Issuu on Google+

Ano XXXIV

RIO 2011 - ESPECIAL

Nº 7

julho, 2011

ISSN 1518-8558

Começa a batalha por medalhas na maior competição esportiva militar SGT Rezende / CECOMSAER

www.fab.mil.br

Guia de esportes completo para acompanhar as provas e o desempenho dos atletas da Força Aérea no Mundial Mensagem de apoio aos atletas do Comandante da Aeronáutica (Pág. 6) O atirador que é a promessa de medalha de ouro para o Brasil (Pág. 7) O zagueiro da seleção brasileira de futebol é atleta da Força Aérea (Pág. 11) Veja como garantir o seu ingresso para acompanhar os Jogos Militares (Pág. 12) INTERNET A Força Aérea entra de vez na era das mídias sociais. Veja as novidades (Pág. 4)

AJUDA HUMANITÁRIA Comandantes de Forças Aéreas americanas debatem ação conjunta em evento

105 ANOS O dia em que o brasileiro Alberto Santos Dumont “inventou” o ensaio em voo

GUIA DE BENEFÍCIOS Conheça os programas de assistência social mantidos pela FAB (Pág. 15)

A reação conjunta a desastres naturais foi um dos temas debatidos durante a 51a Conferência dos Comandantes das Forças Aéreas Americanas (CONJEFAMER), realizada em Natal (RN). Está em elaboração um manual para operações combinadas. (Pág. 14)

Em julho de 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont realizou uma série de testes antes de voar no 14Bis. O avião foi acoplado ao balão no 14, o que facilitou a decolagem, mas prejudicou o voo. Saiba mais sobre a atividade de ensaio em voo . (Pág. 16)

A quinta edição dos Jogos Mundiais Militares começa no próximo dia 16 de julho, no Rio de Janeiro. Serão cerca de quatro mil atletas, de mais de cem países, na luta por medalhas de ouro, prata e bronze (foto acima). A seleção brasileira reúne 15 militares da Força Aérea Brasileira, entre graduados e oficiais. É a primeira vez que a competição, que começou a ser realizada em 1995, acontece no continente americano. (Pág.5 a 12)


2

CARTA AO LEITOR

Expediente O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno.

Linha de chegada

E

m geral, o esporte serve como metáfora da nossa própria vida. As dificuldades como obstáculos, extensões do aprendizado. O treinamento, silencioso, sem abraço na chegada. Poesia plena, sem verso rimado. Até a linha de chegada, como na própria rotina, há muito o que suar. Chegamos, pois, diante da bandeira, à espera da conquista e do abraço. É preciso dizer mais do que um abraço? Em nosso NOTAER, tentamos, nesta edição, traduzir os sentimentos e a alma dos atletas militares, mas contar histórias de caminhos e vitórias não é objetivo apenas de agora. Passa a ser

rotina. O homem faz a sua história com seu esforço individual, mas também com a capacidade de trabalhar em equipe e superar limites. Vencer. Durante este mês, cobriremos os caminhos e as conquistas. O pódio é um detalhe deste conto. Acompanhe as histórias em nosso site na intraer e na internet. Vibrará, por certo, tanto com os resultados como com os obstáculos, ponto a ponto, a cada vitória. Afinal, cada um de nós faz parte desse time chamado Brasil.

Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno

Brig Ar Marcelo Kanitz Damasceno Chefe do CECOMSAER

Repórteres: Tenente Luiz Claudio Ferreira, Tenente Alessandro Silva, Tenente Marcia Silva, Tenente Flávia Sidônia, Tenente Flávio Hisakasu Nishimori, Tenente Juliana Mota e Tenente Carla Dieppe

Chefe da Divisão de Produção e Divulgação: Tenente Coronel Alexandre Emílio Spengler Chefe da Divisão de Relações Públicas: Coronel Marcos da Costa Trindade Chefe da Agência Força Aérea: Major Alexandre Daniel Pinheiro da Silva Editores: Tenente Luiz Claudio Ferreira e Tenente Alessandro Silva

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS Mesmo com a previsão, na Constituição Federal, da proteção da intimidade dos cidadãos, o Brasil ainda é um dos poucos países que não possui uma legislação específica de segurança das informações pessoais contidas em bancos de dados de empresas ou instituições. Apenas para registrar, na América do Sul, o Chile sancionou uma lei específica sobre a matéria em 1999, a Argentina em 2000 e o Uruguai em 2004. A inexistência de uma legislação que regulamente a utilização desses dados pessoais (fornecidos pela própria pessoa em cadastros) por empresas ou instituições, quando usados sem consentimento, gera vulnerabilidade e insegurança ao cidadão, que pode ser vítima de clonagem de identidade, de fraudes bancárias, vazamentos de dados ou mesmo discriminação. Há, também, a possibilidade de insegurança jurídica para o mercado e para o Estado, pois uma empresa multinacional pode deixar de fazer negócios no país, devido à falta de garantia de que informações referentes aos seus funcionários ou à empresa serão protegidas. Para se ter uma ideia, há casos de

empresas que vendem, ou cedem, a terceiros, bancos de dados pessoais de seus clientes sem autorização. A legislação atual prevê sanções quando a divulgação dos dados pessoais cause danos à imagem, à honra ou à privacidade de uma pessoa, mas não há previsão legal a respeito da transferência de dados pela internet. Com base nessa lacuna legal, um anteprojeto de lei que pretende garantir a proteção de dados pessoais, inclusive na internet, inspirado na principal norma da União Européia que trata da proteção de dados pessoais, a Diretiva 95/46/EC, foi colocado para consulta pública pelo Ministério da Justiça, no blog Cultura Digital. Os interessados podem fazer comentários, artigo por artigo e, caso o Ministério da Justiça julgue interessante, as opiniões podem ser incorporadas ao texto principal. O texto preliminar do anteprojeto teve a sua formulação iniciada em 2005, tendo como ponto de partida uma pesquisa realizada pelo Ministério da Justiça em conjunto com uma equipe da Fundação Getúlio Vargas, formando um grupo de trabalho que

estudou normas internacionais, tentando adaptá-las à realidade do país. Somente após a consulta pública e a formalização do texto é que o anteprojeto será enviado ao Congresso. Depois, será elaborado o projeto de lei (ainda sem prazo definido). Acerca dos dados considerados sensíveis, as pessoas não poderão ser obrigadas a fornecerem informações que por algum motivo possam ocasionar qualquer espécie de discriminação do titular, como origem racial ou étnica, convicções religiosas, opiniões políticas e filiação sindical ou partidária. Também serão consideradas sensíveis as informações referentes à saúde, bem como dados genéticos. O texto proíbe que sejam formados bancos de dados com as informações consideradas sensíveis, sem disposição legal expressa. A proteção de dados, principalmente em ambiente virtual, não obedece à fronteiras. Uma coisa é falar de dados que estão guardados em uma repartição pública, outra é tratar de proteção de dados que estão na web. (Centro de Inteligência da Aeronáutica)

Colaboradores: EMAER, DIRINT, IEAv, IPEV, CLA, CIAER, PAME-RJ, Rio2011 e SISCOMSAE (textos enviados ao CECOMSAER, via Sistema Kataná, por diversas unidades) Tiragem: 30.000 exemplares Jornalista Responsável: Tenente Luiz Claudio Ferreira (MTB 2857 - PE) Diagramação: Tenente Alessandro Silva, Suboficial Cláudio Bonfim Ramos, Sargento Rafael da Costa Lopes e Cabo Lucas Maurício Alves Zigunow Revisão: Suboficial Cláudio Bonfim Ramos Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Comentários e sugestões de pauta sobre aviação militar devem ser enviados para: redacao@fab.mil.br Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” - 7º andar CEP - 70045-900 Brasília - DF Impressão e acabamento: Aquarius Gráfica e Editora


3

PALAVRAS DO COMANDANTE

PR

S2 Antunes / III COMAR

Os clubes da família aeronáutica

Tenente Brigadeiro do Ar Juniti Saito Comandante da Aeronáutica

Entre em contato com os clubes da Aeronáutica

www.fab.mil.br A cidade do Rio de Janeiro será destaque mundial nos próximos dias com a realização dos Jogos Militares; Conheça os clubes que podem receber os interessados em prestigiar o maior evento militar esportivo do mundo

“É

bom sentá-lo novamente ao lado. Com olhos que contêm o olhar antigo sempre comigo um pouco atribulado. E, como sempre, singular comigo.” Versos do sábio Soneto do Amigo, de Vinícius de Moraes, que tratam da amizade e da necessidade do reencontro. No âmbito do nosso trabalho, cada um constrói uma rede de relacionamentos e de significados que, por vezes, chamamos até de família. No nosso caso, a “Família Aeronáutica”. Fato é que os reencontros têm espaços além dos nossos tradicionais lugares, com belas paisagens. Que o digam as instalações do clube do Rio de Janeiro, tanto no Centro da cidade, como na Barra da Tijuca. Os dois locais são circundados por cenários de raríssima beleza e mantêm atividades permanentes que nos levam à certeza de estarmos em casa. Dirijo-me ao nosso efetivo para convidá-los e incentivá-los a se

associar a essas instituições tradicionais que estão em permanente aperfeiçoamento, tanto na estrutura da parte de entretenimento quanto nos apartamentos. Além disso, considero importante lembrar que as taxas mensais de todos os clubes são bem reduzidas e servem apenas para colaborar com a manutenção das estruturas. Ao convidá-los, relembro o empenho pessoal do Tenente Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista, de toda a diretoria e funcionários do clube do Rio de Janeiro. Todos à disposição para recebê-los o quanto antes. Tanto os que residem na Cidade Maravilhosa como aqueles que, em viagens, podem ter momentos agradáveis em grandes clubes, numa das cidades mais belas do mundo. Ratifico a importância do entendimento dos nossos militares sobre a adesão e efetiva participação do maior número de famílias nos clubes.

São a base do nosso reencontro, tanto no Rio de Janeiro como em outras cidades do País. São espaços do descanso preparados para receber militares das mais diversas patentes, além dos civis que tanto colaboram com nossa missão. Nosso objetivo é que sejam lugares que colaborem com a sinergia de um grupo muito especial. Entusiasmo e participação são as causas que podem elevar qualquer ambiente. Sabemos bem da determinação diária de trabalho de cada um de vocês. Agora, saibam também que precisam de atividades informais. Insisto que o bem-estar de cada um é prioridade para o seu comandante. Peço que estejam conectados a essa ideia e que vislumbrem como podem ampliar o relacionamento interpessoal além das paredes de nossas organizações. Nossos clubes estão aí justamente para isso. A maior convivência em nossos

(Catálogo Telefônico - Clube)

clubes possibilitará também que surjam novas sugestões para que esses espaços sejam aperfeiçoados. Lembro que, anteriormente, ao ingressarmos na carreira militar, estávamos automaticamente ligados aos clubes, o que referendou a eles uma aura de tradição e respeito. Com o aumento do efetivo, nosso desafio permanente é divulgar o que esses locais podem oferecer. O entusiasmo no Rio de Janeiro é espelho do que ocorre pelo Brasil afora. Não percamos, pois, a oportunidade de propiciarmos bons momentos para nós mesmos e para nossas famílias. Isso ocorre, por vezes, simplesmente porque não conhecemos. Saibam que, além do seu comandante, quem pede essa oportunidade são os milhares de companheiros que já frequentam nossos espaços. Encontremo-nos!!! Nesses locais, também nos encontramos com nós mesmos


4

COMUNICAÇÃO SOCIAL

“Utilidade social do jornal é mostrar o que está errado para ser corrigido”, diz jornalista William Bonner em palestra no Rio de Janeiro jornalista William Bonner, editorchefe e apresentador do Jornal Nacional, da TV Globo, esteve (14/6) na Universidade da Força Aérea, no Rio de Janeiro, onde apresentou a rotina do telejornal aos 230 alunos dos cursos de Política e Estratégia (CPEA) e de Estado-Maior (CCEM). Durante a apresentação, o jornalista destacou que o maior desafio da equipe é mostrar, em 35 minutos, o que de mais importante acontece no Brasil e no mundo, de forma clara e transparente. O profissional enfatizou os critérios primários utilizados por sua equipe para definir as notícias que irão ao ar: abrangência, gravidade, caráter histórico, peso do contexto e importância do todo. Em seguida, houve uma rodada de debates em que Bonner foi questionado, entre outras coisas, sobre a quantidade de notícias negativas que a imprensa destaca. “A utilidade social do jornal é mostrar o que está errado para ser corrigido”, afirmou.

ECEMAR

O

YOU TUBE

O jornalista William Bonner participou de palestra no Rio de Janeiro

O jornalista fez questão de destacar que não é a notícia que muda as coisas. “Mas é a informação que muda a história. E é essa história que é retratada pelo jornalismo”. Experiência – No mesmo dia, a jornalista Lília Teles, também da TV Globo, relatou para oficiais do CPEA a sua experiência no trabalho de cober-

tura da tragédia do terremoto no Haiti (2010). “A Lília de hoje é totalmente diferente da de antes.” A jornalista destacou o trabalho das Forças Armadas. “A atenção que eles dispensaram a nossa equipe de jornalismo e, principalmente, à população local ficarão marcados para sempre em minha vida”.

SGT Johnson / CECOMSAER

F

PILOTO POR 1 DIA - Os vídeos do apresentador Luciano Huck voando em um caça tiveram mais de 8 mil visualizações em apenas duas semanas. A matéria completa exibida pelo programa está disponível em http:// caldeiraodohuck.globo.com/ INÉDITO – Imagens exclusivas da Missão Centenário (2005) e que mostram a viagem de retorno do astronauta Marcos Pontes, tiveram mais de 1.700 visualizações. As imagens foram feitas da Estação Espacial Internacional. Na re-entrada, a Souyz atinge velocidade de 28 mil km/h. #CAN80ANOS – O vídeo comemorativo do Correio Aéreo Nacional teve mais de 400 visualizações apenas no primeiro final de semana de exibição. Além de imagens históricas, o material traz entrevistas imperdíveis.

TWITTER

Caldeirão do Huck destaca os 70 anos da Força Aérea oi Alan, de 12 anos, quem avisou os policiais sobre o ataque à escola em Realengo, no Rio de Janeiro, em abril. Ele rejeita o título de herói, mas confidenciou que sonha em ser piloto militar. Sob o estímulo da incrível história de coragem do menino, o apresentador da Rede Globo, Luciano Huck, o convidou a participar de uma simulação de interceptação aérea. Ambos voaram e a matéria foi exibida no dia 4 de junho, destacando os 70 anos da Força Aérea Brasileira. Alan e Huck visitaram o Instituto de Medicina Aeronespacial (IMAE), no Rio de Janeiro, e viram como é feita a preparação para um voo em aeronave de combate. O apresentador conheceu ainda como ocorre a ejeção em situações de emergência. Em seguida, foram para a Base Aérea de Anápolis, onde fica sediado o

A FAB NA INTERNET

SEGUIDORES – Em apenas 15 dias, a FAB quase dobrou o número de seguidores do @portalfab (1.305, em 16 de junho), depois de a utilização das Mídias Sociais ser incorporada definitivamente ao trabalho de divulgação institucional da FAB. SORTEIOS – Em junho, a FAB sorteou livros autografados pelo astronauta Marcos Pontes e kits de divulgação alusivos aos 70 anos da instituição. Siga @portalfab

FACEBOOK O apresentador Luciano Huck e o estudante Alan em caça Mirage F-2000

Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1º GDA). Luciano Huck voou em uma aeronave Mirage F-2000. O garoto esteve em uma aeronave de transporte que, na simulação, foi interceptada.

“Foi incrível ter participado de uma missão inteira”, afirmou o apresentador. Alan, embora tímido, manteve o sorriso e sonho de um dia voltar a usar o macacão de voo.

CONCURSOS – As informações sobre as oportunidades de ingresso estão disponíveis. Basta procurar “concurso fab”. SAIBA MAIS Para acessar, clique nos links do portal www.fab.mil.br


ESPECIAL - ESPORTE

5

RIO 2011 5º JOGOS MUNDIAIS MILITARES

Atletas de mais de cem países participam da maior competição esportiva militar do mundo

T

udo pronto para o maior evento esportivo militar já realizado no país. De 16 a 24 de julho, o Rio de Janeiro é palco da 5ª edição dos Jogos Mundiais Militares. A competição reúne cerca de quatro mil atletas, de mais de cem países, em 20 modalidades. A seleção brasileira, composta por atletas das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) e das Forças Auxiliares, deve participar com 250 integrantes e vai brigar por medalhas em todas as competições. NOTAER preparou este caderno

especial para quem pretende acompanhar as disputas. Quinze atletas da Força Aérea representam o país nas modalidades: futebol de campo, orientação, paraquedismo, pentatlo aeronáutico, pentatlo militar e tiro. “A nossa expectativa é a melhor possível, tendo em vista que a FAB coordena duas equipes com boas chances de medalhas: a natação e o taekwondo. Além disso, temos boas chances no tiro e no pentatlo aeronáutico”, afirma o presidente da Comissão de Desportos da Aero-

náutica (CDA), Major Brigadeiro do Ar Stefan Egon Gracza. Na equipe de tiro, o destaque é o Tenente Coronel Aviador Júlio Antonio de Souza Almeida, medalhista panamericano. Histórico - A primeira versão dos Jogos Mundiais Militares foi realizada em Roma, em 1995, e contou com a participação de 4.017 atletas de 93 países. A segunda edição ocorreu em Zagreb, Croácia, em 1999, com a presença de 6.734 atletas de 82 nações. Catânia, na Itália, sediou, em 2003, os

3º Jogos, com a participação de 6 mil atletas de 87 países. A última edição ocorreu em 2007, na Índia, com 4.738 competidores de 101 países. É a primeira vez que os Jogos Mundiais são disputados no Continente Americano. Para o presidente da Comissão Desportiva Militar do Brasil, Almirante Bernardo José Pierantoni Gambôa, a expectativa é a melhor possível. “Estamos muito otimistas e engajados na preparação para cumprir à altura esse compromisso assumido internacionalmente”, afirma.


6 MENSAGEM DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA - Tenente Brigadeiro do Ar Juniti Saito

Peito de vitórias e medalhas

O

coração tocará muito mais acelerado. As pessoas eclodirão em aplausos, figas, olhos fixos. Transformar-se-á em sonho realizado, em memória, em filme de vida os minutos da competição. O coração, aliás, os corações terão espaço cativo nos Jogos Mundiais Militares, espaço de congraçamento entre povos e celebração da paz. Ao final, haverá os

de enobrecer o peito, o exemplo de integração será a vitória de todos. O quadro de medalhas dificilmente conseguirá traduzir isso. As imagens ficarão para a história. Aos meus companheiros da Força Aérea, e também da Marinha, do Exército e das Polícias, rogo que busquemos a vitória e que multipliquemos a prática de paz e união,

que subirão ao pódio para receber a medalha, enquanto outros aplaudirão. Em comum, todos estarão unidos na maior competição esportiva militar do mundo: os Jogos da Paz. É claro que a vitória é o desejo de todos. Superar limites é a qualidade do militar, mas também de todo esportista, de todo brasileiro. Longe ser a medalha a única forma

levando as cores da nossa bandeira no peito. Todos já são vencedores, particularmente o Brasil, que organizou, por intermédio do Ministério da Defesa e de diversos parceiros, uma das maiores competições do mundo. O legado disso ficará para as gerações futuras. Boa sorte a todos os atletas que representarão nosso Brasil nas arenas de competições.

ORIENTE-SE

Como acompanhar a maior competição esportiva militar do mundo Calendários de eventos – Rio 2011

Vale a pena conferir em www.rio2011.mil.br Ingressos – Veja como solicitar as entradas para as competições, inclusive para as cerimônias de abertura e de encerramento.

Modalidades – Veja quais são as modalidades que estarão em disputa na competição.

Locais de Competição – Conheça as arenas que serão palco das disputas pelas medalhas de ouro, prata e bronze.

Fonte: Rio 2011 - 22/06/2011

Notícias – A página reúne as principais informações da competição, além de fotos e vídeos; emissoras de TV brasileira participarão da cobertura do evento.

Esportes Militares – Infográficos ajudam a entender como são as modalidades esportivas tipicamente militares, como a orientação, o paraquedismo e os pentatlos aeronáutico, militar e naval.

Downloads – Baixe wallpapers dos Jogos Mundiais Militares, além de imagens de plano de fundo para o twitter e computadores.

CURIOSIDADE - As medalhas de

premiação dos 5º Jogos Mundiais Militares têm um contorno inédito, que faz alusão ao mapa do Brasil

ATLETAS DA FAB -Tiro Nome: Júlio Antonio de Souza e Almeida Idade: 41 anos Posto: Tenente Coronel Aviador

Nome: Roberta Luz Cabo de Almeida Idade: 29 anos Posto: Tenente Intendente


7

PRECISÃO

O

Tenente Coronel Aviador Júlio Almeida é uma das grandes promessas de vitória para os Jogos Mundiais Militares. Nas Olimpíadas de Pequim (2008), o militar ficou entre os 20 melhores do mundo, além de ter conquistado a prata no Pan-Americano de 2007 e a prata no Campeonato de Tiro do ano passado. “Vou chegar para disputar o ouro, mas existem outros atletas muito fortes”, afirma. Para a competição, o oficial tem treinado durante o dia inteiro. Experiente, vem de títulos mundiais e participação nas Olimpíadas. O Tenente Coronel Júlio teve seu primeiro contato com o tiro esportivo quando fazia o curso de formação

de aviadores na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP). No primeiro ano do curso, o militar fez teste para a equipe de armas curtas que disputaria a INTERAFA (Campeonatos Esportivos Internos da Academia da Força Aérea). “A CDA [Comissão de Desportos da Aeronáutica] me apoia desde 1991 com armamento, munição e alvos, o que torna viável financeiramente o meu treinamento”, afirma. O atleta admite que o favoritismo “pesa um pouco”. “Faz parte da atividade. Mas há muitos bons atletas. Chegamos em igualdade de condições com outros atletas”. A Turquia e a Alemanha estão entre os favoritos.

Rio 2011

Medalhista panamericano, oficial da Força Aérea é promessa de medalha para o Brasil no tiro

Nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, o atirador ficou entre os 20 melhores do mundo

Rio 2011

Atletas estarão nas provas femininas de tiro esportivo

Três atletas da Força Aérea representarão o Brasil no tiro esportivo

A

equipe feminina de tiro na modalidade carabina é composta de três militares da Força Aérea, a Tenente Raquel Teresa de Souza Gomes, a Tenente Cristina Badaró Baptista de

Mello e a Tenente Roberta Luz Cabo de Almeida. Por coincidência, o gosto delas pelo esporte também surgiu na Academia da Força Aérea (AFA), quando eram cadetes.

Nome: Raquel Teresa de Souza Gomes Idade: 27 anos Posto: Tenente Intendente

“Eu me interessei pelo esporte na Academia da Força Aérea. Participei de seletivas quando estava no primeiro ano e fui escolhida no ano seguinte”, diz a Tenente Raquel. Da mesma turma, a Tenente Cristina começou na esgrima. No 2º ano, trocou o esporte pelo tiro. “Eu tinha mais habilidade com o fuzil do que com a pistola. Por isso, escolhi a carabina. No 1º ano na equipe de tiro, conquistamos a NAVAMAER por equipe e, no 3º ano, o individual. Depois, vieram as convocações para a seleção brasileira. Nós não pensamos em recordes, mas sempre queremos bons resultados”, conta Cristina. Segundo a Tenente Raquel, atirar com a carabina não é fácil e exige muita técnica e concentração do atirador. O alvo é muito pequeno e o atirador tem de usar uma roupa especial feita de um tecido duro que limita os movimentos. O esporte é praticado, em sua maioria, por militares. São apenas

sete civis na modalidade no Brasil. Prova - O trio vai competir em duas provas: carabina de ar 60 tiros deitado e 3 posições com 20 tiros – deitado, de joelhos e de pé. Cristina tem o recorde brasileiro de tiro deitado e é chance de medalha na modalidade, mesmo enfrentando os outros favoritos, como as equipes dos Estados Unidos, da China e da Alemanha. No Campeonato SulAmericano realizado no ano passado em Buenos Aires, na Argentina, elas conquistaram o 3º lugar por equipe e o mesmo resultado foi alcançado no Campeonato das Américas de Tiro, no Rio de Janeiro. “No tiro não tem como pensar no adversário. É uma competição individual, não temos a possibilidade de tirar pontos deles. No final, você confere os seus resultados. A gente está muito confiante, a equipe está bem. Vamos ver na hora como vai ser”, explica a Tenente Cristina.

Nome: Cristina Badaró Baptista de Mello Idade: 28 anos Posto: Tenente Intendente


8

RESISTÊNCIA

H

á 34 anos a Força Aérea Brasileira forma atletas para o pentatlo aeronáutico (PAIM), modalidade pouco conhecida fora dos quartéis. Na competição, os atletas participam de provas de tiro, esgrima, basquete individual, pista de obstáculos, corrida de orientação e natação. Os atletas competem por equipe e também somam pontos individuais. O Brasil é forte na competição, não só na categoria por equipes, mas também na individual. A equipe é formada pelos atletas da Força Aérea: Major Aviador Paulo Sérgio Porto, Capitão Aviador Rafael Xavier, Capitão Aviador Eduardo Utzig, Tenente Aviador André Kuroswiski e Tenente Aviador Frederico de Brito Machado. O Capitão Utzig tem o recorde mundial na prova de tiro individual de pistola, além de ter conquistado o 2º lugar no basquete e o 3º na esgrima no último Campeonato Mundial de Pentatlo Militar, na Espanha (2010).

“A competição vai ser bem equilibrada. O resultado final vai depender da pontuação, do esforço e do controle emocional”, afirma o Capitão Xavier. O principal pré-requisito para participar do pentatlo é ser aviador. Histórico - O grande desafio para a FAB é manter a série de vitórias apresentadas no Campeonato Brasileiro de Pentatlo Aeronáutico, no lugar mais alto do pódio desde 2006, além do 2º lugar geral no Campeonato Mundial, no ano passado. “O nosso maior adversário é a Finlândia, que há quatro anos vem sendo a campeã do mundo. A equipe deles cresceu muito e só perdeu em 2006 para o Brasil. Outra equipe forte é a da Turquia”, afirma o Capitão Utzig. O Major Paulo Porto concorda que o maior rival do Brasil é a Finlândia, mas lembra também da tradição da Suécia no esporte. “A Suécia tem hexacampeonatos no pentatlo aeronáutico. No passado, o país foi o maior campeão”, diz o Major Porto.

Fotos: Rio 2011

Recordista mundial integra a equipe brasileira de pentatlo aeronáutico que estará no Rio de Janeiro

Natação, orientação e esgrima são alguns dos esportes exigidos pelo pentatlo aeronáutico, esporte tipicamente militar

Academia da Força Aérea deu impulso a atleta do pentatlo militar

Rio 2011

A

A Tenente Mellina dos Santos Ferreira Barbosa, da equipe do pentatlo militar

Tenente Mellina dos Santos Ferreira Barbosa será a Força Aérea na equipe feminina de pentatlo, prova que obriga o atleta e a equipe a enfrentar provas de tiro de fuzil (200m), além da pista de pentatlo militar, natação utilitária com obstáculo, lançamento de granada e corrida de 4km. O conjunto é o que importa. Atleta de pentatlo militar desde o 2º ano da Academia da Força Aérea (AFA), Mellina não pensou em praticar outro esporte. Participou da etapa do ano passado do Campeonato Europeu de Pentatlo Militar, na Áustria,

quando a equipe conquistou o 5º lugar, e do Campeonato Mundial de Pentatlo Militar, na Holanda, quando as meninas do Brasil saíram com o 6º lugar na classificação geral. “Para os Jogos Mundiais Militares, treinamos de forma integral. É um esporte diferente e exige muito do físico. O pentatlo fica melhor ainda com as mulheres participando e conseguindo bons resultados”, afirma. Os maiores rivais da equipe feminina brasileira de pentatlo militar são as seleções da China, da Coréia e da Rússia

ATLETAS DA FAB - Pentatlo Aeronáutico Nome: Paulo Sérgio Porto Idade: 38 anos Posto: Major Aviador

Nome: Eduardo Utzig Silva Idade: 34 anos Posto: Capitão Aviador

Nome: Rafael Batista Xavier Idade: 31 anos Posto: Capitão Aviador


9

Caças A-29 SuperTucano estarão em prova especial SGT Paulo / CECOMSAER

Competição testará a habilidade de pilotos e navegadores das equipes que disputarão o pentatlo aeronáutico

Competidores terão de planejar missões e sobrevoar os pontos de controle exatamente nos horários definidos

ORIENTAÇÃO

A

s representantes da Força Aérea na prova são as Sargentos Wilma Barbosa de Souza e Soraya Gonçalves Cabral. As atletas tiveram o primeiro contato com o esporte depois de formadas, na Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA), e explicam que a idade mais avançada dos praticantes de orientação é comum no país. “No Brasil o histórico é bem diferente. Nossos atletas começam mais tarde. Eu iniciei aos 24 anos. No Brasil, são poucas áreas mapeadas para treinamento. Nós somos os melhores das Américas, mas superar os europeus ainda será uma tarefa para as futuras gerações”, explica a Sargento Wilma. Já no primeiro ano, conquistou o 3o lugar no Campeonato das Forças Armadas. No mesmo ano, foi

selecionada para a equipe que participou do Mundial Militar, na Holanda e foi campeã na categoria de base do Brasileiro. Em 2008, uma cirurgia no joelho a tirou das competições. Wilma só voltou no ano seguinte, quando foi a melhor atleta brasileira no Mundial Militar, na Croácia. A Sargento Soraya iniciou a carreira de atleta na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em 2005, na cidade de Guaratinguetá (SP). Ainda neste ano, participou da Olimpíada do Corpo de Alunos, em que foi campeã na corrida de orientação e no revezamento 4 por 400. No ano seguinte, conquistou a vaga como titular da equipe de orientação. “A maior dificuldade na orientação é encaixar a velocidade da leitura

Rio 2011

Carta de navegação em uma mão, a bússola na outra

do mapa com a velocidade da corrida. O ideal é que os dois se realizem simultaneamente, para assim evitar erros e fazer o percurso em menor tempo. Se a corrida for mais veloz que a leitura, há o risco de passar do ponto de controle. Do contrário, não se consegue interpretar o mapa”, diz a Sargento Soraya.

Nome: Frederico de Brito Machado Idade: 24 anos Posto: Tenente Aviador

O

céu da cidade do Rio de Janeiro terá caças A-29 SuperTucano no dia 17 de julho, durante a realização de prova especial do pentatlo aeronáutico. Dez países participarão do “rally aéreo”. A prova testa os conhecimentos dos atletas em navegação militar e operacional. Cada equipe é composta por quatro militares, que fazem o planejamento da navegação duas horas antes da decolagem. Os aviões irão partir a cada 20 minutos. Serão cinco decolagens por período, a partir das 9h, da Base Aérea dos Afonsos, na zona oeste do Rio de Janeiro. Na competição, o piloto tem de passar por três pontos no circuito, em formato de um triângulo, em uma média de 40 minutos. O país-sede fornece os pilotos e as aeronaves. Quem compete no rally aéreo é o navegador, que passa todas as instruções em inglês pela fonia para o piloto. Parece fácil, mas não é. O país perde ponto se o avião passar atrasado ou adiantado pelo ponto de controle. A equipe brasileira de pentatlo aeronáutico está otimista com a prova, já que vem de uma sequência de bons resultados nos mundiais. Neste ano, o grupo obteve a primeira colocação no Campeonato Nórdico de Pentatlo Aeronáutico No rally aéreo, o navegador é o Capitão Aviador Eduardo Utzig Silva, que também participa de equipe terrestre do pentatlo militar. ”A chance de conquistar o primeiro lugar na competição é muito grande. O Brasil conquistou o 2º lugar geral no Campeonato Mundial, no ano passado, e vem de uma série de vitórias”, afirma o chefe da equipe brasileira de Pentatlo Aeronáutico, Tenente Coronel Aviador Paulo Roberto Gonzaga de Oliveira.

Nome: André Rossi Kuroswski Idade: 27 anos Posto: Tenente Aviador


10

DEDICAÇÃO

Paraquedistas treinam forte para a disputa do ouro

A

Sargento Cássia Bahiense Neves, 27, entrou na equipe Falcões de paraquedismo da Força Aérea em 2008 e tornou-se a primeira mulher do grupo. Primeira colocada no Campeonato Brasileiro de Precisão de 2009 e 2010 e vencedora do Campeonato de 4-WAY FQL Arizona (2011), entre outras conquistas, a paraquedista aposta em um bom rendimento da equipe brasileira nos Jogos Mundiais Militares. A atleta e o Capitão Aviador Diego Gabriel da Silva são os representantes da Força Aérea na equipe do Brasil. “Esperamos conquistar o pódio em formação em queda livre e também no absoluto”, afirma o militar. Leia entrevista com a primeira mulher a integrar a equipe de paraquedismo da Força Aérea:

Sargento Cássia Bahiense Neves - A Equipe está bem. Treinamos com os melhores técnicos nas duas modalidades (Precisão e Formação em Queda Livre - FQL). Realizamos muitos treinamentos para “polirmos” a equipe. NOTAER - Em sua opinião, quais são os principais adversários? Sargento Cássia - França, Estados Unidos e China.

Arte: Rio 2011

NOTAER - Como está a equipe para os Jogos Mundias Militares?

A página dos Jogos Mundiais Militares (www.rio2011.mil.br) mostra infográficos detalhados sobre os esportes militares

NOTAER - Como você analisa o fato de o torneio ser em casa? Sargento Cássia - É excelente estarmos em casa, pois na modalidade

de precisão é fundamental treinar na área do campeonato. Existem várias situações no terreno, no clima, que deverão ser observadas pelos competi-

dores antes do campeonato. A pressão vai ser grande na Equipe Feminina, pois é a primeira representação do Brasil e a expectativa é grande por uma medalha.

Quem são os responsáveis por deixar os competidores “tinindo” para o Mundial

F

azer os atletas atingirem o auge da condição física nos Jogos Mundiais Militares. Essa é a principal meta dos preparadores físicos das diversas equipes brasileiras que disputarão a competição em julho, no Rio de Janeiro. Na seleção brasileira masculina de futebol, um dos responsáveis por deixar os atletas “voando baixo” é o

Sargento da reserva da Força Aérea Brasileira (FAB) Diógenes Antonio dos Santos. Ele é um dos preparadores físicos da equipe. “Nosso trabalho é semelhante ao desenvolvido pelas equipes profissionais de futebol. Realizamos treinos diariamente e, especificamente, às terças e quintas-feiras, em período

integral. No geral, visamos à parte aeróbica, musculação, potência e velocidade”, explica. Taekwondo - Para extrair o melhor dos atletas, a equipe vem seguindo à risca um planejamento iniciado há dois anos e meio. “Agora estamos na fase na qual trabalhamos a manipulação do volume, intensidade e

frequência do treinamento a fim de que o pico do atleta, em termos de preparo físico, culmine justamente no período dos Jogos Mundiais”, afirma o preparador físico da equipe brasileira, Tenente Kin Shung Hwang, que é formado em educação física. “Também estamos dando ênfase nas principais qualidades físicas exigidas.”

ATLETAS DA FAB - Orientação Nome: Wilma Barbosa de Souza Idade: 31 anos Graduação: Segundo Sargento

Nome: Soraya Gonçalves Cabral Idade: 26 anos Graduação: Terceiro Sargento


11

RESPONSABILIDADE

C

om a experiência de já ter participado de duas edições dos Jogos Mundiais Militares, o Sargento Francisco Luciano Portela Batista, 36, da Força Aérea Brasileira (FAB), será o “xerifão” na zaga da seleção brasileira. Atual tricampeã no continente, a equipe conquistou, no ano passado, a primeira colocação na Copa das Américas do Suriname, torneio válido como seletiva para os Jogos Mundiais. “O condicionamento físico será um grande diferencial. No torneio no Suriname, por exemplo, enfrentamos duas prorrogações e o time terminou as partidas inteiro, com todos os jogadores correndo até o final. Outro ponto de destaque é o entrosamento em campo”, analisa o militar. O zagueiro da seleção brasileira militar iniciou a carreira como jogador do Fortaleza, aos 16 anos. Dois anos mais tarde, profissionalizou-se

no Ceará. Ele fez parte do grupo que disputou a final da Copa do Brasil, em 1994, tornando-se vice-campeão. Antes de iniciar a vida militar, o sargento atuou pelo Cruzeiro (MG), Nacional (AM) e Tuna Luso (PA). Especialista em Subsistência, o jogador ingressou na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em Guaratinguetá (SP), em 1999. A oportunidade para integrar a equipe de futebol da Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA) surgiu em uma das competições da Escola de Especialistas, em 2003. O atleta já participou de duas edições dos Jogos Mundiais: em 2005, na Alemanha, e em 2007, na Índia. Para ele, os principais adversários do Brasil serão as seleções do Egito e de Camarões. “Muitos jogadores dessas equipes atuam no futebol profissional europeu”, afirma.

Rio 2011

Sargento da FAB, zagueiro aposta no entrosamento da equipe para a conquista do título no futebol

O Sargento Francisco Portela Batista, ao centro, será o “xerifão” da zaga do Brasil

MEMÓRIA

Ex-atleta da Força Aérea foi um dos pioneiros a representar o Brasil

Rio 2011

“C

O Suboficial Abcélvio Rodrigues representou o país em duas Olimpíadas

hovia muito no dia da competição. A expectativa era brigar por medalhas, mas acabei ficando na quinta posição no salto triplo”, recorda o Suboficial Abcélvio Rodrigues, 54, ao falar de sua participação na primeira edição dos Jogos Mundiais Militares, realizada em Roma, na Itália. A competição aconteceu em 1995. O suboficial conheceu o atletismo quando ingressou na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em Guaratinguetá (SP), em 1976. Desde então, a carreira do atleta militar decolou. Tornou-se um dos melhores na modalidade. Conquistou 11 vezes o campeonato brasileiro militar no

salto triplo e sete vezes no salto em distância. Foi também campeão mundial de salto triplo em 1987, no XXXIII RD Track and Field Military, realizado em Warendorf, na Alemanha. A melhor marca de Abcélvio na carreira de esportista foi de 17,04 m no salto triplo, obtida na 4ª Copa das Américas, realizada em Bogotá, Colômbia, no ano de 1989. “Nos Jogos Militares da Itália já tinha passado o auge da minha performance, que ocorreu entre os anos 81 e 91. Portanto, o rendimento não foi o esperado.” O suboficial representou ainda o país nas Olimpíadas de 1984 (Los Angeles) e 1988 (Seul).

ATLETAS DA FAB - Paraquedismo Nome: Diego Gabriel da Silva Idade: 31 anos Posto: Capitão Aviador

Nome: Cássia Bahiense Neves Idade: 27 anos Graduação: Terceiro Sargento


12

SERVIÇO - JOGOS MUNDIAIS MILITARES

Saiba como solicitar ingressos para as competições Interessados devem acessar a página dos Jogos Mundiais na internet e utilizar o CPF para fazer o pedido

Q

uem tiver interesse em acompanhar as competições dos Jogos Mundiais Militares, no Rio de Janeiro, deve solicitar ingressos pela internet, no site da competição (www.rio2011. mil.br). A reserva é gratuita e o interessado tem de cadastrar o número de CPF – cada documento pode retirar dois ingressos. O maior evento esportivo militar do mundo acontece de 16 a 24 de julho, no Rio de Janeiro. O pedido de ingresso vale também para quem pretende acompanhar as cerimônias de abertura e de encerramento. O percentual de ingressos destinado ao público será de 50% em cada uma das arenas esportivas. Outros 40% serão distribuídos aos militares, e seus familiares, e 10% para convidados especiais. Um pré-cadastro já reuniu mais de 4 mil inscritos. “Todas as pessoas podem se cadastrar, e cada CPF dá direito a dois ingressos. Portanto, se uma pessoa quiser levar a família para assistir a natação, por exemplo, terá que cadastrar dois ou mais CPFs”, explica o Coronel

Rogério França, Gerente de Ingressos do Comitê de Planejamento Operacional dos Jogos Rio 2011. Para algumas competições não haverá a necessidade de ingresso. É o caso da maratona (do Recreio ao Aterro do Flamengo), das provas de triatlo (em Copacabana) e de orientação (nas cidades de Paty do Alferes e Seropédica). O resgate dos ingressos vai até 13 de julho, em quatro lugares diferentes, sendo três na cidade do Rio de Janeiro: na Zona Sul (Forte de Copacabana), no Centro (quiosque localizado na lateral do Palácio Duque de Caixas) e na Zona Oeste (Vila Militar). No município de Resende terá um local para retirada dos ingressos, será o Resende Shopping, na Avenida Saturnino Braga, 369. Os horários: de segunda a sexta, das 12h às 18h, e aos sábados, de 8h às 12h. Pela internet – O site dos jogos Mundiais Militares (www.rio21011. mil.br) é uma opção para quem deseja acompanhar de perto as informações da competição. O endereço eletrônico reúne serviços, fotos, vídeos, banners e informações sobre as competições.

Os interessados em ingressos deverão utilizar o site dos Jogos Mundiais na internet

A Força Aérea Brasileira estará com equipe de jornalismo no Rio de Janeiro, produzindo conteúdo sobre a

competição e, principalmente, dos atletas da FAB que vão representar o Brasil (www.fab.mil.br).

Países ajudam no transporte solidário de atletas para os jogos

Q SGT Johnson / CECOMSAER

uase 300 atletas de 49 países contarão com o Plano de Transporte Solidário, o Travel Plan, para chegar ao Rio de Janeiro. Coube à Força Aérea Brasileira atender as cidades africanas de Bamako, em Mali, Yaoundé, em Camarões, Nairóbi, no Quênia e Johannesburgo, na África do Sul, com duas aeronaves KC-137 (foto ao lado). Cada avião da FAB disponibilizará

ATLETAS DA FAB - Pentatlo Militar Nome: Mellina dos Santos Ferreira Barbosa Idade: 25 anos Posto: Tenente Intendente

140 assentos, destinados aos atletas de 24 países da África. Além do Brasil, o Canadá, os Estados Unidos e a Itália também estarão envolvidos. “Pela primeira vez na história o país apoia um continente com esta magnitude e envolvimento”, completou o Adjunto de Esportes do Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM), TenenteCoronel Pedro Gagliardi.

ATLETAS DA FAB - Futebol Nome: Francisco Luciano Portela Batista Idade: 36 anos Graduação: Segundo Sargento Posição: Zagueiro


13

TECNOLOGIA

Novo programa desenvolvido pela Força Aérea acelera a calibração de equipamentos de tráfego aéreo

Militares e civis da Força Aérea participaram do desenvolvimento de novo programa

INOVAÇÃO - Militar desenvolve modelo matemático para ajudar na seleção de aviões A fase critica para um tomador de decisão é a análise da opção mais acertada entre inúmeras alternativas possíveis. O Major Aviador Alessandro Sorgini D’Amato desenvolveu um modelo matemático que auxilia o tomador de decisão a optar pela aquisição da melhor aeronave para cada situação, de acordo com os

objetivos estratégicos estabelecidos para a Força Aérea. A tese de mestrado “Comparing and Prioritizing Aircraft Requests in the Brazilian Air Force” foi defendida na George Mason University, em Fairfax-VA, nos Estados Unidos. O software Logical Decisions for Windows foi usado como ferramenta.

PESQUISA - Instituto de Estudos Avançados completa 29 anos com novos projetos Projeto 14-X, Veículo Demonstrador de Propulsão a Laser (DVPL), o software de planejamento de missão aérea PMA II. Todos são projetos do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), que completou 29 anos (2/06). O projeto mais recente tem como base a utilização da nanotecnologia como uma nova maneira de medir a aceleração de um foguete em rota

para o espaço. O termo vem do nanômetro, medida que equivale a mais ou menos um bilionésimo do metro. É como comparar o tamanho da Lua com o de uma bola de futebol. Esta medida é aplicada em produtos como processadores e placas de vídeo de computadores, equipamentos médicos e, no caso do projeto do IEAv, para foguetes.

U

m software que proporciona confiabilidade e agilidade nos processos de manutenção e calibração de radares, estações meteorológicas e equipamentos de comunicação e controle de tráfego foi desenvolvido e está sendo implantado por técnicos da Subdivisão de Metrologia (TTME) do Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica do Rio de janeiro (PAME-RJ). O aplicativo, batizado de LAICA, vai proporcionar redução de custos e da suscetibilidade a erros. Até o final deste ano, está previsto que a ferramenta seja capaz de verificar 192 modelos de equipamentos e instrumentos. O software ainda está em período de testes. Quando concluído, será disponibilizado para laboratórios setoriais que atuam com a verificação de outras unidades da Força Aérea.“O aplicativo é um legado que fica para o sistema e irá significar milhões em economia. Como somos detentores do software, é possível instalá-lo em vários computadores,

sem limitar o número de usuários e sem ter que pagar pela licença. Também podemos ceder para outros órgãos e para as outras Forças”, destaca o Chefe da TTME, Capitão Antônio Jorge Rodrigues Nunes. A subdivisão é o órgão central de metrologia do controle do espaço aéreo. “O aplicativo foi desenvolvido aproveitando a experiência dos sargentos, que são técnicos metrologistas, e os conhecimentos dos engenheiros na área de programação e automação. A utilização do software diminui a possibilidade de erros”, afirma o engenheiro eletrônico Carlos Alexandre Pizzino. “A automação reduz o prazo de execução. Um gerador de sinal (SML 03) que levava 32 horas na calibração manual, atualmente é verificado em 8 horas. O Calibrador 5500, que no processo manual demorava cerca de 70 horas, com a automática, realizase em aproximadamente 6 horas”, explica o engenheiro.

ESPAÇO - Centro de Lançamento de Alcântara lança foguetes de treinamento com sucesso Foguetes de treinamento (FTB) da Operação Falcão I foram lançados (16/6) com sucesso no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. O objetivo principal da missão foi permitir a preparação das equipes técnicas nos procedimentos operacionais que envolvem o envio ao espaço de um veículo lançador de satélites (VLS), por exemplo. Segundo o Coordenador-Geral da Operação, Tenente Coronel Aviador Paulo Junzo Hirasawa, o foguete atingiu seu apogeu a pouco mais de 34,426Km, e impacto a 22,4 quilômetros da costa, em alto-mar. O CLA é o principal centro de lançamento do país.

CLA

PAME-RJ

Projeto foi desenvolvido pelo Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica (PAME-RJ) do Rio de Janeiro; aplicativo proporcionará redução de custos, de tempo de trabalho e da possibilidade de falhas nos processos


14

AJUDA HUMANITÁRIA

A

gilidade e prontidão frente a situações de desastres naturais foram temas de debates durante a 51ª Conferência dos Comandantes das Forças Aéreas Americanas (CONJEFAMER) do Sistema de Cooperação entre as Forças Aéreas Americanas (SICOFAA), realizado em Natal, no mês passado. Os conferencistas trataram, por exemplo, da programação do Exercício Operacional “Cooperación” II (virtual) e III (real), que treina ações durante catástrofes naturais. Outros resultados foram a aprovação do uso do Manual de Operações Aéreas Combinadas, o ingresso da Guiana como país membro do SICOFAA e a ratificação do Canadá como sede da próxima edição do evento, em 2012. “Tive a satisfação de abrir os trabalhos da 51ª CONJEFAMER. Naquela ocasião pude ratificar a pertinência de instituírem-se fortes e profícuas parcerias, num mundo onde as questões de segurança, do socorro e ajuda humanitária às vítimas afetadas por catástrofes naturais e da integridade territorial firmam-se como atributos

indissociáveis de um povo livre”, afirmou o Comandante da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro do Ar Juniti Saito, na cerimônia de encerramento. Na conferência, o “Manual de Operações Aéreas Combinadas”, em desenvolvimento desde o ano de 2005, foi submetido à analise dos comandantes dos países participantes do SICOFAA. O objetivo é padronizar as ações a serem tomadas pelos países que integram o sistema para atuação em situações de desastres naturais, de modo que o apoio humanitário aconteça de forma eficaz quando um país for afetado. Digital - Outro meio de aperfeiçoamento das ações são os exercícios virtuais feitos por meio da utilização de softwares para comando e controle de aeronaves. Segundo o Coronel Kristian Skinner, Secretário Geral da Secretaria Permanente do SICOFAA, os principais desafios em relação ao desenvolvimento dos softwares são a compatibilidade, os custos, a portabilidade e a manutenção. Saiba mais: www.sicofaa.org

“Operação Gota” leva vacinas à região Norte

Aviões transportam mais de cem toneladas de ajuda

Cerca de quatro mil brasileiros, de pelo menos 30 comunidades rurais, ribeirinhas e indígenas, que moram em locais de difícil acesso, foram vacinados na Operação Gota, realizada em parceria pelo Ministério da Saúde e da Força Aérea. Trata-se de uma ação de multivacinação que levou 15 tipos de vacinas do calendário nacional de imunização, incluindo a campanha contra a poliomielite. As equipes de saúde foram transportadas em helicóptero H-60 BlackHawk do Esquadrão Harpia (7º/8º GAV). As equipes permaneceram mais de uma semana percorrendo lugarejos a partir da cidade de Tefé (AM).

Aeronaves C-130 Hercules da Força Aérea Brasileira transportaram mais de cem toneladas de alimentos para vítimas das enchentes no Estado de Roraima. No início de junho, a capital Boa Vista e mais 14 municípios foram diretamente atingidos pela cheia dos rios que cortam a região. Em cada aeronave, foram transportadas cerca de 900 cestas básicas. O material doado e arrecadado pela Defesa Civil do Amazonas seguiu para a Base Aérea de Manaus e, depois, em aviões de transporte, para Boa Vista, de onde a Defesa Civil estadual se encarregou de encaminhar os mantimentos para as vítimas.

SGT Rezende / CECOMSAER

Ação conjunta em situações de desastres naturais é tema de debate em conferência internacional

A Conferência dos Comandantes das Forças Aéreas Americanas aconteceu em Natal

TRÁFEGO AÉREO – FAB monitorou avanço de nuvem vulcânica e coordenou “desvios”

N

uvens do vulcão Puyehue, que entrou em erupção no Chile, chegaram ao espaço aéreo brasileiro na segunda semana de junho (7/6), perto da fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai. A partir disso, o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), ligado ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), passou a coordenar desvios para que aeronaves não ingressassem nas áreas afetadas. O CGNA acompanhou a evolução da nuvem por meio de informações fornecidas pelo Volcanic Ash Advisory Centres da Argentina, instituto responsável, segundo acordos internacionais, pelo monitoramento da situação nessa região do planeta. “Recebemos informações a cada três horas ou sempre que ocorria alguma mudança significativa”, afirmou o Major Aviador Antonio Marcio Ferreira Crespo, gerente nacional

do fluxo de tráfego aéreo. As informações deram origem a boletins da Agência Força Aérea, ligada ao Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), que ajudaram a imprensa a acompanhar a situação. Durante uma semana, a nuvem provocou impactos na região Sul do país, chegando até o Paraná. As empresas aéreas brasileira chegaram a cancelar voos nacionais. Perigo - As nuvens vulcânicas apresentam em seu componente material semelhante ao vidro e que, em contato com as turbinas, pode derreter e provocar danos, até o apagamento dos motores das aeronaves, segundo o Tenente Coronel Aviador Flavio Antonio Coimbra Mendonça, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA). “Além disso, há o risco da falta de visibilidade e dos gases tóxicos para tripulações e passageiros”, explica.


15

GUIA DE BENEFÍCIOS – Saiba Mais Saúde

Conheça os benefícios de assistência social à disposição de militares ativos, inativos, pensionistas e servidores civis. Fonte: Subdiretoria de Encargos Especiais (SDEE), da Diretoria de Intendência (DIRINT).

Aquisição de medicamentos, concessão de aparelhos odontológicos e auditivos, óculos, próteses e órteses, prestação de serviços por profissionais e instituições de saúde não cobertos pela Subdiretoria de Aplicação dos Recursos da Assistência Médico-Hospitalar (SARAM). Documentos necessários: receituário médico com validade de até 180 dias; contracheque atual; comprovante de despesas familiares; declaração de beneficiários (para dependentes). O militar ou servidor civil também poderá solicitar, de posse de nota fiscal, restituição de despesa previamente efetuada decorrente de aquisição de medicamentos, desde que configurada, por meio de relatório médico, situação de emergência ou urgência. O valor ressarcido não pode ser superior a dois salários mínimos.

Educação Aquisição de material, livros e uniformes escolares por meio de restituição de despesa previamente efetuada (até um salário mínimo por dependente) e pagamento de mensalidade escolar para crianças especiais. As solicitações devem ser feitas no início de cada ano letivo. Documentos necessários para o ressarcimento de despesas com material escolar e uniforme: nota fiscal ou cupom fiscal dos materiais cons-

tantes na lista expedida pela escola; cópia de declaração de beneficiário; comprovante de matrícula escolar (declaração da escola em papel timbrado e assinado pela direção ou coordenação); lista do material solicitado pela escola; cópia do contracheque atual; comprovante de despesas (ex: aluguel, condomínio, luz, mensalidades escolares, prestações diversas, entre outros que o usuário considerar oportuno apresentar). Documentos necessários para pagamento de escola para criança especial: declaração médica, com validade de até 180 dias; cópia da declaração de beneficiário; orçamento da escola; cópia do contracheque atual; comprovante de despesas (ex: aluguel, condomínio, luz, mensalidades escolares, prestações diversas, entre outros que o usuário considerar oportuno apresentar).

Auxílio Funeral Direito pecuniário devido ao militar por morte do cônjuge, do companheiro ou companheira ou do dependente, ou ainda ao beneficiário no caso de falecimento do militar, em valor equivalente a uma vez a remuneração, não podendo ser inferior ao soldo de suboficial. Em caso de óbito de militar ou dependente, o beneficiário deve procurar a Seção de Pessoal Militar e solicitar o auxílio. Em se tratando de inativos, o beneficiário deve se dirigir

ao posto da PIPAR mais próxima da localidade. No caso dos servidores civis, o auxilio funeral é devido à família do servidor falecido na atividade ou aposentado, em valor equivalente a um mês da remuneração ou provento. Documentos necessários: cópia do contracheque atual; comprovante de despesas (ex: aluguel, condomínio, luz, mensalidades escolares, prestações diversas, dentre outros que o usuário considerar oportuno apresentar); atestado de óbito.

Alimentação Aquisição de cestas básicas destinadas aos usuários das ações sociais do Comando da Aeronáutica. Documentos necessários: cópia do contracheque atual; comprovante de despesas (ex: aluguel, condomínio, luz, mensalidades escolares, prestações diversas, entre outros que o usuário considerar oportuno apresentar).

Onde Procurar O militar ou servidor civil que precisar recorrer a algum projeto da assistência social deverá agendar atendimento na Seção de Serviço Social da organização militar ou no Núcleo de Serviço Social da Guarnição. Mais informações: ICA 1631/2011 e as Orientações Normativas n° 01, 02 e 03/ DIRINT/ 2011 (www. sdee.aer.mil.br)


16

ESPECIAL

O dia em que Santos Dumont “inventou” o ensaio em voo Há 105 anos, o inventor brasileiro realizou uma série de testes para aprimorar o projeto de seu avião, o 14-Bis (na foto abaixo, acoplado ao balão no 14); três meses depois, voou pela primeira vez na França

E

experimentos, rumo ao modelo do 14-Bis que voaria em 23 de outubro de 1906, Santos Dumont iniciava a atividade de ensaio em voo, prática até hoje adotada em todos os projetos de desenvolvimento aeronáutico. No Brasil, o primeiro voo de ensaio oficial ocorreu em 18 de dezembro de 1958, no projeto do helicóptero BF-1 “Beija-Flor”, idealizado para ser uma aeronave leve, com dois lugares e dotada de motor rígido, para a industrialização. Naquela década, graças à criação do Centro Técnico da Aeronáutica (CTA), em São José dos Campos (SP), nascia a indústria aeronáutica brasileira. Fotos: GEEV

m julho de 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont acoplou seu avião ao balão nº 14, daí o nome da aeronave: “14-Bis”. De 21 a 23 de julho, ao realizar testes, percebeu que, embora o balão ajudasse na decolagem, dificultava o voo, pois o arrasto gerado era grande. No final do mesmo mês, içou o 14-Bis com cabos a uma altura de 13 metros e deslizou, sem a ajuda do motor, por cerca de 60 metros, para experimentar os comandos e o centro de gravidade de seu avião. No momento em que realizava os

Voo do helicóptero Beija-Flor no início da atividade de ensaio em voo no Brasil

CURIOSIDADE Se estivesse vivo, Santos Dumont completaria 138 anos. O inventor brasileiro nasceu em 20 de julho de 1873, na Fazenda Cabangu, em Minas Gerais.

Três anos mais tarde, foi criada a Seção de Operações e Ensaios em Voo, sob o comando do então Major Aviador Hugo de oliveira Piva, para fazer frente à crescente demanda de testes em aeronaves projetadas ou modificadas no país. Os primeiros testes dessa nova fase ocorreram com as aeronaves Privateer, bombardeiros quadrimotores convertidos em aviões de transporte. A partir da década de 60, a Força Aérea enviou pilotos e engenheiros para cursos no exterior (França, Inglaterra e Estados Unidos), com o objetivo de formar equipe capacitada e especializada nessa atividade. Nos anos 80, o Brasil entrou para o seleto grupo de países que ofereciam curso de capacitação nessa área. Em 2004, o Curso de Ensaios em Voo da Força Aérea Brasileira recebeu o reconhecimento da “Society of Experimental Test Pilots”, tornando-se uma das sete escolas de formação reconhecidas pela comunidade internacional e que estão em apenas cinco países: Estados Unidos, Inglaterra, França, Índia e Brasil. Desde a primeira turma em 1987 até o final do ano passado, a Força Aérea formou 20 turmas, 75 pilotos de prova, 58 engenheiros e 89 técnicos instrumentadores. Hoje, a atividade está sob a coordenação do Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), em São José dos Campos.

Abertas inscrições para curso de ensaios em voo

E

stão abertas as inscrições para o processo seletivo do XXII Curso de Ensaios em Voo (CEV), a ser realizado em 2012 nas modalidades de piloto de ensaio experimental de Asas Rotativas (3 vagas), engenheiro experimental de Asas Rotativas (3 vagas) e instrumentador de ensaios (8 vagas). A duração do curso é de 45 semanas. Objetivo do curso é formar pilotos e engenheiros qualificados para planejar, executar e gerenciar atividades de ensaios relacionadas com voos experimentais de desenvolvimento, modificação, avaliação ou certificação de aeronaves e/ou sistemas embarcados, bem como formar técnicos especializados, graduados das especialidades (BEI, BEI-01, BEI-02 ou BET), para a atividade de instrumentar engenhos aeroespaciais visando a coleta de parâmetros de ensaios em voo. Terminado o processo de seleção, os candidatos pertencentes ao efetivo da Força Aérea que forem designados para matrícula serão classificados no Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV). Serviço - As inscrições devem ser feitas por requerimento, via cadeia de comando até 1º de agosto. Mais informações: www.ipev.cta.br e www. ipev.intraer.


Notaer - Edição de Julho