Plurais n.º 2

Page 1

Plurais 02 OUTUBRO 2018



04

PRIMEIRO PLANO

Loures Capital do Clarinete

10 LADO B

A música no movimento associativo

Ín dice

14 ROSTOS

Beatriz e Martim

20 OPINIÃO

António Saiote

22 RADAR

A República em Loures

28 ADN

Festa do Vinho e das Vindimas

32 GPS

Agenda


Loures

outubro grandes eventos


PLURAIS | 3

O Meeting Internacional de Clarinete, a movimentação republicana que declarou a República em Loures, a 4 de outubro de 1910, e a celebração de um produto de excelência do concelho, o vinho branco de Bucelas com a Festa do Vinho e das Vindimas. Por isso, neste segundo número da Plurais - Loures Cultura, damos destaque à música e à grande importância que esta tem no nosso Município, quer pela sua relevância nas várias atividades que levamos a efeito, quer pelo seu relevo no seio do movimento associativo local, onde as bandas filarmónicas, as orquestras ligeiras e as escolas de música têm uma preponderância acentuada. Neste número o primeiro plano é de Loures Capital do Clarinete, marca fundamental que é demonstrada no desenvolvimento que a divulgação deste instrumento tem tido em Loures, visível nos rostos que aqui vos trazemos, do Martim e da Beatriz, bem como na opinião expressa pelo maestro António Saiote. Assinalamos no nosso radar a Revolução Republicana de 1910, com o relevo que a mesma merece e com a particularidade, sempre reconhecida e merecedora de destaque, de Loures se ter antecipado um dia à proclamação oficial da República, sendo que aqui falamos, orgulhosamente, do 4 de outubro de 1910. E como no ADN do nosso concelho está sempre presente o excelente vinho branco de Bucelas, trazemos-lhes também a Festa do Vinho e das Vindimas, onde essa excelência é celebrada e onde a festa é vivida com grande alegria. A cultura em Loures continua a ser palavra viva e concretizada. Feita com e para as pessoas, de forma atuante e plural. Em Loures as pessoas serão sempre a nossa marca.

Paulo Piteira Vice-presidente da Câmara Municipal de Loures


PRIMEIRO PLANO

Clari


PLURAIS | 5

Loures

Capital

inete do


6 | PRIMEIRO PLANO

O Município de Loures tem vindo a empenhar-se na implementação de uma estratégia cultural de valorização das suas gentes e do território, reforçando a identidade e o sentimento de orgulho e pertença, potenciando o que o diferencia

e o torna único.


PLURAIS | 7

No quadro cultural e artístico, em especial na área da música e numa perspetiva histórica local – que ultrapassa já as fronteiras do território nacional – destaca-se um conjunto de virtuosos músicos, clarinetistas, originários do concelho de Loures, como Marcos Romão dos Reis Júnior, António Saiote, Jaime Carriço, Luís Gomes, entre outros, que deixam legado a uma nova geração de clarinetistas como Aldara Medeiros, Beatriz Carvalho ou Martim Barbosa. A partir do potencial de Loures neste domínio, o Município tem promovido projetos e iniciativas que lhe dão expressão, como o Meeting Internacional de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr. e Clarinete In Orquestra, com enfoque no incremento da formação, para lá da oferta e programação musical, captando a atenção e interesse de nomes de referência do clarinete no panorama nacional e internacional. Ao longo das edições destes eventos, aos portugueses António Saiote, Nuno Silva, Iva Barbosa, Luís Gomes, Nuno Pinto, Paulo Gaspar, Hugo Queirós, Francisco Ribeiro, Manuel Jerónimo, Catarina Rebelo, Bruno Graça, Victor Pereira, João Pedro Santos, juntaram-se nomes internacionais como Shigeru Ikushima (Japão), John Cipolla e Julia Heinen (EUA), Mauricio Murcia (Colômbia), Ana Catalina Ramirez (Costa Rica), Carmén Borregales (Venezuela), António Fraioli (Itália), Harri Mäki (Finlândia), Juan Ferrer (Espanha), Juvino Alves (Brasil), o trio Stroikowe (Polónia), a Orquestra de Clarinetes Princesa das Astúrias, entre outros, com os quais músicos e bandas filarmónicas de Loures tiveram oportunidade de partilhar experiências e adquirir conhecimento.


8 | PRIMEIRO PLANO

Academia de Clarinete Por ocasião do centenário do nascimento de Marcos Romão Júnior – exímio clarinetista, compositor e dedicado professor –, o Município deu mais um passo nesse desígnio, com a abertura da Academia de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr. reforçando a componente formativa, fundamental para a evolução da prática musical e artística no concelho. Também a exposição Intemporalidades Sonoras – o Maestro Marcos Romão dos Reis Júnior, patente no Museu Municipal de Loures, veio dar destaque, enaltecer e dar a conhecer este músico de referência do concelho de Loures e o legado artístico e cultural deixado e perpetuado. Loures tem e assumiu assim um rumo que vem concitando envolvimento, participação, progresso e reconhecimento em Portugal e no Mundo, o que justifica a consigna Loures, Capital do Clarinete.


PLURAIS | 9

Músicos do mundo que já passaram por Loures Ana Catalina Ramirez (Costa Rica) Ana Rita Petiz (Portugal) Andrzej Wojciechowski (Polonia) António Quitalo (Portugal) Aude Camus (França) Bárbara Borowicz (Polónia) Bogdan Ocieszak (Polonia) Bruno Graça (Portugal) Bruno Silva (Portugal) Carlos Alves (Portugal) Carmen Borregales (Venezuela) Carolino Carreira (Portugal) Catarina Rebelo (Portugal) Fernando Silveira (Portugal) Francisco Ribeiro (Portugal) Georgina Sanches (Espanha) Giovani Punzi (Itália) Grzegorz Wieczorek (Polonia) Harri Mäki (Finlândia) Hugo Queirós (Portugal) Ilídio Massacote (Portugal) Iva Barbosa (Portugal) Jarret Butler (Inglaterra) João Pedro Santos (Portugal) John Cippola (EUA) Jorge Almeida (Portugal)

José Menezes (Portugal) José Ricardo Freitas (Portugal) Juan Ferrer (Espanha) Julia Heinen (EUA) Juvino Alves Filho (Brasil) Luís Gomes (Portugal) Luigi Magistrelli (Itália) Luís Carvalho (Portugal) Luís Vieira (Portugal) Manuel Jerónimo (Portugal) Mauricio Murcia (Colômbia) Michael Lauren (EUA) Nuno Inácio (Portugal) Nuno Ivo Cruz (Portugal) Nuno Pinto (Portugal) Nuno Silva (Portugal) Paco Gil (Espanha) Paulo Guerreiro (Portugal) Paweł Krauzowicz (Polonia) Peter Wright (EUA) Philippe Cuper (França) Piotr Thieu-Quang (Polónia) Ricardo Lopes (Portugal) Roman Widaszek (Polonia) Rui Martins (Portugal) Sauro Berti (Itália) Sergey Eletski (Rússia) Shigeru Ikushima (Japão) Sun Zhen (Japão) Tiago Bento (Portugal) Vítor Fernandes (Portugal) Vitor Matos (Portugal) Vitor Pereira (Portugal)


LADO B

10 | PLURAIS

A

mĂşsica no

movimento associativo


PLURAIS | 11

O movimento associativo no concelho de Loures, com o apoio do Município, constitui-se como um dos principais motores e parceiro no desenvolvimento e incremento da atividade musical local. De há 155 anos a esta parte têm sido muitos os que dedicam parte significativa das suas vidas, de forma abnegada, à atividade musical no seio de associações e coletividades de cultura e recreio no concelho de Loures. A matriz democrática e identitária destes agentes culturais, transporta-os para uma dimensão que vai muito para lá de centros de aprendizagem e prática musical. Eles são verdadeiros espaços de cidadania, de participação e de relação harmoniosa que projetam, muito além das fronteiras da comunidade em que se inserem, o nome da terra e da sua própria cultura. E se, no passado, serviram para democratizar a arte, cumprindo uma nobre função social, cada vez mais são meios dinamizadores culturais com funções socioculturais de incomensurável valor que, em Loures, se incentiva, apoia e promove. Os 39 polos de formação, criação e divulgação musical, entre bandas filarmónicas, orquestras ligeiras e escolas de música, fanfarras e grupos corais, envolvem centenas de pessoas, de todas as idades, em projetos comuns e de forte enraizamento na comunidade, assumindo claramente a sua importância histórica, educativa e cultural e um exemplo de dedicação à arte.


12 | LADO B


PLURAIS | 13

Ver, ouvir e aprender

› Sociedade Recreativa de Casainhos › Banda Recreativa de Bucelas › Sociedade Recreativa de Pinteus › Academia Sons & Harmonia- Associação Musical e Cultural › Banda Filarmónica da Freguesia de Lousa

Orquestras Ligeiras › Academia Recreativa Musical de Sacavém

Escolas de Música

› Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fanhões

› Academia Recreativa Musical de Sacavém

› Banda Recreativa de Bucelas

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Sociedade Recreativa Musical 1º de Agosto

Voluntários de Loures

Santa Iriense

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Orquestr’UP - Sociedade Filarmónica União

Voluntários do Zambujal

Pinheirense

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Clube União Recreativo de São Julião do Tojal

Voluntários de Fanhões

› Sociedade Recreativa de Casainhos

› Sociedade Recreativa de Casainhos

› Academia Sons & Harmonia- Associação

› Banda Recreativa de Bucelas

Musical e Cultural

› Sociedade Recreativa e Cultural de Pinteus

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Academia Sons & Harmonia- Associação

Voluntários de Loures

Musical e Cultural › Escola de Música da Freguesia de Lousa

Grupos Corais

› Sociedade Recreativa Musical 1º de Agosto

› Sociedade Recreativa Musical 1º de Agosto

Santa Iriense

Santa Iriense

› Sociedade Filarmónica União Pinheirense

› Sociedade Filarmónica União Pinheirense

› Clube União Recreativo de São Julião do Tojal

› Liga dos Amigos da Mina de São Domingos

› Grupo Musical e Recreativa da Bemposta

› Casa do Povo de Bucelas

Bandas Filarmónicas › Academia Recreativa Musical de Sacavém

› Canticorum-Associação de Amadores de Música › Grupo Coral ANALOR

› Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loures

Fanfarras

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Associação Humanitária dos Bombeiros

Voluntários do Zambujal

Voluntários de Bucelas

› Associação Humanitária dos Bombeiros

› Associação Humanitária dos Bombeiros

Voluntários de Fanhões

Voluntários de Camarate


ROSTOS

14 | PLURAIS

Beatriz e

Martim


PLURAIS | 15

Depois de Marcos Romão dos Reis Jr. e António Saiote, dois nomes incontornáveis da música oriundos do concelho de Loures, começa agora a surgir uma nova geração de jovens músicos de grande valor. Martim Barbosa, de 15 anos, e Beatriz Carvalho, de 17 anos, são disso exemplo, dois jovens clarinetistas do concelho de Loures, que têm já um percurso de destaque no mundo da música. “O meu gosto pela música teve muita influência da minha família, principalmente do meu avô, que foi quem me transmitiu os conhecimentos básicos”, referiu Martim, que estuda clarinete desde os oito anos na Academia de Santa Cecília, com o professor João Pedro Santos. “Já vamos na terceira geração de músicos na família”, recordou. Atualmente a frequentar o 11º ano, no sétimo grau, Martim revela que o seu dia a dia não é muito diferente de outro jovem da sua idade. “Mas temos que nos dedicar ao clarinete, pelo menos, uma ou duas horas por dia. Temos de estudar, ter as coisas em dia, para não perder a embocadura”. Na família da Beatriz a música entrou já na sua geração. “O meu irmão começou a estudar trompete no Conservatório e eu achava piada. Ia vê-lo tocar e quis experimentar. Experimentei todos os instrumentos, mas gostei mais do clarinete. A frequentar o 8º grau na Escola de Música do Conservatório Nacional, com o professor Luís Gomes, Beatriz começou, aos dez anos, no Conservatório d’Artes de Loures. Só mais tarde é que entrou para o Conservatório Nacional com uma bolsa: “Todos os anos abrem provas para um determinado número de pessoas. Tive que fazer uma prova para poder entrar e ganhar a bolsa. Agora não pago nada até ao final do curso, por isso tenho que aproveitar ao máximo o tempo que tenho para estudar”.


16 | ROSTOS

Esta Academia é especial porque tem um nível fora do normal. É raro encontrar um nível assim.


PLURAIS | 17

Participação na Academia de Clarinete

Martim e Beatriz são frequentadores assíduos da Academia de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr., criada pelo Município de Loures, em 2017, com direção pedagógica de António Saiote, e revelam como tem sido importante para a sua formação musical e até pessoal. “Esta Academia é especial porque tem um nível fora do normal. É raro encontrar um nível assim. Não é por acaso que, todos os meses, quando há Academia, são, em média, 20 os participantes que fazem mais de 300 quilómetros, só para vir cá dois dias”, referiu o Martim. “Muitas das vezes vêm professores internacionais, o que é muito raro termos cá em Portugal. E depois temos sempre o professor Saiote que é dos melhores em Portugal e no Mundo”.


18 | ROSTOS


PLURAIS | 19

Muitas das vezes vêm professores internacionais, o que é muito raro termos cá em Portugal. E depois temos sempre o professor Saiote que é dos melhores em Portugal e no Mundo Atuações que ficam na memória

Ambos com pouco mais de sete anos de percurso musical, são já detentores de um conjunto importante de prémios. Martim arrecadou nove prémios, nos dez concursos nacionais internacionais em que participou, sendo cinco deles primeiros lugares. A Beatriz, além dos quatro primeiros prémios que ganhou, com distinção, no concurso da escola, arrecadou dois terceiros prémios em Belmonte. Foi ainda semifinalista do prémio Jovens Músicos e esteve por duas vezes na final do concurso em Fafe. Apesar de muito importantes na carreira de um músico, nem sempre são os concursos onde saem premiados que ficam na memória e no coração destes músicos. Martim recorda o concerto no Congresso Mundial em Madrid, em 2015, com a Orquestra de Clarinetes Príncipe das Astúrias: “Acho que nunca me vou esquecer porque foi uma honra, e um prazer, tocar com os músicos que tinha à minha volta. Foi mesmo incrível”. “Inesquecível” para a Beatriz foi a sua participação na semifinal do Prémio Jovens Músicos. “Deu-me muito prazer porque não sentia obrigação nenhuma, só queria dar o meu melhor e, por isso, foi inesquecível”. Mas a jovem clarinetista recorda ainda uma atuação com a orquestra sinfónica do Conservatório, em 2017, “num estágio onde o reportório era muito difícil para nós e toda a gente pensava que não íamos conseguir montar. Mas chegou o dia do concerto e conseguimos fazer tudo limpinho de início ao fim. Foi das melhores sensações”. Sensações que estes dois jovens querem continuar a ter e a partilhar com o público. “Gostava de continuar a estudar clarinete, primeiro cá em Portugal, mas depois gostava de ir para fora, tocar numa orquestra, ser solista e professor”, referiu Martim. Uma ambição também partilhada por Beatriz, principalmente porque não se veem a fazer outra coisa no futuro, que não a seja “a tocar clarinete”.


OPINIÃO

20 | PLURAIS


PLURAIS | 21

Por uma política cultural relevante António Saiote Músico

A decisão do atual Executivo de declarar Loures, Capital do Clarinete foi uma grata surpresa. Demonstrou de facto o compromisso de uma administração política esclarecida para com uma política cultural relevante e enraizada nesta terra. Toda a vida me bati para que Loures tirasse proveito de ser o berço de músicos que ocuparam e ocupam um lugar de destaque, no país e no estrangeiro. Por outro lado, o facto de terem nascido para a música na banda da Associação Humanitária de Loures tornava ainda mais premente e lógico esse destaque. O Meeting Marcos Romão honra a memória de um grande mestre e a Academia perpetua os ensinamentos dele recebidos, que eu me dediquei a ampliar e espalhar pelo mundo. Por Loures passaram já alguns dos melhores músicos nacionais e estrangeiros, na sua maioria clarinetistas, mas também de outros instrumentos. A orquestra Jaime Carriço presta homenagem a um jovem que foi solista no teatro de São Carlos e nos deixou prematuramente. Nesta orquestra coexistem alguns dos maiores valores jovens do país, assim como já dois jovens de imenso futuro do concelho – o Martim e a Beatriz. Um dia caberá a eles manter a chama excelsa! As bandas e as filarmónicas têm para mim dois objetivos fulcrais: serem um espaço aberto de ensino e fruição musicais e um alfobre onde se descobrem talentos e futuros profissionais. Esse espírito estará sempre patente nas iniciativas decorrentes da Capital do Clarinete. Num tempo onde as trevas nos tentam cobrir sob o manto do vil metal, estarei sempre grato ao Executivo da Câmara de Loures por permitir concretizar tantos sonhos dos mais novos que atrás referi e dos meus de toda uma vida. Ao apresentar Luís Gomes, há alguns anos, referi que há que perder a vergonha e realisticamente afirmar que já não faz sentido dizer “um dos melhores clarinetistas nacionais”. Hoje, por esse mundo fora, a escola portuguesa é reconhecida como uma referência internacional. Loures teve, tem e terá uma importância fulcral para esse desiderato. Meu avô e meu pai davam Marcos Romão como referência para mim. Orgulho-me hoje de ter encontrado parceiros à altura da nossa história. Bem hajam Bernardino Soares e Paulo Piteira!


RADAR

A

Repúbli em

Loures

Um dia antes do resto do país, Loures proclamou a República, lançando as bases para uma nova estrutura social e económica no concelho.


ica


24 | RADAR

A 5 de outubro celebram-se os 108 anos da República Portuguesa. Em Loures, a efeméride evoca-se no dia 4. Naquele dia, em 1910, a recém-nomeada Junta Revolucionária de Loures – constituída por Augusto Herculano Moreira Feyo, Joaquim Augusto Dias, António Rodrigues Ascenso, José Ferreira Cleto, José Paulo de Oliveira e Manuel Marques Raso – atravessou a Rua Azevedo Coutinho (atualmente a Rua da República), desde o Centro Escolar Republicano até aos Paços do Concelho (atual Edifício 4 de Outubro), e, sem qualquer oposição ou distúrbio, instalou-se na sala de sessões da Câmara, tendo procedido à proclamação pública do novo regime e hasteado a bandeira verde e rubra, improvisada por Maria Guilhermina Ascenso, esposa de um dos membros da Junta.


PLURAIS | 25

Junta Revolucionária de Loures (1911) Em pé (da esquerda para a direita): Jacinto Duarte, José Joaquim Veiga, Manuel Marques Raso, Joaquim Augusto Dias. Sentados (da esquerda para a direita): António Rodrigues Ascenso, Augusto Herculano Moreira Feyo, José Paulo de Oliveira. Na foto não se encontra o oitavo elemento desta Junta: José Ferreira Cleto. Dimensões: 75 cm x 86,5 cm (Alt. x Larg.) Reprodução de 1929 Museu Municipal de Loures

Acta Acta da Junta Revolucionária do Concelho de Loures, onde se relatam os acontecimentos de 4 e 5 de Outubro de 1910, em Loures, como consequência do movimento de Implantação da República. Arquivo Municipal de Loures, Câmara Municipal de Loures, Registo de actas das sessões da Câmara Municipal de Loures,livro 26, fls. 95 – 95v


26 | RADAR

1

2

3

4

5

6

Ousadia

e coragem A aparente simplicidade deste feito encerra um gesto de grande ousadia e coragem, um passo que, para ser bem-sucedido, estava dependente do desenrolar dos acontecimentos em Lisboa e que, no imediato decidiria o destino daqueles homens e mulheres e do próprio país. Recorde-se que os líderes do movimento republicano determinaram que na madrugada de 4 de outubro, a partir do Centro Escolar Republicano de Santa Isabel, em Lisboa, teria início a revolução. Um golpe que, a ser bem-sucedido, se propagaria ao resto do país. Na posse desta informação, os correligionários de Loures reuniram no Centro Escolar Republicano local, tendo sido nomeada a Junta Revolucionária que protagonizou um dos episódios mais conhecidos da história do concelho. Secundados por muitos populares e apoiantes de outras zonas do concelho, procederam à proclamação do novo regime na data definida e ficaram a aguardar as notícias que haveriam de chegar da capital. Contudo, em Lisboa, e em virtude de várias vicissitudes, a revolução acabou por triunfar sim, mas apenas no dia seguinte.

Elementos que formaram a Junta Revolucionária, que proclamou a República em Loures, a 4 de Outubro de 1910. 1. António Rodrigues Ascenso 2. Augusto Herculano Moreira Feyo 3. Joaquim Augusto Dias 4. José Ferreira Cleto 5. José Paulo de Oliveira 6. Manuel Marques Raso Centro de Documentação Anselmo Braamcamp Freire


PLURAIS | 27

O que

mudou?

A Implantação da República não se traduziu apenas numa alteração do sistema político, até porque a substituição da Monarquia pela República não foi um acontecimento instantâneo, nem isento de contestação. Foi antes o culminar de um longo processo, fruto do contexto nacional e internacional, que marcou o final do século xix e início do século xx. Em Portugal, viviam-se tempos particularmente conturbados, com o sistema bipartidário da Monarquia Constitucional a dar sinais de decrepitude, as finanças à beira do colapso, os setores económicos pouco desenvolvidos e uma grande dependência financeira do estrangeiro. A nível social, as condições de vida da população em geral eram difíceis. Todas as classes trabalhadoras se queixavam dos parcos salários e o fosso social era crescente, a par de uma elevada taxa de analfabetismo e um acesso deficiente ao ensino. A promessa dos Republicanos era a melhoria das condições de vida da população, o apoio ao operariado, a democratização do ensino e a laicização do Estado. À I República está associada a ideia de um relacionamento tenso entre o Estado e a Igreja Católica. Com a Implantação da República também os símbolos nacionais foram quase imediatamente alterados. A bandeira verde e rubra substituiu a bandeira azul e branca e a A Portuguesa, composta em 1890 em reação ao ultimato inglês, tornou-se no Hino Nacional, substituindo-se apenas a palavra bretões por canhões. A coroa deixou de encimar a simbologia de Estado, o “escudo” substituiu os “réis” e, gradualmente, a toponímia foi sendo substituída por referências republicanas. A construção política da República não passou apenas pelos canais tradicionais da mensagem política e os ideais republicanos foram também transmitidos de uma forma mais subtil, por exemplo, associados ao consumo, através de objetos de uso quotidiano, que no dia a dia aproximavam os cidadãos deste ideário que assim mais facilmente chegava às diferentes sensibilidades do tecido social português. Apesar do sucesso da revolução de 1910, o novo regime teve muitas dificuldades em sedimentar-se e a republicanização da sociedade portuguesa foi um processo longo, que conheceu alguma resistência, feito de cedências e recuos, marcado também pela dura participação de Portugal na Grande Guerra.


ADN

Festa

Vinho do

e das

Vindimas


PLURAIS | 29

Entre 12 e 14 e outubro, Bucelas torna a reviver a tradição da cultura do vinho, com mais uma edição da Festa do Vinho e das Vindimas. Uma iniciativa com mais de 30 anos, realizada naquela que é a Capital do Arinto.

Participantes no desfile: › Grupo Musical e Recreativo da Bemposta › Casa do Povo de Bucelas › Associação Recreativa Cultural e Desportiva de Vila de Rei › Centro de Cultura e Desporto de Vila Nova › Banda Recreativa de Bucelas › União Cultural e Recreativa da Chamboeira › Bombeiros Voluntários de Bucelas › Clube de Futebol “Os Bucelenses” › Núcleo Sportinguista de Bucelas › Confraria do Arinto

A Festa do Vinho e das Vindimas de Bucelas pretende, antes de mais, homenagear e evocar todos aqueles que trabalharam e trabalham nesta faina específica, que marca, de forma indelével, toda a freguesia de Bucelas. Este é um evento que visa a preservação e divulgação da identidade cultural da freguesia de Bucelas, em torno de uma atividade que tem sido central na dinâmica socioeconómica da freguesia – a produção do vinho, a que se associa um conjunto de artes e ofícios tradicionais ligados à vitivinicultura. É uma iniciativa que existe há cerca de 30 anos, com a primeira edição a ocorrer em 1986. Realiza-se no segundo fim de semana de outubro e é um dos maiores acontecimentos de cariz associativo do concelho de Loures, atraindo, todos os anos, milhares de visitantes. Nos primeiros tempos, a Festa obteve logo grande adesão por parte das coletividades, populações, agentes económicos e da própria junta de freguesia, sendo que durante vários anos foi registando um crescendo de adesões e participações. Para a sua realização é muito importante a participação dos cidadãos e das coletividades, de uma forma critica e informada e sobretudo empenhada, concretamente dando a conhecer ao público em geral as várias etapas da produção vitivinícola da região de Bucelas, através de um desfile etnográfico que percorre todas essas etapas de uma forma lúdica e, ao mesmo tempo, o mais fiel possível, congregando esforços e participações das várias coletividades e da população da freguesia. Desta forma, é possível proporcionar a todos os visitantes e participantes um maior e mais completo conhecimento e desfrute de produtos originários do concelho de Loures e desta região em concreto e que contribuem para a construção da identidade do mesmo.


30 | ADN

Um pouco de história…

Pensa-se que a cultura da vinha, em Bucelas, terá sido introduzida pelos Romanos. Numa crónica sobre a descoberta do caminho marítimo para a Índia, foi dado a conhecer este vinho por marinheiros da nau de São Gabriel que, ao chegarem a Portugal, comemoraram com bons petiscos e vinho branco produzidos a partir de cepas de Arinto de Bucelas. A região de Bucelas, a mais antiga região demarcada de vinhos brancos (desde 1911), situa-se a 25 quilómetros a norte de Lisboa, no vale do rio Trancão. As vinhas instalam-se em solos que correspondem às tradicionais caeiras. Com um clima bastante frio no inverno e temperado no verão, apresentando contudo grandes oscilações térmicas nesta época. A casta que confere as características organoléticas deste famoso VQPRD branco (Vinho de Qualidade Produzido em Região Determinada) é a Arinto.

Rota dos Vinhos de Bucelas, Carcavelos e Colares

A Rota dos Vinhos de Bucelas, Carcavelos e Colares foi criada em 2003 para divulgar a tradição vitivinícola de uma região que dispõe de um conjunto de fatores favoráveis à dinamização do enoturismo. Além dos municípios de Loures, Cascais, Oeiras e Sintra, esta Rota conta com o contributo da Associação dos Municípios Portugueses do Vinho, da Comissão Vitivinícola de Lisboa, Instituto da


PLURAIS | 31

A Festa do Vinho e das Vindimas de Bucelas pretende, antes de mais, homenagear e evocar todos aqueles que trabalharam e trabalham nesta faina específica, que marca, de forma indelével, toda a freguesia de Bucelas.

Vinha e do Vinho e, ainda, do Instituto de Turismo de Portugal. A ideia dos municípios envolvidos é promover a criação de produtos turísticos e atividades que favoreçam a descoberta e a interpretação da cultura do vinho e apoiar todas as iniciativas que possam sensibilizar os operadores turísticos para a sua defesa e promoção e a qualificação do património enológico.

Capital do Arinto tem Museu do Vinho e da Vinha

Bucelas está registada como Capital do Arinto, por iniciativa da Confraria do Arinto de Bucelas, entidade que procedeu a esta inscrição junto do Instituto Nacional de Propriedade Industrial, a 25 de maio de 2010. Vocacionado para a história local e para a promoção do território, sobretudo tendo como elemento norteador o vinho característico da região, o Museu do Vinho e da Vinha de Bucelas apresenta-se, neste contexto, como um organismo vivo, repositório de um conjunto de atividades, esforços, vivências e memórias, contribuindo para fomentar coesão na comunidade, no território e na tradição. O Museu está instalado num edifício do final do século xix, cuja história está intimamente relacionada com a tradição vitivinícola local: foi a residência de um dos maiores produtores de vinho de Bucelas (Camilo Alves), à qual estava associada uma adega e o respetivo armazém de vinhos, espaços que foram recuperados e adaptados à nova função museológica.


GPS

32 | PLURAIS

Academia de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr. Meeting Internacional

4 › 7 OUTUBRO


PLURAIS | 33

Outubro Academia de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr. Meeting Internacional 4 a 7 outubro O Meeting Internacional é o evento que culmina a atividade da Academia de Clarinete Marcos Romão dos Reis Jr., sob égide da marca Loures, Capital do Clarinete. Sob a direção artística e pedagógica do maestro António Saiote, o Meeting destina-se a todos os músicos e praticantes independentemente da sua experiência musical. Destaque para a abrangência de instrumentistas diversos no plano formativo, para lá do clarinete, bem como para o envolvimento dos agentes musicais locais no processo de criação/produção e realização de concertos integrados no programa de difusão musical, trabalhando reportório específico e de acompanhamento de solistas nacionais e estrangeiros. Esta iniciativa contempla diferentes vertentes de atividade, como masterclasses, workshops, palestras, exposições e concertos. 4 outubro Igreja Matriz de Loures 21h00 Orquestra de Clarinetes da Universidade de Aveiro 5 outubro 18h00

Igreja Matriz de Fanhões, São Saturnino Quinteto de Sopros 21h30 Igreja Paroquial São Pedro de Lousa Big Band de Loures e solistas Paulo Gaspar e António Saiote 6 outubro 18h00 Museu de Cerâmica de Sacavém Beatriz Carvalho, Martim Barbosa e Bárbara Borowicz 21h00 Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Zambujal Banda Meeting Internacional de Clarinete (músicos do concelho) e solistas Tiago Bento, António Lopes, Rodrigo Neves, Andrzej Wojciechowski e Grzegorz Wieczorek 7 outubro 11h00 Palácio ValFlores Visita Guiada com apontamentos musicais 19h00 Igreja Matriz de Loures Quarteto de Clarinetes de Lisboa

Sábados em Cheio Biblioteca Municipal José Saramago Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 6 outubro 15h00 A Sopa queima e outras histórias. Um êxito no país

vizinho, que gostaríamos de reviver aqui. Uma animação para quem gosta de sopa de legumes, ou para quem quiser esforçar-se por vir a gostar. Pela vossa saúde, riam e comam sopa. Classificação etária: Maiores de 4 anos 13 outubro 15h00 O mistério do urso, de Wolf Earlbruch Uma história à volta dos mistérios da paternidade e de muitos outros mistérios, desconstruindo alguns mitos. Contamos esta história recorrendo a um livro 3D e a marionetas. Aqui o que interessa? A história. Classificação etária: Maiores de 4 anos 20 outubro 15h00 O Cuquedo “– Quem quer, quem quer casar com o Cuquedo que se esconde no arvoredo e prega sustos que metem medo?” Classificação etária: Maiores de 3 anos 27 outubro 15h00 O principezinho – a obra musical (Projeto Brincar com a Música) É a História intemporal destinada a todas as crianças: as que ainda o são, as que já o foram um dia e as que nunca deixarão de o ser. A obra musical O Principezinho de Saint –

Exupéry, reinventada pelo compositor italiano Ângelo Sormani e contada pela Banda Recreativa de Bucelas. Classificação etária: Maiores de 3 anos

Festa do Vinho e das Vindimas 12 a 14 outubro Bucelas A Festa do Vinho e das Vindimas pretende homenagear e evocar todos aqueles que trabalharam e trabalham nesta faina específica, que marca, de forma indelével, toda a freguesia de Bucelas. Este é um evento que visa a preservação e divulgação da identidade cultural da freguesia de Bucelas, em torno de uma atividade que tem sido central na dinâmica socioeconómica da freguesia – a produção do vinho, a que se associa um conjunto de artes e ofícios tradicionais ligados à vitivinicultura. Um dos pontos altos desta iniciativa é o Desfile Etnográfico, que percorre as ruas da vila, composto por mais de duas dezenas de carros alegóricos, evocando o ciclo completo do vinho. Mostra vitivinícola e de produtos regionais, passeios, provas de vinhos, degustações, harmonizações, artesanato, bailes, concertos, exposições, folclore, gastronomia, visitas e atividades para famílias são outras das atividades que


34 | GPS

fazem parte da Festa do Vinho e das Vindimas deste ano. Iniciativa coorganizada pela Câmara Municipal de Loures, Junta de Freguesia de Bucelas e coletividades da freguesia.

Percurso pelo Património 13 outubro 9h30 Local de encontro Castelo de Pirescouxe, Santa Iria de Azóia Santa Iria de Azóia entre Patrimónios Locais de interesse/visita: Quinta de Valflores, Igreja Matriz de Santa Iria de Azóia, Castelo de Pirescouxe Exposição

O Museu. Chão de Memórias 13 outubro Museu do Vinho e da Vinha – Bucelas Exposição que transmite a história do espaço em que o Museu se encontra instalado, identificando as pessoas que o habitaram e integrando a casa nas transformações da malha urbana. Aborda a evolução do edificado e as suas funções socioeconómicas, contextualizando os vários proprietários e a sua interação na comunidade local.

Mercearia Santana 13 outubro 15h00

Palestra - A ginjinha portuguesa. Apresentação de Ana Marques Pereira

Há Prova em Bucelas 13 outubro 18h00 Museu do Vinho e da Vinha – Bucelas Prova de vinhos, conversa e poesia Produtor - Boas Quintas Enólogo - Nuno Cancela de Abreu Participação - Emília Ralo (declamação de poesia)

Tardes Mágicas Biblioteca Municipal Ary dos Santos Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 13 outubro 15h00 O Cuquedo (estreia) “– Quem quer, quem quer casar com o Cuquedo que se esconde no arvoredo e prega sustos que metem medo?” Classificação etária: Maiores de 3 anos 20 outubro 15h00 Brincar com o teatro, com Ricardo Boléo Oficina de teatro e poesia a partir de poemas de Fernando Pessoa. 27 outubro 15h00 Pinta Pinta Silgo e Pa poi Poi Poila Animação para bebés

Plateia – Mostra de Teatro dos Grupos do Concelho 17 a 21 e 24 a 28 outubro Loures Mostra de Teatro promovida pela Câmara Municipal de Loures e pelos grupos de teatro do concelho, permitindo aos grupos de teatro de amadores e profissionais do concelho divulgarem o seu trabalho, bem como a troca de experiências, visando ainda a interação entre os artistas e o público e a difusão e divulgação das artes de animação e do teatro. Entrada livre em todas as peças.

Comunidade de Leitores 18 outubro 21h00 Palácio dos Arcebispos, Santo Antão do Tojal Sessão com a presença de dois escritores Miguel Real e Pedro Almeida Vieira para análise das obras literárias Memorial do Convento, de José Saramago e Nove Mil Passos, de Pedro Almeida Vieira. Sessão integrada na Rota do Memorial do Convento. A Comunidade de Leitores é um projeto de promoção de leitura caraterizado por um grupo de leitores que se reúne informalmente para falar de livros e pretende consolidar hábitos de leitura, tornar os leitores das bibliotecas

proativos, promover o conhecimento literário; incentivar à reflexão e socialização e promove a partilha da leitura com outras formas de arte. Esta sessão será complementada com o Percurso pelo Património – Santo Antão do Tojal entre o Sagrado e o Profano, a decorrer no dia 10 de novembro.

Comemoração do Dia das Linhas de Torres 20 outubro 10h00 – 13h00 Centro de Interpretação das Linhas de Torres (Bucelas) Ateliê Infantil. Mostra e venda de artesanato local, com presença dos artesãos Luísa Rato e Zé Espiga Parque Sniper Aventura Passeio a cavalo pelos Fortes das Linhas de Torres em Bucelas 11h00 – 12h00 Centro de Interpretação das Linhas de Torres (Bucelas) Visita guiada ao Centro de Interpretação das Linhas de Torres e Museu do Vinho e da Vinha de Bucelas 12h00 – 13h00 Prova de Vinhos

Uma Tarde no Museu 20 outubro 15h00 Museu Municipal de Loures O ODS 6 - Gestão Sustentável da água potável e do saneamento: um percurso pela Quinta do Conventinho.


PLURAIS | 35

Festa

Vinho do

e das

Vindimas BUCELAS 12 › 14 OUTUBRO

Conversa e visita sobre o sistema hidráulico da Quinta do Conventinho e a valorização da água, colocando em destaque o Objetivo e Desenvolvimento Sustentável 6 - Água Potável e Saneamento. Participação dos SIMAR

Biblioteca no Bairro 21 e 28 outubro 14h00 às 18h00 Quinta do Mocho, Sacavém Este projeto visa promover o acesso local e de proximidade a bens culturais e divulgação dos serviços prestados ao público nas Bibliotecas Municipais de Loures.

13º Festival de artes marciais

12

sexta-feira 22:00

Rouxinol Faduncho

13 sábado

14:30 › 20:00

Programa Aqui Portugal RTP em direto | Animação

14 domingo

15:00 Desfile Etnográfico 21:00 Trio Odemira

27 outubro a 11 novembro Integram o programa desta edição, entre outras ações de carácter formativo, 3º Open de Poomsae (dia 27/10 no Pav. Paz Amizade), o 11º Torneio Taekwondo (dia 03/11, Pav. Alto do Moinho no Catujal), a Gala de Desportos de Combate e Ladies Open (dia 03/11, no Pav. Paz Amizade).

À conversa com… José da Silva Pedro, na terceira pessoa 27 outubro 15h00 Casa Museu José Pedro José da Silva Pedro entrou para a Fábrica de Loiça de Sacavém onde sempre trabalhou como modelador.

Em 1939, José Pedro adquiriu um terreno na Travessa dos Combatentes da Grande Guerra, nº 8, em Sacavém, onde viveu desde 1960 e aí instalou o seu Museu Particular de Arte e Floricultura. Em julho de 2005, a Câmara Municipal de Loures apresentou à comunidade a Casa-Museu José Pedro, em homenagem à vida e obra deste artista de Sacavém. Oportunidade para conhecer a sua vida e obra.

V Encontro de Modelismo em Loures 27 outubro 10h30 – 19h00 28 outubro 9h00 – 17h30 Pavilhão do Oriente, Moscavide Numa parceria com a Associação de Modelismo da Região de Lisboa e o grupo ModelStep, decorre a 5ª edição deste certame que coloca em evidência o universo do modelismo, nas suas diversas variantes. Programa variado, incluindo exposição, torneios de war games, workshops e visitas aos Fortes das Linhas de Torres.

Novembro Música em SI Maior 3 de novembro 21h00 Sociedade Recreativa e


36 | PLURAIS

Musical 1º Agosto Santa Iriense Furum Fum Fum Nuno Pinto, clarinete Sérgio Carolino, tuba Jorge Queijo, percussão

Sábados em Cheio Biblioteca Municipal José Saramago Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 3 novembro 15h00 Pinta-Pinta-Silgo e Pa-PoiPoi-Poi-La Num campo de papoilas Pinta-Pinta-Silgo e Pa-PoiPoi-Poi-La embalados pelos sons da terra, brincam ao ritmo dos poemas. Animação para bebés e acompanhantes Marcação prévia: Telefone: 211 151 272 Endereço eletrónico: bmjsprogramacao@cmloures.pt 10 novembro 15h00 As Contadeiras de Histórias Fio de lã, papel de jornal, linha de crochê, cartão, arame…uma artesã tudo isto entrelaçou e o livro As Contadeiras de Histórias criou. Das obras de Sofia Paulino, vamos tecer Histórias. Classificação etária: maiores de 5 anos 17 novembro 15h00 Brincar com o Teatro - O

Menino e o Mundo – Ateliê/ Espetáculo A partir do livro O Mundo é a nossa casa, de Júlio Moreira, Sena da Silva, Cristina Reis e Margarida D Orey, obra do Plano Nacional de Leitura para apoio de projetos de cidadania. Classificação etária: dos 8 aos 12 anos Dinamizadores do GTeatro: Carlos Piecho e Natacha de Noronha 24 novembro 15h00 A Maior Flor do Mundo, de José Saramago (estreia) “Dali por diante, para o nosso menino, será só uma pergunta sem literatura: Vou ou não vou? E foi.” Classificação etária: maiores de 4 anos

Percurso pelo Património - Santo Antão do Tojal entre o Sagrado e o Profano 10 novembro 10h00 Local de encontro: Palácio dos Arcebispos Santo Antão do Tojal Locais de interesse/visita: Palácio dos Arcebispos, igreja paroquial, Fonte Monumental, aqueduto, chafariz público Percurso associado à sessão de 18 de outubro da Comunidade de Leitores

Mercearia Santana 10 novembro

Festival de

Orquestras

Ligeiras

PAV. PAZ E AMIZADE 16 › 18 NOVEMBRO


PLURAIS | 37

15h00 Prova de vinhos de Bucelas Comentada por produtores de vinho

Tardes Mágicas Biblioteca Municipal Ary dos Santos Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 10 novembro 15h00 Animação A Menina do Mar 17 novembro 15h00 Pinta-Pinta-Silgo e Pa-Poi Poi-Poila Animação para bebés 24 novembro 15h00 Animação O Cuquedo

Comunidade de Leitores 15 novembro 21h00 Biblioteca Municipal José Saramago Obra literária Fala-lhes de batalhas, de reis e de elefantes, de Mathias Énard. Projeto de promoção de leitura caraterizado por um grupo de leitores que se reúne informalmente para falar de livros e pretende consolidar hábitos de leitura, tornar os leitores das bibliotecas proativos, promover o conhecimento literário; incentivar à reflexão e socialização e promove a partilha da leitura com outras formas de arte.

Festival de Orquestras Ligeiras 16 a 18 novembro Pavilhão Paz e Amizade O Festival de Orquestras Ligeiras é promovido pela Câmara Municipal de Loures em colaboração com as nove orquestras do concelho. Este evento prossegue a missão de estimular a comunidade local com uma programação artística e formativa perseverante e singular e simultaneamente consolidar e dar visibilidade aos agentes musicais locais. 16 novembro 21h30 Orquestra Jazz de Matosinhos 17 novembro 15h00 Orquestra Ligeira do Clube União Recreativo de São Julião do Tojal Orquestra Ligeira da Sociedade Recreativa de Casainhos Orquestr’Up Orquestra convidada 21h30 Orquestra Ligeira da Academia Sons & Harmonia Orquestra Ligeira da Sociedade Musical 1º Agosto Santa Iriense Orquestra Ligeira da Banda Recreativa de Bucelas Orquestra convidada 18 novembro 11h00 Concerto Escolas de Música do Concelho 15h00

Orquestra Ligeira da Academia Recreativa Musical de Sacavém Orquestra Ligeira da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fanhões Orquestra Ligeira da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loures Orquestra convidada

Uma Tarde no Museu 17 novembro 15h00 Museu Municipal de Loures O Conventinho na História de Loures – visita guiada ao espaço com apontamentos de animação Exposição

Cerâmica de Isabel Azeredo 17 novembro 2018 a 2 fevereiro 2019 Galeria Municipal do Castelo de Pirescouxe Santa Iria de Azóia Isabel Azeredo é natural de Lisboa e tem desenvolvido o seu percurso artístico no campo da Cerâmica Artística. Fez a sua formação na Escola Artística António Arroio, no AR.CO – Centro de Arte e Comunicação Visual e frequentou as Escolas de Belas Artes do Porto e de Lisboa. Tem realizado diversas exposições individuais e coletivas em diferentes instituições culturais nacionais e internacionais.

Discursos do Vinho 17 novembro 16h30 Museu do Vinho e da Vinha - Bucelas Escanção ou Sommelier, o ponto de vista de um profissional Convidado: João Chambel Integrado na Semana do Enoturismo

Biblioteca no Bairro 18 e 25 novembro 14h00 às 18h00 Quinta do Mocho, Sacavém Este projeto visa essencialmente promover o acesso local e de proximidade a bens culturais e divulgação dos serviços prestados ao público nas Bibliotecas Municipais de Loures.

À conversa com… Hugo Xavier 24 novembro 15h00 Museu de Cerâmica de Sacavém Conversa sobre a obra artística do Rei D. Fernando Exposição

Escultura de Daniel Leite Mendes 24 novembro 2018 a 2 fevereiro 2019 Galeria Municipal do Castelo de Pirescouxe Santa Iria de Azóia Daniel Leite Mendes é natural de Lisboa, mas reside atualmente em Santo Antão do Tojal (Loures).


38 | PLURAIS

A paixão pela escultura surgiu muito cedo por influência do pai, marceneiro de profissão, com quem aprendeu a trabalhar a madeira. Profissionalmente passou pela realização de projetos de arquitetura, maquetes e criação de espaços, antes de se dedicar de corpo e alma à escultura em pedra.

Vinho e da Vinha-Bucelas Locais de interesse/visita: Museu do Vinho e da Vinha, Igreja Paroquial de Bucelas, Bombeiros Voluntários (Núcleo Museológico Mário Roberto e quartel) e Casa de Nossa Senhora da Paciência.

Mercearia Santana 8 dezembro 15h00 Tertúlia de Fregueses

A Teia, Loures Teatro 30 novembro 21h30 Grupo Dramático e Recreativo Corações de Vale Figueira A vida é curta demais para passar lençóis a ferro. Comédia com texto e interpretação de Sofia Bernardo. A programação descentralizada de teatro pretende sensibilizar a população em geral para esta forma de arte.

Dezembro Música em SI Maior 2 dezembro 18h00 Pavilhão Paz e Amizade Orquestra Metropolitana de Lisboa e Solistas

Percurso pelo Património - Bucelas: Terra, Vinho e Culto 8 dezembro 10h00 Local de encontro: Museu do

Comunidade de Leitores 13 dezembro 21h00 Biblioteca Municipal Ary dos Santos Obra literária Os Loucos da Rua Mazur, de João Pinto Coelho, com a presença do escritor Projeto de promoção de leitura caraterizado por um grupo de leitores que se reúne informalmente para falar de livros e pretende consolidar hábitos de leitura, tornar os leitores das bibliotecas proativos, promover o conhecimento literário; incentivar à reflexão e socialização e promove a partilha da leitura com outras formas de arte. Exposição

Cerâmica de Teresa Alves 13 dezembro 2018 a 9 fevereiro 2019 Edifício 4 de Outubro Loures Teresa Alves é natural de

Sá da Bandeira (Angola) e é formada em Design e Tecnologias para a Cerâmica pela Escola Superior de Arte e Design (Caldas da Rainha). Com um percurso profissional na área da cerâmica industrial, Teresa Alves estudou ainda Cerâmica Criativa no Centro de Formação Profissional para a Indústria de Cerâmica. Outras vertentes criativas têm despertado a sua curiosidade e interesse, direcionando a sua produção artística para formas e temáticas que se inspiram na natureza e recorrem a uma expressividade baseada no movimento, nas texturas e na cor.

Caminhando com a História - Valflores entre o Tejo e o Trancão 15 dezembro 9h00 Local de encontro: Parque Urbano de Santa Iria Com partida do Parque Urbano de Santa Iria, ponto a partir do qual se consegue uma vista sobre a Várzea de Loures, marcada pelo curso do rio Trancão, inicia-se a descida para a Quinta de Valflores, sempre com o rio Tejo como pano de fundo, atravessando-a em jeito de visita. Saindo da quinta, segue-se para Nordeste, acompanhando o limite do Parque de Via Rara até à entrada, seguindo depois para a vila de Santa

Iria de Azóia, com breve passagem pela Igreja de Santa Iria, imóvel classificado de Interesse Público, à semelhança de Valflores. O percurso continua na direção da frente ribeirinha do Tejo. A partir deste ponto, inicia-se a subida em direção à Portela da Azóia, terminando no ponto de partida. Exposição

Quando nós somos os outros. Loures no caminho da Interculturalidade 15 dezembro 15h00 Museu Municipal de Loures Exposição que pretende abordar as vivências e influências das várias comunidades que habitam os territórios de Loures, procurando compreender e dar a conhecer a forma como se adaptaram, como influenciaram e como foram influenciadas.

Tardes Mágicas Biblioteca Municipal Ary dos Santos Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 15 dezembro 15h00 Animação O Segredo do Papa Formigas 22 dezembro 15h00 Animação Prendas de Natal (Estreia)


PLURAIS | 39

Do Castelo às Fábricas em Loures Um percurso industrial feito de memórias vividas

GALERIA MUNICIPAL DO CASTELO DE PIRESCOUXE

Exposição alusiva ao Património Industrial do Município de Loures, que faz uma retrospetiva do desenvolvimento industrial no concelho.

29 dezembro 15h00 Animação Contadeiras de histórias

Sábados em Cheio Biblioteca Municipal José Saramago Projeto de promoção do livro e da leitura para a infância, em família. 15 dezembro 15h00 As Contadeiras de Histórias Fio de lã, papel de jornal, linha de crochê, cartão, arame…uma artesã tudo isto entrelaçou e o livro As Contadeiras de Histórias criou. Das obras de Sofia Paulino, vamos tecer Histórias. Animação seguida de ateliê. Classificação etária: maiores de 5 anos 22 dezembro 15h00 História de um Gato e de um Rato que se tornaram amigos. Uma história de autoria de Luís Sepúlveda que nos fala de uma relação improvável. Classificação etária: maiores de 5 anos 29 dezembro 15h00 Prendas de Natal A cada Natal, escrevia uma carta ao Pai Natal pedindo-lhe por favor, por favor, por favor… Classificação etária: maiores de 4 anos

A decorrer Exposição

Solid Matter, de Mónica Capucho Galeria Municipal Vieira da Silva e Sala Multiusos, Loures Até 12 de janeiro de 2019 Exposição site-specific de Pintura, Escultura e Instalação da artista Mónica Capucho. Exposição

Do Castelo às Fábricas em Loures – Um percurso industrial feito de memórias vividas Galeria Municipal do Castelo de Pirescouxe Até 4 de janeiro de 2020 Exposição alusiva ao Património Industrial do Município de Loures, que faz uma retrospetiva do desenvolvimento industrial no concelho.


40 | ADN

Ficha técnica Diretor: Paulo Piteira Redação, revisão, fotografia, grafismo e paginação: Divisão de Atendimento, Informação e Comunicação Impressão: Soartes Distribuição gratuita Tiragem: 20 mil exemplares Depósito legal: 442545/18 ISSN 2184-2477

www.cm-loures.pt

facebook.com/Municipiodeloures