Page 1

26

EDIÇÃO ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO•EDIÇÃO ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO•EDIÇÃO ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO

anos

Director Henrique Dias Freire • Ano XXVI • Edição 1104 • Semanário à sexta-feira • 14 de Junho de 2013 • Preço € 1

PUB

EM FOCO 2 PASSOS COELHO VOTA REGIÃO AO ESQUECIMENTO 3 FARO RENOVA TRANSPORTES URBANOS 4 MÁRIO NOGUEIRA ACUSA CRATO DE “COSTELA FASCISTA” 5 OBRAS DO PARQUE RIBEIRINHO JÁ ESTÃO NO TERRENO 6 ALGARVIOS AJUDAM COM 144 TONELADAS DE ALIMENTOS 8 CLASSIFICADOS 10

Dois anos de Passos Coelho ditam esquecimento do Algarve

ÀS SEXTAS EM CONJUNTO COM O PÚBLICO POR €1,60 > Dois anos depois da tomada

de posse do Governo de Passos Coelho, os projectos estruturantes da região estão todos na gaveta. A vitória que Passos conseguiu em 2011 no Algarve de nada valeu aos algarvios no que diz respeito às suas necessidades mais prementes p. 3

d.r.

d.r.

Tavira:

Solidariedade dos algarvios:

144 toneladas

João Pedro Rodrigues, presidente da EMPET:

“Incubadora de empresas em Tavira arranca em Julho” >2

para o

d.r.

FARO

Banco Alimentar

Campanha de recolha de alimentos: O Banco Alimentar do Algarve recolheu menos toneladas de alimentos, mas há novidades, na região a capacidade de armazenamento de frescos da instituição aumentou > 8

Obras do Parque Ribeirinho Já mexem

>6

PUB

AUTARQUIA

CA EMPRESAS Veja anúncio pág. 7

ricardo claro

EDUCAÇÃO

Macário a dias de abandonar a Câmara >9

Mário Nogueira acusa Crato de “costela fascista” >5

TRANSPORTES

Faro ganha novos autocarros urbanos

> A capital algarvia reformulou

por completo a sua frota de transportes urbanos. Vinte e um novos autocarros vão transportar 1,5 milhões de passageiros no primeiro ano. Uma revolução na mobilidade pela mão de Macário Correia p. 4


pub

2  |  14 de Junho de 2013

MUNDITÁLIA

em foco

Importação e Exportação Lda

PORTAS • GRADES • AUTOMATISMOS • PARAFUSARIA E FIXAÇÃO • MOLAS TÉCNICAS • WPC Comercialização para profissionais directamente de fábrica Morada: Estação de Loulé, Passagem de Nível 6 A, 8100-306 Loulé  +351 289 356 580 •  +351 289 356 581 •  munditalia@sapo.pt

Tavira arranca com incubadora de empresas Dinamização económica e geração de emprego são as palavras de ordem Julho marca a data de abertura da primeira fase da incubadora de empresas e do centro de negócios que a EMPET – Parques Empresariais de Tavira quer criar no concelho. A aposta do executivo Pedro Ruas/Ricardo Claro pedror.postal@gmail.com

A EMPET, EMPRESA MAIORITARIAMENTE MUNICIPAL liga-

da à gestão e promoção dos parques empresariais do concelho prepara-se para dar início a uma nova fase da sua actividade, revelou ao POSTAL João Pedro Rodrigues, presidente da empresa. O desafio passa pela implementação de uma incubadora de empresas e de um centro de negócios que estarão prontos a partir do próximo mês de Julho. Os dois projectos vão desenvolver-se em dois espaços, um primeiro junto à sede da autarquia, no centro da cidade, e um segundo a ser edificado no Parque Empresarial de Santa Margarida, onde a aposta passa, sobretudo, pelas start-ups (empresas em início de actividade), pelo coworking (aluguer de espaços de trabalho), e, finalmente, pelo centro de negócios, que disponibiliza gabinetes de trabalho às empresas. Nesta fase e no primeiro dos dois edifícios, a estrear já este Verão, há espaço para cinco empresas e dez postos de trabalho em coworking. A criação desta nova oferta empresarial no concelho pretende, segundo o responsável, “fazer a ligação com a universidade, com institutos tecnológicos e demais organismos que pretendam utilizar Tavira como centro dos respectivos negócios ou investigações”. Para tanto, foram “desenvolvidos protocolos, redes de contactos, parcerias e captação de empresas, antes mesmo da criação física dos edifícios”, refere o responsável. Esta é “uma estratégia complementar que começámos a desenvolver há cerca de um ano num protocolo com o New

de Jorge Botelho na criação de condições para a instalação de novas empresas e para a geração de postos de trabalho entra assim numa nova fase. Em entrevista exclusiva ao POSTAL, João Pedro

Rodrigues, presidente da empresa, define as lin h a s me s t r a s do novo i mpu l s o n a e s t r at é gia de desenvolvimento económico do concelho. pedro ruas

Jersey Institute of Technology”, de onde resultou o ciclo de conferências Ativar Tavira, com um importante impacto mediático e visibilidade, que serviu como mais uma componente promocional”.

OFERTA DIVERSIFICADA Sem esquecer que a venda dos lotes do parque empresarial é o “core business” da EMPET, João Pedro Rodrigues explica que a conjuntura económica aquando da finalização do parque empresarial obrigou a uma mudança de estratégia, sob pena de se ficar com um equipamento que se tornaria um “elefante branco”. É nesta óptica que é criada a marca Ativar Tavira, um projecto mais abrangente que o parque empresarial, mas que tem, obviamente, o mesmo como pano de fundo. Ativar Tavira é, portanto, uma marca que eleva a estratégia de rentabilização dos parques empresariais a uma ideia de tornar o concelho uma referência no mapa de negócios do país. “Um novo pulsar para a cidade”,

Os projectos em que a EMPET aposta passam obrigatoriamente pela incubadora de empresas, pela diversificação da oferta, com a construção de armazéns para arrendamento e, não menos importante, pela promoção que continuamos a fazer nos contactos directos com empresas” João Pedro Rodrigues

ÔÔ João Pedro Rodrigues sublinha o novo impulso dado ao programa Ativar Tavira como consta do respectivo discurso comunicacional, criando um conceito que promove a aposta no empreendedorismo e que torne o concelho “uma grande incubadora de ideias, de negócios e de empresas”, mais apelativo aos investidores. No que se refere ao já citado “core business” da EMPET, a venda de lotes do parque empresarial de Santa Margarida e a dinamização do Parque de Feiras e Exposições, João Pedro Rodrigues apresenta alguns dos traços distintivos e características particulares que fazem destes locais um espaço vantajoso para a instalação de empresas. Antes mesmo da defesa das valências do parque empresarial, o responsável da EMPET revela estar-se a diversificar a oferta quanto à disponibilização de lotes, o que passa pelo arrendamento. “Neste momento temos apenas um produto, que

são os lotes que, ou vendemos ou arrendamos e temos vindo a perceber que, dada a conjuntura económica, o arrendamento de instalações pode ser um bom negócio”. Actualmente, decorre uma candidatura a fundos comunitários do QREN para a construção de 12 armazéns destinados ao arrendamento, “num investimento global de 1,5 milhões de euros, co-financiados a 75%”. Não obstante, um terço dos 117 lotes estar já vendido e apesar de apenas duas empresas estarem já a laborar, uma terceira, ligada ao turismo, prepara-se para abrir portas no final do Verão. Sobre as vantagens do parque, João Pedro Rodrigues começa por enaltecer a qualidade de vida que Tavira oferece, mas considera que a localização é também uma mais-valia fundamental. “O parque tem excelen-

tes acessos, à cidade, à EN 125 e à Via do Infante. Está a poucos quilómetros do Aeroporto de Faro e a cerca de 45 minutos de Huelva ou hora e meia de Sevilha”.

A APOSTA NO MERCADO ESPANHOL E Espanha é mesmo uma

das apostas da EMPET no sentido de chamar empresas que possam complementar a procura nacional. “Têm sido desenvolvidos contactos e temos participado em iniciativas no outro lado da fronteira, temos trazido aqui alguns empresários espanhóis para lhes mostrar o parque, porque a Andaluzia é uma das nossas prioridades”, garante o responsável. Mas há mais variantes que tornam o parque como um espaço apetecível à instalação das mais diversas áreas de negócio e que, segundo João Pedro Rodrigues, distinguem o parque

situado em Santa Margarida dos demais parques empresariais da região. “Além da área industrial, o parque tem também lotes destinados a comércio e serviços, um ecocentro para resíduos diversos, a possibilidade de instalação de uma ETAR e uma estação de serviço”. Tudo num espaço que disponibiliza uma rede de águas para fins industriais, possibilidade de instalação de fibra óptica e rede de gás propano. Contudo, é nos benefícios às empresas que o presidente da EMPET se centra, lembrando “a isenção de derrama e de taxas de ligação de água e esgotos e a pré-existência de uma declaração de impacto ambiental devidamente autorizada”. De realçar o investimento a realizar pela própria EMPET nos 12 armazéns que serão destinados a arrendamento. O responsável da empresa municipal lembra que o projecto de construção do segundo edifício da incubadora de empresas e centro de negócios, na zona de comércio e serviços, terá lugar para 25 empresas e cerca de 14 postos de trabalho em coworking. Este projecto foi já alvo de uma candidatura ao QREN, que está em apreciação e que se espera “aprovado brevemente para que possamos dar início as obras ainda este ano”. A estratégia delineada por Jorge Botelho para a competitividade e emprego na economia tavirense sabia-se demorada e apontou desde o início para colocar o concelho na senda do crescimento económico quando a economia começasse a dar sinais de retoma. Ainda não há esses sinais na economia nacional mas Tavira continua a avançar com o programa preparando uma posição privilegeada para quando o tecido económico começar a dar sinais de aquecimento.


pub

14 de Junho de 2013  |  3

região

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Passos Coelho vota região ao esquecimento O Governo PSD/CDS-PP tomou posse a 5 de Junho de 2011, dois anos depois os projectos estruturantes do Algarve estão parados enquanto a economia se afunda no marasmo Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

DOIS ANOS E NADA. A vitória

que os algarvios deram ao PSD e CDS-PP nas legislativas de 2011, muito à conta da vontade de afastar Sócrates do poder e punir o PS pelo descalabro das contas públicas, é hoje uma vitória que garantiu à região nada mais do que abandono e esquecimento. Os números internos patentes na generalidade das estatísticas

apontam para uma recessão económica instalada e agravada pela austeridade que implica cortes generalizados no país, mas e como está a situação no Algarve, poderão perguntar-se. O POSTAL olhou para os temas quentes da região desde a campanha eleitoral que deu a vitória a Passos Coelho e constata que os resultados de dois anos deste Governo, assinalados a 5 de Junho, não trouxeram nada mais do que vazio de políticas para a região. pub

CARTÓRIO NOTARIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL DE AMÉLIA DE BRITO MOURA DA SILVA CERTIFICA, para efeitos de publicação, nos termos do disposto do artigo cem, número um do Código do Notariado, que no dia trinta e um de Maio de dois mil e treze, a folhas cento e oito e seguinte do livro de notas para escrituras diversas número vinte e cinco deste Cartório, foi lavrada uma escritura de Justificação Notarial, em que MANUEL GONÇALVES COTA e mulher MARIA ODETE REIS COTA, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de Cachopo, concelho de Tavira, onde residem no sítio de Mealha, Caixa Postal 934-Z, contribuintes fiscais números 120.359.766 e 120.359.758, são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, do seguinte: Rústico, sito em Horta da Ribeira Abaixo, Mealha, Cachopo, freguesia de Cachopo, concelho de Tavira, composto por terra de cultura com uma oliveira, que confronta de norte com José Gonçalves, de sul com ribeirinha, de nascente com António dos Reis e de poente com Manuel Francisco Brazida, com a área total de cento e cinquenta metros quadrados, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 19727, com o valor patrimonial actual de um euro e cinquenta e nove cêntimos, que é o atribuído. Que o indicado prédio não se encontra descrito na Conservatória do Registo Predial de Tavira e que desconhecem qual o artigo que lhe correspondia na antiga matriz rústica, por não possuírem elementos que lhes permitam fazer essa correspondência. Que o mesmo bem veio à sua posse em data imprecisa do ano de mil novecentos e setenta e nove, por compra meramente verbal feita a Manuel José e mulher Maria Antónia, casados sob o regime da comunhão geral, residentes que foram no dito sítio de Mealha, compra essa que não lhes foi nem é agora possível titular por escritura pública, dado o falecimento dos vendedores. Que desde essa data e sem qualquer interrupção, entraram na posse do referido prédio, pessoalmente e em nome próprio, tendo vindo desde então a gozar todas as utilidades por ele proporcionadas, nele praticando os actos materiais de fruição e conservação correspondentes ao exercício do direito de propriedade, nomeadamente cultivando e colhendo os frutos, pagando os impostos, procedendo assim, como seus donos e senhores, à vista e com o conhecimento de toda a gente e sem oposição de ninguém, pelo que exerceram uma posse pacífica, contínua e pública e isto, como se disse, por prazo superior a vinte anos. Que, dadas as enunciadas características de tal posse, adquiriram o dito prédio por USUCAPIÃO, título esse que, por sua natureza não é susceptível de ser comprovado pelos meios extrajudiciais normais. São Brás de Alportel, trinta e um de Maio de dois mil e treze. A Notária, Amélia de Brito Moura da Silva CONTA REGISTADA SOB O N.º 511/2013 (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)

O PSD arrecadou no Algarve, em 2011, 37,03% dos votos e quatro deputados e o CDS-PP somou 12,71% e elegeu um, contra um PS debilitado que se ficou pelos 22,95% e dois assentos parlamentares. De pouco valeu a viragem à direita senão para ditar a ida de Sócrates para Paris e sujeitar o país a uma austeridade imparável em nome do saneamento final das contas públicas, ficando ainda hoje por saber onde estará o fim deste desígnio último do país. No Algarve a mesma onda laranja das urnas tentava pôr fim a um desemprego já então galopante, a uma realidade autárquica genericamente endividada e à beira da paralisação por défice de tesouraria e a uma economia recheada de debilidades, com a construção civil e imobiliário à cabeça dos sectores regionais mais atingidos pela erosão do mau desempenho económico.

A VONTADE DE MUDAR ANTES DAS ELEIÇÕES Nas legislativas

de 2011, evitaram-se as promessas claras aos eleitores algarvios e os partidos do Governo apontaram a contenção como mote para garantir um futuro mais aliviado nos sacrifícios e mais virado para o fomento económico. Mas sempre se foi dizendo que a construção do Hospital Central do Algarve “era a prioridade número um” e que “não poderia deixar de merecer luz verde no processo de análise custo-benefício”. Que o desemprego era a “principal preocupação” e que a requalificação da EN 125 tinha de ser “relançada” e “concluído o plano de obras” para a existência de uma verdadeira alternativa à Via do Infante, face à dita impossibilidade de evitar portajar a A22.

d.r.

ÔÔ Necessidades da região foram esquecidas pelo Governo de Passos Coelho A navegabilidade do Arade e do Guadiana exigia então que se procedesse ao “desassoreamento dos rios” e na Justiça sublinhava-se a necessidade de “concretizar o Tribunal da Relação”. Estas eram as palavras à comunicação social do cabeça-de-lista do PSD pelo Algarve, Mendes Bota, em 2011, a dias do acto eleitoral. E o principal partido do Governo de Passos Coelho garantiu nas urnas algarvias um resultado que o próprio considerou, no rescaldo do acto eleitoral, “histórico”.

E DEPOIS O ESQUECIMENTO Mas a vontade do PSD e do CDS-PP do Algarve de mudar o rumo seguido para a região pelo Governo durante o consulado de Sócrates converteu-se num abandono e esquecimento que ninguém pode hoje ignorar. Não que os deputados algarvios no Parlamento tenham desistido de pugnar pela região, mas simplesmente porque a voz do Algarve se mostra débil e porque ao Terreiro do Paço e a São Bento as necessidades dos

algarvios chegam deficitárias de protagonismo e peso político. Os líderes políticos regionais também eles se não calam, com Luís Gomes a fazer saber ao Governo e ao PSD nacional, em memorando recente, o que de urgente há no Algarve para fazer e com António Eusébio a liderar as vozes socialistas na luta por melhores condições para o Algarve e por mais respostas para as necessidades da região. Do Governo de Passos Coelho nada. A requalificação da EN 125 está parada em pleno Verão pronta a, mais do que não constituir alternativa à portajada Via do Infante, martirizar os turistas e os algarvios e o Hospital Central caiu perdido na agenda das prioridades deixadas para as calendas, com o Governo a ditar a unificação dos hospitais da região. O desemprego tem como resposta mais do que tardia o programa Formação Algarve que visa o combate à sazonalidade da geração de emprego na região, o que, não despiciendo, é fraca solução para um problema que, de acordo com os últimos

dados, se cifra em 20,5% de desemprego no primeiro trimestre de 2013, mais 0,5 pontos percentuais (pp) do que a taxa verificada no primeiro trimestre de 2012, e uma subida de 0,8 pp face à taxa registada no último trimestre de 2012. A navegabilidade dos rios regionais e a política para os portos está parada com perdas de milhares para a região e muito em particular para Portimão e para o respectivo porto de cruzeiros. Já no golfe e na restauração e por via dela na hotelaria o IVA é o carrasco que corrói a competitividade e o emprego, enquanto as portagens da Via do Infante ditam à região uma mobilidade reduzida e encargos acrescidos para as empresas. Tudo num quadro de ciclo económico em que os ditames da monocultura económica do turismo deixa a região com poucas ou nenhumas alternativas enquanto do Governo Central, e perante as mais duras críticas das vozes regionais, a resposta é apenas esquecimento.


4  |  14 de Junho de 2013

região

Obras do Parque Ribeirinho já estão no terreno pág. 6

pub

Faro renova rede de transportes urbanos

Mês da Europa 2013 maio

Sessões SIALM

Sistema de Incentivos a Apoio local a Microempresas

Cidade ganha 21 novas viaturas

8 maio d.r.

UMA NOVA LINHA RODOVIÁRIA que vai ligar o Aeroporto

de Faro e os hotéis da cidade e Montenegro é uma das novidades da reformulação da rede de transportes públicos da capital algarvia, na passada terça-feira apresentada. A partir de agora, a rede de transportes urbanos de Faro tem uma nova imagem, em torno da palavra “Próximo”, mais horários e percursos e 21 novas viaturas, com rampas de acesso para pessoas de mobilidade reduzida e sinais sonoros emitidos nas paragens, para as pessoas com deficiência visual. Os circuitos e horários vão ainda passar a estar disponíveis on-line, disse aos jornalistas o presidente da Câmara, Macário Correia, notando que, até agora, os transportes públicos em Faro eram “praticamente clandestinos”, uma vez que a informação sobre os percursos era muito escassa. “Este é um processo que demorou anos a ser montado e estamos com um serviço completamente moderno, com viaturas que respeitam as normas europeias, informação nas paragens

Estratégia Nacional do Mar 2013 - 2020 -Faro-

9 maio

Dia da Europa

Comemorações Regionais Visitas a projectos Seminário “ Ser Cidadão em Todas as Idades” Protocolo Eurocidade Ayamonte - Castro Marim - Vila Real de Sto António - Alcoutim | Castro Marim -

16 maio

Volta de Apoio ao Emprego

-Loulé-

22 maio ÔÔ Horários alargados e melhores condições são as novidades e maior acessibilidade para a hotelaria e aeroporto”, resumiu.

NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO Macário Correia falava aos jornalistas a bordo de um dos novos autocarros da frota que vai servir a cidade. O projecto prevê ainda a aquisição de novos títulos de transporte e a possibilidade de aquisição de um passe combinado com outro operador (Eva Transportes). A reformulação da rede resulta da celebração de um contrato

administrativo de concessão do serviço à empresa PXM - Transportes Rodoviários de Faro, SA, que, numa primeira fase, investiu 3,6 milhões de euros. Numa segunda fase do contrato, está prevista a construção de um novo terminal rodoviário, num espaço contíguo ao actual, no centro da cidade. A empresa estima transportar 1,5 milhões de passageiros no primeiro ano e percorrer 1,1 milhões de quilómetros anualmente, metade dos quais no centro da cidade. Lusa

Sessão JESSICA

Oportunidades de Financiamento - Faro -

31 maio

Seminário Cidades Sustentáveis 2020 Política de Cidades - Mértola | Alcoutim -

1 junho a 30 julho

Exposição Made in Algarve

Sala de Exposições CCDR Algarve

12 junho

Seminário Resultados PO Experiências de Sucesso - Faro -

2 julho ACUSAÇÕES DE IRREGULARIDADES EM LAGOA

Eleições no CDS-PP/Algarve anuladas AS ELEIÇÕES PARA A DISTRITAL DO CDS-PP foram anula-

das porque foi verificado um empate e acusações de irregularidades em Lagoa, que teriam influência no resultado, disse à Lusa o secretário-geral do partido, António Carlos Monteiro. Em causa está a eleição para a distrital de Faro que decorreu a 1 de Junho, para a qual concorriam Francisco Paulino e Arlindo Fernandes, sendo que este último admite apresentar queixa no Ministério Público para que as alegadas irregularidades sejam investigadas. Contactadas pela Lusa, ambas as listas alegam que houve irre-

gularidades em Lagoa, onde a urna terá tido mais boletins de votos do que militantes a votar. “Face ao impasse, fica sem efeito o acto eleitoral e irá ser nomeado um delegado que, com uma comissão constituída por todos os presidentes de concelhia, irá dirigir o partido até às eleições autárquicas”, afirmou António Carlos Monteiro. Arlindo Fernandes que já reclama a realização de eleições na distrital “há mais de um ano”, não concorda com esta solução e disse à Lusa ter recorrido da decisão do secretário-geral. O político reclama a repeti-

ção imediata das eleições em Lagoa e não apenas depois das autárquicas. Para Arlindo Fernandes, que acusa António Carlos Monteiro de “proteger” a lista oponente, “isto é muito prejudicial para o partido na região, porque estamos em cima das autárquicas”. Francisco Paulino, aceita o “entendimento da secretaria-geral” e aguarda pela marcação de novas eleições após as eleições autárquicas. O delegado distrital nomeado pela secretaria-geral foi José Pedro Caçorino, presidente da concelhia de Portimão. Lusa

Seminário "Ordenamento e o Desenvolvimento Regional na Cooperação" - Faro -

4 julho

Especialização Inteligente (RIS 3)

Workshop DG REGIO Turismo como Prioridade - Faro -

Programas e inscrições www.ccdr-alg.pt www.poalgarve21.qren.pt Telef. 289 895 200

UNIÃO EUROPEIA

do Algarve

FEDER


14 de Junho de 2013  |  5

região

Demolido cais na Praia dos Pescadores pág. 7

pub

Tribunal Judicial de Tavira Secção Única Rua Dr. Silvestre Falcão – 8800-412 Tavira

Telef: 281 320 970 Fax: 281 093 519 Mail: tavira.tc@tribunais.org.pt

2ª. Publicação

ANÚNCIO

Processo: 92/12.0TBTVR Ação de Processo Sumário N/Referência: 1493961 Data: 20-05-2013 Autor: Instituto de Seguros de Portugal Réu: Tamara Arvat Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação deste anúncio, citando: Réu: Tamara Arvat, domicílio: Bairro Fundo Fomento Habitação, Bl. 4, R/c Esq., 8900-000 Vila Real de Santo António. com última residência conhecida na(s) morada(s) indicada(s) para, no prazo de 20 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a ação, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste na condenação do réu a pagar ao autor a quantia de 18.698,13 €. tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. O prazo acima indicado suspende-se, no entanto, nas férias judiciais. Fica advertido de que é obrigatória a constituição de mandatário judicial.

Acção da FENPROF com pouca adesão em Faro

NÃO FORAM AS POUCAS DEZENAS DE PESSOAS que se con-

O Oficial de Justiça, Joan Santos Gonçalves de Sousa (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013) pub

aviso A EDP Distribuição, informa que vai efetuar trabalhos de remodelação e conservação das redes sendo, para tal, necessário proceder à interrupção do fornecimento de energia elétrica no dia 16 de junho de 2013 (Domingo), nos locais e períodos abaixo mencionados:

Direção de Rede e Clientes Sul Concelho de Olhão Freguesia de Quelfes: Sítio Brancanes (das 08:00 às 13:00 horas). Freguesia de Olhão: Cami. Bairro Lopes, Bairro Nª Senhora Fátima, Urb. Venâncio Gonçalves Lt. (das 08:00 às 13:00 horas); Av. Francisco Sá Carneiro, Rua José Fernandes Santos, Estrada Nacional 125, Rua Particular/ Padinha, Av. Sporting Clube Olhanense. (das 08:30 às 11:00 horas). Durante o corte as instalações, para efeitos de segurança, deverão considerar-se permanentemente em tensão. EDP Distribuição, Energia, S.A. www.edpdistribuicao.pt

pub

Tribunal Judicial de Tavira Secção Única Rua Dr. Silvestre Falcão – 8800-412 Tavira

Telef: 281 320 970 Fax: 281 093 519 Mail: tavira.tc@tribunais.org.pt

ANÚNCIO Processo: 375/13.1TBTVR Interdição / Inabilitação N/Referência: 1504018 Data: 03-06-2013 Requerente: Ministério Público Requerido: Filipa Alexandra Teixeira Rodrigues Faz-se saber que foi distribuída neste tribunal, a ação de Interdição / Inabilitação em que é requerida Filipa Alexandra Teixeira Rodrigues, com residência em domicílio: Lar Residencial da Fundação Irene Rolo, Rua Feixinho Vides, Nº 19, 8800-365 Tavira, para efeito de ser decretada a sua interdição por anomalia psíquica. Passei o presente e outro de igual teor para serem afixados. A Juíza de Direito, Dra. Lara Rodrigues O Oficial de Justiça, Joan Santos Gonçalves de Sousa (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)

ricardo claro

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

A Juíza de Direito, Dra. Lara Rodrigues

Gabinete de Comunicação

Mário Nogueira acusa Nuno Crato de ter “costela fascista” centraram no Largo da Pontinha, em Faro, que fizeram esmorecer o discurso do líder da FENPROF na luta contra as políticas do Governo de Passos Coelho para a Educação, lideradas pelo ministro Nuno Crato. Na terça-feira da passada semana só cerca de 50 pessoas ouviram o que o dirigente nacional do sindicato tinha para dizer aos professores na capital da região. Muito pouca adesão para uma tomada de posição pública da FENPROF num momento que Mário Nogueira considera “decisivo como nunca na salvaguarda dos direitos dos professores” e mesmo “na defesa do respectivo emprego”. O momento que a Educação e muito em particular a profissão de professor atravessam no país, caracterizado como um “ataque sem precedentes” e definido por Mário Nogueira como “o momento de se fazerem ouvir se querem evitar o despedimento camuflado de requalificação”, fazia antecipar maior adesão, mas a verdade é que a FENPROF tinha passado já por várias escolas da região em contactos directos para angariar apoios para as greves à avaliação e aos exames nacionais agendadas.

ÔÔ Mário Nogueira teceu fortes críticas ao Governo, especialmente ao ministro da Educação

A COSTELA FASCISTA DE NUNO CRATO Para Mário Nogueira

a atitude do Governo e em particular a do ministro da Educação, Nuno Crato, na condução do processo de aplicação da ‘mobilidade especial’ aos professores “mostra bem a costela fascista do ministro”. Palavras de grande dureza com o dirigente da pasta do sector no Governo e que reflectem a situação de tudo ou nada que os sindicatos dizem existir na actualidade. Das palavras de Mário Nogueira resulta para a FENPROF que se os professores não forçarem neste momento o Governo a recuar, muitos terão como destino a requalificação, entrando para os contingentes da mobilidade especial e acabando num mais do que certo despedimento. “Porque é de verdadeiro des-

pedimento que se trata”, diz Mário Nogueira que coloca este como o acento tónico da luta da classe, apesar de haverem outros problemas em cima da mesa, nomeadamente, a prestação de quarenta horas semanais de serviço nas escolas por parte dos docentes.

OS SENHORES INTERNACIONAIS Quem não sai poupado das palavras do líder da FENPROF são as instituições internacionais, sublinhe-se o Fundo Monetário Internacional (FMI), com Mário Nogueira a dizer que o Governo segue cegamente as indicações e propostas “desses senhores”. Recorde-se que o sector da Educação e os seus profissionais têm sido visados nas estratégias de contenção da despesa pública corrente desenhadas pela instituição liderada por Christine Lagarde.

Entretanto já esta terça-feira a FENPROF teve como notícia a não definição, por parte do colégio arbitral, de serviços mínimos para a greve agendada para os exames nacionais. Uma posição que diminui a margem de manobra do Governo à parede, uma vez que, se por um lado o sector da Educação não se encontra previsto como alvo potencial da requisição civil, numa interpretação directa da lei, por outro parece estar afastada a utilização indirecta deste instituto como resposta do executivo à violação de serviços mínimos, uma vez que estes não foram sequer fixados. Nuno Crato, no entanto, prometeu, já esta quarta-feira, que o Governo vai recorrer da decisão da Comissão Arbitral para garantir a realização dos exames nacionais.

PROTESTO

Marcha lenta inicia Verão quente contra as portagens A COMISSÃO DE UTENTES DA VIA DO INFANTE (CUVI) anun-

ciou, em comunicado, a convocação de uma marcha lenta na Estrada Nacional (EN) 125 para 21 de Junho, dia que coincide com o início do Verão. À semelhança de tantos outros protestos da CUVI este será o primeiro da época balnear e

marca um Verão quente contra as portagens numa EN 125 atulhada de carros com os turistas sazonais. Segundo a CUVI, o “buzinão” insere-se na campanha de “desobediência civil anti-portagens” que a comissão quer desencadear ao longo do Verão, depois de no final de Abril ter

realizado uma outra acção, em Olhão, com a colaboração do Moto Clube. A marcha lenta irá decorrer entre Vale Judeu (Almancil) e Boliqueime, no concelho de Loulé, a partir das 18 horas, acrescentou a comissão, que apela à participação dos cidadãos, que poderão fazê-lo de

carro, bicicleta, moto ou tractor agrícola. “A continuação e o reforço da luta justificam-se plenamente, pois as portagens impostas pelo Governo PSD/CDS há quase ano e meio atiraram o Algarve para uma situação de catástrofe social e económica”, justificou a CUVI. Lusa


6  |  14 de Junho de 2013

região

Algarvios ajudam com 144 toneladas de alimentos pág. 8

Obras do Parque Ribeirinho já estão no terreno

pub

Moradores dos Moinhos do Grelha, em Faro, esperam melhorias ricardo claro

ÔÔ Projecto prevê 300 dias de execução Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

“AGORA TEMOS MUITO PÓ E OBRAS, MAS DEPOIS VAI FICAR TUDO MUITO MAIS ARRANJADO”, é assim que Rui

Grelha descreve a expectativa dos moradores dos Moinhos do Grelha face às obras do Parque Ribeirinho de Faro que já arrancaram no terreno. Os Moinhos do Grelha são um aglomerado populacional situado na área de intervenção da obra que está a ser desenvolvida pela Sociedade Polis, entidade responsável pelo programa Polis Litoral Ria Formosa, e que garantirá uma nova cara à zona ribeirinha compreendida entre as traseiras do Teatro Municipal da capital algarvia e o Montenegro. “Deitaram aqui uma árvore de grande porte abaixo”, refere Rui Grelha, olhando para uma zona onde se pode já ver no terreno a definição dos limites das zonas de estacionamento automóvel naquela que será uma das entradas de acesso ao futuro parque ribeirinho. Mas salvaguardadas por fitas de protecção estão outras árvores

no local, constatou o POSTAL, que deverão ser aproveitadas no âmbito dos espaços verdes do projecto.

FARENSES EXPECTANTES A ex-

pectativa face à obra é grande em Faro e aguarda-se o cumprimento do prazo de execução de 300 dias anunciado para esta obra, que no total implica um investimento de 3,5 milhões de euros. São 16 hectares de área intervencionada onde já se podem ver trabalhos de estruturação como a construção de sistemas de comportas e infra-estruturação de áreas pedonais e rodoviárias. Do plano de intervenção constam a criação de inúmeros espaços verdes, a renovação integral do efectivo arbóreo da zona e a criação de um auditório ao ar-livre capaz de acolher 250 pessoas. Lugar ainda para os amantes da observação de aves, com miradouros específicos e para a instalação de serviços de restauração e bar. Às praças pedonais e à via ciclável, que ligará Faro ao Aeroporto via Montenegro, o plano prevê adicionar percursos interpretativos e equi-

pamentos desportivos.

UTILIZAÇÃO PROMETE SER MASSIVA A avaliar pelo elevado

número de pessoas que em Faro se dedicam a actividades como o passeio de bicicleta a marcha e a corrida a utilização d novo espaço público promete ser massiva, muito à semelhança do que sucede com o a zona de lazer criada

recentemente na Horta das Figuras frente ao Fórum Algarve, que regista diariamente a presença de dezenas de utilizadores que se multiplicam aos fins-de-semana. O défice de espaços verdes da cidade de Faro utilizáveis pela população é ainda uma das lacunas mais importantes da capital algarvia e o Parque Ribeirinho promete

dar, parcialmente, uma resposta adequada às necessidades, ao mesmo tempo que garante, em parte, um acesso ciclável seguro à Universidade do Algarve. Por resolver estão ainda as restantes áreas ribeirinhas da cidade, nomeadamente a zona do centro junto à doca e ao Hotel EVA e a zona nascente, que se estende das

traseiras das muralhas até à Atalaia. Ambas as áreas de grande valor no que respeita à potencialidade de aproveitamento não foram enquadradas pelo Programa Polis, um pecado que se paga caro face à incapacidade de investimento público da autarquia para redesenhar o perfil das zonas e questão.


14 de Junho de 2013  |  7 pub

região

Demolido cais na Praia dos Pescadores Intervenção visa aumentar segurança d.r.

O ÚLTIMO TROÇO DA ESTACADA/CAIS da Praia dos Pescado-

res, no concelho de Albufeira, foi na semana passada demolido, no sentido de aumentar a segurança dos utentes daquela praia, anunciou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). O pequeno cais da Praia dos Pescadores deixou de ser utilizado desde que os pescadores foram transferidos para uma outra localização, encontrando-se a estrutura bastante degradada. A APA anunciou ainda que concluiu a 31 de Maio as intervenções nas praias do Camilo (Lagos), Careanos (Portimão) e Santa Eulália e Maria Luísa (Albufeira), “com vista a preparar aquelas praias para o intensivo uso durante a época balnear”. Nas praias do Camilo, Maria Luísa e dos Careanos, as inter-

ÔÔ Estrutura estava degrada venções consistiram no saneamento das arribas, de forma a antecipar derrocadas e ao reperfilamento da arriba. Na praia de Santa Eulália (Albufeira), a intervenção incidiu na defesa da base da arriba com recurso a enrocamento de pedra, saneamento e reperfilamento, proporcionando condições para que seja concluído o levantamento arqueológico aos vestígios de ocupação romana encontrados no topo da arriba.

Vela de Tavira sobe à primeira divisão ÔÔ Na passada segunda-feira a equipa sénior feminina de andebol do Clube de Vela de Tavira garantiu a subida ao primeiro escalão nacional depois de levar de vencida o Alpendorada por 24-30. Quando ainda faltam disputar três jornadas, a jovem equipa tavirense, comandada por Miguel Dias, atinge um feito histórico, vinte anos depois da congénere masculina ter participado na 1.ª Divisão. Nota de destaque é também o facto de se tornar, assim, a única equipa da região a disputar o principal campeonato nacional de andebol feminino. Para este sábado está marcado o jogo que pode decidir o título entre o Assomada e o Vela de Tavira, a disputrar em Oeiras, pelas 16 horas. PR/RC

Lusa PME+_210x285_AF.indd 1

13/05/08 18:04

pub


8  |  14 de Junho de 2013

região

ZZZ pág. ## pub

Algarvios ajudam com 144 toneladas de alimentos

NOTARIADO PORTUGUÊS JOAQUIM AUGUSTO LUCAS DA SILVA

NOTÁRIO em TAVIRA Nos termos do Artº. 100, nº.1, do Código do Notariado, na redacção que lhe foi dada pelo Dec-Lei nº. 207/95, de 14 de Agosto, faço saber que no dia cinco de Junho de dois mil e treze, de folhas setenta e nove a folhas oitenta e um verso, do livro de notas para escrituras diversas número cento e sessenta e quatro – A, deste Cartório, foi lavrada uma escritura de justificação, na qual:

Banco Alimentar do Algarve com mais capacidade para receber alimentos frescos ricardo claro

ADELINA TEIXEIRA FERNANDES DE JESUS, NIF 177.619.945, e marido JOSÉ DE BRITO DE JESUS, NIF 160.589.851, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de Conceição, concelho de Tavira, freguesia onde residem, no sítio dos Estorninhos, declararam:

OS PÓLOS DE FARO e Portimão do Banco Alimentar Contra a Fome do Algarve conseguiram recolher na última campanha, que decorreu no primeiro fim-de-semana deste mês, 144 toneladas de alimentos doadas pelos algarvios em resposta à campanha “pague dois leve um”. Ao POSTAL, Nuno Alves, responsável do Banco Alimentar do Algarve, adiantou que esta campanha registou uma recolha de alimentos menor do que a campanha de 2012 na mesma época do ano. “Foram menos dez toneladas de alimentos”, diz, reconhecendo que “se trata de um decréscimo espectável, dada a situação de crise que o país atravessa”, mas sublinhando “a grande manifestação de solidariedade dos algarvios num momento em que as necessidades de alimentos para ajudar os mais carenciados se agudizam”. Quanto à comparação com a campanha de Novembro de 2012, a queda na recolha de alimentos foi de 29 toneladas. Em Portugal o Banco Alimentar recolheu desta vez 2.445 toneladas de alimentos, um valor que também regista decréscimo quando compara-

do com o ano passado. Na campanha regional o Banco Alimentar contou com a preciosa ajuda de cerca de dois mil voluntários, que não tiveram mãos a medir para responder ao fluxo de mercadoria chegado dos 140 supermercados aderentes, num esforço que é o primeiro passo para que os alimentos cheguem a mais de 15 mil pessoas na região, ajudadas pelas 73 instituições que se abastecem no Banco Alimentar algarvio.

CAPACIDADE DE MANTER ALIMENTOS FRESCOS AUMENTA Novidade desta campanha foi o aumento da capacidade de receber alimentos frescos por parte da instituição. É que o pólo de Portimão ganhou há um mês uma câmara frigorifica que permite armazenar 70 toneladas de frescos a frio positivo. Uma capacidade que se soma às 80 toneladas já existentes em Faro e que “responde cabalmente”, diz Nuno Alves, às actuais necessidades do Banco Alimentar na região. A instalação da câmara de frio portimonense resultou de dádivas de particulares que custearam a respectiva compra e instalação. Em Faro a instituição conta ainda com uma câmara de congelação (frio negativo) com

capacidade para 1,5 toneladas, um meio que ainda não existe em Portimão “por falta de espaço”, segundo Nuno Alves. Está assim dada resposta a uma das necessidades mais prementes do Banco Alimentar do Algarve e que permite que os cabazes alimentares que chegam às famílias algarvias mais carenciadas sejam cada vez mais completos em termos da oferta de produtos alimentares. A componente dos alimentos frescos além de permitir uma maior panóplia de opções culinárias no uso dos alimentos secos, responde também às necessidades de uma alimentação mais equilibrada e saudável e, muitas vezes, se não for agregada ao cabaz do Banco Alimentar, as instituições sociais que distribuem os alimentos aos destinatários finais também não a conseguem disponibilizar. Nestes casos, se o destinatário final dos alimentos não tivesse a capacidade de adquirir frescos ficava até agora posta em causa a qualidade da resposta de ajuda alimentar dada. Uma situação que para o bem de todos está resolvida na região com o esforço dos responsáveis do Banco Alimentar e a indispensável ajuda dos doadores privados.

a) As verbas um, dois e três, por compra feita a Manuel Faustino Gonçalves, casado que foi com Custódia de Jesus, residentes que foram em Barberia, Conceição, Tavira, no ano de mil novecentos e setenta, em data que não é possível precisar; b) As verbas quatro, cinco e seis, por compra feita a António Fernandes, casado que foi com Mariana Gomes, residentes que foram no sítio dos Estorninhos, no ano de mil novecentos e setenta e cinco, em data que não é possível precisar.

VERBA UM

c) As verbas sete e oito, por compra feita a Manuel Joaquim e mulher Teresa Joana, residentes que foram em Barberia, Conceição, Tavira, no ano de mil novecentos e noventa, em data que não é possível precisar.

VERBA DOIS

Ricardo Claro ricardoc.postal@gmail.com

Que eles justificantes, adquiriram os prédios por compras verbais e nunca reduzidas a escritura pública, já no estado de casados, da seguinte forma:

Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores dos seguintes prédios rústicos, todos sitos na mencionada freguesia de Conceição e não descritos na Conservatória do Registo Predial de Tavira, a saber: Prédio composto por terra de pastagem, sito em Rosais, denominado “Ursais”, com a área de oito mil metros quadrados, a confrontar do norte e sul com José Domingos Costa e do nascente e poente com José Domingos Costa e outros, inscrito na matriz sob o artigo 4.369, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de QUARENTA E SEIS EUROS E DOIS CÊNTIMOS.

ÔÔ Cerca de dois mil voluntários não tiveram mãos a medir na recolha dos alimentos

VERBA OITO Prédio composto por terra de cultura e amendoeiras, sito em Juntar da Ribeira, denominado “Ribeira da Caldeira”, com a área de dois mil e seiscentos metros quadrados, a confrontar do norte com Jacinto Domingos, do sul com José Domingos, do nascente com José Fernandes e do poente com Manuel Machado, inscrito na matriz sob o artigo 4.788, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de CENTO E TRINTA E SETE EUROS E NOVENTA E QUATRO CÊNTIMOS.

Prédio composto por terra de pastagem e oliveiras, sito em Serra das Fontinhas, com a área de nove mil e cem metros quadrados, a confrontar do norte e nascente com José Domingos Costa, do sul com Manuel Machado e do poente com Manuel Teixeira, inscrito na matriz sob o artigo 4.397, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de NOVENTA E TRÊS EUROS E TRINTA E QUATRO CÊNTIMOS. VERBA TRÊS Prédio composto por terra de cultura, sito em Estorninhos, denominado “Courela do Monte Baixo”, com a área de cento e setenta metros quadrados, a confrontar do norte com José Maria, do sul com Manuel Joaquim, do nascente com António José e do poente com caminho, inscrito na matriz sob o artigo 4.545, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de DOIS EUROS E OITENTA E TRÊS CÊNTIMOS. VERBA QUATRO Prédio composto por terra de cultura e alfarrobeiras, sito em Ribeira da Caldeira, denominado “Pastagal”, com a área de duzentos metros quadrados, a confrontar do norte, sul e poente com José Maria e do nascente com Domingos Fernandes, inscrito na matriz sob o artigo 4.357, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de SESSENTA E TRÊS EUROS E VINTE E CINCO CÊNTIMOS. VERBA CINCO Prédio composto por terra de cultura e oliveiras, sito em Barradinhas, com a área de oitocentos e sessenta metros quadrados, a confrontar do norte com José Maria, do sul com Manuel Agostinho, o nascente com Marcelino Neto e do poente com Manuel António, inscrito na matriz sob o artigo 4.473, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de SESSENTA E QUATRO EUROS E SESSENTA E SEIS CÊNTIMOS. VERBA SEIS Prédio composto por terra de cultura, sito em Estorninhos, denominado “Monte de Baixo”, com a área de oitenta metros quadrados, a confrontar do norte e nascente com Serafim Barradas, do sul com Maria Teresa Correia e do poente com caminho, inscrito na matriz sob o artigo 4.549, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de UM EURO E QUARENTA E DOIS CÊNTIMOS.

Que desde esses anos possuem os prédios em nome próprio, cuidando e cultivando a terra, fazendo as respectivas sementeiras, colhendo os frutos, pagando os impostos e contribuições devidos, sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu início, posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente, sendo por isso uma posse pacífica, contínua e pública, pelo que adquiriram os prédios por usucapião. Que os prédios têm a natureza de bens comuns do casal. Que atribuem aos prédios o valor total de duzentos e setenta e um euros e cinquenta e dois cêntimos. Pela outorgante mulher, foi ainda dito: Que, com exclusão de outrem, é dona e legítima possuidora do prédio rústico, composto por terra de pastagem, sito em Poço das Corgas, freguesia de Conceição, concelho de Tavira, inscrito na matriz sob o artigo 4.717, com o valor patrimonial tributário de 12,98 €; descrito na Conservatória do Registo Predial de Tavira sob o número mil setecentos e dezassete, de dois de Maio de mil novecentos e noventa, registada a aquisição, em comum e sem determinação de parte ou direito, a seu favor e ainda a favor de Gracinda Fernandes Teixeira Gonçalves e marido Jasevé Martinho Gonçalves, José Domingos Teixeira Fernandes e mulher Maria de Jesus Brito Fernandes Teixeira, Manuel Francisco e mulher Maria Aldina Fernandes Teixeira e de Maria Pereira Teixeira, pela apresentação seis, de dois de Maio de mil novecentos e noventa; a que atribui o valor de DOZE EUROS E NOVENTA E OITO CÊNTIMOS. Que ela justificante adquiriu o mencionado prédio por partilha verbal e nunca reduzida a escritura pública, feita com os demais titulares inscritos, em data imprecisa do ano de mil novecentos e noventa. Que desde esse ano possui o prédio em nome próprio, cuidando e cultivando a terra, fazendo as respectivas sementeiras, colhendo os frutos, pagando os impostos e contribuições devidos, sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu início, posse que sempre exerceu sem interrupção e ostensivamente, com o conhecimento de toda a gente, sendo por isso uma posse pacífica, contínua e pública, pelo que adquiriu o prédio por usucapião. Que este prédio tem a natureza de bem próprio dela justificante. Vai conforme o original. Tavira, aos 05 de Junho de 2013

VERBA SETE Prédio composto por terra de cultura, sito em Estorninhos, com a área de cento e setenta metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel Faustino, do sul com José Maria, do nascente com António José e do poente com caminho, inscrito na matriz sob o artigo 4.546, com o valor patrimonial tributável e igual ao atribuído de DOIS EUROS E OITENTA E TRÊS CÊNTIMOS.

A funcionária por delegação de poderes; Ana Margarida Silvestre Francisco – Inscrita na O.N. sob o n.º 87/1 Conta registada sob o nº. PAO 693/2013 Factura nº. 0704 (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)


14 de Junho de 2013  |  9

região Consultório do Consumidor

Contagem decrescente para adeus a Macário

Desconto em Produtos Alimentares no fim do prazo de validade

Autarca disse recentemente que respeitaria última decisão do tribunal

“Tenho verificado que alguns supermercados colocam produtos alimentar e s com o pr a zo de validade próximo do fim em promoção. Será uma vantagem aproveitar estes descontos?”

A DECO responde... Em Portugal, cerca de 30% do desperdício alimentar é originado nos supermercados. Anualmente, cerca de 298 mil toneladas de alimentos têm como destino o contentor do lixo, aponta o estudo “Do campo ao garfo – desperdício alimentar em Portugal”, divulgado recentemente pelo Projecto de Estudo e Reflexão sobre Desperdício Alimentar (PERDA), desenvolvido pelo Centro de Estudos e Estratégias para a Sustentabilidade. A redução de preço de 25% a 50% face ao preço normal e a oferta de quantidade suplementar do produto, sem variação do preço, através da promoção “leve 2, pague 1” são as modalidades mais frequentes, é uma forma de os estabelecimentos eliminarem o desperdício, mas transfere a responsabilidade de consumo, dentro do prazo, para o consumidor. A identificação deste tipo de descontos varia consoante a loja. Na maioria dos casos, estes produtos apresentam uma etiqueta de cor forte, onde consta o preço promocional e as expressões “Aproximação fim do prazo validade”, “Produto com prazo de validade curto” ou “Por aproximação da data de validade”. O número de dias que decorre entre o momento da venda a preço promocional e o prazo limite de consumo varia consoante a categoria do produto e a loja. Por exemplo, nos produtos de charcutaria e saladas a colocação da etiqueta promocional ocorre dois dias antes do fim do prazo. Já no caso dos iogurtes e bolos, a etiqueta é colocada até seis dias antes do fim do prazo de validade dos produtos. O consumidor pode ser tentado a comprar um produto mais barato. Contudo, antes de comprar, deve ponderar se vai conseguir consumi-lo dentro do prazo de validade indicada. Caso não o faça, estará a desperdiçar dinheiro e alimentos. O alimento que não foi desperdiçado no estabelecimento de venda, será desperdiçado pelo consumidor, contrariando o objectivo da iniciativa.

d.r.

O PRESIDENTE DA CÂMARA DE FARO, Macário Correia, afir-

mou na passada terça-feira que vai manter-se no cargo mesmo depois de o Supremo Tribunal Administrativo (STA) ter confirmado a perda de mandato. O autarca disse ter sido notificado da decisão na sexta-feira anterior, mas sublinhou que ainda dispõe de dez dias para se pronunciar sobre a matéria, prazo que corresponde ao trânsito em julgado da decisão. Macário Correia escusou-se a fazer mais declarações sobre o caso que envolve a perda do seu mandato. Em Março, o presidente da autarquia tinha apresentado um pedido de uniformização de jurisprudência, que foi aceite pelo STA, após o chumbo de três recursos para o Tribunal Constitucional (TC).

ÔÔ Autarca perdeu mandato mas tem dez dias para se pronunciar momento a analisar, com o seu advogado, o que irá fazer, acrescentou. Segundo uma notícia avançada na segunda-feira pela TVI, o novo acórdão, que confirma a perda de mandato, é datado de 4 de Junho, mas o documento não está disponível para consulta no sítio de internet daquele tribunal.

Em Abril, o STA decidiu suspender o acórdão emitido em Junho do ano passado que condenava Macário Correia à perda de mandato, mas os juízes acabaram por produzir um novo acórdão a confirmar a decisão. O autarca dispõe agora de um prazo de dez dias para se pronunciar, estando neste

Macário Correia fez um pedido de uniformização de jurisprudência por considerar que existiam decisões judiciais diferentes em matérias semelhantes àquelas pelas quais foi condenado. O autarca foi condenado por irregularidades em processos de licenciamento de obras particulares na serra de Tavira, quando ainda presidia àquela autarquia. O autarca social-democrata já havia dito recentemente que respeitaria a última decisão do tribunal. Macário Correia já anunciou que não vai recandidatar-se ao cargo nas próximas eleições a ter lugar no final do ano. Pelo PSD concorre a Faro Rogério Bacalhau que se confrontará nas próximas autárquicas, entre outros, com o socialista Paulo Neves Lusa

pub

Tavira desafia a conhecer o Rio de Janeiro

CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA EDITAL Nº 25 /2013 Jorge Manuel do Nascimento Botelho Presidente da Câmara Municipal de Tavira TORNA PÚBLICO, que em reunião de Câmara Municipal, realizada no dia 11 de junho de 2013 foram tomadas as seguintes deliberações: 1 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 90/2013/CM, referente à anulação de juros de mora e custas processuais – PT Comunicações, S. A; 2 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 91/2013/CM, referente ao empréstimo quadro – Banco Europeu de Investimento (BEI) “Parque Verde do Séqua – 2ª. Fase; 3 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 92/2013/CM, referente à aquisição de serviços de auditoria externa de Revisor Oficial de Contas; 4 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 93/2013/CM, referente ao fim de mobilidade interna de Elsa Maria Fernandes Cardeira Afonso; 5 Aprovada por maioria a proposta da Câmara Municipal número 94/2013/CM, referente à ratificação da avaliação do desempenho – SIADAP 1 - 2012; 6 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 95/2013/CM, referente à transmissão de posição contratual – Loja nº. 3 do Mercado da Ribeira; 7 Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 96/2013/CM, referente à atribuição de medalhas municipais de mérito e bons serviços e dedicação – 2013; 8 Aprovada unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 97/2013/CM, referente à correção material ao Regulamento do Plano de Urbanização de Luz de Tavira. Para constar e produzir efeitos legais se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume. Paços do Concelho, 11 de junho do ano 2013 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL, Jorge Manuel Nascimento Botelho (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)

ÔÔ “Copacabana – Panoramas do Rio” é o nome da exposição que Tavira acolhe até 14 de Setembro e que conta a história da transformação do Rio de Janeiro, imperial e novecentista, na grande e cosmopolita “cidade maravilhosa”. A exposição, no Palácio da Galeria, tem “uma abordagem geográfica, urbana e humana”, é baseada em “imagens de grandes fotógrafos internacionais como Marc Ferraz, Marcel Gautherot, Thomas Farkas e José Medeiros, testemunhos da Baía da Guanabara e do Pão de Açúcar, quando ainda não eram ponto de encontro da população, o ambiente da belle époque carioca e uma videoinstalação sobre as vivências de Copacabana”. A exposição exibe, também, um documento de elevado valor histórico como é o borrão de alçado da planta de Tavira do século XVIII, acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, que cede ainda um raro conjunto de litografias aguareladas do século XIX. PR/RC

OPINIÃO Ana Amorim Dias - Escritora www.anaamorimdias.blogspot.com anamorimdias@gmail.com

Porto inseguro Não sei se existem portos completamente seguros. Sei que há portos nos quais conseguimos sentir-nos protegidos, mas daí a serem capazes de nos proteger com total eficácia das mais fortes tempestades, já tenho as minhas dúvidas. No fundo considero os portos muito seguros, os mais inseguros de todos. É que os barquinhos existem para navegar e não para ficar amarrados nos portos. Quanto mais seguros nos sentimos, menos vontade temos de nos fazer ao mar e cumprir as missões das nossas existências. Quanto mais nos habituamos a não enfrentar ventos e vagas, menos nos fortalecemos; mais a inércia se nos apodera das velas e o caruncho das madeiras. “Small boat, deep sea” (pequeno barco, profundo mar) disseram-me um dia. Somos pequeninos e a vida é enorme, bem sei. Mas temos a obrigação de garantir que toda a segurança sentida em qualquer dos nossos portos seguros, não se transforma em medo de navegar. Porque a maior insegurança é correr o risco de chegar ao fim e perceber que não vivemos.

publicite a sua empresa Contacte-nos: 281 320 900


10  |  14 de Junho de 2013

ı

anúncios

classificados

ZZZ pág. ##

Farmácias de Serviço ALBUFEIRA

SEXTA

SÁBADO

DOMINGO

SEGUNDA

TERÇA

QUARTA

QUINTA

Santos Pinto

Piedade

Piedade

Piedade

Piedade

Piedade

Piedade

Sousa

Sousa

-

Central

-

ARMAÇÃO DE PÊRA

-

-

FARO

Almeida

Montepio

Higiene

Caniné

Pereira

Penha

Baptista

LAGOA

José Maceta

Sousa Pires

Sousa Pires

Sousa Pires

Sousa Pires

Sousa Pires

Sousa Pires

LAGOS

Lacobrigense

Silva

Telo

Neves

Ribeiro

Lacobrigense

Silva

LOULÉ

Pinto

Avenida

Martins

Chagas

Pinheiro

Pinto

Avenida

MONCHIQUE

Hygia

Hygia

Hygia

Moderna

Moderna

Moderna

Moderna

OLHÃO

Ria

Nobre

Brito

Pacheco

Progresso

Olhanense

Ria

PORTIMÃO

Carvalho

Rosa

Amparo

Arade

Guilherme

Central

Mourinha

QUARTEIRA

Algarve

Mª Paula

Mª Paula

Mª Paula

Mª Paula

Mª Paula

Mª Paula

SÃO BART. DE MESSINES

Sequeira

SÃO BRÁS DE ALPORTEL

Dias Neves -

SILVES

Algarve

-

S. Brás

-

S. Brás

S. Brás

Guerreiro

Guerreiro

-

Dias Neves João de Deus

S. Brás -

Algarve Dias Neves Guerreiro

TAVIRA

Central

Felix

Felix

Sousa

Montepio

Mª Aboim

Central

VILA REAL de STº ANTÓNIO

Carrilho

Carmo

Carmo

Carmo

Carmo

Carmo

Carmo

FARMÁCIA

FÉLIX FRANCO

Proprietário e Director Técnico

Dr. António Manuel S. P. Faleiro

Acordos com:

Multicare, C.G.D., Allianz Acordos com:

Medis, Multicare, C.G.D., Allianz

Rua Alexandre Herculano, nº24 8800-394 TAVIRA · tel.: / fax: 281 322 162

VENDE-SE ou ARRENDA-SE CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA EDITAL Nº 23 /2013 Jorge Manuel do Nascimento Botelho Presidente da Câmara Municipal de Tavira TORNA PÚBLICO, que em reunião de Câmara Municipal, realizada no dia 28 de maio de 2013 foram tomadas as seguintes deliberações: 1. Aprovada por maioria a proposta da Câmara Municipal número 81/2013/CM, referente à 5ª. Alteração ao Orçamento e às Grandes Opções do Plano; 2. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 82/2013/CM, referente à atribuição de apoio à Cruz Vermelha Portuguesa; 3. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 83/2013/CM, referente ao Protocolo com a AMAL – Aquisição de Equipamento de Proteção Individual para Combate a Incêndios em Espaços Naturais – Candidatura ao POVT;

4 terrenos agrícolas com excelente localização e acessibilidade, com água da barragem, situados na Asseca a 3 minutos da cidade de Tavira Pomar de citrinos: 8.158 m2 Terra de semear: 8.000 m2 Terra de semear: 9.788 m2 Pomar de citrinos e terra de semear 6.370 m2 Área total: 32.316 m2

Contacto: 918 201 747

AradeVidros – indústria e transformação de vidro, lda. Portimão - Tel. / Fax: 282 475 149 Tavira - Tel. / Fax: 281 370 984

geral@aradevidros.pt

TAVIRA Arrendo T2 mobilado. Bem localizado! Contactar: 918 296 436

4. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 84/2013/CM, referente ao Contrato de Comodato com o Centro Paroquial de Cachopo – Casa da Moagem (Museu do Presépio); 5. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 85/2013/CM, referente à Receção Provisória das Infraestruturas – Alvará nº 1/2011 CFVM – Sociedade de Construção, Fabricação e Venda de Materiais para Construção Civil, Lda. (Sitio do Arroio – Luz de Tavira). 6. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 86/2013/CM, referente à Atribuição de Apoio à Associação de Animação Infantil e Apoio Comunitário da Freguesia de Cachopo; 7. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 87/2013/CM, referente à Atribuição de apoio ao Rotary Clube de Tavira; 8. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 88/2013/CM, referente à Atribuição de Apoio à Associação Cultural Rock da Baixamar;

Tlm. - 966 574 669 E-mail - globalcontrol@iol.pt

9. Aprovada por unanimidade a proposta da Câmara Municipal número 89/2013/CM, referente ao Protocolo para o Arranjo Paisagístico na Rotunda das Salinas ao KM 137+900 da ER125. Para constar e produzir efeitos legais se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de costume. Paços do Concelho, 28 de maio do ano 2013 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL, Jorge Manuel Nascimento Botelho (POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)

Tractor - Rega, Lda

Reze 9 Ave-Marias com uma vela acessa durante 9 dias, pedindo 3 desejos, um de negócios e 2 impossíveis ao 9º dia publique este aviso, cumprir-se-á mesmo que não acredite. F.F.


14 de Junho de 2013  |  11

anúncios

ZZZ pág. ##

ı

necrologia Funerárias: Sítio da Palmeira LUZ DE TAVIRA Tel. /Fax: 281 961 170

SERVIÇO PERMANENTE 24h

Av. Maria Lizarda MONCARAPACHO Tel: 289 798 380

FUNERAIS | CREMAÇÕES | TRASLADAÇÕES ARTIGOS RELIGIOSOS MANUTENÇÃO DE CAMPAS E JAZIGOS FLORES Tlms: 966 019 297 (Carlos Palma)

963 907 469 (Gonçalo Correia)

Rua de Santo António, n.º 68 - 5º Esq. 8000 - 283 Faro Telef.: 289 820 850 | Fax: 289 878 342 dbf@advogados.com.pt | www.advogados.com.pt

Tribunal Judicial de Tavira Secção Única Rua Dr. Silvestre Falcão – 8800-412 Tavira Telef: 281 320 970 Fax: 281 093 519 Mail: tavira.tc@tribunais.org.pt

2ª. Publicação

ANÚNCIO

Processo: 435/12.6TBTVR Ação de Processo Sumário N/Referência: 1478887 Data: 30-04-2013 Autor: Instituto de Seguros de Portugal Réu: Gyulten Mustafov Kyoybashiev Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação deste anúncio, citando: Réu: Gyulten Mustafov Kyoybashiev, profissão: Servente da Construção Civil, filho(a) de Mustafa Kyoybachyev e de Atye Kyoybachyeva, estado civil: Solteiro, nascido(a) em 01-08-1983, natural de Bulgária, nacional de Bulgária, Passaporte – 333825250, domicílio: Rua D. Marcelino Franco, 21, Tavira, 8800-347 Tavira com última residência conhecida na(s) morada(s) indicada(s) para, no prazo de 20 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a ação, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste no pagamento de indemnização no valor de 6550,51€. tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. O prazo acima indicado suspende-se, no entanto, nas férias judiciais. Fica advertido de que é obrigatória a constituição de mandatário judicial. A Juíza de Direito, Dra. Lara Rodrigues O Oficial de Justiça, Joan Santos Gonçalves de Sousa Notas: · Solicita-se que na resposta seja indicada a referência deste documento · As férias judiciais decorrem de 22 de Dezembro a 3 de Janeiro; de domingo de Ramos à segunda-feira de Páscoa e de 1 a 31 de Agosto. · Nos termos do art.º 32.º do CPC, é obrigatória a constituição de advogado nas causas da competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recurso ordinário; nas causas em que seja admissível recurso, independentemente do valor; nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores.

(POSTAL do ALGARVE, nº 1104, de 14 de Junho de 2013)

Rua Soledade 19 OLHÃO Tel. 289 713 534

geral@funerariacorreia.pt - www.funeraria correia.pt

publicite a sua empresa Contacte-nos: 281 320 900

ALAGOA

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Serviços Prestados

ü Funerais ü Trasladações ü Cremações ü Preparação estética do falecido ü Manutenção de jazigos e campas

Sempre a seu lado nos momentos difíceis da vida...

) nº verde (GRÁTIS) 800 219 262

24 Horas Temos ao seu dispor uma linha de crédito

funerariapedro@sapo.pt funeraria_pedro@sapo.pt

até 24 meses sem juros financiada por uma instituição bancária credível

Empresa recomendada

SERVIÇOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Funeráis desde 300 Euros

TAVIRA Rua Dr. Miguel Bombarda n.º 25 Tel. - 281 323 983 - 281 381 881

* alagoa.lda@gmail.com

JUNTO AO HOSPITAL VELHO EM TAVIRA

LUZ DE TAVIRA EN 125, n.º 32 – Tel. - 281 961 455 VILA REAL STO. ANTÓNIO Rua 25 de Abril n.º 32 – Tel. - 281 541 414

LUZ - TAVIRA SANTA MARIA - TAVIRA

CONCEIÇÃO - TAVIRA SANTA MARIA - TAVIRA

funerariapviegas@sapo.pt

FUNERÁRIA PATROCÍNIO Tlm. - 968 685 719 Rua João de Deus, n.º 86 – Tel. -281 512 736 IDALÉCIO PEDRO Tlm. - 964 006 390

Serviços Fúnebres Locais  Urna pinho estofada 650 m  Urna pinho e caixão zinco estofado 950 m Incluíndo coroa de flores artificiais c/ moldura, cartões memoriais, livro de condolências e serviço de água no velório

Solicite orçamento antes de decidir

CARMINDO DA CONCEIÇÃO ESTEVENS

MARIA CATARINA DA SILVA N. 22-09-1920 - F. 03-06-2013

05-03-1946 / 07-06-2013

AGRADECIMENTO

AGRADECIMENTO

Os seus familiares vêm por este meio, agradecer a todos quantos a acompanharam em vida e nas suas cerimónias exéquias ou que de algum modo lhes manifestaram o seu sentimento e amizade.

Os seus familiares vêm por este meio agradecer a todos quantos se dignaram acompanhar o seu ente querido à sua última morada ou que, de qualquer forma, lhes manifestaram o seu pesar.

AGÊNCIA

Tavira

Tlm. – 969 003 042

FUNERÁRIA

Emergência 24 horas

Pedro - 965 040 428

AGÊNCIA FUNERÁRIA

Santos & Bárbara, Lda FUNERAIS - CREMAÇÕES - TRASLADAÇÕES PARA TODO O PAÍS E ESTRANGEIRO

Tel. : 281 323 205 - Fax: 281 323 514 • 965 484 819 / 917 764 557 ATENDIMENTO PERMANENTE - OFERTA DE ANÚNCIO DE NECROLOGIA E CARTÕES MEMÓRIA Artigos Funerários e Religiosos / Catálogo de Lápides e Campas

Vila Real Sto. António

Tlm. – 962 406 031


O POSTAL

Tiragem desta edição:

8.907 exemplares

regressa no dia 5 de Julho

última

pub

Futuros craques para ver em Lagoa e Portimão Copa Foot 21 arranca dia 23 d.r.

Pedro Ruas/Ricardo Claro pedror.postal@gmail.com

AQUELA QUE É CONSIDERADA a

festa nacional de futebol de 7, a Copa Foot 21, decorre entre 23 e 29 de Junho nas cidades de Lagoa e Portimão, uma novidade, visto as edições anteriores terem sido realizadas em Vila Real de Santo António. Na sexta edição de uma competição que reúne 1.500 jovens, vão estar presentes 75 equipas divididas por cinco escalões etários, dos seis aos treze anos de idade, que, em ambiente festivo, mas com a típica vontade de vencer se vão defrontar no Estádio Municipal da Bela Vista, em Parchal, no Estádio da Restinga, em Alvor, e no Complexo Desportivo da Mexilhoeira Grande, em Portimão. Os jogos iniciam-se a 24 de Junho e prolongam-se até o dia 29, excepção feita aos Sub-9, que devido aos exames nacionais, dão o pontapé de saída no dia 28 e terminam a competição a 3 de Julho. Antes dos futuros craques subirem aos relvados dos três estádios reservados ao “Nacionalito” de futebol de 7 está marcada, no dia 23, a cerimónia de abertura, às 19 horas, em Alvor. Já a festa de encerramento acontece no dia 29, no Estádio da Bela Vista à mesma hora. À semelhança do que aconteceu noutros anos, o patrono da prova é Rui Costa, antigo

FAZEMOS TODO O TIPO DE TRABALHOS TOPOGRÁFICOS à Levantamentos Topográficos à Medições de Áreas à Implantação de Edifícios à Implantação de Urbanizações à Cálculos de Volumes de Terras à Executam-se trabalhos com GPS tel 281 325 647 • fax 281 325 781 • tlm 917 811 380 • topogarve@mail.telepac.pt Praceta Baltazar G. Lobato, 4-A (em frente às Escolas Primárias da Estação da CP) 8800-743 Tavira pub

ÔÔ Competição reúne 1.500 jovens, distribuídos por 75 equipas internacional português e actual dirigente do Sport Lisboa e Benfica, que marcou presença durante o sorteio (ontem, no Hotel da Estrela em Lisboa) e estará presente no Algarve durante a competição.

QUALIDADE HOTELEIRA E LAZER PESAM NA ESCOLHA A juntar

às 1.500 crianças há a preocupação de receber também as famílias, tornando o certame numa festa conjunta que deve atrair cerca de 2.500 pessoas à região. A capacidade das cidades anfitriãs da prova para receber

uma competição desta dimensão pesou, segundo a organização, na escolha final entre as várias cidades candidatas a acolher a edição deste ano da Copa Foot 21. Assim, os organizadores da prova revelam que a opção por Lagoa e Portimão se prende, além do potencial de sucesso da competição, pela qualidade hoteleira da região e pelas componentes de lazer e diversão existentes em ambos os concelhos, características fundamentais para que o evento se torne inesquecível para participantes e familiares.

> > ASSINALE A FRASE CORRETA Ora, vê lá se sabes este provérbio:

> > SOLUÇÃO da edição passada Ora, vê lá se adivinhas: Árvore que não dá fruto,

De algodão velho,

…… não se faz bom pano. …… faz-se pano velho.

…… há que regar. ;; machado nela.

Esta é uma iniciativa das Bibliotecas Paula Nogueira do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira (Olhão) em parceria com a Casa da Juventude de Olhão e o POSTAL, que semanalmente divulga os problemas e as soluções deste jogo. VáriasescolasdoAlgarve jáaderiramàiniciativa:AEProfessorPaulaNogueira(Olhão)/AEdaSé(Faro)/AED.AfonsoIII(Faro)/AEDr.AlbertoIria(Olhão)/ColégioBernardetteRomeira(Olhão)/AEDr.JoãoLúcio(Fuseta)/AEdeEstoi(Faro)/AEJoaquimMagalhães(Faro)/AEdoMontenegro(Faro)/AEdeCastroMarim (Vila Real de St. António) / AE Professora Diamantina Negrão / (Albufeira) / Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Mega Agrupamento de São Brás de Alportel) / Escola Secundária João de Deus (Faro) / Agrupamento de Escolas D. Paio Peres Correia (Tavira) / Casa da Juventude (Olhão) / Postal do Algarve. Convidamos todas as escolas e bibliotecas, interessadas em aderir ao Jogo da Língua Portuguesa e receber os materiais para o mesmo, a contactar: biblioteca.epnogueira@gmail.com ou jornalpostal@gmail.com.


Mensalmente com o POSTAL em conjunto com o PÚBLICO

JUNHO 2013 | n.º 58 8.907 EXEMPLARES

www.issuu.com/postaldoalgarve d.r.

Espaço CRIA: d.r.

Criando com Energia

António Rosa Mendes:

O narrador implicado

p. 2

p. 11

Grande ecrã: d.r.

Mostras de cinema ao ar livre estão de regresso p. 3

Panorâmicas

d.r.

Editorial:

A herança de

Rosa Mendes

p. 2

Uma aldeia algarvia feita da força do imaginário Contos:

d.r.

p. 4

d.r.

Sons da Jamaica com Antony B :

Sábado e depois Domingo p. 8

É tempo de MED em Loulé p. 4


2

14.06.2013

Cultura.Sul

Editorial

Espaço CRIA

A herança de Rosa Mendes

Criando com Energia

Editor ricardoc.postal@gmail.com

Demasiado cedo. É sempre demasiado cedo nestas situações e o adeus a António Rosa Mendes tem também esse amargo da chegada antes da hora devida. Humanista, homem da Cultura e da defesa do Algarve, Rosa Mendes é e será sempre um nome incontornável da região. Deixa-nos a todos sem excepção mais pobres e menos acompanhados, mas deixa-nos também herdeiros do seu legado pessoal e profissional e cumpre-nos honrar essa deixa que fez universal e não testamentária. Devemos-lhe a gratidão de nos deixar colectivamente a sua experiência para que dela nos possamos “apoderar”, cumprindo a natureza histórica de seres humanos e incorporando a experiência que nos lega para todo o sempre. Recordar é viver e aqui vos deixo as palavras do homem singular que era num trecho da entrevista a Rosa Mendes que o Cultura.Sul publicou em 2010: “O passado nunca passa precisamente, porque os seres humanos não têm Natureza, têm História. Nós somos feitos de passado, somos o resumo daquilo que está para trás de nós e, portanto, aquilo que está para trás de nós não passa na medida em que nós incorporamos todas essas experiências do passado. O que sucede é que frequentemente nós somos muito ingratos em relação àqueles que nos antecederam e que construíram este mundo que herdámos. A nossa condição de humanos é sermos herdeiros. Portanto somos feitos de tempo. Pelas nossas veias não circula só o sangue, circula também o tempo. A nossa matéria é o tempo e nessa medida se queremos sinais de orientação em relação ao futuro temos que nos apoderar do passado”.

mais inovadoras relacionadas com o mar, seja através de ondas ou marés. Simultaneamente, o Algarve tem ainda um longo caminho a percorrer em matéria de eficiência energética e conservação de ener-

João Mil-Homens Gestor de Ciência e Tecnologia no CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da UAlg

Chegada a Primavera, as primeiras andorinhas trouxeram boas notícias à Universidade do Algarve. A aprovação de quatro novos projectos europeus, nos quais a Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia (CRIA) participará, 1integrando parcerias que englobam mais de 25 entidades provenientes de oito países da bacia do Mediterrâneo. Quatro novos projectos, um tema em comum - a energia: o Projecto ECOFUNDING visa facilitar o acesso a financiamento para empresas inovadoras ligadas ao sector do ambiente e da energia; o Projecto WIDER pretende fomentar a inovação na eco-contrução apoiando financeiramente PMEs com tecnologias energéticas inovadoras; o Projecto SMARTINMED promove a cooperação entre empresas e investigadores ligados à área das energias renováveis; e por fim, o projecto ENERGEIA, que visa apoiar o desenvolvimento de novas

Direcção: GORDA Associação Sócio-Cultural

d.r.

que não têm sido eficazmente aproveitadas. É sobejamente conhecido o potencial da região em matéria de energias renováveis, quer falemos das já tradicionais energias solar e eólica, quer se fale de formas

gia, sendo necessário proceder a uma profunda alteração dos nossos comportamentos individuais de forma a reduzir os consumos através de melhoramentos em termos de eficiência energética.

Esperamos que até 2014, através destes novos projectos, consigamos estimular toda a cadeia de valor ligada ao sector da energia na Região do Algarve. Sabemos desde já que serão criadas formas de estimular projectos de investigação nesta área a materializarem-se como ideias de negócio. Iremos criar formas de identificar novas tecnologias e encontraremos formas de estimular novos empreendedores de forma a integrá-los nesta vasta rede europeia. Iremos apoiar financeiramente algumas PMEs existentes com tecnologia passível de ser aplicada no sector da construção. Procuraremos apoiar todas as empresas no processo de captação de financiamento para alavancar novos negócios. E fundamentalmente, iremos estimular o debate e o intercâmbio de experiências entre os diversos agentes da Região, públicos e privados, ligados ao sector da energia. Ainda assim, é importante realçar que estes projectos são apenas os ninhos, de onde poderão nascer novas vidas. É fundamental que a comunidade empresarial e a comunidade científica se juntem no esforço de levar estes projectos a bom porto. A recompensa valerá certamente a pena: estimulo à economia, incentivo à investigação e à inovação, mais eficiência e menor dependência energética. As andorinhas agradecem….

Uma ideia Paulo Côrte-Real Docente

Haverá algo mais poderoso que uma ideia? As ideias encerram em si a força e a criatividade da concretização do mundo. O ritmo de vida atual leva-nos, vezes sem conta, a esquecer a grandiosidade das ideias. De um simples esboço, a uma obra pictórica ou

a um objeto arquitetónico, a ideia é o que lhe dá origem. O abstrato dá lugar ao concreto. Pensando na nossa vida quotidiana, estamos de acordo que, objetos nela materializados dependem da qualidade, criatividade e força das ideias. Então que se apoie e cultive o surgimento de novas ideias, onde os jovens, graças à sua abertura, disponibilidade a novas experiências e a vontade de apropriação do mundo, são os verdadeiros embaixadores do empreendedorismo. Consubstanciadas pela Educação - um dos pilares das nações que almejam a prosperidade e o desenvol-

Editor: Ricardo Claro Paginação: Postal do Algarve Responsáveis pelas secções: • Contos da Ria Formosa: Pedro Jubilot • Espaço ALFA: Raúl Grade Coelho • Espaço AGECAL: Jorge Queiroz • Espaço CRIA: Hugo Barros • Espaço Educação: Direcção Regional de Educação do Algarve • Espaço Cultura: Direcção Regional de Cultura do Algarve • Grande ecrã: Cineclube de Faro Cineclube de Tavira • Juventude, artes e ideias: Jady Batista • Da minha biblioteca: Adriana Nogueira • Momento: Vítor Correia • Panorâmica: Ricardo Claro • Património: Isabel Soares • Sala de leitura: Paulo Pires Colaboradores desta edição: João Mil-Homens Marta Santos Mauro Rodrigues Paulo Côrte-Real Paulo Serra Sara Navarro Parceiros: Direcção Regional de Cultura do Algarve, Direcção Regional de Educação do Algarve, Postal do Algarve

Juventude, artes e ideias

d.r.

Ricardo Claro

empresas que despontem de projectos de investigação científicos relacionados com a energia. A área da energia representa para o Algarve um vasto manancial de oportunidades

Ficha Técnica:

vimento sustentável, as artes, ao mesmo tempo que abrem novos horizontes e apontam

novos caminhos, conferem beleza ao mundo. Como parte integrante da cultura, são um rico e importante fator de desenvolvimento imaterial. Embora ultimamente se venha a assistir a tentativas, falsamente legitimidadas, de destruição das artes e da cultura (direi mesmo da própria identidade nacional), importa lembrar que essa será uma tentativa vã, já que as artes e a cultura têm como génese uma IDEIA. As ideias não se destroem. Os homens e as mulheres podem morrer mas as suas ideias ficam e disseminam-se como a brisa de um novo dia. Imagina-se um mundo sem beleza?

e-mail redacção: geralcultura.sul@gmail.com e-mail publicidade: anabelagoncalves3@gmail.com

on-line em: www.issuu.com/postaldoalgarve

Tiragem: 8.907 exemplares


Cultura.Sul

14.06.2013

 3

Grande ecrã

Mostras de cinema ao ar livre estão de regresso a Tavira A grande notícia deste mês é que neste Verão estarão de volta as mostras de cinema ao ar livre! Foi uma luta exaustiva e dura, mas deu frutos. Estamos a trabalhar quase a tempo inteiro para poder oferecer-lhes um programa que ficará gravado nas vossas memórias. Mantenham-se atentos! Até lá, mais um mês de cinema de qualidade no Cineclube de Tavira. Para quem não o viu ainda (e não só!), não percam um dos melhores filmes da história do cinema nacional: JOSÉ E PILAR, que iremos exibir pela terceira vez na terça-feira, 18 de Junho, data do terceiro aniversário do falecimento de José Saramago. A ideia é que todos os cineclubes do país o exibam no mesmo dia, Tavira foi o primeiro a responder à iniciativa. Repetimos: a maneira mais simples, mais agradável, mais enriquecedora e menos dispendiosa de ajudarem o Cineclube de Tavira (no passado dia 8 de Abril a nossa associação fez 14 anos) é apenas uma: desfrutem das nossas sessões de cinema de qualidade. O valor do nosso bilhete de entrada é e continua baixo: quatro euros para o público em geral e apenas dois para os sócios e para qualquer portador do cartão de estudante ou de sócio de Inatel. Até muito em breve! Cineclube de Tavira

d.r.

Cineclube de Tavira

Programação: www.cineclubetavira.com 281 971 546 | 965 209 198 | 934 485 440 cinetavira@gmail.com SESSÕES REGULARES | Cine-Teatro António Pinheiro | 21.30h 18 JUN | JOSÉ E PILAR, MIGUEL GONÇALVES MENDES, Portugal 2010 (125’) M/6

20 JUN | LAURENCE ANYWAYS

(LAURENCE PARA SEMPRE), Xavier Dolan, Canadá/França 2012 (168’) M/12 27 JUN | ZERO DARK THIRTY (00:30 A HORA NEGRA), Kathryn Bigelow, E.U.A. 2012 (157’) M/16 28 JUN | VILLA-LOBOS: UMA VIDA DE PAIXÃO, Zelito Viana, Brasil 2000 (130’) M/12

As mostras de cinema ao ar livre regressam à agenda cultural da cidade de Tavira e do respectivo cineclube, uma vitória para a Cultura e para o Cinema

Espaço AGECAL

O “novo tempo” nas artes e ofícios artesanais

Marta Santos

Arquitecta Membro da direcção AGECAL

Agendar

Falemos de tempos. Tempos de escassez, do “aproveitar o que está à mão”, de mobilidade, de transmissão de conhecimentos pela via do gesto e da oralidade, do desfazer e fazer de novo, do aprendendo fazendo e operando. Procurava-se tirar o melhor partido das matérias que o território coloca-

va à disposição, ou que dele podiam ser obtidos, por força da constante necessidade de adaptação ao meio, e onde “a necessidade faz o engenho”, as transformava com recurso a técnicas essencialmente manuais. Os ritmos de trabalho, descanso e celebração estavam pautados pelas tarefas laborais, numa experiência comunitária interdependente do lugar e cujas manifestações seriam ritualizadas pelas relações e afectos de parentesco, laboral e vizinhança. Na alteração destes “mundos” laborais, ocorreram profundas transformações. Reconfiguraram-se os usos. O “tempo das coisas” modificou...… Industrializou-se, criam-se outras oportunidades, implementa-se o sistema de ensino formal, reflectem-se

identidades e novas questões sobre o património. Assiste-se ao esbatimento entre rural e urbano, integram-se eventuais substitutos das economias tradicionais, integrando processos turísticos, de mercantilização, de mobilidade, e onde a paisagem rural sem ruralidade ganha o lugar de “paraíso perdido”, de retorno aos “costumes” num cenário imaginado alternativo ao quotidiano urbano. Nestas reconfigurações, eventualmente algumas práticas, contextos e celebrações artesanais mantêm-se e continuam a fazer sentido nestes “produtores”, partilhando a necessidade do colectivo e das práticas quotidianas, e outras que se alteram para a construção de um “novo” ou apenas “renovado” significado.

“JOHN PIZZARELLI” 29 JUN | 21.30 | TEMPO - Teatro Municipal de Portimão Considerado um dos revivalistas do Great American Songbook, o músico americano tem mais de 40 álbuns editados, sendo o mais recente, “Double Exposure”, de 2012

A necessidade de artes e ofícios artesanais no século XXI Já conseguimos viver em temperaturas constantes de 22ºC… A casa, o carro, o escritório, as idas ao supermercado. Não necessitamos, para exercer a maioria das nossas tarefas do nosso quotidiano, de agasalhos de quem necessitava para exercer o seu ofício no exterior. Deles dependia, para o seu conforto e em certa medida sobrevivência, de um agasalho quente, resistente, impermeável, duradouro. Já não temos necessidade de sermos criteriosos na selecção das matérias vegetais que constituem a cestaria, adequadas ao uso a que se destinavam - a cana para a cesta de derregar a cal, o esparto para a esteira de empreita de secar os figos, o vime para as canastras de peixe.

Alterámos a necessidade. Criámos novos sentidos. Procuramos outras respostas para os objectos. Estas “antigas - novas” artes procuram hoje novos consumidores, encontrando frequentemente nas comunidades externas a aceitação de um repositório de “práticas populares” e de “lugar”. Modificaram-se as motivações de consumo, mas valorizamos a arte e o ofício artesanal, num resgate de memória, quase que num registo etnográfico de um contexto, procuramos um sentido ecológico, procuramos histórias naquele objecto. O seu currículo vitae, onde nasceu, em que condições foi fabricado e sua história de vida. O seu contexto familiar. E queremos transportar este “micro-cosmo” do objecto para o nosso lar. Transportamos com ele os seus valores de contexto, de família, de modo de fabrico. E damos-lhe valor. Ganha outro sentido. O nosso sentido. Encorpamos agora novos ou “renovados” significados, num processo de reformulação e de reinvenção, transportando novas significações da sua identidade.

“SONHOS” Até 21 JUN | Galeria de Arte da Associação Social e Cultural de Almancil (ASCA) Exposição de escultura de Aldamir Filho. Desejoso de trabalhar na criação a três dimensões, aproveita materiais reciclados diversos, como o ferro, a madeira, a pedra, o alumínio e outros


4

14.06.2013

Cultura.Sul

Aqui há espectáculo

É tempo de Med em Loulé

15 JUN | Luís de Matos, “Chaos” (magia), 21.30 horas, duração 1h30, preço: 10 € e 15 € 22 JUN | Escola da Companhia de Dança do Algarve, 21.30 horas, duração 2h, preço: 10 €

nal da música. Exemplos disso mesmo são as actuações da angolana Aline Frazão e de Tulipa Ruiz, uma das grandes promessas da música brasileira. No dia 29 é a vez da catalã Silvia Perez Cruz, estreia em território nacional de uma das artistas mais acarinhadas pelo público e pela crítica espanhola. Também o contingente nacional do Med 2013 é de alto nível e, como é habitual, promove alguns dos mais interessantes projectos recentes

Destaque

O Festival Med vai atrair, nos próximos dias 28 e 29, milhares de pessoas em busca da melhor música, artesanato e gastronomia, vindo um pouco de todo o mundo. O evento, uma organização da Câmara de Loulé e que assinala este ano a sua décima edição, tem na música o prato principal e estão prometidas emoções fortes com um luxuoso programa de actuações. Desde logo atenções centradas num dos fenómenos de popularidade na cena reggae

Teatro Municipal de Faro Programação: www.teatromunicipaldefaro.pt

15 JUN | Luís de Matos, “Chaos” (magia), 21.30 horas, duração 1h30, preço: 10 € e 15 € Da mesma forma que o bater de asas de uma borboleta em Tóquio pode provocar um furacão em Nova Iorque, também a presença de cada espectador se reflecte em cada representação de Luís de Matos. Uma jornada inesquecível, plena de interação e mistério, repleta de feitos inexplicáveis que perduram na memória de cada espectador que os vive.

Os noventa minutos de espectáculo são uma combinação única da imaginação colectiva de todos que nele participam. “Luís de Matos - CHAOS” é uma experiência mágica sem precedentes, uma colecção de mistérios tornados realidade em cada representação, constituindo uma viagem mágica pessoal, intransmissível e memorável. Ilusão ou realidade? A escolha é sua…

Cine-Teatro Louletano Programação: http://cineteatro.cm-loule.pt

d.r.

Destaque

15 JUN | Al-Buhera canta Amália, Alain Oulman e Ricardo Valério, 21.30 horas, preço: 6 € 6 JUL | LX Comedy Club, (stand-up comedy), 21.30 horas, preço: 10 €

6 JUL | LX Comedy Club, (stand-up comedy), 21.30 horas, preço: 10 € Luís Franco-Bastos, Ricardo Vilão, Rui Sinel de Cordes e Salvador Martinha percorrem o país em registo de comedy club. Depois de várias sessões esgotadas em várias cidades o tour VOLTA EM 2013.

Nova temporada, novos textos, a mesma irreverência. A regra é que não há regras. Só piadas.

AMO - Auditório Municipal de Olhão Programação: www.cm-olhao.pt/auditorio

internacional, o jamaicano Anthony B, que sobe ao palco no segundo dia do evento. Também para sábado está marcado o regresso a Portugal, após vários anos de ausência, de uma das bandas mais míticas das últimas duas décadas na Europa, os sempre vanguardistas Hedningarna, da Suécia. Divas encantam Loulé Outro ponto alto passa por uma das mais aguardadas estreias no festival louletano, onde dia 28, Oumou Sangaré sobe ao palco. A cantora do Mali é uma diva da música africana, vencedora de um grammy, mas também reconhecida por ser uma activista cívica pelos direitos das mulheres e embaixadora da Boa-Vontade da ONU. O programa do MED 2013 faz uma aposta clara numa nova geração de cantautoras no feminino que está a impressionar o mercado internacio-

da música portuguesa. No primeiro dia de festival, sobem ao palco os Dead Combo, Miguel Araújo e Samuel Úria, bem como Elisa Rodrigues, uma das mais vibrantes vozes do jazz nacional. Dia 29 há lugar ao fado, com Cuca Roseta, mas não só. A contagiante e contemporânea celebração popular que representam as actuações dos Kumpania Algazarra ou dos Dona Gi também prometem animação. Mais intimista será decerto a actuação de Sofia Vitória, num projecto de homenagem a Chico Buarque. Por fim, para os mais resistentes, as duas noites do MED 2013 terminam com apelos à dança vindos dos pratos de HugoMendez “Sofrito”, badalado dj londrino na primeira noite, e de Batida Dj Set no sábado. Os bilhetes diários custam 12 euros e podem ser adquiridos nos dias do evento no próprio local.

22 JUN | António Zambujo - a solo (música), 21.30 horas, duração: 1h30, preço: 15 € António Zambujo vem ao AMO apresentar o seu mais recente álbum “Quinto”. Disco que entrou directamente para o segundo lugar do top nacional de vendas, depois de ter liderado o top iTunes. Do Alentejo para o mundo, a obra de António Zambujo foi elogiada nos quatro

cantos do globo, louvada, por exemplo, no Brasil ou nos Estados Unidos. A viagem de “Quinto” pelos palcos já começou e está prevista mais uma noite bem passada com um artista que tem esgotado salas de espectáculos em todo o país.

TEMPO - Teatro Municipal de Portimão Programação: www.teatromunicipaldeportimao.pt Até 13 JUL | Sérgio Godinho e as 40 Ilustrações (exposição), de terça a sábado, das 10 às 19 horas, entrada livre 19 JUN | Um espaço chamado Teatro, 19 horas, duração: 1h30, preço: 3 € 21 JUN | Cinemas às 6.ªS – “Elena”, de Andrey Zvyagintsev, 21.30 horas, duração:1h50, preço: 3 € 27 JUN | Um espaço chamado Teatro, 19 horas, duração: 1h30, preço: 3 € 28 JUN | Cinemas às 6.ªS – “O Polícia”, de Navad Lapid, 21.30 horas, duração:1h50, preço: 3 € 29 JUN | John Pizzarelli (música), 21.30 horas, duração: 1h30, preço: 12 e 14 €

Destaque

Oumou Sangaré, a grande diva do Mali e de África

Destaque

15 JUN | A Fantasia do Circo, Circo Cardinali, 16 horas, duração: 1h15, preço: 6 € 22 JUN | António Zambujo - a solo (música), 21.30 horas, duração: 1h30, preço: 15 €

29 JUN | John Pizzarelli (música), 21.30 horas, duração: 1h30, preço: 12 e 14 € John Pizzarelli estreia-se em 2013 em Portugal com três concertos. Depois de ir a Castelo Branco e Lisboa, no dia 29 de Junho passa pelo TEMPO. O mote para estes espectáculos é a apresentação aos portugueses do seu cool jazz tocado à guitarra.

Conhecido por interpretar baladas clássicas, Pizzarelli tem nas suas influências nomes como Nat King Cole ou Frank Sinatra. Considerado um dos revivalistas do Great American Songbook, o músico americano tem mais de 40 álbuns editados, sendo o mais recente, “Double Exposure”, de 2012.


Cultura.Sul

14.06.2013

 5

Senhora do Forte, uma aldeia algarvia feita da força do imaginário

fotos: d.r.

Agendar

Logo depois de acordar fiz-me à calçada irregular das ruas estreitas a seguir o cheiro a maresia como quem procura a certeza de que na orla do grande oceano a vista ganha horizonte aberto e prolongado. O mar tem destas coisas, garante vistas largas, sem obstáculos e era exactamente isso que procurava para esta manhã na Senhora do Forte. A brisa salgada podia ser a única indicação do destino que procuro, mas aqui o silêncio ambiente tem o condão de garantir que também pelo ouvido se pode buscar o caminho do mar. O ribombar das ondas que se espraiam junto às arribas num ritmado lamber das areias brancas confirmava o caminho e rapidamente desemboquei junto ao farol. Sentei-me no primeiro café que encontrei para beber o expresso da manhã e afastar do corpo a sensação do peso do sono ainda há pouco abandonado. Paguei e fiz-me de novo ao piso de calcário cinza recortado em rectângulos e dum pulo, deste para aquele lado da rua, pude ver o Atlântico em todo o esplendor. O Miradouro do Farol no topo da arriba permite um olhar altaneiro sobre o azul imenso. A ponta de terra, onde em tempos idos se construiu o guia dos navegantes, rasga o mar e põe-nos, como que por magia, na posição estranha de quem de dentro do oceano pode ver a aldeia algarvia pontilhada a branco pelo casario encosta acima. Há décadas que o velho torreão de ferro forjado se não cansa de, com a sua luz rodopiante, avisar os homens do mar que ali a terra se intromete pelos domínios de Neptuno. Noite, após noite, o feixe de luz rasga o negro do firmamento e mantém afastado e em segurança quem quer passar ao largo da Senhora do Forte e indica o azimute para os filhos da terra se fazerem à rebentação para regressarem ao porto da aldeia sãos e salvos depois de mais uma faina. Daqui vejo o porto e a ponte que fazem o caminho da beira-mar até à orla do casario. Os frutos do mar fazem este percurso a cada dia carregados pelas mulheres dos pescadores com a habilidade e a destreza de quem o faz consciente de que carrega o sustento da prole. Hoje estão estranhamente desertos. Porto e ponte abandonados, redes e parafernália jazem na rampa do porto

A brincar te encontrei. E de noiva estás vestida! Será que eu agora achei A mulher da minha vida?! Há lá melhor maneira de fazer um ‘arranjinho’ que perante toda uma aldeia. A mim contam-me que o jogo já fez cair de amores os rapazolas mais afoitos nestas coisas das paixões com a mesma força com que retirou das masmorras da solidão alguns dos moços mais envergonhados da Senhora do Forte. Uma visita imperdível

A Aldeia da Senhora do Forte foi construída por Pedro Reis e doada ao Museu de Lagos semeada de barcos. Recolhidas dentro dos molhes as embarcações não mostram sinais de azáfama e balouçam estranhamente vazias dos homens de pele escura do sol e gretada do salitre que habitualmente as povoam. Agora que reparo neste vazio lembro-me que não me cruzei com ninguém nas ruas... também elas estão estranhamente desertas e para além da senhora que me deu o café, não vi vivalma desde que saí da cama. Estranho abandono este a que a aldeia parece ter sido repentinamente votada e é perdido nestes pensamentos que oiço o explodir dos aplausos

e dos vivas. Levanto o olhar a percorrer a marginal na procura dos responsáveis por tamanho alarido, que é de gente que se trata certamente, pois só o gentio pode encher de palmas o silêncio. O jogo casamenteiro Em torno do Forte da Sapata a mole humana anuncia ajuntamento invulgar numa aldeia de brandos costumes e dum pulo me junto à festa enquanto tento perceber a razão de tamanho burburinho.

A povoação imaginária, em miniatura, comemora 20 anos “EXPOSIÇÃO DE ARTE SACRA CREIO” Até 15 SET | Museu de Portimão Uma mostra que reúne cerca de 50 peças de arte com significativo valor artístico e religioso de diversas paróquias algarvias, abrangendo um período de quinhentos anos

Em três actos me faz esclarecido um filho da terra que me põe a par do Jogo da Rampa. Os aplausos são a recepção devida à primeira noiva que saiu das portas da fortaleza. Trata-se afinal de um género de peddy-paper casamenteiro que se joga apenas uma vez por ano. O momento alto tem início com o rebentar de um morteiro que dá a partida para a subida da rampa do forte por oito rapazes solteiros que têm como desafio encontrar um minúsculo papel que se encontra escondido no terraço do baluarte. Descoberto o papel onde está escrita a senha que lhes vai servir para encontrarem uma rapariga também solteira, rapaz e rapariga entram na fortaleza com uma chave que ela lhe entrega e dentro do forte têm de encontrar uma veste branca de noiva que está guardada num baú, num lugar desconhecido. Encontrada a veste, o rapaz entrega-a à companheira de jogo, sai e espera à porta que ela apareça, já vestida de noiva. Assim que esta se apresenta, é saudada por todos e é-lhes apresentado pelo júri um prémio, que de ano para ano varia, sendo este entregue a ambos. Depois, o rapaz dá-lhe um beijo na face e sela o momento com uma quadra tradicional:

Tudo isto em data agendada desde há tempos imemoriais e com a presença massiva da população, numa festa que atraia à aldeia centenas de visitantes para verem como aqui, por terras algarvias do concelho de Lagos, se dá mote ao amor através de uma brincadeira. Ainda a procissão vai no adro deste dia recheado de acontecimentos em Senhora do Forte, a festa promete ser rija e faz-se de música pela banda local, Lira do Forte, e pelos cantares do grupo coral Brumas do Mar. O teatro sai à rua durante a tarde no jardim do coreto, lateral à igreja, pela mão do grupo cénico Arrebol, a que se segue o folclore que se faz de corridinho com o ritmo a ser imposto pelo rancho Vá de Roda. Antes do cair da noite, tudo visto, ainda tenho tempo, afiançam-me, de subir ao Miradouro de Cima e contemplar os socalcos da aldeia serpenteados de velhas ruas que se hão-de encher de gente como artérias por onde corre a força do imaginário da aldeia em direcção ao mar. Um dia inesquecível este passado na única aldeia algarvia que se pode sempre ver de cima com o olhar fixado na maqueta feita pelas 5.300 horas de trabalho de Pedro Pacheco dos Reis e que se apresenta aos visitantes no Museu Municipal de Lagos. Uma visita imperdível para quem ousar sonhar e deixar-se levar por uma aldeia que do imaginário se faz real e que comemora este mês de Junho o vigésimo aniversário. Basta passar pelo Museu de Lagos e à escala de 1/200 atrever-se a visitar as ruas e as gentes da Senhora do Forte. Ricardo Claro

“DANÇA COM CIGANSKI-KIUCHER” 15 JUN | 21.30 | Centro Cultural de Lagos Grupo apresenta um espectáculo de danças ciganas romanis dos Balcãs e Europa Central, dança cigana russa com xaile, turkish romani (Roman Havasi), fantasia Zíngara...


6

14.06.2013

Cultura.Sul

Letras e Leituras

Visões do real histórico em Lillias Fraser d.r.

Paulo Serra

Investigador da UAlg associado ao CLEPUL

Agendar

Lillias Fraser, romance de Hélia Correia, ganhou o Prémio D. Dinis 2002 e o Prémio do PEN Clube Português 2001. Lillias Fraser é a protagonista deste romance homónimo, uma criança escocesa com o dom excepcional e mágico de prever a morte nas pessoas, pois quando as olha vê-as no momento da sua morte. Este poder vai salvá-la logo nas primeiras páginas do romance, pois assusta-se quando olha o pai e antecipa o seu assassinato. Claro que inicialmente a menina não compreende o que vê e aí há uma confusão ainda da personagem, por desconhecimento dos seus próprios dons, que se vão revelando e fortalecendo ao longo da narrativa, e depois multiplicam-se. As visões de Lillias abrem a percepção do leitor para um tempo em que os véus são demasiado finos, permitindo “pre-ver” o futuro da mesma forma que o mundo do invisível se sobrepõe por vezes ao mundo do sensível: «Acabaria por acostumar-se e quando, anos depois, em Portugal, viu abater-se uma cidade inteira, levantou-se em silêncio do enxergão, fechou a trouxa e foi dormir para o jardim, sem avisar ninguém daquilo que iria passar-se mais à frente, de manhã. Pensou que, se falasse, criaria um estado tal de confusão que os acidentes começariam a acontecer antes de o terramoto os provocar.» (p.8). Lillias Fraser escapa à batalha de Culloden e é por ver e seguir o fantasma da sua mãe, julgando-a viva, até ao castelo de Moy Hall, um sítio seguro, que a jovem permanece viva para nos contar a sua história. É o fantástico que conduz e salva Lillias ao longo da narrativa. É novamente graças ao seu dom, com o qual aprendeu a conviver, que se volta a salvar no fatídico ano de 1755. Lillias tem um brilho que atrai os homens e intimida as pessoas. A sua singularidade é perceptível físicamente: «Tem os olhos doirados (...) Sinal de que houve bruxas na família.» (p. 43). Tem um brilho de sobrenaturalidade e mistério que irradia em seu redor

por onde passa. Chega a ser motivo de mitos e rumores. Essa luz protege-a inclusive de feras como os lobos, mantendo-os à distância (p. 89). O verbo ver predomina no romance, bem como a palavra visão ou olhos, por onde se apreende o real circundante mesmo quando Lillias duplica a sua visão, vendo este mundo e o outro que há-de vir. O dourado é a cor que reveste e irradia Lillias Fraser, o que reforça assim a sua graça enquanto receptáculo de um dom divino e não do Diabo, como a igreja advogava na época, tal como quando decidiu queimar parteiras e curandeiras acusando-as de bruxas, de forma a deter o poder de curar e

ajudar o povo. Silenciada aquando do episódio da batalha de Culloden por uma mulher, a criança parece gravar esse comportamento para o resto da sua vida: «Fica calada, ouviste? Nunca fales. Não digas nada.» (p. 39). Lillias, no seu mutismo silencioso, em que muito pouco fala durante todo o romance, parece assim um símbolo da condição da mulher e da sua passagem silenciosa pela História. As máscaras de Lilias Fraser Lillias Fraser vai vestindo máscaras e nomes ao longo do romance, como estratégia de sobrevivência, numa retórica de caranavalização. Temos inclusive um momento de travestismo, quando Lillias se faz passar por um homem, acompanhando Cilícia, a mulher maternal que a acolhe e protege, como se ela fosse um talismã: «Para que Lillias a acompanhasse, Cilícia fez-lhe um fato de rapaz e cortou-lhe o cabelo pelos ombros. “Pas-

“DIÁLOGOS LIDOS” 22 JUN | 21.30 | Café-Bar Atabai - Barão de São João (Lagos) Serão cultural proporcionado por um grupo de amantes da escrita, antecedido, às 19 horas, pela abertura da II Exposição de Escultura e Pintura, no Largo da Igreja

sas por filho meu. Não abras boca.”» (p. 231). A estrutura deste romance divide-se em três partes, que correspondem a cenários e tempos distintos: Escócia em 1746, Portugal em 1751 e em 1762, terminando num lugar incerto/utópico. Há um arco temporal de dezasseis anos em Lillias Fraser, livro-personagem que surgiu à autora no seguimento de um episódio biográfico narrado no livro, quando visita Culloden, cenário com que se inicia a história. O narrador confunde-se assim com o autor, e fala-nos sobre um passado histórico a partir do presente, recriando ou reconstituindo o passado numa narrativa que se assume como uma efabulação, onde decorrem ainda incursões do mágico. A voz do/a próprio/a narrador/a ocorre em diversos momentos: «Estive no campo de batalha de Culloden em 1999, a meio de Abril, um dia após as comemorações» (p. 13). Estas intrusões do narrador servem não só para nos despertar da ilusão de estarmos mergulhados numa história que ocorre noutro tempo como para nos tornar conscientes de que toda a História, tal como toda a ficção literária, é uma leitura a partir da perspectiva ou da

moldura do real do presente, em que o leitor se insere. O narrador situa o leitor claramente num contexto pós-moderno, assentando-nos bem os pés na terra mesmo no início do romance, ao falar-nos da sua presença na cafetaria e no museu do memorial histórico, bem como quando refere a existência do site na Internet sobre Culloden (p. 17). Mas, da mesma forma que o historiador não pode visitar o passado para saber, em primeira mão, como este aconteceu, o narrador também não detém todas as peças do puzzle que ele próprio narra. O narrador enquanto instância tipicamente omnisciente chega mesmo a brincar com as suas próprias limitações, numa constante atestação de ignorância: «Se alguém ouviu gemer os soterrados e se benzeu ao despejar os caldeirões, isso não sei.» (p. 139). E se por várias vezes relacionámos o dom sobrenatural de Lillias com o de Blimunda, que em Memorial do Convento era capaz de ver o interior das pessoas em jejum, Lillias ao chegar a terras portuguesas encontrar-se-á efectivamente com Blimunda, criando-se assim um inovador e aprazível jogo de ficções. A descrição que é feita de Blimunda reforça a sua aura de sobrenaturalidade, enquanto aparição que emana de um outro mundo/livro: «A mulher riu. Tinha um tão claro riso que Lillias julgou, por um momento, achar-se rodeada de crianças. No entanto, apesar do seu cabelo, ainda muito escuro, e do seu rosto, liso e moreno, onde brilhava a sugestão de emulsões orientais, vinha dela uma esplêndida velhice. Atravessara o tempo e convencera-o a separar-se dela para sempre. (p. 280). Lillias Fraser, por seu lado, fará também uma aparição especial no romance As Luzes de Leonor (2011), de Maria Teresa Horta. Neste último romance, o nome da personagem é Lilias Fraser, com um l, e parece ter surgido devido a um comentário casual de Hélia Correia com Maria Teresa Horta, quando se aperceberam que o tempo de ambas as narrativas era coincidente. Esta situação é extremamente curiosa e desmistifica um pouco o processo da escrita em que tudo tem de ter um significado oculto. Aparentemente, Hélia Correia terá pedido à poetisa e escritora Maria Teresa Horta para ser madrinha deste livro, As luzes de Leonor, e em resposta Maria Teresa Horta pediu-lhe Lillias Fraser de empréstimo.

“OS PESCADORES” TEMPORÁRIA | Museu de Olhão Exposição de fotografias de Luísa Soares Teixeira, acompanhada de textos de Raul Brandão, mostra duas narrativas sobre a cidade cubista, uma fotografada na actualidade e outra publicada em 1922


Cultura.Sul

14.06.2013

 7

Momento

Dream on Foto de Vítor Correia

Espaço ALFA

Precisão no tempo e espaço na Natureza

Mauro Rodrigues Secretário da ALFA

Agendar

Quando olhamos para a Natureza, parece-nos tudo um bocado desorganizado, mas na verdade ela tem por debaixo da sua pele uma arquitectura tão precisa que por vezes até assusta quando começamos a pensar verdadeiramente sobre ela. Mesmo que o Homem plante as suas estruturas na paisagem, ela modifica-se e adapta-se criando equilíbrio, para sustentar um sistema. Este equilíbrio é formado por padrões que se repetem ao longo do tempo, 365 dias por ano, uma vez que o planeta Terra roda em função da proximidade da Lua e do Sol. Com tanta precisão no espaço e no tempo, basta

aos fotógrafos aproveitar estes padrões que se repetem de ano para ano para capturar os seus melhores momentos que podem ser antecipados com uma precisão quase diária e nos mesmos sítios do costume. Não quer dizer que possa carregar a mochila com as suas lentes favoritas e partir para a aventura do desconhecido encontrando aleatoriamente beleza em sítios improváveis, o que será certamente recompensador, mas também pode ser uma perda de tempo a longo prazo e nos tempos que correm, tempo é dinheiro. Já na parte da composição da fotografia de Natureza, tentem sempre preenchê-la com elementos interessantes, obriguem o olhar a descobrir tudo o que vos apaixonou naquele local que visitaram, percam tempo com os seus padrões, texturas, cores e linhas. Em termos de equipamento prefiram objectivas grandes angulares, macro e teleobjectivas de grande alcance. Consultem a Meteorologia dias antes, utilizem igualmente um referenciador GPS para cataloga-

d.r.

rem locais, adquiram galochas e protecções para a câmara e não se esqueçam dos filtros, tripé e

“A FANTASIA DO CIRCO” 15 JUN | 16.00 | Auditório Municipal de Olhão Espectáculo conta com a participação de grandes artista nacionais e internacionais que farão a delícia dos mais pequenos, como só o circo consegue fazer!

flash para compensar as sombras quando necessário. Agora, façam favor de ser curiosos, investiguem

os padrões da Natureza e planeiem as vossas fotografias com antecipação.

“MÚSICA NAS IGREJAS” 15 JUN | 18.00 | Pousada do Convento da Graça - Tavira Concerto de fado por Inês Graça. A artista tem viajado com frequência até ao Luxemburgo, Alemanha e Bélgica, onde tem realizado diversos espectáculos junto das comunidades portuguesas


8

14.06.2013

Cultura.Sul

Contos de Primavera na Ria Formosa

Sábado e depois Domingo

Pedro Jubilot

pjubilot@hotmail.com canalsonora.blogs.sapo.pt

Sábado na cidade Cheguei ontem já muito tarde no dia que já tinha descido rumo a outro sul. Estava cansado. E não aguentei mais que dois ou três poemas de ‘Observação do Verão’ de Gastão Cruz. E logo as pálpebras começaram a ceder nos últimos versos de Anoitecer em Buenos Aires «(…) ainda inexistente no tempo de uma vida/vivendo no espaço que não teve o seu tempo,/e tarde volta do tempo onde não esteve.» Belo lugar para embrulhar o sono neste outro lugar adormecido (a ‘veneza de tédios’ de Álvaro de Campos) bem longe dessa morada de Borges, tão distante como se situasse noutro mundo. E na verdade é lá que fica…

que quero ter menos coisas. Cada vez menos quero ser mais coisas. Neste mundo sem idade podemos perder-nos e contradizer-nos, que ninguém quer saber.

palavras assim tão inesperadamente ditas, mais sábias que estas, não poderia esperar. Que um dia bom será sempre o que se pode desejar a um qualquer homem.

A quadrícula da janela que dá para o quintal da vizinha mostra-me um jacarandá livrando-se das suas violáceas flores em campânula, lançadas displicentemente em voo planado rumo ao chão, tornando-o peganhento. Assim impregnando estes os últimos dias primaveris do seu aroma doce e melado.

Passo sob as arcadas observando os títulos dos jornais sobre a banca, onde um roufenho transístor a pilhas compete em ruído com o discurso sempre igual dos homens que discutem o sexo dos penáltis da última jornada. Curvando aí à esquerda, quase à esquina, entro agora na pequena loja que estranhamente subsiste para cá do tempo, bastando abrir as portas para se afirmar contra todos os que a acham inconsequente, nesta era que passa voraz no caminho da evolução. (Sim!?… mas que evolução? Para que novo tempo vai?).

Mas saio de casa, na tentativa de descobrir novos sons e diferentes tonalidades de luz. Nada como aproveitar a manhã bem cedo quando os sentidos estão mais despertos e o bur-

intelectual do século XX não o teria desejado para si. Esta tarde de sábado derrama a sua prostração sobre as ruas duma cidade já de si presa numa imobilidade remota. Mas essa falta de solicitações impele o transeunte para um ser que é remetido à busca do tempo perdido. Que é sempre infligido à memória, mesmo de quem se viu feliz numa era de um dia de um ontem qualquer. Ainda que por toponímias diferentes das dos passos por ora transmudados. Deambular quase que perdido. São os olhos que enquadram os pormenores da paisagem, como se fotografassem. Esse exercício permite descobrir insignificantes objectos como um catavento artesanal, ou um espanta-espíritos, que poucas pessoas

Domingo na praia Aproveitar o dia. Sair na direcção do mar, nessa hora matutina de quase não-nuvens desfilando livres, em que a luz incandescente da orla marítima não tem igual neste lado do paraíso. Destas penínsulas prometidas resta o que não foi tocado pela mão do homem, ou aquilo que ainda consegue por enquanto ficar fora do seu alcance. Como o vai e vem das marés remexendo as areias que formam e disformam línguas, traçando as passagens da corrente. São os encantos naturais o que mesmo assim resta para o olhar. Descer à praia. Desejar por tudo um levante que me expurgue num mar morno e espumoso. Impingir o d.r.

Despertei para a manhã clara ao som de agitadas ‘delichon urbicum’ de asa negra atarefadas nas suas construções. E elas sim, voltam sempre nesta estação. Já eu, verdadeiro ‘pássaro urbano’, há muito que não migrava até estas paragens de sul, envolto nas minhas desconstruções…. Ao sair de casa encontrei mesmo uma andorinha morta sobre o passeio. Mas por nenhuma destas ou de outra qualquer razão se acabará a primavera deste fim-de-semana. Durante algumas horas estarei aqui retido num dolente terraço, observando à volta o casario de telhados de tesoura, recortado sobre um rio que quase ninguém por aqui sabe porque tem dois nomes, ou onde um acaba para o outro começar. Fico remendando versos que também tu alinharias, se estivesses como eu, nem que por um dia, num lugar como este. Espreito a rua através das frestas da reixa das portas típicas da cidade. As pessoas que passam numa terna lentidão vão, entre parcas palavras, respirando desse ar impregnado de salmoura. Percorrendo o corredor de volta para a cozinha deparo-me com essa coluna de madeira já tão antiga. Paro. Resto-me a observá-la como se nunca tivesse reparado nela antes. Sabendo bem, tão bem, que ainda eu era muito pequeno e já ela existia aqui na casa que herdei dos meus avós. Quantos anos terá? Ou quantos anos terei? O que é a idade… e a antiguidade? Nem somos o que temos, nem temos o que somos. E cada vez sinto mais

burinho do trânsito e das gentes de sábado ainda não se faz sentir. Atravessando a ponte, olho para o lado da barra e pressinto as praias longínquas como o engenheiro de Tavira em ‘A Passagem das Horas’. A brisa surpreende de leste. O rio até parece que secou, não fosse lembrar-me que a lua de cheia que está, trará na tarde de logo uma aguada que subirá as margens e se insinuará aos passeios ribeirinhos, donde será fotografado por diversas vezes. Chego à praça central. Cruzo-me com um homem, não muito idoso, de calcões de cáqui, camisa em padrão florido, de máquina fotográfica pendurada ao pescoço caída sobre o peito. Dirige-me um simples ‘good morning’. E no entanto reconheço que outras duas

Mas existe. Aqui. Assim sem mais explicações. Não se repita um Porquê? Porque é simplesmente. Só porque há coisas que teimam por ser assim simples e indiscretas. Só por existir por si. É uma livraria assim irreconhecível para os de esta época. Dirão que mais parece um cubículo com livros. Mas o que é uma livraria senão um templo abandonado aos que ainda creem/ leem. O que é a literatura senão uma contínua história de emoções desregradas. E agora tenho os dois pés uns dois passos adentro, pisando o já um pouco gasto chão de ladrilho de Stª Catarina. E estático me fico. Pois um homem dorme debruçado sobre um pilha de livros. Quantos sábios anciões terão tido este privilégio de assim levar um tempo de viver e morrer sobre os seus objectos de todos os desejos e suplícios. E que muito bom

reparam no movimento dos dias sobrepostos. Coisas que não existiam antes. Para então passarem a existir. Ao fim da tarde subo à açoteia e oiço o mar de levante. Por vezes a sua brisa envolve a reminiscência dos pomares andaluzes plantados por mouros de antanho. Enrolo um cigarro, e de repente é como se ouvisse uma voz ancestral a cantar ao sol, acompanhada da flauta celestial de Sérgio Mestre e à guitarra marroquina dedilhada por Telmo Palma… Absorvo a emoção num prato de figos frescos. E desta vista de este aqui, o mais inopinado não é a cor, o odor, o som. Mas no que a visão sendo sempre nítida a todos, será simplesmente dissemelhante o que vai no seu discernir ao mirá-la.

calor vigoroso deste sol na pele de corpos que se imunizam. Na duna frente ao mar, recebe-se da maresia um odor a limos no ar. Tiro os óculos mesmo sem conseguir suportar o tremeluzir do sol a pino, para ir mergulhar. Ando nas ondas bebendo pequenos goles de água. Saio para a toalha, cabelos ao vento, molhados. Fumo um cigarro e deitado na areia começo a sonhar as conchas que quero levar. Tudo está enfim calmo numa luz dolente. Como se não houvesse amanhã. Este dia parece não querer sair do lusco-fusco. As águas estão paradas como se a maré não quisesse quebrar esse espelho deitado. Como se a felicidade fosse apenas isto de ficar olhando a tamanha beleza da hora crepuscular, infinitamente…


Cultura.Sul

14.06.2013

Espaço ao Património

 9

Sala de leitura

Biblioterapia? Arte e Arqueologia entre a objetividade e a afetividade

Sara Navarro

Escultora CIEBA / Secção de Investigação e de Estudos em Ciências da Arte e do Património – Francisco de Holanda Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

O diálogo, histórico e permanente, entre artistas e arqueólogos e a, cada vez mais frequente, colaboração de artistas nos projetos de investigação arqueológica leva-me – no âmbito do meu trabalho – a questionar a natureza desta relação, o status do artista para a arqueologia e o interesse dos arqueológos na prática artística. Ao longo da história, é comum depararmo-nos com artistas que se inspiraram na arqueologia ou que encontraram afinidades entre os processos criativos e os processos de trabalho da arqueologia. Nos últimos dez ou quinze anos, tornou-se frequente, especialmente no Reino Unido, encontrar arqueólogos que procuram no trabalho de artistas contemporâneos fontes de informação interpretativa. De carácter interdisciplinar, o meu trabalho procura, através de uma ligação entre a investigação arqueológica e a produção artística, a criação de objetos escultóricos que se aproximem das formas de cerâmica pré-histórica, distinguindo-se destas pela alteração da escala, por uma manipulação original dos esquemas decorativos e pela ruptura com a funcionalidade. Centrada no caráter reflexivo e subjetivo da cultura material, proponho o desenvolvimento de novos métodos, menos científicos e mais estéticos, em que o olhar dos artistas pode ser integrado na metodologia arqueológica, com vista a desenvolver novos modos de ver e registar, de pensar e representar, de comunicar e expor. Esta conexão, entre arte e arqueologia, pode ser um campo muito fértil para a criação de escultura contemporânea. A partir da investigação sobre os possíveis pensamentos, decisões, motivações e ideias existentes por trás de cada objecto e da reprodução dos respectivos processos tecnológicos, poderá a arte contemporânea (re)encontrar novas linguagens plásticas, algumas das quais há muito perdidas. Entre outras coisas, a interface entre arte contemporânea e arqueologia pode gerar novas perspectivas sobre o estatuto do objeto, a partir de um novo olhar sobre a cultura material. Um olhar estético que, ao contrário do tradicional e mais científico olhar

arqueológico, não está subjugado ao projeto de explicar o passado, mas apenas de o interpretar. A negociação entre a objetividade versus afetividade (emoção estética) é talvez aquela que ao mesmo tempo pode separar e unir arte e arqueologia num novo paradigma. As questões de afeto estético e beleza, que estão na base da arte, são frequentemente secundárias à objetividade do processo

rialismo como no idealismo. Não espero que os artistas se tornem arqueólogos, nem que os arqueólogos se tornem artistas, cada disciplina tem a sua própria agenda. Não obstante, defendo que se podem aplicar os conhecimentos específicos de cada uma num trabalho comum, em que as duas disciplinas se justaponham na procura de um espaço e de um diálogo coeso, num contínuo campo de interação d.r.

de escavação, documentação, pesquisa, registo, reconstrução e representação arqueológica. No entanto, é compreensível que os arqueólogos, nas suas autorizadas auto-representações de mundos materiais objectivos, achem atraente a relação entre artista e arqueológo, na medida em que ela permite estabelecer, em simultâneo, uma autoridade crítica e objectiva, característica da arqueologia, e incluir a componente acrítica do afeto, característica da arte, na perpetuação de uma aura no processo arqueológico contemporâneo. Ainda que ciente das diferenças entre as disciplinas, acredito que as propostas culturais da arte contemporânea podem constituir um instrumento valioso para a análise arqueológica, assim como o conhecimento de trabalhos arqueológicos sobre as culturas passadas se tem, ao longo da história, mostrado revelador para a prática artística. Neste sentido, penso que ambas as disciplinas podem recorrer à interpretação e ao pensamento criativo, envolvendo-se em atos de intuição, reconhecendo padrões e relacionando observações e ideias previamente não associadas, incidindo tanto na objetividade como na subjetividade, no mate-

simbiótica entre práticas, numa experiência conjunta que ultrapasse a simples visita recíproca. Tal como acontece com a prática artística contemporânea, a meu ver, é crucial que o trabalho da arqueologia não se limite à análise hermética do passado, mas se envolva também na pluralidade e multivocalidade do pensamento contemporâneo. Há muito que os artistas compreenderam que a transgressão das fronteiras disciplinares e a resistência a categorizações leva a um desenvolvimento disciplinar, visando o crescimento e possibilitando uma ontologia transversal. A interdisciplinaridade leva, geralmente, à criação de pensamento original. Rumo a um novo território intelectual, a prática interdisciplinar implica assumir riscos, criar rupturas, dar saltos, abdicar, quebrar convenções, renunciar à facilidade de continuar dentro do que é expectado e, claro, do que é aceite. Penso que, tal como a arte, a arqueologia e os estudos patrimoniais podem beneficiar ao localizar-se num campo expandido, num contexto mais alargado, que é simultaneamente arqueológico, histórico e artístico.

Paulo Pires

Programador Cultural no Departamento Sociocultural do Município de Silves esteoficiodepoeta@gmail.com

A ideia de associar o livro a uma capacidade terapêutica remonta às antigas civilizações (egípcia, grega e romana), que consideravam as suas bibliotecas espaços dotados de sacralidade, um repositório de textos cuja leitura possibilitaria um alívio das enfermidades – o que revela que a Medicina e a Literatura/Filosofia sempre andaram a par no cuidado com o ser. Na Índia recomendava-se a leitura individual como componente do tratamento médico e, desde o século XIX, nos Estados Unidos a leitura personalizada em hospitais afirmou-se como coadjuvante no processo de recuperação do doente. Bebendo quer na teoria aristotélica sobre a catarse, quer nos contributos de vários autores contemporâneos (Proust, Freud, Husserl, Sartre, Merleau-Ponty, Wolfgang Iser e outros), a partir do século XX surgiu então, formalmente, o conceito de Biblioterapia. Esta abordagem implica o uso de materiais de leitura que nutram a saúde mental, a presença de um profissional que atue como mediador da leitura e um público-alvo que aceite participar num programa de leitura. Podem discernir-se, grosso modo, dois tipos de biblioterapia: a clínica, implementada por profissionais habilitados que lidam com pacientes com patologias psíquicas/comportamentais acentuadas; e a chamada de desenvolvimento ou evolutiva, aplicada por professores, bibliotecários, animadores e outros agentes não clínicos/ informais no sentido de estimular e proporcionar um desenvolvimento (inter)pessoal e uma atualização interna harmoniosos a um público generalista à partida saudável. Falar em leitura com função terapêutica não se coaduna com uma visão restritiva da palavra “terapia” (quando vista apenas numa óptica curativa), mas sim com uma aceção mais abrangente e plural. Aliás, o sentido primário da palavra “terapeuta” é o de aquele que cuida (e previne). E as palavras, como que dotadas de corporeidade, são um dos instrumentos essenciais de modelação, reinvenção e tratamento da psique, pois convencem, emocionam, questionam, influenciam, provocando efeitos múltiplos, irrepetíveis e surpreendentes, como o poeta Eugénio de Andrade tão bem captou: “são como um cristal as palavras, algumas um punhal, um incêndio, outras orvalho apenas”.

A Biblioterapia propõe assim práticas de leitura que proporcionem a interpretação ativa dos textos pelo leitor, moderando as emoções, permitindo livre curso à imaginação e proporcionando a reflexão, seja pela catarse, humor, identificação, projeção, introjeção ou introspeção – componentes que são ativadas no recetor do texto literário pela natureza ímpar da Literatura, feita de fição, função estética, linguagem metafórica, intemporalidade, universalidade, comprometimento e literariedade. A importância do diálogo Daí também a importância central que é conferida na Biblioterapia ao diálogo: a troca de impressões e reflexão crítica em grupo, a posteriori, acerca do que foi lido/ouvido/dramatizado é essencial, podendo essa dinâmica ser verbal e/ou através de gestos, desenhos, expressões faciais, melodias, fotografias ou outra manifestação não-verbal de apreço, indiferença ou rejeição face ao conteúdo apresentado. É justamente a descoberta de significado pelo leitor que faz o texto literário se configurar como um cuidado com o ser, como uma maneira de visar a saúde, pois a criação age como estímulo, afloramento, desvendamento, apelo, diálogo e preenchimento de algo que falta no recetor – no fundo, como uma retoma e reinvenção do leitor. O método biblioterapêutico tem sido largamente utilizado, com resultados muito relevantes, sobretudo no continente americano, em contextos como hospitais, prisões, asilos, lares de acolhimento, centros comunitários, bem como no tratamento de problemas psicológicos em crianças, jovens, adultos, deficientes físicos, doentes crónicos e outros indivíduos com dependências várias. A aplicação da Biblioterapia – ainda pouco visível e consistente em Portugal – pressupõe um estudo e conhecimento prévio aturados e sistemáticos dos públicos-alvo, bem como a adoção de uma prática regular e continuada com os grupos em causa. Requer ainda, por parte dos seus agentes, um domínio sólido, abrangente e atualizado da produção literária disponível no mercado, de modo a identificar/tipificar textos, dotados de potencial estético-semântico, que permitam trabalhar terapeuticamente tópicos/temas diversificados aos níveis lúdico, reflexivo, relaxante, crítico, onírico, metafísico, etc. Mas, antes de tudo, torna-se fundamental que a Biblioterapia se assuma como uma atividade eminentemente interdisciplinar, que deve ser conjugada dinamicamente com áreas como a Educação, Medicina, Enfermagem, Psicologia, Psiquiatria, Biblioteconomia e Literatura, quer ao nível da formação profissional e académica disponível, quer das intervenções operadas em contextos práticos.


10 14.06.2013

Cultura.Sul

Na senda da Cultura

ALFA promove concurso para amantes da fotografia A ALFA – Associação Livre Fotógrafos do Algarve, em parceria com a FNAC, está a lançar um concurso de fotografia aberto a todos quantos queiram participar. Olhar a Vida é o tema e o valor global dos prémios atinge os 1.500 euros. Com o intuito de “promover a criatividade e a divulgação da arte fotográfica”, a ALFA decidiu, assim, criar um concurso de fotografia que se pretende anual e em que a primeira edição termina com a exposição dos trabalhos premiados em Novembro, na FNAC do AlgarveShopping. A entrega dos trabalhos, associada a um simplificado processo de candidatura, abre a 15 de Junho e decorre até 19 de Agosto, data em que se comemora o Dia Mundial da Fotografia. Para participar há um custo de inscrição de dez euros e cada concorrente deve enviar cinco fotografias, das quais devem ser obrigatoriamente autores. Não obstante, os direitos de autor estão salvaguardados e, como tal, os trabalhos apresentados não ficam a pertencer aos organizadores da iniciativa. Assim, os registos fotográficos a enviar devem ser reproduções, ficando as fotos originais em posse do autor, e serão avaliadas por um júri composto por três elementos. As reproduções devem ser enviadas para o endereço de correio electrónico, olharavida2013@gmail.com. Prémios totais no valor de 1.500 euros Para além da natural motivação, e tratando-se de um concurso, há pré-

Pedro Jubilot lança “Postais da Costa Sul” d.r.

Concurso visa promover a criatividade mios para os vencedores, mas não só. O primeiro classificado do concurso vai ter direito a um prémio no valor de 725 euros, composto por um cheque-compra no valor de 150 euros e 500 impressões A4, que podem ser feitas ao longo de um ano. Nos mesmos moldes há ainda prémios para segundo, terceiro, quarto e quinto classificados, cujo valor dos prémios se cifra nos 330 euros, 165 euros, 57,5 euros e 28,75 euros respectivamente. Há ainda um prémio especial

ALFA - Jovem Talento, no valor de 180 euros, para incentivar a participação de jovens entre os 15 e os 25 anos, prémio constituído por um cheque-formação ALFA no valor de 150 euros, um polo personalizado e um calibrador de cor. Os membros do júri podem ainda atribuir menções honrosas aos trabalhos cuja qualidade o justifique. Para mais informações está disponível o endereço electrónico www.alfa.pt. Pedro Ruas / Ricardo Claro

Recentemente lançado e rapidamente esgotado, este foi o destino do primeiro livro de Pedro Jubilot, “Postais da Costa Sul”, que reúne um conjunto de textos escritos entre o Verão de 2011 e o de 2012, entretanto divulgados através das redes sociais para amigos e seguidores e agora eternizados em livro. Pequenos textos ficcionados, escritos em prosa poética, que descrevem paisagens e, sobretudo, vivências na costa sul em pequenos fragmentos que retratam a passagem do tempo junto ao litoral. Editado com o aspecto de um postal, com a horizontalidade característica da paisagem infinita do mar da nossa costa e escrito de forma espontânea, o livro está ainda recheado com fotos de “uma paisagem a que não se pode ficar indiferente”, da autoria do primo do autor, Jorge Jubilot. Apresentação com casa cheia A apresentação do livro decorreu no passado dia 8 de Junho, na Biblioteca Álvaro de Campos, e, perante uma plateia repleta de amigos, coube a Vítor Cardeira fazer as honras de uma obra que faz “renascer a melancolia dos postais”, pela pena de um autor que “tem público, mas a quem faltava um livro”, sublinhou, sem deixar de mencionar que, apesar de se estrear agora, Pedro Jubilot é já “um escritor relativamente conhecido”. Para Vítor Cardeira, o livro “Postais da Costa Sul” chega tarde, mas antevê que deve ser apenas o primeiro

pedro ruas

Pedro Jubilot de outros que Pedro Jubilot pode vir a trazer a público, uma vez que diz saber que o autor “tem muito e bom material que deve ser aproveitado e se encontra engavetado”. Pedro Jubilot, professor e amante de diversas artes, membro da Casa Álvaro de Campos e colaborador do Cultura.Sul, lembrou que a obra agora lançada “não foi pensada para ser um livro”, mas que resultou de um trabalho de pesquisador, “como um caderno de campo onde anotava vivências e paisagens, que publicava quando chegava a casa”, referiu. No final da apresentação houve espaço para a leitura performativa de alguns “fragmentos” por parte de Manuel Santos e Luísa Teixeira, que deliciaram os presentes. Pedro Ruas / Ricardo Claro

Festival Sérgio Mestre agita Tavira A primeira edição do Festival Sérgio Mestre superou as expectativas e juntou miúdos e graúdos, amigos e familiares do homenageado, tavirenses e turistas, num dia em cheio, repleto de música e actividades culturais para todos os gostos, num certame com uma dimensão artística como há muito não se via na cidade. A organização, a cargo da Associação Rock da Baixa Mar, com o apoio da Câmara de Tavira e de dezenas de voluntários, ofereceu a todos quantos se deslocaram à parte velha da cidade, no passado domingo, o que de melhor se faz na cultura nacional, aglomerando um conjunto de eventos multi-culturais que culminaram com muita e boa música no renascido Parque Municipal. A festa começou logo cedo e num evento dedicado aos mais pequenos, pais e filhos tiveram no interior do Castelo uma oportunidade para

descobrir sons, músicas e sensações ritmadas que fizeram as delícias dos petizes e respectivos ‘papás’, babados como não podia deixar de ser. À tarde o cruzamento de artes manteve-se e, antes mesmo das mais aguardadas vozes subirem aos diferentes palcos do festival, houve lugar para cinema documental, demonstração culinária e oficina de danças tradicionais. No final da tarde, o burburinho nas ruas de calçada vila-a-dentro aumentava e as vozes dos fadistas da terra atraíam cada vez mais espectadores e curiosos. Em frente ao Palácio da Galeria, Márcio Gonçalves, Aurora Gonçalves, Anysabel e Emanuel Furtado cantaram e encantaram. Noite de arromba atrai centenas Ainda antes do cair da noite e quando muitos já se juntavam para

pedro ruas

Viviane prestou homenagem a Sérgio Mestre os inevitáveis comes e bebes característicos destes certames, tempo ainda para reunir familiares e amigos numa exposição de fotografia dedicada a Serginho Mestre, que teve lugar no

RefCafé, e onde foram lidos textos do próprio e que serviram de aperitivo para a grande reunião de homenagem prestes a começar. Os OrBlua deram início a uma noite

onde a boa música fez jus aos pergaminhos dos artistas que, a solo ou em conjunto, foram subindo ao palco. A noite fresca rapidamente aqueceu quando Viviane subiu ao palco. Estava dado o início a um encontro raro, com mais nostalgia para alguns, mas muita alegria para todos. Seguiram-se actuações de artistas como João Afonso, Filipa Pais, Zeca Medeiros e Vitorino. Todos com estórias em comum com Sérgio Mestre, num legado musical que marcou gerações. Entre uma música e um copo de tinto quem melhor que os Marenostrum para voltar a aquecer um recinto de onde, mesmo madrugada dentro, ninguém arredava pé. Sérgio Mestre foi assim recordado e promete regressar para o ano, uma vez mais, sob a sua forma preferida a música. Pedro Ruas / Ricardo Claro


14.06.2013  11

Cultura.Sul

Da minha biblioteca

Ao António Rosa Mendes: o narrador implicado d.r.

Adriana Nogueira

Classicista Professora da Univ. do Algarve adriana.nogueira.cultura.sul@gmail.com

Agendar

«Gozemos intensamente a companhia dos nossos amigos, até porque não podemos saber por quanto tempo o faremos. Pensemos também quantas vezes os deixámos para partir em longas viagens, quantas vezes estivemos sem os ver embora morando na mesma terra: compreendemos deste modo que, mesmo estando eles vivos, não aproveitámos a sua companhia a maior parte do tempo». Abro esta rubrica com uma citação das Cartas a Lucílio, 63, do romano Séneca (que viveu há 2000 anos – de 4 a.C. a 65 da nossa era – e que, entre outras coisas, foi advogado, professor, orador, escritor e filósofo), como ponto de reflexão sobre o recente falecimento, a 4 de junho, de António Rosa Mendes (também ele advogado, professor, orador, escritor e também um pouco filósofo). À parte pequenas referências em algumas edições, nunca dediquei um número à categoria ensaio – que deve ser a maior parte da minha biblioteca – talvez por assumir que não teria um interesse tão amplo entre os leitores deste suplemento Cultura.Sul, como a ficção e a poesia. Esta é, pois, uma boa ocasião para desfazer o equívoco, trazendo uma obra de António Rosa Mendes, historiador e ensaísta. Muitas mais escreveu, mas esta, publicada em 2009, na Gente Singular (editora sediada em Olhão e da qual era um dos sócios fundadores), tem características muito particulares, de História contada com literatura.

que nos fazem viver a história e a História; uma poeticidade na prosa; uma intencionalidade de efeitos no recetor; um narrador implicado, que dá a sua opinião, que se questiona sobre os feitos que está a contar e que envolve o leitor nas suas emoções. Todo o livro é um retrato vívido de Olhão, desde quando não passava de «Uma praia e um poço» (cap.1) até à criação do concelho, como se pode ler no «Epílogo. O concelho, terceiro separatismo» (pp. 100-104) Emoção, emoção, emoção

António Rosa Mendes, uma figura ímpar da Cultura Olhão fez-se a si próprio Há cerca de quatro anos, tive a boa ventura de assistir ao lançamento deste livro, em Olhão, na Biblioteca Municipal daquela cidade. A apresentação de Fernando Paulo Custódio foi muito entusiasmante e as palavras do autor ainda mais, despertando-me a vontade de imediato o ler. Foi uma agradável surpresa. Normalmente, os ensaios escritos em português (o mesmo não se pode dizer de alguns americanos ou ingleses) procuram apresentar os factos de

uma forma anódina, reduzindo ao mínimo a interferência do autor, que, praticamente, se anula em afirmações secas e austeras, apoiadas em fontes seguras, que o protegem de acusações de infidelidade. Neste ensaio, António Rosa Mendes não receia possíveis detratores, pois a sua obra é irrepreensível no uso das tais fontes seguras, que são referidas, quer na Bibliografia final quer ao longo do texto, em pequenas notas laterais que facilitam a leitura de quem se interessar por saber mais. E se os romances históricos, obras de

“COPACABANA - PANORAMAS DO RIO” Até 14 SET | Museu Municipal / Palácio da Galeria - Tavira Inserida no Ano do Brasil, a exposição conta a história da evolução e transformação da cidade imperial novecentista, ainda de hábitos provincianos, na grande e cosmopolita “cidade maravilhosa” do séc. XX, o Rio de Janeiro

ficção com aparência de História (muitas vezes, resultado de sérias buscas em bibliotecas e arquivos), continuam na moda (há uns anos falava-se que iam desaparecer, mas a verdade é que tanto autores como público continuam a mostrar apetência por saber como terá sido o nosso passado), a história em forma de literatura não é muito cultivada, mas é isso que temos neste Olhão fez-se a si próprio. A escrita de António Rosa Mendes é literatura: uma escolha vocabular variada, fecunda e minuciosa, dando conta de pormenores

É difícil o leitor não se emocionar com este livro. O narrador parece que presenciou todos os factos, de tal modo nos embrenha nas tramas que vai tecendo, através de uma escolha vocabular que nos aproxima das épocas narradas. Foi difícil selecionar alguns trechos, pois a obra nunca perde o fôlego, num todo com sentido, numa linha que não se quebra, tal como a vontade do povo aí pintado. Tomemos alguns exemplos do capítulo 6, «A fábrica da igreja» (pp. 2627), que abri ao acaso. Aqui, entremeando expressões populares («Os senhores cónegos ficaram de cara à banda»), pois que populares são os heróis da narrativa («um bando de míseros marítimos que ousaram resistir e desafiar a autoridade eclesiástica e civil»), António Rosa Mendes usa diversas figuras de estilo que realçam o sentimento: sem que tenha necessariamente havido intenção, encontramos rima, dando relevo à afirmação da constituição da freguesia («Doravante Olhão, já freguesia, de pleno direito existia»); uma anáfora intensifica a ausência do objeto maior que iria pontificar a local («Faltava o principal, faltava o símbolo maior da jubilosa paróquia, faltava a matriz»); uma prosopopeia termina o capítulo, dando a sensação da crescente identificação da gente com a terra que construíam («e a fachada

já lá estava, orgulhosa e alterosa, dominando o cenário sobre a praia e as mesquinhas palhotas ao derredor, encarando sobranceira o mar ao fundo»). Um narrador implicado Este narrador não é nem quer ser indiferente, pois assumidamente implica-se com os documentos que consultou, de tal maneira que discute com as suas fontes, como com Silva Lopes (ver a sequência da citação), ou com o engenheiro francês Charles Bonnet, autor de uma Memória de 1850 que escreveu «O algarvio é contrabandista por natureza», ao que o narrador, depois de o citar, interpela: «Por natureza, senhor engenheiro!? Similar exagero comete Silva Lopes quando, na sua Corografia, de 1841, pretende que os olhanenses» tiraram proveitos do cerco de Gibraltar, de modo a «‘que em 1790 já tinham transformado as cabanas em casas’. Ainda por muitos e bons anos persistiram em Olhão bastas cabanas, senhor corógrafo!» (pp. 44-45). Ou ainda quando Sebastião Brito Cabreira afirma em Lisboa que, «‘pelo ver e presenciar sabe que’», em Olhão, não havia «‘tropa alguma francesa, e mais não disse’. Viram e presenciaram?! (…) Admitindo que ‘na ocasião’ estava em Faro, viram e presenciaram o que em Olhão se passou? Ora, ora…» (p. 69). Esta vontade de repor a verdade histórica não acontece para glória pessoal do narrador: o herói deste livro é o povo olhanense, ao qual o autor não regateia qualidades maiores, como valentia, arrojo, inteligência, determinação, que levaram a que Olhão se fizesse a si próprio. Na leitura deste livro sentimos a presença quente e viva de António Rosa Mendes ao nosso lado, parecendo que estamos a ouvi-lo com o seu entusiasmo e a sua voz impressiva, tão sua característica. E assim ele continuará sempre na nossa memória.

“EXPOSIÇÃO DE PINTURA - AFRICANA” Até 26 JUL | Centro Cultural de Lagos Na temática e na abordagem a África podemos interligar a pintura de Neusa Negrão na multidisciplinaridade das vivências culturais e no encontro de civilizações que os portugueses fomentaram no século XVI


12 14.06.2013

Cultura.Sul

Espaço cultura

O passado em cena, ou da convivência da contemporaneidade com a ruína antiga Primeiro andamento: A ruína como pretexto – À medida que percorre as ruínas, o visitante é levado por personagens históricas que lhe vão contando as suas recordações, e o espaço arruinado é convertido em espaço de encenação. O arqueólogo do século XIX, que relata a descoberta do sítio; a domina que conduz a visita à casa senhorial; a escrava que conta, nas antigas termas, como preparava o banho da sua senhora; o culto às ninfas recordado por uma jovem crente. São histórias de outros tempos contadas na primeira pessoa, para descobrir e disfrutar a villa romana. Até final de junho, o projeto Visitas Encenadas, para grupos mediante prévia marcação, é realizado às terças, quintas e sábados (às 10h30 e às 14h30) por um grupo de alunos do curso de artes performativas da Escola Secundária Pinheiro e Rosa, de Faro, numa parceria de estágio

d.r.

Três conceitos distintos aproximam o visitante aos processos de transformação e mudança dos espaços, do sítio e da paisagem na villa romana de Milreu, em Estoi. Numa fusão entre o ensino, as artes performativas, a gastronomia e o conhecimento dos autores clássicos, converte-se a ruína em plataforma temática ligada à cultura e à criação artística, que procura também promover a coesão social profissional com a DRCAlgarve. Segundo andamento: O sítio como pretexto – O projeto Amatores in situ: o Mundo Antigo visto pelos que o amam, resulta de um desafio lançado à DRCAlgarve pelo Departamento de Artes e Humanidades da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve. Um ciclo de sessões que têm lugar até final do ano, às terceiras sextas-feiras de cada mês, ao final da tarde (18h30), na Casa Rural de Milreu. Tendo como con-

vidados, em cada sessão, pessoas que amam (os amatores) o Mundo Antigo e a ele têm dedicado parte da sua vida e interesses, o ciclo inclui leituras de excertos de obras de autores clássicos escolhidas pelos oradores, e/ou debates subordinados a temas da Antiguidade, procurando dinamizar esse conhecimento no próprio espaço arqueológico, de modo a haver uma aproximação do «dito/ouvido» ao «visto». Terceiro andamento: A paisagem como pretexto – O pro-

jeto Palato (aqui já tratado na edição de abril do Cultura.Sul), parte do cruzamento de pesquisas no domínio das Artes Visuais, com os conhecimentos da dieta tradicional, a inovação gastronómica e a investigação ligada ao património

cultural (material e imaterial), Abordando os comportamentos de aprovisionamento, conservação, confeção e consumo dos recursos alimentares e da dieta ao longo do tempo, com um olhar criativo sobre a paisagem, o projeto propõe uma

série de ações performativas, Cozinhando na Paisagem, em monumentos onde a informação sobre o território envolvente se traduz no conhecimento da dieta de época e no seu cruzamento com comportamentos de consumo e distribuição da sociedade contemporânea, procurando valorizar fatores paisagísticos e patrimoniais. Já no próximo sábado, 15 de junho, numa infraestrutura improvisada, o artista (Jorge Rocha), em conjunto com um investigador do monumento (João Pedro Bernardes), desenvolverá uma acção performativa num formato talk show. Cozinha ao vivo, com transmissão em directo na internet, colocando os públicos (físicos e virtuais) em sinestesia. Direção Regional de Cultura do Algarve

pub

Postal 1104 14 JUN 2013  

• VEJA O POSTAL DESTA SEMANA • Sexta-feira (14/6) nas bancas com o PÚBLICO • NESTA EDIÇÃO COM O CULTURA.SUL • • Partilhe o que é indispensá...

Advertisement