soldados de Everson apareceu com um colar de ferro e colocou ao redor do pescoço do lobo. Foi travada no lugar, e depois a chave foi entregue a Everson. ― Sabe o que é isso? ― Everson sorriu. ― Este ferro foi descoberto em um galeão espanhol na costa da Jamaica cerca de dez anos atrás. Eu não saberia se eu não tivesse sido um dos investidores da expedição de resgate. ― Então? ― O lobo riu. ― É ferro, ferro velho para isso. ― Verdade ― Everson assentiu. ― Mas isso é um ferro especial. Era parte de uma horda de gemas e metais preciosos que os espanhóis estavam contrabando para o Novo Mundo a partir do Oriente Médio. Everson de repente agachou-se na frente do lobo e estendeu a mão para pegar o ferro, puxando o rosto do lobo perto dele. ― Este ferro está amaldiçoado. Assim que é lançado no seu molde, nunca pode ser quebrado. ― E-Então? ― Se eu colocar o colar em seu pescoço, você não pode mudar. Jamais. Luca piscou. Sério? Havia algo assim no mundo? Foi um pensamento assustador. ― Era para manter sua espécie sob controle durante o século XVI, uma maneira de controlar shifters. Eu financiei a expedição, após descobrir a


existência desses colares. No início, eu estava apenas curioso, mas agora... Agora eu tenho um uso melhor para eles. Everson empurrou o lobo para trás e ficou de pé. ― Vá em frente. Experimente e mude. Veja o quanto você ganha. O lobo rosnou. As sobrancelhas de Luca dispararam quando o viu tentando mudar. Cabelo jorrou ao longo dos seus braços, em seguida, desapareceu. Garras tentaram estender então recolheu. O lobo começou a uivar enquanto sua tentativa de mudar veio e se foi. Finalmente, o lobo caiu e sua cabeça caiu para o peito. ― O que você quer saber? Everson sorriu para Luca e acenou com a mão no lobo. ― Faça as suas perguntas. Luca sorriu e balançou a cabeça. Everson era cheio de surpresas. Ele se virou e olhou para o lobo. ― Onde está Rowan? ― Eu não sei. Luca resmungou. A cabeça do lobo abocanhou. ― Não, eu juro. Eu não sei onde está Rowan. Isso é o que Alfa Carlton e eu estávamos discutindo quando nos atacaram. Ele queria mandar alguns de nossos soldados fora para procurar Rowan, e eu estava dizendo a ele para deixá-lo ir. Os olhos de Luca se estreitaram. ― Deixá-lo ir? ― Sua obsessão com Rowan nos condenou. Luca ficou tenso quando Everson rosnou. Ele precisava acalmar a situação e rápido. ― Você entende que Rowan é meu companheiro, meu anamchara. Eu nunca vou desistir dele. Surpreendentemente, o lobo revirou os olhos. ― Por favor, Alfa


Carlton não quer ser companheiro de Rowan. O alfa só não vai desistir de trazer linhagem de Rowan em nosso bando. ― Ele tinha a linhagem de Rowan no bando ― Seth retrucou do outro lado da sala. ― Carlton foi o único que baniu ele. A cabeça do lobo virou para Seth e havia veneno em sua voz quando ele lhe respondeu. ― Rowan deveria ter seguido as ordens de seu alfa. Então, talvez nenhum de nós estaria nesta posição. ― Ele deveria se submeter a Carlton só porque disse isso? ― Seth gritou quando ele invadiu toda a sala. ― Carlton não é companheiro de Rowan. Ele não pode forçar Rowan a acasalar com ele. ― Ele é o alfa! ― Ele foi meu alfa. ― Seth riu, cruzando os braços sobre o peito. ― Eu não tenho mais que ouvir Alfa Carlton, ou você. O lobo rosnou e avançou. Luca ficou surpreso quando Seth calmamente chutou o lobo na cara. O lobo voltou, pousando no chão de costas. O sangue escorria pelo seu queixo quando ele levantou o rosto e olhou para Seth, Luca riu. Talvez houvesse mais de Rowan em Seth do que ele tinha pensado inicialmente. ― Olha, isso não está nos levando a lugar nenhum. ― Luca se colocou entre Seth e o lobo caído. ― Eu simplesmente quero saber onde esta meu companheiro. ― Eu não sei. ― O que você sabe? ― Alfa Carlton chegou em casa e mandou-me reunir um grupo de guardas. Ele disse que tinha ido na casa dos pais de Rowan quando ele cheirou


um vampiro. Ele foi correndo para fora apenas a tempo de ver uma limusine com Rowan dentro disparar na estrada. Ele queria que a gente fosse atras de Rowan. Luca franziu a testa. Ele não poderia dizer se o lobo estava dizendo a verdade, mas as coisas poderiam ter acontecido dessa forma. Claro, o lobo podia estar mentindo, caso fosse isso, Luca iria apenas ter que matar o homem. ― Será que Carlton disse quem tomou Rowan? O lobo balançou a cabeça. ― Algum vampiro chamado Darius.

Capitulo Treze Rowan puxou as correntes em torno de seus tornozelos, mas elas não se mexiam, não importava o quão duro ele puxou elas. As algemas de ferro eram velhas e enferrujadas, mas elas eram fortes. Ele também manteve Rowan acorrentado à parede. E descobriu que ele tinha cerca de dez metros de comprimento de corrente para caminhar ao redor da cela que ele estava dentro Isto estava irritando-o. Luca ia ter filhotes de vampiros quando descobrisse que Rowan havia sido sequestrado de novo. E desta vez, ele nem sequer tinha Jackson para ajudá-lo. Ele fez tudo por conta própria.


Rowan não tinha sido capaz de constatar Luca. Ele suspeitou que tivesse algo a ver com o dardo que Darius tinha atirado nele. Depois que ele acordou, sua cabeça tinha sido enevoada. Tudo o que ele conseguia era estática desde então. Foi da mesma maneira que ele sentiu após Electus Everson ter atirado nele com um dardo. Ele não tinha podido entrar em contato com Luca através de seu vínculo, em seguida, também. O que Rowan queria saber era por que Darius o tinha sequestrado? Ele tinha que saber que Luca viria atras dele. Que tipo de coisa que ele esperava obter de Luca, segurando-o como refém? Simplesmente não fazia sentido. Luca iria procurar na Terra até encontrar Rowan. Ele chegou mais perto para a parede quando ele ouviu os passos. Rowan não sabia onde estava ou quantas pessoas Darius tinha trabalhando para ele. Ele não podia mudar, tanto que ele descobriu isso, ele estava sentindo um pouco desamparado agora. E Rowan odiava se sentir impotente. Os sons de passos pararam bem diante de sua porta. Rowan empurrou contra a parede, de pé, esperando, e segurando seu fôlego em seus pulmões quando uma chave na fechadura raspou e, em seguida, a porta se abriu bem devagar. Um vampiro que não reconhecia entrou com uma bandeja cheia de comida, de pé apenas dentro da porta, e, em seguida, Darius entrou na sala atrás do vampiro. Rowan rosnou. ― Você pode rosnar até que a vaca tussa Rowan, mas você não pode mudar ― Darius disse quando ele pisou mais no quarto, a testa arqueada como se atrevesse Rowan a tentar qualquer coisa. Quando o vampiro se aproximou, trazendo a bandeja de comida, Rowan pendurou seu braço para fora, derrubando a bandeja e todo o seu


conteúdo no chão. Isso não poderia ter sido a jogada mais esperta. Ele não tinha certeza quanto tempo ele estaria aqui antes de Luca poder resgatá-lo. Mas ele também não sabia o que o alimento continha. Poderia ter sido envenenado. O vampiro que trouxe a comida saiu correndo da sala como se estivesse com medo de Rowan iria atacá-lo, mesmo que ele estava acorrentado à parede. Rowan voltou seus olhos para Darius. ― Por que estou aqui? Darius arregalou os olhos sobre Rowan, um sorriso de escárnio puxando o lábio. ― Por que mais? Poder, posição. Você acha que Luca não daria tudo o que ele possui para ter você de volta? Rowan sabia que Luca faria exatamente isso. Ele disse a Rowan que ele faria qualquer coisa para recuperá-lo. Rowan podia sentir a raiva dentro de si ao ser usado contra seu próprio companheiro. Este bastardo tinha que morrer. O mundo seria melhor sem Darius respirando o mesmo oxigênio. Deus proibisse o psicótico se reproduzir. ― Eu não vou deixar você me usar contra meu companheiro! ― Rowan disparou. Luca podia amá-lo, mas o homem nunca mais seria o mesmo se ele fosse forçado a desistir de sua tribo. Rowan sabia no fundo que iria criar uma rixa entre ele e Luca, que nunca poderia ser consertada. Ele não poderia permitir que um vampiro fizesse isso. Darius estalou a língua enquanto ele cruzava os braços sobre o peito, com um sorriso de satisfação puxando seus lábios. ― O que você pode fazer, cão? Você está acorrentado à parede, incapaz de mudar. Rowan tinha que descobrir onde ele estava. Ele teve que encontrar uma maneira de sair antes que Luca desistisse de tudo. Rowan não poderia viver com ele mesmo se Luca tivesse que fazer essa escolha. Tendo todo um


exército de guarda-costas estava melhor a cada momento. Talvez Rowan não lutasse com Luca tão duro da próxima vez que ele tentasse atribuir-lhe o seu próprio pelotão. ― E como você vai manter a sua posição assim que eu for dado de volta para Luca? Rowan tinha de acreditar que ia ser dado de volta. Ele não podia ver nenhuma outra maneira de sair deste lugar. Ele também queria saber os planos de Darius. Todo o bastardo do mal gostava de se gabar, e Darius não seria exceção. Ele podia ver a arrogância nos olhos do homem. ― Eu já intermediei um acordo para um monte desses grilhões, juntamente com alguns colares e alguns poucos punhos. Assim que eu tiver os cães vestidos com eles, eles estarão à minha mercê, fazendo o que eu quiser. Luca não será capaz de me tocar. Merda. Isso não era bom. Rowan tinha que pensar. Tinha que haver uma maneira de avisar Luca dos planos de Darius. Tinha que haver. Ele sabia que levaria algum tempo para que o efeito do dardo se desgastasse. Ele só temia que o tempo que ele fosse capaz de se comunicar com Luca, fosse tarde demais. Há quanto tempo ele esteve fora? Minutos? Horas? Dias? Rowan virou as costas para Darius, tentando mais uma vez conversar com Luca através de seu vínculo. Nada. ― Não me dê as costas cão! Rowan sorriu. Darius queria autoridade e respeito tão mal que ele estava desvendando sua necessidade obsessiva.

Rowan podia ouvir o

desespero na voz de Darius. Ele manteve suas costas para o vampiro, recusando-se a se prostrar diante de ninguém.


― Seu cachorro inútil ― Darius explodiu. Rowan podia sentir o movimento do ar quando Darius atravessou a sala. No último segundo, Rowan estendeu a mão e agarrou a bandeja de comida, balançando-se e atingindo Darius do lado do rosto. Ele repetiu a ação e outra vez até que Darius finalmente alcançou-o e puxou a travessa livre, jogando-a em toda a sala. ― Você vai morrer de fome aqui ― Darius ameaçou Rowan. Rowan viu estrelas diante de seus olhos quando ele caiu no chão duro de concreto. Ele ouviu vagamente o vampiro sair da sala enquanto sua mente lentamente apagava. Rowan puxou os joelhos ao peito, uma única lágrima caindo de seu olho enquanto a desesperança o encheu. Luca ia desistir de tudo, e não havia nada que Rowan pudesse fazer sobre isso. Se Luca não o resgatasse, ele estaria morto. Se Luca o resgatasse, ele teria que desistir de tudo. De qualquer maneira, Rowan estava fodido. “Rowan? “ Rowan se sentou quando ouviu a voz de Luca em sua cabeça. O dardo deve ter desaparecido. Sua mão pousou na parede atrás dele enquanto ele se levantava, alívio e emoção o preenchendo. “Eu estou aqui, Luca.” Alívio trovejou através de Rowan. Então surgiu a necessidade de ver seu companheiro, tocá-lo. Inferno, ele queria ser abraçado, embalado e amado e até ser cercado por um pelotão inteiro de guarda-costas se isso significasse estar de volta com Luca. “Onde está você, anamchara? Diga-me onde você está.” Essa foi pergunta de um milhão de dólares. Rowan não tinha ideia de onde ele estava. Então, como ele iria dizer onde Luca deveria vir resgatá-lo?


Adivinhar? Onde estava um médium quando ele precisava de um? “Eu … Não sei. É uma espécie de quarto. Darius tem me acorrentado a uma parede por meus tornozelos com algum tipo de ferro que não vai me deixar mudar.” Rowan ouviu uma maldição alta. Ele sorriu. Foi bom ouvir a voz de seu companheiro em sua cabeça, mesmo que fosse uma maldição. “Ele quer que você desista de tudo para me levar de volta, e ele vai usar shifters como seus guarda-costas. Ele planeja fazer os shifters seus escravos.” Rowan tapou os ouvidos ao ouvir o seu rugido. Porra era alto, mesmo através de seu vínculo. “Diga-me o que você vê anamchara.” Rowan olhou ao redor da pequena cela que ele estava dentro e não era muito. “Bem, não há janelas e apenas uma porta, e que está trancada pelo lado de fora. A sala parece ser feito de algum tipo de tijolo vermelho envelhecido, então eu acho que estou em um porão de algum tipo, mas eu não posso ser positivo.” “Rowan, você é um lobo.” Luca riu. “Use os seus sentidos. O que você cheira e ouve?” Rowan queria desesperadamente revirar os olhos, mas sabia que Luca estava certo. Ele fechou os olhos e concentrou-se nos aromas ele podia sentir e os sons que ele pudesse ouvir. A debandada dos pezinhos o fez tremer de desgosto. “Bem, nós temos ratos.” “Rowan!” Rowan riu e voltou a se concentrar. “Eu ouço água pingando em algum lugar. É perto, mas não demasiado perto. “


“Que tipo de água?” Luca perguntou. “Como a partir de uma torneira de pia ou de fora?” “Um...” Rowan ouviu mais perto, inclinando ligeiramente a cabeça. “Eu acho que é uma sarjeta ou dreno ou algo assim. A água está caindo vários metros antes de atingir o solo.” “Está batendo no chão ou algum tipo de piso?” “Eu realmente acho que é algo batendo no metal, assim, talvez uma calha de algum tipo.” Rowan tinha certeza disso. “Eu posso ouvi-lo quando atinge.” “Ok, isso é bom. Isso significa que você provavelmente está em algum tipo de edifício grande e não uma casa.” “Como você sabe que não é uma casa?” “Porque, provavelmente, porque bateu no chão.” “Oh, isso faz sentido. Será que isso ajuda?” “Isso

reduz

a

nossa

busca.

Agora,

o

que

você

cheira

anamchara?” Rowan cheirou profundamente várias o ar. “O ar está úmido e pesado, então eu estou realmente pensando que eu estou em uma adega ou alguma coisa do tipo. Há também um leve cheiro de mofo como se o lugar não tem sido utilizado há algum tempo.” Rowan franziu a testa e torceu o nariz, inalando mais profundamente. “Sinto o cheiro de alho.” “O alho!” Luca gritou. “Sim, e é muito forte.” “Tem certeza de que não cheira comida italiana?”


“Não, é alho só, sem outras especiarias.” “Ok, alho fresco ou processado?” “Fresco, mas, como recém-cortado fresca, não novo.” “Bem, reduz as coisas mais um pouco.” “Então, você acha que sabe onde eu estou então?” “Deixe-me falar com Everson e ver se ele tem alguma ideia. Eu vou voltar para você.” Rowan suspirou. “Só não demore muito, hein? Este lugar é meio assustador.” “Vou ser rápido, anamchara. Eu prometo.” Rowan esperava o inferno que sim. Ele duvidava que ele fosse capaz de manter a boca fechada por muito tempo se Darius voltasse. O homem era mesmo um idiota, e Rowan simplesmente não tinha esse tipo de controle. Rowan levantou a cabeça quando ele ouviu um som de chiado pequeno fora da porta que levava a sua cela. Ele orou não fossem mais ratos. Rowan realmente odiava ratos. O som ficou mais alto até Rowan saber que estava na frente de sua porta. Ele congelou, prendendo a respiração enquanto esperava a porta se abrir. Mas o som desapareceu. Rowan franziu a testa. Talvez não tivesse sido ratos. Quanto mais ouvia, mais Rowan começou a suspeitar de que era algo completamente diferente. Na verdade, ele estava começando a ouvir outros sons. “Luca,

acho

que

estou

perto

de

uma

cozinha

ou

um

restaurante ou algo assim. Eu posso ouvir tachos e panelas batendo em volta. É fraco, mas eu posso ouvir.” “Tachos e panelas?” “Sim, e vozes, ocupados, como um bando de pessoas que se


deslocam em torno de um monte de panelas.” “Como em uma cozinha?” Rowan pensava sobre os ruídos que ouvia. Luca poderia estar certo. “É possível. Parece haver muita atividade, mas é baixo como se eu estivesse no mesmo andar, mas não demasiado perto. Isso faz sentido?” “Sim, bebê, faz.” “Sabe onde eu estou?” “Ainda não, Rowan, mas estamos trabalhando nisso.” “Bem, se apresse.” Rowan engoliu em seco enquanto olhava ao redor da cela, escura e sombria. Não conseguia pensar em um milhão de lugares diferentes que preferia estar certo então. “Este lugar é realmente uma droga.” “Eu estou bebê, eu prometo. Basta continuar a falar comigo.” Sim, como se ele fosse parar, a qualquer momento em breve. Conversando com Luca era a única coisa que o mantinha inteiro no momento. Terror foi subindo em seus calcanhares como um cão raivoso. “ Rowan?” “Sim?” “Ouça-me com muito cuidado.” “Ok” “O cheiro de alho, é alho verdadeiro?” “Claro que é alho verdadeiro” Rowan disparou. “Você acha que eu não conheço o alho quando eu sinto o cheiro?” “Bebê, por favor, eu não estou tentando dizer que não. Mas eu


realmente preciso que você cheire-o e descubra se é alho verdadeiro. Não essa coisa chamada alho elefante. Ele não é realmente alho, mais de um alho-poró ou cebola. Ele cheira a alho verdadeiro. A raiva de Rowan desapareceu. “Sério?” Ele nunca tinha ouvido falar de alho elefante. “Sim, e se for alho elefante, podemos saber onde você está.” “Onde?” Rowan quase gritou. “Basta usar o seu nariz, bebê, e me diga se o alho parece meio fora, mesmo um pouco.” Rowan queria discutir. Ele queria saber onde estava, ou até mesmo onde ele poderia estar. Ele queria ir para casa. Rowan fechou os olhos e começou a cheirar o ar como Luca havia pedido. “Realmente tem cheiro como o alho, mas é uma espécie suave, menos alho, eu acho.” Rowan torceu o nariz. “E um pouco doce.” “Ok, bom.” “O que diz alguma coisa?” “Ele faz bebê. Ele me diz que você pode estar no porão do meu hotel.” ― O quê? ― Rowan gritou quando ele se levantou e começou a andar tanto quanto as correntes em torno de seus tornozelos permitiriam. Não havia maneira de merda dele estar no porão do hotel de Luca. Darius poderia ter sido tão estúpido? Rowan revirou os olhos antes mesmo de ter terminado esse pensamento. Claro que Darius seria tão estúpido. O homem havia sequestrado o anamchara de seu líder da tribo, afinal de contas. Ele não tinha muito mais


celebro do que isso. ― Tire-me o fora daqui! ― Rowan gritou. “Nós já estamos no nosso caminho, Rowan” Luca respondeu através de seu vínculo. “Basta manter a calma.” “Você fica calmo, caramba. Eu estou trancado em alguma cela por um Imbecil sem cérebro.” “Estamos no elevador agora, anamchara. Nós estaremos lá em menos de cinco minutos. Eu juro.” Rowan esperava que sim. Ele também esperava que Luca estivesse certo e ele realmente estava no porão do hotel. Se não, sua bunda estaria em um riacho sem remo. E ele meio que tinha planos para sua bunda. Rowan inalou agudamente e apoiou contra a parede quando ele ouviu um arranhão de chave na fechadura, em seguida, a porta começou lentamente se abrir e Darius entrou no quarto.

Capitulo Quatorze Luca cerrou os punhos com raiva e medo cada um lutando dentro dele. O elevador parecia estar levando uma eternidade para chegar ao nível do porão do seu hotel. Outros foram tomar as escadas e iriam encontrá-lo e


Everson no porão, mas o elevador foi mais rápido. Chegar a Rowan o mais rápido possível levou prioridade. Luca só esperava que eles estivessem certos e Darius tivesse tomado Rowan para o porão. Se eles estavam errados, eles podiam não ter tempo para encontrar Rowan antes de Darius fazer algo para ele. Darius estar no mesmo quarto com Rowan o estava deixando louco. O homem podia fazer muito antes de chegar lá, e não haveria nada que Luca poderia fazer para detê-lo. O cheiro de alho foi a grande pista. Apesar de ser mortal, muitos de sua tribo ainda amava ter o gosto de alho na comida. Sua única opção era alho elefante. Alho verdadeiro iria matá-los. Adicionando os sons de uma cozinha e os tijolos vermelhos e Luca estava quase certo de que Rowan estava no porão de seu hotel. Ele não queria nem pensar na possibilidade de que ele podia estar errado. A possibilidade era muito assustadora. Luca engoliu em seco quando ele olhou para os números dos pisos iluminados acima da porta, observando-os lentamente numa contagem regressiva. Seus músculos começaram a ficar tensos ao se aproximarem do nível do porão do hotel. Ele estendeu suas garras. Sua presa caiu. Ele estava pronto para matar. O elevador chegou ao nível do porão. O cheiro encheu o ar, e então as portas se abriram. Luca saiu, rapidamente olhando em ambos os sentidos. O corredor para a esquerda levou até a cozinha. O corredor na direção oposta levou às salas de armazenamento. Luca se dirigiu para a área de armazenamento. Era o único lugar que ele poderia pensar que Rowan poderia ser encarcerando. Havia áreas dos quartos de armazenamento que não tinham sido utilizados em anos, salas que eram, simplesmente, de armazenamento.


Depois de ser proprietario do Hotel Electus por mais de um século, Luca tinha recolhido um pouco de coisas. Tinha que ir para algum lugar. Mas havia quartos na grande parte dos espaços de armazenagem que não havia entrado em anos. ― Luca, mais devagar. Luca sussurrou e encolheu os lábios para trás, piscando suas presas, quando sentiu Everson agarrar o braço dele. Everson lentamente tirou a mão e deu um passo atrás. ― Precisamos ter cuidado com isso, Luca ―, Everson disse em voz baixa. ― Se fizermos o movimento errado, Rowan estará morto. Luca sentiu as garras cavarem as palmas de suas mãos quando ele cerrou os punhos. Ele sabia que Everson estava certo. Ele precisava desacelerar e pensar com a cabeça, não seu coração. Vida de Rowan estava em jogo. Luca se virou e começou lentamente fazendo o seu caminho em direção às salas de armazenamento. Assim que chegou ao primeiro, ouviu seus guardas alcançá-lo. Luca acenou, apontando para várias outras portas no corredor. Ele queria-os todas abertas, ao mesmo tempo. Se Darius estava escondido em uma delas, ele queria o homem pego antes que ele pudesse fazer algum mal a Rowan. “Rowan, estamos aqui. Você nos ouve?” Luca orou com todo seu ser que Rowan ouviu um deles. Mesmo baixinho de onde ele estava. “Rowan?” Nada. “Rowan, caramba, responde-me.” O coração de Luca começou a bater mais rápido quando ele não recebeu uma resposta. Ele nunca iria se perdoar se ele chegasse tarde demais.


Nada haveria de impedi-lo a caçar Darius e matar o homem. Luca sabia que se ele perdesse Rowan, ele se tornaria o monstro de histórias de terror. Ele balançou a cabeça para o corredor com os outros soldados, em seguida, empurrou a porta com toda sua força. Um estalo alto encheu o ar enquanto a porta caiu aberta. Luca tropeçou na sala e imediatamente espirrou. A sala estava empoeirada. Também estava preenchida com pilhas e pilhas de caixas. Mas não Rowan. Luca olhou ao redor por um momento e saiu do quarto e fechou a porta. Ele começou a andar pelo corredor para verificar os outros quartos, mas algo o fez abrandar os seus passos e depois parar. Luca se virou e olhou para trás no corredor que ele havia descido. A cozinha era nesse sentido. Rowan tinha dito que ele podia ouvir tachos e panelas fazendo barulho juntos, as pessoas se deslocando sobre ela. Luca não sabia de nenhuma sala de armazenamento nessa direção, mas ele podia estar errado. Luca começou a caminhar pelo corredor em direção à área da cozinha. Algo estava chamando-o nessa direção. Os ruídos naturais para uma cozinha do hotel ocupado cresceu mais alto quanto mais próximo ele andava. Quando chegou à entrada da cozinha, Luca parou e olhou ao redor. Parecia uma cozinha industrial normal, que se adaptava a um lugar do tamanho dos Hotel com fogões, pias, freezers e despensas, áreas de preparação, e muita gente correndo em torno para fazer comida. Tudo parecia perfeitamente normal. E tudo fez Luca querer gritar de frustração. ― Electus.


Luca franziu a testa para baixo, para a mulher que se inclinou a ele. Ele procurou em sua mente pelo seu nome e posição. ― Maggie, não é? A mulher sorriu. ― Sim, Electus. ― Alguém esteve aqui que não deveria estar? A mulher pareceu momentaneamente confusa. ― Não, Electus. O coração de Luca gelou. Ele baixou a cabeça até o peito para esconder as lágrimas de frustração que surgiram em seus olhos. Isso tudo parecia infrutífero. Darius ia matar Rowan e seria tarde demais para salvá-lo. ― A única pessoa que tem estado aqui que normalmente não trabalha na cozinha é Darius, ― Maggie disse. Luca se animou. Seu coração bateu em seu peito. ― Darius? Maggie olhou para suas mãos por um momento, torcendo os dedos juntos. ― Darius explicou o que estava acontecendo Electus, e eu sei que você sabe o que é melhor para a nossa tribo, mas … ― Maggie engoliu em seco e levantou a cabeça para olhar para Luca ― Eu não quero questionar seus ditames Electus, Eu... Juro que não, mas parece-me que isso é errado. O Rosto de Maggie drenou de cor quando as narinas de Luca queimaram. Ele podia sentir o cheiro do medo saindo dela em ondas. Ela rapidamente baixou a cabeça novamente. ― Minhas desculpas, Electus. Eu não deveria estar questionando você. ― Onde está o Darius? ― Luca tentou manter a fúria de sua voz quando ele viu a mulher começar a tremer. Maggie apontou para o outro lado da cozinha. ― Ele está na sala de armazenamento próxima à sala da caldeira. Nós não usamos mais, mas ... ― Será que ele tem alguém com ele? ― Não, apenas … ― os lábios de Maggie pressionaram juntos.


― Apenas o que, Maggie? ― Só o lobo que você enviou para cá, Electus. Os Joelhos de Luca quase dobraram. ― Darius tem um lobo aqui? Maggie olhou para cima. Suas sobrancelhas se juntaram em um olhar confuso.

― Sim, mas ... ― Maggie de repente se arregalou ― não enviou

Darius aqui para interrogar o lobo? Luca queria dizer a Maggie a verdade, mas sua prioridade tinha de ser resgatar Rowan. ― Ouça com atenção, Maggie. Há soldados, perto das salas de armazenamento. Eu preciso de você vá buscá-los o mais rápido possível e dizer-lhes onde Darius está segurando Rowan. ― Rowan? ― ― Basta dizer-lhes, Maggie, e se apresse. Luca não esperou por Maggie responder antes de decolar em toda a cozinha mais rápido que ele podia ir. Ele não tinha certeza de qual porta dava para a sala da caldeira e qual levou para a sala de armazenamento. Ele chutaria em cada porta que encontrasse se ele precisasse. Ele tornou-se mais e mais frustrado quando não encontrou Rowan. Havia apenas uma porta para a esquerda para chutar, e Luca rezou que seu companheiro estivesse por trás dela. Ele levantou o pé, chutando com toda sua força até a porta se abrir, mas Rowan não estava. Luca amaldiçoou. ― Electus! Luca se virou quando ouviu Maggie gritando seu nome. O som era frenético. Ele correu de volta para a cozinha, Maggie apontando para uma porta de acesso. ― Darius correu deste lado com o lobo.


Luca resmungou quando ele disparou atras do traidor. Ele não achava que o vampiro iria longe considerando que ele estava carregando Rowan. Se seu companheiro estava inconsciente novamente, e era melhor que fosse a razão pela qual Rowan não estava respondendo ele, então Darius seria atrasado. Ele viu o vampiro correndo pelo beco, Rowan pendurado no ombro. Luca colocou uma explosão de velocidade, e deu a perseguição. Darius teve que saber que os seus planos foram para o inferno. Não havia uso depois que foi descoberto, mas homens desesperados faziam coisas desesperadas, e Luca precisava obter Rowan de volta antes de Darius fazer algo desesperado para seu anamchara. Assim que ele fechou a distância, Jackson apareceu na frente de Darius e Rowan, fazendo Darius tropeçar. Luca olhou horrorizado quando Darius puxou uma arma da cintura. ― Não! Jackson bateu em Darius, agarrando Rowan do seu ombro, enquanto Luca saltava, tendo Darius para baixo antes que ele pudesse disparar um único tiro. Ele enfiou o braço para fora, derrubando a arma das mãos de Darius, antes de deixar para ele, batendo o vampiro repetidamente com suas garras. Rasgando sua garganta seria muito rápido, muito nobre. Luca queria que

ele

pagasse

pelo

que

ele

tinha feito

para Rowan.

Suas

garras

desembainharam com Luca rasgando o vampiro uma e outra vez. ― Luca! Luca podia ouvir Everson gritando seu nome, mas uma névoa vermelha havia caído sobre ele, obscurecendo a sua mente para qualquer coisa, além de ensinar a Darius o que aconteceu com alguém que mexeu com seu companheiro.


― Ele está morto ― Everson disse quando ele puxou o ombro de Luca. ― Nós temos que levá-lo para dentro antes que alguém o vê. Luca bateu uma última vez, observando como o sangue derramava de Darius. Ele desejava que o bastardo não tivesse morrido tão rapidamente. Ele queria continuar a sua fúria sobre o vampiro. ― Vamos ― Everson disse aos seus pés. ― Seus homens se livrarão do corpo. Luca empurrou Everson fora dele enquanto corria para pegar Rowan dos braços de Jackson. Ele segurou seu anamchara apertado contra o peito enquanto caminhava de volta para o beco, indo para o hotel e sua suíte. Ele podia ver que Rowan estava mais uma vez desmaiado. Se mais uma pessoa atirasse em seu companheiro com um dardo, Luca ia enfiar a arma maldita onde ele iria sofrer mais. Ele estava cansado de seu companheiro inconsciente. Depois de tomar o elevador para a cobertura, Luca tomou Rowan ao seu quarto e deitou em sua cama. Ele examinou o seu companheiro da cabeça aos pés para se certificar de que não havia mais danos do que a pistola de dardos tinha causado. Alívio o encheu quando ele não encontrou nada, mas pequenas equimoses nos tornozelos de Rowan por usar as algemas. Luca subiu na cama com seu companheiro e o puxou para perto. Luca cobriu o rosto com o cabelo macio de Rowan e apenas segurou-o, inalando o doce aroma de seu anamchara com cada respiração. Ele ia ter que agradecer a Jackson por seu raciocínio rápido e reflexos ainda mais rápidos. Ele devia ao homem mais do que ele jamais poderia retribuir-lhe. Jackson havia lhe dado de volta o seu amor.


Rowan gemeu quando ele ergueu a mão à cabeça doendo. Ele estava doente e cansado de ser atingido por um dardo. Estava se tornando um hábito muito familiar recentemente. Um que tinha a intenção de quebrar. Os olhos de Rowan abriram quando ouviu a voz de Luca. Era música para seus ouvidos. Ele nunca foi tão feliz em ouvir antes. E não era na cabeça. Ele abriu os olhos para ver Luca deitado ao lado dele. ― Você deveria estar descansando ― Luca disse quando ele sorriu para Rowan. ― Eu estou ― Rowan sorriu enquanto serpenteava a mão sobre o peito de Luca. O que poderia ser mais tranquilo do que deixar Luca fodê-lo ate a inconsciência? ― Você não Prece que está descansando. Parece que você quer que eu te foda. ― Você pega rápido ― disse Rowan. Ele empurrou as calças de pijama fora. Seu pênis deu um tapa na parte inferior do estômago enquanto Rowan sorria. ― Anamchara ― alertou Luca, mas Rowan poderia dizer que não era uma ameaça por trás de seu aviso. Seus olhos estavam ardendo com o desejo, a necessidade nos olhos escuros de Luca. Rowan se virou, fixando-se entre as pernas de Luca enquanto ele lambia os lábios. ― Eu preciso de algum pau.


Luca riu enquanto abria suas calças, empurrando-as para baixo de suas pernas. Rowan afastou, ajudando seu companheiro a ficar nu. Ele correu as mãos pelas pernas fortes de Luca, enquanto ele tremia. Será que ele nunca se fartaria de seu vampiro? Inferno, não. Rowan pressionou as palmas das mãos nas coxas musculosas de Luca se inclinando para frente, pegando o pau de seu companheiro de entre os lábios. Agora, este foi um presente de regresso a casa verdadeiro. Um ele sempre desejava manter. ― Ana-Ana... ― Luca assumiu com seus quadris, enviando o seu pau grosso ainda mais na garganta de Rowan. Rowan abriu a boca mais larga, aceitando tudo enquanto ele deixava sua língua explorar o comprimento do eixo do seu companheiro. Os dedos de Luca passaram sob a mandíbula de Rowan e se estabeleceu em seu pescoço, sentindo os músculos de Rowan trabalhar enquanto ele chupava Luca. Rowan começou a sorrir em torno do pau de Luca e, em seguida cantarolou, as vibrações fazendo Luca silvar. ― Rowan, ― Luca gemeu e então puxou seu pênis entre os lábios de Rowan, fazendo-o amuar com a perda. Rowan deu rapidamente sua bunda quando ele viu seu companheiro alcançar o lubrificante. Se ele não poderia ter o pau de Luca em sua boca, seu traseiro era melhor. Os ombros de Rowan atingiram o colchão quando sentiu os dedos em seu buraco. Deus, ele tinha sentido falta disso. Assim que Luca teve um terceiro dedo na bunda de Rowan, movendoo facilmente, ele puxou a mão de Rowan e lubrificou o seu pau, fazendo-o brilhar na luz baixa de seu quarto.


Rowan respirou fundo quando Luca se moveu atrás dele, alinhando o seu pau para cima e mergulhar profundamente. ― Deus, sim! Luca riu quando uma mão pousou no quadril de Rowan. ― Você sentiu falta de mim? ― O inferno, sim, ― Rowan arfava enquanto balançava sua bunda. ― Agora me fode. ― Essa boca de suja ― , Luca disse se afastando e, em seguida, batendo o seu pau na bunda de Rowan. Mais uma vez, Rowan estava gritando como se estivesse sendo assassinado. Seu anamchara era muito vocal, mas o que podia fazer? Luca parecia gostar, e isso era tudo que importava para Rowan. Ele gritou para o teto, as paredes, e para quem pudesse ter estado a ouvir. Rowan queria que todo o hotel soubesse o quão bem Luca transou com ele. Como mestre, que ele realmente era. Luca riu quando ele estendeu a mão e agarrou um travesseiro, jogando-o para a cabeça de Rowan. ― Todo mundo vai pensar que eu estou te matando. ― Qual o ponto? ― Rowan perguntou quando ele continuou a sua aprovação vocal. Luca bateu mais duro em Rowan, trazendo sua bela voz para fora quando ele gozou, banhando a cama abaixo dele. ― Eu vou fazer essas malditas paredes à prova de som. ― Luca resmungou quando ele martelou na bunda dolorida de Rowan. Rowan engatou seus quadris enquanto Luca enrijecia e, em seguida, gritou a sua libertação.


― Parece que eu não sou o único barulhento nessa cama ―, ele brincou enquanto Luca tirou seu pau para fora e agarrou Rowan torno de sua cintura, puxando-o para baixo no colchão. ― Talvez eu seja apenas um vampiro, mas ouvi-lo gritar enquanto eu te amo é o som mais doce do mundo ― respondeu Luca enquanto beijava o templo de Rowan. ― Só nunca pare, ou eu vou achar que você não me quer mais. Como se fosse acontecer nesta vida. Não era um acaso. Enquanto Luca transasse com ele como um deus, Rowan gritaria aos céus cada vez.

Capitulo Quinze

― Ah, vamos, Jackson, é apenas um pequeno jogo de poker. ― Não ―, Jackson rosnou. ― Luca proibiu de jogar pôquer pelo próximo mês, Rowan, e eu não vou ir contra os ditames de meu Electus. Rowan suspirou e rolou no chão. Ele estava entediado e fora de sua mente. Luca tinha ido por três dias para uma conferência com outros Electus. Ele deveria estar de volta até o final da semana. Não poderia ser em breve o


suficiente para Rowan. Ele sentiu falta de seu companheiro ferozmente. E ele não podia mesmo ir jogar pôquer para aliviar o tédio. Não que isso lhe faria nenhum bem se Luca o proibiu de jogar. Depois da última vez, nenhum dos vampiros na tribo queria jogar cartas com ele. Eles fugiram quando ele mencionava. ― Que tal uma corrida no parque? Rowan ficou de boca aberta. ― Uma corrida no parque? Sério? Jackson sorriu quando ele puxou o telefone fora e começou a discar. ― Deixe-me chamar a sua unidade de Guarda e nós podemos ir. Rowan revirou os olhos. Ele entendeu que ele tinha que ter um exército inteiro de merda com ele quando ele saiu, mas era seu parque de merda. Luca tinha dado a ele. Não era justo que ele tinha que ser guardado enquanto ele corria. ― Vamos, vamos. Eles estão nos esperando lá embaixo. Rowan rolou a seus pés e se levantou. Ele estreitou os olhos e olhou para Jackson quando viu um pequeno sorriso em seu rosto. ― Cuidado, menino. Eu ainda tenho garras. Jackson apenas riu. Ele não estava mais com medo de guardar Rowan, ou chateado com isso. Ele parecia levar muito a sério seu dever agora. Salvar Rowan de Darius que lhe rendeu a gratidão não só de Luca, mas da tribo inteira. Jackson era praticamente um herói agora. E que confundiu a merda fora de Rowan. ― Jackson, todo mundo sabe que sou um lobo agora, certo? ― Oh ―. Jackson riu. Rowan franziu a testa. Isso não soava bem. Ninguém tinha sido completamente rude com Rowan, e apesar de vários dos membros da tribo


tornarem-se amigáveis, ainda havia alguma distância entre Rowan e o resto da tribo. Luca assegurou-lhe que essas linhas se apagariam com o tempo. Rowan não tinha tanta certeza. Ele nunca, deixaria de ser um lobo. ― Então por que eles estão tão felizes que você me salvou de Darius? ― Bem, um, Darius era uma má notícia. Ele queria assumir a tribo, e ele teria sido um Electus seriamente fodido. ― E dois? ― Rowan perguntou quando Jackson não expandiu a sua explicação. ― E você é anamchara de Luca. ― E? ― Rowan acenou com a mão em um movimento circular. Porra, fazer vampiros falar era como arrancar dentes. ― Você é seu coração e alma, a sua outra metade. Você faz dele uma pessoa melhor e um melhor Electus. Você lhe deu uma base firme para levar o nosso povo. ― Jackson suspirou profundamente. ― Antes de você, Luca foi um bom líder, mas ele era um pouco áspero. Agora, ele é mais forte porque ele tem você ao seu lado. ― Como assim? ― Rowan perguntou enquanto andavam para o elevador para descer ao primeiro andar. ― Eu acho que eu iria tornar as coisas mais perigosas para ele. Você já viu a quantidade de guardas que ele envia-me para sair? Jackson riu. ― Mas você também deu-lhe uma razão para ser mais forte, para se certificar de que ele tem a maior tribo possível. O medo de algo acontecer com você lhe dá uma razão para mostrar aos outros que ele não tem fraquezas. ― Isso não parece certo. ― Você não viu o que ele fez para Darius, Rowan. Eu vi. E em todos


os anos que eu conheci Luca, eu nunca o vi neste tipo de raiva. Todo mundo agora sabe que Luca poderia mover o céu e o inferno para mantê-lo seguro e ele vai derrubar qualquer um que o prejudicar. O efeito colateral disso é que ele está fazendo a nossa tribo uma das tribos mais fortes e mais seguras de sempre. Agora isso fazia sentido. Mais ou menos. ― Electus Everson ligou para Luca anteriormente ―, disse Jackson. ― Luca deixou-me saber o que estava acontecendo. ― O que está acontecendo? ― Rowan arqueou uma sobrancelha em curiosidade, quando Jackson só começou a rir. ― O que há de tão engraçado? ― Electus Everson queria assegurar-nos que Carlton não será mais um problema. ― Ah? ― Ele está atualmente preso a cama de Everson ― os lábios de Jackson se separaram em um grande sorriso, ― sendo ensinado a ser o anamchara de um Electus. ― Oh, droga ― Rowan se lembrou do que era exigido como anamchara de um Electus. Isso não seria brando com o alfa de temperamento forte. Os olhos de Rowan, de repente arredondaram quando outro pensamento o atingiu. ― E sobre o seu bando? ― Electus Everson enviou alguns de seus homens para assumir o comando até o momento em que eles puderem ser integrados em sua tribo. Como Carlton é agora o seu anamchara, deixar o lado de Everson não é uma opção. ― Ele pode fazer isso? ― Fazer o quê?


― Combinar uma tribo de vampiros e uma matilha de lobos? Jackson deu de ombros. ― Ele está fazendo isso. ― Wow ― Rowan foi surpreendido. Ele adivinhou fazia sentido se Carlton era anamchara de Everson. Everson nunca deixaria Carlton, e não havia como Carlton deixar voluntariamente o seu bando. ― Você pode imaginar o que sua reivindicação será? Eu quero saber quem vai estar no topo. Os risos de Jackson encheram o ar. ― Eu não tenho dúvida de que Alfa Carlton Gregory está prestes a descobrir o que é ser um submisso. Rowan sorriu. ― Não poderia acontecer com um cara mais legal. Rowan abaixou-se e subiu na traseira do carro quando Jackson abriu a porta para ele. Jackson subiu em um momento posterior. Rowan estava animado sobre ir para uma corrida. Ele podia sentir o início da ansiedade correndo ao longo de seus nervos, fazendo-o impaciente. Ele precisava correr, para queimar seu excesso de energia. Ele estava pronto para tirar suas roupas e mudar no momento em que chegou ao seu novo parque florestal. Manter o parque foi um golpe de gênio por parte de Luca, mesmo que o lugar estivesse dentro do território normal do Electus Everson . Passagem segura para o parque fazia parte do negócio. Levou todo o controle de Rowan sentar dentro do carro e esperar que o parque fosse verificado antes que ele fosse autorizado a sair do veículo. Era tudo parte de ser o anamchara do Electus, mas houve momentos como este quando deixava Rowan louco. No momento em que Jackson acenou para ele, Rowan rasgou suas roupas e mudou. Ele saltou do banco de trás do carro com um latido feliz. Ele estava fora e correndo um segundo depois.


O bater de suas patas sobre a terra úmida enviava prazer através do lobo de Rowan. Ninguém em sua antiga matilha tinha um parque inteiro para si. Rowan sabia que ele acabaria por ter que compartilhar seu parque com outros lobos, talvez aqueles que se juntaram a tribo era agora uma parte ou até mesmo da tribo de Electus Everson. Ele estava bem com isso. Mas, por enquanto, era apenas seu parque. Rowan correu e correu e correu. Ele podia sentir o vento soprar através de sua pele e a sujeira entre os dedos. Ele sabia que vários dos guardas vampiros o cercavam para mantê-lo seguro. Ele não se importava. Por apenas alguns minutos, ele poderia deixar tudo ir e ser apenas um Lobo. Enquanto corria em torno de um grupo de árvores, um cheiro inebriante encheu os sentidos de Rowan. Rowan farejou o ar, consumindo mais do cheiro delicioso para os pulmões. Ele latiu e correu de volta para o carro tão rápido quanto suas pernas o levariam. Ele conhecia aquele cheiro. Ele queria aquele cheiro. Seu coração falhou uma batida em seu peito enquanto ele corria por cima do topo de uma colina. Luca. Ele estava de volta cedo. O vampiro, alto e bonito ficou com os braços cruzados sobre o peito, recostando-se contra a sua limusine. Ele estava falando com Jackson, mas seus olhos âmbar dourado vasculhava a floresta. Rowan sabia que Luca estava olhando para ele e deu um latido alto. A cabeça de Luca virou. Um grande sorriso cruzou os lábios quando viu Rowan.


Rowan correu para Luca. No último momento, ele desviou-se e pulou pela porta da limusine aberta, mudando quando caiu no banco. Ele podia ouvir a inspiração rápida de Luca e sabia que o homem tinha visto a sua bunda. O longo gemido que caiu de Luca era tudo Rowan precisava para aumentar a luxúria que tinha começado a sentir no segundo que viu seu companheiro. Rowan pegou rapidamente a lubrificação de seu compartimento secreto e virou de costas. Ele jogou uma de suas garras para fora e cortou uma pequena linha em seu pescoço, bem em cima do local onde Luca havia inicialmente reivindicado ele. ― Foda, Rowan, você não pode fazer isso ― Luca gemeu quando ele subiu na limusine tão rápido que Rowan ouviu o metal gemer. ― Você sabe o que faz seu sangue para mim, e tem sido dias desde que eu provei você. Eu sou apenas um vampiro. Eu não tenho controle suficiente para resistir a você. Rowan sorriu entortando o dedo para Luca se aproximar. Ele inclinou a cabeça para trás e mostrou sua garganta, gemendo quando sentiu o corpo de Luca pairar sobre ele. Seu pênis estremeceu e latejava quando as presas de Luca afundou em sua garganta. Rowan passou os braços em volta de seu companheiro e vibrou com a sensação de dar a Luca o sangue, de fornecer para seu companheiro o alimento. ― Você pode ser apenas um vampiro ―, Rowan sussurrou enquanto ele abria as pernas e sentia Luca se ajustar entre elas. Ele podia sentir a necessidade de Luca fluindo através dele, aumentando a sua própria. ― Mas você é meu vampiro.

FIM

Profile for Rejane Oliveira

Stormy glenn obrigações tribais 01 apenas um vampiro [revhm]  

Stormy glenn obrigações tribais 01 apenas um vampiro [revhm]  

Advertisement