LAMBE

Page 1

ANA BRANCO ANA CANTI ANA PAULA ALBÉ ANALU NABUCO ANDRÉA ROCHA CRISTINA ZARUR DUAS DE COPAS IRA ETZ JOÃO ARAUJO JOSÉ DINIZ

JOSÉ TELLES LAURA BONFÁ BURNIER LETÍCIA PUMAR LILIANE BRAGA LUCIANO SIQUEIRA MARCIA LACERDA MAÍRA MARQUES MARCELLA ARAUJO MARCIA MELLO MARCOS BONISSON

MARIA EUGÊNIA NABUCO MASSOCA FONTES MURILO HEUSI NANDA RIBEIRO RAFAELA CELANO RICARDO PITANGA TEREZA HEUSI THEREZA CARVALHO THOMAS VALENTIN TOMAZ SILVA



Lambe Curadoria Marcos Bonisson


No meio do caminho tinha um lambe Tinha um lambe no meio do caminho, lambendo o lambe do caminho. Rua, boca céu aberto, língua que lambe, lambe que roça a língua nos muros e adere, como pele nos corpos marginais. Corpos murais, muros peles, peles muros, muros epidérmicos. Imagens líricas, escritas efêmeras. Na temporalidade da leitura, não mais que um tempo fugaz de gozo do olhar. O espaço é de impermanência, fluidez, que logo se transmuta por aderência a outros corpos, em outras linguagens. Uma erótica do tempo escrevendo o lugar comum que lambe, provoca, descentra o olhar, faz desacelerar a passada. Instante de silêncio, comunhão, cumplicidade, partilha da poiésis. O olhar espicha, se espreguiça em campo onírico. A rua pulsa o lambe, o lambe pulsa a rua, encena a trama, fabula, linguageia.


Passa-passa, passante passa, rasga, grafita, arranca, cola, descola. Evasão criando brechas, alegorias surgindo. Há tensão, tesão, penetração, revirada semântica de peles. O lambe vive seu lirismo, transformando camadas aglutinadas em memórias. Não mais que de repente, seu tempo é irreversível. Iminência de efeitos deflagram sem reservas sua queda. Corpo ofegante, carne viva, epiderme ferida que se alarga na terra. Sobras, sopros orgânicos, substâncias estéticas aguardando outras prosas. Aqui e agora, esse é o instante do lambe, eclipse da sua fenomenologia narrada em repentes poéticos. O lambe inventa a rua, a rua inventa o lambe.

Maria Eugênia Nabuco


























A pele da cidade Estampada com os nossos muitos desejos – sobre todos importa mais sinalizar ‘mais tempo para viver bem’, a pele da cidade se mostra, aqui, em metamorfoses. Inteira e bem cuidada é onde a aparência afirma o Poder – o poder de fazer crer, ser mais. Descascada, onde não ser vista é parte da sina comum, a pele e a cidade mudam ao sabor da vida. Assim como nós, nasce, cresce, envelhece e é, às vezes, demolida para o bem de todos. Será? Seria...? Como é bela a pele amada, querida, tatuada com as imagens dos nossos afetos, também marcada pelos desafetos. Por vezes rasgada, colada, emendada, a pele da cidade se refaz com as escamas que criamos e a ela doamos, lambendo suas cicatrizes em camadas finas de desvelo. Thereza Carvalho







































Indice Imagetico


01

02

05

LAURA BONFÁ BURNIER

IRA ETZ

06

ANA BRANCO

03

MARCOS BONISSON

07

DUAS DE COPAS

FLAVIA COSTA E MONICA LEME

04

08

MAÍRA MARQUES

MARIA EUGENIA NABUCO

LUCIANO SIQUEIRA


09

13

RAFAELA CELANO

10

MARCIA LACERDA

14

RICARDO PITANGA

11

MARCELLA ARAUJO

15

MARCIA MELLO

12

CRISTINA ZARUR

16

NANDA RIBEIRO

LETÍCIA PUMAR


17

21

ANDRÉA ROCHA

18

JOÃO ARAUJO

22

ANALU NABUCO

19

ANA PAULA ALBÉ

23

ANA CANTI

TEREZA HEUSI

20

24

THEREZA CARVALHO

JOSÉ DINIZ


25

29

JOSÉ TELLES

26

TOMAZ SILVA

30

MASSOCA FONTES

27

THOMAS VALENTIN

28

MURILO HEUSI

LILIANE BRAGA



LAMBE é uma publicação virtual produzida a partir do projeto LAMBE LAMBE organizado pelo grupo LIVRO INVENTADO em 2019 no Rio de Janeiro.

PROJETO GRÁFICO

PISCINA PÚBLICA EDIÇÕES WILLIAM CAVALCANTI CURADORIA

MARCOS BONISSON REALIZAÇÃO

PISCINA PÚBLICA EDIÇÕES www.piscinapublica.com @piscina_publica

Rio-SP, 2020


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.