Page 1

www.fab.mil.br

Ano XL

Nº 3

Março, 2017

ISSN 1518-8558

Garantia da Lei e da Ordem

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

FAB emprega infantaria, meios aéreos e apoio logístico em ações de GLO pelo Brasil (Págs. 8 e 9)

REESTRUTURAÇÃO

DIA DA MULHER

ESPECIALISTAS

Veja as vantagens da segmentação entre preparo e emprego (Pág. 7)

FAB tem a primeira passagem de comando entre mulheres (Pág. 4)

Saiba as curiosidades da maior escola técnica da América do Sul (Pág. 10)


2

Março - 2017

CARTA AO LEITOR

Uma Força Aérea cada vez mais atual Nesta edição do NOTAER apresentamos a conclusão do importante processo de implantação das Alas, organizações-chave para o aprimoramento operacional da FAB, dentro da sua reestruturação. Aprimoramento esse que será planejado e controlado pelo recém-criado Comando de Preparo. As atividades dessa unidade também encontram destaque em nossas páginas. Considerando a relevância de se conhecer e entender todo esse processo, já poderíamos afirmar que este é um exemplar a ser lido, relido e até mesmo guardado. Mas ainda há muito mais a ser visto. Assunto em voga em todos os jornais e no dia a dia da FAB, a tão falada “previdência dos

militares”, termo incorreto para o tema já que na verdade dispomos é de um “sistema de proteção social”, é um dos temas abordados nesta publicação. E é por meio das palavras do nosso Comandante, Tenente-Brigadeiro Rossato, que podemos comprovar que o Comando da Aeronáutica está atento aos anseios da tropa e buscará mantê-la informada, no menor tempo possível, sobre todos os desdobramentos a respeito do assunto. Acompanhem nossas mídias sociais e nosso site, leiam e compartilhem com familiares e amigos. O entendimento da realidade que vivemos por toda a sociedade é parte importante desse processo. E a operacionalidade da FAB também é destaque no infor-

Expediente mativo deste mês. Praticamente três anos depois, retornamos ao Chile para ajudar nossos amigos em mais uma série de terríveis incêndios que assolavam o país. Estabelecendo um recorde para esse tipo de missão, a tripulação do 1º GTT voou nada menos que 48 missões em apenas dez dias, lançando mais de 500 mil litros d´água sobre território chileno a fim de amainar o sofrimento dos nossos amigos. Realmente os recursos humanos de que dispomos são motivo de muito orgulho para nós. Em todas as áreas de atuação, a FAB se destaca pela capacidade de seus integrantes. E como se diz por aí que “a educação vem de berço”, rendemos aqui nossas homenagens às duas das nossas maiores escolas de formação: AFA e EEAR. Ao comemorar seus aniversários, estejam certas de que toda a FAB lhes é muito grata pelos

cerca de 80 mil profissionais de gabarito formados. Mas não poderíamos encerrar sem falar nelas... sim, elas, as mulheres da FAB! Afinal de contas, justamente no mês em que comemoramos o Dia da Mulher, quis o destino que nesta edição pudéssemos noticiar a primeira passagem de comando entre duas mulheres, ocorrida na Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes. Parabéns a essas precursoras e a tantas outras que compõem um seleto grupo de quase 16% de todo o efetivo da FAB e abrilhantam o nosso dia a dia com sua graça e profissionalismo. Aproveitem a leitura! Coronel Aviador Antonio Ramirez Lorenzo Chefe do Cecomsaer

O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno. Chefe do CECOMSAER: Coronel Aviador Antonio Ramirez Lorenzo. Vice-Chefe do CECOMSAER: Coronel Aviador Flávio Eduardo Mendonça Tarraf. Chefe da Divisão de Comunicação Integrada: Coronel Aviador José Frederico Júnior. Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação: Tenente-Coronel Aviador Rodrigo José Fontes de Almeida. Editoras: Tenentes Jornalistas Emília Maria (MTB 14234RS) e Evellyn Abelha (MTE 973MS). Colaboradores: textos enviados ao CECOMSAER via Sistema Kataná. Diagramação e Arte: Tenente Longo, Suboficial Ramos, Sargentos Linares, Lucemberg, Polyana, Ednaldo e Cabos M. Gomes e Pedro. Tiragem: 18.000 exemplares. Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” 7º andar CEP - 70045-900 / Brasília - DF

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

Ataque de Phishing Todos os dias, milhões de pessoas são alvo da atividade de “cibercriminosos”. A famigerada pescaria de informações pessoais é considerada uma das atividades ilegais mais presentes no meio digital. É o chamado Phishing. O termo Phishing é uma derivação da palavra Fishing que vem do inglês e significa pescaria. É uma técnica de Engenharia Social que, como o nome sugere, deseja obter/pescar seus dados pessoais. Os Phishers (pescadores) se utilizam de diversos meios de ataque: e-mails, mensagens SMS, páginas Web falsas. Um tipo mais específico de Phishing é o chamado Spear Phishing. Nesta modalidade, o

criminoso realiza um reconhecimento de seus alvos para que seu ataque seja personalizado. Desta maneira, em vez de enviar um mesmo e-mail para milhares de pessoas, o Phisher pode usar o nome do alvo, um fato da vida privada ou até mesmo o nome de algum parente ou conhecido. Dados facilmente obtidos em redes sociais. Isso aumenta a confiança de que o e-mail enviado é autêntico. Neste tipo de ataque, geralmente é pedido algum dado pessoal do alvo. Senha de banco, senha de acesso a algum serviço on-line (e-mail, facebook, etc), número de cartão de crédito ou até mesmo que baixe algum arquivo em anexo. Para

conseguir esses dados, o e-mail vem com promoções exageradas ou atualização de dados bancários, com o adicional de sugerir a ideia de urgência para evitar o bloqueio ou cancelamento da conta. Atualmente, vem aumentando a prática do envio de mensagens SMS contendo endereços maliciosos disfarçados de endereços autênticos. É o chamado SMiShing. A história é quase sempre a de que seus dados estão desatualizados e que você precisa acessar a URL enviada para atualizá-los. Quando a vítima acessa o link, é redirecionada para uma página falsa idêntica à original e nesse momento os dados são

roubados. Para não cair nesses golpes, é preciso criar bons hábitos no ambiente cibernético. Não responder links enviados por e-mail ou SMS sem que tenham sido solicitados, não abrir anexos contidos em e-mail que não foi solicitado, não fornecer dados confidenciais a ninguém, verificar as URL enviadas bem como os remetentes de e-mails. Dessa forma, é preciso estar atento e alerta para os sinais que indicam a farsa. Novos métodos de obter informações pessoais surgem a todo momento, estar atualizado ajuda a manter o nível de consciência situacional elevado. (Centro de Inteligência da Aeronáutica - CIAER)

Impressão e Acabamento: Viva Bureau e Editora


Março - 2017

3

FOTO: SGT BRUNO BATISTA / CECOMSAER

PALAVRAS DO COMANDANTE

Proteção social dos militares TENENTE-BRIGADEIRO DO AR NIVALDO LUIZ ROSSATO

COMANDANTE DA AERONÁUTICA

Nos últimos tempos, o nosso País vem passando por reformas em vários segmentos. Um deles se refere à previdência social que está sendo associada equivocadamente ao sistema de proteção social dos militares. Atentos às movimentações que ocorrem no Congresso Nacional, posso afirmar que o assunto está sendo tratado com a máxima seriedade, não apenas pelas Forças Armadas, mas também pelo nosso Ministro Raul Jungmann. Existem estudos sobre o tema dentro do Ministério

da Defesa e que serão oportunamente apresentados. A carreira militar exige uma dedicação total e incondicional, com um esforço físico diferenciado e execução de missões de alto risco por parcela significativa do efetivo. Por essas e diversas outras razões, acredito que os militares devam ter um sistema de proteção diferenciado de outras categorias. Os comandos militares, em coordenação direta com o Ministério da Defesa, têm trabalhado ininterrupta-

mente para esclarecer setores do Governo Federal, do Legislativo, do Judiciário, da imprensa e de qualquer outro ator social envolvido sobre a questão da proteção social dos militares. Por isso, eu gostaria de passar a todo o efetivo da FAB a mensagem de que estamos atentos aos seus anseios e que criamos um grupo de acompanhamento do tema “Sistema de Proteção Social dos Militares”. Os integrantes da Força Aérea Brasileira podem ter certeza de que

dedicamos especial atenção ao assunto. Nosso Alto-Comando está comprometido em demonstrar as razões da manutenção do sistema de proteção social dos militares que tanto se empenham pelos interesses da Nação. E por falar em empenho e dedicação ao Brasil, neste mês de março não poderia deixar de destacar o incansável trabalho de nossos Especialistas de Aeronáutica. São homens e mulheres que dão o suporte indispensável para que a FAB possa manter a soberania

do espaço aéreo e integrar o território nacional, com vistas à defesa da Pátria – nossa honrosa missão. Seja em solo ou a bordo das aeronaves, no Brasil ou fora dele, saibam que toda a Força Aérea se orgulha do profissionalismo dos senhores. A seriedade com a qual desempenham a missão que lhes foi confiada eleva o nome dos Especialistas a um patamar de respeito e admiração. Parabenizo cada um dos senhores e senhoras e contamos com a força dos Especialistas para uma FAB cada vez melhor.


4

Março - 2017 FOTO: CGABEG

DIA DAS MULHERES

De mulher para mulher Pela primeira vez, FAB realiza passagem de comando entre mulheres Ten JOR João Elias O dia dois de fevereiro de 2017 ficou marcado como a data de mais uma conquista das mulheres na Força Aérea Brasileira (FAB). Pela primeira vez na história da instituição, uma mulher passou o comando de uma unidade para outra mulher. A Coronel Médica Carla Lyrio Martins, primeira mulher a dirigir uma organização militar na FAB, passou o cargo de diretora da Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes (CGABEG), no Rio de Janeiro, para a Coronel Médica Eliane de Melo Perez. “É uma honra participar desse momento em que se realiza a primeira passagem

de direção entre duas mulheres; a CGABEG é um orgulho para a Força e para o Sistema de Saúde, e a Coronel Carla conseguiu, com competência e eficiência, elevar a qualidade dos serviços prestados”, ressaltou o Major-Brigadeiro Médico Armando Celente Soares, Diretor de Saúde da Aeronáutica, que presidiu o ato de passagem durante a cerimônia de transmissão de cargo. A Coronel Carla permaneceu dois anos no comando da casa gerontológica. “Idosos serão um grande desafio para a sociedade e é muito importante ter espaços como a CGABEG para garantir o bem estar dessas pessoas”, afirmou a Coronel que foi designada para o

Mulheres no comando

Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG). A nova diretora ingressou na FAB em 1990 e foi promovida ao atual posto em agosto de 2014. Médica especialista em Anestesiologia com Pós-Graduação em Desenvolvimento Gerencial Avançado na Gestão de Serviços de Saúde, além de integrar o

corpo clínico do Hospital de Aeronáutica de São Paulo (HASP) e do Hospital de Aeronáutica dos Afonsos (HAAF), dedicou-se por 10 anos ao HFAG. “Espero continuar o excelente trabalho da gestão anterior e me sinto realizada e estimulada ao receber este novo desafio em minha carreira”, declarou.

Atualmente na FAB três mulheres são comandantes de unidades. Além da Coronel Eliane na CGABEG, a Coronel dentista Glauce Amaral Pinto Rubim tornou-se diretora da Odontoclínica de Aeronáutica Santos Dumont (OASD), também em fevereiro. E no ano passado, a Coronel Médica Katia Mello e Alvim assumiu a direção do Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE).


Março - 2017

5

INCÊNDIO NO CHILE

FAB bate recorde de missões de combate a incêndio no Chile C-130 Hércules lançou mais de 500 mil litros de água em 10 dias de operação com o sistema MAFFS (sigla em inglês de Modular Airborne Fire Fighting System). Os militares operaram a partir do aeroporto de Carriel Sur, na cidade de Talcahuano, região metropolitana de Concepción e atuaram principalmente na área de Bío-Bío.

Sistema MAFFS Tanques de água - 5 5 Tubos para lançamento - 2 Capacidade - 12.000 L Altura média de lançamento - 46 m

Esforço reconhecido A brasileira Cláudia Maria da Penha Souza, que mora no Chile há 20 anos, disse que o incêndio foi devastador e a população local estava sem esperança. “Quando vi na televisão que o Hércules viria, foi uma grande emoção, pois a sensação que tinha era de que o Chile ia desaparecer. Nunca vou esquecer que o meu País, o Brasil, veio nos socorrer”, relatou. O empresário Rafael López Faúndez ofereceu um almoço para a tripulação - que

se alimentava de ração operacional - em agradecimento ao apoio no combate ao incêndio. “Vocês chegaram como anjos para apagar o fogo e trazer esperança e alívio para nós”, disse. “As pessoas nos pararam na rua para agradecer, comentavam de algum amigo que morava perto de um foco de incêndio e nós passamos por lá e conseguimos apagar”, detalhou o Capitão Portella.

FOTO: SGT BRUNO BATISTA / CECOMSAER

Ten JOR Gabrielli Dala Vechia A Força Aérea Brasileira atingiu uma marca expressiva de sua operacionalidade ao realizar missões de combate a incêndio no Chile: em dez dias de trabalho, foram realizas 48 saídas e lançados mais de 500 mil litros de água. “Nunca realizamos essa quantidade tão elevada de saídas. Nem em atividades de formação das tripulações, tampouco em operações reais”, explicou o Capitão Rafael Portella Santos, piloto do 1º Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT). De 30 de janeiro a 8 de fevereiro, uma aeronave C-130 Hércules esteve à disposição das autoridades chilenas para auxiliar no controle do incêndio que levou o governo do país a decretar situação de emergência. A aeronave foi equipada

10 Dias de Operações 48 Saídas + de 500.000 litros de água lançados

Histórico Essa não é a primeira vez que a FAB presta auxílio ao Chile. Em janeiro de 2014, o país também solicitou ajuda ao Brasil para combater incêndios. Uma aeronave C-130 Hércules da FAB foi enviada para conter as chamas que consumiam uma área florestal nas comunas de Florida e Temuco. Cerca de 30 militares brasileiros participaram da missão.

INDÚSTRIA DE DEFESA

FAB apresenta projetos estratégicos na LAAD 2017 Evento será realizado no Rio de Janeiro entre os dias 4 e 7 de abril Ten JOR Flávio Nishimori Gripen NG, KC-390 e PESE (Programa Estratégico de Sistemas Espaciais). Esses projetos estratégicos serão as grandes atrações do estande da Força Aérea Brasileira (FAB) na LAAD Defence & Security 2017. O evento será realizado entre os dias 4 e 7 de abril, no Riocentro, no Rio de Janeiro (RJ).

Uma das grandes novidades será a interatividade. No estande institucional, de quase 200 metros quadrados, haverá três videowall (monitores) com telas de 42 polegadas onde serão exibidos os projetos da FAB. Além disso, por meio de oito totens e uma mesa interativa, os visitantes poderão conhecer vários programas desenvolvidos pela Força Aérea na área de defesa, como mísseis, bombas e veículos

lançadores, entre outros. LAAD – A feira é realizada bienalmente e reúne empresas nacionais e internacionais fornecedoras de equipamentos, serviços e tecnologias para as Forças Armadas e Forças Policiais, além de gestores de segurança de grandes corporações, concessionárias de serviços e infraestrutura crítica. A previsão é que mais de 600 expositores participem do evento. No total, o público

visitante esperado é de mais de 37 mil profissionais qualificados do segmento. “Os setores de defesa e segurança têm trabalhado de forma integrada e utilizam em suas operações as mais modernas soluções e tecnologias disponíveis. Especificamente no Brasil, que representa mais de 40% dos investimentos militares na América Latina, esses setores têm registrado crescimento nos últimos anos,

atendendo à demanda por modernização e reaparelhamento das Forças Armadas do Brasil, por meio de projetos estratégicos”, destaca Sergio Jardim, diretor geral da Clarion Events Brasil, organizadora da LAAD Defence & Security. A feira receberá 195 delegações oficiais provenientes de 85 países com destaque para Ministros de Defesa e autoridades das Forças Armadas da América Latina.


6

Março - 2017

REESTRUTURAÇÃO

Novas Alas são ativadas em todo o Brasil

D

ando continuidade ao processo de reestruturação da Força Aérea Brasileira, novas unidades operacionais foram ativadas no final de janeiro e em fevereiro. As Alas são organizações militares operativas de nível tático focadas na atividade-fim da FAB, compostas por esquadrões aéreos e pelos Grupos Logístico e de Segurança e Defesa. Veja quais unidades iniciaram suas atividades nesse período e se juntaram às Alas 1, 2, 3, 4 e 10. Em março, a FAB encerra esse processo com a ativação da Ala 7, em Boa Vista (RR).

ALA 5

Em Campo Grande (MS), foi ativada a Ala 5, com a assunção do Coronel Aviador Daniel Cavalcanti de Mendonça ao cargo de comandante da nova unidade. A estrutura abriga os esquadrões Flecha (3º/3º GAV); Onça (1º/15º GAV); e Pelicano (2º/10º GAV).

ALA 6

FOTOS: ALAS 5, 6, 8, 11 e 15

O comando da Ala 11 está a cargo do Brigadeiro do Ar Mozart de Oliveira Farias. A nova unidade está situada no Galeão, Rio de Janeiro. A Ala 11 é composta pelo Esquadrão Cascavel (1º GTT); Esquadrão Condor (1º/2º GT); Esquadrão Corsário (2º/2º GT); Esquadrão Gordo (1º/1º GT) e Esquadrão Pioneiro (3º ETA).

ALA 12

O Coronel Aviador Célio Otávio Araújo Galvão assumiu o comando da Ala 6. Localizada em Porto Velho (RO), a nova unidade possui uma unidade de caça, o Esquadrão Grifo (2º/3º GAV) e um esquadrão de helicóptero, o Poti (2º/8º GAV).

ALA 8

Com sede em Manaus, a Ala 8 é comandada pelo Major-Brigadeiro do Ar Waldeísio Ferreira Campos. A unidade é composta por quatro esquadrões aéreos: Arara (1º/9º GAV), Cobra (7º ETA), Harpia (7º/8º GAV) e Pacau (1º/4º GAV).

ALA 9

ALA 11

Em Belém (PA), foi ativada a Ala 9 sob o comando do Coronel Aviador Álvaro Marcelo Alexandre Freixo. Três unidades aéreas operam na organização: o Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), o Esquadrão Netuno (3º/7º GAV) e o Esquadrão Tracajá (1º ETA).

A Base Aérea de Santa Cruz (BASC), na zona oeste do Rio de Janeiro, deu lugar à Ala 12. O Coronel Aviador Carlos Roberto Ronconi Junior assumiu o comando da estrutura que possui duas unidades aéreas: o Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) e o Esquadrão Puma (3º/8º GAV).

ALA 13

A Ala 13 foi ativada na área onde funcionava a Base Aérea de São Paulo (BASP). O Coronel Aviador Kennedy Fernandes assumiu a nova unidade que abriga o Esquadrão Carajá (4º ETA).

ALA 14

O Tenente-Coronel Aviador José Henrique Kaipper assumiu o comando da Ala 14, localizada em Salvador (BA). Uma unidade aérea de patrulha opera na Ala 14: o Esquadrão Orungan (1º/7º GAV).

ALA 15

A FAB ativou em Recife (PE) a Ala 15. O Coronel Aviador Alexandre Hoffmann assumiu o comando da organização militar, na qual opera o Esquadrão Pastor (2º ETA).


Com ativação do Comando de Preparo, FAB busca melhor aproveitamento das novas aeronaves

Natal (RN)

Segmentação entre preparo e emprego também passa a atender com mais transparência os órgãos de controle e obter melhor especialização dos seus militares Ten JOR Jussara Peccini Ao segmentar as ações de preparo e emprego, a Força Aérea Brasileira se alinha com países que já adotaram esse modelo com o objetivo de responder à pergunta: quanto custa o treinamento militar? Essa resposta será possibilitada pelo Comando de Preparo (Comprep). Além de atender com mais clareza à legislação brasileira sobre a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas (lei complementar 97/99), a modificação também atenderá às exigências dos órgãos de controle, será uma prestação de contas à sociedade brasileira e um novo passo para a pronta-resposta à atuação em cenários complexos. “A vantagem de segregar as missões de preparo e emprego é a especialização dos profissionais e também saber quanto custa cada uma dessas atividades”, afirma o Comandante de Preparo, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Egito do Amaral. Mais um aspecto que merece ser enfatizado desta mudança é o melhor aproveitamento dos recursos eletrônicos embarcados nas novas aeronaves. Com radares e sistemas modernos que ampliam o alcance e eficiência, as plataformas aéreas também têm condições de cumprir mais de uma missão. “Nenhum emprego da FAB hoje é feito de maneira singular”, recorda o oficial-general sobre a atuação conjunta de diferentes aviações durante operações. Na prática, as modificações efetuadas com a criação do Comprep formalizam o que já vem ocorrendo na rotina de exercícios operacionais. Nos recentes eventos em que a FAB atuou, os helicópteros reforçaram a defesa aérea dos estádios. Os equi-

pamentos de varredura eletrônica do P-3 executaram reconhecimento em missões de busca (SAR). Outro exemplo de multimissão é o novo caça da FAB, o Gripen NG, que terá sistemas embarcados capazes de executar missões de reconhecimento, ataque e defesa. “A capacidade das plataformas está impulsionando essa transformação”, afirma o Comandante de Preparo. Ao absorver as tarefas das Forças Aéreas (FAE) e parte do que cabia ao extinto Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), o Comprep assume a responsabilidade de coordenar os exercícios operacionais e ajustar as doutrinas para integrar a atuação conjunta das aviações. Para isso, o novo comando terá três grandes áreas (subchefias): doutrina de aviação; planejamento e gestão institucional; e defesa e segurança (infantaria). “Se observarmos, a Doutrina Básica da FAB

(DCA-1) não faz distinção entre as aviações”, enfatiza sobre a diretriz que norteia as ações da FAB editada em 2012. O oficial-general também destaca que os novos cenários, inclusive os desafios postos às Forças Armadas recentemente envolvendo ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), impõem treinamentos direcionados. Adicione-se à realidade brasileira, a necessidade de a FAB estar atualizada com as práticas internacionais nas quais prepondera o conceito de missão aérea composta (mais conhecida como voo de pacote). “As características do ambiente de operação aeroespacial e até mesmo quando somos envolvidos no combate ao narcotráfico, na defesa da pátria, tudo requer um ambiente multidisciplinar”, explica. Os exercícios para 2017 estão sob análise. O que já está definido é que o Comprep organize a agenda para 2018 sob o novo conceito.

FAE

COMGAR EMPREGO

COMAE

I

II

III

V

PREPARO

PLANEJAMENTO E GESTÃO INSTITUCIONAL

COMPREP DOUTRINA DE AVIAÇÃO

FOTO: CAB ANDRE FEITOSA / CECOMSAER

REESTRUTURAÇÃO

Com cerca de 43% do efetivo da FAB subordinado ao Comprep, o Tenente-Brigadeiro Egito prevê que 2017 será um ano de ajustes e adaptações de processos. Nas Alas, os comandantes já perceberam mudanças no tempo de resposta. Veja o que eles contam:

SEGURANÇA E DEFESA

A Ala 10 reúne três esquadrões aéreos e o Grupo de Instrução Tática Especializada (Gite). De acordo com o Comandante, Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic, para 2017 está prevista a recepção de mais dois esquadrões: o Esquadrão Pastor (2º ETA) de Recife (PE) e o Esquadrão Falcão (1º/8º GAV) de Belém (PA). “Já estamos sentindo que a velocidade das informações aumenta e isso é muito bom”, destaca o oficial-general.

Canoas (RS) A Ala 3 concentra três esquadrões de voo e, segundo o Comandante, Major-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas, o momento é de “maturação de toda mudança” - do administrativo, que era o Comando Aéreo Regional, para uma visão totalmente operacional, que é a finalidade da Ala. “Nesse pouco tempo, tenho a impressão de que encontramos o caminho para que a FAB fique mais operacional, eficaz e eficiente, com a redução significativa de processos”, avalia.

Santa Maria (RS) A Ala 4 foi uma das primeiras ativadas. Ela reúne quatro esquadrões de voo e cerca de 1,5 mil militares. Na avaliação do comandante, Coronel Clauco Fernando Vieira Rossetto, as alterações devem acelerar as tomadas de decisão e os processos de acionamento de uma missão imprevista. “Estamos otimizando os processos e ganhando maior efetividade principalmente no ramo operacional”, relata.


8

Março - 2017

OPERACIONAL

Garantia da Lei e da Ordem

FAB emprega infantaria, meios aéreos e apoio logístico em ações de GLO pelo Brasil Ten JOR Iris Vasconcellos Ten REP Juliana Lopes Ten JOR Jussara Peccini Ten JOR Lorena Molter

Acionamento Conjunto Trabalho Reconhecido FOTO: ANDRÉ GUSTAVO STAMPF

Uma aeronave C-105 do Esquadrão Onça (1º/15º GAV), de Transporte, e um SC-105 do Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV), de Busca e Salvamento, foram acionados para decolarem para Juiz de Fora (MG), a fim de transportar tropas para Vitória (ES). Foi a primeira vez, após a ativação da Ala 5 em Campo Grande (MS), que seus esquadrões aéreos partiram para uma mesma missão em um mesmo acionamento do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Devido às características comuns das aeronaves Amazonas, pertencentes a ambos os esquadrões, foi possível compor tripulações conjuntas. O Sargento Zenilton Aparecido da Silva, do Esquadrão Onça, destacou a peculiaridade da missão. “Tivemos a possibilidade de trocar experiências profissionais com operadores do mesmo tipo de avião, que possui o mesmo tipo de compartimento de carga, porém de um esquadrão de uma aviação diferente, a de Busca e Salvamento”, relatou.

A população aprovou a atuação dos militares. A vendedora Gloria Toso, que trabalha na praia de Camburi, viu o movimento aumentar após a atuação das Forças Armadas. “Eu percebi que a situação ficou muito mais tranquila. Melhorou bastante”, destacou.

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

Militares da Força Aérea Brasileira (FAB), de diversas unidades do País, foram envolvidos nas missões de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) determinadas pela Presidência da República nos últimos meses. Infantaria, intendência, aviação e diversas outras áreas dão suporte para que esse tipo de atividade aconteça com êxito e a FAB possa dar sua contribuição à população brasileira. Veja os recursos humanos e logísticos empregados nas missões:


Março - 2017

Roraima

Rio Grande do Norte

Manaus Um jato C-99 e um C-130 Hércules decolaram do Galeão, no Rio de Janeiro, para Manaus (AM) transportando homens da Força Nacional e equipamentos. A missão ocorrida em janeiro aconteceu a pedido do Ministério da Justiça após a crise nos presídios da região. Organizações militares de Manaus também deram apoio à missão de GLO no Espírito Santo. Dois C-105 do Esquadrão Arara (1º/9º GAV) fizeram saídas para a capital capixaba e no total levaram 134 pessoas e mais de 2 toneladas de material. Um C-97 Brasília do Esquadrão Cobra (7º ETA) transportou 13 militares da Unidade Celular de Intendência (UCI) de Manaus até Vitória (ES).

Em janeiro, um C-99 e dois C-130 Hércules decolaram do Rio de Janeiro e de Brasília para levar tropas da Força Nacional até Boa Vista, em Roraima. As aeronaves também transportaram material de apoio aos profissionais de segurança que foram enviados, atendendo a uma determinação do Ministério da Justiça, para conter a crise no presídio local.

Espírito Santo A maior atuação da FAB em ações de GLO se concentrou em Vitória, no Espírito Santo. Por lá, mais de 100 militares foram para as ruas ajudar a estabilizar a onda de violência decorrente da greve da Polícia Militar do estado. “Quando nós chegamos, encontramos uma população bastante assustada. A cidade deserta e desocupada. Então, é uma satisfação poder ajudar o próximo em um momento tão delicado”, explicou o Comandante da GLO da FAB em Vitória, Tenente-Coronel de Infantaria Jorgeli Almagro. Para dar suporte à tropa da FAB e também da Força Nacional, um verdadeiro acampamento foi montado pela intendência operacional. Um total de 70 toneladas de equipamentos foram transportados para a capital capixaba por via aérea (um C-130 Hércules) e via terrestre (quatro carretas e três caminhões). A estrutura montada no aeroporto internacional de Vitória incluiu o Módulo de Alimentação a Pontos Remotos (Mapre), com cinco contêineres que se transformam numa cozinha industrial e o Rodomapre, que funciona no formato de cozinha sobre rodas. Ela permite a produção de 2.400 refeições diárias e tem a capacidade para alimentar cerca de 650 militares por dia. O material também inclui módulos sanitários e 21 barracas com capacidade para atender 230 pessoas. “A Unidade Celular de Intendência é responsável por manter o moral do combatente”, ressaltou o Comandante da Unidade Celular de Intendência (UCI), Capitão Thiago Silva dos Santos. A FAB também disponibilizou uma Unidade Celular de Saúde (UCS) no local com capacidade para atender até 200 militares. “A UCS veio para dar apoio à tropa. Nós somos preparados para dar todo o suporte médico em qualquer tipo de ferimento”, destacou o chefe da UCS, Tenente Médico Bruno Diniz, sobre a unidade que possui capacidade para atendimentos emergenciais e pequenos procedimentos.

Aeronaves: Diversos meios aéreos da FAB foram empregados no transporte de tropas para as ações de GLO em Roraima, Rio Grande do Norte, Amazo- C-95 nas e Espírito Santo. Além disso, as aeronaves também levaram material de apoio às equipes de GLO. Veja os meios aéreos empregados:

C-97

C-99 C-105

C-130

FOTOS: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

Efetivos de Salvador (BA), Recife (PE) e do contingente do 22º Batalhão de Infantaria da Ala 10, de Natal, também participaram de ações de GLO no Rio Grande do Norte, durante a "Operação Potiguar II". Ao longo de 16 dias, entre janeiro e fevereiro, os militares da FAB atuaram não só na capital do estado, mas também na região metropolitana. Ao todo, foram realizadas mais de 3.800 operações de segurança. Entre elas, mais de 2.600 patrulhamentos a pé, motorizados, aéreos e fluviais; quase 850 pontos estáticos e de segurança; 64 bloqueios de estradas e controle de vias urbanas; 54 ações de reconhecimento; além de apoio às ações dos órgãos estaduais de segurança pública. "Consideramos nossa missão cumprida em Natal. A nossa resposta sempre será essa. Quando a criminalidade nos desafiar, vamos estar sempre presentes. O Ministério da Defesa e as Forças Armadas continuam à disposição", disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

9


10

Março - 2017

ESPECIAL

Academia da Força Aérea e Escola de Especialistas celebram 76 anos As instituições já formaram cerca de 80 mil militares nesse período Ten JOR Iris Vasconcellos O mês de março é especial para a Força Aérea Brasileira. É o mês em que foram criadas a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) e a Academia da Força Aérea (AFA), no ano de 1941. Antes dessa data, a formação de especialistas e aviadores era executada pelo Exército e pela Marinha, que concentravam as atividades

de aviação do País. Mas com a criação do Ministério da Aeronáutica e o envolvimento do Brasil na II Guerra Mundial, foi percebida a necessidade de intensificar a formação de navegantes e especialistas. E dessa forma, no Campo dos Afonsos, foi criada a Academia da Força Aérea (antes com o nome de Escola de Aeronáutica), e, no Galeão, a Escola de Especialistas de Aeronáutica, ambas no Rio de Janeiro.

Com o passar do tempo, houve a necessidade de transferir as duas instituições para outros espaços e, atualmente, EEAR e AFA têm suas sedes no interior de São Paulo. Desde a criação das Escolas, 76 anos se passaram e juntas elas já formaram cerca de 80 mil militares. As instituições se consolidaram como importantes centros de formação de oficiais e graduados no Brasil. A EEAR, por

exemplo, é o maior centro técnico da América do Sul. Raphael Zordan Abiel, de 21 anos, é um dos alunos da EEAR. O militar já foi soldado e acredita que sua passagem pela escola vai marcar, para sempre, sua vida profissional e pessoal. “Minha determinação e dedicação aos estudos vão permitir a realização do meu sonho de servir ao meu País”, destacou.


Marรงo - 2017

11


12

Março - 2017

SAÚDE Grupo de Terceira Idade (SP)

Unidades da FAB investem na saúde dos idosos e oferecem qualidade de vida para quem passou dos 60 Ten JOR Evellyn Abelha

D

e norte a sul do País a Força Aérea Brasileira se preocupa com a saúde de seu efetivo e dependentes que já passaram dos 60 anos. Com equipes multidisciplinares na área de medicina (geriatria), enfermagem, psicologia, fisioterapia, terapia ocupacional e serviço social,

“Desde que frequento o grupo não me sinto mais sozinha, tenho aqui uma família e melhorei meu bem-estar”, afirma Maria da Luz, uma das integrantes do Grupo de Terceira Idade do Núcleo do Hospital de Força Aérea de São Paulo (NuHFASP). O projeto, desde 2006, promove trabalho educativo, com atividades sociais

os hospitais proporcionam qualidade de vida aos pacientes atendidos. “Só porque alguém é idoso não significa que tem de passar os seus dias enfiado em casa em frente à televisão”, alerta a Assistente Social, Tenente Talita Cruz Figueiredo. Conheça as ações voltadas aos idosos de algumas unidades de saúde de FAB.

Unidade de Geriatria e Gerontologia (DF) O Hospital de Aeronáutica de Brasília (HFAB) possui uma estrutura dedicada à saúde dos idosos: a Unidade de Geriatria e Gerontologia (UGG). “Nossa equipe atua visando não apenas cuidar de enfermidades, mas a prevenção, o bem-estar e a qualidade de vida. Em resumo, a UGG é: viver mais e melhor”, explica

Grupo Renascer e Grupo da Memória (PA)

FOTOS: NuHFASP / HFAB / HACO / HABE / HARF / CGABEG

No Hospital de Aeronáutica de Belém (HABE), os idosos contam com três serviços especializados: o Grupo de convivência Renascer, o Grupo da Memória e o Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD). A iniciativa surgiu da necessidade de preservar a autonomia e manter a independência dos idosos. “Só o fato de pertencer ao grupo me

trouxe uma alegria sem par. Agradecemos aos oficiais e sargentos que dão esse apoio total para nós”, destaca o Suboficial reformado Agostinho Freire Alencar, de 80 anos. “Sinto-me como se tivesse arrumado mais uma família após o falecimento do meu esposo”, revela a pensionista Terezinha Uchoa Mendonça, há 10 anos no grupo.

a Tenente Médica Virginia Franco Assunção de Freitas. Além do acompanhamento ambulatorial, os usuários têm atividades terapêuticas com grupos de convivência, de estimulação motora e cognitiva, de música, de exercícios físicos e cuidam da horta “Dedo Verde”, onde cultivam ervas aromáticas, medicinais e hortaliças.

Grupo das Águias (PE) Em Pernambuco, o Grupo das Águias do Hospital de Aeronáutica de Recife (HARF), desde 1995, proporciona a convivência social dos idosos, estimulando a promoção do envelhecimento ativo. A unidade desenvolve atividades como palestras educativas, excur-

sões, atividades recreativas, entre outras. “Pertencer a um grupo que desenvolva atividades sociais e interação cria um aparato para prevenção de doenças e promoção de uma vida mais saudável”, explica a Assistente Social, coordenadora do grupo, Ana Maria Moura Baltar.

e recreativas, além do Programa de Medicina Preventiva. “As ações desenvolvidas se estendem aos familiares e cuidadores. Eles são orientados sobre as mudanças de comportamento dos idosos em casa e na vida social”, esclarece a Tenente-Coronel Margareth Pires da Motta, coordenadora do projeto do NuHFASP. Em 2016, a unidade assinou o termo de adesão ao programa “São Paulo Amigo do Idoso”.

Amigos Para Sempre (RS) O Hospital de Aeronáutica de Canoas (HACO) oportuniza um espaço de convivência entre idosos com o grupo Amigos Para Sempre, há nove anos. Um coral complementa as atividades oferecidas aos idosos. “Percebemos uma melhor qualidade de vida entre os idosos que possuem atividades diárias, fora de suas residências. Eles ainda têm uma maior aproximação com o mundo, além da oportunidade de debates sobre temas relevantes para suas vidas”, ilustra a Assistente Social, Tenente Aline Mendes da Rosa, uma das profissionais que trabalha com os idosos no HACO.

Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes (RJ) No Rio de Janeiro, a FAB mantém uma unidade totalmente dedicada aos idosos, inclusive com internações. A Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes (CGABEG) é uma organização que oferece assistência biopsicossocial, desenvolvendo ações clínicas, terapêuticas e de reabilitação. “A companhia física, o carinho e uma boa conversa são os melhores presentes que podemos dar a um idoso que, com a sua experiência de vida, tem sempre histórias para contar”, reforça a Assistente Social, Tenente Talita. A militar explica que as atividades possibilitam aos pacientes dar novo significado à própria existência a partir da percepção de si como uma pessoa idosa, porém não desprovida de emoções, vontades, desejos e projetos.


Marรงo - 2017

TRANSPORTE DE ORGรƒOS

13


14

Março - 2017

INFORMAÇÃO

Ministério da Defesa e Forças Armadas terão programa semanal de rádio Ten JOR Raquel Alves A partir do mês de março, Ministério da Defesa, Exército, Marinha e Aeronáutica terão um espaço semanal na grade da programação da Rádio Nacional de Brasília. O programa “Forças do Brasil”, além de tratar de temas gerais sobre as Forças Armadas, ainda abordará conteúdos sobre ações sociais, defesa e segurança, inovações e soberania nacional. O programa terá duração de 55 minutos e será veiculado às segundas-feiras, às 21h, com reprise aos sábados, às 11h. “O rádio, mesmo com todas as alternativas tecnológicas que existem, ainda continua sendo um dos veículos de comunicação mais eficazes na divulgação da informação. Ele

faz parte da vida de milhares de pessoas e essa oportunidade de levar até o ouvinte informações sobre nossas atividades é uma forma de deixá-lo ciente, de forma clara e objetiva, de como as Forças Armadas atuam”, destaca o Tenente-Coronel Rodrigo José Fontes de Almeida, Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER). O programa poderá ser ouvido pela Rádio Nacional de Brasília AM (980 HHZ), Nacional da Amazônia (nas frequências 11.780KHz e 6.180KHz) e Nacional do Alto Solimões AM/FM, ou acessado pelo site www.radios.ebc. com.br.

Defesa do Brasil

Outro produto no qual os

ouvintes também poderão ter mais informações sobre as Forças Armadas e o Ministério da Defesa é o Defesa do Brasil. O programa será inserido na grade de programação da Voz do Brasil, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Também com início em março o programa será produzido pelo Ministério da Defesa junto às Forças Armadas e o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas. O objetivo principal do informativo, que terá duração de três minutos, é divulgar notícias ocorridas durante a semana. O Defesa do Brasil trará conteúdo nos formatos de notícia e serviço público. As notícias devem atingir todo o público da Voz do Brasil e, especialmente, os moradores de regiões afastadas dos

grandes centros do País. O programa conta com o uso de textos curtos, diretos e com linguagem coloquial, dando maior visibilidade ao trabalho das Forças Armadas. A Voz do Brasil alcança hoje cerca de 60 milhões de brasileiros e é transmitida em todas as emissoras de rádio do País. Reformulado recentemente, o programa possui um formato mais interativo com quadros onde os ouvintes podem tirar dúvidas sobre programas sociais ou sobre o trabalho dos ministros. Segundo a EBC, também estão abertos canais de e-mail e telefone, além de um número de WhatsApp (61 99862-7345) para interagir com o público. Também existe a opção de ouvir o noticiário, ao vivo, pelo site www.voz.gov.br.

PENSANDO EM SEGURANÇA DE VOO

Acompanhando a constante evolução da aviação, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) tem buscado, por meio da Assessoria de Estudos de Segurança de Voo (AESV), fomentar a produção de conhecimentos que possam ser aplicados na melhoria dos processos voltados para a prevenção e investigação de acidentes. A AESV tem mobilizado as comunidades acadêmica e

aeronáutica para o desenvolviAgora, sob a gestão da mento de projetos em diversas AESV, a revista científica áreas, tais como a manutenção, Conexão SIPAER continuará a infraestrutura aeroportuária sendo uma ferramenta de e os fatores humanos. difusão, mas com nova esA difusão dos resultados trutura, permitindo, além das pesquisas se dará pelo da publicação de artigos Centro de Estudos de Segu- científicos, a divulgação de rança de Voo (CESV on-line), notas de estudos e outros um ambiente virtual que trabalhos de natureza não está sendo criado para atuar científica, mas de interesse como um repositório, no qual para o SIPAER. (Centro de Investigação e a sociedade poderá discutir, aprender, ensinar, questio- Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - CENIPA). nar e trocar experiências.

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

CENIPA promove estudos sobre segurança de voo


Marรงo - 2017

ENTRETENIMENTO

FOTO: SGT PAULO REZENDE / CECOMSAER

6 ERROS

15


Notaer marco 2017  
Notaer marco 2017  

Garantia da Lei e da Ordem. FAB emprega infantaria, meios aéreos e apoio logístico em ações de GLO pelo Brasil.

Advertisement