Issuu on Google+

[

]

Farmácia Integrada Ambiente, produtos, serviços, pessoas e atitudes coerentes com a proposta de zelar pela saúde Adaptado da Revista Racine 82 • setembro/outubro 2004

Nilce Barbosa é farmacêutica e presidente do Grupo Racine

H

á exatamente oito anos incluíamos, pela primeira vez, no temário de uma Semana Racine, a discussão sobre a ampliação do mix de produtos da farmácia. A programação foi elaborada em outubro de 1999 e, no próximo ano, durante a 10ª Semana Racine, o assunto já começaria a incomodar os farmacêuticos mais visionários. Com o decorrer dos anos fomos evoluindo o nosso pensar sobre que tipo de farmácia gostaríamos de ver consolidada no Brasil. Passamos a observar melhor os movimentos em torno da profissão farmacêutica e do exercício profissional na farmácia comunitária em todo o mundo e percebemos que uma grande mudança estava em processo. Uma verdadeira crise cultural envolvia as relações entre a sociedade e a farmácia. O farmacêutico, como profissional da saúde especialista no medicamento, começou a entender que se centrar apenas na sua elaboração e dispensação havia transformado seu papel na cadeia sanitária ao longo do tempo, tornando-o pouco valioso, quando não, dispensável. Paralelo a isso, começava também a perceber que o próprio ambiente, os tipos de produtos disponibilizados e os serviços prestados, totalmente descaracterizados, não contribuíam para que a população enxergasse a farmácia como estabelecimento de saúde. A discussão do ensino farmacêutico tornou-se inevitável se a profissão quisesse avançar neste redesenho de sua identidade sanitária. Uma nova realidade centrada na promoção da saúde, na educação sanitária e no paciente, ator ativo no sucesso terapêutico, exigia não só um novo modelo de profissional, mas também um novo modelo de farmácia.

Um novo conceito Discutir este novo conceito de farmácia não tem qualquer intenção de apagar a realidade à nossa volta e propor, levianamente, que se crie algo novo, sem

Farmácia Integrada - Vista Exterior 14ª Semana Racine

Farmácia Integrada - Vista Interior 14ª Semana Racine

resolver a enormidade de problemas instalados nos diferentes modelos de estabelecimentos de dispensação de medicamentos. O propósito, é inspirar os profissionais farmacêuticos a projetarem sua atuação para além do medicamento, interferindo decisivamente na saúde coletiva. É preciso fazer mais do que atender as pessoas, é preciso ajudá-las. Potencializar o papel social do farmacêutico e da farmácia como estabelecimento sanitário passa por incorporar outras atividades dirigidas à comunidade, que não apenas as de produzir, armazenar ou dispensar os medicamentos. Isto não exclui a evidente importância dos medicamentos em nosso cotidiano, pois envolve a freqüência com que os utilizamos, os riscos a que estamos expostos quando o fazemos, seu impacto econômico em nosso orçamento e os benefícios que podemos ter por seu uso racional. Não há dúvida que os farmacêuticos precisam ser preparados inicialmente, para então mudar suas práticas. É uma longa caminhada e muito difícil para muitos. A dificuldade se dá por vários motivos, entre eles a formação tecnicista e a necessidade de percorrer os caminhos das ciências humanas e sociais, tão desconhecidos dos farmacêuticos. Caberá a ele o compromisso pedagógico e político de oportunizar a real aprendizagem dos indivíduos no uso e cuidados com os medicamentos, cujo resultado será uma sociedade que conhece melhor o quão benéficas podem ser as atividades de uma farmácia. O farmacêutico deve estar preparado para não desperdiçar outras oportunidades que, também, são preciosas e que, muitas vezes, poderão aparecer nos momentos mais inesperados e lhe permitirá abordar os mais diferentes temas de saúde em uma perfeita relação com a vida e seu cotidiano. Através da mudança de foco, das melhorias contínuas e do repensar sobre os possíveis benefícios que se pode ter com esta atividade, conseguiremos desenvolver este conceito de Farmácia Integrada, que pede menos exibição dos medicamentos, maior variedade de outros produtos para a saúde, menos balcões e mais mesas e cadeiras, um uso correto do auto-serviço, mais tempo para o atendimento, mais investimentos em estrutura física, em qualificação

J u l h o•2 0 0 8

01


[

]

contínua e em uma boa biblioteca, além de se tornar fundamental buscar um equilíbrio entre tecnologia e humanidade. Assim, com o tempo, e por uma questão de semântica, adotamos o termo Farmácia Integrada para nos referirmos a essa farmácia, que entendemos vem atender as necessidades sociais e sanitárias dos serviços farmacêuticos. E, como as formas lingüísticas são símbolos e valem pelos seus significados, é importante explicitar o que desejamos dizer com o termo Integrada.

Farmácia integrada à cadeia sanitária e ao sistema nacional de saúde

População Brasileira 1,93 % é sua taxa anual de crescimento 3,3 é o número médio de pessoas por domicílio 14,5% é portadora de algum tipo de deficiência 9,6 % tem idade acima de 60 anos 1/5 nunca foi ao dentista 1/3 não tem um serviço de saúde de uso regular 11,6 % é a taxa de analfabetismo 11,4% já tem acesso à internet

capaz de intervir clinicamente, subentende-se que o farmacêutico precisa ter preparo técnico no campo da farmacologia, da semiologia, da psicologia, das ciências sociais, da saúde coletiva, da educação, além de excelente habilidade em comunicação e um espírito de servir. Isto implica em um esforço pessoal em se preparar e cientifica e humanamente, o que entendemos talvez nem todos os farmacêuticos estejam dispostos a fazer ou sejam talhados para isso. Mas, são atitudes absolutamente necessárias para que suas ações proporcionem impactos relevantes e duradouros nas condições de saúde de uma sociedade.

Farmácia integrada à comunidade

Participar das discussões e definições das políticas Sabemos que saúde é uma síntese; a síntese de uma públicas de saúde em seus municípios, faz parte multiplicidade de processos, do que acontece com das prioridades de todo farmacêutico da farmácia a biologia do nosso corpo, com o ambiente que necessidades assistenciais desses indivíduos. E, comunitária. É inegável a posição privilegiada que nos rodeia, com as relações humanas e sociais, para que essas necessidades sejam atendidas, ele ele ocupa entre os profissionais da saúde na com a economia e a política internacional e dos deve manter sempre um alto grau de compreensão questão do contato direto com a comunidade, países. Sabemos que vivemos um modelo de saúde e envolvimento com o ambiente que o rodeia. ocorrendo este sem burocracia ou custo. Deste curativo e baseado na ausência de enfermidades, Condições sanitárias, demográficas, fatores modo, além de ser uma riquíssima fonte de que privilegia o desenvolvimento tecnológico e socioeconômicos, culturais, políticos e geográfiinformações sobre a comunidade, sua atuação dos fármacos e que conta com o apoio dos cos determinam particularidades no perfil pode contribuir de forma única com a promoção diferentes atores participantes deste modelo, seja epidemiológico das regiões, municípios e bairros, da saúde e prevenção de doenças, que muitas por inércia, ignorância ou conveniência. Sabemos que por sua vez determinarão o perfil da farmácia vezes estão diretamente ligadas à educação e às que a saúde tem quatro grandes inimigos: a e as necessidades na prestação dos serviços precárias condições higiênico-sanitárias em que pobreza, os estilos de vida, a situação global farmacêuticos. Alguns indicadores podem ser vivem grande parte dos brasileiros. A falta de ambiental e a violência. Porém, mais do que tudo, observados de forma macro, porém outros têm de saneamento básico é um grave problema sabemos que um sistema de saúde efetivo deve ser estudados mais minuciosamente, de forma que econômico e de saúde no Brasil. Estima-se que 60 concentrar-se muito mais na prevenção de o farmacêutico possa estar preparado para os a 70% das internações hospitalares seja devido a doenças e na promoção da saúde e é neste sentido desafios que enfrentará. A grande mudança no doenças causadas pela falta de água tratada, coleta que um estabelecimento sanitário de acesso “ser farmacêutico” está em enxergar que o e tratamento de esgoto, doenças como diarréia, facilitado e com alta cobertura geográfica, como medicamento é um meio e não um fim na hepatite A, febre tifóide, cólera, dengue e as farmácias, pode desempenhar um papel obtenção dos objetivos terapêuticos de qualquer leptospirose. A Organização Mundial da Saúde fundamental no descongestionaestima que para cada US$ 1,00 mento do sistema em se tratando investido em saneamento, deixe“A missão da prática farmacêutica é prover medicamentos das questões de atenção primária à saúde. Suas ações devem ser e outros produtos para a saúde e ajudar as pessoas e a sociedade se de gastar US$ 5,00 em tratamento médico. Uma recente alinhadas e complementares ao a utilizá-los da melhor forma possível.” (OMS/1996) pesquisa realizada pela Fundação quadro geral de atividades e Oswaldo Cruz mostra claramenprogramas, sejam eles públicos tratamento farmacológico. Para atuar desta forma te o que o avanço da atenção básica, com a ou privados, do sistema de saúde local. o profissional deverá desenvolver-se na prática da consolidação do Sistema Único de Saúde nos anos A essência da atividade da farmácia e seu papel na atenção farmacêutica que pela Proposta de 90 e mais recentemente com o Programa Saúde da cadeia sanitária é a provisão de medicamentos e Consenso Brasileiro é conceituada como “um Família, pode interferir significativamente na outros produtos para saúde garantindo o cuidado, modelo de prática farmacêutica desenvolvida no redução das internações por doenças ligadas ao a orientação, a segurança e a observação dos contexto da assistência far macêutica. saneamento. Embora as condições sanitárias efeitos de seu uso, assumindo responsabilidades Compreende atitudes, valores éticos, comportatenham evoluído discretamente, menos pessoas em contribuir com a prescrição racional e mentos, habilidades, compromissos e coadoeceram, deixando de utilizar o sistema econômica, bem como com o uso adequado dos responsabilidades na prevenção de doenças, hospitalar. Apenas com esses dados é possível medicamentos. promoção e recuperação da saúde, de forma estimar o impacto que é possível causar a atuação integrada à equipe de saúde. É a interação direta das farmácias na educação sanitária da comunidaFarmácia integrada ao do farmacêutico com o usuário visando uma de e o valor que elas podem agregar ao conjunto farmacoterapia racional e a obtenção de do sistema nacional de saúde, por serem a porta de usuário dos produtos e resultados definidos e mensuráveis, voltados para entrada e saída deste sistema. A implementação de serviços a melhoria da qualidade de vida. Esta interação programas educacionais para a promoção da também deve envolver as concepções de seus saúde devem sempre incluir a diminuição do A preocupação primordial do farmacêutico deve sujeitos, respeitadas as suas especificidades bioabuso e mal uso dos medicamentos. ser o bem-estar, em todas as circunstâncias, dos psico-sociais, sob a ótica da integralidade das pacientes ou usuários dos produtos e serviços de Vale ressaltar que a efetividade dos farmacêuticos, ações de saúde”. Para dominar uma metodologia sua farmácia e da comunidade onde ela está de farmácia comunitária, nas ações de saúde de acompanhamento farmacoterapêutico e ser inserida. O foco de sua atenção será sempre as passam por conhecer os indivíduos a quem

02

J u l h o•2 0 0 8


tratam, ou educam, suas circunstâncias, seus saberes e suas crenças, pois “ninguém pode cuidar da saúde de outro se este não quiser fazê-lo por si”.

Farmácia integrada aos demais profissionais da saúde A amplitude do serviço farmacêutico compreende o compromisso deste profissional nas atividades que assegurem a promoção da saúde, a prevenção de enfermidades e a qualidade do processo de uso do medicamento, assegurando às pessoas o melhor resultado terapêutico e evitando os efeitos secundários adversos e desfavoráveis. Isto pressupõe, por parte dos farmacêuticos, uma responsabilidade compartilhada com outros profissionais da saúde e com os pacientes pelo resultado do tratamento. Sabemos melhor do qualquer outro profissional da área da saúde que o medicamento é um dos pilares de qualquer terapêutica, independente da condição de saúde

disponibiliza os medidores de glicemia, com as lancetas e tiras reagentes, deveria disponibilizar também o arsenal de insulinas e anti-diabéticos orais.

Farmácia Integrada em seus serviços Uma farmácia é, antes tudo, um conjunto de serviços que devem estar também integrados, de modo a ser apresentado à sociedade como algo de valor para o cuidado de sua saúde. A cadeia de serviços inicia-se ao promover acesso fácil e seguro ao medicamento, garantindo que os estabelecimentos estejam bem distribuídos, permitindo uma cobertura geográfica adequada e segue com: • A definição do mix de produtos, a seleção de fornecedores idôneos, o armazenamento e a dispensa correta dos produtos; • A orientação sobre medicamentos, sobre saúde em geral, sobre utilização de produtos, acompa-

objetivos. A formalização e estruturação destes documentos tem um papel imprescindível na seleção da equipe que irá atuar na farmácia. De nada adiantará as melhores intenções do farmacêutico se o grupo que o acompanha não estiver alinhado com seus propósitos. Somar-se-á a isto uma incapacidade deste mesmo grupo em dar seu contributo à farmácia no sentido de reconhecer uma necessidade de seus usuários ou de sua comunidade, se ele não possuir o conhecimento das aspirações e valores que ela defende. O desenvolvimento da equipe é de responsabilidade do farmacêutico e este deve garantir que ela esteja preparada para atender as necessidades de informação, orientação e cuidados das pessoas que adentrarem à farmácia ou com ela se relacionarem de alguma forma.

Farmácia integrada com o ensino farmacêutico Muito se tem discutido em todo o mundo o ensino farmacêutico no sentido de que este acompanhe

“A relação contínua com os outros profissionais da saúde, especialmente com os médicos, deve ser abordada como uma sociedade terapêutica, implicando confiança e fé mútuas em todos os assuntos farmacoterapêuticos.“ A Declaração de Tóquio, 1993 que estejamos tratando. Cada paciente em sua condição de saúde deve ser visto como um todo pela ótica das diferentes ciências e profissões da saúde. Esta visão ampliada e adequada da realidade, resultará não só em uma forma de atuação interdisciplinar como também transdisciplinar. Como elo da cadeia sanitária mais acessível à população, o farmacêutico da farmácia comunitária será sempre o reforço final aos procedimentos terapêuticos adotados pelos demais profissionais integrantes da equipe de saúde.

Farmácia integrada nos diferentes setores ou categorias de produtos Além dos medicamentos, uma extensa gama de produtos deve ser disponibilizada pelas farmácias, no sentido de atender as necessidades de utilização, consumo e aplicação das pessoas, visando melhorar, cuidar ou contribuir com sua saúde, sejam elas portadoras ou não de enfermidades. As categorias ou seções de produtos são inúmeras e devem ser definidas após uma análise aprofundada das características da região onde a farmácia está estabelecida: doenças prevalentes, idade média da população, serviços de saúde existentes etc. Definidas as seções ou categorias será o momento de determinar quais produtos e em que quantidade. Produtos e seções se integram no sentido de complementaridade da atenção ao usuário; se a farmácia possui uma seção de produtos para bebês e crianças, deve possuir também os produtos para higiene bucal desta faixa etária. Do mesmo modo que, se a farmácia

nhamento farmacoterapêutico de doentes crônicos e outros programas de atenção farmacêutica; • A adequação dos horários de funcionamento às características da região onde se encontra a farmácia e participação no sistema de plantão; • O fracionamento de medicamentos; • A manipulação magistral de medicamentos; • A administração de medicamentos injetáveis; • A assistência farmacêutica domiciliária; • A realização ou participação em campanhas educativas de informação e prevenção em saúde; • O assessoramento aos outros profissionais da saúde na melhoria do conhecimento dos fármacos e sua utilização; • A realização de estudos de utilização dos fármacos e a farmacovigilância; • E a contribuição na formação de novos farmacêuticos com o oferecimento de estágios. Este é um interessante exemplo de cadeia de serviços integrada. E esses serviços devem ser controlados por um sistema de qualidade, com procedimentos normatizados, que possam ser medidos, avaliados e melhorados. O conjunto de serviços oferecidos demonstrará ao usuário o compromisso e o cuidado que a farmácia tem com a sua saúde.

Farmácia integrada com sua equipe Definir a identidade da farmácia significa tornar clara qual é a sua missão, suas crenças e seus

as transformações e exigências de uma sociedade complexa nas suas estruturas e relações sociais. Participar politicamente dessas mudanças curriculares deve fazer parte da agenda do profissional farmacêutico da farmácia comunitária, uma vez que com ele trabalharão os novos farmacêuticos, ao mesmo tempo em que ele próprio deverá reciclar-se continuamente. A transitoriedade do conhecimento, o compromisso com a educação continuada referendada e o oferecimento de estágios aproximam a farmácia comunitária do ensino farmacêutico.

Farmácia Integrada - Puericultura - Vista Interior 14ª Semana Racine

J u l h o•2 0 0 8

03


Jornal Farmácia Integrada