Issuu on Google+

OUT 2013 LONDON: THE TALKING CITY Denise Niz • Gustavo Santos


LONDRES E SUAS VOZES POR SI SÓ, A CIDADE SE COMUNICA COM O MAIS SOLITÁRIO DOS HUMANOS

O

utono de 2013. Ruas cinzas e estreitas abrigam folhas verdes claras e escuras, amareladas, gastas, roxas e vermelhas. As cores se misturam ao asfalto e as poças da chuva que insistem em derrubar ainda mais as temperaturas já baixas neste início de outono em Londres. Ainda assim, com chuva e frio, as crianças deslizam em patinetes pelas ruas, parques e feiras, carregando sorrisos e promessas de bom comportamento. Os ônibus double-deckers passeiam por toda a cidade, desvendam ruelas, exibem bairros inteiros e acolhem os incautos do vento cortante lá fora. Ali dentro, observa-se a cidade do alto, com idiomas de várias partes do mundo, todos navegando pela cidade cinza em que a noite chega mais cedo para anunciar uma nova estação. Londres fala o tempo todo. Por si só, a cidade se comunica até com o mais solitário dos humanos. Suas placas anunciam, com design simples e perfeito, os direitos e deveres daquela sociedade com hábitos ancestrais. Anunciam uma es-

pécie de liberdade vigiada ou de uma paz armada. E ditam regras para se estar entre os ingleses e as multas que poderão se aplicar caso alguém discorde da rainha. A incrível força capaz de reerguer a cidade por diversas vezes se manifesta em pequenos e elegantes recados diários espalhados entre as estações de metrô, esquinas, postes, muros e portões. Estão ali, a espera de olhos atentos e sempre abertos, peidindo a compreensão para que a cidade continue a pulsar. Tradição e contemporaneidade naturalmente se combinam como mágica pura em suas ruas frias e escuras. Etnias, povos, religiões, culturas e romances trafegam pelas alamedas próximas ao rio turvo e denso, a caminho da turismolândia ou de uma das galerias de arte contemporânea mais lindas do mundo. Superlativa, completa, incomum e insólita, Londres se mostra uma senhora altiva e sedutora. Que pede pra ficar como um canto de sereia, irresistível aos fracos e periféricos, como nós.

•••


E

há quem ouse não lhe dar ouvidos. Insensíveis alheios aos esquilos diários, raposas eventuais e aos muitos cervos de seus parques. Ou aos pints de cidra, cerveja ou o que quer que seja. Londres nos achou “franceses” nesta temporada. Nos mostrou sua face


mais estimulante e nos pediu mais de uma vez para ficar. Mas voltamos para a casa atual. Voltamos para os nossos pequenos. Mas iremos conversar com a rainha muito em breve, talvez para uma temporada mais longa. Cheers, lady.


OUT 2013 LONDON: THE TALKING CITY London, the Talking City é um registro visual poético descompromissado com qualquer traço de razão, ordem ou sentido. É a tentativa de transpor para o mundo físico as experiências, sons, sensações, sabores, movimentos e sentimentos vividos durante uma semana nesta cidade que, de uma forma única e majestosa, transcende o silêncio e o caos com um beleza avassaladora. Denise Niz e Gustavo Santos, casados e sócios da Polar Studio, viveram, mais uma vez, uma grande história de amor por essa cidade falante, singela, pulsante e desconcertante e tentaram registrar esses momentos experimentados em um pequeno objeto, além daqueles que ficarão por um bom tempo em suas memórias.

------ Autumn • 2013-----www.polarstudio.com.br


London: The Talking City