Page 1

PUB

Director Henrique Dias Freire • Ano XXVI • Edição 1123 • Semanário à sexta-feira • 9 de Maio de 2014 • Preço € 1

EM FOCO 2 CÂMARAS QUESTIONAM GOVERNO SOBRE AS OBRAS NO GUADIANA 3 VICTOR GUERREIRO QUER ASSOCIAÇÕES NO CENTRO DO PROCESSO DE DECISÃO 4 ALGARVE RECEBE 82 BANDEIRAS AZUIS 5 CABRA ALGARVIA VOLTA A SER RAINHA NO AZINHAL 6 FRUTOS DO MAR DOMINAM EM TAVIRA 7 CLASSIFICADOS 10

Escolas primárias a salvo da onda de encerramentos

ÀS SEXTAS EM CONJUNTO COM O PÚBLICO POR €1,60

A confirmação de que no próximo ano lectivo o Algarve vai escapar à onda de encerramento de escolas primárias, nomeadamente as que têm menos de 21 alunos, foi dada ao POSTAL pelo delegado Regional de Educação “a 99%”. As notícias são boas nesta área, mas quanto ao Tribunal de Monchique e às Repartições de Finanças a dúvida mantém-se. p. 2

>

d.r.

d.r.

Verão 2014:

Algarve soma 82 bandeiras azuis Bandeira azul: O mais conceituado galardão na área da qualidade das zonas balneares vai flutuar em 82 locais na região. O Algarve é nesta matéria o campeão nacional e tem uma praia nova classificada e várias reentradas, com destaque para os areais de Castro Marim e Lagoa, a que se soma Fuseta-Ria em Olhão > 5 d.r.

FEIRA

Terra de Maio abre no fim-de-semana no Azinhal

TAVIRA

>3

d.r.

AMBIENTE

Festival propõe sabores do mar

>6

Autarquias questionam Governo sobre obras no Guadiana

> Até 25 de Maio o convite do concelho de Tavira é para que se provem os sabores do mar no Festival de Gastronomia do Mar. Os segredos da cozinha assente naquilo que o mar tem para oferecer de melhor estão à sua espera em 13 restaurantes do concelho. p. 7

Caçadores unidos em acção de limpeza

>8 PUB

a informação de sempre on-line

à distância de um clique

visite-nos em:

www.postal.pt

CA ASSOCIADOS Veja anúncio pág. 12 Cultura.Sul


pub

2  |  9 de Maio de 2014

em foco

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Escolas a salvo do encerramento, finanças e tribunais ainda na berlinda Num país a braços com o fecho massivo de serviços públicos, as escolas algarvias devem escapar por mais um ano Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

AS ESCOLAS PRIMÁRIAS ALGARVIAS com menos de

21 alunos devem conseguir manter-se abertas durante o próximo ano lectivo. A confirmação vem do delegado Regional de Educação, Alberto Almeida, que, em declarações ao POSTAL, afirma estar “certo a 99% de que as escolas algarvias não serão afectadas por encerramentos no próximo ano lectivo”. O responsável regional da pasta da Educação esclarece que “muito embora a decisão não esteja nas minhas mãos”, está certo de que “os argumentos que apresentei irão vingar, mantendo as escolas da região no regime de excepção ao encerramento”. A convicção a 99% não o é a 100% porque, refere Alberto Almeida, “pode haver, eventualmente, um caso em que o regime de excepção não seja mantido”. De resto, o titular do ensino realça que “todos os anos por esta altura o Ministério

ricardo claro

procede à reavaliação da rede escolar e que nesse âmbito são naturalmente avaliadas todas as situações relativas a todas as escolas com menos de 21 alunos, que por lei deveriam ser encerradas, e todas aquelas que no seguimento da abertura de novos centros educativos devam ser encerradas por força da concentração de recursos nos novos estabelecimentos”.

VÍTOR GUERREIRO SATISFEITO, MAS APREENSIVO COMA INSEGURANÇA NA VIDA DAS FAMÍLIAS Quem se afirma “satisfei-

to” com o desfecho positivo da situação é o autarca de São Brás de Alportel Vítor Guerreiro, uma das vozes mais ouvidas recentemente a propósito da ameaça de novos fechos de escolas primárias no concelho e na região. Não obstante as boas notícias que Vítor Guerreiro recebeu do delegado regional de Educação, o autarca, em declarações ao POSTAL, continua a manifestar a sua “apreensão quanto à insegurança que esta questão traz às

ÔÔ Vítor Guerreiro acusa o Governo de insensibilidade para com as populações do interior famílias todos os anos”. “Todos os anos as famílias se debatem com o drama de saber quais as escolas que vão pub

manter-se abertas e quais as que não. Todos os anos os autarcas têm que levantar a sua voz na defesa constante das populações face a esta questão”, relembra o presidente da câmara são-brasense. “O que aqui se trata é de saber que linha política tem o Governo Central quanto à rede escolar, de uma vez por todas, de forma a garantir estabilidade a pais, autarquias e professores, mas em particular aos alunos, na vida escolar”, sublinha o autarca.

FINANÇAS E TRIBUNAIS SEM DECISÃO Apesar das boas notícias

na área das escolas, a região não escapa à vaga de encerramento de serviços públicos decretada pelo Governo liderado por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. Ainda em cima da mesa

estão o encerramento do Tribunal de Monchique e das Repartições de Finanças de Alcoutim, Castro Marim, Monchique, Aljezur, Vila do Bispo e São Brás de Alportel. Também nesta matéria Vítor Guerreiro acusa o Governo de “autismo” e de “insensibilidade para com as populações do interior e mais afastadas dos serviços públicos”. “Trata-se de uma prepotência assente na não audição dos autarcas em processos que são decisivos para a qualidade de vida das populações, em particular dos concelhos do interior”, refere o presidente da Câmara de São Brás, que recorda que só ele já pediu “duas audiências à ministra de Estado e das Finanças sobre esta matéria, a que se soma um

audiência pedida pelo meu antecessor na autarquia, António Eusébio”. Quanto ao Tribunal de Monchique, Rui André, autarca local, foi à Assembleia da República ouvir o debate sobre o encerramento de tribunais no âmbito da reforma do mapa judiciário, na passada semana, e as novidades são poucas. Para o presidente da Câmara de Monchique, a sensação com que saiu do Parlamento foi a de estar perante “um país a brincar, incapaz de discutir e decidir seriamente a questão”. O autarca considera, em declarações ao POSTAL, a ministra da justiça “prepotente e amuada com todos, pois só ela tem razão” e diz ter assistido a uma “discussão fútil sobre de quem foi afinal a primeira proposta de encerramento de tribunais”.

ANTÓNIO JOSÉ SEGURO PROMETE REABRIR TRIBUNAIS An-

tónio José Seguro, com quem Rui André reuniu, “promete reabrir os tribunais quando for primeiro-ministro”, diz Rui André, mas, para o autarca, “o que importa não é estar sempre a fazer e a desfazer, mas sim que os partidos do arco do Governo se entendam sobre esta matéria e criem um consenso sobre o que querem para as zonas de baixa densidade populacional no futuro, uma vez que estas representam dois terços do território do país”. Para Rui André, é “pena que os brinquedos com que estes senhores [os políticos] se divertem, sejam os autarcas e as populações que estão fartos de assistir a este ‘país de brincalhões’ que não se entendem sobre as principais matérias que são fundamentais para o futuro”.


pub

9 de Maio de 2014  |  3 PORTAS

MUNDITÁLIA

GRADES AUTOMATISMOS E FIXAÇÃO MOLAS TÉCNICAS WPC

região

Importação e Exportação Lda

PARAFUSARIA

A solução da fábrica para os profissionais com ou sem serviço de montagem

Morada: Estação de Loulé, Passagem de Nível 6 A, 8100-306 Loulé  +351 289 356 580 •  +351 289 356 581 •  munditalia@sapo.pt

Câmaras questionam Governo sobre as obras no Guadiana Alcoutim e Castro Marim querem saber quando avança o desassoreamento Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A CÂMARA DE ALCOUTIM já remeteu ao Governo um pedido de esclarecimento sobre o avanço das obras de desassoreamento e balizamento do Guadiana a norte da Ponte Internacional sobre o rio que separa o Algarve da Andaluzia e os mesmos passos seguirá a Câmara de Castro Marim nos próximos dias. A tomada de posição das autarquias do Baixo Guadiana foi confirmada pelos respectivos autarcas e surge na sequência da notícia publicada na última edição do POSTAL. Tal como referimos, na última edição do POSTAL, o Governo não avança uma data para o arranque das obras a norte da Ponte Internacional sobre o Guadiana, sendo que a sul da ponte e até à foz do rio as obras avançam depois do Verão e são da responsabilidade das autoridades espanholas que já puseram em marcha a sua parte da empreitada conjunta dos dois países para tratar das questões de navegabilidade daquele curso de água.

d.r.

Em resposta a uma questão sobre a matéria colocada pelo POSTAL ao Gabinete do Secretário de Estado do Mar, o respectivo responsável não avança qualquer data para o início das obras da responsabilidade do Governo português, reconhecendo em conversa telefónica “as fortes limitações financeiras a que o Governo Português está sujeito”.

CÂMARAS QUEREM DATAS CONCRETAS E OBRA NO TERRENO Ao

ASSEMBLEIAS MUNICIPAIS REAGEM A NOTÍCIA DO POSTAL É

a esta resposta do Governo às perguntas do POSTAL que reagem as Assembleias Municipais de Alcoutim e Castro Marim. Em Alcoutim a Assembleia Municipal aprovou por unanimidade uma moção que determina “manifestar a sua preocupação com o adiamento sucessivo dos trabalhos de desassoreamento e melhoramento da navegabilidade do canal internacional de navegação do Rio Guadiana”, ao mesmo tempo que decide “recomendar ao Governo da República a execução urgente da totalidade dos trabalhos previstos no supracitado memorando de entendimento, solicitar o envio urgente da listagem dos traba-

sobre o Guadiana e, embora não votada, a declaração foi unanimemente aceite na Assembleia Municipal, que a remeteu ao presidente da autarquia para que este manifeste as referidas preocupações junto dos órgãos competentes, confirmou ao POSTAL o presidente da Assembleia Municipal local, José Domingos.

ÔÔ Para Osvaldo Gonçalves o desassoreamento é vital para Alcoutim lhos previstos e informação das datas previsíveis para o arranque e conclusão dos trabalhos a desenvolver”. Desta moção faz ainda parte a determinação de dar conhecimento da situação ao Presidente da República, à presidente e líderes dos grupos parlamentares da Assembleia da República, ao primeiro-ministro” e, ainda,

Assine o

a diversas entidades do Governo nacional e espanhol, bem como às autarquias e ayuntamientos ribeirinhos do Guadiana. Já em Castro Marim os deputados da Assembleia Municipal eleitos pelo PS fizeram uma declaração onde manifestam ao presidente dos órgãos as mesmas preocupações com o avanço das obras a montante da ponte

POSTAL o presidente da autarquia de Castro Marim, Francisco Amaral, afirmou que as obras no Guadiana “são uma necessidade absoluta para os concelhos ribeirinhos”, sublinhando que “os sucessivos Governos têm enganado as populações ao longo dos anos nesta matéria”. Francisco Amaral recorda que o “Guadiana é solicitado por muitas embarcações ao longo de todo o ano, de várias dimensões, nomeadamente um barco hotel que todas as semanas sobe o rio”. Para o autarca, “o balizamento e desassoreamento do canal de navegação do Guadiana é determinante para o progresso de todo o Baixo Guadiana e não se pode ficar apenas pela intervenção já agendada pelas autoridades es-

Envie este cupão para:

POSTAL DO ALGARVE - Rua Dr. Silvestre Falcão, nº 13 C, 8800-412 Tavira

(50 Edições) Portugal 30 ¤ I Europa 50 ¤ I Resto Do Mundo 80 ¤

NOME __________________________________________________________________________________________________________________________ MORADA __________________________________________________________________________________________ NIF

  

panholas para o troço a sul da ponte e até à foz do rio”. Já Osvaldo Gonçalves, presidente da Câmara de Alcoutim, afirma que “esta é uma questão a que as gerações vêm assistindo sem se vislumbrar uma solução concreta”, quando se trata, diz, “de uma matéria que pode fazer toda a diferença exactamente para essas gerações mais novas que vêem assim negadas oportunidades de emprego e de desenvolvimento que decerto seriam criadas com as obras concluídas”. “O desassoreamento do Guadiana é vital para Alcoutim como forma de garantir o desenvolvimento do concelho”, sublinha o autarca, que não deixa de lamentar o facto do projecto inicial até ao Pomarão “já ter ficado sem possibilidade de realização”. “Se fosse uma obra que dependesse da autarquia e estivesse dentro das nossas possibilidades já a teríamos feito”, conclui o autarca, para quem “o que importa é que o Governo diga nesta matéria em que data concreta avançam as obras e que trabalhos serão efectivamente realizados”.

TEL   

 

DATA DE NASCIMENTO _______ ⁄ ________ ⁄ ____________

CÓD. POSTAL _________ - _____ — ________________________________________________

EMAIL _______________________________________________________ PROFISSÃO ________________________________

AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO - por débito na conta abaixo indicada, queiram proceder, até nova comunicação, aos pagamentos das subscrições que vos forem apresentadas pelo editor do jornal POSTAL do ALGARVE. Esta assinatura renova-se automaticamente. Qualquer alteração deverá ser-nos comunicada com uma antecedência mínima de 30 dias.

30 ¤

NIB

Assine através de TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA

BANCO _______________________________________________________________________________________________

                        

NOME DO TITULAR __________________________________________________________________________

35 ¤ 

BALCÃO ______________________________________________

_______________________________________________________________________________ ASSINATURA IDÊNTICA À CONSTANTE NA FICHA DO BANCO DO TITULAR DA CONTA.

Assine através de DINHEIRO, CHEQUE ou VALE POSTAL, à ordem de Postal do Algarve.

NOTA: Os dados recolhidos são processados automaticamente e destinam-se à gestão da sua assinatura e apresentação de novas propostas. O seu fornecimento é facultativo. Nos termos da lei é garantido ao cliente o direito de acesso aos seus dados e respectiva actualização. Caso não pretenda receber outras propostas comerciais, assinale aqui.


4  |  9 de Maio de 2014 pub

temos a resposta para o seu problema de audição

região

Uma pequena grande diferença

Victor Guerreiro quer associações no centro do processo de decisão

Rastreio Auditivo GRÁTIS Faça a sua Reavaliação Auditiva

perto de sua casa Informe-se sobre o dia e hora das nossas visitas :

Líder da ACRAL diz que está na hora de haver uma voz una e capaz no sector privado. “É o momento de afirmar a voz das associações”, defende o dirigente associativo

Largo de Camões – Edifício Riamar, Bloco 7 Loja nº 20 - Faro (PERTO DA CP) E-mail:diverproteses.faro@hotmail.com

289 825 075 / 967 757 673 Protocolos mensais com: Albufeira: Centro Clínica Arcadas S. João ı Aljezur: Farmácia Aljezur ı Castro Marim: Cruz Vermelha de Altura ı Faro: Farmácia Almeida ı Farmácia Huguette Ribeiro (Patacão) ı Casa Do Povo Estoi ı Lagoa: Clínica de Lagoa ı Lagos: Clínica Lacobrigense ı Farmácia Praia da Luz ı Loulé: Clínica

de Medicina & Cirurgia - CMC ı Centro Clínico Almancil ı Policlínica Eurosaúde (Quarteira) ı Idealclínica - (Vilamoura) ı Assoc. In-Loco (Salir) ı Olhão: Policlínica Etienne ı Portimão: Policlínica da Mó ı São Brás: Clínica S. Brás ı Silves: Xelclínica ı Clínica Osteoreuma (S.B. Messines) ı Tavira: Cruz Vermelha Tavira ı Parafarmácia Pharmaromus ı Farmácia

Tavares (Stº Estêvão) ı Clínica Santiago - Tavimédico ı Vila do Bispo: Parafarmácia MC Farma (Sagres) ı Vila Real de Sto. António: Clínica S. Cristóvão ı Clínica Stº António ı Baixo Alentejo: Farmácia Mil Fontes ı Casa do Povo Stª Clara-a-Velha E ainda em todas as

ricardo claro

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A VOZ DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO E SERVIÇOS DA REGIÃO DO ALGARVE (ACRAL) marcou as in-

Juntas de Freguesia do Algarve e Baixo Alentejo

pub

tervenções feitas no seminário “Culturas Tradicionais do Algarve – Tradição e Inovação”, que decorreu recentemente no auditório do NERA em Loulé - e se dúvidas houvesse sobre o relevo das propostas apresentadas pelo responsável associativo algarvio rapidamente ficaram dissipadas depois de explicadas por Victor Guerreiro. O líder da ACRAL quer as associações algarvias a falar a uma só voz sobre os temas fundamentais da região e a marcar a agenda regional em todos os aspectos e, em declarações ao POSTAL, é claro: “não procuro nem para mim, nem para a ACRAL protagonismo pelo protagonismo, mas sim para todas as associações regionais o lugar de relevo que merecerem pelo mérito do trabalho que desenvolvam”. “Esta é a hora do mérito”, defende Victor Guerreiro, para quem “as associações privadas têm de deixar de viver num regime de subsídio-dependência assente nas acções de formação e passar a apresentar propostas e soluções efectivas para o que verdadeiramente importa para o Algarve”. “Temos de ser capazes de conhecer como ninguém a realidade da região e juntar a isso o know-how que temos como empresários e promotores e sermos nós a dizer o que queremos para o Algarve e como o queremos fazer”, diz. Sem pôr em causa “a legitimidade dos eleitos e dos nomeados para cargos públicos”,

ÔÔ Victor Guerreiro defende união nas associações privadas o dirigente defende que “o sector privado pode e deve através dos meios associativos ser um agente preponderante na discussão do futuro da região” e, mais do que isso, “na construção efectiva desse futuro”. “Este é o momento de afirmação do sector privado como membro e voz de pleno direito no processo decisório, sem medos nem recuos, fazendo parceria com os decisores públicos regionais e nacionais quando for caso disso e opondo-lhes a nossa forma de ver e de pensar quando tal se justificar”, sublinha o presidente da ACRAL.

“A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR” “A César o que é de César”, lembra Victor Guerreiro, defendendo que “a hegemonia da vontade dos poderes instituídos de carácter partidário deve ser temperada com a visão de quem efectivamente faz a economia e cria trabalho, investindo e arriscando os seus próprios recursos”. Para isso “cabe às associações sectoriais sentarem-se

e definirem estratégias hoje para o futuro imediato e não amanhã a pensar num quadro temporal indefinido”, diz o dirigente associativo, que conclui que “não há espaço para demoras, porque as necessidades existem agora e não há razão para que as respostas não sejam criadas, também elas, já”. Unir é pois a palavra de ordem, segundo Victor Guerreiro, “se as associações privadas e sectoriais querem efectivamente prevalecer no médio e longo prazo e criar condições de desenvolvimento para a região e para os empresários e, muito em particular para toda a população algarvia”. “Esta é a nossa terra, este é o nosso mercado e esta é a nossa gente”, diz o dirigente da ACRAL, que em face disto remata, “este tem de ser, portanto, o nosso futuro e a nossa aposta, decididos por nós, sem espaço para quaisquer hesitações nem anuências a troco de apoios para a mera sobrevivência”.


9 de Maio de 2014  |  5

Frutos do mar dominam Maio em Tavira pág. 7

região pub

Algarve recebe 82 bandeiras azuis Cinco zonas balneares de Lagoa e três de Castro Marim recuperam galardão d.r.

ÔÔ A Praia do Peneco é a novidade nos galardões deste ano Ricardo Claro/Lusa ricardoc.postal@gmail.com

A REGIÃO ALGARVIA É A RECORDISTA NACIONAL de ga-

lardões de bandeira azul para 2014, com 82 distinções, num total de 298 praias, das quais 18 fluviais, e 17 marinas, em todo o país, o que representa uma subida em termos globais a nível de praias de 8%. No Algarve um dos galardões foi para uma praia fluvial, a de Alcoutim, contabilizando-se praias distinguidas em 14 dos 16 concelhos da região. Para o leque de praias distinguidas entrou o Peneco, uma novidade, e registaram-se ainda 12 reentradas: Castro Marim (3), Lagoa (5), Fuseta Ria, Inatel, Pescadores e Falésia-Açoteias. Para o autarca olhanense António Pina, “a atribuição do galardão adicional a Olhão reveste a maior importância para um concelho que procura, cada vez mais, afirmar-se como um destino turístico e balnear na região”. António Pina realça, em declarações ao POSTAL, que “esta é a prova da qualidade das águas balneares da Ria Formosa na zona de Olhão e demonstra a atenção dada pela autarquia à manutenção da qualidade dos espaços balneares”.

MAIS DE 300 BANDEIRAS NO PAÍS O presidente da associação Bandeira Azul, José Archer, sublinhou que em 2014 se ultrapassou, pela primeira vez, a marca dos 300 galardões atri-

buídos por todo o país, entre praias e marinas. Na comparação entre 2013 e 2014, houve uma subida de cerca de 8% nos galardões atribuídos a praias, já que se passou de 277 para 298. A nível de marinas, a subida foi de 21%. O responsável manifestou a satisfação pelo “empenho muito grande” dos municípios em cumprirem os requisitos, sobretudo depois de o Inverno rigoroso que se registou, lembrando que o galardão prevê o cumprimento de 30 requisitos, dos quais “26 são imperativos”, e o “pré-requisito quanto à qualidade da água”. A entidade faz uma avaliação na altura do início da época balnear e uma monitorização ao longo do Verão para comprovar o respeito pelos requisitos. O presidente da Bandeira Azul admitiu que o galardão envolve “custos e investimentos avultados”, mas recordou que os “retornos são quase imediatos”, graças à maior circulação de pessoas pelos locais, assim como a actividade económica. No Alentejo, 27 praias e uma fluvial, podem hastear a bandeira azul, estando na lista sete concelhos e uma praia nova: Furnas. Nesta região, assinalou-se a reentrada do Farol. As cerimónias do hastear das primeiras bandeiras azuis de 2014 acontecem nos concelhos da Póvoa do Varzim, Mértola e na Marina de Albufeira, esta última a 13 de Junho.

visite-nos em www.postal.pt


6  |  9 de Maio de 2014

região

ZZZ pág. ##

Caçadores recolhem 60 toneladas de lixo pág. 8

Cabra algarvia volta a ser rainha no Azinhal Terra de Maio abre portas no próximo fim-de-semana Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A CABRA ALGARVIA VOLTA A SER A RAINHA do fim-de-se-

mana maior do Azinhal, em Castro Marim, naquela que é a sétima edição da Terra de Maio, um certame dedicado a promover a cabra de raça algarvia, bem como os produtos, artesanato e saberes típicos do interior da região. Entre 9 e 11 de Maio, no Centro Multiusos do Azinhal, a Terra de Maio é o foco das atenções no sotavento do Algarve e promete, a partir das 18.30 horas do primeiro dia do evento, muitas propostas para todos os que visitem a localidade castromarinense. A boa mesa e o bom vinho não podiam, como sempre, deixar de estar entre os destaques de mais esta edição

d.r.

do certame, a que se juntam a doçaria e os licores e bebidas espirituosas regionais. Exposições, muita música e humor enquadram a animação que promete não deixar ninguém indiferente ao longo dos três dias que dura a festa no Azinhal. Para sexta-feira, destaque para o espectáculo de Fado & Flamenco de Miguel Drago e Virgílio Lança, com Inês Graça & Pepe de La Punta, marcado para as 19.30 horas, e para a prova de vinhos da Confraria dos Enófilos do Algarve.

ROUXINOL FADUNCHO SOBE AO PALCO O fecho do palco estará a cargo do Rouxinol Faduncho, trazendo à ribalta da Terra de Maio o humorista Marco Horácio e muito que rir com a insólita personagem.

ÔÔ O Azinhal dedicou um museu à cabra algarvia pub

No sábado, depois do seminário dedicado pela manhã à temática “O regresso ao Mundo Rural, numa nova trajectória económica”, com a participação da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAP), o palco será dominado pelo Grupo Folclórico de Faro e, às 21.30 horas, pela Banda “Diapasão”. Durante todo o dia há muito para conhecer e fazer entre provas, degustações, e mostras do tanto que o Algarve tem para oferecer. Já o domingo abre com o 1º Passeio TT turístico “Por Terras de Maio”, logo pelas 9 horas, numa organização da Casa do Povo do Azinhal e da Associação Recreativa e Cultural - Azinhal (ARCA). À tarde, voltam os Workshops, o Laboratório de Gostos, as actividades lúdicas

e pedagógicas dirigidas às crianças, como os ateliês do burro e do pão e, ainda, os sons do folclore e da música de baile. A 7ª Edição da “Terra de Maio” prossegue a caminho do encerramento, às 20 horas, com um stand-up do humorista Serafim. O certame conta, como sempre, com a organização da Câmara de Castro Marim, Junta de Freguesia de Azinhal, Associação Nacional de Criadores de Caprinos de Raça Algarvia (ANCCRAL) e tem a colaboração da Eurocidade do Guadiana, da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAP), da Entidade Regional do Turismo do Algarve (ERTA), da Escola de Hotelaria do Algarve e da Confraria de Enófilos e Gastrónomos do Algarve. pub


9 de Maio de 2014  |  7

região

ZZZ pág. ##

pub

Frutos do mar dominam Maio em Tavira Até dia 25 um festival de sabores por terras do Gilão d.r.

ÔÔ Festival promete fazer as delícias dos amantes da boa mesa Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

AS LIGAÇÕES DE TODO O CONCELHO DE TAVIRA ao mar e, em

particular, à Ria Formosa são uma marca da identidade dos tavirenses e prova disso é a gastronomia local sempre recheada de frutos do mar. Exactamente por isso é este ano a 11ª vez que a autarquia local organiza, em parceria com os restaurantes do concelho, o Festival da Gastronomia do Mar que promete fazer as delícias dos amantes da boa mesa até dia 25 de Maio. A decorrer desde o início do mês, o certame conta nesta edição com 13 restaurantes aderentes e faz valer à mesa daqueles que decidirem provar as iguarias marinhas a arte de confeccionar o polvo, o atum e a sardinha ou o bacalhau, bem como o berbigões e as ostras, a par da amêijoa e da conquilha, com dotes de malvadez. Tudo isto e muito mais em receitas pensadas à medida do evento e capazes de unir a frescura dos produtos locais à excelência dos mestres de cozinha que as confeccionam e aos

vinhos e doces da região que, de forma marcante, não deixam de estar presentes nas ementas. Tudo num baile de sabores e odores desafiador de todos os grandes comensais, que tem por detrás todo o saber fazer de séculos da dieta mediterrânica, naquela que é a capital da classificação de Portugal como património imaterial da humanidade neste domínio.

MUITO MAIS DO QUE COMER Entretanto, o concelho oferece muito mais do que simples refeições com origem no mar, oferece frentes ribeirinhas de excelência, com a Ria Formosa a seus pés e o mar como pano de fundo. Aproveite e deixe-se levar pela oferta tavirense de paisagens únicas e enquadramentos de rara beleza, seja por terras de Cabanas de Tavira, ou pelos caminhos de Santa Luzia. Há muito mais do que comida numa visita a Tavira, há história, alma e natureza a convidar a um dia passado em pleno com a gastronomia como foco num festival criado a pensar nos visitantes. pub


8  |  9 de Maio de 2014

região

ZZZ pág. ##

Caçadores recolhem 60 toneladas de lixo

pub

Cartório Notarial em Tavira Bruno Filipe Torres Marcos

NOTÁRIO Extrato de Escritura de Justificação CERTIFICO, para efeitos de publicação, nos termos do artigo 100.º do Código do Notariado que, por escritura pública de Justificação outorgada em vinte e seis de Abril de dois mil e catorze, exarada a folhas quatro e seguintes do Livro de notas para escrituras diversas número Quarenta e sete – A, do Cartório Notarial em Tavira, do Notário privado Bruno Filipe Torres Marcos, sito na Rua da Silva, n.º 17-A:

Cerca de três mil caçadores participam em jornada ambiental na região d.r.

- José Macário Custódio Correia, natural da freguesia de Santo Estêvão, concelho de Tavira, casado com Maria Elisabete Alves Simões Rolo Correia sob o regime da comunhão de adquiridos, residente na Rua Eduardo Vilhena Guerreiro, número 10, 8800-744 Tavira, contribuinte fiscal número 136622798, declarou: - Que é dono e legítimo possuidor, com exclusão de outrem, dos seguintes prédios, sitos na actual freguesia da União das Freguesias de Tavira (Santa Maria e Santiago), com origem na freguesia de Tavira (Santa Maria), do concelho de Tavira, não descritos na Conservatória do Registo Predial de Tavira: VERBA UM: prédio rústico composto por terra de pastagem, com a área de seiscentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Manuel do Nascimento, Sul com Manuel Valentim Gonçalves, Nascente com Manuel Valério Gonçalves e Poente com Maria do Carmo Viegas, inscrito na matriz sob o artigo 1427 (com proveniência no artigo 1252 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 2,83 €, igual ao atribuído; VERBA DOIS: prédio rústico composto por terra de cultura, com a área de novecentos metros quadrados, sito em Canivete – Soalheira, que confronta a Norte com António José, Sul e Nascente com Florinda de Jesus, e Poente com José Sebastião, inscrito na matriz sob o artigo 1526 (com proveniência no artigo 1303 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 11,56 €, igual ao atribuído; VERBA TRÊS: prédio rústico composto por terra de cultura, com a área de setecentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Manuel do Nascimento, Sul com Júlia da Conceição, Nascente com João Sebastião, e Poente com Manuel Rodrigues, inscrito na matriz sob o artigo 1472 (com proveniência no artigo 1275 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 8,61 €, igual ao atribuído; VERBA QUATRO: prédio rústico composto por terra de cultura e pastagem, com a área de mil e quinhentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Manuel do Nascimento, Sul com Joaquim Rodrigues, Nascente com José Beatriz Dias, e Poente com Florinda de Jesus, inscrito na matriz sob o artigo 1487 (com proveniência no artigo 1283 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 17,23 €, igual ao atribuído; VERBA CINCO: prédio rústico composto por terra de cultura com árvores, com a área de seiscentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Custódio Bento, Sul e Nascente com Maria Forte, e Poente com Marciano Rodrigues, inscrito na matriz sob o artigo 1429 (com proveniência no artigo 1253 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 67,50 €, igual ao atribuído; VERBA SEIS: prédio rústico composto por terra de cultura, com a área de mil e duzentos metros quadrados, sito no Serro do Palheirinho, que confronta a Norte com José Domingos Dias, Sul e Nascente com Avelino Domingos, e Poente com Manuel do Nascimento, inscrito na matriz sob o artigo 1004 (com proveniência no artigo 987 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 14,40 €, igual ao atribuído;

ÔÔ O dinheiro da venda do ferro e do material recolhido vai apoiar instituições e famílias carenciadas Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

O PASSADO DOMINGO FOI A DATA ESCOLHIDA pela Federa-

ção de Caçadores do Algarve (FCA) para levar a cabo a acção de limpeza anual que junta os amantes da caça num evento regional em que a presa é o lixo espalhado pelos terrenos da região. Sessenta toneladas de lixo foi quanto conseguiram recolher os cerca de três mil caçadores que aderiram ao evento que decorreu nos concelhos de Castro Marim, Faro, Olhão, São Brás de Alportel, Albufeira, Lagos, Silves, Tavira, Loulé e Monchique. Com “menos lixo recolhido do que em anos anteriores”, revela em declarações ao POSTAL Vítor Palmilha, que entende tratar-se de “um bom sinal a existência de menos lixo nos terrenos do interior”, os caçadores este ano alargaram a sua acção à zona do litoral, cobrindo as praias da Retur, Altura e Verde. O dinheiro apurado com a venda de cerca de 1.200 quilogramas de metal recolhido nesta operação e ainda aquele que resultar da venda do vidro e plástico recolhidos

será entregue à Federação de Caçadores do Algarve pela Algar, a instituição associativa vai apoiar instituições de solidariedade social e famílias identificadas como tendo necessidades de electrodomésticos pelas autarquias.

CASTRO MARIM APOIA ASSOCIAÇÕES DE CAÇA A jornada

de limpeza da FCA serviu ainda para assinar os protocolos entre a autarquia de Castro Marim, liderada por Francisco Amaral, e as cerca de duas dezenas de zonas de caça daquele concelho. Estes protocolos estabelecem a entrega de 1.500 euros a cada zona de caça em regime de apoio financeiro, tendo por contrapartida acções de silvicultura preventiva, desmatamento, vigilância e controlo das áreas rurais a serem levadas a cabo pelos caçadores locais num esforço conjunto para prevenir os incêndios. Uma acção que, segundo Vítor Palmilha, “poderia ser repetida com sucesso em muitas outras zonas críticas quanto a incêndios na região, uma vez que muitas vezes só os caçadores percorrem na sua actividade determinadas zonas do território”.

COELHO BRAVO EM SITUAÇÃO DE DESASTRE AMBIENTAL Na

sequência da cobertura do evento pelo POSTAL, o líder da FCA lançou ainda um alerta relativo à situação de catástrofe que se vive no que respeita ao coelho bravo. A espécie continua a estar sobre “gravíssima” ameaça, depois de “este ano o vírus hemorrágico que a afecta ter sofrido uma nova mutação, que dizimou a quase totalidade do efectivo”, refere Vítor Palmilha. “Está em causa o equilíbrio ambiental e da fauna”, uma vez que, refere o dirigente associativo, “o coelho é a base da cadeia alimentar de muitas outras espécies de fauna”, ao mesmo tempo que “constitui a base das zonas de caça”. O líder da FCA “critica o Ministério da Agricultura por não tomar medidas suficientes face a este flagelo e por em nada ajudar os caçadores que são largamente afectados”. “Em vez de nos apoiarem não só não o fazem como ainda aumentam as taxas das zonas de caça que deveriam estar neste momento suspensas face à gravidade da situação”, sublinha Vítor Palmilha, desapontado com estado de coisas nesta matéria.

VERBA SETE: prédio rústico composto por terra de cultura, com a área de duzentos e cinquenta metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte e Nascente com Manuel Valério Gonçalves, Sul e Poente com Maria do Carmo Viegas, inscrito na matriz sob o artigo 1516 (com proveniência no artigo 1298 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 4,37 €, igual ao atribuído; VERBA OITO: prédio rústico composto por terra de pastagem, com a área de seiscentos metros quadrados, sito em Canivete – Soalheira, que confronta a Norte com Joaquim Rodrigues, Sul com Anatolio Gago Simão, Nascente e Poente com Manuel Rodrigues Neto, inscrito na matriz sob o artigo 1524 (com proveniência no artigo 1302 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 2,83 €, igual ao atribuído; VERBA NOVE: prédio rústico composto por terra de cultura, com a área de mil e duzentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Manuel do Nascimento, Sul com Francisco Rita, Nascente com Júlia da Conceição e Poente com Florinda de Jesus, inscrito na matriz sob o artigo 1518 (com proveniência no artigo 1299 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 14,40 €, igual ao atribuído; VERBA DEZ: prédio rústico composto por terra de cultura e pastagem, com a área de seiscentos metros quadrados, sito em Fonte Bonita, que confronta a Norte com Custódio Bento, Sul com José Beatriz Dias, Nascente com Manuel Valentim Gonçalves, e Poente com Francisco Rita, inscrito na matriz sob o artigo 1417 (com proveniência no artigo 1247 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 7,20 €, igual ao atribuído. - Que esses prédios, com a indicada composição e área, vieram à sua posse por sucessão hereditária por óbito de seus pais José Armando Gago Correia e mulher Maria José Custódia, casados que foram sob o regime da comunhão geral de bens, falecidos, respectivamente, no dia cinco de Abril de dois mil e dois, e no dia sete de Abril de dois mil e onze, tendo sido declarado seu único herdeiro seu filho, ele justificante – como tudo consta de duas escrituras de habilitação lavradas, uma no Cartório Notarial de Tavira, em seis de Agosto de dois mil e dois, exarada a folhas cento e trinta e seis e seguinte do Livro de notas para escrituras diversas número Cento e sessenta e oito – A, e a outra neste mesmo Cartório, e a outra neste mesmo Cartório, em seis de Maio de dois mil e onze, lavrada a folhas setenta e duas do Livro de notas para escrituras diversas número Dezanove – A. - Que, por sua vez, os seus pais adquiriram aqueles prédios do seguinte modo: - a) o identificado na verba UM, em data imprecisa do ano de mil novecentos e setenta e cinco, por compra meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita a Maria Martins, viúva, já falecida, com a última residência habitual na Calçada da Galeria, em Tavira; b) o identificado na verba DOIS em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra meramente verbal feita a Manuel Rodrigues ou Manuel Rodrigues Neto e mulher Maria de Jesus, ambos já falecidos, residentes que foram no Barranco da Nora, Santo Estêvão, Tavira; c) os identificados nas verbas TRÊS, QUATRO e NOVE em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra meramente verbal feita a Manuel Valério Gonçalves e mulher Rosaria Gonçalves, já falecidos, residentes que foram em Soalheira do Pereiro, Santa Maria, Tavira; d) os identificados nas verbas CINCO, SEIS e DEZ, em data imprecisa do ano de mil novecentos e oitenta, por compra meramente verbal feita a Maria do Carmo Viegas, já falecida, no estado de viúva, residente que foi em Soalheira do Pereiro, Santa Maria, Tavira; e) e os identificados nas verbas SETE e OITO, em data imprecisa do ano de mil novecentos e setenta e dois, por compra meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita a António Pereira Cavaquinho ou António Miguel, já no testado de viúvo de Florinda de Jesus ou Florinda Pereira de Jesus, já falecido, com a última residência habitual no Sítio do Alto, em Luz de Tavira. - Que, assim, justifica os referidos imóveis, porquanto há mais de vinte anos, primeiro os seus pais e depois ele, por sucessão na posse que eles já vinham exercendo, de forma pública, pacífica, contínua e de boa fé, ou seja, com o conhecimento de toda a gente, sem violência, nem oposição de ninguém, reiterada e ininterruptamente, na convicção de ele e os seus pais não lesarem quaisquer direitos de outrem e ainda convencidos de serem os únicos titulares do direito de propriedade destes imóveis, e assim o julgando as demais pessoas, os seus pais e depois ele justificante têm possuído aqueles prédios – cultivando-os, amanhando a terra, tratando das árvores, colhendo os respectivos frutos, nele pastando os animais, usufruindo dos seus rendimentos, suportando os encargos ou despesas com a sua manutenção –, pelo que, tendo em consideração as referidas características de tal posse, adquiriu por USUCAPIÃO os referidos imóveis, o que invoca. Tavira, 5 de Maio de 2014. O Notário, Bruno Filipe Torres Marcos Conta registada sob o n.º 1/116 POSTAL do ALGARVE, nº 1123, de 9 de Maio de 2014)


9 de Maio de 2014  |  9

boa mesa

Propostas ZZZ pág. ## variadas a pensar em si!

pub

Wine & Tapas Bar Tapas, vinhos e muito mais num ambiente único

O melhor rodízio de peixe do Algarve

De segunda a sábado entre as 16 e as 4 horas

10 €

Serviço de quentes até à 1 hora Música ao vivo de quinta a sábado

Rua do Prior, n.º 6, r/c - Faro - ) 919 555 589

Rodízio com 10 qualidades de peixe fresquíssimo à sua espera EN 125 junto à rotunda dos Salgados entre Faro e Olhão - contacto: 935 849 797

publicite o seu restaurante Contacte-nos: 281 320 900 pub

Bottle, à mesa com a excelência Novo Wine & Tapas Bar, em Faro, propõe momentos únicos em torno de uma mesa em que a marca é a qualidade HÁ ESPAÇOS QUE ROÇAM A PERFEIÇÃO e nos quais mal se

entra se tem a sensação de que tudo está como e onde deveria estar, como se sempre assim fosse suposto. Quando este sentimento nos invade num espaço dedicado ao supremo deleite da boa mesa e se une à arte de bem servir e à excelência da cozinha, estão criadas as condições para uma experiência única. O Bottle em Faro é exactamente um destes espaços, desenhados para deixarem memórias no palato e na alma e que apetece manter em segredo não fosse o mérito que nos obriga a partilhar com os outros a boa experiência que ali se vive. O conceito Wine & Tapas Bar é ali desenvolvido numa ambience que convida a estar e deixar passar o tempo sem ter os ponteiros do relógio como guia.

Quente, acolhedor, espaçoso e confortável, o Bottle é mais do que um espaço para comer uma refeição, tomar um copo ou dedicar-se à arte das tapas. É tudo isto, regado de bons vinhos e bordado por um serviço de primeira água, com alma a acompanhar. Aquela alma que têm determinados espaços e que só se compreende quando se visita o sítio. A pedra aliada às madeiras e as barricas a servirem de poiso a par das mesas, dão ao Bottle uma identidade própria e criam um espaço cheio de recantos onde apetece estar. Entre o copo de vinho e as tapas, as tábuas de queijo e de enchidos, a miríade de propostas de petiscos feitos primores culinários e dois bons dedos de conversa, ali se podem viver momentos únicos.

d.r.

ÔÔ No Bottle os clientes podem beber um copo e degustar algumas iguarias em ambiente descontraído

A PENSAR NOS PRAZERES DA VIDA E DA MESA Porque há

muitos de nós para quem a partilha da nobre refeição, do

divino copo e da excelsa conversa constituem verdadeiros momentos de excepção, há sítios assim, criados pela arte

e dedicação de quem pensa um espaço à medida dos prazeres salutares da vida. A baixa de Faro, mesmo à

entrada da Rua do Prior, ganhou assim um espaço que à cidade faltava. Criou-se um conceito que garantidamente fará seguidores e de onde se sai apenas com um pensamento... quando é que estaremos de volta. E porque o regresso é desejado não só por quem experimenta o Bottle, mas por quem todos os dias o faz uma realidade a pensar em si, pode contar com uma porta aberta de segunda-feira a sábado, entre as 16 e as 4 horas, com serviço de quentes até à uma hora da manhã. Junte-se a tudo isto música ao vivo, que vai do jazz e sax às quintas-feiras, até às bandas às sextas e sábados, e tem-se a conjunção perfeita. Incontornável como tudo o que tem dotes de excelência, o Bottle Wine & Tapas Bar está mesmo ali a dois passos de si e à espera de criar mais um seguidor desta experiência única.


10  |  9 de Maio de 2014

anúncios

ı

classificados

ZZZ pág. ##

Acordos com:

Susete Maia

Multicare, C.G.D., Allianz Acordos com:

Medis, Multicare, C.G.D., Allianz

Medicina dentária e Odontologia

Rua Libânio Martins, n.º 1 A - Faro susetemaia@sapo.pt

' 289 045 457 - 914 922 721 Ÿ

ALAGOA

TAVIRA

funerariapedro@sapo.pt funeraria_pedro@sapo.pt

funerariapviegas@sapo.pt

Empresa recomendada

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Serviços Prestados

ü Funerais ü Trasladações ü Cremações ü Preparação estética do falecido ü Manutenção de jazigos e campas

Sempre a seu lado nos momentos difíceis da vida...

) nº verde (GRÁTIS) 800 219 262

24 Horas Temos ao seu dispor uma linha de crédito até 24 meses sem juros financiada por uma instituição bancária credível

SERVIÇOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Funeráis desde 300 Euros * alagoa.lda@gmail.com

JUNTO AO HOSPITAL VELHO EM TAVIRA

TAVIRA Rua Dr. Miguel Bombarda n.º 25 Tel. - 281 323 983 - 281 381 881 LUZ DE TAVIRA EN 125, n.º 32 – Tel. - 281 961 455

MARIA JOÃO ROSA ALEXANDRE

VILA REAL STO. ANTÓNIO Rua 25 de Abril n.º 32 – Tel. - 281 541 414

57 ANOS

FUNERÁRIA PATROCÍNIO Tlm. - 968 685 719 Rua João de Deus, n.º 86 – Tel. -281 512 736 IDALÉCIO PEDRO Tlm. - 964 006 390

AGRADECIMENTO A família enlutada cumpre o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido realizado no dia 23 de Abril, para o Cemitério de Tavira bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade. Agradecem também a todos que rezaram Missa do 7º dia pelo seu eterno descanso, celebrada dia 25 de Abril,

Serviços Fúnebres Coroa de flores artificiais c/ moldura, cartões memoriais, livro de condolências e serviço de água no velório

Solicite orçamento antes de decidir AGÊNCIA

FUNERÁRIA

sexta feira, às 18,00 horas na Igreja de São Paulo em Tavira.

“Paz à sua Alma” “Serviços Fúnebres efectuados pela Agência Funerária Pedro & Viegas, Ldª” Tavira • Luz • V.R.Stº António Telm. 964 006 390 - 965 040 428

Tavira

969 003 042

Emergência 24 horas

965 040 428

Vila Real Sto. António

962 406 031

TAVIRA

TAVIRA

TAVIRA

EDUARDO JORGE PEREIRA DA SILVA

NOÉMIA MARIA SOTERO

MARIA FERNANDA MARTINS

82 ANOS

80 ANOS

82 ANOS

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Sua querida família cumpre o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido, realizado no dia 14 de Janeiro, para o Cemitério de Tavira, bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade.

A família enlutada cumpre o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido, realizado no dia 29 de Abril, para o Cemitério de Tavira bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade. Agradecem também a todos que rezaram Missa do 7º Dia pelo seu eterno descanso, celebrada dia 06 de Maio,

A família enlutada cumpre o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido, realizado no dia 01 de Maio, para o Cemitério de Tavira bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade. Agradecem também a todos que rezaram Missa do 7º dia pelo seu eterno descanso, celebrada dia 06 de Maio, às 08,45 horas na Igreja de Santiago em Tavira.

“Paz à sua Alma” “Serviços Fúnebres efectuados pela Agência Funerária Pedro & Viegas, Ldª” Tavira • Luz • V.R.Stº António Telm. 964 006 390 - 965 040 428

às 08,45 horas na Igreja de Santiago em Tavira.

“Paz à sua Alma”

“Paz à sua Alma”

“Serviços Fúnebres efectuados pela Agência Funerária Pedro & Viegas, Ldª” Tavira • Luz • V.R.Stº António Telm. 964 006 390 - 965 040 428

“Serviços Fúnebres efectuados pela Agência Funerária Pedro & Viegas, Ldª” Tavira • Luz • V.R.Stº António Telm. 964 006 390 - 965 040 428


9 de Maio de 2014  |  11

anúncios

ZZZ pág. ##

ı

necrologia Funerárias: Sítio da Palmeira LUZ DE TAVIRA Tel. /Fax: 281 961 170

SERVIÇO PERMANENTE 24h

Av. Maria Lizarda MONCARAPACHO Tel: 289 798 380

FUNERAIS | CREMAÇÕES | TRASLADAÇÕES ARTIGOS RELIGIOSOS MANUTENÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS FLORES Tlms: 966 019 297 (Carlos Palma)

963 907 469 (Gonçalo Correia)

Rua Soledade 19 OLHÃO Tel. 289 713 534

geral@funerariacorreia.pt - www.funeraria correia.pt

VENDE-SE ou ARRENDA-SE Tractor - Rega, Lda

4 terrenos agrícolas com excelente localização e acessibilidade, com água da barragem, situados na Asseca a 3 minutos da cidade de Tavira

Tlm. - 966 574 669 E-mail - globalcontrol@iol.pt

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, 1 de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. R.P.

Pomar de citrinos: 8.158 m2 Terra de semear: 8.000 m2 Terra de semear: 9.788 m2 Pomar de citrinos e terra de semear 6.370 m2 Área total: 32.316 m2

Contacto: 918 201 747

SANTA MARIA – TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO – TAVIRA

SILVES SÉ E SÃO PEDRO - FARO

MANUEL JOÃO 21-07-1925 / 16-04-2014

MARIA MANUELA DOS REIS SILVA 06-05-1930 / 28-04-2014

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

SANTA CATARINA DA FTE DO BISPO TAVIRA

SANTIAGO – TAVIRA SANTA LUZIA – TAVIRA

SANTIAGO – TAVIRA SANTA LUZIA - TAVIRA

JOÃO ANTÓNIO VIEGAS

JOSÉ JOAQUIM HIGINO DA SILVA

EUGÉNIO EDUARDO DA SILVA POÇO

05-08-1928 / 29-04-2014

11-01-1922 / 01-05-2014

04-01-1955 / 02-05-2014

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos o acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

AGRADECIMENTO Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Santos & Bárbara, Lda FUNERAIS - CREMAÇÕES - TRASLADAÇÕES PARA TODO O PAÍS E ESTRANGEIRO

Tel. : 281 323 205 - Fax: 281 323 514 • 965 484 819 / 917 764 557 ATENDIMENTO PERMANENTE - OFERTA DE ANÚNCIO DE NECROLOGIA E CARTÕES MEMÓRIA Artigos Funerários e Religiosos / Catálogo de Lápides e Campas


visite-nos em Tiragem desta edição:

8.271 exemplares

www.postal.pt

O POSTAL regressa no dia 23 de Maio

última

pub

Urgências básicas em ruptura Falta de profissionais dita a situação, denuncia Sindicato dos Enfermeiros Portugueses d.r.

O SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES (SEP) rei-

terou, na passada segunda-feira, que se mantém uma situação de ruptura nos Serviços de Urgência Básica (SUB) de Vila Real de Santo António, Albufeira e Loulé. Em comunicado, os enfermeiros dizem que a situação mais grave é vivida em Loulé, onde “a dificuldade em fazer as escalas de enfermeiros tem vindo a agravar-se de mês para mês” e que nos dias 1 e 2 de Maio não houve médico na SUB de Loulé. A direcção regional do SEP explica que “os mapas de pessoal dos SUB prevêem 16 enfermeiros cada. Nenhum tem os 16! Em Loulé, em 2009, trabalhavam 14 e actualmente estão apenas nove”. “Os ritmos de trabalho agravado pela falta dos restantes profissionais põem em risco a saúde dos enfermeiros e dos doentes”, alerta o SEP, cujos representantes se reuniram na passada terça-feira com o Ministério da Saúde e na quinta-feira (após o fecho desta edição do POSTAL) com a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve.

NINGUÉM ASSUME RESPONSABILIDADES Na base do problema

está um desentendimento entre a ARS Algarve e o Centro Hospitalar Algarvio (CHA) sobre a responsabilidade da gestão das SUB. À Lusa, o presidente do Conselho de Administração do CHA, Pedro Nunes, contou que durante a fusão dos hospitais de Faro e do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, o CHA ficou responsável pela SUB de Lagos, mas que as restantes SUB continuaram a ser geridas pela ARS Algarve. Pedro Nunes disse que a anterior direcção da ARS Algarve demonstrou vontade que aqueles serviços fossem assumidos pelo CHA e que o conselho de administração daquele centro hospitalar está disponível desde que à

ÔÔ Profissionais e doentes em risco transferência de responsabilidade corresponda também a respectiva transferência orçamental. Segundo aquele responsável, há quase dois anos, o CHA assinou um protocolo de seis meses com a ARS Algarve, que não foi renovado, em que se comprometia a ajudar na gestão das SUB de Vila Real de Santo António, Loulé e Albufeira até que fosse encontrada solução para a transferência. “Nós começámos a ajudar a ARSA a encontrar quadros médicos para os SUB, mas ajudar é uma coisa, responsabilizar-se é outra”, prosseguiu, adiantando que na próxima semana se irá reunir com a ARS Algarve para discutir este assunto. Há cerca de dois meses, um despacho da Secretaria de Estado autorizou “os médicos cubanos que estão a trabalhar no Algarve a não fazerem o serviço de urgência”, contou Pedro Nunes, que na altura terá avisado a ARS Algarve que sem esses médicos para assegurar os turnos durante o dia, seria necessário recorrer aos médicos de família porque através dos médicos do CHA “não seria possível garantir todos os turnos”. Contactada pela Lusa, a ARS Algarve remeteu para o comunicado emitido na passada semana onde informava que foram tomadas diligências para colmatar as faltas de profissionais identificadas. Lusa

visite-nos em www.postal.pt


joão pedro marnoto

Espaço Cria: d.r.

Competitividade, território e proximidade

p. 2

Grande ecrã:

d.r.

Cinema e Arquitectura unidos em Faro

p. 3

O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N:

Entrevista:

Lídia Jorge à conversa sobre ‘Os Memoráveis’

d.r.

ps. 4 e 5

Atacar o Maio

d.r.

p. 10

Espaço património: d.r.

MAIO 2014 n.º 69

40 anos de restauro

Mensalmente com o POSTAL em conjunto com o PÚBLICO p. 9

8.271 EXEMPLARES

www.issuu.com/postaldoalgarve

Uma arte da errância:

os poemas-canções de Jorge Palma ps. 8 e 9


2

09.05.2014

Cultura.Sul

Editorial

Espaço CRIA

Dar vida ao património

Competitidade: mais território, maior próximidade

Ricardo Claro

Editor ricardoc.postal@gmail.com

Dinamizar o património é sempre um dos mais importantes desafios colocados à Direcção Regional de Cultura. Numa aposta clara de colocar a visita aos monumentos sob sua tutela na agenda, quer dos algarvios, quer dos visitantes que, aos milhões, escolhem anualmente o Algarve como destino, a Direcção Regional apresentou recentemente o programa DiVaM - Dinamizar, Valorizar os Monumentos. Para fazer face a este desafio, a Direcção Regional de Cultura, presidida por Alexandra Gonçalves, chamou todos os agentes culturais da região e estabeleceu parcerias, nomeadamente com as autarquias, para enquadrar as visitas ao património com uma oferta de eventos conexos capaz de potenciar a atractibilidade dos espaços patrimoniais. Assim, a música, o teatro, a intervenção teatral de rua e a dança, bem como, as perfomances e as recriações, vão invadir os sítios e monumentos que constituem o património da região, procurando criar diversidade na oferta cultural complementar dos monumentos regionais. O desiderato maior da Direcção Regional de Cultura do Algarve neste programa é o de levar os algarvios e os visitantes do património regional em geral a viverem e sentirem o património de uma forma única. As iniciativas vão ter lugar no Castelo de Aljezur, na Fortaleza de Sagres e na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, mas também acontecerão nos Monumentos Megalíticos de Alcalar, na Villa da Abicada, nos Castelos de Paderne e de Loulé e nas Ruínas Romanas de Milreu. As datas dos eventos podem ser consultadas no sítio da Direcção Regional de Cultura na internet e convidam a conhecer o património da região num compromisso sempre desejado entre a visita ao edificado e a expressão cultural performativa.

Hugo Barros Coordenador do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve

Sem pretensão de inovação nas minhas palavras e dando seguimento aos múltiplos documentos elaborados, o aumento de competitividade do Algarve está hoje, pensa-se, associado à capacidade de uma especialização mais inteligente, capaz de valorizar as vantagens competitivas da região e a promoção de uma interação entre os diferentes setores económicos, tradicionalmente pouco habituados a uma colaboração intersectorial. Este é um desafio para o qual todos devemos estar disponíveis, públicos e privados, mas no qual a ciência e o conhecimento desempenham um papel fundamental. A capacidade de intermediação do conhecimento e ciência, a experiência dos agentes regionais em setores outrora consolidados, a capacidade de atuação sobre oportunidades em setores emergentes e um

novo período de financiamento comunitário, deverão permitir assegurar um território mais dinâmico, inteligente e competitivo. Mas importa atuar. Atuar, intermediando os agentes económicos, as políticas, os programas e a comunidade civil presente no território. Como terá sido percetível para os leitores mais atentos, através das redes

diferentes agentes económicos, aprofundando o conhecimento da região e identificando oportunidades de colaboração. Estas iniciativas, que poderão parecer rotineiras, pontuais, ou meramente institucionais, revelam uma reformulação na atuação dos agentes regionais, que considero fundamental. A Universidade do Algarve, os d.r.

sociais ou pela comunicação social mais tradicional, a Universidade do Algarve, instituição do Sistema Científico e Tecnológico por excelência na região, tem vindo a atuar de forma cada vez mais coordenada com os

municípios, as empresas e os demais agentes da sociedade civil, propõem-se identificar, visitar e atuar sobre aquilo que são as condições da região, naquilo que são as oportunidades e necessidades de quem deseja ino-

Ficha Técnica: Direcção: GORDA Associação Sócio-Cultural

var, crescer e alterar a aparente estagnação sobre a qual o país parece estar refém. Para além de identificar oportunidades e consolidar parcerias, a atuação nos concelhos e freguesias da região tem permitido identificar não alguns exemplos disruptivos de inovação, mas um conjunto de empresários e empreendedores regionais, que recorrendo às tradições do território, aos recursos endógenos da região, ao conhecimento da Universidade, e à experiência das suas gentes, tem conseguido inovar e diferenciar os seus produtos e serviços em mercados internacionais, criando empregos e riqueza, e contribuindo de forma significativa para a competitividade da região. Esta é uma realidade que importa realçar, atestando uma política de oportunidades que não se reduzem às limitações de financiamento, à morosidade dos processos de licenciamento ou à globalidade da concorrência, mas que as transpõem com sucesso. Para que estes casos de sucesso continuem a proliferar na região remeto-me para o título improvisado do presente texto, sugerindo que para MAIS COMPETITIDADE é imperativo MAIS TERRITÓRIO e MAIOR PROXIMIDADE. Cabe-nos criar as condições.

Juventude, artes e ideias

Futuro

Carlos Alves Estudante

O nosso país ao longo dos séculos evoluiu muitíssimo bem mas ao mesmo tempo regrediu em termos económicos e laborais. A situação em que nos encontramos neste momento é muito desfavorável, tanto para os adultos como para os jovens que estão a entrar ou já estão no mercado de trabalho. Se os responsáveis pelo desenvolvimento/crescimento do nos-

so país não conseguem ter ideias para ajudar a inovar a economia para a positiva terão de ser as mentes jovens a fazê-lo! Com ideias inovadoras tentarão dar o passo à frente para que a nossa política tenha um processo evolutivo e que a partir desse ponto comece a haver um crescimento favorável para o país, fazendo com que a próxima geração de jovens possa também ter mais possibilidade de concretizar mais objectivos a favor da evolução económica do país. Em poucas palavras posso dizer que se não lutarmos pelo pouco que já temos, o futuro do país poderá chegar a um ponto crítico em que nem os mais novos conseguirão resolver.

d.r.

Editor: Ricardo Claro Paginação: Postal do Algarve Responsáveis pelas secções: • O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N: Pedro Jubilot • Espaço ALFA: Raúl Grade Coelho • Espaço AGECAL: Jorge Queiroz • Espaço CRIA: Hugo Barros • Espaço Educação: Direcção Regional de Educação do Algarve • Espaço Cultura: Direcção Regional de Cultura do Algarve • Grande ecrã: Cineclube de Faro Cineclube de Tavira • Juventude, artes e ideias: Jady Batista • Da minha biblioteca: Adriana Nogueira • Momento: Vítor Correia • Panorâmica: Ricardo Claro • Património: Isabel Soares • Sala de leitura: Paulo Pires Colaboradores desta edição: Andreia Machado Carlos Alves Hugo Barros Laura Carlos Paulo Serra Parceiros: Direcção Regional de Cultura do Algarve, Direcção Regional de Educação do Algarve, Postal do Algarve e-mail redacção: geralcultura.sul@gmail.com e-mail publicidade: anabelagoncalves3@gmail.com

on-line em: www.issuu.com/postaldoalgarve

Tiragem: 8.271 exemplares

Por isso, temos que mostrar que não foi em vão a razão pela qual os nossos avós, tios e pais lutaram no 25 de Abril e que o sacrifício deles nunca será esquecido.

Em certa forma deveríamos apelar aos jovens que, à sua maneira, tentem honrar os seus antepassados e que recuperem a força para lutar por um país melhor.


Cultura.Sul

09.05.2014

 3

Grande ecrã Cineclube de Faro

Programação: cineclubefaro.blogspot.pt facebook.com/direccao.cineclubefaro RESISTÊNCIA E RESILIÊNCIA IPJ | 21.30 HORAS 13 MAI | ATÉ AMANHÃ, CAMARADAS, Joaquim Leitão, Portugal, 2005, 192’ 20 MAI | TERRA DE NINGUÉM, Salomé Lamas, Portugal, 2012, 72’ 27 MAI | O CONGRESSO, Ari Folman, Israel/ Alemanha/França/Bélgica, 2013, 122’ FILME FRANCÊS DO MÊS BIBLIOTECA MUNICIPAL | 21.30 HORAS LE BAL DES ACTRICES, Maiwenn, França, 2009, 105’ CINEMA E ARQUITECTURA ÀS QUARTAS BIBLIOTECA MUNICIPAL | 21.30 HORAS

14 MAI | IN MEDIA RES, Luciana Fina, 72’, 2013, Portugal (Presença da realizadora Luciana Fina) 21 MAI | QUINTA DAS MURÇAS – O PROJECTO, Graça Castanheira, 40’, 2011, Portugal, e Alto Relevo – Canto ao Douro e ao Vinho, Graça Castanheira, 14’, 2011, Portugal 28 MAI | THE HUMAN SCALE, Andreas Dalsgaard, Dinamarca, 77’

Cinema e Arquitectura em Faro A actividade do Cineclube de Faro em Maio desenvolve-se em duas vertentes: a da programação própria e em torno de uma colaboração que muito nos orgulha e honra com a Delegação da Ordem dos Arquitectos de Faro. Comecemos por esta última: às quartas-feiras, no auditório da Biblioteca Municipal de Faro durante o mês de Maio e no Museu de Portimão durante o mês de Junho, terá lugar um ciclo de Cinema e Arquitectura. Uma oportunidade única para ver objectos fascinantes, como os filmes que resultam do projecto Ruptura Silenciosa, centrado nas relações entre o Cinema e a Arquitectura enquanto promotores da ruptura com os pergaminhos do Estado Novo ou o documentário sobre a visão e pensamento incontornáveis do arquitecto Manuel Tainha ou ainda… (a programação pode ser consultada em www.oasrs. org). Ainda na senda das colaborações, continua a iniciativa

Cineclube de Tavira

fotos: d.r.

Programação: www.cineclubetavira.com 281 971 546 | 965 209 198 | 934 485 440 cinetavira@gmail.com SESSÕES REGULARES Cine-Teatro António Pinheiro | 21.30 horas 15 MAI | KON-TIKI (KON-TIKI: A VIAGEM IMPOSSÍVEL) Joachim Rønning – RU/Nor/ Din/Al/Suécia 2012 (118’) M/12

Imagem do filme Human Scale Filme Francês do Mês, que traz “Le Bal des Actrices” na última sexta-feira de Maio. No que diz respeito à programação própria, esta decorre às 3ªs no auditório do IPDJ, 21.30, sob a égide da Resistência e Resiliência, reunindo quatro filmes em que estas são marcas estruturais na essência de cada um deles. Filmes como “Guerra ou Paz”, de Rui Simões, sobre

os cem mil desertores ou refractários da Guerra Colonial Portuguesa, ou “Até Amanhã Camaradas”, de Joaquim Leitão, baseado no romance homónimo de Álvaro Cunhal. Ainda o avassalador “Terra de Ninguém”, de Salomé Lamas, ou a belíssima fábula futurista que Ari Folman assina em “O Congresso” o seu segundo filme, depois de “Valsa com Bashir”.

22 MAI | J.A.C.E. Menelaos Karamaghiolis – Gr/PT/Tur/Hol/Mac 2011 (142’) M/16 29 MAI | TAKE THIS WALZ (NOTAS DE AMOR) Sarah Polley – Canadá/Espanha/ Japão 2011 (116’) M/16

Espaço AGECAL

O sentido da ‘defesa’ do património cultural

Rui Parreira Vogal da Direção da AGECAL

Uma das múltiplas frentes de confronto de ideias que Abril abriu foi a disputa de políticas do património cultural, um conceito que era então ainda estranho, porque arredado do discurso oficial dos «monumentos da nação», do «património artístico» e do «folclore»1. Por iniciativa dos cidadãos, desde 1974 e na década seguinte foram criadas inúmeras associações de defesa do património cultural e natural com o objetivo de preservar as marcas de identidade das comunidades e dos territórios2. Nas circunstâncias de então, e como bem constatou Marc Guillaume em 19803, o Estado foi «confrontado com um conjunto de reações que têm lugar no movimento e na sensibilidade ecológicas», e que se debatiam «frontalmente com a lógica económica e com inúmeros interesses particulares, eles próprios sujeitos a esta lógica» (p. 131 da tra-

dução portuguesa de 2003). Como consequência da atitude reivindicativa dos cidadãos em defesa das suas raízes culturais, a lei fundamental do regime acolheu, no seu artigo 9.º, como tarefa fundamental do Estado «proteger e valorizar o património cultural do povo português» e, no seu artigo 78.º, que «todos têm o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural», incumbindo «ao Estado, em colaboração com todos os agentes culturais […], promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum», e salvaguardando, no seu artigo 21.º, o direito de resistir e atuar em sua defesa «quando não seja possível recorrer à autoridade pública». Consequentemente, a Lei 107/2001, ao estabelecer as bases da política e do regime de protecção e valorização do património cultural, refere, ao longo do seu articulado, o direito e o dever de defesa dos bens culturais (materiais e imateriais). Estranho país este, porém, em que o Estado, em lugar de fomentar a conservação (desde logo preventiva) da herança cultural recebida das gerações anteriores e de favorecer ativamente a sua valorização

foto: p. barros

Descobertas arqueológicas no núcleo urbano antigo da cidade de Lagos e promoção, adota uma política de património defensiva. Casos como o do movimento de salvaguarda da arte rupestre de Foz Côa, ou a, dele decorrente, atitude cautelar dominante na conservação do património arqueológico, mostram que, em matéria de política do património, o poder do Estado exerce-se à defensiva. Talvez isso explique a insipiência das iniciativas de educação para o património cultural tomadas em

quatro décadas pelo Estado democrático, ou a frouxidão das políticas de salvaguarda, com uma elevada incidência de caducidade dos procedimentos de classificação legal de bens culturais imóveis (bastando para tal consultar o website da entidade de tutela4), ou a atitude defensiva dos próprios agentes do aparelho, pese embora o disposto no artigo 271.º da lei fundamental, demonstrando a sua desconfiança em quem se obriga,

por inerência do cargo que aceitou, a exercer o poder. Na democracia que temos (representativa), os cidadãos, e os próprios agentes do aparelho, desconfiam de quem representa o poder de Estado e de quem define os preceitos de preservação da «memória autorizada». E por isso têm de estar preparados, através das suas organizações associativas, com liberdade e sem a interferência das autoridades públicas, para aprofundar os combates pela herança cultural e subverter a política 1 Como recentemente bem notou Luís Raposo: O 25 de Abril e a (re) invenção do património cultural português. «Público», 24/04/2014: p. 47. 2 Veja-se, de J. C. Caninas, Associativismo e defesa do património (1980-2010), in «Portugal 19102010: 100 Anos de Património: memória e identidade», Lisboa: IGESPAR, 2010. 3 La Politique du Patrimoine. Paris: Galilée, 1980 (tradução portuguesa: A Política do Património. Porto: Campo das Letras, 2003). 4 Em http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/ patrimonioimovel/


4

09.05.2014

Cultura.Sul

Panorâmica foto: d.r.

Lídia Jorge: entrevista à escritora algarvia a propósito do novo livro ‘Os Memoráveis’ É o mais importante rosto da literatura portuguesa actual nascido por terras algarvias e lançou recentemente Os Memoráveis, razão mais do que suficiente para uma entrevista com uma das mais proeminentes filhas de Boliqueime. A carreira literária iniciada com O Dia dos Prodígios, no ido ano de 1980, soma já 18 títulos entre Sente-se nesta última obra, de facto, um quase retorno ao “extra-ordinário” dos seus primeiros dois romances e um leitor pode mesmo sentir, ao chegar ao final, que não compreendeu tudo no âmago, pois o processo de leitura deste romance afigura-se ao «descascar de uma cebola». Talvez seja preciso uma releitura ou ouvir as suas próprias palavras para chegarmos «ao coração do coração da fábula». Cultura.Sul (CS) - Qual foi a imagem ou situação que inspirou este romance?

Novo romance de Lídia Jorge tem como cenário o 25 de Abril de 1974

Agendar

“JÚLIO RESENDE”

31 MAI | 21.30 | Grande Auditório do TEMPO – Teatro Municipal de Portimão

Concerto de um dos grandes pianistas da actualidade, músico que pegou no repertório de Amália e fez um disco intenso, onde tentou transpor toda a carga emocional do fado para o piano

Lídia Jorge (LJ) - Foram várias as imagens que me conduziram até à escrita deste livro. A mais antiga tem 14 anos. Remonta ao ano 2000. Nesse ano, o Suplemento literário de O Público, que então se chamava Leituras, propunha a quatro jovens escritores portugueses, com menos de 35 anos, que escrevessem textos tendo por mote a revolução. Cada um a seu jeito, todos evitaram o assunto. A revolução de 1974 era-lhes alheia. Além disso, a imagem que ilustrava esse número, uma fotografia do checo Josepf Koudelka, “O olhar de Ulisses”, também me levou a pensar que um dia iria escre-

romances, onde sempre se destacou, ensaios, peças, livros infantis e contos. Incontornável no panorama literário português, eis a grande senhora da escrita numa conversa mantida com Paulo Serra, colaborador do Cultura.Sul, que percorre a obra da autora a partir de um foco centrado no seu último romance.

ver um livro sobre esse tema. Guardei esse número muito bem guardado. Catorze anos depois, escrevi Os Memoráveis. Os protagonistas são jovens que nasceram depois do 25 de Abril e os memoráveis vêm apeados, e envoltos em arames, como na fotografia de Koudelka. CS - Sente-se que fez uma pesquisa histórica e que, tal como Ana Maria e os colegas, entrevistou diversas pessoas. Houve, de facto, um processo de pesquisa para a escrita deste romance? LJ - Sim, houve um processo de pesquisa não sistemático. Ao longo dos anos fui acumulando dados. Livros, artigos, documentários, entrevistas. Não sabia bem se iria usar ou não. O assunto parecia-me inevitável, mas ao mesmo tempo ele já se tinha cristalizado e banalizado. Mais próximo, fiz várias entrevistas. O contacto com determinadas figuras confirmava a minha ideia. Era preciso escrever sobre o “Olhar de Ulisses” português. CS - Definiria este romance como um romance histórico ou historiográfico? LJ - Nem uma coisa nem outra. Este romance é um hí-

brido, eu sei, tem uma parte que toca no histórico, mas eu escrevi sobre o momento da História em que os dados reais se transfiguram em lenda. Trata-se de um livro sobre uma mitologia. Escrevi sobre factos irreais para tentar atingir a realidade. O romance histórico ou historiográfico procura revelar dados reais. Seja como for, a base dos factos, essa corresponde ao real. Procurei criar uma mitologia sem mentir. CS - No romance A Costa dos Murmúrios parte de um texto inicial, um relato oficial, que serve de chave ou puzzle a ser desconstruído ao longo do romance. Aqui parece seguir-se um processo inverso, em que se parte da história já conhecida ou mitificada para aquilo que é realmente lembrado, terminando com o argumento enquanto “registo factual”. Concorda? LJ - Concordo. É um processo inverso. Em Os Memoráveis, parte-se do mais claro para o obscuro que o mergulho na des-razão determina. Em A Costa dos Murmúrios, como diz, o processo é inverso. CS - Que memória tem do 25 de Abril? E dos tempos vividos antes da revolução?

“DO AR, DA TERRA E DO MAR…” Até 29 MAI | Edifício dos Paços do Concelho de Albufeira Júlio Antão, artista autodidacta, apaixonado pela fotografia na vertente animal e vegetal, aproveita os momentos que passa a fotografar para se inspirar, o que se reflecte nas várias áreas da arte a que se dedica


Cultura.Sul

LJ - É impossível responder a essa questão. Escrevi dois livros sobre o tema, este e O Dia dos Prodígios precisamente para dar eco dessa memória. O Antes e o depois. Talvez todos os meus livros sejam sobre esses dois tempos. Assumo-me como uma espécie de cronista do tempo que passa. E escrevo ficção porque não posso nem sei falar da realidade de forma direta. Toda a minha memória possível está nos livros que fui escrevendo.

09.05.2014

o país muito bem. Há um naipe de escritores jovens que estão a dar continuidade e a renovar a Literatura portuguesa. Assim estivessem as exportações e as cotas de mercado. CS - O facto de a protagonista ter estado ausente do país confere-lhe um olhar crítico mais objetivo?

romances, a uma jovem que vê o mundo com uma certa ingenuidade ou inocência, muitas vezes perdida no final. Ana Maria, a Machadinha, como o próprio nome indica, revela-se uma surpresa na sua galeria de personagens, pois é uma mulher aparentemente fria, calculista, que desde o início do romance indicia não

faz parte da minha própria dissensão. CS - Foi uma das escritoras escolhidas pelo «Magazine Littéraire» como uma das Dez Vozes mais Significativas da Literatura estrangeira. Como acolheu essa notícia? LJ - Foi surpreendente, mas não recebi esse destaque

sem grandes floreados e num registo muito próximo da oralidade, como se entrássemos na “corrente de consciência” da personagem. Foi intencional? LJ - Não foi intencional. Tinha pressa de escrever o que queria dizer. Esse ritmo de escrita é o ritmo da urgência em dizer o essencial. foto: joão pedro marnoto

CS - Até que ponto é que a Liberdade se reflete no seu trabalho? LJ - A Liberdade, a santa Liberdade como dizem alguns, levou-me a escrever. Não sei se teria publicado se não houvesse liberdade. Talvez escrevesse sempre, tal como os meus pais que sempre tomaram as suas notas pessoais, um e outro sempre fizeram diário. Mas a verdade é que escrever para publicar é diferente. Sou mais radical. Se não tivesse havido liberdade, se ela não tivesse chegado quando chegou, provavelmente não teria publicado nada, e talvez nem tivesse vivido para além dos trinta anos. É uma assunto crucial, vivencial, que determina a vida desde o quotidiano e o íntimo ao amplamente social e literário. CS - O desencanto que se sente nestes heróis, outrora memoráveis, é o reflexo do que sente em relação ao país de hoje? LJ - Estes heróis, chamemos-lhe assim, hoje ainda são memoráveis. Quanto mais o tempo passa mais memoráveis surgem. Eles enfrentaram um risco imenso. O seu desencanto coincide com o meu desencanto. Mas eles, como personagens, têm esperança. A sua esperança é a minha esperança. CS - E em termos literários como vê o país?

Agendar

LJ - Em termos literários, vejo

 5

vos foi precursora de várias outras mudanças, na Europa, na América Latina, e um pouco por toda a parte. O problema não foi a revolução que até terminou no momento exato em que poderia ter existido uma contra-revolução, alguma coisa que destrói a renovação das sociedades. Esse perigo também foi evitado. O problema foi a imperfeição da nossa democracia que foi branda e deixou criar uma crescente promiscuidade em vários sectores vitais da sociedade. A culpa não foi da Revolução. CS - Das memórias que ficaram da Revolução, a principal imagem ou sensação parece ser a de algo risível. Recordou-me aquela imagem de Milan Kundera, em O Livro do Riso e do Esquecimento, em que as personagens de tanto rir face à realidade que as rodeia levantam voo. Pode comentar?

Lídia Jorge foi eleita uma das dez grandes vozes da literatura estrangeira em França LJ - Sim, o facto de falar a partir de longe, e depois de ter feito experiências fundamentais na vida, como seja a participação enquanto repórter de guerra no Médio Oriente, leva-a a compreender melhor a situação portuguesa. Mas a sua perspetiva é ao mesmo tempo distanciada, o que lhe confere sentido crítico, e ao mesmo tempo enfática, já que tem um envolvimento emocional muito particular com o seu pai, bem como com todos os entrevistados. Esse olhar misto de frieza e exaltação torna-se fundamental para percorrer os vários degraus descendentes da fábula. CS - Habituou-nos, nos seus

revelar tudo o que sabe (parecendo deixar a inocência para Margarida Lota). Foi uma decisão consciente? LJ - Foi um processo consciente. Como disse atrás, essa figura ambígua fazia-me falta. Eu precisava de alguém que visse o que se passava de forma lúcida e ao mesmo tempo amasse profundamente o mundo que criara os elementos detestáveis. Essa ambivalência era-me fundamental. Ela surgia-me desde o início guardando esse segredo. A forma secreta como se desenrolava a sua paixão destroçada era-me muito importante. Não sei até que ponto essa dissensão interior

“II FADO FEST” 16 e 17 JUN | 21.30 | Centro Cultural de Lagos Nesta edição, o evento conta com a participação dos fadistas César Matoso (no dia 16) e Sara Gonçalves, vencedora do concurso “Nasci para o Fado”, de Filipe La Féria (no dia 17)

como uma responsabilidade. Eu deixo andar. O que for soará.

LJ - Não sigo nenhum ritual. Neste caso, escrevi de manhã à noite. Até entorpecer. Quando acabou, fui olhar o mar. O Verão tinha passado, o Outono também e não o tinha visto.

CS - Na obra O Dia dos Prodígios, a ilusão ou o fantástico deturpam a realidade da revolução, sentida como um ato falhado que não chega às pessoas. Em Os Memoráveis, sente-se novamente uma certa aura quase mágica, aluada (no final do livro quando se encontram os poetas), onde tudo parece ser fruto do acaso. Reafirma-se essa mensagem de a revolução ter sido um ato falhado?

CS - Este romance tem uma leitura mais fluída, quase ininterrupta, onde a linguagem parece ser reduzida ao osso, ao essencial,

LJ - Não, a Revolução não foi um ato falhado. Foi um ato hiper-conseguido. Hoje, cada vez mais, se destaca como a Revolução dos Cra-

CS - Escreveu este romance em cerca de seis meses. Segue algum ritual ou horário de escrita?

LJ - Muito interessante essa associação. Kundera é um dos meus autores preferidos. Admiro imenso a capacidade que esse autor tem de transfigurar a realidade política em irrealidade ficcional. É um dos grandes criadores do século XX a quem ainda não foi feita a devida justiça. Não sei se as minhas personagens levantam voo. Não fui capaz de inventar uma metáfora tão forte. Mas em Argumento para Bob Peterson, e última parte do livro, o voo acontece a partir da supressão do negrume. O voo surge, se é que surge, secando todas as lágrimas, escondendo todos os defeitos, e entregando à posteridade apenas o feito feliz. O resto fica para trás, nos subterrâneos do passado, lá onde se foi até ao coração do coração da fábula e a realidade doeu a ponto de matar. Apesar de tudo, os poetas riem. Paulo Serra Investigador da UAlg associado ao CLEPUL

“ALGO PARA TODOS” Até 24 MAI | Galeria Municipal de Albufeira Brian Mehl possui formação e experiência profissional como Designer Gráfico há mais de 30 anos. Em 1996 veio para Portugal para pintar a tempo inteiro. Cada pintura parece ter um estilo diferente, mas depois de expostas denotam uma coesão total entre elas


6

09.05.2014

Cultura.Sul

Momento

Páscoa púrpura Foto de Vítor Correia

Espaço ALFA

A Natureza chama a fotografia macro d.r.

José Simões

Membro da ALFA

Adoro fotografar a natureza e o tema que mais aprecio é a fotografia macro, onde eu tento mostrar através dos meus trabalhos a natureza que geralmente não se vê ou passa despercebida por tão pequena que é, embora também tenha trabalhos de outros temas. De mochila às costas, máquina na mão e sempre de olhos bem abertos, pois a cada passo que se dá lá está uma aranha, uma pequena flor com apenas milímetros de tamanho, uma abelha ou um escaravelho, bem como uma das tantas maravilhosas borboletas que por aí andam ao sabor dos ventos. Tudo isto é maravilhoso, mesmo que se passem horas por vezes em posições menos cómodas, deitado, de joelhos, ou até sentado num abrigo, no que diz respeito a fotografar aves, em silêncio e mesmo com os mais variados insectos a passearem por nós, e interrogando-se quem será este intruso todo artilhado

que está no nosso território? Para mim, ser fotógrafo de natureza e vida selvagem é respeitar toda a natureza sem danificar ou alterar o seu curso normal. Todas as minha fotografias são tiradas em ambiente selvagem e no seu habitat, tal onde se encontram, não tento remover ou mudar qualquer

insecto ou levar para estúdio. Por vezes, não consigo tirar aquela fotografia maravilhosa e apelativa com um fundo limpo, por motivo de ramos ou folhas, mas mesmo assim é muito bom apreciar as pequenas maravilhas, e ficar sempre com um pensamento para a próxima fica melhor. O segre-

do é nunca desistir, porque ao dobrar numa curva, num trilho ou caminho algo de novo acontece. Moro na maravilhosa cidade de Lagos, tenho por aqui bem perto locais maravilhosos para fotografia, como Pau de Lagos, Ria de Alvor ou Boca do Rio. Ponta da Piedade é um dos locais mais bonitos,

até os insectos gostam, pois há lá muitos, tal como répteis, peneireiros e abelharucos, que já começaram a chegar, embora também outras zonas como Lagoa dos Salgados, Ria Formosa e Castro Marim. Para terminar RESPEITEM A NATUREZA e apreciem as coisas maravilhosas que ela nos oferece.


Cultura.Sul

09.05.2014

 7

Na senda da Cultura

pub

‘Mal Nascer’: a nova obra de Carlos Campaniço d.r.

O escritor Carlos Campaniço

Agendar

Depois de Os Demónios de Álvaro Cobra, a obra com que nos prendou em 2013, é chegada a hora de descobrir Mal Nascer o novíssimo livro de Carlos Campaniço. Novamente nos escaparates, desta feita com chancela da Casa das Letras, o escritor alentejano que se fez algarvio pelo decurso da vida em terras do Reino dos Algarves, propõe-nos um médico como personagem fundamental. Fugido aos miguelistas, Bento retorna à terra natal para ali exercer a profissão e acaba por constatar que há muito que a terra que o viu nascer o tem por um homem que não aquele que era quando dali partiu. A infelicidade vivida ali caiu no esquecimento de todos menos do próprio médico, nascido Bento e feito Santiago Barcelos, e o regresso prepara-se para ser em tudo diferente do que o próprio imaginara. Os planos que desenhara para a sua reentré, não passam disso mesmo, planos, perante uma realidade pejada de gente que lhe quer bem e o quer por perto. Capaz de prender o leitor até ao fim, a obra mostra como ser médico, naquele espaço e tempo literário, é “ser antes de deus”, numa veneração que

ultrapassa mesmo a dedicada ao mais rico homem daquelas bandas e alvo da vontade de vingança de Santiago Barcelos, Albano Chagas. Tudo isto e muito mais numa obra que une romances cruzados a vinganças que se fazem reais por si próprias sem esforço de quem as deseja, num percurso assente na revelação da real identidade do personagem principal. O autor Carlos Campaniço nasceu em 1973, em Safara, no concelho de Moura, é fez-se algarvio de pleno direito com perto de duas décadas vividas em Faro. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, pela Universidade do Algarve, onde adquiriu também o grau de mestre em Culturas Árabe e Islâmica e o Mediterrâneo. ´ É actualmente director de Programação do Auditório Municipal de Olhão Com esta nova obra o escritor cumpre cinco obras editadas e, uma vez mais, se afirma como um autor de peso. Mal Nascer foi finalista do Prémio Leya e é, independentemente disso, imperdível. “ANTES QUE ACABEM” Até 5 de Julho | Centro Cultural de Lagos Uma abordagem ao 25 de Abril, aos artigos da constituição portuguesa e à declaração dos direitos humanos através da exposição de pintura e escultura de António Alonso e da poesia e vídeo de Vieira Calado

“GILDA DAS AMENDOEIRAS” 23 MAI | 21.30 | Grande Auditório do TEMPO A Academia de Música de Lagos apresenta, em estreia mundial, uma obra encomendada ao compositor Nuno Sequeira Rodrigues, contando com a participação de solistas da Orquestra Clássica da Academia e do Coro Cant’Arte, sob direcção musical de João Pedro Cunha


8

09.05.2014

Cultura.Sul

Na senda da Cultura

Museu do Trajo: muito mais do que um museu em São Brás de Alportel Há sítios que sempre que se revisitam se redescobrem e onde, sempre que regressamos, nos sentimos melhor. O Museu do Trajo é exactamente assim e o Cultura.Sul, numa visita proposta a jornalistas e operadores turísticos pela Região de Turismo do Algarve, regressou ao espaço museológico e deixa-vos uma proposta irrecusável, uma visita ao espaço de cinco mil metros quadrados que acolhe um dos mais convidativos museus algarvios. O Museu do Trajo de São Brás de Alportel é muito mais do que um museu e revela muito mais do que o trajo enquanto espaço museológico que lhe está especialmente dedicado.

Trezentos e sessenta e cinco dias por ano, sim, exactamente isso, 365 dias por ano, a casa senhorial com 130 anos de história espera os visitantes, de segunda a sexta-feira, entre as 10 e as 13 horas e das 14 às 17 horas; aos fins-de-semana e feriados entre as 14 e as 17 horas. “Aqui nunca fechamos”, refere Emanuel Sancho, o director do espaço, que mostra a exposição inaugurada no âmbito do programa Algarve - Do Reino à Região e dedicada aos trajos típicos do Algarve, que mostra vestes e formas de estar e de viver dos algarvios doutros tempos desde a roupa íntima, ao traje de trabalho, passando pelas vestes da gente mais abastada.

Nora com engenho, nos jardins do Museu

fotos: ricardo claro

Percorrida a exposição central do museu, espaço para aprender o muito que há para desvendar naquela que é uma das actividades mais típicas de São Brás de Alportel, a extracção e transformação da cortiça. Num espaço onde a museologia ganha um carácter vincadamente industrial, este é o espaço por excelência para conhecer a arte e o engenho que fazem da cortiça são-brasense um dos produtos de excelência da região. Um espaço de excelência Tempo para uma passagem pelos carros de atrelagem, dos coches aos carros de trabalho, antes de chegar ao coração deste museu. Nos jardins, amplos e arejados, da casa senhorial há um espaço que faz do Museu do Trajo um local único. Aqui se pode ler, estar, passear, visitar o interior de uma nora com engenho, passar em revista o carro do aguadeiro a relembrar outros tempos e deslumbrar-se com um ambiente digno de se respirar e perceber com tempo. O verde que recorta o sol, cria um jogo de sombras que convida a ficar, a deixar-se estar num mundo fora do tempo que corre para lá dos muros na vila de São Brás de Alportel. Apenas o chilrear dos pássaros corta o silêncio a pedir contemplação e a oferecer mi-

Um dos momentos expositivos dedicados aos trajes de outras épocas nutos preciosos de bem-estar. Aqui, ao sabor de um café ou de um refresco do bar, há um ar único e um compasso raro que nos embala. O espaço, que acolhe a variadíssima programação do museu, com música, arte, exposições, feiras e mostras, popula a todo o tempo com uma variedade de expressões

artísticas que pode ser seguida através da página do facebook do museu em www.facebook. com/museusbras ou a partir do sítio do museu na internet em www.museu-sbras.com. Há mais do que museu dentro deste museu e há muito mais vida neste canto do que os seus recantos podem à primeira vista revelar. Há alma,

dedicação, tradição e memória, acompanhadas de vida, contemporaneidade, saber acolher e espírito, por entre tudo o mais que um espaço de rara beleza pode reservar. Absolutamente imperdível, aqui mesmo a dois passos de distância, um museu raro em São Brás de Alportel. Ricardo Claro

Sala de leitura

Uma arte da errância: os poemas-canções Paulo Pires

Programador cultural no Município de Silves esteoficiodepoeta@gmail.com

“Levo as asas no bolso / e o coração a planar”, escreveu Jorge Palma [JP] na canção “Voo nocturno”, vinda a público no álbum homónimo de 2007. Porventura, poucos versos da sua produção poética (iniciada em finais da década de 60) ilustrarão tão bem a atitude e visão de um “mestre da fuga” que al-

meja ser “mais leve do que o ar”, sem saber muito bem onde vai acordar no dia seguinte. O filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662), num dos seus momentos mais sombrios, afirmou um dia que “notre nature est dan le mouvement… La seule chose que nous console de nos misères est le divertissement”. Para este singular pensador a infelicidade de qualquer homem tinha origem numa única coisa: a incapacidade de estar quieto num quarto. Talvez pela mesma razão, vários séculos antes, o infatigável viajante árabe Ibne Batuta (que

foi dar uma volta à China e voltou, só pelo prazer) tenha dito que “aquele que não viaja não conhece o valor dos homens”. Numa entrevista dada há alguns anos, e quando questionado sobre o enredo de um hipotético filme sobre a sua vida, JP confessava mesmo que na primeira cena imaginava-se a soltar as amarras de um barco que largava o cais em busca de outras paragens. Na canção “Tempo dos assassinos” JP já tinha escrito estes belíssimos versos: “Quero as vogais todas abertas / quero ver partir os barcos / prenhes de interrogações”.

Bob Dylan, a referência Bob Dylan, referência maior de JP, é ilustrativo nestas palavras intemporais: “a felicidade não está na estrada que leva a algum lugar; a felicidade é a própria estrada”. Se “um fato de marinheiro / não chega para se entender o mar”, como lembra JP no tema “Meu amor (não fiques para aí a dormir)”, é preciso navegar/caminhar e ousar a dança do desconhecido, sentindo a chuva sem ficar apenas, como alguns, molhado por ela (Dylan novamente). Como se constata exemplarmente em

dois outros poemas de JP, “lá fora há lugar à espera de mim” e “a erva é mais verde do outro lado da montanha”. JP recorda mesmo que foi pela mão de sua mãe – uma viajante inveterada que se orgulhava de ver o filho a evoluir talentosamente na aprendizagem do piano – que ele se inebriou pelos muitos lugares que ela lhe mostrou ainda nos tempos de meninice, o que iria marcar decisivamente a sua vida. São várias as letras de JP que estão impregnadas desse impulso da partida (do corpo e/ou do espírito), mas também das

tentações, contradições e vícios da estrada e dos seus desvios – feitos de viagens catárquicas (excitantes ou tranquilizantes) da música, da noite, do sexo, do líquido [des]equilíbrio e do fumo. “Há sempre qualquer coisa que está para acontecer” (José Mário Branco) na mente e bagagem deste cantautor-contador de histórias que se nutre da inquietação, do sobressalto, da intuição, do improviso e do(s) abismo(s). Enganar o tempo, trocar as voltas aos deuses, repreender os fantasmas, brincar com o fogo, perder o passaporte – é


Cultura.Sul

09.05.2014

 9

Espaço ao Património

40 anos de conservação andreia machado

Neste ambiente, a conservação e o restauro deixam de ser vistos como uma prática artística ligada a oficinas e ateliers de pintura para passarem a ser uma atividade enquadrada academicamente, assente em estudos científicos, estéticos e artísticos, baseando a sua ação nas recomendações ditadas pelos organismos, internacionais e nacionais, ligados ao património e à sua salvaguarda. O fenómeno de dinamização de projetos de conservação prossegue nos anos 90, um pouco por todo o País, com a criação de pólos museológicos e museus municipais.

Toda esta dinâmica é fomentada numa perspetiva de interesse científico mas, também, de rentabilização económica, cultural, social e educacional que o património foi assumindo. O início do novo milénio trouxe mudanças nas linhas orientadoras para a prática da conservação e do restauro, com os novos projetos a serem executados e monitorizados por quadros técnicos especializados nesta área, recorrendo-se à sua admissão para cargos de responsabilidade técnica e científica, tanto ao nível do estado central como das autarquias.

Na última década, tem-se verificado uma contração das ações de preservação do património, situação que corresponde ao período de crise verificado no nosso País. Contudo, a abordagem multidisciplinar e holística da conservação continuam a estar em destaque, com o desenvolvimento científico ligado a esta área a manifestar-se com a apresentação de investigações académicas, estudos e divulgação em vários formatos e plataformas. Como seria de esperar, os desenvolvimentos dos últimos quarenta anos tiveram consequências para a salvaguarda

do património cultural e, assim, da memória e identidade nacional. Porém, verifica-se que estas mudanças se fizeram a diferentes velocidades e graus de implementação, dependendo da capacidade política e económica de cada distrito. No caso específico do Algarve, observou-se que nas últimas duas décadas esta região soube acompanhar os fluxos ideológicos no que concerne à valorização e conservação. Por outro lado, soube tirar partido do património, encarando-o como um recurso económico, procurando através deste uma forma de financiamento e desenvolvimento local, baseado na sua promoção turística, disponibilizado através de equipamentos específicos, como o caso dos museus municipais integrados, ou não, na Rede Portuguesa de Museus. A conservação nos museus do Algarve tem sido um exemplo paradigmático de conjugação de fatores e de interesses científicos, com os respetivos elementos a trabalharem em estreita colaboração, fruto da dinâmica do grupo de Conservação afeto à Rede dos Museus do Algarve. Esta ligação promove um maior dinamismo da atividade profissional e, ao mesmo tempo, contribui para o fomento de estratégias capazes de promover o desenvolvimento cultural, mostrando mais uma vez a versatilidade e a transversalidade desta região.

mas antes ensinou-me / a não esquecer que o meu amor existe”. No bairro do amor, nesse carrossel marginal feito de ternura, JP retrata poeticamente as nossas “nódoas negras sentimentais”, mostrando-nos que elas resistem ao tempo e são transversais a várias gerações; e na terra dos sonhos recorda-nos o poder e a responsabilidade que advêm da liberdade e da tolerância: “tens de olhar pra fora sem esquecer que dentro é que é o teu lugar”. Os seus poemas reflectem ainda outras dualidades existenciais e filosóficas, que se es-

tendem a questões como a desconstrução da razão, cuja voz JP quer dilacerar (tema “Poema Flipão”) e relativizar (bebendo em Hamlet, de Shakespeare): “Ser ou não ser é a questão / Ter ou não ter razão / E não temer”; e “Os dois podemos ter razão”. O incansável vagabundo de passo inseguro, que procura o grito na rua, não é indiferente à actualidade social e – como que lembrando versos de Alexandre O’Neill: “Neste país em diminutivo, / respeitinho é que é preciso” – denuncia ainda ironicamente, “com todo o respeito”, parques automóveis

que cortam a respiração e estão muito acima da nossa realidade; mas também um Portugal que teima em esperar por algo ou alguém (desde a segunda dinastia?) e que (ainda) tem “um pé numa galera / e outro no fundo do mar”. Um dia perguntaram a JP se ele mudaria algo na sua vida. Ele respondeu com o título de um filme realizado por D. A. Pennebaker em 1967, sobre uma tournée de Dylan em Inglaterra: Don’t look back. Mas também poderia ter citado um verso seu: “O que lá vai já deu o que tinha a dar”. JP acres-

centou ainda que fez sempre aquilo em que acreditou, mesmo que sem rede, mesmo escolhendo – como Jeremias (o fora-da-lei) – o lado de fora, ou mesmo estando com as duas almas em guerra, sem que nenhuma ganhasse. JP é o eterno “chevalier de la fortune”, fã de si próprio pela franqueza, talento e imaginação (como ele próprio assume), pois “enquanto houver estrada para andar a gente vai continuar”. Resta a dúvida inquietante (e necessária): “Será que ainda cá estamos no fim do Verão?”.

Andreia Machado

Técnica Superior de Conservação e Restauro no Museu de Portimão Investigadora do CIDMar, Centro de Estudos do Mar da Universidade Autónoma de Lisboa

Numa altura em que se comemoram os 40 anos do 25 de Abril, muitas são as avaliações que se fazem, pelo que não podia deixar passar a oportunidade de apresentar um breve apanhado do que foi a conservação do património cultural ao longo destes 40 anos de transformações políticas, económicas e sociais. Os ecos da Carta de Veneza (1964) e a projeção da Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural (1972) ainda se faziam sentir no nosso País quando se deu a Revolução de 1974. Foi neste misto de abertura e mudança que surgiu um novo sentir e usufruir do património cultural, culminando com a referência da sua preservação, defesa e valorização na Constituição da República Portuguesa. Numa manifestação de dinamismo cultural proliferaram as Associações de Defesa do Património que se distinguiam, sobretudo, pela vigilância contra as destruições dos valores culturais,

Pormenor da imagem de Santo António após conservação, no Museu da Cidade de Olhão pressionando o Estado e a Sociedade para a necessidade de salvaguardar os vestígios patrimoniais. O início dos anos 80 marca a criação dos preceitos legais na organização dos serviços ligados ao património cultural, na descentralização e decisão para salvaguarda e valorização da memória nacional. Para além deste envolvimento do estado central nos projetos de conservação, restauro e musealização destaca-se, igualmente, o papel das autarquias, as quais atuaram como agentes impulsionadores da preservação do património.

de Jorge Palma nesta mundividência, assente no risco, na imprevisibilidade, num certo “feeling” e na subversão, que JP se sente em casa. A forma como ele sente e “ataca”, em palco, quer as palavras, quer as notas (do piano e da guitarra) das suas canções vive muito desse devaneio e incerteza/oscilação que, no fundo, podem ser plenos de criatividade, encantamento e identidade musical sempre que os desejos que Palma tem de se dar/(re)encontrar/erguer e de se perder/fugir/cair conseguem encontrar um ponto-lugar de (precária e frágil) convivência.

Um escritor de canções como poucos Para além da sua vertente interpretativa, JP é um escritor de canções como poucos em Portugal, cuja obra poética assenta muito nesse cativante pêndulo que ora aborda a compulsão da partida, ora valoriza um sítio onde pendurar o chapéu, que nem ave migratória tomada pelo instinto de retorno ao lar, ou que nem coração apaixonado, sempre sem obrigação: “o meu amor ensinou-me a chegar”; “o meu amor ensinou-me a partir / nalguma noite triste /


10 09.05.2014

Cultura.Sul

O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N

Maio

Pedro Jubilot

pedromalves2014@hotmail.com canalsonora.blogs.sapo.pt

Cantar o Maio fotos: d.r.

Agosto de 1978, teria forçosamente que nomear o mais marcante, e então recente facto, da história. Faz-se assim alusão à revolução dos cravos: «não sabe ainda que em Lisboa os soldados fizeram uma revolução para melhorarem a vida de toda aquela gente (…) afirmam a pés juntos que só há música, flores e abraços. Dizem.»; e também à guerra colonial: «Guerra, que guerra? Oh gente ignorante, será preciso ter um filho, ou um afilhado no serviço, para se poder falar nessas coisas sem dar explicações». Há coisas e lugares sobre os quais não se pode escrever, sem as termos vivido, vivenciado, observado, visitado ou lá ter estado. O barrocal algarvio tal como outros lugares encravados no tempo é um deles. ‘O Dia dos Prodígios’, de Lídia Jorge, é a sua caracterização por excelência, ainda mais porque a acção está ali naqueles importantes anos antes da revolução de Abril em 1974. Isso é o suficiente para que nenhum algarvio deixe de ler esta obra ímpar. Ao mesmo tempo que continua a ser um dos mais importantes livros da literatura portuguesa contemporânea, do qual ficou célebre a seguinte passagem: «Ninguém se liberta se não quiser libertar-se. (…) Como ninguém sabe ler os sinais, ficam todos pelos lamentos das coisas.»… tão local como universal, tão antiga como actual. Quarenta anos depois.

Faro se anima Atacar o Maio é querer que tudo (re)comece. É o tempo de olhar de novo os horizontes azuis da orla costeira. À medida que crescem os dias no seu percurso de atingir o solstício decrescem as noites, como gosto delas. Breves, temperadas, mas imaginativas e intensas. À medida que se entra pela estação do império do sol.

muito teatro, claro. A associação ArQuente, que recebeu em Março e Abril o festival Poesia & Companhia - um diálogo com a poesia que foi uma verdadeira pedrada na ria, continuará a receber novas conversas à volta da palavra. O Palácio do Tenente continua com as suas multifacetadas actividades na rua conselheiro Bívar. Entre elas houve uma animada noite de ‘Poesia & Vinhos’ que juntou pessoas que gostam de escrever e ler poesia e que foram surpreendidas com leituras inesperadas... letras, frases, poemas, palavras soltas, poemas trocados, poetas mistério! Com alma e paixão, ali se brindou à voz e à Poesia! Na Biblioteca Municipal António Ramos Rosa decorre, até 24, uma Mostra Bibliográfica de Autores do Algarve - uma parceria BMF / Sulscrito - Círculo Literário do Algarve, com os autores: Carlos Campaniço, Fernando Esteves Pinto, Fernando Pessanha, Manuel Madeira, Miguel Godinho, Pedro Jubilot, Vítor Cardeira. Foi inaugurada no dia 2 com uma tertúlia literária conduzida pela Prof. Drª Adriana Freire Nogueira da FCHS da Universidade do Algarve. O Cineclube de Faro exibe durante este mês um ciclo de cinema dedicado aos filmes de resistência, muitos deles falados em português. A Sociedade Recreativa Artística Farense – Os Artistas, continua viva e com concertos e outras propostas alternativas de qualidade. Esqueçam o velho comentário ‘em Faro não acontece nada’. A cidade está viva. Há muito por onde escolher e há a net, o facebook, os jornais, os flyers e os amigos... depois não digam que não sabiam.

blico em geral – que serão acolhidos pela música à guitarra de José Francisco e José Alegre, e leitura de poemas do engenheiro de Tavira. O novo espaço situado na Calçada da Galeria, nº 9-C (antigo posto de turismo da cidade) terá uma programação cultural e estará aberto com cafetaria, venda de objectos de arte e materiais de papelaria alusivos ao poeta, uma sala/jardim de leitura e exposições. Também haverá uma livraria que privilegiará a obra pessoana. As edições das editoras locais: GenteSingularEditora, 4Águas, Edições Cativa e a da nova CanalSonora estarão ali disponíveis.

Postais da Costa Sul

Casa Álvaro de Campos – Tavira

Lídia Jorge

Agendar

Nasceu em Boliqueime, em 1946. Em 1980 lançou o seu primeiro livro ‘O Dia dos Prodígios’. Este romance terminado pela autora em

Maio começa com um sol brutal e Faro anima-se culturalmente como nunca. Vários locais da cidade apresentam programações culturais. O Teatro Lethes traz ao seu palco a ‘Ode Marítima’ de Álvaro de Campos, o mais recente espectáculo de Diogo Infante com música original de João Gil. E ainda jazz, blues, stand-up comedy, exposições, dança, a segunda edição do FOMe (festival de objectos e marionetas), e

“PINTURA DE TARAS PANOVYK” Até 27 MAI | Galeria de Arte Pintor Samora Barros - Albufeira Trata-se de um artista ucraniano que apresenta telas pintadas em diversos estilos, algumas incorporando uma mistura de técnicas

Dá a conhecer a sua nova sede a 17 de Maio -18h, sendo a entrada aberta a sócios e ao pú-

~ o dia mais quente, do que o ano já leva, convida a passeios mais prolongados. o perfume que exala das flores campestres aromatiza o caminho. sento-me sem tempo como as pedras junto ao canavial. do silêncio possível destes dias ouvem-se as passagens de vento. a água do pego em serena queda nem pressente donde vem. se um dia acautelar que ela já não corre entre os seixos, far-te-ei saber que me fui deste outrora lugar de segredos a que estranhamente deram o nome de inferno ~

“CON L DE LOLA” Até 28 MAI | Casa dos Condes - Alcoutim Exposição de joalharia de Maria Dolores Montes (Lola Montes). A sua paixão pela arte leva-a a experimentar diversas áreas, chegando ao desenho de jóias como uma consequência natural desse percurso


09.05.2014  11

Cultura.Sul

Da minha biblioteca

«A beleza é o grau mais elevado da verdade», Os Memoráveis, de Lídia Jorge d.r.

Adriana Nogueira

Classicista Professora da Univ. do Algarve adriana.nogueira.cultura.sul@gmail.com

Agendar

Foi um prazer ler o último romance de Lídia Jorge, editado em março último, pela Dom Quixote. E as razões foram muitas. Porque fala de um dia da nossa história que me diz bastante: o 25 de abril de 1974. Apesar de ter dele apenas uma vaga ideia, foi sendo sempre falado na minha família e faz parte do meu presente. Porque reconheço grande parte da história ali contada, fazendo-me sentir cúmplice, quer do texto, quer dos acontecimentos. Porque o romance é um género que faz falta para contar a História. É um modo de chegar a muito mais gente que, depois de o ler (ou enquanto o vai lendo), vai ter vontade de ir procurar os outros livros – os de História não romanceada – para aprender sobre as horas daquela noite de 24 para 25 e sobre os seus protagonistas. Apesar da «transfiguração literária», como se lê na nota de edição, quem sabe se não os reconhecerá? E saltando muitas outras razões, porque é um livro muito bem escrito. As pontas que vão sendo soltas ao longo da narrativa juntam-se em outros momentos, completando quadros de sentido. Ana Maria Machada, a narradora, como participante da história, sabe tanto como nós sobre o que pensam as outras personagens, mas sabe um bocadinho mais do que, em

faz, porque se recusa a uma (re)aproximação: não pergunta nada, para que ele não lhe pergunte; sem sua autorização, retira uma fotografia antiga do escritório do pai, para sugerir memórias nos entrevistados (que conheceu em criança, mas junto de quem não se identifica). No final, tal como ela terá de o fazer em relação ao seu próprio passado – e ao seu presente, compreendido no «Argumento» –, também nós somos confrontados com a necessidade de reavaliarmos os julgamentos que fizemos de Ana Maria. Quanto às personagens, de quem nos recordaremos? Memoráveis no Memories

A escritora algarvia Lídia Jorge e a capa da sua última obra, ‘Os Memoráveis’

certos momentos, conta. Por exemplo, quando a equipa de reportagem entrevista a viúva de um dos capitães de Abril (que percebemos ser Salgueiro Maia, apesar de apenas ser referido pela sua «alcunha doméstica», isto é, pelo nome que a mãe de Ana Maria lhe dera: Charlie 8) e tenta conseguir que esta diga quem queria mal ao marido, perante a relutância em acusar alguém, a «Machadinha» afirma «Nós sabíamos, mas não tão bem como ela, que as vinganças de que foram vítimas ele e os outros como ele, tinham tido autores concre-

tos, nomeáveis, intérpretes e responsáveis, colocados no topo das estruturas criadas num país onde passara a haver liberdade para legitimar tudo e o seu contrário» (p. 249). «A beleza é o grau mais elevado da verdade. Não se esqueça» Estas palavras, nas últimas linhas da primeira parte do livro (da pp. 11-43, que se passa nos E.U.A., em 2003), intitulada «A Fábula», vão fazer todo o sentido com a última parte, o «Argumento» (pp. 331-342, datado de 2010). Este é um momento introdutório que nos ajuda a criar um retrato da per-

“CHAMINÉS ALGARVIAS” Até 11 MAI | Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira Exposição fotográfica da autoria de Abel da Silva que contempla imagens de chaminés típicas da região recolhidas de casas em ruínas ou abandonadas por todo o concelho de Albufeira

sonagem principal, o «ela» que se torna um «eu». Mas um «eu» que, por vezes, não o quer ser: há uma recusa da narradora em contar a história, em querer fazer parte da história, em falar da sua história. Esta é uma narrativa muito inteligente, por não nos contar tudo de uma vez, por nos obrigar, tal como acontece às personagens, a rever as nossas opiniões e os nossos sentimentos. A recusa de Ana Maria não é simples (e só a compreenderemos no fim) e desenvolve-se a vários níveis: ainda na América, não quer recordar a língua portuguesa nem aceitar o trabalho para a CBS, de fazer uma reportagem sobre «alguma coisa boa, alguma coisa limpa, uma narrativa luminosa na qual uma pessoa se reveja. Eles andam por aí a dizer o contrário, mas olhe

que mais importante do que a verdade é a beleza, a beleza é o grau mais elevado da verdade. Não se esqueça» (p. 43). A necessidade deste desafio do ex-embaixador em Lisboa (que podemos identificar com Frank Carlucci) foi explicada por ele da seguinte forma: «a entidade luminosa [referida nesta parte do texto como «anjo da alegria», «o anjo amigo da humanidade» ou «o anjo da paz»] raramente sobrevoa a Terra e mal acontece logo desaparece deixando o mundo às escuras, fazendo nós mesmos parte dessa escuridão. Juro-lhe, nós mais não somos do que um desenho que se move na escuridão» (p. 24). A imagem que vamos construindo de Ana Maria não é a mais simpática: uma pessoa um pouco distante, um pouco fria, um pouco calculista. Não percebemos, por exemplo, das primeiras vezes que refere Rosie Honoré, companheira do pai, que esta é a sua mãe. Já em Lisboa, Ana Maria recusa-se a dizer ao pai o que

Memoráveis, porque dignos de memória. Foi também este o nome por que os escritos de Xenofonte (escritor grego do século V-IV a.C.) sobre os feitos de Sócrates, ficaram conhecidos. Memoráveis, aqueles que estavam na fotografia tirada no restaurante alcunhado como Memories? Memoráveis, porque as suas memórias, por vezes precisas e exatas, nos fazem falta? Memoráveis os feitos? Memoráveis os homens? Da «Viagem ao coração da fábula» (pp. 45-329) fica a necessidade da triagem: de quem vale a pena recordar e o quê: se as palavras, se os gestos, se a imagem. De alguns, nada, quer porque nem os querem ouvir, quer porque demonstraram um egoísmo insuportável (como os poetas); do que se quer herói, «advogo que o mito não diga palavras (…). Quando se está assinalado pela história, falar é um risco dispensável» (p. 337). A escolha do argumento para o episódio da CBS é também uma escolha para Portugal: escolher a beleza, porque a verdade é demasiado feia e triste; escolher a beleza, porque traz esperança de que os milagres, na expressão de um agnóstico, são possíveis.

“OS IDIOTAS” 24 MAI | 21.30 | Auditório Municipal de Olhão No mundo d’Os Idiotas, o facebook deixou de ser virtual e as pessoas, mesmo as ‘supostamente normais’, trocaram as gargalhadas por uma dúzia de LOLs. Aldo Lima, José Pedro Gomes, Jorge Mourato e Ricardo Peres dão vida aos ‘idiotas’


12 09.05.2014

Cultura.Sul

Festa da Pinha: património cultural imaterial do Algarve

PUB

eduardo pinto

laura carlos

pantes vai trajada a rigor, saindo da aldeia logo pela manhã, em

Laura Carlos Licenciada em Design e mestre em Gestão Cultural pela UAlg, pós-graduada em Webdesign pela Boston University

A FESTA da PINHA é a festa mais tradicional e caraterística de Estoi, uma aldeia rural com raizes medievais, no concelho de Faro. A sua comunidade tenta manter vivas as suas tradições mais antigas, a par de uma vida cultural e associativa bastante ativa, sendo esta Festa, de tradição multissecular, a sua maior expressão de património cultural imaterial. Dedicada a ‘Nossa Senhora do Pé da Cruz’, padroeira dos almocreves, a Festa tem lugar a cada dia 2 de maio. Entre as suas denominações populares constam “Festa da Pinha”, “Festa da Nossa Senhora do Pé da Cruz” e “Festa dos Almocreves”. Trata-se de uma celebração em honra dos antepassados, os almocreves que faziam o percurso entre Algarve e Baixo-Alentejo para trocas comerciais e que, aquando do seu regresso, agradeciam à padroeira a jornada segura e o sucesso dos negócios efetuados. A Festa é composta por uma romaria, almoço de confraternização, desfile de regresso à aldeia e encerramento com baile popular. Atualmente a romaria inicia-se com a reunião dos participantes no picadeiro da aldeia, onde é ministrada a bênção pelo pároco, ato que precede o desfile dos cavaleiros, carroças, tratores agrícolas e demais veículos, enfeitados com flores e ramagens naturais. A maioria dos partici-

Esta Festa, de essência cultural popular, quer pela sua simplicidade genuína, quer pelas suas características singulares, cativa a atenção e o olhar de quem a ela assiste. Os pormenores, fruto da criatividade individual e coletiva, dão um aspeto único e peculiar a esta manifestação. Conseguimos ter uma noção de como é na realidade a Festa quando a tudo isto se alia o som de incessantes aclamações a pleno pulmão de ‘Viva a Pinha!’ ‘Viva Estoi!’ ‘Viva os Almocreves!’. Quando o cortejo passa ninguém fica indiferente, pois o espírito da Festa a todos contagia com a sua alegria. O sentido mais profundo da manifestação caracteriza-se pelo ato de veneração e um sentimento de gratidão a algo maior que o Homem, em comunhão com a natureza, que se traduz no agradecimento dos almocreves à sua padroeira direção ao pinhal do Ludo (na Reserva Natural da Ria Formosa). Aqui realizam um almoço convívio com uma componente de entretenimento, animação musical e jogos. A marcha de regresso começa ao fim da tarde, realizando-se a entrada na aldeia ao cair da noite com um

cortejo iluminado por archotes e anunciado com foguetes, que culmina com uma grande fogueira de alecrim e outras verduras usadas na decoração das viaturas, frente ao templo da padroeira. A Festa segue durante a noite com arraial e baile no Jardim do Largo Ossónoba. No dia seguinte realiza-se a missa de encerramento das festividades, na ermida da padroeira Nossa Senhora do Pé da Cruz.. A manifestação cultural FESTA da PINHA é nosso objeto de estudo desde 2011, tendo sido tema da nossa dissertação de Mestrado intitulada “Manifestação Cultural – Alterações ao longo do tempo, Estudo de Caso – Festa da Pinha”. Presentemente continuamos a investigação enquanto aluna do Curso de Inventário do Património Cultural Imaterial, organizado pela Direção Geral do Património Cultural e Universidade Aberta, com vista à formalização do pedido de inscrição da FESTA da PINHA como Manifestação do Património Cultural Imaterial no INPCI / Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. A FESTA da PINHA acontece ao ar livre, é da comunidade da aldeia de Estoi e os vários lugares, enquanto espaços exteriores, são o palco natural da Festa. Assim, desenvolvemos um projeto para uma primeira exposição, que aconteceu no Largo da Igreja Matriz durante a Festa, procurando ir ao encontro da comunidade. A exposição resultou essencialmente da vontade de partilhar alguns dos suportes visuais, fotografia (da autoria de Pedro Barros) e vídeo (da autoria de Eduardo Pinto, com a nossa colaboração), que utilizámos como apoio na dissertação, e, atualmente, no processo de inventariação da Manifestação no INPCI.

PUB

POSTAL 1123 - 9 MAI 2014  

• VEJA O POSTAL DESTA SEMANA • Sexta-feira (9/5) nas bancas com o PÚBLICO • NESTA EDIÇÃO COM O CULTURA.SUL • • Partilhe o que é indispensáv...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you