Page 1


Tradução Efetivada por The Rose Traduções Disponibilizado: Stella Marques Tradução: Niquevenen Pré-Revisão: Sabrina Revisão Inicial: Tempestade Revisão Final e Formatação: Niquevenen Leitura Final: Ayashi Mikage e Denise


Um homem despojado de sua liberdade, sua moral... sua vida. Condicionado em cativeiro para mutilar, matar e abater, o prisioneiro 818 se torna um lutador sem remorso, sem rival e imparável no ringue. Violência é tudo o que conhece. Morte e brutalidade são os mestres de seu destino. Depois de anos de encarceramento em um inferno subterrâneo, apenas um pensamento ocupa sua mente: vingança... sangrenta, vingança lenta e violenta. Vingança sobre o homem que mentiu para ele. Vingança sobre o homem que o ofendeu. Vingança sobre o homem que o condenou e o transformou nisto: uma máquina de matar movida pela raiva. Um monstro vazio de humanidade; um monstro cheio de ódio. E ninguém vai ficar em seu caminho para conseguir o que quer.

Uma mulher despojada de sua liberdade, sua moral... sua vida. Kisa Volkova é a única filha de Kirill 'O silenciador' Volkov, líder da infame 'Tríade' de chefes russos da Bratva de Nova York. A vida dela está protegida. Na realidade, é uma prisão virtual. O tratamento selvagem que seu pai dá a seus rivais e seu lucrativo e cobiçado ringue de luta subterrâneo — O Calabouço — garante que muitos inimigos se escondam em sua porta. Ela sonha em ser livre. Kisa conheceu apenas crueldade e perda em sua curta vida. Como gerente de empreendimentos no jogo da morte de seu pai, apenas a tristeza e dor preenchem seus dias. Seu pai é um chefe mafioso, em seu mundo, as regras são absolutas. E seu noivo, Alik Durov, não é melhor; campeão do Calabouço por cinco vezes, um assassino frio, o filho precioso do melhor amigo de seu pai e seu próprio — e muito ressentido — guarda costas. Inigualável em força e posição social, Alik controla todas as facetas da vida de Kisa, domina todos os seus movimentos; a mantém submissa e morta por dentro... até que uma noite muda tudo. Enquanto trabalhava para sua igreja, o único alívio em sua constante vigilância, Kisa se depara com um sem-teto tatuado, com cicatrizes, mas belíssimo, nas ruas. Algo sobre ele mexe com sentimentos dentro dela; desejos familiares ainda que impossivelmente proibidos. Ele não fala. Não se comunica com ninguém. Ele é um homem além da salvação e um homem que ela deve esquecer rapidamente... pelo bem de ambos. Mas quando semanas mais tarde, sem querer e para sua completa surpresa, ele é anunciado como o lutador substituto no Calabouço, Kisa sabe que ela está com problemas. Ele construiu, rasgou e foi letalmente implacável com seus adversários, deixando o medo atrás dele e o olhar da morte em seus olhos. Kisa se torna obcecada por ele. Anseia por ele. Anseia por seu toque. Precisa possuir este misterioso homem... este homem que chamam de Raze.


Dedicatória A música por causa da inspiração constante. E a Pequena Cidade Grande por inspirar este romance com suas lindas palavras. "Você rola pela vida como uma lareira. Trago a chuva como uma tempestade..." 'Live Forever'


“Eles sempre foram destinados a ficar juntos, um menino e uma menina, dois corações divididos, enviados para terras distantes por conta própria. Porque Deus queria ver se o amor verdadeiro poderia ser testado. Ele queria ver se duas metades de uma alma poderiam se encontrar outra vez, mesmo contra todas as probabilidades. Anos se passariam. Ambos seriam feridos. Os dois estariam tristes, mas um dia, quando menos se esperava, eles iriam tropeçar nos caminhos um do outro. A questão é: será que eles reconhecem a alma um do outro? Será que eles iriam encontrar o caminho de volta para o amor...?”


Prólogo Seu coração batia como um tambor — rápido e forte e alto. Sua respiração soprou forte como uma ventania, o peito contraindo com sua áspera calça. O medo escoou de seus ossos, de cada célula do seu ser, suas mãos tremendo como uma folha e suor caiam de sua pele quente. "Bem-vindo ao inferno, rapaz." Essas quatro palavras foram recebidas pelo garoto quando ele foi brutalmente impelido para um porão úmido por um guarda enormemente construído. Em todos os lugares tudo era preto; o mais negro em tudo. Os guardas usavam preto, as paredes do caminhão que o levara até ali era preta, o céu lá fora era negro e o quarto sem janelas em que eu estava agora era escuro. O ar estagnado era úmido e grosso, a temperatura na sala, queimava. O mau cheiro de graxa escorregadia, suor e algo mais pútrido queimava as narinas do menino fazendo-o vomitar aos seus pés presos ao chão sujo pegajoso. Inferno, o menino pensou, considerando as palavras do guarda. Era um inferno estar respirando e vivo. Em seguida, o guarda o empurrou novamente, desta vez para baixo, uma escada escorregadia e íngreme, luzes maçantes afundadas nas paredes. Os altos muros de tijolos tinham uma cor escurecida e amarela e coisas antigas choramingavam em segundo plano tentando resfriar o ar muito quente. Tubos aéreos pingavam de forma constante no esgoto bruto no chão e ratos no concreto e outros animais nocivos se juntaram ao redor de seus pés. O lugar era uma merda.


Mais uma vez, uma mão pesada empurrou o garoto para trás por um corredor estreito. A cada passo, o garoto podia ouvir sua respiração ecoar mais alto em seus ouvidos. A cada passo, ele podia sentir seu coração batendo mais duro em seu peito de uma forma que quase teve hematomas. E a cada passo, ele podia ouvir cada vez mais alto uma cacofonia estridente vindo de frente, logo depois uma porta de aparência e grossura de ferro. As pessoas estavam gritando e zombando, acompanhado pelo som inconfundível de um repique de metal contra metal. Os olhos do menino estavam arregalados, enquanto olhava para a porta, suas narinas dilatadas com terror. Nada neste lugar gritava "seguro"; na verdade, cada vez mais, tudo o que ele sentia era puro terror. O guarda atingiu a cerca com o garoto; alto e devagar ele bateu duas vezes na porta de ferro, cada batida, batendo em seu peito como um canhão. A fechadura destrancou, e as chaves tilintavam, e, finalmente, a porta de ferro se abriu. Os olhos do garoto se arregalaram em descrença enquanto bebia a cena. Homens adultos estavam por toda parte na sala lotada. Não havia uma polegada de chão livre, corpos suados empurrando e se esbarrando um ao outro de parede grossa em parede grossa. Os homens estavam bebendo vodka, trocando dinheiro, as mãos acenando em excitação enquanto todos eles olharam para frente, seu foco definido em algo um pouco à sua frente. "Mexa-se, garoto," o guarda ordenou. O garoto foi arrastado em seus pés, relutante e atravessou o limiar do "inferno." Ele não podia se mover. Ele estava congelado no local, as pernas tremiam e em sua cabeça uma confusão girava. Segurando o pescoço do garoto pela nuca, o guarda apertou seus

braços,

fazendo

o

garoto

estremecer

quando

foi

dirigido


agressivamente através da multidão aos gritos. Homens pararam e avaliaram o garoto, alguns em aprovação, e a maioria em demissão. Todos eles se tornaram um borrão ao menino, havia visões e cheiros demais para ele processar. O garoto se sentia fraco. Seus pulmões queimavam com a velocidade de suas respirações curtas. Os dedos do rapaz tremiam em simpatia com seu medo, mas ele balançou a cabeça, limpou seus pensamentos de medo como seu pai havia lhe ensinado a fazer e ele conseguiu manter a cabeça erguida, na reunião, e no proprietário, e em cada olhar curioso voltado para ele. Enquanto a multidão lentamente se separava, o garoto ficava mais assustado com a cena na frente dele, uma enorme gaiola de aço quadrada do chão ao teto, a parte superior envolvida com arame farpado afiado. Flashes de movimento vinham de dentro. Grunhidos de dor e jorros de sangue escapavam da jaula, salpicando seu peito cinzento do uniforme e rosto nu. Desta vez o fôlego veio de seus pulmões com tudo. Ele estava congelado; congelado no local com o choque, o cheiro metálico de sangue invadindo seu nariz. O garoto não podia acreditar em seus olhos. Não podia digerir a visão que o cumprimentou: dor, carne cortada, gritos, sangue... tanta dor e sangue. De repente, uma lavagem de ar pútrido soprou passando por sua orelha. O menino vacilou quando inalou o cheiro nauseante de comida estragada e fumaça de tabaco acre. "Beba, rapaz. Isso vai estar com você na gaiola por muito tempo." O garoto prendeu a respiração até que seu peito não aguentou mais. Ele exalou bruscamente, resistindo à vontade de tossir ou gritar. O garoto tinha sido ensinado desde uma idade muito jovem a nunca mostrar emoção. Seu pai o punia se ele ousasse reclamar, nunca


chorar. Ele se recusava a começar aqui e agora. O garoto resolveu manter a compostura, lúgubre, e estóica... o que quer que fosse acontecer, ele tinha que passar por isso... isso, qualquer que fosse o inferno. Um som alto de rasgo soou da jaula, o som cortando para baixo em suas costas e trazendo vômito na boca. Quando um grande espectador se mudou abruptamente fora do caminho, sorrindo, celebrando, tudo se tornou claro. Os lutadores da gaiola eram crianças... os meninos não pareciam mais velhos do que ele. E eles estavam lutando... até a morte... Os olhos incrédulos do garoto correram ao redor da gaiola. Armas de todos os tipos forravam a gaiola: lâminas, correntes, martelos, machados, para citar apenas alguns. Um dos jovens lutadores cambaleou para trás, segurando o estômago, quando seu adversário o circulou como um animal, os olhos enlouquecidos e curvados quando ele se concentrou em sua presa. Era evidente quem era o mais forte dos dois jovens lutadores, o atacante agarrou uma faca de lâmina comprida, que pingava sangue. Quando a presa cambaleou ao redor para enfrentar a multidão, ele agarrou-se à rede de arame grosso que envolveu a gaiola. Só então o garoto viu que o estômago da vítima tinha sido cortado, sangue e tripas escorrendo da ferida aberta. Náuseas forçaram o seu caminho até a garganta do garoto enquanto observava a queda do lutador mortalmente ferido em agonia de joelhos. O estômago do garoto apertou com uma intensidade dolorosa e, de repente, ele vomitou no chão já imundo. Limpando a boca na manga do seu uniforme cinza, o garoto se endireitou, só para ver o jovem lutador perdedor expirar o último suspiro. A multidão cheia de homens entrou em erupção, uma mistura de gritos de sucesso ou gemidos de consternação, enquanto maços de dinheiro eram trocados rapidamente em suas mãos. A luta estava


terminada. O barulho no porão se intensificou e os homens focados em suas vitórias, ignoraram o vencedor no centro da gaiola. Mas o garoto não desviou o olhar. Não conseguia desviar o olhar, seus olhos estavam grudados à frente. Ele olhou o vencedor, coberto de sangue e tripas de seu oponente, ele caiu de joelhos, toda a energia drenada de seu corpo demasiado volumoso. Seus olhos estavam vermelhos, seu corpo tremendo. O garoto observou quando o vencedor ficou tenso com raiva, derrubou a cabeça para trás e gritou de dor ao testemunhar o sangue de sua vítima, sua vida, escorrendo para fora. Ele observou quando o vencedor deixou cair à faca sangrenta, quando uma dormência, que tudo consome, tomou conta de seu corpo. E o garoto observou o olhar sem vida do vencedor quando caiu ao seu, revelando como o futuro do garoto iria se desenrolar. Com o mesmo fôlego rançoso, que mais uma vez passou a frente do rosto do garoto e ele ouviu: "De agora em diante, você vai ser conhecido como lutador 818, e se você quiser viver, vai aprender como lutar e como sobreviver aqui, no inferno”. E 818 ficou. Com o passar do tempo, 818 tornou-se incomparável. 818 tornou-se a morte. Um. Fodido. Duro. Frio.


Assassino.


Capítulo Um Kisa

Dias de hoje...

"Porra, Myshka, sua boceta é tão apertada caralho..." Presa à cama, as mãos fortes do meu noivo me seguraram pelos ombros enquanto ele batia em mim, seu pau estocando minha boceta com uma força incrível, seus quadris fortes me trancando no lugar. Tentei me mover. Eu empurrei com força contra o peito dele, mas ele não se moveu, nem sequer uma polegada. Era sempre assim quando ele me levava duro, áspero, cru... totalmente fora do meu controle. Os olhos azuis de Alik estavam acesos como fogo quando lutei contra ele, queimando a minha resistência, a agressão que ele esperava que eu exalasse toda vez que me levava para a cama e uma agressão que ele amava, uma agressão que ele desejava. Ele gostava de foder. Nunca fazer amor. Apenas foder, duro, enquanto estava no controle. Sua mão direita se mudou do meu ombro e enrolou em torno da frente do meu pescoço, não muito apertado para parar minha


respiração, mas firme o suficiente para me manter no lugar enquanto eu arranhava suas costas e ombros com minhas unhas cuidadas e feitas à francesinha. Empurrei meus quadris, mas suas coxas grossas me fixaram para baixo ainda mais, seu pau inexoravelmente batendo contra o meu ponto G, obrigando-me a gritar de prazer. Alik riu da minha tentativa fracassada de jogá-lo fora, sua boca agora estava a uma polegada do meu rosto. "Basta experimentá-lo, Myshka. Basta tentar mover-me... Eu possuo você, porra", ele rosnou no meu ouvido, e seu pau estremeceu em meu canal, fazendo-me gritar e morder a pele em seu ombro, puxando um fio de sangue. Os dedos de Alik apertaram a minha garganta, restringindo meus gemidos. Sua respiração soprou mais forte. Seu queixo talhado ficou tenso, olhos perfurando os meus. "Venha, Myshka. Venha!" Ele ordenou. Empurrando em mim mais três vezes, quase contundindo meu clitóris com a mão quando fez isso, eu quebrei, apertando seu pênis ele querendo ou não. Eu odiava que ele conhecia tudo sobre o meu corpo tão bem. Odiava que ele sabia como me tomar, me fazer gritar, me fazer gemer. Quando gozei, Alik viu isso como um testemunho de meu amor por ele. Eu só via isso como outra maneira de ser utilizada para que ele pudesse ser meu senhor e seu poder sobre mim. Ele moveu a mão do meu ombro e envolveu no meu cabelo, Alik puxou com força os longos fios castanhos claro, apertando os olhos fechados e a boca aberta. Então, com um rugido ensurdecedor, ele gozou, inundando minha boceta. Meu peito arfava quando os meus mamilos duros roçaram seu sólido, peito cheio. "Kisa... porra!" Alik gemeu e empurrou lentamente em mim, enrolando-se para baixo, flexionando os músculos rígidos e tencionando todo seu corpo grande.


Sem soltar seu aperto no meu pescoço e cabelo, ele esmagou seus lábios nos meus, sua língua forçando-se dentro da minha boca. Eu me apresentei, como sempre, gemendo, como ele gostaria, enquanto a parte inferior do seu tronco trabalhava contra o meu clitóris sensível. Alik puxou para trás e a diversão brilhou nas feições do seu rosto. "Myshka, sempre choramingando como uma pequena puta, hein?" Sua boca baixou no meu ouvido e sua língua lambeu ao longo do exterior. "Você me ama por foder duro? Você me ama por machucar a sua fenda?" Alik lançou meu pescoço, apenas para estender a mão e apertar meu peito, puxando o mamilo duro. Eu assobiei e gritei, fazendo seu sorriso se alargar. "Amo foder você também, Myshka", ele murmurou. Em seguida, abruptamente, Alik puxou o pau ainda duro para fora de mim, deixando-me deitada em sua cama larga, em seu luxuoso apartamento no Brooklyn, tentando recuperar a respiração e me recuperar. Ele atravessou a sala, seu espetacular corpo, alto em toda sua perfeição e passou a mão sobre seu cabelo cortado e escuro. Alik pegou uma toalha do armário e envolveu-a em torno de sua cintura definida. Eu me mudei para cima da cama e o assisti. Alik tinha mudado tanto desde que éramos crianças. O seu corpo de lutador grande e moldado era volumoso. Sua pele estava levemente bronzeada. Seu rosto bem delineado, aristocrático, bonito mesmo. Ele era Alik Durov, o homem que decidiu fazer-me sua, quando éramos apenas um par de crianças da Bratva1, tentando percorrer os ensaios e atribulações de uma vida dura da máfia. O menino que eu nunca encarei como algo mais do que um amigo, até que ele me forçou a olhar para ele como algo mais.

1

Máfia Russa.


Nós crescemos juntos. Seu pai e meu pai eram dois dos três do Reis da Bratva "Red" de New York. Meu pai, Kirill Volkov, era o Pakhan, o chefão que estava no topo, aquele que governou a Rússia subterrânea aqui em Nova York. O pai de Alik, Abram Durov, era o executor, o próximo na fila para o mais alto assento, aquele que iria lidar com o lado mais escuro com a multidão, as coisas violentas, a vingança, as mortes, a intimidação. Ele era sádico, implacável e cruel... Tal pai, tal filho. Durante anos, Alik me queria. Desde a infância, ele sempre me quis por perto. Ele estava sempre com raiva, começando brigas e se metendo em encrencas. Ele me dizia que ouvia vozes em sua cabeça, vozes que dizia a ele para machucar as pessoas, mas quando ele estava em torno de mim, ficava calmo, a voz ia embora. Sentia pena de Alik. Sempre senti. Tendo Abram como um pai era como viver com o próprio diabo. Mas eu tinha outra pessoa, um menino que eu amava completamente, adorava... que nasceu com o único propósito de amar. Em seguida, uma tragédia nos rasgou e separou quando eu era adolescente. Dentro de dias, Alik fez o seu movimento e, então, me fez sua. Nós tínhamos estado juntos desde então. Como um príncipe e princesa da máfia, e toda a sociedade russa, em Nova York olhou para nós como o casal "perfeito". Alik não teria feito de nenhuma outra maneira. Ele era obcecado por mim. Ele monitorava cada movimento meu. Eu era a sua Myshka, sua pequena rata. E eu não ousava olhar em outros lugares. Alik mataria qualquer um que ficasse entre nós. E não era uma ameaça; era o que Alik fazia. Ele matava.


Seu propósito nesta vida era matar. Ele era um lutador — um lutador no jogo de morte — eu sabia que ele matava para a Bratva e fora da gaiola também, matava os Reis Vermelhos realmente por que queria fazer sofrer. Alik "O carniceiro" Durov foi o indiscutível campeão cinco vezes do Calabouço. Em vinte e cinco, quase vinte e seis anos de idade, ele era o homem mais temido em Nova York. Eu não poderia nunca, nunca deixá-lo. Eu não poderia mesmo se quisesse. Na vida da Bratva, os homens levavam e seguiam com suas mulheres obedientemente, em seu caminho. Era a essência da vida Bratva, em que você servia muito bem se você jogasse sempre de modo seguro. Sentimentos e noções de 'amor verdadeiro' não importa nesta vida. Era uma sociedade secreta baseada no respeito e no apoio fundamental da "família". Alik me olhou e seus olhos claros queimaram novamente em necessidade. Ele acariciou seu pau duro sob a toalha vermelha Versace envolvida em volta de sua cintura. Lentamente, ele balançou a cabeça, seus pensamentos claramente em guerra com suas necessidades. "Eu tenho que ir para o chuveiro, Myshka. Eu tenho que sair em dez minutos. Serge está vindo para levá-la para casa. Não posso estar enterrado em sua doce boceta novamente, mesmo se quisesse." Seus olhos se suavizaram em seguida. "E você sabe que quero você, não é? Não posso nunca ter o suficiente de você, baby." Franzindo a testa, eu gentilmente perguntei: "Então, nós não vamos jantar? Nós temos um encontro, lembra?" Eu tentei agir decepcionada. Mas tudo que sentia era alívio. Alívio que não iria de alguma forma irritá-lo em público por alguma coisa arbitrária que ele veria como errado, o que justificaria ser fodida muito duro como punição.


Alik desfila em minha direção, seu abdômen com cicatrizes se contraindo com o movimento, e ele agarra o meu queixo, arrastando a minha cabeça ao nível da sua, tendo a maldita certeza de que nossos olhos se encontrassem. "Tenho negócios, Myshka." "Onde? E por quanto tempo?" Perguntei, imediatamente desejando que não tivesse, quando o rosto de Alik se transformou em pedra. Seu aperto no meu queixo foi reforçado para garantir que entendesse que eu tinha ultrapassado meus limites. Meu queixo doía e eu estremeci com a pressão e dor maçante. Alik desaprovou, balançou a cabeça lentamente, em seguida, disse: "Negócio é negócio. Vai levar o tempo que for preciso. Isso acontece, quando isso acontece". Baixei

os

olhos

em

submissão

e

tentei

assentir

em

compreensão, mas meu movimento pretendido foi inibido pela sua mão inflexível. Alik suspirou longamente. A próxima coisa que eu sabia, era que a minha boca estava fechada na sua, seus dentes mordendo meu lábio, fazendo-me gemer. Ele rasgou os lábios longe um segundo depois. "Porra! Eu não posso ficar bravo com você, Myshka. Você é tão bonita." Eu cautelosamente levantei minha mão trêmula no rosto mal barbeado de Alik. "Eu te amo, Alik," eu sussurrei, lágrimas encheram meus olhos. Ele era tudo que eu tinha. Ele era meu único futuro. E eu amava o modo que... ele precisava de mim. E eu queria pertencer a alguém. Eu queria ser amada. Os olhos de Alik suavizaram, mas apenas uma fração. Ele não podia mostrar qualquer fraqueza. Mas eu sabia que ele adorava quando


essas três palavras saiam dos meus lábios. Elas acalmavam o monstro dentro dele. Pressionando outro beijo nos hematomas que estavam nos meus lábios, ele se levantou e fez o seu caminho para o banheiro. Com o coração batendo e lutando com meus nervos, perguntei: "Posso fazer caridade com o Padre Kruschev hoje à noite? Ele está distribuindo pacotes de cuidados para os sem-teto". Alik me interrompeu. Ele se virou para olhar para mim, um sorriso condescendente em seu rosto, e brincou: "Fique à vontade, minha boa Myshka. Vai servir a Deus! Vá resgatar a escória nas ruas." Sua risada condescendente seguiu até o banheiro, mas eu ignorei a humilhação e um curto descarte. Eu simplesmente pude respirar... normalmente. Na igreja, meu pai e meu noivo não enviavam seus homens para me espionar. Ninguém se atreveria a foder com a Bratva em sua igreja sagrada. Era o único lugar que eu me sentia verdadeiramente livre. O único lugar que poderia viver na minha cabeça com meu passado, com as lembranças que guardei tão bem. Levantando-me da cama enorme, olhei para o meu reflexo no espelho decorativo banhado a ouro. Eu quase não reconhecia a menina diante de mim. Ela se perdeu em algum lugar ao longo dos anos, se escondendo, correndo por sua vida. Seus olhos eram azuis, sua pele normalmente bronzeada, agora morta, pálida, e seus longos cabelos castanho claro, caídos. Eu era uma concha da garota que tinha sido uma vez. Pequenas contusões já estavam se formando no meu pescoço. Isto significava que teria que usar gola alta nos próximos dias, no verão. Desde a minha adolescência, golas tinha sido um item muito importante no meu guarda-roupa depois de ser 'propriedade' de Alik e


por aprender muito rapidamente sobre suas práticas sexuais brutais e grandes expectativas sobre mim como sua namorada. Vesti-me rapidamente, corri os dedos pelo meu cabelo, certificando-me de que estava apresentável. Alik não iria gostar se eu não parecesse perfeita. Movendo-me para a sala de estar, sentei-me na cadeira antiga da bisavó de Alik, que remontava à Revolução. Lá, eu esperei obedientemente para dizer adeus. Eu examinei o mobiliário opulento principalmente do século XX, no quarto. Este lugar gritava status e riqueza. Meu estômago se apertou com medo. Em menos de doze meses, isso se tornaria minha casa. Eu seria a rainha desta cobertura, uma prisão em uma cela de luxo. A convenção da Bratva exigiu que eu não pudesse viver com Alik até que nos casássemos. Recomendação diretamente do meu pai ortodoxo profundamente tradicional e fiel russo. Agradeço a Deus todos os dias por esse fato. Meu pai aprovava o casamento. É adequado para o nosso modo de vida. Ele não viu o lado ruim de Alik, e se o fez, ele ignorou. Ele só viu o homem forte e implacável que Alik tinha sido moldado para ser, por seu pai. Para meu pai, o lado severo e violento de Alik só provava que ele era um soldado perfeito do Bratva, o homem perfeito para tomar as rédeas e ser um bom líder para sua filha. Minha mãe morreu quando eu tinha quinze anos. Meu pai tinha caído à parte, e Alik se tornou a minha muleta, ele cuidou de mim quando tudo tinha ido para o inferno. Papai o ama por isso. Agarrei-me ao pensamento de que ainda tenho um ano até que nos casássemos e que isso me oferece momentos fugazes de liberdade, antes, é claro, de adotar o manto da esposa perfeita Bratva para o único herdeiro restante do Bratva. Alik, em pouco tempo, iria controlar todo o subterrâneo russo, uma posição que ele anseia, algo para o qual ele tinha sido preparado a vida inteira.


Ouço o chuveiro desligar e não demora um minuto para Alik chamar meu nome e vir através das portas duplas da sala me procurando. Seu rosto tenso se afrouxou quando me viu sentada, obedientemente à espera, na cadeira de sua avó. Sua cabeça fica inclinada para o lado enquanto seus olhos se estreitaram. "Por um minuto, achei que você tinha ido embora antes que te desse permissão. Por um minuto, pensei que você tinha me desafiado, Myshka... Por um minuto, pensei que você tinha perdido a porra da sua mente." De pé, eu abri um sorriso. Eu me aproximei dele e corri o dedo lentamente pelo seu peito. "Nunca, baby," Eu ronronei para apaziguá-lo. "Eu nunca desafiei você. Eu nunca fiz e nunca vou." Alik passou os braços em volta da minha cintura e me puxou para o seu peito úmido, o impacto roubando a minha respiração. Ele me segura pela parte de trás da minha cabeça. "Você vai ser a esposa perfeita, Kisa. Eu tenho vontade de ter você na minha cama, dormindo ao meu lado porra, por um tempo muito longo. Eu odeio lhe mandar de volta para seu pai a cada noite, não ser capaz de transar com você por horas, te amarrando na cama, fazendo você gritar, fazendo com que você se curve para mim a cada comando... porra, até que você não possa andar. Estou querendo possuí-la totalmente, possuí-la, e libertá-la das garras do Pakhan e tê-la sob meu controle completo... por um tempo muito logo". "Em breve, baby", eu acalmei. Alik afrouxou o aperto no meu cabelo, seus olhos azuis duros perderam sua raiva por um breve momento.


"Sim", respondeu ele. Batendo forte na minha bunda, ele tocou uma contusão que eu tenho e deu beijos nos meus lábios inchados. Alik rapidamente se separou e, andou de volta para seu quarto, gritando por cima do ombro, "Serge está lá embaixo. Ele vai levá-la à igreja." Eu relaxei, mas endureci quando ele ordenou: "Só depois de eu sair. Não se atreva a sair à procura de qualquer outro assim. Seriamente vou perder essa porra de merda se você fizer!" "Eu não vou. Eu te amo, amor. Sempre," eu soltei. E nisso Alik parou enquanto andava. Ele se virou, empurrou o queixo, um lampejo de um sorriso curvando seu lábio superior, e ele disse, "Myshka, também te amo". Meus ombros caíram com o alívio em sua demonstração de afeto. Eu me acalmei. Era durante estes momentos de ternura que vislumbrava uma pequena quantidade de humanidade em Alik. Estes foram os momentos que eu acarinhava. Mesmo quando crianças, Alik era tenso, sempre com raiva, sempre querendo causar sofrimento aos outros; ele frequentemente fazia em outras crianças. Seu pai o havia criado para ser dessa maneira. Eu entendi; era como os homens Bratva tinham que se portar. Mas anos de luta e morte no Calabouço o tinha feito endurecer ao ponto do lado mais gentil de sua personalidade crescesse cada vez mais fraco, e o escuro firme, apagando qualquer luz que permaneceu. Nesta vida Bratva, e com o que Alik fazia para viver, era essencial ser dessa maneira. No entanto, eu desejava que seu lado mais suave fosse demorar um pouco mais. Era estúpido da minha parte e, para outros, inexplicável. Mas amei Alik do meu jeito, bem, tanto quanto o meu coração retalhado permitiria. Eu queria que ele tivesse paz. Ele estava tão atormentado... dentro da escuridão que eu só queria ajudar a aliviar isso.


Perdida na luz de Alik, e seu sorriso bonito, meu coração disparou, flutuando em uma esperança de amor que tinha visto algo de bom nele, que eu finalmente cheguei a ele, mas meu devaneio logo foi dissipado assim que, como sempre, seu breve momento de gentileza foi esmagado pela aspereza. O desejo insano de Alik de me possuir veio à tona quando ele advertiu: "Qualquer um, que mesmo olhar para você hoje à noite ou até mesmo falar com você, você vai me dizer. E agir de forma adequada. Não fale com os homens... que o único seja apenas o Padre Kruschev. Não quero que a minha mulher pareça como uma prostituta". Eu balancei a cabeça respeitosamente. Seus olhos se estreitaram enquanto bebia em meu corpo. "Use qualquer coisa que cubra você, toda você. Eu não quero ter que matar algum filho da puta por olhar fixamente em seus peitos. Você tem que pensar sobre essas coisas, Myshka. Quando você for minha esposa, quando eu possuir você completamente, não haverá erros. Eu vou açoitá-la em breve. Você vai ser um exemplo para todas as mulheres Bratva.” "Ok, baby", eu sussurrei em trepidação. Alik correu seus dentes sobre seu lábio inferior, os olhos cor de chumbo, seu pênis endurecendo e crescendo sob a toalha. "Saia daqui, Kisa, antes que eu te foda, contra essa parede e faça o seu papai ainda mais chateado comigo por estar atrasada." Com esta dispensa, eu virei no meu calcanhar e fugi descendo as escadas para esperar o Lincoln Navigator preto. Serge era o motorista do meu pai mais confiável, o guarda-costas Touro, olhou para mim no espelho

retrovisor

e

educadamente

perguntou:

"Onde,

senhorita

Volkova?" Eu amava Serge. Ele era como um tio para mim. Ele me levava em todos os lugares e me protegia toda a minha vida. Ele nunca se casou ou teve filhos. Acho que ele me considerava sua filha de alguma


forma. Eu poderia dizer-lhe qualquer coisa e ele nunca diria a outra alma. Ele era um homem velho agora, em seus setenta anos, mas eu sabia que ele estaria com meu pai até que ele morresse. "Para casa para mudar de roupa, depois para a igreja, por favor", eu respondi. Serge olhou para mim por uma fração de tempo no espelho retrovisor. Eu poderia dizer que ele estava preocupado. Claro que ele não ousaria dizer em voz alta, mas eu sabia que ele não gostava de Alik e que eu estava preocupada com o meu dever, meu destino, em ser a esposa de Alik. Seu medo silencioso por mim parecia crescer a cada dia. Mudando sua preocupação, Serge removeu para o tráfego sempre movimentado do Brooklyn. Vi as luzes brilhantes através da janela escura. Pelo menos por esta noite, na igreja, eu gostaria de algumas horas de liberdade, muito cobiçada.


Capítulo Dois Kisa

"Kisa, você está distribuindo com os pacotes de cuidado na rua esta noite, ok?" Eu sorri com entusiasmo para o Padre Kruschev, mas por dentro, meu estômago revirou. Eu odiava a distribuição de comida nas ruas, preferia servir na segurança do caminhão. Era muito úmido lá fora. Eu odeio andar pelas vielas escuras e estreitas das ruas do Brooklyn, elas estavam entupidas com os sem-teto, e nem todos tinha boas intenções. O caminhão de alimentos parou, e fui para o lado de Pavel, um homem grisalho, baixo, gordo que vinha a nossa igreja. "Parece que vamos ser companheiros hoje à noite, Pav." O

pálido

rosto

plissado

de

Pavel

sorriu

para

mim

calorosamente. "O Senhor irá fornecer-lhe sua gratidão, Kisa. Você está fazendo o trabalho de Deus, afinal. Você está fazendo uma coisa boa. Uma coisa honrosa. É bom para você." Eu lutei contra a vontade de revirar os olhos e dizer-lhe que a minha vida estava tão fodida que não acho que o Senhor desse a mínima para mim. Em vez disso, concordei com a cabeça, de modo falso. Pavel enfatizou as palavras "bom" e "honroso" por causa do meu pai. A palavra "bom" e Kirill "O Silenciador" Volkov normalmente não combinavam na mesma frase. Pavel estava com a gente por muito


tempo e testemunhou, muitas vezes, a destruição que Pakhan2 e a Bratva agia sobre seus inimigos. Mas, tanto quanto as pessoas temiam meu pai, eu o amava. Eu sempre quis o melhor para ele. Teve a certeza em frequentava a igreja e dar esmola porque: (a) meu pai mandou que fizesse para apaziguar Padre Kruschev — meu pai era eternamente preocupado com a brutalidade dos negócios da minha família e seu efeito em nossas almas. E (b) se houvesse um Deus, eu precisava acumular algumas boas ações em nome da minha família, para negociar com os nossos respectivos dias de julgamento. Pelas minhas contas, tal como se apresentava

no

desequilibrada

momento, para

o

a

lado

nossa do

mal,

balança e

nós

estava

fortemente

estávamos

todos

completamente condenado e olhando para as chamas do inferno. Pode me chamar de otimista, mas eu estava esperando que esses pequenos atos semanais de caridade fosse nos levar um passo mais perto de não ser completamente destruídos e rotulados de "maus pecadores" para a eternidade. Além disso, eu realmente gostava de ajudar os necessitados. Não só para me dar uma pausa da vigilância 24-7 dos homens do meu papá, ou o olho sempre vigilante de Alik, mas também serviu para me lembrar que, embora estivesse presa em uma vida que não queria, nunca fiquei sem comida, eu morava na melhor das casas, usava o melhor de roupa... eu fui abençoada nesta vida das necessidades materiais, e me sentia bem em ajudar alguém, mudar a vida de outra pessoa. "Ok,

estamos

prontos

para

começar,"

Padre

Kruschev

chamou. Todos nós, voluntários desapertamos o cinto de segurança. Suspirando, fechei o zíper da minha blusa fina de gola alta e calça jeans frouxa.

NR.: Pakhan é como Kisa refere-se ao fato de seu pai ser o „Chefão‟, devido às ordens que ele dá como líder da Bratva, Máfia Russa. 2


Levantei-me e fui para a pequena quitinete na parte de trás do caminhão. Padre Kruschev me entregou a minha primeira rodada de suprimentos e sorriu para mim em agradecimento. "Fique com o seu grupo esta noite, Kisa. Pessoas perigosas saem quando este tipo de calor atinge a cidade". Voltando um sorriso compreensivo, me virei e desci do caminhão para outra noite de verão fervente. O primeiro caminhão já tinha estacionado e minha melhor amiga, Talia, veio em direção a mim. Ela era a única filha de Ivan Tolstoi — o terceiro chefe na Bratva. Eu a vi caminhar para mim, com seus cabelos loiros e olhos castanhos brilhantes. Eu tinha que sorrir para seus saltos de dez centímetros. Mesmo a distribuição de carnes frias e cobertores para os desabrigados são uma desculpa para ela usar suas botas de couro alto Gucci. "Kisa! Eu pensei que você ia sair esta noite com Alik? Ou será que ele a deixou de fora de sua curta coleira por um tempo?" Dei de ombros do comentário sarcástico de Talia, tentando agir indiferente. "Ele tinha uns negócios a resolver com nossos papas, então eu decidi vir aqui esta noite. Padre Kruschev perguntou-me na igreja no domingo, se eu poderia ajudar." Fiz um gesto para o pacote de suprimentos em minhas mãos. "Então aqui estou." Os olhos de Talia suavizaram e ela me puxou para seu peito, tendo o cuidado para não esmagar meu pacote de alimentos e cobertores. Estremeci quando seu ombro pressionou contra o grande hematoma no meu braço desde a semana passada, quando eu tinha desagradado Alik em uma função de negócios. Eu tinha conversado com um colega do sexo masculino do trabalho de seu pai "por muito tempo", e ele me alertou para o seu "descontentamento" com seu aperto forte e silencioso, palavras duras no meu ouvido, mas segurei minha reação e


aceitei a dor. Eu nunca iria questionar Alik; minha vida não valia a discussão. Quando Talia deu um passo para trás, ela me olhou com ceticismo e perguntou: "Você está bem com isso, Kisa? Você sempre parece um pouco distante, quando falamos de Alik. Tremores do casamento? Ou é algo mais?" Seus olhos castanhos caíram para digitalizar a minha roupa. "E o que diabos você está vestindo? Está como um forno aqui e você está vestida para a neve!" Eu joguei meu sorriso de seis mil dólares e golpeei minha mão na frente do meu rosto. "Eu estou com frio, então estou enjoada. Acho que posso estar pegando gripe ou algo assim. A propósito, fazer a caridade não é um maldito desfile Talia. E eu estou bem, apenas triste por não passar a noite com Alik. Em vez disso, aqui estou." Revirei os olhos. "Pelos pecados da minha família..." Isso

não

fez

Talia

tirar

os

olhos

dos

meus,

mas,

eventualmente, ela deixou ir de braços dados comigo. "Para todos os pecados de nossas famílias! Bem, vamos conseguir terminar isso para que possamos parar em um bar e ficar bêbadas! Padre Kruschev me colocou em outra equipe. Ele sabe que falamos demais e negligenciamos nossos deveres se estamos juntas. Então faça rápido o seu trabalho e me encontre aqui em breve. Eu preciso de álcool!" "Vamos ver", respondi, sabendo que estaria dando minhas desculpas para dispensar o convite de Talia. Alik iria perder as estribeiras se ele só pensasse que eu estava indo em bares. Ele pensaria que eu estava pegando homens. E com Talia, de todas as pessoas. Alik a odiava, pensava que ela era uma puta por realmente viver uma vida normal. Ele também odiava o que seu irmão era para mim, e ele odiava que ela manteve viva a sua memória. A última coisa que meu pai e a Bratva precisava era Alik virar e matar alguém. Uma vez que o temperamento de Alik mudava, não havia como parar a fúria assassina interior de seguir.


Meu pai estava se esgotando rapidamente de favores dentro do sistema judicial de Nova York para impedi-lo de ser preso. Pavel acenou para mim e, dando um beijo em Talia eu apressei o passo para o grupo de voluntários e comecei a tentar salvar algumas almas perdidas.

"Deus te abençoe, filha... Deus te abençoe... Você sempre tem cuidado tão bem de mim”. Sorri para o velho quando ele mergulhou em seu pacote de suprimentos, imediatamente comendo o sanduíche de presunto que estava embrulhado em papel. Ele tem estado aqui neste local há anos. Bem, me corrigindo, pelo menos, os três anos que eu estou servindo com a igreja. Pav disse que este velho tem, provavelmente, vivido nestas ruas há pelo menos três décadas. Ele sempre se escondeu aqui embaixo neste pequeno beco, como um rato assustado com medo de deixar seu buraco. Eu escapei para longe do meu grupo contra as ordens, mas não podia deixá-lo sem a sua porção de alimentos. Algo sobre esse velho me estimulou a salvá-lo. Ele sempre parecia tão... quebrado, tão triste. Eu poderia me relacionar. "Kisa? Kisa, onde está você?" Uma voz distante atraiu minha atenção. Reconheci-o imediatamente como a de Pavel. Olhando para baixo verificando o velho, sorri quando notei que ele estava embrulhado nos quentes cobertores e enterrado sob uma massa de caixas escondendo-se de vista. "Kisa?" Revirando os olhos, gemi quando a voz frenética de Talia se juntou a de Pavel. Ótimo.


Olhando em direção ao crescente encontro de voluntários no final do longo corredor, comecei a correr neste caminho, quando, de repente, um homem de barba desalinhada, parecendo um fantasma na escuridão, me fez tropeçar indo ao chão frio e úmido com um pé deliberadamente estendido. Sem tempo para gritar, caí no chão, minhas mãos arranhando no asfalto áspero. De repente, o peso do atacante me pressionou para baixo nas minhas costas, enquanto tentava roubar minha bolsa. Ele cheirava a álcool e odor corporal obsoleto. Eu lutei contra o vômito. Eu não o reconheci como um dos sem-teto que frequentava este beco. E ele não tinha absolutamente nenhuma ideia de quem era à filha que ele estava fodendo! "Não! Fique longe de mim! Socorro!" Tentei gritar, mas o peso do homem nas minhas costas roubou minha voz soando fora no beco vazio. Os voluntários não tinham me visto aqui, sendo atacada, muito longe da vista na escuridão para testemunhar o crime. Meu atacante continuou puxando meu braço, fazendo-me ver manchas. Tentei libertar meu braço de seu lugar embaixo do meu estômago, para libertar minha bolsa, mas ela estava presa. Então abruptamente acalmei quando senti uma lâmina afiada acariciar o lado do meu pescoço. "Entregue sua bolsa, cadela, ou vou cortar sua garganta, porra", a voz baixa tonificada ordenou, mas eu não conseguia liberar meu braço. Medo se espalhou por todo o meu ser. A lâmina pressionou mais forte no meu pescoço, e eu fechei meus olhos, esperando o pior. De repente, ouvi um rugido profundo e meu atacante foi transportado fora de mim, seu protesto estrangulado silenciado em meados de lamento quando um rangido ecoou pelas paredes altas do beco.


Freneticamente rastejando para frente para escapar do barulho, me arrastei de joelhos e capotei sobre a minha bunda... e imediatamente parei de respirar diante da cena em frente a mim. Meu atacante estava preso contra a parede por um enorme homem com seu rosto encapuzado e com os punhos cerrados. Eu não conseguia tirar os olhos dele. O homem encapuzado foi implacável, cada soco entregue com precisão, o peito arfando em emoção e os pés balançando de um lado para o outro como se ele saboreasse a saída para a sua agressão. Ele estava gostando da luta... Ele estava ficando fora de si com a violência... Eu reconheci os sinais de assistir Alik rasgar suas vítimas na gaiola. Rastejando na parede do beco, usei o tijolo úmido para tropeçar para os meus pés instáveis, chicoteado minha cabeça para o homem encapuzado... que agora estava com as mãos na mandíbula de meu atacante. Quando percebi o que ele estava prestes a fazer, cai para frente e gritei: "Não!" Mas com um empurrão afiado de suas mãos grandes, um forte estalo ricocheteou nas paredes. O corpo sem vida de meu atacante caiu para a terra com seu pescoço quebrado. Olhei para o corpo imóvel. A morte geralmente não me perturbava. Eu tinha visto muitos cadáveres na minha vida, mais do que a maioria das empresas funerárias veem em suas carreiras inteiras, mas a facilidade com que o homem encapuzado matou me encheu de medo e pavor. Era óbvio que ele tinha matado antes; nenhum marinheiro de primeira viagem ia suavizar na matança. Meus olhos foram até o assassino encapuzado, que estava estranhamente quieto. Ele enfrentou sua vítima, os punhos cerrados em seus lados, peito embalado ritmicamente subindo e descendo sob a camisa que se agarrava ao seu musculoso torso.


Ele estava perto de mim. Tão perto que eu podia sentir o calor que irradia em ondas de seu corpo. Minha respiração era difícil e eu queria dar o fora daqui. Mas não podia me mover, presa em hipnótico êxtase enquanto olhava para o homem estranho que apareceu ameaçadoramente diante de mim. Ele deu um passo para frente, meu corpo se preparando para o ataque, então ele deu um passo mais perto. Bati de volta na parede quando recuei com medo, e o homem encapuzado deu um passo final até que ele estava quase nivelado contra o meu peito. Meus olhos estavam arregalados enquanto olhava para sua forma escura e minha respiração ficou lenta na proximidade. O homem encapuzado não se moveu, apenas ficou ali, diante de mim como uma estátua. Ele era enorme; de largura e de altura. Apenas a metade inferior do seu rosto era visível, seus lábios carnudos, sua forte mandíbula... o topo nu de seu peito largo, tatuagens demoníacas — cobrindo lindamente o alto do seu peito definido. Sua cabeça inclinou para cima e mais de seu rosto ficou à vista. Meu coração começou a bater mais duro enquanto esperei para ver seu rosto, mas o material do capuz pendia, protegendo os olhos. Eu vi quando os dentes do homem atropelaram seu lábio inferior. Reunindo um pouco de coragem e clareza, desafiando todas as regras de Alik, eu cautelosamente dei um passinho à frente e deixei escapar: "Você... você me salvou”. Minhas mãos tremiam e, minhas pernas e voz estavam fracas de tão perigoso como este homem parecia, seu corpo muito tenso e rígido, o meu medo diminuiu. Parecia, enquanto estávamos aqui de igual para igual, ele queria me estudar, ficar perto de mim.


O queixo do homem encapuzado apertou e sua cabeça inclinada para o lado, como se estivesse pensando no que eu disse. Não conseguia tirar os olhos de cima dele, sua aura animalesca, feroz, ainda que de alguma forma... não fosse. Eu não poderia explicar isto. Quando dei mais um passo para mais perto, o cheiro dele derivou no vento quente. Era inebriante, prado fresco, como se tivesse estado ao ar livre por meses, como o cheiro do primeiro assentamento de neve sobre a grama fria no Central Park. Ele cortou o fedor do beco sujo como uma faca na manteiga, enviando arrepios pela minha espinha. "Você... você tem um nome?" Eu perguntei, minha voz ganhando um pouco de força. Construído, o homem encapuzado de repente se endireitou, como se um choque de eletricidade tivesse acabado de rasgar através de seu corpo. Pela primeira vez ouvi sua respiração pesada no beco tranquilo. Ele estava sem fôlego, sugando o ar como se tivesse levado um golpe no peito. Ele estava sem fôlego com a minha pergunta. Ele deu um passo para trás, depois outro, e outro até que se moveu ao lado do atacante no chão. Eu dei outro passo à frente, chamando a sua atenção, mas ele nunca levantou o capuz. Sua cabeça estava sempre baixa. Ele não iria mostrar seus olhos. O homem curvado com capuz virou o cadáver de meu atacante com o pé. Ele chutou o corpo em um canto escuro do beco como se estivesse chutando uma lata de cerveja vazia. Então ele começou a se afastar. Meu

coração

afundou

e

eu

empurrei

a

minha

mão,

sinalizando para ele parar. "Não! Por favor, eu só quero agradecer por


me salvar. Aquele homem... Eu acho que ele ia me matar. Você salvou minha vida..." Mas as minhas palavras não tiveram efeito. O homem encapuzado recuou, com os punhos cerrados mais uma vez. Então ele correu para longe, para o lado oposto do beco. "Espere!" Eu guinchei, mas tudo que podia ver era sua roupa escura desaparecer nas sombras. Uma mão fria de repente me agarrou. Gritei em estado de choque, girando ao redor para ver Talia, seu rosto pálido e seus olhos castanhos arregalados. "Kisa... o que diabos aconteceu?" Ela sussurrou, sua voz urgente. Em seguida, o choque do ataque que eu tinha sobrevivido, veio atrasado com o olhar para o homem encapuzado, surgiu instantaneamente através do meu corpo e lágrimas escorriam de meus olhos. "Eu... Eu fui atacada..." Eu chorei e Talia me envolveu em seus braços. "Merda! Quem era aquele homem fugindo?" "Eu não sei. Mas ele salvou minha vida." Eu me afastei e olhei para Kisa. "Ele m-matou o homem e salvou minha vida." "Merda!" Talia vaiou novamente. "Vou ligar para um dos homens de papai para descartar o corpo." Isso parou as minhas lágrimas. "Eles não podem dizer ao meu pai ou Alik. Eles vão enlouquecer se eles souberem que eu saí de perto do grupo para ir sozinha." Talia olhou para mim como se eu fosse louca, mas com relutância concordou com a cabeça. "Está tudo bem. Eu conheço


alguém que vai manter isso em segredo. Eu não vou dizer-lhes que você tinha alguma coisa a ver com isso." "Obrigada", eu disse, aliviada. Talia acariciou meu cabelo bagunçado. "Você pode andar? Você está bem?" "Apenas abalada", respondi. "Eu vou ficar bem, Tal. Eu só não quero que papai ou Alik saibam sobre isso." Em poucos segundos, Talia estava me puxando para fora do beco e longe da cena da matança. Lançando um último olhar na direção que o homem havia saído em disparada, deixei Talia levar-me de volta para o caminhão, e todos os pensamentos do homem assassinado no chão do beco de fora da mente. Padre Kruschev me observava, tranquilamente balançando a cabeça em repreensão. Entrando no caminhão, os voluntários esperam claramente chateados com o meu atraso, caí em um assento de janela vago, minha testa batendo no vidro quente. Talia sentou ao meu lado e segurou minha mão em apoio silencioso, mas continuei olhando para fora da janela enquanto o caminhão rolou lentamente para a estrada. Minha atenção caiu preguiçosamente sobre as fileiras e fileiras de homens e mulheres sem-teto se entrincheirando em seus abrigos improvisados para a noite. Estremeci com o pensamento do que acabou de acontecer, a gravidade do ataque, o assassinato começando a me bater. Meu coração cheio de simpatia para os sem-teto e sua situação infeliz. Em seguida, fora no canto do meu olho, avistei uma


grande, não, uma enorme figura escura que sentou no final da rua. Um enorme vulto escuro ostentando um moletom cinza com o capuz puxado sobre o rosto, sentando-se com as pernas cruzadas, cabeça baixa. Uma enorme, figura masculina escura segurando uma grande jarra de vidro em suas mãos. Minhas palmas espalham sobre a janela enquanto nós rolamos. Meus olhos pediram-lhe para olhar para cima para que eu pudesse ver seu rosto. Um transeunte passava por ele e causalmente deixou cair dinheiro em seu frasco. Eu congelei na realização. O homem que me salvou... o homem que tinha acabado de salvar minha vida era... sem-teto? O homem que lutou como um animal libertado de uma gaiola, um assassino... estava implorando por dinheiro na rua? Eu devia a minha vida a um homem sem-teto misterioso na rua. Um homem sem-teto que lutou como um assassino.


Capítulo Três 818

Um mês atrás...

As armas disparando. Barulhos. Gritos. Tiro após tiro de espingarda e o tumulto dos gritos bateu através do teto de pedra enquanto eu andava na pequena área de minha cela úmida. Acima de mim estava um tumulto, o trovão de centenas de pés; prisioneiros estavam à solta. E aqui estava eu, preso nesta porra de cela! Eu preciso sair. Eu preciso sair! Eu gritei dentro da minha cabeça enquanto corri minha mão sobre as barras de metal que me mantinham lá dentro. Carregando a porta da minha cela, meu ombro direito bateu no metal. Ele nem sequer tremeu. Envolvendo as mãos firmemente em torno das barras através da "janela", olhei para o corredor mal iluminado, a sua luz maçante piscando balançando para frente e para trás de todo o movimento pesado no andar de cima. Este nível da prisão, o Gulag como era


conhecido entre os presos, estava reservado para nós campeões, o mais valorizado dos lutadores de morte. Os malditos assassinos, os homicidas, os monstros que tinham criado nada além de sentir raiva e derramar sangue. Fomos presos nas entranhas desta merda, sem chance de escapar. Nossas celas eram muito distantes para sempre ver outro lutador, exceto quando nós estávamos treinando. Minha respiração tornou-se irregular. Gritando de frustração, puxei sobre as barras de aço, minhas articulações do braço rangendo com a enorme pressão que as coloquei. Meus músculos protuberantes, criado por drogas e esforço. Eu vibrava com um grito final, quando eles se recusaram a ceder. O tiro que tinham acabado de dar sinalizando a luta estava fazendo minha pele arrepiar e foi evocando a necessidade de lutar. Eu estava programado para lutar mais tarde esta noite. Senti raiva, nada além de raiva. Eu precisava matar. Era a única maneira de parar a raiva. O primeiro tiro havia sido disparado cerca de trinta minutos atrás, imaginei. Eu não sabia; tempo não tinha significado no Gulag. Eu podia ouvir os outros lutadores gritando, gritando que eles tinham sido liberados, podia ouvir o guincho de portas das celas sendo escancaradas, os gritos dos moribundos. Eu estava indignado caralho. Eu queria sangue. E eu precisava lutar! Meu sangue ferveu sob a minha carne, impetuosamente, lancinante, me preparando para uma luta até a morte. Para fazer o que eu melhor fazia — mutilar, matar... abater.


Rugindo, liberei as barras da cela e mais uma vez comecei a andar pela cela. Meus olhos, mesmo no escuro, voltados para a parede e o nome gravado na pedra. Alik Durov. Debaixo estava um endereço. Brooklyn, New York. Abaixo disso, um motivo. Vingança. Por último, havia uma clara instrução. Matar. Eu não tinha lembrança de escrevê-la, nenhuma memória de minha vida antes deste lugar. Não sei se alguma vez tive uma vida fora destas paredes de pedra. Meu cérebro tinha fechado, bloqueando qualquer coisa, mas a necessidade de matar, apagando qualquer conhecimento de quem eu era, de onde era, e por que estava nessa porra de merda. Mas uma coisa era certa. Eu tinha escrito aquele nome, o endereço, o motivo, e a instrução. Quando eu olhava para aquelas letras recortadas e esculpidas permanentemente na parede na minha linha de visão, raiva consumia cada célula do meu corpo e eu sabia, sem dúvida, tinha que fazer o que a inscrição ordenava. Mas eu tinha que sair deste lugar primeiro. O som da porta batendo aberta no corredor ecoou pelas paredes. Corri para as barras para ver o que diabos estava acontecendo. Minha pele estava coçando com a necessidade de se libertar, para juntar-se à luta para... me vingar. O tilintar de portas das celas se abrindo fizeram meu coração correr mais rápido. Meus dedos rachados com a intensidade do meu controle sobre o aperto das barras. "Tirem-me daqui, porra!" Rosnei quando ouvi passos pesados próximos da minha cela. Meu rosto pressionado duro no metal frio quando me estendi para ver quem estava chegando, minhas mãos balançando na porta da cela até que o sangue começou a escorrer constantemente da pele entre meus dedos.


"Vai! Vai!" Uma voz masculina ordenou a um prisioneiro, e eu ouvi um homem fugindo. "Eles foram dominados. Vá para o portão leste." Eles já foram dominados. Ouvindo estas palavras ditas em voz alta, me perdi. Fogo selvagem pulsando pelas minhas veias. Correndo para a parte de trás da minha cela, eu fui com tudo contra a porta, meu ombro deslocou com a força. Aproveitando a minha mão direita, eu coloquei meu ombro de volta no lugar. "TIREM-ME DAQUI, PORRA!" Eu berrei, minha voz soando tão acentuada como navalha. A luz acima da minha cela piscando, me fazendo mergulhar em trevas, mas isso não importava. Eu podia ouvir tudo, aprendi a abraçar a escuridão. Batendo no chão de pedra fez o seu caminho em direção a mim. Meus rugidos e berros aumentaram. De repente, os passos pararam e eu podia ouvir o som da respiração pesada fora da minha cela. "Tire. Me. Daqui. Porra." Avisei. Eu peguei um lampejo nervoso do movimento à minha direita. Dois homens. Dois homens estavam fazendo caras de idiotas fora da minha cela, de frente para mim. "É ele," um deles sussurrou enquanto meu queixo assinala em aborrecimento. "É 818." "Eu não vou dizer mais uma vez. Tirem-me daqui caralho, ou quando eu encontrá-los vou quebrar seus ossos," ameacei em voz baixa, quando as barras rangeram alto com o poder pulsante da minha raiva. Os homens ainda não se mexeram. Eu podia sentir o cheiro de seu medo e isso só me fodeu ainda mais.


"Tirem-no!" Uma voz ordenou por trás e, de repente, o rosto familiar do 362 entrou no meu campo de visão — o meu maior rival, mas o homem com quem falei e mais respeitava. 362 pegou uma chave e abriu a minha porta, o largo peito nu, calças de moletom preto cobrindo suas pernas e seu longo cabelo preto pendurado em suas costas. Ele abriu a porta e encontrou-me de igual para igual na entrada. Seus olhos castanhos perfuraram os meus quando meu peito bombeou com adrenalina. Então ele sorriu e me deu um tapa no braço, rindo. Balançando a cabeça, eu avaliei os dois homens que bloquearam meu caminho e então sorri. Eu poderia matar os dois filhos da puta fracos em segundos. Torcer seus pescoços antes que eles pudessem piscar. O cheiro de urina encheu minhas narinas quando os dois homens ficaram congelados, olhos abertos fixos em mim. Então a tensão do momento foi quebrada quando um tiro ecoou lá de cima. 362 se voltou. "Nós vamos sair pelo portão leste. Os guardas foram dominados, mas eles vão enviar mais em breve. Nós somos os últimos a serem liberados. Nenhum filho da puta se atreveu a vir aqui além daqueles dois. Eles não tinham ideia de quem você e eu somos." 362 partiu em uma arrancada de volta até a escada, deixando-me atordoado na entrada da minha cela. Eu olhei para baixo, para a linha invisível que me separava do corredor e, quando olhei para baixo, minhas mãos tremiam. Minhas mãos tremiam... Eu nunca tinha deixado minha cela por minha própria iniciativa antes. Eu nunca tinha estado além deste quarto a menos que para lutar, ser torturado ou treinar. Passei a mão sobre a massa de cicatrizes de tanto ser torturado ao longo do meu corpo, ainda sentindo a dor que tinha sido infligido quando tentei me lembrar de meu passado. As hastes de metal


que os guardas usaram para me dar choque, os que fazem você se sentir como se estivesse morrendo até que perde a consciência. A dor que senti como fogo ardente através do meu corpo toda vez que tentava me lembrar de qualquer coisa da minha vida antes deste lugar. Ouvindo os gritos e o que parecia uma briga lá em cima, cerrei meus punhos e corri de volta para a minha cela, arrancando minhas soqueiras que ficavam cravadas no gancho na parede. Inclinando-me para a banheira de sujeira me mantive no chão, mergulhei meus dois dedos e corri na lama escura, quase preta sob cada um dos meus olhos. Eu sempre escondi meus olhos. Eu não sabia por que, era apenas algo que sempre tinha feito. Os guardas gostavam, achei que me fazia parecer mais cruel, por isso eles recolhiam a sujeira para mim. Eles disseram que tornava meu olhar mais animalesco do que qualquer homem na gaiola. Deslizando sobre as minhas armas de escolha, corri meus dedos sobre a escrita esculpida na parede e recitei o meu mantra. Alik Durov. Brooklyn, New York. Vingança. Matar. Ao ouvir o som familiar de passos pesados dos guardas na escada, joguei o capuz do meu moletom sobre a minha cabeça, arregacei as mangas para liberar minhas soqueiras, e rangendo os dentes com intenção sincera, corri com força total para os três guardas que vinham no meu caminho. Anos

de

vida

na

gaiola,

lutar

até

a

morte

para

o

entretenimento dos filhos da puta doentes, assegurou que meus socos fossem rápidos e eficazes. Eu era um campeão. Eu era a aposta certa... Eu era uma máquina... Eu era morte.


Meu punho cravado perfurado no peito do primeiro guarda, o coração e os pulmões cortados, garantindo uma morte rápida. Um golpe na cabeça do segundo guarda o fez cair sem vida no chão. O terceiro guarda girou nos calcanhares quando me reconheceu. Ele deveria. Este filho da puta tinha me batido, me torturado. Agora era a sua vez de sentir dor. Ele ia correr apenas quatro passos quando eu agarrei seus ombros, envolvi meu pé em torno de suas panturrilhas, e inclinei-o para trás até que sua coluna se partiu em duas. Soltando o seu cadáver, eu corri com tudo pelas escadas, nem mesmo perdi o fôlego. Vingança. Matar. Vingança. Mutilar. Alik Durov. Brooklyn, New York. Matar. Esses foram os únicos pensamentos que ocupam a minha mente quando naveguei meu caminho através do estreito corredor, esquivando de corpos debaixo dos meus pés, na sequência da onda de combatentes de todas as idades... até crianças com medo, recém trazidas a este inferno. Eu empurrei as pessoas para fora da posição para o exterior, meus pulmões queimando quando eles guerrearam com a sensação desconhecida de ar fresco. Eu tropecei quando a brisa congelante da noite chicoteou a pele do meu rosto e oxigênio encheu meus pulmões crus. Ar fresco.


Eu não tinha estado fora desde... Eu não sei quanto tempo. Anos, pensei. Anos preso em uma cela sem um vislumbre de luz do dia, respirando o ar estagnado, uma mistura de umidade, mofo, e sangue... E a morte. A morte tinha um cheiro único, um sabor único. Eu tinha respirado dia e noite, provei isso por tanto tempo que achei que era difícil de respirar o frescor limpo do ar livre. Vendo os outros lutadores correrem livre e fora do portão leste, um guarda esparramado no chão me chamou a atenção, uma ferida com uma facada em seu estômago. 362 estava se afastando com sede de sangue em seus olhos, sua mão estava ensanguentada — sua escolha de arma em nossa gaiola Gulag. 362 me observava. "Nós estamos livres, 818!" Ele gritou, seu rosto se iluminou com entusiasmo e suas palavras pareciam ecoar nos meus ouvidos, minha mente não me permitia acreditar. "E-e o que agora?" Eu perguntei, olhando ao redor do pátio cheio de cadáveres, o chão afogado com sangue, sirenes do Gulag berrando e prisioneiros correndo para a segurança das florestas próximas. 362 deixou cair os ombros tensos e parou diante de mim. "É isso, 818. É o que temos esperado por tanto tempo. Nós sobrevivemos para isso." Seus olhos brilharam e ele disse: "É hora de nós buscarmos nossa vingança”. V-I-N-G-A-N-Ç-A... Eu explicitei cada letra na minha cabeça, sentindo a raiva tomar conta de mim. Minha mente de repente encontrou-se com o meu coração me dizendo que minha chance tinha finalmente chegado. Depois de anos de morte e tornando-se o monstro que os guardas queriam que eu fosse, estava indo obter minha vingança.


"Onde você está indo?" Perguntei a 362. "Ocidente", ele respondeu sombriamente. "Minha vingança fica no oeste." 362 tinha sido o único a fazer-me escrever o nome de Durov na parede da minha cela, eu não me lembro dele fazendo isso, mas ele disse que eu tinha feito quando cheguei. Ele também tinha um nome em sua parede. Essa inscrição nos levou. Elas nos deram um passado quando não havia um em nossas cabeças. Elas nos deram uma razão para viver. Ficamos ali, combinando olhares um do outro, quando 362 apertou a mão no meu braço, segurando meu bíceps com força. "Vai matar o homem que condenou você, 818. Você está pronto. Você já está pronto há muito tempo". Espelhando sua ação, a minha mão bateu em seu braço. "Você também." 362 baixou a mão, mas olhou para cima para dizer: "Espero que vamos nos encontrar novamente, 818. Se não, volte a vida que você perdeu e eu vou te ver na próxima." Com um aceno de cabeça, ele virou-se e correu para fora do grande portão de metal. Descartando até a escória do guarda, eu apertei sua

camisa,

minha

raiva

queimando

quando

vi

um

flash

de

reconhecimento em seu rosto. Ele parecia ter medo. Eu estava indo dar uma lição a esse filho da puta por me manter neste inferno, por me ferir quando eu ainda era uma criança, por fazer coisas a mim quando eu ainda era criança... "Não... não me machuque!" Ele gritou, e meu lábio enrolou em desgosto.


Balançando seu corpo franzino até que seus dentes batiam, eu exigi, "Qual o caminho para Nova York?" O guarda empalideceu e meus punhos apertados, ameaçando sufocá-lo. "Qual é a direção?" A boca do guarda abriu e fechou, mas ele não conseguia respirar através de meu aperto. Eu afrouxei meu aperto apenas o suficiente para deixar o idiota falar. "Leste. Nova York é no leste." O som de caminhões se aproximando na distância levou-me a inclinar-me para baixo e perguntar: "E onde diabos estamos?" O guarda começou a perder a consciência, e pela poça de sangue no chão, jorrando de seu estômago, eu sabia que era apenas uma questão de segundos até que ele morresse. "Foda-se, responda!" Eu rosnei. "Onde diabos estamos?" "Al-Alaska", ele respondeu. Eu joguei-o no chão, terminado com o bastardo agora que eu tinha conseguido o que precisava. Os caminhões se aproximavam de Gulag e eu sabia que tinha apenas alguns minutos para sair antes de mais guardas chegaram e bloquear este lugar. Alik Durov. Brooklyn, New York. Vingança. Matar. Lembrei do meu propósito, e me levantei quando o guarda riu e meus olhos viraram direto para ele. "Nós... nós fizemos você quem você é..." ele sussurrou com sangue agora pingando de sua boca. "Nós te fizemos forte... incomparável... um campeão..." Ele parou de falar, tossindo e cuspindo, engasgando com seu próprio sangue.


Eu vi vermelho. Enfurecido com as suas palavras, eu levantei as duas mãos, as pontas afiadas de minhas soqueiras viradas para baixo, e com um rugido movido pela raiva, empurrei os pontos em linha reta em seu peito. A boca do guarda caiu aberta quando ele soltou um grito silencioso, e empurrando para baixo todo o meu peso em seu peito musculoso, eu rosnei na cara dele e lentamente torci os picos de minhas soqueiras. Vitória surgiu através do meu corpo enquanto seus olhos se arregalaram e, lutando para respirar, ele amordaçou pela última vez. Testemunhei a licença de vida indo de seus olhos, nada remanescente apenas o olhar sem ver da morte. Ofegante com a vitória de matar, fazendo o que eu estava treinado para fazer, tudo o que fui criado para fazer, tudo o que tinham me treinado para fazer, lentamente fiquei de pé, em seguida, parti em uma corrida. Dentro de minutos, quebrei através de uma linha de árvores em uma floresta densa, rumo ao leste. E eu não iria parar até que chegasse ao meu destino. Eu não iria parar até que matasse um certo... Alik Durov. Brooklyn, New York. Vingança. Matar.


Capítulo Quatro 818

Depois de um mês de aprontar em barcos de pesca para o continente, roubar comida, e pegando uma carona para cruzar o estado em comboios de mercadorias, eu cheguei à Nova Yorque. Eu não estava preparado para o que me esperava: luzes brilhantes, uma movimentada cidade repleta de movimento e uma maré de pessoas — completamente o oposto de tudo o que eu já tinha conhecido.

No

entanto,

estranhamente,

tudo

parecia

familiar

e

confortável, o fedor de fumaça espessa, os vapores de tabaco e bebidas alcoólicas, e os sons de carros rápidos com suas buzinas estridentes. Tropeçando em um beco de volta à beira do Brooklyn, uma dor lancinante atirou pela minha cabeça. Eu apertei com força em ambas as têmporas. Imagens desconexas foram passando pela minha cabeça, um grupo de crianças brincando, um pequeno grupo de homens mais velhos se beijando, três meninos em suas cabeças, orgulhosamente, sorrindo enquanto eles foram introduzidos para um grande encontro de pessoas. Minha cabeça parecia que ia explodir e esse sentimento condicionado ao fogo correndo em minhas veias, me envolveu quando memórias tentaram passar. Agora já fazia um mês que eu não tinha as doses, sem as drogas que os guardas me bombeavam diariamente para manter-me grande, para manter-me forte, para manter-me com raiva, e mais e mais desconhecidas imagens iam enchendo minha cabeça.


As visões dissolviam tão rapidamente quanto elas vinham, e encontrei-me amontoado contra uma dura e úmida parede, com suor encharcando minha pele. Em seguida, o entorpecimento que senti toda a minha vida lutando, acomodou em seu lugar. Corri o nome e endereço através da minha mente. Em questão de segundos, eu estava correndo por ruas desconhecidas, de alguma forma, sabendo exatamente para onde ir. Meus pés estavam me levando para frente de uma área com grandes construções, carros caros, e pessoas bem-vestidas. Quando entrei em uma rua particular, uma sensação de excitação percorreu meu corpo. Rapidamente, eu procurei os números das casas... até que me encontrei fora de um bloco de apartamentos de luxo. De alguma forma, tinha certeza de que era o endereço que eu queria. Seguranças ameaçadoramente em frente à entrada com paredes em vidro. Eu escapuli de volta para dentro da boca de um beco próximo, fundindo com as sombras, os olhos fixos na porta. Eu esperei por horas, horas passadas se esgueirando em torno do edifício, procurando uma maneira de entrar. Mas era impenetrável, muito protegida. Então, quando amanheceu, um grande homem de cabelos escuros com um corte bem curto, tipo raspado, aparentando como se estivesse vinte e poucos anos, saiu do edifício, construído como se fosse o dono do caralho do mundo. Cada fio de cabelo na parte de trás do meu pescoço arrepiou, seguida pela raiva inflamar em meu estômago. Levou apenas um olhar para saber que eu estava olhando para Alik Durov, o cuzão que eu ia matar. Tudo sobre ele desde seu rosto Eslavo e cabeça raspada, ao seu corpo construído gritou riqueza e arrogância, eu detestava o filho da puta totalmente. Gostaria de ter o


prazer em fazer essa matança. Eu a desenhei para intensificar a dor do bastardo. Poucos segundos depois, um grande carro preto parou em frente do edifício. O cuzão, Durov, pisou no lado do motorista e saiu pela rua. Como um raio, eu atirei em uma corrida, abraçando a ainda escura extremidade da via. Eu tentei manter-me com o carro, mas sabia que mesmo no meu ritmo mais rápido não podia acompanhar. Dois quarteirões depois o carro ficou retido no tráfego. Atravessando a estrada movimentada, buzinas soaram para mim, mas eu tinha um único objetivo para enfrentar este idiota sozinho, em algum lugar. O carro virou à direita e o segui três quarteirões até um estacionamento deserto ao lado de um grande armazém, um armazém que Durov estacionou em frente, e, lentamente, saiu. Alcançando em meus bolsos, eu deslizei em minhas soqueiras com lâminas premiadas e cerrei os punhos, apreciando seu toque frio na minha pele. Olhei para as costas de Durov, imaginando onde eu iria afunda-las em seu crânio para que pudesse ver seu jorro de sangue como um gêiser, ou na parte superior de seu pescoço, circulando ao redor de seu corpo para testemunhar a vida deixar os olhos, ou nos rins para que eu pudesse ver seu corpo morrer lentamente, encerrando os órgãos internos um por um, ou em linha reta em seu coração, rápido, eficaz, mortal. Movendo-me furtivamente em volta do perímetro do armazém, fiz a minha abordagem, parando apenas para uma bofetada de sujeira abaixo dos meus olhos, deixando a escolha de matar, o golpe, para meus instintos. De repente, uma porta lateral se abriu, um homem mais velho, de rosto duro saiu. "Durov! Obtenha sua bunda aqui. Você está atrasado!" Durov.


Ele era Alik Durov. O meu alvo... minha morte. Durov riu do homem e, em poucos segundos, ele estava no prédio. Chateado com a oportunidade perdida, verifiquei ao redor para me certificar de que não estava sendo observado. Então corri em todo o quente asfalto, certificando-me que meu capuz cobria minha cabeça e escondia o meu rosto. Algo sobre todo esse cenário parecia muito como se eu já estivesse estado aqui antes. Como se eu não estivesse passado minha vida preso no inferno Gulag, matando para a sobrevivência, perfurando a carne e tirando vidas. Não, alguma coisa, alguma reviravolta do meu intestino me disse que Brooklyn, Nova York, significava algo para mim, como se algum sentido do meu passado estivesse arranhando seu caminho para fora sob minha pele. Circundando o armazém, encontrei uma pequena janela. Abaixando-me no chão, meu peito colado a terra, eu olhei para dentro e meu sangue começou a bombear com a visão. Um ginásio de treinamento... e Durov caminhou até um saco e começou a dar socos. Ele estava treinando para lutar. Lutar. Eu fui feito para lutar. É tudo o que eu sabia fazer. Meus olhos queimando, antecipação correndo em minhas veias. Eu conhecia esse sistema. Eu tinha vivido nisso por anos e anos. E a gaiola... cada elo de metal, a cada tábua do piso, cada polegada de navalha, essa era a minha casa. Cada mancha de sangue na superfície branca que tinha me feito o homem — o monstro — que sou hoje. Mas o que realmente fez o meu coração correr foram as armas alinhadas na


parede. As correntes, punhais, lâminas e me disse tudo o que eu precisava saber: as lutas neste lugar eram para a morte. Isto era um ringue de jogo da morte. Apelou para tudo o que eu tinha tornado um assassino frio, um lutador e pelo olhar das coisas, Alik Durov também era um lutador para a morte. Então minhas narinas, minhas mãos começaram a tremer com a pressa, a adrenalina, e com o plano de vingança formado em minha mente. Gostaria de me juntar a este ringue de luta, eu iria abater esse cuzão, e não iria perder. Nunca. Levantando-me, orientei para a entrada, o cheiro de suor e sangue enchendo meu nariz. Isto me acalmou um pouco. "Quem diabos é você e o que quer?" Minha atenção estalou para um homem baixo, atarracado sentado em uma pequena mesa. Ele puxou uma arma e apontou-a na minha testa. Eu mantive o meu capuz baixo, protegendo meus olhos. Eu nunca iria olhar nos olhos dos outros. Algo dentro nunca me deixa. Seus olhos se arregalaram de medo quando pisei para frente, a arma não me parou. "Eu quero lutar. Quero entrar na gaiola. Eu quero matar", rosnei com uma voz profunda e retumbante. Eu vi o homem me avaliando, mijando-se — eu não fiquei surpreso. Eu era alto, construído como uma porra de tanque, tatuado, com cicatrizes... totalmente morto por dentro. Eu não tinha nada a perder. Eu não temia nada, nem mesmo a morte. A morte seria um final bem-vindo para a vida que eu tinha vivido. Mas antes do meu fim, iria derrubar Alik Durov comigo... e eu queria finalmente saber o porquê. "Você tem um patrocinador?"


Eu não disse nada, e o babaca levou meu silêncio como um não. Levantando-se, ele manteve a arma apontada para minha cabeça. Ele pegou um celular e ligou para alguém. Eu reconheci o dispositivo; os guardas estavam sempre latindo sobre essas coisas de merda, me privando de sono. Alguém, obviamente, respondeu, e um grunhido afiado soou pelo alto-falante. "Yiv? Você é necessário na frente." Ele fechou o telefone, mas eu não me mexi. Eu queria esse filho da puta intimidado o suficiente para deixar-me entrar. Eu precisava lutar. Eu precisava matar. "O que há de errado a esta hora, porra?" Reclamou, um sotaque áspero, e, em seguida, um grande cara de meia-idade veio à tona. Assim que ele me viu, seus olhos se estreitaram e ele cruzou os braços volumosos em seu peito. "Quem diabos é você?", retrucou. "Seu sonho fodido da porra da gaiola e o pior pesadelo dos seus combatentes", eu respondi friamente, trazendo meus punhos para o meu peito e estalando meus dedos. O som de cada crack ecoou pelas paredes nuas. O idiota que segurava a arma e este Yiv olharam de um para o outro. Yiv empurrou a arma do cara e deu um passo adiante. "Você lutou em uma gaiola antes?" "Sim." Seus lábios se curvaram. "Isto não é nenhuma MMA ou WWE, você sabe disso? Riscos são maiores. Preços são pagos com sangue... com pedaços de carne. Este é o Calabouço."


Meu silêncio encorajou-o a dar um passo a frente, me avaliando. "Você é russo?" Sua pergunta me pegou desprevenido. Eu não sabia, porra. Meu número era 818. Fui criado no Gulag. Fui treinado para matar. Eu tinha abatido mais de seiscentos adversários. Isso foi tudo o que havia para mim. Sem história, sem nome, sem família. Dormência apenas. O cara me disse alguma coisa, só que desta vez foi em outro idioma. "Eu perguntei caralho se você é Russo?" Ele tinha falado um idioma diferente do que os guardas, mas de alguma forma eu entendi. Ele estava falando Russo? Como diabos sabia russo? Sem pensar, respondi sim na mesma língua, e o rosto do cara se iluminou. "Você não tem um patrocinador, o que significa que você teria que comprar". "O que tenho que fazer?" Eu perguntei, a língua estranha escorrendo de meus lábios. Meu corpo ficou tenso com o fato de que eu poderia ter um caminho para este buraco, essa porra do céu na Terra para mim. "Você precisa pagar. Essa é a única maneira. Temos um treinador que acaba de perder um lutador, mas vai custar-lhe." "Quanto?" Perguntei. Yiv apontou o polegar para o cara que me entregou um pedaço de papel com um número escrito. Como Yiv estava indo embora, ele gritou: "Se você tem esse dinheiro, você está dentro. O treinamento já começou para o resto dos homens. O Calabouço começa em duas semanas. E em três noites


acontece a batalha final, para a morte. Os sobreviventes lutam no final. Você ganha, você ganha grande. Você tem até lá para conseguir". O Calabouço. Duas semanas. Vingança. Alik Durov. Matar. Eu ia fazer qualquer coisa para conseguir esse dinheiro. Fechando as portas, eu amassei o papel em minhas mãos, guardei no bolso, e tentei pensar no que fazer a seguir. Então vi um monte de homens que dormiam na rua, chapéus fora da cabeça na frente deles, implorando dinheiro dos transeuntes. Em uma fração de segundo, fui nessa direção, agarrando um pote fora da árvore de alguma casa. Sentando no chão, deixando-o até despertar alguém, encontrei um lugar na rua, sentei, puxei o capuz mais sobre a minha cabeça, e coloquei meu pote no chão. Duas semanas. Eu tinha duas semanas para conseguir o dinheiro. E eu faria qualquer coisa para conseguir entrar naquela jaula e cortar o peito de Durov.


Capítulo Cinco Kisa

"Você está bem, senhorita?" Serge perguntou enquanto ele dirigia pelas ruas do Brooklyn em direção as docas. Eu puxei meu olhar de fora da janela e balancei a cabeça, oferecendo a Serge um sorriso de apaziguamento. "Foi apenas um dia duro. Isso é tudo." A expressão de Serge virou simpático no espelho retrovisor. "O aniversário de Luka Tolstoi", disse ele, e eu momentaneamente perdi o fôlego só de ouvir essas palavras em voz alta. Fiquei olhando para meus dedos remexendo e balancei a cabeça. Sempre me doía pensar em Luka. Vinte e seis anos atrás, os três chefes Bratva eram todos casados e cada um tinha um filho. Luka nasceu primeiro, em seguida, Alik apenas alguns meses mais tarde. Meu irmão Rodion e eu seguimos um ano depois, éramos gêmeos. E, finalmente, um ano depois, Talia nasceu, a irmã de Luka. Nós todos crescemos juntos, os herdeiros da Máfia Russa de Nova York. Brincamos juntos, passamos dias juntos na escola, ou se escondendo juntos em segredo quando uma ameaça à nossa máfia era feita por um rival. Foi durante esses anos que me tornei obcecada por Luka Tolstoi. Ele, meu irmão Rodion, e Alik eram próximos, os três


herdeiros do sexo masculino da Bratva. Rodion estava destinado a liderar, Alik era o segundo e Luka o terceiro e último herdeiro. Luka e eu compartilhamos algo especial. Desde crianças, nós éramos melhores amigos. Então, quando os anos passaram, eu sabia que estava apaixonada por ele. Eu era uma criança, mas eu o amava completamente. Coração esmagado de amor. Mamãe sempre disse que tivemos nossas estrelas alinhadas quando nascemos; que Deus nos deu um jogo feito. A partir da primeira vez que nos vimos, Luka me tomou em seus braços e jurou sua proteção sobre mim para minha mãe. Mama costumava dizer que ela o pegou olhando para o meu berço apenas horas depois que eu nasci. Então, quando ela perguntou o que ele estava fazendo, ele perguntoulhe se poderia me ter. Minha mãe brincou e disse-lhe que seria a minha escolha, quando tinha idade suficiente para engatinhar, e desde o minuto em que eu estava velha demais para engatinhar, minha mãe me disse que eu só me arrastava para um menino... Luka Tolstoi. Eu tinha concordado em deixar que ele me tivesse. Afinal de contas, Deus nos criou para combinar. Luka tinha um sorriso gentil e os olhos mais bonitos marromescuros. Mas a íris esquerda superior do Luka era manchada com um pequeno toque de azul que fez nossas mães achar que nós estávamos destinados a ficar juntos. Mamãe disse que Deus colocou um pedaço do meu

olho

dentro

do

dele,

então

nós

sempre

saberíamos

que

compartilhamos uma alma. Luka era meu protetor. Eu adorava o jeito que ele sempre me mantinha por perto, fazendo-me sentir segura, especialmente de Alik. Alik estava com ciúmes que Luka tinha meu coração. Quando os três meninos se tornaram adolescentes, tudo foi uma merda. Em uma noite fatídica, eu perdi Rodion e Luka, deixando


Alik como único herdeiro. Foi quando ele imediatamente apostou sua reivindicação sobre mim. Ainda agora, aos vinte e cinco anos, eu sinto falta de Luka como se ele tivesse acabado de morrer ontem. A dor ainda é tão crua como no dia que eu recebi a notícia que ele tinha ido embora para sempre. Uma parte de mim nunca acreditou que ele fez o que era acusado. Eu simplesmente não conseguia pensar nele responsável pela morte de meu irmão. "Mantenha sua cabeça erguida, Senhorita, e o dia vai passar por tal como qualquer outro", disse Serge sabiamente. Colocando minha cabeça contra o couro, fechei os olhos. Eu estava cansada de tantas perdas... tanta morte. Dez minutos mais tarde, depois de uma viagem em silêncio, entrei no ginásio, meu terno preto firmemente no lugar, e me dirigi para o meu escritório. Passei pelo quarto ocupado de homens sem camisa treinando, sacos de perfuração, e levantando pesos. Eu procurei no quarto. Um determinado par de olhos azuis possessivos travados em mim com determinação, um lento sorriso enrolado em um conjunto familiar de lábios. Yiv, treinador de Alik, foi empurrando-o com força, seu músculo num corpo todo apertado, esticando com a técnica. Jogando os halteres de vinte dois quilos para o chão, o baque ecoando em torno do ginásio, puxando lutadores de seus programas, os olhos de Alik queimavam com a necessidade e trovejou para mim, não, caminhou para mim até que eu tinha feito o caminho para o meu escritório. Descartando os arquivos pessoais dos lutadores sobre a mesa, Alik invadiu o escritório, batendo a porta e fechou as cortinas. "Myshka", Alik rosnou sério, voz de desejo quando seu faminto olhar comeu-me. Sua corada pele brilhava com o suor da intensidade de seu treino, os músculos da coxa saliente sob a sua bermuda. "Senti


a sua maldita falta ontem à noite, Myshka. Não gosto de dormir sozinho." Meu estômago revirou com apreensão. Eu estava sempre com medo de Alik quando ele estava em um desses humores. Ele sempre foi possessivo, que era apenas como ele era, mas bombeado pelo abastecimento do treino de sua violência interna e suas veias preenchidas com coquetel diário de lutadores do Calabouço, shakes de proteína e pílulas de testosterona, Alik queria transar comigo, me possuir... e fazê-lo tão duro e tão forte quanto possível. O enorme quadro de Alik avançou e me acovardei. Ele estendeu a mão e em um segundo, ele tinha rasgado os botões de minha jaqueta e engatou a minha saia, minha bunda agora equilibrada sobre a beirada da mesa. "Por que você parece tão triste, Myshka?" Alik perguntou friamente quando minhas mãos começaram a tremer. Todo ano. Todos os anos, neste dia eu iria suportar uma de suas "foda dura." Ele sabia que eu estava triste por que era aniversário de Luka, e o ataque de ciúmes enraizado em cada fibra do seu ser sempre manifestava neste dia. "Alik, baby. Por Favor. Eu não estou triste." Eu tentei acalmar, mas senti seu pau endurecer e esfregar-se contra a minha boceta. Os dedos de Alik mergulharam em minha calcinha e começou a circundar o meu clitóris enquanto a outra mão arrancou meu sutiã, sua boca imediatamente chupando meu peito, só sendo removida para sibilar, "Você é uma mentirosa. Você está pensando naquele cuzão assassino." Seus lábios se curvaram em desgosto e ele mordeu meu peito, fazendo-me gritar de dor. Ele sorriu e disse: "Não se preocupe. Eu vou foder a tristeza para fora de você. Vou lembrá-la a quem você pertence".


Ele tornou-se agressivo sempre que ficava distante, mesmo que fosse apenas por várias horas, mas neste dia, eu tive que me recostar e tomar qualquer punição que ele considera apta. Os dentes de Alik novamente morderam meu mamilo. Em seguida, ele arrancou sua boca longe. "Eu vou a loucura quando você não está perto de mim, quando não sou tudo o que você está pensando. Eu enlouqueceria me perguntando o que você está fazendo, que filho da puta está te observando, imaginando a sua boceta, transando com esta boceta doce." Alik bateu os dedos no meu canal, fazendo com que eu jogasse a cabeça para trás e soltasse um longo gemido estrangulado. Seu pênis duro de repente estava livre de sua bermuda. Tomando meus pulsos, ele me empurrou em cima da mesa e bateu dentro de mim com um gemido gutural. Ele começou a bater em mim, os dentes à mostra em prazer, os olhos ardendo da agressão. Erguendo a mão esquerda, enquanto dedilhava meu clitóris com a outra, ele agarrou meu rosto e pairou acima de mim. "Você não me ligou na noite passada, Myshka. Porra. Será que algum filho da puta olhou para você na última noite? Não queria falar com ninguém? Eu não conseguia parar de pensar em você nas ruas na noite passada, homens ficando duro para o que é meu. Você esqueceu que tem um homem em casa, um homem que possui todas as peças que se encaixam nesse corpo?" Meu coração capotou quando imaginei o homem que tinha me defendido. O grande homem sem-teto segurando uma bacia, o homem que eu tinha sonhado na noite passada, o que não podia sair da minha cabeça. O homem que eu tinha caído no sono pensando... esquecendome de ligar para Alik no processo de um grave erro da minha parte. O olhar de Alik endureceu e seus olhos se estreitaram em suspeita. Ele podia sentir a minha mentira. Ele sabia, mas não, como ele

poderia

saber?

Eu

tinha

que

tranquilizá-lo,

aliviar

suas


preocupações. Tinha que fazê-lo pensar que era tudo sobre ele. Só ele e eu... não Luka e definitivamente não o socorrista com capuz. "Não, querido," eu sussurrei, meus olhos rolam para trás quando a pressão do meu orgasmo se aproximando construiu entre as minhas pernas. "Só você. Sempre você. Eu pertenço a você. Você vai estar comigo para sempre em breve." Minha voz era frenética como se eu implorasse, me esforçando para pensar em qualquer coisa que pudesse acalmar seu ataque de ciúmes. Um assobio enlouquecido, mas satisfeito deslizou através de seus lábios, suas estocadas ganhando velocidade. "Eu tenho você, Kisa. Nunca haverá ninguém para você, apenas eu. Porra, eu possuo esses peitos." Ele apertou sobre a gorda carne, arrancando um grito da minha garganta. "Eu possuo esta bunda." Ele continuou quando enfiou a mão debaixo da minha bunda e empurrou seu dedo dentro. Segurei seus ombros e cravei as unhas em profundidade na sensação indesejada. Alik de repente calou e apertou-lhe a mão com mais força no meu rosto até que a dor fez lágrimas nos meus olhos. "E essa boceta, esta apertada, boceta molhada... Quem é o dono, Myshka? Quem. Possui. Isto?" Eu acalmei todas as ações suspensas por esta questão ameaçada. O pau de Alik à espreita em minha entrada. Seus dedos construindo uma pressão quase insuportável na minha mandíbula, seu olhar firme, até que eu disse: "Você, Alik. Somente você". Sua expressão se suavizou, permitindo a Alik ficar mais suave um breve momento antes dele bater em minha boceta, seu dedo procurando o meu clitóris, incansável em seu movimento. Minhas pernas se enrijeceram, minhas costas arqueadas, e eu vim, meu canal asfixiando o pênis de Alik. Eu odiava que ele sabia como fazer o meu corpo reagir ao seu toque. Eu não queria tal prazer quando ele era assim, mas eu sabia que estava lutando contra o inevitável, inútil.


Os golpes de Alik ficaram furiosos e ele agarrou minhas coxas com tanta força que iria deixar uma contusão. "Porra, Myshka... FODA!", Ele gritou e derramou em mim. Seus olhos estavam enlouquecidos com posse... com posse insensível. Alik deu um beijo demorado nos meus lábios trêmulos, em seguida, puxou bruscamente para fora de mim, corrigindo seus calções de treino como se nada tivesse acontecido. "Vista-se. Nossos pais estarão aqui em breve", Alik ordenou friamente. Em pânico, eu pulei da mesa, puxei minha saia, e prendi minha camisa apenas quando uma batida dupla alta soou na porta. Meu pai. Eu sabia pela distinta batida dupla. Alik sorriu e caiu casualmente em uma cadeira enquanto eu perturbada, tentando endireitar meus longos cabelos castanhos. Alguns segundos depois, a porta se abriu e meu pai atravessou seguido pelo pai de Alik, Abram Durov. Ivan Tolstoi — pai de Talia e Luka veio por último. Ele era o mais quieto do grupo, guardava para si. Eu sempre pensei que era por causa da vergonha que ele carregava sobre Luka. Por seu filho matar o filho do Pakhan, em seguida, por ele morrer também, era como uma sentença em si. Ivan era o homem das finanças, o que tratava o dinheiro da máfia. Ele tinha pouco a ver com o Calabouço. Ele lidava com os livros de sua casa juntamente com Talia, e assistiam às partidas por dever. Mas ele raramente vinha para o ginásio, nunca teve um interesse nos lutadores. Na verdade, eu estava surpresa que ele tinha sequer se mostrado hoje. Alik se levantou e cumprimentou cada um dos chefes Bratva infames com um beijo triplo. Então o meu pai Kirill "O Silenciador" Volkov caiu sobre mim e um sorriso largo da propagação em seus lábios.


"Kisa!" Ele cumprimentou. Sorrindo para o rosto feliz de meu pai, eu andei ao redor da mesa e ele me puxou ao peito. "Papa", eu cumprimentei em resposta, em seguida, mudei-me para saudar Abram e, finalmente, Ivan, cujo abraço sempre me apertou apenas um pouco muito difícil e durou apenas um segundo demasiado longo. Eu sempre adorei Ivan como um pai. Ele era um homem amável, com consciência, a calma dos Chefes Red; Luka tinha sido apenas da mesma natureza. Mas Abram, não, há sempre algo fora sobre o homem. Ele trouxe a violência ao Bratva. Ele não perdoa ninguém; ele garantiu que atos sujos fossem feitos. Alik foi irritado na maioria das vezes, devido à sua incapacidade de fazer nada certo para agradar seu pai. Nós estávamos todos conscientes de que a raiva de Alik veio da violência exercida por Abram para Alik quando ele era criança. "Por favor, sentem-se, papas", eu disse, apontando para as cadeiras. Toda a minha família Bratva — tomaram seus assentos quando eu me mudei atrás da minha mesa para tomar o meu. Alik puxou a cadeira ao meu lado. "Então", disse meu pai quando ele se virou para mim, "como é que vamos olhar para esta temporada?" Alik sorriu. Ele passou a mão nas minhas costas para descansar seu aperto na parte de trás do meu pescoço. Era um possessivo movimento, um movimento para afirmar seu domínio, tudo para mostrar seu valor para o Bratva. "Bom, papai. Todos os treinadores têm lutadores, exceto..." "Quem você acha, porra?" Alik me interrompeu e riu. Abram, o pai de Alik, sorriu em resposta quando Alik acrescentou: "A merda do Georgian Albatross! Perdeu mais um de seus caras na primeira luta de


aquecimento. O fodido teve sua garganta cortada por um homem de Sav no início do primeiro round. Eu estou lhe dizendo, o cara é amaldiçoado. Cinco temporadas de perdas na primeira rodada. Nenhum filho da puta vai lutar por ele este ano." "Ele deve ter um lutador", disse Ivan calmamente. "O Calabouço deve ter todas as lutas programadas. Nós temos muito montando neste ano para Viktor acabar com isso. Maior renda que já tivemos. Nós só estamos ficando cada vez maior, o que significa melhores lutadores, mais lutadores." "Nós vamos trabalhar com isso", eu disse. Ivan e meu pai me deram sorrisos largos. Papa se inclinou para frente e acariciou minha mão. "Você tem este lugar funcionando como um navio bem oleado, Kisa. Eu sei que você vai fazê-lo." Bateram na porta e Yiv, o nosso treinador chefe, entrou. Embora fosse personal trainer de Alik, ele era responsável por todos os novos lutadores que vinham através da porta do Calabouço. "Yiv,

estávamos

discutindo

o

Albatross",

Abram

disse

presunçosamente. Yiv passou a mão pelo rosto cansado. "Sim. Ele já perdeu o homem deste ano e seu patrocinador o abandonou. Fodendo muito dinheiro também," Yiv explicou. "Nós temos qualquer perspectiva de substituição?" Ivan perguntou, todo negócios. O Calabouço, o ringue Bratva de jogo subterrâneo, era a sua principal fonte de renda. Eles tinham várias fontes, principalmente o tráfico de droga e tráfico de armas, mas o local era a vaca de dinheiro. Havia muita coisa em jogo para mexer. O Calabouço correu todos os lutadores durante todo o ano, de baixo nível, brigas de rua mais suja do que qualquer outra coisa, mas por três noites em cada ano, o


Calabouço realizou seu campeonato, era três noites de nada além de morte, dinheiro, e apenas um vencedor. Yiv balançou a cabeça, em seguida, parou e disse: "Tivemos um cara nesta manhã. Disse que queria lutar na jaula. Grande fodido também. Russo. Parecia louco". Papa voltou sua cabeça para enfrentar Yiv. "Como ele sabia que estávamos aqui? Não é um federal disfarçado, é?" Yiv deu de ombros e empalideceu ligeiramente em tom chateado para o meu pai. "Não faço ideia. Mas aquele cara parecia não ter alma, morto por dentro. Meu instinto me diz que ele só queria matar alguns fodidos para se divertir". "E?" Abram empurrou. "Você julgou ele ou nós temos que trazer alguém de fora? Nós estamos correndo contra o tempo." Yiv aproximou-se da porta. "Disse a ele que teria que comprar. Ele saiu, mas eu tenho certeza que ele vai voltar. Algo em sua voz morta me disse que precisava entrar naquela gaiola. Provavelmente algum assassino em série que quer derramar sangue sem ser preso." "Como todos os lutadores no Calabouço, você quer dizer?" Alik brincou, fazendo com que todos os homens na sala rissem, bem, nem todos, exceto Ivan. Meu sangue gelou. Alik era um assassino; ele não estava mentindo. E se ele não tivesse esta vida subterrânea como uma saída, eu tinha certeza que ele ainda precisaria matar. Era a parte dele que eu mais temia. A parte de Alik que precisava tirar a vida de outra pessoa para manter a sanidade. Papa levantou-se, como fez Ivan e Abram. Papa voltou-se para Alik. "Você é necessário hoje à noite novamente. Vamos ter negócios com os chineses. Precisa suavizar alguma merda fora depois de eviscerar um de seus soldados por olhar errado para sua menina."


Todo o sangue drenou do meu rosto, e eu me virei para enfrentar Alik. "Você matou alguém por apenas olhar para mim?" Alik deu de ombros como se ele não tivesse feito nada de errado. "Peguei ele te observando do outro lado da rua quando fomos jantar. Lembrei do seu rosto. Quando eu o vi na semana passada não tive dúvidas, decidi que queria ver seus intestinos no chão a seus pés." Fechei os olhos e tentei respirar lentamente pelo nariz, parando a náusea de subir pela minha garganta. Quando os abri novamente, Alik estava olhando feliz para a mão na minha nuca, e não se importava com o mundo. "Eu estou ocupado esta noite", disse Alik para o meu pai, mas eu não conseguia parar de me sentir doente. Alik não tinha nenhum remorso. Ele não tinha senso de certo e errado, sem bússola moral ou consciência. Ele me aterrorizava às vezes. O punho do meu pai caiu sobre a mesa. "Você vai estar lá hoje à noite. Você não desrespeita a ordens de seu Pakhan! Você pode ser um lutador campeão, Alik, o mais letal que temos, mas cruze comigo e caralho, eu vou esmagar você." Papa raramente mostra raiva. Se ele fez, os que estão no alvo não se arrependem. Alik era o único na função. Ele era o único herdeiro sobrevivente do Bratva. Ele tinha que continuar respirando. Alik ficou tenso com a ira de meu pai. "Eu preciso ver Kisa esta noite. Eu preciso disso!" Os olhos de meu pai se estreitaram. A sala ficou em silêncio. "Você está vindo, Alik. Isso é tudo." A mão de Alik de repente agarrou meu pescoço, e eu quase gemi de dor que a sua espera trouxe.


"Então, ela fica na minha casa hoje à noite," ele exigiu. Fechei os olhos. Mais uma vez, eu tentei respirar lentamente pelo nariz em um esforço monumental para ficar calma. Papa não permitiria isso, não podia permiti-lo. Alik ia mudar e eu acabaria por baixo de Alik nesta mesa de novo, até que ele tivesse trabalhado fora sua raiva. Os olhos de Papa queimaram e sua boca apertada em uma linha fina. "Você não está casado, Alik. Ela permanece na minha casa. Você não vai transformar uma Volkov em uma puta!" Alik começou a tremer de raiva. Eu coloquei a mão sobre sua coxa, tentando arrefecê-lo. Mas quando ele pulou de seu assento, punhos flexionados e rosto avermelhado com raiva, eu sabia que ele tinha estragado todos os seus fusíveis. "Eu estou puto com isso", Alik gritou. "Temos estado envolvidos por dois anos e é sobre a porra da vez que ela vive comigo! Você fez-nos esperar muito tempo!" A resposta silenciosa do meu pai me contou quão chateado ele estava com a exibição de desrespeito do Alik. Abram pulou para frente antes de meu pai ter a chance, e com a mão em concha, atingiu Alik no lábio, retirando sangue. "Já basta! Porra menino, mostre algum respeito ou eu vou fazer mais do que cortar a merda do seu lábio," Abram sussurrou, envergonhado com a explosão de seu filho. Alik rangeu os dentes, sem dizer nada em resposta. Ele nunca diria nada de volta para seu pai. Alik era o fantoche de seu pai. Eu estava de pé, as pernas tremendo, e limpei minha garganta. Alik me encarou. Piscando para um papa que acalmou a


vista, eu andei até Alik e, tomando um lenço da minha mesa, apertei-o contra seus lábios. Ele não vacilou quando apertei o tecido no seu corte, mas seus olhos possessivos loucos perfuraram os meus. "Vá com nossos pais esta noite, Alik. Eu vou ficar bem sozinha." Alik empurrou minha mão e punhos meu cabelo. "O que você vai fazer... sozinha?" Baixando os olhos, ignorando sua suspeita, eu dei de ombros. "Ir à igreja." A mão de Alik torceu meu cabelo, mas eu não levantei os meus olhos. Ele sabia a razão pela qual estava indo. Afinal, por todos esses anos era incrível como minha conexão desde a infância com Luka levou Alik à insanidade. "Alik! Ela vai à igreja. Você vai vir conosco e cuidar da família. É seu dever," Abram ordenou. Alik grunhiu de raiva, deu um beijo áspero na minha cabeça, e de repente saiu da sala. Ouvi os homens segui-lo para fora da porta para verificar os seus combatentes. Quando olhei para cima, Ivan pairou na saída, me olhando com um olhar simpático. "Talia e minha esposa também estarão na igreja esta noite, Kisa. Elas ficarão felizes em vê-la lá." Eu balancei a cabeça e ofereci um pequeno sorriso. "Eu espero que sim, Papa Ivan. Eu vou... Eu vou ficar feliz em ver elas também... Estou feliz que você veio aqui hoje. Eu amo vê-lo também... Eu..." Eu parei, minha garganta entupida com emoção. Por um momento, eu vi a dor crua refletida em seus olhos, mas ele saiu sem dizer mais nada, e eu me deixei cair no assento atrás da minha mesa.


Primeiro de tudo, eu tinha que organizar os lutadores e me certificar que os negócios do Calabouço estavam feitos. Então, eu iria à igreja e lamentaria o garoto que eu deveria odiar... mas nunca poderia encontrar em meu coração para fazer isso.


Capítulo Seis Kisa

Serge me deixou fora de nossa Igreja Ortodoxa Russa. Saí para a noite abafada, casaco preto de gola alta e mangas compridas, modesto e discreto, tal como manda a tradição ortodoxa. Eu rapidamente subi correndo os degraus e atravessei as grandes portas, entrando ao som do canto do coral cantando hinos da sala de ensaios no andar de cima. A grande igreja estava escura, um escuro desafiado apenas pelo suave brilho da luz de velas. Como sempre, quando entro neste lugar, olho para cima para as pinturas no teto, imagens dos santos, de Maria segurando Jesus. Uma mão pressionou suavemente no meu ombro. Olhando à minha esquerda, o sorriso de Padre Kruschev me recebeu. "Padre," eu o cumprimentei e dei um beijo na parte de trás da sua mão. "Você está se juntando a nós nos caminhões de comida esta noite, criança? Nós temos um voluntário a menos e eu poderia usar seu serviço", ele perguntou, esperançoso. Meu coração começou a bater com o pensamento do meu salvador sentado na rua, sustentando seu pote. Antes de ter tempo para considerar concordou.

as

consequências

de

minhas

ações,

minha

cabeça


"Excelente," Padre Kruschev disse, gesticulando para eu acender uma vela. Eu andei e ele acrescentou, "Agrada-me ver-te tão dedicada a ajudar os necessitados, Kisa. Isso irá purificar a sua alma". Eu ofereci um sorriso apertado, mas corri o mais rápido que pude. Eu não estava tentando salvar minha alma esta noite ou tentando ajudar os necessitados. Eu estava servindo o meu próprio desejo egoísta, um desejo, não, uma necessidade premente para ver o homem novamente, para ver seu rosto, para perguntar quem ele era... por que ele estava na rua. Tomando uma longa vela, acendi o pavio com a de outro e fiz uma oração silenciosa ao meu Luka. Que ele descanse em paz para sempre. Movendo-me para o fim do banco, eu fiz o sinal cruzando meu peito para o crucifixo pendurado na parede sombriamente. Apertando minhas mãos, eu fechei os olhos. Sentindo como se meu peito fosse rachar, fui transportada para o passado...

Doze anos atrás...

O verão sufocante de Nova York, umidade demais para suportar. Eu estava deitada em uma toalha, enquanto o sol brilhou em Brighton Beach. Nós sempre viemos aqui para o verão. Os reis Bratva descendiam deste pedaço do céu Russo de nossas casas no centro de Brooklyn. Papa e seus "associados" iriam passar os meses de verão "discutindo e cuidando dos negócios", enquanto as crianças e as mães iriam gastá-lo, espreguiçados na areia e comendo sorvete.


Eu gosto do verão. Era um tempo em que poderia ficar longe de nossa vida rígida em Brooklyn, uma vez que "os herdeiros" não seriam chamados para aprender seu ofício, de modo que Rodion, Luka, e Alik poderiam relaxar... um momento em que eu poderia sair com Luka durante todo o dia. Fechando os olhos, sorri com esse pensamento enquanto absorvia os raios no meu lugar isolado. De repente, uma sombra escura caiu em cima de mim, trazendo um breve momento de frieza na minha pele queimada. Tentando manter meus olhos abertos, mão protegendo do sol, meu estômago afundou quando vi o sorriso de Alik para mim, seus calções pendurado baixo em seus quadris. Eu não disse nada, apenas me equilibrei em meus cotovelos quando ele caiu ao meu lado na toalha, sua coxa esfregando contra a minha. Alik sempre estreitava os olhos pesquisando meu corpo, e eu já não sentia o calor do sol. Tremores percorreram minha espinha quando o dedo de Alik arrastou suavemente pelo meu braço. Suas narinas vibraram, e eu congelei em medo. Alik sempre me fez sentir inquieta. Seus olhos me acompanhavam sempre que eu andava. Ele iria bater em qualquer garoto que sequer olhou na minha direção. Ele ameaçou-os e disse-lhes que eu era sua menina... Bem, todos, exceto um. Aquele que verdadeiramente era meu, aquele cujos olhos mostravam um pedaço da minha alma. "O que você está fazendo, Myshka?", Perguntou Alik. Engoli em seu nome favorito para mim, sua pequena rata. Ele me chamou desse jeito durante anos, por tanto tempo quanto eu conseguia lembrar-me de qualquer maneira.


Eu olhei em volta para ver quem estava por perto, mas não havia ninguém à vista. A mão de Alik de repente enrolou na parte de trás do meu pescoço, e eu ofeguei em choque. "Eu disse", Alik pronunciou em uma voz irritada com os dentes cerrados, "o que você está fazendo? Não me ignore. Eu não gosto de ser ignorado". Avistei Alik estalar os dedos de sua mão direita. Eu também vislumbrei uma contusão grande preto e azul na coxa, escondido sob o calção. Meu olhar estalou para ele com surpresa. O que tinha acontecido para ele? Ele parecia terrível. Alik percebeu o que eu estava olhando. Ele rapidamente cobriu sua contusão, mandíbula apertando com raiva. Alik virou a cabeça momentaneamente, e amaldiçoei internamente. Deve ter sido seu pai. Eu sabia que ele machucava Alik. Eu ouvi seus gritos vindos de seu quarto quando nós visitamos a casa dele, então assistimos as contusões, Alik mancando, e ocasionais ossos quebrados após a "reunião" com seu pai quando ele tinha feito algo errado. Alik nunca era qualquer coisa a não ser com raiva, qualquer outra coisa a não ser odioso... exceto comigo. Algo muda nele quando eu estava por perto. Ele nunca estava calmo, mas uma suavidade cruzou os olhos quando ele olhou para mim. "Eu... eu estava deitada no sol", eu disse suavemente, e o punho de ferro que ele tinha no meu pescoço afrouxou, mas ele não deixou ir. Alik tinha quatorze anos, mas sua força incrível era mais parecida com o de um homem adulto. Alik deixou cair sua mão. "Eu vou deitar com você." Eu não ousava interrogá-lo, então lhe ofereci um sorriso tímido e apoiei-me na toalha.


Eu estava imóvel, em seguida, pulei quando senti Alik começar a traçar as bordas do meu top de biquíni. "Alik, o que você está fazendo?", eu perguntei, tentando afastar sua mão. A mão de Alik pegou minha mão em um aperto. "Saia, Myshka. Eu estou tocando em você." "Mas..." "Cale-se! Você vai fazer o que eu digo", Alik rosnou. Fiz o que disse, apavorada demais para lutar com ele quando ele começou traçando as arestas do triângulo do meu sutiã. "Tão linda", Alik murmurou enquanto lágrimas enchiam os meus olhos. Minhas mãos começaram a tremer, mas eu só fechei os olhos e deixei Alik me tocar, senti seus lábios imprensando no meu estômago. Eu queria chorar por ajuda, mas não podia. Tão estúpido quanto parecia, muitas vezes eu sentia pena de Alik. Eu não queria que ele apanhasse mais do seu pai. Minha queixa faria exatamente isso. Fisicamente, não podia lutar contra Alik e eu certamente não queria irritá-lo ainda mais, assim eu deixei acontecer. Apesar de tudo, não seria a primeira vez. "Mmm..." Alik gemeu quando ele rodou na minha pele, o dedo à direita para baixo para as partes inferiores do biquíni. O dedo de Alik corria ao longo da borda do material, roubando toda a minha respiração dos meus pulmões. "Alik, não faça, por favor..." Eu consegui dizer, mas fui interrompida quando uma voz sussurrou: "O que diabos você está fazendo, Alik!" Em puro alívio, olhei para cima e encontrei Luka Tolstoi elevando-se acima de nós, uma expressão furiosa em seu rosto bonito.


"Foda-se, Tolstoi!" Alik assobiou quando ele agarrou meus pulsos com mais força. Os olhos de Luka abaulados na ação. Quando eu choraminguei em voz alta, Luka agarrou Alik pelos cabelos, arrastando-o de pé. Luka bateu no quadrado rosto de Alik. Alik cambaleou para trás, trazendo à tona os dedos para o lábio estourado. Ele

sorriu

friamente

para

Luka

um

ensanguentado

sorriso

perturbador. Luka se inclinou e me puxou para cima ao lado dele, me protegendo da vista de Alik. "Vá", ele ordenou. Eu me virei para fugir, lançando um olhar para trás para ver Alik me ver fugir. Ele tinha uma expressão de raiva no rosto. Eu não fiquei lá para vê-los lutar. Isso acontecia muito. Alik iria tentar tirar proveito de mim, e Luka seria o meu campeão. Eles lutariam, Alik levaria uma surra de seu pai, ou pior, do meu pai, então a vida continuaria normal por alguns dias, até que Alik fizesse isso de novo. Corri até que alcancei minha enseada favorita. Ninguém nunca vinha aqui. Eu caí contra a rocha onde eu sempre sentava, sempre me sentava com Luka. Extasiada pelas ondas quebrando na praia, eu não ouvi a abordagem de Luka. Eu pulei quando olhei até vê-lo me observando enquanto ele se inclinou contra uma rocha. "Luka!" Eu disse sem fôlego. "Você me assustou!" Luka suspirou e passou a mão pelo rosto, movendo-se em torno da pedra para se sentar ao meu lado na areia. Nós não dissemos nada a princípio, Luka também estava muito focado no bater das ondas na areia.


Seus dedos roçaram os meus dedos. Em seguida, eles enrolaram na minha mão, que ele levantou a seus lábios. Meu coração acelerou como as asas de um beija-flor. Virando-se para mim, Luka tirou uma mecha solta do meu cabelo castanho atrás da minha orelha, então me puxou para perto e embrulhou o braço livre em volta do meu pescoço. Eu relaxei contra seu corpo quente e envolvi meu braço em volta de sua cintura. Ele havia crescido muito ultimamente. Ele estava ficando tão grande e tão bonito que o meu coração mal podia aguentar. Luka suspirou alto, seu hálito quente soprando no meu cabelo. "Você tem que se manter afastada de Alik, Kisa. Ele é obcecado com você e ele é perigoso." Eu fiquei tensa nos braços de Luka e senti-o me puxar mais perto ainda. "Eu não deveria estar dizendo isso, mas o pai de Alik está o treinando para ser um lutador, um executor. Ele é duro com ele, e eu posso ver Alik tornar-se um viciado em violência. Ele adora isso, Kisa. Fique longe dele." Espremendo Luka mais apertado, eu respondi, "Eu estava deitada no sol. Talia foi às compras com sua mama. Você e Rodion saíram para o almoço com o pai. Eu não acho que eu estava em perigo. Alik só tem uma queda por mim. Ele não iria me machucar". Suspirando, Luka deu um beijo na minha cabeça, e eu caí mais contra seu corpo quente. "Eu não gosto dele. Eu não posso suportar o jeito que ele olha para você", disse Luka friamente. Lentamente, inclinando-se para trás, eu olhei nos olhos castanhos de Luka, e a da esquerda com uma mancha azul na íris, tornando-os tão maravilhosamente único. "Como é que ele olha para mim?" Eu perguntei timidamente.


"Como se ele fosse seu dono. Como se você pertencesse a ele. Quando você está por perto, ele não se concentra em qualquer outra pessoa além de você." "E por que é que isso te incomoda?", Perguntei timidamente, tentando engolir o nó nervoso na minha garganta. O belo olhar de Luka encontrou os meus e seus lábios se separaram com um breve suspiro. "Porque você pertence a mim, Kisa. Você sempre pertenceu." O rosto de Luka descongelou e ele apontou para o meu olho, então o seu olho esquerdo. "Você é uma parte da mim, lembra? Deus colocou um pedaço de você dentro de mim por isso, quando nós nascemos, todos saberiam que combinamos". Minha pele estava em chamas, mas eu sabia que não tinha nada a ver com a temperatura do sol da tarde. Tinha a ver com Luka. Luka e o conto que sua mãe e minha mãe sempre nos diziam. Eu o amava. Eu sempre o amei. Eu sempre o amaria. Luka, meu Luka. Eu tinha apenas treze anos, ele apenas quatorze anos, mas ele era muito mais do que o meu melhor amigo... Ele era o meu mundo inteiro. "Luka..." Eu sussurrei, minha alma derretendo em suas palavras. E seu lábio viciado em um sorriso. "Kisa..." ele imitou. Então, seu olhar caiu sobre meus lábios e meu coração disparou para uma velocidade quase impossível. "Eu quero te beijar agora", disse Luka, todo o humor caindo de seu belo rosto. "Mas eu... Eu nunca fui beijada antes..." Eu disse, um rubor se formando em minhas bochechas beijadas pelo sol. Luka inclinou a cabeça e me deu um sorriso torto. "Eu também não."


Meus olhos se arregalaram e alívio derretido no meu peito. "Você não?" Perguntei em estado de choque. "Quem mais poderia eu ter beijado?" Eu dei de ombros. "Eu não sei? Você tem um monte de meninas na igreja te seguindo." Luka riu e balançou a cabeça. Apertando meus ombros, ele se inclinou e murmurou, "Mas nenhuma delas é você." Luka apontou para o olho novamente. "Nós combinamos. Por que eu iria querer mais alguém? Ninguém é como você. Longos cabelos castanhos, olhos azuis e pele bronzeada, você é linda." Mergulhando meus olhos, eu empurrei meus dedos dos pés na areia, amando a sensação suave dos grãos quentes debaixo dos meus pés. Quando levantei meus longos cílios, eu encontrei os olhos de Luka e sussurrei: "Tudo bem..." Luka ficou tenso e me olhou tão a sério que meu estômago começou a fazer voltas. Sua mão liberou a minha e ele segurou suavemente meu rosto, mãos tremendo ligeiramente. "Você está pronta?", Ele disse, lambendo os lábios. Engolindo meus nervos enquanto ele se movia com apenas uma polegada da minha boca, eu confessei: "Espero não estragar isso." "Não é possível", disse Luka quando ele se inclinou totalmente para frente e pressionou seus lábios contra os meus. Tudo parecia ir tranquilo em torno de nós e meus olhos fecharam por vontade própria. Os lábios de Luka foram tão macios e, como as peças de um quebra-cabeça, se encaixavam perfeitamente contra os meus. Não houve nenhum movimento de línguas, sem carícias frenéticas de lábios, apenas dois jovens inocentes, suas bocas sentindo o toque um do outro, intimista pela primeira vez.


Finalmente se afastando, Luka tinha uma expressão de choque, fazendo meu coração bater muito lento. Mas quando a boca inchada abriu um sorriso feliz obcecado, eu sabia que o meu refletia o seu. O pesado braço de Luka me puxou para baixo a enrolar em seu peito, e eu olhei para a água brilhando em perfeito contentamento. "Como eu disse... nós correspondemos", confirmou Luka pensando para si mesmo. Eu soube então e ali que eu tinha dado a minha alma a este rapaz... Eu sabia que nunca seria qualquer outra pessoa que chegaria perto.

"Kisa?" Uma voz feminina com sotaque forte chamando para fora da minha direita. Sentada no banco de madeira, enxugando as lágrimas de minha memória sagrada da infância, Mama Tolstoi veio à tona. Ela também estava vestida toda de preto, cor tradicional do luto. Nem um dia se passara em doze anos sem que a Mama de Luka não usasse preto. Levantando, sorri para Mama Tolstoi e abracei-a. "Como vai você, mamãe?" Seus olhos castanhos — os mesmos olhos de Luka — então olhou para Cristo na cruz e encolheu os ombros. "Hoje é um dia muito difícil, minha menina." Meu estômago caiu e eu balancei a cabeça, incapaz de falar através da ameaça de lágrimas. Talia se juntou a nós no banco, e eu vi seus olhos avermelhados. Ela mal conseguia encontrar o meu olhar. Hoje era o nosso pesadelo mútuo.


"Ele faria vinte e seis anos hoje," Mama Tolstoi acrescentou. As lágrimas que tinham sido uma ameaça, finalmente escorriam lentamente pelo meu rosto. Mama Tolstoi estendeu a mão e agarrou a minha mão. "Vocês dois estariam casados e talvez eu tivesse fosse uma avó agora." Seus olhos olharam por cima e ela acrescentou: “Ele teria amado você por toda a sua vida. Você pareceria tão bonita no dia do casamento e meu Luka pareceria tão bonito em um smoking. Sua mãe teria sorrido lá do céu naquele dia, Kisa. O coração dela teria sido tão completo em ver vocês casarem sob os olhos de Deus". A imagem que Mama Tolstoi conjurou poderia muito bem ter sido um punhal no meu coração. Ela espremia minhas mãos para ganhar a minha atenção depois que eu tive que desviar o olhar, muito chateada com o que ela tinha dito. Olhei em seus olhos castanhos tensos quando ela segurou minhas mãos com força e disse: "Ele não fez isso, Kisa. Ele não teria matado seu Rodion. Meu menino, seu amor, não teria tomado a vida de seu melhor amigo. Ele foi injustiçado. No fundo, você sabe disso." Curvando a cabeça, as lágrimas vieram grossas e rápidas. Eu acreditava nas palavras dela, mas eu ainda me lembrava dos olhos de Rodion vitrificados com a nova presença da morte, Alik esfaqueado e no hospital. "Mamãe, venha", disse Talia, interrompendo o apelo de sua mãe por seu filho perdido. Talia moveu-se em torno dela para pressionar um beijo na minha bochecha. Envolvendo o braço em volta dos ombros de sua mãe, Talia a levou para fora da igreja, deixando-me sozinha na sala expansivamente ornamentada, todos os santos olhando para mim, malignamente assistindo meu desespero.


"Kisa?" Padre Kruschev disse, e eu lancei o meu olhar para a parte de trás da sala. "Você ainda está bem em se juntar a nós no caminhão?" Soltei um suspiro de alívio que o Padre Kruschev tinha encontrado algo para eu fazer, andei até à parte de trás da igreja. Vireime mais uma vez para olhar para o altar e sussurrei: "Que Deus abençoe sua alma, Luka... Eu te amo, lyubov moya, meu amor... Eu sei que fui feita para você também... Nós combinamos... você era parte do meu coração...”


Capítulo Sete Kisa

"Kisa, você fica no caminhão. Você esteve nas ruas na noite passada. Mantenha-se na segurança do caminhão hoje à noite," Padre Kruschev disse quando soltei meu cinto e pânico passou por mim. "Se estiver tudo bem, Padre, prefiro estar fora. Eu preciso de ar fresco." Padre Kruschev me deu um sorriso simpático. Ele acreditava que era por causa do aniversário de Luka. Eu confesso, em parte era, mas eu não poderia mentir para mim mesma. Eu tive que admitir que queria ver o homem novamente — meu defensor. Quem era o sem-teto... Fechei os olhos e me balancei. Eu estava perdendo minha cabeça de vez! Fechando a jaqueta de couro que eu tinha trazido com meu vestido preto, eu saí para a rua. Isto era quente, mas sem a jaqueta, Alik pensaria que eu estava mostrando muita pele. Pavel me lançou um sorriso cansado. "Volta conosco esta noite, Kisa?" Dei de ombros e ajudei um dos outros voluntários a carregar os pacotes de suprimentos para a rua. Quando todo mundo saiu, eu


peguei meus pacotes e me dirigi a leste para onde eu tinha visto o homem sentado na rua. Passando três pessoas sem-teto, dois homens, uma mulher, fiz um rápido trabalho de dispensar os pacotes e virei a esquina para o próximo bloco, rezando que eu iria ver o homem agachado. Respirando fundo, eu me virei para a rua e, no canto mais distante, mais escuro, vi uma grande sombra e um frasco de vidro brilhando do poste nas proximidades. Meu coração começou a correr como se corresse a maldita Maratona de Nova York, e verificando que não havia sinal de perigo na minha vizinhança, mudei-me em silêncio do outro lado da rua para ficar bem na frente do homem, seu cinzento casaco no lugar, capuz puxado sobre os olhos, seu corpo imóvel como pedra. O frasco em sua mão tinha moedas e notas aleatórias nele, mas ele só estava cheio até a metade. Como

na

noite

passada,

eu

estava

imediatamente

impressionada com ele. Desta vez, a sua posição estática me permitiu realmente avaliar seu quadro. Ele era grande. Talvez 99 quilos, atlético, ligeiramente mais volumoso do que Alik. Suas calças de treino pretas estavam cobertas de sujeira, e em uma inspeção mais próxima, notei que suas mãos estavam cobertas de pele áspera, quebrada, sangue seco claramente gravado na carne. "Ol... Olá?" Eu consegui perguntar, minha voz tremendo como uma folha em uma tempestade. Ele não se moveu. Parecia que ele estava quase sem respirar. Eu queria que ele olhasse para cima. Desejei que ele empurrasse para trás o material cinza grosso de seu capuz e olhasse para cima em minha direção. Eu tinha que colocar um rosto para as ações de ontem à noite. Algo no meu intestino me empurrou para fazer uma conexão, para obter um nome... uma imagem, alguma coisa.


Mas ele não fez nada. Olhando por cima do meu ombro, eu percebi a rua tranquila e curvei lentamente, cautelosamente observando o homem o tempo todo. Ele não vacilou. Por um tempo, eu me perguntava se ele era surdo. Qualquer barulho que fazia não o fez parecer registrar. "Desculpe? Você está bem?" Eu disse, segurando minha respiração enquanto esperava ele olhar para cima em resposta. Nada. Aproximei-me mais. "Estou com a igreja. Você me salvou ontem à noite. Você se lembra? Você precisa de qualquer coisa? Mais alimentos, cobertores? Você poderia, por favor, falar comigo?" Nada ainda. Absolutamente nada. Sua camisa cinzenta estava fechada, escondendo o que eu imaginei que fosse um peito largo. Seus ombros eram enormes, músculos visíveis através do material grosso. Suas pernas estavam cruzadas enquanto ele segurava o frasco no chão. Meu coração batia furiosamente, palmas das minhas mãos suavam, e eu encontrei-me estendendo a mão para puxar o capuz para trás. O

material

deslizou

para

trás

como

se

eu

estivesse

desembrulhando um presente de Natal. Não, não era seguro. Eu tinha observado este homem em ação. Ele matou um homem sem remorso. Estender a mão para ele seria como colocar a mão na jaula de um animal selvagem. Eu não tinha ideia se era uma ameaça para mim ou não. Um corte de cabelo cor de areia bagunçado emergiu, seguido pelo mais belo rosto esculpido que já vi. A testa larga, bochechas


européias

definidas,

uma

mandíbula

forte,

lábios

perfeitamente

completos, e restolho cobrindo sua pele dourada. Os olhos do homem permaneceram cabisbaixos, como se ele não tinha sequer sentido o material de seu capuz sendo empurrado para trás de sua cabeça. A única indicação de que ele tinha me notado em tudo foi o ligeiro aperto de seus dedos no frasco que ele estava segurando. Minha respiração acelerou e tudo que eu podia fazer era olhar. Fiquei impressionada, muda ainda pela sua aparência, sua aparência nua e crua despenteado. Meu estômago estava apertando, minhas mãos começaram a tremer, e minha boceta começou a doer. Ele era perfeito — selvagem, áspero, — absoluta perfeição. "Você... você precisa de alguma coisa?", Perguntei novamente através de uma garganta obstruída, minha voz quase um sussurro. "Por favor, fale comigo", eu implorei, sentindo drenar a esperança de meus membros. "Eu quero agradecer a você por salvar-me." Mais uma vez, não houve resposta, e eu percebi que não ia conseguir alguma coisa com este homem. Estudei seu rosto nitidamente caracterizado. Ele parecia estar em seus vinte e poucos anos, mas com sujeira e sangue seco cobrindo seu rosto, na realidade, ele poderia ser mais velho. Encontrei-me desesperada para saber sua história. Por que estava aqui? Quem era ele? Mas o seu silêncio empurrou-me embora. Chupei ar quente em meus pulmões em uma tentativa de acalmar. Eu não sabia por que isso era importante para mim. Mas eu tinha que saber por que ele estava coletando dinheiro. O que era isso? Será que ele realmente precisa de ajuda? Eu me ajoelhei ali por alguns minutos apenas ouvindo a sua respiração profunda. Então suspirei e coloquei o pacote de comida e cobertores aos seus pés.


"Eu... É melhor eu ir", eu anunciei e, lentamente, levantei-me. Eu estava prestes a virar-me quando o homem limpou a garganta, e eu congelei. "Dinro", foi tudo o que eu ouvi, com a voz rouca, profunda ininteligível. Eu me virei para encará-lo. Sua cabeça ainda estava abatida. "O quê?", Eu perguntei urgentemente e abaixei-me até meus joelhos baterem no chão, rezando para que ele falasse novamente. Seus dedos agarraram o frasco e ele inclinou-se em minha direção. "Dinheiro", ele rosnou. Eu visivelmente tremi no profundo timbre de sua voz feroz. Era primordial, animalesco. Bati uma mão no meu peito enquanto eu lutava para respirar. Mergulhei meus olhos para tentar encontrar o seu, mas o queixo ficou abaixado até que ele quase tocou seu peito rasgado. Ele podia sentir que eu estava tentando fazer contato visual, ainda que ele não me deixasse vê-lo. Enchi meus pulmões com o ar úmido da noite, sentindo sua dor, eu perguntei, "Dinheiro? Você precisa de dinheiro?" Um grunhido me disse que eu estava certa, e eu me abaixei mais longe. "Quanto?" Nada aconteceu por alguns segundos, antes de uma de suas mãos ásperas soltar o pote e ele enfiar a mão no bolso, retirando um pedaço rasgado de papel. Ele estendeu-o para eu pegar. Eu alcancei e quando meu dedo roçou o dedo quente, uma corrente como um parafuso de tiro de eletricidade percorreu através do meu corpo. Eu quase saltei para trás com a sensação. Ele deve ter sentido também porque quando nossos dedos se tocaram ele puxou sua mão para trás e enfiou-a no bolso.


Com as mãos trêmulas, eu desdobrei o papel enrugado e meus olhos viram um número: dez mil. Meus

olhos

fixos

no

homem

cujos

lábios

estavam

completamente franzidos. "Dez mil?", Eu sussurrei, mas ele não disse nada. "Dez mil?", Eu disse mais alto, traindo minha descrença. "Para que você precisa de tanto dinheiro?" Sua mão livre apertou lentamente em um punho e a ferida na pele começou a infiltrar-se com gotas de sangue. Eu fui tomada pelo medo enquanto eu observava as gotas caírem no chão seco do sol. "Vingança", ele rosnou. Surpreendi-me com a gravidade do seu tom de voz, a sua voz áspera, sua voz que causou borboletas no meu estômago. "Vingança?", Eu sussurrei em confusão, lutando para manter os nervos da minha voz. Sua mão apertou e afrouxou e mais uma vez retomou o seu lugar no pote. "Vingança... vingança contra o homem que mentiu." Eu lentamente me levantei, sem saber o que fazer, sem saber se era certo financiar sua... vingança. Eu queria empurrá-lo para mais, mas ele voltou a ser uma estátua. Olhei para o dinheiro no pote. Ele tinha cerca de cinquenta dólares, se tivesse. Ele nunca ia levantar esse dinheiro aqui nas ruas. Era impossível. O que ele estava fazendo era desesperador. Corri a mão pelo meu cabelo e quase ri. O que diabos eu estava fazendo? E eu estava seriamente contemplando dar-lhe dez mil? Por vingança? Até agora, o próprio pensamento deveria ter me enviado correndo para as montanhas, mas eu era uma princesa da Bratva, a


única filha do Pakhan. Vingança punha comida na mesa da minha família; garantiu que todos nós vivemos para ver outro dia. A vingança era modus operandi da minha família, o legado de minha família. E dez mil não era nada para a família de Kirill Volkov. Eu poderia conseguir este montante esta noite no cofre do ginásio. Ninguém além de mim sabia que o dinheiro estava lá. Inferno, ninguém iria sentir falta. Era doação de Natal do ginásio para a igreja. Mas eu estava indecisa. Era para a caridade e era destinado para a igreja; no entanto, eu já estava muito convencida de que dando o dinheiro para um único homem dobrado em vingança, embora não sendo a idéia original do Senhor de esmolas, foi o suficiente para a caridade. Este homem misterioso tinha salvado minha vida. Ele matou meu agressor para salvar a minha vida. Era dinheiro de sangue, o pagamento de um pecado contra a carne. O que era dez mil dólares comparados com isso? Agachando-me, coloquei o pedaço de papel em cima do seu pote e prometi: "Eu volto mais tarde hoje à noite". Levantei e corri de volta para o caminhão e, do meu celular, chamei Serge para me pegar. Dez minutos depois, ele chegou e eu fiz as minhas desculpas ao padre Kruschev. Eu pulei no banco de trás do carro e Serge virou seu corpo de frente para mim, a preocupação em seu rosto. "Senhorita. Kisa, o que há de errado? Aconteceu alguma coisa?" Balançando a cabeça, eu perguntei, "Serge, eu preciso de um favor. Por favor, você pode me levar para o ginásio, em seguida, voltar aqui?" Eu olhei para ele através dos meus cílios, a culpa deste pedido jogando pesado no meu coração. "Mas não diga a Papa ou Alik." Serge olhou para mim e seus olhos cinzentos se estreitaram ligeiramente. "Você está em apuros, senhorita?"


Eu balancei minha cabeça. "Será que isso vai contra algo que foi ordenado a não fazer?" Serge empurrou ainda mais. "Não", eu sussurrei. "É algo que eu quero fazer para alguém... algo para pagar uma dívida. Mas Alik não ficaria feliz. Ele acha que eu teria traído suas ordens." Serge deixou escapar um longo suspiro, mas, deixando cair a cabeça virou-se e afivelou o cinto de segurança. "Eu espero que você não esteja mentindo para mim, senhorita Volkova", disse ele, e eu exalei uma respiração reprimida. "Eu não estou, Serge. Eu juro." Serge deu um breve aceno de cabeça e silenciosamente puxou para a rua. Um tempo depois, chegamos ao ginásio. Serge me aguardado enquanto eu deslizei para dentro e corri até meu escritório. Eu rapidamente abri o cofre escondido na parede, peguei o dinheiro e enfiei na minha bolsa. Depois de trancar a minha porta do escritório, Serge me olhou com desconfiança em seus olhos, mas eu passei por ele sem dizer uma palavra.

Obediente,

ele

me

seguiu

para

dentro

do

carro.

Em mais vinte minutos, nós estacionamos em frente a rua onde o caminhão de alimentos tinha parado, só que desta vez em toda parte estava deserta. O caminhão da igreja tinha ido embora e a maioria dos sem-teto estavam dormindo sob seus cobertores. Eu abri a porta, agarrando minha bolsa, quando Serge abriu a porta e saiu para a calçada. "Serge? O que você está fazendo?", Perguntei em pânico. Serge cruzou os velhos, mas ainda musculosos braços sobre o peito, seu terno preto que parecia muito apertado. "Senhorita Volkova, eu poderia ter concordado em acompanhá-la para o ginásio e para cá,


mesmo que isso não estivesse sobre a lista aprovada do Sr. Volkov ou do Alik, mas não há nenhuma maneira de eu deixar você caminhar por estas ruas sozinha a esta hora da noite." Eu dei um passo para frente, um olhar suplicante cobria meu rosto. "Por favor, Serge. Eu preciso dar a um sem-teto. Aqui há algum dinheiro e eu tenho que fazer isso sozinha." Serge balançou a cabeça em desespero e saiu para frente, segurando gentilmente meu bíceps em sua mão. "Kisa, o que diabos está acontecendo?" Baixei os olhos. "Eu... eu..." Eu estourei uma respiração afiada e encontrei os olhos de Serge. "Serge, eu fui atacada na noite passada enquanto fazia o trabalho da igreja. Eu estava em um beco, sozinha, onde me foi dito para não ir, distribuindo um pacote de suprimentos para um dos frequentadores, quando um cara tentou roubar minha bolsa e colocou uma lâmina na minha garganta. Ele... ele ia me matar." Serge virou uma sombra mortal como um fantasma, olhos procurando em torno de nós. "Quem? Quem diabos atacou um Volkov? Eu vou matá-lo!" "Não!" Eu assobiei e sacudi o braço de Serge. "Isso é o que estou tentando dizer. Outro homem sem-teto veio em minha defesa. Inferno, Serge, ele acabou matando meu atacante. Eu... Eu devo a ele, e ele precisa de dinheiro. Eu quero ajudá-lo em troca de me salvar." "Puta que pariu, Kisa!" Serge gemeu. Eu podia ouvir como ele estava chateado por sua apertada acentuada voz. "Por que diabos você não contou a seu pai quando você chegou em casa?" "Eu não poderia, Serge. Alik teria descoberto. Ele não iria entender que o homem me salvou. Ele iria pensar que havia mais do que isso. Ele mataria o homem que salvou minha vida, por ciúmes.


Você sabe que ele me proíbe de falar com os homens." Fiz uma pausa e deixei pairar no ar. "Você sabe disso, Serge. Você sabe como ele é." Serge verificou que a área estava limpa. "Vamos lá. Você tem dez minutos." Atirei na direção de onde o homem estava sentado. Virando a esquina, eu estava aliviada por ver que ele não tinha se movido. Seu capuz estava firmemente puxado para baixo e sua mão ainda estava enrolada em torno do pote. "Não", eu sussurrei para Serge. Seus olhos seguiram a direção em que o meu dedo apontou... e ele recuou em choque quando ele pôs os olhos no grande quadro do mendigo. "Aquele homem? Cristo, Kisa!", Ele perguntou. Sem lhe dar uma resposta, eu trotei pela rua, fazendo sinal para Serge ficar um pouco para trás. Ele assim o fez, relutantemente. Cautelosamente me aproximando do homem, deixei meus saltos clicarem no asfalto para que ele pudesse ouvir a minha abordagem. Ajoelhei-me diante dele e, exatamente como antes, vi suas mãos tensas. Era como se ele estivesse esperando ser atingido... ou ele estava preparando-se para lutar. "Está tudo bem... Sou eu, de novo... a mesma de antes," eu disse e revirei os olhos para o quão estúpida eu soei. Isto foi patético. Eu era patética fazendo isso! O homem não disse nada, não que eu esperava que o fizesse. Então abri minha bolsa e comecei a puxar para fora o dinheiro, empurrando-o para o seu pote. Eu comecei quando eu vi a sua cabeça ligeiramente subir, observando-me encher o frasco até a borda. Em um flash, ele estendeu a mão e agarrou firme na minha mão. Não reagi,


com medo de Serge vir correndo. Sentindo-me corar com o toque de sua mão áspera, eu joguei a última nota do dinheiro dentro do frasco e peguei o som de sua respiração pesada. "Está tudo aí, tudo que você precisa", eu disse calmamente. De repente, o som de um tiro ecoou na distância. Isso me fez pular e agitar minha cabeça em torno para olhar para Serge. "Merda! Fique aqui!" Serge ordenou e decolou ao virar da esquina para verificá-la, sua Beretta foi puxada de sua jaqueta e agora estava firmemente em sua mão. Minha atenção mudou-se para o homem novo, cuja mão havia soltado a minha. Ele foi enroscando o início para o pote enquanto levantou-se. Assim que ele estava de pé, eu estava diante dele e tentei olhar em seus olhos. Sua cabeça mergulhou de novo e eu queria gritar de frustração. Enfiando o pote debaixo do braço, ele recuou. Eu sabia que ele estava prestes a decolar e desaparecer na noite. Mas em um momento de desespero, eu estendi a mão e agarrei a manga da camisa, fazendo-o parar. Ele puxou o braço para trás e caminhou para frente, fazendo-me recuar com medo. Minhas costas bateram contra a parede lisa e ouvi um baixo, ameaçado resmungar emergir de sua boca, deixando claro que eu não deveria tê-lo tocado. Por um breve momento, eu temia que ele fosse me atacar. Segurando minhas mãos para fora para a proteção, o peito largo bateu contra as palmas das minhas mãos, tudo duro, definidos músculos debaixo de sua camisa quando ele empurrou para frente, as mãos começaram a tremer. Eu podia sentir seus batimentos cardíacos batendo contra a palma da minha mão, ele foi levantado, fumegando no local. Cada parte de mim preenchida com medo, agravada por uma luz de rua acima de nós que cintilou dentro e fora, iluminando seus dentes cerrados.


"Espere! Desculpe-me," eu disse rapidamente. O corpo do homem congelou. "Eu... Eu só queria ver seu rosto... antes de sair. Eu queria ver o homem que me salvou." O capuz escuro inclinou lentamente para o lado, e a ascensão pesada de seu peito parecia aumentar. Ele não queria me deixar ver seus olhos. Isso só me deixou mais curiosa. Mantendo o pote debaixo do braço esquerdo, ele parou de empurrar contra minhas mãos. Tendo a chance, enquanto eu podia, eu cautelosamente alcancei e puxei seu capuz. Meus olhos foram em seu rosto quando ele entrou em vista, mandíbula forte, cabelo loiro areia rebelde, seu rosto mal barbeado escuro, maçãs do rosto salientes, e... Esperei ansiosamente para a cabeça subir e, finalmente, encontrar meus olhos. Ele fez com meticulosa lentidão, longos cílios escuros, abatidos, como se estivesse lutando contra seus instintos, como se a gravidade estivesse mantendo os olhos puxados para baixo. Até que, com as narinas dilatadas e sua respiração soprando forte, ele perdeu a batalha para manter seu anonimato e suas pálpebras levantaram para revelar as íris escuras debaixo. O olhar duro de repente me perfurando... Então o tempo parou, a capacidade de respirar... o meu mundo inteiro. Engasgada com um suspiro, minha mão voou para a minha boca e minhas pernas cederam debaixo de mim. Num minuto, a minha bunda caiu duramente no chão e calafrios subiram pela minha espinha. O rosto do homem estava em branco quando ele se elevou sobre mim, sabendo que eu tinha sido derrubada por seu olhar. Ele era cru, selvagem, e estava olhando para mim como um assassino antes de rasgar sua vítima, um predador antes de devorar sua presa. Não havia nenhuma emoção em sua expressão, nenhuma compaixão por mim agora sentada na calçada, não há gratidão a uma generosa doação. Ele


era tão frio quanto um inverno ártico... mas ele era um belo monstro, e ele não tinha idéia de por que eu me desesperava. Ouvindo o chutar de uma lata para baixo do outro lado do beco nas proximidades, o homem puxou o capuz, disfarçando-se e, num piscar de olhos, correu para longe na escuridão. Eu

não

conseguia

puxar

oxigênio

em

meus

pulmões,

respiração ofegante enquanto eu tentava. Aqueles olhos... aqueles olhos estavam gravados em meu cérebro, eles foram soldados em minha alma. Minha voz foi roubada pelo choque do que eu tinha acabado de ver. Olhos castanhos... um par de ricos olhos cor de chocolate, a íris esquerda manchada com um flash de azul... o azul exato dos meus olhos... assim como... Não... como poderia ser? Ele morreu... Ele tinha morrido mais de 12 anos atrás. Aquele homem era um monstro, um assassino, desprovido de emoção, com pouca capacidade de se comunicar. Luka... Luka era meu melhor amigo, meu amor, um menino Bratva... Ele morreu... Mas... Mas...? "Kisa!" A voz de Serge cortou meu pânico. De repente, aparecendo diante de mim, com os braços instantaneamente me pegou do chão. "Que diabos?", Ele cuspiu antes de me transportar de volta para o carro, me colocando no banco traseiro. "Merda!" Ele me perguntou várias vezes o que estava errado, mas eu não sabia o que dizer, o que acreditar... Minha mente continuava repetindo o que eu tinha acabado de presenciar. Olhos castanhos... ricos olhos cor de chocolate, a íris esquerda manchada com um flash de azul ... a mesma cor dos meus olhos.


"Kisa!" Serge chamou a partir do assento do motorista quando ele despediu-se do carro. "O que aconteceu? Está machucada?" Eu balancei a cabeça em resposta às suas perguntas cada vez mais frenéticas, o tempo todo segurando meu cinto de segurança com punhos, mãos trêmulas. "Porra! Então o quê?" Serge empurrou. "Onde é que o homem foi? Por que você está chorando? Tremendo?" Eu encontrei os olhos de Serge com o meu olhar vazio, ainda muito ocupada repetindo a cena na minha cabeça para realmente ver ele. Não poderia ser Luka... Era impossível... Ele estava morto... Meu coração explodiu como um canhão. Serge bateu com o punho pesado para baixo no volante e ameaçou, "Kisa! Você me diz o que está errado ou que eu estou dizendo a seu pai que você pegou o dinheiro do ginásio e entregou-o na rua para um sem-teto!" O silêncio encheu o Lincoln. Eu respirei fundo, passei meus braços em volta da minha cintura, e sussurrei: "Eu... eu acho que eu acabei de ver um fantasma..."


Capítulo Oito 818

"Então você está pronto para matar ou você está pronto para ser morto?" Enquanto eu me sentei no banco no quarto dos fundos, os gritos de centenas de homens gritando suas apostas para além da porta fizeram minhas mãos tremem com os nervos. 362 sentou na minha frente, sorrindo com um sorriso sacana quando ele passou a mão em um sujo bermudão esportivo branco. Esse cara esteve na minha bunda desde que eu cheguei há um mês. Ele era três anos mais velho do que eu, um dos melhores lutadores de sua divisão aqui no Gulag, mas ele imediatamente me viu como uma ameaça. Três anos mais jovem, eu ainda combinava com seu tamanho. Por algumas semanas, o diretor me levou para um ginásio, me fez treinar em técnicas de luta, me dizendo que eu teria meu primeiro jogo em breve. Todos os dias, eu faria esteira, treinar, comer e dormir. Eu tinha uma rotina, mas meus sonhos foram atormentados como garoto que eu tinha visto no anel. Aquele com o olhar em seus olhos mortos, as entranhas de seu oponente na lona. Eu sabia que seria logo, forçado a matar ou ser morto. 362

me

olhou

esperando

pela

minha

resposta.

"Eu vou matar quem diabos fica no ringue comigo", eu prometi. O sorriso de 362 apenas cresceu mais amplo no meu tom chateado. Concentrei


minha atenção no chão dos azulejos brancos, concentrando-me em tudo o que eu trabalhei. Minhas pernas saltaram quando o barulho da gaiola ficou mais alto, e eu sabia que a luta atual estava chegando ao fim. Minha pele estava se contraindo do tiro que eu estava recebendo todos os dias. Meus músculos estavam crescendo, doendo toda hora. Eu estava suando constantemente e eu estava agitado 24-7, qualquer coisinha me irritando. "Você vai se tornar viciado, você sabe", disse 362, e meus olhos foram para ele, raiva disparando pelas minhas veias. Seu cabelo preto longo correu pelas costas, e ele empurrou o queixo na direção da porta que dava para a jaula. "Lá fora, todos os homens apostando em sua força, da sua vontade de sobreviver. Você vai se tornar viciado. Você vai viver para a matança... viver para ver o dreno da força da vida a partir dos olhos dos adversários. Nessa gaiola nós dois somos deuses e monstros." Minha boca apertada e todos os meus músculos tensos. "Nunca", eu cuspi de volta, minha voz soando mais profunda, mais áspera. 362 simplesmente riu. "Esta é a sua primeira luta. Você não tem ideia de como vai se sentir", ele zombou. Punhos cerrados, eu disse categoricamente: "Eu vou fazer o que eu preciso fazer para sair daqui. É isso aí. Eu não sou como você. Eu não vou gostar." 362 ficou de pé e se aproximou de mim. Eu estava de pé, no frio de concreto sob os meus pés, e nos enfrentamos. Eu era russo; alguma peça georgiana de merda não ia me superar. "Não gosta de mim?" 362 interrogou. Eu apertei minha mandíbula e olhei em seus olhos mortos do caralho. Ele sorriu, em seguida, deu um passo mais para frente até que seus pés tocaram o meu.


"Você vai acabar exatamentecomo eu. Você vai morrer por dentro. Vai ter derramamento de tanto sangue que é tudo que você vai ver. No início, você vai odiá-lo, mas com cada morte, você vai precisar dele mais e mais, como uma porra de droga. Você vai mudar. Quem você é agora deixará de existir. Você vai esquecer quem você era. Você vai esquecer alguém que você já amou."362 sorriu um sorriso seco, mas depois seu rosto ficou em branco. "Eu estive aqui em anos." Sua cabeça inclinou para frente até que sua boca estava no meu ouvido, mas eu me segurei no chão. "E eu não tenho ideia do caralho quem eu era antes de eu ser trazido a este inferno. E no tempo, nem você." Minha respiração veio com dificuldade, mas, em seguida, mudou-se de volta para 362. Antes que eu mesmo o visse levantar um braço, ele arou o punho na minha barriga, minhas pernas dobrando quando eu caí no chão. "Aproveite a sua primeira luta... Eu vi o seu adversário. Você não deve morrer esta noite, enquanto você mantiver os olhos atentos". Cuspe pousou no meu rosto enquanto eu me levantei do chão e tropecei em meus pés. O repentino boom da torcida estridente irrompeu da gaiola. Meu coração começou a correr. A arma na cave soou. A luta atual tinha terminado. Um lutador havia morrido. O outro agora sabia o que era matar. E agora era a minha vez. Soaram passos no corredor do lado de fora, parafusos destravaram, e a porta de aço se abriu, um guarda apareceu diante de mim. "Saia", ele ordenou.


Olhando para a cabine de volta no vestiário, avistei 362 praticando com um vaivém, sua escolha de lâmina de arma. A lâmina fina girou em torno de seus dedos enquanto me observava passar, o seu rosto traindo nenhuma emoção. O guarda sorriu enquanto eu caminhava em direção a ele e estendi minha mão para ele algemar. Meu estômago ficou tenso quando ele

olhou

para

mim;

minha

pele

se

arrepiou

com

nojo.

Uma vez que meus pulsos estavam amarrados, o guarda me arrastou para o corredor úmido, me puxando para baixo pelo conjunto de escadas íngremes até que a porta se abriu e eu entrei na multidão de homens em torno da gaiola. Minha respiração ecoou em meus ouvidos quando me aproximei da gaiola de metal octogonal onde o Gulag esperou. Alguns lugares ao redor do lado de fora da gaiola foram tripulados por guardas que tomam o dinheiro dos espectadores. O guarda nas minhas costas me empurrou para frente. Em seguida, ele desfez minhas algemas. O diretor me agarrou pelo pescoço e me jogou em direção a uma mesa cheia de armas. "Escolha", perguntou ele. Nervoso, eu olhei para o que estava em oferta: lâminas, machados, vaivém, correntes... e, no final, um par de soqueiras de lâmina prata. "Escolha!" O diretor zombou. "Não temos toda a porra do dia!" Alcançando a frente, eu agarrei as soqueiras perfurantes, deslizando-as para minhas úmidas mãos, a sensação do aço contra a minha pele era tão estranha. O guarda atrás agarrou meu braço e, me virando para encarar a multidão, apontou para o número que tinha tatuado no meu peito —


818. Dezenas de olhos focados em mim, e começou o dinheiro mudar de mãos. O guarda me fez ficar por muito tempo, como um animal no show. Eu examinei os rostos desconhecidos da multidão, coração trovejando no meu peito, as palmas das mãos suando, e do medo da morte iminente quase paralisando as minhas pernas. Uma arma de tiro soou e, de repente, o guarda me empurrou até alguns passos no octógono claustrofóbico. Um menino da minha idade segurava um machado; ele estava sendo empurrado para dentro do octógono a partir do lado oposto. Meus olhos estavam grudados no seu. Ele era da minha altura, mas ele era mais magro. Ele também usava apenas calções pretos, o número 591 tatuado em seu peito. Quando ele tropeçou na gaiola, mijo escorria pelas pernas. Eu podia ver pela agitação de um machado em sua mão direita que ele estava apavorado. As portas da gaiola se fecharam. O diretor ficou de fora e bateu na parede da jaula, o som soando como um trovão. "Apenas um de vocês sai vivo. Sem brincadeira. Sem rodadas. Nem quebrar. Basta matar." Meus olhos se arregalaram enquanto eu tomava em suas palavras, mas eu sabia que isso era para o que eu estava aqui. Eu tinha que matar este menino para sobreviver. O menino olhou para mim; pela forma como ele estava, eu sabia que ele não podia lutar. Mas meu pai tinha me ensinado desde cedo como cuidar de mim mesmo. Eu sabia como lutar. Eu sabia como infligir dor... Eu sabia como matar. Uma arma soou, ea articulação entrou em erupção. Os homens estavam martelando a gaiola como animais famintos; eles gritaram coisas que eu não poderia fazer.


O diretor gritou para que a luta começasse e adrenalina encheu meus músculos. Meu oponente ficou congelado no local, com os olhos errantes na multidão doente de medo. Meu pulso bateu mais rápido, batendo o maçante ensurdecedor barulho nos meus ouvidos, abafando o barulho dos espectadores. "Mexam-se!" Gritou o diretor. Ele havia perdido sua merda. Nossos dois guardas estavam às portas atrás de nós, rifles destinados diretamente para nossas cabeças. A auto-preservação pegou; Mudei-me para o centro do anel, meu adversário recebeu uma batida na cabeça por sua guarda. O rapaz cambaleou para frente, batendo em meu peito. O volume da multidão aumentou dramaticamente quando nossos corpos colidiram. Aproveitando-se da minha posição mais forte, eu soquei a minha mão direita e atingi o quadro do menino em sua mandíbula. Sangue banhouo rosto do menino. Atordoado, o rapaz caiu, batendo no chão de volta. Vendo a minha chance, eu montei sua cintura e golpeei-o novamente na face. Surpresa registrou no rosto do menino quando golpe após golpe choveu em cima dele. Dentes caíram no chão e rasguei sua carne sob as bordas cravadas de minhas soqueiras. "Por favor..." o menino sussurrou, sua voz calma soando como uma sirene de nevoeiro no meio da insanidade além da gaiola, "Não me mate... Eu não quero morrer... Eu estou com medo..." Meu intestino torceu ao ouvir seu apelo e meus ombros caíram. Eu estava exausto e respirando acelerado. Olhando ao redor da sala sombria mal iluminada, meus olhos bebiam no uivo, sedentos de sangue na multidão, e meu estômago se encolheu em desgosto. Homens crescidos.

Homens

crescidos

torcendo

para

crianças

triturar

uns aos outros, para rasgar o outro à morte. Limpando uma gota de suor da minha testa com a palma da minha mão enfaixada, eu rolei para fora do 591 choramingando e subi para os meus pés. Os guardas levantaram suas armas para o meu


movimento. Eu bati a malha metálica de gaiola, que gemeu como se estivesse sentindo dor. "O que você está fazendo, rapaz?", um dos guardas perguntou. Tudo parecia abrandar, meu pulso latejando muito lento. O diretor circulou a gaiola até que seu rosto irritado estava a polegadas do meu do outro lado do metal. "Volte e acabe com ele!" Náuseas construíram em minha garganta enquanto eu olhava para o rosto duro do meu guarda. Ele tinha que estar na casa dos cinquenta e foi construído como um tanque. O cano da arma estava apontado diretamente para minha testa. "Você tem cinco segundos para voltar lá e matar esse covarde,ou eu vou atirar em vocês dois." Eu ouvi uma ameaça semelhante a ser emitido a partir do lado oposto da jaula. Ouvindo um grito alto, eu virei a tempo de ver 591 carregando seu machado erguido para mim. Embora chocado com este movimento, eu esquivei fora do caminho e mergulhei para o chão, exatamente a tempo de ver 591 acertando acidentalmente no metal da gaiola, o machado batendo com força contra os elos de aço. Ele se virou para me confrontar, olhos enlouquecidos, a brancura dos dentes cerrados que brilham através de sua boca sangrando. 591 ofegava como um animal raivoso. Eu sabia o que tinha de ser feito. Minha resposta para luta chutou, enviando uma onda de energia por todo o meu corpo. Quando cobrei 591 em mim, eu deixei cair e envolvi uma perna ao redor de sua panturrilha. 591 perdeu o equilíbrio. Quando ele caiu no chão, sem pausa, eu pulei em suas costas. Ergui as soqueiras,

cravando

as

lâminas

apontando

para

baixo,

e

com um soco rápido e um rugido ensurdecedor, apresentei-as na parte inferior do seu crânio. Imediatamente, o corpo de 591 se afrouxou debaixo de mim.


A arma disparou e a torcida vibrava enquanto o sangue começou a jorrar da ferida de 591 para o concreto. Chocado, eu não podia me mover. Olhando fixamente para baixo, vi que a minha arma branca ainda estava incorporada em seu crânio. Eu puxei as lâminas, e vômito derramou da minha boca quando pedaços de ossos e carne saíram com eles. Uma mão agarrou meu pescoço, me puxando para os meus pés. Um pé arrancado fortemente pressionado em 591; seu cadáver rolou. 591 de olhos sem vida olhou para mim, rasgando meu coração culpado. Eu tinha matado. Eu tinha tirado a vida de uma pessoa. Cambaleando para frente auxiliado por um empurrão nas minhas costas, eu estava mais uma vez arrastado pela multidão dos homens, desta vez trocando dinheiro. Meu guarda me jogou no chão do vestiário na parte de trás do porão. A porta de aço rangeu quando bateu. Eu trabalhei em tomar respirações longas, profundas enquanto eu lutei com o poço de dor no meu estômago. Um par de pés descalços veio à tona. Quando olhei para cima, 362 se elevou sobre mim, esticando os músculos e segurando seu vaivém favorecido com as duas mãos. "Bloqueie", ele ordenou. Relutantemente, eu levantei a cabeça e sentei-me sobre os calcanhares, fechando os olhos para a visão de sangue respingado na minha pele. Quando eu os abri novamente, a atenção de 362 foi fixada na porta de aço, mas ele lançou um olhar a minha maneira e acrescentou: "Você tem que bloquear a matança. Bloquear qualquer coisa para você de sobreviver." Eu balancei a cabeça lentamente, cerrei os punhos, e vomitei quando um pedaço de osso caiu da manopla no chão. "Bloqueie tudo. Sobreviva. Tome as surras. Tome os tiros. Pegue a tortura, os choques elétricos para fazer você esquecer seu passado.


Deixe-os transformá-lo. Deixe-os foder com sua cabeça. Deixe-os transformá-lo em um monstro. Deixe-os transformá-lo feroz."Fez uma pausa e 362 acrescentou: "E qualquer outra coisa que os guardas quiserem jogar no seu caminho quando entrarem em sua cela no meio da noite. Essa é a única maneira de fazê-lo através do Gulag. A única maneira de permanecer vivo." A porta de aço se abriu novamente. Rolando seu pescoço, 362 girou sobre os calcanhares e agarrou seu favorito vaivém preto apertado.Uma nuvem de escuridão, de repente no rosto mascarado. Era um espaço em branco, perigosa expressão que fez arrepios correr pela minha espinha. 362 entrou no corredor, sem algemas em seus pulsos, nenhum guarda forçando-o na gaiola. Olhei entorpecido na porta. Então eu ouvi a multidão irromper em aplausos. Eles o amavam. Aqueles homens fodidos amavam 362. Arrastando-me para os meus pés, eu pisei até o espelho encardido na caixa fedorenta de um banheiro que cheirava a merda e mijo, assim como o resto desta merda de inferno. Eu limpei o vidro, uma ensanguentada raia das minhas bandagens encharcadas deixando sua marca. Enquanto eu olhava para o meu reflexo, eu não poderia encontrar o garoto que eu sempre tinha visto. Em vez disso, pensei em meus pais, mas suas imagens foram distorcidas, então eu não podia imaginar seus rostos. Pânico passou pela minha cabeça enquanto eu tentei lembrar as suas características. Mas foi inútil. Minha memória não me deixou. Em seguida, eu pensei nele, meu amigo caído no chão, sua vida tomada por um punhal no coração. Mas eu não podia imaginar seu rosto. Eu não conseguia nem me lembrar vagamente como ele era. Mãos pressionando os lados da minha cabeça, eu fechei os olhos, memórias constantemente escorregando da minha mente. As drogas. As drogas estavam fazendo-me esquecer. Eles estavam fodendo com a minha mente. Eu estava lembrando-me cada vez menos, dia após dia.


"Não!" Eu gritei. Perfurando para fora, eu quebrei a borda do espelho, um caco de vidro quebrando no concreto. Eu não podia vê-los! Eu não podia imaginar seus rostos! Concentrando-me duro, tentei imaginá-la... o meu solnyshko3... mas ela apareceu turva. Tudo o que eu podia me lembrar era um rosto inexpressivo chorando e olhos sem cor olhando para mim em decepção. A visão que fez as minhas entranhas torcidas no medo... E então eu vi. A pessoa que me colocou aqui. O mentiroso. Ele não tinha rosto, nada para recordar, mas o nome dele agora rolou pela minha mente — Alik Durov. Ele foi a razão de eu estar aqui neste buraco de merda. Agarrei-me a esse nome, assim como todo o resto drenado da minha memória. Era como se as portas se fecharam, suas entradas para sempre seladas. Meu cérebro começou fechando para fora meu passado, fechando a todos do meu passado, fechando a emoção, afastando qualquer sentimento de culpa por matar 591. "Bloqueie tudo. Sobreviva", disse a mim mesmo. As ordens de 362 passaram pela minha mente, músculos tensos quando o menino no espelho constantemente preenchido com dormência. O menino no espelho tornou-se rapidamente o 818 do Gulag: localização desconhecida. Eu bloqueei tudo para fora. Eu levei os espancamentos, as drogas, a tortura... e tudo o mais que jogaramem mim. Fiz tudo o que foi condenado a fazer. E eu sobrevivi.

3NT.:

“Raio de sol” em Russo. Tradução literal: solzinho.


Engolindo no ar pegajoso no Brooklyn, eu empurrei acordado, corpo encharcado de suor enquanto dormia atrás de uma caçamba de lixo, ainda segurando firmemente o frasco de dinheiro agarrado ao meu peito. Meu sonho passou pela minha mente, cabeça latejando com as imagens. Descompactando minha camisa, corri meus dedos sobre meu peito e tracei os números tatuados. 818. Meus olhos bem fechados. Eu vi o garoto ainda olhando para o espelho. A dor rasgou através do meu crânio quando eu tentei lembrar, as drogas agora lentamente se dissipando. ARGH! Vingança, pensei. Esqueça o sonho filho da puta e obtenha sua vingança. Fechei o zíper da minha calça, olhei para o escuro, o céu suavizando. Era de manhã. Saltando para os meus pés, eu saí de trás da caçamba de lixo, torcendo meu pescoço duro e foquei no ginásio nas docas. A luz estava acesa no interior, carros entraram no parque de estacionamento subterrâneo ao lado do edifício. Sangue queimando em minhas veias, eu puxei o capuz sobre a minha cabeça, bati sobre o asfalto e empurrei para abrir as portas. O fraco pau de antes estava atrás de sua mesa. Ele se cagou de novo, puxando a mesma arma em mim novamente. Eu invadi a mesa sem sequer pestanejar. O cano da arma pressionada contra o meu peito enquanto eu bati o pote de dinheiro sobre a madeira. Os olhos do pau foram para o frasco, em seguida, voltou-se para mim. Deslizando para fora do banco a sua bunda gorda, ele bateu em uma porta lateral. "Yiv!"


Meus olhos furados, meu queixo ficou tenso, e minhas mãos ainda seguravam o pote. A porta lateral de repente voou aberta. Yiv atravessou, com uma cara chateada avistou o cara atrás do balcão. "O quê?" Yiv disse, então me vê de pé no balcão. Sua expressão mudou em um centavo, e ele hesitou por um minuto antes de perguntar: "Você tem o dinheiro?" Eu empurrei o pote para fora na minha frente e dei-lhe um único aceno de cabeça. Yiv adiantou-se e, sem contar o dinheiro, empurrou o frasco para o outro cara. "Leve-a ao escritório do chefe." O cara desapareceu, e Yiv levantou do balcão. Ele sacudiu o queixo, me sinalizando para ir atrás dele. Eu segui atrás de Yiv, saboreando o som da perfuração de sacos serem atingidos e os grunhidos de homens em formação. Minha pele se arrepiou com a necessidade de treinar — a condução que preciso para voltar a construir meu corpo em uma arma afiada que se tornou, para manter meu foco e matar. O aço das minhas soqueiras de lâminas pesava pouco mais pesado no meu bolso, lembrando-me da tarefa que eu tinha para realizar, das lutas que eu ainda tinha que ganhar. Yiv me levou a uma sala cheia com cerca de uma dúzia de homens, mas meus olhos procuraram o único... e lá ele estava, no centro parado, seu corpo em formação embalado na escada salmão. Seus punhos estavam envolvidos em torno de uma barra de metal e usou sua força superior do corpo para subir os degraus de forma tão eficaz como qualquer um que eu já tinha visto. Tenho certeza que meu capuz foi empurrado para baixo sobre a minha cabeça. "Você tem um treinador, você começa a utilizar o ginásio todos os dias, e você aparece sempre que nós dizemos a você. Você come aqui, pegue o que diabos nós queremos que você bombeie e você queixa," Yiv disse, levando-me a um quarto de volta.

não se


Ele olhou para mim, vendo a minha atenção em Durov, e sorriu, apontando o caminho. "Esse é meu lutador, Alik 'O açougueiro' Durov. Ele é o único que todo mundo quer vencer. Cinco vezes campeão. O cara é um maldito rei naquela jaula. Isso significa que o bastardo nunca morrerá." Minhas narinas com raiva quando Durov caiu no chão. Tirando um punhal, ele virou-se para um porco morto pendurado de cabeça para baixo em um gancho das vigas. Levou apenas algumas batidas perfeitamente precisas para Durov cortar o porco pela metade. Ele ficou para trás, peito arfando, os olhos iluminados com o fogo viciante de violência, sua espada pingando sangue a seus pés. Aquele desgraçado vai morrer, pensei. Como se sentindo a minha indignação, o meu ódio para o homem que eu jurei destruir, o olhar psicótico de Durov tentou encontrar os meus, mas meu capuz cobriu meus olhos. Seus olhos se estreitaram quando ele me olhou. A mão agarrando meu ombro me fez reagir. Agarrei o pulso com a mão direita, girei, e bati o atacante contra a parede, seu braço quase quebrando quando arranquei-o de costas. "Ei! É Yiv!", Disse uma voz abafada. Foi o treinador, então eu deixei ir e recuei. Yiv virou e correu os olhos para cima e para baixo do meu corpo. Balançando o braço, ele declarou: "Você é rápido. Bom. Você vai precisar ser rápido aqui na masmorra". Eu não dei uma resposta, e Yiv preencheu pelo corredor. Ainda sentindo os olhos de Durov em mim, eu olhei para trás e ele estava descansando os braços na escada, me observando. Observe-me, pensei. Veja o homem que vai te matar. Yiv me levou a uma sala nos fundos onde um homem embriagado estava recostado em uma cadeira, segurando uma garrafa


de vodka em uma mão. Yiv amaldiçoou e chutou a perna do bêbado dormindo. "Acorde!" O

bêbado

bufou

e

acordou,

com

os

olhos

turvos

imediatamente o desembarcando em mim. "O quê?", perguntou ele em uma voz com sotaque pesado. Yiv estendeu a mão e puxou-o de pé, a garrafa meio vazia de vodka quebrando no chão. Yivse virou para mim, olhos fora de foco do bêbado, e Yiv apontou para o treinador. "Viktor, você tem um lutador." O treinador — Viktor — parecia ouvir isso. Deixando de lado Yiv, Viktor estava bem na minha frente. Meu lábio enrolado quando o homem mais velho agarrou meus braços musculosos, andando em volta de mim para procurarse eu estava em boa forma. Os olhos de Viktor se estreitaram. "Seu nome?" Olhei fixamente para o chão. "Eu não tenho nome." Yiv recuou para a porta de saída e eu podia ouvir sua risada condescendente, porra. "Você tem uma semana e meia de treinamento até o concurso. Você relata aqui todas as manhãs e não deixe até dizer que você pode. Você se inscreveu para isso. Nós agora possuímos você. Você pertence a masmorra. Você sai, nós matamos você. Você fala deste lugar, nós vamos matá-lo." "Entendido", eu respondi. Yiv riu de novo e olhou para Viktor, depois para mim. "Ele nunca teve um lutador passando uma rodada." Deixando aberto meu moletom, mantive meus olhos lá em baixo, eu vi o sorriso de Yiv na minha visão periférica enquanto bebia no meu rasgado, cheio de cicatrizes, corpo tatuado. "Ele nunca teve um lutador como eu antes. Eu trago a morte."


Yiv, por um breve momento, parecia preocupado, logo em seguida, saiu pela porta. Ouvindo Viktor bufar atrás de mim, eu desviei, punhos na camisa, e bati-o contra a parede. Seu rosto ficou vermelho quandoele tentou dizer alguma coisa. "O que..." "Você me escute e preste atenção. Eu não preciso de você, porra. Eu vou ganhar isso sozinho. Eu vou matar Durov sozinho." Os olhos de Viktor de repente iluminaram-se. "Você quer Durov?" "É a única razão pela qual estou aqui", resmunguei. Viktor tentou sorrir, mas eu o deixei cair ao chão. Alcançando nos bolsos do meu moletom, eu puxei as minhas soqueiras e empurreias em meus dedos; Eu imediatamente me acalmei. Estas armas eram uma parte de mim. Viktor rolou a seus pés, seus olhos enormes, enquanto olhava para meu peito, a cor drenando de suas bochechas. "Q-qual você disse que era seu n-nome?", Ele gaguejou. Ignorando meu moletom, eu mantive meus olhos para baixo e vi uma prateleira cheia com suprimentos. Atravesseia sala, peguei o frasco nomeado 'Eye Black', mergulhei os dedos na graxa e manchei o preto sob meus olhos. Estiquei

os

braços,

sentindo

os

exercícios

familiares

afrouxando meus membros, eu repetia, "Eu não tenho nenhum nome." "Sem nome? O que alguém já te chamou?" Viktor perguntou atrás de mim. 818, eu pensei, mas não me atrevi a dizer o número em voz alta. Apanhando o meu reflexo no espelho alinhado contra a parede, eu


vi a tatuagem à força gravada nas costas pelos guardas. Caindo para o chão, eu comecei com algumas repetições de flexões. Quando os pés de Victor apareceram, eu fiz uma breve pausa para dizer: "Raze. O único nome que eu já tive é chamado Raze. Porque eu arrasto qualquer desgraçado que tenho no meu caminho."


Capítulo Nove Kisa

"Você já pagou os federais? São os grandes apostadores a bordo para todas as três noites?", perguntei a Talia no celular quando eu saí do banco de trás do carro e dirigi-me dentro do ginásio de treinamento para o meu escritório. "Sim e sim. Tudo está arranjado." Ela se irritou. Talia era eficiente e igualmente competente em organizar as noites de luta. "Ainda temos um lutador a menos. Como é que vamos fazer com isso?" Eu belisquei meu nariz enquanto sentei-me atrás da minha mesa. "Eu estou nisso hoje. Yiv mencionou um cara, algum grande psicopata misterioso que veio mostrando interesse, então eu vou verificar e acompanhar isso." Talia ajudava Ivan com as finanças, os patrocinadores e os homens que tinham quaisquer dívidas pendentes. Ela nunca participou das lutas. Depois de perder seu irmão anos atrás, ela não podia suportar estar em torno de violência e morte. "Bom", disse Talia. "Agora que está tudo feito, como está se sentindo após a outra noite? Você parecia tranquila na noite passada na igreja, mais do que eu pensava." Meu estômago se apertou com as palavras dela e eu suspirei, traçando os nós da madeira na minha mesa com o dedo. "Eu estou bem, Talia. Você sabe por que eu estava tranquila. Você estava também.


Essa data... é muito difícil...". Fiz uma pausa e acrescentei: "Eu sinto que meu coração dói mais e mais a cada ano. As pessoas dizem que o tempo cura, mas é difícil. Tempo só me faz sentir mais falta dele, e a dor no meu estômago que está aqui há anos apenas cresce mais forte." O pesado suspiro de Talia ecoou no telefone. "Eu sei. Eu odeio esse dia a cada ano. Mama nunca para de chorar e papai nunca ajuda; ele se esconde em seu escritório. É sempre uma porra de bagunça, e todos eles olham para mim para corrigi-lo de alguma forma, como se eu pudesse mudar o que ele fez. Trazê-lo de volta dos mortos." "Sim", eu disse, não sabendo mais o que dizer. Só o silêncio do outro lado da linha veio. "Você está bem, Tal?", Perguntei. Eu poderia jurar que ouvi uma fungada, um deslizamento de emoção da minha amiga normalmente fria, mas sua voz rouca logo veio através da linha. "Sempre bem, Kisa, sempre. Você me conhece. Tenho grossa pele russa. Então,"ela disse, mudando a conversa, como se aquelas palavras nunca tivessem sido faladas entre nós. "Viu seu defensor sem-teto? Eu sei que você foi com o padre Kruschev novamente ontem à noite."A voz de Talia foi abafada, como se estivesse escondendo nossa discussão de qualquer um que pudesse estar na escuta. Eu giro minha cabeça ao redor, certificando-me de que a porta estava fechada para o ginásio ocupado. Em seguida, Talia pegou no meu silêncio. "O que aconteceu?", perguntou ela, uma pitada de emoção em sua voz. "Eu conheço essa pausa de silêncio agora, Kisa!" Respirando fundo, eu soltei, "Eu o vi, de novo, ontem à noite." "Kisa!" Talia repreendeu. "Você não! Se Alik descobre... porra, ele vai ficar louco!"


Eu apertei meus olhos em pânico e deixei escapar: "E eu deilhe dez mil..." Um tumbleweed4poderia rolar através do escritório durante o silêncio de Talia do outro lado da nossa conversa. "Talia?" Eu chamei, sem saber se ela desligou. "Kisa... o que diabos está acontecendo?" "Ele salvou minha vida. E ele me disse que precisava de dez mil. Isso não é nada para nós, Talia. Você sabe disso. Então eu dei-lhe o dinheiro." "Você só deu isso? Sem perguntas?", Perguntou Talia, incrédula. "Foi provavelmente por drogas!", ela proclamou. Um calafrio percorreu meu corpo, recusando a sua atitude. "Não..." "Não? Quer dizer que você sabe para o que ele queria isso?", ela exclamou. "Ele disse que era para..." Engoli em seco, sabendo como maldito escuro soaria. "O quê?", ela empurrou. Eu respirei fundo e disse: "Vingança..." Eu deixei essa palavra pairar no ar. Mesmo à distância, eu podia sentir a preocupação de Talia, a sua preocupação pela minha segurança e, possivelmente, a minha sanidade mental. "Vingança?", ela disse calmamente. "Por que, pelo amor de Deus?" "Eu não sei", eu sussurrei, sentindo-me tola. "Mas eu..." "Mas o quê?" 4

Tipo de erva.


"Eu acreditei nele. Eu senti que ele precisava. Há apenas algo sobre o cara que me atraiu. Eu não posso explicar... Eu me sinto atraída por ele..." "Kisa! O que há com você e esse cara? Você está agindo insana!" Como eu poderia explicar? Como alguém pode explicar o inexplicável? A imagem do capuz caindo e o revelar de seus olhos tinha repetido indefinidamente na minha mente. Minha boca se abriu para dizer a Talia que ele tinha os mesmos olhos como... Mas me contive. Eu não podia falar sobre o irmão morto de Talia. Eu não poderia dizer-lhe que este homem tinha os mesmos olhos... olhos que combinavam com os meus. Eu até olhei para a condição de Heterocromia5 cedo esta manhã quando eu não conseguia dormir. Era uma condição comum do olho. Mas seus olhos eram da cor exata de Luka, o posicionamento da condição, a mancha do meu azul na íris esquerda superior... Cristo! Talvez eu estivesse ficando louca! As pressões de viver esta vida me causando colapso. "Kisa?" A voz de Talia era mais leve agora. "É sobre se casar com Alik? Você está agindo desta forma porque os planos estão começando a se transformar em realidade? Você tem certeza que quer isso?" Um riso nervoso borbulhou na minha garganta quando Talia parou, e estranhamente, as lágrimas brotaram de meus olhos. "Eu não tenho escolha, Talia. Você sabe que é verdade. É o casamento perfeito, que meu pai e toda a Bratva estão certificando-se que aconteça. É apenas..."

uma anomalia genética na qual o indivíduo possui um olho de cada cor.


"O quê?", Perguntou Talia. Uma lágrima escorreu pela minha bochecha. Limpei-a fora, castigando-me. "Eu sempre sonhei que me casaria..." "Luka", Talia respondeu com simpatia. "Eu sei. Eu sou estúpida. Tenho vinte e cinco e agindo como uma criança." "Não", Talia disse suavemente, "você simplesmente tem um coração partido. Às vezes, eles nunca cicatrizam. Mas..." Chupei meu lábio inferior para parar de soluçar em voz alta. "O quê?", eu sussurrei. "Às vezes, quando um coração se quebra, ele começa a deixar entrar a luz." "Tal." Eu chorei em silêncio, desta vez permitindo que minhas lágrimas fluíssem. "Olha, Kisa, eu sei como você se sentiu sobre o meu irmão." Ela soluçou e acrescentou: "E ele amou você também. Era como se fossem os únicos no mundo do outro. Ninguém mais existia. Era estranho por ser tão jovem." Meu coração despencou novamente. "Mas eu tenho que deixálo ir. Eu tenho que casar com Alik. Isso é o que você está dizendo, certo?" "Não! Quero dizer, sim. Quero dizer..."Talia limpou a garganta. "Você tem que seguir em frente, para sua felicidade, mas não é nenhum segredo que eu não gosto de Alik. Ele é muito possessivo com você, Kisa. Ele... ele me assusta. Eu tenho medo, por você." Meu corpo ficou tenso, senti vontade de defender Alik, para protegê-lo. "Mas ele precisa de mim, Tal. Ele não iria lidar se não tivesse


a mim. Imagine o que ele seria capaz se eu não estiver por perto para acalmá-lo." "Você sabe como fodido que isso parece, não é?" Talia respondeu com desânimo. "Mas isso não o torna menos verdadeiro. Isso é tudo que eu conheço há tanto tempo. Eu não sei como ser mais sem ele." Talia suspirou. "Ok, Kisa. Você é velha o suficiente para fazer a sua próprias escolhas." Eu balancei a cabeça, embora ela não pudesse me ver. "Certo, bem, eu tenho que trabalhar. Os chechenos estão participando nesta temporada. O que significa muito dinheiro, Kisa, e que significa que não pode haver problemas. Mantenha-me informada sobre o novo lutador. Estamos em cima da hora. Papa está em causa." "Eu irei. Falamos mais tarde, Tal." Eu desliguei o telefone e recostei-me na cadeira. Bateram na minha porta. "Entre!" gritei, e Yiv enfiou a cabeça na porta. "Senhorita. Volkova, temos o novato. Ele está treinando com Viktor agora." Uma enorme sensação de alívio tomou através do meu corpo, e eu peguei minha caneta. "Graças A Deus! Nós temos um nome?" Yiv deu de ombros. "Viktor disse que ele se chama Raze." Meus olhos dispararam para cima do post-it, e eu fiz uma careta para Yiv. "Raze?" "Disse que ele não tinha um nome. Apenas chamou a si mesmo de Raze."Yiv abriu a porta. "Ele está nos pesos agora, se você quiser falar com ele."


Eu balancei a cabeça e acrescentei-lhe a lista no nível mais baixo. Novatos, a menos que aprovado pelo meu pai, fez as primeiras lutas, as lutas por menos dinheiro. E não era incomum para os lutadores a ter nenhum nome; às vezes eles preferiram usar um pseudônimo. As únicas pessoas insanas o bastante para lutar até a morte

eram

reembolsar

assassinos, uma

dívida

serial com

killers, os

aqueles

seus

que

precisavam

patrocinadores,

ou

os

verdadeiramente loucos. Eu tinha certeza que Alik cruzou para algumas dessas categorias... isso foi um pensamento perturbador. Sentindo que precisava de uma caminhada, eu decidi ir verificar este novo lutador. Abrindo a porta, andei através das salas de musculação

pequenas,

privadas,

onde

os

combatentes

estavam

treinando. Fiquei orgulhosa da qualidade dos competidores deste ano. Os homens eram mais cruéis e brutais do que qualquer que nós tínhamos sido capaz de garantir nos últimos anos. A reputação do Campeonato do Calabouço cresceu ano a ano, no mundo escuro do underground. O Calabouço tinha mais prestígio do que nunca, que igualou mais dinheiro. O fato de que o Byki do meu pai estivesse aqui dia e noite no ginásio fechado, forrando as paredes do ginásio em suas massas e rifles AK, disse tudo sobre o estado mental da safra de lutadores deste ano. Papai não queria mais pré-lutas, sem mais mortes prematuras, o que aconteceu a cada ano. E ele definitivamente não me queria em perigo, vendo o que alguns dos concorrentes tinham feito em seu passado, bem, era uma possibilidade real. Mantendo minha cabeça para baixo dos olhares lascivos dos lutadores, eu fui para o quarto dos fundos, onde o novato estava treinando. Ao ouvir o som distinto de grunhidos e do metal com metal de pesos batendo, entrei pela porta e fui recebida com a visão dominadora da parte de trás de um grande homem, um torso cheio de cicatrizes e queimaduras, marcas vermelhas e pele branca levantada. Ele tinha uma enorme tatuagem em seu ombro em relevo, onde se lia "RAZE".


O novo lutador estava levantando pesos, seus músculos rasgados e cortados enrijecendo e flexionando. Ele estava em boa condição. Um complemento perfeito para o calabouço. Viktor notou-me entrar. Ele se moveu na frente do lutador, contando suas repetições em uma prancheta, para me cumprimentar. "Senhorita. Volkova,"Viktor disse, chegando a ficar ao meu lado enquanto eu continuei assistindo esse Raze. O lutador não parou o levantamento, e eu não queria parar de olhar. Tentei abrir minha boca para dizer algo para Viktor sobre o progresso do lutador, as suas estatísticas, se ele estaria bem na gaiola, o que ele tinha escolhido como sua arma, mas eu estava muda de vê-lo levantar

tal

peso

impossível

com

uma

intensidade

feroz.

Minhas coxas apertaram quando eu senti a piscina de umidade entre as minhas pernas. Limpei a garganta e corri minha mão sobre a testa. Eu não tinha idéia do que estava por vir em cima de mim ultimamente, mas cobiçar outro homem não era... normal. Eu estava me transformando em uma prostituta. Viktor me cutucou e estendeu a área de transferência para eu ler. Enquanto corria meus olhos sobre as estatísticas de Raze, eles cresceram. Eu bati o meu olhar para Viktor, que ergueu as sobrancelhas e acenou com a cabeça. O único outro lutador que tínhamos que trabalhou tão duro era... Alik. Eu examinei a tatuagens e cicatrizes, que foram todas sobre as costas deste homem. Eu vacilei em algumas das imagens: palhaços maus rindo, o que só pode ser descrito como ortografia satânica e demoníaca soletrando a palavra 'RAZE'. Seu nome tatuado sozinho disse-me que o tipo de homem era letal, implacável, um assassino nato. Mas era o que tinha sob as tatuagens que me extasiou: o que parecia ser centenas e centenas de marcas de cálculo que desarrumavam o


fundo das costas, em seguida, continuava em torno de seus lados e, adivinhei que, sobre seu estômago também. Engoli em seco quando eu especulei o que essas marcas de cálculo representavam. Mortes. Elas eram contagens das pessoas que ele matou. Um

sentimento

estranho

penetrou

em

meu

estômago

enquanto eu pensava sobre isso pela primeira vez. Este era alguém que poderia rivalizar Alik. Alik era tão forte e imbatível na gaiola. Eu nunca pensei sobre ele perder uma partida; a possibilidade nem passou pela minha mente. Mas esse cara, pelo menos no papel, ele realmente poderia ser um verdadeiro candidato. Eu tinha que dizer a papai. Raze não pertencia às fileiras mais baixas. Se ele pudesse lutar tão bem quanto ele poderia levantar os pesos, ele deve ser um headliner6. Seria bom se pudéssemos ter uma idéia

sobre

o

seu

passado,

a

história

por

trás

de

seu

nome. "Raze?" Viktor chamou enquanto eu fiz nota sobre o meu bloco de papel, e eu ouvi o barulho de um haltere no chão. "Você precisa conhecer a Srta. Kisa Volkova. Ela dirige as coisas por aqui, para seu pai. Ele que dirige todo o show." Raze se virou para mim; era como se um vento tivesse soprado do norte. Ele puxou a minha atenção. Rabiscando a última nota sobre o papel, eu olhei para cima para ver um homem rasgado e musculoso em pé ofegante, salgado suor escorrendo para o chão. Seus olhos estavam baixos,olhos manchados de preto por baixo em cada um para disfarçar seus olhos. Mas, como um feitiço, uma vontade para ele para levantar o olhar, a sua cabeça levantou e eu encontrei-me olhando para um par de olhos castanhos, a íris esquerda manchada com um toque de azul... meu azul, a cor dos meus olhos...

6

Alguém importante. Astro.


"V-você?" Eu sussurrei enquanto observava este homem. Era ele. Ele! Com seu 1,93 e todo seus 99 quilos. A pele bronzeada coberta de

cicatrizes,

marcas

e

tatuagens

sádicas.

Eu

vi

o

flash

de

reconhecimento em seus olhos, mas em um segundo, seu olhar estava dormente outra vez, como se ele estivesse me bloqueando, como se ele estivesse bloqueando tudo fora, exceto a raiva que ele manteve escondida. Eu fquei sem fôlego quando seus abdomens e peitorais embalados tenso vieram sob meu exame, suas coxas salientes apertaram a minha atenção, e sua veia entre o pescoço e o ombro dançou quando sua mandíbula apertou quanto mais eu olhava. E seu rosto? Finalmente, eu poderia estudar seu rosto na luz, e meu Deus... ele era lindo. Sem querer, meus lábios se separaram e um silvo silencioso deslizou para fora. O rosto severo de Raze estava coberto de barba escura de vários dias, três grandes cicatrizes desgastadas estragaram sua pele, uma para baixo de sua bochecha, uma inclinada para baixo na sua testa, e uma cortada sob seu olho esquerdo. Mas elas não fizeram dele menos bonito. Não, Raze não poderia ser descrito como bonito. Áspero, cru, escuro, perigoso, intimidante... o oposto de bonito. Mas eu não conseguia desviar meu olhar dele de qualquer maneira. E então aqueles olhos castanhos com um toque do azul entediado olharam fervorosamente no meu peito, um peito ofegante demais, traindo o efeito que ele tinha sobre o meu corpo traidor. Meus mamilos tornaram-se eretos, muito sensíveis contra o material da minha

blusa.

O

atrito

do

tecido

enviou

choques

de

prazer

para o meu clitóris, e eu tive que lutar contra a vontade de lançar a minha mão na minha boceta, de espalmar a carne dos meus seios. E então um pensamento quebrou o transe, através da magia infernal que eu tinha me encontrado. Eu tinha lhe dado dez mil. Ele era o lutador. Eu tinha lhe dado o dinheiro para começar sua vingança... e ele pagou para o meu Calabouço.


"Viktor, nos deixe a sós", eu pedi um pouco dura demais, minha demanda reuniu-se com o silêncio. Olhei para Raze e ele olhou para trás, a tensão palpável entre nós. "Viktor, licença," eu ordenei novamente. "Senhorita. Kisa..." "Viktor! Saia!", Gritei. Ouvi Viktor suspirar e sair da sala de treinamento, batendo a porta. Meu coração batia como um tambor no meu peito, com tanta força que eu temia que Raze pudesse ouvi-lo nos poucos pés entre nós. Sua dimensão era intimidante, seu olhar frio era arrepiante, e eu tinha que lutar contra a vontade de pensar em Luka. Mas este homem não era Luka. Fortalecendo os meus nervos, eu perguntei, "Por que você está aqui?" Os olhos de Raze queimaram e os lábios apertaram, mas nenhuma resposta veio. A raiva infundiu meu sangue e eu me aproximei, observando seu peito musculoso tenso, e eu bati, "Por quê?" Um rosnado rasgou de sua garganta e ele se aproximou até que eu senti aquele cheiro de neve fresca de sua pele misturada com o cheiro de seu treino. Engoli em seco quando o grande corpo de Raze pairava sobre mim, fazendo-me tropeçar para trás até meus ombros baterem na parede. Corri o meu olhar para cima para encontrar o dele e prendi a respiração. Seus olhos castanhos escureceram quando ele olhou para mim e seu rosto ficou vermelho. "Raze..."


"Vingança". As veias em seu pescoço e ombro incharam em sintonia com a sua resposta. "Em quem?", eu sussurrei, olhando uma pequena gota de suor escorrendo do fundo da sua garganta para o peito, antes de vibrar meus olhos para focar na sua boca. Seus lábios eram cheios, seu arco de cupido desenhado. A palma de Raze bateu na parede em cima de mim, me enjaulando, e sua cabeça baixou ainda mais, meus pesados seios arfando na proximidade. Ele inalou profundamente, bebendo meu cheiro. Seu rosto ficou vermelho e, por um momento seus olhos fecharam, puxando uma viga na testa. Raze começou a tremer, seus músculos se contraindo, e eu podia ver uma tempestade em sua amarga expressão quando seus olhos abriram. "Sobre o homem que mentiu. Sobre o homem que me injustiçou. Condenou-me. E me transformou nisso!" Ele recuou, batendo em seu peito. Raze caminhou para o saco de pancadas e bateu com o punho nele tão forte que a corrente pesada do teto gemeu. Raze definido em um ritmo curto, para trás, para trás e para adiante, e eu ainda permanecia contra a parede, apenas observando-o. "O

Quê?

cautelosamente

e

O

que

ele

transformou

imediatamente

me

você?"Eu

arrependi

da

perguntei pergunta

quando Raze parecia exalar ressentimento. Arrepio correu pela minha espinha. Raze parou e passou as mãos enfaixadas por seu rosto. Sua atenção imediatamente disparou para mim, e ele disse: "Este assassino. Este monstro que precisa de sangue, que precisa matar, mutilar, abater".


Minhas mãos estavam trêmulas agora, olhei fixo nas marcas de cálculo. Raze obviamente pegou o meu olhar. Movendo-se para o banco, ele pegou um soco-inglês de aço, bem utilizado se o seu olhar era qualquer coisa para ir perto, as lâminas afiadas perfurantes brilhavam a luz fluorescente. Um gemido escapou da minha boca. Raze perseguiu por cima do meu caminho, deslizando o socoinglês em sua mão, e me pôs em sua mira. Medo me congelou no local. Tentei engolir um grito. Raze não parou até que ele estava quase em cima de mim, puxando suas mãos em seus lados, o direito folheado com aço para correu sobre o seu abdômen, seu abdômen coberto de desiguais, contagens feitas com tinta. "Meus assassinatos," ele anunciou friamente, sua voz soando como se ele tivesse engolido vidro quebrado. O medo que eu nutria profundo dentro intensificado. Concentrei-me em sua boca, seu rosto, e não vi nada além de raiva. Era como se o ódio tivesse expulsado qualquer emoção. Sem a humanidade era evidente em seu olhar... mas aqueles olhos... aqueles olhos! "Mais de seiscentos," Raze de repente acrescentou, me arrastando de volta para o aqui e agora. Eu segui o rastro de sua mão e percebi que ele tinha acabado de dizer. "Seiscentos?" Engoli em seco. O lábio de Raze enganchou em um sorriso sem graça. Sua mão em punho cravado, e ouvi os dedos estalando quando ele se inclinou. "Perto". Os pés de Raze se arrastaram para frente novamente, e ele estendeu o pico e trouxe-o em direção ao meu rosto. Eu não podia respirar enquanto o metal se aproximou da minha pele, só então para testemunhar Raze arrastá-lo para baixo do seu peito nu e abdômen com cálculos que compreende três marcas.


Batendo o pico em sua pele, sangue instantaneamente reuniu, e ele arrastou-a para baixo até fazer uma bagunçada linha irregular. Todo o tempo, ele não removeu os olhos castanhos dos meus. Eu queria chorar. Eu queria impedi-lo de prejudicar a si mesmo. Eu queria olhar para aqueles olhos e fingir que eu estava aqui com Luka. Meus olhos castanhos do tipo, bonito de Luka, olhos castanhos com uma mancha azul que me correspondia. Mas este homem, este Raze, era fodido. Muito fodido. Ele não era meu Luka, não importa o quão duro eu desejava que ele fosse. Liberando o pico de seu torso, Raze dirigiu a sua mão para o meu caminho, e eu vacilei, trazendo a minha mão, que segurava o meu bloco e caneta, para defender meu rosto. A caneta foi arrancada do meu alcance. Raze colocou o plástico entre os dentes e quebrou-o ao meio, cuspindo pedaços quebrados no chão. Tinta começou a pingar em sua pele. Guiando a caneta partida para o novo corte, Raze esfaqueou-o ao longo do corte e esfregou a tinta na ferida aberta. "Raze!" Eu guinchei. Lutei contra a vontade de bater a caneta de suas mãos. Mas Raze logo liberou suas garras e, baixando a boca no meu ouvido, disse: "Outra morte... a sua morte, aquele que eu matei para você." Quando eu sufoquei meu choque, Raze recuou. Ele jogou o soco-inglês de volta para o banco, e retomou uma concentração vaga, ele ergueu os halteres e continuou sua rotina. Bati em meu peito, eu trabalhei na respiração. Que diabos tinha acontecido? Quem era esse homem?


Agarrei meu bloco de notas, assim que eu estava prestes a sair, uma questão candente derramou dos meus lábios. "Quem é exatamente a pessoa que você quer vingança?" Raze pausou, apenas por momento, e sem me enfrentar, proferiu, "Durov. Alik Durov do Brooklyn, New York. Vingança. Matar." Tremor percorreu minha espinha quando ele vaiou esse nome como se ele estivesse cuspindo veneno, e eu corri para fora do quarto, ignorando Viktor que estava encostado na parede do lado de fora, e bati a porta de meu escritório. Ao rodar a chave na fechadura, tive a certeza que ninguém poderia entrar. Alcançando minha mesa, peguei meu celular e chamei Talia... que foi direto para a caixa postal. Quando o sinal sonoro soou, eu soltei, "Talia! Me ligue de volta. É urgente. Preciso conversar." Batendo meu telefone fechado, sentei-me atrás de minha mesa, a mente repetindo o que tinha acontecido. Raze foi perturbador. Frio. Insensível... E eu era insana e irrevogavelmente atraída por ele. Seu cheiro de neve fresca, o rosto áspero e cru, seu corpo rasgado e cortado... os músculos, as tatuagens... a maneira como ele rosnou quando ele falou, mas... Eram os olhos. Eu estava perdendo minha mente sobre esses olhos. E ele queria se vingar de meu noivo. Conhecendo Alik, poderia ser por qualquer número de coisas. Alik tinha construído um exército de inimigos ao longo dos anos. E se ele matasse Alik? E se este ano Alik perdesse? Esperei pela tristeza, pelador, mas eu só estava dormente. "Pelo amor de Deus, Kisa!"eu me repreendi, sentimento ligado ao pensar sobre Raze, assim possibilidades.


Ainda assim eu me vi torcendo aberta a gaveta de cima da minha mesa. Cavando sob os arquivos, minha mão encontrou uma borda fria de metal. Certificando-me que as cortinas estavam fechadas, eu retirei o velho porta retrato manchadoe olhei para a foto dentro, passando minhas mãos sobre o vidro. A imagem era perfeita: duas crianças, uma menina, um menino, uma praia no verão. O braço do menino envolto por cima do ombro da menina enquanto eles sorriram para um close. Os olhos dela eram azul claro, os olhos dele do mais rico marrom, mas a íris esquerda estava manchada com a luz azul da menina. Eles correspondiam. Deus os fez desta forma para que eles se reconhecessem como feitos um para o outro quando eles nasceram, então eles sempre encontrariam o outro, não importa onde eles estavam na Terra. Olhei para cima e olhei para a porta, imaginando aqueles mesmos olhos sobre um assassino em outra sala no meu ginásio... Raze? Luka? A sensação de calor tomou conta de mim com essa possibilidade. Mas não, certamente isso era... Impossível? Era impossível... certo? Meu celular tocou. Talia! Lançando o celular aberto, eu suspirei e disse: "Talia... Eu acho que eu estou fodida."


Capítulo Dez Raze

Meus músculos doíam com o peso dos halteres, a adrenalina ainda pulsando em minhas veias. Um... Aqueles olhos. Dois... Aquele sorriso. Três... Esse rosto. Quatro... Aqueles seios. Cinco... Jogando os halteres pesados para o chão, eu pisei para o banco, escorregando as minhas soqueiras, e caminhei até o saco de couro. Eu trabalhava em meus ataques, esse sentimento eufórico de merda assumindo. Eu visualizei um torso, um rosto, o rosto presunçoso, porra, de Alik Durov, mas aquela mulher, a chefe do Calabouço, o cheiro dela em volta de mim, puxando a minha tentativa de me concentrar.


Finalmente, eu parei e inclinei-me sobre o banco. Balancei a cabeça, quando flashes de imagens correram pela minha mente. Areia, calor, meus lábios tocando outra pessoa. Mas eu não conseguia distinguir rostos, não conseguia me lembrar.... Foda-se, eu não quero me lembrar! Eu tinha um objetivo. Uma chance de matar Durov, nos meus termos, na minha arena. Voltando atrás, eu levantei meus punhos, mas o rosto de Volkova estava lá novamente, na minha mente, não saindo da porra da minha mente. Meu pau endureceu. Eu estava sendo levado à loucura com a necessidade de vir. Aquela mulher. Desde que eu a vi ser atacada, eu tinha que agir. Eu tinha que salvá-la. Um instinto, um sentimento obrigou-me a agarrar o pescoço do homem. E ela me tentou? Ela me tentou até a morte, porra! Eu gemi. Os mamilos, os seios firmes empurrando contra a roupa. Jogando a cabeça para trás, apertei meus olhos fechados. Eu nunca tive uma mulher. Nunca me afundei na fenda de uma mulher. Nunca beijei uma mulher. Mas seus lábios, eu os queria envolvidos em torno de meu pau. Luta. Concentre-se na luta de merda! Eu mantive-me a dizer, mas meu pau estava latejando, dolorido. A nova tatuagem, o sinal da minha morte recente, pulsava. Eu tinha matado por ela. Sangue derramado por ela... uma estranha, uma desconhecida. Um rugido frustrado construiu na minha garganta. Desenhei de volta o meu punho, eu mergulhei-o no saco, que abalou com a força do meu golpe. O couro rasgou e a madeira lascou abaixo. Arrancando minhas soqueiras, invadi o banheiro e me tranquei em uma cabine. Inclinei-me contra a parede e arranquei meus


shorts. Agarrando meu pau duro, comecei a bombear duro, ofegante com a sensação. Fechei os olhos. O rosto de Volkova estava lá, seus lábios rosados entre abertos, seus olhos azuis, ela assistindo, mamilos endurecendo,

coxas

apertando

e

calor

subindo

em

seu

rosto

fodidamente bonita. Rosnei enquanto trabalhei mais, os quadris balançando para frente e para trás quando eu imaginei dobrando-a, rasgando a calcinha, e afundando meu pau duro em sua bunda. Era quente e úmido e sufocou em torno do meu pau. Eu deixei escapar um suspiro no calor subindo meu pau. Minhas bolas apertadas e, batendo com uma mão apertei contra a parede da cabine, eu vim forte, suor no peito, respiração ofegante rápida. Abri meus olhos, me acalmei, e limpei meu esperma quente da mão. Saí do box e notei Viktor pairando perto do saco de pancadas, um olhar curioso em sua cara. Caminhando para o banco, sentei e deitei-me, segurando a barra. Viktor pigarreou. Ignorando o idiota, levantei a barra e os pesos pesados do estande para começar minhas séries. Alguém, provavelmente Yiv, bateu na porta e pediu, "Raze, aqui agora." Colocando o peso de volta ao stand, me levantei e saí para o ginásio mais amplo, estreitando o olhar para o chão. Lá eu vi lutadores ansiosos para tirar sangue, como animais selvagens sendo retidos em uma trela, treinadores de pé, observando diante. Então, meu sangue gelou quando Durov empurrou pela multidão, com os olhos semicerrados olhando em minha direção. Eu


mantive minha posição, lutando contra um impulso irresistível de correr para frente e quebrar seu pescoço. Mas queria a sua morte para ser retirada, bem devagar, humilhante. Durov clicou seu pescoço de lado a lado. Ainda não tinha memória de como ele mentiu, como ele havia me condenado ao Gulag, mas eu não dou a mínima. Eu iria me lembrar com o tempo. Cada fibra do meu ser me disse que ele devia morrer. Escória de Alik parou em frente a mim, os pés descalços ficando à vista. Eu mantive meu queixo para baixo enquanto estudei cada movimento dele da minha visão periférica. Ele era construído para o combate ao jogo de morte. Mas eu também. "Raze é?", Ele perguntou, e eu podia ouvir um sorriso em seus lábios finos. Eu fiquei olhando para o chão, meu silêncio levando-o a um passo à frente. "Qual é o problema, não pode olhar para o campeão? O homem que pode matar todas as merdas nesta competição?"Eu não reagi, embora meu sangue fervesse por dentro. "Entre na gaiola de merda", Alik, então, ordenou. Um dos treinadores abriu a porta do octógono e, sem hesitação, eu entrei. Eu estava no centro e me preparei para um adversário. Alik sacudiu o queixo na direção de um escuro lutador à sua direita, um lutador do dobro do meu tamanho, mas isso não me perturbou. "Entre com ele." O treinador do lutador apontou para a porta, e eu fiquei ainda, meus olhos permanecendo bloqueado no chão, assim como eu senti a presença do lutador encher a gaiola. "O Turk, campeão de subsolo chinês", disse Alik. "Vamos ver o que você tem. Primeiro homem a nocautear ganha."


Eu apertei minhas mãos em punhos, assim como o Turk, seus pés grandes e pesados quicando no chão da gaiola. Inclinei a cabeça para encará-lo, imóvel, observando seus movimentos lentos com os olhos apertados, o meu olhar dentro em seu fraco e inexperiente ataque. O Turk me tomou e levantou o punho para golpear. Esquivando-me, eu apontei em seu rim, em seguida, atingi a mandíbula antes de ele mesmo ter a chance de reagir. Virando-me, lentamente me afastei, os olhos novamente fixos no chão, quando eu ouvi o Turk bater no chão — inconsciente. Os outros lutadores ficaram inquietos, uma multidão de psicopatas gritando, ansioso para me assumir. Eu olhei para cima, com certeza Alik não podia ver meus olhos sob a graxa preta a partir daqui. Os olhos de Alik queimaram com raiva. Ele virou-se para um lutador de cabelo loiro e gritou: "Você é o próximo." Ele entrou na jaula enquanto o treinador do Turk arrastou para fora sua bunda apagada. O loiro não me deu tempo para me preparar. Ele correu para mim com força total. Quando estava prestes a me atacar, eu rapidamente afastei. Agarrando seu pescoço, usei seu impulso para bater sua cabeça dura no metal rígido da gaiola. Então encaixei o nariz no meu joelho. O cara caiu no chão, numa poça de sangue já formando. Me erguendo novamente, limpei o sangue de minhas mãos no meu torso. Peguei um vislumbre de Durov fervendo no local. Eu o vi olhar para a esquerda. Segui sua linha de visão e meu olhar caiu sobre Volkova, que havia saído de seu escritório. O rosto dela, traindo choque, viu a cena. Então seus enormes olhos azuis encontraram os meus, mais uma vez bloqueados no sentimento que estava pulsando entre nós. O movimento do lado trouxe a minha atenção de volta para Durov, que estava correndo em direção à gaiola. Meus músculos


ondulavam quando eu preparei para seu ataque. De repente, um aplauso alto da parte de trás da sala o parou em suas trilhas. Um homem de cabelos grisalhos se adiantou. Ele usava um longo casaco preto e um terno, seus olhos excitados nenhuma vez se afastando de mim. Durov empalideceu quando o homem deu um passo adiante. Ele olhou para mim, os dentes cerrados em frustração, veias dançando sob sua carne. Ele me queria morto também. Perfeita porra. "Alik, não se atreva a pensar em entrar nessa gaiola", disse o homem, em seguida, olhou para Volkova, e meu sangue começou a bombear. "Kisa, vem," ele ordenou. Kisa... Kisa inclinou o rosto corado e se aproximou e ficou ao lado dele. "O lutador?", Ele perguntou, seus olhos frios bebendo na minha forma ainda. Seus olhos se estreitaram enquanto ele se concentrava sobre o número — 818 — tatuado em meu peito. Eu deixei cair meu queixo, evitando o contato visual. "S-sim," Kisa gaguejou. Durov rugiu e socou a parede mais próxima, evidentemente perdendo seu controle. O homem nem sequer pestanejou, muito ocupado formando um sorriso no rosto afiado. Esse cara exalava poder; ele tinha que ser o encarregado, o chefe, o Pakhanda porra que Viktor falou sem parar. O homem mais poderoso em New York, cruel, para não ser fodido. "Ele vai para a lista manchete," ele ordenou a Kisa. Ela assentiu com a cabeça em concordância.


"Como diabos ele vai!" Alik soou quando ele enfrentou o Pakhan, seu torso apertado com tensão. Um silêncio nervoso tomou o ginásio quando Alik enfureceu-se no local. Tão rápido como um flash, o Pakhan agarrou o rosto de Alik em suas mãos e empurrou-o contra a parede da malha da gaiola. Alik chocou-se contra o metal, que tilintava e gemeu com a força do impacto. "Você vai me mostrar alguma porra de respeito ou você vai me forçar a levantar minha mão e brocá-la em seu crânio."O Pakhan não levantou a voz, manteve frio e calmo. Eu

sempre

achei

os

mais

silenciosos

para

serem

os

adversários mais perigosos. "Você. Entendeu. Porra? Esta é a minha gaiola, o meu negócio, e você vai aprender a porra de me obedecer." Alik assentiu e o Pakhan recuou. Ele ajustou o casaco como se nada tivesse acontecido, seus olhos azuis fixos em mim. "Desça aqui", ele ordenou. Abri a porta de aço da gaiola e caminhei até ele. Seus olhos avaliavam meu passo até que estava diante dele, cabeça baixa. O Pakhan me rodeou, com as mãos testando meus músculos como se eu fosse um pedaço de carne, e ele acenou com aprovação. "Eu gostei do que vi na gaiola. Você vai à manchete, e você vai me fazer um monte de dinheiro."Ele se virou para três homens enormes que o cercavam, mas não antes de ele se abaixar para beijar Kisa. "Nós vamos nos falar mais tarde." "Sim, papai", disse ela obedientemente. Ele então lançou um olhar escuro a Durov, que ainda teve que se deslocar de sua posição da gaiola. Em poucos segundos, o Pakhan varreu para fora do ginásio, e Yiv gritou para que todos pudessem voltar para o treinamento. Mas eu


podia sentir o cheiro de Kisa novamente, seu perfume doce enchendo meu nariz e endurecendo meu pau. Ela não havia se movido também, seus olhos azuis observando os meus. Eu podia sentir seu calor. Seu calor. Sua atração em mim. Eu pisquei para ela por apenas um segundo. "Você não ouse olhar para ela de novo ou eu vou esculpir os olhos de seu crânio!" Durov ameaçou quando passou por mim. Durov parou ao lado de Kisa e agarrou seu pescoço, Kisa protestou pelo seu movimento. Cada cabo de músculo ficou tenso quando ele a arrancou a seu peito, torcendo-lhe o cabelo e sacudindo a cabeça para trás enquanto tomou sua boca na dele, lágrimas de medo caindo de seus olhos. Uma imagem de uma jovem sendo pressionada, chorando, vagou pela minha mente, e um menino atirando um soco em outro, protegendo-a, mas evaporou quando Alik puxou sua boca e ele arrastou-a para o escritório por seu cabelo, Kisa se desculpava com ele a cada passo do caminho até que a porta do escritório fechou. Meu estômago se apertou quando um ataque de fúria tomou conta. Eu tive que usar toda a minha força de vontade para não invadir o escritório e rasgar Durov longe de Kisa. Incapaz de tomar o meu olhar para fora da porta do escritório, ouvi Kisa gritar quando ela bateu contra o vidro da janela, as cortinas separando o suficiente para ver Durov rasgar para baixo sua bermuda, ele lamber a palma de sua mão, colocando entre suas pernas. Quando os olhos de Durov encontraram os meus, posse brilhou enlouquecida, e ele bateu seu pau em Kisa, agarrando suas bochechas, assim como o Pakhan tinha feito para ele. Eu segurei o ódio venenoso, que infundiu o meu corpo, mas só por agora. Algo dentro de mim estalou. A imagem do jovem garoto perfurando outro começou a parecer muito real. Eu dei um passo para frente, com a intenção de rasgar a porra da cabeça de Durov, quando uma mão pousou no meu braço e me parou nas minhas faixas.


Olhando para cima dos dedos grossos envolvidos em torno de meu pulso, eu vi o rosto com medo de Viktor em mim. Arrancando sua mão de minha pele, eu empurrei para trás até que ele tropeçou. E levei-me sobre ele e ordenei, "Nunca me toque de novo!” Viktor estendeu as palmas das mãos em submissão e, mudando de pé para pé, nervosamente sinalizou para eu segui-lo em nossa sala de treino privado. Sem lançar um olhar de volta ao escritório, eu segui Viktor, andando no espaço da sala de treinamento quando ele fechou a porta. "Eu vou te dizer uma coisa importante antes de se matar. Alik Durov é o herdeiro da Bratva, e Kisa Volkova é sua noiva, a única filha do Pakhan." As palavras de Viktor transbordaram minha raiva. Kisa era propriedade de Durov. Ela era sua. Eu não gostava de ouvir isso. Fodase, eu me senti um louco assassino ao ouvir esse fato. Eu a queria. Eu não tinha nenhuma razão para isso, não tinha ideia de quem era a mulher, por que eu estava atraído por ela... por que ela estava fodendo com a minha formação, mas eu queria ela. Eu queria o pau de Durov fora dela com uma intensidade feroz. Eu estava fodido além da insanidade, pensei, o breve vislumbre, do idiota transando com ela. Sua bunda me pertencia; não poderia haver outra explicação. Seu aroma doce, seu belo rosto... seus olhos azuis chamado para eu protegê-la. Uma dor lancinante, branco-quente cortou pela minha cabeça, fazendo meus olhos se fecharem. Quando eu tentei respirar através da dor de cabeça batendo, sua intensidade me forçou a um joelho.


Você tem que se manter afastada de Alik. Ele é obcecado por você e ele é perigoso. Areia. Sol. Um garoto. Uma garota. Sentimentos. Sentimentos estranhos agarraram meu intestino, fazendo-me sentir, perfurando a dormência. Memórias...? "Raze! RAZE! Você pode me ouvir, porra?" Piscando com força, minha visão voltou lentamente e eu engasguei. Viktor tinha deixado cair a um joelho na minha frente. "Você está bem, filho?" Respirando de forma constante através da dor diminuindo agora, eu respirei fundo e sussurrei: "Eu não sou seu maldito filho!" "Olha," Viktor, sussurrou em exasperação, "fique longe de Kisa. Fique longe de Durov até você encontrá-lo na gaiola. Você não brinque com o Volkov Bratva. Tudo o que os rodeia é a morte." Expirando lentamente, eu disse: "Eu sou a morte". Olhei para Viktor a partir do canto do meu olho e ele empalideceu. Em seguida, seu olhar caiu para o número do meu peito. Meus peitorais apertaram como se a tinta estivesse queimando minha pele. Minha cabeça inclinou para o lado enquanto eu assistia Viktor. "O quê?" Eu bati e agarrei a camisa de Viktor.


"De onde você vem?", perguntou ele, uma vantagem nervosa em sua voz. "Longe", eu disse, lembrando o lugar que o guarda tinha me dito que o Gulag estava. Gotas de suor escorriam da cabeça de Viktor e ele baixou os olhos. Meu lábio enrolou neste patético homem fraco que eu tinha sido selado, e vou para os meus pés. Em questão de minutos, eu estava na frente do espelho, força premente, quando Viktor abriu uma garrafa de vodka atrás de mim, caiu em uma cadeira e bebeu para dormir. Com cada pressionar do peso de 200 libras, ouvi Kisa chorando, Durova agarrando,seu sorriso quando ele se chocou com ela, lambendo a palma da mão para eu ver. Horas mais tarde, quando todos já haviam deixado o ginásio e as luzes foram desligadas, eu rastejei de onde eu tinha me escondido no banheiro e agachei-me em uma esteira de treinamento na minha sala de treinamento privado. Este ginásio seria agora a minha casa, até Durov estar morto. Quando eu fechei os olhos, o rosto de Kisa apareceu, e uma voz de menino começou a ecoar através da minha mente... Você tem que se manter afastada de Alik, Kisa. Ele é obcecado por você e ele é perigoso... Meus olhos se abriram e uma imagem fraturada se fixou no lugar. Kisa? O menino na memória havia dito Kisa.


Capítulo Onze Kisa

O Calabouço estava cheio. Homens, sedentos para fazerem apostas altas, vazando no túnel que conduz ao armazém subterrâneo úmido nas docas do Brooklyn. Este lugar era bem escondido do público, de pessoas comuns e normais que gostam de pensar que nada de sinistro estava acontecendo bem debaixo de seus narizes. Pessoas que acreditavam que lutas organizadas para a morte era ficção, fantasia jogada para fora na TV. Eles eram felizes em sua ignorância da minha realidade. Mas as pessoas aqui, agora, eram criminosos, a escória da sociedade. Eu venho aqui todos os dias, todas as semanas, mas as próximas três noites no Calabouço era sobre — os lutadores principais, os homens que davam um show e morriam. Eles davam seu sangue em tudo, eles derramavam e tiravam sua última respiração neste lugar. O Calabouço era o que nós Bratva éramos mais conhecidos. Este era o maior círculo de jogo na Costa Leste. Como os guardas monitorando os arredores do lugar, mantendo o controle, a gaiola era o centro do palco. Eu fico nas salas dos fundos, ouvindo as batidas de pés no chão de pedra antiga. A emoção pelo derramamento de sangue, pela morte, pulsava no ar. Os reis desse lugar, meu pai e Ivan, ficavam em sua cabine privada na parte de trás, escondidos da vista, mas capazes de supervisionar suas companhias e assistir seu dinheiro rolar para


dentro. Abram estaria com Alik. Ele sempre pairou por perto, empurrando-o, provocando-o, em seguida, via seu boneco ao lado da gaiola. Havia oito lutas hoje à noite, as últimas envolveriam Raze, em seguida, Alik. Ambos estavam lutando ferozmente, lutadores de primeira linha. Eu esperava que os dois ganhassem, mas aqui no Calabouço, nada era uma aposta segura. Alik era experiente e cheio de confiança, e Raze? Bem, Raze era um completo desconhecido, mas o lugar estava zumbindo com a expectativa de vê-lo lutar. Papa havia contado a Ivan de sua habilidade na gaiola, e Ivan tinha construído a publicidade. Raze havia treinado durante toda a semana, meu pai instalou um dispositivo elétrico no ginásio para vê-lo. Ele rapidamente tornou-se o favorito de Papa. Esse fato só serviu para Alik ficar ainda mais furioso, mais instável, mais possessivo, e Abram não estava feliz com a concorrência do recém-chegado com seu filho. E eu? Eu tinha me tornado completamente obcecada por Raze. Eu o vi treinar através das cortinas da janela do meu escritório quando Alik não estava no ginásio para me pegar. Meu corpo incendiava simplesmente ao ver seu peito nu flexionando enquanto levantava pesos ou brigava na gaiola ou corria na esteira. Meu coração batia forte e eu muitas vezes fiquei tonta, tal era a atração que tinha por esse homem. Meu pensamento foi superado por ele. Raze era sempre o primeiro no ginásio e o último a sair à noite. Era como se ele nem sequer saísse. Ele tinha um foco: se tornar o melhor lutador que tivemos. E para tornar as coisas ainda piores, ele olhava para mim quando ninguém estava olhando. Os homens conversavam sobre Raze. Sobre como ele nunca olhava ninguém nos olhos. Sobre como ferozmente ele treina. Mas quando eu passava, quando tinha que falar com os treinadores, ele me olhava com aqueles olhos castanhos borrados de azul, rastreando meu movimento, como se ele só me visse.


Seus músculos ficavam tensos e sólidos quando eu estava por perto. Suas narinas incendiavam enquanto inalava o meu cheiro. Mas ele nunca falou. Nunca. Somente olhava... Sempre me observava, levando arrepios a se espalhar como fogo na minha pele, evocando a familiarizada agitação nervoso/excitada em meu estômago que eu não tinha sentido desde que estava na minha adolescência. "Cinco minutos", eu abruptamente chamei quando bati à porta do primeiro lutador. O treinador gritou de volta que ele me ouviu, e eu caminhava pelo corredor em direção à sala de Alik. Ele precisava de mim lá antes de cada luta. Dizia que se ele não me tivesse perto, ele perderia sua mente, não conseguia se concentrar e não poderia ganhar. Dizia que precisava saber onde eu estava para que ele pudesse me manter a salvo. A verdade era que ele não poderia me ver em torno de outros homens e o Calabouço estava cheio deles. Era apenas mais fácil ceder e fazer o que ele dizia em vez de tê-lo estressado, o que podia afetar sua próxima luta. Ele precisava de mim. Era simples assim. Quando me aproximei da porta de Alik, um flash de movimento chamou minha atenção. Avistei Viktor saindo do quarto de Raze à frente, e eu parei. Raze estaria lá, sozinho. Era a sua primeira luta, e eu queria que ele ganhasse. Uma torção de cortar o coração quase me deixou de joelhos quando eu pensava nele perder esta noite. Uma dor tão grave que me deixou sem fôlego. Por que eu estava tão atraída por ele? Eu não o conhecia. Nada nele fazia qualquer sentido para mim. Ele era selvagem e indomável, grave e animalesco. Eu sabia que ele não era Luka, não poderia ser meu Luka, mas uma sensação dentro de mim disse para continuar a empurrar para descobrir.


Claro que era irracional. Claro que era estúpido. Claro que era impossível. Mas quando se está tão profundamente envolvida, a lógica do coração voa diretamente para fora da janela. Olhei para o meu relógio e notei que era cedo; Alik não estaria me esperando por mais cinco minutos. Cinco minutos. Eu poderia ter cinco minutos com Raze. Certificar-me de que ele estava preparado para esta noite. Pelo menos esta foi a mentira que disse a mim para desculpar meu comportamento errático e perigoso. Eu não tinha visto Raze ainda hoje e meu peito doía por causa disso. Viktor o trouxe aqui para o Calabouço. Alik me manteve presa em seu quarto o dia todo, me fodendo mais e mais e mais. Ele me fodeu tão duro, que minhas coxas estavam machucadas e minha garganta estava dolorida de tanto chorar. Alik me fez sangrar. Ele bateu em mim com tanta força que me fez sangrar... "Você quer transar com ele, Kisa? Você acha que ele é melhor do que eu, assim como seu pai faz? Você quer foder Raze?"Alik tinha perguntado, empurrando dentro de mim de modo que as lágrimas de dor espirravam pelo meu rosto. "Não", eu chorei. "Baby, não. Você está vendo coisas. Coisas que não são verdadeiras". A boca de Alik caiu para minha orelha e seus dedos cavaram em meu rosto, me forçando a encarar seus olhos. "Ele te olha, você sabia disso? Não encontra os olhos de outra pessoa como o covarde de merda que é, mas ele vê você. Você o vê também? Você acha que pode transar com ele e me deixar?" Ele rugiu. Mordeu meu ombro enquanto balancei a cabeça, tentando dizer não.


Alik empurrou dentro de mim em um frenesi, e eu deixei cair lágrimas silenciosas. "Você nunca vai ficar livre de mim, Kisa. Eu possuo você. Cada polegada de você! Você está comigo até o fim." Estremecendo com a lembrança, ainda sentindo a dor entre as minhas pernas, agi por instinto e segui meu coração em vez da minha cabeça. Caminhei para frente, para a porta de Raze. Com uma mão nervosa, estendi para agarrar a maçaneta, esgueirando mais um olhar para o corredor vazio, eu abri a porta e pulei para dentro, fechando a porta quando fiz isso. Fechando os olhos, costas pressionadas contra a madeira, eu exalei em alívio que Alik não tinha me pego. Então senti uma presença escura, dominante... Raze. Minhas pálpebras se abriram ao encontrar-me confrontando o peito largo que agora era familiar, cicatrizes marcavam seu peito e torso como traços de tatuagem esfarrapada. Um cheiro almiscarado agrediu minhas narinas, o que levou a minha boceta a se contrair em necessidade. Eu segui a pele bronzeada, olhando mais para cima, ao longo do grosso peitoral e impressionantes ombros largos, ao longo de uma quadrada mandíbula, e até um par de olhos castanhos ardentes. Ele estava tenso para a luta. Bombeado com adrenalina. "Raze..." Eu sussurrei, mas as minhas palavras prenderam na minha garganta quando ele se inclinou para perto, seu nariz quase tocando a pele delicada entre meu ombro e pescoço. Raze ergueu os braços acima da minha cabeça. Então ele inalou, longo e lento. Meus


olhos fecharam e estremeceram, minhas palmas se reuniram com a pele quente de Raze, meus dedos desenhando círculos preguiçosos ao redor de seus mamilos, sentindo um redemoinho quente em todo o caminho para o ápice das minhas coxas. Ele estava me cheirando, um profundo rosnado saiu de seu peito enquanto ele inalou meu perfume floral. A atenção que ele estava me dando era quase primitiva... Neolítico. Era como se Raze tivesse se despido de quaisquer boas maneiras, saído da Idade da Pedra e despojado de todos os limites. E eu nunca tinha ficado tão cativada, de modo fascinado por qualquer pessoa em toda a minha vida. O nariz quente de Raze mudou-se para o lado, seu hálito quente sobre o meu rosto. A ponta do nariz traçou o meu ouvido antes de seus lábios cheios arrastarem por cima do meu lóbulo. Arrepios de prazer percorreram minha coluna e em cada célula do meu corpo. Eu nunca tinha sentido isso antes. Nunca senti este desejo avassalador, este nível de consumo instantâneo de atração... essa necessidade crua e insaciável de estar com um homem. Era perigoso. Assustador. Era proibido. E, apesar de que isso era errado, parecia tão perfeitamente certo. Abanando meu cabelo castanho solto, com sua expiração afiada, Raze murmurou, "Você não pertence aqui. Por que você está aqui?" Como se um balde de água gelada houvesse sido jogado sobre a minha cabeça, me puxei de volta tão rapidamente que a parte de trás do meu crânio bateu contra a porta de madeira. Raze puxou para trás, mas apenas uma polegada, se recusando a me dar qualquer espaço para respirar. Ele dominou meu espaço pessoal, me enervando além da conta.


Seu olhar escuro era frio, só se fazia mais grave pelo „Olho Negro‟ manchado abaixo de seus olhos, embora não houvesse fogo em suas pupilas quando ele me olhou. Ele não era afetado por mim. Talvez... apenas talvez ele sentia esta poderosa conexão estranha por mim também. "Eu... eu vim para ver se você estava pronto para sua primeira luta", eu disse, nervosa. Uma pequena contração de sua bochecha e o ligeiro estreitamento de seus olhos me disse que minha pergunta era indesejável. "Sempre. Estou sempre pronto. Sempre pronto para matar." Tomei a coragem de olhar em seus olhos. Eu sabia que era impossível, mas aqueles olhos eram tão, tão familiares, como se eu os tivesse conhecido toda a minha vida. Minha mente se encheu de confusão, com esperança, com dúvida, com a necessidade incontrolável de saber mais sobre este homem. "Diga-me o seu nome verdadeiro?" Eu disparei. O rosto de Raze apagou instantaneamente, todo o sentimento escoando de suas feições. Ele deu um passo para trás, e eu imediatamente senti sua perda, senti frio sem o calor ardente de seu corpo. Movendo-me da porta, eu perguntei, "Raze, por favor. Isso está me assombrando. É estúpido... mas preciso saber seu nome. Você me faz lembrar... Eu só sinto que conheço você..." A cabeça de Raze inclinou e ele disse, "Oito um oito." Minha atenção caiu para a grande tatuagem em seu peito. Confusa, eu segui os números com os olhos... 818.


"Oito um oito?" Eu questionei sob a minha respiração, mas Raze claramente ouviu o meu sussurro sutil e caminhou em minha direção. Segurando

minhas

mãos,

ele

selecionou

o

meu

dedo

indicador. Meus olhos azuis fixos em seus olhos castanhos, e ele começou a esboçar o seu grande 818 tatuado com nossas mãos unidas. Eu perdi minha respiração, o seu coração batendo como um tambor, como se estivesse tentando se libertar e se fundir com o meu. O ar em torno de nós estava elétrico, todas as minhas sinapses disparando como balas. O ruído no ambiente da primeira luta escorregou em silêncio quando minha carne conheceu a sua. O olhar de Raze tornou-se vítreo, como se ele tivesse se afastado de outro mundo. Em seguida, ele se inclinou e seu nariz estava de volta no meu cabelo, inalando o meu cheiro, sua barba por fazer roçando minha garganta. Minhas mãos ainda em seu peito, meus seios duros em necessidade. "Raze..." eu murmurei, sentindo-me no fogo da luxúria, fora da minha mente, devido aos meus hormônios rebeldes. Eu não entendia essa atração. Eu não entendia porque meu desejo por Raze era tão forte, tão duro. Tão forte que eu mal podia resistir-lhe. Raze respirou fundo e disse: "Tudo o que posso pensar quando sinto seu cheiro é areia... e sol... e mar..." Ele balançou a cabeça e seu rosto se contorceu em descrença, uma dica momentânea de vulnerabilidade em sua expressão. "Mas eu nunca vi uma praia, nunca senti areia debaixo dos meus pés ou cheirei o mar..." Suas sobrancelhas puxaram para baixo. Cada fibra do meu corpo congelou. Todo o ar escapou dos meus pulmões. A tensão sufocante construída em meu peito enquanto eu observava o rosto de Raze correr rapidamente através de uma gama de emoções. Fiquei imóvel.


Era esperança ou descrença se estabelecendo no meu coração? Impossível. Impossível. Impossível, eu tentei dizer a mim mesma, mas... Areia, sol e mar... Luka, eu... Praia de Brighton... Deus! A praia, a praia, o ar salgado, o cheiro de areia... Isso sempre me fez lembrar Luka. Ele sempre me disse que isso o fazia se lembrar de mim... de nossa enseada, do nosso primeiro beijo... Meus joelhos começaram a tremer e eu tropecei para trás, apenas para alcançar e apertar as bochechas de Raze, seu enorme corpo transformando em pedra quando olhei para aqueles familiares olhos de chocolate hipnóticos. "O quê? Por quê? Porque você disse isso? Para mim?" Os olhos de Raze se estreitaram e ele sacudiu a cabeça para trás, deslizando minhas mãos de seu rosto como folhas a deriva das árvores no outono. Esse mesmo comportamento frio mais uma vez comandou seu rosto, o descontrair que ele sempre usava, qualquer traço de vulnerabilidade jorrou fora. Raze começou a andar pela sala de espera como um animal selvagem preso em uma gaiola, como um gato selvagem em cativeiro. Seu corpo parecia ocupar o espaço inteiro da sala e eu podia sentir sua confusão, sua agitação crepitando no ar em torno de nós. Seus olhos repetidamente bem fechados e sua cabeça se contraíram enquanto ele estava lutando contra algo em sua cabeça. Seus músculos do pescoço saltando, era nervoso ou era dor? Senhor! Parecia que ele estava com dor.


"Eu não estou aqui por você, pelas memórias que não quero. Estou aqui por vingança!" Ele rosnou, seu lado mais suave sumindo completamente, o assassino gelado e assustador de volta no lugar. "Eu sou 818 e estou aqui para me vingar. Do homem que mentiu. Do homem que me tornou isso". As palmas das mãos empurraram em seus olhos e ele balançou a cabeça. Suas mãos caíram em punhos ao seu lado. Então, ele explodiu em um som frustrado. Minha cabeça estava girando. Por que ele falou da praia? Por que seus olhos eram exatamente o mesmo que o dele? Por que ele sentia o cheiro de areia, sol e mar, quando estava em torno de mim? Sem pensar nisso, pulei para frente e segurei o rosto áspero de Raze em minhas mãos. Eu procurei em suas características por qualquer sinal de reconhecimento, mas sob a barba espessa e escura de suas bochechas e suas cicatrizes e rosto, eu não pude encontrar nenhuma. "Quantos anos você tem?" Perguntei, prendendo a respiração. Raze acalmou, suas sobrancelhas franzidas, enquanto sua mente estava envolta em uma névoa espessa. "Eu... eu não sei." Meu coração gritou com o olhar perdido no seu rosto. Seu olhar parecia em pânico, era medo? Ele recordou-me um menino naquele breve momento. Logo em seguida, o meu coração rachou, e eu queria dar-lhe conforto. Eu, uma mulher, querendo dar conforto a este brutamonte de um assassino. Mas e se ele fosse Luka? E se o impossível se tornou possível? O corpo de Luka nunca foi devolvido à sua família, para ser identificado, para ser enterrado...


Meu coração começou a bater mais rápido, quando todos os tipos de possibilidades circularam ao redor da minha cabeça. E quando a cabeça de Raze inclinou para o lado em confusão e ele apertou os lábios cheios, meu coração quase explodiu... "Luka, me deixe em paz!" Eu disse, cruzando os braços sobre o peito, e Luka riu atrás de mim, seus braços envolvendo em torno de meus ombros por trás. "Não seja assim, Kisa. Eu e Rodion estávamos apenas brincando." "Você e meu irmão estavam pegando no meu pé! Quando vocês dois estão juntos, você é um pesadelo!" Luka me girou em seus braços, seus deslumbrantes e belos olhos concentrando-se em mim. O sorriso dele desbotado, com a cabeça inclinada para o lado de uma maneira adorável, e seus lábios cheios franzidos. "Perdoe-me, Solnyshko?" Eu adorava quando a cabeça dele inclinava para o lado e ele franzia seus lábios cheios. Ele só fazia isso quando estava arrependido ou imensamente confuso. Isso o fazia parecer tão bonito. Meu coração derretia quando ele olhava para mim dessa maneira. Suspirando em derrota, levantei-me na ponta dos pés e pressionei a boca para a dele. "Eu te perdoo, Luka. Eu vou sempre perdoá-lo..." A porta se abriu, rasgando-me da minha reminiscência da infância. Eu deixei cair instantaneamente minhas mãos quando a pele de Raze havia se tornado uma chama. O olhar chocado de Viktor encontrou os meus enquanto ele testemunhou o nosso íntimo encontro. Eu imediatamente saltei para trás e rapidamente endireitei meu cabelo.


"Senhorita Volkova?" Perguntou Viktor. Passei correndo pelo nosso treinador georgiano residente, irrompi no corredor, assim que a porta de Alik se abriu e meu noivo furioso entrou. Meu corpo ficou tenso com medo. Os olhos possessivos de Alik rapidamente

procuraram

os

meus.

Eu

estava

irracionalmente

preocupada com o que ele veria na minha expressão, a percepção de que Raze poderia ser meu Luka. Alik odiava Luka. De repente, ocorreume que ele não demonstrou emoção quando Rodion ou Luka morreram. Eu sabia que era porque ele estava satisfeito que agora me tinha completamente para si, que Luka não estava no caminho de conseguir o que ele queria possuir. Os lábios de Alik apertados e o osso da mandíbula pulando com raiva enquanto ele caminhava para onde eu estava, suas mãos pesadas agarrando meu braços. Ele me puxou para o seu peito úmido. "Onde diabos você estava?" Ele rosnou, a mão no meu braço esquerdo, inevitavelmente, se movendo para cima para agarrar a parte de trás do meu pescoço. "Eu... eu estava trabalhando," eu disse rapidamente. Para escapar da sua suspeita, coloquei minha mão tremendo em sua bochecha. "Mas estou aqui agora, baby", acalmei enquanto sentia o seu aperto afrouxar e seu profundo suspiro de alívio. "Estou aqui para ajudá-lo a vencer essa luta." Alik pressionou a testa suada em mim e me forçou a sala de espera, ele sempre usava a mesma aqui no Calabouço. Assim que a porta foi fechada, ele obrigou-me contra a parede, com as mãos sobre meu corpo. Notei garrafa após garrafa de pílulas de creatina, esteróides e testosterona. Com o dedo mergulhado em minha boceta, eu fechei os olhos e deixei-me afastar em um navio de memórias... A mão livre de Alik presa no meu vestido e ele começou a me foder contra a porta.


Imaginei uma praia. Areia. Sol e o mar... e eu imaginei Luka beijando meus lรกbios... meu Luka olhando para mim com a cabeรงa inclinada para o lado e franzindo os lรกbios cheios. Entรฃo, imaginei o rosto duro de Raze. Raze, por quem eu estava me tornando mais do que obcecada. Imaginei que o rosto de Luka seria semelhante a isso mais velho, barba por fazer, e com cicatrizes, desgastado por dificuldades jogadas em seu caminho... e uma parte de mim animadamente, mas tolamente esperava que meu Luka pudesse ser o lutador na outro sala... Poderia Luka ser Raze...


Capítulo Doze Raze

"Que diabos foi isso?" Viktor assobiou quando eu estava no centro da sala, minha cabeça girando com flashbacks... Uma praia quente e ensolarada, um menino e uma menina se beijando, uma garota... chateada com um menino, mas o perdoando com um sorriso. A pergunta de Kisa sobre o meu nome e idade esfaqueou meu cérebro. Mas nada, nada veio através; nenhuma resposta surgiu para responder às perguntas que ela tinha feito. Eu sempre tinha estado dormente. Eu aprendi a ser um lutador do Gulag que tinha uma necessidade ardente de vingança. Eu aprendi a nunca dar qualquer pensamento para o meu nome. Eu aprendi a nunca pensar sobre a minha idade ou de onde vim. Eu aprendi a sempre aceitar somente isso... era... Porra! "Raze!" Viktor estalou. Pela primeira vez, a expansão de seu sotaque familiar me fez congelar. Eu olhei nos olhos do bêbado e pisei para frente até que me erguia acima dele. Minha cabeça inclinada para o lado enquanto estudava seu rosto. Viktor era bem construído, alto, e, se o sotaque dele era algo...


A tatuagem 818 no meu peito parecia que estava queimando, e eu disse: "Você não é russo. Todos aqui são, mas você... você soa diferente." Viktor empalideceu e olhou para a minha tatuagem, em seguida, novamente para o meu rosto. Ele balançou a cabeça e respondeu: "Não. Eu não sou russo." Pisando ainda mais perto, sentindo o cheiro do álcool em seu hálito, dentes cerrados e eu exigi, "De onde você é? E não minta." Viktor engoliu em seco, uma expressão derrotada velando seu rosto. "Georgia". "Você fala como eles," resmunguei, pensando nos guardas, os guardas

do

Gulag

que

me

batiam,

me

menosprezavam,

me

desmontaram peça por peça... entravam em minha cela durante a noite... Viktor caiu para a cadeira atrás dele. "Isso é porque eu era um deles", ele sussurrou. Eu queimava com raiva. A tempestade, uma porra de furacão de violência construída dentro de mim. "Você era um guarda?" Eu assobiei com os dentes cerrados, meu pescoço dolorido do aperto dos meus músculos. "Não um guarda, um transportador. Mas eu assistia as lutas nos Gulags, ajudei até mesmo a treinar alguns dos combatentes". "Gulags?" Eu repeti, choque na minha voz. "Há mais de um?" Viktor assentiu com a cabeça e suspirou. "Há muitos. Lugares onde as almas são esquecidas, lugares onde os jovens homens desaparecem da face da terra, lugares onde eles se tornam nada mais do que monstros". "E eu?" Perguntei com os dentes cerrados. "Você me conhece?"


Viktor balançou a cabeça. "Não, não pessoalmente. Eu nunca vi você lutar. Mas essa tatuagem em seu peito vem de um e somente um círculo de jogo: Geórgia. Sua tatuagem me diz que você veio de um Gulag georgiano. Eu sabia disso no instante em que o vi. Você tem a mesma aparência morta em seus olhos que todos os reclusos têm. O olhar que permanece depois de terem tido a sua humanidade arrancada deles". "Eu sou de Alaska. Meu Gulag estava no Alaska."Eu empurrei. Viktor olhou para mim e disse: "Eu fui lá apenas uma vez. Eu levei os lutadores onde eles precisavam ir, entreguei os lutadores na porta do Gulag. Eu não tinha escolha, até ter pagado a dívida da minha família. Então me levaram como um treinador. Passei anos treinando combatentes para a gaiola do Gulag até que fui comprado pelo Pakhan e cheguei a treinar lutadores o tempo inteiro aqui em Nova York, para a Bratva." Meus olhos se estreitaram. "Você foi bem sucedido no Gulag? Os seus lutadores ganhavam?" Viktor assentiu. "Eu era. Eles ganharam. Meus lutadores foram invictos até que fui trazido aqui. Eu seria morto se falhasse." "Você ouviu falar de mim? 818... Raze? Os guardas me chamavam de Raze porque eu arrasava qualquer um no meu caminho. O diretor me obrigou a fazer a tatuagem nas minhas costas, para os espectadores verem." Viktor olhou apenas um segundo demasiado longo, dizendome tudo o que eu precisava saber. "Todo mundo no Gulag tinha ouvido falar de Raze." Seus olhos caíram e ele apontou para o meu peito. "De... você. Todos acreditavam que era o filho mais malvado da puta de todas as gaiolas de morte".


Descendo, eu puxei-o de pé, com os olhos embriagados perdendo o foco. Eu não dou a mínima para o que ele tinha feito em seu passado. Ele poderia treinar campeões. Tudo que eu preciso é que ele me leve para a final... contra Durov. "Então você vai me treinar. Você vai me treinar para matar Durov." Viktor desviou o olhar, um olhar estranho em seu rosto. "Eu não posso criar mais nenhuma morte. Eu não posso lidar com tantos garotos que entreguei a esses fodidos doentes. Não consigo lidar com tantos garotos assassinados, treinando adolescentes a serem monstros. Eu estou fodidamente quebrado por causa disso." Sacudi-o e seu pescoço pendeu para trás. Então eu fiz-lhe olhar em meus olhos novamente. "Eu não dou a mínima para sua consciência. Não há nenhuma saída desta vida. Nós matamos. E você vai adicionar mais uma morte em suas mãos ensanguentadas: Durov. Eu não vou parar até que ele esteja sangrando em sua garganta. Eu não vou parar até que ele respire seu último suspiro, sabendo que fui eu quem o mandou para o inferno. Então você pode ir e beber até que seu fígado apodreça. Eu não poderia dar uma merda por isso. Mas você vai me treinar. Você vai me fazer ganhar." "Porque? Por que Durov é tão importante? Qual é a história dele com você, se você esteve no Gulag toda sua vida?" O rosto de Viktor tinha uma expressão estranha. Ele estava escondendo alguma coisa? Mas ele desviou o olhar e a expressão tinha ido embora. "Não que eu esteja reclamando. O imbecil é mau. Amaneira como ele trata Kisa é nojento. Mas por que diabos é tão importante para você matá-lo?" Minha mente se fechou; sempre acontece quando eu penso muito sobre a vingança contra Durov. De alguma maneira o nome de


Durov estava lá na minha consciência, um farol luminoso vermelho, me dizendo que ele tinha que morrer. "Eu não sei por que ou como ele fez isso. Tudo que tenho é a necessidade de me vingar de Alik Durov. Sei que ele tomou tudo de mim. Eu posso sentir isso. Só sei que ele tem que morrer. E eu tenho que ganhar. Nada mais importa para mim, apenas isso". O queixo de Viktor caiu, e quando o libertei para o chão, ele passou a mão pelo rosto. "Ok. Eu vou treiná-lo. Mas você é o último. Foda-se, talvez você vá ser a minha redenção. Finalmente posso corrigir o que ajudei a fazer de errado todos esses anos." Eu não me importava do que diabos ele estava falando, quais os demônios que ele lutou. Ele era apenas um bêbado. Mas eu ia derrotar Durov mesmo se essa fosse a última coisa que eu fizesse. E Viktor ia me levar lá. Um duro golpe soou na porta e uma voz chamou, "Raze! Sua vez!" Viktor arrumou os ombros quando escorreguei minhas soqueiras, revirando meu pescoço para afrouxar meus músculos. Eu respirei o cheiro persistente de Kisa, e isso me deu a força, o pontapé de adrenalina para despertar os meus músculos. Viktor abriu a porta e saímos, atacando pelo túnel como um maldito furacão vindo para destruir qualquer coisa em seu caminho. Eu podia ouvir o som dos pés ecoando nas paredes frias. O túnel era escuro, mas logo apareceu uma luz, mostrandome uma brecha do Calabouço. O Calabouço que iria me ajudar a realizar minha vingança. Viktor olhou para mim quando nos aproximamos. "Seu oponente é novo, não qualificado, o checheno Viper. Ele é um assassino sádico pego pelos chechenos para lutar em troca de mantê-lo longe dos federais. Viper usa uma corrente de lâminas, portanto, fique baixo,


golpeie seu tronco, seus órgãos vitais, quando ele se retirar para balançar a corrente. Aponte para uma morte rápida. Sem exibicionismo. Faça isso rápido e simples. Choque e pavor, atordoe a multidão. Faça os outros lutadores temerem a sua eficiência. Você faz isso, é um jogo de menos-que-um-minuto. Você vai ser visto como o homem a ser batido. Nova estrela do Bratva e um potencial adversário para Durov. Você só tem um par de lutas para vencer para chegar à final. Tenha isso em mente porque Durov sempre estará na final." Eu guardei o que Viktor disse, tomando nota, trancando a informação. Eu abri meus dedos e estalei meu pescoço, me preparando para a luta. A excitação nervosa surgiu por minhas pernas e estômago, fazendo-me saltar no meu pé, me preparando para a sensação viciante de punho batendo na carne, para entrar no círculo de sangue derramado. Meu pulso batia quando visualizei o primeiro soco, o spray de sangue do meu adversário no meu peito, o crack de seus ossos debaixo dos meus pés. Gostaria de derrubar este animal, abatê-lo e cortar sua carne. Viktor bateu com a mão no meu rosto e meus olhos esbugalhados foram aos seus. "Você é o Raze. Você é a morte. Vamos porra, RAZE INFERNO!" Rosnando através de meus dentes, meus braços tencionaram, e com um foco determinado, invadi abaixo a passagem para a jaula, subindo os degraus e entrando na arena. O animal que fui enviado para matar passeava do outro lado. Eu sabia com um olhar que este filho da puta matava por diversão, pego na rua, não tinha treinamento para lutar até a morte. Os sinais reveladores de sua mente fodida estavam lá: o contrair do pescoço, o sorriso de satisfação na sua boca, o salto de seus músculos. Seu corpo precisava matar, precisava sentir a adrenalina que só vem com a parada do coração de alguém. Mas esta gaiola era a porra do meu domínio, tudo que eu já tinha conhecido. O que este fodido


sádico, que provavelmente matou mulheres e crianças por diversão, não sabia era que eu tinha matado bastardos muito mais fodidos do que ele. Eu matei porque tinha que fazer. Eu não tinha outra escolha. Eu já estava morto, não mais do que um número — despojado de moral, despojado de liberdade, e despojado de vida. Eu era um animal condicionado a infligir dor sem remorso. E você não pode matar alguém que não tem alma. A porta da gaiola se fechou, prendendo-nos no interior, o parafuso deslizante no lugar. A névoa vermelha que eu usava para derrotar adversários infundindo meu corpo. O monstro que eu nutria profundo dentro de mim foi libertado. O Viper checheno envolveu a corrente em torno de seu punho, a bola cravada tripla balançando em círculos no fundo. Ele sorriu para mim, seus dentes brilhando ouro. Andei do meu lado da jaula, esperando o tiro da arma de fogo que daria início a luta, de modo que eu poderia acabar com a vida deste filho da puta. Poucos segundos depois, um membro da Bratva caminhou para o lado da gaiola. Eu não perdi o foco sobre o Viper, meu alvo. Eu nunca tirei os olhos dos mortos-vivos. A arma disparou. A multidão entrou em erupção, gritando no alto de seus pulmões. O Viper saltou para frente, balançando sua corrente acima de sua cabeça. Como Viktor tinha previsto, o Viper mostrou uma falta de habilidade quando ele se apressou para entrar no primeiro golpe. Eu me abaixei enquanto a bola cravada viajou sobre a minha cabeça. Usando o braço levantado na minha vantagem, eu balancei meu punho direito, e penetrei profundamente minhas lâminas no rim do Viper. Em seguida, com o meu punho esquerdo, rapidamente perfurei um pulmão. Eu continuei andando para frente, sem olhar para trás. Eu assisti as bocas da multidão cair abertas e olhos arregalados na minha velocidade.


Então ouvi o som mais doce de todos. O filho da puta doente que eu tinha para o abate, cair no chão; meus golpes o trazendo de joelhos. Virando a cabeça, com os punhos cerrados, lâminas aos seus meus lados, como esperado, vi o meu oponente de joelhos, cabeça baixa, corrente ao seu lado. Pulando para ficar na frente dele, puxei a corrente de sua mão, plantando meu pé em seu peito, e chutei-o até que ele caiu de costas, sangue escorrendo de suas feridas enquanto ele lutava para respirar. Quando seus olhos embotados olharam para mim, eu balançava sua corrente e cravei em linha reta em seu rosto, mandando-o para o inferno com sua própria arma. Seu rosto tinha ido embora, não mais visível, nem mesmo para o diabo. Com seu crânio esmagado, os espectadores foram à loucura e o grito da vitória soou. Descartando a corrente no chão sangrento, lancei um rugido vitorioso e andei ao redor do círculo, arrastando minhas soqueiras ao longo dos elos de metal, esperando a porta abrir. Quando eu estava do outro lado, algo me fez olhar para cima, alguma atração magnética. Eu nunca olhei para cima, nunca mostrei os meus olhos para qualquer um, apenas o homem que eu estava prestes a matar. Mas desta vez, eu não pude resistir. No alto de uma forma de caixa acima da multidão, o rosto de Kisa entrou em foco. Suas mãos estavam pressionadas contra o vidro de proteção. Seu rosto estava inundado de alívio, um pequeno sorriso brincou em seus lábios, e lágrimas de felicidade brilhou em seus olhos azuis. Eu mal podia arrastar os olhos dela. Mas quando a porta da gaiola foi aberta, eu saí, agressão ainda percorrendo o meu corpo para ficar parado, muito ódio para os doentes fodidos no meio da multidão para aceitar a porra de sua adulação falsa. Um

caminho

apurou

enquanto

eu

invadia

através

da

multidão. Como presa fugindo de um predador, o instinto disse-lhes a se mover, para ficar longe do perigo. Viktor caiu em passo ao meu lado. Quando me aproximei da boca do túnel levando de volta para a sala de


espera, Durov pisou no meu caminho, um olhar irritado em sua face. Sua luta era a próxima, uma vez que a gaiola tinha sido lavada. Sem parar, eu nocauteei o caminho com o meu ombro, e uma risada saiu da porra de sua boca. Eu continuei andando, a necessidade de queimar meu excesso de agressividade, quando ele provocou: "Sabe 818, ainda posso saborear sua boceta pingando na minha boca. Eu a peguei duro, realmente duro." Como se uma coleira tivesse sido empurrada em um colar em volta do meu pescoço, cheguei a um ponto morto. Um incêndio queimava enrolado no meu intestino, uma onda de proteção aderindo quando pensei em Kisa. Inalando profundamente, eu tentei acalmar a minha raiva, mas não funcionou. Nada do caralho funcionava. Aquela mulher estava arrebentando minhas defesas, quebrando paredes que eu não queria que viessem a baixo. Viktor se moveu na minha frente, fora da vista de Alik, e aconselhou: "Mova-se. Não lhe dê a satisfação." Eu balancei a cabeça, mas não podia parar minha raiva, quando a dor me cegou e uma memória me bateu duro...

"Cai fora dela, Durov," o rapaz ordenou. A expressão de Durov transformada em pedra. "Ela é minha. Ela pertence a mim!" "Ela não quer você." O menino se aproximou e, baixando a voz, disse: "Durov, ela é minha, e vou te matar se você tocá-la novamente."


Durov sorriu, um sorriso irritante e frio. "Vou levá-la algum dia, e não haverá nada que você possa fazer sobre isso. Eu não posso deixá-la sozinha naquele biquíni. Eu tenho que tocá-la. Quero transar com ela." Sem pensar, o rapaz recuou o punho e, alimentado pela raiva, enviou-o em linha reta no rosto psicótico de Alik, a pura força derrubando-o no chão. "Você é louco! Você está fodidamente doente da cabeça!" Durov sorriu, como se não sentisse o golpe. "Talvez, mas ela vai ser minha. Eu a quero. Eu preciso dela. Ela me acalma, e vou fazer de tudo para possuí-la e tê-la só para mim e bem fodidamente longe de você..."

O flash me pegou desprevenido. Quando virei minha cabeça para olhar para trás para Durov, através do capuz, vi a mesma expressão fria no rosto... a mesma da memória. Eu tive uma memória de um Durov adolescente... Durov sorriu aquele mesmo sorriso psicótico. "Eu tenho ela, filho da puta. Sempre tive. Se você chegar perto dela, ou se eu encontrá-lo olhando para ela de novo, vou te matar". Abanando, no limiar de perder o controle da minha raiva, eu sussurrei para Viktor, "Leve-me para o ginásio. Eu preciso treinar, trabalhar fora essa raiva, ou eu vou matá-lo, aqui e agora!" Viktor não questionou a minha demanda. Segui-o para baixo do túnel, longe da porra do homem morto andando, Durov. Eu sorri sabendo que seus dias estavam contados e eu logo estaria cuspindo em seu cadáver frio.


Então minha mente derivou para Kisa e a expressão de alívio no rosto, palmas das mãos contra o vidro.Aquele pequeno sorriso em seus lábios, as lágrimas de alívio nos olhos. E, pela primeira vez em...sempre, algo além de raiva doeu no meu peito. Era um sentimento assustador e estranho, mas quando eu pensava no rosto de Kisa, parecia familiar. Parecia... certo.


Capítulo Treze Kisa

"Você deveria ter visto ele, Talia. Ele destruiu o checheno em segundos. Foi inacreditável. Era tudo o que qualquer um poderia falar." "E Alik?" Perguntou Talia, e eu suspirei. "Ele foi tão cruel e tão dinâmico como sempre. Ele lutou contra o Turk. Ele brincou com ele pelo o que parecia ser uma eternidade, eviscerou-o peça por peça com sua adaga. A multidão adorou, Abram sorriu para o filho com orgulho ao lado da gaiola, mas eu não podia ver. Era muito. Eu odeio quando ele os mata tão devagar, tão violentamente." Talia ficou em silêncio e depois disse: "Mas você poderia assistir Raze matar alguém?" Olhando para a minha foto e de Luka quando crianças, agarrei em minhas mãos, pisquei os olhos, estudando o seu rosto, seu belo rosto. "Kisa?" "Sim", eu sussurrei. "Eu podia vê-lo. Ele não brinca com seu oponente, mesmo que eu tenha ouvido que ele era um assassino doente das ruas e provavelmente merecia. Ele não arrastou a matança. Ele não pendurou ao redor da gaiola, jogando com a glória da multidão. Ele deixou a gaiola e, em seguida, quando fui aos locais de alojamento para ver se ele estava bem, ele e Viktor já haviam deixado o prédio. Eu nem


mesmo sei onde ele fica. Acho que ele vai ficar com Viktor. Ele é tão solitário, privado." Segundos se passaram antes de Talia dizer: "Você já está completamente apaixonada por ele, não é?" Eu abri minha boca para argumentar, mas fechei, recusandome a mentir para minha melhor amiga. Eu queria dizer a Talia o que estava pensando sobre Raze, que ele tinha semelhanças muito próximas com Luka. Que eu tinha sonhado que Luka estava de volta de onde quer que ele tenha desaparecido, de entre os mortos. Mas eu sabia que não podia exprimir estas palavras sem provas. Esta era sua irmã. Ela já o pranteou, manteve a família junto quando ele deixou... morreu. "Eu me apaixonei por Raze", eu admiti e ouvi Talia suspirar de trepidação. "Tenha cuidado, Kisa. Você está patinando em gelo fino. Você não pode se apaixonar por alguém de fora da Bratva, fora desta família", Talia severamente advertiu. É claro que eu sabia que ela estava realmente me avisando sobre o que Alik faria se ele suspeitasse de qualquer coisa. "Eu vou", respondi, o meu celular começa a apitar com outra chamada. "Tal, tenho que ir. Eu tenho outra chamada... É Alik,"eu disse, de repente me sentindo drenada. "Bem, é melhor você responder-lhe. Ele já me odeia. Eu não quero dar-lhe mais munição. Falamos em breve", Talia prometeu, e eu apertei o botão para ouvir a música estridente através do alto-falante. "Alik?" Eu gritei, segurando o telefone longe do meu ouvido. "Myshka?" Alik gritou por cima da música. "Estou ligando para verificar se você estava em casa e na cama."


Meu estômago ficou tenso e raiva me fez ferver. Alik não estava verificando minha segurança. Ele estava tendo certeza que eu estava de volta na minha versão de gaiola, — obedecendo as regras dele, aceitando seu controle sobre mim, — enquanto ele saiu para jogar, mergulhando seu pau em qualquer coisa com uma boceta molhada. "Estou em casa. E vou para a cama", eu respondi secamente. "Bom. Não saia", ele ordenou asperamente. Eu fechei meus olhos, tentando conter a minha ira, quando uma voz de mulher chamou Alik, seduzindo-o para ir ao quarto de volta com ela. "Onde está você, Alik?" Perguntei com polidez fingida. Silêncio cumprimentou-me até a música desaparecer e o som de uma porta se fechando vir através do alto-falante. "Estou

fora.

Não

importa

onde,

porra",

Alik

disse

sombriamente. "Eu estou fazendo negócios da Bratva. Estou aqui com os associados". "Você está no Triângulo?" Eu disse. O clube pertencia a Bratva, que seu pai conseguiu. Depois que Alik lutava, ele tinha que foder. Normalmente, era eu que tinha de sofrer contra a parede na parte de trás do Calabouço, mas desta vez nós terminamos tarde porque Alik tinha prolongado sua matança. Papa ordenou-me direto para casa, cortesia de Serge, e, claro, ele não me deixou ficar na casa de Alik durante a noite, não até que nos casássemos então Alik levou seu pau para as putas. Eu sabia que com essas mulheres, ele realmente deixava suas cores verdadeiras se mostrarem. Eu tinha ouvido que algumas acabaram em tal estado que tinham sido hospitalizadas. Talia ouviu rumores que algumas das mulheres que ele fodeu, tinham desaparecido em um quarto privativo com meu noivo, nunca mais se ouviu falar ou visto novamente.


Como merda que parecia, eu estava feliz que ele tirou suas fantasias doentes sobre elas e não em mim. Ainda estranhamente, eu sabia como louco Alik era, ele nunca iria me machucar... a não ser que eu tentasse me libertar dele. Minha vida era mais segura com ele se eu atuasse no papel da esposa perfeita Bratva. O que mais machuca era que meu pai era tão orgulhoso de mim por manter esse manto honroso. "Cale a boca, Myshka. Eu estou fora, trabalhando fora da luta. Seu pai tomou sua boceta molhada de mim ou você estaria gritando debaixo de mim agora. Mesmo que seu enrugado pau está aqui no clube comigo, sendo sugado por prostitutas de sua idade. Você sabe que eu preciso foder, mas essas vagabundas não são você, baby, nunca minha Myshka. Elas são apenas prostitutas, mais nada. Eu penso em você o tempo todo que estou dentro delas, imaginando você se contorcendo debaixo de mim, arranhando minhas costas. Como é isso? Isso te faz se sentir melhor? Apenas fique sentada em casa e eu vou vê-la amanhã. E, enquanto você ficar dentro de casa, nós não temos problemas. Sim?" "Sim", eu sussurrei em resposta, sentindo-me mal do estômago. "Eu

te

amo,

Myshka",

Alik

disse,

seu

tom

áspero

descongelando alguns graus. "Eu também te amo", respondi. Foi hábito, soando mais como uma „Esposa Perfeita‟ do que uma noiva obcecada com seu verdadeiro amor. O telefone morreu, e eu pulei da minha cama, a mão na minha testa quando o desespero passou por mim. Eu odiava essa maldita vida, presa em uma gaiola por Papa e Alik com sua obsessão psicótica. Eu tinha vinte e cinco anos, pelo Amor de Cristo, no entanto eu estava trancada como alguma virginal menina de quinze anos de idade. Às vezes eu odiava minha vida.


Os guardas estariam lá embaixo, protegendo o reduto do Pakhan, na realidade, me impedindo de deixar a porta da frente, mas eu tinha que sair. Precisava de ar fresco. E eu nunca tinha desobedecido às regras, de modo que mesmo só de imaginar eu me esgueirando estava causando-me suores frios. Agarrando minha jaqueta do meu armário, eu balancei e fui para minha janela. Abri-a com cuidado, rastejei para a escada de incêndio. Na ponta dos pés para baixo as escadas de metal, pulei para a calçada. Tendo certeza que eu não tinha sido vista, comecei a caminhar nas sombras, ocasionalmente, olhando para o céu à noite, retratando os olhos de Raze quando ele ganhou a luta, meu alívio de sua vitória evidente no meu rosto. Ele olhou para mim. Ele me encontrou no mar de homens. Senhor! Eu não poderia tirá-lo da minha cabeça! Eu estava ficando louca querendo saber se este misterioso desabrigado homem poderia ser meu Luka. O som de um carro sendo puxando para o meu lado me fez virar. Faróis fortes me cegaram. Eu pulei, de repente, com medo de que poderiam estar atrás de mim. Então, o rosto familiar de Serge entrou em vista, a sua janela aberta e os olhos perfurando os meus. "Serge!" Eu disse, sem fôlego e em estado de choque. "Senhorita Volkova, o que você está fazendo fora da casa? Você sabe que não é permitido. "Serge repreendeu-me, e, em seguida, tudo o que eu sentia era raiva. "Serge, eu precisava de ar fresco. Meu noivo e meu pai estão fora em um bar de putas. Alik provavelmente se enroscando em uma longa linha de prostitutas enquanto estou presa dentro do meu quarto como uma criança travessa. Ele me disse para não me mover ou eu iria irritá-lo, e isso não é como uma boa esposa de um chefe Bratva deve agir. Então eu precisava de um pouco de ar fresco, ok? Eu tenho vinte e


cinco anos, administro um círculo de jogo multimilionário composto de assassinos e psicopatas, e eu só queria dar um maldito passeio no meu próprio quintal, por uma vez na minha vida!" O rosto de Serge suavizou enquanto eu ofegava, minha respiração perdida através de esforço, e puxando o carro para uma parada, ele saiu da porta do motorista. "Você não pode ficar aqui fora, Kisa. É muito perigoso. Muitos homens querem se vingar de seu pai, Alik, Abram, Ivan... Inferno, faça a sua escolha! Eu sei que você se sente presa. Eu não sou estúpido. Eu estive com você desde que era pequena, mas não posso desobedecer ordens ou eles vão me matar." Deixando cair a minha cabeça, sentindo-me culpada em meu discurso, insisti, "Eu não vou voltar ainda, Serge. Eu estou sufocando sob essas regras. Eu estou me afogando... "Lágrimas encheram meus olhos e tentei em vão secá-las, mas eu encontrei-me sussurrando: "Eu estou miserável." Serge suspirou e deu um passo adiante, me puxando para o peito para um abraço. "Então vou levá-la em algum lugar. Dessa forma, vou saber que você está segura e você ainda pode ter um pouco de liberdade." Derrubando minha cabeça de volta para a lua brilhante, então olhei para Serge. "Bem, obrigada. Por favor, me leve para a academia. Eu posso também obter algum trabalho para ocupar a minha mente se não consigo dormir." O rosto de Serge relaxou e ele abriu a porta traseira para mim, balançando a aprovação. Ele escorregou para trás, para o banco do motorista, e nós corremos pelas ruas de Brooklyn. Eu sorri para os grupos de mulheres tropeçando de bares com os seus amigos, nenhum cuidado no mundo, e os casais envolvidos em torno de suas cinturas,


estando juntos, desfrutando da companhia um do outro, provavelmente voltando para casa, para transar. Eu deveria me sentir feliz por essas pessoas, mas o que sentia era esmagador desapontamento. Nunca seria eu. A mim nunca seria permitido sair com os amigos. Eu nunca, nunca poderia ter um relacionamento amoroso com Alik. Posse e ciúmes não é amor. Eu sabia muito bem disso. Ele sempre me controla. Eu estava me tornando tão desesperada para escapar do meu destino que estava imaginando que um lutador desabrigado seria o único menino que eu já tinha amado. Eu seria uma prisioneira até que morresse... a vida de uma rainha Bratva. Decidida a fechar os olhos a qualquer outra visão que iria me causar dor, descansei minha cabeça de volta no assento e vaguei para fora até que chegamos ao ginásio. Quando abri a porta do passageiro, Serge tentou me seguir para dentro. "Não, Serge, por favor. Eu quero ficar sozinha", implorei. Serge parou em seu caminho. "Senhorita Volkova, você sabe que não posso te deixar. É proibido." "Eu sei. Pode fazer o favor de esperar aqui até que estou pronta para ir para casa? Por favor... Eu preciso de algum tempo sozinha." Serge olhou para mim, e meu estômago revirou, pensando que ele ia dizer não, quando em um suspiro, balançou a cabeça. "Eu vou esperar no carro. Se você precisar de mim, chame", disse ele, voltando para o carro e acenando seu celular para me mostrar que estava mantendo-o perto.


Dando-lhe um sorriso agradecido, abri a porta lateral e entrei no vazio e escasso ginásio, liguei o mínimo de luzes. Fui para o meu lugar de solidão, meu escritório. Quando me aproximei da porta do escritório, notei um brilho silenciado a partir de uma das salas de treinamento na parte de trás do ginásio. Eu fiz uma careta. Ninguém deveria estar aqui. O ginásio tinha sido fechado e protegido uma vez que todos os lutadores tinham ido para o calabouço no início do dia. Alguém estava aqui. Sentindo medo correr pela minha espinha, corri para o meu escritório e porto seguro, verificando sobre o meu ombro, abri uma porta pesada para tirar minha Beretta7. Papa insistiu para que eu pudesse acessar um desses sempre que eu precisasse — em toda casa e em vários locais secretos aqui no trabalho. Minha respiração era superficial quando o medo tomou conta. Caminhei lentamente e silenciosamente em direção ao quarto que emitiu a luz. Uma vez preocupada, firmando minhas pernas tremendo, eu tomei uma pequena nota de onde estava e cujo quarto era. De pé na porta, acalmei meus nervos e tomei uma respiração profunda antes de colocar a mão na maçaneta da porta e lentamente girar. A porta se abriu. Trazendo a minha arma mais alto, passei pela porta. A primeira coisa que notei foi um tapete no chão e um cobertor grosso formando o que parecia ser uma cama improvisada. Alguém estava dormindo aqui? Quem...?

7Beretta

é o nome genérico atribuído à fábrica de armas de fogo italiana Fabbrica d'Armi Pietro Beretta S.p.A


Levando-me desprevenida, uma mão deu um tapa na minha boca. Tentei gritar quando eu fui rapidamente desarmada e colocada em um aperto inflexível. O hálito quente do fantasma passando meus ouvidos e um poço de medo abriu no meu estômago. Eu podia sentir o coração batendo forte no peito do atacante pressionado nas minhas costas. Tudo o que conseguia pensar era que meu pai não conseguiria lidar se eu morresse também. Tinha perdido meu irmão, minha mãe, e eu já estava certa que iria morrer aqui também, até que meu atacante raspou fora, "Pare de lutar." Todos os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantaram e todos meus músculos congelaram, obedecendo ao seu comando. "Bom", ele rosnou. "Não grite e vou tirar minha mão." Eu balancei a cabeça sem jeito, ainda presa em seu aperto. Quando tentei relaxar meus músculos, a mão gradualmente se afastou da minha boca. Seu grande corpo recuou de ser nivelado à minha volta. Não tendo certeza se os meus pés iriam funcionar, comecei a virar, ouvindo a respiração profunda atrás de mim. O brilho maçante do banheiro adjacente era a única luz na sala escura, a sombra do homem escurecendo a velha parede de cal. Segurando minha respiração, me virei e imediatamente engasguei quando encontrei Raze me encarando. Vestindo apenas cueca boxer preta, seu grande corpo musculoso, ficou tenso enquanto me observava com aqueles olhos castanhos hipnóticos. "Raze?" Eu sussurrei, minhas pernas parecendo agora como geléia. Raze me viu e suas narinas queimaram, suas bochechas ruborizando quando o calor se levantou em seu rosto. "Kisa..." ele raspou fora, quase como se ele estivesse com dor.


Quando o meu nome caiu de seus lábios, meu estômago vibrou, meus peitos doíam, e umidade agrupou entre as minhas pernas. Raze tinha mudado em cada parte do meu corpo, como se estivesse pegando fogo. Chegando mais perto, sentindo as ondas de calor de seu corpo, seu aroma fresco bateu em mim, e um gemido escapou dos meus lábios. Um estrondo soou no peito de Raze. Minha necessidade de tocálo, senti-lo, cresceu a um impossivelmente alto nível. Até seus punhos fechados ao seu lado, o ranger de seus dentes, e aqueles olhos famintos, eu sabia que ele me queria também... desesperadamente. "Raze..." Eu sussurrei enquanto meus dedos encontraram os dele e, inconscientemente, meu dedo correu para baixo de seu rosto mal barbeado. Não havia um arranhão em seu corpo da luta desta noite. "Por que você está aqui?" Os olhos de Raze fecharam em meu toque. Olhando para baixo, vi-o endurecer sob seus boxers negros, o material se esforçando com sua rigidez. Minha mão continuou a viajar para baixo, arrepios correndo pela pele de Raze com meu toque, seus lábios cheios deixando um lento vaio de ar deslizar de sua boca. Neste momento, eu não estava pensando em Alik, meu pai, meu dever como Volkova, ou mesmo a consequência de tocar Raze assim. A necessidade de me libertar de minha vida sufocante estava dirigindo-me para frente, fazendo-me imprudente nas minhas escolhas. Tudo o que eu conseguia pensar era como Raze era bonito. Quão forte e destemido, como feroz, como cru. Ele era indomável. Ele não tinha graça social, era desprovido de conhecimento sobre como ser uma pessoa normal. Ele era curto e agressivo, mas seus olhos expressivos, quando eles olhavam para mim, me fizeram sentir segura, me fizeram ver que


havia mais alguém lá... alguém que correspondia a minha alma. Deume fé de que ele não era o monstro que parecia. "Eu durmo aqui", respondeu ele eventualmente. Seu corpo permaneceu imóvel como uma estátua enquanto eu continuei a maravilhar-me com seus músculos, deleitando em suas tatuagens demoníacas, perguntando por que ele tinha essas imagens más para sempre gravadas em sua pele. Meu dedo parou sua exploração e meus olhos chegaram aos seus. "Você fica aqui?" "Não tenho mais para onde ir", ele respondeu rispidamente. E com isso, a dor cortou meu peito como se meu coração tivesse sido dividido em dois. Raze baixou a cabeça para escapar de meu olhar simpático. Eu levantei o meu dedo e inclinei o seu queixo. Eu fiquei em silêncio até que seus olhos olhavam aos meus, e eu perguntei,"De onde você veio?" Emoção vazou de sua expressão e ele sussurrou, "Inferno". Minha atenção foi atraída para os demônios em seu peito, o número, em seguida, suas contagens... e, finalmente, para a mais recente adição raspada em sua pele — a morte de hoje. O ar parecia pulsar em torno de nós como se uma força inexplicável nos puxasse juntos. O pescoço de Raze tenso, cada veia e cordão saliente. Ele estava fisicamente segurando-se longe de mim. Eu estava lutando contra a atração, tencionando minhas coxas enquanto me contorcia, tentando aliviar a pressão construída no meu âmago. Mas quando as palmas das minhas mãos pousaram no peito de Raze, sua pele quente quase escaldante em minhas palmas, ele inclinou-se, enfiando o nariz na dobra do meu pescoço.


Eu gemi quando ele inalou e resmungou: "Eu quero você." Três palavras. Três palavras simples tornaram-se a minha ruína. Soaram rudes, dominantes, no entanto, soavam como poesia à minha alma. Sem me dar tempo para pensar, Raze agarrou meus braços e me levou para trás até a minha bunda bater na parede. Ele estava ofegante no meu pescoço. Soltando um gemido faminto, minhas mãos agarraram seu desarrumado cabelo, e eu derrubei minha cabeça para trás, dando-lhe mais acesso. Quando sua coxa escorregou entre minhas pernas, seu pau duro roçou meu clitóris latejante. "Raze!" Eu gritei quando o prazer tomou conta, e puxei sobre os grossos fios de seu cabelo. Raze soltou um som como o rosnado de um animal selvagem. Ele recuou a cabeça, o marrom inseguro de seus olhos, olhando para o meu azul, e ele perguntou nervosamente, "Posso ter você?" Meu coração batia tão rápido na gravidade do querer em seu rosto, que pensei que iria desmaiar, ou o meu calor iria me quebrar em um milhão de pedaços. Raze fechou os olhos enquanto colocava seus braços em volta de mim, segurando-me perto, como se ele tivesse medo que eu fosse tentar fugir. "Posso ter você? Eu quero ter você... Eu preciso ter você", ele sussurrou, sua voz gutural profunda e áspera, tensa como uma corda esticada prestes a estourar. Deixando todas as preocupações remanescentes fugirem da minha mente, joguei meus braços em torno de seu perfeitamente esculpido ombro e, escovei minha boca em sua orelha, então sussurrei: "Você pode me ter, Raze. Você pode ter tudo de mim."


Raze acalmou, passando longos segundos, mas depois senti a lenta lambida, molhada de sua língua ao longo do lado do meu pescoço, e ele pulou em movimento. Seus braços me liberaram. De repente, minha camisa estava rasgada nas costuras, os botões pulverizados sobre o chão. O rosto de Raze era determinado, e ele estava perdido em sua luxúria. Meus seios estavam duros sob o meu sutiã, doendo para serem tocados. Focando seus olhos castanhos no meu arfante peito, Raze rasgou meu sutiã à parte, seios nus expostos, e sua boca imediatamente fechou em um duro, ereto mamilo. Sua língua lambeu furiosamente em minha carne e meus olhos reviraram com a sensação. Eu quase gozei apenas na sensação de sua boca quente na minha pele. "Raze..." eu murmurei, apertando seus músculos em minhas mãos, tornando-me mais e mais ligada pela pele áspera e cheia de cicatrizes sob as palmas das minhas mãos. Rosnados graves e selvagens rasgavam da garganta de Raze. Suas mãos abaixaram e levaram minha calça. O material rasgado em dois, ele jogou-os no chão. Eu fiquei lá apenas na minha calcinha preta, braços ainda segurando os bíceps de Raze. Raze recuou, os olhos arregalados me saboreando da cabeça aos pés, seu pau tão duro que quase destruiu sua cueca. Ainda paralisado em meus seios expostos, Raze mergulhou a mão em sua cueca e começou a deslizar para cima e para baixo seu pau no que tinha de ser a melhor tortura na Terra. "Raze... Eu preciso de você. Deixe-me tê-lo também", eu gemi quando espalmei meus seios, beliscando meus mamilos enquanto observava aquele homem geralmente controlado, ficar lentamente desfeito. Resmungando algo que não consegui entender, Raze arrancou sua boxer, seu pau longo e grosso ficando em exibição. Eu quase


desmaiei com o quão forte e selvagem ele apareceu, a ponto de me levar... ou em suas palavras, me ter. "Raze, por favor", eu implorei mais uma vez, e desta vez algo dentro dele explodiu. Balançando para frente, as mãos de Raze foram direto para minha calcinha, com as pernas dobradas, e ele arrancou o fino pedaço de tecido do meu corpo. Eu agora estava totalmente nua. Suas mãos calejadas alisaram as minhas coxas, sobre meus quadris, minha cintura, antes de se mudar para os meus seios. Vi seus olhos inflamarem com necessidade, e eu escorreguei minha mão direita para baixo de seu abdome e a envolvi em torno da ampla circunferência de seu pau. Raze jogou a cabeça para trás e gemeu quando seus dedos beliscaram meu mamilo, e eu lentamente comecei a acariciar minha mão para cima e para baixo, amando observá-lo cair além. A mão esquerda de Raze bateu contra a parede atrás de mim, seus quadris balançando para frente e para trás com o movimento da minha mão. Seus olhos estavam fechados, a boca escancarada; ele parecia de tirar o fôlego, e eu encontrei-me implorando, "Beije-me". Raze abruptamente se deteve e seus olhos se abriram, a mancha de azul aparente, brilhando como o mais claro mar contra a tela escura do marrom. Minhas sobrancelhas franziram em sua reação estranha, e ele recuou alguns passos, meu corpo nu agora, a sensação de frio. "Raze?" Eu questionei, e ele começou a andar no chão diante de mim, com o rosto atormentado e em pânico. "Raze?" Eu empurrei de novo, e seus olhos deslizaram para os meus, em seguida, de novo. Senti a nossa conexão sumir. Eu não tinha ideia do que tinha feito. Sentindo um jato frio sobre a minha pele nua, me virei para cobrir meus seios com as mãos, quando Raze lançou um gemido aflito e


veio para mim de novo, seu peito e quadris prendendo-me contra a parede e suas grandes palmas no meu rosto. Seus olhos estavam focados em meus lábios, e ele estava ofegante, mas meu coração caiu quando vi o nervosismo em seus olhos. Com minhas mãos em concha em suas bochechas e Raze olhou para mim. "Raze?" Perguntei. "Você já beijou alguém antes?" A lavagem de incerteza e, em seguida, talvez constrangimento tragou em seu rosto. "Eu... eu não sei", ele disse calmamente. "Eu não me lembro." Lágrimas brotaram em meus olhos. O que diabos tinha acontecido com ele? De onde diabos ele tinha vindo? "Está tudo bem", eu disse e comecei a inclinar-me. Raze enrijeceu na ação. Ele era como uma estátua quando meus lábios pairaram apenas uma polegada do seu, e eu sussurrei, "Posso ter você?"Meu coração bateu freneticamente. Os ombros de Raze relaxaram, e eu aproveitei a oportunidade para pressionar os meus lábios contra os dele. Meu coração inchou imediatamente e um senso de almas que se fundem encheu-me tanto que era quase insuportável. As mãos de Raze em minhas bochechas, a princípio imóvel, apertando suas garras, seus lábios começaram lentamente a trabalhar contra os meus. Isso foi tudo o que tomou. Um toque, um beijo, e algo dentro dele estalou e sua boca me possuía, sua língua lanceando em minha boca, controlando a minha. Sentindo a umidade entre as minhas coxas, eu gemia e comecei a moer contra sua coxa, em seguida, desloquei mais até que seu pau estava encostado na minha boceta. Tentei arrancar meus lábios de sua boca, mas Raze parecia fundido a mim. Ele não deixou me ir. Ele me possuiu com o beijo, me tendo, completamente me tendo.


Minha mão desceu entre nós e eu cavei suas bolas, massageando-as na minha palma. Raze soltou um rugido em minha boca, e seus quadris começaram a empurrar na minha mão, seu pau deslizando nas dobras encharcadas de minha boceta. Tentando puxar minha boca longe, eu grunhi, "Foda-me, Raze... Foda-me." E isso foi tudo o que tomou. Em segundos, Raze me virou ao redor e me inclinou sobre o próximo banco, meu rosto pressionado contra a madeira dura. Eu nem sequer pensei em proteção. Quanto estúpido da minha parte isto foi, realmente não me importei. Eu estava tomando pílula, e, neste momento, foi o suficiente. Algo no meu intestino me disse apenas para confiar nele. Senti seus dedos nas bochechas de minha bunda, então ele me prendeu no lugar, e eu gemia com seu forte toque. Em seguida, seus dedos estavam de repente correndo pela rachadura da minha bunda, e cada parte de mim tencionou. "Raze!" Eu chamei em alarme, enquanto seu dedo empurrou para dentro do meu buraco apertado, e eu tentei me levantar. Sua mão me segurou no lugar e pânico substituiu a paixão quando lutei contra essa intromissão indesejável. O dedo em breve puxou para fora, mas quando olhei para trás e vi o punho e a cabeça do seu para o mesmo lugar, comecei a lutar para levantar do banco quando a ponta pressionou contra o único lugar que eu não queria que ele fosse. "Raze! Pare!" Eu pedi. A mandíbula de Raze cerrou e os olhos fixos nos meus. "Não aí!" Eu implorei, testemunhando as sobrancelhas puxar para baixo em confusão. Meu medo desta vez foi substituído com


tristeza quando percebi que ele não entendia por que eu estava protestando. Lutando contra o caroço subindo na minha garganta, eu disse: "Mais em baixo." Eu vi Raze olhar para baixo em minha boceta, e confusão nublou seu rosto. “Em baixo, foda-me no outro buraco." Eu o guiei, uma verdade devastadora tornando-se evidente em minha mente. Raze... de onde diabos você veio? "Eu não entendo", Raze murmurou, seu rosto e corpo ficaram tenso, torturado com confusão. Inclinando-me para trás, eu levei o seu pau na minha mão e deslizei-o ao longo da minha boceta. Quando ele estava na entrada e as coxas grossas descansaram contra meu traseiro, eu disse: "Agora empurre. Foda-me aqui." O olhar de Raze focado de volta em seu pau. Estendendo a mão para agarrar meus quadris, ele começou a empurrar para frente, a ponta deslizando em minha entrada. Então, de repente, ele se acalmou, e eu relaxei, valorizando a sensação, apenas o tempo suficiente para Raze cavar os dedos em meus quadris para um aperto quase agonizante e forçara frente, batendo em meu canal até que ele estava plenamente enraizado ao máximo. "Raze!" Eu gritei para fora quando ele rugiu, e eu podia sentir suas mãos tremendo enquanto seu peito se reuniu em minhas costas e ele ofegava seu hálito quente em meu cabelo. "Foda-se", ele gemeu, e seus quadris começaram a balançar para trás e para frente, seu pau era tão grande que raspava o meu ponto G, meus olhos se fechando enquanto eu saboreava a sensação dele dentro de mim. Eu podia senti-lo em todos os lugares: dentro do meu corpo, no meu coração... em minha alma.


"Kisa..." Raze gemeu quando sua mão roçou o cabelo das minhas costas e seus lábios quentes pressionaram na pele da minha nuca, me fazendo tremer. Seus lábios se arrastaram pela minha espinha, fazendo-me gemer incontrolavelmente, e, em seguida, sua língua começou a lamber minha pele úmida. "Eu me lembro disso", disse ele enquanto seus quadris se tornaram mais exigente, seu pau mergulhando mais longe dentro de mim, todo o sentido flutuante da minha mente. "Lembro-me de uma coisa. Foi tão bom. É tão bom... com você... apenas com você..." Lágrimas escorreram dos meus olhos, e eu imaginei a minha primeira

vez...

com

Luka.

Nós

éramos

muito

jovens,

muito

inexperientes, mas essa memória era o meu mundo. Eu senti como se estivesse fazendo amor com Luka novamente. Tudo sobre a forma como ele estava me acariciando, me fez pensar em Luka. Sentindo Raze começar a construir seu orgasmo, eu queria ir com ele. Precisava encontrar a libertação, ao mesmo tempo. Alcançando atrás de mim, peguei sua mão e trouxe-a em volta da minha cintura e coloquei os dedos em meu clitóris. "Circule seus dedos aqui. Eu quero ir com você. Acaricie meu clitóris e nos faça gozar juntos", eu instruí. Raze retumbou um gemido quando a minha boceta apertada envolvia em torno de seu pau, estimulando o meu orgasmo ainda mais. O comprimento de Raze parecia crescer mais enquanto empurrava dentro de mim mais rápido, o homem selvagem e feroz fazendo amor, selvagem e primitivo, incidindo apenas sobre o nosso prazer. Essa explosão de deliciosa tensão começou a queimar no fundo da minha coluna e surtos de propagação de calor para o meu


clitóris. Senti as coxas de Raze apertar contra as minhas pernas enquanto seus dedos se tornaram frenéticos, quando seus impulsos tornaram-se mais fortes, mais longos, mais duros e mais ásperos. "Kisa", ele calou-se quando a pele suada de seu torso bateu nas minhas costas. Eu abri minha boca para responder, mas não podia falar. Quando ele bateu em mim uma última vez, acalmando e berrando enquanto ele gozou, eu caí sobre a borda com ele, o prazer indescritível fazendo-me ver luzes. Os braços de Raze embrulhados, apertado em volta do meu estômago, quando os joelhos bateram no chão, fazendo-o sentar-se, levando-me com ele. Eu sentei no colo dele, seu pau saciado ainda empurrando dentro de mim. À medida que os minutos se passaram em silêncio, sua respiração se acalmando, e eu acariciando ao longo de seus braços tonificados, valorizando a proximidade, valorizando o sexo mais significativo da minha vida. Enquanto meus dedos dançaram em seu braço, um ruído surdo soou em seu peito, e eu sorri. Ele gostava do meu toque. Raze em seguida, moveu suas pernas, e ficou de pé, mantendo-me trancada em seus braços, ele me levou para sua cama improvisada e colocou-nos para baixo. Ele me manteve segura na fortaleza de seus braços; ele não podia suportar deixar-me ir. Este movimento foi possessivo, e eu amei cada segundo dele. Eu nunca me senti mais completa do que fiz em seu abraço, trancada em seu peito. Levantando a mão áspera e cheia de cicatrizes, pressionei meus lábios na sua pele, apreciando seu calor nas minhas costas. Ouvindo um suspiro deslizar da boca de Raze, eu fiquei tensa e, em seguida, meu mundo se dividiu em tristeza quando ele sussurrou: "Eu... eu não sabia que era assim." Sua voz profunda e rouca estava cheia com vergonha, embaraço. Incapaz de suportar a dor no meu


coração, virei-me em seus braços e o desolado olhar em seus olhos me cortou tão profundamente quanto qualquer adaga podia. Ele baixou o olhar, e meu coração bateu mais rápido enquanto acariciava meus dedos sobre sua bochecha. "Diga-me o que aconteceu com você... por favor. Eu quero saber." O rosto de Raze se transformou em pedra enquanto o assisti guerrear com emoções diferentes. Em seguida, ele balançou a cabeça, seus olhos castanhos escuros. "Eu... eu estava no Gulag." Lentamente, sentado no meu cotovelo, eu acariciava os fios bagunçados da cabeça de Raze quando seu indicador pousou no meu peito e começou a circundar o mamilo, sua língua deslizando ao longo de meus seios. "Gulag?" Eu questionei, tentando manter o foco. "Não é algum tipo de velha prisão russa de guerra?" Raze assentiu com a cabeça e os dedos começaram a tremer. "Era uma prisão. Nós nomeamos Gulag por causa de suas condições de merda. Onde eles o mantêm preso até forçá-lo a lutar até a morte". A raiva contorceu seu rosto lindamente masculino, e eu me inclinei para frente para dar um beijo em seus lábios. O tremor parou imediatamente e um gemido ficou preso em sua garganta. Puxando para trás, suas pupilas dilatadas, ele roubou meu fôlego. Ele parecia tanto com meu Luka naquele momento, eu achei difícil lidar com a possibilidade. Porque se Raze fosse meu Luka, eu estava prestes a ouvir o que tinha acontecido com ele todos esses anos atrás, quando todos acreditavam que ele havia morrido. Quando fomos informados de que ele havia sido queimado... Quando ele tinha sido rasgado da minha vida, sem explicação, cortando minha alma ao meio.


"Por que você estava lá?" As sobrancelhas de Raze franziram, e eu podia ver que ele estava lutando para se lembrar. Quando um olhar negro veio em seu rosto, a boca apertada e ele disse: "Eu não me lembro. Não me lembro de nada, apenas morte, violência, dor e..." Minha respiração veio curta quando pensei em como ele ia transar comigo. Ele estava indo... Chegando mais perto de Raze, toquei pele com pele, enfiei os dedos em seu cabelo e perguntei: "Por que você queria me levar por trás... assim? Fizeram... fizeram...?" Parei de falar, incapaz de fazer a pergunta óbvia. Tinha que haver uma explicação, mas eu não tinha certeza se estava pronta para ouvi-la. Os olhos castanhos de Raze se arregalaram e ele encolheu o queixo, escondendo a cabeça da vista. Ele era tal brutamontes tão enigmático homem, mas essa pergunta, seu rosto anuviou como uma tempestade. Sua posição se tornou fetal. "Raze..." Eu disse, engasgada com uma súbita onda de tristeza quando ele lentamente levantou a cabeça. "Eu me lembro da primeira vez que um deles entrou na minha cela. Ele era grande, e eu tinha acabado de apanhar com um bastão. Não podia me mover, mas o assisti caminhar em minha direção, desatando o cinto e puxando para baixo seu zíper. Lembro-me de ser empurrado para o meu estômago. Então me lembro da dor. A dor como nada que eu tinha sentido antes. Então, isso é tudo o que posso lembrar,o resto foi tudo bloqueado. Bloqueei os momentos cada vez que eles entravam na minha cela, até que eu era grande demais para eles controlar, muito grande e perigoso para eles foderem". Sem ele saber, sua mão tinha agarrado a minha e ele estava apertando-a como se eu estivesse dando a ele força para continuar, como se estivesse desenhando a coragem e a força de mim, para falar


sobre estes estupros horríveis. Eu mal podia ver através da torrente de lágrimas caindo pelo meu rosto, tentando pensar em maneiras de fazer tudo melhor para ele. "Raze, oh meu Deus," eu chorei e pressionei minha testa na sua, devastada que isto tinha sido parte de sua vida no Gulag. Ele não disse nada em resposta, mas seu aperto em minha mão não afrouxou. Achei que era a primeira vez em anos que ele tinha sido consolado. Claro, eu tinha ouvido falar das condições no subterrâneo russo de propriedades-prisões, mas o que eu tinha ouvido não se compara ao que Raze tinha revelado. "Quantos anos você tinha?" Perguntei, salpicando beijos para baixo em suas bochechas frias, mal barbeadas. Raze apertou meu cabelo em suas mãos e disse: "Eu... eu não sei. É difícil saber a minha idade. Nenhum de nós teve aniversários." Recuperando alguma compostura, não querendo afogá-lo com minhas suspeitas, continuei. "E eles fizeram você lutar? Até a morte? Como uma criança?" Raze acenou com a cabeça uma vez, o olhar apagando, levando-o em outro lugar. "Sim. Eles tinham uma gaiola de lutas. Assim como esta." Náuseas

construíram

em

meu

estômago

enquanto

ele

comparou O Calabouço com o Gulag. Pelo menos, antes eu tinha o conforto de saber que não aprisionavam e abusavam de crianças em série, forçando-os a lutar até a morte. "Raze, eu não sei o que dizer. Estou devastada por você", eu disse, sentindo-me inadequada, não, patética. Raze agarrou a parte de trás da minha cabeça e me puxou para baixo e me beijou timidamente. Eu estava imediatamente perdida em seu beijo familiar.


Raze se separou e me encarou. "Houve uma fuga. Alguns lutadores ficaram livres e assassinaram os guardas noturnos. Havia sempre menos guardas noturnos. Os restos dos presos se rebelaram e começaram a fugir." "Como você se livrou?" O lábio de Raze enganchou em um sorriso. "362." "362?" Eu o questionei, confusa. "362. Outro lutador, o único que eu nunca lutei."O tom de sua voz tinha mudado. "Ele era seu amigo," eu supus. O meio sorriso de Raze reverteu para uma expressão impassível. "Amigo?" Perguntou ele, como se estivesse saboreando o som da palavra em sua língua. Meu coração ficou machucado um pouco mais. Ele não tinha ideia do que era um amigo. "Sim, seu amigo. Você falou com ele, passou um tempo com ele. Confiava nele... gostava dele?" "Eu treinei com ele. Ele ajudou a me adaptar à vida no Gulag. Ensinou-me a bloquear as coisas. Nós nunca lutaríamos. Nós dois éramos os melhores lutadores do Gulag. Quando o tumulto aconteceu, ele me libertou. A maioria dos outros jamais teriam ousado essa abordagem a mim. Eles estavam com muito medo. Mas não ele." Um sorriso puxou meus lábios, e eu perguntei: "E onde ele está agora? Vocês vieram juntos para Nova Iorque?" Ele balançou a cabeça. "Eu não sei para onde ele foi. Oeste em algum lugar. Todos nós apenas corremos."


Raze parou e olhou para mim. Eu achava que o tinha empurrado longe demais por uma noite. A cor tinha escoado de suas bochechas e seu corpo caiu. Sentindo o calor espalhar-se em meu peito com sua atenção devotada, eu pressionei um beijo na sua testa. A expressão de Raze suavizou. Seu dedo pousou no meu pescoço e viajou para o meu peito. Eu fechei os olhos, mais uma vez apreciando seu toque. "Eu quero tocar em você", disse ele. Seu dedo parou e ele olhou nos meus olhos. Tomando minha mão, escovei meus dedos sobre seu olho esquerdo, o único com a mancha azul. Mordendo meu lábio, eu reuni coragem para perguntar: "Você já reparou que o seu olho esquerdo tem uma mancha de azul entre o marrom?" Raze me estudou, e sua mão se levantou para tocar seus olhos, as sobrancelhas puxaram para baixo. Eu segurei minha respiração, esperando o que ele tinha a dizer. E então esperança floresceu dentro de mim quando a cabeça inclinou para o lado em confusão e seus lábios cheios franziram. "Nós combinamos", ele soprou para fora e estreitou os olhos, observando a cor dos meus olhos. "Seu azul é a mesma cor do meu olho esquerdo." Meu lábio inferior tremeu. Eu não conseguia mais segurar o soluço sufocando minha garganta. Raze não tinha nenhuma ideia do por que eu estava chorando. Como ele poderia saber que as duas palavras — "nós combinamos", — poderia, em segundos, inspirar essas esperanças e tal profunda tristeza dentro de mim. Este era o meu Luka. Tinha de ser o Luka. Disso eu estava ficando mais e mais convencida. Ele não mais parecia uma fantasia


obsessiva, de uma adolescente, esperança apaixonada estúpida que machucava — o homem foi criado apenas para mim. Eu acreditava mais e mais que isso era real, verdadeiro, tangível, uma alma gêmea, uma conexão de Deus. Este homem, este brutamontes torturado e assustador parecia ser o meu par. Mama parecia estar certa o tempo todo; mesmo perdido, parecia que tínhamos encontrado o nosso caminho de volta um para o outro. Mas, se este Luka era meu, ele foi quebrado. Não tinha memória. Não me atrevia a empurrar muito rápido, muito longe, com medo de assustá-lo. Tomando a mão ainda descansando perto de meu olho, eu puxei para baixo sua palma e coloquei um beijo em seu centro. "Nós combinamos", eu sussurrei de volta. Os lábios de Raze esticaram em um sorriso. Aquele sorriso, o breve lampejo de felicidade em seu rosto era a minha ruína. Meu Deus, ele era lindo. Mudando a mão de Raze até meu peito, sua expressão se transformou de felicidade a luxúria. Seus dedos apertaram minha carne e eu fechei os olhos e gemi. "Eu gosto de tocar em você", murmurou Raze. Então coloquei minha mão sobre o ombro de Raze e empurreio para deitar no tapete. Ele me deixou controlar a situação, e eu sabia que era por causa de sua inexperiência. Fez o momento um pouco mais especial para mim. Ele confiava em mim o suficiente para me deixar mostrar o caminho. Eu montei seus quadris e imediatamente senti seu pau endurecer e empurrar contra a minha bunda. Nossos olhares se encontraram e eletricidade arqueou entre nós. Os quadris de Raze levantaram-se, em busca de minha entrada. Inclinando-me para frente, coloquei minhas mãos em seu peito e


lentamente me empalei em seu comprimento. Não tirando os olhos do seu rosto; eu bebia em cada onda de prazer que corria por ele. Eu gemia e levei-o totalmente para dentro, comecei a moverme suavemente para cima e para baixo. Raze fechou os olhos, as mãos segurando meus quadris. "Abra os olhos", eu sussurrei, mas Raze balançou a cabeça, franzindo a testa em concentração. Minhas sobrancelhas franzidas em confusão, uma pontada de insegurança ondulando através de mim, até que Raze engasgou e disse: "Eu vou fechar meus olhos para que possa sentir estar dentro de você." Ele colocou a mão sobre o coração e raspou para fora, "Eu já vi muitas coisas ruins com esses olhos. Isso, eu vou sentir em meu coração." Lágrimas caíram de meus olhos com suas belas, mas comoventes palavras, e descansando meus seios em seu peito, coloquei beijos suaves em seu pescoço enquanto trabalhei meu quadril mais rápido. Mais rosnados de prazer soou de sua garganta. A mão de Raze deslizou em volta da minha cintura para minhas costas, e minha respiração ficou mais rápida enquanto eu sentia a construção do meu orgasmo, seus grunhidos satisfeitos me dizendo que ele estava quase lá também. Lambendo e mordendo sua garganta, eu viajei meus lábios à sua boca, e Raze imediatamente se reuniu para me beijar, nossas línguas molhadas, quentes e duelando, quando arrepios correram para cima e para baixo da minha espinha. Eu gozei tão depressa e tão poderosamente que puxei minha boca de Raze e gritei de prazer. O gemido longo de Raze logo se juntou ao meu e eu senti seu calor inundar meu ventre, com as mãos segurando para baixo meus quadris para extrair cada momento de prazer. Lutando para recuperar o fôlego, eu me solto contente nos braços de Raze.


"Kisa..." ele sussurrou, revirando meu nome em sua língua, e eu congelei, rezando para que ele dissesse outra coisa. Eu conheço você. Eu me lembro de você. Você é a garota que eu estava projetado para amar, dada por Deus a minha metade, meu solnyshko. Mas ele não o fez. Em vez disso, ele respirou fundo e disse: "Por que sinto que te conheço toda a minha vida?" E naquele momento eu sabia... Meu coração batendo explodiu como uma super onda de luz. Saboreei este momento e um sorriso puxou minha boca. Ele pode não lembrar detalhes, mas no fundo de sua mente tragicamente danificada, não importa o que bloqueou do seu passado para protegê-lo do presente, ele era meu Luka... meu Raze... Ele me conhecia. Ele sentiu este propósito, que sempre nos manteve perto. "Kisa-Anna," ele murmurou enquanto passou os dedos hipnoticamente pelo meu cabelo. Eu puxei em uma respiração cortante, e Raze sentiu-o claramente, sentiu a minha reação chocada. Suas mãos pararam mortas. Levantando minha cabeça, eu olhei para ele com os olhos borrados e perguntei: "Por que você me chamou de Kisa-Anna?" Raze abriu a boca para falar, mas lentamente fechou novamente. "Eu não..." Seus olhos fecharam e ele passou a mão sobre a cabeça como se tivesse sido atingido com uma enxaqueca. "Raze?" Perguntei. Ele piscou, então piscou novamente. "Eu não sei por que chamei-lhe assim... mas eu acho que... eu acho que é seu nome. Isso parece certo." Balançando a cabeça através das minhas lágrimas, eu disse: "Sim. Isso é certo."


Eu coloquei minha cabeça no peito de Raze e fechei os olhos, saboreando seu toque enquanto podia. Mas eu sabia que tinha que ir, e depois não sei quanto tempo fiquei em seus braços, eu relutantemente me arranquei de seu corpo, olhando para baixo para ver seu rosto... um rosto que pareceu... machucado? "Eu não posso ter você, posso?" Perguntou ele, a devastação em sua voz. "Eu... eu... É complicado", gaguejei e comecei recolhendo minhas roupas rasgadas, tentando vestir o melhor que pude com os pedaços esfarrapados de material, rezando para que meu casaco longo de inverno fosse me cobrir. "É por causa de Durov, não é?" Ele empurrou, o lado selvagem feral reafirmando-se. "Ele é um homem perigoso, Raze." Raze levantou-se e agarrou meu pulso, me impedindo de puxar para cima as calças. "Eu também." "Eu sei, Raze. Eu sei. Mas você não entende. Estamos noivos. Há expectativas." Eu expliquei, mas continuei a me vestir. Uma mistura de emoções e pensamentos nublou minha mente. Perguntas me encheram. Eu poderia explicar tudo o que sabia para Raze? Será que eu ousaria dizer a ele sobre sua ligação com a Bratva? Como eu poderia fazer-lhe lembrar do que aconteceu com meu irmão, e se ele o matou realmente? E como eu poderia sair debaixo da mão controladora de Alik? "Mas eu quero você. Você vai voltar amanhã? Eu preciso de você. Eu quero tocar em você novamente. Não posso suportar a ideia de você com ele." Vestida o melhor que pude, os dedos de Raze ligados através dos meus, e quando olhei para cima, ele estava olhando para mim em


uma concentração profunda, seus olhos correndo de um lado para outro, como se estivesse tentando lembrar de algo. Ele estava no momento com a cabeça inclinada para o lado e os lábios franzidos. Ele era definitivamente o meu Luka. Eu tinha que pensar em algo. "Eu vou voltar aqui amanhã à noite", eu disse a ele. Os ombros tensos de Raze caíram para baixo. "Mas amanhã, quando você treinar, não pode deixar Alik imaginar que nós estivemos juntos. Ele não pode descobrir." Raze ficou tenso novamente. "Ele não me intimida." Toquei seu rosto e disse: "Eu sei. Mas nós realmente precisamos manter isso em segredo." Raze soprou um suspiro irritado pelas narinas, mas ele balançou a cabeça em concordância. Equilibrando-me na ponta dos pés, eu dei um beijo em seus lábios cheios, mais uma vez, admirando o seu corpo nu. Relutantemente, sai do quarto, mantendo o olhar até que fechei a porta do amor perdido da minha vida. Minha cabeça estava girando, meu estômago cheio com tanto medo e excitação. Saindo do ginásio, peguei o olhar interrogativo de Serge quando deslizei para dentro do carro, mas eu o ignorei, ainda sentindo os efeitos posteriores de Raze dentro de mim. Sorri para mim mesma. Kisa-Anna... Só Luka me chamou assim. Eu tinha encontrado meu amor outra vez.


Eu apenas tinha que fazĂŞ-lo lembrar de quem eu era para ele... antes do Gulag o mudar. Antes de ele ser arrancado da minha vida.


Capítulo Quatorze Raze

"Venha comigo," o menino incentivou a menina, sorrateiramente em seu quarto, no piso térreo da mansão de seu pai. Ele verificou se nenhum dos seus guardas estavam por perto o suficiente para pegá-lo. "Para onde estamos indo?" Perguntou a menina sonolenta. Rastejando para fora da cama e jogando um suéter sobre seu pijama rosa e curto, ela aceitou a mão estendida do menino. Ele estava pendurado para fora da janela. Ele estava vestido todo de preto, como um ladrão. A menina não podia aguentar, então riu. O menino inclinou a cabeça para um lado, franziu os lábios, e perguntou: "Do que você está rindo, Solnyshko?" "De você", ela brincou, mas pegou a mão dele de qualquer maneira enquanto se derretia sob o seu sorriso. A porta de seu quarto se abriu. O menino e a menina congelaram em pânico e o irmão da garota cambaleou para dentro do quarto. "O que é todo esse barulho, Kisa?" Perguntou o irmão dela, limpando os seus olhos antes de baixar a mão e fixar o seu olhar sobre o casal se esgueirando para fora da janela. Ele não estava surpreso por ver os rostos culpados de sua irmã gêmea e de seu melhor amigo. O irmão revirou os olhos e balançou a sua cabeça. "Onde diabos você está levando Kisa a esta hora da noite?"


O menino olhou para seu melhor amigo e deu de ombros. "Para fora? Para tomar um ar fresco? Qualquer um deles funciona." "A uma hora da manhã?" O garoto deu de ombros novamente. Em seguida, o irmão cruzou os braços sobre o peito e ergueu a sobrancelha. O menino entrou na sala e encarou o irmão. "Rodion, vamos lá, cara! Não seja um idiota! Eu quero passar um tempo com Kisa longe de nossos pais." Rodion apontou para Kisa. "Essa é a minha irmã que você está tentando corromper!" "E a minha namorada", o garoto atirou de volta. "Eu nunca faria nada para machucá-la.Você sabe. Eu vou me casar com ela um dia." "Por favor, Rodion, nós vamos te dever essa", Kisa implorou por trás da postura protetora do irmão. Rodion olhou para sua irmã, então para o garoto novamente. Em seguida, seu irmão sacudiu a cabeça. "Tudo bem, vá! Eu preciso dormir." Ele começou a caminhar para fora da sala, dispensando-os com uma mão, mas olhou para trás e disse: "Não a engravide, ou papai irá cortar suas bolas. Ela tem treze anos e ela não é sua mulher ainda." O rapaz revirou os olhos para o seu melhor amigo, mas o rosto de Kisa corou, ficando vermelha e ela jogou uma caneta de sua mesa no irmão. Ele riu alegremente em resposta. Rodion saiu do quarto, e o garoto sabia que ele ia cobri-los. Ele então se virou para a menina, pegando sua mão e levando-a para fora da janela aberta. "Para onde estamos indo?" Ela sussurrou enquanto ele a levou para baixo em direção à praia.


Uma vez que eles estavam fora da vista da casa, ele jogou um braço em volta de seus ombros e a puxou para perto, ao seu lado. "Nossa enseada. Onde mais, Solnyshko?" Kisa envolveu um braço em volta de sua cintura. Dentro de alguns minutos, eles estavam na enseada particular, e o rapaz levou-os a seu lugar favorito. Tirando a camisa, abriu-a na areia e, sentou, gentilmente puxou Kisa para sentar-se entre as pernas e pôs os braços ao redor da cintura dela. O menino e sua Kisa observavam as ondas que rolavam em silêncio, a enorme lua brilhante contra a água escura. Kisa sonhadora olhou para o menino e sorriu. Eles estavam sozinhos em uma praia e era perfeito. Os olhos azuis de Kisa ficaram enevoados quando olhou para o menino. Ele soube então o quanto ela o amava. Ela era tão bonita para ele. Ele não tinha uma única memória que ela não estivesse bonita. Mesmo quando eram jovens crianças, ela estava sempre com ele, e ele sempre a manteve perto, protegendo-a, acariciando-a. Ele não via mais ninguém, apenas ela. Mesmo aos quatorze anos, não havia outras meninas que o seduziam para ele olhar. Ele amava essa garota. Ele sabia que havia somente ela para ele, um instinto dizendo-lhe que, juntos, eles eram perfeitos um para o outro. Eles eram da mesma vida criminal. O menino sabia que, com o passar dos anos os seus deveres estariam em jogo, ela iria apoiá-lo e nunca questionar a sua linha de trabalho ou escolhas quando a Bratva falasse sobre ele liderar o submundo russo em Nova York. Kisa não ficaria perturbada com a morte e o perigo. O menino sorriu para si mesmo e pensou no conto que sua mãe sempre disse enquanto ele estava crescendo. Que Deus criou-os para corresponder em todos os sentidos possíveis, a mancha azul em seu olho esquerdo perfeitamente espelhando o azul da menina.


Mergulhando a cabeça, o menino apertou seus lábios contra os dela. Kisa gemeu em sua boca, sua mão deslizando em torno de seu pescoço. O beijo se tornou mais profundo. Ele rompeu, colocando-a deitada na areia, e se arrastou em cima dela, sentindo seu corpo quente por baixo dele. Não demorou muito tempo para perder o controle, e o menino se afastou da boca de Kisa em um suspiro. Seus lábios estavam inchados. Suas mãos agarraram seu pescoço e ela tentou puxá-lo de volta para baixo. "Kisa-Anna", disse ele e deu um beijo ao lado de seu pescoço. "Temos que parar. Eu não posso... Nós não podemos... eu preciso parar... Nós precisamos parar." Os olhos azuis de Kisa mergulharam. Ela virou a cabeça para o lado, olhando para a lua. O menino deitou a cabeça em seu ombro, tentando colocar-se sob controle, a respiração através do formigamento em seu estômago. Ela colocou as mãos em seu rosto, empurrou até que ele levantou a cabeça e olhou em seus olhos. "Por favor", ela sussurrou, "Eu quero fazer isso com você." Os olhos do menino se arregalaram e seu coração bateu mais rápido em seu peito. "Kisa... você tem certeza?" Kisa acenou timidamente. "Posso ter você?" Ela perguntou. Sentindo como se seu coração fosse explodir em seu peito, o menino disse: "Sim", e ele apertou os lábios de volta nos dela. Mais tarde naquela noite, Kisa estava nos braços quentes do menino, e ele não conseguia parar de beijá-la. "Eu te amo, Kisa", confessou. Ela se virou para ele e mergulhou seus olhos, vencida pela timidez.


"Eu também te amo. Estou feliz que você foi meu primeiro." "E último," o menino prometeu. Ele envolveu-a com força em seus braços. Ambos estavam nus sob a cobertura modesta de sua camisa. "Eu

não

consigo

imaginar

compartilhar

isso

com

mais

ninguém... nunca", disse Kisa, e ela suspirou. Ele não podia estar mais de acordo. Eles eram jovens e apaixonados... Mas o menino sabia, sem sombra de dúvida, que ela era a única menina para ele. Eles foram feitos um para o outro.

Lutando para recuperar o fôlego, meus olhos se abriram e eu olhava para as vigas de aço acima. Eu estava encharcado de suor. Minha mente mexida e confusa deste sonho, um sonho que parecia tão real. Uma menina. Um menino. Uma praia. Se beijando... Espere! Kisa estava nele, apenas uma adolescente, fodendo algum garoto em uma praia. Eu esperei por uma onda de ciúme, uma onda de


raiva varrer através do meu corpo com o pensamento de alguém a tocando, mas isso não veio... O menino me lembrou alguém. Mas não conseguia pensar... era alguém que eu não poderia lembrar. Não reconheci. Ele estava feliz. Ele amava Kisa. E Kisa, como sempre, estava linda. Sorrindo para o garoto e dizendo-lhe que o amava também. Eu respirava com dificuldade através das minhas narinas, meu coração batendo como se ela estivesse dizendo essas palavras para mim. Meu peito começou a doer e minhas mãos começaram a tremer. Mas ela não me disse. Ela disse a um rapaz em uma praia que o amava... não eu, não Raze, o monstro, o assassino, o demolidor... Isso me fez pensar sobre o que a minha vida tinha sido antes do Gulag. Como eu era naquela idade? Eu não sei nada sobre de onde vim. Não sei nada sobre a minha família. Muitos eventos desde que cheguei no Brooklyn, me confundiam. Flashes de sonhos. Vislumbres de imagens. Essas eram memórias reais lutando seu caminho para minha mente consciente? Meus sonhos eram tão reais que acordei com uma lembrança clara de todos os detalhes. Eu não consegui lembrar se tive esses sonhos antes de Kisa, e se ela estava em cada um deles. Parecia tão real para mim, importante. Ou talvez eu estivesse tão desesperado por ela que precisava imaginar alguma ligação. Tão desesperado para realmente ter alguém tão próximo a mim que queria dizer alguma coisa para ela também.


Em seguida, raiva e fúria queimaram em meu peito enquanto imaginei-a com Durov. Kisa era minha. Sentia que ela era minha. Eu sabia que ela pertencia a mim. Eu a queria. Eu queria que ela fosse minha, não compartilhada com o idiota psicopata. Durov era um insensível, assassino bastardo. Eu tinha visto aquele olhar em seus olhos em tantos lutadores. E a maneira como ele olhava para Kisa, eu sabia que não ia demorar muito até que ele a matasse também. Se ele imaginasse que ela não o queria mais, ele acabaria com ela, ao invés de perdê-la, ele a mataria para ter certeza que ela nunca fosse deixá-lo. Algo me dizia que não era a primeira vez que eu a tinha protegido dele. Em seguida, foi como um soco no meu estômago quando pensei nele casando com ela, que era por minha causa que ele fez dela sua posse... que de alguma forma eu tinha falhado com ela. Eu tinha que matá-lo. Era a única maneira que poderia salvála dele. Eu queria perfurar seu coração negro na gaiola. Apertando os olhos fechados, tentei me lembrar de algo, qualquer coisa, do meu passado. Mas essa mesma dor atravessou minha cabeça e, em frustração, eu lentamente abri-os novamente. Eu esfreguei minha mão sobre meu nariz, lembrando-me do sonho. Eu podia sentir o cheiro do mar e sentir a areia onde o garoto e Kisa ficaram. Eu tinha estado lá, mas não poderia ligar a memória a qualquer coisa real. E no sonho, Kisa tinha um irmão... um irmão que amava, e o menino era seu melhor amigo. Eu nunca tinha ouvido falar de um irmão antes. Ele não era um lutador. Eu nunca o tinha visto ao redor da Academia. Merda! Talvez fosse apenas uma porra de sonho confuso depois de tudo.


O som da porta principal se abrindo fez-me ficar em pé rapidamente. Eu vesti o meu short de treino, colocando de lado o tapete e um cobertor fino que ainda cheirava a Kisa. Minha mente correu imediatamente para a noite. Kisa. Minha Kisa-Anna... debaixo de mim, molhada, quente e gritando meu nome. Eu amava transar com ela, amava estar dentro dela, acariciando seus cabelos castanhos e beijando seu rosto. Eu queria que ela fosse toda minha, tê-la para mim. Nunca antes tive alguém que cuidasse de mim. Mas queria ela agora... apenas ela, e sentindo o cheiro dela no cobertor, me estimulou a matar Durov. Mas a memória da noite passada com Kisa-Anna me montando, fez com que eu tivesse uma sensação de mal estar no meu estômago.

Isso

me

fez

enfrentar

algo

que

nunca

tinha

antes

confrontado. O Gulag, os guardas... o que eles tinham feito comigo por anos, levando-me como eles fizeram... Eu não sabia que havia outra maneira de ser fodido. E eu quase tinha tomado Kisa dessa forma. Poderia tê-la machucado. Eu ainda podia sentir o gosto do pânico na minha boca. Atacando o saco de pancadas, bati meu punho no couro desgastado e duro, tentei bater para fora minha vergonha, culpa... a porra do meu embaraço. Eu poderia tê-la machucado. Eu não podia suportar a ideia. Estava tão envolvido na liberação de minha fúria que não vi Viktor entrar pela porta, até que ele estava diante de mim. Então tudo o que vi foi uma névoa vermelha. Lançando-me no meu treinador, puxei sua camisa em minhas mãos e empurrei-o para longe de mim até bater as suas costas na


parede. Os olhos de Viktor traíram seu choque, e seu rosto ficou um tom profundo de vermelho. "Você fez isso também, você é um fodido doente?" Eu perguntei com força, grunhindo quando o meu sangue ferveu. "Fiz o quê?" Viktor engasgou. Inclinando-me, rosnei ameaçadoramente, "Foder os meninos do Gulag. Você os prendeu no chão e fodeu com eles também?" O rosto vermelho de Viktor empalideceu e ele balançou a cabeça. "Não..." "MENTIROSO!" Gritei, levantando-o e bati rapidamente suas costas contra a parede. "Não..." Viktor engasgou, e vendo seus olhos, deixei-o ir e recuei. Comecei a andar quando Viktor caiu no chão, esfregando sua garganta. "Raze, juro, nunca fiz isso... Eu nunca faria isso." Olhei para ele com nojo. "Mas você sabia sobre isso? Sabia que eles fodiam os meninos?" Viktor baixou a cabeça. Se qualquer coisa, ele parecia desabar quando caiu ainda mais longe. "Sim." "E você não fez nada para impedi-los?" "O que eu poderia fazer? Eu tinha que pagar a dívida da minha família desde que era um adolescente. Primeiro para os Georgianos, agora para os russos. Meu pai era um jogador e nos fodeu completamente. Eu era o menor e mais baixo. Eu não tinha poder nesses locais. Eu não sou da máfia. Eu sou só um grunhido perto disso, descartável."


Corri para Viktor, me aproximando bem perto de sua voz alta gemendo, e dei um soco no espelho acima de sua cabeça, quebrando o vidro, que caiu sobre sua cabeça. "Sim? Nenhum poder? Nem eu, quando fui forçado a tomar o pau dos guardas na minha bunda!" Eu acalmei quando essas palavras saíram da minha boca, e calafrios deslizaram pela minha espinha. Eu não tinha nenhuma ideia de que o que os guardas faziam era errado. Na verdade, nunca pensei que qualquer coisa que aconteceu no Gulag estivesse errada. Era a vida. Foi o que aconteceu dia após dia. Por que de repente sei que estava errado? Por que algo dentro de mim de repente, me dizia que eu havia sido estuprado? Porra! Estou sentindo muito isso ultimamente, incapaz de bloquear tudo. Eu tenho que mantê-lo bloqueado. Preciso matar, lutar, para conseguir minha vingança. Minha cabeça latejava, uma dor aguda perfurou meu crânio, e uma cena familiar abruptamente foi jogada na minha mente. Foi do primeiro guarda que conheci, o primeiro que me fodeu, me bateu, me treinou. Isto não era sobre sua violação ou seu bastão de beisebol que ele me bateu; isso foi sobre o início, sendo empurrado para baixo nas escadas, para o porão do Gulag, para me mostrar o meu futuro, para me mostrar dois rapazes em uma gaiola, um corte abrindo o estômago do outro. "Bem-vindo ao inferno, rapaz." Fechei os olhos, o coração batendo, têmporas latejando, e tentei agarrar-me à memória. Meus olhos se abriram e eu tropecei para trás em estado de choque. Isso era eu.... Esse menino era eu. Eu tinha sido tirado de algum lugar. Minha casa? Eu não conseguia me lembrar, mas me lembro que tinha sido nocauteado e amarrado. Nós viajamos pelo o que


parecia dias. Então acordei em uma cela, e eu estava imediatamente sendo forçado para baixo, para o porão. Eu vi manchas na frente dos meus olhos, e então senti uma mão bater no meu rosto. "Raze. Acorda, filho. Raze!" Piscando furiosamente, minha visão clareou e Viktor ficou na minha frente, seu rosto... assustado? Preocupado? Eu queria empurrá-lo de cima de mim, mas ainda não podia me mover. Eu estava paralisado. Viktor se sentou e olhou para mim. Estendendo as palmas das mãos, ele disse, "Raze, me escute. Eu vi isso acontecer com centenas de lutadores dos gulags, ou qualquer outro jogo de morte de prisão subterrânea que a máfia tem. Estão em toda parte, filho. Centenas de crianças fodidas como você, só conhecendo como matar, sem sentir nada. Eles encheram você com tanta merda e o torturaram por anos, eles condicionaram você a não se lembrar de nada, a não ser a necessidade de matar. Você bloqueou seu passado, para lidar com o que eles fizeram a você. Então, quando você saiu e deixou as drogas que fodiam com a sua mente, você começou a ter memórias, lembrando das coisas do seu passado. E você não pode lidar com isso." Minhas sobrancelhas puxaram para baixo, mas minhas pernas e braços ainda não se moviam. Viktor pigarreou e mudou-se para frente, levantando a mão lentamente, finalmente colocando-a no meu ombro. "Apenas deixe as memórias virem. Não tente combatê-las. Não se esforce para se lembrar. Se algo é familiar, deixe vir para fora. Essa é a melhor maneira ou você vai acabar se matando." Um sentimento de medo se estabeleceu em meu estômago. "Eu não sei se quero lembrar. Eu vim aqui para uma coisa e apenas


uma coisa: vingança. Eu não vim aqui para memórias." Abaixei minha cabeça, olhando para os números tatuados, quantas mortes já cometi, meu número 818, eu disse: "E se não gostar de quem eu era...? E se isso me enviar a borda?" Viktor caiu para os seus joelhos e passou a mão pelo rosto. "Não é melhor do que o monstro frio que você se tornou no Gulag? Do que você era na gaiola do Calabouço? E depois que você matar Durov, o que fará? Onde você vai, então? Para outra gaiola de jogo de morte? Há centenas em todo o país. Você poderia se manter matando, ganhando dinheiro até que você esteja abatido..." Viktor respirou fundo. "Ou você poderia viver, filho. Você poderia viver... voltar a sua vida." Eu balancei minha cabeça. Eu não tinha pensado tão longe. Eu só tinha um objetivo: matar Durov. "Eu posso ajudá-lo a derrotar Durov, mas você precisa ajudar a si mesmo, para se lembrar do seu passado. Agora você é um animal, uma máquina que só pode matar. Mas você é mais, você é mais do que isso." Meus olhos encaravam o chão enquanto minha cabeça estava dormente, entorpecida demais para pensar, mas, em seguida, uma pergunta da boca de Viktor rasgou através daquele nevoeiro. "Por que Durov, Raze? Por que Durov?" Meu peito apertou e minhas mãos começaram a tremer quando uma memória quebrada empurrou através de minha mente. Três meninos. Três meninos caídos. Uma família de férias. Dois deles melhores amigos. O terceiro tinha uma faca. O terceiro esfaqueou um deles... Então... então o que? Energia encheu o meu corpo outra vez quando comecei a ficar frustrado com a memória por não me mostrar o que eu precisava saber.


Por que Durov? Quem eram os meninos? Quem foi esfaqueado? Eu estava lá? Eu era um dos meninos? Eu queria saber o porquê. Eu queria saber o que me fez esquecer, pelo menos esqueci tudo, menos o nome do cuzão que eu tinha que matar. Alik Durov. Brooklyn, Nova York. Vingança. Matar. Sons de lutadores começam a serem ouvidos na minha sala de treinamento. Viktor levantou-se e segurou minha mão. "Levante-se, Raze. Treine. E pare de deixar seu passado retêlo. Em vez disso, use-o para te alimentar. Esta é sua chance de retomar a sua vida. Obtenha sua vingança! Em seguida, volte para sua vida!" Viktor olhou para a porta, em seguida, de volta para mim. "Então você pode ficar com a garota. Quando acabar com Durov, você fica com a garota." Minha raiva desapareceu quando pensei em Kisa. Ela era meu bálsamo, minha calma. Minha Kisa-Anna. Eu segurei o olhar de Viktor por um tempo, apenas respirando, centrando meu foco, enrolando o fogo dentro de mim, em seguida, dei-lhe um breve aceno de cabeça. O cara estava tão fodido quanto eu. Eu podia ver isso em seus olhos. Mas ele me entendia. Eu não gostava dele, mas ele me entendia. Ninguém mais conseguia. Quando fiquei em pé, Viktor acenou para eu segui-lo até a área principal do ginásio para usar as cordas. Quando entrei no espaço de treinamento, as portas principais foram abertas a partir do estacionamento subterrâneo e vi Durov entrar... sua mão segurando o


pescoço da minha Kisa. Sua expressão estava em branco e os olhos desfocados. Eu balancei fisicamente ao vê-la sob o controle daquele desgraçado. Viktor ficou perto. "Ignore. Controle sua raiva. Matar primeiro, viver mais tarde. Em seguida, ficar com a garota." Eu tentei conter minha raiva tomando conta das cordas e levantando-as na contagem de Viktor, mas Alik parou no ginásio, diretamente na minha linha de visão, beijando os lábios de Kisa. Foi a mais dura batalha que já tive de lutar e isso estava me impedindo correr e rasgar a minha mulher de seus braços. Kisa deixou que isso acontecesse, mas seu corpo estava rígido e imóvel. Qualquer pessoa que enxergasse poderia ver o quanto ela estava assustada, mas, de qualquer jeito, é isso que ele provavelmente queria, ela também tinha medo de deixá-lo. Eu queria decapitá-lo com uma faca. Mas ela me disse para agir normal, para não nos deletar, então, eu estava tentando agir normal. Mergulhando

meu

nariz

no

meu

ombro,

eu

inalei

profundamente e ainda podia sentir o cheiro dela em minha pele, as mãos segurando meus ombros quando ela gozou. Aquele cheiro me impediu de matar Durov. Agarrei-me ao fato de que ela iria me ver hoje à noite depois da luta... e até o final de amanhã à noite, ele estaria morto e ela seria minha. Durov deixou Kisa ir, e ela saiu correndo para seu escritório sem olhar para trás. Ela estava linda em seu terno preto e os longos cabelos castanhos amarrados para trás. Em seguida, Alik de repente estava na minha cara, Yiv pisando atrás dele, pronto para o treino. Eu mantive minha cabeça baixa.


"Ouvi dizer que é você que vai lutar contra Goliath hoje à noite." Eu podia ver seu rosto com um sorriso cínico na minha visão periférica. "Ele foi uma compra de última hora pelo meu pai. Você sabe, para dar a multidão um verdadeiro show. Realmente para testar do que você é feito". Seus olhos caíram para o meu treino, que eu não tinha parado, enquanto ele disparava sua boca estúpida. Ele riu. "Parece que você vai ser abatido hoje à noite, Raze. Esse filho da puta vai matar você. Não posso dizer que estou triste com isso." Ele se inclinou e sussurrou: "E quando eu ganhar vou arrastar Kisa até o quarto e foder com ela, enterrando na sua bunda. Ela odeia, mas se ela tentar lutar contra mim... só ficará mais interessante." Combati a explosão de raiva por dentro, deixei o comentário passar por cima de minha cabeça e mantive meu foco, mas eu senti o pânico de Viktor ao meu lado. Eu não estava perturbado por essa luta de hoje à noite. Eu nunca tive medo na gaiola. Este era o meu domínio, a minha casa. Durov saiu da minha vista, e eu olhei para o escritório de Kisa, apenas para ser impulsionado ainda mais em meu treino quando a vi olhando através das cortinas, me observando. Intenção reabastecendo meus músculos, e eu não dou a mínima para quem era esse Goliath. Eu ia demolir ele e fodidamente derrubá-lo. Só mais um número na tatuagem para adicionar ao meu peito e menos uma pessoa no caminho antes de fazer Kisa minha.


Capítulo Quinze Raze

O som de centenas de pés batendo no chão abalou a estrutura das paredes da sala de espera no porão do Calabouço quando a luta de Durov ocorreu. Eu estava pulando as cordas, aquecendo meu corpo para a minha luta, quando um enorme grito de aplauso me fez olhar para a porta. Eu saltei mais alto, esperando por Viktor para vir e me dizer quem tinha ganhado. Eu não tive que esperar muito tempo. Minutos depois, Viktor atravessou, com um olhar baixo. "Durov ganhou", foi tudo o que ele disse, mas pela expressão de seu rosto, podia ver que Durov tinha feito mais do que matar. Ele brincou e torturou o seu oponente, novamente. Provavelmente o cortando com sua adaga, mas de uma forma que o mantivesse respirando até o último suspiro. Durov era "O Carniceiro" depois de tudo. Viktor caminhou até a bacia na borda da sala e jogou água em seu rosto, em seguida, veio para ficar à minha frente. "Eu dei um olhar em Goliath. Tenho algumas estatísticas." Eu mantive meus olhos sobre Viktor, mas não parei meu aquecimento.

"Ele

é

Georgiano,

novato

nesta

temporada

no

subterrâneo. Mas ele nunca perdeu uma partida. Ele é cruel, tem


pontos fracos, mínimos. Tem cerca de 9kg há mais que você e 10cm mais alto". Formei

uma

imagem

de

Goliath,

na

minha

mente,

visualizando trazê-lo para baixo. "Armas?" Perguntei. "Um sai8 negro", Viktor respondeu. Eu parei de pular. Congelado, perguntei: "Será que ele é do Gulag?" Viktor assentiu. "Sim. Vi um dos treinadores de um dos gulags da Costa Oeste. Ele é um dos seus melhores combatentes. O levaram para a estrada. Colocando ele nas lutas subterrâneas ao redor do país." Viktor me entregou uma garrafa de água e fez um gesto para eu beber. "Você vai ter que ser esperto com este, Raze. Ele é rápido. Invicto. Igual a você. Mas esta noite, um de vocês vai morrer". Uma batida soou na porta, e as palavras familiares: "Você é o próximo!" Foram gritadas através da madeira. Tirei a camisa e coloquei minhas soqueiras, manchando sob meus olhos com o „Olho Negro‟, deixando a raiva quente encher meus músculos enquanto me preparava para a luta à frente. Eu ouvi o barulho da multidão cada vez mais alto, me dizendo que Goliath tinha entrado na jaula. Viktor abriu a porta e me levou para o corredor escuro. Vislumbrei Durov em sua sala de espera, um homem mais velho batendo-lhe no peito coberto de sangue, felicitando-o. Ele se parecia com ele. Eu simplesmente sabia que o bastardo era seu pai. Ele parecia tão mal como a porra do Durov. O corredor estava úmido, preenchido com o cheiro de morte e trilhas de sangue dos lutadores anteriores. Eu podia ouvir minha respiração em meus ouvidos, até mesmo sobre o rugido da multidão, e então ouvi outra coisa... alguém chamando meu nome. 8

As lâminas Sai, são usadas por alguns ninjas. São um tipo muito específico de punhal.


"Raze!" Olhei para o lado na abertura para outro corredor. Kisa estava nas sombras. Viktor parou imóvel e ergueu a sobrancelha. Ignorando-o, corri para o lado e imediatamente levantei Kisa nos meus braços empurrando-a de volta contra a parede. Os olhos azuis de Kisa fecharam enquanto meu peito estava pressionado contra o dela, e eu me inclinei para frente raspando o meu nariz pelo seu rosto. "Kisa..." eu murmurei enquanto as mãos de Kisa passaram pelo o meu cabelo. As palmas das mãos escorregaram para o meu rosto, e puxando a minha boca na dela, ela apertou os lábios nos meus. Rosnando em sua boca molhada, eu empurrei minha língua dentro até que ela se encontrou com a sua. Os seios de Kisa endurecidos contra a minha pele nua. Suas mãos pressionaram com mais força no meu rosto e ela rasgou sua boca longe, ofegante. Seus dedos acariciando o meu rosto e meu pau endurecido, meus quadris empurrando contra o dela. "Raze... Eu tinha que te ver," ela sussurrou. Minhas narinas ofegaram enquanto eu sentia o cheiro dela, querendo tê-lo na minha língua. "Eu quero você", eu disse, e vi lágrimas enchendo seus olhos. Eu não sabia o que estava errado. Tudo que eu podia fazer foi olhar para ela em confusão. A expressão de Kisa mudou de repente e ela sorriu para mim, passando a ponta do dedo no meu pescoço. "Eu amo quando você faz isso, — inclina a cabeça para o lado, quero dizer." Minhas sobrancelhas franziram, sem entender o que ela queria dizer, mas ignorei e perguntei: "Por que você está chorando?"


Kisa colocou os braços ao redor do meu pescoço e enfiou o nariz. "Porque tenho você de volta quando pensei que isso era impossível e você nem sequer sabe ainda." Eu me senti ainda mais confuso. Então a puxei de volta para me encarar, e, em meio às lágrimas, ela sussurrou: "Eu vi o oponente que você irá lutar." Eu fiquei tenso. "Então?" "Ele é enorme, Raze. Eu procurei saber sobre ele, e ele nunca perdeu uma luta. Ele sempre consegue a sua morte." "Eu também," disse firmemente, não desfrutando de sua falta de fé na minha habilidade. Eu era um assassino. Invicto. "Eu sei, mas..." Ela engoliu em seco, olhando nos meus olhos, inclinando-se para beijar o meu rosto. "Eu estou apavorada de te perder hoje à noite. Abram o trouxe bem debaixo do meu nariz. Ele está com medo, Raze. Eu sei que é porque você poderia realmente abater Alik no final." Meu coração se voltou para aço quando suas palavras acenderam a minha determinação para vencer Goliath. Para foder Alik e seu pai. Pressionando minha testa na dela, prometi. "Vou ganhar." Um soluço escapou de sua boca, mas a peguei enquanto pressionei meus lábios nos dela. "Por favor", ela falou contra a minha boca. "Eu tenho tanto para lhe contar. Tanta coisa que quero que você saiba. Você precisa sobreviver." "Eu vou ganhar, Kisa-Anna," Eu disse novamente, sentindo seu medo por mim pulsando através de seu corpo esbelto. Mas o que


ela não sabia era que eu prosperava no medo. Ele me empurra ainda mais. Eu não iria perder... não quando tinha Kisa em minha mente e sua vida para salvar das mãos de Durov. "Você vai vencer", Kisa disse com um suspiro aliviado. Uma tosse soou atrás de nós. Viktor se aproximou, choque em seu rosto, e disse: "Raze, temos que ir. Estão esperando você na gaiola." Eu pressionei outro beijo nos lábios de Kisa, abaixando a mão e deixando correr pelo meu estômago. "Haverá outro registro aqui esta noite... e então vou ter você de novo. Quando você vier a mim." Kisa tentou sorrir, mas eu podia ver o seu nervosismo através de seu corpo. Eu dei um passo para trás para o corredor indo em direção ao túnel, no meio da multidão, os homens se deslocavam de seus lugares para me deixar passar. Eu tive a gaiola em minha vista, cheio de sede por sangue e a necessidade de matar. Eu vi o meu adversário já circulando o anel, mas não prestei atenção nele. A minha única preocupação era com Kisa... sobreviver por Kisa. Sobrevivendo para proteger e cuidar de Kisa. Corri alguns passos até chegar à porta de aço. "Deixe-me entrar!" Eu gritei, batendo na porta. Um guarda veio atrás de mim e abriu o bloqueio, e eu imediatamente saltei para a jaula, cerrando os punhos. Então olhei para cima... E meu estômago caiu. 362? 362 estava tatuado no peito de Goliath.


Quando a porta se fechou, meu oponente olhou para cima. Eu vi o flash de reconhecimento em seu rosto. Ele acalmou. Eu acalmei. E a arma disparou, dizendo-nos que o jogo tinha começado. Nenhum de nós se moveu, muito ocupados olhando um para o outro. Ele era seu amigo... as palavras de Kisa da noite passada correu pela minha mente. "Amigo?" "Sim, o seu amigo. Você falou com ele, passou um tempo com ele. Confiou nele... gostava dele?" "Eu treinei com ele. Ele ajudou a me adaptar à vida no Gulag. Ensinou-me como bloquear as coisas fora. Nós nunca lutamos. Nós dois éramos os melhores lutadores do Gulag. Quando o tumulto aconteceu, ele desceu e me libertou". Meu coração bateu mais rápido do que nunca, enquanto eu olhava para o 362... Goliath? Kisa disse que ele tinha sido meu amigo, e olhando para ele agora, com o Sai na mão, pela primeira vez na gaiola, eu não conseguia forçar as minhas pernas a moverem-se. Eu não poderia me mover para lutar...

"818, venha. Nós vamos levantar pesos," 362 chamou do outro lado do ginásio. Eu cautelosamente me juntei a ele no supino e fiquei atrás olhando enquanto ele estava deitado no banco. "Você vai treinar comigo. Você tem o que é preciso para sobreviver. Treinar com esses fodidos chorões vai fazer você ter vontade de ser morto. Eles são fracos. Assustados... Eles não pertencem a gaiola." "Você não tem medo de lutar contra mim?" Perguntei.


362 sorriu. "Eu sou mais velho. Isso não vai acontecer. E quando você ficar mais velho também, se você se tornar um campeão como eu, eles nunca vão nos deixar lutar um contra o outro. Eles perderiam muito dinheiro se fizessem isso." Eu balancei a cabeça e o vi realmente pela primeira vez. "Então vou treinar com você." 362 sorriu e começou a levantar os pesos como se não pesasse nada. "Fique comigo, garoto, e juntos vamos sair deste inferno vivos. "Por que eu?" Perguntei. 362 parou e olhou para mim. "Porque posso ver que você não faz o que fomos trazidos aqui para fazer. É tudo sobre o seu rosto, seus olhos. Você é inocente, como eu, mas você é forte, pode lutar, pode sobreviver... como eu. A maioria das crianças aqui vão morrer dentro das primeiras semanas, se não, até ao final de seu primeiro ano. Mas nós, nós vamos sobreviver." "Você quer sair para se vingar de quem o colocou aqui", eu disse com conhecimento de causa, porque sentia exatamente da mesma forma. "Sim. E eu vou chegar nesse dia, assim como você. Treine comigo, pratique comigo, e nós dois iremos conseguir nossa vingança." 362 voltou a seus pesos, e nós treinamos juntos por anos, até que nos tornamos os campeões que ele imaginava. Nós sobrevivemos para obter a nossa vingança.

Mas agora a minha vingança foi bloqueada por meu amigo, meu irmão Gulag.


362 caminhou até o centro da gaiola, e minhas pernas moveram para frente também. Meus punhos cerrados, apontando as lâminas para frente apenas no caso dele bater, mas eu podia ver nos olhos escuros de 362 que ele não iria atacar. Quando estávamos cara a cara, seu peito subia e descia rapidamente, e ele amaldiçoou em voz baixa. Seu rosto estava aflito, contorcido. "818", disse ele calmamente. "362", disse eu em troca. Ele abaixou a cabeça. "Esta é a sua vingança? Este é o seu caminho para o homem que mentiu, que fez de você um condenado, que fez você um de nós?" Eu balancei a cabeça. "E você?" Perguntei, começando a ouvir a agitação da multidão, o mal-estar que nós não tínhamos começado a lutar. "Eles me pegaram a duas horas de distância do Gulag. Eu corri, mas eles me pegaram de novo. Eles me fizeram lutar por eles. Viajar pelo país, fazendo-me lutar até a morte. Em seguida, na noite passada, fui enviado para cá. Para abater o lutador que entraria no ringue comigo. Disseram-me para fazê-lo sofrer. Fazer devagar." Eu congelei. "Durov," Eu rosnei. 362 estreitou os olhos. "É a pessoa que enviou você para o Gulag?" Eu não respondi. Não me lembrava os detalhes ainda, mas Durov foi responsável de alguma forma.


Os guardas começaram a cercar a gaiola, rifles prontos. 362 se aproximou. "Se eu ganhar esta noite, serei liberado. E irei finalmente ter a minha vingança." Fechando os olhos, entendi o que ele estava dizendo. Nós dois queríamos vingança. E apenas um de nós iria pisar fora desta gaiola vivo. Eu abri meus olhos, e 362 estendeu a mão. Seu rosto, por um breve momento, mostrou arrependimento e durante esse momento, deixei escapar uma pitada de compaixão para com o meu amigo... Tomando sua mão na minha, eu balancei a cabeça e disse: "Eu sou grato por sua amizade." 362 sorriu. Ele sempre sorria. "Prometa-me isso. Se você sair está noite vitorioso, você vai ter a sua vingança... por nós dois". Apertei sua mão e disse: "Só se você fizer a mesma promessa." 362 baixou a cabeça em reconhecimento. Nossas mãos separadas; todo sentimento, toda compaixão, caiu a distância e nossa adrenalina

estava

sobrecarregada.

Nós

recuamos.

Os

guardas

relaxaram. Apenas um rifle foi levantado novamente, para disparar a sinalização do tiro reiniciando a luta. Eu conhecia sobre esse lutador, como ele se movia, como ele pensava, seus pontos fracos, seus pontos fortes. Mas ele também conhecia os meus. Pela primeira vez, senti uma pontada de medo. Este homem poderia me abater. À medida que comecei a circular, eu sabia pelo olhar no rosto de 362 que ele estava pensando o mesmo. 362 de repente caiu para frente e bateu no meu braço com o Sai, o corte da lâmina em minha pele. Mas ele não fugiu ileso, pois quando ele retirou seu Sai, eu o atingi com um movimento rápido em sua coxa. 362 cambaleou para trás, uma vez que quase cortei seu músculo.


Eu senti o sangue escorrendo pelo meu braço. 362 de repente se lançando contra mim, arrastando-nos para o chão. A multidão ficou insana, seus punhos batendo nos elos de metal da cerca. 362 circulando devagar, ambos lutando pelo domínio, ambos equilibrados. Mas 362 era maior e ele conseguiu me colocar para baixo. Seu rosto ficou tenso e sua expressão arrefecida quando seu Sai desceu em direção ao meu rosto. O volume da multidão aumentou. Eu tentei empurrar para trás, mas a força de 362 era inigualável e seu tamanho incomparável. Em cada um dos meus tensos músculos. Eu podia sentir minhas veias pulsando no meu pescoço e têmpora, mas o Sai veio cada vez mais perto na minha garganta. Isto poderia ser minha morte. 362 iria furar a minha garganta e eu estaria morto. Minha cabeça inclinou para trás quando empurrei ainda mais forte contra 362 com os braços se movendo para baixo. Avistei Viktor no lado da jaula, gritando para eu viver, para conseguir minha vingança. Mas além de Viktor, e na entrada para o corredor, estava minha Kisa... e Durov atrás dela, imobilizando-a contra o peito, forçando-a a me ver lutar, enquanto as lágrimas encheram seus olhos. Durov me observava com um sorriso de escárnio em seu rosto psicótico. Era tudo que eu precisava para abastecer completamente a minha defesa. Kisa tentou virar a cabeça, quando senti a ponta do Sai contra a minha pele, mas Durov agarrou seu rosto entre as mãos e amarrou sua atenção de volta para mim, sua boca apertada gritando algo em seu ouvido. Seus olhos azuis cheios de terror, enquanto ela me observava. E, como um cabo tenso, sendo puxado muito forte, eu bati. Rugindo de frustração, rolei meus quadris, bati o Sai de 362 da sua mão, e capoteio nas costas.


Eu não vi nada, apenas vermelho enquanto montei sua cintura e apliquei um golpe com lâmina em seu pescoço. Não senti nada além de raiva enquanto o meu segundo golpe espetou sua têmpora. Não senti nada, apenas determinação para abater Durov enquanto eu levantava as duas mãos e, apontava para baixo, mergulhando no peito de 362, o chiado de sua respiração morrendo, agredindo meus ouvidos, me arrancando da minha raiva. 362 estava sangrando como um rio, a minha pele revestida com seu sangue. Seus olhos brilhavam para mim. Eu notei aprovação em seu olhar enquanto minhas mãos caíram ao meu lado, uma dor se construía em meu peito. "Vingança..." 362 proferiu, engasgando com o sangue que jorrava de sua garganta. "Faça-o pagar..." Em seguida, 362 se foi, seu peito acalmou. A multidão entrou em erupção. Mas tudo que eu podia fazer era olhar para 362 morto no chão da gaiola. Eu não podia mover meus braços e pernas, uma dor aguda no ponto morto do meu peito. A porta de aço abriu e Viktor correu. Ele agachou-se diante de mim. "Raze. Filho, temos que nos mover." Eu olhei para Viktor, em seguida, para baixo, para 362 debaixo de mim. "Eu o conhecia," eu disse, minha voz embargada. Viktor assentiu e pôs a mão no meu ombro. "Eu sei, filho. Eu sabia no momento em que vi sua tatuagem e sua reação quando você entrou na gaiola." "Ele era meu amigo...", eu consegui deixar escapar, o termo desconhecido e agridoce em meus lábios. Viktor agarrou meu bíceps e ajudou-me a ficar de pé. "Nós temos que ir, filho." Viktor e eu caminhamos para fora da gaiola e para o meio da multidão. Mãos davam tapas nas minhas costas como parabéns, eu


mantive meus olhos baixos e comecei a andar o mais rápido até que estava no corredor. Então me encontrei correndo para o meu quarto. Uma vez lá dentro, fui direto para o banheiro e vomitei no vaso, meu corpo sacudindo em suores frios. Viktor estava na porta, xingando baixinho. Eu não sabia o que diabos estava acontecendo comigo. Eu caí no chão, vendo manchas de sangue nos pisos sujos. Viktor molhou duas toalhas e pressionou uma no meu braço e outra na minha garganta. Eu não me movi. "Você precisa de pontos, filho. Esse Sai pegou você certo em alguns lugares." "Então faça isso", eu disse entorpecido. Eu nunca tinha sentido essa... essa... dor antes. Esta dor... essa culpa? Era culpa? Eu sempre bloqueei as mortes. Aqueles homens que eu enfrentei eram apenas animais para o abate, e eu era o homem que traria a sua morte. Não havia mais que esse pensamento. Apenas instinto e dever para com o Gulag me levando para frente. Mas

desta

vez...

eu

senti

tudo:

remorso,

vergonha,

devastação.... Eu me senti como a morte. Senti-me morto por dentro também. "Onde você está vivendo, filho?" Viktor perguntou quando ele puxou uma agulha e uma linha do armário de metal acima da pia. Ele começou a costurar meu braço. Eu não senti a agulha perfurando minha pele.Não senti o fio sendo puxado junto a minha carne cortada. "Na academia." Viktor fez uma pausa e sacudiu a cabeça. "Porra, filho. Apenas... merda".


Depois que meu corte foi costurado, Viktor me forรงou a tomar banho e me levou de volta para o ginรกsio. Quando ele foi embora, fechei meus olhos enquanto estava no meu tapete fino. Tudo o que eu podia ver era sangue, sangue por toda parte. E 362 olhando para mim com sua vida drenada de seus olhos. Eu nunca tinha sentido remorso, ou arrependimento, mas agora, eu estava me afogando nele.


Capítulo Dezesseis Kisa

"Por que eu estou levando você para o ginásio novamente, Kisa?" Serge perguntou quando desci na calçada pouco depois de Alik me largar na casa do meu pai. Papai já estava fora entretendo a máfia georgiana que tinha trazido Goliath hoje à noite e Alik estava a caminho de se juntar a eles, então eu sabia que teria toda a noite livre. Era sempre assim quando o campeonato acontecia. Os chefes da máfia tinham que ter certeza que seu negócio estava indo tudo bem em todos os lugares. Mas esta noite apenas parecia diferente, meu estômago girando com os nervos como se algo ruim fosse acontecer. Eu sabia que era uma combinação tanto do humor de Alik e a estranha reação de Raze depois que ele ganhou sua luta esta noite. Alik ficou furioso que Raze tinha vencido. Tão furioso que ele ainda não tinha usado o meu corpo depois da luta como era seu costume usual. Ele tinha acabado de me deixar em casa e friamente me mandou entrar. Alik estava com medo. Eu nunca tinha visto ele com medo antes. Mas ele viu Raze batendo em Goliath esta noite com tal habilidade e força incrível que o tinha levado a um estado que eu nunca o tinha visto antes: introvertido, calmo, pensativo. Isso me assustou mais do que sua agressão. Eu não sabia o que fazer com um Alik não-expressivo. De um distante e não possessivo Alik.


Mas agora, tentei empurrar todos os pensamentos de Alik da minha cabeça. Eu precisava ver Raze. Alik tinha me forçado a assistir a sua luta, tentando afirmar seu domínio sobre mim. E, meu Deus, Raze quase morreu. Mas algo estava errado com ele depois. Ele não parecia contente com sua vitória. Ele não podia levantar-se, como se ele estivesse em estado de choque, olhando para Goliath com uma expressão devastada. Viktor teve de levantá-lo de joelhos para tirá-lo da jaula, apoiá-lo enquanto ele caminhava pelo corredor. E pior, eu não poderia ir até ele. Em vez disso, tinha que ir com Alik. Eu me ressentia de Alik por isso. Pela primeira vez, estou completamente ressentida. Olhei para Serge, a face cortante de Raze proeminente em minha mente. "Por favor, Serge..." eu implorei, e ele ficou estóico na minha frente antes de abrir a porta de trás do Lincoln e fazer um gesto para eu entrar no interior. Eu escorreguei no banco de trás e Serge ficou atrás do volante. Ele se virou. "Kisa? O que está acontecendo? Você se esgueirando está nos colocando ambos em perigo. Eu não estou fazendo isso a menos que você comece a me dar algumas respostas." Baixei os olhos para a calçada e lutei com o que fazer. Olhei para Serge novamente e meus olhos se encheram de lágrimas. "Kisa, você está em apuros?" Ele perguntou, mas eu balancei minha cabeça. "Você... você tem visto alguém, por trás do Sr. Durov? Você o encontra na academia?" "Não é assim, Serge." Eu funguei limpando as lágrimas dos meus olhos. "É mais do que apenas „ver alguém‟". O rosto de Serge empalideceu. "Kisa! Você está saindo com alguém? Você quer morrer? Sr. Durov vai matar os dois se ele descobrir. Esse homem é instável na maioria das vezes, mas quando é sobre você


ele está além de insano." Seu olhar caiu, mas depois se concentrou de costas para mim. "Quem é?" "Você não acreditaria em mim se eu dissesse a você. Mal posso acreditar eu mesma." "Kisa, você não está fazendo nenhum sentido." Meu estômago revirou com as palavras que eu estava prestes a dizer, o segredo que estava prestes a confessar. Serge sentou mais para frente, e sussurrei, "Você não vai acreditar em mim se eu lhe disser." "Tente", disse ele secamente. "É... é... Luka..." Serge olhou para mim como se eu fosse uma idiota. "Luka?" Perguntou. "Luka Tolstoi?" "Sim", eu respondi com a voz quase inaudível e agarrei a bolsa no meu colo que estava cheia de fotos e lembranças de nossa infância. Hoje à noite eu ia tentar fazê-lo lembrar. Hoje à noite eu queria que ele se lembrasse de mim... de nós... de tudo. Eu só queria meu Luka de volta... pelo menos, eu queria tanto dele de volta quanto fosse possível. Eu teria qualquer parte de Luka, tomaria qualquer pedacinho dele que permaneceu. "Você está sendo infiel com Luka Tolstoi?" Disse Serge secamente, confusão em sua voz ao lançar seu sotaque russo acentuado. Eu balancei a cabeça, e ele olhou para mim como se eu tivesse enlouquecido. "Kisa, Sr. Tolstoi morreu anos atrás, em um acidente. Seu corpo foi queimado até a morte. O que realmente está acontecendo? Quem você está tentando proteger?" "Raze..."


"O novo lutador?" Interrompeu Serge. "O que diabos ele tem a ver com Luka?" "Ele é Luka, Serge. Raze é Luka." "Kisa, eu não sei o que..." "Ele foi mandado para uma prisão subterrânea depois de Rodion ter sido morto, fora da grade, e ele foi forçado a se tornar um lutador. Um lutador da gaiola da morte, Serge. Eu sei que parece inacreditável, mas aconteceu. Ele não tem memória de quem ele é, de onde é, ou de qualquer um de nós que estivemos com ele. Ele foi torturado e abusado. Ele é como um animal, apenas luta e sobrevive, sem humanidade, apenas um fugaz vislumbre que vejo quando ele olha para mim..." Engoli em seco e disse: "Quando ele está comigo... " "Kisa, isto é tudo..." "Seus olhos são da mesma cor dos de Luka, marrom com uma mancha de azul em suas íris esquerda. Seus maneirismos são os mesmos. Ele inclina a cabeça e franze os lábios, seus lábios cheios que são da mesma forma exata... E ele tem esses sonhos, sonhos vívidos. Elas são memórias, Serge, não apenas sonhos. Eu tenho certeza disso. Estar de volta ao Brooklyn, tem feito ele lembrar mais e mais. É Luka. Ele voltou para mim." Eu olhei nos olhos chocado de Serge e disse: "E ele precisa da minha ajuda. Eu tenho que fazê-lo lembrar. Preciso saber o que aconteceu todos esses anos atrás. Todos nós precisamos. Há tanta dor. Assim, muitas questões sem resposta que foram varridas para debaixo do tapete." Serge se sentou em silêncio, e eu sabia que ele não acreditava em mim. Eu não me importava, porque sabia a verdade, que dependia de mim para salvar Raze. Dependia de mim fazê-lo lembrar que seus pés tinham encontrado o seu caminho de volta para casa. "Apenas me leve para o ginásio, Serge. E, por favor, me espere, porque preciso de você para nos levar até a praia Brighton mais tarde."


Serge abriu a boca para discutir, mas eu virei minha cabeça e encostei-me à janela, encerrando a discussão.

Entrei no ginásio e me dirigi para a sala de treinamento de Raze. O lugar todo estava escuro, mas tinha uma única luz pendurada no teto. Raze sentou-se contra a parede, sua cabeça baixa e seu torso coberto com preto e vermelho. Suas pernas estavam esticadas para fora, na frente dele. Eu nunca tinha visto alguém que tinha acabado de ganhar uma luta com um olhar tão derrotado. "Raze?" Eu disse em pânico e corri para ele. Caindo de joelhos, peguei uma toalha por perto e apertei-a contra uma marca de corte longo em seu peito, o dobro do tamanho, duas vezes mais profunda, e duas vezes mais agressiva do que suas outras tatuagens de suas mortes. "Raze, o que você fez?" Eu perguntei e tentei olhar em seus olhos baixos. Ele não falou, nem sequer pestanejou quando apliquei pressão ao seu peito cortado. Ele sentou-se segurando uma caneta quebrada e lâmina de barbear ensanguentada nas mãos. Quando verifiquei o resto de seu corpo rasgado e cheio de cicatrizes, notei um enorme ferimento costurado em seu braço e os pontos ao longo do fundo de sua garganta. Lembrei-me do momento exato na luta quando tinha chegado esse momento em que pensei que ele seria tirado de mim. Ver isso acontecer, só me fez mais desesperada para ensiná-lo sobre quem ele era. Ele ia lutar com Alik amanhã à noite, os dois avançaram para a final, e amanhã à noite, eu estaria perdendo um dos dois únicos homens que já significaram algo para mim. Mas sabia o que eu queria,


o que eu iria sempre querer, e agora, ele estava deitado sobre este piso duro como se o seu mundo tivesse acabado de ser dilacerado. Luka precisava voltar para mim. Finalmente, depois de todos esses anos em cativeiro, ele precisava ser libertado. Ele precisava saber que ele era amado. "Raze, por favor, olhe para mim," eu pedi em voz suave, lutando contra as lágrimas, e Raze ergueu lentamente sua cabeça. Seus olhos estavam avermelhados e ele tinha a mais assombrosa, expressão devastadora em seu rosto. Meu coração balançou com a visão. Eu estendi a mão e coloquei minha mão em seu rosto. "Lyubov Moya9, o que é tudo isso? Foi a luta? Foi porque você se machucou? Porque isso chegou muito perto?" Eu peguei e ergui a mão de Raze do seu lado, e a lâmina de barbear caiu no chão. Sua áspera, ensanguentada palma colocada na parte de trás da minha que ainda estava em sua bochecha, e eu congelei. "Eu matei o meu único amigo", Raze soprou para fora, e seus dedos ao redor de meu. Seu aperto era tão forte... contando a sua turbulência emocional interna. Minha respiração ficou presa na minha garganta e meus pensamentos foram imediatamente para Rodion. Ele lembra-se? Será que ele se lembra daquela noite? Ele estava falando do meu irmão? Teria ele se lembrado de seu passado? Minha mão começou a tremer com a gravidade do que isso poderia significar. "Qual amigo? O que você está falando, Lyubov Moya?" Perguntei, tentando manter o tremor dos nervos na minha voz.

9

Meu amor em russo.


O olhar de Raze assumiu um olhar vazio, e ele respondeu: "362." Eu pisquei para sua resposta e imediatamente pensei de volta na nossa conversa na noite passada. "362? Do Gulag?" Raze balançou a cabeça lentamente e seu domínio sobre a minha mão apertou. "Goliath..." De repente, tudo fez sentido. Não foi a morte de Rodion que ele estava se lembrando; era o homem de hoje à noite, o Goliath georgiano. "O homem que você matou hoje à noite era..." "Meu amigo." Meu lábio inferior tremeu ao ver esse homem forte, selvagem e duro reduzido a um corpo pesado de músculos, preenchido com nada além de culpa e remorso. "Raze... Eu sinto muito", eu o acalmei. "Ele foi recapturado quando escapou, pela máfia georgiana. Ele me disse que se ganhasse esta noite, eles iriam concedendo-lhe a liberdade. E, uma vez livre, ele poderia obter sua vingança sobre o povo que o mandou para o Gulag. Depois de todos esses anos sobrevivendo, me ensinando como sobreviver... Ele era inocente. Ele merecia sua vingança, mas..." As pálpebras de Raze vibraram, e eu me inclinei para pressionar um beijo em sua testa, bochecha, e na parte de trás de sua mão fixa na minha. "Mas o que?" "Mas eu também...", ele sussurrou, e meu sangue se transformou em gelo em minhas veias. "Você o que?" Eu empurrei. Seus olhos se arregalaram como se algo em sua mente claramente batesse em um local e seu corpo ficou tenso como se


estivesse em choque. "Eu sou inocente", ele sussurrou, claramente incapaz de falar mais alto. "Kisa... Eu sou inocente. Eu não sei por que estava preso. Eu não fiz o que fui acusado." A mão de Raze agora totalmente englobava a minha, e ele olhou para os nossos dedos entrelaçados. "Você está tremendo, Kisa-Anna. Por que você está tremendo?" Um soluço escapou da minha garganta e eu liberei meu aperto sobre a toalha para plantá-la sobre a minha boca. As lágrimas de alívio derramando de meus olhos. Ele não tinha feito isso. Luka não tinha matado meu irmão. Ele era inocente. Eu sempre soube que ele era inocente. "Kisa? Eu não entendo por que você está chorando." A cabeça de Raze inclinou para o lado e eu mergulhei para seu peito, aspirando o perfume inebriante que era tudo dele, não me importando se as minhas roupas ficariam sujas com sangue e tinta. Os braços fortes e reconfortantes de Raze envolveram em torno de minhas costas e ele me manteve perto. "Shh, solnyshko", ele sussurrou, e meu choro parou e eu levantei minha cabeça e olhei em seus olhos. "Solnyshko?" Eu questionei, e Raze olhou para cima em pensamento antes de olhar de volta para mim. "Significa pequeno sol", disse Raze. "Em russo, eu acho." Em seguida, a testa franziu e as sobrancelhas puxaram para baixo como se ele não entendesse por que ele sabia essa parte da informação. "Você me chamou de „meu amor‟", disse ele, de repente, me olhando, me estudando como se eu fosse um problema que ele estava tentando resolver. Eu balancei a cabeça e lutei para manter meu lábio inferior sem tremer. "Lyubov Moya", ele disse, repetindo as palavras lentamente, soando para fora cada sílaba antes de seus olhos se


arregalarem. "Isso significa „meu amor‟ em russo. Você me chamou de „seu amor‟." "Sim... lyubov Moya", eu respondi e sai de seu abraço, eu peguei seu expressão chocado, mas apenas deixei o pensamente se assentar no meu velho termo carinhoso para ele. Enxugando rapidamente meus olhos, então corri meu dedo ao redor de sua nova tatuagem. "Por que isso é muito mais doloroso que o resto? Assim, muito mais pronunciado que os outros? Você realmente danificou sua pele." "Porque a morte de 362 foi honrada onde as outras não foram. Ele morreu com orgulho. Ele morreu como um lutador deveria." Raze correu os dedos sobre sua cicatriz e acrescentou: "Ele morreu antes de ganhar sua vingança. Ele foi enganado fora de vingança sobre aqueles que lhe fizeram mal. Mas ele nunca desistiu, até o fim. Seu reconhecimento na minha pele precisava se destacar, porque ele como um lutador e um amigo se destacou na minha vida". Meu coração retalhado o ouvia falar, e eu percebi que não importa o quão longe eu aprofundei minha imaginação, para o meu pior pesadelo, eu nunca entenderia completamente o que ele passou no Gulag. Ele era uma criança. Uma criança forçada a ser um assassino, e mesmo no inferno, ele tinha encontrado alguém para cuidar dele... e ele apenas tinha sido forçado a matar seu amigo a sangue frio. Tristeza me fez sentir mal do meu estômago. Eu não poderia ajudar, mas era grata que 362 estava morto e eu ainda tinha meu Raze. "Eu pensei... eu pensei por um momento que ele ia matá-lo..." Eu parei, minha voz presa na minha garganta com o pensamento de perder minha alma gêmea duas vezes na minha vida. Meu coração não poderia suportar isso. "Ele estava ganhando," Raze confessou.


Engoli em seco, e Raze se inclinou para frente e correu as pontas dos dedos no meu pescoço. "Mas então vi Durov forçá-la a me ver morrer e isso me alimentou. Deu-me a força para lutar e dominar meu amigo." O olhar de Raze caiu para os meus lábios, e ele murmurou, "Eu tenho que protegê-la, Kisa-Anna. Acredito que fui feito para protegê-la." Seu rosto franzido parecia que estava tentando realmente lembrar alguma coisa, e ele acrescentou: "Eu tenho que protegê-la de Durov... de novo." Meu batimento cardíaco abafou o ruído do ar condicionado zumbindo no ginásio principal. "De novo?" Eu questionei, e seus olhos enrugaram com a confusão. "Sim. Eu acho... Eu acho que já a protegi dele antes..." Tomando minha mão, Raze me puxou para a sua frente, procurando o meu rosto, e perguntou: "Será que eu fiz? Eu protegi você dele antes?" Eu balancei a cabeça, os nervos roubando minha voz. Raze engoliu, seu pomo de adão balançando, e ele resmungou: "Será que eu...? Eu conhecia você antes?" Sufocando um soluço com a palma da minha mão, eu chorei, "Sim. Sim, você conhecia. Você me conhecia muito bem." O peito nu musculoso de Raze começou a subir e descer e linhas enquadraram seus olhos. Ele estava tentando lembrar, mas por sua respiração presa e exalo frustrado, eu sabia que não podia. Algo estava bloqueando-o, impedindo-o de abraçar plenamente quem ele era antes. Liberando-me de esperar Raze, peguei minha bolsa e tirei o porta-retrato com a antiga moldura de prata de duas crianças sorrindo para a câmera e entreguei a Raze, que olhou com curiosidade para a imagem.


Ele era como um homem das cavernas vendo tesouros do mundo pela primeira vez, sem saber o que fazer com o estranho mundo que ele estava subitamente vivendo. Eu vi seu rosto com fascinação enquanto seus olhos castanhos estudaram as crianças. Ele puxou a moldura mais perto de seus olhos e examinou a foto enquanto meu coração acelerou tão rápido como as asas de um beija-flor. Seu polegar correu pelo rosto da menina e ele olhava, vendo meu rosto com a mesma intensa atenção. "Eu já vi essa menina em meus sonhos." "Sim", eu sussurrei, e ele baixou os olhos novamente e recuou a cabeça. "E esse menino também. Eu o conheço também." "Sim", era tudo que eu poderia dizer em resposta, orando a Deus que desse a Raze o dom da memória. Que ele lembrasse onde ambas as crianças estavam, e quando, e que ele ainda me quisesse... e, em alguma profunda parte escondida dele, percebesse que ele me amava tanto quanto eu sempre o amei. "Essa garota..." Raze disse e baixou a moldura da foto e se arrastou para mim, os esculpidos ombros rolando no movimento, embalando seus abdominais. Uma vez diante de mim, Raze apontou para os meus olhos, inclinando a cabeça para o lado. Sua boca pairou pouco antes da minha e seu hálito quente soprando uma respiração me fez fechar os olhos. "Não!" Ordenou ele, e meus olhos se abriram em um suspiro. Raze trouxe o quadro para frente e colocou-o ao lado do meu rosto. A expressão de conhecimento tomou conta de sua afiada e belas feições. "Você... você é a garota nesta foto."


Senti as lágrimas escorrendo pelo meu rosto e eu balancei a cabeça, incapaz de falar, e ele sentou-se, olhando para mim como se estivesse me vendo pela primeira vez. "Você é a garota dos meus sonhos..." "Sim, Raze, sim", eu respondi animadamente. Ele exalou um longo suspiro como se tivesse acabado de correr uma maratona, e ele caiu de volta contra a parede novamente, segurando o quadro para seu peito, apenas olhando para mim. Eu segurei seu olhar, desejando que ele se lembrasse mais, mas quando uma única lágrima correu pela sua bochecha, levou tudo que eu tinha para não desmoronar. Eu caí para frente e me joguei em seus braços. "Lyubov Moya! Por favor... não," eu sussurrei e passei meus braços em volta do seu pescoço e montei seus quadris, sentindo o coração trovejando no seu peito contra o meu.

"Está tudo bem. Vamos ajudar a lembrar quem

você é. Você vai se lembrar de tudo em seu tempo. Eu prometo." Seu corpo tremia e seu nariz enfiou na dobra entre meu ombro e pescoço, e ele me abraçou de volta, tão apertado que foi uma luta para respirar. Ficamos em silêncio, sentados calmamente, um reconfortando o outro, quando ele perguntou: "Eu sou... Eu sou esse menino na foto? O que está com você?" Eu me acalmei e por isso muito lentamente me afastei para encará-lo. Os olhos de Raze tinham escurecido, brilhando com perguntas, e quando nossos olhares colidiram, eu respondi: "Sim. Eu acho que você é o menino naquela foto. No início eu não sabia, mas agora tenho certeza. É você..." Raze

não

mostrou

nenhuma

reação,

mas

sua

mão

abruptamente segurou meu rosto e sua cabeça inclinou para o lado.


Ficamos assim por minutos e minutos, até que seus lábios se separaram e uma onda de respiração derramou através, e ele sussurrou: "Minha Kisa-Anna... meu solnyshko... Deus colocou um pedaço de seus olhos azuis nos meus, assim nós sempre saberíamos que correspondemos..." Como barragem quebrando, excitação e aliviado passou por mim como um rio no meio de um furacão, e eu solucei e chorei, "Luka... meu Luka..." antes de pressionar meus lábios contra este homem, provando a essência do menino que eu tinha sido criada e destinada a amar. Amar o homem perdido que agora eu segurava em meus braços. Raze congelou contra a minha boca, e me afastei para ver seus olhos brilhando, parecendo perdido. "Luka?" Ele questionou, seus olhos aumentaram, e ele chupou uma respiração afiada. "Luka... eu era chamado de Luka... Meu nome era Luka?" "Sim." Eu sorri e salpiquei beijos por todo seu rosto. Suas mãos apertaram os fios grossos de meus cabelos castanhos. "Kisa-Anna, minha Kisa-Anna," ele continuou murmurando mais e mais, e eu tinha certeza que meu nome nunca saiu tão completamente perfeito quanto de seus lábios. "Sim! Sim, Luka. Eu sou sua! Eu fui feita para você." Ficamos seguros nos braços um do outro pelo que poderia ter sido horas, quando, finalmente, puxei para trás, lhe dei um longo beijo doce, e disse: "Você viria em um lugar comigo? Eu quero levá-lo em um lugar... um lugar especial." Raze inclinou a cabeça para o lado, mas, sem dúvida, respondeu: "Em qualquer lugar. Eu confio em você." Ele confiava em mim... Levantando a meus pés, peguei a mão de Raze, levei-o até o banheiro e, molhando um pano, limpei a área ao redor de sua nova


tatuagem e coloquei gaze sobre suas novas cicatrizes. Raze escorregou em uma camisa e moletom. Eu não pude deixar de sorrir quando percebi que era o mesmo moletom com capuz cinza que eu o tinha visto pela primeira vez, e estendi minha mão. Raze levantou o capuz sobre a cabeça. Eu achava que era instintivo para ele se esconder enquanto estávamos indo para fora e ele veio para frente e cautelosamente pegou minha mão estendida. Eu passei meus dedos nos seus e apertei. Os olhos castanhos de Raze pegaram os meus de baixo de seu capuz, e sem dizer uma palavra, eu o levei para fora, sua enorme estatura me fazendo parecer muito pequena. À medida que saiamos pela porta de trás, avistei o Lincoln, e Serge saltou para fora do carro, seu corpo amplo de altura tensa como se estivesse se preparando para um problema. Raze me puxou para uma parada e me empurrou para trás como se Serge fosse uma ameaça. Eu empurrei em sua mão e Raze rosnou: "Fique atrás." Eu empurrei meu caminho para frente de Raze e empurrei no seu peito sólido com a minha mão, até que seus olhos caíram para mim. "Ele é um amigo, Raze. Como 362 foi para você. Ele é meu amigo." Eu lancei um olhar para trás, e sabia que Serge podia ouvir tudo o que eu disse no tranquilo estacionamento vazio, mas eu sabia que podia confiar

nele.

"Você o conhecia também. Ele costumava ser como um tio para você." A cabeça de Raze desviou para o lado, e eu podia ver seus olhos sob a sombra de seu capuz enquanto ele olhou para Serge. Eu levantei minha mão, coloquei na sua bochecha e sussurrei: "Deixe-se lembrar, Luka."


Os olhos de Raze bateram nos meus com a menção de seu antigo nome, e quando ele olhou para Serge novamente, vi o momento em que a memória se fixou no lugar. Seus músculos tensos descontraíram e uma respiração ofegante exalou de sua boca. "Serge", ele silenciou a voz baixa. "Serge". Raze rolou o nome em torno de sua língua, e quando eu olhei para trás para Serge, seu rosto estava pálido e parecia em estado de choque. Eu sabia que ele tinha começado a acreditar em mim. Tomando a mão de Raze mais uma vez, eu andei até Serge, que não conseguia tirar os olhos do meu lutador, meu amor perdido há muito tempo. "Serge," eu o cumprimentei, e Raze congelou, com a cabeça mergulhada para baixo, e seu capuz cobria todo o rosto. Serge ficou em silêncio. Olhando para cima para Raze, eu disse, "Raze, puxe para trás seu capuz." Raze não se moveu por alguns longos segundos, mas ele finalmente levantou a mão e retirou o capuz, seus olhos baixos lentamente levantaram e se fixaram em Serge. Os olhos de Serge estavam avaliando enquanto ele estudou Raze de perto. "Sergei?" Raze disse, e Serge empalideceu ainda mais no uso de seu primeiro nome completo. Ele olhou para mim em descrença, quando Raze falou, "Eu... eu me lembro de você." Raze apertou minha mão e apertou-a contra seus lábios, a ação quase me fez cair de joelhos de felicidade. "Você levava Kisa e eu para a escola... e para a praia?"


"Sim", respondeu Serge, e ouvi o entupimento de sua garganta e vi as lágrimas construírem em seus olhos. "Cristo! É você! Você está diferente, mas... sim, é você." "Eu lhe disse que tinha encontrado ele. Que ele ia voltar para nós", eu disse, e Serge balançou a cabeça, espantado. "Pensamos que você estivesse morto. Fomos informados de que você tinha morrido em um acidente." Senti Raze endurecer e entrei em pânico. Eu nunca tinha falado sobre o assassinato ou a sua morte aparente. Eu nunca lhe disse sobre sua família, de Talia, de Ivan, de sua mãe, que ainda hoje não podiam esquecer o passado e a perda de seu filho. Raze nunca havia mencionado qualquer memória de sua família, então eu não queria empurrar. Não podia suportar perdê-lo novamente se tudo se tornasse demais e ele fugisse. "Acidente? Morto?" Perguntou Raze com força, e eu podia ver a dor se agravar em seu rosto. Era como se fisicamente doesse lembrar-se de sua vida antes de se tornar um lutador. As sobrancelhas de Serge puxaram para baixo, e eu sutilmente balancei a cabeça, dizendo-lhe sem palavras para não ir mais longe. Levantando na ponta dos pés, pressionei meus lábios nos de Raze e perguntei: "Quer ir a algum lugar comigo agora? Serge vai nos levar lá." Raze puxou para trás e, sem hesitar, respondeu: "Sim." Serge fez-se ocupado, abrindo as portas de trás do Lincoln, e nós escalamos dentro. Raze estava tenso quando ele se sentou no carro e eu acariciava seu braço. "Você está bem, lyubov Moya?"


Raze pigarreou e mudou de posição no assento. Colocando a mão no meu joelho, ele apertou. "Carros me deixam nervoso. Eu... eu não estive em muitos, e não gosto de não estar no controle." Pegando seu pesado braço, coloquei-o sobre meu ombro e aninhei em sua cintura. O polegar de Raze acariciou o meu braço, e eu suspirei. Eu nunca me senti assim. Mesmo quando era uma criança e apaixonada por Luka no nível que eu estava, não tinha idade suficiente para entender que seus sentimentos poderiam se aprofundar ainda mais com a idade. Eu não sabia que acreditar que tinha perdido a sua alma gêmea e, em seguida, tê-la de volta em sua vida fez a palavra 'alívio' uma emoção, porque a realidade de ter o seu coração fixado de volta era muito indescritível para por em palavras. Olhando para cima, vi Serge lançando o vislumbre estranho para nós dois, e uma expressão feliz encheu sua face. Ele sempre amou Luka, e na verdade, ele tinha sempre odiado Alik. Eu sabia que pela maneira como ele agora me olhava segura nos braços de Raze. Isso o encheu de felicidade. Eu sabia que ele estava preocupado com o que a minha vida seria com Alik. E amanhã à noite, meu verdadeiro amor e meu noivo iriam lutar até a morte. Eu quase não conseguia respirar com o pensamento desse fato, então escolhi bloqueá-lo da minha mente e me concentrar em ficar junta com a outra metade de minha alma agora, neste exato momento. Basta viver o momento. Raze me puxou para mais perto de seu lado e correu o nariz entre meus cabelos. "Nós costumávamos nos sentar assim, não é? Você sob a proteção de meu braço, segura." Eu sorri contra o seu abdômen. "Sempre". "Eu acho que me lembro."


"Bom, lyubov Moya. Isso ĂŠ muito bom."


Capítulo Dezessete Raze

Assim que a porta do carro foi aberta, o cheiro familiar do mar atingiu minhas narinas, fazendo com que flashbacks saltassem em minha mente guardada. Um menino. Uma menina. A praia. A noite de um fim do verão. Beijos... Algo mais... algo grande... algo de mudança de vida... algo que fez meu peito doer... algo que parecia muito certo. Kisa tomou um cobertor xadrez vermelho em suas mãos, puxando-me da memória quando Serge abriu a porta. "Eu quero mostrar-lhe um lugar, Raze", disse ela, e eu saí do carro. Eu fechei meus olhos quando ouvi o som das ondas do mar, enquanto eu cheirava o sal no ar.


Uma calma tomou conta de meu corpo enquanto as ondas do mar caiam contra a costa. Ouvindo as vozes das pessoas na distância, rindo e tendo um momento alegre, de alguma forma me fez sentir em casa, pela primeira vez. Tentei me deixar desfrutar disto. Eu nunca tinha apreciado... qualquer coisa; muito preocupado com luta, matança, formação... vingança para me deixar apenas sentir. Derrubando minha cabeça para trás, respirei fundo e deixei o ar abafado da noite encher meus pulmões, exalando quando Kisa pegou a minha mão na dela e começou a me puxar para a areia quente. "Eu vou esperar por você aqui", Serge gritou atrás de nós, e eu olhei para trás para vê-lo entrar de volta no carro. Ele me jogou um sorriso quando fechou a porta, e eu dei-lhe um breve aceno de cabeça em troca. Kisa e eu não falamos quando nossos pés tocaram a areia. Nós não falamos enquanto ela me levou ao longo da borda da costa, só parando para que eu pudesse remover meu tênis. Assim que a areia granulada bateu em meus pés descalços, suspirei e olhei para a água escura, a lua grande e brilhante. Isso me fez pensar no sonho, aquele em que o menino tinha feito amor com Kisa na praia. Meus olhos dispararam para baixo para Kisa olhando para o mar também, e meu coração bateu no meu peito, tão alto e duro que eu tinha certeza que ela iria ouvi-lo. Mas ela só ficou olhando para a noite, e eu continuei lembrando. Eu estava me lembrando... Eles eram jovens, muito jovens quando eles estavam juntos, mas tinha muito significado. Eles estavam nervosos, muito nervosos, mas quando o menino estava dentro dela, sua vagina tão apertada e molhada, roubou seu fôlego. Ela estava tão nervosa quando o menino a levou na areia, fazendo-a sua, algo dentro deles ligou quando eles


gozaram juntos, quando a peça final de suas almas tinham se fixado no lugar e tudo o que restava foi-lhes como um único ser. "É o meu lugar favorito na Terra", Kisa sussurrou, de repente, rompendo o silêncio da noite, e eu dei um passo para o lado até que estava atrás dela, envolvendo meus braços ao redor de seus ombros e descansando meu queixo em sua cabeça. "Você vem muito aqui?" Perguntei, vendo os grandes barcos na distância navegando através do horizonte. Kisa ficou tensa, então disse calmamente: "Eu não estive aqui em 12 anos." Eu fiz uma careta em confusão, mas antes que pudesse perguntar por que, ela virou-se em meus braços e pegou a minha mão. "É desse jeito." Seguindo seu exemplo, eu perguntei, "O que é?" O belo rosto de Kisa de repente parecia feliz e ela se inclinou para o meu lado, o cheiro dela batendo no meu nariz, mantendo-me calmo. Eu não gostava de estar em público. Eu não gostava de espaços abertos. Eu tinha sido enjaulado muito tempo, então as áreas de liberdade e abertas me faziam sentir desconfortável. "Nossa enseada." Nós andamos por um tempo antes de subir por cima de algumas rochas e, escondido da vista, tinha uma pequena enseada bloqueada de areia. Kisa cheirou ao meu lado. "Não mudou nada", ela sussurrou e pulou da pedra para baixo na areia. Olhando para trás, seus olhos azuis brilhavam, o vestido preto longo se agarrou a seu fodidamente belo corpo cheio de curvas, seu longo cabelo castanho foi soprado pela brisa suave.


"Kisa-Anna..." Eu disse asperamente e saltei para baixo também, mas de repente parei, quando algo grande voltou para mim... algo que acho que tinha conhecimento desde a noite que eu a tinha salvo. Eu apenas não sabia como realmente se parecia, como deixá-lo sair, até agora. Meus olhos se arregalaram enquanto olhava para minha mulher. "Eu a tinha..." Eu disse sob a minha respiração e apenas para mim mesmo, memórias de nós juntos inundando minha mente. "Eu a tinha. Ela era minha..." Eu repeti, quando pensei em nós nesta praia, nesta enseada, no carro de Serge, no cais. Estiquei até meu pescoço e olhei por cima das rochas vendo um cais longo brilhando com luzes, e meu coração explodiu como um trovão em um temporal. Kisa colocou o cobertor em um pedaço de areia mais próxima das rochas, e eu pulei para baixo ao lado dela. Dentro de um segundo, eu a tinha levantado em meus braços. Seus olhos azuis surpreendidos encontraram os meus enquanto suas mãos agarraram em meu bíceps. Meus olhos perfuraram os dela, e eu disse sem fôlego, "Eu tinha você. Eu tive você desde o dia em que nasceu. Eu pedi você a sua mãe e ela disse que sim". O rosto de Kisa preencheu com uma gama de emoções: felicidade, tristeza e... esperança? Eu não sabia, mas ela assentiu com a cabeça e seus olhos embaçaram, umidade ameaçando cair. Caindo de joelhos, as memórias tão fortes que eu não podia suportar por mais tempo, eu coloquei Kisa no cobertor e pairei sobre ela. O calor encheu meu peito como se o sol tivesse feito sua casa dentro de mim. Eu só senti frio antes. A cela era fria. Matar era frio... Eu estava sempre frio, mas agora, eu estava quente... me sentia vivo. Não mais morto por dentro.


Olhei em seus olhos e vi apenas a felicidade em seu olhar. "Raze..." murmurou ela, acariciando através das costas do meu cabelo, mas eu não podia falar. Nós sempre estivemos juntos. Ela e eu, desde o nascimento, estávamos sempre juntos. Pegando a mão de Kisa do meu cabelo, eu cruzei os dedos com os dela e estudei seus dedos magros, as unhas pintadas de rosa, através das minhas mãos cortadas e cheias de cicatrizes, marcas de anos de luta, as minhas soqueiras estragaram a pele...

Quando nós nos sentamos no sofá, Kisa tirou um livro para ler, e eu assisti seus olhos correndo ao longo das frases, um sorriso animado em seus lábios. "Quanto tempo você acha que nossos pais estarão lá?" Eu perguntei, querendo que ela olhasse para mim, para me dar atenção, não ao maldito livro. Kisa olhou para mim sobre a página e deu de ombros. "Não sei. Papa sempre leva um longo tempo quando está fazendo negócios". Eu balancei a cabeça, mas nunca tirei os olhos do rosto dela. Kisa baixou a cabeça e corou. Eu tinha nove anos agora, ela tinha oito anos, e eu não conseguia parar de olhar para o seu rosto cada vez que a via. Ela era tão bonita. Kisa começou a ler novamente, e eu embaralhei mais perto dela até que nossos braços escovaram. Ela olhou de lado para mim e começou mordendo o lábio.


Eu tentei sentar contra o sofá, mas não conseguia parar de assistir Kisa-Anna. Minha mão começou a tremer e eu queria estender a mão e tocá-la. Ela era minha melhor amiga, e melhores amigos se tocavam, pensei. Sem pensar nisso, estendi a mão e peguei a mão dela na minha, envolvendo nossos dedos em torno um do outro. Kisa engasgou e disse: "Luka, o que você está fazendo?" Eu dei de ombros. "Segurando sua mão." "Por quê?" Kisa sussurrou, olhando para o meu polegar acariciando sua pele. Ela era tão suave. "Porque eu tenho que fazer isso," eu respondi honestamente, e ela pareceu parar de respirar por vários minutos antes de expirar, seus cílios longos esvoaçantes quando ela olhou para mim. "Ok," ela sussurrou, e algo propagou quente no meu peito e até o meu estômago. "Eu... Eu gosto disso." Eu sorri e Kisa corou novamente. "Eu também. Eu vou segurar sua mão o tempo todo agora. Eu nunca vou deixar você ir." "Eu

não

quero

que

você

me

deixe

nunca",

disse

ela

timidamente, e eu a puxei para descansar contra o sofá, ela se escondeu ao meu lado, nossas mãos ainda fundidas. "Leia para mim", eu disse e fechei os olhos. Kisa respirou fundo e começou sua história desde o início. "Eles sempre foram destinados a ficar juntos, um menino e uma menina, um coração dividido em dois, suas partes enviados para terras distantes por conta própria. Porque Deus queria ver se o amor verdadeiro poderia ser testado. Ele queria ver se duas metades de uma alma poderiam se encontrar outra vez, mesmo contra todas as probabilidades. Anos se passariam, ambos seriam feridos, os dois estariam triste, mas


um dia, quando menos esperavam, eles iriam tropeçar nos caminhos um do outro. A questão é: será que eles reconhecem a alma do outro? Será que eles encontrariam o seu caminho de volta para o amor...?"

"Nós gostávamos de dar as mãos", eu disse, minha visão de volta ao foco, quase como se eu não tivesse controle das memórias correndo em minha mente como uma cachoeira. "Você lia para mim. Eu segurava sua mão e você lia para mim." Kisa assentiu com a cabeça freneticamente e lágrimas deslizaram para fora dos lados de seus olhos sobre o cobertor. Sua mão esquerda acariciou meu cabelo, e meus olhos fecharam, mais imagens quase me afogando... "Eu amo seu cabelo, Luka... Parece ouro e se sente como seda," a jovem Kisa tinha dito enquanto estávamos deitados na grama em um parque. "Mmm... não pare. Eu adoro quando você brinca com o meu cabelo." Eu engasguei com as imagens na minha cabeça, e me concentrei em sentir sua mão na minha. "Você acariciou meus cabelos no parque", eu disse, minha voz aumentando tanto em volume e velocidade à medida que mais memórias vinham correndo de volta. "Sim." Kisa soluçou, seu lábio inferior tremendo, mas seus olhos azuis brilhavam, pois ela queria mais e mais. "Sim, eu fiz."


"Kisa, rápido, siga-me. Padre Kruschev não está olhando!" Peguei a mão de Kisa e nós corremos para fora da igreja para os degraus, onde eu puxei Kisa para o meu colo e dei-lhe um beijo. "Mmm... Luka." Kisa gemeu e agarrou a gola da minha camisa. "Eu não gosto da igreja, é chato", eu sussurrei contra sua boca, e Kisa se afastou, rindo da minha confissão. "Você não pode dizer isso! Deus está vendo!" Kisa assobiou, e eu dobrei minha cabeça em seu pescoço, apenas sentindo seu cheiro. "Nah, Ele já me deu você. Ele obviamente, me ama o suficiente para me dar um passe livre para esgueirar fora do serviço e beijar minha menina". Kisa puxou-me para ela, e pude ver o quanto eu significava para ela em seu olhar. "Luka..." Ela parou e empurrou seus lábios contra os meus. "Então Ele me ama o suficiente também, porque Ele sabia que eu sempre iria querer você."

"Igreja", eu botei para fora, esticando meus braços me segurando acima de Kisa, agora começando a tremer. "Nós fugimos da igreja." "Sim! Sim, Raze! Mais, por favor, lembre-se mais", Kisa implorou, e eu fechei meus olhos novamente...

"Luka..." Kisa sussurrou, e eu não pude deixar de sorrir.


"Kisa", eu disse de volta, depois olhei para os seus lábios molhados. Eu soltei, "Eu quero te beijar agora." "Mas eu... Eu nunca fui beijada antes", Kisa disse, corando, e eu perdi o fôlego em como ela era bonita, dando-lhe um sorriso. "Eu também não." Choque se espalhou em seu rosto. "Você não?" "Quem mais eu poderia ter beijado?" Eu disse, irritado que ela pensaria que qualquer outra garota importaria para mim. Ela encolheu os ombros. "Eu não sei. Você tem um monte de meninas na igreja te seguindo." Eu ri e balancei a cabeça. Espremendo seus ombros, eu me inclinei para baixo e murmurei, "Mas nenhuma delas é você." Eu apontei para o meu olho esquerdo, o que tinha uma mancha de azul na íris. "Nós combinamos. Por que eu iria querer mais alguém? Há apenas uma garota feita para mim".

"Nós nos beijamos," eu lembrei e olhei para baixo, passei a mão pela areia. "Aqui," eu disse em choque. "Nós tivemos nosso primeiro beijo aqui, neste lugar." O riso feliz de Kisa misturado com seu choro me puxou para seus lábios, sua boca molhada e salgada com suas lágrimas. Suas mãos estavam apertadas no meu cabelo, e eu segurei seu rosto, não querendo deixá-la ir, com suas coxas em volta da minha cintura. Retraindo os lábios uma polegada dos meus, ela perguntou: "O que mais, Raze? O que mais nós fizemos aqui? Você pode... você pode se lembrar? Por favor... deixe-se lembrar..."


Mergulhando minha cabeça, eu pressionei meus lábios contra os dela e ela gemeu em minha boca, sua mão deslizando na parte de trás do meu pescoço. O beijo se tornou mais profundo, e me afastei para mudar Kisa até a areia. Arrastei-me em cima dela, sentindo seu corpo quente embaixo do meu. Não demorou muito tempo para perder o controle, e eu me separei da boca de Kisa com um suspiro. Seus lábios estavam inchados e suas mãos agarraram meu pescoço, tentando me puxar de volta para baixo. "Kisa-Anna", eu disse e dei um beijo ao lado de seu pescoço. "Temos que parar. Eu não posso... Nós não podemos... Eu preciso parar..." Seus olhos azuis caíram e ela virou a cabeça para o lado, olhando para a lua. Baixei a cabeça em seu ombro, tentando me controlar, respirando através do formigamento no meu estômago. As mãos de Kisa descansaram no meu rosto e ela empurrou meu rosto até que levantei minha cabeça e olhei em seus olhos. "Luka", ela sussurrou, "Eu quero fazer isso com você." Meus olhos se arregalaram e meu coração batia forte no meu peito. "Kisa, é... você tem certeza?" Kisa acenou timidamente. "Posso ter você?" Ela perguntou. Sentindo como se meu coração fosse explodir em meu peito, eu disse, "Sim", e pressionei meus lábios de volta nos dela. Mais tarde naquela noite, Kisa estava em meus braços quentes, e eu não conseguia parar de beijar seu rosto. "Eu te amo, Kisa",


confessei, e ela se virou para mim e mergulhou os olhos, superando uma súbita corrida de timidez. "Eu também te amo. Estou feliz que você foi meu primeiro." "E último," eu prometi e a envolvi mais apertado em meus braços, ambos nus sob a cobertura modesta da minha camisa. "Eu não consigo imaginar compartilhar isso com ninguém... nunca..." Kisa disse em um suspiro. Eu não poderia estar mais de acordo.

Um gemido aflito escorregou da minha boca e meu estômago se apertou, meu pau duro quando Kisa se mexeu debaixo de mim, seus mamilos começam a picar através de seu vestido. Eu abaixei minha boca e lambi ao longo o broto sobre o material, meus quadris pressionando contra sua boceta quente quando ela arqueou sob meu toque. "Raze..." Kisa murmurou, e eu estendi a mão para a parte inferior do vestido e o puxei por cima das suas pernas até a cintura. Sua calcinha era pequena e preta, e um grunhido possessivo fugiu dos meus lábios enquanto me inclinei para frente e lambi ao longo de suas costuras, inalando aquele cheiro almiscarado que eu era viciado. A necessidade de prová-la tomou o controle de mim e em segundos, a calcinha de Kisa estava espalhada na areia atrás de nós. Seu sexo entrou em vista, apenas um pequeno pedaço de pêlos em seu monte e seus lábios molhados. Estendendo a mão, corri meu dedo para baixo, e os quadris de Kisa empurraram, fechando os olhos, ela lançou um longo gemido. Sentando-me, arranquei minha camisa, de repente muito quente. Kisa


assistia a todos meus movimentos, seus olhos azuis brilhando com necessidade. Meu pau pulsava, como uma viga de aço, quando Kisa deixou suas pernas caírem ainda mais abertas e espalmou seus seios, me inclinei para frente correndo os lábios sobre o interior de sua coxa, seguido meu instinto e passando ao longo de sua fenda com a minha língua. Assim que o sabor salgado encheu minha boca, eu precisava de mais. Comecei a lamber, bebendo dela. As mãos de Kisa arrancaram os fios do meu cabelo. Isso só fez eu me perder mais. Usando a minha força, coloquei minhas mãos em suas coxas e as empurrei separadas, tanto quanto elas poderiam, abrindo-a para tomar dela tudo quanto eu podia. A mão de Kisa escorregou da minha mão e pousou em sua vagina, e eu a assisti com a respiração presa quando ela tocou a si mesma. Pré-sémen escorria da ponta do meu pau e minhas bolas doíam com a necessidade de marcar minha mulher, tê-la novamente... mas desta vez sabendo quem éramos, o que ela significava para mim. Os dedos de Kisa começaram a acariciar seu clitóris inchado, e minhas narinas queimaram, observando sua boca abrir e ela passar a língua ao longo de seu lábio inferior. "Toque-me, aqui, Raze. Lambe-me. Chupe-me aqui no meu clitóris. Faça-me gozar em sua boca". Meu coração batia tão duro em suas palavras que pensei que ele iria rasgar do meu peito. Eu me inclinei para frente, abaixando minha boca, batendo sua mão para fora do caminho para que eu pudesse fazer o que ela pediu. Foi a primeira vez que provei sua boceta. O cheiro dela me levou para frente. Usando os polegares para espalhar os lábios, circulei a ponta da minha língua sobre seu clitóris. Kisa gemeu e empurrou


assim que fiz contato. Minha língua tornou-se frenética, lambendo seu clitóris mais e mais, e as pernas de Kisa começaram a tremer, suas unhas arranhando meus ombros nus. "Raze... lyubov Moya... isso é... isso é tão... Ahh!" Kisa gritou quando meus lábios envolveram em torno de seu clitóris, chupando um dedo, empurrei dentro da sua gotejante fenda, bombeando para frente e para trás. Os meus sentidos estavam enlouquecendo. O cheiro de sua boceta, o gosto de seus sucos, a sensação molhada do seu canal, e os ruídos que deslizavam de sua boca. Sugando ainda mais duro e empurrando um segundo dedo dentro dela, Kisa endureceu e, cavando suas unhas em minha pele tão forte que eu sabia que ela tinha tirado sangue, Kisa gozou forte, gritando na noite tranquila. Retardando meus movimentos e removendo os dedos de sua fenda, tracei seus lábios com minha língua enquanto Kisa ofegava e começou a acariciar o meu cabelo. Levantando minha cabeça, eu rastejei ao longo do corpo bonito de Kisa e olhei em seus olhos semicerrados e rosto corado. Ela olhou nos meus olhos e passou o dorso da mão pela minha bochecha. "Será que você se lembra, lyubov Moya? Você se lembra de alguma coisa?" Fechando os olhos, lambendo ao longo de meus lábios, eu os abri apenas para acenar e chegar para baixo, liberando meu pau do meu moletom. Eu estava tão duro, e precisava estar dentro de Kisa. Precisava ouvi-la chamar meu nome. Rastejando de volta sobre seu corpo, puxei as alças do vestido de seus ombros, seus seios vindo à vista, seus mamilos rosa duro e esperando

pela

minha

boca.

Curvando-me,

chupei

o

direito,

espalmando a carne na minha mão, só para liberá-lo com relutância e fazer o mesmo com o da esquerda.


"Lyubov Moya, preciso de você dentro de mim", Kisa gemeu, movendo a mão para embrulhar em torno de meu pau e começou a acariciá-lo. Cambaleando de volta para meus calcanhares, joguei minha cabeça para trás e assobiei através de meus dentes. Minhas bolas estavam apertadas enquanto ela trabalhou em mim mais e mais, mas quando senti um pingo molhado na ponta do meu pau, meus olhos se abriram e todos os músculos do meu corpo ficaram tensos. Um rosnado baixo retumbou em meu peito enquanto olhei para baixo para ver Kisa de quatro, seu rabo apertado no ar e seus lábios cheios em volta do meu pau. "Kisa..." Eu gemi, minha voz baixa e grossa. "Porra, isso e muito bom..." Kisa gemeu, as costas arqueadas, e ela moveu a cabeça para frente, tomando todo o meu pau em sua boca quente tanto quanto pôde, a ponta batendo no fundo de sua garganta. O calor começou a construir em meus joelhos e viajou até minhas coxas, e eu sabia que se Kisa continuasse engolindo meu pau, eu ia gozar logo. Apertando meus olhos fechados, lutei com a necessidade de ter minha mulher engolindo meu esperma e conseguir empurrar a cabeça para longe, seus lábios carnudos e vermelhos cintilantes e aqueles olhos azuis brilhantes quando ela olhou para mim com a mais bela expressão em seu rosto. Incapaz de falar a empurrei de volta até que ela estava deitada sobre o cobertor, e fechei os olhos, claramente me vendo nesta posição anos atrás, sentindo-me nervoso e inexperiente, me sentia tão ligado a Kisa abaixo de mim, que os meus braços estavam tremendo quando entrei nela, quando passei através de sua virgindade. "Baby, olhe para mim. Mantenha os olhos abertos quando você faz amor comigo. Não há nada ruim, só coisas boas entre nós",


Kisa sussurrou, e eu fiz o que ela pediu, usando o meu braço forte para pairar sobre seu pequeno corpo e posicionando minhas coxas para empurrar entre suas pernas, até que a ponta do meu pau bateu em sua fenda quente. As mãos de Kisa acariciaram cada polegada de minha parte traseira, meus braços esticados, meu pescoço, minhas costas, e através do meu cabelo. Seu toque quase me desfez, e quando olhei para ela, tudo parecia encaixar no lugar. Esta era a minha mulher, minha KisaAnna, a outra metade de minha alma. Abaixando até que eu estava apoiado em meus cotovelos, corri meu nariz até sua bochecha, inalando sua essência e mudei para baixo em seu cabelo, minha boca parando em seu ouvido. "Lembro-me de levá-la aqui nesta praia. Lembro-me de ser a nossa primeira vez. Nós éramos crianças, talvez adolescentes? Eu não sei. Mas eu furtivamente a tirei de sua casa e te trouxe aqui, a nossa enseada. Nós nos beijamos, e isso se transformou em mais... Então você perguntou se poderia me ter..." O rosto de Kisa estava afogado em lágrimas, e inclinei minha cabeça para o lado, enxugando o rosto com a mão. "E eu disse: sim". "Raze", ela chorou, e sua respiração engatou. Sentindo como se algo não estava certo, eu congelei. A expressão de Kisa mudou de feliz para preocupada. "Raze? O que está errado?" Enquanto ela falava o meu nome, eu sabia que era isso. Raze... Raze, Raze, Raze... A mão de Kisa passou pelo meu cabelo. "Raze", ela murmurou de novo, e de repente agarrei seu pulsos, mantendo-a imóvel, os olhos azuis arregalados de choque. "Raze, o que..."


"Não!" Eu disse entre dentes. "Não me chame disso!" O rosto de Kisa perdeu a cor. "Porque?" Por quê? Por quê? "Po-porque não é o meu nome. Eu não sou o prisioneiro 818. Eu não sou... Eu não sou Raze..." Meu peito apertou como se não pudesse respirar, e eu deixei ir o pulso de Kisa para esfregar meu esterno. "Ra..." Kisa se conteve e acalmou minha mão com a sua, em seguida, trouxe-a aos lábios para beijar. "Por que você foi chamado assim?" Eu olhei para o mar e os meus olhos perderam o foco, também se perderam na memória. "eu era o melhor lutando" — bufei uma risada sem humor — "matando, eu não pude ser parado. Eu só fui ficando melhor e melhor, e quanto maior e mais rápido o adversário que trouxeram para me encarar, mais vicioso me tornava. Com as lâminas de minhas soqueiras, sou imparável. Os guardas brincavam dizendo que eu iria arrasar10 meus adversários. A palavra se espalhou e, em seguida, o diretor me forçou a fazer essas tatuagens nas minhas costas para agradar a multidão, que cantava quando eu entrava na gaiola." Pisquei até minha visão cair de volta no lugar. Então olhei para minha Kisa novamente. "Assim, ouvir a palavra saindo de seus lábios não soa bem. Você não me tratou como os guardas fizeram, como esses homens fizeram." "Não, e eu nunca iria... Você foi injustiçado, mas não mais, baby."

10

Raze=arrasar, destroçar, demolir.


Cruzando os braços acima da cabeça de Kisa, mantendo-a perto, eu disse: "Eu quero que você me chame pelo meu nome... meu nome verdadeiro." A expressão de Kisa finalmente mudou de preocupação para compreensão, e com lágrimas mais uma vez enchendo seus olhos, ela balançou a cabeça. "Você... você quer que eu chame você de... Luka", ela sussurrou com conhecimento de causa, e ouvindo esse nome deslizando de seus lábios enquanto eu a segurava em meus braços quase me desfez. Meu pau endureceu ainda mais, mas não era o suficiente. "Diga isso de novo", eu exigi, e Kisa engoliu em seco, com as pernas abertas, as coxas apertando ao redor da minha cintura, e ela chamou meu pau em direção a sua boceta. Como meu pau empurrado através da sua entrada, as mãos de Kisa em volta do meu pescoço, ela abaixou meu ouvido à boca. Nós dois gemendo, afundei meu pau polegada por polegada. Kisa me acalmou com um aperto de suas coxas. Sua respiração quente soprou meu ouvido. "Luka", ela gemeu, "faça amor comigo... meu Luka." Como se uma porta tivesse sido aberta, eu rugi alto e usei toda a minha força para empurrar para frente, batendo em Kisa até que a preenchi completamente, até que ela gritou meu nome. Luka. Até que ela gritou-o uma e outra vez. Luka, Luka, Luka... Desta vez, enquanto eu a fazia minha, não havia nenhum pensamento, realmente

apenas

sentindo

sentimentos. coisas.

Minha

Pela

primeira

garganta

vez

eu

engasgada

estava com

a

quantidade de coisas que estava sentindo. Eu tinha bloqueado tudo por


tanto tempo, estive dormente por tanto tempo, que não sabia como lidar com isso, então me concentrei em estar dentro da minha mulher, sobre os sussurros e gemidos que derramavam de sua boca enquanto eu pressionei contra seu clitóris inchado, quando meu pau roçou esse ponto dentro dela que a fez ficar louca. Seus mamilos duros escovaram contra o meu peito úmido, e cada vez que eu empurrava para frente, Kisa engasgou com o atrito, com a sensação do meu pau enchendo-a, dizendo-lhe que ela me pertencia. "Luka, meu Luka", ela gemeu em meu ouvido, e cada sílaba de sua boca me levou mais e, além disso, fez meus quadris empurrarem mais e mais rápido. "Você voltou para mim..." "Kisa," eu disse em uma voz tensa, sentindo minhas bolas apertarem quase ao ponto da dor. "Eu estou quase gozando, solnyshko..." Suas unhas cravaram em meus ombros e sua respiração gaguejou. "Perto... tão perto, Luka... Foda-me mais duro... mais forte, Luka, mais duro!" Com cada bocado de força que eu tinha e com todo o poder que poderia desenhar em minhas coxas, empurrei para frente, minha pele batendo contra a boceta de Kisa, o som de nós nos unindo assim estava me colocando no limite. Meu pau inchou, minha boca ficou aberta, e ouvindo Kisa gritar para fora seu orgasmo, eu alcancei a frente e afundei as mãos na areia quente sob a cabeça de Kisa e enchi-a com o meu esperma em sua boceta estrangulando meu pau. Minha testa caiu sobre o bagunçado cabelo de Kisa. Eu estava recuperando o fôlego, minuto a minuto, tentando lidar com esta nova batida do meu coração, quando Kisa sussurrou:


"Eu te amo, Luka. Em todos estes anos sem você, nunca parei de te amar." Cada fibra do meu corpo congelou. "Amor?" Perguntei, franzindo a testa. "O que... o que é isso?" As coxas de Kisa soltaram em volta da minha cintura e ela empurrou no meu peito até que olhei em seus olhos. "Amor, lyubov Moya. Você não se lembra o que é isso?" Sua voz soava triste, como se eu tivesse a machucado de alguma forma. Eu não queria machucá-la. O pensamento de machucá-la, me machucava. Abaixei minha cabeça com vergonha. "Não... eu realmente não entendo o que isso significa. Já ouvi falar dessa palavra, mas não tem qualquer significado para mim." Kisa chegou de volta e pegou minha mão, levando-a sobre o peito, seu coração batendo contra a palma da minha mão. Meu coração começou batendo também. "O amor é uma emoção, Luka. Ela é compartilhada entre duas pessoas. Duas pessoas que não podem parar de pensar um no outro. Duas pessoas que pensam um no outro todos os dias, a cada segundo, dia

e

noite.

Duas pessoas que querem passar o resto de suas vidas juntos." Ela fez uma pausa para pressionar seus lábios nos meus, em seguida, puxou para trás. "Duas pessoas que fazem amor, assim como fizemos agora, e sabe que suas almas pertencem um ao outro, e somente um ao outro." Uma lágrima correu pelo rosto de Kisa, e inclinando para frente, eu a beijei. Puxando para trás, inclinei a cabeça para o lado para olhar para o belo rosto de Kisa. "Então eu... então eu te amo?"


Kisa ficou parada por um momento, então me surpreendeu envolvendo os braços em volta do meu pescoço e enterrando o rosto no meu peito. "Eu espero que sim, Luka. Eu oro para que você ainda me ame também." E eu senti a umidade de seus olhos na minha pele. Agarrei-a ao meu peito e nos rolei para o lado para que eu pudesse olhar para o rosto dela. Eu acho que nunca cansaria de seu rosto. Kisa chorava, mas lutou para puxar um sorriso nervoso no rosto. Eu coloquei minha cabeça no meu bíceps e apontei para o meu peito. "Então, esta... dor que senti em meu peito desde que vi você é... amor? Quando vejo você em meus sonhos, e a quero, é porque te amo?" "Luka... Isso é verdade?" Ela sussurrou, a esperança em sua voz tranquila. Eu balancei a cabeça, e ela enganchou seu dedo indicador ao redor dos meus. Olhei para os nossos dedos unidos e, por alguma razão, não conseguia desviar o olhar. "Eu sempre amei você, Luka, e sempre sonhei que você iria voltar para mim. Eu sabia que era impossível, mas sempre orava que você, de alguma forma, milagrosamente iria voltar." "Meu..." Limpei a garganta, tentando colocar em palavras o que estava preso lá. Kisa prendeu a respiração e os nossos dedos entrelaçados apertados. "Meu... Algo dentro de mim, aqui," Eu apontei para o meu coração. "Aqui." Eu apontei para o meu estômago. "E aqui." Eu apontei para a minha mente. "Diz-me que eu deveria tê-la. Que você deveria pertencer a mim. Que você me pertence, e que eu pertenço a você". "E lá", Kisa disse, apontando para meu olho.


"Aqui?" Eu disse, apontando para meu olho também. Kisa assentiu com a cabeça e sorriu. "Essa mancha de azul em seu olho, diz que nós sempre pertencemos um ao outro." Meu pulso começou a acelerar e, pela primeira vez, meu sangue parecia que estava bombeando em minhas veias, não parado e estagnado, finalmente me trazendo de volta à vida. "Por que, Kisa?". Eu perguntei. "Por que há isso entre nós?" Kisa mergulhou os olhos, sem dizer nada por um tempo, mas depois sorriu timidamente e murmurou: "O que quer que nossas almas sejam feitas..." "A sua e a minha são as mesmas." Eu terminei, as palavras vindo de alguma memória bloqueada — fora de minha mente. Minhas sobrancelhas puxaram para baixo, e eu observava o rosto de felicidade de Kisa. "O que... o que é isto? Por que conheço isso?" "É Wuthering Heights, um livro que eu costumava ler para você antes de você ser levado. É uma linha que, minha mãe costumava dizer que se aplicava a nós. Nós usamos isto." "Onde está sua mãe?" Kisa suspirou, um suspiro trêmulo e seus olhos brilhavam. "Ela morreu, Luka. Ela morreu quando eu tinha quinze anos". Morte. Ela estava em todo lugar. Nenhum de nós disse nada por um tempo, mas enquanto a noite seguia, puxei Kisa ao meu peito. "Kisa?" Eu disse. "Mmm?" Ela murmurou, sonolenta contra o meu peito. "Eu vou matar Durov amanhã à noite." Kisa endureceu, e eu prendi a respiração. Ela nunca falou sobre como se sentia sobre ele, ela me disse que ele não poderia viver


sem ela e precisava dela. Mas eu precisava dela também, e a diferença entre Alik e eu era que ela precisava de mim ao seu lado, para mantê-la segura. "Eu sei", Kisa finalmente sussurrou de volta, mas eu podia ouvir a dor em sua voz. Um flashback de quando eu era um garoto de repente veio até mim, e meu corpo estremeceu na posição vertical, Kisa caindo para a areia. Segurei minhas têmporas quando a memória veio rápido, a dor perfurando meu crânio quase muito forte para aguentar...

"Você o matou, Alik!" Gritei, coberto de sangue do meu melhor amigo enquanto Rodion ficava frio nos meus braços. Alik estendeu a faca que ele tinha esfaqueado Rodion, seus olhos estavam selvagens e um sorriso louco se espalhando sobre seus lábios. "Não, Luka, eu não o matei." Eu vi quando Alik dirigiu a faca em seu próprio estômago e ele caiu no chão. "Você fez! Vocês brigaram. Você lutou, e puxou uma faca e matou-o." "O que... o que diabos você está falando? Você está louco!" Eu gritei, mas Alik já estava gritando por socorro. "Ele se foi", Alik disse, olhando para mim e agarrando o estômago. Seu sangue derramando enquanto ele apontava para o corpo de Rodion. "O herdeiro Volkov não existe mais. Eu fiz apenas o que meu pai mandou. Agora, um dia, vou ser o Pakhan. Rodion era fraco demais para levar, muito bom também. Eu, eu nasci para ser cruel, para matar qualquer um no meu caminho."


Meu sangue se transformou em gelo quando soube que ele tinha matado Rodion pelo poder. Seu pai lhe tinha encomendado as mortes para seu filho ser o próximo na linha. Jesus Cristo! "E eu?" Eu sussurrei, entorpecido. "Por que diabos você está fazendo isso comigo?" Passos se aproximaram e as vozes de nossos pais chamado nossos nomes. Alik gritou de volta, se jogando de volta no chão, mas não antes dele sorrir para mim e dizer: "Porque eu precisava de alguém para culpar e quero o que seja você." Eu balancei a cabeça em confusão. "O que..." "Ela sempre significou muito para mim, não para você. Eu preciso dela. Ela é a única que me acalma. Ela é a única pessoa que pára as vozes em minha cabeça que me dizem para ferir as pessoas. E ela está obcecada por você, isto está no meu caminho de fazê-la minha." Eu tropecei para trás, o que ele disse registrado em minha mente. Kisa. Ele matou Rodion pelo poder e estava me culpando para... Kisa? Antes que eu percebesse, estava em cima dele, ignorando o sangue escorrendo de seu estômago, socando o rosto dele. "Você não vai machucá-la, você é um fodido doente! Você vai deixá-la sozinha! Você é insano! Você deve ser parado!" Alik sorriu para mim enquanto eu batia no seu rosto, como se ele não estivesse sentindo os golpes. Eu fiquei em estado de choque e ele deslizou a adaga na minha mão.


Um homem irrompeu por entre as árvores, e viu seu filho morto no chão, ele caiu de joelhos. Tudo o que eu podia fazer era ver como ele tentou trazê-lo de volta à vida, em seguida, tentando soprar o ar em seus pulmões, mais o CPR não funcionou. Outro homem veio em seguida. Os homens me viram com Alik, meus punhos revestidos com sangue, minha boca apertada com raiva. Eu fiquei de pé e tropecei para trás até a minha bunda bater no chão. Minhas pernas não se moviam quando vi a cena. Eu não podia falar. Não podia falar para explicar... meu melhor amigo estava morto. Um dos homens correu para Alik no chão, então notei os olhos dos homens em mim, em seguida, estavam ao meu lado. Virando a cabeça lentamente, olhei para o que eles estavam olhando e vi o ensanguentado punhal sob a minha mão espalmada. Abri minha boca para tentar explicar o que aconteceu, mas assim que fiz, o pai de Rodion se levantou, o sangue cobrindo seu casaco, o movimento puxando a minha atenção. "Luka, o que você fez?"

"Luka! Luka!" A voz em pânico de Kisa cortou a noite. "Respira, respira... Você não está respirando. Tente se acalmar." Concentrei-me no rosto de Kisa, em sua mão acariciando meu cabelo para trás. Finalmente capaz de me mover, levantei a minha mão e tomei a dela na minha. "O que é, lyubov Moya? O que você lembra?" Kisa perguntou, e eu podia ouvir os nervos em sua voz. "Você está me assustando."


"D-Durov," eu gaguejei. "Durov matou Rodion, esfaqueou-se, em seguida, jogou toda a culpa em mim."


Capítulo Dezoito Raze

A mão de Kisa começou a tremer enquanto ela segurava a minha, e eu vi seu rosto ficar pálido, a realidade desse fato batendo, assim que o bloqueio do meu passado quebrou, as lembranças vieram à tona, liberando meu ponto cego. "Rodion", eu sussurrei, sentindo como se tivesse acabado de tomar um soco no rim. "Rodion era o meu melhor amigo, não era? Éramos como irmãos. Não é? Isso é..." Vi lágrimas caírem dos olhos de Kisa. Meus olhos se arregalaram quando imaginei as características de Rodion: cabelo castanho claro, olhos azuis. Eu sonhei com ele algumas vezes. Ele era o menino em meus sonhos. Seus traços sempre me confundiram, e eu era incapaz de saber sua identidade. Mas agora eu podia imaginá-lo com uma clareza cristalina. Eu o conhecia. Eu... Merda... Olhei para Kisa novamente. Ela estava caída, suas costas tremendo com a força de suas lágrimas. E em seguida, na minha mente, eu a vi e Rodion juntos: na igreja, na praia, em volta de uma mesa, ao lado de seu pai... Levantando minha mão e pressionando-a em suas costas, engoli em seco. "Ele... Rodion era seu irmão, não era? Foda-se, Kisa, Rodion tinha seu sangue."


Um soluço escapou da boca de Kisa e ela caiu na areia. Rastejando para frente, cobri Kisa com meu corpo e meus braços em torno de sua cintura. Ela se inclinou em meus braços e chorou mais forte, com as mãos para fora, ela se agarrou em minhas coxas, enquanto eu tentava respirar através das memórias de meu passado me batendo com a força de um caminhão. "Kisa", murmurei. "Durov o matou... Ele o matou..." Outro soluço alto arrancou de sua garganta e ela começou a tremer. Empurrando-se na posição vertical com as mãos dela em minhas coxas, Kisa levantou a cabeça. Seu belo rosto estava vermelho e molhado com suas lágrimas. "Não! Eu sempre pensei que sua morte tinha sido um acidente. Um mal-entendido. Alguma outra explicação. Eu... eu..." Estendendo a mão, ela agarrou meu bíceps, o desespero em sua expressão. "Por quê? Porque Alik o mataria? O que Rodion fez para ele? Eu não entendo! Eles eram amigos!" Eu apertei meus olhos fechados, prendendo a respiração, como se eu pudesse forçar a memória. "Por favor, lembre-se. Por favor, lembre-se," Kisa implorou. O herdeiro Volkov não existe mais. Eu fiz o que meu pai mandou. Arrastando em um suspiro, olhei para Kisa e de repente vi o rosto de um homem na minha cabeça. Ele era alto, moreno, mais velho, um brilho maligno fodido em seus olhos. Assim como os guardas, pensei. Ele tinha aquele sádico e controlador olhar, aquele que os guardas sempre usavam.


"Seu pai", eu disse, e Kisa só pôde piscar. "Seu pai disse-lhe para acabar com o herdeiro... então ele seria o próximo na linha. Assim, ele poderia comandar quando fosse velho o suficiente." "Não", Kisa disse, balançando a cabeça. "Não! Abram não faria isso. Ele amava Rodion!" "Alik esfaqueou Rodion porque seu pai lhe disse para fazer isso. Isso foi o que Alik me disse!" O tremor da cabeça de Kisa cresceu mais rapidamente. "Não, não, não, não!" Ela cambaleou sobre seus pés e envolveu os braços ao redor da cintura dela. Seus pés de repente pararam na areia, e ela perguntou: "E Alik? Po-por que Alik esfaqueou a si mesmo e o culpou? Por que ele queria levar você de mim também?" Cada músculo congelou em mim e meu coração trovejava no meu peito. Kisa viu minha reação e os braços caíram para os lados. "O quê?" Ela perguntou, sua voz cheia de pavor, medo... ansiedade. Sentindo uma súbita onda de protecionismo, caí para frente e esmaguei minha boca contra a dela, Kisa gemeu de surpresa. As mãos dela batendo no meu peitoral duro, mas sua boca se movia contra a minha, como se ela não pudesse resistir ao que tínhamos, a faísca que estava existia entre nós. Afastando-me, ofegante, pressionei minha testa contra a dela, segurando firmemente em seu pescoço. "Luka... por favor... me diga," Kisa implorou, sua voz quase um sussurro. Inalando uma respiração irregular, fechei os olhos e respondi honestamente, "Por sua causa." Eu abri meus olhos, e Kisa recuou, seu olhar procurando os meus. Ela estava balançando a cabeça, as lágrimas derramando por suas bochechas. "Ele precisava de alguém para culpar e queria você, Kisa-Anna. Ele queria você longe de mim."


"Não!" Kisa virou as costas para mim e se agarrou a uma rocha próxima. Sua cabeça balançou para frente e para trás, e tudo que eu podia fazer era ficar ali olhando para ela, todos os músculos tensos com o desconhecido... o desconhecido de como estar com ela... como fazê-la se sentir melhor. Eu fiquei lá como um mudo e observei-a desmoronar. Mas quando um grito de dor rasgou pela sua garganta e ela caiu de joelhos, meus pés pareciam mover-se por vontade própria, e me deixei cair atrás dela, passando os braços em torno de seu corpo leve. "Ele está... ele está perturbado. Ele estava sempre preocupado com as vozes em sua cabeça. O mandando machucar as pessoas. Ele precisava de mim, mesmo assim, ele precisava de mim para parar os impulsos", ela sussurrou. "Ele sempre foi assim, possessivo comigo. Mas nunca pensei... eu não poderia ter imaginado..." A respiração de Kisa engatou e ela começou a girar em meus braços. Eu congelei, sem saber o que estava fazendo, quando ela se arrastou no meu colo e eu coloquei a cabeça no seu ombro. Eu lutei para respirar tranquilamente, suas ações fazendo algo dentro de mim se esquentar, como se sua proximidade descongelasse o gelo grosso em meu sangue. Os olhos injetados de Kisa traçaram os demônios que eu tinha tatuado no meu peito — um presente dos guardas, que queriam que eu parecesse mal para a multidão do Gulag e sua respiração soprou contra o meu pescoço, provocando arrepios na espinha. "Eu não posso... não posso acreditar que ele culpou você, meu lindo Luka, meu melhor amigo, minha alma gêmea... a outra metade de mim... porque ele me queria..." Ela respirou estremecendo e sua mão caiu para rastrear de volta no meu estômago. "Que ele iria ferir-se tão... tão... brutalmente para criar uma mentira tão impressionante contra você."


Eu fechei meus olhos, tentando não perder o controle da minha raiva com o pensamento de Durov e o que ele tinha feito. Mas fui chutado para o inferno quando Kisa disse, "Ele nem sequer deixou-me chorar a sua morte. Ele apenas voou e me levou para si próprio. Eu tinha apenas treze anos. Mas eu era dele. Meu pai não reclamou, ele estava perdido e, em seguida, um par de anos mais tarde minha mãe morreu de um ataque do coração, a dor de perder o meu irmão foi demais para ela suportar. O único filho de Papa — era agora o único herdeiro — era o resultado perfeito de uma situação horrível. E eu estava tão entorpecida pela dor de perder todos que amava que nunca lutei com ele. Na verdade, estava feliz que alguém estava lá por mim". Kisa levantou a cabeça e pressionou três beijos em minha mandíbula rígida. "Eu tinha perdido você... Eu não ligava muito sobre qualquer coisa depois disso... até que você me salvou no beco e meu coração começou a bater novamente." Ela respirou fundo. "Eu não tinha sequer percebido que tinha parado." Não sabendo como responder, eu a agarrei com mais força. "Luka?" Ela perguntou. Resmunguei uma resposta. "Onde você foi? O que aconteceu?" Apertei os olhos e me concentrei em meu passado. "Seu pai me levou ao seu escritório, juntamente com Alik." Minhas sobrancelhas puxaram para baixo, minha cabeça doendo. "Alguém pediu por minha vida. Outro homem estava na sala com a gente, eu acho, mas não posso ver seu rosto." Kisa enrijeceu em meus braços. "Você não sabe quem é aquele homem? Como ele se parecia?" O homem era mais velho e talvez tivesse cabelos claros, mas isso era tudo que eu podia ver. Tentei continuar enquanto ainda tinha essa memória na minha mente. Eu estava com medo, se me concentrar


muito no homem tentando poupar minha vida, toda a memória desabaria. "Ele implorou a seu pai para não me matar, mas o pai de Durov me queria morto. Eu..." Meu coração começou a bombear rápido e eu podia sentir meu sangue correndo nas minhas veias. "Lembro-me de sentir medo, mas não podia abrir minha boca. O pai de Durov estava tão irritado que me intimidava... Ele roubou minha voz com o seu olhar. Gesticulou para mim que me mataria se eu falasse. Eu estava mudo com o choque. O homem que tentou defender-me começou a discutir com ele, e... e as armas foram puxadas". Eu fechei os olhos e balancei a cabeça, partes da memória tornando-se granuladas. "A próxima coisa que sabia, era que seu pai disse que não haveria policiais envolvidos em meu crime, no meu assassinato de Rodion, mas que ia ser enviado à pátria, à Rússia para um contato que tinha lá. Ele me disse que eu seria punido. Ele me disse que ficaria em uma prisão para crianças, fazendo trabalho manual em uma fazenda no fundo do campo russo... Ele me disse que nunca iria voltar para o Brooklyn". Kisa chegou mais perto, quase se fundindo em meu peito como se quisesse rastejar na minha pele. "Meu Deus, Luka... Eu me lembro deles te levando embora. Fui levada para casa... e tudo que me lembro é estar entorpecida, enquanto estava deitada na minha cama". Kisa olhou para mim e colocou a mão sobre a minha pele. "O que aconteceu a seguir? Por que... porque depois que você saiu, eu não sabia para onde eles haviam levado você, nos disseram que você estava morto". O cheiro de fumaça queimou meu nariz. Os sons de pneus cantando derrapando até parar. Lá estava um ônibus...


"Eu estava em um ônibus. Estava fresco no lado de fora. Noite. Eu não me lembro de ser capaz de ver através do vidro, porque as janelas estavam embaçadas. Havia quatro, talvez cinco de nós sendo levados em algum lugar. Ninguém falava. Todos nós sentávamos separadamente. Mas eu podia sentir que estávamos todos assustados. Nós éramos todos jovens... adolescentes? Alguns poderiam até ser ainda mais jovens. Alguns tinham sido vendidos por suas famílias para trabalhar nas fazendas." Eu olhei fora para as luzes no cais, quase me sentindo drenado tanto quanto naquela noite. Mas as luzes turvaram e de repente eu podia ver outra coisa em minha mente. As luzes... os guinchos de pneus... "O ônibus saiu da estrada," eu soltei, minha voz soltando uma memória que estava atualmente processando. "Faróis de uma van nos cegou em uma estrada escura. Houve um grande estrondo e o motorista do ônibus desviou e nós rolamos em uma vala. Estávamos todos gritando, mas o motorista não se movia. Lembro-me de escalar sobre os assentos, ouvir os outros rapazes gemendo de seus ferimentos, e me arrastei para o motorista. Mas quando cheguei a ele, podia ver sangue. Eu podia ver um buraco em sua cabeça... um buraco. Eu sabia que aquilo não foi do acidente". Eu pressionei minhas palmas em meus olhos, a dor de tais memórias vindo muito forte. "Luka?" Kisa sussurrou e começou a esfregar minhas costas. "Não... não se esforce demais. Está tudo bem, lyubov Moya. Está tudo bem. Não se apresse. Isso tudo é demais para você passar em um espaço tão curto de tempo." Indignação em meu estômago, e eu comecei a tremer violentamente, minha raiva interior quase demais para lidar.


"Não", eu respondi bruscamente, minha voz soando mortal até mesmo para mim. Kisa pulou e a ouvi segurar sua respiração em minha súbita mudança de humor. "Eu preciso... lembrar," Eu forcei a sair. "Luka?" Perguntou Kisa e, lentamente, começou a recuar do meu colo. "Você precisa se acalmar. Você está ficando vermelho. Sua pele está muito quente!" Inclinando minha cabeça, eu rugi em direção ao céu noturno, liberando toda a confusão, a raiva, e a frustração que tinha me bombardeado ao longo dos últimos dias. "Luka!" Kisa gritou, e eu podia ouvi-la chorando, soluçando quando ela se mexeu no meu colo e correu para trás para as rochas. "O motorista tinha sido baleado, e os homens invadiram o ônibus... Georgianos... Georgianos atacaram o ônibus." Eu comecei a balançar os joelhos quando a cena veio vivida. "Eles nos bateram, e fomos forçados para a parte de trás do ônibus..." Eu respirei por muito tempo, gaguejei e olhei para Kisa, que agora estava vestida e apertada contra as rochas como se estivesse enfrentando um monstro. Ela estava. Eu era um frio, monstro fodido doente. Isto foi o que eles me fizeram... o que eles tinham sido ordenados a fazerem comigo... "Eles sabiam meu nome," cuspi fora. "Aqueles homens... eles chamaram pelo meu nome." Eu pisquei, mas a memória do meu nome completo não veio. "Luka", eu disse e bati no lado da minha cabeça com meu punho. "Luka... Luka... ARGH!" Eu não conseguia lembrar o meu sobrenome! "Tolstoi," uma voz suave pronunciou contra a brisa. "Luka Jakob Tolstoi... era o seu nome completo. Esse é o seu nome completo." Com meus ombros caídos, eu inclinei a cabeça para o lado quando testemunhei a expressão no rosto de Kisa transformar-se de


medo para tristeza. Sentindo minhas pernas agitarem, caí para frente de quatro, minhas mãos em punhos na areia. "Luka!" Kisa guinchou, e a ouvi cair ao meu lado, com a mão timidamente descansando nas minhas costas. "Eles tinham sido enviados para mim", eu disse asperamente, toda a energia se escoando do meu corpo na areia debaixo de mim. "Porra... Eu ainda posso sentir isso. Como um maldito punhal, Kisa, um punhal." "Como?" Perguntou Kisa cautelosamente, seus dedos correndo pela minha espinha. "Por que eles foram enviados por você? Como você sabia?"

"Luka Tolstoi. Você vem com a gente", disse o homem com a arma. "Onde? Para onde eu vou?" Perguntei, mas não obtive resposta. "Para o fodido inferno, menino. Você está indo fora das grades. Alguém está nos pagando muito dinheiro para fazer você desaparecer." O cara apontou para os outros meninos sendo arrastados para fora do ônibus. "Vocês todos." "Por quê?" Perguntei. "Quem pagou por isso?" Ele sorriu e deu de ombros. "Você fodeu com a família errada, garoto." Tudo o que eu sentia era medo ao ouvir suas palavras. "Durov? Foi Durov?" O homem pareceu surpreso, mas então riu. "Bem, pelo menos você vai saber de quem é a culpa para o que vem pela frente. Abram queria ter certeza de que você nunca voltaria para o Brooklyn."


Cambaleando para uma posição sentada, eu olhava para Kisa. "Abram... Abram Durov..." "O quê? O que mais você se lembra?" "Ele organizou para que os Georgianos interceptassem o ônibus. Ele esvaziou-o e queimou o ônibus. Eles encheram com adolescentes mortos do Gulag então haveria corpos queimados. Mas foi Abram. Ele pagou para me levarem." Os olhos de Kisa brilharam, mas seu rosto estava mais calmo agora, entorpecido. "Ele precisava proteger Alik", disse ela, assentindo. "Ele precisava que você sumisse para que ninguém soubesse que Alik matou Rodion." Meus dentes cerraram juntos e eu abaixei minha cabeça, tomando uma respiração longa e profunda. "Eles nunca esperavam que eu fosse sobreviver. Eles pensaram que eu seria morto na gaiola." Nós dois ficamos em silêncio por um tempo, mas depois Kisa se levantou e estendeu a mão. Eu olhei para ela nos olhos e vi apenas força. "Mas você conseguiu, Luka. Você sobreviveu. E..." Ela respirou fundo e endireitou os ombros. Resolução tinha tomado conta dela. Eu podia ver em seu rosto. "Precisamos chegar de volta ao ginásio. Você tem uma luta para vencer amanhã." Eu vi minha Kisa-Anna, e a raiva que tinha fugido do meu corpo. Eu tinha que vencer essa luta.


Eu tinha que recuperar minha vida ou sempre viveria no escuro. Deslizando minha mão em Kisa e vendo seus olhos brilharem com lágrimas, levantei-me e puxei-a no meu peito. Seu olhar encontrou o meu, e acariciei seu longo cabelo castanho com meus dedos. Seus olhos se fecharam. "Você tem que ganhar essa luta, Luka. A justiça deve ser feita. É a maneira como vivemos. Sangue por sangue. Você tem que fazer isso por você, por nós... mas quero que você ganhe por Rodion. Ele deve ser vingado." Inclinando-me para baixo, pressionei minha testa contra a dela, apenas por um minuto. Eu finalmente me afastei, peguei minhas roupas e coloquei. Fechando meu casaco, puxei o capuz e, finalmente enfrentei a minha Kisa. Ela estava olhando para o chão, mas ela olhou para cima e um sorriso triste puxou em seus lábios. Caminhei em direção a ela e puxei-a em meu peito, mais uma vez inalando sua essência. "Será que você ainda vai me querer depois que eu matar Durov?" Kisa congelou, mas sua cabeça começou a acenar contra o meu peito. "Sim, lyubov Moya", disse ela quase silenciosamente. "Estive com Alik por tanto tempo. Ele precisava de mim para viver, não poderia seguir sem mim." Kisa puxou para trás do meu peito, mas não olhou para cima. Suas mãos jogaram com a sequência de caracteres no meu suéter. "Eu sempre soube quem ele era... diferente, perigoso. Sempre soube que ele não era como todo mundo... mas me acomodei com isso, porque, bem, ele era tudo que eu conhecia por tanto tempo, e sabia que ele ia me matar se tentasse sair. Ele não iria sobreviver sem mim ao seu lado. Ele desmoronaria, iria se tornar muito escuro, muito desenfreado." Kisa puxou uma respiração profunda enquanto o meu coração doía com o tom de sua voz. "Mas eu não sabia que ele tinha tirado você de mim,


tirado meu irmão de mim. Eu perguntei a ele sobre isso no início e ele jurou para mim que você tinha matado Rodion. Agora tudo o que tenho acreditado acaba de desabar". "E seu pai? O que ele vai fazer?" Perguntei, sentindo uma onda de possessividade sobre Kisa. Ciúmes que Durov a tivera todos estes anos. Que ele a fez acreditar que precisava dela, que nunca poderia estar com mais ninguém. Ela era minha. Não dele. Nunca dele... MINHA! Kisa desviou o olhar, parecendo perdida em sua cabeça. "Quando Papa descobrir o que Alik fez para seu filho, seu herdeiro, seu orgulho e alegria, e depois descobrir quem você é, e que é inocente, ele vai querer Alik morto." "Ele o fará?" Perguntei confuso. Kisa me enfrentou, sua cabeça inclinada para o lado. "Luka... você se lembra de qualquer família aqui no Brooklyn? Você sabe como você me conheceu? Por que nós crescemos juntos? Por que você conhecia Rodion e Alik?" Minhas mãos começaram a suar e minha dor de cabeça ficou mais forte novamente. Com meus olhos bem fechados e meu estômago apertado, minha respiração parando na minha garganta. "Luka! Luka!" Kisa chamou, e deixei escapar um longo suspiro enquanto meus olhos voltaram abertos. Suor frisado na minha testa e eu sentia como se tivesse batido um saco de luta por três horas seguidas. "Não tente se lembrar agora", Kisa instruiu, e eu me concentrei em seus olhos, em sua mão que descansou na minha bochecha. "Não. Você está cansado. Você colocou-se através de muito esta noite. A cor passou de seu rosto."


Os dedos de Kisa acariciavam minha bochecha e o sentimento era hipnótico. Eu respirei com o ritmo do carinho dela até que meu coração começou a desacelerar. "Bom, lyubov Moya," Kisa acalmou. Uma vez que eu tinha acalmado, balancei a cabeça, dizendolhe que estava bem. A pergunta de Kisa atravessou em minha mente. Uma família? As pessoas que... me amaram? Eu não podia sequer imaginar isto. Outra pontada de dor torturou minha mente, mas eu sabia que tinha que bloqueá-la. Bloquear tudo, deixar apenas a luta contra a Durov. Eu finalmente me vingaria. "Precisamos ir", Kisa disse relutantemente, e tendo sua mão estendida, andamos por sobre a areia em direção a Serge, entrando em seu carro. Um tempo depois, chegamos à academia e eu beijei Kisa nos lábios. "Vejo você amanhã, Luka", ela sussurrou. "Eu vou tentar chegar até você antes da luta." Balançando a cabeça bruscamente, abri a porta do carro, mas parei para olhar por cima do ombro, pensando o quão bonita Kisa realmente era. "Eu..." Limpei a garganta, inclinei a cabeça para o lado e disse: "Eu... amo... você." As palavras pareciam estranhas vindas de meus lábios, mas quando os olhos de Kisa começaram a encher-se de lágrimas e sua boca puxou para um enorme sorriso, eu sabia que estas três palavras estavam certas.


Amor. Uma emoção nova, mas de alguma forma familiar para mim. Kisa mexeu sobre o assento e esmagou seus lábios contra os meus. Quando ela se afastou, sussurrou: "Eu também te amo. Muito. Muito." Balançando a cabeça de novo, escondi a sensação de calor enchendo meu corpo. Isso me pegou de surpresa. Eu não sabia como lidar com essas coisas. "Amanhã", eu disse, acariciando meu polegar em seu rosto suave e me levantei. "Amanhã", Kisa disse em resposta. Serge tirou o chapéu para mim da porta do condutor. Eu recuei para as sombras do ginásio, mais uma vez, outra vez na escuridão. Com cada passo que eu dava na minha sala de treinamento, cantava mentalmente as palavras: Durov. Nova Iorque. Vingança. Matar. Amanhã à noite, finalmente conseguiria minha vingança


Capítulo Dezenove Kisa

"Você está bem, senhorita?" Perguntou Serge, olhando para o meu rosto em branco através do espelho retrovisor. Eu continuei olhando pela janela, uma série de emoções rasgavam através de mim como chamas ardentes. Alik tinha matado meu irmão. Alik, o homem que tinha me controlado e me possuído todos estes anos, o homem que dediquei a minha vida a servir. E ele culpou Luka, meu Luka, pela morte de Rodion... Deus! Somente para que ele pudesse ter-me? O pensamento me fez sentir doente. Sentia-me atormentada pela culpa. Desespero e um milhão de outras emoções. E amanhã à noite, meus dois amores — um puro, ainda quebrado e um tão escuro que agora percebi que não sabia nada sobre ele, — eles lutariam até a morte. Amanhã à noite eu iria perder um. Sabia no meu coração quem eu queria — não, precisava — sobreviver... Luka. Sempre tinha sido Luka. Alik merecia morrer. "Senhorita?" Serge empurrou de novo, e eu encontrei o seu olhar preocupado. "O que aconteceu? Eu sei pelo olhar em seu rosto,


devastação. Eu só vi isso uma vez antes... e foi quando nos disseram que o Sr. Tolstoi morreu naquele acidente". Senti as lágrimas rastreando pelo meu rosto, e funguei e limpei meu rosto. "Serge... Acabei de descobrir quem matou Rodion. Eu... eu..." Eu parei, incapaz de terminar a minha frase, muita dor para meu coração. Notei que ele tinha chegado à casa de meu pai, rastejando para uma parada nas sombras da rua escura, fora da vista. Quando o carro parou, Serge virou em seu assento. "Sr. Alik?" Meus olhos se arregalaram e meu pulso pulsava nas têmporas. "Você sabia? Todo esse tempo?" Serge balançou a cabeça. "Não, senhorita. Eu não. Mas, bem, eu o conheci toda a sua vida, o observei crescer desde que era menino para um homem e algo não estava certo com ele. Ele está perturbado, no fundo de sua alma". Engoli em seco, ouvindo tudo o que saía da boca de Serge. E ele estava certo. Alik sempre foi diferente. Prosperando com violência, fora de controle, fora de sua posse para mim... fora de suas mortes. Matar ele teve que fazer ou ele se voltaria para as ruas ou a máfia rival para trabalhar fora sua raiva. O Bratva decidiu, há cinco anos que ele deveria lutar no Calabouço durante o campeonato. Meu pai queria que ele tivesse uma saída para sua raiva, que não iria causar problemas com os rivais, e que também traria um lucro. "Quando a notícia da morte de Rodion foi entregue a equipe, eu não podia acreditar que Luka faria tal coisa. Ele era um bom menino, um bom garoto Bratva: severo e duro, mas não excessivamente frio. Mas, principalmente, ele era leal a sua família. Amava sua família. Seu pai o criou bem, ao contrário do Sr. Abram. Ele tinha educado aquele seu garoto para ser um assassino. Depois que sua mãe fugiu quando ele era um bebê, ele trouxe aquele rapaz sem qualquer afeição."


Os olhos de Serge perderam o foco e ele balançou a cabeça. "Há algo dentro de seus olhos... algo que sempre me incomodou." Serge mudou desconfortavelmente em seu assento. "Lembro-me de encontrá-lo como uma criança, matando um gato — não, torturando. Ele me viu o observar com horror e ele sorriu. Ele sorriu para mim, Kisa. Eu sabia que algo sinistro corria no sangue do rapaz. Ele gostou de matar aquele gato. Ele gostava de ouvir os gritos de dor." "Oh Deus, Alik!" Eu chorei. "O que há de errado com ele? O que vive dentro dele para fazê-lo assim?" Serge passou a mão sobre a cabeça. "E o dia em que disseram que Luka tinha morrido, senhorita Kisa... Todo mundo chorou. Mesmo aqueles que acreditavam que ele tinha matado seu gêmeo, eles choraram. Mas Alik, ele foi frio, calculista, e ouso dizer, feliz? Abram não apresentou nenhuma reação também. Algo sobre esse dia nunca apareceu normal para mim." "Serge," Eu chorei, finalmente submetendo-me ao soluço sufocando minha garganta. "Eu não sei o que fazer!" Serge pôs a mão no meu joelho. "Sr. Luka está de volta, Kisa. Eu não sei de onde, e não preciso saber, já que não é da minha conta. Mas posso ver que ele não é mais o Luka daquela época. Ele é mais escuro agora, atormentado. Sua memória está em pedaços. Senhor, a confusão em seu rosto esta noite quando ele me viu, era grande. Mas não passou um dia a partir do momento em que você nasceu que aquele menino não cuidou de você, te protegeu. E mesmo agora, com sua mente deformada, com o inferno que sei que ele foi colocado, ele não vai deixar o Sr. Alik deixar aquela gaiola amanhã à noite vivo. Disso tenho certeza. Ele vai matar o Sr. Alik para protegê-la. Ele ganhou o direito a esta vingança. Ele ganhou o direito de retomar o seu lugar entre os Bratva e conhecer sua família e de onde ele é." "Ele não se lembra deles, Serge. Ninguém da sua família. Papa Ivan, Talia, a mãe dele, nenhum deles."


"Ele fará no seu tempo. Mas agora, ele tem um objetivo, só uma coisa ocupando sua mente... consertar o que o Sr. Alik fez de errado". "Deus! Como no inferno tudo chegou a isso?" Eu disse, enxugando minhas lágrimas. "Tanta morte, tanto dor! Tudo por causa da ganância e inveja." Serge sorriu tristemente. "Esta é a vida da máfia, nunca é um caminho fácil. Houve muita morte, muito dor. Mas o Senhor trouxe de volta o seu amor, Kisa. Apesar da dor, um milagre aconteceu." Meu estômago rodou com pavor. "Mas... e se Luka não conseguir superar tudo o que aconteceu? O que acontece quando ele se lembrar de tudo? Será que não vai ser demais?" "Ele vai ter você, Kisa. Você viu a sua alma, mas você não reconheceu seu rosto. E ele conhecia você, mesmo quando suas memórias não estavam lá. Você é a sua luz, seu guia de volta a esta vida." "Ele me mostrou seus olhos," Eu sussurrei e as sobrancelhas de Serge franziram. Respirando fundo, expliquei: "Desde o dia que o conheci, notei que ele mantinha os olhos para baixo, o capuz puxado sobre o seu rosto, como se em algum lugar no seu subconsciente soubesse que seus olhos distintos poderiam ser reconhecíveis. Mas ele me deixou vê-los. Ele mostrou-me quase imediatamente aqueles olhos. E assim que os vi, eu vi meu Luka." Os olhos cinzentos de Serge brilhavam e ele abaixou a cabeça, só para levantá-los novamente. "Então ele conhecia você também. Mesmo se ele não se lembrasse de você, sua alma o fez. Aquele menino sempre foi obcecado por você. Eu nunca vi uma coisa assim como a de vocês dois. Um amor tão feroz que é como se vocês tivessem sido acompanhados por um milênio".


Meu coração se encheu com as palavras de Serge. Inclinei-me para beijá-lo na bochecha, mas assim que o fiz, o porta do passageiro se abriu e Alik entrou, seus olhos crus, vermelhos de raiva, e ele colocou uma arma na cabeça de Serge. "Dirija", ordenou com uma voz terrivelmente gutural, e eu instintivamente comecei a tremer. Medo se apoderou de minha voz e qualquer movimento que minha mente quisesse fazer. "Alik... baby", eu sussurrei, tentando parecer natural, sem medo. As costas de Alik endureceram. "Cale a boca!" Ele retrucou, em tom mortal, com os olhos injetados de sangue e vermelho. Ele empurrou o cano da arma mais forte contra a têmpora de Serge. "Leve-nos para o meu apartamento das docas", Alik ordenou, e Serge arriscou um olhar para trás no espelho. Alik retirou a arma e agrediu Serge com o cano, inclinando para frente. "Eu disse para nos levar para o meu apartamento das docas, porra!" Eu gritei quando o sangue escorreu pelo rosto de Serge, mas ele colocou o carro em movimento e nos levou pelas ruas, colando-se nas sombras. "Alik, por favor? Que apartamento das docas?" Eu sussurrei, observando sua mandíbula contrair e um vermelhidão em seu pescoço. Eu podia ver fisicamente sua raiva engolfar sua pele pálida. "Eu tenho um apartamento nas docas, Kisa. Tenho por anos. Eu faço o que diabos quero lá". Eu engasguei quando imaginei o que isso poderia ser. "E o que é isso?" Perguntei com medo.


Ele se virou e sorriu para mim, mas seus olhos estavam em chamas. Parecia que ele não dormia há dias. "Seja qual for a porra que eu escolher fazer para me impedir de rasgar as pessoas." Alik observou minha expressão, que eu sabia que estava traindo meu medo. Meu sangue gelou. Ele inclinou-se para frente quando o carro ganhou velocidade. "Você fodeu tudo, Myshka. Eu sei o que está acontecendo, e com quem." Eu respirei aterrorizada e gaguejei. "Alik..." O pé de Alik bateu contra o painel em um rugido furioso. "Eu disse para calar a porra da boca!" Enquanto eu me encolhia de volta no meu lugar, Alik ofegava, seu peito subindo e descendo. Eu o vi como um falcão, espasmos em sua cabeça e seus pés batendo com impaciência. Eu não podia chorar, não podia mostrar qualquer reação. Eu estava tão aterrorizada. Eu nunca tinha me encontrada nessa situação com Alik antes. Eu nunca tinha desafiado ele ou o machucado... até agora. Ele sabia sobre Raze e eu. E eu não tinha certeza que ia sair dessa vivo.

As

docas

entraram

em

exibição

não

muito

longe

do

Calabouço, mas longe o suficiente para que ninguém soubesse que Alik vinha aqui. Não era um apartamento realmente, era mais como uma cabana de pescador que tinha sido remodelada.


Serge parou o carro, e por um momento, todos nós sentamos lá em silêncio tenso. Abaixando a arma, Alik virou-se para Serge. "Fique aqui, porra." Serge olhou para mim no banco de trás e balançou a cabeça tristemente. "Eu não posso fazer isso, Sr. Alik." Alik riu e levantou a Beretta, rolando a arma na mão. "Você vai fazer o que diabos eu disser, velho." Serge se endireitou em seu assento, e vi Alik sorrir. Eu conhecia aquele sorriso. Aquele sorriso sádico. E odiava que ele fosse dirigido a Serge. O meu gentil Serge. "Não, Serge, por favor, basta fazer o que ele diz," eu implorei. Os olhos de Serge tinham determinação. "Eu não posso, Senhorita Kisa. Eu nunca poderia viver comigo mesmo se a deixar para o que vai acontecer aqui. Você é... você é como a filha que nunca tive." Uma lágrima escorreu pelo meu rosto quando comecei a implorar-lhe, mas Alik não me deu uma chance quando apontou a arma para a têmpora de Serge. Eu abri minha boca para gritar, mas Serge encontrou

meus

olhos

no

espelho

e

ele

balançou

a

cabeça

negativamente. Ele estava dizendo adeus. Um segundo depois, Alik puxou o gatilho. Serge caiu para frente, morto, e desta vez eu gritei. Um segundo depois, Alik saltou fora do carro e abriu a porta de trás. "Dá o fora", ele ordenou, e meu coração lutando para vencer apesar do choque da morte violenta de Serge, mudei-me para a porta, mas Alik gemeu, se inclinou para agarrar meu braço e me puxou para a frente. "Porra, se mova!" Clamando mais uma vez, Alik me arrastou em direção ao apartamento, destrancou a porta e me empurrou no interior.


Eu pisquei, tentando ver todo o quarto. Era escasso, apenas um mínimo de mobiliário, um maltrapilho sofá, uma pequena cozinha e uma cama. Meu estômago revirou quando vi os lençóis desarrumados, preservativos usados sobre o criado mudo... mas, não foi isso o que tinha me feito recuar em estado de choque. Não. Essa honra foi concedida a uma clareira no lado esquerdo do espaço aberto. Uma clareira coberta de lençóis de plástico... lençóis de plástico manchados de sangue. "Alik," Eu soltei abafado. "Que lugar é este?" Eu senti o corpo quente de Alik nas minhas costas, e ele reuniu meu cabelo e empurrou-o por cima do meu ombro esquerdo. Sua boca se moveu para o meu ouvido. "Meu santuário. Onde eu posso ser o homem que sou. Não o que sou forçado a ser lá fora." "E... e que homem é esse?" Perguntei, realmente não querendo ouvir a resposta. Ele pressionou beijo após beijo ao longo do lado do meu pescoço, provocando arrepios na minha espinha. Cada parte do mim estava tensa. Eu não entendia por que ele não estava gritando comigo. Este Alik era muito mais silencioso, enervante. "Livre", respondeu ele, fazendo-me saltar. Meus olhos desviaram-se para a cama desfeita, e eu me sentia doente. "Você fode mulheres aqui?" Os lábios de Alik congelaram e em segundos fui girada por seu aperto duro em meu braços e bati contra a parede mais próxima. Seu olhar severo perfurou os meus, frio e insensível. "Elas não são você, Myshka. Elas eram prostitutas. Você é a minha mulher, a minha vida inteira de merda." Escuridão nublou os olhos vermelhos enlouquecidos de Alik e ele se inclinou para frente, até agora a parte de trás da minha cabeça contra a parede dura. "Pelo


menos você era. Até que você me traiu. Abrindo a porra de suas pernas para se prostituir". A voz de Alik era tranquila, muito tranquila, a suavidade enganando. Sua cabeça se contorceu e sua mandíbula assinalou quando ele levantou a Beretta e correu pela minha bochecha. De repente, ele parecia quebrado, completamente devastado. "Como você pôde, Myshka? Como você pode foder com aquele cuzão, baby? Como você pode deixá-lo tocar no que é meu?" "Alik..." Eu tentei falar, mas Alik moveu a arma sobre meus lábios, balançando a cabeça enquanto a outra mão arrancou o meu vestido e segurou contra a minha boceta. "Shh, Myshka", ele sussurrou. "Você me traiu. Você abriu as pernas para aquele Raze filho da puta. Você me deixou com raiva. Você, Myshka. Você me machucou. A única pessoa que pode me manter calmo, a única que me entende." Eu balancei minha cabeça, minha respiração vindo rápido demais. "Não! Alik!" Eu protestei e timidamente levantei a mão para descansar em sua bochecha. Assim que minha mão encontrou sua pele, os seus olhos fecharam e ele deu uma respiração profunda, aninhando a cabeça em minha carne. "Baby", eu sussurrei, a necessidade de mantê-lo calmo enquanto meu coração trovejava ao ponto que pensei que deixaria de funcionar devido ao excesso de exaustão. "Eu sei... Eu sei o que você fez... para... para Rodion e Luka..." A cabeça de Alik acalmou na palma da minha mão e seu olhar correu ao meu, o branco de seus olhos extraordinariamente brilhantes. Em seguida, os olhos apertaram, ele disse: "Que porra você está falando?"


As lágrimas nublaram minha visão e meu lábio inferior tremeu. "Eu sei... eu sei que foi você quem matou Rodion... sei que seu pai ordenou-lhe matá-lo, assim você poderia ser o herdeiro do Pakhan." As narinas de Alik queimaram e seus lábios definiram em uma linha apertada. "Realmente? Você descobriu isso?" Ele perguntou, seus pensamentos ilegíveis através de seu tom indiferente. Engolindo eu disse: "E você culpou Luka, esfaqueou-se no estômago... e seu pai falsificou a morte de Luka." Eu vi o recuar nos olhos de Alik, e meu coração pulou uma batida. Ele não sabia que Luka não estava naquele acidente... Meu Deus! Ele acreditava que Luka estava morto. Isso significava... Ele não sabia que Raze era Luka. Ele não sabia que eu estava dormindo com Raze porque ele era Luka. Alik rapidamente escondeu suas feições. "Luka morreu, Kisa." "Mas você matou Rodion? Colocou a culpa em Luka?" Funguei e enxuguei as lágrimas do meu rosto. "Você esfaqueou a si mesmo para garantir que todos acreditassem que Luka tinha atacado e matado Rodion." Eu conhecia o seu olhar e disse: "Tudo porque você me queria para si mesmo?" A expressão severa de Alik derreteu e ele olhou para mim novamente com perturbadoramente e possessiva adoração, a mão livre da arma levantando de minha boceta para empurrar de volta o meu cabelo. "Você é minha, baby. Você sabe disso. E Luka estava ficando no meu caminho. Ele estava sempre lá, tocando em você... tocando o que eu sabia que era meu". Prendi a respiração e apertei os olhos fechados. Eu sentia a respiração quente de Alik em toda a minha pele, e o cano de sua arma correu no meu pescoço para deitar sobre os meus seios.


"Rodion precisava morrer, Kisa. Ele nunca teria sido um Pakhan. Ele não era forte o suficiente. Eu sou. E eu sabia que ia ter você ao meu lado. Isso faria a Bratva ser mais temida do que qualquer outra máfia na Costa Leste." Eu deixei cair meu braço para o meu lado, retirando minha mão de seu rosto. Meu irmão, Luka... Alik tinha zero de remorso. Ele estava orgulhoso do que tinha feito. "Você está louco", eu sussurrei, minha garganta muito apertada para respirar o ar necessário. "Eu apenas nunca me deixei ver isso antes." Alik sorriu, mas recuou, apontando a arma na frente dele, mudando seu alvo da minha cabeça para o meu coração. "Louco, baby?" Disse Alik friamente e deu um passo adiante, enchendo meu corpo com medo. "Você não viu nada. Porque, Myshka, até agora, você sempre foi minha ratinha. Minha porra de luz, a batida do meu coração. A única coisa que eu poderia amar tanto quanto matar." Alik se aproximou mais ainda e passou a mão pelo meu braço, então brutalmente agarrou meu bíceps, apertando até que gritei de dor. O rosto de Alik estava diante do meu, sua expressão em branco. "Isso foi até que você me traiu e fodeu com aquele idiota." Meus olhos se arregalaram e ele concordou. "Você pensou que as pessoas não iriam perceber sua falta? O guarda relatou sua sala vazia ontem à noite, então a segui esta noite, Myshka. Você seguiu certo para foder com o Raze... e depois para a praia de Brighton de todos os lugares." Sua mandíbula apertou. "Eu odeio aquele lugar." Alik segurou ainda mais apertado e lágrimas corriam pelo meu rosto. Seu rosto, em seguida, mostrou cada nuance de dor e raiva que sentia e sua boca se moveu direito para meu ouvido.


"Eu vi você transar com ele. Eu a assisti beijá-lo. Eu vi você segurá-lo, vi você acariciar seu cabelo!" "Alik..." Eu chorei, mas assim que o fiz, Alik recuou e as costas de sua mão bateram em meu rosto. Perdendo meu equilíbrio sob a força e choque, caí no chão, Alik andando na minha frente, batia em sua cabeça com as palmas das suas mãos. "Por quê? POR QUÊ?" Ele gritou e chicoteou para me encarar, a cabeça inclinada para o lado. "Kisa, baby, minha Myshka, por que você me obrigou a fazer isso?" A voz de Alik era gentil, apologética, completamente oposta a um momento atrás. Revirei minha cabeça para encará-lo, minha bochecha latejante do tapa. Alik se abaixou e acariciou minha testa com a mesma mão firme que me bateu. "Eu assisti você trepar com ele, Kisa. Você fodeu com outro cara, e agora tenho que fazer você pagar. Mostrar que sua boceta me pertence". Eu balancei a cabeça, lágrimas derramando pelo meu rosto. "Não, Alik, por favor... Você não entende." Suspirando, Alik desviou o olhar, e quando ele voltou, comecei a falar, mas Alik agarrou meu cabelo e arrastou-me para os meus pés. "Alik!" Gritei, mas ele não parou, apenas me puxou para frente até que eu estava na grande cama. "Alik, por favor", implorei. "Eu o amo! Eu... eu o amo". Alik congelou e me puxou para frente pelo meu cabelo. "O que você disse? Você quer me dizer isso de novo?" "Eu... eu..." Os punhos de Alik no meu cabelo apertaram mais, ao ponto que pensei que ia arrancar da minha cabeça. "Diga-me outra vez!" Ele ordenou, e eu chorava.


Mas, em seguida, uma lavagem de dormência me encheu, olhando para Alik diretamente nos olhos, declarei: "Eu o amo. Ele é minha alma gêmea. Eu o quero... Eu o quero..." Alik empalideceu e recuou como se eu o tivesse machucado fisicamente. Eu poderia realmente ver a dor em seu rosto. "Alik..." Outra pancada me bateu na cama. Eu não gritei desta vez, acabando de ser jogada no colchão e senti o sangue do meu lábio cair em meu queixo. "Sua alma gêmea? Você acabou de conhecê-lo, porra!" Alik rugiu e, fervilhante, passou as mãos através de seu cabelo curto, em seguida, enviou um soco direto no meu estômago. Eu tossi e balbuciei quando o golpe roubou minha respiração, e Alik rugiu novamente. Dobrando para baixo, ele tinha lágrimas em seus olhos. "Kisa", disse ele em voz baixa, passando o dedo no meu rosto. "Eu não quero te machucar, mas uma boa mulher Bratva não fode aqui e ali. Você está me deixando fazer isso com você. Você precisa ser ensinada uma lição, Myshka. Você me traiu, mas..." Alik suspirou e pressionou beijos em todo o meu rosto. Meu corpo estava enrolado, curvado, tentando encontrar a capacidade para respirar. "Mas eu preciso de você. Mas..." Seu corpo ficou tenso novamente. "Eu não posso suportar a porra do pensamento de você com ele, baby. Não é possível tirar o pensamento da minha cabeça que você montou em seu pau." Alik inclinou para trás a cabeça e grunhiu de frustração. Enfrentando-me mais uma vez, ele me empurrou de volta para o colchão e rastejou sobre a cama. "Eu preciso foder você", disse ele com firmeza. "Eu preciso te mostrar que você pertence a mim, porra".


Meu coração afundou enquanto falava essas palavras. "Não... por favor, Alik... Por favor..." Mas ele não deu ouvidos, não se importava. Alik estalou aberta a braguilha de sua calça jeans e tirou a camisa. Uma vez que estava despido, ele estendeu a mão para o meu vestido. Eu libertei meus braços em torno do meu estômago para empurrar suas mãos para longe, mas Alik levou meus pulsos em uma mão e me golpeou na bochecha com a outra. No rescaldo, ele agiu como se nada tivesse acontecido. Eu resisti, lutei por tanto tempo quanto poderia, imaginando meu Luka em minha mente. Eu não queria que Alik me levasse e me livrasse da sensação de Luka. Eu não queria que ele me tocasse. Ele matou meu irmão. Ele culpou meu Luka. Alik se inclinou para baixo, mostrando os dentes e apertou meu pulso até que ouvi um estalo. Eu tinha certeza que ele tinha quebrado. Estrelas dançaram na frente dos meus olhos com a dor lancinante. Ele arrancou meu vestido, correndo seu nariz até o meu pescoço, quase com ternura, então sua mão em volta da minha garganta. Lágrimas encheram os olhos de Alik quando ele me olhou, minha vista entrando e saindo da escuridão quando o aperto na minha garganta cortava meu oxigênio. "Myshka, você é minha," ele disse quando empurrou minhas coxas e colocou-se na minha entrada. "Eu preciso que você seja minha." Quando ele bateu seu pau dentro de mim, sua mão escorregou de minha garganta, me permitindo um suspiro de uma respiração, e sua mão segurou apertado meus quadris. Ele me levou


áspero, brusco, certificando-se de que eu sabia que ele estava no controle... que ele, e apenas ele, me possuía. Enquanto dirigia em mim rápido, Alik se inclinou para frente, meus olhos não conseguiam focar através dos golpes em meu rosto, a asfixia da minha garganta, e a agressão sexual. "Eu vou matar aquele filho da puta amanhã, Myshka. Coloque-o para fora. Leve-o para fora de sua mente. E então, sem porra de espera. Nós estaremos casados no dia seguinte e você vai aprender o seu lugar de uma vez por todas. Você está me escutando?" Minha cabeça foi lançada para o lado, os olhos tentando se concentrar em qualquer coisa ao redor da sala. De repente, a mão de Alik bateu no meu rosto e ele me forçou a olhar para ele. Outro golpe marcou minha bochecha com dor, e ele balançou a cabeça enquanto seus quadris batiam em minha boceta. "Eu perguntei se você está escutando, porra?" Tentei falar, mas meu rosto estava dormente, meus lábios inchados demais para se mover. Em vez disso, um ruído desesperado deslizou pelos meus lábios, e Alik sorriu para mim, aceitando como minha submissão. "Porra, eu te amo, baby", ele sussurrou, fechando os olhos e mordendo o lábio. "A sua boceta é apertada para caralho... tão minha, porra." Ele se acalmou, o pescoço esticando quando gozou, e ele se jogou em cima de mim. Deitei desconectada e desorientada enquanto Alik movia pela sala como se nada tivesse acontecido, mas senti tudo quando ele se arrastou por cima do meu corpo golpeado e deslizou para mim mais uma vez. Parecia que a punição nunca terminava, e quando Alik rolou para o meu lado, passou, me envolvendo em seus braços, eu deixei cair


uma lágrima, a queda salgada, picou minhas feridas abertas, até que não podia segurar mais e deslizei na escuridão. Um tapa na minha cara me acordou. Minha cabeça latejava praticamente cegando-me e meu corpo doía tanto que vomitei imediatamente ao lado da cama. Tentei mover em minhas costas, para abrir meus olhos pesados, mas minhas pálpebras não tinham controle total da função, apenas pequenas fendas do quarto ficando à vista. Eu tentei mover minhas pernas, mas elas não funcionaram. Eu estava tentando me concentrar, lutando para me lembrar do que tinha acontecido, quando de repente, eu capotei na minha frente, meu corpo gritando para fora na ação. Alik pairava acima de mim. "Acorde, baby." Meus olhos rolaram tentando obedecer ao seu comando e minha respiração ofegante através da minha muito machucada garganta. "Bom, Myshka, você está aprendendo", elogiou, sua voz orgulhosa. Senti o impulso de Alik em mim por trás e gritei, um grito mudo de dor ardente entre as minhas pernas, a força do meu clamor como lâminas de barbear cortando em minha garganta. Dor. Tudo o que eu sentia era a dor quando fui levada de novo, lampejos de luz quebrava através das janelas. Luz do dia? Quanto tempo eu tinha estado aqui? Assim? Alik empurrou para frente como um homem possuído, a lição para me submeter e nunca desafiá-lo novamente, ainda não acabou. Quanto mais ele empurrou para dentro de mim, mais perdi minha


visão, e quando Alik gritou meu nome, gozando dentro de mim, ele exalou em alívio e virou minha cabeça para colocar um beijo duro em meus lábios. Eu soluçava enquanto seus lábios empurravam contra os meus inchados, e ele me lançou outro sorriso doce antes de sair da cama. Eu assisti através dos olhos doloridos quando Alik se vestiu como se eu não estivesse aqui em agonia, incapaz de me mover... tudo pela sua mão. Minutos depois, Alik virou para mim e caminhou para frente, ajoelhando-se na minha cabeça que se encontrava obliquamente sobre o colchão. Ele suspirou e balançou a cabeça, correndo os dedos pelo meu cabelo emaranhado. "Você é a culpada disso tudo, Myshka. Mas agora você sabe o que vai acontecer se você tentar foder comigo novamente." Os olhos de Alik se estreitaram e ele inclinou e sussurrou no meu ouvido: "E novamente, se você fizer isso de novo, nunca vou ser capaz de confiar em você, baby. Então, só tenho que te matar... e eu me mataria também. Então nós estaríamos juntos... para sempre." Meu coração pulsava, e eu o vi desfeito quando ele beijou minha testa e se levantou. Levantando um saco de treinamento por cima do ombro, Alik olhou para mim e disse: "Eu vou matar esse filho da puta... lentamente... fazendo este bastardo se arrepender de ter fodido com minha mulher." Ele riu, claramente divertido. "Ele não tem ideia de quem ele está fodendo, não é? Eles me chamam de „carniceiro‟ por uma razão". Eu queria chorar, implorar e impedi-lo de sair, mas eu não podia me mover... mal conseguia chorar.


"Quando eu voltar após a luta, com sangue fresco em minhas mãos, nós vamos para Las Vegas e nos casar, Myshka, de uma vez por todas. Eu estou cansado de esperar." Com isso, Alik saiu, me trancando dentro deste barraco. Tudo que eu podia fazer era chorar e ficar quieta até que perdi a luta e fui submetida à tração pesada de sono.


Capítulo Vinte Raze

"Você tem isso, Raze", disse Viktor quando empurrei para cima a partir do solo, aquecendo os músculos, os lutadores a poucos minutos atrás foram chamados. Eu tinha treinado durante todo o dia. Bloqueei tudo fora da minha mente, deixei apenas uma coisa... matar Durov. Eu podia ouvir o rugido da multidão; parecia maior do que nas noites anteriores. Era a final, a luta final até à morte, O Campeonato do Calabouço. Raze contra O Carniceiro. "Ele tem força e experiência, mas você também. Ele tem velocidade e habilidade, mas você está mais avançado. Ele é incomparável com um punhal, mas não tem ninguém igual a você com suas soqueiras cravadas. Ele é louco, mas Raze", Viktor parou diante de mim enquanto eu pulava em meus pés e comecei a brigar contra o saco de boxe. Viktor estendeu a mão e segurou a bolsa, forçando-me a olhar para cima. "Mas você está aqui por vingança. Nada chega perto disso." Eu

resmunguei

em

comum

acordo,

meus

músculos

disparando em suas palavras. A única coisa que teria feito isto melhor seria Kisa. Ela disse que viria me ver antes da luta, mas até agora ela não tinha aparecido.


"Kisa?" Perguntei a Viktor enquanto esmurrava o couro do saco com os meus punhos. Viktor deu de ombros e balançou a cabeça. "Não veio ainda. Ela não está nem mesmo com Durov." Isso me fez parar. Kisa estava sempre na academia quando nós treinamos. Ela estava sempre com Durov antes de uma luta. Onde diabos ela poderia estar? Um tapa em meu rosto me puxou para fora disso e eu rosnei quando Viktor puxou para trás sua mão. "Foco, Raze. É isso, esta é a sua chance. É vida ou morte lá fora, tire Kisa de sua cabeça." "Eu sei", rosnei, seu tapa me empurrando de volta para um mundo inteiro de raiva. "Bom", Viktor disse: "Porque não há nada mais do que você queira do que acabar com Durov." Olhei para Viktor, seus olhos leitosos perfurando os meus. "Ele fez um monte de inimigos, Raze. Essa multidão lá fora é como lobos famintos. Você é o primeiro concorrente sério que Alik já teve. O resto ele só brincou como um maldito tigre brinca com sua comida, mas com você, todos nós sabemos que você poderia ser o único a matá-lo." Viktor adiantou-se e pôs a mão no meu ombro. "Você poderia matar o herdeiro Bratva. Há mais do que apenas jogadores aqui esta noite, filho. Os chineses, a máfia italiana e chechenos, todos querem ver se o Bratva ficará vulnerável por sua vitória". Confusão nublou minha mente. Eu sabia que, mesmo com Durov morto ainda haveria um herdeiro, mas eu não podia imaginar quem? Uma batida na porta me disse que era hora. Era hora de levar Durov para baixo.


Rolando meu pescoço de lado a lado, eu soltei meus ombros e caminhei até o banco para pegar minhas soqueiras. Enfiei-as no lugar, a sensação de frio metal como uma parte ampliada de mim. O rugido da multidão ficou mais alto, meus pés balançando de um lado para o outro. Fechei os olhos e visualizei minha vitória. Visualizei Durov debaixo de mim, arcando com o ônus dos meus golpes fatais. Visualizei o momento em que seus olhos perderam a vida e seu coração escuro parou. "Você está pronto, Raze?" Pisquei o meu foco de volta para o aqui e agora. Viktor ficou na minha frente. Eu balancei a cabeça. Eu estava mais do que pronto para acabar com a vida fodida de Durov. Eu tinha doze anos que estava pronto. Isto tinha doze anos de atraso. A porta de aço abriu e segui Viktor fora no frio, úmido e mofado corredor. Eu podia ouvir que o volume da multidão tinha aumentado das lutas anteriores, me dizendo o quão animado eles estavam para esta luta final. Eu poderia dizer pela poeira caindo das paredes do corredor que mais espectadores estavam aqui do que nunca, o barulho dos pés batendo no chão fazia uma vibração ao longo do corredor. Minha pele queimava com adrenalina, enquanto eu balançava de um lado para o outro nas pontas dos meus pés, vestido com meu calção preto de luta, o „Olho Negro‟ sob meus olhos, meu coração bombeando vingança através de cada veia. As luzes do calabouço de repente encheram a boca do corredor e eu acalmei na entrada, olhando a maior multidão que já vi. A multidão, cheia de criminosos, jogadores e pior, todos gritavam na minha direção. Eu não conseguia entender o que eles estavam gritando,


mantendo o meu foco para a gaiola fortemente iluminada, Durov estava em pé no centro do octógono, sua imagem afogando todo o resto. Peito arfante, eu podia ouvir o eco de minha respiração em meus ouvidos, sentir o bater demasiado rápido do meu coração em meu peito. Cada músculo do meu corpo se contraiu em emoção. Eu treinei duro para isto — cada luta que eu tinha vencido foi em preparação para este momento. Eu esfreguei minha mão em meu estômago, em todas as minhas tatuagens da contagem de mortos. Cada morte foi em preparação para este momento. Minha palma correu na marca da morte de ontem à noite. Goliath... 362... meu amigo... e meus olhos fecharam. Levantando os olhos para o teto, meus olhos brevemente fechados, enviei uma promessa a 362, onde quer que ele estivesse agora. Eu vou me vingar por você também... irmão. O som de tilintar de metais sobre metais puxou a minha atenção. Durov tinha os olhos fixos e enlouquecidos em mim, passeando ao longo da borda da gaiola, como um psicopata, seu corpo musculoso coberto de suor, suas narinas dilatadas e sua adaga arrastando ao longo da gaiola. Meus lábios se curvaram sobre os meus dentes com raiva, em sede de sangue para este filho da puta que tinha roubado minha vida. Uma mão bateu no meu ombro e olhando para baixo à minha esquerda pelo canto do meu olho, Viktor estava olhando para mim. "Sua hora chegou, Raze. Tome isso. Aproveite o seu destino." Tomando

uma

respiração

profunda,

bebendo

em

suas

palavras, minhas pernas começaram a empurrar para frente no caminho de concreto, centenas de mãos batendo nas minhas costas; mas eu só tinha um alvo, e agora ele estava estalando o pescoço, virando o punhal nas mãos, os olhos brilhando de fúria.


O guarda me viu chegando, abriu a porta da gaiola e eu mergulhei para o ringue, seguindo direto para Durov. Os olhos de Durov queimando com a excitação da carga, o pescoço com uma veia saliente enquanto ele se prepara para enfrentar meu ataque. Não havia tempo para o disparo da arma. Não havia tempo para qualquer apresentação. Isto era pessoal, isto eram dois monstros enfurecidos combatendo até a morte. Usando a minha velocidade e tamanho maior para minha vantagem, passei meus braços ao redor da cintura de Durov e joguei-o no chão, uma descarga de adrenalina me enchendo quando suas costas se espatifaram no chão duro da gaiola. Os braços de Durov eram de ferro em torno de minhas costas, forçando uma garra no chão, ambos lutando pela dominância. Levantando a mão, eu empinei, batendo um punho cravado em seu ombro. Minha lâmina perfurou sua pele, mas o filho da puta ainda continuou chegando como se eu nunca sequer tivesse dado um soco. Sacudindo as pernas, ele me forçou em minhas costas, minha mão perdendo a aderência em seu bíceps cheio de suor. Em um flash, Alik tinha levantado sua adaga e mergulhou-a para baixo, mas consegui rolar no último segundo, sua lâmina de aço raspando o chão. Usando meus pés, chutei-o de costas, lançando meu corpo em cima dele, batendo seus pulsos acima de sua cabeça. O olhar psicótico de Durov encontrou os meus e eu podia ver o ódio em seus olhos... minhas memórias me dizendo que eu tive este olhar dele muitas vezes antes. Alik lutou com tudo o que tinha, mas meu aperto era muito forte, seu ombro enfraquecido derramava sangue de onde eu o perfurei com minha lâmina.


Fiquei olhando para Durov e apertei os pulsos, os dentes de Durov rangendo com tanta força que ouvi um estalo alto vindo de seus molares. Inclinando-me para frente, cuspi, "Eu vou te matar, Durov." Durov prendeu a respiração, e seu rosto ficou vermelho; a evidência de sua ira. "Eu finalmente vou conseguir minha vingança." "Sua vingança?" Perguntou ele, cada veia saliente de sua pele. "Seu filho da puta, que vingança?" Minha mandíbula apertou e eu me inclinei para mais perto ainda. Alik estava me observando, tentando arrancar os braços do meu aperto. Mas eu não estava deixando este filho da puta ir. "Olhe para mim," eu ordenei. O ombro bom de Alik levantou a um ponto que quase bateu fora de seu soquete, mas bati minha cabeça contra a sua, a cabeça de Durov caiu de volta para o chão. Durov olhou para mim e eu sabia que o filho da puta estava imaginando como me matar. Mas esta luta não ia a lugar nenhum até que ele soubesse quem ele estava enfrentando, ou, pelo menos, a sombra do menino que ele uma vez arruinou. "Eu disse caralho, para olhar para mim!" Eu gritei, os olhos de Durov estreitando e procurando cada parte do meu rosto. "Olhe para cada polegada do meu rosto, Alik. Você me reconhece? Você vê alguém que você conheceu? Alguém que você completamente fodeu?" Os olhos de Durov ficaram frenéticos enquanto eles corriam de um lado para outro, seus dedos apertando em torno da sua entorpecente adaga. "O que diabos você está falando?" Durov assobiou, sacudindo o quadril, lutando para me jogar fora. Erguendo seus punhos, esmaguei suas mãos no chão novamente, o rosto de Durov apenas ligeiramente se contorceu de dor.


"Então deixe-me lembrá-lo. Era você, eu e Rodion nas cachoeiras." Alik acalmou em minhas mãos, suas pernas chutando pararam. "Nós estávamos de brincadeira, sem fazer nada quando você, o fodido psicopata que você é, abruptamente se levantou, tirou uma faca e esfaqueou a porra de seu amigo no coração..." Girando os punhos para dentro, minhas lâminas começaram a cortar os pulsos de Durov, o tremor de suas mãos, mostravam a dor. Seus olhos estavam fixos nos meus e eu podia vê-lo tentando trabalhar para fora como eu sabia de todas essas informações. Meus olhos brilharam quando o sangue começou a pingar de seus pulsos. "Então você esfaqueou-se no estômago", levantei meu joelho e bati na sua ainda proeminente cicatriz, "E, em seguida, colocou a culpa em..." Os olhos de Alik se arregalaram quando parei e eu sabia que ele tinha visto meu olho esquerdo... o que ele ficava fodido de raiva quando éramos apenas crianças... aquele com a mancha azul de Kisa. Eu abaixei minha boca e disse: "Eu... Luka." O

corpo

de

Alik

congelou,

em

seguida,

começou

a

convulsionar. Mas não era de medo, não, esse bastardo estava convulsionando de raiva pura e simples, seu rosto se contorcendo para mostrar a porra do demônio que estava se soltando. "Veja, seu pai teve que cobrir sua fodida merda. Seu ataque contra mim. Porque eu tinha a única coisa no mundo que sua louca bunda fodida queria: Kisa. Quando eu estava indo para a Pátria, para o certo campo de trabalho do caralho que o pai de Kisa me mandou, seu pai organizou para que eu seguisse uma estrada diferente. Veja, fui enviado para uma prisão da Geórgia, o Gulag, nós chamamos assim... uma cobertura para um círculo do caralho de morte," Levantei meu queixo para a multidão: "Assim como este." Alik estava tão imóvel quanto gelo enquanto eu falava, mas eu podia ver seu pulso batendo descontroladamente em seu pescoço.


"Eles me bombearam com drogas, me torturaram, me encheram de tanta merda que não sabia quem eu era, me baterem até que esqueci qualquer coisa, e aprendi somente a matar... até que vim para cá e sabia de uma coisa, a única coisa que já ocupou minha mente... matar você." Eu assisti Alik. Ele me olhou de volta, até que Alik empurrou meus braços, seu corpo ganhando uma força como ninguém que eu já lutei antes. O corpo de Alik empurrou, estremeceu e, em seguida, ele enlouqueceu. "Você fodeu Kisa!" Alik gritou, cuspe voando de sua boca, seus braços e pernas se debatendo como o louco filho da puta que era. "Você fodeu a minha mulher! VOCÊ! Eu devia ter matado a cadela traidora quando tive a chance!" O sangue drenou fora do meu rosto quando suas palavras finalmente afundaram em minha mente. Cada polegada de mim ficou tensa e eu liberei as mãos e punhos de Durov para o lado, arrastando-o de pé por seu cabelo e o joguei nas paredes da jaula. A multidão entrou em erupção, espectadores correndo para frente, batendo suas mãos contra o metal da jaula me chamando para matá-lo. Durov, o filho da puta, apenas sorriu e limpou os dedos debaixo do meu nariz. "Cheire eles, Luka. Eles estavam enterrados na boceta daquela prostituta." Seus olhos brilharam e ele disse: "Quando bati a porra de sua merda fora dela..." seus olhos alucinados. "Quando tomei a cadela mais e mais até que ela não podia se movimentar de tão fodida que estava, até que ela desmaiou, fodida através da dor... por foder com você." Eu tentei puxar uma respiração, mas não conseguia inalar. Kisa. Porra. O que ele fez? "Sim, filho da puta. Eu vi você na noite passada, fodendo minha mulher, então lhe ensinei a porra de uma lição. Se soubesse que


era você, Luka Fodido Tolstoi, teria cortado ambas as gargantas naquela enseada fodida que vocês tanto amam." Afastando-me do lado da gaiola, cerrei meus punhos e Alik sorriu, encolhendo os seus ombros. "Então, estamos fazendo essa merda, Luka?" Disse ele, curvando o lábio como se isso o divertia, que eu tinha sido preso em um inferno por causa dele por doze malditos anos. "Isso acaba esta noite." Alik sorriu. A multidão foi à loucura. E nós dois corremos direto um para o outro com a morte em nossos olhos, o meu punho mergulhando em linha reta em seu estômago, lâminas primeiro.


Capítulo Vinte e Um Kisa

Minha boca estava seca. Minha língua era como uma lixa e meus lábios estavam inchados e divididos. Eu abri um olho, minha pálpebra como chumbo. Dei uma olhada ao redor da sala estranha. Estava escuro. Minha respiração estava muito rápida quando tentei me lembrar de onde estava. E então meus olhos pousaram em um espaço no lado mais distante da sala. Um espaço livre, coberto de plástico... resíduos de sangue respingado nas paredes. Minha mente correu. A praia. Raze... meu Luka. Dele lembrando. O ginásio. Serge... Serge! Um soluço cheio de dor escapou da minha boca quando pensei de volta na noite anterior.


Alik! Não! Alik havia descoberto sobre Raze e eu. Ele tinha ameaçado Serge, e Serge... não, Serge morreu tentando me proteger. Meu doce Serge, protetor... Lágrimas pingavam dos meus olhos, a tristeza me oprimindo e eu me forcei a levantar da cama. Cada parte de mim doía, meu vestido enrugado em torno da minha cintura, minha pele coberta com sangue e contusões... Ele tinha me socado até a morte. De repente, senti náuseas, corri para a beira da cama e vomitei por todo o chão, minha cabeça batendo como um tambor. Eu mal podia ver qualquer coisa. Um tique-taque incessante me fez estremecer, pequenos barulhos quebrando meu cérebro. Revirei minha cabeça lentamente à esquerda, apenas para ver um velho relógio em uma mesa de cabeceira. Olhei para ele, vendo as horas, sabendo o que significava para mim. Tentei me concentrar no que era aquilo, minha bochecha baixando para os lençóis sujos. Eu ouvi um segundo tique-taque marcar ao redor, minhas pálpebras baixando com cada curso, quando, de repente, O Calabouço brilhou em minha cabeça e eu parei. O Campeonato do Calabouço! Meu peito arfava enquanto eu olhava para as horas. Alik e Luka estavam prestes a lutar! Forçando-me

para

sair

do

colchão,

trabalhando

com

dificuldade para respirar com calma em meio à dor, consegui me levantar. Abaixando-me, soluçando através das dores excruciantes,


arrumei lentamente meu vestido e peguei meus sapatos e jaqueta atirados no chão. Foi uma luta, mas quando eu tinha tudo, tropecei para a porta, usando minha mão na parede para guiar os meus passos e me manter em pé. Eu não tinha ideia de onde estava. Eu sabia que estava perto das docas, mas não tinha ideia de onde. Felizmente a porta destrancava por dentro. Alik obviamente planejou que eu não seria capaz de me mover através de sua punição ou então ele teria me amarrado. Mas eu precisava chegar ao Calabouço. Eu não tinha escolha. Abrindo

a

porta

da

frente,

a

quente

brisa

salgada

imediatamente deu um tapa na minha cara e gritei quando isso picou minhas feridas. Abaixando minha cabeça, continuei andando em frente, orando para encontrar um telefone. Eu caminhei e caminhei pelo que parecia décadas, meu corpo exausto, o cume das minhas coxas queimando com cada passo. Aquela sensação quase me fez chorar de novo... Alik tinha me estuprado, me espancado... O meu noivo tinha quase me matado. Todos esses anos o defendendo, me submetendo a ele, quando eu, — quando todos nós — sabíamos que Alik era perturbado... Alik era um assassino psicopata. O fato de que ele era um herdeiro do grande russo Bratva já não podia disfarçar a verdade. E quando meu pai me visse assim — se Luka não o matasse na gaiola — meu pai o faria, e eu estava decidida a isso agora. Enquanto Alik vivesse, eu nunca seria livre. "Senhorita? Senhorita? Você está bem?"


Ergui a cabeça para o lado para ver um homem mais velho andando na minha direção. Ele parecia um pescador ou algo como um trabalhador nas docas. "Senhorita, você está bem?" Ele perguntou de novo. Então seu rosto empalideceu quando ele me viu perante seus olhos. "Jesus Cristo! Que diabos aconteceu com você?" "Você tem um telefone?" Eu perguntei, minha voz quase inaudível através da minha garganta severamente machucada. "Senhorita, preciso chamar uma ambulância para você!" "Não!" Argumentei. "Apenas... você tem um telefone para me emprestar?" O homem acenou com a cabeça e tirou seu celular, entregando-o. "Senhorita, eu não me sinto bem em não chamar ajuda." "Esta será a minha ajuda", eu disse fracamente e disquei o número de Talia. Ela atendeu no terceiro toque. "Olá?" "Talia?" Eu disse tão alto quanto poderia controlar. "Olá? Kisa? É você? Eu mal posso ouvi-la." "Sou eu", respondi. "Eu preciso que você venha me pegar." Ela fez uma pausa. "Por que não está na luta? Está prestes a começar!" "Talia, por favor. Eu preciso que você venha me pegar... agora, por favor..." "Ok. Ok. Onde você está?" Ela perguntou, e eu podia ouvir seus movimentos de chaves chocalhando na mão.


Virei-me para o homem. "Onde estamos?" Ele disse-me o endereço e eu retransmiti para Talia. "Kisa, o que diabos você está fazendo aí?" Pressionando a minha mão na minha testa, eu disse: "Vou explicar tudo quando você chegar aqui." Meu estômago rolou em nervos, "Eu... Eu tenho algo importante para lhe contar. Mas você precisa se apressar." "Estou a caminho."

Um tempo depois, faróis apareceram no caminho para o cais, os brilhantes raios ofuscantes. Levantando minha mão para meu rosto, eu observava o homem que tinha me ajudado a acenar em frente para Talia. O carro parou e Talia cambaleou para fora da porta e foi direto para mim, a mão sobre sua boca. "Kisa..." ela sussurrou, e eu peguei seus olhos castanhos brilhando, cheios de lágrimas. "O que é aconteceu com você?" ela disse e tentou alcançar-me com a mão dela, mas puxou para trás com medo que iria me machucar. Eu empurrei para fora do assento, e Talia me pegou em seus braços enquanto eu lutava para andar. "Alik... Alik fez isso... para mim", eu disse sem fôlego enquanto fiz meu caminho para o carro de Talia. Ela parou. "Alik?" Seus olhos se arregalaram. "Merda! Eu sabia que ele não era normal, mas nunca pensei que ele iria te machucar."


"Talia, por favor, nós temos que ir! Eu vou... Vou explicar tudo no carro." Talia levou-me, passando pelo velho, e coloquei minha mão em seu braço e disse: "Obrigada." Talia me ajudou a entrar no banco do passageiro, e cai de volta contra o couro quente. Parecia o paraíso para o meu corpo exausto. Em segundos, a minha melhor amiga pulou para dentro do carro, e sob a luz interior do carro, eu a assisti realmente ver minhas lesões. Eu não tinha visto meu reflexo, mas podia sentir o quão confusa eu estava, como ruim parecia de olhar. "Kisa," Talia disse em voz baixa e um soluço escapou de sua boca. Eu levantei minha mão para pousar em seu joelho, e como se ela estalasse com a ação, ligou o carro e começou a dirigir longe das docas. "Eu estou levando-a ao Dr. Chazov. Então vou ligar para Papa Kirill para dizer-lhe o que Alik fez com você. Ele vai estripar aquele idiota!" "Não!" Eu protestei. Talia olhou para mim como se eu fosse louca. "Precisamos ir à luta. Ao Campeonato do Calabouço." "Kisa! Você perdeu sua maldita mente? Você não está parecendo

bem,

querida.

Estou

preocupada

com

você

e

seus

machucados internos. Seu rosto... seu pulso! Merda, Kisa, acho que está quebrado!" "Talia, preciso ir lá." Eu olhei para minha melhor amiga e respirei fundo. "Nós duas precisamos ir lá." As sobrancelhas de Talia levantaram em confusão. "Kisa... você sabe que não posso ir a essas coisas. Tudo isso é morte... Eu não posso... Eu nunca fui capaz de enfrentá-lo depois de Luka."


Nós duas ficamos em silêncio até que Talia perguntou: "Por que Alik te bateu? O que diabos aconteceu?" Olhei pela janela para o armazém que ficava o Calabouço, quando entrou em minha linha de visão a distância. "Eu... eu dormi com Raze". O carro deu uma guinada quando Talia engasgou em choque. "Kisa", disse ela em descrença. "O que você estava pensando? Você nunca trairia um homem nesta vida! Especialmente Alik!" As lágrimas saltaram aos meus olhos. "Raze não é um homem qualquer." "Ele é um assassino, Kisa! Um assassino que você tirou das ruas e colocou no Calabouço! Que porra viemos fazer aqui? Você o conhece a um par de semanas!" "Talia, por favor. Venha comigo esta noite e vou explicar tudo." Talia suspirou e estendeu a mão para colocar a mão em cima da minha. "Tudo bem, querida. Eu apenas..." Suas mãos começaram a tremer. "Você é tudo o que me resta para me lembrar... para manter a memória do meu irmão..." Talia parou, incapaz de terminar a frase, e eu quase me desfiz. Eu queria dizer a ela agora que era o Luka com quem eu estava, mas ela precisava vê-lo por si mesma. Eu precisava dizer a eles todos juntos. Revirei minha cabeça para encará-la e virei minha palma. Talia apertou minha mão. "Pela porta dos fundos, Tal. Pegue o caminho de trás assim nós não temos que enfrentar a multidão." Balançando a cabeça, Talia me ajudou a andar em volta da parte de trás do Calabouço. Max, o cabeça dos guardas do meu pai,


arregalou os olhos enquanto ele estava de vigília pela porta e viu-nos entrar. "Senhorita Volkova! Que diabos aconteceu? Será que o Sr. Durov sabe que isso aconteceu com você?" Ele perguntou em estado de choque, chegando para ajudar Talia a me carregar. "Max, por favor, me ajude a entrar no camarote do meu pai", eu respondi, chateada que Alik era a sua primeira preocupação. Alik era temido. Temido por todos. Max olhou para Talia, e ela balançou de acordo. Juntos, eles me ajudaram a atravessar o estreito corredor, os homens de meu pai que estavam fora, ficaram horrorizados com o meu estado. O súbito rugido da multidão me fez tropeçar, e eu olhei para cima para Max. "Há quanto tempo a luta começou?" "Cerca de cinco minutos, Senhorita." Meu coração começou a bater de novo, e olhei para cima, para as escadas que levavam para o camarote de meu pai. "Rápido, preciso falar com Papa." Eu olhei para Max. "Quem está lá dentro com ele?" "Apenas o seu pai e o Sr. Tolstoi, senhorita." Eu exalei de alívio, e Max e Talia me ajudaram a subir as escadas. Assim que cheguei ao topo, Talia abriu a porta e me ajudou a entrar. Papa e Ivan estavam assistindo a luta, a multidão cheia demais, visível através da grande janela de vidro a prova de balas. "Papa?" Eu disse baixinho, e meu pai olhou para mim, um sorriso ainda em seu rosto, enquanto observava a luta. Mas assim que seus olhos azuis fixaram nos meus, toda a felicidade foi drenada de seu rosto. Meu pai pulou fora de sua cadeira e correu para mim, Ivan fazendo o mesmo. Eles me conduziram a um assento, o rosto de meu


pai avermelhado com raiva. "Quem fez isso com você?" Ele perguntou secamente. "Precisamos levá-la ao médico." "Ela não vai ouvir. Ela insistiu em vir aqui. E... foi... Alik", Talia respondeu do meu lado. "Ele bateu nela, e eu tive que buscá-la em uma cabana que ele possui nas docas." "ALIK!" Meu pai gritou, apressando-se a seus pés e olhando para fora da janela. Eu me inclinei para frente com vista para a gaiola também. O chão estava manchado de sangue, e Alik e Luka rolando, lutando pelo domínio. "Quem está ganhando?" Perguntei, e meu pai olhou para a jaula e depois de volta para mim. "Kisa..." "Quem?" Eu pressionei. "Raze levou uma vantagem de Alik, mas agora, é luta de ninguém", Ivan respondeu, e eu apertei a mão na minha cabeça. Meu coração disparou com o que eu estava prestes a fazer. "Abram está ao lado gaiola com Yiv, não é?" Meu pai olhou para mim como se eu fosse louca. "Sim, claro. Kisa! Você precisa começar a falar. Porque ele fez isso com você? Ele é um homem morto!" Respirando fundo, sem tirar os olhos da jaula, olhando o rosto do meu Luka e Alik, e tentando não chorar, eu disse: "Eu tenho que contar uma coisa a todos vocês." Olhei para Talia e Ivan. "Sobre... sobre Luka."


Ivan empalideceu e os olhos de Talia dispararam para seu pai. A dor passou imediatamente em seus rostos. Talia, em seguida, ajoelhou-se e senti minha cabeça. "Kisa, sua cabeça dói? Você está confusa? Você está me preocupando." "Não!" Eu bati, mas então agarrei a mão de Talia. Meus olhos se encheram de lágrimas e meu coração manteve o tempo rápido dos pés batendo da multidão abaixo. "Então o que é, Kisa?" Disse Ivan em um tom mais suave. "O que você quer falar sobre meu menino?" "Ele não fez isso," soltei e imediatamente senti a atmosfera no local alterar. Eu olhei para todos os três conjuntos de olhos. Todos estavam olhando para mim como se eu tivesse enlouquecido. Fechei os olhos e imaginei o rosto de Luka e disse: "Eu preciso dizer algo. Por favor, não me interrompam. Eu preciso tirar isso." Ivan, Talia e meu pai assentiram com a cabeça. "Luka não matou Rodion todos aqueles anos atrás. Alik armou para ele. Eles foram às cachoeiras. Algo aconteceu e Alik esfaqueou Rodion e, em seguida, esfaqueou-se para fazer parecer que Luka era culpado". Eu peguei Talia sugando uma respiração afiada, mas mantive meus olhos fechados. "Abram tinha dito para Alik matar Rodion, então ele seria o próximo na linha, que Rodion não era forte o suficiente para liderar com isso, quando eles fossem mais velhos. Alik colocou a culpa em Luka por que..." Limpei a garganta e senti o poço de culpa que se deitou em mim se expandir. "Porque ele me queria para si mesmo... e acreditava que eu nunca iria escolhê-lo com Luka ao redor. Ele estava certo. Eu nunca teria desistido de Luka por nada. Vocês todos sabem disso.


Abram não planejou que Alik iria prejudicar Luka. Por que ele faria isso? Alik seria o próximo na linha por causa da posição de Abram na Bratva, mas ele tinha que proteger seu filho. Ele não podia deixá-los descobrir o que Alik havia feito. Ele colocaria em risco tudo o que ele tinha planejado... planejado sob seus narizes." O local ainda estava em silêncio, então continuei. "Quando Papa enviou Luka para longe, Abram pagou para a Máfia Georgiana interceptar o transporte. Eles queimaram o ônibus, colocando corpos no lugar dos meninos em rota para a Rússia, e os levou para o Alasca em seu lugar." "O que... o que havia no Alasca?" Perguntou a voz pequena de Talia. Tentando parar o meu lábio inferior de tremer, eu disse: "Uma prisão subterrânea, apelidada de Gulag, administrada pelos georgianos. Um círculo de jogo como este, onde os prisioneiros são forçados a lutar até a morte. Eles os torturavam, e os forçavam a tomar drogas, para construí-los até um tamanho assustador. Eles os fazem assassinos, drogados e torturados tão mal que eles bloqueiam seu passado e quaisquer memórias que tinham antes do Gulag. Quaisquer memórias. Todas as memórias." Lágrimas inundaram meu rosto e meu peito ficou apertado. "E o que aconteceu com o meu menino?" Ivan perguntou, e eu finalmente abri meus olhos. "Ele morreu? Será que ele morreu no ringue Gulag? Será que o meu menino morreu?" A voz de Ivan quebrou, e quando eu lancei um olhar sobre Talia, ela pareceu entorpecida com o choque, a mão fria na minha. "Não",

eu

sussurrei.

"Ele

se

tornou

um

campeão,

incomparável... Ele sobreviveu, Ivan. Houve uma fuga, e ele conseguiu escapar, não tendo outras memórias, apenas uma de New York... Ele sabia que tinha que voltar para o Brooklyn." Eu inalei, observando


como Luka e Alik circulavam um ao outro ao redor da gaiola, orando para Luka sair vitorioso. "E a sua necessidade de vingança em Alik." Meu pai mudou meu cabelo para trás do meu rosto. "Como você sabe de tudo isso, Kisa? Quem te contou? Como você pode ter certeza que é tudo verdade? Esta acusação contra Abram é grave. Você sabe que isso significa a morte por sua traição, se você estiver correta, Kisa." Eu balancei a cabeça. "Eu sei que é verdade... por que..." Eu endureci meus nervos, respirei fundo, e confessei: "Porque Luka me encontrou novamente. Encontramos-nos outra vez, e ele me contou tudo isso ele mesmo". Talia levantou abruptamente. "Ele é... ele está aqui? Em Nova Iorque? Meu irmão está de volta?" Eu balancei a cabeça. "Eu não... Eu não acredito nisso... por que ele não veio a nós? Por que você não nos disse mais cedo?" Ela chorou. Outra lágrima caiu. "Ele não se lembra de vocês, Tal. Ele mal se lembrou de mim, apenas fragmentos de seu passado. Ele só lembrou tudo o que Alik fez com ele, quando ele estava comigo ontem à noite. Mas então quando deixei Luka no ginásio. Alik tinha nos seguido." Eu olhei para o meu pai. "É por isso que ele me bateu, Papa." Eu afundei meus olhos. "Eu fui infiel a Alik com Luka, e Alik descobriu. Ele me puniu. Ele disse que eu o traí, mas ele não tem ideia de que foi com Luka. Ele ainda não sabe que Luka está vivo, que ele está de volta. Abram não lhe disse que ele não morreu." Meu pai se levantou e jogou a cabeça para trás com raiva. Ivan deu um passo adiante com urgência. "Kisa? Onde está o meu menino? Onde está Luka agora? Eu preciso ver ele!"


Eu me levantei tão rápido quanto podia e apertei minha mão não-lesada contra o vidro. "Ele está na gaiola." Os olhos de Ivan iluminaram com confusão, e todos se mudaram para o vidro. "Ivan, Luka é Raze, o nosso mais novo lutador... e ele está finalmente recebendo sua vingança." "Não!" Gritou Talia. Meu pai mudou-se rapidamente, e eu o ouvi chamar Max, "No minuto que a luta terminar, não importa o resultado, capturem Abram." "Ele não se parece nada como eu sempre imaginei que faria", disse Ivan, e eu podia ver lágrimas brilhando em seus olhos. "Ele é muito grande, cheio de cicatrizes... todas essas tatuagens. Ele... Ele se parece com um animal em uma gaiola, um assassino." "Eles o machucaram, Ivan, há anos no Gulag. Eles o machucaram. Mas ainda é o Luka lá. Ele ainda existe por baixo. Nós apenas temos que trazê-lo de volta." Os soluços de Talia vieram fortes e rápidos. "E se ele não ganhar? E se Alik realmente, matá-lo desta vez?" Ivan colocou o braço em volta dos ombros de Talia. "Ele tem que vencer, Talia. Deus não seria tão cruel para nos fazer perdê-lo duas vezes."


Capítulo Vinte e Dois Raze

Eu estava cortado. Fui esfaqueado. Eu estava sangrando. Mas isso era de Durov. Ele foi cortado mais. Esfaqueado mais. Sangrava mais. Cada parte do meu corpo doía com exaustão, mas Alik estava ficando mais fraco. Seu corpo estava pior do que o meu, e o corte em todo o intestino do meu primeiro ataque estava vazando tanto sangue que ele não ia durar muito tempo. "Vamos lá!" Alik assobiou para mim. "Vamos acabar com esta merda." As palavras de Alik foram arrastadas. Olhei para seu rosto e me senti entorpecido. "Alik, vamos fazer essa porra juntos!" Olhei para o lado da gaiola para o homem que estava gritando e instantaneamente tive um flashback. Pai de Alik; Abram Durov. Meu lábio enrolou em raiva e eu olhei do outro lado da multidão, os homens cantando para eu matar Durov. Eles todos sabiam que eu tinha a vantagem. Eles queriam que eu derramasse seu sangue.


E, em seguida, um movimento acima me chamou a atenção, e meu olhar imediatamente bateu em uma mulher em pé atrás de uma enorme janela de vidro. Ela foi espancada. Eu não conseguia tirar os olhos dela, algo me fazendo olhar... e então meu coração caiu. Kisa. Virei minha cabeça para olhar para Alik, ele havia seguido o meu olhar e seus olhos saltaram quando viu Kisa situada no vidro. Sem pausa, corri para Alik e varri suas pernas com meus pés. Ele caiu no chão, mas usou o movimento para esfaquear sua adaga em linha reta em minha coxa. Rugindo de dor, me virei, lançando seu corpo, torci o pé em torno dele e o prendi em uma chave de braço, seus braços incapazes de atacar. "Você fez isso com ela?" Rosnei e vi Alik sorrir quando olhou para baixo. Eu apertei meu braço, seu rosto ficando vermelho. "Eu vou fazê-la pagar", ele ameaçou. "Quando eu matá-lo, ela vai se arrepender. Eu vou quebrá-la." E isso foi o suficiente para me quebrar. Ele ameaçou minha Kisa. Eu estava feito com isso. Eu cansei de tudo isso. Usando minhas pernas para rolar Alik, eu montei seu peito e deixei a agressão reprimida que eu estava segurando por anos preencher meus músculos. Alik levantou a adaga e afundou a lâmina em minha panturrilha, mas eu apertei os punhos e comecei a socar o rosto dele, os picos das minhas soqueiras cortando sua pele, desfigurando suas feições. Gritando com raiva, eu não conseguia parar, alimentado ainda mais pelo volume sanguinário da multidão. Mãos tremiam o fio da gaiola, testando sua força. Abram estava gritando para a luta ser parada, mas eu fui pego na sede de sangue. A respiração de Alik


desacelerou, seu corpo estremeceu e meus punhos congelaram no ar quando comecei a vê-lo morrer debaixo de mim. Eu esperava alívio. Eu esperava me sentir inteiro novamente... mas vê-lo respirando seu último suspiro me fez sentir nada... absolutamente nada... "Faça-o", Alik sussurrou, seus olhos, apesar de perderem a vida, ainda provocando, ainda com merda enlouquecida como eles sempre tinham sido. Olhando para cima para Kisa na janela, eu podia ver as lágrimas escorrendo pelo seu rosto e eu sabia que tinha que salvá-la. Eu tinha que protegê-la. Ela era minha. Eu queria tê-la novamente. Eu queria ser eu de novo... Apertando os punhos, eu os levantei acima da minha cabeça, girando dentro e com um grito final, corri a lâmina de meu punho direito em seu peito... e em linha reta em seu coração. Alik borbulhava em seu próprio sangue, os olhos brilhando com fogo, até que se acalmou e ficaram vidrados... Durov estava morto. Removendo os punhos, deixei cair meus ombros, meu coração disparando muito rápido e minha respiração acelerada também. A multidão explodiu, o volume quase ensurdecedor. A gaiola começou a balançar e eu vi um guarda empurrando através da multidão, fazendo um caminho, batendo em homens com suas armas e disparando tiros de advertência no ar. O lugar estava em pé, a atmosfera carregada com a emoção da multidão. Eu tinha matado o campeão invicto.


Um monte de dinheiro tinha acabado de ser perdido. E eu não sentia nada disso, só fiquei olhando para o seu cadáver. A certeza de vitória tinha acabado de ser abatida. O corpo ainda quente de Durov estava sangrando quando lembranças inundaram minha mente como uma torrente. Eu como uma criança, Rodion... e Kisa... minha Kisa. Sempre comigo, acariciando meu cabelo, me beijando, lendo para mim... De repente, a porta da gaiola se abriu e Abram entrou, caindo de joelhos para olhar para o seu filho morto no chão, choque e dor gravados por todo o rosto. Um caminho de repente apareceu através da multidão, outro homem liderando o caminho. Saltando fora do corpo de Alik, fiquei de pé, pernas afastadas e os punhos cerrados preparando para a punição por matar o seu lutador número um... o herdeiro Bratva. Eu trabalhei minha mente na maneira de sair daqui e mesmo se tivesse que matar todos. E eu estaria levando Kisa comigo. Um homem com longos cabelos grisalhos entrou na jaula, dois guardas seguindo atrás, um correu direto para Abram e arrancou-o do chão. Abram estava muito dormente para lutar, ainda olhando para seu filho morto no chão da gaiola. Quando ele olhou para seu filho, ele pareceu morto também. O homem de cabelos grisalhos se aproximou de mim, os olhos avaliando. Cada músculo tenso, minha cabeça abaixada e eu estalei meus dedos, colocando-os em punhos. O homem estendeu as mãos, aclamando, e confusão tremeu pelo meu corpo. Minha cabeça inclinou para o lado e meus olhos se estreitaram.


O homem me estudou. Eu estava pingando sangue e, pronto para lutar contra qualquer um que ficasse entre Kisa e eu, quando de repente ele caiu de joelhos, derramando lágrimas de seus olhos. Eu recuei em confusão. "Papa!" Gritou outra mulher e, incapaz de tirar a mão de sua boca, lágrimas inundando seu rosto, ela caiu ao lado do homem e os dois se olharam e depois olharam para mim. Meu corpo ficou quente e eu senti suor verter na minha testa. Eu não conseguia parar de olhar para a menina loira e o homem grisalho, meu peito arfante e a construção de dor na parte de trás da minha cabeça. Olhando ao redor do Calabouço, eu podia ver os guardas limparem a multidão, empurrando-os para o corredor, abandonando o porão úmido. Um homem na parte de trás puxou minha atenção: Viktor. Eu lancei-lhe um breve aceno de cabeça em agradecimento, e com um elevar de seu chapéu, ele desapareceu na multidão. Por uma vez o homem parecia... feliz? Duas pessoas começaram a se aproximar lentamente da gaiola, e meu coração caiu quando vi que uma delas era Kisa. "Kisa", eu sussurrei, quando seu pai, o Pakhan, a ajudou a subir as escadas para a gaiola. Kisa cambaleou em seu rosto negro e azul, a visão me fazendo tremer de raiva. Lágrimas escorriam pelo seu rosto, mas seus olhos nunca deixaram os meus. "Kisa!" Eu gritava e me movi em direção a ela, quando o homem de joelhos empurrou a mão. "Espere!" Ele chamou, pegando meu braço em seu aperto.


Rosnando, eu arranquei meu braço para trás e levantei os punhos para golpeá-lo. "Não!" Kisa gritou e cambaleou até mim, empurrando meu peito. "Pare! Por favor, Luka, pare!" Fazendo uma pausa, olhei nos olhos inchados de Kisa e ela balançou a cabeça. Algo dentro de mim disse para confiar nela e abaixar o meu punho. Arrancando minhas soqueiras e lançando-as no chão, corri meus dedos pelo seu rosto. "Ele... ele te machucou", eu disse, minha voz quebrada. Kisa aninhou em minha palma, de forma tão leve que sua pele quase não tocou minha carne. Ela estava com dor. Isso me fez sentir mais raiva. "Agora acabou, Luka", Kisa sussurrou e me puxou para mais perto com uma mão, a outra mão apertou sua cintura, seu pulso parecendo quebrado. "Ele quebrou seu pulso?" Kisa acenou com a cabeça, as lágrimas escorrendo, mas repetiu. "Acabou agora. Ele se foi. Estou livre... você está livre..." Sua voz quebrou e eu sabia que era demais para ela. Mas ela tentou sorrir para mim. "Você fez isso, baby. Você teve sua vingança." Exalei e imediatamente me senti drenado, mas quando o movimento do chão pegou meus olhos, envolvi meu braço em torno Kisa e a puxei de volta contra mim em proteção. Meu corpo se agachou e se preparou para qualquer perigo. O homem grisalho ficou de pé, juntamente com a outra mulher, estendendo as palmas das mãos e Kisa agarrou meu braço. "Luka. Escute-me."


Meus olhos dispararam ao redor da gaiola, avaliando, tomando nota do que estava acontecendo aqui: o pai de Kisa, Abram, o guarda, o homem grisalho e a mulher... e eles estavam todos olhando para mim como se tivessem visto um fantasma. Olhando nos meus olhos. Eu imediatamente abaixei minha cabeça. Kisa se mexeu longe de mim e eu tentei empurrá-la de volta. "Não, Luka. Baby, por favor, olhe para mim". Eu hesitei, mas eventualmente pisquei minha atenção para ela e seus olhos, que estavam brilhando. Ela passou a mão pelo meu cabelo e eu relaxei instantaneamente. "Ninguém aqui vai te machucar." Ela correu a ponta do dedo sob meu olho esquerdo. "Você pode olhar para eles. Eles podem vê-lo. Eles podem ver quem você realmente é. Você está seguro." Eu procurei os rostos de todos na gaiola novamente, e meus olhos se mantiveram fixos sobre o homem com o cabelo cinza e a mulher com olhos castanhos. Uma dor pulsava em minha têmpora quando olhei para eles. Mas eu lutei contra isso. Segui os conselhos de Viktor e tentei deixar tudo vir a mim. "Luka, preciso que você se lembre de algo," Kisa disse suavemente. Seu tom era estranho, como se ela estivesse me preparando para algo grande. Eu fiz uma careta e olhei para os olhos azuis de Kisa, meu estômago estirando. "Eu não posso", respondi. "Eu não posso lembrar mais nada. Eu tentei." Kisa assentiu em entendimento, com os olhos estremecendo com o movimento. "Você está ferida." "Não importa sobre mim agora. Lyubov Moya, preciso que você se lembre."


"O quê? O que preciso lembrar?" Perguntei, meus sentidos agitados, meus olhos piscando quando a dor na minha têmpora cresceu mais forte. "Você. De onde você veio. Quem são seus pais... sua família..." Kisa agarrou a mão dela na minha e apertou. O homem grisalho limpou a garganta e ele estava olhando para mim de novo. Fechei meus olhos tentando quebrar através do bloco vazio em minha mente, mas tudo o que fiz foi causar mais dor. Eu cansei da porra de dor! "Eu não... Eu não me lembro, solnyshko!" Eu gritei para fora, quando o homem grisalho deu um passo adiante, a mulher loira chorando abertamente. "Você... você se lembra de mim, filho?" Olhei para Kisa cuja mão apertava a minha e ela acenou para mim em encorajamento. Eu me segurei em Kisa como uma tábua de salvação e meu pulso começou acelerar. O homem grisalho não tirava os olhos dos meus. E as imagens dançaram na frente de meus olhos. Meus olhos se arregalaram e eu procurei o rosto do homem. Era ele... era ele. Eu estava mais velho, um adolescente, e eu estava em um carro com um homem. Nós estávamos dirigindo para uma reunião. Era a minha primeira reunião com o Bratva... "Eu era uma parte da Bratva", sussurrei e olhei para Kisa. Ela assentiu com a cabeça e pressionou seus lábios machucados na minha mão cortada. Seu toque me acalmou. "Continue, Luka. Continue." Eu balancei a cabeça e apertei meus olhos novamente fechados.


Eu era uma criança. Era Natal. Havia uma árvore, presentes. Eu estava sentado em um sofá, e um homem me deu um presente. Um homem com olhos castanhos e cabelos claros... um homem com o rosto do homem grisalho... "Feliz Natal, filho," o homem havia dito. "Obrigado, papai", eu respondi. Eu engasguei com minha respiração ofegante e cambaleei para trás, minhas costas batendo no lado da gaiola. Olhei para o homem de cabelos grisalhos e não conseguia respirar. O homem deu um passo a frente novamente. "Luka? Você... Você lem..." "Você é... meu Papa?" Eu perguntei e alívio se espalhou no rosto do homem. Ele acenou com a cabeça incapaz de falar. "Você é meu pai. Ivan Tolstoi," eu disse de novo e fiquei tenso quando ele levantou a mão e a colocou no meu ombro. "Meu filho," ele murmurou para fora e as lágrimas caíam pelo rosto. "Meu Luka... nós temos você de volta." Meu coração estava batendo de forma irregular, e eu encontrei-me dando um passo à frente quando meu pai me levou em seus braços. Eu congelei no início, recusando-me a deixar Kisa ir, mas, em seguida, à medida que mais e mais memórias voltavam para mim, encontrei-me flácido em seus braços. Eu era enorme comparado a ele, mas me sentia como uma criança outra vez, em seus braços. Um choro por cima do ombro me fez olhar para cima e a loira estava observando a mim e meu pai, uma expressão de felicidade no rosto. Um retrato de uma menina sentada ao meu lado, em uma mesa de jantar, irritantemente apunhalando-me com o garfo na minha perna, e depois jogando na minha cabeça. Então aquela cena de Natal de antes


se aprofundou e eu a vi sentada ao meu lado na árvore, o braço em volta da minha cintura. Meu pai deve ter me sentido congelar, por que ele se virou e me viu olhando para a mulher. A mão de Kisa escorregou da minha. E eu andei para frente e vi que a mulher estava tremendo. "Você é minha irmã", eu disse e a mulher timidamente acenou com a cabeça. "Tal... Tal..." Eu apertei meus olhos fechados e tentei lembrar o nome dela. Uma mão envolveu em torno da minha e a mulher disse: "Talia. Eu sou sua irmã Talia." "Talia", eu disse, o nome soava familiar, certo, "Minha... irmã". Talia gritou e jogou os braços em volta da minha cintura. Eu fiquei tenso com o contato, lutando contra o desejo de pular e atacar. Eu não sabia o que fazer. "Você está vivo," ela chorou. "Eu tenho você de volta. Eu tenho o meu irmão de volta." Olhando de relance para Kisa, eu podia vê-la abraçando o pai. Ela estava feliz por mim, seus olhos azuis brilhantes. Talia se afastou e eu tropecei de volta para Kisa e estendi minha mão. "Kisa", eu disse, precisando desesperadamente dela por perto. Era muito para mim. Minha mente e meu corpo estavam exaustos e ela era tudo o que eu realmente conhecia. Mas quando estendi minha mão, o Pakhan — Kirill... seu nome era Kirill — pegou-a e me puxou para a frente. Eu preparei meu corpo novamente, mas ele disse: "Eu nunca soube, Luka. Eu nunca soube... Eu acreditava que você tinha matado meu filho e isso é o meu pecado para suportar. Eu estava tão triste que não suspeitei de Abram ou Alik. Abram era meu irmão nesta vida, eu nunca suspeitaria que ele fizesse uma coisa dessas. Você era inocente e pagou por um crime que não cometeu."


Kirill olhou para Kisa. "E a minha ação levou você dela. Minha mulher estaria girando em seu túmulo se ela soubesse que eu tinha os separado desnecessariamente", ele baixou a cabeça, "e dei-lhe a um homem menor... um homem doente... um assassino". Olhei para o pakhan e podia ver a sinceridade em seus olhos. "Papa!" Gritou Kisa, mas Kirill levantou a mão. "É a verdade." Kirill olhou sobre minha cabeça e na direção de Abram e tirou sua arma. Ele caminhou para o meu pai e entregou a arma a ele. "É a sua vingança para matá-lo, Ivan." Meu pai endireitou os ombros e um olhar frio se espalhou pelo seu rosto. Ele enfiou a mão no bolso e tirou sua arma, entregando-a a Kirill. "É a nossa morte. Ele ordenou a Alik para matar Rodion." Um sentido de familiaridade me encheu. Estes eram homens Bratva. Estes eram homens que não devia foder com eles. Esta era a minha família... aqui era onde eu pertencia. Meu pai foi até Abram, Kirill seguiu atrás. Abram ainda estava olhando para seu filho morto no chão. Meu pai tirou o casaco, vestindo um terno preto por baixo, e deu um tapa estapeando Abram no rosto. Abram parecia que nem percebeu isso. Kirill e meu pai levantaram suas armas. Nenhuma palavra foi dita. E depois de alguns segundos tensos, ambos dispararam tiros no peito de Abram e ele caiu no chão ao lado de seu filho morto. Kisa envolveu-se em meus braços e eu beijei sua cabeça, segurando-a com força. Meu pai veio em minha direção e perguntou: "Luka? Você se lembra de sua mãe?"


Meu coração batia descontroladamente e meus músculos tensos, mas agora que a chave para o meu passado foi aberto, os cabelos negros, um rosto de mulher veio à tona e eu exalei como se tivesse corrido por horas. Kisa apertou minha cintura e levantou a cabeça. "Ela vai ficar tão feliz. Ela nunca desistiu de acreditar que você era inocente. Ela sabia que você não poderia ter feito isso. Ela sempre acreditou na sua inocência." Nervos de repente se acumularam em meu corpo e eu me inclinei e pressionei minha testa contra a de Kisa. "Mas não sou o Luka que ela conhecia. Eu sou um monstro, um assassino. Esta versão do seu filho não é inocente." "Você é nosso Luka. Você é nosso filho", disse meu pai com severidade do meu lado. "Kisa, precisamos te levar para casa assim o Dr. Chazov pode vê-la", disse Kirill se movendo por trás de Kisa. "Você precisa tratar desse pulso. Precisa de pontos, e medicação". Kisa relutantemente concordou e colocou a mão na minha bochecha. Eu não tinha notado como ela estava pálida, em dor. "Você vai ficar bem, Luka. Eu vou direto para a casa dos seus pais depois. Você precisa ver um médico também. Você está ferido, sangrando." "Não", eu disse de forma agressiva. "Eu vou com você. Eu vejo o seu médico." "Luka..." "Não! Kisa, solnyshko. Eu vou com você", me abaixei para sussurrar em seu ouvido: "Eu preciso de você comigo. Só me sinto em casa com você. Eu não... Eu não conheço essas pessoas como te conheço. Você é minha agora, eles ainda são meu passado." Eu olhei


para ela, impotente. "Eu não posso ficar sem você. Preciso de você." Eu engoli e lutei para respirar, quando admiti, "Eu tenho medo em meu coração... Estou com medo de tudo isso." Os olhos de Kisa pareciam tristes e eu sabia que todos em torno de nós tinham me ouvido. Kisa pegou minha mão e virou-se para o meu pai e Talia, enquanto eu mantive minha cabeça baixa. "Eu vou ver o médico com Luka, então nós iremos até vocês. Vocês terão tempo para preparar mama Tolstoi." Eu mantive meus olhos baixos como um covarde. Mas senti mais nos últimos cinco minutos do que tive na minha vida inteira e era demais. Uma mão foi colocada sobre meus braços e eu olhei para cima para ver o meu pai. "Está tudo bem, Luka. Vá com Kisa. Resolva isso. Vamos vê-lo em breve... filho." Eu balancei a cabeça, sentindo essa palavra, assentando no meu coração e envolvi a minha mão sobre os ombros de Kisa, levando-a da gaiola. Na sala de espera, nós não falamos, mas eu podia sentir que ela me assistia. Eu coloquei o meu velho moletom cinza familiar, o que eu tinha usado desde o Gulag e segui Kisa a uma porta dos fundos. Mantendo-me perto da outra metade do meu coração e, pela primeira vez na história, mantendo o meu capuz puxado para trás.


Capítulo Vinte e Três Kisa

"Você está pronto, lyubov Moya?" Virei-me para Luka, e ele estava imóvel, olhando fixamente para a casa de sua mama e papa com um olhar ansioso no rosto. Apertei sua mão e Luka finalmente olhou para mim. Ele piscou, então piscou novamente. Um olhar perdido completamente no rosto coberto. "Eu não sei", ele respondeu com uma voz rouca. "Estou me lembrando de muita coisa, mas nada disso está fazendo muito sentido. Acabei de ter flashbacks de memórias quebradas. Nenhum deles está em ordem. Apenas vislumbres do que a minha vida costumava ser." Ele apontou para o arenito que era tanto uma casa para mim como era para ele. "Como esta casa. Lembro-me de sentar sobre essas escadas com você. Eu me lembro de estar no meu quarto, acho... com você." Luka mudou-se para ficar de frente para mim e levantei a minha mão, com um movimento livre ele a pegou e apertou contra o peito. "Toda lembrança me parece ter você nela." Sua cabeça foi para baixo, incapaz de encontrar meus olhos. Um nódulo entupia minha garganta pela forma assustada e perdida que ele parecia agora. Ele tinha apenas a algumas horas atrás matado o homem que arruinou sua vida. Eu acho que esse objetivo


levou-o por tanto tempo que agora sem isso, ele não tinha ideia do que fazer a seguir. O assassino raivoso da gaiola tinha ido embora, um menino perdido tomando seu lugar. Mudei-me para frente e levantei a cabeça com o dedo sob o queixo. Quando o olhar de Luka se encontrou com os meus, aqueles olhos castanhos, que tinha uma mancha azul do meu, meu coração disparou. "Isso é porque nós nunca tínhamos nos separado antes. Desde crianças, éramos um. Tem sido sempre assim. Encontramos nosso caminho de volta para o outro, meu amor." Os olhos de Luka perfuraram os meus, uma labareda de posse em seu brilho. "E sempre será assim", ele disse assertivamente. "Eu nunca vou perder você de novo." Lágrimas encheram meus olhos. "E sempre será assim." A porta da casa de seus pais abriu e Papa Ivan saiu para os degraus. Eu levantei minha mão ostentando o gesso, e Ivan sorriu tristemente para mim. Luka tinha congelado no lugar, seus olhos expressivos agora mostrando cada pedaço de sua apreensão. "Vamos, baby", eu sussurrei, apenas para ele ouvir. Eu puxei a mão de Luka e o levei para a casa. Ele havia tomado banho na minha casa depois que havia visto o Dr. Chazov, agora estava com curativos. Um dos homens de meu pai havia trazido uma calça jeans e uma camisa branca. Ele parecia tão impressionante que quase não podia levá-lo. Seus músculos enormes testando o material de ambos, da calça jeans e da camisa, seus braços definidos pronunciados e seu cabelo loiro desarrumado da forma mais atraente possível.


Eu o queria mais do que nunca. Luka apertou minha mão, segurando-a enquanto subíamos os degraus. Ivan me abraçou, em seguida, desajeitadamente abraçou o filho, e eu não conseguia parar as lágrimas de caírem dos meus olhos. "Sua mãe está desesperada para vê-lo novamente, filho. Ela...” a voz de Ivan quebrou. "Ela não vai acreditar até que tenha você em seus braços. Ela está subindo pelas paredes com o entusiasmo." Ivan levou-nos para a entrada, e eu podia sentir a tensão pulsante de Luka, a mão rígida na minha. Com um impulso do meu braço, ele me puxou para o seu peito, quase como se ele estivesse me usando como escudo, quando nós entramos na sala de estar. Talia estava sentada em uma cadeira, balançando a perna em nervos e agitação. Mama Tolstoi andava em frente da lareira de mármore, e quando ela nos viu entrar na sala, ela congelou e olhou. Senti Luka endurecer atrás de mim, e quando olhei para cima, seus olhos estavam fechados, a cabeça inclinada para o lado, e os seus lábios cheios estavam franzidos. Ele se lembrou dela. Eu agora sabia o que sua expressão parecia quando uma memória em si fixava no lugar. Meu peito cheio de felicidade. Ele lembrou-se de sua mãe. Um soluço escapou da boca de Mama Tolstoi e ela alcançou atrás para se segurar na moldura e se manter na posição vertical. "Luka? Luka... é você...?" A mão de Luka se soltou da minha e ele deu um passo em volta de mim. "M-mama?" A Mama de Luka correu ao ouvi-lo falar e ela o segurou em seus braços estendidos. "Luka. É você... meu filho... meu menino..."


"Sim." Luka exalou, e sua mãe colocou os braços ao redor de sua cintura, seu pequeno corpo minúsculo próximo ao seu largo corpo grande, fortemente musculoso. "Você voltou para casa", gritou ela. "Você voltou para casa, para nós... Eu sabia que você estava lá fora. Eu sentia no meu coração que você ainda estava vivo." Ela se afastou e deitou a mão em seu rosto mal barbeado, estava nas pontas dos pés para fazer isso. "Meu filho... meu filho..." Sentindo-me como uma intrusa na sala, eu recuei para o corredor quando mãe e filho estavam reunidos e caminhei até a cozinha e sai para o quintal. Assim que o ar fresco bateu em meu rosto, imediatamente me senti melhor. Caminhando para um banco branco no pequeno quintal, desabei e fechei os olhos, desenhando uma respiração longa e profunda. Eu não podia acreditar em tudo o que tinha acontecido. Tudo parecia tão irreal. Como algum sonho que eu estava prestes a acordar. Sentindo a gravidade de tudo o que tinha acontecido — descobrir que Luka estava vivo, que Alik foi o responsável, a dor que Luka tinha sido colocado ao longo dos anos, e agora Alik morto e Luka de volta em meus braços — tudo que eu podia fazer era submeter-se a sentimentos conflitantes de tristeza e alegria. Deixando cair a minha cabeça em minhas mãos, eu apenas deixei isso tudo passar, minhas emoções escorrendo de mim através de minhas lágrimas. "Kisa?" Assustada, levantei minha cabeça, limpando freneticamente meu rosto machucado com a minha mão boa e engoli de volta meus soluços.


"Talia, você me assustou," eu disse, limpando a garganta quando ela se sentou ao meu lado, fixando seu olhar no céu noturno. Sem dizer uma palavra, a mão de Talia estendeu e segurou a minha. Fechei os olhos, apenas respirando o ar de verão, quando ela sussurrou: "Obrigada." Abrindo meus olhos, olhei para o rosto de Talia que, eu notei, estava diferente, mais relaxado. Senti um aperto no peito quando percebi que, durante anos, uma vez que Luka tinha "morrido", esta foi a primeira vez que ela parecia realmente à vontade. Como não notei isso antes? "Tal..." "Eu nunca teria acreditado em você, se você tivesse me dito que suspeitava que... Raze... seria meu irmão. Eu não teria acreditado nisso por um segundo. Mesmo se tivesse visto com meus próprios olhos, não o teria reconhecido. Ele é tão grande, parece tão agressivo." Talia fungou. "Kisa, eu não reconheceria meu próprio irmão." "Ele mudou, Tal. Ele não parece a mesma pessoa", eu disse, tentando dar conforto. "E ele sempre usava um moletom com capuz, cobrindo seus olhos. Acho que de alguma forma ele sabia que as pessoas o conheceriam quando vissem seu olho esquerdo. Ele não sabia disso, entretanto. Ele não sabe muito. Ele precisa aprender a viver mais uma vez." Eu apertei a mão de Talia. "Ninguém o teria reconhecido." Ela se virou para mim. "Ninguém além de você. Você se sentiu atraída por ele, desde a noite em que ele a salvou no beco. Você perseguiu e percebeu quem ele era. Você o trouxe de volta. Você nunca desistiu. Mesmo através de todo o seu tamanho, as tatuagens e cicatrizes. Você viu quem ele realmente era".


Eu abri minha boca para responder, mas não podia falar, minhas emoções muito altas. Então apenas ficamos ali, respirando normalmente pela primeira vez em anos. "Você o salvou", ela sussurrou em seguida, e seguramos uma a outra apenas um pouco mais apertado, eu sabia que todas as nossas vidas mudariam para melhor esta noite. Depois de um tempo, me levantei do banco e entrei na casa. Mama Tolstoi estava na cozinha. Logo que entrei, seus olhos caíram sobre meu braço e corpo espancado. "Kisa... minha filha", disse ela em voz baixa, estendendo a mão para eu tocar, antes de me envolver em seus braços. "Está tudo bem, mama. Tudo vai ficar bem agora." Ela me puxou para seu peito e murmurou: "Deus colocou uma parte da alma de meu filho dentro de você por isso, quando ele perdeu seu caminho, ele iria seguir seus pés e encontrar seu caminho de volta para você. Você é a outra metade de sua alma. Você é sua salvadora... de todos nós." Lutando com mais lágrimas, puxei de volta e dei um beijo em sua bochecha. Não havia palavras. "Sua mama vai se alegrar no céu." "Mama...", eu disse, lutando contra um nó na garganta. "Shh... está tudo bem agora. Não há necessidade de preenchêlo com palavras ou explicações. Tudo é como deveria ser. O passado está no passado. Siga o caminho recém-iluminado para o futuro. Meu filho voltou, o homem que o levou está morto e você o ama com cada parte do seu ser. O que mais eu poderia querer?" Ouvindo essas palavras, sorri na pura alegria e perguntei: "Onde..."


"Em seu antigo quarto," Mama Tolstoi interrompeu. Ainda sorrindo, coloquei mais um beijo na bochecha dela e atravessei a sala e subi as escadas, ouvindo Mama Tolstoi cantando pela primeira vez em anos. Papa Ivan estava em seu escritório em sua mesa, e por um momento, eu quase podia fingir que o passado de doze anos não tinha acontecido. Ele estava no telefone e eu fiz uma careta quando o ouvi discutir o Gulag... discutindo o número 362. "Eu quero saber seu nome, de onde ele era e os nomes dos homens que o colocaram naquele lugar." Havia uma voz que vinha através do outro lado do telefone, mas parou quando Ivan bateu na mesa e disse: "Eu vou pagar o que for preciso, o dinheiro não é nenhum problema, isto é para o meu filho! Encontre os homens responsáveis e mate-os." Fechei os olhos por um momento e tristeza encheu meu estômago. Luka estava pedindo vingança por 362, seu amigo... sobre os homens que o acusaram falsamente. Luka queria fazer isso para o seu único amigo. Isso quase me quebrou. Abrindo a porta para o antigo quarto de Luka, entrei para vêlo caído em sua antiga cama estreita, sua cabeça baixa. Ele parecia enorme em seu edredom azul desbotado. Meu estômago virou. Era surreal vê-lo agora, mais velho, neste quarto. "Luka?" Luka levantou a cabeça e seus olhos castanhos estavam brilhando. Fechando a porta atrás de mim, caminhei para a cama. Ia me sentar ao lado dele, mas antes que pudesse, Luka cuidadosamente me pegou em seus braços grandes e me sentou no seu colo, enfiando a cabeça no meu pescoço, respirando o meu cheiro.


Isso me fez sorrir como se essa fosse uma característica que ele não tinha mudado. Eu acariciava seu cabelo e dei um longo beijo em sua cabeça. "Você está bem, baby?" Ele balançou a cabeça indicando que 'não', e eu o segurei mais apertado. Eu não poderia imaginar o tumulto que estava passando agora. O choque de estar de volta aqui. O choque de perceber que ele não estava sozinho no mundo. Muito pelo contrário, na verdade. Ele era amado. Ele era muito amado. "Tudo vai ficar bem, sabe," Eu acalmei. Luka levantou a cabeça e seus olhos castanhos encontraram os meus. "Eu não sei o que fazer agora. Eu passei por isso por muito tempo com um objetivo, uma unidade, e agora está feito." Suas sobrancelhas se levantaram. "E agora, solnyshko? O que faço agora? E se não posso fazer nada a não ser matar?" Eu coloquei minha testa contra a dele. "Você aprende a viver de novo. E eu estarei lá a cada passo do caminho com você." Os olhos de Luka encheram de lágrimas e uma única gota caiu no rosto cheio de cicatrizes... e foi possivelmente a coisa mais comovente que já vi. "Baby, não chore", eu disse, minha garganta obstruída. "Está tudo bem. Eu te amo, te amo tanto." Os olhos de Luka encontraram os meus, seus longos cílios escuros molhados e ele levantou uma mão para colocar sobre a minha em sua bochecha. "Eu estou livre... Estou finalmente livre... Eu não posso... não posso..."


Coração explodindo em meu peito com o alívio em seu rosto, segurei minha alma gêmea tão forte quanto podia contra meu peito. Movendo minha boca para sua orelha, eu perguntei: "Posso ter você?" Luka acalmou por um instante. Então senti uma década de dor e perda fugir de seu corpo. "Você pode me ter, solnyshko. Você pode ter tudo de mim. Você sempre teve, e sempre terá."


Epílogo Seis meses depois...

"Lyubov Moya..." Eu gemi quando Luka mexeu dentro de mim. Eu acariciei suas costas fortes, minha cabeça inclinada quando ele beijou e mordiscou minha garganta. "Solnyshko," Luka gemeu, seus quadris ganhando velocidade, seu pau como aço, inchado dentro de mim, estávamos mais perto de liberar. Nossa respiração veio rápida e minhas mãos se moviam ao seu cabelo. Luka esticou os braços e apertou o ferro da cabeceira da cama, empurrando fortemente dentro de mim, fazendo-me perder o controle. "Baby!" Gritei, sentindo meu orgasmo chegando, apertando minhas pernas em volta de sua cintura. A cabeça de Luka levantou, e pressionou sua boca na minha. Nossas línguas se enfrentaram instantaneamente, selvagem e errático. "Kisa... Kisa..." Luka gritou, separando dos meus lábios enquanto seu pescoço ficou tenso, os músculos duros quando ele gozou, levando-me sobre a borda com ele. Luka empurrou dentro de mim, em seguida, entrou em colapso no meu peito, a pele úmida de horas e horas de fazer amor. Ontem nos casamos. Finalmente. Em nossa igreja de infância, celebrado pelo Padre Kruschev.


Eu era oficialmente a mulher de Luka, e não havia ninguém mais feliz na Terra do que eu, agora, nesse momento. Eu passei a mão pelo cabelo bagunçado loiro de Luka enquanto recuperava o fôlego. Erguendo a cabeça, Luka apertou um beijo longo e preguiçoso em meus lábios e disse: "Eu te amo, solnyshko." Correndo o meu dedo por sua bochecha, respondi, "Eu também te amo." Sorrindo timidamente, Luka, após seis meses de não passar um dia separados, ainda encontrou a sua liberdade impossível de se acostumar e se sentia indigno de meu amor incondicional por ele. Lembranças de seu passado no Gulag deram-lhe pesadelos e acordava em suores frios, os rostos de centenas de homens e meninos que ele foi forçado a matar, assombrando seu sono. Os pesadelos ficaram tão ruins, Luka se recusou a dormir naquelas primeiras noites. Eu não podia suportar vê-lo, então desafiei meu pai e ignorei a tradição ortodoxa. Na noite seguinte eu dormia ao lado de Luka em sua cama de infância, e ele nunca mais acordou no meio da noite. Ele precisava de mim para dormir. Eu mantinha seus pesadelos longe. Nós nunca passamos um dia separados desde então. Movendo seu rosto para o meu, assegurei que nossos olhos se encontrassem e disse: "Eu sempre e sempre te amarei, por toda a minha vida." Luka me premiou com um sorriso deslumbrante e beijou meu pescoço, pelo meu peito, e para baixo para minha barriga, onde ele me salpicou com beijos.


Olhando para mim com esperança em seus olhos, ele perguntou: "Você acha que está grávida agora?" Rindo, agarrei seus braços e o puxei de volta para cima de mim. "Nós nos casamos ontem, Luka." Seu rosto caiu em uma expressão séria. "Eu quero um filho com você." "Eu sei que você quer, lyubov Moya. E isso vai acontecer. Nada vai me tirar de você de novo." Eu corri meu dedo sobre seu anel de casamento. "Estamos casados agora. Juntos para sempre, lembra?" Ele exalou pelo nariz e acenou com a cabeça, caindo ao meu lado, e deitou a cabeça sobre o meu nu peito. Ele acariciou a cabeça no meu peito, e eu sorri, sabendo o que significava aquela pequena ação. Eu comecei a correr os dedos pelo cabelo claro bagunçado de Luka, amando a sensação de seus braços em torno de mim. Ele amava quando eu acariciava seus cabelos. Disse que o fazia se sentir como se os últimos 12 anos nunca tiveram acontecido. Isso quebrou meu coração, porque ele não era o Luka da nossa infância. Ele foi danificado. Cansado. Atormentado por seu passado. Permanentemente mudado... mas ele era o homem que eu amava agora, o homem que sempre foi meu protetor. Agora, ele era ainda mais. E embora a vida fosse difícil para ele agora, comigo, ele estava em paz. Estávamos em paz.


"Leia para mim", Luka murmurou, completamente relaxado em meus braços. Sorrindo, estendi a mão para o nosso favorito livro antigo que estava gasto e envelhecido por anos de uso excessivo. Eu nunca tinha jogado fora. Talvez, sempre soube que iria precisar dele novamente algum dia. "Você está pronto, lyubov Moya?" Perguntei. "Mmm...", ele murmurou em resposta. "Leia para mim." Ele estendeu a mão e segurou a minha mão livre na sua. Eu sorri. Eu estava tão incrivelmente feliz, que nós estávamos aqui em nossa nova cama, em nossa nova casa, três portas abaixo da casa de seus pais. "Eles sempre foram destinados a ficar juntos, um menino e uma menina, um coração dividido em dois, enviados para terras distantes por conta própria. Porque Deus queria ver se o amor verdadeiro poderia ser testado. Ele queria ver se duas metades de uma alma poderiam se encontrar outra vez, mesmo contra todas as probabilidades. Anos se passariam. Ambos seriam feridos. Os dois estariam tristes, mas um dia, quando menos se esperava, eles iriam tropeçar nos caminhos um do outro. A questão é: será que eles reconheceriam a alma um do outro? E eles iriam encontrar o caminho de volta para seu amor...?" Olhando para Luka, fechando os olhos quando ele traçou seu dedo sobre a minha barriga, um pequeno contente sorriso nos lábios, sabia que ele estava orando que eu estivesse grávida. E eu estava. "Você me reconheceu", ele murmurou, sonolento, lentamente abrindo os olhos. Eu parei de ler e fechei o livro. "Você reconheceu a minha alma quando eu estava perdido."


Lágrimas correndo, eu respondi, "sim, baby." "E me trouxe de volta para você", ele terminou e deu um beijo em meu estômago. Eu balancei minha cabeça. "Agora aí é onde você está errado." Luka levantou a cabeça, inclinou para o lado, e franziu os lábios em confusão. Meu coração capotou na ação, e, lançando mão dele, eu acariciava meu polegar ao longo de seu rosto mal barbeado. Tomando a mão de novo, a apertei contra meu coração. "Eu não poderia trazer-lhe de volta, porque você nunca me deixou. Não aqui." Eu bati no meu peito, onde o meu coração estava. Luka sorriu e deitou a cabeça. Fechando os olhos, ele pegou minha mão e colocou de volta em seu cabelo, me cutucando para acariciá-lo novamente. Meu coração derreteu enquanto meus dedos começaram a se mover para trás e para frente através dos fios loiros sedosos. Peguei o livro e comecei de onde parei... "Sua história de amor começou no dia em que ela nasceu..."


Raze The Avett Brothers — I and Love and You Little Big Town — Live Forever Labrinth — Jealous Lana Del Ray — Gods & Monsters Coldplay — Lost The Script — Superheroes JAY Z — Young Forever (feat Mr. Hudson) Jennifer Nettles — This Angel Marina and the Diamonds — Happy Eminem ft. Sia — Guts Over Fear

One Republic — I lived Whiskeytown — Everything I Do Breaks Co-Op — The Otherside Emeli Sande — River Greg Holden — The Lost Boy Jonny Fears — Boyfriend Ellie Goulding — How Long Will I Love You Adele — Don’t You Remember A.A.Bondy — Killed Myself When I Was Young Sam Smith — Stay With Me

Série scarred souls raze tillie cole  
Série scarred souls raze tillie cole  
Advertisement