Issuu on Google+

PUB

Director Henrique Dias Freire • Ano XXVI • Edição 1112 • Semanário à sexta-feira • 8 de Novembro de 2013 • Preço € 1

EM FOCO 2 JORGE BOTELHO GANHA PRESIDÊNCIA DA AMAL 3 CÂMARAS OBRIGADAS A REDUZIR PESSOAL 4 SAL-GEMA DE LOULÉ GARANTE SEGURANÇA NAS ESTRADAS 5 AQUICULTURA DISPARA NO ALGARVE 7 SEGURANÇA SOCIAL FECHA VÁRIAS TESOURARIAS 7 CLASSIFICADOS 9

Câmaras obrigadas a reduzir duzentos funcionários

ÀS SEXTAS EM CONJUNTO COM O PÚBLICO POR €1,60

Este ano as câmaras do Algarve cortaram nos contratos individuais de trabalho para reduzirem 2% da força de trabalho e mitigaram os efeitos com as reformas. Em 2014, o OE propõe novo corte de 2% no pessoal e, caso não haja novas reformas suficientes, as câmaras vão ter agora de cortar no pessoal do quadro. Uma situação que atinge saídas de 200 funcionários públicos p. 4

>

ricardo claro d. r.

Jorge Botelho ganha presidência da AMAL >3

Economia:

Maria Luís Albuquerque corta três milhões nos orçamentos das câmaras

António Eusébio fica com a gestão executiva

>4

d.r.

SERVIÇOS PÚBLICOS

Aeroporto de Faro aumenta tráfego em 2% >5

DEMOGRAFIA

Somos cada vez menos pessoas no Algarve

SERVIÇOS PÚBLICOS > Somos cada vez menos por ter-

ras algarvias, revelam os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística. Conheça quantos somos, quantos nasceram e morreram e muito mais numa análise dos dados demográficos da região referentes a 2012 feita pelo POSTAL. p. 2

PUB

Segurança Social fecha várias tesourarias >8

CA

CARTÃO CONTACT0 Veja anúncio pág. 6


pub

2  |  8 de Novembro de 2013

em foco

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Algarve está a perder população Região apresenta indicadores negativos em todas as componentes do crescimento demográfico Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

d.r.

do que no ano anterior, crescendo para 19,8%. Sublinhe-se que o índice de dependência total da população da região (a relação entre a população jovem e idosa [não activos] e a população em idade activa) fixou-se em 2012 nos 54,7%, 0,7% acima do registado em 2011, e que o Algarve ocupa nesta matéria em Portugal a terceira pior posição só ultrapassado pelo Alentejo e

DE ACORDO COM AS ÚLTIMAS ESTATÍSTICAS, referentes a

2012, divulgadas no final de Outubro pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Algarve apresenta maus indicadores em todas as componentes que integram a análise da evolução demográfica. Somos hoje menos pessoas no Algarve do que éramos em 2011 e em muitos dos indicadores a queda de resultados favoráveis ao crescimento demográfico já se repete pelo segundo ano consecutivo. Somos menos e estamos em média mais velhos, com a natalidade a cair e o número de idosos a aumentar face a uma população activa que é em número cada vez menos capaz de responder pelos não activos, idosos e menores de 15 anos. Se é verdade que o panorama regional nestas matérias não é muito diferente do que se verifica a nível nacional e se estas são questões que se impõem como determinantes do futuro e pois de obrigatória discussão e reflexão para Portugal, não menos verdade é que está muito por fazer nesta matéria a nível regional. As políticas públicas de apoio ao crescimento demográfico são hoje absolutamente determinantes para a sobrevivência dos países ditos desenvolvidos e do primeiro mundo e deixaram há muito de ser meras discussões académicas, mas por terras do Algarve parece que a distância entre estes temas e a ordem do dia, nomeadamente política, parece ser ainda maior do que no todo nacional.

Região perdeu:

1.750 residentes Segundo o INE, em 2012 o Algarve perdeu 1.750 habitan-

Natalidade

4.159

ÔÔ População idosa é a única que está a crescer na região tes e registou um saldo natural absoluto (diferença entre os valores de natalidade e de mortalidade) negativo em 673 pessoas. Os dados mais básicos do crescimento demográfico são pois negativos e nem o saldo migratório (diferença entre

Indicadores de crescimento demográfico (taxas) Crecimento demográfico:

- 0,39% Crecimento natural:

- 0,15% Saldo migratório:

- 0,24% o número de pessoas que entram e saem da região) é positivo, contas feitas este indicador regista mais 1.077 pessoas a sair do que a entrar na região

em fluxos migratórios. Analisando os dados em taxas o crescimento demográfico algarvio é negativo em 0,39%, a taxa de crescimento natural cifra-se nos - 0,15% e a taxa de crescimento migratório fixou-se, em 2012, nos - 0,24%. Não obstante, em todos os três indicadores a situação é menos gravosa na região do que a nível nacional onde, respectivamente os resultados são de - 0,52%, - 0,17% e - 0,36%. Destaque para o facto de nos três indicadores o Algarve registar valores negativos pelo segundo ano consecutivo, depois de, de acordo com os dados do INE, ter um longo histórico de resultados positivos, nomeadamente, nos últimos cinco anos (2007-2012).

Quantos somos?

444.390 O resultado deste panora-

ma é que a região tem agora 444.390 residentes, o número mais baixo desde 2008. Mas a fotografia é bem mais preocupante quando se olha para a população residente com menos de 14 anos, onde os 68.943 habitantes só encontram paralelo se recuarmos até 2007. Também a população em idade activa, entre os 15 e os 64, regista quebras face ao ano de 2011. Somos agora no Algarve, nesta faixa etária apenas 287.313, um número que só em 2007 foi inferior. Por seu turno, a população idosa, maiores de 64 anos, cresceu consistentemente nos últimos cinco anos e soma agora 88.134 residentes.

não estão a garantir pelo menos a reposição das camadas jovens, um quadro que se regista à imagem e semelhança dos resultados nacionais.

Estrutura etária Jovens (menos de 15 anos):

- 15,5% População activa (15 a 64 anos):

- 64,7% Idosos (mais de 64 anos):

- 19,8%

Idosos (mais de 64 anos)

88.134 Estamos pois a envelhecer e, mais do que isso, os algarvios

Os jovens representam apenas 15,5% da população, menos 0,1% do que em 2011, a população em idade activa soma 64,7%, menos 0,2% do que no ano de 2011, e os idosos representam em 2012 mais 0,3% da população

(nados-vivos)

pela zona Centro. Quanto à natalidade, a região apresenta um panorama igualmente desanimador. Nunca desde 2007, o Algarve teve tão poucos nados-vivos, ficando-se em 2012 pelos 4.159 nascimentos completos e com vida, menos 404 do que no ano transacto. A taxa bruta de natalidade fixou-se nos 9,3 nascimentos por cada mil habitantes revelam as estatísticas do INE.

Óbitos

4.834 Quanto à mortalidade, fixou-se em 2012 numa taxa de 10,9 por cada mil habitantes, num número absoluto de 4.834 óbitos. Registe-se que no que toca à taxa de mortalidade infantil está acima dos resultados nacionais, cifrando-se em 4,8 óbitos por cada mil habitantes quando o valor nacional foi em 2012 de 3,4 por cada mil. No panorama nacional este é o pior resultado, excepção feita ao valor registado na Região autónoma dos Açores.


pub

8 de Novembro de 2013  |  3

MUNDITÁLIA

região

Importação e Exportação Lda

PORTAS • GRADES • AUTOMATISMOS • PARAFUSARIA E FIXAÇÃO • MOLAS TÉCNICAS • WPC Comercialização para profissionais directamente de fábrica Morada: Estação de Loulé, Passagem de Nível 6 A, 8100-306 Loulé  +351 289 356 580 •  +351 289 356 581 •  munditalia@sapo.pt

Jorge Botelho eleito novo presidente da AMAL

d.r.

Autarca promete reivindicar o melhor para a região Pedro Ruas/Ricardo Claro pedror.postal@gmail.com

O PRESIDENTE DA CÂMARA DE TAVIRA, JORGE BOTELHO (PS), É O NOVO PRESIDENTE DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALGARVE (AMAL), suceden-

do assim ao antigo autarca farense Macário Correia, uma escolha que corresponde ao que o POSTAL já tinha avançado. Secundando Jorge Botelho, foram ainda eleitos José Amarelinho (PS), autarca de Aljezur, e o edil de Monchique, Rui André (PSD), como vogais nos novos quadros da AMAL.

PARCERIA COM O GOVERNO POR UM ALGARVE MAIS FORTE Em

declarações ao POSTAL, Jorge Botelho sublinha que com

ele a AMAL vai ter “uma voz activa e será um parceiro do Governo”, contudo, o autarca diz que não deixará de reivindicar o melhor para a região ou de se opor às medidas que considere prejudiciais aos municípios algarvios”. Pese embora ainda não tenha sido regulamentado, o quadro de descentralização promovido pela nova lei das comunidades intermunicipais é bem-vindo, segundo o novo presidente do órgão regional, mas apenas será aceite se for reforçado o financiamento para as mesmas. “Há o interesse de estar cada vez mais próximo das populações em matérias como a educação, a saúde e a acção social, mas é preciso

que haja meios financeiros para o fazer”, reivindica o autarca tavirense. Sobre as diferenças que se podem esperar do actual executivo da AMAL, Jorge Botelho prefere fazer comparações com aquilo que tem feito enquanto edil de Tavira, garantindo que não vai ser por falar mais alto que se vão obter resultados, mas pelos argumentos e credibilidade dos assuntos colocados em discussão, defendendo os municípios da região, e assim defender os interesses de todos os algarvios. Jorge Botelho considera ainda que é fundamental haver resultados e que “fazer com que o Algarve ga-

nhe é fazer com que ganhe o país”. “É necessário que sejamos ouvidos pelo Governo para que a região não se torne periférica, mas, cada vez mais, um importante motor da economia do país”.

ANTÓNIO EUSÉBIO VAI SER SECRETÁRIO TÉCNICO Os 16 presi-

dentes de câmara do Algarve elegeram ainda António Eusébio como primeiro secretário permanente da AMAL, cargo também resultante das alterações legislativas previstas na nova lei. O presidente do PS Algarve vai exercer o cargo de secretário técnico da AMAL, tendo, como o próprio avançou ao POSTAL, a função de “apoiar técnica, estratégica

pub

ÔÔ António Eusébio fica com as responsabilidades executivas e mesmo politicamente a direcção do órgão”. Sobre as novas atribuições distribuídas pelas comunidades intermunicipais, António Eusébio mostra-se prudente e afirma que “sem saber o valor do pacote financeiro associado às novas competências é cedo para se saber o que a AMAL pode vir a construir”, sublinha. Ainda assim, o futuro secretário técnico afirma que algumas das competências agora atribuídas, trazem à AMAL um “princípio de

regionalização”, mas que depende do próximo Orçamento de Estado a confirmação se estamos, ou não, perante uma realidade de representatividade regional mais forte do que até então. Também sobre as estratégias e alíneas que a AMAL poderá vir a ter em mãos no imediato, “será o OE que está a ser discutido no parlamento que vai servir de base aos trabalhos mais próximos da comunidade intermunicipal algarvia”, refere. pub

pub

Encounter Learning Centre Escola de Línguas

CONVOCATÓRIA De acordo com o disposto nos Estatutos, convoco a Assembleia Geral Ordinária para reunir, em 1ª. Convocatória no Salão Nobre do Instituto, no dia 15 de Novembro de 2013, pelas 16.00 horas, com a seguinte:

ORDEM DE TRABALHOS 1. - Apreciação e votação do Orçamento e do Programa de Acção para o ano de 2014.

Santa Casa da Misericórdia de Tavira Instituição fundada em 1498

AVISO CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ELEITORAL De conformidade com o preceituado no artigo 7º do Regulamento Eleitoral, convoco a Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Tavira, para a sessão eleitoral a realizar no dia 23 do corrente mês, no edifício do Lar/Centro de Dia, situado na Rua da Atalaia n.º 5.

Não havendo à hora marcada, quorum, convoco desde já a Assembleia Geral Ordinária, em 2ª. Convocatória, para reunir no mesmo dia e local pelas 17.00 horas, com qualquer número de sócios.

A ordem dos trabalhos circunscreve-se ao ato eleitoral, sendo a abertura da urna às 14 horas e o encerramento da votação às 16 horas, pelo que a partir desta hora apenas serão admitidos a votar os irmãos presentes no sala onde decorre o ato eleitoral.

Faro, 24 de Outubro de 2013 O Presidente da Mesa da Assembleia Helder Martins do Carmo

Tavira, 5 de Novembro de 2013

Dr. Victor Manuel Nascimento Minhalma

(POSTAL do ALGARVE, nº 1112, de 8 de Novembro de 2013)

(POSTAL do ALGARVE, nº 1112, de 8 de Novembro de 2013)

Para constar e produzir os efeitos legais se passou o presente aviso e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares públicos do costume, publicado no jornal local e enviado aos irmãos.

CURSOS DE PREPARAÇÃO CAMBRIDGE E IELTS PARA TODAS AS DATAS DE EXAME

CONTACTE-NOS JÁ! “Um encontro para o futuro”

O Presidente da Assembleia Geral,

Largo do Carmo, Edf. O Seu Café, nº77, 2ºD - Faro ' 289 807 202 - 918 561 846 Ÿ encounterfaro@gmail.com


4  |  8 de Novembro de 2013

região

Algarve espera fechar ano com mais 800 mil dormidas pág. 6

Câmaras obrigadas a reduzir pessoal

SAÚDE

População de Santa Luzia perde médico assistente d.r.

A POPULAÇÃO DE SANTA LUZIA foi surpreendida na pas-

Orçamento de Estado obriga a corte de 2%, mais de duas centenas de pessoas Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO (OE), que

está em discussão na Assembleia da República por estes dias, obriga as câmaras do Algarve a reduzir o pessoal em 2%. Um valor que na prática representará uma redução de pessoal que pode ultrapassar os 200 funcionários em toda a região, número confirmado ao POSTAL por Jorge Botelho, presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL). A medida é extensiva a todas as autarquias do país e surge na proposta de OE à semelhança do que sucedeu em 2013, mas os efeitos serão desta vez diferentes do presente ano. Enquanto que a redução imposta pelo OE de 2013 foi atingida através das reformas de funcionários e da não renovação de contratos individuais de trabalho nas autarquias, em 2014 já pouco há a cortar nestes contratos e às reformas terão de somar-se dispensas de funcionários públicos dos

ricardo claro

quadros das câmaras. Jorge Botelho, em declarações ao POSTAL, mostra-se “muito preocupado com a situação”, sublinhando “o efeito que esta medida terá em primeiro lugar na vida dos funcionários e respectivas famílias afectados e depois nos números do desemprego e na economia”.

QUEM NÃO REDUZIR VÊ CORTADO O ORÇAMENTO A proposta

de OE é clara, as câmaras que não reduzirem em 2% o pessoal verão cortadas as transferências de dinheiro do OE para os respectivos orçamentos municipais. O controlo dos cortes na força de trabalho será, de acordo com a proposta, feito trimestralmente, com as câmaras obrigadas a enviar ao Governo os respectivos relatórios de cortes e quadros de pessoal. Em causa, alerta ainda o presidente da AMAL, está a forma como o processo está a ser conduzido. “A autonomia financeira e administrativa das autarquias locais pode estar em causa com uma medida de carácter tão genérico”, diz

ÔÔ Jorge Botelho, presidente da AMAL e da Câmara de Tavira o também presidente da Câmara de Tavira, sublinhando que “estão ainda por definir os moldes em que para a Administração Local serão processadas as reduções de pessoal, nomeadamente, quanto ao pessoal dos quadros”. Certo é que por via desta medida o desemprego na região aumentará garantidamente, num avolumar de desempregados que conta ainda com os efeitos acrescidos das mesmas imposições feitas pelo OE para as administrações regionais e para o sector empre-

sarial do Estado, excepção feitas aos hospitais. Miguel Freitas, deputado do PS à Assembleia da República, em declarações à Lusa, considera que este “é um caminho encapotado de despedimentos também na administração local”. O parlamentar vai questionar o Governo sobre a matéria, para saber se “vai haver também um plano de rescisões amigáveis na Administração Local”, à semelhança do que se verifica na Administração Central.

sada semana com a perda do médico responsável pela assistência àquela comunidade do concelho de Tavira no Centro de Saúde da cidade do Gilão. Depois de ter deixado de ter um médico assistente na própria localidade, os santaluzienses tinham o apoio do transporte da Junta de Freguesia local nas deslocações até à sede de concelho para irem ao médico. Uma situação que já causava transtornos e que agora se vê agravada com a falta de médico no centro de saúde. Contactado pelo POSTAL, Manuel Janeiro, director executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Sotavento, adianta que o médico não será substituído este ano. A resposta, avança o responsável, passa por um médico de família que ainda tem vagas em Tavira, por dois clínicos ainda com vagas na Luz de Tavira e por uma médica também com capacidade de resposta em Santo Estêvão, sendo que nestes três últimos casos os utentes que aceitem ocupar as vagas terão de se deslocar até às respectivas extensões do centro de saúde. Ainda no âmbito da capacidade de resposta disponível

ÔÔ Médico substituído em 2014 está um médico que atende diariamente no Centro de Saúde de Tavira numa consulta para quem não aceita um médico de família, esclarece Manuel Janeiro. Não obstante, só em 2014 serão abertos novos concursos para substituir o médico agora em falta, revela a mesma fonte, que adianta existirem já médicos interessados na ocupação do referido lugar. Ao POSTAL, Jorge Botelho, presidente da Câmara de Tavira, manifestou “preocupação com a situação”, e “revolta com as sucessivas situações de precarização dos cuidados de saúde que se verificam na região e que também afectam o concelho de Tavira”. O autarca garante que acompanhará de perto a situação e que envidará todos os esforços para que a mesma possa ser reposta na situação anterior no mais curto espaço de tempo possível. RC

GOVERNO CORTA NO ORÇAMENTO DAS AUTARQUIAS

Câmaras do Algarve vão receber menos três milhões Ricardo Claro/Lusa ricardoc.postal@gmail.com

AS AUTARQUIAS DO ALGARVE VÃO SOFRER NOVOS CORTES NOS FUNDOS que recebem

através das transferências do Orçamento de Estado (OE), este é o resultado para o qual aponta a proposta de lei do orçamento que o Governo enviou ao Parlamento para discussão e aprovação para o ano de 2014. O alerta parte do deputado socialista à Assembleia da República, Miguel Freitas, que sublinha que a cumprir-se o OE prevê cortes da ordem dos três milhões de euros repartidos pelas 16 câmaras da região.

d.r.

A situação que o deputado qualifica de “muito preocupante”, em declarações à Lusa, pode, diz, “colocar em causa funções regulares das autarquias”. O parlamentar socialista sublinha que “a região é a que mais perde no país em termos nominais” no Orçamento do Estado para 2014. São 4,08% das verbas, de acordo com os dados avançados por Miguel Freitas.

AMAL PREOCUPADA COM CORTES Para a Comunidade In-

termunicipal do Algarve (AMAL), na voz do seu novo presidente, Jorge Botelho, “estes cortes são significativos” e “se há menos dinheiro

ÔÔ Miguel Freitas, deputado do PS à Assembleia da República há coisas que podem ter de deixar de se fazer em função das verbas reduzidas”. O também autarca de Tavira

- câmara onde os cortes superam os 300 mil euros - adianta que “mesmo considerando a apertada e rigorosa gestão

dos respectivos orçamentos que tem vindo a ser feita pelas autarquias, os montantes do corte são substanciais”. Jorge Botelho, em resposta a uma questão do POSTAL, diz não ser certo que o aumento das verbas do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) possa ajudar a cobrir a baixa das transferências do Estado. “As câmaras ainda não sabem, mesmo quanto a 2013, se efectivamente vão ver aumentar as receitas de IMI”, diz o autarca, recordando que “o efeito do aumento do imposto foi mitigado em 2013, e será em 2014, pela cláusula de salvaguarda”, que impede aumentos superiores a 75 euros, a um terço

do valor que se pagava antes da reavaliação. Outra das preocupações de Miguel Freitas tem a ver com a lei dos compromissos que “continua a impedir todos os municípios de recorrerem a financiamento, mesmo aqueles municípios que se portaram bem e estão abaixo do limite de endividamento”. Miguel Freitas refere que o Algarve tem “um nível de execução do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) inferior a 50%, quando faltam dois anos para concluir o quadro” e, por isso, defendeu a criação de uma “excepção para os municípios, do ponto de vista da contrapartida para os fundos comunitários”.


8 de Novembro de 2013  |  5

região

Aquicultura dispara no Algarve pág. 7

Sal-gema de Loulé garante segurança nas estradas

HORÁRIO DE INVERNO

Aeroporto de Faro aumenta tráfego em 2% D.R.

Cerca de 2.500 toneladas têm como destino as vias do centro e norte do país D.R.

A ESTRADAS DE PORTUGAL (EP) prevê utilizar quase 2.500

toneladas de sal-gema, vindas das minas de Loulé, para garantir a segurança na circulação rodoviária, no próximo ano, em vias afectadas por neve e gelo no norte e centro do país. Fonte daquela empresa pública anunciou à Lusa o lançamento a concurso, por 190 mil euros, da aquisição de 2.472,5 toneladas de sal-gema e de uma tonelada de cloreto de cálcio, para aplicação entre Janeiro e Maio e entre Outubro e Dezembro de 2014. Trata-se de “fundentes” a utilizar na “prevenção e combate à formação de gelo e neve” na rede de estradas nacionais sob jurisdição da empresa. “Quando se verifica a existência de gelo ou de uma camada fina de neve no pavimento e cuja remoção pelos equipamentos não é exequível, é através da aplicação de fundentes que se torna possível voltar a garantir uma boa aderência à estrada”, explicou a mesma fonte. O combate ao gelo e à neve é feito através do espalhamento de sal-gema por limpa-neves. Nas zonas onde a formação de gelo é pontual a aplicação é realizada manualmente. O sal-gema utilizado nos últimos anos nas estradas nacionais veio das minas de

ÔÔ Combate ao gelo e à neve é feito através do espalhamento de sal-gema por limpa-neves ÔÔ Reino Unido, Escandinávia e Holanda são as principais apostas Loulé, o único local de produção em Portugal. Em 2013, a EP prevê aplicar, nestas acções, 2.366 toneladas de sal-gema, valor próximo do utilizado no ano anterior, que varia em função das previsões para a estação. Já para o próximo ano a quantidade a fornecer - que pode não ser toda utilizada, sem custos para a empresa - sofre um incremento, justificado pela EP com o regresso do IP4 à sua jurisdição directa. Segundo a empresa, “uma boa parte” da rede nacional de estradas sob jurisdição directa, situada mais a norte, “sofre no Inverno o efeito das condições climatéricas rigorosas adversas”, como neve e gelo, “o que constitui um factor de risco para segurança rodoviária”.

SAL-GEMA DISTRIBUÍDO NOS

DISTRITOS DO NORTE E CENTRO Este sal-gema a adquirir

será distribuído pelos distritos de Aveiro, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Porto, Vila Real, Viseu e Guarda, além do Centro de Limpeza de Neve (CLN), localizado em Piornos, a mais de 1.600 metros de altitude (Serra da Estrela). Os lotes a adquirir serão constituídos por 2.191 toneladas de sal-gema a granel e 280 toneladas em mais de 200 sacos a colocar em locais onde existem equipamentos mecânicos para espalhamento. Os restantes 1.500 quilogramas estarão disponíveis para utilização em regiões e estradas onde as situações de formação de gelo “são pontuais”. No norte e centro norte do país a rede rodoviária sob jurisdição directa da EP é superior a 7.000 quilómetros de estradas,

Assine o

com “inúmeros troços onde é necessária uma intervenção regular e continuada” face à formação de gelo e neve. “Destacando-se naturalmente o trabalho desenvolvido nas vias de acesso ao maciço central da Serra da Estrela”, apontou a fonte, sublinhando que nesta zona, por vezes com temperaturas inferiores a 5º centígrados negativos, é espalhado igualmente cloreto de cálcio. Já os meios mecânicos da EP estão colocados nas regiões onde se verifica “maior incidência” de formação de gelo e queda de neve, como nos distritos de Bragança, Vila Real, Coimbra, Viseu, Guarda, além da Serra da Estrela. Entre estes contam-se nomeadamente 11 limpa-neves com espalhador de sal acoplado e cinco retroescavadoras. Lusa

O AEROPORTO DE FARO vai

ter um crescimento global de tráfego de 2% no horário de Inverno, relativo a ligações com o Reino Unido, a Escandinávia e a Holanda, anunciou a empresa ANA, Aeroportos de Portugal. A ANA precisou que este aumento regista “a oferta de mais 28 mil lugares e um acréscimo de 126 movimentos em relação à temporada de Inverno” passada. “Este crescimento que se assinala vai distribuir-se nesta temporada pelos principais mercados que servem a região, designadamente o mercado escandinavo com um crescimento significativo na oferta de lugares repartidos pela Dinamarca, Suécia e Noruega, e ainda pelo Reino Unido e Holanda”, avança a

Envie este cupão para:

NOME __________________________________________________________________________________________________________________________ MORADA __________________________________________________________________________________________

  

Lusa

POSTAL DO ALGARVE - Rua Dr. Silvestre Falcão, nº 13 C, 8800-412 Tavira

(50 Edições) Portugal 30 ¤ I Europa 50 ¤ I Resto Do Mundo 80 ¤

NIF

empresa que gere os aeroportos portugueses. Num comunicado em que anunciou a disponibilização dos horários de Inverno online, através do site da empresa (http://www.ana.pt), a ANA frisou que “o tráfego aéreo regular neste Inverno fica marcado pela abertura da nova rota para Leeds [Inglaterra], com três frequências semanais (às terças e quintas-feiras e aos domingos), servida pela Monarch Airlines, e pelo acréscimo de uma frequência semanal, em Dublin, pela Aer Lingus, e Dusseldorf, pela Airberlim”. A ANA acrescentou que a companhia aérea Norwegian vai manter, aos sábados, a ligação Faro-Londres/Gatwick (Inglaterra).

TEL   

 

DATA DE NASCIMENTO _______ ⁄ ________ ⁄ ____________

CÓD. POSTAL _________ - _____ — ________________________________________________

EMAIL _______________________________________________________ PROFISSÃO ________________________________

AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO - por débito na conta abaixo indicada, queiram proceder, até nova comunicação, aos pagamentos das subscrições que vos forem apresentadas pelo editor do jornal POSTAL do ALGARVE. Esta assinatura renova-se automaticamente. Qualquer alteração deverá ser-nos comunicada com uma antecedência mínima de 30 dias.

30 ¤

NIB

Assine através de TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA

BANCO _______________________________________________________________________________________________

   

NOME DO TITULAR __________________________________________________________________________

35 ¤ 

BALCÃO ______________________________________________

_______________________________________________________________________________ ASSINATURA IDÊNTICA À CONSTANTE NA FICHA DO BANCO DO TITULAR DA CONTA.

Assine através de DINHEIRO, CHEQUE ou VALE POSTAL, à ordem de Postal do Algarve.

NOTA: Os dados recolhidos são processados automaticamente e destinam-se à gestão da sua assinatura e apresentação de novas propostas. O seu fornecimento é facultativo. Nos termos da lei é garantido ao cliente o direito de acesso aos seus dados e respectiva actualização. Caso não pretenda receber outras propostas comerciais, assinale aqui.


6  |  8 de Novembro de 2013

região

Segurança Social fecha várias tesourarias pág. 8

Algarve espera fechar ano com mais 800 mil dormidas Região já ultrapassou o ano anterior d.r.

O PRESIDENTE DO TURISMO DO ALGARVE, DESIDÉRIO SILVA, estima que o ano de 2013 feche com mais 800 mil dormidas na região do que no ano passado, resultado que espera alcançar com a aposta no turismo de Inverno. “Este ano registámos um aumento de dormidas muito interessante e também em termos de receitas, segundo os sinais que os agentes do sector nos têm dado”, referiu à Lusa, sublinhando que a época balnear algarvia terminou com saldo positivo. As previsões de mais 800 mil dormidas são sustentadas no facto de até Junho a região ter já registado mais de 200 mil dormidas do que no ano anterior, a par de um reforço no

potencialidades da região na época baixa e também para fazer já a promoção do final de ano e do Carnaval”, acrescentou. O golfe é um dos segmentos turísticos que ajuda a combater a sazonalidade turística e os prémios que a região tem vindo a arrecadar a nível europeu e mundial - enquanto destino de golfe de referência - fazem Desidério Silva acreditar no reforço

da afluência de praticantes de golfe à região. “Os números não sendo ainda muito superiores dão sinais positivos”, observou, salientando que o turismo desportivo e de natureza são segmentos alternativos que estão a ganhar dimensão e que o Turismo do Algarve quer potenciar, com a promoção do interior algarvio.

“O Algarve natural, mais desconhecido, tem condições e produtos fantásticos, desde as caminhadas, às bicicletas, da observação de aves ao património, à cultura e à gastronomia. Estamos a potenciar esses produtos para complementar aquele que é o nosso ‘prato forte’ que é o Verão”, concluiu aquele responsável. Lusa pub

Rastreio Auditivo Faça a sua Reavaliação Auditiva

ÔÔ Desidério Silva aposta no turismo de Inverno turismo para a época baixa, no qual já estão asseguradas mais 150 mil dormidas, explicou Desidério Silva. A sazonalidade turística é uma batalha que a região defronta há muito tempo e é nesse âmbito que o Turismo do Al-

GRÁTIS e perto de sua casa

garve e o Turismo de Portugal estão a trabalhar num programa de reforço do turismo de Inverno. “O Turismo do Algarve vai fazer ‘roadshows’ [apresentações] em Sevilha, Granada, Madrid e Galiza para dar a conhecer as

Informe-se sobre o dia e hora das nossas visitas :

289 825 075 / 967 757 673

pub

Largo de Camões – Edifício Riamar, Bloco 7 Loja nº 20 - Faro (PERTO DA CP) E-mail:diverproteses.faro@hotmail.com

Protocolos mensais com:

Albufeira: Centro Clínica Arcadas S. João ı Parafarmácia Mais Saúde (Ferreiras) ı Aljezur: Farmácia Aljezur ı Farmácia Odeceixe ı Castro Marim: Cruz Vermelha de Altura ı Faro: Farmácia Almeida ı Farmácia Alexandre ı Farmácia Huguette Ribeiro (Patacão) ı Casa Do Povo Estoi ı Lagoa: Clínica de Lagoa ı Lagos: Clínica Lacobrigense ı Farmácia Praia da Luz ı Farmá-

cia Bensafrim ı Loulé: Clínica de Medicina & Cirurgia - CMC ı Centro Clínico Almancil ı Policlínica Eurosaúde (Quarteira) ı Idealclínica - (Vilamoura) ı Assoc. In-Loco (Salir) ı Olhão: Policlínica Etienne ı Portimão: Policlínica da Mó ı São Brás: Clínica S. Brás ı Silves: Xelclínica ı Clínica Osteoreuma (S.B. Messines) ı Tavira: Cruz Vermelha Tavira ı Parafarmácia Pharmaromus ı Farmácia Tavares (Stº Estêvão) ı Clínica Santiago

-Tavimédico ı Vila do Bispo: Parafarmácia MC Farma (Sagres) ı Vila Real de Sto. António: Clínica S. Cristóvão ı Clínica Stº António ı Baixo Alentejo: Farmácia Saúde Moderna (Relíquias) ı Farmácia Mil Fontes ı Parafarmácia Express Med (B. V. Pinheiros) ı Parafarmácia Express Med (Colos) ı Casa do Povo Stª Clara-a-Velha E ainda em todas as Juntas de Freguesia do Algarve e Baixo Alentejo pub

FAZEMOS TODO O TIPO DE TRABALHOS TOPOGRÁFICOS Levantamentos Topográficos Medições de Áreas Implantação de Edifícios Implantação de Urbanizações Cálculos de Volumes de Terras Executam-se trabalhos com GPS

à à à à à à

tel 281 325 647 • fax 281 325 781 • tlm 917 811 380 • topogarve@mail.telepac.pt Praceta Baltazar G. Lobato, 4-A (em frente às Escolas Primárias da Estação da CP) 8800-743 Tavira


8 de Novembro de 2013  |  7

região

ZZZ pág. ##

Aquicultura dispara no Algarve Produção de mexilhão e ostra entre os principais investimentos

BIBLIOTECA DE TAVIRA

Bloco de Esquerda apresenta sessão sobre austeridade d.r.

ricardo claro

A AQUICULTURA NO ALGARVE ESTÁ A CRESCER e, nos últimos

três meses, foram apresentados 83 projectos, no valor de 29 milhões de euros, sendo a produção de mexilhão e ostra os principais investimentos, informou o director regional de Agricultura. Alguns destes projectos prendem-se com o apetrechamento das embarcações, acrescentou. “A aquicultura está a disparar em termos de investimento ‘offshore’ (no mar) com armações” e há uma “procura enorme nesse tipo de investimento, maioritariamente para produzir mexilhão e ostra” que vai depois para exportação, disse à Lusa Fernando Severino, director regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAPAlg).

Fernando Severino assinalou que, desde Agosto último até agora, entraram 83 projectos no âmbito do programa ProMar, no valor de 29 milhões de euros.

QUINHENTOS PROJECTOS APROVADOS No actual Quadro de

Referência Estratégico Nacional (QREN) – de 2007 a 2013 – houve cerca de 500 projectos aprovados no âmbito do ProMar, no valor total de 56 milhões de euros de investimento gerado. “Há um mar de oportunidades na economia dita azul”, considerou o director da DRAPAlg, referindo que o mar já não é só pesca. “O mar é turismo, o mar é aproveitamento de outros recursos naturais da parte das bioengenharias que vão bus-

ÔÔ Fernando Severino, director regional de Agricultura do Algarve car materiais que não existem em mais lado nenhum, seja para utilização médica, seja para construção”, defendeu aquele responsável. Em termos nacionais, o mar vale hoje “oito mil mi-

lhões de euros” em termos do que produz e, desses oito mil milhões, apenas metade vem da pesca, disse Fernando Severino, recordando que a actual atractividade em relação ao mar não se verifica só na

pesca, mas também ao nível do sector marítimo-turístico, turismo subaquático (mergulhos) e observação de aves. A ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, reforçou a aposta na aquicultura, revelando que o Governo vai aumentar a área de exploração. Segundo a ministra, existem neste momento várias áreas disponíveis para explorações de aquicultura na região, mas o objectivo é também replicar o caso do Algarve e alargar as explorações. De acordo com a governante, apenas para a exploração de aquicultura, existem 13 projectos para o Algarve, que representam 18 milhões de euros. Lusa

ÔÔ José Gusmão, dirigente nacional do Bloco de Esquerda

NO PRÓXIMO SÁBADO, pelas

15 horas, o Bloco de Esquerda de Tavira vai apresentar a sessão pública “Se a austeridade não funciona, qual é a solução?”, na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos, em Tavira. A sessão conta com a participação de José Gusmão, economista e dirigente nacional do Bloco de Esquerda. pub


8  |  8 de Novembro de 2013

região Consultório do Consumidor Contribuição Audiovisual “Recentemente ouvi falar da taxa audiovisual, que é cobrada na factura da electricidade, mas não percebo para que serve mais esta cobrança. Para que serve mais este pagamento, todos temos de pagar esta taxa?

A DECO responde... Cobrada na factura da luz, a contribuição audiovisual é paga ao Estado, mesmo que tenha um serviço de televisão por assinatura, pois destina-se a financiar o serviço público de radiodifusão e televisão. Só quem gasta até 400 kWh de energia por ano é que está isento do pagamento deste valor. Actualmente, a EDP cobra primeiro a taxa e, se verificar que durante o ano, o cliente não ultrapassa os 400 kWh, o limite para a isenção, aplica-a no ano seguinte, no entanto não devolve os valores cobrados indevidamente. Este método é, injusto, sobretudo, quando se muda de fornecedor, pois este pode não considerar os consumos anteriores e cobrar desde logo esta taxa. A confirmar-se a isenção, no segundo ano de contrato, o fornecedor de energia também não estará muito aberto para posterior reembolso, pois considera o primeiro ano como verificação de consumos. Além disso, ao manter o fornecedor, pode não haver prejuízo: se pagou a contribuição durante um ano, mas os consumos reduzidos dão direito a isenção, no ano seguinte, não pagará, ainda que exceda os 400 kWh. Face às reacções de muitos consumidores e à semelhança de algumas queixas que temos recebido, o Provedor de Justiça defendeu junto da EDP a devolução da taxa aos consumidores isentos e recomendou que as empresas do grupo EDP alterem o sistema adoptado de cobrança antes da verificação da isenção. Em 2013, a contribuição para o audiovisual é de € 2,25 (€ 2,39, com IVA) por mês, mas o Governo, segundo a proposta de Orçamento de Estado para 2014, planeia aumentá-la para € 2,65 mensais (€ 2,81, com IVA). Na factura da luz, aquele valor surge discriminado. Se recebe a conta de dois em dois meses, é indicado o dobro do valor.

Segurança Social fecha várias tesourarias

OPINIÃO Ana Amorim Dias - Escritora www.anaamorimdias.blogspot.com anamorimdias@gmail.com

Deusas

Utentes passam a ter de percorrer distâncias que chegam aos 70 quilómetros para obterem os mesmos serviços d.r.

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A SEGURANÇA SOCIAL ENCERROU NA SEXTA-FEIRA DA PASSADA SEMANA AS TESOURARIAS DA INSTITUIÇÃO em

Messines, Vila do Bispo, Quarteira e Castro Marim. Uma decisão que afectará muitos milhares de pessoas nos concelhos de Silves, Albufeira, Vila do Bispo, Loulé e Castro Marim e que tudo indica foi tomada sem qualquer comunicação oficial da decisão de encerramento às respectivas autarquias. No caso de Messines, o presidente da Junta de Freguesia local, João Carlos, adiantou ao POSTAL que foi completamente surpreendido pelo encerramento, de que só tomou conhecimento depois de consumado. “Só depois de encerrada a tesouraria é que soubemos, isto apesar da mesma funcionar nas instalações da Junta de Freguesia”, diz o autarca, que sublinha que “a decisão afectará as pessoas da freguesia, mas também as de São Marcos da Serra, Tunes e Algoz, todas no concelho de Silves, e as de Paderne, no concelho de Albufeira”.

ÔÔ João Carlos, presidente da Junta de Freguesia de Messines O autarca, que foi funcionário dos correios, adianta que os balcões dos CTT não são resposta ao encerramento da tesouraria. “Eu trabalhei nos CTT e sei que em muitos casos os Correios não sabem que montantes cobrar e por isso não podem substituir as tesourarias da Se-

gurança Social”, afirma.

CONHEÇA A DISTÂNCIA A QUE FICAM AGORA OS UTENTES DOS SERVIÇOS O POSTAL fez as con-

tas e, para terem acesso a uma tesouraria da Segurança Social, os utentes da Segurança Social de Vila do Bispo passam ago-

ra a ter de se deslocar a Lagos numa viagem que nos dois sentidos obriga a percorrer 50,2 quilómetros. Já se viver em Sagres a distância cresce para os 66,4 quilómetros. Em Messines, onde a resposta passa a estar em Silves, os utentes têm agora de fazer 34,6 quilómetros para irem à tesouraria da Segurança Social. O mesmo sítio onde para chegarem as pessoas de São Marcos da Serra terão de realizar uns impressionantes 70 quilómetros. Já em Castro Marim a tesouraria de Vila Real de Santo António dista apenas oito quilómetros, enquanto que entre Quarteira e a tesouraria de Loulé os utentes passam a deslocar-se 24,4 quilómetros. O POSTAL tentou contactar Ofélia Ramos, directora regional da Segurança Social, no sentido de saber se estes encerramentos são um primeiro passo para o encerramento dos serviços da Segurança Social nestes locais e se serão estas as únicas tesourarias a encerrar, mas tal não foi possível até ao fecho da edição.

SAÚDE

João Moura Reis é o novo presidente da ARS/Algarve O MÉDICO JOÃO MOURA DOS REIS FOI ESCOLHIDO PARA NOVO PRESIDENTE DO CONSELHO DIRECTIVO DA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE (ARS) do Algarve e Miguel Madeira e António Esteves são os vogais nomeados, disse à Lusa fonte do Ministério da Saúde. A Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (CReSAP) enviou na quarta-feira da passada semana para o Governo as propostas de nomeação para presidente e vogais da ARS/Algarve e, segundo fonte do Ministério da Saúde, o nome escolhido para presidente é João Moura

Ouvido há três minutos, de novo na passadeira da praia: - Acarinhada? Ela é mas é uma Deusa! Ele trata-a como uma Deusa! - Sim, e faz-lhe as vontades todas... Fiquei feliz por não conseguir encontrar qualquer ponta de inveja naquelas palavras. Mas também fiquei admirada. Ok: ele (não faço ideia quem) trata-a (também não sei a quem) como uma Deusa. E depois? Qual é o espanto? Não é exactamente assim que devemos ser tratadas? Será que não temos uma certa dose de culpa quando nos tratam sem a mesma adoração e admiração que uma divindade merece? Temos sempre a hipótese de excluir das nossas vidas quem não nos trate como Deusas. Da mesma forma que, creio, é a nossa atitude que faz o nosso homem adorar-nos e admirar-nos como se num altar merecêssemos estar. E o mais engraçado é que, numa relação de causa e efeito, homem que nos trate assim é igualmente feliz e afortunado, pois as Deusas são infinitas fontes de dádiva, perdão, sabedoria e amor.

d.r.

dos Reis e os vogais são António Esteves e Miguel Madeira, este último mantendo-se no cargo. As propostas resultantes do concurso público para presidente e vogais da ARS englobaram “três candidatos para cada cargo” e os nomes dos candidatos foram enviados pela CReSAP à tutela “por ordem alfabética”, explicou fonte da CReSAP. A selecção de um dos três nomes coube “única e exclusivamente”, à respectiva tutela, acrescentou Carlos Pires, das relações públicas da CReSAP. O concurso público para o cargo de presidente do conselho directivo da ARS Algarve

ÔÔ Martins dos Santos demitiu-se em Julho abriu a 25 de Setembro, o encerramento das candidaturas decorreu no passado dia 8 de

Outubro e a CReSAP recebeu 13 candidaturas. O presidente do conselho

directivo da ARS Algarve, que agora termina o seu mandato, Martins dos Santos, apresentou a 12 de Julho deste ano a sua demissão ao ministro da Saúde. A demissão surgiu depois da criação do novo Centro Hospitalar do Algarve (CHA), um modelo que engloba as três unidades hospitalares da região: Faro, Portimão e Lagos. O procedimento do concurso público para o cargo de presidente do conselho directivo foi classificado como “urgente” e de “interesse público” e por esse motivo não houve “lugar à audiência de interessados”. Lusa


8 de Novembro de 2013  |  9

anúncios ZZZ pág. ##

ı

classificados

zzz

Acordos com:

Multicare, C.G.D., Allianz

Susete Maia

Acordos com:

Medis, Multicare, C.G.D., Allianz

Medicina dentária e Odontologia

Rua Libânio Martins, n.º 1 A - Faro susetemaia@sapo.pt

' 289 045 457 - 914 922 721 Ÿ

funerariapedro@sapo.pt funeraria_pedro@sapo.pt

VENDE-SE ou ARRENDA-SE

funerariapviegas@sapo.pt

Empresa recomendada

4 terrenos agrícolas com excelente localização e acessibilidade, com água da barragem, situados na Asseca a 3 minutos da cidade de Tavira

TAVIRA Rua Dr. Miguel Bombarda n.º 25 Tel. - 281 323 983 - 281 381 881 LUZ DE TAVIRA EN 125, n.º 32 – Tel. - 281 961 455 VILA REAL STO. ANTÓNIO Rua 25 de Abril n.º 32 – Tel. - 281 541 414

Pomar de citrinos: 8.158 m2 Terra de semear: 8.000 m2 Terra de semear: 9.788 m2 Pomar de citrinos e terra de semear 6.370 m2 Área total: 32.316 m2 

FUNERÁRIA PATROCÍNIO Tlm. - 968 685 719 Rua João de Deus, n.º 86 – Tel. -281 512 736 IDALÉCIO PEDRO Tlm. - 964 006 390

Serviços Fúnebres Locais  Urna pinho estofada 650 m  Urna pinho e caixão zinco estofado 950 m Incluíndo coroa de flores artificiais c/ moldura, cartões memoriais, livro de condolências e serviço de água no velório

Contacto: 918 201 747

Solicite orçamento antes de decidir AGÊNCIA

FUNERÁRIA

Tlm. - 966 574 669 E-mail - globalcontrol@iol.pt Tavira

Tlm. – 969 003 042

Tractor - Rega, Lda Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Emergência 24 horas

Pedro - 965 040 428

Vila Real Sto. António

Tlm. – 962 406 031

ALAGOA

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Serviços Prestados

ü Funerais ü Trasladações ü Cremações ü Preparação estética do falecido ü Manutenção de jazigos e campas

Sempre a seu lado nos momentos difíceis da vida...

) nº verde (GRÁTIS) 800 219 262

24 Horas Temos ao seu dispor uma linha de crédito até 24 meses sem juros financiada por uma instituição bancária credível

SERVIÇOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Funeráis desde 300 Euros * alagoa.lda@gmail.com

JUNTO AO HOSPITAL VELHO EM TAVIRA


10  |  8 de Novembro de 2013

zzz

anúncios

ZZZ pág. ##

ı

necrologia Funerárias: Sítio da Palmeira LUZ DE TAVIRA Tel. /Fax: 281 961 170

SERVIÇO PERMANENTE 24h

Av. Maria Lizarda MONCARAPACHO Tel: 289 798 380

FUNERAIS | CREMAÇÕES | TRASLADAÇÕES ARTIGOS RELIGIOSOS MANUTENÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS FLORES Tlms: 966 019 297 (Carlos Palma)

963 907 469 (Gonçalo Correia)

Rua Soledade 19 OLHÃO Tel. 289 713 534

geral@funerariacorreia.pt - www.funeraria correia.pt

SANTA MARIA (TAVIRA) TAVIRA (SANTA MARIA E SANTIAGO)

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, um de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. T.M.

MARIA AUGUSTA ESTÊVÃO AFONSO FERNANDES

N. 28 -07-1933 - F. 19-10-2013

AGRADECIMENTO

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, um de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. D.R.

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

NOVO REDONDO - ANGOLA TAVIRA (SANTA MARIA E SANTIAGO)

SANTA MARIA - TAVIRA (SANTA MARIA E SANTIAGO) - TAVIRA

CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA EDITAL Nº 41 /2013 Jorge Manuel do Nascimento Botelho Presidente da Câmara Municipal de Tavira TORNA PÚBLICO, que em reunião de Câmara Municipal, realizada no dia 21 de outubro de 2013 foram tomadas as seguintes deliberações:

SÉRGIO CARLOS ALMEIDA DE SOUSA N. 23-05-1959 - F. 23-10-2013

MARIA LAURINDA FERNANDA DE JESUS 22-12-1927 / 24-10-2013

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos o acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

LUZ - TAVIRA (LUZ E SANTO ESTÊVÃO) - TAVIRA

CONCEIÇÃO - TAVIRA (CONCEIÇÃO E CABANAS DE TAVIRA)

1. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 161/2013/CM, referente à aprovação do regimento da Câmara Municipal; 2. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 162/2013/CM, referente à determinação do número de vereadores a tempo inteiro; 3. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 163/2013/CM, referente à delegação de competências da Câmara Municipal no presidente; 4. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 164/2013/CM, referente à alteração dos titulares das contas bancárias do município; 5. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 165/2013/CM, referente à ratificação de atos praticados durante o período de gestão. Para constar e produzir efeitos legais se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume.

MARIA CÂNDIDA PILAR MARTINS 16-10-1926 / 23-10-2013

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

MARIA CIDALINA ALBINO HORTA N. 23-08-1930 - F. 27-10-2013

Paços do Concelho, 21 de outubro do ano 2013

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm, por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL, Jorge Manuel Nascimento Botelho (POSTAL do ALGARVE, nº 1112, de 8 de Novembro de 2013)

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Santos & Bárbara, Lda FUNERAIS - CREMAÇÕES - TRASLADAÇÕES PARA TODO O PAÍS E ESTRANGEIRO

Tel. : 281 323 205 - Fax: 281 323 514 • 965 484 819 / 917 764 557 ATENDIMENTO PERMANENTE - OFERTA DE ANÚNCIO DE NECROLOGIA E CARTÕES MEMÓRIA Artigos Funerários e Religiosos / Catálogo de Lápides e Campas


8 de Novembro de 2013  |  11

>> ASSINALE A FRASE CORRETA

O Jogo da Língua Portuguesa está de volta!

…… …… …… ……

A diretora tinha sospendido o António por dois dias. A diretora tinha suspendido o António por dois dias. A diretora tinha suspenço o António por dois dias. A diretora tinha suspenso o António por dois dias.

Sobe & desce

Esta é uma iniciativa das Bibliotecas Paula Nogueira do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira (Olhão) em parceria com a Casa da Juventude de Olhão e o POSTAL, que semanalmente divulga os problemas e as soluções deste jogo. Várias escolas do Algarve já aderiram à iniciativa: A.E Prof. Paula Nogueira (Olhão) | A.E. Dr. Alberto Iria (Olhão) | A.E. Dr. Francisco Fernandes Lopes (Olhão) | Colégio Bernardette Romeira (Olhão) | A.E. Pinheiro e Rosa (Faro) | A.E. D. Afonso III (Faro) | A.E. de Ferreiras (Albufeira) | A.E. de Castro Marim (Castro Marim) | A.E. Dr. Jorge Augusto Correia (Tavira) | A.E. de Alcoutim (Alcoutim) | Agrupamento de Escolas D. José I (VRSA). Convidamos todas as escolas e bibliotecas, interessadas em aderir ao Jogo da Língua Portuguesa e receber os materiais para o mesmo, a contactar: biblioteca.epnogueira@gmail.com ou jornalpostal@gmail.com.

Mais 800 mil dormidas

Cortes e fechos

São as boas novas do ano turístico quando ainda falta mês e meio para o fim do ano e a época de golfe ainda está em pleno momento de arranque. Boas novas para uma região que bem precisa (Ler pág. 6).

O Governo manda no Orçamento de Estado cortar no pesssoal e no orçamento das autarquias. De Lisboa parte também a decisão de encerrar serviços públicos por toda a região (Ler págs. 4 e 8).

O postal alterou o e-mail da redacção:

Gerir o Stresse em Tempo de Crise

jornalpostal@gmail.com ficha técnica

Beja Santos Sede: Rua Dr. Silvestre Falcão, n.º 13 C - 8800-412 Tavira - Algarve Tel: 281 320 900 | Fax: 281 320 909 E-mail: jornalpostal@gmail.com Director: Henrique Dias (CP 3259). Editor: Ricardo Claro (CP 9238). Redacção: Cristina Mendonça (CP 3258), Humberto Ricardo (CP 388), Pedro Ruas. Design: Profissional Gráfica. Colaboradores fotográficos: José A. N. Encarnação “MIRA” Colaboradores: Beja Santos (defesa do consumidor), Nelson Pires (CO76). Departamento Comercial, Publicidade e Assinaturas: Anabela Gonçalves, José Francisco, José Cassapo. Propriedade do título: Henrique Manuel Dias Freire, inscrito sob o nº 211 612 no Registo das Empresas Jornalísticas. Edição: Postal do Algarve - Publicações e Editores, Lda. Contribuinte nº 502 597 917. Depósito Legal: nº 20779/88. Registo do Título (dgcs): nº 111 613. Impressão: Naveprinter Distribuição: Banca - Logista, à sexta-feira com o Público/VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda e CTT. Membro: APCT - Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação; API - Associação Portuguesa de Imprensa.

Tiragem desta edição:

8.238 exemplares

opinião

Assessor do Instituto de Defesa do Consumidor e consultor do Postal

Vê-se a olho nu nos escaparates das livrarias o que está a crescer nas vendas da chamada não-ficção: o extenso universo do desenvolvimento pessoal, os cuidados com as finanças e as análises sobre a crise que se instalou na Europa, particularmente depois de 2008. No domínio do desenvolvimento pessoal, os conselhos de tranquilizacão têm tido um crescimento impressionante, envolvem-se de correntes místicas, de processos de meditação, etc. Mas o stresse, tema popular e recorrente, suscita muita atenção e há cada vez mais autores a impô-lo como a alavanca da qualidade de vida, a sua gestão é apresentada como obrigatória para não ser devorado pela atmosfera de acabrunhamento que vai empapando a sociedade portuguesa. “Gerir o Stresse em Tempo de Crise”, por Conceição Espada, Pergaminho, 2013, documenta o fenómeno do stresse nos seus diversos aspectos e dá conselhos e indicações muito práticos para os gerir, faz-se complementar com vários exercícios e actividades, bem como por um diário que permitirá a qualquer interessado uma gestão personalizada do seu nível de stresse.

A autora dá a sua própria interpretação sob o stresse em tempo de crise, avivado pelo consumismo, pelos cenários virtuais, pelo descontrolo no crédito, pelo mau uso das novas tecnologias e meios de comunicação, pela perda de capacidade de inovação criativa e empreendedora, e assim conclui: “Perante uma situação causadora de

Analisando a distinção entre stresse individual e stresse colectivo, começa por abordar uma expressão na moda “zona de conforto”, que não é mais que uma zona de acomodamento e segurança. Parece na substância uma trivialidade mas não é, como observa: “Quando as pessoas se acomodam à sua zona de conforto têm muita dificul-

habitual, esse pormenor funciona como um agente stressante e vai provocar um impacto negativo”. Ora, a desestruturação no mundo do trabalho e o grau de imprevisibilidade para negócios e emprego é de tal ordem que é fundamental criar regras de disciplina para não ficar submerso pelas ondas de angústia, há que encontrar um meio para, a d.r.

desgaste e de pressão, é necessário adoptar uma postura mais saudável e equilibrada. Daí a importância de saber gerir o seu stresse em cada situação”, estamos perante um novo estado de stresse criado pelos tempos da chamada conjuntura de crise.

dade em abraçar novos desafios, novas rotinas, em conhecer novas pessoas e começar novos relacionamentos. A zona de conforto é, paradoxalmente, um factor stressante, porque, quando alguma pequena coisa ou pormenor não corre tal como é

despeito de todas as contrariedades e constrangimentos, conseguir uma vida de qualidade, equilibrando factores positivos e negativos do stresse. A autora dá-nos um quadro sumário das várias formas de stresse ao nível das organizações, do de-

semprego, da reforma, nos relacionamentos, nas faixas etárias, etc. Daí a importância que atribui aos exercícios práticos de adaptação à vida quotidiana: respiração abdominal e relaxamento progressivo. Muitas vezes as pessoas olham para mim como se eu passasse pela vida sem me deparar com factores de stresse. Na verdade, o que aconteceu realmente comigo foi que, exactamente por a vida me ter confrontado com vários e frequentes factores de stresse, aprendi a gerir, contudo, aquilo que investigo há vinte anos e com o método que desenvolvi, todo o stresse que os aspectos que marcam a minha vida me vão causando. Quando, em 2011, comecei a delinear este livro, vi-me confrontada com momentos altamente stressantes do ponto de vista mental, emocional e mesmo físico. Na altura, pensei que nada me afectava, mas rapidamente percebi que estava muito perto de um burnout. Tive alguma dificuldade em aceitar, porém a verdade é que as minhas capacidades estavam aquém daquilo a que estava habituada. Aceitei, tratei-me, e o que aconteceu foi que, devido a todas as técnicas e métodos que utilizo, foi mais fácil para mim recompor-me, perceber os meus limites e ter a consciência de que já os tinha ultrapassado”. Leitura estimulante para quem quer transformar o seu quotidiano numa experiência de autodescoberta e crescimento, explorando novas vias.


Tiragem desta edição:

O POSTAL

8.238 exemplares

regressa no dia 22 de Novembro

última CCDR promove encontro internacional de negócios Reunião integra “Missão para o Crescimento” A CCDR ALGARVE, ENQUANTO MEMBRO DA ENTERPRISE EUROPE NETWORK, ESTÁ A CO-ORGANIZAR, numa parceria

com a Comissão Europeia, o IAPMEI e a AICEP Portugal Global, um Encontro Internacional de Negócios integrado na Missão a Portugal da CE – “Missão para o Crescimento”, que terá lugar em Lisboa no próximo dia 29. Como referido pelo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, esta “será uma excelente oportunidade para o estabelecimento de parcerias comerciais e tecnológicas, através de reuni-

ÔÔ Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia

ões bilaterais entre empresas portuguesas e estrangeiras, nomeadamente em sectores considerados estratégicos, tais como, a economia do mar, turismo, saúde, tecnologias de informação e agro-alimentar”. A organização deste encontro enquadra-se no conjunto de serviços de apoio à internacionalização que a Enterprise Europe Network proporciona às PME de todas as regiões europeias. Mais informações podem ser obtidas na CCDR Algarve, através do telefone 289 895 270 ou do email: eenetwork@ccdr-alg.pt.

Construção da Faculdade de Medicina já arrancou Obra nas Gambelas custa cerca de 2,1 milhões de euros A CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DA FACULDADE DE MEDICINA NA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ARRANCOU em Faro há

cerca de 15 dias, estimando-se que a empreitada esteja concluída no Verão de 2015, após um longo processo administrativo que demorou mais de dois anos. “Foi uma óptima notícia (…). O processo para avançarmos com a obra, demorou dois anos e meio”, disse à Lusa João Guerreiro, reitor da Universidade do Algarve (UAlg), referindo que no ano lectivo de 2015/2016, o curso de Medicina irá decorrer nas novas instalações. João Guerreiro considerou o início da empreitada uma espécie de “final feliz”, porque vai servir para acomodar de “forma digna o curso de Medicina”, e vem criar uma infra-estrutura

ÔÔ João Guerreiro, reitor da Universidade do Algarve

para os diversos cursos de saúde da Universidade do Algarve. O novo edifício está a ser construído no campus das Gambelas, com a mesma traça

arquitectónica que os restantes edifícios naquele campus universitário e o investimento ronda os 2,1 milhões de euros. “Se tudo correr bem, as fundações começam a ser feitas esta quarta-feira [dia 6 de Novembro]”, adiantou à Lusa Alberto Guerreiro, encarregado da obra. O início da empreitada para a Faculdade de Medicina é “uma fantástica notícia” e “muitíssimo bem-vinda”, declarou à Lusa a directora do curso de Medicina da UAlg, Isabel Palmeirim, recordando que o mestrado integrado de Medicina abriu quase há cinco anos e que tem “problemas de espaço”. A UAlg tem desde 2009 um curso de Medicina, com perto de 150 alunos, tendo-se formado até ao momento 29 estudantes. Lusa PUB


d.r.

Espaço Cria: d.r.

Crowdfunding, resposta em tempo de crise

p. 2

Grande ecrã:

d.r.

Cineclube de Faro exibe Sobibor

p. 3

O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N:

Novembro

Zeca Afonso:

d.r.

Memórias que o tempo não apagou p. 4 e 5

josé duarte

p. 10

Espaço património: d.r.

NOVEMBRO 2013 n.º 63

Tavira e a sua História

Mensalmente com o POSTAL em conjunto com o PÚBLICO p. 9

8.238 EXEMPLARES

www.issuu.com/postaldoalgarve

Vida feitade mar ganha concurso Olhar a Vida p. 6


2

08.11.2013

Cultura.Sul

Editorial

Espaço CRIA

Longe da net, longe da vista

Crowdfunding, uma resposta em tempos de crise… que veio para ficar parte da Comissão Europeia, no possível alargamento (da esfera de influência) destas plataformas, a um nível internacional. Não sem, antes, identificar de forma clara as vantagens e

Ricardo Claro

Editor ricardoc.postal@gmail.com

Quem está longe dos internautas está, hoje e em grande medida, longe da vista e, já diz o ditado, longe da vista, longe do coração. O sítio na internet da Direcção Regional de Cultura (DRCAlg) existe e o património sobre a sua tutela directa marca ali presença, mas a simples presença na web não chega. O sítio é pouco atractivo visualmente, desarrumado estruturalmente e, por via disso e de uma plataforma desajustada, é muito pouco amigável para o utilizador. Urge uma remodelação profunda e uma nova forma de estar na net para a DRCAlg e para os monumentos regionais, bem como, para toda a restante miríade de conteúdos que o actual sítio contém. Sabe-o a Direcção regional, e sabe-o quem visita o sitío e não há razão bastante, seja ela qual for, que justifique não encarar este problema de frente. A importância turística do Algarve e as necessidades da própria região impõem que algo seja feito e de preferência para ontem. Isto é tão mais verdade quanto o sítio da DRCAlg tem já conteúdos de qualidade e de relevo. Áudio-guias para os Castelos de Paderne e de Aljezur (monumentos sem guardaria permanente), que permitem uma visita acompanhada aos turistas, bastando para tanto que em casa ou no local façam o respectivo download dos ficheiros. Ali estão também materiais didácticos para as visitas escolares ou para os pais proporem como desafios aos filhos nas visitas aos monumentos e ali moram também descrições bem conseguidas de cada um dos monumentos que permitem ao visitante, em antecipação ou no próprio local, aceder a informação qualificada. O grosso do trabalho está feito, o desafio é arrumá-lo e traduzi-lo para outros idiomas e colocar o trabalho dos profissionais da DRCAlg à disposição de quem precisa quando precisa. Sem delongas nem engulhos que a sociedade da informação não perdoa.

Ficha Técnica:

vância. Não me refiro à questão do montante atribuído, até porque cada um disponibiliza a verba que pode e esta só lhe é retirada após a percentagem mínima de financiamento ser d.r.

Ana Lúcia Cruz Gestora de Ciência e Tecnologia do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da UAlg

As plataformas de Crowdfunding têm vindo a representar, de uma forma positiva, uma boa solução para quem pretende financiamento para a sua ideia de negócio. De uma forma geral, são plataformas de financiamento coletivo que permitem a muitos empreendedores concretizarem ou iniciarem os seus projetos, através do acesso a pequenas verbas atribuídas por todos aqueles que estejam interessados em ajudar. Associadas a essas verbas, estão recompensas que variam mediante o valor do apoio. Em tempos de crise, onde o capital próprio é uma miragem e as limitações do acesso à banca são muitas, estas plataformas têm desempenhado um papel muito importante no fomento ao empreendedorismo. Arrisco-me, inclusivamente, a lançar um cenário de grande crescimento que, a longo prazo, será difícil de ignorar. A prova disso é o crescente interesse, por

desvantagens do Crowdfunding e de salvaguardar a confiança dos cidadãos nestas ferramentas de captação de financiamento. Apesar de ser completamente a favor deste tipo de plataformas, percebo estas preocupações, pois os desafios que se colocam à escala local, não são os mesmos quando falamos em outro tipo de mercado (global). E neste contexto, algumas questões podem ganhar mais rele-

alcançada, mas (apenas um exemplo) à questão das recompensas. Quanto maior for o montante atribuído, melhor é a recompensa e isto pode representar um sério problema, caso o promotor não consiga cumprir com o “prometido”. Nessa situação, de nada adianta as plataformas salvaguardarem-se com políticas de desresponsabilização, pois este tipo de incidente abala a confiança

dos apoiantes, denegrindo em muito este tipo de estruturas. Outra questão, que me preocupa, diz respeito ao uso devido do financiamento. Caso o projeto não se concretize, quem garante o fácil reembolso aos apoiantes do projeto? Estas são apenas algumas das questões que considero pertinentes assegurar e por isso compreendo as preocupações da Comissão Europeia. No entanto, também acredito que exista por parte destas plataformas, ainda bastante recentes, um grande interesse em dar respostas a estas preocupações. Afinal, não nos podemos esquecer que dependem diretamente do sucesso dos projetos submetidos e da confiança que os apoiantes depositam neste serviço. Ou seja, uma boa reputação atrai mais apoiantes, logo mais empreendedores para a submissão de projetos. No entanto, temos de imaginar estas questões a uma escala global, onde as leis de mercado são diferentes de país para país. Mesmo que estas questões não sejam ultrapassadas, continuo a acreditar no futuro do financiamento coletivo, onde o principal “Business Angel” é o mais comum dos mortais, que indiretamente acaba por validar ou não a ideia de negócio antes de esta chegar ao mercado.

Uma opinião alheia Mariana Ramos Estudante

Eu gosto de discutir opiniões. É algo que considero importante; pode-se aprender algo com toda a gente, e até o mais ínfimo detalhe pode mudar drasticamente um ponto de vista. E, quem sabe, esse pormenor não mudará o meu? Não custa tentar, estamos cá para aprender. Mas depois, numa troca de

Editor: Ricardo Claro Paginação: Postal do Algarve Responsáveis pelas secções: • Contos da Ria Formosa: Pedro Jubilot • Espaço ALFA: Raúl Grade Coelho • Espaço AGECAL: Jorge Queiroz • Espaço CRIA: Hugo Barros • Espaço Educação: Direcção Regional de Educação do Algarve • Espaço Cultura: Direcção Regional de Cultura do Algarve • Grande ecrã: Cineclube de Faro Cineclube de Tavira • Juventude, artes e ideias: Jady Batista • Da minha biblioteca: Adriana Nogueira • Momento: Vítor Correia • Panorâmica: Ricardo Claro • Património: Isabel Soares • Sala de leitura: Paulo Pires Colaboradores desta edição: Ana Lúcia Cruz Jaquelina Covaneiro Mariana Ramos Paulo Serra Parceiros: Direcção Regional de Cultura do Algarve, Direcção Regional de Educação do Algarve, Postal do Algarve

Juventude, artes e ideias

ideias em conversa de ocasião, saltam-me com esta: “São opiniões, cada um tem a sua. Não devias estar a tentar mudar a dos outros, são coisas que não se discutem”. Ora essa. Muito pelo contrário. Opiniões são para serem discutidas. Vejam, quando me refiro a opiniões, refiro-me a pontos de vista com o nosso cunho de personalidade, mas baseados em factos e com um mínimo de discernimento, não divagações infundadas de mentes confusas. E é mais que saudável conhecer os porquês de uma maneira de pensar diferente. A opinião discutida pode até não mudar, mas a consciencialização de

Direcção: GORDA Associação Sócio-Cultural

d.r.

que existe uma mentalidade distinta pode, e deverá, alterar de algum modo a nossa

d.r.

maneira de agir. Contudo, a estigmatização da opinião como algo estritamente pessoal, imutável e indiscutível, torna a comunicação e o avançar das coisas muito mais lento e rígido. Como é que eu posso debater com alguém que, à partida, terá sérias probabilidades de se ofender com o questionar das suas ideias? Ou com alguém que considera a sua opinião de tal forma magistral, que se recusa a maculá-la com a mentalidade alheia? Ensinam-nos a questionar tudo, não podemos também questionar-nos uns aos outros? Mas é como dizem: Isto é só a minha opinião.

e-mail redacção: geralcultura.sul@gmail.com e-mail publicidade: anabelagoncalves3@gmail.com

on-line em: www.issuu.com/postaldoalgarve

Tiragem: 8.238 exemplares


Cultura.Sul

08.11.2013

 3

Grande ecrã Cineclube de Faro

Programação: cineclubefaro.blogspot.pt IPJ | 21.30 HORAS | ENTRADA PAGA CICLO VARIAÇÕES EM MAL MAIOR

12 NOV | HANNAH ARENDT, Margarethe von Trotta, Alemanha/Luxemburgo/França, 2012, 113’, M/12 19 NOV | E AGORA? LEMBRA-ME, Joaquim Pinto, Portugal, 2013, 164’ 26 NOV | SOBIBOR, 14 DE OUTUBRO 1943, 16 HORAS, Claude Lanzmann, França, 2001, 95’ SEDE | 21.30 HORAS | ENTRADA LIVRE TRIBUTO A PATRICE CHÉREAU 14 NOV | O HOMEM FERIDO, França, 1983, 109’ 21 NOV | A RAINHA MARGOT, França, 1995, 162’ 28 NOV | QUEM ME AMAR IRÁ DE COMBOIO, França, 1997, 122’ BIBLIOTECA MUNICIPAL | 21.30 HORAS | ENTRADA LIVRE O FILME FRANCÊS DO MÊS 15 NOV | LA CHAMBRE DES MORTS, Alfred Lot, França, 2007, 118’, M/12

Novembro em cheio Novembro é fortíssimo no Cineclube de Faro. No IPJ, contamos “Variações em Mal Menor” - com Dentro de Casa, um dos melhores filmes de François Ozon, que, usando alguns temas de carácter hitchcockiano (voyeurismo, manipulação), afirma a cada passo toda a perversidade entre realidade e ficção; sem qualquer ficção, baseado em acontecimentos históricos, Hannah Arendt recorda o momento em que esta filósofa alemã foi convidada pelo New York Times para acompanhar o julgamento em Jerusalém do nazi Eichmann: a “Banalidade do Mal” foi o conceito que dali resultou; seguidamente, um filme sobre a doença que insidiosamente se instala, nos persegue e nos atormenta – e do que fazer com ela e a partir dela: E Agora? Lembra-me, filme ovacionado no recém DocLisboa, é um testemunho biográfico comovente, urgente e necessário do realizador Joaquim Pinto e do

Cineclube de Tavira d.r.

Programação: www.cineclubetavira.com 281 971 546 | 965 209 198 | 934 485 440 cinetavira@gmail.com SESSÕES REGULARES Cine-Teatro António Pinheiro | 21.30 horas 14 NOV | LINHAS DE WELLINGTON, Valéria Sarmiento, França/Portugal 2012 (135’) M/12 17 NOV | SEVEN PSYCHOPATHS (SETE PSICOPATAS), Martin McDonagh – Reino Unido 2012 (110’) M/16 21 NOV | DUPA DEALURI - BEYOND THE HILLS (PARA LÁ DAS COLINAS) , Cristian Mungiu, Roménia/França/Bélgica 2012 (150’) M/12

Imagem do filme Hannah Arendt coloca um ponto final à face misteriosa da história para lembrar a magnitude do crime e do horror» que foi o Holocausto nazi. Impressionante. Muito triste foi a partida de Patrice Chéreau, o visionário realizador francês. Aproveitamos para, na sede, em Novembro e Dezembro, darmos a retrospectiva (quase) integral da sua obra.

seu marido Nuno Leonel, também ele realizador português. «Um autêntico acontecimento cinematográfico, um filme-vida para guardar como experiência única, um dos mais belos testemunhos em cinema de uma alma humana a revelar-se.», como escreveu Nuno Carvalho. Fechamos com Sobibor, de Claude Lanzmann: «Através de uma sobriedade dolorosa, este filme

28 NOV | HODEJEGERNE (HEADHUNTERS - CAÇADORES DE CABEÇAS), Morten Tyldum – Noruega/Alemanha 2011 (100’) M/16

Espaço AGECAL

Gestão de museus, evolução de conceitos e funções(2) Com a análise dos recursos culturais regionais, no último texto aqui publicado, abordámos de forma muito sintética e breve, a origem histórica dos museus. Do ponto de vista conceptual, duas perspectivas coabitaram ao longo dos séculos. Por um lado, a definição de museu de Comenius como um “lugar onde o sábio, separado dos homens, sentado sozinho lê os livros sem parar”, uma ideia que se confunde com a de biblioteca e com um trabalho individual. Com efeito sempre objetos e livros coexistiram nos mesmos espaços e ainda hoje o ensino dá especial valor ao esforço do indivíduo e a selecção é realizada com base na apreciação individual. A perspetiva enciclopédica e universal de museu, que terá sequência nos séculos seguintes, assumiu particular relevância durante o Renascimento, com o aparecimento da ideia da exposição como um teatro e a tentativa de classificação dos objectos, relacionada com a normativa e clássica subdivisão entre “ciências puras” ou “técnicas” e as “ciências humanas”. O primeiro impulso foi considerar museu o lugar onde “tudo

o que existe é estudado”, logo se verificou a impossibilidade e que a musealização deveria ser contextualizada, o que deu origem ao fenómeno dos “ecomuseus” surgido com grande intensidade nas últimas décadas do século XX. A função pedagógica e educativa nos museus começa a desenvolver-se a partir da Revolução Francesa, com a democratização gradual do acesso ao conhecimento e a criação da escola pública que acabou com o monopólio do ensino religioso. As funções dos museus foram-se estabelecendo e hoje as tarefas decorrentes são desenvolvidas por equipas especializadas, profissionalizadas e trabalhando de forma continuada. Resumidamente: A investigação no território e a identificação de ocorrências e objectos que analisa da importância, relevância simbólica, histórica ou artística para as coleções. Neste âmbito surgem as equipas pluridisciplinares internas ou externas ao museu. No caso do Algarve, foram identificados pelos investigadores do século XIX estruturas de povoamentos da Antiguidade, caso de Milreu e da colecção de lapidaria romana do Museu de Faro, também estruturas islâmicas visíveis e

d.r.

Alçado do Museu de Portimão musealizadas em cidades algarvias como Silves ou Tavira O património industrial algarvio tem o seu museu mais destacado em Portimão, dedicado às actividades das conservas de peixe daquela cidade. O estudo e documentação permite organizar as ideias com vista à musealização, onde se inclui as tarefas de registo e inventário.

Praticamente todos os museus constituídos no Algarve desenvolvem estas tarefas e a própria Rede de Museus do Algarve – RMA possui grupos de trabalho que acompanham e trocam experiencias de boas práticas nestes domínios A preservação envolve operações de conservação e restauro, o depósito e armazenamento em condições que garantam a salvaguarda futura. É um dos problemas maiores com que se deparam os museólogos, uma vez que a construção de depósitos tem custos elevados e sem visibilidade social, ocupam espaços amplos e exigem condições ambientais de higiene sanitária, temperatura e humidade A exposição é um mundo complexo envolvendo todas as funções do museu e o conjunto das especialidades no âmbito da museologia, como a museografia, isto é, as técnicas expositivas, do design de comunicação à luminotecnia, da pedagogia ao catálogo. Os museus de São Brás e Tavira têm dedicado especial atenção à investigação e exposição sobre o património material e imaterial. A exposição “Algarve, do Reino à Região” realizada pela RMA, foi

uma exposição conjunta e pioneira de uma nova forma de trabalho de investigação e exposição em rede, área onde o Algarve está mais avançado. A divulgação e comunicação são funções que, no mundo atual onde a imagem e a informação predominam, exige atenção crescente sob pena de não existir conhecimento das actividades e consequentemente visitantes A educação tem vindo a ganhar relevância nos museus através dos seus serviços educativos e programas de cooperação com as escolas, visitas orientadas não apenas às exposições e aos monumentos da cidade, mas também oficinas temáticas e de exploração da criatividade. No Algarve o CIIP de Cacela, estrutura ligada a Vila Real de Santo António, introduziu com sucesso já há anos os ciclos regulares de passeios temáticos de interpretação do património. O património imaterial possui uma crescente relevância na vida dos museus e das populações e nesse aspecto o Algarve possui uma enorme riqueza de expressões AGECAL – Associação de Gestores Culturais do Algarve


4

08.11.2013

Cultura.Sul

Panorâmica

Memórias que o tempo não apagou, meio século depois Luís Andrade

Licenciado em Comunicação Social (especialização em Jornalismo e Informação)

Histórias reais que permanecem no tempo, passadas e vividas com José Afonso. Um testemunho impressionante, contado na primeira pessoa, por quem privou de perto, alguns momentos da sua vida, com “Zeca” Afonso. José Pontes da Luz foi um dos alunos que frequentou o curso de aperfeiçoamento do Comércio Noturno (o equivalente ao antigo 5º ano dos Liceus) na Escola Industrial e Comercial de Faro, nos anos

1961 e 1962. Atualmente, esse Órgão Escolar designa-se Tomás Cabreira. Zeca Afonso foi professor de Português e Francês de José Pontes nesse Estabelecimento de Ensino. Nessa época, Zeca Afonso preparava a Tese da sua Licenciatura para posteriormente a apresentar na Universidade de Coimbra. Um dia, na sala de aulas, Zeca Afonso perguntou aos seus alunos se algum deles escrevia bem à máquina. O aluno José Pontes, com cerca de 22 anos de idade, responde: “eu tenho a disciplina de datilografia e estou empregado na Caixa Agrícola de Faro e escrevo bem à máquina”. Face a esta informação, ficou decidido que todos os dias, a partir das 17 horas, após a ausência do gerente da Caixa Agrícola, Zeca Afonso poderia aparecer nesse local. Durante duas semanas reuniam-se uma hora por dia, o professor ditava e o aluno escrevia à máquina.

Agendar

Placa evocativa de Zeca Afonso (Faro)

fotos: d.r.

Zeca Afonso Depois da Tese concluída e já no final do ano letivo, professores e alunos resolvem organizar uma excursão. Teve como percurso algumas zonas turísticas do Algarve, Caldas de Monchique foi um dos locais de eleição. José Pontes tinha um harmónio mas só sabia tocar uma balsa, mesmo assim, decide levar consigo o instrumento para animar todos os excursionistas. Zeca Afonso como gostava muito de dançar, quando o seu aluno acabava de tocar a balsa, o Zeca dizia: repete, repete, repete e o Zeca lá continuava a dançar com a mesma parceira de dança. Ainda para comemorar o final do ano, os alunos decidem organizar um jantar na cervejaria Baía em Faro. Para esse jantar, que foi servido no primeiro andar, convidaram o Zeca Afonso. No final do jantar, os alunos presentes, depois de muita insistência, conseguiram convencer Zeca Afonso,

“MEMÓRIAS DO TEMPO E DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO” Até 1 DEZ | Museu de Portimão O arquitecto António Menéres expõe um total de 86 fotografias que representam um arquivo de memórias do tempo e do património construído e por vezes vem sendo destruído de forma incontida e irreversível

a tocar e a cantar O Meu Menino é D’Oiro. Apesar de Zeca Afonso saber que a PIDE o andava a vigiar de perto, mesmo assim,

lá cantou e tocou baixinho essa canção, junto à janela e sempre atento e de olhos bem abertos virados para a rua.

A letra dessa canção na época tinha sido referenciada pela Polícia Política. Um dia, já em pleno verão, um membro do Governo ligado ao Ministério da Educação desloca-se a Faro. Alunos e professores de todos os estabelecimentos de ensino de Faro foram convidados a estarem presentes para darem as boas vindas à entidade e ao mesmo tempo, assistirem a um discurso dessa individualidade que foi proferido diretamente da varanda do Governo Civil de Faro. Nesse momento, Zeca Afonso não estava presente. A dada altura apareceu uma pessoa vinda do Cais da Porta Nova, que fica junto à Marina de Faro, vinha apetrechado de remos e de um balde, transportava ainda uma cana de pesca, vestia calções e T-shirt e calçava chinelos. Os presentes, depressa se aperceberam que se tratava do professor Zeca Afonso. Zeca Afonso, com um ar

Casa onde viveu Zeca Afonso (Faro) “CONQUISTANDO NOVO HORIZONTE!” Até 25 NOV | Galeria de Arte Pintor Samora Barros - Albufeira A pintura de Beth Sales reflecte com espontaneidade a alegria e a vivência das cores. Gatos, pássaros, casas, peixes e paisagens têm o mesmo grau de potência lírica no trabalho da artista


Cultura.Sul

08.11.2013

Zeca Afonso (o primeiro da direita) e José Pontes (terceiro a contar da esquerda descontraído, faz questão de “desfilar” silenciosamente pela rua. Ao passar por um enorme cordão humano, Zeca Afonso é recebido com

cação “silenciosa”, uma vez que o Zeca poderia ter tomado outro itinerário, mais curto, mas não o fez, fez sim questão de seguir o caminho

Primeira página da Tese de Zeca Afonso mais aplausos do que os que a entidade oficial tinha recebido aquando a sua chegada. O regime de então considerou o gesto de Zeca Afonso, como que uma provo-

mais longo. Para muitos, este ato, foi considerado uma lição de enorme coragem e de grande incentivo, exortando o espírito de todos aqueles

Agendar

Porta Nova (Faro) perto da casa de Zeca Afonso

Escola Secundária Tomás Cabreira, em Faro, onde leccionou Zeca Afonso e foi seu aluno José Pontes que pretendessem vencer o medo. No momento em que Zeca Afonso passava, ouviram-se muitos risos acompanhados de fortes aplausos. Os professores sentiam-se um pouco mais constrangidos, enquanto que os alunos apresentavam-se muito mais extrovertidos. Este é mais um brilhante testemunho, como tantos outros, em que muitos Heróis marcaram a História dos Homens que demonstraram não ter medo em desafiar o antigo regime do Estado Novo. Ironia do destino: passado mais de meio século, um dos exemplares da Tese da Licenciatura de José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, sobre Jean-Paul, intitulada, “Implicações Substancialistas na Filosofia Sartriana”, volta de novo às mãos de quem a “escreveu à máquina”. José Pontes, antigo aluno de Zeca Afonso, no passado dia 12 de Abril de 2013, fez uma viagem de Faro a Coimbra. Esta viagem, cheia de nostal-

Cervejaria Baía, em Faro, onde Zeca Afonso cantou “O Meu Menino é D’Oiro”

José da Ponte exibe a tese de Zeca Afonso gia, teve como propósito levar o antigo aluno, à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, para aí poder encontrar “algo” que lhe ficou eterna-

Universidade de Coimbra, onde Zeca Afonso se formou

“FORA DO BARALHO” 9 DEZ | 21.30 | Centro Cultural de Lagos Espectáculo mistura a arte da magia com a arte cénica e teatral, para criar não só magia, mas uma atmosfera mágica

 5

mente na memória: a Tese da Licenciatura de Zeca Afonso, que ele próprio datilografou. Este encontro proporcionou momentos que acalen-

taram a alma de José Pontes, ao mesmo tempo, trouxeram-lhe uma extensa dose de felicidade interior que hoje guarda com muita saudade.

Edifício do antigo Governo Civil em Faro “ESCULTURAS DE JOAQUIM PARGANA” Até 30 NOV | Galeria Municipal de Albufeira Artista autodidacta, há cerca de 40 anos que esculpe as pedras que encontra no mar em originais peças decorativas. Peixes, golfinhos, cavalos-marinhos, sereias, entre outros, evidenciam o talento do escultor


6

08.11.2013

Cultura.Sul

Na senda da Cultura

DUARTE ganha concurso de fotografia Olhar a Vida O trabalho vida feita de mar, da autoria de José Duarte (DUARTE), sobressaiu entre os 150 recebidos na 1ª edição do Concurso Olhar a Vida, promovido pela ALFA, e foi escolhido como o vencedor. A exposição com uma selecção das imagens premiadas fica patente até 2 de Janeiro de 2014 na

FNAC do Algarve Shopping, na Guia, um dos parceiros da iniciativa. O Concurso Olhar a Vida realizou-se durante o Verão de 2013 e mobilizou a participação de três dezenas de fotógrafos. Foram ainda premiados os trabalhos de Rui Ser-

ra Ribeiro, Renato Rebelo, Alberto Jacobety, Bruno Dias e Marina Guerreiro. A ALFA – Associação Livre Fotógrafos do Algarve é uma associação sem fins lucrativos com sede em Faro, delegação em Portimão e foi criada há cinco anos.

DUARTE, o vencedor na primeira pessoa

Fotografia vencedora, de José Duarte

A paixão pela fotografia começou quando? Apaixonei-me pela fotografia passado um ano de ter cumprido o serviço militar obrigatório, em 2005, ao ver retratados os bons e maus momentos que lá passei, e nessa altura até foi com duas câmeras descartáveis!  Comprei a minha primeira câmera compacta pouco tempo depois, onde registava todas as etapas da minha vida.

Fotografia de Serra Ribeiro, segundo lugar

Fotografia de Alberto Jacobetty, quarto lugar

Fotografia de Renato Rebelo, terceiro lugar

Fotografia de Bruno Carlos Dias, quinto lugar

Qual é o teu percurso? Sou um fotógrafo autodidacta em que a iniciativa sempre partiu de mim, desde passar noites sem dormir a ver tutorias no youtube, ler revistas, livros e, principalmente, estudei o manual da minha primeira DSLR do início ao fim mais do que uma vez. Ultimamente tenho investido em alguns workshops, que têm sido bastante relevantes para a minha evolução. Já fotografei um pouco de tudo, acho que para a evolução de qualquer fotógrafo isso é importante, mas o que mais me fascina é mesmo retrato e moda, é nesse campo que mais batalho neste momento, para um dia, se possível, alcançar os meus objectivos!  Achas que a arte de fotografar hoje em dia está ao alcance de qualquer um ou é preciso ter um dom? Começo desde já por dizer que a câmera sim, é importante, mas ao contrário do que muitos pensam ela não faz milagres, é preciso também muito estudo e dedicação para se conseguir alcançar o mínimo que seja neste mundo. E ter um olhar. Sensibilidade para Olhar a vida e o mundo que nos rodeia!


Cultura.Sul

08.11.2013

 7

Momento

“graffiti, arte pública” Foto de Vítor Correia

Espaço ALFA

Exposição de fotografia Olhar a Vida patente até Janeiro na FNAC

Agendar

A exposição de fotografia com os trabalhos premiados no Concurso “Olhar a Vida” encontra-se patente na FNAC do Algarve Shoppping até 2 de Janeiro de 2014. A entrega dos prémios e a inauguração com as imagens vencedoras decorreu no passado sábado, dia 2 de Novembro. Vida feita de mar é o trabalho realizado por José Duarte (DUARTE) que sobressaiu entre os 150 recebidos pelo Concurso Olhar a Vida e que foi escolhido como vencedor. O concurso, que se realizou durante os meses de Verão de 2013, mobilizou a participação de três dezenas de fotógrafos. A ALFA – Associação Livre Fotógrafos do Algarve, uma organiza-

d.r.

Classificação: ÔÔ ÔÔ ÔÔ ÔÔ ÔÔ ÔÔ

1º José Duarte 2º Serra Ribeiro 3º Renato Rebelo 4º Alberto Jacobetty 5º Bruno Carlos Dias

Prémio Jovem Fotógrafo: ÔÔ Marina Guerreiro

ção sem fins lucrativos, foi a promotora da iniciativa. A não perder na FNAC na Guia.

Os premiados, da esquerda para a direita, José Dorey (FNAC), Alberto Jacobety, Renato Rebelo, Marina Guerreiro, José Duarte, Serra Ribeiro, Bruno Carlos, Carlos Cruz e Vítor Azevedo (ALFA)

“COLHEITA DE OUTONO” Até 22 DEZ | Galeria Zem Arte - São Brás de Alportel Exposição colectiva de pintura de Eric de Bruijn, Meinke Flesseman e Roland Isidro. Três nomes, três pintores, três trabalhos significativos, três formas de estar na vida, três ligações, três formas de sentir, três cruzamentos, três técnicas...

“STACCATO LIMÃO” 29 DEZ | 21.30 | Centro Cultural de Lagos A razão de ser do grupo é a devoção ao rock e à palavra. No preâmbulo do lançamento do seu primeiro álbum de originais, a banda, que “joga em casa”, apresenta o seu rock destilado de qualquer alambique de Londres, Berlim ou Nova Iorque


8

08.11.2013

Cultura.Sul

Letras e Leituras

Murakami, o escritor mistério

Paulo Serra

Investigador da UAlg associado ao CLEPUL

Agendar

Apontado frequentemente nos últimos anos como forte candidato para o Nobel da Literatura, Haruki Murakami é um autor japonês, nascido no ano de 1949, em Quioto. Se é um autor efetivamente passível de qualidade para ganhar o mais importante prémio literário essa será outra questão, embora seja certamente reconhecido como fortemente experimentalista e vende milhões. Talvez seja um reflexo dos tempos modernos, em que o vendável combate o cânone ou a qualidade da linguagem literária, todavia, é inegável que Murakami conta com uma legião de fãs por todo o mundo, com particular destaque no setor juvenil. Em Portugal os seus livros têm enchido as estantes de livrarias desde Kafka à beira-mar, que foi certamente o romance que o lançou, apesar de se considerar que o Crónica do Pássaro de Corda será a sua obra-prima, embora menos acessível devido a um certo nível de violência. A trilogia intitulada 1Q84 foi o seu último romance por ele escrito e penúltimo a chegar às livrarias, porquanto foi entretanto editado O impiedoso País das Maravilhas e o Fim do Mundo, uma tradução mais tardia de um seu primeiro romance.

1Q84 foi dividido em três volumes pela Casa das Letras, embora não constitua propriamente uma trilogia, em que a história se desenrola lenta e suavemente, por vezes chegando até a ser desesperante, nomeadamente no primeiro tomo. Quais serão então os ingredientes narrativos que levam milhões a devorar os livros desconcertantes, densos e, inclusive, extensos deste autor? Alguns críticos têm apontado os seus romances como pertencentes a essa categoria do realismo mágico, mas Murakami não corresponde inteiramente aos critérios dessa corrente de escrita, embora predomine na sua ficção uma certa indeterminação que torna compreensível essa associação. O fantástico invade o quotidiano das personagens, pois da mesma forma que a narração se prende demoradamente com todos os gestos perfeitamente banais (como o cozer esparguete) de pessoas imersas numa rotina, o que pode configurar as suas próprias estratégias de sobrevivência, desde a comida que preparam para comerem sozinhas no seu apartamento, onde vivem isoladas de alguma forma, até à música que ouvem, há também um “mundo outro” que parece sobrepor-se ou existir lado a lado ao nosso. E se estas personagens não tiverem cuidado e fizerem coisas fora da norma, como, por exemplo, quando uma jovem sai de um táxi preso no tráfego em hora de ponta, em 1Q84, e desce uma escada de incêndio na auto-estrada, assemelham-se a personagens de contos de fadas que, ao cometerem alguma transgressão, acabam por se cair numa toca de coelho ao estilo de Alice no País das Maravilhas (não é, portanto, acidental que esse seu primeiro livro tenha sido assim intitulado). Da mesma forma que existe essa indeterminação entre o fantástico e o real, e apesar de o tempo e o espaço não serem nunca esbatidos mas sim concretos, pois a ação é sempre localizada no Japão moderno, os seus romances são lidos sem qualquer barreira cultural por jovens e adultos de realidades socioculturais completamente distintas, pois Murakami «fala-lhes ao ouvido», como defende a sua tradutora. Tradutora essa que, embora seja um caso raro no mer-

cado editorial português, tem-se mantido sempre a mesma (à exceção do livro 1Q84 que, por ser maior que o normal, e devido, certamente, a alguma urgência comercial na publicação). A sua ficção pauta-se por certos temas constantes, como a solidão, a procura de um sentido, a música, nomeadamente o jazz (sendo que Murakami era inclusive dono de um bar de jazz antes de se dedicar exclusivamente à escrita), talvez como forma de marcar essa nota de

por um lado, a companhia por excelência destes personagens urbanos que vivem um pouco perdidos num estranho limbo em que muitas vezes nem parecem ter de sair de casa para trabalhar como qualquer fotos: d.r.

O escritor japonês Haruki Murakami pungência na alma das personagens, com vidas anódinas, cinzentas, que subitamente podem ver-se confrontadas com experiências-limite, ou como diria Alejo Carpentier, um certo «estado de fé» em que se veem confrontadas com situações aparentemente inexplicáveis e surreais, como figuras que parecem viver na sombra e surgir como aparições ou divindades portadoras de algum conhecimento transcendente sobre as próprias personagens (como Em busca do carneiro selvagem) embora essas situações aparentemente insólitas que podem determinar o curso de uma vida que seguia sob a capa de uma certa alienação social ocorram de forma tão natural como uma conversa num cadeirão de uma qualquer casa. Os gatos, como o de Kafka à beira-mar, são um elemento recorrente na sua obra, que talvez configure,

“CONVERSA… INFORMAÇÃO… COMUNICAÇÃO” Até 21 DEZ | Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé Exposição reúne António Dias e Charlie Holt, que começaram a trabalhar em colagens há dois anos. Estas colagens formaram um diálogo entre os dois artistas que levou à presente instalação

pessoa normal, ou por outro lado, talvez vistam a pele de um coelho branco que pode servir de guia ou guardião a estes protagonistas arrastados por eventos que os superam. O ponto menos positivo dos seus livros serão, provavelmente, as traduções. Apesar de a crítica ter vindo a elogiar constantemente o trabalho de conversão da língua inglesa para a portuguesa (pois no nosso mercado editorial são raros ou inexistentes os tradutores que vertam diretamente do japonês ou do mandarim para português), no leitor menos comum pode provocar alguma confusão deparar-se com expressões como «Cus de judas» e «meter o Rossio na Betesga», embora haja sempre a desculpa e argumento de que se procura traduzir segundo o espírito de quem lê em vez de se ser fiel ao sentido lite-

ral da obra. O tema do sexo, e de uma certa homossexualidade feminina, também perpassa os seus romances, como em Sputnik, meu amor ou After Dark - Os Passageiros da Noite, mas em 1Q84 ele é explorado mais fortemente e a própria linguagem torna-se mais forte. Esses temas encontram ressonância em diverso cinema da atualidade, embora os seus romances não tenham sido adaptados.  Os seus livros mais realistas serão, certamente, uma espécie de livro de ensaio, em que o autor associa o processo da escrita ao de ser corredor de maratonas, em Auto-Retrato do Escritor Enquanto Corredor de Fundo, onde o autor abre a alma num livro onde se confidencia e medita sobre a (sua) natureza humana e enquanto escritor, pois foi numa curiosa associação que, em 1982, ao mesmo tempo que abandonava o lugar à frente do clube de jazz e se dedicou à escrita, Murakami começou a correr - talvez justamente porque estava inconscientemente ou não a fugir de algo ou a querer deixar uma parte da sua vida para trás. Foi-se lançando então gradativamente em desafios pessoais cada vez maiores, em distância e esforço físico, participando em dezenas de provas de longa distância e triatlos. Outro livro não-ficcional e mais documental, é Underground, que conta a dolorosa e real história do atentado ocorrido na manhã de 20 de Março de 1995, em três linhas do metropolitano de Tóquio, onde compõe as entrevistas que realizou a dezenas de vítimas do gás sarin, procurando mesmo estabelecer uma relação entre o atentado e a mentalidade japonesa.

“GISBERTA” 9 NOV | 21.30 | Grande Auditório do TEMPO Peça revela a história da transexual brasileira assassinada por um grupo de jovens que estavam ao cuidado de uma instituição do Porto, após três dias consecutivos de violência


Cultura.Sul

08.11.2013

 9

Espaço ao Património

Sala de leitura

Tavira e a sua História

Em defesa do não-leitor

Jaquelina Covaneiro Arqueóloga

Os vestígios materiais mais antigos que se conhecem em Tavira reportam-se ao Bronze Final (séculos VII/VIII a.C.) e são provenientes da colina de Santa Maria. Os vestígios recolhidos permitem afirmar que este espaço foi ocupado, ao longo dos séculos, por diversos povos. Por aqui passaram fenícios, gregos, romanos, árabes, entre outros. A partir desta pequena colina, e ao longo dos séculos, a cidade cresceu, construíram-se estruturas habitacionais, espaços públicos e sistemas defensivos. Este crescimento, já visível em época islâmica, acentua-se a partir dos finais do século XV e inícios do XVI. Nos séculos seguintes o rio será incondicionalmente absorvido pela urbe. É hoje consensual que a passagem de gentes tão diferentes pela cidade deixou as suas marcas na paisagem urbana e, em especial, um legado patrimonial rico e diversificado.

públicas e privadas. O incremento da atividade arqueológica produziu um impacto profundo na comunidade tavirense, o qual nem sempre foi positivo, revelando-se, por exemplo, nalgumas posturas pouco cooperantes das várias partes envolvidas. O património histórico e arqueológico da cidade obriga a um diálogo concertado e constante entre todos os intervenientes (públicos e privados), sob pena de falharmos os nossos objetivos, contribuindo para a destruição do património e não para a sua salvaguarda. A nós, profissionais, cumpre-nos divulgar o conhecimento científico produzido a partir das escavações arqueológicas efetuadas e dos materiais exumados, sob pena de sermos questionados sobre a importância

do seu património milenar. Preservação e divulgaçã do Património A preservação e a salvaguarda do património histórico e arqueológico implica o envolvimento de diversos intervenientes. Para o efeito, têm-se revelado fundamentais os incentivos transmitidos pela Câmara Municipal de Tavira. Num momento inicial, a autarquia apoiou o Campo Arqueológico de Tavira, pioneiro da arqueologia urbana da cidade. Posteriormente, a criação do Museu Municipal, a contratação de técnicos e de arqueólogos ajudou a consolidar o caminho, tornando possível a criação de núcleos museológicos, como o Convento da Graça ou o Núcleo Islâmico. Ao mesmo temd.r.

O Património Histórico e Arqueológico O que continua a atrair as pessoas a esta pequena e recatada cidade algarvia? A nossa opinião não se fundamenta em dados estatísticos, baseia-se na sensibilidade transmitida pelas numerosas conversas tidas, ao longo dos anos, com as pessoas que nos procuram, as quais nos permitem afirmar, sem margem de dúvida, que o legado civilizacional e o património natural serão fatores decisivos para a escolha de Tavira como destino turístico. Ao falarmos de legado civilizacional, falamos inevitavelmente do património arqueológico, que nos últimos 20 anos tem vindo a ser identificado na cidade. Para este enriquecimento patrimonial contribuíram, numa primeira fase, o Campo Arqueológico de Tavira e, posteriormente, os técnicos da Câmara Municipal e os profissionais privados de arqueologia. Este convergir de esforços e de profissionais resultou numa intensa atividade arqueológica, a qual tem permitido a recolha e o registo de um volume bastante significativo de materiais arqueológicos (cerâmica, metal, faunas, vidro, elementos pétreos, etc.). Estes encontram-se depositados, maioritariamente nas instalações da autarquia, ainda que persistam situações de depósito/armazenamento em outras instituições

Núcleo Islâmico do Museu Municipal de Tavira científica e social da atividade arqueológica. Perguntas como: “vale a pena andar aí, de enxada na mão, a apanhar tanto calor?” são muito frequentes e decorrem do desconhecimento que a maioria da comunidade tem relativamente ao conhecimento produzido pelos arqueólogos. Não basta escavar e encerrar o conhecimento científico entre pares, é necessário escavar e escrever para a comunidade que acolhe os vestígios. A valorização e salvaguarda do nosso património depende do modo como nós, técnicos especializados, conseguimos transmitir e transformar o “nosso” conhecimento, no conhecimento dos “outros”, daqueles que nos questionam, e que se interessam pelo conhecimento

po, tem vindo a apoiar a realização de exposições, a edição de catálogos, a realização de conferências ou a participação dos seus técnicos em encontros científicos. Embora não estejamos na linha de partida ainda temos um longo caminho a percorrer e muitos obstáculos por ultrapassar. No entanto, sempre que alguém chega ao pé de nós, e nos vê cobertos de terra ou a tiritar de frio, e nos pergunta: “desculpe, estou curioso, o que estão a fazer? Pode explicar-me? É que eu já vi umas coisas parecidas em Mértola!”, ou então, quando uma criança nos pergunta: “este objecto era usado para fazer o quê? É que a minha avó usa-o para assar castanhas!” Temos a certeza que podemos estar no bom caminho.

Paulo Pires

Programador Cultural no Departamento Sociocultural do Município de Silves esteoficiodepoeta@gmail.com

As árvores são magníficas; porém, o mais magnífico ainda é o espaço sublime e patético entre elas. (Rainer Maria Rilke, citado por Oscar Niemeyer)

O tom provocatório do título deste artigo parece remeter para um assunto tabu. É possível saber ler sem necessariamente ler tudo? As não-leituras e as quase-leituras podem ser tão válidas quanto a leitura integral de uma obra? Concordar com isto implica uma transformação profunda da nossa relação com os livros, a qual nos permita falar e comentar publicamente os livros não lidos sem vergonha ou receio, sem aquele peso da imagem opressiva de uma cultura sem falhas que é transmitida e imposta pela família e pela escola. Refiro-me, na linha de autores como Pierre Bayard, a uma teoria da leitura que (também) esteja atenta a tudo o que ela mostra: falhas, ausências e aproximações. Não é preciso ler um livro de fio-a-pavio para ter dele uma ideia relativamente precisa e poder falar dele, não somente na generalidade mas até mesmo de uma forma mais profunda. Isto porque não existe um livro isolado. Um livro é um elemento nesse vasto conjunto a que se pode chamar “biblioteca colectiva/universal” – e é essa que, em última análise, verdadeiramente conta, estando presente em todos os discursos que se fazem acerca de livros – e o desafio maior é, no fundo, definir o lugar de cada obra nessa mesma biblioteca, urdindo a sua teia de relações. Numa passagem do romance O homem sem qualidades, de Robert Musil, o general Stumm, ao visitar uma biblioteca, é confrontado com uma personagem que lhe diz que o segredo mais bem guardado dos bibliotecários é nunca lerem toda a literatura que lhes é confiada, exceptuando o título e o resumo, acrescentando ainda que todo aquele que se enfoca em pormenor no conteúdo de cada livro está irremediavelmente perdido para a biblioteca e nunca será capaz de ter uma visão de conjunto perante o numeroso acervo que tem à sua frente. Este trecho revela a importância dada à ideia de totalidade, a qual pode aplicar-se também ao universo da cultura. Concordo com a ideia de que a cultura é, acima de tudo, uma ques-

tão de orientação, uma deambulação inteligente, eficaz e criativa em busca de comunicações, pontes, travessias e correspondências, mais do que a mera acumulação gradual de conhecimentos pontuais. O que significa que ser culto não consistirá tanto em ter lido este ou aquele livro e em ter uma visão exacta sobre o seu conteúdo, mas sobretudo em perceber que o conteúdo de uma obra é, em grande medida, a sua situação/relação/contextualização relativamente a um universo mais vasto. Muitos intelectuais nunca leram – e provavelmente nunca o farão – o romance Ulisses, de James Joyce, mas muitos deles comentam e citam frequentemente essa obra, isto porque sabem, por exemplo, que retoma a Odisseia de Homero, que põe a tónica no monólogo interior/fluxo de consciência, que se passa em Dublin, etc., etc. Não é despropositado afirmar que há inúmeras pessoas cultas que são não-leitoras e vice-versa, o que mostra que a não-leitura – como a entendo aqui – não significa ausência de leitura, mas sim uma atitude activa e consciente que consiste em organizar-se relativamente à imensidade de livros existente de modo a não se deixar submergir por eles. Aliás, já autores como Balzac, Montaigne, Paul Valéry, Oscar Wilde e Umberto Eco chamaram a atenção, à sua maneira, para esta questão. Porém, a sociedade persiste, algo hipocritamente (não poucas vezes andamos a mentir uns aos outros sobre certos livros [que efectivamente não lemos] e, por vergonha e culpa, não o admitimos), em incutir no indivíduo a ideia de que é obrigatório ler certas obras consideradas essenciais e “sagradas”, e de que essa leitura tem de ser integral, demorada e exaustiva para ser “validada” social e culturalmente. Insisto na ideia de que falar apaixonadamente de livros não lidos – e falo tanto dos que apenas percorremos/folheamos de forma aleatória ou direccionada, sem atentarmos nos detalhes, como daqueles de que já ouvimos falar ou sobre os quais lemos opiniões de outros, quer ainda das obras que lemos e esquecemos, e das quais retemos apenas algumas memórias mais vivas que, com o tempo, vamos recriando ao sabor do nosso percurso e sensibilidade – não deve ser encarado com angústia ou remorso, mas como um desafio de criatividade, inspirador, libertador e enriquecedor, que pode até implicar, num plano superior, algum distanciamento dos livros. A fechar, e evocando aqui uma ideia cara ao filósofo francês Blaise Pascal, eu diria que o contrário de tudo o que escrevi até aqui também é verdade, dados os amplos benefícios proporcionados por leituras compulsivas, lineares, exaustivas e atentas ao pormenor… visto que “Deus está nos detalhes”, como disse um dia o arquitecto Mies van der Rohe.


10 08.11.2013

Cultura.Sul

O(s) Sentido(s) da Vida a 37º N

Novembro entre poesia e romance (onde se pode destacar ‘Brutal’, Leya, 2011) mas que não teve ainda o devido reconhecimento dos media e do público. Vamos ver se este carteiro toca duas vezes. Primeira apresentação no Algarve, no dia 9 de Novembro pelas 21h, na Bibioteca Municipal A. Ramos Rosa em Faro, a cargo de Vítor Cardeira. Pedro Jubilot

Ramos Rosa

pjubilot@hotmail.com canalsonora.blogs.sapo.pt fotos: d.r.

Ramos Rosa Pouco importava que se dissesse que António Ramos Rosa (Faro, 17.10.1924 - Lisboa, 23.09.2013) era um dos mais importantes poetas portugueses vivos, se a imortalidade já lhe tinha sido oferecida em vida. Mas também isso pouco lhe importava já que para ele: «é a criação poética, a mais profunda satisfação que recompensa de todas as vicissitudes e infortúnios. Homenagens e prémios, embora gratificantes, situam-se na periferia e não no cerne da sua vida poética.» (‘Prosas seguidas de Diálogos’ ; 4águas, 2011). Um homem que assim não pôde adiar o amor, nem a liberdade, nem a vida para outro século é um homem sem quotidiano, ou melhor, sem tempo.

O circo

Vamos ao circo

Paisagem de Outono

Em Outubro os circos chegavam ao sotavento algarvio por causa das feiras a que eram os primeiros a chegar, montar ferros e tenda no largo. Eram também os últimos a partir. Quando os outros feirantes já iam embora, sabia que era chegada a noite da família ir ao circo porque era: «grátis às damas». Enquanto esperava o mais esperado dos dias entretinha-se a ver os animais, os ensaios, ou a correr muito atrás do carro da companhia que anunciava os números exclusivos e as formidáveis atracções, para apanhar os folhetos que coleccionava. Depois, o maior espectáculo do mundo só voltava daí por um ano. Era o tempo em que regressava à estante e colocava ali à mão dos sonhos sobre a mesinha de cabeceira, a trilogia ‘Vamos ao Circo’ de Enid Blyton.

Dum céu carregado de nuvens muito densas e escuras chove com pouca intensidade. O vento sopra de tal modo forte que a água sobre as salinas se começa a ondular. Já é quase noite e junto ao cais os poucos clientes do pequeno bar de madeira, abrigam-se ao balcão para o último copo. Do lado esquerdo, surgem as luzes da pequena torre da igreja da unidade hoteleira, mas que outrora servira de apoio ao arraial da pesca do atum ali instalado. As gaivotas voam sobre a terra sinalizando o mau tempo no mar.

As bicicletas são para o verão

Agendar

O vento puxa as nuvens de sudoeste. As chuvas começam a cair. Os caminhos enchem-se de lama. Guardam-se as bicicletas. As bicicletas são para o verão. Os caminhos de terra batida são para o verão. Os sonhos sem fim são para o verão. Como os sonhos, o verão nunca terminará. Só alguns dos seus dias têm um fim. É só o calor que se despede. O verão, como tudo na vida, só faz sentido na sua ausência. Só gostar assim do verão faz com que ele volte outra vez. Sim, amo o verão. E depois!?

‘O Carteiro de Fernando Pessoa’ (edições Parsifal) «Concordou em fazer-se passar por Fernando Pessoa, apreciando-se depois em frente do espelho no quarto: o bigode postiço, contido e severo, os óculos que lhe davam um ar digno e harmonizado com a sofisticação própria dos intelectuais; e, por fim, enfiado na cabeça, o estimável chapéu preto, que lhe acrescentava respeito e culta superioridade. Semelhante na compostura e privilegiado na aparência, assim estava o carteiro Bernardo com a sua boa inspiração, a projectar ilusões e a permitir excitações libidinosas à senhora Ofélia.» - excerto do novo livro de Fernando Esteves Pinto, nascido em Cascais (1960), mas há muito radicado em Olhão. Um escritor com várias obras publicadas

“GURU” 9 DEZ | 21.30 | Cine-Teatro Louletano Rui Unas, Custódia Gallego, Heitor Lourenço e Susana Mendes protagonizam uma comédia sobre a crise política nacional, cheia de medidas de pouca austeridade no que respeita à gargalhada

Estofo de Maré a pouco e pouco os cais vão-se transformando  de novo, lugares livres de passageiros ali chegam agora pensadores solitários, amantes  do silêncio possível, pescadores de águas turvas as carreiras diminuem, as ilhas ficam mais distantes e o verão é de novo um segredo do tempo

António Aleixo (estátua em Loulé)

António Aleixo

Hernani Duarte Maria. O vídeo-clip da canção ‘Aviãozinho Militar’ integrou a selecção oficial do Arouca Film Festival e do Farcume: Festival de Curtas-Metragens de Faro (premiado com o 3º lugar). E você do que é que está à espera para orbitar em torno desta lua. Próxima aparição de Inês Graça/Nuno Murta/Carlos Norton: Zem Arte Galeria – S.Brás de Alportel, 9 de Novembro, 22h30.

Romã Descasco uma romã neste tempo de comer romãs a sul. Pelo São Martinho já estão à mesa. Vão continuar até à ceia de natal e passar para o novo ano encontrando desejos a cada pequeno bago da sua comestível polpa. Pesquisas determinaram que este fruto (rumman do árabe) tem uma acção antioxidante três a quatro vezes superior à do vinho tinto ou do chá verde. Os gregos diziam da romã ( cuja árvore foi consagrada à deusa Afrodite) ser símbolo do amor. Afinal não é só coincidência de anagramia. O conto ‘No Tempo das Romãs’, que encontro em quintacativa.blogs.sapo.pt começa assim: «Sempre que a noiva comia romãs, tremia. Era como se um tufão se aproximasse da costa. A romã atuava nela como um poderoso afrodisíaco. Quando o tempo das chuvas chegou, devagar como convém nos secos clima mediterrânicos, a preocupação invadiu-me secretamente. Não tinha sido diferente naquele ano.»

Praia do Almargem

António Aleixo (VRSA,18.02.1899–Loulé, 16.11.1949)… devia parecer estranho aos olhos e ouvidos dos seus contemporâneos e conterrâneos por ser um homem pobre e com um trabalho, ainda que precário, a debitar quadras soltas de versos irreverentes sobre o comportamento de homens de diversas classes sociais, um pouco à semelhança do que fazem hoje das rimas os jovens poetas orais urbanos. Soa forçado dizer, mas ele era já quase como que um rapper, muito antes do tempo da comunicação livre. Debitava coisas assim: «Uma mosca sem valor / Poisa c’o a mesma alegria / na careca de um doutor / como em qualquer porcaria.» , ou «Vós que lá do vosso império / prometeis um mundo novo, / calai-vos, que pode o povo / qu’rer um mundo novo a sério.»

OrBlua Os últimos dias da banda de Faro têm sido muito agitados. Depois dos festivais Med(Loulé) e Sérgio Mestre(Tavira), os OrBlua não mais pararam de tocar e promover o ep ‘Trihologia Noctiluca’. E também estiveram em Cardiff (País de Gales) para o WOMEX - World Music Expo. Gravaram bandas sonoras para vários filmes entre eles ‘Tesouras e Navalhas’ de

jorge jubilot

Praia do Almargem pisando a agora mais alisada areia da praia de outono, ando para apanhar as melhores conchas do dia, que se sentem já frias nas mãos. as mesmas que levarei para esses quentes braços entre derradeiros beijos, de que virão formas de amar mais intensas e vigorosas. para poder parar o teu tempo por alguns minutos. impedindo a cabeça de almariar nas asperidades destes dias. depois vais levá-las contigo para o lugar onde tens de ir. desde onde ouvirás da voz do mar, já noutros litorais, a minha também sussurrar junto a ti. porque é que não podes viver apenas do (a)mar…

“PROFISSÕES DO BARROCAL E DA SERRA” Até 15 NOV | Ria Shopping - Olhão Na exposição será possível ver interessantes fotografias de homens em labores diários e conhecer um pouco melhor a faina de um apicultor, de um ferrador e de um correeiro


08.11.2013  11

Cultura.Sul

Da minha biblioteca

Maria Manuel - uma estreia de Paulo Moreira

Adriana Nogueira

Classicista Professora da Univ. do Algarve adriana.nogueira.cultura.sul@gmail.com

Nem sempre tenho a oportunidade de falar de escritores que conheço pessoalmente e ainda mais raro é quando estes se encontram na categoria de amigos. Portanto, quando isso acontece, sinto uma grande alegria por poder partilhar esse momento. Hoje é um desses momentos. É, pois, com grande regozijo que escrevo sobre Maria Manuel, o primeiro livro de Paulo Moreira. Como esta história vive, também, dos não-ditos e de segredos que vão sendo desvelados, vou tentar escrever de modo a não estragar o prazer da descoberta ao leitor.

à janela para se certificar de que João continuava entretido no fundo do jardim e voltou à sua lida, que nesse momento era a de preparar o almoço para cinco pessoas. Pouco depois, Luís atravessou a cozinha, vindo do quarto da patroa, e saiu para o jardim. Quando voltou do exterior vinha com o seu piano digital debaixo do braço» (p.31). Por conhecer o autor, tenho mais vontade de o encontrar refletido no texto e, claro, arranjei uma personagem que se encaixa: o pequeno João, de oito anos, filho da personagem principal. É uma criança cheia de imaginação, o único a conseguir tirar da letargia a tia Mané (Maria Manuel, que dá o nome ao livro); um teatreiro, que consegue animar os adultos com brincadeiras em que os envolve e os alivia do peso dos dias; é aquele que os faz rir em mo-

«– Não chores, Luís. Eu gosto muito de ti. Se quiseres, eu fico aqui a dormir contigo para não chorares mais. Hoje é a minha vez de te proteger para tu dormires descansado.» (p.147) Uma casa de segredos Apesar de não gostar muito de classificações, entendo

mais pela forma, aceitemos que estamos perante uma novela: a ação gira em torno de um grupo muito limitado de pessoas e o final é deixado em aberto. As personagens centrais são cinco: além do nosso João, há a sua mãe, Ana, aquela em torno da qual tudo gira; entra o já mencionado Luís, um jovem de

(que também é geográfica, pois de Lisboa desloca-se a uma aldeia nos arredores de Monção), que faz na companhia de João, Ana descobre um segredo que a irmã gémea do seu pai (recentemente falecido), com quem não tinha contacto havia muitos anos, guardara toda a vida. A tia Mané pouco intervém, mas é ela o centro das aten-

Do teatro para a literatura

Agendar

Na verdade, Paulo Moreira já escreve há muito tempo (poesia, pequenos contos e peças de teatro – que até foram premiadas), mas é a primeira vez que se abalança num trabalho de maior fôlego (180 páginas) a que modestamente chamou «novela». Esta obra tem a vantagem de usufruir da visão teatral do encenador (talvez a sua faceta mais mediática, a par da de declamador). Longe de haver nisso uma limitação, os diálogos e as descrições das ações, quais didascálias que auxiliam o ator a saber o que fazer, ajudam aqui a visualizar as cenas, tornando o texto mais vivo, como se estivéssemos a assistir, escondidos, ao desenrolar dos acontecimentos: «Depois de Ana ter saído da cozinha, Mariana foi até

d.r.

mentos difíceis, mas também consegue belos instantes de ternura e compreensão:

que podem ser úteis para balizar e para nos ajudarem a organizar o conhecimento. De facto, não tanto pelo tamanho mas

“O GRANDE PLAGIADOR” 9 NOV | 21.30 | Casa da Cultura de Loulé Conferência-performance de Paulo Condessa. Um brilhante analista político apresenta os factos que sustentam a sua tese de mestrado: “Verdade, justiça e direitos de autor: plágio em pessoa, muito ou realidade?”

Paulo Moreira 20 anos, músico, filho da empregada; há Mariana, a mãe do rapaz, que trabalha na casa de Maria Manuel; e a própria Maria Manuel. Aparecem ainda a enfermeira Sara, o médico Beltrán, bem como três outras pessoas que apenas interagem telefonicamente com Ana: o ex-marido, a irmã de uma amiga e um colega de trabalho. Por forças das circunstâncias – uma doença súbita da tia – Ana vai ter de revisitar um lugar do seu passado (a casa dessa tia) e confrontar-se com aqueles de quem fugiu ao convívio durante duas décadas. E tem, acima de tudo, de acertar contas consigo mesma. Nessa viagem

ções e o catalisador de uma série de acontecimentos. De Mariana, a outra personagem feminina, o narrador diz-nos mais do que as outras personagens sabem, tornando-nos particularmente compreensivos para os seus ataques de mau feitio, desconfianças, receios e desequilíbrios emocionais. A casa de Valcousa está cheia de segredos, ignorados por umas personagens e conhecidos por outras. Mas quem sai a ganhar é o leitor, que, por lhe ter sido dada uma visão de conjunto, no final, fica a saber – ou a desconfiar que sabe, porque o narrador não lhe dá certezas – uma verdade ainda

maior que se adivinha dos pensamentos, das palavras e das omissões. Português suave Paulo Moreira não procura mostrar maestria na construção, mas sim passar despercebido na sua técnica. Para manter o suspense e não dizer tudo de uma vez, o narrador vai-nos dando, aqui e além, discretas pistas que ajudam a resolver alguns dos segredos que cada uma daquelas mulheres esconde. Se num capítulo ficamos sem saber o porquê de uma determinada reação de uma personagem, logo no seguinte essa reação é inteligentemente explicada. Não é fácil, por exemplo, começar e terminar cada uma das partes de uma obra, de modo a manter a atenção do leitor para as que se seguem, sem parecer forçado ou que nos estão a obrigar a continuar a ler. Este livro tem a virtude de, sem nos darmos conta – e um leitor não gosta nada de se dar conta das manipulações do autor –, nos prender à simplicidade da história, ao ligeiro subentendido, ao que está para acontecer e que pode ser já nas próximas páginas. Num brevíssimo capítulo, entre as pp. 148 e 150, encontra-se um sonho de João. Para quem foi estando atento ao enredo, tem ali não só a confirmação do passado, como a comprovação das suspeitas do presente (vivido até àquele momento da história) e a conjetura do que pode vir a ser o futuro. Um futuro que deixa o final do livro em aberto. Poderia dizer que esta novela é agradavelmente suave – não está construída de modo a gerar angústia ou a enganar o leitor – e que esta estreia é um bom augúrio para o Paulo Moreira. Moreira, Paulo (2013). Maria Manuel. s.l.: Redil Publicações.

“ARTESANTO” ATÉ 31 DEZ | Polo Museológico Cândido Guerreiro e Condes de Alte - Alte Exposição com alfinetes de dama (feitos com grão de bico), trapilhos e bijuteria de Teresa Machado. Evento pretende promover o artesanato local


12 08.11.2013

Cultura.Sul

Equipamentos culturais no Algarve: uma lógica de arquipélago

PUB

d.r.

Teatro Tempo, em Portimão, um dos equipamentos culturais da região No Algarve, com uma lógica de gestão cultural de matriz municipalista, é comum que as administrações locais reivindiquem a instalação de novos equipamentos culturais no território que administram. Como resultado, proliferou o investimento público na criação de infraestruturas culturais – auditórios, teatros, cineteatros. Mas a este investimento não corresponde uma oferta cultural consistente, cuja continuidade assegure a fidelização de públicos, e esta situação vê-se agravada por uma lógica de arquipélago, de quase ausência de programação e produção em rede. No Algarve, mais de oito dezenas de museus, coleções visitáveis, núcleos e pólos museológicos reúnem um acervo com milhares de objetos que constituem um riquíssimo legado para as gerações futuras. Mas, e apesar do importante contributo da Rede de Museus do Algarve, a grande maioria destas unidades não estão dependentes de um museu credenciado e não cumprem a totalidade das funções museológicas fundamentais à luz da Lei-Quadro dos museus portugueses, cingindo-se frequentemente à exibição de coleções onde está ausente todo um trabalho de inventário, investigação científica, conservação, comunicação e educação. No Algarve, através de um serviço periférico da administração central, o Estado exerce a sua autoridade direta sobre um conjunto de oito monumentos classificados como bens culturais imóveis de grau nacional, mediante a sua afetação à Direção Regional de Cultura; uma opção de gestão territorial e de educação para o património le-

vou à gestão partilhada com a administração local, procurando gerir estes espaços culturais em consonância com os museus credenciados: por exemplo, Castelo de Paderne / Museu de Albufeira; Monumentos Megalíticos de Alcalar e Villa Romana da Abicada / Museu de Portimão; Villa Romana de Milreu / Museu de Faro. No Algarve, reivindica-se frequentemente a criação de equipamentos de interpretação de

No Algarve, reivindica-se frequentemente a criação de equipamentos culturais, mas numa lógica de arquipélago, com um território carente de ordenamento e de gestão territorial eficazes no domínio da Cultura, e com uma quase ausência de programação em rede, a este investimento não corresponde uma oferta cultural consistente, cuja continuidade assegure o consumo de bens culturais e a fidelização de públicos sítios, de conjuntos arqueológicos e de paisagens protegidas, mas constata-se que habitualmente, e com poucas exceções, o processo de construção parte da obra para a gestão, sem constituir uma garantia de sustentabilidade desses equipamentos. No Algarve, são evidentes as deficiências nos sistemas

de mobilidade, que assentam quase exclusivamente no transporte rodoviário, que não só se vende como é concebido já de antemão como um produto para o mercado, patenteando a ausência de articulação entre os sistemas públicos municipais de transporte e destes com os sistemas privados, com itinerários e horários incompatíveis e desajustados da oferta cultural. Com evidente prejuízo para o consumo de bens culturais e para a fidelização de públicos. No Algarve, faz sentido reafirmar aquilo que Mirian Tavares assinalava em 2011, no seu contributo para o Plano Estratégico de Cultura para a região: «os bens de cultura continuam a ser bens de consumo, com valor de troca, e aqueles que escapam a este destino são pertença de uma elite intelectual e/ou económica e estão cada vez mais distantes de uma circulação e consumos verdadeiramente democráticos». E neste contexto qual o papel da Direção Regional de Cultura do Algarve? Para além das atribuições e competências legais, considera-se que estar no terreno permite (tem permitido) ser mobilizador de vontades, congregador de parceiros, facilitador e mediador para encontrar soluções, impulsionador para uma mudança de atitude e para projetos de escala regional. É nesse sentido que se pretende continuar a fazer e a desenhar (a muitas mãos) o caminho da Cultura regional… É por isso que vale a pena pugnar pela mudança da síndroma de arquipélago. Direcção Regional de Cultura do Algarve

Real Marina Hotel & Spa

Criamos momentos únicos para si Real Marina Hotel & Spa - Olhão Info e reservas Spa: 289 091 310 - spa @realmarina.com


POSTAL 1112 - 8 NOV 2013