Page 1

www.fab.mil.br

Ano XXXVII

Nº 7

Julho, 2014

ISSN 1518-8558

Novo Comando e Controle para Operações Aéreas

Escola de Especialistas de Aeronáutica forma 605 novos sargentos em 23 especialidades. Após passarem por cursos de formação atualizados às novidades tecnológicas da FAB, os militares seguem para suas unidades.

OPERAÇÃO Esquadrão Carajá realizou 12 missões de transporte de órgãos em seis meses. Prontidão já permitiu realizar duas missões em menos de 24 horas. Página 6

TECNOLOGIA Nova Central de Vigilância Operacional Móvel inova na vigilância eletrônica do Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo. Página 7

SAÚDE Em tempos de inverno, é comum relaxar das atividades físicas e até perder a boa forma conquistada. Confira dicas para se exercitar durante os dias frios. Página 10

SEGURANÇA DE VOO Nova seção do NOTAER traz informações e dicas para garantir operações aéreas seguras. Nesta edição, saiba mais sobre o Relatório ao CENIPA para Segurança de Voo. Página 7

Acesse o NOTAER através do QR Code ao lado:

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAER

FOTO: SGT REZENDE / CECOMSAER

Com uma nova estrutura de Comando e Controle a Força Aérea Brasileira modifica a forma de conduzir suas operações aéreas. Agora, o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), por meio do Centro Conjunto de Operações Aéreas, coordena os voos de aeronaves das Forças Armadas no País. A estreia do novo sistema acontece na Copa do Mundo, com as missões de defesa aérea e de apoio em 12 cidades-sede. Páginas 8 e 9


2

Julho - 2014

CARTA AO LEITOR

Expediente

Aeronáutica em movimento Este é um NOTAER que mostra uma Aeronáutica em movimento. É a inovação de como cumprimos nossa missão por meio do Centro Conjunto de Operações Aéreas. É uma Escola de Especialistas que forma, com distinta competência, novos Sargentos para as unidades. É o sucesso dos nossos atletas, sejam eles competidores em campeona-

tos internacionais ou apenas quem procura manter a forma em meses de inverno. Mais que fazer, esse jornal mostra como há determinação em fazer bem feito. É o caso da nossa Secretaria de Finanças da Aeronáutica (SEFA), hoje um verdadeiro exemplo dentro do Governo Federal de como gerenciar - e respeitar - os preciosos recursos públicos.

E, numa prova de superação, nossos militares vão bem além do que se espera deles. Em Natal, o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno não se contenta com sua dileta missão, e ajuda a preservar a riqueza natural daquela bela parte do nosso Brasil. É esse mesmo padrão de excelência e determinação que fazem o Esquadrão

Carajá, em São Paulo, já ter realizado 12 missões de transporte de órgãos somente este ano. Tudo isso e muito mais você encontra nesta edição do NOTAER. Boa leitura! Brig Ar Pedro Luís Farcic Chefe do CECOMSAER

Chefe da Divisão de Comunicação Integrada: Coronel Aviador Max Luiz da Silva Barreto Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação: Tenente-Coronel Aviador André Luís Ferreira Grandis Chefe da Seção de Divulgação: Major Aviador Rodrigo Alessandro Cano

Editor: Tenente Jornalista João Elias (Registro Profissional nº 8933 / RS) e Tenente Jornalista Humberto Leite

ROTINA DIGITAL

tratado no NOTAER de abril de 2011 – “SEGURANÇA NOS MEIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO”. Outra atitude importante é conhecer e se proteger contra as ações de Engenharia Social, também tratado no NOTAER de maio de 2011. Golpes aplicados na Internet são baseados na ingenuidade das pessoas que, ao receberem uma mensagem falsa informam dados sigilosos ou acessam anexos infectados. Esse tipo de ataque é conhecido como phishing. O ataque ocorrido aos serviços de comunicações do

Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic

Chefe da Agência Força Aérea: Major Aviador Bruno Pedra

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

O mundo está vivendo, ainda hoje, os efeitos das declarações de Edward Snowden. Governos ficaram chocados com a revelação de que comunicações foram interceptadas, e que chefes de Estado tiveram suas comunicações monitoradas. Após essas revelações, muito se falou sobre investimentos em sistemas seguros de comunicações, modificações com altos custos em infraestruturas, contratações de antivírus, sistemas de detecção de invasões, modernos sistemas de prevenção. Nenhuma dessas atitudes é suficiente se não tiver a cooperação de todos. A segurança dos recursos computacionais é, à semelhança da Segurança de Voo, uma responsabilidade de todos. A “corrente” da segurança é tão forte quanto seu “elo” mais fraco! As atitudes de todos os envolvidos são fundamentais para salvaguardar as informações. Um exemplo dessas atitudes é a escolha de uma senha forte, preferencialmente diferente para cada serviço que o usuário utilize nas redes de computadores, como já

O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno.

Ministério das Relações Exteriores na segunda quinzena de maio deste ano utilizou esse tipo de técnica. Foram enviadas mensagens falsas com anexos maliciosos a endereços do domínio “@itamarati.gov. br”. Contas e senhas individuais foram descobertas e os atacantes obtiveram acesso a uma série de documentos, inclusive Classificados! Fazendo um novo paralelo à Segurança de Voo, um Incidente de Rede, a exemplo de um acidente aéreo, normalmente se repete, e devemos utilizá-los para aumentar a percepção das

ameaças! Você utiliza senhas padrão para acesso às contas on-line? Você utiliza o correio eletrônico para o trato de assuntos sensíveis relacionados ao trabalho? Se você tivesse recebido uma mensagem inesperada, acessaria o anexo que poderia estar infectado? Se respondeu SIM a alguma das perguntas acima, fique atento! Não permita que um golpe faça de você a próxima vítima. Além disso, siga algumas recomendações do CIAER: - Use senhas fortes e troque-as com frequência; - Não acesse anexos de e-mails que não esteja esperando; e - Nunca utilize e-mail para o trâmite de arquivos ou informações sigilosas! O COMAER mantem uma rede de comunicações seguras, que atende aos requisitos técnicos e legais de salvaguarda de informações classificadas. Utilize exclusivamente essa rede para suas comunicações seguras. Quebre a rotina digital, pense seguro! (Centro de Inteligência da Aeronáutica)

Repórteres: Ten JOR Humberto Leite, Ten JOR Flávio Nishimori, Ten JOR Geraldo Bittencourt, Ten JOR Gabrielli Siqueira, Ten JOR Evellyn Abelha e Ten JOR Iris Vasconcellos. Colaboradores: textos enviados ao CECOMSAER via Sistema Kataná. Diagramação e Arte: Ten FOT José Mauricio Brum de Mello, Sargento Emerson Guilherme Rocha Linares, Sargento Santiago Moraes Moreira, Sargento Marcela Cristina Mendonça dos Santos. Revisão: Cel Av Paulo César Andari, Ten Cel Av Cláudio José Lopez David, Ten Cel Av Aloisio Secchin Santos, Ten Cel Av Emerson Mariani Braga. Tiragem: 30.000 exemplares Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Comentários e sugestões de pauta sobre aviação militar devem ser enviados para: redacao@fab.mil.br Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” 7º andar CEP - 70045-900 / Brasília - DF ERRATA: A foto da capa da edição anterior no NOTAER é uma fotomontagem.

Impressão e Acabamento: Log & Print Gráfica e Logística S.A


Julho - 2014

3

PALAVRAS DO COMANDANTE

H

Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito Comandante da Aeronáutica

á pessoas especiais neste mundo. São aquelas que encaram as dificuldades como desafios e, com inteligência e esforço, transformam os antigos obstáculos em objeto de soluções. É quando óbices não resistem ao escrutínio da genialidade. Este pode ser o resumo da vida de Alberto Santos Dumont até em histórias pouco conhecidas, mesmo para nós, homens e mulheres da Aeronáutica. Quando Santos Dumont decidiu construir uma casa em Petrópolis, cidade serrana do Rio de Janeiro, o terreno era uma encosta íngreme e muitos amigos duvidaram do projeto. Chamada de “A Encantada”, a residência de verão do inventor está lá, até hoje, como uma prova inequívoca da capacidade intelectual e do esforço do brasileiro. Não bastando superar o ceticismo, a inventi-

vidade também surpreendeu, e Santos Dumont instalou ali o que seria o primeiro chuveiro de água quente. Em 1906, o mais pesado que o ar, o incrível avião, surpreendeu o mundo e, também, trouxe invenções correlatas. Antes, vieram os dirigíveis. Imensos, sensíveis e com tecnologias de ponta para a época, precisavam ser guardados em algum lugar. Resultado? Santos Dumont se tornou o inventor do hangar. O primeiro, com 30 metros de comprimento, 7 de largura e 11 de altura, já demonstrou a dificuldade de manejar os imensos portões. O que fez o brasileiro? Desenvolveu um sistema de rolamentos. Mesmo quando não criava um invento de sua mente genial, Santos Dumont tinha a visão de tornar o incomum em algo prático. Foi assim que pe-

diu para o amigo Louis Cartier para adaptar um relógio para usar no pulso, uma solução simples e eficiente para o primeiro de todos os aviadores. Tal feito também revela que o brasileiro era possuidor da habilidade ímpar de saber, também, aproveitar os talentos de quem o cercava. A cada dia 20 de julho, lembramos o nascimento do gênio Santos Dumont. Lembramos seus feitos, seus desenvolvimentos técnicos e as inúmeras histórias do Patrono da Aeronáutica. Santos Dumont, contudo, deve nos inspirar ainda mais. A lembrança do brasileiro deve servir de inspiração para os momentos em que a realidade se mostrar etérea. É esse o zênite de todo invento: sair do comum e alcançar a superação. Em nome de Santos Dumont, superemo-nos!

FOTOS: ACERVO / CECOMSAER

Santos Dumont: o inventor que nos inspira


4

Julho - 2014

ACONTECE XVI SIGE

Pós-Graduação com desconto

A equipe de salto livre Falcões, formada por militares da Força Aérea Brasileira, enfrenta dois desafios este mês. Eles vão participar do Campeonato Latino-Americano de Precisão, em Cuba, de 14 a 20 de julho e, também, do Campeonato Brasileiro de Formação em Queda Livre, a ser realizado de 27 de julho a 2 de agosto, em Boituva, interior de São Paulo. A equipe Falcões vem conquistando campeonatos nacionais e internacionais e se tornou uma referência no paraquedismo militar.

Estão abertas até o dia cinco de setembro as inscrições para o XVI SIGE, o Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa. O evento será de 23 a 25 de setembro. Mais informações no endereço eletrônico: www.sige.ita.br

O Ministério da Defesa firmou convênio com o programa de Pós-Graduação a Distância da wPOS, oferecendo condições especiais para militares, servidores e dependentes por meio do Programa Nacional de Bolsas. São cinco mil bolsas de estudo em diversas áreas, com até 50% de desconto.

FOTO: TEN ENILTON / CECOMSAER

Campeonatos de Paraquedismo

RUMAER Foi prorrogado por mais dois anos a utilização do uniforme de educação física com camiseta regata branca com o gládio alado. Também foi prorrogado o abrigo Nº 13. Os uniformes poderão ser utilizados até 5 de junho de 2016.

Ensino Superior Militar Acontece de 23 a 25 de julho o Sexto Encontro Pedagógico de Ensino Superior Militar (VI EPESM). O evento vai ser realizado na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP). O objetivo é promover o debate acerca dos processos de formação dos oficiais militares das Forças Armadas brasileiras, tendo por referência os novos cenários de conflitos e a atuação desses p ro f i s s i o n a i s p a ra atenderem sua destinação constitucional de Defesa da Nação.

ANIVERSÁRIO Grupo de Apoio de Brasília GAP - BR 17/07 - 46 anos

Parque de Material de Eletrônica do Rio de Janeiro - PAME RJ 26/07 - 40 anos

Segundo Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação - 2º/8º GAV 15/07 - 41 anos

Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação 5º/8º GAV 19/07- 43 anos

Comissão de Desportos da Aeronáutica - CDA

Hospital de Aeronáutica de Recife - HARF

Centro de Inteligência da Aeronáutica - CIAER

Base Aérea de Recife BARF

10/07 - 68 anos

17/07 - 46 anos

24/07 - 73 anos

Primeiro Esquadrão do Quarto Grupo de Aviação 1º / 4º GAV 29/07 - 67 anos

C e nt ro L o g í st i c o d e Aeronáutica - CELOG ANIVERSÁRIO FELIZ

Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo 7º ETA 04/07 - 31 anos

Prefeitura de Aeronáutica de Curitiba - PACT

11/07 - 57 anos

13/07 - 9 anos

Quer ver sua unidade no NOTAER? Mande sua notícia pelo sistema Kataná. Não tem a senha? Cadastre-se pelo e-mail: web.dpd@cecomsaer.aer.mil.br

28/07 - 47 anos

Museu Aeroespacial MUSAL 31/07 - 41 anos


Julho - 2014

5 FOTOS: SGT REZENDE / CECOMSAER

ENSINO

Escola de Especialistas forma mais 605 Sargentos

J

unho e julho são meses de chegada de novos militares em unidades de todo o País. No dia 19 de junho, a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) formou mais 605 Sargentos de 23 especialidades diferentes. A primeira colocada do Curso de Formação de Sargentos vai para o Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I). Na cerimônia de formatura, a Sargento Gabriela Rosa passou o estandarte da EEAR e recebeu o Prêmio Força Aérea Militares perfilados em forma de uma divisa de Terceiro Sargento, graduação alcançada com a formatura. Ao lado, a primeira colocada passa o estandarte da Escola a aluno.

Brasileira das mãos do Comandante da Aeronáutica, Te nente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito. “É uma emoção muito grande estar aqui. Era um sonho que eu tinha desde pequena”, disse a Sargento. Entre os militares do Estágio de Adaptação à Gradução de Sar-

gentos (EAGS), o primeiro colocado foi Gabriel Santhiago, que irá servir no Grupamento de Apoio à Saúde, no Rio de Janeiro. A solenidade contou com a presença de familiares, do Alto Comando da Aeronáutica e de representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Os novos Sargentos cantaram a “Canção do Especialista” e “Adeus Querida Escola”. Também houve a

apresentação do grupo de ordem unida “Elite Especialista”. Novo currículo O Comandante da EEAR, Brigadeiro do Ar Mauro Martins Machado, ressaltou que a Escola está em processo de mudança de currículos, de forma a adequar a formação dos Sargentos aos novos equipamentos e tecnologias da Força Aérea Brasileira. “Já atualizamos praticamente todos os currículos”, explicou.

GESTÃO Gerenciamento de custos na Aeronáutica serve de exemplo para outros órgãos públicos

A

metodologia utilizada pela Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA) no gerenciamento de custos é usada como exemplo para outros órgãos públicos. As ações gerenciais contábeis

foram compartilhadas em junho no II Encontro de Gestão de Custos do Setor Público realizado na Secretaria do Tesouro Nacional. O Poder Judiciário também convidou a SEFA para prestar auxílio ao

Conselho Superior da Justiça do Trabalho. O objetivo é desenvolver, modelar e implementar sistema de custos. A apresentação enfatizou a utilização do Sistema de Informações de Custos do Governo Federal (SIC) pelo

Comando da Aeronáutica. O compromisso da Aeronáutica com a temática de custos e a melhoria da eficiência com os gastos motiva a SEFA a investir no treinamento de agentes internos. Em maio, por exemplo, 35

gestores participaram do 1º Estágio de Contabilidade de Custo. O curso aprimora os profissionais no uso das informações de custos em apoio ao processo decisório das organizações militares.


6

Julho - 2014

AÇÕES

Cadetes da AFA escalam o Pico das Agulhas Negras pela primeira vez

P

FOTO: 4º ETA

Esquadrão Carajá realizou 12 missões de transporte de órgãos em 2014

C

om sede na Base Aérea de São Paulo, o Esquadrão Carajá em 2014 ganha destaque com as missões de transporte de órgãos: foram doze somente este ano. Duas missões ocorreram em menos de 24 horas, nos dias 6 e 7 de junho. Naquela sexta (6/6), às 3h20 da manhã, ocorreu a primeira decolagem. A missão foi o transporte de um fígado, de um pâncreas e de um rim de Presidente Prudente (SP) para Ribeirão Preto (SP). Na madrugada do dia seguinte, mais uma vez a unidade foi acionada e transportou um

A fígado de Botucatu (SP) para São José dos Campos (SP). O Esquadrão, equipado com aeronaves C-95 modernizadas, mantém uma tripulação de sobreaviso 24 horas por dia. “De todas as missões que realizamos, com certeza a mais gratificante é a de ajudar a salvar vidas”, declarou o Tenente

Guilherme Vieira da Rocha, um dos tripulantes das missões realizadas. Também participaram do transporte dos órgãos os Tenentes Ramon Ferreira Lopez e Lucas Henrique de Souza, e os Sargentos Dênis Ribeiro dos Santos e Frederico Vilela de Lima.

Exercício de conflito real em Natal

M

ilitares da Base Aérea de Natal (BANT) participaram de um exercício que envolve transposição de obstáculos, simulação de ataque aéreo inimigo e salvamento e resgate de vítima, além da marcha de 6 km nos limites da Base. O objetivo foi garantir a prontidão da equipe e manter a capacidade operacional do efetivo. Nessa missão, todos

Militares da FAB conquistam ouro, prata e bronze em torneio internacional de Badminton

os militares acionados tinham que se apresentar em tempo inferior a duas horas. O acionamento faz parte do Plano de Reunião da Base e contou com o envolvimento de diversos esquadrões, como o Batalhão de Infantaria, o Esquadrão de Intendência, o Esquadrão de Saúde e as Unidades Aéreas Operacionais. “O desempe-

nho da Base foi positivo e possibilitou a formação de uma tropa de mais de 900 militares, além das centenas de profissionais que trabalharam na operacionalização dos exercícios propostos, o que demonstrou a adesão massiva do efetivo”, afirma o Comandante da BANT Coronel Aviador André Luis Gomes Monteiro.

tletas da Força Aérea Brasileira foram destaque no II Mercosul Internacional Series, competição organizada pela Confederação Brasileira de Badminton. A Sargento Luana Vicente levou para casa a medalha de ouro na competição na categoria dupla feminina, ao lado da civil Lohaynny. Outro destaque foi a Sargento Fabiana da Silva, com três medalhas. A competição aconteceu em Foz do Iguaçu (PR) entre

os dias 5 e 8 de junho e reuniu 93 atletas de 11 países: Brasil, México, Guatemala, Estados Unidos, Dinamarca, Áustria, Escócia, Argentina, Chile, Suécia e Canadá. Os at l eta s d a FAB treinam com o apoio da Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA), e treinam no campus da Universidade da Força Aérea (UNIFA), no Rio de Janeiro. Eles foram incorporados em maio, no projeto de atletas de alto rendimento.

FOTO: BANT

FOTO: MAJ ALESSANDRO MACHADO / AFA

ela primeira vez, cadetes da Academia da Força Aérea (AFA) alcançaram o topo do Pico das Agulhas Negras, com 2.791 metros de altitude. A conquista aconteceu ao término da instrução de técnicas verticais realizada pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), do Exército, na região entre os municípios de Itatiaia e Resende, no Rio de Janeiro. Catorze cadetes da AFA, incluindo quatro do corpo feminino, participaram do treinamento entre os dias 1 e 7 de junho. A instrução faz parte de um intercâmbio entre as academias que tem como objetivo promover a atuação em conjunto dos cadetes. “Visamos à interoperabilidade. É importante os cadetes das forças operarem juntos desde o início da carreira, o que será uma realidade no futuro”, avalia o Major Alessandro Machado, Oficial do Corpo de Cadetes da Aeronáutica que acompanhou o exercício. Além de aprimorar as técnicas de escalada, o treinamento envolveu marchas em terreno montanhoso, temperaturas abaixo de zero e poucas horas de sono. Ao término, os cadetes da AFA conquistaram a condição de escalador militar pela AMAN.


Julho - 2014

7

LOGÍSTICA

Veículo atua como central de vigilância Van da foto é, na verdade, a Central de Vigilância Operacional Móvel do Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA 2), localizado em Curitiba (PR). O veículo é composto por computador, gravador digital de vídeo (DVR), câmeras com iluminação a laser e câmeras speed dome IP que fazem a transmissão via rádio para a viatura. Com a Central de Vigilância é possível visualizar e gravar imagens em situações de vigilância de aeronaves, isolamento de perímetro e vigilância em situação de aglomeração de pessoas em um raio de até quatro quilômetros. O veículo é utilizado

para auxiliar as ações de comando para tropas deslocadas, que podem reagir sabendo detalhes da situação. “Nosso Batalhão de Infantaria pode apoiar na área de segurança qualquer missão da Força Aérea”, afirma o Comandante do Binfa, Major de Infantaria Marcos Paulo. Se, por exemplo, a Central de Vigilância estiver em missão em Natal, o Comandante do CINDACTA 2, em Curitiba, pode ter toda a visualização do que está sendo filmado por meio da internet. “É uma autonomia total na parte de vigilância eletrônica”, conclui o Comandante Interino do Cindacta II, Coronel José Vagner Vital.

Saiba mais:

FOTO: SGT JOHNSON / CECOMSAER

A

A Central de Vigilância Operacional Móvel funciona por meio de gerador ou rede elétrica. Ela foi completamente montada por militares do Batalhão de Infantaria (BINFA) do CINDACTA 2. O único gasto foi com a compra dos equipamentos que custaram R$ 45 mil ao todo.

A Central grava imagens em um raio de até quatro quilômetros

Este é o único veículo da FAB pronto para apoiar missões que necessitem de uma central móvel de câmeras de vigilância.

PENSANDO EM SEGURANÇA DE VOO

Informar para prevenir

U

ma das máximas da segurança de voo diz que a prevenção de acidentes aeronáuticos exige mobilização geral. Mas há quem se pergunte: como o cidadão pode contribuir com o Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAER)? Essa mobilização ocorre na prática? Sim. Existe um formulário on line, próprio para qualquer pessoa relatar situações de risco observadas no ambiente da aviação civil e militar. O nome da ferramenta que permite o envio de informações é Relatório ao CENIPA para Segurança de Voo (RCSV). Esse informe

é voluntário e não visa punir nenhum envolvido, mas provocar a ação dos responsáveis pelo gerenciamento do risco apontado. Muito mais importante para o SIPAER é a informação que vai ajudar a prevenir acidentes, não o nome do emissor. Preservar a identidade da fonte estimula o relato e afasta as possibilidades de represália nas organizações. Com a certeza do anonimato, mais pessoas contribuem com a segurança de voo. “A circulação de informações é o que concretiza as ações de prevenção de acidentes aeronáuticos no mundo. Ninguém pode se

omitir quando identificar um problema que multiplique as chances de ocorrer um acidente”, explica o Chefe do CENIPA, Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck. Ele destaca ainda que o RCSV não serve para denúncia de crimes ou contravenção penal. Ele não tem caráter repressivo, mas preventivo. Há duas formas de enviar um RCSV. No site do CENIPA (www.cenipa.aer.mil.br) é possível optar por preencher on line ou imprimir o formulário e enviar pelo correio, em carta de porte pago. Estatísticas do CENIPA mostram que 99% dos relatos chegam via internet.

A partir do recebimento, o CENIPA analisa a informação e comunica o fato ao responsável por diminuir ou eliminar o risco identificado. Esse destinatário pode ser o administrador aeroportuário, o órgão regulador da aviação civil, o comandante do esquadrão, o proprietário da empresa aérea, entre outros. Já o emissor recebe uma senha para acompanhar a tramitação do RCSV enviado. Para concluir o ciclo da prevenção, o CENIPA deve ser informado das ações preventivas adotadas. Quando o assunto relatado no RCSV for repetitivo ou envolver várias organizações, o CENIPA pode

formar um grupo consultivo para discutir o problema e propor solução aplicável a todos os casos. Esta ferramenta, que incentiva o envio de relatos voluntários para subsidiar a prevenção de acidentes, está prevista no Anexo 13 da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) desde novembro de 2010. Atualmente, 13 países adotam procedimento semelhante ao do CENIPA e fazem parte do International Confidential Aviation Safety Systems (ICASS). (Texto do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos)


8

Julho - 2014

OPERAÇÕES

N

FOTO: SGT JOHNSON / CECOMSAER

ão é só um prédio novo ou uma forma melhor de fazer a mesma coisa. A inauguração do novo Centro Conjunto de Operações Aéreas (CCOA) no Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) representa uma efetiva mudança na maneira de a Força Aérea Brasileira conduzir suas principais operações e exercícios. Antes, a cada grande movimento de aeronaves, era necessário criar uma Célula de Operações Aéreas (COA), descentralizada e com grandes desafios de comando e controle. Agora, todo o trabalho, em qualquer parte do Brasil, pode ser coordenado a partir

do COMDABRA, em Brasília. Até 2013, o COMGAR era responsável pelo emprego rotineiro dos meios aéreos, cabendo ao COMDABRA exclusivamente a defesa aérea e, no caso de operações, eram ativadas as Forças Aéreas Componentes. Agora, o COMDABRA, por meio do CCOA, conduz todas as operações, como transporte de tropa, busca e salvamento, reconhecimento e uso de aeronaves não tripuladas. O que impressiona nas novidades do COMDABRA é a sala de operações correntes, com um telão de 48 metros quadrados à frente de um

time de especialistas, cada um diante de consoles que mostram todo o espaço aéreo brasileiro. No mezanino, uma “sala de decisão” foi criada para autoridades do poder aeroespacial brasileiro definirem os rumos das missões. Mas o prédio ao lado também tem novidades. Dali, militares das diversas aviações planejam e coordenam missões em um mesmo ambiente. O efetivo aumentou e também a diversidade de especialidades do COMDABRA, antes repleto de oficiais da aviação de caça e hoje com representantes de todas as áreas. As prin-

cipais vantagens esperadas são o aumento da flexibilidade, o melhor aproveitamento de cada aeronave e a redução de custos de missão. Criado como Núcleo em 1980, o COMDABRA é o único Comando Conjunto permanentemente ativado, com militares da Marinha e do Exército atuando diariamente. A concepção original da unidade remonta aos tempos da guerra fria, com foco na interceptação de aeronaves invasoras. O novo COMDABRA, com o CCOA ativado, é resultado de experiências como o exercício CRUZEX e as operações Ágata.

FOTO: SGT JOHNSON / CECOMSAER

O novo cérebro das operações aéreas


Julho - 2014

9

Ministro elogia nova estrutura de comando e controle No dia 11 de junho, um dia antes do início da Copa do Mundo, o Ministro da Defesa Celso Amorim visitou o COMDABRA e se mostrou bastante satisfeito com o que viu. “Eu fiquei muito impressionado não só com o equipamento, mas com a coordenação de todas as equipes”, declarou. De acordo com o Ministro, as novas instalações do COMDABRA também significarão muito para a segurança da Copa do Mundo. “O cidadão pode ir tranquilo porque tem alguém zelando por ele 24 horas por dia e com total eficiência”, disse. Celso Amorim elogiou a estrutura e também a doutrina desenvolvida pelas três Forças Armadas.

A estreia do novo Centro Conjunto de Operações Aéreas ocorreu durante a Copa do Mundo de 2014. Desde os dias anteriores ao início dos jogos, começou ali a coordenação dos voos de apoio. Com o início dos jogos, em 12 de junho, o COMDABRA passou a atuar na vigilância das áreas de exclusão aérea estabelecidas em cada uma das cidades-sede.

Mesmo antes da fase dos jogos simultâneos, já era necessário monitorar o espaço aéreo de mais de uma sede ao mesmo tempo, pois as áreas de exclusão são ativadas antes do início das partidas e desativadas somente uma hora após o término dos jogos. Do CCOA, militares das três Forças Armadas têm a visualização do espaço aéreo e coordenam a atuação de aviões e de heli-

cópteros que participam no esquema de defesa do espaço aéreo, além das aeronaves que precisam sobrevoar as áreas de segurança durante as partidas. Com o fim do torneio, o CCOA irá atuar em exercícios militares e, também, no monitoramento das regiões de fronteira, trabalho já realizado desde a ativação do COMDABRA, nos anos 80.

FOTO: CB V. SANTOS / CECOMSAER

Estreia na Copa do Mundo


10

Julho - 2014

SAÚDE

FOTOS: SGT REZENDE / CECOMSAER

Tecnologia 3D melhora atendimentos

O processo, que demorava uma semana, agora é feito em uma consulta

A

Odontoclínica de Aeronáutica de Brasília (OABR) oferece mais conforto e agilidade em seus atendimentos. Dois novos equipamentos, com tecnologia 3D, garantem maior rapidez em radiografias, panorâmicas, coroas dentárias, facetas e restaurações cerâmicas. “Antes, por exemplo, para os pacientes que necessitavam de uma coroa dentária, a gente moldava o material, fazia o provisório e enviava para o laboratório. Isso levava em torno de uma semana. Hoje, o processo é feito em uma consulta, com a vantagem de eliminar a moldagem, que era uma reclamação dos pacientes, além de melhorar o custo-benefício”, explica a Tenente Dentista Daniella Paula Martins. Isso é possível graças à tecnologia de captação de uma câmera intraoral. Ela escaneia os dentes e transfere as imagens em 3D para um computador. Com a moldagem virtual dos dentes,

o profissional faz o delineamento da coroa dentária. A partir daí, as informações vão para a nova máquina e o equipamento desenha a coroa. Em alguns minutos, a peça fica pronta e o dentista faz, na hora, o acabamento e a cimentação do produto. “A qualidade final do tratamento depende diretamente de sua longevidade e da satisfação do profissio-

nal e do paciente. Todos se beneficiam com os avanços tecnológicos”, ressalta o Diretor da OABR, Coronel Dentista Wilson Guilherme da Silva Leão. O Tenente-Brigadeiro do Ar Cherubim Rosa Filho, já na reserva, aprovou os equipamentos. “A gente ganha tempo, conforto e tem um tratamento de uma forma muito mais humanizada”, afirma.

Outros serviços Para melhorar o atendimento na OABR foi implantada a clínica de dor orofacial e o serviço de acupuntura odontológica, voltados para a remissão de sintomas de disfunção articular. Atualmente, a odontoclínica possui 33 consultórios, mais as salas de radiologia, acupuntura e dois consultórios periféricos, localizados em Santa Maria (DF) e em Taguatinga (DF). Equipamento 3 em 1 Outra novidade disponível aos pacientes da OABR é o equipamento capaz de realizar tomografias, panorâmica digital e telerradiografia. O aparelho transmite as imagens em 3D com nitidez, o que elimina a utilização de películas e uso de produtos químicos para obtenção da imagem. “Nós conseguimos fazer nosso trabalho com uma precisão de medidas, de estrutura óssea e dentária e isso reflete na qualidade do serviço prestado ao paciente”, afirma a Tenente Dentista Bruna Campo de Freitas.

Militares têm mais opção de convênio A Diretoria de Intendência da Aeronáutica (DIRINT) credenciou um novo plano de saúde para que os militares possam ter mais opções no momento de fazer um convênio médico-hospitalar. O “Plano Beta Ambulatorial”, da operadora Unimed, fornece atendimentos realizados em consultórios ou ambulatórios, inclusive exames laboratoriais e de imagens. Além disso, o plano garante também cirurgias de pequeno porte realizadas em ambulatórios, mas não cobre procedimentos que necessitem da internação hospitalar. Por isso, somente poderão fazer adesão os militares, pensionistas e seus dependentes incluídos no Sistema de Saúde da Aeronáutica (SISAU/ SARAM). Se o militar precisar ser internado, ele será encaminhado para um dos hospitais da Aeronáutica. O Plano Beta Ambulatorial complementa os outros dois planos de saúde existentes: o “Plano Hospitalar e Ambulatorial com Obstetrícia” e o “Plano Hospitalar com Obstetrícia”. Com o novo Credenciamento, as tabelas de valores do PLASA tiveram tratamentos diferenciados: os Planos Alfa e Beta não sofreram reajustes para 2014, mantendo os valores de 2013. Já os valores dos Planos Delta e Ômega foram reduzidos em 5%. Os novos valores foram implantados no contracheque do mês de março, que teve o pagamento depositado em abril.


Julho - 2014

11

MEIO AMBIENTE

U

m dos requisitos para o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) poder realizar com segurança as suas atividades é manter preservados os nove quilômetros de costa que estão situados em seu entorno. Esse fator, fundamental para o cumprimento da missão institucional do Centro, também é ideal para a preservação das tartarugas de pente, espécie ameaçada de extinção que encontra no escuro da noite das áreas isoladas do CLBI o perfeito refúgio para desovarem. As áreas preservadas do CLBI possuem 132 ninhos de tartaruga de pente, os quais

têm em média 140 ovos cada. A bióloga Hayane Montenegro, trainee em Educação Ambiental e Monitoramento do Projeto Tamar, explica que a luz das áreas habitadas atrapalha a desova das tartarugas. “Essa iluminação causa desorientação e, desse modo, elas podem ir para a direção errada. Ao lado da área do CLBI, temos uma praia com ocupação humana e as tartarugas não desovam lá”, explica. O trabalho de preservação começou em 2005 e ganhou proporções maiores ao longo do tempo. Atualmente, seis pessoas, entre civis e militares, estão envolvidas na

FOTOS: CLBI

Barreira do Inferno ajuda o Projeto Tamar

As áreas preservadas do CLBI possuem 132 ninhos de tartaruga de pente

atividade. O Centro apresenta uma das maiores densidades de desova do Atlântico Sul, fato que motivou a sua trans-

formação, em 2012, em sub-base de Pipa, que é a única base de conservação mantida no Rio Grande do Norte pelo

Projeto Tamar. Em números acumulados, a Barreira já registra 900 ninhos e mais de 60 mil filhotes gerados.

Base guarda riqueza natural

A cada mil tartarugas, apenas um ou dois filhotes se tornam adultos

A tartaruga de pente tem um papel de destaque no equilíbrio de um ecossistema. “Ela é um dos poucos animais que se alimentam de esponja. Além disso, os filhotes das tartarugas se transformam em presas para outros animais, como polvos, crustáceos e peixes. Dessa forma, a tartaruga controla a dinâmica da população”, explica o biólogo Daniel Henrique Gil Vieira, do Projeto Tamar no Rio Grande do Norte. A cada mil tartarugas, apenas um ou dois filhotes se tornam adultos. Para Daniel Henrique, a iniciativa do CLBI para a preservação das tartarugas é exemplar. “Essa abertura de portas, esse acolhimento, deveria servir como inspira-

ção para outras organizações brasileiras. O que é feito aqui é um trabalho de preservação para as futuras gerações”, afirma. Além das tartarugas de pente, a área do CLBI também abriga raposas, tatus, preás, lagartos, cobras e diversas espécies de aves. A riqueza natural na motivou o CLBI a celebrar convênios com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e com o Projeto Tamar. A partir dessas parcerias, o Centro passou a contar com assessoria técnica e profissional para assegurar a preservação da biodiversidade. Além disso, professores, alunos e pesquisadores passaram a desenvolver trabalhos de pesquisa e monitoramento na área.


12

Julho - 2014

MÍDIAS DA FAB Veja a seguir imagens enviadas pelos Elos do Sistema de Comunicação Social da FAB para serem publicadas em nossas mídias sociais: O Tenente Aron, do Esquadrão Harpia, nos enviou essa foto dos H-60 Blackhawks que se deslocaram de Manaus para auxiliar no cumprimento de missões em diversas cidades-sede da Copa do Mundo. Os militares são capacitados, inclusive, para prestar o serviço de alerta com óculos de visão noturna (NVG).

No dia 03/07 o programa vai apresentar o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), localizado em São José dos Campos (SP). Além de formar engenheiros, o local concentra um conjunto de institutos que desenvolvem estratégias para o setor aeroespacial brasileiro. O programa do dia 10/07 vai mostrar a segunda parte da história dos 100 anos do Campo dos Afonsos. Você vai entender o impacto da 1a Guerra Mundial na aviação do Brasil, a influência dos franceses na formação da primeira turma de pilotos aviadores e as realizações da década de 1920. O Conexão vai s e r ex i b i d o d i a 17/07. Você vai ver uma matéria sobre os atletas de alto rendimento da modalidade de badminton e também uma reportagem especial sobre a participação da FAB na Copa do Mundo. Não perca!

A Seção de Comunicação da Academia da Força Aérea coordenou a visita de cerca de 1.000 crianças das escolas públicas locais à AFA. Essa foto enviada pela equipe foi postada no nosso instagram oficial.

O post do Força Aérea Blog sobre os cães de guerra do Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Belém foi escrito pela Tenente Gabriela, elo de comunicação do COMAR 1.

No dia 24/07, vai ser exibido o sétimo vídeo da campanha institucional. O tema é Vigilância e Controle do Espaço Aéreo. Confira a operação de torres de controle, os centros integrados de controle regionais e o gerenciamento do fluxo de aeronaves. No programa do dia 31/07, você vai acompanhar todo o processo de produção da ração operacional, desde a fabricação até a embalagem. Nós acompanhamos, inclusive, um exercício operacional em que os militares utilizaram esse tipo de alimentação.


Julho - 2014

13

SAÚDE

Inverno também é tempo de atividade física

O

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAER

inverno quase sempre é o período do ano em que muitos deixam de lado a prática de educação física. Para piorar, o clima mais frio estimula o apetite e a busca por alimentos calóricos. O resultado é que a energia “extra” acaba armazenada em forma de gordura. De acordo com o Tenente Carlos Amaral, mestre em educação física, a quantidade de calorias gasta para realizar exercícios físicos é maior em temperaturas baixas. Ainda assim, segundo ele, é possível perder peso mesmo durante o inverno. “A sensação de bem estar provocada pela liberação de hormônios relacionados à prática de exercício físico também contribui para o enfrentamento de dias frios através da melhora do humor”, diz.

Dicas para não perder o condicionamento Manter o corpo hidratado antes, durante e depois da atividade. A temperatura baixa diminui a percepção de sede, mas, apesar disso, assim como no calor, o corpo perde líquido através da transpiração; Utilizar roupas leves para manter uma temperatura corporal confortável; Aquecer o corpo antes de qualquer atividade física. O ideal é iniciar com intensidade baixa durante 10 a 15 min; É recomendado priorizar a respiração pela cavidade nasal para evitar problemas de infecções respiratórias que são favorecidas pela baixa temperatura; Após o exercício, não permanecer com a roupa molhada. O ideal é trocar e agasalhar o mais rápido possível.

ESPORTE

D

esde que começou a praticar o Tai Chi Chuan em outubro do ano passado, a Suboficial Alba Fani já percebeu melhoras no seu dia a dia. “Notei maior facilidade de concentração e tornei-me uma pessoa mais ativa, além de estar auxiliando na perda de peso”, ressalta. Com quase 30 anos de Força Aérea Brasileira (FAB), a militar, ex-praticante de Taekwondo, é uma das participantes do Projeto Equilíbrio, desenvolvido pelo Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA 1). As aulas, de quarenta minutos, ocorrem duas vezes por semana, às terças e quintas-

-feiras, conforme explica a Tenente Anne Giselle Santana Carvalho, uma das idealizadoras do programa. “O objetivo é que com essa iniciativa nós possamos contribuir para a qualidade de vida do efetivo”, explica a oficial. O Tai Chi Chuan surgiu na China no século XVII, como uma arte marcial. Os movimentos suaves ajudam a desenvolver a energia interna, trazendo vários benefícios para o corpo. “No Brasil, o Tai Chi Chuan está se difundido bastante e sendo utilizado na área de saúde. A prática dessa arte, por exemplo, auxilia no controle do diabetes e da hipertensão”, afirma a médica Silvia Magalhães, professora voluntária no projeto.

FOTO: SGT JHONSON / CECOMSAER

Militares praticam Tai Chi Chuan no CINDACTA I

Para quem ainda não conhecia o Tai Chi Chuan as impressões iniciais foram boas. “Relaxa muito e é uma forma interessante de aliviar o estresse”, diz o Sargento Taves Guimarães após sua primeira aula.


14

Julho - 2014

ORGANIZAÇÕES

Conheça a história de quatro irmãos descendentes de japoneses

FOTO: DCTA

O

Tenente-Coronel Toda, o Tenente-Coronel Hayato, o Major Kazuhiko e o Capitão Shinji, que faleceu em 2005, seguiram o exemplo do pai. O Sargento da Força Aérea Japonesa Hiroaki Toda desembarcou no Brasil em 1960, no período pós-guerra, vindo do Japão e aqui constituiu família (veja história ao lado). Os irmãos contam que foram criados ouvindo histórias sobre a Força Aérea Japonesa e o lamento do pai por ter que deixá-la. Para o patriarca, a carreira militar era a chance de os filhos alçarem voos maiores. “E aí, entra um e o outro se espelha”, diz o Tenente-Coronel Hayato na tentativa de explicar por que todos optaram pela aviação. O Tenente-Coronel Toda, que herdou o nome de guerra do pai por ser o mais velho, foi o primeiro a entrar na FAB. Mas, antes de ser oficial aviador, ele se formou sargento na especialidade de eletrônica e exerceu a profissão durante um ano e meio, na Base Aérea de

Os três irmãos aviadores servem atualmente na mesma unidade

Canoas (RS). “Nessa época, o Hayato entrou na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) e isso me motivou a continuar estudando para também ingressar a Academia da Força Aérea (AFA).

O expediente era até as 16h e, logo após, eu começava a estudar, acompanhado de chimarrão para espantar o frio e o sono. Só parava à meia-noite”, relembra o Tenente-Coronel Toda.

O pai faleceu em 1995, a tempo de ver três filhos receberem suas espadas e faltando apenas um ano para o caçula, Kazuhiko, ser nomeado aspirante. “Nosso pai tinha muito orgulho. Na época, ele tinha uma lavanderia e ficava puxando conversa com os fregueses, contando dos filhos militares da Aeronáutica. E a gente morria de vergonha. Dizia: Para com isso, pai”, relembra o Tenente-Coronel Hayato. Desde 2012, os irmãos Toda servem, coincidentemente, no mesmo grande comando da FAB, o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), localizado em São José dos Campos (SP). Nesse mesmo ano, também foi a última vez que o Tenente-Coronel Hayato visitou os familiares que ficaram no Japão, grande parte agricultores. “Acho que, apesar do saudosismo do meu pai, ele ter vindo para o Brasil foi uma boa escolha, pois, graças a isso, estou fazendo o que eu gosto de fazer”, analisa o Oficial.

O Sargento da Força Aérea Japonesa

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Irmãos de arma e de sangue

O Sargento da Força Aérea Japonesa, Hiroaki Toda, desembarcou em Santos (SP) em 1960, com a mãe, irmãos, tio e primos, no momento em que o Japão enfrentava uma crise com a perda de territórios e a ocupação estrangeira durante os sete anos após sua rendição na Segunda Guerra Mundial. Ele resolveu se estabelecer no município de Registro, no interior do Estado. Na cidade, casou-se com uma sobrevivente da bomba de Hiroshima, abriu uma pastelaria e se tornou proprietário de uma lavanderia. Ele retornou ao Japão na onda dos dekasseguis, mas, em menos de quatro anos estava de volta ao Brasil.


Caça palavras

Encontre os 7 erros VANT: Antena, alça do protetor de sistemas da APR. VEÍCULO: Retrovisor, refletor, giroflex, barra da janela da porta. PISTA: Balizador de pista.

Encontre os nomes de algumas cidades brasileiras que possuem Bases Aéreas

Caça palavras

Resposta

FOTO: SGT BATISTA / CECOMSAER

Encontre os 7 erros MEMÓRIA Julho - 2014

15


NOTAER - Julho de 2014  
NOTAER - Julho de 2014  

Novo Comando e Controle para Operações Aéreas

Advertisement