Page 1

RICARDO CLARO

São Brás de Alportel

Este suplemento faz parte integrante da edição nº 973, de 04 de Fevereiro de 2010, do Postal do Algarve e não pode ser vendido separadamente


São Brás de Alportel

2

04/02/10 RICARDO CLARO

mensagem do presidente da Câmara

Um Algarve raro

Os segredos de São Brás de Alportel  Aquela emoção especial que

António Eusébio

nos invade quando descrevemos a um amigo as sensações que sentimos durante uma viagem a um local de excepção, a toada que utilizamos e o timbre da voz que adoptamos para descrever essa experiência rara e intimista, soam à partilha de um segredo, têm o som de uma confissão.

Segredos Os segredos dizem-se baixinho, contam-se ao ouvido e fazem eco para sempre dentro de nós. São Brás de Alportel é um desses segredos, e por isso quero contá-lo só a si! Aceite o convite e venha daí descobrir os segredos que esta terra tem para lhe revelar. No coração deste Algarve de mil cores, São Brás de Alportel tem o segredo dessa beleza simples e esplendorosa, pintada a pincel da natureza. Beija a serra e sorri ao mar que ao longe nos espreita, no recorte das colinas. Tem o segredo do sorriso das manhãs, das paisagens deslumbrantes a perder de vista, do ar puro que se respira com gosto. E tem o segredo bem guardado do nobre fruto do sobreiro, a cortiça que reveste as gentes desta terra com Alma. São Brás de Alportel tem os segredos de uma História antiga, onde se cruzam romanos e mouros, por onde passam séculos, mistérios, lendas de encantar. São Brás de Alportel tem os segredos da tradição, esta força viva da memória, que se revive nas danças e nos cantares, nas artes e nos ofícios. Tem o segredo dos saberes e dos paladares saborosamente escondidos do tempo… E um passado rico em rostos e percursos, que deixaram no chão da história o sábio caminho do futuro.

Segredo[gre] s.m. 1 - coisa que se não deve dizer ou ser do conhecimento de outrem; 2 - assunto apenas conhecido de um ou de poucos indivíduos; 3 - coisa oculta, mistério, enigma É exactamente disso que tratamos. De partilhar consigo a experiência única que São Brás do Alportel oferece aos seus visitantes. Percorremos o concelho, conhecemos as suas gentes e locais, trazemos-lhe as imagens do deslumbre, revisitamos o passado e a história e vivenciamos a modernidade de um dos concelhos mais ricos do Algarve na preservação das tradições, dos saberes e dos sabores, dos estilos e modos de vida. Um verdadeiro tesouro da identidade do barrocal e da serra algarvios e o senhor de uma terra carregada de segredos, de pequenos mistérios, de recantos especiais, de simplicidades riquíssimas e o que lhe propomos é uma viagem pelo grande enigma que é São Brás. Blasius, que mais tarde foi feito São, foi um mártir arménio que viveu entre os séculos

III e IV d.C., Bispo de Sebasteia, na Capadócia (actual Arménia Turca) e médico, tornou-se patrono desta profissão e o seu culto. Contam os mais antigos que em tempos remotos, perto da antiga «Fonte Santa» apareceria o santo e que quando se quis fundar a ermida de S. Brás de Alportel foi escolhido o sítio do Alportel (Venda Nova). O santo, porém, não gostava do lugar em que queriam edificar-lhe a morada eterna e sempre que a imagem era ali colocada “fugia” para o local onde hoje está a vila. Tantas vezes o fez que as gentes acabaram por lhe fazer a vontade e deixá-lo ali ficar, juntado-se-lhe a ele e formando São Brás. Esta é uma pitada de história de uma terra que é, ainda hoje, um espaço que retém a alma das lendas, a névoa do mistério e que tem muito para revelar. O convite que lhe fazemos é o de conhecer São Brás, viva-o num short breack, numa escapadinha de fim-de-semana, num passeio a dois ou em família, goze nesta terra de espantos as suas férias entre o mar e a serra. Os algarvios têm um mundo para descobrir em São Brás de Alportel, como o têm os portugueses em geral e os estrangeiros. São Brás é Algarve no seu estado puro e está aqui, tão perto. Viva-o, sinta-o, experimente as sensações raras e descubra um outro Algarve e ainda assim um Algarve que é o seu.

PUB

Procissão das Tochas Floridas

Assunção & Assunção Lda.

A mística do cruzar do religioso e do pagão “Ressuscitou como disse! Ale-

luia, Aleluia, Aleluia!” gritam os homens que transportam as tochas floridas pelas ruas atapetadas a flores feitas do labor de homens, mulheres e crianças. Pequenos graúdos que dias a fio somam pétala atrás de pétala a cobertura por onde passará o andor, num misto de devoção e respeito.

Um misto que abrange também a própria experiência da Procissão das Tochas Flotidas, que num misto de religioso e pagão é a manifestação singular do sentir das gentes de São Brás do Alportel. O acontecimento, seguido anualmente por milhares de pessoas, é evento incontornável do calendário anual da vila que

estende neste dia das varandas a pairar sobre as ruas as melhores colchas engalanando edifícios como que a acolchoar as paredes brancas do percurso que o pálio percorre. A vida é assim em São Brás, religiosa por cumpridora da sua fé, pagã, porque festiva no cumprir da vontade dos homens , misturada e vivida em pleno.

FICHA TÉCNICA: Coordenação: Ricardo Claro | Conceito, Design e Paginação: Profissional Gráfica | Design e Paginação: André Navega | Conteúdos: Ricardo Claro e Cátia Henriques | Publicidade e publireportagens: Célia Marchão e José Francisco | Tiragem: 11.693


São Brás de Alportel

3

04/02/10

vidas

A alma e as gentes de São Brás RICARDO CLARO

 A alma de uma terra nasce das

suas gentes, o reduto último da força de um povo e da sua cultura e traços característicos, mas muita dessa mesma alma resulta de cruzamentos entre pessoas, dos que vêm e ficam e dos que partiram na diáspora e voltaram. São Brás de Alportel contém na sua moldura humana pinceladas de tudo isto, dos naturais que nunca deixaram o alto da serra, dos filhos da terra que emigraram e de regresso trouxeram experiências de outras vidas e dos estrangeiros que vieram para ficar. Walter Suzer e a mulher são exemplo daqueles que escolheram São Brás para viver, vindos do centro da Europa e arrebatados de paixão pela cadência da vida. Com os filhos espalhados pela Europa e Estados Unidos da América, o casal Suzer escolheu São Brás para viver e integra desde 2002 a sociedade são-brasense de forma plena, intervém, faz, propõe, vive a vila e sente-lhe o pulso como sendo sua. Integram o Núcleo de Amigos do Museu e ali ensaiam o

António, o retrato das gentes da ruralidade de São Brás

Os Suzer já não trocam São Brás por novas paixões e até ver são filhos da terra escolhida por si mesmos para viver.

respectivo coro, dividindo a sua paixão pela música e pelo ensino do canto com os ensaios do coro Canticorum.

FILHO DA TERRA António é filho da terra. Vivido nela, trabalhando-a, conhece-a como se de si mesmo se tratasse, percebe-a e

sabe ouvi-la. Com a cara sulcada pelo passar inexorável do tempo é o retrato da vida rural. De voz afável e sorriso fácil, apanhámo-lo ao sol, à beira da estrada que nos levou até ele. Sorri, cumprimenta e fala um pouco da sua terra, da sua vida e da sua forma de sentir São Brás. Tem a genuinidade do terroso, e afaga os seus dois amigos de jornada – os cães – enquanto retrata os visitantes, a alegria de ver chegar e partir gente de longe que vem conhecer a terra onde nasceu. Em São Brás, seja no centro mais bulicioso da vila, nas estradas que rasgam o concelho, nos povoados ou nos montes isolados, há uma alma própria feita de gente que compreende como poucos o privilégio de viver num paraíso a 15 minutos da capital do Algarve. Falar com os são-brasenses é conhecer uma forma de estar e de ser particular, que embora não secreta guarda segredos de um outro modo de viver e de partilhar. Agora só falta ir e experimentar.

restauração

Dança e boa mesa encontram-se no restaurante Zé Dias D.R.

 Quem nunca desejou poder

ter uma pista de dança perto da sala de jantar? Comer um bom prato de cozinha regional algarvia, beber um bom vinho e de seguida dar um pé de dança, tudo sem ter que se • Sexta -feira deslocar já é possível. Dj Britt , 12 de Fevere iro Aberto ao público desde • Sába do, 13 d e F 1987, em São Brás de Alportel, evereir Marcelo o F o restaurante Zé Dias oferece Música ilipe para da um espaço com gastronomia nçar Concur • Dom so de máscara típica aliado a um conceito ingo s La Plan , 14 de Fevereir moderno que atrai pessoas te Mut o ante Menu de todo o Algarve. Uma espe c i A sala tem capacidade para 120 pessoas a l Di a Namor sala para almoços e jantados • Segu ados res com capacidade para nda-feir a, 15 de reiro 120 pessoas está agora brindados com salsa e qui- manda o negócio juntamenFeveV ít or Alve aliada a dois bares/diszomba, com bandas ao vivo. te com o irmão, Rui Dias, os Música s coteca, onde, todas as Segundo João Dias, que co- jantares de grupo são um supara d a Concu sextas-feiras e sábados, rso de nçar másca ras há muita música e ani• Rese rvas mação. 912 23 10 Situado entre a 289 84 30 2 430 serra e o barrocal, o restaurante Zé Dias tem uma ementa tipicamente regional. Ensopado pratos com de borrego, migas com entre- peixe fresco. costo, jantarinhos de grão, caDepois de um bom jantar a taplanas, grelhados e espeta- música não falta. À sexta-feira das são algumas das iguarias é noite de Dj convidado e múque ali pode encontrar. Mas a sica comercial nos dois bares, Restaurante Zé Dias alia o serviço de mesa a dois bares discoteca especialidade da casa são os já ao sábado os clientes são

perder !

D.R.

A não

cesso. “Temos preços especiais para quem janta e depois vai para a discoteca”, explica. Faltam poucos dias para o Carnaval e Dia dos Namorados e o cartaz do restaurante promete. Bailes de máscaras no sábado e segunda-feira de Carnaval, com vários prémios para a melhor máscara, sendo que na segunda-feira o primeiro prémio é uma viagem. No domingo, dia de São Valentim, há música ao vivo, um menu especial e muitas surpresas. Reserve já a sua mesa.

Dê-se tempo, você merece D.R.

 Há um tempo para

cada coisa e a arte de viver consiste em aprender a dar o devido tempo às coisas. O correr do relógio diário impõe a ditadura do sempre mais depressa, mas São Brás de Alportel escolheu trilhar outro percurso desde 2008, ao integrar o movimento Slow Citties. A organização internacional pugna pela preservação e valorização das tradições, do património natural e edificado e dos valores locais e a estratégia de desenvolvimento escolhida pelo município integra todos os conceitos chave do modo de vida slow. No âmbito deste movimento, São Brás integra também o movimento Slow Food que defende a comida e receitas tradicionais e a biodiversidade, agricultura e produtos locais, e a Primeira Quinzena Gastronómica Sabores do Caldeirão, realizada em Abril de 2009, contou já com uma parceria com este último movimento mundial. Dez restaurantes do concelho aceitaram o desafio e confeccionaram iguarias tradicionais, lançando o convite aos comensais para se deliciarem sem pressas com os sabores das terras do barrocal e serra de São Brás. Um tempo único à mesa, recheado de sabores raros, em que os alimentos seleccionados se aliaram aos melhores azeites, ervas aromáticas, para produzir verdadeiros sortilégios saídos das mãos dos chefes. Uma experiência secreta a repetir este ano em São Brás de Alportel.


4

São Brás de Alportel 04/02/10

Paisagens

O olhar a perder de vista As paisagens são o trunfo maior de São Brás de Alportel e garantem a todos os visitantes um encher de olho que satisfaz mesmo os olhares mais exigentes. O espraiar dos montes até beijarem o mar das vistas a

sul cruzam azuis e verdes na imensa campina de Faro, enquanto que as miradas a norte garantem a visão do recorte das serras contra o firmamento azul como se naquela linha de altos e baixos se anunciasse o fim

ou um novo começo, desconhecido. Mas as visões, desde o topo dos miradouros como o das Castanhas, do Alto da Arroteia, do Alto da Ameixeira ou do Geoponto de Funchais, também mostram vales extensos e vistas únicas sobre a vila. Desçamos dos píncaros e já nos vales presenteie o olhar

D.R.

com as paisagens verdes, as árvores que há muitas vidas

Parques e Fontes

Crie o seu percurso para conhecer São Brás D.R.

Parques, poços e fontes são propostas fortes que São Brás oferece, enquadrados por en-

tre árvores e regatos de água cristalina a apelar à calma e recuperados mostrando toda a

sua beleza enquanto recordam o passado. O Parque da Azinheira guarda a árvore que desde 1942 é considerada um espécime vegetal de interesse público com 15 metros de altura e 25 de copa. Enquanto os seus irmãos Parque do Alportel e Parque Almeida Matias prometem aos turistas no primeiro caso encontro certo com as gentes da povoação de Alportel e no segundo um espaço de descanso nos limites do concelho em direcção a Tavira.

As fontes por seu turno encerram no seu interior as águas frescas da serra, muito reconhecidas até pelas capacidades curativas que lhes atribuem. A Fonte da Tareja, criada em 1937, apresenta dois planos a roda de puxara a água na parte fontal e o fontanário nas traseiras e deixa aos passantes um poema de Bernardo de Passos. Joaquim Bárbara Horta deixou o seu testemunho escrito na Bica da Sobreira, construída em terrenos por si cedidos e a poesia não se fica por aqui.

habitam São Brás e deixe-se levar pelo correr das águas.

Deixe o olhar descobrir os solos de xisto, calcário e grauvaque e descubra os segredos que as pedras dos caminhos têm para lhe confessar. Depois, a envolver tudo, a luz, que cobre com véu solar e cores prismáticas toda a paisagem. Irresistível e imperdível, as paisagens de São Brás constituem um segredo inconfessável.

A acompanhar a Fonte da Silva estão as palavras pela pena de José Dias Sancho, no Poço das Castanhas a pedra está marcada pelos versos de João Braz e no Poço Velho, José Vicente mostra toda a sua inspiração. A poesia marca as fontes, os parques convidam ao descanso, atreva-se e percorra uma rota criada por si entre uns e outros para conhecer São Brás.

EN 2

D.R.

Percursos

As rotas secretas As rotas mais bem guardadas revelam os segredos dos trilhos centenários da serra, numa viagem em que a cada canto espreita o espanto e em que a cada encruzilhada descobre a beleza revelada. Pé ante pé ou de bicicleta, a passeio ou em cruzada desportiva, os percursos propostos presenteiam o visitante com um sem fim de opções, de paisagens, de sensações, todas raras e absolutamente únicas. PEDESTRES Cruzam são Brás de lés-a-lés e foram previamen-

te seleccionados como exemplos da diversidade paisagística do concelho. Optar pelos “Caminhos e encruzilhadas de ir à fonte” (9 kms) ou pelo trilho de “Entre Vales Fontes e Memórias da Serra do Caldeirão” (20 kms, com três troços), são garantia de cruzamento com o vivo do verde e com as correntes e espelhos de água que reflectem a força do arvoredo intenso de São Brás. O Cerro da Ursa, elevação que de norte olha as terras sãobrasenses é o ponto de partida do percurso “Barranco das Lages” (7 kms), onde imperam os

silêncios da beleza serrana e as vistas de pousar o olhar. Outra proposta, “Por caminhos de Almocreves”, revela em 28 quilómetros divididos por três trilhos alternativos (Trilho

da Alcaria, Trilho da Várzea da Cova e Trilho da Ribeira do Alportel) a gola, faixa de terra vulcânico-sedimentar, que marca a vermelho vivo a fronteira entre as terras férteis do barrocal e a dureza dos recortes das altas serras. Para conhecer os povoados, o rendilhado dos casarios e as platibandas típicas do concelho, a aposta deve recair sobre o percurso “Passeio pelo Vale do Alportel”, um andar entre o casario alvo a reflectir o sol enquadrado no azul único de céu. Noutro convite mantenha o mar debaixo de olho, na mirada longínqua de quem calcorreia a serra, percorrendo o “Passeio ao Poente” (9 Kms), que arran-

ca da Capede São Romão cruzando o Miradouro do Alto da Arroteia.

la

DE BICICLETA Seja em versão btt, a passeio ou a desafiar as encostas no downhill, São Brás oferece inúmeras alternativas aos amantes do pedalar. Com trilhos rasgados na dureza das terras xistosas, por entre ribeiras e socalcos, deixe-se arrastar por uma paisagem que lhe garante forças infindáveis para descobrir os percursos e os segredos das rotas que cruzam São Brás.

Fonte Férrea

Alportel Cerro de Alportel

Gralheira

S. Romão Loulé

EN 270

Fonte da Murta

M EN 2

Património

Revisitar o passado

D.R.

O adro da Igreja Matriz de São Brás de Alportel acolheo na partida para uma visita ao património do concelho. Porque falar sobre todo o património se revela obra impossível, convidamo-lo a uma volta pelo centro histórico, conservado na sua brancura e altaneiro, a ver o mar. Aqui estão as jóias da coroa do património edificado por entre ruas entrosadas a lembrar outros tempos. O edifício dos Paços do Concelho, o antigo Palácio Episcopal, a Casa Berço de João Rosa, fundador do município, e a Biblioteca Municipal Dr. Estanco Louro são locais a não perder.

Visite o Jardim da Verbena e enamore-se, para depois empreender a descida da romana Calçadinha de São Brás de Alportel, ex-libris arqueológico do concelho que disponibiliza um centro interpretativo aos visitantes. A não perder são também o Passo da Paixão, a Ermida e o Largo de São Sebastião e a Fonte Santa, onde reza a lenda tiveram lugar as visões de São Brás, o padroeiro. MUSEU Parta à descoberta do Museu do Trajo do Algarve, que por fora apresenta uma traça trado-romântica e que no interior alberga a imagem da etnografia al-

garvia pela mão das roupas, dos veículos e da escultura, dando nota dos mais variados utensílios e objectos da história algarvia. O Museu alberga também o núcleo da cortiça integrado na rota com o mesmo nome. A arqueologia marca presença um pouco por todo o município, dando provas de ocupações pré-históricas, árabes e romanas, de tempo idos e remotos. Os Vales da Corte, das Mealhas e do Desbarato são as heranças milenares dos ancestrais de São Brás e estão sempre acompanhados da beleza da paisagem e do encanto das molduras rurais.

A arquitectura religiosa tem os seus expoentes, além da Matriz, na Capela de São José, em Alportel, na Igreja de São Romão e nas muitas ermidas e capelas do concelho. Mas São Brás é muito mais do que isto é património natural em cada canto, é apontamento arquitectónico em cada esquina, é etnografia em cada passo e acima de tudo é encanto e tradição em cada momento. Inspire-se e contemple a multifacetada beleza histórica de São Brás de Alportel, porque os segredos do diamante da serra esperam por si!


São Brás de Alportel

5

04/02/10

D.R.

cortiça, as inovações na área da moda a partir da valiosa pele do sobreiro, a joalharia de autor, tudo com a chancela de São Brás de Alportel. Quando o sol se põe, a vila não pára e os bares e pistas de dança garantem aos noctívagos desde a calma de um copo entre amigos até ao brilho dos strobes. Aproveite, afinal São Brás vive de dia e renasce de noite.

Contrastes

Tradição e modernidade: um encontro feliz e ancestrais. Na área do desporto, o Parque Desportivo alberga modernos courts de ténis, um campo relvado sintético acabado de construir e uma das mais modernas infra-estruturas algarvias em piscinas cobertas, quer

Parizes A

pelas condições, quer pelo arrojo arquitectónico. E quando o calor aperta, as piscinas descobertas encantam pela frescura, pela vista e pela localização, em pleno centro da cidade. A Biblioteca e a Galeria Municipal garantem um primeiro

Cerro da Urra

Cabeça do Velho

Moinhos de vento Monte dos

Alfarrobeira Capitães

Cabanas

Lajes Javali Barranco da Figueira Fronteira

Várzea do Velho

Cova da Muda

legenda

A

Tareja

Estrada Nacional Percurso Pedestre Percuros BTT Miradouros Fontes Parques Naturais Moinhos Rota da Cortiça

Almargens

Altaneiro como todos os seus pares, o Moinho do Bengado é exemplo de toda uma tradição histórico-etnográfica que marcou até há bem pouco tempo a vida das gentes do barrocal e da serra de São Brás de Alportel. Torreões alados que encimam os outeiros como se de uma verdadeira guarda do concelho se tratasse, os moinhos contam a história do milho, do centeio e do trigo, sucumbidos à força do vento e ao peso das mós de pedra calcária, ao ritmo das conversas que escorriam, qual farinha ao vento, enquanto os grãos eram moídos. Local de encontro, tudo se contava e sabia entre uma e outra volta das velas ao vento. O Moinho do Bengado, datado de 1850, cortou os ares com os seus panos brancos até à década de 50 do século XX e guarda os

segredos das conversas a par de uma vista sublime do norte do concelho. O desafio é, como nos disse uma habitante do povoado situado no sopé do outeiro, fazer a pé a vereda que leva até ao

moinho, “era assim que se fazia, com um burro pela arreata para levar o grão e trazer a farinha, e assim pode desfrutar da paisagem que é linda”, relata. Confirma-se, a vereda mostra uma paisagem que rivaliza em beleza com os cheiros serranos, o ar puro, aroma da terra e o silêncio quebrado pelos sons do campo, uma mistura explosiva como que a preparar-nos para nos deixarmos ficar de olhar pousado nos cumes da serra a norte. São muitos os moinhos que se podem descobrir em São Brás e a par deles as azenhas, moinhos de água que cumprem a função pela força do líquido transparente, todos a lembrar tempos idos e a apelar aos sentidos, quer pelo assobio dos ventos, quer pelo marulhar das águas.

QuiNta do Peral

Uma experiência diferente para os mais pequenos

Bengado

EN 270

Tavira

Muitos são os que se esqueceram de como é diferente a vida no campo, diluídas as memórias no curso dos anos, e muitos são os que nunca experienciaram uma vida fora das cidades, em especial as crianças

Mesquita Alta Mesquita Baixa Barracha

Machados

Os torreões alados

Faro

e jovens. Preservar a forma de vida rural e permitir que se possa vivenciar a ruralidade, ao mesmo tempo que se educa e ensina, são os objectivos da Quinta do Peral – Centro de Interpretação e Educação

Rota da Cortiça

Cortiça o “ouro da serra” D.R.

A cortiça é ainda hoje o produto natural mais emblemático de São Brás de Alportel e a indústria da cortiça continua a

desempenhar no concelho um papel fundamental. Dos sobreiros centenários que pontilham as encostas

escarpadas das terras de xisto da serra de São Brás sai a melhor cortiça do mundo e por todo concelho se conserva a tradição de expor, viradas à estrada, como que a chamar pelo comprador, as pilhas de cortiça arrancada a cada nove anos do sobreiro. A Rota da Cortiça leva cada visitante ao interior de um mundo que une de forma rara a ruralidade e a indústria e percorre todo o percurso do “ouro da serra”, desde a árvore até ao Centro de Acolhimento e Interpretação, no Museu do Trajo do Algarve em São Brás, passando por todas as etapas do pro-

cesso de transformação. A cortiça portuguesa e a de São Brás, pelas suas qualidades únicas, já foram à lua, integram colecções de moda, incorporam tecnologia de ponta e conservam os melhores vinhos do mundo. Um destino de glória para um produto carregado de história que merece ser conhecido. Deixe-se levar pelos percursos mistos (pedonais/carro) que o levarão ao mundo secreto da indústria da cortiça. Uma rota diferente que une a tradição e a modernidade pela mão de um dos produtos de excelência das terras de São Brás de Alportel.

D.R.

Peral

Ambiental de São Brás de Alportel. Nascida no edifício da escola primária do Peral, entretanto desactivada, a quinta disponibiliza actividades e visitas guiadas à forma rural de viver, podendo os mais pequenos,

D.R.

São Brás de Alportel

olhar pela actividade cultural do concelho e saiba que neste campo São Brás é pródigo, com algo de novo sempre a acontecer e com manifestações artísticas das mais diversas a conseguir arrebatar os visitantes. Descubra os artesãos da

D.R.

São Brás é muito mais do que tradição, paisagens naturais e património. A vila geriu com dotes de mestria a relação entre a tradição e a modernidade e oferece aos visitantes um misto quase perfeito entre os prazeres modernos

e porque não os adultos também, aprender e participar na feitura e cosedura do pão em forno de lenha, experimentar a horta pedagógica, conhecer de perto os animais de uma quinta e redescobrir os segredos da vida no campo. Destaque entre todos para os animais do lago e muito em particular para o burro Zacarias, que se deixa alimentar num gesto de simpatia e pachorisse de quem parece saber tudo sobre a sua nova função didáctica. Viva uma experiência diferente com a sua família, junte a pequenada e mostre-lhes outro lado da vida. Animais vivos e ensinamentos que nunca se esquecem é o que propõe a Quinta do Peral, eles vão gostar de conhecer este segredo.


6

São Brás de Alportel 04/02/10

a doçaria feita arte

‘A Ti Marquinhas’ delicia algarvios  “De comer e chorar por mais”.

Um ditado popular que se aplica na perfeição aos doces da Ti Marquinhas. Senão veja: junta-se o figo, a alfarroba e a amêndoa e o resultado são mais de 60 variedades de semi-frios, tartes, doces conventuais e regionais, todos eles confeccionados artesanalmente e com o sabor único dos produtos do barrocal algarvio. Qual o algarvio que ainda não provou a conhecida três delícias do Algarve, o pudim do amor, o morgado de alfarroba ou o quindim de alfarroba?! São tartes bem conhecidas na maioria das pastelarias e restaurantes da região. Já lá vão 21 anos desde que Valentina Miguel inventa receitas para doces de “lamber os dedos”, como a própria gosta de dizer. Foi em 1989 que a proprietária d’A Ti Marquinhas iniciou o negócio de fabrico de doçaria regional e conventual. Hoje é uma referência na área, fornecendo pastelarias e restaurantes por todo o Algarve. Todos os dias Valentina Miguel corre a região com carros refrigerados para distribuir os doces acabadinhos de sair do forno. Apaixonada pela arte, a empresária também usa a sua originalidade na criação de bolos de aniversário, casamento, baptiza-

CÁTIA HENRIQUES

dos e despedidas de solteiro. O POSTAL quis saber qual a especialidade da casa e Valentina Miguel não hesitou: “é a doçaria conventual”. Com sede em São Brás de Alportel, junto ao cemittério, em frente à Santa Casa da Misericórdia, a fábrica A Ti Marquinhas está aberta todos os dias da semana e ao sábado, das 9 às 18 horas, para quem a quiser visitar

D.R.

Delicie-se! • Três delícias do Al garve • Amêndoa bom-bo m • Algarvio de Figo • Morgado de alfar roba • Quindim de alfar roba • Pudim do Amor • Delícia de Figo

A equipa d’ A Ti Marquinhas D.R.

e provar um doce tipicamente algarvio. Quem não tiver oportunidade de ali se deslocar também poderá encontrar as criações d’A Ti Marquinhas na maioria das feiras de artesanato realizadas na região. A Ti Marquinhas Rua Luís Bivar, 80 São Brás de Alportel 289 843 662, 289 849 638 ou 917 324 493

A Ti Marquinhas confecciona mais de 60 variedades de doces

A distribuição é feita diariamente em carros refrigerados

restauração

Cozinhas gourmet e tradicional juntas no Sabores do Campo CÁTIA HENRIQUES

 Junta-se a gastronomia típica

do barrocal algarvio com uns toques gourmet e o resultado são Sabores do Campo. Uma lareira, sofás, música calma, toalhetes e ementas em cortiça, candeeiros em raiz de Esteva e uma pequena adega compõem o ambiente acolhedor, rústico e sofisticado da sala de almoços e jantares do restaurante Sabores do Campo. Fundado por João Aleixo e Ricardo Gomes, há cinco anos que o restaurante recebe clientes de todo o Algarve e muitos turistas estrangeiros atraídos pela gastronomia da casa. Costeletas de borrego grelhadas com molho de hortelã, peito de pato com molho de laranja, bife pimenta, lombinho de tamboril com molho de espumante

Carlos Salvador, João Aleixo e Ricardo Gomes dirigem o restaurante

e filetes de linguado com molho de alho francês são apenas alguns dos pratos que compõem

a ementa. No entanto, segundo João Aleixo, as especialidades da casa

D.R.

são os “famosos” medalhões de porco preto grelhado com molho de figo e a perna de borrego no forno com molho de citrinos, aromatizada com canela e alecrim. “São pratos fidelizados que nunca saíram da ementa desde que abrimos o restaurante”, conta ao POSTAL. Situado bem junto à serra algarvia, em São Brás de Alportel, a cozinha do restaurante Sabores do Campo beneficia dos recursos naturais ali existentes. Os molhos de ervas típicas da região compõem os pratos, conferindolhes temperos únicos. Hortelã da ribeira, poejos, alecrim, segurelha e manjericão são apenas algumas das ervas frescas utilizadas nos molhos que perfumam o sabor das carnes e peixes. Mas nem só os pratos são a

especialidade da casa. Ricardo Gomes, sócio do restaurante, sublinha a aposta numa carta de vinhos de qualidade a preços apetecíveis. “Temos muito bons vinhos a preços acessíveis que não se encontram nos supermercados”, explica. Com capacidade para 61 pessoas, o Sabores do Campo oferece ainda um espaço de lounge bar, composto por vários sofás, onde os clientes podem apreciar os chás e o chocolate quente Eraclea, bem como, os aperitivos e digestivos. Os verdadeiros sabores do campo encontram-se no Sítio Poço dos Ferreiros, em São Brás, de terça a sábado, entre as 19.30 e a 1 hora. Reservas: 289 849 346 ou reservas@sabores-do-campo.com PUB


São Brás de Alportel

7

04/02/10 D.R.

Alojamento

O sono dos deuses na encosta da serra RICARDO CLARO

 Quando se escolhe um des-

tino para gozar umas férias ou um short-breack retemperador, uma das questões fundamentais é onde dormir e as soluções podem não ser óbvias, mas quando se sabem todos os segredos, tudo fica muito mais fácil. Desvendamos-lhe os recantos especiais que podem criar a perfeita alcova para uma escapadinha a dois e as ofertas que São Brás de Alportel encerra para quem quer um local onde assentar arraiais enquanto passa uns dias na serra ou se dedica aos desportos como o BTT, o downhill ou ao traking pelos trilhos semeados entre montes e vales. As propostas são variadas na forma e nos preços, mas o leque dá resposta a todas as necessidades e bolsas, o que faz de São Brás uma escolha acertada para desfrutar dos tempos-livres. Se prefere o sossego e o recato do turismo rural, o Casal da

Pousada de São Brás, hotel de charme das Pousadas de Portugal

Eira é a solução pensada à sua medida, com quatro quartos e piscina exterior, numa localização tão perto da vila como dos encantos da serra. No mesmo segmento hoteleiro pode ainda escolher a Residencial Santo

António e usufruir da hospitalidade que aguarda cada hóspede como um amigo. Por outro lado, a maior unidade hoteleira do concelho, a Pousada de São Brás, integra os hotéis de charme do grupo

Pousadas de Portugal e oferece tudo o que um verdadeiro cinco estrelas garante aos seus hóspedes. Aproveite a estadia para gozar de uma das vistas mais privilegiadas da zona e deleitese com São Brás a seus pés, com o estilhaçado branco da vila pousado no vale. Entre São Brás e Loulé a Rocha da Gralheira reserva-lhe a possibilidade de ficar alojado numa unidade que, com os seus 16 quartos, lhe garante uma estadia de qualidade aliada a um restaurante que é uma das referências na gastronomia do concelho. No centro da vila, a residencial Sequeira e a estalagem São Brás completam as nossas propostas de alojamento e garantem resposta a quem prefere ficar bem junto do coração da vila e viver de perto o pulsar de São Brás. Agora é só escolher, fazer-se ao caminho e depois… Depois, a hospitalidade, a simpatia e o descanso estão garantidos, porque afinal estes são os cartões-de-visita de São Brás de Alportel. Mais informação (contactos, preços e equipamentos) na área “alojamento” do site da Câmara de São Brás de Alportel em www.cm-sbras.pt

Tempo a dois

Dar de beber ao amor D.R.

 Dizem os sábios que há

que dar de beber ao amor, regá-lo para que mantenha o viço, e nada melhor do que uma escapadinha a dois para cumprir a missão de manter a primavera do amor. Independentemente da idade, do tempo que já passou ou

do que promete vir a passar, os amores e paixões cultivamse e São Brás de Alportel tem tudo o que uma sementeira de sentimentos necessita para germinar e florescer. As paisagens do verde da serra, bucólicas, as miragens do mar, espraiantes, os recan-

tos das veredas, tudo se combina com um tempo marcado pelo passo lento de quem o tem todo para se deixar envolver. Junte-se-lhe o silêncio que dá plenos pulmões à voz das paixões e um restaurante acolhedor, para um momento de repasto a dois, e tudo se compõe.

Amar não tem limite e as descobertas possíveis em São Brás de Alportel também não. Um passeio de mãos dadas nos recantos do Jardim da Verbena, uma visita à Fonte Férrea, um percurso feito a dois na serra, são especiarias afrodisíacas que dão ao amor o toque aveludado da canela, o picante do malagueta, a cor do açafrão e a força do gengibre, numa paleta arrebatadora que cumpre os sentimentos. Remate cada frase com um sorriso enquadrado pelo azul do céu, grite e deixe que o eco prove a verdade do seu sentir e remate tudo com uma flor que se oferece, campestre e maltesa, porque o amor também se quer bravio. Arte, espectáculo, noite, património, beleza natural, gastronomia e tradição, tudo isto aqui ao lado em São Brás, tudo isto aqui tão perto pelo amor.

PUB

Mais do que barato, útil. São Brás de Alportel

Trilhos únicos para os desportos em duas rodas De bicicleta

Downhillers escolhem São Brás  Pedalar liberta corpo e

mente, promove a saúde e constitui uma forma perfeita de conhecer enquanto se passeia ou pratica desporto. São Brás de Alportel faz, desde há muito, dos percursos para os adictos da bicicleta uma das suas prioridades em termos de infra-estruturas turísticas, criando percursos e promovendo eventos e provas desportivas em que a bicicleta é rainha. De toda a Europa chegam adeptos de btt e de downhill, ou simples ciclistas que trocam a comodidade do carro pelo prazer de sentir tudo na pele enquanto se deslocam ganhando uma nova dimensão do conceito de viajar. Num dos percursos cicláveis da serra, junto à Fonte Férrea, encontramos Pablo, Xavy e Juan, três downhillers espanhóis vindos de Granada para experimentar a velocidade e a habilidade do downhill nas encostas da serra são-brasense. Equipados a rigor e acabados de descer uma das veredas em direcção ao Parque da Fonte Férrea que culmina num salto que os faz voar como que vindos do topo do arvoredo, Xavy diz-nos que a experiência está a ser óptima.

“Os trilhos aqui estão quase virgens e têm percursos interessantes”, afirma, frisando que, “há alguns pormenores técnicos que desafiam”. Mas nem só os estrangeiros se atrevem nas descidas da serra. Muitos portugueses e em particular algarvios fazem destas paragens romagem obrigatória para gozar a adrenalina da velocidade e dos saltos alucinantes. Já nos próximos dias 20 e 21 de Fevereiro, São Brás volta a dar cartas no downhill com a terceira Taça do Município da modalidade, que promete trazer até ao percurso da fonte Férrea dezenas de participantes e muitas centenas de adeptos do desporto em duas rodas. Entretanto, preparam-se novidades no campo do downhill em particular e dos desportos de duas rodas em geral, para tornar cada vez mais o concelho de São Brás de Alportel num nome incontornável destes desportos. Bicicleta preparada, equipamento a rigor, e depressa ou devagar, a passeio ou por desporto, a desafiar os limites ou numa pedalada mais serena faça-se ao caminho, que os trilhos de São Brás esperam por si.


Pub

Pub

segredos_sao bras alportel  

Este suplemento faz parte integrante da edição nº 973, de 04 de Fevereiro de 2010, do Postal do Algarve e não pode ser vendido separadamente...

Advertisement