Page 1

Redes Sociais PolitĂŠcnico do Porto 2.0

# 004 | Boletim Bimestral | Junho / Julho 2009


POLITÉCNICO DO PORTO –

ESEIG

ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS NDUSTRIAIS E DE GESTÃO

ENSINO SUpERIOR pÚbLICO

1º CICLO LICENCIATURA 3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

ISEP

3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

ENGENHARIA MECÂNICA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO HOTELEIRA

ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA – SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA ENGENHARIA INFORMÁTICA

ESTGF

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS

ENGENHARIA QUÍMICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO MÉDICA ENGENHARIA DE INSTRUMENTAÇÃO E METROLOGIA MECÂNICA AUTOMÓVEL

1º CICLO LICENCIATURA 3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

ISCAP

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTAbILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO

CURSOS

CIÊNCIAS EMPRESARIAIS (Diurno e Pós-laboral) ENGENHARIA INFORMÁTICA (Diurno e Pós-laboral) SEGURANÇA E QUALIDADE NO TRABALHO (Diurno e Pós-laboral) SOLICITADORIA (Diurno e Pós-laboral)

ESTSP

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DO PORTO

CURSOS

ASSESSORIA E TRADUÇÃO COMÉRCIO INTERNACIONAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO

1º CICLO LICENCIATURA

MARKETING GESTÃO DAS ACTIVIDADES TURÍSTICAS * *

CURSO

ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ANATOMIA PATOLÓGICA, CITOLÓGICA E TANATOLÓGICA

4 ANOS LECTIVOS

AUDIOLOGIA

240 CRÉDITOS

CARDIOPNEUMOLOGIA FARMÁCIA

ESE

FISIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO 3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

DESIGN

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

ENGENHARIA MECÂNICA AUTOMÓVEL

1º CICLO LICENCIATURA

RECURSOS HUMANOS

ENGENHARIA BIOMÉDICA

ENGENHARIA CIVIL

ENGENHARIA MECÂNICA

3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO

OPÇÃO DESIGN INDUSTRIAL

CURSOS

ENGENHARIA GEOTÉCNICA E GEOAMBIENTE

1º CICLO LICENCIATURA

CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

OPÇÃO DESIGN GRÁFICO E DE PUBLICIDADE

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO 1º CICLO LICENCIATURA

CURSOS

NEUROFISIOLOGIA RADIOLOGIA

CURSOS

RADIOTERAPIA

EDUCAÇÃO BÁSICA

SAÚDE AMBIENTAL

EDUCAÇÃO MUSICAL

TERAPIA DA FALA

EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA

TERAPIA OCUPACIONAL

CIÊNCIAS DO DESPORTO LÍNGUAS E CULTURAS ESTRANGEIRAS EDUCAÇÃO SOCIAL GESTÃO DO PATRIMÓNIO TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO EM LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

ESMAE

ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA E DAS ARTES DO ESpECTÁCULO 1º CICLO LICENCIATURA 3 ANOS LECTIVOS 180 CRÉDITOS

CURSOS

MÚSICA · CANTO MÚSICA · COMPOSIÇÃO MÚSICA · INSTRUMENTO · SOPROS RAMOS: CLARINETE › FAGOTE › FLAUTA › OBOÉ › SAXOFONE › TROMBONE › TROMPA › TROMPETE › TUBA

MÚSICA · INSTRUMENTO · PIANO E TECLAS MÚSICA · INSTRUMENTO · PERCUSSÃO MÚSICA · JAZZ OPÇÕES: CANTO › PIANO › SAXOFONE › TROMBONE › TROMPETE › BATERIA › PERCUSSÃO › CONTRABAIXO › GUITARRA

MÚSICA · MÚSICA ANTIGA OPÇÕES: › VIOLA BARROCA › VIOLA DA GAMBA › VIOLINO BARROCO › VIOLONCELO BARROCO

MÚSICA · PRODUÇÃO E TECNOLOGIAS DA MÚSICA MÚSICA · INSTRUMENTO · CORDAS RAMOS: CONTRABAIXO › GUITARRA › VIOLA › VIOLINO › VIOLONCELO

TEATRO · INTERPRETAÇÃO TEATRO · PRODUÇÃO E DESIGN RAMOS: CENOGRAFIA › DIRECÇÃO DE CENA › FIGURINO › LUZ E SOM

TECNOLOGIA DA COMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL TECNOLOGIA DA COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA

* * AGUARDA APROVAÇÃO DE VAGAS

— ISEP · INSTITUTO SUpERIOR DE ENGENHARIA DO pORTO Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431 4200-072 Porto t. 228 340 500 › f. 228 321 159 isep@ipp.pt › www.isep.ipp.pt — ISCAP · INSTITUTO SUpERIOR DE CONTAbILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO pORTO Rua Jaime Lopes Amorim s/n 4465-004 São Mamede de Infesta t. 229 050 000 › f. 229 025 899 instituto@iscap.ipp.pt › www.iscap.ipp.pt — ESE · ESCOLA SUpERIOR DE EDUCAÇÃO Rua Dr. Roberto Frias, 602 › 4200-465 Porto t. 225 073 460 › f. 225 073 464 ese@ese.ipp.pt › www.ese.ipp.pt — ESMAE · ESCOLA SUpERIOR DE MÚSICA E DAS ARTES DO ESpECTÁCULO Rua da Alegria, 530 › 4000-045 Porto t. 225 193 760 › f. 225 180 774 esmae@esmae-ipp.pt › www.esmae-ipp.pt — ESEIG · ESCOLA SUpERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO Rua D. Sancho I, 981 4480-876 Vila do Conde t. 252 291 700 › f. 252 291 714 eseig@eseig.ipp.pt › www.eseig.ipp.pt —

— ESTGF · ESCOLA SUpERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Rua do Curral, Casa do Curral, Margaride 4610-156 Felgueiras t. 255 314 002 › f. 255 314 120 correio@estgf.ipp.pt › www.estgf.ipp.pt — ESTSP · ESCOLA SUpERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DO pORTO Rua Valente Perfeito, 322 › 4400-330 V.N.Gaia 4050-453 Porto t. 222 061 000 › f. 222 061 001 geral@estsp.ipp.pt › www.estsp.ipp.pt — FIPP · FUNDAÇÃO pOLITÉCNICO DO pORTO Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 537 4200-072 Porto T. 228 302 555 geral@fipp.ipp.pt › www.ipp.pt — SAS.IPP · SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO Ipp Praça do Marquês de Pombal, 94 4000-390 Porto T. 225 573 710 info@sas.ipp.pt › www.ipp.pt —


Politécnico do Porto

VÍTOR CORREIA SANTOS PRESIDENTE DO POLITÉCNICO DO PORTO

VAMOS FALAR AZUL! Estabeleci desde o primeiro dia, como linha

entre as pessoas das diferentes Escolas,

de acção imediata, a da Comunicação,

contribuindo para a dinamização de

enquanto pilar da cultura colaborativa.

projectos de natureza matricial, que tirem partido de sinergias existentes.

Sabemos que as pessoas são o nosso potencial fundamental, e que são elas

Neste sentido, fizemos do portal central do

quem construirá o futuro do Instituto.

IPP um espaço comum de comunicação.

Damos especial atenção à criação de uma

Demos agora mais um passo em frente

cultura colaborativa que envolva num

na implementação deste objectivo ao

todo docentes, estudantes, funcionários,

apostarmos nas redes sociais, integrando

Redes Sociais na internet

antigos estudantes e todos aqueles

o IPP no Twitter, Flickr, Facebook, Issuu,

Politécnico do Porto 2.0

que, não pertencendo directamente

Linked in e Youtube, onde passa a estar

à instituição, estão connosco no cum-

disponível e facilmente acessível a possi-

primento da nossa missão. Definimos

bilidade de diálogo intracomunitário e de

os instrumentos que criam uma maior

partilha de informação, numa instituição

proximidade entre todos, numa perspec-

que se quer sucessivamente mais global.

tiva do cruzamento sinergético das ideias e da contribuição de cada um, e essa

Temos a certeza de que, muito em

orientação tem tido, e continuará a ter,

breve, esta Rede Social do Politécnico

nesta Presidência, um forte dinamizador.

do Porto se constituirá num espaço de diálogo, de cruzamento de ideias, e

A comunicação directa entre as pessoas, em particular com o suporte das tecnologias de informação, é uma aposta no sentido de aumentar não só a eficiência da actividade, mas também a eficácia do desempenho. Sem introduzir mudanças radicais, estamos a modificar, gradualmente, a forma como as pessoas comunicam entre si, e esta vertente de aposta na Comunicação como factor de desenvolvimento institucional aplica-se também às lógicas de colaboração interEscolas, e inter-Grupos dentro de cada Escola. A comunicação deve ser um factor de incremento da colaboração

de catalisação da vida institucional.

Falar Azul 1


Falar Azul 2

ISSUU

Politécnico do Porto

TODAS AS “FALAR AZUL” EM:

HTTP://ISSUU.COM/POLITECNICODOPORTO/DOCS/IPP_ENCARTE_2009

FALAR AZUL #004

EDITORIAL .1 POLITÉCNICO DO PORTO NAS REDES SOCIAIS DIA DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL .7 p 8 CLOUD COMPUTING .10 p 11 CRISTINA MATOS .12 p 17 UNIVERSO IPP .18 p 24 FAREWELL .25 p 27 SARA MOREIRA .28 CIRCUITO MANUTENÇÃO .29 KIRSTY SWORD GUSMÃO .30 p 33 XVI FITISEP .34 EPICENTRO / EXOCENTRO .36

Boletim Falar Azul #004 – Junho / Julho 2009 — Ficha técnica PROPRIEDADE e EDIÇÃO

Instituto Politécnico do Porto DIRECTOR

Vítor Correia Santos COORDENAÇÃO EDITORIAL

Marina Sousa

.3 p 6

REDACÇÃO

IMPRESSÃO

CONTACTOS

Elisabete Torres Lino Miguel Teixeira

Clássica, artes gráficas

GCM Gabinete de Comunicação e Marketing Rua Dr. Roberto Frias, 712 4200-465 Porto t. 225 571 000 | f. 225 020 772 falarazul@ipp.pt

TIRAGEM DESIGN e PAGINAÇÃO

5.000 exemplares

António Cruz PERIODICIDADE FOTOGRAFIA

Bimestral

Rui Pinheiro FADU (pág. 28)

DEPÓSITO LEGAL

275 505/08


Politécnico do Porto

Politécnico do Porto nas Redes Sociais O Politécnico do Porto avança mais uma dimensão na internet e inaugura a sua Rede Social: “Politécnico do Porto 2.0”.

Ao boletim “Falar Azul”, que nos oferece a todos (e à Comunidade

Para que possa ainda mais facilmente saber quem somos, o que

envolvente), cada dois meses, um fresco sobre o que fazemos,

fazemos e para onde vamos

quem somos e para onde vamos; ao, ainda “novo” – completará

Para que seja sempre o primeiro a ler as nossas publicações,

brevemente um ano, site do Politécnico do Porto cada vez com

a coleccionar as nossas fotografias, a ver os nossos vídeos, a

mais e melhor informação e cada vez mais procurado pelos inter-

seguir os nossos eventos, a receber todas as informações que

nautas; e ao Portal do Politécnico do Porto, que tem a honra de

seleccionamos para si e a manter contacto com todas as pessoas

merecer a confiança de cada vez mais membros da Comunidade

que constituem o maior e mais dinâmico Politécnico do país: o

Politécnico do Porto que o consultam para informações sobre as

Politécnico do Porto.

actividades das nossas 7 escolas, para conhecerem mais activida-

Para que seja sempre o primeiro a comentar, a participar e

des relevantes da Comunidade Envolvente, para se informarem

enviar-nos ainda mais e melhor informação.

sobre oportunidades de bolsas, prémios, concursos e empregos

Para que seja sempre o primeiro a estar junto connosco, em

e, também, para obterem documentação indispensável ao seu

permanente diálogo e partilha na maior rede social de uma

relacionamento institucional oficial, a todas estas plataformas de

Instituição de Ensino Superior portuguesa.

encontro, de comunicação e de partilha, acrescentamos agora

Para o seja o primeiro a chegar ao Politécnico do Porto.

a entrada do Politécnico do Porto nas redes sociais na internet,

Para que o Politécnico do Porto seja o primeiro a chegar a si!

adicionamos agora o Politécnico do Porto 2.0.

Falar Azul 3


Falar Azul 4

Politécnico do Porto

“Politécnico do Porto @ Twitter”. No Twitter do Politécnico do Porto pode partilhar tudo o que fazemos no Universo IPP e tudo o que seleccionámos para si promovido pelos nossos parceiros de referência. Conferências, eventos, exposições, concertos, ideias, pensamentos e acções. O agora, o amanhã e o depois de amanhã em actualização contínua. Todos os dias, todas as horas, com novas propostas para que aprenda connosco a conjugar o verbo “twittar”. Junte-se a nós, no Twitter do Politécnico do Porto: http://twitter.com/politecnico

“Politécnico do Porto @ Flickr”. No Flickr do Politécnico do Porto poderá ver as fotografias dos principais momentos da vida do seu Politécnico do Porto: Universo IPP: Presidência, Escolas e Unidades que compõem o Politécnico do Porto; CNU’09: os melhores momentos dos melhores campeonatos universitários de sempre; Marca IPP: os melhores produtos e suportes com a nossa marca “Politécnico do Porto”; Editorial: edições de excelência que criam e difundem a cultura Politécnico do Porto; 24º Aniversário: os momentos inesquecíveis de 15 dias de eventos que abriram o Politécnico do Porto ao exterior; Queima das Fitas 2009: a presença marcante dos Estudantes do Politécnico do Porto na festa académica da cidade; Politécnico do Porto: Associações de Estudantes, a Medalha de Mérito Distrital, os Roteiros do Sr. Presidente da República para a Ciência e para a Juventude e a recepção aos nossos novos Estudantes. Veja a Comunidade IPP no Flickr do Politécnico do Porto http://www.flickr.com/photos/politecnicodoporto


Politécnico do Porto

“Politécnico do Porto @ Facebook” No Facebook do Politécnico do Porto poderá seguir todos os nossos movimentos, eventos, sentir o nosso pulsar, partilhar connosco o que mais lhe interessa e ficar sempre em contacto, renovando todos os dias um olhar de amizade. Construímos esta rede social a pensar em si. Para que partilhemos o presente e construamos melhores futuros juntos. Junte-se a nós no Facebook do Politécnico do Porto: http://pt-pt.facebook.com/politecnicodoporto

ISSUU “Politécnico do Porto @ Issuu” No Issu do Politécnico do Porto poderá conhecer as publicações periódicas e especiais do Politécnico do Porto. · Falar Azul: Boletim Bimestral do Politécnico do Porto – As vozes, os rostos e os feitos daqueles que, juntos e diariamente, constroem a excelência do Politécnico do Porto; · Guia da Oferta Formativa do Politécnico do Porto: Toda a oferta formativa do Politécnico do Porto em vigor no Ano Lectivo de 2009/2010, por que escolher o Politécnico do Porto, por que viver nas cidades do Politécnico do Porto; · Regulamento da Propriedade Intelectual do Politécnico do Porto: Direitos de Propriedade Industrial e Direitos de Autor – como valorizar a criação de novos produtos, novos processos de fabrico e novas criações artísticas e literárias; · Plano Estratégico 2008-2012: O Plano Estratégico do Politécnico do Porto em vigor de 2008 a 2012: Missão, Valores, Eixos e Objectivos Estratégicos; Brevemente mais, muito mais… Issuu do Politécnico do Porto: http://issuu.com/politecnicodoporto

Falar Azul 5


Falar Azul 6

Politécnico do Porto

“Politécnico do Porto @ Linked in”. No Linked In do Politécnico do Porto iremos manter um contacto com todos os Profissionais formados pelo Politécnico do Porto e entre todos os que connosco trabalham. Para nós, um graduado do Politécnico do Porto não é apenas alguém que passou pelo Politécnico do Porto. É um membro da nossa Comunidade. É alguém que pertence e sempre pertencerá ao Politécnico do Porto. É alguém a quem o Politécnico do Porto sempre pertencerá. Queremos nos manter sempre em contacto consigo. Queremos que mantenha sempre múltiplos contactos connosco. Se é Profissional do Politécnico do Porto, nosso Estudante, nosso Graduado ou uma Pessoa, Empresa ou Instituição, relacione-se ainda mais connosco. Adira à Rede Politécnico do Porto em: http://www.linkedin.com/in/politecnicodoporto

“Politécnico do Porto @ Youtube”. No Youtube do Politécnico do Porto poderá ver os vídeos do seu Politécnico do Porto: · Politécnico do Porto: Vídeo institucional de apresentação do Politécnico do Porto e das 6 cidades onde está implantado; · COMUNIDADE.EU.IPP: Spot de Promoção da Comunidade Online Politécnico do Porto (parceria com a Google); · 24º Aniversário do Politécnico do Porto: Apresentação do Politécnico do Porto como “Instituição Aberta ao Exterior”; · CNU’09: Apresentação do Politécnico do Porto como organizador dos CNU’09; · Circuito de Manutenção do Politécnico do Porto. Brevemente mais, muito mais… Youtube do Politécnico do Porto: http://www.youtube.com/user/politecnicodoporto


Politécnico do Porto

IMAGENS EM:

WWW.FLICKR.COM/PHOTOS/POLITECNICODOPORTO

POLITÉCNICO DO PORTO COMO CENTRO DE INOVAÇÃO PROPRIEDADE INDUSTRIAL E EMPREENDEDORISMO DIA DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Propriedade Industrial, Registo de Patentes e Base de Dados de Gestão de Tecnologia e Conhecimento As “1as Jornadas de Apoio ao Empreendedorismo no Politécnico do Porto”, com a responsabilidade da organização a cargo da OTIC.IPP, foram compostas por um dia e meio de trabalho, a 2 e 3 de Julho últimos. O primeiro dia foi destinado ao tratamento adequado do Tema da Propriedade Industrial, com várias intervenções tratando

Presidente do Politécnico do Porto reitera aposta no eixo estra-

temas fundamentais relacionados com a Protecção e o Registo da

tégico da Transferência de Conhecimento

Propriedade Intelectual no Politécnico do Porto. De facto, e graças

No âmbito das 1as Jornadas de Apoio ao Empreendedorismo,

ao apoio do INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial e

a que presidiu, Vítor Correia Santos, Presidente da instituição,

dos seus Examinadores de Patentes, Rui Bento e Joana Eugénio,

reafirmou a “aposta na Transferência de Conhecimento como

foram disponibilizados à audiência de membros do Politécnico

estratégia vital para o desenvolvimento do Politécnico do Porto

do Porto, sem qualquer custo, três kits formativos destinados a

na sociedade de conhecimento contemporânea”.

abordar os Fundamentos da Propriedade Industrial, os Pedi-

Só a confirmação e o desenvolvimento desta aposta, sublinhou,

dos Provisórios de Patente e a utilização de Bases de Dados de

“poderão consolidar o papel desempenhado pelo Politécnico do

Patentes, todos assuntos da máxima importância nesta área

Porto no fórum internacional de ciência”, onde aquele não pode

fundamental para o Empreendedorismo que é a Transferência de

deixar de estar efectivamente presente.

Conhecimento e de Tecnologia.

“As Instituições de Ensino Superior, sustentou, têm um papel in-

Por último, mas não em último, foi apresentada a toda a

substituível na aquisição e organização de conhecimento, do qual

Comunidade Científica do Politécnico do Porto a nova Base de

têm que ter absoluta consciência”. A assunção desta consciência

Dados Técnico-Científica GESTEC. Este novo e crucial recurso do

tem sido “um dos eixos determinantes desta equipa de gestão do

Politécnico do Porto é resultado de 8 meses de trabalho, trata-se

Politécnico do Porto para que o Politécnico do Porto conserve e

de uma nova ferramenta interna de Gestão de Conhecimento

amplie a posição de liderança que já assume no contexto nacio-

e de Tecnologia do IPP, disponibilizando benefícios para toda

nal de ensino superior”, estabelecendo pontes e redes nacionais

comunidade científica do Politécnico do Porto. Aqui foi apresenta-

e internacionais imprescindíveis para que o Politécnico do Porto

da a sua forma de funcionamento e as suas funcionalidades mais

possa contribuir de forma notória, “como é sua obrigação, para o

distintivas, seguindo-se agora o convite a que todos os membros

benefício e para a inovação da sociedade”.

da Comunidade Científica do Politécnico do Porto a ela adiram, pois ela só existe para estes e com estes.

Falar Azul 7


Falar Azul 8

Politécnico do Porto

POLITÉCNICO DO PORTO PRESENTE NO COHITEC 2009

MODELOS DE NEGÓCIO VENCEDORES EMERGEM NO 6º POLIEMPREENDE

Politécnico do Porto participa no COHiTEC 2009 com Projecto CYCLOTEC

A 6ª edição do Poliempreende, concurso promotor do empreen-

A edição de 2009 do Programa COHiTEC entrou na etapa final,

dedorismo com a participação de todos os Politécnicos nacionais,

com a apresentação da conclusão da fase 1 do Programa. Esta

diagnostica os melhores modelos de negócio que poderão vencer

iniciativa da COTEC Portugal, que conta com o apoio da FLAD –

económica e financeiramente no mercado.

Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, é realizada

O Concurso Poliempreende decorre, como de costume, em duas

em parceria com a EGP – University of Porto Business School e o

fases: primeiro a regional, depois a nacional. A fase regional

ISCTE – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa,

terminou em 22 de Junho com a apresentação dos projectos de

com o patrocínio do Banco Espírito Santo, do Banco BPI, do IAP-

estudantes do Politécnico do Porto ao júri regional. Foram apre-

MEI e da Inovcapital, e a colaboração da Clarke, Modet & Cª.

sentados 9 projectos (3 da ESEIG.IPP, 2 da ESTGF.IPP, 2 da ESTSP.

Na edição que agora termina, participaram investigadores do

IPP, 2 do ISCAP.IPP) que foram avaliados pelos representantes dos

Politécnico do Porto e das Universidades Católica Portuguesa,

patrocinadores regionais do Poliempreende: Alvim & Rocha, Bee

de Coimbra, de Lisboa, do Porto e Técnica de Lisboa, bem como

Consulting, Grupo Dias de Sousa, IAPMEI, Inovamais, Inovcapital,

estudantes de gestão da EGP-UPBS e executivos.

Net Empresas e SAGE. Os Projectos avaliados pelo júri como mais prometedores em

Projecto Cyclotec finalista do programa Cohitec 2009

termos de viabilidade do respectivo modelo de negócio foram os

O Projecto Cyclotec passou já à segunda fase do exigente progra-

seguintes:

ma Cohitec, lançado pela COTEC Portugal (Associação Empresarial para a Inovação) e que visa apoiar e valorizar o conhecimento de

1º PORTO BACKPACKERS (ESEIG.IPP)

base tecnológica.

2º BÁBÁ (ESTSP.IPP)

O Projecto Cyclotec reúne dois portugueses (professores Luís F.

3º FIRST HEALTH (ESTSP.IPP)

Metello e Lídia Cunha, da ESTSP.IPP), entre uma equipa internacional, liderada pelo Professor Richard R. Johnson. O que a equipa de investigação concluiu reflecte-se, directamen-

Breve caracterização do projecto vencedor:

te, na criação de um sistema inovador de produção do isótopo

PORTO BACKPACKERS (ESEIG.IPP)

em causa, com base na utilização de ciclotrões de baixa energia,

Estabelecimento do tipo Albergue com 20 a 50 quartos, localiza-

permitindo à rede mundial, que emprega este tipo de equipa-

do na zona histórica da cidade do Porto, que apresentará como

mento e que já se encontra instalada no mercado, produzindo e

maior particularidade o facto de o seu público-alvo serem os

distribuindo localmente outro tipo de radioisótopos (emissores de

backpackers. FA

positrões), o acesso à tecnologia que possibilita a entrega diária e regular deste tipo de matéria prima, essencial à prática corrente

6

da Medicina Nuclear.

| projectos de vocação empresarial |

Patentes e Registo da Molécula Só para o desenvolvimento das Patentes, por um lado, e para o registo da molécula, enquanto fármaco, está envolvida uma verba próxima da casa de um milhão de euros. Na sua vertente de rádio fármaco, os pedidos que viabilizam a comercialização irão ser dirigidos à Agência Europeia para o Medicamento (EMEA), bem como à sua homóloga norte-americana (FDA).

Empreendedorismo no Ensino Superior Politécnico

6

| projectos de vocação empresarial |

www.poliempreende.pt


Politécnico do Porto

PLANO DE FORMAÇÃO DE 2009 POLITÉCNICO DO PORTO CRONOGRAMA (ACÇÕES NÍVEL V): CURSO

CURSO

p Gestão e Prevenção de Conflitos

p Atendimento e Marketing nos serviços públicos

17, 22, 25 e 29 Set. e 7, 13, 16 e 20 Out. 14H00 – 17H00 p Introdução à Gestão da Qualidade 14 Set. p 10H00 – 13H00 18 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 21 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 25 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 p Modelos para a Gestão da Qualidade no Ensino Superior 28 Set. p 14H00 – 17H00 2 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 6 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 p Auditorias Internas da Qualidade: Metodologias de Aplicação 16 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 23 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 30 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 6 Nov. p 14H00 – 17H00 p Como implementar um Balanced Scorecard 12, 19, 26 Out. e 2 Nov. 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 Datas sujeitas a confirmação em Setembro p O processo de auto-avaliação (a definir) p Coaching para a liderança e desenvolvimento de pessoas e equipas (a definir) p Metodologia de Planeamento de Projectos por Objectivos (MPPO) (a definir) p Gestão Financeira 29 Out. p 09h30 – 13H00 e 14H00 – 17h30 30 Out. p 09h30 – 13H00 e 14H00 – 17h30 p Gestão de Recursos Humanos: Novas regras da função pública

18, 22, 25, 29 de Set. e 7, 13, 16, 20 de Out. p Avaliação de Desempenho – Novo SIADAP 28, 29 Out. e 3 Nov. 10H00 – 13H00 14H00 – 17H00 p Técnicas de Entrevista de avaliação de Desempenho 21, 28 Set. e 6 Out. 10H00 – 13H00 p SPSS – nível avançado (a definir) p SPSS – nível básico 16, 18, 21, 23, 25, 28 Set. e 2, 7, 9, 12, 14, 16, 19, 21, 23 Out. 14H00 – 17H00 p Acess Avançado (acção 1) (a definir) p Acess Avançado (acção 2) 16, 18, 23, 25, 30 Set. e 2, 7, 9 Out. 10H00 – 13H00 p MS Project (acção 1) 15, 22 e 29 Set. e 6 de Out. 10H00 – 13H00 14H00 – 17H00 p MS Project (acção 2) 13, 16, 20, 23, 27, 30 Out. e 3 e 6 de Nov. 10H00 – 13H00 p MS Project avançado 11, 13, 16, 18, 20, 23, 25 e 27 Nov. 14H00 – 17H00 p Acrobat 8 – Formulários, segurança e assinaturas (acção 1) 17, 24 Set. e 1 e 8 Out. 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 p Acrobat 8 – Formulários, segurança e assinaturas (acção 2)

15 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00

20, 22, 27, 29 de Out. e 3, 5 e 10 e 12 de Nov.

22 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00

14H00 – 17H00

29 Set. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 6 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 13 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 20 Out. p 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 27 Out. p 09H00 – 13H00

CRONOGRAMA (ACÇÕES NÍVEL III): CURSO p Avaliação de Desempenho – Novo SIADAP 23, 24, 29 Set. 10H00 – 13H00 e 14H00 – 17H00 p Excel Avançado 15 Out. p 14H00 – 17H00

ENTIDADE FORMADORA FIPP | FUNDAÇÃO POLITÉCNICO DO PORTO INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 537 4200 – 072 Porto T. 22 834 71 75 F. 22 830 25 56 geral@fipp.ipp.pt

19 Out. p 10H00 – 13H00 21 Out. p 10H00 – 13H00 26 Out. p 14H00 – 17H00 28 Out. p 14H00 – 17H00 02 Nov. p 14H00 – 17H00 04 Nov. p 14H00 – 17H00 09 Nov. p 14H00 – 17H00

Falar Azul 9


Falar Azul 10

Politécnico do Porto

CLOUD COMPUTING A “Identidade da Nuvem” revelada pelo Politécnico do Porto O Politécnico do Porto (IPP), em parceira com o Instituto Superior de Engenharia do Politécnico do Porto (ISEP.IPP) e a Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN), organizou, a 28 e 29 de Maio, a 1ª conferência internacional “Cloudviews.org: Cloud Computing Conference 2009”, cujo tema principal foi “a identidade na nuvem”. A coordenação geral do projecto esteve a cargo de Paulo Calçada, responsavel pelo Serviço de Comunicações e Comunidades – SIC/SCC.IPP. A comissão de organização contou ainda com a participação dos docentes do ISEP.IPP António Costa, Benedita Malheiro, Pedro Assis, Miguel Leitão, e Ricardo Costa, docente na ESTGF.IPP. Nesta conferência participaram, entre outras entidades, quadros superiores da

Microsoft, IBM, Amazon, SalesForce e NRI

global da infra-estrutura de TI norte-

Japan / OpenID Foundation. A sessão de

americana no sentido da adopção de

abertura contou ainda com a presença

bases de dados virtuais que conduzam a

especial do Professor Pedro Veiga, presi-

um modelo de negócio assente no “cloud

dente da FCCN.

computing”.

A plateia, muito jovem e participativa,

Foram dois dias de debate intenso e

contou com representates de um grande

partilha de conhecimentos e pensamentos

conjunto de empresas das quais se desta-

sobre a forma como o “Cloud Computing”

cam: PT Inovação, EDP, SEARA, Sonangol,

está a mudar o modo de relacionamento

Sonae Distribuição, Multicert, Banco Big,

entre as Tecnologias de Informação e

entre outros.

todos os seus utilizadores, ou seja, todos

Reconhecendo a importância que este

nós, e como contribui para clarificar e

novo paradigma oferece para a integra-

transformar a “Identidade da Nuvem”

ção das actuais plataformas distribuídas

num claro e bem definido novo paradig-

e respectivas tecnologias, a organização

ma.

pretendeu promover o debate de ideias

Esta 1ª Conferência Internacional atraiu

e de experiências no âmbito da próxima

inúmeros especialistas internacionais

geração de serviços baseados na Internet.

em Tecnologias de Informação que aqui

Evidenciando a importância do “Cloud

tiveram uma oportunidade única para se

Computing” no momento actual das

colocarem em contacto numa nuvem con-

Tecnologias de Informação (TI), a adminis-

densada de experiências e conhecimentos

tração Obama decidiu alocar uma parte

que, durante dois dias, estacionou no

significativa do orçamento federal para as

auditório magno do Politécnico do Porto.

TI a este eixo de desenvolvimento, tendo como objectivo, além de uma significativa redução de custos, uma transformação


Politécnico do Porto

Nuvens em Foco

İ Perspectiva do utilizador: Como poderá

2010. Este segundo evento ainda tem o

a internet (a “nuvem”) transformar

seu formato em aberto mas terá como

mentos de Tecnologias de Informação:

cada PC numa pequena empresa ou

base o formato utilizado em 2009, sendo

Como poderemos, desde já, extrair

numa start-up? Do utilizador ao forne-

a Interoperabilidade entre fornecedores

benefícios do “Cloud Computing”

cedor de “Cloud Computing” e como

de Cloud Computing o seu tema base.

(redução de custos e incremento da

conseguir que o “Cloud Computing”

Um outro aspecto identificado por Paulo

disponibilidade e da qualidade dos

acrescente valor (real) às empresas e

Calçada como prioritário para o avanço do

serviços disponibilizados);

aos modelos de negócio?;

projecto CloudViews.org e já a ser traba-

İ Integração e Perspectivas de Departa-

İ Futuro das Telecomunicações: De que

lhado, é a definição do seu modelo base.

forma irá o “Cloud Computing” depen-

Este projecto contou um um forte apoio

Actualmente o projecto CloudVIews.Org

der do desenvolvimento das telecomu-

do Politécnico do Porto e surge no segui-

tem como objectivo a divulgação tecnoló-

nicações e da qualidade das redes?;

mento dos trabalhos desenvolvidos com

gica em torno das tecnologias relaciona-

İ Protecção dos dados do utilizador e

a criação da COMUNIDADE.EU.IPP.PT e

das com o paradigma Cloud Computing.

confidencialidade: Reputação e confian-

da aposta na inovação com objectivos de

Para além do blog mantido regularmente

ça (como usar experiências passadas

reduzir os custos das tecnologias de infor-

por um crescente conjunto de autores,

e exemplos de caso como pontos de

mação, aumentando a qualidade dos ser-

existem planos para a criação de um largo

partida);

viços, nomeadamente a disponibilidade

conjunto de eventos: workshops, campos

de serviços e de tolerância a falhas, assim

de verão, etc. A clara definição deste

taformas de “Cloud Computing” falar

como a sua capacidade em acompanhar

modelo permitirá angariar mais apoios

entre si e como poderão os utilizadores

os desenvolvimentos tecnológicos.

externos assim como dar consistência e

migrar os seus dados entre “Nuvens”?;

O resultado alcançado com esta primeira

continuidade aos projectos planeados e

iniciativa do projecto CloudViews.org,

dar consequência à viagem iniciada em

Internet 2.0 ser o motor do “Cloud

levou os seus responsáveis a apresentar

Junho último no Politécnico do Porto. FA

Computing”?

já o tema base para a segunda edição

İ Interoperabilidade: Como irão as pla-

İ Identidade Digital: Como poderá a

da Conferência CloudViews.Org – Cloud Computing Conference, a realizar em

Falar Azul 11


Falar Azul 12

Politécnico do Porto

Cristina Matos CADA ESTUDANTE É UMA PESSOA DA MINHA VIDA


Politécnico do Porto

Tinha já um convite da Faculdade de Engenharia da Universidade · 50 anos

do Porto (FEUP). A minha orientadora já me tinha dito que o

· Casada

Profesor Guedes Carvalho, Presidente do Departamento de Quí-

· 3 filhos (uma rapariga e dois rapazes)

mica da FEUP, queria muito contratar um químico e ele ligou-me

· Departamento de Química (ISEP.IPP)

e fui falar com ele. E eu nunca cheguei a ir, confesso. Resolvi vir

· Docente no ISEP.IPP há 19 anos (desde Setembro de 1990)

conhecer o ISEP.IPP e vim falar com a Professora Fátima Morgado,

· Licenciada em Química pela Faculdade de Ciências da

na altura Presidente do Conselho Científico. Já conhecia o ISEP.IPP

Universidade do Porto · Doutorada em Química pela Universidade do Minho

pelos relatos da Professoara Margarida Ferreira. Vim cá, pela primeira vez, em Junho e isto estava deserto. Não havia estudantes, as aulas já tinham acabado e pensei: isto é um sítio óptimo para fazer investigação e trabalhar. Na altura quase que não havia

Como foi o seu início de carreira?

investigação em Portugal, porque quem a fazia estava lá fora.

Desde pequenina sempre quis ensinar. Sempre disse que queria

Pensei que aqui era um bom sítio para começar.

ser professora. Naturalmente, optei pelo ramo educacional. Estagiei no Carolina Michaelis e, depois, dei aulas no Infante

A primeira imagem que teve do ISEP.IPP foi, então, de um

Dom Henrique. Aqui tive uma experiência muito enriquecedora,

enorme laboratório vazio?

que foi dar aulas a alunos surdos-mudos. Ainda por cima, eu não

Antes dessa imagem houve outra. Havia um colega que estava

tinha jeito nenhum para desenhar no quadro e, assim, tinha que

a sair: a Professora Estela. Eu não vim tirar o lugar a ninguém.

compensar a comunicação doutras formas. Lembro-me que uma

Vim liderar o grupo das ciências básicas. Foi este o desafio que a

vez fui a correr ao bar pedir um coador para lhes mostrar o que

Professora Fátima Morgado me lançou. Para mim era estimulante

era uma filtração.

vir liderar um grupo e instalar investigação num sítio onde ela não existia.

Como aconteceu a passagem para o Ensino Superior? Eu queria mais do que dar aulas. Sentia que era pouco ficar por

Era uma mulher, jovem, doutorada, exterior à instituição e

ali. Na altura ainda mal se falava de Mestrados e eu fui à UM

numa posição de liderança. Como foi esse embate?

falar com o Professor Hernâni Maia. Quando lá cheguei e me

Não foi fácil. A proposta da minha entrada só passou na segunda

perguntaram sobre mim e viram que vinha da Faculdade de Ciên-

vez que foi votada no Conselho Científico. Fui a primeira não

cias da Universidade do Porto, com média de 15 e com vontade

engenheira a entrar no Departamento de Engenharia Química.

de investigar, já não saí. A Professora Irene Montenegro, que foi a minha orientadora, fez-me uma proposta de Doutoramento

Como é que a sua equipa reagiu à entrada de um elemento

muito interessante na área de Electroquímica.

externo para a liderar? Eu vinha novata e quase todos, senão todos, os membros da mi-

E que diferenças sentiu nesses Estudantes?

nha equipa eram mais velhos do que eu. Eu tenho muito respeito

Era, realmente, muito diferente. Com os do secundário eu tinha

pelas pessoas que são mais velhas e acho que tive muito cuidado.

uma relação quase de mãe. Íamos juntos lanchar e ao cinema.

Lá porque vinha com o doutoramento, não me achei nem mais

Ofereciam-me flores de todas as formas e feitios. O primeiro cho-

nem menos. Não fiquei com a cadeira de ninguém. Eu deixei as

que que recebi foi que, no ensino superior, estava a entrar como

pessoas no sítio em que elas estavam e não tomei o lugar de

“a inimiga”. Eu era o alvo a abater. Só com o tempo superavam

ninguém. Isso foi o primeiro trunfo para que as coisas começas-

esta imagem e, aí, correu muito bem, quando perceberam que a

sem a correr bem.

minha missão era ajudá-los. Qual foi a primeira coisa que disse à equipa? Quando decidiu vir para o Politécnico do Porto, para o ISEP.IPP?

A minha primeira tarefa era fazer a distribuição de serviço. Eu

Estive na UM até acabar o Doutoramento. Acabei-o em Junho.

não conhecia as cadeiras, nem as pessoas. Lembro-me de fazer

Nas longas viagens de camioneta conheci uma docente do ISEP.

uma reunião e escrever as cadeiras todas no quadro e perguntei:

IPP, a Professora Margarida Ferreira. Quando acabei o Doutora-

quem é quem e quem quer dar o quê? Naquela altura ficou tudo

mento ela perguntou-me se não equacionaria vir para o ISEP.IPP.

a olhar para mim. Não era costume.

Falar Azul 13


Falar Azul 14

Politécnico do Porto

Olhando para a sua carreira, vê-se mais como docente ou como

Como reage quando se afirma, muitas vezes sem comprovação

investigadora?

estatística, que os docentes do politécnico investiram menos na

Eu acho que no ensino superior, quer seja politécnico, quer seja

sua qualificação do que os das universidades?

universitário, não há docência sem investigação. Eu levo aos

Depende das áreas. Mas, por exemplo, a minha área, a química,

estudantes muito do que faço em investigação.

é uma área muito cara. Quando entrei no ISEP.IPP não havia investigação. Teve que se estruturar, investir. Isso demora tempo

O que é que aprendeu mais com os seus Estudantes?

e recursos. Essa demora reflecte-se, muitas vezes, nas oportu-

Cada estudante é uma pessoa da minha vida. Para quem é

nidades que temos para nos qualificar. Ainda hoje são vitais os

professor, qualquer um deles é muito importante. Quem gosta

financiamentos suplementares que a gestão do Professor Vítor

mesmo de ser professor encontra qualquer coisa de positivo em

Santos todos os anos faz para reequipamento, o que demonstra

cada aluno. Até nas “pestinhas” eu acho que há sempre um lado

que, estando no bom caminho, ainda precisamos de consolidar

positivo.

os recursos que temos disponíveis para a investigação e, consequentemente, para a qualificação do nosso corpo docente.

Nota diferenças entre os estudantes de quando começou a sua carreira e os de agora?

Mas o que pensa de exigência que o Estatuto faz da posse de

A matéria humana é sempre a mesma. A postura e a preparação

Doutoramento?

é que podem ser um pouco diferentes.

Eu digo: felizmente que o Estatuto exige o Doutoramento. Ainda bem que estamos a nivelar por cima e não por baixo. Agora, há

Já lhe ensinaram muito, imagino.

um Grau que desapareceu, o Mestrado, que pouco mais é hoje

Ah, muito! Ainda agora nesta situação da greve. Há um esforço

do que a antiga Licenciatura. O Doutoramento, actualmente, é

para se colocarem no papel do outro.

um ciclo doutoral, uma formação de terceiro ciclo. Já não é como antigamente que se entrava num e não se sabia quando se sairia.

E os colegas, como vê a sua evolução em 20 anos?

Já não é aquela coisa medonha.

Neste momento estamos a viver uma crise gravíssima. O novo Estatuto da Carreira Docente Politécnica faz uma grande discrimi-

Como se faz um Doutoramento em 4 anos, com 12 horas de

nação entre o ensino superior público politécnico e o universitá-

aulas ao mesmo tempo?

rio. Não acho minimamente justo que um docente seja tratado

É muito difícil. Quando fui Presidente do Conselho Científico

de uma forma distinta num subsistema e noutro. 50% dos

consegui negociar vários protocolos de redução de propinas de

lugares vão a concurso internacional e as pessoas que serviram a

Doutoramento em várias Faculdades para os docentes do ISEP.

instituição e que a ela deram o seu máximo não têm quaisquer

IPP (FEUP, FCUP, etc.). Já na Gestão do Professor Vítor Santos, este

garantias que nela vão continuar. Os concursos não garantem o

caminho foi alargado, através de um protocolo similar entre o

lugar. Não faria sentido fazer um concurso internacional e o lugar

Politécnico do Porto e a Universidade de Aveiro e a Universidade

ser sempre atribuído a docentes que já lá estavam. Os lugares das

de Coimbra.

pessoas que se dedicaram a eles estão efectivamente em perigo. Veio criar uma instabilidade terrível.

E a questão do tempo? Eu costumo dizer aos colegas que fiz o Doutoramento com 7

Acha, portanto, que o que mais mudou foi a segurança?

horas de transporte e 8 horas de serviço. Mas beneficiava de um

Em boa verdade, a segurança não existia, porque os contratos

bom horário que me deixava a sexta-feira livre. Um bom horário,

tinham uma duração de dois anos, uma vida inteira. Mas havia

o não estar sempre a trocar de cadeiras, pode ajudar imenso a

uma tradição de os contratos serem renovados, excepto quando

conquistar mais tempo para a investigação.

algum colega não cumprisse com os objectivos determinados ou os alunos não preenchessem as vagas disponíveis. Ora, as vagas

Não considera paradoxal que se exija Doutoramento aos do-

são permanentemente ocupadas na totalidade e os colegas cum-

centes do Politécnico enquanto este, por melhor que seja, não

prem. Logo, os seus contratos deviam ser renovados.

pode conferir o Grau de Doutor? Eu gostaria mais de ter visto uma proposta diferente, que seria o Ministério permitir ao Politécnico a proposição de Doutoramentos


Politécnico do Porto

e depois avaliar a sua autorização em função das condições que

Como resolveria este impasse?

cada instituição oferecesse. Quero acreditar que, no futuro breve,

De uma maneira simples. Todos os doutorados, à semelhança

quando a maioria do corpo docente for doutorado, esta situação

do previsto para as Universidades, ficavam no sistema. Os não

se altere.

doutorados, teriam uma oportunidade para o ser, em 6 anos. É duríssimo, mas tenho a certeza que os que ficarem no sistema os

Como encara a defesa da existência de um número significativo

ajudariam. Vamos arregaçar as mangas para ajudar os colegas

de especialistas na carreira que cumpram a especificidade do

que não são Doutores. Dessa forma, todos têm vantagens. Os

Politécnico de maior ligação ao tecido empresarial?

doutorados do Politécnico têm escassas formas de melhorar o

Eu sou favorável a essa ligação às empresas e à existência de

curriculum. Como os Politécnicos não conferem doutoramentos,

especialistas. O único problema está nos números. O estatuto

raros são os colegas que têm a hipótese de orientar doutorandos.

exige, no mínimo, 20% de especialistas, o que seria óptimo, mas

Desta forma poderiam orientar o colega. Para o doutorando, é

acaba por ser excessivo. O que acontece é que a parte remunera-

uma vantagem ter alguém dentro da instituição, que conhece

tória não está salvaguardada. Quem me interessa que cá venha

melhor o seu trabalho, a orientá-lo e a ajudá-lo no prosseguimen-

como especialista só vem se for bem pago. Não consigo conven-

to da sua tese e até ajudar a aliviar a sua carga lectiva, fomentan-

cer ninguém pagando €800, por mês, por 8 horas de docência

do a cooperação nas Escolas.

semanal. Riem-se. Há quem sustente que esse é o objectivo final do Sr. Ministro. E quando o Sr. Ministro afirma que “um bom professor não tem

Apresentar uma proposta mais radical para obrigar os docentes

medo de ir a concurso”, como responde?

a doutorarem-se num prazo curto.

Os bons professores não têm medo, efectivamente, de ir a concur-

Eu confesso que ainda não percebi qual o objectivo do Sr. Ministro

so. Essa questão nem devia ser colocada. O que nós discutimos

com este Estatuto. Mas de uma coisa tenho a certeza. O período

é a igualdade de tratamento entre os professores do subsistema

transitório não está satisfatoriamente assegurado. Se estivés-

politécnico e os do universitário. O espírito de equipa não se pode

semos no momento zero, eu diria que o estatuto era óptimo. O

destruir assim.

Sr. Ministro alega que para se entrar numa carreira pública tem que se submeter a concurso. Ora, não estamos a falar de entrar. Estamos a falar de pessoas que já cá estão, que, na prática, já

Falar Azul 15


Falar Azul 16

Politécnico do Porto

entraram. Muitos destes docentes concorreram e foram aprova-

com um problema que afecta os colegas que estão ao pé de mim.

dos em mérito absoluto, não tinham era vaga. Efectivamente não

Não consigo estar aqui e virar-lhes as costas. E esta solidariedade

são pessoas que estão a entrar no sistema, são pessoas que já

tem retorno. Os meus colegas são os primeiros a virem-me pedir

estão no sistema.

ajuda. O que é bom, mas não era preciso, porque me disponibilizei para esta luta desde o primeiro dia.

Um fim para este processo? Não sei. Estou a fazer tudo por tudo para que impere a igualdade

E os Estudantes? Como em todas as greves, esta afecta pessoas,

de oportunidades. Eu só queria mesmo ter os meus colegas, que

no caso, os Estudantes. Como vê a posição destes?

me ajudaram a crescer e a criar o meu grupo de investigação.

Não tem sido fácil. Até para mim psicologicamente. Ainda há

Que se mantivessem. Queria estes ao pé de mim, porque foram

pouco dizia aos meus alunos que nunca havia tomado calmantes

estes que me ajudaram a chegar onde cheguei.

e agora tenho que os tomar. Se os estudantes não fossem as vítimas da greve eu estava muito mais confiante nas minhas deci-

Estando no topo da carreira, porque é que chamou a esta crise

sões. Assim, tenho um rebuliço permanente na minha cabeça. O

um problema seu?

que posso fazer a faço-o, é dar-lhes o meu telemóvel e colocar-me

Não sou egoísta ao ponto de sentir que não tenho nada a ver

à disposição deles para os esclarecer o mais possível a qualquer


Politécnico do Porto

Cristina Matos numa palavra: ISEP.IPP p Qualidade Politécnico do Porto p Primeiro Estudantes p Razão de Ser Colegas p Ai, São o Máximo Professor p Formador, no sentido amplo da palavra Investigador p Procura do saber Mãe p É o melhor que há Família p O mais importante Carreira p Vai-se fazendo, conquista-se Sr. Ministro p Ai Sr. Ministro, acho que o melhor é suspirar Estatuto da Carreira Docente Politécnica p Tem que ser mudado Biografia p Muito pequenina Amanhã p Espero que o Prof. Cavaco não promulgue o Estatuto Depois de Amanhã p Espero estar aqui com todos

Este seu empenho social foi uma revelação, ou foi algo que pautou sempre a sua vida? Sempre tive esta natureza de olhar para o lado e ver os outros. Não consigo estar bem quando, ao lado, os outros estão mal. O meu marido costuma dizer que se eu estivesse casada com um homem rico o levava à falência de certeza.

hora. Aconselho-os a estudarem e a reverterem esta crise numa oportunidade de conquista de mais tempo para estudarem mais e obterem melhores resultados. Pensa que os estudantes e os professores estão apenas, circunstancialmente, em caminhos diferentes e que a relação mútua não está em causa? Acredito que sim. E quando começarem a trabalhar vão entender melhor. Ainda há pouco um grupo de estudantes me dizia para os por a par das próximas acções para que se pudessem juntar. São os primeiros a dizer que se acontecesse algo parecido a seus pais, que é a medida que têm, estariam de certeza ao lado deles. Compreendem que para um professor ver o seu lugar a concurso ao fim de 20 anos de serviço avaliado positivamente e de dedicação à instituição é muito, muito complicado.

Como conseguiu conciliar uma carreira brilhante e a família? Foi complicado. Encontrei um marido muito paciente e que me ajudou imenso. Ele também é professor, no caso, do ensino secundário, e por vocação. Portanto, percebe o quanto gosto daquilo que faço, porque ele também gosta muito daquilo que faz: ensinar. Compreendemo-nos. Claro que de vez em quando reclama. Diz que casei com o ISEP.IPP. Casei com os dois. Se soubesse há 20 anos o que sabe hoje, teria optado por fazer a sua carreira no Politécnico do Porto? Às vezes digo que, se fosse hoje, teria ido para outro lado. A carga social em relação ao Politécnico ainda é tão grande que torna as conquistas muito dolorosas. Saborosas, mas dolorosas. Noutro lado, com metade do esforço, ter-se-ia conseguido o dobro das coisas. Mas não lhe consigo dizer que não voltava a vir para esta casa. Não consigo dizer uma coisa dessas. FA

Falar Azul 17


Falar Azul 18

Politécnico do Porto

EVENTOS EM:

WWW.FACEBOOK.COM/POLITECNICODOPORTO

UNIVERSO IPP

ISEP.IPP WORKSHOP SOBRE CRIAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCATIVOS COM ADOBE CAPTIVATE

Superior de Educação e a Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Politécnico do Porto. Cada vez mais, o Politécnico do Porto chega perto dos possíveis futuros estudantes das suas escolas, envolvendo-os, desde

No âmbito do grupo ISEP.IPP TREE –

cedo, na realidade do Ensino Superior

Teaching Resources for Engineering

Politécnico.

Education, e com a colaboração do Laboratório de Multimédia do DEI, o ISEP. IPP organizou mais um workshop prático no dia 1 de Julho. O Adobe® Captivate® 4 permite criar rapidamente conteúdo educativo interactivo multimédia, incluindo a simulação da utilização de aplicações informáticas,

ESEIG.IPP ESTUDANTES DE DESIGN MOSTRAM O QUE SE PODE FAZER COM VELHAS CAIXAS DE ARQUIVO

questionários, cenários não-lineares, etc., sem exigir conhecimento multimédia ou de programação. O workshop abordou a utilização de ferramentas Open Source com a mesma finalidade.

THSC HELENA SÁ E COSTA RECEBE PRIMEIRA ÓPERA PARA CRIANÇAS

Foram conhecidos, no passado dia 18 de Junho, os vencedores da segunda edição

No âmbito da comemoração do Dia

do concurso de ideias “Instalações de arte

Mundial da Criança, a Escola Superior

ou de documentos? O Design nas caixas

de Música e das Artes do Espectáculo do

de arquivo: criatividade versus funcionali-

Politécnico do Porto (ESMAE.IPP) levou ao

dade”, promovido pelo Arquivo Municipal

palco do Teatro Helena Sá e Costa nos dias

para os estudantes do 2º ano do curso de

30 e 31 de Maio, a ópera infantil “Casinha

Design Industrial da Escola Superior de

de Chocolate”, da autoria de Engelbert

Estudos Industriais e de Gestão do Politéc-

Humperdinck, com o nome original de

nico do Porto. A transformação das velhas caixas de arquivo, impróprias para receber documentos, em três carteiras de senhora valeu a Ana Chavarria e Verónica Rocha o

IPP | ESTUDANTES PROSPECTIVOS PORTO DE FUTURO VISITA POLITÉCNICO DO PORTO

primeiro lugar. Rita Barbieri, cujo trabalho

“Hänsel und Gretel”.

ESMAE.IPP ESTUDANTES DE TEATRO APRESENTARAM “COMÉDIA DE UMA NOITE DE VERÃO”

de reutilização resultou em pastas de

No âmbito do Projecto Porto de Futuro, o

documentos, ficou em segundo e Marta

Gabinete do Estudante do Politécnico do

Ribeiro e Ana Pinto, que apresentaram um

Porto conjuntamente com a Escola Básica

Macintosh e um Ipod, ficaram em terceiro.

2, 3 da Areosa, organizou, no dia 9 de

A Escola Superior de Música e das Artes

Às vencedoras foram entregues edições

Julho, uma visita a três das sete Escolas

do Espectáculo do Politécnico do Porto

municipais.

do Politécnico do Porto. Os Estudantes

apresentou “Comédia de Uma Noite de

tiveram a oportunidade de conhecer o

Verão, nos dias 2, 3 e 4 de Julho na Casa

Instituto Superior de Engenharia, a Escola

Música Guerra Junqueiro no Porto.


Politécnico do Porto

A peça foi protagonizada pelo 1º ano da

Paralelamente, a APTMN realizou o seu 5º

Licenciatura de Teatro da ESMAE.IPP. É a

Congresso Anual, que teve lugar também

partir de “Sonho de uma Noite de Verão”

nos auditórios da ESTSP.IPP, no dia 18 de

de William Shakespeare que esta comédia

Julho. Este ano o Congresso teve como

de enganos e desenganos se desenrolou.

tema principal “Terapia Metabólica”.

A encenação ficou a cargo de Geoff Beale e Howard Gayton, fundadores da companhia Ophaboom, residente em Inglaterra, com um extenso currículo em Commedia dell’ Arte.

ISCAP.IPP A WEB AO SERVIÇO DE CADA UM

ESE.IPP PARCERIA UNIVERSIDADE DO MINHO / ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO POLITÉCNICO DO PORTO A Universidade do Minho está a desenvolver um projecto curricular para o ensino básico em Timor-Leste, envolvendo as disciplinas dos sétimo, oitavo e nono anos

No âmbito da iniciativa “A Web ao Serviço

de escolaridade.

de Cada Um”, no dia 25 de Junho de

A investigadora Maria Dionísio, do Insti-

2009, às 18:30, teve lugar na Sala de Lei-

tuto de Educação adiantou à Lusa que o

tura Informal do ISCAP.IPP, uma palestra

estudo, que decorre durante 15 meses,

subordinada ao tema “Podcast/Vodcast: o

envolve as áreas linguística, científica e de

mundo para além da leitura!”.

formação de professores. «Candidatámo-nos, em colaboração com a Escola Superior da Educação do Politécnico do Porto, a um concurso da UNESCO», sublinhou.

ESTSP.IPP 10º ANIVERSÁRIO DO CURSO DE MEDICINA NUCLEAR No âmbito das Celebrações do 10º Aniversário do Curso de Medicina Nuclear da ESTSP.IPP, a Área Científico-Pedagógica e Curso, organizou em conjunto com a APTMN (Associação Portuguesa de

ESEIG.IPP FINALISTAS DA ESEIG.IPP ESTREIAM NO CINEMA BATALHA

Técnicos de Medicina Nuclear) mais uma

IPP | DESPORTO EQUIPA FEMININA REPRESENTA PORTUGAL NOS CAMPEONATOS EUROPEUS UNIVERSITÁRIOS DE BASQUETEBOL

iniciativa de carácter Técnico-Científico – o

O curso de design da Escola Superior de

Summer School ‘09 – que teve lugar nos

Estudos Industriais e Gestão do Politéc-

dias 15, 16 e 17 Julho de 2009, em Vila

nico do Porto (ESEIG.IPP) apresentou

Nova de Gaia, nos auditórios da ESTSP.IPP.

“ESTREIA”, no dia 10 de Julho no Cinema

As temáticas do encontro centraram-se

Batalha na Baixa do Porto. Uma exposi-

nas temáticas da Radioprotecção Aplicada

ção colectiva de design, que contou no

e da Imagiologia Pré-clínica, desenro-

elenco com os estudantes finalistas do

lando-se, também, duas exposições: a

Curso de Design Gráfico e de Publicidade

primeira intitulada “Caminhos Cintilan-

e de Design Industrial, e esteve em cartaz

As campeãs nacionais universitárias de

tes”, reflectindo a história, o presente e o

até dia 24 de Julho.

basquetebol feminino estiveram na ilha

futuro da Medicina Nuclear; a segunda,

O catálogo da “ESTREIA” foi publicado

de Creta, na Grécia, a representar Portugal

relativa a várias publicações e/ou traba-

pela POLITEMA, Centro Editorial do Politéc-

nos campeonatos europeus de basquete-

lhos científicos desenvolvidos durante os

nico do Porto.

bol, que decorreram de 15 a 21 de Junho,

10 anos do Curso de Medicina Nuclear.

que lhes valeu o 10º Lugar.

Falar Azul 19


Falar Azul 20

Politécnico do Porto

ESMAE.IPP QUINTETO DE JAZZ NA FESTA DE JAZZ DO S. LUÍS

Depois do título universitário nacional,

contribuindo assim para que Portugal

conquistado em Abril de 2009, nos

seja, crescentemente um lugar de todos.

CNU’09, organizados pelo Politécnico

Neste sentido, foram abordados os seguin-

do Porto, a equipa orientada por José

tes temas:

Castro e Francisco Costa obteve a melhor

· Perturbações Associadas ao Complexo

O Quinteto de Jazz da ESMAE.IPP esteve

classificação de sempre para uma equipa

Cranio-Temporo-Mandibular;

presente na festa de Jazz de S. Luís em

portuguesa nestes campeonatos, colocan-

. A Relação entre a Mal-Oclusão e a Articu-

Lisboa, no dia 27 de Junho.

do-se entre os primeiros 10 classificados,

lação Verbal;

apurando-se assim para as eliminatórias

. A Terapia da Fala para Além da Fala e O

que sucederam à fase de grupos.

Trabalho em Equipa.

O Politécnico do Porto tem orgulho neste seu conjunto de atletas de elite e em representar Portugal nestes campeonatos extremamente competitivos, desejando à

ESTSP.IPP ACÇÃO DE FORMAÇÃO: COMO PROMOVER O DINAMISMO NAS AULAS TEÓRICAS?

nossa equipa a continuação das melhores No dia 8 de Julho realizou-se na Escola

felicidades desportivas.

Superior de Tecnologia da Saúde do Politécnico do Porto a Acção de Formação: Como promover o dinamismo nas aulas teóricas?.

ESTGF.IPP CONFERÊNCIA “A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA” ESTSP.IPP I JORNADAS DE TERAPIA DA FALA DA ESTSP.IPP – ORTODONTIA

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão através da Coordenação da Licenciatura de Solicitadoria, realizou, no dia 3 de Julho, a Conferência “A Reforma da Acção Executiva”, com intervenções de João Tiago Silveira, Secretário de Estado da Justiça, de António Gomes da Cunha,

rio do ISEP.IPP as «Iªs Jornadas de Terapia

Presidente da Câmara dos Solicitadores e

da Fala da ESTSP.IPP – Ortodontia».

de Paulo Pimenta, Advogado e Professor

Estas Jornadas pretenderam clarificar a

Universitário.

relação existente entre Terapia da Fala e

A Conferência representou a abertura sole-

Ortodontia e outras áreas relacionadas,

ne da 1ª edição do Curso Breve “A Reforma

assim como compreender o trabalho em

da Acção Executiva na Perspectiva do

equipa que se poderá desenvolver entre

Agente de Execução”.

superior na área científica da Terapia da Fala inscreve-se na necessidade contemporânea de colocar a ciência ao serviço de uma sociedade cada vez mais inclusiva,

lização de conceitos, a análise e discussão de exemplos e, essencialmente, a construção de materiais de trabalho para utilização futura pelos formandos, foram elementos privilegiados durante a sessão.

de Felgueiras do Politécnico do Porto,

Decorreram no dia 20 de Junho no auditó-

os vários profissionais. A qualificação

A partilha de experiências, a operaciona-

IPP | DESPORTO CADETES FEMININOS EM OBSERVAÇÃO A Selecção Nacional de Cadetes Femininos de Voleibol, orientada por Fernando Luís, realizou, nos dias 6 e 7 de Julho, um estágio de observação nas instalações desportivas do Politécnico do Porto. Foram 35 os atletas convocados que provieram das seguintes equipas: S.C.Arcozelo, Castelo da Maia G.C., Vitória S.C., S.C.Espinho, Juv. Pacense Leixões, S.C.Esc.Lamaçães, G.C. St.º Tirso, ANA Gondomar, A.A.S.Mamede Col. Universal.


Politécnico do Porto

unidades curriculares de Informática, in-

importante, sendo o nº 13 no ranking

tegradas nas Licenciaturas e Mestrado em

europeu e o nº 46 no ranking mundial.

Engenharia de Informática da ESTGF.IPP.

Em 2008, Tiago Silva (Moita) foi ainda

Os trabalhos distinguidos e respectivos

Vice-Campeão Europeu sub-18 individual e

premiados foram: Mascote ESTGF.IPP,

Vice-Campeão Júnior por equipas.

pelos estudantes Pedro Campos e José

O Politécnico do Porto endereça ao Tiago

Lousada na Unidade Curricular: Interacção

os mais sentidos parabéns e votos de su-

e Sistemas Multimédia (2º ano, Eng.ª

cesso desportivos, académicos e pessoais.

Informática).

ADEQUAÇÃO A BOLONHA DEBATIDA PELO JORNAL “VIDA ECONÓMICA” Este debate ocorreu à mesa do pequeno-almoço do Hotel Park Atlantic (ex Meridien) e foi promovido pelo jornal “Vida

Desenvolvimento de um Sistema de Informação para Gestão, Divulgação e Optimização com o Objectivo de Ganhos de Competitividade no Sector Hoteleiro

ESMAE.IPP QUARTETO VINTAGE LANÇA PRIMEIRO CD

pelo estudante João Carneiro na Unidade Curricular: Sistemas de Informação (3º

O Quarteto Vintage lançou dia 11 de Julho

ano, Eng. Informática).

no Auditório da Faculdade de Engenharia, no Porto, o seu primeiro CD, com obras de

Económica”

Horovitz, Luís Tinoco, Vítor de Faria e Mike

António Cardoso da Costa, Vice-Presidente

Curtis. O grupo foi formado em 2001, no

do Conselho Científico do Insituto Superior

âmbito da unidade curricular de Música

de Engenharia do Politécnico do Porto

de Câmara, na Escola Superior de Música

(ISEP.IPP), juntou-se ao Reitor da U. Porto,

e das Artes do Espectáculo do Politécnico

José Marques dos Santos, ao Reitor da

do Porto (ESMAE.IPP).

Universidade Fernando Pessoa, Salvato Trigo e ao Vice-Reitor da Universidade do Minho, Leandro Silva Almeida para debaterem os sucessos e dificuldades da adaptação da oferta formativa das Instituições de Ensino Superior portuguesas ao Processo de Bolonha.

ESTGF.IPP I DIA DA INFORMÁTICA

IPP | DESPORTO ESTUDANTE DO POLITÉCNICO DO PORTO É CAMPEÃO NACIONAL UNIVERSITÁRIO DE BODYBOARD Tiago Moita da Silva (conhecido no meio

ESTSP.IPP I JORNADAS DE NEUROFISIOLOGIA

Realizou-se no 17 de Junho, na Escola

desportivo por “Moita”), atleta de 18 anos

Superior de Tecnologia e Gestão de

e estudante do Instituto de Engenharia do

Felgueiras do Politécnico do Porto, o Iº

Politécnico do Porto (ISEP.IPP), conquistou

Dia da Informática. O destaque do evento

o título de Campeão Nacional Univer-

As I Jornadas de Neurofisiologia da

foi para o lançamento do MTI – Melhor

sitário de Bodyboard no Campeonato

ESTSP.IPP tiveram lugar no Auditório do

Trabalho de Informática que criou o desa-

Nacional de Surf & Bodyboard disputado

ISEP.IPP, nos dias 22 e 23 de Maio de

fio e estimulo na comunidade académica

na Praia Grande, em Sintra, em 30 e 31 de

2009. A carreira de Técnicos de Diag-

com o objectivo de distinguir e divulgar

Maio últimos.

nóstico e Terapêutica só nestas últimas

os melhores trabalhos de Informática do

Este atleta, apesar da idade jovem e dos

décadas teve o seu reconhecimento pro-

ano lectivo 2007/2008. Os trabalhos a

muitos sucessos desportivos que ainda

fissional e científico. As inovações na área

concurso foram realizados no âmbito das

promete, apresenta já um palmarés

da Neurofisiologia, o surgimento de novos

Falar Azul 21


Falar Azul 22

Politécnico do Porto

campos de actuação, uma autonomia, responsabilidade e formação crescente, denotam a necessidade permanente de criação de um espaço para diálogo

ISCAP.IPP II CICLO DE CONFERÊNCIAS DO CENTRO DE ESTUDOS INTERCULTURAIS (CEI)

e divulgação, experiências singulares,

Bucareste, na Roménia. Cerca de 100 participantes provenientes de 12 países, divididos por várias categorias, mostraram o seu talento ao júri do concurso realizado em Bucareste no final de Junho. Nuno

referências a novas áreas e técnicas de

O II Ciclo de Conferências do Centro de

Cernadas, estudante de piano da ESMAE.

exercício de actividade profissional.

Estudos Interculturais (CEI) do ISCAP.IPP

IPP, arrecadou o primeiro prémio da

prosseguiu na dia 5 de Junho de 2009,

categoria dos 20 aos 30 anos – enquanto

às 16.00, na sala de leitura informal da

Catarina Oliveira, também estudante na

Biblioteca, com a conferência da Presiden-

mesma escola, conquistou o quarto lugar.

te do Conselho Científico Cristina Ferreira

São ambos estudantes do terceiro ano

Pinto, “The Cultural Background in African

da Licenciatura em Piano e frequentam a

Tales”.

classe do professor Constantin Sandu.

ESMAE.IPP PROJECTO 9 No dia 11 de Julho foi inaugurada a Exposição Projecto 9, no Centro Português de Fotografia, consistindo nos Trabalhos Finais de Fotografia e Vídeo dos Estudantes do Curso de TCAV da ESMAE.IPP.

ISEP.IPP WORKSHOP NOVA GERAÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) E URBANIZAÇÕES (ITUR) O Instituto Superior de Engenharia do Politécnico do Porto organizou um Workshop referente ao tema ITED/ITUR – Nova Geração, onde se pretendeu que houvesse

ESTGF.IPP ESTUDANTES DO SECUNDÁRIO VIVEM UM DIA NA ESTGF.IPP A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras do Politécnico do Porto, pro-

espaço aberto a debate acerca das novas alterações da evolução do Manual ITED e ITUR e as suas respectivas consequências e implicações técnicas. Este workshop realizou-se nas instalações do ISEP.IPP, auditório do edifício E, no dia 1 de Julho.

moveu no dia 22 de Maio o “Dia Aberto”, com o tema “Partilha da Ciência”. Foram muitos os estudantes do ensino secundário e básico que visitaram a ESTGF.IPP, proporcionando uma maior interacção entre a Região Envolvente, bem como as respectivas Escolas.

ISCAP.IPP CONFERÊNCIA “SISTEMAS JURÍDICOS COMPARADOS”, JOSÉ CAMPOS AMORIM O II Ciclo de Conferências do Centro de Estudos Interculturais (CEI) do ISCAP. IPP prosseguiu dia 3 de Julho de 2009, às 16.00, na sala de leitura informal da Biblioteca, com a conferência de José Campos Amorim, “Sistemas Jurídicos Comparados”.

ESMAE.IPP ESTUDANTE GANHA CONCURSO INTERNACIONAL PROPRIANO O estudante da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE.IPP) Nuno Cernadas conquistou o primeiro lugar no Concurso Internacional Propiano em

ESTGF.IPP CURSO BREVE “A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA” Iniciou-se no dia 4 de Julho na ESTGF.IPP o Curso Breve “ A Reforma da Acção Executiva na Perspectiva do Agente de Execução”,


Politécnico do Porto

tendo como objectivos: Aprofundamento

Olívia Silva, directora do Departamento de

universitários e o RoboCup Júnior é para

dos conhecimentos relativos ao processo

Fotografia e Multimédia do ESMAE.IPP.

alunos do ensino básico e secundário.

executivo; Apreensão e reconhecimento

As modalidades incluíram futebol de

das alterações introduzidas pelo Decreto-

robôs, robôs para apoio a operações de

Lei n.º 226/2008, no domínio da acção

busca e salvamento e robôs de serviço

executiva; Domínio do formalismo proces-

para aplicações sociais e domésticas. O

sual da Acção Executiva, em especial, na

RoboCup começou no princípio dos anos

perspectiva do agente de execução e Co-

90 com 100 participantes de dez países.

nhecimento dos instrumentos electrónicos

Este ano teve mais de 2000 participantes

ao serviço do agente de execução.

de 40 países. Alfredo Martins, professor no Instituto Superior de Engenharia do Porto, que levou

IPP | CASA DO PESSOAL OFICINAS DE ARTE E CIÊNCIA

ao RoboCup 2009 a equipa ISePorto, sublinhou igualmente o carácter fundamentalmente científico deste trabalho.

Iniciou-se no dia 29 de Junho, nas instalações da Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto, as Oficinas de Arte

ESMAE.IPP DIRECTORA DO DEPARTAMENTO DE FOTOGRAFIA E MULTIMÉDIA DA ESMAE.IPP PARTICIPA NO TRAINING GROUND 2009

e Ciência direccionadas aos filhos dos Associados da Casa do Pessoal, com idade entre os 5 e os 12 anos. Durante as 5 semanas de prolongamento deste evento, as crianças terão hipótese de usufruir de várias actividades com diferentes temáticas: Acompanhamento, Afectos, Artes Plásticas, Cidadania, Culinária, Educação Física, Educação Musical,

São quatro os painéis e dez os orado-

Leitura, Matemática, Taichi/Qigong e

res, de nacionalidades como Portugal

Teatro. +info: http://cpipp.co.cc/

Pandora da Cunha Telles Sellete Ramalho e Rodrigo Francisco; Finlândia (Dome Karukoski);Estados Unidos da América

A Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto (ESE.IPP), no âmbito do

(Gonçalo Galvão Teles, Virgílio Almeida, Olívia Silva (ESMAE.IPP); Paulo Gonçalves,

ESE.IPP NOVOS RUMOS PARA A MATEMÁTICA NA ESCOLA

ISEP.IPP ISEPORTO PRESENTE NA ROBOCUP 2009

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico (PFCM), promoveu no dia 2 de Julho no Fórum da Maia as jornadas para reflectir sobre os “Novos Rumos

(Tom Stern) e Espanha (Ismael Martin). Temáticas que percorrem diferentes temá-

O RoboCup 2009 – Campeonato do

para a Matemática na Escola”. O PFCM é

ticas: adaptação de um livro ao cinema;

Mundo de Futebol para Robôs decorreu

um programa em que a ESE.IPP colabora,

Direcção de Fotografia; relações entre a

em Graz, na Áustria, entre 1 e 5 de Julho.

como escola Superior especializada em

América Latina e a Europa e a importân-

Desde 2004, ano em que o evento teve

educação e em formação de Professores,

cia, a divulgação, os apoios para as curtas

lugar em Lisboa em paralelo com o

sendo uma iniciativa do Ministério da

metragens. Tudo entre as 14 e as 18 horas,

Euro2004, que o campeonato não tinha

Educação Português.

nos dois auditórios da sede oficial do FEST

lugar na Europa. Este ano teve uma forte

2009, na Junta de Freguesia de Espinho.

participação portuguesa.

Este evento contou com a participação de

As competições foram para estudantes

Falar Azul 23


Falar Azul 24

Politécnico do Porto

ESMAE.IPP ESTUDANTES EM CENA COM “TUDO OU NADA” Os estudantes finalistas do 3º Ano estiveram em cena no Teatro Helena Sá e Costa, de 1 a 5 de Julho, com um conjunto de pequenas peças do dramaturgo Thomas Bernhard “Tudo ou Nada – 4 dramoletes”, com encenação de Fernando Mora Ramos.

OTIC.IPP O EMPREENDEDORISMO COMO RESPOSTA À CRISE DEBATIDO NO POLITÉCNICO DO PORTO

ESEIG.IPP PROJECTOS DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Os Estudantes Finalistas do Curso de Engenharia Biomédica, coordenados pelos

IPP | DESPORTO POLITÉCNICO DO PORTO CONQUISTA MEDALHA DE BRONZE No primeiro dia do Campeonato Europeu Universitário de Karaté, que decorreu até Sábado (18.07.09), em Córdoba (Espanha), o Politécnico do Porto garantiu para Portugal a medalha de bronze na classe Kumite team (combate por equipas), numa competição disputada por 16 equipas de Instituições de Ensino Superior de toda a Euorpa. O Politécnico do Porto dá os parabéns aos seus Estudantes e Atletas e espera conquistar mais medalhas ao serviço do desporto no Ensino Superior e em representação de Portugal.

Em representação do Presidente do Poli-

docentes Abel Andrade, Jorge Mendes e

técnico do Porto, Vítor Correia Santos, Luís

Luís Mourão, desenvolveram vários projec-

Metello, Pró-Presidente para a Transferên-

tos inovadores nesta nova área científica

cia de Conhecimento e Inovação, referiu,

do Politécnico do Porto.

nas jornadas “O Desafio de Empreender

Aqui damos conta de dois deles:

no Séc. XXI”, realizadas em 27 de Maio

· Sistema Móvel Electrocardiográfico (ECG)

último, que o Politécnico do Porto enfatiza

para o controlo glicémico, o qual tem

junto de todos os seus Estudantes a neces-

como missão melhorar a qualidade de

sidade de encararem o empreendedoris-

vida dos diabéticos insulino-independen-

mo como parte integrante do processo de

tes, substituindo a picada no dedo pela

saber ser, saber conhecer, saber fazer que

realização do electrocardiograma, uma

estrutura toda a nossa oferta formativa.

vez que estes diabéticos realizam no

Para o Politécnico do Porto, o empreendedorismo tem que se preocupar em

mínimo 6 picadas por dia; · Sistema de Detecção do Enfarte Agudo

desenvolver um modelo de negócio

do Miocárdio consiste num sistema

comercialmente saudável, mas também

portátil de detecção do Enfarte Agudo do

socialmente são, que incorpore necessa-

Miocárdio (EAM). Este dispositivo pode

riamente uma adequada responsabilidade

ser empregue em pacientes com risco

social e ecológica. É na potenciação deste

de ocorrência de doença cardíaca, para

eixo formativo que o Politécnico do Porto

monitorização contínua no dia-a-dia e

aposta para contribuir activamente para

detecção precoce da lesão.

a necessária mudança de paradigma da cultura empreendedora nacional. Neste âmbito, o Politécnico do Porto editou o Regulamento da Propriedade Intelectual (inclui Direitos de Propriedade Industrial e Direitos de Autor), que servirá de guia a todos os membros da sua comunidade com projectos empreendedores. e se encontra disponível em: http://issuu.com/politecnicodoporto


Politécnico do Porto

REDE DE MEMBROS EM:

WWW.LINKEDIN.COM/IN/POLITECNICODOPORTO

FAREWELL IPP | INTERNATIONAL NETWORK

Depois de um ano lectivo de aprendizagens novas num país diferente, beneficiando de uma experiência inesquecível, chegou a vez de dizer “até já” à centena de Estudantes Internacionais que escolheram o Politécnico do Porto para completar parte do respectivo percurso académico. Na sexta-feira, 19 de Junho, recebemos todos estes, para sempre nossos, Estudantes, no Pavilhão Desportivo do Politécnico do Porto, para uma tarde de jogos tradicionais portugueses que encerrou com um lanche para retemperar baterias e um convívio que deu um novo e mais rico significado à palavra saudade.

Falar Azul 25


Falar Azul 26

Politécnico do Porto

E sobre a mentalidade. Como descreveria

E o que achaste desta experiência, quer

a mentalidade portuguesa?

de estudo, quer de vivência?

São extremamente amigáveis e hospita-

Nos estudos tenho que reconhecer que é

leiros! É uma mentalidade aberta a tudo,

muito melhor que Valladolid. A relação

à diferença.

que tens com os Professores é muito mais próxima. Em Valladolid dão a aula e vão

Teve oportunidade de conhecer um pouco

embora. Aqui querem saber dos Estudan-

o pais alem do Porto?

tes. Seguem os trabalhos, preocupam-se

Sim. Fui a Coimbra e a Lisboa e ainda vou

se consegues resolver os problemas. Estou

a Fátima e Braga!

muito satisfeito com o nível académico do Politécnico do Porto. No que diz respeito à

LESLIE PERDAENS Contabilidade p ISCAP.IPP Kaho Sint-Lieven, Bélgica O que a levou a escolher o Politécnico do Porto para estudar? Na verdade, tinha a intenção de vir ou para Espanha ou para Portugal pelo clima. A minha Escola avaliou as melhores oportunidades e aconselharam-me ou a

Pensa voltar?

vivência, estou também muito satisfeito.

Sim. De certeza que virei visitar o Porto e

Todos são muito simpáticos, ainda que

Portugal. Já quanto a trabalhar aqui, não

nem sempre se consiga falar com rapari-

tenho certezas. Sou demasiado pontual

gas que não se conhece. Não falam com

para Portugal!

desconhecidos. É muito complicado!

Se pudesse sintetizar esta sua experiência

Qual o traço da cultura portuguesa não

no Politécnico do Porto numa palavra,

conhecias e que mais te surpreendeu?

qual seria a sua escolha?

Esperava que as pessoas fossem mais

Fantástica!

abertas. Que fosse possível falar com toda a gente de forma mais espontânea. Que

Universidade Politécnica da Valência ou,

fossem mais “latinos”.

no Politécnico do Porto, o ISCAP.IPP, Escola que acabei por escolher.

E voltar ao Porto, sim? Não me importaria nada! Se tivesse sabi-

Porquê?

do antes o que conheci agora, tinha feito

Não conhecia muito sobre a Escola, mas

aqui todos os meus estudos no ensino su-

era bem referenciada e eu queria mesmo

perior. Para trabalhar é que não, não pela

descobrir como era o sistema de ensino

cidade, mas porque gostaria de trabalhar

superior aqui e como eram as mentalida-

numa grande multinacional e o Porto é

des. Queria descobrir mais sobre a cultura

capaz de não ser o sítio ideal para isso.

portuguesa. E como avalia o sistema de ensino superior, aqui, no Politécnico do Porto? Pareceu-lhe bom? Sim, é bom, mas muito diferente do belga. Na Bélgica tudo e todos são pontuais. Mas aprendeu bastante? Regressa mais rica à Bélgica? Sim! O melhor foi aprender português! Algumas matérias são mais difíceis do que na Bélgica. Outras nem tanto.

ÓSCAR MARTINEZ

A tua mobilidade numa palavra? Diversão ou boa escolha. A decisão de ter

Eng.ª Mecânica p ISEP.IPP e ESEIG.IPP

vindo para o Politécnico do Porto foi uma

Universidad de Valladolid, Espanha

bela escolha!

Porquê Portugal e o Politécnico do Porto para esta mobilidade? Porque era uma Instituição que tem acordo bilateral com a minha Universidade e porque a cidade me pareceu muito atractiva. O Porto tem mar, os portugueses são simpáticos e não é demasiado longe de Valladolid. Pensei, por que não?!


Politécnico do Porto

desportivo para os estudantes do ensino superior. Acho que a forma como o Politécnico do Porto promove o desporto é um exemplo para a minha instituição de origem, e eu planeio levá-lo até ela. Sobre o ensino do Politécnico do Porto? Quais são as suas impressões? Excelentes. Os docentes têm grande qualidade científica, falam muito bem inglês e preparam muito bem os materiais

FERNANDO ALVAREZ

GABRIELA ANTONACHE

Eng.ª Mecânica p ISEP.IPP e ESEIG.IPP

Administração Pública p ISCAP.IPP

Universidad de Valladolid, Espanha

Atleta Vice-Campeã Universitária de Ténis de Mesa (pelo IPP)

É a pergunta clássica, mas por que vieste

Contantin Brancoveau University from

para o Porto estudar?

Pitesti, Roménia

Está perto de Espanha. Queria ter uma experiência nova na vida, conhecer

Como surgiu a ideia do Politécnico do

outro país, mas não ficar muito longe de

Porto na sua vida?

Espanha.

Por muitas razões. Primeiro, quero fazer a diferença: conhecer outras partes do

Foste bem recebido?

mundo, outras culturas, outras línguas.

Sim. Muito bem!

Desejava também melhorar o meu inglês. Depois, tinha ouvido falar muito e bem

Quais os problemas principais que

da cidade do Porto e da promoção do

enfrentaste?

desporto que aqui fazem.

Nada de especial. Todos me ajudaram muito. Foram muito solícitos.

Como foi representar o Politécnico do Porto nos Campeonatos Nacionais Uni-

O que mais e menos gostaste nesta

versitários deste ano?

experiência?

Fiquei muito orgulhosa de representar

O que mais gostei foi das pessoas e da

o Politécnico do Porto. Conheci muitos

proximidade do ensino. O que menos

outros estudantes que praticam o mesmo

gostei foi ter de encontrar alojamento, no

desporto do que eu e conheci alguns dos

primeiro dia no Porto.

principais técnicos da modalidade. Fiquei extremamente feliz ao ter conquistado o

Visitaste outras cidades?

título em nome do Politécnico do Porto.

Sim, Braga, Barcelos, Chaves. O que levarás contigo para a Roménia de O que te surpreendeu mais?

essencial, depois desta experiência?

A beleza e o clima.

Aprendi a ser mais relaxada, a ser mais amigável, a ter mais “fair-play”. Levo

Uma palavra sobre esta viagem?

ainda para a Roménia muitas ideias

Impressionante!

sobre como melhorar a prática e o treino

de apoio. Pedagogicamente, foi óptimo. Há ainda uma grande liberdade para falar sobre todos os temas, para participar nas aulas. Aqui não se ensina por ensinar. Ensina-se para que o estudante evolua. Aprender no Politécnico do Porto é uma experiência de prazer. Planeia voltar? Sim. Gostava muito de fazer aqui o Programa Leonardo, que está a começar na Roménia e permite iniciar aqui uma experiência profissional que poderá ser muito valorizada ao longo da minha vida. O seu Erasmus numa palavra. Qual seria? Necessário. FA

Falar Azul 27


Falar Azul 28

Politécnico do Porto

SARA MOREIRA ESTUDANTE DO POLITÉCNICO DO PORTO TRAZ DUPLO OURO PARA PORTUGAL NAS UNIVERSÍADAS DE 2009

momentos que a fizeram crescer como atleta e como pessoa. Foi ao serviço deste clube que representou pela 1ª vez a Selecção Nacional no Campeonato da Europa de Corta- Mato. Sara Moreira, sagrou-se, em 8 de Março último, Vice-Campeã Europeia na corrida de 3.000 metros em pista coberta nos campeonatos europeus de atletismo que decorrem em Turim, Itália, quebrando o seu recorde pessoal e ficando apenas atrás da atleta de origem etíope naturalizada turca, Almitu Bekele.

Sara Isabel Fonseca Moreira nasceu em Santo Tirso a 17 de Outu-

Recentemente, foram duas as medalhas de Ouro conquistadas

bro de 1985, passando depois a viver na Freguesia de Roriz.

pela Estudante do Politécnico do Porto, Sara Moreira, nas Univer-

Foi na Escola Primária da Ribeira, na altura com 8 anos, que deu

síadas que se realizaram na cidade de Sérvia em Belgrado, de 1 a

os seus primeiros passos no atletismo, participando num corta-

12 de Julho.

-mato escolar e aí obtendo um excepcional primeiro lugar, sendo

A primeira foi ganha nos 3000 metros obstáculos, em que con-

convidada a ingressar no já extinto Clube Núcleo de Atletismo de

seguiu igualmente o seu melhor tempo pessoal e da competição

Roriz.

9’32.62’’. Logo no dia a seguir arrecadou a segunda medalha nos

Foi nesse mesmo clube que deu as primeiras pisadas como fe-

5000 metros obstáculos.

derada no atletismo e onde alcançou os primeiros resultados de

Estudante do Curso de Fisioterapia da Escola Superior de Tecno-

relevo como vários títulos regionais da zona norte, tendo chegado

logia da Saúde do Politécnico do Porto Sara Moreira comprovou

mesmo a alcançar o 1º título de Vice-Campeã Nacional de Juvenis

que os Estudos e o Desporto podem caminhar juntos e ser um

Corta-Mato.

sucesso.

Acabou por ingressar no Futebol Clube do Porto por um período

O Politécnico do Porto associa-se a esta enorme vitória de um dos

de dois anos. De dragão ao peito, os bons resultados nunca dei-

seus membros, dando os parabéns à atleta, a toda a sua equipa

xaram de acontecer e acabaria por ser Campeã Nacional de Pista

e à sua família e esperando que este momento pontue um cami-

1500 metros e 3000 metros. Entretanto uma proposta melhor fê-

nho recheado de vitórias para Sara Moreira e para Portugal.

la partir para um clube da ilha da Madeira – Grupo Desportivo do

Em nome do Politécnico do Porto e de todos os portugueses:

Estreito, e viver uma nova experiência onde passou por excelentes

Muito Obrigado Sara! FA


Politécnico do Porto

VÍDEOS EM:

WWW.YOUTUBE.COM/POLITECNICODOPORTO

CIRCUITO DE MANUTENÇÃO ABERTO A TODA A COMUNIDADE O fomento da prática desportiva junto dos membros da Comunidade Politécnico do Porto tem sido uma aposta desta Gestão para a formação de cidadãos completos. Agora chegou o momento do Politécnico do Porto convidar todos os 17500 membros da sua Comunidade a experimentarem o novíssimo circuito de manutenção, construído no campus do Politécnico do Porto e no da FEUP. As duas instituições convergiram para o desenho de um circuito de manutenção entre os seus espaços verdes que, em 2,4 quilómetros, permite a todos praticarem jogging numa paisagem agradável e numa pista especialmente preparada para a corrida de manutenção. O circuito está aberto das 8 às 20h e conta com 8 estações de condição física para apoio aos utilizadores. Quem o desejar terá ainda ao seu dispor, no Pavilhão Desportivo do Politécnico do Porto, balneários e cacifos para que nos possamos equipar devidamente.

FEUP

IPP.PAVILHÃO DESPORTIVO

ESE.IPP

IPP.PRESIDÊNCIA

2,4 quilómetros

Falar Azul 29


Falar Azul 30

PolitĂŠcnico do Porto


Politécnico do Porto

A Educação é Tudo Kirsty Sword Gusmão Embaixadora de Timor para a Educação

em Timor-Leste desde, pelo menos, 20

visita Escola Superior de Educação do

de Maio de 2009, data da independência

Politécnico do Porto (ESE.IPP), origem de

desta nação e momento 0 da construção

muitos dos docentes que cooperam com

deste país-irmão.

a Educação timorense.

Para a esposa do primeiro-ministro de

Depois de anos de cooperação bem

Timor-Leste e herói da resistência maube-

sucedida no terreno entre a ESE.IPP e o

re, Xanana Gusmão, “a educação é tudo”

governo timorense, Kirsty Sword Gusmão

e ainda mais o é num país que se está a

expressou ao embaixador de Portugal em

construir desde o zero, como é o caso de

Díli a vontade de conhecer in loco a reali-

Timor-Leste, “cujo maior activo, mais do

dade das instituições, como a ESE.IPP, que

que os recursos naturais, são as pesso-

vêm contribuindo de forma determinante

as”, que precisam de instrumentos para

para o progresso da educação timorense.

revelarem e desenvolverem todo o seu

Este desejo foi concretizado em 19 de

enorme potencial.

Junho quando o Director da ESE.IPP, Rui

A Embaixadora de Timor-Leste para a

Ferreira e a Professora responsável pelos

Educação, também Presidente do Con-

docentes da ESE.IPP que colaboram com

selho Nacional de Educação timorense e

o Ministério da Educação timorense, Elisa

Presidente da Fundação Alola (dedicada

Sousa, receberam Kirsty Gusmão na Escola

originalmente à defesa das mulheres da

Superior de Educação do Politécnico do

violência e alargada progressivamente à

Porto para uma visita onde ficou a conhe-

actividade social na educação e saúde)

cer as diversas áreas científicas e serviços

recordou a condição de Professores de

desta Escola de referência e onde assistiu

seus pais e também o facto de ela própria

a um espectáculo de Teatro e outro de

ser Professora para reafirmar “a trans-

Música, antes de apresentar a toda a Co-

versalidade crucial da importância da

munidade da Escola o trabalho que, nos

cooperação educativa no desenvolvimen-

seus diferentes “chapéus”, vem assumindo

to duradouro da nação de Timor-Leste”.

Falar Azul 31


Falar Azul 32

Politécnico do Porto

O Português como expressão da maturidade da nação

KIRSTY SWORD GUSMÃO EM DISCURSO DIRECTO

Kirsty Gusmão sublinhou que “o Portu-

visito escolas como a Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto fico muito feliz, mas também ambiciosa em

guês é, para muitos timorenses, a terceira

A Kirsty disse que tinha vários “chapéus”

conseguir para Timor o mesmo nível

ou quarta língua”, em função da genera-

(Embaixadora para a Educação, Presi-

de qualidade que aqui é a regra. É uma

lização do Tétum e da pressão económica

dente do Conselho Nacional da Educação

inspiração. Vai levar ainda muito anos a

e cultural exercida pelo Bahasa indonésio

e Presidente da Fundação Alola). Qual o

ter este nível de instalações e de recursos

e pelo Inglês australiano. Para que o

balanço que faz do trabalho que tem de-

humanos. Mas vamos lá chegar.

Português possa realmente ser, como a

senvolvido em Timor e quais as próximas

Constituição da República Democrática de

metas a atingir?

Considera que construindo a melhoria

Timor-Leste prevê, a segunda língua oficial

Como ponto alto, tenho muito orgulho

dos recursos materiais e humanos a

do país (a par com o tétum) é necessário,

em ter criado a Fundação Alola em 2001,

mudança de mentalidades que vê como

argumentou, “um maior investimento

que é uma organização com programas

urgente está garantida? Qual a dimensão

dos governos timorense e português no

nas áreas do desenvolvimento económico,

em que está mais insegura, a logística ou

financiamento do seu ensino em terras

educação, saúde materno-infantil e defesa

a educacional?

mauberes”. Para que este ensino seja o

das mulheres. Tem sido difícil concretizar

Estou insegura em relação às duas, mas

mais eficaz possível é também necessário,

num curto espaço de tempo todos os

estou convicta que com uma melhor cola-

advogou, que “o Tétum seja visto como

objectivos que nos propomos, porque

boração entre a sociedade civil e organiza-

um aliado no ensino do português”, pois

não somos uma organização que constrói

ções como a Fundação Alola e o governo,

recebeu da língua lusa muitas influências

infra-estruturas. Somos uma organização

com a colaboração de outros interlocuto-

gramaticais e lexicais: “todos os jovens

que tem por objectivo principal mudar

res como as Nações Unidas e governos da

falam Tétum e para que falem igualmente

mentalidades, educar, e sabemos bem

países amigos como Portugal, poderemos

português são necessários mais profes-

que é trabalho para durar uma geração.

certamente fazer muito por ambas as

sores e mais professores que tenham

Todavia, tem sido fantástico trabalhar com

dimensões: a material e a humana.

aprendido tétum”.

um grupo de mulheres impressionante, al-

Assim, acredita Kirsty Gusmão, “no espaço

tamente empenhadas e dedicadas, extre-

Qual foi o grande objectivo desta visita a

de uma geração a maior parte da popu-

mamente dignas. No campo da educação,

Portugal?

lação timorense (os jovens de hoje) será

tenho tido imenso prazer em trabalhar em

Esta visita foi muito centrada na educa-

proficiente em português”, influenciando

proximidade com o nosso Ministério da

ção, mas tem muitos objectivos. Pretendo

com isso a própria estrutura do país, à

Educação, apoiando-o, chamando a aten-

apresentar o trabalho da minha Fundação

medida que forem assumindo novas pro-

ção para as necessidades mais prementes

[Alola] ao povo português, pois a Funda-

fissões no seguimento da sua vida adulta:

e ajudando a passar a mensagem que “a

ção tem uma base de apoio muito forte

“estas novas gerações vão ser adultas

educação é tudo”.

na Austrália (que é a minha terra natal)

quando o país for, ele próprio, adulto. O

mas é pouco conhecida em Portugal.

Português, hoje pouco falado, poderá vir a

Percebe-se pelo que diz que deposita

Também queria apresentar os meus filhos

ser a expressão maior dessa maturidade”

uma grande fé na próxima geração.

a Portugal, que não conheciam ainda.

defende Kirsty Gusmão.

Sendo que a geração mais nova, em

Para todos nós, para a minha Família,

Timor, representa uma larga faixa da

Portugal é uma segunda pátria. Só o meu

população total, podemos estar a falar de

filho Alexandre tinha vindo em 2001 com

uma grande mudança de mentalidades

o pai, mas com 15 meses e, portanto, não

na nação timorense num espaço de 20 a

se lembra de nada.

30 anos, fazendo de Timor um outro país. Como vê esse país?

Um dos lemas do Politécnico do Porto

Muito avançado em muitas áreas como a

é “Ensinar a Aprender”. De que forma é

educação, a saúde e a habitação. Quando

que este lema se adequa às necessidades


Politécnico do Porto

KIRSTY SWORD GUSMÃO NUMA PALAVRA Austrália: Amigo Portugal: Amigo, também. São os dois os amigos mais importantes de Timor. Xanana: Herói é a palavra que sempre surge primeiro. Para muitos continua a ser um herói, para outros já não será, mas para a maioria da População de Timor-Leste penso que continua a ser visto como um herói. Timor-Leste: Pequeno, mas digno. Mas Timor é já a sua casa, é o seu destino? Sim, sim. É difícil para mim pensar já de outra maneira. Na Universidade decidi estudar duas línguas muito distintas: de Timor-Leste? De que forma é que o

Havendo consciência que é uma batalha

bahasa indonésio e italiano. Todos me

trabalho que os professores do Politécni-

difícil, ela seria bem pior sem a coope-

perguntavam o porquê de escolher duas

co do Porto (e da sua escola de Educação)

ração de Escolas como a ESE.IPP, não?

línguas que nada tinham a ver uma

contribui para um melhor desenvolvi-

Como é que vê o trabalho que estes

com a outra. É curioso como há coinci-

mento de Timor?

professores realizam em Timor?

dências engraçadas. Visitei Timor-Leste

É fundamental! Os nossos professores

O nosso próprio governo tem reconhecido

pela primeira vez em 1990. Tinha um

precisam de aprender a ensinar e os

a importância enorme deste trabalho

namorado timorense na altura, antes

nossos jovens estudantes precisam muito

e tem pedido o reforço dos recursos

de Xanana. Ele ficou à minha espera em

de saber como estudar, porque nunca

alocados a ele, defendendo o Português

Bali e tinha-me mandado ir ter com umas

tiveram a oportunidade nem as condições

contra as pressões concorrentes a que ele

irmãs religiosas em Bali. No aeroporto

de vida adequadas para estudar, para ter

é sujeito.

inventei uma história em bahasa para o

método e desenvolver a curiosidade sobre

agente indonésio sobre o porquê de estar

o saber. Em casa têm muitas pressões

Com maior prosperidade económica em

de visita à Indonésia. Quando chego ao

para se dedicarem a trabalhos rurais e

Timor devida aos recursos petrolíferos,

convento das irmãs, uma madre abre e diz

domésticos. No caso das raparigas veri-

gostaria de ver crescer também o investi-

buongiorno! Incrível! FA

ficamos ainda muitas pressões culturais

mento do respectivo governo na área da

que as afastam da escola. Não têm o luxo

educação?

de poder estudar em casa, de aí poderem

É necessário aumentar este investimen-

ler livros. Os livros não são valorizados em

to, pois não é suficiente depender dos

Timor. Eu sei que é um desafio também

apoios de países e organizações amigas.

em outros países. Sei que em Portugal

Acontece que, também no ensino do e em

existe também um Plano Nacional de

português outros países que não Portugal

Leitura para promover a leitura, mas em

poderiam colaborar. O que sabemos,

Timor é um outro desafio.

porém, é que os apoios destes países são também ditados por razões económicas e estratégicas e, aí, o Português não é a sua prioridade.

Falar Azul 33


TUNA DO ISEP.IPP OFERECEU SERENATA AO DOURO E FESTIVAL DE TUNAS AO PORTO

O Festival Internacional de Tunas do Insti-

O dia seguinte pertenceu a todos os tu-

tuto Superior de Engenharia do Politécni-

nos, pois foi o dia do Festival Internacional

co do Porto, “FITISEP”, é um dos eventos

de Tunas, no Coliseu do Porto, a sala mais

académicos mais antigos e tradicionais da

emblemática da cidade sede do Politéc-

cidade Invicta. A sua primeira edição, em

nico do Porto e onde se situa também

A TAISEP (Tuna Académica do ISEP.IPP)

1994, tornou-se um sucesso para a organi-

a maior Escola desta instituição, o ISEP.

trouxe tunas de todo o país ao Coliseu

zação e para aqueles que a ele assistiram.

IPP, de onde provêem os Estudantes que

do Porto, permitindo à cidade conviver

Desde esse ano até à actualidade, a

compõem a Tuna organizadora, a Tuna

com a tradição musical académica de

realização deste festival impôs-se pela

Académica do ISEP.IPP.

instituições do ensino superior de todo

tradição, pela ambição e pelo sucesso que

Este XVI FITISEP encheu a cidade invicta

o país. Na véspera deste XVI FITISEP, a

o mesmo protagoniza e garante, ao longo

de espírito académico, com muitas tunas

TAISEP convocou muitas destas tunas para

das suas 16 edições consecutivas.

provenientes dos 4 cantos de Portugal e

oferecer, a partir do centro histórico de

Este ano, a noite de 22 de Maio, véspera

concretizou-se num FITISEP inesquecível

Gaia, uma “Serenata ao Douro”, como se

do FITISEP, contou com as tunas convida-

para todos quanto dele tiveram oportuni-

o rio que une Porto e Gaia fosse a mais

das a concorrerem pelo prémio de Melhor

dade de desfrutar. FA

bela das mulheres.

Serenata num evento intitulado de “Serenata ao Douro”, na zona ribeirinha da cidade de Gaia (Praça Sandeman), zona vizinha da Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Politécnico do Porto.


PolitĂŠcnico do Porto

Falar Azul 35


Falar Azul 36

Politécnico do Porto

TWITTS (ÚLTIMA HORA) EM:

TWITTER.COM/POLITECNICO

EPICENTRO JULHO/ AGOSTO POLITÉCNICO DO PORTO GABINETE DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Recepção de candidaturas e apoio às candidaturas On-line 1ªFase de 13 de Julho a 7 de Agosto 2ª Fase de 14 a 18 de Setembro · Local: Biblioteca Central do Instituto Politécnico do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 712 4200-465 Porto · Estacionamento: Parque de estacionamento do Pavilhão Desportivo do Politécnico do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 712 · Contactos: Nº Azul_808 20 26 20 Telefone_225571044 acessoES@ipp.pt · Horários: 9h30 às 12h30 e das 14h30 às 17h00

EXOCENTRO JULHO/ AGOSTO Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior * Prazo de 13 a 24 de Julho de 2009 Apresentação da candidatura pelos estudantes que já concluíram os seus cursos de ensino secundário ou que os concluam na 1.ª Fase de exames e reúnam as restantes condições de acesso. * Prazo de 31 de Julho a 7 de Agosto Apresentação da candidatura pelos estudantes que concluam os seus cursos de ensino secundário na 2ª Fase de exames e reúnam as restantes condições de acesso.

ESEIG.IPP Conferência: Investigação e Intervenção em Recursos Humanos 25 e 26 de Setembro +info: www.eseig.ipp.pt

ESTSP.IPP Acção de Formação: PCR Clássico 18 a 25 de Setembro +info: www.estsp.ipp.pt

IPP|CULTURA

OUTRAS CULTURAS

CINEMA Cinemas Cidade do Porto e Campo Alegre Todos os filmes, todas as sessões Comunidade Politécnico do Porto: Preço Clube Medeia [€4] www.medeiafilmes.pt; t. 226009164

PORTO Carlos No | Mário Vitória Data: 04 de Julho a 12 de Setembro. (encerrado em Agosto). Terça a Sábado: 15:00-19:30. Local: Galeria Arthobler. Rua Miguel Bombarda, 624. www.arthobler.com

MÚSICA: Casa da Música - Orquestra Nacional do Porto: ciclo “ONP aos Sábados” - Remix Ensemble: várias datas Comunidade Politécnico do Porto: 50% de Desconto [preços vários] www.casadamusica.com t. 220120220 TEATRO: Teatro Nacional de São João IDIOTAS 11 e 12 de Setembro Comunidade Politécnico do Porto: 50% de Desconto [€7.50] Grupos – Preço escola [€5] www.tnsj.pt t. 223401900 --Teatro Carlos Alberto Comunidade Politécnico do Porto: 50% de Desconto [€7.50] Grupos – Preço escola [€5] www.tnsj.pt; t. 223401900

VILA NOVA DE GAIA Homenagem a Júlio Resende Exposição de pintura de homenagem ao artista Até 18 de Agosto Local: Casa-Museu Teixeira Lopes PÓVOA DO VARZIM Bibliotecas de Praia inauguram mês de Julho De 1 de Julho a 6 de Setembro a Biblioteca Municipal abre as suas portas ao areal poveiro, disponibilizando os seus serviços quer no Diana Bar, quer na Praia da Lagoa, em Aver-o-Mar VILA DO CONDE No Cinema | The Screening | It’s a Dream | Light Spill | Play | Unseen | Café no Cinema Centro de Memória Até 30 de Agosto › 10.00 às 18.00 Salla Tykkä | Cave | Thriller | Lasso Power | Victoria Solar – Galeria de Arte Cinemática De 4 de Julho a 8 de Setembro


ISCAP

MESTRADOS · TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO ESPECIALIZADAS · AUDITORIA · CONTABILIDADE E FINANÇAS

ESE

MESTRADOS · EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR (ABERTURA 2010/11) · ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (ABERTURA 2010/11) · ENSINO DO 1º E 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO (ABERTURA 2010/11) · ENSINO DE INGLÊS E DE FRANCÊS NO ENSINO BÁSICO · ENSINO DE EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA NO ENSINO BÁSICO · EDUCAÇÃO ESPECIAL: MULTIDEFICIÊNCIA E PROBLEMAS DE COGNIÇÃO (EDUCADORES DE INFÂNCIA E PROFESSORES DO EMSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO · ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS NO 1º E 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO · DIDÁCTICA DO PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA · ADMINISTRAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES EDUCATIVAS · ENSINO PRECOCE DE INGLÊS · ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO B ÁSICO · SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

ESMAE

MESTRADOS · COMPOSIÇÃO E TEORIA MUSICAL · MÚSICA · INTERPRETAÇÃO ARTÍSTICA · COMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL · TEATRO

ESEIG

MESTRADOS · FINANÇAS EMPRESARIAIS

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA E DAS ARTES DO ESPECTÁCULO

ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO

ESTGF

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS

ESTSP

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DO PORTO

PÓS-GRADUAÇÕES – 2 SEMESTRES – 60 CRÉDITOS · INFORMAÇÃO EMPRESARIAL · GESTÃO DA FORMAÇÃO

MESTRADOS · ENGENHARIA INFORMÁTICA CET – 1.200 HORAS – 60 CRÉDITOS · BANCA E SEGUROS · GESTÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS · APLICAÇÕES INFORMÁTICAS DE GESTÃO

MESTRADOS · ACONSELHAMENTO E INFORMAÇÃO EM FARMÁCIA · FISIOTERAPIA › NEUROLÓGICA › DESPORTO › CARDIO-RESPIRATÓRIA › COMUNIDADE › ORTOPÉDICA · TERAPIA OCUPACIONAL › GERONTOLOGIA › SAÚDE MENTAL › REABILITAÇÃO FÍSICA › CRIANÇAS E JOVENS · GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES PÓS-GRADUAÇÕES – 2 SEMESTRES – 60 CRÉDITOS · CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADO EM ACONSELHAMENTO E INFORMAÇÃO EM FARMÁCIA · PERTURBAÇÕES ASSOCIADAS AO COMPLEXO CRÂNIO-TEMPORO-MANDIBULAR

estudante@ipp.pt | 808 20 26 20

MESTRADOS · ENGENHARIA CIVIL – TECNOLOGIA E GESTÃO DE CONSTRUÇÕES · ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES · ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA – SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA · ENGENHARIA INFORMÁTICA · ENGENHARIA GEOTÉCNICA E GEOAMBIENTE · CONSTRUÇÕES MECÂNICAS · ENGENHARIA QUÍMICA · ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO MÉDICA · ENGENHARIA DE INSTRUMENTAÇÃO E METROLOGIA · GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES

FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA

ISEP


POLITÉCNICO DO PORTO UNIVERSO IPP —

IPP

POLITÉCNICO DO PORTO Presidência Rua Dr. Roberto Frias, 712 › 4200-465 Porto T. 225 571 000 › F. 225 020 772 ipp@ipp.pt › www.ipp.pt portal.ipp.pt

ESE

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Rua Dr. Roberto Frias, 602 › 4200-465 Porto T. 225 073 460 › F. 225 073 464 ese@ese.ipp.pt › www.ese.ipp.pt

ESEIG

ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO Rua D. Sancho I, 981 › 4480-876 Vila do Conde T. 252 291 700 › F. 252 291 714 eseig@eseig.ipp.pt › www.eseig.ipp.pt

ESMAE

ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA E DAS ARTES DO ESPECTÁCULO Rua da Alegria, 530 › 4000-045 Porto T. 225 193 760 › F. 225 180 774 esmae@esmae-ipp.pt › www.esmae-ipp.pt

ESTGF

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Rua do Curral, Casa do Curral, Margaride › 4610-156 Felgueiras correio@estgf.ipp.pt › www.estgf.ipp.pt

ESTSP

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DO PORTO Rua Valente Perfeito, 322 › 4400-330 V.N.Gaia T. 222 061 000 › F. 222 061 001 geral@estsp.ipp.pt › www.estsp.ipp.pt

ISCAP

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO Rua Jaime Lopes Amorim s/n › 4465-004 São Mamede de Infesta T. 229 050 000 › F. 229 025 899 instituto@iscap.ipp.pt › www.iscap.ipp.pt

ISEP

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431 › 4200-072 Porto T. 228 340 500 › F. 228 321 159 mail@isep.ipp.pt › www.isep.ipp.pt

FIPP

FUNDAÇÃO POLITÉCNICO DO PORTO Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 537 › 4200-072 Porto T. 228 302 555 geral@fipp.ipp.pt

SASIPP

SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO IPP Praça do Marquês de Pombal, 94 › 4000-390 Porto T. 225 573 710 info@sas.ipp.pt

Politécnico do Porto | Distribuição Gratuita | www.ipp.pt

T. 255 314 002 › F. 255 314 120

Falar Azul #004  

Boletim Institucional do Politécnico do Porto Edição Junho/Julho 2009

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you