Issuu on Google+

0 6

j2 u0 l h1 o2

Fotografos   DDiArte   LUÍS  GARÇÃO  NUNES   ANDRÉ  BOTO   PEDRO  MARTINS   TIAGO    XAVIER

OPINIAO COMO  TIRAR  BOAS  FOTOS   COMPOSIÇAO  FOTOGRÁFICA   EDIÇÃO  –  DPI’S   TÉCNICA  –  FOTOGRAFAR  AVES  

VIAGENS LONDRES  

COLUNISTAS CAÇADORA  DE  MOMENTOS   FOTOGRAFIAS  ESCRITAS  

Galerias IMAGENS  QUE  INSPIRAM  

LOCAIS ILHA  DAS  FLORES  

 

Concursos

OLHOS  NOS  OLHOS    

    GRUPOS F.  A.  R.     FOTOGRAFOS  AMADORES  DO  RIBATEJO  


PHOCAL  PHOT             OVISIONS NÚMERO  06  –  Julho  2012   REVISTA  DO  GRUPO  PHOCAL  PHOTO  VISIONS  

 www.facebook.com/groups/phocalphotovisions/   EDIÇÃO  E  DIREÇÃO  DA  REVISTA   PEDRO  SARMENTO JORGE  MANUR  

FOTO  DE  CAPA     JOSÉ  VIEIRA   Upupa  epops  -­‐Poupa|  Abril  2010     Olympus  E3  |  Olympus  70-­‐300mm  ED   F4  –  5.6  |  F11  1/500  169,0  mm  ISO  200      

EDITORIAL  PEDRO  SARMENTO   COLABORADORES: MARTA  FERREIRA   AFONSO  CAHBY  ROSA   ARMANDO  DUARTE   ETÃ  COSTA   JOSÉ  VIEIRA   PAULO  CESAR   RODRIGO  BELAVISTA   SAMUEL  PIMENTA   JOSÉ  PEDRO  LIMA   PERIODICIDADE  MENSAL DISTRIBUIÇÃO     ON-­‐LINE CONTACTOS: EMAIL

phocal.photovisions@gmail.com revista.phocal.photovisions@gmail.com WEBSITE h^p://phocal-­‐photovisons.weebly.com/index.html                


sumário  

04    

EDITORIAL     PEDRO  SARMENTO    

05     12    

GALERIAS  DOS  MEMBROS   IMAGENS  QUE  INSPIRAM    

CAÇADORA  DE  MOMENTOS    MARTA  FERREIRA    

15     19    

OPINIÃO  |  COMO  TIRAR  BOAS  FOTOGRAFIAS   ETÃ  SOBAL  COSTA      

OPINIÃO  |  COMPOSIÇÃO  FOTOGRÁFICA     AFONSO  CHABY  ROSA    

20     23    

LOCAIS  |  ILHA  DAS  FLORES   AFONSO  CHABY  ROSA    

EDIÇÃO  |  DPI’S   ARMANDO  DUARTE    

24     28    

VIAGENS  |  LONDRES   PAULO  CÉSAR    

GRUPOS  |  F.A.R   FOTOGRAFOS  AMADORES  DO  RIBATEJO    

31     37    

FOTOGRAFIA  |  AVES   JOSÉ  VIEIRA    

FOTOGRAFIAS  ESCRITAS   RODRIGO  BELAVISTA        

39  DDiArte   50  LUIS  GARÇÃO  NUNES   60  ANDRÉ  BOTO   70  PEDRO  MARTINS   80  TIAGO    XAVIER   90   CONCURSOS  TEMÁTICOS  

    PHOCAL    PHOTOVISIONS  FACEBOOK    

     

                                                                 FOTO:  PEDRO  SARMENTO  |  UP  SIDE  DOWN  |  CASA  DA  MÚSICA|  PORTO  JUL  2012  


editorial  

pedro   sarmento  

Hoje  15  de  Julho  de  2012,  é  o  dia  em  que  mais  uma  Phocal  Photovisions  chegas  ás  “bancas”   um   pouco   por   todo   o   lado   por   esse   Portugal   fora   e,   para   certamente   espanto   de   muitos,   também  a  vários  cantos  do  Mundo.    A  vossa  Revista  é  vista  e  desfolhada  on-­‐line,  em  locais  tão   distantes   como   vários   países   da   UE   como   a   Inglaterra,   Itália,   Espanha,   França.   Alemanha,   Suécia,   Dinamarca,   depois   claro   o   Brasil,   Angola,   Moçambique,   Timor,   Estados   Unidos   da   América,     Canadá,   Venezuela,   ArgenFna,   Rússia   etc.   Ou   seja,   o   projeto   que   com   a   vossa   ajuda   iniciámos,  tem  crescido.....e  como  veem  não  só  na  qualidade,  na  Impressão,  nos  conteúdos,  e   na  fotografia,  mas  também  no  alcance  que  tem  em  termos  mundiais.  O  facto    do  Facebook  ser     esta     comunidade     Global     que   uwlizamos,   faz     com     que     todos     nós     tenhamos       amigos   nos   5   cantos  do  Mundo,    ajudando  à  “propagação”.  Assim,  a  imagem  desta  maçã  que  escolhi  para     ilustrar  o  “Editorial”    da  Edição  de  Julho  de  2012  e  que  representa  o  “Mapa  Mundo”  e  que  nos   dá  uma  ideia  de  até  onde  as  nossas    ideias          e  os  nossos    trabalhos    fotográficos  conseguem     ser  vistos.    Significa  também  que  a  nossa              ideia  do    Grupo    e    da    Revista  foi  uma  aposta   mais  do  que  certa,    em    torno  de  uma                                      paixão          que  se  chama  “Fotografia”        um  simples  passatempo     A  Phocal  não  é...  aliás  nunca  o  foi  ....                                          que  se    coloca  on-­‐line.    Logo  ao  1º     número     a   Revista   foi   publicada   na   Internet   e     impressa   em                       papel,   com   conteúdos   de   muita   qualidade  o  que  nos  levou  a  querer  mais.  Procurámos  e                            encontrámos  melhor  serviço  e   melhor  qualidade  de  impressão.  Diz  quem  já  a  leu  que  é                      muito  provavelmente    uma  das     melhores,  se  não  a  melhor  Revista  de  fotografia  que  se                                            edita  e    pública    em  Portugal.   É  a  única  que  dá  voz  e  imagem  aos  fotógrafos  amadores                                                                            e    não    só,    mostra    e    fala      de   Fotografia.    É  por  isso  um  projeto  credível,  e  com  muita                              qualidade!!!Dedico-­‐vos  todo   este    sucesso,  pela  força  e  pelos  conteúdos  com  que  nos                                brindam    mês    após    mês      de     forma  a  sermos  melhores  e  mais  dinâmicos.  Mas  ainda                            assim  temos  assiswdo  a  algum   Folclore  que  sempre  rodeia  estas  coisas.  É  sempre  muito                          mais    fácil    criwcar  do    que    por   ventura  meter  mãos  à  obra  e  fazer  algum  coisa.  É  sempre                                                                                  bom  que  falem  de  nós,  bem  ou   mal  sinal  de    que  estamos  vivos.  Na  fotografia  quando  não  há                  “luz”  o  “ruído”  aparece...  mas  na     vida  não  existe  “Luminância”........  Existe  Creme  Nivea  que  faz                  mais  ou  menos  o  mesmo  efeito.   Uma  nota  final  que    quero  parwlhar  hoje  :    ARROGÂNCIA.............                                  quando  convidamos  alguém  a  falar   e  a  mostrar  o  seu  trabalho  na  Phocal  esperamos  tudo  menos  que                              nos  digam  que    de    borla    nem  pensar   que  não  se  pode  pagar  o  colégio  dos  filhos  com  fotografias,  que  a  sua                        “humilde”    parwcipação    apenas      traria     dividendos  à  Revista,  que  precisa  de  €€€€  e  não  de  visibilidade,  o  que    só  demonstra  que  a  técnica  se  pode  aprender  em  WS  e  com   práwca  mas    a  educação  essa  ou  se  tem  ou.......  O  genwl  senhor  pensou  que  a  sua  presença  na  Phocal  faria  com  que  se  vendessem   revistas  ás  paletes  –  50.000  unidades  digo  eu.....  Que    ficaríamos  ricos  com  o  seu  estrondoso  trabalho.  ...........depois  nem  é  o  que  se   diz,  é  como  se  diz............  Ainda  por  cima  dizendo  mal  de  GRANDES  fotógrafos  que  já  na  revista  parBciparam.  Arrogância  e  falta  de   educação  quanto  baste  foi  o  que  recebemos  pela  primeira  vez  de  alguém  a  quem    endereçámos  um  convite  para  parwcipar  neste   Projeto,  e  vejam  só  quem  este  mês  temos  na  revista,  Cinco  fotógrafos  e  projetos  verdadeiramente  de  sucesso  reconhecido  não  só   em  Portugal  como  no  estrangeiro,  e  apesar  disso  não  nos  pediram  nada  em  troca,  nem  um  obrigado.....  Obrigado  esse  que  já  dei   pessoalmente  e  que  aqui  deixo  publicamente.     Como  se  diz  aqui  no  Norte  e  voltando  a  olhar  para  a  “maça”...    ATÉ  OS  COMEMOS.           ANTÓNIO  LEÃO  DE  SOUSA  |  ESTRELINHA  DA  SORTE|  COSTA  DA  CAPARICA  |  CANON  7D  |  CANON  15-­‐85  |  F4.5  1/80  ISO  100                      

04  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


AFONSO  CHABY  ROSA|  PRAIA  DA  LAGOA  DA  ALBUFEIRA  |  CANON  5D  MKII  |  CANON  EF  70-­‐300MM  F/4-­‐5.6L  IS  USM  F:5,6  :  1/1300S  -­‐  ISO  100      

PAULA  CORREIA  |  BLUE  –  PRAIA  FLUVIAL  DO  SAMOUCO  |  NIKON  D3100  |  F8  1/1250  ISO  100    

PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  05  


FATIMA  CONDEÇO  |FOZ  COA  |  NIKON  D90  |  TAMRON  18-­‐250  |    F/8    1/500S    ISO  200  

LUCIA  NETO  |  A  CLOUDY  DAY  AT  THE  BEACH|MIRAMAR  |  CANON  600D  |  CANON  18-­‐135  |    F4,5    1/800S  ISO  100  

06  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


MARIO  MEDEIROS  SANTOS  |  SALINAS  DE  RIO  MAIOR  |  CANON  EOS  50D  |  CANON18-­‐200  |F13    1/100s  ISO  100  

PEDRO  CARMONA  SANTOS  |  OLHOS  NOS  OLHOS  |  CANON  5D  MK  II  |    CANON  70-­‐200MM  F/2.8L  IS  II|  F5.6  1/200  95MM  ISO  640  

PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  07  


RICARDO  MENDES  |  A  GOTA  |  PORTO  BRANDÃO  |  NIKON  D3000    |  SIGMA  70-­‐300MM    |  F5,6  10/5000    ISO  560    

PATRÍCIA  ALVES    |  OURO  SOB  AZUL  |  BAIXO  ALENTEJO  (ALJUSTREL)  |  NIKON  D90  |  TOKINA  11-­‐16MM  |  F6.3;  1/400  11MM  ISO  100.  

08  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


LUIS  MATA  |ADRAGA  |  CANON  7D  |  CANON  EFS  10-­‐22  MM  |  F18  1/4S  ISO  100  

SANDRO  PORTO  |  MAR  PORTUGUÊS    |  LISBOA  |  NIKON  D300    NIKON  50MM  100  |  F6.3  1/500  ISO  100  

PHOCAL  PHOTOVISIONS      |  09  


PEDRO  SARMENTO  |   ESPELHO  MEU  |  RIBEIRA  DO  PORTO  |  PENTAX  K5  |PENTAX  14MM  F2,8  |  F8  30S  ISO  100   FILIPE  P  NETO  |   EU  SOU  A  RIA    |  CANON  EOS  500D  |10  –  22  MM  |F5  1/50  ISO  100)  

10|  PHOCAL  PHOTOVISIONS  

HORACIO  AZEVEDO  |   COROA  DE  REY-­‐LYRIO  |  COIMBRA  |  LEICA  D-­‐LUX3  F2,8  1/100    ISO  100  


JOSÉ  SOBRAL  |  GUADALUPENSES  |  CANON  EOS  550D  |  TAMRON  70/300  |  F4    1/60    ISO400      

FRANCISCO  GIL  PINHEIRO  |  TORRE  DA  GALP  |  CANON  400D  |  SIGMA  10-­‐20  |  F9  1/80  ISO  100    

 PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  11  


m a r t a   f e r r e i r a  

momentos        

              Caçadora  de  Momentos       Nem   sempre   a   inspiração   está   do   nosso   lado…   não   sei   se   vos   acontece  o  mesmo,  mas  comigo,  é  uma  constante…  Quando  é   mais   precisa   ela   teima   em   fugir   e   esconder-­‐se   entre   medos   e   silêncios…  mas  eu  resmungo!  Bato  com  a  mão  na  mesa  e  digo:  -­‐   Quem   manda?   E   ela,   perante   o   meu   grito   agudo   baixa   as   orelhas   e   lá   volta   com   os   olhitos   postos   no   chão.   Passo-­‐lhe   a   mão   pelos   sonhos,   dou   um   beijinho   à   criawvidade,   levanto   o   véu  do  silencio  e  tudo  recomeça…  as  mãos  escrevem  ao  som  do �� wc   tac   do   coração…   e   a   inspiração?   Essa   corre   para   me   conseguir   acompanhar   a   toda   a   velocidade,   subindo   e   descendo  arco  iris  de  risos,  e  ilusões.       Onde  tudo  começou…   Há   muitos,   muitos   anos   atrás,   (mais   ou   menos   7)   havia   uma   pequena   (com   1.69   de   altura),   que   adorava   estar   nos   camarins,   nos   baswdores,   entre   cores,   e   fantasias,   entre   o   sonho   e   a   realidade,   entre   utopias   e   senwmentos…   e   sempre   que   algo   mexia,   com   a   sua   pequena   maquineta   lá   ia   disparando   uma   e   outra  foto,  e  guardando  na  caixinha,  sorrindo  debaixo  das  suas   pestanas  compridas,  enquanto  da  sua  boca  surgiam  murmúrios   atrás  de  murmúrios…  uauuu…     Deliciada  com  o  que  ia  captando,  dia  após  dia,  entre  tarefas  e   lazeres   foram   surgindo   fotos   que   se   tornaram   a   delicia   de   muitos,   e   depressa   descobriram   que   a   pequena   caixinha   escondia   pequenas   pérolas,   que   pediram   para   parwlhar…   um   pouco   a   medo,   mas   cheia   de   tudo   a   que   wnha   direito,   lá   mostrou,   e   nos   momentos   seguintes,   tudo   o   que   wnha   sido   espontâneo,   começou   a   ser   provocado,   e   as   poses   e   caretas   surgiram  com  maior  facilidade…  a  caixinha  depressa  se  encheu   de   momentos   únicos,   de   momentos   inquietantes,   diverwdos   e   tão  amadores…”  o  que  conta  é  o  senwmento”…  diziam  eles…  e   sim,  lá  nisso  wnham  razão…  podia  não  haver  técnica,  nem  luz,   nem  definição…  mas  senwmento  não  faltava  com  certeza.     Sorriso  ao  vento,  maquineta  em  punho,  faixa  de  coragem  e  lá   vai  ela,  fazer  pequenas  sessões  para  grandes  arwstas,  -­‐  preciso   para  um  caswng,  não  te  importas?  –  E  eu  queria  tanto  colocar   um  quadro  lá  em  casa,  fazes-­‐me  esse  favor?  –  É  para  oferecer   ao   meu   namorado.   –   Ou   ainda   –   adoro   fotografia,   wras-­‐me   também?    Com  o  ego  a  bater  no  teto  e  tanta  vontade  de  fazer   mais   e   melhor,   com   tantos   comentários   bons,   a   confiança   foi   surgindo  pé  ante  pé,  até  chegar  bem  perto  dela,  e  transformar-­‐ se  em  coragem  de  ir  mais  além…         |  PHOCAL  PHOTOVISIONS       12  

E   não   é   que   ela   foi?   Pois   é…   humildemente,   foi   subindo   escada   após  escada,  o  dedo  foi  tremelicando  cada  vez  menos,  sempre   que   carregava   no   botão   do   disparo   e   quando   chegou   a   meio   das   escadas,   apercebeu-­‐se   que   afinal,   até   wnha   algum   jeito   para  aquilo  e  pensou  para  com  os  botões  –  Já  sei  o  que  quero   ser   quando   for   grande   (nessa   altura   wnha   26   anos),   vou   ser   Caçadora   de   Momentos,   dizia   ela,   já   bem   alto,   para   ver   se   quem   estava   por   perto   aprovava   tal   ideia…   xsssss   silencio   total…  olhares  estranhos  na  direção  daquelas  palavras…  bem…   talvez  esteja  na  hora  de  crescer  mais  um  bocadinho…  e  então   ainda  a  medo  lá  disse  –  Fotografa?   Fotógrafa,   parecia   a   palavra   certa…   mas   agora,   wnha   de   se   despachar,   já   não   podia   subir   uma   escadinha   de   cada   vez…   agora  que  ela  sabia  o  que  queria,  quis  pular  e  saltar  montanhas   de   sonhos,   quis   poder   chegar   a   qualquer   lado   e   dizer…   eu   sei   fotografar   isto,   posso   mostrar   o   meu   trabalho?   Deixam-­‐me   parwlhar  convosco  tudo  o  que  estão  a  senwr?     E   teatro   após   teatro,   encenador   após   encenador,   coreógrafo   após   coreógrafo,   músico   após   músico,   ela   foi   mostrando   e   melhorando,   dia   após   dia…   as   portas   iam-­‐se   abrindo,   algumas   vezes   entrava   mesmo   pela   janela,   ou   dava   pulinhos   até   que   reparassem  que  estava  ali…  mas  depois  de  conseguir  a  atenção   deles,   ela   sabia   que   com   a   caixinha   magica   ia   congelar   momentos  únicos  e  repletos  de  tanta  coisa…   Passo  a  passo,  ela  trocou  de  máquina  (mas  não  da  sua  magia)   Passo  a  passo,  aprendeu  a  trabalhar  com  ela  (ligando  e  pedindo   conselhos  a  muitos  dos  colegas  mais  experientes)   Passo   a   passo,   comprou   lentes,   cartões   e   baterias   (que   até   então  lhe  emprestavam  sempre  que  havia  uma  estreia)   Passo   a   passo,   frequentou   alguns   workshops,   concorreu   a   alguns  concursos,  envolveu-­‐se  em  projetos,  sujeitou-­‐se  a  novos   desafios…   Passo   a   passo,   cresceu…   e   transformou-­‐se   numa   mulher,  que  ama  o  que  faz,  e  que  nunca  em  pequena  sonhou   vir  a  ser  fotógrafa…  mas  quando  a  oportunidade  surgiu,  quando   o   universo   lhe   mostrou   que   esse   podia   ser   um   caminho,   ela   meteu   o   medo   no   bolso,   ergueu   o   pescoço   e   sem   medo   awrou-­‐ se  do  precipício…  (felizmente  levava  paraquedas).       Conclusão:   Não   deixem   de   sonhar,   não   deixem   de   tentar,   não   importa   a   idade,   não   importa   o   que   a   cabeça   diz,   acreditem   mais   em   vocês   e   encontrem-­‐se   neste   mundo   de   fotógrafos   e   máquinas   fotográficas…   Qualquer   um   pode   fotografar…   mas   nenhum  o  vai  fazer  como  tu!  Como  eu!  Como  ele…  tornem-­‐se   únicos  e  sorriam  perante  cada  degrau  que  tenham  de  subir  ou   descer…   o   importante   é   nunca   desiswr…   pois   se   desiswrem,   é   certo  que  nunca  conseguirão!       Beijos  fotográficos  a  todos   Qualquer   dúvida,   comentário,   ou   críwca   construwva,   será   sempre   bem-­‐vinda.   -­‐   (obrigada   ao   Rui,   pela   sugestão   deste   tema,   e   obrigada   ao   Pedro   pela   oportunidade   de   o   parwlhar   convosco,   de   uma   forma   nada   fotográfica,   nada   técnica,   mas   muito  senwda)   Marta  Ferreira    


PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  13  


14  |PHOCAL  PHOTOVISIONS      


e t ã   s o b a l   c o s t a  

opinião            

Etã   Costa   tem   uma   paixão   “genéwca”   pela   Fotografia.   O   pai     andava   sempre   de   máquina     na   mão   e   a   mãe   em   1982   revelava     em  casa    os  seus  p&b.  Durante  anos  esteve  do  lado  errado  das     máquinas   até    que  em  2008  comprou  a  sua  primeira  Reflex  para     uma   v iagem   a  Marrocos.        

 

Depois   de   uma   fase   de   aprendizagem   de,   muito   workshop   o     primeiro   dos  quais  com  Pedro  Marwns  sobre  Macro  Fotografia  e     muito   passeio   com   amigos   onde   sempre   tentou   perceber   e     aprender   algumas   técnicas,   nunca   mais   parou,   e   conwnua   à     procura   como   todos   “daquela   foto”   "...   porque   acredita   que   a     melhor   fotografia  que  wrar  será  sempre...  a  próxima!            

 Mas  o  que,  afinal,  é  uma  boa  fotografia?     Responder   a   essa   pergunta,   não   é   tão   simples   quanto   parece,   porque   envolve   factores   diferentes   e   demasiado   complexos   para   awngirem   consenso.   Tentaremos,   com   o   presente   arwgo,   promover  uma  reflexão  sobre  o  assunto,  mais  do  que  dar  uma   resposta   precisa   que,   como   veremos,   seria   sempre   tendenciosa.     Em   primeiro   lugar,   precisamos   perceber   que   “correto/ incorreto”   é   diferente   de   “bom/mau”.   Ora,   uma   fotografia   correta  do  ponto  de  vista  técnico,  como  todos  sabemos,  segue   algumas   regras   básicas   (foco   bem   feito,   ausência   de   ruído,   exposição   e   enquadramento   adequados,   entre   outras).   Mas   nem  sempre  uma  obra  feita  dentro  dos  parâmetros  técnicos  é   considerada   uma   boa   fotografia   ou   agrada   visualmente   a   todos.   Por   outro   lado,   numa   visão   mais   subjewva,   também   pode   ser   considerada  correta  a  fotografia  que  retrata  exatamente  aquilo   que   o   seu   autor   pretendia,   a   que   representa   o   que   ele   imaginou   antes   do   “click”.   Isto   é   muito   pessoal,   e   sempre   vai  

verdadeira   sawsfação   depois   do   “click”   é   aquela   realizada   sob   uma   boa   luz   “mágica”   (subjewvo),   dentro   dum   tema   “perfeito”  (novamente  subjewvo)  e  que  me  agrade  visualmente   (totalmente   individual   e   subjewvo)   onde,   antes   mesmo   de   a   obter,   no   exato   momento   da   ocorrência   da   cena,   já   estava   “feita”   na   minha   mente   (novamente   individual),   aliada   à   técnica   e   equipamento   adequados   (que   nem   precisam   de   ser,   como  pensam  muitos,  os  equipamentos  de  topo,  mas  isso  já  é   tema  para  outra  “discussão”).  Em  suma,  é  estar  no  lugar  certo   à  hora  adequada,  e  com  o  equipamento  nas  mãos.  Isso  é  algo   que   nem   sempre   é   possível,   pois   são   muitos   factores   a   conjugar.   Às   vezes   temos   o   equipamento   e   o   cenário   adequado,   mas   a   luz   está   péssima,   ou   temos   uma   luz   adequada,   mas   o   cenário   não   é   o   mais   agradável   aos   nossos   olhos   e   desejos   ou,   ainda,   temos   boa   luz   e   cenário   perfeito,   mas  deixamos  o  equipamento  em  casa  (a  mim  já  me  aconteceu   muitas  vezes).  Há,  no  entanto,  momentos  felizes,  onde  temos  o   equipamento,   a   luz   e   o   cenário   certos,   o   que   será   boa   parte   do   trabalho  para  produzir  “aquela  foto”.   De  qualquer  forma,  há  quem  não  comungue  da  opinião  acima.  

variar   de   fotógrafo   para   fotógrafo.   De   dois   olhares   sobre   o   mesmo   tema   poderão   resultar   trabalhos   bem   diversos,   dependendo   da   criawvidade   (e,   também,   das   vivências   ou   da  

Haverão  pessoas  para  quem  a  luz  não  interessa  nada,  enquanto   outras   gostam   do   “ruído”   na   imagem   obwdo   com   os   ISO   elevados,   e   outras   ainda   hão   que   valorizam   aspectos   menos  

cultura  de  cada  um).     Em   suma,   será   correta   a   fotografia   na   qual   o   seu   realizador   saiba  aplicar  adequadamente  a  técnica  para,  imprimindo  o  seu   eswlo,   realizar   aquilo   que   a   sua   vontade   e   a   sua   criawvidade  

fieis  à  realidade,  com  jogos  de  cores  e  saturação  exageradas,  e   com  enquadramentos  pouco  usuais.     Talvez  a  opinião  do  conhecido  fotógrafo  Ansel  Adams  responda   à  pergunta  com  a  qual  iniciamos  este  arwgo.  Para  ele,  “não  há  

imaginou.     Deste   modo,   para   se   julgar   qualitawvamente   uma   fotografia   (e   poder   considerá-­‐la   boa),     é   preciso   analisar   quer   a   parte   técnica   quer   a   parte   estéwca.   Mas   aqui   é   que   as   coisas   se   complicam,   porque   embora   o   aspecto   técnico   possa   awngir   consenso,    o  aspecto    estéwco    é  muito    subjewvo,    uma    vez   que  para  gostarmos  ou  não  duma  imagem  concorrem  inúmeras   variáveis  que  dependem     de  cada  indivíduo,  da  sua  cultura  e  das  suas  experiências,  que  

regras   de   boas   fotografias,   existem   apenas   boas   fotografias”  (seja  isso  o  que  for  para  cada  um).   Em  jeito  de  ilustração,  e  para  demonstrar  quão  subjewvo  pode   ser  julgar  uma  foto  como  boa  ou  má,  e  quão  interessante  (ou   mesmo   aliciante,   em   tudo   o   que   envolve   de   criawvidade   e   olhar)   pode   ser   fazê-­‐la,   deixo   o   que   considero   serem   boas   fotografias   (em   diferentes   temas)   e   suas   respecwvas   “histórias”   e  explicações  técnicas  e/ou  estéwcas.  Mais  uma  vez,  não  é  para  

serão  obviamente  diferentes  da  cultura  e  das  experiências  dos   demais.  Na  minha  opinião,  uma  grande  fotografia,  que  me  dá        

concordarmos  todos,  apenas  para  vermos  que  há  vários  pontos   de  vista  sobre  um  mesmo  objecto  ou  cenário.    

         

PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  15  


ETÃ  SOBAL  COSTA   ERICEIRA  –    PORTUGAL   ETASOBAL@GMAIL.COM|  |  HTTPS://WWW.FACEBOOK.COM/ETACOSTA   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  ETÃ  SOBAL  COSTA  

 

 

Foto  1  –  Floresta  de  bétulas  na  Mata  da  Penoita,  Caramulo  |  Fotografia  obwda  com  arrastamento  (de  baixo  para  cima)  da  câmera   sobre  tripé,  ISO  100,  f/22,  1  seg.Totalmente  abstrata,  há  quem  não  perceba  a  imagem.    

    Foto  2  –  Mata  da  Penoita,  Caramulo  |  O  cenário  “encantado”  da  floresta  foi  obwdo  aproveitando  uma  entrada  de  luz  na  mata   fechada.   Uwlizou-­‐se   um   filtro   neutro   onde,   do   lado   de   fora,   espalhou-­‐se   vaselina,   dando   a   direcção   com   os   dedos,   consoante   os   raios  de  sol  que  estavam  a  entrar.  Tripé,  ISO  100,  f/16,  1/6.     16  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


Foto  3  –  Parque  das  Nações  |  A  ideia,  nesse  dia,  era  fotografar  a  Ponte  Vasco  da  Gama,  mas  o  nevoeiro  que  permaneceu  para   além  do  meio-­‐dia  não  o  permiwu.  Aproveitando  o  movimento  das  pessoas  a  correrem,  e  valendo  do  cenário  misterioso  criado   pelo  nevoeiro,  realizou-­‐se  esta  foto.  ISSO  100,  f/4.5,  1/400.    

Foto  4  –  A  vespa  e  os  namorados  |  Estava  a  fotografar  a  vespa,  e  a  procurar  melhores  enquadramentos  para  uma  fotografia  mais   minimalista   (apenas   com   partes   da   mota),   quando   aquele   casalinho   de   adolescentes   se   foi   sentar   junto   ao   muro.   ISO   100,   f/4.8,   1/80.   PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  17    


Foto  5  –  Ribeira  |  Fotografia  nocturna  (a  aproveitar  as  luzes  coloridas  dos  prédios  que  reflecwam  na  água)  de  longa  exposição  com   tripé,  ISO  100,  f/18  (para  dar  um  formato  meio  estrelado  às  luzes  dos  postes,  mas  sem  ser  exagerado),  30  seg.        

Foto   6   –   Cogumelo   |   Esta   foto   foi   obwda   com   uma   objecwva   55-­‐300   (sem   função   macro),   o   que   demonstra   que   não   é   apenas   o   equipamento  bom  que  realiza  uma  boa  fotografia.  ISO  100,  f/6.3,  1/20.  O  enquadramento  quase  central  do  fungo,  é  juswficado  pelas   cores   da   foto,   apenas   o   verde   e   o   castanho/preto.   Não   há   elementos   distractores,   pois   a   profundidade   de   campo   reduzida   encarregou-­‐se  de  os  eliminar.     18  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


afonso   chaby   rosa  

                                        O  ato  de  compor  uma  fotografia    é  a  forma  como  o  nosso  olhar   escolhe   ,   organiza   e   dispõe   os   diversos   assuntos   que   pretendemos   registar,   dentro   do   espaço   que   visualizamos   através  da  nossa  câmara.   O   formato   com   que   esse   espaço   nos   é   apresentado,     não   obstante  a  possibilidade  de  “cropping”  que  a  tecnologia  digital   proporciona,   tem   uma   forte   influência   no   aspecto   final   da   imagem.   Isto   porque   é   muito   diŽcil   para   os   fotógrafos   não   serem     influenciados   pelo   que   estão   a   ver   no   momento     e     conseguirem     compor     a   fotografia   final,   mentalmente,   ignorando   as   zonas   que   não   pretendem   que   façam   parte   da   mesma.     Existem   diversos   formatos     com   que   trabalham   as   câmaras   fotográficas   sendo   antes   da   era   digital   e   porque   o   filme  usado  nas    maioria  das  máquinas  analógicas  apresentava   em  cada  fotograma  a  dimensão  real  de  36X24mm,  o    formato   3x2  o  mais  popular  entre  eles  .    Com  o  advento  da  era  digital   deixou   de   haver   as   restrições   relacionadas   com   a   dimensão   Žsica  dos  filmes    pelo  que  a  maioria    das  câmaras  actuais,  com   excepção   das     SLR   digitais,   optaram   pelo     formato     4x3,   mais   natural,   e   que   se   adapta   bem     aos   formatos   dos   papeis   de   impressão   e   dos   clássicos   monitores   de   televisão.   No   entanto,   nota-­‐se   cada   vez   mais   uma   tendência   para   formatos   mais   alongados.  Pensemos    na  crescente  uwlização  que  esse  wpo  de   formatos   vem   assumindo   nos   objectos   com   que   lidamos   diariamente   ,   sendo   as   novas   dimensões   dos   ecrãs   televisivos   um  exemplo  marcante.     Formato  3x2   Conwnua    a  ter  uma  presença  muito  importante  na  era  digital,   pois  é  o  formato  escolhido  para  os  sensores  das  câmaras  SLRS,   as  mais  populares  entre  os  profissionais  e  amadores  avançados.   Este  é  o  formato  que  mais  naturalmente  conduz  o  fotógrafo  a   enquadrar    e  a  conceber  a  fotografia  horizontalmente.     Há   razões   para   tal,     não   sendo   a   menor   dessas   a   que   se   prende   com   a   ergonometria   dos   corpos   deste   wpo   de   máquinas     pois   estes  foram  construídos  para  obter  fotografias  horizontais.   É  diŽcil  conceber  uma  câmara,  de  uwlização  ao  nível  dos  olhos,     que   seja   tão   fácil   de   uwlizar   tanto   horizontal   como   verwcalmente.     A   uwlização   horizontal   é   mais   cómoda   e   os     fotógrafos   tendem   a   uwlizá-­‐las   dessa   maneira;   outra   razão,   e   esta  mais  profunda  ,prende-­‐se  com  a  natureza  da  visão  humana   que  é  binocular  e  por  via  disso  horizontal.              

  Composição  Fotográfica        

  Como   o   formato   do   visor   pode   influenciar   a   orientação   de    composição         “A     composição   deve   ser   uma   de   nossas   preocupações     constantes,   até   nos   encontrarmos   prestes   a   wrar   uma     fotografia;  e  então,  devemos  ceder  lugar  à  sensibilidade...”        (Henri  Carwer-­‐Bresson)                 Um  formato  de  tendência  horizontal,  como  o  3x2,  facilita  uma   aproximação  razoável  a  essa  realidade;  finalmente  uma  úlwma   prende-­‐se   com     a   generalizada   percepção   que   o   formato   3x2   ,por   ser   um   formato   demasiado   alongado,   não   é   um   formato   que   se   adapte,     de   forma   confortável,   à   composição   fotográfica  verwcal  .    Conclui-­‐se  pois,    que  este  formato  facilita   um  enquadramento  horizontal  até  porque  se  ajusta  bem  à  linha   do   horizonte   o   que   facilita   a   composição   de   imagens   de   paisagens   tanto   rurais   como   urbanas   .   Também   facilita   a   captura   de   fotos     em   que   a   rapidez   do   enquadramento   seja   essencial,   wpo   “streets”     e   “candids”.     De   notar   que   tem   tendência   para   produzir   composições     a   incidir   sobre   o   plano   inferior   do   enquadramento,   pois   isso   aumenta   a   sensação   de   estabilidade   da   imagem.   Só   em   mowvos   que   tenham   um   eixo   principal  niwdamente  verwcal,  é  que  este  formato  pode  sugerir   uma  composição  verwcal.  Um  exemplo    muito  comum  é  a  figura   humana,  pelo  que  os  retratos  de  corpo  inteiro  se  ajustam  bem   a  esta  proporcionalidade.       O  Formato  4X3   Com   o   nascer   da   era   digital   acabaram   as   restrições   impostas   pela    dimensão  do  filme    e  que  wnham  generalizado  o  formato   3x2.   Assim   optou-­‐se,   na   generalidade   dos   casos,     por   um   formato  mais  cheio  que  o  3x2  embora  ainda  adaptado  ao  nosso   olhar   binocular   o   que   obriga   a   uma   certa   horizontalidade,     c   formato  4x3.  Tendo  ainda  uma  relação  de  tendência  horizontal   mas     em   que   o   eixo   dominante   é   menos   evidente,   torna   a   composição   mais   flexível   .   Embora     mantendo   uma   diferença   entre   os   eixos   ,   influencia   menos   o   fotógrafo   para   a   opção   horizontal   dando-­‐lhe   mais   liberdade   para   escolher   o   wpo   de   composição  –  verwcal  ou  horizontal  -­‐    que  melhor  se  enquadre   com  o  que  pretende.  Por  outro  lado  ,  as  máquinas  fotográficas   que   uwlizam   este   wpo   de   formato     (   câmaras   não   SLR)   têm   corpos  muito  mais  pequenos  que  as  SLR,  sendo  normalmente  o   visor   subswtuído   por   um   display,   por     vezes   arwculado,   o   que   diminui   em   muito,   se   não   eliminar   de   todo,   a   desvantagem   ergonómica  atrás  mencionada.     Por   estas   razões   a   composição   verwcal   torna-­‐se   uma   composição  de  uwlização  mais  confortável  e  mais  generalizada   com  este  formato.     PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  19    


locais   A  Ilha  das  Flores  |  Uma  maravilha  na  Terra     Um  paraíso  para  os  fotógrafos  

   

A   ilha   das   Flores   é   uma   das   9   ilhas   que   conswtuem   o   arquipélago   dos   Açores   e   conswtui,   juntamente   com   a   pequena  

serem   frequentadas   pelas   armadas   baleeiras,   inglesa   e   americana,   que   lá   buscam   manwmentos   e   também   homens  

ilha   do   Corvo,   o   seu   grupo   ocidental   .   Pequena   no   tamanho,  

para  reforçar  as  suas  tripulações.  Este  facto  está  na  origem  da  

cerca   de   142   km2   (16,6   quilómetros   de   comprimento   e   12,2  

caça   ao   cachalote   exiswndo   ,ainda   hoje   ediŽcios,   daquela  

quilómetros  de  largura  máxima  )  e  4000  habitantes  ((dados  de  

altura,  vocacionados  para  a  extração  de  óleo  de  baleias.    

2008))  ,  é  enorme  na  beleza  com  que  a  natureza    prodigamente   a  contemplou.  

A   inauguração   do   aeroporto   em   1972,   em   conjunção   com   melhoramento   e   a   modernização   das   instalações   portuárias   ,  

Pertencendo  já  à  plataforma  conwnental  americana  e  nela  que  

transforma     a   vida   da   ilha   e   mostra-­‐se   um   equipamento  

Portugal  e  consequentemente  o  conwnente  europeu  tem  o  seu   ponto  mais  ocidental.  

fundamental   para   combater   o   isolamento   a   que   esta     esteve   sujeita   até   à   sua   realização.   Inicialmente   era   o   culwvo   de  

Foi   descoberta   no   início   da   segunda   metade   do   século   15   por   Diogo   de   Teive     e   pelo   seu   filho   João   os   quais   em   sequência  

cereais,   a   criação   de   ovinos   e   a   pesca   que   serviam   de   suporte   à   economia  da  ilha.    

dessa   descoberta   receberam,   em   concessão,   o   monopólio   da  

No   entanto   e   por   hoje,   dada   a   maior   integração   do   grupo  

exploração   do   açúcar   da   Ilha   da   Madeira.   Julga-­‐se     que   o   nome   Flores  foi  atribuído  à    novel  ilha  devido  à  proliferação  de  flores  

Ocidental   com   as   demais   ilhas   do   arquipélago   já   é   o   sector   terciário   a   ter   o   papel   principal   nessa   economia,   sendo  

naturais  que  desde  logo  lhe  foi  notado.   O  seu  povoamento  inicial,  a  exemplo  do  que  aconteceu  noutras  

responsável   pela   ocupação   de   60%   da   mão-­‐de-­‐obra   graciosense.  

ilhas  dos  Açores  é  é  de  origem  flamenga,  designadamente  sob  

Uma   das   awvidades   que   apresenta   interessantes   níveis   de  

os   esforços   Willem   Van   der   Haghen   o,   qual   após   uma   temporada  em  S.  Jorge  decidiu  tentar  a  sua  sorte  ,  de  novo,  em  

expansão   e   valorização   é   ,   naturalmente   ,   o   turismo   a   wrar   parwda   das   invulgares   condições   que   a   Ilha   Flores   oferece.   Na  

paragens  mais  ocidentais.     No   entanto   a   experiência   não   resulta   e   Van   der   Haghen  

verdade   a     Ilha   das   Flores   não   se   diswngue,   nem   pela   arquitetura   nem   pela   dimensão   das   suas   povoações,   mas   sim    

regressa  a  S.  Jorge,  pelo  que  só,  anos  mais    tarde  por  alturas  de  

pela  surpreendente  e  deslumbrante  beleza  das  suas  paisagens.  

1508   o   povoamento   da   ilha   é   retomado,   desta   vez   sob   a     égide   da   família     Fonseca   sendo   mais   tarde   conwnuado   e  

A   origem     vulcânica   da   ilha   proporcionou-­‐lhe   uma   natureza   diversificada   e   montanhosa   com   elevações   de   relawva  

impulsionado  pelos  Mascarenhas  

expressão,  awngindo  no  seu  ponto  mais  alto,  Morro  Alto,  uma  

Na   sequência   deste   bem   sucedido   povoamento   surgem   as  

alwtude   de   915   metros.     Sendo   conswtuída   na   sua   grande   parte  

primeiras  povoações  que  devido  ao  acidentado  do  seu  interior    

por   terreno   montanhoso,   nela   encontramos   grandes   ravinas   e  

preferem  a  as  terras  mais  acessíveis  do  litoral  para  se  instalar.   Lajes  das  Flores,    por  hoje  o  porto  mais  importante  da  ilha  e  por  

gigantescas   falésias   que   nos   cortam   a   respiração   e   lavam   os   olhos   e   a   alma.   Nas   Flores   parece   estarem   reunidas   e  

onde  ela  recebe  os  produtos  necessários  à  sua  subsistência,  vê-­‐ se  elevada  a  vila  em  1515.      

potenciadas   todas   as   caracteríswcas   dos   Açores   o   que   a   torna   um  deswno  definiwvamente  a  não  perder.    

Em   1548   é   a   vez     da   presente   capital,   Santa   Cruz   das   Flores,  

Lá  encontramos  os  verdes  intensos  das  pastagens,  o  dramáwco  

receber   foral   semelhante.   Hoje     Santa   Cruz   das   Flores   é     uma   pequena   mas   airosa   população,   com   cerca   de   2000   dos  

das   formações   vulcânicas,   o   azul   /   verde   das   lagoas,   a   altura   verwginosa  das  falésias,  a  beleza  das  hortênsias  bordejando  os  

habitantes.       Durante   os   primeiros   séculos   a   ilha   tem   uma   existência  

caminhos   e   carreiros,   e   ainda   cascatas   e   cursos   de   água   que   serpenteando     pelas   encostas   das   colinas   caiem   de   grande  

tranquila  embora  isolada.     Esse   Isolamento   só   era   quebrado   pelos   eventuais   ataques   dos  

altura,   precipitando-­‐se   para   um   mar   de   um   azul   intenso,   sempre  presente.  Uma  Ilha  que  é  de  facto  um  paraíso  para  os  

navios   corsários   que   cruzavam   eventualmente   aqueles   mares,  

amantes  de  uma  natureza  ainda  genuína  e  quase  virgem  e  que  

emboscando   para   os   pilharem   os   galeões   espanhóis,  

oferece     aos   nossos   olhos   maravilhosas   e   diversificadas  

carregados   do   ouro   e     da   prata   das   Américas   e   as   naus  

paisagens.   Foi   muito   recentemente   designada   reserva   da  

Portuguesas  oriundas  do  Oriente.  Esta  situação  mantém-­‐se  até  

biosfera  pela  Unesco  juntando-­‐se  nesta  designação  ás  ilhas  do  

meados   do   século   18   altura   em   que   as   Flores,   começam   a  

Corvo  e  Graciosa  que  já  aí  constavam  desde  setembro  de  2007.  

    20     |  PHOCAL  PHOTOVISIONS          


AFONSO  CHABY  ROSA   LISBOA  –    PORTUGAL   AFONSO.CHABY@GMAIL.COM|  |  HTTP://FACEBOOK.COM/AFONSO.CHABY   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  AFONSO  CHABY  ROSA  

 

 PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  21      


a r m a n d o   d u a r t e  

                                                Em   primeiro   lugar   há   que   diswnguir   os   conceitos:   tamanho   da   imagem  digita,  medida  em  píxeis  (há  quem  chame  resolução  -­‐   não   é   a   minha   opinião),   tamanho   Žsico   da   imagem   (em   unidades   de   comprimento),   densidade   ou   resolução   da   imagem,  que  é  a  relação  entre  os  dois  tamanhos  referidos,  e  se   mede  habitualmente  em  DPI’s  (pontos  por  polegada),  ou  seja,  a   quanwdade  de  pontos  que  são  impressos  por  cada  unidade  de   comprimento.  Como  já  referido,  e  bem,  no  arwgo  do  Chaby,  a   resolução   mínima   adequada   para   uma   imagem   ser   impressa   com  qualidade,  é  de  200  dpi’s,  sendo  aconselhável  a  uwlização   de   300   dpi’s,   sempre   que   possível.   Sobre   este   assunto,   estaremos   esclarecidos   como   já   referi,   pelo   arwgo   citado,   embora   eu   acrescentasse   que   esses   requisitos   se   referem   a   imagens   para   ver   à   vista   desarmada,   quando   impressas   em   tamanhos   relawvamente   pequenos,   isto   é,   até   20x30cm   ou   30x40cm.   Para   imagens   maiores,   é   expectável   que   o   observador   veja   a   imagem   com   um   afastamento   maior,   e   não   apenas   à   distância   do   seu   braço,   e   por   essa   razão   terá   uma   acuidade   visual   menor,   o   que   permite   uma   imagem   impressa   com   menor   resolução,   mantendo   a   mesma   percepção   visual.       Por   exemplo,   se   quisermos   imprimir   uma   foto   num   tamanho   relawvamente   grande   (por   exemplo   100x150cm)   para   colocar   numa  parede  da  nossa  sala,  não  será  necessário  usarmos  essa   resolução,   e   nem   sequer   possível,   pois   não   teremos   píxeis   suficientes.   Já   agora,   para   imprimir   a   300   dpi’s   uma   imagem   de   100x150cm  teríamos  que  ter  um  ficheiro  com  100/2.54  x  300=   11811   píxeis   de   largura,   e   150/2.54   x   300=   17714   píxeis   de   c o m p r i m e n t o ,   o u   s e j a ,   u m   fi c h e i r o   c o m   11811x17714=200Mpíxeis   aproximadamente!   Não   está   ainda   ao   alcance   dos   sensores   das   nossas   máquinas...   Em   senwdo   contrário,  se  observarmos  uma  foto  com  uma  lupa,  a  resolução   de   300   dpi’s   não   é   suficiente...     Resumindo   este   ponto,   a   tal   resolução   mínima   de   200   a   300   dpi’s   é   um   requisito   para   imagens  a  imprimir  numa  revista,  por  exemplo,  ou      para    fotos     de    tamanhos    relawvamente      pequenos,    para     visualização  digamos,  à  distância  dos  nossos  braços,  e  “à  vista   desarmada”.       O   mito   dos   DPI’s:   pedir   uma   imagem   com   300   dpi’s,   para   imprimir   por   exemplo   numa   revista,   é   quase   o   mesmo   que   entrar  num  supermercado  e  pedir  camarão  10/12...                  

          Como   pedir  imagens  para  impressão         O     Afonso   Chaby   escreveu   um   arFgo   muito   interessante   e     esclarecedor   na  Revista  nº3,  no  qual  é  descrita  a  relação  entre  a    dimensão   máxima   que   podemos   imprimir   uma   imagem,   com     qualidade,   em   função   da   sua   resolução   do   ficheiro   que   temos     disponível.  No  entanto,  e  a  avaliar  por  alguns  comentários  que     tenho   visto,   bem   como   pela   forma   como   são   pedidas   as   fotos       para   impressão,   tentarei   dar   outra   abordagem   a   este   assunto,     forma  a  tentar  complementar  o  referido  arFgo.   de                   Ou   seja,   pede-­‐se   a   qualidade   (ou   neste   caso   o   tamanho)   mas   não  a  quanwdade.     Quando   se   exporta   uma   imagem,   e   se   escolhe   a   resolução   (wpicamente  72  dpi’s  para  ecrã,  ou  200  a  300  para  impressão),   este   é   apenas   um   atributo,   que   no   caso   da   impressão,   em   conjunto   com   o   tamanho   em   píxeis,   informa   a   impressora   do   tamanho  Žsico  que  se  pretende  impresso.     Não   serve   para   mais   nada,   e   nem   na   práwca   serve   para   esse   efeito,  uma  vez  que  o  tamanho  Žsico  é  habitualmente  definido   no   so‘ware   de   edição   ou   de   impressão.   Para   verificar,   basta   exportarmos   a   mesma   imagem,   com   o   mesmo   nº   de   píxeis,   e   com   resoluções   diferentes,   e   veremos   que   o   resultado   é   exatamente   o   mesmo.   Assim,   o   requisito   que   um   editor   deve   referir  é  o  nº  de  píxeis  mínimo  (por  dimensão),  pois  só  ele  sabe   qual  o  tamanho  Žsico  em  que  vai  imprimir  a  imagem.     Resumindo,  as  imagens  para  impressão  devem  ser  pedidas  em   quanwdade  de  píxeis,  e  nada  mais,  pois  a  resolução  em  dpi’s  só   causa  confusão  desnecessária.     Não   quero   dizer   que   a   resolução   não   seja   importante,   deve   ser   uwlizada   para   calcular   o   nº   de   píxeis   a   requisitar,   tendo   em   conta  o  tamanho  que  se  pretende  imprimir  (o  que  só  o  editor   sabe).   Simplificando,   bastaria   até   pedir   o   ficheiro   na   sua   resolução   máxima,   sem   reduções,   e   com   a   compressão   mínima   –   ou   qualidade   máxima   –   se   o   formato   for   JPG.   Este   aspecto   da   compressão   é   muito   mais   importante   do   que   o   atributo   da   resolução  em  DPI’s.   Já   agora,   também   pouco   adianta   pedir   imagens   em   TIFF,   caso   estas   tenham   sido   obwdas   em   JPG,   pois   a   sua   passagem   para   TIFF   nada   beneficia   a   imagem,   tendo   em   conta   que   esta   já   sofreu   compressão   (e   por   essa   razão   perdeu   alguma   qualidade).   Este   requisito   só   é   importante   para   imagens   obwdas   em   RAW,   e   sempre   tratadas   sem   passar   por   nenhum   processo  de  compressão.     Nota  final:  O  conceito  de  DPI’s  foi  aqui  uwlizado  apenas  no  que   respeita   à   resolução   para   impressão.   É   também   aplicado   para   visualização   em   ecrã,   como   para   aquisição   de   imagens,   mas   não   foi   este   o   âmbito   deste   escrito,   nem   sequer   a   diswnção   entre  PPI  e  DPI.     ARMANDO  DUARTE  |  COIMBRA  |  JULHO  2012   h^ps://www.facebook.com/armando.duarte.58?sk=wall  

PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  23    


p a u l o   c é s a r  

viagens  -­‐  londres                                   Cidade.   Caos.   Movimento   frenéwco   e   dança   de   corpos   vivos   e   não   vivos.   Cacofonia.   De   gritos,   vozes,   choro,   gargalhadas,   vozes.  Cacofonia  de  vozes.  Cacofonia  de  máquinas  e  gentes  que   urram  e  murmuram.       Miscelânea   de   braços,   pernas,   cabeças,   cabelos,   olhos,   bocas,   mãos,   pés,   roupas,   sapatos,   malas,   chapéus,   jóias.   Jóias   de   latão   e   de   ouro   e   de   prata,   de   ricos   e   de   menos   ricos   e   de   pobres.   Guerra   de   cor.   Vermelho,   azul   e   verde,   amarelo   e   cinzento,   roxo,   preto,   laranja   e   rosa,   branco,   dourado,   castanho.   Apoteose   de   cor.   Cor   em   êxtase.   Das   gentes,   das   máquinas,   das   casas,   dos   jardins,   das   praças,   dos   prédios,   do   chão.       E   luzes,   luzes   por   todo   o   lado.   Umas   que   piscam,   outras   que   não  piscam,  umas  que  estão  sempre  acesas,  outras  que  apenas   acordam  quando  é  suposto  dormir.  Luzes.  Cor.  A  cor  de  toda  a   massa   que   dá   corpo   à   vida   que   a   cidade   tem.   A   forma.   Apoteose   de   cor.   Êxtase.   Formas.   E   cheiros,   na   cidade   os   cheiros  diluem-­‐se  no  ar  e  perfumam  todos  os  recantos.  Cheira   a   comida   chinesa,   nepalesa,   indiana,   turca,   portuguesa,   francesa,   italiana,   japonesa,   tailandesa.   Cheira   a   cães   e   gatos   vadios,  pombos  e  ratos.       Cheira   aos   perfumes   que,   expectantes,   observam   quem   passa   nas   ruas   através   do   vidro   que   os   separa   dos   corpos   que   anseiam  lamber.  Cheira  a  fumo,  borracha,  chuva.  Cheira  a  pó,  a   terra.  Cheira  a  mijo,  a  suor,  a  podre.   A   cidade.   Una   na   pluralidade   que   a   define.   Pensá-­‐la   é   pensar   em   encontro.   Pensá-­‐la   é   pensar   num   delta   de   gente   que   se   entranha   num   oceano   humano.   As   pessoas.   A   cidade   vive   das   pessoas.  Do  encontro  do  Eu  com  outro  Eu.     Branco   e   preto   e   vermelho   e   amarelo   e   brancos   e   pretos   e   vermelhos  e  amarelos.     Que   importa   a   cor   da   pele,   o   idioma   de   expressão,   as   vestes   que   escondem   a   nudez?   Cidade   é   encontro   e   desencontro   de   iguais,   singular   e   plural.   É   múlwpla   em   idenwdades,   é   múlwpla   em  rostos,  é  múlwpla  em  emoções.       Os   namorados   que   se   abraçam   no   jardim   e   dizem   amo-­‐te   e   gosto   de   w;   os   casais   que   jantam   silenciosamente   nos   restaurantes;   os   homens   e   mulheres   que   se   pavoneiam   nas   ruas  por  nada  mais  terem  para  mostrar;  os  amigos  que  bebem   nos  bares  e  contam  histórias  do  dia  de  ontem;  os  velhos  que  se       24     |  PHOCAL  PHOTOVISIONS            

 Paulo   César     desde   sempre   fotografou   imenso,   para   ele   a     fotografia   é   mais   do   que   técnica,   enquadramento   ou   regra   de      terços,  é  sensibilidade,  emoção  e  senwmento.      A   fotografia   fá-­‐lo   pensar,   criar   mundos   e   inventar   histórias    através  dos  seus  registos.        Seja   a   fotografar   pessoas,   seja   a   fotografar   lugares   por   onde    passa,   fá-­‐lo   com     a   mesma   paixão   e   vontade   de     pensar   a   vida   ,    e   é   com   este   texto   “Cidade”,   por   Samuel   Pimenta   in     h^p://samuelpimentablog.blogspot.com     e   algumas   fotos   suas      que  nos  leva  a  viajar  por  Londres                 sentam  nos  bancos  sobre  os  passeios  vendo  o  que  lhes  resta  da       a  passar;  os  mendigos  sem  cara  que  pedem  a  vossa  esmola   vida   por  favor;  os  turistas  de  boca  aberta  de  espanto  ou  esplendor;     as   putas   ou   mulheres   da   vida   com   vestes   diminutas   à   espera,   à   espera,   à   espera;   os   traficantes   de   droga   que   aliciam   tudo   o   que   mexe,   ou   quase   tudo,   duvido   que   tentem   vender   bolotas   de  cocaína  aos  ratos,  aos  pombos,  ou  aos  cães  e  gatos  vadios.  A   cidade  é  assim.       Contém   tudo   e   todos.   É   um   encontro.   É   um   encontro   de   pessoas  e,  por  isso,  de  vontades.  É  múlwpla.  E  por  ser  múlwpla  é   singular.   Unida   pela   mulwplicidade   como   une   o   oceano   todos   os   peixes.   É   essa   pluralidade   que   a   torna   coesa.   E   por   isso   a   cidade  é  cidade,  e  não  vila,  aldeia,  lugar.     Cidade.   Atenta   ao   silêncio   ausente   que   guarda   os   muros   quietos  na  noite  sombria.  A  cidade  não  dorme.  E  dessa  insónia   perene   nascem   o   inesperado   e   o   medo,   o   desconhecido   e   a   aventura,  a  promessa  e  o  risco.  Como  útero  de  betão,  a  cidade   gera  o  caos  que  a  define.       O  caos  do  encontro,  do  incerto,  da  esperança.  A  infinitude  do   querer,  do  conseguir,  do  eu  posso.  O  ir  mais  além,  o  passar  os   limites   da   condição   humana.   A   cidade   é   o   rewro   do   inconformismo,   da   mutação.   Tudo   se   move,   nada   é   estáwco.   Impera   o   camaleónico,   a   fugacidade,   o   imediato.   Diria   que   cidade   se   deveria   escrever   com   mais   duas   palavras,   o   já   e   o   agora.  Pois  tudo  é  para  o  agora  e  o  já.     A  espera  corrói,  a  paciência…  A  paciência  é  uma  lenda,  um  mito   urbano.   Sente-­‐se   tudo   e   sentem-­‐se   todos   com   tamanha   intensidade  que  o  mundo  parece  girar  mais  depressa.  Mas  não   gira.   O   mundo   não   sai   do   lugar   onde   está.   Nem   a   cidade.   Ela   está  ali,  simplesmente  ali.  Apenas  parece  viver  mais  depressa.     Caos.     Diria   que   a   cidade   reúne   a   beleza   do   caos.   A   desordem   ordenada   que   se   ergue   diante   dos   olhos   que   a   contemplam   deslumbrados.  O  fascínio  pela  mão  invisível  que  regula  o  fluxo   urbano.  A  cidade  contém  a  beleza  do  caos  organizado.  Pintura   cubista,  como  se  o  deus  que  a  criou  fosse  um  Picasso  capaz  de   pintar   toda   a   mulwplicidade   que   a   define.   Mas   não   é   deus   divino  o  criador  da  teia  urbana.  Não.  É  deus  humano.  E  talvez   por   isso,   sim,   talvez   por   isso,   seja   a   cidade   um   templo   mundano.     Um  templo,  sim,  do  melhor  e  do  pior  que  o  mundo  tem.    


PAULO  CÉSAR   LISBOA  –  PORTUGAL     PCESARPHOTO@HOTMAIL.COM      |  WWW.PAULOCESAR.EU   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  PAULO  CÉSAR      

 

PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  25  


26|  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


O  grupo  Fotógrafos  Amadores  do  Ribatejo,  nasceu  no  dia  5  de   Fevereiro  de  2011  tendo  como  berço  o  “Facebook”.       A   Maria   Isabel   Clara,   fundadora   do   grupo   e   apaixonada   pela   fotografia,   pretendia   um   grupo   coeso   e   assente   em   quatro   grandes   pilares;   a   parwlha   do   conhecimento,   a   divulgação   dos   trabalhos,  os  encontros  de  fotografia  e  promoção  da  região.     Ao   longo   do   tempo,   o   grupo   começou   a   ganhar   dimensão,   contando   atualmente   com   mais   de   120   membros   todos   residentes  no  Ribatejo  ou  com  fortes  ligações  com  o  Ribatejo  e   na  gestão  do  grupo  a  Maria  Isabel  Clara  conta  com  o  apoio  do   Abílio   Menezes   Rodrigues   de   Torres   Novas,   o   Mário   Medeiros   Santos  de  Abrantes  e  o  Paulo  Jorge  de  Sousa  do  Sardoal.     Com   um   interesse   comum   –   a   paixão   pela   fotografia,   e   pela   demografia  adjacente  –  Ribatejo,  é  com  alguma  facilidade  que   realizamos   encontros,   tertúlias,   concursos,   pequenos   workshops   para   a   parwlha   do   conhecimento,   intercâmbio   de   ideias   e   fortalecer   laços   de   amizade   que   na   maior   parte   dos   casos  começaram  por  ser  “virtuais”.  Como  se  pode  depreender,   os  fins-­‐de-­‐semana  são  uma  autênwca  azáfama.     É   o   fascínio   de   conhecer   e   descobrir   novos   lugares,   de   poder   parwlhar  e  experimentar  novas  emoções,  sensações  e  culturas,   está   enraizado   em   nós   portugueses   desde   a   nossa   gloriosa   época   dos   descobrimentos.   Como   que   uma   herança,   este   fascínio   passou   de   geração   em   geração,   até   aos   nossos   dias   e   nós   como   muitos   outros,   não   fugimos   à   regra   de   senwr   esta   necessidade,   esta   tentação,   este   desejo   e,   sempre   que   nos   é   possível,   juntamo-­‐nos   de   mochilas   às   costas   e   aí   vamos   nós   explorar  e  captar  imagens  de  tudo  o  que  nos  envolve.     Das  experiências  vividas  começou  a  surgir  a  ideia  no  grupo  de   dar   a   conhecer   a   forma   como   vemos   o   "mundo"   que   nos   rodeia,  ou  melhor...o  nosso  "olhar"  e,  não  há  melhor  forma  de   o  fazer  do  que  regressar  ao  clássico  -­‐  a  exposição.             28|  PHOCAL  PHOTOVISIONS      

grupos  

  O  desafio  foi  lançado  e  surge  a  nossa  1ª  exposição  em  Junho  de   2011   com   o   tema   “TejoSenwdo”   na   Biblioteca   Municipal   de   Torres   Novas   que   contou   com   16   autores   do   grupo   e   32   fotografias  expostas.       Tratando-­‐se   da   nossa   1ª   exposição   contamos   com   um   dos   membros   do   grupo   formado   em   fotografia   -­‐   Paulo   Jorge   de   Sousa   que   aproveitou   a   parte   da   manhã   para   efetuar   um   Workshop  de  iniciação  à  fotografia.       O   sucesso   da   exposição   foi   enorme   que   percorreu   os   municípios  ribeirinhos,  como  Barquinha,  Constância,  Abrantes,   Santarém,  Alpiarça,  contando  com  a  presença  no  Workshop  em   Santarém   de   António   Kool   e   em   Abrantes   foi   convidado   o   fotógrafo  profissional  Pedro  Marwns.     A  experiência  acumulada  na  1ª  exposição  “TejoSenwdo”  e  o  seu   sucesso   junto   das   gentes   do   Ribatejo   e   o   amor   que   têm   pelo   seu   rio,   deu   o   mote   para   a   2ª   exposição   “Ribatejo   -­‐   O   Outro   Lado   da   Cor”,   mantendo   a   mesma   filosofia   “fotografar   no   Ribatejo”.       A   inauguração   no   dia   22   de   Outubro   de   2011   teve   lugar   no   Átrio   do   Centro   Hospitalar   Médio   Tejo   –Abrantes   e   com   o   natal   à   porta,   o   grupo   pretendeu   transmiwr   sinais   de   esperança   e   presença.       Esta   exposição   esteve   também   presente   em   Torres   Novas   e   atualmente  encontra-­‐se  exposta  na  galeria  Pintor  José  Tagarro   no  Cartaxo  e  que  conta  com  a  presença  de  23  autores  do  grupo   e  respecwvamente  23  fotografias  expostas.     Convidados   pela   Associação   que   promove   o   Projeto   de   candidatura  da  cultura  Avieira  a  património  nacional  imaterial  e   da   Unesco   para   a   celebração   do   3º   Dia   Nacional   do   Avieiro,   Barreira   da   Bica   (Vale   de   Figueira-­‐Santarém),   o   grupo   esteve   presente   com   o   3º   tema   “Os   Avieiros   do   Tejo”   em   que   parwciparam  13  autores  e  15  fotografias.       Mais  uma  vez  a  recepção  foi  do  agrado  de  todos  e  a  exposição   prolongou-­‐se  por  mais  2  meses.     É  com  esta  “matéria”  que  o  grupo  aprende  e  se  desenvolve,  e   sem   medo   do   amanhã   –   “Todos   nós   somos   feitos   de   outras   pessoas.”     Quanto  ao  futuro,  conwnuar  a  parwlhar  o  nosso  “Olhar”  e  levar   mais   longe   o   nosso   Ribatejo   rico   em   costumes   e   tradições   segredadas  pela  lezíria,  bairro  e  charneca.         h^ps://www.facebook.com/groups/fotografosribatejanos/

 


F.A.R.  -­‐  FOTÓGRAFOS  AMADORES  DO  RIBATEJO   RIBATEJO  |  PORTUGAL      FOTOGRAFOSRIBATEJANOS@GMAIL.COM    |  HTTPS://WWW.FACEBOOK.COM/GROUPS/FOTOGRAFOSRIBATEJANOS/    

    Exposição  online  em     h^p://fotografosamadores.wix.com/ooutroladodacor        

Exposição  online  em   h^p://fotografosamadores.wix.com/fotografosamadores     PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  29  


j o s é   v i e i r a  

                                          A  fotografia  de  Aves  no  estado  selvagem  é  uma  das  awvidades   mais   aliciantes   e   interessantes,   sendo   um   desafio   constante   e   que   requer,   além   de   habilidade   e   bons   equipamentos,   muitas   horas  de  campo,  muita  paciência,  informações  sobre  as  aves,  o   meio   onde   vivem,   conhecer   hábitos   e   comportamentos.   Quando   comecei   a   fotografar   aves   dei   conta   que   além   do   prazer   da   fotografia   em   si   senwa   algo   que   defino   como   uma   espécie   de   inswnto   caçador.   Mas   um   caçador   que   caça   imagens   e   preserva   a   natureza.   E   digo   isto   porque   há   um   código   a   respeitar   com   regras   rígidas   como   sejam   não   destruir   o   meio   ambiente,   não   fotografar   as   aves   em   plena   nidificação,   não   mexer  nos  ovos,  etc.   Embora   pareça   não   é   nada   de   fácil   fotografar   aves   em   estado   selvagem   e   acredito   que   este   wpo   de   fotografia   de   natureza   seja   uma   das   mais   diŽceis   quando   se   a   visa   qualidade   das   imagens!  Muitas  vezes,  mesmo  depois  de  programar  e  preparar   uma  determinada  foto  poderemos  passar  o  dia  ou  mesmo  dias   para  conseguir  aquela  imagem  e  um  momento  de  desatenção  é   aquela   oportunidade   que   poderá   não   voltar   a   acontecer.   Referi   que   é   preciso   habilidade   e   esta   só   se   consegue   com   a   insistência  e  muita  práwca.  Precisamos  saber  exatamente  o  que   estamos   a   fotografar   ter   as   parâmetros   bem   definidos   e   ser   rápidos   na   execução.   Os   pássaros   são,   em   geral,   pequenos,   ariscos,  agitados,  salwtam  e  costumam  estar  em  locais  que  não   temos   fácil   acesso.   Por   isso   uma   outra   exigência,   o   recurso   à   aproximação  da  ave.  E  isto  faz-­‐se  normalmente  com  o  recurso  a   esconderijos,  ou  camuflagem.     Atraia  as  aves  com  alimentadores  naturais,  comedouros  e  com   bebedouros.   Referi   depois   a   necessidade   de   bons   equipamentos    por    isso    é    fundamental    uma      máquina  com     obturador   de   disparos   rápido   e   um   cartão   de   memória   de   grande   capacidade   de   armazenamento   e   velocidade   de   gravação   de   fotos.     Necessitamos   de   uma   teleobjewva   clara   e   de  longo  alcance  (entre  300  a  600  mm),  que  permita  uma  boa   aproximação   das   imagens   e   grandes   aberturas   de   diafragma.   Um   tripé   é   essencial   e   de   grande   uwlidade,   pois   as   lentes   são   pesadas.   Devemos   ter   um   grande   domínio   de   foco   selecionando  sempre  que  possível  o  ponto  central  e  porque  em   muitas   das   situações   o   foco   manual   é   o   mais   aconselhado   devido   a   folhas   ou   galhos   que   se   misturam   no   enquadramento.   Uwlizar   o   modo   pontual   e   diafragma   bem   aberto   para   ter   o   efeito   do   desfoque   das   folhas   e   galhos   criando   um   bouket   perfeito.   A   uwlização   da   prioridade   à   velocidade   é   o   que   aconselho  pois  as  melhores  imagens  são  aquelas  em  que  os            

aves  

 José  Vieira  nasceu  em  Angola  em  1963.  Desde  cedo  aprendeu  a     conviver   com   a   natureza   e   a   usufruir   da   sua   beleza.   Sempre      gostou   de   fotografia   mas   foi   na   universidade   que   começou   a    abraçar  com  mais  cuidado  esta  arte  nos  desafios  que  a  cadeira    de  fotografia  exigia.        Tem  desenvolvido  diversos  projetos  individuais  mas  é  em  grupo    que   gosta   de   trabalhar.   Criou   o   “GFCC”,   grupo   de   fotógrafos   de    Cantanhede   e   orienta   e   coordena   o   grupo   de   fotógrafos   “Os     Paparazzi”.        Tem  parwcipado  em  diversas  exposições  individuais  e  colewvas.    Colabora   para   a   revista   Phocal   Photovisions.   É   formado   em     belas  artes/pintura  pela  ESTAC  –  Coimbra.         pássaros   estão   a   chegar   ou   a   parwr   do   galho,   ou   ter   a   sorte   e   a   técnica   de   congelar   a   imagem   de   uma   luta   pelo   território   ou   comida  entre  eles.  Quando  fotografar  aves  é  crucial  focar  com   precisão,   independentemente   do   enquadramento,   e   fixe   o   ponto   de   foco   nos   olhos.   Há   quem   use   o   flash   neste   wpo   de   fotografia   embora   eu   não   o   faça.   É,   no   entanto   uma   possibilidade   que   resulta   em   determinadas   situações.   Uma   técnica   que   ajuda   em   situações   de   grandes   distâncias   é   o   digiscoping,   que   é   um   método   de   fotografar   uwlizando   uma   câmara   digital   reflexa   ou   compacta,   com   o   auxílio   de   um   telescópio.     O   melhor   horário   para   fotografar   são   as   primeiras   horas   da   manhã   e   o   final   da   tarde.   É   nestes   momentos   que   elas   procuram   alimento   e   socializam   e   melhores   momentos   criam   para  uma  boa  fotografia.  O  estudo  dos  hábitos  da  ave  é  um  dos   segredos   das   boas   fotografias,   é   este   conhecimento   que   nos   permite  “a  foto”.  E  é  isto  que  nos  dá  o  ânimo  para  não  desiswr   pois  muitas  horas  se  “perdem”  sem  que  a  dita  “foto”  resulte  e   muitas   vezes   nem   a   própria   ave   se   mostra   ou   aparece.   A   fotografia  de  aves  é  também  uma  awvidade  que  requer  alguns   cuidados   e   alguma   preparação   Žsica.   Às   vezes   é   preciso   percorrer   grandes   distâncias   a   pé,   escalar   encostas,   percorrer   áreas   alagadiças,   calcar   silvas,   etc.   É   necessário   uwlizar   roupas   apropriadas,   como   por   exemplo   botas   de   borracha,   calças   compridas,   chapéu,   repelente,   protetor   solar,   saco   pláswco   e   impermeável  para  acondicionar  o  equipamento.  Devemos  estar   preparados   para   imprevistos:   chuva,   ventos   fortes,   excesso   de   frio  ou  calor,  e  todo  o  wpo  de  bichos.  De  norte  a  sul  do  país,  são   muitas   as   espécies   de   aves   que   povoam   Portugal   nesta   altura   do   ano.   Entre   os   muitos   estuários,   parques   naturais,   jardins   e   zonas  costeiras,  é  possível  encontrar  uma  enorme  variedade  de   espécies  de  aves.  Desde  o  pisco-­‐de-­‐peito-­‐ruivo,  o  chapim  azul,   o   gaio,   a   cotovia,   as   felosas,   o   guarda-­‐rios   até   as   aves   mais   exówcas,   como   flamingos,   graças   e   cegonhas,   não   faltarão   mowvos   fantáswcos   para   apontar   a   nossa   objewva   para   este   ramo  da  fotografia.     Claro  que  aconselho  também  que  pesquisem  em  livros,  revistas   da   especialidade,   sites   especializados,   suportes   em   vídeo,   a   troca  de  experiências  e  workshops  específicos.   O  ideal  neste  wpo  de  foto,  que  vai  além  de  um  simples  registo   deve   ter   em   conta   um   bom   enquadramento   e   o   assunto   deve   ocupar   boa   parte   do   quadro;   o   assunto   deve   procurar   sempre   um  posicionamento  de  maneira  a  compor  os  planos  deixando  o   fundo    “limpo”  e    representawvo    dentro    do  contexto    em  que  a       PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  31  


ave   vive;   os   detalhes   após   a   captura/edição   devem   ser   revelados   de   forma   precisa,   “com   niwdez”   e   bem   focado;   os   planos   devem   estar   bem   definidos,   o   primeiro   ou   o   segundo   plano   deve   ter   uma   profundidade   de   campo   suave   para   formar   um   “pano   de   fundo”   de   maneira   que   o   assunto   principal   se   destaque   e   não   fique   perdido   no   meio   de   muita   informação.   Além  dessas  caracteríswcas  é  preciso  escolher  o  momento  certo   que   resulte   na   “nossa   foto”.   Deixo   aqui   duas   sugestões   fáceis   para   quem   quer   aventurar-­‐se   na   experiência   da   fotografia   de   aves   em   estado   selvagem:   uma   é   a   de   como   fazer   um   abrigo   rápido   e   gastando   o   mínimo   de   dinheiro.   Todos   temos   um   chapéu   de   praia   velho,   portanto   mãos   à   obra;   compram   uns   metros  de  rede  de  vedação  verde  cosem-­‐na  à  volta  da  aba  do   chapéu   fazendo   uma   espécie   de   avental.   De   seguida   forram   a   parte   de   cima   do   chapéu-­‐de-­‐sol   com   a   mesma   rede   para   que   fique  camuflada.  E  já  está,  é  só  colocar  o  abrigo  perto  do  local  a   fotografar,  fazer  umas  ranhuras  no  avental  que  rodeia  o  chapéu   pra  colocar  a  objewva,  sentar  num  banquinho  de  caça  e  “clicar”   deliciando-­‐se   com   as   “capturas”.   A   vantagem   deste   wpo   de   abrigo   é   a   de   que   cabem   duas   pessoas,   pois   nestas   coisas   da   natureza   convém   andarem   aos   pares   por   causa   dos   roubos.   Claro   que   nas   casas   da   especialidade   encontramos   uma   infinidade  de  opções  para  os  abrigos  de  observação  de  aves.  A   outra   são   os   bebedouros/comedouros:   quando   sabemos   do   hábito  e  da  frequência  das  aves  podemos  atraí-­‐las  com  água  e   comida.  Para  isso  basta-­‐nos  criar  no  local  o  nosso  comedouro/ bebedouro.   Então   junte-­‐se   alguns   galhos,   troncos,   musgo,   folhas  ou  outros  elementos  da  natureza  e  a  uma  altura  mais  ou   menos  de  um  metro  a  um  metro  e  meio  e  façamos  uma  espécie   de   “presépio”   para   pássaros   onde   teremos   um   local   (que   não   deve   ser   visível   do   ponto   de   vista   de   quem   fotografa)   para   a   comida,   especifica   para   determinada   espécie   e   criar   também   um   espaço   para   a   água   num   pequeno   recipiente   de   pláswco   preto   (também   não   visível   do   ponto   de   vista   de   quem   fotografa).   Isto   porque   não   fica   bem   nem   estéwco   ver-­‐se   a   comida  na  fotografia  final.  A  fotografia  tem  de  parecer  o  mais   natural   possível.   O   comedouro   deve   ser   bonito   atrawvo   e   o   mais   aproximado   do   meio   em   que   os   pássaros   vivem.   Não   deve,   pelas   razões   acima   referidas,   parecer   arwficial.   Como   resumo   não   esqueça:   Todo   o   alimento   a   disponibilizar   nos   comedouros   deve   estar   em   perfeito   estado   de   conservação.   Ao   publicar  fotos  de  aves  obwdas  em  comedouros  arwficiais,  evite   que  o  alimento  esteja  visível  na  fotografia.  Tal  pormenor  rewra   naturalidade  à  imagem  Do  mesmo  modo  procure  não  publicar   fotografias   de   aves   a   alimentarem-­‐se   em   comedouros   arwficiais.   Procure   usar   como   poisos   ramos   cuja   espessura   esteja   adequada   ao   tamanho   da   ave   a   fotografar.   Exemplo:   para  aves  pequenas  use  ramos  finos.  Não  publique  fotografias   de   aves   poisadas   em   ramos   quebrados   recentemente,   desde   que   a   parte   parwda   do   ramo   seja   visível   na   fotografia.   A   água   dos   bebedouros   deve   ser   subswtuída   periodicamente.   Não   construa   Comedouros   ou   Bebedouros   junto   de   locais   frequentados   por   predadores   de   aves.   Mantenha,   sobre   este   aspeto,  constante  vigilância.  Por  fim  respeite  a  natureza,  deixe   tudo  como  encontrou.     CÓDIGO  DE  ÉTICA  DA  OBSERVAÇÃO  DE  AVES   1.  Promover  o  bem-­‐estar  das  aves  e  de  seu  ambiente.   1(a).  Manter  a  proteção  de  importantes  habitats  das  aves;   1(b).Evitar   stressar   as   aves   ou   colocá-­‐las   em   perigo,   ter     moderação  no  exercício,  cuidado  durante  a  observação,  seja  na        32  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS          

fotografia,   gravação   de   som   ou   filmagem.   Manter-­‐se   bem   atrás   dos  ninhos  e  colónias  de  ninhos,  poleiros,  áreas  de  exposição,  e   importantes   locais   de   alimentação.   Em   tais   áreas   sensíveis,   se   houver   necessidade   de   extensão   de   observação,   fotografia,   filme  ou  gravação,  tente  fazê-­‐lo  às  cegas  ou  escondido,  wrando   proveito   da   cobertura   natural.   Use   luz   arwficial   escassa   para   filmar  ou  fotografar,  principalmente  para  os  closes;   1(c).   Antes   de   anunciar   a   presença   de   uma   ave   rara,   avalie   o   potencial   de   distúrbio   para   a   ave,   seus   arredores,   e   outras   pessoas   na   área,   e   proceda   apenas   se   o   acesso   puder   ser   controlado,   distúrbio   minimizado,   e   permissão   tenha   sida   obwda   do   dono   da   área   privada.   Os   locais   de   nidificação   rara   devem   ser   divulgados   apenas   para   as   autoridades   próprias   de   conservação;     1(d).   Fique   nos   caminhos,   rastros,   e   pistas   onde   exiswrem;   senão,  mantenha  o  distúrbio  ao  habitat  o  mínimo  possível.   2.  Respeite  a  lei  e  os  direitos  do  próximo.   2(a).   Não   entre   em   propriedade   privada   sem   a   permissão   explícita  do  dono.   2(b).   Prawque   cortesia   comum   nos   contatos   com   outras   pessoas.   Sua   awtude   exemplar   gerará   boa   vontade   daqueles   que  são  observadores  de  aves  como  dos  que  não  o  são.   3.   Cerwfique-­‐se   que   os   alimentadores,   estrutura   dos   ninhos,   e   outros  meios  arwficiais  para  os  pássaros  sejam  seguros.   3(a).   Mantenha   distribuidores   automáwcos,   água,   e   comida   limpa   e   livre   de   deterioração   ou   doenças.   É   importante   alimentar  as  aves  conwnuamente  durante  tempos  diŽceis;   3(b).  Se  você  eswver  atraindo  aves  para  uma  área,  assegure-­‐se   que   as   aves   não   estão   expostas   à   predação   de   animais   doméswcos.   4.   Observação   de   aves   em   grupo,   mesmo   que   organizadas   ou   improvisadas,   necessitam   de   atenção   especial.   Cada   indivíduo   no   grupo,   além   das   obrigações   dos   itens   1   e   2,   têm   responsabilidades  como  um  membro  do  grupo.   4(a).   Respeite   os   interesses,   direitos   e   habilidades   dos   camaradas   observadores   de   aves.   Divida   livremente   seu   conhecimento   e   experiência,   exceto   no   caso   de   aplicação   do   item  1  (c).  Seja  especialmente  úwl  para  observadores  iniciantes;   4(b).  Se  você  testemunhar  awtude  anw-­‐éwca,  avalie  a  situação  e   intervenha  caso  ache  prudente.  Enquanto  eswver  intercedendo,   informe  a  pessoa  do  ato  inapropriado,  e  tente,  dentro  da  razão,   o   fim   de   tal   ato.   Se   a   conduta   conwnuar,   documente-­‐a,   e   nowfique  a  organização  ou  pessoa  apropriada.     4(c).  Seja  um  modelo  exemplar  de  éwca  para  o  grupo.     4(d).   Mantenha   grupos   em   um   tamanho   que   limite   o   impacto   ao   meio   ambiente,   e   não   interfira   com   outros   que   estejam   usando  a  mesma  área.   4(e).  Cerwfique-­‐se  que  cada  um  no  grupo  saiba  e  prawque  esse   código.   4(f).   Aprenda   e   informe   o   grupo   sobre   qualquer   circunstância   especial  em  relação  à  área  que  está  sendo  visitada  (Ex.:  não  é   permiwdo  o  uso  de  gravador)   Por   favor,   siga   esse   código   e   distribua   para   que   possa   ser   ensinado  a  todos   Extraído,  devidamente  autorizado,  do  site  da  American  Birding   Associawon’s  |  ABA,  PO  Box  6599,  Colorado  Springs,  CO  80934,   USA  |  Phone  (719)  578-­‐9703;  fax  (719)  578-­‐1480;     email:  member@aba.org     Tradução:  Renata  de  Freitas  Marwns          


JOSÉ  VIEIRA   CANTANHEDE  –  PORTUGAL     JOSEVIEIRAPT@GMAIL.COM    |  HTTP://WWW.JOSEVIEIRA-­‐PHOTOGRAPHY.COM/   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  JOSÉ  VIEIRA  

 

PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  33      


34  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS  


PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  35  


rodrigo   belavista  

                                            Gravado  nas  pedras.     Antes  de  mais,  pede-­‐se  licença  para  entrar.   E,  se  for  caso  disso,  ajeita-­‐se  o  modo  de  maneira  a  que  se  deixe   viciar  de  um  modo  sedento  e  de  uma  qualquer  vil  maneira.     A   razão,   que   nunca   será   para   aqui   chamada,   é   encerrada   numa   caixa   blindada,   acorrentada   e   deitada   ao   fundo   do   mar.   A   opção  é  roubar-­‐lhe  a  respiração,  amordaçá-­‐la  e  não  demorar  a   decidir   que   não   existe,   que   se   exwngue   por   sádico   decreto   ou   masoquista  submissão.       Nestas   coisas   das   pedras   gravadas   a   sangue,   a   memória   apresenta-­‐se   como   a   maior   traidora,   senhora   de   si   e   dos   seus   planaltos  domínios,  senhora  da  pele  dura  e  arrepiada,  senhora   que  detém  e  abana,  o  simples  toque  de  uma  mão.   A  permiwda  entrada.     Antes  que  os  foguetes  se  façam  ouvir  nas  estradas  dos  pardos   silêncios,   já   a   emoção   festeja,   embriagada.   Vem   abraçada   ao   bombear   do   entusiasmo,   moço   ridículo   de   calças   à   meia   canela   e  suspensório  carmesim.     Ao   abrir   daquela   porta   a   visão   é   turva,   vê-­‐se   gente   contente,   vê-­‐se   a   tremida   alma   de   tonta   gente,   vê-­‐se   o   pular   de   um   grito,   o  dançar  de  um  peito,  outro  vaidoso  andar  a  preceito,  vê-­‐se  um   espelho   estragado,   um   tapete   comprido   e   bonito   aos   olhos   pisados,   vê-­‐se   um   nunca   mais   acabar   do   festejo,   a   saliva   de   copo  na  mão,  o  piso  dançado  e  lotado  daquele  salão.       Depois,   vê-­‐se   a   entrada   dos   senhores   de   fraque,   colarinho   engomado   por   pedaços   de   natas,   vincos   certeiros   comprados   sem   crédito,   sapato   engraxado   pela   mão   do   perfeito.   São   os   verbos  a  liderar,  cabeça  lambida  à  certeza  penteada,  nariz  lá  no   alto   a   esquecer   a   berma   da   estrada,   olhar   convincente   e   o   saber  que  a  convicção  é  canção  que  não  esmaga.     Entram   os   verbos,   mãos   dadas   aos   seus   tempos,   passos   acertados   aos   seus   pares.   Entra   o   desejo   a   arfar,   a   posse   agarrada  ao  querer,  a  certeza  entre  o  ponderar  e  o  possuir.       Entra  o  ciúme  abraçado  à  inveja,  o  beijo  cola-­‐se  ao  mal  veswdo   afago,  o  namoro  e  a  circunstância  entram  de  maneira  singular.   E   muitos   mais   entram   nesta   dança   sem   convite,   porta   aberta   porque  a  sorte  assim  o  disse  e  o  acaso  também  o  permite.            

          Alentejano   de   alma,   coração   e   raiz,   residente   dos   reflexos   do     Sado,  não  se  chama  Rodrigo  –  porque  assim  não  foi  registado  –     não  vive  no  apelido  Belavista,  embora  o  mesmo  seja  a  moradia     da     fazenda   das   metáforas   e   das   analogias.   O   que   olha,   não   é   necessariamente   o   que   vê,   tão   só   o   que   entende.   E,   nesse   seu     entender,   iniciou   a   emoldurar   as   fracções   de   vida   fotografadas     com   palavras.   Palavras   da   razão,   da   emoção,   da   alegria   e   da     tristeza.  De  tudo,  porque  tudo  assim  lhe  merece  ser  gravado  na     rewna,   mas  também  no  preto  gravado  na  virgem  planície  branca     onde,   n as  mesmas,  teima  em  semear.     Confesso   outsider  das  complexidades  fotográficas,  chama  a  si  os     cliques   paridos   na   urgência   de   os   escrever,   oxigénio   dos   seus     dias.  E  não  sendo  figura  de  citações,  vive  pendurado  na  beleza     cantada   de   Antony   &   The   Johnsons:   ‘We   live   together,   in   a     photograph   of  wme’.           Entram   todos   e   dançam   aquela   música   que   se   torna   canção,   corpos   do   nada   a   simular   união,   entram   as   vezes   que   por   vezes   não  aparecem,  dançam  os  calores,  humores,  favores  no  círculo   marcado  no  chão.       A   festa   não   programada,   a   canção   que   não   foi   cantada   e   o   contrato   sem   recibo   da   vontade,   designada   animadora   do   entretanto.   Quantos   mais   vão   entrando,   cheia   e   cega   se   descobre  a  proscrita,  feia  de  andarilhos  –  a  tal  que  aqui  se  osou   não  mais  evocar  –  a  razão.     Muda,   habita   o   espaço   de   dois   pés   no   canto   mais   escuro   daquele   arraial.   E   é   neste   momento   arrancado   que   se   faz   anunciar  a  paixão,  pestanas  a  tocar  o  quase,  lábios  de  vermelho   inferno,   cintura   no   molde   que   o   olhar   teceu.   E   se   o   momento   serve   as   bebidas   em   bandeja   de   prata,   também   sabe   que   a   paixão   tem   a   lata   de   dizer,   goela   alterada   e   músculo   nas   palavras   que,   ali   onde   todos   os   convidados   o   foram   sem   de   facto  o  terem  sido,  a  casa  de  porta  aberta  serve  para  hoje.     Diz   mais,   ainda.   Diz   que   hoje   já   faz   parte   do   ontem   e   que   todos   entraram  sem  convite  na  mão.  E  que  o  amor,  senhorio  da  casa   e   dono   do   salão,   ficou   lá   fora,   gravado   na   pedra.   Aguarda   o   fim   da  loucura,  fantasia  embrulhada  em  papel  de  amanhã  e  prefere   ser  duro  e  frio,  enfeitado  porteiro  e  segurança  das  poucas  vezes   em  que,  ali  especado,  se  lhe  assoma  outro  igual,  imperfeito  na   forma  e  raro  na  ocasião.   Porque,   diz   ali   especado,   tão   duro   não   fica   se   fizerem   outra   festa,  grandiosa  ou  modesta,  e  para  ela  convidarem  a  razão.                                       PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  37            

fotografias  escritas  


As  mil  maneiras  de  segurar  um  Sol       Amanhã  vais  perguntar-­‐lhe  o  que  não  sabes.   Amanhã   vais   perguntar-­‐lhe   porque   se   nasce,   de   morte   anunciada,   porque   comemos   o   que   não   temos,   porque   nos   encontrámos   ou   desaparecemos,   vais   querer   saber   o   sabor   dos   telhados  das  casas  de  pão-­‐de-­‐ló,  vais  querer  lamber  feridas  que   não  se  mostram,  também  procurar  o  que  não  existe.     Amanhã  vais  empurra-­‐lo  num  caminho  sem  senwdo,  queswonar   a   razão   de   todo   e   qualquer   pedido,   soltar   gritos   de   espanto   perante   um   pranto   envelhecido,   vais   querer   navegar   onde   a   água  é  uma  miragem,  sobrevoar  toda  a  superŽcie  de  um  prado   de   argila,   mergulhar   a   pés   juntos   num   doce   de   gila   e   queimar   um   incenso   sem   cheiro   ou   outras   lamparinas   tão   cheias   de   vazio.     Amanhã   vais   embalá-­‐lo   sem   braços,   adormecê-­‐lo   em   sonhos   sem  nicowna,  acordá-­‐lo  com  o  silêncio  da  tua  ausência.  Amanhã   vais   patrocinar   uma   trovoada,   só   para   mostrares   o   tamanho   dos   teus   dedos,   vais   desvendar   o   que   nunca   foi   segredo   e   esconder   o   que   jamais   passou   da   novidade,   vais   tricotar   um   colete  de  medos,  chamar-­‐lhe  nomes  complicados,  salteá-­‐lo  em   lume  brando  e  provar,  colher  de  osso  na  mão  e  olhar  azedo.   Amanhã   vais   querer   um   Sol   só   para   w.   Vais   perguntar-­‐lhe   o   que   sabe   da   caça   ao   mesmo,   insiswr   e   vergá-­‐lo   na   força   da   conquista,   vais   ainda   sorrir   sem   o   querer,   oferecer   enfeitados   presentes,  dedicar  bafientas  canções.                                

38  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      

Na   ameaça   de   lhe   sorveres   o   conteúdo   dos   olhos,   ameaças   a   pergunta  e  vais  querer  saber  as  mil  maneiras  de  segurar  um  Sol.     Amanhã  vais  fazer  de  tudo  para  ele  se  tornar  cedo,  entrecosto   da  tarde  e  meio-­‐irmão  do  nada.   Amanhã,  quando  ele  se  tornar  presa  de  dez  sujos  lençóis,  passo   amarrado  a  um  piso  abismo,  vais  perguntar  uma  úlwma  vez.       A   voz   ameaça   a   queda,   a   queda   anuncia   a   morte,   a   morte   anunciada,   para   a   qual   se   nasce,   na   tua   primeira   pergunta   formulada.  E,  de  novo,  faltará  o  senwdo.     Antes   que   o   amanhã   acorde   rabugento,   responder-­‐te-­‐á,   na   esquina   do   medo,   que   o   Sol   não   é   o   que   te   gravaram   na   definição,  o  Sol  podem  ser  elas,  eles,  outros,  aqueles.       Pode  até  ser  aquele  pé  de  feijão,  que  cresceu  para  dar  sombra   aos   três   dedos   do   pé   direito,   pode   ser   um   sorriso,   uma   corrida,   um  olá,  um  banco  de  madeira  estragada  onde  haja  espaço  para   duas  mãos.     E  mais  te  dirá,  antes  que  de  cedo  se  comece  a  chamar  tarde.       Amanhã,  não  lhe  perguntes  mais.     O  Sol  é  de  manobras  diŽceis,  escapa  à  asfixia  de  fios  mandões   quando  a  resposta  é  tão  simples,  porque  tu  já  és  Sol  a  queimar-­‐ te   o   peito   e   mais   Sol   serás,   por   tantas   chuvas   que   venham   inundar-­‐te.  E  afinal,  sem  te  deixares  enlear,  tens  um  Sol  a  bailar   nos  teus  fios  e  outro  gravado  na  pele  de  um  feito.  


projetos  e  fotógrafos  

d

d

i

a

r

t

e  

Diamanwno   Jesus   nasceu   em   Licenciou-­‐se   em   Engenharia   Química   Fevereiro   de   1969,   na   Ilha   da   pelo  IST  em  Lisboa.     M a d e i r a .   D e s d e   a   i n f â n c i a   Juntos   desde   1999,   estes   arwstas   demonstrou   grande   interesse   pela   criaram  a  DDiArte,  que  se  dedicava  à   arte,  revelando  enorme  talento  para   pintura,   realizando   exposições   a   pintura   e   desenho.   Após   a   colecwvas   e   individuais,   assim   como   licenciatura   em   Arte   e   design   pela   pinturas  da  sua  autoria  em  tectos  de   Universidade  da  Madeira  foi  estudar   igrejas.     dois  anos  de  restauro  em  Pamplona,   Em   2003,   surgiu   o   interesse   pela   Espanha.  Zé  Diogo  nasceu  em  Março   f o t o g r a fi a   d i g i t a l ,   e   c o m o   de   1966,   na   ilha   da   Madeira.   Desde   autodidatas   nesta   área,   produziram   muito   cedo   revelou   talento   para   a   o b r a s   d e   g r a n d e   q u a l i d a d e ,   pintura   e   desenho   assim   como   consideradas   como   obras   de   arte   e   grande   interesse   por   ciência   e   algumas  das  quais  premiadas  a  nível   tecnologia.     internacional.             Prémios  e  Dishnções             2012   –   "Trierenberg   Super   Circuit   Photography"   -­‐   Medalha   de   –  “3th  Photogarphy  Masters  Cup”  -­‐  Nova  Iorque  e  Londres     Ouro   by   the   "Photographic   Society   of   America"   for   best   in   2009  –  Duas  fotografias  publicadas  na  revista  francesa  PHOTO,   show,   Medalha   de   Ouro   by   the   "Internawonal   Federawon   of   uma   delas   com   destaque   de   pagina   inteira,   como   umas   das   photographic   art",   Medalha   de   Ouro   in   "   DIGITAL   IMAGES   melhores  imagens  do  maior  concurso  de  fotografia  do  mundo,   GENERAL",   Medalha   de   Ouro   in   Special   Themes   NUDES   no  tema  “Fotografia  Digital”  -­‐  Paris     Medalha  de  Ouro  in  "CANON-­‐you  can,  gold  medal  in  "DIGITAL   2008   –   Uma   fotografia   publicada   na   revista   francesa   PHOTO,   IMAGES  EXPERIMENTAL  "     como   uma   das   melhores   imagens   do   maior   concurso   de   2012   –   Uma   fotografia   publicadas   na   revista   francesa   PHOTO   fotografia  do  mundo  -­‐  Paris     após  concurso  internacional,  como  uma  das  melhores  imagens   2007   –   Duas   fotografias   publicada   na   revista   francesa   PHOTO,   do  maior  concurso  de  fotografia  do  mundo,  no  tema  “Nus”     como   umas   das   melhores   imagens   do   maior   concurso   de   2011  –  Primeiros  Classificados  em  Fotografia  no  "Internawonal   fotografia  do  mundo  -­‐  Paris     Contemporary   Master   Award"   para   o   World   Wide   Art   Books   -­‐   2006  -­‐  European  Newspaper  Award  -­‐  Award  of  Excellence  (Foto   Stª  Barbara,  California,  USA     da  Capa  de  um  suplemento  do  Diário  de  No•cias  da  Madeira)  -­‐   2011  –"Merit  of  Excellence"  ,  Menção  Honrosa  e  5  nomeações   Londres     na   categorias   "Nudes",   uma   nomeação   em   "Fine   Art",   uma   2006   –   Uma   fotografia   publicada   na   revista   francesa   PHOTO,   nomeação   em   "Fashion"   e   3   nomeações   em   "Adverwsing"   no   com   destaque   de   página   inteira,   como   umas   das   melhores   concurso   internacional   "5th   Annual   Photography   Masters   Cup".   imagens   do   maior   concurso   de   fotografia   do   mundo,   no   tema   Todas   estas   imagens   estão   incluídas   no   catálogo   de   luxo   da   “Charme”  com  a  modelo  Tábata  Sá  -­‐  Paris     "Internawonal   Color   Awards"   e   publicadas   na   PHOTO   Paper   2005  -­‐  Medalha  de  Ouro  Gaudi  no  “Prémio  Cidade  de  Réus  de   Magazine   assim   como   no   "World   Photographic   Arts   Movie"   -­‐   Fotografia”   na   “VI   Bienal   Internacional   de   Fotografia   XLV   Nova  York  e  Londres     Medalla   Gaudi”   –   2005,   com   o   apoio   da   Federação   2011  –  "FEP  Silver  Camera",  dois  "Golden  Awards",  dois  "Silver   Internacional   da   Arte   Fotográfica   (FIAP).   Esteve   exposta   na   Awards"   e   um   "Bronze   Award"   na   categoria"Ilustrawve"   e   um   Câmara  Municipal  de  Réus  -­‐  Catalunha,  Espanha     "Silver   Awards"   na   categoria   "Commercial"   no   evento   2004  -­‐  Um  de  quatro  vencedores  da  recreação  do  logo  da  casa   "Fotógrafos  Europeus  do  ano  2011"  -­‐  pela  Federação  Europeia   das  mudas,  na  Madeira  com  um  trabalho  fotográfico  -­‐  Madeira,   de  Fotógrafos  -­‐  Bruxelas     Portugal     2011   –   Eleitos   por   unanimidade   "Fotógrafos   Europeus   do   ano   2004   –   Três   fotografias   selecionadas   em   concurso   internacional   2010  em  "Fine  Art""  -­‐  pela  Federação  Europeia  de  Fotógrafos  -­‐   para   integrar   uma   exposição,   de   24   obras,   que   passou   pelas   Bruxelas     principais  sedes  da  Caja  de  España  -­‐  Espanha.     2011   –   Três   fotografias   publicadas   na   revista   francesa   PHOTO   2004   –   Duas   fotografias   publicada   na   revista   francesa   PHOTO,   após   concurso   internacional,   uma   delas   com   destaque   de   como   umas   das   melhores   imagens   do   maior   concurso   de   pagina   inteira,   como   umas   das   melhores   imagens   do   maior   fotografia  do  mundo  -­‐  Paris     concurso  de  fotografia  do  mundo,  no  tema  “Nus”     2003  -­‐  Fotografia  galardoada  com  o  prémio  PHOTO  /  CEGETEL   2010   –Quatro   fotografias   incluída   no   catálogo   de   luxo   da   em  Paris  por  ocasião  do  concurso  “Liberdade  do  Telefone  Fixo”,   “Internawonal   Color   Awards”,   entre   as   melhores,   duas   na   publicada  na  revista  francesa  PHOTO  e  exposta  em  outdoors  na   categoria   de   “Nude   Professional”,   uma   fotografia   na   categoria   cidade  de  Paris  durante  uma  semana  em  Agosto  de  2003  -­‐  Paris     de   "Adverwsing   professional"   e   uma   na   categoria   de   "Fine   Art   2003   -­‐   Fotografia   selecionada   para   o   “Prémio   Cidade   de   Réus   Professional",   após   concurso   internacional   -­‐   “4th   Photogarphy   de   Fotografia”   na   “V   Bienal   Internacional   de   Fotografia   XLIII   Masters  Cup”  -­‐  Nova  Iorque  e  Londres     Medalla   Gaudi”   –   2003,   com   o   apoio   da   Federação   2009   –Uma   fotografia   incluída   no   catálogo   de   luxo   da   Internacional   da   Arte   Fotográfica   (FIAP).   Esteve   exposta   na   “Internawonal   Color   Awards”,   entre   as   50   melhores,   na   Câmara  Municipal  de  Réus  -­‐  Catalunha,  Espanha     categoria  de  “Nude  Professional”,  após  concurso  internacional       PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  39                  


Exposições   2011   –   “Corpo   e   Alma”   –   exposição   individual   no   Aliance   Underground  Museum  -­‐  Portugal     2011  –  "Família  -­‐  Universo  de  Afetos"  -­‐  exposição  individual  na   FNAC-­‐Madeira,  Portugal     2011   –   Exposição   colecwva   dos   vencedores   "Fotógrafos   Europeus  do  ano  2011"  -­‐  Zoom  Gallery  -­‐  Bélgica,  Bruxelas     2011  –  Exposição  colecwva  "Os  Livros  da  Bíblia"  -­‐  Galeria  João   Paulo  II  -­‐  Portugal,  Madeira     2011   –   Exposição   colecwva   "Femina"   -­‐   Museu   Casa   da   Luz   -­‐   Portugal,  Madeira     2010  -­‐  "NAMBAN  JIN  3"-­‐  na  galeria  de  arte  Eye  of  Gyre  Gallery  -­‐   Exposição   Portuguesa   pela   Comemoração   dos   150   Anos   sobre   o  “Tratado  de  Paz,  Amizade  e  Comércio  entre  Portugal  e  Japão”   -­‐  Japão,  Tóquio     2010  -­‐  "Baby  Boom"  na  galeria  da  FNAC-­‐Madeira     2009   –   “Corpvs”   –   exposição   individual   no   Museu   Wurth   La   Rioja,  com  25  obras  de  grande  formato  -­‐  Espanha     2009  –  "Era  uma  vez"  na  galeria  da  FNAC-­‐Madeira     2009   –   “People   and   Landscape”   –   Exposição   de   16   Nus   ar•swcos  na  Falkenstern  Fine  Art  Gallery  -­‐  Alemanha     2008   –   “Dias   Felizes”   Exposição   Colecwva   na   Casa   da   Guia   –   Portugal,  Cascais     2008  –  “Nu  Senwdo”,  exposição  iwnerante,  em  diversos  Centros   Culturais   e   galerias,   das   principais   cidades   do   Brasil,   em   mulwmédia,  com  obras  de  nu  ar•swco  -­‐  Brasil     2008  –  Exposição  colecwva  “Corpo  e  Matéria  –  cinco  arwstas  na   Madeira”,  Coleção  Berardo,  no  Sintra  Museu  de  Arte  Moderna   –  Portugal     2008  –  "Fadinhas"  na  galeria  da  FNAC-­‐Madeira          Pedro  Sarmento  –  A  DDiArte  foi  criada  em  1999  mas  não  Bnha    nada   a   ver   com   fotografia,   a   vossa   ideia   inicial   estava    definiBvamente  ligada  ás  artes,  como  é  que  isso  despertou  em    vocês?   Foi   a   vossa   formação   académica   que   vos     influenciou    para  este  projeto?      Zé  Diogo  –  Em  1999  criamos  um  atelier  de  pintura,  após  termos    pintado   um   teto   de   igreja,   320m2,   de   criação   nossa,   e    conwnuamos   a   fazer   pinturas   em   capelas   e   exposições   de    pintura.        Em   2003   compramos   um   computador   em   que   vinha   uma   câmara  digital  e  tudo  começou  aí,  descobrimos  o  Photoshop  e   experiência   atrás   de   experiência   tomamos   os   gosto   por   fotografar   e   depois   trabalhar   a   imagem   no   Photoshop   o   qual   aprendemos   tudo   por   nós   próprios,   foram   muitas   horas   de   descoberta  e  talhando  os  nossos  próprios  métodos  de  trabalhar   uma   imagem,   o   qual   ainda   não   terminamos   estamos   sempre   experimentado   e   descobrindo   coisas   novas.   Sim   podemos   dizer   que   as   nossas   formações   académicas   influenciaram,   toda   esta   aventura,  eu  como  Eng  Químico  ligado  às  ciências  e  tecnologias   e  o  Diamanwno  como  licenciado  em  Artes  Pláswcas.       PS  –  Mais  tarde  veio  a  fotografia,  como  é  que  foi  para  vocês   enquadrar  a  fotografia  e  a  pintura,  a  combinação  das  duas  na   criação  de  obras  de  arte?   ZD   -­‐   A   combinação   foi   perfeita   e   natural,   foi   como   trocar   os   pinceis  pelo  rato  e  criar  o  mesmo  wpo  de  obras  que  sempre  nos   fascinou.  Na  pintura  fazíamos  tudo  muito  à  base  do  figurawvo  e   realista,  tudo  muito  perfeito,  e  com  a  fotografia  notamos  que   tudo  ainda  poderia  ser  mais  perfeito  e  inovador.  Brincar    com    a         40|     PHOCAL  PHOTOVISIONS          

2007  –  Exposição  colecwva  “Corpo  e  Matéria  –  cinco  arwstas  na   Madeira”,   Coleção   Berardo,   25   obras,   no   centro   das   Artes   Casa   das  Mudas  -­‐  Madeira,  Portugal     2006   –   20   fotografias   em   grande   formato   adquiridas   pela   Coleção   Berardo   que   deu   origem   à   exposição   individual   “Miragens   Perversas”   na   sede   da   empresa   vinícola   Bacalhôa   Vinhos  de  Portugal  -­‐  Portugal,  Azeitão     2006   –   Exposição   colecwva   “Sem   Qualidade”,   no   café   Fora   d ´Oras  -­‐  Madeira,  Portugal       Publicações  com  maior  relevância   "World   Wide   Art   Books"   -­‐   Stª   Barbara,   California,   USA   -­‐   Portefólio     "Prawcal  Photoshop"  nº  8  -­‐  Inglaterra  -­‐  "Square  Sin"     "Federacion  Española  de  Profesionales  de  la  Fotografia  y  de  la   Imagen"-­‐   Espanha   de   Julho/Agosto   -­‐   24   paginas   dedicadas   a   DDiArte     "Obvios"  -­‐  Brasil  -­‐  Portefólio     "Photo  Paper  2010"  -­‐  USA  -­‐  Fotos  vencedoras  do  Master  cup  of   photography     "O  Mundo  da  Fotografia  Digital"  -­‐  Portugal  -­‐  Capa  e  portefólio     "DP   Arte   Fotográfica   -­‐   Especial   DDiArte"   -­‐   Portugal   -­‐   Capa   e   portefólio       "DP   Arte   Fotográfica   -­‐   Conceptual"   -­‐   Portugal   -­‐   Capa   e   Portefólio     "Edit  mag"  -­‐  Portugal  -­‐  Mitologia  e  símbolos  contemporâneos     "Spirit"   companhia   aérea   SATA   Internacional   -­‐   Portugal   -­‐   Portefólio     "Photo"  -­‐  França  -­‐  fotos  vencedoras  do  seu  concurso  anual  

luz,  sombras  e  volumes  era  como  pintar  numa  tela.     PS  –  Esta  vossa  aventura  pela  fotografia  nomeadamente  pela     manipulação   digital   de   imagens   foi   o   culminar   do   sucesso   que   à  hoje  o  vosso  projeto?   ZD  –  Sim  podemos  dizer  que  sim,  mas  também  podemos  dizer   que   ainda   temos   muito   para   fazer,   as   ideias   estão   sempre   surgindo,   pena   nao   termos   tempo   para   concrewza-­‐las   todas.   Mas   quando   começamos,   era   tudo   uma   grande   brincadeira,   nunca   pensamos   que   chegaríamos   a   ter   o   sucesso   que   alcançamos,  principalmente  no  estrangeiro.     PS   –   Quando   vocês   iniciaram   este   projeto,   e   apesar   da   qualidade   que   cada   um   de   vocês   demonstrava   possuir,   passava-­‐vos  pela  cabeça  um  dia  terem  obras  vossas  no  Museu   Berardo??       ZD  –  Não  nunca,  foi  coisa  que  nunca  nos  passou  pela  cabeça  até   sermos  contactados  pelo  comendador  Berardo.       PS  –  Os  DDiArte  tem  ganho  inúmeros  prémios  internacionais,   e  em  virtude  disso  a  vossa  visibilidade  internacional  têm  sido   enorme.  Como  é  que  vocês  vêm  o  mercado  Nacional?  Portugal   reconhece   o   vosso   trabalho   da   mesma   forma   que   o   estrangeiro  já    o  faz?   ZD   –   Desde   o   inicio   que   nunca   nos   preocupamos   com   os   mercados,   nem   os   nacionais   nem   os   estrangeiros,   se   calhar   por   duas   razões,   uma   por   não   vivermos   da   nossa   arte,   pois   temos   outras   profissões   que   exercemos   como   fonte   de   rendimento   seguro.        


Claro   que   gostaríamos   de   viver   exclusivamente   da   fotografia   ar•swca   mas   cá   em   Portugal   e   nomeadamente   na   Madeira   é   impossível,   e   outra   porque   fazemos   aquilo   que   nos   vem   à   cabeça  e  não  o  que  estará  na  moda  a  pensar  se  vamos  ou  não   vender,  é  tudo  feito  por  mais  puro  prazer.       PS   –   Dizem   que   vocês   têm   sonhos,   (quem   e   que   os   não   têm)   mas   que   os   vossos   é   o     de   verem   as   vossas   obras   em   determinados   locais   do   Planeta.   Até   quão   longe   vai   o   vosso   sonho......  podem  desvendar  algo  sobre  isso?       ZD   –   Sim,   acho   que   qualquer   arwsta   que   tem   uma   carreira   como  a  nossa,  que  veio  sempre  em  crescendo  almeja  por  ter  as   suas   obras   em   museus   emblemáwcos   em   certos   locais   do   mundo.       PS   –   Outra   das   vossas   ideias   que   pretendem   transmiBr   à   sociedade,    é  que  no  vosso  Mundo,  o  da  DDiArte....    as  pessoas   são   convidadas   a   ceder   à   tentação   da   imaginação   e   da   ilusão.     Têm  conseguido  levar  essa  mensagem  ás  pessoas?   ZD  -­‐  Achamos  que  sim,  pois  é  muito  interessante  estar  atento   aos  comentários  das  pessoas  que  veem  as  nossas  obras  ao  vivo,   por  vezes  até  vão  bem  longe  na  sua  imaginação  e  veem  coisas   que  até  nós  próprios  não  vimos.     PS   –     Quando   se   tem   um   trabalho     publicado   na   revista   francesa   PHOTO   ,   é   um   orgulho   para   qualquer     profissional   ligado   á   fotografia,   ,   qual   foi   a   primeira   sensação   quando   Bveram  conhecimento  disso?     ZD  -­‐  Sim  uma  sensação  muito  boa  mesmo,  e  de  grande  orgulho,   quando   foi   a   primeira   vez,   já   lá   vão   8   anos,   principalmente   porque   foi   logo   no   inicio   da   nossa   aventura,   que   foi   quando   ganhamos   o   concurso   PHOTO/CEGETEL,   a   parwr   daí   tem   sido   todos  os  anos  publicadas  fotos  nossas  em  que  wvemos  3  anos   com  página  inteira  de  destaque.       Claro   que   hoje   em   dia   damos   mais   importância   a   outros   concursos   muito   mais   importantes   e   com   publicações   de   luxo   como   por   exemplo     o   "internaBonal   Contemporary   Master   Award   2011"   for   World   Wide   Art   Books   in   Stª   Barbara,   California,   USA   em   que   ganhámos   e   Bvemos   direito   a   6   paginas     assim   como     no   "Trierenberg   Super   Circuit   photography"       PS   –   Outra   das   vossas   preocupações   é   o   meio   ambiente,   como   é   que   vocês   vêm   o   abandono   do   Planeta     a   degradação   de   algumas  partes  do  mesmo,  e  como  é  que  acham  que  a  vossa   obra   pode   de   alguma   forma   alertar   consciências   para   esse   problema.     ZD   -­‐   Talvez   por   vivermos   na   madeira,   que   ainda   tem   muitas   zonas   paradisíacas   em   que   a   natureza   ainda   está   intocável,   e   que   cada   vez   as   vemos   mais   ameaçadas   por   tanta   coisa,   que   resolvemos   fazer   umas   quantas   obras   a   alertar   para   esse   problema,  e  claro  generalizando  para  o  planeta  terra.       Daí   pegarmos   em   temas   clássicos   e   mitológico   e   adaptarmos   aos  nosso  dias  exagerando  em  alguns  fatores  para  quem  ver  a   obra  não  fique  indiferente  e  que  o  deixe  a  pensar  naquilo  que   viu,   como   por   exemplo   as   nossas   obras   "Narciso",   David   e   Golias"  "descida  da  cruz"  etc                  

PS   –       A   Luz,   as   formas,   e   o   corpo   são   traços   constantes   na   vossa   obra,   e   vocês   uBlizam   estes   três   componentes   diria   eu   que  como  poucos.         Achas   que   a   conjugação   destes   três   elementos   tão   importantes    na  vida,    é  um  dos  fatores  do  vosso  sucesso?     ZD  -­‐  Para  nós,  sempre  foram  3  fatores  muito  importantes  desde   o  tempo  em  que  pintávamos,  ou  seja  da  adolescência.       Sem  duvida  que  contribuem  muito  para  o  nosso  sucesso,  é  algo   que  nunca  passará  despercebido  quando  bem  trabalhado  e  que   perdurará   para   sempre,   o   fascínio   pelo   corpo   humano   já   vem   desde  os  mais  anwgos  e  com  certeza  perdurará  enquanto  exiswr   humanos.         PS  –    Espanha  têm  sido  um  mercado  interessante  para  vocês  e   o   reconhecimento   pela   vosso   trabalho   por   lá   é   evidente.     Como   decorreu   a   vossa   exposição   no   Museu   Würth   em   La   Rioja  como  é  que  a  criBca  vos  recebeu,  ficaram  saBsfeitos?   ZD  –  sim  foi  muito  melhor  do  que  estávamos  à  espera.  Fomos   recebidos  como  verdadeiras  estrelas,  o  museu  era  um  espanto   e   para   surpresa   nossa   batemos   o   recorde   de   pessoas   numa   inauguração,  uma  verdadeira  avalanche  de  publico,  ainda  mais   sabendo   que   já   grandes   nomes   do   mundo   ar•swco   internacional  já  wnham  exposto  ali.       As   criwcas   não   podiam   ter   sido   as   melhores   na   imprensa   espanhola   e   nos   canais   de   televisão   pois   wvemos   que   dar   conferencia  de  imprensa.           PS   –   E   já   que   falamos   em   Espanha   não   podemos   deixar   de   falar   em   Portugal,   como   é   que   nós   pro   cá   vos   tratamos??     Museu   Berardo   é   o   ponto   alto   do   vosso   reconhecimento   em   Portugal??  O  CCB  já  se  lembrou  dos  DDiArte  como  deveria  ou   nem  por  isso??         ZD-­‐   Aqui   na   Madeira   não   nos   queixamos,   pois   cada   conquista   nossa,  é  publicada  nos  jornais  e  até  na  RTP-­‐M,  e  somos  muito   respeitados   por   toda   a   gente   e   muito   apreciados   e   seguidos   pelo  jovens  que  admiram  muito  o  nosso  trabalho.       Quanto   a   nível   nacional   os   meios   de   comunicação   social   em   divulgar   os   nossos   prémios   é   nula,   exemplo   mais   recente,   a   conquista   das   6   medalhas   de   ouro,   num   dos   mais   importantes   eventos   de   fotografia   do   mundo   em   2012,   nenhum   meio   de   comunicação  deu  a  noBcia  a  qual  passou  na  CNN  pois  fomos   os  arBstas  mais  premiados  da  história  do  evento.     As   obras   que   temos   na   coleção   Berardo,   já   esBveram   em   muito  museus  importantes  do  país  exceto  no  CCB       PS  -­‐  Para  terminar  como  é  que  vocês  vêm  a  arte  em  Portugal,   e   nomeadamente   a   Fotografia.   Estamos   bem   servidos   de   talento  made  in  Portugal??   ZD  -­‐  Achamos  que  estamos  muito  bem  servidos  de  fotógrafos,   em   todas   as   áreas,   consideramos   mesmo   que   muitos   são   mesmo   fabulosos   nos   seus   trabalhos.   Mas   achamos   que   a   fotografia   ainda   é   um   pouco   considerada   uma   arte   não   tão   nobre   como   as   outras,   o   que   não   acontece   no   estrangeiro,   e   isso  senwmos  na  pele  pelas  muitas  experiências  que  já  wvemos.             PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  41        


DDiArte   FUNCHAL    –  MADEIRA   DDIARTE@GMAIL.COM    |  FACEBOOK:  HTTP://WWW.FACEBOOK.COM/DDIARTE   WWW.DDIARTE.COM  |  WWW.OLHARES.COM/DDIARTE    |  HTTP://WWW.BEHANCE.NET/DDIARTE   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  DDiArte  

     

42|  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


44  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  45      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  47      


48  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  49      


luís   garção   nunes  

  (GEFAC),  grupo  esse  que  tem  como  objewvo  dar  a  conhecer  as     manifestações   culturais,   individuais   e   colewvas   das   populações     rurais   nas   diversas   vertentes:   cantares,   música   instrumental,     danças,  teatro,  usos  e  costumes.         Nesse   período   desempenhou   vários   cargos   direwvos,   assim     como   em   comissões   que   originaram   as   Jornadas   de   Cultura     Popular,   que   ainda   se   realizam.   Foi   diretor   musical   do   grupo     música   popular   da   Tuna   Académica   de   Coimbra   (TAUC),     durante   os   anos   de   1984/1987.     Parwcipou   também   em     programas   de   rádio   no   Centro   Experimental   de   Rádio   (CER),     atual  Rádio  da  Universidade  de  Coimbra  (RUC).       Para   além   de   ter   frequentado   o   liceu   na   Escola   Secundária     D.João  III,  atual      Escola  Secundária  José  Falcão  (Coimbra),  Liceu     Nacional  de  Portalegre,  e  Liceu  D.  Duarte  (Coimbra)  teve  aulas     no   Conservatório   de   Música   de   Coimbra.   Atualmente   está   na   Luís   Manuel   Garção   Nunes   é   natural   de   Abrantes   e   com   57   Academia   de   Música   e   Tecnologia   de   Coimbra   (AMTC).       Luís   anos,   é   um   músico   com   grande   paixão   pela   fotografia.   É   um   Garção   Nunes   revela   que   neste   momento   a   música   é   tão   elemento  dos  mais  anwgos  da  “Brigada  Victor  Jara”,  grupo  que   importante  quanto  a  fotografia.  Gosta  de  fotografar  brinquedos   se  tem  dedicado  à  divulgação  de  música  de  raiz  tradicional  e  no   e  faz  coleção  de  piões,  assim  como  de  outros  brinquedos.  Como   qual   Luís   conwnua   como   executante   de   viola,   viola   beiroa   e   tal,  Luís  Garção  Nunes  pretende  concrewzar  uma  ideia  anwga  de   cavaquinho.   Para   o   músico   a   idade   é   apenas   um   número.   construir   uma   exposição   com   os   próprios   piões   e   outros   Aproveitar   ao   máximo   cada   momento   que   se   vive   é   uma   brinquedos   e   as   respecwvas   fotografias   de   perspecwvas   “regra”,  afirma.     diferentes.     Começa   nos   anos   70   a   manifestar   interesse   pela   fotografia,   Diz-­‐se   “sensível”   e   “atento”,   sendo   essas   as   caracteríswcas   percorrendo   vários   locais   do   país   e   do   estrangeiro   tentando   principais   para   se   ser   um   bom   fotógrafo.   Tenta   estar   atento   a   sempre   “guardar”   momentos.   De   1975   até   1989   fez   parte   do   tudo   o   que   o   rodeia,   e   no   caso   da   fotografia,   tentar   sempre   Grupo  de  Etnografia  e  Folclore  da  Academia  de  Coimbra     antever  o  “momento  decisivo”.            ...  "ALGUNS  MOMENTOS"  ...       * *   A   c o n v i t e   d a   O r d e m   d o s   **   Fotos   publicadas   em   revistas   da   *EXPOSIÇÕES   I NDIVIDUAIS*   Enfermeiros   efetuou   um   trabalho   com   especialidade.     Galeria   “ Quinta   d a   S obreira”   A nçã.   J.R.Garcia   que   culminou   numa   **   Capa   e   Contracapa   do   disco     Casa   d a   C ultura   d e   M ora.   exposição   iwnerante   sob   o   tema   “Os   “Contraluz”  da  Brigada  Victor  Jara.     Biblioteca   A ntónio   B o^o,   A brantes.   Enfermeiros   com   as   Pessoas   Pela   **   Fotos   do   folheto   no   CD   do   grupo     Galeria  Nova  Almedina,  (Sete  Olhares),   Saúde”.   “Segue  me  à  Capela”.     Coimbra   **   Levantamento   fotográfico   da   **  Capa  e  Contracapa  do  CD  “Da  Cor  da     Espaço/Galeria   G ostos   e   T raços,   L ousã.   Freguesia   de   Serpins/Lousã,   inserido   Madeira”  de  Joaquim  Teles  (Quim  Né)     “O   mês   da   imagem”.   (Fotografo   nos   50   Anos   do   Jornal   “A   Voz   de   **   Capa   do   Livro   “À   mesa   d’A     convidado)   E stremoz   Serpins”,   terminando   com   uma   Brasileira”,  de  Alberto  Vilaça.     Centro   C omercial   G ira   S olum,   C oimbra.   Exposição   d e   1 2   f otos   e m   t ela.   **   Fotos   nos   livros   “À   Mesa   d’A     Biblioteca   M unicipal   d a   L ousã.   **   Postal   de   apresentação   da   Brasileira”,   “Tempos   de   Munda   e         Exposição   de   Brinquedos   Tradicionais/ Mondego”   de   Alberto   Vilaça   e   “80   *EXPOSIÇÕES   C OLECTIVAS*   Projeto     C oleção   B /Escrita   n a   P aisagem,   a n o s ,   o   S e n w d o   q u e   s e   d á   à     Galeria  Bertrand  em  Coimbra.   Évora.   vida”  (Fotobiografia).     Casa  da  Cultura  de  Santa  Comba  Dão.     Hotel  D.  Luís  em  Coimbra......         PS  –  Quando  começaste  a  fotografar,  houve  algo  na  vida  que    Pedro  Sarmento  –  Luís,  tu  és  um  homem  das  artes,  escreves     te   empurrasse   para   olhares   diferentes   dos   que   até   então    extraordinariamente   bem,   és   um   músico     sobejamente   Bnhas  ?    conhecido  membro  da  Brigada  Victor  Jara  e  um  fotógrafo  de     LGN   –   Quando   se   fotografa,   queremos   ver   e   mostrar   alguma    excelência.   O   que   é   que   começou   primeiro   na     tua   vida   em   coisa.  Comecei  com  o  “filme”  …  o  tempo  de  ver  e  mostrar  era    termos  de  artes?     outro.   Desde   o   disparo   até   ao   momento   em   que   se   via   a    Luís   Garção   Nunes   –   Penso   que   tudo   começa     sensivelmente   fotografia   no   “papel”   era   maior   do   que   o   atual.     Daí   o   ver   e    ao  mesmo  tempo.  No  entanto  a  música  foi  sem  dúvida  a  que     rever   todas   as   fotos   que   fazia,   …aí   comecei   a   perceber   que    mostrei  em  primeiro  lugar  aos  amigos,  passando     depois  para  o   além   de   fotografar   o   momento   que   queria,   havia   sempre   mais    público.   Numa   primeira   fase   a   tocar   com   amigos     em   Festas   de   alguma  coisa  para  além  disso..  Começando  a  “olhar  e  ver”  de    Natal,  de  solidariedade  etc.,  etc.  ,  depois  com  o  GEFAC,  e  daí     forma  diferente  antes  de  fazer  um  disparo.      ao  salto  para  a  Brigada  Victor  Jara,  onde  ainda    me  mantenho.             50     |  PHOCAL  PHOTOVISIONS        


O  pensar  a  fotografia  é  um  exercício  que  gosto,  e  que  de  certa   forma  fui  aprendendo  a  fazer.  O  que  não  quer  dizer  que  o  faça   bem….mas    pelo  menos  tento.       PS   –   Ao   serviço   da   música   e   com   a   Brigada   fizeste   viagens   fantásBcas  pelos  7  cantos  do  Mundo,  fotograficamente  o  que   é  que  achas  que  essas  experiencias  te  trouxeram?   LGN   –   Uma   riqueza   muito   grande,   não   tanta   quanto   gostaria,   mas   mostraram-­‐me   outras   culturas   outras   formas   de   ver   as   pessoas  e  os  costumes.    Aí  comecei  a  “roubar”  momentos,  que   são  irrepe•veis,  únicos,  e  que  contam  sempre  uma  história.       PS  –  Dessas  mesmas  viagens,  tens  alguma  de  que  te  recordes   com  mais  carinho,  tendo  em  conta  pessoas,  lugares  ou  história   que  tenhas  captados  com  o  teu  olhar??     LGN  –  Foram  muitos  os  locais  por  onde  passei  em  trabalho  com   a   música.   No   entanto   há   e   haverá   sempre   um   que   ficará   marcado.   Eswve   na   Coreia   do   Norte   e   aí   fiz   a   “minha   foto”.   Aquela  que  me  marcou  mais.  Tem  uma  história,  tem  uma  vida,   tem  uma  alma,  …    tem  um  senwr.         PS   -­‐   Em   termos   de   equipamentos,   tu   és   do   tempo   do   analógico,   ainda   te   lembras   do   teu   primeiro   equipamento   e   consegues  descreve-­‐lo,  fizeste  grandes  fotos  com  ele,  ainda  o   guardas?   LGN   –   Comecei   com   uma   Zenit   EM   …   comprada   em   1977   na   União  Soviéwca,  onde  eswve  em  espetáculos  com  o  GEFAC.  Foi   a   minha   primeira   máquina,   e   foi   com   ela   que   aprendi   os   primeiros   “acordes”…   equipamento   pesado,   mas   com   alguma   qualidade.   Maquina   já   com   alguma   “sofiswcação”,   em   termos   de  medição  da  luz.       PS   –   Do   teu   tempo   do   analógico   tens   alguma   foto   que   seja   para   B   muito   especial   que   gostasses   de   juntar   a   esta   entrevista   e   explicar   qual   é   o   senBmento   que   essa   foto   te   transmite.   LGN   –   Como   disse   anteriormente,   tenho   uma   foto   que   será   sempre   a   “minha   foto”,   a   que   dei   o   nome   de   “O   Menino”…..   eswve  cerca  de  uma  hora  para  a  conseguir  fazer…  fiz  um  único   disparo   (hoje   seriam   muitos).   Não   ficou   como   a   wnha   idealizado,  mas  em  função  do  tempo  e  do  material  (Pentax  ME   Super,   com   lente   Soligor   85-­‐135)     que   wnha   na   altura   foi   o   melhor  que  consegui  fazer.       PS  –  Tens  uma  frase  escrita  numa  das  tuas  úlBma  iniciaBvas,   de  “Manuel  Rocha”  que  diz:      “  Sentado  no  seu  lugar,  a  mão  paira  à  frente  das  seis  cordas,   no  gesto  parado  que  precede  o  ataque  do  primeiro   acorde.   Há   um   músico   a   tocar   guitarra   sob   o   foco   de   luz   branca   e   na   rua   há   menos   um   fotografo   a   espreitar   o   movimento  da  Terra,  afinal  pode  ser-­‐se  duas  pessoas  .....”       Duas  perguntas  sobre  esta  citação  do  Manuel  Rocha,  como  é   para  B  ser  “arBsBcamente  duas  pessoas”,  e  se    tens  um  amor   interior     maior   por   uma   ou   por   outra,   e   a   outra   pergunta   é,   como   é   que   o   Luís   Garção   Nunes     espreita   o   movimento   da   Terra,  aquilo  que  se  passa  à  tua  volta.   LGN   –   Estas   palavras   do   meu   amigo   e   companheiro   Manuel   Rocha   fazem   parte   de   um   simpáwco   texto   que   ele   escreveu   para  uma  exposição  minha…!                

A   pessoa   é   sempre     a   mesma   e   as   coisas   confundem-­‐se   nos   olhares   que   temos   em   cada   momento.     Mas   é   preciso   estar   concentrado   no   trabalho   que   se   faz   no   momento   em   que   é   feito.  Se  estou  no  palco  tenho  de  ser  o  “músico”  que  o  público   espera   que   seja.   Não   é   o   Luís   Garção   Nunes   enquanto   “fotógrafo”,   nem   o   Luís   do   dia-­‐a-­‐dia…,   no   palco   é   o   Luís   “músico”  que  está  presente  e  que  tem  de  dar  o  máximo  como   tal.     No   dia   a   dia,   serei   mais   o   “fotógrafo”   que   anda   pelas   ruas.   O   espreitar   o   movimento   da   Terra,   é   um   exercício   diário   e   permanente  que  sempre  tentei  fazer.     Não   só   como   “músico”,   nem   como   “fotografo”,   mas   essencialmente  como  pessoa.  Não  posso  estar  a  leste  do  que  se   passa   ao   meu   redor,   ao   que   se   passa   no   mundo.   Atento   às   desigualdades   sociais,   às   injuswças   dum   mundo   cada   vez   mais   selvagem  e  egoísta.     PS   –   Cor   ou   preto   e   branco,   qual   é   a   tua   maior   opção   e   porque??     LGN  –  Parwcularmente  gosto  mais  do  PB.  Tem  uma  carga  mais   forte  emocionalmente,  na  minha  forma  de  ver  e  senwr.     Mas  há  as  fotos  que  só  funcionam  bem  se  for  a  cores.  Sempre   que  acho  que  uma  foto  fica  bem  a  PB  é  por  esse  caminho  que   vou….”senwmentos  da  alma”.       PS   –   Para   mim   esta   tua   presença   na   Revista   é   muito   importante     não   só   porque   tens   trabalhos   extraordinários   e   muitos   deles   da   nossa   cidade   de   adoção,     (tal   como   eu   também   tu   sentes   Coimbra   como   tua)     mas   porque   sou   teu   amigo  penso  que  vai  para  45  anos....  talvez  mais.     É   para   B   especial   fotografar   a   cidade   e   sempre   que   andas   pelas   ruas     “espreitando   o   movimento   da   Terra”   vês   coisas   novas  que  fotograficamente  te  atraem?  Achas  que  é  umas  das   vantagens   que   a   fotografia   nos   oferece,   a   capacidade   de   descobrir  coisas  sempre  novas  no  mesmo  local??   LGN-­‐     …   é   isso   mesmo…   gosto   de   ser   “turista”   na   minha   cidade…  quantas  vezes  se  vai  para  fora  conhecer  outras  terras,   outros   mundos,   e   não   se   conhece   a   nossa   rua?...   Tudo   tem   a   ver   com   a   forma   como   andamos   nos   síwos   onde   passamos   todos   os   dias.   Ver   com   olhos   de   ver…   Não   gostamos   de   ver   fotos   anwgas   de   pessoas   e   locais   que   hoje   conhecemos   e   que   estão  diferentes?     Percorrer   uma   cidade   com   os   olhos   é   muito   diferente   do   que   passar   por   ela…   temos   de   olhar   para   cima,   para   os   telhados,   parar  em  frente  de  uma  porta  que  tem  um  batente  diferente,   uma   janela   com   flores,   etc,   etc,   etc…..   E,   é   assim   que   se   pode   senwr   uma   cidade,   as   pessoas,   os   cheiros,   a   alma,   e   quantas   vezes  os  próprios  sonhos.       PS   –     Também   és   dos   que   acha   que   a   melhor   fotografia   é   aquela   que   farás   de   seguida??   Onde   gostarias   de   a   tentar   fazer,  tens  algum  local  que  não  gostarias  de  falhar  enquanto   fotografo,  e  projetos  futuros  há????     LGN  –…  a  melhor  fotografia  é  aquela  que  ainda  não  foi  feita…   isso   é   um   facto….   Onde   gostaria   de   ir?...   um   fascínio   pelo   Oriente…  um  dia…um  dia…  quem  sabe?     Quanto  aos    projetos  há  sempre  muitos  na  cabeça.  O  passar  à   práwca   é   que   é   muitas   vezes   diŽcil.   Com   dizes   em   cima…uma   exposição   de   brinquedos   com   fotografias   desses   mesmos   brinquedos….  Outro  projeto  é  um  livro  com  fotos  associadas  a   pequenos  textos/poemas.  Veremos  o  que  o  futuro  nos  reserva.          PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  51            


LUÍS  GARÇÃO  NUNES   COIMBRA  –  PORTUGAL     LUGARNUS@GMAIL.COM  |  HTTPS://WWW.FACEBOOK.COM/LUIS.G.NUNES    HTTP://FOTOMOMENTO.BLOGSPOT.COM    |  HTTP://FOTODEBRINCAR.BLOGSPOT.COM   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  LUIS  GARÇÃO  NUNES  

     

52  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


54  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


56  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  57      


a n d r é   b o t o  

                                André  Boto  nasceu  em  Lagos  a  6  de  Março  de  1985  e  fez  toda   a  sua  infância  em  Silves.   Em   2007,   concluiu   a   Licenciatura   em   Artes   Decorawvas,   na   Escola  Superior  de  Educação  de  Beja.         Pedro   Lima   -­‐   O   que   representou   para   B   seres   considerado   o     fotógrafo  europeu  do  ano?     André   Boto   -­‐   Conseguir   a   diswnção   de   Fotógrafo   Europeu   do   Ano   de   2010,   além   de   uma   grande   alegria,   foi   uma   enorme   prova  de  que  o  caminho  que  eu  escolhi  para  mim  e  para  o  meu   trabalho  foi  acertado.       É   sempre   importante   e   grawficante   ver   o   nosso   trabalho   reconhecido,   ainda   mais   quando   se   consegue   uma   diswnção   deste  nível.     O   trabalho   com   que   venci   este   prémio,   é   um   trabalho   de   fotomontagem,  bastante  diferente  do  comum,  e  quando  se  faz   algo  de  diferente,  corremos  o  risco  de  ser  muito  bem  ou  muito   mal  aceites,  é  de  extremos.     A   parte   mowvacional   também   é   muito   importante,   e   este   galardão   mowvou-­‐me   a   conwnuar   a   produção   de   trabalhos   nesta   linha   com   os   mais   variados   fins,   agora   também   para   projetos  de  decoração  de  espaços.     A   parwr   desse   momento,   a   responsabilidade   aumentou   bastante   para   futuros   trabalhos,   pois   a   espectawva/exigência   das  pessoas/clientes  também  cresceu,  o  que  é  normal.     PL   -­‐   Qual   o   impacto   direto   dessa   dishnção   no   teu   trabalho   e   na   tua   carreira,   atendendo   à   visibilidade   e   exposição   que   tal   dishnção  representa?   A.B.  -­‐  O  impacto  desta  diswnção  no  meu  trabalho  foi  enorme.  A   exposição   nos   “media”   trouxe   bastantes   contatos   e   clientes   que   me   procuram   para   produzir   trabalhos   de   uma   linha   também  diferente  do  comum.       A   minha   estratégia   teve   de   ser   alterada,   pois   a   onda   de   trabalho   foi   bastante   grande,   maior   do   que   eu   esperaria.   Ter   conseguido   esta   premiação,   tem   aberto   algumas   portas   mais   facilmente,   pois   de   certa   forma,   quando   procuramos     alguém   para   realizar   um   trabalho,   procuramos   referências,   e   este   prémio  hoje,  é  a  minha  referência  mais  forte.       PL-­‐   O   que   é   que   te   levou   a   enveredar   pela   vertente   surrealista?  É  este  o  teu  eshlo  preferido?           PHOCAL  PHOTOVISIONS   60|      

Em  2008  inicia  a  odisseia  fotográfica  em  Lisboa,  na  Oficina  da   Imagem,   completando   o   curso   de   Fotografia   Avançada   em   2008  e  Fotografia  Concetual  em  2009.     Em   2009,   consegue   o   primeiro   cerwficado   QEP   –   Qualified   European  Photographer,  na  categoria  de  Fotografia  Ilustrawva.     Em   2010,   torna-­‐se   professor   na   Oficina   da   Imagem   e   é   o   primeiro  Master  QEP  português,  sendo  também  o  mais  jovem   europeu  a  consegui-­‐lo.    Ainda  em  2010,  conquista  o  prémio  de   Fotógrafo   Europeu   do   Ano   2010,   pela   FEP   -­‐   Federação   Europeia   de   Fotógrafos   Profissionais.   É   ainda   designado   Embaixador  do  Ano  Internacional  da  Juventude,  evento  sob  a   chancela  das  Nações  Unidas.     Neste   momento,   reside   na   área   de   Lisboa   e   efetua   maioritariamente   trabalhos   fotográficos   na   área   de   projetos   criawvos   de   autor   e   de   decoração,   fotografia   publicitária,   arquitetura,   industrial.   Ao   todo,   conta   com   quase   100   diferentes   diswnções   na   área   da   fotografia,   nacional   e   internacionalmente   e   realiza   com   frequência     exposições   colewvas  e  individuais   A.B.   -­‐   Antes   de   me   dedicar   à   fotografia,   já   wnha   uma   forte   ligação  às  artes  e  ao  desenho,  e  desde  sempre  wve  um  grande   interesse  por  M.C.Esher,  René  Magri^e  e  Salvador  Dali.       Todos   eles   têm   em   comum   uma   coisa,   a   criação   de   mundos   surreais   e   impossíveis,   fantáswcos   e   imaginawvos,   ilusões   de   ówca   e   a   materialização   de   algo   apenas   possível   nas   suas   mentes.   Tudo   aquilo   que   é   “impossível”   awngir,   é   sempre   o   mais   apetecível,   e   causa   sempre   um   grande   desejo   no   homem,   tal   como  quebrar  barreiras  e/ou  superar  desafios.     Assim,   julgo   que   o   Surrealismo   desde   sempre   despertou   curiosidade  na  maioria  das  pessoas     um  fim,  um  meio  de  comunicação  para  transmiwr  sensações.  O   Surrealismo   é   o   eswlo   que   se   adapta   ao   conjunto   de   experiências   e   fontes   de   inspiração   que   segui   e   cawvou-­‐me   ainda  muito  antes  de  me  dedicar  à  fotografia.     Gosto   de   observar   trabalhos   em   vários   diferentes   eswlos,   mas   quando   chega   à   hora   de   eu   produzir   o   meu   trabalho,   o   Surrealismo   é   mesmo   o   meu   preferido,   esta   é   a   base   do   meu   trabalho  e  do  meu  projeto  Surrealismo.     PL   -­‐   Os   teus   trabalhos   surrealistas   são   considerados,   por   alguns,   como   fora   do   âmbito   do   conceito   mais   puritano   de   “fotografia”,   já   que   recorres   a   fotomontagem/edição   de   imagem.  O  que  pensas  disto  e  do  teu  próprio  trabalho?   A.B.   -­‐   Fazer   algo   de   diferente,   irá   causar   sempre   alguma   controvérsia,  seja  ela  de  que  wpo  for.  A  meu  ver,  os  contextos   habitualmente  explicam  as  situações.     A   minha   base   vem   do   ramo   das   artes,   onde   o   conceito   e   aquilo   que   nos   mowva   a   produzir   algo   se   sobrepõe   às   questões   puramente  técnicas.     Nasci   numa   era   digital,   e   julgo   que   em   cada   diferente   época   devem   ser   uwlizados   os   meios   tecnológicos   disponíveis   para   tornar  a  produção  de  um  trabalho  o  mais  eficaz  possível.     É   o   que   eu   faço,   mediante   o   objewvo   que   tenha,   uwlizo   o   processo   de   construção   que   me   faz   levar   a   melhores   resultados,  seja  com  recurso  à  fotomontagem  ou  não.    


Relawvamente   à   eterna   questão   “Fotografia   vs.   Photoshop”,   como   qualquer   questão   técnica,   neste   momento   não   me   preocupa,   julgo   que   nos   devemos   fixar   apenas   no   que   o   espectador  final  observa,  o  impulso  estéwco  e  emocional.   Fotomontagem   desde   sempre   que   exiswu,   a   diferença   é   que   anwgamente   era   feita   na   câmera   escura,   hoje   é   no   Photoshop   ou   noutra   ferramenta   de   edição   de   imagem,   mas   até   as   ferramentas   destes   so‘wares   têm   por   base   as   “técnicas   de   manipulação”  usadas  na  câmera  escura.     Como   boa   parte   do   meu   trabalho   é   mais   direcionado   para   os   projetos  de  autor,  tenho  toda  a  liberdade  para  escolher  o  meu   caminho   e   os   processos   de   concepção.   Generalizando,   apenas   acho   que   a   fotomontagem   não   deverá   entrar   no   fotojornalismo,   ou   fotografia   de   vida   selvagem,   por   razões   óbvias.     Não   se   tratando   de   fotografia   documental,   não   vejo   qualquer   problema   ao   usar   uma   edição   mais   extrema,   e   parece-­‐me   que   ainda   hoje   há   espaço   para   todos   os   eswlos   se   conseguirem   estabelecer  dentro  da  fotografia.   Como   eu   costumo   dizer,   este   é   apenas   o   caminho   que   eu   escolhi   para   mim   e   para   o   meu   trabalho,   mas   temos   que   ter   abertura  para  compreender  (mesmo  que  não  os  aceitemos)  os   outros  diferentes  caminhos,  pois  só  assim  se  evolui.   Aliás,   atrevo-­‐me   a   dizer   que   a   edição   de   imagem   (mesmo   que   sejam  apenas  os  ajustes  básicos  de  contraste,  saturação  e   niwdez)  é  imprescindível  para  conseguir  fazer  um  trabalho  com   O  máximo  de  qualidade  possível.     Digo   isto   porque   hoje,   o   formato   de   imagem   que   nos   permite   uma  maior  qualidade  final  é  o  formato  .RAW.     Mas  para  se  aproveitar  todo  o  seu  potencial,  terá  que  haver  um   processo  de  edição  posterior.       PL  -­‐    Qual  (ou  quais)  os  fotógrafos  que  mais  aprecias  e/ou  te   influenciaram  mais?   A.B.   -­‐   As   minhas   influências   vêm   de   uma   época   em   que   ainda   não  me  dedicava  à  fotografia,  daí  que  as  próprias  influências  do   meu  trabalho  vêm  de  bases  longe  da  fotografia,  são  M.C.Escher,   Rene  Magri`e  e  Salvador  Dali.     Ainda   assim,   como   é   óbvio,   tenho   alguns   fotógrafos   de   preferência   que   costumo   seguir   e   analisar,   deixo   aqui   alguns   nomes:   Thomas   Barbèy,   Misha   Gordin,   Jerry   Uelsmann,   Dave   Hill  ou  Erik  Johansson.     PL   -­‐   Com   a   era   digital,   a   fotografia   abriu-­‐se   definihvamente   ao   mundo,  tornando-­‐se  num  dos  “hobbies”  mais  apreciados.  Que   pensas  desta  generalização  da  fotografia?   AB   -­‐   A   mim   esta   generalização   só   me   pode   parecer   bem,   pois   caso   não   wvesse   acontecido,   eu   nunca   me   teria   dedicado   à   fotografia,  pois  tudo  começou  com  uma  oferta  de  uma  pequena   camera   fotográfica   num   aniversário,   numa   altura   em   que   eu   nunca   wnha   fotografado,   e   sem   ter   antecedentes   na   família   com  ligação  à  fotografia.     Daí  que  se  pode  considerar  que  eu  ter-­‐me  dedicado  à  fotografia   foi  fruto  da  sua  generalização.   Por   outro   lado,   algumas   vezes   a   generalização   faz   com   que   se   banalize   e   desvalorize   uma   profissão   e   o   próprio   trabalho   realizado,  parece-­‐me  que  acaba  por  haver  alguma  confusão  na   cabeça  das  pessoas  na  altura  de  encomendar  um  trabalho  a                

um   fotógrafo   profissional   ou   outro   indivíduo   não   profissional.   Isto   acontece   também   por   culpa   da   pouca   educação   visual   e   estéwca   incuwda   nas   pessoas   durante   o   seu   crescimento   ainda   enquanto  jovens  (no  nosso  país).   Ainda   assim   julgo   que   um   fotógrafo   profissional   nunca   se   deverá   senwr   fortemente   “ameaçado”   por   um   fotógrafo   amador,  pois  os  fotógrafos  profissionais,  pela  sua  experiência  e   formação   extra,   devem   conferir   alguma   mais-­‐valia   ao   seu   trabalho,   quer   seja   pela   diferenciação,   pela   excelência   técnica   ou   estéwca,   provocada   por   um   nível   de   conhecimento   mais   elevado,  que  os  faz  situarem-­‐se  noutro  patamar.     PL  -­‐  Quais  são  os  teus  projetos  futuros?   A.B.   -­‐   De   momento   con•nuo   a   produzir   e   idealizar   alguns   projetos   fotográficos,   na   onda   da   fotografia   de   autor,   com   recurso  à  fotomontagem  e  sem  fotomontagem  absolutamente   nenhuma,  mas  procurando  sempre  conseguir  gerar  imagens  de   alto  impacto.   Nos   úlwmos   tempos   tenho   andado   a   dedicar-­‐me   fortemente   à   fotografia   industrial,   acompanhando   algumas   grandes   obras   pelo   nosso   país,   e   a   fotografia   de   arquitetura   também   está   a   ganhar   bastante   espaço   naquilo   que   é   o   meu   trabalho,   nos   dias   de   hoje.   Estas   são   as   três   áreas   que   mais   me   preenchem   de   momento,  pelo  que  são  as  áreas  em  que  tenciono  conwnuar  a   trabalhar.     PL  -­‐  Como  está  atualmente  a  fotografia  em  Portugal,  quando   comparada   com   o   mercado   global?   Conseguimos   ombrear   com   os   melhores?   Consideras   que   se   faz   boa   fotografia   em   Portugal?   A.B.   -­‐   Cada   vez   temos   mais   bons   fotógrafos   em   Portugal,   isso   vê-­‐se   também   pelos   reconhecimentos   que   os   fotógrafos   começam   a   obter   no   estrangeiro,   julgo   que   conseguimos   ombrear  com  os  melhores,  mas  é  necessário  que  a  sociedade/ cultura   portuguesa   perca   alguns   conceitos/preconceitos   que   invadem  a  mente  do  ser  •pico  português.     É   necessário   que   se   acredite   que   o   que   se   faz   em   Portugal   realmente  tem  qualidade,  é  obrigatório  esquecer  a  ideia  de  que   o  que  vem  do  exterior  ou  tem  um  nome  estrangeiro  é  sinónimo   de  excelência.     É   muito   importante   abrir   oportunidades   aos   novos   valores   portugueses,   assim   como   não   é   menos   importante   abrir   espaço   aos  autores  portugueses  em  eventos  realizados  em  Portugal.   Estas   “pequenas”   coisas   fazem   com   que   o   espectador   comum   seja   re-­‐educado   e   altere   a   sua   percepção   relawvamente   a   nós   próprios  (portugueses).     PL   -­‐   Que   conselhos   deixas   aos   fotógrafos   leitores   da   nossa   revista,  que  ambicionem  fazer  carreira  fotográfica?   AB  -­‐  Em  primeiro  lugar  é  preciso  gostar  mesmo  daquilo  que  se   faz,   pois   quase   sempre   que   fazemos   algo,   o   nosso   gosto   fica   expresso/visível  no  trabalho  que  produzimos.       É   necessário   ter   uma   grande   dose   de   paciência   e   persistência,   pois   por   vezes   os   resultados   e   o   feedback   acerca   do   nosso   trabalho   pode   tardar   em   aparecer,   o   que   é   comum.   É   sempre   muito   importante   rodearmo-­‐nos   de   pessoas   com   quem   possamos   realmente   contar   para   ter   algum   feedback/críwca   construwva  sobre  o  nosso  trabalho.              PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  61      


ANDRÉ  BOTO   OEIRAS  –  PORTUGAL      ANDREBOTO@HOTMAIL.COM      HTTP://WWW.ANDREBOTO.COM  |  WWW.FACEBOOK.COM/ANDREBOTOPHOTO   TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  -­‐  ©  ANDRÉ  BOTO  

     

62  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS  


64  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS  


66  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS  


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |67    


p e d r o   m a r w n s  

  1976,   S.   Vicente   da   Beira   -­‐   Castelo   Diário   de   Nowcias   e   internacionais     Branco.   É   Fotógrafo   Profissional   exemplos   do   El   Mundo   em   Espanha.       Freelancer   há   12   anos.   Encontrou   na   Tem   também   trabalhado   com   várias       natureza   o   cenário   perfeito,   cheio   de   empresas   e   inswtuições   do   nosso   País     cores,  simetrias,  formas  e  modelos,  uma   em  termos  de  imagem  e  promoção.         fonte   inesgotável   de   conhecimentos   e   É   orientador   de   muitos   cursos,       beleza.   Hoje   em   dia   trabalha   a   workshops   e   passeios   nas   temáwcas   da       reportagem  com  temas  sociais,  culturais   Fotografia,  Natureza  e  biodiversidade.  É     e  de  ambiente.  É  fotógrafo  colaborador   autor   das   imagens   no   livro   “Geopark       regular  de  várias  revistas  destacando-­‐se   Naturtejo   da   Meseta   Meridional   -­‐   600       a   Nawonal   Geographic   –   Portugal,   milhões   de   anos   em   imagens”   e   em     Nowcias  Magazine  e  revista  A23  e  alguns   muitas   outras   publicações   com   uso   das       jornais   nacionais   como   o   Publico   e   o   suas  imagens.         frequentemente   estou   na   posição   de   testemunha   de   muitos   Pedro  Sarmento  –  Pedro  vamos  começar  pelo  principio,  como   casos,  a  máquina  fotográfica  é  uma  arma!  A  crise,    as  pessoas,  a     é  que  começou  a  fotografia  na  tua  vida?   sociedade,  obriga-­‐nos  a  ver  tudo  de  outra  maneira,  de  repensar   Pedro  MarBns    Começou  com  uma  máquina  fotográfica,  onde   a   nossa   função   neste   mundo,   também   a   maneira   de   fotografar,   tudo  deve  começar,  muito  simples  mas  que  fez  o  click  para  este   lembro-­‐me  que  quando  comecei  a  fotografar  queria  as  imagens   mundo   fascinante,   depois   desse   dia   nunca   mais   parei;   de   idílicas,  sem  pessoas,  o  mais  natural  possível,  hoje  compreendo   inveswr   em   equipamento,   de   inveswr   em   tempo   e   que   a   paisagem   humanizada   tem   bastante   valor   e   que   o   aprendizagem.  Depois  foi  a  simbiose  perfeita  a  natureza,  onde   Homem  é  presença  neste  planeta  e  dele  depende  uma  fonte  de   gostava  de  estar,  com  a  fotografia,  a  minha  forma  de  expressão   conhecimento,   experiência   e   saber   fazer   de   grande   valor   ar•swca.   imaterial.         PS  –  Fotografia,  foi  algo  que  rapidamente  percebeste.....  é  isto   PS   –       Tens   cuidados   especiais   quando   pisas   determinados   que  eu  quero  para  o  meu  futuro??         locais   que   vais   fotografar,   ou   quando   por   exemplo   pegas   PM   –   Não,   começamos   por   nos   embrenhar   na   complexidade   noutros  fotógrafos  e  os  levas  para  o  campo  para  um  workshop   deste  mundo,  nas  técnicas  e  equipamentos  e  vamos  levando  a   é  fácil  gerir  esse  Bpo  de  preocupação     fotografia   como   algo   que   nos   preenche   e   eswmula   a   PM   –   Sim,   escolho   os   locais   por   grande   potencial   para   a   criawvidade,   depois   sim,   passado   muitos   anos   percebei   que   fotografia,   logo   na   maior   parte   das   vezes   bons   em   termos   de   podia  fazer  algo  mais  profissional,  também  porque  a  sociedade   biodiversidade,  requer  cuidados  especiais  por  isso.    Sempre  que   mudou   e   tornou   a   fotografia   mais   acessível   a     todos,   juntei   a   é   necessário   faço   os   pedidos   de   autorização   necessários   e   claro   minha   experiência   na   altura     e   tentei   fazer   algo   diferente     e   um   ou   dois   reconhecimentos   dos   locais   a   visitar,   no   campo   inovador.   tento   mostrar   todo   o   trabalho   na   execução   de   imagens,       entender   os   locais   que   visitamos,   mostrar   e   dar   dicas   para   PS   –     Quando   pegas   numa   máquina   e   decides   captar   um   algumas  espécies  e  alturas  do  dia  e  perspecwvas  na  paisagem.   momento   o   que   eu   é   que   vês?   Limitas-­‐te   a   ver   um   pássaro,   Mas   principalmente   mostrar   formas   diferentes   de   olhar,   parar   uma  árvore,  água  ou  vês  muito  para  além  disso,  apercebeste-­‐ e  pensar  nas  imagens,  hoje  em  dia  dispara-­‐se  muito  e  em  vão,   te   da   vida   que   te   rodeia   e   tentas   enquadrar   tudo   isso   num   devemos   criar   imagens   no   cérebro   sobre   aquilo   que   vamos   único  registo?   fazer   a   seguir.     Outro   aspecto   que   tento   obrigatoriamente   falar   PM   –   A   minha   ligação   à   natureza   vem   antes   da   fotografia,   e  fazer  que  percebam  é  o    quanto  é  frágil  o  que  fotografamos,  a   comecei   por   gostar   do   que   me   rodeava,   caminhar   e   descobrir   necessidade  de  sermos  nós  elementos  awvos  na  preservação  na   todo   esse   mundo,   comecei   por   idenwficar   alguma   da   fauna   e   natureza,   nosso   local   de   trabalho   e   criawvidade,   mesmo   que   flora   antes   de   pensar   no   processo   criawvo   da   fotografia,   este   temporário.   conhecimento   hoje   é   de   grande   valor,   porque   tenho   um     conhecimento   das   espécies,   relações   entre   elas   e   habitats   na   PS  –  Na  fotografia  o  que  consideras  mais  importante?  Técnica,   natureza,   sempre   que   possível   tento   captar   não   só   a   espécie,   conhecimento,  forma  de  olhar,  sorte  se  é  que  há  sorte  no  ato   mas  o  habitat  e  a  sua  ligação  com  o  meio,  porque  acho  que  não   de   fotografar,   o   momento,   se   pudesses   escolher   uma   delas   se  pode  dissociar,  não  sou  fã  de  grandes  aproximações  por  isso,   qual  consideravas  a  mais  importante  e  porque?   acho  que  a  imagem  enriquece  quando  mostramos  algo  mais.   PM   –   É   diŽcil   escolher   uma,   enquanto   lia   a   pergunta   quase   que       conseguia   idenwficar   imagens   minhas   nelas   todas,   tenho   boas   PS  –  Em  termos  fotográficos  és  uma  pessoa  sensível    ao  que  te   imagens   porque   apurei   a   técnica   e   saiu   bem,   algumas   foi   rodeia,   as   pessoas,   a   crise   por   exemplo   ou   os   problemas   claramente   o   conhecimento   do   local   ou   da   espécies,   outras   ambientais  uma  vez  que  que  és  muito  adepto  da  natureza??     situações   o   olhar   foi   fulcral   na   imagem   final,   também   sorte,   PM   –   Muito,   e   acho   que   isso   nos   afecta   a   todos,     acho   que   porque     naquele   dia   algo   inesperado     aconteceu   ou   tenho   uma   quem   fotografa   tem   de   ser   uma   pessoa   sensível,   o   olhar   luz   espetacular,   o   tal   momento   especial   que   está   muito   cuidado   obriga-­‐nos   a   isso   mesmo.     Como   elemento   deste   dependente  da  sorte  ou  do  passar  muito  tempo  à  espera  dele,   planeta  sou  bastante  awvo  na  denuncia  de  casos  negligentes  e     com   máquina   fotográfica   por   perto!   Todas   são   importantes   criminosos  com  a  natureza,  mas  também  na  sociedade,  porque     principalmente  no  processo  de  aprendizagem,  mas  eu  acho  que   uso  a  fotografia  também  como  uma  forma  de  comunicação  e            70  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS                


o  olhar,  a  nossa  forma  de  ver  o  mundo  pode  ser  decisiva  no  ato   de  fotografar  para  sempre.     PS   –     Tu   és   um   fotografo   reconhecido   até   pelos   teus   trabalhos   para   a     NaBonal   Geographic   entre   outras   publicações,   como   é   que   se   chega   aí??   Ou   seja   tu   não   entras   num   projeto   desses   porque  Bveste  sorte  numas  quantas  fotos  que  te  saíram  bem,   o   reconhecimento   pelo   teu   trabalho   parece-­‐me   justo,   é   di|cil   aBngir    esse  patamar...  que  lutas  travaste  para  o  conseguir?   PM   –   A   minha   colaboração   à   Nawonal   Geographic   Portugal   aparece   com   a   minha   escolha   como   fotografo   do   projeto   de     lançamento   do   Geopark   Naturtejo   da   Meseta   Meridional,   fiz   toda   a   imagem   deles   um   livro   e   uma   exposição,     lembro-­‐me   de   enviar   o   livro   ao   editor,   depois   fui   convidado   a   apresentar   mais   imagens   e   estabeleceu-­‐se   a   relação   que   ainda   hoje   perdura,   costumo   dizer   frequentemente   que   a   oportunidade   surge   a   cada   momento,   a   nossa   grande   aposta   tem   de   ser   sempre   na   qualidade,   pois   não   temos   ideia   onde   e   quem   anda   a   ver   as   nossas   imagens,   hoje   em   dia   as   redes   sociais   são   excelentes   veículos   de   promoção   e   criação   de   parceiros   de   trabalho.   No   meu   caso   o   segredo   é   trabalhar   muito,   apresentar   muito   trabalho,  boas  histórias  capazes  de  dar  boas  imagens.  Algumas   vezes  sou  contactado  pela  revista  para  fazer  algumas  imagens,   mas  a  maior  parte  das  vezes  tenho  de  ser  eu  o  criawvo,  os  que   procura   ideias,   projetos   e   histórias   capazes   de     traduzir   em   boas   imagens.   É   assim   que   tenho   trabalhado   para   manter   a   relação  que  já  dura  à  10  anos.       PS  –    Falando  de  fotografia,  e  tendo  em  conta  que  te  dedicas   muito  à  natureza,  dentro  deste  tema  tens  preferências??     PM   -­‐   Sim,   preferências   que   foram   mudando   ao   longo   do   meu   crescimento  enquanto  fotografo,  comecei  por  fotografar  quase   exclusivamente   aves,   com   grande   inveswmento   em   equipamento   e   tempo   em   abrigos,     depois   paisagem   com   muitas   viagens   em   Portugal   e   no   estrangeiro   e   agora   reportagem  e  macro,  aliás  tento  que  cada  vez  mais  o  tema  de   trabalho   seja   a   Macrofotografia,   considero   das   temáwcas   dentro   da   fotografia   de   natureza   mais   criawvas,   onde   temos   hipóteses   de   ser   diferenciadores   e   marcar   pontos   atualmente   no   contexto   do   que   se   faz   no   resto   da   Europa.   Claro   que,   nesta   área   temos   de   ser   muito   exigentes,   despender   muitas   horas   no   campo,   muita   paciência   e   criawvidade   são   fundamentais.   Na   reportagem   tento   manter   a   relação   de   confiança   com   a   Nawonal   Geographic   Portugal,   também   porque   em   termos   sumários   é   a   única   revista   com   conteúdos   de   natureza   e   biodiversidade   e   mesmo   de   ambiente   em   Portugal   e   depois   apostar   nestas   áreas   para   alguns   jornais   e   revistas   mais   generalistas,  que  algumas  vezes  publicam  sobre  estes  temas.     PS   –       De   toda   a   tua   já   vasta   experiencia   tens   Bdo   certamente   casos  complicados  outros  mais    diverBdos,    e  até  se  calhar  de   perigo,     queres   relatar   alguma   experiencia   desse   Bpo,   e   já   agora   que   conselho   darias   a   alguém   que   pretenda   fazer   fotografia   da   natureza,   nomeadamente   em   termos   de   segurança  etc...     PM   –   Sim,   algumas   histórias   que   ficam,   muitos   momentos   bons   e   alguns   menos   bons,   sei   que   a   máquina   fotográfica   é   muitas   vezes   o   meu   passe   de   entrada   ou   não   para   muita   coisa,   ou   temos  sorte  e  as  pessoas  gostam  de  fotografia  e  temos  tudo  ou   então   fecham   todas   as   portas.   Uma   coisa   engraçada   que   me   acontece  muita  vezes  é  nas  aldeias  as  pessoas  perguntarem-­‐me              

–  é  para  que  canal  de  televisão?    Outra  coisa  que  me  acontece    frequentemente  é  wrar  imagens  de  pessoas  e  depois  pedirem-­‐ me  para  enviar,  tenho  listas  intermináveis  de  envios  pendentes,   razão  pela  qual  gosto  mais  de  fotografar  bichos  e  paisagens  não   pedem  para  enviar  imagens  para  o  e-­‐mail....ahahhaaha!    Já  me   assaltaram   a   carrinha   em   pleno   Parque   Natural   da   Serra   da   Estrela,   por   isso   nunca   deixar   material   fotográfico   no   carro,   a   seleção   deste   em   função   do   que   vamos   fotografar,   é   feita   em   casa.  Em  termos  de  segurança  acho  que  devemos  sim  arriscar,   mostrar   algo   diferente   do   que   já   se   faz,   mas   nada   é   mais   importante  e  eswmulante  que  chegar  a  casa,  por  isso  devemos   ter   sempre   a   noção   que   não   vale   tudo   para   fazer   uma   boa   imagem,  isto  também  se  aplica  em  termos  éwcos,  as  fotografias   devem  ser  feitas  no  campo  e  não  no  computador!       PS  –    Como  fotografo  de  Natureza,  que  lugar  no  Mundo  tu  não   gostarias   de   perder   e   de   poder   fazer   uma   boa   reportagem   fotográfica??   PM   –   Seguindo   a   velha   máxima   das   viagens,   a   melhor   viagem   é   aquela  que  nunca  fiz,  acho  que  nas  reportagens  também  é  um   pouco   isso,   apesar   de   algumas   ter   ficado   com   um   goswnho   especial   no   final   a   melhor   é   sempre   aquela   que   ainda   não   fiz,   tantos  são  os  temas  a  descobrir  por  aí  fora.  Ambicionava  a  cima   de  tudo  fazer  bem  aqui  em  Portugal,  dar  a  conhecer  um  pouco   mais  a  nossa  biodiversidade,  só  quem  está  um  pouco  dentro  do   meio   percebe   que   existe   muito   desconhecimento   com   muitas   espécies   de   flora   e   fauna,   a   fotografia   de   natureza   também   serve  para  isso  mesmo.     Como   fotografo   de   natureza,   que   gosta   de   viajar,   acho   que   temos  muito  por  onde  escolher,  toda  a  América  do  Sul  é  muito   interessante   em   termos   de   paisagem,   áfrica   pela   sua   excentricidade  de  espécies  e  Índia    e  Asia  também  interessante,   diŽcil  é  escolher!       PS   –     E   dos   locais   que   já   Bveste   oportunidade   de   visitar   e   fotografar,   qual   foi   aquele   que   mais   te   tocou,   seja   lá   de   que   forma  fosse,  um  local  que  não  esqueças  mais??   PM  –  Impossível  esquecer  a  Islândia,  aquele  Pais  é  obrigatório   para  quem  gosta  de  fotografia  de  natureza,  temos  tudo  ali,  com   uma  grandiosidade,  uma  luz  fantáswca  e  o  pulsar  da  terra  que   se   sente   a   cada   passo,   foram   16   dias   a   pé   e     de     carro,     que   repewa  muitas  vezes  se  fosse  possível!       PS   –       Pedro   para   terminar,   Projetos   para   o   futuro?   Já   parBcipaste   em   Livros,     exposições,   revistas   etc.,   tens   mais   alguma  coisa  pensada  para  o  futuro?   PM  –  Muitas  ideias,  pouco  tempo  e  poucos  apoios  para  as  levar   para   a   frente,   ainda   assim   vamos   trabalhando   em   alguns   projetos   pessoais   nos   preenchem   e   eswmulam   a   conwnuar   a   fazer  fotografia.  Estou  neste  momento  a  fazer  a  revisão  de  uma   reportagem   e   mapa   na   Nawonal   Geographic   Portugal,   onde   assino   as   imagens   da   reportagem   de   8   páginas   e   todas   as   imagens   do   mapa   que   acompanha   a   revista,   foram   três   semanas   a   fotografar   o     Geopark   Naturtejo   da   Meseta   Meridional   que   estará   nas   bancas   em   Agosto.   Também   enquanto   terminava   esta   entrevista   atendi   uma   chamada   e   mais  um  contacto  para  uma  awvidade  na  área  da  fotografia  de   natureza   nas   aldeias   do   xisto   para   toda   a   família,   dá   para   perceber   que   o   segredo   é   não   parar,   porque   os   projetos   aparecem  naturalmente...         PHOCAL  PHOTOVISIONS  |71        


PEDRO  MARTINS   FOTÓGRAFO  FREELANCER    -­‐  CASTELO  BRANCO    –  PORTUGAL     INFO@PMARTINS.NET  |    HTTPS://WWW.FACEBOOK.COM/PEDROMARTINS.PHOTOGRAPHY    TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  –  ©    PEDRO  MARTINS  

   

72  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


74  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  75    


76  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  77    


78  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


w a g o   x a v i e r  

                                            Tiago   Xavier   nasceu   no   Porto   em   1985.   Hoje   é   fotógrafo,   mas   podia  ter  sido  designer  ou  arquiteto.  Ou  veterinário.   Criado   em   Torres   Vedras,   ainda   em   miúdo,   wrou   as   suas   primeiras  fotografias  com  uma  máquina  das  tartarugas  ninja.  A   cara   de   Rafael,   a   tartaruga   de   fita   vermelha,   aparecia   carimbada   nos   seus   primeiros   ensaios.   A   mãe   nunca   se   atreveu   a   chamá-­‐lo   mais   do   que   uma   vez   para   jantar   quando   ele   estava   entrewdo   a   desenhar   ou   a   fotografar:   “não   era   capaz   de   interromper   um   momento   desses”.   Bem   cedo   começou   a   captar  o  mundo  à  sua  volta.  Primeiro,  desenhando  tudo  aquilo   que   via.   Depois,   com   o   recurso   à   sua   grande   amiga   máquina   fotográfica.     Viu   a   química   e   a   Žsica   de   uma   analógica   transformarem-­‐se   na   electrónica   e   informáwca   de   uma   digital.   Mas   não   lhe   perdeu   o   encanto.   O   fascínio   pela   imagem   e   a   busca  incessante  pela  perfeição  deixaram-­‐no  crescer  ao  sabor          PS   -­‐   Tiago,   tanto   quanto   sei,   o   teu   gosto   pelas   artes   começa    cedo   e   não   foi   preciso   muito   tempo   para   te   destacares   na  

fotografia.   Mas   sempre   foi   esse   o   teu   sonho,   ou   Bnhas   objecBvos  em  outras  áreas?   TX  -­‐  Desde  já  agradeço  pelo  convite  e  dou  os  meus  parabéns  à   publicação.   De   facto,   eu   desde   muito   cedo   que   comecei   a   expressar-­‐me   através   do   desenho.   Senw   sempre   um   grande   apoio  por  parte  dos  meus  pais  e  amigos  a  explorar  o  meu  lado   ar•swco.   Conforme   fui   crescendo,   aumentou   a   minha   sensibilidade   e   curiosidade   em   relação   a   outras   artes.   Tenho   formação  académica  em  Design  de  Comunicação,  mas  a  minha   paixão  pela  imagem  e  cinema  acabaram  por  falar  mais  alto.       PS   -­‐   Quando   é   que   decides   enveredar   pelo   profissionalismo   e   como   é   que   o   conseguiste   tão   cedo?   Sim,   porque   tu   és,   e   desculpa   o   termo,   um   “Puto   Novo”   já   com   um   por}ólio   invejável.   TX   -­‐   Comecei   cedo.   Por   volta   dos   meus   20   anos,   estava   eu   na   universidade   a   estudar   design,   e   já   ia   fazendo   uns   trabalhitos   por   fora,   tanto   de   fotografia   como   de   design   gráfico.   Quando   dei   por   mim,   o   curso   deixou   de   fazer   senwdo,   pois   aprendia   muito   mais   com   a   experiência   que   ganhava   a   trabalhar.   Conwnuei   a   ganhar   clientes   e   a   mostrar   e   aumentar   o   meu   poršólio.   Com   o   tempo   e   com   a   valorização   que   as   pessoas   foram   dando   ao   meu   trabalho   fotográfico,   deixei   o   design   de   lado  e  persegui  outros  sonhos  -­‐  Fotografia  e  Cinema.       80  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      

        dos  cliques  que  se  foram  ouvindo  à  sua  volta.  A  dedicação  foi   aumentando   e   os   Pais   nunca   wveram   coragem   para   o   parar.   Pelo   contrário:   “o   caminho   que   ele   escolheu   já   wnha   nascido   com  ele”,  como  dizem  aqueles  que  há  mais  tempo  o  conhecem.   Apesar   de   tudo,   o   Tiago   não   seria   capaz   de   casar   com   a   sua   máquina.   Diz   que   a   relação   que   mantêm   é   “estritamente   profissional”.   Depois   de   estudar   e   formar   se   em   Design,   em   Aveiro,   onde   cresceu,   Tiago   experimentou   e   seduziu   o   mundo   da   fotografia   de   moda,   retrato,   entre   outros.     A   dedicação   e   curiosidade   que   pôs   em   cada   disparo   levaram-­‐no   longe.   Mas,   como   perfeccionista   que   é,   ainda   queria   (e   quer)   aprender   mais.   A   irreverência   e   originalidade   da   sua   fotografia   ainda   surpreendem   os   amigos,   mesmo   aqueles   que   já   o   viram   fotografar   este   mundo   e   o   outro.   Mais   tarde,   e   já   em   Lisboa,   dedicou-­‐se   a   uma   produtora,   onde   trabalha   atualmente   rodeado  de  amigos.  Desde  então,  tem  viajado  pelo  mundo  do   audiovisual.   Além   de   fotografar,   trabalha   em   publicidade   e   cinema,   onde   já   se   aventurou   na   direção   de   fotografia,   chegando   mesmo   a   assinar   alguns   spots   publicitários,   curtas-­‐ metragens   e   videoclips.   A   mesma   precisão   e   o   rigor   com   que   dispara  o  obturador  fazem  dele  um  homem  capaz  de  captar  os   pormenores  mais  ínfimos  da  vida  também  em  vídeo.  Mas  ainda   não  chega:  Tiago  ainda  quer  ser  responsável  por  campanhas  de   publicidade,   quer   fotografar   pandas   e   deixar   a   sua   marca   em   projetos  de  ficção  que  se  destaquem  pela  sua  qualidade.  Quer   e  vai  conwnuar  a  aprender  e  a  aperfeiçoar  o  seu  trabalho  cada   vez  mais.  A  irreverência  e  o  experimentalismo  vão  conwnuar  a   dar  asas  à  sua  fotografia  e  a  quem  se  cruzar  com  ela.  E  é  com   ela,   com   a   fotografia,   que   o   Tiago   vai   conwnuar   a   contar   estórias  e  a  guardar  a  sua  história.   Hoje,  Tiago  é  fotógrafo,  mas  podia  não  ter  sido  e  aí  é  que  está!     Rita  Oliveira,  Julho  2012     PS   -­‐   Voltando   atrás,   como   foi   que   começaste   a   fotografar?   Tiveste  influências  ou  veio  apenas  do  teu  gosto  pela  arte  que   te  impeliu  a  fazer  experiências?   TX  -­‐  Não  wve  uma  influência  direta.     Só   já   muito   mais   tarde,   no   meio   profissional,   é   que   wve   contacto   com   outros   fotógrafos.   Comecei   a   fotografar   com   mais   frequência   com   a   chegada   do   digital.   No   final   da   adolescência  já  me  wnham  passado  vários  modelos  de  câmaras   fotográficas  pelas  mãos.  Habituei-­‐me  a  ter  sempre  uma  câmara   como  companhia  e  nunca  saia  à  rua  sem  uma.       O   meu   gosto   pela   cultura   da   imagem   e   da   sua   criação   fez   da   fotografia   uma   necessidade.   Consumi   sempre   muitas   revistas,   livros  e  filmes,  o  que  aumentou  o  meu  imaginário  visual.       PS  -­‐  A  moda  e  a  publicidade  são  recorrentes  no  teu  trabalho.  O   que  é  que  te  atrai  nessas  áreas?   TX   -­‐   O   arwficial,   a   ficção   e   o   conceptual.   Gosto   de   contar   estórias.   Estas   áreas   transpiram   criawvidade   e   isso   vê-­‐se   nos   trabalhos   mais   interessantes.   Também   me   atraem   muito   por   exigirem  um  perfeccionismo  acima  da  média,  afinal  de  contas,   na   maior   parte   das   vezes   o   objecwvo   é   vender   e   tudo   na   imagem  tem  que  estar  perfeito.     PS   -­‐   Também   tens   retractos   fantásBcos.   Como   foi   para   B   fotografar,  por  exemplo,  o  Herman  José?      


TX   -­‐   O   retrato   para   mim   é   sempre   muito   recompensador.   É   conhecer  uma  pessoa  nova  e  no  fim  mostrar  ao  mundo  o  que   essa   pessoa   é   aos   nossos   olhos,   e   o   que   ela   se   permiwu   a   revelar   de   si   mesma.   No   caso   do   Herman   José,   foi   a   primeira   vez  que  o  conheci.  Como  fã  que  sou  e  sempre  fui,  desse  Grande   Arwsta   português,   por   vezes   tão   pouco   compreendido,   estava   nervosíssimo.     O  trabalho  era  um  editorial  para  uma  revista.  Acompanhei  uma   equipa  de  jornalistas  na  sua  entrevista  ao  “Zézinho”  e  conheci   de   perto,   o   que   já   desconfiava,   um   homem   muito   culto,   com   muitas  estórias  para  contar  e  uma  humildade  e  disponibilidade   enorme.     Tive  pouco  mais  de  5  minutos  para  o  fotografar.  Improvisei  um   pequeno   flash   num   tripé   com   uma   mini   so‘box   e   aproveitei   ao   máximo   o   que   o   local   me   podia   dar,   mesmo   que   minimalista.   Foi  uma  sessão  muito  curta  e  crua.  Ainda  me  orgulho  muito  do   resultado.   Acho   que   consegui   mostrar   o   homem   simples   que   conheci,  por  detrás  da  estrela  que  é.     PS   -­‐   Apesar   de,   como   já   referi,   seres   ainda   um   jovem.   Tens   integrado   em   equipas   de   grande   produções   áudio   -­‐   visuais.   Para   marcas   como   por   exemplo   a   Vodafone,   Unitel,   Mini   Preço   e   mais   recentemente   para   a   Milaneza,   entre   outras.   Como   é   que   te   sentes   quando   és   chamado   a   parBcipar   em   trabalhos  dessa  dimensão?   TX   -­‐   Sinto-­‐me   valorizado   e   com   uma   grande   responsabilidade.   Tenho   wdo   a   oportunidade   de   trabalhar   ao   lado   de   grandes   profissionais   e   isso   só   me   enriquece.   Mais   importante   ainda   é   trabalhar   ao   lado   de   amigos,   o   que   torna   todo   o   resto   mais   fácil.     Ter  todo  o  wpo  de  meios  ao  nosso  alcance,  que  estas  produções   permitem,  abre-­‐nos  todo  um  mundo  de  possibilidades,  e  deixa   de   haver   desculpas.   Fica   tudo   a   depender   de   nós   e   da   nossa   criawvidade   quando   nos   põem   à   prova.   Está   muita   coisa   em   jogo.  Gosto  também  do  factor  tempo,  que  é  tão  curto  na  maior   parte  destes  trabalhos  e  faz-­‐nos  evoluir  mais  rapidamente.       PS   -­‐   Tu   mostras,   no   teu   trabalho,   várias   áreas   da   fotografia,   tens  alguma  preferida?   TX   -­‐   Acho   que   é   o   retrato.   Desde   que   envolva   seres   vivos,   pessoas  ou  animais,  sinto-­‐me  em  casa.       PS   -­‐   Tiveste   mentores?   Quais   são   as   tuas   influências   fotográficas?   TX   -­‐   Eu   sou   autodidata.   Como   já   disse   só   mais   tarde,   já   a   trabalhar,  wve  contacto  com  outros  fotógrafos.  Nomeadamente   com  muitos  mais  anos  de  experiencia  que  eu.  Mas  sempre  fui   um   assíduo   consumidor   do   que   de   melhor   se   faz   por   esse   mundo  fora.     Mais   nas   áreas   da   publicidade,   retrato   e   moda.   Não   me   sinto   diretamente   influenciado   por   nenhum   fotógrafo   específico,   mas   admiro   e   aprendo   muito   com   o   trabalho   de   muitos   fotógrafos,   como   por   exemplo   Amy   Leibovitz   ou   David   Lachapelle.       PS  -­‐  És  mais  fotógrafo  de  rua  ou  de  estúdio?   TX   -­‐   Mostro   mais   o   que   faço   em   estúdio,   mas   de   momento   prefiro   trabalhar   mais   em   exteriores,   e   acho   que   foi   o   que   sempre  fiz  mais.  Canso-­‐me  de  estar  sempre  fechado  em  estúdio   e  no  meio  de  luzes  arwficiais.              

PS  -­‐  És  um  fotógrafo  que  escuta  as  ideias  dos  outros  ou  segues   sempre   um   rumo   que   defines   na   tua   forma   de   viver   a   fotografia.   TX   -­‐  Considero  o  trabalhar  em  equipa  muito  importante  no  que   faço.   Assim,   mostro-­‐me   sempre   disponível   e   sou   sensível   ao   que   os   meus   colegas   têm   a   dizer   para   enriquecer   o   que   estamos   a   fazer.   Nem   falo   nos   clientes,   que   têm   sempre   a   úlFma   palavra.   Contudo,   tenho   uma   visão   muito   concreta   do   que   quero   fazer   e   sei   juswficar   bem   a   minha   ideia   para   que   sobreviva.   Nesse   senwdo   construo   e   protejo   o   meu   trabalho   com  uma  idenwdade  muito  própria.     PS  -­‐  Também  já  fizeste  umas  incursões  pelo  fotojornalismo.  É   algo  que  te  agrada  ou  preferes  ser  mais  criaBvo  nas  imagens   que  fazes  e  não  tanto  um  mero  espectador?   TX   -­‐   Agrada-­‐me.   Mas   tenho   consciência   que   nessa   área   sou   um   mero   curioso.   O   meu   trabalho   pessoal   passa   mais   pela   encenação  e  controlo  total  no  processo  da  criação  da  imagem.     No  entanto,  a  reportagem  de  vida  selvagem  é  algo  que  me  atrai   muito.   Gostaria   de   numa   fase   mais   avançada   de   carreira   e   despreocupação   na   vida,   poder   me   aventurar   um   bocadinho   nesse   ramo.   Pois   junta   duas   grandes   paixões,   a   fotografia   e   a   natureza.       PS  -­‐  O  que  é  que  ambicionas  para  o  teu  futuro  profissional?   TX   -­‐   A   médio   prazo   quero   instalar-­‐me   mais   no   meio   da   publicidade.   Assinar   uma   campanha   para   uma   grande   marca.   Conwnuar   os   meus   trabalhos   pessoais   de   realização   e   direção   de  fotografia.       PS   -­‐   Como   é   que   vês   o   que   te   rodeia?   Tens   preocupações   sociais  na  tua  fotografia  e  na  elaboração  dos  teus  trabalhos?   TX   -­‐   Não   acho   que   é   uma   constante,   mas   tenho   essa   preocupação  consciente  no  meu  trabalho.  Sei,  no  entanto,  que   posso   dar   um   grande   contributo   para   algumas   causas.   Estou   sempre   disponível   a   receber   convites   para   projetos   com   fins   de   apoio   social.   Se   é   bom   senwr-­‐me   úwl   a   fazer   o   que   melhor   e   mais  gosto  de  fazer,  é  bom  fazer  algo  pelos  outros.       PS  -­‐  Tiago,  como  vês  o  panorama  fotográfico  nacional?  Fala-­‐se   muito   de   fotógrafos   de   outras   nacionalidades,   mas   e   Portugal?  Temos  bons  profissionais?   TX   -­‐   O   contacto   que   tenho   wdo   com   o   ramo   da   fotografia   publicitária   em   Portugal,   mostra   que   são   quase   sempre   fotógrafos   estrangeiros   os   favoritos   das   agências,   talvez   por   isso  mesmo,  por  serem  só  de  outra  nacionalidade.  São  exówcos.     É  triste  porque  não  vejo  outra  razão,  nem  sequer  o  trabalho  é   melhor.   Temos   muito   bons   fotógrafos,   mesmo   muito   bons.   É   mesmo   triste.   É   o   País   que   temos.   Tal   como   em   tantas   outras   áreas,   os   portugueses   só   nos   dão   valor   depois   de   sermos   reconhecidos  lá  fora.     PS   -­‐   Para   terminar,   uma   pergunta   simples.   Qual   é   a   fotografia   que  não  gostarias  de  falhar  na  tua  vida?   TX  -­‐  Não  me  parece  nada  simples  a  pergunta.  Quero  fazer  ainda   tanta   coisa.     Fotografar   tanta   gente.   Para   mim   o   mais   importante   é   fazer   o   que   gosto   e   ser   feliz.   Sem   dúvida   que   a   nível   pessoal   retratar   uma   família   que   venha   a   construir   e   ir   registando   a   sua   história   até   ao   fim   dos   meus   dias,   vai   ser   o   melhor  trabalho  que  poderia  encomendar  a  mim  próprio.           PHOCAL  PHOTOVISIONS  |81        


TIAGO  XAVIER   LISBOA  –  PORTUGAL     INFO@TIAGOXAVIER.PT  |WWW.TIAGOXAVIER.PT  |    HTTPS://WWW.FACEBOOK.COM/TIAGOXAVIERPHOTOGRAPHY    TODAS  AS  IMAGENS  ESTÃO  PROTEGIDAS  POR  DIREITOS  DE  AUTOR  –  ©    TIAGO  XAVIER    

82  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  77    


84|  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  85    


86  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS  |87      


88  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


concursos  phocal  –  olhos  nos  olhos  

FOTO  VENCEDORA:  PEDRO  CARMONA  SANTOS  |  OLHOS  NOS  OLHOS  |  LISBOA  |  FEV  2011    

90  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


PHOCAL  PHOTOVISIONS    |  91    


92  |  PHOCAL  PHOTOVISIONS      


concursos  temáwcos  

PAG  90  |    PEDRO  CARMONA  SANTOS  |  OLHOS  NOS  OLHOS  |  LISBOA  |  FEV  2011   PAG  90  |    LUIS  FELICIO  |  EU  |  LISBOA  |  JUL  2012   PAG  91  |    FATIMA  CONDEÇO  |  O  ZÉ    |  NAZARÉ  |  AGO  2009     PAG  91  |    JORGE  MANUR  |  BAMBIOLHAR  |  ALGARVE|  JUN  2012     PAG  91  |    MÁRIO  MEDEIROS  SANTOS  |  NICOLAS  |  ABRANTES  |SET  2003   PAG  91  |    RICARDO  MENDES  |  “ESSE  TEU  OLHAR”  |  SESIMBRA  |  MAR  2011   PAG  91  |    DINA  BALTAZAR  |  ESPELHO  MEU  |  ALENTEJO  |  NOV  2012   PAG  92  |    HELENA  MIGUEL  |  OLHAR  AGUÇADO  |  BELMONTE|  AGO  2011      

PAG  92  |    JORGE  SILVA  |  OLHAR  INCOENTE  |  CANTANHEDE  |  JUL  2012   PAG  92  |    JOÃO  VAZ  RICO  |  HALF  SOUL  |  ABRANTES  |  JUN  2012   PAG  92  |    JOSÉ  SOBRAL  |  DE  ATALAIA  |  SANXENXO  |  ABR  2012   PAG  93  |    MARIA  LÁZARO  |  ONE  EYE  |  ZOOLÓGICO  |  JUL  2012     PAG  93  |    NUNO  DE  SOUSA    SIMPLESMENTE  UM  OLHAR  |  SINTRA  |  DEZ  DE  2011  

PHOCAL  PHOTOVISIONS  |  93      


94  


95  


PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  96  


REVISTA PHOCAL PHOTOVISIONS Nº 06 - JULHO 2012