Issuu on Google+

Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

A Arte do

Novo Milênio Banksy: a refinada arte das Ruas

Página 8

Quicumbi: o ritmo esquecido

Página 3


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

Minha conversa com o Bruxo Tonitruantemente, apresento-me novamente, Olegário P. Script, da célebre família Scrypt vinda do caldo primevo e daquela mesma corrente genealógica originária da África, donde, por sinal, vem toda a humanidade. Em minha busca por conhecimento, deparei com uma figura ímpar e deveras misteriosa. Seu nome era Saint Marlin, bruxo, mago, cartomante, ilusionista, tarólogo, filófoso, menestrel, edil e arredio. Depois de muito Gugar (procurar no Google), achei seu endereço. O quanto antes fui visitá-lo numa cidade do Interior chamada Lugar Comum. Ele residia no bairro Clichês, na rua Obviedade Ululante. Logo ao adentrar em seu recinto, minhas narinas foram inundadas por um forte cheiro de incenso que me desnorteou um pouco. Sentado em sua poltrona, com a careca brilhante e o olhar penetrante, Marlin convidou-me a sentar. Logo de primeira, soltei a frase: - Mestre, tenho dúvidas que me inquietam na noite e me fazem perder o sono! Quero perguntar-lhe algumas. Sem titubear, ele respondeu calmamente: - Querer é poder. Meu coração se encheu de luz. Que frase! Que presença de espírito! Uma máxima que foi dita tantas vezes, que todo mundo conhece, mas dita pelo mago alcançou outros parâmetros. Fiz-lhe a primeira inquirição: - Mestre, já te arrependeste de algo? - Só do que não fiz - respondeu de pronto. Me curvei de admiração! Minha mente se esvaneceu em borbulhas elétricas! Todos os artistas da Globo, cantores e celebridades já tinham falado essa frase. Afinal, não são as coisas que não fizemos que nos assombram nas noites insones? As que fizemos já sabemos a c@g@da que deu. Mas dito pelo menestrel máximo, ela deveria ser talhada em pedra e colocada em alguma praça para a posteridade. Seguindo minhas perguntas, indaguei-lhe: - Mestre, existem seres extraterrestres? - Seria muita prepotência do ser humano achar que somos os únicos seres deste universo imenso. Quase entrei em delírios orgásmicos. Que conclusão maravilhosa! Que mente aguçada! Havia ouvido esta frase muitas vezes, mas proferida pelo mestre reconfigurou meu cérebro e seguiu-se um frêmito epifânico pela minha espinha. Para finalizar, pedi que me recomendasse um livro que mudasse minha vida. Ele colocou a mão no queixo e falou em voz serena: - O Pequeno Príncipe... E tenho dito.

página 2

O CORREIO

Woodstock Gaúcho 5º FestMalta resgata o espírito de liberdade e o apego à natureza Pouco a pouco as barracas e excursões começam a chegar ao balneário Lindos Lírios de Santa Lúcia, a sete quilômetros de Ibarama, município conhecido no Centro-Serra como “Terra das Árvores”, para o maior festival de música independente da região. Muito além de um simples acampamento de ritmos, o 5º FestMalta resgata duas das principais características dos primórdios do Rock and Roll: o espírito de liberdade e o apego à natureza. Engana-se, porém, quem pensa que o evento é só música e nada mais. De 21 a 23 de janeiro, serão realizados shows e espetáculos teatrais; oficinas de desenho e malabares, bem como debates sobre música independente e sociedade brasileira. Estarão à disposição dos participantes banquinhas com comercialização de produtos feitos pelos próprios artistas, praça de alimentação, bar, camping, banheiros, piscinas e estacionamento. Guardadas as proporções, o FestMalta é um verdadeiro Woodstock. Durante todo este final de semana, centenas de pessoas de diversas cidades serão recebidas pelos organizadores do festival. Conforme o coordenador, o músico Ediberto Patta, são esperadas mais de mil pessoas nos três dias do evento. PROGRAMAÇÃO A programação do Festimalta teve início nesta sexta-feira, com a Rádio Festmalta. Logo depois houve shows com bandas convidadas. Para sábado, além de shows e oficinas, haverá mesa redonda sobre Redes Colaborativas - Nova cena independente do Brasil e Coletivos Culturais. A peça teatral “Vocês viram meu cachorro?” - Livre adaptação da obra de Victor Sant"Anna - a cargo da Companhia de Teatro Entrelinhas promete animar a noite. Para domingo, está prevista a apresentação de Esquete do “Auto da Compadecida” com o Grupo de Teatro Guerrilha. Oficinas e palco livre também estão previstos. Estão programados shows com bandas convidadas e o encerramento está a cargo do cantor Wander Wildner (ex-Replicantes).


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 3

O CORREIO

Quicumbi O ritmo esquecido de Cachoeira Desaparecida do município desde 1907, a antiga tradição do Quicumbi é uma dança dramática de origem afrobrasileira, pertencente ao chamado "Ciclo das Congadas". Este, por sua vez, é uma manifestação cultural e religiosa celebrada em algumas regiões do Brasil. Consiste em um desfile pelas ruas no qual era encenada a coroação do rei e da rainha do Congo. Havia duas facções que se revezavam durante o festejo. Uma simbolizava o grupo pró-rei, os "Capitães da Espada" junto com a corte, a outra chamada de mouros ou caboclos era pró-embaixador, inimigo simbólico do rei e da rainha. Estes dois grupos desfilavam ao som da batucada do ritmo chamado Quicumbi, o mesmo Cucumbi do Rio de Janeiro que acabou por originar os cordões carnavalescos e seus blocos atuais. Dedicando mais de dez anos de estudos a este fenômeno artístico, o músico e pesquiQuicumbi em desfile pela Rua Sete de Setembro no início do século XX, antes de ser proibida no ano de 1907 sador Alexandre Florez explica que o Quicumbi era uma estilização de três cerimônias que existiam na África. O Cucumbi, rito de preparação para o casamento das meninas, e a circuncisão do menino, que marcava sua entrada no mundo adulto. A sagração do rei Congo através de um sacrifício de sangue e o Mutambi, uma espécie de saudação para apaziguar a alma dos mortos. Um verdadeiro apaixonado pela história do samba, Alexandre revela estar fina- Segundo Alexandre, aqui a tradição desapareceu em lizando um livro no qual pretende contar um pouco das raízes do gênero musical 1907 devido à imigração europeia para a qual as surgido no centro do Rio Grande do Sul, entre Rio Pardo e Cachoeira, e as influên- tradições africanas causavam descontentamento. cias que Quicumbi teve em sua formação. "Em Rio Pardo era proibido os negros saírem à rua

Por que o Quicumbi acabou em Cachoeira?

"o objetivo de minha pesquisa é mostrar que em Cachoeira existiu o Quicumbi, o que ele era, de onde ele veio, como se originou e qual foi a influência dele na constituição do samba diferente que até hoje se puxa por aqui."

com o Quicumbi, aqui era permitido porque os açorianos que vieram para se instalar à margem esquerda do Jacuí já conviviam com esta tradição desde o séc. XV em Portugal. Quando chegaram aqui, trouxeram seus escravos e, para eles e suas famílias, era natural ver seus negros saindo com o Quicumbi." A festa acontecia três dias por ano: no Natal, no Ano Novo e no Dia de Reis (seis de janeiro).

Congado em litografia de Rugendas, pintor alemão que viajou por todo o Brasil durante o período de 1822 a 1825, pintando os povos e costumes que encontrou.


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 6

Dom Charuto Etiquetas Por Paulo Rogério Bueno

Confira os novos e exclusivos umidores Trinidad e S.T. Dupont, muito mais do que lugares para se armazenar charutos: Umidor Trinidad - Para celebrar seus 40 anos, a Trinidad (uma das principais marcas da Habanos SA, estatal cubana que comanda a produção e o comércio de tabaco em Cuba) lançou um umidor superexclusivo para os aficionados. Feito artesanalmente com cedro e madeira majaguá, a peça tem um tom verde natural, cor presente nos selos e embalagens Trinidad.

Dentro do umidor estão 40 charutos comemorativos das quatro décadas da marca, todos com 14,7 centímetros e vitola 52, mesmas medidas do icônico Cohiba Siglo VI, um dos principais charutos cubanos. Muito mais do que um objeto para guardar charutos, o umidor é um item de colecionador, já que foram produzidas apenas 400 peças. Os umidores estarão disponíveis nas Casa Del Habanos fora do Brasil. Mais informações podem ser obtidas em: w w w. h a b a n o s . c o m / article.aspx?aid=47 )

O CORREIO

Umidor S.T. Dupont - A clássica marca francesa de luxuosos acessórios masculinos S.T. Dupont, conhecida por elevar a produção dos cases para charutos ao estado da arte, apresentou o Premium 75. O umidor é completamente feito a mão, em um trabalho artesanal minucioso e exclusivo, e tem design sofisticado e clássico. O Premium 75 é feito em mogno, revestido em couro espanhol e tem capacidade

para 75 charutos. Para manter a qualidade e a integridade dos charutos, um higrômetro de metal cromado controla a umidade, deixando os cubanos em ótimas condições. Design clean, acabamento em madeira laqueada e muita sofisticação já fazem desse um item de colecionador para os apreciadores de um bom cubano! O umidor ainda não tem data de chegada ao Brasil (www.st-dupont.com).

Por: Taste

Aos charuteiros (as) de plantão, um ótimo final de semana

Quadrinhos


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 8

O CORREIO

Artes Plásticas no Novo Milênio O

Banksy: a refinada arte das Ruas

grafite já se estabeleceu como uma arte nobre e é reconhecido por intelectuais do mundo todo por sua atuação em prol da recuperação e humanização dos espaços urbanos. Aqui no Brasil, o grafite, que veio na bagagem dos movimentos sociais pautados pela cultura Hip hop, salva milhares de cidadãos de uma vida sem arte e sem esperança através de projetos sociais. Os murais artísticos de alguns grafiteiros, hoje, podem literalmente valer dez ou vinte vezes mais do que os prédios que os abrigam. Assim é o caso de um dos maiores artistas do movimento: Banksy. O notório e controvertido artista de rua britânico, cujos inconfundíveis trabalhos em stencil são facilmente encontrados nas ruas da cidade de Bristol e em Londres, tem hoje seus desenhos considerados como patrimônio da cidade e, ironicamente, apagá-los é que se tornou crime. A "street art" ou arte de rua, como ficou conhecida, é uma forma híbrida de expressão utilizada por uma nova geração de artistas que utilizam spray, stencils, pôsteres e esculturas, mas acima de tudo, muita criatividade para expressar suas críticas sociais.

Herdeira da pop art de Andy Warhol, com suas fotos coloridas de Marilyn Monroe, a street art é o maior movimento de contracultura desde o punk inglês dos anos setenta.

Com um forte cunho social e muito humor, Banksy nos chama atenção para as complexidades da imagem no século vinte e um e para os perigos constantes aos quais todos nós temos de enfrentar para não permitir que a tão sonhada democracia no mundo seja apagada do mapa para dar lugar a regimes autoritários.


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 9

O CORREIO

Bem-vindos ao Teatro Kabuki Branca como a lua, a face de uma gueixa se projeta lenta e melancolicamente em direção ao chão, de um dos braços despontam dedos delicados, da outra um frondoso leque de papel colorido. Quem já não viu esta cena? E quem não ficou intrigado com seus significados? A cultura japonesa não é milenar como muitos pensam. O Japão teve por muito tempo o Império Chinês como uma metrópole cultural. Sua escrita não existia até o séc. IX, antes disto, os ideogramas chineses eram usados. Mas a obstinação espartana dos japoneses em preservar sua cultura, isto sim, é digno de honrarias, mais do que as parcas moedas que alguns políticos acham que vale a nossa história.

O monte Fuji além das ondas, por Katsushika Hokusai (1760-1849)

Um destes fenômenos artísticos enigmáticos e antigos é o Teatro Kabuki. Sua origem remonta primeiramente ao teatro Nô do séc. XV, em que os atores usam máscaras especiais, e os movimentos têm significados narrativos, a marcha, o ângulo e a velocidade do movimento formam palavras e sensações. A música marca o compasso e intensifica a atmosfera emocional da peça. Estes elementos se mantiveram, depois, na segunda e mais tradicional forma de teatro do Japão, o Bunraku, que se desenvolveu no final do século XVI. É interessante notar o profundo respeito dado aos seus bonequeiros, que são considerados como guardiões do verdadeiro teatro! E as implicações do gesto do homem controlando a ficção é sempre levada em conta. Os marionetes do Bunraku têm movimentos complexos, como expressões diferentes no rosto e movimento dos olhos.

De fato, o que há de milenar no Japão é sua família real, um verdadeiro fóssil vivo, que não se alterou desde antes de cristo, o chamado Jimmu tenno. Mais porque os Xoguns, líderes militares que governaram o Japão por 600 anos, nunca precisaram matar a família real e os usavam como fantoches. Para a mentalidade japonesa, quando uma cultura externa acaba por se introduzir e se estabelecer através da sensibilidade e rigor artístico japonês, ela invariavelmente ganhará uma característica própria. Quando isto é percebido, ela é rapidamente institucionalizada e preservada e foi isto que eles fizeram. Preservaram fenômenos culturais medievais inalterados para serem vistos hoje.

Todos estes elementos se manifestam no Kabuki do começo do séc. XVII, no qual as cores vivas e a pintura, facial além da entonação da voz, movimento das mãos, postura dos olhos, e a música sempre onipresente, formam todos um espetáculo de pura graça e beleza! E que Deus nos perdoe se as próximas gerações forem privadas de contemplá-la.


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 10

O CORREIO

PLUS

Cinema

O LEGADO DE TRON Estreou no dia 17 de dezembro nos cinemas da capital mais um grande sucesso em 3D. Tron Legacy, a continuação de um clássico da década de 80. A história trata do tema da realidade virtual. A semelhança de Matrix com seus homens-programas, o mundo de Tron é uma realidade paralela de perigos e inteligências. Tron, de 1982, foi um filme importante para a época, sendo um dos primeiros a usar efeitos computacionais em grande parte de suas filmagens. Acabou por praticamente criar o conceito visual do que seria, na época, o futuro do Cyberespaço.

Este termo foi criado pelo escritor de ficção científica William Gibson em 1984 no seu livro Neuromancer. Tratava de um futuro sombrio, no qual a realidade virtual seria mais atraente que o mundo físico, mas que acabaria por ser só mais um terreno de disputas e fraudes, só que com seus operadores vivenciando a física deste mundo paralelo.

Assim como o Tron de 82 foi um marco na tecnologia do cinema, Tron Legacy traz um grande atrativo, a reconstituição do ator Jeff Bridges, do filme original, totalmente montada por computador. O efeito ficou a cargo da empresa de efeitos especiais que fez o filme O Curioso Caso de Benjamim Button.

Tron de 1982: o início da informática no cinema

Se seguirmos a lei criada por um dos pais da Cibernética, que diz que a velocidade de processamento e capacidade de armazenagem dos computadores dobram a cada 18 meses, então podemos concluir que em 2029 os nossos PCs caseiros terão a capacidade de um cérebro humano! E se continuarmos esta conta, na virada do século, os computadores chegarão ao poder de processamento de toda a humanidade junta! Qual será o impacto disto nas vidas das pessoas? Como será a Internet nesta época? Acho que Tron Legacy em 3D dará uma id eia...

Um clássico do cyberpunk revisado em 2010


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 11

O CORREIO

Literatura

O Homem de Porcelana O chá quente se espalha pelas páginas do Talmude. Jacob Green acorda de seu pequeno cochilo. Ele sobressalta-se ao ver que mais uma vez manchou sua única herança de família. Seu primeiro impulso é rapidamente limpar a página atingida, mas a fumaça que parecia sair das próprias letras do livro, levantando-se graciosamente ao ar como um anjo bailarino, lhe faz cair em profunda meditação... A fumaça da grande chaminé enegrecida se espalhava no ar como um bando de pássaros cancerosos. Jacob Green está longe de terminar o seu trabalho de hoje, os cadáveres não param de vir e ele deve cuidar de todos eles. Ele podia sentir a morte como uma eletricidade correndo pelas entranhas do campo de extermínio. Almas esvanecentes se amontoavam em toda a extensão das cercas eletrificadas, aglutinando-se, primeiro às dezenas, e depois às centenas... Jacob Green podia vê-las nitidamente! Mas preferia que não... A vida na Schtetel não era fácil, havia pessoas egoístas e até cruéis, mas quem pode julgar os males que um coração não cicatrizado reflete? E depois, quem tinha dinheiro para ir até Vienna e contar seus problemas a Sigmund Freud? Não, a vida naquele lugar era difícil, mas sempre carregada de uma atmosfera de santidade. Um tempo diferente, mais lento, impelia os sentimentos dos homens para o bem. A vida em Treblinka era como um grito eterno, que só cessava quando Jacob caía no sono. Quando os ruídos agudos ficavam abafados, só com muita concentração ele conseguia sonhar uma vida antes da guerra. Na maioria das vezes tinha sonhos terríveis! Em sua mente ele via o Rabi Zizel, seu querido professor, caído no chão alvejado por um tiro nas costas. A fina armação de seus óculos torta, e a grossa lente rachada. O olhar aflito do Rabi se agarrava ao de Jacob enquanto sua boca pronunciava palavras sem som: — Termine o golem Jacob, ele vai nos salvar a todos! Apesar da pobreza, Jacob era feliz, sentia em seu peito uma profunda ligação com seus irmãos e irmãs da Schtetel. Quando uma criança estava pronta para começar a mergulhar nos estudos, seu pai a embrulhava com o chale de oração, como um pergaminho da Torah, e a levava à escola comunitária para manter o compromisso com a sabedoria. E quando alguma criança reclamava da rígida disciplina dos estudos, o Rabi Zizel dizia que o conhecimento é como uma roupa que vamos tecendo ao longo da estrada, quanto maior estas vestes, mais estaremos protegidos para a vida. As portas do alojamento são abertas de forma abrupta por um chute do soldado da SS. Jacob acorda de seu sono... Um soldado entra gritando e mandando a todos que levantem. Mais soldados armados entram no recinto depois dele. Todos ficam em fila na frente de suas camas. Depois de todos em forma, o capitão entra calmamente, os passos de suas botas ecoando na mente de Jacob, fazendo com que seu corpo trema sem parar. Quando o olhar do capitão se debruça sobre Jacob Green, encontra um homem frágil que não consegue parar de tremer... — E você, o que está escondendo de mim? Um dos outros prisioneiros, no afã de sobreviver, salta à frente dizendo: — Sim! Sim, capitão, ele esconde um homem de barro embaixo de sua cama! Jacob arregala ainda mais seus olhos, perden do completamente o controle de seu corpo. — Sim, veja capitão – diz o homem, segurando no braço do militar e depois se abaixando para olhar embaixo do beliche onde Jacob dormia. O capitão, enojado pelo toque do homem, tira a pistola do coldre e dispara em sua nuca enquanto ele ainda estava abaixado. Um dos soldados vem para ver o que o delator estava tentando mostrar, mas é impedido pelo capitão. Relfrossenhem olha nos olhos de Jacob parado a sua frente, com muita minúcia, esboça um pequeno sorriso e chama os soldados para se retirarem.

Do lado de fora do alojamento um dos soldados indaga ao capitão se não deveriam olhar embaixo da cama daquele prisioneiro, pois era óbvio que seu tremor denunciava sua culpa. O capitão calmamente diz: — Eu estou cansado de matar os sem-esperança! Se ele tiver algum tipo de arma embaixo da cama, espero que tente usar! E aí sim, o meu prazer será completo! — Você sabe por que o homem rico deve preferir ajudar a um cego ou alguém que não tenha um braço do que a um pobre que é um erudito Talmudico, Jacob? pergunta o Rabi Zizel — Por que, Rabi? – pergunta de volta Jacob. O Rabi Zizel, com um brilho no olhar, responde: —Ah! Porque o homem rico nunca sabe, Jacob, um dia, talvez em um acidente, ele pode vir a se tornar um homem cego ou perder o braço... Mas ele nunca será um erudito Talmudico . O grande corpo de barro é arrastado por Jacob por todo o percurso até os fornos, como que por milagre nenhum soldado viu este procedimento. Chegando lá, Jacob mistura o corpo do golem com os demais que serão incinerados. Este era o seu trabalho, afinal!Alimentar os fornos de fome infinita com os corpos inertes de seus irmãos e irmãs. Jacob submerge a escultura nas chamas, como das outras centenas de vezes que teve de fazer isto com corpos de carne. A única diferença desta vez é que ao invés da triste cinza resultante das outras vezes todas, o que emergiria seria a esperança. Naquela noite no alojamento mesmo, o mais desesperado se entregou para o mistério da beleza da escultura de pele vítrea. Jacob disse a todos que o golem estava absorvendo seus sonhos e lembranças durante todo o tempo em que estava sendo preparado, e convidou a todos para naquela noite se concentrarem em suas mais preciosas memórias, pois mesmo depois de todos ali mortos, o golem continuaria sonhando as lembranças por eles... É claro que alguns ficaram céticos, mas naquela noite as lembranças se tornaram lindos sonhos para todos, mesmo para aqueles que não acreditavam no homem de porcelana de Jacob Green. Na noite seguinte todos cantaram e dançaram despreocupadamente no alojamento e quando os guardas vieram gritando, eles simplesmente os ignoraram... Mesmo com os tiros e as agressões eles não paravam... O capitão Relfrossenhem foi chamado, e quando vasculhou debaixo de todas as camas, não encontrando nada! Foi até Jacob e lhe ordenou com fúria que indicasse onde escondeu as

por carlos francisco moraes

armas! Jacob se limitou a contar uma história que seu Rabi havia lhe contado: — Quando os Romanos queimaram em praça pública os milenares pergaminhos da Torá, e muitos quiseram se revoltar em uma fúria suicida, um sábio Rabino chamado Baruk Omelamed os impediu, dizendo que apenas o pergaminho queima, mas seus escritos sobem aos céus... A suave tranquilidade de Jacob foi demais para Relfrossenhem. Ele não entendia o que Jacob havia feito para todos aqueles farrapos humanos se sentirem vivos outra vez! Ele praguejava perguntando a Jacob o que ele havia feito e onde tinha escondido. Finalmente perdendo o controle ao ver todos cantando juntos uma velha canção judaica, atirou no rosto de Jacob, que caiu como um homem de pano... Depois, mandou que os soldados atirassem em todos. E assim foi feito. Após uma semana procurando o segredo de Jacob Green, ele encontrou uma escultura da estatura de uma criança, enterrada próximo das fornalhas. Ele sentiu que aquela escultura de barro com um leve brilho vítreo estava de alguma maneira ligada ao evento no alojamento trinta e três, embora sua mente não entendesse como. A sensação de impotência diante do inefável fez com que ele se atirasse com fúria assassina sobre a escultura, e quando retirou seu punhal e tentou cravar no peito da figura, a lâmina se quebrou, alojando-se na garganta dele, que depois de alguns minutos de desespero caiu inerte sobre o chão de Treblinka. As estreitas ruas da Schtetel, antigos pergaminhos amarelados, suaves melodias de violino. Um menino descalço contemplando à luz de velas o templo magnífico do rei Salomão, os Salmos recitados para os entes queridos, os Sabaths, Jacob Green e seu golem... Houve quem tentasse calar estas histórias, mas elas permanecerão eternas. Seladas no âmbar translúcido do sonho.

Glossário: Talmude = Livro da lei judaica Schtetel = pequeno bairro judaico Menorah = candelabro de sete velas Rabi = diminutivo de Rabino Golem = ser mitológico de barro ao qual o cabalista habilidoso sabe animar Torah = O livro sagrado dos judeus Treblinka = campo de concentração nazista Sabaths = dia santo judaico Jacob Green =nome de um mago cabalista de uma lenda judaica da idade média.


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 14

O CORREIO

Tecnologia

Campus Party. O maior evento de tecnologia do Brasil Termina neste domingo o evento mais aguardado entre os amantes de tecnologia e ciências, a Campus Party, que se iniciou na segunda feira no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo (SP). O evento, que reuniu 6,5 mil pessoas, é a verdadeira "Meca" dos malucos por computação e reúne de uma só vez mídias sociais, softwares livres, games, case modding, desenvolvimento de aplicativos e empreendedorismo. Os ilustres palestrantes convidados deste ano demonstram a importância do evento que contará com a presença de nada mais nada menos do que Al Gore, o ex-vice presidente dos Estados Unidos no governo de Bill Clinton, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2007, ativista ecológico e grande entusiasta do uso consciente da tecnologia, KulWadhwa, diretor-gerente da Wikipedia Foundation, que pretende comemorar os seus 10 anos durante o evento, Stephen Crocker, um dos criadores da Arpanet, rede militar que originou a internet e Tim Berners-Lee, o criador do "WorldWideWeb", o nosso famoso "www". As palestras foram divididas em quatro áreas principais: Ciência, Criatividade, Entretenimento Digital e Inovação, e como sempre acontece na CP, muitos participantes acampam no local, para aproveitar melhor o cronograma de eventos. Os ingressos custaram R$ 140 e é preciso se inscrever com antecedência nas oficinas e palestras. O evento conta com uma excelente infraestrutura, com refeições, sanitários, seguranças e médicos 24h. Você pode levar o seu notebook, o seu desktop e compartilhar ideias, propor negócios e usufruir de uma banda - acreditem se quiser!- 10Gb, patrocinada pela telefônica. O evento é aberto ao público, porém, em certas áreas de conteúdo, somente os inscritos podem acessar.

Filas astronômicas - Por volta das 9h40 de terça-feira, a fila para que os campuseiros entrassem na área Arena, onde estão as zonas de conhecimento, oficinas e palestras especiais, possuía algumas centenas de pessoas. Percorrer toda ela, que chegava a sair dos pavilhões do Centro de Exposições Imigrantes, poderia demorar até 40 minutos e osparticipantes tiveram que aguardar até 10h na fila do credenciamento.

Campus Party - Todo maníaco por informática deve visitá-la pelo menos uma vez na vida.

Fique por Dentro Case modding é uma modalidade de competição na qual vence aquele que tiver personalisado artísticamente de maneira mais criativa o gabinete de seu computador.


Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

página 15

O CORREIO

UFSM abre novo programa de pós-graduação A Universidade Federal de Santa Maria abriu em 14 de janeiro as inscrições para o seu novo Programa de Pós-graduação em História. O novo PPG da UFSM compreende os cursos de Mestrado Acadêmico em História, área de concentração História, Poder e Cultura e o Curso de Especialização em História do Brasil. O Mestrado em História tem duração de até quatro semestres. Nos três primeiros, o aluno deverá integralizar 22 créditos (14 créditos em disciplinas obrigatórias, o mínimo de quatro créditos em disciplinas eletivas e quatro créditos do exame de qualificação da dissertação), e deverá apresentar o projeto de dissertação no exame de qualificação até o final do terceiro semestre.

Periodicidade de Seleção: anual - Vagas por Seleção: dez

MESTRADO EM HISTÓRIA SELEÇÃO 2011 ETAPAS (Edital UFSM/Pós Graduação/PPGH/2011) Inscrições Análise do Projeto de Pesquisa Divulgação dos provados na análise do Projeto de Pesquisa Prova Escrita

Divulgação dos aprovados na Prova Escrita Análise do “Currículo Lattes” Divulgação dos candidatos aprovados para a Entrevista e o Cronograma do Horário Entrevista (banca por Linha de Pesquisa)

Resultado Final

DATAS 14 de janeiro até 04 de fevereiro de 2011 10 a 14 de fevereiro de 2011 14 de fevereiro de 2011 15 de fevereiro de 2011 (14 horas) Prédio Centro de Educação, Audimax 16 de fevereiro de 2011 16 de fevereiro de 2011 16 de fevereiro de 2011 17 de fevereiro de 2011 Prédio 67, Bloco B 18 de fevereiro de 2011

Um poema e seu autor Florbela Espanca

Súplica Olha pra mim, amor, olha pra mim; Meus olhos andam doidos por te olhar! Cega-me com o brilho de teus olhos Que cega ando eu há muito por te amar. O meu colo é arminho imaculado Duma brancura casta que entontece; Tua linda cabeça loira e bela Deita em meu colo, deita e adormece! Tenho um manto real de negras trevas Feito de fios brilhantes d`astros belos Pisa o manto real de negras trevas Faz alcatifa, oh faz, de meus cabelos! Os meus braços são brancos como o linho Quando os cerro de leve, docemente... Oh! Deixa-me prender-te e enlear-te Nessa cadeia assim eternamente! ... Vem para mim, amor...Ai, não desprezes A minha adoração de escrava louca! Só te peço que deixes exalar Meu último suspiro na tua boca!...

Poetisa portuguesa nascida em 1894. Viveu breves trinta e seis anos, porém, tempo suficiente para experimentar uma existência tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos que soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotização e feminilidade. Registrada como filha ilegítima de pai incógnito, embora seu pai, João Maria, fotógrafo e cineasta, nunca tenha lhe faltado com amor, a reconheceu em cartório como filha só dezoito anos após a morte dela. Foi uma das primeiras mulheres em Portugal a frequentar o curso secundário no Liceu André de Gouveia em Évora, cidade portuguesa situada na região do Alentejo. Em 1917, completou o 11º ano do Curso Complementar de Letras e matriculou-se na faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Foi uma das catorze mulheres entre trezentos e quarenta e sete alunos inscritos. Florbela tentou o suicídio por duas vezes. Em novembro de 1930, na véspera da publicação da sua obra-prima, Charneca em Flor, após o diagnóstico de um edema pulmonar, a poetisa perdeu o resto da vontade de viver. Não resistiu à terceira tentativa do suicídio. Faleceu em Matosinhos, no dia do seu 36º aniversário, a 8 de Dezembro de 1930.


PRESS START:

O CORREIO

Cachoeira do Sul, 22 e 23 de janeiro de 2011

Jogando com a História O que os jogos de videogames podem ensinar?

Que as novas gerações têm uma relação diferente do que seus antecessores com a tecnologia isto todo mundo já sabe, mas o que me diriam os professores de plantão se alguém dissesse que algumas horas na frente daquele “infernal” aparelhinho podem ser mais educativas do que estas mesmas horas de lições de casa enfadonhas? É verdade que estamos longe de termos uma quantidade ideal de jogos que unam a diversão com um algo a mais, mas para bom entendedor meia dúzia de jogos já bastam para se esbaldar entre lições de mitologia, história, inglês e até ciências! Proponho então aos pais, ou aos seus filhos, para que dêem mais atenção aos enredos e cenários dos games que estão jogando, com um pouco de discernimento, as horas “dicerebradas” na frente da tela podem virar um poderoso instrumento pedagógico. Um bom exemplo de jogos mais cabeça, e que não perdem a ação é God of War jogo primeiramente para Playstation 2, que tem uma continuação Quer saber detalhes sobre a vida de Zeus, ou para Playstation nunca mais esquecer quem é o deus da guerra da 3 onde mitologia grega? literalmente se respira a mitologia grega. O jogador controla Kratos,um general espartano, que desafia Ares, o deus da guerra, e acaba se incomodado com Zeus, pai de todos os deuses.

Outro jogo interessante é Shadow of Rome onde você terá de desvendar o assassinato de César,do qual seu pai foi acusado injustamente, mas primeiro precisará aprender o "beabá" da vida de um gladiador sobrevivendo as lutas nas arenas.

Outro que podemos citar é Assassins Creed onde você fará o papel de um espião assassino tentando parar um esquema de uma seita secreta, em plena idade média da época das cruzadas.

Uma réplica de um castelo do tempo das cruzadas

É claro que os jogos não tomarão o lugar dos livros nesta história, mas quando você perguntar para seu filho se ele está estudando para uma prova, e ele disser que está tentando saber mais sobre o seu joguinho preferido, nos livros do colégio, aí vocês saberão do que eu estou falando...


Plus 1