Page 1

www.fab.mil.br

Ano XXXV

Nº 09

Setembro, 2012

ISSN 1518-8558

2S Johnson / CECOMSAER

SALÁRIO - Primeira parcela de reajuste (9,14%) será concedida em março de 2013, anuncia governo federal Os servidores militares das Forças Armadas terão reajuste salarial de 30%, dividido em três parcelas de 9,14% ao ano, segundo anúncio feito pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). A primeira parcela será concedida em março de 2013. (Pág. 11)

ROTA HUMANITÁRIA Profissionais de saúde da Força Aérea realizaram cerca de 900 atendimentos médicos em localidades atendidas pela linha Juruá-Solimões do Correio Aéreo Nacional (CAN). A missão recebeu apoio de uma aeronave C-98 do Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7o ETA). No Maranhão, 300 moradores foram atendidos em ação cívico-social do Centro de Lançamento de Alcânatara.(Pág. 7)

ÁGATA 5

REAPARELHAMENTO

CAPACITAÇÃO

OPERACIONAL

Veja como será o interior da cabine da nova aeronave KC-390, que está em desenvolvimento. (Pág. 5)

Força Aérea forma novos bombeiros de combate a incêndio em aeródromos (Pág. 6)

Torneio da Aviação de Caça avalia precisão de pilotos e equipes de manutenção em Anápolis. (Pág. 14)

2S Johnson / CECOMSAER

FROTA NOVA - Em Brasília, a Força Aérea recebeu 33 novos caminhões adquiridos com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-Equipamentos). Até o final do ano, serão recebidos mais 68 e outros 300 estão em processo de compra. Os novos veículos serão entregues a unidades em todo o país. (Pág. 15)

Patrulhamento mobilizou 17 mil militares ao longo de 3,9 mil quilômetros de fronteira. (Pág. 8)

Apreensão de drogas chega a seis toneladas


2

Setembro - 2012

Comunicação

CARTA AO LEITOR Na era da velocidade da informação, a comunicação se consolida como uma ferramenta estratégica de qualquer instituição, pública ou privada, para dialogar com a sociedade. Um exemplo é o trabalho desenvolvido na quinta edição da Operação Ágata realizada pelo Ministério da Defesa na fronteira sul do país em agosto. Mais uma vez, a população pôde acompanhar a rotina quase anônima dos militares. Todos os canais de comunicação disponíveis foram usados para levar informação em tempo real aos brasileiros. Essa é a comunicação em que acreditamos e pela qual trabalhamos. Uma comunicação que permita

estabelecer e renovar uma relação transparente e constante com todos os nossos públicos. É por causa dessa busca que investimos na qualificação dos elos do Sistema de Comunicação Social da Aeronáutica, o SISCOMSAE. Em agosto, mais de 100 oficiais e graduados participaram de um debate sobre o papel e a relevância da política de comunicação da Aeronáutica. O treinamento anual tem o claro objetivo de preparar nossos combatentes, aqueles que estão na linha de frente. Do soldado ao oficial-general, somos todos elos de comunicação da FAB com a comunidade. Ao aprimorar nosso diálogo em cada esquadrão, base aérea, parque de material ou

outra organização militar, aperfeiçoamos também o nosso compromisso de prestar contas sobre o trabalho que realizamos em todo o Brasil. Essa comunicação estratégica informa, motiva, integra, aproxima e emociona não só o público que acompanha de longe a nossa atuação, mas também você que faz parte desta Força. É essa comunicação que deve estar presente nos momentos decisivos e, para nós, nada é mais gratificante do que registrar momentos especiais de um trabalho que nos enche de orgulho. Boa leitura! Brig Ar Marcelo Kanitz Damasceno Chefe do CECOMSAER

Expediente O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno. Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno Chefe da Divisão de Comunicação Corporativa: Coronel-Aviador Gustavo Alberto Krüger Chefe da Divisão de Comunicação Integrada: Coronel-Aviador Antonio Pereira da Silva Filho Chefe da Divisão de Apoio à Comunicação: Tenente-Coronel-Aviador Mário Sérgio Rodrigues da Costa Chefe da Subdivisão de Produção e Divulgação: Coronel-Aviador João Carlos Araújo Amaral Chefe da Agência Força Aérea: MajorAviador Rodrigo José Fontes de Almeida

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

Chefe da Seção de Divulgação: CapitãoAviador Diogo Piassi Dalvi

PREVENÇÃO A ESTELIONATOS (GOLPES) Com a finalidade de orientar o público interno (militares da ativa e reserva, pensionistas, familiares e servidores civis), a fim de que possam se prevenir quanto a ações de pessoas mal-intencionadas (golpistas), o CIAER reforça a necessidade de atenção e de senso crítico em relação a diversos fatos que vêm se repetindo em nosso meio. Os estelionatários possuem grande conhecimento sobre dados pessoais das vítimas, o que tem facilitado a ação. A grande incidência dos golpes tem-se perpetrado em razão da falta de informação por parte das pessoas ou do excesso de ambição. Assim, vamos relembrar modalidades de golpes e propor medidas de segurança para salvaguardar o público interno. 1- GOLPE DO PECÚLIO A RECEBER: Normalmente ocorre um contato telefônico ou a vítima recebe uma correspondência de alguém que se diz funcionário de empresa de previdência privada, seguradora ou órgão público, informando sobre um saldo de pecúlio a receber e oferecendo o saque imediato. A pessoa que recebe a ligação ou a correspondência é solicitada a fazer um depósito correspondente a uma pequena porcentagem do valor a ser

recebido (5 a 10%) em uma determinada conta corrente. O estelionatário, de posse de dados pessoais da vítima, faz um depósito bloqueado em seu nome. Normalmente usa um cheque furtado ou roubado, que fica bloqueado por mais de 24 horas. Vencido esse prazo o referido cheque é sustado, pelo próprio estelionatário, porém a vítima já efetuou o depósito, à vista e não tem como revertê-lo. Portanto, fique atento e nunca forneça ou confirme seus dados a estranhos. Trate de assuntos financeiros pessoalmente e em instituições credenciadas e de confiança. 2- GOLPE DA PIRÂMIDE: As pessoas recebem uma carta ou e-mail com instruções para que sejam efetuados depósitos de valores em determinadas contas. A promessa é a de que os nomes das pessoas que efetuam esses depósitos também circularão para outras pessoas que efetuarão novos depósitos, dessa vez em nome dos últimos depositantes. Dessa forma, a pirâmide vai crescendo e todos são remunerados pelos depósitos dos que vão aderindo ao sistema, posteriormente. A promessa feita é a de remuneração fácil que vai de 0,5% a 5% em curtíssimo prazo. Fique atento, pois não existe dinheiro

fácil e sem custos. 3- EMPRÉSTIMO CONSIGNADO: Ultimamente, têm sido distribuídas correspondências falsas de entidades fictícias que se passam por Entidades Consignatórias credenciadas pelo COMAER (a correspondência utiliza logomarcas fraudadas, simulando a entidade credenciada), o que inviabiliza a simples confirmação pela Internet, na página eletrônica da Subdiretoria de Pagamento de Pessoal (SDPP): HYPERLINK “http://www.sdpp.aer.mil. br” www.sdpp.aer.mil.br. Esses dados estão acessíveis através do link “entidades credenciadas / endereços das entidades consignatórias” e contato de seus Elementos de Ligação disponível na página eletrônica da SDPP. Salienta-se a importância de que todo o efetivo do COMAER tome conhecimento desses golpes, a fim de que tenha condições de manter sua consciência situacional elevada contra abordagens dessas naturezas. Reforça-se, também, a importância da manutenção de senhas seguras (AIRCONSIG), bem como dos riscos de permitir a divulgação de dados pessoais a terceiros. (Centro de Inteligência da Aeronáutica )

Tiragem: 30.000 exemplares Jornalista Responsável: Tenente Jussara Peccini (MTB 01975-SC) Repórteres (JOR): Tenente Cesar Guerrero, Tenente Alessandro Silva, Tenente Alexandre Fernandes, Tenente Marcia Silva, Tenente Emília Cristina (V COMAR), Tenente Fávia Sidônia, Tenente Flávio Nishimori, Tenente Glória (III COMAR), Tenente Roberta (VI COMAR), Tenente Jussara Peccini e Fernanda Sobreira (COMARA). Colaboradores: CIAER e SISCOMSAE (textos enviados ao CECOMSAER, via Sistema Kataná, por diversas unidades) Diagramação, Arte e Infográficos: Revisão: Cel Amaral, Maj Fontes e Cap Dalvi Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Comentários e sugestões de pauta sobre aviação militar devem ser enviados para: redacao@fab.mil.br Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” - 7º andar CEP - 70045-900 / Brasília - DF

Impressão e Acabamento: Log & Print Gráfica e Logística S.A


Setembro - 2012

3

PALAVRAS DO COMANDANTE

A

Doutrina Básica da Força Aérea foi revigorada. Publicada recentemente, a sexta edição da Diretriz do Comando da Aeronáutica (DCA 1-1) atualiza os princípios e os conceitos base para o preparo e o emprego da Força Aérea. Na era de novas tecnologias, da velocidade da informação e por causa de diferentes experiências vivenciadas nos últimos anos, o documento vai nortear nossas ações daqui para frente, em tempos de paz, crise ou conflito. Seja em ações isoladas, conjuntas ou em alianças com outras nações. O preparo e o emprego da Força Aérea Brasileira são orientados por três elementos fundamentais: Missão, Visão e Doutrina. A missão-síntese da Aeronáutica que é “manter a soberania do espaço aéreo nacional com vistas à defesa da

2S Johnson / CECOMSAER

Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito Comandante da Aeronáutica

pátria” está orientada pela destinação constitucional das Forças Armadas. É essa missão, senhores, que direciona o nosso trabalho no dia a dia. A Visão é a descrição de um estado futuro ambicioso, porém passível de ser alcançado, exprimindo uma conquista estratégica de grande valor para a Aeronáutica. Ela não diz respeito aos recursos disponíveis na atualidade, mas está focada no uso de tecnologias e recursos emergentes que possam aumentar a capacidade operacional da Força Aérea Brasileira. A Doutrina, em seu significado mais amplo, é o conjunto de princípios, conceitos, normas e procedimentos, exposto de forma integrada e harmônica, destinado a estabelecer linhas de pensamentos e a orientar ações. A formulação doutrinária é fundamentada principalmente na experiência e deve refletir as melhores práticas até então conhecidas e aprovadas. A Força Aérea Brasileira transformou-se profundamente nos últimos anos ao adquirir aeronaves, incorporar tecnologias e implantar sistemas que modificam a forma de entender e de aplicar o Poder Aeroespacial, justificando a atualização da nossa doutrina. Todavia, torna-se importante salientar que a aplicação indiscriminada dos fundamentos estabelecidos na Doutrina Básica, sem o devido julgamento, pode gerar resultados indesejáveis no campo de batalha. Lembro que o bom combatente tem a Doutrina como um ponto de partida para nortear o pensamento militar, bem como possibilitar a consecução dos objetivos estabelecidos e o cumprimento da missão atribuída.

2S Johnson / CECOMSAER

2S Rezende / CECOMSAER

Nova proa


4

Setembro - 2012

INSTITUCIONAL

O

Ministro da Defesa, Celso Amorim, acompanhado do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, visitou (27/8) as instalações do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), e as unidades de especialização operacional dos pilotos em Natal, no Rio Grande do Norte. Criado em 1965, o CLBI é o centro de lançamento mais antigo do Brasil e o local onde começou a pesquisa do programa espacial brasileiro para o desenvolvimento de foguetes. Com o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, integra a plataforma brasileira de lançadores de foguetes. Na Base Aérea de Natal, onde são formados pilotos para as Aviações de

Caça e de Asas Rotativas, o ministro conheceu o trabalho realizado pela Primeira Força Aérea (I FAE), que recebe os jovens pilotos recém-formados pela Academia da Força Aérea (AFA). Ao final da visita o ministro Celso Amorim afirmou que ficou “muito impressionado e confiante na formação dos pilotos da Força Aérea”. A formação operacional dos pilotos das Aviações de Patrulha e de Transporte é realizada na Base Aérea de Fortaleza. No final deste ano, 60 novos pilotos serão designados para as unidades aéreas da Força Aérea em todo o Brasil. Saiba mais sobre as aviações e a rotina dos pilotos no portal da FAB (www.fab.mil.br) - FABTV.

BANT

Ministro da Defesa visita unidades da FAB em Natal

O Ministro da Defesa, Celso Amorim, em simulador do caça A-29

ACONTECE

BAPV

Base Aérea de Natal reúne entidades assistenciais - A 3ª edição do “encontro com os amigos especiais” reuniu cerca de 500 pessoas na Base Aérea de Natal (BANT). O evento faz parte do calendário de aniversário e tem por finalidade destinar um dia exclusivo de lazer a pessoas com necessidades especiais. Seis associações de apoio às pessoas especiais de Natal e Parnamirim, realizaram apresentações de dança, capoeira e coral.

ANIVERSÁRIOS Parque de Material de Eletrônica do Rio de Janeiro completa 38 anos - a solenidade militar (27/7) foi presidida Tenente-Brigadeiro do Ar Marco Aurélio Gonçalves Mendes, Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e teve a presença de autoridades civis e militares. Esquadrão Poti celebra 39 anos - O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro Juniti Saito, inaugurou (27/7), na Base Aérea

de Porto Velho, em Rondônia, a segunda parte das instalações do Esquadrão Poti (2º/8º GAV). Foram entregues seis hangaretes, um hagar central com dois anexos, além do prédio do simulador, pátio e estacionamento. “É mais um passo

para o processo de implantaçao do AH-2 Sabre na Amazônia Ocidental” disse o Comandante do Esquadrão, Tenente-Coronel-Aviador Cláudio Wilson Saturnino Alves (foto acima). As instalações do Esquadrão Poti foram projetadas, licitadas e fiscali-

zadas pela Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA), organização da FAB responsável por construir e equipar aeródromos, prioritariamente na Amazônia. Subdiretoria de Abastecimento de São Paulo (SDAB) celebra 67 anos – O processo de automação industrial implantado no depósito de material de intendência como fruto de um trabalho conjunto e integrado de todo o efetivo da SDAB foi destacado durante a cerimônia que celebrou o aniversário da unidade. A solenidade foi presidida pelo Tenente-Brigadeiro do Ar Hélio Paes de Barros Junior, Comandante Geral de Apoio (COMGAP), em São Paulo. Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Aeronáutica (EAOAR) faz 65 anos - sediada no campus da Universidade da Força Aérea (UNIFA), no Rio de Janeiro, semestralmente, passam pela EAOAR cerca de 120 capitães da FAB, além de representantes de Forças de Nações Amigas, que fazem o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAP).


Setembro - 2012

5

REAPARELHAMENTO - KC-390

EMBRAER apresenta soluções de projeto para novo avião de transporte da FAB e divulga fotos inéditas

COPAC

Foram divulgadas imagens inéditas de como será a cabine do avião cargueiro que está em desenvolvimento no Brasil; próxima edição da revista Aerovisão (Outubro/2012) trará reportagem completa sobre a nova aeronave

Imagem interna de como será a cabine do novo avião KC-390

A

equipe de desenvolvimento do avião KC-390 reuniu-se com militares da Força Aérea Brasileira para a Revisão Preliminar do Projeto (PDR - Preliminary Design Review), quando foram apresentadas as soluções de engenharia adotadas pela EMBRAER para a estrutura e para os diversos sistemas da nova aeronave. A reunião aconteceu no final de agosto. Em março de 2013, um novo encontro irá congelar a configuração do KC-390 e liberar os desenhos de produção, última fase antes da construção dos protótipos. Durante o encontro de revisão, a equipe de especialistas da EMBRAER demonstrou a maturidade do projeto a partir dos componentes

e interfaces que já estão definidos. Isso inclui a cabine de pilotagem, que tem um simulador de engenharia pronto. Militares da Força Aérea já puderam conhecer como será a cabine do KC-390 (foto ao lado). O novo avião deverá fazer seu voo inaugural em 2014, e as primeiras entregas para a Força Aérea estão programadas para 2016. Na Força Aérea, o cargueiro KC390 irá substituir os C-130 Hércules em missões de transporte e reabastecimento em voo. Saiba mais - A edição de Aerovisão de outubro, que estará disponível no portal da FAB, traz reportagem completa sobre o atual estágio do projeto KC-390. Acompanhe mais notícias em www.fab.mil.br.

HISTÓRIA

A

atuação da Força Aérea na Segunda Guerra Mundial foi tema em seminário promovido pela Universidade de Brasília (UnB) em 31/8 no ciclo de debates sobre os 70 anos do Brasil no conflito. Com projeção de fotos e documentos históricos, o Coronel-Aviador da Reserva Manuel Cambeses Júnior, pesquisador e membro emérito do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil, expôs episódios marcantes, como a criação da Força Aérea Brasileira, em 1941, e a primeira experiência de guerra fora do

Brasil. Na época, o governo brasileiro mandou para o cenário de guerra europeu, para lutar ao lado dos Aliados, o 1º Grupo de Aviação de Caça e a 1ª Esquadrilha de Ligação e Observação. As unidades foram empregadas em apoio à Força Expedicionária Brasileira (FEB) na conquista de Monte Castelo. Representantes da Marinha e do Exército também participam dos debates no Campus Darcy Ribeiro. O Coronel-Aviador da Reserva Manuel Cambeses Júnior, em evento na UnB

2S Rezende / CECOMSAER

FAB participa de seminário da UnB sobre 2a Guerra


6

Setembro - 2012

OPERACIONAL

SABRE II reúne 600 militares em Anápolis (GO)

A

Foto: Esquadrão Arara

Esquadrão Arara realiza pouso noturno sem apoio de solo na Amazônia

Foto: III FAE

Pilotos da FAB participaram de treinamento na região Centro-Oeste do país

de visão noturna (NVG), sensores de captação infravermelha (FLIR) e designação dos alvos a laser. O uso de NVG com sensores laser é recente na FAB e está capacitando

pilotos a realizar ataques noturnos mais precisos por meio da marcação de laser no solo. Este tipo de marcação somente é visível por meio de óculos de visão noturna.

Em agosto, o Esquadrão Arara (1º/9º GAV) realizou uma missão pioneira na Amazônia: pouso com óculos de visão noturna sem o apoio de solo e de controle do espaço aéreo. O pouso foi realizado na pista de Lábrea, no interior do Amazonas. O Esquadrão Arara, que opera aeronaves de transporte C-105 Amazonas, tem realizado diversos treinamentos desse tipo no simulador e em missões reais, como nas edições 1 e 2 do exercício Coruja Verde.

CAPACITAÇÃO

U

FAB forma novos bombeiros para aeródromos

m exercício simulado de acidente aeronáutico marcou a aplicação dos conhecimentos teóricos do Curso de Formação de Bombeiro de Aeródromo ministrado (23/7 a 24/8) pelo Pelotão Contraincêndio do Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa/MG (PAMA-LS). O curso habilitou 34 militares a exercer atividades de contraincêndio e salvamento em aeródromos. Os alunos puderam perceber a importância da proteção contraincêndio em edificações e os procedimentos de condução em situação emergencial envolvendo acidente aeronáutico. Foram formados 30 militares do

PAMA-LS, dois militares do Centro de Instrução e Adaptação da Aeronaútica (CIAAR) e dois oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais. Durante cinco semanas de curso, além de aulas teóricas, os alunos participaram de instruções diurnas e noturnas de salvamento e combate a incêndio em aeronaves. A turma também fez visitas ao Instituto Médico Legal, às torres de controle do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Lagoa Santa e Confins (DTCEA-LS/DTCEA-CF), ao 3º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais, ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves e Aeroporto da Pampulha.

Foto: PAMA-LS

Terceira Força Aérea (FAE III) realizou de 27 de agosto a 6 de setembro, na Base Aérea de Anápolis, o Exercício Operacional SABRE II. A operação teve como objetivo treinar as unidades aéreas em um cenário fictício de conflito. Participaram do treinamento cerca de 60 aeronaves (F-5, A-1, Mirage F-2000, A-29, E/R99 e o KC-130) e 630 militares. O exercício é uma oportunidade para treinar a estrutura de comando no processo de planejamento e condução de operações aéreas. O SABRE II inclui missões aéreas compostas, missões de elevação operacional para as qualificações de líder de esquadrão, líder tático e líder de pacote (missão composta), além do aproveitamento dos meios para missões do Plano de Instrução e Manutenção Operacional (PIMO) das unidades subordinadas. O cenário do exercício é constituído por dois países: Araguaia, país inimigo, com a capital em Barra do Garças, e Veritas, com a capital em Brasília. A campanha começa com a obtenção do controle do ar de Veritas sobre Araguaia. O foco do exercício é o aperfeiçoamento dos processos de planejamento na condução de operações aéreas com grau máximo de segurança de voo e na padronização e atualização doutrinária. Preparação - Uma das ações mais importantes para as Forças Aéreas nos conflitos modernos é o apoio às tropas de superfícies, realizado com o emprego de aeronaves armadas com bombas, foguetes e canhões. No conflito simulado entre Araguaia e Veritas, proposto para o Exercício Operacional SABRE II, o Esquadrão Escorpião (1º/3º GAV), que opera aeronaves de caça A-29, treinou o apoio aéreo aproximado. O treinamento permite aos pilotos do 1º/3º GAV executar, no período noturno, apoio à tropa terrestre empregando diversos armamentos. O Esquadrão pôde contar com óculos

Treinamento de novos bombeiros para aeródromos


Setembro - 2012

7

ROTA HUMANITÁRIA

Foto: VII COMAR

Correio Aéreo Nacional na Amazônia realiza quase 900 atendimentos médicos em localidades ribeirinhas

Profissionais de saúde da FAB realizam atendimentos em comunidades da Amazônia

A

linha do Correio Aéreo Nacional (CAN) Juruá-Solimões, uma das rotas do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), concluiu na segunda quinzena de agosto quase 900 atendimentos médicos à população ribeirinha e distribuiu 100 quilos de medicamentos, como analgésicos, antibióticos, antiparasitários, além da coleta de preventivos ginecológicos. Em 16 horas de voo, foram atendidos os municípios de Anori, Itamarati, Envira, Ipixuna e São Paulo de Olivença, no Amazonas. Aviões de transporte da Força Aérea levam profissionais militares de saúde para localidades que precisam de atendimento médico e odontológico. A rota partiu da Base Aérea de Manaus (BAMN). Uma aeronave C-98A (Grand Caravan) do Esquadrão Cobra (7º ETA) decolou levando a bordo uma equipe composta por

clínico geral, pediatra, ginecologista, dermatologista e enfermeiro. Os pacientes foram antecipadamente triados pelas secretarias municipais de saúde, por meio de parceria com as prefeituras. A escolha da rota foi baseada em critérios técnicos e humanitários. Necessidade - Depois da maior enchente da história, muitas cidades ainda sofrem com os efeitos das cheias do primeiro semestre. Calor de quase 40°C nessa época do ano, pistas de terra e falta de estrutura são os grandes desafios de missões deste tipo na região Amazônica. As linhas do CAN nessa parte da Amazônia resultam da coordenação e apoio do VII COMAR, Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas (SUSAM) e Prefeituras dos municípios atendidos.

SOCIAL

O

Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, promoveu em agosto uma ação de saúde na vizinha Espera, uma das sete agrovilas da região. Mais de 300 moradores foram atendidos por médicos, dentistas, farmacêuticos e enfermeiros militares que trabalham na unidade da Força Aérea. Por meio de triagem, os pacientes foram encaminhados para consultas com ginecologistas, pediatras, clínicos gerais e dentistas. Quem precisou de remédios, já saiu da consulta com o medicamento na mão. O atendimento incluiu ainda a realização de exames laboratoriais e preventivos, como o teste que detec-

ta o Papiloma Vírus Humano (HPV), um dos causadores do câncer de colo de útero. Adultos e crianças também tiveram a oportunidade de atualizar a caderneta de vacinação. Os resultados dos exames laboratoriais, como o parasitológico, vão ajudar o serviço público de saúde da região a planejar ações específicas para a redução dos índices de contaminação. Durante a ação cívico-social, as crianças se divertiram nas aulas sobre saúde e higiene bucal. Palestras, vídeos educativos e escovação supervisionada fizeram parte da brincadeira que contou com a distribuição de kits com escova de dente, creme e fio dental.

Foto: CLA

CLA leva atendimento médico para comunidades em Alcântara (MA)

Militares do Centro de Lançamento de Alcântara realizam atendimento médico


8

Setembro - 2012

OPERAÇÃO NA FRONTEIRA

ÁGATA 5 - Apreensão de drogas chega a seis toneladas Operação do Ministério da Defesa mobilizou 17 mil militares ao longo de 3,9 mil quilômetros da fronteira sul do país Operação Ágata 5, realizada pelo Ministério da Defesa em meados de agosto, resultou na prisão de 31 pessoas e apreensão de seis toneladas de entorpecentes. Em 15 dias de ação, o aparato militar recolheu 182 carros e embarcações numa área de 3,9 mil quilômetros de fronteira com Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. Os resultados foram apresentados durante videoconferência ao ministro Celso Amorim. A 5a edição da Ágata mobilizou 17 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além de civis, nos estados de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Na primeira semana, o serviço de inteligência conseguiu localizar material explosivo em Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Apenas na fazenda Santa Mariana, em Itiquira (MT), foram apreendidos 7.725 quilos de nitrato de amônia e 3.855 quilos de emulsão de dinamite, utilizados para explosões criminosas. Essa carga estava no interior de um caminhão e a destinação do material será investigada pelo Exército. Parte do Plano Estratégico de Fronteira (PEF), instituído por decreto da presidenta Dilma Rousseff de junho de 2011, a quinta edição da Ágata contou também com a participação de oito ministérios e cerca de 30 agências reguladoras ou organismos públicos federais, estaduais e municipais. Até o fim do ano, o Ministério da Defesa deverá deflagrar a Ágata 6. A região de fronteira ainda será definida pelo setor de inteligência.

Fronteiras - O Brasil tem uma fronteira de 16.880 quilômetros com dez países da América do Sul, do Chuí (RS) ao Oiapoque (AP). De acordo com o balanço da Ágata 5, iniciada no dia 6 de agosto, foram feitas ações de fiscalização de aeródromos e patrulhamento em rios ou barreiras nas

2S Johnson / CECOMSAER

A

Militares da FAB apoiam fiscalização realizada com a ANAC

rodovias e estradas vicinais. No período, ocorreram 191.868 apreensões, vistorias e revistas; 148 inspeções em aeródromos, combustível de aviação, aeronaves e pilotos. Durante a operação foram feitas 879 inspeções em acampamentos ribeirinhos que resultaram em 48 notificações. Além disso, segundo os números divulgados, ocorreram 205 fiscalizações de produtos controlados. Foram montados 2.274 postos de bloqueio e controle de estradas e fluviais. O Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) realizou 19 interceptações aéreas. Força Aérea - Para atingir os objetivos de coibir ações criminosas e reforçar a presença do Estado na área

de fronteira da Ágata 5, a Força Aérea Brasileira atuou em conjunto com as outras Forças Armadas numa área de mais de 450 mil quilômetros quadrados, o equivalente ao território da Suécia. Para isso, a FAB atuou em três grandes frentes: ações militares, apoio aos órgãos governamentais e apoio à população da região. Foram mais de 700 horas de voos que cortaram os céus e levaram a presença, não só da FAB, mas também de agentes públicos de diversas organizações. “Fazer o Estado presente na fronteira é o grande objetivo das Operações Ágata e nesta 5ª edição a missão foi cumprida com êxito”, afirma o Major-Brigadeiro do Ar José Geraldo Ferreira Malta, comandante da Força Aérea Componente na Ágata 5.

Ações Militares - As ações militares da FAB incluíram o reconhecimento e o registro de áreas de interesse para a atuação militar ou policial, com utilização de modernos sensores embarcados nas aeronaves R-99 e na Aeronave Remotamente Pilotada (ARP). Missões de transporte aéreo foram lançadas para que a presença do Estado fosse constante e efetiva, em toda área de operação. A FAB distribuiu aeronaves em diversos pontos estratégicos dos Estados envolvidos na Operação, como Dourados (MS), Maringá (PR) e Santa Rosa (RS). Além das Bases Aéreas que já existem na Região, nas cidades de Campo Grande (MS), Canoas e Santa Maria (RS). Em cada um desses pontos, equipes da Infantaria da Aeronáutica fizeram a segurança das aeronaves e ficaram prontas para atuar a qualquer hora. A FAB interceptou aeronaves suspeitas de irregularidades, numa ação coordenada diretamente pelo COMDABRA, que comandou estas ações a partir de Brasília. Apoio - A Força Aérea realizou uma série de ações em apoio a diversos órgãos e agências governamentais. Neste campo, destaque para aquelas realizadas em conjunto com a Agência Nacional de Aviação Civil. Foram feitas inspeções em 51 pistas de pouso, 37 aeronaves, 37 pilotos, e 23 postos de abastecimento de combustíveis de aviação espalhados em pontos remotos da área da Operação Ágata 5. Os inspetores constataram graves deficiências em cinco pistas de pouso e 21 aeronaves receberam notificações por apresentar irregularidades. “A ANAC agora vai analisar todos os dados obtidos durante a operação e fará as autuações pertinentes”, afirma o coordenador da Inspeção de Aviação Civil na Ágata 5, Tenente-Coronel-Aviador Nilson Adão de Oliveira.


Setembro - 2012

9

ÁGATA 5

Ações Cívico-Sociais atendem população carente ação foi marcante. “Foi uma experiência muito gratificante. Durante esses dias, fizemos inclusive atendimentos domiciliares a pessoas que não tinham acesso a Unidade de Saúde”, destaca a Tenente Enfermeira Aline Cristina Langbecker. São Borja (RS) - Além de atenderem em postos de saúde da cidade, os militares da FAB realizaram palestras educativas, ações de escovação supervisionada em escolas e em um asilo, capacitação de agentes de saúde e atendimentos em postos de saúde e domiciliares. A doméstica Ana Martins, que mora na zona rural de São Borja, foi uma das beneficiadas. Ela recebeu um médico e uma enfermeira em sua residência, onde vive com quatro filhos e quatro netos. Vítima de acidente vascular cerebral, Ana explica que necessita de um acompanhamento de saúde específico, porém chega a esperar três meses por uma consulta. “Achei muito bom, nós queríamos sempre ter esse atendimento”, destaca. Maracaju (MS) - Médicos e dentistas realizaram 266 atendimentos. Os cinco militares da Base Aérea de Campo Grande atuaram por dois dias no Posto de Saúde do Bairro Paraguai. 2S Johnson / CECOMSAER

s Ações Cívico Sociais (ACISO) realizadas pela Força Aérea Brasileira (FAB) também foram destaque na Ágata 5. Populações em situação de vulnerabilidade social do Sul e do Centro-Oeste do País tiveram a oportunidade de receber não só atendimento médico, mas também contaram com uma iniciativa inédita da FAB, uma ação cultural para a prevenção de drogas. No total foram realizados 365 atendimentos médicos e 360 procedimentos odontológicos. O apoio prestado pelas aeronaves da FAB foi fundamental para a realização de diversas ações em localidades desprovidas de pistas de pouso. Nessas regiões o emprego de helicópteros e de aeronaves de transporte permitiu o cumprimento das missões. Medianeira (PR) – Seis militares do Hospital de Aeronáutica de Canoas (HACO) realizaram mais de 100 consultas e atendimentos odontológicos na comunidade Jardim Irene. Os profissionais promoveram palestras em escolas e grupos de orientação com gestantes e pessoas da terceira idade sobre higiene bucal, gravidez na adolescência, métodos contraceptivos e doenças sexualmente transmissíveis. Para quem estava trabalhando, a atu-

População recebeu atendimento médico durante a Ágata 5

Segundo o Tenente Dentista Max Kardec, no total, foram 114 atendimentos odontológicos e 152 médicos. Instituto do Câncer (RS) - Os militares visitaram o Instituto do Câncer Infantil do Rio Grande do Sul, entidade filantrópica que atende 1,3 mil pacientes de oncologia em Porto Alegre. As crianças ganharam revistas em quadrinhos da turma do Fabinho, desenhos para colorir e aviões de brinquedo feitos de isopor. “É muito bom esse aviãozinho”, disse Raí Eduardo Flores, de sete anos de idade. Um dos mais animados com o

brinquedo, Raí passou por um transplante de medula óssea em outubro de 2011. “Ele é um menino muito feliz e está se recuperando bem”, afirma Luciane Flores, a mãe. Ela e Raí viajaram de Agudos, no interior do estado gaúcho, para o tratamento em Porto Alegre. “O material cedido pela Aeronáutica vai ajudar muito na recreação, o que é um fator importante para a recuperação das crianças”, afirma a professora aposentada Maria do Carmo Sommer Martins, que trabalha como voluntária no instituto.

Conscientização sobre o perigo do uso das drogas

2S Johnson / CECOMSAER

A

Além de combater o tráfico, na edição da Ágata 5, a FAB inovou ao participar também de outra frente de combate às drogas: a prevenção do uso. Numa ação inédita, levou um grupo de profissionais da Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas (ABRAD), liderado pelo psiquiatra Jorge Jaber (foto acima), para conversar sobre prevenção ao abuso de substâncias químicas com pais, educadores, profissionais de saúde e crianças na região da Operação. “Esta é uma ação fantástica da Força Aérea Brasileira porque

mostra uma preocupação não só com a repressão ao crime, mas também com a prevenção”, afirma o médico psiquiatra que trabalha com dependência química há mais de 30 anos. A complexidade dos danos causados pelas drogas não são apenas uma questão de segurança, mas também como questão de saúde pública. “Por isso, esta iniciativa da FAB é tão louvável. Não se trata apenas de impedir que a droga chegue, é preciso que os jovens digam não para a droga que conseguir chegar até eles”, diz Jaber.


10

Setembro - 2012

INDÚSTRIA

U

destruir radares inimigos, que está com o projeto em desenvolvimento. No estande da FAB, foi possível conferir peças e equipamentos nacionalizados pelo Centro de Logística da Aeronáutica (CELOG), que geraram, somente em 2012, uma economia em torno de seis milhões de reais para o país. “É importante estimular a prospecção de novos projetos porque isso gera desenvolvimento tecnológico e fortalece a indústria nacional”, afirma o Tenente Engenheiro Éder Galdiano. A FAB também levou para a feira uma aeronave A-29 Super Tucano do Esquadrão Flecha (3º/3º GAV) e uma barraca do 1º Grupo de Comunicações e Controle, com rádios e síntese radar. O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, e oficiais generais do Alto Comando visitaram a mostra. Adidos militares estrangeiros participaram de um workshop, no qual foram apresentados projetos e políticas públicas de defesa e segurança. O adido aeronáutico da Colômbia, Coronel Enrique Lozano, disse que o evento é uma oportunidade de criar parcerias. “A mostra é uma oportunidade de conhecer empresas e projetos em que podemos nos tornar futuros parceiros, como o KC-390, desenvolvido pela FAB e EMBRAER.” CB Silva Lopes / CECOMSAER

m evento inédito no país reuniu empresas de diversos segmentos que apresentam soluções e equipamentos para a área de defesa, como aeronaves, veículos aéreos não tripulados, embarcações pneumáticas, viaturas blindadas, radares, armas não letais, entre outros. A Mostra Base Industrial de Defesa (BID-Brasil) aconteceu entre os dias 17 e 19 de agosto no hangar do Correio Aéreo Nacional, na Base Aérea de Brasília. O evento foi promovido pela Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos e o Ministério da Defesa. Além de conhecer projetos ligados à defesa nacional, os visitantes puderam verificar como essas tecnologias estão sendo aplicadas no cotidiano do cidadão comum. “A descoberta de novas tecnologias, além de influenciar a abertura de novas linhas de pesquisa, também pode migrar e beneficiar o meio civil”, conta o Tenente Engenheiro Paulo Rigoli, do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE). O IAE levou para a mostra dois projetos de mísseis de fabricação nacional. Um deles, guiado por infravermelho, é utilizado em combates aéreos. O outro é um míssil para

O Comandante da Aeronautica, Tenente Brigadeiro Juniti Saito, em visita à mostra

CB Silva Lopes / CECOMSAER

FAB participa de inédita mostra de produtos de defesa

Material da Força Aérea em exposição na Mostra Base Industrial de Defesa (BID-Brasil)

PERIGO AVIÁRIO CENIPA mapeia focos de atração de aves no Rio de Janeiro Em busca de focos de atração de aves, uma equipe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) visitou abatedouros de bovinos e vazadouros de resíduos sólidos (lixões) na região do Aeroporto de Campos dos Goytacazes, na cidade de Campos (RJ), no período de 30 de julho a 3 de agosto. A atividade, que faz parte das ações estabelecidas no Plano Básico de Gerenciamento de Risco Aviário, registrou cerca de 30 focos atrativos de aves, dos quais 22 de interesse com a identificação de aves das espécies urubu, carcará, biguá, quero-quero entre outras. Na ocasião, foi mensurado o terreno para análise no raio de 20 quilômetros do centro da pista, área considerada de perigo para a aviação. Com apoio de um helicóptero do 3º/8º GAV, da Base Aérea dos Afonsos (RJ), especialistas do CENIPA realizaram registro fotográfi co de áreas ao redor do aeroporto.

Segundo o Chefe do Gerenciamento do Risco Aviário, Major-Aviador Francisco Morais, a verificação do risco aviário está prevista na Portaria 249/GC-5/2011, do Comando da Aeronáutica. Ele informa ainda que os dados coletados fazem parte de um relatório descritivo entregue à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) que notificará os municípios. “O CENIPA revela o problema para que as autoridades competentes possam agir na eliminação dos focos identificados”, explica. O CENIPA iniciou em 2011 a verificação de focos de potencial risco aviário em 44 aeroportos do país. Cerca de 80% desse trabalho já foi concluído. Em continuidade ao calendário de atividades, este ano foram realizadas ações nos aeroportos de Jundiaí e Itapeva (SP), Vitória (ES), Confins, Carlos Prates e Pampulha (BH), Joinville (SC), além do Aeroporto de Campos dos Goytacazes.


Setembro - 2012

11

REMUNERAÇÃO

Orçamento federal prevê 30% de reajuste para Forças Armadas em 2013

2S Rezende/ CECOMSAER

O

Primeira parcela do reajuste será concedida em março de 2013

s servidores militares das Forças Armadas terão um reajuste salarial de 30%, dividido em três parcelas de 9,14% ao ano. A primeira delas será concedida a partir de 1º de março do ano que vem, segundo anúncio feito em agosto pelo governo federal. O aumento será linear, ou seja, concedido a todos os militares, independente do posto ou graduação, ativos, inativos e pensionistas. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, durante apresentação do Projeto da Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2013, em Brasília. Na ocasião, anunciou-se também

um reajuste padrão de 15,8% a outras categorias de servidores do Poder Executivo. Segundo o Planejamento, 93% das categorias aceitaram a proposta. O mesmo reajuste – 15,8%, parcelados em três anos – foi oferecido ao Legislativo (Câmara, Senado e Tribunal de Contas da União), Judiciário (magistrados e servidores) e Ministério Público da União (membros e servidores). As parcelas do reajuste salarial de 30% concedido aos militares serão pagas em março de 2013, 2014 e 2015, sempre no primeiro dia do mês. (Agência Força Aérea, com informações do Ministério da Defesa).

DEFESA

Norma disciplina participação de militares em ministério

C

om o objetivo de dar transparência à participação de militares da ativa e da reserva na administração central do Ministério da Defesa (MD), foi publicada (3/9) a Portaria Normativa nº 2.323, no Diário Oficial da União. O texto disciplina a composição da força de trabalho militar no órgão e, trata, entre outras questões, da requisição de militares da ativa e daqueles chamados a contribuir com a Prestação de Tarefa por Tempo Certo (PTTC). Uma das principais novidades do documento é o aumento, em um ano, do prazo de permanência para ocupante de cargo ou função gratificada no MD. Segundo o parágrafo 1º do artigo 4º, “a prorrogação do tempo de permanência do militar na

Administração Central do Ministério da Defesa somente ocorrerá para atender imperiosa necessidade do serviço e por até um ano”. A norma até então vigente – Portaria Normativa nº 1.247, que perde efeito a partir do novo texto – não era tão incisiva. Já os militares da reserva contratados sob as regras da PTTC, com a nova portaria, têm vedada as gratificações. Esses militares retornam às forças singulares para o atendimento de demanda de mão de obra específica. Quando são contratados para tal finalidade, recebem 30% do valor da aposentadoria. Para evitar sobreposição, a gratificação do MD será excluída. Outra inovação estabelecida na portaria é a participação de militares

no MD sem gratificação. Nesse caso, ele poderá atuar pelo período de seis meses. A quantidade de militares nessa situação, além disso, não poderá ser superior a 10% do quadro de gratificados. “Excepcionalmente os Comandos das Forças Singulares poderão, a pedido da Secretaria de Coordenação e Organização Institucional (SEORI), designar militares para exercer atividades específicas e de natureza transitória, pelo prazo máximo de seis meses, no âmbito dos órgãos integrantes da estrutura regimental do Ministério da Defesa”, diz o parágrafo 2º do artigo 1º da referida portaria. A nova norma diz ainda, no artigo 14, que os militares designados para PTTC não poderão receber

atribuições, funções ou encargos não previstos nos respectivos atos de designação, nem ser nomeados ou designados, ainda que a título precário ou em substituição, para o exercício de cargo ou função gratificada privativa de militar da ativa ou civil. A portaria também enfatiza que o militar, quando do desligamento do MD, deverá apresentar ficha de desimpedimento na Divisão de Recursos Humanos do Departamento de Administração Interna da Secretaria de Coordenação e Organização Institucional. A medida tem por objetivo isentar o militar da responsabilidade de material ou equipamento mantido sob sua guarda durante o período que esteve lotado no MD. (Ministério da Defesa)


12

Setembro - 2012

INTERNACIONAL

A

Esquadrilha da Fumaça participou da Jornada de Portas Abertas do Centenário da Aviação Militar da Argentina, na Escola de Aviação Militar, em Córdoba, na Argentina. As manobras dos pilotos do Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA) encantaram os cerca de 50 mil argentinos que estiveram presentes ao evento, como o piloto Carlos Frigerio, de 67 anos. Ele lembra a primeira vez que viu os aviões da Esquadrilha da Fumaça em um Domingo Aéreo da Academia da Força Aérea, em Pirassununga (SP). O ano era 1971, o primeiro dos sete que esteve no Brasil. “Quando eu vejo a Esquadrilha sinto vontade de voltar a voar no Brasil. Gostaria de estar com eles neste momento. Parece que estou vendo tudo pela primeira vez”, afirma. Depois de uma ausência de seis anos, esta foi a segunda vez que os fumaceiros fizeram demonstrações

em Córdoba. Por isso, muitos argentinos não conheciam as manobras com o T-27 Tucano dos pilotos brasileiros. Foi sob aplausos e olhares de surpresa que os sete pilotos abriram a demonstração e pintaram o céu de fumaça com a frase “Feliz Centenário” para a Força Aérea e o povo argentino. Salim Almada, de 15 anos, argentino de Córdoba, foi assistir a Fumaça pela primeira vez. Coincidência ou não com a história de Carlos, o futuro piloto vê o EDA como um grande incentivador para a carreira de piloto, que deseja seguir. “Eu amo a aviação e, para mim, é uma oportunidade única assistir a uma apresentação com alto grau de dificuldade. As acrobacias são perfeitas. A partir de hoje, quero ver todas as apresentações”, disse. Além dos 100 anos da Força Aérea, os argentinos também festejaram a volta da Esquadrilha

Foto: Marcos junglas

Fumaça realiza apresentações na Argentina

Aeronave T-27 Tucano da Esquadrilha da Fumaça na Argentina

Acrobática Argentina “Cruz del Sur”. Durante o evento, foi apresentada aeronave IA-63 Pampa II, que será usada pelo piloto número um a par-

tir do ano que vem. A Esquadrilha de Alta Acrobacia Halcones da Força Aérea do Chile também exibiu seus aviões EXTRA 300 L.

COMUNICAÇÃO SOCIAL

Curso discute a importância da atividade na FAB importância da Comunicação Social nas relações institucionais, a publicidade e propaganda na Força Aérea Brasileira (FAB), gerenciamento de crise. Esses foram alguns dos temas abordados no Curso de Comunicação Social da Aeronáutica (CCS), realizado no período de 22 a 31 de agosto, no Centro Militar de Convenções e Hospedagem da Aeronáutica (CEMCOHA), em Salvador (BA). “Fizemos aqui um investimento triplo. Primeiro por acreditar que a mudança de conteúdo poderia contribuir para enriquecer a nossa atividade de comunicação. O segundo foi o das organizações, por entendermos que após esse período de instrução esses militares voltarão para suas unidades

mais bem formados para melhorar a divulgação do trabalho realizado em suas instituições. O terceiro, e melhor, foi o investimento próprio de cada militar que participou do curso. Porque se eles se imbuíram e se dedicaram, fica para nós a expectativa positiva de que eles investirão cada vez mais no engrandecimento pessoal, no sentido de trabalharem em prol de um sistema de comunicação que a cada dia tentamos tornar mais forte e coeso”, explicou o chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno. Durante dez dias, mais de cem militares e civis se dividiram entre as aulas teóricas e práticas. Os parti-

cipantes tiveram a oportunidade de exercitar os conhecimentos adquiridos nas várias oficinas programadas no evento. “Esse curso foi uma oportunidade ímpar tanto para mim como para os meus colegas e que vai agregar muito não só na área militar, mas também pessoalmente”, avaliou a Tenente Karina Becker. “Estou saindo do curso com a expectativa muito satisfeita por causa das palestras que foram ministradas, a abrangência dos conteúdos e vamos adaptar e utilizar esses aprendizados nas nossas unidades”, complementou o Sargento Válber Freitas Santos. O primeiro Curso de Comunicação Social realizado pelo CECOMSAER ocorreu em 1993. A edição do CCS

2012 teve como um dos destaques a participação da Jornalista Patrícia Nobre Mancini, coordenadora do núcleo da TV Bahia, afiliada da Rede Globo. Ten Enilton / CECOMSAER

A

Militar da FAB participa de oficina oferecida em curso de comunicação social


Setembro - 2012

13

CARREIRA MILITAR

O

Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR) realizou (31/08) a tradicional cerimônia militar de entrega de espadas que marca a nomeação de 159 profissionais de diversas especialidades ao posto de oficial da Força Aérea Brasileira (FAB). O símbolo do oficialato nas Forças Armadas foi entregue aos integrantes da turma denominada “Falcão” após a conclusão do Estágio de Adaptação de Oficiais Temporários (EAOT) e do Estágio de Instrução e Adaptação de Capelães (EIAC). A solenidade foi presidida pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, e contou com a presença de diversas autoridades. A primeira colocada da turma foi a Segundo Tenente da especialidade de Serviços Jurídicos Daniela Fernandes Diniz. A mãe da primeira

colocada, Bárbara Fernandes Diniz, lembra que a filha está realizando um sonho de adolescente. “Meu pai foi oficial-aviador e o meu irmão também. Agora é uma honra ver a minha filha ingressando na FAB e ainda mais sendo a primeira colocada de sua turma. É uma emoção muito grande para toda a família”, disse Bárbara. A formanda Flávia Medeiros Cocate, da especialidade jornalismo, conta que desde criança não perdia uma apresentação da Esquadrilha da Fumaça na sua cidade, Ubá (MG), e que sempre se emocionava com as apresentações. “Hoje, após cinco tentativas de passar no concurso, consegui realizar o meu sonho de ingressar na FAB e o destino fez com que eu fosse classificada para a vaga de jornalista da Esquadrilha da Fumaça”, ressalta.

CIAAR

Força Aérea forma 159 novos oficiais temporários

Formatura de novos oficiais temporários da Força Aérea Brasileira

NOTAS CURTAS CFIAE aumenta o valor dos financiamentos para reforma de imóvel próprio

A

Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAE) aumentou para R$ 20.000,00 o teto máximo de empréstimo para pequenas reformas em imóvel próprio de militares e civis. A partir de agosto, a taxa mensal de administração foi reduzida para R$ 8,00. Os empréstimos poderão ser fi-

RUMAER - Portaria do Comandante antecipa uso de peças substituídas em uniformes

nanciados em até 60 meses, por meio de desconto em folha. Na página da CFIAE (www.cfiae. aer.mil.br ou www.cfiae.intraer), os beneficiários podem consultar os detalhes sobre a concessão do crédito. Também poderão utilizar o simulador para calcular parcelas mensais.

Biblioteca do ITA oferece normas técnicas da ABNT para consulta pela internet

A

Divisão de Informação e Documentação (IA-DOC) do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) viabiliza à comunidade técnico-científica do Comando da Aeronáutica (COMAER) acesso à coleção completa das Normas Técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em meio eletrônico, nas máquinas

conectadas às redes de domínio Internet da instituição. Instruções: - PROCEDIMENTOS para pesquisa e visualização das Normas Técnicas da ABNT. HYPERLINK “http://www.bibl.ita. br/PesquisaVisualizaNormasABNT. pdf” http://www.bibl.ita.br/PesquisaVisualizaNormasABNT.pdf

A Portaria nº 561/GC6, de 28 de agosto de 2012, assinada pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, determina que as alterações incluídas pelo novo Regulamento

de Uniformes da Aeronáutica (RUMAER) entraram em vigor em 28 de agosto. “Fica autorizado o uso de peças de uniformes substituídas até 14 de junho de 2014”, afirma o texto divulgado.


14

Setembro - 2012

AVIAÇÃO DE CAÇA

Maj Ricardo Lins

OPERACIONAL - Torneio avalia precisão de pilotos e equipes de manutenção em Anápolis (GO)

Caças F-5EM preparam-se para decolagem na Base Aérea de Anápolis, durante Torneio da Aviação de Caça

A

região central do Brasil foi palco de 48 missões de guerra simuladas envolvendo aeronaves de caça F-5EM, F-2000C Mirage, A-1 e A-29 Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB). Cerca de 300 militares participaram do Torneio da Aviação de Caça (TAC), a partir da Base Aérea de Anápolis (BAAN), no Centro-Oeste do país “Procuramos submeter pilotos e mecânicos a um ambiente de tensão e motivação próximo àquele que nos envolveria durante um período de conflito, o que nos permite avaliar o desempenho das equipes em condições próprias do combate”, afirma o Brigadeiro do Ar Paulo Érico, Comandante da Terceira Força Aérea (FAE III), organização militar que comanda todas as unidades de caça da FAB. A competição deste ano envolveu missões de apoio aéreo aproximado, que consiste em uma dupla de aero-

naves de caças atacar um alvo terrestre, de acordo com as orientações passadas por outra aeronave, mais próxima do alvo. Além da precisão do uso dos armamentos, também foram avaliados procedimentos de segurança de pilotos e mecânicos, o planejamento do voo, os cuidados contra possíveis danos colaterais e o cumprimento do horário sobre o objetivo (HSO). Dez juízes também avaliaram os pilotos que durante o voo à baixa altura conseguiram identificar outros alvos no terreno. As missões aconteceram de acordo com um cenário fictício onde os aviões de combate foram utilizados em uma intervenção militar para acabar com uma guerra civil instalada. “O realismo durante o treinamento é fundamental para a observação do desempenho operacional, especialmente para este tipo de missão, o apoio aéreo aproximado, onde os

ataques ocorrem muito próximos às tropas amigas e a precisão requerida dos pilotos é a máxima”, explica o Coronel-Aviador Sergio Barros de Oliveira, o juiz mais experiente da prova aérea. Além disso, o cenário foi montado para que o poder aéreo fosse utilizado sob a égide de órgãos internacionais como a Organizações das Nações Unidas (ONU), por exemplo. “É justamente o estrito cumprimento das ordens superiores e a integração detalhada entre os caças e aqueles que orientam os ataques, que garante a confiança dos organismos internacionais na nação brasileira – tudo para que os armamentos sejam empregados com precisão e para que não haja danos colaterais durante a atividade contra alvos hostis”, completa. Em paralelo às atividades aéreas aconteceram competições de tiro

com armas portáteis, corrida de orientação e cabo de guerra. “As provas de tiro e de corrida de orientação são consideradas operacionais porque são habilidades necessárias ao dia a dia do piloto de caça, a exemplo do que poderia ser preciso ele fazer após uma ejeção”, afirma o Major-Aviador Luciano Cantuaria Pietrani. Além dos caças, também participam do TAC aeronaves de reconhecimento, comando e controle, busca, salvamento e transporte. São, ao todo, 14 esquadrões de voo e cerca de 40 aeronaves que lotaram o pátio da Base Aérea de Anápolis. O Torneio envolve ainda militares do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Comando Geral de Operações Aéreas (COMGAR), do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) e do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).


Setembro - 2012

15

MODERNIZAÇÃO

2S Johnson / CECOMSAER

FAB recebe caminhões do “PAC-Equipamentos”

Caminhões entregues em Brasília para a Força Aérea Brasileira

A

Força Aérea Brasileira recebeu (11/9), em Taguatinga (DF), 33 caminhões que serão entregues para unidades em todo o país. Até o fim do ano, serão recebidos mais 68 veículos e outros 300 estão em processo de compra. O investimento total é de R$ 93 milhões e os recursos são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC Equipamentos), do Governo Federal. Os caminhões serão utilizados, por exemplo, para o transporte do Hospital de Campanha (HCAMP) da FAB ou dos equipamentos necessários para realizar operações em lugares distantes. “A nossa capilaridade vai aumentar bastante, de maneira que a gente possa apoiar os lugares mais ermos onde, às vezes, não tem a possibilidade de chegar com avião”, explicou o Tenente Brigadeiro do Ar Hélio Paes de Barros Júnior, do Comando-Geral de Apoio (COMGAP). Além disso, mesmo quando há pistas para o pouso de aviões de carga, em algumas situações a Força Aérea também utiliza o transporte terrestre. “Às vezes é mais rápido e mais barato transportar por caminhão que por meio aéreo”, ressalta o Brigadeiro Engenheiro Robson Ra-

mos, da Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (DIRENG). A mobilidade também é uma das diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa, que prevê a capacidade das Forças Armadas se deslocarem rapidamente para regiões de fronteira, por exemplo. Uma mostra disso aconteceu em setembro de 2011, quando caminhões da FAB percorreram 54.000 Km durante a operação Ágata 2. Sessenta toneladas de barracas, geradores, apoio de alimentação, antenas, banheiros e outros equipamentos foram levados para que os aeroportos de Santa Rosa (RS), Maringá (PR) e Dourados (MS) funcionassem como base de aeronaves da FAB que cumpriam missões de vigilância e combate às atividades ilícitas na fronteira sul. Desse primeiro lote, serão entregues veículos para unidades de apoio, como os Parques de Material de Aeronáutica (PAMA), Prefeituras de Aeronáutica e o Centro Logístico da Aeronáutica (CELOG). Também estão na lista, a Academia da Força Aérea, a Escola de Especialistas de Aeronáutica, Batalhões de Infantaria da Aeronáutica Especial (BINFAE) e todas as Bases Aéreas das regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste.


Notaer 09 - Edição de Setembro de 2012  
Notaer 09 - Edição de Setembro de 2012  

Salário - Primeira parcela de reajuste (9,14%) será concedida em março de 2013

Advertisement