Page 1

dez | 2012 • Nº 52 • Mensal • O Cultura.Sul faz parte integrante da edição do POSTAL do ALGARVE e não pode ser vendido separadamente

dezembro • Mensalmente com o postal em conjunto com o público

8.783 exemplares

www.issuu.com/postaldoalgarve

50 anos de escrita com a assinatura de Vasco Graça Moura

p. 10


2

Cultura.Sul

07.12.2012

Juventude, artes e ideias

Henrique Dias Freire

Ex-editor do CULTURA.SUL

Novo editor, nova dinâmica Com mais de quatro anos de existência, o Cultura.Sul prepara-se para encarar o novo ano de 2013 com optimismo. Como Caderno de Artes & Letras temos um compromisso assumido com as pessoas e a nossa Região. Apesar de todas as crescentes dificuldades, graças ao empenho gracioso de todos os nossos colaboradores, o Cultura.Sul tem mantido a sua periodicidade mensal. Após quase um ano e meio como editor, chegou o momento do jornalista Ricardo Claro me substituir na tarefa. A necessidade de ter que assumir outros tipos de compromissos, por um lado, e a grande mais-valia da edição passar para a responsabilidade deste talentoso colega garantem a continuidade e uma nova chama aos nossos projectos. O Ricardo Claro está na origem e fundação do próprio título Cultura.Sul, tal como eu. Com a presente edição, o Cultura.Sul entra numa nova fase, onde o empenho de todos nós nunca será de mais. Colaboradores e leitores, estamos certos de que o contributo do Cultura.Sul para as nossas gentes e Região, um dia, será devidamente reconhecido, assim como aqueles que tiveram a clarividência de estimular e apoiar esta publicação. Mas mais importante do que ser reconhecido é deixar raízes e valores para que o mundo fique pelo menos um pouco melhor do que aquele que encontrámos. Bem-hajam!

Ficha Técnica Direcção: GORDA Associação Sócio-Cultural Director: Henrique Dias Freire

Elsa Parreira

Diretora do AVE Professor Paula Nogueira

Reformar o pensamento Frequentemente ouve-se dizer: é uma questão de mentalidade. Ou ainda: é uma questão cultural. A cultura e a mentalidade são poderosas alavancas da ação social e educativa. De facto, o indivíduo vive num determinado contexto social e cultural e foi-se fazendo na família, na escola, nas organizações em que foi trabalhando. As pessoas não nascem como são; constroem-se ao longo da vida nas diversas interações que vão realizando, nas adversidades que vão ultrapassando. Por outro lado, não há mudança

sem pessoas. As pessoas – por exemplo, na escola, os professores e os alunos – são imprescindíveis a um processo de melhoria das práticas educativas. Mas as transformações só acontecem quando eu mudo o meu pensar, a minha forma de me pensar e de pensar os outros. E vejo que essa mudança me é benéfica e por isso me disponibilizo para alterar a mentalidade e a ação. E são estas alterações de modos de pensar e de agir que por sua vez fazem evoluir a cultura. E é por isso que a reforma de pensamento é tão importante. E

decisivas as políticas que fazem as pessoas quererem mudar de modos de pensar. Mudar não é fácil. Todas as mudanças, por pequenas que sejam, provocam desconforto. A mudança exige adaptação. Traz dúvidas, medos e ansiedades. Mas, se não se tentar mudar aquilo em que não se acredita, nunca se poderá dizer que se tentou tudo! Já Kant dizia que “toda a reforma interior e toda a mudança para melhor, dependem exclusivamente da aplicação do nosso próprio esforço”.

Espaço CRIA

Inovar Algarve valoriza conhecimento produzido na região

Hugo Barros

Coordenador Executivo do CRIA – Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia

Um discurso dominante no que diz respeito às Universidades é que o Conhecimento por elas produzido tem que seguir um caminho que necessariamente conduza à sua valorização. Neste enquadramento, a valorização do Conhecimento tem assumido uma posição de destaque como estratégia para o desenvolvimento regional e nacional, nomeadamente através do impulso a uma economia mais sólida e especializada, e ao aumento das qualificações dos recursos humanos que compõem

o mercado de trabalho. Contudo, o caminho traçado nem sempre é linear, existindo muito por fazer e um esforço permanente por parte das entidades públicas e privadas, nomeadamente na melhoria da articulação entre a investigação produzida e as necessidades das empresas. Este configura um dos pontos fulcrais no qual a Universidade do Algarve (UAlg), através da Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia (CRIA), tem procurado melhorar a sua performance, fomentando e potenciando ações de cooperação entre investigadores e empresas, com vista a estimular a criação de projetos de I&DT em conjunto. Neste sentido, e com o intuito de evidenciar o potencial de comercialização do Conhecimento produzido na região do Algarve, a UAlg organiza a INOVAR ALGARVE. A INOVAR ALGARVE foi estruturada em duas fases: a primeira, a decorrer entre 5 e 7 de dezembro de 2012, corresponde a um Ciclo de Conferências destinado a fortalecer a relação entre a Universidade e o tecido empresarial, promovendo o debate em torno de temáticas como Inovação, Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia, e em

simultâneo, promover o potencial de cooperação entre empreendedores, empresas e investigadores; a segunda, consistindo numa Mostra de Conhecimento e Tecnologia na qual a UAlg, nos dias 31 janeiro e 1 de fevereiro de 2013, terá oportunidade de mobilizar os seus recursos para expor a sua capacidade de oferta de serviços de I&D, fomentando o

Paginação: Postal do Algarve

» momento.S: Vítor Correia » panorâmica.S: Ricardo Claro » patrimónios.S: Isabel Soares

lot. Nesta edição: Artur Jorge Vieira de Jesus, Elsa Parreira, Hugo Barros, Jorge Queiroz e José Filipe Sobral

Responsáveis pelas secções: » juventude, artes e ideias: Jady Batista » livro.S: Adriana Nogueira

Colaboradores: AGECAL, ALFA, CRIA, Cineclube deFaro, Cineclube de Tavira, DRCAlg, DREAlg, António Pina, Pedro Jubi-

Parceiros: Direcção Regional de Cultura do Algarve, Direcção Regional de Educação do Algarve, Postal do Algarve

Editor: Ricardo Claro

aumento da competitividade da região e do país. É por isso tempo de nos dedicarmos a estimular uma maior aplicação do Conhecimento produzido no tecido empresarial, para que seja possível minimizar os efeitos de uma cultura desgastada pela passividade da relação Universidade-Empresa.

e-mail: geralcultura.sul@gmail.com on-line: www.issuu.com/postaldoalgarve Tiragem: 8.783 exemplares


Cultura.Sul

07.12.2012

 3

cinema Cineclube de Tavira

Leilão ajuda cineclube Pois, estamos com alguma dificuldade em manter a cabecinha fora da água, essa não é nenhuma novidade. No próximo sábado, dia 8, às 21.30 horas, na Galeria Casa das Artes, em Tavira, iremos organizar um leilão de obras de arte. Todas as obras a leiloar (86) foram oferecidas ao cineclube pelos seus autores ou proprietários. Temos uma grande variedade de peças: pinturas a óleo e acrílico; desenhos; águas-fortes; litografias; estampas antigas; esculturas, etc..., entre as quais peças antigas e valiosas, a mais antiga data de 1845! O intuito é angariar fundos para conseguirmos continuar com as nossas actividades regulares, numa época de inexistência de qualquer apoio ou subsídio autárquico ou institucional. Tudo será vendido, a qualquer valor que seja, iniciaremos a

Espaço AGECAL

Jorge Queiroz Sociólogo. Gestor Cultural Presidente da Direcção da AGECAL Associação de Gestores Culturais do Algarve

destaque

As relações entre turismo e cultura expressam muitas afinidades mas apresentam também alguns equívocos e contradições, resultado da excessiva autonomização dos respectivos domínios. Turismo e cultura, como outros fenómenos sociais, são realidades dinâmicas, em permanente evolução nos seus conceitos, valores e modelos de intervenção. Um equívoco mais frequente resi-

PROGRAMAÇÃO

www.cineclube-tavira.com 281 320 594 | 965 209 198 | cinetavira@gmail.com SESSÕES REGULARES Cine-Teatro António Pinheiro | 21.30 horas 8 DEZ | Casa das Artes em Tavira 21.30 horas: Leilão de Obras de Arte, cuja receita total reverte ao vosso cineclube (entrada gratuita) Cineclube de Tavira - Portugal 2012 (120’) Todas as idades!

Cena do filme Les Enfants du Paradis venda de cada peça com uma licitação mínima. Para acabar este ano de 2012 em beleza, programámos mais um mês de cinema de grande qualidade no cine-teatro tavirense, e a melhor

notícia neste tempo de “crise” é que podem ver três destas maravilhas a custo zero, gratuito, à borlita. Um presente de Natal do vosso cineclube, esperamos que não o recusem! Até breve e boas entradas!

9 DEZ | The Iron Lady (A Dama de Ferro), Phyllida Lloyd – Reino Unido/ França 2011 (105’) M/12 13 DEZ | Swept Away - Travolti da un Insolito... (Por um Destino Insólito),

Lina Wertmuller - Itália 1974 (116’) M/12 (entrada gratuita) 16 DEZ | Seeking a Friend for the End of the World (Até que o Fim do Mundo nos Separe), Lorene Scafaria – E.U.A./Singap/Maleisia/Indones. 2012 (101’) M/12 20 DEZ | Shut Up and Play the Hits (O Fim dos LCD Soundsystem), Will Lovelace & Dylan Southern – Reino Unido 2012 (108’) M/12 23 DEZ | Les Enfants du Paradis (Os Rapazes da Geral), Marcel Carné – França 1945 (190’) M/12 (entrada gratuita) 27 DEZ | Cesare deve Morire (César deve Morrer), Paolo e Vittorio Taviani – Itália 2012 (76’) M/12 30 DEZ | To Rome with Love (Para Roma com Amor), Woody Allen – E.U.A./Itália/Espanha 2012 (112’) M/12

O turismo e a gestão cultural de no facto do turismo ter criado e induzido sistemas e lógicas de gestão, uma indústria que estabeleceu os seus próprios discursos e modelos ideológicos que sobrevalorizaram aspectos quantitativos. Durante o Séc. XX esta perspectiva colidiu com dimensões essenciais do desenvolvimento como a sustentabilidade dos territórios, a gestão racional dos recursos naturais, a preservação de equilíbrios sociais e das culturas locais. Criaram-se áreas de “densificação litoralizada”, abandonos e “vazios demográficos” nas zonas rurais O turismo pressupõe condições prévias à sua existência, nomeadamente naturais e culturais. Durante o século XX, acompanhando o processo de globalização, afirmou-se uma nova formulação que tudo considerava como “produtos turísticos”, também as manifestações e práticas culturais de uma determinada comunidade, propondo e promovendo alterações de conveniência e introduzindo novos elementos formais e expressivos, com substituição

de designações histórico-identitárias e estrangeirismos vários,.. A “turistificação” é um fenómeno normalmente ligado à promoção de actividades de animação turística, utilizando recursos culturais descontextualizados e deficientemente interpretados, com “espectacularização” da forma e secundarização dos conteúdos. Foram estudados muitos casos de “invenção da tradição” Nos últimos anos surgiram, também em Portugal, bons exemplos de cooperação estratégica em turismo cultural, projectos que se fundamentam na genuinidade, no conhecimento histórico e artístico, na integração de visitantes nas comunidades com respeito pelos valores locais, projectos de ecologia, de interpretação de patrimónios, de ciência e também de turismo solidário. A Gestão Cultural, disciplina científica surgida nas últimas décadas como resposta aos problemas do desenvolvimento social, da gestão de infraestruturas e das indústrias culturais, centra

“ESCULTURA DE PEDRO FIGUEIREDO” Até 28 DEZ | Foyer do Auditório Municipal de Olhão Na presente exposição encontramos uma tendência para a fantasia, para o universo imaginário e para a depuração da figura em que a reprodução do real não é a direcção plástica da sua obra

a sua acção na investigação aplicada, na formação profissional e na gestão dos recursos culturais em sintonia com as convenções e recomendações da UNESCO, nomeadamente quanto à protecção da diversidade cultural do planeta. A constituição da Economia da Cultura como ramo disciplinar autónomo no âmbito da Gestão Cultural, colocou em evidência realidades que transcendem a tradicional e errada visão da cultura como sector “não produtivo” ou meramente “espiritual”, subsidiado e complementar. A especificidade dos bens culturais e valores associados, a forma como a sociedade os interpreta, valoriza e (re) produz, as relações entre oferta e procura, a mensurabilidade da produção e recepção cultural, o impacto das industrias culturais na formação do PIB nacional e na criação de empregos, são novas variáveis a ter em conta. A Gestão Cultural para o Turismo é neste contexto um domínio do conhecimento adequado às necessidades actuais. Esta disciplina deveria ser in-

troduzida nas Universidades portuguesas e sobretudo utilizada pelas regiões turísticas. Encontramo-nos hoje perante uma acelerada mudança de paradigmas. Por esgotamento de recursos e inadequação estratégica, as políticas auto-centradas e monoprodutivas serão a curto prazo inviáveis. O Algarve necessita reequacionar estratégias, valorizar o seu potencial, promover a gestão conjunta e coordenada de recursos ambientais, turísticos e culturais, com participação de investigadores, gestores de áreas de conhecimento e sobretudo das comunidades locais. A riqueza cultural do Algarve, material e imaterial, sublinha a necessidade de complementaridades estratégicas entre as cidades algarvias e regiões vizinhas, com a valorização dos produtos do mar e do mundo rural, sublinhando identidades que evoluíram ao longo de muitos séculos e que podem ajudar a construir uma contemporaneidade personalizada, humanizada e equilibrada, por isso mais atractiva e sustentável.

“PRESÉPIOS DE MARIA CAVACO SILVA” Até 5 JAN | Convento de Santo António - Loulé A colecção de presépios da Primeira-Dama nasce de uma antiga paixão, construída ao longo dos anos, e que é fruto de uma recolha informada e afectiva


4

Cultura.Sul

07.12.2012

••Novo talento do Fado à conversa

panorâmica

Ricardo Claro/Pedro Ruas

Márcio Gonçalves estreia-se com “Falta escrever na lua” O Algarve continua a ser profícuo em novos talentos e a música não é excepção. O fado desde cedo apaixonou Márcio Gonçalves que, agora com 25 anos, tem vindo a ganhar espaço e visibilidade, quer no panorama musical local, quer no resto do país. O Cultura.Sul foi ao encontro de Márcio Gonçalves e ouviu aquilo que a voz do fadista tem para dizer sem ser a cantar. Márcio Gonçalves, fadista, licenciado em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Algarve, mas também presidente de uma associação sócio-cultural, iniciou-se nas lides do canto aos nove anos, num grupo coral tavirense onde, como contou ao Cultura.Sul, começou por “aprender a cantar, a colocar a voz e a ganhar afinação”. Ainda jovem foi o karaoke que o manteve perto da sua paixão, a música. O fado surge naturalmente dado o gosto de Márcio pela música portuguesa, mas também, porque não raras vezes nesses mesmos karaokes lhe pediam “canta lá um fadinho” e assim nascia o fadista. Certa noite e enquanto ouvia ao vivo a fadista Raquel Peters e o guitarrista Vítor do Carmo, foi lançado o repto à audiência para que se lhe juntassem e cantassem um fado, Márcio acedeu, começando a encantar logo ali. Findo o espectáculo, surge a proposta para marcar presença num concurso de fado amador, o que o jovem fadista aceitou e onde chegou à final. Ganhou-lhe o gosto, garante, e durante “três ou quatro anos participei em concursos de fado um

to fadista é um processo contínuo, sobre a qual trabalha a cada dia, a cada espectáculo e que “mais tarde ou mais cedo saberei definir”. Um motivo que muito orgulho traz ao jovem fadista passa pelo facto do álbum ter sido, todo ele, produzido na sua terra. “Todo o processo, o projecto, a produção fotográfica e a produção em estúdio foi toda feita cá, por pessoas de cá”, afirma.

pouco por todo o Algarve”, diz o fadista. Neste período conheceu pessoas ligadas ao meio e “comecei a trabalhar um repertório de fados com os quais me identificava e que, regra geral, são do conhecimento do público”. Falar de um fadista é falar de um cantor, mas também dos músicos que o acompanham e Márcio Gonçaves tem-se feito ouvir ao lado de Ricardo Martins (guitarra portuguesa), a quem reconhece ser “um jovem prodígio da guitarra portuguesa, quiçá o melhor do Algarve neste momento”, mas também de Aníbal Vinhas e Nuno Martins, ambos na viola de fado e de António Correia, no contrabaixo. Com referências musicais como “António Zambujo, Marco Rodrigues, Camané ou Carlos do Carmo”, Márcio Gonçalves diz que, apesar de cantar “fados tradicionais, com músicas antigas, prefere contudo letristas contemporâneos que escrevam letras que façam sentido cantar, como amostra da realidade actual, sem esquecer os temas relacionados com o fado como a saudade ou o amor”, revela.

Perspectivas de futuro

Ponto de viragem Um dos momentos de viragem na sua carreira musical foi, segundo Márcio Gonçalves, a participação no concurso televisivo Grande Prémio do Fado RTP/Rádio Amália, onde venceu todas as etapas, semanal, mensal e trimestral e onde a 6 de Outubro de 2012, no Casino Estoril, participou na grande final. Esta

Márcio Gonçalves apaixonou-se desde cedo pelo fado experiência foi, segundo o intérprete, “excelente e permitiu-me um primeiro contacto com o mundo televisivo onde conheci muitos músicos

A guitarra portuguesa e a viola de fado a ladearem Márcio Gonçalves

e produtores”, tendo ainda sentido que este concurso lhe deu “mais visibilidade, um maior interesse por parte do meio artístico pelo seu trabalho e consequentemente mais convites para trabalhar”. Faltava contudo um novo e ambicionado passo, o lançamento do seu primeiro álbum, “Falta escrever na lua”, que “compila alguns fados que achei que fazia sentido estarem juntos”. Segundo Márcio Gonçalves, há no disco “a tentativa de inovar e dar uma nova roupagem, numa fusão ibérica que reflecte diferentes estilos musicais”. O fadista reconhece alguns riscos associados a este passo, contudo afirma que “apesar de não apresentar ainda um nível de maturidade elevado, esta é a compilação daquilo que aprendi até ao momento” e espera um dia mais tarde, “aquando do meu segundo trabalho, ver que evoluí enquanto artista”. Para Márcio Gonçalves a identidade enquan-

Tecendo algumas críticas quanto à escassez de oportunidades que um fadista pode almejar no Algarve, Márcio Gonçaves garante que “a grande massa fadista está em Lisboa”, ao que acrescenta, “as pessoas mais influentes e que podem dar credibilidade a um projecto mais sério e mais coeso passam sempre pela capital”. Apesar do relevo que o fado teve aquando da classificação de património imaterial da humanidade, pela UNESCO, Márcio Gonçalves encontra apenas um aspecto que considera ser mais positivo e que passa pelo facto de ajudar a “aguçar o interesse do público estrangeiro”, o que agrada ao cantor por ver neles “um público mais curioso”. Não obstante, “por cá pouco mudou e todos os caminhos do fado profissional vão dar a Lisboa”, revela o fadista, que, apesar de entender o chavão do “fado estar na moda”, considera que tal não resultou da classificação atribuída pela UNESCO, mas sim “do trabalho que os fadistas tiveram para que este género musical estivesse novamente na moda e a classificação é apenas uma consequência disso mesmo”. No futuro Márcio Gonçalves quer continuar a busca da sua identidade enquanto artista e considera a hipótese de “arriscar um projecto de originais que me traga mais valias enquanto artista, quer a nível pessoal, quer a nível profissional”. Para já, o jovem fadista algarvio actua semanalmente numa tasca santaluziense e entre espectáculos para os quais é convidado ou galas solidárias em que participa, tem já perspectivados concertos no Algarve, Alentejo e Espanha, estando ainda aberta a possibilidade de vir a actuar em França e na Bélgica em 2013.


Cultura.Sul

07.12.2012

panorâmica

 5

Ricardo Claro

••Música

O mundo intimista de Nanook

Martins, respectivamente no contrabaixo, guitarra eléctrica, teclados, bateria e baixo eléctrico. Nanook ao comando assume a voz , a guitarra, a harmónica e a percurssão num registo, que todos já conhecem no intérprete, de verdadeira “one man band”.

A capa de Mundo XXI Nanook assume a expressão do vagabundo neste segundo disco. O vagabundo no sentido daquele que calcorreia “itinerante” um mundo próprio cheio de diversidade e de “intimismo” e que propõe letras e sonoridades várias que interpretam a vida como só um vagabundo faz, de forma diferente. Nem tudo são intimismos neste novo disco de Tércio Freire, os temas são diversos na métrica, na atitude e na persona que os interpreta. A melódica, influenciada pelos blues e pelo folk rock, tem ritmos inesperados de tango e traços diversos, de singularidade interpretativa. Nascido nos Açores, ao Cultura. Sul Nanook reconhece no álbum traços do lamento próprio de ser ilhéu, apesar de confessar “nunca ter pensado nessa perspectiva e sempre na de quem assume uma posição de intimismo com o público”. Mas as raízes não perdoam e assume que se sente verdadeiramente ilhéu. “Há na minha vida a noção do olhar para dentro e de lamentar qualquer coisa que não se sabe bem o que é”, diz como quem reconhece na vivência quotidiana a força bruta de uma identidade subliminar imposta pela terra rodeada do imenso Atlântico. Mundo XXI, o título do novo álbum, tem a marca dos arcanos. A última carta do tarot, arcano maior, não é uma escolha acidental. “É a minha carta preferida do tarot”, diz Nanook que a entende como simbólica “da esperança” e “do acreditar que tudo vai ficar melhor”. Uma “fé” que o cantautor há muito fixado no Algarve reconhece como sua também, muito embora se diga “não religioso”. Num trabalho em que Nanook sublinha o valor das letras, todas de sua autoria, bem como as melodias, o intérprete não esconde que este foi um enorme desafio imposto

Os temas de Mundo XXI: a si mesmo. “Escrever em português foi uma opção e um desafio que me coloquei”, apesar de ter, confessa, “poucas influências da música portuguesa no seu registo”. Na calha das influências, junto a nomes como Bob Dylan e Tom Waits, surgem os Entre Aspas e Viviane, António Variações e Heróis do Mar. O álbum O CD assume na imagem o intimis-

1. A triste procura da alegria 2. Mais perto só 3. Tango do vagabundo 4. Quem tem coração não ouve a razão 5. Valsa Sombria 6. Espero por amanhã 7. Traça o mundo 8. Corrente subterrânea 9. Gastei 10. Canção do velhinho

a edição de autor pode ser adquirida através dos sítios habituais na internet – iTunes, cdbaby, Amazon, iMusic – ou através de pedido directo para o facebook http://www.facebook.com/ Nanook.ovagabundo. Para ouvir alguns dos temas basta viajar na internet até www. coundcloud/nanook-o-vagabundo ou passar pelo sítio http://pt.myspace. com/nanookspace. Nanook, o simbolismo Tudo está carregado de simbolismo neste novo trabalho de Nanook (Tércio Freire). Se a escolha do Vagabundo para consubstanciar a conceptualização do ideário musical de destino do álbum não foi um acidente e se a imagem seguiu um trilho condicente, menos se não poderia esperar do próprio nome, “Nanook”. A palavra da língua inuktitut, falada pelos inuits, povos das terras geladas canadianas, tem entre os seus

com um sorriso - urso polar, um animal de que gosto desde sempre”, uma referência ao lado biólogo do intérprete que deixou a licenciatura em Biologia Marinha “numa prateleira bem guardadinha”. Longe do Tércio que nos dá músicas pelos mais diversos espaços do Algarve, noite dentro em sucessivas versões de grandes temas da música anglo-saxónica, Nanook é em tudo diferente, feito reencarnação de um outro eu que habita um lado mais inquinado de sombras e de refúgios do homem que aos dez anos teve a guitarra como escolha longe de saber que a tinha já então como destino. Mais do que cantor de bares, do que professor de música - que lecciona desde 2005 -, muito para além do letrista e do músico, Nanook é uma fiel expressão do eu numa das suas múltiplas facetas e convida a uma experiência diferente num álbum que se afirma a si próprio longe de

Nanook, o Vagabundo, apresenta o seu segundo trabalho discográfico, Mundo XXI mo que se quer nota dominante na visão que Nanook faz do seu trabalho. As imagens carregadas de grão e plenas de cinzas e sépias, os caminhos e os horizontes solitários foram a visão do todo musical feita imagem fotográfica. Por detrás dos instrumentos que robustecem o corpo do álbum estão nomes como Zé Eduardo, Pedro Gil, Elísio Donas, Sónia “Little B” Cabrita e Marco

Tó Viegas e Tiago Lopes na gravação realizada nos estúdios ZipMix em Olhão, juntaram a sua mestria a Peer Neumann, que masterizou a obra em Berlim, na Alemanha, nos estúdios da Mainberlin Audioproduktion. Realce para a experiência de Viviane que Nanook reconhece fundamental no trilhar deste novo momento da carreira. O alinhamento inclui dez temas e

múltiplos significados, diz Nanook, o sentido de solitário, ideia identitária em que o cantautor se revê e que se une no caso deste álbum ao Vagabundo enquanto solitário itinerante que entende o mundo numa perspectiva única que importa partilhar por entre letras e acordes, notas e versos. “Nanook é também - relembra

comparações ou tendências mais ou menos seguidistas. Para ouvir e repetir, porque se estranha e depois se entranha, a sonoridade proposta por Nanook é a de um composto único, nascido, ilhéu, feito a pulso e vivido, em larga medida, algarvio. Sugestivo? Só falta ouvir e deixar-se arrebatar pelo som vagabundo de Mundo XXI.


Tentações

Jantares Domingos:

Caxemir Interiores

Vamos aos Fados Restaurante do Real

A Caxemir Interiores é muito mais do que um espaço dedicado aos objectos de deco-

Quartas-feiras:

ração, onde arte e bom gosto se apresen-

Bossa N’ Jazz & Mario Spencer Restaurante do Real

tam a cada cliente como uma panóplia de

Preço por pessoa: 22,50 €

espaços e ambintes únicos e requintados.

soluções para as suas necessidades de criar Às peças de mobiliário e decoração, aos

Até 5 anos - grátis | dos 6

cortinados e papéis de parede e à ilumina-

aos 12 anos - 50% de desconto

ção, a Caxemir Interiores une a capacidade de pensar projectos de decoração à medida de cada cliente. Ouvi-lo, percebê-lo e compreender cada um dos seus desejos e ideias são o primeiro passo a que a Caxemir Interiores se propõe para realizar em pleno a sua concepção de ambiente perfeito. Peça a peça, pormenor após pormenor,

personalizamos à medida com qualidade e originalidade

Apartamentos Moradias Empreendimentos Hotéis Escritórios Mobiliário Decoração Iluminação Cortinados Papel de Parede

criamos o seu mundo a pensar em si.

www.caxemir.pt

Massagem Soin Sea Holistic Éclat Tratamento global holístico revitalizante e relaxante Preço: 47,5 € ((Válido até 9 de Dezembro de 2012)

Sugestões de Natal

design postal do algarve - proibida a reprodução

Até 16 de Dezembro, aproveite a campanha do Forum Algarve, que devolve 25% das suas compras, entre as 19 e as 24 horas

Anel VerdeGreen Preço 365 €

Paulo Miranda Joalheiro

One Gold Box Preço 159 €

Paulo Miranda Joalheiro

OMEGA Seamaster Planet Ocean Skyfall Edição limitada

Guess 3D Animal

Preço 4.990 €

Paulo Miranda Joalheiro

Preço 139 €

Paulo Miranda Joalheiro

MONTBLANC Princesse Grace de Monaco

TAG Heuer Link Lady Preço 4.500 €

Paulo Miranda Joalheiro

Preço 760 €

Paulo Miranda Joalheiro

Contactos: Caxemir Interiores  Rua João Árias - Tavira  281 324 594 www.caxemir.pt   geral@caxemir.pt

Paulo Miranda Joalheiro Lojas: Forum Algarve - loja 035  Faro  289 865 433 Baixa de Faro - Rua de Santo António, 21  289 821 441 www.paulomirandajoalheiro.com  geral@paulomirandajoalheiro.com

Real Marina Hotel & Spa - Olhão Info e reservas: SPA:  289 091 310  spa@realmarina.com Jantares:  289 091 300  recepcao@realmarina.com


Cultura.Sul

07.12.2012

momento

 7

Vítor Correia

Feira de S. Martinho

Espaço ALFA

Captar os fogos-de-artifício com gosto pela fotografia nocturna

José Filipe Sobral

Suplente da Direção da ALFA – Associação Livre Fotógrafos do Algarve

É um projecto que este ano irei experimentar para capturar os momentos com muita luz de várias cores produzidas no fogo-de-artifício que serão lançados no Algarve. É uma sugestão que dirijo às pessoas que captem estes momentos nos vários sítios de destaque como Tavira ou Albufeira. Este ano vou tentar captar bem e melhor os fogos-de-artifício através de um programa que existe para a Canon que se chama Magic Lantern, disponível gratuitamente na internet. É um programa que permite ter mais opções na câmara fotográfica

do que aquelas que traz de origem. Por exemplo, tem a detecção de movimentos que é excelente para os fogos-de-artifício. Calcula-se onde o fogo irá rebentar, aponta-se para a zona a máquina fotográfica, é feita a pré-focagem e depois o programa vai detectar os movimentos que actuam pelas variações de luz. A câmara fotográfica acaba por captar a imagem no momento certo. Outro tipo de fotografia que gosto são as nocturnas dentro das cidades. A iluminação dá outro impacto no ambiente. Durante o dia não se repara em determinados elementos porque a luz é mais dispersa. A luz é importante tanto de dia como de noite mas dá outro impacto, revela outros pormenores, outros detalhes que não se verificam de dia e que eu vou tentar captar à noite nos últimos momentos do ano. Outra coisa também importante são as fotografias HDR – Alta Gama Dinâmica. Para ter uma boa foto HDR tem que captar várias fotografias com

exposições diferentes. Depois tem que se juntar as imagens captadas e vai dar uma imagem muito mais detalhada de pormenores e sombras, dando ou-

tro impacto à fotografia. Acrescento que gosto muito das formações e dos passeios promovidos pela ALFA – Associação Livre Fo-

tógrafos do Algarve e aproveito para anunciar que este ano haverá ainda mais actividades. É uma questão de espreitar em www.alfa.pt.


8

Cultura.Sul

07.12.2012

Espaço Educação

Estatuto do Aluno e Ética Escolar - promoção da disciplina

destaque

Na edição anterior foram evidenciados os aspetos inovadores do atual Estatuto do Aluno e Ética Escolar, aprovado pela Lei n.º 51/2012, de 5 de setembro, valorizando-se os aspetos gerais e pedagógicos das medidas de recuperação e de integração e o papel dos pais/encarregados de educação no cumprimento das mesmas. Na presente abordaremos as medidas utilizadas na correção de comportamentos e reposição da disciplina, sendo que tanto as medidas corretivas como as sancionatórias prosseguem finalidades pedagógicas, preventivas, dissuasoras e de integração e visam o cumprimento dos deveres do aluno, o respeito pela autoridade dos professores e demais funcionários, bem como a segurança de toda a comunidade educativa. O incumprimento e a ineficácia das medidas de recuperação e de integração ou a impossibilidade de atuação determina a comunicação obrigatória à respetiva comissão de proteção de crianças e jovens ou, na falta desta, ao Ministério Público junto do tribunal de família e menores territorialmente competente, de forma a procurar encontrar com a colaboração da escola e, sempre que possível, com autorização e corresponsabilização dos pais/encarregados de educação, uma solução adequada ao processo formativo do aluno e à sua inserção social. A violação pelo aluno de alguns dos deveres consagrados no Estatuto ou no regulamento interno da escola, de forma reiterada e/ou em termos que se revelem perturbadores do funcionamento normal das atividades escolares ou das relações na comunidade educativa, constitui infração disciplinar passível da aplicação de medidas disciplinares corretivas e sancionatórias, conforme se indica: Ao nível do elenco das medidas disciplinares corretivas, a novidade reside na possibilidade de ser aplicada ao docente a medida corretiva de realização de tarefas e ativida-

Advertência

MEDIDAS DISCIPLINARES CORRETIVAS

Ordem de saída da sala de aula e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar Realização de tarefas e actividades de integração na escola ou na comunidade

Condicionamento no acesso a certos espaços escolares ou na utilização de certos materiais e equipamentos

Mudança de turma Repreensão registada

MEDIDAS DISCIPLINARES SANCIONATÓRIAS

Suspensão da escola até 3 dias úteis Suspensão da escola entre 4 e 12 dias úteis Transferência de escola

Expulsão da escola

des de integração na comunidade, ou seja, fora do espaço escolar, a qual deverá ser executada em período suplementar ao horário letivo do aluno, sob supervisão da esco-

la, mas com o acompanhamento dos pais/encarregados de educa-

“CONCERTO COM A BANDA SINFÓNICA DA PSP” 8 DEZ | 21.30 | Centro Cultural de Lagos Este evento destina-se a obter fundos para a compra de uma cadeira de rodas, ou outras ajudas técnicas adequadas ao Pedro, um jovem que reside em Bensafrim, no concelho de Lagos, e que sofre de paralisia cerebral

ção, ou de entidades locais, estas últimas mediante protocolo escrito a celebrar com o estabelecimento de ensino. Para além da correção do comportamento perturbador, podem ser aplicadas medidas disciplinares sancionatórias, dada a relevância e qualidade da infração praticada. A novidade reside na possibilidade de aplicar ao aluno a expulsão de escola, sendo que esta só poderá ser aplicada ao aluno maior de idade e quando se constate não haver outra medida ou modo de responsabilização no sentido do cumprimento dos seus deveres. Existe também a possibilidade do diretor da escola/agrupamento decidir sobre a reparação dos danos ou a substituição dos bens lesados ou, na sua impossibilidade, sobre a indemnização dos prejuízos

causados pelo aluno à escola ou a terceiros. Reforça-se, assim, a responsabilidade dos pais/encarregados de educação, co-responsabilizando-os pelo incumprimento dos deveres a que os seus educandos estão obrigados a respeitar no seio da comunidade educativa, bem como pelos efeitos pedagógicos e educativos das medidas disciplinares que venham a ser aplicadas pela escola. Para além da indemnização pelos danos patrimoniais causados, o Estatuto consagra ainda expressamente como deveres dos pais/ encarregados de educação, os seguintes: - reconhecer e respeitar a autoridade dos professores e incutir nos seus filhos ou educandos o dever de respeito para com os professores e demais membros da comunidade educativa; - participar em todos os atos e procedimentos para os quais sejam notificados no âmbito de procedimento disciplinar; - manter atualizados os seus contatos telefónicos, endereço postal e eletrónico, bem como os do seu educando, quando sejam diferentes. Importa, ainda, referir que o não cumprimento pelos pais/encarregados de educação dos deveres gerais de acompanhamento e participação no processo educativo e formativo dos seus educandos, determina a comunicação aos serviços do Ministério Público e à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, para efeitos de eventual promoção de sessões de capacitação parental, sendo que poderá implicar a reavaliação dos apoios sociais atribuídos que se relacionem com a frequência escolar dos alunos. O incumprimento reiterado dos pais/encarregados de educação dos deveres a que estão obrigados, pode dar origem à instauração de processos de contraordenação, com aplicação de coimas, cujo montante varia em função dos valores dos apoios da ação social escolar para aquisição de manuais escolares.

“SEAREIROS DA RIA FORMOSA” Até 28 DEZ | Foyer do Auditório Municipal de Olhão Telma Veríssimo é fotógrafa free-lancer desde 1993, mantendo colaborações regulares com publicações regionais e nacionais e diversas entidades públicas e culturais da região


Cultura.Sul

07.12.2012

 9

Contos de Natal na Ria Formosa

E mesmo assim…. o Natal

Pedro Jubilot

pjubilot@hotmail.com canalsonora.blogs.sapo.pt

Terminados os dias de maior calor do ano, aqueles em que é recolhida à superfície da salina uma finíssima película de cristais de sal, chega o sempre difícil mês de Setembro. Os dias começam a ficar mais pequenos, as noites mais frescas. Há que acostumar de novo a ficar em casa, porque já se regressou ao trabalho e é tempo de refazer horários de sono. É preciso preparar o regresso das crianças à vida escolar. Todos os anos esta mudança causava a Álvaro um pouco de ansiedade, que este ano se agravara devido aos problemas surgidos no trabalho. No caminho de regresso a casa, como fazia todos os dias, conduziu vagarosamente o seu antigo carro de estimação até ao fim da estrada que vai acompanhando o rio desde a cidade até à foz. Saiu para contemplar a paisagem, sentir a aragem mais fresca e observar o curso das quatro correntes que ali naquele lugar se encontram. Aquelas águas que ali fluem e confluem e que eram como que a imagem da sua própria vida, estavam hoje paradas no seu olhar, como se de uma lagoa estagnada se tratasse. Um amigo dos tempos de juventude que ali passava de barco, cumprimentou-o: ‘Eh! Alvinhas, queres ir à pesca?’. Apenas lhe acenou quase sem perceber quem era que lhe falava, mas só assim realizou que tinha que sair dali e daqueles sórdidos pensamentos para onde a sua mente o estava a levar, pois esperavam-no os outros três afluentes da sua vida. Abriu a porta de casa mas sentou-se logo no cadeirão da sala mesmo sem despir o casaco. Tinha frio, estava exausto, arrasado, estoirado. Ele nunca tinha pensado que a crise global que todos os dias é anunciada pelos telejornais pudesse saltar do pequeno ecrã para a sua casa, para o seu sofá, para dentro de si. Mas chegara hoje esse dia, em que a sua empresa, uma pme como lhes chamam na imprensa, não resistiu… Assim, o sr. Caetano, 45 anos, recentemente apanhado na teia do desemprego, começou a ficar cada vez mais tenso à medida que o Natal se fazia anunciar por todo o lado - na televisão, nas luzes brilhando na sua

própria rua, e sobretudo nas crianças lá de casa que começavam já a esboçar as cartas de pedidos de presentes. Como extremoso pai, da sua família, ocupava todo o tempo que agora já tinha, a magicar um modo de poder presentear os seus pequenos filhos, na próxima quadra natalícia. Os biscates que ia arranjando mal davam para a comida diária, mas o empreendedor Álvaro lembrou-se de algo que lhe podia ainda vir ajudar a salvar o Natal. Começou por contactar alguns amigos e conhecidos no sentido de averiguar do interesse nos mágicos serviços que estaria disposto a prestar-lhes, ou caso não precisassem, que transmitissem a sua luminosa ideia a conhecidos seus. Passada uma semana, apesar da sua actual baixa auto-estima, tinha como réstia de esperança qualquer coisa que se arranjaria. Mas não podia prever que a sua tarefa seria tão bem recebida quanto requisitada.

activo e prestável. Não tinha perdido o jeito. Deste modo conseguiria dinheiro para subsistir durante alguns dias e pagar algumas das prendas para os miúdos e para os familiares. Quando voltou a casa ainda Isabel o esperava acordada para saber como tinha corrido a operação ‘barbas brancas’ e colocarem os presentes para os filhos junto à lareira, como prometido. Aí pela primeira vez se sentiu um verdadeiro Pai Natal. Apesar do mau jeito que a vestimenta dava, mesmo assim vestido foi descansar um pouco. E pouco pareceu porque daí a duas horas o despertador do telemóvel tocou para que se desse inicio à segunda ronda do seu percurso. Agora, para aqueles que gostavam de ser acordados pelo São Nicolau, a desejar-lhes um ‘Feliz e Santo Natal’, anunciando que os seus ajudantes duendes, já teriam ali deixado as prendas há poucos segundos atrás,

‘Bom, tenho que me ir embora’. ‘Ena pá !?..., não digas mais nada,… já percebi. Vens mesmo do trabalho. Não me digas que és tu o Pai Natal que o Casimiro e o Tó Vieira contrataram… ainda estás sem nada?, eles disseram-me que tinhas ido ao fundo… porque é que não falaste comigo, arranjava-se qualquer coisa, lá no sal, e tu que gostas tanto daquilo pá…’ ‘Está bem, depois falo contigo. É muito fixe o teu novo jipão. Gostei de te ver Castro! Feliz Natal!’ ‘Feliz Natal o caraças! Porque é que achas que estou para aqui na rua a esta hora. É o meu primeiro Natal sem os putos. Foram passar as festas a Lisboa com a mãe. Ela agora vive lá. Estou sozinho. A minha mãe está lá, para onde quer que Deus a tenha levado. O meu pai lá no lar mal me reconhece. O meu irmão continua em França, não quer saber desta porra de terra para nada… e eu estou para

Então, já noite de 24, com a ajuda da mulher Isabel tentava por tudo despachar João e Filipe para a cama, com promessas de surpresas que surgiriam de caixas coloridas e enlaçadas, que pela manhã cedo seriam depositadas junto à lareira entre o pequeno presépio e a grande árvore de natal decorada a rigor. Assim que a sempre difícil missão foi conseguida, Álvaro começou a vestir o fato de Pai Natal com que se dirigiria às casas dos seus efémeros clientes para distribuir as aguardadas prendas da praxe, misturadas com as gargalhadas que a surpresa suscitaria nalguns, e mesmo por vezes pequenos choros nos mais pequenotes. A seguir a esses quinze minutos de magia e muitos flashes, partiria com mais trinta euros no bolso, para a morada seguinte onde repetiria o acto até às primeiras horas do dia. Era mesmo bom para o negócio ter conseguido conciliar os diferentes horários a que as pessoas faziam a consoada e a que gostavam de receber os presentes, ou com a hora a que regressavam da missa do galo. Há muito que não se sentia assim tão

e que os meninos e meninas já podiam ir a correr desembrulhar tudo. O velho transportador de sonhos tinha de partir. Quando por fim regressava à casa, ao sair do carro, arrancou a barba postiça que Isabel lhe havia colado à cara há já demasiadas horas, quando reparou no homem dentro do jipe topo de gama estacionado a seu lado. Tinha uma garrafa de whisky quase vazia na mão e meteu-se com ele: ‘Oh, oh! Oh! Oh!’ Ao que Álvaro retorquiu: ‘Bom dia amigo, se anda à procura dum Pai Natal, saiba que este já está a sair de turno.’ ‘Eh! Alvinhas, és tu pá?! Ganda farra amigo, já despachaste as renas… E eu que pensava que era o único pai perdido na noite de Natal.’ ‘Não, não venho de nenhuma farra, fui só fazer um pequeno favor ao meu cunhado, uma brincadeira para os miúdos.’ ‘Nã me venhas com tretas pá, tu tens lá algum cunhado. Conta lá onde é que largaste as… renas… Oh! Oh!... Ouh’

aqui, com a bomba de 75.000 euros… como é que o Natal pode ser feliz…’ De repente, Álvaro olhou para o seu prédio e pareceu-lhe ver alguém sentado à sua porta. Era no mínimo estranho, àquela hora da madrugada. Dirigiu-se para casa seguido pelo amigo. Álvaro ficou tão surpreendido que nem foi capaz de se zangar: ‘Joãozinho… querido… o que fazes aqui? ‘Estava a ver se o Pai Natal passava…’ ‘Onde estão a mamã e o maninho?’ ‘Ainda estavam os dois a dormir, pai. …Pai? Tu não és o Pai Natal, pois não?’ ‘Não! Claro que não! Esta roupa… estava só a experimentá-la para ver se ainda estava boa… para emprestar aqui ao meu amigo Castro. Toma Castro! Agora é tua, pode ser que precises dela. Usa-a bem. Bom dia. E vê se descansas! …E nós João, vamos ver se já chegaram as nossas prendas.’ Álvaro e João entraram em casa, mesmo ao tempo que Isabel e Filipe saltavam da cama. Foram todos ver as prendas. Mas o que Álvaro precisava mesmo era de um duche quente,

uma chávena de chá, e de um pouco de descanso até à hora do almoço que juntaria toda a família. Esse teria de ser um dia feliz. Também porque teria pouco tempo para pensar na sua situação actual e futura. E à noite, cansado de tudo, dormiria melhor do que nos dias antecedentes, e com toda a certeza sem dar tantas voltas na cama antes de adormecer, em busca de uma solução. Com o novo ano já entrado e sem os miúdos que o entretinham, pois já haviam regressado à escola, tudo voltava ao normal nesta nova vida de Álvaro, que era sentir-se cada vez mais desanimado com a sua situação. Tivera uma ideia tão boa, mas tão sazonal que até se irritava de a ter tido. Afinal o Natal não depende da vontade do homem. Nada como ligar a televisão para repartir desgraças. Nisto o telefone toca e ele atende.‘Estou!?’ ‘Eh! Alvinhas!? Atão pá, como é que vai isso ? ‘Tudo bem, quer dizer, tudo na mesma. E tu, já estás melhor?’ ‘Nem imaginas o bem que me fizeste. Vesti o fato que me deste, fui para Lisboa, convenci os putos e também a Iara a irem comigo passar o révellion a Paris, para conhecerem o meu irmão e os únicos primos que têm. Foi fantástico, pá. Estamos todos juntos outra vez, vou ficar cá em cima por uns tempos para ver se as coisas se recompõem entre nós, tás a ver. Obrigado, Alvinhas!... Tá, Alvinhas !? Ainda tás aí, pá? ‘Sim Castro, estou a ouvir. Ainda bem que assim é. Fico feliz por ti.’ ‘Ah! Já me esquecia, aparece amanhã aí no meu escritório. Estão à tua espera para me ires substituir. És o novo director da Sal.Sul. Não te esqueças pá, conto contigo. Há imenso trabalho. Depois falamos, tchau!’ E desligou. Voltou então de novo a percorrer o caminho que sempre fazia no final de cada dia de trabalho, pela estrada cujas bermas se abrem de ambos os lados para as salinas que dão a flor mais branca, húmida e cristalina do país e quem sabe, como alguns dizem, de todo o mundo. Dum céu carregado de nuvens muito densas e escuras chovia com pouca intensidade, mas o vento soprava de tal modo forte de oeste que a água sobre as salinas se começava a ondular. Já era noite quando chegou junto ao cais de embarque. Os poucos clientes do pequeno bar de madeira, abrigavam-se junto ao balcão para uma última bebida. Olhando para o lado esquerdo, já se acendiam as luzes da pequena torre da igreja da unidade hoteleira, mas que outrora era o arraial que serviu de apoio aos pescadores da armação de atum que estava ali instalada. As gaivotas voavam sobre a terra sinalizando o mau tempo no mar. Mas mesmo assim Álvaro podia voltar a sorrir mais uma vez.


10

Cultura.Sul

07.12.2012

livro

Vasco Graça Moura: 50 anos de ficções e quase ficções Adriana Nogueira

Classicista Professora da Universidade do Algarve adriana.nogueira.cultura.sul@gmail.com

Este ano comemoraram-se os 50 anos de vida literária de Vasco Graça Moura, poeta, tradutor, romancista, crítico, político, gestor, melómano, enfim, um homem dos sete ofícios, todos eles exercidos de modo a não deixar ninguém indiferente. Para estas colunas trago a sua ficção narrativa, os seus contos e romances, em número superior à dezena. Todos os títulos estão disponíveis, a preços extremamente acessíveis, mas quase exclusivamente por encomenda, pois, se formos a uma livraria (fiz a experiência há pouco tempo), um dos poucos que encontramos (normalmente o único) é Partida de Sofonisba às seis e doze da manhã, reeditado neste 2012 (pela Quetzal, que publica a maior parte destas obras), 19 anos depois da primeira edição. Se tivermos sorte, numa prateleira ou outra também se encontram alguns dos volumes da trilogia «O vermelho e as sombras» (O Pequeno-Almoço do Sargento Beauchamp (2008), O Mestre de Música (2010) e Os Desmandos de Violante (2011), em edição da Alêtheia), conjunto de pequenos romances situados em Portugal, durante as Invasões Francesas. São três livros que se leem de uma assentada, com um humor cortante e desconcertante, cujas personagens, de uma amoralidade generalizada, se tornam o alvo da nossa crítica daqueles costumes, influenciados pela narração, que, mais ou menos discretamente, nos leva a isso. Tome-se um exemplo, a propósito da sociedade britânica, mas que, facilmente, se aplicaria à portuguesa: casada com um general inglês, Joana «aprendera a regra de ouro das damas da alta-roda inglesa: casavam e tinham um ou dois filhos, para assegurarem a continuidade familiar. E depois, desde que fossem discretas e não dessem escândalo, podiam fazer tudo o que lhes desse na real gana, muito em especial ter os amantes que lhes apetecesse. Assim, tivera várias aventuras sem consequência, à imagem do que se ia passando com outras suas amigas da boa sociedade londrina, muito mais altamente colocadas do que ela» (O Mestre de Música, p. 50). O tipo de linguagem deste narrador aproxima-o de alguém também sem muitos escrúpulos, que usa metáforas populares, como «dar na real gana»,

referido atrás, ou «ser desgraçada por alguém», com o sentido de ser violada: Violante fora para Lisboa, «após ter sido desgraçada pelo padre-cura da aldeia»; ou «pôr com dono», no sentido de ser abandonada: «quando ele a pôs com dono, por a ter trocado por outra»; ou ficar «ao deus-dará», no sentido de ficar abandonado: «soube também que a rapariga ia ficar desamparada e ao deus-dará», e aí por diante. Em muitos dos romances encontramos marcas de classe na linguagem (como o uso de «beiços» em vez do popular «lábios», com consciência de que o seu uso se restringe a uma classe alta «sendo o termo “beiço”, com toda a evidência, muito mais bcbg». Morte no Retrovisor, 2008, p.23), o realce do valor que se dá à educação e à cortesia («aprendi […a] comer sem falar com a boca cheia, […a] oferecer o lugar às senhoras nos carros eléctricos, nas salas de espera, ou onde quer que elas precisem de lugar» (Partida de Sofonisba às seis e doze da manhã p.302), revelando uma cuidada instrução e cultura através das inúmeras referências, explícitas ou implícitas, à literatura, música, arte, entre outras áreas, não impedindo essa erudição que o leitor comum frua tanto o aspeto literário como as histórias que são contadas. Sim, porque Vasco Graça Moura é um excelente contador de histórias, que nos consegue prender na narrativa e surpreender-nos com o desfecho que encontra. Mas nos seus romances há mais do que histórias: há opiniões, teorias, ideias sobre as quais as personagens vão discorrendo e que também nos fazem pensar e, algumas vezes, tomar partido, outras vezes, rejeitar. É uma escrita que não nos deixa indiferentes e que dá vontade de ler mais. E essa é outra boa surpresa destes romances. Apesar de se encontrarem linhas mestras que se repetem (a presença de referências à literatura, à arte e ao amor), este autor consegue ser sempre diferente nas abordagens. No entanto, destacaria um tema impossível de não notar na sua escrita: o amor por e o conhecimento de música. O seu primeiro romance, Quatro últimas canções (1987), é construído ao som das composições homónimas de Richard Strauss e eu aconselho o/a leitor/a a fazer o exercício – e verá que é um prazer – de ouvir estas peças antes, durante e/ou depois de ler o livro. Descrever uma música não é fácil, pois os sons apelam a sentimentos e estes são o que mais individualizado existe. Mas Vasco Graça Moura consegue com mestria fazer aquilo a

Vasco Graça Moura, personagem polifacetada da Cultura que eu chamaria uma écfrase musical (por extensão do significado de écfrase – descrição de uma pintura). Apresento um pequeno exemplo, retirado do livro de contos Morte no Retrovisor (que tem como subtítulo o nome que dei a esta crónica. E não, não é um livro policial, apesar do nome fazer pensar nesse género): «O acordeão sustentava algumas notas, fazia tremoli e glissandi noutras, retomava a melodia num rodopio, enriquecendo-a de acordes a coincidirem com os tempos fortes marcados pela guitarra e pelo contrabaixo, enquanto a voz do cantor se entregava a melismas convencionais e quase segregados numa toada a ressumar transes de paixão, nostalgia rioplatina e engates de putas melancólicas» (p.170). Nas suas palavras, até um ressonar (do deputado Araújo, personagem secundária de Quatro Últimas Canções), durante um concerto, tem graça: «o seu ressonar, a princípio um fino zumbido de besouro no cio, e depois, adequadamente ao contexto, um espesso contrabaixo em merencórias surdinas (…), estertores súbitos de motor a gasóleo em fase de arranque e velas sujas.» Como não vou poder falar de todos

os seus romances, vou destacar apenas mais dois: A Morte de Ninguém (1998) e Naufrágio de Sepúlveda (1988). A Morte de Ninguém começa e termina com uma carta sobre uns escritos de um falecido professor. No centro, a narrativa desenvolve-se na primeira pessoa, sendo este professor a personagem que narra e conta duas outras histórias a um interlocutor que nunca aparece. Na verdade, estamos perante um monólogo, mas a estrutura variada das histórias contadas não o dá a entender, pois intercala a correspondência de um seu irmão (que esteve na guerra de África) com uma amiga (mais uma conhecida) que vivia nos EUA, com os seus apontamentos sobre um espião inglês na 2ª Guerra, em Lisboa. As duas histórias, tão diferentes, vão-se cruzando nas memórias e palavras do narrador, que de uma salta para a outra, por fios que só ele tão bem sabe entrelaçar. Pelo Naufrágio de Sepúlveda tenho um carinho especial, por ter sido o primeiro livro que li de Graça Moura. Na altura, tinha acabado de ler a História Trágico-Marítima (relações de naufrágios do séc. XVI e

XVII, compiladas por Bernardo Gomes de Brito, no séc. XVIII) e a história do capitão Manuel de Sousa Sepúlveda e de sua mulher Leonor estava ainda fresca na minha memória. O que penso do livro é descrito pelo próprio narrador (um diretor da Imprensa Nacional-Casa da Moeda e, também ele, político e escritor, tal como), no final, quando descreve uma conversa que teve com a sua editora: «Disse-lhe que ainda tencionava escrever um texto ondulante de tempos encadeados sem costuras nem pausas, como um músculo de mar cujas vagas cinzentas continuamente trariam à praia um latido remoto, golfadas de figuras, espumas, fragmentos, ventos, sons, enlaçados nas algas, encalhados na rebentação, deixados à vista da ressaca ao longo das páginas, como detritos, seixos, acidentes nos declives de um areal em que a água, ao retirar-se, dividida por eles, fizesse represas de memórias, músicas, vozes, e que tudo isto se tornaria num fluxo e refluxo incessante sob a chuva, sob cortinas de chuva a desabarem ao longo de todo o texto. E será um romance?, perguntou ela. Tudo é ficção, respondi.» Boas Festas, com muito boas leituras!


Cultura.Sul

07.12.2012

 11

património

••Vivências no Algarve - PAtrimónio Cultural imaterial

A Pessoa e o Património Cultural – uma reflexão fotos:

Artur

de jesus

embarcações com o limo eram descarregadas em terra e as mulheres ajudavam nas tarefas seguintes: “… levavam-no em canastras e cestos, e depois punham-no a secar nos montes e nos cerros”. O trabalho era cuidadoso, pois o limo tinha de secar totalmente. Depois eram feitos fardos, pesados e comprados. “A vida começou a melhorar para algumas pessoas: compraram-se terrenos, eletrodomésticos, etc”.

Artur Jorge Vieira de Jesus

Licenciado em História Câmara Municipal de Vila do Bispo

A reflexão que aqui propomos é o reconhecimento da Pessoa enquanto valor cultural. Poderá parecer absurdo, mas ao olharmos com mais atenção a nossa realidade, verificamos que, por entre o frenesim do mundo atual, ao Ser Humano é dado, normalmente, pouco valor. Cruzamo-nos com muitas pessoas diariamente, muitos circulam apressadamente, outros estão sentados em jardins, largos ou conversando em cafés, outros, ainda, jazem desprezados e isolados, de forma mais ou menos escondida. Todos nós achamos uma certa graça aos idosos, isolados, ou em grupo, que encontramos nas localidades do mundo extraurbano. Contudo, esquecemo-nos de questionar o que está por detrás de uma pele enrugada e queimada pelo sol, ou de alguns dos olhares tristes e vazios, ou até de versos que cantam e até dos seus animados jogos. É aqui que os investigadores das Ciências Sociais e Humanas (sociólogos, antropólogos, museólogos, historiadores, etc.) têm um papel fulcral. A Pessoa, numa sociedade materia-

Imagens de uma espiritualidade

Salema: uma povoação intimamente ligada ao Mar lista e desumanizada, precisa urgentemente de ser escutada. É imperativo efetuar a recolha dos seus depoimentos, das suas experiências de vida, do seu saber que é único, enriquecedor e que não se encontra em nenhuma das mais apetrechadas bibliotecas ou arquivos deste planeta. Desprezar essas fontes vivas de conhecimento é atirar para o terrível abismo da ignorância séculos de história e de memória coletivas e isso, especialmente num país tão culturalmente rico como é o

nosso, é uma tragédia. As Pessoas já não nos poderão ser úteis depois de partirem. No caso que apresentamos em seguida, a principal protagonista já não se encontra entre nós, mas foi possível ouvir o que nos quis transmitir atempadamente. A Praia da Salema, em Vila do Bispo Se não nos tivéssemos norteado pela ideia do valor da Pessoa e não

destaque

O Campo: um valor complementar “CONCERTO DE NATAL” 16 DEZ | 16.00 | Igreja de São Pedro do Mar - Quarteira A Orquestra do Algarve apresenta um reportório com algumas surpresas. Samuel Coleridge-Taylor, Berlioz, Rimsky-Korsakov, J.S. Bach, Prokofiev, entre outros, são os compositores que protagonizam este programa

lhe dedicássemos parte do nosso tempo livre, por exemplo, num serão na casa da Sra. Madalena de Jesus, habitante da Salema, então com 80 anos, realizado a 02.06.2007, na companhia da sua filha e genro, provavelmente, nunca saberíamos alguns pormenores relevantes. Se naturalmente não é nenhuma novidade que as origens da localidade estão relacionadas com a atividade piscatória - o tempo das Armações -, tendo-se estabelecido na zona famílias vindas de Quarteira, Albufeira e Alvor, por exemplo, o facto é que nem só da pesca viveu a Salema: “Tudo tinha bocadinhos de terra para semear umas favas, umas ervilhas para comer” e quem “…não tinha campo e tinha muitos filhos, era muita dificuldade. Muitos casais tinham seis e sete filhos e para se sustentarem iam às lapas, aos mexilhões para vender ou para trocar por figos (torrados) para os filhos”. Recordou-se que antes da chegada do Turismo “…o que começou a melhorar a aldeia foi o limo”. Ou seja, a apanha do limo, atividade dura que trouxe alguma prosperidade. Segundo o seu genro, José Modesto da Luz Correia, com 59 anos, o limo “Servia para os medicamentos e para a cosmética, basicamente. Era uma atividade arriscada. As pessoas dirigiam-se para as Furnas e Ponta da Torre muitas vezes com mau tempo. Era o ouro-negro naquela altura”, lembrou. As

Nesta arca de memórias que tivemos a felicidade de abrir, ficámos a saber, também, algumas referências respeitantes à vivência espiritual das pessoas. Segundo a filha da D.ª Madalena, Maria Margarida Correia (57 anos), o facto de na Salema não existir nenhuma igreja tornava difícil a ligação dos locais com a religião: “Ia-se à igreja a Budens”. Recordou que com o aparecimento da “…Casa dos Pescadores houve mais cuidado nesse âmbito. Ensinava-se religião e moral. A professora Maria Helena Águas (de Lagos) foi muito importante…”, promovendo “…muitas iniciativas”. E, assim, começou a vir um padre à escola (atual Clube da Salema) celebrar missa”. Existiam “crenças” e “havia um senhor que vendia quadros e imagens nas ruas e as pessoas compravam-lhe. Alguns herdaram pequenos oratórios de família, mas isso não era muito frequente. A aquisição de uma imagem era uma atitude considerada religiosa”. Mãe e filha recordaram, ainda, a importância do culto de N.ª Sra. de Guadalupe: “Chegaram a haver deslocações a pé para pedir água à senhora em períodos de seca. Várias vezes”. Na Salema: “A iniciativa era da Sra. Castanheira, que organizava a procissão e iam à Guadalupe pedir água para as colheitas…”. Estes são apenas alguns dos extraordinários fragmentos da nossa memória e cultura locais que estão guardados numa Pessoa. E aqui fica o desafio: porque não começarmos nas nossas próprias casas o registo destas memórias?

“O MEU OLHAR FOTOGRÁFICO” Até 31 JAN | Casa do Despacho da Igreja da Misericórdia de Tavira Geraldo de Jesus expõe 150 fotografias e apresenta temas como: idosos; pessoas diferentes, mas iguais; património; desporto; rostos; um modo diferente de usar a máquina fotográfica sob o olhar atento do autor


12

Cultura.Sul

07.12.2012

Lugares Mágicos marca a diferença no acesso à Cultura

Projecto pretende levar a Cultura às classes mais desfavorecidas Há projectos assim, que respiram envolvimento, dedicação, enlevo no criar e no fazer, no pensar e no agir. Os “Lugares Mágicos”, projecto de educação artística e patrimonial da Direcção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg), em parceria com o Atelier Educativo, é um caso destes, especial. Sexta-feira da passada semana a Biblioteca Municipal de Faro foi o palco escolhido para receber o fórum de debate “Mesas em palco”, que analisou o trabalho desenvolvido nas duas edições (2010 e 2012) deste projecto singular que pretende levar a Cultura até às franjas mais desfavorecidas da sociedade algarvia, em particular às crianças e jovens institucionalizados. Os trabalhos que se prolongaram ao longo do dia deram prova da entrega de artistas, instituições e seus profissionais e dos inúmeros agentes que, lado-a-lado com a DRCAlg e com o Atelier Educativo, souberam levar a bom porto este ambicioso projecto de divulgação cultural. Ambicioso porque raro, como reconheceu Teresa Ricou, líder do projecto Chapitô, convidada a participar no último painel do dia e que se surpreendeu com a latitude da iniciativa e com a sua importância para uma maior igualdade de acesso à Cultura. Ambicioso, também, porque o sonho não tem limites quando a vontade ultrapassa

as fronteiras das resistências e, em resumo, vencedor face aos resultados apresentados pelos agentes envolvidos. Ouvir falar de como uma criança isolada se liberta das amarras dos seus ‘medos e contigências’ e regressa ao convívio com o outro, de como a rebeldia e a revolta se calam, sem se perderem no que delas deve existir em cada jovem, e ganham forma de armas maiores para o desenvolvimento sócio-cultural de cada um, surpreende. É disso mesmo que se trata, quando se fala dos Lugares Mágicos, é dessa magia de tornar a dificuldade mais-valia que se discorre e é nessa ambição que se trabalha. Pintores, fotógrafos, ceramistas, arqueólogos, museólogos e artistas e profissionais desse imenso mundo que é a Cultura assumem o papel chave face a quem mais importa no projecto, as crianças e jovens, numa união que se apresenta rara e que só peca

por não ser universal. A discriminação positiva no acesso à Cultura é aqui a arma de arremesso para quebrar o fosso entre quem está institucionalizado e o mundo cultural, e por via disso a pedra de toque de mais uma estratégia de integração. Inestimável arma que se entende positiva mas que, necessariamente, deveria tornar-se também estratégia definida para os públicos jovens em geral. As técnicas e abordagens utilizadas com mestria por quem estabelece a ponte entre a Cultura e os jovens neste projecto, nunca seriam de somenos importância se se generalizassem, pese embora o reconhecimento do esforço que para tal seria necessário. Não obstante o grande esforço seria aqui um ‘menor trabalho’ face à importância que consubstancia a garantia pró-activa do acesso geral daqueles que constituem o nosso futuro à Cultura. Ricardo Claro

pub

Real Marina Hotel & Spa

Criamos momentos únicos para si Real Marina Hotel & Spa - Olhão Info e reservas Spa: 289 091 310 - spa @realmarina.com


Cultura.Sul52  

Novo editor, nova dinâmica, por Henrique Freire » Reformar o pensamento, por Elsa Parreira » ESPAÇO CRIA: Inovar Algarve valorize conhecimen...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you