Page 1

PUB

Director Henrique Dias Freire • Ano XXVI • Edição 1122 • Quinta-feira • 17 de Abril de 2014 • Preço € 1

DESTAQUE 2 EM FOCO 4 FARO 5 PORTIMÃO 7 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO, CASTRO MARIM, ALCOUTIM 9 TAVIRA 11 OLHÃO 13 SÃO BRÁS, LOULÉ 14 ALBUFEIRA 15 LAGOA, SILVES, MONCHIQUE 16 LAGOS, VILA DO BISPO, ALJEZUR 17 REGIÃO 18 LAZER 20 CLASSIFICADOS 21 OPINIÃO 23

Governo falha parte nacional das obras no Guadiana

ÀS SEXTAS EM CONJUNTO COM O PÚBLICO POR €1,60

Espanha avança com o desassoreamento do Guadiana a sul da ponte internacional sobre o rio, mas a norte, as obras cabem a Portugal e o Governo não sabe quando avançarão no terreno, reconhecendo “as dificuldades financeiras a que está sujeito”. Resta a Alcoutim esperar e continuar a esperar por melhores condições de navegabildade p. 9

>

ricardo claro d.r.

PAEL:

Faro avança enquanto Vila Real espera e desespera

>4

d.r.

FARO

Governo vai ligar aeroporto ao comboio

ACASO - Olhão:

uma história feita de humanismo

>5

TAVIRA

ricardo claro

Parque do Séqua inaugurado a 25 de Abril

>2e3

> 11 PUB

a informação de sempre on-line

à distância de um clique

visite-nos em:

www.postal.pt

Veja anúncios nas págs. 13 e 24


2  |  17 de Abril de 2014

destaque ACASO, a mão amiga de Olhão Maior empregador privado de Olhão tem mais de 80 anos a ajudar quem precisa fotos: ricardo claro

É O MAIOR EMPREGADOR PRIVADO DE OLHÃO - em termos

absolutos o segundo maior do concelho, apenas superado pela autarquia local - e ajuda todos os dias mais de 800 utentes a enfrentarem o dia-a-dia com maior dignidade e qualidade de vida. A ACASO (Associação Cultural e de Apoio Social de Olhão), emprega 220 pessoas e com um orçamento que ascende a 3,5 milhões de euros anuais vive, ainda assim, no fio da navalha para ser a mão amiga dos muitos olhanenses e algarvios a quem presta apoio. Desconhecida de muitos no Algarve e mesmo em Olhão, a ACASO, com 82 anos de serviço à população, é um dos elos da última rede de apoio social portuguesa, uma rede que ampara as franjas mais desfavorecidas da sociedade e que dá sinais crescentes de fragilidade, perante um país em profunda crise económica, e mais do que isso social, e que remete para a pobreza e para o limiar da mesma milhares de portugueses.

UMA OBRA, MIL RESPOSTAS SOCIAIS Difícil é descrever o

tanto que a cada dia que passa, neste tempo acelerado em que vivemos, a ACASO faz pelos olhanenses e pelos algarvios e, mesmo, por pessoas de fora da região. A resposta social inclui um sem-fim de valências e públicos-alvo que de tão diferenciados quase parecem inconciliáveis e passa por um desdobramento dos profissionais da ACASO que custa a crer e que só é possível através de uma dedicação à qual chamar devoção é simplesmente insuficiente. A ACASO responde a necessidades sociais desde os três meses de idade até ao fim da vida, num quadro humano que percorre todas as faixas etárias e é transversal à sociedade. Ali se apoiam as famílias obtendo respostas às necessidades da infância que vão do berçário e infantário às carências alimentares. Ali se acolhem

ÔÔ Momento de conversa no intervalo dos trabalhos do Centro de Actividades Ocupacionais que dá apoio aos utentes portadores de deficiência da ACASO

os idosos no lar de terceira-idade ou no centro de dia, e se lhes garante uma qualidade de vida melhor através de programas ocupacionais e inter-geracionais, ao mesmo tempo que em muitos casos, se atende à fome e à insuficiência das pensões e reformas cada vez mais reduzidas. É também na ACASO que muitos encontram apoio ali-

mentar, seja em refeições, seja em géneros alimentícios. Do lavar a roupa ao tomar banho, do cabeleireiro à compra de roupa, tudo se pode encontrar na resposta da loja social e dos serviços da ACASO. Mas há mais, muito mais. Há respostas para os portadores de deficiência, em regime de internamento e de centro de dia, há ajuda à reintegração social de toxicodependentes, bem como, apoio domiciliário, e também ali se prestam cuidados de saúde. Há, afinal, resposta a quase

tudo, numa instituição que faz do pouco muito para chegar a tantos quanto possível.

ORÇAMENTO CADA VEZ MAIS CURTO Financiada maiorita-

riamente pelos apoios da Segurança Social e da Saúde, ao abrigo de protocolos, a ACASO conta ainda com a ajuda de empresas privadas, com a contribuição dos sócios e com os valores pagos pelas famílias dos utentes. São 3,5 milhões de euros de orçamento anual, o que pare-

cendo muito à primeira vista é manifestamente insuficiente para tantas demandas. “Quando aqui chegámos há três anos tínhamos 249 mil euros de défice”, refere o presidente da Direcção, António Pina, “fechámos 2013, com um défice de 130 mil euros, mas a verdade é que é difícil encolher o défice quando não se pode ter qualquer receita acima do custo médio por utente calculado para cada valência”, remata. Por se tratar de uma Instituição Privada de Solidariedade Social (IPSS) e de uma associação sem fins lucrativos, esclarece António Pina, “mesmo fora dos casos abrangidos pelos protocolos de apoio da Segurança Social e da Saúde, não podemos cobrar nem mais um cêntimo ao utente do que o custo médio de referência por pessoa para cada valência, ainda que a pessoa possa pagar mais”. “Por outro lado, as bonificações nos bens de consumo básicos - água, luz e gás - têm uma expressão que não é significativa financeiramente e em termos fiscais a discriminação positiva não existe de forma a criar folga para acolher o aumento dos pedidos de apoio”, diz o dirigente. António Pina realça que “o que importa saber é se as políticas do Governo, deste e de outros quaisquer que estejam no poder,

António Pina - um político na acção social

ÔÔ António Ventura Pina é o actual presidente da Direcção da ACASO. Antes de tudo um algarvio defensor intransigente da região - num desempenho constante que ninguém lhe nega - é um dos nomes maiores da política regional. Militante socialista, foi antes de mais pro-

fessor, entre 1969 e 1985, e manteve a sua ligação à educação durante longos anos, primeiro como inspector e posteriormente como director regional, cargo para que foi escolhido em 1993. O percurso político levou-o à vice-presidência da Câmara de Olhão, bem como à presidência da Assembleia Municipal. A nível regional ocupou o cargo de governador civil do distrito de Faro, a partir de 2005, e posteriormente o de presidente da Entidade Regional de Turismo. Numa vida pautada por uma acérrima defesa da região algarvia e da regionalização, António Pina dedicou muito do

seu tempo a instituições privadas de cariz cultural, social, recreativo e desportivo e é desde há três anos presidente da ACASO. Não sendo consensual, como qualquer rosto político, António Pina é inevitável enquanto actor político e cidadão interventivo. À frente da ACASO diz querer “continuar a contribuir para o bem público e colectivo” e fá-lo com o mesmo espírito de intervenção pública que sempre o marcou. Uma vez mais na defesa de causas e com o seu estilo muito próprio, desta vez na defesa do apoio social a quem a cada momento dele mais precisa.

têm presente que esta é a última resposta do país a quem precisa e que depois dela não há qualquer outra para as populações”. Segundo António Pina, “também na área dos protocolos com a Segurança Social e com a Saúde é necessário rever o valor dos apoios às IPSS”. “Estamos a responder à situação do país e das comunidades no limite, cortámos todas as gorduras e optimizámos todos os serviços e não saímos deste limiar em que nos encontramos, de sobre-esforço das instituições”, conclui, rematando “ou isto é olhado a sério ou vamos caindo de dia para dia. Antes que seja tarde demais”.

NÃO BAIXAR OS BRAÇOS É neste cenário limite que se trabalha na ACASO, mas de sorriso nos lábios e com a palavra amiga para os muitos que fazem da instituição o seu lar. A esperança na ACASO não tem autorização para esmorecer. Em cada gesto, em cada rosto, em cada movimento de um corropio diário, os mais de duzentos profissionais deste gigante das instituições sociais da região, apostam tudo no oferecer mais e melhor a quem pouco ou nada tem. As lutas travam-se em todas as frentes, nomeadamente nas situações limite, e a palavra de ordem é acreditar sempre, porque ali não se desiste, ainda que o destino seja um marcar passo. Afinal, para alguns de nós marcar passo significa tudo, num horizonte onde a ameaça está em regredir. É desta vontade férrea que se sente na ACASO que se faz a capacidade de ajudar o próximo e de servir o outro e através dela o todo, garantindo a cada esforço que não se deixam para trás aqueles de nós que mais precisam. É que ninguém se pode excluir de ser um dia um destes rostos que contam com a ajuda de todos para continuarem a ter um presente e um futuro.


17 de Abril de 2014  |  3

acaso - olhão um exemplo na área social Vale sempre a pena... ÔÔ UMA MÃO LAVA A OUTRA, podia ser esta a expressão representativa de um caso real que mostra bem o quanto se pode receber dando um pouco de nós. Fernando é o nome de um homem a quem a vida marcou com um percurso enviesado pelos ditames circunstanciais. Na ACASO Fernando reencontrou-se a si e ao seu lugar num mundo em que nem sempre é fácil percebermos que posição ocupar e que, muitas vezes também, não nos permite um espaço próprio de afirmação e definição. Reenquadrado socialmente, mas mais do que isso, humanamente, com o apoio da ACASO Fernado é hoje uma mão amiga dentro da instituição que lhe deu um novo horizonte para a vida. Na arte, na pintura, este artista que é ao mesmo tempo um verdadeiro faz tudo, encontrou a forma de devolver à ACASO um pouco do que recebe e recebeu da instituição. Hoje, as obras de Fernado povoam os espaços comuns do

SOS miminhos, porque a fome também ataca os mais pequenos “HÁ FOME EM OLHÃO”, quem

centro de dia da ACASO no centro de Olhão e é com um pincel, tintas e muita arte que se cumpre esta relação de simbiose entre a casa que o acolheu e o artista que lhe dá em troca o que de melhor tem. A prova de que vale sempre a pena, mesmo quando o caminho é duro, basta que haja alma e que a vontade de viver e ajudar não seja pequena.

Ajudar sem olhar a quem ÔÔ A ACASO dá ajuda a mais de 800 pessoas diariamente, sem olhar a quem e a tentar simplesmente responder a todos aqueles que precisam de uma resposta social adequada. Para fazer tanto, o apoio nunca é demasiado e ajudar a ACASO a fazer mais custa tão pouco. Com pouco mais de 350 associados a instituição não se faz rogada a qualquer apoio e ser sócio da ACASO custa apenas 1,5 euros por mês. Por menos de três cafés mensais se pode fazer a diferença, mas também se pode ajudar com roupas, móveis, e tudo o mais que pode servir a outros e que a muitos de nós já só ocupa espaço. Na área do voluntariado a ACASO também agradece àqueles que se queiram juntar a uma causa que é de todos e

APOIO À PRIMEIRA INFÂNCIA

às vezes umas horas do nosso tempo podem fazer toda a diferença para quem ajuda os outros todo o tempo. As empresas podem também ajudar a ACASO e juntar-se às muitas entidades privadas que longe das luzes da ribalta dão um pouco de si à comunidade. Há mil e uma maneiras de ajudar e para tanto basta um telefonema ou um e-mail para a ACASO. Junte-se àqueles que fazem a diferença num mundo onde todos são poucos para dar a mão a quem mais precisa.

o diz é António Pina, e não espanta que o assuma desassombradamente quando tem de lidar com ela todos os dias e encontrar resposta para mitigar os seus efeitos. Sendo sempre um drama de difícil aceitação, a fome ganha outra dimensão quando afecta os mais pequenos. Quando aqueles que não têm qualquer capacidade de se prover são também eles atingidos pelo flagelo da falta de comida, a situação ganha contornos de violência intolerável. Num país onde a resposta social é muitas vezes escassa, quando se trata de apoio alimentar aos lactentes a inexistência de um sistema de apoio é a realidade com que nos deparamos.

PERANTE UM PROBLEMA ENCONTRAR UMA SOLUÇÃO Perante o

problema de não existirem respostas efectivas às necessidades alimentares dos lactentes em famílias de acentuadas carências alimentares, a equipa da ACASO liderada por Célia Branco, assumiu há cinco anos uma batalha, a de garantir a criação de um Banco do Bebé, capaz de garantir aos mais pequenos uma resposta social na área alimentar e das necessidades mais básicas. Assim nasceu o SOS Miminhos que apoia hoje 92 crianças de tenra idade, contando para o efeito apenas com o apoio de mecenas privados, desde empresas a particulares, passando por movimentos associativos. Galardoado com o Prémio de Mérito e Excelência da Administração Regional de Saúde do Algarve, o SOS miminhos garante apoio alimentar, nomeadamente papas e leites específicos, a 92 crianças do concelho de Olhão. Mas vai mais longe, do pacote de apoio constam também as fraldas, os cremes, e todos os outros produtos que caracterizam as necessidades básicas dos pequenotes, numa ajuda

ÔÔ Parte da equipa que dá vida ao SOS Miminhos da ACASO que marca a diferença. Ao POSTAL, quando se pergunta o que comeriam estas crianças se não fosse a ajuda do SOS Miminhos”, Célia Branco afirma sem rodeios “leite de vaca do pacote” e pouco mais, ou mesmo, nada mais. Noventa e duas famílias encontram assim resposta para o desespero de não poderem alimentar os filhos naquela que é mais uma das muitas ajudas que a ACASO presta dia após dia. Perfeitamente implantado, o SOS Miminhos despista com a ajuda dos serviços de Saúde, da Segurança Social e da autarquia olhanense os casos de carência nesta área. Analisa as situações e desenha um projecto de apoio para cada situação que implica tanto quanto possível a própria família da criança e que pretende agora, com o “atelier para os afectos”, reforçar a resposta social. Nesta nova faceta do SOS Miminhos, a ACASO aposta em envolver cada vez mais o agregado familiar e ensinar as mães a criar de raiz um enxoval para os seus bebés, desde a confecção até ao produto final. Ao mesmo tempo, enquadra-se o apoio com formações na área da puericultura e da educação para a infância, ajudando a reforçar a estrutura social primária de apoio à

criança, a família.

PERTO DE 900 PESSOAS APOIADAS EM COMIDA A ACASO en-

quadra ainda cerca de 900 pessoas no âmbito do apoio alimentar diário. São 240 agregados familiares apoiados com os alimentos do Banco Alimentar do Algarve, a que se somam 100 agregados que recebem ajuda do Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas e 80 pessoas que todos os dias comem na cantina social que a instituição possui com o apoio da Segurança Social. Um quadro angustiante que só peca por defeito, uma vez que no concelho de Olhão, a ACASO, não obstante ser a maior instituição de apoio social, não é a única. Há mais gente a necessitar e a receber apoio alimentar noutras instituições sociais, nomeadamente associadas à Igreja Católica, e por isso as 900 pessoas apoiadas pela ACASO são apenas parte do problema. A par dos apoios alimentares e porque nem só de pão vive o homem, a ACASO disponibiliza no centro comunitário uma lavandaria social, um cabeleireiro social, e uma loja social onde as pessoas podem adquirir bens necessários ao seu bem-estar a preços reduzidos ou mesmo gratuitamente.

“Há quem já só possa lavar roupa na lavandaria social porque ou já não tem água, ou já não tem luz”, recorda Célia Branco, e uma vez mais, também aqui, a ACASO tem uma resposta para quem mais precisa.

UMA REALIDADE TRANSVERSAL À REGIÃO O POSTAL visitou a

ACASO em Olhão como poderia ter visitado tantas outras instituições na região que todos os dias sem excepção ajudam os algarvios a ultrapassar as suas dificuldades, em particular aqueles que mais precisam. Estas instituições prestam à sociedade algarvia um serviço inestimável, evitando a sua desagregação, lutando contra a miséria humana e, pelas piores razões, fazendo a cada dia um pouco mais pela manutenção da paz social. O Algarve, como um pouco por todo o país, debate-se com uma crise longa demais que atira para as margens da sociedade milhares de portugueses. É a este flagelo que os milhares de pessoas, profissionais e voluntários dão resposta numa luta constante que importa reconhecer, mas que urge acima de tudo não deixar esquecer, porque é desta triste realidade que, também, se faz a região e o país.


4  |  17 de Abril de 2014

em foco

Semana Académica abre a 1 de Maio pág. 6

Tribunal de Contas dá visto ao PAEL de Faro Município encaixa no total mais de 22 milhões de euros Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

TAL COMO O POSTAL ON-LINE TINHA AVANÇADO EM PRIMEIRA MÃO, no passado dia 3,

Faro estava à beira de ver o Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) da autarquia receber o visto prévio do Tribunal de Contas. Com ainda três dias de prazo para colocar questões adicionais à autarquia farense, o tribunal presidido por Guilherme d’Oliveira Martins não fez uso da prerrogativa e concedeu o visto à câmara quarta-feira da passada semana. Assim, e de acordo com a autarquia, a edilidade farense vai encaixar em breve um total de 22.410.899 euros. Do PAEL chegam aproximadamente 16,7 milhões de euros e através de recurso à banca são 5,7 mi-

ricardo claro

lhões de euros que a autarquia passa a poder gerir ao abrigo do respectivo programa de reequilíbrio financeiro.

ENTRADA DO DINHEIRO NOS COFRES DA CÂMARA A entrada

efectiva do dinheiro nos cofres da câmara farense terá início nas próximas duas semanas e em três tranches, uma inicial de 60% e duas sucessivas de 20% dependentes da demonstração de pagamento das dívidas enquadradas na tranche imediatamente anterior e, no caso da terceira tranche, da efectiva contratação junto da banca do empréstimo de 5,7 milhões de euros. Recorde-se que o PAEL é um programa do Governo destinado a sanear as contas das autarquias locais e que as verbas aprovadas no âmbito deste instrumento se destinam a

ÔÔ Autarquia presidida por Rogério Bacalhau vai pagar dívidas vencidas pagar dívidas das câmaras vencidas há mais de 90 dias à data de 31 de Março de 2012. O mesmo é dizer que no âmbito do PAEL apenas entram dívidas das Câmaras vencidas até 31 de Dezembro de 2011.

A câmara farense contratou o empréstimo do PAEL por 20 anos e assim paga aos seus fornecedores e transforma dívida de curto prazo em dívida de longo prazo. Não obstante o volume da dívida

liquidada aos credores desta como de todas as autarquias locais abrangidas pelo PAEL não desaparece, apenas se difere o pagamento da mesma no tempo, razão pela qual o PAEL não tem efeito directo na redução da dívida das câmaras. Não obstante as regras de estrito controlo orçamental a que as autarquias abrangidas pelos PAEL estão obrigadas, levarão a uma consolidação das contas das câmaras e a um efectivo movimento de redução da dívida, assim como a um fenómeno de consolidação de tesouraria.

ROGÉRIO BACALHAU VAI RESOLVER A DÍVIDA DE CURTO PRAZO Em declarações à Lusa, o presidente da autarquia explicou que o dinheiro que vai ser recebido permite à autarquia

“injectar capital na economia local, uma vez que a maioria dos credores são empresas do concelho de Faro”. Rogério Bacalhau explicou que a verba atribuída é menor do que aquela que o município tinha pedido inicialmente, por não terem sido consideradas elegíveis as parcelas que permitiriam pagar os prejuízos do mercado municipal entre 2007 e 2009 e a dívida relativa ao capital social da Sociedade Polis Ria Formosa. Estas dívidas, que totalizam 5,7 milhões de euros, deverão ser pagas com recurso a um empréstimo bancário, processo que está em curso e cuja aprovação viabilizará a atribuição da segunda tranche da verba prevista no PAEL, acrescentou o autarca, sublinhando que, assim, fica “resolvida” a dívida de curto prazo.

Vila Real e Portimão à espera PAEL mantém-se em banho-maria para os dois últimos municípios candidatos aos dinheiros do programa do Estado QUEM NÃO TEVE A MESMA SORTE DE FARO FOI A CÂMARA DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO, a câmara liderada por Luís Gomes viu o Tribunal de Contas voltar a pedir esclarecimentos sobre o PAEL da autarquia. Apesar de, como o POSTAL on-line noticiou em primeira

mão, ter apenas quatro dias para voltar a colocar dúvidas à câmara, o tribunal não se fez rogado e voltou a pedir informações. As respostas da câmara vila-realense seguiram para Lisboa na passada terça-feira, adiantou ao POSTAL fonte da autarquia

Lei n.º 2/99

Em cumprimento do estabelecido no n.º 2 do art.º 16.º da Lei n.º 2/99 (Lei da Imprensa), Henrique Manuel Dias Freire, com o número de contribuinte 178 885 339, informa que é proprietário da publicação periódica jornal “Postal do Algarve”, sendo o editor o “Postal do Algarve – Publicações e Editores, Lda”, cuja quota da sociedade é de 14.963,94 euros, pertencente 100% a Henrique Manuel Dias Freire. Mais informa que a gerência da sociedade é exercida por Henrique Manuel Dias Freire.

ligada ao processo, e depois destas respostas ao Tribunal de Contas restam apenas dois dias para poder voltar a colocar questões, refere a mesma fonte. No caso de Vila Real de Santo António - que viu o PAEL aprovado pelo Governo em Março de 2013 - a câmara candidata-se a receber 25,6 milhões de euros oriundos do PAEL (a 20 anos) e 33,3 milhões de empréstimos contraídos junto da banca, num total de 58,9 milhões de euros.

ricardo claro

FALTAM VILA REAL E PORTIMÃO Vila Real de Santo António e Portimão, cuja autarquia é liderada pela socialista Isilda Gomes, são neste momento as

ÔÔ Luís Gomes viu o Governo voltar a pedir esclarecimentos

duas restantes câmaras a quem falta receber luz verde do Tribunal de Contas para acederem aos fundos do PAEL. Estas são também as duas autarquias com valores mais elevados pedidos no quadro deste instrumento financeiro, com Portimão à cabeça com um pedido de 133,3 milhões de euros. De acordo com Isilda Gomes, em declarações ao POSTAL, a Câmara de Portimão está a ultimar respostas para enviar ao Tribunal de Contas e depois destas a instituição tem apenas entre cinco e seis dias para colocar novas dúvidas ou dar expressa ou tacitamente o visto prévio ao programa da autarquia. RC


pub

17 de Abril de 2014  |  5

faro

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Aeroporto de Faro vai ter ligação ao comboio Governo aposta na ligação ferroviária à principal porta de entrada na região Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

DOS 131 MILHÕES DE EUROS que o Plano Estratégico de Transportes e Infra-estruturas (PETI 3+) destina ao Algarve, naquele que é o resultado prático do estudo encomendado pelo Governo ao Grupo de Trabalho para as Infra-estruturas de Valor Acrescentado (IEVA) para definir quais os investimentos prioritários no país para os próximos anos, o Aeroporto de Faro leva a parte de leão. No PETI o aeroporto encaixa à cabeça 66 milhões de euros, valor totalmente garantido pelo investimento privado a cargo da ANA - Aeroportos de Portugal. Neste valor, que será suportado pela actual proprietária da empresa recentemente privatizada, estão incluídos até 2016 a revisão do sistema de

d.r.

segurança da aerogare, o incremento das áreas públicas de espera no terminal, e a reformulação das áreas comerciais não-aviação. Entre 2016 e 2017, as intervenções visam a reabilitação do pavimento da pista e a remodelação e reabilitação da plataforma de estacionamento antiga, revela o plano.

Rogério Bacalhau aplaude a decisão do Governo ligar o aeroporto à ferrovia, classificando-a, em declarações à

Lusa, como “positiva para o concelho, mas também para todo o Algarve, pois permite a quem chegue ao aeroporto deslocar-se de forma rápida e cómoda a qualquer ponto da região”. Para o autarca, a obra não é complicada de executar e não representa um investimento muito grande, “tendo em conta a rentabilidade e o benefício”, havendo ainda a vantagem de a autarquia já ter um estudo que aponta um possível traçado para aquela ligação, embora careça de algum aprofundamento. Já o deputado Cristóvão Norte congratula-se com a inclusão no plano da ligação ferroviária ao aeroporto, que diz significar “uma nova centralidade para Faro”, ajudando a reforçar a economia local e a incrementar as alternativas de mobilidade para o Algarve.

O QUE FAZER PARA AJUDAR As embalagens destinadas a esta campanha, esclareceu ao POSTAL a responsável pela comunicação da Algar, “têm de ser entregues nas instalações da Algar espalhadas por todos os concelhos do Algarve e nas instalações do Banco Alimentar de Faro e Portimão”. Não contam por isso para este esforço as embalagens depositadas nos ecopontos da empresa, uma situação que a mesma fonte diz “pretender fazer com que as pessoas reciclem com um objectivo específico, o de ajudar as crianças apoiadas pelo Banco Alimentar, razão pela qual têm de entregar as embalagens em sítios específicos”.

Ainda assim este será um forte obstáculo à efectividade da campanha lançada pela Algar, uma vez que as pessoas terão de se deslocar para entregar as embalagens e permitir que estas contem verdadeiramente para transformar resíduos em alimentos. Segundo Nuno Alves, presidente da Direcção do Banco Alimentar do Algarve, “existe grande carência de bens alimentares próprios deste segmento, nomeadamente, o leite para recém-nascidos, papas e farinhas lácteas” e esta será sempre uma grande ajuda para aquela que é uma das instituições de referência no apoio social na região.

LIGAR O AEROPORTO AO COMBOIO Entretanto, dos 55 mi-

lhões de euros que o Estado prevê aplicar na reestruturação da linha de caminho-de-ferro do Algarve, uma parte vai também direitinha para servir o aeroporto internacional, a principal porta de acesso à região para quem vem do estrangeiro. Ainda longe de se compreender como é que a ligação em causa será feita e em que momento a mesma passará do papel para o terreno, certo é que o Governo diz pretender criar um

ÔÔ Câmara já tem um estudo que aponta um possível traçado para a ligação verdadeiro corredor ferroviário transversal ao Algarve. Neste corredor as obras apontam para a electrificação dos troços não electrificados, passando a existir electrificação nos 140 quilómetros totais do

eixo ferroviário, melhorias na super-estrutura ferroviária e modernização do sistema de sinalização e controlo de tráfego, tendo nomeadamente em vista o comando centralizado de controlo de tráfego que é uma das

apostas da REFER.

CÂMARA APLAUDE DECISÃO

MEGA AULA DE ZUMBA SOLIDÁRIA

Algar e Banco Alimentar unem esforços ricardo claro

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

MACÁRIO CORREIA DÁ O EXEMPLO Macário Correia, recente-

A ALGAR JUNTOU NO PASSADO SÁBADO centenas de pes-

soas no Pavilhão Afonso III em Faro numa gigantesca aula de zumba que, mais do que pôr os farenses a praticar desporto, pretendeu sensibilizar a população para um novo projecto da empresa. “Separar para Alimentar” é o nome da campanha que une durante um ano - para já - a empresa responsável pela recepção, transferência, tratamento e valorização dos resíduos sólidos produzidos no Algarve e o Banco Alimentar do Algarve com o objectivo de ajudar na disponi-

tra a Fome do Algarve.

ÔÔ Campanha visa ajudar crianças mais desfavorecidas bilização de alimentação para as crianças mais desfavorecidas da região. Iniciada em Dezembro de 2013, esta campanha, que é o resultado de um protocolo entre a Algar e a associação Entre-

ajuda, visa recolher embalagens de plástico, de metal e de cartão para alimentos líquidos (ECAL) que uma vez vendidas permitirão comprar bens alimentares para as crianças que são apoiadas pelo Banco Alimentar Con-

mente nomeado administrador da Algar, esteve presente na iniciativa realizada em Faro e deu o mote, convencendo um grupo de jovens a começarem imediatamente a recolha dos resíduos nas imediações do pavilhão desportivo que pudessem ser utilizados para ajudar a campanha. As receitas de toda a campanha são investidas na aquisição de alimentos para crianças até aos três anos, uma área em que o Banco Alimentar tem défice na capacidade de resposta dada aos seus milhares de beneficiários na região.


6  |  17 de Abril de 2014

faro

Portimão Urbis quer Arena a render mais pág. 8

Semana Académica abre a 1 de Maio Cartaz recheado de música portuguesa Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

JÁ É CONHECIDA A PROGRAMAÇÃO da vigésima nona edição

da Semana Académica do Algarve, que abre portas no feriado que comemora o Dia do Trabalhador, 1 de Maio, e se prolonga por dez dias. A organização do evento, a cargo da Associação Académica da Universidade do Algarve, promete um programa “com muita animação, cultura e convívio”, a que se juntam os licores de Baco característicos da jornada académica e, espera-se, uma afluência grande à cidade capital de distrito. Com o recinto a ocupar o espaço adjacente às piscinas municipais, a abertura das ‘hostilidades’ dá-se, como sempre, com a serenata e a cidade

d.r.

aguarda o desfile académico anual, com os estudantes a percorrerem as principais artérias de Faro.

PROGRAMA MARCADAMENTE PORTUGUÊS O programa inclui

Tiago Bettencourt, o farense Diogo Piçarra e os Expensive Soul, a par de nomes mais associados ao brejeiro, como Quim Barreiros e Ivete Mangalho e as Rolinhas. Ao palco sobem também os Deolinda, Tributo e Escape Records, com a animação a não deixar de contar com The Wax Flamingos, Rui Veloso e D.A.M.A.. The Happy Mess, Suppa Squad, Fábio Lagarto e Ruben Filipe, também integram o cartaz marcado por nomes portugueses, que apresenta Valete, 5-30 e BeatBombers (a dupla de dj Ride e Stereos-

ÔÔ Os Expensive Soul são um dos nomes fortes da programação deste ano sauro), como opções. Finalmente, mas de não menor destaque, a agenda conta com os nomes de dj Overule & MC Virgul, Pete

Tha Zouk e dj Mike Fuentez, e ainda, Dealema, a par da noite dedicada às tunas e de outros nomes como Martin Solveig, dj’s G-rod, Re-kind e

Helena Isabel (Raevolutions), bem como, Vasco Dantas. A Associação Académica da Universidade do Algarve anuncia assim um rol de es-

pectáculos que crê “variado e direccionado para um público muito vasto” ou não fossem marcar presença nesta edição da Semana Académica do Algarve as orquestras de Jazz do Algarve e Clássica do Sul. A juntar a tudo isto a organização promete ainda peças de teatro, workshops e actividades desportivas, além da inevitável benção das pastas. Tudo somado são dez dias non stop para quem faz desta semana um marco no calendário anual e para todos os que não perdem a oportunidade para assistir a um concerto com um dos seus artistas preferidos. É já no início de Maio e, uma vez mais, promete agitar a cidade de Faro, colocando a capital da região no centro das atenções.

IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DA PRAIA DE FARO

Câmara só avança para realojamento com financiamento garantido d.r.

O REALOJAMENTO DO ÚNICO HABITANTE NOS ILHOTES DA RIA FORMOSA , em Faro, ao

abrigo do Polis, está garantido, disse à Lusa o autarca, avisando que só avança com o processo na Praia de Faro se houver financiamento. “Eu não vou avançar Plano de Pormenor nenhum na Praia de Faro se não houver garantia de financiamento para o implementar. Não vale a pena estar a criar angústias nas pessoas e incerteza e estarmos a aprovar um plano que depois não tem execução”, afirmou Rogério Bacalhau, sublinhando que o plano está em fase de conclusão. O concurso público para as demolições em cinco ilhotes (Faro e Olhão) e na ilha Deserta (Faro) está em fase de adjudica-

ÔÔ Único habitante nos Ilhotes da Ria Formosa já tem casa para habitar ção, sendo o próximo passo a demolição de casas de veraneio na Praia de Faro e de segunda e primeira habitação nas restantes ilhas, prevendo-se que só em 2015 se avance com a demolição e realojamento das famílias residentes na Praia de Faro. O único habitante perma-

nente nos ilhotes pertencentes a Faro, neste caso, no ilhote da Cobra, já tem uma casa da autarquia pronta para habitar, sendo que a maior parte dos edifícios a serem demolidos nos ilhotes são barracas onde os pescadores guardam os seus apetrechos. Segundo a edição de segun-

da-feira da passada semana do DN, que cita o gabinete do ministro do Ambiente, no primeiro semestre deste ano serão demolidos, no Algarve, 193 edifícios nos ilhotes e na Ilha Deserta, numa segunda fase, no segundo semestre, 159 edifícios no núcleo dos Hangares (dois são de primeira habitação), 217 no núcleo Farol Nascente (dois são de primeira habitação) e 137 na Península do Ancão, onde se insere a Praia de Faro. Na terceira fase, prevista para decorrer a partir de 2015, deverão ir abaixo 102 casas de primeira habitação na Praia de Faro, processo que ainda está dependente da aprovação do Plano de Pormenor (PP) da Praia de Faro. “O que está previsto é que

grande parte das habitações que estão na duna, ou seja, entre a estrada e o mar, serão para demolir, porque há necessidade de reconstruir a duna”, afirmou o autarca, sublinhando que algumas casas ficarão onde estão, sobretudo aquelas situadas do lado da ria.

PESCADORES PODEM VIR A SER REALOJADOS NA PRAIA O autar-

ca quer fazer alguns ajustes ao Plano de Pormenor da Praia de Faro para que os pescadores e respectivas famílias possam ser realojados na própria ilha enquanto as pessoas que não têm actualmente actividade ligada à pesca deverão ser realojadas em habitações ainda por construir no Montenegro. O parque de Campismo

da Praia de Faro, fechado ao turismo em 2003, é uma das hipóteses que o autarca está a estudar para o realojamento dos pescadores. O Tribunal de Contas já concedeu, entretanto, o visto para a aquisição de sete lotes de terreno no Montenegro para o realojamento. De acordo com a mais recente versão da proposta do Plano de Pormenor, quase 80% das construções da zona desafectada da Praia de Faro estavam sinalizadas para serem demolidas. De acordo com a proposta de Plano de Pormenor da Praia de Faro, no lado nascente, o mais povoado, ficariam de pé 57 construções, 53 das quais no lado da ria e apenas quatro no lado do mar. Lusa pub


17 de Abril de 2014  |  7

portimão

Desassoreamento do Guadiana a meia haste pág. 9

Praia da Rocha ganha estacionamento Parque subterrâneo oferece 280 novos lugares A PRAIA DA ROCHA VAI CONTAR, A PARTIR DE JUNHO, com

mais lugares de estacionamento, passando a disponibilizar um total de 2.049 espaços, 1.769 dos quais gratuitos, o que representará um aumento de 20% face à oferta actual. Esta e outras medidas estão relacionadas com a organização do estacionamento público da Praia da Rocha e foram apresentadas a meia centena de empresários pela presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, numa reunião onde a autarca revelou a abertura de um parque de estacionamento

subterrâneo no coração da Praia da Rocha, com cerca de 280 novos lugares. Uma das novidades prende-se com a introdução do estacionamento tarifado naquela zona, com a Portimão Urbis a ficar encarregue da fiscalização de diversas áreas tarifadas, nomeadamente a Rua do Miradouro, o Beco do Sol/Travessa do Sol, a Avenida Tomás Cabreira, a Estrada da Rocha, o parque da Praia Três Castelos e o parque junto ao posto da PSP. A ideia é incentivar as paragens de curta e média duração e não impedir os movimentos

d.r.

ÔÔ Isilda Gomes apresentou medidas aos empresários da Praia da Rocha pendulares de trabalhadores ou visitantes da Rocha, respeitando o princípio da rotatividade,

de modo a que as viaturas não ocupem os lugares de estacionamento durante um dia inteiro.

MEDIDAS EXPERIMENTAIS ENTRE JUNHO E SETEMBRO A nível do

estacionamento de curta duração (até uma hora e meia), são propostos a Avenida Tomás Cabreira, a Rua do Miradouro e o Parque Praia da Rocha junto ao posto da PSP, enquanto em termos de média duração (quatro horas no máximo) são indicados o Beco e Travessa do Sol, a Estrada da Rocha, o Parque da Praia dos Três Castelos e o parque de estacionamento subterrâneo na subida do Tarik. Encontra-se ainda prevista a adopção do “Voucher Empresário” para o parque de esta-

cionamento subterrâneo, um produto a preços reduzidos, para posterior distribuição pelos seus clientes. Segundo Isilda Gomes, “trata-se de um conjunto de medidas experimentais e que vigorarão de Junho a Setembro, para depois avaliarmos o seu impacto na economia local, já que mais vale cometermos um erro e corrigi-lo posteriormente, do que não se fazer nada, na certeza de que nenhuma decisão será tomada que se verifique prejudicial aos vossos negócios”, garantiu a autarca aos presentes. pub


8  |  17 de Abril de 2014

PRIMEIRA QUINTA-FEIRA DO MÊS

Executivo municipal ouve problemas da população OS VEREADORES que com-

põem o executivo da Câmara de Portimão deslocam-se todas as primeiras quintas-feiras de cada mês às três freguesias do concelho para ouvirem os munícipes sobre os problemas existentes nas

suas áreas de residência. Estas reuniões vão ocorrer ao longo do ano em vários pontos do concelho de Portimão e vão permitir a inventariação no terreno dos problemas sentidos pela população. Assim, todos os interes-

sados em participar nesta iniciativa devem dirigir-se à junta de freguesia da sua área de residência para efeitos de inscrição. Esta é uma iniciativa que pretende, de acordo com a autarca local Isilda Gomes,

em declarações ao POSTAL, “aproximar os responsáveis camarários das populações que são afectadas pelas decisões, colocando mais perto os destinatários da acção da câmara daqueles que são os principais decisores nas ma-

portimão

d.r.

térias de gestão do concelho”. “Tem de ser cada vez mais assim que se faz política, em particular ao nível local, junto das pessoas, perto dos munícipes, que são quem importa”, defende a presidente da câmara portimonense.

ÔÔ A autarca Isilda Gomes

Mundialito de Futebol regressa a Vila Real pág. 10

Portimão Urbis quer Arena a render mais Empresa municipal portimonense reforça promoção da versatilidade do equipamento Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

ainda um estacionamento com trezentos lugares.

A PORTIMÃO URBIS, empresa

REFORÇO DA APOSTA De acordo com o último relatório e contas da Portimão Urbis disponibilizado pela empresa, a que o POSTAL teve acesso, o Portimão Arena recebeu em 2012 cerca de quarenta consultas comerciais para a respectiva utilização, mas acolheu apenas 15 eventos. Uma utilização baixa para um equipamento inaugurado em Setembro de 2006 e que custou cerca de quatro milhões de euros.

municipal responsável pelo Portimão Arena, está apostada na promoção daquela infra-estrutura da cidade do Arade. O espaço é apresentado aos potenciais interessados em ali desenvolver eventos, como “o maior espaço do Algarve para congressos, reuniões e grandes eventos”. O equipamento com os seus quatro mil metros quadrados de área coberta é extremamente versátil e pode acolher “até seis mil pessoas em plateia ou 3.500 em banquete”. A juntar à capacidade do recinto propriamente dito o Arena dispõe ainda de uma envolvente, o Parque de Feiras e Exposições, que pode acolher nos dez mil metros quadrados disponíveis quase todos os tipos de eventos, aos quais oferece

ISILDA GOMES QUER SUPERAR RESULTADOS De acordo com a

empresa municipal portimonense, o Portimão Arena vai acolher até ao final do ano mais de 20 eventos. No programa estão, em Maio, o V Simpósio de Psicologia do ISMAT e as III Jornadas

d.r.

ÔÔ Aposta na rentabilização do espaço tem em vista ajudar as contas da Portimão Urbis de Serviço Social do Centro Hospitalar do Algarve, e, em Junho, escolheram o espaço para palco da festa final de ano lectivo do Colégio do Rio, um sarau de ginástica e o INHOUSE

Algarve 2014 - 1º Salão da Casa ao Jardim – Mobiliário, Decoração, Iluminação e Piscinas Já em Julho o Arena abre o segundo semestre do ano com mais um sarau de ginástica e

fecha o mês com um grande concerto de música. Em Outubro a infra-estrutura recebe a BLIP - Better Living in Portugal. Tudo visto, o Arena tem agendados mais de duas de-

zenas de eventos, um número que continua a ser “manifestamente insuficiente para aquelas que são as potencialidades reais do espaço”, diz Isilda Gomes, que garantiu ao POSTAL que “vai ser ultrapassado e superar o número de eventos realizados em 2012”. A autarca portimonense sublinha que “a aposta na promoção do Arena de Portimão tem em vista a maximização do aproveitamento da infra-estrutura como forma de ajudar as contas da Portimão Urbis e, por via disso, as da autarquia”, reconhecendo “as dificuldades da empresa municipal”. “Apesar de estarmos num período de redução do número de eventos realizados em geral, a nossa meta é a de ultrapassar os resultados anteriores obtidos em número de eventos pelo Portimão Arena”, conclui a autarca.

OBJECTIVO É ENCONTRAR NOVOS TALENTOS

Teatro municipal acolhe concurso de fado d.r.

O TEATRO MUNICIPAL DE PORTIMÃO VAI SER PALCO de um

concurso de fado no próximo sábado, aberto a todos quantos tenham mais de dez anos de idade e queiram mostrar os seus talentos na interpretação da canção nacional. A este certame podem concorrer jovens dos 10 aos 17 anos de idade no escalão júnior, enquanto no escalão sénior são admitidos candidatos a partir dos 18 anos, devendo os interessados enviar a ficha de inscrição dis-

ponível no sítio da Câmara de Portimão (www.vivaportimao. pt) para: Município de Portimão, Divisão de Acção Cultural, Praça 1.º de Maio, 8500-543 Portimão, ou através de endereço electrónico cultura@cm-portimao.pt. Constituirá critério de selecção para a designação dos participantes a residência dos candidatos, de acordo com a seguinte prioridade: residência no concelho de Portimão, residência no distrito de Faro e residência no resto do país, podendo os inte-

ressados solicitar esclarecimentos adicionais através do telefone 282 480 492. No dia do concurso, organizado pela Câmara de Portimão, decorrerá das 15 às 18 horas um casting para apurar os nove finalistas seniores e os três juniores e que terá lugar no TEMPO - Teatro Municipal de Portimão, cujo Grande Auditório será o palco das grandes decisões, a partir das 21.30. O júri, composto por cinco elementos, avaliará os participantes

segundo a interpretação, afinação, dicção e expressão, sendo o primeiro classificado no escalão júnior contemplado com um fim-de-semana para duas pessoas num hotel, o mesmo sucedendo com o vencedor no escalão sénior. Por seu turno, o segundo classificado sénior será premiado com um cheque viagem no valor de 150 euros, sendo sorteado por todos os concorrentes um cheque viagem no valor de 120 euros.

ÔÔ Concurso está aberto a maiores de dez anos


17 de Abril de 2014  |  9

vila real castro marim alcoutim

Parque Verde do Séqua inaugurado no 25 de Abril pág. 11

Desassoreamento do Guadiana a meia haste Investimentos a cargo de Portugal sem data marcada para avançarem Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

ESPANHA AVANÇA COM AS DRAGAGENS DA FOZ DO GUADIANA, entre a ponte interna-

cional sobre o rio e a entrada da barra, depois do Verão, num investimento estimado de cerca de um milhão de euros. A intervenção a cargo das autoridades espanholas vai devolver à foz do Guadiana capacidade para acolher navios de calado até 3,5 metros, prevendo-se a extracção de mais de 50 mil metros cúbicos de materiais inertes do fundo do rio. A notícia foi avançada pelo presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, David Santos, há cerca de três semanas em Vila Real de Santo António e confirmada, mais tarde, com a assinatura entre a Direcção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos do Ministério da Agricultura e do Mar e a Agência Pública dos Portos da Andaluzia de um memorando de entendimento relativamente

d.r.

a esta matéria. Notícias positivas portanto para quem usa a foz do Guadiana, mas que nada revelam sobre o resto das obras previstas para o rio e que são da responsabilidade do Governo português.

OBRAS PORTUGUESAS SEM DATA PARA SE INICIAREM O

UM PROCESSO LONGO DE MAIS Desde 2009 que Portugal e Espanha entraram em entendimento para desenvolverem um conjunto de intervenções no Rio Guadiana cujo objectivo inicial era o de permitir a navegabilidade de navios até 100 metros de comprimento e calado até 2,5 metros (zero hidrográfico) até ao Pomarão, já no Alentejo, passando por Alcoutim. Para tanto, os dois países candidataram-se duas vezes a fundos oriundos do Programa de Cooperação Transfornteiriça Portugal Espanha (POCTEP) e assumiram que as intervenções seriam realizadas a jusante da ponte internacional do Guadiana pelas autoridades espanholas e a montante da ponte pelas autoridades portuguesas. Entretanto, relativamente

ÔÔ Limitações financeiras do Governo português não permitem iniciar os trabalhos da sua responsabilidade àquilo que era a obra a cargo do Governo português - com particular destaque para a dragagem do canal até Alcoutim e Pomarão, a criação de bacias de rotação e acostagem em ambas as localidades para os navios e instalação de cais de embarque, também em ambos os locais - o

Assine o

estudo de impacto ambiental da Agência Portuguesa de Ambiente veio a determinar a impossibilidade de concretizar o projecto nos moldes previstos até ao Pomarão. Impossibilitadas de criar um canal com capacidade e mesmo a bacia de rotação e atracagem no Pomarão, a

ideia de levar grandes navios até ali foi abandonada e ficou-se apenas por levá-los até Alcoutim, ainda assim com contingências ambientais na intervenção na zona desta última localidade. Assumido que assim seria, as obras avançam depois do Verão no que respeita a Es-

Envie este cupão para:

NOME __________________________________________________________________________________________________________________________ MORADA __________________________________________________________________________________________

  

POSTAL contactou o gabinete do secretário de Estado do Mar que não avança qualquer data para o início dos trabalhos que são da responsabilidade portuguesa, reconhecendo “as fortes limitações financeiras a que o Governo Português está sujeito”. Assim, os 600 mil euros de investimento para permitir a navegabilidade do Guadiana até Alcoutim por navios de grande porte estão em banho-maria. Até lá Alcoutim fica em suspenso no que toca a poder ser um destino atractivo para investimentos na área das actividades marítimo-turísticas que tenham por base o uso de navios de maior porte, um potencial que se desperdiça face a uma aparente incapacidade de investimento do Governo nacional. Mais uma estocada no desenvolvimento de uma das zonas mais interiores e deprimidas da região.

POSTAL DO ALGARVE - Rua Dr. Silvestre Falcão, nº 13 C, 8800-412 Tavira

(50 Edições) Portugal 30 ¤ I Europa 50 ¤ I Resto Do Mundo 80 ¤

NIF

panha e à foz do rio, mas no que toca a Portugal e a todo o trajecto a norte da ponte internacional nada de novo.

TEL   

 

DATA DE NASCIMENTO _______ ⁄ ________ ⁄ ____________

CÓD. POSTAL _________ - _____ — ________________________________________________

EMAIL _______________________________________________________ PROFISSÃO ________________________________

AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO - por débito na conta abaixo indicada, queiram proceder, até nova comunicação, aos pagamentos das subscrições que vos forem apresentadas pelo editor do jornal POSTAL do ALGARVE. Esta assinatura renova-se automaticamente. Qualquer alteração deverá ser-nos comunicada com uma antecedência mínima de 30 dias.

30 ¤

NIB

Assine através de TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA

BANCO _______________________________________________________________________________________________

                        

NOME DO TITULAR __________________________________________________________________________

35 ¤ 

BALCÃO ______________________________________________

_______________________________________________________________________________ ASSINATURA IDÊNTICA À CONSTANTE NA FICHA DO BANCO DO TITULAR DA CONTA.

Assine através de DINHEIRO, CHEQUE ou VALE POSTAL, à ordem de Postal do Algarve.

NOTA: Os dados recolhidos são processados automaticamente e destinam-se à gestão da sua assinatura e apresentação de novas propostas. O seu fornecimento é facultativo. Nos termos da lei é garantido ao cliente o direito de acesso aos seus dados e respectiva actualização. Caso não pretenda receber outras propostas comerciais, assinale aqui.


10  |  17 de Abril de 2014

SEMANA SANTA

Exposição em Castro Marim recria paixão de Cristo A EXPOSIÇÃO “SEMANA DA PAIXÃO”, decorre na Igreja do

Castelo de Castro Marim, até ao próximo dia 27, numa iniciativa da Associação Cultural das Amendoeiras em Flor, com a colaboração da câmara local. Nesta exposição, o visitante é convidado a descobrir minu-

ciosamente os ritos da Semana Santa, período compreendido entre o Domingo de Ramos e o Domingo de Páscoa, através de uma maquete de três mil peças de cerâmica pintada à mão que recria a paixão de Cristo, quando Jesus se entrega, voluntariamente, para ser cruxificado a

vila real

ı

fim de pagar pelos pecados do seu povo. A inauguração da “Semana da Paixão” teve lugar no passado dia 23 de Março com a participação musical do coro litúrgico “Credo in Vobis” da Associação Cultural das Amendoeiras em Flor. A valorizar a exposição

castro marim

ı

d.r.

também estará patente ao público uma mostra de arte sacra, com diversas peças ligadas à religião cristã. A exposição, com maquete da via sacra, tem os apoios da Direcção Regional de Cultura do Algarve, das Juntas de Freguesia de Altura, Castro Marim

e Odeleite, da Paróquia de São Tiago de Castro Marim, da Santa Casa da Misericórdia de Castro

Marim e da Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António.

alcoutim

Mundialito de Futebol regressa a Vila Real Evento contribui para a dinamização da economia local VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO E AYAMONTE RECEBEM,

pelo oitavo ano consecutivo, o Mundialito de Futebol, que se iniciou no passado sábado e vai decorrer até ao Domingo de Páscoa. Este, que é o maior torneio de futebol infantil do mundo, conta com a participação de 4.000 crianças de mais de 50 nacionalidades e cerca de 200 equipas que vão disputar perto de 750 jogos. Durante a semana do evento, a taxa de ocupação hoteleira nos municípios de Vila Real e Ayamonte atingirá os 100%, contribuindo para a dinamização económica das duas cidades. Em termos globais, prevê-se que o retorno financeiro para a economia local atinja os dois milhões de euros. “No quadro do Algarve, este é seguramente o evento com maior número de atletas envolvidos e com maior reper-

cussão em termos económicos, constituindo sempre um ponto alto para a hotelaria e restauração”, nota Luís Gomes, presidente da câmara vila-realense. A nível nacional e internacional, destaca-se a participação dos melhores clubes de futebol do mundo, de que são exemplo o Benfica, Sporting, Porto, América do México, Sevilha, Barcelona, Valência, Atlético de Madrid, Juventus, Ajax, Chelsea, Arsenal, Bétis de Sevilha, Vasco da Gama, Flu Recreio (Brasil) e Aspire Sports Academy (Qatar). Pelo segundo ano consecutivo, a prova integra-se nas actividades da Eurocidade Ayamonte - Castro Marim - Vila Real de Santo António, facto que, segundo o autarca de Ayamonte, Antonio J. Rodríguez Castillo, atesta “a importância e a dimensão

d.r.

Estádios Cidade de Ayamonte e Blas Infante (Espanha). O Mundialito 2014 divide-se em quatro grupos: além das formações habituais (7/8 anos, 9/10 anos e 11/12 anos), volta a juntar-se a classe dos Querubins, destinada às crianças nascidas em 2008 (futebol de 6).

MUITA ANIMAÇÃO NO MUNDIALITO À festa do futebol, junta-

ÔÔ Apresentação contou com a presença das entidades envolvidas ibérica do evento”. Uma vez mais, os participantes têm à disposição uma carreira fluvial permanente entre VRSA e Ayamonte, permitindo aos participantes efectuar a

travessia do Guadiana e acompanhar quer os jogos disputados nos campos do Complexo Desportivo de Vila Real de Santo António, do Lusitano e do Beira-mar (Portugal), quer nos

-se o “Mundialito Center”, um espaço de convívio entre desportistas, clubes e patrocinadores onde podem ser adquiridos produtos de merchandise e onde decorrem inúmeras actividades dirigidas aos visitantes. Aqui está localizado o “Museu Mundialito”, local onde estão em exposição perto de três mil peças como camisolas e livros autografados pelos grandes nomes do futebol. Também entre domingo

passado e terça-feira, o Museu Mundialito acolheu as duas taças conquistadas pela Selecção de Espanha no Mundial de 2010 (África do Sul) e no Europeu 2012 (Polónia/ Ucrânia). Este ano, além da festa do futebol, a organização preparou o Mundialito Festival, evento que tem lugar entre esta quinta-feira e sábado, no Pavilhão Multiusos de Vila Real, e tem em cartaz nomes como “Smash”, “Overule” ou “Kura”. Paralelamente, a organização vai realizar mais uma edição do Mundialito Color, no sábado, às 10 horas. Considerada a corrida mais divertida e colorida do mundo, o Mundialito Color irá percorrer as ruas de Monte Gordo, passando pelo magnífico cenário da Mata Nacional das Dunas Litorais.

CONTRATO PARA EXECUÇÃO DA EMPREITADA JÁ FOI ASSINADO

Espaço Guadiana arranca em Alcoutim O CONTRATO PARA EXECUÇÃO da empreitada do “Espaço Guadiana”, em Alcoutim, já foi assinado. A obra, adjudicada à firma Someropi – Obras Públicas e Industriais, Lda, pelo valor de 228 mil e 873 euros, acrescidos de IVA à taxa legal em vigor, tem o prazo de execução de três meses, a contar da data do auto de consignação de trabalhos. Trata-se de reabilitar o segundo piso do edifício municipal, onde funcionam as oficinas, no sentido de o transformar num espaço polivalente, com condições construtivas de qualidade e de conforto, para a sua

utilização na promoção de eventos comemorativos, festas, convívios, conferências, congressos e animação. Esta era, de acordo com o presidente da câmara alcouteneja, Osvaldo Gonçalves, “uma lacuna existente na sede de concelho que o Partido Socialista há muito vinha reivindicando e agora estou determinado a colmatar”.

A OBRA E O ENQUADRAMENTO NA ENVOLVENTE Do pon-

to de vista arquitectónico, refere a autarquia em nota de imprensa, “pretende-se intervir no edifício, no sentido da sua integração na

envolvente, bem como com a utilização do piso térreo, acentuando a sua identidade, relacionada com o uso do piso superior, contribuindo para assumir que se trata de um espaço de encontro, convívio e animação, pontuando e identificando a zona de entrada no equipamento, mas não introduzindo alterações significativas no edifício existente”. A intervenção prevê alterar a localização da entrada do piso superior, dado que a mesma se localizava num espaço desnivelado e de difícil acesso, de forma a torná-la acessível para pessoas com

mobilidade reduzida. Prevê-se ainda que todos os espaços de circulação tenham, no mínimo, 1,20 m de largura, sendo livres de obstáculos, e que todos os vãos interiores tenham largura útil livre de 0,80 m, no mínimo. O arruamento de acesso ao edifício será também alvo de obras de requalificação que incluem a criação de passeios e reformulação da dimensão e desenho do canal viário de forma a contribuir para a requalificação do aglomerado urbano, neste local que constitui um dos mais importantes acessos à vila de Alcoutim.

d.r.

ÔÔ Espaço destina-se à promoção de actividades e eventos


17 de Abril de 2014  |  11

tavira

Olhão ZZZ pág.quer ## casas ilegais fora do domínio público marítimo pág. 13 ZZZ pág. ##

Parque Verde do Séqua inaugurado no 25 de Abril Tavira aposta forte nas zonas ribeirinhas. De Macário Correia a Jorge Botelho, uma cidade a voltar-se para o mar ricardo claro

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

É JÁ NO PRÓXIMO DIA 25 DE ABRIL que a Câmara de Tavi-

ra vai inaugurar a mais recente requalificação das frentes ribeirinhas do concelho. Numa extensão que se estende na margem esquerda do Gilão, ao longo da Rua João Vaz Corte Real, o troço intervencionado inicia-se junto ao acesso à EN 125, a norte, e a Rua Borda d’Água da Asseca, a sul. A obra, cuja empreitada teve um custo de lançamento a concurso cifrado em cerca de 544 mil euros, compreende novos lugares de estacionamento, circuitos pedonais e jardins, bem como, novo mobiliário urbano. Simultaneamente, tal como o POSTAL já tinha noticiado, a autarquia procedeu à repavimentação da Rua João Vaz Corte Real, em toda a sua extensão, e do acesso à EN 125, melhorando assim uma das entradas e saídas norte da cidade. A área anteriormente já intervencionada na margem esquerda do Gilão, a norte da ponte do caminho-de-ferro, foi também alvo de retoques e melhoramento dos espaços verdes. No local há ainda espaço para um elemento escultórico evocativo do navegador João Vaz Corte Real, ilustre tavirense.

ÔÔ Novos espaços verdes e de lazer enriquecem a cidade do Gilão Esta é uma das obras que a autarquia tem desenvolvido no âmbito da requalificação das zonas ribeirinhas do concelho.

TAVIRA VOLTA-SE PARA O MAR Como nenhuma outra autarquia do Algarve, a Câmara de Tavira tem, nos últimos anos, feito um esforço de aproximação das zonas urbanas às frentes de mar e rio, numa conquista inegável das zonas ribeirinhas para as populações, para os turistas e para a valorização das localidades. Este processo, que começou

no consulado de Macário Correia, consolidou-se em definitivo durante o mandato do actual presidente da autarquia, Jorge Botelho, e promete continuar nos próximos anos. As marginais de Santa Luzia e de Cabanas de Tavira são bons exemplos destas intervenções, cujos custos e responsabilidade têm sido divididos entre a Câmara e a Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, consoante as áreas intervencionadas estão ou não dentro da área de actuação do programa Polis. Entretanto, a autarquia já

requalificou a rampa de embarque para barcos fronteira ao Mercado da Ribeira, na margem oposta, a zona adjacente ao terminal rodoviário e toda a zona entre aquele terminal e o Mercado da Ribeira em ambas as margens do Rio Gilão, a que acresce agora a área do Parque Verde do Séqua.

AS INTERVENÇÕES A SUL DO MERCADO DA RIBEIRA Já na ca-

lha está a requalificação da zona a jusante do Mercado da Ribeira que abrange a área entre a lota e a Ponte das Descobertas, ao lon-

go da Rua Dr. José Pires Padinha, um procedimento que implica um investimento de cerca de 175 mil euros e que promete devolver aos tavirenses toda aquela zona de frente de rio. Ainda a caminho, no âmbito das obras a cargo do Polis Litoral Ria Formosa, está também a intervenção ao longo de toda a Estrada das Quatro-Águas e zona envolvente. São quase três milhões de euros de preço base que, promete a Sociedade Polis, prevêm a requalificação da via e a criação de percursos pedonal e ciclável entre a cidade e a zona de embarque para a Ilha de Tavira, a que se somam a requalificação ambiental da envolvente e a sua adaptação com mobiliário urbano, áreas verdes, terminais para transportes públicos e valorização geral, com inauguração no início de 2015.

MARGINAL ENTRE SANTA LUZIA E PEDRAS D’EL REI Com um custo

programado de 605 mil euros, a Sociedade Polis Litoral Ria Formosa lançou entretanto o concurso público de requalificação da marginal de Santa Luzia, no concelho de Tavira, entre aquela localidade e o aldeamento turístico de Pedras d’el Rei, mais uma das obras que integram os trabalhos de requalificação a cargo desta sociedade de capitais públicos.

De acordo com o projecto, a intervenção tem por objectivo “a requalificação e valorização deste espaço público, criando um percurso com a distinção dos usos pedonal e ciclável e, ainda, um espaço de lazer e recreio com algum equipamento urbano ligeiro, adequado ao meio envolvente, promovendo uma articulação com a marginal de Santa Luzia”. Junto a Pedras d’el Rei nascerá “uma pequena praça de apoio” e ainda um “acesso ao cais de embarque, nomeadamente, para veículos de emergência”, refere a entidade dona da obra. Os trabalho vão ainda reforçar a capacidade para estacionamento automóvel ao longo do troço intervencionado, bem como, incluir a plantação de árvores e sebes arbustivas e instalação de mobiliário urbano. Com o custo total da obra a ascender, com IVA, a mais de 740 mil euros, o financiamento está a cargo do capital social da Polis Litoral Ria Formosa, S.A., componente oriunda da Câmara de Tavira, e de fundos comunitários através do Programa Operacional Algarve 21. A inaugurar no decurso de 2015, a obra tem um prazo de execução, depois de lançada no terreno, de 240 dias.

MÚSICO FICOU CONHECIDO ATRAVÉS DO PROGRAMA OPERAÇÃO TRIUNFO

Dino d’Santiago apresenta último trabalho O CANTOR DINO D’SANTIAGO apresenta ao vivo, esta sexta-feira, dia 18, pelas 23 horas, o seu segundo álbum no espaço Cenas em Tavira, acompanhado pelo guitarrista Tuniko Goulart. Um concerto intimista para apresentar “Eva”, álbum pelo

qual Dino d’Santiago venceu nas categorias de Melhor Batuku/Kola Sanjon e Melhor Álbum Acústico nos Cabo Verde Music Awards 2014. Foi através da Operação Triunfo que se deu a conhecer como músico, tornando-se um dos finalistas da segunda edição.

DINO FOI A CABO VERDE PROCURAR AS SUAS RAÍZES Dino

partiu à procura das suas raízes e, com o pai, aprofundou o conhecimento das suas origens, visitando a “sua” Ilha de Santiago, em Cabo Verde. Esta viagem viria a definir o seu caminho que passava agora, por

juntar os sons quentes africanos, ao fado, numa fusão singular. O resultado foi “Eva, este disco sou eu, é o resultado do que vejo, do que sinto. Procuro a simplicidade e o amor. É nisso que acredito”, refere. O disco conta com a participação do cantor cabo-verdiano

d.r.

ÔÔ O cantor Dino d’Santiago

Jay, no tema “Nôs Tradison” e do cantor e compositor angolano Paulo Flores, em “Pensa na Oji”. O crioulo de Cabo Verde e o português são as línguas dominantes, numa mistura perfeita de sons únicos da lusofonia.


12  |  17 de Abril de 2014

tavira

Rainha da Semana Santa promete Páscoa em grande pág. 14

Tavira celebra a Primavera com doçaria e artesanato Produtos tradicionais e artesanato do concelho vão estar em exposição TAVIRA VOLTA A CELEBRAR A TRADIÇÃO, através da realiza-

ção da II Mostra da Primavera, no próximo fim-de-semana e entre os próximos dias 25 e 27, na baixa da cidade (Rua do Cais, Jardim do Coreto e Praça da República). Os produtos tradicionais e o artesanato do concelho e da região da Serra do Caldeirão voltam a estar em destaque. Cerca de 55 stands e 100 expositores marcam presença neste certame, aliando os saberes ancestrais com a inovação e o design. Cestaria e empreita, malhas e rendas, miniaturas e brinquedos em madeira, cerâmica e azulejaria, trapologia e tecelagem, joalharia artesanal e bijutaria,

assim como velas decorativas poderão ser adquiridos nesta mostra. A todos estes produtos juntam-se as aguardentes, os licores, a doçaria regional, as compotas e os frutos secos, o pão e as costas, o mel e seus derivados, os produtos de agricultura biológica, as ervas aromáticas e medicinais, assim como o azeite novo, numa panóplia de sabores e cheiros que reflectem a nossa essência e autenticidade. A tudo isto associa-se a animação musical, a qual inclui projectos locais e outros vindos de outros pontos do país, daí a necessidade da existência de dois palcos no Jardim do Coreto e Praça da República.

d.r.

ÔÔ Cerca de 55 stands e 100 expositores apresentam o que de melhor se faz na região Dada a coincidência com as comemorações dos 40 anos da pub

Revolução dos Cravos, destaque para o concerto da Brigada Vic-

tor Jara, no dia 25 de Abril, pelas 21.30, na Praça da República.

Actualmente, a Brigada Victor Jara é considerada, por muitos, como o grupo de referência da música tradicional. A banda tem vindo a incluir de forma gradual novos instrumentos e arranjos criativos, proporcionando, deste modo, novas sonoridades. Actualmente, o grupo apresenta-se com a seguinte composição: Luís Nunes (guitarras tradicionais), Manuel Rocha (violino), Aurélio Malva (guitarra, gaita de foles e voz), Arnaldo de Carvalho (percussões tradicionais), Rui Curto (acordeão), Ricardo Dias (piano, teclas, flautas e gaita de foles), José Tovim (baixo eléctrico), Quiné (bateria) e Catarina Moura (voz). pub


pub

17 de Abril de 2014  |  13

MUNDITÁLIA

olhão

Importação e Exportação Lda

PORTAS • GRADES • AUTOMATISMOS • PARAFUSARIA E FIXAÇÃO • MOLAS TÉCNICAS • WPC Comercialização para profissionais directamente de fábrica Morada: Estação de Loulé, Passagem de Nível 6 A, 8100-306 Loulé  +351 289 356 580 •  +351 289 356 581 •  munditalia@sapo.pt

Olhão quer casas ilegais fora do domínio público marítimo Presidente da câmara sugere que se legalizem as casas O PRESIDENTE DA CÂMARA DE OLHÃO DEFENDEU na semana

passada a desafectação do Domínio Público Marítimo das casas ilegais no Farol, Hangares e Culatra, que não estão em risco e padecem apenas de um problema de legalidade. “Aquilo que se passa nestas ilhas não é um problema ambiental, é um problema de legalidade”, disse António Pina à Lusa, sugerindo que, à semelhança do que já aconteceu no núcleo do

d.r.

Farol, se criem perímetros desafectados, legalizando as casas. Está em fase de adjudicação o concurso público para as demolições de edifícios ilegais em cinco ilhotes da Ria Formosa e na ilha Deserta, sendo que nos ilhotes pertencentes a Olhão foram identificados sete agregados familiares que terão de ser realojados.

EDIFÍCIOS A DEMOLIR Segundo a edição do DN de segunda-

ÔÔ Nos ilhotes de Olhão há sete famílias para realojar pub

-feira da passada semana, que cita o gabinete do ministro do Ambiente, no primeiro semestre deste ano serão demolidos, no Algarve, 193 edifícios. Numa segunda fase, no segundo semestre, serão demolidos 159 edifícios no núcleo dos Hangares (dois de primeira habitação), 217 no núcleo Farol Nascente (dois de primeira habitação) e 137 na Península do Ancão, onde se insere a Praia de Faro. António Pina (PS) lamentou

que não tenha sido prevista uma verba para a aquisição ou construção de casas para estas pessoas, mas sublinhou que terá de ser feito um “esforço” conjunto para encontrar uma solução. Quando “um país não tem dinheiro para realojar estas sete pessoas (...) mas pode vir a colocar como prioridade deitar casas abaixo em núcleos perfeitamente consolidados e que não estão em perigo, é jogar dinheiro à rua”, lamentou. No que respeita ao núcleo da Armona, António Pina adiantou que a autarquia está a tentar que seja feito um novo plano de urbanização que inclua todas as habitações existentes, o que tem criado “algum desentendimento” com a Sociedade Polis. Lusa pub


14  |  17 de Abril de 2014

são brás loulé

Lagoa mostra encontro de culturas à luz de velas pág. 16

Rainha da Semana Santa promete Páscoa em grande São Brás domina o panorama pascal da região Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

SEM MENOSPREZAR AS NUMEROSAS manifestações pas-

cais existentes na região, São de Alportel é a terra rainha da Semana Santa no Algarve e as propostas são várias para usufruir por estes dias de uma das mais belas vilas da região. São Brás convida a ver o mar a partir da serra sobranceira a Faro e por esta altura a visita à vila serrana tem particularidades únicas, ou não fosse São Brás o palco da mais castiça procissão pascal. Num percurso engalanado e tapetado para receber aqueles que cumprem a caminhada santa, é ao som de

“ressuscitou como disse. Aleluia! Aleluia! Aleluia!”, que se faz o compasso da procissão que tem lugar no próximo Domingo de Páscoa, 20 de Abril. Aos homens cabe levarem as tochas no cortejo solene onde a arte floral é senhora e rainha da homenagem religiosa da população. São eles que em fila paralela percorrem as ruas preparadas a preceito pelo trabalho árduo de mulheres e crianças que presta ao momento um colorido de rara beleza. Um momento a não perder, quer pelo significado religioso, quer pela beleza intrínseca de uma manifestação social de grande relevo para os são-brasenses. pub

d.r.

ÔÔ A Festa das Tochas Floridas, no Domingo de Páscoa, é um momento alto na vida dos são-brasenses

QUINZENA GASTRONÓMICA REGRESSA AO CALDEIRÃO Mas

como nem só de fé vive o homem, São Brás convida até 21 de Abril a provar o que de melhor a mesa recheada de

tradições serranas tem para oferecer. A 6.ª edição da Quinzena Gastronómica “Sabores do Caldeirão” regressa, uma vez mais, para fazer as delícias dos

verdadeiros amantes da comida algarvia, carregada de tradição e sabores. Este ano participam na iniciativa sete restaurantes locais. Adega Nunes, Fonte da

Pedra, O Marquês, Sabores do Campo, Zé Dias e os estreantes Lagar da Mesquita e Yeshé Boutique Café, prometem uma ementa tipicamente algarvia dos pratos aos vinhos e licores, passando pelas entradas e pelas sobremesas carregadas de identidade. Há um modo de fazer e de comer únicos na serra e se a isto juntarmos o bem-receber típico das gentes de São Brás, o convite é absolutamente irrecusável, porque a alma carece de alimento e nessa matéria ninguém sabe tanto como os são-brasenses. Atreva-se a descobrir tudo isto e muito mais em São Brás a apenas dez minutos de Faro, num espaço único onde há uma outra maneira de sentir e viver o Algarve em plena Páscoa.

BOMBINO , GRAVEOLA E O LIXO POLIFÔNICO E WINSTON MCANUFF & FIXI

Clínica Geral Pediatria Medicina Interna Psiquiatria Pediatria do Desenvolvimento Terapia da Fala Fisioterapia Terapia Ocupacional Psicomotricidade Dietética e Nutrição Enfermagem Psicologia Clínica Psicologia Educacional

Consulte os nossos preços Acordos com Médis, Multicare e Allianz saúde e Saúde Prime

Registo na Entidade Reguladora da Saúde sob o nº E115161 Rua Actor Nascimento Fernandes, nº1 – 1ºandar,8000-201Faro Telefone: 289 813 183 Telemóvel: 969 267 369 / 917 753 239 E-Mail: clinicapatris21@gmail.com (15h ás 19h)

Festival MED confirma três novos nomes d.r.

A AUTARQUIA DE LOULÉ ANUNCIOU NOVOS nomes para o car-

taz da 11ª edição do Festival MED, que decorre de 26 a 28 de Junho, na Zona Histórica de Loulé. São eles o nigeriano Bombino, os brasileiros Graveola e o Lixo Polifônico e o grupo jamaicano Winston McAnuff & Fixi. Omara “Bombino” Moctarin, também apelidado de “Hendrix do deserto”, sobe ao Palco da Matriz no dia 27 de Junho. O cantor e guitarrista tuareg transporta para a música a sua vivência entre a sua terra natal, a Argélia e a Líbia. A irreverência dos Graveola e o Lixo Polifônico irá, decerto, arrebatar o público do Festival MED. Esta mistura (des)pretensiosa entre o erudito, o lixo cultural, o lirismo

ÔÔ Winston McAnuff & Fixi vão aquecer o ambiente político e a experimentação de amabilidades sonoras de uma das mais promissoras bandas brasileiras da actualidade vai estar no Palco do Castelo, a 27 de Junho. Quem também promete aquecer o ambiente da Zona

Histórica de Loulé é Winston McAnuff & Fixi. Este encontro inusitado entre o “rastaman” e o homem do acordeão traz ao Palco da Cerca, no primeiro dia do Festival, os sons do reggae e o rock-musette, com outras deriva-

ções musicais que espelham a vivência de ambos os artistas. Refira-se que estes três nomes juntam-se assim aos já anunciados Gisela João (Portugal), Mercedes Peón (Espanha), Bomba Estéreo (Colômbia), Celina da Piedade (Portugal), Jupiter&Okwess International (Congo) e Turtle Island (Japão). Os bilhetes para o Festival MED 2014 podem ser adquiridos através do site oficial do Festival www.festivalmed.pt, no Cine-Teatro Louletano e na FNAC da Guia. Haverá uma redução no preço dos bilhetes até ao dia 6 de Junho. Mais informações estão disponíveis em www. festivalmed.pt ou em www.facebook.com/ festivalmedloule?fref=ts.


17 de Abril de 2014  |  15 pub

Cartório Notarial em Tavira Bruno Filipe Torres Marcos

NOTÁRIO Extrato de Escritura de Justificação CERTIFICO, para efeitos de publicação, nos termos do artigo 100.º do Código do Notariado que, por escritura pública de Justificação outorgada em vinte e dois de Março de dois mil e catorze, exarada a folhas dezassete e seguintes do Livro de notas para escrituras diversas número Quarenta e seis – A, do Cartório Notarial em Tavira, do Notário privado Bruno Filipe Torres Marcos, sito na Rua da Silva, n.º 17-A: - José Macário Custódio Correia, natural da freguesia de Santo Estêvão, concelho de Tavira, casado com Maria Elisabete Alves Simões Rolo Correia sob o regime da comunhão de adquiridos, residente na Rua Eduardo Vilhena Guerreiro, número 10, 8800-744 Tavira, contribuinte fiscal número 136622798, declarou: - Que é dono e legítimo possuidor, com exclusão de outrem, dos seguintes prédios, sitos na actual freguesia da União das Freguesias de Tavira (Santa Maria e Santiago), com origem na freguesia de Tavira (Santa Maria), do concelho de Tavira, não descritos na Conservatória do Registo Predial de Tavira: VERBA UM: dois oitavos do prédio rústico composto por terra de pastagem com a área de cinco mil oitocentos e cinquenta metros quadrados, sito no Serro dos Coelhos, que confronta a Norte com António Pedro, Sul com Custódio Viegas, Nascente com José Sebastião e Poente com ribeiro, inscrito na matriz sob o artigo 545 (com proveniência no artigo 526 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário correspondente ao dito direito de 2,90 €, igual ao atribuído; VERBA DOIS: prédio rústico composto por terra de cultura com a área de dois mil e cem metros quadrados, sito no Serro do Coelho, que confronta a Norte com Manuel do Nascimento, Sul e Nascente com José Domingos, e Poente com António Domingos, inscrito na matriz sob o artigo 558 (com proveniência no artigo 539 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 24,43 €, igual ao atribuído; VERBA TRÊS: prédio rústico composto por terra de cultura e pastagem com a área de dois mil e cem metros quadrados, sito no Serro do Palheirinho, que confronta a Norte com Maria do Carmo Viegas, Sul e Nascente com José Joaquim Rodrigues Neto, e Poente com Manuel Rodrigues Neto, inscrito na matriz sob o artigo 1003 (com proveniência no artigo 986 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 15,81 €, igual ao atribuído; VERBA QUATRO: prédio rústico composto por terra de cultura e pastagem, com a área de oitocentos metros quadrados, sito no Serro do Palheirinho, que confronta a Norte e Nascente com José Domingos Dias, Sul e Poente com João Rosa Gonçalves, inscrito na matriz sob o artigo 960 (com proveniência no artigo 943 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 5,78 €, igual ao atribuído; VERBA CINCO: prédio rústico composto por terra de pastagem com árvores, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados, sito no Sítio da Rocha do Macho Fêmeo, que confronta a Norte com José António de Jesus, Sul e Nascente com João da Ascenção Santos, e Poente com José António Garcia, inscrito na matriz sob o artigo 518 (com proveniência no artigo 499 da anterior freguesia), com o valor patrimonial tributário de 71,86 €, igual ao atribuído.

albufeira Basquetebol juvenil invade Albufeira Um smile gigante lado-a-lado com uma bola de basquetebol marcaram o arranque da iniciativa d.r.

- Que esses prédios, com a indicada composição e área, vieram à sua posse por sucessão hereditária por óbito de seus pais José Armando Gago Correia e mulher Maria José Custódia, casados que foram sob o regime da comunhão geral de bens, falecidos, respectivamente, no dia cinco de Abril de dois mil e dois, e no dia sete de Abril de dois mil e onze, tendo sido declarado seu único herdeiro seu filho, ele justificante – como tudo consta de duas escrituras de habilitação lavradas, uma no Cartório Notarial de Tavira, em seis de Agosto de dois mil e dois, exarada a folhas cento e trinta e seis e seguinte do Livro de notas para escrituras diversas número Cento e sessenta e oito – A, e a outra neste mesmo Cartório, lavrada a folhas setenta e duas do Livro de notas para escrituras diversas número Dezanove – A. - Que, por sua vez, os seus pais adquiriram aqueles prédios do seguinte modo: a) os dois oitavos (2/8) do imóvel identificado na verba um do seguinte modo: o direito a um oitavo (1/8) indiviso, em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita a Manuel Domingos Júnior e mulher Maria Custódia, falecidos em um de Março de mil novecentos e noventa e três, e em nove de Agosto de mil novecentos e noventa e sete, respectivamente, com a última residência habitual no Sítio da Fonte Coberta, freguesia de Almancil, concelho de Loulé; e o restante direito a um oitavo (1/8) indiviso, em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra também meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita a José da Conceição Nascimento e mulher Maria Rosa da Conceição, residentes no Sítio da Picota, caixa postal número 212-Z, 8800-211 Tavira; b) o identificado na verba dois, em data imprecisa do ano de mil novecentos e oitenta, por compra meramente verbal feita a Manuel Domingues e mulher Laurinda da Conceição Domingues, ele falecido em vinte e três de Junho de mil novecentos e noventa e oito, residentes no sítio da Picota, em Tavira; c) o identificado na verba três, em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra meramente verbal feita a Avelino Domingues, casado, residente no Sítio do Vale Formoso, caixa postal 200-Z, em Asseca (Santa Maria), 8800-221 Tavira; d) o identificado na verba quatro, em trinta de Abril do ano de mil novecentos e oitenta e dois, por partilha meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita com os demais interessados, por herança aberta por óbito do avô paterno dele justificante, José Sebastião, falecido em vinte e cinco de Fevereiro de mil novecentos e setenta e sete, no estado de casado com Maria Custódia, e com a última residência habitual no Sítio da Picota, freguesia de Santa Maria, concelho de Tavira; e) e o identificado na verba cinco, em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa, por compra meramente verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita a Manuel Rodrigues da Saúde e mulher Maria Bárbara Costa, já falecidos, com a última residência habitual na Rua das Olarias, n.º 3, em Tavira. - Que, assim, justifica os referidos imóveis, porquanto há mais de vinte anos, primeiro os seus pais e depois ele, por sucessão na posse que eles já vinham exercendo, de forma pública, pacífica, contínua e de boa fé, ou seja, com o conhecimento de toda a gente, sem violência, nem oposição de ninguém, reiterada e ininterruptamente, na convicção de ele e os seus pais não lesarem quaisquer direitos de outrem e ainda convencidos de serem 1) co-titulares do direito de propriedade do imóvel identificado na verba um e 2) únicos titulares do direito de propriedade dos restantes imóveis, e assim o julgando as demais pessoas, os seus pais e depois ele justificante têm possuído aqueles prédios – cultivando-os, amanhando a terra, tratando das árvores, colhendo os respectivos frutos, nele pastando os animais, usufruindo dos seus rendimentos, suportando os encargos ou despesas com a sua manutenção, sendo que relativamente ao prédio da verba um o fizeram na proporção do seu direito, nomeadamente ajustando com os demais compossuidores ou consortes a divisão do seu uso e fruição e a repartição dos seus encargos ou despesas; pelo que, tendo em consideração as referidas características de tal posse, adquiriu por USUCAPIÃO os referidos imóveis, o que invoca. Tavira, 22 de Março de 2014. O Notário, Bruno Filipe Torres Marcos Conta registada sob o n.º 2/618 (POSTAL do ALGARVE, nº 1122, de 17 de Abril de 2014)

visite-nos em

www.postal.pt

ÔÔ Logótipo humano prestou homenagem à modalidade e aos albufeirenses Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

ALBUFEIRA ACOLHEU entre quarta-feira e domingo da passada semana mais de 1.300 pessoas e cerca de 200 jogos no mais importante evento do basquete juvenil a nível nacional. A cidade voltou assim a ser a anfitriã da Festa do Basquetebol Juvenil e recebeu 72 comitivas, representantes dos Açores, Alentejo, Algarve, Aveiro, Bragança, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Lisboa, Madeira, Porto, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. Do vasto programa da iniciativa desportiva fizeram parte várias iniciativas, mas a competição propriamente dita só começou na passada quinta-feira com os atletas a terem na quarta-feira o privilégio de se apresentarem à cidade e os albufeirenses a honra de os receber, como sempre de braços abertos. Para acolher os jogos a autarquia local disponibilizou os pavilhões desportivos de Albu-

feira; da Escola Básica e Secundária de Albufeira; da Escola Secundária de Albufeira e da Escola EB 2, 3 Francisco Cabrita e Francisco Neves (Imortal), refere a nota de imprensa da autarquia.

SESSÃO INAUGURAL VOLTA A MARCAR A CIDADE A sessão de

boas-vindas teve lugar na Praça dos Pescadores, ao final da tarde de quarta-feira da passada semana, e repetiu a proeza de pasmar os transeuntes da capital do turismo algarvio. Numa moldura humana perfeitamente coordenada, os atletas e participantes provaram a sua habilidade formando uma bola de basquete e um smile unidos por um símbolo de igual. Basquetebol é igual a um sorriso, que é como quem diz basquetebol igual a felicidade foi assim o mote visual desenhado em honra da cidade de Albufeira pelos milhares de participantes do evento. Tudo isto depois das comitivas terem desfilado desde a Avenida da Liberdade, passando pelo Largo Engenheiro Duarte Pacheco e Avenida 25 de Abril.

As finais da competição tiveram lugar no último dia de provas, domingo passado, no Pavilhão Desportivo da Escola Básica e Secundária e no Pavilhão Desportivo de Albufeira, onde decorreu também a cerimónia de encerramento e a entrega de prémios, aos jovens atletas. Para além dos prémios atribuídos aos três primeiros classificados de cada competição, foi entregue o Prémio Fair Play, destinado a fomentar a sã competição, e o Prémio Solidariedade, que contou com a doação de um euro por parte de todos os participantes. A verba angariada reverterá a favor da Santa Casa da Misericórdia de Albufeira. A Festa do Basquetebol é uma iniciativa organizada pela Federação Portuguesa de Basquetebol, em parceria com a Câmara de Albufeira e conta com o apoio da Associação de Basquetebol do Algarve, Imortal Basket Club e Clube de Basquete de Albufeira. O evento contou, ainda, com a colaboração de várias associações distritais de basquetebol de todo o país.


16  |  17 de Abril de 2014

lagoa silves monchique

ZZZ pág. ## ZZZ pág. ##

Turismo de natureza combate sazonalidade pág. 18

Lagoa mostra encontro de culturas à luz das velas Animação e espectáculo durante três dias com destaque para a cultura árabe Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

UNIR RELIGIÕES, MODOS DE VIVER E DE PERCEPCIONAR A VIDA constitui um dos desa-

fios maiores da vivência em comunidade que ocupa o Homem desde tempos imemoriais. É nesta senda de unir povos, credos e culturas que a Câmara de Lagoa, em parceria com um privado, realiza desde hoje e até ao próximo sábado, dia 19,

o “Mercado de Culturas... à Luz das Velas”. Nesta primeira edição o destaque vai para a cultura muçulmana e durante três dias o Convento de São José e todas as artérias envolventes prometem ser invadidas por um ambiente único, carregado de mistério e pontuado a toques de luz. No lugar central que vai ocupar a cultura muçulmana espaço para espectáculos de música

árabe e afro-árabe, ao mesmo tempo que os recantos das vielas se deixam envolver pelas danças orientais e sufí, a cargo dos grupos El Laff e Kurdufan. A dilacerada Jordânia chega-nos através de uma exposição fotográfica e a igreja do Convento de São José será o cenário de uma exposição/concerto, denominado “Melodias de al-Andalus” e os workshops prometem ensinar a todos a precursão de pub

temos a resposta para o seu problema de audição

Uma pequena grande diferença

Rastreio Auditivo GRÁTIS Faça a sua Reavaliação Auditiva

perto de sua casa Informe-se sobre o dia e hora das nossas visitas :

289 825 075 / 967 757 673 Protocolos mensais com: Albufeira: Centro Clínica Arcadas S. João ı Aljezur: Farmácia Aljezur ı Castro Marim: Cruz Vermelha de Altura ı Faro: Farmácia Almeida ı Farmácia Huguette Ribeiro (Patacão) ı Casa Do Povo Estoi ı Lagoa: Clínica de Lagoa ı Lagos: Clínica Lacobrigense ı Farmácia Praia da Luz ı Loulé: Clínica

d.r.

estilo árabe e as danças do próximo e médio orientes. Do lado da gastronomia sobem ao palco comensal o kebap, as espetadas kefta e a doçaria típica das terras dos véus infinitos, ao mesmo tempo que num espaço talhado à medida se convida ao deleite da cozinha árabe na sua versão mais gourmet.

CINCO MIL VELAS A não perder

impõe-se, em cada um dos dias do evento, a chegada dos ponteiros do relógio às 20 horas. Ao troar das badaladas e de súbito cinco mil velas iluminarão o Convento de São José e as ruas circundantes, num arranjo de onde brotarão desenhados os símbolos representativos de algumas culturas do mundo oriental e ocidental. A cruz do cristianismo, estrela de David representativa do judaísmo, o crescente a honrar o islamismo, e o Triskle a celebrar a cultura celta, são alguns dos exemplos do que o espera em Lagoa às oito da noite em ponto de cada dia do “Mercado de Culturas... à Luz das Velas”.

ÔÔ As danças orientais são um dos pontos altos do evento

MÚSICA PARA TODOS OS GOSTOS De acordo com a autarquia de Lagoa, todas as noites o dj Fábio Palma anima o fecho da festa com música “arabic chillout” entrecortada com ritmos tradicionais do mundo árabe (Wahd Wo Noss, Malfouf, Zaffa , Maksoum, Masmoud , Saidi, Hagalla, Soudi, Ayubi) remisturados pelo próprio dj. Com encerramento agendado todos os dias para as 23

horas, o início do mercado está marcado para hoje às 17 horas e para amanhã e depois para as 12 horas, sempre com entrada livre. No encerramento diário do “Mercado de Culturas… à Luz das Velas” a cidade de Lagoa e os visitantes podem ainda ver e ouvir o espetáculo Oriental Drums com música, dança e fogo. Razões de sobra para visitar Lagoa nos próximos três dias.

SÃO MARCOS DA SERRA Largo de Camões – Edifício Riamar, Bloco 7 Loja nº 20 - Faro (PERTO DA CP) E-mail:diverproteses.faro@hotmail.com

de Medicina & Cirurgia - CMC ı Centro Clínico Almancil ı Policlínica Eurosaúde (Quarteira) ı Idealclínica - (Vilamoura) ı Assoc. In-Loco (Salir) ı Olhão: Policlínica Etienne ı Portimão: Policlínica da Mó ı São Brás: Clínica S. Brás ı Silves: Xelclínica ı Clínica Osteoreuma (S.B. Messines) ı Tavira: Cruz Vermelha Tavira ı Parafarmácia Pharmaromus ı Farmácia

Tavares (Stº Estêvão) ı Clínica Santiago - Tavimédico ı Vila do Bispo: Parafarmácia MC Farma (Sagres) ı Vila Real de Sto. António: Clínica S. Cristóvão ı Clínica Stº António ı Baixo Alentejo: Farmácia Mil Fontes ı Casa do Povo Stª Clara-a-Velha E ainda em todas as Juntas de Freguesia do Algarve e Baixo Alentejo

Feira do Folar aposta na música para animar A PARTIR DE AMANHÃ TODOS OS CAMINHOS VÃO DAR A SÃO MARCOS DA SERRA, especial-

mente aqueles por onde se aventuram os amantes da doçaria da época pascal. A Feira do Folar abre as portas às 11 horas no Largo da Igreja e promete muita música e animação e, claro está, muito folar tipicamente algarvio. Logo na tarde de amanhã, dia 18, o Grupo Coral Alentejano – Associação Comunidades de Tunes, abre o palco às 14 horas e sucedem-lhe na ribalta o Rancho Folclórico Infantil de

d.r.

S. Bartolomeu de Messines e o acordeonista Ricardo Alves. O evento encerra pelas 20 horas, mas a festa não termina e, uma hora depois, chega o tem-

po do Baile da Pinha com a actuação de Rita Melo a decorrer na sede da Sociedade de Recreio e Instrução. Para dia 19 estão agendadas as actuações da Orquestra Orff – Jardim-escola João de Deus, do Rancho Folclórico de Algoz e o espectáculo do acordeonista Paulo Coelho. No fecho, dia 20, a Feira do Folar conta com o Grupo de Cantares da Casa do Povo de S. Bartolomeu de Messines, o Grupo Alma Serrana e o acordeonista Mário Dias como artistas convidados.


17 de Abril de 2014  |  17

lagos vila do bispo aljezur

Águas do Algarve lança desafio em Banda Desenhada pág. 19

Ponte de Lagos vai para obras no Verão Fundos comunitários permitem trabalhos de recuperação A CENTENÁRIA PONTE DE LAGOS, encerrada há dois anos

por risco de colapso “iminente”, continua fechada mas a presidente da Câmara assegura que os trabalhos de recuperação da estrutura se vão iniciar ainda este ano. “Apresentámos uma candidatura a fundos comunitários para a realização das obras, que foi aceite, e assim prevemos iniciar as obras antes do final deste Verão”, disse à Lusa Joaquina Matos. “Estamos a preparar tudo para abrir concurso público para adjudicar a obra, cuja con-

clusão prevemos para Maio/Junho de 2015”, indicou. A ponte D. Maria II, um dos principais acessos à cidade de Lagos, com ligação à Meia Praia, foi fechada ao trânsito automóvel e pedonal em Fevereiro de 2012, por “risco de colapso iminente”, após uma inspecção à estrutura de suporte.

DANOS GRAVES PODEM PROVOCAR COLAPSO IMINENTE Segundo o relatório preliminar do LNEC, existem “danos graves” em dois arcos assentes sobre o primeiro pilar, que correspondem “à fendilhação

em toda a largura dos arcos base de sustentação da ponte com alteração significativa da sua geometria”. O relatório do LNEC sustenta que os danos “comprometem a capacidade de resistência dos arcos, sendo possível o seu colapso iminente e de forma brusca”. A presidente da autarquia justifica o atraso na realização das obras de reabilitação da ponte com “os constrangimentos financeiros da autarquia”. Segundo Joaquina Matos, as obras de consolidação dos pilares de sustentação estão orçadas em cerca de um milhão

de euros, comparticipadas em cerca de 65% por fundos comunitários, sendo o restante assegurado pela autarquia. A autarca reconheceu que o encerramento da ponte causou “prejuízos para os residentes e milhares de turistas que visitam o concelho anualmente, tendo, por isso sido considerada como uma das obras prioritárias para Lagos”. A ponte rodoviária D. Maria II, um dos principais acessos da cidade de Lagos à Meia Praia, tem 103 metros de comprimento e nove de largura, com um tabuleiro assente sobre 12 arcos.

d.r.

ÔÔ Recuperação da ponte é considerada obra prioritária para Lagos As últimas grandes intervenções de manutenção foram

efectuadas em 1958 e 1960. Lusa pub

pub

Encounter Learning Centre ESCOLA DE LÍNGUAS Em Faro desde 1984

Sabia que os alunos do 9º ano vão ter exame em inglês da Universidade de Cambridge em Abril? O seu filho está pronto? Curso Intensivo de Preparação KET! Vasta experiência em preparação de exames Com este recorte OFERTA DA INSCRIÇÃO Largo do Carmo, Edf. O Seu Café, nº77, 2ºD - 8000 Faro ' 289 807 202 - 918 561 846 Ÿ encounterfaro@gmail.com


18  |  17 de Abril de 2014

região Turismo de natureza combate sazonalidade Estudo revela que sector representa um quarto das dormidas na região O TURISMO DE NATUREZA REPRESENTA 23% das dormidas

no Algarve, segundo um estudo encomendado pela Região de Turismo do Algarve (RTA) que propõe uma oferta integrada às empresas dedicadas a este segmento, que desde 2009 cresceram 50%. “Agarrado ao turismo de natureza temos a identidade da região, o património, a cultura, o artesanato, a gastronomia e os vinhos. Temos um conjunto diversificado de produtos que, só por si, são importantes mas que interligados podem fazer a diferença”, explicou à Lusa o presidente da RTA, Desidério Silva. À medida que os resultados do impacto do turismo de natureza se destacam, as atenções começam a focar-se também no seu potencial para

d.r.

esbater um dos maiores problemas do turismo algarvio, a sazonalidade, acrescentou. “As conclusões são muito direccionadas para a reorganização dos produtos, ou seja, para o trabalhar em partilha, para uma interligação entre os agentes do sector”, explicou à Lusa aquele responsável, lembrando que este segmento turístico abrange diferentes nichos, como a observação de aves, o surf ou o pedestrianismo.

EMPRESAS LIGADAS AO TURISMO DE NATUREZA AUMENTARAM 50% Projectos como a Via Al-

garviana, a Ecovia do Litoral e a Rota Vicentina têm vindo a ajudar o crescimento deste segmento que, desde 2009, assistiu a um aumento de 50% no número de empresas algarvias dedicadas ao turismo de natu-

ÔÔ A observação de aves tem vindo a ganhar adeptos reza, refere o estudo. O mesmo documento revela que, entre 2012 e 2013, a taxa de crescimento do volume de negócios das empresas de animação turística na região atin-

giu os 17%. O estudo sugere, ainda, uma estratégia integrada ao nível do marketing, um reforço em acções de promoção externas e a necessidade de reforçar a apos-

ta em eventos de projecção internacional na área do turismo de natureza como contributo à consolidação da estratégia regional de turismo. “A oferta regional deve assentar numa óptica de sustentabilidade, focando a conservação e preservação dos ambientes naturais, a melhoria do bem-estar das populações locais e a valorização dos recursos culturais”, lê-se nas conclusões do estudo. Este esforço pode vir a traduzir-se em receitas turísticas para a região e para as empresas envolvidas e potenciado ainda mais com uma aposta em parcerias com operadores internacionais especializados, com foco nos mercados emissores predominantes, como são os casos da Alemanha, Holanda e Reino Unido, mas também

em mercados com potencial de crescimento, como Bélgica, França, Escandinávia, Brasil e Estados Unidos da América. O estudo de caracterização da actividade turística algarvia relacionada com o turismo de natureza foi encomendado pela RTA, a par de outros estudos em curso, com o objectivo de desenvolver um plano de marketing estratégico para o turismo algarvio que permita afirmar o Algarve como destino turístico de excelência. Desidério Silva disse à Lusa que já apresentou as conclusões do estudo aos empresários de animação turística da região, numa reunião onde apelou à criação de uma oferta integrada competitiva a nível internacional no âmbito deste segmento. Lusa

APOSTA NO MERCADO NACIONAL E ESPANHOL

Campanha promove Algarve para férias na Páscoa A CAMPANHA PUBLICITÁRIA PARA INCENTIVAR os portu-

gueses e espanhóis a procurarem o Algarve na Páscoa para

férias ou escapadinhas já começou na imprensa e em meios pub

FAZEMOS TODO O TIPO DE TRABALHOS TOPOGRÁFICOS à Levantamentos Topográficos à Medições de Áreas à Implantação de Edifícios à Implantação de Urbanizações à Cálculos de Volumes de Terras à Executam-se trabalhos com GPS tel 281 325 647 • fax 281 325 781 • tlm 917 811 380 • topogarve@mail.telepac.pt Praceta Baltazar G. Lobato, 4-A (em frente às Escolas Primárias da Estação da CP) 8800-743 Tavira

outdoor. O sol e mar, enquanto principal produto turístico da região, é o escolhido para espicaçar a vontade de gozar uns dias de descanso no destino nesta altura do ano, em que as temperaturas começam a subir. Catorze inserções em revistas e jornais de Portugal e Espanha, às quais se juntam mupis e retaguardas de autocarros em circulação nos principais centros urbanos do país, compõem esta campanha da Região de Turismo do Algarve (RTA) que decorre até ao dia 25 de Abril. Durante duas semanas, o Algarve é apresentado como o melhor destino para esta Páscoa em anúncios que mostram uns chinelos enterrados no areal de uma bela praia, simbolizando a espera pela visita dos leitores à região.

d.r.

ÔÔ Anúncio dirigido ao mercado espanhol “O objectivo é reforçar a procura do mercado interno alargado [Portugal e Espanha] pela região, sobretudo das grandes áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e das comunidades de Andaluzia, Extremadura e Galiza, de forma a conseguirmos uma boa taxa de ocupação no arranque

da época turística”, explica o presidente da RTA, Desidério Silva. Além desta campanha, estão ainda previstas acções promocionais em Lisboa para potenciar a captação de turistas para o Algarve no período que compreende os feriados de 1 de Maio, 10 e 13 de Junho.


17 de Abril de 2014  |  19

região

ZZZ pág. ##

Águas do Algarve lança desafio em banda Desenhada Concurso aberto até final de Maio pretende comunicar com todos Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

INOVAR É A PALAVRA DE ORDEM sempre que se fala em

iniciativas da Águas do Algarve na área da comunicação e desta vez a empresa volta a não deixar os créditos em mão-alheia ao propor um concurso de BD (banda desenhada) para sensibilizar a população para as questões ligadas à água, saneamento e ambiente. Uma forma de sensibilização das camadas mais jovens da população, mas que acaba por ser dirigida a todos, assente num concurso dividido em duas categorias, dos treze aos 18 anos e maiores de 19 anos. Ao concurso “Tu e o Ambiente” podem chegar trabalhos até 30 de Maio e a iniciativa reserva aos concorrentes uma mão cheia de prémios muito aliciantes e que podem ser descobertos no sítio on-line da empresa, tal como o regulamento da iniciativa, em www.aguasdoalgarve.pt. O desafio é o de contar em BD o que cada artista, ou os

heróis por si criados, estão dispostos a fazer para salvaguardar o ambiente.

COMUNICAR PARA SENSIBILIZAR Falar de água, ambiente e de todas as questões envolventes é um assunto da maior seriedade, mas até os temas mais sérios podem ser tratados e divulgados das formas mais diversas, socorrendo-se dos mais diversos suportes de comunicação. Este é o desafio que há anos a Águas do Algarve persegue com uma política de comunicação afinada ao milímetro na área da sensibilização ambiental e para as questões ligadas ao mais precioso dos líquidos, a água. Afinal a empresa tem a cargo os sistemas multimunicipais do Algarve de água e de saneamento e na óptica das políticas de responsabilidade social e das boas práticas para a sustentabilidade, o desenvolvimento de acções que coloquem na agenda diária os problemas e desafios que se põem nestas áreas é mais do que um querer e constitui um verdadeiro dever.

dias abertos nas instalações da Águas do Algarve, as acções de rua, a presença nos mais variados palcos e iniciativas são uma constante da Águas do Algarve ao longo dos anos, a par de uma interacção com a área educativa e escolar que a empresa sempre assumiu como imprescindível para o sucesso das suas campanhas. Mas o grande desafio da comunicação de uma empresa que tem de fazer chegar a sua mensagem a toda a sociedade, porque todos são afectados pela sua acção, é a transversalidade social da comunicação. Para a Águas do Algarve não há idades nem estratos sociais, não há habilitações nem outro qualquer enquadramento que distinga o público-alvo, “trata-se de comunicar para todos, porque todos os algarvios são o nosso universo de consumidores”, refere Teresa Fernandes, responsável pela área de comunicação da Águas do Algarve.

“SABORES DA SERRA AO RIO”

Alcoutim apresenta gastronomia do concelho O I FESTIVAL GASTRONÓMICO DO CONCELHO DE ALCOUTIM “Sabores da Serra ao Rio” decorre até ao próximo dia 18 de Maio. O evento é promovido pela autarquia local e decorre em 16 restaurantes do concelho, sendo nesta primeira edição dedicado aos sabores da Primavera. Favas com chouriço, lampreia, enguias fritas e em ensopado, ovas de saboga, javali estufado ou galinha do campo, são alguns dos pratos que irão fazer parte da ementa do festival cujo objectivo é promover a gastronomia local, rica em iguarias únicas durante todas as estações do ano.

d.r.

ÔÔ Iguarias únicas até 18 de Maio A cerimónia de abertura do evento decorreu no passado sábado em Alcoutim, na Escola Básica Integrada, e contou com a presença do presidente da Câmara de Alcoutim, Osvaldo dos Santos Gonçalves, do presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidé-

d.r.

A TRANSVERSALIDADE COMO DESAFIO COMUNICACIONAL Os

rio Silva, do grão-mestre da Confraria dos Gastrónomos do Algarve, José Manuel Gonçalves Alves, e do director da Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António, David Murta. Durante o evento realizaram-se dois showcookings pelos chefes Leonel Vieira e Milene Nobre, foram também feitas as comunicações “O Património Gastronómico enquanto atractivo local”, por Maria Manuel Valagão, reconhecida investigadora da alimentação, e “Dieta Mediterrânica - Património Cultural Imaterial da Humanidade”, por Jorge Queiroz, director do Museu de Tavira.

ÔÔ Teresa Fernandes, responsável pela área de comunicação da Águas do Algarve pub


20  |  17 de Abril de 2014

Apoios:

Espaço Animal

Contactos: GUADI - Facebook: guadi.centro.de.animais Blog: http://associacaoguadi.blogspot.com/ 3AT - Sítio: www.3at.eu | Facebook: 3AT no facebook Telemóvel: 960 247 511 E-mail adopções: amigosanimaistavira@gmail.com

ÔÔ Joka - Cão de porte médio

ÔÔ Jonas - Cão de raça boxer

com cerca de dois anos

lazer

ÔÔ Mel - Cadela muito meiga com cerca de dois anos

ZZZ pág. ##

agenda cultural

ALBUFEIRA Fotografia Exposição de Júlio Antão, “do ar, da terra e do mar...”, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas; no Edifício dos Paços do Concelho. Até 29 de Maio.

ALJEZUR Pintura

briel “Rostos das Palavras de Abril”, no Espaço +. Até dia 25.

FARO Música III International Jazz Day, às 21.30 horas, no Teatro Lethes. Dia 30.

LAGOS

Exposição de Henrique Ga-

agenda cinema FARO Forum Algarve SBC 289 887 214

Dança Concerto da Páscoa pelo Quarteto de Cordas da Academia de Música de Lagos e Joana Godinho, sábado, dia 19, às 21.30 horas, no Centro Cultural.

Música

LOULÉ

Concerto de Sérgio Godinho “Liberdade”, quinta-feira, dia 17. às 21.30 horas, no Cine-Teatro Louletano.0.

Pintura

OLHÃO

Exposição de Magaly Gouveia, “Esse Mar...”, de terça a sábado, das 9 às 13 e das 14

Pintura Exposição de Pedro Águas

e Cláudia Marques, na Biblioteca Municipal, de terça a sexta-feira, das 10 às 13 e das 14 às 18.30; ao sábado das 13 às 18.30. Até dia 30.

PORTIMÃO Música Peça “Os barrigas e os magriços”, sexta-feira, dia 25, às 16 horas, no Pequeno Auditório do TEMPO.

SÃO BRÁS Música Noite de Fado, domingo, dia 27, às 21 horas, no Museu do Trajo.

TAVIRA Música Concerto de Páscoa pela Orquestra Clássica do Sul, domingo, dia 20, às 18 horas, na Igreja do Carmo.

* estreias

de 17 a 23 de Abril

» Rio 2 (m/6) | Sala 5 | 14h10, 16h25 (diariamente), 11h30 (excep Ter e Qua) » O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 5 | 18h40, 21h40 (diariamente), 00h30 (Sex e Sáb) » Capitão América (m/12) | Sala 6 | 13h20, 16h10, 19h00, 21h50 (diariamente), 00h35 (Sex e Sáb), 10h30 (excep Ter e Qua) » Noé (m/12) | Sala 7 | 12h50, 15h40, 18h30, 21h20 (diariamente), 00h10 (Sex e Sáb) » Non-Stop (m/12) | Sala 8 | 22h00 (diariamente), 00h20 (Sex e Sáb)» 300: O Início de um Império (m/16) | Sala 8 | 17h10 » Um Quente Agosto (m/16) | Sala 8 | 12h00, 14h35, 19h25 » Pompeia (m/12) | Sala 9 | 221h10 (diariamente), 11h15 (excep Ter e Qua) » 12 Anos Escravo (m/16) | Sala 9 | 16h20 » Noé (m/12) | Sala 9 | 13h30, 19h20

OLHÃO C. C. Ria Shopping 289 703 332

00h00 (Sex e Sáb) » Tarzan (m/6) | Sala 2 | 18h30 (Seg, Ter

Carneiro (de 21/03 a 20/04) A relação com os outros poderá ter momentos de alguma instabilidade.

Touro (de 21/04 a 20/05) Nos próximos dias é provável que sinta maior necessidade de conforto e segurança.

Balança (de 23/09 a 22/10) É provável que surja um descontentamento em relação à vida quotidiana.

Escorpião (de 23/10 a 21/11) Tire satisfação da sua imaginação, deixe voar a mente, mas não tire os pés da terra.

Mr. Peabody e Sherman (m/6) | Sala 1 | 13h20, 15h30, 17h40, 19h50 (diariamente), 11h10 (excep Ter e Qua) » 300: O Início de um Império (m/16) | Sala 1 | 22h00 (diariamente), 00.15 (Sex e Sáb) » Frozen (m/6) | Sala 2 | 11h40 (excep Ter e Qua) » Need for Speed (m/12) | Sala 2 | 16h30, 19h15, 21h55 (diariamente), 00h35 (Sex e Sáb) » O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 3 | 12h15, 15h10, 18h05, 21h00 (diariamente), 23h55 (Sex e Sáb » O Filho de Deus (m/12) | Sala 4 | 15h40, 18h35 » Tarzan (m/6) | Sala 4 | 13h30 (diariamente), 11h20 (excep Ter e Qua) » O Divergente (m/6) | Sala 4 | 21h30, (diariamente), 00h20 (Sex e Sáb)

às 18 horas, na Galeria de Arte da Praça do Mar (Quarteira). Até dia 3 de Maio.

O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 1 | 15h30, 18h30, 21h30 (diariamente),

e Qua), 13h30, 15h30 (Qui, Sex e Sáb), 10h45, 13h30, 15h30 (Dom) » Noé (m/12) | Sala 2 | 18h30, 21h30 (Qui, Sex, Sáb e Dom), 15h30, 21h30 (Seg, Ter e Qua), 00h00 (Sex e Sáb) » Golpada Americana (m/16) | Sala 3 | 15h30, 18h30, 21h30

Cinemas de Lagos 282 799 138 O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 1 | 15h00, 18h00, 21h30 (diariamente), 00h00 (Sex e Sáb) » Tarzan (m/6) | Sala 2 | 15h00, 16h45 » Noé (m/12) | Sala 2 | 18h30, 21h30 » Divergente (m/12) | Sala 2 | 00h00 (Sex e Sáb)

-Aranha 2* (m/12) | Sala 1 | 15h30, 18h15, 21h30 (diariamente), 00h00 (Sex e Sáb) » O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 2 | 13h40 » Tarzan (m/6) | Sala 2 | 16h10, 20h20 » Noé (m/12) | Sala 2 | 17h50, 21h45 » Divergente (m/12) | Sala 2 | 00h15 (Sex e Sáb)

TAVIRA Cine-Teatro António Pinheiro 281 320 594

Tarzan (m/6) | Sala 1 | 13h50 (diariamente), 00h00 (Sex e Sáb) » O Fantástico Homem-

O Fantástico Homem-Aranha 2* (m/12) | Sala 1 | 13h40, 17h50, 21hoo (diariamente), 00h10 (Sex e Sáb) » Rio 2 (m/12) | Sala 2 | 13h10, 15h25, 18h10 (diariamente), 10h50

(Dom) » Capitão América (m/12) | Sala 2 | 21h05, 23h55 (Sex e Sáb) » 3 Dias para Matar (m/12) | Sala 3 | 13h00, 15h50, 18h20, 21h10, 23h45 (Sex e Sáb) » Noé (m/12) | Sala 4 | 12h45, 15h40, 18h30, 21h25, 00h15 (Sex e Sáb) » Divergente (m/12) | Sala 5 | 12h40, 15h30, 18h25, 21h20, 00h15 (Sex e Sáb)

Gémeos (de 21/05 a 20/06) É possível que algumas pessoas não apreciem esse seu lado mais afirmativo e espontâneo.

Caranguejo (de 21/06 a 22/07) O momento é de arriscar e semear novos projetos, pois têm fortes possibilidades de florescerem.

Leão (de 23/07 a 22/08) Nos próximos dias terá dificuldade em manter objectividade e em distanciar-se dos acontecimentos.

Virgem (de 23/08 a 22/09) Poderá sentir que o seu corpo é o reflexo dos seus estados de espírito.

Sagitário (de 22/11 a 21/12) Nos próximos dias é possível que a sua actividade profissional esteja relacionada com grupos.

Capricórnio (de 22/12 a 19/01) Aproveite para fazer algo diferente: viaje, estude um tema que lhe interesse.

Aquário (de 20/01 a 18/02) É possível que encare com maior pessimismo aspectos relacionados com a sua vida financeira.

Peixes (de 19/02 a 20/03) Não é a altura em que sente maior predisposição para emprestar as suas coisas.

Cinemas de Portimão 282 411 888

Temporário 12 (m/16), 21h30 (Qui, dia 17)

Gran-Plaza 16996

horóscopo


17 de Abril de 2014  |  21

anúncios ZZZ pág. ##

ı

classificados

zzz

Farmácias de Serviço ALBUFEIRA

SEXTA

SÁBADO

DOMINGO

SEGUNDA

TERÇA

QUARTA

QUINTA

Alves Sousa

Santos Pinto

Santos Pinto

Santos Pinto

Santos Pinto

Santos Pinto

Santos Pinto

Sousa

Edite

-

ARMAÇÃO DE PÊRA

-

Central

-

-

FARO

Almeida

Montepio

Higiene

Caniné

Pereira

Penha

Baptista

LAGOA

Lagoa

José Maceta

José Maceta

José Maceta

José Maceta

José Maceta

José Maceta

LAGOS

Neves

Ribeiro

Lacobrigense

Silva

Telo

Neves

Ribeiro

LOULÉ

Chagas

Pinheiro

Pinto

Avenida

Martins

Chagas

Pinheiro

MONCHIQUE

Hygia

Hygia

Hygia

Moderna

Moderna

Moderna

Moderna

OLHÃO

Olhanense

Ria

Nobre

Rocha

Pacheco

Progresso

Olhanense

PORTIMÃO

Rio

Central

Pedra

Moderna

Carvalho

Rosa

Amparo

QUARTEIRA

Miguel

Algarve

Algarve

SÃO BART. DE MESSINES

-

Algarve

Algarve

Algarve

Algarve

-

Algarve

-

-

Algarve

S. Brás

S. Brás

S. Brás

Dias Neves

SILVES

Guerreiro

João de Deus

João de Deus

TAVIRA

Central

Felix

Felix

Sousa

Montepio

Mª Aboim

Central

VILA REAL de STº ANTÓNIO

Pombalina

Carrilho

Carrilho

Carrilho

Carrilho

Carrilho

Carrilho

-

Dias Neves -

S. Brás

-

SÃO BRÁS DE ALPORTEL

-

Dias Neves Cruz de Portugal

VENDE-SE ou ARRENDA-SE Acordos com:

Susete Maia

Multicare, C.G.D., Allianz

4 terrenos agrícolas com excelente localização e acessibilidade, com água da barragem, situados na Asseca a 3 minutos da cidade de Tavira

Acordos com:

Medis, Multicare, C.G.D., Allianz

Medicina dentária e Odontologia

Rua Libânio Martins, n.º 1 A - Faro susetemaia@sapo.pt

Pomar de citrinos: 8.158 m2 Terra de semear: 8.000 m2 Terra de semear: 9.788 m2 Pomar de citrinos e terra de semear 6.370 m2 Área total: 32.316 m2

Contacto: 918 201 747

' 289 045 457 - 914 922 721 Ÿ

Tractor - Rega, Lda Tlm. - 966 574 669 E-mail - globalcontrol@iol.pt

publicite a sua empresa Contacte-nos: 281 320 900

ALAGOA

AGÊNCIA FUNERÁRIA

visite-nos em

www.postal.pt

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Serviços Prestados

ü Funerais ü Trasladações ü Cremações ü Preparação estética do falecido ü Manutenção de jazigos e campas

Sempre a seu lado nos momentos difíceis da vida...

) nº verde (GRÁTIS) 800 219 262

24 Horas Temos ao seu dispor uma linha de crédito até 24 meses sem juros financiada por uma instituição bancária credível

SERVIÇOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Funeráis desde 300 Euros * alagoa.lda@gmail.com

JUNTO AO HOSPITAL VELHO EM TAVIRA


22  |  17 de Abril de 2014

zzz

anúncios

ZZZ pág. ##

ı

necrologia Funerárias: Sítio da Palmeira LUZ DE TAVIRA Tel. /Fax: 281 961 170

SERVIÇO PERMANENTE 24h

Av. Maria Lizarda MONCARAPACHO Tel: 289 798 380

FUNERAIS | CREMAÇÕES | TRASLADAÇÕES ARTIGOS RELIGIOSOS MANUTENÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS FLORES Tlms: 966 019 297 (Carlos Palma)

963 907 469 (Gonçalo Correia)

AO DIVINO ESPÍRITO SANTO AO MENINO JESUS DE PRAGA AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS NOVENA INFALÍVEL Ó Jesus que disseste: “Pede e receberás, procura e acharás. Bate e a porta se abrirá”. Por intermédio de Maria Vossa Mãe Santíssima, eu bato, procuro e Vos rogo que minha prece seja atendida. Menciona-se o pedido). Ó Jesus que disseste: “Tudo que pedires ao Pai em meu nome, Ele atenderá”. Com Maria, Vossa Santa Mãe, humildemente rogo ao Pai em vosso nome que minha prece seja ouvida. (Menciona-se o pedido).

Ó Jesus que disseste: “- O Céu e a terra passarão, mas a minha palavra não passará”. Com Maria, Vossa Mãe Bendita, eu confio que a minha oração seja ouvida. Menciona-se o pedido). Rezar 3 ave-marias e uma salvé-rainha. Em casos urgentes, esta novena deverá ser feita em 9 horas. Mando publicar por ter alcançado uma grande graça. Agradece. C.F.

funerariapedro@sapo.pt funeraria_pedro@sapo.pt

funerariapviegas@sapo.pt

Empresa recomendada

Rua Soledade 19 OLHÃO Tel. 289 713 534

geral@funerariacorreia.pt - www.funeraria correia.pt

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, 1 de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. G.L. SANTA CATARINA DA FONTE DO BISPO TAVIRA

TAVIRA Rua Dr. Miguel Bombarda n.º 25 Tel. - 281 323 983 - 281 381 881 LUZ DE TAVIRA EN 125, n.º 32 – Tel. - 281 961 455

SANTA MARIA – TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO – TAVIRA

VILA REAL STO. ANTÓNIO Rua 25 de Abril n.º 32 – Tel. - 281 541 414 FUNERÁRIA PATROCÍNIO Tlm. - 968 685 719 Rua João de Deus, n.º 86 – Tel. -281 512 736 IDALÉCIO PEDRO Tlm. - 964 006 390

97 ANOS

Serviços Fúnebres Coroa de flores artificiais c/ moldura, cartões memoriais, livro de condolências e serviço de água no velório

Solicite orçamento antes de decidir AGÊNCIA

MARIA ROSA

FUNERÁRIA

AGRADECIMENTO Os seus familiares cumprem o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido, realizado no dia 08 de Abril, para o Cemitério de Santa Catarina da Fonte do Bispo, bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade.

VALENTIM EMÍDIO DO CARMO 08-10-1935 / 13-04-2014

“Paz à sua Alma”

AGRADECIMENTO

Agência Funerária Malha, Lda. Tel. 282 418 573 Tem. 967 023 793 Funerariamalhahotmail.com

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

SANTIAGO – TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

SANTIAGO – TAVIRA SANTA LUZIA - TAVIRA

CASTRO MARIM SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

ANTÓNIO MARQUES DOS SANTOS

CARMINDA ROSA MACHADO

ROSA MARTINS MADEIRA

06-01-1921 / 10-04-2014

02-12-1925 / 12-04-2014

15-11-1914 / 12-04-2014

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Tavira

969 003 042

Emergência 24 horas

965 040 428

Vila Real Sto. António

962 406 031

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos o acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Santos & Bárbara, Lda FUNERAIS - CREMAÇÕES - TRASLADAÇÕES PARA TODO O PAÍS E ESTRANGEIRO

Tel. : 281 323 205 - Fax: 281 323 514 • 965 484 819 / 917 764 557 ATENDIMENTO PERMANENTE - OFERTA DE ANÚNCIO DE NECROLOGIA E CARTÕES MEMÓRIA Artigos Funerários e Religiosos / Catálogo de Lápides e Campas


17 de Abril de 2014  |  23

> > SOLUÇÃO da edição passada

> > ASSINALE A FRASE CORRETA

…… Comi uma pêra antes do almoço.

…… O meu cão está a perder pêlo. …… O meu cão está a perder pelo.

;; Comi uma pera antes do almoço

Sobe & desce

Esta é uma iniciativa das Bibliotecas Paula Nogueira do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira (Olhão) em parceria com a Casa da Juventude de Olhão e o POSTAL, que semanalmente divulga os problemas e as soluções deste jogo. VáriasescolasdoAlgarve jáaderiramàiniciativa:AEProfessorPaulaNogueira(Olhão)/AEdaSé(Faro)/AED.AfonsoIII(Faro)/AEDr.AlbertoIria(Olhão)/ColégioBernardetteRomeira(Olhão)/AEDr.JoãoLúcio(Fuseta)/AEdeEstoi(Faro)/AEJoaquimMagalhães(Faro)/AEdoMontenegro(Faro)/AEdeCastroMarim (Vila Real de St. António) / AE Professora Diamantina Negrão / (Albufeira) / Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Mega Agrupamento de São Brás de Alportel) / Escola Secundária João de Deus (Faro) / Agrupamento de Escolas D. Paio Peres Correia (Tavira) / Casa da Juventude (Olhão) / Postal do Algarve. Convidamos todas as escolas e bibliotecas, interessadas em aderir ao Jogo da Língua Portuguesa e receber os materiais para o mesmo, a contactar: biblioteca.epnogueira@gmail.com ou jornalpostal@gmail.com.

Mão amiga

Guadiana

É um entre muitos exemplos de solidariedade na região, o nome é ACASO e todos os dias é a mão amiga de centenas de olhanenses e algarvios. Há gente a ajudar o país a sobreviver à crise e à fome (Ler págs. 2 e 3).

Esperar tem sido uma arte para os alcoutejanos e parece ser o que lhes resta quanto ao desassoreamento do Guadiana. Espanha avança com os trabalhos na foz, mas para norte da ponte cabe ao sempre atrasado Portugal (Ler pág. 9).

O postal alterou o e-mail da redacção:

Pai, tiveste medo?

jornalpostal@gmail.com

ficha técnica

Beja Santos Sede: Rua Dr. Silvestre Falcão, n.º 13 C - 8800-412 Tavira - Algarve Tel: 281 320 900 | Fax: 281 320 909 E-mail: jornalpostal@gmail.com On-line: www.postal.pt Director: Henrique Dias (CP 3259). Editor: Ricardo Claro (CP 9238). Redacção: Cristina Mendonça (CP 3258), Humberto Ricardo (CP 388), Pedro Ruas. Design: Profissional Gráfica. Colaboradores fotográficos: José A. N. Encarnação “MIRA” Colaboradores: Beja Santos (defesa do consumidor), Nelson Pires (CO76). Departamento Comercial, Publicidade e Assinaturas: Anabela Gonçalves, José Francisco, José Cassapo. Propriedade do título: Henrique Manuel Dias Freire, inscrito sob o nº 211 612 no Registo das Empresas Jornalísticas. Edição: Postal do Algarve - Publicações e Editores, Lda. Contribuinte nº 502 597 917. Depósito Legal: nº 20779/88. Registo do Título (dgcs): nº 111 613. Impressão: Naveprinter Distribuição: Banca - Logista, à sexta-feira com o Público/VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda e CTT.

Assessor do Instituto de Defesa do Consumidor e consultor do POSTAL

“Pai, tiveste medo?”, por Catarina Gomes, Matéria-Prima Edições, 2014, é uma abordagem original da história da guerra colonial, até hoje não enveredada: o registo de depoimentos de quem a descobriu através da memória dos pais. São relatos em que só o afectivo é enaltecido, não há território nem espaço de manobra para censuras, vitupérios ou ajustes de contas, nem remorsos. Para os filhos desses combatentes, parece que o tempo sarou feridas, limpou malquerenças. Em sequência, a autora, que soube timbrar todos estes relatos den-

8.075 exemplares

tro de uma inequívoca atmosfera jornalística, põe a desfilar um prisioneiro de guerra que será resgatado em Conacri e recebido triunfalmente em Sesimbra; um fuzileiro sofredor de stresse pós-traumático e que pôs a família a viver num inferno; Marisa que descobre na mala do pai o imaginário de um militar que queria vencer a solidão e que escrevia febrilmente para várias madrinhas de guerra; Maria Júlia Deitado, filha ilegítima do cabo FZE 9375 demorou décadas a descobrir a sua mãe guineense, é talvez o relato mais empolgante deste encadeado de narrativas em que a guerra colonial é vista ao caleidoscópio pelos filhos dos combatentes de então... Mas há mais, o leitor irá descobrir a importância de uma cabeça de veado embalsamada, Mariama tem a fotografia do seu pai tirada na União Soviética, Serifo Sambú era piloto aviador, Mariama vive em Portugal e gosta de saber que o seu pai tem um nome respeitado na

d.r.

Guiné; o filho de Hugo Ventura, piloto que desapareceu no ar, em Moçambique, sem deixar rasto, guarda o dossiê desse pai que perdeu quando tinha dois anos; um maqueiro à força na Guiné devotou-se a ajudar a população, em Mampatá, o filho, médico, fascinou-se com as histórias que o pai lhe contou na infância e juventude, pai e filho, cada um pelo seu próprio caminho, mantêm-se ligados à Guiné… e há o filho do mítico capitão João Bakar Jaló, comandante da primeira companhia de comandos africana; e há um militar que escreveu um livro sobre a sua experiência dolorosa, a guerra para ele acabou no dia em que perdeu uma perna; e há também uma pára-quedista e há Pedro Luqueia de Santarém que foi apanhado em menino durante uma operação em Angola e que continua a ir aos almoços convívios do Esquadrão de Cavalaria 122, foram estes militares que o trouxeram… Não é um livro sobre a his-

ÔÔ A escritora Catarina Gomes tória da guerra colonial, quem depôs para este livro nem conhece os outros. A jornalista foi à procura de histórias em que os filhos verrumaram túneis de escuridão, desafiaram silêncios, aprenderam a amar os pais graças a uma experiência que acabou por os deslumbrar. Teresa Capítulo é filha do soldado Capítulo que foi prisioneiro do PAIGC em Conacri, conheceu 33 meses de cativeiro, foi liberto na operação Mar Verde. Resgatado, não pôde revelar a ninguém de que modo tinha sido resgatado e voltara a Portugal. “A 4 de dezembro de 1970, Sesimbra encheu-se de um mar

de gente para o receber, tanto que mais parecia o dia da procissão do Senhor Jesus das Chagas, padroeiro dos pescadores, assim lhe descreveram o acontecimento para que Teresa percebesse o tamanho da multidão que o esperava”. Pai e filha conversaram muito, há um álbum com as imagens desse tempo de guerra, antes do aprisionamento. E há os relatos da prisão. O pai prestou um depoimento, gravou-o em vídeo para a sua junta de freguesia. Ainda hoje em Sesimbra continua a ser conhecida como “a filha daquele rapaz que esteve lá fora, a filha daquele que esteve preso”.

receio de não ter como pagar a próxima renda e conta da luz? Por vezes é preciso mudar. Mudar tudo. Virar a vida ao avesso. Minimalizar em absoluto. Perder quase tudo. Viver com quase nada. Por vezes é necessário rasgar padrões, perder estatutos, desligar o botão do “o que é que vão pensar?” e ir viver com os pais ou com os tios ou vinte patamares abaixo do era habi-

tual. Por vezes é preciso ir embora, ficar longe de quem mais se ama, para ter como voltar. E recomeçar. Viver dá medo. Um medo do caraças. Mas surgem épocas em que, para se poder viver aos comandos da vida, é preciso encontrar a coragem de virar tudo ao contrário, quebrar as estruturas e começar de novo. Do zero. Ou quase.

Pergunto-me...

Membro: APCT - Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação; API - Associação Portuguesa de Imprensa.

Tiragem desta edição:

opinião

Ana Amorim Dias - Escritora

www.anaamorimdias.blogspot.com anamorimdias@gmail.com

Pergunto-me quantas pessoas precisam de mudar as suas vidas. Quantas pessoas passam os dias, os meses e os anos a protelar decisões de fundo por falta de coragem? Quantas pessoas não gostam do que fazem? Quantas estão acomodadas em relacionamentos sem futuro nem sentido ou emoção por puro medo de ficarem sós? Quantas têm uma vida medí-

ocre e adormecida, ganhando menos do que poderiam ou perdendo os seus talentos por falta de “oportunidades”? Digam lá, se souberem, quantas pessoas conhecem que acordam para cada novo dia sem qualquer entusiasmo, apenas para se arrastarem em piloto automático até à hora de adormecer de novo? Quantas dormem mal? Quantas vivem no


visite-nos em

www.postal.pt

Tiragem desta edição:

8.075 exemplares

O POSTAL regressa no dia 9 de Maio

última Aberto acesso da Praia da D. Ana em Lagos Trabalhos de recuperação concluídos antes da Páscoa O PRINCIPAL ACESSO À PRAIA DA D. ANA, no concelho de La-

gos, cuja escadaria de madeira foi destruída pelo mar em Fevereiro, deve ser aberto esta semana, disse à Lusa a presidente da autarquia. “O acesso de madeira está a ser reconstruído, prevendo-se que os trabalhos de recuperação fiquem concluídos antes da Páscoa, para permitir o acesso ao areal”, disse Joaquina Matos, presidente da Câmara de Lagos. A escadaria de madeira ficou parcialmente destruída pelo mar aquando do temporal que fustigou a costa portuguesa em Fevereiro, ficando vedado o acesso principal à praia da D. Ana, considerada como um dos

d.r.

“ex-líbris” daquela cidade algarvia. De acordo com Joaquina Matos, as condições climatéricas registadas nas últimas semanas “impediram que os trabalhos de reconstrução” da escadaria se iniciassem mais cedo. “Tendo em conta a importância desta praia, verdadeiro cartão de visita para a cidade, é fundamental proceder à recuperação o mais depressa possível, a tempo de receber os muitos turistas esperados durante a época pascal”, sublinhou a autarca.

PRAIA APRESENTA RISCOS A D.

Ana é uma das praias algarvias que apresenta riscos para os banhistas, aguardando há

ÔÔ A escadaria antes dos temporais de Fevereiro vários anos por trabalhos de consolidação das arribas e pub

alargamento do areal. A intervenção, prevista

desde 1999 no Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Vilamoura/Burgau, prevê a consolidação das arribas, para minimizar os efeitos da erosão, e o alargamento do areal em cerca de 25 metros, com a recarga de 150 mil metros cúbicos de areia. A empreitada de alargamento e consolidação das arribas na praia da D. Ana, orçada em cerca de dois milhões de euros, chegou a ser iniciada em 2009, mas foi suspensa dias depois, devido a um erro técnico no projecto. “Neste momento decorre o concurso público e prevemos que os trabalhos, da responsabilidade da Agência Portuguesa do Ambiente, tenham

início depois da época balnear”, acrescentou a presidente da autarquia. Segundo Joaquina Matos, a segurança dos frequentadores daquela praia “continuará a ser uma preocupação”, mas assegura que “as zonas junto das arribas que oferecem menos segurança serão devidamente sinalizadas”. “Penso e espero que as pessoas respeitem todos os avisos e que não haverá risco para a frequência da praia”, disse a autarca. A presidente da Câmara de Lagos lembrou que as arribas “apresentam riscos de derrocada e as pessoas devem ter consciência e respeitar os perímetros de segurança”. Lusa pub

POSTAL 1122 - 17 ABR 2014 pdf  

• VEJA O POSTAL DESTA SEMANA • Sexta-feira 18/4) nas bancas com o PÚBLICO • Partilhe o que é indispensável saber sobre o Algarve • EM DEST...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you