Page 1


JULHO


Veículo: Valor Econômico Data: 29/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.valor.com.br/financas/3213608/redes-sociais-multiplicam-licoes

Redes sociais multiplicam as lições

Denise Hills, do Itaú Unibanco, que produziu um guia virtual sobre educação financeira: "Foi uma forma interativa de tratar um tema que, no Brasil, é tabu"

As redes sociais são o canal mais adequado para abordar de forma criativa e com uma linguagem simples um tema considerado "espinhoso" como a educação financeira, especialmente quando o público-alvo são os jovens, que em geral pouco sabem sobre organização das finanças, avaliam as empresas, bancos e instituições que estão aproveitando esse espaço virtual para divulgar seus projetos na área. Uma das vantagens das redes sociais é poder atingir um universo grande de pessoas conectadas. Por outro lado, marcar presença em um ambiente interativo estimula o desenvolvimento de trabalhos colaborativos. Foi o que fez, por exemplo, o Itaú Unibanco, que produziu um guia virtual sobre educação financeira, denominado Granabook, a partir de comentários e dúvidas postados por 36 mil universitários. Os posts foram feitos na fan page Itaú Universitário no Facebook, criada em abril de 2011, que conta com 345 mil fãs. A experiência bem-sucedida do guia fez o engajamento dos usuários na página subir quase três vezes acima da média geral das fan pages. "Foi uma forma interativa de tratar um tema que, no Brasil, é tabu", diz Denise Hills, superintendente de sustentabilidade do Itaú Unibanco. Segundo ela, as conversas sobre o uso consciente do dinheiro, como organizar as dívidas, planejar investimentos, elaborar orçamentos e outros assuntos afins tiveram início em agosto do ano passado. Além de orientações para estabelecer uma relação saudável com os recursos financeiros, o Granabook traz dicas sobre como identificar os gastos e onde investir para realizar projetos de curto, médio e longo prazos.


O guia já está disponível no formato de e-book, para download gratuito da internet, a fim de esclarecer as dúvidas do público em geral as quais, segundo Denise, são muitas vezes parecidas com as dos universitários. Além dos jovens, uma das abordagens do banco nas redes sociais é o público infantil. Por isso, entre setembro e outubro está previsto o lançamento de um aplicativo online de educação financeira destinado a esse segmento. Em atividade desde novembro do ano passado, o Instituto Febraban de Educação (Infi), que atua como braço educacional da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), também utiliza as redes sociais para divulgar o programa Meu Bolso em Dia, criado em 2010 que, entre outras ações, organiza caravanas para discutir a educação financeira. Até o momento, já foram organizadas seis edições desse tipo de evento. Um anúncio sobre a realização do evento em Teresina (PI), no ano passado, não apenas atraiu um grande público, como também fez aumentar o número de acessos ao Meu Bolso em Dia. "O porcentual de acessos da cidade ao programa, que era de 0,3% passou a ser de 7% do total", conta Fábio Moraes, diretor de educação financeira do Infi. Segundo ele, o Meu Bolso em Dia tem uma comunidade de aproximadamente 600 mil curtidores no Facebook. A DSOP Educação Financeira acumula quase 68 mil curtidores na página que abriu há um ano e meio no Facebook com o objetivo de promover ações pontuais, como cursos e palestras de seus diretores e franqueados. Mas a meta, bastante ambiciosa, é chegar ao número de 1 milhão de fãs até o final de 2013. Para dar visibilidade ao seu perfil no Facebook, a DSOP lançou mão de posts curtos, com muitos vídeos e imagens chamativas, sobre os cursos, palestras e eventos próprios ou dos quais participa. "Além disso, gravamos vídeos com duração de dois a três minutos, que trazem dicas sobre como as pessoas podem ter uma boa saúde financeira", revela Fabiana Matos, gerente de mídias digitais da empresa. Uma ação explorada com êxito é o chamado post promovido, que consiste, muitas vezes, em uma promoção. A pessoa presente a uma palestra ganha um bônus, como um livro ou a inscrição em algum curso da DSOP. Por conta dessas ações, aumentou bastante procura por cursos de educação financeira. A empresa, que no início do ano promovia um curso por mês, em média, passou a contar com duas ou três turmas.


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 29/07/2013 Editoria: Mercado Site: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/121227-cliente-deve-procurar-o-cartao-decredito-mais-adequado-a-seu-perfil.shtml

Cliente deve procurar o cartão de crédito mais adequado a seu perfil Programas de benefícios, como milhagem aérea, só valem a pena se usados com frequência Cartão nacional tem anuidade mais barata; limite de crédito não deve ultrapassar 50% da renda mensal DE SÃO PAULO

O taxista Ronaldo de Barros, 44, diz ter dificuldades para resistir a um cartão de crédito com anuidade zero. O carioca tem 13 cartões, embora só carregue três no bolso, "graças à vigilância da mulher" --detentora de outros 14 cartões. Somados todos os limites de crédito, ele tem a seu dispor R$ 22.100, mais de quatro vezes sua renda mensal, de R$ 5.000. Endividado, Ronaldo reconhece que sua situação "não serve de exemplo para ninguém" e diz estar tentando mudar seus hábitos, anotando todos os gastos que faz com os cartões. Esse é o primeiro passo para fazer um uso mais racional do cartão, afirmam especialistas. E igualmente importante é restringir a no máximo 50% da renda mensal a soma dos limites dos cartões. "Muitos usam o cartão para complementar a renda. Isso vem derrubando muitas famílias", diz Reinaldo Domingos, educador financeiro. Antes de contratar um cartão de crédito, pesquise opções adequadas ao seu perfil, recomenda o especialista.


"Se o consumidor viaja muito de avião, um programa de milhagem do cartão de crédito é um benefício útil", afirma Domingos, ressaltando, porém, que não se deve forçar fazer compras só para ganhar milhas. "Às vezes, sai mais barato comprar uma passagem com dinheiro do bolso do que exagerar nos gastos no cartão só para acumular pontos." Se o consumidor não tiver o costume de viajar ou fazer compras no exterior, deve optar pelo cartão nacional, que tem anuidade mais barata, afirma Domingos. TARIFAS O cliente também deve estudar com cuidado as tarifas antes de contratar um cartão, afirma o educador financeiro Mauro Calil. O consultor recomenda escolher um que não cobre anuidade. "Se não for possível, barganhe para reduzir o valor da tarifa. O banco costuma dar desconto ou zerar o encargo para manter o cliente." Outra recomendação de Calil é evitar pagar o valor mínimo da fatura. Se o consumidor perceber que não vai conseguir pagar a conta toda, deve contratar um empréstimo pessoal, que tem juros menores que os do cartão, para quitar o débito, afirma o especialista. Para ter maior controle da conta, o dono do cartão não deve emprestar o meio de pagamento para outras pessoas, nem mesmo parentes. Em caso de não pagamento, o titular é o responsável pela dívida e pode ter o nome incluído em cadastros de inadimplentes e sofrer restrição à tomada de novos créditos. Os especialistas recomendam ainda ter, no máximo, dois cartões, de bandeiras distintas, para aproveitar as promoções e os descontos oferecidos em cada uma.


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 29/07/2013 Editoria: Mercado Site: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/121224-divida-no-cartao-custa-ate-654-aoano.shtml

Dívida no cartão custa até 654% ao ano Taxa de anuidade varia de zero a R$ 216, aponta pesquisa com os 20 cartões mais usados no país Perfil do cliente e o risco de calote que ele representa definem custo do rotativo, afirmam especialistas DANIELLE BRANTDE SÃO PAULO

O custo total do crédito rotativo do cartão varia até 600%, conforme o produto e a instituição financeira. Levantamento da Proteste, associação de defesa do consumidor, com os 20 cartões de crédito mais usados no país mostra que a taxa vai de 93% a 654% ao ano. Esse custo do rotativo inclui juros, seguros e outras cobranças, como confecção de cadastro para início de relacionamento e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). O estudo, obtido com exclusividade pela Folha, aponta ainda que a anuidade do cartão também varia muito: de zero a R$ 216 por ano. Além disso, alguns cartões que oferecem anuidade zero no primeiro ano cobram até o dobro dos concorrentes no segundo ano. Os valores, tanto do juro do rotativo quanto da anuidade, mudam conforme o perfil do cartão e a instituição. Cobram juros mais elevados os cartões cujos clientes oferecem mais risco de calote na avaliação do banco, afirmam especialistas.


"É o que costuma ocorrer com produtos de financeiras, que oferecem crédito com critérios mais flexíveis a consumidores com menor poder aquisitivo", diz Álvaro Modernell, consultor financeiro. FINANCEIRAS O levantamento da Proteste confirma a tese: apresentam os maiores custos do rotativo os cartões de financeiras, como Hipercard (que pertence ao Itaú Unibanco), com 654,02% ao ano, Ibicard (Bradesco), com 620,28% ao ano, e Losango (HSBC), com 556,66% ao ano. "Já quando o banco lida com um cliente de maior renda, oferece taxas mais baixas", afirma Modernell. Os menores custos são de Caixa Turismo Internacional (da Caixa), com 93,39% ao ano, Ourocard (Banco do Brasil), 94,49% ao ano, e Itaucard 2.0 Nacional e Internacional (Itaú Unibanco), com 100,99% ao ano. Já em relação à anuidade, a lógica é oposta: o custo é maior para clientes de renda mais alta. FAÇA AS CONTAS Os valores cobrados estão relacionados a programas de benefícios oferecidos pelos produtos, como milhagem aérea e descontos em cinemas e restaurantes. "Antes de contratar um cartão desse tipo, porém, é preciso fazer as contas para saber se os tais benefícios oferecidos realmente valem a pena", disse Reinaldo Domingos, educador financeiro. Segundo o estudo da Proteste, as maiores anuidades são cobradas nos cartões Reward (Santander), de R$ 216 no ano, Itaucard Internacional (Itaú Unibanco), R$ 156 no ano, e Banco Votorantim Internacional (BV Financeira), R$ 138 no ano. O HSBC Open Card, o Hipercard e o Santander Free isentam o cliente de pagar a anuidade no primeiro ano --neste último, é preciso usar o cartão todos os meses para obter a isenção. Quanto ao aumento da anuidade de um mesmo cartão de um ano para outro, Modernell afirma que o movimento faz parte da estratégia de captação de clientes. Ou seja, o banco oferece uma valor inicial menor, que sobe com o tempo. "É bem mais caro para a instituição trazer um cliente novo, por custos com telemarketing, por exemplo, do que manter um antigo", diz.


Outro problema apontado pela Proteste é a cobrança indevida de tarifas dos cartões. Renata Pedro, técnica da associação, afirma que o BC só permite a cobrança de cinco taxas: segunda via do cartão, saque, pagamento de contas, avaliação emergencial de crédito e anuidade. De acordo com a Proteste, porém, algumas instituições cobram, por exemplo, por mensagens automáticas sobre movimentação da conta e segunda via de comprovantes e documentos. A associação cita Banrisul, Banco Votorantim, Caixa Econômica, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco. Os bancos dizem que as tarifas são autorizadas pelo BC. "É preciso ficar atento a todos os custos discriminados na fatura, para não ser surpreendido depois", diz Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste.


Veículo: Folha do MS Data: 29/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.folhadoms.com.br/?p=noticias_ver&id=27411

Dívida no cartão custa até 654% ao ano O custo total do crédito rotativo do cartão varia até 600%, conforme o produto e a instituição financeira. Levantamento da Proteste, associação de defesa do consumidor, com os 20 cartões de crédito mais usados no país mostra que a taxa vai de 93% a 654% ao ano. Esse custo do rotativo inclui juros, seguros e outras cobranças, como confecção de cadastro para início de relacionamento e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). O estudo, obtido com exclusividade pela Folha, aponta ainda que a anuidade do cartão também varia muito: de zero a R$ 216 por ano. Além disso, alguns cartões que oferecem anuidade zero no primeiro ano cobram até o dobro dos concorrentes no segundo ano. Os valores, tanto do juro do rotativo quanto da anuidade, mudam conforme o perfil do cartão e a instituição. Cobram juros mais elevados os cartões cujos clientes oferecem mais risco de calote na avaliação do banco, afirmam especialistas. "É o que costuma ocorrer com produtos de financeiras, que oferecem crédito com critérios mais flexíveis a consumidores com menor poder aquisitivo", diz Álvaro Modernell, consultor financeiro. O levantamento da Proteste confirma a tese: apresentam os maiores custos do rotativo os cartões de financeiras, como Hipercard (que pertence ao Itaú Unibanco), com 654,02% ao ano, Ibicard (Bradesco), com 620,28% ao ano, e Losango (HSBC), com 556,66% ao ano.


RENDA MAIOR

"Já quando o banco lida com um cliente de maior renda, oferece taxas mais baixas", afirma Modernell. Os menores custos são de Caixa Turismo Internacional (da Caixa), com 93,39% ao ano, Ourocard (Banco do Brasil), 94,49% ao ano, e Itaucard 2.0 Nacional e Internacional (Itaú Unibanco), com 100,99% ao ano. Já em relação à anuidade, a lógica é oposta: o custo é maior para clientes de renda mais alta. Os valores cobrados estão relacionados a programas de benefícios oferecidos pelos produtos, como milhagem aérea e descontos em cinemas e restaurantes. "Antes de contratar um cartão desse tipo, porém, é preciso fazer as contas para saber se os tais benefícios oferecidos realmente valem a pena", disse Reinaldo Domingos, educador financeiro. Segundo o estudo da Proteste, as maiores anuidades são cobradas nos cartões Reward (Santander), de R$ 216 no ano, Itaucard Internacional (Itaú Unibanco), R$ 156 no ano, e Banco Votorantim Internacional (BV Financeira), R$ 138 no ano. O HSBC Open Card, o Hipercard e o Santander Free isentam o cliente de pagar a anuidade no primeiro ano --neste último, é preciso usar o cartão todos os meses para obter a isenção. Quanto ao aumento da anuidade de um mesmo cartão de um ano para outro, Modernell afirma que o movimento faz parte da estratégia de captação de clientes. Ou seja, o banco oferece um valor inicial menor, que sobe com o tempo. "É bem mais caro para a instituição trazer um cliente novo, por custos com telemarketing, por exemplo, do que manter um antigo", diz.

TARIFAS INDEVIDAS


Outro problema apontado pela Proteste é a cobrança indevida de tarifas dos cartões. Renata Pedro, técnica da associação, afirma que o BC só permite a cobrança de cinco taxas: segunda via do cartão, saque, pagamento de contas, avaliação emergencial de crédito e anuidade.

De acordo com a Proteste, porém, algumas instituições cobram, por exemplo, por mensagens automáticas sobre movimentação da conta e segunda via de comprovantes e documentos. A associação cita Banrisul, Banco Votorantim, Caixa Econômica, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco. "É preciso ficar atento a todos os custos discriminados na fatura, para não ser surpreendido depois", diz Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste.


Veículo: S.O.S Consumidor Data: 29/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.endividado.com.br/noticia_ler-36263,divida-no-cartao-custa-ate-654-aoano.html

Dívida no cartão custa até 654% ao ano

O custo total do crédito rotativo do cartão varia até 600%, conforme o produto e a instituição financeira.

Levantamento da Proteste, associação de defesa do consumidor, com os 20 cartões de crédito mais

usados

no

país

mostra

que

a

taxa

vai

de

93%

a

654%

ao

ano.

Esse custo do rotativo inclui juros, seguros e outras cobranças, como confecção de cadastro para

início

de

relacionamento

e

IOF

(Imposto

sobre

Operações

Financeiras).

O estudo, obtido com exclusividade pela Folha, aponta ainda que a anuidade do cartão também

varia

muito:

de

zero

a

R$

216

por

ano.

Além disso, alguns cartões que oferecem anuidade zero no primeiro ano cobram até o dobro dos

concorrentes

no

segundo

ano.

Os valores, tanto do juro do rotativo quanto da anuidade, mudam conforme o perfil do cartão e a instituição. Cobram juros mais elevados os cartões cujos clientes oferecem mais risco de calote

na

avaliação

do

banco,

afirmam

especialistas.

"É o que costuma ocorrer com produtos de financeiras, que oferecem crédito com critérios mais flexíveis a consumidores com menor poder aquisitivo", diz Álvaro Modernell, consultor financeiro.

O levantamento da Proteste confirma a tese: apresentam os maiores custos do rotativo os cartões de financeiras, como Hipercard (que pertence ao Itaú Unibanco), com 654,02% ao ano, Ibicard (Bradesco), com 620,28% ao ano, e Losango (HSBC), com 556,66% ao ano.


Editoria de Arte/Folhapress

RENDA

MAIOR

"Jรก quando o banco lida com um cliente de maior renda, oferece taxas mais baixas", afirma Modernell.


Os menores custos são de Caixa Turismo Internacional (da Caixa), com 93,39% ao ano, Ourocard (Banco do Brasil), 94,49% ao ano, e Itaucard 2.0 Nacional e Internacional (Itaú Unibanco),

com

100,99%

ao

ano.

Já em relação à anuidade, a lógica é oposta: o custo é maior para clientes de renda mais alta.

Os valores cobrados estão relacionados a programas de benefícios oferecidos pelos produtos, como

milhagem

aérea

e

descontos

em

cinemas

e

restaurantes.

"Antes de contratar um cartão desse tipo, porém, é preciso fazer as contas para saber se os tais benefícios oferecidos realmente valem a pena", disse Reinaldo Domingos, educador financeiro.

Segundo o estudo da Proteste, as maiores anuidades são cobradas nos cartões Reward (Santander), de R$ 216 no ano, Itaucard Internacional (Itaú Unibanco), R$ 156 no ano, e Banco Votorantim

Internacional

(BV

Financeira),

R$

138

no

ano.

O HSBC Open Card, o Hipercard e o Santander Free isentam o cliente de pagar a anuidade no primeiro ano --neste último, é preciso usar o cartão todos os meses para obter a isenção.

Quanto ao aumento da anuidade de um mesmo cartão de um ano para outro, Modernell afirma que o movimento faz parte da estratégia de captação de clientes. Ou seja, o banco oferece um valor

inicial

menor,

que

sobe

com

o

tempo.

"É bem mais caro para a instituição trazer um cliente novo, por custos com telemarketing, por exemplo,

TARIFAS

do

que

manter

um

antigo",

diz.

INDEVIDAS

Outro problema apontado pela Proteste é a cobrança indevida de tarifas dos cartões.

Renata Pedro, técnica da associação, afirma que o BC só permite a cobrança de cinco taxas: segunda via do cartão, saque, pagamento de contas, avaliação emergencial de crédito e anuidade.

De acordo com a Proteste, porém, algumas instituições cobram, por exemplo, por mensagens


automáticas sobre movimentação da conta e segunda via de comprovantes e documentos. A associação cita Banrisul, Banco Votorantim, Caixa Econômica, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco.

"É preciso ficar atento a todos os custos discriminados na fatura, para não ser surpreendido depois", diz Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste.


Veículo: G1 Data: 28/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://m.g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2013/07/encontro-de-educadores-teminicio-nesta-segunda-feira-em-sao-vicente.html?hash=3

Encontro de Educadores tem inicio nesta segunda-feira em São Vicente Evento contará com palestras, vídeos e dinâmicas. Ainda haverá programação especial na quarta-feira O II Encontro de Educadores tem início nesta segunda-feira (29), em São Vicente , no litoral de São Paulo. O evento contará com presença de mais de dois mil e trezentos docentes do município e será realizado no Centro de Convenções da Mata Atlântica. No local, educadores poderão conferir palestras, dinâmicas e vídeos. O encontro segue até quarta-feira, quando haverá uma programação especial. Todos os diretores, assistentes de direção e coordenadores pedagógicos das unidades escolares, Centros de Conveniência e Formação (CECOF´s) e creches estão convidados a ir ao Cine Roxy, que fica no shopping Brisamar, para assistir ao filme “Machuca”. O longa-metragem, premiado nos festivais de Cannes, Vancouver, Portland e Philadelphia, se passa em 1973, quando o Chile vive uma situação conturbada, em pleno governo de Salvador Allende. A trama se desenvolve entre um garoto de classe média-alta que estuda no colégio mais conceituado de Santiago, e Pedro Machuca, um garoto pobre que entra na escola após o governo Allende aplicar uma política para que alunos com menos condições financeiras estudem na unidade. O Centro de Convenções da Mata Atlântica fica na Avenida Capitão Luiz Pimenta, 811, no bairro Vila Margarida. Já o shopping Brisamar se localiza na Rua Frei Gaspar, 365, no Centro. A sessão será das 9h30 às 12h30. Acompanhe a programação dos outros dias: Dia 29/07 Manhã: 8h: Abertura com a secretária de Educação, Creuza Calçada e o vice prefeito, João da Silva; 8h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e prof. Luis Vicente Ferreira 10h: Café da manhã


10h30: Palestra com o tema: Educação Financeira, com a consultora, Ana Rosa Vilches 11h30: Encerramento Tarde: 13h: Abertura do com a secretária de Educação e vice prefeito 13h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e prof. Luis Vicente Ferreira 15h: Café da tarde 15h30: Palestra com o tema: Educação Financeira, com a consultora, Ana Rosa Vilches 16h30: Encerramento Dia 30/07: Manhã: 8h: Abertura com a secretária de Educação e vice prefeito 8h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e prof. Luis Vicente Ferreira 10h: Café da manhã 10h30: Palestra sobre Educação Financeira, com o consultor, Edward Claudio Junior 11h30: Encerramento Tarde: 13h: Abertura com a secretária de Educação e vice prefeito 13h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e prof. Luis Vicente Ferreira 15h: Café da tarde 15h30: Palestra sobre Educação Financeira, com o consultor, Edward Claudio Junio r 16h30: Encerramento


Veículo: Diário do Grande ABC Data: 28/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.dgabc.com.br/Noticia/471754/reduza-despesas-com-

pequenas-acoes?referencia=ultimas-editoria

Reduza despesas com pequenas ações cotidianas

Reduzir as despesas familiares, especialmente em tempos de inflação alta, é um dos principais desafios dos brasileiros. Especialistas garantem que entre 20% e 30% do orçamento familiar pode ser diminuído com ações simples. O educador financeiro e escritor de livros como Terapia Financeira e Livre-se das Dívidas, Reinaldo Domingos, destaca que até 30% das despesas são com gastos supérfluos. “Esse número corresponde, na maioria das vezes, ao excesso nas despesas essenciais – como água, luz, e telefone – e também em algumas compras – como mais um sapato, mais um eletrônico – só para melhorar o ego.” Na hora de decidir sobre a compra de algum produto, é necessário refletir sobre a importância dele. “Isso agrega o quê de valor para mim? Preciso disso?”, questionou. “Em relação à renda, é bom se perguntar: se você não recebesse mais o seu ganho mensal, por quanto tempo você conseguiria manter o seu padrão de vida?” Para o educador financeiro e um dos fundadores da Academia do Dinheiro, Mauro Calil, sempre tem onde economizar. “Aquele cafezinho e o pão de queijo da faculdade, você pode tomar em casa. Pode ser também a cervejinha a mais, ou o sapato que compra para ir a um casamento e nunca mais usa. Todo mundo sabe onde salvar o dinheiro.”


O economista e autor do livro Tranquilidade Financeira, Humberto Veiga, também acredita que há a possibilidade de economizar com pequenas ações, desde usar lâmpadas de baixo consumo a não deixar equipamentos elétricos ligados por muito tempo. “Verifique a resistência adequada para o seu chuveiro elétrico e cuidado com a quantidade de lâmpadas. Muitas vezes os interruptores são próximos e tendemos a acendê-los todos de uma vez.”

SITUAÇÕES FINANCEIRAS - Especialistas explicam que a população está dividida em três situações financeiras. Há quem esteja na de investidor – aquele que não tem dívidas ou possui poucas e tem dinheiro reservado para presentes em datas comemorativas ou emergências. Mas, essa é a realidade de um pequeno grupo. “É um modelo que todos deveriam seguir, porém não chega a 5% da população”, contabilizou Domingos. A outra situação é a de equilíbrio financeiro – aquele que gasta tudo o que ganha e não fica com nada no fim do mês para investir. E por último está o endividado, que pode ser considerado controlado ou não, dependendo do volume das dívidas e inadimplência. Para não cair nessa armadilha, a principal recomendação é tomar cuidado para não comprar mais do que a renda familiar permite. “É muito importante que a pessoa perceba se está gastando mais que o seu padrão de vida. Como usar linhas de créditos e não honrar o pagamento. A grande dificuldade é entender que educação financeira não se trata de planilhas e cálculos, mas de costumes e hábitos.” Mesmo para aqueles que estejam nesta situação não há motivo para desespero. É possível encontrar uma solução. Entre a mais eficaz está a chamada “faxina financeira”, que é a anotação de todos os gastos para saber para onde vai cada centavo. É necessário que isso seja feito durante um mês. Segundo Calil, é importante que, além das despesas, os débitos também sejam colocados em outra planilha. “Liste as dívidas que tem, quanto deve para quem, prazo e juros. Quando começar a negociação dê preferência por começar pelas mais caras e depois as mais baratas.” Veiga indica o orçamento como principal ferramenta contra o endividamento. “Orçamento é uma palavra chique para uma listagem dos seus gastos mensais e da sua renda. É o ponto de partida para colocar sua vida nos eixos”, ensinou. Após a análise de onde é possível cortar despesa, o próximo passo é conversar com toda a família e estabelecer a economia nessas contas e também metas para o futuro. Depois vem o replanejamento financeiro, com a negociação e pagamento das dívidas. Feito isso,


ação importante é poupar o dinheiro pensando em despesas futuras, como compra de casa, carro ou aposentadoria. Para aumentar o patrimônio, depois que a situação for resolvida, é necessário continuar economizando. “Viva com 70% da sua renda e guarde 30%. Readeque a sua vida para viver com essa quantia, porque assim você consegue construir um patrimônio muito rápido, entre dez a 15 anos”, declarou Calil.


Veículo: EcoFinanças Data: 28/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.ecofinancas.com/noticias/reduza-despesas-pequenas-acoes

Reduza despesas com pequenas ações Reduzir as despesas familiares, especialmente em tempos de inflação alta, é um dos principais desafios dos brasileiros. Especialistas garantem que entre 20% e 30% do orçamento familiar pode ser diminuído com ações simples. O educador financeiro e escritor de livros como Terapia Financeira e Livre-se das Dívidas, Reinaldo Domingos, destaca que até 30% das despesas são com gastos supérfluos. "Esse número corresponde, na maioria das vezes, ao excesso nas despesas essenciais -como água, luz, e telefone -e também em algumas compras -como mais um sapato, mais um eletrônico -só para melhorar o ego." Na hora de decidir sobre a compra de algum produto, é necessário refletir sobre a importância dele. "Isso agrega o quê de valor para mim? Preciso disso?", questionou. "Em relação à renda, é bom se perguntar: se você não recebesse mais o seu ganho mensal, por quanto tempo você conseguiria manter o seu padrão de vida?" Para o educador financeiro e um dos fundadores da Academia do Dinheiro , Mauro Calil, sempre tem onde economizar. "Aquele cafezinho e o pão de queijo da faculdade, você pode tomar em casa. Pode ser também a cervejinha a mais, ou o sapato que compra para ir a um casamento e nunca mais usa. Todo mundo sabe onde salvar o dinheiro ." O economista e autor do livro Tranquilidade Financeira, Humberto Veiga, também acredita que há a possibilidade de economizar com pequenas ações , desde usar lâmpadas de baixo consumo a não deixar equipamentos elétricos ligados por muito tempo. "Verifique a resistência adequada para o seu chuveiro elétrico e cuidado com a quantidade de lâmpadas. Muitas vezes os interruptores são próximos e tendemos a acendê-los todos de uma vez."

SITUAÇÕES FINANCEIRAS - Especialistas explicam que a população está dividida em três situações financeiras. Há quem esteja na de investidor -aquele que não tem dívidas ou possui poucas e tem dinheiro reservado para presentes em datas comemorativas ou emergências. Mas, essa é a realidade de um pequeno grupo. "É um modelo que todos deveriam seguir, porém não chega a 5% da população", contabilizou Domingos. A outra situação é a de equilíbrio financeiro -aquele que gasta tudo o que ganha e não fica com nada no fim do mês para investir. E por último está o endividado, que pode ser considerado controlado ou não, dependendo do volume das dívidas e inadimplência.


Para não cair nessa armadilha, a principal recomendação é tomar cuidado para não comprar mais do que a renda familiar permite. "É muito importante que a pessoa perceba se está gastando mais que o seu padrão de vida. Como usar linhas de créditos e não honrar o pagamento. A grande dificuldade é entender que educação financeira não se trata de planilhas e cálculos, mas de costumes e hábitos." Mesmo para aqueles que estejam nesta situação não há motivo para desespero. É possível encontrar uma solução. Entre a mais eficaz está a chamada "faxina financeira", que é a anotação de todos os gastos para saber para onde vai cada centavo. É necessário que isso seja feito durante um mês. Segundo Calil, é importante que, além das despesas, os débitos também sejam colocados em outra planilha. "Liste as dívidas que tem, quanto deve para quem, prazo e juros . Quando começar a negociação dê preferência por começar pelas mais caras e depois as mais baratas." Veiga indica o orçamento como principal ferramenta contra o endividamento. "Orçamento é uma palavra chique para uma listagem dos seus gastos mensais e da sua renda. É o ponto de partida para colocar sua vida nos eixos", ensinou. Após a análise de onde é possível cortar despesa, o próximo passo é conversar com toda a família e estabelecer a economia nessas contas e também metas para o futuro. Depois vem o replanejamento financeiro , com a negociação e pagamento das dívidas. Feito isso, ação importante é poupar o dinheiro pensando em despesas futuras, como compra de casa, carro ou aposentadoria. Para aumentar o patrimônio, depois que a situação for resolvida, é necessário continuar economizando. "Viva com 70% da sua renda e guarde 30%. Readeque a sua vida para viver com essa quantia, porque assim você consegue construir um patrimônio muito rápido, entre dez a 15 anos", declarou Calil.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 27/07/2013 Editoria: Economia Site: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1296883

Saiba se vale a pena pedir a antecipação do 13º salário Com taxas de juros a partir de 1,99% ao mês, instituições financeiras já disponibilizam o serviço para brasileiros Depois do Imposto de Renda, agora chegou a vez do Décimo Terceiro Salário. A linha de crédito que antecipa o benefício aos clientes, mediante a cobrança de juros, já está disponível nas instituições financeiras de todo o País. As taxas variam, conforme o banco, a partir de 1,99% ao mês. Mas será que compensa pagar juros para ter acesso a esse dinheiro antes do tempo? A liberação do benefício é rápida e o dinheiro é creditado na conta do contratante FOTO: JOSÉ LEOMAR Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira e da Editora DSOP, tudo depende do motivo da antecipação. "Antes de fazer essa escolha, a pessoa deve se perguntar se é realmente necessário antecipar o 13º salário. O que justificaria pagar juros até dezembro? Em que esse dinheiro, que estou tomando de empréstimo agora, vai melhorar a minha vida?". Segundo ele, tudo é uma questão do custo benefício. "Caso o dinheiro for aplicado na aquisição de um bem, com descontos melhores nesse momento, e se compensar o valor a ser pago de juros, então pode valer a pena. Se estou endividado no cheque especial ou pagando a parcela mínima no cartão de crédito, também pode ser compensador. É avaliar primeiro tecnicamente, analisando as taxas", aconselha o especialista. Reinaldo Domingos lembra, porém, que em alguns casos o ganho financeiro pode ser apenas numérico. "Se a pessoa terá sua vida resolvida (com a antecipação do 13º), o


empréstimo é válido. Mas é preciso ter certeza que esse desequilíbrio financeiro não ocorrerá novamente", alerta. Então a regra é: se resolver a causa do problema, vale antecipar, mas se corrigir só a consequência, não compensa. Conforme o educador financeiro, se a pessoa costuma gastar mais do que ganha, não adianta tomar empréstimo para tentar solucionar temporariamente a dívida, pois, provavelmente, em menos de dois meses estará novamente endividado. "A solução é retomar o equilíbrio das finanças, controlar o que entra e o que sai", aconselha. Segundo Domingos, no caso de valer à pena optar pela antecipação, o próximo passo é pesquisar nas instituições as taxas cobradas e as condições do empréstimo. Opções No Santander, a antecipação de 13º Salário é exclusiva para clientes que recebem seu salário pelo banco. A contratação pode ser de até 100% do valor do décimo, com pagamento em parcela única, na data em que a empresa fizer o depósito do seu benefício, limitada a 20 de dezembro do ano corrente (de cinco a 325 dias de prazo). A liberação é rápida e o dinheiro é creditado diretamente na conta corrente do contratante. A taxa de juros cobrada é a partir de 1,99% ao mês (a.m.), sendo que o valor mínimo a ser antecipado é de R$ 100,00. O Itaú oferece, na linha de antecipação do 13º Salário, empréstimos até R$ 5 mil. O financiamento dispõe de taxas a partir de 2,13% ao mês - mais atrativas do que as praticadas em linhas tradicionais de crédito. O empréstimo pode ser contratado até o mês de outubro, sendo requisito que o cliente tenha recebido crédito salário há mais de seis meses com o banco no momento da contratação. A linha pode ser contratada pela internet (http://www.itau.com.br/), nos caixas eletrônicos distribuídos pelo País e na rede de agências e PABs do Itaú. A quitação deve ser feita em parcela única, em 20 de dezembro, data em que as empresas finalizam o pagamento. Aposentados e pensionistas Além dos clientes que recebem salário creditado na instituição, o Banco do Brasil(BB) disponibiliza a linha de crédito que antecipa o 13º salário também a clientes que recebem aposentadoria ou pensão através do BB. Os juros são a partir de 2,59% ao mês e os clientes podem tomar até 80% do valor do 13º salário. A operação é disponível de forma ininterrupta e o crédito, cujo limite varia entre R$ 100,00 e R$ 5.000,00, é liberado no ato da solicitação, podendo ser efetivado nos terminais de


autoatendimento, internet, central de atendimento do BB ou através da agência de relacionamento do cliente. Só no primeiro semestre de 2013, foram contratados no Ceará R$ 34,4 milhões, correspondendo a 43.576 operações - valor é equivalente ao desembolsado no mesmo período de 2012. Com taxas a partir 3,09% ao mês, o Bradesco antecipa até 80% do valor do 13º salário para clientes que recebem salário pelo banco e até 50% do valor da segunda parcela do décimo para aposentados e pensionistas que recebem o benefício por meio da instituição. No primeiro caso (80%), o financiamento referente a 40% da primeira parcela deve ser pago até 30 de novembro de 2013, enquanto o valor relativo aos 40% da segunda parcela deve ser pago até 20 de dezembro de 2013. Para beneficiários de pensão ou aposentadoria, o vencimento será na data do recebimento do benefício. Essas condições são válidas até 7 de novembro. Os aposentados que recebem até um salário mínimo podem solicitar a antecipação até o dia 22 do referido mês. Pré-fixados Na Caixa os juros são pré-fixados, conforme taxa em vigor na data da contratação, e cobrados com o principal na liquidação do contrato. Já o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é cobrado no ato da contratação, de acordo com a legislação em vigor. O banco antecipa de R$ 500 a R$ 20 mil. O valor será calculado sobre a parcela líquida do 13º salário ou pela capacidade de pagamento definida para o contratante. A opção escolhida será a de menor valor. Toda concessão de crédito na CAIXA é precedida de avaliação cadastral. Já o pagamento é realizado de uma única vez na data do recebimento do 13º salário. Além de aposentados e pensionistas permanentes do INSS, que recebe o benefício em conta na Caixa, a linha de crédito pode ser acessada por todos que possuem conta-salário na instituição, desde que estejam empregados há no mínimo 12 meses.


Veículo: Prefeitura Municipal de São Vicente Data: 26/07/2013 Editoria: Crédito Site: http://www.saovicente.sp.gov.br/noticias/visualizarnoticia.asp?ID=4235

SEDUC de SV promove II Encontro de Educadores Serão ministradas palestras de caráter inovador e motivacional, dinâmicas e vídeos, além de programação especial no dia 31 A Secretaria de Educação de São Vicente promove, entre os dias 29 e 31, o II Encontro de Educadores para mais de 2.300 docentes da Cidade, no Centro de Convenções da Costa da Mata Atlântica (Avenida Capitão Luiz Pimenta, 811 Vila Margarida - São Vicente), com palestras de caráter inovador e motivacional, dinâmicas e vídeos, e ainda entretenimento especial no dia 31, quando todos os diretores, assistentes de direção e coordenadores pedagógicos das unidades escolares, Centros de Conveniência e Formação (CECOF´s) e creches estão convidados a ir ao Cine Roxy para assistir ao filme “Machuca” – longa premiado nos festivais de Cannes, Vancouver, Portland e Philadelphia, no qual a história se passa em 1973, quando o Chile vive uma situação conturbada, em pleno governo de Salvador Allende. Há passeatas em defesa do seu governo, em defesa do socialismo, e outras, organizadas pela direita nacionalista que quer retomar o poder. A trama se desenvolve entre um garoto de classe média-alta que estuda no Colégio Saint Patrick, o mais conceituado da capital, Santiago. O padre McEnroe, diretor do colégio, pelo governo Allende, aplica uma política para que alunos pobres estudem no Saint Patrick. Um deles é Pedro Machuca. A partir de uma briga na escola, surge uma amizade entre os dois garotos. As aproximações e distanciamentos que ocorrem a partir da diferença de classe dos meninos são a chave da trama. A sessão é das 9h30 às 12h30 Cine Roxy, no Brisamar Shopping. Acompanhe a programação dos outros dias: Dia 29/07 Manhã: 8h: Abertura com a secretária de Educação, Creuza Calçada e o vice – prefeito, João da Silva; 8h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e profº Luis Vicente Ferreira 10h: Café da manhã 10h30: Palestra com o tema: Educação Financeira, com a consultora, Ana Rosa Vilches 11h30 Encerramento Tarde: 13h: Abertura do com a secretária de Educação e vice – prefeito 13h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e profº Luis Vicente Ferreira 15h: Café da tarde 15h30: Palestra com o tema: Educação Financeira, com a consultora, Ana Rosa Vilches 16h30: Encerramento Dia 30/07: Manhã 8h: Abertura com a secretária de Educação e vice - prefeito 8h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e profº Luis Vicente Ferreira 10h: Café da manhã 10h30: Palestra sobre Educação Financeira, com o consultor, Edward Claudio Junior 11h30: Encerramento


Tarde 13h: Abertura com a secretária de Educação e vice - prefeito 13h30: Palestra Motivacional com o Doutor, Mestre e profº Luis Vicente Ferreira 15h: Café da tarde 15h30: Palestra sobre Educação Financeira, com o consultor, Edward Claudio Junior 16h30: Encerramento


Veículo: Executiva Data: 26/07/2013 Editoria: Crédito Site: http://www.executivarecuperacao.com.br/noticias/compras-de-titulos-disparam-mesmocom-juro-menor/

Compras de títulos disparam mesmo com juro menor Os diversos segmentos de investidores aproveitaram as taxas atrativas do Tesouro Nacional no mês de junho e aumentaram significativamente as compras de títulos públicos federais. Ao mesmo tempo, a rentabilidade geral marcada no mercado nos últimos doze meses ficou em apenas 5,4%, segundo dados do relatório mensal da dívida pública do governo. “Há doze meses o preço dos títulos públicos estava mais alto e a rentabilidade prometida era menor. Agora em junho, o valor dos papéis ficou menor e o juro proposto está melhor. Todos foram às compras, bancos, assets [gestoras], seguradoras e pessoas físicas de private banking [milionários], e os estrangeiros, esses últimos por causa da retirada do IOF [imposto sobre operações financeiras]“, argumentou o gerente de renda fixa da corretora Um Investimentos, André Mallet. De fato, a compra de títulos públicos pela internet pelo programa Tesouro Direto cresceu 91,5% no último mês, de R$ 189,3 milhões em maio para R$ 362,6 milhões em junho e aplicação ganhou 3.873 novos investidores. Segundo o Tesouro Nacional, a posição dos estrangeiros avançou R$ 10,5 bilhões, do montante de R$ 264,69 bilhões em maio para R$ 275,18 bilhões em junho. Já as tesourarias das instituições financeiras aumentaram a posição em R$ 35,28 bilhões no mês, de R$ 523,71 bilhões em maio para R$ 558,99 bilhões no último mês. A posição dos investidores de previdência cresceu R$ 4,24 bilhões, de R$ R$ 322,43 bilhões para R$ 326,67 bilhões, enquanto a posição das seguradoras evoluiu R$ 2,2 bilhões, de R$ 78,25 bilhões em maio para R$ 80,25 bilhões no último mês de junho. Mallet explicou que em determinados momentos do mês anterior, o Tesouro chegou a prometer taxas reais de 5,5% ao ano mais a variação da inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o que atraiu muitos compradores. “Há um ano, essas taxas reais das NTN-Bs [Notas do Tesouro Nacional série-B] estavam entre 3% e 3,5% ao ano, chegaram a 5,5% ao ano em junho, e agora em julho recuaram um pouco, mas estão próximas de 5% ao ano, o que é um bom rendimento”, diz. Em junho, no Tesouro Direto, 55,2% dos títulos adquiridos por pessoas físicas eram indexados


à inflação (NTN-Bs), os prefixados (LTNs) foram preferidos em 28,9% das compras, e os pósfixados (LFTs) representaram 15,9% do volume adquirido no mês. O executivo acredita que os estrangeiros vão continuar com compras fortes no segundo semestre. “Mas o mercado local está dividido sobre a continuidade da alta dos juros. A Selic [taxa básica] está precificada para ir a 9% na próxima reunião do Copom [Comitê de Política Monetária do Banco Central], mas há dúvidas do mercado sobre a elevação para 9,5% ao ano”, contextualizou. Em seis meses de 2013, percentualmente, as seguradoras foram a que mais aumentaram a posição em títulos públicos com um avanço de 7,05%, seguido pelos investidores de previdência com crescimento de 6,66%, enquanto os estrangeiros aumentaram a posição em 4,63%, mas concentrada no último mês de junho. As 353.997 pessoas físicas cadastradas no Tesouro Direto tiveram uma evolução de estoque de 4,01% no primeiro semestre, de R$ 9,584 bilhões em dezembro de 2012 para R$ 9,968 bilhões ao final do primeiro semestre de 2013. “Para o médio e longo prazo, o Tesouro é um ótimo investimento em relação a poupança e fundos. Já tem mais clientes ativos que a Bolsa. Em dois anos, o número de investidores poderá alcançar um milhão”, projeta o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. Na ponta contrária, as tesourarias dos bancos ainda apresentam retração de 3,08% no valor de mercado de seus títulos públicos, a carteira das instituições financeiras era de R$ 596,8 bilhões ao final de dezembro de 2012. Os fundos de investimentos também apresentaram retração de 3,94% no primeiro semestre do ano. O valor de mercado dos títulos públicos detidos por fundos em dezembro do ano passado estava em R$ 472,49 bilhões.


Veículo: ASERC Data: 26/07/2013 Editoria: Crédito Site: http://www.aserc.org.br/compras-de-titulos-disparam-mesmo-com-juro-menor

Compras de títulos disparam mesmo com juro menor Por Redação ASERC em 26/07/2013 às 10:22:35 na Categoria: Notícias

Os diversos segmentos de investidores aproveitaram as taxas atrativas do Tesouro Nacional no mês de junho e aumentaram significativamente as compras de títulos públicos federais. Ao mesmo tempo, a rentabilidade geral marcada no mercado nos últimos doze meses ficou em apenas 5,4%, segundo dados do relatório mensal da dívida pública do governo. "Há doze meses o preço dos títulos públicos estava mais alto e a rentabilidade prometida era menor. Agora em junho, o valor dos papéis ficou menor e o juro proposto está melhor. Todos foram às compras, bancos, assets [gestoras], seguradoras e pessoas físicas de private banking [milionários], e os estrangeiros, esses últimos por causa da retirada do IOF [imposto sobre operações financeiras]", argumentou o gerente de renda fixa da corretora Um Investimentos, André Mallet. De fato, a compra de títulos públicos pela internet pelo programa Tesouro Direto cresceu 91,5% no último mês, de R$ 189,3 milhões em maio para R$ 362,6 milhões em junho e aplicação ganhou 3.873 novos investidores. Segundo o Tesouro Nacional, a posição dos estrangeiros avançou R$ 10,5 bilhões, do montante de R$ 264,69 bilhões em maio para R$ 275,18 bilhões em junho. Já as tesourarias das instituições financeiras aumentaram a posição em R$ 35,28 bilhões no mês, de R$ 523,71 bilhões em maio para R$ 558,99 bilhões no último mês. A posição dos investidores de previdência cresceu R$ 4,24 bilhões, de R$ R$ 322,43 bilhões para R$ 326,67 bilhões, enquanto a posição das seguradoras evoluiu R$ 2,2 bilhões, de R$ 78,25 bilhões em maio para R$ 80,25 bilhões no último mês de junho. Mallet explicou que em determinados momentos do mês anterior, o Tesouro chegou a prometer taxas reais de 5,5% ao ano mais a variação da inflação oficial medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o que atraiu muitos compradores. "Há um ano, essas taxas reais das NTN-Bs [Notas do Tesouro Nacional série-B] estavam entre 3% e 3,5% ao ano, chegaram a 5,5% ao ano em junho, e agora em julho recuaram um pouco, mas estão próximas de 5% ao ano, o que é um bom rendimento", diz. Em junho, no Tesouro Direto, 55,2% dos títulos adquiridos por pessoas físicas eram indexados à inflação (NTN-Bs), os prefixados (LTNs) foram preferidos em 28,9% das compras, e os pós-fixados (LFTs) representaram 15,9% do volume adquirido no mês.


O executivo acredita que os estrangeiros vão continuar com compras fortes no segundo semestre. "Mas o mercado local está dividido sobre a continuidade da alta dos juros. A Selic [taxa básica] está precificada para ir a 9% na próxima reunião do Copom [Comitê de Política Monetária do Banco Central], mas há dúvidas do mercado sobre a elevação para 9,5% ao ano", contextualizou. Em seis meses de 2013, percentualmente, as seguradoras foram a que mais aumentaram a posição em títulos públicos com um avanço de 7,05%, seguido pelos investidores de previdência com crescimento de 6,66%, enquanto os estrangeiros aumentaram a posição em 4,63%, mas concentrada no último mês de junho. As 353.997 pessoas físicas cadastradas no Tesouro Direto tiveram uma evolução de estoque de 4,01% no primeiro semestre, de R$ 9,584 bilhões em dezembro de 2012 para R$ 9,968 bilhões ao final do primeiro semestre de 2013. "Para o médio e longo prazo, o Tesouro é um ótimo investimento em relação a poupança e fundos. Já tem mais clientes ativos que a Bolsa. Em dois anos, o número de investidores poderá alcançar um milhão", projeta o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. Na ponta contrária, as tesourarias dos bancos ainda apresentam retração de 3,08% no valor de mercado de seus títulos públicos, a carteira das instituições financeiras era de R$ 596,8 bilhões ao final de dezembro de 2012. Os fundos de investimentos também apresentaram retração de 3,94% no primeiro semestre do ano. O valor de mercado dos títulos públicos detidos por fundos em dezembro do ano passado estava em R$ 472,49 bilhões.


Veículo: Diário Gaúcho Data: 26/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/dia-a-dia/noticia/2013/07/antes-de-comprar-acasa-propria-calcule-4213342.html

Antes de comprar a casa própria, calcule Na empolgação de assinar o contrato, muitos consumidores esquecem detalhes que podem virar dor de cabeça

Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Nunca os brasileiros tiveram acesso a tanto crédito e facilidades para adquirir a casa própria. Mas, na empolgação de assinar o contrato, muitos consumidores esquecem detalhes que podem virar dor de cabeça no futuro e até forçar a devolução do imóvel. Os compradores devem estar cientes, por exemplo, do risco de a instituição bancária não liberar o financiamento que possibilitará honrar a dívida com a construtora ou de o valor sofrer alteração e ficar acima de sua capacidade de pagamento. Valorização pode superar o crédito Também é preciso levar em conta outros gastos consideráveis com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança e mobília.


- Estamos tendo muita reclamação, pois acontece de os imóveis valorizarem e não se encaixarem mais no limite de crédito que o comprador se propôs a tomar - explica o advogado Geraldo Tardin, presidente do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec). Avaliar os riscos é fundamental Um caso típico tem sido o imóvel ter valorização superior a R$ 170 mil, limite financiado pelo Minha Casa, Minha Vida nas cidades com mais de 1 milhão de habitantes. Nessa situação, o consumidor não tem mais acesso aos juros reduzidos e as prestações sobem. Segundo Geraldo, em ocorrências como essas, o comprador pode buscar na Justiça uma rescisão do contrato e tentar receber de volta os valores pagos. Para a advogada Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), é essencial cobrar das empresas envolvidas que haja mais clareza nas negociações. - O consumidor tem de estar muito ciente do risco e tem de estar previsto o que ocorrerá e quais valores serão devolvidos no caso de o financiamento não ser liberado - explica. Segundo a advogada, a promessa de compra e venda entre consumidor e construtora precisa informar ainda o custo efetivo total envolvido na operação. Se essa informação for negada, o consumidor pode procurar o Procon ou a Justiça. Dica Quem está adquirindo sua primeira casa pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) tem direito ao desconto de 50% no registro cartorial. Para receber o abatimento, basta estar declarado no contrato de aquisição que se trata do primeiro imóvel. A compra de imóveis dentro do programa Minha Casa, Minha Vida também dá direito a custos reduzidos. Não esqueça as despesas extras Passada a primeira fase e liberado o financiamento, o comprador precisa se preparar para as taxas cartoriais e bancárias. Quem financiou o bem precisa arcar com o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Intervivos (ITBI) e o registro do imóvel. Nesses casos, o contrato com o banco equivale a uma


escritura. Quem pagou à vista, no entanto, deve pagar ainda a taxa de confecção de uma escritura pública. Essas tarifas, cujo cálculo varia conforme o valor do bem e a localidade, podem ficar entre 3% a 5% do preço do imóvel. O educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), destaca que o ideal é planejar com antecedência e construir uma reserva. - O imóvel na planta não tem armários e outras benfeitorias. Também tem de prever os gastos com mudança, condomínio e IPTU - comenta.


Veículo: a escolha certa Data: 26/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.aescolhacerta.com.br/previg/noticia/9644

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais


ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere. Fonte: Agência Brasil


Veículo: Maxpress Data: 26/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,603946,Vitoria_recebe_1_Encontro_de_Educac ao_Financeira,603946,8.htm

Vitória recebe 1º Encontro de Educação Financeira Nos dias 16 e 17 de agosto, ocorrerá o 1º Encontro de Educação Financeira, em Vitória, e a DSOP Educação Financeira estará no evento, promovendo palestras sobre o tema e uma mesa redonda, a qual contará com a presença da secretária municipal de Educação de Goiânia Neide Aparecida.

O escritor, educador financeiro e presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, palestrará no primeiro dia do evento, falando sobre “Educação Financeira – Uma ferramenta para a mudança social”, e mostrará a importância de inserir o assunto nas escolas, para formar uma nova geração de pessoas mais conscientes e sustentáveis financeiramente. No mesmo dia, a gerente Pedagógica da DSOP, Ana Rosa Vilches, vai discutir a inserção da educação financeira nas escolas públicas, esclarecendo os meios para se realizar tal prática e a forma correta que deve ser feita. “As instituições de ensino são locais de aprendizado constante e, nelas, se consegue atingir, de uma só vez, diversos públicos, como os estudantes, as famílias, o corpo docente e a comunidade como um todo”, comenta. No segundo dia, Domingos palestrará sobre “Educação financeira: uma tendência mundial”, para explicar que é um importante diferencial para as escolas inserirem essa nova disciplina em suas grades curriculares, já que elas são cada vez mais exigidas a formar alunos-cidadãos e autônomos com visão crítica, capazes de idealizar e realizar projetos individuais e coletivos. Sobre a DSOP A DSOP Educação Financeira é uma empresa dedicada à disseminação da educação financeira no Brasil e no mundo, por meio da aplicação da Metodologia DSOP, criada pelo educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos. Para atingir essa missão, a empresa oferece uma série de produtos e serviços para pessoas, empresas e instituições de ensino interessadas em ampliar e consolidar seus conhecimentos sobre Educação Financeira. A DSOP está presente em todo o país com Educadores Financeiros e Franqueados preparados para difundir a educação financeira e levar a empresa a atingir suas ambiciosas metas. Serviço Evento: 1º Encontro de Educação Financeira


Data: 16/08/2013 Horários: 14h – Credenciamento 14h30 – Abertura oficial do evento 14h45 às 16h – Palestra Reinaldo Domingos 16h às 16h30 - Coffee break 16h30 às 17h30 – Palestra Ana Rosa Vilches 17h30 às 18h- Mesa redonda Local: Auditório da Rede Gazeta Endereço: Rua Chafic Murad, 902 – Ilha de Monte Belo – Vitória/ES Data: 17/08/2013 Horário: 8h às 8h30 – Credenciamento 8h30 às 10h – Palestra Reinaldo Domingos 10h às 10h30 – Coffee Break 10h30 às 12h – Palestra Ana Rosa Vilches 12h às 13h – Atendimento para as escolas Local: Hotel Ilha do Boi Endereço: Rua Bráulio Macedo, 417 – Ilha do Boi – Vitória/ES


Veículo: Infomoney Data: 25/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2882355/emprego-novonao-pode-ser-sinonimo-novos-gastos


Veículo: DCI Data: 25/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.dci.com.br/financas/tesouro-direto-tera-um-milhao-de-investidores-emdois-anos-id356945.html

Tesouro Direto terá um milhão de investidores em dois anos SÃO PAULO - Presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros acredita que o investimento pode se popularizar... SÃO PAULO - O programa de compra de títulos públicos federais pela internet Tesouro Direto poderá ter um milhão de investidores pessoas físicas nos próximos dois anos. “O Tesouro Direto é fácil, acessível pela Internet, tem a segurança e a garantia do Tesouro Nacional e é um ótimo investimento para o médio e longo prazo em relação a caderneta de poupança e fundos de investimentos que cobram taxas de administração muito altas”, justifica o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. De acordo com relatório mensal do Tesouro Direto, em junho 3.873 novos participantes se cadastraram no Tesouro Direto. O número total de investidores cadastrados ao fim do mês atingiu 353.997, o que representa aumento de 15,8% nos últimos doze meses. “Já tem mais investidores ativos que a Bolsa de Valores”, comparou o presidente da Abefin. Mas o volume de negócios no Tesouro Direto ainda é considerado pequeno pelo mercado, quando comparado a poupança com mais R$ 500 bilhões em depósitos. Em junho, o estoque do Tesouro Direto alcançou R$ 9,968 bilhões, o que significa aumento de 2,15% em relação ao mês anterior (R$ 9,76 bilhões) e aumento de 13,27% sobre junho de 2012 (R$ 8,80 bilhões).


Veículo: Consumidor Consciente Moderno Data: 23/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://consumidorconsciente.eco.br/index.php/component/k2/item/609-os-riscospor-tr%C3%A1s-das-pir%C3%A2mides-financeiras.html

Os riscos por trás das pirâmides financeiras

Propostas de negócios que prometem altos ganhos são muito comuns no país; a adesão a eles reflete uma falta de planejamento e de conhecimento em administrar as finanças por parte da população

Um assunto que vem tomando conta dos noticiários nos últimos tempos são as famosas e perigosas pirâmides financeiras. De tempo em tempo, vejo esse tema voltar à tona, sempre alimentado pela ilusão de parte da população de que poderá ganhar dinheiro fácil.

E, nesse ponto, eu sempre repito: tudo o que vem fácil, vai fácil. Assim, cabe às pessoas pensarem cinco vezes antes de entrar em qualquer tipo de negócio, avaliando os riscos muito antes da rentabilidade e, principalmente, se o retorno vai ao encontro dos seus sonhos e objetivos.


Lembrando que todo investimento tem riscos, e quanto maior a probabilidade de ganhos, maior o risco. Se aparece algo com promessa de altíssimo retorno e baixíssimo risco, desconfie na hora. A pirâmide é um desses negócios milagrosos e de altíssimo risco, além de já existir comprovada sua ilegalidade como negócio em nosso país.

Trata-se de um modelo comercial que não se sustenta e oferece danos e prejuízos a seus participantes, se caracterizando assim como fraude. Esse modelo, muitas vezes, é maquiado como sendo um sistema de "marketing multinível", mas todo cuidado é pouco. O esquema envolve a troca de valores pelo recrutamento de outras pessoas para pirâmides ou, por exemplo, por postagens diárias de anúncios publicitários no Facebook, sem qualquer produto ou serviço ser entregue.

Exemplos recentes de empresas que estão sendo investigadas com suspeita de desenvolverem esses sistemas não faltam. Por questões éticas, não vou citar nomes, mas, acredite, não são poucas, infelizmente.

Pirâmide financeira é crime contra a economia popular, afinal, propõe a oferta de ganhos altos e rápidos, o pagamento de comissões excessivas, acima das receitas advindas de vendas de bens reais e a não sustentabilidade do modelo de negócio desenvolvido pela organização.

Governo e Ministério Público já vêm atuando e fiscalizando de forma intensa esses pseudonegócios e, nos últimos tempos, esses esquemas vêm aumentando. Portanto nós, consumidores, devemos desconfiar de tudo aquilo que promete transformar a vida em um piscar de olhos. Na verdade, o grande fiscalizador disso somos nós mesmos.

Existe ainda outro problema, que é comportamental. Enquanto a nossa população não se educar financeiramente e ter consciência de como administrar o dinheiro que entra e o dinheiro que sai, seremos prezas fáceis. Reunir a família e conversar com os filhos é fundamental.

Porém, é importante que se faça uma distinção entre as ações ilegais e o marketing multinível, ou de rede, que é uma prática legal. Se a empresa faz o marketing de rede,


mas contém um patrimônio líquido de garantia real, que sustenta a operação, ao invés de utilizar os clientes novos para pagar os antigos, a ação não é configurada como pirâmide financeira, pois o risco se torna menor.

É preciso que as Juntas Comerciais e Cartórios, assim como a Receita Federal, se atentem e criem mecanismos para impedir a abertura dessas organizações, sem antes ter a comprovação de seus patrimônios. Infelizmente, abrir uma empresa em nosso país é muito fácil e, por isso, bilhões de reais já foram perdidos. Por ausência de órgãos regulamentadores, a população é que sofre as consequências e prejuízos.

Para finalizar, como educador financeiro, contabilista e cidadão, tenho o compromisso de alertar a sociedade que, para nos tornarmos pessoas e famílias saudáveis financeiramente, é preciso trabalhar, ganhar o dinheiro de forma digna e não por meio de redes e pirâmides ilegais, que já acabaram com milhões de lares.

Tenho certeza de que a educação financeira de nossa população, em especial a de nossas crianças, deve começar nas escolas. Só assim conseguiremos criar novas gerações de pessoas e famílias educadas, prósperas e sustentáveis financeiramente.

*Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e Editora DSOP, autor dos livros Terapia Financeira, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.


Veículo: abc do abc Data: 23/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.abcdoabc.com.br/abc/noticia/edward-dsop-acaba-com-divida-12847

Edward da DSOP acaba com a dívida Educador financeiro do ABC dá dicas de como lidar e se livrar das dívidas De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o número de famílias brasileiras endividadas aumentou em julho, chegando a 65,2%. Diante dessa notícia, muitas pessoas se chocam e encaram de forma negativa. No entanto, estar endividado pode não ser tão ruim assim. Segundo o franqueado da DSOP Educação Financeira, Edward Claudio Junior, que atua na região do ABC, existem questões que devem ser levadas em conta. “Se o endividamento é consequência de investimentos em educação, especialização profissional ou lazer com viagens programadas, não tem tanto problema, pois são despesas conscientes e que trazem retorno (não somente financeiro). Mas, se as dívidas representam um valor que não poderá ser pago, elas se transformarão em inadimplência, e isso sim é preocupante”. Edward explica ainda que, para que uma situação problemática não ocorra, são necessárias algumas mudanças de comportamento com relação ao uso do dinheiro e reflexões sobre as compras realizadas. Pergunte-se: “eu preciso mesmo desse produto nesse momento? Terei como pagar esse compromisso em dia?”. Isso, com toda a certeza, evitará alguns gastos supérfluos. Agora, se você já está endividado e com dificuldades para quitar, o Educador Financeiro DSOP orienta como encarar o problema e livrar-se dele, de maneira racional e sem dar o passo maior do que a perna. “O primeiro passo deve ser realizar um diagnóstico financeiro da sua vida, com a participação de toda a família. A partir daí, levantar todos os gastos mensais, dos maiores até as pequenas despesas. Ao final de 30 dias deste levantamento será possível, de forma consciente, verificar quais despesas podem ser diminuídas e até cortadas do orçamento, nem que seja apenas por um período de tempo, para voltar ao equilíbrio”. O educador explica também que é importante tomar conhecimento da real situação financeira em que a família se encontra e, durante o período de diagnóstico e o acerto das dívidas já contraídas, não fazer novas dívidas, a não ser que seja de extrema necessidade. Além disso, Edward Claudio destaca cinco dicas essenciais para sair de vez das dívidas: - Levantar todas as dívidas já contraídas, levantando as seguintes informações: o credor,


o valor principal, a quantidade de parcelas totais, a taxa de juros, a quantidade de parcelas pagas e a quantidade de parcelas em atraso; - Apurar o valor dentro do orçamento que pode ser disponibilizado para saldar as dívidas; - Procurar os credores para negociar as dívidas, priorizando as essenciais (água, luz, gás, parcelamento imobiliário, etc) e, em seguida, as com maiores taxas de juros; - No caso do credor não aceitar a negociação nas condições que cabem dentro do seu orçamento, comece a guardar o valor que seria utilizado para saldar a dívida, a fim de acumular um valor para uma nova e futura negociação; - Se possuir investimentos, apure-os e trace uma estratégia de utilizá-los para quitar as dívidas com taxas de juros elevadas, principalmente as com cheque especial e cartão de crédito, utilize também, nestes casos, a possibilidade de portabilidade de dívidas. CARTÃO DE CRÉDITO O educador DSOP também alerta sobre o perigo do cartão de crédito que, por ser mal utilizado, se torna o maior vilão dos endividados. Então, se você tem um ganho mensal, um cartão é suficiente; se receber semanalmente, tenha, no máximo, três. Atente-se às datas de vencimento de cada um, para que você aproveite os benefícios que o cartão pode proporcionar. Para finalizar, Edward aconselha o uso de ferramentas que auxiliam na organização das finanças. “Pode ser uma planilha, aplicativo digital ou mesmo um caderninho. Só tem que ter disciplina para anotar todas as despesas, separando-as por categorias. Esse apontamento deve ser feito apenas uma vez por mês, repetindo todos os anos, na mesma época, ou sempre que tiver uma variação relevante de ganhos e gastos”.


Veículo: S.O.S Consumidor Data: 23/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.endividado.com.br/noticia_ler-36208,piramide-sonho-dinheiro-facil-acabaem-prejuizo-e-acao-judicial.html

Pirâmide: sonho de dinheiro fácil acaba em prejuízo e ação judicial por João Sorima Neto e Daiane Costa

Com internet, esquemas ganham agilidade e se multiplicam pelo país SÃO PAULO e RIO — Rentabilidade muito acima da média do mercado, risco baixo e retorno no curto prazo. Quem não se sentiria atraído por uma fórmula como esta, especialmente no atual contexto econômico brasileiro, no qual as aplicações de renda fixa oferecem um ganho de 0,5% ao mês, quase o mesmo que a da poupança, e a Bolsa de Valores acumula tombos consecutivos?

Consultores financeiros ouvidos pelo GLOBO afirmam que essa pode ser uma das razões para o ressurgimento dos esquemas conhecidos como pirâmide financeira, um tipo de golpe que desde o século passado atrai gente de todas as classes sociais no Brasil e no exterior com promessa

de

ganho

elevado

e

fácil.

Especialistas dizem que os golpistas se reinventaram na era eletrônica, quando a internet, via redes sociais ou e-mails, multiplicou o poder de arregimentar vítimas. — Esse tipo de armadilha atrai muita gente que está em dificuldade financeira ou muito endividada. Há também os que procuram uma alternativa mais rentável de investimento e acabam no golpe. O atual cenário econômico, com renda fixa dando um ganho real muito pequeno, com a queda da taxa de juro, e a Bolsa com perda de mais de 20% no ano, favorece a aplicação desse golpe — diz Miguel Ribeiro

de

Oliveira,

consultor

financeiro.


A volta da inflação, atualmente rondando o patamar de 6,5% ao ano, também é um ingrediente a mais. Na prática, inflação mais elevada significa renda corroída e menor poder de compra.

— Qualquer opção de aplicação que ofereça ganho real acima da inflação é interessante. No caso das pirâmides, o ganho geralmente é muito superior à medida do mercado. Mas se transforma em prejuízo, em pouco tempo. As principais vítimas são aquelas que vão entrando no

esquema

por

último,

antes

que

desmorone

diz

Ribeiro.

A nova onda de pirâmides foi identificada em reunião da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor, diz o promotor Murilo Miranda, presidente da entidade. Foi então que os ministérios públicos estaduais e federal formaram uma força-tarefa que já bloqueou bens e suspendeu as atividades de TelexFree e BBom e investiga outras 16 empresas.

— A questão das pirâmides é cíclica e ocorre sempre por razões diferentes. Há mais de 60 anos temos casos no país. Com a internet e as redes sociais, não há mais limitações para essas empresas, e a rede de divulgadores se dissemina com uma abrangência maior — explica.

O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que os modelos de pirâmide financeira se sofisticaram. Ganharam velocidade e capacidade de multiplicação com a internet. Seu poder de

obter

novos

sócios

tornou-se

muito

maior:

— Com a pirâmide via e-mail ou rede social, e o débito da conta sendo feito em minutos também pelo computador, esses esquemas ganharam velocidade. Os golpistas se reinventaram.

Novos

casos

são

investigados

E novos casos não param de surgir. Desde o último dia 12, a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul (PR/RS) investiga nova denúncia feita por e-mail, por um anônimo.

No Rio, há uma decisão da Justiça contra a Associação Frutos da Terra Brasil por prática de pirâmide financeira, ofertando carta de crédito para compra da casa própria. O Tribunal de Justiça suspendeu as atividades da associação e determinou indenizações, mas ninguém foi ressarcido

ainda.


Ramillo Sherman de Souza é advogado de 20 das 44 pessoas lesadas pela Frutos da Terra que, até quinta-feira, já haviam se habilitado na Justiça do Rio para receber indenização. A sentença da juíza Márcia Cunha de Carvalho, titular da 2ª Vara Empresarial do Rio, determina a devolução em dobro e com juros do investimento feito pelos associados, além de pagamento de R$ 5 mil a cada um por danos morais. Segundo Souza, os associados eram convencidos a pagar 30 prestações de R$ 50 a R$ 120 e levados a acreditar que, ao fim desse período, receberiam uma carta de crédito mil vezes maior do que a parcela. De acordo com a investigação, só eram beneficiadas pessoas próximas à diretoria da organização, como parentes e amigos. Para aumentar a atratividade do negócio, a Frutos da Terra prometia vantagens, de comissão a abatimento de mensalidades, a quem trouxesse novos associados.

— Por iludir as pessoas sobre a compra de algo tão significativo, esse é um estelionato da maior

gravidade

ressalta

a

juíza.

A empresa recorreu da sentença de julho do ano passado. No entanto, em maio deste ano, a 17ª Câmara Cível confirmou a decisão —novo recurso, só no Superior Tribunal de Justiça.

Ribamar Evangelista, de 58 anos, mora em Arraial do Cabo e busca reaver seu investimento na Frutos das Terra. Ele pagou 39 prestações, num total de R$ 4.240, e só se deu conta de que

tratava-se

de

uma

pirâmide

no

início

deste

ano.

— A casa própria é um sonho para todo mundo. Não importa a classe social. E essa era a realização de um sonho também para meus dois filhos. Tive de esticar o orçamento para pagar R$ 120 por mês — lamenta Evangelista, que levou três amigos para o grupo. Foi um deles que o

alertou

sobre

o

golpe.

O promotor Julio Machado Teixeira Costa, autor da ação civil pública que resultou na condenação da associação, alerta que não há como ofertas vantajosas demais serem cumpridas:

— Como é possível alguém contribuir com um total de R$ 1.500 e, em 30 meses, ganhar uma carta

Lucro

de

crédito

no

tem

valor

origem

de

R$

50

em

mil?

associados

O fundador e presidente da Frutos da Terra Brasil, Carlos Alberto Rotermund, foi procurado pelo

GLOBO,

mas

não

atendeu

às

ligações.


Basicamente, o que carateriza as pirâmides financeiras, de venda de serviços ou de produtos, é a origem do lucro dos participantes. Se o ganho vem do dinheiro aplicado pelos que entram no negócio, então trata-se de um esquema clássico. O consultor financeiro Ribeiro lembra de um dos mais famosos casos registrados no Brasil: o das Fazendas Reunidas Boi Gordo, que se popularizou nos anos 1990, oferecendo uma espécie de parceria. O investidor aplicava nos bois e, ao fim do contrato, recebia o lucro da venda do animal engordado. O rendimento prometido era de no mínimo 42% e atraiu mais de 30 mil pessoas, entre elas técnicos e jogadores de futebol, atores e até economistas. A pirâmide ruiu em 2004 e deixou prejuízo bilionário.

A psicóloga Beatriz Nunes Bernardi diz que mesmo quem já ouviu falar da fraude é atraído porque

o

ganho

fácil

seduz

e

a

emoção

se

sobrepõe

à

razão:

— Além disso, como algumas pessoas de fato têm um bom retorno quando o esquema está no começo,

isso

acaba

sendo

um

chamariz.

Para Marcelo Maron, consultor financeiro e diretor executivo do Grupo PAR, não importa o contexto. O grande atrativo é a promessa de ganho fácil.


Veículo: Portal do Consumidor Data: 22/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?id=24324

Pirâmide: sonho de dinheiro fácil acaba em prejuízo e ação judicial 22/7/2013

Com internet, esquemas ganham agilidade e se multiplicam pelo país

SÃO PAULO e RIO — Rentabilidade muito acima da média do mercado, risco baixo e retorno no curto prazo. Quem não se sentiria atraído por uma fórmula como esta, especialmente no atual contexto econômico brasileiro, no qual as aplicações de renda fixa oferecem um ganho de 0,5% ao mês, quase o mesmo que a da poupança, e a Bolsa de Valores acumula tombos consecutivos? Consultores financeiros ouvidos pelo GLOBO afirmam que essa pode ser uma das razões para o ressurgimento dos esquemas conhecidos como pirâmide financeira, um tipo de golpe que desde o século passado atrai gente de todas as classes sociais no Brasil e no exterior com promessa de ganho elevado e fácil. Especialistas dizem que os golpistas se reinventaram na era eletrônica, quando a internet, via redes sociais ou e-mails, multiplicou o poder de arregimentar vítimas.


— Esse tipo de armadilha atrai muita gente que está em dificuldade financeira ou muito endividada. Há também os que procuram uma alternativa mais rentável de investimento e acabam no golpe. O atual cenário econômico, com renda fixa dando um ganho real muito pequeno, com a queda da taxa de juro, e a Bolsa com perda de mais de 20% no ano, favorece a aplicação desse golpe — diz Miguel Ribeiro de Oliveira, consultor financeiro. A volta da inflação, atualmente rondando o patamar de 6,5% ao ano, também é um ingrediente a mais. Na prática, inflação mais elevada significa renda corroída e menor poder de compra. — Qualquer opção de aplicação que ofereça ganho real acima da inflação é interessante. No caso das pirâmides, o ganho geralmente é muito superior à medida do mercado. Mas se transforma em prejuízo, em pouco tempo. As principais vítimas são aquelas que vão entrando no esquema por último, antes que desmorone — diz Ribeiro. A nova onda de pirâmides foi identificada em reunião da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor, diz o promotor Murilo Miranda, presidente da entidade. Foi então que os ministérios públicos estaduais e federal formaram uma força-tarefa que já bloqueou bens e suspendeu as atividades de TelexFree e BBom e investiga outras 16 empresas. — A questão das pirâmides é cíclica e ocorre sempre por razões diferentes. Há mais de 60 anos temos casos no país. Com a internet e as redes sociais, não há mais limitações para essas empresas, e a rede de divulgadores se dissemina com uma abrangência maior — explica. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que os modelos de pirâmide financeira se sofisticaram. Ganharam velocidade e capacidade de multiplicação com a internet. Seu poder de obter novos sócios tornou-se muito maior: — Com a pirâmide via e-mail ou rede social, e o débito da conta sendo feito em minutos também pelo computador, esses esquemas ganharam velocidade. Os golpistas se reinventaram. Novos casos são investigados E novos casos não param de surgir. Desde o último dia 12, a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul (PR/RS) investiga nova denúncia feita por e-mail, por um anônimo. No Rio, há uma decisão da Justiça contra a Associação Frutos da Terra Brasil por prática de pirâmide financeira, ofertando carta de crédito para compra da casa própria. O Tribunal de Justiça suspendeu as atividades da associação e determinou indenizações, mas ninguém foi ressarcido ainda. Ramillo Sherman de Souza é advogado de 20 das 44 pessoas lesadas pela Frutos da Terra que, até quinta-feira, já haviam se habilitado na Justiça do Rio para receber indenização. A sentença da juíza Márcia Cunha de Carvalho, titular da 2ª Vara Empresarial do Rio, determina a devolução em dobro e com juros do investimento feito pelos associados, além de pagamento de R$ 5 mil a cada um por danos morais. Segundo Souza, os associados eram convencidos a pagar 30 prestações de R$ 50 a R$ 120 e levados a acreditar que, ao fim desse período, receberiam uma carta de crédito mil vezes maior do que a parcela. De acordo com a investigação, só eram beneficiadas pessoas próximas à diretoria da organização, como parentes e amigos. Para aumentar a atratividade do negócio, a Frutos da Terra prometia vantagens, de comissão a abatimento de mensalidades, a quem trouxesse novos associados. — Por iludir as pessoas sobre a compra de algo tão significativo, esse é um estelionato da maior gravidade — ressalta a juíza. A empresa recorreu da sentença de julho do ano passado. No entanto, em maio deste ano, a 17ª Câmara Cível confirmou a decisão —novo recurso, só no Superior Tribunal de Justiça. Ribamar Evangelista, de 58 anos, mora em Arraial do Cabo e busca reaver seu investimento na Frutos das Terra. Ele pagou 39 prestações, num total de R$ 4.240, e só se deu conta de que tratava-se de uma pirâmide no início deste ano. — A casa própria é um sonho para todo mundo. Não importa a classe social. E essa era a realização de um sonho também para meus dois filhos. Tive de esticar o orçamento para pagar R$


120 por mês — lamenta Evangelista, que levou três amigos para o grupo. Foi um deles que o alertou sobre o golpe. O promotor Julio Machado Teixeira Costa, autor da ação civil pública que resultou na condenação da associação, alerta que não há como ofertas vantajosas demais serem cumpridas: — Como é possível alguém contribuir com um total de R$ 1.500 e, em 30 meses, ganhar uma carta de crédito no valor de R$ 50 mil? Lucro tem origem em associados O fundador e presidente da Frutos da Terra Brasil, Carlos Alberto Rotermund, foi procurado pelo GLOBO, mas não atendeu às ligações. Basicamente, o que carateriza as pirâmides financeiras, de venda de serviços ou de produtos, é a origem do lucro dos participantes. Se o ganho vem do dinheiro aplicado pelos que entram no negócio, então trata-se de um esquema clássico. O consultor financeiro Ribeiro lembra de um dos mais famosos casos registrados no Brasil: o das Fazendas Reunidas Boi Gordo, que se popularizou nos anos 1990, oferecendo uma espécie de parceria. O investidor aplicava nos bois e, ao fim do contrato, recebia o lucro da venda do animal engordado. O rendimento prometido era de no mínimo 42% e atraiu mais de 30 mil pessoas, entre elas técnicos e jogadores de futebol, atores e até economistas. A pirâmide ruiu em 2004 e deixou prejuízo bilionário. A psicóloga Beatriz Nunes Bernardi diz que mesmo quem já ouviu falar da fraude é atraído porque o ganho fácil seduz e a emoção se sobrepõe à razão: — Além disso, como algumas pessoas de fato têm um bom retorno quando o esquema está no começo, isso acaba sendo um chamariz. Para Marcelo Maron, consultor financeiro e diretor executivo do Grupo PAR, não importa o contexto. O grande atrativo é a promessa de ganho fácil.


Veículo: Diário do Grande ABC Data: 22/07/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.dgabc.com.br/Noticia/470518/convenio-individual-

custa-ate-149-mais-do-que-empresarial?referencia=minuto-a-minutotopo

Convênio individual custa até 149% mais Yara Ferraz do Diário do Grande ABC

Quem tem o benefício de um plano de saúde empresarial, pode economizar valores consideráveis em relação convênio médico individual. É o que aponta o estudo da empresa Marcer Marsh Benefícios, que detectou que a diferença entre os dois tipos pode chegar a 149%. O estudo considerou os valores referentes a faixa etária de 28 a 34 anos. Mais oferecidos pelos revendedores e mais baratos que as opções formuladas para atender pessoas físicas, os convênios empresariais escondem um defeito congênito: seus reajustes não são regulados pela ANS (Agência Nacional de Saúde), ficam a cargo da operadora. Essa liberdade tem como base a lei que protege os contratos entre as empresas. E muitas as operadoras de saúde estão deixando de oferecer as opções individuais para garantir o aumento que quiserem. Assim, muitas vezes, consumidores comuns abrem empresas para ter acesso a convênios, ainda que poucas vidas façam parte do pacote.


Com isso, a empresa também não pode ser acionada nos órgãos de defesa do consumidor. Segundo dados do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), os planos de saúde empresariais representam 77% de todos os contratos deste tipo feitos no País. Desse total, 85% são os considerados miniplanos, ou seja, contratos contendo até 30 vidas. Desde maio, a ANS aprovou resolução normativa que estabelece que as operadoras devem agrupar todos os contratos que contenham 30 vidas ou mais e calcular percentual único de aumento. Essa medida foi criada para tentar driblar os reajustes considerados abusivos pelos usuários. Para a chefe do Procon São Bernardo, essa falta de regulamentação e a concentração na mão das empresas, a fragilidade aumenta. “O coletivo fica na mão das partes e quando há rompimento muitas vidas são prejudicadas”, disse. Por causa da lei que defende a livre negociação destes contratos, os reajustes abusivos não podem ser tratados pelo Procon, somente por ação judicial. Apesar disso, Ângela destaca que o número de pessoas que se sentiram lesadas e procuraram o Procon de São Bernardo para reclamar sobre o assunto subiu 14% em relação ao ano passado. “Porém, infelizmente nada pode ser da nossa parte”. A chefe da seção de defesa do consumidor do Procon de São Bernardo, Ângela Galuzzi, lembra ainda que o valor do plano oferecido pelo empregador é menor por tratar de mais pessoas. Especialista em finanças pessoais aconselha cuidado com o custo final

Uma boa opção para o consumidor é o plano de saúde oferecido pelo empregador. No entanto, quando isso não é possível, especialista aconselha pesquisa para a escolha entre o individual ou familiar. O benefício acaba sendo imprescindível para a maioria das pessoas por questão de segurança já que há ausência de qualidade no sistema público. O consultor e educador financeiro Reinaldo Domingos destaca a importância de fazer a cotação nas operadoras para decidir. “É fundamental pesar o custo-benefício, a qualidade dos hospitais e laboratórios, as carências, as formas de contratação, a cobertura, se é local ou nacional, e, lógico, fazer isso de acordo com o bolso.” O impacto no orçamento familiar é um ponto para o qual o educador financeiro chama a atenção. “Não adianta fazer um contrato que você não possa pagar. Ele tem que caber no


seu bolso, porque se você não pagar, não vai ser atendido. Atualmente 20% do que é gasto do salário é supérfluo, se você fazer uma boa faxina financeira, você pode ter um plano de saúde melhor”, afirmou.

Veículo: O Globo Data: 22/07/2013 Editoria: Economia

Site:

http://oglobo.globo.com/economia/saiba-

como-economizar-na-hora-de-escolherconvite-de-casamento-9108869

Saiba como economizar na hora de escolher o convite de casamento Extra

Os preparativos de casamentos ganharam destaque no noticiário nos últimos dias e chamaram a atenção pelos gastos. No quesito convites, a união entre o cantor Naldo e a dançarina Moranguinho arrasou: o casal gastou R$ 25 mil na confecção das mensagens destinadas a 300 convidados para a festa do dia 23 de setembro. Mas é possível fazer bonito, sem gastar tanto com essa convocação para o dia tão especial. Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, não existe certo ou errado quando o assunto é convite: o casal precisa fazer a escolha de acordo com suas preferências e seu padrão de vida: — As pessoas precisam ter certeza de que esse dinheiro não vai fazer falta e verificar quais são as prioridades para a cerimônia. Com a tecnologia, ficou mais fácil comparar preços e, quem sabe, até optar por um convite virtual. No caso do casamento do cantor Naldo, supondo que cada convite seja enviado para uma pessoa com um acompanhante, cada unidade saiu por R$ 166. Os cartões individuais incluem um código de barras para evitar penetras, além dos perfumes do noivo e da noiva. Outra união que deu o que falar foi a de Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho, herdeiros de famílias do setor de transportes. Além de ter sido marcada pela ação de manifestantes no dia 13, o evento para cerca de mil pessoas deve ter custado R$ 2 milhões, sendo, pelo menos, R$ 20 mil destinados aos convites, de acordo com estimativas de cerimonialistas.


A noiva Michele Corrêa, de 37 anos, confirma que a internet pode ser uma boa aliada na busca da combinação perfeita entre preço e sofisticação para chamar os familiares e os amigos. Após muita pesquisa, a gerente financeira conseguiu encomendar cada convite para sua união com o noivo, Thiago, por R$ 6, incluindo a impressão e a entrega em sua casa. Com o dinheiro que economizou nesse item, investiu em detalhes, como lembrancinhas e um espumante de melhor qualidade, para a comemoração, que acontecerá em novembro. — A festa é muito mais marcante, e a lembrancinha poderá ser guardada para sempre. Por outro lado, acredito que a maioria das pessoas joga o convite fora. Ele não pode faltar, mas não precisa custar nenhuma fortuna para ser de bom gosto — opina. Amanda da Silva Alves, de 25 anos, e Luis Felipe Monteiro, de 28, também pesquisaram e encomendaram apenas o layout dos convites por R$ 40 pela internet. Vão imprimi-los na gráfica. — Alcancei os objetivos: exclusividade e economia — diz a analista de compras. “Elegante, mais não caro”, diz especialista A cerimonialista e autora do livro e do blog “Casar é fácil”, Emanuelle Missura, explica que o importante na escolha do convite é perceber se ele combina com o casal: — É a primeira impressão do que vai ser a festa, pois dita como será a cerimônia. Precisa ser bonito e elegante, mas não caro. O essencial é pesquisar os preços e as opiniões de outros clientes. Emanuelle lembra que os convites mais simples e clássicos são uma tendência, e que os noivos também precisam avaliar os custos de registrar os nomes dos convidados nos envelopes. Há duas opções: os tradicionais calígrafos — que escrevem os nomes manualmente e cobram, em média, R$ 2,60 por unidade — e a impressão digital dos nomes que, muitas vezes, já está incluída no valor total dos convites.


Veículo: Extra Data: 22/07/2013 Editoria: Economia

Site:

http://extra.globo.com/noticias/economia/saiba-

como-economizar-na-hora-de-escolher-convite-decasamento-9108863.html

Saiba como economizar na hora de escolher o convite de casamento

Michele Corrêa mostra seu convite de casamento

Os preparativos de casamentos ganharam destaque no noticiário nos últimos dias e chamaram a atenção pelos gastos. No quesito convites, a união entre o cantor Naldo e a dançarina Moranguinho arrasou: o casal gastou R$ 25 mil na confecção das mensagens destinadas a 300 convidados para a festa do dia 23 de setembro. Mas é possível fazer bonito, sem gastar tanto com essa convocação para o dia tão especial. Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, não existe certo ou errado quando o assunto é convite: o casal precisa fazer a escolha de acordo com suas preferências e seu padrão de vida: — As pessoas precisam ter certeza de que esse dinheiro não vai fazer falta e verificar quais são as prioridades para a cerimônia. Com a tecnologia, ficou mais fácil comparar preços e, quem sabe, até optar por um convite virtual. No caso do casamento do cantor Naldo, supondo que cada convite seja enviado para uma pessoa com um acompanhante, cada unidade saiu por R$ 166. Os cartões individuais incluem um código de barras para evitar penetras, além dos perfumes do noivo e da noiva. Outra união que deu o que falar foi a de Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho, herdeiros de famílias do setor de transportes. Além de ter sido marcada pela ação de manifestantes no dia 13, o evento para cerca de mil pessoas deve ter custado R$ 2 milhões, sendo, pelo menos, R$ 20 mil destinados aos convites, de acordo com estimativas de cerimonialistas.


A noiva Michele Corrêa, de 37 anos, confirma que a internet pode ser uma boa aliada na busca da combinação perfeita entre preço e sofisticação para chamar os familiares e os amigos. Após muita pesquisa, a gerente financeira conseguiu encomendar cada convite para sua união com o noivo, Thiago, por R$ 6, incluindo a impressão e a entrega em sua casa. Com o dinheiro que economizou nesse item, investiu em detalhes, como lembrancinhas e um espumante de melhor qualidade, para a comemoração, que acontecerá em novembro. — A festa é muito mais marcante, e a lembrancinha poderá ser guardada para sempre. Por outro lado, acredito que a maioria das pessoas joga o convite fora. Ele não pode faltar, mas não precisa custar nenhuma fortuna para ser de bom gosto — opina. Amanda da Silva Alves, de 25 anos, e Luis Felipe Monteiro, de 28, também pesquisaram e encomendaram apenas o layout dos convites por R$ 40 pela internet. Vão imprimi-los na gráfica. — Alcancei os objetivos: exclusividade e economia — diz a analista de compras.


“Elegante, mas não caro”, diz especialista


A cerimonialista e autora do livro e do blog “Casar é fácil”, Emanuelle Missura, explica que o importante na escolha do convite é perceber se ele combina com o casal: — É a primeira impressão do que vai ser a festa, pois dita como será a cerimônia. Precisa ser bonito e elegante, mas não caro. O essencial é pesquisar os preços e as opiniões de outros clientes. Emanuelle lembra que os convites mais simples e clássicos são uma tendência, e que os noivos também precisam avaliar os custos de registrar os nomes dos convidados nos envelopes. Há duas opções: os tradicionais calígrafos — que escrevem os nomes manualmente e cobram, em média, R$ 2,60 por unidade — e a impressão digital dos nomes que, muitas vezes, já está incluída no valor total dos convites.


Veículo: Portal do Consumidor Data: 22/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=24334

Saiba como economizar na hora de escolher o convite de casamento 22/7/2013

Os preparativos de casamentos ganharam destaque no noticiário nos últimos dias e chamaram a atenção pelos gastos. No quesito convites, a união entre o cantor Naldo e a dançarina Moranguinho arrasou: o casal gastou R$ 25 mil na confecção das mensagens destinadas a 300 convidados para a festa do dia 23 de setembro. Mas é possível fazer bonito, sem gastar tanto com essa convocação para o dia tão especial. Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, não existe certo ou errado quando o assunto é convite: o casal precisa fazer a escolha de acordo com suas preferências e seu padrão de vida: — As pessoas precisam ter certeza de que esse dinheiro não vai fazer falta e verificar quais são as


prioridades para a cerimônia. Com a tecnologia, ficou mais fácil comparar preços e, quem sabe, até optar por um convite virtual. No caso do casamento do cantor Naldo, supondo que cada convite seja enviado para uma pessoa com um acompanhante, cada unidade saiu por R$ 166. Os cartões individuais incluem um código de barras para evitar penetras, além dos perfumes do noivo e da noiva. Outra união que deu o que falar foi a de Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho, herdeiros de famílias do setor de transportes. Além de ter sido marcada pela ação de manifestantes no dia 13, o evento para cerca de mil pessoas deve ter custado R$ 2 milhões, sendo, pelo menos, R$ 20 mil destinados aos convites, de acordo com estimativas de cerimonialistas. A noiva Michele Corrêa, de 37 anos, confirma que a internet pode ser uma boa aliada na busca da combinação perfeita entre preço e sofisticação para chamar os familiares e os amigos. Após muita pesquisa, a gerente financeira conseguiu encomendar cada convite para sua união com o noivo, Thiago, por R$ 6, incluindo a impressão e a entrega em sua casa. Com o dinheiro que economizou nesse item, investiu em detalhes, como lembrancinhas e um espumante de melhor qualidade, para a comemoração, que acontecerá em novembro. — A festa é muito mais marcante, e a lembrancinha poderá ser guardada para sempre. Por outro lado, acredito que a maioria das pessoas joga o convite fora. Ele não pode faltar, mas não precisa custar nenhuma fortuna para ser de bom gosto — opina. Amanda da Silva Alves, de 25 anos, e Luis Felipe Monteiro, de 28, também pesquisaram e encomendaram apenas o layout dos convites por R$ 40 pela internet. Vão imprimi-los na gráfica. — Alcancei os objetivos: exclusividade e economia — diz a analista de compras. “Elegante, mas não caro”, diz especialista A cerimonialista e autora do livro e do blog “Casar é fácil”, Emanuelle Missura, explica que o importante na escolha do convite é perceber se ele combina com o casal: — É a primeira impressão do que vai ser a festa, pois dita como será a cerimônia. Precisa ser bonito e elegante, mas não caro. O essencial é pesquisar os preços e as opiniões de outros clientes. Emanuelle lembra que os convites mais simples e clássicos são uma tendência, e que os noivos também precisam avaliar os custos de registrar os nomes dos convidados nos envelopes. Há duas opções: os tradicionais calígrafos — que escrevem os nomes manualmente e cobram, em média, R$ 2,60 por unidade — e a impressão digital dos nomes que, muitas vezes, já está incluída no valor total dos convites.


Veículo: Procon Pernambuco Data: 22/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.procon.pe.gov.br/noticias/ler.php?id=4242

Saiba como economizar na hora de escolher o convite de casamento

Data: 22 de Julho de 2013 - 13:35

Os preparativos de casamentos ganharam destaque no noticiário nos últimos dias e chamaram a atenção pelos gastos. No quesito convites, a união entre o cantor Naldo e a dançarina Moranguinho arrasou: o casal gastou R$ 25 mil na confecção das mensagens destinadas a 300 convidados para a festa do dia 23 de setembro. Mas é possível fazer bonito, sem gastar tanto com essa convocação para o dia tão especial. Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, não existe certo ou errado quando o assunto é


convite: o casal precisa fazer a escolha de acordo com suas preferências e seu padrão de vida: — As pessoas precisam ter certeza de que esse dinheiro não vai fazer falta e verificar quais são as prioridades para a cerimônia. Com a tecnologia, ficou mais fácil comparar preços e, quem sabe, até optar por um convite virtual. No caso do casamento do cantor Naldo, supondo que cada convite seja enviado para uma pessoa com um acompanhante, cada unidade saiu por R$ 166. Os cartões individuais incluem um código de barras para evitar penetras, além dos perfumes do noivo e da noiva. Outra união que deu o que falar foi a de Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho, herdeiros de famílias do setor de transportes. Além de ter sido marcada pela ação de manifestantes no dia 13, o evento para cerca de mil pessoas deve ter custado R$ 2 milhões, sendo, pelo menos, R$ 20 mil destinados aos convites, de acordo com estimativas de cerimonialistas. A noiva Michele Corrêa, de 37 anos, confirma que a internet pode ser uma boa aliada na busca da combinação perfeita entre preço e sofisticação para chamar os familiares e os amigos. Após muita pesquisa, a gerente financeira conseguiu encomendar cada convite para sua união com o noivo, Thiago, por R$ 6, incluindo a impressão e a entrega em sua casa. Com o dinheiro que economizou nesse item, investiu em detalhes, como lembrancinhas e um espumante de melhor qualidade, para a comemoração, que acontecerá em novembro. — A festa é muito mais marcante, e a lembrancinha poderá ser guardada para sempre. Por outro lado, acredito que a maioria das pessoas joga o convite fora. Ele não pode faltar, mas não precisa custar nenhuma fortuna para ser de bom gosto — opina. Amanda da Silva Alves, de 25 anos, e Luis Felipe Monteiro, de 28, também pesquisaram e encomendaram apenas o layout dos convites por R$ 40 pela internet. Vão imprimi-los na gráfica. — Alcancei os objetivos: exclusividade e economia — diz a analista de compras. “Elegante, mas não caro”, diz especialista A cerimonialista e autora do livro e do blog “Casar é fácil”, Emanuelle Missura, explica que o importante na escolha do convite é perceber se ele combina com o casal: — É a primeira impressão do que vai ser a festa, pois dita como será a cerimônia. Precisa ser bonito e elegante, mas não caro. O essencial é pesquisar os preços e as opiniões de outros clientes. Emanuelle lembra que os convites mais simples e clássicos são uma tendência, e que os noivos também precisam avaliar os custos de registrar os nomes dos convidados nos envelopes. Há duas opções: os tradicionais calígrafos — que escrevem os nomes manualmente e cobram, em média, R$ 2,60 por unidade — e a impressão digital dos nomes que, muitas vezes, já está incluída no valor total dos convites.


Veículo: Goiasnet Data: 21/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.goiasnet.com/ultimas/ult_report.php?cod=538702

Pirâmide: sonho de dinheiro fácil acaba em prejuízo e ação judicial O Globo

Rentabilidade muito acima da média do mercado, risco baixo e retorno no curto prazo. Quem não se sentiria atraído por uma fórmula como esta, especialmente no atual contexto econômico brasileiro, no qual as aplicações de renda fixa oferecem um ganho de 0,5% ao mês, quase o mesmo que a da poupança, e a Bolsa de Valores acumula tombos consecutivos? Consultores financeiros ouvidos pelo GLOBO afirmam que essa pode ser uma das razões para o ressurgimento dos esquemas conhecidos como pirâmide financeira, um tipo de golpe que desde o século passado atrai gente de todas as classes sociais no Brasil e no exterior com promessa de ganho elevado e fácil. Especialistas dizem que os golpistas se reinventaram na era eletrônica, quando a internet, via redes sociais ou e-mails, multiplicou o poder de arregimentar vítimas. — Esse tipo de armadilha atrai muita gente que está em dificuldade financeira ou muito endividada. Há também os que procuram uma alternativa mais rentável de investimento e acabam no golpe. O atual cenário econômico, com renda fixa dando um ganho real muito pequeno, com a queda da taxa de juro, e a Bolsa com perda de mais de 20% no ano, favorece a aplicação desse golpe — diz Miguel Ribeiro de Oliveira, consultor financeiro. A volta da inflação, atualmente rondando o patamar de 6,5% ao ano, também é um ingrediente a mais. Na prática, inflação mais elevada significa renda corroída e menor poder de compra. — Qualquer opção de aplicação que ofereça ganho real acima da inflação é interessante. No caso das pirâmides, o ganho geralmente é muito superior à medida do mercado. Mas se transforma em prejuízo, em pouco tempo. As principais vítimas são aquelas que vão entrando no esquema por último, antes que desmorone — diz Ribeiro. A nova onda de pirâmides foi identificada em reunião da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor, diz o promotor Murilo Miranda, presidente da entidade. Foi então que os ministérios públicos estaduais e


federal formaram uma força-tarefa que já bloqueou bens e suspendeu as atividades de TelexFree e BBom e investiga outras 16 empresas. — A questão das pirâmides é cíclica e ocorre sempre por razões diferentes. Há mais de 60 anos temos casos no país. Com a internet e as redes sociais, não há mais limitações para essas empresas, e a rede de divulgadores se dissemina com uma abrangência maior — explica. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que os modelos de pirâmide financeira se sofisticaram. Ganharam velocidade e capacidade de multiplicação com a internet. Seu poder de obter novos sócios tornou-se muito maior: — Com a pirâmide via e-mail ou rede social, e o débito da conta sendo feito em minutos também pelo computador, esses esquemas ganharam velocidade. Os golpistas se reinventaram. Novos casos são investigados E novos casos não param de surgir. Desde o último dia 12, a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul (PR/RS) investiga nova denúncia feita por email, por um anônimo. No Rio, há uma decisão da Justiça contra a Associação Frutos da Terra Brasil por prática de pirâmide financeira, ofertando carta de crédito para compra da casa própria. O Tribunal de Justiça suspendeu as atividades da associação e determinou indenizações, mas ninguém foi ressarcido ainda. Ramillo Sherman de Souza é advogado de 20 das 44 pessoas lesadas pela Frutos da Terra que, até quinta-feira, já haviam se habilitado na Justiça do Rio para receber indenização. A sentença da juíza Márcia Cunha de Carvalho, titular da 2ª Vara Empresarial do Rio, determina a devolução em dobro e com juros do investimento feito pelos associados, além de pagamento de R$ 5 mil a cada um por danos morais. Segundo Souza, os associados eram convencidos a pagar 30 prestações de R$ 50 a R$ 120 e levados a acreditar que, ao fim desse período, receberiam uma carta de crédito mil vezes maior do que a parcela. De acordo com a investigação, só eram beneficiadas pessoas próximas à diretoria da organização, como parentes e amigos. Para aumentar a atratividade do negócio, a Frutos da Terra prometia vantagens, de comissão a abatimento de mensalidades, a quem trouxesse novos associados. — Por iludir as pessoas sobre a compra de algo tão significativo, esse é um estelionato da maior gravidade — ressalta a juíza. A empresa recorreu da sentença de julho do ano passado. No entanto, em maio deste ano, a 17ª Câmara Cível confirmou a decisão —novo recurso, só no Superior Tribunal de Justiça. Ribamar Evangelista, de 58 anos, mora em Arraial do Cabo e busca reaver seu investimento na Frutos das Terra. Ele pagou 39 prestações, num total de R$ 4.240, e só se deu conta de que tratava-se de uma pirâmide no início deste ano. — A casa própria é um sonho para todo mundo. Não importa a classe social. E essa era a realização de um sonho também para meus dois filhos. Tive de esticar o orçamento para pagar R$ 120 por mês — lamenta Evangelista, que


levou três amigos para o grupo. Foi um deles que o alertou sobre o golpe. O promotor Julio Machado Teixeira Costa, autor da ação civil pública que resultou na condenação da associação, alerta que não há como ofertas vantajosas demais serem cumpridas: — Como é possível alguém contribuir com um total de R$ 1.500 e, em 30 meses, ganhar uma carta de crédito no valor de R$ 50 mil? Lucro tem origem em associados O fundador e presidente da Frutos da Terra Brasil, Carlos Alberto Rotermund, foi procurado pelo GLOBO, mas não atendeu às ligações. Basicamente, o que carateriza as pirâmides financeiras, de venda de serviços ou de produtos, é a origem do lucro dos participantes. Se o ganho vem do dinheiro aplicado pelos que entram no negócio, então trata-se de um esquema clássico. O consultor financeiro Ribeiro lembra de um dos mais famosos casos registrados no Brasil: o das Fazendas Reunidas Boi Gordo, que se popularizou nos anos 1990, oferecendo uma espécie de parceria. O investidor aplicava nos bois e, ao fim do contrato, recebia o lucro da venda do animal engordado. O rendimento prometido era de no mínimo 42% e atraiu mais de 30 mil pessoas, entre elas técnicos e jogadores de futebol, atores e até economistas. A pirâmide ruiu em 2004 e deixou prejuízo bilionário. A psicóloga Beatriz Nunes Bernardi diz que mesmo quem já ouviu falar da fraude é atraído porque o ganho fácil seduz e a emoção se sobrepõe à razão: — Além disso, como algumas pessoas de fato têm um bom retorno quando o esquema está no começo, isso acaba sendo um chamariz. Para Marcelo Maron, consultor financeiro e diretor executivo do Grupo PAR, não importa o contexto. O grande atrativo é a promessa de ganho fácil.


Veículo: Bemparaná Data: 21/07/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.bemparana.com.br/tupan/piramide-sonho-de-dinheiro-facil-acaba-emprejuizo-e-acao-judicial/

Pirâmide: sonho de dinheiro fácil acaba em prejuízo e ação judicial Rentabilidade muito acima da média do mercado, risco baixo e retorno no curto prazo. Quem não se sentiria atraído por uma fórmula como esta, especialmente no atual contexto econômico brasileiro, no qual as aplicações de renda fixa oferecem um ganho de 0,5% ao mês, quase o mesmo que a da poupança, e a Bolsa de Valores

acumula

tombos

consecutivos?

Consultores

financeiros

ouvidos pelo GLOBO afirmam que essa pode ser uma das razões para o ressurgimento dos esquemas conhecidos como pirâmide financeira, um tipo de golpe que desde o século passado atrai gente de todas as classes sociais no Brasil e no exterior com promessa de ganho elevado e fácil. Especialistas dizem que os golpistas se reinventaram na era eletrônica, quando a internet, via redes sociais ou e-mails, multiplicou o poder de arregimentar vítimas. - Esse tipo de armadilha atrai muita gente que está em dificuldade financeira ou muito endividada. Há também os que procuram uma alternativa mais rentável de investimento e acabam no golpe. O atual cenário econômico, com renda fixa dando um ganho real muito


pequeno, com a queda da taxa de juro, e a Bolsa com perda de mais de 20% no ano, favorece a aplicação desse golpe – diz Miguel Ribeiro de Oliveira, consultor financeiro. A volta da inflação, atualmente rondando o patamar de 6,5% ao ano, também é um ingrediente a mais. Na prática, inflação mais elevada significa renda corroída e menor poder de compra. - Qualquer opção de aplicação que ofereça ganho real acima da inflação é interessante. No caso das pirâmides, o ganho geralmente é muito superior à medida do mercado. Mas se transforma em prejuízo, em pouco tempo. As principais vítimas são aquelas que vão entrando no esquema por último, antes que desmorone – diz Ribeiro. A nova onda de pirâmides foi identificada em reunião da Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor, diz o promotor Murilo Miranda, presidente da entidade. Foi então que os ministérios públicos estaduais e federal formaram uma força-tarefa que já bloqueou bens e suspendeu as atividades de TelexFree e BBom e investiga outras 16 empresas. - A questão das pirâmides é cíclica e ocorre sempre por razões diferentes. Há mais de 60 anos temos casos no país. Com a internet e as redes sociais, não há mais limitações para essas empresas, e a rede de divulgadores se dissemina com uma abrangência maior – explica. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que os modelos de pirâmide

financeira

se

sofisticaram.

Ganharam

velocidade

e

capacidade de multiplicação com a internet. Seu poder de obter novos sócios tornou-se muito maior: - Com a pirâmide via e-mail ou rede social, e o débito da conta sendo feito

em

minutos

também

pelo

computador,

ganharam velocidade. Os golpistas se reinventaram.

esses

esquemas


novos casos são investigados E novos casos não param de surgir. Desde o último dia 12, a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul (PR/RS) investiga nova denúncia feita por e-mail, por um anônimo. No Rio, há uma decisão da Justiça contra a Associação Frutos da Terra Brasil por prática de pirâmide financeira, ofertando carta de crédito para compra da casa própria. O Tribunal de Justiça suspendeu as atividades da associação e determinou indenizações, mas ninguém foi ressarcido ainda. Ramillo Sherman de Souza é advogado de 20 das 44 pessoas lesadas pela Frutos da Terra que, até quinta-feira, já haviam se habilitado na Justiça do Rio para receber indenização. A sentença da juíza Márcia Cunha de Carvalho, titular da 2ª Vara Empresarial do Rio, determina a devolução em dobro e com juros do investimento feito pelos associados, além de pagamento de R$ 5 mil a cada um por danos morais. Segundo Souza, os associados eram convencidos a pagar 30 prestações de R$ 50 a R$ 120 e levados a acreditar que, ao fim desse período, receberiam uma carta de crédito mil vezes maior do que a parcela. De acordo com a investigação, só eram beneficiadas pessoas próximas à diretoria da organização, como parentes e amigos. Para aumentar a atratividade do negócio, a Frutos da Terra prometia vantagens, de comissão a abatimento de mensalidades, a quem trouxesse novos associados. - Por iludir as pessoas sobre a compra de algo tão significativo, esse é um estelionato da maior gravidade – ressalta a juíza. A empresa recorreu da sentença de julho do ano passado. No entanto, em maio deste ano, a 17ª Câmara Cível confirmou a decisão -novo recurso, só no Superior Tribunal de Justiça.


Ribamar Evangelista, de 58 anos, mora em Arraial do Cabo e busca reaver seu investimento na Frutos das

Terra. Ele

pagou 39

prestações, num total de R$ 4.240, e só se deu conta de que tratavase de uma pirâmide no início deste ano. - A casa própria é um sonho para todo mundo. Não importa a classe social. E essa era a realização de um sonho também para meus dois filhos. Tive de esticar o orçamento para pagar R$ 120 por mês – lamenta Evangelista, que levou três amigos para o grupo. Foi um deles que o alertou sobre o golpe. O promotor Julio Machado Teixeira Costa, autor da ação civil pública que resultou na condenação da associação, alerta que não há como ofertas vantajosas demais serem cumpridas: - Como é possível alguém contribuir com um total de R$ 1.500 e, em 30 meses, ganhar uma carta de crédito no valor de R$ 50 mil? Lucro tem origem em associados O fundador e presidente da Frutos da Terra Brasil, Carlos Alberto Rotermund, foi procurado pelo GLOBO, mas não atendeu às ligações. Basicamente, o que carateriza as pirâmides financeiras, de venda de serviços ou de produtos, é a origem do lucro dos participantes. Se o ganho vem do dinheiro aplicado pelos que entram no negócio, então trata-se de um esquema clássico. O consultor financeiro Ribeiro lembra de um dos mais famosos casos registrados no Brasil: o das Fazendas Reunidas Boi Gordo, que se popularizou nos anos 1990, oferecendo uma espécie de parceria. O investidor aplicava nos bois e, ao fim do contrato, recebia o lucro da venda do animal engordado. O rendimento prometido era de no mínimo 42% e atraiu mais de 30 mil pessoas, entre elas técnicos e jogadores de futebol, atores e até economistas. A pirâmide ruiu em 2004 e deixou prejuízo bilionário.


A psicóloga Beatriz Nunes Bernardi diz que mesmo quem já ouviu falar da fraude é atraído porque o ganho fácil seduz e a emoção se sobrepõe à razão: - Além disso, como algumas pessoas de fato têm um bom retorno quando o esquema está no começo, isso acaba sendo um chamariz. Para Marcelo Maron, consultor financeiro e diretor executivo do Grupo PAR, não importa o contexto. O grande atrativo é a promessa de ganho fácil.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 20/07/2013 Editoria: Economia

Site:

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo =1293951

Inadimplentes com dívidas mais altas são 49% 20.07.2013

No acumulado do semestre, o aumento da inadimplência chega a 6,40% na comparação com o ano passado Dos brasileiros inadimplentes, a maioria se concentra no grupo que tem dívidas acima de R$ 500, representando 49,54% do universo de devedores, segundo o indicador ampliado do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) no mês de junho. A inadimplência no comércio, em junho, apresentou uma leve alta, de 0,67%, na comparação com junho do ano passado. Durante o planejamento na hora de por ordem nas contas, é fundamental o inadimplente priorizar as dívidas com juros mais altos, que geralmente são as do cartão de crédito e cheque especial Foto: Waleska Santiago As dívidas até R$ 500 responderam por 15,97% dos casos. Valores até R$ 250 refletiram 18,37% do total. Dívidas de até R$ 100 responderam por 16,12% dos casos. Entram nesse cálculo da inadimplência pessoas que estão com contas em atraso há mais de 90 dias. No acumulado do semestre, o aumento da inadimplência chega a 6,40% na comparação com igual período de 2012. Diante disso, o educador financeiro e autor do livro Livre-se das Dívidas, Reinaldo Domingos, recomenda, na obra, o consumidor fazer um diagnóstico financeiro, para se ter


noção do quanto se ganha e o que se gasta. Cuidados Outro ponto ressaltado por ele é a necessidade de fazer "um apontamento de despesas diárias por tipo de despesas pelos próximos 30 dias", para poder identificar excessos e cortá-los. Domingos destaca que é preciso procurar o credor apenas quando se tiver domínio completo sobre o próprio dinheiro. Uma dica importante é a portabilidade, que pode ser usada para reduzir o endividamento a partir de linhas de créditos mais baixas. Porém, Domingos reforça que isso não resolve a causa do problema. Durante o planejamento, é fundamental priorizar as dívidas com juros mais altos, que geralmente são as do cartão de crédito e cheque especial. Levantamento Os dados do SPC levam em consideração mais de 150 milhões de CPFs. O SPC, entretanto, não divulga o número absoluto de inadimplentes dentro desse total de CPFs. Mas a pesquisa apresenta o perfil da inadimplência, com dados por gênero, idade e valor da dívida. Esse detalhamento permitiu, por exemplo, apurar que a maior parte dos cadastros negativos concentra-se em CPFs de consumidores com mais de 65 anos de idade. Outra conclusão obtida foi que 53,7% dos cadastros inadimplentes pertenciam a mulheres e 46,23% eram de homens. O SPC Brasil destaca que as mulheres foram as que mais atrasaram as dívidas no mês de junho, mas também foram as que mais sanaram os compromissos atrasados. O público feminino liderou a recuperação de crédito, com 55,12%. Os homens representaram 44,88% dos CPFs removidos da base de inadimplentes do SPC. Domingos diz que, antes de parcelar as dívidas, é preciso verificar se a parcela cabe no orçamento. "Saiba que para pagas dívidas atrasadas terá que repensar seu padrão de vida". SAIBA MAIS Perfil dos consumidores na lista do SPC A maior parte dos cadastros negativos em CPFs de consumidores com mais de 65 anos de idade.


Quanto gênero, 53,7% dos inadimplentes são mulheres, enquanto que 46,23% homens as mulheres lideram a recuperação de crédito no mês de junho, com 55,12% os homens representam 44,88% dos CPFs removidos da base de inadimplentes do SPC O sistema de consulta envolve mais de 150 milhões de cadastros de pessoas físicas (CPFs) Inclusão indevida gera indenização Apesar de alguns inadimplentes entrarem na lista do SPC por não honrarem os compromissos, tem sido muito comuns os casos de inclusões indevidas, gerando uma série de constrangimentos aos consumidores. Caso o consumidor tenha o nome incluído de forma indevida na lista de inadimplentes, a retirada deve ser em até cinco dias úteis FOTO: ELLEN FREITAS Conforme a Proteste - Associação de Consumidores, a orientação é exigir ao fornecedor a correção imediata, que deve ser feita em até cinco dias úteis. A entidade também reforça que os consumidores não podem ser incluídos nos órgãos de proteção ao crédito sem aviso prévio. Seja por erros nos sistemas ou fraudes, o consumidor tem de estar atento na hora de resolver os problemas. O professor e membro da Comissão de Prerrogativas da OAB, Hércules do Amaral, lembra que, nesses casos, o consumidor tem o direito de conseguir na justiça indenização por danos morais. Punição "O Código de Defesa do Consumidor reproduz um direito que é previsto na própria Constituição Federal, que garante que qualquer pessoa que tenha sua imagem, nome ou sua credibilidade injustamente ofendidos tenha direito à indenização". Segundo ele, esse tipo de indenização é diferente do dano material, em que é possível calcular um valor. Ele explica que não existe uma "tabela" com os preços a serem pagos, mas que os juízes seguem uma série de pontos para aplicar as sentenças.


Por outro lado, Hércules do Amaral critica o sistema de aplicação da punição. "Diferentemente de outros países, as indenizações nesse tipo de situação não são muito pesadas, para evitar o enriquecimento sem causa. Mas acabam beneficiando bancos ou operadoras de cartão de crédito, incentivando a falta de zelo e de investimento em sistemas que preservem o nome do consumidor", observa. Ele reforça que esses valores baixos são considerados irrisórios para as grandes empresas, e acabam sendo diluídos em juros e taxas para os demais consumidores. "Eu considero isso um erro muito grave contra uma pessoa. Essa banalização do dano moral com o judiciário decidindo cada vez mais por indenizações mais baixas - como um mero dissabor do dia a dia acarreta em um maior número de ocorrências negativas", ressalta Hércules do Amaral.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 20/07/2013 Editoria: Economia

Site:

http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/economia/1 0-conselhos-para-nao-endividar-se/

10 conselhos para não endividar-se Publicado em 20/07/2013 - 5:31 por Egídio Serpa | Comentar Categorias: Economia

Saiu o livro “Livre-se das Dívidas”, do educador financeiro Reinaldo Domingos, lançado pela editora DSOP. Ele dá 10 dicas para quem não quer endividar-se nunca mais: 1) Fazer o diagnóstico financeiro anualmente; 2) ter no mínimo três sonhos, de curto, médio e longo prazos; 3) elaborar um orçamento mensal; 4) poupar todo mês parte do que ganha; 5) gastar menos do que ganha; 6) ter limites de cartão de crédito inferiores aos seus ganhos; 7) não usar e, se possível, não ter cheque especial; 8) manter reservas para as situações de emergência; 9) distinguir o essencial do supérfluo; 10) comprar sempre à vista, e com desconto. O livro ainda recomenda: na hora de comprar, pergunte-se várias vezes: eu realmente preciso desse produto?


Ve铆culo: Jornal Empresas e Neg贸cios Data: 19/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jornalempresasenegocios.com.br/pagina_07_ed_2449.pdf


Ve铆culo: Jornal Empresas e Neg贸cios Data: 19/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jornalempresasenegocios.com.br/pagina_04_ed_2449.pdf


Veículo: Infomoney Data: 18/07/2013 Editoria: Economia Site: http://m.odiario.com/zoom/noticia/758872/ferias-na-escola-implicam-em-aumento-degastos-em-casa/

Férias para as crianças e aumento das despesas Mariana Branco, Agência Brasil

Os gastos são mais altos em julho para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na tevê e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. "Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à tevê e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins, o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo o destino, pode ter gastos extras equivalentes à renda de 1 mês", analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês


de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. "Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente, a maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte está endividada e precisando se organizar para retomar o controle", ressalta o educador financeiro. Segundo ele, dialogar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. "Muitas vezes, o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar'?" Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado", destaca. Sem consumismo Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. "Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro."


VeĂ­culo: Infomoney Data: 18/07/2013 Editoria: Economia Site: https://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2868413/dados-apontampara-crescimento-ciclo-endividamento


Veículo: Isto É Dinheiro Data: 17/07/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/124150_DESCONHECIMENTO+DAS+T AXAS+DO+CARTAO+DE+CREDITO+LEVA+AO+ENDIVIDAMENTO

Desconhecimento das taxas do cartão de crédito leva ao endividamento Pesquisa do SPC Brasil revela que 72% dos usuários do "dinheiro de plástico" não sabem quais são os valores dos juros cobrados pelas operadoras Por Keila CÂNDIDO

O cartão de crédito se tornou uma facilidade usada por cerca de 140 milhões de pessoas no País, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços. A comodidade e a segurança faz com que o cartão seja uma das formas mais comuns de pagamento. Um risco, porém, é a utilização sem limites - o que compromete a saúde das finanças pessoais. E, pior que isso, é o desconhecimento em relação às taxas pagas no rotativo. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que 72% dos usuários do "dinheiro de plástico” não sabem quais são os valores dos juros e taxas cobradas pelas operadoras no rotativo, algo que pode chegar a mais de 600% ao ano.


Juros e taxas podem chegar a 600%

É aí que está o perigo do endividamento. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio, o nível deinadimplência entre as famílias brasileiras aumentou 65,2% em julho, comparação com o mês anterior. O cartão de crédito foi apontado por 75,2% delas como o principal fator de endividamento. Seguido por carnês, para 17,9%, e, em terceiro, por financiamento de carro, para 12,1%. “Para muitas pessoas é difícil se controlar diante das vantagens que os cartões de crédito parecem oferecer aos correntistas”, disse o educador financeiro Reinaldo Domingos. No entanto, diz, a falta de conhecimento sobre os aspectos que envolvem o uso dessa facilidade pode levar ao acúmulo de dívidas. Com a ajuda de Domingos, que também é presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Dinheiro reuniu oito dicas para você fazer o melhor uso do "dinheiro de plástico". Confira: 1. O limite do cartão de crédito não deve ultrapassar 50% do salário ou ganho mensal.

2. Ao fazer parcelas fixas, é preciso ter consciência de que está comprometendo os meses futuros do orçamento mensal.

3. Evite pagar a parcela mínima da fatura. As altas taxas de juros levam à inadimplência. Caso não consiga pagar o valor total, é essencial fazer, imediatamente, um diagnóstico financeiro e descobrir o verdadeiro problema. Pesquise também outra linha de crédito que não ultrapasse 2,5% ao mês.

4. Não aceite pagar anuidade do cartão. Atualmente, é fácil encontrar cartões que não cobram nenhuma taxa de manutenção.


5. Nunca empreste o cartão de crédito à outra pessoa, mesmo que seja conhecida.

6. Se tiver apenas um ganho mensal, só deverá ter um cartão de crédito; se receber semanalmente, poderá ter até três, com vencimento nos dias 10, 20 e 30. Assim, poderá comprar seis dias antes do vencimento de cada um deles, ganhando 36 dias para pagamento.

7. Você emprestaria a uma pessoa desconhecida, deixando que pague em prestações sem juros? Dificilmente. O banco também não faz isso. Portanto, poupe dinheiro, compre à vista e peça descontos.

8. O cartão de crédito, muitas vezes, impulsiona as pessoas a consumirem sem motivos. Cuidado! Tenha responsabilidade na hora de comprar, sempre pergunte se precisa do produto, se tem toda a quantia necessária para adquiri-lo ou se terá como pagar a fatura total do cartão no seu vencimento.


Veículo: TV Câmara Data: 17/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.youtube.com/watch?v=JO0OJcbsW98&feature=youtu.be

Bianca Fiori fala sobre como controlas as finanças


Veículo: Jovem Pan Data: 16/07/2013 Editoria: Economia Site: http://jovempan.uol.com.br/videos/saiba-qual-a-importancia-de-instruir-as-criancas71193,1,0

Reinaldo Domingos explica a importância de instruir as crianças sobre Educação Financeira


Veículo: Infomoney Data: 15/07/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.oliberalnet.com.br/noticia/17F4CA411C5gastos_nas_ferias_podem_crescer_100

Gastos nas férias podem crescer até 100% Além de gastos com viagens, o consumo de energia tende a aumentar durante as férias escolares

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. "Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês", analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. "Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos


que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle", ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. "Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado", destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. "Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro", sugere.


Veículo: iG Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.ig.com.br/financas/casapropria/2013-07-15/calculadora-da-casapropria-financiar-ou-comprar-a-vista.html

Calculadora da casa própria: financiar ou comprar à vista? Compare o capital que você acumularia em uma aplicação financeira e o total pago no financiamento de um imóvel, e veja se vale a pena aplicar para comprar seu imóvel à vista, mesmo pagando aluguel

Financiamento bancário não é o único caminho para realizar o sonho da casa própria. E nem o melhor, na opinião de três especialistas em finanças pessoais. Eles afirmam que é possível pagar aluguel e poupar para comprar à vista, desde que o padrão de vida seja modesto – gastar menos do que ganha e poupar o restante no fim do mês, sempre com disciplina. Ao fazer uma reserva financeira para comprar o imóvel, ele pode ser quitado em um tempo bem menor, e o valor desembolsado cai consideravelmente em relação ao total financiado, acrescido dos juros, que variam entre 8% e 12% ao ano. “Se você financiar hoje uma casa no prazo de 30 anos, quando quitar o imóvel terá pago o valor de até duas casas e meia”, exemplifica o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira. Calculadora do iG , desenvolvida com a ajuda da DSOP Educação Financeira, permite comparar os ganhos com investimentos e as depesas com um financiamento imobiliário. Se o mesmo valor mensal for desembolsado em uma aplicação financeira, em sete anos e meio é possível comprar a mesma casa à vista, calcula o consultor. Para isso, pode-se encontrar aplicações de longo prazo nos papéis do Tesouro Direto (NTN-Bs) ou em planos de previdência privada, contanto que as taxas de administração e manutenção do investimento não consumam os rendimentos. Pago aluguel. E agora? O problema é que nem todo aspirante a comprar um imóvel tem o privilégio de morar na casa dos pais para juntar o dinheiro. Quem paga aluguel geralmente reclama que a despesa consome grande parte do orçamento doméstico. “Se o aluguel custar R$ 1 mil por mês e um financiamento custar R$ 2 mil mensais, aconselho ficar no aluguel e aplicar os R$ 1 mil restantes, para quitar o imóvel em menos tempo”, recomenda Domingos.


Outro argumento a favor do aluguel é que, quanto mais jovem for o investidor, menos ele precisa de uma casa própria, na opinião do consultor financeiro e autor de livros Gustavo Cerbasi. “Se o jovem assumir uma prestação elevada, vai limitar as oportunidades de arriscar na carreira e melhorar de vida”, diz. Enquanto houver disposição para mudanças, a flexibilidade do aluguel é um ponto favorável. Já quando a pessoa começa a fincar raízes, após ter criado um bom patrimônio, estará mais preparada para sair do aluguel e comprar a casa própria, acredita Cerbasi. “Ele terá uma renda mais alta, Fundo de Garantia dor Tempo de Serviço (FGTS) acumulado e possibilidade de fazer um financiamento num prazo mais curto”. Para o professor de finanças da Fundação Getulio Vargas William Eid, o preço dos aluguéis atuais é bem irregular em relação ao valor dos imóveis. “Um bom rendimento seria de 0,6% ao mês, mas há casos em que o aluguel rende 0,3%”, exemplifica. Ele também considera que pagar um aluguel baixo e aplicar para comprar à vista é vantajoso, desde que a pessoa tenha um padrão de vida abaixo dos próprios recursos. Um imóvel de quatro quartos com valor médio de venda de R$ 10.521 por metro quadrado, no bairro de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, tinha aluguel médio de R$ 39,08 por metro quadrado, segundo dados de junho do Secovi-Rio. Isso representa uma rentabilidade mensal de 0,37%. A caderneta de poupança, sozinha, teve rendimento líquido de 0,46% no mesmo mês, e terá ganhos maiores com a recente alta da Selic, a taxa básica de juros . Seja qual for a escolha do consumidor, a prestação de um financiamento ou o aluguel não devem comprometer mais que 20% da renda familiar para assegurar um bom planejamento financeiro no longo prazo, recomenda Domingos, do DSOP. Custos embutidos

Vale lembrar, também, que possuir um imóvel, por si só, não é garantia de patrimônio sólido ou valorização. A recente guinada dos preços no Brasil já apresenta sinais de acomodação em 2013, o que deve significar que os ganhos obtidos há poucos anos não se repetirão tão cedo. “Se um apartamento comprado por R$ 1 milhão continuar valendo R$ 1 milhão após dois anos, haverá perda de 10% de seu valor, considerando uma inflação anual de 5%”, exemplifica Eid. Ter em mãos o dinheiro à vista para comprar o imóvel, sem manter uma reserva extra, também é um erro, na visão do consultor Domingos. “O ideal é ter guardado pelo menos 50% a 100% do valor do imóvel para os custos adicionais”, aconselha. A lista dessas despesas é grande e onerosa, ainda que a maior parte das pessoas leve em conta apenas o valor do imóvel ao adquiri-lo. Somente os móveis chegam a custar entre 20% e 30% do preço da casa ou apartamento, avalia o consultor do DSOP.


Para Domingos, mensalidade do condomínio, IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), escritura do imóvel e até o custo de vida na região escolhida – como o preço da escola dos filhos e a distância até o trabalho – devem ser levados em conta no valor final. Domingos também desaconselha o uso do FGTS para dar entrada no imóvel. Pouca gente pensa, segundo ele, que na perda do emprego, a pessoa ficará descapitalizada para pagar as parcelas do financiamento, um risco muito grande. O ideal seria guardar a reserva para emergências ou mesmo para quitar o imóvel, orienta.


Veículo: Band Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.band.uol.com.br/economia/noticia/?id=100000614021&t=

Mais empresas são investigadas por golpe Fraudes mascaradas de marketing multinível se multiplicam pela internet

Saiba como funciona o golpeReprodução/Metro São Paulo

Do Metro São Paulo noticias@band.com.br

Veja também 

Polícia Federal investigará empresa TelexFree

Ilegal, 'pirâmide financeira' gera prejuízos

Embora antigos, os golpes financeiros do tipo pirâmide continuam sendo aplicados no mercado e encontraram na internet um meio para se propagar. Pelo menos 18 empresas suspeitas de crime financeiro estão sendo investigadas por uma força-tarefa criada por


promotores e procuradores de todo o país. Entre elas estão TelexFree, BBom, Cidiz, Nnex, Priples e Multiclick. Leia outras notícias do Metro São Paulo “A diferença hoje é a velocidade. Hoje, é só mandar um convite pela rede social para atingir muitas pessoas”, afirma Roberta Kuruzu, diretora da Abevd (Associação Brasileira de Vendas Diretas). Muitas vezes, essas empresas anunciam praticar o chamado marketing multinível, mas há indícios de pirâmide. Segundo a diretora da Abevd, o sistema multinível, que oferece ganhos por meio da captação de novos revendedores, é usada pelas empresas de venda direta. No entanto, nesse caso, o negócio é sustentável, pois tem com foco a venda do produto. “No esquema legal, há preocupação em capacitação e treinamento. Os ganhos são proporcionais ao esforço”, diz. A melhor forma de prevenção é a informação. Segundo Reinaldo Domingos, educador financeiro, antes de entrar no negócio, o investidor deve saber qual a procedência da empresa, quem são os sócios e qual o seu patrimônio. “Verifique se existe ações contra a empresa e sempre consulte um advogado”, afirma.


VeĂ­culo: Jornal de BrasĂ­lia Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jornaldebrasilia.com.br/edicaodigital/pages/20130715-jornal/pdf/15.pdf


Veículo: Correio do Estado Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.correiodoestado.com.br/noticias/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate100-e-exigem-planejament_187958/

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento AGÊNCIA BRASIL 15/07/2013 05h00

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está


nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: O Povo Data: 15/07/2013 Editoria: Férias Site: http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2013/07/15/noticiasjornaleconomia,309 1994/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento.shtml

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento Dicas simples ajudam a família a não comprometer orçamento sem que a diversão das crianças seja prejudicada No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira.

Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos.

De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar.

No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a


família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.

Diálogo em dia “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta.

Segundo o educador financeiro.ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas ‘olha, filho, vamos economizar?’. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca.

Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor”. (Agência Brasil)

Dicas 1 Fazer um diagnóstico da situação financeira para determinar coma família deve se comportar. 2 Para uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis.


3 Conversar com as crianças sobre orçamento. 4 Investir em programas gratuitos e em passar mais tempo com a família.

Veículo: JCNET Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jcnet.com.br/Nacional/2013/07/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% Especialista orienta para um planejamento neste período em que crianças ficam em casa ou querem viajar e fazer passeios No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas ‘olha, filho, vamos economizar?’. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: A Trribuna Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.atribuna.com.br/noticias.asp?idnoticia=196624&idDepartamento=8&idCategoria= 0

Família com filhos

Gastos nas férias de julho podem aumentar em até 100% Agência Brasil

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o


educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Diário do Turismo Data: 15/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.diariodoturismo.com.br/materia.php?mid=30530

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Agência Brasil

Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos Foto: arquivo DT

Brasília – No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período.


“Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos.

De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.

“Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro.

Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca.

Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar


as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: O Globo Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site:

http://oglobo.globo.com/economia/dia-das-criancas-poupar-para-

comprar-os-brinquedos-a-melhor-opcao-para-enfrentar-inflacao-9022149

Dia das crianças: poupar para comprar os brinquedos é a melhor opção para enfrentar a inflação Extra

A inflação não está para brincadeira. Apesar disso, o comércio de brinquedos no país prevê alta de 12% nas vendas para o Dia das Crianças deste ano em relação a 2012. Para mostrar que é possível atender aos pedidos da criançada sem enrolar o orçamento, o EXTRA convidou uma família para, nos próximos três meses, guardar o dinheiro dos presentes para comprá-los à vista. O representante comercial André Carvalhosa, de 42 anos, e a fotógrafa Marcella Carvalhosa, de 37, acompanharam os filhos Carolina, de 6 anos, e João Pedro, de 11, na escolha dos brinquedos na loja Ri-Happy, em Niterói. Para não comprometer o orçamento, os pais determinaram a quantia de R$ 5, que será entregue semanalmente a cada um deles para a compra dos presentes. Ao final das próximas 14 semanas, cada um terá R$ 70. Como os pais já têm o hábito de poupar, André e Marcella ainda decidiram dar uma mãozinha aos filhos. Carol escolheu um presente de R$ 49,99, dentro do valor estipulado, mas o irmão optou por um jogo que custa R$ 152,99. A solução foi usar a pequena poupança que eles têm para completar o valor. — A gente tem um cofre com muitas moedas, que já somam cerca de R$ 217. De um modo geral, os preços dos brinquedos no nosso país são altos. E é exatamente devido a isso que as lojas oferecem as opções de crédito, que nem sempre são a melhor forma de comprar. Mas, como a minha renda e a da minha esposa são variáveis, a gente evita parcelar as compras para não comprometer o orçamento. Só costumamos parcelar móveis e eletrodomésticos — contou André. Carolina e João Pedro sabem que a economia é assunto sério. O menino já fez até um curso de educação financeira infantil na igreja que a família frequenta. — Vamos dar o dinheiro para eles mesmos guardarem — disse Marcella. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, autor da coleção “O menino e o dinheiro”, da editora Dsop, os pais estão mostrando a importância de esperar para comprar, tornando os filhos menos ansiosos. Domingos destaca, no entanto, que uma alternativa ainda melhor seria depositar o dinheiro na poupança. O educador explica as consequências de parcelar as compras do Dia das Crianças:


— A primeira parcela cairá em novembro, o que comprometerá muito as compras de Natal, que, com certeza, também serão parcelas, fazendo a família começar o próximo ano com dívidas. Em outubro, o EXTRA vai acompanhar a família Carvalhosa nas compras e ver o quanto ela vai conseguir economizar ao evitar o parcelamento e pedir desconto na compra à vista. Brinquedos subiram mais que a inflação, segundo o IBGE Os preços dos brinquedos no Brasil subiram 7,48% em 2012, acima dos 5,84% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No estado do Rio, a alta foi ainda maior: 11,45% contra 7,34% do IPCA. Este ano, no entanto, o cenário tem estado favorável para presentear a criançada: os brinquedos acumulam deflação de 0,84% no país e de de 4,82% no Rio até junho. Mas os dados do IBGE são contestados por Synésio da Costa, presidente da Associação dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), já que o instituto leva em conta video-games e outros produtos eletrônicos, que não são considerados brinquedos pela Associação. Mas, segundo dados obtidos pela própria Associação em uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo, no ano passado os brinquedos ficaram 5,48% mais caros no país, o equivalente a 93,8% do IPCA.


Veículo: Zero Hora Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2013/07/gastos-nas-feriaspodem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento-diz-educador-financeiro-4199962.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Melhor forma de evitar que as despesas da época desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. — Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês — analisa Domingos. De acordo com o educador financeiro, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.


— Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle — ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. — Muitas vezes o que se diz é apenas "olha, filho, vamos economizar". Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado — destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. — Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro — sugere.


Veículo: Correio Braziliense Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2013/07/14/internas_economia ,376955/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100-diz-educador-financeiro.shtml

Gastos nas férias podem crescer até 100%, diz educador financeiro Segundo o educador, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. Leia mais notícias de Economia “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro.


Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: R7 Data: 14/07/2013 Editoria: Economia

Site: http://noticias.r7.com/economia/noticias/gastos-nas-ferias-podem-crescerate-100-e-exigem-planejamento-diz-educador-financeiro-20130714.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis

Custos podem ficar até 100% acima dos habituais

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da


Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. — Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. — Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. — Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado,


Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. — Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro.


Veículo: DCI Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.dci.com.br/financas/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100-eexigem-planejamento,-diz-educador-financeiro-id355207.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro BRASÍLIA - Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira, aconselha fazer um planejamento para o período... Agência Brasil

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou


pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Terra Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201307141617_ABR_823 50269

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. "Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês", analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. "Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle", ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. "Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado", destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. "Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro", sugere.


Veículo: Extra Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://extra.globo.com/noticias/economia/dia-das-criancas-mae-vende-brinquedosusados-na-internet-para-comprar-novos-9022184.html

Dia das crianças: Mãe vende brinquedos usados na internet para comprar novos

Com apenas 4 anos, Maria Eduarda já tem uma verdadeira aula de economia com a sua mãe, Verônica Ponce, de 35 anos. Há seis meses, a assistente administrativo vende pela internet os brinquedos que não são mais usados pela filha, mas que estão em bom estado. Com o dinheiro, ela compra os novos. — Geralmente eu vendo por 50 ou 60% do valor que o brinquedo custou quando foi comprado, que são, mais ou menos, os percentuais usados pelos brechós. Verônica começou vendendo objetos como banheira e berço e depois passou para os brinquedos. Hoje ela está anunciando a bicicleta aro 12, que já ficou pequena para a Maria Eduarda, por R$ 60. Tudo é vendido só depois de um bate-papo entre mãe e filha. — Com isso, eu consigo passar um pouco de educação financeira para ela, que também guarda moedas em um cofrinho. O educador financeiro Reinaldo Domingos chama a atenção para um outro valor que essa prática pode transmitir às crianças: — Ela está ensinando a filha a, primeiro, cuidar de seus pertences. Quanto mais novos eles estiverem, maior valor de venda terão — explica Domingos, lembrando que ao se desfazer dos brinquedos antigos, a criança deixa de acumular coisas que não usa. Em outubro, o EXTRA vai voltar à casa de Verônica e Maria Eduarda para conferir o que elas conseguiram comprar, à vista, para o Dia das crianças com o dinheiro das vendas dos próximos três meses.


Veículo: Portal EBC Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.ebc.com.br/noticias/economia/2013/07/gastos-nas-ferias-podemcrescer-ate-100-e-exigem-planejamento-diz-educador

Gastos nas férias podem crescer até 100%, diz educador financeiro Brasília – No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir


efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Extra Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://extra.globo.com/noticias/economia/dia-das-criancas-poupar-para-compraros-brinquedos-a-melhor-opcao-para-enfrentar-inflacao-9022077.html

Dia das crianças: poupar para comprar os brinquedos é a melhor opção para enfrentar a inflação

A inflação não está para brincadeira. Apesar disso, o comércio de brinquedos no país prevê alta de 12% nas vendas para o Dia das Crianças deste ano em relação a 2012. Para mostrar que é possível atender aos pedidos da criançada sem enrolar o orçamento, o EXTRA convidou uma família para, nos próximos três meses, guardar o dinheiro dos presentes para comprá-los à vista. O representante comercial André Carvalhosa, de 42 anos, e a fotógrafa Marcella Carvalhosa, de 37, acompanharam os filhos Carolina, de 6 anos, e João Pedro, de 11, na escolha dos brinquedos na loja RiHappy, em Niterói. Para não comprometer o orçamento, os pais determinaram a quantia de R$ 5, que será entregue semanalmente a cada um deles para a compra dos presentes. Ao final das próximas 14 semanas, cada um terá R$ 70. Como os pais já têm o hábito de poupar, André e Marcella ainda decidiram dar uma mãozinha aos filhos. Carol escolheu um presente de R$ 49,99, dentro do valor estipulado, mas o irmão optou por um jogo que custa R$ 152,99. A solução foi usar a pequena poupança que eles têm para completar o valor. — A gente tem um cofre com muitas moedas, que já somam cerca de R$ 217. De um modo geral, os preços dos brinquedos no nosso país são altos. E é exatamente devido a isso que as lojas oferecem as opções de crédito, que nem sempre são a melhor forma de comprar. Mas, como a minha renda e a da minha esposa são variáveis, a gente evita parcelar as compras para não comprometer o orçamento. Só costumamos parcelar móveis e eletrodomésticos — contou André. Carolina e João Pedro sabem que a economia é assunto sério. O menino já fez até um curso de educação financeira infantil na igreja que a família frequenta. — Vamos dar o dinheiro para eles mesmos guardarem — disse Marcella.


Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, autor da coleção “O menino e o dinheiro”, da editora Dsop, os pais estão mostrando a importância de esperar para comprar, tornando os filhos menos ansiosos. Domingos destaca, no entanto, que uma alternativa ainda melhor seria depositar o dinheiro na poupança. O educador explica as consequências de parcelar as compras do Dia das Crianças: — A primeira parcela cairá em novembro, o que comprometerá muito as compras de Natal, que, com certeza, também serão parcelas, fazendo a família começar o próximo ano com dívidas. Em outubro, o EXTRA vai acompanhar a família Carvalhosa nas compras e ver o quanto ela vai conseguir economizar ao evitar o parcelamento e pedir desconto na compra à vista. Brinquedos subiram mais que a inflação, segundo o IBGE Os preços dos brinquedos no Brasil subiram 7,48% em 2012, acima dos 5,84% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No estado do Rio, a alta foi ainda maior: 11,45% contra 7,34% do IPCA. Este ano, no entanto, o cenário tem estado favorável para presentear a criançada: os brinquedos acumulam deflação de 0,84% no país e de de 4,82% no Rio até junho. Mas os dados do IBGE são contestados por Synésio da Costa, presidente da Associação dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), já que o instituto leva em conta video-games e outros produtos eletrônicos, que não são considerados brinquedos pela Associação. Mas, segundo dados obtidos pela própria Associação em uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo, no ano passado os brinquedos ficaram 5,48% mais caros no país, o equivalente a 93,8% do IPCA.


Veículo: O Globo Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://oglobo.globo.com/economia/dia-das-criancas-mae-vendebrinquedos-usados-na-internet-para-comprar-novos-9022206

Dia das crianças: Mãe vende brinquedos usados na internet para comprar novos Extra

Com apenas 4 anos, Maria Eduarda já tem uma verdadeira aula de economia com a sua mãe, Verônica Ponce, de 35 anos. Há seis meses, a assistente administrativo vende pela internet os brinquedos que não são mais usados pela filha, mas que estão em bom estado. Com o dinheiro, ela compra os novos. — Geralmente eu vendo por 50 ou 60% do valor que o brinquedo custou quando foi comprado, que são, mais ou menos, os percentuais usados pelos brechós. Verônica começou vendendo objetos como banheira e berço e depois passou para os brinquedos. Hoje ela está anunciando a bicicleta aro 12, que já ficou pequena para a Maria Eduarda, por R$ 60. Tudo é vendido só depois de um bate-papo entre mãe e filha. — Com isso, eu consigo passar um pouco de educação financeira para ela, que também guarda moedas em um cofrinho. O educador financeiro Reinaldo Domingos chama a atenção para um outro valor que essa prática pode transmitir às crianças: — Ela está ensinando a filha a, primeiro, cuidar de seus pertences. Quanto mais novos eles estiverem, maior valor de venda terão — explica Domingos, lembrando que ao se desfazer dos brinquedos antigos, a criança deixa de acumular coisas que não usa. Em outubro, o EXTRA vai voltar à casa de Verônica e Maria Eduarda para conferir o que elas conseguiram comprar, à vista, para o Dia das crianças com o dinheiro das vendas dos próximos três meses.


Veículo: Diário do Catarinense Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/noticia/2013/07/gastos-nas-feriaspodem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento-diz-educador-financeiro-4199962.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Melhor forma de evitar que as despesas da época desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. — Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês — analisa Domingos. De acordo com o educador financeiro, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.


— Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle — ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. — Muitas vezes o que se diz é apenas "olha, filho, vamos economizar". Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado — destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. — Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro — sugere.


Veículo: em.com.br Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2013/07/14/internas_economia,422545/gasto s-nas-ferias-podem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento.shtml

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento Agência Brasil Publicação: 14/07/2013 13:51 Atualização: No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela


quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: MSN Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.br.msn.com/brasil/gastos-nas-f%C3%A9rias-podem-crescerat%C3%A9-100percent-e-exigem-planejamento-diz-educador-financeiroag%C3%AAncia-brasil

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Repórter da Agência Brasil Brasília - No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. 'Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês', analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. 'Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle', ressalta o educador financeiro.


Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. 'Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado', destac Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. 'Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro', sugere.


Veículo: Jornal do Brasil Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jb.com.br/economia/noticias/2013/07/14/gastos-nas-ferias-podemcrescer-ate-100-e-exigem-planejamento/

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento Brasília – No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como


gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Tribuna da Bahia Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.tribunadabahia.com.br/2013/07/14/especialista-mostra-como-evitarexagero-de-gastos-durante-as-ferias

Especialista mostra como evitar o exagero de gastos durante as férias

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da DsopEducação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos.


De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: iG Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.ig.com.br/2013-07-14/ferias-escolares-aumentam-gastos-mesmopara-quem-evita-viajar.html

Férias escolares aumentam gastos mesmo para quem evita viajar Maior uso de computador e TV, além de passeios ocasionais, elevam despesas em até 50%

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. Faça um diagnóstico meses antes


De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Leia também: Número de famílias endividadas cai em junho, aponta FecomercioSP Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Programas gratuitos Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas", afirma a escritora. "Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Diário de Pernambuco Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2013/07/14/internas_econo mia,450600/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento-diz-educadorfinanceiro.shtml

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Agência Brasil Publicação: 14/07/2013 13:24 Atualização: No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro.


Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquinique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 14/07/2013 Editoria: Negócios Site: http://diariodonordeste.globo.com/noticia.asp?codigo=362876

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro AGÊNCIA BRASIL | 16H05 | 14.07.2013

A melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Foto: Agência Brasil Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.


Conversa é importante “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Contramão do consumismo Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: O Nacional Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.onacional.com.br/economia/39475/planejamento+de+ferias+e+o+controle+ de+gastos

Planejamento de férias e o controle de gastos Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.


“Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos ashopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: Panorama Brasil Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.panoramabrasil.com.br/economia/gastos-nas-ferias-podem-crescer-ate-100e-exigem-planejamento,-diz-economista-id111351.html

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz economista Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira, aconselha fazer um planejamento para o período Por: Agência Brasil

BRASÍLIA

Divulgação

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz economista

No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A famíliaprecisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período. “Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês”, analisa Domingos. De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou


pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família. “Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle”, ressalta o educador financeiro. Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. “Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado”, destaca. Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. “Os pais ficam muito presos a shopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro”, sugere.


Veículo: InterJornal Data: 14/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.interjornal.com.br/noticia/21091995/ultimas-noticias/gastos-nasferias-podem-crescer-ate-100-e-exigem-planejamento-diz-educador-financeiro/

Gastos nas férias podem crescer até 100% e exigem planejamento, diz educador financeiro Agência Brasil No mês de julho os gastos são mais altos para quem tem filhos por causa das férias escolares. A família precisará desembolsar com viagens ou, se ficar em casa, com o aumento das despesas pelo fato de as crianças passarem mais tempo ligadas na televisão e no computador e também porque querem fazer passeios. Os custos podem ficar até 100% acima dos habituais, de acordo com a projeção do educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira. Por isso, é aconselhável fazer um planejamento para o período.

"Quando estamos em casa abrimos mais a porta da geladeira, tomamos mais banhos, acendemos mais as luzes, assistimos mais à televisão e usamos mais o computador. Isso pode elevar de 20% a 30% os gastos de uma família, ou até mais. Todos devem ficar atentos aos exageros. Com saídas para passeios em shoppings e afins o custo pode subir até 50%. Se a família for viajar, dependendo de para onde, pode ter gastos extras equivalentes à renda de um mês", analisa Domingos.

De acordo com ele, a melhor forma de evitar que as despesas da época de férias desestabilizem o orçamento é fazer um diagnóstico prévio da situação financeira para determinar como todos devem se comportar. No caso de uma viagem, a organização deve começar meses antes. O ideal é poupar ou pagar com antecedência as passagens e os hotéis. Dessa forma, a família evita usar o dinheiro da planilha do mês de julho com essas despesas. Nas duas situações, é importante que o esforço para economizar ou não extrapolar seja negociado com todos os membros da família.

"Cabe aos pais conversar um pouco mais. Fazer reunião entre a família, as crianças. O problema é que a gente não fala e o grande segredo está em apresentar o problema. Como


está a situação financeira e como gostaríamos que ela ficasse. O que vai inibir efetivamente o gasto excessivo é a conscientização da família como um todo e estabelecer projetos. O dinheiro é só um meio para realizá-los. Para a família investidora, poupadora, tudo fica mais fácil. Mas infelizmente a grande maioria das famílias não está nessa situação. A maior parte delas está endividada e precisando se organizar para retomar o controle", ressalta o educador financeiro.

Segundo ele, conversar com as crianças sobre orçamento fica mais fácil quando há a apresentação de um objetivo atraente para elas. "Muitas vezes o que se diz é apenas 'olha, filho, vamos economizar?'. Mas da mesma forma que o adulto diminui despesas quando há algo interessante para ele, com a criança não é diferente. Fale com a criança que o que ela quiser, ela pode, desde que ela economize para isso e volte para ela como um sonho realizado", destaca.

Para a psicóloga e escritora Lívia Borges, os pais podem aproveitar o período para ir na contramão do consumismo, investindo em programas gratuitos e em tempo maior com a família. "Os pais ficam muito presos ashopping ou colônia de férias. Isso acaba restringindo muito para quem tem um poder aquisitivo menor. Dá para ter criatividade, procurar alternativas culturais gratuitas ou com tarifas reduzidas. Deixar as crianças com os amigos, combinar com outros pais de organizar aniversário de bonecas ou piquenique. Não ficar focado apenas em fazer coisas, mas aproveitar esse tempo para estar mais próximo do seu filho. Arrumar o armário de brinquedos, levar para uma instituição carente. Momentos lúdicos que não necessariamente têm a ver com dinheiro", sugere.


Veículo: Jornal A Voz dos Municípios Data: 12/07/2013 Editoria: Economia Site:

CAPA


Pรกgina 4


Veículo: Consumidor Moderno Data: 12/07/2013 Editoria: Economia Site: http://consumidorconsciente.eco.br/index.php/2012-11-22-13-05-46/item/572sete-dicas-para-otimizar-as-compras-nas-feiras-livres.html

Sete dicas para otimizar as compras nas feiras livres

Para quem não abre mão de comer vegetais frescos e pechinchar, as feiras livres são o melhor lugar para fazer compras. Além de poder escolher entre diversas barracas e aproveitar a variedade para comprar produtos de melhor qualidade, a venda tête-à-tête permite ao consumidor negociar os valores e comprar mais por menos.

Uma pesquisa realizada pelo Diário do Grande ABC constatou que a diferença de gasto entra uma feira livre e um sacolão na cidade de Mauá chega a 42,76% na compra de uma cesta com 23 itens (entre frutas, verduras e legumes). No comércio de rua o consumidor


pagou R$ 62,90 pelas compras enquanto no estabelecimento privado a conta chegou a R$ 89,80.

Para que suas compras sejam aproveitadas ao máximo no quesito qualidade e economia, reunimos algumas dicas:

• Produtos fora de época são mais caros e podem custar mais do dobro do preço, quer economizar? Compre somente produtos da época. Para consultar quais são os produtos da época e economizar o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento disponibiliza uma pesquisa feita pela CEAGESP neste link.

• Se na sua casa o consumo de frutas, verduras e leguminosas não é frequente, compre mais produtos sejam conservados por mais tempo, congelados ou reutilizados, como o abacaxi que na geladeira dura até 30 dias, a berinjela que dura em média 20 dias, ou, ainda, que possam ser transformados em doces quando já estiverem ‘passados’, mas não estragados, como banana e abóbora. Cenoura, ervilha, vagem e morango são vegetais que podem ser congelados;

• Pechinche sem medo. Uma boa forma de argumentar pelos descontos é comprar mais itens na mesma barraca. Essa atitude vale a pena no fim do mês;

• Cuidados com as unidades de medida (como quilo, dúzia ou bacia). Em alguns casos os preços por dúzias eram muito mais vantajosos que o quilo, mas nas capitais, principalmente nos dias de promoções de feirinhas que são geralmente em dia da semana, o preço por quilo acaba sendo mais em barato;

• Bata perna sem medo de ser feliz, ao longo da feira as diferenças de preço em um mesmo produto podem ser surpreendentes.

• Use os produtos por inteiro. Diga não ao desperdício. Talos e folhas podem ser aproveitados para enriquecer caldos e sopas ou, até mesmo, para o consumo, como as folhas da beterraba, cascas de frutas para fazer geleias e compotas e até mesmo a casca da batata pode virar um snack quando lavada e frita.


Veículo: Click Habilitação Data: 09/07/2013 Editoria: Contrato Site: http://www.clickhabitacao.com.br/seu-contrato/casa-propria-consorcio-financiamentoou-a-vista/

A casa própria é um dos principais sonhos dos brasileiros. Mas, qual será a melhor forma de comprar um imóvel? Confira as vantagens e desvantagem de cada modalidade

Segundo o educador financeiro, Reinaldo Domingos, o melhor negócio é comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de consegui um desconto com o vendedor.

Mesmo assim, alguns cuidados são necessários, principalmente, em relação aos gastos extras, que são consideráveis, com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança, condomínio e mobília. “As famílias não pensam nestes pontos e aí que se endividam”, analisa Domingos. Entretanto, pagar à vista nem sempre é possível.

seu contrato artigos : Casa própria: consórcio, financiamento ou à vista? O melhor negócio é sempre comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de conseguir um desconto (Getty Images) Veja as vantagens e desvantagens de outras opções:

Consórcio Como segunda opção, Domingos recomenda um consórcio para quem não tem urgência em mudar e tem disponibilidade de uma verba de investimento mensal. “Neste caso, se pagará menos e, se tiver sorte, poderá ser sorteado e ganhar a casa rapidamente, além de também poder economizar para dar um lance com economias extras.”

Financiamento


Depois das opções, o educador financeiro cita o financiamento. “O grande problema é que, ao comprar uma casa financiada, se firmará um compromisso mensal.” A dica para poupar, segundo Domingo, é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser economizado por mês.

Domingos lembra que é fundamental ter em mente que o financiamento é uma dívida de valor, “que deverá ser honrada mensalmente e que existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas até três casas.”

No caso de pagar aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, ressalta Domingos. Se a pessoa não pagar aluguel, uma alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento, em qualquer tipo de investimento conservador, “assim, em sete ou oito anos, poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros, enquanto que o financiamento se paga juros.”

Segundo o educador, o grande desafio enfrentado para a compra de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam valor. ”Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde o foco no bem de valor que é a casa.


Veículo: Ecofinanças Data: 09/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.ecofinancas.com/noticias/casa-propria-consorcio-financiamento-vista

Casa própria: consórcio, financiamento ou à vista? Extraído de: infomoney Julho 09, 2013

Confira as vantagens e desvantagem de cada modalidade Por Luiza Belloni Veronesi |11h11 | 09-07-2013 O melhor negócio é comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de consegui um desconto (Getty Images) SÃO PAULO - A casa própria é um dos principais sonhos dos brasileiros. Mas, qual será a melhor forma de comprar um imóvel? Segundo o educador financeiro , Reinaldo Domingos, o melhor negócio é comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de consegui um desconto com o vendedor. Mesmo assim, alguns cuidados são necessários, principalmente, em relação aos gastos extras, que são consideráveis, com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança, condomínio e mobília. "As famílias não pensam nestes pontos e aí que se endividam", analisa Domingos. Entretanto, pagar à vista nem sempre é possível. Veja as vantagens e desvantagens de outras opções: ConsórcioComo segunda opção, Domingos recomenda um consórcio para quem não tem urgência em mudar e tem disponibilidade de uma verba de investimento mensal. "Neste caso, se pagará menos e, se tiver sorte, poderá ser sorteado e ganhar a casa rapidamente, além de também poder economizar para dar um lance com economias extras." Financiamento Depois das opções, o educador financeiro cita o financiamento. "O grande problema é que, ao comprar uma casa financiada, se firmará um compromisso mensal." A dica para poupar, segundo Domingo, é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser economizado por mês. Domingos lembra que é fundamental ter em mente que o financiamento é uma dívida de valor, "que deverá ser honrada mensalmente e que existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas até três casas."


No caso de pagar aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, ressalta Domingos. Se a pessoa não pagar aluguel, uma alternativa é guardar o valor da prestação dofinanciamento, em qualquer tipo de investimento conservador, "assim, em sete ou oito anos, poderá comprar a casa à vista e não pagar juros . É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros , enquanto que o financiamento se paga juros ." Segundo o educador, o grande desafio enfrentado para a compra de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam valor. "Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde o foco no bem de valor que é a casa."

Autor: Vinculado ao infomoney


Veículo: Yahoo! Data: 09/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://br.financas.yahoo.com/noticias/casa-pr%C3%B3pria-cons%C3%B3rciofinanciamento-%C3%A0-141100033.html

Casa própria: consórcio, financiamento ou à vista? InfoMoney – ter, 9 de jul de 2013 11:11 BRT

SÃO PAULO - A casa própria é um dos principais sonhos dos brasileiros. Mas, qual será a melhor forma de comprar um imóvel?

Segundo o educador financeiro, Reinaldo Domingos, o melhor negócio é comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de consegui um desconto com o vendedor. Mesmo assim, alguns cuidados são necessários, principalmente, em relação aos gastos extras, que são consideráveis, com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança, condomínio e mobília. “As famílias não pensam nestes pontos e aí que se endividam”, analisa Domingos. Entretanto, pagar à vista nem sempre é possível. Veja as vantagens e desvantagens de outras opções: Consórcio Como segunda opção, Domingos recomenda um consórcio para quem não tem urgência em mudar e tem disponibilidade de uma verba de investimento mensal. “Neste caso, se pagará menos e, se tiver sorte, poderá ser sorteado e ganhar a casa rapidamente, além de também poder economizar para dar um lance com economias extras.” Financiamento Depois das opções, o educador financeiro cita o financiamento. “O grande problema é que, ao comprar uma casa financiada, se firmará um compromisso mensal.” A dica para poupar, segundo Domingo, é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser economizado por mês.


Domingos lembra que é fundamental ter em mente que o financiamento é uma dívida de valor, "que deverá ser honrada mensalmente e que existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas até três casas.” No caso de pagar aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, ressalta Domingos. Se a pessoa não pagar aluguel, uma alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento, em qualquer tipo de investimento conservador, “assim, em sete ou oito anos, poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros, enquanto que o financiamento se paga juros." Segundo o educador, o grande desafio enfrentado para a compra de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam valor. "Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde o foco no bem de valor que é a casa."


Veículo: BOL Data: 09/07/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/economia/2013/07/09/casa-propriaconsorcio-financiamento-ou-a-vista.htm

Casa própria: consórcio, financiamento ou à vista? 09/07/201311h11 SÃO PAULO - A casa própria é um dos principais sonhos dos brasileiros. Mas, qual será a melhor forma de comprar um imóvel? Segundo o educador financeiro, Reinaldo Domingos, o melhor negócio é comprar à vista, pois o consumidor foge dos juros e tem a vantagem de consegui um desconto com o vendedor. Mesmo assim, alguns cuidados são necessários, principalmente, em relação aos gastos extras, que são consideráveis, com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança, condomínio e mobília. "As famílias não pensam nestes pontos e aí que se endividam", analisa Domingos. Entretanto, pagar à vista nem sempre é possível. Veja as vantagens e desvantagens de outras opções: Consórcio Como segunda opção, Domingos recomenda um consórcio para quem não tem urgência em mudar e tem disponibilidade de uma verba de investimento mensal. "Neste caso, se pagará menos e, se tiver sorte, poderá ser sorteado e ganhar a casa rapidamente, além de também poder economizar para dar um lance com economias extras." Financiamento Depois das opções, o educador financeiro cita o financiamento. "O grande problema é que, ao comprar uma casa financiada, se firmará um compromisso mensal." A dica para poupar, segundo Domingo, é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser economizado por mês. Domingos lembra que é fundamental ter em mente que o financiamento é uma dívida de valor, "que deverá ser honrada mensalmente e que existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas até três casas." No caso de pagar aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, ressalta Domingos. Se a pessoa não pagar aluguel, uma alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento, em qualquer tipo de investimento conservador, "assim, em sete ou oito anos, poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros, enquanto que o financiamento se paga juros."


Segundo o educador, o grande desafio enfrentado para a compra de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam valor. "Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde o foco no bem de valor que é a casa."


Veículo: Infomoney Data: 09/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2859248/cuidados-utilizarcartao-debito


VeĂ­culo: Folha Metropolitana Data: 08/07/2013 Editoria: Economia Site: http://issuu.com/folhametronews/docs/folhametro-08-07-13


Veículo: OABPrev Data: 08/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.oabprev-sc.org.br/2009/index.jsp?secao=noticias&idNoticia=610&ano=2013

Educação financeira familiar: pratique desde cedo em casa Aproveitar as oportunidades do dia a dia para educar financeiramente a família é mais do que recomendável. Por isso, atenção a essas dicas!

Desde cedo comece a incluir as crianças em situações propícias. Por exemplo, durante as compras no supermercado, considere a ajuda de seu filho na hora de montar a lista de compras. Assim, ele conhecerá os gastos da casa, importante passo para que saiba o que é realmente necessário, evitando consumo desnecessário. Já em outras atividades dos pequenos, é possível incluir jogos educativos para alavancar a relação deles com as finanças, ajudando-os a lidar com o dinheiro de forma mais prazerosa. Outra prática adotada é a mesada (ou a semanada) para crianças com mais de sete anos, que constitui um bom mecanismo para iniciá-las numa vida financeira, propiciando os primeiros contatos com dinheiro. Veja aqui alguns exemplos de jogos educativos: Jogo da Mesada (a partir de oito anos - Estrela), Monopoly Caixa Maluco (a partir de cinco anos - Hasbro), Super Banco Imobiliário (a partir de oito anos Estrela), entre outros. Procure na internet e em lojas mais próximas essas e outras opções para se divertir com a criançada. As literaturas relacionadas e descontraídas também são fortes aliadas nessa empreitada. O aprendizado é o melhor caminho para boas conquistas futuras. Cito aqui alguns exemplos: Pai rico, pai pobre (em quadrinhos, Robert T. Kiyosaki, Sharon L. Lechter), O menino do dinheiro (Reinaldo Domingos), Turma do Maluquinho: pra que dinheiro? (Ziraldo), O menino e a porquinha (Álvaro Modernell), Ganhei um dinheirinho (Cássia D’Aquino); O pé de meia mágico (Álvaro Modernell), entre muitos outros. Estimule sempre que possível a educação financeira juntamente com a diversão e você verá que os resultados serão muito positivos. Já em relação aos membros “crescidos” da casa, é importante estimular a mesma consciência financeira no dia a dia. O primeiro passo é ensinar que a família não pode gastar mais do que ganha (parece óbvio, mas muita gente quase se esquece disso) e que é possível realizar sonhos de curto e longo prazo planejando e poupando. Na adolescência, por exemplo, é interessante que a mesada seja liberada com a condição de que o jovem seja moderado, estude e se empenhe, pois, assim, poderá perceber que ganhar dinheiro é somente uma consequência do esforço pessoal, além de aprender na prática a administrar seus próprios recursos. Com o passar do tempo, novas responsabilidades devem ser apresentadas a ele e, após a conquista do primeiro emprego, os pais devem continuar presentes e estimular o consumo consciente por meio de exemplos e práticas diárias. Além disso, é importante traçar um panorama financeiro de sua casa. Liste os principais gastos e outras despesas básicas. Reflita sobre a receita atual, sobre as possibilidades de cortar gastos supérfluos e poupar mais. Depois, analise quem tem mais condições de arcar com certos tipos de custos e estimule os


familiares a participarem ativamente dos processos financeiros para ajudar a manter o equilíbrio da casa. No mais, lembre-se de que dividir responsabilidades financeiras é sempre uma tarefa justa e necessária. Converse e tente chegar a um acordo familiar com anotações e contas na ponta do lápis.


Veículo: A Tarde Data: 08/07/2013 Editoria: Literatura Site: http://www.ogirassol.com.br/materia.php?u=livro-mostra-aventura-de-menina-que-setorna-invisivel

LIVRO

Livro mostra aventura de menina que se torna invisível Numa noite de tempestade, sozinha em casa, uma menina desaparece. Mas ela ainda está ali, embora ninguém mais a veja. Coincidentemente, na madrugada desse mesmo dia, seu irmão nasce na maternidade.

O processo de regressão emocional pelo qual as crianças passam com o nascimento de um irmãozinho é o tema central da obra infantil Clariana, a Menina Invisível, lançado recentemente pela Editora DSOP. Numa noite de tempestade, sozinha em casa, uma menina desaparece. Mas ela ainda está ali, embora ninguém mais a veja. Coincidentemente, na madrugada desse mesmo dia, seu irmão nasce na maternidade.


Partindo dessa premissa, a autora Maíra Viana tece a teia da jornada de Clariana, uma menina em busca de sua identidade. A abordagem, passeando pelo campo do imaginário infantil, brinca com os sentimentos de visibilidade e invisibilidade recorrentes na infância de todos nós. O sonho de voltar a ser notada passa a permear os caminhos da protagonista. Em sua busca, ela conta com a ajuda do Doutor-Explica-Tudo, do Menino da Casa 11 e de um dom muito especial que só ela tem. A autora explica que a história é universal e que ela própria se identifica com a personagem. “Assim como a Clariana, até hoje, tem dias em que acordo e não me encontro do outro lado do espelho, e nem mesmo dentro de mim. Quando isso acontece, eu fico quietinha no meu canto e começo a escrever algumas histórias. É por meio delas que as pessoas conseguem me ver de verdade”. Sobre a Coleção: A Coleção Sonhos de Ser é composta por livros que tratam de sonhos não materiais e propiciam um primeiro contato da criança com algumas questões humanas universais, como a busca por uma identidade, a conquista da cidadania, o direito à educação e à própria condição de poder sonhar. Cada livro tece a sua teia particular ao redor de um sonho. As protagonistas estão sempre buscando a realização de seus desejos, sejam eles de frequentar uma escola, aprender a escrever o próprio nome, ser notada no meio em que vive ou perder o medo do desconhecido. Os livros dessa coleção são como caixas dentro de caixas. A cada virar de página é como se a criança abrisse uma caixa e encontrasse outra dentro dela e assim por diante. É como se cada autora pegasse na mão do pequeno leitor e o conduzisse para outro mundo, onde quatro palavrinhas são de extrema importância: descobrir, sonhar, orientar e pensar! Sobre a autora Maíra Viana, natural de Recife, é escritora, editora e produtora cultural. Faz parte da trupe do grupo musical O Teatro Mágico e coordena a Agência do Livro, empresa especializada em soluções editoriais para autores independentes. Formada em Jornalismo, com pós-graduação em Formação Literária, Maíra vive em São Paulo há dez anos e é autora também dos livros Menino-Varrido, A Menina do Sapato Caramelo e O Teatro Mágico em Palavras – Volumes I e II.

Fonte: DSOP


Veículo: A Tarde Data: 08/07/2013 Editoria: Literatura Site: http://literatura.atarde.uol.com.br/?tag=clariana-a-menina-invisivel

Livro infantil aborda “invisibilidade” com a chegada do irmão caçula 8 de julho de 2013 O processo de regressão emocional que ocorre com algumas crianças após o nascimento do irmãozinho caçula é o mote para o livro infantil Clariana, a menina invisível, da escritora Maíra Viana e publicação recente da Editora DSOP. A história acontece em uma noite de tempestade, quando sozinha em casa, uma menina desaparece, embora ainda esteja ali, enquanto na maternidade, seu irmão caçula chega ao mundo. A partir daí, Clariana, que deixa de ser notada em casa por conta dos cuidados da família com o bebê, inicia uma jornada em busca da própria identidade e conta com a ajuda do Doutor-Explica-Tudo, do Menino da Casa 11 e de um dom especial que só ela possui. Segundo a autora, a história de Clariana é universal porque ao longo da vida, em diversas situações, o ser humano “não se reconhece no espelho” e precisa resgatar a própria identidade e autoestima. O livro integra a coleção Sonhos de Ser, da DSOP, que é composta por livros que favorecem um primeiro contato das crianças com algumas questões humanas como a busca por uma identidade, a conquista da cidadania, o direito à educação e à própria condição de “animal capaz de sonhar”.

Ficha Técnica:

Clariana, a menina invisível Autora: Maíra Viana Ilustradora: Cecília Murgel Editora DSOP 40 páginas Preço: 26,90


Veículo: Correio 24horas Data: 07/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/cerca-de55-dos-empreendedores-na-bahia-devem-a-receita-federal/

Cerca de 55% dos empreendedores na Bahia devem à Receita Federal Segundo a Receita Federal, para quem deixou de pagar o imposto basta acessar o site (www.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional) 07.07.2013 | Atualizado em 07.07.2013 - 13:43

Colocar as contas no azul. Essa é uma das principais dificuldades dos microempreendedores individuais baianos. E a preocupação com o equilíbrio financeiro faz sentido. Segundo a Receita Federal, 55,07% dos microempreendedores do estado estão inadimplentes com relação ao pagamento de impostos. A proporção é maior que a média nacional: 52,34%. Segundo a analista do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Mariana Cruz, o microempreendedor é o empresário que fatura até R$ 60 mil por ano e trabalha sozinho ou com apenas um funcionário. Ele tem duas obrigações. “A primeira delas é ficar atento ao pagamento mensal do boleto do Simples Nacional, independente de ter faturamento ou não. A segunda é fazer a declaração anual de faturamento, entre janeiro e maio de cada ano”, informa. Os microempreendedores devedores, segundo a Receita, estão com o pagamento do Simples Nacional atrasado. O Simples é somatório dos três impostos: INSS, ISS e ICMS. Segundo Mariana, por mês, são descontados 5% de um salário mínimo para o INSS, R$ 1 para o ICMS, quando for o caso de atividades relacionadas com a indústria e comércio, e R$ 5 de ISS, no caso de prestadores de serviço. A conta gira em torno de R$ 39 por mês para o microempreendedor. Segundo a Receita Federal, para quem deixou de pagar o imposto basta acessar o site (www.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional) para gerar o boleto com o valor devido. O órgão lembra que, caso o pagamento não seja realizado na data de vencimento (dia 20 de cada mês), haverá cobrança de juros e multa. A multa é de 0,33% ao dia, limitada a 20%, e os juros são calculados com base na taxa Selic. Orçamento Quanto às dívidas que não forem referentes a impostos, o consultor Reinaldo Domingos diz que a falta de educação financeira é a grande responsável pela estatística que indica o percentual alto de microempreendedores com débitos. “A situação financeira pessoal do empreendedor reflete diretamente nas finanças da empresa. Então, se a pessoa não tem estabilidade na própria vida, de que jeito espera conseguir fazer com que sua empresa seja autossuficiente? Está na hora de repensar os hábitos e costumes com relação ao uso do dinheiro”, ensina o especialista. Segundo ele, há muitas maneiras de se resolver paliativamente o problema, no entanto, é preciso focar na causa. “A solução é educar financeiramente a população. A primeira coisa a se fazer é realizar um diagnóstico da condição financeira, ou seja, descobrir exatamente quanto se ganha e para onde vai cada centavo do seu dinheiro. Somente assim você saberá a real situação das suas finanças”. Depois disso, com a vida em ordem, é hora de usar o conhecimento em prol da empresa. “Planejamento


leva às melhores decisões, quando se trata de investimentos”, completa Domingos. Nas empresas maiores, as questões relacionadas à carga tributária podem comprometer boa parte das finanças. “Sendo assim, é de extrema importância que haja uma conversa com o departamento de contabilidade, a fim de diminuir esses valores”, diz o especialista. Além disso, deve-se levar em consideração a administração do capital de uma empresa, como gestão de compras e vendas e o setor de créditos e cobranças. Afinal, as finanças de uma empresa não estão relacionadas, apenas, a contas a pagar e a receber. Exemplo Para evitar a inadimplência, o microempreendedor Fábio Pinheiro seguiu um ritual burocrático desde a abertura do cadastro no site (www.portaldoempreendedor.gov.br) para gerar o CNPJ e paga regularmente os impostos. Campeão estadual e nacional de competições de body board, há seis anos ele pediu demissão do antigo emprego e começou a transformar seu hobby em profissão. “Eu viajava muito para competir e os amigos sempre encomendavam uma prancha, uma nadadeira, um strep (cordinha que prende a prancha no braço do surfista). Percebi que aqui em Salvador faltavam empresas especializadas nisso”, conta Pinheiro.

Ex-surfista, Fábio se formalizou no ramo do body board e até hoje nunca atrasou um pagamento Em 2010, assim que saiu a lei do microempreendedor, ele correu para se formalizar. “Sem CNPJ, eu não podia ter uma máquina de cartão de crédito e perdia venda por não poder parcelar valores altos. Além disso, eu não tinha uma aposentadoria garantida”, justifica Fábio, que viu seu faturamento triplicar e chegar a uma média de R$ 3,8 mil por mês de trabalho. Para obter o resultado, ele fez um outro investimento, além do cadastro como microempreendedor no Simples: uma máquina de cartão de crédito. “Pago R$ 49 por mês, mais uma taxa de 2,9% das vendas no débito e 3,9% no crédito. Ainda está alta, preciso negociar”. Precisa mesmo. Geralmente, as empresas de cartão de crédito possuem condições especiais para pequenos empreendedores. A Cielo, por exemplo, tem o Cielo Mobile, que é voltado aos profissionais liberais e funciona no celular. É só baixar o aplicativo e pagar uma taxa única de R$ 60 de filiação. Custa R$ 11,90 nos 12 primeiros meses e R$ 21,90 após esse período, além de um percentual por transação, que não é divulgado por motivos estratégicos. Na prática, o celular do lojista vira uma máquina da Cielo e o consumidor apenas digita os dados do cartão, de forma totalmente criptografada e protegida. Quase 60% das falências são de micro e pequenas Dos 885 pedidos de falência realizados no primeiro semestre de 2013, 528, ou 59,66% deles, foram feitos por micro e pequenas empresas, 226 por médias e 131 por grandes, conforme revela o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações. São consideradas microempresas as que têm faturamento anual de até R$ 360 mil (R$ 30 mil por mês). As pequenas são as que faturam até R$ 3,6 milhões por ano. O número de falências requeridas entre janeiro e junho de 2013 é 9,2% menor que os 975 requerimentos realizados no mesmo período do ano passado. Quanto às falências decretadas, um total de 336 no


primeiro semestre deste ano, houve queda de 1,5% em relação ao mesmo período de 2012. Vale ressaltar que as falências decretadas não refletem a conjuntura, uma vez que muitas decisões judiciais demoram até dois anos. Segundo os economistas da Serasa, as médias e grandes empresas foram mais conservadoras em sua gestão financeira, e por isso seus pedidos de falências recuaram ante igual período de 2012. Os motivos para o conservadorismo são: a inflação impactando custos; a forte correção do salário mínimo como custo; o calendário de elevação gradual do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), reduzindo os estímulos ao consumo; a tímida recuperação da atividade econômica, que também impacta as decisões de investimentos e, o aumento dos juros, que encarece o capital de giro. No caso das micro e pequenas empresas, que têm aumento das falências requeridas, além dos fatos alinhados, o crédito mais seletivo também não foi favorável. Sebrae ensina a administrar microempreendimentos As dificuldades dos microempreendedores individuais não se esgotam no pagamento dos impostos. Para orientar essas pessoas, o Sebrae oferece uma série de oficinas gratuitas. Uma delas é a ‘Sei controlar meu dinheiro’, onde o microempreendedor aprende a controlar as entradas e saídas do caixa e a separar o dinheiro do negócio do dinheiro pessoal. Já na palestra ‘Sei planejar’, o Sebrae orienta sobre estabelecer objetivos e metas, ouvir opiniões de clientes e traçar estratégias a partir delas. Também há a oficina ‘Sei comprar e sei vender’, onde a pessoa aprende a negociar com os fornecedores, obtendo melhores condições de preço e prazo, aumentando assim sua margem de lucro. Todas as oficinas têm três horas de duração. Através do site www.ba.sebrae.com.br é possível ver a programação e se inscrever em cursos a distância e até por SMS. Para se inscrever nas palestras presenciais é preciso ligar para o 0800 570 0800 ou comparecer a uma das unidades do Sebrae, onde também é possível obter uma cartilha. O Sebrae tem 32 pontos de atendimento na Bahia, sendo cinco deles em Salvador: nas Mercês, Uruguai, Boca do Rio, Liberdade e Pelourinho.


Veículo: Cruzeiro do Sul Data: 05/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/484425/o-que-fazer-quando-uma-criancae-consumista

O que fazer quando uma criança é consumista?

-

Mais fotos...

Notícia publicada na edição de 05/07/13 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 003 do caderno Ela - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.

Diante de tanta publicidade na televisão, é normal que as crianças fiquem "hipnotizadas" e acabem querendo ter tudo o que veem pela frente, por serem livres de malícia e, portanto, vulneráveis

a

qualquer

tipo

de

estímulo,

ainda

mais

visuais.

Por isso, é difícil saber se os desejos são naturais ou se já indicam um perfil consumidor. Isto porque, na maioria das vezes as crianças são tratadas como consumidoras adultas desde cedo, já que são expostas a propagandas estimulantes. No entanto, grande parte desses desejos são imediatos, ou seja, passageiros. A situação começa a ficar complicada quando o filho não consegue passar o mês com o que ganha de mesada e passa a pedir mais dinheiro, ou então começa a querer tudo que vê nas televisão ou em vitrines e quando não conseguem fazem birra. Outra situação que exemplifica uma criança consumista é quando elas ganham um presente e logo deixam de lado, quebram ou esquecem em algum lugar. Se isto está ocorrendo, já é a hora em que os pais devem sentar e conversar com seus filhos. É preciso educar, financeiramente, as crianças, para que, dessa forma, elas reconheçam o valor do dinheiro e comecem a priorizar os seus sonhos. Porém, é preciso também uma reflexão por parte dos pais,já que o exemplo é dado dentro de casa, isto é, se os pais não fazem um controle de suas finanças pessoais, não planejam


para alcançar seus objetivos, não fazem investimentos e consomem desenfreadamente, é isso o que a criança vai aprender e, consequentemente, repetir o comportamento. Também há influências externas, que, nesse caso, devem ser limitadas pelos pais. Se os hábitos e costumes da família forem positivos com relação ao uso do dinheiro, eles tendem a prevalecer na vida das crianças. Isso, certamente, evitará que elas façam parte de um grupo de pessoas endividadas na fase adulta. Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros.


VeĂ­culo: Jovem Pan Data: 05/07/2013 Editoria: Economia Site: http://jovempan.uol.com.br/videos/saiba-como-economizar-na-hora-de-fazer-a-feira71164,1,0

Educador financeiro Reinaldo Domingos fala sobre feira


Veículo: Lyderis Data: 05/07/2013 Editoria: Crédito e Finanças Site: http://www.lyderis.com.br/dicas-e-negocios-hidden/credito-e-financas/2255-52-dosmicroempresarios-brasileiros-estao-inadimplentes

52% dos microempresários brasileiros estão inadimplentes Sexta, 05 Julho 2013 11:52

Na maioria dos casos, situação financeira pessoal interfere na saúde financeira do negócio. Veja dicas de como colocar em ordem a contabilidade da empresa

*Por Reinaldo Domingos

Os donos de microempreendimentos estão passando por uma fase difícil: 52% estão inadimplentes, segundo a Receita Federal. São muitas as causas para esse problema, no entanto, a falta de educação financeira é a grande responsável dessa estatística preocupante.

A situação financeira pessoal do empreendedor reflete diretamente nas finanças da empresa. Então, se a pessoa não tem estabilidade na própria vida, de que jeito espera conseguir fazer com que sua companhia seja autossuficiente? Está na hora de repensar os hábitos e costumes com relação ao uso do dinheiro.

Essa realidade não é exclusiva dos empresários. Grande parte da população brasileira se encontra em situação de endividamento ou até inadimplente. Isso significa que a questão é muito mais séria do que se pensa. Há muitas maneiras de se resolver paliativamente o problema, no entanto, é preciso focar na causa.

A solução é educar financeiramente a população. A primeira coisa a se fazer é realizar um diagnóstico da condição financeira, ou seja, descobrir exatamente quanto se ganha e para onde vai cada centavo do seu dinheiro. Somente assim você saberá a real situação das suas finanças.

Com a sua vida em ordem, é hora de usar o conhecimento em prol da empresa. Recomendo que


relacione, pelo menos, três metas da empresa – de curto (até um ano), médio (até dez anos) e longo prazo (acima de dez anos). Fazer um planejamento leva às melhores decisões, quando se trata de investimentos.

Outra questão são os custos relacionados à carga tributária, que comprometem boa parte das finanças da empresa. Sendo assim, é de extrema importância que haja uma conversa com o departamento de contabilidade, a fim de diminuir esses valores, dentro do conceito de elisão fiscal.

Além disso, deve-se levar em consideração a administração do capital de uma empresa, como gestão de compras e vendas e o setor de créditos e cobranças. Afinal, as finanças de uma empresa não estão relacionadas, apenas, a contas a pagar e a receber.

Há muitos outros aspectos, mas, uma vez que todas as áreas da empresa estejam focadas num mesmo objetivo, o resultado, principalmente financeiro, será, cada vez mais, satisfatório. E é isso que promove a força necessária para o crescimento constante do empreendimento.

Seguindo essas orientações, com disciplina e perseverança, o seu sucesso e o de sua empresa estão garantidos.

*Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e Editora DSOP, autor dos livros Terapia Financeira, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo.


Veículo: Capital do Pantanal Data: 04/07/2013 Editoria: Economia Site: http://capitaldopantanal.com.br/cdp/policial/21966-poupanca-tem-emjunho-melhor-resultado-desde-1995-segundo-bc.html

Poupança tem em junho melhor resultado desde 1995, segundo BC Os depósitos feitos em cadernetas de poupança em junho superaram os saques em R$ 9,451 bilhões. Os dados da chamada captação líquida foram divulgados nesta quinta-feira (4) pelo Banco Central (BC). É o melhor resultado em toda a série histórica, que começou em 1995. O BC informou que, no mês passado, os depósitos somaram R$ 116,046 bilhões, enquanto as retiradas chegaram a R$ 106,595 bilhões. Com isso, o saldo total da aplicação fechou junho em R$ 538,446 bilhões. Até então, o melhor desempenho da aplicação mais tradicional do país havia sido registrada em dezembro de 2012, com os depósitos superando os saques em R$ 9,206 bilhões. O resultado mostrou que a poupança continua sendo um investimento importante e atrativo, OBJETIVOS DE CURTÍSSIMO PRAZO. A poupança é boa opção para guardar dinheiro que será gasto em até 12 meses, diz o educador financeiro Reinaldo Domingos. Um exemplo é poupar para comprar uma TV com desconto à vista Leia mais 31.ago.11 - Thomas Peter/Reuters Novas regras da poupança Pelas novas regras da poupança, anunciadas pelo governo federal no começo de maio de 2012, sempre que a taxa básica de juros (Selic) ficar em 8,5% anuais ou menos, muda o rendimento dos depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 . A mudança vale tanto para poupanças que já existiam e para as que foram abertas a partir de 4 de maio de 2012. O dinheiro que já estava nas poupanças antigas continua rendendo conforme as regras anteriores. O que muda para essas contas antigas são os novos depósitos. Esses já entram na regra nova. Com os juros em 8,5% ou menos ao ano, a "nova" poupança rende 70% da Selic, mais a TR (Taxa Referencial). Para os depósitos feitos antes de 3 de maio de 2012, nada muda. Nesse caso, o rendimento continua sendo o antigo, de 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais a


variação da TR. Os bancos têm de informar o rendimento da poupança em blocos diferentes no extrato. Um dos blocos informará o rendimento dos depósitos feitos até 3 de maio de 2012. Os outros deverão trazer o rendimento dos depósitos feitos depois de 4 de maio de 2012. Para calcular quanto vai ganhar, o poupador deverá sempre considerar a Selic vigente no dia em que ele efetuou o depósito. A expectativa no mercado de juros futuros é de a Selic ser elevada em 0,50 ponto percentual, justamente para 8,5% ano, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem.


Veículo: BOL Data: 04/07/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/economia/2013/07/04/poupanca-temem-junho-maior-captacao-liquida-desde-1995-diz-bc.htm

Poupança tem em junho melhor resultado desde 1995, segundo BC 04/07/201315h46 > Atualizada 04/07/201316h21 Os depósitos feitos em cadernetas de poupança em junho superaram os saques em R$ 9,451 bilhões. Os dados da chamada captação líquida foram divulgados nesta quintafeira (4) pelo Banco Central (BC). É o melhor resultado em toda a série histórica, que começou em 1995. O BC informou que, no mês passado, os depósitos somaram R$ 116,046 bilhões, enquanto as retiradas chegaram a R$ 106,595 bilhões. Com isso, o saldo total da aplicação fechou junho em R$ 538,446 bilhões. Até então, o melhor desempenho da aplicação mais tradicional do país havia sido registrada em dezembro de 2012, com os depósitos superando os saques em R$ 9,206 bilhões. O resultado mostrou que a poupança continua sendo um investimento importante e atrativo, mesmo com as alterações no rendimento promovidas pelo governo no ano passado. Novas regras da poupança Pelas novas regras da poupança, anunciadas pelo governo federal no começo de maio de 2012, sempre que a taxa básica de juros (Selic) ficar em 8,5% anuais ou menos, muda o rendimento dos depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 . A mudança vale tanto para poupanças que já existiam e para as que foram abertas a partir de 4 de maio de 2012. O dinheiro que já estava nas poupanças antigas continua rendendo conforme as regras anteriores. O que muda para essas contas antigas são os novos depósitos. Esses já entram na regra nova. Com os juros em 8,5% ou menos ao ano, a "nova" poupança rende 70% da Selic, mais a TR (Taxa Referencial). Para os depósitos feitos antes de 3 de maio de 2012, nada muda. Nesse caso, o rendimento continua sendo o antigo, de 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais a variação da TR.


Os bancos têm de informar o rendimento da poupança em blocos diferentes no extrato. Um dos blocos informará o rendimento dos depósitos feitos até 3 de maio de 2012. Os outros deverão trazer o rendimento dos depósitos feitos depois de 4 de maio de 2012. Para calcular quanto vai ganhar, o poupador deverá sempre considerar a Selic vigente no dia em que ele efetuou o depósito. A expectativa no mercado de juros futuros é de a Selic ser elevada em 0,50 ponto percentual, justamente para 8,5% ano, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem.


Veículo: Infomoney Data: 04/07/2013 Editoria: Finanças Site: http://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2852850/dicas-para-quemquer-comecar-investir


Veículo: UOL Data: 04/07/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/07/04/poupanca-tem-em-junhomaior-captacao-liquida-desde-1995-diz-bc.htm

Poupança tem em junho melhor resultado desde 1995, segundo BC Os depósitos feitos em cadernetas de poupança em junho superaram os saques em R$ 9,451 bilhões. Os dados da chamada captação líquida foram divulgados nesta quinta-feira (4) pelo Banco Central (BC). É o melhor resultado em toda a série histórica, que começou em 1995. O BC informou que, no mês passado, os depósitos somaram R$ 116,046 bilhões, enquanto as retiradas chegaram a R$ 106,595 bilhões. Com isso, o saldo total da aplicação fechou junho em R$ 538,446 bilhões. Até então, o melhor desempenho da aplicação mais tradicional do país havia sido registrada em dezembro de 2012, com os depósitos superando os saques em R$ 9,206 bilhões. O resultado mostrou que a poupança continua sendo um investimento importante e atrativo, mesmo com as alterações no rendimento promovidas pelo governo no ano passado. Novas regras da poupança Pelas novas regras da poupança, anunciadas pelo governo federal no começo de maio de 2012, sempre que a taxa básica de juros (Selic) ficar em 8,5% anuais ou menos, muda o rendimento dos depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 . A mudança vale tanto para poupanças que já existiam e para as que foram abertas a partir de 4 de maio de 2012. O dinheiro que já estava nas poupanças antigas continua rendendo conforme as regras anteriores. O que muda para essas contas antigas são os novos depósitos. Esses já entram na regra nova.


Com os juros em 8,5% ou menos ao ano, a "nova" poupança rende 70% da Selic, mais a TR (Taxa Referencial). Para os depósitos feitos antes de 3 de maio de 2012, nada muda. Nesse caso, o rendimento continua sendo o antigo, de 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais a variação da TR. Os bancos têm de informar o rendimento da poupança em blocos diferentes no extrato. Um dos blocos informará o rendimento dos depósitos feitos até 3 de maio de 2012. Os outros deverão trazer o rendimento dos depósitos feitos depois de 4 de maio de 2012. Para calcular quanto vai ganhar, o poupador deverá sempre considerar a Selic vigente no dia em que ele efetuou o depósito. A expectativa no mercado de juros futuros é de a Selic ser elevada em 0,50 ponto percentual, justamente para 8,5% ano, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem.


Veículo: S.O.S Consumidor Data: 02/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.endividado.com.br/noticia_ler-36011,produtos-usados-saem-79-maisbaratos-pela-internet.html

Produtos usados saem 79% mais baratos pela internet Tweet

Manuela Macedo, de 24 anos, não tem paciência para shoppings e adora garimpar peças em brechós. Agora, usa a internet para comprar produtos exclusivos, usados, mas em bom estado de conservação e, claro, bem mais baratos. Assim como a moradora de Jacarepaguá, quem adquire itens seminovos pela web gasta até 79% menos em comparação a uma mercadoria nova.

Essa redução de custo pode ser observada, por exemplo, no livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown, no site Estante Virtual — ao custo de R$ 5 —, em relação ao valor cobrado página virtual da livraria Saraiva (R$ 23,90).

Para conseguir economizar, a designer Manuela explica o segredo: — Vivo fuçando. Pesquiso em vários sites e, quando está barato, compro um móvel e o deixo com a minha cara, reformado do meu jeito. As peças antigas têm uma qualidade superior, com madeira boa, e, muitas vezes, são vendidas por ninharia em sites como OLX, Mercado Livre e Bom Negócio — ensina.

O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que essa forma de comércio é uma tendência e destaca suas vantagens:

— Levar um produto usado é bom para o bolso e para o meio ambiente. Mas, no caso de alguns deles, como eletrônicos, é necessário redobrar o cuidado, pois o consumidor não terá garantia.


A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, ressalta que a transação de compra entre duas pessoas físicas — como acontece nesses sites — pode não ser considerada uma relação de consumo. Nesse caso, não se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC), e o cliente que se sentir lesado não poderá recorrer, por exemplo, ao Procon:

— Em caso de problemas, será necessário entrar na Justiça, como num Juizado de Pequenas Causas, com base no Código Civil — destaca a especialista.

‘Vender na web vicia’

Gláucia Lemos Pietrobon, de 26 anos, é fã de sites de usados. O quarto do filho, Levi, de 3 anos, foi todo mobiliado com peças anunciadas no Mercado Livre:

— O berço era lindo, mas precisava de ajustes. Não pensei duas vezes: eu o lixei e pintei. Fiz o mesmo com outras peças da minha casa. A moradora da Ilha do Governador explica que roupas usadas compradas pela internet são frequentes no armário dela e da criança:

— Um macacão para bebês, vendido por R$ 25 na loja, saia por R$ 5 em sites. Recentemente, comprei um colete jeans para mim, na internet, por R$ 25. No shopping, a peça custa R$ 99. A designer de joias resolveu também se desapegar de coisas que não têm mais utilidade para a família, postas à venda no site Enjoei.

— Eu me surpreendi com o retorno. Fiz a página em janeiro e, desde então, consegui R$ 3.700, vendendo produtos que não usava mais. Estou adorando! Vender vicia! E fiquei com mais dinheiro para gastar — brinca.

Recomendações do Procon Carioca e do Procon-RJ

Frete

Cuidado com a taxa de entrega: muitas vezes, o preço anunciado não inclui o custo da remessa.

Precaução

Esclareça todas as suas dúvidas com o vendedor antes da compra.


Descrição

Fique atento às informações a respeito de características, quantidade e qualidade do produto.

Anote

Registre todos os dados do vendedor (nome, CPF, telefone e endereço) antes de efetuar o pagamento.

Segurança

Verifique a segurança do site, pois compras em lojas virtuais implicam envio de dados, como números de telefone e cartão de crédito.

Opções

Confira se existe a possibilidade de pagar somente após a entrega e de pegar o produto.

Senha

Caso a loja virtual exija a escolha de uma senha, crie um código que seja de difícil interceptação.

Contato

Busque sempre fazer contato com o vendedor por meio de um telefone fixo.

Regras

Verifique o prazo de entrega, as formas de pagamento aceitas, se há fornecimento de nota fiscal e qual o tempo de garantia do produto.

Trocas

Veja se há situações em que a mercadoria poderá ser trocada e como será feito.


Comprovantes

Guarde todas as informações relacionadas à compra. Não delete e-mails e, se possível, salve ou imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja e/ou o vendedor.

Normas

Veja se o site apenas divulga os anúncios de vendedores ou se faz a intermediação da compra, liberando o pagamento do vendedor apenas após a entrega do produto.

Fonte: Extra Online - 01/07/2013


Veículo: M de Mulher Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site:

http://mdemulher.abril.com.br/extra/nossa-felicidade/educacao-financeira-comeca-

cedo745591.shtml?utm_source=widget_mdemulher&utm_medium=banner&utm_campaign=Widg et%20HSBC

Educação financeira começa cedo Dicas de como ensinar seu filho a lidar bem com dinheiro Publicado em 01/07/2013

Téo ainda não completou 5 anos, mas sua mãe, a bailarina Patricia Celanti, já o ensinou a juntar moedinhas para adquirir seu sonho de consumo atual: ovinhos de chocolate que vêm com brinquedos surpresa. Na casa da publicitária Andrea Tupinambá, Vitor e


Gabriela, de 12 e 9 anos, participam de decisões como se vale mais a pena comprar um aparelho novo de celular a prazo ou negociar um desconto à vista. Patricia e Andrea são mães que levam a sério desde cedo a educação financeira dos filhos. “ Minha maior dificuldade está em dizer não ao que os meninos pedem, pois só assim eles vão aprender que precisam economizar e administrar o dinheiro para alcançarem os seus objetivos” , diz Andrea. O especialista em educação financeira Reinaldo Domingos sabe bem as dificuldades que elas enfrentam em um mundo cada vez mais consumista. Autor da série de livros infantis O Menino do Dinheiro, Reinaldo reuniu dicas de como ajudar os adultos a transmitir noções de finanças para a garotada. Ele explica que desde cedo é possível – e necessário – dar aos pequenos uma noção do valor das coisas. Confira algumas sugestões para educar os filhos financeiramente: Anote as despesas! Tanto pais quanto filhos devem fazer um diagnóstico financeiro dos gastos. Para isso, nada melhor que anotar todas as compras e contas, do cafezinho ao aluguel. No fim do mês, converse com seu filho sobre o que pode ser cortado ou economizado. Dê mesada, mas com supervisão. Ovalor da mesada ou semanada deve ser calculado tendo em vista os gastos da criança. De preferência, deve-se dar a ela até um pouco menos do que a quantia ideal, para que pense antes de comprar e vá aprendendo a administrar o dinheiro – e ele não acabe antes do tempo. Guarde antes e compre depois. Se você der à criança o que ela quer e combinar que vai descontando da mesada, por exemplo, é bem provável que não consiga cumprir o acordo. Ensine-a a guardar – em uma poupança ou “ no porquinho” – e a ir curtindo a realização de alcançar a quantia necessária. Ela vai aprender a valorizar os sacrifícios que fizer em prol de seu desejo. Resista à tentação de dar tudo sempre. Se os pais compram tudo o que a criança pede, ela nunca aprende o valor das coisas. Peça a ela para escolher somente um produto supérfluo no supermercado, por exemplo, e atenha-se à lista de compras. Dialogue sempre. Reúna a família para conversar sobre os sonhos de consumo de cada um. Se possível, estabeleça com cada criança um desejo a curto prazo, um a médio prazo e um a longo prazo (até três meses, entre seis meses e um ano e mais de um ano de economia, respectivamente). Pesquise e mostre a ela quanto terá que poupar para alcançar cada sonho.


Veículo: Jornal Extra Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site: http://oglobo.globo.com/economia/produtos-usados-saem-79-mais-baratos-pelainternet-8851640

Produtos usados saem 79% mais baratos pela internet Extra

Manuela Macedo, de 24 anos, não tem paciência para shoppings e adora garimpar peças em brechós. Agora, usa a internet para comprar produtos exclusivos, usados, mas em bom estado de conservação e, claro, bem mais baratos. Assim como a moradora de Jacarepaguá, quem adquire itens seminovos pela web gasta até 79% menos em comparação a uma mercadoria nova. Essa redução de custo pode ser observada, por exemplo, no livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown, no site Estante Virtual — ao custo de R$ 5 —, em relação ao valor cobrado página virtual da livraria Saraiva (R$ 23,90). Para conseguir economizar, a designer Manuela explica o segredo: — Vivo fuçando. Pesquiso em vários sites e, quando está barato, compro um móvel e o deixo com a minha cara, reformado do meu jeito. As peças antigas têm uma qualidade superior, com madeira boa, e, muitas vezes, são vendidas por ninharia em sites como OLX, Mercado Livre e Bom Negócio — ensina. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que essa forma de comércio é uma tendência e destaca suas vantagens: — Levar um produto usado é bom para o bolso e para o meio ambiente. Mas, no caso de alguns deles, como eletrônicos, é necessário redobrar o cuidado, pois o consumidor não terá garantia. A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, ressalta que a transação de compra entre duas pessoas físicas — como acontece nesses sites — pode não ser considerada uma relação de consumo. Nesse caso, não se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC), e o cliente que se sentir lesado não poderá recorrer, por exemplo, ao Procon: — Em caso de problemas, será necessário entrar na Justiça, como num Juizado de Pequenas Causas, com base no Código Civil — destaca a especialista. ‘Vender na web vicia’


Gláucia Lemos Pietrobon, de 26 anos, é fã de sites de usados. O quarto do filho, Levi, de 3 anos, foi todo mobiliado com peças anunciadas no Mercado Livre: — O berço era lindo, mas precisava de ajustes. Não pensei duas vezes: eu o lixei e pintei. Fiz o mesmo com outras peças da minha casa. A moradora da Ilha do Governador explica que roupas usadas compradas pela internet são frequentes no armário dela e da criança: — Um macacão para bebês, vendido por R$ 25 na loja, saia por R$ 5 em sites. Recentemente, comprei um colete jeans para mim, na internet, por R$ 25. No shopping, a peça custa R$ 99. A designer de joias resolveu também se desapegar de coisas que não têm mais utilidade para a família, postas à venda no site Enjoei. — Eu me surpreendi com o retorno. Fiz a página em janeiro e, desde então, consegui R$ 3.700, vendendo produtos que não usava mais. Estou adorando! Vender vicia! E fiquei com mais dinheiro para gastar — brinca. Recomendações do Procon Carioca e do Procon-RJ Frete Cuidado com a taxa de entrega: muitas vezes, o preço anunciado não inclui o custo da remessa. Precaução Esclareça todas as suas dúvidas com o vendedor antes da compra. Descrição Fique atento às informações a respeito de características, quantidade e qualidade do produto. Anote Registre todos os dados do vendedor (nome, CPF, telefone e endereço) antes de efetuar o pagamento. Segurança Verifique a segurança do site, pois compras em lojas virtuais implicam envio de dados, como números de telefone e cartão de crédito. Opções Confira se existe a possibilidade de pagar somente após a entrega e de pegar o produto. Senha Caso a loja virtual exija a escolha de uma senha, crie um código que seja de difícil interceptação. Contato Busque sempre fazer contato com o vendedor por meio de um telefone fixo. Regras Verifique o prazo de entrega, as formas de pagamento aceitas, se há fornecimento de nota fiscal e qual o tempo de garantia do produto. Trocas Veja se há situações em que a mercadoria poderá ser trocada e como será feito. Comprovantes Guarde todas as informações relacionadas à compra. Não delete e-mails e, se possível, salve ou imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja e/ou o vendedor.


Normas Veja se o site apenas divulga os anúncios de vendedores ou se faz a intermediação da compra, liberando o pagamento do vendedor apenas após a entrega do produto.


Veículo: Jornal Extra Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site: http://extra.globo.com/noticias/economia/produtos-usados-saem-79-mais-baratos-pelainternet-8851527.html

Produtos usados saem 79% mais baratos pela internet

Manuela Macedo compra e vende diversos produtos na internet no site Enjoei. Foto: Arquivo pessoal Marcela Sorosini Tamanho do texto A A A Manuela Macedo, de 24 anos, não tem paciência para shoppings e adora garimpar peças em brechós. Agora, usa a internet para comprar produtos exclusivos, usados, mas em bom estado de conservação e, claro, bem mais baratos. Assim como a moradora de Jacarepaguá, quem adquire itens seminovos pela web gasta até 79% menos em comparação a uma mercadoria nova. Essa redução de custo pode ser observada, por exemplo, no livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown, no site Estante Virtual — ao custo de R$ 5 —, em relação ao valor cobrado página virtual da livraria Saraiva (R$ 23,90). Para conseguir economizar, a designer Manuela explica o segredo: — Vivo fuçando. Pesquiso em vários sites e, quando está barato, compro um móvel e o deixo com a minha cara, reformado do meu jeito. As peças antigas têm uma qualidade superior, com madeira boa, e, muitas vezes, são vendidas por ninharia em sites como OLX, Mercado Livre e Bom Negócio — ensina. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que essa forma de comércio é uma tendência e destaca suas vantagens: — Levar um produto usado é bom para o bolso e para o meio ambiente. Mas, no caso de alguns deles, como eletrônicos, é necessário redobrar o cuidado, pois o consumidor não terá garantia. A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, ressalta que a transação de compra entre duas pessoas físicas — como acontece nesses sites — pode não ser considerada uma relação de consumo. Nesse caso, não se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC), e o cliente que se sentir lesado não poderá recorrer, por exemplo, ao Procon:


— Em caso de problemas, será necessário entrar na Justiça, como num Juizado de Pequenas Causas, com base no Código Civil — destaca a especialista. ‘Vender na web vicia’ Gláucia Lemos Pietrobon, de 26 anos, é fã de sites de usados. O quarto do filho, Levi, de 3 anos, foi todo mobiliado com peças anunciadas no Mercado Livre: — O berço era lindo, mas precisava de ajustes. Não pensei duas vezes: eu o lixei e pintei. Fiz o mesmo com outras peças da minha casa. A moradora da Ilha do Governador explica que roupas usadas compradas pela internet são frequentes no armário dela e da criança: — Um macacão para bebês, vendido por R$ 25 na loja, saia por R$ 5 em sites. Recentemente, comprei um colete jeans para mim, na internet, por R$ 25. No shopping, a peça custa R$ 99. A designer de joias resolveu também se desapegar de coisas que não têm mais utilidade para a família, postas à venda no site Enjoei. — Eu me surpreendi com o retorno. Fiz a página em janeiro e, desde então, consegui R$ 3.700, vendendo produtos que não usava mais. Estou adorando! Vender vicia! E fiquei com mais dinheiro para gastar — brinca. Recomendações do Procon Carioca e do Procon-RJ Frete Cuidado com a taxa de entrega: muitas vezes, o preço anunciado não inclui o custo da remessa. Precaução Esclareça todas as suas dúvidas com o vendedor antes da compra. Descrição Fique atento às informações a respeito de características, quantidade e qualidade do produto. Anote Registre todos os dados do vendedor (nome, CPF, telefone e endereço) antes de efetuar o pagamento. Segurança Verifique a segurança do site, pois compras em lojas virtuais implicam envio de dados, como números de telefone e cartão de crédito. Opções Confira se existe a possibilidade de pagar somente após a entrega e de pegar o produto. Senha Caso a loja virtual exija a escolha de uma senha, crie um código que seja de difícil interceptação. Contato Busque sempre fazer contato com o vendedor por meio de um telefone fixo. Regras Verifique o prazo de entrega, as formas de pagamento aceitas, se há fornecimento de nota fiscal e qual o tempo de garantia do produto. Trocas Veja se há situações em que a mercadoria poderá ser trocada e como será feito. Comprovantes Guarde todas as informações relacionadas à compra. Não delete e-mails e, se possível, salve ou imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja e/ou o vendedor. Normas Veja se o site apenas divulga os anúncios de vendedores ou se faz a intermediação da compra, liberando o pagamento do vendedor apenas após a entrega do produto.


VeĂ­culo: Folha Metropolitana Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site: http://issuu.com/folhametronews/docs/folhametro-01-07-13


Veículo: Portal do Consumidor Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?id=24172

Produtos usados saem 79% mais baratos pela internet 1/7/2013

Manuela Macedo, de 24 anos, não tem paciência para shoppings e adora garimpar peças em brechós. Agora, usa a internet para comprar produtos exclusivos, usados, mas em bom estado de conservação e, claro, bem mais baratos. Assim como a moradora de Jacarepaguá, quem adquire itens seminovos pela web gasta até 79% menos em comparação a uma mercadoria nova.

Essa redução de custo pode ser observada, por exemplo, no livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown, no site Estante Virtual — ao custo de R$ 5 —, em relação ao valor cobrado página virtual da livraria Saraiva (R$ 23,90).

Para conseguir economizar, a designer Manuela explica o segredo: — Vivo fuçando. Pesquiso em vários sites e, quando está barato, compro um móvel e o deixo com a minha cara, reformado do meu jeito. As peças antigas têm uma qualidade superior, com madeira boa, e, muitas vezes, são vendidas por ninharia em sites como OLX, Mercado Livre e Bom Negócio — ensina.


O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que essa forma de comércio é uma tendência e destaca suas vantagens:

— Levar um produto usado é bom para o bolso e para o meio ambiente. Mas, no caso de alguns deles, como eletrônicos, é necessário redobrar o cuidado, pois o consumidor não terá garantia. A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, ressalta que a transação de compra entre duas pessoas físicas — como acontece nesses sites — pode não ser considerada uma relação de consumo. Nesse caso, não se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC), e o cliente que se sentir lesado não poderá recorrer, por exemplo, ao Procon:

— Em caso de problemas, será necessário entrar na Justiça, como num Juizado de Pequenas Causas, com base no Código Civil — destaca a especialista.

‘Vender na web vicia’

Gláucia Lemos Pietrobon, de 26 anos, é fã de sites de usados. O quarto do filho, Levi, de 3 anos, foi todo mobiliado com peças anunciadas no Mercado Livre:

— O berço era lindo, mas precisava de ajustes. Não pensei duas vezes: eu o lixei e pintei. Fiz o mesmo com outras peças da minha casa.

A moradora da Ilha do Governador explica que roupas usadas compradas pela internet são frequentes no armário dela e da criança:

— Um macacão para bebês, vendido por R$ 25 na loja, saia por R$ 5 em sites. Recentemente, comprei um colete jeans para mim, na internet, por R$ 25. No shopping, a peça custa R$ 99. A designer de joias resolveu também se desapegar de coisas que não têm mais utilidade para a família, postas à venda no site Enjoei.

— Eu me surpreendi com o retorno. Fiz a página em janeiro e, desde então, consegui R$ 3.700, vendendo produtos que não usava mais. Estou adorando! Vender vicia! E fiquei com mais dinheiro para gastar — brinca.

Recomendações do Procon Carioca e do Procon-RJ

Frete


Cuidado com a taxa de entrega: muitas vezes, o preço anunciado não inclui o custo da remessa. Precaução

Esclareça todas as suas dúvidas com o vendedor antes da compra.

Descrição

Fique atento às informações a respeito de características, quantidade e qualidade do produto. Anote

Registre todos os dados do vendedor (nome, CPF, telefone e endereço) antes de efetuar o pagamento.

Segurança

Verifique a segurança do site, pois compras em lojas virtuais implicam envio de dados, como números de telefone e cartão de crédito. Opções

Confira se existe a possibilidade de pagar somente após a entrega e de pegar o produto. Senha

Caso a loja virtual exija a escolha de uma senha, crie um código que seja de difícil interceptação.

Contato

Busque sempre fazer contato com o vendedor por meio de um telefone fixo. Regras

Verifique o prazo de entrega, as formas de pagamento aceitas, se há fornecimento de nota fiscal e qual o tempo de garantia do produto. Trocas


Veja se há situações em que a mercadoria poderá ser trocada e como será feito. Comprovantes

Guarde todas as informações relacionadas à compra. Não delete e-mails e, se possível, salve ou imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja e/ou o vendedor.

Normas Veja se o site apenas divulga os anúncios de vendedores ou se faz a intermediação da compra, liberando o pagamento do vendedor apenas após a entrega do produto.

Fonte: Extra - online


Veículo: Procon Pernambuco Data: 01/07/2013 Editoria: Economia Site: http://www.procon.pe.gov.br/noticias/ler.php?id=4190

Produtos usados saem 79% mais baratos pela internet Data: 01 de Julho de 2013 - 14:11

Manuela Macedo, de 24 anos, não tem paciência para shoppings e adora garimpar peças em brechós. Agora, usa a internet para comprar produtos exclusivos, usados, mas em bom estado de conservação e, claro, bem mais baratos. Assim como a moradora de Jacarepaguá, quem adquire itens seminovos pela web gasta até 79% menos em comparação a uma mercadoria nova.

Essa redução de custo pode ser observada, por exemplo, no livro "O Código Da Vinci", de Dan Brown, no site Estante Virtual — ao custo de R$ 5 —, em relação ao valor cobrado página virtual da livraria Saraiva (R$ 23,90).

Para conseguir economizar, a designer Manuela explica o segredo: — Vivo fuçando. Pesquiso em vários sites e, quando está barato, compro um móvel e o deixo com a


minha cara, reformado do meu jeito. As peças antigas têm uma qualidade superior, com madeira boa, e, muitas vezes, são vendidas por ninharia em sites como OLX, Mercado Livre e Bom Negócio — ensina.

O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra que essa forma de comércio é uma tendência e destaca suas vantagens:

— Levar um produto usado é bom para o bolso e para o meio ambiente. Mas, no caso de alguns deles, como eletrônicos, é necessário redobrar o cuidado, pois o consumidor não terá garantia. A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, ressalta que a transação de compra entre duas pessoas físicas — como acontece nesses sites — pode não ser considerada uma relação de consumo. Nesse caso, não se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC), e o cliente que se sentir lesado não poderá recorrer, por exemplo, ao Procon:

— Em caso de problemas, será necessário entrar na Justiça, como num Juizado de Pequenas Causas, com base no Código Civil — destaca a especialista.

‘Vender na web vicia’

Gláucia Lemos Pietrobon, de 26 anos, é fã de sites de usados. O quarto do filho, Levi, de 3 anos, foi todo mobiliado com peças anunciadas no Mercado Livre:

— O berço era lindo, mas precisava de ajustes. Não pensei duas vezes: eu o lixei e pintei. Fiz o mesmo com outras peças da minha casa.

A moradora da Ilha do Governador explica que roupas usadas compradas pela internet são frequentes no armário dela e da criança:

— Um macacão para bebês, vendido por R$ 25 na loja, saia por R$ 5 em sites. Recentemente, comprei um colete jeans para mim, na internet, por R$ 25. No shopping, a peça custa R$ 99. A designer de joias resolveu também se desapegar de coisas que não têm mais utilidade para a família, postas à venda no site Enjoei.

— Eu me surpreendi com o retorno. Fiz a página em janeiro e, desde então, consegui R$ 3.700, vendendo produtos que não usava mais. Estou adorando! Vender vicia! E fiquei com mais dinheiro para gastar — brinca.

Recomendações do Procon Carioca e do Procon-RJ

Frete


Cuidado com a taxa de entrega: muitas vezes, o preço anunciado não inclui o custo da remessa. Precaução

Esclareça todas as suas dúvidas com o vendedor antes da compra.

Descrição

Fique atento às informações a respeito de características, quantidade e qualidade do produto. Anote

Registre todos os dados do vendedor (nome, CPF, telefone e endereço) antes de efetuar o pagamento.

Segurança

Verifique a segurança do site, pois compras em lojas virtuais implicam envio de dados, como números de telefone e cartão de crédito. Opções

Confira se existe a possibilidade de pagar somente após a entrega e de pegar o produto. Senha

Caso a loja virtual exija a escolha de uma senha, crie um código que seja de difícil interceptação.

Contato

Busque sempre fazer contato com o vendedor por meio de um telefone fixo. Regras

Verifique o prazo de entrega, as formas de pagamento aceitas, se há fornecimento de nota fiscal e qual o tempo de garantia do produto. Trocas


Veja se há situações em que a mercadoria poderá ser trocada e como será feito. Comprovantes

Guarde todas as informações relacionadas à compra. Não delete e-mails e, se possível, salve ou imprima o anúncio, as telas de compra e toda a comunicação trocada com a loja e/ou o vendedor.

Normas Veja se o site apenas divulga os anúncios de vendedores ou se faz a intermediação da compra, liberando o pagamento do vendedor apenas após a entrega do produto.

Fonte: Extra - online


VeĂ­culo: Revista in Data: jul/2013 Editoria: Economia Site:

PĂĄgina 62


Pรกgina 63


Veículo: Rede Mulher Empreendedora Data: jul/2013 Editoria: Economia Site: http://www.redemulherempreendedora.com.br/noticias/geral/riscos-piramidesfinanceiras

Os riscos por trás das pirâmides financeiras Um assunto que vem tomando conta dos noticiários nos últimos tempos são as famosas e perigosas pirâmides financeiras. De tempo em tempo, vejo esse tema voltar à tona, sempre alimentado pela ilusão de parte da população de que poderá ganhar dinheiro fácil. E, nesse ponto, eu sempre repito: tudo o que vem fácil, vai fácil. Assim, cabe às pessoas pensarem cinco vezes antes de entrar em qualquer tipo de negócio, avaliando os riscos muito antes da rentabilidade e, principalmente, se o retorno vai ao encontro dos seus sonhos e objetivos. Lembrando que todo investimento tem riscos, e quanto maior a probabilidade de ganhos, maior o risco. Se aparece algo com promessa de altíssimo retorno e baixíssimo risco, desconfie na hora. A pirâmide é um desses negócios milagrosos e de altíssimo risco, além de já existir comprovada sua ilegalidade como negócio em nosso país. Trata-se de um modelo comercial que não se sustenta e oferece danos e prejuízos a seus participantes, se caracterizando assim como fraude. Esse modelo, muitas vezes, é maquiado como sendo um sistema de "marketing multinível", mas todo cuidado é pouco. O esquema envolve a troca de valores pelo recrutamento de outras pessoas para pirâmides ou, por exemplo, por postagens diárias de anúncios publicitários no Facebook, sem qualquer produto ou serviço ser entregue. Exemplos recentes de empresas que estão sendo investigadas com suspeita de desenvolverem esses sistemas não faltam. Por questões éticas, não vou citar nomes, mas, acredite, não são poucas, infelizmente. Pirâmide financeira é crime contra a economia popular, afinal, propõe a oferta de ganhos altos e rápidos, o pagamento de comissões excessivas, acima das receitas


advindas de vendas de bens reais e a não sustentabilidade do modelo de negócio desenvolvido pela organização. Governo e Ministério Público já vêm atuando e fiscalizando de forma intensa esses pseudos negócios, e, nos últimos tempos, esses esquemas vêm aumentando. Portanto, nós, consumidores, devemos desconfiar de tudo aquilo que promete transformar a vida em um piscar de olhos. Na verdade, o grande fiscalizador disso somos nós mesmos. Existe ainda outro problema, que é comportamental. Enquanto a nossa população não se educar financeiramente e ter consciência de como administrar o dinheiro que entra e o dinheiro que sai, seremos prezas fáceis. Reunir a família e conversar com os filhos é fundamental. Porém, é importante que se faça uma distinção entre as ações ilegais e o marketing multinível, ou de rede, que é uma prática legal. Se a empresa faz o marketing de rede, mas contém um patrimônio líquido de garantia real, que sustenta a operação, ao invés de utilizar os clientes novos para pagar os antigos, a ação não é configurada como pirâmide financeira, pois o risco se torna menor. É preciso que as Juntas Comerciais e Cartórios, assim como a Receita Federal, se atentem e criem mecanismos para impedir a abertura dessas organizações, sem antes ter a comprovação de seus patrimônios. Infelizmente, abrir uma empresa em nosso país é muito fácil e, por isso, bilhões de reais já foram perdidos. Por ausência de órgãos regulamentadores, a população é que sofre as consequências e prejuízos. Para finalizar, como educador financeiro, contabilista e cidadão, tenho o compromisso de alertar a sociedade que, para nos tornarmos pessoas e famílias saudáveis financeiramente, é preciso trabalhar, ganhar o dinheiro de forma digna e não por meio de redes e pirâmides ilegais, que já acabaram com milhões de lares. Tenho certeza de que a educação financeira de nossa população, em especial a de nossas crianças, deve começar nas escolas. Só assim conseguiremos criar novas gerações de pessoas e famílias educadas, prósperas e sustentáveis financeiramente.


Veículo: Associação Comercial e Industrial de Manuá Data: jul/2013 Editoria: Economia Site: http://www.aciam.org.br/noticia/29074.html

Convênio individual custa até 149% mais Convênio individual custa até 149% mais Quem tem o benefício de um plano de saúde empresarial, pode economizar valores consideráveis em relação convênio médico individual. É o que aponta o estudo da empresa Marcer Marsh Benefícios, que detectou que a diferença entre os dois tipos pode chegar a 149%. O estudo considerou os valores referentes a faixa etária de 28 a 34 anos. Mais oferecidos pelos revendedores e mais baratos que as opções formuladas para atender pessoas físicas, os convênios empresariais escondem um defeito congênito: seus reajustes não são regulados pela ANS (Agência Nacional de Saúde), ficam a cargo da operadora. Essa liberdade tem como base a lei que protege os contratos entre as empresas. E muitas as operadoras de saúde estão deixando de oferecer as opções individuais para garantir o aumento que quiserem. Assim, muitas vezes, consumidores comuns abrem empresas para ter acesso a convênios, ainda que poucas vidas façam parte do pacote. Com isso, a empresa também não pode ser acionada nos órgãos de defesa do consumidor. Segundo dados do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), os planos de saúde empresariais representam 77% de todos os contratos deste tipo feitos no País. Desse total, 85% são os considerados miniplanos, ou seja, contratos contendo até 30 vidas. Desde maio, a ANS aprovou resolução normativa que estabelece que as operadoras devem agrupar todos os contratos que contenham 30 vidas ou mais e calcular percentual único de aumento. Essa medida foi criada para tentar driblar os reajustes considerados abusivos pelos usuários. Para a chefe do Procon São Bernardo, essa falta de regulamentação e a concentração na mão das empresas, a fragilidade aumenta. “O coletivo fica na mão das partes e quando há rompimento muitas vidas são prejudicadas”, disse. Por causa da lei que defende a livre negociação destes contratos, os reajustes abusivos não podem ser tratados pelo Procon, somente por ação judicial. Apesar disso, Ângela destaca que o número de pessoas que se sentiram lesadas e procuraram o Procon de São Bernardo para reclamar sobre o assunto subiu 14% em relação ao ano passado. “Porém, infelizmente nada pode ser da nossa parte”. A chefe da seção de defesa do consumidor do Procon de São Bernardo, Ângela Galuzzi, lembra ainda que o valor do plano oferecido pelo empregador é menor por tratar de mais pessoas. Especialista em finanças pessoais aconselha cuidado com o custo final Uma boa opção para o consumidor é o plano de saúde oferecido pelo empregador. No entanto, quando


isso não é possível, especialista aconselha pesquisa para a escolha entre o individual ou familiar. O benefício acaba sendo imprescindível para a maioria das pessoas por questão de segurança já que há ausência de qualidade no sistema público. O consultor e educador financeiro Reinaldo Domingos destaca a importância de fazer a cotação nas operadoras para decidir. “É fundamental pesar o custo-benefício, a qualidade dos hospitais e laboratórios, as carências, as formas de contratação, a cobertura, se é local ou nacional, e, lógico, fazer isso de acordo com o bolso.” O impacto no orçamento familiar é um ponto para o qual o educador financeiro chama a atenção. “Não adianta fazer um contrato que você não possa pagar. Ele tem que caber no seu bolso, porque se você não pagar, não vai ser atendido. Atualmente 20% do que é gasto do salário é supérfluo, se você fazer uma boa faxina financeira, você pode ter um plano de saúde melhor”, afirmou.


Veículo: Rádio O Povo Data: jul/2013 Editoria: Economia Site: http://radiopovo.com.br/povofeira/?p=20323

Calculadora da casa própria: financiar ou comprar à vista? Taís Laporta Compare o capital que você acumularia em uma aplicação financeira e o total pago no financiamento de um imóvel, e veja se vale a pena aplicar para comprar seu imóvel à vista, mesmo pagando aluguel Financiamento bancário não é o único caminho para realizar o sonho da casa própria. E nem o melhor, na opinião de três especialistas em finanças pessoais. Eles afirmam que é possível pagar aluguel e poupar para comprar à vista, desde que o padrão de vida seja modesto – gastar menos do que ganha e poupar o restante no fim do mês, sempre com disciplina. Ao fazer uma reserva financeira para comprar o imóvel, ele pode ser quitado em um tempo bem menor, e o valor desembolsado cai consideravelmente em relação ao total financiado, acrescido dos juros, que variam entre 8% e 12% ao ano. “Se você financiar hoje uma casa no prazo de 30 anos, quando quitar o imóvel terá pago o valor de até duas casas e meia”, exemplifica o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira. Calculadora do iG, desenvolvida com a ajuda da DSOP Educação Financeira, permite comparar os ganhos com investimentos e as depesas com um financiamento imobiliário.

Se o mesmo valor mensal for desembolsado em uma aplicação financeira, em sete anos e meio é possível comprar a mesma casa à vista, calcula o consultor. Para isso, pode-se encontrar aplicações de longo prazo nos papéis do Tesouro Direto (NTN-Bs) ou em planos de previdência privada, contanto que as taxas de administração e manutenção do investimento não consumam os rendimentos. Pago aluguel. E agora? O problema é que nem todo aspirante a comprar um imóvel tem o privilégio de morar na casa dos pais para juntar o dinheiro. Quem paga aluguel geralmente reclama que a despesa consome grande parte do orçamento doméstico. “Se o aluguel custar R$ 1 mil por mês e um financiamento custar R$ 2 mil mensais, aconselho ficar no aluguel e aplicar os R$ 1 mil restantes, para quitar o imóvel em menos tempo”, recomenda Domingos. Outro argumento a favor do aluguel é que, quanto mais jovem for o investidor, menos ele precisa de uma casa própria, na opinião do consultor financeiro e autor de livros Gustavo Cerbasi. “Se o jovem assumir uma prestação elevada, vai limitar as oportunidades de arriscar na carreira e melhorar de vida”, diz. Enquanto houver disposição para mudanças, a flexibilidade do aluguel é um ponto favorável. Já quando a pessoa começa a fincar raízes, após ter criado um bom patrimônio, estará mais preparada para sair do aluguel e comprar a casa própria, acredita Cerbasi. “Ele terá uma renda mais alta, Fundo de Garantia dor Tempo de Serviço (FGTS) acumulado e possibilidade de fazer um financiamento num prazo mais curto”. Para o professor de finanças da Fundação Getulio Vargas William Eid, o preço dos aluguéis atuais é bem irregular em relação ao valor dos imóveis. “Um bom rendimento seria de 0,6% ao


mês, mas há casos em que o aluguel rende 0,3%”, exemplifica. Ele também considera que pagar um aluguel baixo e aplicar para comprar à vista é vantajoso, desde que a pessoa tenha um padrão de vida abaixo dos próprios recursos. Um imóvel de quatro quartos com valor médio de venda de R$ 10.521 por metro quadrado, no bairro de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, tinha aluguel médio de R$ 39,08 por metro quadrado, segundo dados de junho do Secovi-Rio. Isso representa uma rentabilidade mensal de 0,37%. A caderneta de poupança, sozinha, teve rendimento líquido de 0,46% no mesmo mês, e terá ganhos maiores com a recente alta da Selic, a taxa básica de juros. Seja qual for a escolha do consumidor, a prestação de um financiamento ou o aluguel não devem comprometer mais que 20% da renda familiar para assegurar um bom planejamento financeiro no longo prazo, recomenda Domingos, do DSOP. Custos embutidos Vale lembrar, também, que possuir um imóvel, por si só, não é garantia de patrimônio sólido ou valorização. A recente guinada dos preços no Brasil já apresenta sinais de acomodação em 2013, o que deve significar que os ganhos obtidos há poucos anos não se repetirão tão cedo. “Se um apartamento comprado por R$ 1 milhão continuar valendo R$ 1 milhão após dois anos, haverá perda de 10% de seu valor, considerando uma inflação anual de 5%”, exemplifica Eid. Ter em mãos o dinheiro à vista para comprar o imóvel, sem manter uma reserva extra, também é um erro, na visão do consultor Domingos. “O ideal é ter guardado pelo menos 50% a 100% do valor do imóvel para os custos adicionais”, aconselha. A lista dessas despesas é grande e onerosa, ainda que a maior parte das pessoas leve em conta apenas o valor do imóvel ao adquiri-lo. Somente os móveis chegam a custar entre 20% e 30% do preço da casa ou apartamento, avalia o consultor do DSOP. Para Domingos, mensalidade do condomínio, IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), escritura do imóvel e até o custo de vida na região escolhida – como o preço da escola dos filhos e a distância até o trabalho – devem ser levados em conta no valor final. Domingos também desaconselha o uso do FGTS para dar entrada no imóvel. Pouca gente pensa, segundo ele, que na perda do emprego, a pessoa ficará descapitalizada para pagar as parcelas do financiamento, um risco muito grande. O ideal seria guardar a reserva para emergências ou mesmo para quitar o imóvel, orienta.


Veículo: Jornal do Interior Data: jul/2013 Editoria: Finanças Site:


Veículo: Revista Ícone Data: jul/2013 Editoria: Finanças Site:


Veículo: O Globo Data: jul/2013 Editoria: Economia Site: http://clinicadodinheiro.com.br/financas-na-era-dos-aplicativos

Finanças na era dos aplicativos De uns tempos para cá, os aplicativos se tornaram um dos maiores aliados do ser humano. Existem programas voltados para todos os tipos de pessoas e pensados para todos os tipos de necessidades. O ramo das finanças, claro, não ficou de fora dessa. Há diversas opções de aplicativos financeiros digitais; o difícil, muitas vezes, é saber qual é a melhor opção para cada caso. A ferramenta representa um papel importante no que diz respeito ao controle do orçamento financeiro pessoal ou familiar, mas deve se ter alguns cuidados para não ficar dependente dela. Saúde financeira é ter equilíbrio e estar consciente de seus ganhos e gastos. Portanto, não é recomendável que as despesas do dia a dia sejam anotadas sem um controle. Deve-se acompanhar, criteriosamente, as contas, separando por categorias e apontando exatamente tudo o que você desembolsa, mesmo os itens de menor valor, como balas, cafés e gorjetas. Em parceria com uma empresa que detém o conhecimento e expertise em aplicativos, criamos uma ferramenta eletrônica cuja o nome é “Orientador Financeiro DSOP” (Yupee), que se encontra no portal DSOP de Educação Financeira www.dsop.com.br. Ele foi concebido e adaptado conforme os conceitos da Metodologia DSOP. É uma ferramenta gratuita e de fácil utilização. Mas, como tudo o que se inicia deve terminar, esse processo deve ser feito somente por 30 dias, para quem recebe salário mensal, e por 90 dias, para quem possui ganhos variáveis, sendo repetido sempre após um ano. Mesmo com todas as vantagens de se usar adventos da tecnologia a nosso favor, faço uma ressalva: se o fato de anotar os ganhos e despesas – seja em planilhas, aplicativos ou mesmo num papel – fosse a solução para os problemas financeiros da população, não haveria endividados e inadimplentes no mundo.


A saída é disseminar educação financeira, que, por sua vez, não se trata de ciência exata (cálculos e planilhas), mas sim de ciência humana, promovendo uma mudança de hábitos e costumes com relação ao uso do dinheiro. Sendo assim, a Metodologia DSOP – baseada nos pilares Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar – auxilia, então, as pessoas a mudarem o seu comportamento, descobrindo para onde vai cada centavo do seu dinheiro, relacionando e priorizando os seus sonhos (de curto, até um ano, de médio, até dez anos, e de longo prazos, acima de dez anos) e poupando para a realização de cada um. Para ler mais orientações sobre como se educar financeiramente, indico o meu livro Terapia Financeira, publicado pela Editora DSOP


JUNHO


Veículo: Extra Data: 30/06/2013 Editoria: Economia Site: http://extra.globo.com/noticias/economia/valores-de-anuidade-chegam-variar-60-entrebancos-diferentes-para-um-mesmo-cartao-8854271.html

Valores de anuidade chegam a variar 60% entre bancos diferentes para um mesmo cartão

Cartões iguais têm tarifas diferentes, dependendo do banco escolhido Foto: Arquivo Ana Paula Viana

A economia na hora de escolher o cartão de crédito ideal pode vir também ao se pesquisar taxas em bancos diferentes. O valor cobrado por um mesmo cartão chega a ser 60% maior, dependendo da instituição bancária. O titular de um Mastercard Black, no Bradesco, paga R$ 790 por ano, enquanto a anuidade do mesmo modelo, na Caixa Econômica Federal, sai por R$ 495. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, no entanto, não são apenas anuidade e vantagens oferecidas que devem ser avaliadas. — O primeiro passo é alinhar esse cartão ao padrão de vida. Os bancos costumam dar limites de gastos altos, muitas vezes bem acima da renda do cliente. É um convite para o gasto descontrolado — alerta o educador. A universitária Karla Suarez, de 23 anos, conhece bem essa história. Ela terminou de pagar, este mês, o empréstimo que fez para quitar as dívidas em seus três cartões, cujas faturas eram parceladas com juros de 15% ao mês. — Virou uma bola de neve. Até que descobri que poderia pegar dinheiro no banco, com juros três vezes mais baixos. Agora, estou mais atenta aos meus gastos — conta. A armadilha em que Karla se viu aprisiona cada vez mais pessoas. Um estudo do SPC Brasil mostra que o número de clientes que pagam o valor mínimo passou de 5% para 9%, este ano, em comparação com 2012.


Veículo: Jornal NH (Novo Hamburgo) Data: 30/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jornalnh.com.br/economia/460717/cuide-bem-de-sua-saude-financeira.html

Cuide bem de sua saúde financeira Controle dos gastos ainda é a melhor forma de evitar o descontrole com gastos Micheli Aguiar

Novo Hamburgo - Há dois anos, a estudante de Jornalismo Daniele Brito passou por uma desordem financeira. Certa de que era a hora para fazer a carteira de motorista, a jovem, então com 20 anos, investiu tudo na ideia. A tão sonhada habilitação, no entanto, só veio após mais aulas do que as esperadas, depois de um novo exame prático e muitas dívidas. “Eu não contava que teria que pagar o valor que paguei a mais. Isso estava fora no meu orçamento”, confessa. Para pagar o custo das novas aulas, recorreu a um crédito, que segundo o Banco Central, movimenta cerca de R$ 1 bilhão ao dia no Brasil, o cheque especial. “Esta é uma das modalidades de juros menos indicadas, pois assim como o cartão de crédito, tem uma das maiores taxas de juros”, explica o educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos. Daniele se viu no aperto, usou os dois créditos e começou a atrasar as contas. “Tinha meses que do meu salário de 700 reais sobravam 300 reais para quitar as dívidas. O restante ficava para cobrir o cheque especial”, afirma. O exemplo de Daniele não é exceção. Conforme pesquisa da Confederação Nacional do Comércio, no mês de maio, 7,5% das famílias brasileiras estavam superendividadas – débito superior ao orçamento – 21,6% tinham contas em atraso há mais de um mês e o número chega a 64,3% quando diz respeito ao endividamento – prestações que cabem dentro do orçamento. O assunto é tão preocupante que já é discutido no Congresso Nacional. Uma das propostas, em análise desde março no Senado, pretende atacar o superendividamento das famílias. O projeto prevê que os trabalhadores com dívidas em atraso, não considerando o financiamento de imóvel para moradia, possam requerer na Justiça o parcelamento em até cinco anos dos débitos – já considerando os bens possíveis para quitar a dívida.


“O planejamento é a alma e o segredo do sucesso financeiro de uma família. No contraponto, só guarda dinheiro quem sonha. Daí a importância de ter não só em mente, mas também no papel, aquilo que se almeja”, explica Reinaldo Domingos. Daniele não sonhou, mas resolveu agir. Pediu conselhos ao pai, se reorganizou e encontrou mais uma maneira de ganhar dinheiro. “Não vou dizer que foi fácil, porque não foi. Passei a anotar tudo que comprava e deixei de lado todo o supérfluo. Tudo que comprava fazia com a renda extra e pagava os débitos com a renda fixa.” RENEGOCIAR É A SOLUÇÃO Reorganizar-se exige iniciativa, planejamento e persistência. O Projeto de Apoio às Famílias Envididadas oferecido pelo Programa de Práticas Sociojurídicas da Unisinos em parceria com a Comarca de São Leopoldo do Tribunal de Justiça do Estado Rio Grande do Sul, oferece auxílio a famílias e cidadãos de toda a região que estejam passando pormomentos de dificuldades financeiras. O serviço conta com o auxílio de advogados, assistentes sociais e psicólogos e através da renegociação das dívidas, entre devedor e o credor, as pessoas podem ter novamente o nome limpo na praça. Tudo o que fica acertado nas negociações com os credores deve ser cumprido, pois a dívida não pode ser renegociada. Dívida pode provocar doenças Na cultura brasileira ter dívidas faz parte das conquistas. Afinal, financiamos casa, carros, a faculdade dos filhos. O problema, porém, é quando a dívida vira uma bola de neve e compromete seriamente o orçamento familiar. E, é justamente neste momento que a saúde emocional corre perigo. “Quando uma pessoa perde o controle financeiro, ela pode denunciar que está emocionalmente afetada. O contrário também é verdadeiro. A saúde emocional pode adoecer justamente por estar endividado”, explica a psicóloga Marilda Peres. Para ela, o endividamento, por mais que seja pessoal ou familiar, também é social. “Quem deve tenta manter as aparências ou chega a ‘sumir’ do convívio. Afeta muito o emocional”, afirma.


Veículo: O Globo Data: 30/06/2013 Editoria: Economia Site: http://oglobo.globo.com/economia/valores-de-anuidade-chegam-variar-60-entrebancos-diferentes-para-um-mesmo-cartao-8854304

Valores de anuidade chegam a variar 60% entre bancos diferentes para um mesmo cartão Extra

A economia na hora de escolher o cartão de crédito ideal pode vir também ao se pesquisar taxas em bancos diferentes. O valor cobrado por um mesmo cartão chega a ser 60% maior, dependendo da instituição bancária. O titular de um Mastercard Black, no Bradesco, paga R$ 790 por ano, enquanto a anuidade do mesmo modelo, na Caixa Econômica Federal, sai por R$ 495. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, no entanto, não são apenas anuidade e vantagens oferecidas que devem ser avaliadas. — O primeiro passo é alinhar esse cartão ao padrão de vida. Os bancos costumam dar limites de gastos altos, muitas vezes bem acima da renda do cliente. É um convite para o gasto descontrolado — alerta o educador. A universitária Karla Suarez, de 23 anos, conhece bem essa história. Ela terminou de pagar, este mês, o empréstimo que fez para quitar as dívidas em seus três cartões, cujas faturas eram parceladas com juros de 15% ao mês. — Virou uma bola de neve. Até que descobri que poderia pegar dinheiro no banco, com juros três vezes mais baixos. Agora, estou mais atenta aos meus gastos — conta. A armadilha em que Karla se viu aprisiona cada vez mais pessoas. Um estudo do SPC Brasil mostra que o número de clientes que pagam o valor mínimo passou de 5% para 9%, este ano, em comparação com 2012.


Veículo: Click Habilitação Data: 29/06/2013 Editoria: Educação Financeira Site: http://www.clickhabitacao.com.br/educacao-financeira/livre-se-das-dividas/

Livre-se das dívidas Para muitos, organizar as finanças pessoais é algo muito difícil, quase impossível. Mas será que o mito que envolve a Educação Financeira não acaba interferindo nessa percepção equivocada das pessoas?

Para controlar o seu orçamento financeiro, basta uma boa dose de voa vontade e disciplina. Alguns hábitos e costumes devem ser mudados para garantir um planejamento de qualidade. Perguntas como: “eu realmente preciso disso agora?” e “terei o dinheiro suficiente para pagar na data do vencimento da fatura?” também devem ser feitas a fim de evitar gastos desnecessários. A impulsividade e a falta de controle das finanças são as principais vilãs de um ser humano. É importante ter sempre uma quantia de dinheiro na carteira, mas somente para imprevistos ou para compras já panejadas, ou então o fantasma do endividamento vai perturbar bastante. Se o problema já atingiu a sua vida ou se você quer evitar que aconteça, a obra Livre-se das Dívidas (Editora DSOP), do escritor e educador financeiro Reinaldo Domingos é um ótimo guia. Informações e orientações importantes são oferecidas para ajudá-lo nessa questão. Por falar em dinheiro, não podemos esquecer dos cartões de crédito e débito, que são os maiores responsáveis pelos altos índices de endividamento da população não só brasileira, mas mundial.


Primeiramente, se você tem um ganho mensal, um cartão de crédito basta; se for semanal, no máximo três. Atente-se às datas de vencimento de cada um e utilize de forma que possa pagar com maior prazo e sem juros. Outro aspecto essencial para uma boa organização das finanças pessoais são as famosas papeladas que costumamos guardar, como notas fiscais, comprovantes de pagamento, extratos de conta, etc. Deixar esses papeizinhos na carteira com a desculpa de que vai controlar o que gasta e, depois de meses, nunca mexer, é auto sabotagem. Se souber mexer com planilhas, faça uma e vá alimentando-a com as despesas. Se não, faça um apontamento de despesas, à mão mesmo, anotando tudo o que gasta – até mesmo o cafezinho e a gorjeta –, separado por categorias. No entanto, essa prática deve ser feita uma vez por mês e repetida todos os anos, na mesma época, ou sempre que tiver uma variação muito grande de ganhos e gastos. Fonte: DSOP


Veículo: Último Instante Data: 28/06/2013 Editoria: Franquias e Negócios Site: http://www.ultimoinstante.com.br/pt/noticias_20130628/empresas_franquias_negocios/183 894/Endividamento-recorde-abre-mercado-para-franquias-e-microfranquiasd.htm#axzz2Xt8fcIyk

ENDIVIDAMENTO RECORDE ABRE MERCADO PARA FRANQUIAS E MICROFRANQUIAS D Em março, as dívidas das famílias correspondiam a 43,99% da renda anual, enquanto em fevereiro, recorde anterior, o índice estava em 43,79%.

Endividamento e educação financeira no pacote de franquias

Os dados do Banco Central sobre a situação financeira dos brasileiros, relativos ao 1º trimestre de 2013 apontam que o endividamento dos brasileiros bateu novo recorde. Em março, as dívidas das famílias correspondiam a 43,99% da renda anual, enquanto em fevereiro, recorde anterior, o índice estava em 43,79%. Esses dados apontam a crescente necessidade de oferecer para população produtos e serviços relacionados à educação financeira, o que já se percebe no


mercado com escolas e empresas divulgando informações relativas a estes temas, o que gera ótimas oportunidades de negócios. Para atender esta demanda, a DSOP Educação Financeira oferece, além de soluções em produtos e serviços sobre educação financeira para pessoas, famílias, empresas e escolas, novas oportunidades de negócio com os modelos de Franquias DSOP. “As franquias atuam na prospecção e implantação de projetos de Educação Financeira em escolas particulares e empresas privadas, treinam professores e multiplicadores, ministram cursos de educação financeira, fazem atendimento para pessoas físicas, dentre várias outras oportunidade que garantem um ótimo retorno de negócios”, explica Frederico Loriggio, diretor de Franquias da DSOP Educação Financeira. São três modelos de franquias: · Franquia Unidade de Negócios – com ganhos são maiores, visto que o franqueado atuará em um território mais amplo. Também necessitará de um corpo profissional maior, de forma a atender adequadamente o volume de negócios. · Franquia de Negócios - esse modelo pode ser desenvolvido dentro do sistema home based, em que o franqueado tem um baixo custo operacional e pode exercer suas atividades em sua própria casa, dentro de um território exclusivo de atuação, com, no mínimo, 150 escolas particulares. · Microfranquia DSOP – o modelo também tem atuação home based, sem necessidade de contratração de funcionários, gerando baixos custos operacionais e de investimentos. Atua numa região adequada ao tamanho do seu negócio. Neste ano a Franquia se tornou a primeira franquia de educação financeira regularizada junto à Associação Brasileira de Franchising (ABF). Atualmente já são 13 franquias em todo o país e diversas outras já estão em negociação. O objetivo é oferecer uma gama de soluções em produtos e serviços, voltados à educação financeira para os mais variados públicos. As vantagens de ser um franqueado são muitas, entre elas, baixo custo de adesão - a partir de R$34 mil no caso de microfranquias –, alta rentabilidade, ganho recorrente, operação padronizada, território fechado, marca com projeções nacional e internacional – o que possibilita a atuação em diversos segmentos –, isenção de cobrança de fundo de propaganda, equipe reduzida, entre outras. Idealizado e implementado pelo diretor de Franquias da DSOP Frederico Loriggio, esse novo formato de negócio promete trazer outros benefícios. “O modelo de franquia atual se torna mais interessante para as empresas não só por todas as vantagens que ela proporciona, mas também pela forte exposição da marca, que é fortemente divulgada nos meios de comunicação e que estará presente em mais de 65 feiras pelo Brasil este ano.”


Veículo: Rádio CBN Data: 28/06/2013 Editoria: Lançamentos Site: http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/platb/blogdasimonemagno/2013/06/28/infantilmostra-como-a-escuridao-da-lugar-aos-sonhos/

Infantil mostra como a escuridão dá lugar aos sonhos sex, 28/06/13

por simone.magno | categoria Lançamentos

A jornalista e escritora Claudia Nina, colunista daRevista Pessoa e da Seleções (Reader´s Digest), lança amanhã na Blooks (Praia de Botafogo, 316 – Rio de Janeiro) o infantil Nina e a lamparina (Dsop), com ilustrações de Cecilia Murgel. O livro faz parte da coleção Sonhos de Ser, que reúne quatro meninas com histórias distintas, mas algo em comum: sonhos que podem parecer simples para muita gente, mas que dão sentido a suas vidas e as guiam por diferentes caminhos, sempre cheios de aventuras, mistérios e imaginação. Cada livro é escrito por uma autora diferente. Simone Paulino, diretora editorial da Dsop, é autora de O sonho secreto de Alice, ilustrado pelas delicadas aquarelas de Luyse Costa. Luyse assina também as ilustrações da obra Diana, Luana, Luanda, da escritora e também artista plástica Ana Lasevicius. Completa a sérieClariana, a menina invisível, da escritora, editora e produtora cultural Maíra Viana. Nina e a lamparina narra a trajetória de uma menina que morria de medo da escuridão e só tinha pesadelos durante a noite. A vida da protagonista muda quando sua mãe lhe dá de presente uma lamparina que vira sua luz de estimação, abrindo para ela um mundo de fantasia em que o escuro dá lugar aos mais luminosos sonhos. Claudia Nina é autora também de A palavra usurpada, sobre a obra de Clarice Lispector, do infantil A barca dos feiosos e do romance Esquecer-te de mim, entre outros. O lançamento deste sábado terá contação de histórias às 15h e autógrafos às 16h.


Veículo: Jornal O Retrato Data: 28/06/2013 Editoria: Economia Site: http://jornaloretrato.com.br/net/dicas-para-comprar-casa-propria-sem-dividas/

Dicas para comprar casa própria sem dívidas

REINALDO DOMINGOS* A realização do sonho da casa própria nunca foi tão real para milhões de brasileiros, principalmente com facilitadores, como o programa Minha Casa Minha Vida. Mesmo com isso, é sabido que o déficit habitacional já era, e continua sendo, um dos grandes problemas para as famílias brasileiras. Isto é decorrência de um problema histórico, e dentre os pontos que levaram a ele está a falta de educação financeira. Culturalmente, desde nossos primeiros ganhos, sempre aprendemos a consumir e nunca a poupar, e quando poupamos, somente pensamos a curto prazo e não a médio e longo prazo, com isso as alternativas para que este sonho seja uma realidade ficam restritas ao financiamento pelo sistema de habitação. Financiar uma casa própria é uma ótima alternativa, entretanto, é fundamental saber que, juntamente com o imóvel, se estará contraindo uma dívida de valor, que deverá ser honrada mensalmente.


Também é necessário ter em mente que quando se faz um financiamento existem os juros e estes, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas ou até três casas. No caso de quem paga aluguel, o financiamento pode ser uma ótima alternativa, deixando a pessoa de pagar esse valor sem retorno futuro para pagar a prestação de algo que será seu. Para quem não paga aluguel, uma ótima alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento em qualquer tipo de investimento conservador, assim, em sete ou oito anos poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros, enquanto que no financiamento se pagam juros. Um grande problema enfrentado para a realização do sonho de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que, muitas vezes, não agregam. Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e, com isso, se perde o foco no bem de valor, que é a casa. Veja alguns passos para adquirir uma casa própria: 1. Reúna a família e converse sobre este tema, definindo o lugar, o valor e as reais condições em que se encontram; 2. O melhor caminho para adquirir é poupar parte do dinheiro que se ganha. Faça uma simulação em qualquer banco de quanto custaria a prestação deste imóvel e comece a guardar em um investimento conservador como poupança, CDB ou tesouro direto; 3. Analise o valor do aluguel que se está pagando. Se for o mesmo valor da prestação de um financiamento, poderá ser uma boa opção financiar o imóvel; 4. Lembre-se que o financiamento é considerado dívida de valor e por isso deve ser colocado como prioridade no momento do pagamento, antes das outras despesas mensais; 5. Cuidado com o valor do imóvel que comprará e veja se ele adéqua-se a seu verdadeiro padrão de vida; 6. Tenha sempre uma reserva estratégica para que, em caso de qualquer eventualidade, não deixe de honrar este importante compromisso; 7. Caso não esteja conseguindo pagar a prestação da casa própria, é preciso rever imediatamente os gastos, em especial as pequenas despesas, que somadas podem levar uma família ao desequilíbrio financeiro. *Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor dos livros: Terapia Financeira, Eu mereço ter dinheiro, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, e das coleções infantis: O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do País.


Veículo: newtrade Data: 28/06/2013 Editoria: Economia Site: http://newtrade.com.br/noticia/endividamento-recorde-abre-mercado-para-franquias-emicrofranquias-de-educacao-financeira

Endividamento recorde abre mercado para franquias e microfranquias de educação financeira Em março, as dívidas das famílias correspondiam a 43,99% da renda anual, enquanto em fevereiro, recorde anterior, o índice estava em 43,79%

(Reprodução)

Os dados do Banco Central sobre a situação financeira dos brasileiros, relativos ao 1º trimestre de 2013 apontam que o endividamento dos brasileiros bateu novo recorde. Em março, as dívidas das famílias correspondiam a 43,99% da renda anual, enquanto em fevereiro, recorde anterior, o índice estava em 43,79%. Esses dados apontam a crescente necessidade de oferecer para população produtos e serviços relacionados à educação financeira, o que já se percebe no mercado com escolas e empresas divulgando informações relativas a estes temas, o que gera ótimas oportunidades de negócios. Para atender esta demanda, a DSOP Educação Financeira oferece, além de soluções em produtos e serviços sobre educação financeira para pessoas, famílias, empresas e escolas, novas oportunidades de negócio com os modelos de Franquias DSOP.


"As franquias atuam na prospecção e implantação de projetos de Educação Financeira em escolas particulares e empresas privadas, treinam professores e multiplicadores, ministram cursos de educação financeira, fazem atendimento para pessoas físicas, dentre várias outras oportunidade que garantem um ótimo retorno de negócios”, explica Frederico Loriggio, diretor de Franquias da DSOP Educação Financeira.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 28/06/2013 Editoria: Carro Site: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1285522

44,2% da população do Brasil está endividada 28.06.2013

Especialista alerta que os consumidores precisam saber calcular os impactos dos financiamentos O nível de endividamento das famílias com os bancos atingiu o patamar recorde de 44,2% em doze meses até abril deste ano, segundo informações divulgadas pelo Banco Central. Nos doze meses até março, o indicador estava em 43,9%. O dado vem em uma crescente desde 2005, quando estava no patamar de 18,39%. Dentre as causas do endividamento estão o analfabetismo financeiro, consumismo, marketing publicitário e crédito fácil. Para se livrar do problema, é importante fazer um levantamento detalhado de todas as dívidas FOTO: FABIANE DE PAULA Entretanto, para Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e autor do livro "Livre-se das Dívidas" (Editora DSOP), os números reais de endividamentos são muito maiores. "Se forem levar em conta outras formas de endividamento, posso afirmar que mais de 80% da população possui algum valor a ser pago", afirma, lembrando que os juros bancários são exorbitantes e a grande maioria dos brasileiros recorre a empréstimos e linhas de créditos. Domingos alerta que é importante os consumidores saberem calcular o impacto de financiamentos (cartão de crédito, cheque especial, financiamento da casa própria, do carro, de eletrodomésticos, entre outros) em seu orçamento, e refletirem sobre a real capacidade de pagamento antes de optar por uma linha de crédito.


Ciclo do endividamento Segundo ele, o ciclo do endividamento se constitui de causas como analfabetismo financeiro, consumismo, marketing publicitário e crédito fácil; de meios como cheque especial, cartão de crédito, crediário, crédito consignado, empréstimos, adiantamentos e antecipação do IR; e de efeitos como problemas conjugais, problemas de saúde, desmotivação, baixa autoestima, produtividade reduzida, atrasos e faltas no trabalho. "Para quebrar esse ciclo é necessário ajudar a ampliar o repertório da população sobre finanças, de forma consistente e carregada de sentido prático, para que assimilem, o mais cedo possível, a importância do equilíbrio financeiro para o bem-estar individual e social". Em geral, a ciranda financeira segue o seguinte compasso: se a prestação da casa ou do carro não está cabendo no orçamento, a pessoa passa a pagar todas as demais despesas no cartão de crédito, imaginando que assim sobrará recurso para pagar suas principais dívidas. Dentro de poucos meses, no entanto, já não conseguirá quitar a fatura do cartão e passará a pagar a parcela mínima, até que entre algum recurso extra. Mas isso não acontece e a saída é recorrer também ao cheque especial. Chega o começo do outro mês e a história se repete. Solução A solução é fazer um levantamento detalhado de todas as dívidas, separando os itens em "essenciais" e "não essenciais", priorizando o pagamento das essenciais para evitar o corte de serviços indispensáveis. Deve-se também priorizar as dívidas que têm as taxas de juros mais altas. Provavelmente serão as dos empréstimos adquiridos junto ao sistema financeiro. Se assim for, o melhor é procurar o gerente e pedir que junte num mesmo pacote as dívidas de cheque especial, cartão de crédito e demais empréstimos e negociar uma linha de crédito diferente, mais alongada, com juros médios de 2,5%, cuja prestação seja menor do que o valor total dos juros que a pessoa pagava mensalmente. O salário recebido é suficiente apenas para cobrir o limite do cheque especial. Junto vem o débito referente aos juros do período mais a parcela mínima do cartão acompanhada de juros. Sem alternativa, deixa-se de pagar a prestação da casa ou do carro. Quando se dá conta, a pessoa está endividada de todos os lados, correndo o risco de ficar inadimplente e sem linhas de crédito. Há quem provoque a própria demissão para usar os recursos dos direitos trabalhistas.


A partir desse acordo com o banco, o devedor estará pagando não mais os juros, e sim o valor principal, fazendo com que a dívida seja efetivamente liquidada ao longo do tempo. Se não houver acordo ou se a parcela negociada não couber no orçamento, será melhor poupar para que, quando for procurado pelas empresas de recuperação de crédito, tenha melhores condições de negociar a quitação. Impacto "Se forem levar em conta outros endividamentos, posso afirmar que mais de 80% da população possui algum valor a ser pago" Reinaldo Domingos Presidente da Abefin


Veículo: Portal da autopeça Data: 28/06/2013 Editoria: Carro Site: http://www.portaldaautopeca.com.br/noticias/ver.php?mod=1&id=3110

Carros: gastos mensais com manutenção giram em torno de 3% do valor do veículo 28/06/2013 Os gastos com a compra de um carro vão além do preço do veículo, é preciso considerar também os gastos com manutenção. De acordo com o educador financeiro e Presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, o consumidor pode calcular uma média de 3% sobre o preço do carro para manutenção por mês. O educador lembra que um carro gera gastos com gasolina, seguro, estacionamento, lavagem, IPVA e eventuais multas, entre outros. “Se a pessoa compra um carro de R$ 20 mil, ela terá um custo aproximado de R$ 600 ao mês", afirma. Ele lembra ainda que o custo do padrão de vida de quem compra um veículo também tende a subir de 10% a 20%, visto que começam a surgir gastos que não existiam antes, como mais viagens e passeios, estacionamento e combustível. Hora certa Para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Reinaldo divide os consumidores em três grupos: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores. O endividado não deve nem pensar em comprar um veículo, pois a prioridade é sair das dívidas e um custo a mais no orçamento é praticamente assinar o certificado de falência financeira. Assim, diz o educador, essa pessoa deve buscar reduzir os gastos desnecessários e, caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo. O equilibrado financeiramente precisa ficar atento para não agir por impulso. Isso porque o consumidor deixa de perceber que não possui dinheiro para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Já o poupador deve refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra à vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, é preciso ter cuidado para que as parcelas caibam no orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção. Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, é preciso avaliar quais são as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. “Os carros semi-novos, em boa condição e dentro da garantia, podem ser mais vantajosos financeiramente do que um veículo zero”, conclui Domingos.

Fonte: InfoMoney


Veículo: Consumidor Moderno Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://consumidorconsciente.eco.br/index.php/component/k2/item/551-celular-qual-olimite-entre-a-utilidade-e-o-gasto-desnecess%C3%A1rio?.html

Celular: qual o limite entre a utilidade e o gasto desnecessário?

Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações, no Brasil, há mais 264 milhões de linhas de celular ativas. Isso representa 1,3 linhas por habitante e uma média de 500 mil novas habilitações todo mês.

Os aparelhos, com suas tecnologias cada vez mais modernas, nos ajudam, e muito, nas nossas atividades e tarefas do dia a dia. O celular mudou o conceito de tempo-espaço e otimizou a comunicação como um todo. No entanto, a quantidade de pessoas que se endivida com contas de telefone é grande e preocupante.


Hoje, são tantas as funções – tirar foto, acessar e-mail, fazer vídeo, escutar música, etc – que as pessoas esquecem o real propósito do celular: se comunicar. Por que não mandar um SMS ao invés de ligar? Muitas vezes, um único torpedo resolve o problema e acaba saindo muito mais barato do que uma ligação.

Outro passo para economizar é ver qual operadora oferece o melhor plano para a sua necessidade. Com a grande concorrência entre as operadoras, é possível uma redução de mais de 50% nos custos de telefonia.

Algumas medidas: caso seu telefone seja pós-pago, mudar para um plano pré-pago, mas, se ele já for pré-pago, estabeleça um limite mensal de gastos.

Outras questões que pode encarecer suas contas são baixar jogos e músicas, mandar mensagens ou, até mesmo, ver vídeos. Por mais que essas opções sejam bastante interessantes, lembre-se que eles têm um custo, que chegará em sua conta e você nem perceberá, pois, estará no meio de outras despesas.

“Tenha sempre em mente que o celular é uma tecnologia que veio para nos auxiliar e não para nos prejudicar! Mas, como tudo na vida, deve ser utilizado com moderação. E, se você pensar que não consegue viver sem o aparelho, é só lembrar que seus pais não só conseguiram como tiveram tempo para se adaptarem a essas novidades que, hoje, parecem tão banais!”, finaliza Reinaldo Domingos.

Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros sobre o tema.


Veículo: BOL Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/economia/2013/06/27/carros-gastosmensais-com-manutencao-giram-em-torno-de-3-do-valor-do-veiculo.htm

Carros: gastos mensais com manutenção giram em torno de 3% do valor do veículo SÃO PAULO – Os gastos com a compra de um carro vão além do preço do veículo, é preciso considerar também os gastos com manutenção. De acordo com o educador financeiro e Presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, o consumidor pode calcular uma média de 3% sobre o preço do carro para manutenção por mês. O educador lembra que um carro gera gastos com gasolina, seguro, estacionamento, lavagem, IPVA e eventuais multas, entre outros. "Se a pessoa compra um carro de R$ 20 mil, ela terá um custo aproximado de R$ 600 ao mês", afirma. Ele lembra ainda que o custo do padrão de vida de quem compra um veículo também tende a subir de 10% a 20%, visto que começam a surgir gastos que não existiam antes, como mais viagens e passeios, estacionamento e combustível. Hora certa Para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Reinaldo divide os consumidores em três grupos: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores. O endividado não deve nem pensar em comprar um veículo, pois a prioridade é sair das dívidas e um custo a mais no orçamento é praticamente assinar o certificado de falência financeira. Assim, diz o educador, essa pessoa deve buscar reduzir os gastos desnecessários e, caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo.


O equilibrado financeiramente precisa ficar atento para não agir por impulso. Isso porque o consumidor deixa de perceber que não possui dinheiro para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Já o poupador deve refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra à vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, é preciso ter cuidado para que as parcelas caibam no orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção. Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, é preciso avaliar quais são as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. "Os carros semi-novos, em boa condição e dentro da garantia, podem ser mais vantajosos financeiramente do que um veículo zero", conclui Domingos. Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/economia/2013/06/27/carros-gastosmensais-com-manutencao-giram-em-torno-de-3-do-valor-do-veiculo.htm


Veículo: Yahoo! Finanças Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://br.financas.yahoo.com/noticias/carros-gastos-mensaismanuten%C3%A7%C3%A3o-giram-164300781.html

Carros: gastos mensais com manutenção giram em torno de 3% do valor do veículo InfoMoney – qui, 27 de jun de 2013 13:43 BRT

SÃO PAULO – Os gastos com a compra de um carro vão além do preço do veículo, é preciso considerar também os gastos com manutenção. De acordo com o educador financeiro e Presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, o consumidor pode calcular uma média de 3% sobre o preço do carro para manutenção por mês. Veja também: 10 dicas para economizar combustível Conheça os 10 carros mais caros do mundo

O educador lembra que um carro gera gastos com gasolina, seguro, estacionamento, lavagem, IPVA e eventuais multas, entre outros. “Se a pessoa compra um carro de R$ 20 mil, ela terá um custo aproximado de R$ 600 ao mês", afirma. Ele lembra ainda que o custo do padrão de vida de quem compra um veículo também tende a subir de 10% a 20%, visto que começam a surgir gastos que não existiam antes, como mais viagens e passeios, estacionamento e combustível. Hora certa Para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Reinaldo divide os consumidores em três grupos: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores. O endividado não deve nem pensar em comprar um veículo, pois a prioridade é sair das dívidas e um custo a mais no orçamento é praticamente assinar o certificado de falência


financeira. Assim, diz o educador, essa pessoa deve buscar reduzir os gastos desnecessários e, caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo. O equilibrado financeiramente precisa ficar atento para não agir por impulso. Isso porque o consumidor deixa de perceber que não possui dinheiro para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Já o poupador deve refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra à vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, é preciso ter cuidado para que as parcelas caibam no orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção. Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, é preciso avaliar quais são as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. “Os carros semi-

novos, em boa condição e dentro da garantia, podem ser mais vantajosos financeiramente do que um veículo zero”, conclui Domingos.


VeĂ­culo: Infomoney Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: https://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2842160/cuidados-horaalugar


Veículo: CDL Araguari Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.cdlaraguari.com.br/index.php?pg=descricao_noticia&id=1430

Carros: gastos mensais com manutenção giram em torno de 3% do valor do veículo

Os gastos com a compra de um carro vão além do preço do veículo, é preciso considerar também os gastos com manutenção. De acordo com o educador financeiro e Presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, o consumidor pode calcular uma média de 3% sobre o preço do carro para manutenção por mês. O educador lembra que um carro gera gastos com gasolina, seguro, estacionamento, lavagem, IPVA e eventuais multas, entre outros. "Se a pessoa compra um carro de R$ 20 mil, ela terá um custo aproximado de R$ 600 ao mês", afirma. Ele lembra ainda que o custo do padrão de vida de quem compra um veículo também tende a subir de 10% a 20%, visto que começam a surgir gastos que não existiam antes, como mais viagens e passeios, estacionamento e combustível. Hora certa Para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Reinaldo divide os consumidores em três grupos: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores. O endividado não deve nem pensar em comprar um veículo, pois a prioridade é sair das dívidas e um custo a mais no orçamento é praticamente assinar o certificado de falência financeira. Assim, diz o educador, essa pessoa deve buscar reduzir os gastos desnecessários e, caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo. O equilibrado financeiramente precisa ficar atento para não agir por impulso. Isso porque o consumidor deixa de perceber que não possui dinheiro para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Já o poupador deve refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra à


vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, é preciso ter cuidado para que as parcelas caibam no orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção.

Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, é preciso avaliar quais são as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. "Os carros semi-novos, em boa condição e dentro da garantia, podem ser mais vantajosos financeiramente do que um veículo zero", conclui Domingos.


VeĂ­culo: Infomoney Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site:


Veículo: UOL Economia Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.uol.com.br/noticias/infomoney/2013/06/27/carros-gastos-mensaiscom-manutencao-giram-em-torno-de-3-do-valor-do-veiculo.htm

Carros: gastos mensais com manutenção giram em torno de 3% do valor do veículo SÃO PAULO – Os gastos com a compra de um carro vão além do preço do veículo, é preciso considerar também os gastos com manutenção. De acordo com o educador financeiro e Presidente da DSOP, Reinaldo Domingos, o consumidor pode calcular uma média de 3% sobre o preço do carro para manutenção por mês.

O educador lembra que um carro gera gastos com gasolina, seguro, estacionamento, lavagem, IPVA e eventuais multas, entre outros. "Se a pessoa compra um carro de R$ 20 mil, ela terá um custo aproximado de R$ 600 ao mês", afirma. Ele lembra ainda que o custo do padrão de vida de quem compra um veículo também tende a subir de 10% a 20%, visto que começam a surgir gastos que não existiam antes, como mais viagens e passeios, estacionamento e combustível. Hora certa Para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Reinaldo divide os consumidores


em três grupos: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores. O endividado não deve nem pensar em comprar um veículo, pois a prioridade é sair das dívidas e um custo a mais no orçamento é praticamente assinar o certificado de falência financeira. Assim, diz o educador, essa pessoa deve buscar reduzir os gastos desnecessários e, caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo. O equilibrado financeiramente precisa ficar atento para não agir por impulso. Isso porque o consumidor deixa de perceber que não possui dinheiro para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Já o poupador deve refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra à vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, é preciso ter cuidado para que as parcelas caibam no orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção. Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, é preciso avaliar quais são as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. "Os carros semi-novos, em boa condição e dentro da garantia, podem ser mais vantajosos financeiramente do que um veículo zero", conclui Domingos.


Veículo: CDL Gramado Data: 27/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.cdlgramado.com.br/n_detalhe_noticia.asp?C%D3DIGOinformativo=8555

Como montar uma carteira de investimentos que se encaixa no seu perfil? 27/6/2013

Por mais conservador que um investidor seja não tem como se livrar dos riscos inerentes às aplicações. Mas mesmo que aplicar envolva alguns percalços é possível montar uma carteira que se encaixe no seu perfil. E para saber quais investimentos devem compô-la uma das primeiras perguntas a se fazer é: qual a minha tolerância ao risco? “Antes de decidir o que vai fazer parte do portfólio é preciso verificar a finalidade desse investimento, quanto de risco o investidor suporta e daqui quanto tempo ele vai resgatar esse dinheiro”, pontua o consultor financeiro do instituto DSOP, Edward Claudio. “Para uma viagem que acontecerá daqui a 3 anos você deve considerar uma aplicação diferente para uma que aconteceria daqui a 1 ano, por exemplo”. Caso o investidor seja mais conservador ele deve considerar aplicar em investimentos menos voláteis e mais seguros, principalmente de renda fixa. Títulos públicos ou CDBs (Certificado de Depósito Bancário) que pagam perto de 100% do CDI podem fazer parte da carteira. “Mas estas aplicações podem não valer a pena se você for retirar o dinheiro em até 6 meses, pois a tributação será de 22,5%. Portanto, quanto mais tempo você deixar o dinheiro na aplicação, menor será essa incidência”, ressalta Claudio. De acordo com especialistas, o investidor pode considerar manter em torno de 70% na renda fixa, 25% em aplicações como os fundos imobiliários e uma pequena parcela, algo em torno dos 5%, no mercado de ações. publicidade Invista em Renda Fixa com uma das maiores empresas de investimentos do Brasil. saiba mais > Mas se o investidor for mais agressivo e tiver um objetivo de longo prazo, ele deve considerar aplicar uma parte maior na bolsa de valores, conforme afirma o educador financeiro e fundador da Academia do Dinheiro, Mauro Calil. Uma carteira com mais de 50% dos ativos no mercado acionário e o restante em aplicações mais sofisticadas, como LCIs (Letra de Crédito Imobiliário), LCAs (Letra de Crédito Agrícola) e fundos imobiliários, pode ser interessante para investidores com este perfil.


Meio termo No entanto, se o investidor está no meio termo, isso é, se ele é moderado, pode considerar aplicações que tenham uma rentabilidade melhor do que uma caderneta de poupança, por exemplo, e mesclar com o maior risco da renda variável, já que esse segmento também oferece maior rentabilidade. Na renda variável, é possível considerar uma parcela em fundos de investimento imobiliário, que não possuem tanta volatilidade, e outra no mercado de ações. Já na renda fixa, LCIs e LCAs são boas opções, mesmo com uma pequena dose de risco. Portanto, no caso do investidor moderado, uma carteira interessante seria com cerca de 30% em fundos imobiliários, 30% no mercado acionário e o restante em renda fixa. “Estamos em um momento de transição dos investimentos muito acelerado. Hoje em dia, a caderneta de poupança e os fundos de renda fixa não repõem nem a inflação. Por isso, é preciso turbinar a renda fixa com investimentos mais sofisticados como as LCIs e as LCAs”, defende Calil. Mas, independentemente do objetivo da aplicação, Claudio aponta que é essencial consultar um profissional do mercado financeiro. “É muito importante ter essa orientação, pois há uma gama imensa de investimentos disponíveis. No entanto, não aconselho gerentes de bancos, pois eles têm metas para cumprir e podem aconselhar um investimento que não condiz com o perfil do investidor”, conclui.


Veículo: Hora Data: 26/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/horadesantacatarina/19,792,4181530,Comecanesta-quarta-feira-a-Expo-Money-em-Florianopolis.html

Começa nesta quarta-feira a Expo Money, em Florianópolis Evento segue até dia 27 com palestras gratuitas sobre finanças pessoais Janaina Cavalli | janaina.cavalli@diario.com.br

Começa nesta quarta-feira, em Florianópolis, e segue até quinta a 6ª edição da Expo Money, que pela primeira vez tem como foco o tema finanças pessoais. Neste ano, sob curadoria da jornalista Mara Luquet, a intenção dos organizadores foi tornar a feira mais acessível ao público geral, tratando o tema de forma que os interessados possam compreender como melhorar o gerenciamento do orçamento. – A feira foi repaginada. Antes, focávamos no investimento em ações, com corretoras como expositores – destaca a diretora executiva do evento, Ana Menegaldo. Conforme Ana, para aproximar ainda mais o grande público da feira – para a qual são esperadas 4 mil pessoas – o mote desta Expo Money será o crédito imobiliário. – Esse é um tema quente no país. Muitos brasileiros entendem que investir em um imóvel não é fazer uma dívida, mas adquirir um bem. Para os que estão pensando em conhecer as opções de investimento, Mara Luquet lembra que não é preciso ter muito dinheiro para começar. A jornalista reforça que é possível começar a investir em opções mais rentáveis do que a poupança com apenas R$ 100. Confira alguns conselhos dos especialistas para fazer seu dinheiro render desde cedo e estar preparado para imprevistos ao longo da vida: Impulsione a carreira Para o professor da UFSC e consultor do Itaú, Jurandir Macedo, é preciso tomar decisões estratégicas para o futuro da carreira desde o vestibular. Caso não esteja claro que caminho tomar, Macedo aconselha escolher cursos mais genéricos, que capacitem para o trabalho em uma série de funções diferentes. Outra recomendação é poupar sempre para possíveis mudanças de rumo na carreira. O especialista indica ainda definir metas claras dentro do médio prazo, entre 5 e 10 anos. Multiplique o dinheiro Invista pouco e sempre. É o que recomenda Mara Luquet. A jornalista explica que o primeiro passo é pensar no objetivo que terá o dinheiro investido e em quanto tempo ele será necessário. Hoje, a poupança é uma opção para o uso no curto prazo. Uma boa alternativa para depois desse período são os papéis do Tesouro Nacional, que chegam a render 5% ao ano, mais a inflação, e oferecem baixíssimo risco. Mais informações: www.tesouro.fazenda.gov.br Aposentadoria à vista


A palestrante Marinete Veloso – primeira funcionária da Renault Brasil a se aposentar – destaca que atualmente é preciso investir o dinheiro desde muito jovem. Programação Dia 26 Sala 1 14h30min: Me aposentei, e agora? 16h: O mapa do Tesouro Nacional – Como ser credor do governo 17h30min: Cidadão Financeiro – Conheça o Banco Central e veja como ele pode ajudá-lo no seu relacionamento bancário 19h: Ciclo Apimec Itaú 2013 – Estratégias de atuação 20h45min: O caminho para casa – Está na hora de comprar o seu imóvel? Vivemos uma bolha? Quais os financiamentos disponíveis? Sala 2 14h: As quatro dimensões de uma vida de sucesso 15h30min: 1,3,6,9 – O código do sucesso financeiro 16h50min: Petrobras: Plano de negócios e gestão 2013-2017 18h10min: Apimec Bradesco 20h: Franquia DSOP Dia 27 Sala 1 16h: Gestores de fortunas 17h30min: Fraudes e golpes financeiros – Como evitá-los 19h: Cartão BNDES – Como facilitar o acesso ao crédito para investir no seu negócio 20h30min: Bate-papo financeiro – Aposentadoria dos craques Sala 2 14h: Por que investir em previdência? 15h30min: O que você precisa saber antes de investir na Cemig 17h: Ciclo Apimec 2013 – TIM: Explorando as oportunidades do serviço de dados 20h: Cérebro gastador – Um manual de instrução Serviço: 6ª Expo Money Florianópolis Local: Centro Sul, Av. Gov. Gustavo Richard, 850 Data: 26 e 27 de junho Horário: 13h às 21h30min Inscrições gratuitas www.expomoney.com.br


Veículo: Diário Catarinense Data: 26/06/2013 Editoria: Economia Site: http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/economia/noticia/2013/06/comeca-nestaquarta-feira-a-expo-money-em-florianopolis-4181530.html

Começa nesta quarta-feira a Expo Money, em Florianópolis Evento segue até dia 27 com palestras gratuitas sobre finanças pessoais

Trabalhador faz últimos reparos para a Expo Money no Centrosul, em FlorianópolisFoto: Daniel Conzi / Agencia RBS Janaina Cavalli

Começa nesta quarta-feira, em Florianópolis, e segue até quinta a 6ª edição da Expo Money, que pela primeira vez tem como foco o tema finanças pessoais. Neste ano, sob curadoria da jornalista Mara Luquet, a intenção dos organizadores foi tornar a feira mais acessível ao público geral, tratando o tema de forma que os interessados possam compreender como melhorar o gerenciamento do orçamento.


– A feira foi repaginada. Antes, focávamos no investimento em ações, com corretoras como expositores – destaca a diretora executiva do evento, Ana Menegaldo. Conforme Ana, para aproximar ainda mais o grande público da feira – para a qual são esperadas 4 mil pessoas – o mote desta Expo Money será o crédito imobiliário. – Esse é um tema quente no país. Muitos brasileiros entendem que investir em um imóvel não é fazer uma dívida, mas adquirir um bem. Para os que estão pensando em conhecer as opções de investimento, Mara Luquet lembra que não é preciso ter muito dinheiro para começar. A jornalista reforça que é possível começar a investir em opções mais rentáveis do que a poupança com apenas R$ 100. Confira alguns conselhos dos especialistas para fazer seu dinheiro render desde cedo e estar preparado para imprevistos ao longo da vida: Impulsione a carreira Para o professor da UFSC e consultor do Itaú, Jurandir Macedo, é preciso tomar decisões estratégicas para o futuro da carreira desde o vestibular. Caso não esteja claro que caminho tomar, Macedo aconselha escolher cursos mais genéricos, que capacitem para o trabalho em uma série de funções diferentes. Outra recomendação é poupar sempre para possíveis mudanças de rumo na carreira. O especialista indica ainda definir metas claras dentro do médio prazo, entre 5 e 10 anos. Multiplique o dinheiro Invista pouco e sempre. É o que recomenda Mara Luquet. A jornalista explica que o primeiro passo é pensar no objetivo que terá o dinheiro investido e em quanto tempo ele será necessário. Hoje, a poupança é uma opção para o uso no curto prazo. Uma boa alternativa para depois desse período são os papéis do Tesouro Nacional, que chegam a render 5% ao ano, mais a inflação, e oferecem baixíssimo risco. Mais informações: www.tesouro.fazenda.gov.br Aposentadoria à vista A palestrante Marinete Veloso – primeira funcionária da Renault Brasil a se


aposentar – destaca que atualmente é preciso investir o dinheiro desde muito jovem. Programação Dia 26 Sala 1 14h30min: Me aposentei, e agora? 16h: O mapa do Tesouro Nacional – Como ser credor do governo 17h30min: Cidadão Financeiro – Conheça o Banco Central e veja como ele pode ajudá-lo no seu relacionamento bancário 19h: Ciclo Apimec Itaú 2013 – Estratégias de atuação 20h45min: O caminho para casa – Está na hora de comprar o seu imóvel? Vivemos uma bolha? Quais os financiamentos disponíveis? Sala 2 14h: As quatro dimensões de uma vida de sucesso 15h30min: 1,3,6,9 – O código do sucesso financeiro 16h50min: Petrobras: Plano de negócios e gestão 2013-2017 18h10min: Apimec Bradesco 20h: Franquia DSOP Dia 27 Sala 1 16h: Gestores de fortunas 17h30min: Fraudes e golpes financeiros – Como evitá-los 19h: Cartão BNDES – Como facilitar o acesso ao crédito para investir no seu negócio 20h30min: Bate-papo financeiro – Aposentadoria dos craques Sala 2 14h: Por que investir em previdência? 15h30min: O que você precisa saber antes de investir na Cemig 17h: Ciclo Apimec 2013 – TIM: Explorando as oportunidades do serviço de dados 20h: Cérebro gastador – Um manual de instrução Serviço: 6ª Expo Money Florianópolis Local: Centro Sul, Av. Gov. Gustavo Richard, 850 Data: 26 e 27 de junho Horário: 13h às 21h30min Inscrições gratuitas www.expomoney.com.br


Veículo: Último Instante Data: 26/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.ultimoinstante.com.br/pt/noticias_20130626/artigos/183374/ARTIGOCart%C3%A3o-de-cr%C3%A9dito-vil%C3%A3o-ou-aliado.htm#axzz2X8BGvQGq

ARTIGO: CARTÃO DE CRÉDITO: VILÃO OU ALIADO? Por Reinaldo Domingos* Falta de conhecimento sobre os aspectos que envolvem o uso desse “dinheiro de plástico” leva a um alto índice de endividamento.

O cartão de crédito te ajuda a não se enforcar em dívidas ou te faz comprar ainda mais? Para você, ele é um vilão ou um aliado? A resposta certa deveria ser: “nem um, nem outro, ele é apenas uma ferramenta segura de compra que utilizo de forma consciente”. Para muitas pessoas é difícil se controlar diante das vantagens que os cartões de crédito parecem oferecer aos correntistas. No entanto, a falta de conhecimento sobre os aspectos que envolvem o uso desse “dinheiro de plástico” leva a um alto índice de endividamento. Não se pode negar que essa ferramenta, se usada na data correta, é muito útil à maioria das pessoas, pois permite que elas possam consumir produtos que só serão pagos na data da fatura. Enquanto isso, o dinheiro que o comprador tinha reservado pode ficar rendendo até o pagamento ser efetuado. O problema enfrentado por essas famílias endividadas, na verdade, é a falta de educação financeira. Veja algumas orientações que escrevi para que, se você faz parte dessa triste estatística, a partir de agora, possa mudar, para melhor, a sua situação: 1. O limite do cartão de crédito não deve ultrapassar 50% do salário ou ganho mensal;


2. Ao fazer parcelas fixas, é preciso ter consciência de que está comprometendo os meses futuros do orçamento mensal; 3. Evite pagar a parcela mínima da fatura. As altas taxas de juros levam à inadimplência. Caso não consiga pagar o valor total, é essencial fazer, imediatamente, um diagnóstico financeiro e descobrir o verdadeiro problema. Pesquise também outra linha de crédito que não ultrapasse 2,5% ao mês; 4. Não aceite pagar anuidade do cartão. Atualmente, é fácil encontrar cartões que não cobram nenhuma taxa de manutenção. 5. Nunca empreste o cartão de crédito à outra pessoa, mesmo que seja conhecida; 6. Se tiver apenas um ganho mensal, só deverá ter um cartão de crédito; se receber semanalmente, poderá ter até três, com vencimento nos dias 10, 20 e 30. Assim, poderá comprar seis dias antes do vencimento de cada um deles, ganhando 36 dias para pagamento. 7. Você emprestaria a uma pessoa desconhecida, deixando que pague em prestações sem juros? Dificilmente. O banco também não faz isso. Portanto, poupe dinheiro, compre à vista e peça descontos; 8. O cartão de crédito, muitas vezes, impulsiona as pessoas a consumirem sem motivos. Cuidado! Tenha responsabilidade na hora de comprar, sempre pergunte se precisa do produto, se tem toda a quantia necessária para adquiri-lo ou se terá como pagar a fatura total do cartão no seu vencimento; Busque utilizar o cartão de crédito, assim como todas as outras ferramentas de compra, a seu favor. Eduque-se financeiramente! *Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e Editora DSOP, autor dos livros Terapia Financeira, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país. Temas relacionados: Artigos , artigo, Reinaldo Domingos, cartão de crédito, dívidas, educação financeira


Ve铆culo: Jornal Empresas e Neg贸cios Data: 24/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.jornalempresasenegocios.com.br/artigo_01.html


O que fazer diante da alta do dólar? Reinaldo Domingos (*) O dólar alcançou o maior em nível em quatro anos, fechando em R$2,20 Com a forte alta da moeda americana, os reflexos em nossa economia são diretos e, por isso, os consumidores brasileiros devem tomar cuidado com as compras e viagens, mesmo as que já estavam programadas. Para as empresas e indústrias nacionais, principalmente as exportadoras, a alta pode ser positiva, pois favorece a competitividade das vendas externas, tornando-as mais baratas. Porém para as empresas que importam o custo só aumenta, consequência disso é o repasse para os produtos e os consumidores é que pagam a conta. Assim, os reflexos para a população é grande, os preços que já estavam subindo pelo aumento da inflação, acabam sendo influenciados também pelo aumento do dólar, impulsionando ainda mais a alta de preços. Caso tenha planejado comprar algum produto importado recomendo ficar atento e acompanhar a variação dos preços, caso não tenha urgência na compra é interessante esperar, até que a moeda abaixe e se estabilize. Outro cuidado é com as compras externas por cartão de credito que além do custo do IOF também pagará mais pelo aumento na cotação do dólar. O caminho é evitar a compra a prazo com variação em dólar e se possível comprar somente a vista. Para quem já havia planejado as férias para o exterior é preciso muita atenção e para tanto recomendo a aquisição de um cartão pré-pago internacional onde já carregará em dólar aqui no Brasil para utilização na viagem, lembro que esta atitude certamente evitará surpresas após retorno das férias, além da segurança que o mesmo proporciona. Também recomendo levar dinheiro em espécie de 20% a 30% do total, nada de exageros, conversar com a família é o segredo! Nada de pânico e desespero é preciso elaborar um orçamento financeiro que contemple os gastos da viagem e, para que não ter surpresa, tenha sempre 40% a mais de reserva para as férias. Caso não tenha planejado a viagem internacional evitar fazê-la nesse momento pode ser a melhor solução. Combater este problema é dever sim do governo, mas passa também pela mudança de hábitos e costumes dos consumidores, tudo começa em casa, portanto é hora de faxina financeira, tentar trocar os produtos que aumentam com a alta do dólar e eliminar o que não agrega valor em prol de uma saúde financeira que contribua na realização de nossos sonhos. (*) - Educador financeiro, é presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros. Autor dos livros Terapia Financeira, Eu mereço ter dinheiro, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo (www.dsop.com.br).


VeĂ­culo: Folha Metropolitana Data: 24/06/2013 Editoria: Empreendedorismo Site: http://issuu.com/folhametronews/docs/folhametro-24-06-13


Veículo: O Fluminense Data: 23/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.ofluminense.com.br/editorias/habitacao/planejamento-para-conquistarcasa-propria

Planejamento para conquistar a casa própria Além do financiamento, as taxas cartoriais e bancárias podem atingir de 3% a 5% do custo do imóvel. Gastos com IPTU e mobília também devem entrar no cálculo Os brasileiros nunca tiveram acesso a tanto crédito e facilidades para adquirir a casa própria. Mas, na empolgação de assinar o contrato, muitos consumidores esquecem detalhes que podem virar dor de cabeça no futuro e até forçar a devolução do imóvel. Os compradores devem levar em conta que terão gastos consideráveis com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança e mobília. Passada a primeira fase e liberado o financiamento, o comprador precisa se preparar para as taxas cartoriais e bancárias. Os custos de cartório não chegam a ser informados no contrato, porque são calculados posteriormente pelo Poder Público municipal e estadual. Quem financiou o bem precisa arcar com o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Intervivos (ITBI) e o registro do imóvel. Nesses casos, o contrato com o banco já equivale a uma escritura. Quem pagou à vista, no entanto, deve arcar ainda com a taxa para confecção de uma escritura pública. Somadas, essas tarifas, que têm por base o valor do bem e cujo cálculo varia segundo a localidade do País, podem atingir de 3% a 5% do custo da casa própria. Além disso, dependendo do banco que fará o financiamento, podem ser cobradas taxas de cadastro e de abertura de crédito, entre outras. O educador e terapeuta financeiro, Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), destaca que esses custos podem abalar um orçamento e que, por isso, o ideal é planejar com antecedência e construir uma reserva. “Vale lembrar que o imóvel na planta não tem armários e outras benfeitorias. Também tem que prever os gastos com mudança, condomínio, IPTU. Tudo isso tem que ser objeto de análise muito antes (da compra).


Não só o que se gastará no começo, mas também o dia a dia da nova casa. Se não, o risco é entrar em desequilíbrio financeiro ou até devolver o imóvel”, comenta. Segundo Domingos, a dica para poupar é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser posto de lado por mês para fazer face às despesas. “Tem que começar a buscar uma redução de gastos e excessos. Reunir todos da família e melhorar o desempenho do orçamento familiar”, sugere. Um direito que muitos brasileiros não sabem que existe e que pode aliviar os pesados desembolsos que envolvem a aquisição de um imóvel, é o desconto de 50% no registro cartorial para quem está adquirindo sua primeira casa pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH). O benefício é previsto na Lei 6.015, de 1973, e vale para o território nacional.


Veículo: Jornal da Mulher Data: 22/06/2013 Editoria: Economia e Finanças Site: http://www.jornaldamulher.org/economia/economia.htm

O universo feminino e as finanças

As três últimas pesquisas do “Perfil do Inadimplente”, elaboradas pela TeleCheque, empresa especializada em análise de crédito em compras com cheques, têm apresentado as mulheres como a maioria dos consumidores inadimplentes: os índices apontaram 57% de mulheres contra 43% de homens (agosto a outubro/2012), 56% contra 44% (novembro e dezembro/2012) e 55% de mulheres contra 45% de homens (janeiro e fevereiro/2013). O principal motivo declarado para a inadimplência em todas as pesquisas foi o descontrole financeiro. Após observar estes resultados, o senso comum seria afirmar que as mulheres são mais consumistas que os homens e por isso se tornaram inadimplentes. Porém, observando o contexto socioeconômico brasileiro, alinhado a outras pesquisas, é possível verificar outra situação: a mulher é a gerente financeira do seu lar, tomando desde as decisões simples, como as compras na feira, até as de maior impacto, como a viagem de férias da família. Os dados do último Censo, realizado pelo IBGE em 2010, indicam que a mulher é a chefe de família em 37,3% dos lares brasileiros. Se compararmos esses dados com os de uma década atrás, nota-se que quase dobrou o número de famílias chefiadas por mulheres – no ano 2000, o índice foi de 22,2%. Esses dados confirmam o atual papel das mulheres, que assumem os pagamentos e naturalmente os riscos que estas situações implicam. Com o intuito de auxiliar estas gestoras – 'super-heroínas' solteiras, casadas, separadas, viúvas, enfim, que tem um lar ou uma família para cuidar –, trago sete dicas para elas agirem de forma consciente na hora da compra, seja para a casa, para a família ou para si próprias: 1. Planeje-se. Veja quanto dinheiro você precisa para cumprir suas metas e poupe, mesmo que seja uma pequena quantia mensal. 2. Aprenda a ter controle emocional e espere o melhor momento para comprar. Você pode fazer uma lista, dividida em duas partes: o que você precisa ter e o que você gostaria de ter. Ande com esta


lista na carteira, pois em um momento oportuno você pode encontrar o que precisa ter, por um bom preço. O item “o que você gostaria”, somente quando sobrar uma quantia no final do mês. 3. Observe bem os itens que há em casa, principalmente nos armários, estantes, guarda-roupas, para evitar a compra de coisas que você já tem, simplesmente por não vê-las e nem se lembrar delas. 4. Pesquise os preços de cada item na internet e nas lojas. Lembre-se de consultar também os valores do frete, condições de pagamento e as possíveis taxas. 5. Procure comprar a longo prazo somente itens de maior duração, para evitar a frustração de continuar pagando por algo que já acabou. 6. Quando possível, compre itens que tenham preços mais baixos, como os “similares”. É o caso de roupas: nas lojas de fast fashion é possível encontrar coisas bacanas e muitas vezes por um valor até 70% menor que nas lojas de marca. Lembre-se: a moda passa e nem sempre vale investir tanto dinheiro em um item tão caro (e que você não sabe se continuará usando). O mais importante é ter bom gosto. 7. Caso já esteja endividada, deixe as compras de supérfluos para depois que suas dívidas estiverem quitadas, por mais barato que seja (a família pode deixar para outra hora a compra do DVD player, assim como você pode deixar aquele celular novo de lado por um tempo). Invista tempo na negociação das dívidas, acerte as contas, reinicie seu planejamento. A satisfação ao realizar a compra adiada será muito maior. E por fim, por mais racional que seja, toda a mulher tem sua hora de tristeza. Mas nada de sair comprando sem pensar, para acabar com as carências. A sensação é momentânea e a conta que vem depois é bem cara. Com certeza, seu dinheiro agradece e o seu futuro também.


Veículo: MSN Data: 22/06/2013 Editoria: Mulher Site: http://estilo.br.msn.com/tempodemulher/dinheiro/dicas-para-voc%C3%AA-enxugar-aconta-do-supermercado

Dicas para você enxugar a conta do supermercado Num momento de elevação dos preços nos produtos dos supermercados, as pessoas buscam economizar aqui e ali para o orçamento não estourar. Conversamos com dois especialistas em orçamento doméstico e reunimos dicas bem simples que podem ajudar você a ‘enxugar’ seus gastos. O consultor financeiro da G9 Investimentos, Gustavo de Carvalho Chaves, recomenda, por exemplo, estar ‘aberto’ a experimentar outras marcas ou até mesmo substituir produtos temporariamente, Outra dica é fazer várias compras diluídas por mês em vez de apenas uma grande, isso ajuda a economizar pois você se depara com dias alternados de ofertas. Já o educador financeiro Reinaldo Domingos alerta para o cuidado que se deve ter com o uso dos cartões de loja para não sair ainda mais endividado após as compras. E ensina: "Se possível, vá ao supermercado após a refeição, pois tendemos a comprar menos quando estamos saciados". Elabore uma lista detalhada dos produtos que serão comprados 'Observe na despensa e geladeira os itens de uso cotidiano que estão faltando e elabore uma lista detalhada dos produtos que serão comprados incluindo as quantidades', aconselha o educador financeiro Reinaldo Domingos, autor dos livros Livre-se das dívidas e Ter dinheiro não tem segredo, publicados pela Editora Dsop. Evite a fidelização de marcas O consultor financeiro da G9 Investimentos, Gustavo de Carvalho Chaves, recomenda a pessoa estar sempre 'aberta' a experimentar outras marcas ou até substituir produtos temporariamente. 'Não vale a pena pagar a mais apenas pela marca. Escolha a opção que oferecer a melhor qualidade pelo preço mais justo ou prefira produtos da marca própria da rede, pois tradicionalmente têm preços mais em conta', aconselha o consultor. Pesquisar preços é fundamental


Pesquisar preços é fundamental. 'Pesquise o preço dos itens em dois ou três supermercados diferentes (por meio de folhetos ou internet) para escolher aquele que oferece os produtos da sua lista de compras com preços mais baixos', recomenda Reinaldo.

Aproveite as ofertas do dia As redes de supermercados costumam fazer promoções em determinados dias de semana. Aproveitar as promoções para formar pequenos estoques faz muita diferença no orçamento doméstico. 'Fazer várias compras por mês em vez de apenas uma favorece a obtenção de descontos e reduz desperdícios, além de evitar gastos com aumentos sazonais. A dica é comprar em quantidade maior com preço de atacado ou desconto', destaca Gustavo. Vá ao supermercado após a refeição Se possível, vá ao supermercado após a refeição, pois tendemos a comprar menos quando estamos saciados. 'Se for ao mercado com as crianças, peça auxílio para a elaboração da lista e explique que só serão comprados os itens que nela estiverem relacionados. Dessa forma, elas participam dessa atividade de uma maneira mais sadia e tranquila, aprendendo, com a família, a definir as prioridades e distinguindo o que é necessário e o que é supérfluo', explica o educador financeiro Reinaldo Domingos. Elabore uma lista detalhada Compre de forma planejada. Elabore uma lista que contenha os produtos que não podem faltar na sua casa e defina a quantidade necessária e o preço máximo a ser pago por cada um deles. 'Quando for às compras, siga atentamente a lista e procure ‘resistir’ à tentação de gastar com itens supérfluos. Uma dica é usar o valor economizado para iniciar uma poupança ou para ‘engordar’ as suas reservas financeiras', aconselha Gustavo de Carvalho Chaves, consultor financeiro da G9 Investimentos. Cuidado com cartões dos supermercados O cuidado deve ser estendido ao uso dos cartões de loja. A facilidade de comprar a perder de vista sem, com isso, comprometer o limite do cartão de crédito principal também costuma aumentar o endividamento. 'O problema é que, além de disponibilizar no seu orçamento um limite maior do que você pode pagar nos cartões, a maioria dos supermercados hoje em dia vende de tudo, um prato cheio para acumular dívidas', explica o educador financeiro Reinaldo. Estimule compras conjuntas Se for possível, reúna amigos, vizinhos, familiares e organize compras conjuntas periódicas. 'Indo diretamente aos distribuidores ou atacadistas é possível pechinchar e comprar produtos frescos diretamente dos produtores com ótimos descontos', comenta Gustavo. Pague à vista A compra de artigos para consumo rápido, como gêneros alimentícios, deve ser paga à vista. Evite parcelar a compra do supermercado usando o cartão de crédito de forma disciplinada e consciente. 'Se houver disponibilidade de tempo, faça as compras semanalmente (sempre seguindo a lista de compras), diminuindo, assim, o risco de desperdício e possibilitando a compra de produtos mais frescos e saudáveis', explica Reinaldo Domingos.


Veículo: MSN Data: 22/06/2013 Editoria: Mulher Site: http://estilo.br.msn.com/tempodemulher/dinheiro/9-dicas-para-comprar-casapr%C3%B3pria-sem-d%C3%ADvidas

9 dicas para comprar casa própria sem dívidas Financiar uma casa própria é uma ótima alternativa para quem quer fugir do aluguel. Porém, é fundamental saber que com o financiamento feito também se estará contraindo uma dívida de valor que deverá ser honrada mensalmente. É ter em mente que quando se faz um parcelamento existem os juros que, somados ao longo do contrato, podem significar o pagamento de duas, até três casas. Para criar novas alternativas para que este sonho se torne uma realidade, o Tempo de Mulher conversou com um especialista em economia. "Desde nossos primeiros ganhos sempre aprendemos a consumir e nunca a poupar, e quando poupamos somente fazemos isso a curto prazo e não a médio e longo períodos", disse Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e autor de livros sobre economia. O financiamento pode ser uma ótima alternativa Para quem paga o aluguel e está em busca da casa própria, o financiamento pode ser uma ótima alternativa. É deixar de pagar esse valor sem retorno futuro, para pagar a prestação de algo que será seu. Se a pessoa não pagar aluguel, uma ótima alternativa é guardar o valor da prestação do financiamento em qualquer tipo de investimento conservador, assim, em sete ou oito anos poderá comprar a casa à vista e não pagar juros. É preciso entender que o dinheiro aplicado rende juros, enquanto que no financiamento se paga juros. Padrão de vida Cuidado com o valor do imóvel que comprará. Essa quantia precisa se adequar ao seu verdadeiro padrão de vida, muitas vezes não respeitamos nosso padrão. Poupar sempre!


O melhor caminho para adquirir a casa própria é poupar parte do dinheiro que se ganha. Faça uma simulação em qualquer banco de quanto custaria a prestação do seu imóvel pretendido e comece a guardar um investimento conservador como poupança ou tesouro direto. Qual valor do aluguel ? Analise o valor do aluguel que está pagando e se for o mesmo valor da prestação de um financiamento, poderá ser uma opção financiar o imóvel. É hora de comprar a casa própria? Reúna a família e converse sobre este tema, definindo o lugar, valor e as reais condições financeiras que se encontram. Não perca o foco financeiro Um grande problema enfrentado para a realização do sonho de uma casa própria são as dívidas sem valor, aquelas contraídas nas compras de produtos e serviços que muitas vezes não agregam em nada. Estas acabam desequilibrando o orçamento financeiro mensal e com isso perde-se o foco no bem de valor que é a casa. Pague a mensalidade da casa primeiro Lembre-se que o financiamento de um imóvel é considerado dívida de valor, por isso ela deve ser protegida e garantida antes de sair pagando as despesas mensais. Reserva estratégica Tenha sempre uma reserva estratégica, em caso de qualquer eventualidade não deixará de honrar este importante compromisso. Evite o desequilíbrio financeiro Caso não esteja conseguindo pagar a prestação da casa própria é preciso rever imediatamente os gastos, em especial as pequenas despesas que, somadas, podem levar uma família ao desequilíbrio financeiro.


VeĂ­culo: Record Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site: http://noticias.r7.com/jornal-darecord/videos/edicao/?idmedia=51c4ebea0cf2b2e5fae1fb69

Educador Financeiro Edward Claudio Junior no Jornal da Record


Veículo: Parana Extra Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site: http://paranaextra.com.br/?p=37729

O que fazer diante da nova alta do dólar? Reinaldo Domingos O dólar alcançou o maior em nível em quatro anos, fechando em R$2,20. Com a forte alta da moeda americana, os reflexos em nossa economia são diretos e, por isso, os consumidores brasileiros devem tomar cuidado com as compras e viagens, mesmo as que já estavam programadas.

Para as empresas e indústrias nacionais, principalmente as exportadoras, a alta pode ser positiva, pois favorece a competitividade das vendas externas, tornando-as mais baratas. Porém, para as empresas que importam, o custo só aumenta, consequência disso é o repasse para os produtos e os consumidores é que pagam a conta.

Assim, os reflexos para a população são grandes. Os preços que já estavam subindo pelo aumento da inflação, acabam sendo influenciados também pelo aumento do dólar, impulsionando ainda mais a alta de preços.

Cuidados com compras e viagens podem ajudar o consumidor a não ser engolido pela alta. Imagem | ReutersCaso tenha planejado comprar algum produto importado, recomendo ficar atento e acompanhar a variação dos preços; caso não tenha urgência na compra, é interessante esperar até que a moeda abaixe e se estabilize.

Outro cuidado é com as compras externas com cartão de crédito, que, além do custo do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), também pagará mais pelo aumento na cotação do dólar. O caminho é evitar a compra a prazo com variação em dólar e, se possível, comprar somente à vista.

Para quem já havia planejado as férias ao exterior, é preciso muita atenção e, para tanto, aconselho a aquisição de um cartão pré-pago internacional, no qual já carregará em dólar aqui no Brasil para utilização. Lembro que essa atitude, certamente, evitará surpresas no retorno das férias, além da segurança que proporciona. Também oriento levar dinheiro em espécie, de 20% a 30% do total.


Então, é preciso elaborar um orçamento financeiro que contemple os gastos da viagem e, para que não seja pego de surpresa, tenha sempre 40% a mais de reserva para as férias. Caso não tenha planejado a viagem internacional, evite fazê-la nesse momento.

Combater esse problema é dever do governo, mas passa também pela mudança de hábitos e costumes dos consumidores. Tudo começa em casa, portanto, é hora de tentar trocar os produtos que aumentam com a alta do dólar e eliminar o que não agrega valor em prol de uma saúde financeira que contribua para a realização dos sonhos.

* Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros sobre o tema.


Veículo: EcoFinanças Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.ecofinancas.com/noticias/fazer-diante-nova-alta-dolar

O que fazer diante da nova alta do dólar? Extraído de: endividado Junho 21, 2013

O dólar alcançou o maior em nível em quatro anos, fechando em R$2,20. Com a forte alta da moeda americana, os reflexos em nossa economia são diretos e, por isso, os consumidores brasileiros devem tomar cuidado com as compras e viagens, mesmo as que já estavam programadas. Para as empresas e indústrias nacionais, principalmente as exportadoras, a alta pode ser positiva, pois favorece a competitividade das vendas externas, tornando-as mais baratas. Porém, para as empresas que importam, o custo só aumenta, consequência disso é o repasse para os produtos e os consumidores é que pagam a conta. Assim, os reflexos para a população são grandes. Os preços que já estavam subindo pelo aumento da inflação , acabam sendo influenciados também pelo aumento do dólar, impulsionando ainda mais a alta de preços. Caso tenha planejado comprar algum produto importado, recomendo ficar atento e acompanhar a variação dos preços; caso não tenha urgência na compra, é interessante esperar até que a moeda abaixe e se estabilize. Outro cuidado é com as compras externas com cartão de crédito, que, além do custo do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), também pagará mais pelo aumento na cotação do dólar. O caminho é evitar a compra a prazo com variação em dólar e, se possível, comprar somente à vista. Para quem já havia planejado as férias ao exterior, é preciso muita atenção e, para tanto, aconselho a aquisição de um cartão pré-pago internacional , no qual já carregará em dólar aqui no Brasil para utilização. Lembro que essa atitude, certamente, evitará surpresas no retorno das férias, além da segurança que proporciona. Também oriento levar dinheiro em espécie, de 20% a 30% do total.


Então, é preciso elaborar um orçamento financeiro que contemple os gastos da viagem e, para que não seja pego de surpresa, tenha sempre 40% a mais de reserva para as férias. Caso não tenha planejado a viagem internacional , evite fazê-la nesse momento. Combater esse problema é dever do governo, mas passa também pela mudança de hábitos e costumes dos consumidores. Tudo começa em casa, portanto, é hora de tentar trocar os produtos que aumentam com a alta do dólar e eliminar o que não agrega valor em prol de uma saúde financeira que contribua para a realização dos sonhos. * Reinaldo Domingos é educador financeiro , presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros sobre o tema.


Veículo: Em.com.br Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site:http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2013/06/21/internas_economia,409890/f uga-de-investidores-faz-o-dolar-disparar.shtml

Fuga de investidores faz o dólar dispararDepois de sinal dos EUA de que estímulos têm prazo para acabar e de que juros podem subir, recursos migram para títulos norteamericanos e moeda tem valorização de 2,45%

Brasília – Dominado pela irracionalidade, o mercado financeiro deu mostras, ontem, de estar em plena crise. Digerindo ainda as falas do presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA), que anunciou na quarta-feira um prazo para o fim de estímulos de US$ 85 bilhões mensais, os investidores fugiram em massa dos mercados emergentes. E o Brasil pagou a fatura de toda essa tensão em dólar: a moeda, em disparada, chegou quase aos R$ 2,30 e nem mesmo uma megaintervenção do Banco Central, de US$ 6 bilhões, foi capaz de impedir a escalada. A moeda dos EUA fechou a R$ 2,259, com alta de 2,45%. A bolsa passou o dia no


vermelho, mas mudou de trajetória no fim do pregão e fechou em alta de 0,67%, aos 48.214 pontos.

A aversão ao Brasil foi registrada também pelos indicadores de risco. O EMBI, desenvolvido pelo J.P Morgan, subiu 2,2% e, no mês, a alta chegou a 27%. “O governo perdeu a confiança do mercado e a gente ainda está passando por uma crise de governabilidade, com muitos protestos”, disse Felipe Chad, sócio-diretor da DX Investimentos. “Os investidores olham para cá com medo e reagem com muita irracionalidade”, observou. O banco Morgan Stanley, diante desse quadro, reduziu a previsão de crescimento para a economia brasileira de 2,8% para 2,5% em 2013. Para o próximo ano, a expectativa caiu de 3,4% para 3,2%. No mercado de capitais, o dia foi de altas e baixas e com muitas incertezas. A Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa) chegou a cair 4,10% no início do pregão e girou abaixo dos 46 mil pontos. Alguns papéis, sobretudo os das empresas de Eike Batista, sofreram bastante. Enquanto a ação da petroleira OGX, a maior do grupo, subiu 11,54%, cotada a R$ 0,87, a mineradora de carvão CCX despencou 37,5%, fechou o dia negociada a R$ 0,80. Perdas no mundo Os prejuízos, porém, não ficaram restritos ao Brasil. Nova York encolheu 2,34%, o pior nível do ano. Frankfurt registrou queda de 3,28%; Paris de 3,66%; Milão, 3,09%; Madrid tombou 3,41%. No México o tombo foi de 3,92%, o menor resultado entre as principais praças do mundo. “Todos os investidores estão fugindo de ativos de risco e migrando para os títulos do Tesouro norte-americano”, explicou Newton Rosa, economista-chefe da Sul América Investimentos. Segundo ele, no Brasil a situação pode ser mais intensa devido aos problemas domésticos, com a inflação em alta, o déficit externo em expansão e os gastos públicos em crescimento. “Tudo isso cria um ambiente que não agrada o investidor externo”, ponderou Rosa. Para o sócio da Ação DallOcca Investimentos Luciano Miranda, um dos principais indicadores da aversão ao risco, o dólar, deve continuar a subir nos próximos dias, apesar de todo o esforço do Banco Central em tentar conter a alta da moeda americana. “As manobras do governo não estão surtindo muito efeito. Segue havendo bastante evasão de capital e, de modo geral, o pessoal do mercado financeiro está bastante preocupado”, comentou. Os mais pessimistas acreditam que em um cenário extremo, caso haja piora dos fundamentos da economia brasileira, a divisa norte-americana chegue a R$ 3. Eles argumentam que atualmente a moeda já está próxima dos níveis observados em 2009, auge da crise financeira. Fogo na inflação O dólar em alta, explicou o presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira, Edmilson Lyra, complicará ainda mais o cenário de inflação no país. “A gente não sabe onde vai parar tudo isso, mas o governo precisa dar uma resposta rápida”, defendeu ele, que acredita em elevação de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em julho, como parte da resposta ao aumento do custo de vida. “Nosso grande problema, hoje, é a inflação”, ponderou. Já o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, fez avaliação semelhante À de Lyra. Segundo ele, o consumidor sentirá, em breve, os efeitos da escalada do dólar. “Para as empresas importadoras o custo só aumenta. A consequência disso é o repasse para os produtos, e os consumidores é que pagam a conta”, argumentou. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no acumulado de 12 meses, está em 6,50% até maio. A previsão dos analistas é de que em junho esse número estoure o teto da meta de inflação e, com esse quadro de carestia e ainda com toda a comoção popular, o mercado já acredita que o Banco Central leve a taxa básica de juros a dois dígitos. Para alguns economistas, 10% ao ano se transformou em piso. No mercado de juros futuros, as apostas dispararam e começam a se consolidar ao redor desse percentual. Evite dívida com viagem


A disparada do dólar, sem sinais de recuo a curto prazo, deixou apreensivos os brasileiros com viagem marcada para o exterior em julho. Com casas de câmbio cobrando até R$ 2,45 pela moeda norte-americana, o passeio de férias certamente ficará mais caro, o que tem obrigado muita gente a refazer as contas e até a rever planos, como suspender os passeios. Na média, o dólar turismo foi negociado ontem a R$ 2,373, com alta de 3,17%. Educadores financeiros consultados pelo Estado de Minas são unânimes em alertar sobre o risco de, neste momento, fazer dívidas em dólar. “Se a viagem for a lazer e ainda não estiver fechada, o melhor é adiá-la”, orienta o presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira (Abef), Edmilson Lyra, que culpa a facilidade de crédito e o consumo irresponsável pelo endividamento recorde das famílias. Para quem estiver com passagens compradas, a dica é tentar levar, em espécie e em cartões pré-pago, toda a quantia a ser gasta durante o passeio. “O cartão de crédito deve ser usado somente em caso de emergência. Além de os gastos serem atualizados diariamente, o total dos débitos é acrescido de 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras)”, disse o educador financeiro Mauro Calil. Pesquisar preços cobrados pelas casas de câmbio oficiais pode valer a pena. O Banco Central passou a divulgar, neste mês, um ranking do Valor Efetivo Total (VET), que sintetiza a taxa de câmbio mais os tributos e as tarifas cobradas pelas instituições autorizadas pela autoridade monetária a vender moeda estrangeira. No caso do dólar em espécie, o preço variou 13,6% no mês passado: entre R$ 2,09 e R$ 2,41. Cautela Com o mercado bastante nervoso, os que viajarão no segundo semestre devem acompanhar as cotações e, aos poucos, comprarem os dólares necessários. “De toda forma, vale ficar com o pé atrás. Não é mesmo um bom momento para se endividar com prestações em dólar”, reforçou Luciano Miranda, sócio da Ação DallOcca Investimentos, alertando para o perigo da volta das férias com dívidas em dólar. O consultor financeiro Edward Cláudio Júnior também condena o uso indiscriminado do cartão de crédito em viagens internacionais diante do cenário atual. “No momento em que estamos, voltar para o Brasil com fatura a pagar certamente não será uma boa”, disse. Os bancos utilizam como base para cobrança do cliente a cotação do dólar no dia do fechamento da fatura.


Veículo: Portal do Consumidor Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?id=24114

O que fazer diante da nova alta do dólar? 21/6/2013

O dólar alcançou o maior em nível em quatro anos, fechando em R$2,20. Com a forte alta da moeda americana, os reflexos em nossa economia são diretos e, por isso, os consumidores brasileiros devem tomar cuidado com as compras e viagens, mesmo as que já estavam programadas. Para as empresas e indústrias nacionais, principalmente as exportadoras, a alta pode ser positiva, pois favorece a competitividade das vendas externas, tornando-as mais baratas. Porém, para as empresas que importam, o custo só aumenta, consequência disso é o repasse para os produtos e os consumidores é que pagam a conta. Assim, os reflexos para a população são grandes. Os preços que já estavam subindo pelo aumento da inflação, acabam sendo influenciados também pelo aumento do dólar, impulsionando ainda mais a alta de preços.

Cuidados com compras e viagens podem ajudar o consumidor a não ser engolido pela alta. Imagem | Reuters

Caso tenha planejado comprar algum produto importado, recomendo ficar atento e acompanhar a variação dos preços; caso não tenha urgência na compra, é interessante esperar até que a moeda abaixe e se estabilize.


Outro cuidado é com as compras externas com cartão de crédito, que, além do custo do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), também pagará mais pelo aumento na cotação do dólar. O caminho é evitar a compra a prazo com variação em dólar e, se possível, comprar somente à vista. Para quem já havia planejado as férias ao exterior, é preciso muita atenção e, para tanto, aconselho a aquisição de um cartão pré-pago internacional, no qual já carregará em dólar aqui no Brasil para utilização. Lembro que essa atitude, certamente, evitará surpresas no retorno das férias, além da segurança que proporciona. Também oriento levar dinheiro em espécie, de 20% a 30% do total.

Então, é preciso elaborar um orçamento financeiro que contemple os gastos da viagem e, para que não seja pego de surpresa, tenha sempre 40% a mais de reserva para as férias. Caso não tenha planejado a viagem internacional, evite fazê-la nesse momento. Combater esse problema é dever do governo, mas passa também pela mudança de hábitos e costumes dos consumidores. Tudo começa em casa, portanto, é hora de tentar trocar os produtos que aumentam com a alta do dólar e eliminar o que não agrega valor em prol de uma saúde financeira que contribua para a realização dos sonhos. * Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros sobre o tema.


VeĂ­culo: Infomoney Data: 21/06/2013 Editoria: Onde Investir Site: http://www.infomoney.com.br/onde-investir/fundos-deinvestimento/noticia/2589026/investimentos-conheca-seus-direitos-antes-aplicar


Veículo: B2B Magazine Data: 21/06/2013 Editoria: Economia Site: http://b2bmagazine.consumidormoderno.uol.com.br/index.php/opiniao/item/2957-oque-fazer-diante-da-nova-alta-do-d%C3%B3lar

O que fazer diante da nova alta do dólar?

O dólar alcançou o maior em nível em quatro anos, fechando em R$2,20. Com a forte alta da moeda americana, os reflexos em nossa economia são diretos e, por isso, os consumidores brasileiros devem tomar cuidado com as compras e viagens, mesmo as que já estavam programadas. Para as empresas e indústrias nacionais, principalmente as exportadoras, a alta pode ser positiva, pois favorece a competitividade das vendas externas, tornando-as mais baratas. Porém, para as empresas que importam, o custo só aumenta, consequência disso é o repasse para os produtos e os consumidores é que pagam a conta. Assim, os reflexos para a população são grandes. Os preços que já estavam subindo pelo aumento da inflação, acabam sendo influenciados também pelo aumento do dólar, impulsionando ainda mais a alta de preços. Cuidados com compras e viagens podem ajudar o consumidor a não ser engolido pela alta dos preços. Caso tenha planejado comprar algum produto importado, recomendo ficar atento e acompanhar a variação dos preços; caso não tenha urgência na compra, é interessante esperar até que a moeda abaixe e se estabilize.


Outro cuidado é com as compras externas com cartão de crédito, que, além do custo do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), também pagará mais pelo aumento na cotação do dólar. O caminho é evitar a compra a prazo com variação em dólar e, se possível, comprar somente à vista. Para quem já havia planejado as férias ao exterior, é preciso muita atenção e, para tanto, aconselho a aquisição de um cartão pré-pago internacional, no qual já carregará em dólar aqui no Brasil para utilização. Lembro que essa atitude, certamente, evitará surpresas no retorno das férias, além da segurança que proporciona. Também oriento levar dinheiro em espécie, de 20% a 30% do total.

Então, é preciso elaborar um orçamento financeiro que contemple os gastos da viagem e, para que não seja pego de surpresa, tenha sempre 40% a mais de reserva para as férias. Caso não tenha planejado a viagem internacional, evite fazê-la nesse momento. Combater esse problema é dever do governo, mas passa também pela mudança de hábitos e costumes dos consumidores. Tudo começa em casa, portanto, é hora de tentar trocar os produtos que aumentam com a alta do dólar e eliminar o que não agrega valor em prol de uma saúde financeira que contribua para a realização dos sonhos. * Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor de diversos livros sobre o tema.


Veículo: Blog be. Living Data: 20/06/2013 Editoria: Educação Site: http://belivingnossoblog.wordpress.com/2013/06/20/contacao-de-historias-da-colecaosonhos-de-ser-sabado-226-16h/

Contação de histórias da Coleção Sonhos de Ser – sábado, 22/6, 16h A Livraria NoveSete e a Editora DSOP! convidam para a sessão de autógrafos com autores e contação de histórias dos livros da coleção “Sonhos de Ser”, que será realizada neste sábado, 22/6, a partir das 16h. As histórias dos livros “O Sonho Secreto de Alice” (de Simone Paulino, com ilustrações de Luyse Costa), “Clariana, A Menina Invisível” (de Maíra Viana, com ilustrações de Cecília Murgel), “Diana, Luana, Luanda” (de Ana Lasevicius, com ilustrações de Luyse Costa) e “Nina e a Lamparina” (de Claudia Nina, com ilustrações de Cecília Murgel) serão contadas através de teatro, música e poesia. Grátis.


Veículo: Infomoney Data: 20/06/2013 Editoria: Finanças Site: https://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2831343/aplicativofinanceiro-auxilia-controle-das-financas


Veículo: Record Data: 20/06/2013 Editoria: Finanças Site: http://entretenimento.r7.com/hoje-em-dia/videos/grande-parte-dos-idosos-brasileirosestao-com-dividas/idmedia/51c1c0910cf20a3d85010c67.html


Educador Financeiro Reinaldo Domingos no Hoje em Dia (Record)


Veículo: Grupo Alliance Data: 19/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.grupoalliance.com.br/com-carteira-organizada-controle-das-financas-emaior/

Com carteira organizada controle das finanças é maior POR DSOP

Você já pensou em como a organização de sua carteira e bolsa pode refletir em sua educação financeira? Pois é, pode parecer algo irrelevante mas este pequeno detalhe pode fazer grande diferença para a realização dos sonhos materiais. Uma carteira bem organizada faz muito bem para o bolso. Não tenho dúvida que manutenção é importante. Aglomerar cartão, dinheiro e cheque pode gerar um descontrole nos gastos. É como achar que está rico porque o bolso tá cheio, quando se trata de uma (doce) ilusão, que pode ser repassada para a conta bancária. Pense um pouco, quantas vezes não comprou algo por impulso apenas por ter dinheiro na carteira, ou deu aquela velha desculpa de estar com uma nota alta e precisar trocar para comprar um doce, uma lembrancinha ou qualquer outra coisa que não necessitava realmente, então, é importante ter dinheiro na carteira? Com certeza, para gastos já definidos e sempre um extra para imprevistos. Quanto maior a quantidade de dinheiro que se tem na carteira, maior a chance de gastar.


Além disso, há a questão da segurança, uma carteira grande e grossa chama atenção pelo volume, ainda mais quando você abre dentro da loja, assim a chance de ser vítima de roubos é muito maior, e se estiver com muito dinheiro o prejuízo será muito maior. O dinheiro é apenas uma das questões relacionadas às carteiras, existem também os problemas dos cartões que se acumulam causando um verdadeiros festival de cores e bandeiras, ferramentas que, sem controle causam dívidas na certa. É preciso organizar e levar apenas o necessário, nada de vários cartões, apenas um com a data de vencimento mais adequada e um de débito. Outro ponto é o acumulo de papelada, como notas fiscais, comprovantes de pagamento, contas bancárias. Muitas vezes, com a desculpa de ‘organizar as finanças’, o consumidor enche a carteira dessas notinhas e na verdade esquecem dessas despesas. Assim, em vez de guardar inutilmente estas notas na carteira, o correto é ter em mãos um apontamento de despesas que possibilitam anotar os valores gastos sempre que fizer uma compra, mais isso apenas uma vez por mês a cada ano, ou quanto tiver uma variação muito grande de ganhos e gastos. Enfim, assim como em tudo na vida, a organização é importante até mesmo nas carteiras, evitando gastos compulsivos e o descontrole do orçamento.


Veículo: Maxpress Data: 18/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,594387,_DSOP_apresenta_novo_modelo_de_fr anquia_na_Expo_Money_Florianopolis,594387,4.htm

DSOP apresenta novo modelo de franquia na Expo Money Florianópolis

Uma nova oportunidade de negócio será apresentada pela DSOP Educação Financeira na Expo Money Florianópolis: a Franquia DSOP. Além disso, haverá um estande apresentando e comercializando todos os produtos e serviços da empresa. "Quem participar do evento, com certeza, verá que o campo de atuação na área de educação financeira vem crescendo vertiginosamente, com grandes oportunidades de negócios para empreendedores que buscam garantias de lucros. Hoje, temos uma grande variedade de produtos e serviços que abrangem os diversos tipos de público", conta o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. "É um projeto que conta com um modelo tradicional de franquias para que possamos crescer de uma maneira rápida e eficiente, no qual o franqueado consiga ter sucesso, lucro e prazer ao trabalhar com a DSOP. Cada franquia conta com seu território, com sua lucratividade e com sua maneira de atuação. A Educação Financeira é um negócio inovador, que vem crescendo muito e é algo no qual a necessidade é grande", explica o diretor de Franquias, Frederico Loriggio. Domingos vai palestrar no dia 26, às 20h, sobre o tema Educação financeira. Logo em seguida, o coordenador de Expansão e Relacionamento da DSOP, Anderson Barros, vai explicar um pouco mais sobre o novo modelo de Franquia DSOP. “A proposta da DSOP é ir muito além de apenas focar em quais as melhores opções de investimentos. Nós objetivamos disseminar a educação financeira e o consumo consciente na vida das pessoas. É comum ver o investidor pesquisar qual a linha que tem maior rentabilidade e direcionar todo o dinheiro para ela. Mas nem sempre essa é a opção correta. Por mais que os números mostrem um tipo de investimento como vantajoso, vários fatores devem ser avaliados antes dessa decisão, dentre os quais estão o comportamento do mercado – que pode mudar de rumo com o decorrer do tempo – e os sonhos e objetivos que se quer atingir com o dinheiro investido”, explica Reinaldo Domingos.


Sobre a Franquia DSOP Esta é uma grande oportunidade de negócios que oferece aos investidores uma gama de soluções, produtos e serviços voltados à educação financeira para os mais variados públicos. Os franqueados terão acesso a um negócio com baixo investimento, operação padronizada, ótimos ganhos e marca com projeção nacional e internacional, o que permite atuação nos seguintes segmentos: • Escolas privadas; • Empresas públicas e privadas; • Entidades de ensino profissionalizantes (Jovem Aprendiz); • Cursos, Palestras e Workshops de Educação financeira; • Comercialização de Livros didáticos e paradidáticos; • Pessoas Físicas e Família. Patrocinada, entre outras empresas, pela DSOP Educação Financeira, a Expo Money, único evento do Brasil que oferece uma plataforma de conteúdo sobre educação financeira, investimentos, carreira e empreendedorismo, vai ocorrer em Curitiba, nos dias 12 e 13 de abril, das 13h às 21h30, na Expo Unimed Curitiba. O intuito do evento é ampliar o conhecimento da população sobre planejamento financeiro, possibilitando, assim, sua inserção no mundo dos investimentos e estimulando-a a empreender, seja para abrir seu próprio negócio ou realizar sonhos.

Sobre a Expo Money Organizado pela GEO Eventos, o circuito foi criado em outubro de 2002 (pela Trade Network), em São Paulo. Atualmente, percorre nove das maiores cidades brasileiras: Curitiba (PR), Salvador (BA), Recife (PE), Florianópolis (SC), Brasília (DF), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS). Para cumprir sua missão, a Expo Money oferece um circuito de palestras gratuito com os principais profissionais do país e uma feira formada por grandes empresas do mercado nacional. Há dez anos, o evento acredita na transformação contínua da sociedade e fomenta um evento para ajudar você a ganhar mais e usar melhor o seu dinheiro. O evento foi inspirado no "The World Money Show", realizado anualmente em Orlando, Flórida.

Serviço Evento: Expo Money Curitiba Data: 26 e 27 de junho Horário: das 13h às 21h30 Local: Exposição e Congresso Endereço: Av. Governador Gustavo Richard, 850


Veículo: Você s/a Data: 18/06/2013 Editoria: Economia Site:


Veículo: Vila Mulher (Terra) Data: 18/06/2013 Editoria: Economia Site: http://vilamulher.terra.com.br/teste-sua-educacao-financeira-5-1-38-844.html

TESTE SUA EDUCAÇÃO FINANCEIRA

O presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, elaborou um teste para que as mulheres descubram como estão em relação ao tema educação financeira. Faça o teste abaixo, procurando ser fiel ao responder, refletindo sobre suas atitudes! 1 - Perante novas situações e novos desafios, você... a) Enfrenta, independente dos resultados, pois sabe que conseguirá resolvê-los de uma forma ou de outra. Publicidade

b) Procura saber mais informações sobre ele e, se na avaliação perceber que é de grande dificuldade, não o enfrenta. c) Não gosta de grandes mudanças, teme o novo.


2- Para realizar sonhos você... a) Age por impulso e não pensa em como suas finanças serão afetadas. O que importa é realizá-los. b) Pensa em como alcançá-los, avalia as possibilidades e normalmente realiza-os, mesmo sem planejamento. c) Lista os sonhos de curto, médio e longo prazos, avalia o valor de cada um. Organiza-se financeiramente e não se importa em esperar para realizá-los. 3 - Quando vai ao cinema dentro de um shopping... a) Passa observando as lojas e se atém as promoções, comprando mesmo sem necessidade. Pensa: "Está barato, vou levar!" b) Chega ao shopping com muita antecedência, passeia por todos os corredores, observa as vitrines e compra tudo o que lhe agrada, sabendo que irá estourar o orçamento. Pensa: "Trabalho muito e mereço!" c) Chega próximo ao horário da sessão, com o ingresso já comprado e dirige-se ao cinema, seguindo a programação. Pensa: "Será que vou gostar do filme?" 4 - Ao observar seu orçamento mensal... a) "Orçamento mensal? O que é isso?" Não sabe o quanto gasta com supérfluos e com o que realmente é necessário. b) Sabe que gasta muito com supérfluos, mas prefere ficar no vermelho a abrir mão dos seus prazeres. c) Sempre que precisa fazer algum corte nas despesas sabe exatamente por onde começar: o que é necessário é mantido e o que é supérfluo é reduzido ou eliminado. 5 - A frase que mais combina com você é... a) "Sou das antigas", o homem é quem deve sustentar a família! b) Ter e ser o que eu quero só depende de mim, de minha persistência e da minha educação financeira. c) Por mais que eu trabalhe, nunca terei o suficiente para manter a minha família e a mim. 6 - Quando você pensa em aumentar sua receita... a) Procura especializar-se, realizando novos cursos, buscando ascensão profissional ou mesmo uma atividade paralela que gerará mais renda. b) Vai ao departamento pessoal de sua empresa e solicita aumento de salário ou um adiantamento. c) Pede demissão do atual emprego, pois possui uma rescisão trabalhista que por alguns meses, terá aumento da receita e procura outro emprego que lhe renderá um maior salário. 7 - Seu orçamento está comprometido, não há verba disponível e suas amigas a convidam e insistem para que as acompanhe em um passeio: a) Você aceita, mas solicita a uma das amigas que pague as suas despesas e diz que irá reembolsá-la no próximo mês.


b) Você aceita somente se o passeio for num lugar onde não haverá custos, como uma peça de teatro ou show gratuitos, uma exposição ou passeio num parque. c) Você aceita, usa o cartão de crédito como forma de pagamento, mesmo sabendo que não conseguirá quitar o valor total da fatura. 8 - Você é uma mulher que: a) Vive com menos do que ganha, pois é previdente e poupa para realizar seus sonhos, não se importando com o que os outros pensam. b) Gosta de cuidar de sua aparência mesmo que para isso gaste muito mais do que o seu padrão permite. c) Vive o presente, gosta de estar na moda, mas não gasta além do que seu padrão permite. 9 - Se você fosse convidada a participar de um programa de TV e precisasse mostrar o seu armário, o que os apresentadores do programa encontrariam? a) A grande maioria das roupas e sapatos com mais de dez anos. Por ser muito previdente, procura guardar quase tudo o que ganha, pois poderá precisar dessa reserva algum dia. b) Tanto peças da moda, quanto as mais antigas, clássicas, que nunca saem de moda. Gosta de se vestir bem, mas compra somente o que seu orçamento lhe permite. c) A maioria das peças são da moda atual, algumas com pouco ou nenhum uso (até com etiquetas). Quer estar sempre vestida conforme as tendências, pois aparência é tudo! 10 - Se uma vidente pudesse ver seu futuro, qual das previsões abaixo seria mais fiel ao seu perfil quando se aposentar? a) Uma mulher independente financeiramente, que trabalha apenas por prazer, pois suas reservas poupadas permitem que você viva muito bem, mesmo que seja por mais de 100 anos. b) Uma mulher que necessita continuar trabalhando para complementar a aposentadoria, visto que não tem reservas suficientes para manter seu padrão de vida. c) Uma mulher que precisa trabalhar e seu sustento necessita ser complementado por ajuda dos seus familiares, pois não se preocupou em ter reservas financeiras, gastando sempre mais do que ganhou. Confira abaixo resultado do teste, somando sua pontuação:


75 a 100 Pontos - Mulher Maravilha Parabéns! Você já aplica a Metodologia DSOP e reconhece os seus benefícios. Educada financeiramente, prioriza seus sonhos, se organiza para realizá-los, vive um pouco abaixo do que seu padrão de vida permite, poupando para ganhos futuros. 51 a 75 Pontos - Mulher Elástico Muito bem, você está no caminho certo! Estica daqui, estica dali, para conseguir viver de acordo com seu padrão, mas não está sendo muito previdente. Defina melhor seus sonhos e seja persistente. 26 a 50 Pontos - Mulher Gato Tome cuidado! Com tantos pulos você poderá cair. O que está faltando é equilíbrio. Procure refletir sobre seus valores pessoais e adequar seu orçamento segundo suas receitas.

leia também  

Educação financeira: exemplos valem mais que a teoria Como vocês se planejam financeiramente? 0 a 25 Pontos - Mulher Tempestade Atenção! Você não precisa viver nessa instabilidade. Entenda que sua saúde financeira está diretamente ligada aos seus hábitos. Reveja seus conceitos referentes ao consumo.


VeĂ­culo: Destak Data: 17/06/2013 Editoria: Economia Site: http://issuu.com/destak_brasil/docs/rio-de-janeiro-1173


Veículo: Tribuna da Bahia Data: 17/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.tribunadabahia.com.br/2013/06/17/receita-libera-nesta-segunda-primeirolote-de-restituicoes-do-ir-2013

Receita paga 1º lote do IR; veja como usar a restituição por faixa de valor A Receita Federal pagará nesta segunda-feira (17) o dinheiro do primeiro lote de restituições do Imposto de Renda Pessoa Física 2013. O pagamento será feito por depósito diretamente nas contas bancárias dos 1.996.333 contribuintes contemplados nesta primeira remessa. Será pago o valor recorde de R$ 2,8 bilhões. O Fisco vai liberar também os lotes residuais dos cinco anos anteriores: de 2012 (ano-calendário 2011), 2011 (2010), 2010 (2009), 2009 (2008) e 2008 (2007). A consulta a estes lotes está disponível desde o último dia 10 de junho no site do Receita Federal . O sistema do Fisco havia apresentado lentidão durante todo o dia, devido ao congestionamento de acessps, segundo a assessoria da Receita. Confira dicas de como usar a restituição Se você está entre os quase dois milhões de contemplados com o primeiro lote de restituições do Imposto de Renda 2013 (ano-calendário 2012), mas não decidiu como usar o dinheiro, ainda há tempo de fazer uma avaliação para utilizá-lo da melhor forma e, assim, evitar arrependimentos. Antes de esvaziar a conta com compras por impulso, o contribuinte que receber a restituição deve repensar seu orçamento e planos futuros. O dinheiro pode ter destinos variados, conforme o objetivo financeiro, o grau de endividamento e o padrão de vida, segundo o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos.


De acordo com o consultor, o uso da restituição pode variar com base em três perfis financeiros: Endividado – Se há dívidas, mas elas estão sob controle – quando as prestações são pagas mensalmente, sem atraso –, o consultor aconselha que a restituição não seja destinada para bancar as parcelas. Este dinheiro é mais recomendado para quitar uma dívida que saiu do controle. “Para livrar-se dos altos juros do cheque especial, por exemplo, ou sair da inadimplência, a restituição é uma boa saída”, diz. Usar o dinheiro para acabar com a dívida é bom negócio. Mas é preciso combater a causa do endividamento, e não seu efeito, para livrar-se de um novo aperto financeiro. Quem financia um imóvel, por exemplo, não deve usar a restituição para pagar as prestações. “É melhor guardar o dinheiro para uma reserva estratégica, para futura necessidade de pagar o financiamento”, recomenda o especialista. Equilibrado, mas sem reserva – Se o contribuinte consegue pagar as contas em dia, mas é incapaz de criar uma reserva financeira, o consultor recomenda usar o dinheiro da restituição para começar a poupar. “É melhor guardá-lo para uma emergência futura”, aconselha. O dinheiro pago pela Receita também é oportuno para criar o hábito de economizar e, assim, ter mais tranquilidade em um eventual aperto financeiro. Também é o momento para rever o padrão de vida e avaliar a razão de não conseguir juntar dinheiro, segundo o consultor. Poupador – O contribuinte que não possui dívidas a pagar e já conta com uma boa reserva guardada para emergências tem mais liberdade para escolher o que fazer com o dinheiro da restituição. É uma oportunidade, por exemplo, para realizar melhorias de vida, fortalecer sonhos antigos ou criar novos objetivos para o futuro. Uma alternativa é usar o valor para uma viagem nas próximas férias, ou fazer uma reforma na casa, evitando desembolsar o dinheiro de uma reserva ou aplicação. RESTITUIÇÃO POR FAIXAS DE VALOR Quando o contribuinte conhece bem sua situação financeira, possui uma reserva para emergências e não perdeu o controle das dívidas, fica mais fácil traçar planos. Veja as recomendações do possível uso da restituição por faixas de valor: Até R$ 1 mil Se o objetivo é poupar para alcançar um sonho futuro, a maior parte das aplicações de renda fixa permite começar a investir com valores bem abaixo de R$ 1 mil. A caderneta de poupança não exige um aporte mínimo, não cobra impostos (como o IR) e tem alta liquidez, permitindo sacar o dinheiro a qualquer momento. No Tesouro Direto – que aplica em títulos da dívida pública –, o valor inicial é de cerca de R$ 80 para a compra, e de R$ 30 para aplicações agendadas. Diversificar o investimento com renda variável, mais arriscada, é outra opção para tentar obter rendimentos maiores. Na Bolsa de Valores, com menos de R$ 200 é possível aplicar em fundos de índices, como


os ETFs (Exchange Traded Funds). Se as contas estão em dia, também é possível usar o dinheiro para as próximas férias, e guardar a reserva já existente para outros objetivos. De R$ 1 mil a R$ 3 mil Se a quantia devolvida pela Receita foi mais generosa que o esperado e não há necessidade imediata do uso do dinheiro, é a oportunidade para dividir o valor em sonhos de curto, médio e longo prazo. No curto prazo, por exemplo, podese aproveitar para trocar o carro, comprar um móvel de casa ou um computador que estejam desgastados. No médio prazo, é possível começar a poupar para dar entrada no financiamento de um imóvel, por exemplo. No longo prazo, o contribuinte pode iniciar um plano de previdência privada, como complemento da aposentadoria. A partir de R$ 3 mil Restituições acima deste valor também podem ser divididas em três objetivos: para o presente, para daqui a alguns anos ou para um futuro mais longínquo.Quando a situação financeira é mais confortável, o contribuinte pode acomodar-se e deixar o dinheiro parado na conta corrente, para gastos do cotidiano. O consultor financeiro Domingos, no entanto, não recomenda este uso. “Se o dinheiro ficar parado na conta sem um destino próprio, ele vai virar pó”, adverte. Quando não se sabe o que fazer com o dinheiro, o melhor é aplicá-lo, definindo um possível uso para ele no futuro, seja a compra de um carro, um imóvel ou a aposentadoria, recomenda o especialista.


Veículo: Portal Piauiense de Notícias Data: 17/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.portalpiauiensedenoticias.com/noticias/receita-paga-hoje-1o-lote-do-ir-vejacomo-usar-a-restituicao-por-faixa-de-valor-63489.html

Receita paga hoje 1º lote do IR; veja como usar a restituição por faixa de valor Uso do dinheiro liberado pela Receita Federal pode variar conforme a situação financeira e o nível de endividamento. Primeiro lote do ano, de R$ 2,8 bi, é recorde

A Receita Federal pagará nesta segunda-feira (17) o dinheiro do primeiro lote de restituições do Imposto de Renda Pessoa Física 2013. O pagamento será feito por depósito diretamente nas contas bancárias dos 1.996.333 contribuintes contemplados nesta primeira remessa. Será pago o valor recorde de R$ 2,8 bilhões. O Fisco vai liberar também os lotes residuais dos cinco anos anteriores: de 2012 (ano-calendário 2011), 2011 (2010), 2010 (2009), 2009 (2008) e 2008 (2007).


A consulta a estes lotes está disponível desde o último dia 10 de junho no site do Receita Federal . O sistema do Fisco havia apresentado lentidão durante todo o dia, devido ao congestionamento de acessps, segundo a assessoria da Receita. Confira dicas de como usar a restituição: Se você está entre os quase dois milhões de contemplados com o primeiro lote de restituições do Imposto de Renda 2013 (ano-calendário 2012), mas não decidiu como usar o dinheiro, ainda há tempo de fazer uma avaliação para utilizá-lo da melhor forma e, assim, evitar arrependimentos. Antes de esvaziar a conta com compras por impulso, o contribuinte que receber a restituição deve repensar seu orçamento e planos futuros. O dinheiro pode ter destinos variados, conforme o objetivo financeiro, o grau de endividamento e o padrão de vida, segundo o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. De acordo com o consultor, o uso da restituição pode variar com base em três perfis financeiros: Endividado – Se há dívidas, mas elas estão sob controle – quando as prestações são pagas mensalmente, sem atraso –, o consultor aconselha que a restituição não seja destinada para bancar as parcelas. Este dinheiro é mais recomendado para quitar uma dívida que saiu do controle. “Para livrar-se dos altos juros do cheque especial, por exemplo, ou sair da inadimplência, a restituição é uma boa saída”, diz. Usar o dinheiro para acabar com a dívida é bom negócio. Mas é preciso combater a causa do endividamento, e não seu efeito, para livrar-se de um novo aperto financeiro. Quem financia um imóvel, por exemplo, não deve usar a restituição para pagar as prestações. “É melhor guardar o dinheiro para uma reserva estratégica, para futura necessidade de pagar o financiamento”, recomenda o especialista. Equilibrado, mas sem reserva – Se o contribuinte consegue pagar as contas em dia, mas é incapaz de criar uma reserva financeira, o consultor recomenda usar o dinheiro da restituição para começar a poupar. “É melhor guardá-lo para uma emergência futura”, aconselha. O dinheiro pago pela Receita também é oportuno para criar o hábito de economizar e, assim, ter mais tranquilidade em um eventual aperto financeiro. Também é o momento para rever o padrão de vida e avaliar a razão de não conseguir juntar dinheiro, segundo o consultor. Poupador – O contribuinte que não possui dívidas a pagar e já conta com uma boa reserva guardada para emergências tem mais liberdade para escolher o que fazer com o dinheiro da restituição. É uma oportunidade, por exemplo, para realizar melhorias de vida, fortalecer sonhos antigos ou criar novos objetivos para o futuro. Uma alternativa é usar o valor para uma viagem nas próximas férias, ou fazer uma reforma na casa, evitando desembolsar o dinheiro de uma reserva ou aplicação.

RESTITUIÇÃO POR FAIXAS DE VALOR Quando o contribuinte conhece bem sua situação financeira, possui uma reserva


para emergências e não perdeu o controle das dívidas, fica mais fácil traçar planos. Veja as recomendações do possível uso da restituição por faixas de valor: Até R$ 1 mil Se o objetivo é poupar para alcançar um sonho futuro, a maior parte das aplicações de renda fixa permite começar a investir com valores bem abaixo de R$ 1 mil. A caderneta de poupança não exige um aporte mínimo, não cobra impostos (como o IR) e tem alta liquidez, permitindo sacar o dinheiro a qualquer momento. No Tesouro Direto – que aplica em títulos da dívida pública –, o valor inicial é de cerca de R$ 80 para a compra, e de R$ 30 para aplicações agendadas. Diversificar o investimento com renda variável, mais arriscada, é outra opção para tentar obter rendimentos maiores. Na Bolsa de Valores, com menos de R$ 200 é possível aplicar em fundos de índices, como os ETFs (Exchange Traded Funds). Se as contas estão em dia, também é possível usar o dinheiro para as próximas férias, e guardar a reserva já existente para outros objetivos. De R$ 1 mil a R$ 3 mil Se a quantia devolvida pela Receita foi mais generosa que o esperado e não há necessidade imediata do uso do dinheiro, é a oportunidade para dividir o valor em sonhos de curto, médio e longo prazo. No curto prazo, por exemplo, pode-se aproveitar para trocar o carro, comprar um móvel de casa ou um computador que estejam desgastados. No médio prazo, é possível começar a poupar para dar entrada no financiamento de um imóvel, por exemplo. No longo prazo, o contribuinte pode iniciar um plano de previdência privada, como complemento da aposentadoria. A partir de R$ 3 mil Restituições acima deste valor também podem ser divididas em três objetivos: para o presente, para daqui a alguns anos ou para um futuro mais longínquo.Quando a situação financeira é mais confortável, o contribuinte pode acomodar-se e deixar o dinheiro parado na conta corrente, para gastos do cotidiano. O consultor financeiro Domingos, no entanto, não recomenda este uso. “Se o dinheiro ficar parado na conta sem um destino próprio, ele vai virar pó”, adverte. Quando não se sabe o que fazer com o dinheiro, o melhor é aplicá-lo, definindo um possível uso para ele no futuro, seja a compra de um carro, um imóvel ou a aposentadoria, recomenda o especialista.


Veículo: iG Data: 17/06/2013 Editoria: Economia Site: http://economia.ig.com.br/financas/impostoderenda/2013-06-17/receita-paga-hoje-1lote-do-ir-veja-como-usar-a-restituicao-por-faixa-de-valor.html

Receita paga hoje 1º lote do IR; veja como usar a restituição por faixa de valor Uso do dinheiro liberado pela Receita Federal pode variar conforme a situação financeira e o nível de endividamento. Primeiro lote do ano, de R$ 2,8 bi, é recorde

Valor pago de R$ 2,8 bilhões é recorde


A Receita Federal pagará nesta segunda-feira (17) o dinheiro do primeiro lote de restituições do Imposto de Renda Pessoa Física 2013. O pagamento será feito por depósito diretamente nas contas bancárias dos 1.996.333 contribuintes contemplados nesta primeira remessa. Será pago o valor recorde de R$ 2,8 bilhões. O Fisco vai liberar também os lotes residuais dos cinco anos anteriores: de 2012 (ano-calendário 2011), 2011 (2010), 2010 (2009), 2009 (2008) e 2008 (2007). A consulta a estes lotes está disponível desde o último dia 10 de junho no site do Receita Federal . O sistema do Fisco havia apresentado lentidão durante todo o dia, devido ao congestionamento de acessps, segundo a assessoria da Receita. Confira dicas de como usar a restituição Se você está entre os quase dois milhões de contemplados com o primeiro lote de restituições do Imposto de Renda 2013 (ano-calendário 2012), mas não decidiu como usar o dinheiro, ainda há tempo de fazer uma avaliação para utilizá-lo da melhor forma e, assim, evitar arrependimentos. Antes de esvaziar a conta com compras por impulso, o contribuinte que receber a restituição deve repensar seu orçamento e planos futuros. O dinheiro pode ter destinos variados, conforme o objetivo financeiro, o grau de endividamento e o padrão de vida, segundo o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. Leia mais: Visite a página do iG sobre o Imposto de Renda 2013 De acordo com o consultor, o uso da restituição pode variar com base em três perfis financeiros: Endividado – Se há dívidas, mas elas estão sob controle – quando as prestações são pagas mensalmente, sem atraso –, o consultor aconselha que a restituição não seja destinada para bancar as parcelas. Este dinheiro é mais recomendado para quitar uma dívida que saiu do controle. “Para livrar-se dos altos juros do cheque especial, por exemplo, ou sair da inadimplência, a restituição é uma boa saída”, diz. Usar o dinheiro para acabar com a dívida é bom negócio. Mas é preciso combater a causa do endividamento, e não seu efeito, para livrar-se de um novo aperto financeiro. Quem financia um imóvel, por exemplo, não deve usar a restituição para pagar as prestações. “É melhor guardar o dinheiro para uma reserva estratégica, para futura necessidade de pagar o financiamento”, recomenda o especialista. Equilibrado, mas sem reserva – Se o contribuinte consegue pagar as contas em dia, mas é incapaz de criar uma reserva financeira, o consultor recomenda usar o dinheiro da restituição para começar a poupar. “É melhor guardá-lo para uma emergência futura”, aconselha. O dinheiro pago pela Receita também é oportuno para criar o hábito de economizar e, assim, ter mais tranquilidade em um eventual aperto financeiro. Também é o momento para rever o padrão de vida e avaliar a razão de não conseguir juntar dinheiro, segundo o consultor.


Poupador – O contribuinte que não possui dívidas a pagar e já conta com uma boa reserva guardada para emergências tem mais liberdade para escolher o que fazer com o dinheiro da restituição. É uma oportunidade, por exemplo, para realizar melhorias de vida, fortalecer sonhos antigos ou criar novos objetivos para o futuro. Uma alternativa é usar o valor para uma viagem nas próximas férias, ou fazer uma reforma na casa, evitando desembolsar o dinheiro de uma reserva ou aplicação. RESTITUIÇÃO POR FAIXAS DE VALOR Quando o contribuinte conhece bem sua situação financeira, possui uma reserva para emergências e não perdeu o controle das dívidas, fica mais fácil traçar planos. Veja as recomendações do possível uso da restituição por faixas de valor: Até R$ 1 mil Se o objetivo é poupar para alcançar um sonho futuro, a maior parte das aplicações de renda fixa permite começar a investir com valores bem abaixo de R$ 1 mil. A caderneta de poupança não exige um aporte mínimo, não cobra impostos (como o IR) e tem alta liquidez, permitindo sacar o dinheiro a qualquer momento. No Tesouro Direto – que aplica em títulos da dívida pública –, o valor inicial é de cerca de R$ 80 para a compra, e de R$ 30 para aplicações agendadas. Diversificar o investimento com renda variável, mais arriscada, é outra opção para tentar obter rendimentos maiores. Na Bolsa de Valores, com menos de R$ 200 é possível aplicar em fundos de índices, como os ETFs (Exchange Traded Funds). Se as contas estão em dia, também é possível usar o dinheiro para as próximas férias, e guardar a reserva já existente para outros objetivos. De R$ 1 mil a R$ 3 mil Se a quantia devolvida pela Receita foi mais generosa que o esperado e não há necessidade imediata do uso do dinheiro, é a oportunidade para dividir o valor em sonhos de curto, médio e longo prazo. No curto prazo, por exemplo, pode-se aproveitar para trocar o carro, comprar um móvel de casa ou um computador que estejam desgastados. No médio prazo, é possível começar a poupar para dar entrada no financiamento de um imóvel, por exemplo. No longo prazo, o contribuinte pode iniciar um plano de previdência privada, como complemento da aposentadoria. A partir de R$ 3 mil Restituições acima deste valor também podem ser divididas em três objetivos: para o presente, para daqui a alguns anos ou para um futuro mais longínquo.Quando a situação financeira é mais confortável, o contribuinte pode acomodar-se e deixar o dinheiro parado na conta corrente, para gastos do cotidiano. O consultor financeiro Domingos, no entanto, não recomenda este uso. “Se o dinheiro ficar parado na conta sem um destino próprio, ele vai virar pó”, adverte. Quando não se sabe o que fazer com o dinheiro, o melhor é aplicálo, definindo um possível uso para ele no futuro, seja a compra de um carro, um imóvel ou a aposentadoria, recomenda o especialista.


Veículo: Diário Gaúcho Data: 16/06/2013 Editoria: Economia Site: http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/noticia/2013/06/fgts-impoe-perda-para-ostrabalhadores-4172228.html

FGTS impõe perda para os trabalhadores Sistema de correção não acompanha a inflação e, segundo entidade, contas deixam de receber R$ 127,8 bilhões desde 1999

Rafael Bolze e Ariane resolveram retirar os seus recursos no fundo para dar entrada em parte de uma m

Criado em 1967 com o objetivo de proteger os empregados demitidos sem justa causa, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) virou nos últimos anos sinônimo de perda para os trabalhadores. A correção faz com que


o ganho no fundo seja muito inferior à inflação: desde 1999, a alta de preços foi 88,3% maior. A lei que rege o fundo estabelece que as contas devem ser atualizadas com correção monetária mais juros de 3% ao ano. Mas o indexador usado para a atualização é a Taxa Referencial (TR), cujas variações vêm sendo muito inferiores à da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para Mario Avelino, presidente do Instituto FGTS Fácil, uma organização não governamental, caso acompanhasse a variação da inflação o rendimento teria sido próximo de 9% no ano passado. O Instituto FGTS Fácil calcula que, em uma década, o FGTS tenha deixado de creditar R$ 127,8 bilhões nas contas dos trabalhadores. — O governo transformou o FGTS em mais um imposto, pois, a cada mês, o dinheiro do trabalhador é desvalorizado, não chegando nem a repor as perdas geradas pela inflação medida pelo IPCA — reclama Avelino. O recolhimento do FGTS é dividido entre trabalhadores e patrões. A parcela paga pelos empregadores é considerada parte dos chamados encargos sociais, que encarecem a mão de obra sem aumentar o poder de compra dos empregados. No fim de maio, a Força Sindical entrou com ação na Justiça para reaver as perdas acumuladas nos últimos 14 anos. Se a ação for vitoriosa, explica o economista Raul Velloso, o FGTS terá de arcar com o ressarcimento do valor, equivalente a 39,2% do patrimônio total do fundo, que no final de 2012 somava R$ 325,5 bilhões. Conforme Velloso, a adoção do IPCA como indexador seria mais adequada do que a TR. — A remuneração (do fundo) devia ser compatível com a inflação — referenda Velloso. Segundo uma simulação do Instituto FGTS Fácil, um saldo de R$ 10 mil em 2002 equivaleria a R$ 16.238,84 com a correção da TR. Mas o valor sobe para R$ 25.441,13 quando é corrigido com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A diferença é de 56,67%.

Rendimento pequeno pesa na decisão de sacar


Há alguns meses, após muitos cálculos, o comerciário Rafael Bolze e a mulher, Ariane, decidiram juntar seus saldos do FGTS para a compra da casa própria, em um condomínio em Porto Alegre. Conforme Bolze, a pequena remuneração do fundo foi levada em conta na hora em que o casal resolveu sacar os recursos, que cobriram 10% do valor da moradia: — Como (o fundo) fica parado e o rendimento é pequeno, decidimos usá-lo como entrada. Em razão de só poder ser usado em situações específicas, o FGTS funciona como uma poupança forçada para o trabalhador. Por isso, o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, não vê com bons olhos o uso dos recursos para a amortização de dívidas imobiliárias: — É uma reserva que você não vê, mas existe para eventualidade de, se você perder o emprego, ter condições de sustentar a família. No passado, assalariados puderam aplicar parte do FGTS em ações da Petrobras e da Vale. Desde 2000, as ações da Petrobras renderam mais de 287%, para 82,1% no fundo. As da Vale subiram quase 700% desde 2002, enquanto o FGTS avançou 67,4%. Nos últimos 12 meses, porém, as ações das duas empresas caíram.

Opção de entrar na Justiça Qualquer trabalhador contratado sob regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) desde 1999 tem direito a buscar na Justiça a diferença no saldo do FGTS pelo valor corrigido pela inflação, avalia o presidente da Força Sindical no Estado, Cláudio Janta. Entretanto, precisa aderir formalmente às ações movidas pela entidade e por outras centrais sindicais. Por isso, nas próximas semanas a Força Sindical distribuirá formulários de adesão para os sindicatos filiados à central no Estado. A ideia é facilitar a tarefa dos trabalhadores que pretendem ingressar na Justiça.


— Só a representação da Força Sindical no Estado, se todos entrarem na Justiça, deverá chegar a 800 mil ou 1 milhão de trabalhadores — estima Janta.

Como funciona A formação do FGTS é uma espécie de poupança compulsória No início de cada mês, as empresas depositam na Caixa o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário. O fundo é usado para financiar investimentos em áreas como habitação, saneamento e infraestrutura. Em dezembro de 2012, o patrimônio total do FGTS atingiu R$ 325,5 bilhões. Os valores só podem ser sacados em situações específicas: demissão sem justa causa, término do contrato por prazo determinado, aposentadoria, necessidade pessoal urgente e grave decorrente de desastre natural, quando o titular da conta vinculada tiver idade igual ou superior a 70 anos, quando o trabalhador ou dependente for portador do vírus HIV ou câncer, na amortização e liquidação de saldo devedor e pagamento de parte das prestações de consórcios imobiliários e na liquidação ou amortização de dívida habitacional, entre outras. Mensalmente, a Caixa aplica sobre o valor depositado na conta do FGTS a correção pela Taxa Referencial (TR). Por ano, o saldo recebe ainda remuneração por juro fixo de 3%. A Força Sindical pretende que, em vez da TR, a correção seja feita por meio do IPCA, parâmetro para o regime de metas de inflação. Segundo o Instituto FGTS Fácil, somente nos últimos oito meses os trabalhadores de todo o país deixaram de receber R$ 19,7 bilhões em suas contas em razão da forma de correção pela TR. Desde 2002, o valor que deixou de ser corrigido chegaria a R$ 127,8 bilhões.


Veículo: Zero Hora Data: 16/06/2013 Editoria: Economia Site: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2013/06/fgts-impoe-perda-para-ostrabalhadores-4172228.html

FGTS impõe perda para os trabalhadores Sistema de correção não acompanha a inflação e, segundo entidade, contas deixam de receber R$ 127,8 bilhões desde 1999

Rafael Bolze e Ariane resolveram retirar os seus recursos no fundo para dar Marcelo Monteiro marcelo.monteiro@zerohora.com.br

Criado em 1967 com o objetivo de proteger os empregados demitidos sem justa causa, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) virou nos últimos anos sinônimo de perda para os trabalhadores. A correção faz com que o ganho no


fundo seja muito inferior à inflação: desde 1999, a alta de preços foi 88,3% maior. A lei que rege o fundo estabelece que as contas devem ser atualizadas com correção monetária mais juros de 3% ao ano. Mas o indexador usado para a atualização é a Taxa Referencial (TR), cujas variações vêm sendo muito inferiores à da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para Mario Avelino, presidente do Instituto FGTS Fácil, uma organização não governamental, caso acompanhasse a variação da inflação o rendimento teria sido próximo de 9% no ano passado. O Instituto FGTS Fácil calcula que, em uma década, o FGTS tenha deixado de creditar R$ 127,8 bilhões nas contas dos trabalhadores. — O governo transformou o FGTS em mais um imposto, pois, a cada mês, o dinheiro do trabalhador é desvalorizado, não chegando nem a repor as perdas geradas pela inflação medida pelo IPCA — reclama Avelino. O recolhimento do FGTS é dividido entre trabalhadores e patrões. A parcela paga pelos empregadores é considerada parte dos chamados encargos sociais, que encarecem a mão de obra sem aumentar o poder de compra dos empregados. No fim de maio, a Força Sindical entrou com ação na Justiça para reaver as perdas acumuladas nos últimos 14 anos. Se a ação for vitoriosa, explica o economista Raul Velloso, o FGTS terá de arcar com o ressarcimento do valor, equivalente a 39,2% do patrimônio total do fundo, que no final de 2012 somava R$ 325,5 bilhões. Conforme Velloso, a adoção do IPCA como indexador seria mais adequada do que a TR. — A remuneração (do fundo) devia ser compatível com a inflação — referenda Velloso. Segundo uma simulação do Instituto FGTS Fácil, um saldo de R$ 10 mil em 2002 equivaleria a R$ 16.238,84 com a correção da TR. Mas o valor sobe para R$ 25.441,13 quando é corrigido com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A diferença é de 56,67%.

Rendimento pequeno pesa na decisão de sacar


Há alguns meses, após muitos cálculos, o comerciário Rafael Bolze e a mulher, Ariane, decidiram juntar seus saldos do FGTS para a compra da casa própria, em um condomínio em Porto Alegre. Conforme Bolze, a pequena remuneração do fundo foi levada em conta na hora em que o casal resolveu sacar os recursos, que cobriram 10% do valor da moradia: — Como (o fundo) fica parado e o rendimento é pequeno, decidimos usá-lo como entrada. Em razão de só poder ser usado em situações específicas, o FGTS funciona como uma poupança forçada para o trabalhador. Por isso, o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, não vê com bons olhos o uso dos recursos para a amortização de dívidas imobiliárias: — É uma reserva que você não vê, mas existe para eventualidade de, se você perder o emprego, ter condições de sustentar a família. No passado, assalariados puderam aplicar parte do FGTS em ações da Petrobras e da Vale. Desde 2000, as ações da Petrobras renderam mais de 287%, para 82,1% no fundo. As da Vale subiram quase 700% desde 2002, enquanto o FGTS avançou 67,4%. Nos últimos 12 meses, porém, as ações das duas empresas caíram.

Opção de entrar na Justiça Qualquer trabalhador contratado sob regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) desde 1999 tem direito a buscar na Justiça a diferença no saldo do FGTS pelo valor corrigido pela inflação, avalia o presidente da Força Sindical no Estado, Cláudio Janta. Entretanto, precisa aderir formalmente às ações movidas pela entidade e por outras centrais sindicais. Por isso, nas próximas semanas a Força Sindical distribuirá formulários de adesão para os sindicatos filiados à central no Estado. A ideia é facilitar a tarefa dos trabalhadores que pretendem ingressar na Justiça.


— Só a representação da Força Sindical no Estado, se todos entrarem na Justiça, deverá chegar a 800 mil ou 1 milhão de trabalhadores — estima Janta.

Como funciona A formação do FGTS é uma espécie de poupança compulsória No início de cada mês, as empresas depositam na Caixa o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário. O fundo é usado para financiar investimentos em áreas como habitação, saneamento e infraestrutura. Em dezembro de 2012, o patrimônio total do FGTS atingiu R$ 325,5 bilhões. Os valores só podem ser sacados em situações específicas: demissão sem justa causa, término do contrato por prazo determinado, aposentadoria, necessidade pessoal urgente e grave decorrente de desastre natural, quando o titular da conta vinculada tiver idade igual ou superior a 70 anos, quando o trabalhador ou dependente for portador do vírus HIV ou câncer, na amortização e liquidação de saldo devedor e pagamento de parte das prestações de consórcios imobiliários e na liquidação ou amortização de dívida habitacional, entre outras. Mensalmente, a Caixa aplica sobre o valor depositado na conta do FGTS a correção pela Taxa Referencial (TR). Por ano, o saldo recebe ainda remuneração por juro fixo de 3%. A Força Sindical pretende que, em vez da TR, a correção seja feita por meio do IPCA, parâmetro para o regime de metas de inflação. Segundo o Instituto FGTS Fácil, somente nos últimos oito meses os trabalhadores de todo o país deixaram de receber R$ 19,7 bilhões em suas contas em razão da forma de correção pela TR. Desde 2002, o valor que deixou de ser corrigido chegaria a R$ 127,8 bilhões.


Veículo: Brasil Econômico Data: 15/06/2013 Editoria: Tecnologia Site: http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/aplicativos-sao-aliados-para-gerenciargastos_118151.html

Aplicativos são aliados para gerenciar gastos Marília Almeida (malmeida@brasileconomico.com.br)

O consultor Jurandir Macedo: plataforma ajuda a criar rotina

Ferramentas para tablet e smartphone são multifuncionais e ajudam a manter o controle das finanças pessoais. No tablet ou smartphone, não faltam opções de aplicativos para quem quer gerenciar melhor as finanças. Entre as funcionalidades estão controle de gastos pessoais e de investimentos, auxílio na declaração do Imposto de Renda, registro de bens e elaboração de orçamentos. Consultores de finanças recomendam que o usuário teste quantos aplicativos forem necessários até que encontrem o ideal. Isso porque cada ferramenta tem um nível diferente de sofisticação de dados. Nas lojas virtuais da fabricante do aparelho, há desde os mais simples, com interface intuitiva, até aqueles mais completos, para quem já está acostumado a lançar gastos e fazer cálculos em planilhas Excel. Apesar de gratuitos, muitos têm uma versão paga, que oferece mais funcionalidades aos usuários. O custo geralmente é de até R$ 10. Jurandir Sell Macedo, consultor de finanças pessoais do Itaú e professor da Universidade Federal de Santa Catarina, e o educador financeiro Mauro Calil, recomendam o Yupee, um gerenciador financeiro gratuito disponível para Android e iPhone.


"Ele tem sofisticação intermediária. É possível verificar gastos previstos e aqueles efetivamente realizados. Também é fácil reagrupar contas", diz Calil. O blogueiro da área de investimentos Henrique Carvalho indica o Organizze. "Abandonei planilhas depois que conheci o aplicativo". conta. Muitos aplicativos são a versão mobile de programas financeiros que também estão disponíveis em sites e podem ser baixados no computador e acabam sendo um complemento móvel na rotina do dia a dia, o que previne esquecimentos e ajuda a reforçar o controle das contas. Na hora da escolha, o usuário deve verificar se o aplicativo é bem avaliado por outros usuários. Algumas funcionalidades também são importantes. Alguns permitem importar planilhas eletrônicas, para quem já tem o hábito de controlar gastos em outras plataformas. Para proteger dados, outros requisitam senha para visualização das informações. Softwares brasileiros tendem a ser mais adaptados à realidade financeira dos usuários do país. Para quem quer fazer uma análise sobre gastos, é interessante poder dividi-los por categorias, como alimentação e entretenimento. "Dessa forma, o usuário tem consciência dos gastos e otimiza as escolhas no próximo mês", aponta Samy Dana, professor da Fundação Getúlio Vargas. Ele também aponta para a importância de registrar gastos ‘fantasmas'. "São gastos menores que fazem diferença no final do mês. A plataforma móvel facilita o lançamento de gastos". Porém, não basta lançar contas e não ter a visão dos universo dos gastos, aponta o educador financeiro Reinaldo Domingos. "O ideal são análises periódicas. Sabemos que existe 20% de excesso em cada despesa. Isso pode ser realocado quando é feita uma análise. Não adianta controlar o erro. O importante é resolvê-lo." Para usar aplicativos, é necessário o mínimo de disciplina. "Eles não servem para quem anota gastos no canhoto do cheque. O usuário deve ter o mínimo de organização prévia", diz Calil. "O importante é criar a rotina", completa Macedo. "A maior parte das pessoas só faz controle quando está mal financeiramente. Mas ele também serve para fazer planos", aponta Jurandir Macedo.


Veículo: Diário do Grande ABC Data: 15/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.dgabc.com.br/Noticia/462295/endividamento-e-inimigo-daprodutividade?referencia=destaque-chamada-home

Endividamento é um dos inimigos da produtividade

O nervosismo causado por ligações de cobrança são a ponta de um iceberg emocional que drena a motivação do trabalhador com problemas para pagar seus compromissos ou que já se encontra em situação de inadimplência e já não consegue pagar tudo o que deve e com o nome incluído nos órgãos de proteção ao crédito. “É difícil mensurar com exatidão os prejuízos para as empresas da situação de endividamento dos funcionários, mas essas perdas existem. Basta observar as ligações de cobrança que não só atrapalham o andamento das atividades do funcionário como causam uma instabilidade emocional que quebra a concentração e abre as portas para a insatisfação geral com a vida e até com oemprego”, diz a consultora na área de contabilidade e controladoria, Dora Ramos.


Coordenador da área de recursos humanos da Fundação Salvador Arena, de São Bernardo, e da metalúrgica Termomecânica, Sérgio Loyola desenvolveu programa para ajudar os funcionários da empresa a afastarem os fantasmas causados pelas dívidas. “Tudo começou com a implantação do Programa de Melhoria Contínua de Vida e Trabalho, que mapeou as patologias sociais que atingem os funcionários. Entre essas patologias – que são estruturais e não individuais – identificamos a questão do endividamento como algo a ser melhorado”, diz Loyola. Segundo o executivo, são muitos os prejuízos que os problemas financeiros causam para o funcionário e que podem ter efeitos no seu desempenho. “Depressão, ansiedade, conflitos na família, prejuízo no sono, absenteísmo (faltas ao trabalho), presenteísmo (estar apenas de corpo presente mas não concentrado nas suas tarefas) são alguns dos problemas que são riscos potenciais à segurança do trabalho”, aponta Loyola.

Preocupada com a motivação dos seus funcionários, a Termomecânica, de São Bernardo, contratou a Dsop Educação Financeira para desenvolver programa sobre saúde financeira e qualidade de vida na empresa. O projeto, iniciado em outubro de 2011, trouxe resultados importantes. O percentual de funcionários endividados encolheu de 45% para 9%. Já o número de participantes que passaram a investir seu dinheiro foi de 14% para 45%. Dívidas costumam nascer da confusão entre renda real e crédito disponível De acordo com a Peic ( Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) realizada pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), 57,1% das famílias tinham dívidas a pagar no mês de maio. De acordo com estudo realizado em 2012 pelo Inpes (Instituto de Pesquisas) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), em média, um quarto das famílias da região estava endividado. A pesquisa mostra que o endividamento tende a ser maior conforme a renda familiar diminui. Enquanto a classe A deve 6%, nas classes D e E, as dívidas ocupam 52% da renda. “As pessoas – de todas as classes sociais – confundem recurso, que é o dinheiro que a pessoa ganha, com crédito, que é o montante que as instituições financeiras disponibilizam para quem tem renda. E o crédito tem custo alto por causa dos juros”, adverte a consultora Dora Ramos.


Veículo: iG Data: 14/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://blogs.diariodepernambuco.com.br/economia/?p=15508

Coleção de livros de finanças pessoais com o Diario e o Aqui PE Postado em: 14 de junho de 2013 por: TatiNasci — Seja Você o Primeiro a Comentar! ↓

A partir deste sábado, o Diario de Pernambuco e o AQUI PE iniciam uma promoção para ajudar os leitores a entrarem na linha nas finanças pessoais. Na compra do jornal – com mais R$ 6,90 – o leitor leva para casa um livro da coleção “Dinheiro Sem Segredo”, da editora Dsop. São 12 fascículos, um apontamento de despesas e um DVD. Confira os livros da coleção: 1 Como quitar suas dívidas 2 Como identificar o seu “eu” financeiro 3 Como realizar o sonho da casa própria 4 Como controlar o seu orçamento 5 Como controlar o impulso de comprar 6 Como gastar menos do que você ganha


7 Como comprar com consciência 8 Como ser independente financeiramente 9 Como se preparar para emergências e imprevistos 10 Como garantir uma aposentadoria tranquila e sustentável 11 Como falar sobre dinheiro com seus filhos 12 Como empreender com equilíbrio financeiro Os livros são independentes uns dos outros. Cada um aborda um tema específico com início, meio e fim. A compra deve ser feita nas bancas de jornal. Os assinantes do Diario podem adquirir, com exclusividade, a coleção completa de uma única vez, por R$ 66. Para isto, é preciso entrar em contato com a Central de Atendimento: 3320-2020 no Grande Recife e 0800-281-8822 para as demais cidades.


Veículo: AAPSA Data: 13/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.aapsa.com.br/site/index.php/noticias-aapsa/384-educacao-financeira-aoalcance-de-todos

EDUCAÇÃO FINANCEIRA AO ALCANCE DE TODOS

Evento Educação financeira ao alcance de todos, dia 13 de junho, das 9 às 11, na AAPSA Para conquistar independência financeira é preciso mudar hábitos e adotar um método. Reinaldo Domingos ensina o seu: DSOP A história que vocês irão conhecer se passou há 40 anos, no interior do Estado de São Paulo, no município de Casa Branca, mas ensina como conquistar o sonho de muitos mortais: a independência financeira. Começa com uma vontade de criança. Ter uma bicicleta foi - e continua sendo - uma vontade de criança. Contudo, ter essa bicicleta não era assim, tão simples. Para matar a vontade de pedalar, Reinaldo Domingos, então com 12 anos de idade, fez uso de raciocínio matemático: a magrela custava 100, então, se ele ganhasse 10, teria de trabalhar 10 meses para comprá-la. E assim fez. Trabalhou como ajudante de camelô e passou a ganhar R$ 15. Guardou o dinheiro até que chegou o grande dia: iria buscar sua bicicleta, a realização de um sonho. “Joguei o dinheiro em cima do balcão com tanto ímpeto e já fui logo exigindo ‘me dá minha bicicleta’, ‘me dá minha bicicleta’”, relembra. “O meu sonho era mais importante do que o dinheiro, o ganhei para realizar um sonho”. Naquele momento, Reinaldo ainda era incapaz de perceber que a bicicleta, o raciocínio matemático e o empenho em adquiri-la o conduziriam, a partir daquela conquista, a desenvolver um método próprio, autêntico, que o torna hoje independente financeiramente. Reinaldo Domingos é educador financeiro, palestrante e escritor. Propaga pelos quatro cantos o método que desenvolveu – o DSOP, que conheceremos mais adiante. Faz parte de seu patrimônio sua própria editora e distribuidora de seus livros. Tornou-se também editor e distribuidor independente. Trabalhou para isso quando muitas livrarias imponentes não se interessaram em publicar suas obras. Hoje somam dez livros publicados, entre eles, o título Eu mereço ter dinheiro. Desenvolveu também a primeira coleção didática de educação financeira para o ensino básico que está nas mãos 350 mil crianças de todo o país.


Aos 20 anos rumou para São Paulo, trabalhar como auxiliar de contabilidade e sempre praticando a lição que aprendeu aos 12: guardar parte do salário – religiosamente todos os meses. Abriu sua própria empresa de contabilidade, que empregava um funcionário e hoje, são 300. Aos 37 anos conquistou sua independência financeira. “Foi quando passei a trabalhar por prazer e não por necessidade e a partir de então comecei a escrever para ajudar as pessoas a se tornarem independentes também”. O método DSOP – D de diagnosticar. S de sonhar. O de orçar. P de poupar. O que ensina Domingos? Ele responde: “O consumo consciente, priorizando os sonhos e equilibrando o orçamento”. O que é diagnosticar? O educar ensina que todos devem cultivar o hábito de, anualmente, e também a cada 30 dias, diagnosticar as receitas e as despesas e reduzir os gastos em 30% todos os anos. É sua principal recomendação. Feito o diagnóstico, em seguida devem ser estabelecidos os sonhos de curto, médio e longo prazos. “É aplicar a metodologia da bicicleta, que é definir o quanto será guardado todos os meses e por quanto tempo, para realizar os sonhos de curto, médio e longo prazos”, explica. É importante, alerta Domingos, que o montante a ser guardado aconteça antes do pagamento das despesas. E assim o ciclo se fecha: diagnosticar os gastos, definir os sonhos, orçar o quanto precisa ser economizado todos os meses para a realização destes sonhos e, por último, poupar sempre. “Tudo o que envolve dinheiro, se há economia o sonho chega mais rápido”. E foi escrevendo sobre tudo isso que ele descobriu ser mentor de um método. Educação financeira – Domingos conta que estabeleceu guardar parte do seu salário, almejou sonhos de curto, médio e longo prazos e fez destas ações seu método. “Sempre tive muito medo de não poder comprar uma bicicleta para meu filho”. Ao contrário do que muitos pensam a educação financeira não tem relação com cálculos ou planilhas, “mas sim, com comportamento”, ressalta. “É preciso mudar os hábitos de como lidar com dinheiro”. Quando prioridades são estabelecidas, “não saímos por aí torrando tudo o que ganhamos. Não somos orientados a guardar para realizar sonhos”. A receita de Domingos: primeiro guardar o dinheiro do sonho, depois o gasto com a família e depois o gasto com você. Para sonhos curtos, ele recomenda a poupança, para os médios, CDB´s ou tesouro direto e a previdência privada para os sonhos longos. “Quem paga juros realiza menos sonhos”. Efeito do endividamento nos colaboradores – Com larga experiência em treinamentos em organizações, Domingos afirma que entre 60% e 70% dos trabalhadores brasileiros estão endividados. Seja pela forma como administram seus salários ou como conduzem suas dívidas, o fato se reflete pela ausência de educação financeira. Para o educador, o problema não é o crédito fácil, e sim, endividar-se acima de sua capacidade e não ter condição de pagar. “Como ter um cartão de crédito com limite três vezes superior ao salário? A metodologia corrige esse hábito”, afirma. O endividamento dos colaboradores, segundo Domingos, prejudica a carreira e a produtividade, gera demissões provocadas, absenteísmo e presenteísmo, baixa auto-estima, problemas de relacionamento com colegas, líderes e familiares. “A educação financeira leva a uma conscientização e o segredo é ter uma metodologia de começo, meio e fim”.


Veículo: Infomoney Data: 13/06/2013 Editoria: Economia Site: https://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/post/2820334/periodo-feriasnao-pode-ser-sinonimo-dividas

Período de férias não pode ser sinônimo de dívidas É muito comum, nas férias, as pessoas perderem o controle de suas finanças e acabarem se endividando. Veja algumas dicas para não deixar que o que era para ser diversão se transforme em preocupação.

Em nosso país, as férias ocorrem, habitualmente, em julho e dezembro. No entanto, o que era para ser um sonho vira facilmente um pesadelo. Isso porque a maioria das pessoas não faz o planejamento correto e não possui o costume de poupar.

Assim, o ideal é planejar com antecedência o que vai fazer – viagens ou passeios, por exemplo –, saber a sua real situação financeira, estabelecer quanto poderá gastar e, assim, começar a guardar a quantia com seis a 18 meses de antecedência, garantindo que não irá estourar o orçamento ou se frustrar durante as férias, procurando destinos e programas que sejam compatíveis com a renda.

Se houver crianças, explique o motivo das escolhas feitas e as limitações que possuem. Elas entendem muito mais do que pensamos e, com isso, evita-se discussões e chateações durante o passeio.

Com gastos bem definidos e disciplina para cumprir o combinado, as preocupações diminuem e sobra mais tempo para a diversão. Mas, cuidado, muitas vezes, a empolgação toma conta do momento e acaba-se gastando mais do que se tem, usando o limite do cheque


especial ou o cartão de crédito. Pode ser útil na hora, mas, depois, vem a cobrança, e com juros. Será que vale a pena satisfazer uma vontade agora e correr o risco de se endividar mais tarde?

Seguem abaixo algumas orientações para quem quer aproveitar bem as férias:

1. Antes de qualquer coisa, é preciso fazer um diagnóstico da situação financeira da família (endividado, equilibrado financeiramente ou poupador); 2. Com essa informação, é possível saber quanto poderá investir para a realização de um dos sonhos coletivos: a viagem de férias; 3. A partir daí, deve-se reunir a família (inclusive as crianças) para decidir quais os lugares que podem ir com o dinheiro que têm. 4. Escolhidas as preferências, é essencial fazer uma pesquisa na internet e em agências de viagens para encontrar os melhores pacotes e vantagens; 5. É muito comum as famílias, por não se planejarem, não conseguirem honrar suas dívidas, tornando-se inadimplentes. Vale a pena esperar mais um tempo antes de viajar para que tudo fique sob controle; 5. Se for viajar de carro, faça uma revisão, verifique documentação e seguro e somente dirija se estiver em boas condições físicas; 6. Caso a viagem seja para outro país, aconselho que, após comprar moeda estrangeira, coloque 80% da quantia em um cartão pré-pago e carregue 20% em espécie; 8. Se possível, não use cartão de crédito em caso fora do país, pois, aos valores serão somados a conversão da moeda e um custo de 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).


VeĂ­culo: Jornal de GravataĂ­ Data: 12/06/2013 Editoria: Economia Site: http://issuu.com/jornaldegravatai/docs/1732


Veículo: SBT Manhã Data: 11/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/32616/SBT-Manha-integra-11-de-Junho.html

Educador Financeiro Reinaldo Domingos no SBT Manhã


Veículo: iG Data: 11/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://economia.ig.com.br/financas/impostoderenda/2013-06-11/ja-sabe-comousar-a-restituicao-do-ir-confira-dicas-por-faixa-de-valor.html

Já sabe como usar a restituição do IR? Confira dicas por faixa de valor Uso do dinheiro liberado pela Receita Federal pode variar conforme situação financeira e nível de endividamento. Primeiro lote do ano, de R$ 2,8 bi, é recorde

Thinkstock/Getty Images Remessa recorde de R$ 2,8 bilhões foi liberada pela Receita para consulta nesta segundafeira (10) Se você está entre os quase dois milhões de contemplados com o primeiro lote de restituições do Imposto de Renda 2013 (ano-calendário 2012), mas não decidiu como usar


o dinheiro, ainda há tempo de fazer uma avaliação para utilizá-lo da melhor forma e, assim, evitar arrependimentos. Leia mais: Receita libera hoje consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda 2013 A remessa recorde de R$ 2,8 bilhões foi liberada pela Receita Federal para consulta nesta segunda-feira (10), e deve ser paga aos contribuintes no próximo dia 17 de junho. Antes de esvaziar a conta com compras por impulso, o contribuinte que receber a restituição deve repensar seu orçamento e planos futuros. O dinheiro pode ter destinos variados, conforme o objetivo financeiro, o grau de endividamento e o padrão de vida, segundo o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. De acordo com o consultor, o uso da restituição pode variar com base em três perfis financeiros: Endividado – Se há dívidas, mas elas estão sob controle – quando as prestações são pagas mensalmente, sem atraso –, o consultor aconselha que a restituição não seja destinada para bancar as parcelas. Este dinheiro é mais recomendado para quitar uma dívida que saiu do controle. “Para livrar-se dos altos juros do cheque especial, por exemplo, ou sair da inadimplência, a restituição é uma boa saída”, diz. Usar o dinheiro para acabar com a dívida é bom negócio. Mas é preciso combater a causa do endividamento, e não seu efeito, para livrar-se de um novo aperto financeiro. Quem financia um imóvel, por exemplo, não deve usar a restituição para pagar as prestações. “É melhor guardar o dinheiro para uma reserva estratégica, para futura necessidade de pagar o financiamento”, recomenda o especialista. Equilibrado, mas sem reserva – Se o contribuinte consegue pagar as contas em dia, mas é incapaz de criar uma reserva financeira, o consultor recomenda usar o dinheiro da restituição para começar a poupar. “É melhor guardá-lo para uma emergência futura”, aconselha. O dinheiro pago pela Receita também é oportuno para criar o hábito de economizar e, assim, ter mais tranquilidade em um eventual aperto financeiro. Também é o momento para rever o padrão de vida e avaliar a razão de não conseguir juntar dinheiro, segundo o consultor. Poupador – O contribuinte que não possui dívidas a pagar e já conta com uma boa reserva guardada para emergências tem mais liberdade para escolher o que fazer com o dinheiro da restituição. É uma oportunidade, por exemplo, para realizar melhorias de vida, fortalecer sonhos antigos ou criar novos objetivos para o futuro. Uma alternativa é usar o valor para uma viagem nas próximas férias, ou fazer uma reforma na casa, evitando desembolsar o dinheiro de uma reserva ou aplicação. RESTITUIÇÃO POR FAIXAS DE VALOR Quando o contribuinte conhece bem sua situação financeira, possui uma reserva para emergências e não perdeu o controle das dívidas, fica mais fácil traçar planos. Veja as recomendações do possível uso da restituição por faixas de valor:


Até R$ 1 mil – Se o objetivo é poupar para alcançar um sonho futuro, a maior parte das aplicações de renda fixa permite começar a investir com valores bem abaixo de R$ 1 mil. A caderneta de poupança não exige um aporte mínimo, não cobra impostos (como o IR) e tem alta liquidez, permitindo sacar o dinheiro a qualquer momento. No Tesouro Direto – que aplica em títulos da dívida pública –, o valor inicial é de cerca de R$ 80 para a compra, e de R$ 30 para aplicações agendadas. Diversificar o investimento com renda variável, mais arriscada, é outra opção para tentar obter rendimentos maiores. Na Bolsa de Valores, com menos de R$ 200 é possível aplicar em fundos de índices, como os ETFs (Exchange Traded Funds). Se as contas estão em dia, também é possível usar o dinheiro para as próximas férias, e guardar a reserva já existente para outros objetivos. De R$ 1 mil a R$ 3 mil – Se a quantia devolvida pela Receita foi mais generosa que o esperado e não há necessidade imediata do uso do dinheiro, é a oportunidade para dividir o valor em sonhos de curto, médio e longo prazo. No curto prazo, por exemplo, pode-se aproveitar para trocar o carro, comprar um móvel de casa ou um computador que estejam desgastados. No médio prazo, é possível começar a poupar para dar entrada no financiamento de um imóvel, por exemplo. No longo prazo, o contribuinte pode iniciar um plano de previdência privada, como complemento da aposentadoria. A partir de R$ 3 mil – Restituições acima deste valor também podem ser divididas em três objetivos: para o presente, para daqui a alguns anos ou para um futuro mais longínquo.Quando a situação financeira é mais confortável, o contribuinte pode acomodarse e deixar o dinheiro parado na conta corrente, para gastos do cotidiano. O consultor financeiro Domingos, no entanto, não recomenda este uso. “Se o dinheiro ficar parado na conta sem um destino próprio, ele vai virar pó”, adverte. Quando não se sabe o que fazer com o dinheiro, o melhor é aplicá-lo, definindo um possível uso para ele no futuro, seja a compra de um carro, um imóvel ou a aposentadoria, recomenda o especialista.


Veículo: Consumidor Moderno Data: 10/06/2013 Editoria: Sustentabilidade

Site: http://consumidorconsciente.eco.br/index.php/2012-11-22-13-04-10/item/523educa%C3%A7%C3%A3o-financeira-%C3%A9-o-caminho-para-o-consumoconsciente.html

Educação Financeira é o caminho para o consumo consciente

Mudar hábitos e costumes com relação ao uso do dinheiro não é algo que melhora, apenas, a saúde financeira, mas que modifica toda uma filosofia de vida. Para que adquirir mais do que eu preciso?

Perguntas como essas devem ser feitas a si mesmo antes e durante as compras. Ao longo do dia, consumimos tantas coisas que, muitas vezes, nem percebemos quantos itens


supérfluos compramos. Se você é um daqueles que não possui controle sobre os seus gastos, uma boa dica é fazer um apontamento de despesas.

Coloque no papel tudo o que você consome, durante 30 dias, separando os itens por categoria: restaurante, transporte, guloseimas e até gorjetas. Só assim será possível fazer um diagnóstico exato de sua vida financeira, a fim de encontrar no que, exatamente, estão ocorrendo os excessos.

Com os gastos controlados, é hora de saber o que fazer com o dinheiro que vai sobrar. Relacione, no mínimo, três sonhos (de curto, médio e longo prazos). Se tiver família, chame todos para participar de uma conversa – inclusive as crianças –, na qual cada um vai expor as suas metas.

Tanto os sonhos individuais quanto os coletivos devem ser a prioridade nesse momento. Para isso, é necessário orçar, ou seja, saber quanto eles custam, ter consciência de sua realidade financeira e, então, poupar para, depois de certo tempo, realizá-los.

Os desejos imediatos, na maioria das vezes, comprometem o orçamento e acabam atrapalhando os objetivos com maiores prazos. Tenha muito cuidado ao parcelar suas compras, pois isso significa ter um compromisso mensal. É nessa hora que se deve perguntar a si mesmo: “Eu preciso disso agora?”.

A prática do consumo consciente é algo que vem com o tempo. Persistência e disciplina são as palavras de ordem. Só assim será possível mudar as estatísticas de endividamento (e até inadimplência) de grande parte da população mundial.

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira, Presidente da Abefin (Associação Brasileira dos Educadores Financeiros),


autor dos livros Terapia Financeira, Eu Mereço Ter Dinheiro, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.


VeĂ­culo: Metro Data: 10/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://issuu.com/metro_brazil/docs/20130610_br_brasilia


Veículo: Band Data: 10/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://noticias.band.uol.com.br/cidades/minasgerais/noticia/?id=100000605105

Receita libera consulta ao 1º lote do IR Fisco pagará valor recorde de R$2,8 bilhões em restituições.

A Receita Federal libera nesta segunda-feira a consulta ao 1º lote de restituições do IR (Imposto de Renda). Serão creditados mais de R$ 2,8 bilhões, um recorde histórico para o fisco.

Segundo a Fazenda, a maioria dos valores restituídos refere-se a declarações feitas este ano. No total, quase 2 milhões de contribuintes devem receber o dinheiro. O pagamento está agendado para a próxima segunda-feira, 17 de junho.

No bolo, também estão lotes residuais de 2011 e 2012. Para consultar sua situação, acesse o site da Receita.


Com o dinheiro extra, muitos brasileiros já fazem planos. O educador financeiro Reinaldo Domingos lembra, porém, que essa pode ser uma boa oportunidade para proteger o patrimônio, iniciando uma pequena reserva.

“Antes de mais nada, é preciso lembrar que a restituição é um ganho do contribuinte que foi retido e, agora, será devolvido”, ressalta.

Domingos tem conselhos diferentes para cada perfil. Quem está com as contas em dia e já tem o hábito de poupar pode usar a restituição para algum luxo, como o pagamento das férias de julho.

Brasileiros “equilibrados”, que não têm dívidas, mas não conseguem poupar, devem aproveitar a folga para criar um fundo. “É importante pensar nisso. É o que vai ajudar na realização de sonhos ou garantir uma reserva estratégica”, aponta.

No caso dos endividados, a recomendação não é apenas pagar parcelas atrasadas, ou usar a restituição para cobrir o cheque especial. “Isso só funciona se a pessoa fizer uma boa faxina financeira antes, recuperando o controle de suas contas. Caso contrário, vai estar na mesma situação, e sem esse dinheiro extra daqui a um mês”, alerta Domingos.


Veículo: O Globo Data: 08/06/2013 Editoria: Globinho Site:

Divulgação do livro Nina e a Lamparina, no Globinho


Veículo: Correio Braziliense Data: 08/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2013/06/08/internas_eco nomia,443728/governo-libera-restituicao-do-irpf-para-consumidor-poder-pagar-asdividas.shtml

Governo libera restituição do IRPF para consumidor poder pagar as dívidas Publicação: 08/06/2013 09:01 Atualização: 08/06/2013 09:43 A Receita Federal anunciou nessa sexta-feira a liberação do primeiro lote de restituição do Imposto de Renda (IR) para 1,9 milhão de contribuintes. A estratégia do governo ao liberar o maior montante da história – de R$ 2,8 bilhões – é aquecer o consumo e dar estímulo à economia estagnada. A consulta será liberada às 9h de segunda-feira e o dinheiro será depositado em 17 de junho.

O valor liberado – já acrescido da taxa básica de juros (Selic) – inclui, além do primeiro lote do IR 2013, parcelas residuais de 2009 a 2012. Inicialmente, foram priorizados os contribuintes idosos, portadores de necessidades especiais e com doenças graves, que totalizam 1,7 milhão dos beneficiados.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte terá de acessar o portal do fisco (www.receita.fazenda.gov.br) ou o Receitafone (146). Neste ano, também será possível consultar o lote por meio do aplicativo para tablets e smartphones. O valor ficará disponível no banco por um ano. Caso o resgate não seja feito, o cidadão terá que requerer o dinheiro à Receita. Se o valor não entrar na conta, o órgão orienta que a pessoa procure uma agência do Banco do Brasil para agendar o crédito em qualquer banco.

Neste ano, 26 milhões de pessoas declaram o Imposto de Renda da Pessoa Física. Calcula-se que pelo menos 52% desses contribuintes terão direito a restituição. Em abril, a Receita


Federal estimou que ao menos R$ 12 bilhões sairão dos cofres públicos de volta aos contribuintes que declararam o IR em 2013. O número, no entanto, pode crescer à medida que os milhões de brasileiros que, anualmente, perdem o prazo, prestem contas ao Leão. Só no ano passado, quase 1 milhão de cidadãos declararam após o prazo. No total, serão sete lotes de restituições, entre junho e dezembro.

Planejamento O objetivo do governo com o megalote anunciado é dar novo fôlego ao consumo. Mas os especialistas recomendam cautela na hora de gastar a restituição. Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, o melhor destino para o montante recebido é a poupança. “É importante ter reservas”, afirmou. Segundo ele, a decisão sobre o que fazer com o dinheiro — investir, poupar ou quitar dívidas — deve ser pensada com antecedência. “Se a pessoa não se planejar, corre o risco de o dinheiro cair na conta e se evaporar, ser gasto sem que ela perceba”, explicou.

No caso de endividamento, Domingos recomenda que a pessoa analise a dívida e veja se é realmente necessário antecipar o pagamento. “Se for uma dívida controlada, como um financiamento, e que está sendo paga em dia, pode valer mais a pena poupar o dinheiro da restituição”, disse. Quando os juros envolvidos são altos – como cartão de crédito ou cheque especial, por exemplo – ou as contas atrasadas saíram do controle, o melhor é quitar logo os valores, livrando-se das prestações. “Nesse caso, a pessoa tem que fazer uma faxina financeira, senão, daqui a pouco meses, vai estar enrolada com contas vencidas novamente” orientou.


Veículo: O Povo Data: 08/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2013/06/08/noticiasjornaleconomia,307 0870/irpf-2013-receita-libera-na-segunda-feira-consulta-ao-1-lote.shtml

Receita libera na segunda-feira consulta ao 1º lote Uma pesquisa sobre hábitos financeiros dos brasileiros traz um dado preocupante: 69% dos entrevistados disseram não poupar. A consulta, encomendada pela Serasa Experian ao Ibope, revela ainda que 35% das pessoas sentem mais prazer em gastar o dinheiro imediatamente do que em poupar, enquanto 30% compram por impulso.

Para Carlos Henrique de Almeida, economista da Serasa Experian, o resultado demonstra a falta de interesse em fazer poupança. “Isso demonstra o desconhecimento das vantagens de ter investimento e da necessidade de ter algo para o futuro”, afirma.

E esse costume de não poupar vem de longe, segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente do Instituto DSOP. “As pessoas não poupa

A sondagem ainda traz outros dados interessantes, como o que indica que 38% optariam por parcelar suas compras no lugar de economizar e conseguir desconto no pagamento à vista.

E mais da metade dos entrevistados (52%) não sabiam calcular corretamente o rendimento de uma aplicação financeira. (da Agência Estado)


Veículo: Correio 24h Data: 08/06/2013 Editoria: Esporte

Site: http://www.correio24horas.com.br/esportes/detalhes/detalhes-1/artigo/cardapio-daarena-fonte-nova-tera-agua-mineral-a-r-6-na-copa-confira-outros-itens/

Cardápio da Arena Fonte Nova terá água mineral a R$ 6 na Copa; confira outros itens O acarajé sem camarão também vai sair por R$ 6, mesmo preço dos refrigerantes 08.06.2013 | Atualizado em 08.06.2013 - 10:16 Visualizações: 13427 - Versão Impressa Tamanho da letra: -A | +A

Victor Longo victor.longo@redebahia.com.br Sorvete sabor banana ou baunilha. Chocolate branco com coco e castanha-do-pará. Refrigerantes para todos os gostos, cervejas, salgadinhos, amendoins, cachorro-quente e até acarajé. Se você pretende assistir a um dos jogos da Copa das Confederações na Arena Fonte Nova, e sair de casa de barriga vazia, terá diversas opções de guloseimas para petiscar no estádio. O Comitê Organizador da Copa do Mundo 2014, as empresas de alimento patrocinadoras e apoiadoras da Copa e a própria Fifa divulgaram, a pedido do CORREIO, o cardápio do que será vendido nos estádios durante os jogos do torneio. Os preços, determinados pela Fifa em negociação com as marcas, foram divulgados ontem pela entidade. A Fifa anunciou que a água mineral, garrafinha com 500 ml, será comercializada dentro do estádio por R$ 6. Hoje na Arena Fonte Nova o mesmo produto é vendido por R$ 2. No interior do estádio, quem for chocólatra de plantão não ficará sem combustível. Patrocinadora oficial da Copa, a marca Garoto (Nestlé) oferecerá duas opções de chocolate aos torcedores viciados. Uma delas, criada especialmente para a Copa das Confederações, será o novo Talento branco, com recheio de coco e castanha-do-pará. A outra será o Talento verde, ao leite e também com recheio de castanha-do-pará. A Fifa informou que a barrinha de chocolate custará R$ 7, sem especificar valores diferenciados para os dois tipos. A garoto fabrica o Talento de 100g e 25g. Para os que querem aliviar o calor, a mesma empresa terá exclusividade na venda de sorvetes dentro da Fonte Nova e de todos os estádios da Copa. De acordo com a assessoria de imprensa da Garoto, as opções de sorvete serão quatro: o Cone Serenata de Amor; o Talento Vermelho, no palito e com sabor avelã; o Pega Pop Deskaska, que tem sabor banana; e o lançamento Show de Bola, com formato de bola


de futebol e sabor de baunilha e chocolate. “Os preços não foram definidos, mas não serão praticados os preços de mercado”, informou a assessoria do grupo. No cardápio divulgado pela Fifa, a entidade também não informa o preço e o tipo do sorvete e apenas se limita a informar que será da marca Garoto. Os que preferem se refrescar com cerveja poderão comprar duas marcas da holding Ambev: a nacional Brahma (pagando R$ 9 por 473 ml — conteúdo um pouco maior que uma lata) e a importada Budweiser (R$ 12, a mesma quantidade). A Brahma Zero (R$ 6), versão sem álcool, será a opção para quem preferir não se embriagar para assistir todos os detalhes dos jogos. Hoje, nos bares da Fonte Nova, a cerveja (apenas sem álcool) é compradas em latinha, mas entregue aos torcedores em copos plásticos. Os que preferem manter a sobriedade, optando por bebidas não alcóolicas, terão que recorrer ao leque de opções da marca Coca-Cola. “Teremos Coca-Cola regular, Coca-Cola Zero, Kuat, Sprite, Água e Powerade”, afirmou o setor de comunicação do grupo. A assessoria de comunicação da Fifa informou que o produto será vendido em embalagens de 600 ml e custará R$ 6. A McDonalds, uma das patrocinadoras oficiais da Copa do Mundo da Fifa, informou que não venderá lanches dentro do estádio. Todas as lojas localizadas nas proximidades do estádio funcionarão normalmente, com o cardápio habitual e sem alterações de preços. A Seara, holding de alimentos detentora de oito marcas e que também patrocina a Copa, não informou que produtos venderá durante os jogos. cachorro-quente Segundo a Fifa, também haverá cachorro-quente e a já tradicional pipoca. O preço do hot dog repetirá o da Arena Fonte Nova: R$ 8. O valor é o dobro da rede Doggis, do Shopping Iguatemi, por exemplo, onde o pão com salsicha custa, em média, R$ 4. No interior do estádio, as empresas Aramark e a Convivas Brasil serão as responsáveis pela comercialização dos produtos (segundo a Fifa, ambas foram escolhidas através de licitação). O educador financeiro Reinaldo Domingos, do Instituto DSOP, de São Paulo, explica que o fenômeno dos preços altos se chama preço-oportunidade. “É o valor cobrado a mais em eventos especiais, por conta do aumento da procura”, explica. Para os que não querem gastar dinheiro, ele recomenda sair de casa alimentado, mas admite exceções. “Vale a pena economizar antes para poder se divertir. Em um evento como esse, ainda mais para quem já gastou tanto com ingresso, gastar um pouco mais faz parte do show”, pondera.


Acarajé será vendido em 'área VIP' de patrocinadores O governo do estado apresentou, ontem, o plano para venda de acarajés na Fonte Nova. Como adiantado pelo CORREIO, o bolinho será vendido por 6 baianas filiadas à Associação das Baianas de Acarajé e Mingau do Estado da Bahia (Abam), custando R$ 8 com camarão e R$ 6 sem camarão. As escolhidas foram baianas Meirijane Bonfim e Solange Silva (sem ponto), Norma Dias (Terreiro de Jesus), Tânia Bárbara (Farol da Barra), Elaine Michele (Gbarbosa do Stiep), e a presidente da Abam, Rita Santos. “Venderemos acarajé, abará, cocada, bolinho de estudante e passarinha”, disse Rita. Elas ficarão no commercial display, área sobre as bilheterias onde serão vendidos os suvenires da Fifa e de acesso exclusivo a quem tem ingresso. “É a área VIP da Fifa”, disse Rita. Em outros estados, também haverá menu local. No Recife, será bolo de rolo; no Rio de Janeiro, biscoitos Globo, e em Belo Horizonte, feijão tropeiro, informou a Fifa.


Veículo: Diário do Nordeste Data: 08/06/2013 Editoria: Esporte

Site: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1276889

Dicas para dar presente sem se endividar demais 08.06.2013

Especialista aponta que compras motivadas apenas pela emoção podem acabar prejudicando a relação Para festejar o Dia dos Namorados, muitos casais não medem esforços para impressionar o parceiro e acabam comprometendo o orçamento. O educador financeiro e presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, chama a atenção para a importância de evitar o endividamento desnecessário e afirma que o excesso de dívidas pode até esfriar a relação. Opções de presentes que envolvem recordações são mais marcantes para os casais por abrangerem cheiros e sensações Foto: Miguel Portela "Nessa data, o comércio procura faturar mais, já que sabe que as compras são motivadas pela emoção, não pela razão, e, em alguns casos, pela insegurança. Alguns casais, no início do namoro, acham que é preciso impressionar o outro com um presente caro. O risco é que as prestações podem durar mais do que o namoro. E se a relação estiver dependendo de presentes caros para prosperar, não é uma relação sadia nem verdadeira", alerta.


Mas se depender das opções de presentes disponíveis no varejo, é possível reforçar o romantismo e surpreender, gastando menos ou mais, a depender das condições do bolso de cada um. Afinal, "o sentido de presentear é dar algo que fará o amado ou amada lembrar quem o (a) presenteou". Presentes que envolvem cheiro, por exemplo, costumam ser marcantes para qualquer relação. Na área de perfumaria o que não falta são opções de produtos e preços para o presente dos enamorados. Boticário A partir de R$ 30 é possível adquirir um kit de boa qualidade para deixar o amor ainda mais cheiroso. Se no bolso couber só uma lembrancinha para a data não passar em branco, não tem problema. Com menos de R$ 10,00 dá para fazer um carinho diferenciado ao amado. Por apenas R$ 7,50 dá para comprar um cartão com sabonete Dia dos Namorados no Boticário, que servirá de acessório para compor o kit desejado. Entre as opções para acompanhar presentes da marca estão itens exclusivos como garrafa térmica (R$ 48,00) e nécessaire unissex (R$ 29,99). Dentre vários lançamentos de perfumaria, o Boticário disponibiliza estojos que custam de R$ 39,99 a R$ 159,00. A primeira opção é o estojo temático Passione Hot & Cold, que inclui um óleo de massagem corporal Hot (60ml) e um óleo de Banho Perfumado Cold (60ml). A última indicação é o estojo Glamour Secrets Black Namorados, que reúne colônia (75ml), óleo de banho (150ml), creme hidratante para as mãos (75g) e sabonete (90g). Natura Na faixa até R$ 30,00 a Natura dispõe do kit Todo dia frutas vermelhas, com sabonete líquido para o corpo, hidratante de banho e creme para mãos. Outro destaque é o estojo Seve, de R$ 63,90, contendo um óleo desodorante corporal, um óleo desodorante corporal iluminador sem enxágue, dois sabonetes em barra puro vegetal, além de embalagem de presente. Por R$ 87,00 é possível presentear a namorada com um kit da linha Ekos, contendo um óleo trifásico de Pitanga Amarela (200 ml), um néctar hidratante de Pitanga Preta (250 ml), um frescor de Pitanga (75 ml), mais três sabonetes em barra (100 g cada) com embalagem. Para presentear o namorado, por R$ 125 a Natura oferece kit com


desodorante colônia Homem Elemento, shampoo 4 em 1, balm após barba e três sabonetes em barra. Tudo com nécessaire exclusiva e embalagem de presente. Para quem gosta de importados, a L´Occitane en Provence também tem opções de presentes para os cuidados com o rosto, corpo e cabelos dos homens e mulheres, além de tratamentos individuais e para casais no SPA da marca. No total a marca dispõe de doze itens para deixar a data mais cheirosa e especial. Importado Por R$ 65,00 uma opção é o sabonete líquido para corpo e cabelo L´Occitan. Perfeito para namorados e com o poder de purificar e limpar o corpo, além de dar brilho ao cabelo, o produto rende e deixa a pele e os fios com um delicioso perfume. Para os namorados clássicos que gostam de um perfume marcante e sofisticado, o Eau de Toilette L´Occitan, enriquecido com ingredientes ricos e naturais da Provence e conta com notas de Lavanda, Pimenta Preta, Noz Moscada e Canela, custa R$198,00.


Cautela pode ajudar na hora da compra Viagens, flores, jantar romântico. Faltam apenas cinco dias para o Dia dos Namorados, mas a procura pelo presente ideal pode gerar um consumo excessivo aos casais quem saem às compras, avalia a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Sites de compras coletivas podem ser uma opção para quem deseja economizar no presente para o Dia dos Namorados


De acordo com a federação, os consumidores que pretendem comprar um presente precisam planejar para saber o quanto podem gastar. Para o diretor de educação financeira da Febraban, Fábio Moraes, é na hora do impulso que muitas pessoas acabam se endividando. "Na ansiedade de comprar um bom presente para agradar quem irá recebê-lo, muitos não pensam se o valor do objeto caberá no orçamento e acabam, simplesmente, comprando sem pensar". Conforme Fábio, antes de comprar é preciso pensar na validade das coisas, na sustentabilidade do consumo, "faça avaliações se o objeto que você irá consumir terá utilidade na vida do outro, ou se simplesmente será mais um objeto que ficará guardado na prateleira", diz ele. Fábio comenta que presentes, como jantar romântico ou viagem no fim de semana, pode ser o desequilíbrio daquelas pessoas que não sabem ponderar seus gastos. "Se a pessoa não coloca na ponta do lápis, ela pode se enrolar. É importante que o casal pense que a data comemorativa pode ser registrada sem precisar onerar o orçamento. A sinceridade financeira também conta muito nesta ocasião, se um dos lados está com problemas com as finanças é melhor abrir o jogo para não deixar que o parceiro crie uma expectativa de receber presentes caros. Combinar o jogo é sempre a melhor opção", acrescenta Fábio. Segundo economistas da Serasa Experian, o consumidor endividado deve ter bastante cautela e evitar comprar presentes caros para não comprometer ainda mais a sua renda. Para isso, é necessário se programar e fazer as contas de todas as dívidas que já possui e os gastos que devem entrar nos próximos meses. Pesquisa Verificar preços também é fundamental, tanto para os presentes quanto para serviços, como a entrega de flores e o jantar romântico. Uma ferramenta que é bem útil para pesquisa de preços é a internet. "É necessário que o consumidor utilize essa ferramenta para encontrar boas oportunidades de negócios, mas não se desvie do seu foco e evite cair em ofertas ´imperdíveis´, que podem aparecer como um incentivo a gastar ainda mais", ressalta o diretor da Febraban. Sites de compras coletivas também podem ser um boa opção, por oferecerem descontos interessantes. Entretanto, é preciso manter a atenção para não comprar por impulso e fugir do planejamento das contas. Vale também procurar restaurantes que fazem pacotes especiais para o Dia dos Namorados, com jantar e bebidas incluídas, pode ser uma boa escolha.


Segundo dados da Hitwise, ferramenta de inteligência em marketing digital da Serasa Experian, os termos mais buscados pelos internautas foram: textos, frases, depoimentos, fotos e mensagens de amor. Cartão de crédito Além disso, é preciso evitar os parcelamentos em longo prazo, pois eles aumentam o risco de descontrole e podem levar à inadimplência, alertam os economistas da Serasa Experian. Se for utilizar o cartão de crédito, é importante ter consciência dos juros lançados sobre o pagamento rotativo. Como a tendência é de alta na taxa básica, se o consumidor atrasar o pagamento de alguma fatura, poderá arcar com uma correção maior, acrescenta o Serasa. "Para evitar o ´nome sujo´ e dívidas em excesso, antes de comprar algum objeto, os consumidores devem pensar em consumir com consciência. Uma dica pode ser responder a três questões: Eu quero? Eu posso? Eu realmente preciso? Essas perguntas podem guiar consumidores com dificuldades de se organizar", finaliza Fábio Moraes.


Veículo: Diário do Grande ABC Data: 07/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.dgabc.com.br/Noticia/460865/estudo-mostra-que-69-dos-brasileirosnao-poupam

Estudo mostra que 69% das pessoas não poupam

Uma pesquisa sobre hábitos financeiros dos brasileiros traz um dado preocupante: 69% dos entrevistados disseram não poupar. A consulta, encomendada pela Serasa Experian ao Ibope, revela ainda que 35% das pessoas sentem mais prazer em gastar o dinheiro imediatamente do que em poupar, enquanto 30% compram por impulso. Para Carlos Henrique de Almeida, economista da Serasa Experian, o resultado demonstra a falta de interesse em fazer poupança. "Isso demonstra o desconhecimento das vantagens de ter investimento e da necessidade de ter algo para o futuro", afirma. E esse costume de não poupar vem de longe, segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente do Instituto DSOP. "As pessoas não poupam por causa dos próprios hábitos de consumo. Quando crianças, aprenderam a pegar dinheiro e comprar, então, quando se tornam adultos, qualquer sobra de dinheiro é gasta", afirma.


A sondagem ainda traz outros dados interessantes, como o que indica que 38% optariam por parcelar suas compras no lugar de economizar e conseguir desconto no pagamento à vista. E mais da metade dos entrevistados (52%) não sabiam calcular corretamente o rendimento de uma aplicação financeira. Segundo Almeida, esse grupo é formado majoritariamente por pessoas de escolaridade menor, com conhecimento básico de finanças e renda mensal inferior a 10 salários mínimos. Por outro lado, a maior parte dos 48% que souberam fazer corretamente as contas de rendimento de aplicação financeira compartilha o fato de terem concluído o curso superior e de terem renda mensal acima de 10 salários mínimos. Por região, os moradores do Sul demonstraram ter mais controle financeiro, seguidos pelos do Sudeste, Centro-Oeste e Norte/Nordeste. Hábito Mas se sete em dez brasileiros não têm o costume de guardar dinheiro, pode parecer difícil vislumbrar no horizonte uma forma de começar a economizar. No entanto, de acordo com Domingos, a solução para esse impasse não é tão complicada. "Não acho que a dívida seja o problema, e sim a ausência de sonhos e objetivos claros na vida das pessoas. É preciso estruturar um plano de vida e resgatar o que se deseja a curto, médio e longo prazo", afirma. Para isso, comece fazendo um diagnóstico do seu orçamento para verificar o destino do dinheiro. A seguir, elimine os excessos e procure não comprometer mais de 30% da renda com dívidas. Um terceiro passo seria definir metas de curto, médio e longo prazo, e começar efetivamente a poupar. "Para cada tempo existe um investimento que se adequa a isso", afirma Domingos. No curto prazo, para objetivos de até um ano, como viajar, o indicado é a caderneta de poupança, que tem liquidez (é fácil de sacar) e garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). No médio prazo, para metas de cinco a dez anos, o investidor pode partir para o Tesouro Direto -onde se aplicam em títulos públicos indexados à inflação ou à taxa de juros, por exemplo-, Certificado de Depósito Bancário (CDB) ou fundos de investimento. "Nesse último caso é preciso ficar de olho na rentabilidade e na taxa de administração", afirma. No longo prazo, para aqueles objetivos superiores a dez anos, como a aposentadoria, o investidor pode continuar no Tesouro Direto, mas pode optar por títulos com vencimento maior, como 15 ou 20 anos.


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 07/06/2013 Editoria: Mercado

Site: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/06/1291507-pesquisa-mostra-quesete-em-cada-10-brasileiros-nao-poupam.shtml

Pesquisa mostra que sete em cada dez brasileiros não poupam COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Uma pesquisa sobre hábitos financeiros dos brasileiros traz um dado preocupante: 69% dos entrevistados disseram não poupar. A consulta, encomendada pela Serasa Experian ao Ibope, revela ainda que 35% das pessoas sentem mais prazer em gastar o dinheiro imediatamente do que em poupar, enquanto 30% compram por impulso. Para Carlos Henrique de Almeida, economista da Serasa Experian, o resultado demonstra a falta de interesse em fazer poupança. "Isso demonstra o desconhecimento das vantagens de ter investimento e da necessidade de ter algo para o futuro", afirma. E esse costume de não poupar vem de longe, segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente do Instituto DSOP. "As pessoas não poupam por causa dos próprios hábitos de consumo. Quando crianças, aprenderam a pegar dinheiro e comprar, então, quando se tornam adultos, qualquer sobra de dinheiro é gasta", afirma. A sondagem ainda traz outros dados interessantes, como o que indica que 38% optariam por parcelar suas compras no lugar de economizar e conseguir desconto no pagamento à vista. E mais da metade dos entrevistados (52%) não sabiam calcular corretamente o rendimento de uma aplicação financeira. Segundo Almeida, esse grupo é formado majoritariamente por pessoas de escolaridade menor, com conhecimento básico de finanças e renda mensal inferior a 10 salários mínimos. Por outro lado, a maior parte dos 48% que souberam fazer corretamente as contas de rendimento de aplicação financeira compartilha o fato de terem concluído o curso superior e de terem renda mensal acima de 10 salários


mínimos. Por região, os moradores do Sul demonstraram ter mais controle financeiro, seguidos pelos do Sudeste, Centro-Oeste e Norte/Nordeste. Hábito de poupar Mas se sete em dez brasileiros não têm o costume de guardar dinheiro, pode parecer difícil vislumbrar no horizonte uma forma de começar a economizar. No entanto, de acordo com Domingos, a solução para esse impasse não é tão complicada. "Não acho que a dívida seja o problema, e sim a ausência de sonhos e objetivos claros na vida das pessoas. É preciso estruturar um plano de vida e resgatar o que se deseja a curto, médio e longo prazo", afirma. Para isso, comece fazendo um diagnóstico do seu orçamento para verificar o destino do dinheiro. A seguir, elimine os excessos e procure não comprometer mais de 30% da renda com dívidas. Um terceiro passo seria definir metas de curto, médio e longo prazo, e começar efetivamente a poupar. "Para cada tempo existe um investimento que se adequa a isso", afirma Domingos. No curto prazo, para objetivos de até um ano, como viajar, o indicado é a caderneta de poupança, que tem liquidez (é fácil de sacar) e garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). No médio prazo, para metas de cinco a dez anos, o investidor pode partir para o Tesouro Direto - onde se aplicam em títulos públicos indexados à inflação ou à taxa de juros, por exemplo -, Certificado de Depósito Bancário (CDB) ou fundos de investimento. "Nesse último caso é preciso ficar de olho na rentabilidade e na taxa de administração", afirma. No longo prazo, para aqueles objetivos superiores a dez anos, como a aposentadoria, o investidor pode continuar no Tesouro Direto, mas pode optar por títulos com vencimento maior, como 15 ou 20 anos.


Veículo: Isto É Data: 07/06/2013 Editoria: Seu bolso

Site: http://www.istoe.com.br/reportagens/305118_CONTROLE+AS+DESPESAS+NA+TE LA+DO+SMARTPHONE

Controle as despesas na tela do smartphone Apesar da infinidade de aplicativos que ajudam na organização dos gastos, especialistas afirmam que poucos usuários aproveitam bem a ferramenta. Conheça os mais adequados ao seu perfil Fabíola Perez

Os caderninhos de anotações estão sendo substituídos por um novo aliado tecnológico: o aplicativo financeiro. No tablet ou no smartphone, não faltam opções de ferramentas digitais para quem quer gerenciar o orçamento. Os aplicativos reúnem funcionalidades que vão do controle de gastos pessoais às orientações na hora de declarar o Imposto de Renda. O presidente do Dsop Educação Financeira, Reinaldo Domingos, alerta, no entanto, que a plataforma passa a ter importância a partir do momento em que o usuário cria o hábito de registrar as despesas com frequência. “É preciso pesquisar, pedir informações e testar diferentes opções, até encontrar a melhor para o seu perfil”, afirma. O educador financeiro também explica que é fundamental dar um passo além de listar as despesas. “O que impacta no orçamento são os relatórios e as análises que essas ferramentas oferecem, por isso, é fundamental ser criterioso na hora de fazer o download.”


Existem diferentes plataformas – desde as mais simples, para quem quer praticidade, até as mais complexas, para quem deseja ter o orçamento analisado detalhadamente e apresentado em gráficos. Usados com disciplina, os aplicativos podem estimular o controle dos gastos e proporcionar economia ao usuário. Abaixo, confira algumas opções disponíveis na rede.


Veículo: Correio Braziliense Data: 06/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasileconomia/33,65,33,3/2013/06/06/internas_economia,370037/produtos-maisprocurados-para-o-dia-dos-namorados-sofrem-reajuste-de-6-84.shtml

Produtos mais procurados para o Dia dos Namorados sofrem reajuste de 6,84%Segundo o economista da FGV André Braz, o setor de vestuário foi o que representou menor variação nos preços

Ana Carolina Dinardo - DIRED Publicação: 06/06/2013 18:08 Atualização: 06/06/2013 18:06 Os varejistas estão sempre de olho nas datas comemorativas a fim de gerarem lucro para os negócios. Nada mais justo. Só que a inflação não está sendo uma boa aliada. Nesse mês não será diferente, tendo em vista que os produtos e serviços mais procurados para a comemoração do Dia dos Namorados, a próxima do calendário, tiveram um reajuste de 6,84%, taxa acima da inflação medida pelo Índice de Preços ao (IPC) nos últimos 12 meses, que registrou de 5,96%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com isso, o consumidor fica com pé atrás e, geralmente, passa a dar atenção às prioridades. Entre junho de 2012 e maio de 2013, os itens que tiveram destaque na pesquisa da FGV foram os serviços. Os shows, por exemplo, tiveram uma elevação no preço de 15,6%. Além disso, passar um fim de semana em outra cidade também está sendo um peso para o bolso. Nesse segmento, a variação foi de 11,52%. Apesar do aumento menor, um jantar romântico fora de casa subiu 8,61%. Quem optar, entre os presentes, por vestuário, pode ser uma alternativa. Segundo o economista da FGV André Braz esse segmento foi que representou uma menor variação nos preços. “Em contrapartida, quem for comprar bijuterias se deparará com um aumento acima de 10%.” Braz comentou ainda que apesar da pressão da inflação sobre vários segmentos, os casais podem aproveitar a data optando até por programas sem muito custo. Com os salários cada vez mais corroídos pela inflação, os brasileiros estão optando pelas famosas lembrançinhas apenas para não passar em branco as comemorações. No entanto, até


para os presentes mais simples será preciso preparar o bolso. Afinal, segundo o economista esse ano curtir o dia dos namorados será mais caro em relação a 2012.

A gerente Priscila Carvalho acredita que as vendas serão mais fracas este ano As estimativas do mercado, segundo a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), é de um crescimento de 5% nas vendas para este ano, expectativa menor do que o resultado de 2012, que foi de 9%. “O consumidor neste ano está se comportando de maneira diferente. O comércio já consegue sentir a substituição de presentes físicos por serviços. Assim, a aposta de crescimento é maior no segmento de bares, restaurantes, hotéis e motéis”, afirmou o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro. E na prática não é diferente. Na opinião da gerente da Bracellete, Priscila Carvalho, as vendas serão mais fracas este ano. “As pessoas estão comprando o que é mais necessário para a casa e pouco estão preocupadas com presentes”, afirmou a lojista que trabalha com o comércio de acessórios femininos e semi-joias. Priscila contou que a expectativa para o dia dos namorados é tida com base no dia das mães, que, segundo ela, foi muito abaixo do esperado. “Esperávamos um bom número de vendas”, diz, relatando que a loja esperava um volume 50% maior que os outros meses.” A mesma tendência se deu ao longo dos últimos dias em que as vendas continuam fracas. “Está parado para todo mundo”, observou. Em busca de não perder o cliente, a alternativa é oferecer descontos. “Quem trabalha em comércio já espera essas situações”, afirmou Priscila. Apesar da perspectiva ruim para a data comemorativa, a gerente não desanima. “A jóia valoriza e destaca a mulher. É um bom presente para se dar no dia dos namorados”, disse. Leia mais notícias em Economia


Cuidados Por outro lado, se não houver cuidado, o bolso do consumidor fica atolado de dívidas. Para evitar que isso aconteça, os especialistas orientam que antes da escolha do presente é preciso analisar a situação financeira para evitar cair nas garras do endividamento. Luiz Felizardo Barroso, educador financeiro, orientou que as compras por impulso são as mais perigosas. “Outro ponto que requer cuidado é o cartão de crédito.” Barroso alerta que evitar compras parceladas e de longa duração é um bom começo para se reeducar financeiramente. “É recomendável que o consumidor anote todas as despesas, assim ele conseguirá fazer o balanço das finanças sem ter dor de cabeça.” A servidora municipal de Valparaíso Patrícia Medeiros, 32 anos, pretende adotar a estratégia de não agir por impulso para não ter surpresa no orçamento. Ela conta que namora há dois anos e três meses e revela que só irá comprar o presente do parceiro quando estiver próximo da data. Outra medida de Patrícia para evitar sustos financeiros é presentear o namorado com algo que ele realmente necessite. “Não pretendo me endividar”, afirma ela, que pretende comprar algo de até R$ 200. “Posso até apertar um pouco mais o orçamento, mas não vou deixar de comprar um presente”, garantiu. Tomar alguns cuidados é importante para não fazer do momento especial um pesadelo no futuro. O educador financeiro André Massaro alerta que o consumidor precisa dizer “não” quando o crédito está comprometido. “Se o namorado ou namorada quiser ainda presentear um ao outro é recomendável que se use a criatividade que seja de pouco gasto”, disse. Ele lembra que antes da tomada de decisão é preciso analisar como está a situação financeira. “Tem que pensar que tem a programação de férias, por exemplo, ou até mesmo algum plano futuro para que não seja comprometido.” Já para Reinaldo Domingos, também educador financeiro, o importante é saber a necessidade de cada um. Ele explica que se deve saber o que a pessoa precisa naquele momento. “É recomendável que se peça descontos e depois vê se o preço se enquadra no orçamento”, orientou. Domingos destaca que o mais importante é ter um equilíbrio financeiro, sobretudo diante do cenário atual da economia. “Temos percebido que a inflação tem corroído os salários dos brasileiros então é preciso ter cuidado para gerar acúmulo de dívidas.” Atenção Apesar do clima de romance no ar, todo cuidado é pouco. Especialistas em direito do consumidor alertam para cuidados básicos na hora da compra, como exigir um comprovante fiscal e o direito de arrependimento em relação às compras feitas pela internet. A advogada Viviane Flores, especialista em direito do consumidor, alertou que quando um produto durável apresentar defeitos, de fácil constatação, o prazo para reclamar é de até 90 dias. “De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor terá 30 dias para solucionar.” Em caso de resistência, “o comprador poderá escolher entre a troca do produto, o desconto proporcional do preço, ou a devolução da quantia paga, monetariamente atualizada”, explicou. A especialista destacou ainda que os atrasos na entrega de mercadorias são frequentes ou até mesmo o recebimento de outro produto diferente do que foi comprado. “Nesse caso, o


consumidor pode aceitar outro produto, prestação de serviço equivalente ou a devolução do valor pago atualizado.”


Veículo: Maxpress Data: 05/06/2013 Editoria: Economia Site: http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,590960,Educacao_financeira_e_oportunidade_ de_negocio_na_ABF_2013,590960,4.htm

Educação financeira é oportunidade de negócio na ABF 2013

A DSOP Educação Financeira participa, pela primeira vez, da Feira Internacional de Negócios de Franquias – a maior do ramo da América Latina –, como a única empresa de Educação Financeira regularizada junto à Associação Brasileira de Franchising (ABF).

No stand, os representantes da empresa apresentarão os modelos de franquias que a DSOP oferece e as vantagens de ser um franqueado. “O modelo de franquia atual se torna mais interessante para as empresas não só por todas as vantagens que ela proporciona, mas também pela forte exposição da marca, que estará presente em mais de 65 feiras pelo Brasil este ano”, explica Frederico Loriggio, diretor de franquias da DSOP Educação Financeira. Atualmente, já são 13 Franquias da DSOP Educação Financeira existentes no Brasil, espalhadas pelos estados do Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo. Sobre a Franquia O objetivo da Franquia DSOP é oferecer uma gama de soluções em produtos e serviços, voltados à educação financeira para os mais variados públicos. Para isso, a DSOP dispõe de produtos e serviços para pessoas, famílias, empresas, entidades e instituições sobre educação financeira. As vantagens de ser um franqueado são muitas, entre elas, baixo custo de adesão - a partir de R$34 mil no caso de microfranquias –, alta rentabilidade, ganho recorrente, operação padronizada, território fechado, marca com projeções nacional e internacional – o que possibilita a atuação em diversos segmentos –, isenção de cobrança de fundo de propaganda, equipe reduzida, entre outras.

Serviço Evento: Feira ABF Data: de 12 a 15 de junho


Horário: das 13h às 21h Local: Expo Center Norte Endereço: Rua José Bernardo Pinto - Vila Guilherme


Veículo: Revista Metro Quadrado Data: 04/06/2013 Editoria: Dinheiro Site: http://www.revistam2.com.br/educacao-financeira

Educação Financeira DSOP é boa oportunidade de negócios na Bahia

A DSOP Educação Financeira lançou, recentemente, um produto que é uma boa oportunidade de negócios, com grande possibilidade de lucro: a Franquia DSOP. Segundo o presidente da empresa, Reinaldo Domingos, o caminho de franquias é natural, já que acompanha o grande crescimento que estão obtendo recentemente. “Desde 2008, a DSOP vem capacitando e habilitando educadores financeiros com base na Metodologia DSOP. São mais de 200 profissionais formados com direito de uso da marca DSOP no Brasil. Agora, com essa evolução, os negócios serão potencializados”, explica Domingos, que ressalta já possuir treze franquias, atuando em todo o país e rendendo ótimos retornos para os franqueados. “Na Bahia, ainda não estabelecemos nenhuma franquia, mas já analisamos o mercado e tivemos a percepção que é um local para investimentos. Acreditamos que, nos próximos meses, já estejamos com boas informações sobre a disseminação da educação financeira na região”, explica o presidente da DSOP. Os franqueados têm como vantagens baixo investimento e operação padronizada, podendo lograr ótimos ganhos. A marca DSOP vem se colocando como uma referência nacional e internacional, possibilitando atuação em diversos seguimentos como:


·

Escolas Públicas e Privadas;

·

Empresas Públicas e Privadas;

·

Entidades de Ensino Profissionalizante (Jovem Aprendiz);

·

Sistema EJA (Educação de Jovens e Adultos);

·

Educação Financeira para Empreendedores;

·

EAD (Ensino a Distância);

·

Pessoas Físicas e Famílias

“O objetivo da Franquia DSOP é oferecer uma gama de soluções em produtos e serviços voltados à educação financeira para os mais variados públicos. Suas vantagens são diversas, entre elas: royalties somente sobre produtos, possibilidade de ganho recorrente, apoio de equipe pedagógica, rede de educadores estruturada em todo país e, ainda, atualização constante de conteúdos sobre o tema”, explica o presidente da DSOP. A proposta da DSOP é ir muito além de apenas focar em quais as melhores opções de investimentos. O objetivo é disseminar a educação financeira e o consumo consciente na vida das pessoas. Pensando nisso, os objetivos dessa nova empreitada é ambicioso. “Queremos o mais rápido possível ter franquias em todos os estados do Brasil e também já possuímos material para atender o mercado externo”, finaliza Domingos.


Veículo: Jornal do Commercio Data: 04/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://jconlineblogs.ne10.uol.com.br/olhovivo/2013/06/

Senacon e SNDC se reúnem com Procons em Pernambuco esta semana Publicado em 04/06/2013, Às 16:50

Foto: Guga Matos/JC Imagem Pernambuco vai sediar pela primeira vez a reunião da Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon) com o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC). O evento será realizado nestas quinta-feira (6) e sexta-feira (7), das 9h às 18h, no hotel Beach Class, em Boa Viagem. Representantes de Procons de todo o País vão participar do evento, que também terá a presença da Associação Brasileira de Procons (ProconBrasil), do Fórum Nacional das Entidades Civis de Defesa do Consumidor, Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor (MPCon) e do Conselho Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condeg). Cerca de 250 pessoas devem discutir junto com a Senacon temas como a infraestrutura dos Procons do Brasil, comércio eletrônico, produtos essenciais, garantia estendida e o Plano Nacional de Consumo e Cidadania (Plandec). SENACON – A Secretaria Nacional do Consumidor foi criada pelo Decreto 7.738, de 28 de maio de 2012. A Senacon atua em planejamento, elaboração, coordenação e execução da Política Nacional das Relações de Consumo, que tem como objetivo garantir a proteção e exercício dos direitos consumidores; promover a harmonização nas relações de consumo; e incentivar a integração e a atuação conjunta dos membros do SNDC. SNDC – O Sistema Nacional de Defesa do Consumidor congrega Procons, Ministério Público, Defensoria Pública e entidades civis de defesa do consumidor, que atuam de forma integrada com a Senacon. O SNDC se reúne a cada trimestre para analisar os desafios e problemas enfrentados pelos consumidores e para formular estratégias de ação nas relações de consumo, como fiscalizações conjuntas, harmonização de entendimentos e elaboração de políticas públicas de proteção e defesa do consumidor.


Veículo: Jornal Agora Data: 04/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.jornalagora.com.br/site/content/noticias/print.php?id=43593

Falta de planejamento pode estragar sonho da casa própria, alertam especialistas

Por: Ag. Brasil Nunca os brasileiros tiveram acesso a tanto crédito e facilidades para adquirir a casa própria. Mas, na empolgação de assinar o contrato, muitos consumidores esquecem detalhes que podem virar dor de cabeça no futuro e até forçar a devolução do imóvel.

Os compradores devem estar cientes, por exemplo, do risco de a instituição bancária não liberar o financiamento que possibilitará honrar a dívida com a construtora ou de o valor sofrer alteração e ficar acima de sua capacidade de pagamento. Além disso, precisam levar em conta que terão gastos consideráveis com taxas cartoriais e bancárias, além de itens como mudança e mobília. Entidades de defesa do consumidor alertam para a necessidade de o comprador estar atento, já que, interessados em fechar negócio, muitas vezes os corretores e construtoras falham em fornecer informações a respeito. “Estamos tendo muita reclamação, pois acontece de os imóveis valorizarem e não se encaixarem mais no limite de crédito que o comprador se propôs a tomar”, explica o advogado Geraldo Tardin, presidente do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec). Segundo ele, um caso típico tem sido o imóvel ter valorização superior a R$ 170 mil, limite financiado pelo Programa Minha Casa, Minha Vida nas capitais brasileiras. Nesse caso, o consumidor não tem mais acesso aos juros reduzidos do programa e as prestações sobem. De acordo com Tardin, em ocorrências do tipo, o comprador pode buscar na Justiça uma rescisão do contrato e tentar receber de volta os valores desembolsados. “Há ainda a possibilidade de mover uma ação de obrigação de fazer contra a Caixa [Econômica Federal, agente financeiro do Minha Casa, Minha Vida]. Se o mercado valorizou, o consumidor não tem culpa”, avalia.


Para a advogada Maria Inês Dolci, coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), é necessário haver pressão sobre as empresas envolvidas para que haja mais clareza nas negociações e no texto do contrato. "O consumidor tem de estar muito ciente do risco e tem de estar previsto o que ocorrerá e quais valores serão devolvidos no caso de o financiamento não ser liberado", explica. Segundo a advogada, a promessa de compra e venda entre consumidor e construtora precisa informar ainda o custo efetivo total envolvido na operação. "Todos os encargos, tudo que incide de ônus deve estar discriminado. Se o consumidor perceber que não tem, pode questionar, procurar os Procons ou a Justiça" , informa. Passada a primeira fase e liberado o financiamento, o comprador precisa se preparar para as taxas cartoriais e bancárias. Os custos de cartório não chegam a ser informados no contrato, porque são calculados posteriormente pelo Poder Público municipal e estadual. Quem financiou o bem precisa arcar com o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Intervivos (ITBI) e o registro do imóvel. Nesses casos, o contrato com o banco já equivale a uma escritura. Quem pagou à vista, no entanto, deve arcar ainda com a taxa para confecção de uma escritura pública. Somadas, essas tarifas, que têm por base o valor do bem e cujo cálculo varia segundo a localidade do país, podem atingir de 3% a 5% do custo da casa própria. Além disso, dependendo do banco que fará o financiamento, podem ser cobradas taxas de cadastro e de abertura de crédito, entre outras. O educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), destaca que esses custos podem abalar um orçamento contigenciado e que, por isso, o ideal é planejar com antecedência e construir uma reserva. "Vale lembrar que o imóvel na planta não tem armários e outras benfeitorias. O nosso sistema não é como na Inglaterra, em que se financia 100% do valor e ainda se tem crédito para mobiliar. Também tem que prever os gastos com mudança, condomínio, IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano]. Tudo isso tem que ser objeto de análise muito antes [da compra]. Não só o que se gastará no começo, mas também o dia a dia da nova casa. Se não, o risco é entrar em desequilíbrio financeiro ou até devolver o imóvel", comenta. Segundo Domingos, a dica para poupar é fazer uma estimativa dos gastos totais, avaliar quanto falta para atingir o montante e diagnosticar quanto pode ser posto de lado por mês para fazer face às despesas. "Tem que começar a buscar uma redução de gastos e excessos. Reunir todos da família e melhorar o desempenho do orçamento familiar", sugere.

Um direito que muitos brasileiros não sabem que existe e que pode aliviar os pesados desembolsos que envolvem a aquisição de um imóvel, é o desconto de 50% no registro cartorial para quem está adquirindo sua primeira casa pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH). O benefício é previsto na Lei 6.015, de 1973, e vale para o território nacional. Para receber o abatimento, basta estar declarado no contrato de aquisição que se trata do primeiro imóvel. A compra de imóveis dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida também dá direito a custos reduzidos. O Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), no entanto, regido por uma lei diferente da que regula o SFH - o sistema permite financiar imóveis acima de R$ 500 mil e não prevê uso do FGTS, entre outras diferenças - não dá direito a abatimento. Segundo a Associação dos Notários e Registradores do Brasil (Anoreg), caso o cartório se recuse a conceder o desconto devido, o cliente pode registrar queixa junto à Corregedoria do Tribunal de Justiça da Região.


Veículo: Diário A Notícia Data: 04/06/2013 Editoria: Educação

Site: http://www.diarioanoticia.com.br/home/index.php/educacao

MEC usa Enem como exigência para bolsas no exterior

Universitários que pretendem concorrer devem ter obtido nota igual ou superior a 600 pontos. A exigência de nota mínima no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para a disputa de bolsas de intercâmbio no programa Ciência sem Fronteiras (CsF) provocou reclamações entre os estudantes de graduação. Nessa terça-feira, 4, o governo federal abriu novas chamadas para o programa em cinco países: Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Japão e Hungria. Nos editais, os candidatos encontraram a obrigatoriedade do critério. Os universitários que pretendem concorrer às bolsas devem "obrigatoriamente ter obtido nota no Enem igual ou superior a 600 pontos, em exames realizados a partir de 2009", diz o texto. Essa é a primeira vez que o Exame aparece como um critério de caráter eliminatório. Muitos alunos que ingressaram nas universidades antes de 2009 e fizeram a seleção através de vestibulares disseram, no facebook, que podem perder a oportunidade de participar do programa. Eles alegam que, como outra exigência é ter cursado, no máximo, 90% das disciplinas do curso, muitos dos veteranos não terão tempo de fazer o Enem ainda este ano.


Além disso, reclamam que a avaliação para um programa da graduação tenha como base uma prova que avaliou o desempenho dos alunos ainda no ensino médio e questionam a eficácia do Exame, que apresentou falhas em suas últimas edições. Na rede social, um abaixo-assinado para a remoção do Enem como critério principal conta com cerca de 4.500 assinaturas. "O Programa Ciência Sem Fronteiras é um avanço para a Educação no Brasil, entretanto o programa utiliza a nota do ENEM como principal critério de classificação, o que é incoerente. Torna-se necessário uma reconsideração dos métodos avaliativos", dizem os estudantes. O Ministério da Educação (MEC) já sinalizou que pretende manter os critérios de seleção. Desde a sua criação, em 2011, o CSF já concedeu 41.133 bolsas de intercâmbio. As inscrições abertas neste terça-feira vão até o dia 8 de julho.


Veículo: Portal do Consumidor Data: 03/06/2013 Editoria:

Site: http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?id=23962

Feiras de Gestantes Oferecem descontos de até 70% em produtos 3/6/2013

Feira de gestantes: ótimo lugar para fazer enxoval

Quem está esperando um bebê sabe que fazer um enxoval dá trabalho e gera grande despesa, já que uma criança inspira muitos cuidados. No entanto, mamães experientes ou de primeira viagem podem conseguir descontos de até 70% em produtos para os pequenos, nas feiras de gestantes, bebês e crianças, que já fazem parte do calendário de eventos do Rio e de Niterói. Um dos


exemplos dessa economia de 70% são os bodies, que custarão a partir de R$ 7, na loja Parquinho de Bebê, na feira BabyNit, que começa amanhã, em Niterói. A autônoma Paula Fernandes Pinho, de 31 anos, espera o segundo filho e foi a uma feira no Riocentro, na semana retrasada. Ela já tinha comparecido a um evento do gênero quando estava grávida pela primeira vez e, de acordo com ela, para conseguir boas ofertas, é fundamental ter paciência para comparar preços. Além da economia, Paula destaca a comodidade.

— Podemos encontrar tudo num só ambiente. As pessoas estão com pouco tempo e deixam de ter as despesas de transporte que teriam, se saíssem por vários dias para comprar tudo — afirma.

Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, essas feiras podem ser vantajosas, mas é necessário redobrar os cuidados para não comprar por impulso:

— É preciso estabelecer quanto dinheiro há disponível para o evento e não se endividar no cartão de crédito. Deve-se lembrar que as crianças representam de 20 a 30% do orçamento de uma família. Fora isso, os pais não podem se esquecer de que vão ganhar muitas coisas no chá de bebê, e que os nenéns perdem as roupas rapidamente. A nutricionista Elaine Peixoto, de 39 anos, foi ao evento do Riocentro p ara ver algumas coisas para seu primeiro filho.

- Percebi que é uma ótima oportunidade de comparar os preços dos produtos, já que o evento reúne vários expositores num mesmo local. É mais fácil e prático do que ficar rodando por vários shoppings, por exemplo, porque aqui é tudo voltado para os bebês. E percebi que dá para barganhar também.

Confira algumas ofertas Na feira BabyNit, os interessados poderão economizar 31% ao comprar um kit-maternidade, cujo preço cairá de R$ 190 para R$ 130. O babador Bandana, na Mini Stork, vai baixar de R$ 24,90 para R$ 15,90, ou seja, sairá 36% mais barato. Alguns livrinhos infantis da Emergir Editora custarão 40% menos: de R$ 10 por R$ 6. Confira o calendário das próximas feitas Junho BabyNit: Data: de 4 a 9 de junho Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói. Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500. Julho Mega Gestante e Bebê: Data: de 9 a 14 de julho. Horário: 14h às 22h. Local: Riocentro Endereço: Avenida Salvador Allende 6.555, na Barra da Tijuca Entrada: franca Informações: (21) 3593-0093. Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 30 de julho a 4 de agosto Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199


Agosto Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 25 de agosto a 1º de setembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Novembro Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 5 a 10 de novembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Dezembro BabyNit Data: de 3 a 8 de dezembro Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes


Veículo: Porto Ferreira Data: 03/06/2013 Editoria: Economia

Site:

http://www.portoferreirahoje.com.br/noticia/2013/06/03/que-tal-aprender-a-

poupar/

03/06/2013 - 07:45 | portoferreirahoje

Que tal aprender a poupar?

Para se transformar em um poupador, você precisa estar preparado para uma mudança drástica na forma como se relaciona com o dinheiro

Para se transformar em um poupador, você precisa estar preparado para uma mudança drástica na forma como se relaciona com o dinheiro.


Infelizmente muitas pessoas só entendem a necessidade da mudança quando o problema já tomou proporções maiores, mas você pode evitar isso, sabia? Reflita sobre o seguinte: se você não mudar a forma como administra o seu dinheiro, onde estará daqui a alguns anos? Talvez seja este o incentivo que falta para que você se convença da necessidade de se transformar em um poupador. O ideal é que você procure o equilíbrio: adie alguns sonhos, mas realize outros no meio do caminho, para que não acabe desanimando. Para se transformar em um poupador bem-sucedido, você precisa ter certeza de que seu esforço será compensado. Nada melhor, para isso, do que pensar nos seus objetivos e metas. O que, exatamente, você gostaria de alcançar? É importante que esta meta reflita seus valores e necessidades, e não apenas desejos desenfreados de consumo. Feito isso, é hora de "analisar" a sua relação com o dinheiro. Você sabe para onde ele está indo? Você está usando o valor de forma produtiva? Quais os fatores que levam você a gastar? Escreva em um caderno tudo aquilo que gastou e o porquê desta decisão. É bastante provável que você consiga estabelecer uma relação emocional para os seus gastos, constatando que gasta mais quando está triste, quando está estressado etc. Analfabetismo financeiro Esta forma de analfabetismo atinge até mesmo os países mais desenvolvidos, onde uma parcela significativa da população é incapaz de gerir suas contas. Independente do grau de instrução, muitas pessoas simplesmente não dão importância ao planejamento financeiro. No Brasil, pode-se dizer que existe uma herança claramente negativa do período hiperinflacionário. Isso porque, diante de uma inflação mensal que chegou a superar 50%, o planejamento financeiro de longo prazo se tornava impossível. Se você faz parte deste grupo de pessoas, está na hora de investir na sua educação. Assim como em qualquer outra área de ensino, o planejamento financeiro exige treinamento. A boa vantagem é que já existe muito material publicado sobre o tema, que pode ajudá-lo rapidamente a se tornar um especialista no assunto. Para mais informações indicamos alguns sites interessantes: http://www.serasaconsumidor.com.br http://www.dsop.com.br/ http://www.maiseduca.com.br/


Veículo: O Globo Data: 03/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://oglobo.globo.com/economia/feira-de-gestantes-otimo-lugar-para-fazerenxoval-8542288

Feira de gestantes: ótimo lugar para fazer enxoval Extra

Quem está esperando um bebê sabe que fazer um enxoval dá trabalho e gera grande despesa, já que uma criança inspira muitos cuidados. No entanto, mamães experientes ou de primeira viagem podem conseguir descontos de até 70% em produtos para os pequenos, nas feiras de gestantes, bebês e crianças, que já fazem parte do calendário de eventos do Rio e de Niterói. Um dos exemplos dessa economia de 70% são os bodies, que custarão a partir de R$ 7, na loja Parquinho de Bebê, na feira BabyNit, que começa amanhã, em Niterói. A autônoma Paula Fernandes Pinho, de 31 anos, espera o segundo filho e foi a uma feira no Riocentro, na semana retrasada. Ela já tinha comparecido a um evento do gênero quando estava grávida pela primeira vez e, de acordo com ela, para conseguir boas ofertas, é fundamental ter paciência para comparar preços. Além da economia, Paula destaca a comodidade. — Podemos encontrar tudo num só ambiente. As pessoas estão com pouco tempo e deixam de ter as despesas de transporte que teriam, se saíssem por vários dias para comprar tudo — afirma. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, essas feiras podem ser vantajosas, mas é necessário redobrar os cuidados para não comprar por impulso: — É preciso estabelecer quanto dinheiro há disponível para o evento e não se endividar no cartão de crédito. Deve-se lembrar que as crianças representam de 20 a 30% do orçamento de uma família. Fora isso, os pais não podem se esquecer de que vão ganhar muitas coisas no chá de bebê, e que os nenéns perdem as roupas rapidamente. A nutricionista Elaine Peixoto, de 39 anos, foi ao evento do Riocentro para ver algumas coisas para seu primeiro filho.


- Percebi que é uma ótima oportunidade de comparar os preços dos produtos, já que o evento reúne vários expositores num mesmo local. É mais fácil e prático do que ficar rodando por vários shoppings, por exemplo, porque aqui é tudo voltado para os bebês. E percebi que dá para barganhar também. Confira algumas ofertas Na feira BabyNit, os interessados poderão economizar 31% ao comprar um kitmaternidade, cujo preço cairá de R$ 190 para R$ 130. O babador Bandana, na Mini Stork, vai baixar de R$ 24,90 para R$ 15,90, ou seja, sairá 36% mais barato. Alguns livrinhos infantis da Emergir Editora custarão 40% menos: de R$ 10 por R$ 6. Confira o calendário das próximas feitas Junho BabyNit: Data: de 4 a 9 de junho Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói. Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500. Julho Mega Gestante e Bebê: Data: de 9 a 14 de julho. Horário: 14h às 22h. Local: Riocentro Endereço: Avenida Salvador Allende 6.555, na Barra da Tijuca Entrada: franca Informações: (21) 3593-0093. Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 30 de julho a 4 de agosto Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Agosto Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 25 de agosto a 1º de setembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Novembro Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 5 a 10 de novembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Dezembro BabyNit Data: de 3 a 8 de dezembro Horário: das 14h às 22h.


Local: Espaço Cantareira, em Niterói Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500.


Veículo: O Sal do Mundo Data: 03/06/2013 Editoria: blog

Site:

http://osaldomundo.blogspot.com.br/2013/06/cuidado-nova-onda-de-correntes-e-

as.html

CUIDADO: Nova onda de correntes e as pirâmides está no AR O esquema Pirâmide foi criado na década de 20 por Charles Ponzi que foi o autor de uma gigantesca fraude. A fraude se repete em ondas a Primeira foi onda (1941 – 1979), Segunda onda (1980 - 1989), Terceira onda (1990 – 1999), Quarta onda (anos 2000) e a mais nova onda é conhecida como "marketing network" ou "marketing multinível - MMN".

Uma nova onda de pirâmides está rolando na Internet. É bom lembrar que o esquema de pirâmide é um sistema fraudulento de fazer dinheiro que requere uma fonte infindável de recrutas para ter sucesso. O esquema é simples e não sustentável. Os recrutados dão dinheiro aos recrutadores e recrutam novos elementos para lhes darem dinheiro.


O caso mais recente registrado foi o da empresa de anúncios e tecnologia VOIP (telefonia via internet), TelexFree, que após mais de 10 anos em operação, foi acusada, na semana passada, pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda.

O Ministério da Fazenda lembra que em uma pirâmide financeira, além da empresa que oferece o “serviço” estar cometendo um crime, todas as pessoas que viram “sócias” dela estão alimentando uma prática ilegal. “Antes de começar a participar de um marketing multinível, é importante correr atrás da missão e dos objetivos da organização, ver se ela oferece um produto que seja efetivamente necessário ou que agregue valor, porque se não você pode cair em um esquema de pirâmide”, explicou o educador financeiro do Instituto Dsop, Reinaldo Domingos.

“Vá ao Reclame Aqui e no Procon e veja se a empresa não está sendo chancelada como um problema, porque o risco é alto e, se a empresa quebrar, a possibilidade das pessoas perderem todo o dinheiro é muito grande. Precisa de muito cuidado”, completou.

Não devemos misturar a Fraude pirâmide financeira com o marketing multinível, ou de rede, que é uma prática legal. Se a empresa faz o marketing de rede, mas contém um patrimônio líquido de garantia real que sustenta a operação, ao invés de utilizar os clientes novos para pagar os antigos, a ação não é configurada como pirâmide financeira, pois não tem risco. Um bom exemplo de marketing multinível é a Herbalife, que oferece produtos físicos em troca, além de ter uma filosofia de qualidade de vida. O risco aumenta quando o retorno não é em produto e sim em serviço.

Além de constituírem um ilícito penal, as correntes e as pirâmides constituem publicidade enganosa, pois leva à vítima a idéia de ganhos consideráveis, que, na realidade, são falsos


e inexistentes. É o que a lei chama de crimes contra a economia popular e está previsto na lei 1.521/51. Dependendo do que realmente ocorreu, pode também haver outros crimes derivados daquela mesma prática, como contra o sistema financeiro nacional A lei 1.521 é considerada antiga e muito generalista, até porque o termo pirâmide abarca diversos significados. O Código Penal exige, a fim de caracterizar uma violação, que a atividade supostamente ilegal reúna exatamente todos os elementos descritos na norma em questão.

Ainda há outros dispositivos que vedam indiretamente mecanismos de uma forma ou outra relacionados a pirâmides, como o artigo 37 do Código de Defesa do Consumidor, que fala da propaganda enganosa.

"Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. § 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir ao erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços".

Para o advogado Fábio Tofic Simantob, “Um mau negócio é diferente de estelionato. Propostas maliciosas só colam porque encontram ouvidos propensos a acreditar, geralmente de pessoas que se acreditam ainda mais espertas do que aquele que lhes fala. É preciso desconfiar das promessas de milagres, que sempre se aproveitarão das brechas legais para se espalhar.”

As regras básicas para fugir deste tipo de fraudes são as seguintes:

1) Evite qualquer tipo de plano que ofereça comissões ou qualquer tipo de benefício em troca do recrutamento de novas pessoas. 2) Atenção a planos onde você ganha dinheiro para trazer novas pessoas em vez que para vender alguma coisa por sua conta. 3) Tome cuidado com planos que pedem para você pagar taxas de entrada ou custos de material de trabalho ou amostras "obrigatórias" ou coisas parecidas.


4) Tome cuidado redobrado em caso de propostas envolvendo lucros elevados ou produtos/idéias/serviços "milagrosos" e "inéditos". 5) Verifique até o fim todas as referências fornecidas em relação às propostas ... muitas vezes trata-se simplesmente de "papo furado" para os ingênuos acreditarem. 6) Nunca assine documentos ou pague qualquer coisa em condição de pressão ou para não magoar "amigos" que estão lhe apresentado uma "oportunidade". 7) Verifique cada proposta buscando informações junto às autoridades competentes, na internet e nos sites de "due diligence" como o Better Business Bureau dos EUA.


Veículo: Extra Data: 03/06/2013 Editoria: Economia

Site:

http://extra.globo.com/noticias/economia/feira-de-gestantes-otimo-lugar-para-

fazer-enxoval-8542280.html

Feira de gestantes: ótimo lugar para fazer enxoval

Feira de Foto: Thiago Lontra / Extra Marcela Sorosini Tamanho do texto A A A Quem está esperando um bebê sabe que fazer um enxoval dá trabalho e gera grande despesa, já que uma criança inspira muitos cuidados. No entanto, mamães experientes ou de primeira viagem podem conseguir descontos de até 70% em produtos para os pequenos, nas feiras de gestantes, bebês e crianças, que já fazem parte do calendário de eventos do Rio e de Niterói. Um dos exemplos dessa economia de 70% são os bodies, que custarão a partir de R$ 7, na loja Parquinho de Bebê, na feira BabyNit, que começa amanhã, em Niterói.


A autônoma Paula Fernandes Pinho, de 31 anos, espera o segundo filho e foi a uma feira no Riocentro, na semana retrasada. Ela já tinha comparecido a um evento do gênero quando estava grávida pela primeira vez e, de acordo com ela, para conseguir boas ofertas, é fundamental ter paciência para comparar preços. Além da economia, Paula destaca a comodidade. — Podemos encontrar tudo num só ambiente. As pessoas estão com pouco tempo e deixam de ter as despesas de transporte que teriam, se saíssem por vários dias para comprar tudo — afirma. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, essas feiras podem ser vantajosas, mas é necessário redobrar os cuidados para não comprar por impulso: — É preciso estabelecer quanto dinheiro há disponível para o evento e não se endividar no cartão de crédito. Deve-se lembrar que as crianças representam de 20 a 30% do orçamento de uma família. Fora isso, os pais não podem se esquecer de que vão ganhar muitas coisas no chá de bebê, e que os nenéns perdem as roupas rapidamente. A nutricionista Elaine Peixoto, de 39 anos, foi ao evento do Riocentro para ver algumas coisas para seu primeiro filho. - Percebi que é uma ótima oportunidade de comparar os preços dos produtos, já que o evento reúne vários expositores num mesmo local. É mais fácil e prático do que ficar rodando por vários shoppings, por exemplo, porque aqui é tudo voltado para os bebês. E percebi que dá para barganhar também. Confira algumas ofertas Na feira BabyNit, os interessados poderão economizar 31% ao comprar um kit-maternidade, cujo preço cairá de R$ 190 para R$ 130. O babador Bandana, na Mini Stork, vai baixar de R$ 24,90 para R$ 15,90, ou seja, sairá 36% mais barato. Alguns livrinhos infantis da Emergir Editora custarão 40% menos: de R$ 10 por R$ 6. Confira o calendário das próximas feitas Junho BabyNit: Data: de 4 a 9 de junho Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói. Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500. Julho Mega Gestante e Bebê: Data: de 9 a 14 de julho. Horário: 14h às 22h. Local: Riocentro Endereço: Avenida Salvador Allende 6.555, na Barra da Tijuca Entrada: franca Informações: (21) 3593-0093. Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 30 de julho a 4 de agosto Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Agosto Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 25 de agosto a 1º de setembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Novembro Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 5 a 10 de novembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Dezembro


BabyNit Data: de 3 a 8 de dezembro Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/economia/feira-de-gestantes-otimo-lugar-para-fazer-enxoval8542280.html#ixzz2VHXRIuNS


Veículo: EcoFinanças Data: 02/06/2013 Editoria: Economia e Finanças

Site: http://www.ecofinancas.com/noticias/feira-gestantes-otimo-lugarpara-fazer-enxoval-ultimas-economia-veja

Feira de gestantes: ótimo lugar para fazer enxoval Últimas de Economia Veja isso Extraído de: extra.globo.com 33 horas atrás

Quem está esperando um bebê sabe que fazerum enxoval dá trabalho e gera grande despesa, já que uma criança inspira muitos cuidados. No entanto, mamães experientes ou de primeira viagem podem conseguir descontos de até 70% em produtos para os pequenos, nas feiras de gestantes, bebês e crianças, que já fazem parte do calendário de eventos do Rio e de Niterói. Um dos exemplos dessa economiade 70% são os bodies, que custarão a partir de R$ 7, na loja Parquinho de Bebê, na feiraBabyNit, que começa amanhã, em Niterói. A autônoma Paula Fernandes Pinho, de 31 anos, espera o segundo filho e foi a uma feirano Riocentro, na semana retrasada. Ela já tinha comparecido a um evento do gênero quando estava grávida pela primeira vez e, de acordo com ela, para conseguir boas ofertas, é fundamental ter paciência para comparar preços. Além daeconomia, Paula destaca a comodidade. - Podemos encontrar tudo num só ambiente. As pessoas estão com pouco tempo e deixam de ter as despesas de transporte que teriam, se saíssem por vários dias para comprar tudo -afirma. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos, essas feiras podem ser vantajosas, mas é necessário redobrar os cuidados para não comprar por impulso: - É preciso estabelecer quanto dinheiro há disponível para o evento e não se endividar no cartão de crédito. Deve-se lembrar que as crianças representam de 20 a 30% do orçamento de uma família. Fora isso, os pais não podem se esquecer de que vão ganhar muitas coisas no chá de bebê, e que os nenéns perdem as roupas rapidamente. A nutricionista Elaine Peixoto, de 39 anos, foi ao evento do Riocentro para ver algumas coisas para seu primeiro filho.


- Percebi que é uma ótima oportunidade de comparar os preços dos produtos, já que o evento reúne vários expositores num mesmo local. É mais fácil e prático do que ficar rodando por vários shoppings, por exemplo, porque aqui é tudo voltado para os bebês. E percebi que dá para barganhar também. Confira algumas ofertas Na feira BabyNit, os interessados poderão economizar 31% ao comprar um kit-maternidade, cujo preço cairá de R$ 190 para R$ 130. O babador Bandana, na Mini Stork, vai baixar de R$ 24,90 para R$ 15,90, ou seja, sairá 36% mais barato. Alguns livrinhos infantis da Emergir Editora custarão 40% menos: de R$ 10 por R$ 6. Confira o calendário das próximas feitas Junho BabyNit: Data: de 4 a 9 de junho Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói. Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500. Julho Mega Gestante e Bebê: Data: de 9 a 14 de julho. Horário: 14h às 22h. Local: Riocentro Endereço: Avenida Salvador Allende 6.555, na Barra da Tijuca Entrada: franca Informações: (21) 3593-0093. Feira da Gestante, Bebê e Criança:


Data: de 30 de julho a 4 de agosto Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Agosto Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 25 de agosto a 1º de setembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Novembro Feira da Gestante, Bebê e Criança: Data: de 5 a 10 de novembro Local: ainda será definido Informações: (11) 5084-6199 Dezembro BabyNit Data: de 3 a 8 de dezembro Horário: das 14h às 22h. Local: Espaço Cantareira, em Niterói Endereço: Rua Alexandre Moura 2A, São Domingos, Niterói. Entrada: 1 kg de alimento não perecível que será doado para instituições beneficentes Informações: (21) 3026-0500.


Veículo: Clipping Data: 02/06/2013 Editoria: Correio Braziliense

Site: http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/6/2/empresasoferecem-alternativas-para-diminuir-o-custo-das-ferias

Empresas oferecem alternativas para diminuir o custo das férias Autor(es): BÁRBARA NASCIMENTO Correio Braziliense - 02/06/2013

Sistemas de hospedagem programada (timeshare) e aquisição de cotas de imóveis de lazer conquistam no mercado, mas só valem a pena para quem viaja muito

Viajar de férias é sinônimo de muitos gastos e exige programação financeira, principalmente se a família for grande. As despesas vão desde passagens e hospedagem até alimentação e possíveis imprevistos, mas algumas alternativas presentes no mercado podem, se não diminuir, pelo menos dissolver os custos ao longo de meses, ou até mesmo anos. De olho em quem viaja com frequência, algumas empresas oferecem ao consumidor a possibilidade de garantir hospedagens regulares por até 30 anos em apartamento de uma rede hoteleira (timeshare) ou de comprar a fração de um imóvel em local turístico, que pode ser utilizado por número determinado de dias ou semanas no ano.

No esquema de tempo compartilhado, o turista pode marcar os dias de férias a serem aproveitados por um longo período. Já no fracionamento, casas de luxo são divididas por até 12 pessoas, e o consumidor tem direito a, geralmente, quatro semanas, sorteadas durante o ano, para aproveitar o imóvel. A grande sedução do negócio está na possibilidade de fazer um “intercâmbio” para outras casas do mesmo nível ou resorts espalhados pelo mundo, mediante

o

pagamento

de

uma

taxa.

Ambas as modalidades já possuem, no Brasil, mais de 61 mil adeptos (veja arte). Os preços variam: há pacotes mais acessíveis, de até R$ 8 mil, e valores exorbitantes, superiores a R$ 100 mil, nos casos de compra de parte de um


imóvel. Existe ainda, na opção pela fração, despesas com o condomínio da casa comprada, que inclui a manutenção do

bem,

os

impostos

e

os

serviço

de

limpeza.

“O fracionamento é claramente voltado para a classe A, mas também há chances para as classes emergentes”, explica Alejandro Moreno, presidente da Resort Condominiums International (RCI) no Brasil, uma das principais responsáveis no país por promover o intercâmbio de destinos para quem compra uma fração ou o período de férias.

Alto

padrão

Os preços mostram que adquirir parte de uma casa de luxo não é para qualquer bolso. No Quintas Private, na Costa do Sauípe (BA), por exemplo, uma das 12 frações disponíveis sai por R$ 180 mil, acompanhada de uma taxa mensal de condomínio no valor de R$ 690. Nesse caso, a pessoa tem direito a quatro semanas por ano. A propriedade é hereditária, e o imóvel pode ser utilizado durante um período de 100 anos — o que beneficia os eventuais herdeiros do titular. Já os serviços como café da manhã e barman, opcionais, vão de R$ 35 a R$ 130 por pessoa. Para utilizar a hospedagem em outros destinos, a taxa é de cerca de US$ 600, variando se o local a ser visitado é no exterior ou não.

O diretor da Odebrecht Realizações no Quintas Private, Franklin Mira, explica que, na realidade, o que é vendido não é o imóvel, mas o conceito de luxo. “O grande diferencial do modelo é justamente a facilidade e a comodidade oferecidas”, explica. Além da Costa do Sauípe, há no país outros dois empreendimentos que oferecem fracionamento de hospedagem de luxo: em Itacaré (BA) e em Cornélio Procópio (PR). Pelo menos outros quatro estão em fase de construção em São Paulo, Mato Grosso, Goiás e Paraná. Já os hotéis que vendem o timeshare, fazem acordos com empresas de intercâmbio, como a RCI. Dessa forma, segundo a companhia, o cliente pode ter direito a se hospedar em

4,2

mil

Prós

outros

resorts

pelo

e

mundo.

contras

Para o presidente da RCI, a estabilidade da economia é responsável pelo crescimento desse modelo de empreendimento. Só o timeshare teve, nos últimos ano, um aumento médio de 20% no número de clientes. “Agora é possível planejar as férias. Você sabe quando poderá viajar, quanto consegue gastar e quanto vai custar, sem grande risco

de

variações”,

explica

Moreno.

Uma das vantagens apontadas é que, ao comprar antecipadamente, além de obter um desconto, o consumidor paga um valor congelado e fica livre da inflação e do aumento de preços em épocas de temporada. Na prática, como a pessoa fecha um pacote para vários anos, chega a pagar até 40% menos pela estada do que se fosse adquirir a tarifa cheia.

Apesar de o negócio parecer sedutor, o educador financeiro Reinaldo Domingos alerta que é bom analisar a real disponibilidade, tanto de tempo quanto financeira, que a pessoa e a família têm para viajar. “Como você está pagando


pelo serviço se sente obrigado a utilizá-lo todos os anos. Outro problema é que esse tipo de modelo cobre somente os gastos com hospedagem. O turista vai ter que arcar com as despesas com transporte e alimentação para a família inteira”, pondera. Ele estima que a estadia é responsável por 25% dos gastos em uma viagem.

Por isso, Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro, ressalta que o esquema só vale a pena para quem costuma viajar bastante. “Como a pessoa já teria essa despesa com hospedagem de toda forma, esse tipo de investimento passa a valer porque representa um gasto a menos”, explica. Além disso, há também a possibilidade de alugar a semana ou fração da casa para terceiros se o consumidor não puder viajar naquele ano ou se optar por fazer um intercâmbio para outro

lugar.

Mas essa não é uma opção vantajosa, segundo o educador financeiro. Calil alerta que não vale a pena adquirir a vaga em hotel ou uma fração de imóvel de olho em um possível ganho com aluguel. “O retorno é baixo diante da quantia despendida, além de incerto”, atenta. Há também o risco de o cliente não conseguir, na hora de fazer o intercâmbio, uma vaga no destino desejado ou na data em que tem disponibilidade, principalmente em alta temporada.

A possibilidade de ter uma casa de veraneio sem ter que comprar todo o imóvel é, entretanto, uma opção mais vantajosa do que investir em um bem próprio apenas para passar temporadas, avalia o presidente da RCI. “A pessoa não usa essa segunda residência 100% do tempo e precisa fazer um desembolso muito alto para adquiri-la e mantêla”, afirma. O preço total de uma casa de luxo em um local turístico, a beira-mar, por exemplo, chega a R$ 2 milhões, estima

ele.

Reinaldo Domingos concorda que o custo é alto, na medida em que o proprietário tem que arcar com manutenção, impostos e mobília, mas acredita que ter um empreendimento próprio é mais vantajoso. “Se a pessoa viaja muito, poderá usar a casa sempre que quiser, mas isso vai ter que caber no bolso. Sempre tem que haver um planejamento, porque realmente não é barato”, pondera Domingos.


Veículo: Clipping Data: 02/06/2013 Editoria: Correio Braziliense Site: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/6/2/clientetem-o-direito-de-desistir

Cliente tem o direito de desistir Correio Braziliense - 02/06/2013

Os especialistas alertam os consumidores para que evitem fechar contratos de compartilhamento ou timeshare de forma impulsiva, tentados pelo discurso dos vendedores ou por paisagens paradisíacas, como geralmente ocorre. Antes de dar a palavra final, é bom pesar todos os prós e os contras. Há ainda, após o contrato fechado, a possibilidade de rescisão, que pode ocorrer, segundo o Código de Defesa do Consumidor, em até sete dias após a assinatura ou do pagamento do prêmio. Nesse prazo, o cliente tem direito a receber o valor integral corrigido monetariamente. Caso decida romper o negócio após uma semana, poderá fazê-lo mediante o pagamento de uma multa. Quando compra o direito de férias ou de parte de um imóvel por vários anos, o consumidor tem que ficar atento ainda para verificar se todas as promessas ofertadas estão sendo cumpridas. Se o cliente nunca consegue, por exemplo, uma vaga em destinos diferentes no período em que quer viajar, deve recorrer a um órgão de defesa do consumidor. “Você só tem prioridade na hora de usar as diárias no hotel onde o timeshare foi comprado ou na casa da qual tem a fração. Caso contrário, pode ter problemas no agendamento”, pondera Reinaldo Domingos. A última opção é recorrer à Justiça.

Outra opção para quem não ficar satisfeito é tentar passar adiante os direitos adquiridos. É possível vender tanto a fração do imóvel quanto a temporada comprada no sistema de timeshare. É preciso levar em conta, no entanto, que nem sempre a operação é rápida e, muitas vezes, pode exigir a intermediação de um corretor especializados nesse tipo de

negócio.

(BN)

"Você só tem prioridade na hora de usar as diárias no hotel onde o timeshare foi comprado ou na casa da qual tem a fração.

Caso

contrário,

Reinaldo Domingos, educador financeiro

pode

ter

problemas

no

agendamento"


Veículo: O Dia Data: 01/06/2013 Editoria: Economia

Site: http://odia.ig.com.br/noticia/economia/2013-06-02/poupar-se-aprende-naescola.html

Poupar se aprende na escola Crianças e jovens descobrem em sala de aula como lidar com dinheiro AURÉLIO GIMENEZ

Rio - Milhares de crianças e jovens em todo o país praticam, como um mantra, as perguntas: “Eu preciso ter?”, “Eu preciso comprar?” e “Esse é o melhor momento para comprar?”. Eles fazem parte de um grande contingente que, desde 2012, tem a educação financeira como disciplina nas salas de aula e entende que poupar e consumir com consciência também se aprende na escola. Gestora do Centro Educacional Santa Thereza, em São João do Meriti, na Baixada Fluminense, Cristina Loureiro diz que adotou a matéria ao perceber que diversos colegas dos seus filhos, já em idade universitária, se encontram endividados por não usar adequadamente o dinheiro: “Boa parte dos jovens não é ensinada a administrar corretamente os recursos. Há uma cultura, muito envolvente, do consumo. Então, resolvemos adotar a educação financeira para semear e colher no futuro”. Segundo Cristina, em poucos meses os resultados começam a aparecer. “Em casa, os menores explicam aos pais a importância de apagar a luz ou economizar água. Na cantina, os mais jovens já pensam antes de sair comprando tudo. Passam a guardar o dinheiro para ter algo melhor depois”, pontua a professora do Santa Thereza, que adotou o programa DSOP de Educação Financeira, empresa que dissemina o consumo consciente. “Educação financeira nada mais é do que comportamento e mudança de hábitos. É necessário pensar em objetivos a curto, médio e longo prazos. E, principalmente, não se faz sozinho, tem que envolver toda a família”, diz Adenias Filho, franqueado da DSOP no Rio.


Para o diretor da Escola Técnica de Guaratiba, Wellington Eloy o conhecimento da gestão financeira é fundamental para as famílias planejarem melhor o futuro. “Considero que o consumo consciente se insere na consciência ecológica dos quatro ‘erres’ — reduzir, repensar, reciclar e reutilizar”, ressalta o professor ao defender as três perguntas lá de cima: “Introduzimos a mudança de comportamento e reflexão antes da decisão por uma compra”. NA PONTA DO LÁPIS ÁRVORE DOS SONHOS Estratégia do Itaú-Unibanco para levar o conhecimento e a importância da educação financeira para as crianças. O material didático é composto por livro infantil de autoria de Fabiano Alves Onça e arte de Tatiana Paiva que fala sobre como economizar e se preparar para o fututo por meio do menino Joãozinho e seu avô Pereira. ESTABILIDADE Superintendente de Sustentabilidade do Itaú-Unibanco, a economista Denise Hills destaca que a educação financeira, hoje, faz parte da agenda de todas as instituições financeiras. “É um assunto recente, que começou a surgir com a estabilidade da economia no país. Antes, no período inflacionário, o recomendado é que se gastasse o mais rápido possível, para o dinheiro não perder valor”, explica. NA PRÁTICA Mas como fazer uma criança a aprender a usar o dinheiro? De acordo com o guia ‘Como falar de dinheiro com as crianças’, produzido pelo Itaú-Unibanco, já desde os três de idade é possível iniciar os conceitos do uso planejado do dinheiro. Pode-se pedir para a criança ajudar a fazer a lista do supermercado e deixá-las responsáveis pela verificação da necessidade de compra de alguns produtos. Na escola, pode-se pedir para fazer cartazes que discriminem os produtos que consumimos porque ‘queremos’ daqueles que ‘precisamos’, estimulando a discussão sobre prioridades de cada um. Encartes de supermercados são uma excelente fonte de recortes para atividades e discussão para o planejamento financeiro dentro das salas de aula. NOVA CLASSE MÉDIA O conhecimento do uso consciente do dinheiro se estende para toda a família, principalmente a grande massa de 40 milhões de pessoas que ascenderam à classe média nos últimos anos. A opinião é da diretora de Relações Corporativa da Visa do Brasil, Sabrina Sciama. Para isso, a empresa dispõe de uma série de ferramentas de assessoramento. VINGADORES Um desses instrumentos é uma parceria da Visa com a Marvel Comics, que gerou um gibi com os personagens Vingadores (Homem de Aranha, Homem de Ferro, Thor, Hulk e Viúva Negra), que ensinam a educação financeira para as crianças. “Além do gibi, também produzimos uma peça teatral que é levada às escolas e para organizações não governamentais. É um trabalho de formiguinha diante um longo caminho de ensinamento”, destaca Sabrina. BATE-BOLA FINANCEIRO Dentro do Programa Finanças Práticas, a Visa do Brasil também possui u um jogo online de futebol, que ensina de maneira simples e divertida os conceitos básicos de educação


financeira para crianças, jovens e até mesmo adultos. Para marcar um gol, o jogador tem que responder uma série de perguntas sobre poupança, consumo responsável, orçamento e uso consciente do crédito e do dinheiro. VALOR DO DINHEIRO Denise Hills, superintendente de Sustentabilidade do Itaú-Unibanco, diz que as crianças são sempre curiosas em relação ao dinheiro. Assim, sempre que possível, os pais devem procurar pagar as compras com cédulas e moedas. A atenção que os adultos dão ao troco, conferindo a quantia, demonstra para as crianças, concretamente, que os pais dão valor ao dinheiro. PAGAMENTO EM CHEQUE Nos casos em que o pagamento for feito com cheque, os pais devem ressaltar a diferença de uso em relação ao dinheiro, deixando que a criança observe o preenchimento da folha e do canhoto. Quando for usado o cartão de débito ou de crédito, os adultos devem assegurar-se de que os filhos estejam atentos ao funcionamento da máquina e ao recibo de compra. Os mesmo vale para o uso e a operação dos caixas eletrônicos.


Veículo: iG Data: junho/2013 Editoria: Delas/Filhos

Site: http://delas.ig.com.br/filhos/teste-seu-filho-sabe-lidar-comdinheiro/n1237545627006.html

Teste: seu filho sabe lidar com dinheiro? Chame seu filho para responder às perguntas e descubra se ele é um bom administrador da mesada iG São Paulo

Créditos: Reinaldo Domingos - Educador e Terapeuta financeiro, autor dos livros “Terapia Financeira” e “O Menino do Dinheiro” (Editora Gente), criador da Metodologia DiSOP de Educação Financeira e Presidente do DiSOP Instituto de Educação Financeira (elaboração); Tiago Teixeira (design); Gabriel Silveira (ilustração); Celina Uemura (programação).


MAIO


Veículo: Blog da CDL Olinda Data: 27/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://cdlolindape.wordpress.com/2013/05/27/educacao-financeira-nas-escolasdeve-levar-em-conta-universo-infantil/

Educação financeira nas escolas deve levar em conta universo infantil Publicado em maio 27, 2013 por cdlolindape Analisar as contas de energia de casa e elaborar um plano de redução de consumo e gastos para discutir com os pais são um exemplo de atividade proposta em livros de educação financeira usado nas escolas. A disciplina não faz parte do currículo oficial das instituições de ensino, mas vem ganhando espaço na rede privada de educação. A intenção é que os pequenos se tornem adultos que saibam lidar com o dinheiro, planejar os gastos dentro do orçamento disponível, ficar longe de dívidas e ter reservas financeiras. “O estímulo não é para que as crianças queiram ser ricas, mas para que elas saibam lidar com o dinheiro no seu dia a dia. Isso fará com que elas tenham menos problemas financeiros, logo terão menos estresse e assim terão mais qualidade de vida”, explica o autor de livros de educação infantil para o ensino médio e especialista no tema, Álvaro Morelli. Não há um consenso entre os especialistas sobre a idade ideal para que as crianças comecem a ter noções de educação financeira. Alguns defendem que o conteúdo deve entrar no currículo escolar já a partir da educação infantil, outros acreditam que o melhor é começar no ensino fundamental.


Para Morelli, o importante é que o conteúdo seja adequado à idade dos estudantes e trate de situações práticas da rotina das crianças e dos adolescentes para despertar o interesse e facilitar o aprendizado. “A educação financeira infantil não deve trazer assuntos de adultos para as crianças. É preciso falar de dinheiro relacionado a brinquedo, passeio, lanche e aí introduzir fundamentos de educação financeira”, defende. Seguindo a tendência de interdisciplinaridade apontada pelo Ministério da Educação para o ensino, Álvaro Morelli explica que o ideal é que o tema não entre no currículo como uma disciplina isolada, mas seja trabalhada de forma transversal, inserida no conteúdo de matérias como matemática, história, artes e física. Os especialistas explicam que a educação financeira deve ter uma temática ampla e abordar também o consumo consciente e ambientalmente sustentável. São orientações para as crianças cuidarem dos próprios brinquedos, do material escolar, apagar a luz ao sair do quarto e fechar a torneira enquanto escova os dentes. Além do impacto que o aprendizado pode ter na vida dos jovens e crianças, quando os pais não têm uma situação financeira organizada, a orientação que os filhos recebem na escola pode fazer a diferença em casa. “Temos casos de pais saindo do endividamento depois que aprenderam educação financeira com os filhos. É um processo cíclico. Aliás, como foi a educação ambiental, como vai ser a educação para o trânsito”, diz o educador da consultoria Dsop Educação Financeira Reinaldo Domingos. A capacitação dos professores é outro elemento fundamental nesse processo. Em alguns casos, é preciso primeiro incorporar a educação financeira à vida dos professores, para que depois eles transmitam o conteúdo aos alunos, segundo Reinaldo Domingos. “O professor acaba assumindo para ele primeiro a educação financeira, para arrumar a vida e a da família dele, aí é treinando pedagogicamente para colocar esses ensinamentos para as crianças de forma ordenada”, diz.


Veículo: Brasil 247 Data: 27/05/2013 Editoria: Seu Dinheiro

Site: http://www.brasil247.com/pt/247/seudinheiro/103345/

DINHEIRO NA SALA DE AULA

Proposta em tramitação na Câmara inclui educação financeira no currículo escolar 27 DE MAIO DE 2013 ÀS 19:35 Yara Aquino Repórter da Agência Brasil Brasília - Um projeto de lei tramita no Congresso Nacional para incluir oficialmente a educação financeira no currículo escolar nos ensinos fundamental e médio. O projeto propõe que o tema integre o currículo de matemática. Especialistas no assunto, no entanto, defendem que a educação financeira seja trabalhada deforma transversal, incluída em diversas disciplinas. Em tramitação desde 2009, o Projeto de Lei Nº 171/09, apresentado na Câmara dos Deputados, está na Comissão de Educação do Senado e aguarda para entrar na pauta. Há também uma iniciativa do governo federal que, em 2010, publicou decreto instituindo a Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef). A partir da estratégica, foi implantado um projeto piloto em escolas públicas e os resultados foram avaliados de forma positiva em 2011. Um dos desdobramentos da experiência foi a instalação de um grupo de apoio pedagógico que, de acordo com o Ministério da Educação, discute a validação


de materiais pedagógicos de educação financeira elaborados para os nove anos do ensino fundamental e também para o ensino médio. Na rede privada de ensino, a educação financeira vem ganhando maior espaço porque as instituições tem mais flexibilidade no currículo. Um exemplo de dado sobre a implantação do tema é da consultoria Dsop Educação Financeira, que atende a mais de 500 escolas particulares em todo o país com a capacitação de professores e a distribuição de material didático. A consultoria também atende atualmente a rede municipal de educação de Goiânia, Franco da Rocha (SP), Vitória, Guarujá (SP) e Barueri (SP), com ações em diferentes estágios de implementação. "As escolas privadas têm mais facilidade por não ter rede e há concorrência entre elas, então buscam oferecer atividades variadas. As escolas públicas têm redes muitas vezes extensas. Quando vamos para os estados, eles já têm a predisposição de ter educação financeira, mas nos municípios fica mais fácil, por ser uma rede menos extensa que a estadual e a federal", explica o educador e consultor da Dsop Reinaldo Domingos. Crianças devem assumir responsabilidades Educação financeira nas escolas deve levar em conta universo infantil Analisar as contas de energia de casa e elaborar um plano de redução de consumo e gastos para discutir com os pais são um exemplo de atividade proposta em livros de educação financeira usado nas escolas. A disciplina não faz parte do currículo oficial das instituições de ensino, mas vem ganhando espaço na rede privada de educação. A intenção é que os pequenos se tornem adultos que saibam lidar com o dinheiro, planejar os gastos dentro do orçamento disponível, ficar longe de dívidas e ter reservas financeiras. "O estímulo não é para que as crianças queiram ser ricas, mas para que elas saibam lidar com o dinheiro no seu dia a dia. Isso fará com que elas tenham menos problemas financeiros, logo terão menos estresse e assim terão mais qualidade de vida", explica o autor de livros de educação infantil para o ensino médio e especialista no tema, Álvaro Morelli. Não há um consenso entre os especialistas sobre a idade ideal para que as crianças comecem a ter noções de educação financeira. Alguns defendem que o conteúdo deve entrar no currículo escolar já a partir da educação infantil, outros acreditam que o melhor é começar no ensino fundamental. Para Morelli, o importante é que o conteúdo seja adequado à idade dos estudantes e trate de situações práticas da rotina das crianças e dos adolescentes para despertar o interesse e facilitar o aprendizado. "A educação financeira infantil não deve trazer assuntos de adultos para as crianças. É preciso falar de dinheiro relacionado a brinquedo, passeio, lanche e aí introduzir fundamentos de educação financeira", defende. Seguindo a tendência de interdisciplinaridade apontada pelo Ministério da Educação para o ensino, Álvaro Morelli explica que o ideal é que o tema não entre no currículo como uma disciplina isolada, mas seja trabalhada de forma


transversal, inserida no conteúdo de matérias como matemática, história, artes e física. Os especialistas explicam que a educação financeira deve ter uma temática ampla e abordar também o consumo consciente e ambientalmente sustentável. São orientações para as crianças cuidarem dos próprios brinquedos, do material escolar, apagar a luz ao sair do quarto e fechar a torneira enquanto escova os dentes. Além do impacto que o aprendizado pode ter na vida dos jovens e crianças, quando os pais não têm uma situação financeira organizada, a orientação que os filhos recebem na escola pode fazer a diferença em casa. "Temos casos de pais saindo do endividamento depois que aprenderam educação financeira com os filhos. É um processo cíclico. Aliás, como foi a educação ambiental, como vai ser a educação para o trânsito", diz o educador da consultoria Dsop Educação Financeira Reinaldo Domingos. A capacitação dos professores é outro elemento fundamental nesse processo. Em alguns casos, é preciso primeiro incorporar a educação financeira à vida dos professores, para que depois eles transmitam o conteúdo aos alunos, segundo Reinaldo Domingos. "O professor acaba assumindo para ele primeiro a educação financeira, para arrumar a vida e a da família dele, aí é treinando pedagogicamente para colocar esses ensinamentos para as crianças de forma ordenada", diz. Entidade defende educação financeira no ensino fundamental Administrar melhor as despesas pessoais, iniciar uma poupança e ser agente multiplicador de uma atitude financeira saudável são alguns dos avanços observados no comportamento de estudantes do ensino médio que participaram de um programa piloto de educação financeira em 450 escolas do país. Os resultados da ação, desenvolvida em 2008 pelo Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), demonstram os benefícios de uma política que trabalhe esse tema de forma transversal nas escolas. A avaliação dos alunos apontou que 63% dos jovens que tiveram as aulas pouparam pelo menos uma parte de sua renda. O percentual cai para 59% no caso de estudantes que não participaram do projeto – alunos de 450 escolas que foram selecionados para funcionar como grupo controle. "Os resultados foram muito significativos. Os jovens [participantes do projeto] saíram com um conhecimento muito superior em relação ao grupo controle. Eles transformaram conhecimento em atitude", destaca Silvia Morais, superintendente da Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF). São esses avanços que a associação espera replicar em um projeto piloto com 820 escolas do ensino fundamental. "Percebemos que o tema da educação financeira não é aplicável exclusivamente ao ensino médio. Nessa fase, você já vai para o dia a dia do aluno, são situações práticas. Se você trabalha a educação financeira desde os anos iniciais, você possibilita que o conteúdo seja incorporado à vida dessa criança", avalia Silvia. Ela informou que o material pedagógico composto de nove livros, construído em parceria com o Ministério da Educação (MEC), está em fase de finalização.


"Ainda não há previsão de quando devemos implementar a impressão dos livros e a capacitação dos professores, porque dependemos do financiamento de parceiros", explica. Em relação ao projeto desenvolvido como piloto para o ensino médio, Silvia Morais informa que uma parceria com o MEC vai possibilitar a distribuição dos livros para 3 mil unidades que desenvolvem os programas Ensino Médio Inovador e Mais Educação. "Devemos iniciar a capacitação dos professores no próximo ano." A superintendente acredita que educação financeira deve ser entendida como um tema estratégico para o país, especialmente considerando a atual conjuntura econômica. "O momento pede que o cidadão brasileiro saiba tomar decisões conscientes quanto à tomada de crédito e quanto ao planejamento do seu futuro. Historicamente, somos uma nação que toma decisões pautadas pelo presente. A educação financeira permite que tenhamos capacidade de colocar os aprimoramentos que o sistema financeiro oferece a nosso favor e não contra", avalia. Silvia Morais destaca ainda que a discussão financeira nas escolas propõe o debate sobre consumo sustentável. "Não falamos só sobre o impacto das decisões deles, por exemplo, no crédito, no endividamento. A educação financeira tem a ver com as decisões da vida de um cidadão, mas não só. A forma de consumo tem impacto também no meio ambiente", aponta. Esse é um dos motivos que leva a associação a defender a adoção do tema como conteúdo transversal nas escolas. "Ele fortalece outras disciplinas. É um elemento desencadeador de diversas discussões", defende. A AEF é um organização sem fins lucrativos criada pelas quatro entidades do mercado financeiro que compõem o Conef. Além de oito organismos governamentais, compõem o comitê: Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa), Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg) e Federação Brasileira de Bancos (Febraban). "A Estratégia Nacional [de Educação Financeira, Enef, criada em 2010 pelo Decreto nº 7.397] é um documento que fala que a educação financeira tem três pilares estratégicos de atuação: informação, orientação e formação. Mas não indica projetos", explica a superintendente. De acordo com ela, os projetos da AEF são submetidos ao Conef, que os avalia. "Firmamos um convênio com o comitê e assumimos a responsabilidade de execução da Enef", informa. Além dos projetos nas escolas, a AEF pretende mapear as iniciativas gratuitas de educação financeira nas escolas. "Conseguimos identificar 150 iniciativas no país. Isso foi o que conseguimos com o nosso radar, digamos assim, mas temos certeza de que é muito mais do que isso", diz Silvia Morais. Ela destacou que, nessa primeira análise, observou-se um número maior de instituições de governo e do setor financeiro. "O que a gente quer ver agora é para além disso, quem é mais que está oferecendo ações e atividades de educação financeira gratuitas", explica.


A primeira etapa do mapeamento consiste em analisar em profundidade essas experiências já selecionadas. "Queremos saber o que faz, como faz, com que qualidade técnica, qual o perfil de profissionais envolvidos, para qual público", exemplifica. Em seguida, será divulgado um cadastramento online desse tipo de iniciativas. "A partir daí, vamos poder fazer uma análise do que isso significa: são muitas? São poucas? Como podemos avançar?", completa.


Veículo: Record Data: 21/05/2013 Editoria: Hoje em Dia Site: http://www.youtube.com/watch?v=6AkuOm8RCMA

Educador Financeiro Maurício Pereira no Hoje em Dia


Veículo: Record Data: 21/05/2013 Editoria: SP no Ar Site: http://www.youtube.com/watch?v=PczCLdtfj9Y

Educador Financeiro Edward Cláudio Jr. no SP no Ar


Veículo: Época Negócios Data: 19/05/2013 Editoria: Negócios

Site: http://epocanegocios.globo.com/Inspiracao/Vida/noticia/2013/05/educacaofinanceira-para-criancas-ganha-espaco-em-escolas-privadas.html

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS GANHA ESPAÇO EM ESCOLAS PRIVADAS INTUITO É QUE PEQUENOS APRENDAM A LIDAR COM O DINHEIRO, PLANEJAR OS GASTOS DENTRO DO ORÇAMENTO E FICAR LONGE DE DÍVIDAS

DIA DAS CRIANÇAS (FOTO: SHUTTERSTOCK)

Analisar as contas de energia de casa e elaborar um plano de redução de consumo e gastos para discutir com os pais são um exemplo de atividade proposta em livros de educação financeira usado nas escolas. A disciplina não faz parte do currículo oficial das instituições de ensino, mas vem ganhando espaço na rede privada de educação. A intenção é que os pequenos se tornem


adultos que saibam lidar com o dinheiro, planejar os gastos dentro do orçamento disponível, ficar longe de dívidas e ter reservas financeiras. “O estímulo não é para que as crianças queiram ser ricas, mas para que elas saibam lidar com o dinheiro no seu dia a dia. Isso fará com que elas tenham menos problemas financeiros, logo terão menos estresse e assim terão mais qualidade de vida”, explica o autor de livros de educação infantil para o ensino médio e especialista no tema, Álvaro Morelli. Não há um consenso entre os especialistas sobre a idade ideal para que as crianças comecem a ter noções de educação financeira. Alguns defendem que o conteúdo deve entrar no currículo escolar já a partir da educação infantil, outros acreditam que o melhor é começar no ensino fundamental.

Para Morelli, o importante é que o conteúdo seja adequado à idade dos estudantes e trate de situações práticas da rotina das crianças e dos adolescentes para despertar o interesse e facilitar o aprendizado. “A educação financeira infantil não deve trazer assuntos de adultos para as crianças. É preciso falar de dinheiro relacionado a brinquedo, passeio, lanche e aí introduzir fundamentos de educação financeira”, defende. Seguindo a tendência de interdisciplinaridade apontada pelo Ministério da Educação para o ensino, Álvaro Morelli explica que o ideal é que o tema não entre no currículo como uma disciplina isolada, mas seja trabalhada de forma transversal, inserida no conteúdo de matérias como matemática, história, artes e física. Os especialistas explicam que a educação financeira deve ter uma temática ampla e abordar também o consumo consciente e ambientalmente sustentável. São orientações para as crianças cuidarem dos próprios brinquedos, do material escolar, apagar a luz ao sair do quarto e fechar a torneira enquanto escova os dentes. Além do impacto que o aprendizado pode ter na vida dos jovens e crianças, quando os pais não têm uma situação financeira organizada, a orientação que os filhos recebem na escola pode fazer a diferença em casa. “Temos casos de pais saindo do endividamento depois que aprenderam educação financeira com os


filhos. É um processo cíclico. Aliás, como foi a educação ambiental, como vai ser a educação para o trânsito", diz o educador da consultoria Dsop Educação Financeira Reinaldo Domingos. A capacitação dos professores é outro elemento fundamental nesse processo. Em alguns casos, é preciso primeiro incorporar a educação financeira à vida dos professores, para que depois eles transmitam o conteúdo aos alunos, segundo Reinaldo Domingos. “O professor acaba assumindo para ele primeiro a educação financeira, para arrumar a vida e a da família dele, aí é treinando pedagogicamente para colocar esses ensinamentos para as crianças de forma ordenada”, diz.


Veículo: Em.com.br Data: 19/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/2013/05/19/internas_educacao,39 0512/educacao-financeira-nas-escolas-deve-levar-em-conta-universo-infantil.shtml

Educação financeira nas escolas deve levar em conta universo infantil Agência Brasil Publicação: 19/05/2013 12:08 Atualização: Analisar as contas de energia de casa e elaborar um plano de redução de consumo e gastos para discutir com os pais são um exemplo de atividade proposta em livros de educação financeira usado nas escolas. A disciplina não faz parte do currículo oficial das instituições de ensino, mas vem ganhando espaço na rede privada de educação. A intenção é que os pequenos se tornem adultos que saibam lidar com o dinheiro, planejar os gastos dentro do orçamento disponível, ficar longe de dívidas e ter reservas financeiras. “O estímulo não é para que as crianças queiram ser ricas, mas para que elas saibam lidar com o dinheiro no seu dia a dia. Isso fará com que elas tenham menos problemas financeiros, logo terão menos estresse e assim terão mais qualidade de vida”, explica o autor de livros de educação infantil para o ensino médio e especialista no tema, Álvaro Morelli. Não há um consenso entre os especialistas sobre a idade ideal para que as crianças comecem a ter noções de educação financeira. Alguns defendem que o conteúdo deve entrar no currículo escolar já a partir da educação infantil, outros acreditam que o melhor é começar no ensino fundamental. Para Morelli, o importante é que o conteúdo seja adequado à idade dos estudantes e trate de situações práticas da rotina das crianças e dos adolescentes para despertar o interesse e facilitar o aprendizado. “A educação financeira infantil não deve trazer assuntos de adultos para as crianças. É preciso falar de dinheiro relacionado a brinquedo, passeio, lanche e aí introduzir fundamentos de educação financeira”, defende. Seguindo a tendência de interdisciplinaridade apontada pelo Ministério da Educação para o ensino, Álvaro Morelli explica que o ideal é que o tema não entre no currículo como uma


disciplina isolada, mas seja trabalhada de forma transversal, inserida no conteúdo de matérias como matemática, história, artes e física. Os especialistas explicam que a educação financeira deve ter uma temática ampla e abordar também o consumo consciente e ambientalmente sustentável. São orientações para as crianças cuidarem dos próprios brinquedos, do material escolar, apagar a luz ao sair do quarto e fechar a torneira enquanto escova os dentes. Além do impacto que o aprendizado pode ter na vida dos jovens e crianças, quando os pais não têm uma situação financeira organizada, a orientação que os filhos recebem na escola pode fazer a diferença em casa. “Temos casos de pais saindo do endividamento depois que aprenderam educação financeira com os filhos. É um processo cíclico. Aliás, como foi a educação ambiental, como vai ser a educação para o trânsito", diz o educador da consultoria Dsop Educação Financeira Reinaldo Domingos. A capacitação dos professores é outro elemento fundamental nesse processo. Em alguns casos, é preciso primeiro incorporar a educação financeira à vida dos professores, para que depois eles transmitam o conteúdo aos alunos, segundo Reinaldo Domingos. “O professor acaba assumindo para ele primeiro a educação financeira, para arrumar a vida e a da família dele, aí é treinando pedagogicamente para colocar esses ensinamentos para as crianças de forma ordenada”, diz.


Veículo: Ebc Data: 19/05/2013 Editoria: Educação

Site: http://www.ebc.com.br/educacao/2013/05/proposta-em-tramitacao-na-camarainclui-educacao-financeira-no-curriculo-escolar

Proposta em tramitação no Congresso inclui educação financeira no currículo escolar Yara Aquino - Agência Brasil19.05.2013 - 12h15 | Atualizado em 19.05.2013 - 12h29

Crianças aprendem desde cedo a lidar com o dinheiro (Arquivo ABr)

Brasília - Um projeto de lei tramita no Congresso Nacional para incluir oficialmente a educação financeira no currículo escolar nos ensinos fundamental e médio. O projeto propõe que o tema integre o currículo de matemática. Especialistas no assunto, no entanto, defendem que a educação financeira seja trabalhada deforma transversal, incluída em diversas disciplinas. Em tramitação desde 2009, o Projeto de Lei Nº 171/09, apresentado na Câmara dos Deputados, está na Comissão de Educação do Senado e aguarda para entrar na pauta.


Há também uma iniciativa do governo federal que, em 2010, publicou decreto instituindo aEstratégia Nacional de Educação Financeira (Enef). A partir da estratégica, foi implantado um projeto piloto em escolas públicas e os resultados foram avaliados de forma positiva em 2011. Um dos desdobramentos da experiência foi a instalação de um grupo de apoio pedagógico que, de acordo com o Ministério da Educação, discute a validação de materiais pedagógicos de educação financeira elaborados para os nove anos do ensino fundamental e também para o ensino médio. Na rede privada de ensino, a educação financeira vem ganhando maior espaço porque as instituições tem mais flexibilidade no currículo. Um exemplo de dado sobre a implantação do tema é da consultoria Dsop Educação Financeira, que atende a mais de 500 escolas particulares em todo o país com a capacitação de professores e a distribuição de material didático. A consultoria também atende atualmente a rede municipal de educação de Goiânia, Franco da Rocha (SP), Vitória, Guarujá (SP) e Barueri (SP), com ações em diferentes estágios de implementação. “As escolas privadas têm mais facilidade por não ter rede e há concorrência entre elas, então buscam oferecer atividades variadas. As escolas públicas têm redes muitas vezes extensas. Quando vamos para os estados, eles já têm a predisposição de ter educação financeira, mas nos municípios fica mais fácil, por ser uma rede menos extensa que a estadual e a federal”, explica o educador e consultor da Dsop Reinaldo Domingos.


Veículo: Ebc Data: 19/05/2013 Editoria: Educação

Site: http://www.ebc.com.br/educacao/2013/05/educacao-financeira-nas-escolas-develevar-em-conta-universo-infantil

Educação financeira nas escolas deve levar em conta universo infantil Yara Aquino - Agência Brasil19.05.2013 - 11h47 | Atualizado em 19.05.2013 - 12h07

Crianças aprendem desde cedo a lidar com o dinheiro (Hobbies on a Budget/Creative Commons)

Brasília – Analisar as contas de energia de casa e elaborar um plano de redução de consumo e gastos para discutir com os pais são um exemplo de atividade proposta em livros de educação financeira usado nas escolas. A disciplina não faz parte do currículo oficial das instituições de ensino, mas vem ganhando espaço na rede privada de educação. A intenção é que os pequenos se tornem adultos que saibam lidar com o dinheiro, planejar os gastos dentro do orçamento disponível, ficar longe de dívidas e ter reservas financeiras.


“O estímulo não é para que as crianças queiram ser ricas, mas para que elas saibam lidar com o dinheiro no seu dia a dia. Isso fará com que elas tenham menos problemas financeiros, logo terão menos estresse e assim terão mais qualidade de vida”, explica o autor de livros de educação infantil para o ensino médio e especialista no tema, Álvaro Morelli. Leia também: Entidade defende educação financeira no ensino fundamental Não há um consenso entre os especialistas sobre a idade ideal para que as crianças comecem a ter noções de educação financeira. Alguns defendem que o conteúdo deve entrar no currículo escolar já a partir da educação infantil, outros acreditam que o melhor é começar no ensino fundamental. Para Morelli, o importante é que o conteúdo seja adequado à idade dos estudantes e trate de situações práticas da rotina das crianças e dos adolescentes para despertar o interesse e facilitar o aprendizado. “A educação financeira infantil não deve trazer assuntos de adultos para as crianças. É preciso falar de dinheiro relacionado a brinquedo, passeio, lanche e aí introduzir fundamentos de educação financeira”, defende. Seguindo a tendência de interdisciplinaridade apontada pelo Ministério da Educação para o ensino, Álvaro Morelli explica que o ideal é que o tema não entre no currículo como uma disciplina isolada, mas seja trabalhada de forma transversal, inserida no conteúdo de matérias como matemática, história, artes e física. Os especialistas explicam que a educação financeira deve ter uma temática ampla e abordar também o consumo consciente e ambientalmente sustentável. São orientações para as crianças cuidarem dos próprios brinquedos, do material escolar, apagar a luz ao sair do quarto e fechar a torneira enquanto escova os dentes. Além do impacto que o aprendizado pode ter na vida dos jovens e crianças, quando os pais não têm uma situação financeira organizada, a orientação que os filhos recebem na escola pode fazer a diferença em casa. “Temos casos de pais saindo do endividamento depois que aprenderam educação financeira com os filhos. É um processo cíclico. Aliás, como foi a educação ambiental, como vai ser a educação para o trânsito", diz o educador da consultoria Dsop Educação Financeira Reinaldo Domingos. A capacitação dos professores é outro elemento fundamental nesse processo. Em alguns casos, é preciso primeiro incorporar a educação financeira à vida dos professores, para


que depois eles transmitam o conteúdo aos alunos, segundo Reinaldo Domingos. “O professor acaba assumindo para ele primeiro a educação financeira, para arrumar a vida e a da família dele, aí é treinando pedagogicamente para colocar esses ensinamentos para as crianças de forma ordenada”, diz.


VeĂ­culo: Cultura Data: 16/05/2013 Editoria: Jornal da Cultura Site: http://www.youtube.com/watch?v=IILCmWhqz2A

Educadora Financeira Bianca Fiori no Jornal da Cultura


Veículo: O Globo Data: 14/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://oglobo.globo.com/economia/analista-preve-aumento-da-inadimplencia8379431

Analista prevê aumento da inadimplência Falta do medo de perda do emprego e abundância de crédito estimulam endividamento

Publicado:14/05/13 - 7h00 Atualizado:14/05/13 - 7h00

RIO - Em 2010, a média de consumo no Brasil era de 300 dias para compras a prazo. Em 2011, chegou a 620 dias, alerta Reinaldo Domingos, autor do livro “Livre-se das dívidas” e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros. Para ele, a alta dos juros, somada à perda de poder de compra da população, levará à inadimplência. — A população está alongando seu endividamento, perdendo poder de compra. Significa que vamos pagar mais juros e, em breve, haverá falta de capacidade de pagamento — alerta. — As classes D e E subiram para a classe C alavancadas em crédito. Estamos num cenário preocupante. Um colapso financeiro pode acontecer nos próximos cinco anos. Embora baixo se comparado a padrões mundiais, o nível de endividamento no Brasil preocupa por causa de seu custo para a população. — Em termos absolutos, os níveis de endividamento brasileiros não são altos, mas o sujeito endividado causa um estrago financeiro para si muito grande, porque os juros pagos são abusivos — defende o consultor e educador financeiro André Massaro. Massaro diz não ver ainda a inflação como o maior vilão do consumo. Para ele, o consumo acelerado tem relação direta com a falta do medo de perda do emprego


e com a abundância de crédito. Uma ação do governo para controlar a inflação que provoque desaceleração da economia e diminua o nível de empregos, sim, seria preocupante, defende ele. — O endividamento é uma face da moeda. Mostra também que aumentou o número de emprego formal. As pessoas têm mais condições de quitar suas dívidas e condições de comprovar o crédito — diz Renato Meirelles, presidente do Data Popular. — Quem tem mais dinheiro no bolso e emprego formal guarda menos dinheiro, porque tem a garantia mensal de que vai receber.


Veículo: O Globo Data: 14/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://oglobo.globo.com/economia/o-credito-nao-deve-ser-inimigo-do-consumodizem-especialistas-8379473

O crédito não deve ser inimigo do consumo, dizem especialistas Dicas sugerem caminho para não ficar no vermelho

Publicado:14/05/13 - 7h00 Atualizado:14/05/13 - 7h00

RIO - Especialistas em educação financeira apostam que o momento pelo qual o Brasil passa hoje, em que o endividamento cresce, mas a renda dos trabalhadores ainda está em alta, é propício para que as pessoas aprendam a controlar melhor os gastos e reduzir seus riscos de inadimplência. — Seria importante que isso ocorresse agora, num momento de “vacas gordas”. As pessoas têm renda e deveriam se preparar para a eventualidade de a economia passar por um período ruim. Mas elas estão se sentindo seguras e não acham que a renda pode secar — afirma André Massaro, consultor e educador financeiro. Para Renato Meirelles, sócio-diretor do Data Popular, “é o momento de se aprender a gastar bem, porque pode ser tarde demais no futuro”. Ele defende que sejam tomadas ações para ensinar a população a usar o crédito de forma favorável: — O risco é dizer que o controle é inimigo do consumo. O que ocorre é o oposto. Como forma de orientar os consumidores a não passar do limite do crédito, Reinaldo Domingos, autor do livro “Livre-se das dívidas” e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros, defende que é preciso combater as causas do problema. Para isso, propõe quatro passos: 1- Diagnóstico - Por 30 dias, deve-se tentar descobrir para onde vai o dinheiro do mês.


2- Metas - Estabelecer objetivos de vida (mais amplos do que apenas sair da inadimplência) e avaliar quando eles custarão ajuda a manter o foco. 3- Elaborar um orçamento - Nesta tarefa os sonhos devem ter mais prioridade do que as despesas, diz Domingos. 4- Poupança - Deve-se guardar todo mês um pouco do que se ganha. Para os chefes de família, o educador propõe que se faça uma reunião em que cada membro fale sobre seus sonhos e desejos, até as crianças, no curto e no longo prazo. A partir daí, conjuntamente, eles decidirão o que cortar e o que priorizar. — As pessoas não estão sonhando mais, porque quando não se tem objetivos definidos, tudo se torna prioridade. E a família fica à deriva — alerta. Para quem já contraiu dívidas, no entanto, o professor de finanças do Ibmec-RJ Gilberto Braga sugere, em primeiro lugar, que se busque um processo de renegociação para estancar o crescimento da dívida e a cobrança de juros sobre juros. — Isso normalmente se dá com a portabilidade (concentrando as dívidas num único credor) ou com a contratação de um empréstimo para quitar as dívidas nos demais credores. Deve-se, ainda, buscar ajuda profissional e dos familiares. — A pessoa endividada, muitas vezes, é tida como fracassada, porque não consegue mais manter o padrão de consumo. Mas é preciso abrir o jogo em casa e fazer um esforço coletivo para mudar essa situação — aconselha Braga.


Veículo: O Globo Data: 14/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://oglobo.globo.com/economia/encurralado-com-inflacao-alta-novos-padroesde-consumo-brasileiro-tende-se-endividar-mais-8374726

Encurralado com inflação alta e novos padrões de consumo, brasileiro tende a se endividar mais Pesquisa da Febraban mostra que 84% dos entrevistados já ficaram ou estão inadimplentes

Publicado:14/05/13 - 7h00 Atualizado:14/05/13 - 7h00

Fila no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), no Rio: tendência é que consumidores endividem-se ainda mais no país Márcio Alves

RIO - De um lado, a inflação acelerou e apertou a renda do trabalhador, que, por sua vez, já estava com elevado nível de endividamento. Do outro, o governo


entrou em ação para segurar a alta do custo de vida e anunciou em abril a primeira de uma esperada série de aumentos na taxa básica de juros, mais um fator a pressionar o orçamento doméstico. E a situação já não estava confortável. Pesquisa feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em parceria com o Data Popular, mostrou que 84% dos usuários do portal de educação financeira da instituição já ficaram ou estão inadimplentes. Jovens e mulheres estão ainda mais suscetíveis a excessos no consumo, segundo a federação. — É uma ciranda. A tendência do governo é aumentar ainda mais a Selic, como forma de combater preventivamente a inflação. E, para o consumidor, isso é muito caro. Em 30 anos, é muito caro — defende Reinaldo Domingos, autor do livro “Livre-se das dívidas” e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros. O Indicador Serasa de Inadimplência do Consumidor já havia registrado avanço do endividamento em março (3,6% ante fevereiro), com o primeiro trimestre de 2013 alcançando uma alta de 10,5%. O aumento mensal foi o primeiro do ano, puxado, entre outros fatores, pela alta geral de preços. A elevação da Selic a 7,5% ao ano eleva o custo de dívidas com taxas flutuantes, como o cheque especial, encarece. O consumidor fica, então, com basicamente duas escolhas: retomar os padrões de consumo de antes ou fazer mais dívidas. — As pessoas demoram um pouco a notar que o dinheiro não está dando. E a tendência é se endividar para manter o padrão de consumo que custa mais caro em função da inflação. Isso é a porta de entrada no endividamento, e estar a um passo da inadimplência — diz o professor de finanças do Ibmec-RJ Gilberto Braga, no segundo capítulo da série de reportagens “Novos hábitos, velhos problemas”, que o site do GLOBO começou nesta segunda-feira para mostrar como o brasileiro está reagindo à alta da inflação e dos juros. A pesquisa da Febraban mostra que os consumidores disseram que percebem que sua situação financeira melhorou, porque hoje têm acesso tanto a bens de maior qualidade e mais caros (como TV de tela plana, carros bem equipados e celulares com tecnologia de ponta) e porque ingressaram em novas categorias de consumo (com a possibilidade de acesso a restaurantes, planos de saúde e à faculdade). “A gente se acostuma com o bom”, foi uma das frases ditas por um dos entrevistados e registradas pelos pesquisadores durante o estudo. Mas foi detectada uma percepção generalizada de que “quanto mais se ganha, mais se gasta”, o que aumenta, no cenário atual, o risco de endividamento e inadimplência. O risco é ainda maior para mulheres chefes de família e jovens de 18 a 25 anos, aponta a pesquisa. Segundo os dados apurados pelo Data Popular, muitos dos jovens entrevistados já parcelaram compras que não poderiam pagar, estouraram o limite do cartão de crédito, fizeram dívidas no cheque especial ou empréstimos para pagar dívidas. Mais suscetíveis às pressões sociais e ao apelo da sociedade, por um lado, eles são mais intempestivos nos gastos, relata Renato Meirelles, presidente do Data Popular. Por outro lado, mostram-se melhor informados financeiramente e mais conhecedores de ferramentas de internet para controlar seus gastos.


Para Meirelles, a escolha mais provável é que o endividamento continue a crescer, mas em níveis menores. Para ele, o consumidor amadureceu, sabe calcular melhor quanto paga de juros e “não está mais perdido no paraíso do consumo”: — O avanço do consumo não para, porque a metade dos lares brasileiros ainda não tem geladeira, por exemplo. São produtos muito básicos, que as pessoas não querem esperar anos para comprar. O que leva à inadimplência são os pequenos gastos; os grandes são mais planejados. Créditos imobiliário e para automóvel, junto com o consignado, lideram as modalidades de crédito e têm inclusive juros menores graças à baixa inadimplência — lembra Meirelles. A pesquisa da Febraban/Data Popular ouviu 2.781 pessoas.


Veículo: Win Trade Data: 09/05/2013 Editoria: Economia Site: http://www.wintrade.com.br/WinNews/news/especial-educadores-financiamentos-delongo-prazo/4208?printVersion=true

09/05/2013 15h41

Especial Educadores: financiamentos de longo prazo Fonte: Win Por: Laura de Araújo Algumas decisões financeiras, assim como alguns grandes sonhos, requerem planejamento de longo prazo porque necessitam de um financiamento que também durará bastante tempo. Comprar um imóvel é um exemplo, afinal, quem não tem o dinheiro para pagar à vista terá que encarar 10, 20, 30 anos pagando uma dívida com o banco. Às vezes, nem se trata da compra de um bem, mas de um empréstimo de valor alto, usado para fins variados, que será pago em alguns anos. Para falar sobre o tema conversamos com Reinaldo Domingos. O educador e terapeuta financeiro é autor de livros como “Livre-se das dívidas e terapia financeira” (Editora DSOP), e explica em entrevista exclusiva à WinNews os cuidados necessários na hora de se tomar empréstimos de longo prazo. WinTrade – Em primeiro lugar, vamos esclarecer o que é uma dívida longo prazo? Reinaldo Domingos – Consideramos longo prazo quando uma dívida passa dos dez anos. De um ano a dez, é de médio prazo, e, até um ano, de curto. Qualquer que seja a opção é preciso fazer uma educação ou reeducação financeira a todos os familiares. Trata-se de hábitos e costumes, por isso, recomendo adotar a Metodologia DSOP de Educação Financeira, que apresento em meu livro “Terapia Financeira”, publicado pela Editora DSOP. WinTrade – Fazer um financiamento de longo prazo significa comprometer a renda por anos, um tempo bastante longo. Como pesar esse compromisso na hora de firmá-lo, tendo em vista, sobretudo, o tamanho das parcelas, os juros e o tempo? Reinaldo Domingos – Qualquer que seja o financiamento é preciso saber que quem contrai prestações tem dívidas, quem tem dívidas paga juros e quem paga juros certamente realizará menos sonhos e desejos na vida. Quando falamos em contrair um financiamento precisamos saber se não há mesmo uma alternativa de poupar antes, para comprar à vista e com desconto. No entanto, o crédito tem sido um aliado para os que querem antecipar seus sonhos, como é o caso de financiamento de um veiculo ou casa própria. Nesses casos, estamos falando de uma dívida de valor que


tem bens agregados e vinculados à dívida. O grande problema está nos financiamentos de compras a prazo de bens e produtos que não possuem valor. Esses têm sido os grandes vilões das famílias brasileiras. Mas não podemos culpar nosso sistema financeiro e nem tampouco o marketing publicitário. É preciso, antes de criar dívidas, fazer uma boa faxina financeira, ou seja, reunir a família para um diagnóstico financeiro, registrando quais os verdadeiros sonhos e desejos, estudando o valor e quanto será guardado de dinheiro para cada sonho e em quanto tempo. Após o domínio do dinheiro que entra e sai, é preciso reduzir as despesas em excesso, que permeiam em 20% nas famílias brasileiras. Se não houver alternativa e o financiamento for inevitável, é preciso saber qual o valor da prestação que caberá no orçamento, avaliar as melhores taxas de juros oferecidas no mercado e a duração do empréstimo. WinTrade – Como lidar com a questão da imprevisibilidade do futuro - risco de desemprego, de perda de renda, doenças - já que em um caso assim, você garante ao banco que vai ter quantidade x de dinheiro todo mês pelos próximos anos? É possível se proteger contra essa “insegurança psicológica”? Reinaldo Domingos – Sem dúvida, o risco de contrair um financiamento de médio e longo prazo é grande. Quanto à possível inadimplência, quando a pessoa ou família não tem educação financeira, sempre recomendo que todas as vezes que financiar ou comprar a prazo, qualquer que seja o bem ou produto tenha, em média, de 6 a 10 vezes o valor da prestação, como uma reserva estratégica. Mas você pode me perguntar: “Se tenho reserva, posso adiantar as prestações futuras ou algo assim?”, e eu respondo: “Nunca faça isso.” É preciso que se tenha uma reserva para imprevistos, como uma doença, possível desemprego, entre outras intempéries da vida. “O prevenido morre de velho”, já ouviu esse ditado? E acredite, é verdadeiro. Quem poupa sempre tem!

WinTrade – Geralmente as pessoas tomam empréstimo para a compra de um bem bastante oneroso, como a casa própria. Nesse caso, você recomenda algum cuidado extra na hora de tomar e de levar o crédito adiante, já que a própria casa pode ser a garantia? Reinaldo Domingos – Quando se paga aluguel e um possível financiamento é equivalente ao seu valor, sem dúvida financiar pode ser uma das opções, mas sempre olhando tudo o que envolve essa compra, como custo de documentação, condomínio, IPTU, mobília e instalações da nova casa. Enfim, não se pode olhar somente para as prestações, deve-se colocar na ponta do lápis tudo o que for relacionado à casa. Também chamo a atenção para o local/região em que está sendo adquirido o imóvel, visto que todos nós queremos sempre um lugar melhor e, quando isso acontece, pode elevar o padrão de vida da família, em média, de 10% a 20%. Fique atento! Quando se financia uma casa própria, ela é, sem dúvida, a própria garantia; portanto, tenha reservas para nunca colocar em risco esse bem. Também não recomendo pagar parcelas do final para diminuir o prazo. Pense em poupar e ter reservas para que possa realizar outros sonhos também. Tem muita gente que tem o sonho da casa própria e, quando consegue comprar, acaba gerando outro sonho – o de quitar a dívida – e se esquece de viver, por muitos anos. É preciso saber e ter paciência quando se faz dívidas longas. O grande segredo é proteger e não antecipar. Curta a casa e guarde dinheiro para realizar outros sonhos, já que o da casa própria foi realizado. WinTrade - Também podemos encaixar o financiamento para automóveis nessa categoria? Se sim, quais as particularidades que o tomador deve levar em conta? Reinaldo Domingos – Sim, mas com um grande agravante: o custo de um veiculo não fica somente nas prestações mensais, tem muito mais, é o que chamamos de custo de manutenção (seguro, IPVA, DPVAT, licenciamento, estacionamento, lavagem, depreciação do valor real do veículo anualmente, revisão periódica, entre outros). Isso pode representar um montante de 2% sobre o valor do veículo. É preciso colocar tudo na ponta do lápis, fazer contas e se educar financeiramente, esse é o segredo. WinTrade - Além da casa e do automóvel, existe algum outro tipo de bem que se encaixe nisso? Reinaldo Domingos – Chamo a atenção para os produtos e serviços que adquirimos e que não têm valor agregado. Esses sim têm sido o grande vilão da perda de veículos e casas, porque esses gastos são como uma areia movediça, que vão nos levando para o fundo e nem notamos.


Portanto, é preciso praticar sempre os quatro passos da Metodologia DSOP de Educação Financeira: Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar. Deve-se fazer um diagnóstico financeiro, descobrir em que o dinheiro é gasto, anotar por 30 dias as despesas separadas por categoria, anotando até mesmo o cafezinho e a gorjeta. Para cada sonho deve-se saber quanto custa, quanto se guardará para ele e em quanto tempo, elaborar um orçamento financeiro DSOP e, para finalizar, poupar, guardar dinheiro para os sonhos de curto, médio e longo prazos. Praticando esses ensinamentos, é certeza de que seus sonhos serão realizados. Boa sorte!

Observação aos leitores: É possível baixar gratuitamente a metodologia DSOP de Educação Financeira no portal www.dsop.com.br


Veículo: Valor Econômico Data: 08/05/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.valor.com.br/financas/3114582/gasto-com-domestica-tem-de-preverpossivel-hora-extra

08/05/2013 às 00h00

Gasto com doméstica tem de prever possível hora extra As contas a respeito do gasto com a babá precisam ser refeitas caso a família precise que a profissional faça um horário mais extenso. Em um dos exercícios (veja o quadro com os cálculos nesta página), ela trabalha duas horas extras por dia de segunda a sexta-feira. Chega às 9h, faz um intervalo entre 13h e 14h e trabalha até as 20h. Neste caso, o desembolso mensal dos patrões contando as provisões para pagamentos futuros chegaria a R$ 3.221. Nos exemplos, Alberto Morais, responsável pelo serviço de gestão de pagamentos da agência Home Staff, não contabilizou os possíveis gastos com seguro, auxílio-creche e multa em caso de demissão sem justa causa. São itens previstos na emenda constitucional, que ficou conhecida como PEC das domésticas, mas que ainda aguardam regulamentação. Para Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), o impacto da PEC das domésticas na vida das famílias levanta uma questão que considera importante. "Antes de contratar uma babá, a família precisa conhecer exatamente o seu padrão de vida. Analisar se tem dinheiro reservado para pagar férias, 13º salário, e, inclusive, a estrutura necessária para o período em que a babá sair de férias", diz Domingos. "Com as mudanças da PEC, acabou a situação covarde em que o trabalhador doméstico tinha menos direitos. Talvez menos famílias possam arcar com esses deveres e encargos", afirma. Para Domingos, a escola em turno integral é um modelo que veio para ficar.


Tendência ou não, a escolha entre manter os filhos na escola o dia inteiro ou em casa com uma funcionária é algo muito pessoal e envolve muitas variáveis, na avaliação de especialistas. "Depende da estrutura da família, se tem alguém para assumir o papel de cuidador ou não", afirma a psicopedagoga e terapeuta familiar Quezia Bombonatto, presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia. "De forma geral, é importante ficar atento a uma questão: muitas pessoas pensam que ter uma babá pode sair mais barato. Mas não é. Na maior parte das vezes, as atividades, a linguagem, os estímulos e o brincar da babá não são apropriados. Muitas babás acham que cuidar é simplesmente 'olhar' a criança", afirma Quezia. Por situações como essa, Gisela Wajskop, especialista em educação e diretora-geral do Instituto Singularidades, considera a escola a melhor opção. "Acho que uma criança educada por uma babá aprende, principalmente, a ter empregados", afirma. Gisela não vê como um problema a criança ficar dois turnos em um ambiente coletivo e institucional. "Os estudos mostram que as crianças precisam de espaços coletivos e de vínculos afetivos estáveis e seguros para se desenvolverem", diz. "A questão é que a escola precisa ter qualidade, evidenciada tanto por espaços bem pensados quanto por profissionais bem formados. A criança não pode ficar abandonada junto a outras crianças." Para Silvana Rabelo, psicanalista e professora da PUC de São Paulo, a escolha de quem vai ficar com os filhos exige maiores cuidados quanto mais jovens forem as crianças "O cuidador de uma criança pequena tem um papel fundamental na formação daquele futuro adulto", diz. Muitas vezes, é difícil encontrar uma babá ou uma escola que compartilhe dos mesmos valores, das mesmas referências, dos mesmos hábitos e rotinas que a família. Foi assim com a médica Fabiane Teixeira Sarmanho, de 38 anos. Ela levou em torno de dois anos e quatro relações frustradas com babás até encontrar uma profissional para cuidar da filha Brenda, hoje com 13 anos. Com o filho mais novo, Pedro, de 5 anos, a experiência foi diferente. Preferiu matriculá-lo na escola em turno integral quando ele tinha 1 ano e 9 meses. Como dizem as especialistas, a decisão sobre quem vai ficar com os filhos envolve muitas variáveis. É preciso pesar todas elas, inclusive a disposição em cuidar das crianças e de tudo o que gira em torno delas quando a decisão é não ter um empregado. O microempresário Paulo Pellegrino Correa, pai de Carolina e de Leonardo, sabe que não é fácil, mas preferiu assumir o ônus junto com a esposa. "Preparar a mala para ir à escola, dar o café da manhã, o banho, lavar as mamadeiras. Optar pela escola dá muito mais trabalho. Mas também me deixou mais próximo dos meus filhos", afirma.


ABRIL


Veículo: Plena Mulher Data: 26/04/2013 Editoria: Dicas Site: http://www.plenamulher.com.br/dicas.asp?ID_DICAS=4083

FINANÇAS: Educador financeiro mostra como sair das dívidas 26/4/2013

Dados que demonstram o endividamento e a inadimplência da população não faltam, com poucas variações o que se observa é que para grande parte das pessoas a situação é bastante preocupante, com muitos consumidores buscando alternativas como os feirões para limpar o nome. Porém, falta a percepção de que, por mais que seja positivas estão ações, é necessário, além de combater os efeitos também buscar as causas do problema das dívidas, que é a falta de educação financeira.

"Para agravar ainda mais a situação de quem está endividado, os juros bancários são exorbitantes e a grande maioria dos brasileiros recorre a empréstimos e linhas de créditos. Mas usar estas ferramentas sem conhecer em detalhes o funcionamento do sistema é uma das faces do comportamento de risco financeiro mais comum na cultura de endividamento", explica Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e autor do livro Livre-se das Dívidas (Editora DSOP). Domingos alerta que é importante os consumidores saberem calcular o impacto de financiamentos (cartão de crédito, cheque especial, financiamento da casa própria, do carro, de eletrodomésticos, entre outros)


em seu orçamento, e refletir sobre a real capacidade de pagamento antes de optar por uma linha de crédito. Ciclo do endividamento Segundo Domingos, o ciclo do endividamento se constitui de Causas como analfabetismo financeiro, consumismo, marketing publicitário e crédito fácil; de Meios – cheque especial, cartão de crédito, crediário, crédito consignado, empréstimos, adiantamentos e antecipação do IR -; e de Efeitos – problemas conjugais, problemas de saúde, desmotivação, baixa autoestima, produtividade reduzida, atrasos e faltas no trabalho.

“Para quebrar esse ciclo é necessário ajudar a ampliar o repertório da população sobre finanças, de forma consistente e carregada de sentido prático, para que assimilem, o mais cedo possível, a importância do equilíbrio financeiro para o bem-estar individual e social”, diz o presidente da DSOP Educação Financeira.

Em geral, a ciranda financeira segue o seguinte compasso: se a prestação da casa ou do carro não está cabendo no orçamento, a pessoa passa a pagar todas as demais despesas no cartão de crédito, imaginando que assim sobrará recurso para pagar suas principais dívidas. Dentro de poucos meses, no entanto, já não conseguirá quitar a fatura do cartão e passará a pagar a parcela mínima, até que entre algum recurso extra. Mas isso não acontece e a saída é recorrer também ao cheque especial. Chega o começo do outro mês e a história se repete. O salário recebido é suficiente apenas para cobrir o limite do cheque especial. Junto vem o débito referente aos juros do período mais a parcela mínima do cartão acompanhada de juros. Sem alternativa, deixa-se de pagar a prestação da casa ou do carro. Quando se dá conta, a pessoa está endividada de todos os lados, correndo o risco de ficar inadimplente e sem linhas de crédito. Há quem provoque a própria demissão para usar os recursos dos direitos trabalhistas para solucionar o problema. Quando percebem que o dinheiro não é suficiente buscam empréstimo. E assim vai até chegar ao fundo do poço. A solução é fazer um levantamento detalhado de todas as dívidas, separando os itens em “essenciais” e “não essenciais”, priorizando o pagamento das essenciais para evitar o corte de serviços indispensáveis. Deve-se também priorizar as dívidas que têm as taxas de juros mais altas. Provavelmente serão as dos empréstimos adquiridos junto ao sistema financeiro. Se assim for, o melhor é procurar o gerente e pedir que junte num mesmo pacote as dívidas de cheque especial, cartão de crédito e


demais empréstimos e negociar uma linha de crédito diferente, mais alongada, com juros médios de 2,5%, cuja prestação seja menor do que o valor total dos juros que a pessoa pagava mensalmente. A partir desse acordo com o banco, o devedor estará pagando não mais apenas os juros, e sim o valor principal, fazendo com que a dívida seja efetivamente liquidada ao longo do tempo. Se não houver possibilidade de acordo com a instituição financeira ou se a parcela negociada não couber no orçamento será melhor poupar para quando for procurado pelas empresas de recuperação de crédito contratadas pelos bancos, tenha melhores condições de negociar a quitação em valores menores.

Perguntas que o consumidor deve se fazer antes de qualquer compra

- Eu realmente preciso desse produto? - O que ele vai trazer de benefício para a minha vida? - Se eu não comprar isso hoje, o que acontecerá? - Estou comprando por necessidade real ou movido por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? - Estou comprando por mim ou influenciado por outra pessoa ou por propaganda sedutora?

Se mesmo diante deste questionamento, a pessoa concluir que realmente precisa comprar o produto, seria prudente fazer mais algumas perguntas como:

- De quanto eu disponho efetivamente para gastar? - Tenho o dinheiro para comprar à vista? - Precisarei comprar a prazo e pagar juros? - Tenho o valor referente a uma parcela, mas o terei daqui a três, seis ou doze meses? -Preciso do modelo mais sofisticado, ou um básico, mais em conta, atenderia perfeitamente à minha necessidade?


Fonte: Educador financeiro e presidente da DSOP de Educação Financeira publicou os livros Terapia Financeira (2007), O Menino do Dinheiro (2008), O Menino e o Dinheiro (2011), Eu Mereço Ter Dinheiro (2012) e a primeira Coleção Didática de Educação Financeira para o Ensino Básico (2011).


VeĂ­culo: TV Gazeta Data: 18/04/2013 Editoria: Jornal da Gazeta Site: http://www.youtube.com/watch?v=L52j0bq8KfU

Educadora Financeira Bianca Fiori no Jornal da Gazeta


VeĂ­culo: SBT Data: 18/04/2013 Editoria: SBT Brasil Site: http://www.youtube.com/watch?v=G9t0U_RnTdU

Educador Financeiro Dimitrios Avestas no SBT Brasil


Veículo: Globo Data: 12/04/2013 Editoria: SPTV Site: http://www.youtube.com/watch?v=tsNtC8CFt-s

Educador Financeiro Edward Cláudio Jr. no SPTV


Veículo: Exame Data: 11/04/2013 Editoria: Seu Dinheiro

Site: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imposto-de-renda/noticias/saiba-quando-ecomo-antecipar-a-restituicao-de-ir?page=2

Saiba quando - e como - antecipar a restituição de IR Veja as taxas cobradas por cada banco, os limites do empréstimo e quando vale a pena antecipar a restituição São Paulo - Os juros da antecipação da restituição do imposto de renda costumam ser baixos, o que torna essa linha de empréstimo uma das mais baratas do mercado. Mas, antes de pedir a antecipação da restituição do IR o consumidor deve avaliar se realmente vale a pena fazer o empréstimo e quais são as condições oferecidas por cada banco, como limites e taxas de juros cobradas. Neste ano, as taxas cobradas para a antecipação da restituição do IR nos grandes bancos de varejo variam entre 1,57% ao mês (Caixa) e 2,99% ao mês (HSBC). Esses juros costumam ser menores do que aqueles cobrados no empréstimo consignado (cujo desconto é feito diretamente na folha de pagamento), uma das modalidades de empréstimo mais baratas dos bancos. Segundo dados do Banco Central, as taxas médias cobradas no crédito consignado por esses bancos variam entre 1,68% ao mês (Caixa) e 2,70% ao mês (Bradesco). Na tabela abaixo é possível observar as taxas cobradas pelos bancos para a antecipação do IR, os limites do empréstimo e o prazo de contratação.

Instituição

Banco do Brasil

Taxa (% ao mês)

Valor do adiantamento

A partir Até 100% do IR, com valor de máximo de de 20 mil reais, sendo que para valores acima

Limite para contratação

Limite para quitação

Até 30/11/2013

Na restituição ou até o último dia útil de fevereiro


1,59%

de 5 mil reais é preciso comparecer à agência.

de

Itaú

A partir A partir de 200 reais, com limite de de 5 mil reais e sem percentual 1,90% máximo.

Até 31/10/2013

Na restituição ou até 16/12/2013, o que ocorrer primeiro.

HSBC

2,99%

Até 10/06/2013 (após essa data as propostas serão avaliadas caso a caso).

Na restituição ou até 22/02/2014, o que acontecer primeiro.

Santander

A partir Até 100% da restituição. O valor Até 30/10/2013 de mínimo é de 100 reais, sem 1,59% quantia máxima.

Na restituição ou até 20/12/2013, o que acontecer primeiro.

Bradesco

A partir Até 100% da restituição para de quem tem conta-salário, até 1,89% 80% para os demais clientes ou até o teto de 20 mil reais.

Até dezembro de 2013

Na restituição ou até dezembro de 2013.

Caixa Econômica Federal

A partir Até 75% do valor da restituição de de IR, com valor mínimo de 610 1,57% reais e máximo de 20 mil reais para qualquer cliente ou de 30 mil reais para clientes com conta-salário.

Até 30/11/2013

Na restituição ou até 30/12/2013, o que acontecer primeiro.

Até 100% da restituição ou até 30 mil reais. Valor mínimo de 300 reais.

Informações obtidas por meio das assessorias de imprensa ou sites dos bancos. Como solicitar

A antecipação da restituição do IR só pode ser feita no banco no qual o cliente tiver conta e que for indicado para receber a restituição. Para solicitar o adiantamento, o cliente deve indicar a agência, conta corrente e o código do banco na sua Declaração de Ajuste Anual. No ato da contratação, alguns bancos solicitam a apresentação do recibo de entrega da declaração, no qual deve constar a conta indicada para crédito da restituição. Outros permitem a contratação pelo internet banking e exigem apenas que o cliente tenha um limite de crédito pré-aprovado. A quitação da dívida acontece automaticamente quando o contribuinte recebe a restituição ou até um prazo estipulado pelo banco, que costuma ser no final do ano, ou em alguns


casos até fevereiro do ano que vem. E o cliente também pode quitar o saldo devedor antes se quiser. Como saber qual é o valor da sua restituição É possível identificar o saldo de restituição após apurar o imposto devido na Declaração de Ajuste Anual. O programa da declaração já faz esse cálculo automaticamente. Na tela do programa IRPF 2013, denominada “Cálculo do Imposto”, a restituição é a diferença entre o quadro “Imposto Devido” e o “Imposto Pago”. Se o valor do campo "Total de imposto pago" for maior que o valor do campo "Total de imposto devido", o programa indica a diferença nesta linha. Entenda os riscos e os custos da antecipação O educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), explica que a primeira questão que é preciso avaliar antes de fazer antecipação é o risco que o contribuinte corre ao pedila. “Pode ser que a restituição não chegue, trata-se de um risco. O contribuinte pode ter feito tudo certinho, mas pode ser que o problema não seja seu, seja algo fora de sua alçada”, afirma Domingos, que acrescenta que o contribuinte pode cair na malha fina por erros cometidos por suas fontes pagadoras ou por empresas e pessoas que receberam seus pagamentos. Portanto, além de se certificar que a declaração foi feita da maneira correta, com todos os rendimentos devidamente declarados e as despesas dedutíveis comprovadas, o contribuinte deve atentar para o fato de que ainda assim ele não está totalmente livre de cair na malha fina. É fundamental certificar-se junto ao banco sobre o que ocorre caso a fiscalização da Receita pegue o contribuinte. Depois de entender os riscos da antecipação, então é preciso compreender os custos envolvidos. Além dos juros cobrados, é importante verificar o Custo Efetivo Total (CET) da operação, que inclui não só os juros, mas as demais despesas previstas pela contratação do crédito. O CET é pago no momento em que a restituição cai na conta do cliente, junto com o pagamento da antecipação ao banco, ou então até o prazo estipulado como limite para a quitação, dependendo do que ocorrer primeiro. Avalie se a antecipação faz sentido Para avaliar se a antecipação faz sentido do ponto de vista financeiro, o contribuinte deve refletir sobre o motivo do empréstimo. A antecipação pode fazer sentido se o objetivo for algum pagamento que precisa ser feito urgentemente, como de alguma despesa de saúde, ou alguma oportunidade imperdível, que se aproveitada compensará o custo os juros. Talvez o motivo mais plausível para a antecipação seja a troca de dívidas caras por uma mais barata. “Se eu estou endividado e em uma situação em que a taxa de juros é muito alta, como é o caso do endividamento do cheque especial ou do rotativo do cartão de


crédito, como a taxa da antecipação é muito inferior vale a pena trocar esse crédito”, diz Reinaldo Domingos. Se não houver nenhuma dívida e a antecipação for considerada apenas para fins de consumo, talvez seja melhor repensar se não vale a pena esperar o valor da antecipação chegar para que se evitem tanto os custos quanto os riscos da operação. Lembrando que quanto mais tarde se entrega a declaração, mais tempo a restituição demora a cair na conta.


VeĂ­culo: Infomoney Data: 04/04/2013 Editoria: Economia Site: http://www.infomoney.com.br/blogs/financas-em-casa/noticia/2719793/que-muda-nasfinancas-com-pec-das-domesticas


Veículo: Futuro Eventos Data: 02/04/2013 Editoria: Educar Site: http://www.futuroeventos.com.br/educar/noticias/um-novo-conceito-de-educacaofinanceira-e-proposta-de-reinaldo-domingos-durante-20a-educareducador/

Um novo conceito de Educação Financeira é a proposta de Reinaldo Domingos, palestrante da 20ª Educar/Educador Para quem já trabalha ou deseja trabalhar Educação Financeira com seus alunos e vê a importância de falar sobre esse assunto em casa com os filhos não pode perder, durante a 20ª

Educar/Educador,

a

palestra

do

educador

e

terapeuta

financeiro Reinaldo

Domingos. Ele é o mentor da Metodologia DSOP de educação financeira e Presidente da DSOP Editora e Educação Financeira, da Associação Brasileira de Educadores Financeiros – Abefin. Além da participação na palestra, a DSOP estará presente na Feira com o seu estande, onde será possível tirar todas as dúvidas sobre o assunto, além de adquirir livros sobre o tema.

A Educar, segundo Domingos, tem sido um grande celeiro do conhecimento educacional com palestrantes de altíssimo nível, congressistas de grande gabarito trazendo e levando novos conhecimentos. “Fico muito lisonjeado em participar como palestrante e a DSOP Educação Financeira como expositora. Trata-se de mais uma conquista”, diz.


A palestra será no dia 22 de maio, das 15h30 às 17h e, na oportunidade, Domingos pretende ressaltar que a educação financeira lida diretamente com o comportamento humano e por isso trata-se de ciências humanas e não exatas. Levar este novo conceito comportamental para crianças, professores e pais de famílias por meio das escolas, empresas e lares brasileiros é o grande desafio da Metodologia DSOP, que há três anos leva o tema a centenas de escolas privadas e públicas.

Os resultados,

segundo

Domingos,

são reveladores. Trata-se de um processo que tem início e nunca tem fim, isto porque o programa envolve todos, comunidade, pais, alunos e professores. O educador explica que a metodologia inicia desde o ensino infantil quando a criança tem seus três a cinco anos. A criança, explica ele, recebe ensinamentos de forma lúdica. São apresentados os hábitos de poupar antes de gastar e ensina que ao poupar ela poderá realizar todos seus desejos e sonhos. No Ensino Fundamental, em cada ano letivo, a criança continua aprendendo e aplicando os quatro pilares da Metodologia DSOP: Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar, sempre respeitando seu momento de vida. Quando chega no Ensino Médio, a metodologia trabalha com a importância de poupar e do aluno ter sempre em mente três sonhos de curto, médio e de longo prazo. Domingos é autor da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil, livros paradidáticos série O Menino do Dinheiro, O Menino e o Dinheiro, Terapia Financeira, Livre-se das Dívidas, Ter dinheiro não tem segredo, Eu Mereço ter Dinheiro, entre outros programas para o ensino do Jovem Aprendiz e EJA – Ensino Jovem e Adultos. Para ele, não basta apenas transferir o problema para as escolas. “Trata-se de uma cultura que envolve família e escola. É preciso adotar um programa que envolva capacitação financeira para o professor, palestras de sensibilização para os pais, orientação pedagógica de como ministrar essas aulas aos alunos e habilitar a escola no tema educação financeira”, diz. A DSOP, explica Domingos, é “Um novo estilo de vida”. Com este slogan, Domingos quer reforçar que a educação financeira relaciona-se com todas as áreas do conhecimento e deve ser propagada em conjunto com as outras disciplinas por ser um tema transversal. “Os resultados ficam evidenciados quando vemos uma criança levando para dentro de seu


próprio lar os ensinamentos que aprendeu e neste momento ela mesma está praticando um dos mais importantes atos de ensino que é passar e praticar no seu dia a dia o que aprende em seu dia a dia. Com isso ela e sua família podem realizar todos seus desejos, objetivos e sonhos”, destacou.


MARÇO


Veículo: Zero Hora Data: 14/03/2013 Editoria: Economia Site: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2013/03/jovem-e-maior-grupo-deendividados-4075072.html

Jovem é maior grupo de endividados Quase 40% dos pagamentos em atraso são de consumidores com idade entre 16 e 20 anos, conforme a CDL da Capital Entre as ambições para a construção de uma carreira, os pequenos luxos do cotidiano e os momentos de lazer, os jovens são grandes consumidores de produtos e serviços. Não são raros os meses em que o salário não alcança a soma ansiedade + ambição + estímulo pelo consumo + crédito fácil. O resultado é que o maior índice de pessoas com dívidas em atraso – 38,28% – está na faixa entre 16 e 20 anos, conforme a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Porto Alegre com base em dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). O início da vida financeira conturbado se acentuou com o maior acesso à tecnologia, avalia o diretor executivo da CDL, Ricardo Guimarães: – Começou a partir do momento que teve o boom da telefonia celular. São novidades que atraem os olhos de quem ainda não aprendeu a lidar com orçamento limitado. Novos smartphones, tablets ou carros. Roupas mais bonitas, de grifes. Viagens para lugares distantes. Games viciantes que exigem consoles potentes. Ter coisas enturma, faz o jovem se sentir poderoso e bem-


sucedido. São alguns dos motivos que geram o consumo desenfreado, diz a professora de ciências do consumo aplicado da ESPM e consultora na área, Suzana Carvalho: – Atualmente, o dinheiro tem muito mais importância na vida das pessoas do que anos atrás, e o estímulo ao consumo é grande. Hoje, Dia do Consumidor, a presidente Dilma Rousseff anuncia medidas para modernizar as relações de consumo no Brasil. Não conseguir pagar as contas em dia é comum a milhares de pessoas. Apesar da queda pelo quarto mês seguido, o número de brasileiros que não quitaram dívidas em fevereiro foi 10,1% maior que no mesmo mês de 2012, segundo a Serasa Experian. No Estado, o índice cresceu 4% em janeiro em relação a dezembro. A grande oferta de crédito é outro fator destacado por especialistas como vilão na busca pela saúde financeira. Se a posse de objetos é valorizada, os números que transitam entre uma conta e outra parecem não fazer mais sentido, mesmo quando surgem naquele temido tom avermelhado na tela do caixa eletrônico. – Quem entra na faculdade ganha de bancos conta corrente e cartão, mesmo não tendo renda nem patrimônio. Você junta a falta de educação financeira com exacerbação do consumo e acesso a crédito, já viu – diz o economista Samy Dana, professor de administração e finanças da FGV. Juro se torna bola de neve Não saber como funcionam as taxas de juro e os riscos de comprometer uma parte grande demais do orçamento em prestações compõem o bolo da inadimplência entre jovens. A situação só melhora com o tempo. Em fevereiro, o índice na faixa de 21 a 25 anos foi de 21,19%, e de 26 a 30, 14,43%. Davis Schroetter, 29 anos, estudante de Ciência da Computação na PUCRS, não tem grandes contas fixas para pagar, mas já sabe o peso de errar na programação financeira. – Eu gastava quatro ou cinco vezes mais do que recebia com festas e compras. A minha última dívida chegou a cerca de R$ 10 mil. Fiz um financiamento no banco do cartão, paguei ainda mais juro, parcelei a dívida em 15 vezes e


consegui quitar. Mas foi a última vez que me descontrolei – afirma, agora mais controlado e dono de uma conta de poupança. Driele Cardoso, 21 anos, vai pagar no próximo mês a sexta e última fatura do parcelamento do cartão de crédito de uma loja de roupas. A estudante do curso técnico em Recursos Humanos acumulou dívidas durante meses, já que não conseguia liquidar as faturas mensais. Na época, o valor que ganhava como estagiária não era o suficiente para quitar os pagamentos. Enquanto o parcelamento não estiver pago, o cartão permanece bloqueado. – Fiquei frustrada, não posso deixar acontecer isso de novo. Vou terminar de pagar e não usar mais cartão até que eu possa me estabilizar – diz Driele. No vermelho Inadimplentes de 16 a 30 anos no Estado: Janeiro: 19,07% Fevereiro: 24,8% Alta de 3,55% Índice de inadimplência no Estado por faixa etária: 16 a 20 anos: 38,28% 21 a 25 anos: 21,19% 26 e 30 anos: 14,43% Fonte: SCPC Educação começa cedo O presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, explica que há projeto de tornar a educação financeira disciplina obrigatória no ensino regular. Mas a conversa já pode começar em casa. Confira como proceder: 3 a 5 anos É recomendado presentear o filho com três cofrinhos, um de cada tamanho. No menor, vão as moedinhas destinadas a gastos de curto prazo e, assim, sucessivamente. Domingos diz que os pais devem ensinar que os cofres guardam os sonhos de compras das crianças e que, para realizá-los, devem ter o hábito de economizar. 6 a 14 anos A ideia é mostrar para o filho o que o dinheiro faz, como comprar coisas ou pagar contas. Então, se deve traçar planos de economizar para realizar os sonhos da família, como uma viagem de férias. Nessa idade, os pequenos já podem participar de reuniões em família para decidir no que se gasta. O


especialista também aconselha ensinar a questão da escolha, que se deve optar por gastar as economias em uma ou outra compra. Depois dos sete anos também é recomendado dar uma mesada. Para calcular o valor adequado, o especialista da Abefin faz uma conta: a quantidade ideal é metade do pedido (ou ganho) pelo filho em 30 dias. Isso vai fazer com que ele precise economizar para adquirir algo. Acima dos 14 anos Alguns jovens nessa faixa já começam a trabalhar e outros ganham mesada. Em ambos os casos há assédio por parte das empresas financeiras na oferta de crédito. Nesse caso, o ideal é começar dando um cartão pré-pago, para que o jovem entenda o tamanho da verba que tem disponível. Ensinar sobre a possibilidade de guardar dinheiro para a aposentadoria pode ser útil para criar o hábito de poupar recursos.


Veículo: O Estado de S. Paulo Data: 11/03/2013 Editoria: Economia Site: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,consultoria-ajuda-investidor-a-enfrentarcenario-de-juros-baixos-sem-grandes-sustos-,1007095,0.htm

Consultoria ajuda investidor a enfrentar cenário de juros baixos sem grandes sustos

Profissionais especializados em finanças pessoais podem dar orientações e ajudar a compor uma carteira de investimento mais adequada ao bolso do cliente 11 de março de 2013 | 2h 07

THIAGO LASCO - O Estado de S.Paulo

A combinação de juros baixos e inflação alta tem desafiado o poupador a sair da zona de conforto e diversificar as aplicações. Renda variável e produtos sem incidência de imposto de renda são algumas das alternativas, mas demandam conhecimentos que o pequeno investidor nem sempre tem. Para ajudá-lo a enfrentar esse novo cenário, há profissionais que podem dar orientações e até compor uma carteira de investimentos adequada. Os gerentes de banco, em tese, são aptos a prestar esse serviço. Mas como eles são pressionados a cumprir metas internas, podem oferecer produtos vantajosos para a instituição e não para o cliente, como planos de capitalização. Uma alternativa são os consultores que trabalham em corretoras e distribuidoras de investimentos. Por não estarem presos a produtos de uma bandeira só, eles podem compor uma carteira mais diversificada. O atendimento começa com uma conversa em que o cliente expõe sua condição financeira, recursos disponíveis e objetivos de vida. A partir daí, o consultor traça o perfil do investidor e sugere produtos para curto, médio e longo prazo. "Detectamos o nível de tolerância ao risco do cliente, criamos uma carteira e depois ele acompanha o desempenho pela internet", explica Paulo Bittencourt, diretor técnico da Apogeo Investimentos.


Embora haja casos em que a consultoria é cobrada à parte, em geral a remuneração do profissional já está embutida na taxa de administração dos produtos vendidos ao cliente. Também pode ser cobrado um porcentual sobre o que o cliente ganha, mais uma fração do que exceder o benchmark estipulado, que pode ser o CDI, o Ibovespa ou o IGP-M. Isso estimula os profissionais a serem arrojados na busca de resultados. "A corretora vai maximizar o ganho do cliente porque vai ganhar também", diz Julio Ortiz, diretor comercial de pessoa física da Rio Bravo. O acompanhamento da carteira é periódico. A iniciativa de revisão da estratégia pode partir do próprio cliente ou, em certos casos, ser provocada pelo consultor. "Pular de um produto para outro é ruim, pois envolve custos de transição, então não dá para mudar o tempo todo. A análise deve ser trimestral", sugere Bittencourt. Com o aumento da demanda, a consultoria de investimentos, antes restrita a grandes fortunas, tende a se popularizar. "Nosso alvo é o jovem que está começando e será um bom investidor ao longo dos anos", descreve Ortiz. A Rio Bravo exige valor mínimo de R$ 50 mil para aplicação. Na Apogeo, o montante inicial é R$ 25 mil. O diretor financeiro Jorge Luiz Alves aplicava boa parte dos recursos em renda fixa e estava insatisfeito com os rendimentos. Há três meses, procurou uma gestora e se sentiu seguro para ampliar o aporte em renda variável. "Uma vez por mês, eles me procuram e fazemos um ajuste na estratégia. É uma atenção diferente da que eu tenho no banco." Os planejadores financeiros, por outro lado, atuam de forma desvinculada de instituições. Eles assistem o investidor e sugerem classes e famílias de investimentos, mas não indicam ou vendem produtos financeiros, nem gerem o capital do poupador. O aconselhamento é feito a partir de um exame amplo do patrimônio, da capacidade financeira e dos objetivos de vida do cliente. Esses profissionais também podem organizar as finanças da família, sugerindo a substituição de um financiamento por outro com taxas mais baixas, ou produtos financeiros que recolham imposto menor. Além disso, ajudam a planejar a sucessão de bens e opinam em questões ligadas a imóveis. "Eles não vão indicar um apartamento, mas podem dizer se vale a pena investir em imóveis, comparando o rendimento do aluguel com o de outras aplicações", diz o administrador de investimentos Fábio Colombo. A remuneração do profissional é combinada com o cliente. Pode ser um valor fixo pela montagem de um plano ou um contrato por horas. O valor da hora trabalhada varia de R$ 100 a R$ 1,5 mil. Cursos. Mas se a ideia é aprender a cuidar sozinho dos próprios recursos, o profissional indicado é o educador financeiro. "Em vez de entregar o plano montado, damos aula ao cliente", diz o educador Mauro Calil. Os cursos, ministrados em escolas como a Academia do Dinheiro e o DSOP, têm duração de quatro a oito meses. Havendo mudanças importantes no cenário econômico, o aluno pode voltar à sala de aula para se atualizar.


Foi em um desses cursos que o fotógrafo André François se interessou em investir na bolsa. Hoje, ele investe em ações de empresas da área de saúde mais de 80% de seus recursos estão aplicados em renda variável. "Você entende que tipo de investidor é e que lado do mercado é bom para você." Veículo: Gloss Data: 10/03/2013 Editoria: Dinheiro

Site: http://gloss.abril.com.br/materia/manual-basico-sobre-juros?origem=barraM

Manual básico sobre juros Tudo o que você nunca quis saber e sempre teve preguiça de perguntar sobre juros – mas que pode tirar sua conta do vermelho!

Dicas para você não se afundar com as dívidas / Reprodução

Você ganha devagar e perde muito rapidamente: Os juros que você recebe quando aplica o seu dinheiro são muito inferiores aos que paga quando faz um financiamento. Por exemplo: R$ 1000 aplicados na poupança viram cerca de R$ 1060 após um ano. Esses mesmos R$ 1000, quando não pagos no cartão, podem virar R$ 3000 em dívidas nesse período.


Tempo é dinheiro e tamanho é documento: A taxa de juros é calculada de acordo com o montante devido e o tempo em que ele será pago. Leve isso em conta na hora de renegociar o que deve: se, no novo acerto, você conseguir diminuir a dívida ou decidir quitá-la em um tempo mais curto, exija um desconto nos juros (já que os iniciais foram calculados com base no prazo e no valor anterior). Quanto mais fácil de usar, mais difícil de pagar: Estourar o cartão de crédito ou usar o cheque especial é simples – basta passar o cartão. Já pegar um empréstimo no banco é mais complicado: pode exigir uma conversa com o gerente e a apresentação de documentos. Em compensação, os juros são muuuito menores. “Quanto mais fácil, mais caro é”, resume o especialista em finanças Samy Dana, professor de economia da Fundação Getulio Vargas. Quanto menos garantias você dá, mais caro fica: Algumas empresas de crédito oferecem empréstimos “sem consulta ao SPC e sem comprovação de renda”. A contrapartida? Cobram taxas de juros altíssimas, já que não tem garantias de que a dívida será paga. Por outro lado, o empréstimo consignado (com débito direto do salário) tem juros menores, porque há a certeza de que o pagamento será debitado. Eles estão em todo lugar: Não acredite em parcelamentos sem juros; isso praticamente não existe. “Muitas empresas não gostam de vender à vista porque o mais interessante para elas é cobrar prestações com juros embutidos”, diz o educador financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro Livre-se das Dívidas. “Algumas lojas de departamentos conseguem embutir até 50% de juros em suas parcelas fixas.” Aproveite-se disso na hora de comprar à vista e sempre peça um bom desconto. Se não derem, procure o produto em outro lugar. Juro bom é de até 1%: Para o educador financeiro Álvaro Modernell, uma taxa de juros de até 1% ao mês é “razoável”. “Acima disso, pode ser considerada alta.” A taxa básica do mercado atualmente é de 7,25% ao ano. Os juros são abusivos quando passam muito desse valor. No caso de empréstimos, porém, até 30% ao ano é aceitável. Não deixe de comparar: Ainda que as parcelas de uma compra ou um empréstimo caibam no seu orçamento, sempre compare o valor total a ser pago (incluindo os juros) com o valor à vista. Assim você vê claramente quanto vai pagar a mais parcelando e pode avaliar se é um bom negócio ou se está perdendo dinheiro.


Veículo: O Globo Data: 10/03/2013 Editoria: Economia

Site: http://oglobo.globo.com/economia/a-dificil-tarefa-de-guardar-dinheiro-paraaposentadoria-7800133

A difícil tarefa de guardar dinheiro para a aposentadoria Pesquisa mostra que brasileiro poupa menos do que deveria para viver bem quando parar de trabalhar

Fernando Sasaoka começou a investir para aposentadoria aos 19 anos. Hoje, diversifica as aplicações Arquivo pessoal

SÃO PAULO – Os brasileiros estão poupando menos do que deveriam para sua aposentadoria, têm consciência disso, mas ainda assim preferem gastar o dinheiro


em férias do que reforçar o caixa para a época em que não tiverem mais a renda do trabalho. Estas são algumas das principais conclusões do levantamento “O Futuro da Aposentadoria”, uma ampla pesquisa sobre o tema feita pelo banco HSBC. O estudo apontou que 19% dos entrevistados nem se preparam para ter uma renda extra à do INSS, a previdência oficial, que paga, em média, pensões de R$ 803. O dado que mais chamou a atenção, entre os brasileiros que guardam dinheiro, é que eles poupam metade do que precisam para ter uma aposentadoria confortável. Segundo a pesquisa do HSBC, os entrevistados esperam viver 23 anos após pararem de trabalhar, mas suas economias só vão durar 12 anos. — É um déficit maior do que a média mundial, onde os entrevistados poupam para dez anos de aposentadoria, mas esperam viver 18 anos depois de parar de trabalhar — avalia Gilberto Poso, superintendente de gestão do patrimônio do HSBC. Os especialistas em finanças pessoais apontam várias razões para esse déficit maior por aqui. Uma parte desses poupadores começou a guardar dinheiro só aos 40 anos. Com o crescimento da expectativa de vida média do brasileiro de 66 anos, em 1990, para os atuais 74, criou-se esse problema. — O brasileiro começa a poupar muito tarde. Por isso, não consegue acumular o patrimônio necessário para garantir rendimentos expressivos até o final da vida — diagnostica Mauro Calil, educador financeiro. Apenas 1% consegue manter padrão após aposentadoria A relações públicas Sulei Godoy, de 55 anos, sempre esperou receber o teto da aposentadoria do INSS, que hoje é de R$ 4 mil. Aposentou-se e sua pensão é de apenas R$ 1.100. Só foi pensar em ter uma previdência aos 40 anos. — Comecei com uma previdência privada, mas vi que teria pouco retorno. Montei uma pousada e hoje também continuo trabalhando para manter meu padrão de vida — diz ela. O presidente do Instituto DSOP de Educação Financeira, Reinaldo Domingos, estima que apenas 1% dos brasileiros consegue manter o padrão de vida após a aposentadoria. — Um erro de cálculo leva as pessoas a pouparem menos do que precisam para a aposentadoria — diz Domingos. Ele cita como exemplo uma pessoa que ganha R$ 5 mil de salário. Na aposentadoria, ela receberá R$ 2 mil do INSS e terá que complementar a renda com mais R$ 3 mil para igualar o salário da ativa. Para isso, contrata um plano de previdência privada (PGBL ou VGBL). Mas tem como objetivo acumular recursos para receber os R$ 3 mil que vão faltar. Reinaldo Domingos diz que isso é um erro clássico. Na verdade, ela deveria pensar em acumular recursos para ter uma renda extra de R$ 6 mil: — Ela então saca R$ 3 mil, complementa sua renda, e reaplica os R$ 3 mil restantes, que se capitalizam e garantem a mesma renda até o fim da vida. Se só tiver R$ 3 mil para retirar da aplicação principal, e nada para reaplicar, essa previdência privada vai acabar muito rápido. Começar a poupar cedo é o mais indicado, mas começar aos 40 anos não é o fim do mundo, dizem os especialistas. A questão é que, quanto menos tempo de


acumulação de renda, maior é a necessidade de desembolso mensal. Segundo cálculos do consultor financeiro Miguel Ribeiro de Oliveira, uma pessoa de 20 anos que começa uma previdência privada para ter uma renda complementar de R$ 3 mil, precisa desembolsar R$ 483,61 todo mês: — Já uma pessoa de 40 anos terá que começar com uma contribuição de R$ 2.034,62 para ter a mesma renda, considerando uma rentabilidade constante de 6% ao ano — explica Oliveira. Aposentadoria ideal do brasileiro é igual a 70% do salário Uma pesquisa da BrasilPrev mostrou que o valor médio de aplicação mensal nos seus planos de previdência privada é de R$ 274. Com esse valor, para ter os mesmos R$ 3 mil de renda extra, a pessoa teria que começar a aplicar numa previdência privada aos 11 anos de idade, considerando rentabilidade de 6% ao ano, calcula Miguel Ribeiro de Oliveira. O administrador Fernando Sasaoka, de 36 anos, começou a pensar na aposentadoria aos 19 anos. Primeiro poupou nos tradicionais planos de previdência, PGBL e VGBL. Mas depois descobriu que poderia ter rendimento melhor e se aposentar mais cedo aplicando em produtos como Tesouro Direto, Letras de Câmbio Imobiliário (LCI) e fundos atrelados à inflação. — Em vez de aplicar em fundos de investimento, pagando taxas de administração, compro os títulos no Tesouro Direto, sem taxa nenhuma — afirma Sasaoka, que espera se aposentar quando tiver um rendimento igual a três vezes seu salário atual. Na média, a pesquisa do HSBC apontou que o brasileiro quer ter como renda o equivalente a 70% do seu salário na aposentadoria.


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 08/03/2013 Editoria: Economia Site: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1242887-385-dos-paulistanos-possuem-algumtipo-de-aplicacao-financeira.shtml

08/03/2013 - 11h59

38,5% dos paulistanos possuem algum tipo de aplicação financeira COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Atualizado às 18h50.

A proporção de paulistanos com algum tipo de aplicação financeira aumentou em fevereiro em relação ao primeiro mês do ano, de acordo com a Prie (Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento), divulgada pela Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) do Estado de São Paulo. Segundo o levantamento, 38,5% dos paulistanos têm algum tipo de aplicação, 1,2 ponto percentual acima dos 37,3% registrados em janeiro. Confira a página especial do Folhainvest e veja dicas de investimento Saiba como fazer sobrar dinheiro no fim do mês para investir Vídeo: saiba como definir seu perfil de risco para aplicações em renda fixa


Como fazer orçamentos Ver em tamanho maior »

Editoria de Arte/Folhapress


Ante rio rPróx ima

O valor, no entanto, é inferior ao patamar recorde apontado em outubro do ano passado, quando 50,2% do total de consumidores em São Paulo tinha algum tipo de aplicação. A poupança é a opção mais escolhida pela maioria dos paulistanos, já que 76% deles investem neste tipo de aplicação. Em seguida aparece a renda fixa, opção escolhida por 13,6% dos paulistanos. Bem atrás, as carteiras de previdência privada recebem aportes de apenas 4,4% dos paulistanos, enquanto o investimento em ações é a escolha de 2,5% deles. Já 3,6% dos paulistanos possuem outras aplicações. A preferência pela poupança, segundo a Fecomercio, evidencia que o Brasil ainda é um país de perfil conservador nas aplicações e, a depender das interferências do setor público sobre empresas listadas na Bolsa, a tendência é de que isso não se altere no curto prazo. DICAS Mesmo que se considere o salário apertado para as despesas do mês, com metas estabelecidas e disciplina, qualquer pessoa pode ser transformar em um poupador bem-sucedido, afirmam especialistas. Bastam força de vontade e organização. Nesse processo, a primeiro medida é fazer um orçamento familiar básico, anotando todos os gastos e renda da família em cada mês e cortando despesas que não sejam essenciais. A ferramenta acima traz dez passos para quem quer aprender a elaborar um orçamento. As dicas incluem especificar quais são as despesas indispensáveis à família (como com aluguel, luz, impostos), determinar quais são os sonhos a serem alcançados no curto prazo (um ano), no médio prazo (até dez anos) e no longo prazo (mais de dez anos --inclui aposentadoria), e se programar para cortar gastos para poupar.


Reinaldo Domingos, educador financeiro, destaca que, para quem está endividado, quitar os débitos deve fazer parte da lista de sonhos, e que é importante retirar o dinheiro para realizar os sonhos listados assim que o salário chegar.


Ve铆culo: TV Brasil Data: 05/03/2013 Editoria: Rep贸rter Brasil Site: http://www.youtube.com/watch?v=NRQHBlJalmo

Educador Financeiro Reinaldo Domingos no Rep贸rter Brasil


FEVEREIRO


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 27/02/2013 Editoria: Economia Site: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1237065-criar-um-filho-ate-os-23-anos-nobrasil-custa-ate-r-2-milhoes.shtml

27/02/2013 - 08h30

Criar um filho até os 23 anos no Brasil custa até R$ 2 milhões PUBLICIDADE

DO "AGORA" DE SÃO PAULO

Atualizado às 12h13.

Nos primeiros 23 anos anos de vida de um filho, os pais brasileiros chegam a gastar até R$ 2.086.602 para custear despesas como educação, lazer, saúde e vestuário. Somente a fatia relacionada aos estudos em todo esse período de crescimento representa 34% desse total, o equivalente a R$ 703.644, segundo pesquisa feita pelo Invent (Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing). Nove meses não bastam para planejar a chegada do bebê; veja dicas A pesquisa faz cálculos para quatro classes sociais: A (renda maior que R$ 25 mil por mês), B (de R$ 6.000 a R$ 25 mil), C (de R$ 2.000 a R$ 5.999) e D (menos de R$ 2.000) --veja a tabela abaixo.


Os dados apontam que os gastos crescem com a idade. Até os quatro anos, por exemplo, o custo/ano vão até R$ 63 mil --dos 20 aos 23 anos chega a R$ 122 mil. Para o presidente do Invent e responsável pela pesquisa, Adriano Maluf Amui, vale mais a pena usar da melhor maneira possível o que se tem no bolso e construir uma família organizadamente do que viver de altos e baixos financeiramente. "Planejar não significa adotar uma postura radical e inflexível, como muitos pensam. Um exemplo simples de planejamento é: se você investir R$ 100 por mês desde o nascimento do seu filho em um investimento que renda 10% ao ano, aos 18 anos terá poupança de R$ 57.670", afirma. LAZER CUSTA R$ 421 MIL Os gastos com o lazer dos filhos (como cinema, clubes, festas de aniversário e viagens) podem chegar a R$ 421 mil em 23 anos, segundo a pesquisa. Esse valor é para a classe A. As classes B e C gastariam bem menos com lazer (R$ 94,8 mil e R$ 38,8 mil, respectivamente), de acordo com a pesquisa. A classe D reservaria valor mínimo para o lazer dos filhos: R$ 4.800 durante os 23 anos. Tipo de gasto

CLASSE A (acima de R$ 25)

CLASSE B (de R$ 6.000 a R$ 25 mil)

CLASSE C (de R$ 2.000 a a R$ 5.999)

CLASSE D (até R$ 2.000)

Alimentação

115,2 mil

96 mil

45,8 mil

23 mil

Babá e adicional empregada doméstica

170,4 mil

151,2 mil

zero

zero

Energia, telefone e TV a cabo

59,4 mil

51 mil

15,6 mil

5.760

Alimentação escolar

46,8 mil

26,7 mil

15 mil

zero

Berçário, ensino fundamental e médio e universidade

453,6 mil

206,4 mil

96 mil

zero

Cursos diversos

56,5 mil

26,4 mil

16,8 mil

zero

Materiais didáticos, livros, CDs e revistas

25,2 mil

21,6 mil

17,7 mil

zero

Mesada

74,9 mil

52,4 mil

24 mil

zero


Transporte

46,5 mil

32,4 mil

15,6 mil

zero

Academia, clube e associações

56,8 mil

31,2 mil

14,4 mil

zero

Cinemas, teatros e shows

30,2 mil

15,6 mil

9.600

4.800

Festas de aniversário

200,7 mil

24 mil

9.600

zero

Viagens, férias e passeios

133,2 mil

24 mil

5.200

zero

Fundos/investimentos

149,5 mil

28,8 mil

4.800

zero

Despesas diversas e farmácia

37,3 mil

21,2 mil

18,2 mil

zero

Médicos particulares, pediatra e dentista

36,9 mil

zero

zero

zero

Plano de saúde

83,5 mil

57,6 mil

56,4 mil

zero

Brinquedos, informática, telefonia e novas tecnologias

160,7 mil

36,6 mil

15,6 mil

zero

Roupas e calçados

148,8 mil

45 mil

26,8 mil

20,1 mil

Total

2,08 milhões

948,1 mil

407,1 mil

53,7 mil

Fonte: Invent

DO BERÇO Quando o assunto é a chegada de um bebê na família, o que os pais costumam elencar primeiro são itens como berço, trocador, carrinho, mamadeira e enxoval. Mas gastos com parto, babá, pediatra, vacinas e até o aumento nas contas da casa devem entrar nessa lista. Os gastos da família durante a gestação sobem de 20% a 30%, em média, segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos. E só aumentam durante os anos seguintes ao nascimento. Para evitar problemas no orçamento, nove meses não bastam. Consultores sugerem se planejar com cerca de dois anos de antecedência e colocar tudo no papel para fugir do endividamento. Para essa fase, o educador financeiro Mauro Calil recomenda: separe o que é desejo do que é necessidade, fuja das grifes e peça fraldas no chá de bebê. O planejador Marcos Silvestre acrescenta: pesquise preços em diferentes áreas da cidade e monte uma planilha para, só depois, comprar.


AlĂŠm disso, ĂŠ preciso contar com os gastos do acompanhamento mĂŠdico e com as despesas do parto, que chega a custar cerca de R$ 15 mil, segundo Calil. Editoria de arte/Folhapress


Veículo: Vitae Data: 25/02/2013 Editoria: Educação Site: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=2409

Quando os Pais Devem Pensar sobre Mesada? Reinaldo Domingos

A Educação Financeira para as crianças deve começar desde cedo. Assim, além da escola, os pais possuem um papel fundamental nesse processo. Mas, como os pais podem fazer isso? São várias as formas, uma delas é a mesada. Para os pais que ainda não disponibilizam esta ferramenta para os filhos, esta é uma ótima oportunidade para avaliar a possibilidade. A primeira dúvida em relação a esse tema é a idade com que a criança deve iniciar o contato com o dinheiro. Isso dependerá de cada caso, entretanto, a partir dos três anos, quando a criança começa a demonstrar desejos próprios, já é o momento de iniciar a analisar a melhor forma de inserir a educação financeira (não a mesada), mostrando o processo de troca do dinheiro por produtos. Um ponto muito importante é explicar para seu filho por meio de conversas, jogos e brincadeiras, que nem tudo que ele quer ou assiste na TV é para ele comprar. Estimule-o a refletir e pensar sobre como utilizar dinheiro, priorizando os sonhos. Reserve as datas


especiais (como o Natal, aniversário) para dar brinquedo à criança, isso evitará que ela queira tudo o tempo todo. Depois desses passos, quando os jovens já estiverem acostumados com o contato com o dinheiro, já é a hora de progredir na educação financeira dos filhos começando a dar as mesadas. Contudo, cuidados devem ser tomados para que esse artifício realmente atinja sua finalidade. Um deles é definir qual a finalidade que a mesada terá, ou seja, qual o limite de dinheiro que essa criança irá administrar, e qual o prazo que receberá (geralmente, semanal ou mensal). Isso variará de acordo com a finalidade do dinheiro em cada caso, desde para a compra de doces, revistas e figurinhas, ou até os jovens que já estão mais avançados na forma de cuidar das finanças, os quais podem assumir o pagamento da escola e cursos que realizam. O que sempre observo na utilização da mesada é que a evolução do seu valor deve ser gradativa, sempre acompanhada de conversas que mostram a importância desse dinheiro e o porquê ele deve ser utilizado com responsabilidade. Também deve mostrar às crianças a importância de poupar parte para realização de pequenos sonhos, como o de guardar dinheiro por um período para a compra de um brinquedo ou mesmo uma bicicleta. É interessante educar os jovens a criarem planilhas anotando durante o mês onde vão gastar seu dinheiro, isto fará que eles possam analisar melhor e evitar gastos desnecessários e até mesmo eliminando excessos. As sobras para os mais novos podem ser postas em cofrinhos, que é um ótimo incentivador para pouparem, sempre lembrando que o dinheiro deverá ter objetivo, para que a criança saiba priorizar sonhos antes de sair gastando. É fundamental também que se mostre aos jovens a importância de conquistar os valores que recebem, entretanto, não é interessante associar esse dinheiro a desempenho escolar, pois, o estudo deve ser incentivado pela importância que ele terá para vidas dessas crianças. Uma criança que só estuda para garantir a mesada no fim do mês poderá ter um rendimento muito baixo se, por algum motivo, a família deixar de ter condições de dá-la, além de limitar o desenvolvimento intelectual a essas metas atingidas. Os benefícios da mesada são inegáveis: além de desenvolver o senso de responsabilidade, a administração de uma mesada pode ensinar o quanto pode ser difícil fazer o dinheiro render quando não se tem controle sobre os próprios impulsos de consumo. Assim, não se deve complementar com frequência a falta de dinheiro ocasionada pela má administração da mesada. Muitas crianças e adolescentes gastam além da conta e passam a recorrer sistematicamente aos pais para conseguir mais dinheiro. Se os pais cedem aos pedidos, não ensinarão a controlar os impulsos, criando a ilusão de que pode gastar sem limites. Quando isso acontece, a mesada perde a sua função. Mostre a seu filho a importância de priorizar seus sonhos e que poupar é o caminho mais curto para a independência financeira. Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e Editora DSOP, autor dos livros Terapia Financeira, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.


Veículo: Jornal de Fato Data: 25/02/2013 Editoria: Dinheiro Site: http://www.defato.com/noticias/12107/voce-sabe-cuidar-do-seu-dinheiro

Você sabe cuidar do seu dinheiro?

Cada vez mais é visível o papel da mulher hoje na sociedade e, principalmente, sobre a inserção dela em um tema que se tornou fundamental: a educação financeira. É essa educação que faz com que o dinheiro renda e seja o suficiente para sanar as necessidades pessoais, independente do valor que se ganhe mensalmente. O padrão de vida muda de acordo com o que cada um recebe e esse acaba sendo o grande problema da questão: gastar mais do que ganha. As mulheres são reconhecidamente mais consumistas, mas isso não precisa ser uma regra. A pedido do Sua Vida Mulher, o consultor financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro Eu Mereço ter Dinheiro (Editora DSOP), montou um teste que possibilitará você a descobrir como anda a sua educação financeira. É o primeiro passo para começar o ano controlando o orçamento. Faça o teste e confira o resultado. TESTE PARA MULHERES Faça o teste abaixo, procurando ser fiel ao responder, refletindo sobre suas atitudes


1 - Perante novas situações e novos desafios, você... a) Enfrenta, independente dos resultados, pois sabe que conseguirá resolvêlos de uma forma ou de outra. b) Procura saber mais informações sobre ele e, se na avaliação perceber que é de grande dificuldade, não o enfrenta. c) Não gosta de grandes mudanças, teme o novo. 2- Para realizar sonhos você... a) Age por impulso e não pensa em como suas finanças serão afetadas. O que importa é realizá-los. b) Pensa em como alcançá-los, avalia as possibilidades e normalmente realizaos, mesmo sem planejamento. c) Lista os sonhos de curto, médio e longo prazos, avalia o valor de cada um. Organiza-se financeiramente e não se importa em esperar para realizá-los. 3 – Quando vai ao cinema dentro de um shopping... a) Passa observando as lojas e se atém às promoções, comprando mesmo sem necessidade. Pensa: “Está barato, vou levar!” b) Chega ao shopping com muita antecedência, passeia por todos os corredores, observa as vitrines e compra tudo o que lhe agrada, sabendo que irá estourar o orçamento. Pensa: “Trabalho muito e mereço!” c) Chega próximo ao horário da sessão, com o ingresso já comprado e dirigese ao cinema, seguindo a programação. Pensa: “Será que vou gostar do filme?” 4 – Ao observar seu orçamento mensal... a) “Orçamento mensal? O que é isso?” Não sabe o quanto gasta com supérfluos e com o que realmente é necessário. b) Sabe que gasta muito com supérfluos, mas prefere ficar no vermelho a abrir mão dos seus prazeres. c) Sempre que precisa fazer algum corte nas despesas sabe exatamente por onde começar: o que é necessário é mantido e o que é supérfluo é reduzido ou eliminado. 5 – A frase que mais combina com você é... a) “Sou das antigas”, o homem é quem deve sustentar a família! b) Ter e ser o que eu quero só depende de mim, de minha persistência e da minha educação financeira. c) Por mais que eu trabalhe, nunca terei o suficiente para manter a minha família e a mim. 6 – Quando você pensa em aumentar sua receita... a) Procura especializar-se, realizando novos cursos, buscando ascensão profissional ou mesmo uma atividade paralela que gerará mais renda. b) Vai ao departamento pessoal de sua empresa e solicita aumento de salário ou um adiantamento.


c) Pede demissão do atual emprego, pois possui uma rescisão trabalhista que por alguns meses, terá aumento da receita e procura outro emprego que lhe renderá um maior salário. 7 – Seu orçamento está comprometido, não há verba disponível e suas amigas a convidam e insistem para que as acompanhe em um passeio: a) Você aceita, mas solicita a uma das amigas que pague as suas despesas e diz que irá reembolsá-la no próximo mês. b) Você aceita somente se o passeio for num lugar onde não haverá custos, como uma peça de teatro ou show gratuitos, uma exposição ou passeio num parque. c) Você aceita, usa o cartão de crédito como forma de pagamento, mesmo sabendo que não conseguirá quitar o valor total da fatura. 8 – Você é uma mulher que: a) Vive com menos do que ganha, pois é previdente e poupa para realizar seus sonhos, não se importando com o que os outros pensam. b) Gosta de cuidar de sua aparência mesmo que para isso gaste muito mais do que o seu padrão permite. c) Vive o presente, gosta de estar na moda, mas não gasta além do que seu padrão permite. 9 – Se você fosse convidada a participar de um programa de TV e precisasse mostrar o seu armário, o que os apresentadores do programa encontrariam? a) A grande maioria das roupas e sapatos com mais de dez anos. Por ser muito previdente, procura guardar quase tudo o que ganha, pois poderá precisar dessa reserva algum dia. b) Tanto peças da moda, quanto as mais antigas, clássicas, que nunca saem de moda. Gosta de se vestir bem, mas compra somente o que seu orçamento lhe permite. c) A maioria das peças são da moda atual, algumas com pouco ou nenhum uso (até com etiquetas). Quer estar sempre vestida conforme as tendências, pois aparência é tudo! 10 – Se uma vidente pudesse ver seu futuro, qual das previsões abaixo seria mais fiel ao seu perfil quando se aposentar? a) Uma mulher independente financeiramente, que trabalha apenas por prazer, pois suas reservas poupadas permitem que você viva muito bem, mesmo que seja por mais de 100 anos. b) Uma mulher que necessita continuar trabalhando para complementar a aposentadoria, visto que não tem reservas suficientes para manter seu padrão de vida. c) Uma mulher que precisa trabalhar e seu sustento necessita ser complementado por ajuda dos seus familiares, pois não se preocupou em ter reservas financeiras, gastando sempre mais do que ganhou.


Confira abaixo resultado do teste, somando sua pontuação:

75 a 100 Pontos – Mulher Maravilha Parabéns! Educada financeiramente, prioriza seus sonhos, se organiza para realizá-los, vive um pouco abaixo do que seu padrão de vida permite, poupando para ganhos futuros. 51 a 75 Pontos – Mulher Elástico Muito bem, você está no caminho certo! Estica daqui, estica dali, para conseguir viver de acordo com seu padrão, mas não está sendo muito previdente. Defina melhor seus sonhos e seja persistente. 26 a 50 Pontos – Mulher Gato Tome cuidado! Com tantos pulos você poderá cair. O que está faltando é equilíbrio. Procure refletir sobre seus valores pessoais e adequar seu orçamento segundo suas receitas. Eduque-se financeiramente. 0 a 25 Pontos – Mulher Tempestade Atenção! Você não precisa viver nessa instabilidade. Entenda que sua saúde financeira está diretamente ligada aos seus hábitos. Reveja seus conceitos referentes ao consumo. Se deseja ter equilíbrio financeiro, mude suas atitudes em relação ao dinheiro.


Veículo: BM&F Bovespa Data: 25/02/2013 Editoria: Mulheres em Ação Site: http://www.bmfbovespa.com.br/mulheres/Noticias/If130311NotD.asp?Pagina=1&Ano=2012& Canal=4

Teste financeiro para mulheres Você mulher, que fez história, que passou da simples dependência para o comando, está na hora de saber como está sua vida financeira. Faça o teste abaixo, procurando ser fiel ao responder, refletindo sobre suas atitudes Da redação em 11/03/2013

1 – Perante novas situações e novos desafios, você... a) Enfrenta, independente dos resultados, pois sabe que conseguirá resolvê-los de uma forma ou de outra. b) Procura saber mais informações sobre ele e, se na avaliação perceber que é de grande dificuldade, não o enfrenta. c) Não gosta de grandes mudanças, teme o novo. 2 – Para realizar sonhos você... a) Age por impulso e não pensa em como suas finanças serão afetadas. O que importa é realizá-los. b) Pensa em como alcançá-los, avalia as possibilidades e normalmente realiza-os, mesmo sem planejamento. c) Lista os sonhos de curto, médio e longo prazos, avalia o valor de cada um. Organiza-se financeiramente e não se importa em esperar para realizá-los. 3 – Quando vai ao cinema dentro de um shopping... a) Passa observando as lojas e se atém às promoções, comprando mesmo sem necessidade. Pensa: “Está barato, vou levar!” b) Chega ao shopping com muita antecedência, passeia por todos os corredores, observa as vitrines e compra tudo o que lhe agrada, sabendo que irá estourar o orçamento. Pensa: “Trabalho muito e mereço!” c) Chega próximo ao horário da sessão, com o ingresso já comprado e dirige-se ao cinema, seguindo a programação. Pensa: “Será que vou gostar do filme?” 4 – Ao observar seu orçamento mensal... a) “Orçamento mensal? O que é isso?” Não sabe o quanto gasta com supérfluos e com o que realmente é necessário. b) Sabe que gasta muito com supérfluos, mas prefere ficar no vermelho a abrir mão dos seus prazeres. c) Sempre que precisa fazer algum corte nas despesas sabe exatamente por onde começar: o que é necessário é mantido e o que é supérfluo é reduzido ou eliminado.


5 – A frase que mais combina com você é... a) “Sou das antigas”, o homem é quem deve sustentar a família! b) Ter e ser o que eu quero só depende de mim, de minha persistência e de minha educação financeira. c) Por mais que eu trabalhe, nunca terei o suficiente para manter a minha família e a mim. 6 – Quando você pensa em aumentar sua receita... a) Procura especializar-se, realizando novos cursos, buscando ascensão profissional ou mesmo uma atividade paralela que gerará mais renda. b) Vai ao departamento pessoal de sua empresa e solicita aumento de salário ou um adiantamento. c) Pede demissão do atual emprego, pois possui uma rescisão trabalhista que, por alguns meses, terá aumento da receita e procura outro emprego que lhe renderá um maior salário. 7 – Seu orçamento está comprometido, não há verba disponível e suas amigas a convidam e insistem para que as acompanhe em um passeio: a) Você aceita, mas solicita a uma das amigas que pague suas despesas e diz que irá reembolsá-la no próximo mês. b) Você aceita somente se o passeio for num lugar em que não haverá custos, como uma peça de teatro ou show gratuitos, uma exposição ou passeio num parque. c) Você aceita, usa o cartão de crédito como forma de pagamento, mesmo sabendo que não conseguirá quitar o valor total da fatura. 8 – Você é uma mulher que... a) Vive com menos do que ganha, pois é previdente e poupa para realizar seus sonhos, não se importando com o que os outros pensam. b) Gosta de cuidar de sua aparência mesmo que para isso gaste muito mais do que seu padrão permite. c) Vive o presente, gosta de estar na moda, mas não gasta além do que seu padrão permite. 9 – Se você fosse convidada a participar de um programa de tevê e precisasse mostrar seu armário, o que os apresentadores do programa encontrariam? a) A grande maioria das roupas e sapatos com mais de dez anos. Por ser muito previdente, procura guardar quase tudo o que ganha, pois poderá precisar dessa reserva algum dia. b) Tanto peças da moda, quanto as mais antigas, clássicas, que nunca saem de moda. Gosta de se vestir bem, mas compra somente o que seu orçamento lhe permite. c) A maioria das peças é da moda atual, algumas com pouco ou nenhum uso (até com etiquetas). Quer estar sempre vestida conforme as tendências, pois aparência é tudo! 10 – Se uma vidente pudesse ver seu futuro, qual das previsões abaixo seria mais fiel a seu perfil quando se aposentar? a) Uma mulher independente financeiramente, que trabalha apenas por prazer, pois suas reservas poupadas permitem que você viva muito bem, mesmo que seja por mais de 100 anos. b) Uma mulher que necessita continuar trabalhando para complementar a aposentadoria, visto que não tem reservas suficientes para manter seu padrão de vida. c) Uma mulher que precisa trabalhar e seu sustento necessita ser complementado por ajuda de seus familiares, pois não se preocupou em ter reservas financeiras, gastando sempre mais do que ganhou. Confira abaixo resultado do teste, somando sua pontuação:


75 a 100 pontos – Mulher Maravilha Parabéns! Você já aplica a metodologia DSOP e reconhece seus benefícios. Educada financeiramente, prioriza seus sonhos, se organiza para realizá-los, vive um pouco abaixo do que seu padrão de vida permite, poupando para ganhos futuros. 51 a 75 pontos – Mulher Elástico Muito bem! Você está no caminho certo. Estica daqui, estica dali, para conseguir viver de acordo com seu padrão, mas não está sendo muito previdente. Defina melhor seus sonhos e seja persistente. Certamente conseguirá realizá-los aplicando a metodologia DSOP. 26 a 50 pontos – Mulher Gato Tome cuidado! Com tantos pulos você poderá cair. O que está faltando é equilíbrio. Procure refletir sobre seus valores pessoais e adequar seu orçamento segundo suas receitas. Eduque-se financeiramente por meio da metodologia DSOP. 0 a 25 pontos – Mulher Tempestade Atenção! Você não precisa viver nessa instabilidade. Entenda que sua saúde financeira está diretamente ligada a seus hábitos. Reveja seus conceitos referentes ao consumo. Se deseja ter equilíbrio financeiro, mude suas atitudes em relação ao dinheiro, aprendendo e aplicando a metodologia DSOP. Teste criado por Reinaldo Domingos, educador financeiro, autor dos livros Eu mereço ter dinheiro, Terapia financeira e O menino do dinheiro e da primeira coleção didática de Educação financeira para o ensino básico, todos pela Editora DSOP.


Veículo: Invest Imóveis Data: 13/02/2013 Editoria: Economia

Site: http://www.investimoveis-se.com.br/noticias-ler.php?cod=4883

13/02/2013

Imóvel na planta gera ganhos para investidor

O consultor de marketing e professor universitário Antônio Navarro, 50 anos, investe no mercado imobiliário há quase três décadas. A estratégia dele é comprar imóveis na planta, revendê-los e faturar com a valorização. “Não tive muitas experiências agradáveis com o aluguel, o imóvel nunca é entregue como foi recebido.”

Os dois últimos imóveis comprados foram em São Bernardo e Santo André, sendo que este foi entregue em março de 2010 e está à venda, e o outro, ficará pronto em julho. “Meu ganho deverá ser de 50%. Paguei R$ 140 mil e agora o imóvel vale R$ 290 mil”, comenta o investidor, que comprou outro imóvel na planta, em São Caetano, para ser entregue em 2013. Apesar dos ganhos mencionados por Navarro, investir em imóvel exige cautela. Segundo o professor de Finanças da Fundação Instituto de Administração Caio Torralvo, é interessante que o investidor procure outras aplicações com alta liquidez, como poupança e fundos de renda fixa, e não aloque todos seus recursos em imóveis. Se precisar de dinheiro poderá recorrer à poupança de emergência e não precisará vendero bem a preço de banana. De acordo com o presidente do Instituto Dsop de Educação Financeira, Reinaldo Domingos, o recomendado é não comprometer mais do que 40% do patrimônio poupado com imóveis. Além disso, é preciso calcular o retorno do investimento em imóvel com outras aplicações. O rendimento conseguido com aluguel, é em média, de 0,7% ao mês. Com os títulos do tesouro é possível ganhar entre 0,69% e 2,99% ao mês, mas há o imposto de renda a ser pago. Apesar do ganho, muitas vezes parecido, o risco do empreendimento é maior, dizem os especialistas. “Você consegue vender o título toda quarta-feira, já o imóvel, terá de encontrar alguém para comprar”, lembra Caio.


Especialista diz que não é momento para investir em imóvel Para o presidente do Instituto Dsop de Educação Financeira, em São Paulo, Reinaldo Domingos, não é bom momento para comprar imóvel, por conta dos preços que se elevaram muito nos últimos cinco anos. “Investir agora é o mesmo que entrar na Bolsa em alta”, comenta o especialista. Segundo o especialista, o consumidor deve esperar entre três e cinco anos para investir em qualquer aplicação relacionada aos empreendimentos, como fundos imobiliários. “As pessoas vão começar a não honrar com os pagamentos e o preço irá ficar convidativo para os novos compradores”, comenta Domingos. Por outro lado, o presidente da Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC, Milton Bigucci, não concorda que o preço irá baixar na região. “O proprietário não venderá por um preço mais barato do que pagou. Até porque a casa própria é o bem mais importante para o brasileiro”, comenta Bigucci. Segundo ele, a acomodação dos preços já verificada nos últimos três meses deve ser mantida por mais três.


JANEIRO


Veículo: Globo Data: 17/01/2013 Editoria: Bom Dia Brasil Site: http://www.youtube.com/watch?v=pl4_uWXXvew

Educador Financeiro Edward Cláudio Jr. no Bom Dia Brasil


VeĂ­culo: Globo Data: 17/01/2013 Editoria: Bom Dia Brasil Site: http://www.youtube.com/watch?v=G0r-JM2Lwko

Educador Financeiro Reinaldo Domingos no Bom Dia Brasil


VeĂ­culo: Record Data: 17/01/2013 Editoria: Jornal da Record Site: http://www.youtube.com/watch?v=nKEL5lSH5qk

Educador Financeiro Dimitrios Asvestas no Jornal da Record


Veículo: Folha de S. Paulo Data: 11/01/2013 Editoria: Economia

Site: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1213404-pagar-ipva-em-cota-unica-comdesconto-e-mais-vantajoso-dizem-especialistas.shtml

Pagar IPVA em cota única com desconto é mais vantajoso, dizem especialistas COLABORAÇÃO PARA FOLHA

O prazo para pagamento da cota única com desconto ou da primeira das três parcelas do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) vence este mês para os motoristas do Estado de São Paulo. Para especialistas, o pagamento à vista com desconto é a melhor opção para quem não tem dívida. SP libera consulta ao IPVA pela internet; veja como fazer "Considerando que o parcelamento é em até três vezes, o desconto de 3% é mais vantajoso comparado com o rendimento médio das aplicações de renda fixa --que ficam em torno de 0,5% e 0,6% por mês. Ou seja, se aplicado em caderneta ou outro tipo de renda fixa, o dinheiro não vai render 3% ao longo de três meses. Vale mais à pena pagar de uma vez", diz Gilberto Braga, professor de finanças da Ibmec No entanto, Braga alerta que não vale a pena pegar um empréstimo para pagar o imposto à vista. "O custo de juros mensais é superior ao desconto. Os juros dos empréstimos pessoais e consignados estão na faixa de 3% e 5% ao mês, já no caso do cheque especial, está em torno de 6% ao mês". Editoria de Arte/Folhapress


O calendário de pagamento teve início nesta sexta-feira (11). É possível pagar o imposto em qualquer agência bancária. DICAS Em nota, o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, dá dicas para o pagamento do IPVA. De acordo com ele, é importante que o contribuinte saiba qual a situação financeira em que se encontrar para não desequilibrar o orçamento financeiro na hora de pagar o imposto. Veja mais dicas sobre pagar o IPVA sem desequilibrar o orçamento: Início de ano: Neste período, os compromissos são diversos. Opte por pagar a conta de maior prioridade para a família ou aquela em que o valor do desconto será maior. O restante deve ser parcelado; Contribuintes investidores: A recomendação é para o pagamento à vista que obterá 3% de desconto no IPVA; Contibuintes endividados ou equilibrados financeiramente: O pagamento deve ser parcelado, visto que não há dinheiro disponível para que o pagamento seja feita de uma vez; Financiamento: Deve ser totalmente proibido recorrer ao cheque especial ou ao mercado financeiro, pois os juros podem agravar ainda mais a situação financeira. Outras contas: Fique atento. Muitas pessoas acabam sendo influenciadas pelo desconto e esquecem de outros compromissos também de grande importância;


Reserva: Antes de pagar, saiba quais outras contas estão pendentes e guarde uma reserva para imprevistos; Pagamento parcelado: Se for parcelar, insira imediatamente o valor das prestações no orçamento para não perder o controle financeiro; Saúde financeira: aqueles que não conseguirem pagar o imposto à vista devem fazer uma reflexão sobre os motivos desse impedimento e buscar solucioná-lo.

Publicações DSOP Separado Por Mês  

Publicações de janeiro a julho de 2013 separado por mês.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you