Page 1


2

3


4

5


6

7


9


10

11


12

13


14


17


18

19


20

21


22

23


24

25


26

27


28

29


30

31


32

33


34

35


36

37


38

39


40

41


42

43


44

45


Separação,

como lidar com os filhos? Antes de acontecer a separação física za prejudicam a criança em todas as atividos pais, muitas vezes, ocorrem alguns dades diárias”, explica a psicóloga. conflitos emocionais que geram brigas, É por esses motivos e alguns outros, como, desentendimentos e tristeza dentro do brigar na frente dos filhos, discutir, gritar, lar. Para a criança, cenas como essas agredir, que, muitas vezes, a criança se levam ao desânimo e não entendimen- torna um adolescente cheio de receios em to do que está acontecendo com suas relação à vida. referências. Até mesmo os bebês muito Em uma separação, os pais devem semnovos, que podem ainda, pela idade, não pre pensar na vida do filho, já que este compreender muito o vai sentir comque acontece, entenpletamente a falta Em uma separação, os pais dem que ali, naqueda presença da devem sempre pensar na vida do le ambiente, algo está figura paternal, ou filho, já que este vai sentir comerrado, expressando maternal, agraseus sentimentos pelo pletamente a falta da presença vando mais o eschoro e pela agitação. tado emocional da da figura paternal, ou materPara a psicóloga Ana Macriança. “De qualnal, agravando mais o estado ria Gonzaga, as crianças quer forma, uma emocional da criança que estão na idade préseparação, mesescolar são as que mais mo que amigável, sofrem em relação à separação conjugal, causa certos estados emocionais na já que, pela pouca idade, não conseguem criança que os pais terão de prestar compreender os motivos por aquilo estar atenção, como tristeza, desobediência, acontecendo. apresentação de comportamentos mais “As crianças de até dois anos, podem ter agressivos e rebeldes, insônia, pesadeatitudes como de medo e muita agitação, los, alterações do apetite, dificuldade de já as de quatro e cinco anos podem ima- concentração e perda do interesse pela ginar que a separação dos pais possa ser vida social”, afirma Ana Maria. temporária, assim como é quando brigam Ainda assim, o modo como cada criancom algum amigo. As de seis e sete anos ça sente a separação é diferente, e isso podem se sentir culpadas pelos pais bri- depende diretamente de como os pais garem e terminarem o relacionamento, se lidam com a situação e com as relações separando. E essas sensações com certe- dentro do lar. 46

Foto: sxc.hu

Em todos os casos, a separação é sempre um impacto muito profundo, e cabe aos pais ajudar os filhos a superarem este momento

Confira algumas dicas que a psicóloga dá para os pais que estão se separando • Muitos pais deixam de informar seus filhos, pois acreditam que não vão entender por serem muito novos. É bom saber que a criança de qualquer idade é muito esperta e entende as mudanças que estão ocorrendo. Dessa forma, o ideal é usar uma linguagem adequada à idade de cada uma. Os pais devem conversar e dizer sobre a decisão que tomaram, porém sem entrar nos detalhes que levaram a isso. • Muitas crianças se sentem culpadas e, por isso, precisam saber que não causaram a separação. • Os pais devem encorajar seus filhos a expressar seus sentimentos, sem julgar e sim compreender. • Pais separados não precisam ser amigos, mas as formas de respeito devem ser

mantidas na presença dos filhos, principalmente quando o assunto é a educação e disciplina do filho. • Depois da separação, o pai ou mãe que estiver com a criança deve evitar desvalorizar um ao outro para o filho, mantendo sempre o respeito para que a criança cresça em um ambiente seguro e maduro. • Quanto mais os pais tomarem consciência de que são responsáveis pelo bem-estar físico e emocional de seus filhos, a despeito da separação, maiores as possibilidades de um futuro satisfatório para eles, pois as crianças dependem dos pais e se formam por meio deles. • E sempre manter o respeito com o parceiro, sem ofensas e brigas, já que um filho é para a vida toda.

47


48

49


EXPEDIENTE Publisher Sandra Teschner – sandra@profashional.com Jornalista Responsável Adriana Rosa – Mtb 47337 Conselho Editorial Adriana Rosa, Jair Pasquali, Rafaela Donini e Sandra Teschner Repórteres Marisa Abel, Maria Helena Bellini, Mirella Stivani, Natália Schener e Dio Jaguarível Direção de Arte Flávia Matsunaga Designer Gráfico Alice Hecker, Claudia Carvalho, Danielle Lima, Eric Ono e Patrícia Velez Coordenadora de Moda Fernanda Cordeiro Assistentes de Moda Julia Moraes e Nayara Diniz Desenhos Lilica Ripilica e Tigor T. Tigre Osluciny Jr., Fabio L. da Silva, Marceli T. Paulus, Rodrigo R. de Souza, Rick W. da Cruz Silva e Ruth Hass Colaborou nesta edição Eduardo Deimann Junior (playgrounds) Administração Gabriel Sales Publicidade publicidade@profashional.com Revisão Maria Elisa Albuquerque Impressão Plural MARISOL Diretor Presidente Giuliano Donini Diretor Jair Pasquali Coordenação e consultoria de relacionamento Rafaela Donini Marketing Lilian Nazário e José Henrique Clubes Lilica e Tigor Graziela Della Giustina Call Center 0800 8882600 A revista Triplik pode ser encontrada nas lojas onde há os produtos da Lilica Ripilica e do Tigor T. Tigre. A revista Triplik é uma publicação bimestral da Profashional Editora sob licença da Marisol. PROFASHIONAL EDITORA

www.profashional.com Av. Jandira, 843 – Moema – São Paulo – SP CEP: 04080-005 – tel.: (11) 5051.4084 Filiada à

50

51


Revista Triplik  

Revista das marcas Tigor T. Tigre e Lilica Ripilica, da Marisol S. A., a Triplik é dirigida ao público infantil.

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you