Issuu on Google+


Por cinco anos, Serena comandou a Fantasy Incorporated, e dedicou seu tempo para a concretização das fantasias dos clientes. Nunca a sua. Até agora... Seu desejo mais secreto é dar a posse de seu corpo a um homem. Alguém que vai comandá-la, seu prazer, e ter total autoridade sobre ela. Então, ela procura Damon Roche, dono de um clube de sexo exclusivo, ele é um homem forte o suficiente para fazê-la fazer qualquer coisa que ele queira. Qualquer coisa.

Juntos eles viajam para um mundo em que ela apenas sonhou. A ela é dada a oportunidade de mergulhar em uma vida diferente, enquanto sua vida normal aguarda para voltar, sempre que desejar. Damon não tem nenhum desejo de deixá-la ir, no entanto. Serena é a mulher que procurou por muito tempo, e cabe a ele convencê-la a ficar, quando o jogo terminar. Ele quer que sua fantasia se torne realidade, e ter Serena para ser mimada, acarinhada e submissa.

2


Disp. e Tradução: Rachael Revisora Inicial: Tina Revisora Final: Dyllan Formatação: Dyllan Logo/Arte: Dyllan

3


Capítulo Um “Você conhece alguém que realiza fantasias sexuais?” Serena perguntou a James. Calmamente foi relaxando. As mãos massageando seus ombros tensos parados. Serena conseguiu estalar um olho aberto para olhar sobre Faith Malone, que estava deitada na próxima mesa de massagem, esticando a cabeça para olhar por cima do ombro de sua massagista, Julie Stanford, proprietária do salão de beleza com tudo incluído, no qual Serena e Faith iam regularmente toda semana. “Ah, querida, você que é a realizadora de fantasia,” Julie comentou em voz seca. “E tem de falar sobre fantasias sexuais, enquanto estou te dando uma massagem?” “Pare de reclamar e mantenha a massagem,” resmungou Serena. Ela fechou os olhos e relaxou sobre a mesa. Deveria ter pensado melhor antes de falar o que estava ocupando sua mente ultimamente. Um suspiro calmamente escapou de seus lábios enquanto Julie começava a amassar os músculos novamente. “O momento certo para falar de fantasias sexuais é quando estou dando uma massagem a Nathan Tucker,” Julie disse em um tom sonhador. Faith riu ao lado de Serena. “Ele é um regular agora?” “Sim. Duas vezes por mês,” Julie disse alegremente. “Bem, isso seria um trabalho que eu faria de graça. Tenho que ter cuidado para não babar nas costas dele.” “Não é na frente?” Serena murmurou. Julie riu. “Ele só me permite massagear as costas. Pena. Pagaria a ele para massagear seu tórax.” “Só o tórax, huh?” disse Faith. “Por que só as costas?” Serena perguntou. As Mãos de Julie balançaram quando ela riu. “Ele fica envergonhado, eu acho. Não quer que o veja excitado.” Suas mãos moveram-se mais firmemente sobre o dorso de Serena, e Serena gemeu de prazer. 4


“Mas já é o suficiente sobre a minha obsessão com Nathan Tucker. Quero saber por que você está perguntando sobre fantasias sexuais.” “Sim, eu também,” Faith saltou. “Pensando em expandir Fantasy Incorporated?” Serena deu uma risadinha. “Uh, não. Pagar às pessoas para realizar fantasias sexuais de outras pessoas é chamado de prostituição, não é?” “Então por que você quer saber sobre isso?” Julie persistiu. Ela deu um toque no ombro de Serena para que soubesse que tinha terminado, e, em seguida, moveu-se sobre Faith. Serena sentou e pegou um roupão de banho, enrolando-se enquanto se acomodava na ponta da mesa de massagem. Olhou fixamente sobre Faith enquanto Julie começava sua massagem. Por que estava perguntando sobre isso? Foi um deslize de sua língua, uma feita por frustração crescente que era o trabalho de sua vida, nada mais que cumprir as fantasias de todas as pessoas para outras — algumas frívolas, algumas para atingir o desejo de sua vida. Ela estava orgulhosa de seu trabalho. Fazia as outras pessoas felizes. E talvez fosse por isso que estava frustrada por sua falta de contentamento. “Talvez eu só precise ter sexo,” Serena murmurou. Um sorriso divertido dividiu os lábios de Julie. “Não estamos todas nós. Bem, exceto Faith aqui. Tenho certeza que Gray está dando a ela tudo que precisa nesse trimestre.” “Ei, sem ódio,” Faith protestou. “Não posso fazer nada se sou irresistível.” Serena jogou uma toalha na cabeça de Faith, e Faith estendeu o braço, pegando-a dos seus cabelos a atirou para trás. “Quando você vai casar mesmo?” Serena perguntou a Faith. “Oh, não, não,” Faith disse quando estalou os olhos abertos, e fixou o olhar para Serena. “Estávamos conversando da sua pergunta sobre fantasia sexual.” “Sim, nós estávamos,” disse Julie incisivamente. Serena soltou um suspiro exasperado. “Vocês duas são piores do que um cachorro com o osso.”

5


“Sim,” Julie disse com um sorriso. “Não tenho vida, lembra? Tenho de viver através de meus clientes. Agora comece a falar.” Serena mordeu a parte inferior do lábio, em seguida, encolheu os ombros. Que diabos. Quem não arrisca, não petisca. “Tenho algumas belas... fantasias interessantes.” Julie bufou. “Não temos todas.” Serena podia começar a ver o rubor de Faith em seus pés, e arrastando por seu corpo. Ela sorriu. “Aparentemente não a Faith, a julgar por esse rubor.” Faith deu um grito mortificado e escondeu o rosto. “Nós não estamos falando de mim,” disse em uma voz abafada. “Não, mas gostaria que fosse” Julie murmurou. “Aposto que é tão doce, no exterior inocente, mas com uma mente distorcida.” “Serena. Estamos falando de Serena,” Faith salientou. Julie voltou a olhar para Serena. “Então, nos conta querida. O que há de tão interessante sobre suas fantasias sexuais, e por que quer saber se alguém que conhecemos poderia cumpri-las? Tão linda como você é, não teria que andar muito para encontrar um bom número de homens mais do que dispostos a dar as instruções.” Serena deu-lhe um olhar sombrio. “Não lhe disse o que são as minhas fantasias.” “Ooohhh,” Faith exclamou. “Apresse-se, Julie. Isso soa como algo que vai ser bom.” “Minhas mãos mágicas estão a ser utilizadas em suas fantasias dementes?” Julie perguntou, em tom ferido exagerado. “Como se você não estivesse tão ansiosa para ouvir como elas são.” Serena despejou. Julie sorriu. “Verdade. Ok, Faith, tudo feito. Melhor se vestir. Você não tem ideia do que as fantasias de Serena envolvem, e tenho que pensar se Gray se oporia a uma trindade lésbica.”

6


Faith ficou completamente vermelha, e parecia que suas entranhas foram espremidas até ao ponto de ruptura. Serena revirou os olhos. “Você é muito inocente, Faith.” “Você pensa que sou toda doce e inocente,” resmungou Faith enquanto vestia o roupão. “O que foi isso?” Julie perguntou, lançando sobre a declaração da Faith. “Serena. Nós estamos conversando sobre Serena. Lembra?” O telefone tocou, e Julie levantou um dedo para que elas esperassem quando levantou para atender. Serena ficou balançando seus pés ao lado da mesa. Nas últimas semanas as mulheres tinham se encontrado nas massagens, e após no almoço, para discutirem muitos tópicos estranhos, mas nunca tinham sugerido um, como aquele que incluía os profundos detalhes pessoais de Serena, fantasias escuras, e honestamente não estava certa se queria discutir. Até com suas duas amigas mais íntimas. Mas se não elas, então quem? Exatamente. Ela suspirou. Talvez devesse somente esquecê-las e continuar cumprindo as fantasias piegas de outras pessoas. Julie retornou com um olhar de desculpas escurecendo suas feições bonitas. “Sinto muito, meninas. Não posso ir almoçar hoje. Esse era um dos meus clientes que necessita de uma reparação de emergência.” “Isso é muito ruim,” disse Faith com uma triste careta. “Reparação? Isso não soa bem,” comentou Serena. Julie sorriu. “A culpa é dela própria. Foi a outro cabeleireiro para fazer seu cabelo, e agora está toda arrependida e rastejando de volta para mim.” “Assim como você gosta delas,” Faith disse quando pulou da mesa. “Vocês duas vão sem mim. Mas,” disse ela, prendendo as duas com um olhar, “Vou esperar um relatório completo mais tarde. Sem nenhuma omissão. Não me faça te machucar.” Serena revirou os olhos e pulou da mesa para ir se vestir. “Confie em mim. Não é tão suculento, Julie. Como se qualquer coisa na minha vida chata de burro seria.” 7


Julie estudou-a com um olhar especulativo. “Oh, eu não sei, Serena. São sempre aqueles chatos que acabam por ter os segredos mais chocantes.” Novamente, um rubor rosado manchou o rosto de Faith, então Serena e Julie se desataram a rir. “Obviamente nós não temos pressionando Faith o suficiente,” Serena disse secamente. “Faça-lhe dizer na hora do almoço,” Julie sugeriu. “Então pode me ligar mais tarde com a sujeira.” “Oh, ela não fará isso,” disse Faith inocentemente. “Porque então terei que te dar a sujeira dela.” “Será melhor que alguém me conte os podres de ambas,” Julie advertiu. “Ou vou suspender todos os serviços até que saiba tudo. E você, minha querida, é esperada para uma cera em breve.” “Merda,” Faith resmungou. Serena jogou seus braços sobre Faith e começou a arrastá-la em direção ao vestiário. “Podemos sempre encontrar um novo salão, você sabe.” Julie bufou. “Claro, se você quiser parecer como um espantalho.” “Ela é tão arrogante, não é?” Serena disse em um sussurro alto quando saíram da sala. O riso de Julie as seguiu para o espaço dos vestiários. Serena caminhou em direção ao seu cubículo para se vestir, e poucos minutos depois ela encontrou Faith fora, na frente de onde Julie já estava consolando sua cliente entristecida. Quando Serena e Faith se dirigiam para a porta, Julie elevou o seu olhar e revirou os olhos para o céu. Serena soprou-lhe um beijo. “O de sempre?” Serena perguntou quando ela e Faith saíram para o estacionamento. Faith sacudiu a cabeça. “Se vamos ter uma conversa de nível baixo e sujo, não quero ir para o Cattleman's.” Serena levantou a sobrancelha. “Por que não?” “Porque qualquer um dos caras poderia estar lá,” disse Faith. 8


“Bom ponto,” Serena murmurou. Os homens que trabalhavam com Faith, eram espécimes de homens magníficos, todos eles, regularmente visitando o Cattleman's, um pub local e churrascaria. A última coisa que Serena queria era um público. Embora se um deles quisesse se aventurar sendo o voluntário para homem de suas fantasias, não iria reclamar. “Onde, então?” Ela perguntou quando pararam em seus carros. “Que tal meu apartamento?” Faith sugeriu. “Não está longe, e posso aquecer as sobras.” Serena suspirou. “E há muita privacidade para a conversa suculenta que você vai me fazer ter.” Faith sorriu ironicamente. “Exatamente.” Serena seguiu Faith em seu apartamento. Ela só entrou no apartamento de Faith uma vez antes, logo após o noivado de Faith com Gray Montgomery, onde tinha movido a maioria de suas coisas dentro. “Desculpe a bagunça,” Faith disse quando pisou em torno de uma caixa no chão. “Mudança?” Serena perguntou. O sorriso de Faith iluminou o rosto inteiro. “Gray e eu estamos comprando uma casa. Esperamos nos mudar tão logo nos casemos.” “Julie ainda está mortalmente ofendida que você não está tendo um casamento enorme na igreja, assim ela poderia fazer você brilhar como um milhão de dólares para a ocasião” disse Serena quando sentou em um banquinho no bar na cozinha. Faith fez uma careta. “Nem Gray nem eu somos loucos por uma grande confusão. Não depois de tudo que aconteceu.” Seu sorriso vacilou quando a dor cruzou sua testa. “Pop queria um casamento grande demais para que pudesse me dar de presente, mas, sinceramente, Gray e eu somente queremos estar juntos. Quanto mais cedo, melhor.” Serena sorriu. “Eu acho isso ótimo, Faith. Você merece ser feliz depois de tudo o que passou.” “Suficiente de mim.” Faith disse brilhantemente, quando começou a tirar recipientes fora da geladeira. “Nós estamos aqui para falar sobre você e essas fantasias pervertidas que tem.” Serena gemeu. 9


“Quem diz que elas são pervertidas?” Faith riu. “As melhores sempre são. Então, o que supõe Serena?” A expressão de Faith se tornou mais sombria quando olhou para a amiga. “Você não tem sido a mesma ultimamente. Parece desligada, como se estivesse descontente com alguma coisa.” Serena arremessou os cotovelos no balcão e colocou o queixo na palma da mão. “Tenho pensado muito.” “Sobre?” “O fato de dispensar tanto tempo e esforço em realizar as fantasias para a vida de outras pessoas, mas ignoro a minha. Então percebi que não tinha o menor indício de como torná-las realidade, de qualquer maneira. As fantasias de outras pessoas são assim... normais em relação as minhas. Minha mãe sofreria de insuficiência cardíaca se soubesse que a menina que ela criou para ser uma auto suficiente, depende-de-nenhum-homem-para-sua-segurança, empresária bem sucedida secretamente fantasia em ser escrava sexual de um homem.” Faith sufocou, então tossiu delicadamente para mascarar sua reação. “Escrava sexual,” ela gritou. “Sim, sabia que você me daria um chute, para eu cair na real,” disse Serena malhumorada. “Uh, não. Quero dizer, apenas que é a última coisa que esperaria que você falasse.” “Vá em frente e diga. Estou louca.” Faith colocou o prato de lasanha na frente de Serena, então sentou no banquinho ao longo do bar. “Você não é louca, Serena,” disse ela calmamente. “Mas escrava sexual? Você está falando de uma noite de sexo quente onde joga como escrava para o mestre, ou isso é algo totalmente diferente?” Serena sentiu o calor invadir seu rosto. Maldição. Ao contrário de Faith, ela não ficava corada. “Bem, de preferência, seria mais do que uma noite, mas não permanente ou qualquer coisa. Quer dizer, acho que gosto. A ideia me excita, mas poderia odiar também.”

10


Faith ficou em silêncio por um longo momento, e Serena se mexeu desconfortavelmente enquanto remexia em sua comida. “Você está se perguntando, aonde na terra eu surgi com isso, não é?” Serena murmurou. “Deixe de ser defensiva, e não se desculpe por seus desejos,” Faith repreendeu. “Deus, as mulheres não fazem isso o suficiente? Somente estou tentando descobrir quão séria você é sobre isso. Quero dizer, se você só quer jogar e experimentar uma fantasia, você sempre pode contratar um... O que chamam de um prostituto, afinal?” Faith perguntou com uma risadinha. Serena fechou os olhos. “Não vou contratar um maldito gigolô. Quero alguém até certo ponto normal. De preferência alguém que já não tenha feito isso com a metade das mulheres de Houston. E gostaria, mais de uma noite. Não sei, talvez um mês. Não poderia descobrir qualquer coisa sobre a realidade, com apenas uma noite.” Faith lhe deu um olhar pensativo. “Conheço alguém que pode ser capaz de ajudá-la.” A boca de Serena escancarou. “Você?” Faith mostrou a língua e fez uma careta. “Não sou tão inocente quanto você e Julie gostam de pensar.” Serena riu. “Oh amiga, eu sei. É sempre a doçura, tímida, que são as reais aves sujas.” “Aves sujas?” Faith estalou. “Preciso lembrar a você, quem está planejando se tornar uma escrava de sexo?” Serena sorriu. “Tem uma natureza tão vingativa, não é?” Ela colocou uma garfada de lasanha em sua boca e fechou os olhos. “Você é uma cozinheira de mão cheia, sabia? Eu não posso nem ferver água. Aposto que Gray acha que está no céu.” “Ele não está casando comigo pela minha arte culinária,” Faith disse secamente. “Admita isso. Você é uma ave totalmente suja,” Serena persuadiu. Faith exibiu um sorriso arrependido. “Posso lhe dar o número do telefone de Damon Roche.” 11


“Damon Roche? Ele é o cara que você acha que pode me transformar em uma escrava do sexo?” “Não ele, pessoalmente,” Faith corrigiu. “Mas ele é dono de um... inferno, eu ainda não sei como chamar isso. Suspeito que Damon não aprecie chamando-o de clube de sexo.” “Clube de sexo?” Serena ergueu uma sobrancelha e olhou para Faith surpreendida. “Que diabos você estava fazendo rondando em um clube de sexo?” “Foi só uma vez,” Faith murmurou. “É claro que está ocultando fatos de mim.” “Não iria exatamente surgir numa conversa,” Faith disse com uma risada. “Enfim, de volta com Damon. Se você o chamar e lhe disser o que quer, aposto que ele poderia ajudar. Parece existir algo para todo mundo em seu... estabelecimento.” “É seguro?” Serena perguntou em dúvida. “Extremamente. Damon tem uma firme segurança, e protege seus membros muito bem.” “Será que Gray sabe sobre esse cara Damon?” Serena perguntou, mais para fazer Faith corar do que qualquer curiosidade real. Em vez de corar, Faith abriu um largo sorriso. “Gray sabe tudo sobre Damon. Damon estará nos levando para nossa lua de mel em seu jato particular.” “O negócio do clube de sexo deve ser lucrativo,” Serena murmurou. “Ah, a casa é uma diversão à parte. Damon é um homem de negócios.” Faith franziu o cenho. “Sabe, acho que ele nunca me disse exatamente o que faz.” “Ah, ótimo. Ele provavelmente é um traficante de drogas.” “Não é um traficante de drogas,” Faith disse exasperada. “Chame-o. Diga a ele o que você quer. Ele é muito fácil de falar.” “Você não vai tentar me convencer da minha insanidade?” Serena perguntou. “Você é minha amiga. Você deveria ser mau e me dar palestras para que depois possamos ir à Oprah, e falar sobre as irmãs de alma que nós somos.”

12


“Ou poderia ir ao America's Most Wanted1 depois de matá-la e despejar o seu corpo no abismo,” Faith murmurou. Serena empurrou mais lasanha em sua boca, e bebeu vários goles de chá. “Tudo bem, vou chamá-lo. Desde que não vá para casa como uma galinha. Você devia me falar para sair fora dessa, não fornecer o nome de alguém que pode me ajudar no caminho da libertinagem.” “Os libertinos se divertem mais,” disse Faith com um brilho maligno nos olhos. “Assim diz a voz da experiência.” Faith aproximou-se de uma das gavetas e tirou um bloco de notas e caneta. Quando retornou, rabiscou em uma folha de papel e depois a rasgou. Deslizou-a através do bar em direção a Serena. “Vá para casa e o chame.”

1

Mais procurados da America - Programa de TV da Fox. Apresenta os perfis e auxilia as autoridades de polícia e FBI a capturar os bandidos mais procurados por qualquer crime.

13


Capítulo Dois

Serena entrou em seu escritório e parou junto à janela para olhar sobre o horizonte de Houston. Estava vestida elegantemente. Terno de negócios, sapatos de saltos moderados. Ela sabia que parecia bem. Eficiente. Com um suspiro, virou para sua mesa. E para o telefone. O pedaço de papel com o número de Damon Roche estava amassado em sua mão. Desdobrou e alisou as pontas, quando sentou na cadeira de executivo. Não, ela não podia chamar de casa no dia anterior. Precisava fazê-lo aqui, onde poderia fingir que era apenas um negócio. Aqui em seu ambiente confortável, não ficaria nervosa. Não tinha que ser sobre ela. Poderia jogar com calma e fingir que estava agindo em nome de um cliente. Ela pegou o telefone e olhou para o número novamente antes de teclar. Por vários momentos tensos, ouviu o sinal. Sobre o tempo que decidiu que ninguém ia responder, uma voz distraída murmurou um conciso, Oi. Ela engoliu rapidamente. “Estou falando com o Senhor Roche?” Houve uma pausa distinta. “Quem é você, e como diabos conseguiu meu número privado?” Merda. Maldição por Faith não lhe dizer que era a sua linha privada e, aparentemente, ele mesmo atendia. Ela conseguiu irritá-lo antes que chegasse para a parte mais difícil. “Faith Malone me deu o seu número,” disse ela tão calmamente quanto o coração batendo forte permitia. “Faith? Ela está bem?” Perguntou ele. Apressou-se para assegurar. “Está bem. Ela me deu seu número acerca de um... assunto de negócios. Sinto muito ter incomodado. Não tinha percebido que este era um número privado.”

14


Antes que ele pudesse responder, ela gentilmente desligou o receptor e se afastou da mesa. Má ideia. Definitivamente uma má ideia. Seu pulso acelerou e se esforçou para manter os seus nervos sob controle. Certamente hoje não estava como uma empresária assertiva. Com um tremor triste de sua cabeça, ela voltou sua atenção à lista de tarefas para o dia. A porta do escritório abriu e ela olhou para cima para ver sua assistente pessoal, Carrie Johnson, entrar, com um sorriso quente em seu rosto. “Serena, recebi um telefonema do Sr. Gallows. Ele estava muito satisfeito com o serviço que você fez no seu trabalho.” Serena se sentou na cadeira e sorriu para Carrie. “Oh, graças a Deus. Essa realização foi difícil.” Teve um trabalho para manter a cara séria. “Não ajuda que sua fantasia envolvia ser Chef de cozinha no Riganti's.” “Não me lembre,” disse Serena com um gemido. “Poderia ter perdido minha condição de favorecida com Carlos para sempre. Ele está, provavelmente, me proibindo de entrar no restaurante.” “Eu tenho conhecimento de fonte segura para dizer que o pessoal do Riganti's te ama, e que a passagem curta do Sr. Gallows lá, foi realmente muito boa. O Sr. Gallows insinuou que estaria se matriculando na escola de culinária em Paris, como resultado de sua experiência.” Serena suspirou. “Ah, isso é lindo. É tão bom quando há um resultado feliz. Mais ou menos na metade do tempo, o cliente descobre que alguns sonhos são melhores se forem deixados no reino da fantasia e não trazidos à luz. A realidade é dura, infelizmente.” Carrie levantou a sobrancelha, surpresa. “Isso não soa como você, Serena. Alguma coisa está acontecendo que eu preciso saber?” “Não, não.” Mentirosa. “Eu não posso ser Pollyanna o tempo todo. Há certo risco no que fazemos. Nós temos o poder de tornar o sonho em realidade, mas também temos o poder de esmagá-lo para sempre.” Carrie deu de ombros. 15


“Às vezes, uma dose saudável de realidade é necessária. Você não pode viver na terra da fantasia indefinidamente. Diria que você fez um grande favor a muitas pessoas deixando isso claro.” Serena sacudiu a cabeça. “Isso não é o meu trabalho. As pessoas não me pagam para dar-lhes uma chamada para acordarem para a vida. Pagam-me para realizar uma fantasia. Para dar-lhes algo que ninguém mais pode.” “E você faz isso muito bem.” “Talvez.” Carrie ergueu a cabeça. “Você está com um humor estranho, Serena. Talvez devesse tirar o dia de folga. Volte quando não estiver assim... rabugenta. Ou pelo menos me deixe falar com os clientes de hoje.” Um sorriso quebrou no canto da boca de Serena. “Estou bem, Carrie. Realmente. Prometo não afugentar clientes potenciais com a minha dose de realidade. Além disso, hoje temos de delinear os detalhes para a fantasia de Michelle Tasco.” A expressão de Carrie suavizou, e Serena sorriu de satisfação. Carrie realmente era a assistente perfeita. Tinha um coração de ouro e um compromisso inabalável de fazer as pessoas felizes. “Os pais dela chamaram alguns minutos atrás, para agradecer,” Carrie disse suavemente. “Isso significou o mundo para eles. Acho que foi maravilhoso você fazer os arranjos, sem custos.” Serena se mexeu desconfortável, apertando o rosto sob o exame minucioso de Carrie. “Sim, bem, vai fazer que o imposto reduza bem.” Diversão brilhou nos olhos de Carrie. “Você não pode me enganar, Serena. Você tem um grande coração, mesmo que não admita isso.” “Será que você organizaria a excursão?” Serena perguntou impacientemente. Ainda sorrindo, Carrie estatelou uma pasta na mesa de Serena. “Tudo está terminado. Você só precisa chamar os pais de Michelle com as datas e horários definitivos depois de ter contatado a agência do cruzeiro.” 16


“Ok, vou fazer isso agora,” disse Serena. “Então, pode marcar mais uma fantasia fora de nossa lista.” “E não se esqueça de almoçar,” Carrie falou por cima do ombro enquanto saía do escritório de Serena. “Sim, mãe,” murmurou Serena. Ela olhou para o arquivo que Carrie tinha deixado em sua mesa. Michelle olhava de volta para ela, uma menina abandonada que já tinha visto horror demais em sua jovem vida. Se Serena pudesse fazê-la sorrir, mesmo por pouco tempo, valeria a pena cada centavo. Ela pegou o telefone e discou o seu contato na agência do cruzeiro. Poucos minutos depois, desligou satisfeita de que todos os preparativos foram feitos da viagem-dos-sonhos que Michelle queria. Ela hesitou quando começou a discar o número dos pais de Michelle, em seguida, mudou de ideia e ligou para Carrie. “Você pode chamar o pessoal de Michelle, e fazer com que eles saibam que tudo foi atendido? Estou indo almoçar.” Uma luz brilhou pelo interfone. “Covarde. Sim, eu vou chamá-los. Você não poderá evitá-los sempre, Serena. Eles querem agradecer pessoalmente.” Serena fez uma careta e quebrou a ligação. Este era o motivo de ter uma assistente. Encontro com os pais gratos era para Carrie, muito mais forte do que Serena. Serena podia tomar decisões, administrar o negócio, mas Carrie tinha uma afinidade natural com as pessoas que fizeram dela uma escolha melhor como porta-voz da empresa. Esticou os pés para sentir seus sapatos em torno, ela os agarrou com seu dedo do pé e depois deslizou sobre eles. Depois de pegar sua bolsa, jogou o celular dentro e se dirigiu para a porta. Quando caminhava pelo escritório de Carrie, ouviu a voz alegre de sua assistente, enquanto passava as informações para os pais de Michelle. Um sorriso se insinuou sobre sua boca, apesar de sua tentativa de não se envolver nos detalhes mais pessoais da viagem de Michelle. Ela entrou no ar quente do verão e fechou os olhos quando o sol atingiu seu rosto. Estava abafado e quente, mas ela amava o tempo em Houston. Mesmo a neblina perpétua que pairava sobre a cidade no verão não a incomodava. 17


Quando pegou as chaves do seu carro, seu celular tocou. Com um suspiro, ela se atrapalhou para pegá-lo e olhou para a tela de LCD. Franziu o cenho quando não reconheceu o número. Poderia ser um cliente. “Serena James,” disse ela por meio de saudação quando seguiu para seu carro. “Senhorita James, sou Damon Roche.” A voz profunda arrastou até sua espinha, e bateu direto na base do seu crânio. Ela não esperava uma ligação de volta dele. “Como você conseguiu esse número?” Ela exigiu, então, estremeceu quando percebeu que soava exatamente como ele, quando o chamou primeiro. Sua risada rolou através da linha. “É a minha vez de se intrometer. Seu número não registrou quando você me chamou, então tive de encontrá-la usando outros métodos. Você é uma mulher difícil de encontrar.” “Não muito difícil, aparentemente,” ela murmurou. “Eu liguei para Faith,” ele disse simplesmente. “Peço desculpas por minha grosseria anterior. Era desnecessário, especialmente quando você é amiga de alguém que me preocupo muito. Agora, o que posso fazer por você?” Serena fez uma careta. “Faith não lhe disse?” “Claro que não,” disse ele suavemente. “Ela só me disse que você precisava da minha ajuda. Já almoçou?” Ela piscou para sua mudança abrupta de tópico. “Uh, não, não estava a caminho agora mesmo, de fato.” “Perfeito. Por que não nos encontramos para que possamos discutir o seu... problema.” Inferno. Ela respirou fundo. Já tinha se acovardado de seu grande plano para buscar sua fantasia. Era absurdo pensar que poderia ir simplesmente com ele. Não tinha contado sobre ele chamando-a de volta depois que desligou na cara dele. “Senhorita James?” “Chame-me de Serena, por favor.” “Muito bem, Serena. Você gostaria de almoçar?”

18


“Uh.” Merda. “Como vê, Senhor Roche, o que queria falar com você não é algo que eu gostaria de discutir em um ambiente público.” “Posso garantir que vamos ter o máximo de privacidade. Você está aí no seu escritório?” Perguntou ele. “Sim—” “Vou enviar um motorista para ir buscá-la. Daqui a quinze minutos?” “Mas como diabos você sabe onde é o meu escritório?” Protestou ela. Ele riu baixinho, o som rouco fluiu no ouvido dela. “Investigação. Quinze minutos?” Sua cabeça estava girando, e ainda assim encontrou-se dizendo que tudo bem. “Eu vou esperar no estacionamento.” “Eu me sentiria muito melhor se esperasse dentro, onde é seguro. Meu motorista vai aparecer para buscá-la. Estou ansioso por nosso encontro Serena.” Antes que pudesse responder, ele cortou a ligação, deixando-a em pé ao lado de seu carro, boquiaberta. Ainda assim, encontrou-se entrando novamente no prédio e socando o botão para o elevador. “De volta tão cedo?” Carrie perguntou quando Serena passou pelo seu escritório alguns minutos depois. “Compromisso de última hora,” disse Serena. “Um motorista está chegando para me pegar daqui a pouco.” Carrie ergueu as sobrancelhas em questão. “Soa intrigante.” Serena a ignorou e continuou para seu próprio escritório. Uma vez lá, afundou no sofá em frente à sua mesa e tirou os sapatos. Ela oficialmente perdeu a cabeça. Ela fechou os olhos. Doce Jesus, como poderia ir e ter uma conversa normal com o homem sobre o tema de escravos do sexo? Cliente. Ela fingiria que estava agindo em nome de um cliente. Então, não pareceria tão pessoal, e se esse cara Damon reagisse como se tivesse um par de parafusos soltos em seguida, ela

19


poderia minimizá-la como as esquisitices de sua linha de trabalho. Se ele a pesquisou, provavelmente já suspeitava que estivesse pedindo para vê-lo por um cliente. Sentindo-se um pouco melhor sobre a idiotice pura de seu plano e o terror que invocou, ela se inclinou para trás e tentou relaxar. Vários minutos depois, o interfone soou. “Serena, o motorista de Damon Roche está aqui para pegá-la”, disse Carrie. Serena levantou, e rapidamente endireitou suas roupas. Escorregou em seus sapatos novamente e pegou a bolsa antes de caminhar para fora de seu escritório e no corredor. Um homem grande com uma constituição robusta estava ao lado de Carrie. Quando viu Serena, ele abaixou a cabeça em confirmação. “Se você estiver pronta, Senhorita James, o carro está esperando.” Assentiu com a cabeça em retorno, e seguiu o homem até o elevador. Desceram em silêncio. Ele segurou a porta do prédio aberta para ela, que saiu em seguida, fez um gesto em direção à rua. A elegante Bentley estava estacionada em frente, o metal brilhando sob o sol. “Belo carro,” ela murmurou. O condutor apenas balançou a cabeça e abriu a porta do banco traseiro, em seguida, fez um gesto para ela entrar. Poucos momentos depois, deslizavam para o tráfego. Ela passou as palmas das mãos sobre o couro macio do banco, apreciando a sensação suave de tal luxo. Ainda não estava convencida de que Damon Roche não era um traficante de drogas. “A temperatura está ao seu gosto, Senhorita James?” Ela olhou para o motorista, que estava sobre ela no espelho retrovisor. “Estou bem, obrigado.” Ele voltou seu olhar para a rua, e ela voltou sua atenção à janela para assistir a agitação do tráfego. Finalmente, puxaram para dentro do estacionamento do restaurante, e pararam debaixo do toldo que cobria a entrada. Sua porta se abriu, e um dos homens que trabalhava como manobrista ajudou-a a sair. Antes que ela entrasse, foi recebida pelo maitre, que rapidamente a escoltou para dentro. Agora, este era o lugar que o Senhor Gallows deveria ter escolhido para sua fantasia de chef. Parecia exclusivo e, obviamente, atendia uma clientela muito luxuosa. 20


“Senhor Roche irá recebê-la aqui,” disse o maitre, com uma curva quando abriu a porta para uma sala de jantar privada e opulenta. Ela entrou com as pernas tremendo e viu um homem levantar de seu assento em uma mesa posta para dois. Bom Senhor, o homem era lindo. Tudo nele gritava riqueza, das pontas de seus sapatos italianos para o início de seu cabelo meticulosamente cortado. “Serena,” ele saudou quando veio ao seu encontro a meio caminho. “Estou tão feliz que pôde se juntar a mim.” Ele enfiou a mão debaixo do braço e guiou-a para seu assento. Era tudo o que podia fazer para não bocejar quando ela se estabeleceu na cadeira confortável. Primeira regra de negócio: Nunca deixe o adversário perceber sua vantagem. Ela endireitou-se e sacudiu a admiração que ele inspirava. Ok, talvez não fosse tremor quanto um enorme raio de desejo puro. Foco, Serena. Pelo amor de Deus. Retornando a sua pose, ela relaxou graciosamente na cadeira quando o garçom derramou vinho em sua taça. “Esperava que se juntasse a mim para uma taça de vinho desde que não está dirigindo. Espero que não tenha sido muito presunçoso na escolha do rótulo, ou pelo garçom não ter despejado para você um pouco para apreciar.” “Está tudo bem”, disse ela facilmente. “Eu amo vinho.” “Excelente.” Ele fez um gesto, uma vez antes de tomar assento em frente a ela, e o garçom entregou dois menus. “Espero que esteja com fome,” comentou Damon. “A comida aqui é soberba.” “Estou, na verdade,” ela admitiu. Seus nervos tinham impedido de comer muito no dia anterior. “Isso tudo foi completamente desnecessário, Senhor Roche,” ela disse quando gesticulou com a mão ao redor da sala. “Tenho a impressão que você estava muito ocupado, e meu pedido é... sem importância.”

21


“Por favor, me chame de Damon,” disse ele com um sorriso. “E não foi problema algum. Quanto ao assunto que deseja discutir comigo, talvez devêssemos falar sobre isso antes de descartá-lo tão facilmente.” Ela tomou um gole de vinho, estudando o menu. Esperava que ele tivesse visto o seu telefonema como uma irritação, e fosse abraçar sua ânsia para abandoná-la completamente, mas ele era muito insistente, que ela explicasse porque tinha chamado. Era tudo o que podia fazer para não deixar de soltar um grande suspiro. “Talvez devêssemos pedir primeiro,” Damon sugeriu. “Já decidi se você estiver pronto,” disse ela enquanto deixava de lado seu menu. Novamente Damon fez um gesto, e o garçom apareceu. Serena informou seu pedido e assistiu Damon sorrir com aprovação. Um formigamento vertiginoso subiu por sua espinha dorsal. Então fez uma careta. Por que diabos importava se ele aprovava sua escolha? “Eu vou querer o mesmo,” disse Damon quando entregou o seu menu de volta para o garçom. O garçom pegou o dela também, então se afastou da mesa. Assim que desapareceu, Damon voltou seu olhar sobre ela. Seus olhos castanhos quentes foram avaliando como se eles brilhassem com interesse. Ele foi analisando cada pedacinho dela. “Então o que você quer discutir comigo, Serena?” Ela tomou outro gole de vinho antes de pousar a taça para baixo. “Foi a sua pesquisa muito detalhada,” ela perguntou. “Quanto descobriu sobre mim, antes de chamar?” Seus lábios se curvaram num meio sorriso. “Você está no negócio de realizar fantasias. Muito admirável. Seus clientes falam bem de você.” “Como diabos você pode saber o que meus clientes têm a dizer?” Ela perguntou abruptamente. “A internet é uma ferramenta maravilhosa. Incrível o que irá encontrar em uma pesquisa no Google.” “Eu não sei,” ela murmurou. “Não tenho o hábito de procurar por mim, usando o Google.” 22


“Então o que posso fazer por você?” Ele solicitou. “Talvez uma doação para os clientes que renunciam por acusações?” Suas bochechas apertaram de mortificação. “Não! Não peço doações. Isto não é sobre dinheiro. Eu não iria—” Damon levantou a mão para interrompê-la. “Sinto muito. Não tive vontade de lhe ofender. Vamos começar de novo. Por que você não me diz o que queria discutir?” Serena endireitou os ombros e reforçou sua coragem. “Tenho um cliente cuja fantasia é um pouco diferente dos meus pedidos de costume.” Ele permaneceu em silêncio enquanto esperava ela continuar. “A maioria dos meus clientes querem uma experiência, algo que sonharam, mas sentem que nunca vão realizar por conta própria. Acho que talvez, neste caso, é mais uma falta de conhecimento, em vez de uma incapacidade de alcançar a satisfação.” Damon assentiu. “Faz sentido.” Ela respirou fundo. “A fantasia dela é ser possuída por um homem.” Ele não reagiu exteriormente. Apenas ficou lá, olhando para ela, à espera de mais. “Tenho dúvidas quanto ao nome preciso para isso, mas talvez o termo escrava sexual seja mais certo,” acrescentou em um tom baixo, após uma rápida olhada ao redor para se certificar que não foram ouvidos. “Isso me apresenta um problema bastante singular,” continuou ela. “Obviamente, isso não é algo que eu possa instalar para ela ou pagar. Não estou procurando um atoleiro legal, nem passar tempo na prisão por utilizar a prostituição. Faith me contou sobre o seu... A Casa, e sugeriu que poderia ser capaz de ajudar a encontrar alguém adequado para esta mulher... fantasia.” Damon esfregou o queixo, pensativo. “Eu vejo.” Se tivesse esperado que ele ficasse chocado ou mesmo divertido, não estava preparada para ele levá-la tão a sério.

23


“Diga-me mais,” ele disse quando inclinou para frente em sua cadeira. “Você diz qual é a fantasia. Presumo que esta situação não é permanente, no que ela está buscando.” “Hum, não. Talvez um período de um mês. Quer que seja longo o suficiente para experimentá-lo plenamente e todas as nuances, mas é simplesmente uma fantasia.” “E Faith pensa que eu seria útil”, disse ele com um sorriso divertido. “Não é você pessoalmente,” disse apressadamente. “Ela mencionou A Casa e pensei que você conheceria alguém apropriado que não se importaria num acordo temporário.” “E o que este homem receberia em troca de seu... serviço?” “Bem, essa é a parte difícil,” disse Serena. Eles foram interrompidos quando o garçom voltou com a comida. Serena parou e esperou até que ele tinha colocado os pratos, e saiu antes dela recomeçar. Ela pegou o guardanapo e colocou no colo quando olhou para Damon. “Não posso pagar-lhe por sexo, obviamente. Elaborarei um contrato esboçando os aspectos não-sexuais do acordo. Nada além do que seria puramente deixado para as partes envolvidas.” “Mas o sexo seria esperado,” disse Damon. “Bem, sim, não oficialmente, é claro”, disse ela apressadamente. Ela provou o peixe grelhado e suspirou seu contentamento, a explosão de sabor em sua boca. “Você está certo. A comida é excelente.” “Estou feliz que você aprovou.” Comeram em silêncio por alguns instantes antes de ela olhar de volta para ele para encontrá-lo olhando-a. “Então o que você acha?” Ela perguntou hesitante. “Não é um pedido razoável,” ele disse simplesmente. “Provavelmente poderia encontrar um número de candidatos para sua revisão. Verifico extensivamente os antecedentes de todos os membros da Casa, mas eu irei, naturalmente, examinar uma pequena lista dos homens antes de fornecer-lhe uma lista. Com a permissão deles, obviamente.” Ela assentiu com a cabeça. “Eu quero fazer a minha própria pesquisa além das informações que você fornecer.” 24


“Claro que sim. Gostaria também de pedir que você me fornecesse o nome do seu cliente para que eu possa fazer uma verificação de segurança adequada nela também.” Seus olhos se arregalaram de surpresa. “Se eu estou para permitir o seu acesso aos meus equipamentos e pedir que um dos membros participe nesta elaborada fantasia, tenho que ter certeza de que ela é adequada. Entendo se ela estiver desconfortável em revelar sua identidade, mas exigiria isso já que estou a oferecer meus serviços.” Isto não estava indo do jeito que tinha imaginado. Não, não era como se ela seria capaz de manter isso em segredo para sempre, mas certamente não era uma necessidade de revelar sua identidade, se nenhum candidato apropriado fosse encontrado. Anime-se e pare de ser uma covarde. É evidente que ela precisava de um novo discurso motivacional, porque sua inspiração se foi, aquilo não foi terrivelmente eficaz. “Eu vou... falar com minha cliente, e envio um e-mail a você com a informação nesta tarde,” ela restringiu. “Um esboço do que exatamente ela quer seria útil também. Preciso que ela seja o mais específica possível para que a decepção não seja encontrada em um dos lados.” Serena assentiu. “Eu concordo.” Ela olhou para cima e trocou olhares com Damon. Era realmente bonito. Parecia arrogante, mas não tão ofensivamente. Seguro. Confiante. Confortável em sua pele. Poder sutil o rodeava como uma aura, ela rapidamente se deixou cair na fantasia de como seria pertencer a ele. Propriedade. Apenas uma palavra para um arrepio subir pela espinha. Sua virilha apertou, e seu clitóris vibrou pulsando até que ela teve que mexer-se em seu assento para aliviar a pressão. Seus dedos distraidamente bateram em sua taça de vinho, e o observou fascinada quando deslizou suavemente sobre a superfície. Tinha mãos bonitas. Dedos longos e magros. Como eles se sentiriam em sua pele? “Será que a comida não está ao seu gosto?” Ela piscou e sacudiu a cabeça antes de olhar para a entrada meio-comida. 25


“Não,” disse ela apressadamente. “É excelente. Desculpe, estava só perdida em meus pensamentos.” Eles comeram o resto de sua refeição em relativo silêncio, só quebrando-o ocasionalmente para um bate-papo inativo. Quando ela tinha acabado com a última mordida, checou o relógio e fez uma careta. “O almoço estava adorável, mas realmente tenho que ir.” Damon se levantou e apontou para um dos garçons. “Vou pedir para o carro vir. Posso levá-la para fora?” Ela levantou quando ele ofereceu o braço, e ela sorriu por seu galanteio. “Sua mãe deve estar orgulhosa,” disse ela, enquanto caminhavam em direção à porta. “Bem, ela está, mas por que você diz isso?” Ele perguntou em tom divertido. “Você tem maneiras impecáveis.” Ele riu. “Minha mãe não teria nenhum escrúpulo sobre me controlar e me bater se eu esquecesse minhas maneiras, especialmente ao redor de uma senhora. Ela é uma sulista das dos pés a cabeça.” Quando chegaram à entrada, o maitre abriu a porta, e Serena viu o Bentley estacionado a poucos metros de distância. Damon caminhou com ela até a porta e a abriu antes de ajudá-la a entrar no banco traseiro. Ele inclinou sua mão segurando a parte superior da porta. “Foi um prazer, Serena. Estou ansioso por ouvir de você.” Ela sorriu e retirou-se, e ofereceu um pequeno aceno quando o carro começou a se movimentar. Ele ficou olhando para ela por um longo momento antes de dobrar as mãos nos bolsos, e voltar para o restaurante. Nervosa, pequenas bolhas estouraram em sua barriga, e ela murchou contra o banco como um balão furado. Não foi tão ruim. Não foi tão ruim. Ela sobreviveu, e tornou-se surpreendentemente fácil de falar com ele. Enquanto dirigia de volta para seu escritório, um pensamento lhe ocorreu. Damon dono da Casa, um estabelecimento que se adaptava às fantasias sexuais, implorava uma pergunta: Qual era a dele?

26


Capítulo Três Em vez de retornar ao seu escritório no centro, Damon dirigia para o norte de Houston, onde a propriedade privada que ele transformou em A Casa estava situada. Ele tinha dado a Serena o seu endereço de e-mail, e encontrou-se curioso para saber os detalhes do pedido de seu cliente. Serena James era intrigante. Belíssima. Elegante e de pernas longas, com olhos grandes e exóticos, e cabelos negros como a seda que caía em seus ombros. Seus dedos coçaram positivamente para tocá-lo, acariciá-lo e envolvê-lo em torno de seus dedos. Quais eram os seus segredos? Seus olhos muito protegidos com uma aura misteriosa que seduzia um homem, chamou-o a se aproximar, para descobrir o que havia debaixo do exterior frio. Fantasy Incorporated. Interessante negócio. Ele não era um grande fã de papéis de brincadeiras e fingir, mas era uma parte importante dos acontecimentos sobre A Casa. As pessoas gostavam de escapar de sua realidade. Escorregar e dar passos fora de si, um pouco. Ele entendia e incentivava, mas depois de um tempo, a fachada o cansou. Havia muito poucos homens que podiam pensar que seria mais do que feliz em guiar uma mulher através de uma elaborada fantasia sexual e estar disposto a ir embora quando tudo foi dito e feito. Temporário. Uma palavra importante e que realizou uma grande riqueza de significado no mundo das fantasias sexuais. Damon não queria ser temporário, no entanto. Há muito tempo tinha ficado para trás, observou e esperou, pensando que se fosse paciente, a mulher certa viria, e as coisas que ele queria viriam junto. Ele tinha paciência, e aprendeu em uma idade jovem, mas agora, encontrou-se esgotando rapidamente. Encontrar uma mulher não era o problema. Havia muitas mulheres bonitas — mulheres inteligentes — que tinham andado em sua vida. Ele tinha gostado da sua companhia, dado o

27


prazer e tomado de volta, mas no final, elas não estavam dispostas a dar-lhe uma coisa que ele mais queria: a si mesma. Total e completamente. Em sua guarda e cuidados. Ele poderia ter resolvido isso há muito tempo atrás, mas era a única coisa que prometeu a si mesmo — que nunca se contentaria com nada menos do que realmente queria. O portão de segurança abriu quando ele inseriu o seu cartão, e dirigiu até a entrada da Casa. Estacionou e saiu, piscando os olhos quando o brilho do sol caiu sobre seu rosto. Apertando os olhos, se dirigiu para a porta. Entrou no interior fresco, escuro, curtindo o frio do ar condicionado, uma vez que tocou sua pele. A Casa estava vazia. Nenhum dos funcionários chegaria até mais tarde do dia. Gostava do silêncio e da solidão que vinha, no início dado a ele. Seu escritório era confortável e acolhedor, e cercado por coisas que lhe dava prazer. Era decorado num estilo velho-mundo com vários modelos de veleiros que pontilhavam as superfícies das mesas antigas. Um globo antigo repousava sobre sua mesa, e decorando suas paredes, estavam pinturas de antigos navios, barcos de pesca e mapas de tesouro amarelados. Ele sorriu como fazia toda vez que entrava em seu escritório, porque este era o lugar onde se sentia em casa. Em sua mesa estavam várias folhas de e-mail, mas ainda por cima estava um envelope amarelo pálido que parecia tão delicado e feminino como o remetente. Sentou-se e pegou o envelope, seu sorriso tornando-se mais amplo. Sua mãe. Quem recusava a dar passos largos para o século XXI e utilizar métodos mais modernos de comunicação como e-mail ou uma mensagem de texto, Deus me livre. Não, ela agarrou-se obstinadamente ao seu correio e disse que não havia nenhum substituto para a recepção de uma carta manuscrita pelo correio. E talvez ela estivesse certa, porque esperava ansiosamente suas cartas. Estavam sempre cheias de carinho e amor, e sua voz ondulava fora das páginas como se estivesse sentada na frente dele, dando-lhe uma palestra maternal. Teria que chamá-la mais tarde. Poderiam se sentar e conversar ao telefone enquanto desfrutavam de uma taça de vinho. A imagem dela sentada no deck de madeira que dava para a nascente do rio coberto por ciprestes, em casa na Louisiana, onde cresceu o encheu de nostalgia.

28


Ele não tinha retornado para casa, desde que seu pai faleceu, dois anos atrás, e tinha sido bem breve. Tinha sido muito difícil encarar a casa de infância sem seu pai, a maior presença de sua vida. Era hora de voltar. Normalmente, ele abraçava o silêncio da tarde e das primeiras horas da noite, mas hoje, achou sufocante e inquietante. Pegou o controle remoto sobre a mesa e apertou um dos botões. A melodia suave da música clássica encheu seu escritório, inchando e reverberando pelas paredes com um leve eco. Ele relaxou na cadeira e se inclinou para trás, deslizando as mãos atrás do pescoço, para a base da cabeça. Ele fechou os olhos e permitiu que a música o acalmasse. Porque de repente se sentiu inquieto e agitado, e não podia dizer por que. Mas não alterou o fato que se sentia cauteloso como um leão em cativeiro. Depois de um momento, inclinou para olhar sobre a carta mais uma vez antes de dobrá-la cuidadosamente. Abriu sua escrivaninha e colocou no topo dos outros envelopes em tons pastéis de sua mãe. Endireitou na cadeira, mexendo no mouse para fazer o protetor de tela no desktop de seu monitor ir embora e, em seguida, clicar para abrir seu e-mail. Ele passou vários minutos trabalhando nas mensagens em sua caixa de entrada. A maioria eram pequenos problemas, facilmente resolvidos. Os poucos que exigiam maior atenção, ele transmitiu ao seu assistente pessoal. Uma nova mensagem apareceu ao fundo, e viu o nome de Serena no campo do remetente. Intrigado, clicou para abri-lo.

“Damon, Abaixo está uma carta detalhada descrevendo os requisitos da fantasia. Sinta-se livre para transmitir esta mensagem a sua escolha em perspectiva. Serena James.”

Damon rolou mais abaixo para ver a carta incorporada no próprio e-mail. 29


Para ser honesta, sinto-me envergonhada por estar revelando meus segredos mais profundos a um desconhecido, ainda mais sem graça, pois estou confiando em você para realizar uma fantasia que não sou capaz de admitir para mim mesma, muito menos a alguém. Como posso explicar o impulso que supera em mim quando imagino ser possuída por um homem? Possuída. Amada e cuidada. Não tenho nada faltando em minha vida para sugerir um desejo tão radical pela escravidão sexual. Não há razões psicológicas profundas que alimentam o apetite para a submissão. Algumas coisas simplesmente são, e para mim, esta é um delas. Penso muitas vezes nas minhas fantasias. Geralmente à noite no silêncio do escuro, elas vêm a mim, sedutoras e atraentes. Imagino a cena bem, como tudo começa. Estou em uma sala cheia de homens famintos. O apetite por prazeres carnais fica pesado, como um nevoeiro. Estou nua apesar das cordas que amarram as mãos atrás das costas. E eu espero. Por você. Estou para ser comprada esta noite, mas por quem? Muitos homens estão dispostos a pagar um preço elevado para o prazer de possuir-me. Isso me emociona e assusta ao mesmo tempo. Espero, com as pernas tremendo, meus olhos cabisbaixos, pois ouço os murmúrios animados em torno de mim. Então você entra. Não vejo você, mas sinto o momento em que entra na sala. Existe uma sutil mudança no poder, e os outros sentem também. Posso senti-los prendendo a respiração enquanto olham para você. Então ergo meu olhar. Você está me olhando do outro lado da sala. A primeira vista é um choque para o meu sistema, pois vejo a promessa em seus olhos. Você me quer e você me terá. Não há arrogância em sua maneira de caminhar com o propósito de vir a mim. Você para a poucos metros de distância, e fala com o meu guardião. Eu me esforço para ouvir. Estou ansiosa para ouvir o que está dizendo, mas você mantém a sua voz muito baixa. Então você se move em direção a mim mais uma vez, e tremo à medida que cada passo me aproxima até você, parando a poucos centímetros do meu corpo nu. Você chega emaranhando sua mão em meus cabelos, inclinando minha cabeça para cima, até meu pescoço estar exposto e vulnerável a você. Há satisfação em seus olhos, como se me achasse agradável, um fato que me traz grande satisfação. Encontro-me querendoo, mais do que qualquer coisa que tenha desejado antes. 30


Você se inclina ainda mais, até os seus lábios pairarem sobre os meus e, em seguida sussurra: “Você será minha.” Como você me deixa ir e se afasta, engulo de volta a onda de excitação. Mas mais do que vontade, é necessidade que me preenche. A necessidade de pertencer a você. Quero isso com cada respiração minha. Uns puxões em meus pulsos amarrados, e eu silenciosamente protesto quando sou levada longe de você. Mas seu olhar me segue, e promessas queimam brilhantemente em seus olhos. Você vai me dominar. Tropeço em direção à frente do quarto, quando alguém à distância anuncia que o leilão começará. Estou de costas para todos, até que sou obrigado a virar, e faço isso, timidamente. Examino os homens juntos com seus olhares lascivos, mas é você que procuro, e você que eu quero. Minha respiração fica presa na minha garganta e minúsculas bolhas de fogo de pânico no meu estômago. Eu não vejo você em qualquer lugar. Um homem dá o lance e depois outro, e ainda não o ouvi. Por alguns minutos tensos, as chamadas são ouvidas e o preço é aumentado. Depois de uma pausa. O silêncio cai. Ouço o meu guardião, como se não houvesse outro lance, e se prepara para fechar o leilão. Meus olhos se fecham quando a decepção aperta meu peito. Então eu o ouço. Sua voz firme carregada acima dos murmúrios das pessoas reunidas. Você fala uma soma impossível, muito maior do que os lances anteriores, e é claro que você não tem intenção de abandonar o seu prêmio. A alegria explode em minha alma, pois agora percebo que pertenço a você. Minha pele se torna viva, coça, e eu mal consigo conter minha emoção. Sou repreendida pelo meu guardião, mas é a você que vou responder e nenhum outro. Há uma agitação sobre a oferta do lance, mas ninguém faz uma acima dele. Meu guardião sorri, pois teve um belo preço por mim esta noite. Ele chama o fim do leilão, e você começa a avançar. As pessoas se afastam de você enquanto passa em frente delas. Meu guardião empurra-me de joelhos e me lembra de mostrar-lhe o devido respeito. Não preciso me lembrar, e vou normalmente de joelhos enquanto espero o seu comando. “Olhe para mim,” você diz em um tom suave, mas que não tolera nenhuma argumentação. Eu inclino minha cabeça para cima, quando você fica em sobre mim, forte, poderoso. Sua mão acariciando meu rosto, e fecho meus olhos com o carinho de sua palma. Seu toque é mágico. Quente e sensual, e começa um incêndio no fundo da região lombar. 31


Você puxa sua mão e os dedos vão para suas calças. Desabotoa e tem facilmente o zíper para baixo. Por um instante, sua mão desaparece enquanto mergulha para dentro. Você puxa seu pênis para fora do confinamento. E voa livre na frente do meu rosto. É longo e espesso, rígido, a excitação e o seu cheiro almiscarado me rodeiam. Você golpeia uma vez e depois mais uma vez, para cima e para baixo o comprimento e o guia perto de mim. Fez água na minha boca, e abro avidamente meus lábios, minha necessidade de te provar é esmagadora. Uma mão desliza no meu cabelo e puxa firmemente minha cabeça, me segurando no lugar. Picadas de arrepios dançam em minha espinha, e calafrios se espalham sobre minha pele. “Abra para mim,” você comanda. Eu obedeço. Não há um único pensamento de desobediência em minha mente. Quero apenas agradálo e ter prazer com você. Você segura seu pênis com uma mão e desliza profundamente em minha boca, enquanto puxa minha cabeça para você com a outra mão. Seu sabor explode na minha língua. Todo macho. Tão áspero e terreno. Está firme e ainda mole na minha boca. O contraste me fascina e me faz ter mais fome. Eu te sugo mais e passeio com a minha língua sobre seu comprimento, mas você retira e aperta minha mandíbula como um lembrete de que você está no controle, não eu. Relaxo e me entrego à sua autoridade. Permito-lhe definir o ritmo e usar a minha boca como desejar. Empurra mais fundo, afundando para o fundo da minha garganta e faz uma pausa. Engulo em torno de você, e sinto o prazer que lhe dá. Isso me agrada. Meu corpo não é mais meu. Canta uma música fortemente para só você jogar. Meus seios estão inchados, meus mamilos dolorosamente eretos. Quando você passa a puxar um pico duro, quase me leva ao orgasmo batendo ao meu redor. Eu suspiro por respiração e para o controle, porque não trouxe você até a conclusão ainda. Minha boceta arde como se alguém pusesse fogo. Cada nervo é tão firmemente que qualquer estímulo será insuportável, e eu temo. Você me enche de novo e de novo, seu pau correndo de forma tão elegante em toda a minha língua. Então você se torna mais urgente, empurra mais forte. Está perto. Ambas as mãos seguram minha cabeça, emaranhadas no meu cabelo quando me puxa para atender a cada movimento para frente.

32


Seus sussurros aquecem ao cair em meus ouvidos, quente como o mel e tão doce. E então você inunda minha boca com seu gozo. Suas mãos se tornam mais suaves quando tocam meu rosto. A ternura está em seu toque quando murmura o quanto dei prazer a você. Amorosamente limpo cada gota de sua ereção antes de finalmente me afastar. Meu corpo grita pelo seu. Seu prazer é meu. Você se inclina para baixo e me beija suavemente na parte superior da cabeça, e então me ajuda a levantar. Suas mãos vão para baixo do meu corpo e de novo você explora minha suavidade. Toma um mamilo entre os dedos, e o rola experimentalmente. Com apenas um olhar, comanda o meu guardião, e ele coloca as mãos sobre os meus ombros para me firmar enquanto suas mãos vão para mais baixo. Minha respiração sai fortemente enquanto seus dedos mergulham entre as minhas pernas para a umidade da minha entrada. Esfrega meu clitóris, e eu lamento. Minhas pernas tremem e ameaçam entrar em colapso, mas meu guardião me segura para você. “Você gozará para mim,” você me diz. Ah, sim, eu gozarei. Tento respirar, mas é como inalar fogo. O ar queima meus pulmões e pega no meu peito. Com a outra mão, você puxa em meus mamilos, primeiro um e depois o outro. “Não a deixe cair,” você fala ao meu guardião, e ele aperta as mãos no meu ombro. Você desliza os dedos pela minha umidade, e para trás por cima do meu clitóris dolorido e, em seguida, para a minha abertura, onde provoca impiedosamente. “Fantasia sobre ter meu pau enterrado dentro de você?” Você pergunta em um tom de seda. “Sim,” eu suspiro. “Quero mais do que qualquer coisa.” Você sorri e aumenta a pressão dos dedos. “Em breve. Em breve você terá tudo de mim. Por agora quero que você goze com o seu guardião segurando você para mim, pois é a última vez que outro homem vai te tocar. Você é minha agora.” Suas palavras mais do que seu toque enviam meu orgasmo em corrida através de minha virilha. É assustador, esplêndido, em partes iguais quando eu quebro. As mãos do guardião são firmes em volta de mim quando resisto e me contorço. Meus joelhos ameaçam se romper, mas você quer me segurar em pé.

33


Quando as últimas ondas da minha libertação se quebram, você comanda o meu guardião a me libertar. Existe a formalidade de suas ações quando vê a mudança de propriedade. Ainda não fui desatada, mas você toma o meu braço e me leva embora. Fora da sala, você gentilmente desamarra meus braços e então coloca um roupão em volta de mim para proteger minha nudez dos olhos dos outros. Apesar de não dizer nada, sinto sua possessividade quando se trata de mim. Quando partimos, você diz novamente que eu sou sua, e fico feliz em ouvir isso, porque sou sua agora, e feliz por ser assim.

Damon sentou-se, atordoado com a forma como foi afetado pela carta. Raramente tinha visto algo tão honesto e cru. Não existia nenhum embaraço e hesitação, nenhum desconforto evidente. Apenas um princípio verdadeiro e sincero dos desejos mais íntimos de uma mulher. Seu olhar continuou abaixo no e-mail onde a informação pessoal da mulher estava na lista. Sua testa franziu, e ele se inclinou bruscamente em sua cadeira. O nome, endereço e data de nascimento, listados para a cliente, era o de Serena James. Um sorriso dos lábios de Damon os curvou para cima. Assim, tinha sido uma farsa. A cliente era ela, todo o tempo, mas ela tinha esperado para revelar quando não estava à sua frente. Algo poderoso subiu em suas veias. Excitação? Desejo? Ou foi algo totalmente diferente? Antecipação. Lambeu como chamas gananciosas sobre a madeira seca. De repente, não havia dúvida quanto ao que iria encontrar para satisfazer a fantasia de Serena. O inferno congelaria antes de ele entregá-la a outro homem. Se ela queria ser a maldita escrava de alguém, então ela seria sua.

34


Capítulo Quatro Serena saiu do seu SUV e correu em direção ao campo de beisebol, ciente de que ela estava atrasada. Quando virou a arquibancada e visualizou os assentos vazios na maior parte, viu Julie olhar em seu caminho, acenar. Faith virou também, e ofereceu um sorriso em saudação enquanto Serena se dirigia até onde as mulheres estavam longe de um punhado de pessoas sentadas no lado oposto. “Não estava certa que estaria vindo,” disse Faith quando Serena pulou no assento ao lado dela. “E perder o nosso passatempo favorito de cobiçar homens lindos em shorts e camisas suadas?” Serena perguntou em falso horror. “Amém, irmã,” Julie murmurou enquanto olhava por cima do campo. Os homens que trabalhavam com Faith na Malone e Filhos Segurança jogavam em um mini campeonato de duração de quatro semanas, ou o que os caras designavam como velhos revivendo os dias de glória. Principalmente por que se tratava de uma desculpa para beber muita cerveja depois. “Nunca consegui descobrir qual é o meu favorito,” Serena meditou quando assistiu Connor Malone e Micah Hudson. “Seu irmão é muito quente, Faith, mas Micah também é.” “O que há de errado com Nathan?” Julie exigiu. Serena sorriu. “Nada diferente do que você já de cara o marcou como seu.” Faith engasgou com seu riso até que Julie teve que bater nas costas dela. “Quando você vai fazer a sua jogada sobre o homem?” Serena perguntou. “Eu não sei,” Julie resmungou. “Ele é... difícil.” “Tente a nudez,” Faith disse solenemente. “Faz maravilhas.” Foi à vez de Serena, rir. “Deus, como nós imaginamos a imagem da doce Faith nua estimulando o seu homem. Já vejo a forma como Gray olha para você vestida. Nem quero saber como olha para você nua.” Faith sorriu serenamente e aplaudiu entusiasticamente quando Gray veio com o bastão. 35


“Shhh, vocês duas. Gray vai rebater.” Julie revirou os olhos, mas obedeceu. Faith se levantou e gritou como uma menina quando Gray rebateu um duplo contra a parede central externa, fazendo Connor ir para a próxima base. Quando ela se acomodou mais uma vez, Julie olhou ao redor e Faith alfinetou Serena com seu olhar. “Eu ainda estou à espera de ouvir todos os detalhes suculentos que perdi no outro dia.” “Quer dizer que você não espancou até a morte a má Faith para tirar toda a sujeira ainda?” Julie bufou. “Ela pode parecer doce, mas é como um maldito bulldog quando se trata de ser teimosa. Informou que era a sua história para contar, não dela.” “Ora, muito obrigado, Faith,” disse Serena docemente. “Eu aprecio isso.” “Shhh, Micah vai até o bastão.” “Oh, pelo amor de Deus,” Julie disse quando se levantou para ir ao outro lado de Serena. “Faith, querida, na verdade não vim aqui para assistir ao jogo. Viemos para fofoca e cobiçar.” Ela se acomodou ao lado de Serena e sacudiu os cabelos castanhos por cima do ombro. “Agora, fale Serena, e não deixe nada de fora, ou juro que vou retaliar, e que os resultados não vão ser bonitos.” “Você não vai me deixar apreciar a paisagem, não é?” Serena disse com um suspiro desgostoso. “Você pode assisti-los e falar ao mesmo tempo.” Serena revirou os olhos, em seguida, inclinou-se e, em voz baixa, descreveu a conversa que teve com Faith, e sua reunião posterior com Damon. “Merda,” Julie respirava. “Isso que eu chamo de uma história comovente.” “Eu não tenho certeza se gosto de onde você está indo com isso,” disse Serena numa voz seca. “Entendo ter algumas fantasias, mas Serena, uma escrava sexual?” Julie perguntou incrédula. “Shhh!” Serena assobiou. “Pelo amor de Pete, prefiro que toda a área maior de Houston não saiba sobre isso.” 36


“Você realmente vai fazer isso?” Julie perguntou em um tom mais baixo. Serena parou por um minuto e depois se voltou para a amiga. “Sim, acho que vou.” “Uau. Você tem bolas, amiga. Tiro meu chapéu totalmente para você. Sou uma merda de uma covarde. Não tenho nem coragem de perguntar a Nathan, e aqui está você tendo suas fantasias mais secretas.” Havia um brilho triste nos olhos castanhos de Julie. Admiração sombreando sua expressão e um pouquinho de inveja também. “Se posso discutir a escravidão sexual durante o almoço com um cara que se parece com o modelo de capa para a GQ, então acho que você deveria pelo menos ter a coragem de chamar Nathan para sair,” disse Serena. “GQ, hein. Este é o amigo de Faith, certo?” Julie olhou de soslaio para Faith que manteve os lábios pressionados firmemente juntos, embora seus olhos brilhassem de tanto rir. “Acho que ela está escondendo algo de nós, Serena. Ela não apenas trabalha com um bando de caras quente, mas agora está cultivando amizade com o proprietário do clube de sexo quente?” Faith soltou um suspiro exagerado. Então ela saltou a seus pés quando Gray correu para a base. “Menina, precisa aprender a compartilhar,” Julie resmungou. “Ei, entreguei Nathan em suas mãos, para você. O que mais quer?” Faith exigiu quando pulou para trás e para baixo ao lado de Serena. “Ela o levou lá, Julie”, apontou Serena. “O levou para você quando queria ter sua orelha furada, e você o tem viciado nessas massagens.” Julie suspirou infeliz. “Aposto se você aparecesse nua para massageá-lo, ele notaria você,” Faith ofereceu. “Faça-o rolar,” disse Serena com uma risadinha. “Ele não é um cão maldito,” Julie disse sombriamente. Faith murmurou uma maldição quando um de seus homens foi expulso no início, concluindo o turno. Então ela se virou para Serena, sua expressão séria. “Tem certeza que você sabe no que está se metendo, Serena? Quero dizer, você já pensou quando isso passar?” 37


Serena inalou agudamente, em seguida, assentiu. “Sim, isso é algo que eu quero fazer. E ei, não é como se estou fazendo uma grande mudança na vida. É uma fantasia temporária. Se odiar isso, colocarei um fim mais cedo e irei sonhar com algo diferente.” “Eu confio em Damon,” disse Faith. “Ele vai cuidar bem de você, eu sei.” “Assim como é que você conhece Damon, afinal?” Julie interrompeu. “Parece que tem que ser uma história suculenta.” Faith corou e olhou para suas mãos. “Vamos apenas dizer que tive algumas fantasias de minha autoria, e Damon foi muito útil para orientar o meu caminho.” “Cai fora!” Julie exclamou quando lançou para Faith. “Será que Gray sabe sobre isso?” Faith riu baixinho. “Gray me arrastou para fora do clube de Damon, então sim, ele sabe.” Serena teve um pequeno calafrio. “Menina, você teve toda a diversão. O que eu não daria por um homem lindo ir todo o He-Man em mim.” “Então, hum, quais foram essas fantasias suas, Faith?” Julie cutucou. Faith corou novamente. “Elas não eram tão diferentes das de Serena, que é por isso que a mandei para Damon.” Julie ergueu uma sobrancelha, em seguida, olhou entre Faith e Serena. “Não façam ideia alguma sobre mim, meninas. Não tenho nenhum osso submisso no meu corpo.” “Nós não estamos tentando te converter, Julie,” disse Serena, levemente exasperada. “Estamos apenas demonstrando a nossa sexualidade,” Faith disse com firmeza. Serena assentiu. “Exatamente.” “Oh, droga, eu quero o meu próprio,” Julie murmurou. “Tão logo tenha compreendido tudo.” “Quer dizer que você é secretamente uma lésbica?” Brincou Serena. Julie deu uma cotovelada em seu intestino. 38


“Muito engraçado. A menina não pode ser mais direta do que eu. Na verdade, acho que a minha fantasia pode ser tomar Nathan e seus amigos.” Serena tossiu e depois caiu na gargalhada. Os olhos de Julie se estreitaram. “Ei, eu não estava brincando.” “Vamos, Julie. Mais de um cara? Que diabos você faria com eles todos?” “Oh, você ficaria surpresa,” Faith murmurou. Ambas, Julie e Serena chicotearam suas cabeças na direção de Faith, mas ela olhava para o campo, com um olhar de inocência suprema em seu rosto. “Diga-me que você não já,” Julie disse em voz baixa. “Porque se tiver, terei meu intestino fora de inveja.” Faith apenas sorriu e continuou a assistir ao jogo. “O inferno, ela tem,” disse Serena. Ela seguiu o olhar de Faith para o campo onde os caras estavam fazendo fila para apertos de mão. Então, olhou de volta para Faith, cujo rosto estava em um tom delicado de rosa. “Com eles?” “Não com Nathan,” Julie gemeu. “Diga-me que não estava com Nathan.” “Eeewww!” Faith exclamou. “Não significa que ele não é quente, mas é como Connor, pelo amor de Deus.” “Quem?” Julie exigiu. “Isto foi antes ou depois de Gray? Tinha que ser antes. Gray não me parece o tipo que aprecia outro cara mimar sua mulher, ele é extremamente possessivo com você.” O sorriso de Faith alargou. “Ok, você me fez derramar as coisas, Faith,” disse Serena. “Não é justo a exploração. Se eu posso admitir querer ser brinquedo sexual de algum homem, pelo amor de Deus, então você pode pelo menos dizer-nos com quem você teve um trio.” “Oh Deus, foi mais do que um trio?” Julie perguntou em choque repentino. “Como você chamaria isso de qualquer maneira?” “Um grupo do estrondo?” Serena interrompeu sarcasticamente. “Eram apenas dois,” disse Faith em um tom estrangulado. “Bom Senhor, o que você acha que sou, uma aspirante a estrela pornô?” 39


Julie atacou. “Quais são os dois?” “Gray e Micah.” Faith resmungou. Serena olhou para a amiga com admiração recente. Doce, tímida Faith Malone era claramente uma garota no comando de seu destino sexual. De repente, ela se sentia bem sobre a decisão de mergulhar a frente com seus próprios desejos, e isso a fazia se sentir ainda melhor por ter partilhado os seus planos com as amigas. Ela fez para não se sentir tão sozinha. Julie fez um barulho desesperado, e no rosto uma carranca exagerada. “Estou pirando de ciúmes. Poderia perfeitamente ser um sanduíche para Connor e Nathan.” Faith fechou os olhos. “Julie, por favor. Não preciso de imagens de você e meu irmão queimando em meus olhos. Vamos parar com essa conversa, enquanto ainda estamos no reino da decência.” “Decência,” Julie imitou. “Quem se interessaria em decência? Quero decadência. Hedonismo. É evidente que preciso ser apresentada a esse cara Damon.” Serena franziu a testa. “Você fica longe de Damon.” Julie olhou para ela surpresa. “Demonstrando as garras, amiga. Você está reivindicando o Senhor GQ?” Serena apertou as bochechas de vergonha. Que diabos estava pensando? E por que a irritaria se Julie queria debruçar sobre Damon? Não era como se Damon viesse a ter algo com Serena. Era apenas um canal entre ela e qualquer homem que realizaria sua fantasia. Ainda assim, a ideia do modo-muito-bonito de Julie bater os olhos castanhos para Damon a fez querer procurar por objetos cortantes. “Você pode o ter depois que ele fizer o que precisa fazer para mim,” disse Serena. “Até então, por que você não para de fingir que é uma violeta encolhida e vai atrás de Nathan? Você está agindo como se tivesse um transplante de cérebro, pelo amor de Deus.” Julie fez uma careta, mas concordou com a cabeça, Faith cutucou quando os caras estavam indo na sua direção. 40


Pobre Julie parecia tão esperançosa quando Nathan se aproximou, mas ele e Connor estavam em sérias discussões, e nem olhou em sua direção enquanto caminhavam com sacos de equipamentos pendurados nos ombros. Micah, por outro lado, foi mais do que feliz em parar e flertar. Era um lindo exemplar de homem. Serena teve que admitir isso. “Ei bebê boneca,” Micah chamou à Faith. Armado com o conhecimento de novas aventuras sexuais de Faith com Micah e Gray, Serena observava a interação entre os três juntos. Para sua surpresa, eles agiram com muita naturalidade. Gray chegou até Faith quando ela desceu as arquibancadas. Ela sorriu e disse: Olá Micah, mas colocou os braços em volta do pescoço de Gray, quando ele ergueu-se e beijou-a com um calor que Serena podia sentir a vários metros de distância. Pare de ser uma puta invejosa. Faith merecia ser feliz e merecia um homem que adorava o chão que ela pisava. Serena só queria um também. Micah olhou para Julie com indisfarçável interesse em seu olhar, mas Julie estava assistindo Nathan caminhar com o que só poderia ser descrito como um olhar de cachorra chutada. Serena riu e sacudiu a cabeça, atraindo um olhar curioso dos dois, Micah e Gray. Ela sorriu maliciosamente e aceitou a mão estendida de Micah. Ele ajudou a descer o último passo, e caiu no chão ao lado dele, Gray e Faith. Julie não estava mesmo olhando para a oferta de mão de Micah quando ela tirou o olhar de Nathan, finalmente, saiu das arquibancadas para ficar com os outros. “Será que as senhoras gostariam de se juntar a nós no Cattleman’s para uma bebida?” Micah perguntou com um sorriso preguiçoso. Ele era encantador, aquele sorriso, mas por alguma razão, Serena estava tendo um tempo difícil de se livrar das características de Damon. Ele ficou fixado em sua mente e se recusou a ceder. “Sim, vamos todos. Vai ser divertido,” disse Faith com Gray aconchegado de encontro ao seu lado e passando um braço pelos ombros. 41


“Eu estou indo para casa,” Julie disse sombriamente. Faith sacudiu a cabeça em desespero, e ela e Serena trocaram olhares rolando os olhos quando Julie afastou-se. “Foi algo que eu disse?” Micah perguntou quando enfiou o cabelo, indisciplinado escuro atrás da orelha. Serena sorriu e deu um tapinha carinhosamente no braço de Micah. Hmm, braço muito agradável. “Não, não era você. Ela está fazendo beicinho.” “Eu adoro quando uma mulher faz beicinho,” disse Micah. “É uma oportunidade para dar-lhes o que elas querem.” Faith riu. “Você nunca deveria admitir isso, Micah.” Ele deu de ombros. “O que posso dizer? Adoro agradar as mulheres.” “Há algo a ser dito para agradar uma mulher bonita,” Gray murmurou enquanto sussurrava no ouvido de Faith. “Oh, pelo amor de Deus,” disse Serena em desgosto. “Será que vocês dois poderiam parar com isso?” Micah riu e deslizou um braço ao redor dos ombros de Serena. Ela se instalou contra seu lado e apreciou o calor e o poder que emanava dele. Cheirava bem, mesmo com o suor que molhava a camisa. “Por que você e eu não deixamos os pombinhos e vamos para a minha casa?” Perguntou ele com um sorriso travesso. Serena sorriu. Ele era divertido e sexy como o inferno, mas por alguma razão, só fazia isso por ela. Uma vergonha também, porque ela sabia que ele ia ser incrível na cama. Ela inclinou-se e sussurrou junto ao seu ouvido: “Você não pode lidar comigo, querido.” Ele apertou em torno dela, quando seu corpo ficou tenso contra ela. Tocou sua bochecha, e virou seu rosto para encontrar o olhar dele. “Eu não teria tanta certeza sobre isso, boneca.” 42


Ela quase gemeu. Deus, ela precisava dormir com alguém na pior maneira. “Eu também não serei usada como segunda quando a mulher que você realmente quer decolou de você.” “Que mulher,” ele perguntou inocentemente. “Existe alguma outra mulher, aqui além de você?” “Aham,” Faith interrompeu. “Calma, Faith, ele está prestes a acariciar o meu ego,” Serena repreendeu. “Eu acaricio mais do que isso, se você me deixar.” Serena riu e, em seguida, mudou-se ainda mais até que seu corpo foi liberado contra o seu. Não é vergonha, no mínimo, ela deslizou sua mão pelo seu corpo até que corajosamente colocou com em concha em sua virilha. “Quando deixar um homem me pegar, vai ser porque ele está tão duro por mim que está prestes a sair de suas calças,” ela sussurrou perto do pescoço de Micah. “Por mais lisonjeira que sua oferta seja, a menos que você tenha algum problema sério no departamento tamanho de pau, ou está falando apenas para ouvir sua cabeça chocalhar, e é claro para mim que não faço isso por você.” Com isso, ela se afastou, piscou maliciosamente na direção de Faith, agitando os dedos em uma onda de adeus para ela, Gray e Micah e então saiu fora, deixando Micah lá boquiaberto como um idiota. “Maldição, eu simplesmente me apaixonei,” disse Micah em voz alta para Faith e Gray. Serena riu e continuou andando.

43


Capítulo Cinco Damon saiu da pequena multidão de pessoas que estava conversando, quando cumprimentou educadamente um casal que passava em seu caminho para o salão. Ele geralmente conversava quando circulava na Casa e certificava que seus convidados estivessem felizes, mas Serena ocupava seus pensamentos. Estava ansioso para começar o processo de transformar o nível superior da Casa em leilão para a fantasia de Serena. Sua realidade. Quando começou a entrar em seu escritório, viu Micah Hudson sair da sala comum e ir para a saída. “Micah,” ele chamou. Micah fez uma pausa e virou para olhar para Damon. “Ei, homem.” “Você vai sair tão cedo?” Damon fez um gesto em direção ao seu escritório. “Quer tomar um drinque?” Houve uma breve hesitação antes de Micah relaxar e ir em frente. “Contanto que você tenha algo decente. Essa merda que você bebe é muito fina para o meu paladar caipira.” Damon esboçou um sorriso. “Suas papilas gustativas poderiam usar um pouco de refinamento. Deixe isso para mim.” Ele fez sinal para entrar, e ele e Micah entraram no escritório. Damon acendeu as luzes e se dirigiu para o armário de bebidas, enquanto Micah se largava em uma das cadeiras de couro, perto da mesa. Micah procurou no bolso e tirou um pacote quase vazio de cigarros. Ele levantou e inclinou sobre a mesa de Damon para o cinzeiro de madeira que Damon mantinha mais para decoração do que pelo uso real, e arrastou-o de volta para ele. “Você se importa?” Micah perguntou quando colocou a ponta do cigarro entre os lábios e acendeu o isqueiro.

44


Damon deu de ombros. “Seus pulmões. Acho que você não teve nenhuma sorte para parar?” “Estou disposto um ou dois dias,” disse Micah com um ar de indiferença. “Pop briga comigo constantemente. Vou parar de fumar. Eventualmente.” “Então, por que você vai sair tão cedo?” Damon perguntou tocando cada um dos topos das garrafas. Finalmente se decidiu por um uísque envelhecido muito bom. Demasiado sofisticado para Micah, mas deu a Damon um motivo para zombar dele. Micah grunhiu em resposta. Pegou o copo que Damon entregou-lhe examinando, desconfiado. Antes de responder, cheirou com cautela e colocou os lábios até a borda. Damon se acomodou na cadeira em frente à Micah. “Então? Como é isso?” “Não é ruim,” Micah murmurou quando deu outra tragada no cigarro. Damon sorriu. “E por que está saindo mais cedo? Encontro quente?” Micah bufou. “Como se tivesse um desses em um longo tempo.” “Por opção, eu tenho certeza,” disse Damon. Uma sombra cruzou sobre o rosto de Micah. “Sim, homem, por escolha.” Damon ergueu uma sobrancelha, mas não pressionou o ponto. Havia outras coisas que queria discutir de qualquer maneira. Ele observou Micah inalar, saboreando o gosto, por um momento antes de expirar uma longa pluma de fumaça. “Então,” ele disse casualmente. “O que você sabe sobre a amiga de Faith, Serena James?” “Além do fato de que ela é quente?” Micah colocou seu cigarro no cinzeiro, em seguida, tomou outro gole de uísque. “Ser gostosa é um dado. Qualquer cara com os olhos pode verificar isso,” Damon disse secamente. “Está interessado?” “Até certo ponto.” “Não é o seu tipo,” disse Micah com um aceno de cabeça. 45


“O que te faz dizer isso?” Damon pediu apenas com curiosidade. “Acho que ela poderia ser exatamente o meu tipo.” “O que você sabe que eu não sei?” Micah perguntou. “Você tem um desses presunçosos, sorrisos de merda. Serena... ela é gostosa. Infinitamente quente. Obstinada e bem quente. Flertei com ela, e recebeu tão bem quanto ela conseguiu, com certeza.” “Sem falar que é compulsiva, inteligente, motivada, honesta e confiável em sua sexualidade.” “Mas não submissa,” disse Micah. “Não vá bater em portas fechadas, cara. Não foi uma vez o suficiente?” Damon sorriu. “Você sabe que tipo de negócio Serena executa?” “Sim, a realização de fantasia, e não o tipo do divertimento.” “Bem, ela quer sua própria fantasia cumprida. Então ela veio até mim.” Micah se inclinou para frente em interesse. Ele desprezou o seu cigarro e Damon fixou com um olhar afiado. “Estamos falando de fantasia sexual aqui?” “Ela quer ser possuída,” disse Damon. “Uma escrava. Ela queria que eu organizasse para ela ser vendida em um leilão na Casa.” “E é claro que você não pensou em mim,” Micah resmungou. “Ninguém mais a terá, além de mim,” Damon disse calmamente. Micah o estudou por um longo momento. “Apostando em sua reivindicação, hein?” Damon assentiu. “Ela me intriga. Eu a quero, ela quer o que posso dar. Estou disposto a ver onde isso leva.” Micah já estava balançando a cabeça. “Não posso acreditar que você assinou isso. Não com o modo que você visualiza a encenação.” “Quem diz que tem que ser um papel? Vou dar a coisa real.” “E ela vai dar a fantasia,” Micah cortou.

46


“Sua preocupação é tocante,” disse Damon com diversão. “Tenho dúvidas que a mulher que quero exista, ou se ela existe, eu não tenho uma oração para encontrá-la. Por agora vou aproveitar o que posso conseguir.” A expressão de Micah ficou sóbria. Um espasmo de tristeza em seus olhos piscou antes de se tornarem frios e ilegíveis. “Ela existe, Damon. Existem mulheres lá fora, que anseiam por aquilo que pode dar a elas. Depois de prová-la, você não poderá nunca deixa-la ir,” ele disse com um tom de tristeza em sua voz. Damon estudou-o de forma estranha, mas Micah olhou para longe, bebendo o último do álcool de seu copo. “Espero que isso funcione para você,” Micah disse finalmente. “Serena parece ser uma mulher muito apaixonada. Alguém que eu não teria atrelado como material de escrava, mas ela é realmente bonita e animada. Sei que vai cuidar bem dela.” “Eu pretendo,” Damon murmurou. “Serei convidado para o leilão?” Micah perguntou de súbito. “Foda-se,” Damon disse rudemente. “Você só iria dar um lance maior para complicar o assunto.” Micah sorriu. “Uma bela mulher nua sendo vendida pode certamente adicionar a loucura de um homem.” Damon colocou o copo agora vazio sobre a mesa e hesitou antes de finalmente decidir a dizer a próxima coisa em sua mente. Foi para frente, e não era geralmente o seu estilo de ser tão intruso com os amigos. Mas não era só isso. Micah era uma pessoa que contava como um amigo. “Quando você vai parar de viver no passado, Micah?” Micah virou com os olhos afiados, irritados sobre ele e, assim mesmo, o humor leve e divertido desapareceram. Ele transformou-se em alguém escuro e com raiva. Atormentado. Damon lamentou seu impulso, quando ele mesmo reconheceu a necessidade de empurar Micah de seu status quo2.

2

Status quo (da expressão in statu quo res erant ante bellum) é uma expressão latina que designa o estado atual das coisas, seja em que momento for.

47


“Talvez quando você fizer?” Damon balançou a cabeça. “Estou seguindo em frente. Estou tomando Serena como minha escrava.” “Você está cumprindo alguma fantasia artificial para uma mulher que quer jogar em ter um mestre para espancar sua bunda um pouco, e jogar em torno de alguma autoridade. Você e eu sabemos que não é real, e você finge que vai mudar isso.” As palavras saíram irritadas e cortadas, mas Damon não se sentiu ofendido. Ele era provavelmente a única pessoa que Micah tinha confiado sobre os acontecimentos que o haviam levado para Houston para começar, um fato que Micah provavelmente lamentava agora. “Vamos parar com isso,” disse Micah quando Damon começou a responder. “Antes de dizermos coisas que vamos nos arrepender.” “Considere parado,” Damon acordou. “E para valer à pena, espero que encontre o que você está procurando,” disse Micah. “Já parei de procurar,” Damon disse calmamente. “É meio difícil olhar para algo que você deixou de acreditar.”

48


Capítulo Seis Serena leu sobre o arquivo de um cliente em potencial com uma careta de concentração, assimilando todas as informações em sua cabeça. A fantasia era exequível, e ela adorou o desafio de descobrir os detalhes. Já estava planejando em sua mente quando terminou de ler o último do questionário. O senhor de meia-idade, queria ser algo impressionante por uma noite. Ele queria o disfarce de um jogador ultra rico, alguém procurado pelos cassinos e seus caprichos servidos. Queria um carro caro, uma linda mulher em seus braços. Serena revirou os olhos um pouco nisso, era parte de sua fantasia e faria o que pudesse. Sua mente já estava trabalhando. Um compromisso para tê-lo adequadamente vestido, terno caro, todos os apetrechos necessários para o polonês de fachada. Ela poderia arranjar uma limusine para levá-lo até Lake Charles, Louisiana, onde um dos seus contatos do cassino iria encontrá-lo com todas as ostentações oferecidas aos seus jogadores regulares. Ela precisava chamar e organizar por um momento já que o cassino não estaria acomodando um de seus verdadeiros e grandes jogadores. O dinheiro que o cliente apostaria seria seu próprio, e seria sua escolha se deveria gastá-lo, mas o brilho, a reverência e a enrascada seriam organizados por ela. Era uma situação ganho-ganho para o cassino, porque poderia ganhar um novo jogador regular, e, por sua vez, teria vantagem em fazer seu cliente feliz. Se todo mundo pudesse ser tão simples. Ela foi interrompida quando Carrie zumbiu no interfone. “Serena, Mr. Roche está na linha dois para você.” Seu coração acelerou e bateu contra seu peito quando pegou o telefone. Se ele tivesse somente agora lido a cerca de seu e-mail? Será que tinha algo a dizer sobre o fato de que ela se apresentou como cliente? Ah, por que não tinha sido honesta e direta, desde o início? “Senhor Roche,” disse ela suavemente, quando colocou o telefone no ouvido. Estava orgulhosa do fato que sua voz não saiu em um resmungo. “Pensei que nós concordamos que me chamasse de Damon.” 49


Seu sotaque preguiçoso deu-lhe um zumbido quente, e ela imediatamente relaxou. “Tudo bem... Damon. O que posso fazer por você?” “Bem, espero que seja o que eu posso fazer por você. Está livre para o almoço?” Ela sorriu e soltou seu aperto no telefone. Talvez isso não fosse tão ruim, afinal. Ele não agiu de forma diferente agora que sabia que ela procurava um homem para fazê-la sua escrava. O tremor trabalhou sobre seus ombros. Teria realmente de encontrar uma melhor descrição para sua fantasia. “Estou intrigada,” disse ela. “Estou livre. Agora o que é que você vai fazer por mim?” Uma risada soou em seu ouvido. “Encontre-me para almoçar, e vou te dizer.” “Um homem que brinca,” pensou. “Ok, eu morderei. Onde você gostaria de encontrar?” “Vou mandar um carro.” “Não,” disse ela após um momento de reflexão. “Porque não vou buscá-la dessa vez? Vamos comer no meu gramado.” Houve uma pequena pausa. “Ahh, você é um homem habituado a fazer seu próprio do seu próprio modo.” “Sempre,” disse ele em um grunhido rouco. Um arrepio trabalhou de forma incontrolável por suas costas, e os mamilos enrugaram contra a seda de seu sutiã. “Gosto de dar a um homem o seu modo, em circunstâncias adequadas,” disse ela levemente. “Eu te digo o quê. Você vem me pegar e nós vamos comer na minha escolha.” “Estarei ai em meia hora,” disse ele suavemente. “Estou ansiosa por isso.” Ela estava sorrindo quando desligou. Recostou na cadeira e flexionou os dedos dos pés debaixo da mesa. Que diabos estava fazendo flertando com Damon Roche quando ele estava buscando outro homem para ela, mas o diabo só assumiria quando viesse com o homem. Se já tivesse encontrado alguém? Nervosismo afundou em torno de sua barriga e lhe deu uma leve sensação de náuseas. Ela poderia ir para a cama com um estranho? Mais do que isso, poderia ficar bem, sua confiança, todo o seu interesse em suas mãos? Talvez ela não tivesse pensado isso adequadamente. 50


A carranca preocupada puxou-lhe os lábios, e ela esfregou o rosto com as mãos. Não era tarde demais para voltar atrás. Poderia atender Damon e dizer-lhe que tinha mudado de ideia, certo? Claro que você pode idiota. Não era como se isso fosse quebrar algum negócio. Era sexo, e podia dizer não a qualquer momento. Sentindo-se melhor sobre suas opções, ela escorregou seus sapatos de volta e se levantou. Uma viagem rápida ao banheiro diria a ela se tinha alguns grandes reparos a fazer no cabelo e maquiagem. Vinte minutos depois, ela entrou no lobby e ficou feliz por ter escolhido saltos vistosos hoje. Eles dirigiam a atenção para suas pernas, que ela sabia, sem falsa modéstia tinha recebido olhar de homens mais de algumas vezes. Sua saia era cortada no topo de seu joelho, de modo que tinha muito para mostrar. Para sua surpresa, Damon estava caminhando em direção à porta do complexo de escritórios. Ela sorriu, cumprimentando quando ele entrou. Estava vestido casualmente, tão casual como um homem podia parecer com calças caras e camisa pólo. “Você chegou cedo,” ela disse quando checou o relógio. “Tento não manter uma mulher bonita aguardando,” disse ele com charme. “Boa filosofia. Você está pronto, então?” Ele ofereceu o braço, mas não esperou por ela toma-lo. Alcançou com a outra mão e envolveu seus dedos em seu pulso firme, antes de colocar firmemente sob seu cotovelo. Entraram no ar quente, e ela olhou em volta para a Bentley. Em vez disso, ele a guiou na direção de um elegante, BMW preto estacionado em frente da entrada. Ele abriu a porta e a ajudou entrar antes de andar para o lado do motorista. Quando deslizou ao lado dela, ela olhou apreciando o interior. “Dirigiu você mesmo,” disse ela desnecessariamente. “Tudo indica que sim,” disse ele com um sorriso divertido. “Então, para onde estamos indo?” “Cattleman’s. Sabe onde é?” 51


Ele fez uma careta. “Por que as mulheres bonitas como você e Faith rondam aquele lugar, está além de mim.” “Ele tem presença,” disse ela com uma cara séria. “Mas se você odeia, podemos ir para outro lugar.” Ele puxou para o tráfego, manobrando pela rua movimentada. “Não, concordei em ir para o local de sua escolha, assim Cattleman é aonde vamos.” “Você é um esnobe,” disse satisfeita. Ele lançou um olhar surpreso e, em seguida, evidentemente, viu que ela estava brincando com ele. “Não sou um esnobe. Vou somente desfrutar... Vamos apenas dizer que aprecio as coisas boas.” Serena assentiu. “Nada de errado com isso, mas tenho que te dizer, eu sou uma garota tipo de cerveja e anel de cebola.” “Bárbaro,” disse ele em falso horror. “Não tenho nada contra alguns petiscos gordurosos e uma boa cerveja, mas não recusaria um bife bem-passado e um bom copo de vinho, também.” “Mmmm, bife. Eu amo o bife. Amo a carne. Sou uma carnívora total. Cattleman’s tem excelentes bifes.” “Vou ficar espantado se você não pedir uma salada feminina. O que se passa com as mulheres que sempre pedem saladas, afinal?” Ela fingiu considerar. “Bem, vou pedir uma salada, se tiver bife nela.” Ele riu. “Então acho que nós vamos ter o bife para o almoço.” Eles dirigiram até o estacionamento, e quando Serena alcançou parou abrir a porta, Damon a parou com a mão no braço. “Deixe-me”, disse ele. Ele saiu e deu a volta para abrir sua porta. Então estendeu a mão para ela. Minúsculas faíscas subiram-lhe no braço, quando ela deslizou os dedos pela palma de sua mão. Ele puxou delicadamente, e ela saiu para ficar ao lado dele. 52


“Obrigado,” ela murmurou. Novamente, ele enfiou a mão debaixo do braço e caminhou com ela até a entrada. Quando entrou, cumprimentou a recepcionista, e Damon se inclinou para murmurar baixinho para a moça. Ela sorriu e acenou com a cabeça imediatamente. Então apontou para que ele e Serena a acompanhassem. Eles estavam sentados do outro lado da sala, longe da agitação da multidão do almoço. Serena se instalou e levantou uma sobrancelha quando a recepcionista saiu. “Suborno,” ela perguntou. “Esta área é geralmente fechada para almoço.” Damon sorriu. “Vamos apenas dizer que estou acostumado com meu jeito.” Serena fungou. “Nós já averiguaremos isto.” “Eu queria um lugar que nós pudéssemos falar em particular,” disse ele. “Tenho algo para você.” “Ah?” Seu coração bateu contra seu peito, quando ele deslizou um envelope sobre a mesa na direção dela. Não tinha notado que ele pegou do carro, mas depois, sua concentração estava em outras coisas. Como ele parecia muito bom. Com dedos trêmulos, abriu o envelope. Antes de desdobrar as páginas, ela olhou para ele em questão. Estava bastante certa de que era isso que pediu, mas agora que ele estava aqui, na frente dela, estava um pouco assustada e muito insegura. “Você hesita,” ele disse calmamente. “Estou nervosa,” admitiu. “Muito natural. Você está tendo segundos pensamentos?” Ela corou. “Você nunca disse uma palavra sobre o fato de que era eu...” Ele deu de ombros. “Achei que você tinha suas razões. Não me deve uma explicação.”

53


Ela olhou para o papel, em seguida, abriu lentamente. Idade, endereço, detalhes físicos, aparência, características foram listadas primeiro. Seus olhos brilharam sobre a folha, quando tentou tomar o máximo de informações que pôde ao mesmo tempo. Sem antecedentes criminais, emprego estável e renda. O olhar dela disparou de volta a página, e foi então que ela viu o nome olhando ousadamente para ela. Damon Roche. Ela ofegou rapidamente, e puxou a cabeça para olhar para Damon. “Eu não entendo.” Ele levantou uma sobrancelha quando a estudou atentamente. “Não, é?” “Por quê?” Ela exigiu. Se ele pretendia pega-la completamente fora de guarda, certamente conseguiu. Ela estava tão agitada que suas mãos tremiam e o suor frisou na testa. “Por que não?” Ele perguntou calmamente. “Não brinque comigo. Este não foi o nosso acordo.” “O nosso acordo era que você queria que eu encontrasse um homem adequado para uma situação de fantasia sexual. Sou esse homem. Não vejo o problema.” Ele se inclinou para frente em sua cadeira e fixou-a com seu olhar. “Você prefere um completo estranho para tomá-la e possuí-la? Se nós não nos encontrássemos como fizemos, se alguém tivesse criado o nosso encontro, você iria querer que eu fosse o homem que controlaria a sua fantasia?” “Mas por quê?” Ela sussurrou. “Por que não se voluntariou desde o inicio?” “Não sabia que você era a mulher,” ele disse simplesmente. “Quando descobri, sabia que tinha de ser o único a tê-la.” Ela olhou pasma como uma idiota, os lábios entreabertos em estado de choque. “Você me quer?” “Por isso te surpreende? Você é uma mulher bonita, Serena. Queria você a partir do momento em que entrou no restaurante. Depois que eu li o seu eloquente e-mail e vi que tinha escrito, não havia qualquer dúvida sobre eu avançar. Nenhum outro homem a teria.”

54


Calor tremulou através de seu abdômen, queimando um caminho para sua virilha. Seu clitóris pulsava e latejava, e os mamilos endureceram até doer. Seu juramento sussurrou através de seus ouvidos, até que se recuperou e fez eco, sedutor e atraente. Havia arrogância crua em sua expressão. Confiança. Mais do que isso, havia conhecimento. Poder. Ela almejou isso com todo seu ser. Queria a ele mais do que queria algo mais, e tudo o que tinha a fazer era estender a mão e tomar. “Diga-me, Serena. Você me quer?” Ele perguntou baixinho. “Você arde por mim? Quer minha posse? Você fica acordada a noite querendo um homem forte o suficiente para aproveitar a sua sexualidade, acariciá-la até que o fogo a queime, e libere isso, libertando-a?” “Sim,” sussurrou ela, com a voz presa na garganta. “Sim.” “Há muito que deveríamos discutir,” disse ele. “Mas não aqui. Nós vamos resolver os aspectos técnicos e preparar o terreno, mas para os detalhes mais íntimos... vamos nos encontrar em um ambiente mais privado.” Como ele disse isso, esticou o braço e arrastou um dedo pelo seu rosto e em seguida, empurrou um cacho do cabelo dela longe do seu rosto, e enfiou-o atrás da orelha. “Estou muito ansioso por essa conversa,” ele murmurou. O calor subiu por suas bochechas, e ela pegou o seu toque, antes que pudesse pensar melhor. “Eu não sei o que dizer.” “Não há nada a dizer, mas sim. A menos que você tenha mudado de ideia? Posso claro, encontrar outro candidato apropriado, mas não posso ser o único que sentiu a faísca entre nós, Serena, e depois de ler seu e-mail, eu não tomo você por uma covarde.” Ela estava simplesmente muito sobrecarregada. Ele se inclinou sobre a mesa mais uma vez e capturou sua mão na dele. Seu polegar esfregou distraidamente por cima dos nós dos dedos, sensual e perturbador. “Vamos começar pelos pequenos detalhes para tirar fora do caminho,” disse ele. “Nós podemos definir uma data para discutir aspectos mais... pessoais, depois que você tiver tempo para digerir tudo isso.” “O âmago da questão?” Ela resmungou. 55


Ele pegou sua mão e levou-a devagar aos lábios. Sua respiração ficou presa na garganta e se recusou a deslizar de seus lábios enquanto ela antecipou o toque de sua boca. Uma descarga elétrica provocou ao longo de suas veias. Correntes, quentes e vibrantes, correram até seu braço, e mandaram espinhos de consciência, indo da base do pescoço até os cabelos minúsculos em sua nuca, arrepiando. Seus lábios se moviam suavemente sobre dobra dos seus dedos, até que repousaram sobre suas juntas. “O âmago da questão são os detalhes desagradáveis, o lado não tão romântico do nosso acordo. Estéril, talvez, mas necessário.” Ela levantou a sobrancelha em questão e em silêncio, porque no momento não poderia ter falado se quisesse. Ele pegou uma folha de papel abaixo da outra e entregou a ela. Com cuidado, ela tirou a mão da sua e lamentou a perda de seu calor. Pegou o papel e verificou o conteúdo. Era um relatório médico. E então ela percebeu. “Oh,” disse suavemente. “Você deve me achar a mais tola. Eu não tinha... Deus, que idiota eu sou.” Ele sorriu gentilmente. “Não é uma idiota, Serena. Apenas nervosa e quis avançar antes que perdesse sua coragem. Você teria pensado nisso, não tenho dúvidas, e teria exigido que lhe desse.” “Mas eu não tenho, quero dizer, vejo um médico regularmente, mas não comecei os testes...” “Posso arranjar isso com o meu médico a qualquer momento,” ele ofereceu. “É importante que você se sinta segura comigo, e é importante que nossa boa saúde seja averiguada. Quero darlhe a sua fantasia, Serena, e não quero nenhuma feiura se intrometendo.” “Telefono ao meu médico amanhã,” disse ela. “Isso significa que você está concordando?” Damon perguntou. Ela respirou firmemente enquanto olhava para o belo homem sentado em sua frente. Sim, ele era lindo. Estava confiante, usava a arrogância como uma capa, e Deus, como ela amava a arrogância, homens seguros, mas ele não veio transversalmente como um idiota. Este era homem de verdade? Ou estava apenas desempenhando um papel? 56


Ela queria saber tanto que podia provar. Ela lambeu os lábios e, em seguida, assentiu. “Eu quero ouvir você dizer isso,” alertou. “Sim. Eu concordo.” Seu sorriso era triunfante, algo escuro e primitivo brilhou em seus olhos. Nesse momento, ela imaginou como seria sendo dele, encheu-a com uma ânsia poderosa. “Jante comigo este fim de semana,” disse ele. Não era um pedido, e parecia absolutamente sem remorso, em essência, um comando. “Isso lhe dará tempo para consultar o seu médico e pensar em mim. E você. Nós. Então, podemos nos reunir para discutir os detalhes mais íntimos do nosso acordo.” Do jeito que ele disse íntimo, fez todas as suas partes femininas formigarem. E então lhe bateu que ela ia se tornar muito íntima deste homem. Todas as fantasias de lado, ele estava se oferecendo para dar-lhe a realidade. Com ele. Iria vê-lo nu. Ele iria tocá-la, ter suas mãos e boca em seu corpo. Tremia dos pés à cabeça, e seus joelhos batiam um no outro, até que teve de colocar a mão em uma de suas pernas para impedi-la. Comida? Completamente esquecida. Não tinha qualquer esperança de almoçar. Não quando tudo o que estava imaginando era como era o sabor dele. Chamas queimaram seu rosto, queimado quando se lembrou quão descritivo seu e-mail tinha sido. “Eu pensei que Faith era a única mulher na terra que corava tão vividamente,” disse ele em tom tingido de diversões. Ela gemeu e fechou os olhos. “Não tenho uma prece para não aparecer. Você completa e totalmente tirou o chão dos meus pés.” “Como você fez isso quando eu li o seu e-mail,” ele disse suavemente. “Não posso permitir que outro homem tenha o que já considero meu.” Seu estômago apertou e jogou um rubor sobre seu corpo. “Você parece já possessivo,” disse ela baixinho. “E isso é exatamente do jeito que você me quer, não é?” 57


Ela se encolheu um pouco sob o seu controle, mas não ia mentir ou fingir ser tímida, mesmo que estivesse pronta para se esconder debaixo da mesa. Nada sobre a sua abordagem foi tímida até agora, e não havia necessidade de começar nesse momento. “É,” admitiu. “Eu quero... Quero pertencer. A um homem,” acrescentou depois de uma respiração profunda. “Parece tão louco.” “Pare,” disse com autoridade tranquila. “Não vou permitir que você se degrade para expressar seus desejos. São seus. Isso os torna importantes. Válidos. Não há nada de louco por eles.” “Não se trata apenas de posse.” Ela parou por um momento, mas estava determinada a continuar, para explicar o que batia tão incessantemente para ela. “Quero a segurança de saber que eu sou... propriedade. Ah, mas isso é uma palavra terrível e ainda assim não consigo pensar em uma melhor. Quero ser estimada e protegida, mimada... valorizada. Quero o homem a me conhecer tão bem como eu me conheço. Quero que ele antecipe as minhas necessidades e as satisfaça, mas ao mesmo tempo, quero ser importante para ele. Quero que ele seja forte. Capaz. Dominante sem ser um babaca. Por apenas um pouco, quero estar em suas mãos. Para dar-me ao seu cuidado e manutenção e ser capaz de confiar nele para me abrigar, me dar prazer e me ensinar a agradá-lo.” De repente, ela se sentiu tão vulnerável, como se tivesse se exposto no mais brutal dos caminhos. Sentia-se nua, despida por suas próprias palavras. “Olhe para mim,” disse ele gentilmente. O queixo dela ergueu e encontrou seu olhar. “Você não confia em mim ainda, e não deve, já que acabou de me conhecer. Mas vai vir a confiar em mim, e quando isso acontecer, vai dar-se ao meu cuidado e preservação. Quando fizer isso, vou dar o que você mais deseja. O que precisa. E vou adorar cada maldito minuto.”

58


Capítulo Sete Julie correu em torno de seu salão, como uma salamandra bêbada. Nathan estava sendo esperado para sua massagem em cinco minutos, e foi seriamente reconsiderar seu plano de sedução louca. Parou na frente de um dos espelhos de corpo inteiro e ajeitou a camisa, pela décima vez. Tinha um decote e colocava seus seios como nas mãos de um amante. Seu decote estava cheia como dois melões maduros que ameaçavam sair de sua roupa. Perfeito. “Inferno. Oh,” ela murmurou quando rearranjou a camisa novamente. “Pareço uma prostituta.” Pior que isso, ela parecia desesperada. Com um olhar melancólico em seu reflexo, ela suspirou e virou-se para pegar os óleos. Ela havia escolhido especialmente para Nathan porque todas as outras coisas dela eram muito femininas. Nathan... Mmmm era um homem todo áspero. Ele precisava de algo que não tivesse cheiro muito suave e florido. Ela empurrou seus seios para cima mais uma vez antes de se dirigir para a sala de massagem. Algumas vezes inclinando-se sobre Nathan, um toque ou dois contra ele, talvez um empurrão acidental de seu colo no rosto dele, enquanto se inclinava para pegar uma toalha. Certamente ele não poderia continuar a ignorá-la. Ela só precisava ser valente. Mais contundente. Própria de sua sexualidade. Sim, era isso. Faith havia possuído (e mais alguns), e Serena estava bem no seu caminho para a escravidão sexual. Ela revirou os olhos e sacudiu a cabeça. A escravidão sexual, pelo amor de tudo que é santo. O que possuía a mulher? Não que a ideia de Nathan amarrando-a e tendo um mau caminho com ela não a fizesse inspirar algumas respirações graves e pesadas, mas tinha algumas fantasias más e selvagens e, em metade delas, Nathan estava completamente e totalmente à sua mercê. Um sorriso curvou em seus lábios decadentes enquanto sua virilha apertou e pulsou. Oh, sim, sim, ela tinha planos para Nathan Tucker. Ele não percebeu isso ainda, mas ia ser dela. E nunca saberia o que o atingiu. 59


Sua linha de negócios tocou, e ela alcançou isso, mesmo enquanto examinou a mesa de massagem para se certificar que tudo estava no lugar. “Julie,” ela cantou. Houve uma pequena pausa. “Ei, Julie, é Nathan Tucker.” “Oi, Nathan, você está atrasado hoje?” O inferno, mesmo sua voz saiu sem fôlego como aos dezesseis anos, quando tinha uma queda por um cara da escola. “Uh, é por isso que estou chamando. Não posso ir hoje.” Seu coração afundou. “Ah. Bom, tudo bem.” “Podemos reprogramar?” Ele questionou. “Ah, com certeza, deixe-me ver a minha agenda.” Ela caminhou até o balcão onde sua agenda estava, sentou e vasculhou as páginas, embora conhecesse cada intervalo de tempo pelo coração. “Quando você gostaria de vir?” Perguntou ela. Houve outra pausa e ela o ouviu falar em segundo plano para alguém. E depois ela ouviu uma voz muito feminina fluindo pela linha. Houve um riso leve e, em seguida, “Oh, eu vou lhe dar uma massagem, Nathan. Não há necessidade de pagar alguém.” Ela estava ali se sentindo dez vezes uma tola. Ela olhou para seus seios e colocou a mão sobre o peito para proteger a camisa decotada. “Estúpida,” ela murmurou. “O que foi isso?” Nathan perguntou. “Nada. Você deseja re-agendar ou não?” Ela perguntou com os dentes cerrados. “Vou dizer uma coisa. Deixe-me chamá-la em alguns dias e nós vamos estabelecer um tempo depois.” “Claro,” disse ela com firmeza. “Tenha um bom dia.” Antes que ele pudesse responder, ela desligou o telefone e soltou a respiração com as bochechas inchadas. “Olhe para o lado positivo, Julie. Você foi salva de fazer uma enorme besteira de si mesma.” 60


Serena saiu do seu apartamento para o estacionamento onde o motorista de Damon esperava por ela. Ela tinha que abafar o riso que ameaçava surgir quando viu vários de seus vizinhos abertamente pasmos de curiosidade. O encontro de hoje à noite com Damon era em sua casa. Esse fato a deixou um pouco nervosa, porque não estavam reunidos em um campo neutro. Mas, ao mesmo tempo, estava ansiosa para vê-lo em um ambiente mais intimo. Estava vestida de jeans e uma camiseta, propositalmente, não indo para uma aparência evidente “sexy”. Ele já estava bem familiarizado com os desejos dela, e não queria pressioná-lo, para tornar tudo sobre sexo. Queria se sentir confortável em torno dele e vice-versa. Quando chegou, cumprimentou Damon no disco circular de sua casa grande. Ele abriu a porta e estendeu a mão para ajudá-la. Para sua surpresa, ele também estava vestido casualmente, e se ela achava que ele não poderia parecer melhor do que quando estava vestido como Sr. GQ, com as calças caras e camisa de seda e sapatos de couro, ela estava muito enganada. O homem era simplesmente de morrer em um par de jeans apertados e uma camiseta que moldava em seus braços musculosos e no peito. Suas roupas folgadas de antes haviam apenas disfarçado o corpo musculoso que ele tinha. Ele beijou sua bochecha de uma forma casual antes de girar para guiá-la para dentro. O ar mais frio tomou conta dela quando entrou na casa. Seguiu em uma luxuosa sala de estar, onde ardia um fogo no coração de uma grande lareira de pedra. Ela fez um exame da sala e depois se virou para ele com uma expressão de surpresa. “Uma lareira? Com este calor?” “Eu gosto da atmosfera,” disse ele. “Ele empresta a sala tal sentimento acolhedor, você não acha?” Ele fez isso mesmo.

61


“Adoro isso. Foi apenas um choque de ver nesta época do ano. Inferno, ele não fica suficientemente frio aqui no inverno, para um fogo mais forte.” “Gosto muito dos meus confortos criados,” ele disse com um sorriso. “Você pode até dizer que sou mimado, mas as minhas necessidades são poucas, e gosto de ver que elas sejam cumpridas.” Ah, sim, ele iria cuidar tão bem dela. Ela podia sentir isso, e Deus, não podia esperar. “Por favor, fique à vontade,” disse ele enquanto gesticulava em direção a um dos sofás de couro. “Deseja algo para beber? Uma taça de vinho, talvez?” “Isso soa bom,” disse ao se estabelecer no conforto do sofá macio. “Tudo o que você escolher vai estar bom.” Ele sorriu aquele sorriso predatório, que disse que gostava de fazer suas escolhas. Ela chutou as sandálias e colocou os pés debaixo dela quando se aconchegou mais no sofá. Ele estava certo sobre uma coisa. A sala era muito acolhedora e confortável, graças à corrente de ar fresca a ser bombeado pelo ar-condicionado, o fogo não era quente demais. Damon voltou um momento depois, e estendeu uma taça de cristal para ela. Então se retirou para a poltrona em frente a ela e se sentou. Ela tomou um gole experimental e deixou o sabor explodir sobre sua língua. “Bom?” questionou. “Perfeito.” Ele balançou a cabeça e sorriu. Ela deixou a taça longe depois de tomar outro pequeno gole, e olhou para ele sobre o aro. “Você recebeu o fax enviado esta tarde?” “Eu recebi, mas não tinha nenhuma duvida de nada, que sua saúde era perfeita.” Um sorriso quebrou no canto da boca. “Você não teria ficado surpreso se eu tivesse teste positivo para alguma DST assustadora?” Ele riu. “Isso teria sido uma pena, realmente.” “Você é um bom amante, Damon?” 62


Mesmo que ela estivesse um pouco chocada com a facilidade da pergunta que saltou da sua boca. Para seu crédito, Damon não vacilou. Ele abaixou a taça de vinho para descansar acima do joelho e seus quentes olhos castanhos encontraram-na. “Gosto de pensar assim. Sou exigente, mas generoso, embora de alguma forma ache que a parte exigente trabalha muito bem com seus desejos.” Calor tingiu seu rosto, mas ela balançou a cabeça. “Há coisas que devemos falar antes de assinar um contrato,” disse ele. Novamente ela concordou, mas não tinha ideia de por onde começar. Felizmente ele não sofria dessa dificuldade. “Você já descreu muito bem o que quer, ou ao menos onde você gostaria de começar.” “Sim,” ela resmungou. “Então, talvez devamos começar com as minhas expectativas,” disse ele calmamente. As sobrancelhas dela subiram em surpresa, e ele sorriu. “Sei o que você está pensando. Esta é a sua fantasia. Você está no controle. Mas sua fantasia é abrir mão do seu poder. Você vai se submeter a mim e aos meus desejos. Meus desejos e vontades serão te possuir. Vai me agradar, e em troca eu vou te agradar.” Sua mão tremia quando ela levantou a taça aos lábios novamente. “Para as vezes que estiver comigo, espero completa obediência e respeito.” Sua polêmica aumentou com a forma como ele declarou obediência, mas podia vê-lo estudando-a, à espera de seu protesto, quase como se estivesse esperando para chamá-la de covarde. “Isso a incomoda?” Perguntou ele. “Eu suponho que você quer dizer sexual.” Sua expressão não mudou. “Eu quero dizer em todos os aspectos.” Suas sobrancelhas se ergueram. “Não sabe como se sente sobre isso?” Como ela se sentia sobre isso? O tomador de decisão independente era que alguém esperava obediência dela. Era uma noção ridícula, ou era sua sensibilidade feminista gritando? E se assim for, porque não gritava mais alto? 63


Era mais como um murmúrio de protesto obrigatório antes de voltar para o esconderijo. “É importante para você?” Perguntou delicadamente. Porque ela podia sentir que era. Ele estava testando ela. Criando um desafio, por assim dizer. “Você não tem que me escolher,” lembrou. “Você pode sempre encontrar um homem mais... adaptável.” “E como ele me acomodaria,” ela perguntou. “Fingindo?” “Não é disso o que isso é? A grande pretensão? Um desempenho de roteiro?” Ele a pegou lá. Ela listou suas condições, mas agora ele estava listando a sua. Não, ela não tinha que concordar, mas porra, ela o queria. Ela o queria muito. “É importante para você,” disse ela novamente. “É” ele reconheceu. “Mesmo se esta é uma situação temporária, quero que seja real, enquanto você escolher vivê-la.” “E por real, você quer que eu me submeta. Para você. Completamente.” Sua voz era como veludo, macia, vibrava em toda a sua pele, ele proferiu apenas uma palavra. “Sim.” Ela estava banhada em desejo. Necessidades queimavam em seu coração, em sua alma. Não tinha percebido o quanto queria isso, até agora, até que Damon tinha inspirado um desejo por ela. “E se o que você me pede seja razoável, o que então?” Perguntou ela. Ele apoiou um tornozelo sobre o joelho e relaxou mais na cadeira. “Em muitos círculos, de fato para a maioria, digamos 'estilo de vida', usam-se palavras seguras.” Ela assentiu com a cabeça, porque sabia o que era uma palavra segura. “Eu não vou usá-la,” disse ele com firmeza. Seus olhos se arregalaram. “Você está me pedindo para confiar em você, implicitamente?” Ele balançou a cabeça.

64


“Não vou usar uma palavra que incentiva o homem a desconsiderar a palavra “não” vinda dos lábios de uma mulher. Se você disser não, se você está pensando em não, então acaba para mim. Não serei um tolo, não significa, sem jogos. Quando essa palavra atravessa seus lábios? Isso acabou. Se algum dia pedir a você algo que não vai me dar sem reservas, então tudo que você precisa dizer é não.” Ela não tinha certeza de como responder a isso porque ele estava absolutamente, cem por cento, certo. Como idiotas não tinham a noção de uma mulher dizendo que não. Ele mudou de posição novamente, pondo o pé de volta no chão quando se inclinou para frente. “Vem cá, Serena.” Ela olhou com surpresa. “Você ficou tensa, e quero que você relaxe. Quero que se sinta confortável comigo ou isso nunca vai funcionar.” Estendeu a mão, e ela se viu levantando do sofá, os pés descalços tocando o chão de madeira. Quando caminhava em direção a ele, seu olhar caiu a seus pés e ele sorriu. “Você gosta de estar descalça.” Ela estava levemente constrangida que tinha feito tanto nesta casa, no pouco tempo que esteve aqui, mas balançou a cabeça quando deslizou sua mão na dele. “Então, você nunca vai usar sapatos na minha casa,” disse ele baixinho. “O seu conforto é muito importante para mim.” Ele a puxou para baixo. “Sente-se aqui a meus pés, e coloque sua cabeça no meu colo.” Desajeitadamente ela se abaixou até que sentou no chão. As mãos dele guiaram sua cabeça até que estava aninhada em seu colo. “Sonhava em correr meus dedos por seu cabelo no momento em que nos encontramos pela primeira vez,” ele murmurou. Os dedos arrastaram através das costas do cabelo dela, ela fechou os olhos e soltou um suspiro de felicidade. Seus movimentos eram tenros, ele alisava e acariciava. “Agora relaxe,” insistiu ele. “E vamos falar quando eu te tocar.” Ele queria que ela relaxasse, quando todos os nervos em seu corpo estavam em chamas? 65


Ele brincou com os fios e dirigiu as mãos alternadas com as mechas pesadas com leves toques e carícias com a curva do pescoço dela. Lentamente, começou a relaxar, e relaxou contra ele. “Precisamos discutir o controle da natalidade.” começou ele. “Não gosto de fazer suposições, mesmo dadas as minhas preferências. Você disse em sua carta que parte de sua fantasia era para o seu novo mestre ejacular em sua boca.” Oh Deus, agora ela sabia, pelo menos, por que ele a deixou esconder o rosto, porque doce Senhor estava queimando. “Relaxe,” ele murmurou. “Não deve haver vergonha em expressar as suas fantasias.” Obrigou-se a relaxar novamente quando percebeu que tinha ficado completamente tensa contra ele. “É a minha preferência para não usar preservativo, mas vou usar se for esse o seu desejo. Eu amo a ideia de entrar profundamente dentro de você e ver minha semente deslizar em sua vagina quando eu deixar o seu corpo.” Ela tremia incontrolavelmente, e apertou sua mão em seu cabelo. “Você gosta disso também.” Ela assentiu com a cabeça. “Não tenho certeza se posso explicar logicamente o desejo que tenho de marcar uma mulher. Tenho certeza de que tudo tem a ver com a psique primitiva do sexo masculino,” acrescentou com uma risada. “Mas o fato é que quero entrar em sua boca, sua boceta, sua bunda, em seus peitos. Quero minha marca em você de cada forma concebível. Você vai ser minha. Seu corpo será meu, para fazer o que eu desejo.” Outro suspiro suave lhe escapou, e seu corpo todo tremia com suas palavras eróticas escovando em sua pele, chegando ao seu lugar mais íntimo. Sim, ela queria também. Seus dedos trabalharam através de seu cabelo e seu pescoço, acariciando levemente. “Você está protegida da gravidez, Serena? Ou você prefere que eu use um preservativo?” “Estou em controle de natalidade,” disse ela baixinho. “Eu, eu não quero que você use um preservativo.” Sua mão apertou seu ombro em aprovação. 66


“Agora, suponho que nós falemos sobre o leilão.” Ela levantou a cabeça para olhar para ele. Havia algo de quente e vibrante em seus olhos, algo que ia além da atração sexual simples. “Você faria isso por mim?” Ele tocou a bochecha dela e deixou um dedo na trilha até o queixo, e então correu sobre o lábio inferior. “Claro que sim. É a sua fantasia. Admito que seja um cenário bastante emocionante para mim também.” Ela franziu a testa por um momento, mesmo quando ela se inclinou ainda mais em seu toque. “Portanto, esta é a sua fantasia também?” Sua expressão tornou-se mais grave. “Não,” disse ele à distância. “Esta não é a minha fantasia.” “Então por quê...?” Ela deixou a pergunta no ar enquanto olhava fixamente nos olhos dele. Continuou a acariciar seu rosto, tocando cada parte de sua pele com os dedos curiosos enquanto olhava para ela. “Talvez eu esteja cansado de esperar por algo que nunca irei encontrar.” “E o que você quer?” Perguntou delicadamente. Um olhar distante entrou em seus olhos e estavam quase melancólicos. “O que você quer como fantasia, desejo como realidade. Uma mulher que vai se render a mim, que vai confiar em mim para cuidar dela, sustentá-la, e que não se importa em abrir mão do controle em todos os aspectos da nossa relação.” “E você não foi capaz de encontrar uma mulher que atende a esses requisitos?” Ela não pôde evitar a surpresa que sangrou em sua pergunta. “Não, eu não fui,” ele disse calmamente. Ela colocou a cabeça para trás em seu colo, e ele recomeçou a acariciar seus cabelos. “Então por que você concorda com isso?” Ele parou por um momento, seus cabelos emaranhados em seus dedos.

67


“Porque estou cansado de esperar, e assim por pouco tempo, gostaria de experimentar a minha própria fantasia.” Ela assentiu com a cabeça. Queria muito que ela pudesse entender. As fantasias eram seguras. Eram uma ruptura da realidade. Uma oportunidade para agir em desejos por um curto período de tempo. “Agora, sobre o leilão. Você parece aberta a estar nua na frente de uma sala cheia de homens, mesmo de tê-los tocando-a, vendo-a e querendo você.” Ela apertou os olhos fechados, mas acenou com a cabeça sem dizer uma palavra contra a sua perna. “E você quer ser fodida na boca na frente destes homens.” Novamente ela levantou a cabeça para olhar para ele e tentou não adular sobre sua franqueza. “Isso o incomoda?” Ele sorriu. “Incomoda-me que uma bela mulher quer me dar prazer, enquanto todos os outros homens na sala estão consumidos com ciúmes?” Ela soltou uma pequena risada. “Pergunta idiota, eu acho.” “Estava mais preocupado que iria incomodá-la”, disse ele gentilmente. Ela tentou olhar para baixo, mas ele não deixava. Cutucou seu queixo com os dedos, forçando-a a olhar diretamente para ele. “Isso é fantasia,” disse ela. “Quero, por enquanto, fazer as coisas que normalmente não faria, ser uma pessoa que não sou. Sei que isso não é comigo, mas ainda desejo. Apenas um gosto. Quando tudo acabar, posso olhar para trás sem vergonha por que... não é real.” “Você parece tão certa de que esta não é você,” disse ele. “E ainda articula seus desejos tão bem. Você sabe precisamente o que quer.” Ela balançou a cabeça. “Não, isso não é comigo. Sou mais forte do que isso. Não quero ser fraca. Eu só quero... uma aventura.” Seus olhos brilharam e tornaram-se protegidos. 68


“Então é isso que você terá. Se confia em mim para fazer os arranjos, vou criar uma noite para a sua fantasia para começar no meu estabelecimento. Vou contar com a ajuda de alguns dos membros do clube, mas acredito que a fantasia vai ser mais poderosa para você, se não souber todos os detalhes.” “E depois?” Ela perguntou mais alto em sua mente. O que acontecia depois do que Damon afirmou? Ele inclinou seu queixo ainda mais para cima, como os olhos perfurando-a. Havia uma energia latente em seu olhar. Apenas implorando para ser libertado. “Após o leilão, você é minha.”

69


Capítulo Oito

“Julie, você está me matando,” disse Serena com os dentes cerrados. “Isto deve ser uma massagem, e não uma lição de amassar a massa.” Julie abrandou e murmurou um pedido de desculpas. “O que há de errado com você, Julie?” Faith falou da mesa ao lado. “Não gosto de você assim... mal-humorada.” Serena ergueu a cabeça. “Ela não chegou a você ainda. Sinta-se feliz. Vou ter contusões.” “Nathan me pôs aos seus pés,” disse Julie. “Levante? Você teve um encontro?” Faith perguntou em uma voz animada. “Não exatamente,” Julie murmurou. Ela continuou massageando Serena muito mais suave agora, embora Serena ainda podia sentir a tensão entre os dedos. “O que você quer dizer com ‘não exatamente’?” Serena perguntou quando relaxou sobre a mesa. Julie suspirou. “Ele remarcou a massagem depois que eu meio que conspirei para começar meu grande esquema de sedução. Bem, ele não tem exatamente remarcado ainda. Ele simplesmente cancelou.” “Uh-oh. Isso não soa bem,” Serena disse. “Faith, Nathan está saindo com alguém?” Julie perguntou. “Não que eu saiba, mas não acompanho sua vida amorosa. Por que você pergunta?” “Eu quero ouvir sobre esse plano de sedução,” Serena falou. “Usava uma camisa decotada que meus seios estavam praticamente se derramando.” “Oh, meu,” disse Faith em diversão. “Isso tinha que ter uma visão gloriosa de se ver. Você tem hum, seios impressionantes.” Serena se sentou, e as mãos de Julie caíram de suas costas. “Eu não acabei, querida,” Julie protestou.

70


“Oh sim, você acabou. Quero ouvir tudo sobre isso, e odeio ter uma conversa deitada, a menos que envolva um homem lindo.” Faith riu. “Você sabe que nós estamos chegando próximas a você, Serena. Só para você saber.” Serena revirou os olhos. “Como se eu pensasse que pudesse escapar das duas.” Ela se virou para olhar para Julie. “Então? Exibiu ops seios, então o quê?” “Nada. É isso que eu venho tentando dizer. Estou aqui ajeitando o meu decote, planejando como plantá-lo no rosto de Nathan, quando ele pede para cancelar sua consulta.” “Ah, merda, me desculpe,” disse Faith, simpatia surgiu em suas feições bonitas. “E fica ainda pior,” Julie disse sombriamente. “Alguma vagabunda no fundo estava informando que ele não precisa pagar por uma massagem, porque ficaria mais que feliz em darlhe uma. Então, quando perguntei quando queria remarcar, ele disse que ligaria para mim.” “Oh, ai,” Serena murmurou. “Você poderia chamá-lo.” “Sim,” Julie resmungou. “Fui abatida antes de sair do chão. É evidente que preciso concentrar minha atenção em outro lugar. Quer dizer, não sou uma cadela completa, certo? Nunca tive um homem querendo colocar um saco de papel sobre a minha cabeça durante o sexo ou qualquer coisa.” Serena e Faith caíram na gargalhada. “Sinto muito, Julie,” Faith disse enxugando as lágrimas de riso de seus olhos. “Eu não tenho ideia do problema de Nathan. Você é linda!” Julie revirou os olhos. “Falou como uma amiga leal falando com uma mulher feia.” Serena riu. “Bem, você não é tão bonita quanto eu, mas definitivamente não é o bicho papão.” Julie cutucou o ombro de Serena. “Puxa, obrigado, que amiga.” “Por que não pede um encontro?” Serena perguntou. “Pare com as insinuações, do plano de saltar-lhe dando uma massagem, essa ideia não era má de todo, mas acabou, e o chame para

71


um encontro. Se ele se recusar, em seguida, limpe a sua existência a de seu banco de memória, e vá chamar a Micah ou Connor. Ambos são quentes.” “Eu não posso sair com alguém que dormiu com uma das minhas amigas,” Julie murmurou. “Então, obrigado, Faith, por arruinar Micah para mim.” Faith riu. “Se você soubesse o quanto ele é bom na cama, não ficaria tão santa sobre sair com ele.” Julie gemeu. “Pelo amor de Deus. Pare já. Você está me matando. O que eu não daria por um trio com dois sujeitos quentes. Inferno, agora pegaria um cara quente. Ou até mesmo um não-tão-quente. Eu só quero chegar nele, porra.” “Os brinquedos não estão funcionando para você?” Serena perguntou inocentemente. “Foda-se,” Julie disse sombriamente. “Assim fala a mulher que tem a garantia de algum sexo matador, agora que está para ser escrava sexual de alguém.” “O que nos traz muito bem para o próximo tópico da nossa conversa,” disse Faith. “Será que Damon encontrou alguém para você?” Serena mordeu o lábio e olhou entre suas duas amigas, perguntando se devia dizer tudo. “Ele achou, não foi?” Julie atacou. “Fale Serena. Queremos mais detalhes.” “Ele não encontrou alguém exatamente,” ela anunciou. “Ele meio que se ofereceu para cumprir a fantasia.” A boca de Faith caiu aberta enquanto Julie apenas olhou confusa. “Ele fez o quê?” Faith exigiu. “Você está falando sério?” Julie olhou rapidamente para trás e para frente entre Serena e Faith. “O que estou perdendo? Esse é o cara GQ, certo?” Faith a ignorou. “Mas ele não é assim com todos a encenação e jogos. Quero dizer, ele me disse uma vez que se tivesse do modo dele, ele teria uma mulher encoleirada, e amarrada à cama.” Um arrepio delicioso começou no pé de Serena, e trabalhou até que todo seu corpo estava banhado em arrepios. “Bem, nós não precisamos de um cientista para descobrir onde isso está acontecendo,” Julie disse secamente. 72


Agora foi a vez de Serena ignorar Julie. “Bem, ele tipo mencionou isso. Não em termos tão específicos, como você, mas hum, ele trabalhará comigo, pelo menos numa base temporária.” Preocupação sombreou os olhos de Faith. “Eu nunca imaginei que Damon iria para algo temporário. Ele é muito focado no que quer.” “Talvez ele vá conservar você por perto,” brincou Julie. Serena atirou um olhar nervoso. “Vamos, Julie. Você pode realmente me ver como escrava sexual de alguém, permanentemente? É bom para algum sexo muito quente e ardente numa fantasia, mas de verdade? Não eu.” “Por que não é para você?” Julie desafiou. “Obviamente que agrada a você em algum nível básico, ou não estaria anunciando para um homem amarrá-la e ter seu mau caminho com você.” “Alguém já disse como você é irritante?” Serena resmungou. “É uma fantasia. Todo mundo tem uma, mesmo que não seja algo que se levaria para o mundo real. Tenho muito... força de vontade para me submeter a um homem permanentemente.” “Gray, uma vez me disse que nunca iria para uma mulher que não fosse forte o suficiente,” Faith disse suavemente. “É preciso uma mulher forte. Nunca duvide disso.” Julie e Serena se viraram para olhar a Faith em estado de choque. “Espere um segundo. Você está dizendo que você e Gray... que você tem esse tipo de relação com ele?” Serena perguntou. Faith encolheu os ombros. “Eu não classificaria o nosso relacionamento como típico de qualquer coisa, mas nós fazemos isso, mas se você está perguntando se ele é a força dominante na nossa relação, aí sim, ele é.” “Ah, merda, e agora vou ter que pedir desculpas por te insultar,” disse Serena quando fez uma careta de desculpa para a amiga. Faith sorriu.

73


“Não, você não tem. Costumava pensar como você. Me fazia fraca por querer um homem para cuidar de mim, que eu era alguma tola e covarde para me submeter a um homem. Mas era o que queria, e estava cansada de me contentar com o segundo melhor.” “Possuir a sua sexualidade,” Julie murmurou. “Eu digo a você, vou ter que conseguir um pouco disso.” “Amém,” Serena destacou. “Faith, não quero me intrometer, mas você simplesmente tem que me dar mais para trabalhar aqui.” Faith sorriu. “Bem, receio que Damon seja provavelmente um pouco mais explícito que Gray, pelo menos, passando pelo que ele me disse. Ele quer... ele quer uma mulher. Em suas próprias palavras, quer uma escrava, embora não mede esforços para dizer que se opõe à palavra, mas para todos os efeitos práticos, é o que ele quer.” “Uau,” Julie respirava. “Está ficando quente aqui, e de repente estou pensando sobre a merda que nunca antes passou pela minha cabeça.” Serena revirou os olhos. “Julie, você não tem um osso submisso em seu corpo.” Julie sorriu descaradamente. “Não... Eu não tenho.” Serena se virou para a Faith. “Ok, então se Damon não está em jogos ou fantasias, por que diabos ele está querendo ser o meu... mestre? Deus, eu odeio essa palavra. Ela só parece tola.” Faith encolheu os ombros. “Talvez ele esteja atraído por você? Talvez esteja cansado de esperar pela mulher certa?” “Ou talvez ele somente quisesse algumas noites de sexo quente com uma escrava,” Julie acrescentou com um sorriso travesso. “Quero dizer, vamos lá, que cara vai dispensar uma linda mulher implorando por um homem, ser proprietário dela?” Os olhos de Faith brilharam com divertimento. “Micah me informou que os homens ficam loucos por uma mulher submissa.” “Ah, merda, não ele também,” Julie gemeu. “Meu Deus, mulher. Então você teve a ambos, malvados com você? O que fez você deixou que eles te amarrassem e fodessem seus miolos?” Faith fingiu interesse em suas unhas e deu a Julie um olhar de soslaio. 74


“Quase.” “Você é uma puta malvada,” Julie murmurou. “E Gray estava bem com isso?” “Você já perguntou isso,” Serena disse pacientemente. “Obviamente ele estava já que ambos estavam lá.” Julie balançou a cabeça. “Simplesmente não posso passar por isso. Quero dizer, Gray é todo possessivo com Faith e ainda deixa outro homem a foder enquanto ele assiste? Isso é uma bagunça séria.” Faith bufou. “Como se você fosse recusar um ménage à trois com dois homens quente?” “Claro que não, eu não,” exclamou Julie. “Estou chocado que o homem deixou-a fazer isso.” “Foi ideia dele,” Faith, disse com um sorriso. Julie fechou os olhos. “Por que todos os bons já estão ocupados?” “Talvez você devesse repensar sua posição sobre dormir com os homens que suas amigas fizeram sexo,” Serena disse. “Esqueça Nathan e redirecione sua atenção para Micah. Se você só quer transar, eu aposto que ele iria acomodá-la.” “Ah, certo, como eu o quero comparando notas com os caras, sobre a minha performance e de Faith na cama. Não, obrigado.” “Não é que eu esteja encorajando você a ir atrás de Micah, mas ele nunca faria isso,” disse Faith. “Ele não é assim.” “Então você ainda está dormindo com ele... eles?” Julie perguntou. Faith sacudiu a cabeça. “Não estou dizendo que não voltaria a acontecer, porque é sério para excitar Gray, mas aconteceu uma vez.” “Ok, eu entendo porque é excitante para uma mulher, disse Serena. “Mas para o cara? O que ele consegue com isso?” “O inferno de conversa,” exclamou Julie. “Graças a Deus vocês são minha última consulta do dia.”

75


Julie encostou-se à mesa de massagem e olhou entre Serena e Faith. “Vocês duas estão sentadas aqui nuas, e estamos discutindo sobre caras quentes. Há algo muito errado com este retrato.” “Temos toalhas,” Faith corrigiu. Julie revirou os olhos. “E elas cobrem muito.” “Então?” Serena colocou seu traseiro para dentro “O que um cara consegue com isso, Faith? Você me deixou muito curiosa. Sempre pensei que a fantasia dos homens, era fazer ele com duas mulheres, não conseguir com a mulher e outro homem.” “Ohhh,” Julie, ofegou. “Os homens não... eles não fazem uns aos outros, não é?” Faith deixou cair o rosto em suas mãos e deixou escapar um gemido. “Essa conversa está deteriorando seriamente. Pelo amor de Deus, Julie.” “Ei, é uma questão legítima,” disse Serena. “Obrigado, Serena,” Julie disse quando cruzou os braços sobre o peito e olhou para Faith. “Não, eles não fazem entre si,” Faith disse em uma voz estrangulada. “Eles nem se tocam.” “Então qual é o ponto?” Julie perguntou. Faith suspirou, exasperada. “O ponto é que excita Gray assistir enquanto outro homem fode a mulher dele. Ele gosta de me foder ao mesmo tempo. Você sabe orifícios diferentes?” Serena riu. “Ela disse 'orifícios'.” Faith jogou uma toalha na cabeça de Serena. “Juro, eu sinto muito, de ter dito isso para vocês. Estava só tentando ajudar uma amiga.” Julie esfregou o queixo, pensativa. “Então você está dizendo que é uma coisa masculina primitiva. Mais ou menos como: 'Está é minha mulher. Ela é minha, mas você pode tê-la um pouco.” Faith revirou os olhos. “Eu acho que você poderia dizer que, numa espécie bárbara de passagem. Não posso falar por ninguém, mas na minha situação, os homens estavam focados unicamente em mim. Não estavam se tocando. Eles estavam muito ocupados me tocando.” 76


“E fodendo seus miolos,” acrescentou Julie. “Isso também,” Faith acrescentou com um sorriso. “Cadela sortuda,” Julie disse tristemente. “Então, se é que podemos direcionar a conversa de volta para mim e minha escravidão iminente,” disse Serena. “Por todos os meios,” Julie disse levianamente. “Não deixe que minhas fantasias sobre eu ser imprensada entre dois homens quentes as interrompam.” Serena olhou para a Faith. “Você acha que estou cometendo um erro, deixando Damon cumprir a minha fantasia?” Faith apertou os lábios por um momento. “Honestamente, não. Não tenho certeza que você poderia pedir um homem melhor. Estou surpresa que ele concordou, ou se ofereceu. Suponho que deveria dizer desde que você não perguntou a ele, mas realmente acho que ele é perfeito para você. E certamente ajuda que ele malditamente quente.” Serena viu como Julie enviou os olhos para o teto. “Verde não é a sua cor, Julie,” Serena brincou. Julie suspirou. “Essa sou eu. Cadela ciumenta.” “Por que não levamos Julie para ter uma bebida?” Serena sugeriu. “Talvez possamos fazêla transar, e então Deus sabe o seu humor melhoraria.” “Eu não acho que você deveria parecer tão esperançosa, Julie,” Faith disse quando ela se engasgou com seu riso. Serena descartou a toalha, saiu da mesa e enrolou seu robe em torno de seu corpo. “Bem, vamos lá então. Vamos ir beber decentemente. Considerando o que concordei ontem, acho que poderia tomar uma bebida ou três.” “Sim, bem, só me prometa que você irá me dar todos os detalhes baixos e sujos de sua restrição com a escravidão,” disse Julie. “Se eu ficar realmente desesperada, vou inscrever-me para ir a uma rodada com o Sr. GQ.” “Pensei que não iria dormir com rapazes que tinham tido relações sexuais com suas amigas?” 77


Serena disse com uma sobrancelha levantada. “Foi muito caridoso vocês me lembrarem disso,” Julie bufou. “Parece que entre você e Faith, e a vagabunda que paira em torno de Nathan, cada pedaço foi contabilizado. É triste, maldição quando estiver realmente pensando em sobras.” “Pelo amor de Deus, Julie, cale a boca,” disse Faith. “Eu pensei que só os homens se opunham a Sloppy Seconds3.” “Querida, aparentemente, os seus homens não,” Julie disse docemente. “Ok meninas, suficiente. Vamos ficar bêbadas antes do início da briga das gatas,” exclamou Serena. “Embriagada e com sexo,” Julie disse ao realizar um brinde trocista.

3

Uma mulher que ainda tem o sêmen de outro homem no corpo.

78


Capítulo Nove Quando Serena, Julie e Faith entraram no Cattleman’s, Julie gemeu e tentou se virar e caminhar para trás, para fora. Sentados em uma das mesas estavam Nathan e uma loira. Faith e Serena agarraram um braço e arrastaram Julie para frente. “Nunca deixe vê-lo correr,” Serena aconselhou. “Entre aqui como se você fosse à dona do lugar, audaciosa, corajosa em tudo.” Julie olhou para o peito e, em seguida, olhou através do salão em Nathan. Com um rápido movimento de seu dedo, ela desabotoou os dois primeiros botões de sua camisa e dispôs de um modo simples uma sugestão de seu sutiã rendado. Serena tinha que admitir que Julie realmente tinha um decote fantástico. Um brilho mal intencionado fitou nos olhos de Faith. Doce, Faith inocente de repente parecia satânica, Faith assustadora. Ela apertou seu aperto no braço de Julie então olhou propositadamente para Serena. “Vamos lá, vamos lá,” Faith anunciou. “O quê?” Julie gritou. Puxou o braço para trás, mas Faith segurou firme. Entre Serena e Faith, que a arrastavam pelo chão na direção da mesa de Nathan. “Vou matar você por isso,” Julie sussurrou pouco antes de colocar um sorriso brilhante. Nathan olhou para cima e sorriu calorosamente. “Olá, senhoras.” Sua companheira não estava tão contente de vê-las. “Oi, Nathan,” Faith disse docemente. “Terminou cedo o trabalho?” Nathan riu. “Sim, só não fale para Pop. Ele e Connor estão ainda trabalhando.” Seu olhar cintilou sobre Julie e, em seguida, Serena, e Serena podia jurar que viu o interesse em seus olhos, especialmente quando ele deu um bom olhar no decote de Julie. Julie sorriu, mas era um daqueles sorrisos calculista que deveria ter dito a Serena, que ela estava em apuros. 79


“Bem, foi bom vê-lo, Nathan. Ligue para mim e vamos remarcar sua massagem. Nós poderíamos ficar e bater um papo, mas estamos indo até o bar para discutir o próximo leilão de Serena,” disse Julie. Faith tossiu e Serena fechou os olhos gemendo em silêncio. “Leilão? O que você está vendendo?” Nathan perguntou. Não diga isso. Não se atreva a dizer isso, Julie. “Ela própria,” Julie respondeu como se fosse uma ocorrência diária. As sobrancelhas de Nathan dispararam, e ele voltou seu olhar para Serena. Mesmo a loira vagabunda pareceu surpresa. “Bem, esse é um leilão interessante,” Nathan falou lentamente com a diversão rastejando em seus olhos. “É aberto a todos?” “Julie esta bêbada,” explicou Serena quando cavou seus dedos para o lado de Julie. Ela podia sentir a vaquinha tremendo com o riso silencioso. “Foi bom vê-lo, Nathan. E você...” Ela olhou para a loira, que parecia irritada que Nathan não tinha apresentado a ela. “Prazer em vê-la minhas senhoras,” disse Nathan. “Faith, vejo você amanhã.” Julie vibrou os dedos, em seguida, ajeitou o cabelo e seguiu depois de Faith em direção ao bar. “Vou matar você,” Serena assobiou quando deslizou sobre a banqueta do bar. Julie riu. “Isso é o que você ganha por me puxar para lá.” “Eu? Inferno, não foi ideia minha” Serena resmungou. “Foi sua amiga doce, ali.” “Sim, bem, vou devolver isso, assim que achar uma forma,” Julie disse quando jogou a Faith um olhar sombrio. “Bem, ele notou seu decote,” Faith disse. “Embora ache que você quer que ele perceba mais do que isso.” Julie revirou os olhos. “Oh menino, aqui vamos nós. Faith vai nos dar o que ele quer você, não o seu discurso sobre os atributos. O que é bom, mas no momento, eu vou levá-lo a me notar de alguma forma. Não quero casar com o cara. Somente quero me enrolar em torno dele um par de vezes.” “Ela precisa de duas bebidas,” disse Serena quando fez sinal para o garçom. 80


“Uma para cada mão,” Julie disse com um sorriso. Faith virou-se em seu banquinho de bar. “Então por que estamos aqui de novo?” “Para fazer Julie bêbada,” Serena respondeu. “E fodida,” Julie falou. “Não se esqueça da parte mais importante da equação.” Um riso masculino soou atrás delas. “Foda-se,” Julie murmurou enquanto fechou os olhos. Serena se virou para ver Gray Montgomery de pé atrás delas, um largo sorriso no rosto. “Interessante conversa. Estou interrompendo?” “Não,” disse Faith. “Sim!” Julie exclamou. Faith pulou fora de seu banco do bar e foi imediatamente envolvida nos braços de Gray. Serena e Julie trocaram olhares, mas ambas sabiam que estavam sendo cadelas com ciúmes. “Acho que você vai estar aqui por algum tempo,” disse Gray, com a diversão ainda pesado em sua voz. Faith sorriu. “Uh, sim, estamos arranjando e tramando a morte de —” Julie ergueu a mão para cortar a Faith. “Você não ouse dizer o nome, Faith, ou eu juro por Deus que vou sufocá-la com seu próprio cabelo.” Gray riu. “Não sei se sinto inveja do bastardo ou pena dele.” Ele se inclinou para beijar Faith novamente. “Vou deixar você para ter conversa de garotas. Estou encontrando Micah e Nathan para uma bebida. Vejo você em casa depois.” Suas mãos deslizaram sobre o corpo de Faith possessivamente quando ele capturou um último beijo, e Serena observou descaradamente. A química entre os dois era tangível. “Acho que você vai encontrar Nathan ocupado,” disse Julie disfarçadamente.

81


“Ah, você quer dizer a sua reunião com a cliente?” Gray perguntou. “Ele está acabando agora.” Julie franziu a testa e então olhou para a Faith. “Cliente? A loira é uma cliente? Por que você não sabia que ela era uma cliente, Faith?” Faith encolheu os ombros. “Contrariamente à crença popular, não sei tudo o que acontece na Malone e Filhos.” “Todos os seus clientes são assim... grudentos?” Julie perguntou a Gray. Faith franziu a testa e depois olhou para Gray. “Sim, elas são? Você não tem encontros de negócios com vagabundas loiras, não é?” Gray riu e tocou um fio de cabelo comprido loiro de Faith. “Você é a única loira para quem tenho olhos, bebê.” Então, ele inclinou-se para mais um beijo. “Eu te vejo mais tarde, ok?” Ele afastou-se, mas depois franziu a testa para as bebidas, que o barman tinha fixado na frente da mulher. “Recomendo este. Vou ficar por perto e conduzir as senhoras para casa quando tiverem terminado.” “Por mim tudo bem,” Julie disse com um encolher de ombros. “Vim com Serena.” “Eu não estava pensando em beber nada,” disse Serena enquanto sorria para Gray. “Foi gentil de sua parte em oferecer, mas posso levar Julie para casa.” “Sim, mas agora você pode beber,” disse Faith. “Eu estou certa que Micah e Nathan não se importariam de ajudar a levar nossos carros para onde precisamos ir.” Serena quase riu de como Faith estava sendo tão transparente. “Ok, soa como um plano para mim”, disse Serena. “Bebam meninas.” Várias bebidas mais tarde, as três mulheres estavam rindo, mas para a vida dela, Serena não conseguia descobrir do que elas estavam rindo. Julie estava fazendo uma imitação da loira oferecendo ao pau de Nathan uma massagem enquanto Faith tentava, em vão, fazê-la baixar a voz. “Você acha que eles sabem que nós estamos falando sobre eles?” Julie perguntou quando se inclinou e puxou um polegar por cima do ombro para onde Gray, Micah e Nathan estavam a várias mesas de distância. 82


“Eles provavelmente têm uma boa ideia,” Serena disse secamente. “Você não é exatamente a criança modelo da discrição.” Julie encolheu os ombros. “Oh, bem, foda-se ele.” “Você está tentando, lembra?” Faith disse sufocando o riso. “Não mais,” Julie anunciou quando bebeu o último gole de sua bebida. “Se ele não gosta de mim e minha massagens, então vou encontrar alguém que goste.” “Avante garota,” disse Serena. “Oh, Serena, não olhe agora, mas Damon acabou de entrar,” Faith sussurrou. Julie virou em seu assento e rapidamente prendeu a respiração. “É o Sr. GQ? Droga, ele é... maravilhoso. Muito bom Serena. Acho que poderia estar repensando a minha posição em toda a coisa de submissa e escravidão.” “Vire-se e coloque a língua para trás em sua boca,” disse Serena. “Você está babando na minha camisa.” “Ele está vindo para cá,” informou Julie quando girou em sua cadeira. O coração de Serena bateu apenas um pouco mais rápido, e olhou para a confirmação de Faith. Faith assentiu pouco antes de ela se virar e sorrir. “Damon, uma surpresa vê-lo aqui,” disse Faith quando Damon abordou. Finalmente Serena virou calmamente em seu banquinho para ver Damon a um pé de distância. Ele vestia jeans de novo e uma camiseta. Mesmo vestido informalmente, porém, ele positivamente transmitia a sexualidade crua. E confiança. Estava lá aonde pertencia, como se não houvesse nenhuma dúvida de que ele seria bem-vindo. “Uma surpresa,” concordou Serena. “Veio se misturar com a gente bárbara?” Damon riu. “Alguns de meus bárbaros favoritos rondam por aqui, mas, na verdade, eu estava procurando por você. Sua assistente disse que poderia encontrá-la aqui.” “E aqui estou eu.” “Não se preocupe conosco,” Julie murmurou. “Nós podemos levar nossas carcaças bêbadas em outro lugar.”

83


“Não,” Damon disse suavemente. “Posso pagar a próxima bebida das senhoras? Não sabia que estaria interrompendo a noite das meninas.” Julie fez um gesto para Faith se mover uma banqueta abaixo do bar e, em seguida, Julie pulou e pegou o assento vago que Faith deixou. “Sente-se,” ela ofereceu a Damon. “Se você comprar as bebidas, o mínimo que podemos fazer é ficarmos confortável.” “Damon, você obviamente conhece Faith, mas esta é a nossa amiga Julie Stanford. Julie, este é Damon Roche.” Julie estendeu a mão, e Serena silenciosamente rezou para que Julie mantivesse a boca fechada sobre leilões e escravidão. “Muito prazer em conhecê-lo, Damon. Ouvi muito sobre você.” “O prazer é meu, Julie,” ele disse quando pegou a mão dela na sua. Então ele se virou para Serena. “Você se importa se eu me sentar?” “Não,” ela disse quando acenou para os bancos. “Havia algo que precisava? Não que me importe de você me procurando aqui,” ela se apressou a acrescentar, “Mas havia algo em especial que você quisesse?” “Você,” ele disse simplesmente. Serena engoliu em seguida, engoliu outra vez quando o nó na garganta não desaparecia. “Se você ainda não tem planos para o jantar, pensei que poderíamos jantar juntos e discutir...” Ele se calou, mas seu significado era claro. Julie se inclinou para frente. “Não se segure por nossa causa, Serena.” “Mas você veio comigo,” protestou Serena. “Eu não posso deixá-la aqui.” “Eu ficaria feliz em dar a sua amiga uma carona para casa,” disse Damon. “Vou mandar alguém levar o carro para seu apartamento, se estiver tudo bem para você, e a levarei para casa mais tarde.” Julie recostou-se e olhou para Damon com interesse e, em seguida, ela voltou seu olhar para Serena. 84


“Ok, esqueça tudo o que eu disse sobre um homem tomar conta, porque estou achando muito atraente, de repente.” Damon sorriu, e Faith soltou uma gargalhada. “Você tem um problema com Damon te levando para casa, Julie?” Serena perguntou. “Talvez eu não devesse ir. Odeio abandonar vocês.” “Nós podemos sempre ter o jantar outro dia,” Damon interrompeu. “Ou Faith e Julie são bem-vindas para se juntarem a nós, embora vejo Gray carrancudo lá, então duvido que ele vá ficar emocionado com a ideia de eu sair daqui, não com uma, mas três mulheres lindas.” “Oh, eu gosto dele,” Julie respirava. Ela piscou e pareceu sair fora de seu estupor semi embriaguez. “Vocês dois vão em frente. Gray prometeu me levar para casa.” “Você tem certeza?” Serena perguntou. “Não é nenhum problema te levar pra casa,” Damon assegurou. Julie sorriu. “Agradeço a oferta, mas tenho certeza que vocês dois têm muita coisa para falar. Você sabe como leilões, colares de escravos, correntes...” Serena fechou os olhos e orou por livramento, mas Damon apenas riu. “Vamos” Serena murmurou. “Antes que eu mate ela.”

85


Capítulo Dez Serena entrou no estacionamento com a mão de Damon levemente na parte baixa de suas costas. Ela propositadamente manteve o passo com ele, para que sua mão não deslizasse longe. O crepúsculo tinha caído, e uma brisa leve soprava à noite através de seu cabelo. Estava menos úmido do que o habitual hoje, e os sons da cidade, rodeavam a eles. Depois que Damon ajudou Serena em seu carro, ele caminhou ao redor e entrou no banco do motorista. Ao invés de ligar o carro, ele puxou o celular, ela o ouviu pedindo ao seu motorista para ir ao restaurante e recolher as chaves do carro dela. “Sam irá conduzir o seu carro para o apartamento esta noite depois que eu deixar você de volta em casa, para que ele possa te entregar as chaves. Vou dar um telefona para ter certeza de que ele saiba que você está esperando por ele.” Serena colocou a mão no pulso de Damon quando introduziu a chave na ignição. “Você não tem que fazer isso Damon. Pode sempre me trazer de volta aqui para pegar meu carro depois de termos comido.” Ele ligou o carro e depois estendeu a mão para tocar sua bochecha. “Não há problema em tudo, Serena. Melhor se acostumar a me ter cuidando de você, porque lhe asseguro, enquanto você é minha, vou verificar todas as suas necessidades.” Sua garganta secou, e mil borboletas bateram asas no seu estômago. Ele fez soar tão atraente, tão bonito. Não gostava da imagem crua que a palavra escravo invocava. “Acho que vou gostar,” ela disse suavemente. “Eu pretendo fazer que você goste.” Enquanto dirigia para fora do estacionamento, ele estendeu a mão e deslizou sobre a dela. Esfregou o polegar levemente para cima e para baixo em um de seus dedos, manobrou pelas ruas movimentadas. “Eu gosto de tocar em você,” ele disse quando a viu olhando para sua mão. “Você tem a pele infinitamente palpável.” “Eu não me importo”, disse ela com voz rouca. “Suas mãos são fortes. Eu gosto delas contra a minha pele.” 86


Seus olhos brilharam com o brilho que vinha dos faróis numerosos. “Logo você vai me sentir em cada parte do seu corpo, Serena. Você está preparada para isso? Farei você ficar acordada durante a noite pensando em mim, tocando em seus seios? Seus lábios? Entre suas pernas?” Seu sentido tornou-se vivo quando ele comandou isso. Um arrepio correu exoticamente de sua pélvis para seus seios, apertando seus mamilos em pontos tensos. “Sim,” ela sussurrou. “Encontro-me impaciente para possuir você,” ele murmurou. “É por isso que te procurei hoje à noite. Queria dizer que os arranjos para o leilão foram feitos.” Ela tremia, e ele aumentou o aperto em sua mão como se quisesse acalmá-la. “Precisamos falar sobre o que acontece depois,” disse ela. “Sim, nós faremos. Gostaria de uma semana onde tenha você completamente e totalmente para mim. Você mencionou um período de um mês de tempo para a sua fantasia, e percebo que você não pode tirar o mês inteiro longe de seu negócio, mas pode ter uma semana de folga logo após o leilão?” Ela lambeu os lábios e viu-se segurando em sua mão. “Tenho certeza que posso. O que acontece depois que a semana, acabar? Quando voltar ao trabalho?” Ele sorriu. “Você vai trabalhar como qualquer outro dia. Mas no final do dia de trabalho, você volta para mim e entrega-se aos meus cuidados e manutenção.” “E quando tiver obrigações fora do trabalho?” “Vocês vai, claro, mantê-las. Não sou um monstro, Serena. Tudo que peço é que quando estiver comigo, o tempo seja meu.” Ela assentiu com a cabeça. “Tudo bem. Posso concordar com seus termos.” “Eles são os seus termos,” disse ele calmamente. “Estou apenas cumprindo os seus desejos mais profundos.” “Sim, eu sei. E muito obrigado. Eu acho.” Ela sorriu quando sua voz dela com tremor. Ele sorriu e apertou a mão dela em tom tranquilizador. “Dê-me uma chance para fazer você feliz, Serena.” 87


Ela inclinou a cabeça de lado para olhar para ele. “Sabe, de alguma forma eu não consigo imaginar não ser feliz com você.” Ele levantou a mão e roçou seus lábios em seus dedos. “É minha meta fazer você aproveitar todos os nossos momentos juntos.” Recostou-se em seu assento, vago com contentamento. Damon fazia isso com ela. Relaxou e a fez se sentir à vontade. Como podia confiar nele. Era um absurdo quando ela pensou nisso. Tinham se conhecido num período tão curto de tempo, mas ele a conquistou. Sem dúvida, sem reservas. Ele não a julgou. Ele aceitou-a. Ele manteve a mão dela em seu colo durante o passeio. Quando não estava acariciando os dedos, corria as pontas dos dedos para cima e para baixo em seu pulso, e até o interior de seu braço. Era viciante. Ele era viciante, e o mais assustador era que o relacionamento ainda tinha que ir além de um simples toque, uma carícia ou um olhar crepitante. Ele poderia ser um problema para ela de uma forma muito, muito grande, se não tomasse cuidado. Ele dirigia ao mesmo restaurante que foram em seu primeiro encontro, e foram conduzidos de volta para a sala de jantar privada. À noite, tomava uma atmosfera totalmente diferente. A iluminação era fraca e mais íntima. As cortinas foram puxadas para trás a partir da janela com paisagem grande, e a cidade piscava brilhantemente no horizonte. “Eu me sinto decididamente mal vestida,” ela murmurou com tristeza quando olhou para sua calça jeans e camiseta. “Não estou vestindo nada vistoso,” lembrou. “Além disso, estamos sozinhos, e não há ninguém para nos ver.” Sua expressão aliviou enquanto sorria. Ele fazia tudo tão fácil para ela relaxar e não se preocupar com nada além do momento. Fixou-se em sua cadeira, e, em seguida, tomou assento em frente a ela. Um garçom pairou por perto, e Damon pediu uma garrafa de vinho. “Gostaria de ver o menu?” Damon pediu. Ela se sentou na cadeira, segurando sua taça de vinho nos lábios. “Você escolhe,” disse ela baixinho. Sabia que iria agradá-lo em fazer isso, e não questionou seu desejo de satisfazer o desejo. 88


Damon relacionou as suas escolhas para o garçom em voz baixa, e outra vez, eles foram deixados sozinhos. “Diga-me mais sobre si mesmo,” disse ela enquanto colocava a taça de volta na mesa. “Eu não sei o que faz para viver. Você tem família? Você está sozinho?” Ele deu uma careta consciente, e foi à primeira fissura que ela viu na forma autoconfiante, que sempre usava. “Tive sorte em tenra idade por ter entrado numa pequena empresa, com o que acabou por serem ações muito lucrativas. Adoro um desafio, e assim compro empresas em dificuldades e as transformo.” “E você já falhou?” Serena perguntou, embora já soubesse a resposta. Ele olhou calmamente para ela. “Não,” ele disse simplesmente. “Qual foi a sua última aquisição?” Ele bateu com os dedos na mesa, e um brilho animado entrou em seus olhos. “Peguei duas fábricas de chips mais a leste, que estavam à beira da falência. Realmente espero vê-las mostrando um lucro em menos de um ano. Está tudo em contratar as pessoas certas, e fazer decisões financeiras.” “Você parece muito mais cruel do que eu sou quando se trata de negócios,” disse ela. “Admito que nem sempre tomo as melhores decisões de negócios e deixo meu coração ficar à frente do meu cérebro. Carrie me diz que sou muito mole e que nunca vou usar bolas de metal.” Damon sorriu enquanto se recostou na cadeira para estudá-la. “E ainda assim o seu negócio é rentável, você não tem dívidas, e tem clientes felizes.” “Você me verificou novamente,” ela murmurou. “Não outra vez. Apenas uma vez. Somente fiz ter a certeza de que foi uma investigação muito rigorosa. Estou muito curioso por saber como você começou este tipo de negócio. Nunca soube de outro como esse.” Ela encolheu os ombros, mas não conseguiu conter a mordida de empolgação que tomava conta dela quando falou sobre seu negócio, e o que inspirou a ideia por trás dele.

89


“Começou bem extravagante, na verdade. Sempre fui um pouco sonhadora. Ok, uma grande sonhadora. Minha mãe costumava jurar que passei noventa por cento do meu tempo com minha cabeça nas nuvens.” “Sonhos nunca morrem,” disse Damon. Serena sorriu. “Isso é tão verdadeiro e um sentimento lindo. De qualquer forma, mesmo em jovem, eu gostava de cumprir os desejos de outras pessoas. Se ouvisse um amigo ou um membro da família expressar um desejo de algo, se estivesse em meu poder para dar a eles, eu fazia.” “Depois que me formei, com o meu MBA, passei um par de anos trabalhando na administração do escritório. Tempo suficiente para descobrir que estava entediada, e odiava trabalhar para outras pessoas.” “Ah, uma rebelde,” disse ele com diversão. Ela franziu o nariz. “Receio que sim. Não é que não possa conviver com as pessoas ou que resisto à autoridade. Eu só estou feliz, quando estou tomando minhas próprias decisões e trabalhando em um trabalho que me motiva. Em resumo, não amo o que estava fazendo. Amo agora, e isso faz toda a diferença.” “Aposto que você começa uma série de pedidos de interessante.” Ela revirou os olhos. “Isso é um eufemismo. Alguns deles são, obviamente, loucos para darmos uma risada, mas os piores são os insanamente fora-de-padrão, pedidos grave. Estes vêm de pessoas que realmente querem e esperam onde eu possa cumprir suas fantasias bizarras e tão estranho, quanto possa achá-las, eles ainda são apenas as pessoas que anseiam por algo que está apenas fora de seu alcance. É difícil lhes dizer que não posso ajudá-los.” “Você tem um coração mole,” ele disse em uma voz suave. Ela fez uma careta. “Vindo de você, duvido que seja um elogio. Minhas decisões de negócio provavelmente arrepiam você.” Ele olhou para ela com surpresa.

90


“Não me acho tão implacável? Sinceramente queria dizer isso como um elogio. E como seu negócio é um sucesso, e tem feito tantas pessoas felizes, acho que dificilmente as suas decisões poderiam me horrorizar.” O prazer subiu por suas bochechas com a aprovação que ela viu em sua expressão. “Sinto muito. Não queria dar a entender que você estava sendo implacável. É que, como descobriu em sua pesquisa, tenho subsidiado mais do que algumas das fantasias dos meus clientes, quando fica claro que não podem pagar o custo envolvido.” “E você acha que isso é uma fraqueza,” afirmou. Ela se mexeu desconfortavelmente. “Talvez não uma fraqueza, mas me policio sobre os limites de definição e, em seguida, encontro-me incapaz de dizer não a um cliente, porque sua fantasia não se encaixa no orçamento deles. Não me interprete mal, sou exigente. Particularmente não sinto pena de um sujeito cuja fantasia é orquestrar o ensaio fotográfico para a edição de biquínis da Sports Illustrated. Mas quando uma mãe chega a mim, porque sua filha está doente e quer ser uma princesa em um navio de cruzeiro, não vou dizer a ela que não posso ajudá-la porque está curta em vários milhares de dólares.” “Acho que você percebe que a fraqueza é sua maior força e atributo,” Damon disse quando lhe estendeu a mão. “Você tem uma alma generosa, mas também prática.” Ela deixou a sua mão de forma que os nós dos dedos repousavam sobre a mesa. Ele tocou um dedo na palma da mão e traçou um caminho através de sua pele. Por sua vez, acariciava cada um de seus dedos como se saboreasse a sensação de sua carne. Como ela amava o seu toque. Poderia sentar por horas e simplesmente deixar as pontas dos dedos deslizarem sobre suas mãos, seus braços. Estremeceu quando se lembrou de como sentia as mãos emaranhadas em seus cabelos, massageando o couro cabeludo e acariciando o pescoço dela. “Você disse que —” Ela parou e limpou a garganta. “Você disse que tinha arranjado o leilão?” Ele lentamente retirou a mão e sentou em frente na sua cadeira de modo que havia pouco espaço entre eles. “Tenho. O próximo fim de semana é muito cedo?” 91


A adrenalina perfurou em suas veias, surgindo como uma inundação. Excitação. Medo. Terror. Todos os descritores foram precisos das emoções surgindo dela. Sua boca ficou seca, e ela engoliu rapidamente. “Não. Próximo fim de semana está ótimo. Vou organizar a minha agenda de trabalho de modo que esteja fora a semana seguinte. O leilão. O que preciso fazer?” Damon sorriu. “Nenhuma coisa. Vou ter o meu motorista buscando-a, e ele a levará até a Casa onde o seu guardião terá de aguardar por você. Ele vai ajudar você a se preparar para o leilão. Você vai ficar sob seus cuidados até que eu reivindique você.” Desejo zumbia pesado em suas veias. Calor líquido grudou em sua região lombar e chiou lá, esperando para ser agitado para alturas maiores. “Por que você está fazendo isso?” Perguntou ela. Era algo que já tinha perguntado, mas não podia evitar a necessidade de saber mais sobre este homem intrigante. “É muito simples,” disse ele calmamente. “Eu quero você, Serena. Queria você desde o momento em que nos encontramos. Quando descobri que era a pessoa querendo uma fantasia cumprida, nunca houve uma chance de entregar você a outro homem.” “E assim vou ser sua,” murmurou ela, gostando das palavras e seu significado. “Sim. Você pertence a mim.” Satisfação brilhava em seus olhos castanhos. Eles eram escuros, quentes e com promessa. “Diga-me, Serena. Abriu-se para a possibilidade de novas experiências ousadas? Você já pensou na possibilidade precisa do que significa pertencer a um homem? E não só qualquer homem, mas o que significa pertencer a mim?” Ela fez uma pausa enquanto olhava para ele. “Acho que tenho me preparado para novas experiências. Estou um pouco nervosa porque não sei até que ponto um homem pode levar as coisas. Mas eu confio em você. Talvez não devesse, mas você me faz sentir muito à vontade.” “Estou feliz,” disse ele em voz baixa. “Não quero você com medo de mim.” “Tenho me divertido com pensamentos loucos,” admitiu. “Alguns estão tão longe do reino da minha experiência pessoal, que me pergunto se deveria viver, na realidade, ou se é melhor deixar como fantasia.” 92


“Espero que você explore os seus limites quando estiver comigo e não ser muito rápida para retirar. Quero que você abra sua mente e seu coração. Não julgue. Não ache. Basta sentir.” Mas, acrescentou, “Se houver um momento que tenha medo, quero que seja honesta comigo. Nunca vou fazer nada para machucá-la intencionalmente, ou assustá-la.”. “Eu sei disso,” ela disse com voz rouca. “Eu realmente sei disso.” No fundo, ela queria que ele empurrasse sua zona de conforto. Queria que ele assumisse o controle, de modo que ela não teria uma escolha. Não queria que pedisse, queria que a tomasse, exigisse, suprisse. “Queria ver você hoje à noite, pois será a última vez que vamos estar juntos até o leilão,” disse Damon. Ela olhou com surpresa. Ele sorriu. “Gosto da tristeza que brilhou em seus olhos. Combina com a minha própria. E a minha parte arrogante gosta que você goste de passar o tempo comigo.” “Então porque —” “Porque quero que você pense em mim durante toda a semana. Quero que você imagine a noite do leilão, quando eu reclamar você. A primeira vez que te tocar e estabelecer a propriedade. Quero que você antecipe isso.” “Você é muito seguro de si mesmo,” disse ela em voz baixa. Mas ele estava certo. Ela iria pensar nele durante toda a semana. Não iria pensar em mais nada. “Não, estou apenas esperançoso. E independentemente do que estará em sua mente esta semana, você será o que ocupa o meu pensamento. Não sentia esse grau de expectativa em um longo, longo tempo.” Ela sorriu. “Sua arrogância bate com a minha,” disse ele com uma ligeira inclinação para os lábios. “Eu gosto disso.” “Os contratos?” Ela questionou. “Eu mando um mensageiro na primeira hora da manhã de segunda-feira. Quero toda a papelada fora do caminho antes do leilão. Não quero nada intrometendo em nosso tempo, uma vez que embarcar na sua fantasia.” 93


Sua respiração acelerou e ela balançou no acordo. Finalmente. Era isso. Ela ia realmente fazê-lo. Ficou espantada que estivesse sentada à mesa de um homem, lindo poderoso, fazendo planos para satisfazer um desejo que dentro dela havia crescido de uma curiosidade para a necessidade de pleno direito. Em pouco mais de uma semana, entraria no clube de Damon, e seria vendida como escrava sexual. Saber quem seu mestre seria não diminua o medo da adrenalina e emoção que correram por seu corpo. Sabendo que Damon iria comandar, seu corpo aumentou em expectativa de todos os outros.

94


Capítulo Onze

“O que você quer dizer, com Nathan a levou pra casa, e você acordou nua na cama na manhã seguinte, e não se lembra do que aconteceu?” Serena perguntou, incrédula. Ela sustentou seu telefone celular entre o rosto e o ombro enquanto se atrapalhava com a papelada que estava tentando organizar. Julie gemeu em seu ouvido. “Faith armou para mim. A cadela.” Serena riu. “Oh, vamos lá, Julie. Ela estava apenas tentando ajudar.” “Eu sei,” Julie disse com um suspiro pesado. “Mas ela era muito óbvia. Praticamente me empurrou para Nathan e sugeriu que ele me levasse para casa. Realmente não me lembro como ele reagiu, porque tinha bebido muito. Lembro vagamente dele me levando para casa, mas depois disso? Nada. Acordei na manhã seguinte, na minha cama, completamente nua, e Serena, eu não durmo nua.” “Ah, e você está preocupada que você fez algo desagradável com Nathan e não se lembra disso?” “Se tive sexo com ele e não me lembro, vou me matar,” disse Julie melancolicamente. “Bem, por que você não só liga e perguntar-lhe?” “Oh sim, é isso que quero fazer. Olá, Nathan, é Julie. Poderia dizer-me se nós transamos na outra noite?” Serena riu. “Tenho certeza de que poderia ser mais sutil do que isso, querida.” “Se nós dormimos juntos, ele com certeza não têm o principio que deve ligar no dia seguinte. Para essa matéria, se tivéssemos sexo, com certeza ele levou seu traseiro na madrugada, o que me diz que o sexo não deve ter sido bom.” “Sair de mansinho, Julie. De tudo o que disse, tenho que pensar que você não teve sexo. Nathan não me parece o tipo que tira proveito de uma mulher quando ela está bêbada.”

95


“Mas e se eu tirei vantagem dele?” Julie rangia. Serena riu de novo. “Nathan é um grande garoto. As chances são de que ele colocou você na cama e saiu. Simples como isso. O que deve fazer é ligar para ele e dizer-lhe que apreciou a carona, então, oferecer para fazer o jantar como um agradecimento.” “Você é um gênio. Por que não pensei nisso antes?” “Isso significa que você está indo finalmente dar um passo para o homem?” Serena perguntou. “Uh, talvez.” Serena fechou os olhos e abanou a cabeça. “Pelo amor de Deus, Julie. Você me deixa louca. Faith e eu deveríamos ser a fracas, não você. Lembra-se? Você é a Miss Bolas de Bronze, não faz prisioneiros. Então comece a agir com isso.” “Você está certa. Estou totalmente indigna. Eu me curvo diante de sua genialidade.” “Cale a boca e vá chamá-lo,” disse Serena, exasperada. “Eu sei que este telefonema foi tudo sobre mim, mas tem toda razão liguei para dizer boa sorte esta noite. Não há dúvida de que acho que você perdeu seus miolos, mas de uma forma estranha e distorcida, estou louca de ciúmes e espero que você tenha um grande momento, um, no seu leilão de escravos.” Serena sorriu enquanto um arrepio de emoção flutuava em torno de seu estômago. “Obrigada, Julie. Vou estar fora do escritório na próxima semana por isso te verei um tempo depois.” “Oh espera, porra, não, não. Você não pode simplesmente desaparecer por uma semana depois de ser vendida em um leilão de escravos,” Julie estalou. “E se ele te arrastar para fora de sua caverna em algum lugar molestando-a e matando-a?” “Você está apenas tentando me assustar?” “Sim! Use sua cabeça. Você vai me ligar pela manhã, após o leilão, ou vou chamar a polícia e eles baterão na porta de Damon. Não me importo o quão próximo ele está com Faith ou como o cara é lindo. Para tudo você sabe que ele poderia ser um assassino em série.” “Obrigado por isso.” Serena resmungou. 96


“Querida, desculpe. Não quero estragar sua noite, mas alguém tem que meter algum sentido em sua bela cabeça.” “Ok, ok, vou chamá-la na manhã seguinte.” “Ótimo. Agora tenho que ir. Vou falar com você amanhã e pode me dizer como a sua primeira noite na escravidão foi.” “Cadela irreverente,” Serena murmurou. “Você me ama.” “Adeus, Julie.” Serena pegou o telefone da orelha e apertou o botão para terminar a chamada. Ela colocou o telefone em sua mesa e olhou para o relógio. Se quisesse chegar em casa e tomar banho e se enfeitar, precisava sair agora. Precisava do tempo da inatividade para recolher a compostura antes do motorista de Damon ir buscá-la, porque estava uma massa caótica de nervos. Ela empilhou a papelada em um monte, e colocou tudo em sua pasta com impaciência para chegar em casa. Após uma rápida olhada ao redor de seu escritório para se certificar de que não estava esquecendo alguma coisa, foi ao fundo do corredor para ter uma conversa rápida com Carrie. Carrie tinha ficado encantada com a decisão de Serena tirar uma semana de folga, mesmo que não soubesse por que. Ela assumiu que Serena estava tirando as primeiras férias em anos, e de certa forma, era um período de férias. Na realidade. Depois de ter garantias de Carrie, que a chamaria se acontecesse algo que ela não pudesse segurar, Serena deixou o prédio e se dirigiu ao seu apartamento. Primeiro, ela se entregou a um longo banho de imersão enquanto tentava, em vão, acalmar os nervos exaustos. Faith tinha chamado naquela manhã, e descreveu sua experiência na Casa, para que Serena não estivesse andando totalmente as cegas, e depois de ouvir tudo de Faith, estava muito mais perto de hiper ventilar. Ela não tinha certeza do que estava esperando, mas a descrição de Faith da abertura das atividades, os frequentadores do clube sexual a fazia se sentir como um peixe fora da água, antes de ter colocado os pés lá. 97


Olá, você é o peixe fora da água. Peixe fora d'água prestes a saltar do aquário para o oceano turbulento. Graças a uma viagem para Julie, ela estava depilada e lustrada da cabeça aos pés, e todas as peças no meio. Ela estava confiante em sua aparência, e que não assustaria ninguém com a sua nudez. Engoliu em seco ao simples pensamento de estar nua em frente a uma sala cheia de homens. Seria exatamente assim... Decadente. Uma menina muito má da parte dela. Depois de olhar para o relógio, colocou-se em alta velocidade. Ela não se preocupou muito com o que vestir já que estaria nua na maior parte da noite, mas teve o cuidado especial com seus cabelos. Não que fez muito para isso, porque sabia que Damon gostava muito deles arrastando sobre seus ombros, escovou até que brilhasse. Quanto à maquiagem? Ela deu uma risada quando aplicou com moderação a base e passou rímel, delineador e batom. Se as coisas corressem de acordo com sua maquiagem de fantasia, o batom seria bastante tolo. Damon provavelmente não apreciaria batom vermelho brilhante em seu pênis. Ela prendeu a respiração quando imaginou tomá-lo em sua boca. Será que ele faria literalmente o que estava em seu e-mail? Será que ia replicar todos os aspectos da sua fantasia, ou usaria para uma orientação geral? Ela não sabia, e a incerteza adicionava ao seu entusiasmo sem fôlego. Qual seria o gosto dele? Ele seria grande ou pequeno? Suave ou forte? Ela não queria gentileza dele. Ela quis bater no poder que sentiu estar firmemente seguro, mas só debaixo da superfície. Ela queria que ele fosse áspero e duro, exigente e enérgico. A campainha tocou quando estava colocando suas sandálias. Seu estômago embrulhou em sua garganta enquanto enfiava os pés nos sapatos e nervosamente alisou o cabelo com as mãos úmidas. Ela pegou a bolsa e se dirigiu para a porta. Quando abriu, Sam estava lá, seu corpo grande enchendo sua porta. Ele inclinou a cabeça. “Senhorita James, você está pronta?” “Sim,” ela conseguiu coaxar. Ele pegou a bolsa dela, e abriu mão para ele. Ela rapidamente trancou e seguiu para o Bentley. 98


A movimentação parecia levar uma eternidade. Com cada quilometro que passava, a tensão enrolava e inchava dentro dela. No momento em que puxou para a unidade de estacionamento de uma grande propriedade, ela se sentiu tonta, e seu pulso batia ruidosamente nas têmporas. Sam estacionou o carro, e sua porta abriu imediatamente. Ela encontrou-se olhando para o rosto de um homem bonito. Sua expressão era enigmática, e ele simplesmente estendeu a mão para ela. Ela o pegou com os dedos trêmulos e permitiu-o ajudá-la a sair do carro. Ela começou a avançar, mas o homem a puxou de volta com um puxão afiado até que ficou ao seu lado. “Eu sou o guardião,” disse ele a guisa de introdução. “Você vai acatar minhas instruções o tempo todo.” Ela piscou e acenou com a cabeça. “Sim, guardião,” alertou. “Sim, guardião,” ela balbuciou. Ele balançou a cabeça em aprovação. “Eu vou acompanhá-la e prepará-la para o leilão.” Ele pegou o cotovelo em um aperto surpreendentemente gentil quando a guiou para a porta. Silêncio a cumprimentou quando entrou no hall de entrada escurecido. Antes que pudesse olhar ao redor e absorver seu entorno, seu guardião correu com ela no corredor. Parou diante de uma porta, em seguida, abriu-a e dirigiu-a para dentro. Era uma sala pequena, mas ricamente decorada. Os móveis eram caros, simples, mas extremamente de bom gosto. Parecia ser uma sala de estar, ou mesmo um quarto de trocar roupa, mas não havia cama. Apenas duas cadeiras, um espelho de corpo inteiro e uma penteadeira. Ao lado, havia uma porta meio aberta para um banheiro. Como ela fez um pequeno círculo, na sala, a mão de seu guardião tocou seu ombro. “É tempo para prepará-la,” disse ele. Seus dedos foram para a camiseta, e ela quase bateu na mão. Ele parou por um momento e apontou o olhar para ela. Ele não voltou para baixo, mas também não continuou. Ele exerceu sua autoridade, mesmo lhe dando tempo para se adaptar ao seu toque. 99


“Sinto muito”, ela murmurou. “Estou nervosa.” Ele não respondeu, mas deu um meio sorriso nos lábios. “Eu posso me despir,” ela ofereceu, pensando em salvá-lo da tarefa difícil. Ele levantou uma sobrancelha e sacudiu a cabeça. “Você é minha até que outro compre você. É meu dever e direito, e como eu achar melhor.” Seus olhos arregalaram, e seu nó no estômago convulsionou. O inferno Oh, isso, o que foi. Ela tentou relaxar enquanto ele lentamente levantou a camiseta sobre a cabeça. Dirigiu-a para levantar os braços, e ela fez de forma quase mecânica. Levou todas as partículas de sua vontade para não dobrar os braços protetoramente sobre seu sutiã. Em vez disso, deixou cair às mãos ao seu lado mesmo quando seus dedos se enroscaram em bolas apertadas. “Você vai ter um preço elevado, de fato,” seu guardião murmurou. Seus dedos arrastaram até os braços, elevando arrepios em sua carne. Quando chegaram aos ombros, ele enfiou os dedos sob as alças do sutiã e, lentamente, puxou-os para baixo. Ela prendeu a respiração quando os seios estavam livres do confinamento. Ela queria olhar para ele, obter uma visão melhor de sua aparência, mas estava com muito medo de levantar o olhar para que mantivesse seu foco em seu abdômen, as mãos circundando o fecho do seu sutiã. Habilmente, ele desenganchou, e puxou o sutiã até cair no chão a seus pés. Suave e sensual, as palmas das mãos roçavam sua cintura enquanto ele se movia ao redor do botão de seu jeans. Seus mamilos estavam enrugados e duros, esticados de pé, como se implorando por atenção, por seu toque. Seus dedos deslizaram para o cós de sua calça enquanto trabalhava o zíper para baixo e partiu para baixo. E então o jeans desceu ao longo de seus quadris e as pernas, até que também caiu em uma pilha em torno de seus tornozelos. Lá estava ela na frente de um estranho, o seu guardião, só de calcinha, apenas um punhado de material, nada transparente cobrindo sua feminilidade. Será que ela estava louca pela onda de excitação que cortava nítida em suas veias?

100


Seu guardião ficou para trás por um momento, seu olhar observando de cima a baixo de seu corpo, com o que só poderia ser classificado como valorização do sexo masculino puro. Já não procurava se esconder dele, pois se sentia atraente e sedutora, como se detivesse o poder e não ele. Ele era bonito e atraente, mas não era Damon. Ela quase balançou a cabeça. Se não fosse pelo fato de que Damon tinha se oferecido, esse poderia muito bem ter sido o homem que ela daria a si mesma para sua fantasia. Seu guardião se adiantou e colocou as mãos na cintura fina. Houve um momento de pausa e então puxou a corda fina de sua calcinha para baixo. O tecido vibrou por suas pernas, levemente descendo na parte interna dos joelhos. Segurou a mão dela e tomou-a para sair do jeans e roupa de baixo. Ela estava completamente e totalmente nua. Ele se mudou para a penteadeira e remexeu na gaveta até que tirou uma escova. “Venha aqui,” ordenou em silêncio. Ela obedeceu sem hesitação, e quando estava diante dele, fez um gesto para ela se virar. Ele começou a escovar seus cabelos, golpe após golpe, até que os fios macios e leigos caíssem por suas costas. Seus dedos alternavam com a escova, pois ele trabalhou tanto por meio de seu cabelo do couro cabeludo até as pontas. Finalmente, estava feito, a decepção estremeceu todo o seu corpo com a perda do seu toque. Ela se perguntou se ele havia escovado os cabelos para confortá-la e acalmá-la, mas depois agarrou seu braço em seu aperto comandante e a virou, todas as dicas de gentileza tinham ido. Ele levou uma das mãos e puxou-a atrás dela, e então firmou a outra, puxando-a bem até que lhe segurou os pulsos juntos na parte baixa de suas costas. Uma corda raspou através de sua pele, abrasando sua carne quando amarrou suas mãos. Quando terminou, deixou-a por um momento e retornou um mero segundo mais tarde. Ele carregava um cinto de couro. Parecia mais uma corda ou uma coleira, mas a tira era muito grande para seu pescoço. Sua pergunta foi respondida tacitamente quando prendeu o cinturão em volta de sua cintura. Havia um gancho na parte da frente com chumbo preso, e foi então que percebeu que era para guiá-la com o cinto. Sua mão no queixo forçou-a a olhar para cima, para olhá-lo. 101


“Você vai falar somente se fizerem uma pergunta direta a você. Vai respeitar a minha autoridade e a do homem que reivindicá-la, em última análise para comprar você. Haverá muitos homens te olhando, querendo tocar a carne que eles darão lance. Estarei ao seu lado para protegêla, e você confiará que não vou deixar ninguém ir longe demais.” “Sim, Guardião,” ela sussurrou. “Bom, então estamos de acordo.” Ele deu um puxão leve na sua trela quando caminhou para a porta. “É hora”, disse ele, e ela o seguiu com os joelhos tremendo.

102


Capítulo Doze

Seu guardião a levou por um corredor escuro iluminado apenas por tochas na parede. Havia uma sensação medieval decididamente para a Casa, e se perguntou se era sempre assim, ou se Damon tinha arranjado uma definição mais bárbara para sua fantasia. Certamente que não. Ele não teria tido tempo para tal aventura, nem gastaria dinheiro, não é? Um puxão leve em sua coleira fez redirecionar sua atenção para o seu guardião quando subiu as escadas de madeira. Ao se aproximarem do topo, podia ouvir os sons suaves à distância. O murmúrio das vozes masculinas. Sua respiração parou, e seus membros ficaram formigando. No topo das escadas havia outro corredor com portas dos dois lados. No final havia outra porta, esta aberta com o brilho da luz no corredor. Seu guardião caminhou em direção àquela porta distante, e ela seguiu atrás, seus dedos em pequenas bolas nas costas. As vozes ficaram mais altas à medida que se aproximava da sala. Seu guardião a fez parar apenas dentro e virou-a. Ele não falou nada. Apenas olhou-a calmamente, como se estivesse dando a ela uma chance de se preparar para sua entrada. Ela olhou para baixo autoconsciente em sua nudez a vergonha rastejou lentamente sobre seu corpo. Sua cabeça voltou-se quando seu guardião puxou, não muito gentilmente, em seu queixo. Seus olhos penetram nela, sua expressão séria. “Não olhe envergonhada. Você vai manter sua cabeça elevada.” “Sim guardião.” Ele acenou com satisfação e, em seguida, virou-se e com um puxão leve em sua coleira, puxou-a para a sala. Havia pelo menos trinta homens sentados, reunidos em grupos pequenos, outros em pé sozinhos. Eles mantiveram as bebidas, bebendo à toa enquanto conversaram, e os garçons circulavam com bandejas de aperitivos na sala. Tudo parecia ultra civilizado.

103


Seu guardião carregou-a mais para a sala, e foi então que os homens tomaram conhecimento de Serena. Eles não fizeram nenhum esforço para disfarçar o interesse evidente em seus olhares. Serena e seu guardião circulavam dentro e fora da multidão dos homens. Mãos tocavam e acariciavam, deslizando os braços, os quadris e seios. Havia rumores de apreciação, bem como elogios mais evidentes juntamente com olhares lascivos. Como prometido, o seu guardião ficou firmemente ao lado dela e não permitiu mais do que o toque suave ou carícia inativa. Quando um dos homens deslizou uma mão entre suas pernas, seu guardião foi mais rápido para erguer a mão do homem afastando com uma advertência laconicamente formulada. Dedos tocaram seus cabelos, separando os fios. Foi tudo como uma névoa provocada por excesso de álcool. Tudo parecia em câmera lenta, como um mundo de sonhos. Ela ouviu os homens, ouviu cada pensamento lascivo. Ouviu suas promessas, que se ela fosse deles, como eles a dariam prazer e cuidariam de sua necessidade. Quando ela e seu guardião circularam pela sala, olhares lascivos seguiram seu rastro. Esse poder a fez inebriante, quando deveria ter renunciado. Ela não tinha feito. Ou fez? Ela não esperava realmente sentir quando Damon entrou na sala. Era apenas um produto de sua fantasia, sua imaginação exagerada. Mas realmente sentiu a mudança no ar, a subida repentina da tensão. Ela olhou para a porta e o viu ali, o olhar arrogante em busca na sala. Para ela. A respiração deixou-a, e balançou instável. Seu guardião colocou a mão solícita no baixo de suas costas e murmurou um comando para ela estar em linha reta. Damon encontrou seu olhar prendendo-a. Combustão lenta dançava entre eles. Era quase palpável no ar. A sala estava espessa com isso. Excitação acendeu em seus olhos escuros e um sorriso lento esculpiu sua boca sensual. Ele caminhou em sua direção, e a multidão se afastou, deixando o caminho livre para ela. Era como se as palavras que havia escrito houvessem saltado das páginas. Cada nuance, cada detalhe que tinha escrito cuidadosamente ganhavam vida nas mãos de Damon. Que só poderia

104


significar que ele cuidadosamente orquestrou cada detalhe de acordo com seu e-mail. E isso significava... Ela engoliu em seco e tentou acalmar os nervos tremendo. Damon parou ao lado de seu guardião e murmurou perto de seu ouvido. Como ela tinha feito em sua fantasia, se esforçou para ouvir o que Damon disse, mas seu guardião a puxou bruscamente em sua coleira. Repreendendo. Ela endireitou-se e esperou, mas seu corpo inteiro estava tão apertado com antecipação que temia quebrar. Damon chegou a ficar na frente dela e, em seguida, estendeu a mão, colocando-a por trás do pescoço. Os fios de cabelos foram envolvidos em torno de seus dedos, e ele puxou-a bruscamente para ele, inclinando a cabeça para que ela o olhasse diretamente nos olhos. Seu pescoço foi exposto a ele, e se sentia estando vulnerável ali, quando se elevou sobre ela. Houve um olhar feliz em seus olhos, como se a achasse satisfatória. Seu pulso saltou e correu, pois sabia o que ele iria dizer logo que seus lábios se separaram. Estavam perto dela, tão perto que podia sentir o calor de sua respiração, sentir o cheiro de hortelã fresco em sua língua. “Você vai ser minha, Serena,” disse ele numa voz sedosa. Ela tremia, seu corpo estava vivo, com necessidade e desejo. Damon se afastou e se misturou à multidão, e era tudo que ela podia fazer para não chamá-lo de volta, para pedir-lhe para não deixá-la nem por um instante. Seu guardião puxou as mãos atadas e ela tropeçou quando ele a conduziu embora. Ela olhou por cima do ombro, procurando freneticamente por Damon, mas ele estava perdido na multidão de homens que estavam pressionando próximo, em antecipação do início do leilão. Na distância, ouviu um homem anunciar que o leilão teria início. Seu guardião a virou a posicionando para que seu corpo fosse exibido. Suas mãos persuadidas por suas faces, em seguida, em torno de seu abdômen e lentamente deslizou para cima até que cobriu um dos seios na palma da mão. Ele correu o polegar sobre o mamilo tenso quando a multidão pediu-lhe para ir adiante.

105


Lentamente, ele circulou por trás dela, a mão ainda em seu peito. Ele a pressionou perto, moldando seu peito nas costas dela. Ela começou a tremer a sério, quando ele envolveu seus braços e suas mãos moldadas nos seios, rolando-os para sua melhor vantagem, mostrando a cada um, o que poderia ser seu, se estivesse disposto a pagar um preço alto o suficiente. Ele beliscou os mamilos, rolando-os entre o polegar e o indicador, até que estavam apertados e latejantes. O lance começou e imediatamente, as mãos se levantaram. Pelos primeiros minutos houve uma enxurrada de lances com o preço aumentando. Então, quando cresceu mais, apenas alguns homens ficaram, cada um determinado a ultrapassar o outro. Onde estava Damon? Ela não podia vê-lo, embora o procurasse freneticamente no meio da multidão. Esqueceu-se que era a sua fantasia, e que tinha escrito esta parte e sabia muito bem como deveria terminar. Seu único pensamento era de não conseguia encontrar Damon, que ele de alguma forma a deixasse à mercê de outro. Finalmente caiu para dois homens. Quando um levantou a mão para aumentar a oferta, o outro permaneceu em silêncio. O locutor fez uma pausa e então disse: “Dou-lhe uma...” Serena prendeu a respiração, seu corpo rígido contra seu guardião. “Cem mil dólares.” Damon adiantou-se, sua atitude calma, mas com determinação brilhando em seus olhos. Como era fácil de esquecer que era uma farsa cuidadosamente orquestrada. Parecia tão real. Parecia real. Houve alguns suspiros e mais de poucos resmungos, mas ninguém ficou na frente ao início da oferta. Ela apertou com entusiasmo, com alívio. Seu guardião beliscou um mamilo e soltou um comando no ouvido dela para que ficasse quieta. “Vendida para Damon Roche,” disse o locutor. Ela caiu contra o seu guardião, o alívio tornando-a fraca. Ao mesmo tempo, a alegria inundou seu rosto. Isto realmente estava acontecendo! Ela teve que piscar para se certificar de que não estava imaginando, que não estava concedendo em sua fantasia a partir do conforto de seus sonhos.

106


Quando seu guardião andou ao redor dela, podia ver o sorriso em seu rosto. Damon avançou para cumprimentar o guardião... E reivindicar seu prêmio. Quando Damon se aproximou, o guardião empurrou seus ombros, forçando-a ficar de joelhos. “Você vai mostrar respeito ao seu novo mestre,” O Guardião murmurou. Serena caiu de joelhos, muito disposta a agradar Damon. Forçou o olhar para baixo, esperando por ele para o comando dela. A mão quente de Damon, de modo firme e forte, em forma pegou seu queixo. “Olhe para mim,” ordenou. Ela olhou para cima para vê-lo se elevando sobre ela, forte, tão poderoso. Ele acariciou seu rosto, e ela se aninhou em sua palma. Seu toque acendeu o fogo dentro dela. Sua pele arrepiou com uma coceira que não tinha qualquer esperança de aliviar. Só ele podia satisfazer suas necessidades agora. Havia magia em seu toque. Quente e sensual, que avivava as chamas dentro dela, e seu clitóris pulsou com uma agonia que só ele pôde acalmar. Seus joelhos doíam de seu poleiro no chão duro, mas não pensou em queixar-se ou mudar sua posição. Damon deslizou os longos dedos ao longo da linha da mandíbula, antes de retirar a mão. Seus dedos se atrapalharam ao se desfazer de suas calças. “Você vai olhar apenas para mim,” ele disse roucamente enquanto mantinha seu olhar conectado com o dela. “Sim...” Ela não iria chamá-lo de guardião, ela chamou o outro homem com esse nome, mas não tinha certeza do que queria ser chamado. Mestre? Ela não gostou da palavra. Parecia bobo. Juvenil. Não estava toda em sintonia com os sentimentos e sensações muito adultas que percorriam seu corpo. Então ela resolveu por um reconhecimento silencioso de seu comando, e manteve o olhar sobre ele, quando puxou sua calça e tirou seu pênis.

107


Ele estava dolorosamente erguido. Duro. Grosso. Seu pênis preenchia sua mão, enquanto ele bombeava para trás e para frente. O cabelo em sua virilha era escuro, mas aparado perto de sua pele. Ela amava um cara que tinha o cuidado de si mesmo lá embaixo. Com a calça caindo mais para baixo de seus quadris, ela pôde ver suas bolas com os movimentos da mão. Ela queria tocá-lo, senti-lo rolar na mão. Ele guiou a ponta de seus lábios e suavemente roçou contra sua boca. “Abra para mim, Serena,” ordenou. “Leve-me dentro de sua boca.” Ela prontamente obedeceu, e ele imediatamente mergulhou profundamente em sua boca. Gosto de veludo na sua língua. Tinha sabor de sal, um leve cheiro de almíscar e couro. Ele trabalhou para lá e cá, e ela chupou avidamente nele, passando a língua da ponta da base enquanto arrastava seu pênis dentro e fora de sua boca. Acalmou por um momento e bateu a bochecha dela com os dedos. Então, inclinou a cabeça para cima, seu pau quase deslizando livre de seus lábios. Seu olhar avisou assim como a sua mão contra sua mandíbula. Ela relaxou imediatamente e o deixou assumir. Deixou que usasse sua boca quanto ele desejava, da maneira que queria. Ela era dele. Suas mãos emolduraram seu rosto, e ele puxou-a para mais perto de sua virilha. Ele deslizou profundamente, até seus pelos fazerem cócegas em seu nariz. Um gemido baixo trabalhou a partir de seu peito, e apertou o corpo dela com prazer. Ela era agradável a ele. Mais duro e profundo, ele empurrou. Segurou-a no lugar, fodendo sua boca com abandono cruel. Se ela temia que fosse muito suave, muito delicado, ela temia errado. Não havia nada gentil sobre a sua posse. Ele a pegou com selvagem abandono, deixando qualquer dúvida quanto a quem ela pertencia agora. Seus dedos penetraram mais fundo em seu cabelo de modo que suas mãos estavam emaranhadas em seus cabelos, enquanto balançava contra ela. Várias vezes ela pensou que ele estava à beira de sua liberação, mas foi então que ele diminuiu, mantendo-se parado em sua boca até que recuperou o controle. Em seguida, retomou os golpes profundos na parte traseira de sua garganta. A coroa contundente de seu pau cutucou a suavidade na parte mais profunda de sua boca. Engoliu convulsivamente, e podia sentir os tremores trabalhando através de seu corpo. 108


Salinidade quente derramou sobre sua língua, apenas um precursor para o orgasmo. Ela rodou com fome para ele, querendo mais, mas ele a acalmou e lhe deu um toque de aviso no rosto novamente. Novamente ela relaxou e abriu mão do controle para ele. “Estou perto, Serena,” disse ele. Sua voz caiu como seda sobre seus sentidos devastados. “Quero que você engula tudo. Beba de mim. Prove o meu prazer.” Ela fechou os olhos quando suas palavras eróticas cintilaram sobre seu corpo faminto. Assim, com fome. Ela o queria. Precisava dele como nunca precisou de alguém mais. Seus impulsos se tornaram mais urgentes. Menos medidos e menos controlados. Ele bateu contra sua boca sem piedade, e ainda queria mais. Todo ele. Nada menos. O primeiro jato de seu lançamento atingiu a traseira de sua garganta como um choque. Por um momento, ela o segurou na boca, incapaz de engolir rápido o suficiente em sua surpresa. Mais derramou sobre sua língua. Cremoso e exótico. Saboreando a degustação. Masculino e forte. Quando ela engoliu, continuou a trabalhar dentro e fora de sua boca, seus movimentos mais suaves agora, quando o último de seu orgasmo estremeceu em sua região lombar. Ele desceu para o fundo da garganta mais uma vez e ficou lá, trancado contra sua boca. “Engula,” disse ele numa voz gutural. “Engula para mim, Serena.” Ela obedeceu, engolindo e ouvindo seus gemidos de prazer quando ordenhou as últimas gotas de esperma de seu pau. Finalmente, ele saiu de sua boca e soltou seu aperto em sua cabeça. Olhou para ela, com calorosa aprovação brilhando em seus olhos. Com um polegar limpou uma gota de sua semente a partir do canto de sua boca, e depois deslizou dentro de sua boca. Obediente, ela lambeu o dedo, o limpando e ele retirou. Estendeu a mão para agarrar os ombros e ajudou-a a levantar. Suas mãos estavam dormentes por trás dela, mas não manifestou uma queixa, afinal estava diante dele. Ele puxou um mamilo e um suave gemido escapou. Então puxou o outro, manipulando o broto até que ela tremesse da cabeça aos pés. Ele lançou um olhar aguçado em seu guardião, que passou para trás dela e agarrou seus ombros com as mãos. Seus músculos contraíram em antecipação quando as mãos de Damon percorriam seu corpo para os cachos entre suas pernas. Não havia uma palavra para descrever o prazer, a agonia afiada, que apertava seu corpo. 109


Cuidadosamente, violou as dobras de sua feminilidade, com um dedo. Ele deslizou facilmente sobre sua carne lisa, mais no clitóris e com a abertura abaixo. Quando as mãos de seu guardião deslizaram sobre seus ombros e seios, segurando-os e aprimorando os mamilos, seus joelhos ameaçaram despencar. Ele segurou-a firmemente enquanto Damon se aprofundava entre suas pernas. “Não deixe que ela escorregue,” alertou Damon ao guardião. Seus dedos deslizaram sobre seu clitóris, massageando e manipulando o feixe de nervos. “Você gozará para mim, Serena.” Oh, Deus, sim, gozaria para ele. Ela tentava respirar, mas era como inalar fogo. O ar de seus pulmões queimava, queimando seu peito. Mais e mais rápido trabalhou seu clitóris, e em seguida mudou-se para o inferior de sua entrada, onde brincava com ela sem piedade. “Você fantasia sobre ter meu pau enterrado dentro de você?” Damon perguntou suavemente. “Sim,” ela ofegou. “Quero mais do que qualquer coisa.” Ele sorriu e aumentou a pressão dos dedos. “Logo Serena. Em breve você terá tudo de mim. Por agora quero que você goze com o seu guardião segurando você para mim, pois é a última vez que outro homem vai te tocar, sem o meu consentimento. Você é minha agora.” Suas palavras mais do que seu toque a mandaram a um orgasmo através de sua virilha. Foi assustador, esplêndido, em partes iguais, quando ela quebrou. As mãos do guardião foram firmes ao redor dela, enquanto empinava e se contorcia. Seus joelhos ameaçaram derreter, mas Damon disparou para mantê-la ereta. Quando as últimas ondas do orgasmo dela quebraram em torno dela, Damon ordenou que fosse libertada. Houve uma formalidade para suas ações quando viu a mudança de propriedade. Ela escutou entorpecida como Damon agradeceu o guardião por seus cuidados e prometeu ser um bom mestre para ela.

110


Suas mãos ainda estavam amarradas nas costas quando Damon gentilmente a conduziu. Dezenas de olhos masculinos seguiram-na, seus olhares invejosos enquanto observavam Damon levá-la da sala. Ele parou em frente da porta e puxou as cordas de suas mãos. Os braços caíram livres, ele se abaixou e pegou as duas mãos na sua, então as levou aos lábios. Beijou o círculo vermelho da carne em torno de seus pulsos e acalmou a dormência com os dedos. Havia um robe jogado sobre uma cadeira, situada no corredor, e ele o pegou. Cuidadosamente, envolveu-o ao seu redor, ajudando-a a colocar os braços nas mangas. Em seguida, garantiu que cada parte do seu corpo estava coberta e confortável. Ele tocou seu rosto em um gesto amoroso, e, em seguida, a enfiou firmemente contra o seu lado quando se dirigiam para as escadas. Enquanto caminhavam lentamente, ele se virou para ela novamente. “Você é minha agora, Serena.” “Sim, eu sou sua,” ela sussurrou.

111


Capítulo Treze

Serena sentiu-se um pouco estranha ao sair ao carro de Damon em apenas uma túnica e nada mais. Pior, seu motorista esperava no Bentley, de pé ao lado da porta traseira. Quando ela e Damon se aproximaram, Sam abriu a porta e Damon dirigiu-se ao interior. Damon deslizou ao seu lado e puxou-a contra seu corpo. Ela enrolou-se nele, encaixando perfeitamente debaixo do braço, a cabeça encostada em seu ombro. Ele teve o cuidado de manter o robe bem preso ao seu redor, e por isso ela ficou agradecida. Era duvidoso que Sam pudesse ou quisesse ver flashes de sua nudez, mas ela apreciou Damon por sua modéstia. Então ela teve que rir. Um riso escapou antes que pudesse evitar, e sacudiu os ombros com a alegria das suas preocupações. “Alguma coisa a diverte?” Damon consultou. “Eu sou uma idiota,” disse ela. “Estava preocupada com o pé fora apenas um pouco do roupão e fiquei tão grata que você foi tão cuidadoso em proteger a minha nudez de Sam, quando só passei a última meia hora completamente nua numa sala cheia de homens. Minha absurdidade não conhece limites.” “Você está naturalmente sendo modesta,” ele disse simplesmente. “Assim que o leilão acabou, você reverteu para sua verdadeira natureza. Eu não vejo nada de absurdo nisso. Francamente, isso me agrada que você seja tão cuidadosa a respeito de quem vê o seu corpo. Para o próximo mês, só eu e aqueles que eu escolher será concedido esse privilégio.” Seu coração ficou apreendido apenas um pouco, e ela escondeu o sorriso contra seu peito. Agradou-lhe que ele era tão possessivo. Se fosse um ato, ou o que ele verdadeiramente sentia, encantou-a. “O que acontece agora, Damon?” Ela perguntou. Eles haviam discutido isso antes, mas todo o conhecimento fugiu à luz do seu nervosismo. “Nós vamos para casa,” ele disse simplesmente.

112


“Eu preciso pegar as minhas coisas do meu apartamento,” disse ela. “Suas instruções eram para trazer uma bolsa de noite, mas vou precisar de mais coisas se vou ficar com você uma semana.” Ele colocou um dedo sobre os lábios firmes para acalmá-la. “Primeiro, você vai ficar comigo o mês inteiro. A semana que discutimos foi o tempo que você dedicou exclusivamente a mim, longe de seu trabalho. Mesmo quando você voltar ao trabalho, ainda vai voltar para mim todos os dias, dormir na minha cama, está vinculado a mim. “Em segundo lugar, você não precisa de suas coisas. Enquanto você for minha, vou dar tudo para suas necessidades. Vou vesti-la, alimentá-la, cuidar dos menores detalhes. Será que estamos entendidos?” Ela assentiu e, em seguida, lembrando toda a confusão sobre do que chamá-lo, seu rosto aqueceu, mas ela olhou para ele de qualquer maneira. “Como posso chamá-lo?” Perguntou delicadamente. “Não podia chamá-lo de guardião, quando tinha outro homem chamado por esse nome, mas nem pude te ligar a mestre, porque parecia tão... tolo, bobo e é a última coisa que sinto quando estou com você.” Sua mão arrastou pelos cabelos dela, olhando para seu rosto com o mais delicado dos toques. “Você vai me chamar de Damon. Não vejo nenhuma necessidade de títulos dramáticos. Eu, por outro lado, vou chamá-la bonita... amante... Minha. Vou te chamar de minha.” Ela fechou os olhos e se inclinou em seu toque, esfregando o rosto ao longo de sua palma. “Como você faz isso lindamente,” ele murmurou. “Você me faz lembrar um gato contente, tão elegante e ronronando.” Ela fez um som baixo de satisfação em sua garganta enquanto se aninhou junto a ele. “Se eu pudesse ronronar, iria, pois você é tão bom para mim, Damon.” “Estou feliz que você pense assim. Vou empurrar você, Serena. Eu sou exigente. Espero obediência e cumprimento. Mas vou ser bom para você. Isso, eu prometo.” Ela se mexeu inquieta contra ele, sua pele coçando e viva. Ele sorriu um sorriso arrogante de satisfação masculina. Sabia muito bem o que ela queria. Queria ele. Ainda assim, expressou porque foi obrigada a fazê-lo. “Eu quero você, Damon. Vou enlouquecer se você não fizer amor comigo em breve.” 113


Com o polegar e o nó do dedo indicador, ele inclinou o queixo dela, dobrando-a para que sua boca estivesse a alguns centímetros do seu. Ela chupou todo o ar disponível. Será que ele ia beijá-la? Será que ele finalmente ia beijá-la? Ele apertou os lábios para o canto de sua boca. Suave e delicado. Apenas um beijo, tão leve, e ainda queimou a pele macia. Seu peito inchou e seu estômago revirou, e apenas isso rapidamente, tudo estava acabado. Ele se afastou com olhos brilhantes quando alisou o polegar sobre o lábio inferior. “Logo Serena. Em breve vou ter você, e você vai me ter. A antecipação é metade do prazer. Por esta razão, não gostaria que nosso encontro acontecesse muito rapidamente. É para ser saboreado, não apressado.” Ela se aninhou de volta em seus braços, segurando sua promessa de fechar o seu coração. Sim, ela estava impaciente. Ela o queria desesperadamente, mas ia além do sexo. Ela queria cuidar dele. Seu olhar. Ela queria ser mimada. Queria pertencer. Exaustão, gerada por emoção demais, se apoderou de seu corpo. A adrenalina havia deixado na esteira de seu orgasmo explosivo, ela parecia uma poça d'água gelatinosa. Quando o carro parou, ela gemeu em protesto, e Damon riu baixo em seu ouvido. “Fique quieta, minha Serena.” Ela relaxou em seus braços, Sam abriu a porta traseira. Damon cuidadosamente livrou-se de sua volta, e desceu para fora do carro. Então voltou para ela, deslizando os braços debaixo de seu corpo e elevando-a. Um suspiro de contentamento sussurrou passando por seus lábios, enquanto ele a carregava aos degraus para sua casa. Assim que passaram à porta, ele baixou-a até os pés dela baterem no chão. Ele virou-se em torno dela, até que ela o olhou, e estendeu a mão para a gola da túnica que a cobria. Sua boca abriu em sinal de protesto, mas ele a silenciou com um olhar severo. “Quando você estiver na minha casa, vai ficar nua a menos que eu escolha vestir você.” Ela olhou silenciosamente para ele quando puxou o robe sobre os ombros e deixou deslizar para baixo dos braços.

114


O ar da ventilação acima soprou calmamente sobre sua pele, e ela estremeceu. As mãos dela foram para os braços com uma providência cautelar, mas ele não permitiu isso. “Você não tem nada a temer de mim,” falou quando ele ergueu as mãos em seu corpo. Ele pegou os dedos nos seus e apertou levemente. “Você é uma mulher bonita, e não tenho nenhuma intenção de permitir que qualquer um a veja, a beleza é para permanecer oculta enquanto estiver sobre minha guarda.” “Eu tenho que ter permissão para colocar roupas?” Ela perguntou incrédula. Ele olhou para ela sem dizer uma palavra, dizendo-lhe em termos inequívocos, que pensasse na questão. “Ok, ok,” ela resmungou. “Venha comigo,” ele ordenou. Ele colocou a mão em suas costas e empurrou para frente. Os pés descalços pisavam através do piso de madeira, um pouco antes tinha gravitado em direção a ele, ao calor e à segurança do seu corpo, agora ela mantinha um pé de distância entre eles. A auto preservação. Não tinha certeza por que de repente estremeceu com a incerteza, mas agora que estava em seu território, à dúvida reclamou para ela. Eles entraram no que era, obviamente, o quarto principal. Era enorme, uma suíte. No centro, uma cama king size repousava. Era de mogno, quadros de dossel dominavam o espaço. Todo o resto no quarto era secundário a essa área central. À esquerda havia um armário grande, rente à parede. A madeira combinava com a cama, de fato, todos os móveis de sua casa. Ricas, madeiras escuras. Masculino e quente. “Sente-se ali na cama,” disse. Ela caminhou até a borda e pousou cuidadosamente, as mãos cruzadas no colo. Caminhou com graça e elegância, o que era uma contradição com a forma áspera, animalesca dele foder sua boca apenas uma hora antes. Ele realmente era uma contradição, que a intrigava. Exteriormente parecia tão civilizado, tão refinado. Ele era a síntese da cultura, um cavalheiro consumado. E ainda havia um homem das cavernas enterrado sob o exterior polido. Um homem movido por suas necessidades e desejos. Um homem que simplesmente não aceitaria menos. Ele abriu o armário, e ela ouviu um ruído leve. Um momento depois, ele se virou com um pequeno pacote na mão. Curiosa, ela olhou quando ele abriu a caixa e tirou um bracelete de ouro. A cama imergiu quando se instalou ao lado dela, não uma, mas duas faixas em seu aperto. 115


“Vire-se e olhe para mim,” ordenou. Ela mudou e virou, dobrando uma das pernas e balançando a outra para o lado da cama. “Eu optei por não usar uma coleira em você.” Sua mão voou para o pescoço, enquanto seus olhos se arregalaram. Ela sabia da prática da coleira dos escravos, mas parecia... Bárbaro. “No entanto, estou muito satisfeito com a ideia de você usar a marca da minha propriedade, então eu comprei isso.” Ele ergueu os punhos, uma abertura. Sua mão livre se arrastou até seu braço e parou a meio caminho entre o cotovelo e o ombro. Então ele apertou o punho em torno de seu braço, o metal frio contra sua carne. Era uma bela peça de joalheria. Feminina e fino. Não era grosso ou volumoso. Era cerca de dois centímetros de largura, com intrincados desenhos gravados na face. E se encaixava perfeitamente. Ele se abaixou e pegou o pé dela em sua mão e levantou-o para seu colo. Mais uma vez, arrastou o dedo sobre sua carne, sensual e suave. Ele abriu a outra pulseira e prendeu em torno de sua perna, logo acima do tornozelo. A pulseira era a combinação perfeita para o seu braço, e conjurava imagens de um harém, adornado em ouro, enquanto ela dançava para seu sultão. “Pelo tempo que você pertencer a mim, vai usar a minha marca,” disse ele. “Você não vai retirá-los, nem mesmo para tomar banho.” Ela olhou para o braço e, em seguida, até o tornozelo. Sentia-se exótica, não em todos como ela, e não era o propósito disso? Para sair de si e viver uma fantasia? Outra risadinha ameaçava escapar, e ela engoliu de volta. Que absurdo é esse? Estava sentada nua na cama ao lado de um homem que tinha acabado de algemá-la, para todos os efeitos práticos. Algemou e ordenou que ela ficasse nua enquanto estivesse em sua presença. É evidente que estava maluca. “Primeiro, um banho,” Damon disse quando a estudou atentamente. “Eu terei uma bandeja trazida pelo criado, e vamos comer mais tarde na cama.” “Bandeja?” Ela resmungou. Ele tinha servos, que seriam testemunha de sua nudez?

116


Para o fato de que ela estava agindo como sua escrava? Meu Deus, ele iria querer fazer sexo com ela à vista de qualquer um que andasse por lá? “Você está começando a entrar em pânico,” repreendeu. “Relaxe e permita-me cuidar de você, Serena.” Ela respirou profundamente pelo nariz e expirou longamente. “Sinto muito. Não vou questioná-lo novamente.” Ele sorriu. “Sim, você vai. Disso eu tenho certeza.” Ela levantou uma sobrancelha, intrigada com o brilho de satisfação nos olhos. “E o que você vai fazer?” “Eu tenho os meus métodos de punição,” disse ele em uma sedosa, sexy, voz do inferno. “Você não vai exatamente me incentivar a ser boa,” ela murmurou. Ele balançou a cabeça. “Nenhum jogo, Serena. Não é disso que se trata. Se você quer jogos de gato e rato, para o mestre castigar escravos rebeldes, você estará melhor com outra pessoa. Por muito que isso seja uma fantasia e não a sua realidade, na hora que você está comigo, vai ser real. Em todos os sentidos.” “Eu quero sua obediência. Espero, não, eu exijo isso. Eu não gosto disso, nem da ideia de puni-la. Então, se me procurar como isca para que desfrute a emoção de disciplina, você certamente ficará desapontada.” Ela assentiu com a cabeça. “Eu entendo.” Ela olhou para a corrente circulando seu braço novamente. Incapaz de resistir levantou a outra mão para tocar os belos desenhos. “Por que você escolheu isto em vez de uma coleira?” “Porque quero que você use o sinal de minha propriedade, em público, bem como em privado, e uma coleira... Eu não busco envergonhá-la, nem desejo tornar pública nossa relação. É um assunto privado entre nós dois e não está aberto para especulação. Tudo o que importa para mim é que você sabe que me pertence. O que os outros pensam ou não, é irrelevante. Não sou tão inseguro que preciso que você grite abertamente ao mundo que é minha escrava.”

117


Seu peito apertou, e sem pensar, ela se inclinou e colocou os braços sobre os ombros dele. Ela escondeu o rosto em seu pescoço e o abraçou com força. “Obrigado,” disse ela, limpando a garganta para se livrar da captura. Sua mão acariciou seu braço para descansar sobre o lado. “Você é bem-vinda. Gosto de ver as provas da minha posse em seu corpo. Agrada-me, e me agrada cada vez que eu olhar para você e ver o meu presente em seu braço e sua perna. Não preciso de nenhuma satisfação, além dessa.” Lentamente, ele a puxou para longe e depois se levantou, levando sua mão com ele. Ele puxou até que ela se levantou para ficar ao lado dele. “Vamos agora para que eu possa vê-la no chuveiro.” Ela olhou para ele com surpresa, mas apenas sorriu de volta. “Com o tempo você vai aprender que sou muito sério quando digo que pretendo vê-la em todos os aspectos do seu cuidado e preservação.”

118


Capítulo Quatorze

Serena estava no chuveiro debaixo do jato de água, quando Damon se despiu fora da porta de vidro. Seu olhar foi atraído para o corpo musculoso. Magro, duro, perfeitamente bronzeado sem um único brilho de pele mais branca. Seu pênis era impressionante, mesmo em seu estado semi ereto, situado entre os cabelos escuros em sua virilha. Este era um homem que claramente cuidava de si mesmo, e não retirava nada de sua masculinidade, em absoluto. Ele era em uma palavra, bonito. Robusto. Todo homem. Ele não era o tipo homem de Neandertal, com mais músculos do que cérebro. Ele era alguns centímetros mais alto que ela, mas não tão alto que ela tivesse que se esforçar para olhá-lo. Ele entrou no chuveiro, e antes que a tocasse, seu corpo entrou em alerta. Sua boceta pulsava e apertava. Ela o queria. Sua necessidade era poderosa e avassaladora. Não havia nada de sexual em seu ministério, ele delicadamente começou a lavá-la. Seus longos dedos deslizaram sobre sua pele, espalhando bolhas de sabão em seu rastro. Quando cobria cada centímetro do seu corpo, incluindo suas áreas mais íntimas, voltou sua atenção para os cabelos. Frustrada, ele ensaboava seus cabelos, massageando o couro cabeludo com dedos firmes. Depois que tinha lavado, trabalhou no condicionador e gentilmente empurrou para longe do jato. Então lhe entregou o sabão. “Agora você vai me lavar. Use apenas as mãos. Quero sentir seu toque em todas as partes do meu corpo.” Sua pulsação deslizou, e saltou como um bêbado tentando jogar amarelinha. Com dedos trêmulos, pegou o sabonete e trabalhou em suas mãos até que teve uma boa espuma. Ela colocou o sabonete de lado, e timidamente colocou as mãos no peito de Damon.

119


Ele fechou os olhos no momento em que o tocou. Encorajada por sua resposta, e seu próprio prazer em tocá-lo, ela começou a acariciar as mãos sobre os ombros. Então, até o abdômen firme. Ela completou sua virilha e sua ereção agora túrgida, e ensaboou as duas pernas. Quando se ajoelhou no chão do chuveiro para ensaboar seus pés, sua mão tocou sua cabeça. Ela olhou para cima, temendo que tivesse feito algo errado, mas viu a aprovação brilhando em seus olhos. “Você ajoelhada aos meus pés, tão docemente, lavando... é muito bonita, Serena. Você é linda.” Ela baixou a cabeça, de repente, tímida e autoconsciente. Ela terminou seus pés e depois trabalhou seu caminho de volta até sua virilha. Seu pênis cortou na frente dela, e quando se lembrou quão satisfeito pareceu quando ia até os joelhos. E assim ela apenas ergueu-se mais sobre os joelhos, para que seu pênis estivesse ao nível dos olhos então fechou as mãos em torno dele. Estava quente contra sua pele, mais quente que a água em cascata sobre os dois. Ele pulsava ligeiramente contra a palma de sua mão enquanto esfregava para frente e para trás. Quando chegou à base, ela deslizou os dedos para além de seu saco. Suas bolas rolaram contra a sua palma, e ela ficou maravilhada com a maciez da pele, a flexibilidade, e como estavam inchados quando se projetava por seu pênis por cima deles. Ela queria tomá-lo em sua boca novamente e dar prazer a ele. Um toque leve em seu rosto a fez piscar e olhou para cima. Era tão transparente? “Use somente suas mãos neste momento,” disse ele numa voz rouca. Ele alcançou até dirigir sua ponta para longe e, em seguida, guiou sua mão de volta para sua ereção em esforço. Ela trabalhou para trás e para frente, movendo o prepúcio até a cabeça bulbosa que podia puxar para longe, revelando a parte superior lisa novamente. “Forte,” insistiu ele. Ela prontamente obedeceu, aumentando seu aperto, e se movendo mais rapidamente. Então, de repente, ele puxou-se de seu alcance. Com uma mão, empurrou seus braços, enquanto puxou seu pênis com a outra. Ela ofegou quando o primeiro jato quente explodiu em seu peito. 120


Ele continuou a puxar quando se inclinou para dirigir seu gozo em seus seios. Um pouco desembarcou no oco de sua garganta, e deslizou para baixo, descendo por entre seus seios e correndo até o umbigo. Um jorro grosso viajou para a ponta do seu peito, revestindo o mamilo rígido, e balançou precariamente antes de pingar no chão do chuveiro. Damon puxou para cima em seu pênis, e se inclinou mais para dentro, empurrando em sua boca. “Abra,” disse ele com voz rouca. Ela obedeceu, e ele escorregou com facilidade. Seu sêmen revestia a cabeça de seu pênis, e conforme ele bombeou profundamente em sua boca, ela engoliu até o fim. “É isso,” ele sussurrou. “Lava-me, minha Serena.” Por vários segundos, ele bombeou até na ponta dos pés, ritmicamente o sêmen em sua boca, enquanto seu pau continuava a abrandar. Finalmente, se afastou e a pegou com a mão para ajudá-la. Com um olhar arrogante de satisfação, ele olhou para o rastro de esperma cobrindo o peito dela. “Banhe-se com ela,” ele murmurou. “Passe em todo o seu corpo e saiba que você é minha.” Hesitante, ela levantou as mãos e, em seguida, olhou para o creme pegajoso em seus seios e baixo ventre. Colocou uma mão em sua pele em primeiro lugar e esfregou com cuidado em um círculo apertado. A respiração de Damon escorregava, e seu pênis balançou para cima, já se recuperando de seu orgasmo. Com o crescimento da confiança, ela colocou a outra mão em seu peito molhado e começou a massagear o líquido sobre sua pele. Balançava sensualmente enquanto esfregava e acariciava. Seu corpo ficou hiper sensível a cada toque seu. Ele levou-a tão perto do gozo, apenas por atingir o seu próprio. Não tinha tocado nela para trazê-la ao orgasmo de qualquer maneira, mas ainda assim ela beirou no limite. Pairando. Dolorida. Tão perto. Tão, tão perto. Se ela pudesse pôr suas mãos mais embaixo... Mãos fortes agarraram-lhe os pulsos, e ele puxou as mãos longe da sua 121


pele. Sem dizer uma palavra, dirigiu a água para que ela derramasse sobre seu corpo, e ele começou a enxaguar o condicionador de seus cabelos. Mais uma vez, sem nenhuma tentativa de despertar, lavou até seu cabelo estar limpo e os restos de seu orgasmo tinham ido embora de sua pele. “Fique aqui,” ele disse quando desligou a água e saiu do chuveiro. Ela viu quando ele secou rapidamente seu corpo nu. Ele secou o resto da umidade de sua pele, e, em seguida, deu ao seu cabelo uma secada rápida antes de jogar a toalha de lado e pegar outra. Estendeu a mão para pegar sua, e puxou-a para fora do chuveiro. Ele começou com seu cabelo, espremeu o excesso de água dos fios. Em seguida, trabalhou para baixo, acariciando sua pele com a toalha macia. Quando terminou, deixou cair à toalha e puxou-a contra o calor do seu corpo. Ele embalou perfeitamente. Eles combinavam bem, sua suavidade em conformidade com seus planos mais duros. Ele ficou lá, seu coração batendo suavemente contra sua garganta. Suas mãos alisaram deliciosamente sobre suas costas, e até as nádegas antes de viajar até seus braços. Sua mão direita foi parar na pulseira que ela usava no pulso esquerdo, e ele acariciou-o por um momento, como se satisfeito com o enfeite que ela usava. Para ele. “Venha, é hora de alimentá-la e colocá-la na cama.” Ela se irritou um pouco, porque ele fez soar como um animal de estimação, ou até mesmo uma criança. Mas, com as mãos se movendo sensualmente sobre seus ombros quando virou na direção do quarto, seus pensamentos, e sua irritação, fugiram. Para seu alívio, a bandeja de comida já havia sido entregue e repousava em uma mesa ao lado da cama, o que significava que não teria que enfrentar qualquer ajuda contratada, e ela nua. Os lençóis e cobertas tinham sido puxados para trás, e os travesseiros reposicionados na cabeceira da cama. Damon parecia gostar mesmo do conforto. Ele gesticulou para subir na cama, e foi só depois que rastejou até o colchão de veludo que viu a corda e os punhos de cetim presos ao pé da cama em seu lado.

122


Ela olhou atrás com incerteza em Damon, mas sua expressão não mudou. Ele esperava obediência, e sua postura não oferecia qualquer alternativa. Ela assistiu em fascinação chocada quando ele puxou a corda com a braçadeira da cabeceira da cama, e colocou preso ao redor do seu pulso. Silenciosamente, capturou a outra mão e levou-a ao redor da de suas costas, onde garantiu que com o outro punho, suas mãos estivessem vinculadas juntas às suas costas. Ela não ia fazer a pergunta óbvia sobre como infernos ia comer, porque depois de seu discurso, e incontáveis lembretes de como ele iria cuidar de cada necessidade sua, teve uma suspeita de como ia consumir seus alimentos. “Você está confortável?” Ele perguntou quando estava junto à cama. Ela assentiu com a cabeça. E estava. A cama estava maravilhosamente suave. Não era mole demais, no entanto. Moldava ao seu corpo, contornando perfeitamente como se a ninase. Seria o céu para dormir. Satisfeito com a resposta dela, caminhou para o outro lado onde a bandeja do jantar repousava, e se sentou na cama ao lado dela. Depois de passar alguns momentos preparando um prato, dos pratos dispostos sobre a bandeja, ele então encostou as costas contra os travesseiros e sentou com as pernas cruzadas, o prato descansando em seu colo. Cheirava maravilhoso. Era frango assado com batatas gratinadas, e uma decadente sobremesa de chocolate a esperava ao lado. Damon cortou a galinha, organizou porções de tamanho da mordida no prato. Quando terminou, ele espetou um pedaço e segurou-a nos lábios. Por um momento, ela simplesmente olhou para ele, perguntando por que não se sentia pouco à vontade com o que se propôs a fazer. Ele esperou, pacientemente, o frango descansando levemente no lábio inferior. Finalmente ela abriu a boca, e ele deslizou cuidadosamente o garfo dentro. Como era estranho que poderia fazer um ato de alimentá-la, como se ela estivesse indefesa, tão íntimo e amoroso. Havia tanta ternura em suas ações, para ela, que não conseguiu disfarçar o desconforto sobre ele alimentá-la, enquanto ficou lá, amarrada e nua em sua cama. 123


Ainda mais curioso foi à maneira como ele fez ansiar a sua atenção. Assim que ele lhe deu uma garfada, ela ansiava por outra, não por causa da comida, mas por causa de seu respeito. Ele alternava alimentá-la com a tomada de sua parte da refeição. Ela assistiu as mordidas em sua boca, observava os lábios atropelando os dentes do garfo que sua boca tocou. Seu calor ainda permanecia sobre o metal na próxima vez em sua boca. Quando saiu de sua boca, limpo arrastou-o suavemente para baixo do queixo, para a coluna de seu pescoço e seu peito. Os dentes eram ligeiramente abrasivos, arranhando ao longo de sua pele, provocando um calafrio em seu rastro. Ele chegou ao topo de seus seios, e sempre levemente passou a ponta sobre o mamilo. Seus ombros sacudiram, fazendo seus seios balançarem, esfregando o mamilo rapidamente em todo o garfo. Quando puxou fora, suas respirações estavam vindas em rajadas rasas. Quanto mais provocação poderia tomar diante da necessidade do seu orgasmo a levar a loucura? Ela doía. Sua boceta doía. Seus seios tensos, tão forte e sensível que em cada pincelada entre eles era agonizante. Ele retornou ao seu prato, escolhendo cuidadosamente no resto da comida. Ele a alimentou com mais três garfadas, antes de empurrar a bandeja longe da cama. Quando rolou de volta para seu rosto, ele alcançou atrás de suas costas para livrar as mãos. Mas antes que ela pudesse trazê-las à sua frente, ele apenas reposicionou os braços sobre a cabeça e os punhos, em um sistema de fechos em seus pulsos. “Está em uma posição confortável?” ele perguntou. Quanto melhor podia, ela deslizou para baixo até que estava deitada de costas, a cabeça aninhada entre os travesseiros. Ele testou seus vínculos e encarregou-a de rolar para a direita, e depois à esquerda. Ciente de que ela podia mover-se livremente, ele se afastou e passou a mão pelo corpo dela livremente. Ele descansou em seu lado, a cabeça apoiada na palma da mão enquanto olhava com olhos contentes. “Antes de ir dormir, achei que devia familiarizá-la com mais das minhas expectativas, para que não seja pega de surpresa,” disse ele. Ela levantou uma sobrancelha para isso. Ele tinha sido muito claro no que esperava.

124


O que mais poderia haver? Mas ela não pôs voz ao pensamento, e esperou que ele continuasse. Ele sorriu. “Você queria objetar. Eu admiro a sua contenção, mas mais do que isso, congratulo-me pelo seu desejo de agradar a mim.” Não sabendo o que dizer sobre isso, ou se ele precisava de uma resposta, ela permaneceu em silêncio. “Sexo,” disse ele. “Seu corpo é meu para fazer com ele o que eu quiser. Isso significa que posso tomá-lo quando quiser, como quiser, algumas vezes com o seu prazer em mente, às vezes com o meu. É a minha discrição, para quando você alcançar a satisfação.” Ele esperou, como se esperando que ela falasse, mas ela foi descobrir isso muito rapidamente. Ele queria o respeito, e assim ela lhe daria o melhor de sua capacidade. Mais uma vez, ele parecia satisfeito quando ela simplesmente esperou que ele continuasse. “É um prazer especial ter relações sexuais quando acordo, quando minha mente ainda está nebulosa com o sono, mas o meu corpo implora a doçura de uma mulher. Vou montar você enquanto estiver amarrada à minha cama, impotente para fazer qualquer coisa, mas me dar o que eu procuro.” Ela fechou os olhos e apertou as coxas em conjunto para tentar aliviar a queimadura. Ele ia fazê-la gozar com não mais que sua voz. Um dedo arrastou durante seu peito inchava, e depois circulou o mamilo enrugado. “Você me questionou sobre porque queria você nua em todos os momentos. Parte da razão é que acho o corpo feminino, a verdadeira forma de arte. Gosto de apreciá-lo. Gosto de olhar para ele, especialmente quando sei que me pertence. O principal motivo, porém, é que pretendo aproveitar o acesso sem restrições ao seu corpo. Gosto da ideia de ser capaz de te foder quando quiser, como eu quero. Posso desfrutar de sua boca, sua boceta e sua bunda com pouco mais do que o esforço que leva para dobrá-la sobre o sofá, ou a cadeira ou meu colo. À medida que você passa, posso chegar e tomá-la. Eu posso pressioná-la contra a parede e tomá-la por trás. Você não vai me negar. Não vou permitir isso. A menos que esteja ferida ou doente. Ou você dizer não. Uma vez que você diga não, tudo termina.

125


“Então você vê, Serena, apesar de todo o poder que você me cedeu, ele ainda fica muito em suas mãos. Você tem controle total sobre sua fantasia, porque com uma palavra, tudo isso acaba.” Ela foi equilibrada precariamente na borda da imagem mais nítida entre os orgasmos. Ia gozar, apesar do fato de que ele não havia tocado mais profundamente do que em seus seios. Imagens dele tomando-a de todas as maneiras que descreveu agrediram a sua mente. Seu corpo inchou e estremeceu. Oh Deus, estava gozando, e não havia uma mínima coisa que pudesse fazer sobre isso. Como ela lutou contra o inevitável, de repente, Damon estava em cima dela, abrindo suas pernas com as mãos urgentes. Ele bateu nela, e sua exclamação de surpresa rapidamente se tornou um grito de libertação. Tão logo seu pau atingiu fundo dentro dela, seu orgasmo explodiu com ferocidade viciosa. Sua visão turvou quando ele subiu sobre seu corpo, seus quadris batendo com velocidade e força. Seu corpo não era seu. Ele havia quebrado em pequenos pedaços, afiados e irregulares. Prazer espumou em sua virilha, inchando e fragmentando, e ainda empurrou. Mais profundo. Forte. Impiedoso. Sua boceta estava hiper sensível, uma vez que desceu do seu orgasmo, protestou com o pênis de Damon se arrastando para trás e para frente ao longo dos tecidos inchados. Ela gemeu baixo em sua garganta, sem saber se era dor ou prazer, que a atravessava. “Por favor,” disse ela com voz rouca, mas não tinha certeza se estava implorando para ele parar ou não parar. “Seu corpo é meu,” disse ele. “Eu assumo o que é meu.” “Sim, seu,” ela murmurou. Mais rápido, ele balançou contra os quadris dela, forçando seu corpo para cima da cama, até as mãos atadas baterem na cabeceira com cada impulso. Ele alcançou com as mãos debaixo dela, e as colocou em suas nádegas, inclinando-a para cima, quando mergulhou para frente novamente. Ela engasgou quando ele veio descansar profundamente dentro dela.

126


Calor líquido encheu seu ventre. Seus quadris sacudiram em espasmos contra ela quando ele vibrou com a sua libertação. Por um longo tempo, ficou trancado dentro dela quando ela chupou o resto de sua semente em seu ventre. Seu corpo caiu como um cobertor por cima dela. Ele enterrou o rosto em seu pescoço enquanto lutava para respirar. Ali ela ficou, com as mãos acima da cabeça, as pernas abertas com o homem que era seu dono entre suas coxas, seu corpo cheio por sua semente. Ele ainda estava duro dentro dela, e não fez nenhum movimento para se retirar de sua vagina. “Durma Serena,” ele murmurou contra seu pescoço enquanto seus dentes beliscavam carinhosamente em sua pele. “Hoje eu vou dormir enterrado dentro de você para lembrá-la que é minha propriedade. Na parte da manhã, depois que a tomar de novo, vou tomar banho e lavar minha semente de seu corpo.”

127


Capítulo Quinze

Durante o transcorrer da noite, Damon saiu dela e rolou para o lado. Ela registrou a vaga letargia nates de cair no sono. Quando acordou ao seu lado, foi pelas mãos de urgência acariciando seu corpo, deslizando sobre seus seios e descendo até seus quadris. Seus olhos abriram quando Damon moveu-se sobre ela, mesmo quando ele alargou mais suas pernas, e impaciente apunhalou seu pênis em sua abertura. Em sua impaciência, ele bateu contra seu clitóris antes de se reposicionar. Em seguida, encontrou sua entrada e deslizou profundamente, provocando um suspiro dela, quando estava completamente desperta. Os restos do interlúdio da noite passada estavam secos no interior de suas coxas, permanecendo dentro de sua vagina, quente e úmida, facilitando sua passagem. Seus braços esticaram em suas amarras, mas ele a segurou firme, e ela estava indefesa debaixo dele, enquanto tentava se valer de seu corpo. Não houve sutileza em seus movimentos, qualquer tentativa para o seu prazer de forma igual, mas estranhamente, ela estava muito excitada com a rugosidade e crueza de seus movimentos. Mesmo quando enfiou mais fundo e mais forte, fechou os olhos e sua mandíbula apertou, sua vagina floresceu com o fogo. Ela assistiu a tensão de seus músculos como cada movimento ondulado por meio dele. Suas mãos apertaram desesperadamente em sua cintura, quadris, e depois novamente em sua cintura enquanto ele enterrou-se repetidamente em seu corpo. A vulnerabilidade de sua posição, como ela se sentia impotente, acendeu a excitação feroz. Ele estava usando-a. Não havia outra palavra para descrever suas ações, e ainda assim ela se sentia estranhamente. Poderosa, mesmo. Ele pressionou mais no leito de suas nádegas bronzeadas, levantou-se e caiu sobre ela. Carne contra carne, o único som que ecoava pelo quarto, era o tapa duro do seu corpo ao encontro dela, e os grunhidos suaves que escapavam da sua boca bem fechada.

128


Estendeu amplamente quando arqueou sobre ela uma última vez. Ela não conseguia mais controlar o gemido quando ele dirigia incrivelmente profundamente. Em vez de recuar, se segurou com firmeza contra ela, se esvaziando nela. Podia senti-lo em cada centímetro de sua boceta. Ela estava esticada tão apertada em volta de seu pênis, e seu corpo já estava sensível e dolorido da noite anterior. Seu clitóris vibrou e pulsou, e ela ansiava pela libertação, mas ficou ali em silêncio, seu corpo um receptáculo para o dele. Com um som de lamento, ele finalmente caiu dela em uma corrida de fluido. Enquanto se ajoelhou entre as pernas dela, puxou seus joelhos, espalhando sua vagina na largura. Ele olhou para ela, a satisfação suprema brilhando em seus olhos escuros. “Você é tão bonita,” disse ele. “Sua boceta está tão inchada e vermelha e brilhante com o meu esperma.” Ele deslizou um dedo dentro de sua abertura e, em seguida, retirou-se, segurando o dedo para cima para que ela pudesse ver. Então se inclinou e traçou uma linha ao redor de sua boca, deixando um rastro úmido nos lábios dela. “Lambe-os,” ele sussurrou. “Lambe meu sêmen dos seus lábios, minha Serena.” Lentamente, ela obedeceu e passou a língua nos lábios, primeiro o inferior, e, em seguida, virando no canto, e sobre o lábio superior. “Você me agradou,” disse ele. Ela sorriu trêmula, muito instável, muito nervosa com a necessidade de falar. “Você gostaria de gozar, Serena?” Ele perguntou em voz baixa, sedosa. “Por favor”, ela sussurrou. Ele alcançou acima de sua cabeça para liberar suas mãos. Ele pegou-as na sua, e gentilmente abaixou-as para sua barriga. “Tudo bem?” Perguntou ele. Ela assentiu com a cabeça mesmo quando flexionou as mãos para devolver a sensação para seus dedos. Ele pegou sua mão esquerda, e baixou-a em sua boceta. “Toque-se,” ele disse roucamente. “Faça você mesmo, enquanto a assisto.” 129


Ele escorregou para baixo da cama, até que saiu e parou no pé, o seu olhar nunca a deixou. Um pouco nervosa, ela deslizou sua mão entre as pernas e abriu os grandes lábios. Sua carne estava escorregadia com o gozo, e seus dedos moviam-se facilmente através de suas dobras. Não era como se fosse uma estranha para a masturbação, mas certamente nunca fez isso com público. Ainda assim, queria, necessitava tanto gozar, que não se importava com quem estivesse assistindo. Ela revirou o dedo médio sobre o clitóris, gemendo enquanto todo seu corpo apertava. Ela encontrou seu ponto e rodeou em um círculo apertado, enquanto sua vagina pulsava e apertava em resposta. Damon deu a volta ao lado da cama, seu olhar fixado em sua virilha. Quando chegou ao lado dela, abaixou a cabeça escura e se aproximou de um mamilo com os dentes. Suas costas arquearam para fora da cama, e seu dedo trabalhou mais rápido sobre seu clitóris. Ele beliscou fortemente, chupando e mordendo com bastante força até causar uma dor deliciosa. Sua respiração aumentou drasticamente à medida que seu corpo esticava como um elástico. Mais e mais. Acariciou mais rapidamente e ele chupou mais duro, até que se contorcia de forma incontrolável. De cima para baixo seus quadris subiam e desciam, como se ela estivesse sendo realmente fodida. Em seguida, os dentes dele afundaram drasticamente em seu mamilo, e ela simplesmente quebrou. Em um súbito, catapultou ao longo da borda e seu orgasmo brilhou como uma bomba ao redor dela. Por um momento sua mão se moveu em um frenesi e, em seguida, a sensação se tornou demais. Ela diminuiu seus movimentos e esfregou mais tranquilo, enquanto trabalhava para baixo de seu orgasmo. Damon ergueu a boca de seu seio, e depois simplesmente deitou a cabeça sobre o peito. Com a mão livre, timidamente tocou sua testa, alisando os dedos sobre sua pele e seu cabelo. Quando traçou uma linha na testa, e para baixo o queixo até a boca, ele beijou a ponta dos dedos quando ela escovou os lábios. “Ah, você me agrada, minha Serena,” ele murmurou contra seu peito. 130


Ela sorriu levemente, também sem força para fazer mais. “Você me agrada muito, Damon.” Ele levantou a cabeça com relutância óbvia. “Venha, e vou banhar você. Então vamos descer para o café da manhã.”

131


Capítulo Dezesseis

Depois de um banho preguiçoso, em que Damon, mais uma vez se encarregou e lavou cada centímetro do seu corpo, enxugando em seguida, se posicionado entre as pernas dela em cima da cama enquanto escovava seus cabelos. Crepitava um brilho pelo tempo que ele ficou escovando para baixo, e passou as mãos pelas mechas. “Seu cabelo é lindo. Não acho que eu já vi cabelos tão negros e brilhantes.” Ela sorriu de prazer, enquanto ele continuava a acariciar os cabelos com leves toques. Ele se levantou da cama e estendeu a mão para ela. Puxou-a para seus pés e se afastou para examiná-la. Sua nudez não incomodava tanto quanto na noite anterior. Isso é até que partiu para a cozinha, e se lembrou que ele empregava uma equipe completa. Quando Sam passou por eles na sala, ela rapidamente se escondeu atrás de Damon e se encolheu contra suas costas. Sam apenas balançou a cabeça para Damon e disse bom dia e continuou em direção a porta da frente. Quando ele se foi, Damon virou-se e gentilmente tirou a mão dela em suas costas. “Sei que isso é novo para você, e é por isso que vou ser paciente, mas você não deve jamais esconder seu corpo.” “Mas você disse que você era a única pessoa que apreciaria, e que ia ver...” Ele ergueu um dedo aos lábios. “Só eu vou tocar em você, Serena. Só eu vou segurá-la. Só eu vou te possuir. As pessoas que emprego, são discretas e não vão olhar. Com o tempo, não vai incomodá-la ficar nua na frente deles.” Ela abriu a boca para protestar novamente, mas ele efetivamente silenciou-a. “Estes são os meus desejos. Você vai prestar atenção.” A palavra pairou precariamente em seus lábios, mas ela se lembrava muito bem dele dizer que o momento em que ela falasse não, tudo estava acabado. Ele tinha sido honesto com ela. Disse-lhe que ia empurrá-la, que era exigente e arrogante. Mas ela podia dizer não. E se o fizesse,

132


teria de volta imediatamente. A desvantagem seria que iria perder tudo. Sua fantasia. A oportunidade de satisfazer suas fantasias mais profundas, e os desejos. “Sim,” ela sussurrou. Ele sorriu e pegou a mão dela na sua, e inclinou para pousar os lábios através dela. Ele apertou a mão dela quando a beijou, mostrando-lhe com palavras que ela o agradou com sua resposta. Uma emoção vertiginosa vibrou em seu peito. Ela queria agradá-lo. Queria muito. Deu-lhe um aperto na mão e, em seguida, puxou para a cozinha. Passaram por uma sala de jantar formal em seu caminho para a cozinha gourmet de grandes dimensões. Era absolutamente lindo, e quase a fez desejar cozinhar. Quase. Essa era uma habilidade que ela nunca tinha dominado, e não estava muita a vontade sobre querer. Havia uma pequena mesa em uma alcova aconchegante em frente a uma janela da sacada que, felizmente tinha janelas, persianas fechadas. O café da manhã já estava estabelecido para eles, uma seleção de pães, torradas, cereais, ovos e biscoitos. E suco. Laranja e uva. Então ela viu que havia apenas uma cadeira. Ela franziu o cenho e olhou para o chão. Certamente ele não esperaria que ela se sentasse no chão. Ele suspirou e abriu a porta para frente. Ele puxou a cadeira e sentou-se diante dela, puxando-a para baixo em seu colo. Instalou-se assim na transversal descansando contra o peito dele. “Você sempre vai me alimentar?” Perguntou ela. Parecia tudo bem, às vezes, mas cada vez? Irritaria os nervos depois de um tempo. “Vou alimentá-la quando me der vontade de fazê-lo,” disse simplesmente. “E isso me agrada esta manhã.” Ela teve que sorrir. Ele podia ser irritante, se deixasse ficar com ela. Era um bastardo tranquilo. Calmo e convicto. Ela simplesmente amava um homem confiante. O limite era nada arrogante ainda melhor, mas, em seguida, sobre ele foi limítrofe. Ele estava absolutamente arrogante, todo macho, tão “sexy” e excêntrico, e inferno ele fodia como um sonho. Ela fez um pequeno ruído contente e aprofundou em seu peito. “Você prefere suco de uva ou de laranja?” Perguntou ele. “Adoraria de uva.” 133


Ele derramou o suco em um copo pequeno e, em seguida, trouxe-o aos seus lábios, inclinando apenas o suficiente para que ela pudesse sorver o líquido sem derramá-lo. Depois de vários goles, ele afastou. “Teve o suficiente?” Ela assentiu com a cabeça e lambeu o suco de seus lábios. Ele alternava dando-lhe garfadas dos ovos e, em seguida, os grãos. Então quebrou um pedaço de biscoito e segurou-o aos seus lábios. Muitas vezes limpava delicadamente seu dedo em sua boca, e mesmo aquilo se tornou um exercício sensual. Quem diria que o ato de ser alimentada poderia ser tão íntimo? Ela notou que ele não tinha comido muito ainda, e estava quase cheia, o que lhe deu uma ideia. Ela afinal deveria ser sua escrava, mas até agora a tratava como se ele fosse o escravo, e ela fosse da realeza ou algo assim. Quando ele lhe ofereceu uma mordida do biscoito, ela estendeu a mão para parar a dele. Surpresa ondulou em seu rosto quando ela tomou o biscoito de seus dedos e, lentamente, apertouo contra os lábios dele. Ele abriu a boca, e ela deslizou os dedos dentro, deixando o biscoito desmoronar em sua língua e as pontas do dedo entrando em seu calor. Quando se retirou, ele fechou a boca em volta do dedo e chupou levemente. Porra, mas agora ela sabia por que ele gostava tanto de alimentar. Encorajado por sua resposta, e o fato de ele ainda não ter indicado que ela extrapolou seus limites, ela pegou o garfo e espetou um pedaço de ovo. Guiou o garfo à boca e gentilmente o deu o pedaço. “Seus dedos,” disse ele, enquanto puxava o garfo a distância. “Use seus dedos.” Com um sorriso, ela estendeu a mão e golpeou o dedo através do pedaço, e rapidamente levantou-o a boca dele. Alguns toques em seu queixo quando ela não era rápida o suficiente, e depois ele chupou o dedo limpo, ela inclinou-se e lambeu a distância do ponto em sua pele. Ele sugou o fôlego, tenso contra ela. Ah sim, essa ela gostava dessa coisa de alimentação. Quando alcançou para o suco para mantê-lo à boca, ele colocou a mão em seu pulso. “O que você está fazendo?” Perguntou ele. Não houve censura em sua voz, apenas curiosidade. 134


“Eu sou sua escrava,” disse ela. “Não sou eu que deveria alimentar você? Ver as suas necessidades?” Algo brilhou nos olhos dele. Primitivo e escuro. Suas pupilas dilataram e queimaram por um breve momento, antes de regressar ao seu tamanho normal. Como ela trouxe o copo mais próximo, ele entreabriu os lábios para beber. Seu olhar nunca a deixou quando tomou um gole do suco. Quando ela puxou-o para longe, estendeu a mão e gentilmente enxugou uma gota pequena no canto da boca. Ele pegou a mão dela, e apertou um beijo na palma da mão. “Você gosta de ser alimentado,” disse ela. Um canto de sua boca se curvou para cima em um sorriso. “Ninguém jamais se ofereceu para cuidar de mim antes. Acho que eu prefiro assim.” Ela tocou seu rosto e acariciou levemente sobre sua mandíbula forte. “Então espero que nós possamos fazer disso uma via de mão dupla. Quero muito agradálo, não só cedendo aos seus desejos, mas por cuidar de você e ver as suas necessidades como você vê as minhas.” Ele parecia impressionado com sua declaração. A confusão durou por um momento antes de ele piscar. Parecia que ela o golpeou sem palavras, mas também parecia extraordinariamente satisfeito com o seu pedido. “Eu gostaria muito disso,” disse ele em voz baixa. Ela não conseguia esconder o sorriso. Ele estendeu a mão e roçou os dedos nos lábios. “Você tem um sorriso tão bonito, aberto,” disse ele. “Ela ilumina todo o seu rosto, e faz seus olhos ficarem a sombra mais espetacular de azul.” Durante muito tempo eles simplesmente olharam um para o outro, seus olhares presos, como se cada um estivesse pesquisando profundamente a alma do outro. Finalmente, ele tocou seu rosto e abaixou a cabeça, movendo-se primeiro e, quando ela se mudou, se ajustou novamente para que seus lábios estivessem em linha reta. Quando ele a tinha apenas onde a queria, colocou as duas mãos em seu rosto, e segurou-a, abaixando seus lábios aos dela.

135


Foi muito mais do que ela havia previsto. O primeiro toque dos lábios foi como um choque elétrico ao seu ser mais profundo. Era o mais leve dos toques. Tão estranhamente suave que ela suspirou em sua boca. Ele a tratava como uma peça de vidro soprado finamente. Sua língua, hesitante no início, lambeu os lábios, persuadindo-a a abrir a seus avanços. Ela prontamente obedeceu, partindo os lábios para permitir-lhe a entrada. O doce sabor do suco de uva preenchia sua boca, enquanto suas línguas duelavam. Isso não era um apaixonado, beijo urgente, atacando a boca. Pelo contrário, era quente e lento, preguiçoso como um dia quente de verão. Conforto. Se houvesse uma palavra para descrever o sentimento que inundou o coração dela, seria o conforto. Companheirismo. Confiança. Como foi estranho essas coisas virem à mente quando se entregou às sensações deliciosas dos lábios. Ambos pararam com a respiração ofegante, mas não se afastou. Seus braços entrelaçados no pescoço enquanto suas mãos emolduravam o rosto para puxá-la mais ainda. Sons de beijos ecoaram o clique suave de lábios nos lábios, língua contra língua. Isso foi mais do que o mestre e a escrava, o sexo quente, fantasias estrondosas. Havia uma conexão tangível sendo forjada neste momento, que ela não queria quebrar. Estava sentindo muito por trás deste beijo, que ela queria continuar para sempre. Sedenta por ar, ela se afastou o suficiente para engolir uma respiração antes que ele recuperasse sua boca. Seu lábio se desviou dela e pousou no canto da boca. Ele salpicou uma linha de beijos para baixo da mandíbula, e na pele macia abaixo da orelha, e a parte inferior do pescoço. Ela fechou os olhos e inclinou a cabeça para lhe dar melhor acesso enquanto trabalhava para frente da sua garganta. Lentamente, deslizou sua língua e os lábios para cima novamente até que mordiscou o queixo e finalmente voltou para sua boca quando a beijou mais duro desta vez, com mais selvageria. Esse foi um beijo, como nenhum que já tivera recebido. Não rápido. Não desajeitado de línguas. Não desajeitado de lábios. O homem sabia beijar a sério.

136


“Poderia fazer isso durante toda a manhã,” ele murmurou enquanto puxava um pouco para fora. Sua respiração era pesada, e ela podia ver que foi afetado tanto quanto ela. “Mmmm, eu também,” ela disse enquanto o abraçou de volta. “Você teve o suficiente de comida?” Ela assentiu com a cabeça contra ele. “Você?” Ele acariciou-a com mão pelo seu braço. “Sim, graças a você. Acho que poderia me acostumar a ser um homem mantido.” Ela sorriu. “Você está muito além de um maníaco por controle para ser um homem mantido.” “Você duvida de sua capacidade, minha Serena. Um homem teria que ser louco de se opor a uma mulher como você para cuidar dele. Encontro-me mais ansioso do que nunca para o próximo mês.” Suas bochechas aqueceram enquanto ela se deliciava em suas palavras. Ela teve sua cota de relações. Arremessava a todas as coisas, mas nunca se sentiu tão apreciada como no pouco tempo que estava com Damon. Não fez absolutamente nenhum sentido para ela, que eles poderiam ter esse tipo de conexão tão rápido, mas não podia duvidar de sua legitimidade. Ele fez com que ela corresse um quilometro a mais para fazê-lo feliz. Ela queria a sua aprovação, queria ver seus olhos piscarem em satisfação. “Eu preciso te vestir,” anunciou. Ela se inclinou para trás e levantou uma sobrancelha. “O que aconteceu sobre manter nua, todo o tempo?” Ele riu. “Mesmo sendo uma perspectiva atraente, não posso levá-la em público vestindo apenas as joias que lhe dei.” Sua mão deslizou alegremente ao seu pulso, e deu-lhe um aperto. “Vou levar você para comprar roupas apropriadas para o próximo mês.” “Hmm, um homem que gosta de fazer compras. Que diabos, onde esse mundo vai parar?” “Não só gosto de fazer compras, mas gosto de gastar dinheiro com minha mulher,” disse ele com uma piscadela. “Para que eu seja alegremente vestida,” disse, enquanto sorriu largamente para ele. 137


Como ele começou a movê-la de seu colo, ela de repente se lembrou que deveria chamar Julie. E conhecendo Julie, teria de fato daqui a pouco a polícia batendo na porta de Damon se Serena não ligasse. “Merda,” ela murmurou. “Damon, eu preciso usar o telefone. Minha amiga Julie. Você a conheceu no Cattleman’s. Ela estava preocupada que você fosse me matar noite passada, então se não chamá-la, ela vai chamar a polícia e mandar bater em sua porta.” Damon jogou a cabeça para trás e riu. “Por todos os meios, chame a sua amiga. Ela parece muito uma tigresa.” Serena sorriu. “Ela significa muito, e tem um coração grande, mesmo se sua boca é maior.” “Vou deixar você telefonar. Subirei e pegarei uma muda de roupa de sua bolsa.” Ele a tirou de seu colo e se levantou. “Vou te levar em meu escritório, assim você terá privacidade.” Desta vez, ela prontamente colocou os dedos nos seus enquanto caminhavam para fora da cozinha, e para o outro lado da sala. Ele mostrou uma sala menor fora da sala e fez um gesto em direção à sua mesa. “Leve o tempo que precisar. Vou estar na sala de estar, por isso só saía daí quando estiver terminada.” Ele soltou um beijo na testa e, em seguida, virou-se e saiu do escritório, fechando a porta atrás dele.

138


Capítulo Dezessete Ciente de que sua amiga ainda estava viva e chutando, Julie desligou o telefone. Serena não estava dando todos os detalhes, mas parecia muito malditamente alegre para alguém que tinha acabado de passar sua primeira noite na escravidão. Não pela primeira vez, Julie se perguntava se ela tinha dado julgamento errado à coisa toda de submissão. Não. Ela balançou a cabeça e olhou o telefone com trepidação. Serena perguntou se Julie já tinha chamado Nathan, e é claro, Julie mentiu e disse que sim. Ela não poderia ter Serena pensando que era uma covarde, mesmo que estivesse crescendo penas, e desenvolvendo um cacarejo. Quando tinha se tornado uma covarde? Ela pegou o celular e digitou o número que Nathan havia deixado no seu contato pessoal quando preencheu o seu cartão no salão. Ela não tinha ideia de para que infernos estava ligando. Só esperava que fosse privado. Amaldiçoando seu nervosismo, ela colocou o telefone no ouvido e ouviu-o tocar. Depois do terceiro toque, a chamada completou, e ela prendeu a respiração. “Nathan Tucker.” “Nathan. Uh, oi, é Julie Stanford, um, o salão de beleza... o local da massagem.” Deus, ela poderia soar mais como uma grande idiota? Para piorar, houve uma longa pausa na linha que ele estava tentando colocá-la. “Julie, oi. Ei, desculpe eu não ter chamado para re-agendar. Tenho estado ocupado.” “Não,” ela disse rapidamente. “Quero dizer que não é por isso que estou ligando. Eu, um... Queria agradecer por me levar para casa naquela noite.” “Não foi um problema. Estava feliz por fazê-lo,” disse ele com charme. “Há outra coisa,” ela falou. “Estou ouvindo.” Ela fechou os olhos e sacudiu a cabeça.

139


“Aconteceu alguma coisa naquela noite? Quero dizer, agi de maneira inadequada?” Jesus, Maria e José, ela soou como algum político desonesto se desculpando por ser pego com uma prostituta. “Eu não entendo,” disse Nathan. Ela podia ouvir a confusão genuína em sua voz. “Eu pulei em você? Estuprei você? Fizemos sexo?” Ela perguntou impaciente. “Meu Deus, não.” Bem, ele não parecia tão assustado. “Então como... por que acabei nua na minha cama?” ela perguntou. “Maldição!” Nathan rugiu. Julie pulou e segurou o telefone longe do ouvido dela. Mais maldição murmurada seguiu, abafado, como se ele, sem dúvida estivesse segurando o telefone em sua camisa. Depois, mais barulho então voltou. “Desculpe, não é você.” Então ele partiu para longe e gritou novamente. “Micah, filho da puta, eu vou chutar o seu traseiro dessa vez.” “Olha, acho, obviamente, que te peguei em um mau momento,” Julie disse em voz alta, esperando que ele ouvisse. “Não, me desculpe. Micah e suas piadas malditas. Sobre a outra noite... Nada aconteceu, Julie. Se eu tivesse alguma ideia de que você estaria preocupada, teria chamado você. Você estava meio fora de si, então eu a coloquei na cama. Alguém derramou cerveja em sua camisa e por isso a tirei. Nem sequer olhei para você, eu juro.” “Bem, por que não?” Ela perguntou irritada. “Eu sou tão feia?” “O quê? Não. Inferno. Que inferno?“ Ele gaguejou. Era óbvio que ele não tinha a menor ideia da merda, se deveria ficar calado. “Vou deixar você ir,” ela murmurou. “Espere, Julie, não vá ainda.” Ela puxou o telefone longe do ouvido e apertou o botão. Então, com mortificação, ela desligou o telefone da parede, apenas no caso que ele tivesse alguma ideia de chamar de volta. Colocando o telefone de lado, ela fechou os olhos e sacudiu a cabeça. Onde havia um buraco gigante na terra, quando ela precisava de um?

140


Serena sentou-se no banco de trás do carro de Damon, situado próximo ao seu lado enquanto se dirigiam para o Galleria. Ela olhou e sentiu-se bonita. Damon tinha escolhido um simples vestido de comprimento até o joelho sem mangas e um par de sandálias altas que tinha trazido com ela. Tinha usado antes, mas o vestido não tinha feito sentir-se tão completamente feminina. As pulseiras que usava em seu braço, e sobre seu tornozelo eram lindas. Ela sentiu-se exótica e vibrante, com as joias de ouro decorando sua pele. Que era o símbolo da propriedade de um homem adicionava ainda mais uma emoção secreta. Não demorou muito tempo para descobrir o tipo de roupa preferida de Damon. E ela teve que entregar a ele, ele tinha um olho excelente para complementar sua figura e coloração. Ele escolheu saias de seda, casual, quase como uma onde de tecido. Simples tops tipo camisola. Vários vestidos vistosos e um tubinho preto formal. Depois de escolher calçados adequados, ele a levou para um spa, onde dirigiu o atendente a dar-lhe um pacote completo de mimos para o corpo. Até as unhas dos pés estavam pintadas de rosa feminino. Até o momento que terminou, não havia uma tensão muscular no corpo inteiro. Ela estava mole e solta, e o que mais queria era enrolar-se nos braços de Damon e tirar uma soneca. Ele carregava as sacolas com as coisas dela com a mão esquerda e colocou seu braço direito em volta de sua cintura quando saíram do balneário. Ela inclinou-se para ele e ficou maravilhada com o quão confortável pareciam e se sentiam juntos. “Você percebe que Julie vai matá-lo, por ter me levado para outro lugar para os meus mimos,” disse Serena com um sorriso na direção de Damon. Damon sorriu. “Foi por você que não a levei até lá. Achei que ela iria interroga-la impiedosamente, e possivelmente até mesmo a sequestrar o seu próprio bem.” Serena deu uma gargalhada.

141


“Oh meu Deus, você provavelmente está certo. Ela é completamente dominadora, mas seu coração está certamente no lugar certo.” “Eu diria que sim,” ele concordou. “Ela está olhando por seus interesses, não para que eu possa acusá-la por isso.” “E agora?” Ela perguntou quando a conduziu para seu carro. Instalou-se ao seu lado e falou com Sam para levá-los para casa. Então ele se virou para olhar para ela. “Agora, levo-a para casa e tiro essas roupas fora de seu corpo. Eu tenho um pouco de trabalho para fazer, mas estou ansioso para ter a sua companhia enquanto cuido de umas coisas.” “Tem certeza que você pode se concentrar no trabalho enquanto estou nua?” Ela perguntou inocentemente. Diversão brilhava intensamente em seus olhos. “Se eu tiver que trabalhar em conjunto, prefiro muito mais que você se sente em meus pés, nua ao invés de completamente vestida.” Ela revirou os olhos. “Você é um homem das cavernas embaixo de toda essa sofisticação polonesa.” “E você é minha garota das cavernas? Obrigada a satisfazer a todos os meus desejos?” “Sim, suponho que eu sou,” ela murmurou. “É bom saber,” disse ele. “Abra minhas calças.” Ela piscou surpresa e lançou seu olhar para baixo na protuberância em sua virilha. “Fique de joelhos na minha frente e use sua boca para me dar prazer,” ele ordenou. Uma bolha de excitação inchou e estourou em sua pélvis. Seu clitóris estava fazendo uma dança de espasmos entre suas pernas, pulsando com a necessidade inextinguível. “Devo ser grosseiro?” Ele murmurou. “Chupa-me, minha Serena. Venha me dar prazer, e quando acabar, lamba cada gota de esperma do meu pau.” Lentamente, ela se arrastou sobre os joelhos e ajeitou-se entre os assentos. Seus joelhos rasparam o rodapé, ele separou suas pernas para dar-lhe um acesso mais fácil. Nervosa, olhou por cima do ombro para olhar para Sam, mas o motorista estava focado no para brisa. “Ele me ouviu, você sabe,” disse Damon com um leve sorriso. “Ele sabe exatamente o que você vai fazer.” 142


Ela franziu o cenho para ele. “Por que me zombar? Você sabe que eu não me sinto confortável com outra pessoa vendo, ou ouvindo a nós.” Ele colocou a mão em seu queixo. “Eu não estou zombando de você, Serena. Estou aclimatando você. Estou lhe ensinando que a única pessoa que você precisa se preocupar é comigo. Não importa o que Sam vê ou ouve. Sou eu que você verá e vai se concentrar. Você deve aprender a bloquear todo o resto. Agora, abra as minhas calças e me dê prazer.” Ela piscou no poder de sua voz, no segmento de autoridade em cada palavra. Com as mãos tremendo, alcançou a braguilha, e desfez suas calças. Seu pênis empurrou com impaciência na cueca e puxou para baixo de lado. Sua ereção se libertou, balançando e puxando para cima em direção à barriga apertada. Seus dedos se arrastaram por meio dos pelos nítidos em torno da base, como circulou o eixo com os dedos. Seu cabelo caiu para frente quando se inclinou para tomá-lo em sua boca. Seus dedos enrolaram em seu couro cabeludo, enquanto ele empurrou os fios pesados longe do seu rosto. Sabendo que ele queria ver, ela inclinou a cabeça para que pudesse ver seu pênis desaparecendo dentro de sua boca. Ela amava o seu gosto. Não era novo descer em um cara, mas na verdade, nunca tinha sido um favor sexual que apreciasse. Para ser honesta, fez isso por um sentimento de obrigação, um acordo de reciprocidade, quando recebeu sexo oral de um de seus amantes. Mas, com Damon ela gostou, saboreou-o e nem sequer olhou para frente. Engolir? Hum, nunca. Não com qualquer um dos seus amantes anteriores. De alguma forma, com Damon, parecia uma rejeição que não estava disposta a entregar-lhe. Mesmo se ele não tivesse perguntado a ela, teria de bom grado tomado tudo o que tinha para dar. Ela molhou os lábios novamente quando deslizou sua boca para baixo em seu comprimento. Inalando através de seu nariz, ela censurou sua vontade de sufocar e segurou-o na parte traseira de sua garganta antes de finalmente libertá-lo e levantar a cabeça até que apenas a ponta do seu pênis descansava em sua língua.

143


Seu saco estava pesado e inchado na junção de suas pernas. Pontilhado com pelos curtos e escuros, ela lambeu em um contraste com o comprimento suave de sua ereção. Acariciou as bolas, amando a aspereza leve, e depois segurou a bainha de veludo cobrindo seu pênis. Para cima e para baixo ela trabalhava a mão, movendo-se em conjunto com a boca. Ela seguiu o movimento dos dedos com os lábios, perseguindo-os para baixo e deslizando de volta. Ambas as mãos agora agarraram a cabeça dela. Ele prendeu punhados de seu cabelo, segurando-a firmemente quando ela chupou e gastou sua atenção em seu pênis. Suas costas curvaram fora do assento, suas coxas cavando em sua cintura. Seu saco inchou e apertou, e seu pênis endureceu, até que virou uma peça rígida de aço em sua mão. Quando ela puxou a boca para longe, uma gota de pré-sêmen brilhava da fenda na parte superior da cabeça. Ela cresceu e, em seguida, lentamente driblou sobre a coroa e colidiu com sua mão. Ela se lançou à frente e lambeu-o. Ele gemeu e colocou sua cabeça de volta para baixo, levantando seus quadris para encontrá-la no meio. “Faça-me gozar, minha Serena,” disse ele com voz rouca. Ela levou-o rígido. Tão impiedosamente quanto tinha tomado sua boceta naquela manhã. Ela apertou o controle sobre seu pênis e puxou para cima e para baixo enquanto sua boca cercava e engolia. Seus olhos se fecharam e ela se rendeu ao prazer que deu, bem como tomou. Seu dedo enroscou em seu couro cabeludo e de repente ele a puxou para baixo, empurrando duro e profundo em sua boca. Sêmen quente espirrou em sua boca, cobrindo-lhe a língua. Ela engoliu em seco e disparou ainda mais para baixo em sua garganta. Enquanto ele tremia e se contorcia debaixo dela, ela diminuiu e acariciou seus movimentos. Carinhosamente chupou e aliviou com a língua, lambendo cada gota de sêmen de seu pênis. Ainda segurando o pau na mão, ela soltou com a boca e abaixou a cabeça para passar sua língua sobre a pele enrugada do saco. Suas bolas rolaram sob sua boca, quando capturou uma gota de sêmen que tinha derramado sobre a pele. Ele gemia, e a acariciou com as mãos pelos cabelos, em seu couro cabeludo e, em seguida, sobre o rosto. Ele tocou e acariciou como se não conseguisse o suficiente. Aprovação estava lá em cada carícia, e quando finalmente ela olhou para cima, seus olhos brilhavam de satisfação. 144


“Quanto mais tempo, Sam?” Damon perguntou para frente. Serena hesitou, mas controlou o seu constrangimento. Ela sabia que Damon mais uma vez chamaria a atenção para o motorista. Como ele afirmou, queria que ela se acostumasse a ser utilizada sempre e onde o humor dele quisesse. Um cacho curioso, quase um formigamento, fez rolar lento, pelo ventre da ideia de que Sam pudesse ouvir, mas não ver tudo o que se passava no banco de trás. “Quinze minutos, senhor.” “Muito tempo,” Damon murmurou. Ela levantou a sobrancelha em questão quando conectou com seu olhar. “Muito tempo para quê?” “Tire sua calcinha, Serena,” disse ele, ignorando a pergunta dela. “Faremos rapidamente.” Num piscar, ela estendeu a mão, mexendo com seu vestido enquanto pegava a roupa interior. Segurando em sua perna com uma mão, trabalhou a calcinha com a outra. Foi difícil, pois estava encravada entre os assentos, mas finalmente arrancou as pernas livres do material e deixou cair à roupa no banco. Damon sorriu. “Agora, me chupa duro novamente. Você tem cinco minutos. Quando eu estiver pronto, quero que você suba no meu colo, puxe o seu vestido e monte no meu pau.”

145


Capítulo Dezoito

O pau de Damon estava em um ângulo, à ponta descansando em seu abdômen. Cuidadosamente, enrolou os dedos em torno, trazendo na vertical e na sua boca. Estava mais quente e suave na boca, do que apenas um momento atrás, mas ao primeiro toque de sua língua, ele contraiu em espasmos. Carinhosamente, acariciava e chupava, sentindo como ele gradualmente endureceu novamente. Demorou mais desta vez, mas ela persuadiu e lambeu até que ficou duro e ereto. Ainda assim, ela esperava por seu comando. “Você está pronta para mim, Serena?” Ela assentiu com a cabeça, sem tirar a boca de seu pênis. “Você está molhada?” Novamente ela concordou. “Mostre-me. Pegue sua mão. Deslize-a entre suas pernas. Toque-se e, em seguida, mostrar-me os dedos.” Ela soltou seu pênis e estendeu a mão, mexendo com o seu vestido. Definitivamente, estava molhada. Muito molhada, e sua boceta doía pela liberação. Quando seus dedos deslizaram sobre o clitóris, sacudiu os ombros. Baixou para onde seu centro úmido pulsava, avançou o dedo até que ele foi devidamente revestido. Ela retirou a mão e mostrou-a para Damon. Ele capturou o pulso com uma mão e puxou delicadamente os dedos à sua boca. Ele colocou um na boca e sugou para dentro. “Vem para mim,” disse ele numa voz que era profunda e doce. Fascinado por ela. Agarrando a perna com a mão livre, se levantou de seu lugar no assoalho. Ele estendeu a mão para as extremidades de seu vestido, levantando enquanto se moveu para o banco. Ele soltou o pulso dela e agarrou o topo de suas coxas, espalhando-a quando se posicionou em seu colo. “Ponha as mãos no topo do banco,” ele ordenou. “Abra para que eu possa penetrar.”

146


Ela fez como ele disse, e levantou ligeiramente quando alcançou embaixo de si para posicionar seu pênis. “Agora me tome, Serena.” Ela recuou para baixo, e a cabeça do seu pau colidiu contra o seu núcleo antes de finalmente penetrar sua entrada e deslizar dentro. Sua mão agarrou pela cintura, e ele a puxou para baixo ao encontro de seu impulso para cima. O primeiro choque da sua possessão quase a mandou ao seu orgasmo caindo ao redor, mas ele cobriu seu queixo, e a puxou para baixo até que ela encontrou seu olhar. “Você só gozará quando eu disser que você pode. Por agora, você vai ver ao meu prazer.” Ela prendeu a respiração e balançou a cabeça, mesmo quando perguntou se seria capaz de impedir algo tão inevitável quanto a sua libertação. “Tome a mim,” disse ele. Segurando a parte superior do assento de trás de seus ombros, ela levantou-se e caiu, levando-o profundamente com cada mergulho para baixo. Ele era grosso, e ela estava tão apertada em torno dele. Sua vagina esticava para acomodá-lo, e podia senti-lo em todas as terminações nervosas. Ele soltou sua cintura, e deslizou as duas mãos até a barriga e seios. Através do material de seu vestido, puxou e ajustou seus mamilos até que impulsionavam para frente, duros e eretos. “Forte,” insistiu ele. “Você está correndo contra o tempo. Estaremos em casa em breve e foderemos na minha garagem enquanto Sam espera por nós sairmos.” Em vez de encharcar o seu ardor, a imagem produziu um estremecimento decadente através de seu sistema. Um caloroso lampejo percorreu suas veias, e por um instante, ela se sentiu tentada a adiar seu orgasmo, até que estivessem, na verdade, na porra da garagem de sua casa. “Isso te excita,” ele murmurou, e quando ela abriu os olhos, podia ver que ele parecia satisfeito. Ele parou de brincar com seus mamilos e colocou seus ombros, para baixo sobre seu pênis. Após alguns instantes, ele correu as mãos por suas costas até chegar à bainha de seu vestido amarrotado encostado nas pernas. Ele puxou até que o material se soltasse e, em seguida alcançou por baixo para sua bunda. Suas mãos não eram gentis quando agarrou os globos. Seus polegares cavaram ao seu lado 147


quando levantou e puxou-a para baixo. Seu pênis em sua vagina martelando, esticando sua entrada com cada impulso. O carro diminuiu, e ela prendeu a respiração enquanto freneticamente, olhou pela janela para ver que eles tinham corrido até a casa de Damon. “Não pare,” Damon advertiu. “Você vai terminar isso antes de sair.” O carro parou e Sam saiu. O carro balançou ligeiramente quando ele fechou a porta, mas não abriu a porta de trás. Ela podia ver que estava de costas para sua janela, esperando por eles terminarem; “Foda-me Serena. Foda-me duro.” Montou-o, mais rápido e mais duro quando olhou para fora da janela traseira de seu carro. “Use sua mão,” disse ele. “Toque-se enquanto transar comigo. Quero sentir que você chega perto do meu pau antes de me esvaziar em seu ventre.” Só muito feliz em acomodá-lo, ela se abaixou e puxou impacientemente o vestido para movê-lo para fora do caminho. Seus dedos encontraram seu clitóris e ela imediatamente começou a acariciar o nó inchado. Suas mãos apertaram seu traseiro, e empinava os quadris para cima, transando com ela com uma intensidade selvagem. Com toda a calma e seu controle, quando chegou ao sexo, ele era um animal. “Vem,” ele suspirou. “Goze para mim, Serena. Deixe-me sentir que você está molhada ao meu redor.” Ela gemeu. Sua boca ficou seca e engoliu rapidamente sua mão se moveu mais rápido, e ele a ergueu mais. “Sim,” ela choramingou. “Por favor, não pare, Damon.” Ela foi à loucura em seus braços, contorcendo-se e resistindo quando seu incêndio deflagrou mais forte. Pressão insuportável construiu dentro de si, esforçando-se para seu ponto de ruptura. E então ela estourou. Dispersa como folhas ao vento. Entrou em uma centena de direções diferentes.

148


Vagamente o registrou abraçando-a, acalmando-a com mãos suaves quando sussurrou em seu ouvido. Cada parte abalada tremeu quase violenta e fora de seu controle. Quando ela se afundou no seu peito, ele bateu para cima, pela última vez, sacudindo seu corpo com sua força. E então ele parou. Seus braços em volta dela, e segurou-a firmemente para ele, os dois em uma agitação. Durante muito tempo, ele apenas segurou-a, seus corpos ainda conectados. Ela não conseguia se mover. Mal conseguia processar o que tinha acontecido. Então, ele ergueu um pouco e deslizou para fora de sua vagina. Rolou para o lado para que ela sentasse no banco com as pernas sobre seu colo. Ele arrumou o vestido para que cobrisse o corpo nu e, em seguida moveu as pernas para que ele pudesse prender suas calças. Ele estendeu a mão e bateu na janela, e Sam imediatamente virou-se para abrir a porta. Damon saiu primeiro e, em seguida, estendeu a mão para ajudar a Serena para fora. Os pés descalços bateram na calçada quente, e ela se levantou com as pernas trêmulas. Mas Damon não lhe deu tempo para recuperar sua posição antes de simplesmente carregá-la nos braços e caminhar em direção a casa. Ela só podia imaginar o que se parecia, e agradecia a Deus por Damon a proteger tão bem. O rosto estava enterrado em seu pescoço, e ele abraçou e virou-o de forma que ela foi dada como modéstia tanto quanto possível, dadas as circunstâncias. Ela não viu quem abriu a porta, só que ele estava bem lá quando Damon chegou. Ele passou e levou-a para o quarto. Quando a colocou sobre a cama, ela só ficou lá como um macarrão mole, cansada e satisfeita. Lábios quentes acariciaram sua testa quando mãos delicadas alisaram o cabelo longe do rosto. Ele puxou o vestido de seu corpo, deixando-a nua sobre a cama. Então se foi. Dando nenhuma instrução, ela optou por permanecer onde estava, não que pudesse ter mudado de qualquer forma. Em um momento, Damon retornou com um pano úmido. Carinhosamente, banhou suas coxas e limpou a sua semente de entre suas pernas. “Role de barriga,” disse ele baixinho.

149


Com sua ajuda, ela conseguiu rolar até que seu rosto foi enterrado nos lençóis, com os braços espalhados amplamente sobre a cama. Ele riu. “Tenho usado muito você, minha Serena?” “Mmmm.” Era tudo que ela pôde fazer. “Logo você vai descansar,” ele murmurou. Logo? Isso significava que ele tinha algo em mente. Ela só esperava que não exigisse que ela se movesse. Ele começou a acariciar suas costas, as mãos rolando e amassando. Ela gemeu de prazer, os sons escorregando dos lábios cansados. De cima para baixo de seu corpo, do pescoço e ombros para os globos de seu traseiro, ele tocou, acariciando e massageando. Então puxou as mãos, e ela ouviu um som superior. Plástico. Líquido quente escorreu em sua espinha e, em seguida, suas mãos voltaram, esfregando o óleo em sua pele. A cama caiu enquanto ele engatinhava para o lado dela. Não havia um centímetro da sua pele, que ele não marcou de alguma forma. Seu toque, sua marca em sua carne, quente e sensual. O frio bateu enfeitado com contas e estalou abaixo de seus braços até quando o prazer primoroso tomou conta de seu corpo. As massagens de Julie não tinham nada da magia que Damon apresentou. As palmas das mãos pegaram seu traseiro, apertando e rolando, os dedos trabalhando cada vez mais perto da fenda entre os dois. Ela inalou bruscamente quando o dedo cutucou sua entrada anal, suave e abrindo. Mais uma vez ela ouviu a tampa sendo aberta. Dois dedos nas bochechas da bunda dela, descobrindo sua abertura. O óleo caiu na fenda, deslizando sobre sua pele. Seus dedos usaram o lubrificante, espalhando-o e pressionando em seu ânus. Suas mãos reuniram os lençóis em uma bola, e apertou os olhos fechados. Será que ele iria foder seu buraco agora, quando ela não tinha forças para, possivelmente, formular qualquer tipo de protesto? Sabia que não iria machucá-la, mas isso era algo alheio a ela. Nunca tinha feito sexo anal antes. Nunca sequer tinha brincado. “Relaxe,” disse ele suavemente quando sondou delicadamente com o dedo. 150


Seu dedo escorregou e ela ofegou em voz alta. Para frente e para trás lentamente, ele trabalhou com o dedo. Não doeu. Sentiu-o... Ela não tinha certeza do que sentia. Era novo. Proibido e emocionante. Quando seu dedo continuou dentro do curso, ele driblou mais lubrificante em sua abertura até que ficou escorregadio. Então, acrescentou outro dedo. Ela gemia entre os dentes, sendo esticada e manipulada. Devia se sentir bem? Calor floresceu em seu traseiro, e irradiou para sua vagina, apesar de seu cansaço, seu lombar apertou, o clitóris inchou e a dor de um novo orgasmo se escondia no horizonte. Quando ele puxou a mão, quase gritou em protesto. Antes que pudesse virar a cabeça para ver se ele estava deixando, ou substitui os dedos. Faltava o seu carinho e era muito mais duro. Sentiu... Plástico. Seus olhos abriram, uma vez que violou sua abertura, liso com lubrificante, mas rígido e inflexível. Par frente e para trás, mal minando sua entrada, Damon trabalhou pacientemente o objeto. Então sua abertura alargou-se, esticou mais apertada em todo o plástico, empurrou-o mais para dentro. Era menor na ponta, mas como ele ganhou maior profundidade. Não foi mais capaz de conter sua curiosidade, ela inclinou a cabeça para cima e perguntou: “O que é?” A mão livre de Damon repousou na parte baixa de suas costas. “Está tudo bem, Serena. Confie em mim. Eu não vou te machucar. Estou inserindo um plug. Eu não quero que me tomar seja doloroso para você, assim irá usar isso por um tempo.” Com isso, ele deu mais um empurrãozinho e sua abertura estendeu ainda mais. “Oh,” ela engasgou. “Apenas relaxe e não lute contra isso,” ele murmurou. “Confie em mim não vai te machucar. Apreciará.” Por mais alguns segundos, continuou o movimento de vai e vem, cada vez pressionando um pouco mais duro. Então, com um firme empurrão, ele penetrou em seu ânus.

151


Sua cabeça caiu fora da cama, e ela gritou de surpresa. Sua bunda latejava e queimava em todo o plug aparentemente gigantesco. Suas pernas espasmaram e parecia agir por conta própria quando lutou contra a invasão. Os lábios de Damon pressionaram a parte baixa de suas costas enquanto beijava e murmurava palavras de alívio para ela. “Vai dar tudo certo. Respire Serena. Vai ficar melhor.” “Sim,” ela murmurou enquanto chupou respirações profundas. “Você já teve um desses na sua bunda?” Ele riu. “Não, eu não tive.” “Então não me diga como me sentir.” ela moeu fora. Rolou até que estava deitada de lado, de frente para ele. Ele usava um sorriso divertido quando olhou para ela. “Tudo bem, então me diga como se sente.” Ela engoliu enquanto alguns dos zumbidos quentes diminuíram em sua bunda. Substituindo por uma recepção calorosa... Hum. Baixa e em corda, chiando em suas veias, como o café antes de ser feito. Desgastada como estava, poderia perfeitamente ir para outro orgasmo aproximadamente agora. “É uma sensação... nervosa. Afiada, mas não tão desagradável. Eu me sinto completa. Há uma pressão que faz minha pele arrepiar e sentir coceira, como querer alguma coisa, mas eu não tenho certeza do que. Isso faz sentido?” Sua mão pairou sobre seu quadril. “Faz todo o sentido. Você gosta disso? Você pode imaginar o meu pênis dentro de sua bunda?” Seu corpo todo tremeu com a imagem de Damon montando ela, mergulhando profundamente em suas entranhas. “É uma sensação tão grande,” disse ela. Ele sorriu. “Eu sou maior.” Ela fechou os olhos e gemeu.

152


“Como no inferno você acha que seu pau vai ficar lá, se você for maior do que o maldito plug?” “Ah, eu vou chegar lá,” disse ele, sua voz grave e rouca. “E você vai adorar cada minuto disso, eu prometo.” “Eu não esperava o prazer,” ela disse como franziu a testa em confusão. “É prazeroso, então?” Perguntou ele. “Eu honestamente não sei se o ato em si é agradável, ou se é por causa de quem está fazendo isso, mas sim, parece... bom. É emocionante e me sinto inquieta e dolorida, como tendo uma necessidade que por cumprir.” Ele moveu-se sobre ela, empurrando-a até que se deitou de costas. A pressão por trás a intensificou, enquanto um pouco do seu peso caiu sobre o plug. Ele posicionou-a ao seu gosto debaixo dele, e então se moveu lentamente pelo corpo dela até que sua cabeça estava acima de seu monte. Ele abriu suas pernas, dobrando os joelhos, até que bateu o colchão. Sua boceta estava toda aberta para ele, e de repente ela se sentiu pequena e vulnerável. Ele passou um dedo por suas dobras provocando, e um lampejo chegou à entrada de sua vagina. Ele deslizou um dedo dentro, pressionando para baixo até que ela pudesse senti-lo tocar no plug através da barreira fina de carne que separava a vagina de sua entrada anal. “Tanto quanto quero enterrar meu pau em sua doce boceta, não vou fazer isso agora. Você está cansada e dolorida e, provavelmente, se eu toma-la agora, vai se sentir apertado por causa do plug em sua bunda. Eu não quero te causar qualquer desconforto. Mas mais tarde... depois eu vou lhe mostrar o que sente em ter dois paus, ao mesmo tempo.” Ela abalou e tremeu sob seu dedo questionador. Como poderia estar tão próximo ao orgasmo de novo? Quando retirou seu dedo, abaixou sua boca, enrolando entre as suas pregas, até sua língua deslizar sobre seu clitóris. Seus quadris foram para cima enquanto um relâmpago prendeu sua virilha. Ele separou ainda mais até que estava indefesa, e abriu a boca. Correntes de ar sopraram sobre sua carne mais íntima, junto com os suspiros quentes de sua respiração. Sua língua deslizou eroticamente em sua entrada para a capa que protegia seu nó sensível. Ele lambeu levemente no 153


clitóris, puxando-a para um pico tenso. Então sugou em sua boca, e uma onda de sensações explodiu eletricamente através de sua virilha. Ela arqueou contra ele, cada movimento balançando o plug no fundo de sua bunda. Cada sensação, como uma onda do mar, rolou para dentro, quebrou e depois se espalhou, surgindo como o líquido através de seus músculos. Faminto, ele lambeu e chupou sua boceta como se estivesse faminto de doçura. Ele circundou sua entrada uma vez e depois outra vez antes de deslizar a sua língua para dentro. Ela estremeceu e revoltou, mas ele agarrou seus quadris e segurou-a firmemente no lugar enquanto lhe dava prazer. Dentro e fora, ele fodeu-a com a língua. Lento e sensual, como se fosse uma degustação dos melhores vinhos e saboreando cada gole. O orgasmo começou como uma onda lenta, um punhado de giro aquecido no fundo de seu núcleo, em seguida, abanando-se quando cresceu e subiu, ganhando um poder temporal. Inchaço surgiu como uma sinfonia no limite de seu auge, a sua libertação construiu até que não podia aguentar mais. “Por favor,” implorou. O que ela pediu, não tinha certeza. Misericórdia? Satisfação? Alívio da tensão insuportável puxando seu corpo? E então ele sussurrou macio, suave contra sua carne úmida. “Goze minha Serena. Goze para mim.” Doce agonia brilhou e apressou-se através de sua pélvis. Seus movimentos já não seriam dela. Gritou quando seu corpo bateu de costas contra a cama, as pernas de repente envolveram em torno de seus ombros. Lágrimas deslizaram por seu rosto, e ficou confusa sobre como chegaram lá. Ela pairava no limiar da consciência, lutando por breves segundos para ficar atenta, para não soltar fragmentos de perfuração de seu orgasmo. Mas com o prazer frenético lentamente desaparecendo, sendo substituído por uma doçura mais preguiçosa, se soltou, não foi capaz de manter os olhos abertos. Um polegar roçou em seu rosto, enxugando a umidade das lágrimas, e então ouviu seu comando suave. “Durma minha Serena. Eu vou cuidar de você.” 154


Confortada por esse voto de silĂŞncio, ela se permitiu escapar para o esquecimento acolhedor que o sono oferecia.

155


Capítulo Dezenove

Damon viu enquanto os olhos fecharam, e, quase imediatamente, sua respiração tornou-se suave e uniforme. Ela estava exausta. Ele sorriu e cuidadosamente passou os braços por debaixo dela. Quando a pegou fora da cama, ela gemeu em protesto. “Shhh”, ele acalmou. “Quero você comigo, minha Serena. Você pode descansar, logo que eu te colocar confortável.” E a queria com ele. A ferocidade de seu desejo de tê-la perto dele o assustou. Mas como ela, ele estava entregando-se a uma fantasia. Não era real, não importava o que poderia desejar de forma diferente. Ele levou-a do quarto para a ampla sala, onde ardia um fogo na lareira. Sua paleta de pelúcia já tinha sido arranjada ao pé da poltrona e foi a vários metros do fogo. Ajoelhando, ele colocou seu corpo nu sobre a baixa almofada do tamanho de um corpo. Ela murmurou sonolenta, mas se enrolou em uma bola caiu em um sono profundo. Ele acariciou a mão por seus cabelos, puxando para longe de seu rosto. Então, deixou seus dedos deslizarem para baixo de seu corpo magro, por seu quadril e, finalmente, suas nádegas pálidas. O plug de cor de carne dividia as bochechas das nádegas, e ele endureceu um pouco na ideia de empurrar seu pau onde o plug atualmente residia. Levantando-se a seus pés, ele recolheu seu laptop da mesa de café e se estabeleceu na poltrona. Ele tirou os sapatos e os enviou deslizando pelo chão e longe de onde Serena estava. Ele esticou as pernas até que seus pés tocaram suas esbeltas costas. Inconscientemente, ele esfregou os dedos dos pés até a espinha, e os cabelos sedosos. Ele gostava de tocá-la, ter qualquer contato com ela. Ele abriu seu laptop e deixou seus pés descansando levemente sobre o seu lado. Enquanto trabalhava com seus e-mails, ocasionalmente olhava para cima, buscando olhar Serena. De vez em quando, ela suspirava e seu corpo subia e descia mais duro diante de um som, sonolento contente sussurrado pelos lábios, e recostava-se novamente. 156


Quando estava em seu último e-mail, seu celular tocou. Franzindo a testa, ele puxou sem olhar para o LCD e socou o botão para ligar, assim o som não perturbaria Serena. “Damon,” disse ele em breve. “Damon, oi, é Faith.” Sua expressão aliviou e ele relaxou na cadeira. “Faith, é um prazer ouvir você. Como você está? Como está Gray?” “Nós dois estamos bem.” Ele podia ouvir o sorriso na voz dela, poderia imaginar suas feições doces. “Como está Serena?” Faith perguntou. Houve ligeira hesitação por trás da questão como se ela não tivesse certeza com voz de preocupação. Ele sorriu e olhou para Serena, quando esfregou o pé levemente sobre seu quadril. “Ela está dormindo em meus pés,” respondeu ele. “Seus pés? Bom pesar, Damon, você realmente não está levando esse negócio de escravo um pouco longe. Eu pensei que você ia encoleirar e amarrá-la a sua cama?” Ele riu. “Só à noite.” Ele a ouviu murmurar algo em voz baixa. “Serena está bem, Faith. Certamente você não acha que eu iria maltratá-la.” “Não, claro que não!” Ela rapidamente se defendeu. “Espero que não seja o que você pensa. Não posso imaginar que algum dia magoasse uma mulher. Não intencionalmente, de qualquer maneira.” A sobrancelha de Damon levantou. “Eu não vou nem perguntar.” Faith parou por um longo momento. E quando ela finalmente falou, havia um brilho de aço em seu tom. Uma contradição direta com seu jeito normalmente doce. “Olha, Damon, você é meu amigo. O incluí entre meus amigos mais queridos.” Ele sorriu. Ele a considerava uma amiga também. “Mas é a Serena,” continuou ela. “E eu estou um pouco preocupada. Sobre o que você quer.”

157


“Não há nenhuma necessidade para você se preocupar, Faith. Serena e eu somos adultos responsáveis, e nós dois somos muito conscientes do que está em jogo e o que não está.” Faith fez um som de impaciência. “Você odeia jogos, Damon. É de todas as pessoas, quem gosta de coisas ordenadas e ao seu gosto. Atrevo-me a dizer que está muito mimado e acostumado a ter o que quer quando quer. Essa coisa toda de fantasia... Eu só espero que você não acabe esperando algo que Serena não pode, ou não vai dar.” “Eu acredito que você está tentando proteger o meu coração,” disse Damon em diversão. “Eu sou um grande garoto. Posso cuidar de mim mesmo.” “Eu só não quero ferir qualquer um de vocês,” disse ela baixinho. “Especialmente você Damon.” Uma torrente de calor entrou em seu peito e banhava suas entranhas. Faith... Era como um raio de sol em um dia frio e sombrio. Não havia outra maneira de descrevê-la. Ela tinha um coração de ouro, e era tenazmente fiel ao povo que amava. Mesmo à sua custa, como Gray Montgomery certamente atestaria. “Aprecio sua preocupação, Faith. Verdadeiramente. Mas isso é entre mim e Serena,” disse ele gentilmente. “Nós dois fizemos nossos termos muito claros. Ninguém entrou as cegas.” Faith deu uma pequena risada. “Essa foi uma forma sutil de dizer se-preocupa-com-o-que-é-da-sua-conta.” “Sim, foi” ele disse com um sorriso. “Ok, eu posso entender uma dica. Eu me preocupo com você, Damon. Isso é tudo que eu queria dizer.” “Sua preocupação é desperdiçada em mim.” Ele sorriu quando ela lhe disse novamente que era um amigo querido, e que sempre seria, depois desligou. Ele ainda estava sorrindo quando desligou o telefone entre a perna e o lado da cadeira. Silenciosamente, ele fechou seu laptop e pôs de lado na mesa ao lado de sua cadeira. Por um longo tempo, ele olhou para as chamas cintilando na lareira, e absorveu a sensação de viver contente em sua casa, uma bela mulher em seus pés. Ele era... Feliz. 158


Alguns momentos depois, sua governanta Carol entrou na sala, limpando a garganta para chamar a sua atenção. Ele olhou para cima para vê-la em pé na porta, os olhos discretamente afastados de Serena. “Existe alguma coisa que você precisa, Damon?” Perguntou ela. “Eu gostaria de uma taça de vinho por agora,” disse ele após um momento de consideração. “Em uma hora, gostaria de jantar servido aqui na sala.” Serena estaria com fome, e confortavelmente instalada entre seus joelhos, a cabeça no seu colo enquanto ele a alimentaria com os dedos. Então acariciaria seu cabelo e eles falariam enquanto relaxados, aproveitavam a noite. Mais tarde... Ele não iria entrar mais tarde ainda. Sentar-se duro, e em nada aliviaria e não seria exatamente divertido. Depois que Carol recuou, Damon alcançou o romance que estava no meio e abriu para ler, depois de dar outro olhar sobre Serena. Ele ficou contente com a confiança que ela lhe deu até agora. Ela tinha reservas, como esperava, mas tinha as manipulado bravamente e com graça. Ela não era uma covarde, nem uma desistente. E ela o agradou. Como o agradou. Ele tinha falado muitas vezes, porque queria que ela fosse segura em sua aprovação, mas não havia explicação para o aumento do prazer que a presença dela o trazia. Ele não tinha certeza se queria saber a extensão de seus sentimentos um pouco confusos. Inferno, ele não ia tentar resolver indo através deles. Ele franziu a testa ao lembrar das preocupações de Faith. Sua preocupação não tinha sido por Serena. Tinha sido para ele. Era tão transparente? Teria alguma força para desfrutar de um breve romance sem nenhum envolvimento emocional? Sua carranca facilitou, e tornou-se mais pensativo do que irritado. Suas emoções já estavam envolvidas. Ele nunca tinha visto o sexo como um processo mecânico que dois órgãos participavam do acasalamento, tudo o mais estava ausente. Mesmo quando sabia que não havia futuro para ele e a mulher que levou para sua cama, ainda a tratava com respeito, e mantinha uma pequena parte de seu coração reservado para cada uma. Ele conhecia todas por nome, como pareciam, o que gostavam, quais eram seus sonhos e aspirações. Mesmo quando esses sonhos levavam para além dele.

159


Cada vez, ele se endurecia para seguir, sabendo que o que gostava com suas parceiras não podia durar, e no fim do caso, tinha visto a sua separação com apenas uma pequena quantidade de pesar e tristeza. Ele olhou para Serena por cima do livro que ainda não tinha lido uma palavra hoje. A ideia dela ir embora fez coisas estranhas a ele. Inspirado numa espécie de pânico no fundo de sua alma. A agitação, um protesto, o grito de um homem por sua companheira. Ele balançou a cabeça para livrá-lo de tais absurdos. Isto era sexo. Sexo com emoção, mas ainda só sexo e fantasia. Não era real. Nada disso era real. Abrir mão de Serena seria difícil, mas ele faria. Manter uma mulher ligada a ele quando ela não tinha vontade de estar lá, não era algo que queria mais do que contemplar a ideia de nunca encontrar uma mulher onde pudesse amar e aceitá-lo, mesmo sabendo o que ele procurava dela. Carol voltou com sua taça de vinho, e sentou bebericando enquanto olhava para o fogo. Seu livro, hoje esquecido, foi lançado descuidadamente sobre seu colo, marcando um lugar que não tinha intenção de voltar a ler. Sentindo a necessidade de tocar Serena, deslizou os dedos de seus pés sobre a pele acetinada, traçando a linha de sua coluna vertebral e, em seguida, a curva de seu quadril e cintura pequena. Seus cabelos espalhados por trás dela, um pouco da meia-noite, escuro e liso, como a seda líquida. Ele iria ver seus cabelos todos os dias. Era uma alegria que não tinha intenção de negar a si mesmo. Ele seria o único a lavá-la quando se banhava, e iria secar e pentear cada fio simples. O fogo tinha morrido até um leito de carvão incandescente, mas não podia fazer-se levantar para ir adicionar mais lenha. Ele estava contente enquanto ficava com sua mulher a seus pés, quando podia sentir cada respiração que tomava, cada pequeno suspiro e contorção. Sombras atravessaram a sala no anoitecer, varrendo suavemente sobre a luz desvanecendo-se. Uma única lâmpada iluminava o quarto, lançando um brilho sobre a forma dormente de Serena. Como se despertado pelos dedos quentes de luz, ela se mexeu debaixo dos seus pés. Viu-a sacudir a teia de sonho, e levantar a cabeça lentamente. Ela virou-se imediatamente como se estivesse em busca dele. Seus olhares conectaram, e satisfação enrolou no fundo de seu peito quando ela despertou, e seu primeiro pensamento tinha sido dele. “Vem a mim,” ele sussurrou, estendendo a mão para ela. 160


Ela piscou fora os últimos vestígios de fadiga, e seus olhos brilharam em luz suave. Ela ficou de joelhos e colocou sua mão na dele. Por um momento ele apenas saboreou o primeiro toque, o arrepio que deslizou até seu braço, banhando sua pele com espinhos de consciência. Então ele a puxou para cima e persuadiu-a para seu colo. Ela se instalou em seu peito, se aconchegando como um gatinho que procurava calor. Ele colocou os braços ao redor dela, segurando-a perto. Para sua surpresa, seus lábios se aninharam em seu pescoço, apertando beijos minúsculos em sua pele. “Você está com fome?” Ele murmurou. “Faminta.” “Carol vai trazer nossa comida a qualquer momento.” Ele deslizou uma mão sobre a curva de seu quadril e para a suavidade de suas nádegas. Seus dedos desviaram para o plug, e ela apertou contra ele. “Dói?” Ele perguntou quando procurou traçar a borda do plástico. Ela balançou a cabeça contra ele. “Eu vou removê-lo quando formos para a cama,” disse ele. Incapaz de resistir, ele roçou os lábios na sua testa. Em resposta, ela inclinou a face para cima, num convite claro para ele e o gosto de seus lábios. Doce, como lamber uma gota de calda de uma colher. Seu gosto estava familiarizado com ele, e ainda cada vez, era como a primeira. Emocionante e eletrizante. Os dedos dela esvoaçavam ao seu queixo, acariciando e tocando quando ele aprofundou o beijo. Quando ela começou a retirar, ele colocou sua mão para cobrir a dela, empurrando-a de volta para seu rosto. Gostava de seu toque. Precisava. Uma parte dele há muito tempo enterrada sob o gelo derreteu, sempre que o seu calor o envolvia. A parte dolorosa da sua alma aliviava. Era o seu conforto quando tinha muito tempo que decidir e não queria nada. Um som por trás deles fez com que ele se afastasse. Ele olhou para trás para ver Carol em pé na porta com um carrinho de jantar.

161


Ele acenou para frente, e Serena ficou em uma posição que lhe proporcionou mais modéstia, apesar de sua afirmação anterior de que ela iria aprender a ignorar a presença dos outros. Carol derramou vinho em copos, descobriu os pratos e, em seguida, rapidamente foi para fora da sala. O aroma sedutor do alimento soprou por suas narinas. Próxima a ele, Serena suspirou de contentamento, quando também sentiu o cheiro. Ele estendeu a mão para puxar o carro um pouco mais perto da cadeira. Como ele pediu, Carol tinha preparado uma série de frutos do mar. Camarão. Pedaços de vieiras e lagosta embebida em manteiga. Bolinhos de caranguejo e salmão grelhado. “Mmm, eu adoro frutos do mar,” disse Serena. Ele pegou um pedaço da lagosta e segurou em sua boca. Ele persuadiu os lábios a abrirem, e deixou um pedaço em sua língua. Antes que ele pudesse pegar outro pedaço de comida, ela sentou-se, e estendeu a mão ao prato para escolher uma oferta. Ela pegou um camarão e segurou a frete de sua boca. Ele abriu e permitiu que ela o alimentasse com ele, seus dedos alisando fogo em sua língua. Alimentaram-se em silêncio, revezando a comida com os dedos. Seus olhares nunca deixaram um ao outro por muito tempo, apenas para pegar o próximo pedaço e voltar com uma chama ardente. Quando finalmente a comida tinha acabado, Serena colocou a cabeça em seu ombro com um suspiro satisfeito. “Cheia,” ele perguntou enquanto acariciava seus cabelos. “Mmm-hmm.” “Você parece... pensativa.” Ela levantou a cabeça apenas para que pudesse vê-lo. Sua mão ficou emaranhada em seus cabelos e continuou sua caminhada. “Eu estou.”

162


Sua doce voz rouca provocou um desejo dentro dele que não tinha nada a ver com sexo ou o desejo de enterrar-se profundamente dentro dela. Era mais. Algo simplesmente fora de seu alcance que estava em uma perda para explicar. “Eu estou contente.” Ele a puxou de volta para ele, deixando-a moldar a suavidade de seu corpo. Contra o seu pescoço, ela bocejou e se aconchegou em seus braços, sonolenta. “Por que não a levo para o quarto e retiro o plug? Você pode ter um longo banho de imersão, vou lavar seu cabelo e podemos ter uma noite mais cedo.” Ela acalmou contra ele e, em seguida, mais uma vez, se afastou para olhar para ele com olhos confusos. “Você está perguntando?” Ele sorriu. “Nem tudo é uma imposição, minha Serena. Eu sou um homem razoável quando se combina comigo.” Ela respondeu com um sorriso. “Então, sim, eu adoraria um longo banho quente.”

163


Capítulo Vinte Damon olhou para Serena enquanto dormia ao lado dele na cama. Apenas a lâmpada do seu lado iluminava o quarto, e mesmo assim inclinou a sombra distante, para que a luz não incidisse diretamente sobre ela e perturbasse seu sono. Ele havia retirado o plug e deu-lhe um banho quente. Ela tinha encharcado por meia hora antes de ele a ajudar a sair, enxugou-a, e em seguida, escovou seu cabelo. Ele podia ver a surpresa em seus olhos quando simplesmente a colocou na cama sem qualquer insinuação sexual. Ele olhou para os pulsos amarrados e sentia-se ficar rígido. Esperar até o amanhecer para tomá-la, seria uma longa noite, mas estava claramente exausta, e não tinha vontade de ter muito dela tão cedo. Ele voltou para o seu computador que estava aberto em seu colo. Não era um trabalho que ocupava seus pensamentos hoje. Era sua fantasia. Enquanto ele pensava de volta sobre o e-mail que ela enviou detalhando não só uma fantasia do leilão, mas várias outras também, ele franziu a testa. Era como se ela desfilasse um pergaminho de todas as coisas que achava que um mestre faria com um escravo. Retirado de qualquer manual mestre/escravo, e criasse uma lista de verificação. Ele balançou a cabeça. Ela ainda tinha uma fantasia de ser amarrada e chicoteada por outro homem, enquanto Damon observava. Como se ele fosse permitir que outro homem tivesse tal domínio sobre ela. Qualquer punição, qualquer dor, qualquer prazer, viria em suas mãos ou sob sua supervisão. Nenhum espectador passivo iria fazer isso com ela. Não houve menção de um trio ou mais, mas ele não poderia governar para fora de seus pensamentos, para seu desgosto. Ele não compartilhava. Nunca. Se outro homem a tocasse, era porque Damon permitia, mas nunca além da preparação. Só Damon beneficiaria toda a extensão do seu corpo, da sua doçura. Ainda assim, haviam muitos casos listados, que eram clichês didáticos de livros do macho dominante, fêmea submissa. Por mais que ele quisesse fazer realidade de suas fantasias, mesmo que apenas por um curto período de tempo, não conseguiria fazer isso tudo, num ato. Então o que fazer sobre a fantasia de Serena em situações sexuais? 164


Havia alguns de seus cenários que definitivamente recorriam a ele, e olhou para frente desses. Não eram nada que não tivesse vindo com ele, mas deu-lhe a satisfação de ela estar aberta e aceitar os seus desejos, mesmo que não soubesse que eles compartilhavam. Guardou o laptop e desligou a luz. Quando ficou confortável na cama e aproximou-se de Serena, ela se mexeu e aninhou seu corpo contra o dele, procurando-o mesmo durante o sono. Ele sorriu na escuridão. Hoje foi sobre a facilitação para a sua fantasia. Não se movendo rápido demais. Mas amanhã, ele passaria a empurrá-la ainda mais. Ele tinha uma sensação de que ela não tinha apenas o tomado, mas pedia mais. E isso o animava um inferno tremendo.

Serena acordou com lábios se movendo acaloradamente contra seu pescoço. Impacientes mãos enquadravam seus quadris, separando-os quando Damon deitou entre suas coxas. “Bom dia,” ele murmurou enquanto deslizava dentro dela. Ela gemeu na sensação de saciedade. A pulsação começou embaixo de sua virilha, aquecido e dolorido. Ele não esperou por ela se ajustar. Retirou-se e empurrou para frente novamente, gemendo satisfação em seu ouvido. Seus movimentos foram rápidos e urgentes. Ele lançou seus braços por debaixo das pernas dela e empurrou para cima, até os tornozelos repousarem sobre seus ombros. A posição a deixou nua e vulnerável, sua boceta se abriu para seus impulsos. Cada avanço pressionando sua carne quente á dela. Seus quadris bateram contra a parte inferior das coxas e nádegas enquanto dirigia profundo e duro. Ainda preso no nevoeiro do sono, ela fechou os olhos e se entregou aos seus cuidados. Seu prazer envolvia, quente e fluido ao seu redor, tomando-a em uma corrida preguiçoso. Ela estava muito apática para participar, por isso o deixou levá-la, fazer o que queria. E então ele saiu do encaixe de sua vagina, e seu pênis inchado colidiu contra seu estômago. Fluido quente subiu em sua barriga quando ele continuou a empurrar contra ela.

165


Com desastrados dedos, ele guiou seu pau de volta na boceta dela, e deslizou de volta, quente e pulsante. Ele empurrou mais lentamente em seu corpo, enquanto os últimos vestígios de sua libertação se torciam dele. Seus olhos se abriram lentamente, e ela o olhou como se o mantendo dentro dela. Seus cabelos castanhos estavam despenteados, apontados para cima na parte superior, e à sombra de uma barba pontilhava sua mandíbula. Seus olhos escuros brilhavam com profunda satisfação, e isso era o que ela procurava. Ela lhe agradou. Ela sorriu, mas não disse nada. Ele sorriu de volta, então se inclinou para beijá-la enquanto deslizava de seu corpo. Ele checou seus vínculos e, em seguida, se levantou e caminhou nu para o banheiro. Ele tinha um bom traseiro. Firme e bem musculoso. Tal como o resto dele. Não era excessivamente musculoso. Nenhum tipo de Neanderthal vestindo uma camisa que flexionava os músculos toda vez que se movia. Ele era mais esticado e magro, magro, mas duro. Ela relaxou no colchão aveludado, e olhou para o teto enquanto esperava por Damon libertá-la. Havia uma paciência ímpar para o seu humor que não se encaixava na sua personalidade. Era extremamente impaciente. Não gostava de esperar por nada. E, no entanto, esperou por ele com um contentamento que não teria pensado que sentia. Alguns minutos depois, Damon saiu do banheiro, seu cabelo úmido pelo banho. Ela virou a cabeça para o lado e viu quando ele foi ao seu armário e se vestiu. Em um momento, ele caminhou para o lado da cama e pegou as algemas ligando seus pulsos. Ele gentilmente puxou os braços para baixo de sua barriga, e massageou os pulsos dela, os dedos numa carícia. Então puxou primeiro e depois o outro em seus lábios para um beijo carinhoso. Ele trouxe um pano úmido e limpou bem a semente de sua pele, seus movimentos lentos e suaves. “Role sobre o seu ventre,” ele disse, e deu-lhe um pequeno empurrão.

166


Ela obedeceu e se escondeu um pouco mais fundo nos lençóis. Seus olhos se fecharam involuntariamente, e ele riu acima dela. “Preguiçosa esta manhã,” ele disse enquanto acariciava a palma para baixo de sua coluna e, em seguida, sobre a curva de suas nádegas. Em seguida, ele a deixou por um momento, e ouviu um barulho na sala. A abertura da gaveta e em seguida, fechar, e seus passos enquanto caminhava de volta. A cama caiu debaixo dela quando ele se instalou em cima da cama, de joelhos. A palma de sua mão foi ao seu traseiro carinhosamente, apertando e acariciando as bochechas rechonchudas. Seus dedos passaram sobre a fenda e aprofundaram até encontrar a costura apertada de seu ânus. Ela endureceu, e suas palavras de adulação derramaram sobre ela. “Relaxe, Serena,” ele sussurrou. “Eu vou colocar o plug de volta” Ela se forçou a ficar mole embalada pelo prazer do seu toque. Ele era paciente, acariciando e acariciando. Cada passada dos dedos em sua entrada adicionou mais lubrificante, até que seu corpo foi inundado com uma necessidade ardente. Um único dedo empurrou a abertura apertada, e ela gemeu baixinho. Não houve dor, só uma necessidade ousada que a deixou tremendo contra sua mão. “Fique de joelhos,” pediu. “Cabeça para baixo na cama, as pernas afastadas.” Lentamente, ela fez como ele pediu, posicionando-se de modo que sua bunda ficasse alta no ar, e seu rosto colado no colchão. Mais lubrificante facilitou sua entrada, dentro, fora, acariciando e gentil. E então a pressão firme do plug, pressionando com força implacável. Seu corpo alongou e protestou firme. Ela fechou os olhos e apertou os lábios para manter o suave gemido de protesto enquanto sua abertura esticava para acomodar a espessura do plug. Para frente e para trás, ele aliviou, cada vez ganhando mais terreno, até que finalmente, com um toque firme, o afundou profundamente em seu reto. Sua cabeça foi para fora da cama enquanto seu corpo estava em espasmos e apertado. Ela chupou o ar pelo nariz enquanto tentava firmar sua reação. Suas mãos enrolaram em bolas apertadas, o lençol amarrotando na palma de sua mão.

167


Damon pressionou um beijo delicado em seu traseiro, e depois se levantou do seu lugar na cama. “Tome seu banho, em seguida, desça. Leve uma escova para que eu possa ver o seu cabelo. Eu vou estar na sala de jantar.” Ela assentiu com a cabeça, os olhos ainda fechados. Cautelosamente, ela levantou na cama, a sensação estranha do plug alongando por trás fazendo-a cautelosa. Ela deu um pequeno suspiro enquanto caminhava em direção ao banheiro. O que realmente poderia fazer era tomar outro banho longo, quente, mas não deixar Damon esperando. Tomou banho rapidamente e saiu para se enxugar. A pulseira de ouro no braço dela brilhou no espelho, e fez uma pausa para analisar o desenho intrincado. Usar a pulseira que marcou sua afirmação, a fez sentir como uma das escravas desde os tempos egípcios. Um arrepio delicado desfilou até sua pele, enquanto olhou para a faixa correspondente ao redor do seu tornozelo. Ele alegou que era sua marca. Marca nela própria. Ele tinha feito tudo o que ela fantasiou, e muito mais. Como fantasia, este foi certamente um de seus trabalhos mais bem sucedidos. Tudo saiu como o planejado, e acontecido sem problemas. Se todos os seus clientes pudessem ser tão bem satisfeitos. Lembrou que isto era puramente comercial, então colocou um amortecedor sobre a emoção decadente que tinha lavado por meio de si, momentos atrás. Damon tinha um jeito de fazê-la acreditar. Mesmo quando tudo tinha sido orquestrado, até o detalhe mais finito. Ele a fez acreditar que era real. Ela ajeitou seus cabelos secos como podia, e organizou assim estava fora de seu rosto. A toalha que se secou era uma tentação. Ela queria envolvê-la em torno de si e ir para baixo, mas percebeu que ele a deixou tomando banho, e descer sozinha foi um teste. Ele especificou que ela não se vestisse a menos que ele instruísse, e tão inábil quanto se sentia nua, com um plug na bunda dela, ela o faria. Um rubor de coloração pousou em sua pele, saiu do quarto, temendo no pensamento de encontrar a governanta de Damon, ou Sam no caminho da sala de jantar.

168


Ela pegou o ritmo quando não viu ninguém e imediatamente correu pelo corredor em direção a onde Damon esperava. Na porta, parou abruptamente teria se virado e ido embora, mas Damon olhou para cima e a viu. Havia dois homens sentados à mesa com Damon. Eles estavam todos na conversa e pareceram eficientes no tom. Teria ela estragado tudo descendo nua? Ou Damon não tinha conhecimento de seus visitantes antes que lhe pedisse para descer com o plug encaixado em sua bunda? Damon observou silenciosamente, em seguida, estendeu a mão. Deus, ele queria que ela fosse com ele. Os outros homens viram o gesto de Damon, se viraram e olharam na porta. Não houve surpresa em suas expressões, apenas o reflexo brilhante da luxúria. Quando ela não se moveu imediatamente, Damon levantou uma sobrancelha e continuou a oferecer a mão para ela. Inferno. Ele quis dizer para ela se juntar a eles. Ela começou ir em frente, sentindo olhares dos homens em sua carne nua. Enquanto se aproximava, algum de seu embaraço desvaneceu com a aprovação gritante aos olhos de Damon. Ele capturou a mão dela e puxou para perto contra ele. “Serena, eu gostaria que você conhecesse o Sr. Phillips e Granger, dois colegas de trabalho da mina. Senhores, esta é Serena. Ela pertence a mim.” Suas palavras ecoaram em sua mente afiada, lembrando-a do e-mail que ela tinha escrito como se suas fantasias estivessem vivas e fluindo em sua mente. Ela ofegou quando percebeu que este, como o leilão, era uma encenação de uma dessas fantasias. Seus joelhos tremiam e o nervosismo deslizou até sua espinha como um pedaço de madeira lascada pegando na seda. Damon puxou-lhe a mão e guiou-a para o chão entre suas pernas. Havia muito espaço entre a cadeira e a mesa, ela sentou com cautela sobre os calcanhares, cuidando com o plug alongando a bunda enquanto se movia. Ele embalou sua cabeça em seu colo enquanto continuava sua conversa com os dois homens. Ela nem sequer tentou entender nada. Seus nervos estavam saltando como sapos na velocidade. O tempo todo ele falava com os outros homens, sua mão acariciava e acarinhava seu rosto, posicionando mais perto de sua virilha. Quando seu rosto foi pressionado para o interior de sua coxa, ele casualmente afrouxou sua calça e puxou seu pênis da calça. 169


Nunca parando de conversar, ele cobriu sua cabeça com uma mão, e agarrou seu pênis com a outra e o guiou a sua boca. Ele estava duro e inchado, enchendo sua boca e empurrando em sua garganta. Ela mal teve tempo para tomar fôlego antes das mãos enterrarem em seus cabelos, segurando-a firmemente contra ele. Ele nunca falou com ela, nunca lhe deu instruções, mas seu pedido foi claro. O prazer dele. Não havia como, conversando com seus colegas, e ela estava como a escrava que queria ser. Cursos longos, duros. Ofegante. Seu gosto a enchia. E então, quando provou o seu sêmen, ele puxou de forma acentuada no seu cabelo e segurou a cabeça longe de seu pênis. Sua cabeça estava inclinada para trás de modo que seu pescoço estivesse exposto, e ela parecia, indefesa em suas mãos. Então ela ouviu. A linha de sua fantasia enquanto um dos homens calmamente perguntou se Damon emprestaria os serviços de sua escrava, para que ele também pudesse ter prazer. Seu coração batia freneticamente. Ela se lembrou disso, tinha estado quase envergonhada de colocá-lo no papel. Na fantasia dela, Damon mandava-a ajoelhar entre os joelhos dos outros dois homens, por sua vez, e dar prazer com sua boca, enquanto ele observava. “Não divido o que é meu, meus senhores,” Damon disse em voz concisa. Ela piscou surpresa. Embora as palavras tivessem sido dirigidas aos dois homens, Damon olhou para ela o tempo todo como se sua declaração tivesse sido dirigida exclusivamente a ela. “Estão, no entanto, livres para observar como minha escrava me dá prazer,” concluiu baixinho.

170


Capítulo Vinte e Um Serena prendeu a respiração, mas isso só fez seu peito apertar. O pênis de Damon estava duro e ereto, alcançando para cima, em direção á sua cintura contra a calça aberta. “De pé,” ele ordenou silenciosamente enquanto aumentava o aperto em seu cabelo. Ela colocou suas mãos sobre os joelhos e se empurrou. Sua mão caiu de seu cabelo enquanto ela ficou de pé na frente dele, de costas para os dois homens sentados à mesa. Ele segurou seu pau e acariciou, mantendo a ereção enquanto o seu olhar arrecadou mais de seu corpo. “Vire-se.” Seus olhos cabisbaixos, ela virou-se até que enfrentou a mesa. Atrás dela, Damon ficou com as mãos deslizando sobre suas costas. Suas mãos pegaram seus ombros, e a empurrou para baixo até a parte superior de seu corpo estar sobre a mesa, com o traseiro no ar e as pernas balançando em uma posição vulnerável que a colocou. Seus seios pressionaram na madeira polida, a superfície fria contra a pele. Seu rosto estava contra a mesa, o seu olhar agora sobre os dois homens que haviam levantados de suas cadeiras. Eram homens atraentes, um sobre a idade de Damon e um mais velho. As saliências na junção de suas pernas disseram a Serena que queriam queria o prazer da sua boca e seu corpo, que Damon foi inflexível recusando. E então, para sua surpresa, um dos homens pegou seu braço, e puxou-o para cima até a palma de sua mão descansar contra a mesa, e os dedos formarem uma restrição apertada em volta do pulso. Ela perdeu a visão do outro homem, mas depois seu outro pulso foi capturado na mesa. Sua respiração ofegou, nervosa e apreensiva percorria suas veias. Ela estava cativa e impotente, presa contra a mesa em sua mais vulnerável posição. Os dedos de Damon agarraram o plug, e antes que pudesse atrair um fôlego, o dispositivo ainda lubrificado deslizou facilmente de seu corpo. Seu ânus tremeu na reação, ainda se estendia desde o plug. Antes que seu corpo pudesse relaxar e tomar de volta a sua forma, a cabeça do pênis de Damon pressionou firmemente contra seu esfíncter. Os dois homens a detinham apertado como se 171


esperando que ela resistisse. Podia ouvir a ingestão rápida de suas respirações. Podia sentir a tangível centelha da sua excitação quando viram Damon dominá-la. Em um impulso, Damon prendeu-a na mesa, seu pau deslizando profundamente em seu buraco. A sensação dele rasgando através dos tecidos delicados de seu ânus era quase mais do que ela poderia suportar. Ela gritou erguendo a cabeça da mesa, mas um dos homens empurrou-a para baixo novamente, a mão descansando firmemente contra seu rosto. A força e dominância enviaram uma miríade de excitação caindo ao longo do seu corpo tremulo. Ele esticou-a impossivelmente, suas bolas, pressionado contra sua vagina enquanto se esforçava para frente. Ela estava cheia, tão cheia, a mordida de dor fazendo sua cabeça girar mesmo enquanto a margem de êxtase chamava para ela, convidando-a a um passeio decadente. Sua mão serpenteou até sua espinha, ao emaranhado em seus cabelos, o cabelo que ele ainda não tinha escovado, e tinha prometido. O outro homem passou a mão em seu rosto, e os dedos de Damon a puxou rosnando, forçando sua cabeça para cima. Ela sabia o que queria, sabia que queria que olhasse para os homens segurando-a, para compreender quanto eles poderiam olhar e tocar, mas nunca poderiam tê-la. Seu corpo estava sobre o dela, montando-a possessivamente, uma mostra de sua propriedade. Por um longo momento, permaneceu enterrado nela, prendendo-a a mesa, enquanto os dois homens observavam com olhos brilhantes, passando os dedos em seus pulsos. Então começou a se mover. Suavemente a princípio, se retirou, deslizando pelo buraco distendido, abrindo-lhe mais para ele. Então, quando a coroa de seu pau passou sua abertura, ele avançou novamente, batendo os quadris contra sua bunda. Ela tentou processar a avalanche de sensações. Tentou colocar um nome para a emoção deliciosa de ter um homem profundamente em seu traseiro. Nunca antes havia sentido nada para rivalizar com a mordida da dor, e o beijo de prazer que se fundiam tão lindamente, em sua costura, quando um começava e o outro acabava, ela não estava certa. O alívio quando ele se retirou, quando chegou à plenitude esmagadora apaziguou, foi intensamente prazeroso. Mas quando ele empurrou para frente novamente, reabrindo-a em seus avanços, o redemoinho escuro da dor beliscou e pegou, até tentar recuperar o fôlego. Por misericórdia. 172


Sua mão deixou seus cabelos, e seus dedos seguraram os globos de sua bunda, espalhando-a enquanto seu pau grosso penetrava dentro e fora da sua entrada minúscula. Ela estava ali, indefesa contra sua paixão, sua visão vidrou, e os dois homens de cada lado eram tão opacos como seu entorno do resto. Havia apenas Damon e o prazer que ele lhe deu. O prazer que ele a forçou a tomar. Ele retirou-se, puxando todo o caminho para fora dela, deixando a cabeça de seu pau de descansando entre suas bochechas. “Diga-me o que você quer,” ele disse em uma voz rouca e gutural, rouca e com necessidade. “Me diga que quer meu pau no seu cu.” “Por favor”, ela sussurrou. “Eu não posso ouvi-la,” disse ele asperamente. “Por favor!” “Diga-me o que você quer, Serena.” “Seu pênis. No meu cu. Por favor,” ela implorou. Ele enfiou a coroa contra sua entrada enrugada e empurrou para frente, a reabrindo impiedosamente. E então ele se retirou. Completamente. Sua bunda doendo, pulsando e latejando. As mãos soltaram de seus pulsos. Damon agarrou seus quadris e capotou sobre ela para trás agora pressionado para cima da mesa. Pela primeira vez, ela olhou em seus olhos, e viu que ela tomou fôlego. Havia uma luz selvagem. Brutal intensidade, como se a calma, do homem culto tinha sido substituída por uma besta rosnando em dominar sua cativa. Ele abriu suas pernas, quando os dois homens pegaram seus braços e os fixaram acima da cabeça. A situação forçou seus seios para cima, e Damon inclinou seus lábios famintos devorando os bicos rígidos. Sua boca era áspera, voraz, os dentes raspando seus mamilos, enquanto mordia afiadamente. Ela se mexeu inquieta, querendo tocá-lo, mas seus captores apertaram-na contra a mesa. Quando Damon se afastou, ele quase empurrou suas pernas para cima, e os dois homens pegaram um tornozelo e puxaram para cima e ao lado, de modo que sua bunda e boceta 173


estivessem impotentemente nus para Damon. Ele apertou sua bunda, amassando os globos energicamente, mesmo enquanto os separava. Os homens a separaram impossivelmente larga, enquanto Damon colocou a cabeça gorda de seu pênis contra seu reto agora fechado. Oh Deus. Ele não era suave. Reabriu-a com precisão implacável, e a nova posição o fez angular algo que ela não estava preparada. Ela gritou e pulou para cima, mas mesmo conforme mordida instável, deu lugar a um prazer, escuro nervoso envolvido na dor do abraço. Seu olhar furou no dela, enquanto ele flexionou seus quadris e dirigiu mais profundo em suas regiões inferior sensíveis. Ele empurrou até que ela estava completamente e totalmente aberta para ele. Ela fechou os olhos e abriu a boca num grito silencioso de agonia. De prazer. De doce êxtase, mais escuro que ela já tinha conhecido. Subjugou-a. Ferveu e enviou-a numa espiral, para baixo até que ela não conseguia pensar. Só podia sentir. Ele era dono dela naquele momento. Não só tomava posse de seu corpo no mais primitivo dos modos, mas possuía sua alma. Sua. Tomada. Possuída. Os outros homens foram esquecidos, e já não eram de sua fantasia. Eles não significavam nada, tinha que se segurar em seus desejos. Havia apenas Damon e a maneira como fazia sentir. Amada. Protegida. Pertencia a ele. Ele se inclinou sobre seu corpo e varreu a língua sobre os mamilos que devastou apenas momentos antes. Lábios aquecidos a sugavam, lambendo e beijando enquanto murmurava palavras doces contra sua pele. Seus músculos apertaram em cima dela quando um arrepio rolou pelo seu corpo. Suas mãos deslizaram até sua cintura até mesmo enquanto as garras dos homens apertaram e puxaram mais seus braços e pernas. Segurando-a firmemente no lugar, ergueu sua bunda, forçando violentamente contra ela, como se estivesse tentando se inserir em cada recanto da sua alma. Ela se abriu para ele. Soltou e abraçou-o, permitindo-lhe entrar, permitindo-o vê-la em seu lugar mais vulnerável, suas esperanças e medos, seus desejos mais secretos.

174


“Eu vou gozar, Serena,” ele sussurrou enquanto levantava a cabeça de seu peito. “Eu vou gozar tão profundamente dentro de você, que vai saber que pertenço lá. Uma parte de você.” Ela fechou os olhos e inalou, permitindo que aquelas doces palavras fluíssem como o mel sobre o corpo dela. Ele estava se movendo mais rápido e mais forte, alimentando seus quadris contra a bunda dela, o som de carne contra carne acentuado no ar. Então ele parou. Enorme e inchado dentro dela, pulsante enquanto seu pau dividia sua bunda grande, e derramava o líquido quente dentro dela. Os dois homens em seus lados a soltaram abruptamente, enquanto Damon estava lá, seu eixo grosso e duro dentro dela. Ouviu desastradas e macias maldições impacientes, enchendo seus ouvidos. “Olhe para mim, Serena,” Damon disse firmemente enquanto permanecia entre as pernas moles, firmado com tanta força dentro dela. “Nunca tire os olhos de mim.” Ela assentiu com a cabeça lentamente, fazendo-a letárgica, lenta e confusa. Ela ouviu os gemidos suaves, e olhou os dois homens em sua visão periférica. Ela estava querendo olhar, mas Damon surgiu contra ela, enviou uma ondulação através da carne crua de sua entrada anal esticada tão apertada em torno dele. “Minha Serena. Só minha.” Líquido quente espirrou em seu peito, e ela emitiu um suspiro de surpresa quando percebeu que os dois homens estavam gozando em sua pele. Salpicaram seus seios, cobrindo seus mamilos, e passando para o vale entre os montes macios. Um jato pousou em seu rosto e, em seguida, um em seus lábios. O banho quente revestiu a parte superior do seu corpo, mesmo quando suas entranhas apertaram o último do sêmen de Damon de seu pau. A diferença não passou perdida por ela. Damon tinha gozado dentro dela. Os homens só tinham sido autorizados a entrar em sua pele, e eles não tinham sido autorizados a entrar nela. Finalmente, os suaves gemidos dissiparam e o líquido quente que cobria seu rosto e seios, parou de cair. Mesmo quando o fim do sêmen de Damon foi gasto, ele apoiou-se nela, sua respiração vinha em jatos irregulares. Ainda incorporado em seu traseiro, seu pênis se contorceu e finalmente amoleceu a um estado semi ereto. 175


Ele levantou-se fora dela, enviou o seu pênis numa busca mais profunda. Ela gemia baixinho quando sua entrada esticada e bem utilizada protestou contra o movimento. Delicadamente, retirou-se em uma corrida quente do sêmen. Ele ajudou-a a sair da mesa, e ficar na frente dele com as pernas bambas. Fluido escorrendo pela volta de suas pernas, mas ela ainda estava de pé, esperando o seu comando. Ele olhou para seu corpo com satisfação, e ela se perguntou como parecia para ele, coberta com fluidos de outros homens, e do próprio Damon escorrendo por suas pernas. “Vá se limpar,” ele disse suavemente. “E, em seguida, volte para mim.”

Quando Serena voltou meia hora depois, os homens tinham ido embora e Damon estava sentado na sala de estar em sua cadeira, o almofadão que ela tinha dormido no dia anterior posicionado em seus pés. Ela se aproximou sem dizer uma palavra e ajoelhou-se no travesseiro macio. As mãos de Damon encontraram sua cabeça, e guiou-a para seu colo. Ela fechou os olhos e acariciou sua bochecha contra a perna dele, quando afagou com a mão o cabelo dela. “Vire-se para que eu possa escovar o cabelo,” disse depois de alguns minutos de silêncio. Ela obedeceu e se ajeitou entre as pernas dele, enquanto corria a escova em seus cabelos longos. Um suspiro contente escapou quando ela deixou o prazer de sua atenção se estabelecer como uma névoa quente. Durante muito tempo, deixaram o silêncio reinar, relutantes em quebrá-lo com suas perguntas. Quando puxou o cabelo pela última vez, e colocou a escova de lado, ela se virou para olhá-lo. Inclinou a cabeça para o lado, incerta de como sua voz sairia de curiosidade. Ele tocou seu rosto, desenhando uma linha da testa para sua mandíbula com o dedo. “Faça sua pergunta, minha Serena. Eu posso vê-la prestes a explodir de seus lábios impacientes.” Ela sorriu e inclinou-se para este toque. 176


“Por que você se desviou da fantasia?” Ele fez uma pausa, parando o dedo no canto da boca. “Incomodou-a que não quero a sua boca em outros paus, ou outros paus dentro de você?” “Não,” ela admitiu. “Não acho que teria gostado da fantasia como imaginava. Quero dizer, na teoria parecia sexy ousado ao mesmo tempo. Na realidade, a ideia de...” Ela não teve coragem de dizer que chupar o pênis de homens não era tão atraente, na realidade, como parecia na privacidade de suas fantasias. “Estou feliz,” ele disse simplesmente. “Tentei manter-me fiel à sua fantasia quanto pude, mas você deve saber que não compartilho o que considero meu.” Ela esfregou o rosto sobre as mãos. “Fico feliz,” disse com sinceridade. “Eu pensei... Pensei que isso seria emocionante.” Ela suspirou enquanto Damon embalava seu rosto na palma da mão, e a ouvia atentamente. “Pareceu... Eu não sei, como se pudesse ser excitante quando Faith falou sobre isso. Tendo mais de um homem centrado em mim, ou ser forçada a atender às necessidades de mais de um homem.” Tomou a mão de Damon entre ela, trouxe-a aos lábios, só precisava tê-lo perto. “Quando desci... esta manhã quando achei que você ia me mandar dar prazer aos homens, porque era algo que tinha dito que queria... Estava com medo. Não queria isso. Somente queria você.” Damon tirou as mãos das suas mãos, e lhe pediu para ir ao seu colo. Ele embalou estreitamente e inclinou o queixo com um dedo. “Se há algo que assustar você, então terá que me dizer. Não vai ser uma festa para qualquer coisa que te assuste. Quanto aos outros homens, estou contente que você não tenha nenhum desejo de suas atenções, porque é algo que não vou tolerar.” Ela sorriu. “Você parece tão possessivo. Eu gosto.” Voltou o sorriso dela, mas sua expressão era grave. Enviou um arrepio de prazer sobre sua pele, e deu uma pontada em seu coração. Nenhum homem jamais a quis tão ferozmente. A verdade bateu arrancando com força súbita. Isso não era real.

177


Ela era uma charada complexa. Eram atores de uma peça. Um roteiro escrito por ela. Ele desempenhou o papel que lhe pediu. Seu desejo poderia ser real, mas era apenas sexo. “Por que a luz morreu em seus olhos?” Ele murmurou enquanto esfregava o dedo sobre seus lábios. “E por que seu sorriso desapareceu?” “Porque acabei de lembrar que nada disto é real,” disse ela em voz baixa. Uma centelha traiu a reação ao seu discurso. Ele continuou a olhar calmamente para ela, seus olhos sondando e avaliando. “Você quer que seja real, Serena?” Ele deixou a questão pendendo no ar, muito parecido com uma cenoura proverbial na frente do burro. Queria que fosse real? Engoliu em seco, não tendo certeza de como responder. Como poderia, quando não sabia a resposta? Sim, houve algum pesar que fosse apenas um ato, porque gostou da ideia de ser amada por um homem como Damon. Mas não queria ser escrava de alguém para sempre. Os benefícios, enquanto a fascinava excitava, se tornariam tediosos depois de certo tempo? “Eu não sei,” ela disse finalmente, quando se tornou claro que ainda estava à espera de sua resposta. “Eu não posso responder isso.” “E ainda assim você está arrependida, pois isso não é real,” disse ele. Ela assentiu com a cabeça. “É tão real quanto nós fazemos, minha Serena. Não há ninguém para julgar, apenas nós.” “Eu gosto disso.” Ela se inclinou para ele, seu olhar em busca do seu. “Damon?” Ele beijou seus lábios, um beijo suave. “Sim?” “Nós podemos esquecer minhas fantasias? Poderíamos em vez disso, levar ao acaso? Não quero que tudo seja tão... praticado. Quero saber como é realmente pertencer a você pelo tempo que nos resta juntos.” Ele a beijou novamente, seus lábios explorando os dela com uma delicadeza que fazia doer. Poderia ser tão exigente e ainda sutil em turnos. Ela adorava as duas partes. “Acho que é uma excelente ideia, minha Serena. Não tenho nenhum desejo de compartilhar você com outro homem. Há partes de suas fantasias que me excitam, limites que eu gostaria de empurrar. Você me dá prazer de maneiras que não posso nem começar a descrever. Se 178


você confia em mim para tornar a experiência o melhor que pode ser, então vamos em frente, como minha escrava, e eu como seu guardião.” Inconscientemente, sua mão foi para o lado de seu braço, sentindo seu peso reconfortante. A mão dele também, o dedo traçando o contorno das joias. “Você gosta da marca da minha propriedade?” Ela observou os dedos dele alisando seu braço, e gostou do contraste entre sua pele pálida e o ouro brilhante da joia. “Eu gosto. É menos duro do que um colar. É feminino e ainda há poder por trás do símbolo. Gosto de olhar para ela, sabendo que veio de você. Um colar apenas pareceria tão... degradante.” “E a última coisa que quero, é que você se sinta envergonhada,” ele disse. “Estou com fome,” disse ela com um sorriso. Ele piscou para a mudança de assunto e depois riu baixinho. “Então você deve estar. Meus desejos foram grandes nesta manhã, e ainda não a tenho alimentado. Não estou provando ser um guardião muito bom, não é?” Ela segurou seu rosto nas mãos, e abaixou a cabeça para ele. Seus lábios se encontraram e se fundiram. Era ela quem controlava o beijo, e ele deixou-a que fizesse. Quando se afastou, os dois estavam respirando pesadamente, e seus olhos brilhavam com um pesado olhar vidrado. “Você é o melhor,” disse simplesmente. “Sei que nunca vou sentir falta de nada quando estou com você.” Ele apertou-a, e beijou a ponta do seu nariz. “Não, minha Serena. Você nunca sentirá falta de qualquer coisa que eu possa oferecer.”

179


Capítulo Vinte e Dois Damon não lhe disse onde estavam indo, só que sair após um jantar tranquilo em casa. Ele tinha escolhido sua roupa, uma saia e blusa de seda fina sem mangas, e instruiu-a a não usar sutiã e calcinha. Então a conduziu em sua BMW prateada e saíram de sua casa. Meia hora mais tarde, quando puxaram através do portão da Casa, bateu a adrenalina em suas veias. Ela olhou para Damon, mas sua expressão era ilegível. Como se sentisse sua excitação e o nervosismo, ele estendeu a mão e capturou sua mão na dele. Ele deu um aperto gentil quando puxou o carro a uma parada, junto aos outros carros estacionados. “Você vai ficar ao meu lado em todos os momentos. Os homens buscarão sua atenção. Eles vão falar com você e flertar. Você falará apenas para mim, e para qualquer outra pessoa só com minha permissão.” Seus olhos estreitaram quando ela olhava para ele. A ordem a irritou, e de repente se sentiu como uma criança a ser disciplinada, em vez de uma mulher adulta. Ele esperou, como se esperasse que dissesse que não, mas ela estalou os lábios e desviou o olhar. Isso foi o que ela pediu. Ele só estava dando o que queria. Damon saiu do carro e caminhou ao redor para abrir a porta. Colocou a mão na sua e saiu normalmente de seu assento. “Eu já disse o quão bonita você está hoje à noite?” Ele murmurou enquanto eles partiram para a porta. Ela sorriu, sua irritação anteriormente esquecida. “Não, mas é agradável de ouvir.” “Eu vou ser a invejado por todos os homens aqui. Seu cabelo brilha como um véu de seda preta.” “Você não é nenhum estranho para as palavras bonitas,” brincou ela.

180


“As palavras só são bonitas quando aplicadas a uma mulher bonita. Com nenhum ponto de referência, são apenas palavras.” “Acho-me incapaz de discutir com sua lógica,” ela disse com um sorriso largo. Ele conduziu ao interior, onde foram recebidos pelo mordomo. Damon a dirigiu em um pequeno quarto de vestir apenas fora da entrada principal. “Retire sua roupa. As únicas coisas que quero adornando você, são as minhas marcas de posse.” Ela inalou com surpresa, mas trouxe os dedos trêmulos ao cós da saia. Sim, ela tinha ido nua na noite do leilão, mas de alguma forma isso era diferente. Ela estava bem versada no que iria acontecer naquela noite, afinal, criou a fantasia. Hoje à noite, porém, estava trabalhando em um script em branco, fazendo como ela quis. Era desconcertante. “Você gostaria que eu te despisse?” Damon pediu. “Você está tremendo.” Ela balançou a cabeça silenciosamente. Seu olhar aguçou. “Serena, você está com medo? Nós podemos ir para casa. Basta dizer a palavra.” Não. Ele pairava como uma nuvem negra. Ela tinha começado a temer a palavra, e o que ela significava. Era mais profundo do que a negação de que era o fim de uma fantasia, ela estava desesperada para viver. Não apenas uma fantasia. Esta fantasia. Com Damon. Ela empurrou a saia sobre os quadris, deixando-a cair em uma poça a seus pés. Com movimentos rápidos, bruscos, puxou a camisa sobre a cabeça a e atirou de lado. Uma corrente de ar frio da ventilação soprou levemente sobre sua pele nua, e ela estremeceu. Os dedos de Damon pegaram uma mecha de seus cabelos, puxando-o por cima do ombro para deixá-lo cair sobre o peito. Mamilo, duro e enrugado, parecia tão eroticamente. Ele tocou o mamilo, de leve, com apenas um dedo. Uma escovada de seda através da ponta, mas ela pulou como se tivesse levado um choque. “Lembre-se de suas instruções,” ele murmurou e, em seguida, virou-se para sair da sala.

181


Ela o seguiu para fora e no corredor. Eles passaram por várias salas menores, onde as pessoas se misturavam e tomavam coquetéis e conversavam. Ela caminhou rapidamente para eles, não tendo a oportunidade de olhar para cima e ver. Damon continuou em direção à escada, e lembrou-se de uma caminhada semelhante apenas noites antes, quando seguiu seu guardião à grande sala comum acima. Hoje à noite naquela sala não se parecia nada como tinha sido na noite de seu leilão. Assim que entraram, ela olhou com surpresa para a agitação da atividade. Ao contrário do térreo, as salas onde as pessoas estavam vestidas modestamente, os participantes aqui estavam em vários estágios de vestimentas, de elaboradas fantasias eróticas, com a nudez pura e todas as gradações intermediárias. Cada seção do quarto apresentou um diferente... Fetiche. Foi à única palavra que ela poderia chegar, e tinha certeza que pegou tudo errado. Nunca antes tinha visto tanta carne nua e sensualidade lasciva fora de um filme pornô. Eles provavelmente não apreciariam a comparação, mas esse era seu limite de experiência em tais assuntos. “Você gostaria de uma turnê?” Damon perguntou em voz baixa. “Ninguém aqui se importa de ser observado.” Pelo menos ela não esperaria participar. Damon tinha feito a sua opinião sobre outros tocá-la extremamente clara. Armada com esse conhecimento, ela balançou a cabeça. Olhando para nunca tocar em ninguém. O bombardeio de imagens eróticas bateu de todos os ângulos. Havia uma multiplicidade de cenários, a partir de um casal fodendo como coelhos, a uma orgia definitiva com nada menos que oito pessoas unidas como Legos4. Tudo parecia um pouco. . . Bizarro. O fator perversão era alto, e certamente não era uma falta de valor de choque na sala, mas falhou ao sentido de Serena. Tudo o que podia fazer era procurar confusão com a mistura dos corpos que dançavam e ouvir os gemidos e gritos. Então Damon a tocou. Bastou o toque macio de seus dedos em sua pele e excitação queimou baixo, em sua virilha. Seus seios arrepiaram pesados e doloridos, esticando para fora, buscando sua atenção. 4

Brinquedos de montar, onde uma peça encaixa na outra.

182


“Estou extremamente satisfeito que apenas meu toque a excita,” Ele disse enquanto acariciava um seio. Então ele correu a mão sobre o outro, acariciando a carne macia na mão. Ele pegou o monte suave com a mão, roçou o polegar para trás e para frente sobre o botão sensível. “Agora vem, meu prazer—e o seu— está a espera.” Como ela seguiu em direção ao centro da sala, viu os outros parar e virar para olhar. Os sons de prazer cessaram, e um estranho silêncio caiu sobre a sala onde apenas momentos antes, carne batia carne, gemidos aqueciam, e gritos de paixão tinham inchado e ecoado pelas paredes. A armação de metal estava no centro da sala, e já uma multidão se reuniu em torno dele. Era simples, e por essa razão, não conseguia discernir a sua finalidade. Era modesta, uma peça retangular de metal que ficava em pé, mas quando se aproximou, pode ver que girava, se movendo para cima e para baixo, para que o retângulo pudesse ficar na horizontal e vertical, e em todos os ângulos entre elas. Um homem de calça jeans e uma camiseta apertada, estava indiferente, sua mão sobre o chassi, movendo para cima e para baixo enquanto observava a abordagem de Damon. Seu olhar a varreu, avaliando sobre o corpo nu de Serena, mas um olhar de reprovação acentuada de Damon o parou brevemente. Ele deu um sorriso e acenou na direção de Damon. “A escrava é para jogos hoje?” “Minha serva faz o que eu digo a ela,” Damon respondeu de forma uniforme. “Homem de sorte. Você precisa de alguma ajuda para contê-la e prepara-la?” Serena olhou atentamente ao homem de pé ao lado do quadro. Conter? Preparar? Damon olhou entre Serena e o homem sem nome e, em seguida, assentiu. “Serena, este é Cole. Faça como ele instruir.” Serena engoliu em seco e deu um passo adiante quando Damon fez sinal para ela. “Vou voltar em um momento. Preciso escolher o meu equipamento.” Equipamento. Restrição. Ela começou a tremer, mas sabia que não era de medo. Excitação corria em suas veias, juntamente com uma dose inebriante de incerteza. Quando Cole pegou seu braço, ela instintivamente encolheu de seu toque. 183


“Eu não vou te machucar,” disse calmamente. Ela olhou ao redor, mas Damon tinha desaparecido. Cole tocou seu braço, hesitante e procurou tranquilizá-la. Ela realmente não estava com medo, mas não estava entusiasmada. Ainda. Apreensiva seria melhor para descrever a corrente que passava através de seu corpo como um raio. Obrigou-se a relaxar e foi de boa vontade com Cole, quando ele a dirigiu na direção do dispositivo. Quando ele virou, podia ver alças de couro, um no topo, no centro e dois na parte inferior de cada lado. “Passe por cima,” disse ele enquanto segurou seu cotovelo para ajudá-la. Ela passou por cima da base da estrutura e ficou dentro do retângulo, esperando o que viria a seguir. Cole apoiou-a na borda inferior do quadro, onde os dois laços estavam situados. Couro macio circulou seu tornozelo direito, e depois apertou quando Cole passou a correia. Ela deu um pequeno suspiro quando percebeu então que as alças eram para prender. Restrição. Ele sorriu quando viu sua realização. “Abra suas pernas para o outro alcançar a segunda tira.” Ela quase tropeçou e teve de agarrar o braço para se equilibrar. “Eu não vou deixar você cair,” disse ele. O couro circulou seu tornozelo e apertou. “Braços acima da cabeça,” dirigiu enquanto ele estava de volta. Ela olhou para cima, e viu o nó, e percebeu a vulnerabilidade do que ele propôs. Ela olhou para ele, mas viu uma expressão que não tolerava qualquer argumento. Lentamente, levantou os braços e pôs os pulsos juntos, acima de sua cabeça. “Muito bom,” disse ele, mas sua aprovação não significava nada para ela. Era Damon que ela procurava agradar. Ele assegurou-lhe os pulsos, apertando até que foi esticada na ponta dos pés. Vulnerável nem sequer começou a abordar como se sentia.

184


Então seu pé deixou o chão, enquanto ele girava a armação de forma que ela estivesse suspensa das correias, em um pequeno ângulo. Ela olhou para o chão, e sua boca ficou seca. Lambeu os lábios para tentar aumentar a umidade. O quarto girava, e ela se viu olhando para o teto, quando Cole virou o quadro até que ela foi esticada de costas. Prendeu um cinto de amplo apoio sob suas costas, embrulhou-o em torno de sua barriga e acompanhou para os lados da moldura com ganchos. Tirou um pouco da pressão de seus braços e pernas, e lhe deu um alívio muito necessário. Ela não iria tão longe a ponto de dizer que era confortável, mas foi um inferno de muito melhor do que antes. Ela estremeceu de surpresa quando Cole apertou seu peito. Ele esfregou o polegar sobre a ponta rígida, sua expressão nunca mudando. Então abaixou a cabeça, e para sua surpresa, chupou a coroa entre os dentes e beliscou fortemente. Quando puxou, ele olhou para cima e deu um sorriso satisfeito. “Muito melhor.” Ela o encarou em confusão, mas antes que pudesse perguntar, ela sentiu uma pinçada acentuada seguida por uma onda de dor, e, em seguida, uma queima de dormência acentuar sobre o mamilo. Ela se contorcia e engasgou em protesto e, em seguida, puxou o seu olhar abaixo para a dor latejante. Ele colocou um grampo de mamilo em seu seio. Ele cavou a carne enrugada e orientou o mamilo para fora. Ela girou e puxou contra suas amarras, mas ele segurou firme. “Por favor,” ela sussurrou. “Tire.” Cole ignorou seu apelo e deu a volta para o outro lado. Ela gemeu baixinho, porque agora sabia o que estava por vir. Ele deu ao outro peito o mesmo tratamento, puxando suavemente com a mão antes de inclinar-se, e chupar a ponta em sua boca. Ela gemeu na hipersensibilidade. Apesar de ter sido o outro mamilo preso, sentia cada estreitamento de seus dentes, como se fossem garras minúsculas de metal. Após uma última mordida afiada, ele lambeu com sua língua suavemente sobre a carne temperada e se afastou. Ele esperou dessa vez. O bastardo. Cada músculo em seu corpo ficou tenso, e logo a boca se retirou. E ainda esperou paciente com um sorriso no rosto.

185


Ele deixou que ela o visse chegando, guiando sua mão com o grampo aberta em direção ao ponto de germinação. Não houve suave persuasão, para o mamilo. Ele fechou duro e deixou ir. Ela cerrou os dentes para evitar o grito de surpresa e dor. O bater dos dentes da fome em sua carne com avidez gananciosa. No começo era mais do que poderia suportar, e arqueou as costas, contraindo as restrições contra ela. Então, a dor diminuiu para um quente ardor e, finalmente, abençoado entorpecimento. Ela ficou lá ofegante, quase esmagada pela avalanche de sensações, a boca de Cole primeiro em seus seios seguidos pelos dentes afiados dos grampos. Seus mamilos se arrepiaram com o mínimo de movimentos, empurrando-o dormente. E de repente ela mudou-se novamente com um empurrão firme por Cole. Seus pés giraram abaixo, quando chegou a uma posição vertical. Ele empurrou um pouco mais até que estava em um ângulo à frente de quarenta e cinco graus. Seus seios cortados, e as pinças pendurando sobre os mamilos exerceram uma pressão arrastando, que enviou dardos afiados direto para sua vagina. Ela estava molhada. Podia sentir a umidade cremosa reunir entre suas pernas, sentir o clitóris pulsando, e doía da tensão aplicada a seus mamilos. Mãos agarraram suas nádegas, amassando ligeiramente antes de espalhar as bochechas. Choque correu sobre sua espinha, endurecendo seus músculos quando formou um protesto com os lábios. Antes que pudesse falar, Cole gentilmente aplicou lubrificante na abertura. Seus dedos alisaram sobre a fenda, espalhando uma quantidade generosa em seu rastro. Sacudiu os ombros, e seu corpo tremia. Calafrios pequenos, alternando entre quente e frio. Ela dançou numa linha tênue entre o medo e o desejo. Confusão. Quente, estava nervosa. Não queria ser excitada pelas mãos de um homem estranho. Um dedo grosso deslizou para dentro de seu ânus. Ar apressado passou por seus lábios enquanto inalou duramente. Para frente e para trás com o dedo raspando através dos tecidos delicados, abrindo-a mais amplamente, enquanto ele espalhava mais do gel. Outro dedo se juntou ao primeiro, estendendo-a, até que ela estava aberta para ele. Seus dedos eram grandes, e num primeiro momento, sua passagem foi confortavelmente em torno de

186


suas articulações, mas continuou a afagar e acariciar, acrescentando mais lubrificante para facilitar seu caminho. Sua visão ficou turva e fechou os olhos para se estabilizar. Lutou contra as ondas de... Não diria necessidade. Ou desejo. Não queria este homem. Ela gostava de seus dedos hábeis, ela gostou do assalto que ele travou em seus sentidos, a melodia, ímpios pecados tocando em seu corpo. Foi em parte doloroso, e se fosse honesta, temia sua resposta para essa dor. Por ela não encontrá-la de mau gosto. Queria, ansiava por mais. Então, tão rapidamente quanto chegou até ela, parou e foi embora. Silêncio que ela não tinha notado antes zumbiu em seus ouvidos. Não havia nenhum som na sala, e quando levantou a cabeça, podia ver que, como na noite do leilão, todos os olhos estavam sobre ela. Um burburinho começou a amornar em sua barriga, concentrando-se em sua virilha, e se espalhou rapidamente por suas veias, cantarolando baixo e doce. Damon. Ela o sentiu, embora não pudesse ver atrás dela. Ela suspirou quando as mãos pegando suas nádegas as apertou, gentil e amorosa. Houve uma diferença acentuada entre o seu toque e de Cole. Havia mais respeito, um respeito e carinho que faltou na abordagem de Cole, clínica e metódica para prepará-la. Algo macio, firme, mas com a frieza de plástico ou borracha, talvez, correu levemente para baixo em sua espinha, provocando um tremor em seus músculos apertados. Ele arrastou mais por suas nádegas, em seguida, parou ao seu lado e no ombro. Damon caminhou lentamente ao redor de sua frente, e podia ver agora que ele tinha em sua mão. A ponta tocou seu ouvido, traçou um círculo ao seu redor, antes de acariciar suavemente sobre seu rosto para os lábios em um beijo suave. Ele parou ali, olhando-a com olhos escuros, segurando o chicote para seus lábios entreabertos. “Lamba,” ele comandou baixo e rouco. “Finja que é meu pau. Mostre-me como você o chupa.” Seus olhos voaram para cima, para que pudesse ver a reação dele. Mergulhou a língua ao longo da borda do chicote, absorvendo o sabor e a textura do couro. Ficando mais ousada, ela golpeou o lado reto com uma longa lambida, antes de pegar a retalho entre os dentes e chupá-lo dentro de sua boca. 187


Ele persuadiu mais profundo com um deslize rápido da mão, e ela o saboreou maleável quando rolou sua língua. Quando ele se afastou, equilibrou delicadamente em seu lábio inferior, antes de finalmente deixar cair o chicote a distância. Ajustando seu aperto, bateu a ponta na perna enquanto andava atrás dela. Ela perdeu-o em sua visão, e fôlego borbulhou em sua garganta enquanto ela entrou no desconhecido. “A dor pode ser muitas coisas,” disse Damon apenas à sua esquerda. “Ou pode ser apenas dor. O que vai ser para você, minha Serena?” O chicote assobiou quando cortou o ar. Antes que ela pudesse pensar, dor tensa, brilhante explodiu, cortando como um raio sobre a pele. O corpo dela estremeceu em resposta, e ela gritou. Antes que pudesse dizer a primeira palavra que surgiu nos lábios, o calor fervia em suas nádegas, onde antes havia fogo. Um caloroso zumbido inebriante e prazeroso invadiu suas veias, fazendo-a pesada e lenta. Foi difícil para processar essa dor estranha que se transformou tão rapidamente em prazer. Ela queria mais. Temia, mas quis em igual medida. Fogo atravessou sua nádega com outros golpes do couro encontrando sua carne. Antes que pudesse chupar a respiração e esperar o resultado, Damon espalmou o chicote através de sua nádega novamente. Ela se encolheu, e ele marcou novamente, desta vez não tão rígida sobre a pele sensível, logo abaixo da curva de seu traseiro. Fitas afiadas e cortantes correram em círculos sobre sua pele. Surpreendentemente, quando ela abriu a boca para pedir para ele parar, encontrou-se implorando por mais. Por favor. Mais. Ela ouviu as palavras de forma precária viajando em seus lábios como se tivessem sido arrastadas de uma língua relutante. O chicote encontrou pele intacta. O couro batendo em cada centímetro do seu traseiro até que o calor decantou sua carne como fogo líquido. Damon a deixou dar um gemido, de alívio ou de arrependimento, não tinha certeza. Não se moveu por trás dela, encostou-se às costas, alcançando e encontrando seu peito. Ele balançou levemente no mamilo torturado, e sua reação foi instantânea. Sentindo-se transbordada, quente, deixando ofegante a ela, e seus olhos lacrimejando. Mas, assim enquanto o golpe em sua bunda sangrava prazer, lento doce, também fez o fogo cair em uma morte rápida em seu mamilo, e ao

188


invés, o prazer floresceu. Enrolado com vontade e pressionando para cima, como se procurando o sol. Ele se afastou, dando um último puxão para os mamilos hipersensíveis. “Gostaria que você pudesse ver quão bonita parece,” murmurou. “Esticada diante de mim, aberta e dada. Sua pele está radiante com a minha marca. Está com um rubor quente, vermelho em alguns lugares, cor de rosa nos outros.” Ela fechou os olhos contra a sedução em sua voz. Sentia-se bonita quando ele falou isso. Amada e valorizada. Um pop alto ecoou pela sala, assustando-a primeiro com o som, e então o chiar de dor encarnado fez impulsionar seu corpo para frente, lacrimejando e lutando contra os laços que abraçou apertado. Lágrimas ardiam em seus olhos, picando em suas pálpebras, e ameaçando transbordar. Novamente e novamente o chicote estalou sobre sua bunda, seus quadris, abaixo de suas costas e até nos ombros. Não havia nenhuma piedade, sem perdão, sem alívio de dor. Então, como um nascer do sol, o brilho quente e nebuloso de prazer indescritível aumentou e se espalhou por sua pele. Um véu diáfano a envolveu em seda. Será que estava louca por querer algo tão mal? Para sofrer pelo êxtase supremo? O quarto obscureceu, quer por torpor, como o abraço de prazer, ou de lágrimas, ela não tinha certeza. Ela flutuava leve e livre. Não se sentia reprimida. Ela voou. Rodeada por um fulgor morno, confortável. Sorriu com ar sonhador e deixou cair o queixo no peito. Inacreditavelmente, um orgasmo agitou, despertou e se espalhou como um estiramento na madrugada. Ganhou força e subiu por seu corpo exausto, apertando cada nervo receptor, tornando a dor crescente do chicote, até que não podia dizer a diferença entre um golpe, e o mais doce dos beijos. E então a dor foi embora, e gemeu em protesto. O orgasmo estava suspenso, à espera de liberdade, preparado para se lançar de um penhasco irregular. Mãos agarraram sua cintura. Um pau cutucou sua bunda. Sua vagina apertou, sentindo-se negligenciada.

189


Damon empurrou impaciente, e apresentou-se dentro de seu traseiro em uma estocada forte. Seu traseiro, tão sensível do chicote, tremia cada vez que deslizou as mãos sobre os vergões levantados. Seu aperto aumentou, e ele começou a foder com uma intensidade brutal. A força de suas estocadas balançou o corpo dela, fez seus seios balançarem, e cada movimento fez os dentes das braçadeiras morderem mais duro em seus mamilos. Ela sabia que estava sendo observada, que os homens e mulheres assistiam com luxúria em seus olhos. Naquele momento não se importava. Havia apenas ela e Damon, fodendo-a, possuindo-a, mostrando que aqui não tinha nenhum poder, exceto o que ele lhe dava. Ela foi além de seus limites. Não tinha controle dos fundamentos esfarrapados que arrancou de sua boca. Estava implorando para ele parar, ou para pedir mais? A única palavra que manteve muito bem guardada, presa a ela tão firmemente como se estivesse ligada ao quadro, era o não. Ela não diria isso. Não queria que acabasse. “Liberte-a,” disse Damon quando bateu contra seu traseiro novamente. Mãos em circularam seus seios, e de repente as garras das pinças abriram, liberando seus mamilos. Sentindo-se, nítida e angustiante, voltou-se para os mamilos que haviam sido paralisados, rasgando-a, e enviou-lhe em espiral num abismo. Seus olhos abriram e alargaram, seus lábios formaram um grito. O pau de Damon, grosso e pesado, rasgando em seu traseiro, mais e mais. Ela estava irremediavelmente aberta a ele, impotente e indefesa contra o seu ataque. Suas mãos circularam-na. Seus dedos encontraram os mamilos, e rolou os pontos, beliscando-os ligeiramente. Era demais. Enquanto se sentiu quebrar em orgasmo, ele continuava martelando furiosamente nela, seu corpo tremendo e balançando na armação. “Vamos Serena,” ordenou com voz rouca. “Me dê o seu prazer.”

190


Ele beliscou fortemente em seus mamilos, enviando uma nova onda de agonia através de seu peito. Ele combinava a pressão insuportável em seu traseiro, quando mergulhou tão profundamente quanto poderia ir. Ela precisava, precisava de apenas mais um... Empurrão, puxão, algo para enviar as polegadas extras. Seu corpo não poderia ter muito mais estresse. Cada músculo estava tenso, seu corpo esticando e puxado em uma dúzia de direções diferentes. E o fogo quente rasgou sobre suas costas. O chicote pousou a poucos centímetros acima de onde Damon estava enterrado na bunda dela. Com as mãos ainda cobrindo os seios, brincando sem piedade com seus mamilos doloridos, então ela sabia que não podia ser ele. Cole. Tinha que ser Cole. Como lava caindo do céu, seus cílios caíram. Damon bombeando furiosamente contra suas nádegas. Ela fechou os olhos, e o quarto foi ao seu redor. O silêncio, tão doce e feliz, instalou-se como uma chuva suave. Ela simplesmente deixou ir, deu o controle, parou de lutar suas necessidades e medos. O orgasmo rugiu através dela como um comboio fora de controle. Iniciou-se em sua virilha, rolando, subindo fora de seu corpo inteiro tremendo incontrolavelmente. Ela gritou. Uma vez. Duas vezes. Perdeu a conta. Prazer, muito prazer. Foi demais e não suficiente. Mesmo satisfeita, completamente e totalmente exausta, queria mais. Como uma viciada desesperada por uma correção. Arqueou o corpo para cima, procurando o chicote que não estava mais lá. Mãos gentis acalmaram suas costas devastadas. Palavras doces flutuaram sobre ela, cobrindo-a, como caramelo quente. Lábios tocaram o centro de suas costas. Braços fortes a rodearam, segurando quando alguém libertou seus braços e pernas. Em seguida, ela caiu, sua força se foi, para os braços à espera, de Damon. Ele se aconchegou perto, envolvendo a camisa ao redor do corpo trêmulo. Tocou suavemente em seu rosto, e ela percebeu que estava molhado de lágrimas. Conforme a levou da sala seus braços enrolados em seu pescoço, e ela o segurou tão firmemente quanto ele a abraçou. Mais lágrimas escoaram de suas pálpebras, escorrendo pelo rosto.

191


Ela mal tinha conhecimento dele entrar no carro e dizer a Sam para levá-los para casa. Tudo o que ouviu foram as palavras murmuradas de Damon, em aprovação sussurrada em seu cabelo enquanto a beijava e acariciava. “Vá dormir, minha Serena. Vou cuidar de você.”

192


Capítulo Vinte e Três Serena acordou com a luz fraca da aurora. O quarto estava banhado em alfazema pálida, quando o sol esticou e fez o seu caminho ao longo do horizonte. Ela ficou lá por um momento, processando seu ambiente, relaxando para saborear estes primeiros momentos de felicidade e conforto. A primeira coisa que registrou. foi que seus braços não estavam presos, como de costume. Eles estavam de fato dobrados sobre o braço de Damon, que envolvia sua cintura. Um olhar para baixo pegou no fato de que a perna de Damon estava sobre a dela, e seu corpo escondido em segurança no aconchego do dele. Incapaz de resistir à liberdade de circulação, desejava tocar Damon, rolou e mexeu até que olhou para ele. Ele abriu os olhos e a puxou com muito afeto. Ela se aconchegou em seu peito e deslizou o braço em volta de sua cintura. O ritmo constante de seu batimento cardíaco batia levemente contra sua têmpora, e inalou seu cheiro, saboreando e segurando antes de finalmente expirar. Ela beijou o peito dele e depois acariciou seu corpo para cima, inclinando a cabeça para que estivesse no nível de seus lábios. Ela puxou o braço em torno da cintura e estendeu a mão para tocar sua bochecha, a áspera barda por fazer que crescera durante a noite. Ficou ali olhando para ela, fazendo nenhum movimento para impedi-la ou encaminhá-la de qualquer maneira. Aproximou-se até que podia sentir a respiração dele em seus lábios. Lentamente, com grande ponderação, tocou a boca dele. Ela suspirou em sua boca, não foi possível chamar de volta o contentamento profundo sobre o simples beijo. Adorava tocá-lo, e até agora não tinha chegado a ter muitas chances de fazêlo como teria gostado. Esta manhã, ele parecia disposto a deixá-la fazer o que ela desejava, e não ia deixar passar a oportunidade. Suas mãos passaram sobre sua pele, barba rasteira de sua mandíbula, e beijou uma linha de seus lábios em seu pescoço, aproveitando a grosso robusto contra seus lábios. Seu pulso saltou loucamente em seu pescoço com a boca fechada sobre ela, e mordiscou levemente com os dentes.

193


“Você está me seduzindo, minha Serena?” Disse ele em um gemido próximo. “Será que a escrava quer se tornar mestre e sedutora?” Ela sorriu e empurrou, girando seu corpo até que ele se deitou de costas no colchão debaixo dela. “Eu sabia que não devia ter deixado você desatada,” ele murmurou, embora não houvesse verdadeiro pesar em sua voz. “Faça amor comigo, Damon,” ela sussurrou. A necessidade era forte em sua voz. “Só nós. Nenhuma restrição. Sem jogos. Apenas dois amantes a desfrutar da vigília ao lado um do outro.” Ele circulou seu corpo com os braços, puxando-a contra o peito. Ela caiu próxima do caminho de sua boca. Ergueu os lábios, devorando-os avidamente. Não foi casual, não foi nada fácil dar e receber. Ele simplesmente pegou, desencadeando sua paixão em um beijo que a deixou abalada e nua. Não disfarçou sua necessidade, seu desejo urgente por ela. Poder ondulou através dela, fez um arco no ar, elétrico e crepitante. Queria-a tão desesperadamente, apenas ela, não a escrava, e sem os jogos ou os sistemas de restrição, deixou-a sem fôlego. Ele rolou, levando-a consigo até que estava enfiada debaixo dele, as pernas abertas, embalavam seu corpo. Suas mãos emaranhadas em seus cabelos, agarrando o pescoço magro quando a guiou à sua boca, ansioso. “Se virar irá te machucar?” Ele disse ofegante. Ela teve que realmente pensar, para tentar lembrar se virar ia doer. Então a noite passada veio à tona em uma tempestade de paixão e luxúria. Imagens de como ele a fazia sentir. A dor. O desejo misturado com a fúria de seu orgasmo. “Não, não dói. Por favor, não pare, Damon. Você não vai me machucar. Você nunca vai me machucar.” “Não, minha Serena. Nunca vou te machucar,” ele disse baixinho quando recuperou sua boca. Seus lábios foram aos dela, e ele deslizou para baixo em sua mandíbula até chegar ao lóbulo da sua orelha sensível. Mordiscou levemente, então chupou entre os dentes. Quando se

194


moveu abaixo para reivindicar a pele macia de seu pescoço, solavancos frios dançaram e correram em seus ombros, e ele apertou sua nuca. Ela fez pleno uso de suas mãos, investigando seus cabelos castanhos, apreciando o frescor dos cachos que caiam entre seus dedos. Seu olhar procurou o dela, quando se levantou de seu pescoço e, em seguida, foi para os seios. Havia algo de selvagem em seus olhos. Onde antes parecia contido, no controle e paciente, agora havia uma urgência, um profundo desejo naqueles quentes olhos marrons, que derreteram o coração dela. “Venha a mim,” ela sussurrou. “Faça comigo. Serena. A pessoa, não a fantasia.” Ele parou seu corpo ainda contra sua carne. Seu olhar penetrou-a, escuro e ameaçador. Apoiando-se em um braço ao lado de sua cabeça, tocou-lhe os dedos nos lábios como se acariciasse ela. “Você nunca foi apenas uma fantasia para mim, minha Serena.” Seu peito inchado expandiu-se com emoção que pegou desprevenido. Ela estava muito presa na confusão da fantasia versus realidade? Será que estava tendo um tempo duro para separar os dois em sua mente? Por que era tão importante que, de repente, queria ela, e não a escrava sexual obediente? Ele baixou a cabeça e beijou-a, longo e doce. Sua língua dançava com a dela, tocando, lambendo, amando sua boca profunda e intimamente. Havia uma reverência ao seu toque, quase a hesitação, como se temesse que fosse quebrar sob suas carícias. Cuidadosamente, passou a mão sobre a curva de seu ombro. As costas dos seus dedos roçaram a pele macia acima de seu peito, e deslizou sobre o mamilo. “Eles estão doloridos?” Ele perguntou quando parou de manusear sobre o ponto. “Um pouco,” admitiu ela. “Estão mais... sensíveis. Ainda formigam.” “Você gostou dos grampos?” Ela assentiu com a cabeça. Ele se inclinou e colocou a boca sobre o pico tenso. Quente e úmido, sua língua estalou sobre a ponta de seus lábios fechados em torno da auréola. Sua vagina apertou quando chupou em suaves movimentos rítmicos.

195


Com a mão livre, alcançou entre eles, deslizando a mão entre as coxas dela, as separando. Ele encontrou sua umidade, e seus dedos brincaram sobre sua abertura. Seu pênis estava rígido contra o interior de sua coxa, e abriu, em seguida, se posicionou de modo que seu comprimento fosse embalado em suas dobras. Ele sorriu quando seus olhos arregalaram enquanto esfregava para cima e para baixo, a veia gorda na parte inferior de seu pênis pressionando contra seu clitóris. Suas bolas lotando sua entrada, e se lembrou de como tinha se sentido imprensado entre eles quando tinha fodido sua bunda. Ela estendeu a mão, e levantou mais acima os joelhos para lhe dar acesso. Seus dedos deslizaram por seus cachos, para que seu pênis cutucasse a ponta cada vez que ele veio buscar através de suas dobras. Para cima e para baixo, ele esfregou, sugando sua respiração cada vez que ela acariciou a coroa perto. Seu suco o cobriu, e se transferiu para a mão dela. Ela se retirou e levou os dedos à boca dele em um atrevido ousar. Ele não hesitou. Tomou o pulso, estendeu os dedos cativos, e sugou cada um. Não soltando a mão, se inclinou para frente, forçando o braço para o lado dela. Encontrou a outra mão livre e entrelaçou os dedos antes de pressioná-los no colchão, de cada lado da cabeça dela. Ele se deitou sobre Serena, seu corpo pressionando-a, seu pênis entre suas coxas. Mordiscou brincando em seu queixo, e quando ela riu, ele capturou o som dela com a boca. Ele balançou os quadris, subindo e descendo até encontrar sua entrada. Deslizou profundo, sentindo-se muito dentro de seu corpo. Então parou, segurando-se firmemente contra ela enquanto devorava a sua boca. Ela contorceu as mãos, apenas o suficiente para testar o quão comprometido estava para segurá-la abaixo. Soltou imediatamente, e ela tocou-o com sofreguidão, suas mãos sobre seus braços persuadindo os ombros musculares, a irem em seguida à sua volta. Ela amava a rugosidade do sexo masculino, os mergulhos e curvas de cada músculo, e a rigidez quando acariciava sobre eles. Adorava senti-lo estremecer, como se o seu toque fosse intensamente prazeroso para ele. 196


Retirou-se, deslizando seu pau ingurgitado para mais dor, pulsação. Então, ele balançou para frente novamente, lentamente e fácil. Suspirou e mexeu os quadris, impaciente pelo prazer que lhe daria. Um sorriso curvou seus lábios sensuais, e os olhos brilhavam enquanto acalmou mais uma vez dentro dela. “Você é uma provocação miserável,” ela repreendeu. “Qual é a pressa?” Ele murmurou enquanto a beijou rápido e leve, então passou a língua em uma linha para baixo do queixo em sua garganta. “Mmmm.” Ela arqueou contra ele, procurando os lábios pecadores, necessitando senti-los contra sua pele. Impulsionar e retirar. Ele estabeleceu um ritmo lento, o ritmo tranquilo e relaxado. Cada curso enviando seus sentidos em chamas, um rastreamento lento até a conclusão. Como um balanço de corda, no calor do verão, começando devagar, balançando ao vento, mais e mais, até chegar à direção do céu azul. Ela fechou os olhos, desfrutando do seu sol. Suas mãos percorriam livremente sobre o corpo dela acariciando, moldando, seu toque leve em busca. Cada carícia a disse mais do que as palavras, que o pertencia. Ela era dele, e ele a conhecia melhor do que qualquer outro amante que já tinha tido. Quando ela sentiu aumentar o ritmo, o sentiu inchar dentro dela, esticando-a a seus limites, puxou sua cabeça para baixo dela. Ela fundiu seus lábios, derramando tudo o que sentia em seu beijo. Baixou seu corpo ao dela, fundindo com ela quando passou os braços ao seu redor. Seu corpo entrelaçado cobriu seus quadris sobre ela, empurrando várias vezes entre suas pernas. “Serena,” ele sussurrou enquanto enterrou o rosto em seu cabelo. Sua respiração gaguejou em seus lábios como um soluço. Ela voou mais alto no balanço até que o sol banhou seu rosto, e fechou os olhos para o seu brilho. Calor, doce, mel morno inundou sua alma. Brilho cintilou em seu coração quando seu orgasmo inchou e estourou em torno de suas flores com a abertura dos raios do sol. “Damon,” ela sussurrou de volta, com a voz embargada.

197


Eles se abraçaram bem como seus corpos tremeram e sacudiram no rescaldo do amor que fizeram. Ele permaneceu, quente e mole sobre seu corpo, cobrindo-a como um cobertor. Esfregou a palma da mão distraidamente sobre suas costas enquanto suavizou dentro dela. Finalmente, ele se afastou, puxando-a com ele para que aninhasse em seus braços. Nenhum dos dois falou, e talvez não quisessem estragar o momento com algo tão duro e pesado como meras palavras. Serena contentou-se em deitar em seus braços, ouvindo o barulho suave do seu batimento cardíaco tão perto de seu ouvido.

198


Capítulo Vinte e Quatro

“Acorde dorminhoca.” A voz de Damon retumbou em seu ouvido, e ela moveu a cabeça em sinal de protesto e se aconchegou mais na cama. Ele riu e bateu carinhosamente em sua bunda. Ela estremeceu com um arrepio de desconforto zumbindo sobre sua carne ferida. Quase tão rapidamente uma onda de prazer se instalou profundamente, e ela foi levada de volta para a noite anterior. “Vamos Serena. Levante e se vista. Nós iremos fazer uma viagem.” Ela abriu um olho para olhar desconfiada para ele. “Você é sempre assim tão alegre de manhã?” Ele sorriu. “Já não é mais manhã. Você dormiu até o meio-dia. E o sexo de bom dia faz isso com um cara.” “Bom qualquer sexo fará isso por um cara,” ela corrigiu. “É verdade, mas então vocês não são conhecidas por sua profundidade,” disse ele com uma piscadela sexy. “Agora levante e se vista. Eu já arrumei as malas para você.” Ela sentou-se, limpou o sono dos seus olhos turvos enquanto tentava concentrar-se sobre ele. “Onde estamos indo?” “Pensei que em irmos ver minha mãe,” disse ele levemente. “Tem sido... um longo tempo desde que a vi, e é hora de voltar para casa.” Ela arrastou-se do colchão e enganchou as pernas para o lado. “Sua mãe? Onde ela mora? E, hum, vou como sua escrava, uma amiga, ou o quê?” Ele colocou as mãos em seus braços e apertou suavemente quando a puxou para ficar na frente dele. Beijou-a demoradamente depois acariciou um dedo sobre o nariz. “Como você quer ir, minha Serena?”

199


A questão confundiu-a, não por sua falta de clareza. Certamente foi direto e simples o suficiente. Mas era uma daquelas perguntas que lhe pediu para afirmar as intenções que ela não tinha certeza ainda, e pior, pediu-lhe para declará-los antes que soubesse de seus sentimentos. Sentimentos? Ela se afastou bruscamente, desesperada para colocar distância entre eles. Será que queria que ele tivesse sentimentos por ela? Quando tinha essa porra, ido além de uma fantasia simples para pensamentos grandiosos de um relacionamento? Era difícil pensar em um relacionamento quando o seu grau de “cortejar” constava da servidão, espancamentos e foder seu traseiro. Ela quase gemeu em voz alta. Portanto, não foi assim tão bruta e reduziu o que tinha sido uma experiência extremamente gratificante sexual para algo barato e sujo. “Serena?” Ela olhou para trás até Damon, que a olhou com olhos confusos. “Há algo de errado? Se você preferir não ir, posso ir outra vez.” Ela balançou a cabeça. “Eu adoraria,” disse ela com voz rouca. “Deixe-me tomar um banho. Posso estar vestida em meia hora.” Ele se inclinou para beijá-la novamente. “Tome seu tempo. Eu vou carregar o carro.”

Eles dirigiam abaixo pela interestadual 10, na BMW de Damon. Dirigia com a facilidade de alguém que estava bem familiarizado com os horrores do tráfico de Houston. Pelo primeiro par de horas, eles foram em silêncio, Damon olhou fixo na estrada à frente. Ocasionalmente, ela olhava para o seu perfil, estudando sua expressão tensa. Ele parecia ansioso para visitar sua mãe antes, mas agora, quando cruzaram a linha do Estado de Louisiana, sua mandíbula estava bem definida.

200


Querendo facilitar um pouco a tensão, alcançou timidamente através do lugar com sua mão. Ele olhou e sorriu, afrouxando algumas das linhas em sua testa. Sem querer intrometer profundamente demais no que pode não podia, ela optou pelo geral. Inclinou a cabeça para o lado e sorriu para ele. “Diga-me algo sobre si mesmo.” Diversão brilhava em seus olhos e ele pareceu relaxar. “Como o quê?” “Oh, nada. Sou toda ouvidos.” Ele esfregou o polegar sobre a palma da mão, enquanto segurava o volante com a outra mão. “Tudo bem. Eu gosto de um bom vinho, boa comida e belas mulheres.” Serena fungou. “Diga-me algo que eu não sei. Você é terrivelmente mimado. Conte-me sobre suas amantes do passado.” Ele tossiu. “Não sou louco. Um homem nunca deve falar sobre outras mulheres quando está na presença de outra, especialmente uma que está atualmente fazendo sexo.” “Vamos lá, não é como se fosse sua namorada,” disse ela levemente. “Como é que você não tem uma escrava permanente para fazer o seu lance mal?” Sua expressão ficou sóbria. “Não é assim tão fácil.” “Não?” Ele balançou a cabeça. “Há muitas mulheres que estão na fantasia. Não na realidade.” “Você quer dizer, como eu,” disse ela baixinho. Ele olhou para ela, mas não concordou. Não precisava. Era a verdade simples. “Ninguém nunca quis fazê-lo... permanentemente?” perguntou ela. “Você perguntou?” “Eu só perguntei a uma,” disse ele enquanto olhava para longe. “As outras... era uma aventura óbvia, e estava bem com isso. Nunca quis algo permanente ou simplesmente não acho que funcionaria a longo prazo.” 201


“Só com uma,” ela disse. Ele balançou a cabeça. “Você a amava?” O canto da boca dele entortou para cima. “Talvez? Ela era a única mulher que pensei que poderia ser a única. Você sabe todo o clichê, uma em um milhão, o que significa para mim. Todas as besteiras que vocês, mulheres bobas leem em romances.” “Amargo demais?” Ela perguntou com uma sobrancelha levantada. Ele riu, e seus ombros se afundaram novamente quando ele relaxou. “Você é divertida, Serena. Você não me deixa levar muito a sério.” “Bem, alguém tem que mantê-lo na linha,” brincou ela. “Você poderia facilmente tornar-se estragado demais se não fosse contido.” Ele sorriu e apertou a mão dela. “Então o que aconteceu com essa mulher? Ela apenas decidiu que a coisa de escravo não funcionava para ela, ou o quê?” Ele soprou seu hálito. “Tivemos uma vida sexual muito excitante. Estava em cada perversão imaginável. Não podia acreditar na minha sorte. Estava dentro de mim, ela não parecia muito impressionada com o meu dinheiro, e queria me agradar. Por sua vez, eu queria muito agradá-la. Nós falamos sobre o tipo de vida que escolhi, e que não era um jogo. Não era algo que eu fazia de forma aleatória. Ela estava a bordo com isso. Eu queria casar com ela. Queria possuí-la. Queria que ela desse o seu coração.” “Oh menino,” Serena murmurou. Ficou na ponta da sua língua dizer que idiota a mulher tinha sido para rejeitar Damon, mas quão grande hipócrita isso iria fazê-la? “Sim, você pode adivinhar o resto. Um dia ela decidiu que pertencer a mim não era o que queria. Ela queria liberdade, mas nunca tentei contê-la. O tempo dela comigo era meu, mas eu nunca tentei interferir em seus interesses externos. Sabia que para fazer funcionar, tínhamos o tempo necessário e espaço exterior de uma odisseia de exaustão sexual.” Serena assentiu com a cabeça lentamente. “Assim que ela o deixou.” 202


Damon assentiu. “E eu a deixei ir. Ela foi minha escrava, a mulher que eu amava, mas queria liberdade, e eu não podia fazer nada além de conceder a ela.” Era a sua vez de apertar a mão. “Sinto muito.” Ele sorriu. “Se eu ainda estivesse com ela, você e eu nunca teríamos embarcado em nossa própria odisseia.” “Verdade. Acho que não estou tão triste depois de tudo. Lamento que foi ferido.” Ele estendeu a mão e tocou seu rosto. “Obrigado por isso, minha Serena.” “Você quis chamá-la assim também?” Ela perguntou num súbito lampejo de irritação. Damon deu-lhe um olhar perplexo. “Chamar de que?” “Minha.” Ele abanou a cabeça lentamente. “Não. Eu nunca usei esse carinho especial com ninguém antes. Isso incomoda você?” “Só se você usou para todas as suas mulheres,” disse ela com sinceridade. “Não, só com você.” Era ridícula a gratificação em ouvir isso, mas não iria mentir e dizer abertamente que não a teria irritado se fosse usado de forma tão casual. Ela adorou o carinho. O jeito que a fazia se sentir. Especial. Como se ela realmente pertencesse a ele. “E você, Serena? Por que você me procura? Seus amantes anteriores não satisfizeram a sua fome?” Ela encostou o resto da cabeça e suspirou. “É difícil explicar, realmente. Não vou dizer que os meus amantes eram ruins. Eram todos diferentes. Alguns melhores que outros, mas todos satisfaziam minhas necessidades no momento. Foi só depois que me senti como se algo estivesse faltando, o que queria era algo mais, mas não conseguia articular o que era exatamente.”

203


“Meus amantes eram tudo o que eu poderia pedir. Gentis, generosos. Dispostos a tudo. Acho que nós simplesmente não dávamos certo para algo a longo prazo. Um deles propôs, mas a ideia de passar o resto da minha vida com ele me deixou fria.” “Eu sei como o pobre bastardo se sentiu,” disse Damon pesarosamente. Serena estremeceu. “Isso provavelmente soa bem perto de casa, e não com muito tato de mim.” “Não, pelo menos você foi honesta, assim como Tonya foi honesta comigo. Eu não posso culpar vocês por isso. Teria sido pior se tivesse mentido. A longo prazo, teria sido mais difícil para todos.” “Eu sei,” disse ela baixinho. “Mas parte de mim também quer saber o que poderia ter sido. Se cometi um erro. Se agora não seria feliz em um casamento com filhos e alguém que eu poderia envelhecer junto.” “É fácil jogar o jogo do e se, mas se você tivesse reservas suficientes para acabar com o relacionamento no início, provavelmente estava certa. Assentar, é algo que jurei nunca fazer. Não é justo para mim nem para a mulher que eu estou envolvido.” “Acho que você tem alguns pontos de vista muito sólidos sobre relacionamentos,” elogiou. Ele fez uma careta. “Se fosse assim, eu teria uma relação de compromissada, com talvez dois pirralhos. Embora, não esteja com pressa para crianças. Quero o tempo com minha esposa. Quero-a para mim, tão egoísta como isso possa parecer.” “Se você é egoísta, então também vou fazer uma confissão, que nunca falei para qualquer outra pessoa.” “Ah, agora eu estou intrigado.” Ela riu baixinho. “Um pouco atrás, quando disse sobre a parte de que talvez agora eu teria um marido e filhos. Bem, a verdade é que nunca estive com pressa para crianças também. É fácil dizer o que poderia ter sido, quando não há possibilidade disso, você sabe?” “Sim, eu sei. Então você está dizendo que não quer ter filhos?”

204


“Talvez? Eu realmente não sei. Acho que não conheci um homem que me fez pensar seriamente em me estabelecer e ter filhos. Não estou convencida que vou ser extremamente boa nisso. E como você, eu gostaria de algum tempo com meu amante. Apenas nós dois. Eu tenho esses sonhos sobre ir a lugares juntos. Vendo as coisas novas e excitantes...” Ela parou e olhou autoconsciente sobre Damon. Ele sorriu calorosamente para ela. “Acho que temos muito em comum minha Serena.” O corpo dela cantarolou com prazer, e ela apertou os dedos. Eles tinham muito em comum, exceto o único obstáculo se aproximando. E era um entretenimento. Ela queria uma fantasia. Ele queria que a coisa real. Com um suspiro resignado, ela se virou para olhar para fora de sua janela no cipreste passando no pântano. Não faria qualquer bem se permitir tornar-se demasiada investida emocionalmente em Damon. Eles queriam coisas diferentes. E nunca poderia dar-se tão sem reservas a um homem em uma base permanente.

205


Capítulo Vinte e Cinco

A mãe de Damon estava sentada em uma varanda com balanço esperando por eles, quando se dirigiram no final da tarde. Serena não tinha certeza do que estava esperando, talvez uma senhora doce, de cabelos grisalhos com um avental. Agora se sentia muito boba quando confrontada com a mulher linda, jovem e bonita que se levantou e sorriu quando Damon saiu do carro. Ela estava vestindo calça jeans e uma camiseta, e seus cabelos caíam até os ombros. Não era um cabelo prateado único, mas na cor castanho profundo, tão igual ao de Damon. Seus olhos eram de um marrom chocolate, os de sua mãe eram de um verde brilhante. Damon deu a volta e ajudou Serena a sair do carro, em seguida, enfiou a mão na dela enquanto caminhavam em direção a sua mãe. Ela cumprimentou-os em etapas, abrindo os braços para Damon. Seus olhos brilhavam com lágrimas enquanto abraçava seu filho, e Serena sentiu sua própria garganta apertar na reunião emocional. “É tão bom ter você em casa, filho,” ela disse enquanto se afastava. Então virou seu olhar para Serena e sorriu calorosamente. “Sou Josephine Roche, mãe de Damon.” Serena sorriu de volta, mas antes que pudesse abrir a boca, Damon colocou o braço sobre os ombros dela e puxou para perto. “Mãe, esta é Serena James.” “Estou tão feliz em conhecê-la, Serena.” “Estou muito feliz em conhecê-la também, Sra. Roche.” “Por favor, me chame de Jo. É o que estou acostumada.” “Mãe, se você levar Serena para dentro, vou pegar nossas bolsas.” “Eu ficaria feliz em fazer isso, Serena? Se você vir comigo. Tenho chá feito, e a ceia estará pronta em meia hora. Fiz o favorito de Damon. Gumbo5 de linguiça.”

5

O Gumbo (pronuncia-se gambo) é o prato mais marcante da culinária Cajun da Louisiana (sul dos Estados Unidos). É um guisado ou uma sopa grossa, geralmente com vários tipos de carne ou mariscos, que se come com arroz branco, podendo constituir uma refeição completa.

206


“Então o que você e Serena vão comer?” Damon perguntou inocentemente. Jo riu, em seguida plantou as duas mãos nas bochechas de Damon e o beijou sonoramente. “Estou tão feliz por você estar aqui. Você esteve longe por muito tempo.” “Eu sei mãe. Sinto muito,” ele disse baixinho. Ela sorriu um pouco triste e deu um tapinha na bochecha dele. “Sei como é difícil para você.” Ele beijou a palma da mão dela, em seguida, a puxou, e apertou antes de deixá-la ir. “Vocês duas vão para dentro, e estarei bem atrás de você.” Serena seguiu Jo dentro da casa alastrando ao sul. O patamar completamente enrolado e um deque de madeira na parte de trás da casa. Serena ficou na janela olhando para fora sobre o igarapé que serpenteava no caminho através da propriedade dos Roche. “Excelente vista, não é?” Jo perguntou ao seu lado. Serena se virou para pegar o copo de chá que Jo ofereceu e assentiu. “Você tem jacarés?” Jo sorriu. “Poucos. Damon costumava ir caçá-los quando era adolescente. Sempre jurou que ia abater um. Ele e seu pai passaram muitas horas para cima e para baixo nestes pântanos. Eles apanharam muito peixe-gato, mas nunca qualquer jacaré.” “Você não está dizendo todos os meus segredos não é, mãe?” Damon perguntou quando veio parar atrás de Serena. Ele colocou o braço em volta de sua cintura, e jogou um beijo no alto de sua cabeça. Serena ficou tensa, não totalmente satisfeita com a demonstração de afeto em frente a uma mulher que acabara de conhecer, mas Jo sorriu abertamente em prazer. “Pensei que nós poderíamos comer lá fora no deque, esta noite. Podemos ver o sol descer e procurar vaga-lumes sobre o igarapé.” Jo disse. Damon colou contra ela e se virou para ver um sorriso triste cruzando o rosto dele. “Como nos velhos tempos.” Serena olhou para Jo, cujo rosto refletiu uma pungência triste, embora também sorrisse. Ela estendeu a mão e apertou a de Damon. 207


“Sim, como nos velhos tempos.” Então se virou e alcançou para apertar a mão de Serena. “Por que você não deixa Damon mostrar-lhe os redores, enquanto coloco o gumbo de volta para aquecer. Vou chamar vocês dois quando estiver na hora de pôr a mesa.” “Ainda é uma feitora de escravos, vejo,” disse Damon. “Claro que sim. Eu cozinho para você. Pode, pelo menos, pôr a mesa e limpar depois.” Ele se inclinou e deu um beijo na testa de sua mãe. “Com a forma que você cozinha, estou recebendo o melhor do negócio.” “Você sempre foi um sedutor. Assim como seu pai.” Os dois trocaram olhares tristes antes que Damon tomasse o cotovelo de Serena, e a empurrasse para o vidro triplo das portas francesas que davam para o deque. “Eu vou te levar para ver meu buraco favorito de pesca,” disse ele enquanto abria a porta. O ar quente e abafado sufocava a respiração de Serena, enquanto seguia fora com Damon. Era uma boa hora antes do pôr do sol, e a temperatura estava próxima de seu ponto mais alto do dia. “Meu pai construiu este,” disse Damon enquanto passou a mão ao longo da balaustrada de cedro da varanda. “É lindo.” Ela observou-o por um longo momento antes de engolir o nó. “Eu acredito que seu pai faleceu?” Damon lentamente concordou com a cabeça. “Dois anos atrás. Estava pescando.” Ele se virou e apontou para uma curva no igarapé. “Bem ali. Minha mãe o encontrou caído. Ele teve um ataque cardíaco fulminante e morreu no local. Nunca teve uma chance.” Ela tocou o braço dele. “Sinto muito.” “Ele era o melhor,” Damon disse calmamente. Embora não reconhecesse abertamente seu gesto, ele colocou a mão sobre a dela e deixou-a lá. “Você não esteve em casa desde então?” Perguntou ela. Ele parecia estar tão perto de sua mãe. Parecia estranho que ficasse longe tanto tempo. Um olhar triste e cansado entrou em seus olhos, ofuscando o marrom monótono. 208


“Não. Eu tentei. Mas era muito doloroso. Fiz todo o caminho até a garagem, e me virei e voltei para Houston. Belo covarde.” Ele moveu-se para os trilhos e descansou as mãos sobre a madeira, debruçado sobre isso enquanto olhava pela nascente do rio entupido de ciprestes. “Machucou a minha mãe. Eu sabia disso, mas ainda assim, não poderia me fazer voltar. Eu não poderia enfrentar estar aqui sem ele.” “Por que agora?” Perguntou delicadamente. Por que com ela? “Eu não sei,” admitiu. “Eu perdi meu pai. Precisava enfrentar esta casa. Necessitava perceber que ficar longe não altera o fato de que ele se foi. E talvez isso parecesse mais fácil com você.” Ela inalou bruscamente, incapaz de controlar a sua surpresa com a declaração. Ele tocou sua bochecha, em seguida, deslizou a mão atrás da cabeça dela e puxou-a para ele. Balançou contra ele, quando ele a inclinou para cima, para dar-lhe o beijo. Foi gentil, foi suave. Em uma palavra, foi primoroso. Sacudiu todo o seu núcleo. “Obrigado por ter vindo comigo,” ele sussurrou contra seus lábios. “Isso significa muito.” Ela sorriu quando se afastou. “Estou feliz que você quis que viesse com você.” Ele a levou para as margens do igarapé e viu a superfície do peixe-gato como se estivesse esperando para ser alimentado. “Minha mãe os alimenta todas as noites,” explicou. “Eles são mimados.” Eles continuaram ao longo da borda, através do terreno ondulado da propriedade de sua mãe. Uma doca raquítica estava situada na curva de uma das curvas, e um barco velho estava amarrado. Balançava suavemente com as ondulações da água. A tinta verde desbotada e raspada. Estampado com tinta preta, no lado estava Roche. “Barco do meu pai,” disse Damon. “Ele pertencia ao avô dele. Idade de Matusalém, mas ainda funciona. Mamãe o leva de vez em quando, só para mantê-lo funcionando.” “Ela sente falta dele também,” disse Serena, lembrando a tristeza em seus olhos. Damon suspirou. Virou-se para a água e enfiou as mãos nos bolsos. Por um longo momento ele ficou em silêncio. Seus lábios se moviam como se tivesse dificuldade em formar as palavras. “Foi difícil para ela, e ainda mais difícil quando fiquei longe, embora ela compreendesse.” 209


Ele olhou para seus pés, e seus ombros caíram. “Foi egoísta da minha parte, e é algo que lamento. Eles foram... eles estavam tão apaixonados. Eram namorados na escola, e ela se casou com ele quando tinha dezesseis anos. Gente por aqui não dá uma chance de durar sempre, ou valem qualquer coisa, mas eles provaram que os outros estavam errados. Ele construiu essa casa para a mãe quando ela estava grávida de mim. Eu cresci aqui. É o único lar que já conheci.” Ele sorriu e olhou de soslaio para Serena. “Meu pai fez fortuna, e aposentou-se cedo. Ele e a mãe deveriam viajar. Se divertir. Viver e amar, e desfrutar a vida. Ele morreu uma semana depois que voltaram de uma viagem a Paris. Era para onde minha mãe sonhava em viajar desde que era uma menina.” Serena piscou as lágrimas que picavam suas pálpebras. “Pelo menos eles tiveram uma última viagem juntos antes de ele falecer,” disse ela. Damon assentiu. “Todos nós tivemos alguns bons momentos juntos. Por muito tempo feriu pensar sobre eles, recordar a vida com meu pai, sabendo que ele não estava mais aqui. Mas agora... agora ele só se sente bem para se lembrar.” Ela estendeu a mão, pegou seu pulso e puxou a mão do bolso. Atou seus dedos através dele, e puxou a mão ao seu lado. Ambos viraram-se quando ouviram Jo os chamando. Ela estava de pé no deque acenando e apontando para o jantar. “Vamos lá. O gumbo não é tão bom quando está frio,” disse ele. “Apostamos uma corrida,” Serena desafiou depois que saiu correndo. “Trapaceira!” Damon gritou enquanto correu atrás dela. Ela teria chegado aos degraus, mas quando deu o salto, ele arrancou-a do ar, e a girou em seus braços. Ela gritou de raiva, e ele respondeu colocando-a no chão, e começou a fazer cócegas sem piedade. Quando ela estava ofegando para respirar entre gargalhadas, ele finalmente parou e a puxou para cima. “Declare a vitória,” Ele exigiu. “Nunca!” 210


Ela lançou-se a subir os degraus, em seguida, virou-se e fez uma imitação de Rocky, mãos no ar, enquanto dançava para frente e para trás. “Pequena enganadora,” ele murmurou enquanto andava atrás dela para a mesa onde sua mãe esperava. “Damon sempre foi um péssimo perdedor,” disse Jo quando sorriu para Serena. “Ele sempre foi uma criança competitiva. Melhor em tudo.” “E de quem eu peguei isso, imploro que diga?” Damon disse secamente. “Seu pai, claro.” Damon bufou e se dirigiu para a porta. “Senhoras, vocês fiquem aqui. Estarei de volta com taças e talheres. Quer que pegue o gumbo, mãe?” “Por favor,” disse ela. Então se virou para Serena. “Gostaria de vinho ou chá com o seu jantar?” “Eu tomarei o que você e Damon estiverem tomando,” Serena disse. “Nesse caso, vai ser o vinho. É uma satisfação nossa. Mesmo durante os dois anos que ele se foi, sento aqui na plataforma e compartilho uma taça de vinho enquanto falo ao telefone.” “Parece que vocês estão muito perto,” disse Serena. “Ele é meu único filho,” disse Jo no meio da explicação. Damon voltou com taças e colheres, e em seguida, voltou um momento depois, com uma panela fumegante de sopa. “Pegue o arroz, se você puder. Está no vapor. E a garrafa de vinho que tenho colocado para fora,” disse Jô quando Damon colocou a panela. Ela e Serena sentaram quando Damon retornou com o arroz, Jo serviu o gumbo. Apesar de ter estado quente e abafado, o gumbo, que era normalmente mais adequado para o frio do inverno, tinha um gosto delicioso. Depois do jantar, sentaram-se para trás com uma taça de vinho e observaram os vagalumes voarem sobre a água. Na distância, grilos e sapos coaxavam. A árvore de gafanhotos foi adicionada à cacofonia, mas era reconfortante para Serena. Depois de ouvir por tanto tempo apenas os sons da cidade, foi embalada pela tranquilidade aqui.

211


“Há quanto tempo vocês dois estão juntos, e como se conheceram?” Jo perguntou, quebrando o silêncio. Serena enrijeceu e enviou a Damon um olhar apavorado. Ele pegou sua mão debaixo da mesa, e apertou a tranquilizando. “Fomos apresentados por uma amiga comum. Estamos nos vendo há pouco tempo, mas estou esperando convencê-la a me manter por um tempo.” Jo sorriu. “Bastardo de palavras doces, exatamente como seu pai. E eles esperam que nos caíamos aos seus pés por seus esforços,” disse ela a Serena. Serena riu, passando o desconforto. “Vou admitir que eles fazem, e me viram a cabeça. Como eu disse antes, ele não é nenhum estranho para palavras bonitas.” “Senhor, não. Juro que todos os homens Roche dividem uma parte do charme e carisma de um leão. Às vezes você apenas tem que chamar de merda, embora.” Ela piscou para Serena. Serena riu quando Damon revirou os olhos. “Se tenho charme, com certeza nunca fez efeito em você,” Damon disse a Jo. “E maldita certeza nunca me deixou fora de dificuldades.” Jo sorriu. “Você tem o seu pai para culpar por isso. Até o momento que você chegou, eu estava bem familiarizada com a língua de prata Roche, e havia construído uma imunidade.” Ela se virou para Serena. “E você, Serena? De onde você é, e o que seus pais fazem?” Damon olhou curiosamente para ela também, e percebeu que nunca tinha falado sobre ela. Ele tocaria nesse assunto, até que a viagem acabasse. Eles estavam muito ocupados conversando com outras partes de sua anatomia. Ela corou ligeiramente e olhou para o lado de Damon. “Eu nasci e cresci em Houston. Meu pai é aposentado de uma companhia petrolífera, e minha mãe ainda ensina na escola. Eu sou filha única também.” “Ah, então você e Damon são prováveis mimados,” disse Jo. “Eu não nego isso,” disse Damon enquanto bebericava em seu vinho. 212


“Boa maldita coisa. Eu detestaria estar sentada perto de você quando aqueles raios descessem.” Serena riu de novo, aproveitando a comunicação fácil entre mãe e filho. A fez sentir falta dos seus pais, embora não fizesse tanto tempo desde que os visitou pela última vez. Era fácil ser pega no trabalho, tornou-se demasiada ocupada para pegar o telefone, ou parar para dizer Olá. Depois de testemunhar a dor de Damon e Jo por terem perdido o pai de Damon, ela iria tornar uma prioridade ver seus pais logo que voltasse. A vida era curta. A morte repentina do pai de Damon era certamente uma prova disso. “Minha mãe é ótima,” disse Serena, de repente, se obrigando a falar sobre seus próprios pais. “Provavelmente estaria estragada, mas ela me criou para ser independente. Para pensar e fazer as coisas por mim. Ela era uma de nove filhos, e foi à única que foi para a faculdade e fez pós-graduação. Entrou na faculdade, e conseguiu seu grau de ensino. Sempre fui muito orgulhosa dela. Ela não aceita qualquer merda de ninguém.” “Parece que é o meu tipo de mulher,” disse Jo. “Eu acho que vocês iam se dar bem,” disse Serena com um sorriso. “E o que você faz?” Jo perguntou. “Se você não se importa eu perguntar.” “Isto não é um interrogatório, mãe,” disse Damon levemente. “Não, está tudo bem,” disse Serena. Por muito tempo se sentiu desconfortável durante a explicação do seu negócio para outras pessoas. Mas a felicidade que trouxe aos seus clientes rapidamente removeu qualquer desconforto que sentia sobre a legitimidade da Fantasy Incorporated. “Eu tenho meu próprio negócio. Realizo fantasias,” disse ela. Jo piscou surpresa. “Que tipo de fantasias?” “Mamãe,” disse Damon em alerta. “Não é o tipo que você está pensando,” disse Serena enquanto escondia o seu sorriso. A não ser que conte a sua própria fantasia sexual. “Eu crio cenários para as pessoas. Uma situação de fantasia. Por exemplo, um dos meus últimos clientes teve um sonho de ser um chef em um restaurante caro em Houston. Ele não sabia como fazê-lo, queria que eu organizasse os detalhes, então eu fiz.” 213


“Oh, como é divertido! Então, é como quase um dia de brincadeira,” disse Jo. “Bem, eu suponho que você poderia chamá-lo assim. É uma chance de fazer algo que não poderiam fazer. Minha cliente mais recente queria ser uma princesa no seu próprio navio de cruzeiro.” O rosto de Serena apertou, e ela lamentou trazer Michelle para a conversa. “Acho que é maravilhoso, Serena. E com a criatividade! Eu nunca ouvi falar de outra empresa como essa.” “Obrigada. Eu gosto disso.” Jo pegou o prato, mas Damon levantou-se e acenou. “Vocês senhoras vão ficar sentadas, e eu vou lavar os pratos.” “Você criou um bom homem,” disse Serena, com um suspiro quando ele desapareceu no interior. “Sim, bem, só não deixe que ele pense que você sabe disso,” Jo resmungou. “Porque então eles ficam impossíveis de se conviver.” Serena riu e se recostou na cadeira, respirando o ar da noite. Ela olhou para o céu, que estava claro e pontilhado com as primeiras estrelas. E ela desejava. Desejava o impossível. Ela desejou que a fantasia nunca terminasse.

214


Capítulo Vinte e Seis Damon estava na pia, olhando pela janela para sua mãe e Serena, sorrindo e rindo como velhas amigas. Ele não estava certo porque tinha escolhido voltar para casa agora, ou porque pediu a Serena para entrar. Tinha achado certo. Agora que estava aqui, estava feliz que viesse. Ele nunca deveria ter ficado longe, não importava o quanto doesse. Sua mãe tinha sido muito machucada, e precisava dele. As perguntas de sua mãe sobre Serena mostraram o quão pouco sabia sobre ela. Sim, ele tinha feito uma verificação de antecedentes. Sabia os detalhes superficiais, mas não sabia de nenhuma das coisas que importava. O que a deixava nervosa. O que sonhava. O que a fazia feliz e o que fazia triste. E isso incomodou o inferno fora dele. Ele tinha que fazer isso, sua missão era descobrir todas as nuances do que fez dela a pessoa que era hoje. Pegou uma garrafa cheia de vinho e saca rolhas, voltou para fora. O riso encontrou seus ouvidos quando abriu a porta, e percebeu o quão bom era ouvir sua mãe sorrir novamente. As duas mulheres olharam para cima, com calorosas boas-vindas em seus olhos. Sentia-se muito bom. Ele moveu sua cadeira para perto de Serena então ficou ao lado dela. Lançou um braço em volta dos ombros dela, e puxou-a para a dobra do braço. “Você está se divertindo?” Ele murmurou enquanto sua mãe derramava mais vinho. “Muito,” ela virou olhou para ele, seus olhos azuis piscaram do brilho das luzes do interior. “Nós não seremos capazes de permanecer por muito mais tempo,” advertiu Jo. “Mosquitos vão nos comer vivos. A citronela parece trabalhar por um pouco depois do anoitecer, mas então é como se entrassem em frenesi e os humanos não estão seguros.” “Ugh, eu estou começando a me coçar só de pensar nisso,” disse Serena. “Eles crescem tão grande aqui, que a Louisiana tentou fazer o mosquito a ave do estado,” disse Jo com uma cara séria. Serena riu. 215


“Nesse caso, eu definitivamente vou ir em breve.” Damon inclinou-se para Serena até sua boca roçar seu ouvido. Ele sorriu quando sentiu o tremor minúsculo que trabalhou até sua espinha dorsal. “Por que não vamos entrar agora? Tem sido um longo dia.” Ela se virou para olhar para ele, seu sorriso iluminando a noite. “Estou cansado.” Ele se virou para sua mãe, que já estava levantando da cadeira. “Nós vamos entrar, mãe. Obrigado pelo jantar. Foi maravilhoso como sempre.” Jo se inclinou e beijou delicadamente sua testa. “Estou feliz que você finalmente chegou em casa, meu filho.” Ela sorriu e alisou a mão sobre seu rosto, como tinha feito quando era um menino. Ela caminhou em direção à porta e depois voltou. “Vou ter café da manhã servido por volta das oito da manhã. Vocês dois podem comer antes de voltar para a estrada.” Enquanto sua mãe desaparecia dentro, Serena olhou para ele interrogativamente. “Eu disse a ela que só poderia ficar uma noite. Eu não tinha certeza...” Ele baixou o olhar, se sentindo um pouco embaraçado com sua incerteza. “Você não estava certo do que?” Perguntou delicadamente. “Eu não tinha certeza se seria capaz de ficar,” admitiu. Ela sorriu e inclinou-se para acariciar os lábios através dele. “Acho que você fez maravilhosamente bem, e fez a sua mãe tão feliz.” Ele apertou-lhe, então se levantou, apontando-a com ele. “Vamos entrar e nos aprontar para a cama. Fui duro com você ontem, e você deve estar exausta.” Ela tremeu contra ele, enquanto caminhavam em direção às portas francesas. Passou a mão sobre a curva de seu traseiro, lembrando o brilho do chicote na noite anterior. Reagiu como ele esperava, querendo e pedindo mais. Ele não conseguia se lembrar de alguma vez ter visto uma visão mais bonita do que ela amarrada ante ele, a pele vermelha e rosa do açoite do chicote. Ela ofereceu-se inteiramente a ele, e ele havia sido humilhado por seu presente.

216


Ele a guiou ao longo do corredor até o quarto velho que sua mãe havia feito em um quarto de hóspedes. Não tinha qualquer semelhança com o recuo na adolescência de seus anos de colégio. Ao contrário, foi decorado com bom gosto em cores neutras com seu próprio toque de sol. “A cama não é tão grande quanto a minha,” disse ele enquanto fechava a porta atrás deles. “Isso significa que nós vamos ter que dormir mais perto.” “E isso te incomoda?” Ela perguntou com uma sobrancelha levantada. “Não nessa vida,” ele disse quando a puxou em seus braços. Ele beijou-a longamente e duro, liberando toda a sua fome reprimida. Não foi capaz de tocá-la o dia inteiro, estar tão perto e ouvir seu riso, vendo seu sorriso sem ser capaz de fazer amor com ela, o levou para além de sua resistência. “Tira a roupa,” ele ordenou a voz crua e irreconhecível. Como se percebesse como ele estava perto da borda, lentamente ela tirou suas roupas, fazendo um strip-tease erótico que ele tinha chiado com impaciência. Ela o chamou de homem das cavernas, e neste momento, sentiu-se como um. Estava pronto para arrancar todos os fragmentos de roupas de seu corpo, jogá-la na cama e fodê-la sem sentido. O brilho do ouro foi visto quando a blusa caiu, e a joia que ele tinha dado a ela brilhou. Ele tocou, traçando o seu contorno com o dedo. “Você pertence a mim,” disse ele. “Eu pertenço a você,” ela afirmou calmamente. Ele a puxou para ele, esmagando-a contra a sua suavidade contra a armação dura. Em algum lugar entre beijos e frenéticos suspiros intermináveis, ele puxou sua própria roupa, empurrando, até que ambos estavam nus. Como esta manhã, ele não fez nenhum esforço para dominá-la ou mantê-la de não tocá-lo. Ele queria e desejava com um ardor que não podia explicar nem para si mesmo. Suas mãos acariciaram seu peito, um caminho aquecido que o deixou derretido por dentro. Seu pau estava duro, e tão dolorosamente forçando para fora, batendo contra a suavidade da sua barriga. E então as mãos abaixaram, colocando-o em seu aperto de seda. Fechou os olhos e gemeu, quer em prazer ou dor, ele não sabia. Não se importou. Só sabia que queria que ela continuasse a tocá-lo.

217


Ela puxou sua cintura, pedindo-lhe para ir à cama. Eles caíram juntos, por baixo dela, até que foram esparramados no colchão em um emaranhado de corpos. “Diga-me o que você quer Damon,” disse ela enquanto olhava nos olhos dele. “Eu sou sua. Eu pertenço a você. Estou aqui só para lhe agradar.” Ele fechou os olhos saboreando a doçura de sua declaração. Era como se soubesse exatamente o que dizer, o que precisava ouvir. “Abra-se, minha Serena. Leve-me dentro de seu corpo. Pois eu pertenço a você, assim como você pertence a mim.” Suas coxas separaram, e ela abriu-lhe quando enrolou as pernas em volta de sua cintura. Ele abaixou a cabeça para beijá-la, possuir sua boca, como possuía o seu corpo. Sua língua deslizou sobre a dela, enquanto seu pênis penetrava em seu calor feminino. “Eu poderia ficar assim para sempre,” disse ele contra seus lábios. “Você é tão bonita, Serena. Eu nunca tive outra mulher como você. Duvido que terei.” As palavras soaram perigosas até para seus próprios ouvidos, mas não podia chamá-las de volta. Ele sabia que no mais profundo canto, o mais escuro de sua alma, quando chegasse a hora de deixá-la ir, iria matá-lo. Por enquanto, empurrou, plantando-se tão profundamente em seu corpo que podia sentir seu coração. Marcando, clamando ela. Ele se esqueceu de suas fantasias, que isto era um jogo pervertido construído em torno de desejos proibidos. Bem aqui e agora, ele fez amor com ela como nunca tinha feito amor com outra mulher. Saboreou cada gemido de prazer, cada suspiro que saiam de seus lábios. Ele tomou um gole e saboreou seu néctar doce enquanto andava com seu delicioso abandono. Quando ele sentiu o orgasmo se aproximando, acalmou dentro dela, querendo fazê-la durar tanto tempo quanto possível. Não queria que acabasse ainda, não antes que ela encontrasse sua própria libertação. Suas mãos acariciavam seu rosto, alisando sobre a mandíbula e tocando seus lábios. Ele beijou cada dedo por sua vez, quando descansaram contra sua boca.

218


Não precisava perguntar se ela estava perto. Sentiu o despertar do seu corpo, sua boceta apertando mais forte em torno de seu pau. Sua respiração sufocando, e tornou-se mais frenética debaixo dele, torcendo e contorcendo-se quando procurava alívio. “Juntos,” ele sussurrou enquanto balançava contra ela. Ele empurrou mais e mais rápido até que ela teve sua visão turva. Ele fechou os olhos e jogou a cabeça para trás enquanto se esforçava, lutando contra o fogo que queimava em suas bolas. Seu pênis pulsava e inchava. Pressão construía e ampliava para cima, correndo para a linha de chegada. Ela ficou líquida em torno dele, banhando-o em sua doçura. E então ele explodiu dentro dela. Seu quadril se contraiu quase dolorosamente a cada jato de sua libertação. Estremeceu e gemeu antes de finalmente desmoronar em seus braços esperando-o. Ela o segurou, com os braços ao redor de sua cintura enquanto acariciava as costas. Os lábios dela estavam pressionados em seu pescoço, e beijou o local onde sua pulsação estava descontrolada. Ele encontrou-se abrindo a boca para dizer as palavras não ditas. Relutante, fechou os lábios e deitou a cabeça no ombro dela. Não querendo sufoca-la, rolou um pouco, mantendo um controle apertado sobre ela para que viesse com ele. Quando ambos estavam em seus lados, ela aconchegou-se firmemente contra ele, seu corpo quente e macio. Suave. Ela estava dormindo quase que instantaneamente, mas ele ficou acordado até tarde da noite, pensando em mantê-la, e se prender a esse momento por tanto tempo quanto pôde.

219


Capítulo Vinte e Sete

Julie saiu de seu carro, do lado de fora do apartamento de Faith e ficou lá por um longo momento antes de finalmente partir em direção a porta de Faith. Ela não estava acostumada a ser essa uma maldita covarde, e maldição, com certeza não estava acostumada à falta de auto confiança. Mas essa coisa toda com Nathan havia jogado sua bola curva séria. Porque ela estava indo fazer algo sobre isso. E esperava que Faith pudesse ajudar. Ela bateu na porta e ficou para trás, as mãos enfiadas nos bolsos traseiros das calças jeans dela. A porta abriu e Gray ficou olhando interrogativamente para Julie. “Uh, oi, Faith está?” “Julie, Oi. Claro, pode entrar,” Gray disse enquanto sorriu calorosamente. “Desculpe aparecer, deveria ter chamado, mas estava perto e resolvi parar,” ela disse, sem jeito. “Você não está incomodando.” Ele a dirigiu em direção à pequena sala e então virou a cabeça em direção ao corredor. “Bebê, Julie está aqui para te ver.” Ele se virou para Julie. “Posso arranjar-lhe algo para beber? Eu faço um pouco de chá se quiser dizer.” Julie balançou a cabeça. “Eu adoraria. Obrigado.” “Pode apostar que sim.” Ele sorriu novamente e se dirigiu para a cozinha. Ele quase correu para Faith quando ela chegou ao fundo do corredor. “Estou preparando um chá para Julie. Quer um pouco?” “Mmmm, sim, soa muito bem,” Faith disse quando sorriu para Gray. Julie olhou para cima quando Faith entrou na sala, e suspirou quando Faith lhe deu um olhar indagador. Faith sentou no sofá ao lado dela e se virou para que enfrentasse Julie. “Ok, então o que é? Você tem um daqueles olhares que me assusta.”

220


Julie sorriu fracamente. “Na verdade sou a única que está com medo, merda.” “Uh-oh.” “Sim, bem, lembro que você disse sobre Damon te ajudar com a sua, hum, fantasia?” Faith ergueu uma sobrancelha. “A-han.” “E você enviou Serena na direção dele para a fantasia dela, porque ele é dono desse clube de sexo ou qualquer outra coisa.” “Coloque para fora, Julie. Onde você está querendo chegar aqui?” “Bem, pensei que talvez ele pudesse me arranjar. Quer dizer, não pessoalmente, porque Serena pode chutar a minha bunda se eu fizer uma jogada sobre o homem dela, e tão quente como ele é, é o bastante áspero em torno das bordas para o meu gosto.” Os lábios de Faith formaram um O. “Mas em primeiro lugar...” “Não gosto do jeito que você acabou de dizer isso” Faith, disse com cautela. “Você está tramando.” Julie sorriu. Faith não era uma boba. “Primeiro eu pretendo mostrar a Nathan Tucker exatamente o que ele está perdendo. Logo depois de deixa-lo em minha poeira e seguir em frente a algum sexo quente, suado, que espero que o Sr. GQ possa me ajudar a encontrar.” Gray pigarreou, e Julie olhou para cima para vê-lo olhando para ela com diversão. “Eu não acho que você vai esquecer tudo o que acabamos de falar?” Julie perguntou esperançosamente. “Longe de mim, recusar algo a uma senhora,” disse Gray quando colocou o bule de chá sobre a mesa do café. “Mas eu me sinto compelido a falar sobre esse maldito clube de sexo.” Ele ficou à sua altura máxima e olhou com firmeza para ela. “Não é um lugar onde você precisa estar vagando.” Faith sufocou uma risadinha com a mão e revirou os olhos para Julie. “Não é tão ruim assim,” defendeu. Gray olhou Faith. 221


“Você não está indo sempre lá, então não têm qualquer ideia sobre como Julie será tomada. E Julie, eu realmente não acho que seja uma boa ideia que você e Damon se envolvam em qualquer tipo de acordo. Não estou dizendo que ele não é um bom cara. Tem sido muito bom para Faith, e por isso sou grato, mas os membros do seu “clube”, é outra questão. Quem pode saber o que você pode estar encontrando lá.” “Pelo menos ele não ouviu a parte sobre Nathan,” Julie murmurou em voz baixa para Faith. Gray sorriu. “Oh, eu ouvi, mas acho que ele merece. Apenas desejava ser uma mosca na parede na ocasião.” Faith enxotou-o, afastando com a mão. “Deixe a nossa menina a falar. Prometo não planejar um ataque contra a Casa sem dizer a você primeiro.” “Está muito bem, você não vai, eu sabendo ou não,” Gray murmurou. Mas ele se virou e caminhou de volta para o quarto após outro olhar na direção da Faith. “E este é o cara que concordou em deixar que outro homem fodesse você?” Julie perguntou incrédula. “Julie! Pelo amor de Deus fale baixo,” Faith assobiou. Julie segurou suas mãos para cima. “Só dizendo.” Faith sacudiu a cabeça. “Ok, então me diga que tipo de fantasias você quer que Damon a ajude a cumprir, e então pode me dizer o que tem planejado para Nathan. E não deixe uma palavra de fora.”

222


Capítulo Vinte e Oito

Serena se inclinou para trás na cadeira e olhou pela janela do seu escritório. Primeiro dia de volta ao trabalho depois de uma semana sendo escrava de Damon. Escrava. Era um termo risível quando considerado apenas o que sua experiência tinha sido. Toda a leitura, todo o mistério e fantasia. O que ela esperava era um grito longe do que ela havia recebido. Mimada. Amada. Talvez ela tivesse esperado verdadeira escravidão. Para ser rebaixada ou degradada. Se queria isso? Alguns dos cenários que tinha fantasiado envergonhavam ela agora. Fazia sentir-se envergonhada. Ela chegou de volta, tentando racionalizar o que levou a necessidade de submeter-se a dominância de um homem. Mas as respostas não vieram. E agora que estava longe de Damon, de volta ao reino da realidade normal, sentia-se retirada de sua experiência como se tudo tivesse sido um sonho. A ideia de voltar à fantasia parecia estranha, como se as cortinas tivessem sido puxadas para trás, expondo a verdade, a luz brilhando mais do que uma sombra. Julie e Faith ambas tinham chamado, queriam encontrá-la depois do trabalho para drinques e fofocas, e, obviamente, jogar a sujeira da semana de Serena em cativeiro, se você poderia chamar de uma semana de prazer decadente e cativeiro interminável. Serena tinha cancelado, dizendo Damon a esperar em sua casa, e era a verdade. Por que ainda estava aqui sentada em sua mesa enquanto a noite avançava, com seu telefone celular desligado, era um mistério que não queria resolver. Uma parte dela foi tentada a chamar Damon e dizer que não estaria de volta, que o acordo estava terminado. Ela seria uma covarde, para não falar que queria ver Damon novamente. Ela queria estar com ele. E lhe devia mais do que uma desculpa pelo telefone. Ela empurrou para longe da mesa e se levantou. Quando sua calça ajustada caiu para cobrir a faixa em torno de seu tornozelo esquerdo, ela franziu a testa, infelizmente. Por um longo

223


momento, olhou para o lugar onde ela sabia que a tornozeleira residia agora coberta por suas calças. Ela, propositalmente, não usou uma saia porque não queria divulgar a joia para ser vista. A blusa que tinha escolhido era uma meia manga para esconder a pulseira. Ninguém poderia saber o que significava a joia, ninguém além dela. Mas não se sentia confortável pisando fora da fantasia que ela e Damon criaram, não quis trazê-lo para seu mundo. Ele cruzou um limiar perigoso. Sexo confundia a questão. Tão banal como parecia, quando a emoção entrou em cena, e tinham sexo, já não era apenas sexo. Luxúria já não era apenas luxúria. E a fantasia não era apenas fantasia. Ela sabia disso, advertiu os clientes sobre isso em uma base diária, e ainda ali estava ela, até o pescoço em uma fantasia que estava no limite, tanto que até ela tinha dificuldade para descobrir o quanto era real e quanto não era. Não ia mentir para si mesma e jurar que não houve nenhuma atração entre ela e Damon, ou que desejava com ferocidade dolorosa algo mais profundo do que o sexo casual e um papel de fantasia. Mas ele deixou claro o que queria, e ela tinha sido tão clara sobre seus desejos e necessidades. Contrariando os destinos, com um cruzamento breve. Algo que descreveu a Damon. Ela olhou para o relógio e fez uma careta. Estava adiando o inevitável. Havia uma decisão a tomar. Ou ela voltava para Damon ou o chamava. Mas permanecer ali não era a resposta, e não a levaria mais perto da solução. Ela pegou sua pasta e chaves com relutância, dirigiu-se para o elevador. Era estranho, como toda a situação parecia tão logo removida da própria fantasia. Mas enquanto estava lá, vivendo, querendo o desejo dela, não havia nada além do momento. Nada, mas havia necessidade de mais. Era isso o que parecia o vício? Querer algo que não era bom para você, e perder toda a objetividade no processo? Quando entrou no carro, não respondeu imediatamente com a cabeça em Damon, não iria para casa. Ela dirigia. Por muito que doía admitir, estava com medo. Com medo de como poderia 224


facilmente se perder, se permitisse. Durante a semana que esteve com Damon, encontrou-se fazendo qualquer coisa para agradá-lo. Sem dúvida, sem hesitação, jamais oferecendo argumento. Foi assustadora a facilidade com que ela se transformou em outra pessoa. Mas o mais irritante foi à ideia de que talvez não tivesse se transformado em outra pessoa como ela achou que tinha sido. “Não. Isso não é comigo,” ela sussurrou. “E eu não quero que seja.” Agarrou o volante um pouco mais apertado, pegou o telefone e discou o número de Faith. Um momento depois, a voz de sua amiga em questão se aproximou da linha. “Onde está você?” Faith exigiu antes que Serena pudesse até dizer Olá. “Estou no carro,” disse Serena com calma. “Damon esta frenético de preocupação. Ele disse que não conseguiu chegar até você e que você não estava no escritório ou em seu apartamento.” “Merda,” Serena murmurou. “Há algo de errado?” Faith exigiu. Serena respirou fundo. Só de ouvir que Damon preocupado deixou Serena se sentindo como uma idiota imprudente. “Faith, eu só tenho uma pergunta.” “Ok.” “Lembra quando você disse que Gray disse que nunca poderia estar envolvido com uma mulher que não fosse forte o suficiente para se submeter?” Houve uma pequena pausa. “Sim, claro.” “Você acredita nisso?” “Aonde você quer chegar, Serena?” Faith perguntou suavemente. “Eu só quero saber se você acredita. Que leva alguém forte para dar o poder supremo, para permitir que um homem cuide de você, para tomar decisões por ela.” “Sim, eu acho.” A convicção na voz de Faith moveu mais do que as próprias palavras. “Obrigado,” disse Serena baixinho. “Eu preciso ir. Eu preciso chegar à casa de Damon.” “Serena, o que está acontecendo?” Faith perguntou. 225


“Vamos conversar mais tarde, ok?” Ela apertou o botão antes que Faith pudesse oferecer outro argumento. Por um momento, segurou o telefone na mão, a tentação de chamar Damon, mas não tinha certeza do que diria, e agora, como se soubesse o tempo todo que ia acabar, ela percebeu que estava a poucos minutos de sua casa. Apertou o botão para ligar o telefone de novo, e jogou sobre o assento. Poucos minutos depois, puxou na garagem da casa de Damon e franziu o cenho quando viu vários carros estacionados na frente. Ela parou atrás do último e desligou o motor. Deixando sua maleta e telefone no banco, ela saiu do carro e caminhou até a porta da frente. Assim que bateu no degrau mais alto, a porta se abriu. Ela levantou o olhar para atender um furioso Damon. Seus olhos eram quase negros, e raiva apertou seus lábios. “Onde diabos você esteve?” Perguntou ele. Suas palavras amarraram em cima dela, inflamando sua própria raiva impotente. “Não tenho que me explicar para você,” ela retrucou. “Nosso acordo é para quando eu estou aqui.” Ele estendeu a mão e pegou seu ombro, puxando-a para dentro da casa. A porta bateu atrás dela, e ela estremeceu. “Isso não tem nada, nada a ver com qualquer acordo,” ele falou. “Tem a ver com decência. Estava preocupado, Serena. Achei que você poderia estar do lado da estrada em algum lugar, ferida e sozinha. Ou no hospital. Ou no fodido necrotério.” Ela se encolheu em sua voz. Havia mais do que raiva. Havia uma preocupação verdadeira e frustração. “Você não atendia ao maldito telefone. Eu até mandei Sam ao seu escritório e depois em sua casa, e depois voltar aqui para que pudesse seguir sua possível rota.” Ela fechou os olhos contra a sua censura, porque ele estava certo. Tinha sido muito irresponsável porque não tinha uma maldita desculpa. “Sinto muito,” disse ela, cansada. Ele levantou a mão. Sua mandíbula assinalou como se estivesse tentando se agarrar ao seu temperamento. 226


“O que aconteceu?” Ele perguntou sem rodeios. “Onde você esteve, e está tudo bem?” Este foi um momento em que ela desejava realmente que estivesse em algum tipo de acidente, só para que não tivesse de dizer que estava se escondendo. Dele. De si mesma. Desta atração entre eles. “Eu estava pensando.” “Pensando? Você estava pensando? E em todo esse pensamento, nunca passou pela sua cabeça que eu poderia estar preocupado, que me devia, pelo menos, a cortesia de um telefonema e dizer que estava atrasada? Não é como seu mestre, Serena. Não como um cara que te considera uma escrava, mas como alguém que se preocupa com você.” Ela fechou os olhos com fadiga centrada entre os ombros. Quando os abriu novamente, Damon estava arrastando a mão pelo cabelo num gesto supremo de agitação. “Vá e mude as roupas com o que preparei para você,” disse numa voz controlada. “Depois, volte para a sala. Temos convidados.” Ele olhou para baixo enquanto esperava a palavra cruzar seus lábios. Estava forçando-a para a decisão que tinha sido vacilante o dia inteiro. Se dissesse não, iria embora, e não estaria de volta. Ela fez o seu lance, estava comprometida a permanecer, de continuar a farsa. Nenhuma opção parecia atraente para ela agora. O que realmente queria era ficar sozinha, e podia estar sozinha se simplesmente falasse não. Em vez disso, ela balançou a cabeça e caminhou passando por Damon para o quarto. Ele não tocou nela, não a reteve ou disse mais nada. Quando olhou para trás quando entrou no corredor, ele já havia deixado o hall. Ela continuou a subir a escada, a fadiga e a confusão crescendo a cada passo. Quando chegou ao quarto, viu que Damon tinha estabelecido um dos vestidos requintados que tinha comprado para ela, juntamente com um sutiã e calcinha preto combinados, meias de seda e um par de saltos altos. Havia até joias para acompanhar o visual sofisticado. Quando ela continuou a olhar para a roupa, teve uma percepção rápida. Esta noite ela não era sua escrava. Estava convidando-a para seu mundo. Seu mundo real, onde esperava que ela se misturasse com os seus convidados. Normalidade. Um passo para fora dos papéis que desempenhara, e ainda, que só existia no reino da fantasia dela. Um mundo que havia criado. 227


Estava fazendo isso de verdade. O medo correu até sua espinha dorsal. O medo e a incerteza. Estava mudando as regras e os parâmetros. Como poderia esperar que ela abraçasse a sua realidade, e então desse as costas? Deus, não precisava disso ser mais real entre ela e Damon. Se precisava de qualquer coisa, era a proteção da fantasia e escapismo oferecidos. Não havia chance de ela perder o seu caminho quando as coisas não estavam ao alcance. Mas esperar que ela interagisse com ele, como se tivesse uma chance, como se as coisas fossem normais... Era o auge da crueldade. Sua cabeça girou em pânico e angústia apertou cada músculo. Ela não podia participar como sua acompanhante, uma mulher que tinha um relacionamento com ele. Não, se ela se apresentasse, seria como sua escrava. Não haveria quebra das paredes de sua fantasia cuidadosamente construída.

228


Capítulo Vinte e Nove Damon retornou para a sala depois de tomar vários momentos para se recompor. Ele estava distraído durante todo o tempo que passou divertindo seus convidados, porque tinha se preocupado com Serena. Havia apenas tantas vezes que podia ter utilizado o seu telefone celular antes que passou de uma inconveniência a rudeza total. Quando a ouviu subir, seu alívio tinha feito suas pernas bambas. Isso irritou quase tanto como o seu descaso. E então ele viu o rosto pálido e enormes olhos azuis, a fadiga à espreita nas sombras. Não disse às palavras que cada homem temia. Ela tinha estado pensando. Ele tinha se preocupado com o seu primeiro dia fora da fantasia que tinha construído durante a semana deles juntos, e com razão. Ela já começou a se afastar, e não havia uma mínima coisa que ele pudesse fazer sobre isso. Ele sintonizou com a conversa enquanto dois dos garçons que havia contratado para a noite faziam rondas com bandejas de canapés e vinho. A música do piano, geralmente algo que ele gostava, tilintou como vidro quebrado em seus nervos. Parte dele queria punir Serena pela preocupação que ela lhe causou. Por um momento considerou dizer-lhe para despir-se e vir a ele nu só com as joias que lhe dera para adornar sua pele. Nenhum dos seus clientes ficaria chocado ou surpreendido. Mas ele não queria envergonhá-la, havia jurado que jamais faria qualquer coisa para humilhá-la, e com maldita certeza não faria em retaliação. Não, ele lidaria com a punição mais tarde. Se ela empacasse, se dissesse que não, então ele iria acabar mais cedo do que o esperado, mas o resultado seria o mesmo agora ou daqui a três semanas. Não podia ficar com ela para sempre, e o olhar assombrado em seu rosto quando ela chegou à sua porta ainda levou essa ideia.

229


Uma risada ecoou pela sala, e Damon olhou para cima para ver a fonte de diversão de seu hóspede. Ele enrijeceu quando viu Serena em pé na porta, e nem um ponto de roupa em seu corpo lindo. Ela olhou desafiadoramente para ele, seus olhos brilhando com desafio. Não respondendo à isca óbvia, ele colocou o copo de vinho para o lado e ignorou-a por um momento, enquanto terminava a conversa, que foi envolvido. Ele manteve rastro dela pelo canto do olho. Ele ficou quietinho, mas quanto mais ela se levantou, mais à vontade ela se tornou. Quando ele estava convencido de que ela estava prestes a virar e caminhar para fora, ele começou a atravessar a sala, seu ritmo sem pressa, sua expressão propositadamente ilegível. “Serena,” disse ele, quando vinha por ela. “Que bom que você pôde vir. Todo mundo estava ansioso para conhecê-la.” Ela olhou atentamente para ele, em seguida, torceu suas mãos nervosamente na frente dela. Uma decisão de impulso, que já estava lamentando, pela aparência das coisas. Ele já havia tentado fazer as coisas mais fáceis para ela. Não iria fazer mais nada. “Venha,” disse ele, tomando-lhe o braço. Enquanto caminhavam em direção ao pessoal reunido, ele se inclinou para sussurrar perto de seu ouvido. “Isso é duas punições que lhe devo agora. Uma pela desconsideração e uma pela sua desobediência flagrante.” A conversa cessou e todos olhavam abertamente para ele e Serena. Sorrisos emoldurados nos rostos de seus amigos, mas era uma fraude. Eles ficaram felizes por ele quando não deveriam estar. Eles pensavam que ele finalmente encontrou uma mulher disposta a comprometer-se inteiramente a ele. Ele apresentou-a ao redor, e a crescente confusão de Serena era uma coisa tangível. Sua testa franzida, e era óbvio que o sorriso colado nos lábios estava pendurado precariamente. “Parabéns, Damon,” Robbie falou quando eles abordaram um de seus amigos mais antigos. “Sua mulher é muito bonita. Você tem sorte, em possui-la.” Serena olhou para trás e para frente entre Robbie e Damon, os lábios franzidos. Então, seu olhar desceu sobre a mulher ao seu pé, parada ao lado de Robbie, e Damon viu o instante em que o entendimento brilhou.

230


Ela ficou tensa, e a cor varreu do seu pescoço para as bochechas dela. Sua boca apertou e lágrimas lotaram seus olhos. Damon não lhe deu a oportunidade de fazer muito com a realização. Em vez disso, conduziu-a a frente. Ela não ia ficar emocionada quando eles chegassem para a próxima pessoa na fila para ser apresentada. Eles já estavam familiarizados. Mas ela fez sua escolha, e teria que viver com as consequências. Enquanto eles caminhavam em direção à janela, onde dois homens estavam de pé, um virou-se, e ele sentiu Serena ficar rígida ao lado dele. “Micah,” Damon disse calmamente. “Eu gostaria que você conhecesse Serena. Entendo que vocês dois já estão familiarizados. Serena, você conhece Micah Hudson. Ele é um bom amigo meu.” Micah deu um sorriso a Serena e levantou uma sobrancelha quando seu olhar varreu o corpo nu de Serena. Damon curvou-se para que seus lábios estivessem a um centímetro de distância da sua orelha. Sua mão enrolou firmemente em torno de seu braço até mesmo quando seu dedo tocou toda a joia. “Eu teria evitado esse desconforto,” ele murmurou. “Você trouxe isso a si mesma, pensando em me envergonhar na frente dos meus convidados. Ninguém irá piscar um olho sobre sua nudez. Todo homem aqui com a exceção de Micah está acompanhado por sua escrava. Então você vê minha Serena, você só conseguiu se envergonhar.” Ela tremia em sua aderência, mas acenou com a cabeça em reconhecimento das suas palavras. Ela deu um sorriso tímido para Micah mesmo que o queixo se projetasse para cima, quando reuniu seu orgulho esfarrapado em volta dela. “Claro que me lembro de Micah,” disse ela calmamente. “Serena, devo dizer que você parece adorável essa noite,” disse Micah. “Damon é um sortudo.” “Gosto de pensar assim,” Damon disse em voz baixa. Ele olhou de soslaio para Serena para ver se ela ainda mantinha-se rigidamente, sua expressão fechada.

231


Ela não ia dar um passo, mas também ele não daria. É melhor enfrentar a questão aqui e agora, porque ele não ia perder as próximas três semanas construindo um sonho com pregos emprestados. Ele se endireitou e olhou para Micah. “Já que é o único aqui esta noite sem uma escrava, eu agradeceria se você pudesse ajudar na disciplina da minha.” “O quê?” Serena cuspiu. Ele se virou e derrotou-a com seu olhar. “Cuidado para não torná-lo três, minha Serena?” Seus lábios apertaram fechados, mas ele podia vê-la dizer loucamente, para deixar escapar, para acabar aqui e agora. E assim ele esperou. Esperou. Para sua surpresa, os ombros perderam um pouco de sua rigidez. Ela fechou os olhos e abaixou a cabeça. “Serena?” Micah perguntou. Ela levantou lentamente a cabeça para olhar para ele. “Você está bem com isso?” Micah perguntou gentilmente. “Tudo isso, eu quero dizer?” Damon não desrespeitou a pergunta, ou Micah violando seu relacionamento com Serena. Micah amava as mulheres. Ponto. Ele era o protetor delas, flertava com elas incansavelmente, mas no final do dia, tomava apenas cerca de alguém que estava se aproveitando de uma mulher. E agora, era uma questão que Damon queria muito a resposta para si mesmo. “Eu machuquei Damon,” ela disse com uma voz clara. “Não refleti, quando ele foi nada mais que atencioso. E então, quando confrontado com as minhas ações, na minha raiva eu tentei embaraçá-lo. Eu aceito a sua punição.” “Mesmo não sabendo o que é?” Micah persistiu. “Ele não vai me machucar,” disse ela. A convicção absoluta em sua voz surgiu em toda a sala, e houve vários acenos de aprovação de seus amigos. Micah olhou para trás até Damon, evidentemente convencido de que Serena estava agindo por vontade própria e não precisava de salvação. Os lábios de Damon tremeram com diversão. “Teria lutado comigo se ela tivesse dito que estava aqui contra a sua vontade,” ele perguntou a Micah. 232


“Com certeza,” disse Micah com uma risada. “Só para que eu pudesse ser o herói e levá-la para o pôr-do-sol.” Damon virou formalmente a Serena e olhou para ela, sem emoção ou inflexão. “Você ganhou duas punições. Uma eu vou administrar agora, na presença das pessoas que você tentou ofender. A outra, que é pela sua falta de consideração por mim, será administrada em particular.” Ela olhou para ele com calma e acenou com a aceitação, mas ele podia ver seu corpo tremer e a brancura dos nós de seus dedos, enquanto os enrolou em punhos apertados. “Siga-me,” ele ordenou quando foi ao centro da sala. Ele fez sinal para Robbie pressionar o botão que iria soltar às restrições do teto. Serena arregalou os olhos quando visualizou os dois punhos suspensos individualmente descer lentamente. Quando elas foram baixadas o suficiente, teve os pulsos de Serena e prendeu cada um, verificando para se certificar de que não mordiam muito asperamente em sua pele. Então, acenou para Robbie, que levantou os punhos até que seus braços estivessem esticados sobre a cabeça. De um dos armários, perto da televisão, Damon tirou uma barra de extensão com algemas de tornozelo. Ele assegurou suas pernas em ambos os lados, espalhando-a para que ela deixasse os saltos no chão. Ela agora estava completamente vulnerável e indefesa. Ele não poderia evitar a onda de excitação, mesmo que a razão para a punição pesasse sobre ele. Isso não seria nada bom para permanecer muito tempo em seus pensamentos mais escuros, quando uma experiência tão agradável o aguardava. Serena era bonita em cativeiro. Sua submissão absoluta, a aceitação de sua autoridade sobre ela, o humilhou e fez ter esperança de novo. Mesmo quando amaldiçoou pelo que esperava. Reunindo seus longos cabelos soltos em suas mãos, ele cuidadosamente colocou os fios por cima do ombro para que ficassem longe de suas costas. Então ele deu a volta até seu rosto, suas mãos em seu cinto. “O castigo é uma cintada para cada um dos meus convidados que você desrespeitou. Isso faz com que seja uma dúzia. Para cada uma dessas pessoas, eu conseguirei uma para mim, por sua vez. Isso faz vinte e quatro no total. Não vou entrar levianamente. Você vai me dar prazer e receber nada em troca. Há algo que você gostaria de dizer antes de começar?” 233


Capítulo Trinta Não. Serena sabia que era a palavra que Damon esperava ouvir. Será que ele queria que ela falasse? Será que queria empurrá-la até que não tivesse escolha senão desistir e estar quite? Não, havia outra coisa em seus olhos. Ele se esforçou para esconder, mas ela podia ver um vislumbre de... Esperança? Ele não queria que ela saísse, mas não deixou esta força sobre ela. Ela trocou olhares com ele, esperando que seus olhos falassem mais do que palavras jamais poderiam. Balançou a cabeça em silêncio, preparando-se para a dor e vergonha que estava por vir. Era dela. Ele pertencia a ela, e ela própria com graça e humildade. Ele soltou seu cinto e puxou-o de suas calças. Em vista de todos, ele cuidadosamente dobrou-o e entregou a Micah, que mais uma vez olhou interrogativamente para Serena. Ela fechou os olhos momentaneamente, mas depois abriu e acenou para Micah, assim ele saberia que ela aceitava. Micah tomou o cinto de Damon e circulou por trás dela. “Você olha para mim e só a mim,” disse Damon. Seus braços já doíam da restrição, e os dedos dos pés estavam dormentes de constrangimento de serem esticados de modo que seu peso descansava sobre o peito dos pés. Novamente ela balançou a cabeça, só esperando que ele acabasse com isso. Mas ela deveria ter pensado melhor. Damon não seria nada se não fosse paciente e exigente. A primeira cintada assustou. Seu corpo inteiro estremeceu, e ela gritou quando estourou a dor sobre suas costas. Fortes dedos cavaram em seu queixo e forçou-a no peito, onde tinha caído. Seu olhar encontrou Damon, seu olhar duro e penetrante. “Em mim, minha Serena. Olhe para mim. Em todos os momentos.” Ela ergueu o queixo de sua mão e preparou-se para o próximo golpe. Ele veio como fogo. Desta vez, através de sua bunda.

234


Quando ela não fez nenhum som e manteve seu olhar fechado em Damon, ela viu a aprovação faiscando em seus olhos. Era óbvio que a última coisa que queria era que ela se dissolvesse em uma massa de histérica choramingante. A próxima chicotada veio rápida, através de seus ombros, onde a pele de seus braços estava esticada acima da cabeça. Ela fechou os olhos e soprou seu hálito em um longo suspiro. O dedo de Damon puxou-lhe o queixo, e ela abriu os olhos para ver reprimenda. “Adicione outra cintada por sua desobediência,” Damon disse a Micah. Ela prendeu a respiração e olhou para ele com mágoa nos olhos. “Para mim, Serena. Olhe para mim. Toda vez que você me desobedecer, vou adicionar outra cintada.” O próximo golpe caiu no meio das costas, e ela afundou seus dentes em seu lábio inferior, mas manteve os olhos abertos e direcionados sobre Damon. Micah golpeou espaçado igualmente sobre as costas e nádegas, cuidando para não colocar dois em uma fileira no mesmo local. Chegou a onze, suas costas pulsava e doía com intensidade encarnada. Aos doze, Damon pediu a suspensão. A esperança cresceu dentro dela. Talvez lhe agradasse o suficiente para que perdoasse as treze restantes, que havia prometido. “O resto eu quero no traseiro, e só no traseiro,” disse Damon. “Quero vermelho. Lindo, como ela. Alternando as bochechas, mas não poupe nenhum esforço.” Seu corpo ficou rígido, e ela prendeu a respiração, seu protesto na ponta dos lábios. “Só vai doer mais se você ficar tensa,” disse Damon suavemente. “Relaxe e não vai doer tanto.” Ela respirou profundamente e forçou seus músculos a relaxarem. Assim como ela murchou contra suas amarras, a primeira chicotada, mais forte do que antes, riscou sua bunda. Eles vieram rápidos e furiosos, sem intervalo entre eles. Micah estabeleceu um ritmo implacável, um destinado a testar os limites de sua resistência. Trancando os olhos no olhar amoroso de Damon, sua força sangrou dentro dela, reforçando-a, a dor diminuiu. O que foi dado em punição se tornou intensamente prazeroso, e ainda assim ela sabia que não era para ser.

235


A sala ficou silenciosa em torno dela quando deslizou para além do imediatismo de suas obrigações, das equimoses subindo em sua bunda. Um suspiro escapou macio, e ela parou de contar mentalmente quando caíram. Damon era tudo que podia ver. Sua mão ao redor do queixo, apoiando-a, mesmo no castigo. Seu olhar era duro, mas orgulhoso, e revelou o orgulho. Faça isso por mim. Era como se ela ouvisse as palavras em voz alta. Como se ele pedisse a ela para compreender, para tomar porque ele exigia, porque queria agradá-lo. E ela fez. Tristeza sangrou através do prazer. Lamentava que o tivesse decepcionado. “Sinto muito,” ela sussurrou quando a cintada final desceu. Damon acariciou seu rosto nas mãos e delicadamente beijou as lágrimas que ela não tinha percebido que tinha derramado. “Minha Serena.” Ele disse o nome dela como uma bênção, e sua calorosa aprovação foi tudo o que sentia naquele momento. A dor diminuiu. A tensão diminuiu em seus braços, e as pontas de seus pés encontraram o chão de novo. As mãos de Micah tocaram o topo dos seus ombros, e apertou com firmeza para baixo. No começo ela não entendia o que ele queria. Ainda estava nebulosa, com as costas hiper sensíveis. Estremeceu. A luz trabalhou sobre seu corpo ao mais leve toque. Sua pele estava viva, rastejando, irritada com a necessidade não satisfeita. Damon foi mais paciente neste momento, enquanto esperava por ela. “De joelhos,” Micah murmurou perto de seu ouvido. Seus joelhos dobraram instantaneamente, e Micah pegou embaixo de suas pernas para manter os joelhos de bater no chão. Na frente dela, Damon afrouxou as calças, abrindo-as com precisão deliberada. A mão de Micah emaranhou em seus cabelos, forçando a cabeça dela assim como Damon chegou as suas calças e tirou seu pênis. Damon adiantou-se, sua ereção pulou na mão. Com as mãos de Micah na base do pescoço forçando sua cabeça para trás, Damon colocou a mão na testa dela, e guiou o pau através de seus lábios. 236


Diferentemente do leilão, onde ele teve que repreendê-la por assumir o controle, desta vez ela estava exausta e deixou que ele usasse sua boca, como ele queria. Micah apoiou no pescoço, enquanto Damon pressionava várias vezes para o fundo de sua garganta. As palavras de Damon ecoaram em sua mente. Você vai me dar prazer e receber nada em troca. Mas ele estava errado. Seu prazer era ligado ao seu. Abriu-se a ele totalmente, o seu olhar em busca do dele. Os olhos de Damon brilharam acima dela quando Micah mudou o ângulo de volta, ainda mais para que Damon colocasse tudo, abrangendo mais o rosto dela. Ele afundou em sua boca até que seus lábios se encontraram nos cabelos nítidos na base de seu pênis. Por um longo momento permaneceu ali, ainda, seu saco pressionado firmemente o queixo. Ela lutou, mas as mãos de Micah apertaram em seu cabelo, e Damon pressionou com mais força. Seu olhar voou de novo, em busca dele e ela imediatamente se acalmou. Retirou-se, deslizando seu pau ingurgitado sobre sua língua até a coroa repousar sobre o lábio inferior. Ele estendeu a mão e cobriu seu queixo, seu pau estava pronto para a reentrada. “Quanto mais você resistir, mais vou fazer isso durar,” disse Damon. “Você é minha, Serena. Seu corpo é meu. Sua boca é minha. Eu tenho você. Estou em sua boca porque pertence a mim. Vou usá-lo por tanto tempo quanto isso agradar-me antes de eu gozar, e você vai engolir tudo o que eu te der.” Em resposta, ela simplesmente abriu a boca mais amplamente para lhe mostrar sua submissão. Imediatamente, empurrou para frente, obrigando-se as profundezas. Ela controlou o impulso de lutar, de engasgar e rejeitar o pau tão profundo na garganta. Levou tudo que tinha, mas ela se concentrou nos olhos de Damon, prendendo ao calor e à aprovação que encontrou lá, e bloqueou todo o resto. Tão logo ela cedeu, parou de prolongar seu orgasmo e acelerou o ritmo até que ele fodeu sua boca como seria em sua vagina. Suas bochechas cavaram e os sons da sucção, e encheram a sala enquanto ele bateu dentro e fora de sua boca.

237


Pré-sêmen derramou e revestiu sua língua quando ele inchou mais. Dois homens seguravam sua cabeça. Ela estava impotente e imóvel. De joelhos, as pernas afastadas e amarradas, um pau que possuía a sua boca com força implacável. Era quase como se estivesse tendo uma experiência fora-do-corpo, como acontecia com as chicotadas, ela saiu dos limites estabelecidos por seu corpo e flutuou livre, no alto prazer que não entendia, mas abraçou com todo o seu ser. O rosto de Damon ficou numa nevoa, mas o sentiu. Suas mãos, sua força, seu pau e, finalmente, a própria essência dele. Masculino, primitivo. Ela bebeu avidamente, determinada a não rejeitar nenhuma parte da sua oferta. Em suas mãos, encontrou um conforto que nunca tinha imaginado. A segurança e refúgio seguro que nunca conheceria fora de seus braços. Ela sabia disso, aceitou-a como uma verdade irrefutável. “Serena.” Ela ouviu seu nome. Macio e jovial. De uma distância. “Minha Serena.” Amoroso. Tenro em aprovação. Um sorriso sonhador puxou-lhe os lábios, e foi então que ela percebeu que Damon tinha escorregado de sua boca. As mãos de Micah haviam deixado seu cabelo. Mãos gentis foram puxando-a para cima quando dedos puxaram suas restrições dos seus tornozelos. Suas pernas tremiam, e ela balançou perigosamente, mas foi travada contra um peito duro. Palavras sussurradas derreteram sobre suas orelhas. O rosto de Damon entrou em foco. Ela piscou. Uma vez e depois duas vezes. “Vá se ajoelhar perto da minha cadeira,” Damon disse em voz baixa. “Você vai permanecer lá até que os nossos convidados tenham ido embora. Vou trazer-lhe comida e bebida, uma vez que todo mundo for servido.” Entorpecida, ela se aproximou. Apesar de Damon deixá-la andar sozinha, ele seguia perto, e sabia que não iria deixá-la cair. Quando caiu de joelhos sobre o chão macio, um suave gemido escapou antes que pudesse chamá-lo de volta. O fluxo quente de prazer inebriante desapareceu e foi substituído por uma dor pulsante nas costas e nádegas latejante. 238


Consciência inundou de volta, enquanto observava a atividade na sala voltar ao normal. Ela foi ignorada salvo ao olhar curioso ocasional lançado em sua direção. Ela segurou-se rígida, determinada a não decepcionar Damon na frente de seus amigos. Sua boca doía de ser muito dura, mas ela não permitiu o som de desconforto escapar dela. Como ela poderia ter tido indecisão poucas horas antes da completa e total aceitação das exigências de Damon? Alterou sua perspectiva? Será que a proximidade a cegava de toda a razão? O que possuía para incitar Damon como havia feito? Na época, ela tinha ficado com raiva, batendo, mais sobre sua própria indecisão e frustração do que qualquer coisa que Damon tinha feito. Agora ela só se sentiu tola. E ainda tinha mais um castigo para sofrer. Seus ombros cederam, não por medo, mas lamento. Do outro lado da sala, Damon ficou com o Micah e outro homem. Eles conversavam em voz baixa, ocasionalmente parando quando outros se juntaram. Damon estava confortável com essas pessoas. Ele sorriu com facilidade e fez um gesto com as mãos. Um rubor rastejou sobre seu rosto quando, em determinado momento, ela obviamente tornou-se a parte da conversação, porque todos se viraram para olhar para ela. Um homem fez um gesto na direção dela e sorriu largamente a Damon. Damon mudou a expressão rapidamente, tornando-se escuro. Não demorou um minuto para descobrir que o homem queria. Ela baixou a cabeça, recusando-se a olhar para aqueles que a observavam. “Sua vergonha se torna dele.” A cabeça de Serena subiu para ver Robbie de pé, segurando uma bebida quando olhou para Damon. “Mantenha sua cabeça erguida para que ele possa manter-se em cima. Dê-lhe o orgulho.” Ela resistiu à ideia de o homem dizendo-lhe qualquer coisa, mas também não queria causar constrangimento a Damon mais do que já dera. Seu olhar deslizou calmamente no rosto de Robbie, antes de acenar brevemente na aceitação de sua ordem. Evidentemente, satisfeito, ele se afastou para encontrar uma mulher bonita através da sala. Era ela sua escrava? Seu toque era possessivo quando deslizou a mão até as costas e, em seguida, 239


em torno de sua cintura. Ela sorriu abertamente para ele, e ele se inclinou para acariciar a orelha dela. Havia afeto claro entre eles, mesmo que sua postura fosse submissa. A hora seguinte foi um teste de seu poder de permanência. Suas costas doíam, suas pernas doíam do rebaixamento. Sua coluna estava rígida em sua posição, e ela não queria nada mais do que deitar e enrolar em uma bola. Damon a tinha ignorado pela maior parte, poupando-lhe apenas um olhar ocasional antes de voltar para seus convidados. Houve risos e conversa, e na maior parte, Serena deixou de existir. Então a chamada para o jantar foi dada, e Serena pensava estar em exposição na frente de todos tinha sido difícil, o súbito silêncio da sala vazia foi pior. Os convidados lotaram a sala de jantar, e ela só podia ouvi-los à distância. Ela podia se levantar e caminhar para fora. Nada a mantinha ali. Ela poderia ir para o quarto e se enroscar na cama, ou poderia simplesmente sair, entrar em seu carro e ir para casa. Para o apartamento, de volta à sua vida. Cumprir a fantasia de outras pessoas. Vender mentiras e meias-verdades. Tons de cinza, sonhos e um dia no sol. Mas ainda assim ela se ajoelhou ali, dirigindo sua determinação implacável. Já não era sobre a fantasia. Se saísse, se afastasse seu fracasso se tornaria o de Damon. Ele não merecia isso, quando tinha dado a ela o que ela queria. É isso que você quer? Veio a ela como um sussurro, uma fita macia abrindo caminho através de sua consciência. Era uma pergunta que ela não podia responder. Ou talvez não quisesse responder. Ela perdeu a noção do tempo, e ficou assustada quando os convidados começaram a entrar de volta para a sala. Damon se aproximou, segurando um prato. Sem dizer nada, ele se instalou na cadeira ao lado dela. Com uma mão suave, dirigiu a cabeça dela até que repousava em seu colo. Um suspiro de contentamento, de cansaço e alívio, expulsou da parte mais íntima de seu corpo. Ele a alimentou, pequenas mordidas, persuadindo aos lábios. Ocasionalmente, ele parou para lhe oferecer uma bebida do copo ao seu lado.

240


Havia uma tranquilidade e intimidade de seus movimentos. Ele não apenas alimentou-a mecanicamente. Ele tocou com frequência, curtas carícias em seu rosto, ou alisou uma mecha de cabelo do rosto. Quando o vinho reuniu no canto da boca, limpou-o longe com o polegar e depois lambeu o dedo. Ela fechou os olhos e seu rosto encostou-se a sua perna. Ele não fez nenhuma tentativa de alimentá-la mais. Em vez disso, simplesmente acariciou sua bochecha. Enquanto falava, para aqueles ao redor dele, seus dedos deslizaram em seus cabelos e sua nuca, onde gentilmente havia massageado. Estava quase dormindo quando ouviu Damon dizer adeus. Seus olhos se abriram lentamente, e Damon cuidadosamente empurrou a cabeça dela, enquanto se levantou. Ela vacilou e, em seguida firmou-se ao vê-lo levar os seus amigos para fora. Logo, havia apenas ela e Damon. Ele parou à porta da sala, olhando para ela. Nesse momento, ela desejou que pudesse ler seus pensamentos, desejou que fossem transmitidos em seu rosto, mas era inexpressivo. As apreensões dos nervos vibraram profundamente em seu estômago quando ela se lembrou que tinha prometido a ela uma punição em privado, após os convidados terem ido embora. Ela engoliu em seco quando finalmente fez o seu caminho até ela. Ele parou a uma curta distância e simplesmente ofereceu sua mão para ela. Estendeu a mão e deslizou os dedos pela palma de sua mão quente. Puxou-a para seus pés e, em seguida, virou-a na direção do quarto. Eles caminharam em silêncio, seu temor crescente a cada passo. O quarto estava escuro quando eles entraram, mas Damon não fez nenhum movimento para acender a luz. “Você precisa usar o banheiro antes de dormir?” Perguntou ele, o silêncio surpreendente com sua voz profunda. “Não,” ela disse baixinho, não tendo certeza do que viria a sua cabeça se ela se mexesse. Ele a deixou a poucos metros da cama e foi retirar os lençóis. Quando ele terminou, virouse e pegou sua mão. Incerta sobre o que ele queria ou o que faria, deixou-o guiar para o colchão. Mas então apenas a pôs na cama e puxou as cobertas por cima dela quando a cabeça encostou sobre o travesseiro.

241


Sem dizer uma palavra ou gesto, ele simplesmente se virou e saiu, deixando-a ali no escuro. Por um longo tempo, ela ficou lá, esperando, esperando. Fadiga estabeleceu em suas pernas, mas ela lutou contra o véu do sono, à espera de Damon retornar. Solidão a cobriu. Ela queria que ele tivesse lá, mesmo que isso significasse sua punição. Queria-o de volta e resolver isso para que eles pudessem voltar para a companhia que tinha gostado mais fácil durante a semana, que tinha dedicado exclusivamente a ele. Ela queria dizer que estava arrependida. Ela viu o relógio, vacilando como cada minuto passando. Depois de uma hora, a desolação a cobriu como um nevoeiro. Onde ele estava? Ela enrolou em uma bola, recolhendo os lençóis ao seu redor em uma tentativa de confortar a frieza que a invadiu. Ele não tinha ligado a ela. Não tinha ido para a cama. Enquanto se amontoou ali, no escuro, só com lembranças que incomodavam insidiosamente, a realização sombria veio. Este era o seu castigo, e foi pior do que a chicotada do cinto.

242


Capítulo Trinta e Um

Damon estava sentado na poltrona que dava para a sua cama, vendo Serena dormir quando a madrugada atravessou a janela por cima de seu ombro. Ele dormiu pouco, optando por trabalhar até tarde da noite. Ele pegou algumas horas no sofá em seu escritório antes de vir aqui para que pudesse estar com Serena quando ela acordasse. Seu rosto estava voltado para ele, e podia ver a prova de lágrimas nas bochechas. A ideia de que a havia machucado com sua deserção não o fez se sentir melhor. A punição era necessária. Ela estava oscilando entre os dois mundos, um de decisão e um de escolha. Mas não o acalmou saber que tinha causado a dor dela. Sua dor era a dor dele. Sua alegria era a alegria dele. Ele... A amava. Balançou a cabeça em negação, mas não havia ninguém para vê-lo. Um homem inteligente aprendia com seus erros. Ele já amou uma mulher que não podia segurar, só que ele não tinha sabido até muito tarde. Desde o início sabia que não poderia ter Serena, e ela devia ter facilidade para manter suas emoções separadas do seu arranjo. Deveria ter sido apenas outra maneira de dizer que ele tinha fodido. Ele arrastou uma mão por seu cabelo e inclinou a cabeça para olhar para o teto. Que porra iria fazer pelas próximas três semanas? Continuar vivendo uma mentira quando deu um pouco mais longe de si mesmo no processo? Ele abaixou a cabeça até que novamente encontrou seu contorno suave aninhado em sua cama. Sua cama. Sua mulher. O que ele não daria para ser real. Três semanas. Ele podia pegar o que ela oferecia ou poderia ter nada. Eram três semanas, valendo a pena saber que ela ia embora depois que eles acabassem? Ela estava caminhando perto agora. Havia visto nos olhos dela, quando esperava com tudo o que tinha que ela ficasse. Tudo ou nada era mentira. Isso nunca funcionava dessa maneira. A vida era toda sobre a tomada que você pudesse fazer quando pudesse obter e sobreviver quando não era suficiente.

243


Sim, ele pegaria as três semanas, porque quando tudo acabasse, seria tudo o que teria dela para segurar. A memória de quando, por algum tempo, ela era dele.

Serena acordou de um sono drogado, com os olhos pesados e inchados. Por um momento, ela simplesmente olhou pela janela, quando percebeu que ainda estava sozinha na cama. Então seu olhar cintilou na cadeira ao lado da janela, e piscou quando viu Damon sentado, inclinado para o lado. Ele estava dormindo. Tirou os lençóis, e seus pés tocarem o chão, quando se apressou da cama. Ignorando a dor de seus músculos e formigamento das costas dela, ela voou pelo chão. Ela parou na frente dele, as mãos estendidas para tocá-lo. Mas manteve-se ainda como simplesmente bebendo em sua aparência. Ele parecia cansado, seus cabelos desgrenhados e uma sombra de barba em seu queixo. Ele usava a mesma roupa que usara na festa na noite anterior. A mesma roupa, menos o cinto que usara em suas costas. Havia um olhar vulnerável em sua cara de sono. Uma oportunidade de ver sua expressão no subterrâneo. Lentamente, ela caiu de joelhos entre as pernas e deitou a cabeça contra a sua coxa. Ele se mexeu, e ela pegou a mão dela, laçando os dedos juntos. E então levou a mão aos lábios e manteve-o lá. “Serena,” ele sussurrou. Apesar de ter sido duro, ela temia o que veria em seus olhos, levantou a cabeça para encontrar o seu olhar. Não gostava de pensar em como pareceu, de modo aberto e submisso, seus sentimentos e incertezas tão evidente, mas ela lhe devia isso. “Sinto muito,” disse ela em voz baixa. “Você não merecia como eu te tratei ontem. Você tem sido tão bom para mim, Damon.” Ele ergueu a mão para o queixo, e esfregou o dedo carinhosamente em seu rosto. 244


“Você fala como se estivesse dizendo adeus,” disse ele, e ela se surpreendeu ao ouvir uma nota de tristeza em sua voz. “Acho que você quer que eu saia. Não estou provando ser uma boa escrava,” disse ela ironicamente. Ele acariciou seu rosto, seus dedos sobre sua bochecha. “Eu quero ficar com você, minha Serena. Eu quero mais que tudo.” “Então eu vou ficar.” A determinação em suas palavras a sacudiu. Elas pareciam tão finais, quanto ela era tão incerta. Não queria fazer uma promessa que não poderia manter. Eles tinham um contrato, pelo amor de Deus. Uma história que poderia ser retirado se uma ou mais das partes desejasse. Isso não devia ser pessoal. Eram negócios. “O que você está pensando?” Perguntou ele. “Uma sombra cruzou sua face, e de repente você parece tão triste.” Ela suspirou e esfregou seu rosto contra a sua palma. “Isso não deveria ser...” “Envolvimento? Emocional? Doloroso?” Ela assentiu com a cabeça. Ele usou as palavras certas. De que outra forma descreveria a crueza e a dor que não tinha nada a ver com o beijo do cinto. “Talvez a gente não devesse continuar... isso,” disse ela. “Eu não vou tomar a decisão por você,” disse Damon. “Eu quero que você fique, mas eu não posso e não quero fazê-lo.” “Eu quero ficar aqui.” disse ela enquanto engolia de volta o tremor em sua voz. “Então você deve ficar.” “Você faz parecer tão simples.” Ele puxou o queixo e esfregou o polegar sobre o lábio inferior. “É simples. Se você quer ficar, então não vá.” “Eu me sinto como se tivesse perdido algo. Uma parte de mim. Mas eu não sei o quê, então como posso ter saudades disso?” “E o que você ganhou?” Ele perguntou baixinho. 245


Ela olhou para ele com olhos arregalados, sua pergunta bateu nela com força suficiente para bater a respiração. Ganhar. Perder. Não era a vida de um processo que nunca terminaria para ambos? Ela olhou para baixo, sem saber o que dizer. Ele virou-lhe o pulso para olhar o relógio e, em seguida, fez um som de lamento. “Você vai se atrasar se não tomar banho e se vestir agora, minha Serena.” Ela deitou a cabeça em seu colo por um longo tempo enquanto seus dedos escorreram em seu cabelo. Então acenou com a cabeça e empurrou-se para ficar na frente dele. E esperou. Ele levou a mão aos lábios e beijou-a. “Vá agora, Serena. Vou ver seu café da manhã, enquanto se prepara para o trabalho. Eu estarei na sala de jantar.”

246


Capítulo Trinta e Dois “Você não pode nos evitar para sempre, Serena. Não ache que não irei aparecer em seu escritório e arrastá-la e chutá-la até gritar, se eu tiver que fazer isso,” Faith disse quando Serena respondeu em sua linha do escritório. Serena suspirou e colocou a palma da mão na cabeça doendo. Ela sentou para frente em seu assento, porque sempre que se se encostava ao couro, suas costas irritadas ainda sensíveis doíam. “Estou ocupada, Faith. Tentando recuperar, depois de ter sido afastada do trabalho por uma semana.” Faith bufou. “Você está me evitando, e ambas sabemos disso. Fique feliz que sou eu ligando, e não Julie.” “Sim, bem, porque ela não está?” Serena perguntou. “Não gostaria que ela perdesse a oportunidade de ser intrometida.” “Ela está muito ocupada planejando.” “Eu não quero nem saber,” disse Serena. E não queria. Estava simplesmente muito cansada, e tinha muito em sua mente que se preocupar ou não, se Julie já ia fazer algum movimento em Nathan. Ela disse isso a Faith. “Acho que ela está desistindo de Nathan. Bem, depois que mostrar a ele o que está perdendo.” Serena revirou os olhos, divertida, apesar do peso que pesava sobre ela. “Você provavelmente deve saber, ela planeja se aproximar de Damon.” “O quê?” “Não pessoalmente, e não até depois do seu mês terminar,” disse Faith rapidamente. “Ela quer que ele crie uma fantasia para ela.” “Pelo amor de Deus,” murmurou Serena. “Ele não é um cafetão.” “Diz à mulher que veio a ele pedindo a mesma coisa?” Faith salientou.

247


“Você não é carinhosa comigo agora, Faith.” “Se isso faz você se sentir melhor, tanto Gray e eu tentamos convencê-la a cair fora. Por razões diferentes, se você se importa. Eu não tenho um problema com o estabelecimento de Damon, apenas a motivação de Julie. Gray odeia a Casa e acho que ele tem medo de Julie me arrastar para lá,” terminou com uma risada. Serena não queria pensar sobre o fim do seu tempo com Damon, ou que Julie estaria indo a ele pedir ajuda. Quem diria que ele não seria voluntário para a fantasia de Julie? Culpa incomodava mesmo enquanto pensava assim. Damon nada tinha dito ou feito para fazê-la acreditar que se aproximaria de sexo de forma tão casual que saltaria de sua cama para a de sua amiga. E por falar em amigos... “Faith, a cerca de Micah.” “O que sobre Micah?” Faith perguntou. “Você e ele... Bem, você e ele e Gray tem um acordo?” Deus, como diabos ela supostamente devia colocar isso de qualquer maneira? “Por que você está perguntando?” Faith perguntou suavemente. Foda-se. “Ele me viu nua. Damon não planejava as coisas dessa maneira. Foi minha culpa. Mas então ele meio que participou de minha punição, e bem, depois, me lembrei que você e ele... ou seja, você e ele e Gray... Bem, eu me senti mal com isso.” “Serena, não há nada entre mim e Micah exceto uma profunda amizade. Eu o amo muito, e sim, fizemos sexo. Uma vez. Não existe nenhum acordo. Gray teria um enfarte se alguém sugerisse. Mas agora, você sabe que vai ter que me contar tudo sobre esta punição que Micah participou, porque soa muito quente.” Serena gemeu. “Olhe, podemos fazer isso outra hora? Você tem certeza que estou viva e bem, e realmente tenho trabalho para fazer, e com certeza não quero sair tarde hoje e causar a mesma dor em Damon que fiz ontem à noite.” “Mas você está bem?” Faith perguntou baixinho. “Não tive a impressão de que as coisas estavam bem ontem. Estou preocupada com você, Serena. Eu me preocupo com você desde o começo disso. E estou preocupada com Damon. Não quero ferir qualquer um de vocês.” 248


“Eu não quero nos magoar, também,” Serena disse baixinho. “Mas temo que possa ser tarde demais.” “Oh, Serena.” A voz triste de Faith filtrou sobre a linha. “Você quer que eu te encontre para almoçar?” “Eu realmente aprecio você estar tentando ajudar, Faith. Realmente. Mas isso é algo que tenho que trabalhar sozinha.” “Entendo, mas preciso dizer uma última coisa. Se você não pode dar a Damon o que ele quer, o que ele precisa, então, deixe-o ir.” Serena olhou para o telefone por um longo tempo após Faith desligar. Deixá-lo ir. Parecia tão fácil. E devia ser. Quem inferno tomaria uma relação depois de apenas uma semana? Ok, tinha sido mais de uma semana. Mas não muito, e ainda era cedo demais para se sentir tão profundamente por outra pessoa. Mas não era isso que era importante. Eles queriam coisas diferentes, e não coisas insignificantes como comidas preferidas, ou diferentes marcas de pasta de dente. Damon queria uma mulher como Serena tinha fingido ser na semana passada, e a queria, numa base permanente. “Serena?” Serena olhou para cima para ver Carrie em pé na porta do escritório. Ela franziu o cenho. Carrie tinha estado chorando. “O que há de errado?” Ela perguntou abruptamente. “Senhora Tasco acabou de ligar.” “Algo deu errado com o cruzeiro?” Serena perguntou. Os olhos de Carrie se encheram de lágrimas frescas. “Não, na verdade, foi perfeita. A Senhora Tasco disse que nunca tinha visto Michelle tão feliz. Elas estavam programadas para retornar ao porto hoje. Michelle morreu enquanto dormia na noite passada.” Serena ficou completamente parada. Seu peito doía com o aumento da pressão. “Eles só queriam dizer muito obrigado,” disse Carrie com a voz embargada. “Eles disseram que as últimas horas de Michelle foram tão cheias de alegria e admiração. O cruzeiro da princesa que você arranjou foi o destaque da sua vida.” 249


“Sabe quando será o funeral?” disse Serena. “Mande flores.” Carrie estava ali, sua expressão de surpresa. “É isso? Isso é tudo que você tem a dizer?” “Somente isso, Carrie. E se isso é tudo, agora estou muito ocupada.” Carrie virou-se e saiu do escritório de Serena, fechando a porta atrás dela. Por um longo momento, Serena olhou para a porta fechada. Então, baixou a cabeça para sua mesa, escondendo o rosto nos braços. Seus ombros tremiam incontrolavelmente enquanto as lágrimas vieram. Ela estava enganando a si mesma. O que dava aos seus clientes não era real. Não era nem mesmo um substituto para o real. Ela tratava de jogos e decepção. Poderia dar a uma menina a pompa de ser uma princesa, mas não poderia dar a ela o que mais importava. Uma vida longa e saudável com os pais que a amavam. Damon estava errado. Sonhos morrem. Eles morreram a cada dia.

Damon estava sentado em sua cadeira quando Serena entrou pela porta naquela tarde. Ele colocou seu laptop de lado e olhou para cima, disposto a chamá-la de novo. Suas boas-vindas morreram em seus lábios, quando viu o rosto pálido e tenso. Deixou cair sua pasta ao lado da porta e tirou os sapatos quase mecanicamente. Então ela caminhou lentamente em direção a ele, seus olhos pesados com tristeza. Parecia como se estivesse chorando, mas estava completamente seca nos olhos agora. Ele levantou-se e atravessou a sala ao seu encontro. Assim que chegou perto, um pequeno grito irrompeu de seus lábios e ela se jogou em seus braços. Ele a puxou para perto e segurou-a enquanto soluços rachavam de seus lábios, caindo bruscamente sobre seus ouvidos. Ele guiou-a para o sofá, meio carregando e, em seguida, sentou-se, puxando-a para baixo em seu colo. “Serena, me diga o que está errado. Você está machucada? O que aconteceu?”

250


Ela escondeu o rosto em seu pescoço e segurou-a firmemente, acariciando os dedos em sua pele. Seus soluços continuaram a derramar, então ele simplesmente segurou-a, até que finalmente ela acalmou e jazia flácida contra seu peito, sua força drenada. “Serena?” Ela ficou tensa e prendeu a respiração leve, e seu corpo parecia pequeno e frágil contra o seu. Tremor apertou em seu pescoço, porque ele não podia evitar, mas sabia o que ela ia dizer. “Estou saindo, Damon,” ela disse em uma voz rouca e tranquila. “Rasguei o contrato. O acordo está desfeito. Você está livre.” Ele ficou quieto. A dor do seu anúncio chocou com a sua ferocidade quando não deveria ter. Ele sabia que estava chegando, e ainda sentia cada palavra como um serrote sobre seu coração. “Por quê?” Perguntou ele. Ela começou a se afastar, quase em movimentos violentos, ela procurou livrar-se de seu abraço. Mas não iria deixá-la. Não, iria enfrentá-lo e dar-lhe a razão, caramba. Ele não faria mais fácil para ela, quando esta era a coisa mais difícil que já teve de enfrentar. Ele reuniu seus pulsos em suas mãos e segurou-as perto de seu peito. “Ora, Serena? Você me deve uma explicação.” “Eu te devo explicação nenhuma,” disse ela com uma voz fria. “Qualquer das partes pode rescindir o contrato quando quiser.” “Eu não dou a mínima para a merda do contrato. Não se trata de um pedaço de maldito papel, Serena. Isso é você e eu, e o que nós compartilhamos, e mereço saber por que você está jogando fora.” “Eu não posso viver uma mentira por mais tempo,” ela sussurrou. “Dói. Tudo que eu faço é uma mentira. Não é real. Não pode ser real. Não posso dar às pessoas o que elas realmente querem ou precisam, e você não é diferente. Não posso dar o que você precisa Damon, por isso estou deixando você ir.” Olhou-a quando a explicação ilegível caiu de seus lábios. Ela se empurrou para longe dele novamente, e desta vez ele a soltou. Ela se virou para ir, mas antes que desse um passo, ele disse seu nome. Hesitou, mas não se virou. 251


“Eu te amo, Serena.” Desta vez, ela parou. Podia ver seus ombros tremendo, ver os dedos embolados nos punhos em sua cintura. “Fique,” disse ele baixinho. Lentamente, ela se virou a devastação escrita em seu rosto. Sua boca apertou, e sua garganta trabalhou para cima e para baixo quando ela engoliu. “Não,” ela sussurrou. E lá estava. A única palavra que nunca disse. A única palavra que disse a ela que acabaria tudo. Sua dor foi impressionante e feroz. A finalidade do que rolou por cima dele até que mal podia suportar. Sua mão voou para a sua boca e fez um som, um som, ferido doloroso que um animal pode fazer. E então correu.

252


Capítulo Trinta e Três

Serena sabia que estava empurrando-se muito duro, sabia que estava evitando suas amigas, e sabia, sem sombra de dúvida que não tinha uma oração para recuperar Damon. Ela era uma covarde, uma cadela, e estava inconsolável. Não compareceu ao funeral de Michelle. Carrie estava lívida e a tinha chamado de insensível. Serena não negou. Se tivesse qualquer espécie de coração, não teria amarrado Damon ao longo de promessas que não poderia cumprir. Ah, não tinha feito nenhuma promessa abertamente, mas tinha se comprado para a fantasia inteira. Perdeu-se em algo que não era real. Ela queria, e queria muito. Não, ir ao funeral, não era algo que poderia segurar, mas ainda assim, se encontrou caminhando lentamente em direção à lápide de Michelle com sombras da noite alongada. Recém cavada, à sujeira estava em cima do pequeno monte e uma enorme variedade de flores decorava o espaço. O olhar de Serena caiu sobre a pedra brilhante, ainda tão nova, onde o nome de Michelle foi gravado. Lágrimas rolavam quando viu que, abaixo de seu nome, seus pais tinham acrescentado uma inscrição. Sempre a nossa princesa. Serena se ajoelhou e cuidadosamente inclinou para colocar uma tiara na cabeça da sepultura. “Se houver justiça, você está reinando no céu com um vestido rosa de princesa, uma tiara de diamantes e um cetro violeta,” sussurrou Serena. “Eu sinto muito, não pude fazer por você a única coisa que mais importava.” “Mas você fez.” Serena chicoteou culposamente ao redor e viu a Senhora. Tasco ali, lágrimas brilhando em seu rosto. “Sinto muito,” Serena murmurou de onde estava. “Eu não queria me intrometer.” Ela começou a se afastar, mas a Senhora Tasco tocou o braço dela quando chegou perto.

253


“Por favor, não vá.” Serena hesitou dividida entre a necessidade de se afastar antes que sucumbisse às lágrimas em seus olhos, e o fervor da dor que viu refletido nos olhos de uma mãe. “Eu ouvi o que você disse, e está errado. Não havia nada que alguém pudesse fazer para a saúde de Michelle. Deus sabe que tentamos. Vimos inúmeros médicos, tentei tratamento após tratamento, mas nós sabíamos... nós sabíamos que ela não tinha tempo. O que você fez foi dar a uma menina que tinha conhecido tanta dor e tristeza um motivo para sorrir, rir, ser feliz, mesmo quando ela sabia que estava morrendo. Por isso, Senhorita James, você sempre terá a minha gratidão eterna.” Sua voz quebrou em um soluço, e ela cobriu a boca com os dedos trêmulos. “Eu nunca poderei pagar-lhe a visão do rosto da minha filha iluminada como milhões de sóis quando ela dançou em sua cerimônia de coroação, a bordo do navio de cruzeiro. Ou para o olhar no rosto de seu pai, que girou ela em torno da pista de dança.” Ela envolveu Serena em seus braços e abraçou com força quando os soluços acumularam. “Lamento pela sua perda,” Serena sussurrou, sabendo que não era suficiente, que nunca seria suficiente. “Obrigado. Obrigado de mim e seu pai, de ambos. Nós nunca vamos esquecer o que você fez para nossa filha.” Serena tentou sorrir e falhou. A Senhora Tasco apertou a mão dela e depois se moveu lentamente passando fora do local da sepultura. Uma leve brisa soprava as lágrimas secas no rosto de Serena, e nenhuma as substituiu quando ela olhou de volta para a tiara repousando na frente da pedra. Realização e a morte dos sonhos. Vida. Ela poderia recitar a merda, sobre como as coisas eram cíclicas, mas não lhe traria qualquer paz, e maldição, com certeza não iria fazê-la se sentir melhor sobre uma princesinha que queria tão pouco e deu tanto. Exausta e doente do coração, ela começou a caminhar de volta para seu carro. Apesar de ter estado quente e abafado, com apenas uma brisa para quebrar o calor opressivo, Serena abraçou os braços próximos ao corpo dela e colocou a cabeça para baixo enquanto caminhava ao longo do caminho aparado do cemitério. Seus dedos pairavam sobre a faixa no braço que Damon tinha dado a ela, escondida pela manga. Ela não tinha tirado, ou a tornozeleira. Não podia suportar. 254


Quando chegou ao estacionamento, cavou no bolso do seu jeans suas chaves, e quando olhou para cima, ela viu de pé em seu carro, Julie e Faith. Elas não esperaram para ela reagir, dizer Olá ou ir embora. Elas convergiram, flanqueando-a e passando um braço em volta da cintura e dos ombros. “Gray disse que ele e Connor iriam enviar seu carro a caminho de casa,” Faith disse quando direcionou Serena para seu veículo. “Você está vindo comigo e Julie ainda temos que chutar o seu traseiro.” Quando ela nem sequer ofereceu um argumento, Julie deu-lhe um olhar preocupado. “Você parece exausta, Serena. Quando foi a última vez que dormiu?” “Eu não dormi.” Ela fechou os olhos para evitar que as lágrimas viessem. “Não deste que deixei Damon.” Faith suspirou e empurrou-a gentilmente no banco da frente. “Onde você está me levando?” Serena perguntou suavemente quando Faith deslizou no assento do motorista. Julie ergueu-se para o banco de trás. “Bem que poderíamos chamá-lo de alguma besteira piegas, como intervenção, mas prefiro chamá-lo de nós chutando o seu traseiro.” Serena riu, mas pareceu duro e feio. Ela inclinou a cabeça contra o assento, enquanto as lágrimas quentes deixaram rastro de sal por suas bochechas. Julie apertou seu braço, quando Faith saiu do estacionamento. Elas dirigiram em silêncio, e Serena manteve os olhos fechados, não querendo ver a piedade ou preocupação nos olhos de suas amigas. Ainda não tinha ideia de onde estava indo, mas se envolvia comida e sono, ela certamente poderia lidar. Ela adormeceu, e quando acordou de novo, Faith e Julie estavam puxando-a para fora do banco da frente. Como ela cambaleou aos seus pés, o cheiro de sal e uma brisa sopravam suavemente através de seus sentidos. “Onde estamos?” Ela perguntou tentando piscar a névoa de seus olhos. “Casa de Praia,” disse Julie.

255


Serena franziu a testa enquanto subiam os degraus até a casa grande. A única luz brilhou na varanda, acolhedora e convidativa. “Casa de quem?” “Será que isso importa?” Faith perguntou, irritada. “Acho que não,” resmungou Serena. “Enquanto tem comida e um travesseiro.” “Eu diria que é hora de você começar a falar sobre comer e dormir. Você parece que não teve tanto em uma semana,” disse Julie. Serena suspirou. Ela perdeu a conta dos dias. Não importava. Faith abriu a porta, e entrou. Julie voltou para fora para as suas malas enquanto Faith colocava Serena no sofá com as instruções para ficar. “Sim, mãe,” resmungou Serena. Elas se preocupavam, intimidando-a, empurrando até que ela comesse cada coisa que colocaram no prato que prepararam para ela. Ela temia o fim da refeição, pois sabia que era quando elas começariam a ir à procura de respostas. Mas para sua surpresa, a arrumaram para a cama. “Durma um pouco, Serena,” Faith pediu. “Nós estaremos aqui quando você acordar. Você já correu o suficiente.” Serena assentiu reconhecendo o que ela tinha ouvido, mas já estava indo para dormência. Julie olhou para Faith e segurou o dedo nos lábios, em seguida, inclinou a cabeça em direção à porta. Elas caminharam para fora e fecharam a porta do quarto antes de retornar para a sala. “Preciso ligar para Damon,” Faith, disse. “Ele está muito preocupada com ela.” “E Gray. Ele ficara louco por você chegar aqui sem ele,” disse Julie. Faith estremeceu. “Eu ficarei louca por ele mesmo, mas pelo menos não é a mesma casa de praia. Damon vendeu a que Gray foi baleado.” “Você acha que nós estamos fazendo a coisa certa?” Julie perguntou. “Eu não posso decidir, mas sei que não poderia assistir passivamente a sua autodestruição. Inferno, Faith, o que vamos fazer quando ela acordar? Eu não tenho as respostas.” Faith fez uma pausa no ato de tirar seu telefone celular. 256


“Honestamente? Eu não acho que Serena vai ficar melhor, até ela e Damon estarem juntos novamente.” “Eu mencionei que odeio intromissão de amigas?” Julie resmungou. “Eu odeio ser mais ainda. Foi a sua decisão, Faith. Nós não podemos fazê-la voltar para Damon.” ���Eu disse a ela para desistir dele,” Faith disse dolorosamente. “Eu deveria ter ficado de fora.” “Oh, cale a boca. Serena não deixou Damon porque você disse para ela, e se fez, ela é uma grande idiota que eu pensava.” Faith nivelou um olhar para ela. “Sabe, Julie, Serena é incrível e eu não tenho cortado sua garganta. Se eu fosse você, ia dormir esta noite de luz acessa.” “Ligue para o homem, e depois chame Damon. Eu não acho que já vi um homem tão preocupado com uma mulher. Faz tudo por dentro pegajoso.” “Vamos só espero que isso funcione,” Faith disse quando bateu no teclado do seu telefone.

257


Capítulo Trinta e Quatro A luz do sol a furou direto através de seu globo ocular, logo que Serena conseguiu colocar um olho aberto. Com um gemido, virou-se para que o sol estivesse fora de seu rosto. Seu olhar caiu sobre o relógio, e viu que era meio-dia, precisamente. Cada músculo em seu corpo doía, e fez uma careta quando tentou mover de modo que só estava ali a ouvir o som distante do golfo. Um grito ecoou das gaivotas diretamente fora da janela seguido por outro e ainda outro. Paz. Tal criatura, indescritível doce. Ele zombou dela em cada vez. Faith e Julie esperavam fora da porta e Serena não estava preparada para ir ainda. Ela se aprofundou debaixo das cobertas, o sono ainda estava escondido perto do horizonte. Seria tentador se retirar e dormir até que esquecesse, até a dor e a tristeza irem embora. Mas ela já provou ser uma grande covarde no mundo. Com um suspiro, ela balançou as pernas para o lado da cama e se levantou. Percebeu que ainda estava com a roupa de ontem sobre o tempo que viu a calça jeans e camiseta, sobre a cômoda contra a parede. Aparentemente, ela devia adicionar invasão para a lista de crimes que Julie e Faith foram acumulando. Elas, obviamente, invadiram seu apartamento antes de raptá-la, levando-a para a praia. Um sorriso suavizou a tensão ao redor dos lábios. Elas eram as melhores. Elas a arrastariam de volta ao mundo chutando e gritando, elas a ouviriam chorar e reclamar e lamentar, mas depois elas diriam para calar a boca e acabar com isso. Ela pegou suas roupas e foi para o banheiro que dava ao quarto e se enfiou dentro. Depois de uma ducha rápida, ela quase se sentia humana novamente. Vestiu-se e depois voltou em seu quarto para pegar a jaqueta que usara na noite anterior. Sua mão encontrou a faixa do braço novamente, e traçou o contorno através da manga da jaqueta. Ela fechou os olhos, decidida a não ceder à tristeza arremessando através de sua mente. Ela firmou a sua compostura e, em seguida, se arrastou pelo corredor, pronta para enfrentar suas sequestradoras. 258


A sala estava silenciosa e vazia, mas quando Serena olhou para fora das portas de vidro que davam ao deque de madeira com vista para o mar, ela viu Faith e Julie esparramadas em espreguiçadeiras, com bebidas na mão. Ela endireitou os ombros, respirou fundo e se dirigiu para a porta. Tão logo ela deslizou na porta aberta, Julie e Faith ambas sentaram e viraram para olhar para ela. “Bem, você parece melhor,” Julie disse sem rodeios. “Não que você pareça ótima, mas definitivamente um passo acima da bosta de cavalo pisoteada.” Serena sorriu ironicamente. “Obrigado, Julie.” Faith levantou-se e tomou-lhe o braço e imediatamente a levou para uma espreguiçadeira. “Sente-se,” ela insistiu. Então se virou para Julie. “Pegue um pouco de suco e algo para comer. Então vamos fazê-la falar.” Serena riu e ficou maravilhada com o quão estranho parecia. “Haverá dor envolvida?” “Só se você foder sobre nós,” Julie disse quando foi para dentro. Serena sentou na espreguiçadeira que Julie tinha desocupado e recostou-se, dirigindo seu rosto para o sol. O calor espalhou sobre sua pele, mas estranhamente, ainda sentia frio no interior. “O que aconteceu Serena?” Faith perguntou baixinho. “Eu parei de tentar vender arco-íris e desejos.” “Que diabos isso significa?” “Isso significa que cansei de tratar de fantasias, Faith.” “Mas o que acontece com o seu negócio? Seus clientes? Serena, que faz tanta gente feliz.” Serena fechou os olhos. Exceto ela. No que ela falhou miseravelmente e machucou um homem bom no processo. “Tudo bem então, o que eu perdi?” Julie perguntou quando voltou para fora. Ela colocou um prato no colo de Serena, forçando-a a abrir os olhos novamente. Então, pegou um copo de suco.

259


“Aparentemente, Serena está se desfazendo da Fantasy Incorporated,” Faith disse sombriamente. “Dizer o quê?” “Estou vendendo o negócio,” Serena disse calmamente. “Mas por quê?” Julie exigiu. “Esta era a sua ideia, o seu bebê.” “Não mais,” disse Serena baixinho. “Alguém pode assumir e fazer o mesmo. Não é só para mim. Estou cansada de... fantasia. Não é real. Nada foi.” “Ok, estamos falando aqui de seus clientes ou estamos falando de você e Damon?” Faith perguntou. As mãos de Serena tremiam ao redor do copo de suco, fazendo-o chapinhar precariamente perto do aro. Ela sentou-se para frente e colocou o copo no resto da perna da espreguiçadeira e baixou o prato na plataforma. “Damon merece alguém que não esteja jogando,” ela sussurrou. “Alguém fora de fantasia e emoções baratas.” Faith suspirou. “Serena, você só deu uma semana. Então, correu como se os cães do inferno estivessem atrás de você.” Serena baixou a cabeça e colocou as mãos sobre o rosto. “Eu amo ele, Faith.” “Whoa, volte,” exclamou Julie. “Eu estava com você até essa parte. Você ama o cara, depois de apenas uma semana, mas ao invés de tentar ficar ao redor para ver como as coisas funcionam, você o despeja? Faz todo o sentido para mim.” “Você não entende,” disse Serena quando levantou a cabeça novamente. Faith se inclinou para frente em sua cadeira e pegou a mão de Serena na dela. “Então, nos faça entender, Serena. Porque você está obviamente infeliz. Você está nos evitando. Não está comendo. Não está dormindo. E Julie está certa. Você parece estar lutando com o inferno. Tem que parar.” “Como você para de amar alguém?” Serena perguntou. “Eu nem sei se é ele que eu amo, ou se estou apaixonada pela fantasia que ele me deu. Você vê o meu problema agora? E como é

260


que vou acreditar que ele me ama, quando nunca lhe dei o meu verdadeiro eu, a verdadeira Serena? Ele adora a fantasia. Ama o ideal que lhe vendi.” Faith expulsou um longo suspiro. Mesmo Julie não tinha nada a dizer. Primeira vez. Finalmente Faith apressou-se a ir perto de Serena e olhou duro nos olhos. “Tem certeza de que não lhe deu a Serena real?” Faith perguntou gentilmente. “É o pensamento do que ele quer, é tão repugnante para você?” “Foi um jogo,” disse Serena. “Um papel que desempenhei, um papel que ele desempenhou.” Faith levantou a mão. “Tudo o que você pode pensar sobre suas ações, deixe-me garantir que nunca Damon desempenhou um papel. O que você viu, o que você tem, foi Damon. Ele não brinca. Sim, entraram em acordo, mas foi porque você queria o que ele poderia lhe dar. Ele não tem que atuar Serena. Esse é o Damon real.” “Olha, aprecio o que vocês estão tentando fazer. Acreditem. Mas não quero falar sobre isso. Não quero relembrar, porque isso é tudo que eu fiz na semana passada. Só quero esquecer.” Mesmo quando ela disse, um calafrio serpenteou através de suas veias, e agarrou o casaco apertado em torno dela. Talvez estivesse pegando um resfriado. Deus sabia que não estava tomando conta de si mesmo. Damon teria tomado conta de você. Ele nunca deixaria você chegar a ficar tão degradada. Ela fechou os olhos e sacudiu a cabeça. Não era responsabilidade de Damon cuidar dela. Era sua. “Você pode esquecer?” Faith perguntou. “Sério? Ou você está indo, em vez de estragar a melhor coisa que já aconteceu com você, porque tem medo?” Serena deu a sua amiga um olhar assustado. “Medo?” “Sim, medo. Com medo de que se você colocar a sua fé, seu bem-estar, todo o seu ser nas mãos de Damon, ele vai desapontar, que vai foder com você.” “Serena, se esse for o caso, então você nunca terá um relacionamento com um homem,” Julie disse com um suspiro. “Acredite em mim, eu sei. Não tenho certeza de que o medo nunca vai

261


embora. Nós somos mulheres. Nós somos condicionadas a temer a traição, eu acho. Ou pelo menos se sente assim.” “Não é isso,” Serena disse baixinho. “Damon não me machucaria. Eu sei disso. Tenho medo de não ser o que ele precisa. Tenho medo de machucá-lo.” Faith suspirou. “Você não deveria deixar Damon decidir se quer ou não correr o risco?” Serena não tinha resposta para isso. A questão a desbaratou porque era muito perto da verdade. Ela tinha tomado a decisão de sair das mãos de Damon inteiramente. Escondeu o rosto nas mãos. Estava tão malditamente cansada. Queria dormir por um ano. Faith apertou-lhe a perna e levantou de sua cadeira. Serena olhou para cima para vê-la verificar o relógio e trocar olhares com Julie. “Nós temos que correr para a loja de suprimentos,” disse Julie. “Por que você não fica aqui no sol. Não demoraremos muito.” Serena assentiu. “Obrigado, pessoal. Realmente.” Faith se inclinou para abraçá-la. “Nós só queremos que você fique melhor.” “Se você tivesse um botão de retroceder, isso seria legal,” disse Serena com um sorriso torto. Faith olhou para ela com olhos graves. “Você realmente voltaria e apagaria o que teve com Damon se pudesse?” Serena olhou para a água, observando como as ondas rolavam na terra e depois recuavam. “Não,” ela disse honestamente. “Eu não trocaria essa semana por nada do mundo.”

262


Capítulo Trinta e Cinco Damon parou na sua casa de praia e desligou o motor. Quando saiu, viu Julie e Faith descendo a escada da casa. Pareciam tristes e preocupadas. Faith veio-lhe imediatamente e deu-lhe um abraço. “Ela não está indo bem, Damon. Ela precisa de você.” Será que precisava? Ele precisava com certeza dela. Queria. Mas não tinha ideia do que Serena queria. “Onde ela está?” Ele perguntou baixinho. “Deixamos ela no deque,” Julie disse laconicamente. “Ela está uma bagunça. Está falando sobre a venda de seu negócio. É como se houvesse desistido.” Damon fechou os olhos. Havia feito isso com ela? Tão desesperadamente infeliz? “Vá falar com ela,” Faith disse suavemente. “Convença-a, Damon. Ela está com tanto medo.” Ele quase riu. Com medo nem sequer chegava perto de descrever seus sentimentos. Ele estava absolutamente aterrorizado. Apavorado de falhar, e que saísse sem ela. “Nós estamos indo,” disse Julie. “Chame se você precisar de nós, ok?” “Obrigado,” disse ás duas. “Vocês são boas amigas de Serena. Ela tem sorte de ter vocês. Se eu conseguir do meu jeito, ela vai embora comigo.” Ele viu como elas chegaram ao carro de Faith e foram embora, e então se virou para olhar para a casa de praia. Faith lhe tinha dito no telefone que Serena estava exausta, não tinha comido e parecia o inferno. Ele queria entrar, vira-la sobre o joelho e espancar o seu traseiro, por não cuidar bem de si mesma, mas não ia ganhar todos os pontos em sua perseguição. Ao contrário, ele foi cuidadoso andando na ponta dos pés até que pudesse encontrar uma maneira de convencer Serena que pertencia a ele e que pertenciam juntos. Ele apertou os olhos contra o sol e subiu os degraus. Entrou pela porta da frente e se dirigiu para o andar de trás. Quando chegou às portas de vidro, porém, não a viu na espreguiçadeira.

263


Ele abriu a porta e saiu, verificando a praia. Seu pulso saltou quando a viu, de pé ao longe, de costas para ele enquanto olhava por cima da água. Ele atravessou o deque e fez o seu caminho no corredor de madeira sobre as dunas, e depois pisou na praia. Ao aproximar-se dela, diminuiu o ritmo. Havia uma fragilidade em sua posição. Seus braços estavam abraçados apertados em volta do corpo, e estava encolhida em uma jaqueta, como se o vento soprando esfriasse os ossos. Seu cabelo chicoteava como estrias de meia-noite, e então ela se virou, ainda que levemente, e ele pegou uma pitada de seu perfil, a suavidade de seu rosto e o conjunto triste de seus lábios. Faith estava certa. Ela parecia cansada. Parecia cansada, mas ainda estava bonita. Minha Serena. Ele não sabia se devia ficar onde estava, ou ir até ela, ou esperar que ela se virasse e o visse ali. A espera foi agonizante, ele se preparava para lutar uma batalha, não estava preparado para perder. Então ela se virou, e os belos olhos expressivos ampliaram em estado de choque.

Serena olhou com espanto a Damon, que estava a poucos metros de distância. Ele estava vestido para um dia no sol. Shorts cáqui, camisa pólo e sandálias marrons. Óculos de sol foram empurrados para o alto da cabeça, bagunçando seu cabelo ligeiramente. Ele estava muito magnífico, e ficou ali olhando para ela, seus olhos castanhos brilhantes, com preocupação. Mas ele estava aqui. Alegria, pura e livre, inundou o corpo dela até que temia que caísse de joelhos. Ela cambaleou e jogou a mão para fora, só para apanhar o ar enquanto tentava se equilibrar. Ele se adiantou para pegá-la, mas ela se endireitou e piscou fora o choque de vê-lo tão perto depois de tantos dias. “O que você está fazendo aqui?” Ela perguntou baixinho.

264


“Eu vim por você.” Um arrepio trabalhou ao longo de seu corpo. Ele franziu a testa, preocupação brilhou em seus olhos. “Você está com frio?” “Eu tenho tido frio desde o dia em que deixei sua casa,” ela sussurrou. Ela queria chorar. Mas mais do que isso, queria se esquentar novamente. Ele estendeu os braços, e ela entrou neles, incapaz de negar o conforto de seu abraço. Enfiou a cabeça debaixo do queixo, e colocou seu rosto no peito dele. Ela fechou os olhos enquanto seu calor descongelou dentro dela. Lentamente, o gelo começou a derreter. A pulsação começou a baixar, e um doce alívio sussurrou delicadamente em suas veias. Ele baixou os dois para a areia, organizando o seu corpo ao seu redor quando a posicionou entre suas pernas. Manteve-a firme, absorvendo os tremores do seu corpo quando o frio diminuiu gradualmente, e podia sentir o sol mais uma vez. “O que aconteceu, minha Serena?” Perguntou ele contra seus cabelos. “Por que você saiu?” Ela escondeu o rosto em seu pescoço e tentou segurar as lágrimas na baía. “Ela morreu Damon,” disse ela com voz rouca. “Michelle, a menina que falei. Ela morreu durante o cruzeiro que eu arranjei para ela.” Damon acariciava seus cabelos, oferecendo-lhe conforto com seu toque. Ele estava calmo e metódico, não havia urgência em suas ações. Nenhuma pergunta. Apenas aceitação. Ele teria bastante aceitação por ambos? “Sinto muito,” disse ele com voz rouca. “Eu sinto muito, Serena. Por que você não me contou? Por que você não me deixou ajudá-la? Por que saiu?” Por um longo momento estava ali, incapaz de formar uma resposta ao redor do nó na garganta. Sabia que seus pensamentos não eram lógicos. Talvez sempre soubesse que estava perseguindo uma fantasia. Damon esperou. Ele ficou ali sentado em silêncio, apenas segurando-a enquanto ela coletava sua coragem.

265


“Eu pensei que se eu pudesse dar-lhe o seu sonho, seria o suficiente para salvá-la. Que se pudesse fazer mágica por ela, eu poderia salvá-la.” “Oh, querida,” disse Damon, com a voz embargada de emoção pulsando em sua garganta. “Quando ela morreu, percebi que nada que tinha feito, fez a diferença. Nada disso. Ela ficou alguns minutos sendo uma princesa, e seus pais têm uma vida a viver sem sua filha.” “Meus clientes ainda têm que voltar para suas vidas normais. Eles gostam de uma breve pausa e nada mais. Percebo agora o quão cruel é. Dar a alguém um gostinho do paraíso, só para arrancá-lo fora? Eu não consigo pensar em nada pior.” “Eu nunca soube, nunca teria sabido se não tivesse tentado cumprir a minha própria fantasia. Foi então que percebi que há coisas piores do que nunca viver o seu sonho, ou nunca ceder em uma fantasia. É muito pior para obter um bom gosto, e saber que não é real, nunca será real, e então voltar para sua vida normal sabendo como é a perfeição, e que você nunca vai tê-la novamente.” “Algumas coisas... Algumas coisas são melhores deixadas no reino da fantasia,” disse ela baixinho. “Eu acho que entendo o que você está dizendo,” disse ele. Ela puxou um pouco para fora para que pudesse olhar em seus olhos. “Você? Então você sabe por que eu não posso... porque nós não podemos...” Ele balançou a cabeça. “Eu disse que entendi o que você estava dizendo, não que eu concordei.” Ele ergueu a mão para o rosto dela, e arrastou seus dedos sobre sua testa e sua bochecha. Apertando, quando tocou-lhes os lábios. “Tenho um monte que quero dizer a você, e quero que você ouça cada palavra.” Ela assentiu com a cabeça lentamente. “Ótimo. Agora, entendo que você está com medo. Entendo que a volatilidade da nossa atração, do nosso relacionamento, deixou você com medo. Está me deixando tremendamente assustado, também.” Seus olhos se arregalaram. “Não fique tão surpresa, minha Serena. Você me jogou para uma maldita corrida.” Ele se inclinou e roçou um beijo leve nos lábios antes de retirar novamente. 266


“Em algum lugar ao longo do caminho, você decidiu que a Serena que me deu de presente de si mesma, não poderia ser real. Não só que ela não era real, mas nunca poderia ser o que eu queria e precisava. E assim, decidiu que, a fim de fazer o que era melhor para mim, ia me deixar. Não importava o fato de que nenhuma vez você me consultou sobre o assunto. Muito irritante, não acha?” “Não é tão simples assim,” argumentou, lembrando que ela disse exatamente a mesma coisa para Julie e Faith, não há muito tempo. Ela desviou o olhar, não mais capaz de cumprir a intensidade do fogo de seus olhos. “Serena, olhe para mim,” disse ele gentilmente. Ele não a pegou, não puxou no queixo como tinha tantas vezes feito antes. Mas ela voltouse de qualquer maneira, não conseguindo resistir ao seu pedido de fala mansa. “É tão simples, ou tão complicado como o fazemos. Eu? Eu sou um tipo simples de homem. Eu te amo, e espero o inferno que você me ame, ou que talvez possa me amar, com um pouco de tempo e persuasão de minha parte.” “Você, por outro lado, é tão complicada como se vê. Torce-se em nós até que não sabe qual lado é para cima. Tenta se convencer de que não pode ser o que quero ou preciso, mas nunca me perguntou o que eu quero. Ou o que preciso. Porque se você tivesse? Eu teria dito uma só coisa. Você.” Ela abriu a boca, mas nada saía. Ele limpou o polegar sobre o lábio como se a remoção a desobstruísse. “Não tem nada para me dizer agora? Como você está arrependida por ter me abandonado, ou que sente muito por preocupar o inferno absoluto fora de mim, ou que tive de fazer suas amigas a raptarem, para que eu pudesse vê-la novamente?” Ele respirou fundo como se estivesse recolhendo sua própria marca de coragem. “Ou que você me ama só um pouquinho?” Ela olhou para ele por um longo momento, tentando igualar sua coragem, tentando formar as palavras e trabalhá-las após o nó na garganta. “Eu te amo,” sussurrou finalmente.

267


O olhar de alegria absoluta, o alívio esmagador que inundou seus olhos, a fez perder o fôlego. Suas mãos tremiam tão gravemente contra seu rosto que ele tinha que segurá-las para impedir de bater em sua pele. Ela colocou as mãos no rosto neste momento, necessitando o contato e precisando entender que o amor era o centro de tudo, não um fim na equação. “Eu acho que eu te amo,” ela emendou. “Eu quero te amar. Só quero ter certeza de quem é que eu amo, e quero ter certeza de quem é que você ama.” “Você vai precisar de um tradutor disso, minha Serena, porque você me perdeu na parte, que eu te amo.” “Você foi muito honesto sobre o que você quer em um relacionamento, Damon. Fui honesta sobre o que eu queria da minha fantasia. Você disse que nunca iria se contentar com menos. E tenho medo da pessoa que se tornou durante essa fantasia.” “Por que ela te assusta, Serena?” Ele perguntou baixinho. “Por que você acha que esta parte de quem você é, não pode ser reconciliada com todas as outras facetas de sua personalidade?” “Eu perco a noção de mim mesma quando estou com você,” desabafou. “Você é um vício, Damon. Não posso suportar a ideia de decepcionar você. Faria qualquer coisa para você, e isso assusta a merda fora de mim. É como se, logo que chego perto de você, tenho esse desejo enorme de agradar, de fazer qualquer coisa que você quer de mim. Você entende isso?” “Entendo, porque vivo isso todos os dias que estou com você,” ele falou. “Você acha que eu não queimo, para agradar? Que eu não vivo com medo de decepcionar você, que não tenho medo de deixar você desapontada, ou que não vou protegê-la? É um inferno, Serena. Mas é também o prazer mais doce que já conheci.” Ela o olhou, atordoada por sua declaração. Espelhando seus próprios sentimentos, seus medos e pânico. Descreveu a linha irregular que ela andou com ele muito bem. “E se chegar um dia que eu não possa dar o que você pedir?” Ela engasgou. “E quando a fantasia morrer, e a pessoa que faria qualquer coisa para agradá-lo deixasse de existir? E depois?” Ele colocou um dedo sobre seus lábios. “Eu nunca vou pedir uma coisa que não possa dar, minha Serena. Só quero o que você ofereça livremente. Só quero você. Comigo, pertencendo a mim. Eu protegendo-a, estimando-a, 268


honrando-a com cada respiração minha, com meu corpo, minha alma e meu coração. O que temos não é fantasia. Você pode ter se convencido de que não é real, mas não tem como ficar mais real do que aquilo que nós compartilhamos.” Seu coração doía tanto que ela temia que estivesse inchando diretamente para fora do seu peito. Como poderia fazê-lo entender que o que mais temia era decepcionar a ele? De ver o amor que brilhou tão forte em seus olhos desaparecer e morrer, porque ela não poderia ser o que ele queria? “Não há nada dizendo que temos que correr para isso,” continuou. “Tudo que quero é uma chance. Tempo. Você comigo. Nós trabalharemos juntos.” “E se eu te decepcionar?” Perguntou ela. “Se decidir que não posso ser o que você quer? E depois?” Ele sorriu e abanou a cabeça. “Mulher teimosa, cabeça-dura. Você não ouviu uma palavra do que eu disse? Serena, você pode se chamar muito bem do que quiser. Eu nunca gostei da palavra escrava, como Faith pode atestar. Essa era a sua palavra, sua etiqueta. Você uma vez me perguntou do que devia me chamar, e eu lhe disse Damon. Apenas Damon. Então, por que não podemos ser Damon e Serena? Duas pessoas apaixonadas. Nós podemos trabalhar todo o resto.” A esperança tremulou, subindo em direção ao sol a do refúgio frio em sua alma. O pulso acelerou, contra sua vontade, ela olhou para frente ao que poderia ser, se desse uma chance. “Estou doente até a morte com a palavra fantasia,” disse Damon. “Se eu nunca mais ouvir isso, serei mais que feliz. Eu sou real. Você é real. Nosso amor é real. A atração é real. Os vergões em sua bunda bonita foram reais.” Suas mãos se moveram para seus braços, e seus dedos colidiram com a faixa no seu braço através do material da jaqueta. Ele acalmou e olhou para ela, a questão em seus olhos. Em seguida, cuidadosamente puxou a manga do casaco até que a teve meio fora. A faixa de ouro brilhou no sol brilhante, contra sua pele pálida. “Você os manteve,” ele disse suavemente. “Você me deixou, e ainda assim continua a usar os presentes que lhe dei. Minha marca de posse.” Ela levantou a mão para tocar o projeto intricado, traçando uma das linhas até que bateu em sua mão. 269


“Eu não podia suportar tirá-las,” ela admitiu. “Parecia tão definitivo.” Ele colocou sua outra mão sobre o braço oposto, e puxou-a delicadamente com ele. Seus lábios se tocaram, reverentemente, em busca. Como seu corpo pressionado perto dele, ela podia sentir a tensão rolando através de seu corpo, e foi então que percebeu o quanto ele estava com medo. “Que história é essa de você vender o seu negócio?” Ele perguntou em voz baixa quando se afastou. Não houve censura ou reprovação, nenhuma decepção. Apenas preocupação amorosa que a fez inchar e doer na garganta. Ela baixou a cabeça só para ele, para seu queixo, e puxou gentilmente até que ela o encarou com os olhos lacrimejantes. “Não posso mais fazer isso,” ela sussurrou. “Não posso vender sonhos falsos.” Seu olhar suavizou, e o olhar que ele lhe deu disse a ela que estava tão cheio de compreensão, ela teve que engolir as lágrimas. “Você está crua, agora, e com dor,” disse ele gentilmente. “Acho que você deve dar tempo a si mesmo antes de tomar qualquer decisão sobre o seu negócio. Passe algum tempo comigo, minha Serena. Dê-nos uma chance. Deixe-me cuidar de você. Deixe-me afagar você do jeito que quero estimá-la. Então, quando estiver pronta, pode decidir sobre a Fantasy Incorporated. Não há pressa. Você e eu temos todo o tempo do mundo.” As lágrimas que tinha ameaçado pinicaram suas pálpebras, silenciosamente pelo seu rosto. “Eu tenho tanto medo,” ela sussurrou. Mas, ao mesmo tempo, o peso, o fardo que estava carregando, levantou e bateu asas. Ela se sentiu mais leve e livre com a esperança renovada. Ele a puxou para fora apenas o suficiente para que pudesse olhar nos olhos dela. “A única forma de você me decepcionar é não nos dando uma chance, porque tudo que quero de você, é que seja minha.” Ela olhou para ele por um longo tempo, tendo a sinceridade do amor em sua voz. E então ela sorriu entre as lágrimas. “Eu certamente nunca quero te desapontar, Damon.” “Então diga que sim,” disse ele, sua voz rouca e urgente. “Diga que vai vir para casa comigo.” 270


Ela enrolou os braços em volta do pescoço dele, e levantou os lábios aos seus. Pela primeira vez, seus medos desapareceram. Esperança renovada, viva e forte, subiu quente através de seu coração. “Leve-me para casa,” ela sussurrou.

271


Maya banks sweet 02 doce persuasão