Issuu on Google+

Recortes nº 149 Índice – 5 de Agosto de 2011 • Alerta para mar de calhaus na Arrábida • Maravilha natural é hoje um amontoado de calhaus • APL implementa plataforma de virtualização • Capacidade mundial de contentores aumenta 10% • Secretário de Estado do Mar assinala adjudicação do terminal de cruzeiros de Leixões • Cerimónia assinalada pelo Secretário de Estado do Mar • «Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano» • Leixões prepara bilhete único para viajar de cruzeiro e avião

1


Diário de Notícias – 4 de Agosto de 2011 – Pág. 20

2


Jornal de Notícias – 5 de Agosto de 2011 – Pág. 25

3


Logística Moderna – Junho de 2011 – Pág. 21

4


Newsletter APP – 4 de Agosto de 2011

Capacidade mundial de contentores aumenta 10% A capacidade mundial de contentores aumentou 10% nos últimos doze meses, tendo ultrapassado a procura de cargas registadas. As transportadoras aumentaram suas capacidades em todas as rotas, com destaque para a América do Sul e África, que registaram o maior aumento, noticia a revista Conexão Marítima de acordo com os dados da Alphaliner, empresa analista da indústria marítima. A frota no ativo a nível mundial chegou a 14,95 milhões de teus na passada segunda feira, o que representa um aumento de 1,33 milhão de teus em comparação com os valores de 2010.

5


Newsletter APP – 5 de Agosto de 2011

Secretário de Estado do Mar assinala adjudicação do terminal de cruzeiros de Leixões O Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, vai realizar hoje, às 12 horas, a sua primeira visita oficial ao porto de Leixões assinalando a adjudicação da construção do edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões e Parque de Ciência e Tecnologia do Mar, uma obra orçada em 25 milhões de euros e co-financiada pelo Programa Operacional Regional do Norte. Concluída a primeira fase do projeto com a inauguração do novo Cais de Cruzeiros, que permitiu o aumento do número de navios de cruzeiros com escala no porto de Leixões, dá-se agora início à segunda fase do Terminal de Cruzeiros de Leixões com a construção do edifício que irá acolher a Estação de Passageiros e espaços de investigação e divulgação científica da Universidade do Porto, no âmbito do projecto do Parque de Ciência e Tecnologia do Mar. Reforçando a aposta estratégica de Portugal no Mar, o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar é uma parceria entre a APDL, a Câmara Municipal de Matosinhos e a Universidade do Porto dedicada à exploração do potencial científico e económico do Mar. Encerrado o concurso público internacional, a empreitada de construção do edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões será adjudicada ao consórcio constituído pelas empresas OPWAY, Engenharia SA e Ferreira - Construção SA, por 24,85 milhões de euros (o valor base era de 28,85 milhões) e um prazo de construção de 24 meses. Após uma reunião de trabalho com a Administração dos Portos do Douro e Leixões, o Secretário do Estado do Mar fará uma breve visita às instalações do Porto que culminará no local do futuro edifício (Molhe Sul do porto de Leixões, Matosinhos). Será aí, pelo meio-dia, que Manuel Pinto de Abreu irá assinalar a adjudicação da empreitada, numa cerimónia que contará ainda com a presença do presidente da APDL, João Pedro Matos Fernandes, e o reitor da Universidade do Porto, José Marques dos Santos.

6


Newsletter APP – 4 de Agosto de 2011

HOJE | ADJUDICAÇÃO DO TERMINAL DE CRUZEIROS DE LEIXÕES E PARQUE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MAR

Cerimónia assinalada pelo Secretário de Estado do Mar Às 12 horas de hoje, dia 5 de Agosto, o Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, vai realizar a sua primeira visita oficial ao Porto de Leixões assinalando a adjudicação da construção do edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões e Parque de Ciência e Tecnologia do Mar, uma obra orçada em 25 milhões de euros e co-financiada pelo Programa Operacional Regional do Norte. Concluída a primeira fase do projecto com a inauguração do novo Cais de Cruzeiros, que permitiu o aumento do número de navios de cruzeiros com escala no Porto de Leixões, dá-se agora início à segunda fase do Terminal de Cruzeiros de Leixões com a construção do edifício que irá acolher a Estação de Passageiros e espaços de investigação e divulgação científica da Universidade do Porto, no âmbito do projecto do Parque de Ciência e Tecnologia do Mar. Reforçando a aposta estratégica de Portugal no Mar, o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar é uma parceria entre a APDL, a Câmara Municipal de Matosinhos e a Universidade do Porto dedicada à exploração do potencial científico e económico do Mar. Encerrado o concurso público internacional, a empreitada de construção do edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões será adjudicada ao consórcio constituído pelas empresas OPWAY, Engenharia SA e Ferreira – Construção SA, por 24,85 milhões de euros (o valor base era de 28,85 milhões) e um prazo de construção de 24 meses. Após uma reunião de trabalho com a Administração dos Portos do Douro e Leixões, o Secretário do Estado do Mar fará uma breve visita às instalações do Porto que culminará no local do futuro edifício (Molhe Sul do porto de Leixões, Matosinhos). Será aí, pelo meio-dia, que Manuel Pinto de Abreu irá assinalar a adjudicação da empreitada, numa cerimónia que contará ainda com a presença do presidente da APDL, João Pedro Matos Fernandes, e o reitor da Universidade do Porto, José Marques dos Santos. Por questões de segurança, os jornalistas que desejem fazer a cobertura da cerimónia terão de ser previamente credenciados, pelo e-mail imprensa@apdl.pt, com indicação de nome e número de Bilhete de Identidade de cada um dos profissionais que estarão presentes. Os jornalistas que se dirigirem ao Porto de Leixões de automóvel próprio devem entrar pela portaria por baixo da Ponte Móvel, em Matosinhos, onde serão encaminhados para o novo Cais de Cruzeiros. Os que se dirigirem a pé, podem entrar pelo portão do Molhe Sul,

7


junto à Praia de Matosinhos, onde têm um autocarro que os leva ao Cais, uma vez que, por questões de segurança, não é permitida a deslocação a pé naquele local. Mais informações: 22 999 07 00 - imprensa@portodeleixoes.pt

8


Newsletter APP – 5 de Agosto de 2011

MANUEL PINTO DE ABREU:

«Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano» Pela sua pertinência, também pelo facto do, ao tempo, responsável pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental, desempenhar actualmente as funções de Secretário de Estado do Mar, reproduzimos entrevista concedida por Manuel Pinto de Abreu ao "Diário Económico" em Maio de 2010. O responsável pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental garante que os dividendos após eventual decisão positiva da ONU são enormes, sobretudo em áreas como a da biotecnologia azul. Manuel Pinto Abreu garante também que uma vez demonstrada a viabilidade económica da extracção de recursos não-vivos "será certa a existência dos meios financeiros que tornem a exploração possível". Quando saberemos se a expansão da plataforma continental é aprovada pela ONU? A experiência até agora adquirida na avaliação e aprovação das recomendações pela Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) demonstrou que o processo decorre em ritmo lento. Portugal ocupa a 44ª posição na lista dos países que já entregaram as respectivas submissões. Considerando que o procedimento da CLPC não será alterado, mas tendo em conta as especificidades das submissões, a avaliação da proposta portuguesa poderá ocorrer no mandato da 4ª Comissão (2012-2017), a partir de 2015, ou mais cedo se entretanto os Estados-parte da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) decidirem alterar o actual procedimento da Comissão. Admitindo a nomeação da subcomissão em 2015, a aprovação de recomendações pela Comissão para o projecto de Portugal poderá ocorrer em 2018. Após a aprovação das recomendações terá ainda que ser levada a cabo a consagração dos limites da plataforma continental no direito interno português e a entrega dos documentos cartográficos adequados ao Secretário-geral das Nações Unidas. Quanto vale para Portugal a extensão da plataforma continental em milhões de euros? O valor da plataforma continental estendida de Portugal não pode ser estimado, à luz do conhecimento actual. Pode, no entanto, fazer-se uma avaliação do potencial tendo em conta os dados publicados da actividade económica em curso e que foi entretanto tornada pública. Entre tais elementos está o investimento de cerca de oito milhões de euros pelo Natural Environment Research Council (NERC), em biotecnologia azul em 2006, e cujo retorno esperado a 25 anos é de 1,1 mil milhões de euros; o volume de vendas, em 2006 cerca de 795 milhões de euros, de agentes anti-cancerígenos derivados de organismos marinhos; o volume de vendas, em 2006, de uma conhecida pomada para o tratamento do herpes labial num total de 191 milhões de euros. A actividade de preparação para exploração submarina de recursos minerais metálicos está já a ser levada a cabo, por exemplo, em áreas concessionadas pela International Seabed Authority (ISA) no Oceano Pacífico em profundidades entre os 1.500 e os 2.000 metros. Por último tem que ser mencionado o valor, não quantificável, que o conhecimento científico acumulado e a sabedoria criada sobre o oceano profundo estão já a permitir concretizar através de acções únicas a nível mundial no quadro da protecção e preservação ambiental, nomeadamente através da criação de áreas marinhas protegidas. As iniciativas que Portugal tem promovido neste âmbito são hoje exemplo de boas práticas e de comportamento exemplar. Quantos quilómetros quadrados e milhas inclui esta extensão? A proposta de extensão da plataforma continental de Portugal cobre, actualmente, uma área total de cerca de 2.150.000 quilómetros quadrados. O limite exterior da plataforma continental estendese em longitude por cerca de mil e quatrocentas milhas (2.600 quilómetros), e por cerca de mil e trezentas milhas em latitude (2.400 quilómetros).

9


Jornal de Notícias – 5 de Agosto de 2011 – Pág. 5

10


Recortes Nº149 de 2011