Issuu on Google+

Recortes nº 080 Índice – 28 de Abril de 2011 Porto de Setúbal cresceu 7,4% no primeiro trimestre Porto de Setúbal: Ro-Ro cresce 14,8% no primeiro trimestre Novo cais de cruzeiros – Porto de Leixões propõe a sua abertura à cidade Esta sexta-feira, dia 29 – Leixões debate intermodalidade ferro-marítima Operadores logísticos portugueses vêem maior crescimento no sector marítimo Grandes barcos passam ao largo da crise que está a afundar os pequenos


Transportes em Revista – 21 de Abril de 2011

Média mensal de 577 mil toneladas

Porto de Setúbal cresceu 7,4% no primeiro trimestre

O porto de Setúbal movimentou 1,7 milhões de toneladas no primeiro trimestre deste ano, o que correspondeu a um aumento de 7,4 por cento relativamente a período homólogo de 2010. A média mensal do trimestre cifrou-se em 577 mil toneladas, superando a de igual período em 2010, de 537 mil toneladas, ano em que foi batido o recorde absoluto de carga movimentada no porto. As exportações explicam o bom desempenho do porto de Setúbal, nomeadamente a carga contentorizada pela Portucel, concentrado de cobre, veículos da Autoeuropa e cimento ensacado. por: Carlos Moura


Cargo News – 27 de Abril de 2011

Porto de Setúbal: Ro-Ro cresce 14,8% no primeiro trimestre O porto de Setúbal registou um crescimento de 14,8% no tráfego de viaturas no primeiro trimestre de 2011, em comparação com igual período de 2010. No total, foram movimentadas 43,6 mil viaturas, mais 5,6 mil em relação a 2010, sendo que 57,2% desse número correspondem a viaturas exportadas. O bom registo das exportações do segmento no trimestre deve-se em grande parte ao movimento de viaturas fabricadas na Autoeuropa, com 24,5 mil viaturas, mais 53% que no trimestre homólogo de 2010. O Terminal Ro-Ro foi o que mais cresceu neste período, atingindo as 38,8 mil viaturas movimentadas, o que significou um aumento de 28,7%.


Newsletter APP – 26 de Abril de 2011

NOVO CAIS DE CRUZEIROS

Porto de Leixões propõe a sua abertura à cidade A obra apoia-se num conceito de rótula, em que se procura condensar num ponto todas as dinâmicas presentes no local. O que começou como um mero esquiço rapidamente começou a ganhar forma. Funcionalmente, pretende-se uma infraestrutura capaz de exercer as funções portuárias mas que ao mesmo tempo seja uma porta aberta tanto para quem chega de fora, mas também para quem é de cá… o Porto de Douro e Leixões propõe, dentro de parâmetros bem definidos, a sua abertura à cidade.


Newsletter APP – 26 de Abril de 2011 ESTA SEXTA-FEIRA, DIA 29

Leixões debate intermodalidade ferro-marítima “A intermodalidade ferro-marítima: oportunidades de melhoria” é o tema do Seminário que o Projecto Intermodalidade E-80 promove no porto de Leixões na próxima sexta-feira. O encontro é o primeiro seminário promovido pelo Grupo Trabalho 4 do projecto promovido pela Zaldeza, APDL e APA e apoiado pelo Marco Polo II, enquanto acção de aprendizagem comum. Jorge Sarrafana, consultor, é o orador convidado, cabendo-lhe apresentar o que, em seu entender, poderá ser melhorado para favorecer a integração dos modos ferroviário e marítimo no encaminhamento das mercadorias. João Pedro Braga da Cruz, director de obras e equipamentos da APDL, será o moderador do debate em que – espera a organização – participarão operadores portuários, operadores logísticos, operadores ferroviários, armadores e agentes de navegação, carregadores e transitários, entre outros. A intermodalidade ferro-marítima é uma das chaves para o alargamento da área de influência dos portos e para o descongestionamento dos eixos rodoviários como é o caso do E-80, o eixo que dá o nome ao projecto promovido pelos portos de Leixões e Aveiro e pela plataforma logística de Salamanca. No caso, a ligação dos portos de Leixões e de Aveiro (esta mais recente) à rede ferroviária nacional e, através dela, à rede espanhola é uma das condições para criar uma alternativa à rodovia mas também para favorecer o desenvolvimento das trocas comerciais e das cadeias logísticas de carregadores dos dois lados da fronteira ibérica. O seminário decorrerá apenas durante a manhã de sexta-feira. Os interessados poderão ainda inscrever-se (sem custos) junto da APDL.


Cargo News – 27 de Abril de 2011

Operadores logísticos portugueses veem maior crescimento no setor marítimo Apesar de o transporte rodoviário ser o modo de transporte mais utilizado pela esmagadora maioria dos operadores logísticos em Portugal, um inquérito às empresas do setor conduzido pela consultora imobiliária Cushman & Wakefield, em associação com a revista Logística Moderna revela que o crescimento do transporte marítimo é o que reúne maior consenso, com cerca de 74% dos votos dos inquiridos. No caso do transporte marítimo, os inquiridos afirmam que os recursos e infraestruturas estão subaproveitados e pouco rentabilizados, tendo em conta a localização privilegiada e as condições naturais de que Portugal dispõe. Há mesmo quem diga que o investimento neste setor "só peca por tardio, fruto da falta de capacidade empreendedora não só dos governantes". No que diz respeito ao transporte ferroviário, cerca de 62% dos participantes creem na existência de espaço para o crescimento deste modo de transporte em Portugal. A materialização do papel de Portugal como porta de entrada de mercadorias para a Europa, potenciada pelo crescimento do transporte marítimo, é um dos fatores fundamentais para o crescimento do transporte ferroviário, segundo os operadores. O Ranking dos Operadores Logísticos revela ainda que as 76 empresas inquiridas ocupam uma área média de 11 mil metros quadrados, tendo os armazéns uma idade média de 10 anos. Verifica-se uma forte internacionalização dos operadores, com 41% das empresas com capitais maioritariamente estrangeiros. Em termos de espaço, há uma concentração de 82% na região da Grande Lisboa, especialmente na zona considerada prime da Grande Lisboa, o Eixo Alverca Azambuja, que conta com cerca de 300 mil metros quadrados de espaço ocupado.


Jornal de Negócios – 28 de Abril de 2011 – Pág. 24


Recortes Nº080 de 2011