Issuu on Google+

edição PRIMEIRA

Lei agora pune autor de trote A partir de agora, quem passar trote para Samur, Bombeiros ou PM vai ser punido segundo lei publicada no Diário Oficial de 6ª feira (27). Identificado como autor, o culpado terá de ressarcir os cofres públicos por despesa que causar. > A-4

Mega deve pagar R$ 42 milhões A Mega-Sena acumulou e deve pagar R$ 42 milhões nesta quarta-feira, 1° de agosto. As seis dezenas sorteadas no sábado: 18, 29, 40, 42, 50 e 54. Ao todo, 70 pessoas fizeram a quina e vão receber R$ 48.372,46, cada.

Ano 9 | Edição 476 | Maceió, Alagoas, 30 de julho a 5 de agosto, 2012 | R$2,00

Obra do Reginaldo pode sofrer intervenção Após denúncia do PE sobre abandono do projeto, Estado se manifesta e revela que governo federal ameaça intervir > A-4 Miguel Goes

FALTA DE MÉDICOS E POUCOS RECURSOS AGRAVAM A SITUAÇÃO DA SAÚDE EM AL Humberto Gomes avalia atendimento de planos de saúde e culpa governantes por tratarem SUS à míngua

Humberto Gomes:”Faltam recursos para saúde”

A falta de recursos, para assistência aos pacientes do SUS, e a falta de médicos no Estado, são os principais pro-

blemas que atingem o setor de saúde em Alagoas, segundo o presidente do Sindicato dos Hospitais Particulares,

Humberto Gomes de Melo em entrevista ao PE. Também provedor da Santa Casa de Maceió, ele fala sobre as ope-

radoras de plano de saúde e culpa os governantes por destinarem poucos recursos para a saúde pública > A-6

PLANO REDUZ TAXA DE HOMICÍDIOS, MAS ASSALTOS CONTINUAM EM ALTA A violência em Alagoas diminuiu, real, sobretudo da taxa de homicí- PRIMEIRA EDIÇÃO, o secretário mete mais ação para conter os para atender à demanda. Sobre a nesses últimos 30 dias, graças ao dios, mas o índice de assaltos con- de Defesa Social, Dário César, faz assaltantes. Segundo ele, o siste- duração do plano, avisa: "Não há plano Brasil Mais Seguro. Queda tinua elevado. Em entrevista ao um balanço dos resultados e pro- ma prisional está sendo ampliado prazo para acabar". > A-5 Divulgação / Agência Alagoas

Rui usará política salarial do Estado durante campanha O deputado tucano Rui política salarial do governo Palmeira, candidato a pre- Teotonio Vilela como mote feito de Maceió, vai usar a de campanha. > A-3

'Haroldo Móveis' entra no páreo por vaga de vereador Com ações enérgicas e contínuas da Polícia, a criminalidade em Alagoas começa a ceder. Os assaltos ainda são muitos e constantes, mas a taxa de homicídios começou a cair, conforme balanço do plano Brasil Mais Seguro. Na foto, policiais em ação numa das favelas de Maceió. > A-5

COM DOIS DE LUÍS FABIANO, SÃO PAULO METE 4X1 NO FLAMENGO Um grande clássico, uma grande goleada: 4x1 para o São Paulo diante de um Flamengo impotente e atolado em crise. O goleador Luís Fabiano, que prometeu vencer de três, fez dois gols de cabeça. O goleiro Rogério Ceni, maior ídolo da torcida tricolor na atualidade, voltou a jogar e foi responsável pelo grande público no Morumbi. > ESPORTES

Divulgação

Superior o tempo todo, tricolor do Morumbi goleou o Flamengo por 4x1

PMDB é partido com maior número de candidatos em AL >

A-2

Lojista dos mais conceitua- ga de vereador e quer dos, 'Haroldo Móveis' de- apoio dos comerciantes cidiu concorrer a uma va- maceioenses. > A-2

ASA PERDE NO INÍCIO, GALO PERDE NO FIM, E CSA VENCE CSA foi o único time alagoano a vencer na semana que passou: ASA perdeu para o Goiás (1x0),gol no começo do jogo, e CRB foi derrotado pelo Vitória (1x0), gol no final da partida em Salvador. Já CSA voltou a fazer o dever de casa e venceu o Itabaiana (2x1) no Estádio Rei Pelé, com o que se classificou para a próxima fase da Série D.> ESPORTES

Jéssica Pacheco / Colaboradora

CSA jogou o suficiente para vencer e se classificar para nova fase da série D

STF começa na 5ª a decidir destino dos 38 mensaleiros>

Fale conosco | (82) 3325.2815 | Internet: http://www.primeiraedicao.com.br

A-8


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

A2 | Política

TO N O O R F I N R O Á C ID T R PA Da Redação

O último levantamento do Tribunal Superior Eleitoral (STE) sobre as eleições municipais em Alagoas indica o PMDB com maior número de postulantes na disputa majoritária. São 38 candidatos a prefeito e 33 a vice. O PSDB concorre com 36 candidatos a prefeito e 18 a vice. O PP, que aparece em 3º lugar com 33 candidatos a prefeito e 18 a vice, é a sigla com maior número de candidatos a vereador: 585, seguida do PMDB com 549 e do PSDB com 466. O PT chega bem próximo com 460

Com 38 candidatos, PMDB lidera a disputa por prefeituras em Alagoas PSDB é 20 colocado com 30 postulantes; PP vem em 3º com 33 e lidera candidaturas proporcionais candidatos. O levantamento do DivulgaCand/TSE mostra que a disputa entre o PMDB do senador Renan Calheiros, o PSDB do governador Teotonio Vilela Filha e o PP do senador Benedito de Lira está acirrada. Logo a seguir aparece o PTB do senador Fernando Collor com 20 candidatos, e o PSD de João Lyra, também com 20 candidatos a prefeito. Esses números ainda podem sofrer alterações com impedimentos ou desistência de candidatos. Mas é bom lembrar que na disputa municipal não se deve Divulgação

levar em conta apenas a legenda. Renan, por exemplo, teve apoio de 99 dos 102 prefeitos de Alagoas nas eleições de 2010, situação não muito diferente de Benedito de Lira. Teo Vilela apóia candidatos do PMDB em várias cidades (Piranhas e Coruripe, por exemplo) enquanto Renan apóia

candidatos tucanos em outras (caso de Palmeira dos Índios e União dos Palmares). Na sequência da ordem numérica, o PDT de Ronaldo Lessa aparece com 15 candidatos, seguido do PT, também com 15 candidatos a prefeito. O PSB registrou 14 candidatos, o PPS 13, o DEM, 12 e o PSC, 11. O PRP

registrou 10, PTdoB e PRTB, 8, cada um, PMN, 7, PSOL e PHS, 6, cada um. PTC e PR registraram 5, cada um. Os demais partidos tem menos de 5 candidatos. Foram divulgados até agora na página do TSE na internet (www.tse.jus.br) os registros de 302 candidatos a prefeito e 302 a

vice em Alagoas, além de 6.973 postulantes que vão disputar 1.047 vagas nas câmaras municipais da capital e interior, o que dá uma média de 6,65 candidatos por cada "cadeira" de legislador. Na majoritária, em média, são menos de três candidatos para cada vaga de prefeito e vice.

> CANDIDATO

Haroldo Móveis disputa vaga na Câmara defendendo moralização Luciana Martins

Luciana Martins Repórter

Mosart Amaral é o PMDB na chapa encabeçada por Ronaldo Lessa

Na capital, partido disputa sucessão com Mosart vice Na capital, o PMDB disputa a prefeitura com a candidatura do presidente municipal de seu diretório, o engenheiro Mosart Amaral, nome de consenso do partido para compor com o também engenheiro Ronaldo Lessa, presidente estadual do PDT, que pretende retornar ao cargo de prefeito da capital. A chapa conta com o apoio de Renan, Collor, João Lyra e o prefeito Cícero Almeida, entre outros políticos de projeção no cenário estadual. Mosart, ex-secretário de infraestrutura da Prefeitura de Maceió, foi o auxiliar em duas gestões que mais projetou a administração de Almeida com um considerado volume de obras estruturantes, tanto nos bairros considerados nobres como na periferia da capital. Embora tenha realizado um trabalho puramente técnico, como ele próprio reconhece, as obras que realizou foram o passaporte para indicação de seu nome

como vice de Lessa. Outra cidade em que o PMDB indicou o vice é Arapiraca. O publicitário Yale Fernandes é o companheiro da chapa da deputada federal Célia Rocha (PTB). Da mesma forma que Lessa em Maceió, Célia pretende voltar à prefeitura do município, cargo que já ocupou por dois mandatos e que está sendo gerido atualmente por Luciano Barbosa (PMDB), um dos prefeitos mais bem avaliados do País. Yale faz parte de um grupo que vem ajudando a transformar Arapiraca, trabalhando nas áreas de comunicação e promoção de eventos. Essa participação, com seu envolvimento direto em políticas públicas, levou o PMDB a indicar seu nome para compor na chapa com o PTB. Apesar de não ter na família alguém que tenha migrado para essa área, até agora, ele sempre teve muito interesse e participação no crescimento da cidade.

O empresário alagoano Francisco Haroldo Amorim Costa, mais conhecido como Haroldo Móveis, é um dos nomes de destaque concorrendo a uma vaga na Câmara Municipal de Maceió. Mesmo não sendo político, ele decidiu participar do processo eleitoral deste ano por acreditar ser possível transformar o cenário da política maceioense com homens sérios e competentes. Profissional consolidado atuando há muitos anos no comércio alagoano, Haroldo Móveis disse que o seu objetivo, se eleito, é levar para a Câmara projetos e propostas de real interesse da coletividade. Sobre a campanha eleitoral, ele critica os que gastam muito para conseguir um mandato: "Quem sai gastando rios de dinheiro não se compromete com a população. Quando se elege, acha que já está quites porque o mandato lhe custou uma fortuna. Por isso nossa campanha é aquela de pé no chão, pé descalço". Haroldo aposta no voto dos eleitores que levam a política a sério porque esta é a sua proposta. "Chegando à Câmara, o eleitor pode cobrar de mim e pode me atacar se me vir participar de alguma falcatrua". O empresário garante que ao longo do seu mandato, caso seja eleito, não vai empregar nenhum parente e terá uma equipe de assessores técnicos composta

Haroldo Móveis entra na corrida por uma cadeira na Câmara de Maceió pregando moralização

por engenheiro, advogado, economista e contador. "A equipe técnica é para estudar o projeto que o prefeito mandar à Câmara para ver se é viável, para preparar e analisar os projetos realmente sérios, todos voltados para resgatar Maceió do caos". Confiante em seu desempenho nas urnas, ele crê que Alagoas pode dar um exemplo para o Brasil, elegendo homens e mulheres de bem, e não políticos carreiristas. "O vereador tem que ser um fiscal. Ele não faz obra, ele aprova os projetos do município, projetos que sejam bons para

comunidade. Seu papel é propor, sugerir e defender medidas que melhorem a vida da sociedade". A ideia de Haroldo Móveis é disputar uma única eleição, sem reeleição, "mesmo que tenha aprovação de 100% dos eleitores". "Sou contra reeleição de qualquer cargo político, vereador, deputado, governador, prefeito, deputado. Meu apoio é moral e apenas à candidata a prefeita da minha coligação, Nadja Bahia. Não tenho compromisso político com nenhum deputado, vereador, senador e prefeito" - afirmou.

Partidos não esperam mais cadeiras Depois de muitas idas e vindas, os partidos políticos já organizam suas chapas proporcionais tendo como meta a disputa de 21 vagas na Câmara Municipal de Maceió. Ainda existe recurso no Judiciário, pugnando por um aumento para 30 vagas, mas para os políticos mais experientes a hipótese de uma mudança a essa altura está descartada. Nove partidos impetraram mandado de segurança e chegaram a conseguir uma

liminar em primeiro grau ampliando o número de cadeiras para 30, mas a decisão logo foi revogada pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Sebastião Costa Filho. O aumento de vagas reduziria o quociente eleitoral, o que facilitaria a reeleição de alguns vereadores que, pelo péssimo desempenho na atual legislatura, dificilmente terão a chance de renovar seus mandatos. Um dos mais ardorosos defensores do

aumento, Ricardo Barbosa (expulso do PSOL e hoje abrigado no PT) chegou à Câmara com menos de 500 votos e agiu sabendo que, com o atual quociente eleitoral, sua chance de se eleger é praticamente nenhuma. Conquistar reeleição este ano não será fácil para nenhum vereador: a Câmara vive um dos piores momentos de sua história, sendo alvo de denúncias de omissão e empreguismo praticado pela Mesa Diretora.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

Política | A3

> CAMPANHA Romero Vieira Belo

Enfoque Político Intolerância com grevistas Na véspera do julgamento do mensalão - o esquema de compra de votos no Congresso Nacional durante a era Lula - o governo endurece o jogo com seus grevistas. Quem são? Professores federais e funcionários da Receita Federal, dentre outros, gente que, quando o PT fazia oposição, era vítima de 'governantes despóticos' que, só por ruindade, se negavam a conceder reajustes salariais. Lula via a greve como um movimento sagrado, o grevista era um herói massacrado e o fura-greve, um verme desprezível. O que diria o mito petista, hoje, ao saber que o governo do PT inventou uma fórmula de furar as greves mandando substituir os servidores parados por 'equivalentes' de estados e municípios? Seria interessante, especialmente interessante, ver e ouvir Lula, hoje, dando entrevista para dizer o que acha da decisão do governo de cortar o ponto (e os salários) dos massacrados professores que, com a remuneração congelada desde 2009, só viram na paralisação um legítimo e legal instrumento de pressão? O que faz o governo petista ao se insurgir dessa forma contra os servidores grevistas? Afronta a Constituição Federal que assegura o direito de greve aos funcionários públicos. Não se está aqui fazendo defesa ou apologia da greve e muito menos do grevismo. Está-se, tão-somente, mostrando até onde um partido político, ontem na oposição e hoje no poder, pode ser contraditório e paradoxal. E a CUT, como reage a Central Única, braço direito do PT? Não deveria ir às ruas, mobilizar a massa proletária sugada, ocupar a Praça dos Três Poderes e protestar contra a 'tirania' do Planalto? VOTAÇÃO DE HELOÍSA 1

VOTAÇÃO DE HELOÍSA 2

Recordista de votos na eleição de 2008, Heloísa Helena não terá dificuldade para se reeleger vereadora, mesmo isolada no PSOL. Mas os observadores avaliam que sua votação sofrerá uma queda considerável.

Na bolsa de apostas, os otimistas falam em 15 mil votos, enquanto os cautelosos arriscam 12 mil. Ou seja, dentro dessas previsões, não haverá espaço para eleição de mais um com sobra de legenda.

FONTAN É ÚNICO CANDIDATO DE SEU GRUPO Na coligação liderada pelo PRTB, Aldo Amélio não é candidato a vereador e Henrique Manso está inelegível (rejeição de contas pelo TCU). Portanto, o candidato pra valer do grupo chama-se Arnaldo Fontan, ex-presidente da Câmara Municipal e atualmente único herdeiro político do velho guerreiro Audival Amélio. COM VERBA PRÓPRIA Depois de investir a bagatela de R$ 120 milhões na obra (recursos próprios do Estado), o governador Teotonio Vilela afinal marcou data para inaugurar a duplicação da AL-101-Sul: 22 de setembro.

COMITÊ TUCANO O deputado Rui Palmeira reúne nesta segunda-feira (30) grande número de aliados, eleitores e simpatizantes, na inauguração de seu comitê central de campanha, na Av. Fernandes Lima, perto do Banco Itaú.

DISCURSO ELEITOREIRO NÃO ATINGE PREFEITO CÍCERO ALMEIDA Candidatos que, tentando atingir Ronaldo Lessa, criticam Cícero Almeida fazendo 'cobranças', estão atirando no próprio pé. Cansado de discurso eleitoreiro, o maceioense sabe divisar o rompante oportunista da crítica sincera. Por que cobrar, agora, em cima das eleições, o que deveriam ter cobrado antes, aí sim, pensando no interesse da população? Como diz o secretário Francisco Araújo, "o prefeito Cícero Almeida deve ser avaliado pelo que fez - que foi muito - e não pelo pouco que deixou de fazer por falta de condições". SALÁRIOS DA ALE 1

SALÁRIOS DA ALE 2

Mesa da Assembleia Legislativa ainda não fixou data para divulgar os salários dos deputados e servidores, cumprindo o que determina a Lei de Acesso à Informação.

A grande curiosidade é para saber quanto ganham os assessores dos parlamentares (comissionados) com o reforço da robusta (e polêmica) Gratificação por Dedicação Exclusiva (GDE).

PROMESSA FEITA, PROMESSA CUMPRIDA Mesmo depois da vigência do Plano de Cargos, alguns servidores da Assembeia Legislativa viam com desconfiança a promessa de Ernandi Malta de conseguir correção anual para os salários. Até que, após muita insistência, o líder sindical da categoria conseguiu que a Mesa da ALE incluísse na LDO de 2013 22,9% de correção salarial referente à data-base de 2010,2011 e 2012. Uma vitória digna de comemoração. DIVISÃO NA OAB 1

DIVISÃO NA OAB 2

Os aliados do grupo liderado por Omar Coelho cobram uma intervenção do presidente no sentido de superar a divisão do bloco em torno de uma candidatura que de fato uma a categoria.

Marcelo Brabo ou Raquel Cabús quem representa o grupo de Omar Coelho? Com dois candidatos da situação, não é preciso ser perito eleitoral para saber que a oposição é quem se fortalece.

TOM PROFÉTICO DO MESTRE SOARES Mestre em Direito Eleitoral, o advogado Adriano Soares prevê decisões surpreendentes da Justiça Eleitoral, em Maceió, incluindo gente alcançável pela Ficha Limpa. "Isso - explica Soares - se a lei for aplicada, ao pé da letra, conforme a interpretação dada pelo STF.

Política salarial de Teotonio vai ser explorada por Rui Palmeira Governo tucano pacificou funcionalismo corrigindo salários conforme a inflação Miguel Goes

Everson Vieira Repórter

A política salarial adotada pelo governador Teotonio Vilela (PSDB) para o funcionalismo público do Estado é uma das armas que o tucano Rui Palmeira usará no Guia Eleitoral a partir de meados de agosto, quando a campanha se deslocará da apatia das ruas para a audiência consagrada da televisão e do rádio. Secretários de estado e assessores palacianos estão convencidos de que a política de reposição inflacionária foi uma das medidas mais acertadas da gestão Téo Vilela, que teve um início de governo (primeiro mandato) tumultuado com deflagração de greves em diversos setores da administração pública estadual, incluindo a segurança pública. Reeleito em 2010, e preocupado com futuros movimentos grevistas no âmbito do Executivo, Teotonio Vilela resolveu pacificar o funcionalismo com o anúncio de uma política salarial ousada, baseada numa indexação informal: a partir de 2011, nos meses de abril, o governo passaria a reajustar os salários

Rui Palmeira vai explorar política salarial adotada pelo governador Téo Vilela

dos servidores aplicando a inflação oficial do ano anterior. De início houve reações pontuais em setores do funcionalismo, mas logo a maioria dos servidores entendeu e aprovou a sistemática de reposição inflacionária, de tal modo que desde então nenhuma categoria funcional teve a iniciativa de entrar em greve. Segundo assessores do governo, considerando o impasse que marcou a relação do governo com os servidores, nos primeiros meses de Teotonio Vilela

no poder, a nova política salarial servirá será um trunfo para Rui Palmeira explorar nos debates com os demais candidatos, mormente os que fazem oposição a Vilela. O reajuste anual com base na inflação agradou não só aos servidores do Executivo, mas também aos dos demais poderes: Tribunal de Justiça e Ministério Público Estadual já corrigem os subsídios de seus funcionários cobrindo o índice oficial da inflação, enquanto a Assembleia Legislativa anuncia que vai ado-

tar a mesma sistemática a partir de janeiro do próximo ano. Ao anunciar a nova política salarial, o governador Teotonio Vilela Filho afirmou que a reposição inflacionária era a fórmula mais segura e constante de garantir o poder de compra dos salários, embora não contemple ganhos reais, ao menos por enquanto. O próprio líder estadual do PSDB, Claudionor Araújo, considera a política salarial um marco na gestão de Teotonio Vilela ao pacificar o funcionalismo e oferecer a todos uma garantia de correção anual nunca abaixo da inflação apurada no ano anterior. Já o presidente do Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa, José Ernandi Malta, destacou a coragem do governador ao adotar uma política salarial variando de acordo com os índices de inflação: "Defendi essa mesma política para o Legislativo e a Mesa, finalmente, está implantando a sistemática na ALE, valendo lembrar que ela se antecipa às correções previstas para a data-base que, em nosso caso, ocorre no mês de junho segundo a lei do PCCS".

> TEMA FORTE

Junto com violência, concurso público monopolizará debates Divulgação

Miguel Góes

vagas no mercado privado e à desproporção entre a abertura de postos de trabalho e o crescimento geométrico da demanda, o que faz com que o setor público volte a ser o grande empregador mediante critérios sérios e meritórios de seleção.

Repórter

No ano de eleições decisivas para a grande sucessão estadual de 2014, um assunto de caráter permanente e de interesse da sociedade em geral, mas, sobretudo dos jovens, tende a monopolizar - juntamente com a questão da violência - os debates no desdobramento da campanha eleitoral: os concursos públicos. Concurso público significa emprego, renda, oportunidade de trabalho, estabilidade funcional - e tudo isso faz com que os mais jovens olhem com uma atenção toda especial para os candidatos que incluem esse tema com prioridade em suas agendas e em seus programas de governo. A importância desse tema pode ser avaliada na disposição do governo do Estado ao anunciar, ainda para este ano, um concurso na Secretaria de Educação com 3.500 vagas (já confirmado pelo secretário Adriano Soares) além dos já anunciados para a Polícia Militar, Polícia Civil e Perícia Criminal. Para reforçar a posição de seu candidato a prefeito de Maceió, deputado federal Rui Palmeira (PSDB), o governo deixou de lado o discurso segundo o

RECORDISTA

Secretário Adriano Soares confirma cocurso na Educação com 3.500 vagas

qual o Estado não tinha como realizar concursos - mesmo para a segurança pública - porque os gastos com pessoal estavam no limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Com a crescente onda de críticas ao aumento da criminalidade, o governo a partir de maio buscou agilizar os editais dos certames na área policial, mas surpreendeu neste mês de julho com o anúncio de um mega concurso na Educação. Para os analistas políticos mais atentos, a estratégia do governo tucano é massificar a divulgação de concursos exatamente para desfazer, no imagi-

nário das pessoas, a ideia já sedimentada de que a filosofia tucana é refratária à contratação de servidores devido ao seu compromisso com o 'estado mínimo'. Mas o governo também está flexibilizando sua posição empurrado pelas iniciativas do Tribunal de Justiça, que já lançou o edital de seu concurso, e do Ministério Público Estadual, que também resolveu selecionar para contratar, isso sem falar nos certames anunciados pela Prefeitura de Maceió. Na atual conjuntura o concurso público ganhou importância capital devido à escassez de

Dos candidatos à sucessão de Cícero Almeida, apenas um o ex-governador Ronaldo Lessa - já exerceu a chefia do poder executivo, o que lhe possibilitou realizar numerosos concursos públicos. É verdade que muitos deles foram materializados graças à intervenção direta da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT), através de termos de ajustamento que propiciaram a contratação de milhares de servidores para os mais diferentes setores funcionais da administração estadual. Claro que todos os candidatos estão sensíveis à importância dessa questão, já que os concursos interessam ás famílias alagoanas em geral, e por isso mesmo vão assumir compromissos com os concurseiros, mas no final o bônus do apoio e do voto será dirigido àqueles que infundirem mais confiança e credibilidade.

PANORAMA ELEITORAL PROCESSO NO STF Num rol de 92 congressistas candidatos às eleições deste ano, respondendo a processo no Supremo Tribunal Federal, figura um alagoano: Joaquim Beltrão, deputado do PMDB e candidato a prefeito de Coruripe, responde ao processo nº 2749 (crime de responsabilidade).

FUNDO DO POÇO Enquanto aguardam o fim da greve na Ufal, estudantes insatisfeitos com o desempenho da Câmara de Maceió se organizam para lançar um movimento com a bandeira 'não vote nos atuais vereadores'. É um grito contra a pior legislatura da Câmara nas últimas décadas.

QUEM DIRIA O governo do PT (partido que ensinou o brasileiro a fazer greve) mandou cortar o ponto dos professores grevistas das universidades e institutos federais. E ainda determinou que os paredistas podem ser substituídos por equivalentes do serviço público estadual.

TORTURA E 'TORTURA' A tortura é um crime abominável, mas a Justiça alagoana precisa ser cautelosa para evitar que verdadeiros criminosos usem o argumento da tortura para se defender. Afinal, como ficará a Polícia, se todo bandido resolver dizer que só falou porque sofreu tortura mental, aquela que não deixa marcas?

CONTRA-ORDEM Veja como o Judiciário alagoano está afinado: um desembargador (Washington Luiz) concedeu liminar fixando a passagem de ônibus em Maceió em R$ 2.30 em fevereiro passado. Agora, um juiz de 1º grau (Igor Figueiredo) decidiu restabelecer a tarifa antiga de R$ 2.10. E a decisão do desembargador?

A GRANDE DECISÃO O julgamento dos réus do mensalão também põe em julgamento o próprio Supremo Tribunal Federal. Ainda bem, graças à mídia (jornal, TV, rádio, revistas, internet) o brasileiro já está informado o suficiente para distinguir entre o que é escândalo e o que é pirotecnia.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

A4 | Cidades Divulgação / Matheus Sandes

Secretário Marco Fireman garante que,de um jeito ou de outro, a obra será retomada

TO N JU ADO N CO DON N A B A

Primeira Edição

Projeto de R$ 120 milhões do PAC, a urbanização do Vale do Reginaldo tem conjunto em fase de conclusão abandondo pela construtora

Denúncia do PE faz o governo agir para retomar projeto do Reginaldo Governo federal exige que agentes se entendam e pode intervir para garantir maior obra financiada pelo PAC em AL

Da Redação

Ante a repercussão da matéria publicada no PRIMEIRA EDIÇÃO denunciando o abandono da obra de urbanização do Vale do Reginaldo, o governo do Estado decidiu se manifestar e anunciou que o projeto será retomado 'de qualquer jeito' ainda neste semestre, por determinação expressa do governo federal. O projeto, orçado em R$ 120 milhões, está paralisado desde o ano passado, quando as construtoras contratadas pelo Estado e pela Prefeitura de Maceió decidiram abandonar os serviços. - A obra do Reginaldo tem recursos assegurados no Programa de Aceleração do Crescimento

(PAC) e o governo federal abriu prazo de 60 dias para que haja um entendimento entre governo estadual, Prefeitura e Caixa Econômica para a retomada dos serviços - informou a assessoria do Palácio República dos Palmares. Na quinta-feira (26), em contato com o radialista França Moura, o secretário estadual de Infraestrutura, Marco Fireman, responsabilizou a Caixa Econômica pela paralisação do projeto e confirmou que a obra será retomada nos próximos meses. - O governo federal quer a retomada da obra e determinou que o governo do Estado, a Prefeitura de Maceió e a Caixa Econômica busquem o entendimento e superem suas divergências ou haverá uma intervenção para que o projeto tenha conti-

nuidade - disse o secretário Marco Fireman. Ele frisou que já existem vários blocos de apartamentos em fase de conclusão, mas salientou que ainda faltam cerca de 800 unidades residenciais, todas destinadas a abrigar as famílias que ocupavam casebres e barracos no Vale do Reginaldo. Segundo Fireman, por culpa da Caixa Econômica, o governo está arcando mensalmente com vultosa soma para pagar aluguel dos imóveis provisoriamente ocupados pelas famílias que tiveram de deixar suas antigas moradas para permitir a construção do conjunto habitacional financiado pelo PAC. A reportagem do PE denunciou o abandono da obra e publicou fotos mostrando a degradação

dos blocos residenciais bem como a depredação causada por vândalos e marginais que roubam materiais de construção, portas e janelas dos apartamentos. Considerada a maior obra do governo federal em Alagoas, a urbanização do Vale do Reginaldo foi dividida em dois projetos, sendo um entregue ao governo do Estado e o outro á Prefeitura de Maceió. O projeto prevê não apenas a requalificação do Vale - uma das áreas mais pobres da capital - mas também a construção do sonhado Eixo Viário, a obra que, no conjunto, despoluiria o degradado riacho Salgadinho cujas águas poluídas desembocam na praia da Avenida.

> JOGO DURO

Lei começa a punir quem passar 'trote' Arquivo

A lei que regulamenta a punição para quem faz trote nas instituições públicas foi publicada no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (27). Agora é lei: quem passar trote para os serviços de urgência e emergência, como o Corpo de Bombeiros (193), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) e Polícia Militar (190), terá que ressarcir os cofres do Estado de todos os gastos provocados pela ligação de má-fé. A lei que regulamenta a punição para quem faz trote nas instituições públicas foi publicada no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (27). Em seu artigo 1º, diz o texto legal: "O responsável pelo acionamento indevido dos serviços telefônicos de atendimento a emergências envolvendo remoções ou resgates, combate a incêndios ou ocorrências policiais deverá ressarcir aos cofres públicos, mediante cobranças na fatura de serviços telefônicos da linha utilizada para a chamada, as eventuais despesas relacionadas ao atendimento". Conforme a nova lei, acionamento indevido é aquele originado de má-fé ou que não tenha como objeto o atendimento a emergência ou situação real que venha a justificar o acionamento, salvo nos casos de erro justificável. Os gastos que serão cobrados do infrator incluem combustíveis, equipamentos utilizados, profissionais mobilizados e todos os demais prejuízos que acontecerem em cada etapa do atendimento. A cobrança será feita mediante fatura da conta telefônica utilizada.

serviços de emergências é um crime previsto no código penal brasileiro em seu artigo 266. As punições para o trote podem chegar até três anos de reclusão.

EDUCATIVO

Atendimento de urgência e emergência do Samu tem sido prejudicado por trotes que se repetem todos os dias

A lei publicada sexta-feira é mais um mecanismo para diminuir os altos índices de trotes que sofrem todos os serviços de emergências. "No Samu, cerca de 80% das ligações recebidas pelo sistema 192, são de trotes e ligações indevidas", destacou a gerente geral da Assistência Pré-hospitalar da Secretaria de Estado da Saúde, Maria Aparecida Cavalcante Auto.

Segundo a gerente, é fundamental que se tenha uma legislação que possa bloquear ações que impeça que o serviço público possa ter prejuízo por pessoas que desrespeitam as instituições e os profissionais que estão fazendo o seu papel. Além do prejuízo financeiro, o autor do trote também pode ser responsabilizado com a perda de liberdade, já que realizar ligações falsas para

Para combater os trotes, o Samu possui dois projetos que visam conscientizar as crianças e adolescentes sobre a gravidade do trote. Os Projetos Samu nas Escolas e o Jovem Amigo do Samu, em parceria com a Secretaria de Assistência Social do Município de Maceió, visam minimizar os prejuízos decorrentes das ligações telefônicas relacionadas ao trote. A proposta do projeto Jovem Amigo do Samu é identificar os jovens com perfil para desenvolver o papel de interlocutores do Samu na comunidade. Em seguida, estes adolescentes recebem treinamento sobre primeiros socorros e aprendem sobre o funcionamento da instituição de emergência. O projeto Samu nas Escolas busca levar, através de palestras, conhecimentos para os jovens em idade escolar sobre a gravidade do trote, além de noções básicas de primeiros socorros. "Os alunos e professores são instruídos sobre como agir em situações de emergências e em que casos acionar o 192. A criança ao conhecer o serviço torna-se um parceiro, ensinando aos colegas e familiares que o trote pode custar vidas inocentes", comentou Maria Aparecida. (Com Agência Alagoas)


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

A N O A Ç N AVA URANÇ SEG

Cidades | A5

Plano reduz homicídios em Alagoas, mas índice de assaltos ainda é desafio Em entrevista exclusiva, secretário Dário César relata avanços e afirma que projeto não tem dia para acabar Agência Alagoas

Primeira Edição

Luciana Martins Repórter

Um mês após o início do plano Brasil Mais Seguro (lançado em 27 de junho), a taxa de homicídios em Alagoas está caindo de acordo com as expectativas das autoridades da segurança pública, segundo informou ao PRIMEIRA EDIÇÃO, no meio da semana que passou, o secretário de Defesa Social, coronel Dário César. Em dias de semana há registros altamente positivos: na quinta-feira (26), o IML de Maceió amanheceu com um único corpo na geladeira, uma vítima de queda; na sexta-feira (27) o Instituto Médico Legal não recebeu nenhum cadáver. Mas nos fins de semana a incidência de crimes de mortes ainda preocupa. O secretário revelou que a taxa de homicídios tem caído conforme o esperado: comparando-se julho de 2011 e o mesmo período de 2012, houve uma redução de 18% no número de crimes violentos letais intencionais (CVLI, sigla para assassinato), que incluem homicídios, latrocínios e resistência com morte. - Temos uma meta da Secretaria para redução do índice de homicídios, mas os números antes do plano já demonstravam uma redução, fruto de nosso trabalho, e agora com o Plano a tendência é que haja uma redução ainda maior - asseverou o secretário. Quanto aos assaltos, Dário César admitiu que eles continuam acontecendo já que vivemos em um país onde as diferenças sociais são enormes e por isso "muitos ainda pensam que

Secretário Dário César avisa: plano de segurança não tem prazo para acabar

o crime compensa". - Mas ações ostensivas nas ruas da capital têm como foco a diminuição desse tipo de crime. Quando a polícia faz uma operação ostensiva, cada vez mais focada nessas áreas onde há maior incidência desses delitos, há uma resposta maior. Temos feito diversas operações na capital para inibir os crimes letais e os assaltos - assegurou. De acordo com o secretário, os mandados de prisão também são expedidos para prender os traficantes que estão em Alagoas, enquanto o foco nos drogas tem que ser mantido e ampliado, priorizando também as ações no interior. - A polícia alagoana está se

estruturando para fazer esse combate. Colocamos mais um delegado na delegacia de combate ao narcotráfico para reforçar a luta contra as drogas em Alagoas porque elas ultrapassam os limites territoriais dos municípios e do Estado - disse o coronel.

EFEITO BEIRA-MAR O avanço das drogas em Alagoas por causa da vinda do traficante Fernandinho BeiraMar foi descartada pelo secretário porque não há nada que comprove essa teoria. - A disseminação da droga, principalmente do crack, está em todo o território brasileiro. Para afirmar que houve este

Acionamento de helicópteros respalda ação da polícia em terra e acaba fragiizando a posição dos bandidos

avanço por conta da vinda do traficante para cá era preciso um estudo técnico para confirmar essa afirmativa. Conforme Dário Cesar, as viaturas estão sendo direcionadas para os locais, dias e horas de maior ocorrência por isso as pessoas vêem mais policiais nas ruas. "Temos hoje um núcleo de estatística criminal que tem nos mostrado onde há maior índice de ocorrências de crimes e temos direcionado nossa polícia para esses lugares. Fazendo esse tipo de policiamento, a gente otimiza os recursos humanos e materiais e essa é a nossa leitura hoje. Temos um policiamento ostensivo direcionado e com isso temos melhores respostas".

verá mais 1800 novas vagas no sistema prisional. "Serão três sistemas prisionais com 600 vagas cada um, para serem construídos até 2014. Vamos duplicar o número de vagas que temos disponível hoje. Tudo isso é para que o sistema prisional suporte o aumento da demanda". O sistema prisional de Alagoas possui atualmente em torno de 1.600 vagas. Já a recursos garantidos para a construção de mais 450 vagas em Maceió e mais uma unidade para 300 presos que, provavelmente, será uma unidade feminina. "Temos uma emenda da bancada alagoana de R$ 14 milhões e outra de R$ 18 milhões garantidos pelo governo federal para 449 pre-

mortes violentas em Alagoas e vamos conseguir, mas não do dia pra noite, não temos varas de condão. E sempre digo 'o sucesso só vem antes do trabalho no dicionário' porque o S vem antes do T, porque não há sucesso sem trabalho e nós não podemos arrefecer" - concluiu Dário César.

SENSAÇÃO O Plano Nacional de Segurança lançado há um mês em Alagoas já traz uma sensação de segurança aos moradores de Maceió. É visível o aumento de policiais nas ruas e de ações de combate aos crimes violentos e ao tráfico de drogas, o que tem sido noticiado diariamente pela Divulgação / Agência Alagoas / Raul Plácido

Blitzen e abordagens são realizadas diariamente em Maceió: polícia na rua começou a inibir ação dos marginais

sos, aqui em Maceió".

SISTEMA PRISIONAL Com o cumprimento de tantos mandados de prisão, o sistema prisional do Estado está suportando o aumento da demanda? Dário Cesar afirmou que sim. Apesar de ter o menor sistema prisional do Brasil, o Estado está se organizando para aumentar o número de vagas em sua estrutura penitenciária. O secretario assverou que mais 96 vagas estão sendo construídas no presídio de segurança máxima, totalizando 192 vagas, já que desde o ano passado já existiam 96 vagas na unidade de segurança máxima. Além disso, preso também estão sendo transferidos para os presídios federais. E agora no mês de agosto, o governador vai assinar o contrato para mais 800 vagas no município de Craíbas. "Vamos tirar os presos das delegacias e colocá-los no sistema prisional de Craíbas". Ainda este ano também ha-

AÇÃO PERMANENTE No que se refere ao IML, o secretário explicou que a construção é de responsabilidade da Serveal. "O órgão de engenharia do Estado é quem está responsável por isso e eu espero que seja o mais rápido porque estou tão ansioso quanto todo mundo. Precisamos construir isso". O Plano Brasil Mais Seguro permanecerá em Alagoas até o momento em que o Estado puder andar com as suas próprias pernas, isso significa que não há prazo para terminar. Dário Cesar ressaltou que o Estado andará com as próprias pernas quando tivermos delegados e policiais civis concursados operando, mais Policia Militar concursada e operando, Instituto de Criminalística e Instituto Médico Legal funcionando. "Esse plano está apenas começando, ele não tem dia para acabar. Queremos mudar essa história de

imprensa. Ouvido pelo PE, o secretario de Defesa Social, coronel Dario César, garantiu que o plano está de acordo com o que foi planejado, sem passe de mágica, mas um trabalho diuturno, árduo, persistente e perseverante. "Tudo que planejamos, em termos de avanços, está acontecendo. Claro que muita coisa ainda precisa ser feita, alinhada, monitorada, mas já se percebem claramente os avanços" - comentou. O plano começou em Maceió e Arapiraca que, juntas, respondiam por quase 50% dos homicídios acontecido no Estado, já que o principal objetivo do Plano Brasil Mais Seguro é diminuir os crimes violentos em Alagoas: "Nesse primeiro instante é isso que se quer porque temos que tirar Alagoas dessa estatística. Agora estamos cumprindo constantemente mandados de prisão para prender pessoas qualificadas, homicidas, e não a prisão de qualquer um".


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

A6 | Cidades

> ENTREVISTA/ HUMBERTO GOMES DE MELO Geraldo Câmara

Ouvidor Geral geraldocamara@gmail.com

Da missão e emoção de ser bisavô Estou aí, ativo, nos meus 74 anos, vivendo uma vida repleta, fazendo meus programas de televisão diariamente, exercendo uma função pública que muito me honra e, ao mesmo tempo, vendo o frutificar da família fazer-me chegar a uma das mais importantes missões e emoções de minha vida: ser bisavô. Beatriz, ou Bia como já é chamada, chegou. Filha de meu neto mais velho, Bruno, neta de minha querida filha, Christianne,uma das pérolas de minha vida. Bia chega como uma máquina do tempo que me faz relembrar a vida, penitenciar-me por meus erros, ufanar-me por tantos mais acertos. Bia vem lembrar-me que ela faz parte de uma família de bisavós, de avós, de pais, 13 filhos e 18 netos e que Deus está permitindo que eu já esteja fato vivido de seis gerações. Bia vem com a luz do amor irradiando para todos os seus a sublimação da inocência, da esperança e da promessa de que o mundo continua precisando que nasçam mais e mais Bias amadas e desejadas. Uma gota de lágrima quase me cai dos olhos nas teclas do meu notebook. A mesma lágrima que eu desejo a tantos outros. A lágrima de uma felicidade indescritível. A mesma que caiu quando nasceu meu primeiro filho e depois quando chegou ao mundo meu primeiro neto. Que Deus ilumine a vida de Bia como precursora de uma continuidade, como um elo de ligação entre dois mundos: o dos seus bisavós e dos seus futuros filhos, netos, bisnetos...

DESTACÔMETRO Que me perdoem os meus leitores acostumados a ver nos nossos destaques as grandes personalidades do estado. Mas hoje, o destaque vai para Beatriz das Chagas Bezerra Fiuza Gabriele, a Bia, minha primeira bisneta.

PÍLULAS DO OUVIDOR A força do Facebook: em menos de 24 horas após eu ter colocado lá o nascimento de minha bisneta recebí mais de 500 mensagens de congratulações. Fico impressionado de como a Internet está mudando nossas vidas. A Comissão Organizadora da 3ª FLIMAR temendo um impedimento por liminar ou outro instrumento jurídico perto do evento, revolveu mudar a data. Será em Marechal Deodoro, de 28 de novembro a 2 de dezembro. Dando continuidade ao trabalho de fiscalização dos prestadores de serviços turísticos no estado de Alagoas, a SETUR e o DER realizaram uma blitz na AL 101 Sul. Foco: veículos das agências de turismo, transportadoras e locadoras. O Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE-RO) recebeu a primeira denúncia através das redes sociais. É aquilo que eu digo: a internet já está mandando no processo eleitoral, não é, Gabriella Rollemberg? Seminários de Crédito para Empreendedores Individuais têm o objetivo de apresentar as opções oferecidas pelo Programa Crescer, do Governo Federal para facilitar o acesso das micro e pequenas empresas aos serviços financeiros. Dentro de menos de 1 mês os maceioenses poderão ver a nova imagem do Mercado do Artesanato na Levada já que ele foi agraciado com uma parceria com as Tintas Coral e Casas Jardim. Vai valer a pena ver. E, continuando no mesmo tema, a concorrência é sadia para o estado: Inspirada na praia de Maragogi, a indústria de tintas Suvinil criou mais uma nuance da cor verde: Mar de Maragogi - uma das 30 tonalidades de cores do ano. Há que se tirar o chapéu para a Rede Globo. As Olimpíadas de Londres começaram sem o "zum zum" característico dos grandes eventos. Dizem os entendidos que a Record quer mas não consegue mesmo! Pode escrever: o mercado de empregados domésticos vai viver uma série crise em pouco tempo. A pressão que está sendo exercida nos patrões vai repercutir em muito desemprego. Ou desentendimento. Apesar de justa. Ricardo Nogueira (foto), o homem da Casa da Palavra, médico, está organizando pelo 27º ano consecutivo o Curso de Práticas Clínicas e Emergenciais, incluindo aulas práticas de salvamento. Aguardem.

ABRAÇOS IMPRESSOS Os abraços impressos vão para o presidente da Casal, Álvaro Menezes, que com 27 anos de casa vem trabalhando arduamente para resolver os problemas da empresa que não são poucos. Dentre eles, a recuperação melhor dos buracos abertos.

"Falta de médicos e de verbas o desafio da saúde em Alagoas" Para provedor da Santa Casa, falta compromisso dos governantes com saúde pública Falta de médios, por um lado, e falta de recursos públicos para a saúde, por outro. Esses, os grandes problemas enfrentados pelo sistema médico-hospitalar de Alagoas, segundo o Dr. Humberto Gomes de Melo, provedor da Santa Casa de Maceió e presidente do Sindicato dos Hospitais Particulares do Estado. Ele admite que há falhas no setor, mas não considera péssimo o atendimento das operadoras de plano de saúde. Em entrevista

exclusiva ao PE, revela o crescimento de usuários de planos em Alagoas e, sem citar nome, alerta para uma operadora nova que está vendendo planos sem ter convênios com os hospitais. Segundo o Dr. Humberto Gomes, a falta de assistência à saúde é o maior problema da população, aqui e em todo o País, mas os governantes nem destinam recursos para o setor. "Eles acham que isso é gasto, não é investimento" - critica. Miguel Goes

a Santa Casa, mas nenhum dos três grandes hospitais tem convênio com ela. E para espanto nosso tal operadora tem conseguido vender muitos planos aqui no Estado. Naturalmente vai gerar dificuldade no atendimento dos usuários. Estranhamos também que essa operadora tem levado pacientes daqui para outros Estados. É uma situação que a população precisa ficar alerta e acreditamos que a ANS deve estar observando. Temos muito cuidado quando se solicita que a Santa Casa seja credenciada por um plano. Fazemos uma avaliação e vez por outra temos que denunciar alguns planos.

Qual a principal causa do péssimo atendimento proporcionado pelas operadoras de planos de saúde de Alagoas? Não concordo com o 'péssimo atendimento'. Entendo que as operadoras chegaram em muita boa hora para complementar, para dar uma segurança na assistência hospitalar e ambulatorial para aquelas pessoas que podem, em Alagoas. Cerca de 12% da população hoje é usuária de plano de saúde e dentro das condições eles tem oferecido essa segurança. Evidente que tem algumas operadoras que não estão dando aquilo que se comprometeram a dar, mas a maioria tem dado. Tanto que a Santa Casa atende a maioria das operadoras e acho que essa assistência tem sido prestada a contento. Aqui, quanto mais usuário pagando plano, mas o atendimento se deteriora. Por que? Não entendo dessa forma. Tanto que houve um crescimento nesses últimos nove anos: nós mais do que duplicamos o número de usuários de plano de saúde em Alagoas. Quando assumi a provedoria em 2003 apenas 6% da população era usuária de plano de saúde, hoje já somos mais de 400 mil usuários no Estado, o que representa 12% da nossa população. Penso que precisa de uma certa adequação, mas que tem sido dado com satisfação uma assistência para os usuários de plano de saúde. Como disse anteriormente, evidente, que alguns mais e outros menos. O alagoano sempre foi refratário aos planos de saúde. Agora, que as adesões estão crescendo, o atendimento vai mal. Como superar essa situação? Acho que falta agressividade das operadoras. No que diz respeito às operadoras de celulares a gente vê uma agressividade muito grande, uma concorrência muito grande e uma publicidade muito grande, por isso hoje já temos mais celulares que pessoas, diferentemente do que acontece com as operadoras de planos de saúde. Acho que elas poderiam ser mais agressivas e o exemplo que temos é na distribuição desses 412 mil usuários: no ranking nacional Maceió está numa posição de equilíbrio entre as demais capitais, pelo menos do Nordeste, mas quando se trata do Estado como um todo estamos ainda aquém. Veja: Alagoas tem a mesma população do Rio Grande do Norte e nós temos 150 mil usuários a menos que aquele Estado, isso porque não há uma agressividade no interior do nosso Estado. Ora, temos um população de mais de 2 milhões no interior que poderiam ser contemplados se as operadoras chegassem mais junto a essas pessoas. Está faltando médico em Alagoas? Por que as operadoras disponibilizam tão poucos profissionais para atender seus segurados? Está faltando médico em Alagoas. Penso que Alagoas é um dos Estados que menos forma médico no país. Temos duas escolas que formam um quantitativo menor de profissionais que os demais Estados. E a grande maioria desses médicos formados aqui é de outros Estados e termina não ficando em Alagoas. Outra questão é a remuneração: o sindicato dos médicos tem mostrado que a remunera��ão em Alagoas é menor que a de estados vizinhos e isso provoca êxodo. Também surgiu recentemente um investimento maior em Sergipe e Pernambuco principalmente em organizações sociais que pagam mais que o SUS. Paga para os pres-

Humberto Gomes de de Melo critica falta de recursos para saúde pública

tadores em geral e isso faz com que essas organizações sociais tenham recursos suficientes para tirar os médicos de estados vizinhos, e Alagoas tem sido prejudicada. Como está a relação dos hospitais com as operadoras de planos? De uma maneira geral - e falo isso pela Santa Casa - tem sido um relacionamento bom. É um relacionamento comercial que tem que existir e naturalmente cada uma vendo a sua parte, mas temos tido um relacionamento satisfatório com as operadoras de saúde. Mesmo

uma análise não só dos balanços, mas das situações dos usuários em relação a essas operadoras, inclusive por essa razão é que houve determinadas punições agora e a saúde financeira das operadoras é analisada. Quando está com algum problema, um diretor da própria ANS fiscaliza in loco essa operadora e exige um plano operativo para que possa sanar as dificuldades. Houve uma época em que a nossa maior operadora, que é a Unimed, passou por essa auditoria fiscal, mas conseguiu superar e hoje tem superávit. Naturalmente que ainda tem situa-

“Para o governo,o que se coloca na área de saúde é gasto, ele não entende como sendo investimento” porque elas desejam que seus usuários possam ser bem assistidos e a Santa Casa tem procurado fazer dessa forma. Existem problemas nesse relacionamento com determinadas operadoras porque muitas vezes acertam com o hospital e não acertam com a cooperativa de médicos e aí surgem alguns impasses, mas através de diálogo temos conseguido solucionar. Uma das principais operadoras do País, a Unimed, enfrenta dificuldades financeiras. O problema é gerencial ou de mercado? Primeiro, a Unimed não é uma só. São várias 'Unimedes' e não se pode falar da Unimed como um todo. O sistema cooperativo, e aí se reúnem todas as Unimedes, é das maiores, mas cada uma é como uma empresa separada. Algumas têm uma administração melhor e outra não tão boa. Algumas passam por dificuldades e outras não. Hoje, com a regulamentação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a situação melhorou muito porque a agência exige que as operadoras encaminhem a cada três meses seus balanços que são publicados e acompanhados com muita transparência. A própria ANS faz

ções a serem corrigidas diferentemente de outras operadoras de outros Estados que não conseguiram superar isso mesmo com a permanência dessa auditoria fiscal. A seu ver, o que é possível fazer para normalizar o atendimento aos usuários? Isso tem sido feito, e aí vem essa salutar medida da ANS. O que critico é a forma como ela foi adotada, não concordamos, mas é importante que haja esse disciplinamento, que haja essa exigência que os usuários possam ser atendidos nas várias especialidades e nos vários hospitais, isso é necessário. Há necessidade de que esse 'puxão de orelha' nas operadoras para que possa servir de exemplo para que as falhas sejam corrigidas. É preciso um credenciamento maior de profissionais, sobretudo de profissionais de determinadas especialidades que estão faltando em Alagoas. A Santa Casa de Maceió, da qual o senhor é provedor, mantém convênios com todas as operadoras de planos de saúde? Praticamente todas as boas operadoras. Há uma operadora que chegou recentemente ao Estado, e não só

O Sistema Único de Saúde (SUS) foi concebido para prestar um atendimento ao menos razoável aos seus pacientes. Por que isso não acontece? Falta de recursos. Infelizmente os gestores não dão à devida importância à saúde brasileira. Criou-se um plano maravilhoso, que é exemplo para o mundo inteiro, mas, na hora de destinar os recursos os gestores, governantes, não destinam esses recursos. A saúde cada vez mais tem sido o maior problema da população brasileira. Todas as pesquisas em todos os Estados mostram que o grande problema da população brasileira é saúde. E digo sempre que quando a população fala em saúde é a falta de assistência e não a saúde preventiva, nem do medicamento, nem da vacinação, é a saúde da assistência, dessa falta de assistência. E cada vez mais os recursos são insuficientes. O governo não deveria gastar menos com obras físicas e investir mais na saúde pública? Não é o investir em obras físicas. Acho que dentro do próprio governo não existe uma continuidade, mesmo sendo governo dos próprios partidos, e não há uma visão do governo para uma saúde assistencial. O governo não quer enxergar: para o governo, como para os dirigentes da área econômica, tudo que se coloca na saúde é gasto, eles não entendem como investimento. E a população, infelizmente, é muito pacata para isto. Ela diz que esse é o seu maior problema, fica nas filas, morrem, morrem não assistidas, e não grita. Com isso os governantes vão deixando de destinar os recursos à saúde. Só vão se lembrar na próxima eleição. Como está o projeto de ampliação da Santa Casa, com a construção do novo centro hospitalar na Rua Dias Cabral? A Santa Casa tem procurado investir para cumprir suas obrigações. Há necessidade de ampliação dos seus leitos, houve um aumento do número de usuários dos planos de saúde nesses últimos nove anos e não houve aumento de leitos em Maceió e aí é um sufoco muito grande, os usuários de planos de saúde estão batendo as nossas portas e não temos leitos. Isso não é só na Santa Casa, mas também nos outros hospitais. Digo sempre que se nós não ocuparmos o espaço outro vai chegar para ocupar. A Santa Casa tem atendido ao SUS e destinado ao SUS 60% do seu atendimento. Ela tem se preocupado com a necessidade de crescimento para atender aos usuários de planos de saúde. Esse projeto está caminhando, já estamos com as plantas prontas e já estamos trabalhando o projeto para o financiamento do BNDES e a esperança nossa é que até o fim do ano tenhamos dado entrada no BNDES para que possamos ter um financiamento para essa ampliação e aí darmos o início as obras.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

Economia | A7 Luciana Martins

Divulgação

Complexo Cultural em construção vai dotar o Teatro Deodoro de oficinas para formar atores, músicos e técnicos

Maquete do projeto mostra como ficará o Teatro Deodoro ampliado com o centro de formação de artistas

O D N I T S A E R V U IN ULT C EM Maceió ganhará em breve um moderno polo cultural concebido para formar e capacitar artistas e técnicos: o Complexo Cultural Teatro Deodoro, que está sendo construído no terreno vizinho ao Teatro Deodoro, onde funcionava um estacionamento, na Travessa Dias Cabral. A obra é financiada pelo governo federal e estadual e está orçada em R$ 5.874.408,13. O imóvel foi cedido para a construção do prédio por meio de termo de cessão de área, pela Prefeitura de Maceió, em favor do Estado, em agosto de 2010. O complexo abrigará espaços estratégicos para acomodar os Corpos permanentes da Orquestra de Câmara (41 músicos), de Baile (12 bailarinos) e da Cia. de Teatro (6 atores); Cursos/Ofici-

Teatro Deodoro ganhará Complexo Cultural com obra de R$ 5,8 milhões Novo centro artístico vai formar atores, músicos e técnicos e deverá estar pronto até o final do próximo ano nas de Artes, dentre outras ações de expressão artística e de qualificação profissional para a área de cultura; a Galeria de Arte Miguel Torres e acervos, além das instalações do quadro funcional técnico e administrativo da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal). O objetivo é estimular a cultura das artes e ampliar a democratização do consumo e da produção artístico-cultural para a comunidade alagoana, principalmente a de maior vulnerabilidade socioeconômica. A criação desses espaços impulsionará o cenário artístico local, colaborando com toda a cadeia produtiva do mercado cultural em Alagoas. O apelo maior desse empreendimento é incentivar o estudo, a pesquisa e a formação

continuada de jovens talentos, além de possibilitar a cultura das artes, ampliando o acesso e o consumo às criações culturais pela população alagoana, especificamente a de menor poder aquisitivo. Para o diretor-presidente da Diteal, Juarez Gomes de Barros, o complexo possibilitará a produção de espetáculos e não só para recebê-los, já que será formada mão-de-obra especializada, ofertando assim uma escola para todos, uma vez que, segundo Barros, é esta a proposta do governador Teotonio Vilela Filho. Além do aprimoramento profissional, os corpos permanentes do Teatro Deodoro/Estado de Alagoas (músicos, bailarinos e atores) atuarão como multiplicadores, ultrapassando os

muros da instituição, indo às parcerias, interagindo via realização de cursos livres, apresentações artísticas e incentivando às produções culturais em escolas e associações. O projeto também prevê a realização de cursos/oficinas de Cenotécnica, Cenografia, Iluminação, Sonorização, Figurinos e Adereços, dentre outros, visando à solidificação do mercado cultural local, a partir da qualificação de profissionais para integrar a cadeia produtiva local. O diretor da Diteal ressalta que, atualmente, o Teatro Deodoro precisa de profissionais para trabalhar na área técnica, já que vários técnicos estão para se aposentar e há dificuldade de encontrar mão de obra qualificada para substituí-los.

O Complexo Cultural Teatro Deodoro ainda viabiliza a instalação da Galeria de Artes Miguel Torres, ampliando o espaço para as exposições artísticas, nas suas mais diversas linguagens, bem como acervos de artes plásticas e partituras, dentre outros, conforme a trajetória produtiva dos corpos permanentes. A obra tem um prazo de execução de 365 dias contados, a partir da ordem parcial de serviços, que foi dada pelo diretorpresidente da Diteal em 29 de agosto de 2011. De acordo com ele, no decorrer da execução, no fim do ano passado, foi verificada a necessidade de fazer ajustes na planilha de execução, visando proporcionar uma maior segurança à construção. Para realizar as modifica-

ções, foi necessária a confecção de um termo aditivo ao contrato, que foi devidamente analisado pelos setores competentes do Estado (PEG-AL e Serveal), tendo sido aprovado em 09 de fevereiro deste ano. Durante a análise do Termo aditivo a obra ficou paralisada, por iniciativa da Diteal, como forma de não desperdiçar o tempo estabelecido em contrato. As atividades foram retomadas em fevereiro de 2012 e estão em plena execução. Em relação à Travessa Dias Cabral, ora ocupada para a realização da obra, não será desativada e sim contemplada com o projeto, uma vez que será revitalizada, assumindo forma de calçadão público, permitindo o acesso dos transeuntes. (Agência Alagoas, exclusivo para o PE)

> ADVERTÊNCIA

Rodoviários paralisam ônibus nesta 2ª feira Luciana Martins Repórter

A segunda-feira (30) começa tumultuada para quem utiliza o transporte rodoviário em Maceió. Em assembléia realizada no sábado, 28, os rodoviários decidiram por uma paralisação de advertência, ou seja, nenhum ônibus irá circular nesta segunda-feira na capital alagoana. A paralisação é para que a categoria consiga negociar com os empresários o reajuste salarial de 15%, ticket alimentação de 25% e plano de saúde de 90%, pleito antigo da categoria. Desde abril os rodoviários vêm negociando com os empresários e para ter o pleito atendido, a categoria decidiu por aceitar a proposta do Ministério Público do Trabalho em que os reajustes passariam para 8%, o ticket alimentação para 10% e o plano de saúde para 15%. Mas os empresários - afirmam - continuaram sem negociar. A justificativa apresentada por eles é que sem o aumento de 49% nas tarifas de ônibus não há como atender ao pedido da categoria. Se não houver negociação nesta segunda, os rodoviários garantem que irão paralisar suas atividades por tempo indeterminado a partir desta terça-feira, 31 de julho. Caso o incremento salarial seja implantado, o salário mensal de um motorista passará de R$ 1.206,00 para R$ 1.300. Já o salário do fiscal deve passar de R$ 931,82 para R$ 1.004 e o salário do cobrador de R$ 715,05 para R$ 770,46.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

A8 | Nacional

> DECISÃO

Após enfrentar pressões, STF julga mensalão a partir de 5ª Julgamento atrai atenções do País e será presidido pelo ministro Ayres de Britto fotos: Divulgação

Depois de pressões internas e externas, o Supremo Tribunal Federal começa a julgar na quinta-feira (2) em pleno período eleitoral, um dos mais longos e polêmicos processos da história política brasileira. A expectativa é de que a avaliação do caso dure mais de um mês. Ao fim, os ministros decidirão se políticos ligados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como o exministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino, devem ou não ser condenados por envolvimento com o chamado mensalão, um esquema de pagamentos de parlamentares que, segundo a Procuradoria-Geral da República, foi executado em troca de apoio ao governo no Congresso, e que, segundo os acusados, foi apenas financiamento de campanhas por meio de caixa 2. O resultado afiançará ou não um tradicional modelo de fazer política no Brasil, que se alimenta do clientelismo, do aparelhamento e do loteamento de estatais. O julgamento também testará a atual composição do STF, tribunal que é integrado por 11 ministros, dos quais 6 foram indicados para o cargo pelo expresidente Lula e 2 pela presidente Dilma Rousseff. Poderá também influenciar o resultado das principais campanhas municipais. Afinal, a condenação ou absolvição de políticos petistas pode afastar ou angariar eleitores durante as eleições. A polêmica em torno do caso se estende ao próprio STF. Revisor do processo, Ricardo Lewandowski foi pressionado para entregar o seu voto no primeiro semestre a fim de que houvesse tempo de julgar o processo ainda em agosto, antes da aposentadoria de Ayres Britto e do ministro Cezar Peluso. Em 2007, após o Supremo ter decidido abrir um processo criminal contra os réus do mensalão, Lewandowski já tinha protagonizado um episódio constrangedor ao ser flagrado dizendo ao telefone que os ministros tinham votado "com a faca no pescoço".

José Dirceu foi acusado de ser o mentor do mensalão

Ayres de Britto, que presidirá o julgamento, já foi do PT

Em maio deste ano, o ministro Gilmar Mendes foi a público afirmar que Lula teria tentado pressioná-lo para adiar o julgamento para depois das eleições. O ex-presidente nega que tenha feito tal pressão. Apesar de não ter sido denunciado por envolvimento no esquema, Lula deverá ser um dos principais personagens nas defesas que advogados farão no plenário do STF durante o julgamento. Desde que deixou o Palácio do Planalto, o ex-presidente vem dizendo que está disposto a mostrar o que chama de "farsa do mensalão". Ele atuou nos bastidores para que o Congresso instalasse a CPI do Cachoeira, que tem como alvo alguns de seus antigos desafetos, como é o caso do governador Marconi Perillo (PSDB), que, à época do escândalo, afirmou ter alertado o então presidente sobre o mensalão. No Supremo, as atenções estão agora voltadas para o minis-

Roberto Jefferson era deputado quando denunciou esquema

tro José Antonio Dias Toffoli, que no passado foi advogado do PT, do próprio Lula e do governo petista. Além disso, a namorada de Toffoli, Roberta Rangel, advogou para um dos réus do processo, o ex-deputado federal Professor Luizinho (PT-SP). Até agora o ministro não quis revelar se, mesmo com essa bagagem, participará ou não do julgamento. Outro integrante do STF que teve ligações com o PT é presidente da Corte, Carlos Ayres Britto. Ele já foi filiado ao partido e, na década de 1990, chegou a disputar uma cadeira de deputado. Acusação e defesa. No julgamento, o procurador-geral da República Roberto Gurgel vai sustentar que, no início do governo Lula, foi criada uma "sofisticada organização criminosa, dividida em setores de atuação" para praticar crimes de peculato, lavagem de dinheiro, corrupção, gestão fraudulenta e outras fraudes. Para ele, trata-se do

"mais atrevido e escandaloso esquema de corrupção e de desvio de dinheiro público flagrado no Brasil". O procurador sustenta que o núcleo político ou central do esquema, formado pelo ex-ministro José Dirceu e por Delúbio Soares, Sílvio Pereira e José Genoino, tinha o objetivo de garantir a continuidade do projeto de poder do PT por meio da compra de suporte político de outros partidos e do financiamento futuro ou pagamento de dívidas de suas próprias campanhas eleitorais. Dizendo-se temeroso de ser alvo de um "processo político", Dirceu chegou a convocar estudantes ligados à União Nacional dos Estudantes (UNE) para defendê-lo nas ruas. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) também falou em mobilização. Nos últimos dias, porém, a tática do principal réu foi submergir e deixar o mensalão exclusivamente com o STF.

Eliana Calmon diz que opinião pública julgará decisão do STF A ministra Eliana Calmon, corregedora nacional da Justiça, afirmou que o Supremo Tribunal Federal será julgado pela opinião pública ao analisar o processo do mensalão a partir do dia 2 de agosto. "Há por parte da Nação uma expectativa muito grande e acho também que o Supremo está tendo o seu grande julgamento ao julgar o mensalão", disse ela pouco antes de fazer uma palestra no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo sobre a atuação da Corregedoria que comanda. A Procuradoria-Geral da República acusa 38 investigados, entre eles José Dirceu - ministro-chefe da Casa Civil do governo Lula -, de formar uma quadrilha para comprar o apoio de parlamentares no Congresso com dinheiro público. Eliana Calmon disse que "não conhece o processo do mensalão, senão por jornais", mas alertou. "Como ele (Supremo) se porta diante dos autos, a realidade que está retratada nos autos vai ser mostrada quando do julgamento e é neste momento que o STF passa a ser julgado pela opinião pública, não é?" "Não é que o Supremo vá se pautar pela opinião pública, mas todo e qualquer poder, no regime democrático, também se

Para Eliana Calmon, ao julgar mensalão, STF será julgado pela opinião pública

nutre da confiabilidade daqueles a quem ele serve", completou a ministra. Indagada se a pressão pública pode influenciar o resultado, Calmon afirmou: "O Supremo não se deixa muito influenciar pela opinião popular, ele sempre se manteve meio afastado. Mas começamos a verificar que já não é com aquela frieza do passado." "Hoje, eles (os ministros) têm sim uma preocupação porque o País mudou e a população está participando", afirmou a corregedora da Justiça. "A imprensa

influencia, mas a opinião pública também está sendo formada pelas redes sociais. É uma participação mais efetiva. Não é ninguém que está fazendo a cabeça da população, ela se comunica entre si, isso tem causado a sensibilidade do Supremo", completou. Eliana Calmon defendeu um Judiciário forte. "Acho que (o julgamento) seria um bom momento (como resposta de um Judiciário forte) do que representa o STF dentro de uma expectativa da sociedade como um todo", afirmou a cor-

regedora. Em junho, José Dirceu chegou a conclamar estudantes ligados à UNE (União Nacional dos Estudantes) a ir às ruas para ajudá-lo. "Todos sabem que este julgamento é uma batalha política. E essa batalha deve ser travada nas ruas também porque senão a gente só vai ouvir uma voz, a voz pedindo a condenação, mesmo sem provas. É a voz do monopólio da mídia. Eu preciso do apoio de vocês", afirmou em discurso. No início de julho, o novo presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, afirmou que mobilizaria a entidade caso houvesse um julgamento "político". "Se isso ocorrer, nós questionaremos, iremos para as ruas", disse o sindicalista. O advogado do empresário mineiro Marcos Valério Fernandes de Souza, apontado pela Procuradoria-Geral da República como o operador do mensalão, reagiu às declarações da corregedora. "Nas minhas alegações finais eu faço um comentário sobre a publicidade opressiva que cerca este processo e faço um pedido ao STF: que julgue de acordo com a prova dos autos, agrade ou não a opinião pública", disse Marcelo Leonardo.


Esportes

esportes@primeiraedicao.com.br

Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012 Opinião - Diário Oficial dos Municípios - Social

> SÉRIE D

CSA enfrenta o Itabaiana-SE, no domingo Azulão defende invencibilidade contra o time sergipano no próximo domingo (05/08), às 16h, no estádio Presidente Medici Marcelo Alves Repórter

Após vencer o Sousa-PB por 2 a 1, no último domingo (29) no estádio Rei Pelé e ficar próximo da classificação para a próxima fase do Campeonato Brasileiro da Série D, o CSA dá início nesta terça-feira (31) aos trabalhos visando ao jogo fora de casa contra a equipe do Itabaiana-SE, que será disputado no próximo domingo (05/08), às 16h, no Presidente Médici, em Itabaiana (SE). Os gols da vitória do time azulino foram marcados por Kleberson e Jucemar Gaúcho. Vitinho descontou para o time paraibano. Nos jogos de ida da fase de grupos, o CSA enfrentou o Itabaiana e venceu a partida por 1 a 0, em jogo disputado no dia 22 de junho, no Rei Pelé, pela quinta rodada da Série D.

O JOGO Embalado pela torcida, o CSA tomou a iniciativa e partiu para cima do Sousa-PB e come-

fotos: Jéssica Pacheco / Colaboradora

çou a encurralar a equipe paraibana em seu campo defensivo. O primeiro lance de perigo protagonizado pelo CSA contra o Sousa-PB aconteceu com Ronaldo que chutou em cima do goleiro Genivaldo, que fez a defesa parcialmente. Na sobra, Celico soltou o petardo novamente em cima do goleiro do Sousa-PB, que deu outro rebote, mas a defesa afastou o perigo para escanteio. Em seguida, Washington cobrou falta ensaiada, alçando a bola na cabeça de Paulinho Macaíba, que subiu sozinho, mas escorou para fora. O CSA seguia dominando a equipe do Sousa-PB, atuando no campo do adversário. Recuado, o time paraibana assistia ao time azulino pressionar. Apesar de controlar o jogo, o Azulão atacava de forma desarticulada e com muita pressa. Celico cobrou falta para Kleberson que cabeceou à queima roupa. Atento, o goleiro Genivaldo fez grande defesa e afastou o perigo para escanteio.

PB equilibrou a partida. Já a equipe do CSA não conseguia imprimir o mesmo ritmo do início da partida e passa a errar passes no meio campo. E quando o primeiro tempo perto de chegar ao fim e a equipe do Sousa-PB tentava garantir o empate voltar para o segundo tempo, o volante Jucemar Gaúcho colocou o CSA outra vez na frente do placar. Aos 43 minutos, Jucemar Gaúcho recebeu bola na entrada da grande área e tocou na saída do goleiro Genivaldo. O CSA voltou em câmera lenta para a etapa final. Já a equipe do Sousa-PB entrou em alta velocidade para tempo final. E com toda pressa, Esquerdinha acabou balançando a rede azulina em lance de impedimento. Minutos depois, Vitinho obrigou o goleiro Flávio a trabalhar no segundo tempo da partida. Em seguida, Nilsinho tentou surpreender Flávio, mas o jogador errou o chute e a bola saiu fraco para a fácil defesa do arqueiro azulino. Melhor em campo, o time do Sousa-PB pressionava o CSA e seguia assustando o time azulino. Sem conseguir fazer o terceiro gol, o time azulino recuou a marcação e adotou uma postura defensiva para garantir a vitória por 2 a 1.

Kleberson faz um dos dois gols da vitória do CSA sobre a equipe do Sousa-PB no domingo no estádio Rei Pelé

O lance foi apenas um prenúncio do que viria segundos depois. O meia Ronaldo cobrou escanteio e, novamente, Kleberson subiu e cabeceou para o

gol do Sousa-PB. Só que nesta cabeçada, o goleiro Genivaldo não conseguiu evitar o gol do CSA que abriu o placar aos 20 minutos de jogo. Após o gol, a equipe do Sousa-PB abriu a retranca e partiu para cima do CSA. O zagueiro Alisson subiu ao ataque e tentou surpreender o goleiro Flávio, que atento ao lance fez a defesa sem perigo. Na sequência, o time paraibano voltou a atacar com Mamborê que tentou man-

dar a bola para Vitinho. Mais uma vez atento, o goleiro Flávio chegou à bola antes de Vitinho e fez a defesa. Acomodado com o gol, o CSA diminuiu o ritmo e a equipe do Sousa-PB passou a pressionar. E aos 26 minutos da etapa inicial, o time paraibano conseguiu empatar a partida em um rápido contragolpe em que Vitinho passou pelo zagueiro Leandro e tocou no canto do goleiro Flávio. Com o gol, o Sousa-

Para Lorival Santos, o CSA ainda precisa "melhorar muito"

Técnico do CSA tenta evitar euforia dos jogadores afirmando que o time precisa melhorar o desempenho

Apesar de estar invicto no Campeonato Brasileiro da Série D e liderando o Grupo A4 com 13 pontos, em cinco partidas disputadas, sendo quatro vitórias e um empate, o técnico Lorival Santos disse que o time azulino "precisa melhorar e muito". "O CSA ainda não chegou no ponto ideal. O CSA precisa melhorar e muito", disse o treinador azulino para evitar qualquer euforia entre os atletas azulinos. Ainda conforme Lorival Santos, o Azulão só conseguiu atingir 40% de rendimento durante a competição nacional. Ainda em tom humildade, Lorival Santos não quer saber em falar em 99% classificado. Para ele, o CSA só estará classificado quando atingir os 100%. O técnico Lorival Santos disse que o CSA chegou a um padrão de jogo, uma vez que sob seu comando a equipe azulina já disputou 22 partidas e só perdeu um jogo. Após a vitória sobre o SousaPB por 2 a 1, o técnico Lorival Santos parabenizou Kleberson e Jucemar Gaúcho, que comemoraram os gols marcados com o

treinador azulino. "A comemoração dos gols comigo mostra a união da equipe na competição. Isso mostra que o time do CSA está em simbiose com a comissão técnica e não em dicotomia. Jucemar Gaúcho veio a mim e falou que o gol era para mim", disse. Quanto ao Kleberson, Lorival Santos disse que o gol que ele marcou vai dar mais confiança ao atleta, que em sua estreia

no CSA pelo Campeonato Alagoano fez gol contra aos 16 segundos da partida contra o ASA, no estádio Rei Pelé. Kleberson confirmou a declaração de Lorival Santos e disse que desde a partida contra o ASA, na qual marcou um gol contra a própria meta azulina. "Desde a decisão contra o ASA eu senti um pouco ao marcar o gol contra aos dezesseis minutos. Mas agora estou dando a volta por cima”, disse.

Resultados / Série D / Grupo A4 24/06 24/06

Feirense-BA CSA-AL

1x1 3x1

Sousa-PB Vitória da Conquista-BA

Próximos jogos / Série D / Grupo A4 1/07 - 16h00 Sousa-PB 1/07 - 16h00 Vitória da Conquista-BA

x x

Itabaiana-SE Feirense-BA

Classificação / Série D / Grupo A4 1º 2º 3º 4º 5º

CSA-AL Sousa-PB Feirense-BA Itabaiana-SE Vitória da Conquista-BA

P 13 8 7 4 1

J 5 5 5 5 4

V 4 2 2 1 0

E 1 2 1 1 1

D 0 1 2 3 3

GP 9 5 8 5 4

GS 3 4 7 8 9

SG 6 1 1 -3 -5


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

B2 | Esportes

> SÉRIE B

CRB pega o lanterna Ipatinga, no Rei Pelé Após derrota para o Vitória-BA, Galo tenta a reabilitação na Série B contra o último colocado da Segunda Divisão Nacional Fotos: Felipe Oliveira/ E.C. Vitória

Marcelo Alves Repórter

O CRB recebe o IpatingaMG nesta terça-feira (31), às 21h50, no estádio Rei Pelé, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O Galo tenta a reabilitação na competição nacional, uma vez que perdeu no último sábado (28) para a equipe do Vitória-BA por 1 a 0, com gol de Neto Baiano, em partida disputada no Manoel Barradas, o Barradão, em Salvador-BA. Com a derrota, o time regatiano caiu uma posição na tabela de classificação e ocupa 11ª colocação com 17 pontos ganhos. Para o duelo com o time do Ipatinga-MG, o técnico Roberto Fonseca não poderá contar com Roberto Lopes, Geovani e Ger-

cimar. Os dois primeiros cumprirão suspensão automática e o terceiro jogador vai se recuperar de lesão no púbis. No lugar dos três desfalques, o treinador do CRB deve colocar os volantes Diego Aragão e Vitor, além do lateral-direito Elsinho, que retorna ao time após cumprir suspensão automática. Apesar dos desfalques no meio campo, com a perda de três jogadores titulares, Roberto Fonseca espera contar com a recuperação de Aloísio Chulapa, que não viajou para enfrentar o Vitória-BA, no último sábado (28), e ficou em Maceió se recuperando de uma lesão. "Para esse jogo contra o Vitória, perdemos Aloísio Chulapa, mas espero que ele esteja recuperado para a próxima partida contra o Ipatinga", disse.

O goleiro Cristiano fez grandes defesas, mas não conseguiu evitar a derrota do CRB para o Vitória-BA por 1 a 0

CRB X IPATINGA-MG A equipe do Ipatinga-MG ocupa a lanterna da Série B com apenas quatro pontos conquistados, em 13 partidas disputadas.

Fonseca promete novo meio campo contra o Ipatinga-MG Sem tempo para lamentar a derrota sofrida para o VitóriaBA por 1 a 0, no último sábado (28), no Barradão, em Salvador (BA), o CRB já tem pela frente nesta terça-feira (31), a equipe do Ipatinga-MG, às 21h50, no estádio Rei Pelé em partida válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. A preocupação do técnico Roberto Fonseca é com a recuperação física dos atletas. E ele espera que os substitutos de Roberto Lopes, Gercimar e Geovani estejam preparados para atuar. Além disso, o treinador do Galo promete colocar um novo meio campo. "Vamos colocar um novo meio campo, porque perdemos três peças (Roberto Lopes, Gercimar e Geovani)", promete Roberto Fonseca. Para o duelo contra o time mineiro, o treinador

Geovani não joga contra o Ipatinga

conta com a volta do lateraldireito Elsinho, que cumpriu suspensão automática na partida contra o Vitória-BA. Com isso, o treinador do Galo deve colocar nas vagas de Roberto Lopes, Gercimar e Geovani, os jogadores Elsinho, Diego Ara-

Resultados / Série B 24/07 24/07 24/07 27/07 27/07 28/07 28/07 28/07 28/07 28/07

Boa Esporte-MG ASA-AL Joinville-SC Avaí-SC Grêmio Barueri-SP Paraná-PR ABC-RN Guarani-SP Vitória-BA Ipatinga-MG

2x1 0x1 1x0 1x0 1x4 1x0 3x0 2x1 1x0 1x2

gão e Vitor, provavelmente. E ao invés do esquema 3-5-2 utilizado contra o Vitória-BA, o técnico Roberto Fonseca disse que dentro de casa contra o Ipatinga-MG, o time do CRB mudará o sistema de jogo e deve atuar no 4-4-2. Quanto à derrota para o Vitória-BA, após a equipe do CRB perder chances claras de gols, Roberto Fonseca disse que não fará cobrança aos jogadores, mas vai parabenizá-los por terem cumprido disciplinarmente o que ele pediu antes da partida contra o rubro-negro baiano. "Não tem que cobrar os jogadores, neste momento. Eu saio desta partida contra o Vitória com a consciência tranqüila de que a equipe lutou e transpirou dentro de campo. Saio orgulhoso, pois meu time vendeu o resultado caríssimo”, disse.

O time mineiro, que amarga uma sequência negativa de 11 derrotas consecutivas, já completou três meses sem vencer na Segunda Divisão do Campeona-

Sob comando de Nedo Xavier, ASA pega o Braga, terça-feira O ASA encara nesta terçafeira (31), fora de casa, a equipe do Bragantino-SP, às 21h50, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP), em partida válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O duelo entre o Alvinegro e o Massa Bruta é considerado um jogo de seis pontos. O time arapiraquense, que está na zona de rebaixamento, no 17º lugar, possui dez pontos e a equipe paulista, que ocupa a 16ª posição, está com 11. O jogo marca também a estreia do novo comandante-técnico do ASA, Nedo Xavier. O técnico Nedo Xavier, de 59 anos, foi contratado para substituir Heriberto da Cunha, que amargou uma sequência negativa de cinco derrotas consecutivas e sua permanência ficou insustentável após o últi-

Próximos jogos / Série B América-MG Goiás-GO América-RN Bragantino-SP Criciúma-SC Ceará-CE Guaratinguetá-SP Atlético-PR CRB-AL São Caetano-SP

31/07 - 19h30 31/07 - 19h30 31/07 - 19h30 31/07 - 19h30 31/07 - 19h30 31/07 - 21h50 31/07 - 21h50 31/07 - 21h50 31/07 - 21h50 31/07 - 21h50

América-MG Paraná-PR Goiás-GO Ceará-CE Criciúma-SC América-RN Bragantino-SP CRB-AL Guaratinguetá-SP São Caetano-SP

to Brasileiro. A última vitória do Ipatinga-MG na competição nacional foi no dia 30 de maio, quando na ocasião bateu o ASA atuando em casa por 1 a 0, em

partida válida pela segunda rodada da competição nacional. O Ipatinga-MG possui ainda a defesa mais vazada da competição nacional com 29 gols sofridos e o pior ataque ao lado do Grêmio Barueri com apenas nove gols marcados. Apesar dos números negativos da equipe mineira, o técnico Roberto Fonseca classifica a partida com uma das mais difíceis que o CRB irá disputar na Série B. "Vamos ter dificuldades. Precisamos do torcedor para apoiar o CRB contra o Ipatinga. Lembro que quando jogamos em casa contra o Guaratinguetá, que também não havia vencido na competição, tivemos dificuldades. Foi um dos jogos mais difíceis. Até agradecemos ao Paulo Victor por ter feito aquele gol de falta", disse.

x x x x x x x x x x

Joinville-SC Avaí-SC ABC-RN Boa Esporte-MG Guarani-SP Grêmio Barueri-SP ASA-AL Ipatinga-MG Atlético-PR Vitória-BA

mo revés sofrido contra o time do Goiás por 1 a 0, na última terça-feira (24), em partida disputada diante de seus domínios, no Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca. Nedo Xavier foi apresentado no último sábado (28) e já na manhã de domingo passado (29), ele já realizou o primeiro treinamento com o elenco Alvinegro, visando à partida contra a equipe do BragantinoSP. O novo treinador do ASA

já comandou várias equipes do Brasil como Coritiba, AtléticoMG, Avaí, Boa Esporte e Fortaleza, que foi sua última equipe. Além de Nedo Xavier foram contratados o auxiliar técnico Carlos Pacheco e o preparador-físico Altamir Vicente Ferreira Júnior. Nedo Xavier é o terceiro técnico a comandar o ASA neste ano após a era Vica. Antes de Nedo Xavier comandaram o ASA Leocir D'Alastra e Heriberto da Cunha.

Classificação / Série B 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º

Criciúma-SC Vitória-BA América-MG São Caetano-SP Goiás-GO América-RN Joinville-SC Paraná-PR Atlético-PR Avaí-SC CRB-AL Boa Esporte-MG Ceará-CE ABC-RN Guarani-SP Bragantino-SP ASA-AL Guaratinguetá-SP Grêmio Barueri-SP Ipatinga-MG

P 32 31 26 25 25 23 21 21 17 17 17 17 17 16 15 11 10 9 6 4

J 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13

V 10 10 8 7 7 7 6 6 5 5 5 4 4 4 3 2 3 2 1 1

E 2 1 2 4 4 2 3 3 2 2 2 5 5 4 6 5 1 3 3 1

D 1 2 3 2 2 4 4 4 6 6 6 4 4 5 4 6 9 8 9 11

GP 34 26 22 19 22 22 21 20 16 13 19 18 21 20 13 16 14 11 9 9

GS 20 14 14 11 18 16 13 17 14 15 22 17 22 18 13 20 21 23 28 29

SG 14 12 8 8 4 6 8 3 2 -2 -3 1 -1 2 0 -4 -7 -12 -19 -20


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

Esportes |B3

> NO MORUMBI

São Paulo goleia o Flamengo por 4 a 1 Goleiro é principal atração do jogo, mas Luis Fabiano faz dois, Tricolor vence por 4 a 1 e deixa Fla em situação complicada Globoesporte A quase duas horas do início do jogo, a presença de Rogério Ceni já "ecoava" no sistema de som do Morumbi: a banda australiana AC/DC, que só tem suas músicas executadas no estádio quando o goleiro está em campo. Quando o ídolo subiu para o gramado, então, parecia título. Por mais de um minuto, Rogério teve seu nome gritado seguidamente, e ele retribuiu com acenos e um gol de falta no aquecimento. Foi a estreia do camisa 1 no ano - ele passou os últimos meses se recuperadndo de uma cirurgia no ombro. A torci-

Divulgação

da são-paulina ficou "pilhada" com a presença do ídolo, esperando por uma grande exibição. Esse clima contagiou os jogadores em campo. Na equipe rubro-negra, por outro lado, apatia. Dorival Júnior escalou o garoto Camacho e pediu aproximação constante com Vagner Love, algo que não ocorreu. Apagado, Ibson contribuiu muito pouco e não fez a ligação entre meio e ataque. Apenas Léo Moura, pela direita, tentou algo diferente, mas teve de recuar quando Cortez percebeu a "avenida" às costas do ala flamenguista. Resultado: o time carioca foi para o intervalo sem ter

Apesar da forte marcação, Luis Fabiano marca dois na vitória do São Paulo

chutado nenhuma bola a gol. No ataque, outro que retornava ao São Paulo queria jogo, enfiava-se no meio de Welinton e González e criava chances. Recuperado de uma lesão na coxa, Luis Fabiano teve duas ótimas chances de abrir o placar, ambas em vacilos de uma zaga que custa a passar confiança. Num escanteio, Welinton olhou de um ângulo privilegiado - do chão, bem à sua frente - a cabeçada firme que Paulo Victor salvou. Depois, Luis Fabiano se antecipou à zaga, finalizou de direita e o goleiro trabalhou bem novamente. Quando o Flamengo se organizou no miolo da zaga, deu espaço no meio-campo. E Maicon, que ainda não havia aparecido no jogo, aproveitou a brecha para fazer o que mais gosta: chutar de longe. Aos 41 minutos, o meia recebeu de Rodrigo Caio, olhou para o gol, percebeu o posicionamento de Paulo Victor, e bateu cruzado, sem tanta força. A marcação não chegou, o goleiro não alcançou, e o São Paulo fez 1 a 0, segundo gol de Maicon no Brasileirão. Lá atrás, Rogério Ceni vibrava como um garoto. Mesmo com a vantagem, Luis Fabiano insistia em deixar sua marca. Logo ele, que vivia às turras com a torcida nos últimos dias, aproveitou novo escanteio de Jadson e cabeceou aos 46 minutos, em cima de Ibson e Camacho, bem mais baixos do que o centroavante - outro indício da desorganização deste Flamengo. Paulo Victor saiu mal, e o Tricolor fez 2 a 0. Na comemoração, o Fabuloso tirou a camisa, beijou o escudo e... levou cartão amarelo. E ainda se igualou a Leônidas da Silva como o sétimo maior artilheiro da história do clube: 144 gols.

No fim da etapa inicial, Airton, machucado, deu lugar a Amaral. No intervalo, os sumidos Camacho e Adryan deram lugar a Bottinelli e Thomás, respectivamente. Com o domínio das ações, o São Paulo amplicou aos 14 minutos, em uma troca de passes precisa: Ademilson para Maicon, para Cortez, que acertou belo cruzamento para Luis Fabiano. Sozinho, ele só tirou de Paulo Victor e chegou aos 145 gols com a camisa tricolor: 3 a 0. Na comemoração, tensão. O centroavante comemorou com os companheiros, e parte da torcida, a organizada, gritou só o nome de Ademilson, que iniciou a jogada. Só aí, com um déficit de três gols na conta, é que o Flamengo deixou de ser tímido e passou a arriscar. Ramon diminuiu o placar, aos 21, na primeira finalização da equipe no jogo. Sim, o time de Dorival Júnior demorou mais de 65 minutos para dar seu primeiro chute no gol. Ajuda a explicar o que os rubronegros apresentaram neste domingo: uma equipe que corre, se esforça, mas não tem criatividade suficiente para superar uma defesa armada. No fim, com as mãos apoiadas sobre os joelhos, Vagner Love era a imagem da desolação. Havia tempo para mais. Aos 48 minutos, Jadson recebeu ótimo de Luis Fabiano, o nome do jogo, e marcou o quarto. Em ritmo de treino. Rogério Ceni saiu muito satisfeito com a festa - e a vitória, claro - em seu retorno. A confiança do time aumentou com o ídolo e capitão em campo. No Flamengo, muito a corrigir. A expressão preocupada de Dorival Júnior deixa transparecer o tamanho do trabalho que ele terá nos próximos dias.

Fluminense e Atlético-MG ficam no 0 a 0 no Engenhão A sequência de sete rodadas invicto do Atlético-MG finalmente foi interrompida. Mesmo assim, o Fluminense, autor do feito, não foi capaz de derrotar o líder do Campeonato Brasileiro, e o duelo no Engenhão, na tarde deste domingo, terminou 0 a 0. O Galo, no entanto, contou com uma ajudinha da arbitragem, que marcou impedimento em gol legal de Fred, em lance milimétrico. Se o Galo não dá brecha para ninguém na liderança há seis rodadas, no duelo com o terceiro colocado a alternância de domínio foi marcante. Contando com o apoio da torcida, que compareceu em bom número ao Engenhão, o Flu começou assustando. Carlinhos cruzou para Fred, que dominou e, sozinho, na marca do pênalti, bateu mal. Um cartão de visitas aos três minutos, que precedeu o controle territorial pelo menos até os 15 minutos. Mas o time mineiro soube se segurar. Aos poucos, nos contragolpes, o visitante se soltou e passou a gostar do jogo. Foi a sua vez de envolver o Tricolor, que pecava na saída de bola. Deco também não brilhava. Ronaldinho, por sua vez, se sobressaía e finalizou duas vezes com perigo e distribuiu assistências, não aproveitadas por Jô, que parou em Diego Cavalieri. Com jeitão de decisão, a partida também era pegada, com muitas faltas, reclamações e tensão. O Atlético recebeu dois cartões antes da metade da etapa (Danilinho e Junior Cesar) e reclamou dos critérios do árbitro. Um lance em especial criou polêmica: a bola bateu no braço de Wallace dentro da área, desviando sua trajetória. Mas Rodrigo Braghetto tratou como

acidente e mandou seguir. Mais compacta, a equipe de Cuca deixou o Flu para trás nos números de posse de bola: 52% a 48%, apesar de ter finalizado menos - 6 a 4. Nos dez minutos finais do primeiro tempo, a pressão cresceu, com jogadas ensaiadas diversas, passando quase sempre por todo o quarteto formado por R49, Danilinho, Bernard e Jô. Antes do apito, porém, a melhor chance foi tricolor: Fred escorou cruzamento da esquerda e obrigou Victor a fazer uma belíssima defesa com o braço esquerdo. Sem alterações, os rivais voltaram mais cautelosos. Aos 12 minutos, Fred aproveitou uma bola dividida no meio, arrancou, bateu na saída de Victor, mas parou novamente no goleiro do Galo. A resposta foi imediata: Marcos Rocha virou para Danilinho, na área, mas o meiaatacante isolou. Marcos Junior entrou no lugar de Thiago Neves e transformou o Flu em um esquadrão à antiga, com dois pontas velozes e um centroavante. Já os mineiros fizeram trocas simples: Bernard, que saiu de maca por conta de uma pancada na coxa direita, por Escudero, e Danilinho por Guilherme. Daí em diante, o Tricolor retomou as rédeas de vez e ensaiou uma pressão. De todos os lados Victor foi bombardeado, mas manteve-se seguro. Até que aos 41, Fred foi lançado, em condição legal, driblou o goleiro e marcou o gol, que foi anulado pelo assistente Vicente romano Neto. O erro - milimétrico, diga-se - foi muito contestado até depois do apito final. Os jogadores cercaram o trio de arbitragem, alegando demora na hora de parar a jogada.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

B4 | Esportes

> BRASILEIRÃO

Fluminense e Atlético-MG ficam no 0 a 0 Tricolor pressiona no fim, tem gol de Fred mal anulado, e goleiro Victor sai como destaque do Galo, que foi melhor só no 1º tempo Divulgação

Globoesporte.com A sequência de vitórias do Atlético-MG finalmente foi interrompida. Mesmo assim, o Fluminense, autor do feito, não foi capaz de derrotar o líder do Campeonato Brasileiro, e o duelo no Engenhão, na tarde deste domingo, terminou 0 a 0. O Galo, no entanto, contou com uma ajudinha da arbitragem, que marcou impedimento em gol legal de Fred, em lance milimétrico. Com dois times ofensivos, os 16.175 pagantes (19.761 presentes) viram um jogo equilibrado, com alternância de domínio, e o goleiro Victor como um dos destaques, segurando o Tricolor. Com o resultado, as posições e distâncias entre os primeiros não mudam. A equipe mineira soma agora 32 pontos, dois à frente do Vasco, que empatou com o Inter, sábado, e ainda mantém outros seis de dianteira sobre os cariocas, que vão a 26. O Inter, primeiro fora do G-4, tem 23 pontos. Na próxima rodada, o Flu visita o Coritiba, enquanto o Atlético repete a dose no estádio, quando mede forças com o Flamengo, em reencontro com Ronaldinho Gaúcho.

BOM FUTEBOL Se o Galo não dá brecha para ninguém na ponta há mais de um mês, no duelo com o terceiro colocado a alternância de domínio foi marcante. Contando com o apoio da torcida, o Flu começou assustando. Carlinhos cruzou para Fred, que dominou e,

arrancou, bateu na saída de Victor, mas parou novamente no goleiro do Galo. A resposta foi imediata: Marcos Rocha virou para Danilinho, na área, mas o meia-atacante isolou. A jogada inflamou a torcida do Galo por alguns momentos. Cuca e Abel, então, resolveram explorar as opções no banco de reservas para achar um detalhe com o equilíbrio. Marcos Junior entrou no lugar de Thiago Neves e transformou o Flu em um esquadrão à antiga, com dois pontas velozes e um centroavante. Já os mineiros fizeram trocas simples: Bernard, que saiu por conta de uma pancada na coxa direita, por Escudero, e Danilinho por Guilherme. Daí em diante, o Tricolor retomou as rédeas de vez e ensaiou uma pressão. De todos os lados Victor foi bombardeado, mas manteve-se seguro. A essa altura, o Galo tinha dificuldades para sair e só criou perigo em bola isolada de Ronaldinho. Até que aos 41, Fred foi lançado, em condição legal, driblou o goleiro e marcou o gol, que foi anulado pelo assistente Vicente Romano Neto. O time se desestruturou e não foi capaz de criar mais nada nos acréscimos. O erro - milimétrico, diga-se - foi muito contestado até depois do apito final. Os jogadores cercaram o trio de arbitragem, alegando demora na hora de parar a jogada.

Zagueiro Leandro Euzébio entra forte em disputa de bola com o meia-atacante Ronaldinho Gaúcho

sozinho, na marca do pênalti, bateu mal. Um cartão de visitas aos três minutos, que precedeu o controle territorial pelo menos até os 15 minutos. Mas o time mineiro soube se segurar. E esperou passar a correria. Aos poucos, nos contragolpes, o visitante se soltou e gostou do jogo. Foi a sua vez de envolver o Tricolor, que pecava na saída de bola. Deco também não brilhava. Ronaldinho, por sua vez, se sobressaía no retorno ao Rio desde que deixou o Flamengo. O camisa 49 finalizou duas vezes com perigo e distribuiu assistências, não aproveitadas por Jô, que parou em Diego Cavalieri. Com jeitão de decisão, a par-

tida também era pegada, com muitas faltas, reclamações e tensão. O Atlético recebeu dois cartões antes da metade da etapa (Danilinho e Junior Cesar) e reclamou dos critérios do árbitro. Um lance em especial criou polêmica: a bola bateu no braço de Wallace dentro da área, desviando sua trajetória. Mas Rodrigo Braghetto tratou como acidente e mandou seguir. Mais compacta, a equipe de Cuca deixou o Flu para trás nos números de posse de bola: 52% a 48%, apesar de ter finalizado menos - 6 a 4. Nos dez minutos finais do primeiro tempo, a pressão cresceu, com jogadas ensaiadas diversas, passando quase sempre por todo o quarteto for-

mado por R49, Danilinho, Bernard e Jô. Antes do apito, porém, a melhor chance foi tricolor: Fred escorou cruzamento da esquerda e obrigou Victor a fazer uma belíssima defesa com o braço esquerdo.

FLU PREJUDICADO Sem alterações, os rivais voltaram mais cautelosos. Não sair derrotado passou a ser a ordem de lado a lado no começo. Ainda assim, o jogo não perdeu tanto em emoção. Aos 12 minutos, Fred aproveitou uma bola dividida no meio,

Resultados / Série A 28/07 28/07 28/07 29/07 29/07 29/07 29/07 29/07 29/07 29/07

Coritiba Internacional Botafogo Bahia Sport-PE São Paulo Fluminense Santos Cruzeiro Portuguesa

2x1 0x0 1x0 0x0 0x0 4x1 0x0 2x1 2x1 3x1

Grêmio Vasco da Gama Figueirense Corinthians Atlético-GO Flamengo Atlético-MG Ponte Preta Palmeiras Náutico

Próximos jogos / Série A 4/08 - 18h30 4/08 - 18h30 4/08 - 18h30 4/08 - 21h00 5/08 - 16h00 5/08 - 16h00 5/08 - 16h00 5/08 - 16h00 5/08 - 18h30 5/08 - 18h30

Atlético-GO Flamengo Palmeiras Portuguesa Coritiba São Paulo Vasco da Gama Grêmio Náutico Cruzeiro

x x x x x x x x x x

Botafogo Atlético-MG Internacional Figueirense Fluminense Sport-PE Corinthians Bahia Santos Ponte Preta

Classificação / Série A 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º

Atlético-MG Vasco da Gama Fluminense Grêmio Cruzeiro Internacional São Paulo Botafogo Corinthians Ponte Preta Flamengo Coritiba Sport-PE Náutico Portuguesa Santos Bahia Palmeiras Atlético-GO Figueirense

P 32 30 26 24 23 23 22 20 16 16 16 15 14 13 13 13 12 10 9 8

J 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13

V 10 9 7 8 7 6 7 6 4 4 4 4 3 4 3 2 2 2 2 1

E 2 3 5 0 2 5 1 2 4 4 4 3 5 1 4 7 6 4 3 5

D 1 1 1 5 4 2 5 5 5 5 5 6 5 8 6 4 5 7 8 7

GP 25 20 22 18 17 18 21 22 13 16 16 23 13 17 10 9 11 13 12 13

GS 8 11 8 12 14 11 16 17 13 17 21 27 19 27 16 12 18 16 25 21

SG 17 9 14 6 3 7 5 5 0 -1 -5 -4 -6 -10 -6 -3 -7 -3 -13 -8

Brasil vence a Bielorrússia e vai às quartas de final Neymar mostrou o último domingo que pode ser decisivo para a Seleção. Com um gol e duas assistências (um cruzamento para Alexandre Pato e um passe de calcanhar para Oscar), o atacante foi fundamental na vitória do Brasil por 3 a 1, de virada, sobre a Bielorrússia. O resultado garantiu de forma antecipada a classificação da equipe às quartas de final do torneio masculino de futebol. Nos primeiros dez minutos, a "retranca" da Bielorrússia ficou só no desenho tático. A seleção europeia iniciou melhor e fez um gol logo aos 7. Kozlov cruzou da direita e o brasileiro naturalizado Renan Bressan testou sem chance de defesa para Neto. O lateral Rafael foi quem deixou o jogador livre na grande área para completar para as redes. Após o gol, Neymar, que atuou praticamente toda etapa inicial como um meiaesquerda, cruzou na cabeça de Alexandre Pato: 1 a 1. Na comemoração, desabafo e dedos apontados para o céu. Logo no início da etapa final, Mano colocou Lucas, Paulo Henrique Ganso e Leandro Damião no aquecimento. A primeira chance clara de gol do Brasil aconteceu aos 5. Marcelo recebeu de Oscar na entrada da área e finalizou para ótima defesa de Gutor, que espalmou para escanteio. Aos 18, Mano colocou o time ainda mais ofensivo. O treinador sacou o volante Sandro e apostou na entrada de Paulo Henrique Ganso. No minuto seguinte, a virada do Brasil. Em cobrança de falta, Neymar bateu com perfeição no mesmo canto do goleiro, mas no ângulo, para colocar a Seleção na frente: golaço, 2 a 1. Empolgado com o gol, Neymar enlouqueceu a defesa da Bielorrússia aos 34, quando arrancou pela direita, passou por três rivais, entrou na área e foi derrubado após dar um belo drible. Porém, o árbitro japonês não marcou pênalti. Aos 39, Mano tirou Alexandre Pato para a entrada de Lucas, o "xodó" dos torcedores locais por causa do interesse do United. O golpe final veio aos 47. Neymar arrancou pela esquerda, passou por dois rivais e tocou de calcanhar para Oscar, com um chute por cima do goleiro, fechar o placar: 3 a 1 para a Seleção, já garantida das quartas de final das Olimpíadas de Londres.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

Opinião |B5

Foto da semana

Editorial

O pai dos escândalos Os 38 réus do escândalo que ficou conhecido como mensalão começam a ser julgados nesta quinta-feira, dois de agosto. Cansada de corrupção - e indignada com o afrontoso esquema de compra de votos no Congresso Nacional - a sociedade brasileira só espera uma coisa do Supremo Tribunal Federal: que os culpados sejam punidos, com o rigor da lei, e que esse caso sirva de exemplo. São muitos os interesses em jogo - sobretudo interesses políticos - como grande é a pressão, direta e indireta, sobre ministros da Corte Suprema. Pressão que pode ser resumida na acintosa interferência do ex-presidente Lula ao tentar persuadir o ministro Gilmar Mendes a protelar o julgamento para depois das eleições. Nada disso, entretanto, vai mudar o rumo dos acontecimentos. O mensalão é um escândalo monumental. Graças à denúncia do então deputado federal Roberto Jefferson, o Brasil ficou sabendo do esquema de distribuição de dinheiro (dinheiro público, ressalte-se) aos parlamentares que votavam de acordo com o governo federal. O Congresso Nacional já havia sido palco de muitos escândalos, mas nenhum teve a dimensão trágica do mensalão petista. Sem exagero, sem carregar na tinta, o maior escândalo político da história da República, protagonizado por dirigentes do PT, ironicamente o partido criado sob a bandeira da decência e da probidade. Será um julgamento histórico e seu veredicto - se consonante com as expectativas da nação - terá o peso de um legado valioso que marcará a passagem dos atuais ministros do STF. A sociedade não pede um julgamento draconiano, implacável. A sociedade só não aceita que o episódio acabe em pizza, em repulsivo exemplo de impunidade. O povo está cheio de impunidades e injustiças.

O hediondo crime do tráfico de pessoas Antes do relatório final, nizado, sobretudo com o alguns dados já chamam a tráfico de drogas e com a atenção. De acordo com a falsificação de documentos. pesquisa desenvolvida pelos Na região Nordeste, ainda organismos internacionais, de acordo com a pesquisa, em parceria com o governo há uma conexão entre o tubrasileiro, existem no país rismo sexual e tráfico de dro241 rotas de tráfico, sendo gas. As capitais que apareque 110 delas estão relacio- cem como os principais lonadas ao tráfico interno e as cais de origem/destino do outras 131 direcionadas ao tráfico, são também as cidatráfico internacional de pes- des nordestinas que mais resoas. cebem turistas estrangeiros. O que merece um destaque Quando tive a honra de ocuainda maior é que um gran- par o Ministério da Justiça, de número de rotas se iniciei um minucioso trabaencontra nas regiões mais lho de enfrentamento das pobres do Brasil. A região gangues internacionais que Norte concentra 76 rotas, atuavam no Brasil. Fui pesseguida pelo Nordeste com soalmente até Israel para 69, Sudeste com 35, Centro repatriar oito cidadãs brasiOeste com 33 e a região Sul leiras que, enganadas por com 28 rotas. falsas promessas, viviam de A Pesquisa sobre Tráfico de maneira degradante nas garMulheres, Crianças e Adoles- ras das máfias internaciocentes para Fins de Explo- nais. ração Sexual Fizemos um realizou um grande esforamplo mapeaço para com“Fizemos um mento das robater tais mágrande esforço tas utilizadas fias e contei para combater pelas redes de até com o tais máfias e con- apoio do Juiz tráfico no Brasil. Todas elas tei até com apoio espanhol Baltêm uma natazar Garzón, do juiz Garzon” tureza dinâcom quem timica e são ve a oportunitrocadas ou dade de me desativadas a partir do mo- encontrar para reuniões de mento em que são detecta- trabalho e que, posteriordas. mente, ficou mundialmente Elas se concentram em cida- conhecido pelo combate ao des próximas a rodovias, crime organizado. portos e aeroportos, oficiais Este é um drama mundial, ou clandestinos, que são mas o Brasil precisa se antepontos de fácil mobilidade. cipar e propor legislações Em relação ao tráfico inter- específicas para combater nacional, o destino das trafi- este tipo de crime. Creio que cadas é um país europeu. a CPI, ao encerrar seus trabaEntretanto, há um conside- lhos, trará grandes contrirável número de rotas para buições neste campo que países da América do Sul, contarão com meu apoio sobretudo Guiana Francesa e incondicional. Suriname, e para a Ásia. Segundo este estudo, na Renan Calheiros região Norte, há fortes indíÉ senador e líder da bancada do PMDB cios de que as rotas possuam conexões com o crime orga-

De costas (blusa vermelha) ao lado de Teotonio Vilela, a secretária Regina Miki fez balanço do plano de segurança e contabilizou avanços em 30 dias

Um novo padrão contábil, agora para todos Há quase cinco anos, era promulgada a Lei 11.638/07, que trata da convergência do padrão contábil brasileiro para as chamadas IFRS - International Financial Reporting Standards, ou normas internacionais de contabilidade, adotadas atualmente por mais de 100 países. A nova legislação estabeleceu que tais normas deveriam ser adaptadas à realidade brasileira e, a partir dessa adequação, passassem a valer efetivamente para as demonstrações financeiras de 2010 das empresas de capital aberto (listadas em Bolsa) e para grandes corporações de capital fechado (com faturamento acima de R$ 300 milhões ao ano). Empresas, seus contadores, auditores, órgãos reguladores e normativos, entidades representativas de profissionais e demais instituições envolvidas nesse segmento esforçaram-se ao máximo para cumprir o que foi estabelecido na lei. Tal esforço não foi em vão, e o Brasil é hoje reconhecido como um dos integrantes da comunidade que adota de fato as IFRS. Como em todo processo de evolução de padronização de normas, as IFRS estão expandindo sua aplicabilidade, deixando de se restringir às empresas de capital aberto e às grandes empresas para serem adotadas por todas as corporações de qualquer tamanho e nível de faturamento. Embora não haja, de fato, qualquer penalidade pelo não cumprimento

desta regulamentação, o fato é que a conversão das empresas às normas é uma oportunidade e o grande desafio que se apresenta para os próximos anos está em formar e capacitar profissionais para a tarefa. Certamente haverá vários obstáculos. Mas temos certeza de que o atual processo garantirá evolução à gestão das empresas. Entre suas vantagens, está a

“Como em todo processo de evolução de padronização de normas, as IRFS estão expandindo sua aplicabilidade” adoção de um padrão internacionalmente aprovado e reconhecido. Com isso, as empresas estarão melhor preparadas em termos de governança, com suas demonstrações financeiras adequadas à análise, inclusive de agentes internacionais, abrindo espaço especialmente para o acesso e barateamento do crédito no sistema financeiro e de outras fontes de recursos. Além, é claro, de proporcionar maior segurança para a expansão geográfica, seja pelo estabele-

cimento de parcerias, joint ventures ou acordos com fornecedores internacionais, seja pela abertura de escritórios, representações ou plantas fora do país. A adoção das IFRS é, portanto, um dos pilares para garantir a conquista da "Cidadania Corporativa", especialmente para empresas jovens, de pequeno porte ou sob gestão familiar ainda não profissionalizada. Pode parecer simplificação lançar mão do termo "Cidadania Corporativa" neste debate, mas um percentual significativo de corporações no Brasil ainda não é reconhecido e respeitado por sua relevância em nossa sociedade. A conquista desse reconhecimento passa, sem dúvida, pelo desenvolvimento de instrumentos de governança, dentre os quais as IFRS são importante componente. O desafio não é simples de ser suplantado. Precisamos garantir o ensino das normas internacionais aos profissionais já atuantes, formar pessoal para a nova realidade, organizar as corporações para que estejam preparadas para assumir a mudança e tornar a adoção do padrão internacional de contabilidade uma ferramenta de desenvolvimento para as empresas e para todo o mercado. Trabalho não falta, mas os resultados tendem a ser ótimos para todos. Orlando Octávio de Freitas Jr. É sócio da área de Mercado Empreendedor da KPMG no Brasil

Medidas pontuais esgotam-se como estímulo à economia As medidas anticíclicas adotadas pelo governo desde a eclosão da crise mundial, em 2008, contribuíram para manter a economia aquecida, criar empregos e promover a inclusão socioeconômica de milhões de habitantes, em contraste com a difícil situação de numerosos outros países. No entanto, conforme alertamos em vários artigos, essas estratégias contingenciais esgotam-se como solução para conferir sustentabilidade ao PIB e estimular o instinto animal de investimento do empresariado. Desde a promulgação da Constituição de 1988, há 24 anos, portanto, o Brasil carece de medidas estruturais de sustentação perene da economia. Se as tivéssemos adotado, sua soma às políticas inclusivas, à formação de reservas cambiais próximas de US$ 400 bilhões, ao incentivo às exportações, ao aumento da renda e sua melhor distribuição e outros avanços verificados nos últimos dez anos, provavelmente estaríamos numa situação muito melhor para o enfrentamento das crises globais. Ao relegar as reformas estruturais, o País foi pego no contrapé pela crise em 2008. Na mais digna acepção do "jeitinho brasileiro", o governo estimulou o consumo, o crédito e a liquidez, com isenções fiscais, flexibilização dos compulsórios bancários e medidas pontuais de estímulo. Como toda ação de emergência, essas estratégias esgotam-se,

pois começam a desorganizar a economia, e o governo está emitindo sinais contraditórios. Ao eleger setores para a concessão de estímulos, comete um erro dramático, pois desperta a sensação nos segmentos não incluídos de que foram lesados. As desonerações pontuais estão criando uma confusão nas cadeias produtivas e gerando insegurança no espírito animal do empresário, cujo instinto

“As desonerações pontuais estão criando confusão nas cadeias produtivas e gerando insegurança no espírito dos empresários” de sobrevivência o leva à defesa. Não é possível incentivar o ânimo empreendedor apenas com a redução de juros. Essa fase já passou. Tratava-se de algo premente quando havia uma demanda muito aquecida e as empresas precisavam ampliar a produção. Dinheiro barato não basta. No Japão, por exemplo, a taxa é negativa, mas o investimento é pífio.

Empresários somente investem se houver desoneração tributária generalizada, com a eliminação definitiva de absurdos como os impostos em cascata. É necessária uma eficaz reforma tributária, que elimine distorções como a incidência, sobre a mesma base, de distintos impostos e taxas. Também não podemos continuar taxando investimentos e arcando com PIS/Cofins sobre o faturamento. Estamos sob o risco de uma perigosa escalada de recessão. Não podemos mais ignorar as reformas estruturais. É preciso que se adotem medidas sóbrias e tecnicamente corretas, capazes de estabelecer uma nova perspectiva de confiança do empresariado. Sobretudo, é fundamental um regime tributário que desonere toda a atividade produtiva. Em contraste com os benefícios segmentados, a sociedade brasileira está pagando mais tributos do que nunca. A política econômica tem emitido sinais contrários às falas da presidente Dilma Rousseff. É preciso sintonizar discurso e prática enquanto o País ainda tem fôlego para evitar o pior. Antoninho Marmo Trevisan É presidente da Trevisan Escola de Negócios e membro do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República

> OS ARTIGOS SÃO DE RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES E NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DESTE JORNAL

Endereço:

PRIMEIRA EDIÇÃO JORNAL ON-LINE IMPRESSA LTDA - ME CNPJ 08.078.664/0001-85 CMC 130003

Rua Moema Cavalcante Basto, 314 Lot. Barra Mar | CEP 57.180-000 Fone: (82) 3325-2815 Barra de São Miguel | Alagoas Atendimento ao assinante: (82) 3325-2815

Luiz Carlos Barreto Goes Diretor-Geral

Romero Vieira Belo Diretor Editorial

Alda Sampaio Diretora Comercial

FTPI Representação Publicidade e Marketing Ltda Representante nacional do Primeira Edição Alameda dos Maracatins, nº 508 - 9º andar - Indianópolis/SP CNPJ 03.269.504/0001-08 / Insc. Est. Isenta Tel: (81) 2128-4350 / Cel: (81) 9175-5829 fred.recife@ftpi.com.br


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

B6 | Diário Oficial dos Municípios

PREFEITURA MUNICIPAL DE PENEDO GABINETE DO PREFEITO EXTRATO DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO AO CONTRATO DE EXECUÇÃO DE OBRA TP Nº 06/2011 FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PENEDO E A EMPRESA MB DILL CONSTRUÇÕES. Processo nº 046/2012/SEINFRO Número do Contrato TP Nº 06/2011 Contratante: MUNICÍPIO DE PENEDO/AL – CNPJ 12.243.697/0001-00 Contratado: MB DILL CONSTRUÇÕES – CNPJ/MF sob o nº 10.437.778/0001-16 Espécie: PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO AO CONTRATO nº TP 06/2011 VISANDO PRORROGAR O PRAZO CONTRATUAL E RATIFICAR AS DEMAIS CLÁUSULAS E CONDIÇÕES. Objeto: ADITAR O PRAZO DO CONTRATO TP Nº 06/2011. Objeto do Contrato Inicial: CONSTRUÇÃO DE QUADRA POLIESPORTIVA DA ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA VEREADOR MANOEL SOARES DE MELO, NESTE MUNICÍPIO. Prazo de Vigência do Contrato:120 (cento e vinte) DIAS CONTADOS A PARTIR DO TÉRMINO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. SIGNATÁRIOS: ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO – PELA CONTRATANTE E MICHELL BAROSA DILL – PELA CONTRATADA. DATA DE ASSINATURA DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO: 24 DE JULHO DE 2012. -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PENEDO GABINETE DO PREFEITO EXTRATO DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO AO CONTRATO DE EXECUÇÃO DE OBRA TP Nº 05/2011 FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PENEDO E A EMPRESA LEMY ENGENHARIA E DECORAÇÃO LTDA. Processo nº 044/2012/SEINFRO Número do Contrato TP Nº 05/2011 Contratante: MUNICÍPIO DE PENEDO/AL – CNPJ 12.243.697/0001-00 Contratado: LEMY ENGENHARIA E DECORAÇÃO LTDA – nº 05.355.939/0001-92. Espécie: PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO AO CONTRATO nº TP 05/2011 VISANDO PRORROGAR O PRAZO CONTRATUAL E RATIFICAR AS DEMAIS CLÁUSULAS E CONDIÇÕES. Objeto: ADITAR O PRAZO DO CONTRATO TP Nº 05/2011. Objeto do Contrato Inicial: REMANESCENTES DA REFORMA DE PRAÇA NO BAIRRO SENHOR DO BONFIM, NESTE MUNICÍPIO. Prazo de Vigência do Contrato: 90 (noventa) DIAS CONTADOS A PARTIR DO TÉRMINO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. SIGNATÁRIOS: ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO – PELA CONTRATANTE E YONHALLA TEIXEIRA DE CARVALHO – PELA CONTRATADA. DATA DE ASSINATURA DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PRAZO: 29 DE JUNHO DE 2012. -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE QUEBRANGULO EXTRATO DE CONTRATO CONTRATANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE QUEBRANGULO CNPJ. 12.241.675/0001-01. CONTRATADA: CONSTRUTORA DOMNA LTDA, CNPJ 14.285.405/0001-28. Valor: R$ 184.013,25 (cento e oitenta e quatro mil treze reais e vinte e cinco centavos). Objeto: Cobertura da quadra da Escola Municipal Jovelina Saldanha. Vigência: 27/07/2012 a 27/12/2012. Fonte de Recurso: 06.00-06.61-1.0404.4.90.51.00.00.00.00.0030 -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE QUEBRANGULO TERMO DE HOMOLOGAÇÃO O Prefeito do Município de Quebrangulo, Estado de Alagoas no uso de suas atribuições e em conformidade com a lei 8.666-93, resolve HOMOLOGAR a Tomada de Preço 03/2012, Processo Administrativo Nº 02454/2012. Objeto: Cobertura da quadra da Escola Municipal Jovelina Saldanha. Vencedora pelo menor preço: CONSTRUTORA DOMNA LTDA, CNPJ 14.285.405/0001-28. Valor: R$ 184.013,25 (cento e oitenta e quatro mil treze reais e vinte e cinco centavos). Quebrangulo, 25 de julho de 2012. Marcelo Ricardo Vasconcelos Lima Prefeito

-------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PENEDO HOMOLOGAÇÃO O Prefeito Municipal de Penedo no uso de suas atribuições regulamentares e considerando o julgamento da Comissão de Licitação da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras– CL/SEINFRO, instituída pela Portaria nº 6.826/2012 de 07 de março de 2012, na conformidade do Parecer PGM, RESOLVE HOMOLOGAR o procedimento licitatório referente à Tomada de Preços 08/2012, classificando vencedora do certame seletivo a empresa LÍDER ENGENHARIA E EMPREEDIMENTOS LTDA com o valor de R$ 890.029,63 ( oitocentos e noventa mil vinte e nove reais e sessenta e três centavos). Gabinete do Prefeito, em 11 de julho de 2012. ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO Prefeito REPUBLICADO POR INCORREÇÃO -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PENEDO GABINETE DO PREFEITO EXTRATO DE CONTRATO – TP 08/2012 Número de Contrato TP 08/2012 VINCULAÇÃO DO CONTRATO – TOMADA DE PREÇOS Nº 08/2012 Contratante Município de Penedo/AL – CNPJ 12.243.697/0001-00 Contratado: LÍDER ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS LTDA OBJETO: Contratação de Empresa para execução e conclusão das obras e serviços de Construção de Unidade de Educação Infantil, Tipo C – PROINFÂNCIA – FNDE, no Conjunto rosete Andrade, neste Município. VALOR DO CONTRATO: R$ 890.029,63 (oitocentos e noventa mil vinte e nove reais e sessenta e três centavos) CONSIGNAÇÃO DO RECURSO: TERMO DE COMPROMISSO PAC 203183/2012/PM PENEDO DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: – Órgão 06.00 – SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, 06.61 – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica – Proj/ativ 1.030 – Construção e/ou Reforma de Creche Escolar, Elemento de Despesa 4.4.90.51.00.00.00.00.0.1.0030 – Obras e Instalações, do Orçamento vigente do Município de Penedo. PRAZO DE EXECUÇÃO DA OBRA: 270 (duzentos e setenta) dias consecutivos FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: TOMADA DE PREÇOS Nº 08/2012, PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 0530-009/2012 SIGNATÁRIOS: ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO E JOÃO MANOEL SIEGFRIED BARROS CALHEIROS DATA DE ASSINATURA DO CONTRATO: 12 DE JULHO DE 2012. ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO PREFEITO MUNICIPAL REPUBLICADO POR INCORREÇÃO -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE FLEXEIRAS HOMOLOGAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL N° 002/2012 A Prefeita do Município de Flexeiras HOMOLOGA o presente processo, importando o mesmo o valor total de R$ 333.089,90 (trezentos e trinta e três mil oitocentos e nove reais e noventa centavos). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 PP I CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: RCM COMERCIO LTDA, CNPJ: 05.215.423/0001-42. OBJETO: Aquisição de Equipamento e Material Permanente, de R$ 126.688,90 (vinte e seis mil seiscentos e oitenta e oito reais e noventa centavos). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 PP II CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: CEZÁRIOS MOVÉIS E COMÉRCIO LTDA EPP, CNPJ: 03.016.072/0001-15. OBJETO: Aquisição de Equipamento e Material Permanente, de R$ 103.019,00 (cento e três mil e dezenove reais). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 PP III CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: W. A. COMERCIO LTDA, CNPJ: 12.475.519/0001-05. OBJETO: Aquisição de Equipamento e Material Permanente, de R$ 29.670,00 (cento e dois mil setecentos e dezenove reais).

EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 PP IV CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: COMERCIAL COLOMBO LTDA - EPP, CNPJ: 10.449.397/0001-57. OBJETO: Aquisição de Equipamento e Material Permanente, de R$ 22.911,00 (vinte e dois mil novecentos e onze reais). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 PP V CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: OB DISTRIBUIDORA LTDA ME, CNPJ: 12.064.073/0001-26. OBJETO: Aquisição de Equipamento e Material Permanente, de R$ 50.801,00 (cinquenta mil oitocentos e um reais). Flexeiras/AL, 23 de julho de 2012. Silvana Maria Cavalcante da Costa Pinto | Prefeita -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE ATALAIA HOMOLOGAÇÃO – PREGÃO PRESENCIAL Nº 007/2012 O Prefeito do município de Atalaia homologa o presente processo no valor total de R$ 1.611.101,30 (hum milhão, seiscentos e onze mil, cento e um reais e trinta centavos). EXTRATO DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 007/2012 Modalidade: Pregão Presencial nº 007/2012 – Objeto: Registro de Preços para Fornecimento de Material de Limpeza e Higiene Pessoal – CONTRATANTE: Município de Atalaia, CNPJ: 12.200.143/0001-26. DETENTORA 01: José Maria da Silva & Cia Ltda, CNPJ nº 11.223.386/0001-17; e DETENTORA 02: SP Comércio e Serviços Ltda, CNPJ nº 01.663.303/0001-57. Foro: Atalaia – Data de Assinatura: 14/05/2012 – Ordenador da despesa: Francisco Luiz de Albuquerque. O conteúdo integral desta Ata de Registro de Preços encontra-se a disposição na sede do município, a Rua Fernando Gondim, nº 114, Centro, Atalaia/AL. Atalaia, 14 de maio de 2012. Francisco Luiz de Albuquerque| Prefeito -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE ATALAIA HOMOLOGAÇÃO – PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2012 O Prefeito do município de Atalaia homologa o presente processo no valor total de R$ 1.986.084,58 (hum milhão, novecentos e oitenta e seis mil, oitenta e quatro reais e cinquenta e oito centavos). EXTRATO DE ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 006/2012 Modalidade: Pregão Presencial nº 006/2012 – Objeto: Registro de Preços para Fornecimento de Material de Expediente – CONTRATANTE: Município de Atalaia, CNPJ: 12.200.143/000126. DETENTORA 01: José Maria da Silva & Cia Ltda, CNPJ nº 11.223.386/0001-17; e DETENTORA 02: OB Distribuidora Ltda ME, CNPJ nº 12.064.073/0001-26. Foro: Atalaia – Data de Assinatura: 14/05/2012 – Ordenador da despesa: Francisco Luiz de Albuquerque. O conteúdo integral desta Ata de Registro de Preços encontra-se a disposição na sede do município, a Rua Fernando Gondim, nº 114, Centro, Atalaia/AL. Atalaia, 14 de maio de 2012. Francisco Luiz de Albuquerque | Prefeito -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE QUEBRANGULO AVISO DE LICITAÇÃO REPUBLICADO POR CORREÇÃO A CPL do município de Quebrangulo informa aos interessados que estará realizando a seguinte licitação abaixo: Tomada de Preço: 04/2012 do Tipo melhor Técnica e Preço. Órgão: Procuradoria Geral do Município. Objeto: Contratação de empresa especializada para realização de concurso público, para provimentos de cargos efetivos. Data/Hora: 30 de agosto de 2012, as 09h00min. O edital do processo encontra-se a disposição dos interessados na sala da CPL, no horário de 08h00min as 12h00min. Sito: Praça Getúlio Vargas, 50 – Centro - Quebrangulo – AL. (82) 3288 1159 - cpl.quebrangulo@gmail.com. Quebrangulo, 24 de julho de 2012. LUCIVAN ALEXANDRINO DE BARROS | Presidente CPL -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE FLEXEIRAS HOMOLOGAÇÃO DA TOMADA DE PREÇOS N° 002/2012 A Prefeita do Município de Flexeiras homologa o presente

processo, importando o mesmo o valor total de R$ 160.053,54 (cento e sessenta mil cinquenta e três reais e cinquenta e quatro centavos). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 – TP CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Flexeiras, CNPJ: 12.262.721.0001/59. CONTRATADA: Clara Construções Ltda EPP, CNPJ: 09.475.434/0001-12. OBJETO: Reconstrução de 60 (Sessenta) Unidades Habitacionais. VALOR: R$ 160.053,54 (cento e sessenta mil cinquenta e três reais e cinquenta e quatro centavos). Flexeiras/AL, 04 de junho de 2012. Silvana Maria Cavalcante da Costa Pinto Prefeita -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE BRANQUINHA HOMOLOGAÇÃO DA TOMADA DE PREÇOS N° 002/2012 A Prefeita do Município de Branquinha homologa o presente processo, importando o mesmo o valor total de R$ 1.011.233,00 (Um milhão onze mil e duzentos e trinta reais). EXTRATO DO CONTRATO N° 002/2012 - TP CONTRATANTE: Prefeitura Municipal de Branquinha, CNPJ: 12.332.995/0001-77. CONTRATADA: Seurb Serviços Urbanos e Industrial Ltda, CNPJ: 09.253.195-56. OBJETO: Construção de 02 (duas) Quadras Poliesportivas. VALOR: R$ 1.011.233,00 (Um milhão onze mil e duzentos e trinta reais). Branquinha/AL, 13 de julho de 2012. Ana Renata da Purificação Moraes Prefeita -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE QUEBRANGULO AVISO DE LICITAÇÃO REPUBLICADO POR CORREÇÃO A CPL do município de Quebrangulo informa aos interessados que estará realizando a seguinte licitação abaixo: Tomada de Preço: 04/2012 do Tipo melhor Técnica e Preço. Órgão: Procuradoria Geral do Município. Objeto: Contratação de empresa especializada para realização de concurso público, para provimentos de cargos efetivos. Data/Hora: 30 de agosto de 2012, as 09h00min. O edital do processo encontrase a disposição dos interessados na sala da CPL, no horário de 08h00min as 12h00min. Sito: Praça Getúlio Vargas, 50 – Centro - Quebrangulo – AL. (82) 3288 1159 - cpl.quebrangulo@gmail.com. Quebrangulo, 24 de julho de 2012. LUCIVAN ALEXANDRINO DE BARROS Presidente CPL -------------------------------------------------------------------------PREFEITURA MUNICIPAL DE PENEDO GABINETE DO PREFEITO EXTRATO DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PREÇO AO CONTRATO DE EXECUÇÃO DE OBRA Nº TP 05/2011 FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE PENEDO E A EMPRESA LEMY ENGENHARIA E DECORAÇÃO LTDA. Processo nº 047/2012/SEINFRO Número do Contrato TP 05/2011 Contratante: MUNICÍPIO DE PENEDO/AL – CNPJ 12.243.697/0001-00 Contratado: EMPRESA LEMY ENGENHARIA E DECORAÇÃO LTDA, CNPJ Nº 05.355.939/0001-92. Objeto: DECRÉSCIMOS DE SERVIÇOS AO OBJETO INICIALMENTE PACTUADO, DECORRENTES DAS MODIFICAÇÕES DA PROPOSTA CONTRATADA. Valor: EM RAZÃO DOS DECRÉSCIMOS DE SERVIÇOS AO CONTRATO, NO VALOR DE R$ 2.692,20 (dois mil seiscentos e noventa e dois reais e vinte centavos) O VALOR DO CONTRATO PASSA A VALER R$ 149.618,51 (cento e quarenta e nove mil seiscentos e dezoito reais e cinquenta centavos). Da Ratificação: FICAM RATIFICADAS AS DEMAIS CLÁUSULAS DO CONTRATO Nº TP 05/2011 QUE NÃO COLIDAM COM AS DESTE INSTRUMENTO. SIGNATÁRIOS: ISRAEL RAMIRES SALDANHA NETO – PELA CONTRATANTE E YONHALLA TEIXEIRA DE CARVALHO – PELA CONTRATADA. DATA DE ASSINATURA DO PRIMEIRO TERMO ADITIVO DE PREÇO: 18 DE JULHO DE 2012.

> FÓRMULA 1

Hamilton vence e confirma favoritismo Piloto da McLaren chega a 117 pontos e volta à briga pelo título; Alonso fica em 5º no dia em que comemorou idade nova Divulgação

BUDAPESTE - O inglês Lewis Hamilton venceu o GP da Hungria de Fórmula 1, neste domingo, em Budapeste, e comprovou o favoritismo que ganhou nos treinos livres e na sessão classificatória para o grid de largada da corrida, que foi a 11.ª etapa do Mundial. Com o resultado, o piloto da McLaren chegou aos 117 pontos e voltou à briga pelo título do campeonato. O finlandês Kimi Raikkonen, por sua vez, brilhou ao conquistar a segunda posição, depois de ter largado do quinto lugar. O feito fez o piloto da Lotus chegar aos 116 pontos e também a figurar mais diretamente como outro postulante ao título. E o domingo acabou sendo um dia realmente a ser comemorado pela Lotus, pois o francês Romain Grosjean, que largou em segundo, fechou a corrida na terceira posição e completou o pódio na Hungria, enquanto o alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, ficou com o quarto lugar. O espanhol Fernando Alonso, por sua vez, comemorou neste domingo o seu aniversário de 31 anos com uma discreta quinta posição, mas que foi mais do que suficiente para que ele ampliasse ainda mais a sua boa vantagem na liderança do campeonato. Agora ele conta com 164 pontos e tem 40 a mais que o vice-líder Mark Webber, da Red Bull, apenas o oitavo colocado neste domingo. Já Vettel se manteve na terceira posição do campeonato, mas tem 122 pontos e agora vê Hamilton e Raikkonen muito próximos dele. Entretanto, a desvantagem em relação a

Comemoram no pódio: o finlandês da Lotus Kimi Raikkonen (2º), o inglês Lewis Hamilton da McLaren (1º) e o francês Romain Grosjean, também da Lotus (3º)

Webber agora é de apenas dois pontos.

A CORRIDA A prova deste domingo começou de forma meio atrapalhada, pois os pilotos deram duas voltas de apresentação na pista depois de a primeira largada ser abortada. O alemão Michael Schumacher não percebeu que essa segunda volta seria necessária e desligou o motor do seu carro, sendo empurrado em seguida para os boxes. Para completar o deslize, Schumacher ainda excedeu o limite de velocidade no pit lane e foi punido com uma parada obrigatória, após ter largado dos boxes. Na pista, Hamilton sustentou a primeira posição após largar na pole, assim como Grosjean se manteve na vice-liderança, Vettel sustentou a tercei-

ra colocação e o inglês Jenson Button segurou o quarto posto do grid. Já Alonso largou melhor do que Raikkonen e assumiu o quinto lugar, enquanto o australiano Mark Webber também brilhou ao conseguir saltar logo de cara de 11.º para o sétimo lugar. O brasileiro Bruno Senna, por sua vez, largou bem da nona posição e ultrapassou o venezuelano Pastor Maldonado, seu companheiro de Williams, e também o seu compatriota Felipe Massa, da Ferrari, que saiu em sétimo. Após dominar o primeiro dia de treinos livres e depois o de classificação, Hamilton justificou a sua superioridade na pista no início da corrida deste domingo, cravando por duas vezes a melhor volta da corrida até o 11.º giro dos pilotos na pista. Grosjean, porém, seguia na

mesma toada e também cravou duas voltas mais rápidas na fase inicial da corrida e se mantinha próximo a Hamilton. E já no primeiro terço da corrida todos os pilotos já haviam ido para os boxes para trocar pneus, sendo que apenas Grosjean, Vettel e Raikkonen mantiveram os pneus macios. Em meio a todo este processo de paradas, Button acabou ficando com a terceira posição e Vettel caiu para o quarto lugar, enquanto Grosjean seguia colocando pressão sobre Hamilton. E, após uma nova jornada de trocas de pneus dos pilotos nos boxes, Hamilton perdeu por pouco tempo a liderança para Raikkonen, beneficiado pela série de paradas dos pilotos que vinham na sua frente. Alonso, um dos últimos dos ponteiros a fazer a segunda parada, foi para os boxes na 44.ª

volta e retornou para a pista em sétimo lugar, logo à frente de Bruno Senna. Na 46.ª volta, Raikkonen partiu para a sua segunda parada nos boxes e voltou para a pista justamente no momento em que Grosjean cruzava a reta. E, com uma ultrapassagem arrojada, ele chegou a jogar o parceiro de Lotus para fora da pista para ficar com a segunda posição, com Hamilton já tendo retomado a ponta. E, em ritmo forte, Raikkonen é que começou a pressionar Hamilton, mas o inglês se segurava de forma segura na ponta, embora a diferença seguisse pequena entre ele e o finlandês. Já Vettel fez a sua terceira parada e conseguiu voltar na mesma quarta posição que ocupava, logo à frente de Alonso, o quarto, que tentou pressionar, mas acabou ficando mesmo em

quinto. Já entre os brasileiros, Bruno Senna conquistou a sétima posição, enquanto Massa foi apenas o nono. Para o piloto da Williams, o resultado pôde ser considerado expressivo, pois ele largou em nono. O ferrarista, que vinha em evolução nas duas últimas corridas, voltou a amargar uma prova ruim depois de sair do sétimo posto do grid. Logo à frente de Senna na prova deste domingo, por sinal, ficou o inglês Jenson Button, da McLaren, o sexto. Depois da realização do GP da Hungria, a Fórmula 1 terá agora uma pausa de mais de um mês e só contará com a sua próxima etapa no dia 2 de setembro, em Spa-Francorchamps, na Bélgica, palco da 12.ª corrida da temporada de 2012.

Mundial de pilotos 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º

PILOTO Fernando Alonso Mark Webber Sebastian Vettel Lewis Hamilton Kimi Räikkönen Nico Rosberg Jenson Button Romain Grosjean Sergio Pérez Kamui Kobayashi Pastor Maldonado Michael Schumacher Paul di Resta Felipe Massa Bruno Senna Nico Hülkenberg Jean-Éric Vergne Daniel Ricciardo

P 164 124 122 117 116 77 76 76 47 33 29 29 27 25 24 19 4 2


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

Especial |B7

> PENDENGA

Governo tem de repassar R$ 50 bi a estados Congresso Nacional tem que decidir sobre distribuição até o final do ano, segundo determinação do Supremo Tribunal Federal Divulgação

Senador Eunício Oliveira, presidente da CCJ, diz que as discussões interessam a todos os congressistas e ocorrerão durante o periódo eleitoral

Um contencioso de quase R$ 50 bilhões, em que estão envolvidos os estados e o Distrito Federal, terá de ser decidido pelo Senado e pela Câmara dos Deputados até o fim deste ano. O prazo foi estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal ao considerar inconstitucionais as atuais regras de distribuição do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE), previstas na Lei Complementar 62/1989. Sem critérios previamente definidos, a União não terá como distribuir esses recursos a partir de janeiro de 2013. Correndo contra o tempo, as comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) planejam uma série de audiências públicas neste segundo semestre para discutir o assunto. O presidente da CCJ, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse à Agência Senado que as discussões ocorrerão paralelamente às eleições municipais, em que todos os parlamentares estarão direta ou indiretamente envolvidos. O presidente da CAE, senador Delcídio Amaral (PT-MS), informou à Agência Senado que serão convidados para as audiências públicas secretários

de Fazenda dos estados - um representando cada região - e o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. A fim de agilizar a discussão, as audiências poderão ser realizadas em conjunto com a Câmara, ao longo dos esforços concentrados para votação de matérias, como afirmou Delcídio Amaral. O objetivo é produzir um substitutivo a todos os projetos em tramitação, que teria preferência para votação nas comissões e no Plenário do Senado e da Câmara.

CRITÉRIOS No Senado e na Câmara tramitam várias propostas, a maioria consagrando o critério distributivo do FPE, pelo qual estados com rendas per capita mais baixas são contemplados com fatias maiores de recursos. Hoje, 85% do montante do FPE vão para os estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e 15%, para os estados das regiões Sudeste e Sul. Algumas propostas, como a do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) - PLS 744/2011 -, introduziram critérios diferentes. Para Crivella, a participação de cada estado e do Distrito Federal no FPE observará inicial-

mente a diretriz devolutiva. Como o FPE é composto de 21,5% do montante arrecadado do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o senador propôs que se fizesse inicialmente a devolução aos estados que geraram essa arrecadação tributária o montante ali obtido pela União com IR e IPI. O que sobrasse seguiria a partilha distributiva - inversamente proporcional à renda per capita anual de cada ente federativo. Esse critério recebeu parecer pela rejeição da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR), sob o argumento de que contraria o objetivo da partilha, estabelecido na Constituição, de promover o equilíbrio socioeconômico entre os estados. Para os senadores da CDR, após a devolução, nada sobraria para a partilha distributiva.

PLS 289/2011 -, é a reserva de parte dos repasses do FPE para estados que abriguem unidades de conservação da natureza ou terras indígenas demarcadas. Detalhando o caráter distributivo - comum à maioria dos projetos -, ambas as propostas prevêem o uso de indicadores sociais para o repasse. Além de consagrar a utilização da renda per capita calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essas propostas incluem indicadores como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o coeficiente de atendimento domiciliar de água tratada e esgoto. A idéia é fazer a distribuição pelo inverso dos indicadores: estados com números ruins receberiam proporcionalmente maiores quotas do FPE.

EDUCAÇÃO CONSERVAÇÃO Outra inovação, proposta pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) - PLS 192/2011 - e pelos senadores Randolfe Rodrigues (PSOLAP), Romero Jucá (PMDBRR), Valdir Raupp (PMDBRO) e Jorge Viana (PT-AC) -

Já o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) propôs, no PLS 114/2012, a incorporação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nos critérios de distribuição do FPE. A intenção de Cristovam é destinar aos estados cujas escolas têm o Ideb mais baixo a maior fatia dos recursos. Como esse indicador mede a qualidade de cada escola, o objetivo é fazer com que o FPE tenha na educação a mesma função de promover o equilíbrio socioeconômico entre os estados. A mescla de critérios é comum às propostas. O PLS 761/2011, do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), prevê a partilha igualitária de um montante e a distribuição do restante com base em indicadores sociais, população e tamanho do estado. Além disso, Ferraço quer a criação de um fundo de estabilização para prevenir a oscilação e assegurar a previsibilidade da receita. Outros projetos que disciplinam o rateio do FPE são PLS 35/2012, do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP); PLS 89/2012, do senador João Vicente Claudino (PTB-PI); e PLS 100/2012, do senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Estudo da Consultoria Legislativa do Senado mostra o impacto de cada proposta no rateio dos recursos para os estados.


Primeira Edição | 30 de julho a 5 de agosto, 2012

B8 | Social

> ACONTECENDO

ANIVERSÁRIO DE BEBETO VILAR

O empresário Bebeto Vilar comemorou mais um ano de vida no último dia 22. Para celebrar a nova idade, escolheu a cidade do Recife, onde esteve reunido com os familiares e amigos.


30072012