COVID: Alagoas já tem 126 mortos

Page 1

Congresso e STF decretam luto por 10 mil mortes > A-5 Guilherme, grande baluarte Em seu Enfoque Político, Romero Vieira Belo homenageia o ex-governador Guilherme Palmeira, que considera um baluarte que ajudou, com ações e exemplos, a libertar Alagoas do atraso, sobretudo atuando em cooperação com Divaldo Suruagy. > A-3

edição PRIMEIRA

Mega sofre com pandemia Mesmo com lotéricas abertas e acumulando sucessivas vezes, a Mega-Sena não está motivando tanto os apostadores. Muita gente está fazendo apostas por aplicativos, mas os reflexos da pandemia parece estar influenciando a disposição de boa parte do público.

Ano 13 | Edição 874 | Maceió, Alagoas, 11 a 17 de maio, 2020 | R$2,00

Sem liminar, escolas recebem sem dar aulas Ministério Público pediu desconto de até 35% nas mensalidades, mas, sem ‘discriminação’, juiz nega autorização > A-5

COVID: ALAGOAS JÁ TEM 126 MORTOS Com 2.258 infectados e 126 mortes (dados deste domingo, 10), Alagoas ainda está longe do pico

da pandemia, mas o sistema de saúde já sente o peso da demanda crescente. Prefeitura e gover-

no têm sido rigorosos nas ações de isolamento social e de proteção individual, mas há estudo mostrando Primeira Edição

que a situação deverá se agravar muito. Ou seja, o governo Renan Filho, junto com o prefeito Rui

Palmeira, poderá ter de adotar o 'lockdown', bloqueio total das vias do Estado para evitar o caos

EM MACEIÓ, CONSUMIDOR PAGA PREÇO ABUSIVO NOS 'MERCADINHOS DE BAIRRO' 'Livres' de fiscalização, pequenos supermercados e conhecidos 'mercadinhos de bairros' estão praticando preços abusivos na venda de produtos alimentícios e de limpeza. Açúcar, feijão e arroz - itens es-

Preços se estabilizam nos grandes supermercados, mas ‘mercadinhos de bairro’ abusam das majorações

na rede hospitalar. Se o povo não colaborar, fim da pandemia tende a se prolongar mais e mais. > A-2

senciais na mesa do alagoano - sofreram reajuste abusivo desde o início da pandemia em março último. Os grandes supermercados, sob fiscalização, não estão elevando muito seus preços. > A-5

Na capital, aulas continuam suspensas até dois de junho > A-5

Deputado esquece mortes e critica isolamento social Sem levar em conta o avanço da pandemia, com mais de 100 mortes em Alagoas, o deputado Cabo Bebeto criticou as medidas do governo para o enfrentamento ao coronavírus, ao defender a volta das atividades econômicas. Na Assembleia Legislativa, a oposição se manifesta priorizando a economia, deixando em segundo plano as ações em defesa da saúde da população. > A-2

Divulgação

Novo diretor da Federal, Rolando Souza prioriza o combate à corrupção Ele já comandou a Federal em Alagoas e, agora, como diretor-geral, vai priorizar combate à corrupção. A-2

Valdemiro Santiago pede R$ 1 mil por cura da covid, e MPF reage Mesmo com novos hospitais, sistema em Alagoas não suportará demanda crescente por leitos de UTIs

Assembleia faz pausa e convoca sua próxima ordinária para o dia 19 Sem matéria para votação, presidente da ALE, Marcelo Victor, convocou sessão para próxima 3ª feira. > A-3

Pesquisa: maioria quer adiamento de eleiçõesante avanço da covid Lenvantamento revela que a maioria dos brasileiros prefere ver eleição adiada por causa do surto . > A-4

Ministério Público Federal vai investigar líder da Igreja Mundial por ‘trabalhar com feijão milagroso’. > A-6

MUITO PRÓXIMO E APAVORANTE O governo de Alagoas tem tomado medidas drásticas, mas indispensáveis, para conter a propagação do coronavírus: isolamento, uso obrigatório de máscaras nas vias públicas, nos bancos, farmácias e supermercados. Ações em parceria com a Prefeitura de Maceió, o epicentro da Covid no Estado.

Se todos cumprirem as medidas emergenciais, respeitando o distanciamento social e se protegendo com máscaras, o efeito da pandemia, já trágico à essa altura, se tornará imprevisível, mas fácil de ser imaginado: hospitais abarrotados, UTIs esgotadas e filas de doentes graves que morrerão sem

receber nenhum atendimento. Não se admite mais que ninguém ignore a gravidade da situação, ainda mais tratando-se de personagens com função pública que conspiram contra o isolamento, mas certamente se esconderão na hora de se debitar os milhares de mortos dessa trágica epidemia global.

Fale conosco | Redação: (82) 3021.5837 | Comercial: (82) 3021.0563 | Assinante: (82) 3021.0563 | Internet: http://www.primeiraedicao.com.br | e-mail: contato@primeiraedicao.com.br


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

A2 | Política

OS A A Ç S A O E T AM RUP COR Correio Braziliense

Novo diretor-geral da Polícia Federal, o delegado Rolando Alexandre de Souza já defendeu que políticos corruptos são mais perigosos que "traficantes da esquina" e que sua prioridade no órgão é combater a corrupção. A nomeação de Souza ocorre depois que Alexandre Ramagem teve a indicação suspensa por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Souza é considerado o braço direito de Ramagem na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), onde ocupava o cargo de secretário de Planejamento e Gestão da instituição. Antes de chegar à Abin, em setembro de 2019, Souza era superintendente regional da PF em Alagoas. Discreto, sua aparição na imprensa ou nas operações realizadas pela PF no estado era tímida. Sob o comando de Souza, a PF realizou operações contra a

Ex-chefe da PF em Alagoas, Rolando Souza prioriza combate à corrupção Delegado já afirmou que os 'políticos corruptos são mais perigosos do que traficantes de esquina' corrupção, principalmente no interior no estado, como a ocorrida em setembro do ano passado, em São José da Tapera (220 km de Maceió). Na ocasião, oito pessoas foram presas, entre elas o ex-prefeito do município, Jarbas Pereira, acusadas de desvio de R$ 5 milhões do antigo Fundef. Em março de 2018, quando tomou posse na superintendência, Souza disse que o combate à corrupção era sua prioridade "número um". "Nós temos vários outros crimes que são atribuições da Polícia Federal e nós devemos combater todos, mas o combate à corrupção é o número um deles." O delegado também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvios de Recursos Públicos (SRDP), situado na sede da PF em Brasília. Em uma palestra em 2017, afirmou que políticos corruptos são mais perigosos que "traficantes da esquina". "A corrupção mata. Achar que o traficante da esquina é mais perigoso que o político corrup-

fotos: Divulgação

to é uma falácia. Político mata muito mais que bandido", declarou.

INFLUÊNCIA

Por sua trajetória, Rolando Souza assume Polícia Federal determinado a priorizar o combate à corrupção

A nomeação de Rolando é vista como alternativa do presidente para manter a influência de Ramagem, que é próximo à família Bolsonaro, na PF. Segundo interlocutores do presidente, Ramagem participou diretamente das decisões sobre o futuro do comando da PF, uma atribuição do ministro da Justiça, André Mendonça. Bolsonaro está preocupado com o avanço de investigações que podem atingir seus filhos, como o inquérito das 'fake news', e o que foi aberto após o presidente participar de ato em Brasília com mensagens contra o STF e o Congresso. Outra apreensão do presidente é a investigação sobre esquema de 'rachadinha' no antigo gabinete senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Rio.

> ASSEMBLEIA

Minimizando mortes da pandemia, deputado critica governo por ações e isolamento social Da Redação

Sem levar em conta as mais de 100 mortes e o sofrimento de cerca de 2 mil infectados no Estado, a oposição na Assembleia Legislativa insiste em criticar o governo devido às medidas emergenciais que visam conter a escalada do coronavírus, evitando a exaustão da rede hospitalar e salvando mais dívidas. Nesse sentido, o mais recente decreto emergencial tornando mais rigoroso o isolamento social, com validade entre 5 e 20 de maio, foi alvo de críticas do deputado Cabo Bebeto, durante sessão plenária virtual do Legislativo Alagoano Ele afirmou que o governo 'ignorou o apelo do povo, que agora paga com a liberdade, numa alusão as medidas que mantêm o comércio fechado e,

a partir de agora, impedem a circulação de pessoas no calçadão da orla entre a Pajuçara e Jatiúca. O deputado acentuou que havia a esperança de que o decreto do isolamento social fosse flexibilizado: - Esperança dos comerciantes, às vésperas do Dia das Mães, de reabrirem seus negócios segundo as regras do Governo. Esperança dos salões de beleza, barbearias, autoescolas e vários outros setores que podem funcionar atendendo às determinações de agendamento e limitação de pessoas, mas foi tudo em vão - disse o deputado. No momento em que a pandemia se alastra pelo Brasil, e em que os números em Alagoas são cada vez mais preocupantes (com hospitais como a Santa Casa sem mais leitos da UTI para casos da covid-19), o

parlamentar oposicionista relega a gravidade da situação para afirmar: - Mais uma vez, o governador fez como quis, ignorando todos os pedidos e não ouvindo o clamor do povo que o elegeu. Ainda por cima, agora o cidadão não pode mais nem caminhar na orla, uma das únicas coisas que ainda brincávamos, dizendo que era 'de graça', mas que agora pagamos com nossa liberdade - frisou. Bebeto ainda se referiu às obras do Hospital Metropolitano, prometido por Renan Filho para ser entregue no dia 15 de maio. Durante discussão sobre o Lacen, o deputado Francisco Tenório alertou para o risco de se levantar suspeitas falsas em um momento de pandemia. Ele saiu em defesa das ações do Governo do Estado em relação à Saúde e

Na Assembleia, deputados da oposição insistem em criticar medidas e ações para conter o avanço da covid-19

criticou o colega Davi Maia (DEM), autor de denúncias

contra a gestão do Laboratório Central de Alagoas, todas

elas rebatidas pelo líder do governo Sílvio Camelo.

> ESTUDO ADVERTE

Decreto emergencial de Renan Filho está correto, mas deve ser ainda mais rigoroso Da Redação com G1

Um estudo elaborado por especialistas do Imperial College de Londres, voltado especificamente para a realidade da pandemia no Brasil, e com destaque sobre Alagoas, recomenda ações ainda mais duras para combater a expansão do novo coronavírus, ou seja, além do que está em vigor com o novo decreto emergencial assinado pelo governador Renan Filho. As medidas vigentes são as mais rigorosas até agora, inclusive sob fiscalização da Polícia Militar, Ronda do Bairro e Guarda Municipal, Detran e SMTT, mas os números da pandemia continuam crescendo muito além do esperado, o que demonstra que, se todos estivessem respeitando as ações estabelecidas, o surto em AL deveria estar desacelerando, e não avançando. No estudo, divulgado em primeira mão pelo portal G1,

Alagoas aparece com a chamada "taxa de reprodução (R)" do vírus, ou seja, a velocidade de contágio, em 1,27. Segundo os estudiosos, para manter a epidemia sob controle, é necessário reduzir o R abaixo de 1, o que não acontece em nenhum estado brasileiro. EVITAR SOBRECARGA No caso brasileiro, eles avaliam que o R caiu 54% do patamar inicial, estimado em torno de 3 e 4. "Reduções substanciais no número de reprodução médio já foram alcançadas por meio das intervenções", conforme alertam os pesquisadores. "Mesmo que a epidemia brasileira ainda seja relativamente nascente em escala nacional, nossos resultados sugerem que mais ação será necessária para limitar sua expansão e evitar a sobrecarga do sistema de saúde", afirmam os pesquisadores no documento divulgado no fim de semana.

Renan Filho e Rui Palmeira poderão ser obrigados a adotar medida extrema como o ‘bloqueio total’ do Estado

INFECTADOS Quanto à taxa de infectados, Alagoas, com 1,2% da população, não está entre os maiores índices, mas supera 7 estados, como Bahia, Rio Grande do Norte e Paraíba. O estado do Amazonas lidera com 10,6%. "Os resultados mostram que até agora as reduções na mobilidade não foram rigorosas o bastante para reduzir o número de reprodução abaixo de 1", afirmam. "Essa tendência está em franco contraste com outras epidemias de Covid-19 na Europa e na Ásia, onde quarentenas forçadas reduziram com sucesso o número de reprodução." "De modo mais amplo", concluem os cientistas, "nossos resultados sugerem que, na ausência de novas medidas de controle que reduzam a transmissão, o Brasil encara a perspectiva de uma epidemia que continuará a crescer exponencialmente".


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

Política | A3

> PESQUISA Romero Vieira Belo

Enfoque Político Jornalismo é, antes de tudo, a busca da verdade

Eleição dependerá das 'sequelas' da pandemia Novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Luís Roberto Barroso entende que deve haver uma data-limite para decidir se haverá condições para manter o calendário eleitoral deste ano. Ele avalia que a decisão deve ser tomada no próximo mês (junho), primeiro com manifestação técnica do próprio TSE e a seguir, obviamente, com a palavra final do Congresso Nacional. Os argumentos de um modo geral, mesmo tendo-se em conta os efeitos ou as sequelas da pandemia, convergem para o entendimento de que o processo eleitoral pode e deve ser realizado, senão em outubro, mas ao menos em novembro, o que representaria o que o ministro Barroso chamou de 'adiamento mínimo', que não implicasse em prorrogação de mandatos, que os atuais serão exercidos até 31 de dezembro vindouro. Evidente que a realidade criada pela pandemia do coronavírus pode prevalecer, até porque ninguém sabe - médicos, cientistas, especialistas - quando, precisamente, o país estará livre do atual estado de coisas, com registros diários de contágios, internamentos e mortes pela covid-19. Contudo, a julgar pelo que já aconteceu em outros continentes e países, onde o surto epidêmico foi tão ou mais intenso do que aqui, pode-se considerar que haverá condições para o cumprimento dos prazos contidos no calendário eleitoral com realização do primeiro e segundo turnos em outubro. Tal previsão, vale salientar, estará condicionada à evolução da pandemia, que tanto pode se agravar - com relaxamento do isolamento social - quanto melhorar, se a população agir com mais consciência e colaborar com as medidas capazes de conter e reduzir a transmissão do vírus mortal. Na pior hipótese, faria bem à democracia que se evitasse o recurso à prorrogação dos atuais mandatos, já que prefeitos, viceprefeitos e vereadores foram eleitos para um período de quatro anos. Ou seja, se o adiamento se tornar inevitável, que se altere a Constituição para fixar um 'tempo mínimo', reduzindo-se 'minimamente', portanto, os futuros mandatos municipais. GUILHERME PALMEIRA, UM BALUARTE Guilherme Palmeira entra para a história como um baluarte. Em parceria de irmãos com Divaldo Suruagy, consolidou Alagoas como um polo turístico regional. Deixa como legado a virtude de um político íntegro, franco e objetivo, avesso a promoções pessoais. Um exemplo, infelizmente, seguido por poucos.

Guilherme Palmeira foi decisivo na luta para libertar Alagoas do atraso

GP, SURUAGY, CORDEIRO E MINHA NOMEAÇÃO Devia-lhe uma: foi o mentor de minha nomeação para o cargo de delegado do Ministério do Trabalho em Alagoas. Uma indicação do deputado federal Albérico Cordeiro referendada por Suruagy. Passei seis meses no comando da DRT/AL (de julho a dezembro de 1994) até assumir a Secretaria de Comunicação do Estado. QUASEX, QUASE VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA A exemplo de Suruagy, por pouco não chegou ao posto de vice-presidente da República. Seria o companheiro de chapa de Fernando Henrique Cardoso, mas houve um contratempo, e ele, Guilherme, abriu mão da disputa, sendo substituído pelo colega Pernambuco Marco Maciel. Suruagy não se tornou vice-presidente devido à ingerência de Paulo Maluf. Longa história... PREFEITO DE MACEIÓ APÓS EMBATE COM RENAN Em sua trajetória política, um passo pouco compreendido: em 1988, Guilherme, com dois anos de Senado a cumprir, deixou o Congresso e se elegeu prefeito de Maceió, numa disputa acirrada com Renan Calheiros. Dois anos depois, renunciou à Prefeitura e, mais uma vez, se elegeu senador. ELEITOR DE TANCREDO, PRESIDENTE DO PFL Guilherme marchou com a Frente Liberal, bloco político que rompeu com o PDS e consolidou a vitória de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral, episódio que marcou o fim do regime militar. Reconhecido como líder nacional, assumiu a presidência do PFL. Em 1986, senador e sem apetite eleitoral, disputou o perdeu o governo alagoano para Fernando Collor. LANÇOU FERNANDO COLLOR NA POLÍTICA Eleito (indiretamente pela Assembleia Legislativa) governador de Alagoas, em 1978, graças à influência de Suruagy junto ao presidente Ernesto Geisel, Guilherme Palmeira foi responsável pelo ingresso de Fernando Collor na política, nomeando-o prefeito de Maceió, por sugestão do amigo Suruagy. RUI, O HERDEIRO COM MAIS RESPONSABILIDADE A morte de Guilherme aumenta a responsabilidade do filho e herdeiro político Rui Palmeira. GP foi secretário de Estado, deputado estadual, governador, senador e ministro do Tribunal de Contas da União. Rui, deputado estadual, deputado federal e prefeito de Maceió. Tem um longo caminho pela frente, agora com 'luz própria', sem a influência do velho Guilherme.

Pandemia influi e a maioria diz preferir adiamento de eleições Cenário de tragédia no País faz população deixar processo eleitoral em segundo plano fotos: Divulgação

Da Editoria de Política

Qualquer pesquisa de opinião realizada neste momento com a pandemia caminhando para o pico - sobre a conveniência de manter ou não o calendário eleitoral deste ano, a resposta da maioria tende a ser contrária ao pleito de outubro próximo. E foi precisamente isso que acaba de constatar uma sondagem do Paraná Pesquisas, na qual 55,6% dos brasileiros disseram ser favoráveis ao adiamento das eleições municipais deste ano, exatamente por causa da pandemia. O levantamento foi realizado ouvindo 2.364 pessoas em todos os Estados do Brasil e no Distrito Federal, no período de 25 a 27 de abril de 2020. A margem de erro é 2 pontos percentuais para mais ou para menos. De acordo com a Lei Eleitoral, o pleito deve ser realizado sempre no 1º domingo de outubro do respectivo ano da disputa. Neste ano, no caso, em 4 de outubro (primeiro turno). Segundo a enquete do Paraná Pesquisa, outros 37,8% são contrários ao adiamento, e 6,6% não souberam ou não opinaram sobre o tema. A apuração do Paraná Pesquisas destaca que 53% dos entrevistados do sexo masculino apoiam a mudança no calendário eleitoral. Entre as mulheres, a opinião favorável é maior: 58%. A pesquisa também apurou

População deixa voto em segundo plano em meio ao avanço assustador da pandemia em todo Brasil

Posição da Justiça Eleitoral Preparando-se para assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral no final deste mês, o ministro Luís Roberto Barroso reitera que a decisão de adiar ou não as eleições deste ano deve ser pautada por parâmetros sanitários e não políticos. "Por minha vontade, nada seria modificado porque as eleições são um rito vital para a que 56,9% da população de 16 a 24 anos apoia a transferência da eleição para o final do ano. Outros 36,4% da mesma faixa etária são contra e 6,7% não soube-

democracia. Portanto, o ideal seria nós podermos realizar as eleições. Porém, há um risco real, e, a esta altura, indisfarçável, de que se possa vir a ter que adiá-las", declarou. Essa também é a posição defendida pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, atual presidente do TSE.

ram ou não responderam. Na 4ª feira (6), terminou o prazo previsto no calendário do TSE para tirar título eleitoral (alistamento) para transferir

título e resolver pendências com a Justiça Eleitoral. Ou seja, os prazos relativos às eleições continuam sendo cumpridos normalmente.

> BREVE PAUSA

ALE faz pausa e retomará sessões na próxima 3ª feira No meio da pandemia da covid-19, e tendo em vista que vários deputados já foram contaminados pelo coronavírus, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Victor suspendeu as sessões ordinárias durante esta semana, inclusive porque há matérias pendentes aguardando pareceres de comissões para só depois serem encaminhadas ao plenário. Diante disso, o presidente decidiu convocar os parlamentares para a próxima sessão ordinária (que deverá ser realizado de forma presencial e virtual, já que quase um terço dos deputados prefere comparecer ao plenário) para a próxima terça-feira, 19 de maio. - Temos ainda alguns projetos que estão nas comissões técnicas da Casa e que precisam ser apreciados na próxima semana. Neste sentido, não teríamos matérias para deliberar no plenário e assim, com aquiescência do plenário, convoco os senhores deputados para a sessão do próximo dia 19 - comunicou Marcelo Victor.

Mesa da Assembleia faz pausa e convoca próxima sessão ordinária para a próxima terça-feira, 19 de maio

Deputados contrários ao governador Renan Filho, a exemplo de Davi Maia, Cabo Bebeto e Bruno, continuam criticando as ações adotadas para combater a pandemia do coronavírus no Estado, assim como a publicidade veiculada, priori-

tariamente, para orientar a população a tomar medidas para se defender do avanço da pandemia. Enquanto isso, médicos alagoanos reforçam apelos para que a população cumpra o isolamento social, evitando

sair de casa sem real necessidade, ao mesmo tempo em que os números da pandemia continuam crescendo e assustando em Alagoas, com os óbitos passando de 100 e os casos confirmados superando a casa dos dois mil.

Loiola cobra mais fiscalização O deputado estadual Inácio Loiola está cobrando uma fiscalização mais rigorosa junto a estabelecimentos como agências bancárias e casas lotéricas no sentido de que, em cumprimento à ordem emergencial em vigor no Estado, disponibilizem álcool em geral para a higienização dos clientes e também para a desinfecção dos terminais eletrônicos (no caso dos bancos). De acordo com Loiola, o decreto estadual nº 69.722, de 4

de maio de 2020, estabelece que os bancos e agências lotéricas disponibilizem o álcool em gel para seus clientes em suas agências bancárias em local visível e de fácil acesso, além do aviso de orientação sobre a importância da higienização regular dos ambientes, equipamentos de contato e uso obrigatório de máscaras de proteção individual. Atento as ações no combate a Covid19, Loiola esclarece que a prevenção na saúde pública abrange medidas não apenas

para prevenir a ocorrência por meio do contato direto, como no caso do coronavírus, mas também para deter sua evolução e minimizar as consequências, principalmente, quando há a necessidade do manuseio de dinheiro, que obrigatoriamente já passou pelas mãos de muitas pessoas, e pelo uso ilimitado de teclas, telas e leitores de digitais em caixas eletrônicos, entre outros. "Como os caixas eletrônicos permanecem em funcionamento para a população durante o

período de isolamento domiciliar em Alagoas, temos verificado que não há álcool 70º disponível para os consumidores que precisam ir até esses locais. A prevenção é fundamental.", relatou Inácio Loiola. - Em áreas de aglomeração e circulação de milhares de pessoas a iniciativa de higienização com álcool 70% já é um grande aliado para evitar o agravamento da contaminação por vários tipos de vírus e bactérias, afirma o parlamentar sertanejo.


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

A4 | Nacional

> SUPREMO Geraldo Câmara

Ouvidor Geral geraldocamara@gmail.com

E POR QUE NÃO MUDAR AS ELEIÇÕES? O calendário das eleições é previsto na Constituição Brasileira, portanto para se pensar em mudar a data ou as datas de suas realizações será preciso uma PEC que assim o determine. No entanto, principalmente agora que o país após a pandemia irá enfrentar uma crise econômica queira ou não queira, o adiamento poderia ser previsível e até salutar para o presente e para o futuro. E, como até para adiar por dois meses há que se mexer na Constituição por que não se pensar em uma fórmula mais plausível que seria a de unificação das eleições em 2002? Não apenas para o processo atual, mas para que ficasse em definitivo como eleições gerais unindo todos de uma vez só. Sim, mas argumentam alguns que os atuais prefeitos e vereadores teriam seus mandatos prolongados por mais dois anos. E daí? (expressão na moda) Muito mais barato para os cofres públicos e até oportunidade para que em dois anos possam os prefeitos principalmente se refazer dos tumultos econômicos provocados pela pandemia. Particularmente sempre fui a favor das eleições gerais e unificadas. E se há uma oportunidade ímpar para que isso aconteça, quem sabe é chegada a hora? Mas como os meandros e os subterrâneos da política constituem-se em enorme mistério, talvez nem Sherlock Homes desvende aquelas cabeças pensantes que a conduzem. Pensantes?

DESTACÔMETRO

O destaque da semana vai para o dinâmico Rafael Brito, Secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas que volta gradativamente às lides depois de passar pelo susto do Covid19. Ainda bem, amigo! Precisamos muito de você.

PÍLULAS DO OUVIDOR Que as coisas vão voltar ao normal tenho certeza. Que o caminho percorrido foi doloroso e o a percorrer ainda o será não tenho dúvida. Mas não podemos jogar fora o que já fizemos. Continuar a luta, em casa, na medida do possível levará à vitória. Que a outra luta para recuperar a economia do país será imensa também não tenho a menor expectativa do contrário. Essa precisa ser planejada com cuidado para não ceifar mais vidas e saber mudar conceitos sem teimosias. Mudar conceitos é saber, por exemplo, que o mercado consumidor mudou e que vai mudar ainda mais. Saber que os investimentos no país terão que ser reformulados e que a política de comércio exterior também mudará. Não poderemos nos esquecer que a pandemia é mundial e que, tanto nós no Brasil quanto os outros países, todos sofreremos modificações de mercado nas nossas políticas de importações e exportações e a guerra estará exatamente aí. Na política interna da recuperação de empregos acho que deveremos pensar num efetivo planejamento de associativismo integrado, cooperativismo planejado, fixação das famílias aos seus lugares de origem estimulando a economia criativa. Para isso será preciso que o governo tenha a conscientização dessa necessidade, que trace um mapa vocacional do país valendo-se dos valores e habilidades de cada região e de cada município buscando estimuladores de renda cooperativa. Esperar às vezes pelo federal poderá ser traduzido em "emperrar". Por isso o plano em questão é tão versátil que qualquer município poderá fazê-lo ou qualquer estado de per si. Isto sim poderá e deverá ser pensado ainda durante esses períodos de quarentena porque adiantará a questão da empregabilidade ou da manutenção de renda básica para essas famílias. Tenho publicado este plano em livro e o tenho discutido há mais de vinte anos. Só que agora, o fator mais importante da empregabilidade talvez o resgate como uma solução que não será emergencial, mas como política definitiva da dignidade do ser humano. O querido e festejado alagoano, Humberto Martins (foto) que por aqui já foi Procurador Geral do Estado e Desembargador assume agora as difíceis funções de presidente do STJ, o Superior Tribunal de Justiça do país. Parabéns, amigo!

ABRAÇOS IMPRESSOS O meu abraço fraterno vai para o vice-governador Luciano Barbosa que já driblou a Covid19, graças a Deus. E, através dele abraço a todos os que estão conseguindo superar esse terrível mal.

Ministro abre acesso à gravação da reunião de JB com ministros Moro diz que no encontro presidente tentou interferir no comando da Polícia Federal fotos: Divulgação

O Supremo Tribunal Federal permitiu que o Procurador-Geral da República, o ex-ministro Sérgio Moro, a delegada da Polícia Federal responsável pelo caso e o Advogado-Geral da União tenham acesso à gravação de uma reunião citada na Justiça por Moro. Na decisão divulgada neste sábado (9), o relator do caso, ministro Celso de Mello, disse que a o material será exibido uma única vez, em Brasília, em uma data a ser definida pela delegada Christiane Corrêa Machado. Celso de Mello ressalta que o sigilo pontual e temporário continua e que o material está lacrado e protegido dentro do gabinete dele. O decano da Corte informou também que vai decidir "em momento oportuno, sobre a divulgação total ou parcial" da reunião. INVESTIGAÇÕES Sergio Moro anunciou a demissão do cargo em 24 de abril. No anúncio, acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal. Diante das declarações, a Procuradoria Geral da República pediu, e o STF abriu um inquérito para investigar as acusações. Bolsonaro nega ter cometido irregularidades. Moro prestou depoimento de mais de oito horas, no último dia 2, na Superintendência da Polícia Federal (PF)

Ministro Celso de Mello conduz investigações que podem provar interferência de Bolsonaro na PF

em Curitiba. Ele foi questionado sobre as acusações de que Bolsonaro tentou interferir no trabalho da Polícia Federal (PF) e em inquéritos relacionados a familiares. As acusações foram feitas pelo ex-ministro quando ele anunciou sua saída do governo, em 24 de abril. O depoimento de Moro foi motivado por inquérito aberto pelo ministro Celso de Mello, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), a fim de apurar se

Bolsonaro tentou interferir politicamente na PF. Essa suposta interferência foi a razão apontada por Moro em pronunciamento para ter deixado governo. O ex-ministro fez esse anúncio quando o "Diário Oficial da União" publicou a exoneração do diretor-geral da PF, delegado Mauricio Valeixo. Segundo o ex-ministro, ele não tomou conhecimento prévio da demissão do diretor.

Bolsonaro se junta ao Centrão Ao perceber que a sua aceitação no Congresso estava cada vez menor, o presidente Jair Bolsonaro se viu obrigado a abandonar o discurso de que não transige com a corrupção e abriu o governo federal para legendas do Centrão, grupo notório por reunir partidos considerados fisiológicos e contra alguns dos seus integrantes pesam processos judiciais e condenações por malversação de recursos públicos. A manobra é a mesma que outros presidentes executaram: obtenção de apoio entre os parlamentares para manter a governabilidade e, sobretudo, adquirir musculatura para debelar uma eventual abertura de processo de impeachment. No que depender dos integrantes do

governo, inclusive dos militares, Bolsonaro terá respaldo para qualquer tipo de articulação política. O vice-presidente Hamilton Mourão, por exemplo, reconhece que a crise sanitária "obrigou o presidente a buscar uma nova forma de diálogo com o Congresso". Segundo ele, no início, o foco do governo era se aproximar de bancadas temáticas -- como a evangélica e a da bala -- para constituir maiorias provisórias no Parlamento, mas a pandemia fez com que o presidente passasse a lidar de maneira diferente com as legendas, para tentar "extrair o melhor" de cada uma. "Efetivamente, como outros presidentes tiveram que fazer, (Bolsonaro buscou) uma aproximação mais cerrada junto

aos partidos políticos, de modo que ele construa uma base que lhe dê certa estabilidade para tentar aprovar aquilo que nós julgamos necessário", disse o general. Esse pensamento é compartilhado pelos três ministros militares com assento no Planalto: Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Walter Braga Netto (Casa Civil) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) No fim de abril, Bolsonaro declarou não ver problemas em abrir vagas no governo para o Centrão, mesmo que isso signifique abandonar o discurso adotado na campanha eleitoral de 2018. E se deu conta de que o toma lá dá cá tem tudo para ser um importante pilar do governo

> TRAGÉDIA

Congresso e Supremo decretam luto por dez mil mortes no País Os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF) declararam, neste sábado (9), luto de três dias no Congresso e na instância máxima do Judiciário em razão das 10 mil mortes por Covid-19 no país. O Brasil registrou até o momento mais de 10 mil mortos por complicações do novo coronavírus (Sars-Cov-2) desde que o primeiro caso no país foi relatado em março, segundo o levantamento das secretarias estaduais de Saúde da sexta-feira (9). Com a medida, ficam proibidas celebrações, comemorações ou festividades durante esses dias, tanto no Legislativo quanto no Judiciário federais. O ato que decreta o luto oficial no Legislativo foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial do Congresso Nacional neste sábado, com assinatura do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidentes de Câmara e Senado. "Em nome do Poder Judiciário brasileiro e do Supremo Tribunal Federal, expresso nossos sentimentos de mais profunda tristeza e também nossa solidariedade aos familiares e aos amigos de cada um desses mais de dez mil brasileiros, cujos entes queridos foram, em grande parte, privados de uma justa despedida", afirma Toffoli na nota de pesar. "Precisamos, mais do que nunca, unir esforços, em solidariedade e fraternidade, em prol da preservação da vida e da saúde. A saída para esta crise está na união, no diálogo e na ação coordenada, amparada na ciência, entre os Poderes, as instituições, públicas e privadas, e todas as esferas da Federação desse vasto país", diz.

Dias Toffoli, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia decretam luto de três dias por marca de 10 mil óbitos

No fim de abril, quando o Brasil atingiu a marca de 5 mil mortes pela Covid-19, Bolsonaro respondeu a uma pergunta sobre o dado dizendo: "E daí?" "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse, em referência ao próprio sobrenome. BOLSONARO CURTE JET SKI O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) resolveu cancelar o churrasco que havia prometido para este sábado (09). Ao invés disso, o chefe do Executivo aproveitou para curtir o dia passeando de jet ski no Lago Paranoá, próximo ao Palácio da Alvorada. Ao estacionar a lan-

cha no píer, ainda na água, Bolsonaro tirou selfies com apoiadores. Mais cedo, pelas redes sociais, após repercussão negativa da notícia do churrasco, Bolsonaro afirmou que o churrasco era "fake". Ele ainda teceu comentários sobre o Movimento Brasil Livre (MBL) que protocolou, junto à Justiça Federal do Distrito Federal, na noite de ontem (8), uma ação para proibir o presidente de promover um churrasco hoje, conforme prometido por ele próprio. O pedido do partido ainda previa multa de R$ 100 mil o evento ocorresse. "Alguns jornalistas idiotas criticaram o churrasco fake, mas o MBL se superou, entrou com ação na justiça".


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

DA O IT A E I F M E E D N PA Da Redação Com um incremento de vendas estimado em 20%, em abril, o setor supermercadista principal serviço essencial liberado para funcionar, junto com o farmacêutico - anda faturando alto nesses tempos em que o isolamento social se impõe, como arma contra o novo coronavírus, mas a população é obrigada a sair de casa para comprar remédios e alimentos. O problema, para o consumidor, é que o crescimento da demanda - as pessoas ou estocam ou compra mais gêneros para poderem ficar mais tempo em casa e, aí, acaba consumindo mais - tem pressionado os preços, principalmente de produtos comestíveis, o que, aliás, deverá se refletir nos índices inflacionários. A ganância, a voracidade pelo lucro, também conspira para a alta dos preços, embora essa prática seja mais constante nos 'pequenos supermercados' e mercadinhos de bairros, onde ninguém consegue ver os fis-

Geral | A5

Com comércio fechado, população ‘come em casa’ e preços disparam Visibilidade e ações do Procon garantem 'comportamento' dos preços apenas nos supermercados cais do Procon, sobretudo. Só um exemplo: no SuperGiro, localizado na Av. Siqueira Campos (Trapiche), 1 quilo de bisteca de porco, que custava R$ 11,00, antes da pandemia, agora é comercializado por R$ 15,00, um aumento superior a 30%. Material de limpeza - sabão, água sanitária, detergente - também sofreram reajustes 'acima do normal', justamente porque são produtos mais procurados para a higienização, uma das principais ferramentas do combate à covid-19. Os grandes supermercados, como Extra, Hiper, G Barbosa, assim como os atacadões, mantém os preços dentro da normalidade - e até fazem promoções para aumentar o lucro com o aumento das vendas, e não elevando as cotações, o que também se deve, em parte, à presença da fiscalização. Os mercadinhos de bairro, a exemplo do Estrela (com lojas no Trapiche, Prado, Ponta Grossa e Centro) também capricharam nos preços de pro-

Primeira Edição

Com visibilidade e fiscalização, grandes supermercados mantêm preços razoáveis, ao contrário de estabelecimentos pequenos e mercadinhos de bairro

dutos como arroz, açúcar e feijão, precisamente os itens mais presentes na mesa das famílias. - É um absurdo, com a pandemia, com o sofrimento do povo, o comércio deveria ser mais solidário, deveria respeitar mais a queda da renda das

pessoas, e não tentar lucrar mais se aproveitando da situação criada com essa tragédia que estamos vivendo - desabafou dona Joana A. dos Santos. Na parte baixa de Maceió, incluindo a área central, a afluência aos mercadinhos cres-

ceu consideravelmente depois que foi anunciada a morte de um açougueiro que trabalhava no Mercado da Produção, na segunda quinzena de março. De um modo geral, o consumo de alimentos (e a consequente demanda nos super-

mercados), cresceu porque, antes muita gente que trabalhava no comércio, repartições públicas, escritórios, dentre outros, almoçavam ou apenas lanchavam em restaurantes e lanchonetes, enquanto agora todos estão comendo em suas casas.

> CASO SÉRIO

Sem dado descritivo, Justiça nega liminar ao MP-AL e escolas recebem sem ensinar Da Redação Usando um argumento ponderável, o de que não se pode exigir dos colégios privados desconto de até 35% na mensalidade escolar, ou seja, de forma 'indiscriminada', pois existem educandários ministrando aulas por vias digitais, a Justiça negou liminar ao Ministério Público Estadual, que também está batalhando por uma causa justa, considerando a situação financeira dos pais dos alunos nesse período de pandemia e de crise econômica generalizada. Na ação civil pública que ajuizou defendendo que a Justiça decidisse, liminarmente, pela exigência de um desconto de até 35% aos colégios e escolas da rede privada de Alagoas, o Ministério Público não considerou a situação dos estabelecimentos que estão ministrando aulas, ainda que valendo-se de recursos virtuais.

Em seu despacho negando a concessão da liminar, o juiz Jerônimo Roberto dos Santos assinalou: "Quanto às instituições que optaram por continuar prestando o serviço através de meios digitais, é de se reconhecer que houve um investimento para implementação de plataformas digitais, devendo, portanto, cada instituição criar canais de atendimento aos seus consumidores, de forma a explicar, de modo transparente, todos os pontos e processos de adaptação na prestação de serviço, que deverá ocorrer de forma eficiente, destacando-se que essa modalidade foi devidamente autorizada pelo Ministério da Educação, sendo, portanto, uma via a ser adotada pelas instituições de ensino". Mas o magistrado tocou no cerne da questão ao salientar que não se mostrava razoável a análise do pedido antecipató-

fotos: Divulgação

Juiz Jerônimo Roberto rejeita autorizar desconto de forma indiscriminada

rio de forma indiscriminada, sem analisar individualmente a situação de cada unidade de ensino, sob pena de provocar graves prejuízos, na medida que as instituições particulares possuem realidades diferentes, seja no número de alunos, de funcionários ou estrutura. A ação foi ajuizada pela

Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, por meio do promotor Max Martins, com apoiado por Defino da Costa Neto e Lucas Sachsida. Claro que o MP-AL vai insistir na necessidade de se fazer justiça aos pais ou responsáveis pelos alunos, sabendo-se, inclusive, que a grande maioria

Promotor Max Martins diz que pandemia também atinge pais de alunos

(e a totalidade em se tratando das crianças) está sem aulas (presenciais ou digitais), enquanto os educandários continuam recebendo as mensalidades integralmente. A medida prática a ser adotada, urgentemente, por parte do Ministério Público, é designar um grupo para avaliar a

'situação funcional' de cada escola, de modo a permitir que o Judiciário possa, diante de dados reais, determinar a concessão de descontos nas mensalidades, já que os pais dos alunos estão pagando por um serviço não prestado e os professores estão recebendo sem trabalhar.

> MACEIÓ

Decreto de Rui reforça o isolamento e mantém aulas suspensas até 2 de junho Em novo decreto que renova e amplia as medidas de enfrentamento à pandemia do coronavírus, com a prioridade de frear a curva de contágios para evitar o crescimento da demanda nos leitos hospitalares, o prefeito Rui Palmeira decidiu que as aulas na rede pública municipal ficam suspensas até 2 de junho. O documento estende até 22 de maio a suspensão de eventos públicos agendados pelos órgãos ou entidades municipais. Além disso, toda e qualquer atividade comercial, exceto o Centro Pesqueiro e as balanças de peixe, na orla marítima e lagunar está proibida, bem como o estacionamento de veículos e motos em toda extensão das ruas e avenidas situadas nas orlas, inclusive em todas as faixas da Avenida Silvio Carlos Viana, nos bolsões e baias de estacionamen-

tos em escamas. O ato proíbe o uso do Cartão Bem Legal Escolar e do Cartão Bem Legal Sênior nos transportes públicos, salvo para pessoas com deficiência ou patologia crônica, que necessitam de gratuidade nos transportes públicos municipais. Assim como adotado pelo governador Renan Filho para o Estado, o decreto de Rui Palmeira traz ainda a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção em locais públicos e em locais de uso coletivo, ainda que privados a partir da zero hora do dia 08 de maio de 2020 e enquanto perdurar o Estado de Calamidade em Saúde Pública. Os estabelecimentos comerciais, de serviços e as indústrias, devem fornecer as máscaras de proteção aos seus funcionários., conforme recomendação do Ministério da Saúde.

Com novo decreto do prefeito Rui, aulas ficam suspensas até 2 de junho

COMÉRCIO

Em relação ao comércio, o decreto reforça que todos os estabelecimentos autorizados a funcionar pelo Decreto Estadual nº 69.722, de 04 de maio de 2020, devem obrigatoriamente adotar medidas preventivas complementares como

disponibilizar álcool gel 70%, em locais fixos de fácil visualização e acesso; lavatório com sabonete líquido e papel toalha para clientes e funcionários; orientar por meio de comunicação visual quanto ao uso de máscaras obrigatório e ao distanciamento mínimo

obrigatório de 1,5m entre pessoas; ampliar e/ou agilizar o atendimento a idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais; intensificar as ações de limpeza e desinfecção de ambientes e cumprir integralmente todas as recomendações de prevenção e controle para o enfrentamento do coronavírus (covid-19) expedidas pelas autoridades sanitárias competentes. Os supermercados, hipermercados, mercados, padarias, açougues, peixarias, lojas de suplementos, lojas de alimentos funcionais e estabelecimentos congêneres, além das medidas anteriores, deverão, obrigatoriamente, limitar entrada a uma pessoa por núcleo familiar, preferencialmente, fora do grupo de risco. Só se deve permitir a entrada conjunta quando se tratar de pessoas com dificuldades motoras

ou absoluta impossibilidade da presença desacompanhada. As instituições bancárias e lotéricas obrigatoriamente devem organizar as filas, com o uso de sinalização horizontal disciplinadora, para assegurar o distanciamento social de 1,5 metros entre clientes; organizar, preferencialmente, as filas em calçadas; priorizar atendimentos essenciais; destinar o atendimento presencial especialmente para atividades que não possam ser realizadas nos caixas eletrônicos ou canais de atendimento remoto (canais digitais); proceder à realização de agendamento antecipado para atendimento presencial. Caso seja necessário a utilização do espaço da rua para organizar as filas de espera, as instituições podem solicitar, antecipadamente, o apoio da SMTT, que avaliará a adoção das medidas necessárias.


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

A6 | Especial

> IGREJA MUNDIAL

MPF vê estelionato em caso de ‘apóstolo’ Valdemiro Santiago Oliveira aparece em vídeo anunciando sementes de feijão com supostos poderes de curar a Covid-19 Reproduzido do G-1 O Ministério Público Federal (MPF) viu indícios de estelionato por parte do pastor Valdemiro Santiago de Oliveira, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), que apareceu em vídeo divulgado na internet anunciando sementes de feijão com supostos poderes de curar a Covid-19. A Procuradoria Regional da República da 5ª Região, no Recife (PE) pediu nesta sextafeira (8) que o Ministério Público do Estado de São Paulo

(MP-SP) apure o caso. Segundo o procurador federal Wellington Cabral Saraiva, “está claro” no vídeo que o pastor “usa de influência religiosa e da mística da religião para obter vantagem pessoal (ou em benefício da igreja), induzindo vítimas em erro, pois não há evidência conhecida de cura da Covid-19 por meio de alguma divindade nem por ingestão ou plantação de feijões mágicos”. “O noticiado não fala explicitamente em pagamento, pois emprega a palavra-código

Divulgação

Valdemiro Santiago garante ‘cura para covid’ e é acusado de estelionato

“propósito”. As vítimas não fariam pagamentos, mas “propósitos”. A despeito do disfarce linguístico, o ardil está claro: os fiéis devem pagar valores predeterminados para obter feijões mágicos que os poderão curar da Covid-19, mesmo em casos graves”, afirma Wellington Cabral Saraiva. No vídeo, o pastor Valdemiro Santiago fala da planta e pede o "propósito de R$ 1 mil" por ela. "Na última reunião de bispos e pastores, apresentando com exame, com laudo médico,

gente curada de coronavírus. Em estado terminal, podemos dizer assim. Gravíssimo, num estado muito avançado. E Deus operou e fez maravilha. E tá ali o exame, para quem quiser. Seria bom uma reportagem na Globo, na Bandeirantes, na Record, no SBT, na Redetv, para mostrar ao povo o poder de Deus. Aí você vê como é importante a semente, a semeadura. Então o povo obedeceu a José e semeou na terra. E a terra deu o retorno. Toda família se fartou e conseguiu venceu a crise, a epidemia", diz o pastor.


Esportes

esportes@primeiraedicao.com.br

Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020 Diário Oficial dos Municípios - Opinião - Social

> RIO LARGO

CSA: Câmara de Vereadores definirá CT Clube espera desapropriação de terreno, na cidade de Rio Largo, para dar entrada no projeto de construção da nova casa GloboEsporte.com O CSA enfrenta a burocracia para definir o local do novo centro de treinamento. Depois de anunciar que a futura casa será em Rio Largo, o clube de-

pende da Câmara de Vereadores da cidade para bater, de vez, o martelo e iniciar a construção. Presidente do Conselho Deliberativo do CSA, Raimundo Tavares disse que o clube ainda

espera "algumas coisas" e não bancou Rio Largo como futura sede. Já Rafael Tenório, presidente do CSA, passou mais informações sobre o andamento do processo.

- O projeto de lei está na Câmara de Vereadores. Os vereadores agora vão apreciar. O processo funciona assim: a prefeitura manda um projeto de lei de incentivo ao esporte, cultura e entretenimento para a

Câmara. Depois de aprovado, aí o CSA apresenta o projeto para construir o CT. Depois disso, a prefeitura desapropria uma área, pode ser em qualquer área, pública ou particular. A prefeitura não pode

doar, mas vende. Feito isso, você apresenta o projeto para construção. No dia 17 de abril, o CSA publicou nas redes sociais que Rio Largo será a nova sede do clube. Dias depois, o presidente do conselho azulino foi cauteloso e não quis bancar a escolha da cidade como definida.

ENQUANTO ISSO...

Enquanto não constrói a futura sede, o clube vai utilizar o Estádio Nelson Peixoto Feijó, o Nelsão, como centro de treinamento temporário. O CSA investiu quase R$ 500 mil no projeto de reforma da antiga casa do Corinthians Alagoano. O contrato de locação do Nelsão é de dois anos.

ACORDO

O CSA anunciou que tomou uma decisão difícil para manter as contas equilibradas. Prejudicado com a falta de receita por conta da Covid-19, o clube propôs uma redução salarial de 25% dos salários e direitos de imagem dos jogadores. O grupo aceitou a decisão. Executivo de futebol do Azulão, Marcelo Barbarotti contou como o acordo foi construído com o elenco. - Nessa parada, nós fizemos um acordo com os atletas para uma redução salarial de 25% para os meses de abril, maio e junho. Isso é uma negociação, precisou ser explicado tudo e o elenco mostrou o comprometimento que tem com o CSA. Os jogadores foram muito receptivos em ajudar ao clube. Para o assunto chegar a todos os atletas, Barbarotti disse que procurou líderes do elenco, que se encarregaram de transmitir a mensagem ao grupo. - Eu sentei pessoalmente com o Alan Costa e o Leandro Souza, foram os interlocutores. Expliquei tudo e eles debateram com o grupo. Depois, nós formalizamos isso, fizemos um aditivo contratual individual, todos assinaram, e levamos para formalização no sindicato. Tudo isso foi legalizado. Alan Costa falou e disse como o grupo recebeu a proposta do clube. - Ninguém gosta de perder. Quando se fala em redução salarial, mexe com uma estrutura inteira. Por trás de muitos atletas vêm famílias, parentes, pessoas que dependem desse recurso para se sustentar. Muitas pessoas criticam que o jogador de futebol ganha muito, mas também tem seus compromissos altos para arcar - falou, afirmando que os jogadores entenderam o momento de dificuldade. - Mas os atletas entenderam o momento que não só o clube, mas que o mundo está passando. O que facilitou o acordo foi estar em um clube sério. Divulgação

Local do novo CT não está definido


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

B2 | Esportes

> "LEILÃO"

CRB: executivo projeta o pós quarentena Thiago Paes alerta que clubes mais organizados financeiramente vão levar vantagem na hora de fechar novas contratações GloboEsporte.com A pandemia causada pela Covid-19 está afetando a economia mundial. O futebol foi também atingido em cheio. Com queda nas receitas, os clubes precisam encontrar meios de minimizar o prejuízo financeiro e, ao mesmo tempo, projetar o futuro. Executivo de futebol do CRB, Thiago Paes falou e fez um panorama de como enxerga o mercado no pós-quarentena. - Eu entendo que os efeitos pós-Covid 19 serão sentidos em todos os segmentos. No futebol, eu acho muito difícil os clubes saírem ilesos disso. Para o dirigente, quando a bola voltar a rolar e o mercado estiver aquecido, o leilão de atletas será inevitável.

- Quanto maior é a demanda, maior será a oferta. Se você tem muito jogador no mercado e muitos clubes tentando contratar esses jogadores, isso acaba virando um leilão e, muitas vezes, os valores acabam sendo inflacionados. Thiago afirmou também que a situação dos clubes antes da paralisação forçada vai ditar a condição deles quando o futebol recomeçar. - Como muitos clubes que já passaram por dificuldades financeiras vão ter mais dificuldades e não vão conseguir entrar nessa disputa por atletas, aqueles clubes que têm uma maior solidez no pré-pandemia serão menos impactados. Com isso, terão uma condição mais saudável de abordar determinados atletas e não ter tanta disputa por esses jogadores.

fotos: Divulgação

trocas, acredito que no mercado europeu surgirão empréstimos com opções de compra, empréstimos com obrigação de compra para determinadas metas serem atingidas, e isso consequentemente poderá ser replicado aqui no futebol brasileiro.

OLÍVIO

Paes alerta que será preciso criatividade dos clubes, quando a bola voltar a rolar, leilão de atletas será inevitável

Consequentemente, isso gera um custo menor. O dirigente do Galo opinou quais alternativas os times vão

precisam adotar para se dar bem após a parada. - Um outro ponto que eu vejo é a questão da criativida-

de. Vai ter que haver uma criatividade muito grande por parte dos clubes no sentido de proporcionar algumas

A proximidade do retorno de Olívio às atividades no CRB não anima apenas a torcida. No clube, muita gente comemora a retomada da carreira do jogador, que virou ídolo regatiano. O técnico Marcelo Cabo confirmou que também não vê a hora de contar com o reforço do volante, campeão alagoano com o clube em 2016. O Atleta vai trabalhar com o grupo no retorno dos treinamentos.

> "FORÇA, BRASIL!"

Atacante faz gol no Coreano prestando homenagem GloboEsporte.com Durante a partida do sábado (9), entre o Ulsan Hyundai e o Sangju Sangmu, pelo Campeonato Coreano, o atacante Junior Negão marcou um gol e prestou uma homenagem aos brasileiros, que enfrentam a pandemia do coronavírus (mais de 147 mil casos confirmados, com mais de 10 mil mortes). Ele levantou a camisa do time e, por baixo, havia outra com a frase: "Força, Brasil!". Junior Negão marcou dois gols na vitória do Ulsan Hyundai por 4 a 0, ambos no primeiro tempo. A partida foi válida pela primeira rodada do Campeonato Coreano, que começou neste fim de

semana. A K-League foi a primeira liga de futebol a ser retomada em todo o mundo em meio à pandemia da Covid-19 (campeonatos como Belarus e Nicarágua não chegaram a ter a temporada interrompida como medida de segurança). A liga da Coreia do Sul realizou cerca de 1.100 testes de Covid-19 com jogadores e membros de comissões técnicas das duas principais divisões do país antes da bola rolar. Nenhum exame deu positivo.

DURANTE A QUARENTENA

Aos torcedores que estão sentindo falta do futebol, uma boa notícia: a TV Globo vai reprisar aos domingos jogos ines-

transmitidos no Rio de Janeiro e em São Paulo já está fechada, mas a iniciativa vai englobar partidas de outros estados também - essas serão definidas ao longo da semana.

REPRISE NO RIO

17/05 - Flamengo 2 x 1 River Plate, final da Libertadores 2019 24/05 - Barcelona-EQU 1 x 2 Vasco, final da Libertadores 1998

REPRISE EM SP

Junior Negão comemora um dos gols da vitória do Ulsan Hyundai sobre o Sangju Sangmu e, presta homenagem

quecíveis de clubes brasileiros de diferentes estados. A partir do dia 17, sempre às 16h (de

Brasília), será possível rever partidas que ficaram marcadas na história. É uma maneira de

matar a saudade enquanto a bola não volta a rolar ao vivo. A lista de jogos que serão

17/05 - Corinthians 1 x 0 Chelsea, final do Mundial 2012 24/05 - São Paulo 1 x 0 Liverpool, final do Mundial de 2005 31/05 - Deportivo Cali 1 (3) x (4) 2 Palmeiras, Libertadores

> MEMÓRIA VIVA

Guilherme - caráter, lealdade e honradez Alcides Muniz Falcão (*) Alagoas lamenta profundamente a perda de um filho brilhante, que, com lealdade, honestidade amizade de um verdadeiro Gentleman percorreu uma longa vida pública como deputado estadual, governador, senador, prefeito de Maceió e ministro-presidente do Tribunal de Contas da União. Claro, trata-se do meu estimado amigo, em mais de cinco décadas de convivência amistosa a construtiva, Guilherme Palmeira, que, agora, é lembrado com saudosa memória. Guilherme Palmeira foi presidente da Assembleia Legislativa, eleito por unanimidade dos votos dos deputados, estaduais da Arena e

MDB, em um movimento que fez, juntamente com outros colegas do MDB para que ele fosse candidato único do Poder Legislativo das Alagoas. Guilherme sugeriu o meu nome para vice-presidente, agradeci muito pedindo-lhe, porém, que todos os cargos da Mesa Diretora fossem ocupados por outros colegas. Guilherme, de uma família política tradicional, deixa um filho que, sem sombra de dúvida brilha e ainda brilhará muito em nosso cenário público, o prefeito Rui Palmeira que, com certeza, dará continuidade à história de honradez da tradicional família Palmeira. Meu irmão Muniz Falcão disse para os demais irmãos: conheci e conversei muito com o menino filho do Rui.

Senadores Mauro Miranda, Alcides Muniz Falcão e Guilherme Palmeira

Ele é muito simpático e educado. Gostei muito dele. Muniz se referia a Guilherme Palmeira, filho do senador Rui Palmeira. Rogamos a Deus, à nossa Senhora e à milagrosa Santa brasileira Irmã Dulce dos Po-

bres que livrem todos os alagoanos e demais brasileiros vítimas deste terrível mal, que é a Covid-19, para alegria dos seus conterrâneos e familiares. (*) Depoimento do ex-senador Alcides Muniz Falcão


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

Esportes |B3

> VAR DEVE SEGUIR

CBF vai adotar cinco substituições por jogo Comissão de Arbitragem decide atender a mudança temporária para proteger condição física de jogadores, em ano atípico GloboEsporte.com A CBF decidiu que já vai implementar as cinco substituições por partida nas competições oficiais de 2020. A medida vai ser adotada temporariamente depois que a IFAB autorizou a emenda nas regras do jogo. As trocas precisam ser feitas em três janelas por equipe e vão valer tanto para competições já iniciadas como nas que ainda vão começar - mesmo que elas se estendam até início de 2021. Sobre o uso do VAR, aprovado em Conselho Técnico da Série A do Brasileiro - e também usado nas fases finais da Copa do Brasil -, a princípio a intenção é manter o árbitro de vídeo, apesar das dificuldades econômicas que o ano atípico impõe. Na mesma edição em que tratou da mudança da re-

gra de jogo, a IFAB tratou como opcional o uso da tecnologia. O uso do árbitro de vídeo, que foi aprovado pela primeira vez na edição de 2019, passou novamente pelo crivo dos clubes no Conselho Técnico da Série A, realizado no fim de fevereiro deste ano. - Este ano vamos dar um passo a mais. Vamos colocar um VAR centralizado em algumas partidas, na medida que a gente consiga implantar a tecnologia da fibra ótica nos estádios, para, possivelmente, em 2021, a gente conseguir fazer o VAR centralizado em todas as partidas do Brasileiro. Então foi mais uma medida aprovada - dizia o presidente da CBF, Rogério Caboclo, na reunião de 27 de fevereiro. Há um desafio nesta logística para colocar árbitros e auxi-

fotos: Divulgação

partidas finais da Copa do Brasil.

TEMPORÁRIA

Os campeonatos iniciados ou que ainda vão começar, terão de implementem uma regra de cinco substituições

liares numa sala para trabalhar na revisão dos lances da partida. Pelas circunstâncias de iso-

lamento e afastamento entre as pessoas, um protocolo de uso do VAR deve ser necessário.

Mas, por enquanto, a intenção da CBF é realizar o Brasileiro de 2020 com o VAR, além das

A Fifa oficializou na última sexta-feira a permissão para que campeonatos iniciados ou que ainda vão começar implementem uma regra de cinco substituições por equipe a cada partida. A International Board (IFAB) deu seu aval para a mudança temporária, que será válida para competições que cheguem ao fim até dezembro deste ano. Cabe aos organizadores adotá-la ou não. A alteração autorizada pela IFAB será uma emenda às Regras do Jogo e tem como objetivo, segundo a Fifa, "proteger o bem-estar dos jogadores". A entidade máxima do futebol mundial propôs a mudança preocupada com o impacto da paralisação.

> COM DEL PIERO

Ronaldo lista craques que deveriam ter a Bola de Ouro GloboEsporte.com Antigos rivais no Campeonato Italiano, Ronaldo Fenômeno e Alessandro Del Piero realizaram uma conversa virtual em uma rede social para relembrarem os tempos em que ainda jogavam. No bate-papo, o brasileiro lembrou das disputas entre Inter de Milão e Juventus, onde a equipe de Del Piero costumava levar a melhor, e ainda elegeu cinco jogadores que deveriam ter vencido a Bola de Ouro pelo menos uma vez, em sua

opinião. - Eu diria que há quatro jogadores que não venceram a Bola de Ouro, mas deveriam ter vencido: Del Piero, Maldini, Totti e Raúl. Eu também acrescentaria Roberto Carlos, que ficou duas vezes em segundo lugar atrás de mim. Ronaldo ainda falou sobre a grave lesão que sofreu quando defendia a Inter, em 2000. - Não quero culpar ninguém, mas a única explicação que posso dar é que não treinei bem antes do ano 2000. Me machuquei novamente

Antigos rivais no Campeonato Italiano, craques bateram papo pela internet

depois disso, então talvez seja uma teoria controversa. Depois me machuquei novamente, a mesma lesão mas na outra perna, quando jogava pelo Milan. - Aprendi muito com essa lesão e certamente me tornei um homem melhor por causa disso, entendendo o quanto eu amava o futebol. Fiquei com um pouco de medo após a primeira lesão, como as pessoas diziam que era o fim, de que ninguém nunca havia sofrido uma lesão como essa no futebol, mas eu senti que voltaria -

concluiu.

“MAÇÃ PODRE”

Considerado um dos grandes zagueiros do futebol italiano nos últimos anos, Giorgio Chiellini vai lançar sua biografia nesta semana. E as páginas da história do defensor de 35 anos da Juventus estão recheadas de alfinetadas e recados nada agradáveis para alguns jogadores com quem atuou, como Balotelli e Felipe Melo, este último foi classificado como uma maçã podre, a biografia promete.


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

B4 | Diário Oficial dos Municípios

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIAÇABUÇU AVISO DE CONVOCAÇÃO PARA ABERTURA DA FASE DE LANCES O Pregoeiro oficial do Município de Piaçabuçu/AL, vem convocar aos interessados para inicio da fase de lances do Pregão Presencial SRP nº 010/2020. Objeto: Aquisição de Materiais de Expediente no dia 06 de Maio de 2020 as 08h00min, bem como, do Pregão Presencial nº 011/2020. Objeto: Aquisição de Utensílios Domésticos no dia 06 de Maio de 2020 às 13h00min. LOCAL: Sala de Reuniões de Licitação. Piaçabuçu, 04 de Maio de 2020. Bruno Alexsandro André do Nascimento Pregoeiro ----------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PIAÇABUÇU AVISO DE RATIFICAÇÃO Consoante as informações procedentes da Procuradoria Geral do Município, e aten-

dendo as determinações legais, D E C L A R O para os devidos fins de direito, cumprindo as emanações das normas legais que tratam sobre finanças públicas, em especial aos incisos I e II, do artigo 16 da Lei Complementar N° 101/2000, que as despesas oriundas deste processo tem adequação orçamentária e financeira para o corrente exercício financeiro com a Lei Orçamentária Anual, e compatibilidade com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias, sendo assim, RATIFICO a Dispensa de Licitação de nº 04.05/2020-001, tendo como objeto a Prestação de serviços de Desinfecção, Sanitização em logradouros e espaços públicos, para Enfrentamento do Coronavírus (COVID-19), e os entendimentos firmados ao tempo em que AUTORIZO a celebração do contrato com a empresa OPTIMA SULOÇÕES E SERVIÇOS EIRELI, pessoa jurídica de direito privado, devidamente inscrita no CNPJ sob o nº

32.743.869/0001-12, no valor de R$ 210.710,29 (duzentos e dez mil setecentos e dez reais e vinte e nove centavos), sob os fundamentos do artigo 24, IV, da Lei Federal 8.666 de 21 de junho de 1993, bem como, art. 4º da Lei nº 13.979/2020. Piaçabuçu/AL, 04 de Maio de 2020. Djalma Guttemberg Siqueira Breda Prefeito ----------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PIAÇABUÇU EXTRATO DE CONTRATO Nº 04.05/2020001 – DISPENSA Nº 04.05/2020-001 PROCESSO N° 1215/2020 CONTRATADA: OPTIMA SULOÇÕES E SERVIÇOS EIRELI, CNPJ sob o nº 32.743.869/0001-12. OBJETO: Prestação de serviços de Desinfecção, Sanitização em logradouros e espaços públicos, para Enfrentamento do Coronavírus (COVID-19). QUANTIDADE: 215.010,50 metros.

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 24, IV, da Lei Federal 8.666 de 21 de junho de 1993, bem como, art. 4º da Lei nº 13.979/2020. VALOR TOTAL: R$ 210.710,29 (duzentos e dez mil setecentos e dez reais e vinte e nove centavos). DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: As despesas decorrentes do objeto deste certame fazem parte do Orçamento na seguinte rubrica, Projeto/Atividade: 10.301.0010.2041 – Bloco de custeio (Atenção básica). Elemento de Despesa: 33.90.39.00.000. VIGÊNCIA CONTRATUAL: 60 (sessenta) dias, contados a partir da data da assinatura. A íntegra do contrato poderá ser obtida na sede do Setor de Licitações de Piaçabuçu – AL. Piaçabuçu/AL, 04 de Maio de 2020. Djalma Guttemberg Siqueira Breda Prefeito

> PANDEMIA

Flamengo confirma 38 infectados (3 jogadores) Clube já perdeu o massagista Jorginho, vítima do coronavírus O Flamengo divulgou na noite desta quarta que após a realização de testes em 293 pessoas do clube, 38 testaram positivo para o novo coronavírus. Três são jogadores do time profissional. Os nomes não foram revelados. O clube informou que as 38 pessoas infectadas pela Covid-19 são "positivos assintomáticos", e que 11 (sendo dois atletas) já haviam tido contato com o vírus previamente, sem sintomas, e se encontram com anticorpos IGG positivos.

OS TESTES EM DETALHES:

* Três jogadores * Dois jogadores que tiveram contato com o vírus e têm anticorpos IGG positivos * Seis funcionários do grupo de apoio * Dois funcionários de empresas terceirizadas * 25 familiares ou pessoas que trabalham em residências de funcionários e jogadores Jogadores e funcionários que tiveram exame positivo entrarão em quarentena e terão supervisão do clube. Quando os testes derem negati-

vos, serão reintegrados ao trabalho. Na última segunda-feira, Jorginho, massagista do clube há 40 anos, morreu vítima do coronavírus. Ele tinha 68 anos. No dia 16 de março, o Flamengo anunciou que o exame do técnico Jorge Jesus deu resultado "positivo fraco ou inconclusivo", porque o primeiro exame acusou a presença do vírus, o que não ocorreu na contraprova. Por isso, o treinador fez um terceiro exame, que deu resultado negativo no dia 18 de março. Naquela ocasião, os jogadores também foram testados e deram negativo. Em comunicado, o Clube informa providenciou testagem para todo seu pessoal – jogadores, familiares, funcionários, técnico e assistentes – e que os resultados dos exames saíram na terçafeira (6), sendo: - Das 293 pessoas testadas, 38 testaram positivo, mesmo sem sintomas, sendo os chamados "positivos assintomáticos". Foram detectadas 11 pessoas que já tinham tido o contato com o vírus previamente, sem sintomas, e já se encontravam com anticorpos IGG positivos.

Flamengo fez testagem e constatou quase 40 infectados pelo coronavírus em seu quadro de pessoal e atletas


Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020

Opinião |B5

A foto do fato

Editorial

A lição do coronavírus O mundo não será mais o mesmo, daqui a cinco seis meses quando passar a pandemia que se originou no interior da China e se alastrou pelos quatro cantos do planeta, matando dezenas, centenas de milhares de pessoas indiscriminadamente. Haverá mudanças na economia, no comportamento das pessoas, na atitude dos governos e, sobretudo, nos sistemas de saúde. Aqui no Brasil, sob intensa pressão da sociedade - vítima maior de tragédias como a da covid-19 - o governo terá de repensar o conceito de saúde pública, de preferência mudança por completo a estrutura e a sistemática operacional do SUS - o Sistema Único de Saúde criado no governo de Fernando Henrique Cardoso. Poderia ser melhor, mais eficaz, mais abrangente, contudo, mesmo não sendo o 'sistema ideal', o SUS tem cumprido, na medida do possível e da vontade dos governantes, seu papel de ao menos tentar universalizar a assistência médico-hospitalar, assegurando atendimento à parcela maior da sociedade, precisamente aquela que não dispõe de planos de saúde. Mas há falhas, o sistema precisa ser dimensionado com ampliação de sua estrutura física, com ocupação de mais espaços na rede hospitalar privada, com mais credenciamentos e, obviamente, com o aumento do contingente de profissionais da área, não nesse ou naquele estado, mas em todo o País. A pandemia trouxe muitos danos, causou muitas mortes, ocasionou graves prejuízos com inestimáveis perdas humanas e materiais, mas deixou, como lição uma nítida e detalhada radiografia da precária realidade da saúde no Brasil. Deixou, também, um ensinamento com peso de advertência: o Brasil precisa investir mais, muito mais na saúde pública, de modo a criar um sistema capaz de, no futuro, atender melhor a população atingida por surtos, epidemias e pandemias. Porque, com a covid-19, pode-se invocar o fator 'surpresa', mas amanhã, quando e se uma nova desgraça surgir ameaçando a saúde e a vida dos brasileiros, o País terá de acionar um sistema médico-hospitalar capaz de enfrentar qualquer ameaça biológica. Sem desculpa, sem poder dizer que fomos pegos 'desprevenidos'.

Foi um Dia das Mães diferente: sem festas, sem aglomerações, sem presentes. Afinal, o comércio continua fechado. Mas foi, também, um domingo de muitas mensagens de amor e carinho. Muitas mães receberam beijos - presente sublime - mas os filhos que vivem distante tiveram de fazer suas homenagens virtual.

O estado pós-crise (2)

O professor universitário hoje

governos que foram Esta escola de pensamento se pegos pela manteve viva no pensamento covid-19 em de Von Mises, Hayek e Milton momento de Friedman, que sempre advoga- f r a g i l i d a d e ram a necessidade de que a fiscal e tiveação estatal se resumisse ao mí- ram que amnimo necessário, não devendo pliar gastos e o governo procurar protagonis- endividamento? Como conciliar mo nem na dinamização da democracia, economia de mereconomia, nem no combate às cado e combate às desigualdadesigualdades sociais. O merca- des sociais? do cuidaria de quase tudo. No Antes que o atual ambiente início do século XX surgem dois brasileiro de polarização medíomovimentos alternativos à con- cre reproduza confrontações cepção clássica liberal. A expe- sectárias recentes de coxinhas riência soviética de Estado Má- versus mortadelas, bolsomiximo, a partir da revolução de nions versus isentões versus 1917, que naufragou na disso- "comunistas", cabe aprender lução da URSS e na queda do com a história, desarmar espíriMuro de Berlim, ao final do sé- tos, abrir corações e mentes. O culo XX. E a experiência social- grande pensador liberal Milton democrata do Estado do Bem Friedman que fazia uma defesa Estar Social, que combinava apaixonada do estado Mínimo e compromisso com a democra- da economia de mercado, nem cia política, combate às desi- por isso propunha governo negualdades via políticas públicas nhum. Tanto que defendeu o ativas e respeito à economia de imposto de renda negativo, um mercado socialmente regulada. programa de renda mínima, No campo do pensamento ecopara garantir a nômico, as teosobrevivência da rias de Keynes população mais e muitos out“Defendeu impos- pobre. ros, nascidas outro lado, to de renda nega- Por no enfrentaKeynes nunca mento da tivo, um progra- propôs que toGrande Depresaumento de ma de renda míni- do são de 1929, gasto público e legitimou a inma para ajudar os toda interventervenção estação estatal, em pobres” tal já que a reaqualquer cirlidade tinha cunstância hisderrotado a Lei tórica, fossem de Say e a ideia do equilíbrio sempre positivos. Falava de geral automático e foi o pensa- uma depressão profunda, mento hegemônico até a déca- aonde era preciso incrementar a da de 1970, quando a crise fis- demanda efetiva, neutralizar a cal começou revelar os limites preferência pela liquidez e gada intervenção estatal. Hoje, a rantir renda e investimentos vipartir das crises globais de 2008 sando à superação do deseme do coronavírus, um mundo prego e a retomada do crescinovo se abre. Um mundo novo mento rumo ao pleno emprego. exige ideias novas. O esgota- O pensamento humano sempre mento dos três paradigmas teó- avançou nas crises. Há aqueles ricos, ideológicos e políticos, que desprezam os fatos e ficam dominantes no século XX, abre dogmaticamente presos às suas um vasto campo para uma nova convicções. Mas um tempo noformulação criativa e inovadora vo exige novas ideias que ilumisobre o funcionamento da eco- nem a realidade e descortinem nomia e da sociedade contem- novos horizontes. Com a palaporâneas. Haverá um retorno vra a inteligência brasileira! ao protecionismo e um recuo na globalização? E o capitalis(*) Ex-deputado federal e mo de Estado da China? Quais presidente do PSDB de Minas são seus limites e suas vantagens? Como se comportarão os

José Luiz Delgado (*)

Marcus Pestana (*)

As "Notas sobre o estado atual de nossas universidades", do prof. Flávio Brayner, publicadas no último número da Revista da Academia Pernambucana de Letras, levantam questões profundas e perturbadoras a que o autor responde sempre com posições muito nítidas - que, em bom número, acompanho e aplaudo (como, por exemplo, a necessidade de distinguir saber e conhecimento, não podendo, sem o primeiro, com seu irresistível potencial crítico, existir universidade verdadeira). Mas é simplesmente estarrecedor o quadro que ele descreve, e denuncia, de aspecto fundamental da vida universitária - o ensino. Literalmente relegado, hoje, a absoluto segundo plano, desprezado em favor de uma "pesquisa", vista, na prática, quase como a única tarefa realmente de mérito do docente. Não mais existem os "grandes professores" de antigamente - "homens eruditos, dedicados exclusivamente à sua ciência, portadores, além do domínio técnico e bibliográfico de suas matérias, de uma compostura moral que emprestava às suas disciplinas uma aura de dignidade e respeito". O autor cita vários desses grandes mestres, com quem teve "a honra e a sorte de estudar". Eu poderia citar muitos outros, também. Foram substituídos (essa é outra tragédia que se deve à proliferação e ao culto da pós-graduação) por "pesquisadores" de olho na "produção de conheci-

mento", manifestada na aferição quantitativa de artigos e "papers". Os antigos escreviam e publicavam, anota Flávio Brayner, "segundo um plano pessoal e voluntário", não para atender a exigências de carreira e de currículo. Escreviam por gosto, por vocação, não por carreirismo burocrático. O resultado é a espantosa distância hierárquica entre os próprios docentes - aqueles que têm títulos e publicam, e os outros, de segunda classe, que apenas dão aulas... "Quase ninguém está mais preocupado

“A Universidade Pública brasileira virou uma entidade nominalista, burocrática, formal, meramente quantitativa” em ser um 'bom professor', preparar e ministrar uma ótima aula. A própria noção de aula vai perdendo seu sentido e se transformando em tediosos seminários ou simples leitura de slides. O professor preocupa-se com o financiamento da pesquisa, o próximo edital do CNPq, o relatório de atividades, a publicação de artigos em revistas indexadas, a participação no próximo congresso". Os professores de segunda categoria

são "condenados a dar aula! Que humilhação!. A sala de aula tornou-se lugar simbolicamente desqualificado - quando possível entregue a 'substitutos'. São raros os professores que ainda encontram prazer e interesse no ensino da graduação". A descrição é perfeita, tanto quanto o quadro é horripilante. A universidade pública brasileira melhorou? Quem quiser que acredite. Virou foi uma entidade nominalista, burocrática, formal, meramente quantitativa, sem nenhuma consideração dos conteúdos, ou do mérito verdadeiro. Por isto, um único reparo devo fazer, neste ponto, ao artigo de Flávio Brayner, que atribui o atual quadro trágico à meritocracia. Posso concordar em que há muita coisa contestável na ideia meritocrática, mas essa nova prática não tem nada de meritocracia. É seu oposto. Porque o mérito real não é identificado nem exaltado por ela. Quantidade não é sinônimo de qualidade, e produção não demonstra, por si mesma, valor. Conheço "papers" absolutamente idiotas, irrelevantes, sem nenhuma verdadeira contribuição cultural. E conheço (ainda hoje) docentes do melhor nível que quase nada produziram. (*) Professor de Direito

Emissão de moeda derreterá valor do real Vicente Nunes (*)

Economista-chefe da ARX Investimentos, Solange Srour critica, com veemência, declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a possibilidade de o governo voltar a emitir moeda para comprar títulos públicos. A medida também é defendida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, como forma de fazer jorrar dinheiro na economia em tempos de pandemia do novo coronavírus. Na avaliação de Solange, se optar por recorrer à essa medida extrema, automaticamente, o governo impedirá os brasileiros de comprar dólares e o Banco Central (BC) será obrigado a fechar a conta capital. "Todos empobrecerão mais do que já empobrecemos, pois o real perderá completamente seu valor", ressalta a economista. Segundo Guedes, a emissão de moeda seria possível com a taxa básica de juros (Selic), que está em 3,75% ao ano, próxima de zero, e inflação no chão. Há especialistas projetando alta de apenas 1,8% para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano, devido à severa recessão na qual o Brasil mergulhou.

"Nesse contexto, de juros próximos de zero, será preciso convencer os financiadores da dívida pública a comprarem títulos brasileiros com rendimento extremamente baixo. Com a possibilidade de investir em países de risco muito menor que o nosso e obter retorno semelhante, a tendência seria uma fuga enorme de capitais. Só conseguiría-

“Todos empobrecerão mais do que já empobrecemos, pois, com emissão, o real perderá completamente seu valor” mos manter o financiamento a nossa dívida com controles à saída de capitais, a chamada repressão financeira", diz Solange. A economista vai além: "Mesmo controlando a saída de dólares, o risco inflacionário aumentará. Diante de uma

política fiscal expansionista - (convenhamos que será muito difícil reverter grande parte dos gastos chamados transitórios em três meses -, de crescimento forte da dívida, governo fraco politicamente e incerteza enorme em relação à continuidade da agenda de reformas, a possibilidade de impressão de moeda levará a uma busca por ativos reais (imóveis, ouro..). Haverá uma inflação de ativos e uma fuga do real" frisa. Solange acrescenta ainda que, sem interessados por reter reais, poderíamos recorrer à monetização da dívida. "Mas, aí, teríamos que abandonar o sistema de metas de inflação e destruir o legado do Plano Real", assinala. como a economista da ARX, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também é contra a proposta de emissão de moeda para injetar recursos na economia. (*) Colunista do Correio Braziliense

> OS ARTIGOS SÃO DE RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES E NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DESTE JORNAL

Endereço: Rua Dr. Albino Magalhães, 221 - Farol | CEP 57.050-080 Fone: (82) 3021-5837/ 3021-0563 - Maceió | Alagoas

Escritório: PRIMEIRA EDIÇÃO JORNAL ON-LINE IMPRESSA LTDA - ME CNPJ 08.078.664/0001-85 CMC 130003

Rua Godofredo Ferro, nº 215 - Centro - Maceió | Alagoas | CEP 57.020-570 Atendimento ao assinante: (82) 3021-0563

Luiz Carlos Barreto Goes Diretor-Geral

Romero Vieira Belo Editor Geral

Alda Sampaio Diretora Comercial

FTPI Representação Publicidade e Marketing Ltda Representante nacional do Primeira Edição Alameda dos Maracatins, nº 508 - 9º andar - Indianópolis/SP CNPJ 03.269.504/0001-08 / Insc. Est. Isenta Tel: (81) 2128-4350 / Cel: (81) 9175-5829 fred.recife@ftpi.com.br


B6 | Social

Primeira Edição | 11 a 17 de maio, 2020