Page 1

www.fab.mil.br

Ano XXXIV

Nº 4

abril, 2011

ISSN 1518-8558

O Dia “D” da Força Aérea Brasileira na Segunda Guerra

Capacetes azuis da FAB completam um mês de missão no Haiti (Pág 13)

Helicópteros ajudam em socorro nas regiões Sul e Centro-Oeste (Pág 14)

Excepcionalmente, não será publicada nesta edição a série sobre os 70 anos da Força Aérea.

Aeronaves A-29 serão usadas em disputa nos Jogos Militares (Pág 15)

No dia 22 de abril de 1945, num único dia, os pilotos da Força Aérea Brasileira realizaram 11 missões, na data que até hoje simboliza a Aviação de Caça Brasileira. Voaram duas, até três vezes, em intervalos de poucas horas, sob fogo inimigo e enfrentando grande

desgaste físico – um piloto perdia dois quilos em uma missão de duas horas de duração. Engana-se quem pensa que o esforço acabou ali. Por mais três dias, os pilotos brasileiros voaram dez missões diárias. O 22 de abril é até hoje o Dia da Aviação de Caça. (Pág 4)

ESPECIAL - Conheça os Oficiais-Generais promovidos (Pág 5)


2

CARTA AO LEITOR

As imagens que ficaram daquele dia

m dos maiores desafios para os fotógrafos é registrar a melhor imagem do voo de um caça. A busca pelo melhor instante de um voo, por vezes, mais rápido que o som. No entanto, outro desafio complicado se faz ao tentar referenciar em palavras a incrível história dos esquadrões de combate brasileiros. Como este editorial não conseguirá ser justo e exato a esse ponto, resta-nos, mais uma vez, lembrar aquele 22 de abril de 1945, o dia com o maior número de missões na Segunda Guerra Mundial. Se a equipe do NOTAER pudesse ter feito a cobertura jornalística daquele dia, haveria um sem-número de possibilidades de contar o episódio. Qual seria a nossa manchete? “FAB tem

dia histórico na Itália”, “Senta a Púa!, minha gente - 44 missões no mesmo dia”, “Grupo de Caça atinge 100 alvos”, “Uma jornada para não ser esquecida”... Teríamos uma imagem do P-47 em um ataque para a capa e faríamos entrevistas com nossos heróis nos céus e em terra para saber como tudo aquilo foi possível. As imagens que ficaram daquele dia inspiram cada um dos militares desde então. Recontá-la, com palavras e imagens, se traduz, pois, em gratificante obrigação. Como é também de cada missão que faz os brasileiros orgulharem-se do nosso ofício. A imagem que ficou daquele dia não está apenas nos livros de história nem são lembradas apenas a cada 22 de abril.

Arquivo

U

Expediente

Chefe do CECOMSAER: Brigadeiro -do-Ar Marcelo Kanitz Damasceno Chefe da Divisão de Produção e Divulgação: Tenente-Coronel Alexandre Emílio Spengler Chefe da Divisão de Relações Públicas: Coronel Marcos da Costa Trindade Editores: Tenente Luiz Claudio Ferreira e Tenente Alessandro Silva

Brig Ar Marcelo Kanitz Damasceno Chefe do CECOMSAER

PENSANDO EM INTELIGÊNCIA

SEGURANÇA - VOCÊ USA BOAS SENHAS? A atividade da inteligência – assessorar as autoridades com conhecimentos oportunos – é baseada em informações sensíveis, cujo vazamento pode causar danos. Isso é verdadeiro em todos os campos do conhecimento, desde a escolha de um possível alvo militar até a estratégia de lançamento de um novo modelo de carro, por exemplo. A proteção desse conhecimento não é apenas resultado do uso de equipamentos de comunicação segura ou da criação de leis e regulamentos. Está ligada ao comportamento de quem tenha acesso a esse conhecimento. Muitas dessas pessoas desconhecem que o mesmo tratamento que deve ser dispensado aos assuntos sigilosos do trabalho cabe perfeitamente na salvaguarda de sua privacidade de sua família. Enviar uma mensagem, pagar uma conta, falar com um familiar distante, preparar um documento de trabalho. Em todas essas atividades os computadores estão presentes. As facilidades apresentadas aos usuários são acompanhadas por um alto preço: a cada dia surge um novo sistema, um novo nome de usuário e uma nova senha para memorizar.

A tarefa de criar boas senhas – e depois se lembrar delas – é árdua e, por isso, ignorada por usuários que optam por possuir senhas frágeis, formadas por repetição de caracteres, sequências de números, além de utilizarem a mesma senha em diferentes sistemas. Em 2009, um esquema fraudulento na Internet obteve e divulgou cerca de dez mil senhas do site de correio eletrônico Hotmail. A partir dessas informações, especialistas em segurança concluíram que os usuários utilizam senhas fracas para se proteger, como os 64 usuários que usavam a senha “123456”, bem mais “complexa” que “111111”, utilizada por 10 pessoas. Além da baixa complexidade da senha, outro problema comum é o uso da mesma senha em vários sistemas. Imagine a seguinte situação: um site de relacionamento é atacado e sua senha é revelada juntamente com seus dados pessoais – como endereços de e-mail, por exemplo. Essas informações obtidas podem ser utilizadas, dentre outras formas, para comprar em sites populares de comércio on-line, para postar comentários em seu nome nas redes sociais, para enviar de e-mails em

O jornal NOTAER é uma publicação mensal do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), voltado ao público interno.

massa pelo seu provedor, enfim, em diversas situações que podem lhe causar constrangimento e aborrecimento. Para estar um pouco mais protegido, recomenda-se seguir algumas regras simples para a escolha de uma boa senha: utilize uma senha para cada sistema que acessar; utilize senhas de, no mínimo, oito caracteres – quanto mais, melhor; faça uso de todos os tipos de caracteres, números, sinais, espaços em branco, letras maiúsculas e minúsculas; em vez usar a mesma senha para sistemas diferentes, estabeleça um padrão de formação para suas senhas, reunindo as iniciais de uma frase da qual você se lembre, alternando entre maiúsculas e minúsculas, com o nome do sistema que vai ser acessado como, por exemplo: Frase: Asas que protegem o País/ Sistema: SIAFI/ Senha: Aqp0PSIA; mesmo que o sistema não obrigue, troque a senha regularmente. Escolha sua frase, elabore o seu mecanismo de criação e troque as suas senhas. A garantia de sua privacidade e a segurança dos sistemas que você utiliza começam no uso de uma boa senha. Lembre-se que uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco.

Repórteres: Tenente Luiz Claudio Ferreira, Tenente Alessandro Silva, Tenente Adriana Alvares, Tenente Marcia Silva, Tenente Flávio Hisakasu Nishimori e Tenente Carla Dieppe Colaboradores: 5º/8º GAV; 2º/10º GAV; e SISCOMSAE (textos enviados ao CECOMSAER, via Sistema Kataná, por diversas unidades) Tiragem: 30.000 exemplares Jornalista Responsável: Tenente Luiz Claudio Ferreira (MTB 2857 - PE) Diagramação: Tenente Alessandro Silva, Sargento Rafael da Costa Lopes e Cabo Lucas Maurício Alves Zigunow Revisão: Major Alexandre Daniel Pinheiro da Silva e Suboficial Cláudio Bonfim Ramos Estão autorizadas transcrições integrais ou parciais das matérias, desde que mencionada a fonte. Comentários e sugestões de pauta sobre aviação militar devem ser enviados para: redacao@fab.mil.br ISSN 1518-8558 Esplanada dos Ministérios - Bloco “M” - 7º andar CEP - 70045-900 - Brasília - DF Impressão e acabamento: Aquarius Gráfica e Editora


3 PR

PALAVRAS DO COMANDANTE

Arquivo

A era das descobertas

Caças da Força Aérea, do Primeiro Grupo de Aviação de Caça, retornam de missão durante a Segunda Guerra Mundial

E

xistem os tempos de semear, de plantar e de colher. Ao mirarmos a história, emociona saber que esses tempos, por tantas vezes, coexistiram. Foi exatamente assim há mais de seis décadas, quando um grupo de jovens, já grandes homens, ficou encarregado de “sentar a pua”. O Primeiro Grupo de Aviação de Caça nasceu forte, pouco depois da criação do Ministério da Aeronáutica. O dia 22 de abril de 1945 ecoa até hoje como símbolo de patriotismo e de manutenção dos ideais de liberdade e paz. Foi uma era de grandes descobertas. O sacrifício não foi em vão. Estamos nós, tantas missões, horas de voo e de vida depois, a celebrar o exemplo que dignificou não somente

a Aviação de Caça Brasileira, mas a solidificação necessária para a Instituição que completa 70 anos. Aproveito o espaço em nosso NOTAER para compartilhar o sentimento de admiração pelos nossos heróis. Dia após dia, com clima e situações nunca antes experimentados, fizeram dos caças P-47 companheiros de todos os momentos. Pilotos, mecânicos e outros profissionais sabiam que o sentimento de todo um país estaria a bordo deles. Um esquadrão e uma força forjados pelo combate. Experimentamos, desde a vitória daqueles grandes homens, a sensação singular dos tempos de paz. Os valores e princípios nacionais sempre estiveram em nossa nacele.

Devemos homenagem aqui a todos que começaram essa história de devoção. Desde então, permanecemos em alerta em todas as regiões do país na defesa do território. Equipes revezam-se ao lado do avião para estarem prontas a decolarem a qualquer momento. Uma das guerras dos nossos dias é o combate aos tráfegos ilícitos. Há quem possa considerar essa prontidão diuturna um exercício sacrificante. Mas não existe nessa palavra um caráter negativo. Os homens e mulheres dos nossos esquadrões de combate orgulham-se das bolachas que trajam porque nelas estão inscritas histórias. Honra-nos participar e poder reler cada uma dessas páginas.

Uma história sem interrupções. De barulhos de motores, mãos sujas de graxa e até poesia. “Passei o Carnaval em Veneza. Levando umas bombinhas daqui. Caprichei bem o meu mergulho. Foi do barulho, o alvo eu atingi”. Eles atingiram o alvo e, cada vez que entoamos o privilegiado prólogo dessa jornada, voltamos ao começo. E estamos nós, de novo, a aplaudir nossos heróis que chegaram da Itália, a entusiasmar cada um dos heróis que chegam todos os dias de suas missões. De fato, a data de 22 de Abril é um marco para toda a nossa Instituição. Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito Comandante da Aeronáutica


4

DIA DA AVIAÇÃO DE CAÇA

O mais longo dos dias da FAB na Segunda Guerra Mundial

Arquivo

No dia 22 de abril de 1945, pilotos brasileiros escreveram um dos mais importantes capítulos brasileiros na luta contra o nazismo na Itália; militares voaram mais de uma missão de guerra nesse dia

Aviões P-47 do Primeiro Grupo de Caça decolam para missão na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial

“E

m muitas ocasiões, como comandante do 350th Fighter Group, eu fui obrigado a mantêlos no chão quando insistiam em continuar voando, porque eu acreditava que eles já haviam ultrapassado os limites de sua resistência física.” As palavras são do Major General Nielsen, ex-comandante da unidade americana à qual os pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB) estavam subordinados na Itália. O comentário faz parte do pedido para que o Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) recebesse a Citação Presidencial

Americana – apenas três unidades estrangeiras possuem a comenda. Os brasileiros entraram em combate no final de 1944 e participaram, no início do ano seguinte, da ofensiva de primavera – um grande esforço aliado para acabar com o conflito na Europa. Ao mesmo tempo em que conquistavam resultados expressivos, o Grupo de Caça perdia em média três pilotos por mês – média igual à da Força Aérea Americana (USAF), incluindo pilotos abatidos e mortos, desaparecidos e capturados. Às vésperas do dia 22 de abril,

os pilotos brasileiros tiveram de tomar uma importante decisão diante das sucessivas baixas: o 1º Grupo de Caça deixaria de existir, com seus pilotos e mecânicos distribuídos nos demais esquadrões aliados, ou continuariam lutando, com um número maior de voos por dia, arriscando mais a vida, mas como uma unidade brasileira. “Só quem esteve em combate sabe o que é voar mais de uma missão no mesmo dia”, recorda o Major-Brigadeiro-do-Ar Rui Moreira Lima, veterano do Grupo de Caça e autor do livro “Senta a

O que significa Jambock? Ao chegar na Itália, o 1º Grupo de Caça recebeu dos americanos o nome de código-rádio “Jambock”, ou “Chicote”, segundo explicaram à época. Passados 25 anos, o Major-Brigadeiro-do-Ar Rui Moreira Lima, piloto veterano da unidade, pesquisou sobre a palavra e descobriu uma grande ironia. Ela teve origem na Indonésia: era uma vara de madeira usada para castigar escravos, chamada de “Sambok”. Na África do Sul, mais tarde, virou “Sjambok”, um chicote feito de couro de rinoceronte, utilizado como instrumento de tortura contra escravos. “Por uma ironia dos fatos, o chicote utilizado pelos brancos contra os escravos africanos, indonésios e malaios passou a ser usado contra os arianos puros de Adolf Hitler, manejados por brasileiros livres que foram à Itália defender a liberdade e a democracia”, escreveu o Brigadeiro em seu livro “Senta a Pua!”. Até hoje, os pilotos da 1º Esquadrão do 1º Grupo de Caça identificam-se na “fonia” como “Jambock”. Púa!”. Decidiram lutar mais. No dia 22 de abril de 1945, num único dia, os pilotos da FAB realizaram 11 missões, na data que simboliza a Aviação de Caça Brasileira. Voaram duas, até três vezes, em intervalos de poucas horas, sob fogo inimigo e enfrentando grande desgaste físico – um piloto perdia dois quilos em uma missão de duas horas de duração. Engana-se quem pensa que o esforço acabou ali. Por mais três dias, os pilotos brasileiros voaram dez missões diárias. O 22 de abril é até hoje o Dia da Aviação de Caça.


5


6 Tenente-Brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato Tenente-Brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato O Tenente-Brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato é natural de São Gabriel (RS). Praça de 1º de março de 1969, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1975. Principais cargos: Oficial de Tiro e Bombardeio do Terceiro Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação; Assessor Aeronáutico junto à Força Aérea Paraguaia; Oficial de Doutrina do Segundo Esquadrão do Quinto Grupo de Aviação; Chefe da Seção de Operações do Parque de Material dos Afonsos; Instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Aeronáutica; Comandante do Segundo Esquadrão do Quinto Grupo de Aviação; Comandante do Esquadrão de Comando da Base Aérea de Canoas; Comandante do GSB da Base Aérea de Santa Maria; Comandante do Terceiro Esquadrão do

Décimo Grupo de Aviação; Chefe da Seção de Operações do Comando Aéreo de Treinamento; Chefe do Estado-Maior do Comando Aéreo de Treinamento; Adido Aeronáutico na Venezuela; Vice-Chefe do Centro de Comando e Controle de Operações Aéreas do Comando Geral de Operações Aéreas; Chefe do EstadoMaior do Comando Geral de Apoio; Comandante da Terceira Força Aérea; e Chefe do Estado-Maior do Comando Geral de Operações Aéreas; Comandante do V COMAR. Condecorações: Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos Dumont; Medalha do Pacificador; Piloto “Honoris Causa” da Força Aérea Paraguaia; Ordem do Mérito Aeronáutico – Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Aeronáutico da Força Aérea Vene-

zuelana (3º Classe); Ordem do Mérito Naval – Grau “Comendador”; Medalha Santos Dumont (MG), Grau “Prata”; Ordem do Mérito Militar – Grau “Grande Oficial”; Comenda Jubileu de Ouro da Vitória; Medalha Mérito Tamandaré; Ordem do Mérito Cívico (Liga da Defesa Nacional); Medalha da Vitória; Ordem do Mérito da Defesa – Grau “Comendador”; Medalha Pinto Bandeira (Canoas - RS); Medalha de Serviços Relevantes à Ordem Pública (Brigada Militar-RS); Comenda de Comando de Policiamento Metropolitano (Brigada Militar-RS); Medalha Tiradentes (RS). Experiência de voo: Possui mais de 3.500 horas de voo. Cargo designado: Diretor-Geral do Departamento de Ensino da Aeronáutica (DEPENS).

Major-Brigadeiro-do-Ar Raul Botelho O Major-Brigadeiro-do-Ar Raul Botelho é natural de São Paulo (SP). Praça de 7 de março de 1973, foi declarado aspirante em 15 de dezembro de 1979. Principais cargos: Comandante da Esquadrilha Orion na Academia da Força Aérea, Chefe da Ajudância, da Subseção de Instrução e da Seção de Operações do 1º/6º GAV; Comandante do Destacamento de Proteção ao Voo de SP; Comandante da Divisão Técnica do Quarto Serviço Regional de Proteção ao Voo; Comandante do GSB da Base Aérea de Santos,

Comandante do 1º/6º GAV; Observador Militar da ONU em Moçambique; Assessor na Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais do Gabinete de Segurança Institucional (PR); Representante do Brasil na Junta Interamericana de Defesa (EUA); Assessor do Chefe do Estado-Maior do Comando-Geral do Pessoal (COMGEP); Chefe da 5a e da 6a Subchefias do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER); Comandante da I FAE. Condecorações: Medalha Mérito Santos-Dumont; Ordem do Mérito Aero-

náutico – Grau “Comendador”; Medalha do Pacificador; Medalha de Observador Militar da ONU; Medalha Militar de Ouro; Medalha da Junta Interamericana de Defesa; Ordem do Mérito Militar, Grau “Comendador”; Medalha Mérito Policial SD Luiz Gonzaga; Medalha da Vitória (MD); Ordem do Mérito Naval – “Grão-Mestre”. Experiência de voo: Possui 3.600 horas de voo. Cargo designado: Chefe do EstadoMaior do Comando-Geral de Apoio (EMGAP).

Major-Brigadeiro-do-Ar Luiz Fernando Dutra Bastos O Major-Brigadeiro-do-Ar Luiz Fernando Dutra Bastos é natural de Santos (SP). Praça de 7 de março de 1973, foi declarado aspirante em 15 de dezembro de 1979. Principais cargos: Chefe da Seção de Manutenção do 1º Esquadrão do 1º Grupo de Transporte; Chefe da Seção de Inteligência da Diretoria de Material Bélico; Comandante do 1º Esquadrão do Grupo de Transporte Especial (GTE); Oficial da Casa Militar da Presidência da República; Chefe do Quinto Serviço

Regional de Aviação Civil; Analista do Departamento de Inteligência Estratégica do Ministério da Defesa; Chefe da Divisão Administrativa da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR); Chefe da Assessoria de Pessoal do Gabinete do Comandante da Aeronáutica; Chefe da Assessoria de Aviação Civil do do Gabinete do Comandante da Aeronáutica; Assistente do Conselheiro Militar da Missão do Brasil junto às Nações Unidas; Comandante da Escola de Especialistas de Aeronáutica; Chefe da 1a Subchefia do Estado-Maior da

Aeronáutica (EMAER). Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Militar, grau “Comendador”; Ordem do Mérito Naval, Grau “Comendador”; Medalha da Vitória; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha Mérito Tamandaré. Experiência de voo: Possui mais de 5.500 horas de voo. Cargo designado: Diretor da Diretoria de Administração do Pessoal (DIRAP).


7 Major-Brigadeiro-do-Ar Roberto Carvalho O Major-Brigadeiro-do-Ar Roberto Carvalho é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 16 de fevereiro de 1976, foi declarado aspirante em 15 de dezembro de 1979. Principais cargos: Os inerentes a Oficial Subalterno e Intermediário no 5º Esquadrão do 8º Grupo de Aviação (5º/8º GAV); Comandante dos Esquadrões de Pessoal e de Comando da Base Aérea de Campo Grande (BACG); Instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Aeronáutica (EAOAR); Oficial de Gabinete do Ministro da Aeronáutica; Comandante do 5º/8º GAV;

Comandante do Grupo de Serviços de Base da Base Aérea de Brasília (BABR); Chefe da Assessoria Militar da VicePresidência da República; Adido Naval e Aeronáutico junto à Embaixada do Brasil na Espanha; Chefe da 7ª Subchefia do Estado-Maior do Comando-Geral do Pessoal; Secretário da Comissão de Promoções de Oficiais; Comandante da Academia da Força Aérea. Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Rio Branco, Grau “Cavaleiro”; Ordem do Mérito Naval, Grau “Comendador”; Ordem do

Mérito Militar, Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Forças Armadas, Grau “Cavaleiro”; Ordem do Mérito Judiciário Militar, Grau “Distinção”; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha do Pacificador; Medalha Militar de Ouro; “Cruz del Mérito Aeronáutico con Distintivo Blanco”, do Reino da Espanha. Experiência de voo: Possui mais de 4.000 horas de voo. Cargo designado: Subchefe de Inteligência Estratégica da CAE/EMCFA – Ministério da Defesa.

Major-Brigadeiro-do-Ar Stefan Egon Gracza O Major-Brigadeiro-do-Ar Stefan Egon Gracza é natural de São Paulo (SP). Praça de 16 de fevereiro de 1976, foi declarado aspirante em 15 de dezembro de 1979. Principais cargos: Chefe da Seção de Tráfego Aéreo Internacional da Base Aérea do Galeão (BAGL); Instrutor da Academia da Força Aérea (AFA); Oficial de Operações do 5º Esquadrão de Transporte Aéreo; Instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Aeronáutica (EAOAR); Comandante do 2º Esquadrão de Transporte Aéreo; Inspetor de Aviação

Civil; Instrutor da Escola de Comando e Estado Maior da Aeronáutica (ECEMAR); Chefe da Subdivisão de Planejamento da ECEMAR; Chefe do Curso de Comando e Estado-Maior da ECEMAR; Comandante da Base Aérea do Galeão; Chefe da Divisão de Ensino da ECEMAR; Chefe do Subdepartamento de Administração do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA); Adido de Defesa e Aeronáutico nos Estados Unidos e no Canadá; Comandante da Escola Comando e Estado-Maior da Aeronáutica. Condecorações: Ordem do Mérito da Defesa - Grau “Comendador”; Ordem

do Mérito Aeronáutico - Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Militar - Grau “Comendador”; Ordem do Mérito Naval - grau “Comendador”; Medalha da Vitória; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha do Jubileu de Ouro da FEB; Piloto “honoris causa” da Força Aérea Dominicana. Experiência de voo: Aproximadamente 4.000 horas de voo. Cargo designado: Comandante da Universidade da Força Aérea e da Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA).

Major-Brigadeiro-Médico Jorge Marones de Gusmão O Major-Brigadeiro-Médico Jorge Marones de Gusmão é natural de Juiz de Fora (MG). Praça de 4 de julho de 1977, foi nomeado primeiro-tenente em 28 de janeiro de 1978.

Brasileira de Cardiologia; Membro Titular da Academia Brasileira de Medicina Militar; ex-professor de Clínica Médica da Universidade Gama Filho e Faculdade de Medicina Souza Marques.

Principais cargos: Diretor da Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes; Subdiretor Técnico Interino da Diretoria de Saúde da Aeronáutica (DIRSA); Diretor do Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG); Vice-Diretor e Diretor do Hospital Central da Aeronáutica (HCA); Membro da Comissão Estadual de Residência Médica; Membro Titular da Sociedade

Formação: Possui todos os cursos de carreira; Mestre em Cardiologia pela Universidade Federal Fluminense; MBA de Gestão em Saúde na Fundação Getúlio Vargas; MBA em Gestão e Planejamento Estratégico na Fundação Getúlio Vargas (FGV).

dem do Mérito Judiciário Militar, Grau “Oficial”; Medalha da Vitória; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos Dumont; Medalha da Ordem do Mérito do Pacificador; Medalha Mérito Tamandaré; Medalha da Academia Brasileira de Medicina Militar; Medalha Comemorativa dos 60 anos do 1˚ Batalhão da Polícia do Exército; Medalha da Associação dos Ex-Combatentes – Marechal Zenóbio da Costa; Condecoração da Ordem do Mérito Naval – Grau “Comendador”; Medalha Mérito Tiradentes.

Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Comendador”, Or-

Cargo designado: Diretor de Saúde da Aeronáutica (DIRSA).


8 Brigadeiro-do-Ar Paulo Borba O Brigadeiro-do-Ar Paulo Borba é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 5 de fevereiro de 1979, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Comandante do Esquadrão de Comando da Base Aérea de Porto Velho (BAPV); Comandante da Segunda Esquadrila do 7º Esquadrão de Transporte Aéreo; Chefe da Seção de Doutrina, da Seção de Pessoal e da Seção de Operações do 1º Esquadrão do 6º Grupo de Aviação (1º/6º GAV); Comandante do Esquadrão de Infraestrutura

da Base Aérea de Santa Maria (BASM); Chefe da Segunda Seção e da Seção de Controle das Operações Aéreas da III Força Aérea; Comandante do 1º/6º GAV; Chefe da 4ª Subchefia do Estado-Maior do Comando Geral de Pessoal (COMGEP); Comandante da Base Aérea do Recife (BARF); Instrutor da Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR); Adido Naval e Aeronáutico na Espanha; Chefe da Terceira Seção da Quarta Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER – 4SC3). Condecorações: Medalha Mérito

Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro; Destaque Operacional Ouro do Comando Geral de Operações Aéreas (COMGAR); Ordem do Mérito Aeronáutico – Grau “Oficial”; Ordem do Mérito Militar – Grau “Oficial”; Medalha do Mérito Tamandaré; Cruz do Mérito Aeronáutico da Espanha. Experiência de voo: Possui 6.380 horas de voo. Cargo designado: Chefe da 2ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER).

Brigadeiro-do-Ar Manoel Antonio Barreira O Brigadeiro-do-Ar Manoel Antonio Barreira é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 8 de março de 1976, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Oficial de Equipamento de Voo e Chefe da Seção de Comando do 1º Grupo de Aviação Embarcada (GAE); Oficial de Treinamento Aéreo do 2º/1º GAE; Oficial Ajudante, Oficial de Mobilidade e Oficial de Material do 1º/1º GAE; Chefe da Seção de Treinamento do 1º/2º GT; Ajudantede-Ordens do Comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional; Chefe da Seção de Oficinas de Equipamentos

da Subdivisão de Oficinas, Chefe da Seção de Treinamento da Divisão de Atualização, Coordenador dos Projetos das Aeronaves P-16 e F-5, Chefe da Divisão de Recursos Humanos, da Assessoria de Controle, da Assessoria de Planejamento e da Divisão Técnica do PAMA SP; Chefe da Divisão Administrativa da CABW; Chefe da Divisão de Combustíveis e Lubrificantes da DIRMAB; Chefe da Divisão Técnica do PAMA AF; Diretor do Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa; Subdiretor Interino de Fiscalização e Controle da DIRMAB; Chefe Interino do Estado-Maior do COMGAP; Chefe

da 3º Subchefia do EMGAP. Condecorações: Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro; Ordem do Mérito Aeronáutico – Grau “Oficial”; Medalha Inconfidência do Governo do Estado de Minas Gerais; Medalha Santos Dumont do Governo do Estado de Minas Gerais; Medalha Alferes Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais. Experiência de voo: Possui 3.500 horas de voo. Cargo designado: Subdiretor de Administração Logística da Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico (DIRMAB).

Brigadeiro-do-Ar Carlos Alberto da Conceição O Brigadeiro-do-Ar Carlos Alberto da Conceição é natural de São Paulo (SP). Praça de 8 de março de 1976, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Chefe da Seção de Instrução, da Seção de Doutrina e Oficial de Segurança de Voo do 1º Grupo de Transporte de Tropa; Oficial de Segurança de Voo do 2º/1º Grupo de Transporte de Tropa; Chefe da Seção de Análise e Pesquisas, de Treinamento e Controle, de Elaboração de Dados e Administrativa do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA); Assistente do Chefe do EstadoMaior da Aeronáutica; Assistente do Chefe de Gabinete do Ministro da Aero-

náutica; Chefe da Seção de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos e Assistente do Comandante do V COMAR; Comandante do 6º Esquadrão de Transporte Aéreo; Adjunto de Operações do Estado-Maior de Defesa do Ministério da Defesa; Chefe do Quinto Serviço Regional de Aviação Civil; Chefe de Gabinete do Estado-Maior da Aeronáutica; Adido de Defesa e Aeronáutico junto à Embaixada do Brasil na República Popular da China e credenciado junto aos governos da República da Coréia do Sul e da República Socialista do Vietnã; Chefe da 1a Seção da 6a Subchefia do EMAER. Condecorações: Menção “Destaque Operacional “ – Nível Prata do Comando-Geral de Operações Aéreas;

Menção “Destaque Operacional “ – Nível Ouro (COMGAR); Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha Militar de Ouro; Medalha “Legión Al Mérito de la Confraternidad Aérea Interamericana” – Grau “Oficial”; Medalha Ordem do Mérito Aeronáutico - Grau “Cavaleiro”; Medalha Ordem do Mérito Aeronáutico - Grau “Oficial”; Medalha Ordem do Mérito Militar, Grau “Oficial”; Medalha Primeiro de Agosto da República Popular da China; Medalha Mérito SIPAER de 20 anos (PRATA). Experiência de voo: Possui mais de 4.000 horas de voo. Cargo designado: Chefe do CENIPA e Chefe da Assessoria de Segurança Operacional do Controle do Espaço Aéreo.


9 Brigadeiro-do-Ar Marcelo Kanitz Damasceno O Brigadeiro-do-Ar Marcelo Kanitz Damasceno é natural de Canoas (RS). Praça de 8 de março de 1976, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Chefe da Seção de Inteligência, Chefe da Seção de Material, Chefe da Seção de Operações do 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (2º/7º GAV); Chefe da Seção de Instrução e Doutrina do Grupo de Transporte Especial (GTE); Chefe da Seção de Apoio à Decisão do CECOAER4SC-EMAER; Secretário do Ministro da

Aeronáutica; Assessor Parlamentar do Comando da Aeronáutica; Chefe da Assessoria de Cerimonial e Transporte Aéreo (GC-2) do Gabinete do Comandante da Aeronáutica (GABAER); Secretário do Comandante da Aeronáutica; Comandante do GTE; Chefe da Divisão de Relações Públicas do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER); Comandante da Base Aérea de Brasília (BABR); Adido de Defesa e de Aeronáutica junto às Embaixadas do Brasil na França e na Bélgica; Chefe Interino do CECOMSAER.

Condecorações: Ordem do Mérito da Defesa; Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Cavaleiro”; Ordem do Mérito do Superior Tribunal Militar; Ordem do Mérito Rio Branco; Ordem do Mérito Judiciário Militar; Ordem do Mérito Nacional Francês, Grau “Cavaleiro”; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro; Medalha do Pacificador. Experiência de voo: Possui mais de 6.000 horas de voo. Cargo designado: Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER).

Brigadeiro-do-Ar Luis Roberto do Carmo Lourenço O Brigadeiro-do-Ar Luis Roberto do Carmo Lourenço é natural de Carandaí (MG). Praça de 8 de março de 1976, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Oficial de Relações Públicas do 2º Esquadrão de Transporte Aéreo; Instrutor de Voo e Instrutor Militar, Comandante de Esquadrilha de Voo da Academia da Força Aérea (AFA); Comandante do Esquadrão de Infra-Estrutura da Base Aérea de Brasília (BABR); Chefe da Seção de Material do Grupo de Transporte Especial (GTE); Adjunto da Subchefia de Operações do Estado-Maior das

Forças Armadas; Chefe da Subdivisão de Pessoal e Secretário do Comandante da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR); Adjunto da Assessoria de Pessoal do Gabinete do Comandante da Aeronáutica (GABAER); Chefe da Assessoria de Cerimonial e Transporte Aéreo do GABAER; Assessor Militar do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Comandante do Grupo de Serviços de Base da BABR; Assessor Parlamentar do Comandante da Aeronáutica; Comandante da Base Aérea de São Paulo; Adido de Defesa e Aeronáutico do Brasil no Equador; Vice-Chefe do Centro de Inteligência

da Aeronáutica; Chefe da Divisão de Análise e Processamento da Assessoria Parlamentar do Comandante da Aeronáutica. Condecorações: Medalha Militar de Ouro; Ordem do Mérito das Forças Armadas; Ordem do Mérito Aeronáutico; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Estrela Militar das Forças Armadas do Equador; Medalha Marechal Zenóbio da Costa – FEB. Experiência de voo: Possui mais de 3.900 horas de voo. Cargo designado: Chefe da Assessoria Parlamentar da Aeronáutica (ASPAER).

Brigadeiro-do-Ar Rogério Gammerdinger Veras O Brigadeiro-do-Ar Rogério Gammerdinger Veras é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 5 de fevereiro de 1979, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1982. Principais cargos: Adjunto da Seção de Informações do 1º Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação (1º/6º GAV); Ajudante-de-Ordens do Secretário de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA); Adjunto da Seção de Material do Grupo de Transporte Especial; Chefe de Manutenção de Jatos do ESM-BR; Chefe do CAN-Brasília; Assistente do Diretor-Geral do Departamento de Pesquisas e Desenvolvimento; Assistente

do Diretor-Geral do Departamento de Ensino; Assistente do Comandante do Comando-Geral do Pessoal; Comandante do 3º e 2º Esquadrões do Corpo de Alunos e Comandante do Corpo de Alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR); Comandante do Segundo Esquadrão de Transporte Aéreo; Adjunto do A-3 do II COMAR; Adjunto do Adido de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutico na Federação da Rússia; Adjunto da Seção de Adidos do EMAER; Comandante da Base Aérea de Fortaleza; Chefe do Estado-Maior do II COMAR; Vice-Chefe e Chefe Interino do Centro de Inteligência da Aeronáutica. Condecorações: Ordem do Mérito

Aeronáutico, Grau “Cavaleiro”; Ordem do Mérito Militar, Grau “Oficial”; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Mérito Operacional Ouro – COMGAR; Medalha José Martiniano de Alencar da Polícia Militar do Ceará; Medalha Boticário Ferreira da Câmara Municipal de Fortaleza; Medalha José Moreira da Rocha da Casa Militar do Governo do Estado do Ceará; Medalha do Mérito Bombeiro Militar do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará. Experiência de voo: Possui mais de 5.100 horas de voo. Cargo designado: Chefe do Centro de Inteligência da Aeronáutica (CIAER).


10 Brigadeiro-do-Ar Antonio Ricardo Pinheiro Vieira

O Brigadeiro-do-Ar Antonio Ricardo Pinheiro Vieira é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de de 12 de março de 1979, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1982. Principais cargos: Instrutor e Chefe da Subseção de Instrução Especializada do 1º Esquadrão do 5º Grupo de Aviação (1º/5° GAV); Instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Aeronáutica (EAOAR); Oficial de Operações do Centro do Correio Aéreo Nacional

(CECAN); Chefe da Subseção de Planejamento e Controle de Operações e Oficial de Operações do 1º Esquadrão do 1º Grupo de Transporte (1°/1° GT); Chefe do Centro de Operações de Transporte Aéreo (COTA) e A1 da V Força Aérea; Comandante do 5º Esquadrão de Transporte Aéreo; Instrutor e Chefe da Subdivisão de Doutrina Militar da Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR); Comandante da Base Aérea de Manaus; Chefe do Escritório de Ligação da Aeronáutica

em Israel; Chefe do Subdepartamento de Administração do DECEA. Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial”; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha Militar de Ouro. Experiência de voo: Possui aproximadamente 5.900 horas de voo. Cargo designado: Chefe da 4ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER).

Brigadeiro-do-Ar José Alves Candez Neto O Brigadeiro-do-Ar José Alves Candez Neto é natural do Rio de Janeiro (RJ). É praça de 8 de março de 1976, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1982. Principais cargos: Chefe da Seção de Navegação do 1º/14º Grupo de Aviação (1º/14º GAV); Adjunto da Seção de Planejamento e Controle do 1º/14º GAV; Chefe da Seção de Guerra Eletrônica do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I); Chefe do Primeiro Centro de Operações Militares (COpM 1) – CINDACTA I;

Chefe da Divisão Técnica do Serviço de Proteção ao Voo de Porto Alegre (SRPV-PA); Comandante do Segundo Esquadrão do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (2º/1º GCC); Adjunto da Divisão de Operações Militares do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA); Chefe da Divisão de Operações Militares do DECEA; Comandante do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º GCC); Chefe da Divisão de Meteorologia Aeronáutica do DECEA; Comandante do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III); Adjunto do

Vice-Diretor do DECEA. Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial”; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos Dumont; Medalha do Mérito Cartográfico, Grau “Oficial”; e Medalha de Honra ao Mérito Rio Branco. Experiência de voo: Possui mais de 2.000 horas de voo. Cargo designado: Comandante do Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV).

Brigadeiro-do-Ar Maximo Ballatore Holland O Brigadeiro-do-Ar Maximo Ballatore Holland é natural de Campo Grande (MS). Praça de 7 de março de 1977, foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1983. Principais cargos: Chefe da Seção de Doutrina do 1º/4º GAV e do 1º GDA; Chefe das Seções de Aeronaves Administrativas e de Instrução Técnica do Esquadrão de Suprimento e Manutenção da Base Aérea de Anápolis (BAAN); Chefe das Seções de Navegação e de Sistema D’Armas do 1º GDA; Chefe de Material do 1º GDA e do 3º/10º GAV; Assessor Aerotático da Força Aérea Paraguaia; Chefe da Seção de Relações Públicas (RP) da Missão Técnica Aeronáutica Brasileira em Assunção; Adjunto da 1ª Subchefia do Estado-Maior do Comando-Geral do Pessoal; Comandante do 2º/6º GAV; Chefe das Seções Força

Aérea e Comunicações/Guerra Eletrônica do Estado-Maior Combinado do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro; Comandante da Base Aérea de Campo Grande (BACG); Chefe da 3a e 4a Seção da Terceira Subchefia do EMAER. Condecorações: Medalha Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial; Medalha Ordem do Mérito Naval, Grau “Oficial”; Medalha Ordem do Mérito Militar, Grau “Oficial”; Medalha Ordem Guaicurus do Mérito Judiciário do Trabalho, Grau “Grã-Cruz”; Medalha Militar de Ouro, com Passador de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha do Pacificador; Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira; Medalha do Mérito Policial Militar; Medalha Mérito Legislativo Campo-Grandense; Medalha Deputa-

do Ivo Cersósimo; Medalha Revolução Constitucionalista de 1932; Medalha Imperador Dom Pedro II; Medalha Tiradentes; Medalha ao Mérito “Tenente Carlos Meyer Baldó” da Força Aérea da Venezuela; Medalha Mérito “Francisco José de Caldas” da Força Aérea da Colômbia; Medalha Mérito “Jorge Chávez Dartnell” da Força Aérea do Peru; Medalha “Estrella Militar de la Republica del Ecuador”; “Medalla de Aeronáutica” da Força Aérea do Paraguai; Medalha “Força Aérea do Chile”; “Medáglia della Difesa” da Força Aérea Italiana; Brevê “Piloto Honoris Causas” da Força Aérea Portuguesa. Experiência de voo: Possui cerca de 4.600 horas de voo. Cargo designado : Chefe da 3ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica.


11 Brigadeiro-do-Ar Heraldo Luiz Rodrigues O Brigadeiro-do-Ar Heraldo Luiz Rodrigues é natural de Mirandópolis (SP). Praça de 12 de janeiro de 1980, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1983. Principais cargos: Chefe da Seção de Contra-Inteligência do 1º Esquadrão do 4º Grupo de Aviação (1º/4º GAV); Chefe da Seção de Inteligência, Oficial de Doutrina, Chefe da Seção de Comando e da Seção de Relações Públicas do 1º Esquadrão do 14º Grupo de Aviação (1º/14º GAV); Chefe da Seção de Inteligência da Base Aérea de Canoas (BACO); Chefe da Seção

de Operações do 2º Esquadrão do 5º Grupo de Aviação (2º/5º GAV); Chefe da Seção de Pessoal do 1º Grupo de Defesa Aérea (1º GDA); Comandante dos Esquadrões de Comando e de Infraestrutura da Base Aérea de Anápolis (BAAN); Adjunto do Projeto de Modernização da Aeronave F-5E/F; Comandante do 1º GDA; Oficial da Assessoria de Recursos Humanos do Gabinete do Comandante da Aeronáutica (GABAER); Chefe da Comissão de Fiscalização e Execução de Contratos junto à Força Aérea Francesa; Chefe da Assessoria de Logística e Patrimônio do GABAER; Vice-Chefe do GABAER.

Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial”; Ordem do Mérito Judiciário Militar, Grau “Distinção”; Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha da Vitória; Medalha de Ouro de Defesa, da França; Destaque Operacional Ouro do COMGAR. Experiência de voo: Possui mais de 4.500 horas de voo. Cargo designado: Subsecretário de Administração Financeira da Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA).

Brigadeiro-Engenheiro Carlos Antonio de Magalhães Kasemodel

O Brigadeiro-Engenheiro Carlos Antonio de Magalhães Kasemodel é natural do Rio de Janeiro (RJ). Praça de 7 de março de 1973, foi declarado aspirante em 18 de novembro de 1977. Principais cargos: Gerente de Projeto, Chefe de Seção e Chefe de Subdivisão da Divisão de Sistemas Bélicos do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); Instrutor do Curso de Engenharia de Armamento Aéreo

(CEAA); Engenheiro de Armamento da Comissão de Desenvolvimento, Acompanhamento e Aceitação (CDAA) da Aeronave T-27 Tucano; Chefe da Divisão de Integração e Ensaios, do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); Chefe da Gerência de Veículos Espaciais (IAE); Vice-Diretor de Espaço (IAE); Chefe da Divisão de Projetos do Subdepartamento Técnico do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA); Vice-Diretor do Insituto de Aeronáutica e Espaço (IAE).

Condecorações: Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial, Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha da Ordem do Mérito do Engenheiro Militar, Grau “Cavaleiro”; Medalha da Legião do Mérito, Grau “Distinção” da Academia Brasileira de Engenharia Militar. Cargo designado: Subdiretor de Administração do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

Brigadeiro-Engenheiro Luiz Sérgio Heinzelmann

O Brigadeiro-Engenheiro Luiz Sérgio Heinzelmann é natural do Rio de Janeiro (RJ). Foi declarado aspirante em 9 de dezembro de 1978. Principais cargos: Adjunto da Seção Técnica da Secretaria do Conselho Técnico da Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (DIRENG); Instrutor, Chefe da Divisão de Alunos, Chefe do Departamento de Engenharia de Software, Assessor de Inteligência e Chefe da

Divisão Administrativa do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); Membro do Grupo de Trabalho de Engenharia de Software do VLS; Chefe da Subdivisão de Geoprocessamento, Chefe da Subdivisão de Apoio à Decisão, Vice-Diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEAV); Chefe do Serviço Regional de Engenharia do VI COMAR; Professor e Assessor Estrangeiro na Escola Politécnica do Exército do Equador; Chefe da Divisão de Infra-Estrutura da DIRENG;

Chefe da Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica da DIRENG. Condecorações: Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito SantosDumont; Medalha do Mérito Aeronáutico, Grau “Cavaleiro”; Medalha Estrela das Forças Armadas do Equador, Grau “Estrela Militar”. Cargo designado: Subdiretor de Estudos e Projetos da Diretoria de Engenharia da Aeronáutica (DIRENG).


12 Brigadeiro-Intendente Vilmar Gargalhone Corrêa

O Brigadeiro-Intendente Vilmar Gargalhone Corrêa é natural do Rio de Janeiro. Praça de 4 de março de 1974, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1980. Principais cargos: Agente de Combustíveis e Lubrificantes – Base Aérea de Santa Cruz (BASC); Chefe da Seção de Assuntos de Inativos, Chefe da Seção de Suporte de Sistemas Computacionais, Chefe da Seção de Sistemas de Aplicação, Chefe da

Seção de Pessoal Militar e Chefe da Seção Auxiliar da SDPP da Diretoria de Intendência (DIRINT); Chefe da Seção de Patrimônio, Chefe da Seção de Registros, Chefe da Seção de Finanças, Chefe da Seção de Subsistência e Chefe da Seção de Comando e Controle da Base Aérea de Belém (BABE); Chefe da Seção de Inclusão Orçamentária, Chefe da Divisão de Acompanhamento Orçamentário, Chefe da Divisão de Informática, Chefe da Seção de Descentralização

de Créditos, Chefe da Seção de Créditos e Chefe da Divisão de Créditos da Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA). Condecorações: Medalha Militar de Ouro; Medalha Mérito Santos Dumont; Medalha do Pacificador – Exército Brasileiro; Medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial”. Cargo designado: Chefe da 5ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER).

Brigadeiro-Intendente Hiran Williams de Almeida

O Brigadeiro-Intendente Hiran Williams de Almeida é natural do Rio de Janeiro. Praça de 3 de março de 1975, foi declarado aspirante em 10 de dezembro de 1981. Principais cargos: Adjunto da Subdivisão de Processamento de Dados da Diretoria de Intendência (DIRINT); Gestor de Licitações do Comando Aéreo de Treinamento (CATRE); Gestor de Finanças da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR); Prefeito de

Aeronáutica de Barbacena; Adjunto da GC6 do Gabinete do Comandante da Aeronáutica (GABAER); Chefe da Subdivisão de Intendência e Chefe da Divisão de Apoio (GCDA) do GABAER; Chefe da Divisão Administrativa e Financeira da Comissão Aeronáutica Brasileira na Europa; Chefe da Seção de Contratos e Convênios Nacionais da Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA); Diretor da Pagadoria de Inativos e Pensionistas da Aeronáutica; Subdiretor Interino

de Inativos e Pensionistas da Aeronáutica na Diretoria de Intendência (DIRINT). Condecorações: Medalha Mérito Santos-Dumont; Medalha Militar de Ouro; Medalha do Pacificador; Ordem do Mérito Aeronáutico. Cargo designado: Subsecretário de Contabilidade da Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA).

Brigadeiro-Médico Luiz Cláudio Lutiis Silveira Martins O Brigadeiro-Médico Luiz Cláudio Lutiis Silveira Martins é natural de Rio das Pedras (SP). Praça de 8 de março de 1981, foi nomeado 1º TenenteMédico em dezembro de 1981. Principais cargos: Diversas funções na Divisão de Saúde do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), médico do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva da Aeronáutica de São José dos Campos (SP); Médico de Esquadrão em apoio às atividades da Divisão de Ensaios em Voo do CTA; médico em missões de campanha no apoio a atividades do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), da Divisão de Ensaios em Voo e

da Divisão de Sistemas Bélicos do CTA; Elemento Credenciado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) para investigação de acidentes aeronáuticos (Fator Humano); Médico-oficial do primeiro cosmonauta brasileiro na primeira missão espacial brasileira (Missão Centenário - 2006); Diretor do Hospital do Centro Técnico Aeroespacial; ViceDiretor do Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG); Diretor do Hospital de Aeronáutica de São Paulo (HASP); Possui cerca de 1.200 horas de voo como médico de missão. Formação: Medicina pela Escola Paulista de Medicina; Pós-Graduação

em Medicina Aeroespacial (CIEAR), Pós-graduação em Auditoria em Saúde (Universidade Unimed) e Treinamento Intensivo de Médico de Cosmonauta e Resgate (Rússia ); Administração Hospitalar (UNIFA); Administração Pública para Servidores (ENAP). Condecorações: Medalha Militar de Prata; Medalha Mérito Santos Dumont; Medalha MMDC (Revolução Constitucionalista de São Paulo); Ordem do Mérito Aeronáutico, Grau “Oficial”. Cargo designado: Subdiretor Técnico da Diretoria de Saúde da Aeronáutica (DIRSA).


13

INTERNACIONAL - HAITI

Militares da Infantaria completam um mês de missão no Haiti ontato com novidades culturais, problemas sociais, preparativos para uma eleição que pode ser conturbada e saudade de casa. Esses são sentimentos que têm sido experimentados pelos 27 homens da Força Aérea Brasileira que integram a Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti (MINUSTAH). Eles fazem parte do primeiro Pelotão da Aeronáutica a integrar uma Força de Paz da Organização das Nações Unidades (ONU). Em março, o grupo completou um mês da chegada a Porto Príncipe, capital haitiana. Nesse período, eles já colecionam em seus currículos patrulhas, missões, histórias e elogios. “Desde o primeiro momento que tive esse pessoal para trabalhar sob minha responsabilidade, rapidamente vi que estava com militares dispostos a cumprir qualquer tipo de missão. Eles têm no sangue a importância do trabalho que vieram fazer aqui. Têm consciência que não estão representando apenas a sua Força, mas o país”, afirma o comandante da 3ª Companhia de Fuzileiros de Paz, subunidade na qual os militares da Força Aérea estão lotados, Capitão Antônio Wilson Guedes de Mendonça. Os militares têm participado de missões de patrulha, guarda e segurança e escolta. A região sob responsabilidade da unidade é conhecida como Delmas e inclui, dentre outras, a área do entorno do aeroporto da capital haitiana. Também abrange a maioria dos IDPs (Internally Displaced Person - expressão que nomeia os locais onde foram instalados acampamentos para as pessoas que perderam suas residências no terremoto) de Porto Príncipe. “Eles são o ponto sensível da nossa área de atuação. Lá nós temos que mostrar a nossa presença, levar segurança para o povo

BINFAE - RF

C

Militares de Infantaria da Força Aérea trabalham nas ruas de Porto Príncipe, no Haiti

do IDP e destacar que a tropa está ao lado deles” ressalta o soldado Claudemir Gomes Durval Júnior. Segundo ele, o simples fato de os militares estarem visíveis nas ruas já inibe condutas delituosas. “Se é necessário abordar alguém, buscamos ser o mais cortês possível, mas mantendo a devida segurança. A nossa força já é a nossa presença e o equipamento que usamos”. Os militares da FAB também já atuaram na região de Cité Soleil em ações de apoio a outra unidade. Dessas missões ficaram recordações que dificilmente serão esquecidas. “Há precariedade no saneamento básico. As ruas, em sua maioria, não têm coleta seletiva, os esgotos estão à céu aberto, a população toma banho em locais impróprios, bebe água imprópria e isso faz com que as doenças se proliferem ainda

mais”, lembra o soldado Diego José Cursino da Mota. Apesar das diferenças culturais, o contato entre os militares e os haitianos tem se mostrado positivo. “É muito gratificante até porque eles reconhecem a nossa farda e lembram da presença do Hospital de Campanha após o terremoto. Quando passamos nas ruas, eles já gritam ‘Força Aérea’. Nós somos heróis para essas crianças e isso é muito gratificante porque já fizemos nosso nome aqui no Haiti”, garante o Cabo João Bosco Fernandes Carlos Júnior. “Encontramos pessoas que realmente abraçaram a Minustah e vêem nela uma atuação muito valiosa, principalmente aqui em Porto Príncipe. Os haitianos têm uma visão muito boa do batalhão brasileiro. Encontramos um garotinho que pedia que levássemos

algo que pudesse ler e ele dizia ‘dá-me um livro em português, meu nome é Eole’. Então essa valorização que eles dão à língua portuguesa para aprender, para se comunicar conosco, nos deixa feliz também”, destaca o Cabo Waldomiro Manoel da Farias. Entre as preocupações da tropa da FAB está a realização de eleições no país, prevista para o dia 20 de março. Visando proporcionar segurança para que a votação transcorra sem alterações, os militares já iniciaram operações de presença denominadas “static point”. Através delas, eles ficam em pontos estratégicos no que se refere ao trânsito de veículos e pessoas e inibem possíveis focos de criminalidade ou desordem. Veja vídeos: http://www. fab.mil.br/portal/capa/index. php?mostra=6814


14

BUSCA E RESGATE

Helicóptero apoia socorro às vítimas de enchentes no sul do país

L

ogo depois de ser incorporado ao Esquadrão Pantera (5º/8º GAV), um dos helicópteros H-60L BlackHawk da Força Aérea Brasileira já foi empregado na primeira missão real em meio a um cenário de calamidade. Os militares realizaram buscas em regiões ainda isoladas depois das enchentes na cidade de São Lourenço do Sul, a cerca de 190 km de Porto Alegre. Sob coordenação da Defesa Civil do Estado, a tripulação também ficou disponível para todo tipo de apoio logístico necessário em decorrência da calamidade. A aeronave tem capacidade para duas toneladas de carga. De acordo com o CapitãoAviador Leonardo Ell, um dos pilotos do helicóptero, a tripulação foi composta também por quatro profissionais de busca e resgate,

além de mecânicos. “Temos capacidade, por exemplo, de fazer resgate por guincho de até duas pessoas por vez”. O militar contou que a equipe é experiente em atuações em enchentes. “Mas mesmo para nós, que estamos acostumados em situações como essa, consideramos o cenário impressionante. Trata-se de um cenário semelhante ao que vimos em enchentes no Nordeste”. O piloto contou em entrevista à Força Aérea FM que viu grande parte da cidade debaixo d´água. “Fomos informados que havia grande quantidade de chamados centralizados pela Defesa Civil e ficamos à disposição para atuar”. Uma missão que, segundo o capitão, é especial para os militares. “É gratificante para nós podermos ajudar brasileiros que estejam em situação de perigo”, disse.

5º/8º GAV

Na 1ª missão com o helicóptero H-60, Esquadrão Pantera presta apoio a área isolada no Rio Grande do Sul

Helicóptero da FAB apoiou a operação de resgate às vítimas de enchentes no Sul

Pelicanos resgatam feridos de lugares de difícil acesso no MS

A

s águas de março e, por consequência, vias interrompidas também deixaram pessoas isoladas de localidades no interior do Mato Grosso do Sul. Em duas ocasiões, o apoio do Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV) ajudou a salvar vidas de feridos que não tinham como chegar a hospitais. Na primeira delas, um homem foi picado por uma jararaca e corria risco de morte. Na segunda, uma mulher teve trauma na coluna. Nas duas situações, o helicóptero H-1H da Força Aérea decolou com equipe médica, resgatou, transportou e encaminhou à assistência devida. As duas histórias tiveram finais felizes. A chegada do helicóptero foi

um alívio em meio à dor indescritível de Gleucio Fernandes, trabalhador do campo, picado por uma cobra jararaca. “Não estava vendo mais nada. Quando ouvi que o helicóptero chegou, foi um grande alívio”, lembrou depois de ter alta hospitalar. Ele foi socorrido com o helicóptero H-1H do Esquadrão Pelicano. Coincidentemente, Gleucio completou alguns dias depois do resgate, 32 anos de idade. Ele não tem dúvidas. “Nasci de novo. Se não fossem os militares, hoje não estaria mais aqui”, disse. Ele não lembra de detalhes do voo. “Estava zonzo demais. Não estava entendendo mais nada”. Entretanto, a esposa, Rosamara, recorda de cada instante. “Nunca tínhamos voado antes na vida. Nem tivemos a oportunidade de agradecer aos militares por terem

salvo o meu marido”. O resgate - A tripulação atravessou o temporal e conseguiu transportá-lo para Campo Grande (MS). “Foi o que salvou a minha vida. O hospital mais próximo fica a 60 km da fazenda e a ponte que leva à cidade estava destruída pela enchente”. Gleucio teve a companhia da esposa e de uma filha durante o socorro. Ele ficou internado hospital em Campo Grande, de onde foi liberado após a melhora. Mas no momento do resgate a situação era preocupante. “Ele tinha sério risco de morte e, quando chegamos à fazenda, o organismo dele estava já comprometido”, lembra o Tenente Médico Mauro Pascale, do Esquadrão Pelicano. O militar explica que a equipe conseguiu estabilizar a vítima durante o voo. “Foram feitos todos os procedimentos para

casos como esse e estávamos preparados até para uma eventual parada cardíaca. O prognóstico realmente não era bom. Ficamos muito felizes em saber que ele está bem depois disso tudo. O tempo é determinante nessas ocasiões”. A rapidez também foi aliada para a saúde de o transporte da dona de casa Lenir Carneiro de Oliveira, de 72 anos, da fazenda Aguada da Onça, na região de Rio Negro, interior de Mato Grosso do Sul. Lenir sofreu uma queda e havia suspeita de fratura na coluna cervical. “Os militares chegaram rapidamente, fui levada para o helicóptero , sendo muito bem atendida”, disse Lenir depois de ter alta. Ela recorda que a fazenda dela estava ilhada devido as fortes chuvas que caíram no Estado. O transporte por terra era impossível.


15

ESPORTE

Jogos Mundiais Militares no RJ terão rally aéreo com caças A-29 dia 17 de julho, durante os Jogos Mundiais Militares, terá o céu movimentado no Rio de Janeiro. Tudo em altíssima velocidade. É a data do rally aéreo em que aeronaves A-29 da Força Aérea Brasileira vão cruzar os céus da cidade em um circuito de aproximadamente 80 quilômetros na zona oeste da cidade, entre o Campo dos Afonsos e a Base Aérea de Santa Cruz. Estima-se a presença de pelo menos 10 países na modalidade. O gerente do pentatlo militar, Coronel-Infante Newton Centurião, explica que o Brasil, como país-sede, disponibiliza as aeronaves e os pilotos. Toda a equipe planeja a navegação e um atleta competidor voa na posição de segundo piloto. O navegador passa todas as instruções em inglês para o comandante da aeronave, a fim de sobrevoar os três pontos no tempo por ele planejado, levandose em consideração as características da aeronave. Vence quem perder menos pontos no cumprimento de sua navegação, em que o competidor terá que passar na vertical dos pontos no tempo planejado. “Temos uma estimativa que o circuito

Sgt Johnson / CECOMSAER

O

Aeronaves A-29 Super Tucano da Força Aérea serão utilizados em prova dos Jogos Mundiais Militares no Rio de Janeiro

deva ser feito numa média de 40 minutos de voo. A expectativa é grande. As organizações militares abrirão seus portões para que o público acompanhe a prova.” O diretor do Prova Aérea (Flying Contest), Major-Aviador Leonardo Mangrich, acrescenta que todos os detalhes são planejados a fim de que o público possa acompanhar a prova ao vivo com telões. Ele explica ainda que a modalidade demonstra a perícia dos pilotos e as técnicas operacionais dos militares da aviação de combate.

OPERACIONAL - Com ajuda da FAB, Polícia Federal apreende avião com 471 kg de drogas A Força Aérea Brasileira ( FAB) participou, em conjunto com a Polícia Federal, de uma operação que resultou na apreensão de uma aeronave que transportava 471 Kg de narcóticos e na prisão de cinco pessoas, em março (16), em Lucélia, no interior de São Paulo. Durante a operação, a aeronave suspeita foi detectada ingressando em território nacional, a partir do território paraguaio. A Força Aérea participou da operação com aeronaves de caça e de controle e alarme em voo.

A aeronave Cessna, modelo 206, matrícula paraguaia ZP-TWT, que usava a matrícula falsa PT-CBY, foi monitorada e acompanhada pelo Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA). Por volta de 13h, a Polícia Federal foi informada sobre iminência do pouso em aeródromo localizado na cidade de Lucélia e adotou as medidas necessárias para averiguação. Durante a ação da polícia foram encontrados 291 quilos de maconha e 180 quilos de pasta base de cocaína.


IMAGENS DA FAB - História

Pilotos do 1º Grupo de Aviação de Caça na Itália (1945)

Notaer - Edição de Abril  
Notaer - Edição de Abril  

O Dia “D” da Força Aérea Brasileira na Segunda Guerra

Advertisement