Issuu on Google+

PUB

Director Henrique Dias Freire • Ano XXVI • Edição 1116 • Semanário à sexta-feira • 17 de Janeiro de 2014 • Preço € 1 ÀS SEXTAS EM CONJUNTO COM O PÚBLICO POR €1,60

EM FOCO 2 INE REVELA TAXA DE DESEMPREGO A CAIR HÁ DOIS TRIMESTRES 3 MACÁRIO CORREIA A CAMINHO DA ALGAR 4 FARO APOSTA NA REVITALIZAÇÃO DO COMÉRCIO LOCAL 5 IGREJAS DE FARO DE CARA LAVADA 6 VOLTA AO ALGARVE CELEBRA 40 ANOS EM FEVEREIRO 7

Desemprego regional a cair nas estatísticas do INE

> A taxa de desemprego no Algarve relativa ao

terceiro trimestre de 2013 fixou-se nos 13,8%, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística. Assim, o valor cai pelo segundo trimestre consecutivo e revela uma descida de 3,1% face ao trimestre anterior. Não obstante, o número de inscritos nos centros de emprego continua a crescer p. 3

ricardo claro d.r.

Apatris 21: uma luta Solitária

PS/Algarve:

António Eusébio abre 2014 político

Maria Augusta Pereira: Aos comandos da associação que luta pelo presente e futuro dos

portadores de trissomia 21 esta médica internista é o rosto de um percurso duro e solitário em prol da integração da diferença na sociedade > 2 d.r.

CICLISMO

Contador nos 40 anos da Volta ao Algarve

ECONOMIA & AMBIENTE

Águas do Algarve lança nova obra

>7

>8

d.r.

EMPRESAS > A regressar timidamente ao in-

vestimento em tempo de crise, a Águas do Algarve lançou o concurso público para a construção da ETAR de Vila do Bispo e Sagres, que tratará os esgotos das populações do extremo sudoeste do Algarve. 2, 5 milhões de euros é o custo p. 3

Macário na rota do poder na ALGAR

>4 PUB

TAVIRA

d.r.

PATRIMÓNIO

A Santa Casa da Misericórdia de Pedro Tavira é uma das mais importantes do concelho e tem Nascimento instituições agora um novo presidente, Pedro Nascimento. O novo rosto susbtitui preside Manuel Romana Martins e prometudo fazer em prol da instituição à Santa Casa tee dos seus utentes >

p. 4

Igrejas de Faro apresentam-se de cara lavada >6

INICIATIVA

Revitalização da baixa na agenda de Faro

>5

Veja anúncio pág. 12


pub

2  |  17 de Janeiro de 2014

em foco

ZZZ pág. ## ZZZ pág. ## Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Apatris 21, uma luta solitária A associação algarvia luta incansável, largamente só e convicta contra o esquecimento de uma região que maioritariamente está de costas para a problemática da trissomia 21 Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

MARIA AUGUSTA PEREIRA ASSUMIU A PRESIDÊNCIA DA APATRIS 21 EM 2009, mas desde o

início da associação que integrou as fileiras da luta por

D.R .

um futuro integrado e tão lato quanto possível dos portadores de trissomia 21 na sociedade algarvia em particular e nacional em geral.

A luta recua até 2000, data da constituição da associação, mas Maria Augusta Pereira, médica internista (especialista em medicina interna) vive-a há muito mais tempo. Mãe de um rapaz com trissomia 21 conhece por dentro e por fora os óbices de lutar contra a patologia, contra a indiferença e, acima de tudo, contra a ignorância e mesmo a má gestão da diferença que grassa um pouco por toda a sociedade. No Algarve, refere a especialista, “acreditamos que existam cerca de 100 pessoas afectadas pela trissomia 21”, mas, esclarece, “não é fácil identificar todos os casos”, em particular, “as pessoas em idade adulta e que têm menor interacção social, porque nestes casos estão muitas vezes em casa e é difícil o despiste das situações”. Uma centena face à qual a maioria das pessoas e empresas da região estão

de costas voltadas, seja por ignorância, seja por inércia. É exactamente com esta situação no terreno que “temos de acabar”, frisa a responsável da APARTRIS 21.

VIVER SEM APOIOS A associação recebe apenas um apoio exíguo do Ministério da Saúde enquanto Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), apesar da utilidade pública que lhe foi reconhecida em 2004. Da Segurança Social a APATRIS não recebe nenhum apoio e o mesmo se passa com as autarquias que parecem ignorar esta associação de âmbito regional. Mesmo a Câmara de Faro, que apoiava a instituição no âmbito de um programa de apoio às escolas, deixou de ajudar depois da entrada de Macário Correia para a presidência, lamenta a presidente da associação, mas, esclarece, está na calha a cedência pela autarquia farense de novas instalações para a sede da associação, prometidas para muito breve por Rogério Bacalhau, o actual autarca. No sector empresarial privado só uma única empresa apoia a APATRIS 21. Parece impossível, mas é a realidade, no universo de milhares de empresas regionais a trissomia 21 fica esquecida e com ela a possibilidade de dar mais e melhor a quem se debate com esta patologia. Neste âmbito, destaque para a Missão Sorriso que ajudou em Setembro a APATRIS 21 com um donativo que permitiu à associação sobreviver e melhorar os cuidados que presta nas mais variadas vertentes, do apoio aos portadores da patologia até ao acompanhamento dos seus cuidadores, das terapias nas áreas da fala, motricidade, ocupacional e psiquiátrica, à ajuda na integração para o dia-a-dia ou no mercado de emprego. AJUDAR AQUI E AGORA O de-

safio para a sobrevivência da APATRIS 21 e para manter o

apoio que a associação presta não só aos portadores de trissomia 21, mas também a outros doentes com patologias na área da deficiência, nomeadamente mental, cabe a todos e cabe-nos aqui e agora. “Todas as ajudas são bem-vindas”, diz Maria Augusta Pereira, do voluntariado ao apoio financeiro, ou simplesmente utilizando a nossa clínica social. Este é, aliás, um dos projectos mais notórios da APATRIS 21, a “Clínica 21”, situada em Faro na zona da Capela de São Luís. Uma clínica social aberta a toda a população, que presta cuidados de saúde a preços convidativos em várias áreas, nomeadamente a medicina interna, a clínica geral e a enfermagem, mas também nas áreas de psiquiatria, pediatria do desenvolvimento, terapia da fala, fisioterapia e terapia ocupacional e, ainda, nas valências de psicomotricidade, dietética e nutrição, psicologia clínica e psicologia educacional. Um conjunto de ofertas de assistência clínica com convenções com seguradoras que garante assistência de excelência e que pelas consultas prestadas aos utilizadores consegue depois ter fundos para dar assistência médica aos utentes portadores de trissomia 21 e outras patologias apoiadas pela APATRIS 21. Assim, com a escolha da Clínica 21 para tratarmos da nossa saúde, estamos, simultaneamente, a ajudar a APATRIS 21 e nada melhor do que uma situação em que todos saímos a ganhar, porque a região tem que deixar de ignorar quem nasceu diferente e passar a dar atenção a todos os que no dia-a-dia lutam por um Algarve mais inclusivo, mesmo aqueles que são menos conhecidos do público em geral. O desafio está lançado, ajude, vai ver que não custa nada.

A, B, C da Trissomia 21 ÔÔ A trissomia 21 é uma patologia congénita (que nasce com a pessoa) devida à presença de um cromossoma a mais no par 21, ou seja, em vez dum par de cromossomas no lugar 21, encontramos três cromossomas. Este facto provoca um conjunto de características próprias da patologia que variam em cada indivíduo portador. John Down, nos finais do século XIX, detectou particularidades em determinadas crianças de váriaas latitudes do mundo que as tornavam particularmente semelhantes apesar da distância geográfica entre os locais do seu nascimento. Só no século XX, 1958, o médico francês Jérôme Lejeune conseguiu identificar o problema ao identificar que as pessoas com trissomia 21, ao invés de terem 46 cromossomas por célula, têm 47. A identificação da presença desta imponderável genética nos fetos deve e pode ser feita através do seguimento médico pré-natal. Um portador de trissomia 21 pode apresentar todas ou algumas condições físicas típicas, entre elas olhos amendoados, uma prega palmar transversal única (também conhecida como prega simiesca), dedos curtinhos, fissuras palpebrais (formato dos olhos) oblíquas, ponte nasal achatada, língua protrusa (que tem tendência a sair da cavidade oral devido à pequena dimensão desta), pescoço curto, pontos brancos nas íris, uma flexibilidade excessiva nas articulações, defeitos cardíacos congénitos, espaço excessivo entre o primeiro e o segundo dedo do pé.


pub

17 de Janeiro de 2014  |  3 PORTAS GRADES AUTOMATISMOS

MUNDITÁLIA

E FIXAÇÃO MOLAS TÉCNICAS WPC

região

Importação e Exportação Lda

PARAFUSARIA

A solução da fábrica para os profissionais com ou sem serviço de montagem

Morada: Estação de Loulé, Passagem de Nível 6 A, 8100-306 Loulé  +351 289 356 580 •  +351 289 356 581 •  munditalia@sapo.pt

INE revela taxa de desemprego a cair há dois trimestres Número de desempregados nos centros de emprego está a aumentar Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A TAXA DE DESEMPREGO NO ALGARVE ESTÁ EM QUEDA HÁ DOIS TRIMESTRES CONSECUTIVOS e era, no terceiro trimestre

de 2013, de 13,8%, menos 3,1% do que no trimestre anterior. Este é o resultado apurado pela análise dos dados estatísticos mais recentes disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), relativos ao terceiro trimestre de 2013, mas nem tudo são rosas e os números de inscritos nos centros de emprego do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) na região mostram outra realidade. Está pois fora de questão falar em recuperação sustentada, ou sustentável, do emprego no Algarve. De acordo com o INE, desde o início de 2013 que os valores da taxa de desemprego estão em queda no Algarve, com 20,5% para o primeiro trimestre, 16,9% para o segundo e 13,8% para o terceiro trimes-

tre. Uma situação que apresenta um comportamento de evolução similar ao ano de 2012, onde nos três primeiros trimestres a descida foi também uma constante com os valores a fixarem-se em 20% (1 T), 17,4% (2 T) e 14,7% (3 T). Em 2012 o quarto trimestre fechou com uma taxa de desemprego de 19,7%. Este comportamento das estatísticas de desemprego na região é largamente explicado pela sazonalidade do emprego no Algarve provocada pela predominância do sector do turismo na economia local. A taxa de desemprego actual é a mais baixa dos últimos dois anos e volta a colocar o Algarve, tal como em 2012, com taxas de desemprego mais baixas do que a média nacional no terceiro trimestre do ano. Nos restantes trimestres de 2012 e 2013 a taxa regional de desemprego é sempre maior do que a média do país. Em termos homólogos a taxa de desemprego no Algarve para o terceiro trimestre

d.r.

desceu em 2013, face a 2012, 0,9%, caindo de 14,7% para 13,8%.

COMO ESTÁ O PAÍS A taxa de desemprego nacional está também em queda há dois trimestres consecutivos e é agora de 15,6%, menos 0,8% do que no trimestre anterior, revelam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). De acordo com o INE, Portugal registou 17,7% de taxa de desemprego no primeiro trimestre, 16,4% no segundo e 15,6% no terceiro trimestre. Um comportamento inverso de evolução face ao ano de 2012, onde nos três primeiros trimestres a subida foi uma constante com os valores a fixarem-se em 14,9% (1 T), 15% (2 T) e 15,8% (3 T). Em 2012 o quarto trimestre fechou com uma taxa de desemprego de 16,9%. Também em termos homólogos, a taxa de desemprego nacional caiu de 15,8% no terceiro trimestre de 2012 para os 15,6% para o mesmo período de 2013, menos 0,2%.

dos centros de emprego (CE) algarvios é bem diferente dos resultados obtidos pelo INE. Em 2013 todos os meses do ano até agora com dados apurados tiveram mais inscritos nos CE do que os meses homólogos de 2012. A começar nos 41.546 ins-

critos em Janeiro de 2013, só a partir de Março o número de processos nos CE caiu, depois de em Fevereiro se ter registado o mais alto número de inscritos na região com 42.181 pessoas. Em queda desde Março (inclusive) até Agosto, os inscritos nos CE regionais dispararam em Setembro para 31.161 pessoas desempregadas, mais 1.518 do que no mês anterior. Em Novembro de 2013, últimos dados disponíveis, estavam inscritos nos CE do Algarve 40.148 desempregados, mais 1.899 pessoas do que no mesmo mês do ano de 2012. Assim, ao desemprego que desce em taxa nos dados do INE, contrapõe-se a dura realidade de aumentar em termos absolutos nos dados dos CE da região, porque da população activa que ainda resiste a ficar no Algarve há efectivamente mais pessoas a procurarem emprego nestes serviços. Falar, pois, de uma recuperação do emprego na região está pois ainda de longe de poder ser uma realidade.

a partir da data da consignação até à data em que a obra esteja toda executada e pronta a funcionar. Entretanto, adiantou ao POSTAL Teresa Fernandes, responsável de comunicação da empresa algarvia, do Grupo Águas de Portugal, as obras na Lagoa dos Salgados, uma das últimas empreitadas no terreno da responsabilidade da empresa, “estão a decorrer a bom ritmo e constituirão, no seu termo, uma importante mais-valia para aquela zona lagunar do concelho de Albufeira”.

ÔÔ Teresa Fenandes

ÔÔ Recuperação do emprego está longe de ser uma realidade na região Os dados do INE são considerados pelos especialistas os mais fiáveis para a análise dos números do desemprego e servem de guia às políticas do Governo nesta matéria.

CENTROS DE EMPREGO COM MAIS INSCRIÇÕES A realidade

VILA DO BISPO E SAGRES

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

OS EFLUENTES QUE ACTUALMENTE SE DESTINAM ÀS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS (ETARs) de

Vila do Bispo, Raposeira e Hortas de Tabual, integradas no sistema multimunicipal de saneamento regional, vão dentro em breve ser desviados para a ETAR de Vila do Bispo e Sagres que a empresa Águas do Algarve vai construir. Em Diário da República foi já publicado o anúncio do con-

curso público para a construção desta nova infra-estrutura que tem um preço base de 2,5 milhões de euros e cujo procedimento foi lançado sem a necessidade de prestação de caução pelas empresas concorrentes. Assim, as três actuais ETARs serão, depois de terminada a obra, desactivadas, garantindo a nova estação de tratamento realizar o adequado tratamento dos esgotos daquelas áreas do sudoeste algarvio. Catorze mil é o número de habitantes - em época alta - que serão abrangidos pelos benefí-

cios resultantes desta obra da empresa responsável pela adução de água e tratamento de esgotos em alta (grandes fluxos) na região. O número de pessoas abrangidas durante a época alta é uma das questões a que todas as obras da Águas do Algarve têm de dar resposta e que faz com que os investimentos da empresa nestas infra-estruturas seja mais elevado. No Algarve este tipo de equipamentos têm de ser pensados para uma população muito maior do que a residente, ainda que esta só se verifique num curto espaço de

tempo, o Verão. A nova ETAR terá um sistema baseado em lamas activadas, em regime contínuo, precedido de pré-tratamento, onde, por exemplo, se vão remover as gorduras ou areias e outras partículas, garantindo assim naquela região do Algarve um padrão de águas lançadas no meio ambiente que cumpra os elevados padrões de qualidade a que a Águas do Algarve se compromete em termos de concessão. A obra tem um prazo de execução de 450 dias contados

ricardo claro

Águas do Algarve avança para nova ETAR


4  |  17 de Janeiro de 2014

região

Igrejas de Faro de cara lavada pág. 6

pub

Clínica Geral Pediatria Medicina Interna Psiquiatria Pediatria do Desenvolvimento Terapia da Fala Fisioterapia Terapia Ocupacional Psicomotricidade Dietética e Nutrição Enfermagem Psicologia Clínica Psicologia Educacional

Macário Correia a caminho da Algar Empresa Águas do Algarve afectada pelas mudanças ricardo claro

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

MACÁRIO CORREIA SERÁ BREVEMENTE NOMEADO ADMINISTRADOR DA ALGAR, a empresa

Consulte os nossos preços Acordos com Médis, Multicare e Allianz saúde e Saúde Prime

Registo na Entidade Reguladora da Saúde sob o nº E115161 Rua Actor Nascimento Fernandes, nº1 – 1ºandar,8000-201Faro Telefone: 289 813 183 Telemóvel: 969 267 369 / 917 753 239 E-Mail: clinicapatris21@gmail.com (15h ás 19h) pub

Encounter Learning Centre Escola de Línguas

responsável pelo tratamento dos resíduos sólidos urbanos da região, uma escolha que surge poucos meses depois de ter deixado a presidência da câmara da capital algarvia. Fonte próxima do processo confirmou ao POSTAL a nomeação do ex-autarca para o lugar e as consequências que a mesma terá nas cadeiras do poder das empresas do sector de águas, saneamento e resíduos na região. É que com a entrada de Macário Correia na Algar, José Perdigão, que tinha deixado a Águas do Algarve para administrar a empresa de resíduos regressa à casa de onde saiu. Macário Correia acaba assim por ficar, no fim das contas, com a posição para que tinha apoiado António Eusébio, ex-presi-

dente da Câmara de São Brás de Alportel, logo quando Hélio Barros deixou a Algar. José Perdigão, sabe o POSTAL, aguarda apenas que a Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública o confirme como administrador executivo da Águas do Algarve. De saída da Águas do Algarve está o actual administrador executivo José Mestre, cujo abandono do lugar tinha já sido proposto à administração do Grupo Águas de Portugal, o que verificará até ao final de Janeiro.

MACÁRIO REFORÇA ALGAR Macário Correia vai assim reforçar a equipa da Algar e fá-lo num momento crucial da empresa que integra uma das áreas privatizáveis nos planos do actual Governo, muito embora fontes próximas do sector consultadas pelo POSTAL afirmem que o cenário da privatização da Algar está ainda longínquo e particu-

ÔÔ Macário Correia vai ser administrador da Algar larmente indefinido. A Algar é detida em 56% pela Empresa Geral de Fomento e em 44% pelo municípios do Algarve e em todas as nomeações para a respectiva Administração houve consenso dos autarcas regionais. Assim, tudo aponta para que o nome de Macário Correia tenha, também ele, sido sujeito ao crivo de aprovação dos seus ex-colegas presidentes de câmara e, sendo assim, vingou.

CURSOS DE PREPARAÇÃO Holanda estagia no Algarve em Maio CAMBRIDGE E IELTS

Recorde-se que a Empresa Geral de Fomento é uma sub-holding do Grupo Águas de Portugal, que é responsável pela área de negócios dos resíduos no gigante empresarial que é detido em 81% pela Parpública (sector empresarial do Estado) e em 19% pela Parcaixa do Grupo Caixa Geral de Depósitos, também ele do sector empresarial do Estado.

SELECÇÃO PREPARA-SE PARA O MUNDIAL DE 2014 NO BRASIL

O ALGARVE VAI ACOLHER A SELECÇÃO HOLANDESA DE FUTEBOL entre 20 e 27 de Maio,

PARA TODAS AS DATAS DE EXAME

CONTACTE-NOS JÁ! “Um encontro para o futuro” Largo do Carmo, Edf. O Seu Café, nº77, 2ºD - Faro ' 289 807 202 - 918 561 846 Ÿ encounterfaro@gmail.com pub

Tractor - Rega, Lda

na preparação do país vice-campeão do Mundo para o Mundial de 2014, no Brasil, anunciou o Turismo da região. “O Algarve volta a ser o destino eleito pela selecção holandesa de futebol para a realização de um estágio antes de uma grande prova internacional, revelou o jornal ‘Algemeen Dagblad’. Segundo a publicação, a ‘Laranja Mecânica’ estará na região de 20 a 27 de Maio, antes do início do campeonato do mundo de futebol no Brasil”, pode ler-se no comunicado divulgado pela Entidade Regional de Turismo algarvia (ERTA). O Turismo do Algarve recorda que a presença da selecção holandesa em Portugal para preparar uma competição internacional acontece “dez anos

depois do Euro2004”, prova que Portugal organizou e na qual eliminou a Holanda nas meias-finais, antes de perder o título no jogo decisivo para a Grécia.

d.r.

REGIÃO MUITO PROCURADA PARA ESTÁGIOS DE INVERNO Desidério Silva, presidente da ERTA, considerou que o estágio da Holanda para preparar o Mundial é “uma excelente notícia para o Algarve”, que é uma “região há muito procurada pelas equipas de futebol holandesas para estágios de Inverno”. A Holanda é também um dos principais mercados emissores de turistas que visitam o Algarve, tendo “gerado 1,4 milhões de dormidas na hotelaria” regional em 2012, acrescentou o Turismo do Algarve, sublinhando que a região dispõe de “diversos campos de

ÔÔ Louis Van Gaal treino municipais e privados, grande parte integrados em hotéis e ‘resorts’”, que oferecem “condições para a prática desportiva durante todo o ano. O Turismo do Algarve refere ainda que a selecção holandesa é treinada por Louis Van Gaal, que tem casa e desloca-

-se frequentemente a Vale do Lobo, no concelho de Loulé. Antes de se deslocar para o Algarve, a selecção holandesa realiza a primeira fase do estágio em Hoenderloo, onde regressa antes de partir para o Brasil, a 5 de Junho, para disputar o Grupo B, com a campeã do Mundo em título, a Espanha, o Chile e a Austrália. O primeiro jogo da Holanda no Campeonato do Mundo do Brasil está marcado para Salvador da Baía, a 13 de Junho, com a Espanha, numa reedição da final do último Mundial, na África do Sul, que a formação espanhola venceu por 1-0, após prolongamento. No dia 18, os holandeses defrontam a Austrália, em Porto Alegre, e a 23 encerram os jogos da primeira fase do Mundial com o Chile, em São Paulo. Lusa


17 de Janeiro de 2014  |  5

pub

região

Faro aposta na revitalização do comércio local

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE TAVIRA EDITAL JOSÉ OTÍLIO PIRES BAIA, Presidente da Assembleia Municipal de Tavira. TORNA PÚBLICO, que em sessão ordinária da Assembleia Municipal de Tavira, realizada no dia 27 de dezembro de 2013, foram tomadas as seguintes deliberações: 1. Aprovada por maioria a proposta da Câmara Municipal número 188/2013/CM, referente à Atualização da Tabela de Taxas, Mapa de Pessoal e Grandes Opções do Plano e Orçamento; 2. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 189/2013/CM, referente à Atribuição de apoio à Freguesia de Cachopo – Consumo de eletricidade - GIPS; 3. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 191/2013/CM, referente à Determinação da taxa de derrama; 4. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 192/2013/CM, referente à Taxa municipal de direitos de passagem;

Candidaturas para “Activar a Baixa!” até final do mês

5. Aprovada por maioria a proposta da Câmara Municipal número 193/2013/CM, referente à Assunção de compromissos plurianuais – Final de 2013; 6. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 199/2013/CM, referente à Alteração da composição do Júri para o procedimento concursal para provimento de cargo de Chefe de Divisão de Projetos, Energia e Obras Municipais 355-Div/13; 7. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 200/2013/CM, referente à Alteração ao regulamento de organização dos serviços municipais;

BRUNO LAJE SÓ TOMOU POSSE COMO PRESIDENTE DA AMBIFARO - Agência para o De-

8. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 201/2013/CM, referente ao Regulamento de apreensões, depósitos e perdas de bens para o Município de Tavira; 9. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 203/2013/CM, referente ao Concurso público com vista ao Fornecimento de gasóleo, gasolina sem chumbo 95 e lubrificantes; 10. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 204/2013/CM, referente ao Empréstimo Quadro – Banco Europeu de Investimento (BEI) “Parque Verde do Séqua – 2ª. Fase”. Para constar e produzir efeitos legais se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume Paços do Concelho, aos 27 dias do mês de dezembro do ano 2013 O Presidente da Assembleia Municipal, José Otílio Pires Baía (POSTAL do ALGARVE, nº 1116, de 17 de Janeiro de 2014) pub

CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA EDITAL Nº 52 /2013 Jorge Manuel do Nascimento Botelho Presidente da Câmara Municipal de Tavira TORNA PÚBLICO, que em reunião de Câmara Municipal, realizada no dia 20 de dezembro de 2013 foram tomadas as seguintes deliberações: 1. Aprovada por maioria a proposta da Câmara Municipal número 202/2013/CM, referente à 16ª alteração ao Orçamento e às Grandes Opções do Plano; 2. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 203/2013/CM, referente ao Concurso Público com vista ao fornecimento de gasóleo, gasolina sem chumbo 95 e lubrificantes; 3. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 204/2013/CM, referente ao Empréstimo Quadro – Banco Europeu de Investimento (BEI) “Parque Verde do Séqua – 2ª Fase”; 4. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 205/2013/CM, referente ao apoio em espécie à Associação Uma Porta Amiga; 5. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 206/2013/CM, referente à atribuição de apoios no âmbito do Festival de Charolas “Cidade de Tavira”; 6. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 207/2013/CM, referente à alteração à tabela de preços do município; 7. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 208/2013/CM, referente à prorrogação de prazo do contrato de prestação de serviços para a elaboração do estudo de mobilidade interurbana – Algarve Central; 8. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 209/2013/CM, referente ao protocolo de colaboração entre o Município de Tavira e a Associação Portuguesa de Dietistas; 9. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 210/2013/CM, referente à doação de Manuais de Formação Inicial de Bombeiro – Revogação da Proposta nº. 77/2013/CM; 10. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 211/2013/CM, referente à E65/09/CP – Empreitada de Construção do Centro Escolar da Horta do Carmo (EB1+JI) – Revisão de preços provisória; 11. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 212/2013/CM, referente à alteração à proposta nº. 247/2004/ CM - Loteamento nº. 1/2002. Para constar e produzir efeitos legais se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume. Paços do Concelho, 20 de dezembro do ano 2013 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL, Jorge Manuel Nascimento Botelho (POSTAL do ALGARVE, nº 1116, de 17 de Janeiro de 2014)

D.R.

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

senvolvimento Económico de Faro, E.M, no final do ano passado, mas já pôs a moribunda agência da Câmara farense a dar cartas no terreno. Importando um projecto associativo que foi iniciado no ano passado pela Faro 1540, Associação e Defesa e Promoção do Património Ambiental e Cultural de Faro, e passando-o para a alçada da Ambifaro, a autarquia passa assim a intervir directamente no mercado de arrendamento imobiliário para comércio e serviços na baixa da cidade como facilitador da integração de novas empresas no tecido produtivo do centro da capital algarvia. A iniciativa, denominada “Activar a Baixa!”, pretende “fomentar a revitalização e a dinamização da zona comercial da Baixa de Faro, estimulando a iniciativa, a criatividade, a inovação e o espírito empreendedor. Por outro lado, o ‘Activar a Baixa!’ procura facilitar a abertura de novos espaços comerciais em lojas que se encontram devolutas e estimular a criação de novos postos de trabalho”, refere a nota de imprensa da câmara.

A NOVO FORMATO DO PROJECTO Ao POSTAL, Bruno Laje

destaca as diferenças entre o projecto quando estava na alçada da Faro 1540 - ainda parceira da iniciativa - e a actual formatação sob os comandos da Ambifaro. “Actualmente, acresce-se na oferta a consultadoria financeira às empresas que se venham a implantar na baixa da cidade através deste programa e a credibilidade resultante de ser uma iniciativa tutelada por uma empresa munici-

ÔÔ Bruno Lage, presidente da Ambifaro pal”, diz o responsável. A selecção dos projectos será realizada através de concurso e destina-se a todos os cidadãos nacionais ou estrangeiros, dando especial atenção a produtos e serviços relacionados com sustentabilidade, ambiente, artes, artesanato, identidade local e/ou regional, inovação, criatividade e cultura e que potencialmente sejam uma mais-valia para o comércio da baixa farense.

AS VANTAGENS A iniciativa irá

proporcionar a cinco empreendedores a oportunidade de desenvolverem o seu projecto comercial em localizações privilegiadas do centro de Faro, com condições de arrendamento gradual e a preços de excepção durante nove meses (Abril a Dezembro de 2014), entre outros benefícios que podem ser consultados no regulamento da iniciativa. As candidaturas encontram-se abertas e podem ser formalizadas até ao próximo dia 31,

através do formulário próprio disponível na página electrónica da Ambifaro em www. ambifaro.wix.com/ambifaro ou na sua página de facebook em www.facebook/ambifaro. Para obter mais esclarecimentos sobre a iniciativa e consultar o seu regulamento os interessados podem contactar a Ambifaro. Os proprietários de lojas que se encontrem devolutas podem aderir a esta iniciativa, disponibilizando os seus espaços para este projecto através de um arrendamento a “custos controlados”. Para isso, os interessados devem contactar a Ambifaro para formalizar o seu interesse na adesão a esta iniciativa. É assim agora mais fácil, com a Ambifaro como facilitadora dos contactos e negócios entre os senhorios e os arrendatários/empresários, investir na baixa da cidade farense, numa intervenção da autarquia liderada por Rogério Bacalhau, que se faz com custo zero para o erário da autarquia.


6  |  17 de Janeiro de 2014 pub

região

Igrejas de Faro de cara lavada Recuperação dá outro brilho ao património edificado d.r.

PODE PASSAR DESPERCEBIDO A MUITOS FARENSES E ALGARVIOS mas a verdade é que as

igrejas de Faro estão de cara lavada desde que nos últimos meses as paróquias decidiram investir em uníssono na recuperação do património religioso edificado da cidade. A diferença mais substantiva está patente na Igreja do Carmo, tutelada pela Ordem Terceira do Carmo, que apresenta agora aos algarvios as torres da igreja restauradas, depois de uma profunda limpeza, com o resto do edifício a dar nota de nova pintura nas cores branco e ocre características. Ali ao lado, a Igreja de São Pedro também foi intervencionada ao nível da pintura e conta agora com o regresso do

ÔÔ A ‘nova’ Igreja do Carmo pináculo que havia caído há três anos sobre um automóvel na via pública. Depois do restauro no museu municipal, a peça arquitectónica de carácter decorativo já foi colocada no telhado do edifício. Outra das edificações res-

tauradas é a Ermida do Pé da Cruz, que se apresenta agora de um branco alvo à população, marcado pelas decorações em tons de cinzento e com o magnífico painel de azulejos a ter agora maior destaque face ao contraste do azul característico com o branco imaculado. Em obras está, ainda, a Igreja do Convento dos Capuchos, situada junto às instalações da Guarda Nacional Republicana, mais um dos edifícios religiosos da cidade que em breve se pode juntar a grupo alargado de edificações beneficiadas pelas intervenções que, ao que o POSTAL apurou junto da Diocese do Algarve, ficaram a cargo das paróquias responsáveis pelos edifícios. Ricardo Claro pub

pub

Rastreio Auditivo Faça a sua Reavaliação Auditiva

GRÁTIS e perto de sua casa Informe-se sobre o dia e hora das nossas visitas :

289 825 075 / 967 757 673 Largo de Camões – Edifício Riamar, Bloco 7 Loja nº 20 - Faro (PERTO DA CP) E-mail:diverproteses.faro@hotmail.com

Protocolos mensais com:

Albufeira: Centro Clínica Arcadas S. João ı Parafarmácia Mais Saúde (Ferreiras) ı Aljezur: Farmácia Aljezur ı Farmácia Odeceixe ı Castro Marim: Cruz Vermelha de Altura ı Faro: Farmácia Almeida ı Farmácia Alexandre ı Farmácia Huguette Ribeiro (Patacão) ı Casa Do Povo Estoi ı Lagoa: Clínica de Lagoa ı Lagos: Clínica Lacobrigense ı Farmácia Praia da Luz ı Farmá-

cia Bensafrim ı Loulé: Clínica de Medicina & Cirurgia - CMC ı Centro Clínico Almancil ı Policlínica Eurosaúde (Quarteira) ı Idealclínica - (Vilamoura) ı Assoc. In-Loco (Salir) ı Olhão: Policlínica Etienne ı Portimão: Policlínica da Mó ı São Brás: Clínica S. Brás ı Silves: Xelclínica ı Clínica Osteoreuma (S.B. Messines) ı Tavira: Cruz Vermelha Tavira ı Parafarmácia Pharmaromus ı Farmácia Tavares (Stº Estêvão) ı Clínica Santiago

-Tavimédico ı Vila do Bispo: Parafarmácia MC Farma (Sagres) ı Vila Real de Sto. António: Clínica S. Cristóvão ı Clínica Stº António ı Baixo Alentejo: Farmácia Saúde Moderna (Relíquias) ı Farmácia Mil Fontes ı Parafarmácia Express Med (B. V. Pinheiros) ı Parafarmácia Express Med (Colos) ı Casa do Povo Stª Clara-a-Velha E ainda em todas as Juntas de Freguesia do Algarve e Baixo Alentejo


17 de Janeiro de 2014  |  7

região

ZZZ pág. ##

Volta ao Algarve celebra 40 anos em Fevereiro Pelotão disputa quatro etapas e um contrarrelógio individual A 40ª EDIÇÃO DA VOLTA AO ALGARVE REGRESSA ÀS ESTRADAS da região entre 19 e 23

de Fevereiro, voltando a contar com cinco etapas, apresentando um percurso variado e equilibrado. O pelotão vai disputar quatro etapas em linha e um contrarrelógio individual. A Volta ao Algarve assume-se, uma vez mais, como uma prova de preparação para as clássicas da Primavera e para as principais corridas por etapas no calendário WorldTour, oferecendo traçados selectivos, no habitual sobe e desce da região. A abrir e a fechar a competição, se tudo correr conforme o expectável, serão os sprinters a brilhar. O segundo dia será

também para homens rápidos, mas com um traçado mais selectivo, com a etapa mais longa da prova que ultrapassará os duzentos quilómetros. A terceira etapa será um contrarrelógio individual, mas, desta vez, mais curto do que o habitual, deixando a corrida aberta a um leque alargado de corredores. O percurso contempla ainda uma chegada em alto, na quarta etapa, que promete revelar-se como um momento decisivo da 40ª edição da Volta ao Algarve.

VOLTA DISPUTADA POR GRANDES NOMES DO CICLISMO Cân-

dido Barbosa, director desportivo da prova, afirma que

“a Volta ao Algarve, à semelhança dos anos anteriores, voltará a ser um grande espectáculo desportivo. Trata-se da prova de ciclismo realizada em território nacional com maior impacto internacional, sempre com a presença de um notável pelotão. Este ano é especial, já que celebra a sua 40ª edição, e é nossa ambição proporcionar uma prova capaz de orgulhar toda a região. Além da componente desportiva, convém recordar que esta corrida representa um importante impacto socioeconómico directo para o Algarve, com a promoção da região graças à presença de grandes nomes do ciclismo internacional”. pub

O nosso objetivo é causar-lhe uma boa IMPRESSSÃO

Design Gráfico Impressão Digital e Offset Cartazes, Flyers, Desdobráveis, Carimbos, Folhetos, Catálogos, Portofolios, Livros e Revistas Tel. 281 322 622 - Fax: 281 322 392

geral@tipografiatavirense.com - www.tipografiatavirense.com Rua Maria Campina, Bloco B, Lote 4, Cave Dta. 8800-418 TAVIRA pub

FAZEMOS TODO O TIPO DE TRABALHOS TOPOGRÁFICOS à Levantamentos Topográficos à Medições de Áreas à Implantação de Edifícios à Implantação de Urbanizações à Cálculos de Volumes de Terras à Executam-se trabalhos com GPS tel 281 325 647 • fax 281 325 781 • tlm 917 811 380 • topogarve@mail.telepac.pt Praceta Baltazar G. Lobato, 4-A (em frente às Escolas Primárias da Estação da CP) 8800-743 Tavira

Num pelotão que ainda não se encontra fechado, sobressaem já três equipas e corredores do WorldTour. A Tinkoff-Saxo vai apresentar-se com os dois portugueses da equipa, Sérgio Paulinho e Bruno Pires, e com o chefe de fila incontestado, Alberto Contador. A Lampre-Merida também vai alinhar com os dois lusos do plantel, o campeão mundial de fundo, Rui Costa, e Nelson Oliveira. A Belkin traz ao Algarve uma das jovens estrelas em ascensão, Wilco Kelderman, que inicia no Algarve uma temporada em que tem como meta lutar pela camisola da juventude na Volta a Itália.

d.r.

ÔÔ Alberto Contador integra as fileiras da Tinkoff-Saxo pub


8  |  17 de Janeiro de 2014

região Consultório do Consumidor Facturas e recibos de pagamento “Durante quanto tempo devo guardar as facturas e recibos de pagamento?”

A DECO responde... Há consumidores que guardam todos os papéis com medo de deitar fora algo essencial e aqueles que não hesitam em pôr tudo no caixote do lixo. Como diz o ditado popular, “no meio está a virtude”. Ficam aqui alguns exemplos de quanto tempo deve guardar esses documentos: • Seis meses: Água, luz, gás, telemóvel e Net - O pagamento dos consumos tem de ser exigido no prazo de seis meses. Guarde as facturas e os comprovativos de pagamento durante, pelo menos, meio ano. • Dois anos: Produtos: Só comprovando a compra é que pode exigir a garantia do bem, em caso de defeito ou avaria. Guarde a factura ou o certificado de garantia de um computador, electrodoméstico ou mobiliário durante, pelo menos, dois anos. Algumas marcas dão garantias superiores: nesses casos, arquive os comprovativos durante mais tempo. Serviços: As oficinas são obrigadas a assegurar um serviço sem defeitos: mão-de-obra e peças substituídas têm garantia de dois anos. • Três anos: Dívidas de saúde: Se, passados três anos, a dívida a uma instituição pública de saúde não tiver sido reclamada, não é obrigado a pagar nem a comprovar que pagou. No caso de instituições e serviços médicos particulares, o prazo é reduzido para dois anos. • Quatro anos: Documentos do IRS: Os comprovativos dos rendimentos e das despesas declaradas no IRS (como facturas de educação ou saúde, declarações do banco, da seguradora ou da entidade patronal) devem ser guardados durante quatro anos. Até ao final desse prazo, o Fisco pode pedir a confirmação dos dados inseridos no IRS se for alvo de uma inspecção fiscal. • Cinco anos: Imóveis: Para accionar a garantia da casa, apresente a escritura pública de compra e venda ou o documento particular. Se não tiver, peça uma cópia no cartório notarial onde foi realizada. Caso contrate um serviço de empreitada, a factura das obras deve ser guardada durante, pelo menos, cinco anos.

PS/Algarve abre 2014 com jantar político

OPINIÃO Ana Amorim Dias - Escritora www.anaamorimdias.blogspot.com anamorimdias@gmail.com

António Eusébio aponta baterias ao Governo Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A COMEMORAÇÃO DOS REIS FOI A PRIMEIRA OPORTUNIDADE DO PS/ALGARVE para

dar uso à nova mensagem forte do partido “Eu quero um novo rumo para Portugal”, num jantar realizado em Faro e que contou com a presença de Miguel Laranjeiro, membro do secretariado nacional do PS. A presidir ao evento, que marca o início do ano civil político de 2014, esteve o presidente da federação algarvia dos socialistas, António Eusébio, que actualmente ocupa o cargo de primeiro-secretário da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL). Os socialistas prometem não baixar os braços na luta por aquelas que consideram ser as principais preocupações do partido a nível regional e fazem adivinhar um ano de 2014 pautado pela intensa intervenção política a que o actual presidente da federação já nos habituou e de

que as recentes intervenções sobretudo na área da saúde, têm dado nota. Uma presença na agenda política regional que o PS/Algarve sabe ser absolutamente necessária com as eleições europeias à porta, acto eleitoral onde o partido tem a oportunidade de levar os portugueses a darem ao Governo um voto de descontentamento, o que pode ser especialmente difícil, tendo em conta que a votação está agendada para dia 25 de Maio e a saída da troika de Portugal está marcada para uma semana antes (17 de Maio), o que poderá significar para o Governo uma forte arma de arremesso político para o acto eleitoral. António Eusébio sabe-o e sabe também que já estamos a caminho das legislativas e que, no Algarve como no país, há que quebrar a performance política do Governo, do PSD e do CDS-PP até 2015, se se quer ver o PS com Seguro a liderar Portugal depois das eleições.

d.r.

ÔÔ António Eusébio

GOVERNO E AUSTERIDADE NA MIRA Não espanta por isso que

a perícia política de António Eusébio o faça apontar baterias contra o Governo Central e nada de diferente seria de esperar quando ao fazê-lo o líder algarvio dos socialistas toca

em temas quentes da região onde a postura e os efeitos da acção do Governo de Pedro Passos Coelho têm causado mossa. António Eusébio quer maior participação da sociedade na definição do futuro político e combater a indiferença e alheamento da população, em particular quando é esta a maior vítima das medidas de austeridade. O presidente do partido no Algarve quer o PS a liderar o debate sobre a região em matérias como a Saúde, o Estado Social e a Educação na região, mas também, sobre a requalificação da EN 125 e sobre a evolução da Economia algarvia. A congregar as hostes socialistas regionais António Eusébio lança o desafio de cerrar fileiras contra as políticas do Governo e da maioria e quer fazê-lo não só com o PS mas com todos os algarvios, num debate político que o partido quer, e a região precisa, vivo e participativo.

NOVO DIRIGENTE PROMETE “TUDO ULTRAPASSAR”

Pedro Nascimento assume comando da Santa Casa em Tavira PEDRO NASCIMENTO, um dos

nomes mais conhecidos da sociedade civil tavirense, é o novo presidente da Santa Casa da Misericórdia local, resultado das recentes eleições onde encabeçou a lista única candidata ao acto eleitoral.

d.r.

Depois de ter ocupado a presidência da mesa da Assembleia-Geral, chega agora a vez de presidir à Direcção da instituição, substituindo assim Manuel Romana Martins, para o período 2014/2016. A tomada de posse realizada pub

VENDE-SE ou ARRENDA-SE 4 terrenos agrícolas com excelente localização e acessibilidade, com água da barragem, situados na Asseca a 3 minutos da cidade de Tavira

Pomar de citrinos: 8.158 m2 Terra de semear: 8.000 m2 Terra de semear: 9.788 m2 Pomar de citrinos e terra de semear 6.370 m2 Área total: 32.316 m2

 

Contacto: 918 201 747

ÔÔ Pedro Nascimento na tomada de posse perante mais de cem pessoas em Tavira, contou com intervenções do presidente cessante, que reviu os muitos anos de serviço em prol da Santa Casa; do autarca local, Jorge Botelho, que realçou a importância estratégica da instituição para o concelho e muito em particular para aqueles que enfrentam maiores dificuldades na vida e, claro, do novo titular da presidência. Nas declarações que fez, Pedro Nascimento realçou que, pese embora as “dificuldades financeiras” que afectam a econo-

mia e a Santa Casa, “certamente, tudo ultrapassarei”. Colocando à disposição da instituição os seus “trinta e quatro anos de experiência profissional”, onde se destacam a actividade bancária, bem como, “a experiência adquirida na sua intervenção associativa” que é notória a nível concelhio. Como principais desafios o novo presidente destaca “o apoio às crianças, aos seniores e a atenção particular para com os mais de 100 funcionários da Santa Casa da Misericórdia de

Quilómetros e quilómetros Quando saímos de casa e entramos para o carro sabemos normalmente a distância que nos aguarda. Podemos sair para percorrer dez quilómetros, duzentos ou mil mas, sabendo ao que vamos, a mentalização trata de tudo. O problema tende a surgir quando estamos preparados para fazer dez quilómetros e afinal temos que percorrer mil. Ou, no caso inverso, quando planeamos fazer cinco mil e a missão é abortada. Às vezes penso que é por isso que a vida não é mais simples. Ao contrário do que acontece com o número de quilómetros que normalmente sabemos esperarem-nos, com a vida estamos sempre numa absoluta incógnita. Cada manhã, ao regressarmos dos sonhos, não fazemos a mínima ideia da quantidade de quilómetros de prazeres e sacrifícios ou esforços que vamos ter que suportar. Podem ser dez. E podem ser mil. Podem ser bons. E podem ser maus. Podem ter perigos ou fazer-nos crescer. O que é certo é que a distância de vida que em cada dia vivemos é sempre imprevisível. Não há mentalização possível para o que está por vir e teremos que percorrer. Talvez seja por isso que as pessoas que mais facilmente se adaptam ao imprevisto tendam a ser as mais bem sucedidas e felizes.

Tavira”, afinal estes são, diz, “o grande pilar e a vida desta Casa” Pedro Nascimento é claro, a linha de actuação para a sua presidência será sempre “a defesa da Santa Casa e dos seus utentes”, prometendo “todos ouvir” e “a todos dar uma palavra”. Ricardo Claro


17 de Janeiro de 2014  |  9

anúncios ZZZ pág. ##

ı

classificados

Tlm. - 966 574 669 E-mail - globalcontrol@iol.pt

zzz

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, um de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. C.O.

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, um de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. R.P.

Acordos com:

Susete Maia

Multicare, C.G.D., Allianz Acordos com:

Medis, Multicare, C.G.D., Allianz

Medicina dentária e Odontologia

Rua Libânio Martins, n.º 1 A - Faro susetemaia@sapo.pt

' 289 045 457 - 914 922 721 Ÿ

TAVIRA

ALAGOA

funerariapedro@sapo.pt funeraria_pedro@sapo.pt

funerariapviegas@sapo.pt

Empresa recomendada

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Serviços Prestados ERMELINDA DAS DORES PEREIRA DUARTE 86 ANOS

AGRADECIMENTO A família enlutada cumpre o doloroso dever de agradecer reconhecidamente a todas as pessoas que assistiram ao funeral do seu ente querido, realizado no dia 17 de Dezembro, para o Cemitério de Tavira, bem como a todos os amigos que manifestaram o seu pesar e solidariedade. Agradecem também a todos os que rezaram Missa do 7º Dia, pelo seu Eterno Descanso, celebrada no dia 22 de Dezembro, domingo, pelas 11.30 horas, na Igreja de Santa Maria em Tavira. Um agradecimento muito especial pelo excelente trabalho, empenho e carinho de toda a equipa de profissionais do Lar de São José em Tavira. “Paz à sua Alma” “Serviços Fúnebres efectuados pela Agência Funerária Pedro & Viegas, Ldª” Tavira • Luz • V.R.Stº António Telm. 964 006 390 - 965 040 428

Sempre a seu lado nos momentos difíceis da vida...

) nº verde (GRÁTIS) 800 219 262

VILA REAL STO. ANTÓNIO Rua 25 de Abril n.º 32 – Tel. - 281 541 414 FUNERÁRIA PATROCÍNIO Tlm. - 968 685 719 Rua João de Deus, n.º 86 – Tel. -281 512 736 IDALÉCIO PEDRO Tlm. - 964 006 390

Serviços Fúnebres Coroa de flores artificiais c/ moldura, cartões memoriais, livro de condolências e serviço de água no velório

Solicite orçamento antes de decidir AGÊNCIA

FUNERÁRIA

Temos ao seu dispor uma linha de crédito até 24 meses sem juros financiada por uma instituição bancária credível

SERVIÇOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Funeráis desde 300 Euros * alagoa.lda@gmail.com

JUNTO AO HOSPITAL VELHO EM TAVIRA

SANTA MARIA - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

LAURINDA DE ABREU CAMACHO 15-11-1918 / 13-12-2013

OTÍLIA ANTÓNIA DO CARMO MESSIAS 09-01-1915 / 23-12-2013

AGRADECIMENTO

LUZ DE TAVIRA EN 125, n.º 32 – Tel. - 281 961 455

24 Horas

SÁ DA BANDEIRA - ANGOLA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

TAVIRA Rua Dr. Miguel Bombarda n.º 25 Tel. - 281 323 983 - 281 381 881

ü Funerais ü Trasladações ü Cremações ü Preparação estética do falecido ü Manutenção de jazigos e campas

AGRADECIMENTO Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Tavira

969 003 042

Emergência 24 horas

965 040 428

Vila Real Sto. António

962 406 031

SANTIAGO - TAVIRA CONCEIÇÃO E CABANAS DE TAVIRA - TAVIRA

MARIA DE FÁTIMA VICENTE DO NASCIMENTO ANDRADE 05-05-1962 / 24-12-2013

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.


10  |  17 de Janeiro de 2014

zzz

anúncios

ZZZ pág. ##

ı

necrologia Funerárias: Sítio da Palmeira LUZ DE TAVIRA Tel. /Fax: 281 961 170

SERVIÇO PERMANENTE 24h

Av. Maria Lizarda MONCARAPACHO Tel: 289 798 380

FUNERAIS | CREMAÇÕES | TRASLADAÇÕES ARTIGOS RELIGIOSOS MANUTENÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS FLORES Tlms: 966 019 297 (Carlos Palma)

963 907 469 (Gonçalo Correia)

Rua Soledade 19 OLHÃO Tel. 289 713 534

geral@funerariacorreia.pt - www.funeraria correia.pt

COVA DA PIEDADE - ALMADA CONCEIÇÃO E CABANAS DE TVR - TAVIRA

SANTA MARIA - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

CONCEIÇÃO - TAVIRA CONCEIÇÃO E CABANAS DE TVR - TAVIRA

FERNANDO DA SILVA MOREIRA 27-09-1931 / 26-12-2013

DAMIÃO GONÇALVES VIEGAS 06-03-1948 / 27-12-2013

MARIA LEONOR DA CRUZ 19-03-1924 / 29-12-2013

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos o acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

SANTIAGO - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

CONCEIÇÃO - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

SANTA MARIA MAIOR - FUNCHAL SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

GONÇALO JOSÉ EFIGÉNIA DA CRUZ 21-01-1957 / 30-12-2013

JORGE MANUEL VIEGAS AFONSO VIDAL 03-04-1959 / 02-01-2014

MANUEL VICENTE ANDRADE 05-05-1934 / 05-01-2014

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos o acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

SANTIAGO - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

STA CATARINA DA FTE DO BISPO - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

SANTIAGO - TAVIRA SANTA MARIA E SANTIAGO - TAVIRA

MARIA JOSÉ PEREIRA NETO 06-08-1922 / 06-01-2014

MARIA DA CONCEIÇÃO 25-08-1921 / 09-01-2014

MARIA DILAR DE BRITO RODRIGUES PUGA 08-11-1959 / 11-01-2014

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Santos & Bárbara, Lda FUNERAIS - CREMAÇÕES - TRASLADAÇÕES PARA TODO O PAÍS E ESTRANGEIRO

Tel. : 281 323 205 - Fax: 281 323 514 • 965 484 819 / 917 764 557 ATENDIMENTO PERMANENTE - OFERTA DE ANÚNCIO DE NECROLOGIA E CARTÕES MEMÓRIA Artigos Funerários e Religiosos / Catálogo de Lápides e Campas


17 de Janeiro de 2014  |  11

> > ASSINALE A FRASE CORRETA …… O restaurante serve uns deliciosos caracóis. …… O restaurante serve uns deliciosos caracois.

> > SOLUÇÃO da edição passada ;; Em vez de estudar, o João foi jogar à bola.

…… Ao invés de estudar, o João foi jogar à bola. …… Em ves de estudar, o João foi jogar à bola. …… Ao invez de estudar, o João foi jogar à bola.

Sobe & desce

Esta é uma iniciativa das Bibliotecas Paula Nogueira do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira (Olhão) em parceria com a Casa da Juventude de Olhão e o POSTAL, que semanalmente divulga os problemas e as soluções deste jogo. VáriasescolasdoAlgarve jáaderiramàiniciativa:AEProfessorPaulaNogueira(Olhão)/AEdaSé(Faro)/AED.AfonsoIII(Faro)/AEDr.AlbertoIria(Olhão)/ColégioBernardetteRomeira(Olhão)/AEDr.JoãoLúcio(Fuseta)/AEdeEstoi(Faro)/AEJoaquimMagalhães(Faro)/AEdoMontenegro(Faro)/AEdeCastroMarim (Vila Real de St. António) / AE Professora Diamantina Negrão / (Albufeira) / Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Mega Agrupamento de São Brás de Alportel) / Escola Secundária João de Deus (Faro) / Agrupamento de Escolas D. Paio Peres Correia (Tavira) / Casa da Juventude (Olhão) / Postal do Algarve. Convidamos todas as escolas e bibliotecas, interessadas em aderir ao Jogo da Língua Portuguesa e receber os materiais para o mesmo, a contactar: biblioteca.epnogueira@gmail.com ou jornalpostal@gmail.com.

Igrejas de Faro

Saúde

São as boas novas para o património da cidade capital da região, as paróquias chegaram-se à frente e investiram na manutenção das igrejas da cidade a bem de todos (Ler pág. 6).

A saúde na região está a ferro e fogo, com muito por apurar, se se trata do lobby médico a funcionar ou de resultado de uma política de austeridade. Talvez ambos no seu melhor, ou pior. (Ler pág. 12).

O postal alterou o e-mail da redacção jornalpostal@gmail.com

Défice de iodo na gravidez pode afectar formação do bebé

ficha técnica

Sede: Rua Dr. Silvestre Falcão, n.º 13 C - 8800-412 Tavira - Algarve Tel: 281 320 900 | Fax: 281 320 909 E-mail: jornalpostal@gmail.com Director: Henrique Dias (CP 3259). Editor: Ricardo Claro (CP 9238). Redacção: Cristina Mendonça (CP 3258), Humberto Ricardo (CP 388), Pedro Ruas. Design: Profissional Gráfica. Colaboradores fotográficos: José A. N. Encarnação “MIRA” Colaboradores: Beja Santos (defesa do consumidor), Nelson Pires (CO76). Departamento Comercial, Publicidade e Assinaturas: Anabela Gonçalves, José Francisco, José Cassapo. Propriedade do título: Henrique Manuel Dias Freire, inscrito sob o nº 211 612 no Registo das Empresas Jornalísticas. Edição: Postal do Algarve - Publicações e Editores, Lda. Contribuinte nº 502 597 917. Depósito Legal: nº 20779/88. Registo do Título (dgcs): nº 111 613. Impressão: Naveprinter Distribuição: Banca - Logista, à sexta-feira com o Público/VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda e CTT. Membro: APCT - Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação; API - Associação Portuguesa de Imprensa.

João Jácome de Castro

Endocrinologista e secretário-geral da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo

O iodo é um elemento indispensável para o funcionamento correcto da tiróide, uma glândula que se encontra na parte anterior do pescoço e que tem a função de produzir hormonas que regulam várias actividades do organismo. Este micronutriente é essencial e insubstituível na estrutura molecular das hormonas tiroideias, necessárias ao normal funcionamento de prati-

camente todos os órgãos. Os oceanos são os principais repositórios de iodo, já que os solos, pela erosão das chuvas, são habitualmente pobres neste elemento. As principais fontes alimentares de iodo são o peixe e marisco, as algas marinhas, o leite e alguns legumes e vegetais. As mulheres grávidas constituem um grupo de elevado risco para a carência de iodo. Nesta fase da vida da mulher, uma adequada ingestão deste elemento torna-se necessária para completar as necessidades da grávida e para assegurar um adequado desenvolvimento do cérebro do feto. O défice de iodo durante a gravidez pode causar bócio, hipotiroidismo, aumento da mortalidade neonatal, atraso no desenvolvimento na crian-

Assine o

d.r.

ça e défices intelectuais, que na sua forma extrema levam ao cretinismo. Estudos recentes, realizados pelo Grupo de Estudos da Tiróide, da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, concluíram que as grávidas portuguesas apresentam um

aporte insuficiente de iodo. De acordo com os critérios da Organização Mundial de Saúde, apenas 17 por cento das mulheres portuguesas ingeriam uma quantidade de iodo suficiente. Na Madeira, 92 por cento das grávidas apresentavam níveis de iodo baixos

Envie este cupão para:

NOME __________________________________________________________________________________________________________________________ MORADA __________________________________________________________________________________________ NIF

  

e nos Açores a percentagem de grávidas com défice de iodo chegou aos 99 por cento. Em consequência dos estudos desenvolvidos no nosso país, e indo ao encontro das recomendações internacionais, a Direcção Geral da Saúde passou a recomendar, desde o final do ano passado a todas as mulheres grávidas, que estão a pensar engravidar ou que se encontram em período de amamentação, o consumo de um suplemento diário de iodo sob a forma de iodeto de potássio. Este será um dos temas em debate no 15º Congresso Português de Endocrinologia que decorrerá de 23 a 26 de Janeiro, no Algarve. Para mais informações consulte http:// www.spedm.org.

POSTAL DO ALGARVE - Rua Dr. Silvestre Falcão, nº 13 C, 8800-412 Tavira

(50 Edições) Portugal 30 ¤ I Europa 50 ¤ I Resto Do Mundo 80 ¤

TEL   

 

DATA DE NASCIMENTO _______ ⁄ ________ ⁄ ____________

CÓD. POSTAL _________ - _____ — ________________________________________________

EMAIL _______________________________________________________ PROFISSÃO ________________________________

AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO - por débito na conta abaixo indicada, queiram proceder, até nova comunicação, aos pagamentos das subscrições que vos forem apresentadas pelo editor do jornal POSTAL do ALGARVE. Esta assinatura renova-se automaticamente. Qualquer alteração deverá ser-nos comunicada com uma antecedência mínima de 30 dias.

30 ¤

NIB

Assine através de TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA

BANCO _______________________________________________________________________________________________

   

NOME DO TITULAR __________________________________________________________________________

35 ¤

Tiragem desta edição:

8.168 exemplares

opinião

BALCÃO ______________________________________________

_______________________________________________________________________________ ASSINATURA IDÊNTICA À CONSTANTE NA FICHA DO BANCO DO TITULAR DA CONTA.

Assine através de DINHEIRO, CHEQUE ou VALE POSTAL, à ordem de Postal do Algarve.

NOTA: Os dados recolhidos são processados automaticamente e destinam-se à gestão da sua assinatura e apresentação de novas propostas. O seu fornecimento é facultativo. Nos termos da lei é garantido ao cliente o direito de acesso aos seus dados e respectiva actualização. Caso não pretenda receber outras propostas comerciais, assinale aqui.


O POSTAL regressa no dia 7 de Fevereiro

Tiragem desta edição: 8.168 exemplares

última Autarcas querem saber quais as condições nos hospitais Em causa denúncia da degradação dos cuidados de saúde nas unidades de Portimão e Faro D.R.

A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALGARVE (AMAL) QUER OUVIR os presidentes do Cen-

tro Hospitalar do Algarve e da Administração Regional de Saúde para tomar uma posição sobre a denúncia de falta de condições nos hospitais de Portimão e Faro. O presidente da AMAL, Jorge Botelho, disse à Lusa que os 16 autarcas da região se reuniram na passada segunda-feira para analisar um abaixo-assinado subscrito por 182 médicos do Centro Hospitalar do Algarve (CHA), que se queixam da degradação dos cuidados de saúde prestados à popula-

ÔÔ Jorge Botelho, presidente da AMAL e da Câmara de Tavira ção algarvia, com frequentes adiamentos de cirurgias programadas, falta de material e

medicamentos ou atrasos na realização de exames, mas decidiram pedir esclarecimentos PUB

às entidades responsável. “Decidimos que, para termos uma decisão mais aprofundada e com algumas propostas dos autarcas, iríamos na próxima semana convidar os presidentes do CHA e da Administração Regional de Saúde e os médicos para poderem conversar connosco e, ouvindo as partes, tomarmos uma posição sobre o assunto”, afirmou Jorge Botelho. O também presidente da Câmara de Tavira disse que esta decisão foi tomada depois de “os autarcas reconhecerem que de facto há muitas dificuldades nas questões do ma-

terial cirúrgico, das cirurgias, dos meios complementares de diagnóstico, do atraso nas consultas, da falta de médicos, do encerramento de algumas instalações de saúde”. “Ontem [segunda-feira] não houve nenhuma posição tomada e essa posição será tomada na próxima semana, seguramente”, acrescentou, referindo-se à reunião que os autarcas pretendem realizar na próxima segunda-feira para ouvir as partes. No passado domingo, Jorge Botelho considerou “grave” o conteúdo do documento, que denuncia as más condições

dos hospitais de Faro e Portimão e foi subscrito por 182 de um universo de 230 médicos especialistas efectivos daquelas duas unidades, ou seja, aproximadamente 80%.

A VOZ DE PEDRO NUNES Na se-

gunda-feira, o presidente do conselho de administração do CHA, Pedro Nunes, classificou de “ridículo” e “desleal” que alguns médicos falem de faltas de medicamentos em Faro e Portimão e de cirurgias adiadas por falta de material. “É absolutamente ridículo e uma deslealdade dizer que faltam medicamentos oncológicos ou que faltam medicamentos do HIV”, declarou à Lusa o presidente do Centro Hospitalar do Algarve (CHA), Pedro Nunes, admitindo, todavia, que há dificuldades, mas não têm a “dimensão que as pessoas quiseram colocar”. Lusa PUB


Mensalmente com o POSTAL em conjunto com o PÚBLICO

JANEIRO 2014 | n.º 65 www.issuu.com/postaldoalgarve d.r.

Grande ecrã:

Eroticidades em Faro

d.r.

p. 3

Aqui há espectáulo: d.r.

Lethes garante programação em Faro

Mário Zambujal: O Diário Oculto de Nora Rute p. 11

p. 4

Letras e leituras:

d.r.

d.r.

Diário de um idealista

p. 6

Sala de leitura: d.r.

Sociedade civil aposta em renovar a memória: Para acabar de vez com a cultura

40 anos do 25 de Abril

p. 8

p. 5


2

17.01.2014

Cultura.Sul

Editorial

Espaço CRIA

Alvorada

“Este ano, é que é!”

Ricardo Claro

Editor ricardoc.postal@gmail.com

Estamos na alvorada de 2014, deste ano que comemora 40 sobre o 25 de Abril, neste que é o ano do ‘fim’ do resgate e do protectorado, dizem. Dúvidas à parte sobre o final da troika, seja ela qual for a forma que assuma, este é decerto um novo ano que não fugirá às contenções orçamentais do nosso descontentamento e estas vão decerto fazer-se sentir na Cultura, ainda um parente pobre do investimento público nacional. A resistir à incapacidade de reforçar verbas no sector estão os mesmos de sempre, os artistas, os programadores, os performers em geral, as companhias, os agentes culturais como um todo. Resistem cá no Algarve - como o fazem por esse país fora e é à sua resiliência que devemos a Cultura que ainda temos. Na região temos à frente da Direcção Regional de Cultura um novo rosto. Alexandra Gonçalves substituiu Dália Paulo e terá o nobre desafio de dar a este organismo desconcentrado do Estado uma cada vez maior visibilidade e intervenção no panorama cultural da região. Dália Paulo assume entretanto um novo projecto, a direcção dos destinos da Cultura na Câmara de Loulé. Um lugar onde decerto terá muito para aproveitar do que está no terreno e muito para fazer no que está ainda por ajustar e criar. Estes e outros actores do sector terão de se fazer valer de uma enorme capacidade inventiva e de todas as sinergias imagináveis para resistirem a mais um ano de cortes e de curtas verbas. Isto para assegurar que o panorama cultural regional não se deprime ainda mais do que está no momento. A exemplo disso, e ao qual importa resistir, a fraca programação das salas municipais de espectáculos em geral. Não podemos deixar que os espaços municipais sejam deixados à voraz desertificação, é que a Cultura também se faz ali e dessa não podemos jamais desistir.

Ana Lúcia Cruz Gestora de Ciência e Tecnologia no CRIA - Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da UAlg

Um novo ciclo vai começar. E com este surgem, pelo menos no início, novas metas. Pensamos: “Este ano, é que é!”. Mas, infelizmente, muitas vezes “não é”! Seja pela (des)motivação, (in) disciplina, (in)disponibilidade... Independentemente das razões, a verdade é que muitas das nossas metas ficam pelo caminho. Quem diz metas, diz ideias. Quantas ideias de negócio ficam pelo caminho, sem mesmo antes se tentar?! Penso que o truque está na quantidade de metas que estipulamos. Quantas mais tivermos, mais dispersos (desconcentrados) vamos estar, pois o esforço para as concretizar será muito maior e facilmente ficamos sem energia... para todas! Por isso, reforço, o truque passa por diminuir o número de metas e sermos sinceros/realistas quanto aos passos e esforço que temos de fazer para as alcançar. Esta reflexão é muito importante porque, à partida, numa fase ainda muito preco-

ce, permite identificar alguns dos obstáculos, mas acima de tudo, permite fazer-nos pensar como poderemos agir diante dos mesmos. Ou seja, criar um Plano de Emergência. Para algumas pessoas, uma das metas para 2014 pode passar por uma ideia de negócio, já algum tempo fechada na “gaveta”. Essa gaveta está fechada

Ficha Técnica:

tratar bem da ideia lá guardada, sentido simplesmente que ainda não é a altura ideal para a retirar da gaveta. Pensamos: “Este ano é que é!”. E, após meio ano: “Para o ano é que vai ser!”. Enquanto a ideia estiver na gaveta, ela não passa disso mesmo, de uma ideia. Não é boa, porque não é testada! Mas também não é má porque... não d.r.

porque, cegos pelo medo e pela dúvida, não queremos deixar a melhor/pior ideia do mundo sair. Para fazer companhia à ideia, deixamos um “sabonetezinho” e, por vezes, abrimos a gaveta para a ‘arejar’, o que nos dá a ilusão de estarmos a

é testada. E quem diz testar, diz “melhorar”. Por vezes, sujeitarmos as nossas ideias à opinião alheia pode ser doloroso, mas se encararmos como um processo de aprendizagem, a nossa ideia de negócio pode melhorar bastante.

Não querendo fazer publicidade, mas fazendo, o CRIA lançou a nova edição do Concurso de Ideias. Mas não levem muito tempo, porque só aceitamos candidaturas até 17 de fevereiro. Mas porque menciono o concurso de ideias? Os concursos de ideias são bons por uma simples razão: criam dinâmicas de grupo, entre participantes e especialistas convidados, bastante enriquecedoras, que permitem melhorar a nossa ideia de negócio e aumentar a nossa rede de colaboração (parece que afinal são várias as razões). Pela experiência de outras edições, muitos são os empreendedores que avançam com as suas ideias de negócio, mas muitos mais os que ficam para trás. No entanto, segundo antigos participantes, cujos projetos não avançaram (independentemente do motivo), o concurso de ideias representou um processo de aprendizagem que prevalece em várias situações do dia-a-dia. Não me querendo alongar muito mais, termino por dizer que a aprendizagem é algo que deve estar sempre nos nossos votos todos os anos. Por isso, quem não tem ideias de negócio, aposte ou continue a apostar no seu processo de aprendizagem. Quem tem ideias de negócio, convido a participar neste concurso de ideias, porque “Este ano, é que é!”.

Juventude, artes e ideias

365…

Rute Evaristo A sorte somos nós que a fazemos. A vida não muda se a nossa atitude for a mesma perante as situações. Como aquela dieta que prometemos fazer no início de cada ano e acabamos por nunca a fazer. Falta-nos vontade e atitude! Três regras essencias para a vida e que devemos sempre ter em conta… - Se não perguntarmos nunca saberemos a resposta. - Se não formos atrás nun-

ca vamos ter!! - Se não dermos um passo em frente nunca sairemos do lugar!!! … e quem nunca repetiu esta frase no começo de um novo ano? Dizem que dá sorte vestir uma cueca azul, comer doze passas, levantar o pé esquerdo do chão, brindar com champanhe, subir uma cadeira, pôr dinheiro no sapato, vestir dourado e beijar quem mais amamos à meia noite - não passam de meras superstições nas quais tentamos acreditar que resultem. São 365 dias. 365 novas experiências. 365 maneiras de ver o mundo. 365 histórias para contar. 365 obstáculos. 365 escolhas. É mais um ano… que não devemos desperdiçar a pensar - “se

d.r.

Direcção: GORDA Associação Sócio-Cultural Editor: Ricardo Claro Paginação: Postal do Algarve Responsáveis pelas secções: • O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N: Pedro Jubilot • Espaço ALFA: Raúl Grade Coelho • Espaço AGECAL: Jorge Queiroz • Espaço CRIA: Hugo Barros • Espaço Educação: Direcção Regional de Educação do Algarve • Espaço Cultura: Direcção Regional de Cultura do Algarve • Grande ecrã: Cineclube de Faro Cineclube de Tavira • Juventude, artes e ideias: Jady Batista • Da minha biblioteca: Adriana Nogueira • Momento: Vítor Correia • Panorâmica: Ricardo Claro • Património: Isabel Soares • Sala de leitura: Paulo Pires Colaboradores desta edição: Ana Lúcia Cruz Elena Morán Mauro Rodrigues Paulo Serra Rute Evaristo Parceiros: Direcção Regional de Cultura do Algarve, Direcção Regional de Educação do Algarve, Postal do Algarve e-mail redacção: geralcultura.sul@gmail.com e-mail publicidade: anabelagoncalves3@gmail.com

on-line em: www.issuu.com/postaldoalgarve

Tiragem: 8.168 exemplares eu tivesse feito de outra maneira?”…“se eu não tivesse dito aquilo?”. Devemos arriscar mais. Aproveitar todas as oportunidades. Dizer a verdade. Chorar. Rir. Perdoar. Nunca, mas Nunca, devemo-nos arrepender do que fizemos e

de tudo o que passamos. Porque a vida é feita de escolhas. Certas ou erradas foram essas que nós escolhemos, que nos trouxeram o presente. Bom ou mau… é o nosso futuro. Não é mais que o resultado das atitudes tomadas agora e antes.


Cultura.Sul

17.01.2014

 3

Grande ecrã Cineclube de Faro

Programação: cineclubefaro.blogspot.pt IPJ | 21.30 HORAS | ENTRADA PAGA CICLO EROTICIDADES 21 JAN | O GRANDE MESTRE, Wong Kar Wai, EUA/China/Hong Kong, 2013, 113’, M/12 28 JAN | O DESCONHECIDO DO LAGO, Alain Guiraudie, França, 2013, 97’, M/16 4 FEV | INTERIOR. LEATHER BAR., James Franco e Travis Mathews, EUA, 2013, 60’, M/16 SEDE | 21.30 HORAS | ENTRADA GRATUITA CICLO OLGA RORIZ... A BAILAR NA TELA

23 JAN | OLGA RORIZ - CENAS DE CAÇA, Rui Simões, Portugal, 2000, 55’ 30 JAN | OLGA RORIZ - INTRODUÇÃO AO PRINCÍPIO DAS COISAS, Rui Simões, Portugal, 1994, 65’ 6 FEV I OLGA RORIZ - FINIS TERRA + CLOD HANDS, Rui Simões, Portugal, 2000, 65’ FILME FRANCÊS DO MÊS | BIBLIOTECA MUNICIPAL | 21.30 HORAS 31 JAN | LA FOLLE HISTOIRE D’AMOUR DE SIMON ESKENAZY, Jean-Jacques Zilbermann, França, 2009

Eroticidades em Faro Eroticidades é o ciclo proposto pelo Cineclube de Faro para os meses de Janeiro e Fevereiro e promete trazer até aos algarvios nomes grandes do cinema como Bernardo Bertolucci ou Roman Polanski. Na calha estão, ainda, obras de Wong Kar Wai, com uma história de amor impossível em o Grande Mestre, de Alain Guiraudie, com O Desconhecido do Lago a abordar a temática queer e, já em Fevereiro, Interior. Leather Bar., de James Franco e Travis Mathews, onde brilha Al Pacino. O ciclo que começou com A Vida de Adèle, já exibido a 7 de Janeiro, reserva ainda espaço para a realizadora Sarah Polley, que apresenta Histórias que Contamos, Grand Central, de Rebecca Zlotowski, e para Vénus de Vison, a encerrar, saído da arte de Roman Polanski. A não perder as propostas do cineclube para estes dois meses de eroticidades e ainda

Cineclube de Tavira d.r.

Programação: www.cineclubetavira.com 281 971 546 | 965 209 198 | 934 485 440 cinetavira@gmail.com SESSÕES REGULARES Cine-Teatro António Pinheiro | 21.30 horas 23 JAN | BLANCANIEVES (BRANCA DE NEVE), Pablo Berger, Espanha/França/Béligica, 2012, 104’, M/12

30 JAN | ANY DAY NOW (TALVEZ UM DIA), Travis Fine, EUA, 2012, 98’, M/16

Cena do filme O Desconhecido do Lago aquelas que estão reservadas com o filme francês do mês, que apresenta La Folle Histoire D’Amour, de Simon Eskenazy. Pode-se ainda ver Olga Ro-

riz... A bailar na tela, um ciclo que apresenta já dia 23 de Janeiro Olga Roriz - Cenas de Caça e que se prologará até Fevereiro.

Espaço AGECAL

Algarve mediterrânico: património cultural da humanidade A “Dieta Mediterrânica” foi inscrita na lista representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO a 4 de Dezembro de 2013, em Baku (Azerbaijão), precisamente no momento do 10º aniversário da mais jovem Convenção desta organização das Nações Unidas e no decorrer da 8ª Sessão do Comité Intergovernamental, com 116 Estados presentes. Pela primeira vez um elemento da cultura algarvia foi reconhecido como Património da Humanidade pela UNESCO. Um espaço geocultural do sotavento algarvio, Tavira, foi escolhido para representar Portugal pela diversidade dos patrimónios, produções claramente mediterrânicas e estilo de vida, presentes num território onde aportaram e se fixaram há milénios povos vindos de diferentes zonas do “mar entre as terras”, que deixaram marcas físicas e valores imateriais. A componente diplomática da candidatura foi assegurada pelo MNE/ Comissão Nacional da Unesco, a coordenação e acompanhamento da Comissão Nacional pelo MAMAOT. Coube-me coordenar tecnicamente pela autarquia a candidatura de Portugal e, por necessidades do próprio processo,

d.r.

Jorge Queiroz também dos restantes Estados. Permitiu o estudo para construção de sínteses fundamentadas, um processo preparatório exigente envolvendo sete países do Mediterrâneo Oriental, Central e Ocidental, de matriz católica, ortodoxa e islâmica, cujo elemento unificador foi e é a “dieta”, no sentido grego de “daíata” ou estilo de vida. Esta foi uma candidatura nova, com directivas operacionais e formulário diferentes do anterior, duplicando o esforço probatório, que incluía a participação das populações, declarações

de compromisso de 70 organizações públicas e privadas, documentação escrita, traduções, fotos e vídeo, conferências, exposição, a I Feira da DM,.. Foi imperativo demonstrar na UNESCO que o elemento contínua vivo nas comunidades, transmitido de geração em geração. A votação unânime e o reconhecimento da UNESCO da exemplaridade da candidatura compensaram este trabalho. A “Dieta Mediterrânica” é um modelo cultural, constituído por culturas de proximidade e partilha, vivências de

trabalho e festa, onde a mesa e os alimentos são centralidades na transmissão de valores e saberes desenvolvidos durante mais de três mil anos. Os excelentes padrões de saúde no Mediterrâneo confirmados pelo fisiólogo norte-americano Ancel Keys no estudo dos sete Estados realizado na década de 50 do século XX, não podem ser explicados apenas pelo modelo alimentar de excelência reconhecido pela Organização Mundial de Saúde. O bem-estar das comunidades resulta do seu estilo de vida, valores de cooperação e entreajuda, estímulos positivos físicos e psicológicos, aliados ao consumo quotidiano de alimentos frescos, de acordo com a época do ano e produzidos localmente. A inscrição na lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade, tem implicações jurídicas e reconhecimento planetário. O Algarve tem na “dieta mediterrânica” a grande oportunidade de (re)encontro com a sua identidade e cultura, de construir uma economia em sintonia com a região e a sua cultura. Desta fazem parte, território e paisagens culturais, a língua e as tradições orais, os mercados e as práticas produtivas ancestrais, sabedoria na

preparação e confeção dos alimentos, a arquitetura regional e festividades, as culturas de proximidade e partilha. A contemporaneidade pode e deve construir-se com a riqueza dos valores. A UNESCO considera urgente a defesa das culturas locais como forma de preservação da sustentabilidade do planeta, a par da biodiversidade. Portugal, com quase mil anos de História, possui uma riqueza produtiva e patrimonial, potencialmente inspiradoras de um desenvolvimento humano e uma contemporaneidade personalizadas. A cultura e o património, a educação e a ciência, são bases do desenvolvimento da Região e do País. O Algarve tem agora a sua identidade cultural reconhecida pelo mundo, a “dieta mediterrânica” um diamante por lapidar, com aplicações positivas em todas as áreas. Jorge Queiroz Coordenador Técnico da Candidatura Transnacional – UNESCO. Sociólogo. Membro da AGECAL Associação de Gestores Culturais do Algarve


4

17.01.2014

Cultura.Sul

Aqui há espectáculo

Lethes garante programação em Faro do Lethes, onde a artista apresenta Delikatessen Café Concerto, o seu novo disco. Ainda no fado, dia 9 de Fevereiro, é a vez de Cremilde 40 anos entrar na histórica sala de Faro, com a fadista filha de Alvor. Por entre muitas outras propostas que incluem Jazz, Ópera e outras sonoridades, as tábuas do teatro farense acolhem o Teatro Meridional na apresentação de O Senhor Ibrahim e as Flores do

17 JAN | Faro Tango Fest - workshop de tango argentino, preço: 25 € (bailarino individual); 35 € (par de bailarinos) nível 1: das 18.30 às 19.30 horas; nível 2: das 20 às 21 horas 18 JAN | Faro Tango Fest - workshop de tango argentino, preço: 25 € (bailarino individual); 35 € (par de bailarinos) nível 1: das 15 às 16 horas; nível 2: das 16.30 às 17.30 horas 18 JAN | Faro Tango Fest - Perfume de Tango (espectáculo), 21.30 horas, preço: 10 €

Destaque

Quem conhece o trabalho de Luís Vicente, director da ACTA - A Companhia de Teatro do Algarve, sabe que o afinco e a dedicação se juntam na sua actividade cultural com a perseverança e o saber fazer. É assim em palco como a encenar e, como não poderia deixar de ser, é assim enquanto programador e a prova está à vista. Perante a míngua da actual programação do Teatro Municipal de Faro, a sala maior da re-

Teatro Municipal de Faro Programação: www.teatromunicipaldefaro.pt

31 JAN | Pedro Abrunhosa & Comité Caviar (música), 21.30 horas, preço: 20 € Segundo Pedro Abrunhosa, que apresenta «Contramão», “um disco é cada vez mais um livro, uma narrativa contínua de histórias desencontradas que se reencontram na música que escrevo, de personagens que acabam por ser comuns a muitos de nós.

Falo de mim através das vozes de outros e transponho-me para os outros usando a minha própria voz. Se se encontrarem comigo neste trabalho, a minha tarefa estará cumprida e partirei para a estrada já com o próximo disco nas entranhas.”

d.r.

Destaque

AMO - Auditório Municipal de Olhão Programação: www.cm-olhao.pt/auditorio

Corão, com Miguel Seabra. The After Life Drag Show abre a programação de Março, dia 3, pela mão dos Las Folies, numa encenação de Vítor Henriques. Para o dia 8 de Março está agendado o espectáculo São Francisco, O Bobo da Corte, de Dário Fo, numa interpretação de Mário Pirovano, com o público a poder escolher se quer assistir ao espectáculo em inglês ou em italiano. ENTU e SIN-CERA levam à cena A Cidade Autoada, a 27 de Março, com Rui Cabrita a assinar a encenação do espectáculo. E a fechar o mês, lugar a Já Gastámos as Palavras, com direcção de Victor Pontes, numa apresentação de ENTU e Teatro Universitário do Porto. Mas o Lethes é mais do que a oferta de espectáculos, é a casa do serviço educativo da ACTA que ‘espalha cultura’ nas escolas da região, é a sede da própria companhia teatral da região e conta ainda, neste arranque de 2014, com um workshop de expressão dramática com Mário Pirovano, aulas de expressão dramática e de dança. Há um mundo de arte e cultura a não perder naquela que é, hoje, por excelência, a sala maior da cena cultural farense. Ricardo Claro

vos e surpreendentes. O espectáculo não se esgota em 50 minutos, podemos considerar que cada representação é apenas um acto e que assim como gostaríamos que acontecesse na nossa vida, pudéssemos mudar, retirar e compor uma nova história cheia de novas possibilidades.

25 JAN | Salawa - 14º Festival de Música al-Mutamid, 21.30 horas, preço: 10 € África e Médio Oriente unem-se neste encontro entre o sudanês Wafir Sheik el-Din e o sírio Salah Sabbagh. Os seus intrincados ritmos e melodias são a base para o baile oriental de Erika La Turka, bailarina técnica e expressivamente virtuosa. Salawa faz um percurso repleto de rigor e sen-

sibilidade, transportando o público à sensualidade sonora que durante séculos inundou bazares, medinas e palácios do Mediterrâneo e Médio Oriente. Artistas: Wafir Sheik el-Din - alaúde árabe, nay, percussões e voz; Salah Sabbagh - darbouka, riq, daf; Erika La Turka - dança oriental

TEMPO - Teatro Municipal de Portimão Programação: www.teatromunicipaldeportimao.pt

Destaque

gião, que depois de um começo fulgurante ao nível da programação iniciado com a abertura do espaço em 2005, tem vindo a decair até ao quase deserto actual, o Teatro Lethes é hoje o espaço cultural de referência da capital de distrito. O protocolo realizado com a Câmara da cidade, que deu as rédeas do Lethes à ACTA, está provado que foi uma boa opção e Luís Vicente tem dado e está a dar provas de grande dinamismo e capacidade de colocar a sala num lugar de destaque mesmo a nível regional. Para o primeiro trimestre deste ano o Lethes apresenta uma programação diversificada, consistente e pensada para uma abrangência que seja um meio para garantir novos públicos. Já amanhã, dia 18 de Janeiro, sobe ao palco As Cartas Ridículas do Sr. Fernando e os Suspiros Líricos da Menina Ofélia, uma dramatização da correspondência entre Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz, numa encenação de Paulo Moreira. 1 de Fevereiro é a data marcada para o concerto de uma das grandes senhoras do fado e, depois de Amália, provavelmente, a maior divulgadora internacional da canção nacional, Mísia. Imperdível esta proposta

A Branca de Neve e os 7 Anões é um espectáculo destinado a toda a família e tem um cariz de improviso cómico e divertido! Queremos, cada vez mais, a interacção do público, graúdo e miúdo, que cada um se sinta parte integrante da história e que em cada representação surjam elementos no-

Cine-Teatro Louletano Programação: http://cineteatro.cm-loule.pt

Destaque

O Lethes apresenta uma programação invejável

25 JAN | Branca de Neve e os Sete Anões, 16 horas, 50 minutos

17 JAN | Cycle Me Home (documentário), Pequeno Auditório, 21.30 horas, 50 minutos, preço: entrada livre No mês em que o blog Portimão Cycle Chic e os estafetas da Bike Postal fazem dois anos de existência, realizam-se um conjunto de actividades ligadas à temática das bicicletas. Com o PTM Bike Weekend pretende celebrar-se estes dois anos de actividades,

juntando toda a comunidade de ciclistas existente em Portimão, com o objectivo de chamar a atenção da população em geral para o tema da mobilidade urbana com bicicletas. No âmbito deste programa, o TEMPO exibe o documentário ‘Cycle Me Home’.

17 e 18 JAN | Histórias à volta de nós, Black Box, 60 minutos, preço: escolas - entrada gratuita mediante marcação através da Oficina do Espectador | Famílias: 6 € (adultos), 4 € (crianças até aos 12 anos) 24 JAN | Fado [em] Sinfonia (música), Grande Auditório, 21.30 horas, 60 minutos, preço: 10 €; 50% desconto: menores de 12, maiores 65, Cartão Jovem, sócios AML e funcionários da Câmara Municipal de Portimão 24 e 25 JAN | Filminhos Infantis, Pequeno Auditório, 24 Janeiro, 10 horas (escolas) e 25 Janeiro, 16 horas (famílias), preço: escolas com entrada gratuita, restante público 3 € Filmes em exibição: Tempo de Emagrecer; Um dia de sol; Corrida; Aleksander; As Aventuras de Míriam: Jogo das Escondidas; As novas espécies; Embrulhando o Sol; No fim do mundo.


Cultura.Sul

17.01.2014

 5

Panorâmica

Quarenta anos de uma liberdade que não se pode deixar esquecer Há já 40 anos, é verdade. O 25 de Abril foi há 40 anos e a idade da revolução celebra-se este ano por todo o país quando se inicia mais uma década sobre um dos mais relevantes momentos históricos do país. O esquecimento, a banalização, a perda da memória colectiva e os abusos que possam ser cometidos por via destas realidades contra aqueles que são e foram os ideais de Abril, são uma ameaça que importa ter em conta e que cumpre afastar do espectro do futuro de Portugal como condição sem a qual o que nos está reservado será sempre deficitário em liberdade e em democracia. A liberdade conquistada com a Revolução dos Cravos, a democracia que vingou no país com a queda do antigo regime são realidades evolutivas, não são dogmas, mas antes ideais e conquistas abertas e, nessa medida, a análise do seu substracto deve ser uma constante como único meio de defesa da sua perenidade. A Associação Portuguesa de Criatividade e Inovação (APGICO), em parceria com a Associação 25 de Abril (A25A) e a Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD), propõe-se trazer as comemorações dos 40 anos sobre a data da revolução para a ordem do dia regional e para tanto desenvolveu no passado domingo em Faro um Fórum com o objectivo de pensar Abril e as formas como a nível regional a sociedade civil pode celebrar a efeméride e simultaneamente potenciar o ideário de Abril como realidade actual de todos os algarvios. Quantos mais formos melhor, por um 25 Abril cada vez mais colectivo

Agendar

O projecto desenvolvido sob uma ideia de intervenção cívi-

joão brito

Fernando de Sousa durante a sessão de arranque do projecto em Faro ca do professor universitário Fernando Cardoso de Sousa, docente da Universidade do Algarve e líder da APGICO, tem na presidência o conhecido actor Luís Vicente e pretende “levar a cabo acções colectivas que influenciem o discurso e a prática política, no sentido da reposição dos valores originais do 25 de Abril”. Aberta a todos os que estiverem interessados em participar, de cidadãos individuais a entidades públicas e privadas das mais diversas, a aposta da iniciativa está num conjugar de esforços para que o 25 de Abril não passe ao lado dos portugueses e muito em particular daqueles que têm uma menor intervenção política e cívica e, também, daqueles que pela idade possam estar mais longe do conhecimento dos ideais de Abril. As manifestações a desenvolver abrangem todos os campos possíveis da intervenção pública, das artes de palco e de rua até à literatura, da pintura à in-

tervenção cívica, da comunicação social à educação só para enumerar algumas áreas e o POSTAL e o CULTURA.SUL não quiseram deixar de dar apoio a esta iniciativa.

postos à associação e que poderão contar com a ajuda de todos aqueles que se quiserem

unir a este movimento, as equipas determinaram o que fazer e os prazos de execução das iniciativas propostas. Intervenção ao nível das escolas, eventos culturais, teatro e música, intervenção ao nível das redes sociais e novas tecnologias, acções de rua e seminários, são apenas exemplos do muito que este projecto promete e que está já em plena execução. Novos e menos novos, pessoas que viveram o 25 de Abril e aqueles que nasceram já muito depois da revolução, uniram-se assim em prol de dizer a todos que o 25 de Abril está vivo, que as ideias de liberdade e democracia estão pujantes e que a sua defesa será feita por todos intransigentemente. Trazer para a rua as conquistas de Abril O desiderato final é o de

trazer para a rua e levar até todos quantos possível a mensagem de Abril. Não a do “onde estava você no 25 de Abril?” como condição para se ser titular e beneficiário do que com a revolução se conquistou, mas a mensagem de um Abril nosso e colectivo sem supostos guardiões mais ou menos arregimentados. Um 25 de Abril que se quer vivido como fenómeno histórico, como realidade socio-antropológica, como memória, mas simultaneamente como presente e futuro dos portugueses e como conceito aberto à influência dos tempos e ao progresso da realidade. O mote está lançado para uma celebração em cheio dos 40 anos da revolução e aberto a que todos tragam o seu contributo para esta mostra cívica da força que Abril teve, tem e terá. Ricardo Claro

d.r.

O projecto na prática Reunidas nos Artistas em Faro, no passado domingo, cerca de 70 pessoas divididas por grupos de trabalho começaram já a desenvolver planos de acção para iniciativas efectivas a pôr em prática até 16 de Março deste ano e que serão uma realidade no terreno durante 2014 para comemorar os 40 anos do 25 de Abril. Definidos os projectos base, a que se podem juntar outros que venham a ser pro-

“DESENHOS DE RAFAEL SILVA” Até 19 JAN | Ria Shopping – Olhão O autor, de apenas 21 anos e natural de Olhão, ostenta grande talento para desenhar, pintar e esboçar, desde criança, sendo, inclusivamente, o melhor aluno de educação visual, durante vários anos

“PERFUME DE TANGO” 18 JAN | 21.30 | Teatro das Figuras - Faro Espectáculo relata o nascimento e desenvolvimento de uma música que passou fronteiras, passando de um fenómeno local a uma profusa difusão internacional


6

17.01.2014

Cultura.Sul

Letras e Leituras

Diário de um idealista em tempos modernos

Paulo Serra

Investigador da UAlg associado ao CLEPUL

Agendar

Ao fechar um ano e abrir outro ciclo, David Machado parece ser a melhor escolha literária para demonstrar o estado da nossa condição. Índice Médio de Felicidade é o terceiro romance deste jovem autor. O Fabuloso Teatro do Gigante (2006) marca a sua estreia, podendo ser lido como uma parábola para adultos, em que o fantástico aí vivido e descrito prende-se com toda uma localidade que passa a representar uma peça maior que a própria vida, montando uma farsa imensa como forma de manter a sanidade mental de um homenzarrão chamado Gabriel (também oriundo da América do Sul, como Gabriel García Márquez, o chamado mestre do realismo mágico?). Este registo do real irá evoluir para um realismo histórico e social mais convencional em Deixem Falar as Pedras (2011). É no seu último romance - depois de ter escrito contos e obras infantis pelo meio - que David Machado procura retratar a realidade portuguesa atual. Os próprios nomes são similares, além de a história ser narrada na primeira pessoa, invocando-se logo na primeira linha um «tu», o amigo Almodôvar que se encontra preso, mas como o próprio autor alerta nas entrevistas que deu acerca do romance, qualquer semelhança entre a ficção e a sua realidade são mera coincidência. Isto porque o próprio autor viveu períodos em que esteve desempregado ou se ausentou do país para trabalhar e amealhar para poder continuar a escrever. Esta voz do narratário, transcrita em itálico no decurso do livro, ajuda a traçar o plano do romance que, em vez de parecer um monólogo ou um diário, surge assim como um diálogo ou discussão a duas vozes entre Daniel e o amigo preso por assaltar uma estação de serviço: «O Xavier saiu de casa?/ Não, Almodôvar, ainda não é a tua vez de falar. Além disso, este relato terá a ordem que eu ditar.» (p. 14). Se o livro é apresentado como um

«romance admirável e extremamente atual sobre um otimista que luta até ao fim pela sua vida», afigura-se mais correto designar Daniel como um idealista que, mesmo sabendo que as suas escolhas e ações, movidas por princípios éticos fortes como impulsos naturais, o podem prejudicar, continua a reger-se por uma ética em que a sua vida só ganha sentido face à felicidade dos que o rodeiam - os filhos, a mulher, os amigos e sua respetiva família. Ou seja, o seu otimismo, por vezes, sucumbe mas ainda assim as suas decisões são sempre tomadas em prol do bem maior que são os outros, e o seu próprio índice de felicidade só pode ser medido em função do próprio bem-estar daqueles que ama. A confirmar a maturidade de David Machado na escrita surge também o uso da gíria e do calão. Ainda que haja leitores mais sensíveis ao uso do “palavrão”, este afigura-se adequado na medida em que configura um discurso escatológico, exprimindo desabafo e injúria, de revolta contra o mundo e incompreensão face ao que o rodeia. O autor ao fazer uso desta marca linguística emblemática e de alguma estranheza nas situações narradas, desenha um cenário mais urbano que é, afinal, representativo do «País». Sem querer adiantar muito da intriga deste livro simples, que se lê praticamente numa tarde, basta-me referir algumas das questões que

d.r.

O escritor David Machado considero centrais. A intriga segue o episódio corrente do estado da nação, mediante as peripécias deste herói moderno, que fica desempregado. Vive longe da família desde que a mulher se viu forçada a mudar para perto dos pais, em Viana, tem dois melhores amigos que surgem como exemplos a rejeitar, entrega a casa ao banco, passa a viver no carro, mesmo quando este é danificado e d.r.

Último romance procura retatar a realidade atual do país “CONTRASTES” Até 8 FEV | Galeria Municipal de Albufeira Exposição de pintura, escultura, fotografia, instalação, desenho e ilustração, de um grupo de jovens artistas recém-licenciados da Universidade do Algarve, no campo das Artes Visuais

circula com uma janela partida e um banco traseiro queimado, onde ele antes dormia, até, por fim, passar a viver clandestinamente no seu antigo trabalho. Local onde a vida lhe sorria até ao momento em que a crise apertara e o patrão se vira obrigado a fechar o negócio da agência de viagens, ainda que, curiosamente, nunca tenha tido de alugar o espaço. O autor leva-nos a refletir sobre os valores em crise do mundo pós-moderno (materialismo, consumismo) e da actual sociedade (pós-industrial, globalizadora), pois apesar dos avanços técnicos e culturais, o progresso histórico não se traduz num progresso moral. Por isso é que os (pré)adolescentes retratados na ficção de David Machado parecem ter relevância e sintomatizar isso mesmo, pois Flor, Vasco e Mateus alegorizam, cada um à sua maneira, o abismo em que, de alguma forma, nos deixámos afundar. Exemplo disso é quando um grupo de jovens rodeiam um pedinte, humilhando-o ao urinar-lhe em cima, à vez, enquanto um deles vai mesmo ao ponto de assumir publicamente esse ato vergonhoso, filmarndo-o e publicando-o online. Menos gritante mas igualmente preocupantes são os episódios em que se descreve as birras do filho de Daniel, sempre que não tem um qualquer gadget com que se entreter, ou quando a preco-

ce e inteligente Flor decide deixar de se aplicar na escola, pois sabe que isso não lhe trará qualquer retorno face à taxa crescente de desemprego. Uma passagem emblemática a considerar é esta: «O País está a afundar-se depressa, estamos todos a tentar manter-nos à tona, uma luta diária, injusta para muitos. Mas tu apanhas-te com trezentos euros, que nem sequer são teus, e a primeira coisa que fazes é comprar um telemóvel. É por causa de tipos como tu que o mundo chegou a este momento tão triste da história. Sabes quanto tempo algumas pessoas conseguem viver com trezentos euros? Meses.» (pp. 154-155). A ética assenta na responsabilização do indivíduo pelo seu progresso, vivendo consciente e responsavelmente, como Daniel procura fazer, pois mesmo quando invade propriedade alheia, ao procurar um canto para dormir, sente culpa e ansiedade permanente, enquanto tenta manter-se à tona face à situação em que se deixou enredar. Já os seus amigos vivem em prisões distintas: Almodôvar encontra-se fisicamente cativo numa prisão, e Xavier, embora tenha uma melhor situação económica, parece ser um contrabandista, voluntariamente preso em casa há anos. Inclusivamente, para sair em viagem com Daniel (quando partem numa viagem que abre um horizonte de esperança no romance), Xavier toma medicação para se autoinduzir num sono profundo que o ajude a suportar a viagem, pois o mundo exterior não só pouco lhe interessa como, de facto, parece amedrontá-lo. Daniel é um optimista sim, que tinha um «Plano» da vida, um diário do futuro, como aliás os próprios livros de autoajuda sugerem: tracemos um esquema e usemos de visualização criativa para que a matriz do mundo se adeque à nossa pré-visão da vida. Até que Daniel percebeu outra coisa com o tempo: «Eu ainda não tinha quarenta anos e o meu mundo estava parado.» (p. 50). Compreendeu, como estamos todos a perceber, que o melhor é deixar espaço para o imprevisto pois quanto mais recetivos estivermos à mudança menos brutal parecerá a vida, mais fácil será a adaptação aos desígnios que nos são apresentados e que estavam completamente fora do plano, ainda que nos possam levar a caminhos nunca antes antecipados.

“RAÍZES” Até 7 FEV | EMARP - Empresa Municipal de Águas e Resíduos de Portimão Eduardo Silva expõe esculturas em madeira. Nos seus tempos livres gosta de fazer passeios pela natureza onde recolhe raízes mortas com as quais desenvolve os seus trabalhos


Cultura.Sul

17.01.2014

 7

Momento

Espectáculo Aéreo Foto de Vítor Correia

Espaço ALFA

Ser modelo requer dedicação e movimentação Mauro Rodrigues Sócio da ALFA

d.r.

Numa altura em que existe tanta diversidade nos media, é importante para os novos talentos movimentarem-se e evitar a espera, isso, claro, requer dedicação e uma boa gestão da sua imagem. Pessoas bonitas como você existem às centenas, não se deixe iludir pela sua beleza porque ironicamente a procura por talentos de todas as idades e feitios é uma realidade, o mercado neste momento é extremamente diversificado e existem oportunidades em muitos locais, é preciso é saber apresentar-se nas agências certas, não se restrinja à passerelle que é muito exigente, porque requere características muito específicas dos talentos. Mas como começar? Em primeiro lugar, terá de começar por fazer sessões fotográficas e tentar perceber se tem talento visual. A imagem é uma questão de servir um propósito para uma história, seja ela na moda ou no cinema. No início terá de partilhar muito a sua imagem até que comece a ter algum retorno financeiro, são as marcas que lhe

vão pagar pelos trabalhos, não pense que será o núcleo criativo, pode acontecer mas poderá ser num estágio mais avançado. Trabalhe por objetivos e tenha prazos para os concretizar. Diversifique os temas do seu portefólio e arranje um site para os mostrar, mantenha-o atualizado e com informação relevante. Tenha a noção que vai ser muitas vezes rejeitado ou ignorado, mas seja perseverante, paciente e nunca desista. Mantenha um contacto regular com todas as agências, com novos trabalhos e procure sempre alternativas, não fique à espera das oportunidades, faça-as acontecer. Envolva-se em projetos criativos de todo o género, quem sabe, uma oportunidade pode estar ao voltar da esquina. Seja conversador, interessado, pontual, responsável e educado, estas qualidades geralmente são relembradas e apreciadas. As agências de modelos nunca pedem dinheiro antecipadamente, por isso a sua inscrição será sempre gratuita. Evite os contratos de exclusividade no início, diversifique-se o mais possível. Agora deite mãos à obra e coloque esse talento em movimento.


8

17.01.2014

Cultura.Sul

Na senda da Cultura

Paisagens do Museu do Prado numa visita rara a Lisboa d.r.

É a primeira vez que parte da colecção do Museu do Prado, de Madrid, está exposta em Portugal e para acolher o valioso espólio emprestado ao país o Museu Nacional de Arte Antiga, a coroa dos museus nacionais situado em Lisboa, abriu portas no início de Dezembro do ano passado à exposição “Rubens, Brueghel, Lorrain. A Paisagem Nórdica do Museu do Prado”. Com honras de presença do primeiro-ministro do país, a exposição que estará patente até ao fim de Março é absolutamente imperdível e mostra 57 pinturas de grandes mestres do século XVII do acervo do museu da capital espanhola, um dos mais importantes do mundo. Obras primas São verdadeiras obras primas, divididas por nove núcleos, que apresentam paisagens flamengas e holandesas retratadas por alguns dos mais importantes mestres da pintura de paisagem. A maioria das telas provém, refere o Museu Nacional de Arte Antiga em nota de imprensa, das Colecções Reais Espanholas. A paisagem ganhou relevo definitivo enquanto género com o fim da tendência de pintar temáticas como os feitos heróicos de carácter histórico, um processo que se desenvolveu durante a segunda metade do século XVI e todo o século XVII. Os artistas do norte da Europa, sobretudo dos Países Baixos, vol-

Vista parcial de “Visão de Stº Huberto” (1617-20) óleo s/ madeira 63 cm x 100 cm de Rubens e Jan Brueghel, o Velho tam-se para o mundano e no seu âmbito para a paisagem como base para as suas obras e deste percurso nasce a autonomia do género. Nove núcleos dão nota das tipologias da paisagem da Flandres e Holanda, desde “A Montanha: encruzilhada de caminhos”, “O Bosque como Cenário: a vida no bosque, o bosque bíblico e a floresta encantada, encontro de viajantes”, passando por “Rubens e

a Paisagem”, “A Vida no Campo”, “No Jardim do Palácio”, “Paisagem de Gelo e de Neve”, “Paisagem de Água: marinhas, praias, portos e rios”, “Paisagens Exóticas, Terras Longínquas” até “Em Itália Pintam a Luz”. Destaques A mostra patente em Lisboa, na Rua das Janelas Verdes, permite ao

visitante ver obras tão importantes como Paisagem Alpina, de Tobias Verhaecht, A vida no Campo, A Abundância e os Quatro Elementos e Boda Campestre de Jan Brueghel o Velho, além de A Visão de Santo Huberto, pintada em colaboração com Rubens, Paisagem com Ciganos e Tiro ao Arco, de David Teniers, ou os dramáticos Cerco de Aire-sur-la-Lys, de Peeter Snayers, e Bosque, de Simon de Vlieger.

De acordo com o museu, “as duas tipologias mais características das paisagens pintadas por artistas do norte da Europa - a paisagem de inverno e a paisagem de água - estão representadas, entre outras, pela delicada pintura O Porto de Amesterdão no Inverno, de Hendrick Jacobsz. Um Porto de Mar ou Desembarque de Holandeses no Brasil, de Jan Peeters, aludem a terras longínquas, às quais o comércio marítimo fez chegar os holandeses”. Espaço ainda para a excelência de Atalanta e Meleagro Caçando o Javali de Cálidon, obra de Rubens, o grande mestre da paisagem nórdica. A exposição termina com algumas das paisagens encomendadas pelo rei Felipe IV de Espanha a Claude Lorrain e a Jan Both, para decorar o Palácio do Bom Retiro de Madrid. Dois jovens pintores que iniciaram em Roma a chamada paisagem italianizante. Para os amantes da arte do pincel e da paisagem como mote da pintura esta é uma oportunidade rara de contactar em Portugal com algumas das mais importantes obras do género em todo mundo, pela mão do Museu Nacional de Arte Antiga. Porque há momentos culturais absolutamente únicos e que dificlmente poderiam alguma vez ter lugar no Algarve aqui fica o desafio a visitar Lisboa por todas as razões e por mais esta tão especial, a de poder ver em terras lusas a dramática excelência de nomes incontornáveis da pintura mundial no género paisagem. Ricardo Claro

Sala de leitura

Para acabar de vez com a cultura Paulo Pires

Programador Cultural no Departamento Sociocultural do Município de Silves esteoficiodepoeta@gmail.com

O dramaturgo e ensaísta austríaco Karl Kraus escreveu um dia que “a cultura é uma muleta com que o coxo bate no são para mostrar que também a ele não faltam as forças”, mas o relatório do Eurobarómetro da Comissão Europeia sobre o acesso e participação na cul-

tura (de Novembro de 2013) mostra que em Portugal, no espaço de um ano (e pelo menos uma vez), 8% dos inquiridos (cidadãos nacionais) assistiram a um espectáculo de dança ou ópera, 13% foram ao teatro, 15% visitaram uma biblioteca pública e 17% deslocaram-se a uma galeria de arte ou museu. Comparativamente ao último estudo (2007), caímos em todos os indicadores, não tendo subido em nenhum deles. Entre os três maiores decréscimos constam a leitura de um livro e o visionamento de um filme em sala (em ambos menos 10%), e a utilização de bibliotecas (me-

nos 9%). Globalmente, o índice português de prática cultural revela-se baixo em 59% dos casos e muito elevado em apenas 1% do universo estudado, colocando-nos na cauda europeia da adesão a actividades culturais. O estudo identifica uma causa principal, que é transversal aos vários itens: a falta de interesse do público, surgindo as outras “barreiras” a uma – na maioria dos casos – assinalável distância percentual: falta de tempo, custo elevado e oferta cultural limitada ou de fraca qualidade. Note-se que é precisamente no indicador “visitas a bibliotecas” que se verifica uma

maior percentagem de respostas justificadas com ausência de interesse (57%). Várias visões (inter-relacionadas) concorrem para este panorama geral: a falta de investimento estatal; a não valorização política e social da cultura como bem essencial; a fraca aposta no ensino cultural e na educação artística, de forma a estimular a criatividade na escola e uma maior articulação desta com o meio cultural exterior (países com níveis educacionais mais elevados apresentam em regra hábitos culturais mais consistentes); e o reduzido poder de compra derivado da actual

conjuntura. Conviria ainda perceber mais a fundo, em termos psicossociais, até que ponto o ambiente de pessimismo, desesperança e défice de entusiasmo afecta realmente os hábitos culturais dos portugueses. Temos vindo a assistir nos últimos anos a três discursos político-ideológicos perversos e perigosos, transmitidos, directa ou veladamente, à opinião pública: não nos podemos preocupar demasiado com a cultura quando há gente a passar fome e uma dívida pública para pagar; o sector cultural não é lucrativo, constituindo um peso para a despesa pública devido

à necessidade regular de subsídios; e na área da cultura pode fazer-se muita coisa com pouco ou nenhum dinheiro, apostando na criatividade e dinamismo dos recursos já existentes, e apelando ao voluntariado e a um maior envolvimento social. O primeiro argumento parece-nos claramente oportunista e coloca na balança pesos não comparáveis pela sua natureza e âmbito, desviando-se do cerne da questão; o segundo é uma falácia fruto do não conhecimento (voluntário ou não, mas grave) das realidades existentes noutros países e do notório impacto socioeconómico das


Cultura.Sul

17.01.2014

 9

Espaço ao Património

Arqueologia Preventiva e Produção de Conhecimento

Elena Morán

Arqueóloga da Câmara Municipal de Lagos Investigadora no UNIARQ - Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa

Frequentemente, na análise de um processo de obra e na elaboração do parecer técnico sobre o seu impacto no património arqueológico, deparamo-nos com uma corrente de acusações imediatas: a um tímido «só quero fazer obras na minha casa, não me interessa a arqueologia», segue-se um taxativo «se a Câmara ou o Estado querem fazer investigação então eles que a paguem». A preservação do património arqueológico como recurso cultural da comunidade é um dever público a que se aplica a Lei 107/2001, de 8 de setembro. É obrigação das Autarquias zelar por esse património e apostar em procedimentos preventivos que garantam a sua salvaguarda, física ou através do «salvamento pelo registo científico», e a produção de conhecimento científico indispensável para caraterizar as cidades e os territórios como espaços de memória coletiva, onde o conheci-

indústrias criativas e culturais (veja-se a Irlanda nos últimos anos); e o terceiro é, em parte (sublinho bem esta nuance), um slogan populista e demagógico, meia-verdade que vai entrevendo uma gradual desresponsabilização e divorciar do Estado enquanto estrutura que tem o papel de assegurar/prestar um serviço público e que, como tal, deve, no âmbito de uma política bem definida, por um lado, apoiar financeiramente (parcialmente, claro) e, por outro, estimular/incrementar e dignificar o universo cultural. Isto não obstante esta crise ter levado (porventura a sua única

projecto geolac

mento do passado seja garantia da preservação das identidades. Uma deficiente prática arqueológica estará na base do mau entendimento do exercício da arqueologia. Se as cidades e os territórios são espaços de memória coletiva, a prática arqueológica só terá razão de ser se houver um retorno social real do conhecimento que vamos adquirindo, isto é, se esse conhecimento for devolvido à comunidade. De contrário, é mais saudável para a preservação do legado histórico não intervir no património arqueológico, sendo neste caso necessário garantir que uma qualquer intervenção no subsolo não afete o património preexistente. Gestão de recursos culturais e gestão urbanística Parece imperativo que os arqueólogos municipais se apetrechem de ferramentas adequadas à gestão urbanística. É fundamental que sintetizem numa carta arqueológica todas as informações sobre as ocorrências de caráter arqueológico num determinado território ou área urbana (registos bibliográficos e relatórios das intervenções arqueológicas). É também indispensável que a cartografia de todas essas ocorrências fundamente uma carta de sensibilidade arqueológica, justificativa dos procedimentos de salvaguarda a implementar

“virtude”) a que, por exemplo, no caso das autarquias se tenha começado a olhar menos para atractivos e tentadores catálogos (com toda uma plêiade de opções “eficazes” quando há muito dinheiro para gastar) e mais para a diversidade cultural e qualidade/dinâmica criativas que se tem “dentro de casa” (associações, plataformas e movimentos colectivos, artistas e outros criativos a nível local/ regional). Se os agentes culturais têm de rever os seus processos de organização e actuação (parcerias, programação em rede, formação de públicos, envol-

A fisionomia das áreas urbanas dificulta por vezes uma intervenção arqueológica tradicional (de escavação), uma vez que a escavação em profundidade pode interferir com a segurança dos trabalhadores e/ou com a estabilidade do edificado. Nesses casos, compete ao arqueólogo municipal procurar estratégias alternativas, não invasivas (procedimentos geofísicos) ou pouco invasivas (procedimentos geoarqueológicos), que permitam caracterizar o local e definir

os procedimentos de salvaguarda mais ajustados no âmbito da execução de projetos de obra. Contudo, a gestão das cidades e dos territórios não deve impedir o arqueólogo municipal de praticar uma arqueologia de investigação, que lhe permita, por uma parte, melhorar o desempenho das políticas de gestão urbanística e, por outra, acrescentar ao legado histórico novas informações, produzir conhecimento e partilhá-lo com a comunidade. Assim, é desejável o estabelecimento de parcerias com entidades externas (universidades e institutos de investigação) que garantam uma investigação de qualidade. Esta é a política que o Município de Lagos vem praticando desde 2006, tendo já estabelecido diversas parcerias, nomeadamente com as Universidades de Sevilha, Bremen e Nantes para o estudo geoarqueológico do Centro Histórico de Lagos e da sua Frente Ribeirinha, com vista ao aperfeiçoamento de uma política de arqueologia preventiva do Centro Histórico de Lagos, com a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa para o estudo de Monte Molião, com vista ao conhecimento e valorização desta estação arqueológica, e com a Universidade de Heidelberg para o estudo da villa romana de São Pedro de Pulgão e do aglomerado romano da Praia da Luz, com vista ao conhecimento e à valorização destes sítios.

contabilísticos, que não respeitam/valorizam o sector cultural, bem como ausência de estratégia e, por vezes gritante, falta de perfil (misto de conhecimento, experiência, exigência, pulso e sensibilidade) dos decisores culturais a nível central, regional e local, provocam danos graves e fundos num tecido vital para o crescimento e promoção do país. O financiamento da cultura não é uma esmola, mas sim um investimento, uma aposta em “que o retorno se faz em termos de economia de valores sociais e de bens simbólicos que sustentam uma ideia de

futuro da comunidade onde são investidos” (António Pinto Ribeiro). Joaquim Manuel Magalhães rematava assim um poema seu: “Só nos resta esperar então morrer?”. Não. Não (nos) fiquemos e não nos (des)gastemos apenas a contar os tostões por causa da crise ou a divinizar ou diabolizar os economistas financeiros. A cultura e a criatividade estão na base, na essência do ser/estar/agir, funcionam como “sal da vida”, constituem o nosso mais “perigoso” potencial e serão “tudo o que resta depois de se ter esquecido tudo o que se aprendeu” (Selma Lagerlöf).

Sondagem geoarqueológica na Rua da Barroca, Lagos caso qualquer obra projetada venha a colidir com o património arqueológico. Como em qualquer instrumento de gestão territorial, as cartas de sensibilidade arqueológica devem ser associadas a um regulamento, definindo as medidas de salvaguarda que se preconizam em cada uma das áreas e graus de sensibilidade. O conhecimento do local e das informações que justificam a atribuição do grau de sensibilidade, permitirá ao promotor programar melhor a intervenção que pretende realizar, incluindo as correspondentes medidas de

mitigação do impacte arqueológico das obras quanto a prazo e custo. Fornecendo ao promotor um elenco dos procedimentos mínimos, a incluir em caderno de encargos, estaremos criando condições para que a intervenção do arqueólogo permita o uso científico dos dados recolhidos e a produção de conhecimento, mesmo naqueles casos em que a intervenção se limita a uma tarefa exclusivamente técnica, sem que o relatório inclua o correspondente enquadramento da intervenção na topografia histórica em que se insere o imóvel.

[porque] “os sonhos não têm fim”, de Jovelino MatosAlmeida [2007] vimento com as comunidades, auto-sustentabilidade, etc.),

não é menos verdade que orçamentos desfasados e puramente

O arqueólogo municipal e a produção de conhecimento


10 17.01.2014

Cultura.Sul

O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N

Janeiro antes de passar a ser o recheio de finos pastéis fritos.

O Tempo Entre As Fendas Pedro Jubilot

pedromalves2014@hotmail.com canalsonora.blogs.sapo.pt

Bom Ano

que devidamente assinalado onde se pode parar e estacionar e que permite olhar o aglomerado urbano da cidade, (sua ilha e aeroporto) a encher-se de luz e cor de dia ou de noite. À devida irrisória escala é a nossa espécie de provinciano Mulholland Drive. Quanto ao desplante surrealista e sádico de se ter de pagar portagem na A22, esse é claramente david lynchiano, ou como diria um amigo meu… estamos mas é da vida linchados.

Escaparates

nunciada a 9 de Março de 1945 no Instituto Francês, a convite do Prof. Lionel de Roulet, obtendo elogiosas referências na imprensa local. Noutro inverno igualmente tempestuoso sentei-me por ali naquele espaço centenário a tomar café e escrevi-lhe esta microbiometria: «existir. mas muito mais do que existir, é amar. o sangue do outro. do tempo de se libertarem no mundo as ideias presas na garganta, de tudo o que escorre do segundo sexo, para poder gritar pedaços de suor, lamber as próprias lágrimas. existindo, vive-se. e vivendo, ama-se, sofre-se e existe-se em essência».

fotos: d.r.

Título do novo livro de poesia de Miguel Godinho, na 4Águas editora, lançado no passado mês de Dezembro, com uma tiragem única de 80 exemplares, numerados e assinados. Reservas por mensagem via facebook ou miguelangelogodinho@gmail.com - (8 € - portes incluídos).

Na feroz concorrência dos dias, a novidade, a mensagem, a imagem, atropelam-nos por todo o lado. Esperam-se as horas para um novo ano como se não fosse mais um dia deste mesmo tempo, em que tudo é uma veloz passagem dos minutos. Queremos ansiosamente o ano vindouro, só para que passe rapidamente a caminho doutro tempo, noutras horas passadas em modos de vida mais desejados... Tão cedo se faz fim de tarde neste cinzento primeiro dia de Janeiro, que quando estiver fora nos dará mais uma hora. A tradição das ‘charolas’ mantém-se na sorte de não estar a chover, e apesar da humidade, com grande afluência de público no largo frente à igreja da Luz. Bem, … e quanto a resoluções de princípio de ano, deixem-me lá ver…, pois é, cada um lá terá as suas… bem hajam nas folhas deste novo calendário… e um bom ano, meus amigos… 

O amor é um fogo selvagem primeiro custa a atear depois não se dá conta dele

Andar A manhã está clara. Só andar faz perder o frio. Entrar pela cidade, a pé. Sei que vou encontrar as mesmas ruas, as mesmas caras. Noutras ruas e noutras caras. Mas não importa. Andar. Andar, só a andar se percebe que temos um corpo, que respira e que se move. Na cidade que parece sempre parada. Andar também faz mover a cidade. Andar faz crescer o dia...

E é bom ver produções de artistas algarvios, entre os grandes nomes da indústria cultural, nos escaparates cheios de produtos em destaque nessa concorrência de vendas de natal de uma empresa multinacional. O livro ‘Claves do Sol e da Lua’ (Arandis, 2014) de Manuel Neto Dos Santos (Alcantarilha, 1959), que diz tem «andado nos últimos anos de prego ao fundo nesta luta cultural no Algarve» e lançará este ano a sua ‘Fotobibliografia’ – comemorativa do 25º aniversário de edições. Nos discos surge ‘Infinity3’ de Pete Tha Zouk (nascido António Pedro, em Olhão, 1978). Considerado o melhor dj português pela grande maioria dos especialistas na arte da percepção musical misturada em bpm, mesmo antes do êxito de ‘I’m Back Again’ com Abigail Bailey. Discípulo de Dj Vibe, ultrapassou o mestre na tabela da revista Mix Mag, para os 100 melhores djs do mundo em 2011.

Microbiometria para

De Passage(m) A fronteira, essa passagem outrora romântica e aventurosa ficou térrea e airosa. Na galeria café Passage (plaza de la laguna, Ayamonte), os muitos relógios na parede junto ao balcão marcam mais uma hora do que o meu pulso. Mas o tempo, ele próprio, está igualmente suspenso na minha vontade de pará-lo. Nas paredes exibem-se ‘Apuntes para una coleción’ de Manuel Moreno Morales - exposição de pintura gráfica. Das colunas para encher o ar, elevam-se as notas de piano de Keith Jarret… Gosto de entrar em cafés vazios e depois vê-los encher lentamente e… ir-me embora quando o barulho começa a tornar-se pouco suportável.

CanalSonora Será lançado no próximo mês, o terceiro título do catálogo da editora :)CanalSonora(: - sediada a 37° 7’ 0’’ N, 7° 39’ 0’’ W, com apresentação em Tavira. Fiquem atentos à convocatória. Chama-se ‘Espuma Evanescente’, do autor Vítor Gil Cardeira, e continua a apresentar-se segundo o lema da editora: pequenos livros~grandes segredos~volumes portáteis~emoções resguardadas.

Simone de Beauvoir

Parque com vista paga

À Noite a Natureza…

Na cozinha da casa dos meus avós havia uma clarabóia. Um pequeno vidro quadrangular lá no alto do tecto que deixava entrar a claridade possível pela açoteia. E eu ficava ali sentado num banco a apreciar as nuances da luz que passava, enquanto a minha avó cozinhava coisas deliciosas: bolos de folha (camadas de massa folhada fina e tenra, como só ela fazia. Com açúcar, canela, amêndoas…), ou as ‘trutas’ de batata doce, cujo creme ficava a descansar numa grande taça de loiça, num armário embutido na parede, diversas vezes atacado por mim,

…à noite a natureza defende-se das ameaças através da humidade com que rega tudo e assarapanta os homens que por aí andam à espera de um novo amanhecer. então mal o dia espreita, cubro-me de casaco. calço luvas. saio para o campo. sei que só gostas de prendas frescas. caminho. sai-me um fumo da boca que não é de fumar. uma geada cobre as pequenas pétalas da manhã que quero colher. regresso de mãos molhadas, frias às tuas quentes…

Agendar

Na Cozinha

Há ali na Via do Infante frente a Faro um par-

“PINTURA DE JUTTA MERTENS-KAMMLER” Até 1 MAR | Galeria de Arte Praça do Mar - Quarteira Com a compra de um iPad, a artista descobriu um novo mundo na pintura: a aplicação digital ou iPad-Painting. Em vez do uso de pincéis, paleta e cavalete, pinta com um dedo ou com uma caneta especial no ecrã

A escritora, filósofa existencialista e feminista francesa (Paris,9.01.1908 14.04.1986) esteve em Faro (diz-se que tomou chá no Café Aliança) para a conferência “A Vida Literária em França, da Ocupação à Libertação”, pro-

“CORES E FORMAS” Até 28 JAN | Galeria de Arte Pintor Samora Barros - Albufeira Exposição de pintura de Artemísia, que reúne diversos trabalhos da artista, natural de Boliqueime, e das aprendizes que frequentam o seu atelier


17.01.2014  11

Cultura.Sul

Da minha biblioteca

O Diário Oculto de Nora Rute, de Mário Zambujal

Adriana Nogueira

Classicista Professora da Univ. do Algarve adriana.nogueira.cultura.sul@gmail.com

É sempre um prazer e um desafio ler os livros de Mário Zambujal. Desde o marco que foi o sucesso do seu primeiro romance, Crónica dos bons malandros, que o deslocou da referência como jornalista (que nunca deixou de ser) e o colocou no rol dos nossos autores de literatura, a sua produção tem continuado a dar-nos bons momentos. Alguns gostos

Agendar

Com uma prosa escorreita, humor inteligente e tratando as personagens com muita bondade, Mário Zambujal constrói mundos muito diferentes daqueles em que a maioria de nós vive. Na minha biblioteca tenho alguns dos seus livros, que muito me fizeram sorrir e ajudaram a ver o mundo com outros olhos. Em Fora de mão – Prosas revisitadas e inéditas, uma belíssima coletânea, publicado em 2003 pela Oficina do Livro, somos defrontados com momentos que nos fazem pensar, como no conto «Uma pratada de mundo» (p.85), que nos remete para a hipocrisia e para a banalização da desgraça que a invasão noticiosa acarreta, ou como em «Vermelho e verde» (quando se refere à personagem que ganha a vida quando os carros param nos sinais): “O seu mundo é outro e se calhar anda ao contrário, como ele, ali, com as luzes coloridas dos semáforos” (p.113); em 2006 escreve, na mesma editora, Primeiro as senhoras. Relato do último bom malandro. Contado na primeira pessoa, não há outra

voz no livro. A personagem conversa com um inspetor da polícia, mas nunca ‘ouvimos’ a voz deste interlocutor – apenas subentendemos as suas respostas ou reações pelas falas daquele: “Dormir, eu dormi, senhor Inspector, mas não posso falar em descanso” (p.23); “Sossegue, Inspector, vou resumir” (p.24); “O senhor Inspector desejará saber se deixaram escapar um nome” (p.28); “Demorei? Queira desculpar” (p.95. Tenho estado a citar a edição de bolso, da Leya, 2010). Este é um livro muito divertido, que nos obriga a colocar-nos na pele do silencioso inspetor e ir acompanhando o desvendar das trafulhices, esquemas, amores, aventuras e desventuras, ao sabor da decisão do “último bom malandro”. Em Uma noite não são dias, de 2009 (editado pela Planeta), o subtítulo revela um pouco da história: Intriga e paixões no esquisito ano de 2044. Há neste romance, pelo ambiente futurista, uma grande ironia com o nosso presente, que é o passado das personagens: “Os mais velhos dizem ter saudades das épocas em que ninguém dizia mal de alguém. Agora é o que se vê” (p.30); “Era impensável, há trinta, quarenta anos, digamos nas imediações de 2010, que alguém afinasse por virem dizer que outro alguém dissera horrores a seu respeito. Agora zangam-se” (p.67). A história tem um toque policial e, como seria de esperar, não nos desiludimos. Em 2012, Mário Zambujal publica, na editora Clube do Autor, Cafuné. Tropelias do secretário da amiga da aia da rainha. Mais uma vez, Zambujal muda de tipo de narrador. Desta vez, está fora da história e conhece tanto o passado como o presente, o que lhe permite fazer conexões entre os dois mundos: “carta (…) mais suculenta que um moderno sms” (p.127); “longe vinha a fresquidão do biquíni e do fio dental” (p.159). Há também aqui, como na

d.r.

O Diário Oculto de Nora Rute é o novo romance de Mário Zambujal generalidade das suas obras, crítica à sociedade e aos costumes e muito humor: a princesa Carlota Joaquina era “tão pouco selectiva quanto a homens que chegava a deitar-se com o próprio marido” (p.18); “o piolho é democrata, nem atende ao estatuto de cada cabeça” (p.199). Um livro que diverte enquanto nos enquadra no Portugal com uma corte em fuga para o Brasil. Confissões privadas de uma jovem rebelde No passado mês de novembro, Mário Zambujal publicou, de novo na editora Clube do Autor, o seu último romance: O Diário Oculto de Nora Rute, que tem por subtítulo divertido, explicativo e longo, tão ao gosto do autor, Confissões privadas de uma jo-

“14º FESTIVAL DE MÚSICA AL-MUTAMID” 25 JAN | 21.30 | Cine-Teatro Louletano Wafir Sheikheldin (alaúde árabe, nay, percussões e voz), Salah Sabbagh (darbouka, riq, daf) e Erika la Turka (dança oriental) são os protagonistas do espectáculo

vem rebelde. O livro tem a forma de diário de uma jovem que caminha para os 22 anos, como a própria afirma (p.43), e começa a 30 de dezembro de 1968, uma segunda-feira. Achei graça quando me dei conta de que estava a iniciar a sua leitura precisamente no dia 30 de dezembro de 2013, também uma segunda-feira (mas, claro, ficaram por aqui as coincidências, pois não demorei um ano a lê-lo: o diário termina a 31 de dezembro do ano seguinte). Sempre com muito humor, somos postos na pele de uma jovem do fim da década de sessenta, uma época de grande agitação política e social, nomeadamente entre os estudantes. Curiosamente, a heroína desta história deixou a faculdade sem acabar o curso e o seu envolvimento políti-

co é algo superficial. Mesmo a sua estada em França, nas manifestações do Maio de 68, não teve o empenhamento que se poderia supor. Aliás, como foi, provavelmente, para muitos jovens daquela geração, que não tinham posição definida e não se envolviam nas lutas. Diz ela: “Acreditam alguns, até declarados opositores ao Salazar, que estão em curso mudanças de respeito. Outros, no círculo de estudantes com que ainda me vou encontrando, dizem ‘primavera marcelista’ com ironia. Tentarei não escorregar para o lado dos apáticos que nada pretendem excepto o divertimento de cada dia, de preferência à noite. Confesso: é para aí que me tem puxado o pezinho” (p.44). O livro é de leitura agradável, divertido, com muitos subentendidos, mas também

com muita crítica direta. E ainda se torna mais interessante por falar de uma realidade relativamente próxima de nós (se bem que muitos leitores – como eu, felizmente – já não a viveram): “Ainda há mulheres proibidas de se casar por serem enfermeiras ou hospedeiras da TAP. E não há mulher casada que possa viajar ao estrangeiro sem licença escrita pelo senhor marido. Diz-se que estas absurdas proibições terminarão em breve. Esperemos que sim, será limpar uma nódoa deste Portugal engravatado” (p.45). Esta nódoa tirámos, mas pusemos muitas outras. Termino com os versos do poeta Alexandre O’Neil, que me ficaram a ressoar quando li aquele parágrafo: “País engravatado todo o ano / e a assoar-se na gravata por engano”.

“FADO [EM] SINFONIA��� 25 JAN | 21.30 | Centro Cultural de Lagos A Academia de Música de Lagos junta-se a um talento emergente do fado, Ana Pinhal, para a construção de um programa em torno do Fado Tradicional e Novo Fado, com composições e arranjos da autoria de Manuel Maio, Bruno Ribeiro e o Ensemble algarvio Gato Malvado.


12 17.01.2014

Cultura.Sul

Novo rosto a liderar a Direcção Regional de Cultura Alexandra Gonçalves é o nome da nova directora regional de Cultura do Algarve. A ex-vereadora da autarquia farense tomou posse no mês de Dezembro e substitui no cargo Dália Paulo que, entretanto, regressou à Câmara de Faro de cujos quadros faz parte e já está a trabalhar à frente da Divisão da Cultura da Câmara de Loulé em regime de comissão de serviço, confirmou ao POSTAL a ex-responsável pela pasta na região. O novo rosto aos comandos da Direcção Regional é licenciada em Marketing pela Universidade do Algarve e concluiu recentemente o doutoramento em Turismo na Universidade de Évora, ainda durante o seu mandato na câmara da capital algarvia. Aos 41 anos o seu currículo académico inclui ainda o mestrado em Gestão do Património Cultural pela universidade onde se licenciou e onde lecciona, na Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo. Quer a formação académica, quer a experiência profissional, seja no sector privado, seja em funções ligadas à causa pública, serão instrumentos determinantes no desafio que a nova directora regional assumiu. A Cultura numa região de turismo Realce para a gestão focada no turismo que, numa região que é o mais importante destino turístico do país, é uma mais-valia, uma vez que a gestão da Cultura no Algarve se tem, necessariamente, e mais do que no resto de Portugal, de fazer para os turistas ao mesmo tempo que se faz em prol dos residentes. A herança deixada pela anterior responsável do organismo da administração desconcentrada do Estado implica para Alexandra Gonçalves um desafio acrescido. Dália Paulo revolucionou a Direcção Regional de Cultura e o seu papel e forma de intervir na cultura da região e a obra dá mostras disso mesmo.

PUB

d.r.

Real Marina Hotel & Spa Alexandra Gonçalves é a nova directora regional O que se espera da nova titular da Cultura Não obstante, Alexandra Gonçalves conta com a vantagem de ter já hoje uma equipa na Direcção Regional motivada e onde há elementos de relevo que compreendem a necessidade de uma atitude proactiva e promotora da cultura regional num padrão que não se compadece com o anacronismo da capacidade transformadora da administração pública em muitas matérias. Habituada a fazer e a congregar esforços, mulher de resultados e de diálogo reconhecidos na execução do cargo de vereadora na câmara algarvia, espera-se de Alexandra Gonçalves a mão capaz de manter a Direcção Regional no bom caminho, sejam quais forem as opções tomadas. Mais do que continuidade tout court, pede-se-lhe a sua própria abordagem da pasta da Cultura com resultados próprios no sentido positivo trilhado pela sua antecessora. Muito há a fazer depois dos passos dados - largos convenha-se - por Dália Paulo. Ao nível do património edifica-

do e dos sítios e lugares históricos da região, mas muito em particular na área das tecnologias de informação e respectiva acessibilidade para o sector. A Direcção Regional tem, desesperadamente, de se colocar na primeira linha de visibilidade nas redes sociais e na web, oferecendo conteúdos amigáveis em várias plataformas e neste capítulo há um mundo por fazer que não se compadece com as demoras provocadas pela vontade uniformizadora da tutela. A Direcção Regional tem os conteúdos e a qualidade de trabalho que permitem avançar sem demoras neste capítulo e esperar tem custos demasiado elevados. Nas demais áreas a capacidade de ouvir, ser um facilitador e interlocutor privilegiado é o que se pede a Alexandra Gonçalves, a quem se exige ainda o génio de congregar vontades e reforçar apostas de sucesso em prol daquilo que nos forma a fatia de leão da identidade, a Cultura. Não é pouco, por isso é um desafio e Alexandra Gonçalves aceitou-o. Ricardo Claro

Criamos momentos únicos para si Real Marina Hotel & Spa - Olhão Info e reservas Spa: 289 091 310 - spa @realmarina.com


POSTAL 1116 - 17 JAN 2014