Page 1

SGT Johnson / CECOMSAER

Noticiário da Aeronáutica Ano XXXIII - nº 7 - 15 maio 2010

FAB avalia aeronaves remotamente pilotadas Período de experiência e parceria indicarão rumos do emprego do equipamento nas Forças Armadas

D

o interior de um abrigo (shelter) especialmente montado para operações militares na Base Aérea de Santa Maria (RS), pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB) começaram a escrever, neste ano, mais um importante capítulo na história da instituição. Controlado por intermédio de sofisticados computadores e sistemas de enlace de dados, essas aeronaves realizam missões a quilômetros de distância dali, enviando imagens em tempo real, com o apoio de modernos sensores.

O treinamento faz parte do projeto de veículos aéreos não-tripulados (VANT), iniciado em dezembro do ano passado com a criação de um grupo de trabalho para estudar a implantação desse sistema. Antes de iniciar um processo de aquisição, a FAB decidiu avaliar todas as possibilidades de emprego no país, além de criar regras de utilização e regulamentar o tráfego aéreo desse tipo de aeronave. O VANT mede 6 metros de comprimento e 10 metros de envergadura

(da ponta de uma asa a outra). Voa a 110 km/h, atinge cerca de 5 mil metros de altitude e permanece em voo por mais de 15 horas. Pode ser empregado em diversas operações, tanto na área civil, quanto na militar. A FAB espera concluir a etapa de avaliação até o final do ano. Nesse período, também participarão do grupo de trabalho representantes do Exército e da Marinha, responsáveis por avaliar as necessidades das respectivas Forças. Leia mais pág. 3


SGT Belarmino / CECOMSAER

2

Aeronaves de caça dos países participantes da CRUZEX estarão em Natal no final do ano

Países que estarão na CRUZEX V participam de reunião na Base Aérea de Natal

R

epresentantes das Forças Aéreas do Brasil, Argentina, Chile, Estados Unidos, França, Uruguai e Venezuela participaram neste mês (3 a 7/5) de reuniões preparatórias para a quinta edição da Operação Cruzeiro do Sul (CRUZEX), o maior exercício militar do gênero da América do Sul, que será realizado de 28 de outubro a 19 de novembro. Os encontros aconteceram no Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE), na Base Aérea de Natal (BANT), unidade que irá sediar o exercício. Além dos planejadores dos países participantes, estiveram presentes o Chefe da Subchefia de Operações do ComandoGeral de Operações Aéreas (COMGAR),

Brigadeiro-do-Ar José Alberto de Mattos, o Major-General Hugo Tilly Ebnsperger, da Força Aérea Chilena, e o General-deBrigada Luis Rafael Viana España, da Força Aérea Venezuelana. Foram discutidos os objetivos do exercício, a concepção, a estrutura de comando da operação, a organização logística, os aspectos administrativos e jurídicos, bem como a divulgação para a mídia. A CRUZEX é um exercício aéreo multinacional realizado na região Nordeste do país, abrangendo os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. O treinamento ocorre em cenário de conflito simulado, que prevê o emprego de uma força

de coalizão, mas com a realização de missões reais de força aérea. O objetivo é a interação dos países na condução de operações aéreas de coalizão, utilizando o padrão de comando e controle da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Para este ano, a CRUZEX envolverá três bases aéreas: Natal (BANT), Fortaleza (BAFZ) e Recife (BARF), além de desdobramentos de unidades nas cidades de Mossoró (RN) e Campina Grande (PB). Além dos países participantes, mais sete vão enviar observadores: Bolívia, Canadá, Colômbia, Equador, Inglaterra, Peru e Paraguai. A Base Aérea de Natal já sediou duas CRUZEX (II e IV), em 2004 e 2008.

NOTAER é uma publicação quinzenal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER). Está autorizada a transcrição parcial ou integral dos artigos publicados, com o devido crédito e remessa de um exemplar da publicação. Os textos foram produzidos pelas respectivas unidades e/ou pela equipe de jornalismo do CECOMSAER ISSN 1518-8558. Tiragem: 6.000 exemplares Chefe Interino do Cecomsaer: Cel Av Jorge Antonio Araújo Amaral Chefe da Divisão de Produção e Divulgação: Ten Cel Av Marcelo Luis Freire Cardoso Tosta Edição: 1º Ten QCOA CSO Luiz Claudio Ferreira, 1º Ten QCOA JOR César Eugênio Guerrero e 1º Ten QCOA JOR Alessandro Paulo da Silva Jornalista Responsável: 1º Ten QCOA CSO Luiz Claudio Ferreira

Revisão: 2º Ten QCOA JOR Flávio Hisakasu Nishimori Arte Gráfica e Diagramação: 3S SDE Renato de Oliveira Pereira e 3S SAD Jéssica de Melo Pereira Internet: www.fab.mil.br - E-mail: redacao@fab.mil.br. Endereço: Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” - 7º andar - 70045-900 Brasília-DF - Telefone: (61) 3966-9665 - FAX: (61) 3966-9755.

NOTAER nº 7 - 15 maio 2010


3

Fotos: SGT Johnson / CECOMSAER

Em parceria com Marinha e Exército, Força Aérea irá avaliar hipóteses de emprego de VANT no país

E

m uma tela de TV, os repórteres acompanham em tempo real as imagens aéreas do local preparado para recebê-los. Cenas captadas por diferentes sensores lembram filmes de ação e notícias reais de conflitos recentes, como no Iraque e no Afeganistão. A ideia era colocar a imprensa em um verdadeiro centro de comando, parte vital no planejamento e execução de operações militares. Assim foi a apresentação do projeto de veículos aéreos não-tripulados da Força Aérea Brasileira (FAB), mais conhecidos pela sigla VANT, no dia 10 de maio, na Base Aérea de Santa Maria (RS). O equipamento em avaliação é o Hermes 450, fabricado pela Elbit Systems de Israel, e que envolve a participação de sua subsidiária no Brasil, a empresa Aeroeletrônica, com sede em Porto Alegre. A empresa cedeu um VANT e uma estação de controle de solo por um período de um ano, sem custo para a instituição, para a conclusão do trabalho. Técnicos israelenses estão no Brasil participando do treinamento de militares da FAB. Em parceria com a Marinha e o Exército, a FAB irá avaliar as possibilidades de emprego no país. Para fins militares, o equipamento pode realizar missões de reconhecimento e de busca e resgate, entre outras, mas também pode ajudar na área de segurança pública, no controle de desmatamento

e em operações de defesa civil. de ataque. “Vamos aprender com as “A novidade tecnológica, até Forças Armadas quais serão as necesentão adotada em poucos países, sidades futuras para a operação de hoje se faz realidade no Brasil. Além VANTs no Brasil”. de grande autonomia, baixo custo de Na cerimônia, entre as autooperação, a aeronave aida propicia ridades, estiveram presentes o Coinformações em tempo real”, afirmou mandante da Aeronáutica, Tenenteo Comandante-Geral de Operações Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, o Chefe Aéreas, Tenente-Brigadeiro-do-Ar do Estado-Maior da Aeronáutica, TeGilberto Antônio Saboya Burnier. nente-Brigadeiro-do-ar Cleonilson A aeronave é remotamente Nicácio da Silva, o Secretário de Encontrolada e, por meio de sistema de sino, Logística, Mobilização, Ciência enlace de dados, é capaz de distribuir e Tecnologia do Ministério da Defesa, as imagens captadas, como no exem- Almirante de Esquadra Gilberto Max plo presenciado pelos repórteres. O Roffé Hirschfeld, e o Chefe do Estadocaso mais recente, e que demonstra Maior de Defesa, General de Exército a importância dos sensores, foi a lo- José Elito Carvalho Siqueira. calização dos destroços do voo 447 no meio do oceano, no ano passado, pela aeronave R-99 da FAB. Segundo o diretor-executivo da Aeroeletrônica, Vitor Jaime Neves, a empresa apoia o projeto de criação de um centro de excelência em VANTs no país, na região de Santa Maria. A base escolhida para abrigar o grupo de trabalho é sede de esquadrões de A-1 da FAB, aeronaves voltadas para missões O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar de reconhecimento e Juniti Saito, visita a estação de controle do VANT ASAS QUE PROTEGEM O PAÍS


4

F

abinho, Fabiana, Fumacinha, Bia, Engenhoso, Mei, Geninho e Valente são crianças com uma paixão em comum: a Força Aérea Brasileira. Juntos, os oito personagens formam a “Turma do Fabinho” e ajudarão a contar um pouco do trabalho da instituição para crianças e pré-adolescentes. Os personagens foram criados por publicitários e desenhistas do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), como parte dos produtos lançados para as comemorações dos 40 anos da uni-

dade. A ideia é estimular o conhecimento sobre as profissões da FAB. A partir de agora, devem ser produzidos almanaques anuais com a turminha. A primeira aventura da “Turma do Fabinho” foi inspirada no trabalho de ajuda humanitária realizado no Haiti, após o terremoto que devastou a capital Porto Príncipe. Os cinco mil exemplares da primeira revista em quadrinhos serão distribuídos em eventos institucionais. Conheça um pouco mais dos personagens da “Turma do Fabinho”:

FABINHO - tem 11 anos e é ele quem comanda as aventuras e brincadeiras da turma. Gosta de conhecer lugares diferentes e de fazer amigos. É apaixonado por aviões e seu sonho é ser aviador.

FABIANA - tem 9 anos e é irmã de Fabinho. É esperta, inteligente, corajosa e também sonha em ser aviadora. Assim como Fabinho, gosta de aventuras, viagens e novos amigos

FUMACINHA - tem 10 anos e é o melhor amigo de Fabinho. Gosta de aventuras e é fã da Esquadrilha da Fumaça. Vive fazendo acrobacias. BIA - tem 10 anos e é uma menina sensível e delicada. Seu sonho é ser médica. Gosta de cuidar dos coleguinhas, principalmente quando se machucam. Vive procurando em seu manual de primeiros socorros uma receita para chamar a atenção de Valente. NOTAER nº 7 - 15 maio 2010

do Fab Desenhos: SGT Jobson / CECOMSAER

História em quadrinhos da “Turma


5

binho” divulgará o trabalho da FAB para crianças

CB Júnior

SAER / CECOM

As criança sq do lançam ue participaram ento da T urma do Fabinho e m Brasília .

ENGENHOSO - tem 10 anos. Gosta de desenhos, números e fórmulas. Sonha em construir um foguete e levar todos para viajar no espaço. É o melhor amigo de Geninho e juntos eles criam mil engenhocas.

MEI - tem 10 anos e é descendente de japoneses. É paciente, educada e atenciosa. Gosta de fazer contas e de deixar tudo muito organizado. É muito econômica e não gosta de desperdício. Sempre conta as histórias do vovô Shiro com quem aprender os segredos da vida feliz.

GENINHO - tem 10 anos e é o mais sabido da turma. Adora matemática, química e física. Vive falando em números e fórmulas. Seu sonho é criar uma estrela. É o melhor amigo de Engenhoso.

VALENTE - tem 9 anos. Gosta de aventuras, de esportes radicais e de saltar de paraquedas. Está sempre enfrentando os perigos e protegendo a turma dos inimigos. Possui um apito mágico com o qual “aciona” a turma para as mais diversas aventuras. ASAS QUE PROTEGEM O PAÍS


6

Destreza no céu: Equipe de Salto “Falcões” será destaque em campeonato de formação em queda livre

SGT Novak / 2º/10º GAV

A

equipe de salto livre “Falcões”, composta por militares da Força Aérea Brasileira (FAB), será um dos destaques da “Copa 4 Way Espaço” CTR/NSL (Clube de Trabalho Relativo/National Sky League), no Centro Nacional de Parquedismo, em Boituva, interior paulista. Os atletas vão disputar a modalidade formação em queda livre. A competição será realizada em agosto, mas o grupo, constituído por dez atletas, já iniciou sua rotina de treinamentos. Nos dias 4 e 5 de maio, os paraquedistas estiveram na Brigada de Operações Especiais do Exército Brasileiro, em Goiânia, onde praticaram cerca de cinco horas diárias de exercícios no simulador de queda livre. O túnel de vento, como é conhecido, constitui-se de um tubo vertical com motores do tipo turbinas. Elas movimentam hélices que impulsionam o ar, proporcionando sustentação ao corpo do paraquedista. O simulador é um grande aliado, pois os atletas podem “voar” por mais tempo e corrigir os erros no exato momento da execução dos exercícios. “As melhores equipes do mundo treinam em simuladores como este para depois partir para o salto propriamente dito, pois o túnel reproduz com exatidão as condições de queda livre”, explica o

Equipe de demonstração de paraquedismo em preparação para competições no país

SD Sérgio / CECOMSAER

Tenente do Exército, Eber do Amaral Rodrigues, instrutor do simulador. A equipe “Falcões” foi formada em 1976. O nome atual do grupo, no entanto, só foi adotado em 2005. O reconhecimento adquirido nesses quase 35 anos de atuação desperta cada vez mais o interesse dos aficcionados pelo esporte. Durante os treinos, uma equipe do Programa Zona de Impacto, do canal SPORTV, acompanhou a rotina para um programa especial. Os “Falcões”, segundo o Coronel-Aviador Elson Passos, coordenador da equipe, disputam três modalidades diferentes nos diversos torneios civis e militares. “Esses atletas têm uma larga experiência em diversas unidades militares da FAB onde o paraquedisMilitares treinam em simulador na Brigada de Operações Especiais mo é fundamental. NOTAER nº 7 - 15 maio 2010

Grande parte deles, por exemplo, são provenientes do PARASAR, um grupamento de busca e salvamento da Aeronáutica. É importante ressaltar que os saltos e treinamentos não deixam de ser um aperfeiçoamento para esses militares”, explica. Os integrantes do grupo são escolhidos por meio de uma avaliação feita pelos membros mais experientes, realizada geralmente no mês de novembro. Não existe tempo limite de permanência, mas não basta apenas um bom preparo físico para fazer parte deste seleto grupo. “É fundamental o atleta possuir comprometimento para cumprir o que foi traçado no planejamento. Além disso, é necessário a pessoa saber trabalhar em equipe. Se a sinergia entre os componentes não for boa nos treinamentos em terra, isso fatalmente se refletirá nas evoluções em queda livre”, explica o treinador do grupo na modalidade, Pedro Ushizima Júnior. “Acredito que os Falcões, por possuírem uma grande disciplina advinda da carreira militar, têm muitas chances de medalhas nas competições. Eles estão bem entrosados.”


7

CB Júnior / CECOMSAER

Socorro em voo: Esquadrão Pelicano salva piloto civil no Mato Grosso do Sul

Tripulantes de aeronave C-105 Amazonas acompanharam o piloto até o pouso

U

ma aeronave civil sem instrumentos de navegação enfrenta um forte nevoeiro. Com pouco combustível, pede socorro pelo rádio. Perto dali, militares do Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV), unidade especializada em busca e salvamento, realizam missão a bordo de uma aeronave C-105 Amazonas. De imediato, a tripulação da Força Aérea Brasileira (FAB) guia o avião em “voo cego” até o pouso seguro em Campo Grande (MS). O monomotor PP-MMC – “Pelican” havia decolado do aeródromo Teruel pela manhã, quando o tempo ainda era bom. Entretanto, os pilotos civis se depararam com a redução de visibilidade. Naquele momento, o C-105A do Esquadrão Pelicano encontrava-se em rota, a cerca de 40 quilômetros de Campo Grande. A pequena aeronave não conseguira regressar para o Teruel e o combustível estava no fim. Foi neste momento em que a tripulação da FAB solicitou para que o piloto em dificuldades sintonizasse a freqüência de 121.5 MHz, de emergência, por meio da qual passaram a receber as orientações necessárias até o pouso. O avião de pequeno porte foi localizado em meio ao nevoeiro e passou

a ser acompanhado pelos tripulantes do Esquadrão Pelicano, que utilizaram os equipamentos da aeronave militar para guiar o voo do piloto civil. “Eu estava num voo cego e não via a ponta da asa do avião”, afirma o piloto Marcos Mendes (veja entrevista abaixo). “É por isso que estou aqui: para salvar vidas. Para nossa vida valer a pena, a gente tem de se doar”, afirma o capitão Luciano Marchiorato, do Esquadrão Pelicano.

O C-105A Amazonas, que operou pelo 2º/10º GAV em junho do ano passado nas buscas do AF-447, foi utilizado em outras missões de grande repercussão também, como a da busca e salvamento de nove sobreviventes depois de acidente com um avião da FAB na Amazônia. Força Aérea FM: ouça o áudio da entrevista com o piloto civil e com os militares do esquadrão em http://www. fab.mil.br/portal/audio/entrevista_socorro_em_voo_060510.mp3

“Que Deus nunca saia do lado deles”, diz piloto socorrido sobre militares O piloto civil Marcos Mendes emocionou-se ao falar dos profissionais que salvaram sua vida. “Que Deus nunca saia do lado deles. Eles colocam a vida em risco para salvar a vida dos outros”, disse, ao responder, com a voz embargada, o que gostaria de dizer aos militares que o ajudaram. “Eu fazia um voo visual. Ao decolar, estava tudo normal, sem nevoeiro. O tempo fechou de repente e fiquei totalmente sem visão. Você sabe que pode morrer. Aquilo te deixa tenso, porque pode bater numa ave, numa torre. Não enxergava nem a ponta da asa do avião”, conta. ASAS QUE PROTEGEM O PAÍS

No meio das nuvens, a bordo de um monomotor em voo cego, Mendes pediu socorro aos controladores de tráfego aéreo. “Por sorte o avião da FAB estava passando por lá. A primeira coisa que os militares fizeram foi me deixar tranquilo e conseguiram me levar até o aeroporto de Campo Grande”, recorda. Da mesma forma, o comandante da aeronave do Esquadrão Pelicano, Capitão Luciano Marchiorato, explicou os ideais que movem uma missão como essa. “Entendo que nossa missão é salvar. Treinamos muito para missões como essa”.


SD Sérgio / CECOMSAER

8

Militares brasileiros distribuem alimento e água em Porto Príncipe, no Haiti

Forças Armadas comemoram Dia Internacional dos Mantenedores de Paz da ONU O Dia Internacional dos Mantenedores da Paz faz uma referência ao dia 29 de maio de 1948, quando o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas autorizou, pela primeira vez, uma operação de manutenção da paz.

A mobilização se deu na Palestina após o cessar-fogo da guerra árabeisraelense e, a partir daí, iniciava-se a busca de soluções pacíficas para os conflitos internacionais. Já o Brasil participa de missões de paz desde 1956, quando enviou tropas para Suez, no Egito.

SD Silva Lopes / CECOMSAER

N

o dia 28 de maio (sexta-feira), acontecerá na Base Aérea de Brasília a cerimônia em comemoração ao Dia Internacional dos Mantenedores da Paz (Peacekeepers) da Organização das Nações Unidas (ONU). O evento, conduzido esse ano pela Força Aérea Brasileira (FAB) e coordenado pelo Ministério da Defesa, vai homenagear os “boinas azuis”, como são chamados os militares que serviram ou servem em missões de paz. A solenidade contará com a presença de diversas autoridades civis e militares e, durante a cerimônia, um grupamento formado por ex-integrantes de missões de paz desfilará. Desde 2008, o evento entrou para o calendário anual da capital federal com sua realização organizada pelas Forças Armadas. Na ocasião, está prevista uma homenagem póstuma aos militares falecidos nas missões de paz.

Tropas das Forças Armadas Brasileiras participam do apoio mundial ao Haiti

NOTAER nº 7 - 15 maio 2010

NOTAER - Maio 2010 - 01  
NOTAER - Maio 2010 - 01  
Advertisement