__MAIN_TEXT__

Page 1

Especialidade segue em constante modernização na FAB (págs. 6 e 7) SERVIÇO DE SAÚDE

CARREIRA

Confira como profissionais de saúde da FAB salvaram a vida da recém-nascida Julia (Pág. 5)

Confira os currículos dos Oficiais-Generais promovidos (Pág. 8 a 13)


Dezembro - 2018

CARTA AO LEITOR

Um ano de conquistas As cortinas do ano de 2018 começam a se fechar e nós, do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), carregamos na bagagem 12 edições do Notaer, quatro revistas Aerovisão, dezenas de programas FAB TV, além de centenas de publicações diárias em nosso portal e em nossas redes sociais. À parte dos números, celebramos agora o sentimento de missão cumprida em mais um ano que se finda: projetamos a imagem da FAB e informamos ao efetivo as principais novidades relacionadas às significativas ações de Controlar, Defender e Integrar, no cenário tridimensional da Dimensão 22. Aqui no Notaer, celebramos datas especiais; falamos sobre ingresso, formação e progressão da carreira militar; retratamos operações e exer-

cícios operacionais e, acima de tudo, registramos o trabalho do efetivo da Força Aérea. Se, hoje, fizéssemos um mosaico com todas as capas do nosso jornal em 2018, contemplaríamos as pessoas. São elas que fazem da FAB uma instituição bem sucedida e prestigiada. Em 2019, seguiremos prestigiando o trabalho dos profissionais da Força Aérea Brasileira, pois vocês sempre serão a nossa pauta principal. Com muita alegria trazemos nas páginas deste mês o Dia da Infantaria da Aeronáutica, como uma forma de parabenizarmos àqueles que, diuturnamente, mantêm a segurança e a defesa das nossas estruturas e do nosso efetivo, além de atuar em missões operacionais com engajamento direto de aeronaves, como na Busca e Salvamento. Neste

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

2

Expediente O j o r n a l N O TA E R é u m a publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno. Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Antonio Ramirez Lorenzo. Vice-Chefe do CECOMSAER: Coronel Aviador Flávio Eduardo Mendonça Tarraf.

mês de dezembro, também celebramos o Dia do Serviço de Saúde, hora de relembrarmos com gratidão daqueles que possibilitam a aptidão e o vigor da família militar com vistas ao cumprimento da missão da FAB. Parabéns! Ainda, congratulamos os promovidos de novembro e dezembro. Uma nova etapa repleta de desafios tem início em suas carreiras. A batalha continua! O amanhecer de um novo

ano já começa a dar seus sinais, trazendo novas possibilidades a cada um que integra as fileiras da FAB. Nós, do CECOMSAER, já nos preparamos para mais 12 edições de nosso jornal, para que sigamos levando informação, serviços e entretenimento a você, leitor. Boas festas e um feliz 2019! Brigadeiro do Ar Antonio Ramirez Lorenzo Chefe do CECOMSAER

Chefe da Divisão de Comunicação Integrada: Coronel Aviador Paulo César Andari. Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação: Tenente Coronel Aviador Bruno Pedra. Editores: Tenente Jornalista Felipe Bueno (MTB 0005913/PE) e Tenente Jornalista Cristiane dos Santos (MTB 35288/SP). Colaboradores: Textos enviados ao CECOMSAER via SISCOMSAE. Diagramação e Arte: Tenente Chaves, Suboficial Ramos e Sargento Polyana.

ESPAÇO DO LEITOR “Ao ler a matéria sobre a Operação Acolhida, fico impressionado o quão é importante o papel de nós, militares da FAB, em ajuda humanitária, e o impacto que causamos em vidas que buscam esperança nos dias em que vivemos. Sinto orgulho de saber que a instituição onde sirvo tem grande valor para o desenvolvimento e prosperidade de outras nações.” S1 SAD Igor Barros de Brito - Ala 5 “Expresso meu orgulho em fazer parte da FAB, principalmente no que tange um de seus valores: o profissionalismo, pois visa e investe em aperfeiçoamento e aprimoramento. Paralelamente às várias organizações de ensino, as OM proporcionam instruções de modo a manter os militares aptos a cumprir a missão. As instruções são diversas. Em menos de um ano, além do estágio de adaptação técnico, tive o prazer de participar das instruções de: prática de tiro, autópsia psicológica, brigada de incêndio, palestras como prevenção do câncer de mama e segurança da informação.” 2º Ten PSO Juliana Falcão Santa Ritta Jury - CPO

Capa: Foto: Sargento Johnson Barros / CECOMSAER Tiragem: 18.000 exemplares. Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Endereço: Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” 7º andar - CEP: 70045-900 Brasília/DF

“Há algum tempo o Sensoriamento Remoto se apresenta como uma ferramenta de grande importância estratégica dentro das Forças Armadas, em particular da Força Aérea Brasileira, visando à soberania do país. Achei de grande valia o NOTAER reservar um amplo espaço na edição de novembro sobre o assunto e, em paralelo, dar ênfase ao Simpósio de Sensoriamento Remoto de Aplicação em Defesa, o maior evento da América Latina na área de sensoriamento aplicado à Defesa.” 2° Ten CGR Fabiano C. Nogueira - IEAV Este espaço é para você, Leitor! Envie seus comentários e sugestões para notaer@fab.mil.br

Impressão e Acabamento: Viva Bureau e Editora


Dezembro - 2018

3

FOTO: SGT BIANCA VIOL / CECOMSAER

PALAVRAS DO COMANDANTE

Fechamento de um ciclo, cumprimento da missão! A cada fim de ano, é inevitável olhar para trás e fazer um balanço dos aprendizados, sendo um momento adequado para refletir e pensar sobre o futuro. Em mais um período, a Força Aérea Brasileira foi responsável por Controlar, Defender e Integrar o equivalente a 22 milhões de quilômetros quadrados do território nacional. De maneira muito direta para os brasileiros, isso se traduz em um tráfego aéreo mais seguro para que todos possam viajar tranquilos; em combate à criminalidade, principalmente no que diz respeito à defesa das fronteiras; e em garantir que o Estado alcance os cidadãos mesmo nas localidades mais distantes e isoladas do nosso país. Aproveito esse fechamento de ciclo para reafirmar o compromisso da FAB com a sociedade. Nosso efetivo tem participado da construção de uma nova realidade no Brasil, coadunada com uma das atribuições subsidiárias da Instituição: cooperar com o desenvolvimento nacional buscando inovações que demonstrem zelo com o dinheiro público. Dessa forma, observamos que a Reestruturação continua a se desenvolver e indicar os traços de uma Força operacionalmente moderna e administrativamente mais eficiente. Pelos resultados alcançados, cada um teve sua responsabilidade. Os obstáculos nos tornaram maiores e melhores. Enalteço, portanto, você – militar da FAB, pelas superações de cada

dia e pelo comprometimento no cumprimento da nossa missão. É com esse espírito de valorização das virtudes que recebemos, neste mês, o Dia da Saúde da Aeronáutica que, assim como a Força Aérea, cresceu e hoje abrange as áreas assistencial, preventiva, odontológica e farmacêutica em 64 Organizações pelo país. Seu sucesso se deve, principalmente, ao trabalho e à dedicação de todos os profissionais que buscam excelência, qualidade e humanização no atendimento aos usuários. Meus cumprimentos a todos do Sistema de Saúde da Aeronáutica! Também ressaltamos o Dia da Infantaria da Aeronáutica. Em seu caminho até hoje, a modernização de conceitos e concepções de emprego garantiram uma Infantaria consolidada como componente operacional imprescindível: uma arma operacional, capacitada e bem equipada, capaz de atuar na proteção da Força, na defesa antiaérea e nas operações especiais, como na Garantia da Lei e da Ordem, sempre com a promessa de defender a Pátria com o sacrifício da própria vida. Parabéns, Infantaria! E a todo o efetivo, que o fim de 2018 traga celebrações, recordando com orgulho as conquistas e superações deste ano. Boas festas e um feliz ano novo! Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato Comandante da Força Aérea Brasileira


Dezembro - 2018 FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

4

ASAS ROTATIVAS

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

O som das pás que silencia Aeronave H-1H, conhecida como "Sapão" e "Hzão", encerra suas atividades na FAB Ten JOR Cristiane dos Santos O inconfundível som do “bater de pás”, que o denunciava a quilômetros de distância, entrou para a história da Força Aérea Brasileira. Após mais de 50 anos realizando diversas missões operacionais, o H-1H Iroquois, “Sapão” ou “Hzão”, como também é conhecido, despediu-se da FAB, deixando um legado de operacionalidade. Entre os anos 1967 e 1977, a Instituição recebeu 68 “Hzões”, adquiridos em cinco lotes distintos. Os primeiros foram alocados no Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV), na ocasião, sediado na Base Aérea de São Paulo, em Guarulhos (SP). A despedida, no final de outubro de 2018, ocorreu no mesmo Esquadrão, agora localizado na Ala 5, em Campo Grande (MS). O “Sapão” foi a espinha dorsal da aviação de asas

rotativas e, como tal, serviu em todas as regiões do país. Nenhum outro vetor aéreo cumpriu tantas missões distintas, tendo servido em mais de sete localidades. Em 1967, quando mal havia desembarcado no Brasil, já foi escalado para uma missão épica: o resgate do FAB 2068, um marco na aviação de Busca e Salvamento. O H-1H realizou outras missões, como o auxílio prestado às vítimas do terremoto no Peru, em 1970, onde foram evacuados 577 desabrigados e 211 feridos; o incêndio no Edifício Joelma, em 1974; o apoio às vítimas nas enchentes de Santa Catarina em 1974, 1982 e 2008; o resgate das vítimas do Boeing da Transbrasil, em 1989; o resgate das vítimas do Varig 254, também em 1989; e o resgate das vítimas do Gol 1907, em 2006. A aeronave realizou, ainda, missões de emprego armado, operações de vacina-

ção no interior da Amazônia, demarcações de fronteiras, suporte à população em catástrofes naturais, apoio à Polícia Federal e ações cívico-sociais. Emocionado, o piloto mais antigo de H-1H na ativa, Tenente-Brigadeiro do Ar William de Oliveira Barros, disse que o “Hzão” foi um helicóptero lendário e muito importante para a Instituição. “De 1967 até a data de hoje, muitas gerações de tripulantes, mecânicos, pilotos e homens de resgate passaram por este helicóptero. Alguns diriam que a máquina não consegue se expressar e não tem sentimentos, mas se o H-1H pudesse se manifestar, ele diria que está muito satisfeito e feliz com o que realizou", afirmou. No Esquadrão Pelicano desde 1995, o Sargento Márcio Vaner Cavalheiro Duarte se lembra do H-1H com nostalgia. “É uma aeronave

Primeira aeronave que chegou à Força Aérea e foi utilizada no resgate do FAB 2068

rústica que conseguiu unir as tripulações e marcar a gente para sempre. Ela conseguia se adaptar às necessidades das missões, por isso ficou tanto tempo na FAB. Foi uma paixão que passou de uma tripulação para outra. Dentro dela, éramos um corpo só”, recorda. No dia 22 de outubro de 2018, data da despedida, o Comandante da Força Aérea Brasileira, Tenente-

-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, declarou que o som dos rotores e a emblemática imagem do H-1H nunca sairão da lembrança dos nossos militares. “Esse guerreiro presenciou a coragem e a abnegação de várias gerações de tripulantes que deixaram entranhados, no interior desta aeronave, um pouco dos melhores sentimentos que um ser humano possa apresentar”, concluiu.


Dezembro - 2018

5

DIA DO SERVIÇO DE SAÚDE - 02 DEZ

No princípio, a luta pela vida da transferência, já estávamos no HCA com diversos profissionais nos acompanhando”, conta o Sargento. O transporte foi feito em uma aeronave do Grupo de Transporte Especial (GTE), de Brasília (DF), que levou a bordo uma equipe formada por obstetra, pediatra e enfermeira para o apoio à gestante. Uma semana após a internação, em 5 de abril de 2018, Julia nasceu e, duas horas depois, foi levada à UTI. “O tumor era muito grande e ‘roubava’ o fluxo sanguíneo, ocasionando dificuldade para respirar e insuficiência cardíaca”, relata a pediatra da UTI Neonatal, Tenente Angélica Mello. A médica conta que a equipe do HCA foi em busca de especialistas que tivessem experiência com casos como o de Julia, considerado muito raro. Um dos médicos procurados avaliou que o caso seria inoperável pelo risco à vida da bebê. A proposta, então, foi realizar um tratamento clínico, que diminuiu a vas-

Após a saída da UTI Neonatal, a família pôde finalmente ser toda reunida

cularização do tumor. “A resposta da Julia ao tratamento foi surpreendente. Ela ficou internada por quatro meses na UTI e a massa diminuiu muito”, completa a pediatra. A pequena continua recebendo o acompanhamento multidisciplinar – com nutricionista, fonoaudióloga e terapeuta ocupacional, além de pediatra – no Ambulatório de Atendimento ao Recém-Nascido de Alto Risco. “O acompanhamento é necessário porque esses bebês perdem os estímulos iniciais ao ficarem

internados. Assim, precisamos verificar se o desenvolvimento está acontecendo da maneira correta para garantir que vai ser um adulto socialmente, emocionalmente e intelectualmente capacitado”, explica a Tenente Angélica. Para o pai de Julia, o comprometimento dos profissionais de saúde merece destaque. “Foram todos de uma grande sensibilidade, entenderam nossas dificuldades e ajudaram como puderam, orientando e agilizando tudo que era necessário”, ressalta o sargento.

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Quando o Sargento Luiz Gustavo Aragão dos Santos e a esposa, Cássia, chegaram a Cuiabá com o filho de seis anos, Pedro, a maior preocupação da família era definir as questões relacionadas ao parto de Julia, que já estava perto de nascer. Para isso, procuraram o Tenente Germano Augusto Alves Pacheco, médico do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo (DTCEA) da localidade para onde o sargento havia sido transferido. O médico solicitou um exame de rotina e, já durante o procedimento, a notícia: a bebê tinha um tumor na região abdominal. “O exame foi repetido em dois dias e a lesão havia aumentado. Pro-

vavelmente, Julia precisaria de uma cirurgia imediatamente ao nascer”, explica o Tenente Pacheco. Ele orientou para que o parto ocorresse em um hospital da FAB, que teria mais recursos do que os credenciados em Cuiabá (MT). O Hospital Central da Aeronáutica (HCA), no Rio de Janeiro (RJ), que é referência em obstetrícia e assistência materno-infantil, disponibilizou a vaga. A partir disso, o Tenente Pacheco solicitou a Evacuação Aeromédica (EVAM). “O responsável pela UTI aérea nos atendeu de maneira muito rápida, assim como foi a disponibilização da aeronave”, ressalta o médico. Aragão e Cássia precisaram encontrar forças rapidamente para lidar com a situação. “Em menos de 24 horas da decisão FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Ten JOR Emília Maria

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Conheça a história da pequena Julia e saiba como os profissionais de saúde da FAB se mobilizaram para salvar a vida da recém-nascida

Acompanhe uma série de reportagens alusivas ao Dia do Serviço de Saúde da Aeronáutica em: www.fab.mil.br. Transporte da gestante foi realizado em UTI aérea do GTE e com acompanhamento de equipe médica


6

Dezembro - 2018

FOTO: CB ANDRE FEITOSA / CECOMSAER

DIA DA INFANTARIA - 11 DEZ

Aos 77 anos, Infantaria da FAB segue em constante modernização Além dos Oficiais de Infantaria, o segmento conta com especialistas de Guarda e Segurança, Suboficiais, Sargentos, Cabos e Soldados, bem como militares de outros quadros e especialidades que atuam de forma complementar nas unidades da tropa terrestre da Força Aérea Ten JOR Cristiane dos Santos A p rimeira tro pa de Infantaria da Aeronáutica foi criada no Reino Unido, com a Royal Air Force Regiment, na década de 1940. Este foi o primeiro corpo de tropa terrestre combatente de uma força aérea e surgiu da necessidade advinda dos ataques de superfície às instalações aeronáuticas durante a Segunda Guerra Mundial. O objetivo era evitar a tomada de pistas e a destruição de aeronaves, equipamentos e suprimentos.

No Brasil, em 11 de dezembro de 1941, surgia a Infantaria da Aeronáutica, por meio da criação das seis primeiras Companhias de Infantaria de Guarda, nas Bases Aéreas de Belém, Fortaleza, Recife, Galeão, Natal e Salvador. O objetivo principal era a proteção e a guarda das instalações militares da Força no litoral brasileiro. Em 1982, com o início da Guerra das Malvinas entre a Argentina e o Reino Unido, acendeu-se um alerta. Segundo o Comandante da Primeira Brigada de Defesa Antiaérea (1º BDAAE), Brigadeiro de

Infantaria Luiz Marcelo Sivero Mayworm, a proximidade do conflito despertou a FAB para a necessidade de aperfeiçoamento da sua Infantaria: “Foi o momento em que a Força Aérea percebeu que a guerra já não estava tão distante. Em uma das ações de incursão britânica, a Argentina foi atacada e teve dez aeronaves Pucará e um T-34 destruídos no solo. Na ocasião, a Força Aérea Argentina não tinha Infantaria e os aviões estavam totalmente desprotegidos”, descreve. A ação chamou a atenção da Força Aérea Brasileira, que decidiu

pela criação do Quadro de Oficiais de Infantaria da Aeronáutica, iniciando, naquele mesmo ano, a formação da primeira turma na Academia da Força Aérea Brasileira (AFA)”, explica o Oficial-General, cadete da terceira turma do Quadro. Os anos passaram e a Infantaria da Aeronáutica continua com a responsabilidade de executar ações defensivas, ofensivas, especiais e de proteção das instalações da Força Aérea. O Conceito de Emprego, em discussão no Comando de Preparo (COMPREP), define três áreas de atuação: Se-

gurança e Defesa (SEGDEF), Defesa Antiaérea (DAAE) e Operações Especiais (OpEsp). Cada uma delas agrupa um conjunto de Ações de Força Aérea específicas: SEGDEF - Segurança das Instalações, Polícia da Aeronáutica e Autodefesa de Superfície; DAAE - Autodefesa Antiaérea; e OpEsp Ação Direta, Reconhecimento Especial, Contraterrorismo e Guiamento Aéreo Avançado. Ao longo dos últimos anos, o emprego das Unidades de Segurança e Defesa vem se acentuando em Operações de Garantia da Lei e da Ordem;


Dezembro - 2018

na atuação em proveito dos grandes eventos, como a Copa do Mundo de 2014, os Jogos Mundiais Militares de 2015 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016; em Missões de Paz, sob a égide da ONU, como na estabilização do Haiti; e nas Operações de Garantida da Votação e da Apuração de eleições no país. O Brigadeiro Mayworm explica que as demais vertentes de atuação da Infantaria da FAB surgiram com o tempo. O Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR), Unidade de Infantaria incumbida das Operações Especiais, teve sua origem em 1963, associada à história da Busca e Salvamento (SAR) no Comando

da Aeronáutica. Seu primeiro Comandante foi o Tenente-Coronel Gil Lessa, oficial da antiga Infantaria de Guarda, hoje Infantaria da Aeronáutica. Sediado, inicialmente, no Campo dos Afonsos (RJ), o PARA-SAR participou do socorro às vítimas de acidentes significativos na história da aviação nacional, como o caso do FAB 2068, em 1967; do VARIG 254, em 1989; do GOL 1907, em 2006; e do Air France 447, em 2009. Atualmente sediada em Campo Grande (MS), a unidade continua vinculada às atividades de Busca e Salvamento, que, segundo o Brigadeiro Mayworm, sempre foi uma atividade de grande importância

Em continuidade ao processo de Reestruturação do Comando da Aeronáutica, os Batalhões Especiais de Infantaria da Aeronáutica (BINFAE), os Batalhões de Infantaria da Aeronáutica (BINFA) e as Companhias de Infantaria da Aeronáutica Isoladas (CINFAI), a partir de 16 de maio de 2018, por efeito da Portaria nº 673/

GC3, foram reorganizados, dando origem aos Grupos (GSD), Esquadrões (ESD), Esquadrilhas (EASD) e Elemento de Segurança e Defesa (ELSD), constituindo, ao todo, 28 Unidades de Segurança e Defesa (USEGDEF). Veja a localização das unidades no infográfico. Na primeira década do século 21, as Unidades de In-

para a Força. Além de poder contribuir com a sociedade em tempos de paz, nos acidentes aeronáuticos, a atividade tem papel essencial na guerra. Nas Operações Especiais, integrou o segmento de combate ao terrorismo nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. A Defesa Antiaérea teve sua origem em 1997, com a ativação da Companhia de Artilharia Antiaérea de Autodefesa (CAAAD), na estrutura do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica do então Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR). Seu primeiro Comandante foi o Capitão de Infantaria Luiz Joaldi Alves Limeira. Hoje, com uma doutrina consolidada, a

7

Defesa Antiaérea abrange uma Brigada – a 1ª BDAAE, integrada por três Grupos de Defesa Antiaérea (GDAAE): o 1º GDAAE, sediado em Canoas (RS); o 2º GDAAE, em Manaus (AM); e o 3º GDAAE, em Anápolis (GO). “Já temos uma doutrina estabelecida e unidades bem estruturadas que dão suporte, a partir do chão, para o domínio do Espaço Aéreo”, afirma o Brigadeiro Mayworm. As Unidades de Defesa Antiaérea também tiveram participação importante na Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, com destaque para o evento de abertura da Olimpíada, no Rio de Janeiro (RJ), realizado em período noturno.

FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

FOTO: SGT BRUNO BATISTA / CECOMSAER

Modernização fantaria já haviam sido submetidas a processo de reestruturação, quando, em Guarnições de Aeronáutica específicas, houve a fusão de Unidades de Infantaria da estrutura de diferentes Organizações Militares, dando origem aos BINFAE. No presente, além da concentração dos meios de Segurança e Defesa, foi possível

focar os esforços das USEGDEF na sua missão, que é realizar Ações de Segurança das Instalações, Polícia da Aeronáutica e Autodefesa de Superfície em favor da proteção dos meios de Força Aérea, contribuindo para a manutenção da soberania do espaço aéreo e para a integração do território nacional, com vistas à defesa da Pátria.


8

Dezembro - 2018

Tenente-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 08/03/1976, declarado Aspirante em 09/12/1982. Principais cargos: Comandante do Grupo de Serviço de Base da Base Aérea de Anápolis (BAAN); Assessor Militar para Assuntos de Aeronáutica, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Chefe da Primeira Subchefia do Estado-Maior do Comando-Geral do Pessoal; Comandante da Base Aérea de Natal; Adido Aeronáutico junto à Embaixada do Brasil no Chile; Assessor da Subchefia de Operações do Estado-Maior de Defesa; Chefe do Estado-Maior do Sétimo Comando Aéreo Regional; Chefe da Subchefia de Operações do Comando-Geral de Operações Aéreas; Comandante da Terceira Força Aérea; Subchefe de Coman-

do e Controle da Chefia de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa; Chefe do Estado-Maior do Comando-Geral de Operações Aéreas; e Comandante do Segundo Comando Aéreo Regional. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Administração de Recursos Humanos; Gestão da Informação; MBA em Gestão Estratégica, pela Universidade Federal Fluminense; e Curso de Capacitação em Gestão Integrada de Processos, Projetos, Resultados e Mudança. Principais condecorações: Ordem do Mérito Ministério Público Militar, grau Grande Oficial; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro com passador de Platina; Medalha do Pacificador; Medalha Mérito Tamandaré; Menção Destaque Operacional Platina; Medalha do

Mérito Bombeiro Militar Major José Osias da Silva; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Grande Oficial; Ordem do Mérito Militar, grau de Oficial; Ordem do Mérito Naval, grau Oficial; Estrela Militar das Forças Armadas do Chile, no grau Estrela ao Mérito Militar; Medalha da Vitória, grau Grande-Oficial; Medalha Mérito Desportivo Militar; Ordem do Mérito Judiciário Militar, grau Alta Distinção; Medalha Pernambucana do Mérito Bombeiro Militar; Medalha do Mérito da Casa Militar de Pernambuco; Ordem do Mérito Militar, grau Grande Oficial; Ordem do Mérito Naval, grau Grande Oficial; Medalha Pernambucana do Mérito Policial Militar. Horas de Voo: 4.900. Cargo atual: Presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais.

Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno Natural de Canoas (RS). Praça de 08/03/1976, declarado Aspirante em 09/12/1982. Principais cargos: Chefe da Seção de Operações do 2º/7º GAV; Chefe da Seção de Instrução e Doutrina do Grupo de Transporte Especial; Chefe da Seção de Apoio à Decisão do Estado-Maior da Aeronáutica; Assistente do Ministro da Aeronáutica; Assessor Parlamentar do Comando da Aeronáutica; Chefe da Assessoria de Atividades Aéreas (GC-2) do Gabinete do Comandante da Aeronáutica; Assistente do Comandante da Aeronáutica; Comandante do Grupo de Transporte Especial; Chefe da Divisão de Relações Públicas do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica; Comandante da Base Aérea de Brasília; Adido de Defesa e de Aeronáutica junto à

Embaixada do Brasil em Paris/ França; Adido de Defesa e de Aeronáutica junto à Embaixada do Brasil em Bruxelas/Bélgica; Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica; Comandante do Quarto Comando Aéreo Regional; e Chefe do Gabinete do Comandante da Aeronáutica. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Curso de Política estratégica Aeroespacial; Administração de Empresas na Universidade de Santa Catarina. Principais condecorações: Ordem do Mérito da Defesa, no grau Grande-Oficial; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Grande Oficial; Ordem do Mérito do Superior Tribunal Militar, Alta Distinção; Ordem do Mérito Rio Branco; Ordem do Mérito Judiciário Militar; Ordem do Mérito Militar, grau Grande

Oficial; Ordem National Du Mérite (França); Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura; Medalha Militar de Ouro; Medalha do Pacificador; Medalha Mérito Tamandaré; Ordem do Mérito Naval, grau Comendador; Medalha da Vitória; Medalha da Sociedade dos Veteranos de 32 M.M.D.C; Medalha do Centenário da Aviação da Polícia Militar de São Paulo; Medalha de Defesa Civil; Ordem do Mérito Judiciário Militar Paulista; Medalha Dráusio Marcondes de Souza; Medalha da Constituição; Medalha Mérito da Inteligência; Medalha do Mérito Judiciário Ministro Manoel da Costa Manso. Horas de Voo: 6.000. Cargo designado: Diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial.


Dezembro - 2018

9

Tenente-Brigadeiro do Ar Luis Roberto do Carmo Lourenço Natural de Carandaí (MG). Praça de 08/03/1976, declarado Aspirante em 09/12/1982. Principais cargos: Instrutor de Voo da Academia da Força Aérea; Chefe da Assessoria de Cerimonial e Transporte Aéreo do Gabinete do Comandante da Aeronáutica; Assessor Militar do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Comandante do Grupo de Serviço de Base Aérea de Brasília; Assessor Parlamentar do Comandante da Aeronáutica; Comandante da Base Aérea de São Paulo; Adido de Defesa e Aeronáutico do Brasil no Equador; Vice-Chefe do Centro de Inteligência da Aeronáutica; Chefe da Divisão de Análise e Processamento da Assessoria Parlamentar do Comandante da Aeronáutica, Chefe da Assessoria Parlamentar

do Comandante da Aeronáutica, Chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Chefe da Assessoria de Segurança Operacional do Controle do Espaço Aéreo, Presidente do Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Chefe do Estado-Maior do COMGEP, Comandante do Quarto Comando Aéreo Regional; Chefe da Quarta Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica; e Vice-Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; e MBA Executivo em Gestão Administrativa. Principais condecorações: Medalha Militar de Ouro, Ordem do Mérito Forças Armadas, grau Cavaleiro; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Grande Oficial; Or-

dem do Mérito Naval, grau Grande Oficial; Ordem do Mérito Militar, grau Grande Oficial; Ordem do Mérito Alferes Joaquim José da Silva Xavier – Tiradentes, grau Grã Cruz; Medalha Mérito Cartográfico; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha Militar das Forças Armadas do Equador; Medalha Marechal Zenóbio da Costa – FEB; Medalha Santos-Dumont, grau Ouro Gov. Est. Minas Gerais; Medalha da Vitória - Força Expedicionária Brasileira; Medalha da Sociedade dos Veteranos de 32 – M.M.D.C; Medalha da Constituição; Medalha de Mérito “Marechal Osório”; e Ordem do Mérito da Defesa, grau Grão-Mestre. Horas de Voo: 3.900. Cargo designado: Comandante-Geral do Pessoal da Aeronáutica.

Major-Brigadeiro do Ar Paulo Roberto de Barros Chã Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 01/03/1980, declarado Aspirante em 12/12/1986. Principais cargos: Oficial de Instrução Terrestre do 1º Grupo de Aviação Embarcada (1º GAE); Chefe da Seção de Comando do 1º Grupo de Aviação Embarcada (1º GAE); Chefe da Seção de Legislação e Informática da Segunda Força Aérea (II FAE); Chefe do Centro de Operações Aéreas da Segunda Força Aérea (II FAE); Comandante do 2º/7º GAV; Gerente do Projeto P-3BR (COPAC); Comandante da Base Aérea de Florianópolis (BAFL);

Gerente do Projeto F-X2 (COPAC); Presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate e Chefe do Subdepartamento de Desenvolvimento de Programas (COPAC). Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Tática Antissubmarino Aeronaval (MB); Guerra Eletrônica (MB); Transporte Aéreo Logístico e Transporte Aeroterrestre; Operações Aéreas Combinadas (França); Análise de Sistemas (PUC-RJ); Primeiro Piloto de Patrulha Antissubmarino; e Piloto Operacional de Transporte

Aéreo Logístico. Principais condecorações: Ordem do Mérito da Defesa, grau de Comendador; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau de Comendador; Ordem do Mérito Naval, grau de Comendador; Medalha da Vitória; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura; Medalha do Pacificador; e Medalha Mérito Tamandaré. Horas de voo: 2.600. Cargo designado: Diretor do Departamento de Produtos de Defesa.


10

Dezembro - 2018

Major-Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros Natural de Montes Claros (MG). Praça de 01/03/1980, declarado Aspirante em 12/12/1986. Principais cargos: Chefe da Seção de Navegação do 1º/7º GAV; Chefe da Seção de Comunicação Social do 1º/5º GAV; Chefe da Seção de Material do 2º/6º GAV; Chefe da Seção de Logística do CCCOA-COMGAR; Chefe da Manutenção do GTE-2; Assessor Parlamentar do Comandante da Aeronáutica; Adjunto do Adido de Defesa e Aeronáutica na França e Bélgica; Vice-Presidente da COMARA; Assessor Militar da Aeronáutica na Vice-Presidência da República; Subdiretor de Pessoal

Militar da DIRAP; Presidente da Comissão de Promoção de Graduados; Chefe da Quarta Subchefia do EMAER. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Interforças de Defesa – École de Guerre (Paris, França); Pós-Graduação MBA – Gestão Administrativa, na UFF; Tática Aérea; Administração de Suprimento e Manutenção; Gerência de Suprimento e Manutenção; Centro de Operações Aéreas. Principais condecorações: Ordem do Mérito da Defesa, grau Comendador; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Comendador; Ordem do Mérito Militar, grau Comendador; Ordem do Mérito

Naval, grau Comendador; Ordem do Mérito Judiciário Militar, grau Alta Distinção; Ordem do Mérito de Rio Branco; Ordem do Mérito Ministério Público Militar; Medalha Mérito Desportivo Militar; Medalha da Vitória; Medalha Militar de Ouro com passador de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha do Pacificador; Medalha de Serviço Amazônico e Menção Destaque Operacional Ouro do Comando-Geral de Operações Aéreas. Horas de voo: mais de 4.500. Cargo designado: Chefe do Gabinete do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Major-Brigadeiro do Ar Ricardo Augusto Fonseca Neubert Natural de Belo Horizonte (MG). Praça de 01/03/1980, declarado Aspirante em 12/12/1986. Principais cargos: Adjunto da Seção de Instrução do 1º/7º GAv; Instrutor de Voo na Academia da Força Aérea; Chefe da Subdivisão de Aeronaves e de Oficinas do PAMA-LS; Chefe da Assessoria de Planejamento e Controle do PAMA-LS; Coordenador do Projeto R/C-99 do PAMA-GL; Chefe da Divisão de Logística da Comissão Aeronáutica Brasileira na Europa; Chefe da Divisão de Projetos Aeronáuticos da DIRMAB; Diretor do Parque de Ma-

terial Aeronáutico de Recife; Chefe da 4ª Subchefia do EMGAP; Diretor do Parque de Material Aeronáutico de São Paulo; e Chefe da Subchefia de Planejamento e Controle do EMGAP. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Operacional em Patrulha pelo 1°/7° GAV; Instrutor de voo, na AFA; Curso Superior de Defesa - Escola Superior de Guerra; Curso de Logística e Mobilização Nacionais - Escola Superior de Guerra; Pós-Graduação Latu Sensu em Engenharia de Processos e Gestão da Logística - Instituto de

Educação Tecnológica de Minas Gerais; MBA em Logística Empresarial - Fundação Getúlio Vargas; e MBA em Processos - Universidade Federal Fluminense. Principais condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Comendador; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha do Pacificador; além de 8 condecorações estaduais de São Paulo e Minas Gerais. Horas de voo: 3.800. Cargo designado: Diretor de Material Aeronáutico e Bélico.

Major-Brigadeiro Intendente Carlos Alberto Dias Martins Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 07/03/1977, declarado Aspirante em 09/12/1983. Principais Cargos: Chefe do Centro de Controle de Ordens de Serviço, das Seções de Planejamento de Reparáveis, de Manutenção Técnica e de Informática, da Assessoria de Planejamento de Manutenção, das Subdivisões de Suprimento Técnico, de Intendência e da Divisão Administrativa do PAMA-GL; Chefe das Divisões de Planejamento Orçamentário e de Contratos e Subdiretor Interino de Administração Logística da DIRMAB;

Diretor do Instituto de Logística da Aeronáutica; Subdiretor de Encargos Especiais e Subdiretor de Pagamento de Pessoal da DIRINT; Chefe da Quinta Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica; e Chefe do CEAP. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Administração de Materiais da FGV; Negociação de Contratos Internacionais no ILA; Administração de Material, Serviços e Treinamento no Programa “Security Assistance” no ILA; Modelagem de Dados, Administração de Banco de Dados e Ferramentas Case da ORACLE; Administração Avançada e Programa-

ção Shell do Sistema Operacional UNIX da Unisys; Administração Avançada de Rede NETWARE; e Geral de Mecânicos da Aeronave AMX. Principais Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro com passador de Platina; Medalha Governador Pedro Toledo – SP; Ordem do Mérito Militar; Medalha da Vitória; Ordem do Mérito Naval; Medalha do Pacificador; e Medalha Mérito Tamandaré. Cargo designado: Diretor de Administração da Aeronáutica.


Dezembro - 2018

11

Major-Brigadeiro Intendente Marcos Aurélio Pereira Silva Natural de Fortaleza (CE). Praça de 01/02/1982, declarado Aspirante em 12/12/1985. Principais Cargos: Chefe das Seções de Registro, de Imóveis, de Subsistência, de Material de Intendência e de Controle Interno da BAFZ; Chefe do Serviço de Subsistência e das Seções de Finanças e de Controle Interno da BABE; Prefeito de Aeronáutica de Fortaleza e de Recife; Chefe da Assessoria de Controle Interno da COMARA; Chefe da Divisão de Contabilidade Gerencial (SUCONT-1) da SEFA; Subsecretário de Contabilidade da SEFA; e Subdire-

tor de Contabilidade da DIREF. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Política e Estratégia Aeroespaciais; MBA em Gestão Administrativa - UFF/2004; Reciclagem aos Agentes da Administração - SEFA/COMAR I/2006; Capacitação em Economia e Finanças - CCEF - SEFA/COMAR II/2010; MBA em Política e Defesa - Faculdade Pitágoras/2012; Gestão de Processos - CGEPRO/SEFA/2013; Relatório de Gestão - TCU/CENCIAR/2013; Entendendo e Utilizando o SIC (Sistema de Informações de Custos do Governo Federal - ESAF/2014; e Capacitação

em Gestão Integrada de Processos, Projetos, Resultados e Mudanças BRAXTOL Business Care/2015. Principais Condecorações: Ordem do Mérito da Defesa, grau Comendador; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Comendador; Ordem do Mérito Militar, grau Comendador; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha do Pacificador; e Menção Destaque Operacional Platina do Comando-Geral de Operações Aéreas. Cargo Designado: Chefe do Centro de Controle Interno da Aeronáutica.

Brigadeiro do Ar Sergio Barros de Oliveira Natural de Belém (PA). Praça de 01/02/1983, declarado Aspirante em 08/12/1989. Principais cargos: Comandante do Esquadrão de Suprimento e Manutenção da BACO; Comandante do 1º/14º GAV; A-1 e A-3 da III Força Aérea; Comandante da Base Aérea de Santa Cruz; Adido de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutico na Índia; Chefe da Seção de Cooperação Internacional da Segunda Subchefia, Chefe da Seção de

Comando e Controle e Chefe da Seção de Doutrina da Terceira Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Tática Aérea; Básico de Reconhecimento; International Imagery Interpretation Course (Royal Air Force); Recebimento de Aeronaves modalidade Asa Fixa; e Comando de Emprego. Principais condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico; Meda-

lha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura; Ordem do Mérito Naval; Ordem do Mérito Aeroterrestre; Medalha Mérito Tamandaré; e Medalha de Mérito Pedro Ernesto. Horas de voo: 2.400. Cargo designado: Chefe da Subchefia de Planejamento, Orçamento e Gestão Institucionais do Comando de Preparo.

Brigadeiro do Ar Júlio César Maiello Villela Natural de Campo Grande (MS). Praça de 01/02/1983, declarado Aspirante em 08/12/1989. Principais cargos: Chefe das Seções de Pessoal, de Inteligência e de Operações do 1º / 10º GAV; Chefe da Divisão de Inteligência da Secretaria de Inteligência da Aeronáutica; Analista de Inteligência do CIAER; Comandante do 1º / 10º GAV; Chefe da Assessoria de Patrimônio e Logística do Gabinete do Comandante da Aeronáutica; Adido

de Defesa e Aeronáutico do Brasil na Argentina e Adjunto de Inteligência da Divisão de Integração do CIAER. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Piloto de Caça - 2º /5º GAV; MBA Executivo em Gestão de Projetos – UFF; MBA Executivo em Estratégia Empresarial – FGV; Air Intelligence Applications Officer – USAF; Rastreio de Armamento e Comércio Ilegal de Armas, suas partes e munições - ONU. Principais condecorações: Menção

Destaque Operacional Prata; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial; Medalha do Pacificador; Ordem do Mérito Aeronáutico da Força Aérea Argentina; e Medalha da Ordem do Instituto Nacional Newberiano – República Argentina. Horas de voo: 2.300. Cargo designado: Chefe do Centro de Inteligência da Aeronáutica.


12

Dezembro - 2018

Brigadeiro do Ar Paulo Ricardo Laux Natural de Montenegro (RS). Praça de 23/07/1984, declarado Aspirante em 08/12/1989. Principais cargos: Chefe da Seção de Guerra Eletrônica e Chefe da Seção de Inteligência do 1º/10º GAV; Chefe da Seção de Inteligência de Alvos do COMGAR; Comandante do 1º/10º GAV; Gerente do Grupo de implantação de Aeronaves Remotamente Pilotadas na FAB; Comandante do 1º/12º GAV; Chefe das Seções de Projetos e

de Doutrina do EMAER; e Assessor Especial na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; International Imagery Interpretation Course (JSPI-UK); Interpretação de Imagens Orbitais e Suborbitais (Especialização, UFSM - RS); Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR); National Security and Strategic Studies Course (NDC – Índia); Mestrado em Filosofia

de Defesa e Estudos Estratégicos (Univ. Madras - Índia). Principais condecorações: Menção Destaque Operacional Ouro; Ordem do Mérito Aeronáutico; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura. Horas de voo: 2.500. Cargo designado: Chefe da Sétima Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica.

Brigadeiro do Ar Adriano Beraldo Andrade Natural de Silvianópolis (MG). Praça de 01/03/1986, declarado Aspirante em 08/12/1989. Principais cargos: Chefe das Seções de Inteligência e Guerra Eletrônica do 1º/6º GAV e da III Força Aérea; Chefe da Seção de Logística da III Força Aérea; Chefe da Secretaria de Conselhos do GABAER; Comandante do 1º/6º GAV; Adido de Defesa e Aeronáutico na Bolívia; Presidente da Associação de Agregados Militares

acreditados no Estado Plurinacional da Bolívia; e Vice-Chefe da CPO. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Política e Estratégia Marítimas; Doutorado em Ciências Navais (UFRJ); Bacharelado em Direito; Pós-Graduação em Direito Público. Principais condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico; Ordem do Mérito Naval; Medalha Mérito de Ensino Marechal Trompowsky; Orden del

Mérito Aeronáutico de la Fuerza Aérea Boliviana; Orden del Mérito Naval de la Armada Boliviana; Condecoração por Serviços Distinguidos “Guerrilleros de la Independencia”, na Bolívia; Medalha de Honra da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Polícia Federal Brasileira na Adidância na Bolívia. Horas de voo: 4.000. Cargo designado: Subdiretor de Fiscalização e Controle da Diretoria de Infraestrutura da Aeronáutica.

Brigadeiro Intendente Luiz Fernando Moraes da Silva Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 01/02/1984, declarado Aspirante em 09/12/1988. Principais Cargos: Analista-Chefe dos Sistemas de Consignação, de Suporte, de Operação e de Pagamento de Pessoal e Chefe da Divisão de Processamento de Dados da Subdiretoria de Pagamento de Pessoal; Chefe de Gabinete da Diretoria de Intendência; Diretor da Pagadoria de Inativos e Pensionistas

da Aeronáutica; Agente de Controle Interno da Diretoria de Saúde da Aeronáutica e da Subdiretoria de Aplicação dos Recursos para Assistência Médico-hospitalar; Chefe da Divisão Financeira da Subdiretoria de Administração Financeira da Diretoria de Economia e Finanças da Aeronáutica (DIREF); Chefe da Divisão de Créditos (SUFIN-2) da DIREF. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Mestrado em

Ciência da Computação pelo AFIT, EUA; e MBA em Gestão de Processos pela UFF. Principais Condecorações: Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial; Ordem do Mérito da Defesa, grau Oficial. Cargo Designado: Diretor de Tecnologia da Informação da Aeronáutica.

Brigadeiro Intendente Marcelo Brasil Carvalho da Fonseca Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 01/02/1982, declarado Aspirante em 09/12/1988. Principais cargos: Comandante do Esquadrão de Intendência e Agente de Controle Interno da BAFZ; Prefeito de Aeronáutica da Base Aérea de Fortaleza; Chefe da Subdivisão Administrativa e da 3ª Subchefia do COMGEP; Assessor de Controle Interno e Chefe da Subdivisão de Contratos da COPAC; Chefe da Seção Administrativa, Financeira e Contratual

e do Grupo de Acompanhamento e Controle junto à empresa EADS-CASA, na Espanha; e Chefe da Divisão de Finanças e Contratos da COPAC. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Bacharel em Direito, pela UFC; MBA - Desenvolvimento Avançado de Executivos Área de Gestão de Processos; Corso Base Sull’analisi dei Costi Industriali, pela Scuola di Formazione e Perfezionamento Del Personale Civile della

Difesa, em Roma; Metodologia de Planejamento de Auditoria Baseada em Risco (ABOP); Curso Superior de Defesa e curso de Altos Estudos de Política e Estratégia da ESG. Principais condecorações: Ordem do Mérito da Defesa, grau Oficial; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial; Medalha Militar de Ouro; e Medalha Mérito Santos-Dumont. Cargo designado: Chefe da 5ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica.


Dezembro - 2018

13

Brigadeiro Intendente Marcelo Estevam Barbosa Natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 02/03/1980, declarado Aspirante em 09/12/1988. Principais cargos: Gestor de Finanças, de Contratos, de Licitações e Agente de Controle Interno do PAMB-RJ; Gestor de Finanças, de Contratos, de Licitações e Agente de Controle Interno do PAMA-GL; Chefe das Seções Administrativa, de Informática e de Pessoal, Adjunto da Subchefia de Planeja-

mento Orçamentário e Chefe do Gabinete Logístico Concentrado do Comando-Geral do Apoio; Chefe do Grupamento de Apoio Logístico; Vice-Chefe do Centro de Apoio Administrativo da Aeronáutica; Membro do Comitê de Implantação do Centro de Aquisições Específicas; e Subcomandante do Centro de Aquisições Específicas. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Política e Es-

tratégia Aeroespaciais; MBA Gestão de Processos Ênfase em Logística pela UFF; e Licitações e Contratos Administrativos pela Fundação Getúlio Vargas. Principais condecorações: Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; e Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial. Cargo designado: Chefe do Centro de Apoio Administrativo da Aeronáutica.

Brigadeiro Engenheiro Raymundo Ubirajara da Fonseca Salgado Junior Natural de Belém (PA). Praça de 08/02/1984, declarado 1° Tenente em 16/12/1989. Principais cargos: Chefe dos Canteiros de Obras da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica em Itaituba (PA), Santarém (PA), Belém (PA), Cachimbo (PA), Manaus (AM), São Gabriel da Cachoeira (AM), Ipiranga (AM), Tabatinga (AM), Vila Bittencourt (AM) e Auaris (RR); Chefe das Seções de Patrimônio e de Orçamento, das Sub-

divisões de Planejamento e de Obras e da Divisão de Engenharia da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica; Chefe da Divisão de Engenharia de Campanha, Subdiretor de Administração e de Patrimônio e Obras da Diretoria de Engenharia de Aeronáutica; Subdiretor de Fiscalização e Controle e de Planejamento da DIRINFRA. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Projeto de Aeródromos, no ILA; Mestrado em Air-

port Planning and Management, na Loughborough University, Inglaterra; MBA em Gestão de Processos; MBA em Política e Defesa, na Universidade Estácio de Sá. Principais condecorações: Medalha Mérito Santos-Dumont; Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Oficial; Medalha Militar de Ouro. Cargo designado: Subdiretor de Planejamento da Diretoria de Infraestrutura da Aeronáutica.

Brigadeiro Engenheiro Luciano Valentim Rechiuti Natural de Santo Anastácio (SP). Praça de 01/02/1988, declarado 1º Tenente em 25/12/1989. Principais cargos: Engenheiro da Equipe de Absorção de Tecnologia do SIVAM em Garland, Texas (EUA) na COMFIREM-SIVAM; Gerente de implantação da Célula de Processamento de Imagens dos Sensores Aeroembarcados do SIVAM; Gerente de Vigilância Integrada do Centro Regional de Manaus e Assessor Técnico-Operacional da

Diretoria Executiva do SIPAM; Gerente Adjunto do Projeto do Míssil A-DARTER; Gerente Técnico do Projeto do Míssil Antirradiação MAR-1, Gerente Técnico do Projeto do Radar SCP-01 da aeronave AM-X, e Chefe da Seção Técnica e do Grupo de Acompanhamento e Controle na Empresa Mectron; e Diretor do CLA. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Graduação em Engenharia Cartográfica, na Faculdade de Ciência e Tecnologia da UNESP; Mestra-

do em Sensoriamento Remoto, no INPE; MBA em Gerenciamento de Projetos, na FVG-Brasília; MBA em Gestão de Processos; e MBA em Política e Defesa. Principais condecorações: Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Exército Brasileiro; e Ordem do Mérito Aeronáutico, grau Cavaleiro; e Medalha Brigadeiro Falcão da PMMA. Cargo Designado: Subchefe de Integração Logística do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Brigadeiro Engenheiro Dalmo José Braga Paim Natural de Volta Redonda (RJ). Praça de 07/08/1989, declarado 1º Tenente em 19/12/1989. Principais cargos: Chefe das Seções de Suprimento e Manutenção do SRPV de Manaus; Chefe das Subdivisões de Telecomunicações, de Radar e de Planejamento do CINDACTA III; Chefe das Subdivisões de Manutenção, Técnica, do Planejamento do Comando e de Despesas por Delegação do CINDACTA IV; Diretor do Parque

de Material de Eletrônica do Rio de Janeiro; e Chefe Interino do Subdepartamento Técnico do Departamento de Controle do Espaço Aéreo. Principais cursos: Possui todos os cursos de carreira; Engenharia de Telecomunicações; Pós-Graduação em Comunicações e dispositivos ópticos; Curso de Política e Estratégia Aeroespacial; Manutenção e operação do sistema de Tratamento Radar do MITRA; MBA em Gestão de Projetos

pela Universidade Federal Fluminense; MBA em Política e Defesa pela Universidade Estácio de Sá. Principais condecorações: Medalha Militar de Prata; Medalha do Mérito Santos-Dumont; Ordem do Mérito Aeronáutico; Ordem do Mérito Cartográfico; e Medalha Mérito Marechal Cordeiro de Farias. Cargo Designado: Chefe do Subdepartamento Técnico do Departamento de Controle do Espaço Aéreo.


Dezembro - 2018 2018 FOTO: ARQUIVO INCAER

14

HISTÓRIA

Antiga Estação de Hidroaviões é patrimônio cultural sob tutela da FAB Na última reportagem da série Bens Tombados, confira a história da sede do INCAER A sede do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), no Rio de Janeiro (RJ), foi a Estação de Passageiros de Hidroaviões do Aeroporto Santos-Dumont, inaugurada

em 29 de outubro de 1938. Devido a sua importância para o momento político do Brasil, em conjunto com a sua arquitetura despojada, o prédio foi inscrito no Livro do Tombo das Belas Artes, em 1957, do então Departamento do Patrimônio

Histórico e Artístico Nacional (DEPHAN), atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). “A sede do Instituto, estabelecida num lugar de memória, que deve ser preservado não só pelo fato de ser um

Tráfego Aéreo foi intenso na Estação A Estação de Hidroaviões foi construída em consonância com os princípios de funcionalidade espacial e construtiva. Apresenta pilotis, grandes marquises em balanço, fachadas de vidro e estrutura livre de concreto armado. O edifício, projetado em dois andares, tem as paredes externas e internas revestidas de mármore travertino romano. Nele, foram contempladas todas as características de um terminal de transporte aéreo, possuindo, no primeiro pavimento, o hall de passageiros e de despa-

cho, companhias, polícia, alfândega, saúde, dependência para pilotos, etc. Os pavimentos são conectados internamente por uma escada helicoidal. No segundo andar, há um salão para restaurante e bar, que circunda o vazado do hall e se abre para um terraço descoberto, possibilitando ampla vista para a Baía de Guanabara. Uma escada no terraço, em formato caracol, leva até o jardim, onde uma marquise conduzia os passageiros abrigados até o ancoradouro para o embarque nos hidroaviões.

Contudo, a Estação só funcionou por um período de quatro anos, encerrando suas atividades em 1942. Logo depois, os hidroaviões começaram a ser substituídos pelos aviões com rodas, em uma nova fase da aviação comercial. “Apesar de ter funcionado por tão pouco tempo, o tráfego aéreo na Estação de Hidroaviões foi intenso. Alguns eventos chamaram a atenção da imprensa da época, que registrou a movimentação dos aviões que cruzavam o espaço aéreo, em todas as direções, alçando voo e aterrissando na Estação”, conclui a Tenente Melo.

dos mais importantes exemplares da arquitetura moderna, mas, sobretudo, por integrar o acervo da história e da arte do país. Isso reveste a Estação de Hidroaviões de uma dupla proteção, isto é, tanto pela competência do

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, como pela competência, inerente, do próprio INCAER, que é um órgão de cultura”, ressalta a Historiadora do Instituto, Tenente Bruna Melo dos Santos Duque Estrada.

FOTO: ARQUIVO INCAER

Ten JOR João Elias

A Estação de Hidroaviões foi inaugurada em 1938 e funcionou por um período de quatro anos


Dezembro - 2018

ENTRETENIMENTO

CAÇA-PALAVRAS O curso de INFANTARIA na Academia da Força Aérea (AFA), localizada em PIRASSUNUNGA (SP), dura quatro anos e é bem completo. As ATIVIDADES específicas começam no segundo ano, quando começam as matérias técnico-especializadas que fazem parte de iniciação na área, entre elas, TÁTICAS de COMBATE Terrestre, NAVEGAÇÃO Terrestre e Equipamentos BÉLICOS. Mas não são somente os oficiais formados pela AFA que trabalham na área de Infantaria. Os Especialistas em Guarda e SEGURANÇA que passam dois anos em formação na Escola de Especialistas de AERONÁUTICA (EEAR), localizada em GUARATINGUETÁ (SP), também exercem atividades na área.

15


FOTO: SGT JOHNSON BARROS / CECOMSAER

Profile for Força Aérea Brasileira

Notaer dezembro 2018  

INFANTARIA DA AERONÁUTICA - Especialidade segue em constante modernização na FAB (págs. 6 e 7)

Notaer dezembro 2018  

INFANTARIA DA AERONÁUTICA - Especialidade segue em constante modernização na FAB (págs. 6 e 7)

Profile for portalfab